A NORMA LINGUÍSTICA: reflexão e análise em uma gramática do século XIX

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A NORMA LINGUÍSTICA: reflexão e análise em uma gramática do século XIX"

Transcrição

1 A NORMA LINGUÍSTICA: reflexão e análise em uma gramática do século XIX Priscila Brasil Gonçalves LACERDA 1 Cynthia Elias de Leles VILAÇA 2 RESUMO Este texto tem por objetivo trazer reflexões acerca da constituição da norma linguística, ilustradas pela Grammatica Philosophica da Lingua Portugueza, escrita pelo filólogo e gramático português Jerónimo Soares Barbosa, em Para tanto, retomamos algumas concepções de norma linguística, delimitando por contrastes e associações o conceito de norma como prescrição. Além disso, explicitamos os principais critérios usados para legitimar essa norma de caráter prescritivo, quais sejam: o histórico, o social, o de autoridade, o racional, o estético e o natural. Em seguida, por meio de uma análise das seções de Orthoepia e de Orthographia constantes da referida gramática, detemo-nos no trabalho de investigação de como esses critérios seriam aplicáveis. Assim, verificamos que, embora a gramática em análise esteja assentada em uma perspectiva de olhar sobre a língua a partir dos preceitos da lógica, doses de norma linguística prescritiva ainda se revelam na obra e se legitimam por critérios distintos, entretanto, esse controle se faz subrepticiamente. PALAVRAS-CHAVE: Norma linguística. Legitimação de normas. Gramática do século XIX. Jerónimo Soares Barbosa. Ortoépia. Ortografia. ABSTRACT This text aims to make some reflections on the constitution of linguistic norm illustrating this process by the Philosophical Grammar of the Portuguese Language, written by philologist and grammarian Portuguese Jerónimo Soares Barbosa, in On this way, some conceptions of linguistic norm were revisited and defined by contrasts and associations. In addition, it was underlined the main criteria used to legitimize the linguistic norm prescription, namely: the historical, social, authority, rational, aesthetic and natural ones. Then, through an analysis of Orthoepia and Orthographia sections of the reported grammar, the attention of research was focused on how these criteria would be applied. Thus, although the grammar in analysis is inserted in a logic perspective of looking on the language, prescriptive norm doses still are revealed in the work and it is legitimated by different criteria, however, this control is subtly done. KEY-WORDS: Linguistic norm. Legitimation of norms. Grammar of the nineteenth century. Jerónimo Soares Barbosa. Orthoepy. Spelling. 1 Doutora em Linguística Teórica e Descritiva pela UFMG. Professora substituta da UFMG. 2 Doutora em Linguística Teórica e Descritiva pela UFMG. Professora visitante da UERJ. IDIOMA, Rio de Janeiro, nº. 27, p , 2º. Sem

2 A norma linguística CONSIDERAÇÕES SOBRE A NOÇÃO DE NORMA LINGUÍSTICA Diversos são os pontos de vista a partir dos quais os fenômenos linguísticos podem ser observados segundo o objetivo estabelecido pelo pesquisador e o aparato teórico de que ele se vale na abordagem de seu objeto. Diversos também são os recortes possíveis para a delimitação do fenômeno linguístico a ser considerado. Quando a pretensão é descrever a língua em si mesma, pensa-se logo em estruturas fonológicas, morfológicas e sintáticas, consideradas como sustentação de aspectos semânticos da língua. Por outro viés, pensa-se nos estágios em que as formas da língua se encontravam em determinados períodos de sua história, seja pela circunscrição de outras sincronias, seja por uma perspectiva diacrônica, isto é, pela consideração do percurso que resultou nas formas observáveis da atualidade da língua. Há, também, perspectivas que buscam explicar a língua em funcionamento, abordando, por exemplo, questões relativas a gênero e discurso. E, mais evidentemente do que os estudos estruturais, essas abordagens colocam a língua em interface com elementos que não são ela mesma, mas que lhe são pertinentes. Ao menos em tese, contemporaneamente, todas essas perspectivas de estudo da língua, estando elas mais ou menos restritas à estrutura em si, lidam com o fenômeno linguístico tal como ele aparece, ou melhor, tal como os investimentos teóricos o recortam enquanto fragmentos empíricos. Distante dessa abordagem da língua enquanto objeto de pesquisa está o olhar dos próprios falantes. Em primeira instância, a distância entre as visões leiga, que é a do falante, e científica, que é a do pesquisador, existe porque o falante, naturalmente, não pensa sobre as dimensões mais estritas da língua, ou seja, ele não pretende definir a língua enquanto objeto. Para o falante, a língua se apresenta como idioma, instrumento de comunicação do Estado em que ele se encontra. A língua enquanto objeto é algo a que ele tem acesso na escola, onde é mensurado o seu desempenho em uso, e que está retratada em um compêndio que indica as suas formas corretas. Nesse sentido, a língua enquanto tal se apresenta ao falante como algo submetido a erro e a correção. Em outras palavras, a consideração sobre a língua já se apresenta submetida a uma norma e, tendo em vista que o erro é por vezes apresentado como não língua, a língua para o falante acaba sendo a própria norma. Considerando a língua como instrumento de comunicação natural dos homens, considerando ainda que por meio dela as pessoas lidam com a construção de sentidos e, assim, se mostram enquanto seres sociais, e tendo em vista que a sociedade está organizada por estratificações que delimitam recorrências, isto é, que descrevem normalidades, podemos dizer que, imersa no âmbito social, a língua está sujeita a normas. O que nos interessa aqui é discutir qual é a natureza dessas normas, ou melhor, em que medida elas estão vinculadas ao sentido de normalidade ou de normatividade. IDIOMA, Rio de Janeiro, nº. 27, p , 2º. Sem

