CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA"

Transcrição

1 CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE LINS PROF. ANTONIO SEABRA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM REDES DE COMPUTADORES ÉDSON DE OLIVEIRA FERREIRA SISTEMA COMUNITÁRIO DE VIGILÂNCIA RESIDENCIAL LINS/SP 2º SEMESTRE/2012

2 CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE LINS PROF. ANTONIO SEABRA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM REDES DE COMPUTADORES ÉDSON DE OLIVEIRA FERREIRA SISTEMA COMUNITÁRIO DE VIGILÂNCIA RESIDENCIAL Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Faculdade de Tecnologia de Lins como parte dos requisitos necessários para obtenção do título de Tecnólogo em Redes de Computadores. Orientador: Prof. Dr. Renato Correia de Barros. LINS/SP 2º SEMESTRE/2012

3 ÉDSON DE OLIVEIRA FERREIRA SISTEMA COMUNITÁRIO DE VIGILÂNCIA RESIDENCIAL Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Faculdade de Tecnologia de Lins, como parte dos requisitos necessários para obtenção do título de Tecnólogo em Redes de Computadores sob orientação do Prof. Dr. Renato Correia de Barros. Data da aprovação: 13/12/2012. Orientador: Prof. Dr. Renato Correia de Barros Prof. Me. Alexandre Ponce de Oliveira Profa. Me. Gisele Molina Becari

4 Dedico este trabalho a uma pessoa muito especial na minha vida: A minha esposa Creusa Calastro Cortinas, que passa por todas as alegrias e tristezas a cada dia, que trabalha muito, levanta de madrugada, passa noites acordada, entende as ausências e alegra as presenças com todo seu amor. O amor nos une e nos dá a força necessária para enfrentarmos os desafios que a vida impõe. Este trabalho tem muito deste amor Édson de Oliveira Ferreira

5 AGRADECIMENTOS. Agradeço especialmente ao Prof. Dr. Renato Correia de Barros, por quem tive a honra de ser orientado neste trabalho de conclusão de curso. Agradeço a confiança que ele sempre depositou no meu trabalho, as palavras pontuais que me disse e sempre me motivaram nos momentos de insegurança, a paciência com que tratou a minha falta de tempo, a atenção e importância que dedicou a esse trabalho, a competência que conduziu as orientações de forma que fossem muito proveitosas, ao tempo que dedicou a esse trabalho apesar das inúmeras atividades pelas quais é responsável. Enfim, me mostrou que com dedicação e empenho sempre poderemos melhorar um trabalho que realizamos, nossa vida e a vida das pessoas que estão próximas a nós. Agradeço imensamente ao Prof. Me Júlio Fernando Lieira, que voluntariamente dedicou muito do seu tempo neste trabalho, a sua colaboração foi fundamental para o seu desenvolvimento e, sem ela, com certeza, o resultado alcançado não seria o mesmo. Agradeço ao Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza, que me ofereceu as condições necessárias para realização do sonho de minha vida e, quando eu estou neste lugar me sinto tranquilo e feliz, esta faculdade é a minha segunda casa! Aos meus pais, filho, enteados, netos, irmãs, sobrinhos e outros familiares que sempre me incentivaram e souberam entender as ausências nos últimos quatro anos. Ao meu colega de turma Leandro Siqueira da Silva Tanaka, que com seu companheirismo, contribuiu muito para o desenvolvimento deste trabalho. A Profa. Me Luciane Noronha do Amaral pela revisão ortográfica. A todos os colegas de turma que fizeram parte desta história. A Deus que rege e permite tudo nesta vida. Muito obrigado! Édson de Oliveira Ferreira

6 RESUMO Este trabalho teve a finalidade de implantar um sistema comunitário de vigilância residencial, de baixo custo, utilizando câmera de vigilância protegida por uma cúpula antivandalismo, instalada na área externa da residência. Ela possui rotação horizontal e vertical, com acesso e gerenciamento via Web. Utilizou-se a topologia Wireless padrão IEEE b,g,n, com autenticação através de usuário e senha, criptografia WPA2 e um servidor de Web/FTP com sistema operacional UnixLike freebsd 9.0. O servidor para armazenar as imagens registradas e disponibilizá-las na Web exige qualificação técnica, tem um alto custo de manutenção e a infraestrutura para seu funcionamento deve estar dentro das Normas Técnicas da NBR Uma das grandes preocupações do projeto foi o custo financeiro para que esta tecnologia de vigilância com câmeras IP pudesse atingir o maior numero de residências numa comunidade de classes C/D sem nenhuma distinção. Este estudo busca unir a comunidade, a universidade e as autoridades para solução de problemas comuns, utilizando a tecnologia de monitoramento remota por câmera IP. Através da internet, pessoas, mesmo que distantes de suas residências, poderão saber o que está acontecendo nelas. As autoridades públicas poderão observar as condições das ruas, gravidade de acidentes de trânsito ou residencial, vazamentos de água, iluminação pública e, será possível também, identificar, inibir e facilitar o trabalho da polícia no combate ao crime. Palavras-chaves: Redes de computadores, Wireless e monitoramento IP.

7 ABSTRACT This study aimed to establish a Community residential surveillance, low cost, using surveillance camera protected by a vandal dome, installed on the outside of the residence. It has vertical and horizontal rotation, with access and management via the Web used the topology Wireless IEEE b, g, n, with authentication via username and password, WPA2 encryption and a web server / FTP operating system UnixLike freebsd 9.0. The server to store recorded images and make them available on the Web requires technical skills, have a high maintenance cost and infrastructure for its operation must be within the Technical Standards of ISO A major concern of the project was the financial cost of this technology for surveillance IP cameras could reach the greatest number of homes in a community class C / D without distinction. This study seeks to unite the community, the university and the authorities to solve common problems using remote monitoring technology for IP camera. Through the internet, people, even if far from their homes, can know what is happening in them. Public authorities can observe road conditions, severity of traffic accidents or residential water leaks, lighting, and you can also identify, inhibit and facilitate the work of the police in combating crime. Keywords: Computer Networking, Wireless and IP tracking.

8 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura 1.1 Microcâmeras Figura 1.2 Microcâmeras são utilizadas de forma disfarçada Figura 1.3 Minicâmeras Figura 1.4 Câmera profissional Figura 1.5 Câmeras Speed Dome IP Figura 1.6 Monitor de CFTV conectado a um sequencial de vídeo Figura 1.7 Processo de digitalização da imagem Figura 1.8 Monitores XVGA próprio para CFTV Figura 1.9 Sistema CFTV gerenciado por software Figura 1.10 CIMCamp Central Integrada de Monitoramento de Campinas Figura 1.11 Número de usuários da Internet no Brasil Figura 1.12 As 7 camadas do modelo de referência OSI Figura 1.13 As 4 camadas do modelo TCP/IP Figura 1.14 Projeto rede wi-fi a,b,g Figura 1.15 Projeto de rede wi-fi n Figura 1.16 Projeto de banda larga de longa distância Figura 1.17 Enlace entre dois access points Figura 2.1 Esquema geral do projeto Figura 3.1 Localização do projeto Figura 3.2 Topologia de Interconexão do Protótipo Figura 3.3 Interface de administração do roteador Asus RT N Figura 3.4 Interface de configuração da rede sem fio Figura 3.5 Interface de configuração do Servidor DHCP Figura 3.6 Interface de configuração de redirecionamento de portas Figura 3.7 Interface de configurações avançadas Figura 3.8 Configurações de data e hora da câmera Figura 3.9 Cadastro de usuários para acesso à câmera Figura 3.10 Configuração básica de rede da câmera Figura 3.11 Configuração wireless da câmera Figura 3.12 Configuração de usuário/senha para atualização do IP dinâmico.. 52

