ESTUDO DE UM SISTEMA EMBARCADO SEM FIO PARA MONITORAMENTO E ANÁLISE DE SINAIS EM SOLDAGEM A ARCO ELÉTRICO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTUDO DE UM SISTEMA EMBARCADO SEM FIO PARA MONITORAMENTO E ANÁLISE DE SINAIS EM SOLDAGEM A ARCO ELÉTRICO"

Transcrição

1 6º CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE FABRICAÇÃO 6 th BRAZILIAN CONFERENCE ON MANUFACTURING ENGINEERING 11 a 15 de abril de 11 Caxias do Sul RS - Brasil April 11 th to 15 th, 11 Caxias do Sul RS Brazil ESTUDO DE UM SISTEMA EMBARCADO SEM FIO PARA MONITORAMENTO E ANÁLISE DE SINAIS EM SOLDAGEM A ARCO ELÉTRICO Marcus Vinícius Ribeiro Machado, 1 Carolina Pimenta Mota, 1 Louriel Oliveira Vilarinho, 1 Roberto Mendes Finzi Neto, 1 Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Mecânica. Av. João Naves de Ávila, 11, Campus Santa Mônica, Bloco 1O Laprosolda, Uberlândia, Minas Gerais, Brasil. Universidade Federal de Goiás Departamento de Ciências da Computação. Av. Dr. Lamartine P. Avelar, 11, Goiás, Brasil. Resumo: Os processos de soldagem são os mais importantes processos de união permanente de metais em uso na indústria. Sendo a soldagem um processo especial que não pode ser completamente inspecionado contra imperfeições após sua finalização, o monitoramento constante do mesmo se faz necessário. Para satisfazer normas, como a ISO 3834, o fabricante deve adotar medidas para garantir a qualidade necessária, além de poderem ser usadas para garantir documentação do processo, auditorias, ações corretivas, e revisão de pessoal. Essas medidas devem incluir as habilidades do soldador, preparação e qualificação do procedimento de soldagem, o monitoramento das variáveis dos processos de soldagem, entre outras. A proposta desse trabalho é o estudo do projeto e da viabilidade de aplicação de um sistema de monitoramento sem fio e análise de variáveis dos processos de soldagem a arco, de tecnologia própria, que apresente escalabilidade, portabilidade, autonomia, baixo custo e flexibilidade de operação. O estudo deve englobar uma análise inicial dos sinais da soldagem, a definição da arquitetura física e da comunicação de dados, e a verificação de suas principais vantagens e limitações frente a produtos comerciais proprietários. Com o uso do protocolo TCP/IP, a disseminação de redes de computadores em ambientes fabris, e o desenvolvimento tecnológico de produtos de comunicação de dados portáteis (notebooks, smartphones e computadores de mão), a integração do monitoramento dos processos de soldagem com a praticidade o uso de comunicação sem fio se torna uma realidade alcançável. Com a criação deste tipo de tecnologia ligada à soldagem, pode-se expandir a aplicabilidade do equipamento para sistemas de controle e supervisão remota, através do uso das redes de computadores. Palavras-chave: Soldagem, Monitoramento,TCP/IP, Sem Fio, ISO INTRODUÇÃO Dentre os processos de fabricação, em especial os de união permanente de metais, a soldagem a arco tem sido um dos mais importantes utilizados na indústria. Com sua grande utilização e, sendo a soldagem um processo especial de fabricação a garantia da qualidade da junta soldada e inspeções contra imperfeições não podem ser realizadas apenas após sua finalização (ISO 3834, 5) o desenvolvimento e aprimoramento de equipamentos e métodos de monitoramento constante dos processos são necessários. A ISO 3834 (5) trata sobre os requisitos de qualidade para soldagens por fusão de metais, fornecendo orientações sobre práticas para se obter qualidade nas soldagens e em como documentar todo o processo, indo desde a qualificação do soldador, a qualificação do procedimento de soldagem até o monitoramento dos parâmetros do processo, como corrente, tensão, etc. A aplicação deste tipo de norma não é uma obrigatoriedade para os fabricantes, porém, na busca por processos de soldagem e produtos finais com maior qualidade, normas como estas são referências confiáveis de boas práticas para o alcance da qualidade desejada. Além disso, sua documentação pode ser utilizada em auditorias, ações corretivas e revisão pessoal. Existem diversos equipamentos, de diferentes fabricantes por todo o mundo, que realizam monitoramento das diversas variáveis do processo de soldagem, cada um com seu enfoque específico nos parâmetros que são monitorados, com suas vantagens e limitações. Equipamentos programáveis também estão disponíveis no mercado, como os dispositivos de aquisição DAQ (Data Aquisition) da National Instruments, adaptáveis ao monitoramento da soldagem com o acoplamento de condicionadores de sinais e transdutores. A tendência atual segue na criação de equipamentos de Associação Brasileira de Engenharia e Ciências Mecânicas 11

2 6º CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE FABRICAÇÃO 11 a 15 de Abril de 11. Caxias do Sul - RS uso prático e simplificado, com a eliminação de circuitos adaptativos e maior flexibilidade de instalação o equipamento monitoramento deve-se adaptar ao ambiente fabril e não o contrário. A demanda por flexibilidade, principalmente, tenderá a modificar a forma como o monitoramento dos parâmetros de soldagem é realizado, substituindo o sistema tradicional de cabos (comunicação serial, paralela, USB ou mesmo Ethernet) por um sistema de comunicação sem fio. A ideia inicial de se construir um dispositivo embarcado - sistema completo e independente, mas preparado para realizar apenas uma determinada tarefa (CUNHA, 7; OLIVEIRA, 6) - com comunicação sem fio, além de sua flexibilidade de instalação, originou-se na disseminação de redes de computadores em ambientes fabris e no desenvolvimento tecnológico de produtos de comunicação de dados portáteis (notebooks, smartphones e computadores de mão), tornando assim a possível integração do monitoramento dos processos de soldagem com a praticidade o uso de comunicação sem fio uma realidade alcançável e bastante promissora. Com a criação deste tipo de tecnologia ligada à soldagem, pode-se expandir, ainda, a sua aplicabilidade para sistemas de controle e supervisão remota, facilitando muitos procedimentos de soldagens, por exemplo, em ambientes hostis ao ser humano, bem como a possibilidade de se realizar a supervisão por parte de especialistas capacitados sem que eles estejam presentes no local da operação. Neste contexto de monitoramento dos parâmetros de processos de soldagem que se insere a proposta deste trabalho, ou seja, o estudo da do projeto e construção de um sistema de monitoramento sem fio e análise de variáveis dos processos de soldagem a arco, de tecnologia própria, que apresente escalabilidade, portabilidade, autonomia, baixo custo e flexibilidade/simplicidade de operação. Para se realizar o monitoramento dos parâmetros do processo deve-se, primeiramente, conhecê-los, pois, através do conhecimento de suas características, pode-se enfim realizar a aquisição destes sinais para a posterior análise e documentação. Sendo assim, o presente estudo engloba uma análise inicial dos sinais da soldagem, e conhecida suas características realizar a definição da arquitetura física, como sensores, dispositivos de comunicação e armazenamento, dentre outros, e o meio de comunicação e visualização dos dados.. METODOLOGIA Para o desenvolvimento do sistema de monitoramento, o planejamento de sua execução foi dividido três em etapas: o estudo dos sinais necessários no monitoramento dos processos de soldagem, a definição e construção do sistema físico (hardware) a ser utilizado e, por final, a definição e aplicação da topologia comunicação entre o sistema de aquisição dos sinais (sistema físico) com a final interface e apresentação dos dados para o usuário (software). Assim, tem-se, nos itens seguintes, a descrição de cada etapa..1. Estudo dos Sinais Envolvidos O estudo e documentação dos sinais de soldagem são tão importantes para a qualificação do processo que a Norma ISO 1766:5 define e indica quais as variáveis devem ser monitoradas nos diferentes processos de soldagem, especificando desde os sinais globais (todos os processos) aos mais específicos (para cada processo). Com isto, as informações monitoradas devem ser documentadas de acordo com a Norma ISO 3834:5, buscando alcançar a qualidade dos processos requerida. Uma breve descrição da divisão dos sinais baseada na ISO 1766:5 é listada a seguir e, como o enfoque deste trabalho está nos sinais específicos à soldagem a arco, a Tabela 1 mostra as necessidades exigidas pela norma. A todos os processos: Material Base e Metal de Adição; Junta; Máquina de Soldagem; e outros. A maioria dos processos: Consumíveis; Gás de Purga; Gás de Proteção. Específicos à soldagem a arco: Tecimento; Variáveis Elétricas; Soldagem Mecanizada. Tabela 1 Variáveis específicas em soldagens a arco que devem monitoradas (ISO 1766, 5) Variáveis Elétricas* Corrente Tensão Soldagem Mecanizada Velocidade de Soldagem Velocidade de Alimentação Instrumentos e Técnicas Amperímetro - Valor médio da corrente retificada. Voltímetro - Valor médio da tensão retificada. Medida por régua e cronômetros. Medida por régua e cronômetros. *Podem ser monitorados continuamente. O tempo de amostragem deve ser razoável para garantir uma leitura estável. Se tongtests forem utilizados, deve levar em consideração a diferença entre média e RMS. Este estudo não considera, inicialmente, o monitoramento do tecimento (oscilação transversal da tocha em relação à direção da junta) e da velocidade de soldagem, visto que são parâmetros que estão diretamente envolvidos com a habilidade do soldador (em soldagens manuais), e/ou com as características dos sistemas de movimentação da tocha de soldagem (soldagem com a peça fixa) ou da peça (soldagem com movimentação da peça). Sendo assim, o objetivo do sistema de monitoramento é ser capaz de instrumentar e monitorar os sinais elétricos (corrente e tensão) e a velocidade de alimentação do metal (arame) de adição (quando for o caso) dos processos de soldagem a arco.

