PRÁTICAS DE LEITURA DE ESTUDANTES DO CURSO DE PEDAGOGIA/UFMT

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PRÁTICAS DE LEITURA DE ESTUDANTES DO CURSO DE PEDAGOGIA/UFMT"

Transcrição

1 INTRODUÇÃO PRÁTICAS DE LEITURA DE ESTUDANTES DO CURSO DE PEDAGOGIA/UFMT OLIVEIRA, Ana Arlinda de. PPGE/GEPLL/UFMT* Este artigo é resultado de pesquisa que mostrou aspectos da leitura no cotidiano de cento e treze estudantes do quarto ano do curso de Pedagogia da Universidade Federal de Mato Grosso. Conhecer suas vivências de leitura ofereceu oportunidade de refletir como se dá essa prática, a partir do contexto social em que vivem e de como se constituem leitores no dia-a-dia, como também no ambiente acadêmico, onde fazem sua formação inicial para a docência. Para esses estudantes, a leitura visa, principalmente, o desenvolvimento profissional. No entanto, eles não lêem somente na universidade, mas em todos os momentos de sua vida e de acordo com suas necessidades. Como ler faz parte da formação pessoal e profissional, certamente em sua prática pedagógica a leitura será de fundamental importância para gerar conhecimentos. A história de leitura de cada um desses estudantes, sem dúvida, refletirá na formação leitora de seus alunos. OBJETIVO - Conhecer as práticas de leitura dos alunos da disciplina Linguagem e Metodologia do Ensino IV do curso de Pedagogia da Universidade Federal de Mato Grosso. METODOLOGIA A abordagem escolhida é a da pesquisa que engloba aspectos qualitativos e quantitativos. Para a coleta de informações, junto aos alunos recorreu-se à aplicação de questionários. O instrumento utilizado para coletar as informações, com algumas adaptações, teve como fonte um questionário desenvolvido em pesquisa da Universidade Estadual de Campinas intitulada O que pensam as pessoas sobre a leitura e a escrita, publicada na Revista Leitura: teoria e prática. no. 11, junho/ LEITURA: DIÁLOGO COM O TEXTO Numa perspectiva de pratica social a leitura é entendida como aquela que permite ao sujeito leitor participar de diferentes situações discursivas, nas quais seja possível atender à finalidade de interação pela linguagem. A concepção interacionista concebe que a leitura é o resultado da interação entre o autor, o texto e o leitor. A leitura como processo discursivo, apresenta o texto como lugar no qual autor e leitor interage por meio da materialidade do texto que se constrói concretamente a cada leitura, e que são

2 mediados pelas condições de produção desde o momento em que o texto é produzido. * Profa. do Mestrado em Educação da UFMT. Linha de Pesquisa Educação e Linguagem. GEPLL Grupo de Estudos e Pesquisas sobre Leitura e Letramento Como o leitor nesse processo não é passivo, mas é o agente que busca significações o sentido de um texto não é jamais interrompido, já que ele se produz nas situações dialógicas, ilimitadas que constituem suas leituras possíveis (Authier-Revuz, J. apud Geraldi, 1984, p. 80). Assim, o leitor não apreende meramente um sentido que está lá, mas atribui sentidos ao texto, relacionado... à sua natureza, às condições de produção, aos modos de relação, de trabalho e produção de sentidos e de historicidade. A leitura é o momento crítico da produção da unidade textual, da sua realidade significante. É nesse momento que os interlocutores se identificam como interlocutores e, ao fazê-lo desencadeia o processo de significação do texto. Assim, sujeitos e sentidos se constroem simultaneamente, num mesmo processo que se define pela atribuição de múltiplos sentidos ao texto (ORLANDI, 1993, p. 12). É essencial para a leitura o desenvolvimento dos conhecimentos prévios por parte do leitor, o que acontece quando há interação entre o conhecimento que o leitor possui e novos conhecimentos que vão surgindo, por meio de outros textos. Os conhecimentos prévios são compreendidos como aqueles construídos pelos sujeitos, ao longo de sua existência e que corroboram para a compreensão e a significação que o leitor dá à sua leitura. Chartier (1996, p. 20) afirma que, cada leitor a partir de suas próprias referências individuais, sociais, históricas ou existenciais dá um sentido mais ou menos singular, mais ou menos compartilhado, aos textos de que se apropria. O ato de ler, seja das páginas de um livro ou qualquer outro suporte de leitura, deve interagir entre a realidade de mundo do leitor, de modo a permitir o diálogo, o questionamento, a recusa ou aceite de um conteúdo, desde que permita a constatação de conhecimentos que o leitor traz previamente em sua história de leitura. Para Silva (2000), o ato de ler necessita de duas habilidades, a saber: compreensão e interpretação. Compreender é assumir a intenção total, não apenas assumir o que as coisas representam, o seu simbolismo, as suas propriedades, mas o modo específico de existir das coisas que se expressam na composição do texto, nas idéias que se desvelam, no pensamento do autor do texto (Silva, 2000, p. 26). Com relação ã interpretação este autor entende que o trabalho interpretativo, portanto, revela-se como o desvelamento, elaboração e explicitação das possibilidades de significação do documento pela compreensão (Silva, 2000, p. 71). A familiaridade com textos diversificados facilita o aprendizado das características dos diversos gêneros, promove o desenvolvimento do vocabulário, e, conseqüentemente, possibilita ao sujeito fazer uso da intertextualidade, entendida como a capacidade de diálogo que pode ser

3 estabelecida entre diferentes textos que circulam socialmente. A reflexão se instaura como um dos elementos da leitura crítica que, por sua vez, objetiva do leitor um posicionamento diante do texto, a fim de resignificá-lo. Oliveira (2005, p. 136), concebe que o ato de ler caracteriza-se como um processo em que leitor e autor assumem papéis de interlocutores na construção de sentido do texto, portanto um leitor maduro interage com o texto interrogando, criticando e construindo significados, enxergando a pluralidade da interpretação, desvelando significados do texto; ao passo que o leitor acrítico retira do texto apenas informações fragmentadas e superficiais. A criticidade permite ao leitor ampliar o campo da compreensão buscando a reflexão e o confronto de idéias apresentadas no texto. A formação do leitor e a formação docente A formação para a docência exige um sujeito que tenha familiaridade com as práticas sociais de leitura e, portanto, com determinado nível de letramento. Soares (2003) explicita seu entendimento do que seja letramento: Ao exercício efetivo e competente da tecnologia da escrita denomina-se letramento que implica habilidades várias, tais como; capacidade de ler ou escrever para atingir diferentes objetivos para informar ou informar-se, para interagir com outros, para imergir no imaginário, no estético, para ampliar conhecimentos, para seduzir ou induzir, para divertir-se, para orientar-se, para apoio à memória, para catarse; habilidades de interpretar, produzir diferentes tipos e gêneros de textos, habilidade de orientar-se pelos protocolos de leitura que marcam o texto ou de lançar mão desses protocolos, ao escrever; atitudes de inserção efetiva no mundo da escrita, tendo interesse e prazer em ler e escrever; sabendo utilizar a escrita para encontrar ou fornecer informações e conhecimentos, escrevendo ou lendo de forma diferenciada, segundo as circunstâncias, os objetivos, o interlocutor (SOARES, 2003, p. 92). A constituição do leitor, e sua história pessoal de leitura são afetadas pelo contexto histórico, cultural, político e econômico e, portanto, apresenta variações de acordo com diferentes modos de inserção no mundo da cultura letrada (Almeida apud Kleiman, 2000, p. 115). O professor pensado como um agente cultural no ambiente escolar não pode estar excluído de sua condição de leitor e de consumidor dos bens da cultura. No entanto, por suas condições econômicas e histórico-culturais, ele sofre o desprestígio social que culmina cada vez mais por confiná-lo a um mundo de letramento restrito. Batista (1998, p ) considera que a situação do professor-leitor é decorrente da falsa democratização cultural, que promove uma exclusão tardia ou a inclusão relativa desses docentes no universo da cultura legítima, situação que é reproduzida e transferida para seus alunos, provenientes de camadas sociais populares, de forma a perpetuar, por meio da instituição escolar, as condições de desigualdade social e cultural. O autor apresenta algumas posições que explicam os modos como se dá a leitura: A primeira posição é de que a leitura seria a leitura de livros denominados como literatura de prestígio, concebida como patrimônio literário