9 Figura 3.13 Configuração do acesso ao servidor FTP Figura 3.14 Configuração para upload das imagens Figura 3.15 Configuração PTZ Figura 3.16 Registro de Log Figura A.1 Tela do FreeBSD após inicialização Figura A.2 Momento da escolha da opção de instalação no HD Figura A.3 Configuração do mapa do teclado Figura A.4 Escolha do layout do Teclado Figura A.5 Escolha do nome do computador Figura A.6 Escolha dos grupos de softwares a serem instalados Figura A.7 Escolha do método de particionamento do HD Figura A.8 Detecção do HD Figura A.9 Escolha do esquema de Particionamento do HD Figura A.10 Aviso de Tabela de partições criada Figura A.11 Tela para criar partições Figura A.12 Criando a partição raiz Figura A.13 Mensagem solicitando criar partição de boot Figura A.14 Criando a partição de swap Figura A.15 Criando uma partição para arquivos Figura A.16 Definindo o ponto de montagem Figura A.17 Tela mostrando a tabela de partições Figura A.18 Tela de confirmação para gravar tabela de partição no disco Figura A.19 Processo de instalação dos pacotes em 3% Figura A.20 Processo de instalação dos pacotes em 75% Figura A.21 Digitando a senha para o usuário root Figura A.22 Confirmando a digitação da senha para o usuário root Figura A.23 Tela mostrando a interface de rede detectada Figura A.24 Tela solicitando configuração de rede IPv Figura A.25 Tela solicitando configuração de rede IPv Figura A.26 Configuração do relógio Figura A.27 Seleção da região do fuso horário Figura A.28 Seleção do país do fuso horário Figura A.29 Selecionando a região do país, para configuração/fuso horário Figura A.30 Abreviação associada ao fuso horário configurado... 72

10 Figura A.31 Seleção de serviços a serem inicializados no boot Figura A.32 Desativando a geração de relatórios de erro Figura A.33 Tela perguntando se deseja adicionar novos usuários Figura A.34 Tela final apresentando o menu de opções de configuração Figura A.35 Tela de ativação/shell, configuração manual Figura A.36 Finalizando a instalação e reiniciando o computador Figura A.37 Menu de inicialização do Sistema Operacional FreeBSD Figura A.38 Tela de login do sistema para autenticação Figura A.39 Tela mostrando o prompt do sistema após autenticação... 76

11 LISTA DE TABELAS Tabela 2.1 Custos Tabela 2.2 Gastos Fixos... 38

12 LISTA DE QUADROS Quadro 1.1 Crescimento das empresas de segurança privada

13 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS 3GPP - 3rd Generation Partnership Project. a.c antes de Cristo. ABESE Associação Brasileira das Empresas de Sistemas Eletrônicos de Segurança. ABGS Associação Brasileira dos Gestores de Segurança Privada. AES Algoritmo de Criptografia Simétrica. AGC - Automatic Gain Control. AP - Access Point. ATW - Auto Tracking White Balance. BIOS - Basic Input/Output System. BLC - Black Ligth Compensation. BWA - Broadband Wireless Access. CCD - Charge Coupled Device. CD Compact Disc. CFTV Circuito Fechado de Televisão. CIMCam - Central Integrada de Monitoramento de Campinas. CMOS - Complementary Metal-Oxide-Semiconductor. COPOM - Centro de Operações da Policia Militar. d.c. depois de Cristo. DDNS Dynamic Domain Name System. DHCP Dynamic Host Configuration Protocol. DIN - Deutsches Institut für Normung. DMZ - DeMilitarized Zone. DNS - Domain Name System. DSL - Digital Subscriber Line. DVD - Digital Versatile Disc. DVR - Digital Video Recorder. FTP File Transfer Protocol. GB Giga Byte. GHz Giga Hertz. GPS - Global Position System.

14 GPT - GUID Partition Table. HD Hard Disk. HTTP - Hypertext Transfer Protocol. HTTPS - Hypertext Transfer Protocol Secure. IEEE - Institute of Electrical and Electronics Engineers. IP - Internet Protocol). ISMA - Intelligent Motion Detection. Superior Low. KB Kilo Byte. LAN - local area network. LCD - Liquid Crystal Display. LED - Light Emitting Diode. LUX - Lumens. MAC - Media Access Control. MB Mega Byte. Mbps Mega bit por Segundo. MHz Mega Hertz. MJPEG - Moving Picture Experts Group. NTP - Network Time Protocol. OSI - Open Systems Interconnection. P&B Preto e Branco. PC Personal Computer. PM - Polícia Militar. PPPoE - Point-to-Point Protocol over Ethernet. PTZ Pan Tilt Zoom. QIS - Quick Internet Setup. RAM - Random Access Memory. RTSP - Real Time Streaming Protocol. SESVESP - Sindicato das Empresas de Segurança Privada, Segurança Eletrônica, Serviços de Escolta e Cursos de Formação do Estado de São Paulo. SMTP Simple Mail Transfer Protocol. SSH Secure Shell. SSID - Service Set Identifier. TCP/IP - Transfer Control Protocol/Internet Protocol.

15 TI Tecnologia da Informação. UDP User Datagram Protocol. UPnP Universal Plug and Play. URL - Uniform Resource Locator. UTC - Universal Time Coordinated. UTP - Unshielded Twisted Pair. VIMAX - Worldwide Interoperability for microwave Access. WAN Wide Area Network. Web World Wide Web. Wi-Fi - Wireless Fidelity. WLAN - Wireless Local Area Network. WPA2 Wi-fi Protected Access 2. XVGA - Extended Graphics Array.

16 SUMÁRIO INTRODUÇÃO LEVANTAMENTO BIBLIOGRÁFICO SEGURANÇA SEGURANÇA PÚBLICA SEGURANÇA PRIVADA Crescimento do segmento 2007 a MONITORAMENTOS DE VÍDEO UTILIZADO PELA SEGURANÇA PÚBLICA TIPOS DE CÂMERAS DE VIDEO Exemplos de Microcâmeras Exemplos de Microcâmeras Pin hole Exemplos de Minicâmeras Exemplo de câmeras profissionais Câmeras profissionais Speed Dome IP O CFTV Iluminação do CFTV Câmeras de CFTV Monitores para CFTV EXEMPLOS DE SISTEMA PÚBLICO DE MONITORAMENTO A INTERNET PROTOCOLOS Modelo de referência OSI Modelo de referência TCP/IP REDE SEM FIO (WIRELESS NETWORK) Padrões IEEE Padrões IEEE ACCESS POINT MATERIAIS E MÉTODOS MATERIAIS MÉTODOS... 38

17 3 IMPLEMENTAÇÃO LOCALIZAÇÃO DO PROTÓTIPO RECURSOS NECESSÁRIOS PARA O DESENVOLVIMENTO DO PROJETO Internet banda larga Endereçamento IP Dinâmico Problemas com Bloqueio de Portas Roteador Configuração da Rede sem fio Configuração da LAN Configuração da Wide Area Network (WAN) Servidor Web Câmera Dome Pan Tilt Wireless Configuração do Administrador CONCLUSÃO REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS APÊNDICE A A.1 INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO DO SERVIDOR FREEBSD A.2 CONFIGURAÇÃO DO SERVIÇO DE FTP NO FREEBSD A.3 CONFIGURAÇÃO DO SERVIDOR Web APACHE NO FREEBSD

18 17 INTRODUÇÃO Nos dias atuais, as pessoas buscam cada vez mais conforto, comodidade e segurança. A tecnologia da informação tem proporcionado isso, através da integração de todos os recursos eletroeletrônicos de uma residência, tais como: iluminação, sensor de presença de gás, ar condicionado, máquina de lavar, forno, fogão, equipamentos de segurança, monitoramento, sensor de presença, alarme e câmeras de vídeo, que são acessados e programados via World Wide Web (Web) através de protocolos Transfer Control Protocol (TCP/IP). Segundo Galli (2010), dados oficiais extraídos do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, houve um aumento de gastos com a segurança pública no Brasil que passa de 100%: de R$ 22,50 bilhões em 2003 para R$ 47,60 bilhões em Além disso, no Brasil existem empresas de segurança e vigilantes autorizadas com vigilantes, em 2009, que apresentou um crescimento de 17,14% de 2007/9. Claro está que, o Brasil tem dimensões continentais e cada região tem suas particularidades, porém a insegurança é um problema comum a todas elas. Segundo Governo (2011), no Estado de São Paulo, a Secretaria da Segurança Pública apresenta estatísticas periódicas sobre indicadores da criminalidade: em 2001, o total das ocorrências policiais registradas foram , deste total foram delitos contra o patrimônio, que representa 58,59%. Em 2010, o total das ocorrências policiais registradas foram , deste total foram delitos contra o patrimônio, que representa 55,82%. Sendo assim, o objetivo deste projeto foi montar de um sistema comunitário de vigilância residencial com câmeras de monitoramento de baixo custo, onde as famílias das classes C e D poderão ter acesso à tecnologia da informação como um agente que também poderá auxiliar, e muito, na segurança das residências e conjuntos habitacionais, situados nas periferias das cidades, onde o patrulhamento da polícia nem sempre é ostensivo. Com efeito, a utilização de um sistema como este, propiciará a possível identificação de criminosos, bem como a inibição de atos criminosos, o que, sem dúvida, facilitará o trabalho da polícia no combate ao crime. Diante desta realidade, é imprescindível que cada cidadão tenha consciência de sua responsabilidade social e procure contribuir, dentro de sua área de atuação, com a solução deste problema que está se tornando comum.