3 Priscila Lacerda & Cynthia Vilaça Comecemos então discutindo a noção de norma no sentido em que Coseriu (1973) compreendeu esse termo ao propor a distinção entre sistema, norma e fala a partir da dicotomia entre língua e fala estabelecida por Saussure. Segundo Coseriu, podemos inferir que a noção saussuriana de língua comporta os conceitos de sistema e de norma. Em sua dimensão de sistema abstrato de oposições funcionais, a língua seria chamada sistema; mas, enquanto instituição social (ligada a outras instituições sociais), que se compõe também de elementos não funcionais, podemos chamá-la de norma. Esta, portanto, corresponde à realização coletiva do sistema. Tal realização contém o próprio sistema investido de elementos funcionalmente não relevantes, mas normais, no sentido de recorrentes, na fala de uma comunidade. A norma é, com efeito, um sistema de imposições sociais e culturais que variam, evidentemente, segundo a comunidade. A distinção entre norma e sistema, nas palavras de Coseriu, esclarece melhor o funcionamento da linguagem, a atividade linguística que é, ao mesmo tempo, criação e repetição (re-criação) dentro dos limites e segundo as coordenadas do sistema funcional. Podemos dizer então que a atividade linguística, que se concretiza na fala (terceiro elemento da divisão tripartida proposta por Coseriu), realiza um movimento direcionado pela norma dentro das livres possibilidades oferecidas pelo sistema. Diante desse quadro, podemos afirmar que o que se impõe ao falante não é o sistema (que se oferece a ele), mas a norma. O falante tem consciência e se vale do sistema, conhecendo ou não a norma, obedecendo-a ou não. Além de uma norma estabelecida, há sempre outras possibilidades permitidas pelo sistema 3. Ainda que o conceito de norma apresentado por Coseriu a estabeleça em termos de imposição, esse autor não entende norma como normatividade. Para esse linguista, a norma se impõe aos falantes a partir dos elementos socioculturais que estão no entorno da fala, não enquanto regra a se manter dentro dos limites da língua. Dito de outra maneira, uma mudança em relação àquilo que seria normal não quer dizer que a fala transgrediu o sistema, antes quer dizer que houve um movimento além do que seria previsto pelas tendências da norma social, uma espécie demonstração de produtividade do que é previsto pelo sistema. Outros linguistas também fizeram considerações a respeito de norma linguística. Rey (2001), por exemplo, trabalhou com as noções de norma objetiva e norma avaliativa, associando-as, respectivamente, ao normal e ao normativo. Podemos dizer que a norma objetiva guarda, em linhas, certa coincidência com o que Coseriu chamou simplesmente de norma, ou seja, ela figura no âmbito das estatísticas das variantes de uso da língua socialmente determinados. A norma avaliativa, por sua vez, diz respeito aos juízos de valor atribuídos a essas variantes de uso da língua, isto é, aos comportamentos linguísticos que perfazem as normas objetivas. 3 Neste trecho, parafraseamos ou transcrevemos literalmente alguns fragmentos do texto de Coseriu (1973). A tradução a partir do espanhol é de nossa inteira responsabilidade. IDIOMA, Rio de Janeiro, nº. 27, p , 2º. Sem