4 e parte do universo de uma verdadeira cultura. Porém, esta categoria de literatura estaria correndo perigo, particularmente pela ascensão da cultura de massa e pela democratização da cultura. A segunda posição é a que se organiza em torno do discurso do prazer da leitura e de seu valor intrínseco. A leitura seria para o prazer sem obrigações, e sem esforço, nenhuma disciplina ou rotina escolar. A leitura seria um bem em si mesmo. O leitor seria aquele que teria o direito de parar de ler, de saltar partes, de negar-se a uma leitura que é controlada e controladora, em nome do prazer e da fruição criando assim um espaço de liberdade. Neste contexto, o que poderia ameaçar a leitura seria as tentativas de disciplinarizar a leitura, seja por aqueles que querem impor a leitura dos cânones ou como a escola que quer domesticar a liberdade dos leitores, ou ainda dos que vêem no valor da leitura em si mesma, como experiência particular de um grupo social. Esses leitores que não praticam outra leitura que não a escolar em oposição à busca de prazer procuram de modo constante impor a busca por seus alunos da leitura para finalidades pragmáticas que matariam o prazer do ato de ler e o desejo por ela. Batista afirma que a partir dessas duas visões o professor seria sempre excluído e considerado um leitor menor ou precário. Assim, esses docentes seriam leitores que não puderam desenvolver suas competências e as disposições necessárias para se tornar verdadeiros leitores e formar leitores adequadamente. A terceira posição, é aquela que se constrói em torno dos valores ou pressupostos como a democratização da cultura, a diversidade das culturas e a relatividade dos valores sociais. Assim, é preciso possibilitar o acesso à leitura e às formas legítimas de praticá-la aos grupos sociais que estão excluídos da cultura socialmente prestigiada, não para substituir as formas ditas populares de leitura, mas para possibilitar o acesso e o domínio de universos culturais, sociais e econômicos diferenciados. Os professores seriam incluídos, se apropriando de objetos e práticas culturais legítimas, transformando-as e contribuindo ao transmitir seus modos de apropriação aos novos leitores que formam. A quarta posição, as relações e as disposições dos professores a respeito da leitura seriam antes parte de um processo de exclusão tardia ou inclusão relativa. Essa tomada de posição baseia-se na observação de que, apesar dos movimentos de mobilidade cultural e social, as distâncias relativas entre os grupos sociais se mantém, e se perpetua a exclusão. A prática pedagógica relacionada à leitura, consiste, portanto, em transformar, aos poucos, a concepção meramente utilitária do texto e da leitura numa concepção de funções sociais ampliadas a fim de possibilitar a autonomia, a aprendizagem independente e o desenvolvimento do aluno (...) por meio do texto com temas suficientemente abertos para permitir a inserção e a discussão de formas de conhecimento e ação alternativas. (KLEIMAN, 2000, p. 229) A leitura é uma atividade essencial para a formação nas diversas áreas do conhecimento e, mais ainda para a formação cultural da pessoa. A leitura é

5 também uma atividade que propicia o sucesso acadêmico, e portanto não ser alfabetizado adequadamente pode significar dificuldades para o desenvolvimento do letramento. Segundo Almeida (2001, p. 119) as leituras do professor são relevantes para a constituição de sua identidade profissional, elementos constitutivos da profissão docente, pois estão vinculadas à representação das práticas pedagógicas por eles construídas e podem produzir efeitos significativos em seu desempenho profissional que se refletem em sua práxis. A formação para a docência deve oferecer ao estudante a possibilidade de refletir sobre sua própria exclusão das práticas sociais de leitura, de seu próprio nível de letramento e de sua história de exclusão dos bens culturais. AS PRÁTICAS DE LEITURA NO DISCURSO DOS ESTUDANTES O intuito de conhecer as práticas de leitura dos estudantes foi a preocupação com o momento da formação inicial, na qual esses sujeitos trazem uma trajetória de leitura, cuja história apresenta possibilidades de interferência na formação de seus futuros alunos. Conhecendo as práticas de leitura é possível aos formadores de professores direcionar a formação destes para práticas mais significativas no campo da leitura. Do universo das questões, foram escolhidas algumas, cujas respostas serão apresentadas, a seguir: Questão 1. O que você costuma ler? A leitura de bulas de remédio e outdoors foi citada pela quase totalidade dos entrevistados. A leitura de manuais de instrução no manejo de aparelhos elétricos de uso doméstico tem um pouco mais da metade dos leitores. A leitura de placas de trânsito é feita por um pouco mais da metade dos entrevistados. Esse fato é sintomático de uma cultura que não é educada para o trânsito. Também as instruções sobre alimentos e produtos de higiene pessoal não parecem interessar a todos os leitores. Mais da metade dos entrevistados faz leitura em veículos coletivos. Supondo-se que a grande maioria dos alunos usam o transporte coletivo, podemos inferir que essas leituras possam acontecer em ônibus. A freqüência de leitura para esses entrevistados acontece da seguinte maneira: 37% responderam todos os dias e 26% sempre que necessitam. Alguns responderam que raramente, porém dificilmente uma pessoa no seu dia-a-dia, pode passar sem ler uma diversidade de gêneros textuais, pois eles se impõem à nossas necessidades leitoras pragmáticas, ou seja, estão de tal forma expostos na realidade que se torna quase impossível não lê-los.

6 Questão 2. O que você lê obrigatoriamente em sua vida diária? A quase totalidade dos entrevistados afirmou a obrigatoriedade de ler as contas de água, luz e telefone. Em segundo lugar, vem a leitura do extrato de banco, seguido do cartão de crédito. Menos da metade dos entrevistados responderam ter obrigatoriedade com relação à leitura de livros em sua vida diária. Por se tratar de professores ou futuros professores do ensino fundamental, que devem ter um maior compromisso com a formação de leitores-crianças, o fato de não terem a leitura presente diariamente pode comprometer o ensino-aprendizagem da leitura. Sendo alunos em formação inicial da docência, por não considerarem a leitura como prática obrigatória para sua formação, pode-se inferir que esta poderá estar comprometida em sua qualidade. È baixo o número de alunos do curso de Pedagogia, do quarto ano que valorizam a leitura diária de livros, jornais e revistas. Os alunos citaram como leitura obrigatória as apostilas, ou seja, os textos a serem lidos nas disciplinas. Questão 3. O que você escolhe para ler? Qual a sua motivação para ler? Do universo dos entrevistados 80% dos alunos responderam que a motivação de leitura está na busca de informações, 15% disseram ler para passar o tempo. Em torno de 11% dos entrevistados apresentaram como motivação para a leitura, tanto a busca de informações quanto a leitura para passar o tempo. Não responderam a essa questão 7% dos entrevistados. O fato de um número significativo de leitores informarem que lêem para buscar informações, parece deixar a desejar outras dimensões da leitura que são importantes para a formação cultural. Ler para passar o tempo, como expressam, é algo vago que não exprime o valor da leitura. Neste aspecto, podemos inferir que o que demonstram sobre a leitura pode ser entendido como leitura para o prazer, porém isso não está explícito em seus depoimentos. A maior parte dos entrevistados afirmou que escolhe livros ou revistas pelo assunto tratado. Nesta turma alguns afirmaram que escolhem o livro pelo preço. A seção cultural do foi eleita por mais da metade dos entrevistados como a preferida para leitura. Em seguida aparece a seção de divertimentos. A seção de política teve baixíssima escolha para leitura entre os entrevistados de todas as turmas. A maioria dos entrevistados afirmou que costumam discutir as leituras que fazem com outras pessoas. Os interlocutores desses leitores são familiares e colegas de trabalho. As palavras que chamam atenção em seus depoimentos sobre essas trocas são: socialização, interação, questionamento, opinião, argumentação. Em seus depoimentos afirmam: Sim. Costumo discutir o que li com os outros. Comento tudo o que leio. Não sei ficar quieta.

7 Uns poucos entrevistados disseram não ter o hábito de compartilhar as leituras feitas: Raramente discuto. Não costumo comentar minhas leituras com ninguém. Questão 4. A leitura está associada à atividade recreativa ou profissional? Mais da metade dos entrevistados afirmou que suas leituras estão associadas a sua atividade profissional, enquanto que menos da metade afirmou ser a leitura recreativa de maior importância nas leituras a que se propõem. Vejamos seus depoimentos: Depende. A leitura da Veja ou do jornal, por exemplo, faço pelo prazer. As leituras dos textos acadêmicos nem sempre são prazerosas. Sim. Por ser professora, constantemente leio. Nos momentos de distração adoro ler. A leitura se faz presente tanto na minha atividade profissional como na minha atividade pessoal. As duas coisas, mas prefiro ler por prazer. As duas coisas. Mas tenho o foco da leitura para o aspecto profissional. Prefiro a recreativa, mas ultimamente só tenho tido tempo de ler como atividade profissional. Os dois. O professor, ou melhor, o educador é um eterno leitor, ou deveria ser. No momento da formação inicial é perfeitamente compreensível que esses alunos centrem suas atividades de leitura nos texto de conhecimento para o exercício da docência. Questão 5. Você se considera um bom leitor? Quanto a que se consideram bons leitores, esses estudantes tiveram as seguintes respostas: Acho que não sou boa leitora, porque leio por obrigação. Não me considero um bom leitor. Me falta mais dedicação e menos comodismo. Acho que sim, pois leio, fico informada e uso em atividades. Não sou boa leitora. Leio por necessidade de leitura. Não sou um bom leitor. Acho que um bom leitor é aquele que sempre está lendo. Comigo não é assim. Eu era quando solteira, tinha o hábito de leitura, e os que me cercavam implicavam pelo meu hábito. Hoje não tenho mais. Me considero um bom leitor. Estou sempre atento a tudo que possa ser lido. Não me considero bom leitor, não pelo fato de não entender, mas pelo fato de não gostar. Infelizmente, eu não gosto de ler, mas constantemente, procuro algum texto que seja do meu interesse. O fator econômico, no entendimento dos entrevistados, pode determinar as condições para o leitor.