19 18 O presente trabalho foi desenvolvido em quatro capítulos. No primeiro capítulo, foram detalhadas as tecnologias usadas para o desenvolvimento do projeto. No capítulo 1, é apresentado o levantamento bibliográfico sobre a fundamentação teórica para o desenvolvimento deste projeto. No capítulo 2, são abordados os materiais e os métodos utilizados para o desenvolvimento do projeto. No capítulo 3, é apresentado como foi desenvolvido o projeto. Por fim, é apresentada a conclusão do projeto.

20 19 1 LEVANTAMENTO BIBLIOGRÁFICO 1.1 SEGURANÇA De acordo com Filocre (2009). Se perguntarem a um leigo o que é segurança, a resposta provavelmente será algo do tipo: São ações que têm por objetivo reduzir a criminalidade e combater a violência. 1.2 SEGURANÇA PÚBLICA Segundo a Constituição Federal (1988), a Segurança Pública, é dever do Estado e direito e responsabilidade de todos, é exercida para a preservação da ordem pública e da incolumidade das pessoas e do patrimônio, através dos seguintes órgãos: Polícia Federal, Polícia Rodoviária Federal, Polícia Ferroviária Federal, Polícia Civil, Policiais Militares e o Corpo de Bombeiros Militares. O ordenamento jurídico e os Poderes do Estado nas esferas federal, estadual e municipal devem estar integrados de forma harmoniosa, de modo a garantir os direitos e interesses de uma nação livre e soberana. O problema da segurança publica não pode mais estar apenas adstrito ao repertório tradicional do direito e das instituições da justiça, particularmente, da justiça criminal, presídios e polícia. Evidentemente, as soluções devem passar pelo fortalecimento da capacidade do Estado em gerir a violência, pela retomada da capacidade gerencial no âmbito das políticas públicas de segurança, mas também devem passar pelo alongamento dos pontos de contato das instituições públicas com a sociedade civil e com a produção acadêmica mais relevante à área. Em síntese, os novos gestores da segurança pública (não apenas policiais, promotores, juízes e burocratas da administração pública) devem enfrentar estes desafios além de fazer com que o amplo debate nacional sobre o tema transforme-se em real controle sobre as políticas de segurança pública e, mais ainda, estimule a parceria entre órgãos do poder público e sociedade civil na luta por segurança e qualidade de vida dos cidadãos brasileiros. (Observatório de Segurança Pública, 2010). 1.3 SEGURANÇA PRIVADA Define a Gestão da Segurança Privada (2011), que a segurança privada é uma medida de prevenção proativa contra a violência crescente em todas as camadas sociais e visa, em primeiro lugar, o afastamento dos riscos ou perigos que

21 20 possam afetar a vida, a incolumidade e a propriedade das pessoas em ambiente privado ou de acesso condicionado (restrito) mediante emprego de organizações privadas autorizadas pelo poder publico Crescimento do segmento 2007 a 2009 Conforme Sindicato das Empresas de Segurança Privada, Segurança Eletrônica, Serviços de Escolta e Cursos de Formação do Estado de São Paulo (2009) o quadro 1.1, há um crescimento constante no contingente dos vigilantes de empresas de segurança privada nos anos de 2007 a 2009, o Estado de São Paulo emprega em torno de 30% de todos os vigilantes do Brasil e não se pode desprezar este número, haja vista que o Brasil é um país continental e neste Estado da Federação a segurança é algo muito preocupante para a população. Quem pode, muitas vezes, paga segurança particular. Quadro 1.1 Crescimento constante das empresas de segurança privada no Brasil e na região sudeste, em destaque. VIGILANTES OCUPADOS EM EMPRESAS DE SEGURANÇA PRIVADA a 2009 Locais No. de vigilantes variação absoluta no. variação relativa - % / / / Brasil ,63% 7,84% 17,14% Sudeste ,94% 4,89% 14,27% São Paulo ,33% 5,65% 16,57% Minas Gerais ,58% 3,51% 9,28% Espírito Santo ,39% 4,57% 20,67% Rio de Janeiro ,54% 3,66% 9,40% Fonte: SESVESP, MONITORAMENTOS DE VÍDEO UTILIZADO PELA SEGURANÇA PÚBLICA Esclarece O Globo (2011) que as grandes cidades do Estado de São Paulo como São José dos Campos, Santos, Sorocaba e Campinas, a população já identifica o monitoramento nas vias públicas. De acordo com Dados (2011), ao contrário do que se nota, o monitoramento visa à privacidade da população. Uma vez que gera uma sensação de maior segurança, de uma forma preventiva. As câmeras podem ser utilizadas em diversos pontos, possibilitando o monitoramento de ruas, avenidas, escolas, praças e demais prédios públicos. Em

22 21 geral, nos grandes centros são utilizados dois sistemas de câmeras de monitoramento: o sistema fixo que permite a observação de até 600 metros de distância, e o móvel, que pode, além de ter esta observação, pode a circunferência de 360º graus. (ABESE, 2011) Segundo O Globo (2011), o comandante do policiamento militar do Estado de São Paulo Cel. Camilo, disse que São Paulo terá 4 mil câmeras de monitoramento em até 4 anos, quando será realizada a Copa do Mundo. O Centro de Operações da Policia Militar (COPOM) é a central de monitoramento e trabalha no sistema 24h durante os 7dias da semana, com três turnos de revezamento diário. Os operadores das câmeras identificam o local da ocorrência e despacham viaturas por via digital. As imagens que são captadas podem ser usadas como prova de crimes em investigações da Polícia Civil. Conclui-se que, o crescimento deste setor da tecnologia torna o monitoramento comum no dia-a-dia da população. A evolução natural deste setor será abranger as residências das pessoas em todos os lugares. 1.5 TIPOS DE CÂMERAS DE VIDEO De acordo com o site OLX (2012), o mercado de insumos para informática oferece muitas opções de câmeras de vigilância das mais diversas marcas e com finalidades muito semelhantes, portanto é muito importante saber identificar a utilização mais adequada para cada tipo de segurança que se deseja obter Exemplos de Micro-câmeras Na Figura 1.1, são apresentados dois modelos de microcâmeras. Figura 1.1 Microcâmeras Fonte: OLX, 2012.

23 Exemplos de Micro-câmeras Pin hole Descreve no site OLX (2012) as micro-câmeras Pin hole, buraco de agulha, são encontradas, facilmente, no mercado brasileiro, principalmente no de venda online, são micro-câmeras disfarçadas em objetos de uso pessoal com a característica de possuírem uma lente com tamanho extremamente reduzido, sem ter qualquer tipo de prejuízo à captação da imagem. Conforme ilustra a figura 1.2. Figura micro-câmeras são utilizadas de forma disfarçada conhecidas por espiãs. Fonte: OLX, Exemplos de Mini-câmeras Os modelos comerciais mais vendidos estão ilustrados na figura 1.3. Figura 1.3 mini-câmeras. Fonte: Manufacturers Directory, Exemplo de câmeras profissionais Ilustrada na figura 1.4.

24 23 Figura 1.4 Câmera profissional, com recursos eletrônicos para produzir imagem com alto padrão de qualidade. Fonte: Toda Oferta, Câmeras profissionais Speed Dome IP Segundo Peres (2004), as câmeras de alta velocidade e protocolo internet em cúpula de proteção, Speed Dome/IP. Estas câmeras revolucionaram o mercado, pois, são extremamente avançadas, com movimentação motorizada, normalmente, em 360º de giro horizontal (giro infinito) e 90º de giro vertical. Possuem ainda, a integração de uma lente zoom de 12 a 30X. Além de várias programações para monitorar a maior área possível e de forma eficiente, tours (sequência de movimentações), máscaras de área, giro automático, função Day/night, zoom digital, auto-track (busca de objetos ou pessoas, seu direcionamento e foco é na direção onde o sensor de movimento detecta a alteração no ambiente), e ainda apresentam várias outras funções de acordo com o modelo. Sua aplicação permite a cobertura de uma área muito grande, além de permitir que o zoom seja aproximado para colherem informações muito mais detalhadas em determinada cena. Apesar de ser um tipo de equipamento extremamente avançado, sua instalação e configuração, normalmente, não é complicada, pois todos os seus comandos são sinais de dados. Também podem ser acessadas remotamente e, suas imagens podem ser vistas por telefone celular, computador, tablet com a utilização dos protocolos: Hypertext Transfer Protocol (HTTP), Transfer Control Protocol/Internet Protocol (TCP), User Datagram Protocol (UDP), Simple Mail Transfer Protocol (SMTP), File Transfer Protocol (FTP), Dynamic Host Configuration Protocol (DHCP), Network Time Protocol (NTP), Universal Plug and Play (UPnP), Dynamic Domain Name System (DDNS), 3rd Generation Partnership Project (3GPP)/ Intelligent Motion Detection. Superior Low (ISMA)/Real Time Streaming Protocol (RTSP).