3 6º CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE FABRICAÇÃO 11 a 15 de Abril de 11. Caxias do Sul - RS Para a avaliação das variáveis elétricas das soldagens a arco elétrico, uma montagem experimental foi realizada onde soldagens foram realizadas e os sinais elétricos foram adquiridos. Um circuito divisor de tensão acoplado a um isolador galvânico foi utilizado para a instrumentação do sinal de tensão e um transdutor por efeito Hall com um circuito divisor de tensão para o sinal de corrente. Para a amostragem dos sinais uma placa de aquisição da National Instruments a uma taxa de amostragem de 15 ks/s foi utilizada para se observar as frequências presentes nos sinais provenientes das soldagens e, com estas informações, é possível determinar as mínimas taxas de aquisição para a observação dos sinais com suas características distintas. A Tabela, a seguir, mostra os parâmetros regulados para os testes realizados de deposição de cordão sobre chapa, e os equipamentos e insumos em comum a todos os testes são mostrados na Tabela 3. Tabela Parâmetros utilizados na realização das soldagens. Teste Valim [m/mim] Transferência Metálica Arame [mm] 1 3, 7, Goticular 1, 3, 8, Goticular 1, 3 19, 6, Curto-Circuito 1, 4, 5,3 Curto-Circuito 1, Obs: Valim =Velocidade de Alimentação do Arame. Tabela 3 - Parâmetros de soldagem comuns a todos os testes. Gás de Proteção Tipo de Soldagem Processo Metal de Adição Metal Base Fonte de Soldagem Ar+8%CO (13 l/mim) Semiautomática MIG/MAG ER7S-6 Aço Carbono IMC digitec6.. Definição do Sistema Físico Tendo em vista os parâmetros a serem monitorados (tensão, corrente e velocidade de alimentação) conforme definidos acima, devem-se selecionar e projetar os dispositivos e circuitos necessários para se construir um sistema físico, completo, que seja capaz de captar os sinais de suas fontes, condicioná-los às necessidades e limitações dos dispositivos de aquisição, convertê-los para sinais digitais suficientemente precisos, e por fim, prepará-los e envia-los para o sistema de interface com o usuário, como pode ser visto na Figura 1. Transdutor Condicionador Amostragem Preparo / Envio Conversão A/D Figura 1 Fluxograma de etapas de obtensão dos sinais de soldagem. A transformação das grandezas físicas dos sinais monitorados em sinais elétricos se dá com o uso de transdutores. A maioria dos conversores digitais utiliza-se de sinais de tensão para a interpretação dos dados adquiridos, portanto, o parâmetro de tensão do arco não necessita de um transdutor. Para os sinais de corrente e velocidade de alimentação, escolheu-se, respectivamente, um sensor Hall e um encoder relativo óptico rotativo em quadratura. A escolha do sensor Hall deve-se à flexibilidade de instalação (sua pinça móvel é facilmente deslocada de um condutor a outro, i.e., corpo open loop), sua linearidade de leitura e simplicidade de uso (basta alimentá-lo e colocá-lo em volta do condutor que terá um sinal de tensão proporcional à corrente em sua saída). O encoder é capaz de medir velocidade angular de um eixo acoplado ao seu, ainda isolando eletricamente o sistema de aquisição, além de possibilitar o conhecimento do sentido de rotação, através de sequências de pulsos digitais com frequência diretamente proporcional a velocidade de rotação. A interpretação de seu sinal de saída é simples e é um dispositivo eficaz e robusto, vantagens para o uso em ambientes industriais. A próxima etapa para a aquisição dos sinais é o condicionamento dos mesmos, adequando-os à entrada do conversor analógico-digital (A/D). Em termos de grandeza elétrica, deve-se adequar a faixa de tensão liberada pelo transdutor, no caso da corrente, ou pela própria grandeza, no caso da tensão do arco, para a faixa de trabalho do conversor (divisor de tensão). Além disso, há a necessidade de um circuito de isolamento galvânico o circuito de

4 6º CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE FABRICAÇÃO 11 a 15 de Abril de 11. Caxias do Sul - RS aquisição eletricamente isolado da parte de potência (soldagem), filtros analógicos para a retirada de frequências fora do escopo de estudo, adequação de impedância, e circuitos de proteção da MCU. Definiu-se, inicialmente, o uso de microcontroladores (MCUs) para a amostragem, conversão, preparo e armazenamento dos sinais digitais, já que este tipo de controlador elimina a necessidade do uso de computadores (maior portabilidade), ou seja, num sistema independente (embarcado), sua natureza programável garante a escalabilidade do produto, e, boa parte dos MCUs disponíveis comercialmente, já possuem periféricos para conversão (conversor A/D) e armazenamento (memória), e, em produtos específicos, periféricos que trabalham diretamente com encoders em quadratura. Apesar da vasta diversidade de produtos comercialmente disponíveis, deve-se levar em conta a velocidade de processamento dos dados, a capacidade de armazenamento e de programação, mas, principalmente, a resolução disponível no conversor A/D. A regulagem dos parâmetros de tensão, corrente e velocidade de alimentação nas fontes de soldagem eletrônicas têm resolução de,1 V; 1 A e,1 m/min, respectivamente. O conversor A/D, portanto, deve ter resolução suficiente para realizar leituras com esta resolução. Por fim, o dispositivo de comunicação sem fio deve ser selecionado. Existem diversos tipos de transmissores sem o uso de fios comercialmente disponíveis, sendo eles por infravermelho ou por radiofrequência, cada um deles com suas vantagens e limitações. O uso de infravermelho, em uma breve avaliação, não se adéqua aos requerimentos deste sistema, já que é necessária uma linha direta de transmissão de dados (emissor e receptor alinhados), ou seja, em um ambiente industrial, obstáculos e o constante movimento de pessoas e máquinas o inviabilizam. Esta é a principal, porém não única, limitação deste método de comunicação sem fio. Nas comunicações por radiofrequência, existem regulamentação e definição das bandas internacionalmente disponíveis para utilização nas áreas industriais, científicas e médicas, sem a necessidade de licenciamento, as bandas ISM Industrial, Scientific and Medical (ITU, 8). Dentre elas, a faixa de 4-5 MHz (.4 GHz), se popularizou na aplicação de redes sem fio, tais como Wi-Fi (IEEE 8.11b/g), Bluetooth (IEEE ) e ZigBee (IEEE ). A frequência elevada de transmissão torna o dispositivo imune aos ruídos gerados pelos equipamentos utilizados em soldagem e seus módulos de comunicação são comercialmente disponíveis por diversos fabricantes para sua integração com sistemas microcontrolados, como acontece com celulares, notebooks, etc. A Tabela 4 resume as principais características destas tecnologias sem fio. Tabela 4 Tabela de comparação das tecnologias sem fio (GALEEV, 4). Padrão Wi-Fi Bluetooth ZigBee Largura de Banda até 54 Mbps 1 Mbps 5 kbps Consumo de Energia 4 ma TX standby ma 4 ma TX standby,ma 3mA TX standby,3 ma Pilha de Protocolo Ponto Forte ~1 kb Alta taxa de dados > 1 kb 4-3 kb Interoperabilidade, substitui o cabo Baixo custo, vida longa bateria Aplicações Internet, redes de computadores, transferência de dados USB sem fio, fones, mouses Controle remote, produtos gerenciados por bateria, sensores Primeiramente, a comunicação por ZigBee não é aconselhável para este sistema pois possui baixa taxa de transmissão de dados (5 kbps) quando comparada aos outros e, para a recepção dos dados pelo usuário, é necessária a existência de um módulo também ZigBee conectado ao sistema de interface do usuário. Em equipamentos de processamento de dados portáteis (notebooks, smartphones e computadores de mão) este tipo de comunicação não é comercialmente inserido e necessitaria do projeto de um módulo receptor compatível com esses equipamentos. A comunicação por Bluetooth se realiza por transmissão peer-to-peer, ou seja, dois dispositivos devem estar conectados e emparelhados para cada transmissão de dados (BLUETOOTH SIG, 1). Em um ambiente fabril, o emparelhamento dificultaria o acesso ao sistema de monitoramento. Além disso, a taxa de transmissão deste é de 1 Mbps, inferior comparada ao Wi-Fi. Sendo assim, o padrão Wi-Fi foi escolhido para a comunicação entre o sistema de aquisição e a interface com o usuário por apresentar uma maior taxa de comunicação de dados e maior flexibilidade de uso (monitoramento inserido em uma rede comum de computadores)..3. Definição do Protocolo de Comunicação e Interface com o Usuário Esta última etapa é resultado de todas as decisões tomadas durante todo desenvolvimento do estudo de um sistema de monitoramento sem fio. Através do módulo de comunicação Wi-Fi, e da demanda inicial de interface com o usuário flexível e simplificada, restam poucas opções para protocolos de comunicação como: TCP (Transmission Control Protocol) ou UDP (User Datagram Protocol). A garantia da integridade dos dados transmitidos é de extrema importância para este sistema, onde o armazenamento deve ser realizado de forma contínua (sem interrupções), portanto, o protocolo TCP é o mais adequado. Como interface com o usuário, com comunicação Wi-Fi por TCP, pode-se criar um programa na camada de aplicação da pilha TCP/IP, utilizar-se de transferência de arquivos por FTP, ou, por fim, uma página HTTP (Hypertext Transfer Protocol). De todas essas interfaces, a página HTTP se observa a mais dinâmica, flexível, com