8 Não me considero uma boa leitora pelo fato de não ter possibilidade econômica de adquirir livros. Não me considero boa leitora, porque não tenho condições de adquirir livros variados. A grande maioria dos entrevistados, embora afirme não serem bons leitores, demonstram consenso de que para ser um bom leitor é necessário compreender, interpretar, criticar, fazer uso do que lê. Pouco se falou nas leituras por prazer. Poucos têm a visão que se precisa ler tanto por necessidade social como por prazer pessoal. Questão 6. A sua vida seria diferente se não soubesse ler e escrever? Analisando as informações podemos visualizar que para esse universo de estudantes, a vida seria diferente se não soubessem ler e escrever. As respostas abrem um leque de afirmações que demonstram sentimentos variados: Acredito que seria mais dependente. Porque tenho uma amiga que não teve esse privilégio. Ela só conseguiu escrever o nome e ela reclama muito, dizendo que é dependente. Acredito que sim, mas conheço pessoas que não são alfabetizadas e que vivem mais felizes do que as ditas sábias. Seria horrível. Tenho aluno à noite no EJA, que eu ensino a ler e vejo o sofrimento deles. Sim. O meu pai era analfabeto, mas sofria muito por isso. Em contrapartida estudou todos os filhos. Com certeza seria diferente, porque através da leitura e da escrita sou independente e não fico totalmente à mercê de outras pessoas. Ler e escrever é poder. Sim. Porque é muito difícil viver sem leitura no mundo letrado. Vivemos num mundo onde o analfabeto é discriminado e sem chance para o mercado de trabalho. Entre as respostas dadas há várias que não apresentam consistência:...vegetando ;...fora do ar ; Infeliz ; Seria cega ; Seria um tédio, eu não existiria ; Me sentiria como portadora de alguma deficiência ; Com certeza. Pois eu deixaria de fazer parte integrante da sociedade ; Seria uma pessoa vazia. Seria infeliz, frustrada, dependente, limitada, aleijada, marginalizada. Não saber ler e escreve é trágico! ; Penso que eu estaria vivendo na escuridão, de olhos vedados fardo: Um entre os estudantes considera que o acesso à leitura pode ser um Às vezes são tantas as leituras... Então eu sinto que seria mais fácil ser analfabeta. CONSIDERAÇÕES FINAIS É importante que a formação inicial reflita sobre a continuidade do desenvolvimento das práticas sociais de leitura entre os alunos, proporcionando vivências nas diversas linguagens. Ater-se somente às leituras propostas na bibliografia dos cursos de formação promove a formação

9 específica, mas não promove práticas de leitura que amplie o letramento dos estudantes. Em seus depoimentos os entrevistados trazem elementos sobre a importância da leitura para sua formação profissional. Configurou-se que as leituras obrigatórias da formação estão em primeiro plano. É uma leitura autorizada pela academia e, portanto, essa obrigatoriedade traz um certo desconforto. O texto acadêmico apresenta, para esses alunos, grande dificuldade de compreensão, pois apresentam temas que até então não haviam tido contato antes de sua entrada na universidade. São leituras solitárias ou em grupo, nas quais é preciso apresentar um resultado, seja por meio de resumos, seminários ou provas. Num segundo plano está a leitura do dia-a-dia, cuja função é utilitária no sentido de resolução dos problemas comuns. No conjunto desses leitores podemos identificar que a literatura não tem ainda um lugar de destaque. Os alunos têm a auto-estima baixa, por não se considerarem bons leitores. Esse é um ponto de estrangulamento para o desenvolvimento do letramento neste grupo de estudantes e, portanto, será preciso investir numa mudança de atitude dos leitores no percurso de sua formação, sensibilizandoos, mas também investindo em um planejamento de leitura da diversidade de gêneros textuais em todas as áreas. Ficou evidente que as práticas e eventos de letramento nos cursos de formação de professores não têm sido suficientes para o desenvolvimento dos leitores, mas podem a partir da reflexão e ações efetivas, promover mudanças significativas. Os estudantes da pesquisa avaliam que têm condições precárias, tais como o tempo e os recursos financeiros para a aquisição de livros, o que parece demonstrar que há lacunas em sua formação intelectual. Os alunos têm encontrado obstáculos, pelo histórico familiar, pelo nível sócio-econômico e pela dificuldade de acesso aos bens culturais. Na formação inicial há necessidade de fortalecimento do letramento, provendo esses leitores com leituras dos universos artístico, literário, filosófico e científico que possam assegurar a inclusão dos futuros docentes na cultura letrada e, dessa forma, a construção de leitores críticos possa repercutir em práticas pedagógicas reflexivas que por sua vez possam contribuir para formar outros leitores. Cabe aos educadores, de todas as áreas do conhecimento, propiciar, por meio de sua atuação pedagógica, sua transformação e a de seus alunos em leitores reflexivos. Nesse sentido, conhecer aspectos das práticas de leituras dos estudantes pode servir para que formadores de professores reflitam sobre as condições que determinam o desenvolvimento do letramento, e levem em consideração os aspectos dialógicos e polissêmicos da leitura.

10 REFERÊNCIAS CHARTIER, Roger. A ordem dos livros. Brasília: Editora da Universidade de Brasília, ALMEIDA, Ana Lúcia C. O professor leitor, sua identidade e sua práxis. In: Kleiman, Ângela. (org) A formação do professor: perspectivas da lingüística aplicada. Campinas/SP: Mercado Aberto, BATISTA, Antônio A. Gomes; Galvão, Ana Maria de Oliveira (org). Leitura: práticas, impressos, letramento. Belo Horizonte: Autêntica, BATISTA, Antonio Augusto Gomes. Os professores são não-leitores? In: MARINHO, Marildes e SILVA, Ceris Salete Ribas (orgs.) Leituras do Professor. São Paulo; Mercado das Letras., CARTIER, Roger. Práticas de leitura. São Paulo: Estação Liberdade, GERALDI, João W. O texto na sala de aula. Leitura e produção. São Paulo: Assoeste, KLEIMAN, Ângela. O ensino e a formação do professor. Porto Alegre: ArtMed, OLIVEIRA, Ana Arlinda de. Leitura, Literatura Infantil e Doutrinação da Criança. Cuiabá/MT: EDUFMT/Entelinhas, ORLANDI, Eni P. Discurso e Leitura. São Paulo:Cortez/Editora UNICAMP, As Histórias de Leitura. In: Leitura: teoria e prática. Porto alegre: Mercado Aberto, ano 3 no. 3, SILVA, Ezequiel Theodoro da. O ato de ler: fundamentos psicológicos para uma nova pedagogia da leitura. São Paulo: Cortez, SOARES, Magda. Linguagem e Escola. Uma perspectiva social. São Paulo; Ática, Letramento: um tema em três gêneros. Belo Horizonte: Autêntica, Alfabetização e Letramento. São Paulo: Contexto, 2003.

LETRAMENTO, LEITURA, LITERATURA E PRODUÇÃO DE TEXTO: SUAS IMPLICAÇÕES NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM

LETRAMENTO, LEITURA, LITERATURA E PRODUÇÃO DE TEXTO: SUAS IMPLICAÇÕES NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM LETRAMENTO, LEITURA, LITERATURA E PRODUÇÃO DE TEXTO: SUAS IMPLICAÇÕES NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM Kelly Cristina Costa Martins 1 Simônica da Costa Ferreira 2 Introdução Nos dias atuais percebemos

Leia mais

ERRADICAR O ANALFABETISMO FUNCIONAL PARA ACABAR COM A EXTREMA POBREZA E A FOME.

ERRADICAR O ANALFABETISMO FUNCIONAL PARA ACABAR COM A EXTREMA POBREZA E A FOME. ERRADICAR O ANALFABETISMO FUNCIONAL PARA ACABAR COM A EXTREMA POBREZA E A FOME. Adriane Abrantes Lazarotti 1 Gisele Rogelin Prass ¹ Pedrinho Roman 2 RESUMO A educação está buscando soluções para problemas

Leia mais

O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS

O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS Daiana Rodrigues dos Santos Prado¹; Francine de Paulo Martins² Estudante do Curso de Pedagogia; e-mail:

Leia mais

HISTÓRIA ORAL NO ENSINO FUNDAMENTAL: O REGIME MILITAR NO EX- TERRITÓRIO DE RORAIMA

HISTÓRIA ORAL NO ENSINO FUNDAMENTAL: O REGIME MILITAR NO EX- TERRITÓRIO DE RORAIMA HISTÓRIA ORAL NO ENSINO FUNDAMENTAL: O REGIME MILITAR NO EX- TERRITÓRIO DE RORAIMA LYSNE NÔZENIR DE LIMA LIRA, 1 HSTÉFFANY PEREIRA MUNIZ 2 1. Introdução Este trabalho foi criado a partir da experiência

Leia mais

OS SENTIDOS DO LER E ESCREVER NA SOCIEDADE E NA ESCOLA

OS SENTIDOS DO LER E ESCREVER NA SOCIEDADE E NA ESCOLA OS SENTIDOS DO LER E ESCREVER NA SOCIEDADE E NA ESCOLA JOSE MABEL PEREIRA LOPES DAS NEVES (UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS). Resumo A pesquisa tem como objetivo conhecer quais os saberes que as ingressantes

Leia mais

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO COMO BUSCA DE UMA POSTURA METODOLÓGICA REFLEXIVA E INVESTIGADORA E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE PROFISSIONAL DO FUTURO DOCENTE

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO COMO BUSCA DE UMA POSTURA METODOLÓGICA REFLEXIVA E INVESTIGADORA E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE PROFISSIONAL DO FUTURO DOCENTE O ESTÁGIO SUPERVISIONADO COMO BUSCA DE UMA POSTURA METODOLÓGICA REFLEXIVA E INVESTIGADORA E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE PROFISSIONAL DO FUTURO DOCENTE FIGUEIREDO, Katherine Medeiros¹; OLIVEIRA, Claudimary

Leia mais

Palavras-Chave: docência, alfabetização, letramento.