25 24 A figura 1.5 ilustra alguns modelos destas câmeras. Figura 1.5 Câmeras Speed Dome IP, para monitoramento e acesso e programação via Web. Fonte: OLX, O CFTV Conforme o Peres (2004), este equipamento é indispensável para organizar todo sistema composto de iluminação, câmeras, sensores de movimento, processadores, monitores, gravadores de vídeo, no-break, Web câmeras, servidor, e softwares; o CFTV, Circuito Fechado de Televisão, do termo inglês Closed Circuit TeleVision (CCTV), é um sistema de televisionamento que distribui sinais provenientes de câmeras localizadas em locais específicos, para um ponto de supervisão pré-determinado local ou remoto. O Sistema CFTV atendo a vários propósitos além da segurança e vigilância, também é utilizado em outras áreas como laboratórios de pesquisa, em escolas, empresas privadas, na área médica, pesquisa e monitoramento de fauna e flora, monitoramento de relevo, condições climáticas, controle de processos assim como nas linhas de produção de fábricas, entre muitas outras. A figura 1.6, abaixo ilustra um monitor de CFTV ligado a um sequencial de vídeo. Figura 1.6 Monitor de CFTV conectado a um sequencial de vídeo. Fonte: Guia do CFTV, 2011.

26 Iluminação do CFTV Esclarece o Peres(2004) que, por definição, luz é uma forma de energia radiante visível. A luz e indispensável para que o sensor Charge Coupled Device (CCD) possa captar a imagem e digitalizar esta imagem em vários quadros micróscópicos que é conhecido como pixels, um ponto muito pequeno que é uma parte da imagem captada que não é visível pelo olho humano e, a partir dele transformar as imagens em sinais elétricos. O conhecimento técnico sobre imagem, ainda que básico, é imprescindível para que a qualidade da imagem captada seja satisfatória pois, dependendo do tipo de local a ser monitorado e da aplicação das imagens captadas, será determinado o tipo de equipamento a ser utilizado. Para aplicações internas com iluminação garantida e maiores detalhes podem ser utilizadas câmeras coloridas. Já em locais externos com períodos de baixa iluminação é recomendável utilizar câmeras P&B, pois a sua sensibilidade é muito maior ou câmeras com Light Emitting Diode (LEDS)/Infra-vermelho que são gerenciadas por softwares, sendo esta última de valor bem mais caro. É preciso ter uma noção básica sobre iluminação. A quantidade de luz é definida por Lúmens (LUX). Um LUX é a luz do volume referente a uma vela a um metro de distância. Exemplos de iluminação natural expressos em LUX: um dia claro ( LUX), um dia escuro (100 LUX), no entardecer (10 LUX), no anoitecer (1 LUX), em noite de lua cheia (0,1 LUX), em noite de lua minguante (0,01 LUX). De acordo com Peres(2004) a aplicação e da iluminação da cena a ser captada pelo CFTV será necessário implantar um sistema de iluminação artificial, formado por lâmpadas com iluminação visual ou através de iluminadores de infravermelho que geram iluminação para câmeras P&B sem que esta iluminação possa ser percebida pelo olho humano Câmeras de CFTV Segundo Peres (2004), as câmeras são equipamentos destinados a converter níveis de iluminaçao e cor em sinais elétricos, seguindo certos padrões. Todas as câmeras digitais possuem sensores o CCD que como captam a imagem dos objetos quando estes são atingidos pela luz. Todo sistema de visualização tem um ponto de

27 26 início a câmera. A câmera cria a imagem através dos níveis de iluminação captados do ambiente através da lente e do sensor de imagem do CCD, essa imagem captada é então processada e transmitida para o sistema de controle, como um quad, multiplexador ou Digital Video Recorder (DVR). O CCD é o dispositivo responsável que converte imagens visuais em sinais elétricos. Composto por milhares de elementos sensíveis à luz. Desta forma a imagem formada sobre o CCD é dividida em vários elementos de imagem, chamados de pixel. Cada pixel contém a quantidade de informações correspondente àquela área da imagem. Assim, o CCD funciona como um filme de uma máquina fotográfica, capturando imagem, com a diferença de poder ser lido, apagado e usado novamente. Este ciclo de leitura, sendo repetido rapidamente (60 vezes por segundo) faz com que o sistema atue como uma filmadora. O CCD recebe a luz através da lente e a transporta para a câmera para que ela possa trabalhar. Na figura 1.7, uma ilustração de como é realizado este processo. Figura 1.7 Processo de digitalização da imagem. Fonte: Guia do CFTV, Para Peres (2004), a resolução da imagem é medida em números de linhas horizontais de televisão e corresponde à qualidade da imagem gerada. É a característica que irá definir a qualidade da imagem de uma câmera. Quanto maior o número de linhas melhor a qualidade da imagem gerada. Normalmente, está entre 250 a 500 linhas para câmeras coloridas e entre 300 e 500 para câmeras preto e branco P&B. A iluminação, também conhecida como o LUX da câmera, é o nível de iluminação mínimo para gerar uma imagem aceitável. Tem um valor característico entre 0,01 a 0,5 para câmeras P&B e entre 0,7 a 3 LUX para câmeras coloridas. Assim sendo, quanto menor o LUX melhor será a imagem em condições de baixa iluminação e mais sensível será a câmera. Abaixo são apresentados os recursos tecnológicos presentes nestas novas câmeras, eles possibilitam que um desempenho muito superior em qualidade e

Câmeras. Internas. www.foscam.com.br

Câmeras. Internas. www.foscam.com.br Câmeras Internas IP WIRELESS FOSCAM FI9821W A câmera IP FOSCAM FI9821W é uma solução para clientes que procuram um equipamento de alto desempenho, com compressão de imagem H.264 e resolução Megapixel.

Leia mais

IP Camera Tutorial. CNet Technology Jan 2008

IP Camera Tutorial. CNet Technology Jan 2008 IP Camera Tutorial CNet Technology Jan 2008 O que é Câmera IP? Camera IP é a combinação entre câmera e computador. As câmeras podem ser conectadas diretamente na sua rede. Ela possui internamente software

Leia mais

SISTEMA DE GRAVAÇÃO DIGITAL COM UM MICROCOMPUTADOR (DVD OU PLACAS DE CAPTURA DE VÍDEO)

SISTEMA DE GRAVAÇÃO DIGITAL COM UM MICROCOMPUTADOR (DVD OU PLACAS DE CAPTURA DE VÍDEO) SISTEMA DE GRAVAÇÃO DIGITAL COM UM MICROCOMPUTADOR (DVD OU PLACAS DE CAPTURA DE VÍDEO) Há vários tipos de sistemas de gravações digitais. Os mais baratos consistem de uma placa para captura de vídeo, que

Leia mais

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross Redes Pablo Rodriguez de Almeida Gross Conceitos A seguir serão vistos conceitos básicos relacionados a redes de computadores. O que é uma rede? Uma rede é um conjunto de computadores interligados permitindo

Leia mais

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS INTERNET PROTOCOLOS 1 INTERNET Rede mundial de computadores. Também conhecida por Nuvem ou Teia. Uma rede que permite a comunicação de redes distintas entre os computadores conectados. Rede WAN Sistema

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula Complementar - MODELO DE REFERÊNCIA OSI Este modelo se baseia em uma proposta desenvolvida pela ISO (International Standards Organization) como um primeiro passo em direção a padronização dos protocolos

Leia mais

Protocolo. O que é um protocolo? Humano: que horas são? eu tenho uma pergunta

Protocolo. O que é um protocolo? Humano: que horas são? eu tenho uma pergunta Protocolo O que é um protocolo? Humano: que horas são? eu tenho uma pergunta Máquina: Definem os formatos, a ordem das mensagens enviadas e recebidas pelas entidades de rede e as ações a serem tomadas