5 6º CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE FABRICAÇÃO 11 a 15 de Abril de 11. Caxias do Sul - RS maior escalabilidade, e independente do dispositivo de observação (pode-se usar tanto um celular quanto um computador). As ferramentas de programação são gratuitas e dispensam, assim, o uso de ferramentas custosas de desenvolvimento de programas, sendo uma grande vantagem frente a produtos programáveis que geralmente necessitam de softwares proprietários, muitas vezes mais caros que o dispositivo físico. 3. RESULTADOS E DISCUSSÕES 3.1. Estudo de Sinais Utilizando-se da metodologia apresentada no Item.1, pode-se realizar o estudo nos sinais e observar, segundo o Teorema da Amostragem, as componentes de frequência em até 6,5 khz (metade da aquisição realizada em 15 khz). Essa frequência máxima observável é suficiente a este estudo, já que os sinais provenientes das fontes de soldagem possuem sua componente de maior frequência, o chaveamento da própria fonte, em torno de a 3 khz para a maioria das fontes comerciais. Sabe-se que, em sistemas de amostragem e aquisição de sinais analógicos em sinais digitais, quanto maior a taxa de amostragem, maior é o nível de informação sobre o sinal amostrado e, também, maior é a quantidade de dados a serem transmitidos ou armazenados para um mesmo intervalo de tempo. Em termos de transmissão, ou mesmo armazenamento, deve-se procurar sempre a menor quantidade de dados (taxa de amostragem) possível, sem que haja degradação da informação que se deseja passar (ou guardar). É importante ressaltar que, em situações diferentes, características diferentes da informação podem ser consideradas importantes ou não, modificando a taxa de amostragem necessária para a interpretação acurada de uma mesma informação. Para fins de discussão, duas abordagens distintas foram definidas para o monitoramento dos sinais em soldagem, sendo elas: científica e tecnológica. A abordagem científica é focada no estudo aprofundando dos processos de soldagens, utilizada, normalmente, em laboratórios e centros de pesquisa em soldagem, onde se procura obter o máximo de informações possíveis dos sinais, ou seja, os detalhes, podendo assim se observar as variações de cada regulagem nos parâmetros, e suas influências sobre o cordão de solda. A outra abordagem, a tecnológica, está voltada para o monitoramento, documentação e o acompanhamento do processo em ambiente de produção, não sendo, então, necessário um maior detalhamento, mas contendo informação suficiente para detecção de problemas e verificação de possíveis defeitos. Características como os valores médios e RMS dos sinais são importantes, porém o comportamento do chaveamento pode ser ignorado, reduzindo, assim, a taxa de amostragem, e, por conseguinte, a quantidade de dados a serem trafegados e/ou armazenados, simplificando o dispositivo de monitoramento e armazenamento. Para a determinação das taxas de amostragem dos sinais de soldagem, aquisições de duração de segundos, dos sinais de corrente e tensão, foram realizadas para cada teste descrito na Tabela, e realizados cálculos matemáticos sobre os mesmos. Como exemplo, serão ilustrados as formas de onda apenas para uma soldagem em curto-circuito (Teste 3) e, subsequentemente, serão apresentados todos os resultados finais. A avaliação das componentes em frequência dos sinais de tensão e corrente foi realizada pela aplicação da Transformada Rápida de Fourier (FFT Fast Fourier Transform). A Figura ilustra os sinais adquiridos para o Teste 3 e suas correspondentes FFT, onde se podem observar as frequências dominantes em cada caso. Pelo espectro de ambos os sinais, observa-se concentrações de intensidade significativas em baixas frequências (próximo do nível DC Hz), em torno de 5 khz e, em menor intensidade, em 5 khz. Como citado anteriormente, a frequência em torno de 5 khz é proveniente do chaveamento da fonte de soldagem e, a componente em 5 khz é, provavelmente, sua primeira harmônica. As componentes em baixa frequência são, pelo conhecimento prévio da física e do comportamento dos diferentes processos de soldagem, características realmente relacionadas ao processo em si, como, por exemplo, destacamento de gotas ou curtos-circuitos. O nível DC é o valor médio do sinal. Nas Figura 3 e Figura 4 pode-se obervar detalhes dos sinais do Teste 3 e de suas FFT. Em cada figura, no canto esquerdo superior observa-se o oscilograma da forma de onda para o curto-circuito, no canto esquerdo inferior uma aproximação para a observação do chaveamento da fonte e, por fim, à direita, a FFT do sinal destacando suas componentes de baixa frequência. Pelas características da fonte de soldagem utilizada sabe-se que, para controlar o valor médio de tensão (soldagem em fonte tipo tensão constante), a fonte chaveia a corrente, e, quando isso ocorre (~ 5 khz), há uma variação dos valores, tanto de corrente quanto de tensão, não caracterizando, então, ruído de aquisição. Dos espectros da FFT, em específico para este teste, percebe-se que as informações significativas, tanto em tensão quanto em corrente, estão até cerca de 3 Hz. Essa frequência, portanto, para uma abordagem tecnológica, é a frequência máxima para a observação da informação desejada contida nestes sinais. A Tabela 5 lista as frequências máximas de interesse, para a abordagem tecnológica, de todos os testes realizados. Tabela 5 - Frequência máxima de interesse observada nos sinais. Teste Frequência [Hz]

6 6º CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE FABRICAÇÃO 11 a 15 de Abril de 11. Caxias do Sul - RS Y tensão Freqüência [Hz] 35 x Y corrente Freqüência [Hz] x 1 4 Figura Sinais elétricos de tensão e corrente para o Teste 3, e suas respectivas FFTs Y tensão x Freqüência [Hz] Figura 3 Detalhes do sinal de tensão e de sua FFT para o Teste 3.

7 6º CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE FABRICAÇÃO 11 a 15 de Abril de 11. Caxias do Sul - RS Y corrente x Freqüência [Hz] Figura 4- Detalhes do sinal de corrente e de sua FFT para o Teste 3. Como dito anteriormente, a quantidade de dados é diretamente proporcional à taxa de amostragem, pois, em um mesmo intervalo de tempo, há mais valores (amostras) a serem guardados ou transmitidos. Quanto mais dados gerados pelo sistema de aquisição, maior é o consumo do nosso canal de comunicação com a interface com o usuário, que, se sabe, possui limitações de velocidade de tráfego (bytes/s). Para uma abordagem científica, a caracterização do chaveamento de forma precisa (onda quadrada) pede taxas de amostragem de pelo menos 15 khz e, pela abordagem tecnológica, a caracterização dos sinais provenientes do processo de soldagem em si pode ser realizado com uma taxa de aquisição, com margem para adequação a outros processos, de 15 Hz. A Figura 5 compara os sinais adquiridos pelas duas abordagens para o Teste 3, sendo que o sinal adquirido foi atenuado com um filtro passa-baixa de Butterworth de segunda ordem em 65 Hz (não há atenuação apenas em frequências baixas) para a obtenção do sinal de abordagem tecnológica. Deve-se ressaltar que, embora sejam apresentados e discutidos os resultados para o Teste 3 (devido à restrição de espaço), comportamento similar foi observado para os outros ensaios Figura 5- Comparativo entre oscilogramas dos sinais com abordagens científica (superiores) e tecnológica (inferiores). Esquerda: Tensão, Direita: Corrente. Estatisticamente, o coeficiente de correlação de Pearson (r) mede a intensidade de correlação entre dois vetores, sendo eles aleatórios ou determinísticos. Valores de correlação normalizados entre,5 e,8 têm correlação moderada e valores acima de,8 e abaixo de 1 são considerados fortemente correlacionados (SANTOS, 7). Através deste coeficiente podemos discernir a confiabilidade dos sinais amostrados com a taxa de aquisição selecionada para a abordagem tecnológica, ou seja, pode-se provar que adquirir os sinais de tensão e corrente em 15 Hz após atenuá-los com um filtro Butterworth passa-baixa de segunda ordem em 65 Hz é suficientemente similar, ou não, a adquirir esses mesmos sinais a 15 khz após passá-los pelo mesmo filtro para as características dos sinais que se deseja observar. A Figura 6 ilustra as formas de onda amostradas em 15 khz e 15 Hz, ambas atenuadas para o Teste 3. Deve-se ressaltar que a menor taxa de amostragem foi simulada através da maior taxa de aquisição, após a atenuação, buscandose pontos nos intervalos específicos de tempo (período de 8 µs) e ignorando os pontos intermediários a eles.

8 6º CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE FABRICAÇÃO 11 a 15 de Abril de 11. Caxias do Sul - RS khz 1.5 khz khz 1.5 khz Figura 6- Comparativo entre oscilogramas de tensão (superior) e corrente (inferior) com taxas de aquisição de 15 khz e 15 Hz. Observa-se a similaridade das formas de onda das duas taxas de amostragem e, pelos valores do coeficiente de correlação, valores médio e RMS dos sinais (listados na Tabela 6), pode-se comparar, matematicamente, as duas taxas de aquisição. Como citado, a resolução de valores medidos desejada para a corrente é de 1 A e para a tensão de,1 V. Tabela 6 Comparação matemática dos sinais de soldagem com duas taxas de amostragem. Teste Média RMS r Média RMS r 15 khz 15 Hz 15 khz 15 Hz 15 khz 15 Hz 15 khz 15 Hz 1 3,1 3,1 3,1 3,1, ,99 3,1 3,1 3,1 3,1, , ,8 18,8,4,4, ,96 4 1,9 1,9 3,1 3,1, ,98 Sendo assim, a taxa de amostragem em 15 Hz mostrou-se fortemente correlacionada a taxa de amostragem superior em todos os testes realizados, ou seja, essa taxa menor é suficiente para a caracterização dos sinais elétricos na soldagem. É importante ressaltar também que não houve qualquer alteração nos valores médio e RMS para ambos os sinais em todos os testes, levando em consideração a resolução desejada para cada parâmetro. Por fim, para adequar essa taxa de amostragem ao processo MIG Pulsado (MIG-P), simulou-se uma onda quadrada de frequência variável e realizaram-se todos os cálculos em relação a ela. Para frequências de até 31 Hz, uma taxa de aquisição de 15 Hz provou-se satisfatória, não apresentando distorções nos valores médio e RMS e um coeficiente de correlação de,8 para a frequência limite. Acima desse valor como, por exemplo, 357 Hz, houve perda de acurácia (15% de erro relativo) nas medidas elétricas e um coeficiente de correlação de,54, indicando apenas moderada correlação. A frequência típica de pulsação para o processo MIG-P varia de 5 a Hz (SCOTTI e PONOMAREV, 8), sendo esta taxa de amostragem, portanto, adequada para este processo. 3.. Sistema Proposto de Aquisição De acordo com as etapas definidas no item., deve-se escolher os dispositivos e projetar os circuitos para a obtenção das variáveis selecionadas. Definiu-se o transdutor de efeito Hall LEM HT5-SBD, com a faixa de medição de ±5 A eficazes, linearidade de,5%, resposta em frequência de até 5 khz e tensão de saída variando de ±5 V (LEM COMPONENTS, ). O transdutor para a velocidade de alimentação escolhido, Bourns EM14, é um encoder de 64 pulsos por volta por fase (possui duas fases), com defasagem de 9 graus entre elas para a indicação do sentido de rotação e velocidade máxima de rotação de 1 RPM (BOURNS, 8). A Figura 7 ilustra os transdutores escolhidos. O condicionamento dos sinais elétricos provenientes dos transdutores é realizado, para o sinal de tensão, com um circuito elétrico composto de um divisor de tensão para a faixa de trabalho do conversor A/D, um isolador galvânico proporcional ISO1P (BURR-BROWN, 1993), para proteção do microcontrolador (MCU), um filtro analógico Butterworth passa-baixa de segunda ordem (MALVINO, 6) com frequência de corte de 65 Hz e um seguidor de tensão (buffer) para casamento de impedância. Para o sinal de corrente, difere-se que não há necessidade de isolamento