Palavras-Chave: docência, alfabetização, letramento. O PROCESSO DE ALFABETIZAR, LETRANDO- UMA VIVÊNCIA NO PIBID/CAPES/ULBRA Nanci Tereza Félix Veloso Sílvia Maria Barreto dos Santos ULBRA- Cachoeira do Sul RESUMO Este trabalho relata os percursos metodológicos

Leia mais

EJA: INVESTIGANDO CONCEPÇÕES E PRÁTICAS DE LEITURA. SILVA, Cirene Sousa e - PPGE/ GEPLL /UFMT- prof.cirene@gmail.com *

EJA: INVESTIGANDO CONCEPÇÕES E PRÁTICAS DE LEITURA. SILVA, Cirene Sousa e - PPGE/ GEPLL /UFMT- prof.cirene@gmail.com * EJA: INVESTIGANDO CONCEPÇÕES E PRÁTICAS DE LEITURA SILVA, Cirene Sousa e - PPGE/ GEPLL /UFMT- prof.cirene@gmail.com * RESUMO Este texto apresenta análises parciais da pesquisa Educação de Jovens e Adultos

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO NUMA ESCOLA DO CAMPO

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO NUMA ESCOLA DO CAMPO eliane.enaile@hotmail.com Introdução Nos últimos anos, as reflexões realizadas sobre a alfabetização têm mostrado que a aquisição da escrita é um processo complexo e multifacetado. Nesse processo, considera

Leia mais

POSSIBILIDADE DE ACESSO A EDUCAÇÃO E INCLUSÃO SOCIAL ATRAVÉS DO PROGRAMA MULHERES MIL: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

POSSIBILIDADE DE ACESSO A EDUCAÇÃO E INCLUSÃO SOCIAL ATRAVÉS DO PROGRAMA MULHERES MIL: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA POSSIBILIDADE DE ACESSO A EDUCAÇÃO E INCLUSÃO SOCIAL ATRAVÉS DO PROGRAMA MULHERES MIL: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA Albertina Marília Alves Guedes¹ Elisa Angélica Alves Guedes² Maria Nizete de Menezes Gomes

Leia mais

LEITURA E ESCRITA NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA PROPOSTA DE APRENDIZAGEM COM LUDICIDADE

LEITURA E ESCRITA NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA PROPOSTA DE APRENDIZAGEM COM LUDICIDADE LEITURA E ESCRITA NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA PROPOSTA DE APRENDIZAGEM COM LUDICIDADE Martyhellen Maria Monteiro da Silva - Acadêmica do 8º período do Curso de Pedagogia-UVA, Bolsista do PIBID/UVA-Pedagogia

Leia mais

Disciplina: Alfabetização

Disciplina: Alfabetização Título do artigo: As intervenções didáticas no processo de alfabetização inicial Disciplina: Alfabetização Selecionador: Beatriz Gouveia 1 Categoria: Professor 1 Coordenadora de projetos do Instituto Avisa

Leia mais

LITERATURA PARA TODOS: UMA EXPERIÊNCIA DE OFICINAS DE LEITURA NA AMAZÔNIA

LITERATURA PARA TODOS: UMA EXPERIÊNCIA DE OFICINAS DE LEITURA NA AMAZÔNIA 1 LITERATURA PARA TODOS: UMA EXPERIÊNCIA DE OFICINAS DE LEITURA NA AMAZÔNIA Maria de Nazaré da Silva Correa Jediã F. Lima Maria do Carmo S. Pacheco Maria do P. Socorro R. de Lima Maria Rita Brasil Raiolanda

Leia mais

MÍDIAS NA EDUCAÇÃO Introdução Mídias na educação

MÍDIAS NA EDUCAÇÃO Introdução Mídias na educação MÍDIAS NA EDUCAÇÃO Michele Gomes Felisberto; Micheli de Oliveira; Simone Pereira; Vagner Lean dos Reis Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Farroupilha Introdução O mundo em que vivemos

Leia mais

ÁLBUM DE FOTOGRAFIA: A PRÁTICA DO LETRAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL 59. Elaine Leal Fernandes elfleal@ig.com.br. Apresentação

ÁLBUM DE FOTOGRAFIA: A PRÁTICA DO LETRAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL 59. Elaine Leal Fernandes elfleal@ig.com.br. Apresentação ÁLBUM DE FOTOGRAFIA: A PRÁTICA DO LETRAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL 59 Elaine Leal Fernandes elfleal@ig.com.br Graduada em pedagogia e fonoaudiologia, Pós-graduada em linguagem, Professora da Creche-Escola

Leia mais

MATEMÁTICA: É PRECISO LER, ESCREVER E SE ENVOLVER

MATEMÁTICA: É PRECISO LER, ESCREVER E SE ENVOLVER MATEMÁTICA: É PRECISO LER, ESCREVER E SE ENVOLVER Nilton Cezar Ferreira 1 Por mais de dois séculos já se faz reformas curriculares no Brasil, no entanto nenhuma dessas reformas conseguiu mudar de forma

Leia mais

O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NA SALA DE AULA UNIDADE 5 ANO 2

O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NA SALA DE AULA UNIDADE 5 ANO 2 O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NA SALA DE AULA UNIDADE 5 ANO 2 O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NA SALA DE AULA INICIANDO A CONVERSA APROFUNDANDO O TEMA Por que ensinar gêneros textuais na escola? Registro

Leia mais

Entrevista com Magda Becker Soares Prof. Universidade Federal de Minas Gerais

Entrevista com Magda Becker Soares Prof. Universidade Federal de Minas Gerais "LETRAR É MAIS QUE ALFABETIZAR" Entrevista com Magda Becker Soares Prof. Universidade Federal de Minas Gerais Nos dias de hoje, em que as sociedades do mundo inteiro estão cada vez mais centradas na escrita,

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A UTILIZAÇÃO DE JOGOS CARTOGRÁFICOS COMO RECURSO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA

REFLEXÕES SOBRE A UTILIZAÇÃO DE JOGOS CARTOGRÁFICOS COMO RECURSO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA REFLEXÕES SOBRE A UTILIZAÇÃO DE JOGOS CARTOGRÁFICOS COMO RECURSO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA Tais Pires de Oliveira Universidade Estadual de Maringá Departamento de Geografia tais_piresoliveira@hotmail.com

Leia mais

AS PRÁTICAS DE ALFABETIZAÇÃO E A CONSTRUÇÃO DA LEITURA E DA ESCRITA PELA CRIANÇA

AS PRÁTICAS DE ALFABETIZAÇÃO E A CONSTRUÇÃO DA LEITURA E DA ESCRITA PELA CRIANÇA AS PRÁTICAS DE ALFABETIZAÇÃO E A CONSTRUÇÃO DA LEITURA E DA ESCRITA PELA CRIANÇA Eliane Aparecida Galvão dos Santos 1 Dóris Pires Vargas Bolzan 2 Resumo Este trabalho é um recorte da pesquisa de Mestrado

Leia mais

PORTFÓLIO: UMA ABORDAGEM DE REGISTRO NA PRÁTICA PEDAGÓGICA DE EDUCAÇÃO INFANTIL

PORTFÓLIO: UMA ABORDAGEM DE REGISTRO NA PRÁTICA PEDAGÓGICA DE EDUCAÇÃO INFANTIL PORTFÓLIO: UMA ABORDAGEM DE REGISTRO NA PRÁTICA PEDAGÓGICA DE EDUCAÇÃO INFANTIL Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. UEPB E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br Aldeci Luiz de Oliveira Profa. Dra. PMCG E-mail:

Leia mais

O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL

O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL Larissa dos Santos Gomes Resumo O presente artigo refere-se ao trabalho de conclusão

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Ensino. Aprendizagem. Formação docente.