Leia mais

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP HTTP (Hypertext Transfer Protocol ) Protocolo usado na Internet para transferir as páginas da WWW (WEB). HTTPS (HyperText Transfer

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA

Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA Disciplina: Redes de Computadores Prof.: Rafael Freitas Reale Aluno: Data / / Prova Final de Redes Teoria Base 1) Qual o tipo de ligação e a topologia respectivamente

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Tanenbaum Redes de Computadores Cap. 1 e 2 5ª. Edição Pearson Padronização de sistemas abertos à comunicação Modelo de Referência para Interconexão de Sistemas Abertos RM OSI Uma

Leia mais

Comunicação Sem Fio REDES WIRELES. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio 06/05/2014

Comunicação Sem Fio REDES WIRELES. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio 06/05/2014 REDES WIRELES Prof. Marcel Santos Silva Comunicação Sem Fio Usada desde o início do século passado Telégrafo Avanço da tecnologia sem fio Rádio e televisão Mais recentemente aparece em Telefones celulares

Leia mais

INFORMÁTICA PARA CONCURSOS

INFORMÁTICA PARA CONCURSOS INFORMÁTICA PARA CONCURSOS Prof. BRUNO GUILHEN Vídeo Aula VESTCON MÓDULO I - INTERNET Aula 01 O processo de Navegação na Internet. A CONEXÃO USUÁRIO PROVEDOR EMPRESA DE TELECOM On-Line A conexão pode ser

Leia mais

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura

Leia mais

Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação 1 Introdução à Camada de Transporte Camada de Transporte: transporta e regula o fluxo de informações da origem até o destino, de forma confiável.

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO CURSO. Prof. BRUNO GUILHEN www.brunoguilhen.com.br. Prof. BRUNO GUILHEN

APRESENTAÇÃO DO CURSO. Prof. BRUNO GUILHEN www.brunoguilhen.com.br. Prof. BRUNO GUILHEN APRESENTAÇÃO DO CURSO Prof. BRUNO GUILHEN www.brunoguilhen.com.br Prof. BRUNO GUILHEN MÓDULO I - INTERNET Aula 01 O processo de Navegação na Internet. O processo de Navegação na Internet A CONEXÃO USUÁRIO

Leia mais

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF REDES ESAF 01 - (ESAF - Auditor-Fiscal da Previdência Social - AFPS - 2002) Um protocolo é um conjunto de regras e convenções precisamente definidas que possibilitam a comunicação através de uma rede.

Leia mais

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br Revisão Karine Peralta Agenda Revisão Evolução Conceitos Básicos Modelos de Comunicação Cliente/Servidor Peer-to-peer Arquitetura em Camadas Modelo OSI Modelo TCP/IP Equipamentos Evolução... 50 60 1969-70

Leia mais

AULA 01 INTRODUÇÃO. Eduardo Camargo de Siqueira REDES DE COMPUTADORES Engenharia de Computação

AULA 01 INTRODUÇÃO. Eduardo Camargo de Siqueira REDES DE COMPUTADORES Engenharia de Computação AULA 01 INTRODUÇÃO Eduardo Camargo de Siqueira REDES DE COMPUTADORES Engenharia de Computação CONCEITO Dois ou mais computadores conectados entre si permitindo troca de informações, compartilhamento de

Leia mais

Capítulo 11: Redes de Computadores. Prof.: Roberto Franciscatto

Capítulo 11: Redes de Computadores. Prof.: Roberto Franciscatto Capítulo 11: Redes de Computadores Prof.: Roberto Franciscatto REDES - Introdução Conjunto de módulos de processamento interconectados através de um sistema de comunicação, cujo objetivo é compartilhar

Leia mais

O processo de Navegação na Internet APRESENTAÇÃO DO CURSO. Prof. BRUNO GUILHEN. O Internet Explorer INFORMÁTICA BÁSICA

O processo de Navegação na Internet APRESENTAÇÃO DO CURSO. Prof. BRUNO GUILHEN. O Internet Explorer INFORMÁTICA BÁSICA APRESENTAÇÃO DO CURSO Prof. BRUNO GUILHEN O processo de Navegação na Internet INFORMÁTICA BÁSICA A NAVEGAÇÃO Programas de Navegação ou Browser : Internet Explorer; O Internet Explorer Netscape Navigator;

Leia mais

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Conhecer os modelo OSI, e TCP/IP de cinco camadas. É importante ter um padrão para a interoperabilidade entre os sistemas para não ficarmos

Leia mais

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo de Administração de Servidores de Rede AULA 02. Prof. Gabriel Silva

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo de Administração de Servidores de Rede AULA 02. Prof. Gabriel Silva FTIN Formação Técnica em Informática Módulo de Administração de Servidores de Rede AULA 02 Prof. Gabriel Silva Temas da Aula de Hoje: Revisão da Aula 1. Redes LAN e WAN. Aprofundamento nos Serviços de

Leia mais

Redes de Computadores II

Redes de Computadores II Redes de Computadores II INTERNET Protocolos de Aplicação Intranet Prof: Ricardo Luís R. Peres As aplicações na arquitetura Internet, são implementadas de forma independente, ou seja, não existe um padrão

Leia mais

MANUAL DE FUNÇÕES DO DVR

MANUAL DE FUNÇÕES DO DVR MANUAL DE FUNÇÕES DO DVR Flash Systems - Manual de Funções do DVR Manual de Funções do DVR Descrevemos aqui as principais funções do DVR. Para acesso, na tela inicial do DVR, clique o botão direito do

Leia mais

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III 1 REDE DE COMPUTADORES III 1. Introdução MODELO OSI ISO (International Organization for Standardization) foi uma das primeiras organizações a definir formalmente

Leia mais

FACSENAC. Versão:1.5. Identificador do documento: Projeto Lógico de Redes. Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0. Histórico de revisões

FACSENAC. Versão:1.5. Identificador do documento: Projeto Lógico de Redes. Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0. Histórico de revisões FACSENAC ECOFROTA Documento de Projeto Lógico de Rede Versão:1.5 Data: 21/11/2013 Identificador do documento: Projeto Lógico de Redes Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0 Localização: FacSenac

Leia mais

Manual do Usuário. Camera IP GREATEK

Manual do Usuário. Camera IP GREATEK Manual do Usuário Camera IP GREATEK SEGI-1G Por favor leia o Manual do Usuário cuidadosamente garantindo uma utilização correta deste produto e guarde este manual para uma referencia futura. Indice 1-Características...

Leia mais

HCN/HCS SERIES CÂMERAS E CONVERSORES IP

HCN/HCS SERIES CÂMERAS E CONVERSORES IP HCN/HCS SERIES CÂMERAS E CONVERSORES IP Obrigado por utilizar os produtos Dimy s. Antes de operar o equipamento, leia atentamente as instruções deste manual para obter um desempenho adequado. Por favor,

Leia mais

GUIA DE INSTALAÇÃO RÁPIDA CÓD.:682-0

GUIA DE INSTALAÇÃO RÁPIDA CÓD.:682-0 WPS Roteador Wireless 300N GWA-101 5dBi Bi-Volt GUIA DE INSTALAÇÃO RÁPIDA CÓD.:682-0 Roteador Wireless 300Mbps Guia de Instalação Rápida REV. 2.0 1. Introdução: O Roteador Wireless 300Mbps, modelo 682-0

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES Conteúdo 1 Topologia de Redes 5 Escalas 5 Topologia em LAN s e MAN s 6 Topologia em WAN s 6 2 Meio Físico 7 Cabo Coaxial 7 Par Trançado 7 Fibra Óptica 7 Conectores 8 Conector RJ45 ( Par trançado ) 9 Conectores

Leia mais

CPE Soft Manual. 125/400mW 2.4GHz. CPE Soft

CPE Soft Manual. 125/400mW 2.4GHz. CPE Soft CPE Soft Manual 125/400mW 2.4GHz CPE Soft Campinas - SP 2010 Indice 1.1 Acessando as configurações. 2 1.2 Opções de configuração... 3 1.3 Wireless... 4 1.4 TCP/IP 5 1.5 Firewall 6 7 1.6 Sistema 8 1.7 Assistente...