9 6º CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE FABRICAÇÃO 11 a 15 de Abril de 11. Caxias do Sul - RS galvânico e para o sinal de velocidade de alimentação não é necessário utilizar-se de nenhum circuito de condicionamento. Figura 7- Transdutores: LEM HT5-SBD (esquerda) e Bourns EM14 (direita). Para definição do MCU é necessário o conhecimento anterior dos requisitos relacionados a ele, como a resolução e taxa de amostragem do conversor A/D, a quantidade de memória de programa e de dados de acordo com o módulo de comunicação sem fios (tamanho da pilha de protocolo, Tabela 4) e a velocidade de processamento. De acordo com o requisito de resolução, definidos no Item., define-se a resolução do conversor A/D em 1 bits (Tabela 7). O uso de maiores resoluções, com maior sensibilidade, pode levar a erros de medida devido a ruídos presentes no sinal. Tabela 7 Comparativo de resolução nas medidas para diferentes resoluções de conversores A/D. Faixa de Medição Requisito A/D 1 bits A/D 1 bits A/D 14 bits Tensão ±1 [V],1 [V] ±,196 [V] ±,48 [V] ±,1 [V] Corrente ±5 [A] 1 [A] ±,978 [A] ±,44 [A] ±,61 [A] Como módulo de comunicação Wi-Fi, escolheu-se o Microchip ZeroG ZG1M. Tal escolha se deve a disponibilidade de documentação sobre o protocolo de comunicação, exemplos de utilização da pilha TCP/IP (a biblioteca da pilha é fornecida pelo fabricante), suporte técnico nacional e, por fim, disponibilidade de placas de desenvolvimento de fabricação nacional integradas ao Wi-Fi. A Tabela 8, a seguir, direciona a seleção de MCUs para uso com o dispositivo ZeroG ZG1M em relação a sua eficiência de transmissão de dados. Tabela 8 Desempenho da Pilha TCP/IP para diferentes MCUs (MICROCHIP, 1). Microcontrolador MIPS Taxa de Transmissão (Kbytes/sec) Controlador de rede TCP com (X) byte TX FIFO UDP 8 PIC18F97J6 1.4 ZeroG ZG1M PIC4FJ18GA1 16 ZeroG ZG1M dspic33fj56gp71 4 ZeroG ZG1M PIC3MX36F51L 8 ZeroG ZG1M PIC3MX795F51L 8 ZeroG ZG1M * MIPS Milhões de Instruções por Segundo; TX FIFO Fila de Transmissão. Considerando-se a resolução do conversor A/D, a velocidade de processamento e as quantidades de memória de programa e dados disponíveis em cada MCU, definiu-se o dspic33fj56gp71 como o dispositivo a ser utilizado. Sua eficiência de transmissão é equivalente a MCUs de maior poder de processamento, com um menor custo, e sua arquitetura de 16 bits (MICROCHIP, 7), o torna mais acessível quanto à programação, possuindo maior documentação e maior domínio público Interface Proposta com o Usuário Tendo em vista o protocolo de comunicação TCP e a interface com o usuário HTTP definidos no item.3, tem-se as seguintes premissas para a interface com o usuário necessárias: Cálculo e exibição dos valores, médio e RMS, para os três sinais de forma dinâmica (documentação e monitoramento); Exibição contínua de gráficos com intervalos de tempo (janela) definidos (monitoramento); Possibilidade de armazenamento dos dados recebidos (documentação); Informações sobre as versões do sistema, tanto de monitoramento quanto de interface com o usuário; Manual de utilização do sistema como um todo; Configurações administrativas (como atualização das versões do sistema).

10 6º CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE FABRICAÇÃO 11 a 15 de Abril de 11. Caxias do Sul - RS É importante ressaltar que todas as interações com o usuários serão dependentes apenas do uso de um navegador de internet atualizado, disponível de forma gratuita para todo e qualquer equipamento com acesso à rede em que o sistema de monitoramento estiver inserido. 4. CONCLUSÃO Foi proposta, neste trabalho, a realização de um estudo sobre um sistema de monitoramento sem fio para processo de soldagem a arco. Os sinais a serem monitorados foram definidos, tensão, corrente e velocidade de alimentação e caracterizados em suas componentes em frequência. Determinou-se que uma amostragem em 15 Hz e uma filtragem analógica em 65 Hz é suficiente para se observar estes sinais com alto nível de confiabilidade e nenhuma perda de informação nos valores médios e RMS. Como sistema físico, escolheu-se um transdutor de efeito hall para a corrente e um encoder para a velocidade de alimentação, o dspic33fj56gp71 como processador do sistema embarcado e o módulo Wi-Fi para a transmissão dos dados. Como protocolo de comunicação, o TCP demonstrou-se o mais adequado aos requisitos do sistema e o HTTP, como interface com o usuário, o mais dinâmico e flexível. Englobando todas as propostas, conclui-se que o sistema resultante concebido possui com tecnologia própria, escalabilidade, portabilidade, autonomia, baixo custo e flexibilidade/simplicidade de operação. 5. AGRADECIMENTOS Os autores agradecem ao LAPROSOLDA/UFU pela disponibilidade de pessoal e estrutura física, a CAPES pelo financiamento da bolsa de estudos, ao CNPq (Processo /9-9 e Processo 37554/8-), à Fapemig (Processo TEC - APQ ) e pelo auxílio financeiro para o comparecimento ao evento, à PROPP-UFU (Pró- Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação). 6. REFERÊNCIAS Bluetooth SIG, 1, Get Technical. Acessado em: 7/11/1. Link: Bourns, 8, EM14-14 mm Rotary Optical Encoder w/switch REV. /8, Especificação Técnica, 5 p. Burr-Brown Corporation, 1993, ISO 1P - Precision Lowest Cost ISOLATION AMPLIFIER, Especificação Técnica, 16 p. Cunha, A.F., O que são sistemas embarcados?. Saber Eletrônica - Ano 43 - Edição 414, Julho, 7. Galeev, M., 4, Home Networking with ZigBee, Design Article of EE Times. Acessado em: 7/11/1. Link: < ISO 3834:5, Welding certification and quality requirements. ISO 1766:5, Welding Calibration, verification and validation of equipment used for welding, including ancillary activities. ITU (International Telecommunication Union), 8, G13. What is meant by ISM applications and how are the related frequencies used? Acessado em: 7/11/1. Link: <www.itu.int/itu-r/terrestrial/faq/index.html#g13> LEM Componets,, Current Transducer HT to 5-SBD, Especificação Técnica, p. Malvino, A. P., 6, Eletrônica: Volume, 4a edição, Pearson Makron Books, São Paulo, Brasil. Microchip Technology Inc., 7, dspic33f Family Data Sheet, Especificação Técnica, 37 p. Microchip Technology Inc., 1, Microchip TCP/IP Stack 5.b Help, Guia de Ajuda. Oliveira, A. S., Andrade, F. S., Sistemas Embarcados Hardware e Firmware na Prática, Ed. Érica. 6. Santos, C., 7, Estatística Descritiva - Manual de Auto-aprendizagem, Edições Sílabo, Lisboa, Portugal. Scotti, A. e Ponomarev, V., 8, Soldagem MIG/MAG: Melhor entendimento, Melhor desempenho, Artliber Editora Ltda, São Paulo, Brasil. 7. DIREITOS AUTORAIS Os autores são os únicos responsáveis pelo conteúdo do material impresso incluídos no seu trabalho.

11 6º CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE FABRICAÇÃO 6 th BRAZILIAN CONFERENCE ON MANUFACTURING ENGINEERING 11 a 15 de abril de 11 Caxias do Sul RS - Brasil April 11 th to 15 th, 11 Caxias do Sul RS Brazil STUDY OF WIRELESS EMBEDDED SYSTEM FOR MONITORING AND ANALYSING SIGNALS DURING ARC WELDING Marcus Vinícius Ribeiro Machado, 1 Carolina Pimenta Mota, 1 Louriel Oliveira Vilarinho, 1 Roberto Mendes Finzi Neto, 1 Federal University of Uberlandia, School of Mechanical Engineering, Laprosolda Centre for Research and Development of Welding Processes, Av. João Naves de Ávila, 11, Campus Santa Mônica, Bloco 1O, Uberlândia, MG, Brasil. Federal University of Goias, Department of Compunting Science. Av. Dr. Lamartine P. Avelar, 11, Catalão, GO, Brasil. Abstract. Welding processes are the most important ones in use for metal joining in industry and according to ISO 3834, welding is a special process, since it cannot be completely inspectioned against imperfections only after its completion, i.e., the constant monitoring is required. Thus, the manufacturer must adopt suitable methods in order to guarantee the necessary quality to welded products and also to guarantee documentation for audition, corrective actions and personal revision. These methods include welder skills, preparation and qualification of welding procedure and monitoring of process variables. Therefore, it is aimed to study the viability of the application of monitoring system and to perform analyses of variables of arc-welding processes. The final proprietary technology must presents scalability, portability, autonomy, low cost and flexibility during operation. Also, the study embraces the initial analyses of welding signals, the definition of physical architecture, data communication and assessment of its main advantages and limitation against comercial products. The main contribution lays on the horizon of the hard use nowadays of TCP/IP protocol, dissemination of computer networks in industrial environment and the development of portable products for data communication (such as notebooks, smartphones and palm computers). These technologies integrated to welding process monitoring plus the readiness of wireless communication unveil a very powerful tool on the context of ISO It is concluded that the developed system bonded to welding could expand the workability of remote supervision equipment through computing network. Keywords: Welding, Monitoring, TCP/IP, Wireless, ISO Associação Brasileira de Engenharia e Ciências Mecânicas 11

Sistema Embarcado para Monitoramento Sem Fio de Sinais em Soldagem a Arco Elétrico com Abordagem Tecnológica

Sistema Embarcado para Monitoramento Sem Fio de Sinais em Soldagem a Arco Elétrico com Abordagem Tecnológica Sistema Embarcado para Monitoramento Sem Fio de Sinais em Soldagem a Arco Elétrico com Abordagem Tecnológica (Embedded System for Wireless Signal Monitoring During Arc Welding with Technological Approach)

Leia mais

Sistema de Monitoramento e Supervisão de Vibração HYMV05

Sistema de Monitoramento e Supervisão de Vibração HYMV05 Sistema de Monitoramento e Supervisão de Vibração Revisão 1 Mai2005 O é um sistema inteligente de Monitoramento, Aquisição de Dados e Supervisão Local para utilização com os softwares da linha Dynamic.