PALAVRAS-CHAVE Ensino. Aprendizagem. Formação docente. ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( x ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA ENSINO, PESQUISA, EXTENSÃO E FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE

Leia mais

RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS

RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS BRASÍLIA ECHARDT VIEIRA (CENTRO DE ATIVIDADES COMUNITÁRIAS DE SÃO JOÃO DE MERITI - CAC). Resumo Na Baixada Fluminense, uma professora que não está atuando no magistério,

Leia mais

Colégio Estadual Vicente Tomazini - Ensino Fundamental, Médio e Normal Francisco Alves - Paraná

Colégio Estadual Vicente Tomazini - Ensino Fundamental, Médio e Normal Francisco Alves - Paraná Colégio Estadual Vicente Tomazini - Ensino Fundamental, Médio e Normal Francisco Alves - Paraná PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR DE METODOLOGIA PARA O ENSINO DE PORTUGUÊS E ALFABETIZAÇÃO FORMAÇÃO DE DOCENTES

Leia mais

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID BARROS, Raquel Pirangi. SANTOS, Ana Maria Felipe. SOUZA, Edilene Marinho de. MATA, Luana da Mata.. VALE, Elisabete Carlos do.

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO, LETRAMENTO E AS PRÁTICAS DE ENSINO NO ESPAÇO ESCOLAR. Palavras-chave: Alfabetização. Letramento. Formação. Métodos de alfabetização.

ALFABETIZAÇÃO, LETRAMENTO E AS PRÁTICAS DE ENSINO NO ESPAÇO ESCOLAR. Palavras-chave: Alfabetização. Letramento. Formação. Métodos de alfabetização. ALFABETIZAÇÃO, LETRAMENTO E AS PRÁTICAS DE ENSINO NO ESPAÇO ESCOLAR Ana Claudia Rodrigues - Graduanda de Pedagogia - UEPB Aline Carla da Silva Costa - Graduanda de Pedagogia - UEPB Ana Paula Martins Costa

Leia mais

OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA. Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2

OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA. Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1029 OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2

Leia mais

Caracterização da Escola

Caracterização da Escola 28 O CORDEL DOS TIRADENTES Flávia Helena Pontes Carneiro* helena.flavia@gmail.com *Graduada em Pedagogia, Mestre em Educação pela Faculdade de Educação da Universidade Federal de Minas Gerais, Professora

Leia mais

REFLEXÃO E INTERVENÇÃO: PALAVRAS-CHAVE PARA A PRÁTICA EDUCATIVA

REFLEXÃO E INTERVENÇÃO: PALAVRAS-CHAVE PARA A PRÁTICA EDUCATIVA 178 REFLEXÃO E INTERVENÇÃO: PALAVRAS-CHAVE PARA A PRÁTICA EDUCATIVA FEBA, Berta Lúcia Tagliari 1... ler é solidarizar-se pela reflexão, pelo diálogo com o outro, a quem altera e que o altera (YUNES, 2002,

Leia mais

Palavras-chave: Letramento. Alfabetização. Ensino-aprendizagem.

Palavras-chave: Letramento. Alfabetização. Ensino-aprendizagem. ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: CONTRIBUIÇÕES DO PIBID PARA O ENSINO-APRENDIZAGEM DA LEITURA E ESCRITA NAS SERIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL RESUMO: BARBOSA, Maria Julia de Araújo. Pedagogia - UEPB/Campus

Leia mais

DIFICULDADES ENFRENTADAS POR PROFESSORES E ALUNOS DA EJA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA

DIFICULDADES ENFRENTADAS POR PROFESSORES E ALUNOS DA EJA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA 27 a 30 de Agosto de 2014. DIFICULDADES ENFRENTADAS POR PROFESSORES E ALUNOS DA EJA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA Resumo: MACHADO, Diana dos Santos 1 Ifes - Campus Cachoeiro de Itapemirim

Leia mais

SENTIDOS SUBJETIVOS DE ESTUDANTES DE BIOLOGIA A PARTIR DO USO DAS TICs

SENTIDOS SUBJETIVOS DE ESTUDANTES DE BIOLOGIA A PARTIR DO USO DAS TICs SENTIDOS SUBJETIVOS DE ESTUDANTES DE BIOLOGIA A PARTIR DO USO DAS TICs Iris Maria de Moura Possas (Universidade Federal do Pará Instituto de Educação em Ciências e Matemática e Escola de Ensino Fundamental

Leia mais

Guia prático do alfabetizador

Guia prático do alfabetizador Guia prático do alfabetizador Maristela Marques de Almeida Silva Graduanda Normal Superior UNIPAC E-mail: sms@ufsj.edu.br Fone: (32)3371-8331 Data de recepção: 17/11/2009 Data de aprovação:16/12/2009 Resenha

Leia mais

O TRABALHO COM TEXTOS MULTIMODAIS COMO MOTIVAÇÃO PARA APRENDER LE: UM ESTUDO DE CASO NA REDE ESTADUAL PAULISTA

O TRABALHO COM TEXTOS MULTIMODAIS COMO MOTIVAÇÃO PARA APRENDER LE: UM ESTUDO DE CASO NA REDE ESTADUAL PAULISTA 03070 O TRABALHO COM TEXTOS MULTIMODAIS COMO MOTIVAÇÃO PARA APRENDER LE: UM ESTUDO DE CASO NA REDE ESTADUAL PAULISTA Resumo Autor: Marcelo Ganzela Martins de Castro Instituições: UNINOVE/Instituto Singularidades/E.

Leia mais

Palavras-chaves: Formação de professores; Estágio Supervisionado; Reflexão sobre a prátida; Escrita docente; Diários de aula.

Palavras-chaves: Formação de professores; Estágio Supervisionado; Reflexão sobre a prátida; Escrita docente; Diários de aula. DIÁRIOS DE AULA ONLINE: ANÁLISE DE UM DISPOSITIVO DE FORMAÇÃO DOCENTE NA LICENCIATURA EM MATEMÁTICA Jane Bittencourt 1 Alice Stephanie Tapia Sartori 2 Resumo Esse trabalho tem como foco a formação inicial

Leia mais

1. INTRODUÇÃO. e Alexsandro da Silva. 1 Andréa Carla Agnes e Silva é dinamizadora do Programa "Escola Aberta", sob orientação de Telma Ferraz Leal

1. INTRODUÇÃO. e Alexsandro da Silva. 1 Andréa Carla Agnes e Silva é dinamizadora do Programa Escola Aberta, sob orientação de Telma Ferraz Leal TÍTULO: OFICINA DE LEITURA: UMA PROPOSTA DINÂMICA PARA FORMAÇÃO DE LEITORES AUTORA: Andréa Carla Agnes e Silva 1 INSTITUIÇÃO: Universidade Federal de Pernambuco Escola Aberta ÁREA TEMÁTICA: Educação 1.

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA: MUDANÇAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA VIVÊNCIA DE UM PROGRAMA.

FORMAÇÃO CONTINUADA: MUDANÇAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA VIVÊNCIA DE UM PROGRAMA. FORMAÇÃO CONTINUADA: MUDANÇAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA VIVÊNCIA DE UM PROGRAMA. Rosângela de Fátima Cavalcante França* Universidade Federal de Mato Grosso do Sul RESUMO Este texto apresenta de forma resumida

Leia mais

BARBOSA, Maria Julia de Araújo. Pedagogia - UEPB/Campus I julia.araujo13@gmail.com

BARBOSA, Maria Julia de Araújo. Pedagogia - UEPB/Campus I julia.araujo13@gmail.com LIMITES E DIFICULDADES PARA ALFABETIZAR E LETRAR TURMA DA EJA: EXPERIÊNCIA DO PIBID SILVA, Alzira Maria Lima da. Graduanda Pedagogia - UEPB/Campus I alziralima37@hotmail.com BARBOSA, Maria Julia de Araújo.

Leia mais

A LEITURA E O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO

A LEITURA E O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO A LEITURA E O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO Adriana M. das Virgens Chagas (adrianachagas3@hotmail.com) Aluna de graduação do curso de Pedagogia das Faculdades Integradas de Aracruz Luciana C.