Leia mais

Técnico em Informática. Redes de Computadores 2ºE1/2ºE2

Técnico em Informática. Redes de Computadores 2ºE1/2ºE2 Técnico em Informática Redes de omputadores 2ºE1/2ºE2 SUMÁRIO 2.1 Introdução 2.2 Vantagens do Modelo de amadas 2.3 Modelo de inco amadas 2.4 Funções das amadas 2.5 Protocolos de Rede 2.6 Arquitetura de

Leia mais

Universidade de Brasília

Universidade de Brasília Universidade de Brasília Introdução a Microinformática Turma H Redes e Internet Giordane Lima Porque ligar computadores em Rede? Compartilhamento de arquivos; Compartilhamento de periféricos; Mensagens

Leia mais

Configurando o DDNS Management System

Configurando o DDNS Management System Configurando o DDNS Management System Solução 1: Com o desenvolvimento de sistemas de vigilância, cada vez mais usuários querem usar a conexão ADSL para realizar vigilância de vídeo através da rede. Porém

Leia mais

Professor(es): Fernando Pirkel. Descrição da(s) atividade(s):

Professor(es): Fernando Pirkel. Descrição da(s) atividade(s): Professor(es): Fernando Pirkel Descrição da(s) atividade(s): Definir as tecnologias de redes necessárias e adequadas para conexão e compartilhamento dos dados que fazem parte da automatização dos procedimentos

Leia mais

1 Introdução... 4. Características... 4 Requisitos do Dispositivo... 5. 2 Conhecendo o dispositivo... 6

1 Introdução... 4. Características... 4 Requisitos do Dispositivo... 5. 2 Conhecendo o dispositivo... 6 Índice 1 Introdução... 4 Características... 4 Requisitos do Dispositivo... 5 2 Conhecendo o dispositivo... 6 Verificação dos itens recebidos... 6 Painel Frontal... 7 Painel Traseiro... 8 3 Conectando o

Leia mais

Câmera Internet Wireless N Dia/Noite com Pan / Tilt / Zoom TV-IP651WI (v1.0r)

Câmera Internet Wireless N Dia/Noite com Pan / Tilt / Zoom TV-IP651WI (v1.0r) Câmera Internet Wireless N Dia/Noite com Pan / Tilt / Zoom A Câmera Internet PTZ Wireless Dia / Noite, modelo TV- IP651WI, fornece monitoração video dia e noite a grandes áreas. Pan a câmera de lado a

Leia mais

Placa de Rede. Rede de Computadores. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. Placa de Rede

Placa de Rede. Rede de Computadores. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. Placa de Rede Rede de Computadores Prof. André Cardia Email: andre@andrecardia.pro.br MSN: andre.cardia@gmail.com Placa de Rede Uma placa de rede (NIC), ou adaptador de rede, oferece capacidades de comunicações nos

Leia mais

Roteador Wireless 150Mbps 4 Portas

Roteador Wireless 150Mbps 4 Portas Roteador Wireless 150Mbps 4 Portas Manual do Usuário Você acaba de adquirir um produto Leadership, testado e aprovado por diversos consumidores em todo Brasil. Neste manual estão contidas todas as informações

Leia mais

02/03/2014. Conteúdo deste módulo. Curso de Preparatório para Concursos Públicos. Tecnologia da Informação REDES. Conceitos Iniciais

02/03/2014. Conteúdo deste módulo. Curso de Preparatório para Concursos Públicos. Tecnologia da Informação REDES. Conceitos Iniciais Curso de Preparatório para Concursos Públicos Tecnologia da Informação REDES Conceitos Iniciais; Classificações das Redes; Conteúdo deste módulo Equipamentos usados nas Redes; Modelos de Camadas; Protocolos

Leia mais

Professor: Gládston Duarte

Professor: Gládston Duarte Professor: Gládston Duarte INFRAESTRUTURA FÍSICA DE REDES DE COMPUTADORES Computador Instalação e configuração de Sistemas Operacionais Windows e Linux Arquiteturas físicas e lógicas de redes de computadores

Leia mais

Teste de Qualidade Web based para Banda Larga FAQs

Teste de Qualidade Web based para Banda Larga FAQs Teste de Qualidade Web based para Banda Larga FAQs Pergunta O que é o teste de velocidade? Quem é o público alvo? O que oferece? Como funciona? Por onde é o acesso? Resposta Um teste de qualidade de banda

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES SERVICOS DE REDE LOCAL. Professor Carlos Muniz

SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES SERVICOS DE REDE LOCAL. Professor Carlos Muniz SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES SERVICOS DE REDE LOCAL Na internet, cada computador conectado à rede tem um endereço IP. Todos os endereços IPv4 possuem 32 bits. Os endereços IP são atribuídos à interface

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Capítulo 1 Gustavo Reis gustavo.reis@ifsudestemg.edu.br - O que é a Internet? - Milhões de elementos de computação interligados: hospedeiros = sistemas finais - Executando aplicações

Leia mais

ALGUNS CONCEITOS. Rede de Computadores

ALGUNS CONCEITOS. Rede de Computadores ALGUNS CONCEITOS Rede de Computadores Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 OBJETIVO 1. Compartilhar recursos computacionais disponíveis sem considerar a localização física

Leia mais

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Redes de computadores e telecomunicação Objetivos da Unidade III Apresentar as camadas de Transporte (Nível 4) e Rede (Nível 3) do

Leia mais

Revisão. 1.1 Histórico 1.2 Protocolo 1.3 Classificação 1.4 Lan 1.5 Wan

Revisão. 1.1 Histórico 1.2 Protocolo 1.3 Classificação 1.4 Lan 1.5 Wan Tecnologia Revisão 1.1 Histórico 1.2 Protocolo 1.3 Classificação 1.4 Lan 1.5 Wan Comunicação de Dados As redes de computadores surgiram com a necessidade de trocar informações, onde é possível ter acesso

Leia mais

Servidor de Câmera Internet Dia/Noite PoE Megapixel HD Externo TV-IP322P (v1.0r)

Servidor de Câmera Internet Dia/Noite PoE Megapixel HD Externo TV-IP322P (v1.0r) INFORMAÇÕES GERAIS Campo de visão estreito para monitoramento de longa distância Visão noturna a até 20 metros (66 ft.) Pronto para instalação outdoor com grau IP66 à prova de intempéries. Resolução H.264

Leia mais

Rede de Computadores

Rede de Computadores Escola de Ciências e Tecnologia UFRN Rede de Computadores Prof. Aquiles Burlamaqui Nélio Cacho Luiz Eduardo Eduardo Aranha ECT1103 INFORMÁTICA FUNDAMENTAL Manter o telefone celular sempre desligado/silencioso

Leia mais

AULA 03 MODELO OSI/ISO. Eduardo Camargo de Siqueira REDES DE COMPUTADORES Engenharia de Computação

AULA 03 MODELO OSI/ISO. Eduardo Camargo de Siqueira REDES DE COMPUTADORES Engenharia de Computação AULA 03 MODELO OSI/ISO Eduardo Camargo de Siqueira REDES DE COMPUTADORES Engenharia de Computação INTRODUÇÃO 2 INTRODUÇÃO 3 PROTOCOLOS Protocolo é a regra de comunicação usada pelos dispositivos de uma

Leia mais

Roteador Sem Fio. Prof. Marciano dos Santos Dionizio

Roteador Sem Fio. Prof. Marciano dos Santos Dionizio Roteador Sem Fio Prof. Marciano dos Santos Dionizio Roteador Sem Fio Um roteador wireless é um dispositivo de redes que executa a função de um roteador mas também inclui as funções de um access point.

Leia mais

Prof. Edson Maia Graduado em Web Design e Programação Bacharel e Licenciado em Geografia Especialista em Gestão Ambiental Complementação para

Prof. Edson Maia Graduado em Web Design e Programação Bacharel e Licenciado em Geografia Especialista em Gestão Ambiental Complementação para Prof. Edson Maia Graduado em Web Design e Programação Bacharel e Licenciado em Geografia Especialista em Gestão Ambiental Complementação para Magistério Superior Especialista em Docência para Educação

Leia mais

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal:

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal: Redes - Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Comunicação sempre foi, desde o início dos tempos, uma necessidade humana buscando aproximar comunidades distantes.