Leia mais

Visão geral das redes sem fio

Visão geral das redes sem fio Visão geral das redes sem fio 1 - Introdução O termo redes de dados sem fio pode ser utilizado para referenciar desde dispositivos de curto alcance como o Bluetooth à sistemas de altas taxas de transmissão

Leia mais

Laboratório de Máquinas Elétricas Utilizando um Sistema de Aquisição de Dados

Laboratório de Máquinas Elétricas Utilizando um Sistema de Aquisição de Dados Laboratório de Máquinas Elétricas Utilizando um Sistema de Aquisição de Dados Mauricélio Alves de Sousa, Eng o Fernando Luiz Marcelo Antunes, PhD Ricardo Silva Thé Pontes, MSc Grupo de Processamento de

Leia mais

V SBQEE ESTUDO, PROJETO E CONSTRUÇÃO DE UM REGISTRADOR E ANALISADOR PORTATIL DE QUALIDADE DE ENERGIA ELÉTRICA

V SBQEE ESTUDO, PROJETO E CONSTRUÇÃO DE UM REGISTRADOR E ANALISADOR PORTATIL DE QUALIDADE DE ENERGIA ELÉTRICA V SBQEE Seminário Brasileiro sobre Qualidade da Energia Elétrica 17 a 20 de Agosto de 2003 Aracaju Sergipe Brasil Código: AJU 05 102 Tópico: Sistemas de Monitoramento e Tratamento de Dados ESTUDO, PROJETO

Leia mais

ANÁLISE DE REDES HIERÁRQUICAS PARA ATENDIMENTO DE LOCAIS REMOTOS

ANÁLISE DE REDES HIERÁRQUICAS PARA ATENDIMENTO DE LOCAIS REMOTOS ANÁLISE DE REDES HIERÁRQUICAS PARA ATENDIMENTO DE LOCAIS REMOTOS Fabiana da Silva Podeleski Faculdade de Engenharia Elétrica CEATEC podeleski@yahoo.com.br Prof. Dr. Omar Carvalho Branquinho Grupo de Pesquisa

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE EXPERIMENTOS LABORATORIAIS PARA O ENSINO DE AUTOMAÇÃO DA MEDIÇÃO NO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA

DESENVOLVIMENTO DE EXPERIMENTOS LABORATORIAIS PARA O ENSINO DE AUTOMAÇÃO DA MEDIÇÃO NO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA DESENVOLVIMENTO DE EXPERIMENTOS LABORATORIAIS PARA O ENSINO DE AUTOMAÇÃO DA MEDIÇÃO NO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA Gilva Altair Rossi gilva@demec.ufmg.br José Maria Galvez jmgalvez@ufmg.br Universidade

Leia mais

Aula III Redes Industriais

Aula III Redes Industriais Aula III Redes Industriais Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Disciplina: Instrumentação e Automação Industrial I(ENGF99) Professor: Eduardo Simas(eduardo.simas@ufba.br) 1 Introdução Muitas

Leia mais

O USO DE UM SENSOR DE LUZ LINEAR COMO RECURSO DIDÁTICO PARA DEMONSTRAR PRINCÍPIOS DE DIFRAÇÃO E ESPECTROSCOPIA

O USO DE UM SENSOR DE LUZ LINEAR COMO RECURSO DIDÁTICO PARA DEMONSTRAR PRINCÍPIOS DE DIFRAÇÃO E ESPECTROSCOPIA Quim. Nova, Vol. 38, No. 3, S1-S6, 2015 O USO DE UM SENSOR DE LUZ LINEAR COMO RECURSO DIDÁTICO PARA DEMONSTRAR PRINCÍPIOS DE DIFRAÇÃO E ESPECTROSCOPIA Fernando Arruda Mendes de Oliveira a,b, Eduardo Ribeiro

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES 1 INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES 1.1 - Instrumentação Importância Medições experimentais ou de laboratório. Medições em produtos comerciais com outra finalidade principal. 1.2 - Transdutores

Leia mais

XIX Congresso Nacional de Estudantes de Engenharia Mecânica - 13 a 17/08/2012 São Carlos-SP Artigo CREEM2012 SENSOR DE TEMPERATURA WIRELESS

XIX Congresso Nacional de Estudantes de Engenharia Mecânica - 13 a 17/08/2012 São Carlos-SP Artigo CREEM2012 SENSOR DE TEMPERATURA WIRELESS XIX Congresso Nacional de Estudantes de Engenharia Mecânica - 13 a 17/08/2012 São Carlos-SP Artigo CREEM2012 SENSOR DE TEMPERATURA WIRELESS Antonio Carlos Lemos Júnior, Ednaldo Lopes Rosa e Leandro Aureliano

Leia mais

Encoder Magnético. Contexto Social e Profissional da Engenharia Mecatrônica. Grupo 8: Danilo Zacarias Júnior. Leonardo Maciel Santos Silva

Encoder Magnético. Contexto Social e Profissional da Engenharia Mecatrônica. Grupo 8: Danilo Zacarias Júnior. Leonardo Maciel Santos Silva Encoder Magnético Contexto Social e Profissional da Engenharia Mecatrônica Grupo 8: Danilo Zacarias Júnior Leonardo Maciel Santos Silva Yuri Faria Amorim Índice Resumo... 03 1. Introdução... 04 2. Desenvolvimento...

Leia mais

Davidson Rodrigo Boccardo flitzdavidson@gmail.com

Davidson Rodrigo Boccardo flitzdavidson@gmail.com Fundamentos em Sistemas de Computação Davidson Rodrigo Boccardo flitzdavidson@gmail.com Camada Física Primeira cada do modelo OSI (Camada 1) Função? Processar fluxo de dados da camada 2 (frames) em sinais

Leia mais

SENSOR DE VELOCIDADE Hudson Pinheiro de Andrade

SENSOR DE VELOCIDADE Hudson Pinheiro de Andrade UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA INSTRUMENTAÇÃO ELETRÔNICA PROFESSOR: LUCIANO CAVALCANTI SENSOR DE VELOCIDADE Hudson Pinheiro de Andrade

Leia mais

MARCUS VINÍCIUS RIBEIRO MACHADO SISTEMA EMBARCADO SEM FIO PARA MONITORAMENTO DE SINAIS EM SOLDAGEM A ARCO ELÉTRICO COM ABORDAGEM TECNOLÓGICA

MARCUS VINÍCIUS RIBEIRO MACHADO SISTEMA EMBARCADO SEM FIO PARA MONITORAMENTO DE SINAIS EM SOLDAGEM A ARCO ELÉTRICO COM ABORDAGEM TECNOLÓGICA MARCUS VINÍCIUS RIBEIRO MACHADO SISTEMA EMBARCADO SEM FIO PARA MONITORAMENTO DE SINAIS EM SOLDAGEM A ARCO ELÉTRICO COM ABORDAGEM TECNOLÓGICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA

Leia mais

Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações.

Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações. Roteiro de Estudos Redes PAN II O Portal Teleco apresenta periodicamente Roteiros de Estudo sobre os principais temas das Telecomunicações. Os roteiros apresentam uma sugestão de tutoriais publicados para

Leia mais

UMG 104-Mais do que um simples Multímetro UMG 104

UMG 104-Mais do que um simples Multímetro UMG 104 UMG 104 UMG 104-Mais do que um ples Multímetro O UMG 104 equipado com um DSP de 500 MHz (processador de sinal digital) é um analisador de tensão muito rápido e potente. A varredura contínua dos 8 canais

Leia mais

PROPOSTA DE DESENVOLVIMENTO DE MESA TRIDIMENSIONAL PARA TOPOGRAFIA A LASER E MOVIMENTAÇÃO EM SOLDAGEM

PROPOSTA DE DESENVOLVIMENTO DE MESA TRIDIMENSIONAL PARA TOPOGRAFIA A LASER E MOVIMENTAÇÃO EM SOLDAGEM CONVÊNIOS CNPq/UFU & FAPEMIG/UFU Universidade Federal de Uberlândia Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação DIRETORIA DE PESQUISA COMISSÃO INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA 2008 UFU 30 anos PROPOSTA

Leia mais

Projeto de Múltiplas RSSF operando sobre. Fibra óptica

Projeto de Múltiplas RSSF operando sobre. Fibra óptica Anais do XIX Encontro de Iniciação Científica ISSN 1980178 Projeto de Múltiplas RSSF operando sobre Maria Caroline de Andrade PUC-Campinas Centro de Ciências Exatas, Ambientais e de Tecnologias maria.ca@puccampinas.edu.br

Leia mais

Medidor Eletrônico de Energia em Baixa Tensão com Teleleitura via Tecnologia Bluetooth

Medidor Eletrônico de Energia em Baixa Tensão com Teleleitura via Tecnologia Bluetooth Medidor Eletrônico de Energia em Baixa Tensão com Teleleitura via Tecnologia Bluetooth Bose, R.C. 1 ; Kolm, D. 1 ; Paim, F. 1 ; Caetano,C.D.C. 2 ; Garbelotto,L.A. 2 ; Moraes, R. 1 1 - Engenharia Elétrica

Leia mais

Sistemas de Aquisição de Dados Baseado em Microcontroladores

Sistemas de Aquisição de Dados Baseado em Microcontroladores Universidade Federal do Pará Laboratório de Sensores e Sistemas Embarcados (LASSE) Sistemas de Aquisição de Dados Baseado em Microcontroladores Rodrigo Williams Rodrigues Ataíde rodrigowra@ufpa.br 26 de

Leia mais

Placa de Rede. Rede de Computadores. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. Placa de Rede

Placa de Rede. Rede de Computadores. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. Placa de Rede Rede de Computadores Prof. André Cardia Email: andre@andrecardia.pro.br MSN: andre.cardia@gmail.com Placa de Rede Uma placa de rede (NIC), ou adaptador de rede, oferece capacidades de comunicações nos