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO ESCOLA ESTADUAL DE ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO MELQUÍADES VILAR

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO ESCOLA ESTADUAL DE ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO MELQUÍADES VILAR SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO ESCOLA ESTADUAL DE ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO MELQUÍADES VILAR PROJETO LER (Leitura, Escrita e Redação) Ana Paula Correia Taperoá - PB 2014 Ana Paula Correia PROJETO LER

Leia mais

19/07 ENSINO E APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ESCRITA EM CLASSES MULTISSERIADAS NA EDUCAÇÃO DO CAMPO NA ILHA DE MARAJÓ

19/07 ENSINO E APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ESCRITA EM CLASSES MULTISSERIADAS NA EDUCAÇÃO DO CAMPO NA ILHA DE MARAJÓ 19/07 ENSINO E APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ESCRITA EM CLASSES MULTISSERIADAS NA EDUCAÇÃO DO CAMPO NA ILHA DE MARAJÓ Waldemar dos Santos Cardoso Junior (Universidade Federal do Pará /Campus Universitário

Leia mais

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA DA ESCRITA COMO INSTRUMENTO NORTEADOR PARA O ALFABETIZAR LETRANDO NAS AÇÕES DO PIBID DE PEDAGOGIA DA UFC

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA DA ESCRITA COMO INSTRUMENTO NORTEADOR PARA O ALFABETIZAR LETRANDO NAS AÇÕES DO PIBID DE PEDAGOGIA DA UFC AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA DA ESCRITA COMO INSTRUMENTO NORTEADOR PARA O ALFABETIZAR LETRANDO NAS AÇÕES DO PIBID DE PEDAGOGIA DA UFC Antônia Fernandes Ferreira; Gessica Nunes Noronha; Marielle Sâmia de Lima

Leia mais

SEQUÊNCIA DIDÁTICA UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA O ENSINO DE GEOGRAFIA 1

SEQUÊNCIA DIDÁTICA UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA O ENSINO DE GEOGRAFIA 1 SEQUÊNCIA DIDÁTICA UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA O ENSINO DE GEOGRAFIA 1 QUEIROZ, Antônia Márcia Duarte Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sul de Minas Gerais- IFSULDEMINAS Universidade

Leia mais

PRÁTICAS, EXPERIÊNCIAS, CULTURA ESCOLAR: QUESTÕES QUE ENVOLVEM A PRÁTICA DOCENTE

PRÁTICAS, EXPERIÊNCIAS, CULTURA ESCOLAR: QUESTÕES QUE ENVOLVEM A PRÁTICA DOCENTE PRÁTICAS, EXPERIÊNCIAS, CULTURA ESCOLAR: QUESTÕES QUE ENVOLVEM A PRÁTICA DOCENTE DAMKE, Anderléia Sotoriva - UFMS anderleia.damke@yahoo.com SIMON, Ingrid FADEP ingrid@fadep.br Resumo Eixo Temático: Formação

Leia mais

O QUE É LEITURA? Mestrado em Políticas Públicas da Universidade de Mogi das Cruzes (UMC). rosália.prados@gmail.com 1

O QUE É LEITURA? Mestrado em Políticas Públicas da Universidade de Mogi das Cruzes (UMC). rosália.prados@gmail.com 1 O QUE É LEITURA? Antonio Deusivam de Oliveira (UMC) * Rosália Maria Netto Prados (USP/UMC) ** Quando falamos em leitura, parece que estamos nos referindo a algo subjetivo; no entanto, uma das características

Leia mais

AS CONTRIBUIÇÕES DO SUJEITO PESQUISADOR NAS AULAS DE LEITURA: CONSTRUÇÃO DE SENTIDOS ATRAVÉS DAS IMAGENS

AS CONTRIBUIÇÕES DO SUJEITO PESQUISADOR NAS AULAS DE LEITURA: CONSTRUÇÃO DE SENTIDOS ATRAVÉS DAS IMAGENS AS CONTRIBUIÇÕES DO SUJEITO PESQUISADOR NAS AULAS DE LEITURA: CONSTRUÇÃO DE SENTIDOS ATRAVÉS DAS IMAGENS INTRODUÇÃO Ângela Mª Leite Aires (UEPB) (angelamaryleite@gmail.com) Luciana Fernandes Nery (UEPB)

Leia mais

RAZÕES QUE DESMOTIVAM E MOTIVAM NA APRENDIZAGEM EM ALUNOS DO ENSINO MÉDIO DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE PELOTAS

RAZÕES QUE DESMOTIVAM E MOTIVAM NA APRENDIZAGEM EM ALUNOS DO ENSINO MÉDIO DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE PELOTAS RAZÕES QUE DESMOTIVAM E MOTIVAM NA APRENDIZAGEM EM ALUNOS DO ENSINO MÉDIO DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE PELOTAS Roberta A. dos Santos 1* (IC), Karen.L. Cruz 1 (IC) Verno Krüger 2 (PQ) beta x@hotmail.com 1-

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA E EDUCAÇÃO ESPECIAL: A RELAÇÃO DE PARCERIA ENTRE PROFESSORES QUE TRABALHAM NO MODELO DE ENSINO COLABORATIVO

EDUCAÇÃO FÍSICA E EDUCAÇÃO ESPECIAL: A RELAÇÃO DE PARCERIA ENTRE PROFESSORES QUE TRABALHAM NO MODELO DE ENSINO COLABORATIVO EDUCAÇÃO FÍSICA E EDUCAÇÃO ESPECIAL: A RELAÇÃO DE PARCERIA ENTRE PROFESSORES QUE TRABALHAM NO MODELO DE ENSINO COLABORATIVO Patrícia Santos de Oliveira¹ Melina Thais da Silva² RESUMO A proposta de trabalho

Leia mais

VOZES E IMAGENS POÉTICAS: UMA EXPERIÊNCIA COM O CORDEL NO CEEIGEF

VOZES E IMAGENS POÉTICAS: UMA EXPERIÊNCIA COM O CORDEL NO CEEIGEF VOZES E IMAGENS POÉTICAS: UMA EXPERIÊNCIA COM O CORDEL NO CEEIGEF Francisca Luana Abrantes de Castro (1); Fabiana Soares da Silveira Nóbrega (1); Jakeline Francisca da Silva (2); Maria Elisabete Melo dos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CENTRO DE ENSINO E PESQUISA APLICADA À EDUCAÇÃO ÁREA DE COMUNICAÇÃO PROGRAMA DE ENSINO DE EDUCAÇÃO FÍSICA - 2012

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CENTRO DE ENSINO E PESQUISA APLICADA À EDUCAÇÃO ÁREA DE COMUNICAÇÃO PROGRAMA DE ENSINO DE EDUCAÇÃO FÍSICA - 2012 UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CENTRO DE ENSINO E PESQUISA APLICADA À EDUCAÇÃO ÁREA DE COMUNICAÇÃO PROGRAMA DE ENSINO DE EDUCAÇÃO FÍSICA - 2012 7 ANO TURMAS A e B Prof. Alexandre Magno Guimarães Ementa:

Leia mais

11º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL: ALFABETIZAR LETRANDO

11º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL: ALFABETIZAR LETRANDO 11º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL: ALFABETIZAR LETRANDO Marcia Justina de Souza 1 Gizeli Aparecida Ribeiro de Alencar 2 Todas as formas existentes de alfabetização, de acordo

Leia mais

A LITERATURA INFANTIL PARA A FORMAÇÃO DE LEITORES

A LITERATURA INFANTIL PARA A FORMAÇÃO DE LEITORES A LITERATURA INFANTIL PARA A FORMAÇÃO DE LEITORES Mércia Rodrigues Gonçalves Pinheiro, UESB RESUMO O presente trabalho foi articulado através de pesquisa de campo, utilizando observação direta e entrevista

Leia mais

EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1

EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1 EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1 Claudemir Monteiro Lima Secretária de Educação do Estado de São Paulo claudemirmonteiro@terra.com.br João

Leia mais

ALTERNATIVAS APRESENTADAS PELOS PROFESSORES PARA O TRABALHO COM A LEITURA EM SALA DE AULA

ALTERNATIVAS APRESENTADAS PELOS PROFESSORES PARA O TRABALHO COM A LEITURA EM SALA DE AULA ALTERNATIVAS APRESENTADAS PELOS PROFESSORES PARA O TRABALHO COM A LEITURA EM SALA DE AULA RAQUEL MONTEIRO DA SILVA FREITAS (UFPB). Resumo Essa comunicação objetiva apresentar dados relacionados ao plano

Leia mais

ANÁLISE DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE CIÊNCIAS NATURAIS ATRAVÉS DE EXPERIÊNCIAS NO PIBID/UFPA

ANÁLISE DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE CIÊNCIAS NATURAIS ATRAVÉS DE EXPERIÊNCIAS NO PIBID/UFPA ANÁLISE DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE CIÊNCIAS NATURAIS ATRAVÉS DE EXPERIÊNCIAS NO PIBID/UFPA Lilliane Miranda Freitas (Faculdade de Biologia/Universidade Federal do Pará) Resumo: Este trabalho tem como

Leia mais

EXPERIÊNCIAS COM ALFABETIZAÇÃO ATRAVÉS DA LETRA BASTÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL NO INTERIOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE

EXPERIÊNCIAS COM ALFABETIZAÇÃO ATRAVÉS DA LETRA BASTÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL NO INTERIOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE EXPERIÊNCIAS COM ALFABETIZAÇÃO ATRAVÉS DA LETRA BASTÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL NO INTERIOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE Rafael da Silva da Cunha* - Autor rafael.dudu.r@gmail.com Mayane Ferreira de Farias*

Leia mais

ENSINO DE GRAMÁTICA OU ANÁLISE LINGUÍSTICA? SERÁ QUE ESSA ESCOLHA É NECESSÁRIA?