Leia mais

PEDIDO DE COTAÇÃO - ANEXO I

PEDIDO DE COTAÇÃO - ANEXO I Folha: 0001 001 113374 Câmera IP Speed Dome Externa (PTZ) para vigilância externa; com sensor de imagem em estado sólido do tipo CCD (Charged Coupe Device) ou CMOS; com lente com zoom ótico de pelo menos

Leia mais

Wireless. Leandro Ramos www.professorramos.com

Wireless. Leandro Ramos www.professorramos.com Wireless Leandro Ramos www.professorramos.com Redes Wireless Interferências Access-Point / ROUTER Wireless Ponto de Acesso Numa rede wireless, o hub é substituído pelo ponto de acesso (access-point em

Leia mais

Roteador ADSL Sem Fio N

Roteador ADSL Sem Fio N Roteador ADSL Sem Fio N Guia Rápido Você acaba de adquirir um produto Leadership, testado e aprovado por diversos consumidores em todo Brasil. Neste manual estão contidas todas as informações necessárias

Leia mais

WiNGS Wireless Gateway WiNGS Telecom. Manual. Índice

WiNGS Wireless Gateway WiNGS Telecom. Manual. Índice Wireless Network Global Solutions WiNGS Wireless Gateway Manual Índice Pagina Características Técnicas 3 Descrição do Aparelho 4 Quick Start 5 Utilizando a interface de administração WEB 7 Login 7 Usuários

Leia mais

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP HTTP (Hypertext Transfer Protocol ) Protocolo usado na Internet para transferir as páginas da WWW (WEB). HTTPS (HyperText Transfer

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO BRASQUID

MANUAL DO USUÁRIO BRASQUID MANUAL DO USUÁRIO BRASQUID Saulo Marques FATEC FACULDADE DE TECNOLOGIA DE CARAPICUIBA Sumário 1 Instalação... 4 2 Configuração inicial... 6 2.1 Scripts e Arquivos Auxiliares... 10 2.2 O Squid e suas configurações...

Leia mais

APLICAÇÃO REDE APLICAÇÃO APRESENTAÇÃO SESSÃO TRANSPORTE REDE LINK DE DADOS FÍSICA 1/5 PROTOCOLOS DE REDE

APLICAÇÃO REDE APLICAÇÃO APRESENTAÇÃO SESSÃO TRANSPORTE REDE LINK DE DADOS FÍSICA 1/5 PROTOCOLOS DE REDE 1/5 PROTOCOLOS DE O Modelo OSI O OSI é um modelo usado para entender como os protocolos de rede funcionam. Para facilitar a interconexão de sistemas de computadores, a ISO (International Standards Organization)

Leia mais

Informática Aplicada I. Sistemas Operacionais Projeto e Implementação Andrew S. Tanenbaum Albert S. woodhull

Informática Aplicada I. Sistemas Operacionais Projeto e Implementação Andrew S. Tanenbaum Albert S. woodhull Informática Aplicada I Sistemas Operacionais Projeto e Implementação Andrew S. Tanenbaum Albert S. woodhull 1 Conceito de Sistema Operacional Interface: Programas Sistema Operacional Hardware; Definida

Leia mais

Manual do usuário câmera IP série B

Manual do usuário câmera IP série B Manual do usuário câmera IP série B Revisão A 16/11/2011- http://www.datacabos.com.br 1 Prefácio. Neste manual estão descritos os procedimentos necessários para configurar, visualizar as imagens e utilizar

Leia mais

Gravador digital de vídeo (DVR) de 8 canais Stand Alone

Gravador digital de vídeo (DVR) de 8 canais Stand Alone Gravador digital de vídeo (DVR) de 8 canais Stand Alone VX-8CH-240C-H 8 Canais de Vídeos e 1 Canal de Audio Suporta 1 (um) Disco Rígido (HD SATA) Compressão de Vídeo H.264 Integração com PTZ Hexaplex -

Leia mais

Documento de Requisitos de Rede (DRP)

Documento de Requisitos de Rede (DRP) Documento de Requisitos de Rede (DRP) Versão 1.2 SysTrack - Grupo 1 1 Histórico de revisões do modelo Versão Data Autor Descrição 1.0 30/04/2011 João Ricardo Versão inicial 1.1 1/05/2011 André Ricardo

Leia mais

1.1 Conteúdo da Embalagem...3. 1.2 Descrição...3. 1.3 Principais Recursos...4. 1.4 Especificações...5. 2.1 Conexão do Hardware...6

1.1 Conteúdo da Embalagem...3. 1.2 Descrição...3. 1.3 Principais Recursos...4. 1.4 Especificações...5. 2.1 Conexão do Hardware...6 Índice 1. Introdução 1.1 Conteúdo da Embalagem...3 1.2 Descrição...3 1.3 Principais Recursos...4 1.4 Especificações...5 2. Instalação 2.1 Conexão do Hardware...6 2.2 Configuração do Computador...8 3. Assistente

Leia mais

Camadas da Arquitetura TCP/IP

Camadas da Arquitetura TCP/IP Camadas da Arquitetura TCP/IP A arquitetura TCP/IP divide o processo de comunicação em quatro camadas. Em cada camada atuam determinados protocolos que interagem com os protocolos das outas camadas desta

Leia mais

EN2HWI-N3 Roteador Sem Fio para Jogos Online N300

EN2HWI-N3 Roteador Sem Fio para Jogos Online N300 EN2HWI-N3 Roteador Sem Fio para Jogos Online N300 Introdução O Roteador Sem Fio para Jogos Online N300 fornece de alta velocidade com o padrão 802.11n, que realça a sua experiência em jogos online e multimídia.

Leia mais

Bancada de CFTV - XI 102 -

Bancada de CFTV - XI 102 - T e c n o l o g i a Bancada de CFTV - XI 102 - Os melhores e mais modernos MÓDULOS DIDÁTICOS para um ensino tecnológico de qualidade. Bancada de CFTV - XI 102 - INTRODUÇÃO As instalações prediais nos novos

Leia mais

Unidade 2.3 Visão Geral de Protocolos de Redes

Unidade 2.3 Visão Geral de Protocolos de Redes Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Redes de Computadores Disciplina: Redes de Computadores Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 2.3 Visão Geral de Protocolos de Redes 2 Bibliografia

Leia mais

Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet

Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet Marcos R. Dillenburg Gerente de P&D da Novus Produtos Eletrônicos Ltda. (dillen@novus.com.br) As aplicações de

Leia mais

Arquiteturas de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos

Arquiteturas de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos Arquiteturas de Rede 1 Sumário Introdução; Modelo de Referência OSI; Modelo de Referência TCP/IP; Bibliografia. 2/30 Introdução Já percebemos que as Redes de Computadores são bastante complexas. Elas possuem

Leia mais

Sistemas Multimédia. Arquitectura Protocolar Simples Modelo OSI TCP/IP. Francisco Maia famaia@gmail.com. Redes e Comunicações

Sistemas Multimédia. Arquitectura Protocolar Simples Modelo OSI TCP/IP. Francisco Maia famaia@gmail.com. Redes e Comunicações Sistemas Multimédia Arquitectura Protocolar Simples Modelo OSI TCP/IP Redes e Comunicações Francisco Maia famaia@gmail.com Já estudado... Motivação Breve História Conceitos Básicos Tipos de Redes Componentes

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO CONVERSOR - IP / USB / SERIAL - 317 RV1

MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO CONVERSOR - IP / USB / SERIAL - 317 RV1 MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO CONVERSOR - IP / USB / SERIAL - 317 RV1 SÃO CAETANO DO SUL 06/06/2014 SUMÁRIO Descrição do Produto... 3 Características... 3 Configuração USB... 4 Configuração... 5 Página

Leia mais

GERAL - CAMERA IP. Quando a página de login aparecer, digite admin no nome e admin na senha, e então clique em OK. Tela Principal

GERAL - CAMERA IP. Quando a página de login aparecer, digite admin no nome e admin na senha, e então clique em OK. Tela Principal GERAL - CAMERA IP Conecte o plugue de alimentação no conector de entrada DC, localizado na parte traseira da câmera. Nota: 1)Conhecimentos em rede serão de grande ajuda na configuração e instalação da

Leia mais

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP Arquitetura TCP/IP Arquitetura TCP/IP INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP gatewa y internet internet REDE REDE REDE REDE Arquitetura TCP/IP (Resumo) É útil conhecer os dois modelos de rede TCP/IP e OSI. Cada

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE OURINHOS SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO. Felipe Luiz Quenca Douglas Henrique Samuel Apolo Ferreira Lourenço Samuel dos Reis Davi

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE OURINHOS SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO. Felipe Luiz Quenca Douglas Henrique Samuel Apolo Ferreira Lourenço Samuel dos Reis Davi FACULDADE DE TECNOLOGIA DE OURINHOS SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Felipe Luiz Quenca Douglas Henrique Samuel Apolo Ferreira Lourenço Samuel dos Reis Davi ENDIAN FIREWALL COMMUNITY 2.5.1 OURINHOS-SP 2012 HOW-TO

Leia mais

Security Shop MRS. Media Relay System. Manual do Usuário

Security Shop MRS. Media Relay System. Manual do Usuário Página 1 de 20 Security Shop MRS Media Relay System Manual do Usuário Página 2 de 20 Conteúdos: Conteúdos:... 2 Figuras:... 3 1. Introdução... 4 1.1 Âmbito do Documento... 4 1.2 Terminologia... 4 2. GERAL...