Leia mais

CONTROLE DE DISPOSITIVOS EM REDE SEM FIO INTELIGENTE NO PADRAO DE COMUNICAÇAO ZIGBEE (IEEE 802.15.4)

CONTROLE DE DISPOSITIVOS EM REDE SEM FIO INTELIGENTE NO PADRAO DE COMUNICAÇAO ZIGBEE (IEEE 802.15.4) 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 CONTROLE DE DISPOSITIVOS EM REDE SEM FIO INTELIGENTE NO PADRAO DE COMUNICAÇAO ZIGBEE (IEEE 802.15.4) Saulo Menechine 1, Munif Gebara Junior 2 RESUMO: Com

Leia mais

PowerSpy Sistema de Monitoramento de Painéis de Distribuição

PowerSpy Sistema de Monitoramento de Painéis de Distribuição PowerSpy Sistema de Monitoramento de Painéis de Distribuição Uma solução completa para a medição e monitoramento de um vasto conjunto de grandezas elétricas, com indicações de valores individuais para

Leia mais

CATÁLOGO TÉCNICO DE PRODUTO

CATÁLOGO TÉCNICO DE PRODUTO Descrição: Medições fiáveis e de alta precisão para realização de testes e desenvolvimento de eletrónica de potência! Os compactos analisadores de potência da série Fluke Norma possuem a mais recente tecnologia

Leia mais

Sensores e Atuadores (1)

Sensores e Atuadores (1) (1) 4º Engenharia de Controle e Automação FACIT / 2009 Prof. Maurílio J. Inácio Introdução Sensores Fornecem parâmetros sobre o comportamento do manipulador, geralmente em termos de posição e velocidade

Leia mais

SISTEMA DE APONTAMENTO

SISTEMA DE APONTAMENTO Introdução SISTEMA DE APONTAMENTO Alunos: Lucas Castro Faria Carolina do Amaral Galhardo Orientador: Hans Ingo Weber Foi feito um estudo para aquisição de dados através da placa NI USB-6229, usando o programa

Leia mais

RailBee Sistema de instrumentação virtual de veículos em malhas metroferroviárias

RailBee Sistema de instrumentação virtual de veículos em malhas metroferroviárias RESUMO RailBee Sistema de instrumentação virtual de veículos em malhas metroferroviárias O proposto sistema de instrumentação virtual de veículos em malhas metroferroviárias utiliza a transmissão de sinais

Leia mais

3 INTEFACES E PROTOCOLOS PARA REDES DE SENSORES INTELIGENTES SEM FIOS

3 INTEFACES E PROTOCOLOS PARA REDES DE SENSORES INTELIGENTES SEM FIOS Capítulo 3 Interfaces e Protocolos para Redes de Sensores Inteligentes sem Fios 36 3 INTEFACES E PROTOCOLOS PARA REDES DE SENSORES INTELIGENTES SEM FIOS A tecnologia sem fios vem sendo comumente utilizada

Leia mais

Notas de Aplicação. Utilizando ZAP500 com. Encoders. HI Tecnologia. Documento de acesso publico / corporativo

Notas de Aplicação. Utilizando ZAP500 com. Encoders. HI Tecnologia. Documento de acesso publico / corporativo Notas de Aplicação Utilizando ZAP500 com Encoders HI Tecnologia Documento de acesso publico / corporativo ENA.00015 Versão 1.01 dezembro-2013 HI Tecnologia Utilizando ZAP500 com Encoders Apresentação Esta

Leia mais

Simplifique a complexidade do sistema

Simplifique a complexidade do sistema 1 2 Simplifique a complexidade do sistema Com o novo controlador de alto desempenho CompactRIO Rodrigo Schneiater Engenheiro de Vendas National Instruments Leonardo Lemes Engenheiro de Sistemas National

Leia mais

Solução Completa em Automação. FieldLogger. Registro e Aquisição de Dados

Solução Completa em Automação. FieldLogger. Registro e Aquisição de Dados Solução Completa em Automação FieldLogger Registro e Aquisição de Dados Ethernet & USB Até 16GB de memória Conversor A/D 24 bits Até 1000 amostras por segundo Apresentação FieldLogger O FieldLogger é um

Leia mais

Módulo FGM721. Controlador P7C - HI Tecnologia

Módulo FGM721. Controlador P7C - HI Tecnologia Automação Industrial Módulo Controlador P7C - HI Tecnologia 7C O conteúdo deste documento é parte do Manual do Usuário do controlador P7C da HI tecnologia (PMU10700100). A lista de verbetes consta na versão

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS O diodo de junção possui duas regiões de materiais semicondutores dos tipos N e P. Esse dispositivo é amplamente aplicado em circuitos chaveados, como, por exemplo, fontes de

Leia mais

ADS2002IP. Sistema de Aquisição de Dados Integrado, compacto e modular

ADS2002IP. Sistema de Aquisição de Dados Integrado, compacto e modular ADS2002IP Sistema de Aquisição de Dados Integrado, compacto e modular Imagem ilustrativa do ADS2002IP-B-3 (SF2034) Versatilidade ³ O ADS2002IP é um sistema de aquisição de dados modular e compacto da série

Leia mais

Monitor Cardíaco. Universidade Federal de Santa Maria Centro de Tecnologia Departamento de Eletrônica e Computação

Monitor Cardíaco. Universidade Federal de Santa Maria Centro de Tecnologia Departamento de Eletrônica e Computação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Tecnologia Departamento de Eletrônica e Computação Monitor Cardíaco Proposta de Trabalho de Conclusão de Curso Prof. Giovani Baratto Santa Maria Agosto de

Leia mais

Easy Lab. Manual do usuário Revisão 1.2 01/11/14. www.dma.ind.br. DMA Electronics 1

Easy Lab. Manual do usuário Revisão 1.2 01/11/14. www.dma.ind.br. DMA Electronics 1 Easy Lab Manual do usuário Revisão 1.2 01/11/14 www.dma.ind.br DMA Electronics 1 A DMA ELECTRONICS projeta e fabrica sistemas para aquisição e registro de dados com conexão a um computador do tipo PC.

Leia mais

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas IW10 Rev.: 02 Especificações Técnicas Sumário 1. INTRODUÇÃO... 1 2. COMPOSIÇÃO DO IW10... 2 2.1 Placa Principal... 2 2.2 Módulos de Sensores... 5 3. APLICAÇÕES... 6 3.1 Monitoramento Local... 7 3.2 Monitoramento

Leia mais

Sistema de Aquisição de Dados

Sistema de Aquisição de Dados Sistema de Aquisição de Dados Versão 2013 RESUMO Nesta experiência será desenvolvido o projeto de um sistema de aquisição e armazenamento de dados analógicos em formato digital. O sinal de um sensor de

Leia mais

Teoria das Descargas Parciais

Teoria das Descargas Parciais Teoria das Descargas Parciais Quando uma tensão é aplicada aos terminais de um equipamento elétrico que possui isolamento elétrico (dielétricos - ar, SF 6, óleo isolante, fenolite, resinas, vidros, etc.)

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação Curso de Engenharia de Produção Processos de Fabricação Soldagem MIG/MAG MIG e MAG indicam processos de soldagem por fusão que utilizam o calor de um arco elétrico formado entre um eletrodo metálico consumível

Leia mais

ANÁLISE DA QUALIDADE DA ENERGIA ELÉTRICA EM CONVERSORES DE FREQUENCIA

ANÁLISE DA QUALIDADE DA ENERGIA ELÉTRICA EM CONVERSORES DE FREQUENCIA ANÁLISE DA QUALIDADE DA ENERGIA ELÉTRICA EM CONVERSORES DE FREQUENCIA Nome dos autores: Halison Helder Falcão Lopes 1 ; Sergio Manuel Rivera Sanhueza 2 ; 1 Aluno do Curso de Engenharia Elétrica; Campus

Leia mais

Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet

Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet Marcos R. Dillenburg Gerente de P&D da Novus Produtos Eletrônicos Ltda. (dillen@novus.com.br) As aplicações de

Leia mais

AULA 01 INTRODUÇÃO. Eduardo Camargo de Siqueira REDES DE COMPUTADORES Engenharia de Computação

AULA 01 INTRODUÇÃO. Eduardo Camargo de Siqueira REDES DE COMPUTADORES Engenharia de Computação AULA 01 INTRODUÇÃO Eduardo Camargo de Siqueira REDES DE COMPUTADORES Engenharia de Computação CONCEITO Dois ou mais computadores conectados entre si permitindo troca de informações, compartilhamento de

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M MORAES, C. C. Engenharia de Automação Industrial, Cap. 6 Tanenbaum, Redes de Computadores, Cap. 1.2 AGUIRRE, L. A. Enciclopédia da Automática, Volume II, Cap. 15.3 Escravo é um

Leia mais

Redes Industriais. Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson

Redes Industriais. Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson Redes Industriais Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson Capítulo 2 Meio Físicos A automação no meio produtivo Objetivos: Facilitar os processos produtivos

Leia mais

ENCODERS. Fig 1 - Princípio de funcionamento de um encoder rotativo.