ENSINO DE GRAMÁTICA OU ANÁLISE LINGUÍSTICA? SERÁ QUE ESSA ESCOLHA É NECESSÁRIA? 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( x ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA ENSINO DE

Leia mais

SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS ÀS AÇÕES DE FORMAÇÃO CONTINUADA DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DO RECIFE/PE

SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS ÀS AÇÕES DE FORMAÇÃO CONTINUADA DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DO RECIFE/PE SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS ÀS AÇÕES DE FORMAÇÃO CONTINUADA DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DO RECIFE/PE Adriele Albertina da Silva Universidade Federal de Pernambuco, adrielealbertina18@gmail.com Nathali Gomes

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO NA ESCOLA: PRÁTICAS POSSÍVEIS? Kelly Cristina Costa Martins¹ & Ana Lucia Espíndola 2

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO NA ESCOLA: PRÁTICAS POSSÍVEIS? Kelly Cristina Costa Martins¹ & Ana Lucia Espíndola 2 ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO NA ESCOLA: PRÁTICAS POSSÍVEIS? Kelly Cristina Costa Martins¹ & Ana Lucia Espíndola 2 1 Professora do Departamento de Educação da UFMS, campus de Três Lagoas MS. kellyccmartins@hotmail.com

Leia mais

Experiência na formação de estudantes do curso profissionalizante normal

Experiência na formação de estudantes do curso profissionalizante normal Experiência na formação de estudantes do curso profissionalizante normal Vanessa Fasolo Nasiloski 1 Resumo O presente texto tem como objetivo central relatar a experiência de ensino desenvolvida com os

Leia mais

1 O trabalho está redigido em português pelo fato de ser esta uma das línguas aceitas no evento

1 O trabalho está redigido em português pelo fato de ser esta uma das línguas aceitas no evento ESPÍNDOLA, Ana Lucia SOUZA, Neusa Maria Marques de POR ENTRE LETRAS E NÚMEROS: LINGUA ESCRITA E CONCEPÇÕES MATEMÁTICAS NO COTIDIANO DE PROFESSORAS DOS PRIMEIROS ANOS DE ESCOLARIZAÇÃO 1 1 LETRAS E NÚMEROS,

Leia mais

ESPAÇO INCLUSIVO Coordenação Geral Profa. Dra. Roberta Puccetti Coordenação Do Projeto Profa. Espa. Susy Mary Vieira Ferraz RESUMO

ESPAÇO INCLUSIVO Coordenação Geral Profa. Dra. Roberta Puccetti Coordenação Do Projeto Profa. Espa. Susy Mary Vieira Ferraz RESUMO ESPAÇO INCLUSIVO Coordenação Geral Profa. Dra. Roberta Puccetti Coordenação Do Projeto Profa. Espa. Susy Mary Vieira Ferraz RESUMO A inclusão é uma realidade mundial. Desde a Declaração de Salamanca em

Leia mais

AS CONTRIBUIÇÕES DAS VÍDEO AULAS NA FORMAÇÃO DO EDUCANDO.

AS CONTRIBUIÇÕES DAS VÍDEO AULAS NA FORMAÇÃO DO EDUCANDO. AS CONTRIBUIÇÕES DAS VÍDEO AULAS NA FORMAÇÃO DO EDUCANDO. Autor: José Marcos da Silva Instituição: UFF/CMIDS E-mail: mzosilva@yahoo.com.br RESUMO A presente pesquisa tem como proposta investigar a visão

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES: O PNAIC EM FOCO

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES: O PNAIC EM FOCO 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA (X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL A língua espanhola na Educação Básica A implantação da língua espanhola por meio da lei federal 11.161, que diz respeito à sua oferta

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA

A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA Luciana Pereira de Sousa 1 Carmem Lucia Artioli Rolim 2 Resumo O presente estudo propõe discutir o contexto da formação dos pedagogos para o ensino da

Leia mais

A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA EDUCAÇÃO INFANTIL A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA EDUCAÇÃO INFANTIL ALVES, Ana Paula PUCPR SAHEB, Daniele PUCPR Grupo de Trabalho - Didática: Teorias, Metodologias e Práticas Agência Financiadora: não contou com financiamento Resumo

Leia mais

A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE

A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE Bruna Cardoso Cruz 1 RESUMO: O presente trabalho procura conhecer o desempenho profissional dos professores da faculdade

Leia mais

UMA PROPOSTA DE ENSINO DA PROBABILIDADE A PARTIR DO MÉTODO DE RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS E DA LUDICIDADE EM SALA DE AULA

UMA PROPOSTA DE ENSINO DA PROBABILIDADE A PARTIR DO MÉTODO DE RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS E DA LUDICIDADE EM SALA DE AULA UMA PROPOSTA DE ENSINO DA PROBABILIDADE A PARTIR DO MÉTODO DE RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS E DA LUDICIDADE EM SALA DE AULA RESUMO José Jorge de Sousa; Francisco Aureliano Vidal Instituto Federal de Educação,

Leia mais

EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento

EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento Jéssica Albino 1 ; Sônia Regina de Souza Fernandes 2 RESUMO O trabalho

Leia mais

LEITURA LITERÁRIA: REFLEXÕES SOBRE UMA EXPERIÊNCIA NA ESCOLA

LEITURA LITERÁRIA: REFLEXÕES SOBRE UMA EXPERIÊNCIA NA ESCOLA LEITURA LITERÁRIA: REFLEXÕES SOBRE UMA EXPERIÊNCIA NA ESCOLA BORTTOLIN, A. M. P. LITTERA/UNESC SILVEIRA, R. de F. K. da LITTERA/UNESC O presente texto mostra uma experiência de leitura literária na escola

Leia mais

Vilma Aparecida Gomes

Vilma Aparecida Gomes Leitura e interdisciplinaridade: tecendo redes nos projetos da escola Vilma Aparecida Gomes Mestre em Lingüística pela Universidade Federal de Uberlândia. Professora de Língua Portuguesa da Escola de Educação

Leia mais

CARTA ABERTA EM DEFESA DO PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA

CARTA ABERTA EM DEFESA DO PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA CARTA ABERTA EM DEFESA DO PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA O Fórum das universidades públicas participantes do PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA vem, por meio desta, defender

Leia mais

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES Inês Barbosa de Oliveira O desafio de discutir os estudos e as práticas curriculares, sejam elas ligadas à educação de jovens e adultos ou ao

Leia mais

9. A realidade da inclusão

9. A realidade da inclusão 9. A realidade da inclusão A filosofia da inclusão ainda está muito aquém de ser posta em prática da forma como realmente se espera. Para que se tenha uma escola para todos, temos que conceber professores

Leia mais

Centro Acadêmico Paulo Freire - CAPed Maceió - Alagoas - Brasil ISSN: 1981-3031

Centro Acadêmico Paulo Freire - CAPed Maceió - Alagoas - Brasil ISSN: 1981-3031 COORDENADOR PEDAGÓGICO E SUA IMPORTÂNCIA NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM Polyana Marques Lima Rodrigues 1 poly90lima@hotmail.com Willams dos Santos Rodrigues Lima 2 willams.rodrigues@hotmail.com RESUMO

Leia mais

UM OLHAR PEDAGÓGICO SOBRE A RELAÇÃO ENSINO E PESQUISA NOS CURSOS DE LICENCIATURA NA ÁREA DA SAÚDE

UM OLHAR PEDAGÓGICO SOBRE A RELAÇÃO ENSINO E PESQUISA NOS CURSOS DE LICENCIATURA NA ÁREA DA SAÚDE UM OLHAR PEDAGÓGICO SOBRE A RELAÇÃO ENSINO E PESQUISA NOS CURSOS DE LICENCIATURA NA ÁREA DA SAÚDE Ana Cristina Oliveira Lima, bolsista PIBIC/ CNPq, anacristinaoliveiralima@yahoo.com.br, UECE. Brena de

Leia mais

Ana Carolina de Lima Santos (UERJ/EDU) Caroline da Silva Albuquerque (UERJ/EDU) Eixo temático 6: São tantos conteúdos... Resumo

Ana Carolina de Lima Santos (UERJ/EDU) Caroline da Silva Albuquerque (UERJ/EDU) Eixo temático 6: São tantos conteúdos... Resumo 1 A Pesquisa no Processo de Formação de Professores - Relatório da vivência no projeto A leitura no aperfeiçoamento do ensino: uma proposta de pesquisa participante Ana Carolina de Lima Santos (UERJ/EDU)

Leia mais

BIBLIOTECA VIVA: CONHECENDO O MUNDO ATRAVÉS DOS LIVROS RESUMO

BIBLIOTECA VIVA: CONHECENDO O MUNDO ATRAVÉS DOS LIVROS RESUMO BIBLIOTECA VIVA: CONHECENDO O MUNDO ATRAVÉS DOS LIVROS Camila Alves de Araujo Maria 1 ; Juciene da Silva Gomes 2 ; Ireny Morassu ³; Maria José de Jesus Alves Cordeiro 4 UEMS Cidade Universitária de Dourados-

Leia mais

A EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS E AS DIFICULDADES ENFRENTADAS POR PROFESSORES DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE FORTALEZA

A EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS E AS DIFICULDADES ENFRENTADAS POR PROFESSORES DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE FORTALEZA A EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS E AS DIFICULDADES ENFRENTADAS POR PROFESSORES DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE FORTALEZA Gabriela de Aguiar Carvalho, UFC Orientadora: Maria José Costa dos Santos, UFC INTRODUÇÃO