Leia mais

Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - agosto de 2007 - Página

Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - agosto de 2007 - Página Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Redes 1 Redes de Dados Inicialmente o compartilhamento de dados era realizado a partir de disquetes (Sneakernets) Cada vez que um arquivo era modificado ele teria que

Leia mais

VELOCIDADE DE TRANSMISSÃO DE DADOS UTILIZANDO VPNs

VELOCIDADE DE TRANSMISSÃO DE DADOS UTILIZANDO VPNs VELOCIDADE DE TRANSMISSÃO DE DADOS UTILIZANDO VPNs Rogers Rodrigues Garcia 1, Júlio César Pereira¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavai PR Brasil rogersgarcia@live.com, juliocesarp@unipar.br Resumo:

Leia mais

A importância de uma NAT e de uma VPN para a segurança da informação

A importância de uma NAT e de uma VPN para a segurança da informação A importância de uma NAT e de uma VPN para a segurança da informação NAT Network Translation Address A funcionalidade de NAT consiste no procedimento de translado de endereços de uma rede para a outra.

Leia mais

OIW-5817CPE 802.11a/n 150Mbps Wireless CPE Router

OIW-5817CPE 802.11a/n 150Mbps Wireless CPE Router Manual do Usuário OIW-5817CPE 802.11a/n 150Mbps Wireless CPE Router Este manual também pode ser usado para configuração do produto OIW-5817CPE-PCBA. Versão 1.1 Última atualização Março/2012. 1 Introdução

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES 08/2013 Material de apoio Conceitos Básicos de Rede Cap.1 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura da bibliografia básica.

Leia mais

Câmera Internet Wireless N Dia / Noite TV-IP551WI (v1.0r)

Câmera Internet Wireless N Dia / Noite TV-IP551WI (v1.0r) (v1.0r) A Câmera Internet Wireless N Dia/Noite, modelo, transmite vídeo em tempo real pela Internet. Grave vídeo nítido em completa escuridão para distâncias de até 7,50 metros. A tecnologia Wireless n

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES MEMÓRIAS DE AULA AULA 1 APRESENTAÇÃO DO CURSO, HISTÓRIA, EQUIPAMENTOS E TIPOS DE REDES Prof. José Wagner Bungart CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Definição de Redes de Computadores e Conceitos

Leia mais

Capítulo 5 Noções sobre TCP/IP

Capítulo 5 Noções sobre TCP/IP Capítulo 5 Noções sobre TCP/IP Endereços IP Arquitetura TCP/IP DHCP Redes classe A, B e C Protocolos TCP/IP Estudos complementares 3 Estudos complementares Consulte os capítulos 5 e 12 do livro: Capítulo

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. Dr. Rogério Galante Negri

Redes de Computadores. Prof. Dr. Rogério Galante Negri Redes de Computadores Prof. Dr. Rogério Galante Negri Rede É uma combinação de hardware e software Envia dados de um local para outro Hardware: transporta sinais Software: instruções que regem os serviços

Leia mais

Foscam é Referência Mundial

Foscam é Referência Mundial INSTITUCIONAL Foscam é Referência Mundial A FOSCAM foi fundada em 2007 com o objetivo de fornecer ao mercado câmeras de monitoramento de vídeo por IP com alta qualidade a preços competitivos, tornando

Leia mais

Configurações do adaptador W-U3300nL

Configurações do adaptador W-U3300nL Configurações do adaptador W-U3300nL Introdução Obrigado por adquirir o adaptador para rede sem fio C3 Tech. Apresentando o que há de melhor em Tecnologia Wireless, o Adaptador para Rede Sem Fio C3 Tech

Leia mais

Composição. Estrutura Fisica Redes Sistemas Operacionais Topologias de redes

Composição. Estrutura Fisica Redes Sistemas Operacionais Topologias de redes Composição Estrutura Fisica Redes Sistemas Operacionais Topologias de redes Aterramento Fio de boa qualidade A fiação deve ser com aterramento neutro (fio Terra) trabalhando em tomadas tripolares Fio negativo,

Leia mais

Cap 01 - Conceitos Básicos de Rede (Kurose)

Cap 01 - Conceitos Básicos de Rede (Kurose) Cap 01 - Conceitos Básicos de Rede (Kurose) 1. Quais são os tipos de redes de computadores e qual a motivação para estudá-las separadamente? Lan (Local Area Networks) MANs(Metropolitan Area Networks) WANs(Wide

Leia mais

Manual do Usuário. Roteador Greatek. Leia este guia com atenção e garanta uma utilização correta do produto. E guarde-o para uma referência futura.

Manual do Usuário. Roteador Greatek. Leia este guia com atenção e garanta uma utilização correta do produto. E guarde-o para uma referência futura. Manual do Usuário Roteador Greatek Leia este guia com atenção e garanta uma utilização correta do produto. E guarde-o para uma referência futura. Índice 1 - Visão Geral... 1.1 - Características de Hardware

Leia mais

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL. Curso Técnico em Informática

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL. Curso Técnico em Informática SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL Curso Técnico em Informática Estrutura de Endereçamento IP e Mascara de Subrede Endereçamento IP e Classes Autoridade para Atribuição de Números da Internet http://www.iana.org/

Leia mais

Camada de Enlace de Dados - Apêndice. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Camada de Enlace de Dados - Apêndice. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Camada de Enlace de Dados - Apêndice Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Endereço MAC; ARP Address Resolution Protocol; DHCP Dynamic Host Configuration Protocol; Ethernet Estrutura do quadro Ethernet;

Leia mais

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo de Gestão Aplicada a TIC AULA 06. Prof. Fábio Diniz

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo de Gestão Aplicada a TIC AULA 06. Prof. Fábio Diniz FTIN Formação Técnica em Informática Módulo de Gestão Aplicada a TIC AULA 06 Prof. Fábio Diniz Na aula anterior ERP Enterprise Resource Planning Objetivos e Benefícios ERP Histórico e Integração dos Sistemas

Leia mais

Comunicação sem fio (somente para determinados modelos)

Comunicação sem fio (somente para determinados modelos) Comunicação sem fio (somente para determinados modelos) Guia do Usuário Copyright 2006 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Microsoft e Windows são marcas registradas da Microsoft Corporation nos

Leia mais

Câmera Internet PoE com PTZ Megapixel TV-IP672P (V1.0R)

Câmera Internet PoE com PTZ Megapixel TV-IP672P (V1.0R) (V1.0R) INFORMAÇÕES GERAIS Veja mais com resolução Megapixel de até 1280 x 800 (WXGA) Pan de 340º horizontalmente e tilt 115º verticalmente A Câmera Internet PoE com PTZ Megapixel, modelo, fornece segurança

Leia mais

Parabéns, você acaba de adquirir um produto com qualidade e tecnologia Identech.

Parabéns, você acaba de adquirir um produto com qualidade e tecnologia Identech. MANUAL Sumário 1 INTRODUÇÃO3 2 LIGANDO/CONECTANDO3 3 CONFIGURAÇÕES4 31 - INICIAL4 32 - REDE8 321-3G8 322 - WAN9 323 - LAN10 324 - Tipo de Reconexão13 325 - Redirecionar14 33 - WIRELESS16 34 - DHCP17 35

Leia mais

SISGEP SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO

SISGEP SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO FACSENAC SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO Projeto Lógico de Rede Versão: 1.2 Data: 25/11/2011 Identificador do documento: Documento de Visão V. 1.7 Histórico de revisões Versão Data Autor Descrição 1.0 10/10/2011

Leia mais

2010 Encore Electronics, Inc. All rights reserved.cover

2010 Encore Electronics, Inc. All rights reserved.cover 2010 Encore Electronics, Inc. All rights reserved.cover 2011 Encore Electronics, Inc. Especificações de produtos, tamanhos e formas estão sujeitos a alterações sem aviso prévio e aparência real do produto

Leia mais