ENCODERS. Fig 1 - Princípio de funcionamento de um encoder rotativo. ENCODERS Este é sem dúvida nenhuma um dos equipamentos mais usados em Automação Industrial e Mecatrônica, pois com ele conseguimos converter movimentos angulares e lineares em informações úteis à nossa

Leia mais

Trabalho Prático N o :. Técnica Operatória da Soldagem GMAW

Trabalho Prático N o :. Técnica Operatória da Soldagem GMAW Trabalho Prático N o :. Técnica Operatória da Soldagem GMAW 1. Objetivos: Familiarizar-se com o arranjo e a operação do equipamento utilizado na soldagem semi-automática GMAW. Familiarizar-se com os consumíveis

Leia mais

UMG 511 Analisador de qualidade de energia Classe A. de acordo com IEC 61000-4-30 UMG 511

UMG 511 Analisador de qualidade de energia Classe A. de acordo com IEC 61000-4-30 UMG 511 UMG 511 UMG 511 Analisador de qualidade de energia Classe A de acordo com IEC 61000-4-30 O analisador de qualidade de energia UMG 511 é particularmente adequado para monitorar a qualidade da energia de

Leia mais

O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento. Padrões. Padrões. Meios físicos de transmissão

O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento. Padrões. Padrões. Meios físicos de transmissão O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento Romeu Reginato Julho de 2007 Rede. Estrutura de comunicação digital que permite a troca de informações entre diferentes componentes/equipamentos

Leia mais

Application Note FBEE Comunicação Serial Wireless REV01. - 1 - Rev01

Application Note FBEE Comunicação Serial Wireless REV01. - 1 - Rev01 Application Note FBEE Comunicação Serial Wireless REV01-1 - Rev01 1. INTRODUÇÃO Aplicações com redes sem fio vêm se tornando bastante comuns. De aplicações industriais a projetos específicos, criou-se

Leia mais

Desenvolva Sistemas de Medições Distribuídos e Portáteis

Desenvolva Sistemas de Medições Distribuídos e Portáteis Desenvolva Sistemas de Medições Distribuídos e Portáteis Henrique Tinelli Engenheiro de Marketing Técnico NI Nesta apresentação, iremos explorar: Plataforma NI CompactDAQ Distribuída Sistemas de Medição

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE VEÍCULO MECATRÔNICO COMANDADO REMOTAMENTE

CONSTRUÇÃO DE VEÍCULO MECATRÔNICO COMANDADO REMOTAMENTE CONSTRUÇÃO DE VEÍCULO MECATRÔNICO COMANDADO REMOTAMENTE Roland Yuri Schreiber 1 ; Tiago Andrade Camacho 2 ; Tiago Boechel 3 ; Vinicio Alexandre Bogo Nagel 4 INTRODUÇÃO Nos últimos anos, a área de Sistemas

Leia mais

IEEE 1394 PORQUE OUTRO BARRAMENTO? Grande crescimento do número de conectores no PC. Equipamentos analógicos migrando para digital

IEEE 1394 PORQUE OUTRO BARRAMENTO? Grande crescimento do número de conectores no PC. Equipamentos analógicos migrando para digital Histórico IEEE 1394 1986 - primeiras idéias concretas trazidas pela Apple Computers que adotou a denominação FireWire. 1987 - primeira especificação do padrão. 1995 adoção pelo IEEE do padrão IEEE 394.

Leia mais

Nova Linha de Equipamentos Trifásicos Classic-DSP

Nova Linha de Equipamentos Trifásicos Classic-DSP Nova Linha de Equipamentos Trifásicos Classic-DSP Departamento de Pesquisa e Desenvolvimento - CP Eletrônica S.A. Rua da Várzea 379 CEP: 91040-600 Porto Alegre RS Brasil Fone: (51)2131-2407 Fax: (51)2131-2469

Leia mais

A EMPRESA. A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia.

A EMPRESA. A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia. A EMPRESA A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia. A experiência da Future Technology nas diversas áreas de TI disponibiliza aos mercados público

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS e acordo com o comando a que cada um dos itens de 51 a 120 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO VIRTUAL PARA AQUISIÇÃO DE SINAIS E ANÁLISE DE FALHAS EM MÁQUINAS ROTATIVAS

INSTRUMENTAÇÃO VIRTUAL PARA AQUISIÇÃO DE SINAIS E ANÁLISE DE FALHAS EM MÁQUINAS ROTATIVAS Universidade Federal de São João Del-Rei MG 26 a 28 de maio de 2010 Associação Brasileira de Métodos Computacionais em Engenharia INSTRUMENTAÇÃO VIRTUAL PARA AQUISIÇÃO DE SINAIS E ANÁLISE DE FALHAS EM

Leia mais

LINGUAGEM DE ESPECIFICAÇÃO E DESCRIÇÃO (SDL) APLICADA AO PROCESSO DE VERIFICAÇÃO E VALIDAÇÃO DE SISTEMAS REATIVOS

LINGUAGEM DE ESPECIFICAÇÃO E DESCRIÇÃO (SDL) APLICADA AO PROCESSO DE VERIFICAÇÃO E VALIDAÇÃO DE SISTEMAS REATIVOS LINGUAGEM DE ESPECIFICAÇÃO E DESCRIÇÃO (SDL) APLICADA AO PROCESSO DE VERIFICAÇÃO E VALIDAÇÃO DE SISTEMAS REATIVOS Fabiana Fraga Ferreira Bacharelanda em Sistemas de Informação Bolsista de Iniciação Científica

Leia mais

CONVERSOR ISOLADOR RS232 / RS485 I-7520

CONVERSOR ISOLADOR RS232 / RS485 I-7520 CONVERSOR ISOLADOR RS232 / RS485 I-7520 Introdução Obrigado por ter escolhido nosso CONVERSOR ISOLADOR RS232 / RS485 I-7520. Para garantir o uso correto e eficiente do I-7520, leia este manual completo

Leia mais

Microcontroladores ARM Cortex-M3 - XM 700 -

Microcontroladores ARM Cortex-M3 - XM 700 - T e c n o l o g i a Microcontroladores ARM Cortex-M3 - XM 700 - Os melhores e mais modernos MÓDULOS DIDÁTICOS para um ensino tecnológico de qualidade. INTRODUÇÃO Microcontroladores ARM Cortex-M3 - XM 700

Leia mais

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura

Leia mais

PROTÓTIPO PARA ADAPTAÇÃO DE INSTRUMENTOS COM PROTOCOLO HART PARA COMUNICAÇÃO COM O OPC VIA ZIGBEE

PROTÓTIPO PARA ADAPTAÇÃO DE INSTRUMENTOS COM PROTOCOLO HART PARA COMUNICAÇÃO COM O OPC VIA ZIGBEE PROTÓTIPO PARA ADAPTAÇÃO DE INSTRUMENTOS COM PROTOCOLO HART PARA COMUNICAÇÃO COM O OPC VIA ZIGBEE Luiz Gonzaga Queiroz de Paiva Filho luiz.gonzag@hotmail.com Matusalém Martins Lanes martinslanes@yahoo.com.br

Leia mais

Sistema de Teste Para um Torquímetro Dinâmico Telemétrico Aplicado a Eixos Rotativos

Sistema de Teste Para um Torquímetro Dinâmico Telemétrico Aplicado a Eixos Rotativos Sistema de Teste Para um Torquímetro Dinâmico Telemétrico Aplicado a Eixos Rotativos Eudisley G. dos Anjos eudisley@les.ufpb.br Francisco A. Belo belo@les.ufpb.br Manuella D. C. Silva manuella@les.ufpb.br

Leia mais

Sensores de Imagem ivu

Sensores de Imagem ivu Sensores de Imagem ivu www.bannerengineering.com.br Sensor de Visão ivu com interface integrada Sensor de imagem para inspeções de aprovação/rejeição ou leitura de código de barras Interface Gráfica do

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR ABERTA DO BRASIL ESAB ACELERÔMETRO WIRELESS DE TRÊS EIXOS

ESCOLA SUPERIOR ABERTA DO BRASIL ESAB ACELERÔMETRO WIRELESS DE TRÊS EIXOS ESCOLA SUPERIOR ABERTA DO BRASIL ESAB ACELERÔMETRO WIRELESS DE TRÊS EIXOS Pedro Luis Antonelli Pós-Graduando em Telecomunicações na Escola Superior Aberta do Brasil - ESAB Hudson Ramos- Mestre em Engenharia

Leia mais

Placa de Rede. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. MAN (Metropolitan Area Network) Rede Metropolitana

Placa de Rede. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. MAN (Metropolitan Area Network) Rede Metropolitana Rede de Computadores Parte 01 Prof. André Cardia Email: andre@andrecardia.pro.br MSN: andre.cardia@gmail.com Placa de Rede Uma placa de rede (NIC), ou adaptador de rede, oferece capacidades de comunicações

Leia mais

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados Estrutura de um Rede de Comunicações Profa.. Cristina Moreira Nunes Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação Utilização do sistema de transmissão Geração de sinal Sincronização Formatação das mensagens

Leia mais

RESULTADOS PRELIMINARES NO DESENVOLVIMENTO DE SISTEMA PARA MAPEAMENTO REMOTO DE RADIAÇÃO

RESULTADOS PRELIMINARES NO DESENVOLVIMENTO DE SISTEMA PARA MAPEAMENTO REMOTO DE RADIAÇÃO 2013 International Nuclear Atlantic Conference - INAC 2013 Recife, PE, Brazil, November 24-29, 2013 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENERGIA NUCLEAR - ABEN ISBN: 978-85-99141-05-2 RESULTADOS PRELIMINARES NO DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Parte 02 O Controlador Lógico Programável

Parte 02 O Controlador Lógico Programável Parte 02 O Controlador Lógico Programável 2.0 Introdução: Para controlar uma planta industrial, seja a mais simples ou complexa, necessitamos de um sistema de controle, obviamente que quanto mais complexa

Leia mais

Desenvolva aplicações mais eficientes de teste estrutural e bancos de teste

Desenvolva aplicações mais eficientes de teste estrutural e bancos de teste Desenvolva aplicações mais eficientes de teste estrutural e bancos de teste Alisson Kokot Engenheiro de Vendas - National Instruments Arquiteturas de medição condicionada Centralizada Distribuída Sala

Leia mais

TRATAMENTO E ANÁLISE DE SINAIS DE BAIXA FREQUÊNCIA PARA EMULAÇÃO DE CANAL RÁDIO

TRATAMENTO E ANÁLISE DE SINAIS DE BAIXA FREQUÊNCIA PARA EMULAÇÃO DE CANAL RÁDIO TRATAMENTO E ANÁLISE DE SINAIS DE BAIXA FREQUÊNCIA PARA EMULAÇÃO DE CANAL RÁDIO Davi Schmutzler Valim Faculdade de Engenharia Elétrica CEATEC davi_valim@puccampinas.edu.br Resumo: O trabalho trata de fazer

Leia mais

Como è feito computador

Como è feito computador Como è feito computador O computador contém uma parte elétrica e uma parte eletrónica. Parte elétrica é usada para transformar e dinstribuir a eletricidade que vem para os vários componentes. Parte eletrónica

Leia mais

Redes de Computadores sem Fio

Redes de Computadores sem Fio Redes de Computadores sem Fio Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein Programa de Pós-Graduação em Engenharia Eletrônica Faculdade de Engenharia Universidade do Estado do Rio de Janeiro Programa Introdução

Leia mais

Multiplexação. Multiplexação. Multiplexação - FDM. Multiplexação - FDM. Multiplexação - FDM. Sistema FDM

Multiplexação. Multiplexação. Multiplexação - FDM. Multiplexação - FDM. Multiplexação - FDM. Sistema FDM Multiplexação É a técnica que permite a transmissão de mais de um sinal em um mesmo meio físico. A capacidade de transmissão do meio físico é dividida em fatias (canais), com a finalidade de transportar

Leia mais

Componentes de um Sistema de Computador

Componentes de um Sistema de Computador Componentes de um Sistema de Computador HARDWARE: unidade responsável pelo processamento dos dados, ou seja, o equipamento (parte física) SOFTWARE: Instruções que dizem o que o computador deve fazer (parte

Leia mais

Modelo de Referência OSI. Modelo de Referência OSI. Modelo de Referência OSI. Nível Físico (1)

Modelo de Referência OSI. Modelo de Referência OSI. Modelo de Referência OSI. Nível Físico (1) Modelo de Referência OSI OSI (Open Systems Interconnection) Criado pela ISO (International Standards Organization) É um modelo abstrato que relaciona funções e serviços de comunicações em sete camadas.