Leia mais

CONSTITUINDO REFERENCIAIS TEÓRICO-METODOLÓGICOS: CONTRIBUIÇÕES DO PIBID PARA O TRABALHO COM ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO

CONSTITUINDO REFERENCIAIS TEÓRICO-METODOLÓGICOS: CONTRIBUIÇÕES DO PIBID PARA O TRABALHO COM ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO CONSTITUINDO REFERENCIAIS TEÓRICO-METODOLÓGICOS: CONTRIBUIÇÕES DO PIBID PARA O TRABALHO COM ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO Bruna Mendes Muniz 1 Gislaine Aparecida Puton Zortêa 2 Jéssica Taís de Oliveira Silva

Leia mais

TÍTULO: A LEITURA COMO FERRAMENTA NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA

TÍTULO: A LEITURA COMO FERRAMENTA NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA TÍTULO: A LEITURA COMO FERRAMENTA NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE SÃO VICENTE AUTOR(ES): MARIA DE FATIMA

Leia mais

A LEITURA NA VOZ DO PROFESSOR: O MOVIMENTO DOS SENTIDOS

A LEITURA NA VOZ DO PROFESSOR: O MOVIMENTO DOS SENTIDOS A LEITURA NA VOZ DO PROFESSOR: O MOVIMENTO DOS SENTIDOS Victória Junqueira Franco do Amaral -FFCLRP-USP Soraya Maria Romano Pacífico - FFCLRP-USP Para nosso trabalho foram coletadas 8 redações produzidas

Leia mais

A PESQUISA NA FORMAÇÃO DE PEDAGOGOS: UM ESTUDO DE CASO

A PESQUISA NA FORMAÇÃO DE PEDAGOGOS: UM ESTUDO DE CASO A PESQUISA NA FORMAÇÃO DE PEDAGOGOS: UM ESTUDO DE CASO Msc. Maria Iolanda Fontana - PUCPR / UTP miolandafontana@hotmail.com RESUMO O presente trabalho sintetiza parcialmente o conteúdo da dissertação de

Leia mais

Palavras-Chave: PIBID, Formação Inicial de Professores, Ensino de Informática.

Palavras-Chave: PIBID, Formação Inicial de Professores, Ensino de Informática. DESAFIOS DO ENSINO DA INFORMÁTICA NAS ESCOLAS PÚBLICAS: CONTRIBUIÇÕES DO PIBID NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES RESUMO Jéssyca Edly Messias Ribeiro (IFRN) jeh_edly@hotmail.com Jefferson Hernane da Silva

Leia mais

COVERSAS COLABORATIVAS ENTRE PROFESSORES DE INGLÊS: PRINCÍPIO PARA A DESNATURALIZAÇÃO DE CRENÇAS?

COVERSAS COLABORATIVAS ENTRE PROFESSORES DE INGLÊS: PRINCÍPIO PARA A DESNATURALIZAÇÃO DE CRENÇAS? COVERSAS COLABORATIVAS ENTRE PROFESSORES DE INGLÊS: PRINCÍPIO PARA A DESNATURALIZAÇÃO DE CRENÇAS? SILVA, Arivan Salustiano da Mestrando do Programa de Pós-Graduação em Estudos de Linguagem MeEL/UFMT arivanss@yahoo.com

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores VIVENCIANDO A PRÁTICA ESCOLAR DE MATEMÁTICA NA EJA Larissa De Jesus Cabral, Ana Paula Perovano

Leia mais

LINGUAGEM: O COMPLEXO JOGO DAS MUDANÇAS SOCIAIS

LINGUAGEM: O COMPLEXO JOGO DAS MUDANÇAS SOCIAIS LINGUAGEM: O COMPLEXO JOGO DAS MUDANÇAS SOCIAIS Aline Almeida de Araújo 1 RESUMO A sociolinguística estuda as variações do meio social, procura entender e explicar as várias maneiras de expressão dos falantes.

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS PARA O ENSINO DE ESPANHOL: EDUCAÇÃO BÁSICA E O CLIC/UFS.

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS PARA O ENSINO DE ESPANHOL: EDUCAÇÃO BÁSICA E O CLIC/UFS. PRÁTICAS PEDAGÓGICAS PARA O ENSINO DE ESPANHOL: EDUCAÇÃO BÁSICA E O CLIC/UFS. Maria da Conceição da Cruz (PIBIX/PIBID-UFS) marynni@hotmail.com Tayane dos Santos (PIBIX -UFS) tayaneyat@gmail.com Resumo:

Leia mais

G1 Formação de Professores. Julia de Cassia Pereira do Nascimento (DO)/ juliacpn@interacaosp.com.br Edda Curi/ edda.curi@cruzeirodosul.edu.

G1 Formação de Professores. Julia de Cassia Pereira do Nascimento (DO)/ juliacpn@interacaosp.com.br Edda Curi/ edda.curi@cruzeirodosul.edu. CONTRIBUIÇÕES DO ESTÁGIO PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: INDICATIVOS DA LEGISLAÇÃO VIGENTE E DA ORGANIZAÇÃO DO ESTÁGIO NUM CURSO DE PEDAGOGIA G1 Formação de Professores

Leia mais

CIRCO: UMA PRÁTICA CORPORAL VIVENCIADA POR ALUNOS DO ENSINO MÉDIO. Palavras Chave: Educação Física, Ensino Médio e Circo

CIRCO: UMA PRÁTICA CORPORAL VIVENCIADA POR ALUNOS DO ENSINO MÉDIO. Palavras Chave: Educação Física, Ensino Médio e Circo CIRCO: UMA PRÁTICA CORPORAL VIVENCIADA POR ALUNOS DO ENSINO MÉDIO MARIA CRISTINA LOZANO Grupo de Pesquisa Educação Física FEUSP / CNPQ Este estudo é um relato de um projeto de educação física, entitulado

Leia mais

METODOLOGIA PARA DESENVOLVIMENTO DE ESTUDOS DE CASOS

METODOLOGIA PARA DESENVOLVIMENTO DE ESTUDOS DE CASOS METODOLOGIA PARA DESENVOLVIMENTO DE ESTUDOS DE CASOS 1 O Método do Caso e o Ensino em Administração O uso do Método do Caso nas escolas de administração no Brasil é relativamente recente, embora não haja

Leia mais

QUANTO É? PALAVRAS-CHAVE: Aulas investigativas, lúdico, aprendizagem. INTRODUÇÃO

QUANTO É? PALAVRAS-CHAVE: Aulas investigativas, lúdico, aprendizagem. INTRODUÇÃO QUANTO É? Danielle Ferreira do Prado - GEEM-UESB RESUMO Este trabalho trata sobre um trabalho que recebeu o nome de Quanto é? que foi desenvolvido depois de vários questionamentos a cerca de como criar

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: ANÁLISE DO PLANO DE AULA

O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: ANÁLISE DO PLANO DE AULA O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: ANÁLISE DO PLANO DE AULA Adriana Rosicléia Ferreira CASTRO Graduada em Pedagogia pela Universidade do Estado do Rio Grande do Norte/ UERN - CAMEAM Pós-graduanda em Psicopedagogia

Leia mais

Gêneros discursivos no ciclo da alfabetização 1º ao 3º ano do ensino fundamental

Gêneros discursivos no ciclo da alfabetização 1º ao 3º ano do ensino fundamental Gêneros discursivos no ciclo da alfabetização 1º ao 3º ano do ensino fundamental Não se aprende por exercícios, mas por práticas significativas. Essa afirmação fica quase óbvia se pensarmos em como uma

Leia mais

CONCEPÇÕES DE PROFESSORES SOBRE GÊNEROS TEXTUAIS/DISCURSIVOS NA ESCOLA. Fernanda Cargnin Gonçalves goncalves.fernandac@gmail.com

CONCEPÇÕES DE PROFESSORES SOBRE GÊNEROS TEXTUAIS/DISCURSIVOS NA ESCOLA. Fernanda Cargnin Gonçalves goncalves.fernandac@gmail.com CONCEPÇÕES DE PROFESSORES SOBRE GÊNEROS TEXTUAIS/DISCURSIVOS NA ESCOLA Fernanda Cargnin Gonçalves goncalves.fernandac@gmail.com O que faremos? Recorte de uma pesquisa realizada no ano de 2010 com 84 professores

Leia mais

ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE A PARTIR DO JOGO TRAVESSIA DO RIO. Palavras-chave: resolução de problemas; jogo; problematizações.

ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE A PARTIR DO JOGO TRAVESSIA DO RIO. Palavras-chave: resolução de problemas; jogo; problematizações. ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE A PARTIR DO JOGO TRAVESSIA DO RIO Cidinéia da Costa Luvison SME Bragança Paulista/SP; SEE - Morungaba/SP E-mail: cidineiadacosta.luvison@gmail.com Cleane Aparecida dos Santos

Leia mais

Universidade Estadual de Londrina

Universidade Estadual de Londrina Universidade Estadual de Londrina Josiane de Freitas Santos Relatório de Estágio em Educação Infantil Londrina 2010 1 Josiane de Freitas Santos Relatório de Estágio em Educação Infantil Relatório final

Leia mais