Leia mais

Medidor de energia embarcado para máquinas industriais implementado em rede de sensor sem fio

Medidor de energia embarcado para máquinas industriais implementado em rede de sensor sem fio Medidor de energia embarcado para máquinas industriais implementado em rede de sensor sem fio Edson Taira Procopio, PUC-Campinas SÃO PAULO Brasil ed_taira@hotmail.com Jose Luis Pagotto, PUC-Campinas SÃO

Leia mais

SISTEMA DE MONITORAMENTO DE EQUIPAMENTOS DE SUBESTAÇÕES: DESENVOLVIMENTO E IMPLANTAÇÃO

SISTEMA DE MONITORAMENTO DE EQUIPAMENTOS DE SUBESTAÇÕES: DESENVOLVIMENTO E IMPLANTAÇÃO GSE/ 19 17 à 22 de outubro de 1999 Foz do Iguaçu Paraná - Brasil GRUPO VIII GRUPO DE SUBESTAÇÕES E EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS (GSE) SISTEMA DE MONITORAMENTO DE EQUIPAMENTOS DE SUBESTAÇÕES: DESENVOLVIMENTO

Leia mais

CEFET/RJ UnED Petrópolis

CEFET/RJ UnED Petrópolis CEFET/RJ UnED Petrópolis Relatório de Estágio Supervisionado Empresa: CEFET/RJ UnED Petrópolis Curso: Técnico em Telecomunicações/TV Digital Estagiária: Dayana Kelly Turquetti de Moraes Telefones: (24)

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE EXPERIMENTOS LABORATORIAIS PARA O ENSINO DE MECATRÔNICA

DESENVOLVIMENTO DE EXPERIMENTOS LABORATORIAIS PARA O ENSINO DE MECATRÔNICA DESENVOLVIMENTO DE EXPERIMENTOS LABORATORIAIS PARA O ENSINO DE MECATRÔNICA Gilva Altair Rossi 1 ; José Maria Galvez 2 ; Douglas Iceri Lasmar 3 Universidade Federal de Minas Gerais, Departamento de Engenharia

Leia mais

CAPÍTULO 5. INTERFACES PARA PERIFÉRICOS DE ARMAZENAMENTO INTERFACES DIVERSAS: FIREWIRE, SPI e I 2 C INTERFACES COM O MUNDO ANALÓGICO

CAPÍTULO 5. INTERFACES PARA PERIFÉRICOS DE ARMAZENAMENTO INTERFACES DIVERSAS: FIREWIRE, SPI e I 2 C INTERFACES COM O MUNDO ANALÓGICO 28 CAPÍTULO 5 INTERFACES PARA PERIFÉRICOS DE ARMAZENAMENTO INTERFACES DIVERSAS: FIREWIRE, SPI e I 2 C INTERFACES COM O MUNDO ANALÓGICO Interfaces para periféricos de armazenamento: Periféricos de armazenamento,

Leia mais

Vantagens da arquitetura LabVIEW RIO para aplicações de controle de movimento

Vantagens da arquitetura LabVIEW RIO para aplicações de controle de movimento 1 Vantagens da arquitetura LabVIEW RIO para aplicações de controle de movimento Rodrigo Schneiater Engenheiro de Vendas National Instruments Telles Soares Engenheiro de Sistemas National Instruments O

Leia mais

Relés de Proteção Térmica Simotemp

Relés de Proteção Térmica Simotemp Relés de Proteção Térmica Simotemp Confiabilidade e precisão para controle e proteção de transformadores Answers for energy. A temperatura é o principal fator de envelhecimento do transformador Os relés

Leia mais

Data Sheet FBEE IEEE 802.15.4 SUPORTA PROTOCOLOS ZIGBEE E MIWI REV 03. - 1 - Rev02

Data Sheet FBEE IEEE 802.15.4 SUPORTA PROTOCOLOS ZIGBEE E MIWI REV 03. - 1 - Rev02 Data Sheet FBEE IEEE 802.15.4 SUPORTA PROTOCOLOS ZIGBEE E MIWI REV 03 Este equipamento opera em caráter secundário, isto é, não tem direito a proteção contra interferência prejudicial, mesmo de estações

Leia mais

Sistema de Supervisão da Tensão Secundária de Transformadores de Distribuição

Sistema de Supervisão da Tensão Secundária de Transformadores de Distribuição Sistema de Supervisão da Tensão Secundária de Transformadores de Distribuição U. H. Bezerra, ESC/UFPA; J.. Garcez, ESC/UFPA; J. C. W. A. Costa, ESC/UFPA; M.. A. Moscoso, ESC/UFPA; J. A. S. Sena, ESC/UFPA;

Leia mais

Peça para um amigo baixar o programa também, e você pode começar a experimentar o VoIP para ver como funciona. Um bom lugar para procurar é

Peça para um amigo baixar o programa também, e você pode começar a experimentar o VoIP para ver como funciona. Um bom lugar para procurar é VOIP Se você nunca ouviu falar do VoIP, prepare-se para mudar sua maneira de pensar sobre ligações de longa distância. VoIP, ou Voz sobre Protocolo de Internet, é um método para pegar sinais de áudio analógico,

Leia mais

OSCILOSCÓPIO DIGITAL MODELO: MVB DSO

OSCILOSCÓPIO DIGITAL MODELO: MVB DSO OSCILOSCÓPIO DIGITAL MODELO: CARACTERÍSTICAS Interface USB DE 50 ATÉ Display: LCD de 7 (400 x 240) colorido. Largura de Banda: Inicial de 50MHz podendo ser atualizada para 70MHz e. Contraste: Ajustável

Leia mais

Alan Menk Santos alanmenk@hotmail.com www.sistemasul.com.br/menk. Camada Física: Redes Sem Fio. Equipamentos de Rede. O que já conhecemos.

Alan Menk Santos alanmenk@hotmail.com www.sistemasul.com.br/menk. Camada Física: Redes Sem Fio. Equipamentos de Rede. O que já conhecemos. Alan Menk Santos alanmenk@hotmail.com www.sistemasul.com.br/menk Camada Física: Redes Sem Fio Equipamentos de Rede O que já conhecemos. Cabos; Atenas; Tipos de transmissão; 1 O que vamos conhecer. Equipamentos

Leia mais

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Introdução às Telecomunicações 2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Elementos de um Sistemas de Telecomunicações Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Telecomunicações 2 1 A Fonte Equipamento que origina

Leia mais

Especificações Técnicas e Funcionais

Especificações Técnicas e Funcionais Introdução Especificações Técnicas e Funcionais A presente Especificação, elaborada pela São Paulo Transporte S.A. SPTrans, tem como objetivo estabelecer os requisitos técnicos, operacionais e funcionais

Leia mais

ELETRONIC EQUIPMENT FOR DATA AQUISITION IN ELECTRIC POWER SYSTEM

ELETRONIC EQUIPMENT FOR DATA AQUISITION IN ELECTRIC POWER SYSTEM ART563-07 - CD 262-07 - PÁG.: 1 SISTEMA ELETRÔNICO PARA AQUISIÇÃO DE DADOS EM SISTEMAS ELÉTRICOS DE POTÊNCIA João Roberto Cogo; Jocélio de Souza de Sá; Hector Arango; Délvio Franco Bernardes Escola Federal

Leia mais

Alessandro F. Cunha O que são sistemas embarcados?

Alessandro F. Cunha O que são sistemas embarcados? Alessandro F. Cunha O que são sistemas embarcados? 1. Introdução Alguma vez você já se deu conta que o microondas de sua casa tem uma capacidade computacional maior do que tinha o projeto Apolo, que levou

Leia mais

WirelessHART Manager

WirelessHART Manager Descrição do Produto O uso de tecnologias de comunicação de dados sem fio em sistemas de automação industrial é uma tendência em crescente expansão. As vantagens do uso de tecnologia sem fio são inúmeras

Leia mais

SISTEMA DE COMUNICAÇÃO EPIC 3 RI

SISTEMA DE COMUNICAÇÃO EPIC 3 RI SISTEMA DE COMUNICAÇÃO EPIC 3 RI SISTEMA DE COMUNICAÇÃO EPIC 3 RI CLAREZA DE VOZ, INTEGRAÇÃO COM RÁDIOS HT E INTEROPERABILIDADE COM TECNOLOGIA BLUETOOTH Comunique-se com clareza e eficácia no local da

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M AGUIRRE, L. A. Enciclopédia da Automática, Volume II, Cap. 15 até 15.2.1 Moraes Engenharia de Automação Industrial 2ª. Edição LTC Cap.: 6.3 até 6.3.1 1. Primeira prova 32 pt 2.

Leia mais

Tipos de Medidores MEDIDOR NÃO-INTEGRATIVO CC

Tipos de Medidores MEDIDOR NÃO-INTEGRATIVO CC Tipos de Medidores Medidor não-integrativo; Medidor integrativo; Medidor do valor médio retificado; Medidor de valor de pico; Medidor de valor eficaz. MEDIDOR NÃO-INTEGRATIVO CC Processa o sinal CC sem

Leia mais

Rádio Definido por Software - SDR

Rádio Definido por Software - SDR MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS SÃO JOSÉ SANTA CATARINA Rádio Definido por Software - SDR Prof. Ramon

Leia mais