4 A norma linguística Segundo Rey (2001, p. 131), há uma tendência ao julgamento linguístico coerente para o conjunto da sociedade, refletindo a estrutura social (socioeconômica), determinada pressão social que conduz à unificação das normas subjetivas em uma única norma avaliativa. Esta última, refletindo uma ideologia dominante, fundamenta o que conhecemos sob o signo de norma prescritiva. A norma prescritiva, em sua natureza restritiva, tende a colocar-se como única forma legítima de uso da língua e sustenta essa legitimidade por um discurso que pretende escamotear o seu caráter arbitrário, induzindo à confusão na consciência linguística dos falantes. Explicitando melhor, o discurso da norma prescritiva a identifica ao uso correto da língua e, ao fazê-lo, acaba posicionando a prescrição no próprio lugar da língua, tomando como erro os usos que a ela não se alinhem. O falante, por sua vez, assimilando o peso ideológico da norma estabelecida (REY: 2001, p. 134), subsidia a proposta pedagógica dos compêndios gramaticais ao julgar-se pouco proficiente em sua própria língua materna. Outra visão sobre o uso da língua sustenta a normatividade obviamente é nesse sentido de norma que devemos entender o conceito de norma prescritiva veiculada pelos compêndios gramaticais. Trata-se da perspectiva purista. Definindo um modelo de língua, que coincide com a norma prescritiva das gramáticas, o purista luta pela sua conservação sob pena de que a língua se perca em meio às variações de uso que ele considera como erros. Os puristas, posicionando-se como se ignorassem que a mudança é um processo inexorável (que alcança todas as variedades em múltiplas direções) (FARACO: 2004, p. 44) e que a incorporação das mudanças mais frequentes no uso seja um processo natural de evolução das línguas, recusam a mudança histórica e lutam por um certo imobilismo linguístico, agarrando-se às correções e aos preciosismos da gramática normativa. Ainda uma contribuição importante a respeito de norma linguística que consideraremos aqui nos foi concedida por Faraco (2004) ao discutir norma culta e norma-padrão. Conhecida a relação estreita que há entre norma, no sentido dado por Coseriu (1973) a esse termo, e sociedade, Faraco nos diz que a norma culta [...] deve ser entendida como designando a norma linguística praticada, em determinadas situações (aquelas que envolvem certo grau de formalidade), por aqueles grupos sociais mais diretamente relacionados com a cultura escrita, em especial por aquela legitimada historicamente pelos grupos que controlam o poder social [...] (FARACO: 2004, p. 40). Isso significa que a norma culta é uma entre as demais normas implícitas (ALÈONG, 2001) que caracterizam um grupo social de falantes. Se em torno da escrita se agrupa um estrato social privilegiado, o avanço da escrita em si mesmo desencadeia a necessidade de uma norma estabilizada, a que chamamos de norma-padrão. Diferentemente do que se poderia pensar, essa norma-padrão, embora esteja mais próxima da IDIOMA, Rio de Janeiro, nº. 27, p , 2º. Sem

5 Priscila Lacerda & Cynthia Vilaça norma culta do que das demais, não coincide com ela. Explicitando melhor, a relativa estabilidade da normapadrão faz com que ela não tenha coincidência nem mesmo com a norma culta que, enquanto norma em plena utilidade social, está também sujeita a variações suscitadas por interferências de outras normas. Ou seja, a [...] relativa estabilidade do padrão cria um natural descompasso entre ele e a fala culta (FARACO: 2004, p. 49). Na verdade, é possível dizer que o descompasso é entre a norma-padrão e qualquer variedade de uso, o que a caracteriza como artificial. Enfim, retomando diversas concepções de norma linguística, pudemos observar que, se por um lado o uso real da língua se dá na relação entre os fenômenos sociais e linguísticos, que impõe aos falantes uma norma em acepção de normalidade, por outro lado, diante da variedade de usos e, portanto, de normas, se sobressai uma variedade de língua que é associada ao prestígio socioeconômico e que se impõe sobre as outras sob o signo da correção e do bon usage. Em linhas gerais, podemos associar essas duas concepções de norma linguística ao que Alèong (2004) chamou de norma implícita e de norma explícita, respectivamente. Em suma, diríamos que as normas implícitas (no plural, porque seriam múltiplas) se assentam nas diversas atividades de linguagem e conformam, por exemplo, o teor de formalidade ou informalidade do registro apropriado para uma comunicação proferida em uma mesa de simpósio ou em uma mesa de botequim. Em alguma medida, as normas implícitas estariam consubstanciadas, então, na estabilidade relativa dos gêneros de texto orais ou escritos. A norma explícita, por sua vez, seria aquela que se impõe enquanto normatividade, parâmetro de correção, e que, subsidiada pelo complexo de ignorância linguística que assola os falantes nativos da língua portuguesa no Brasil, por exemplo, se impõe enquanto parâmetro de língua. Essa norma é a que se encontra, como já dissemos, em nossos compêndios gramaticais e que, quando não se apresenta como verdade natural, se vale de argumentos para se justificar. Esboçaremos a seguir o perfil dos argumentos utilizados para legitimar uma norma prescritiva. Vale dizer que, doravante, ao utilizarmos o termo norma somente, estaremos nos referindo à norma em sentido normativo. NOTAS SOBRE OS CRITÉRIOS DE LEGITIMAÇÃO DE UMA NORMA Nesta seção, apontaremos a natureza de alguns critérios de legitimação das normas prescritas em nossos compêndios gramaticais. Tais critérios ou argumentos são os fundamentos apresentados por um gramático para a escolha de uma forma em detrimento de outra, isto é, são o que legitima as formas entendidas como corretas ou como preferíveis a outras. Enumeremos e caracterizemos então alguns desses argumentos: IDIOMA, Rio de Janeiro, nº. 27, p , 2º. Sem

6 A norma linguística 1. Argumento histórico: propõe-se a fazer prevalecer [...] um uso atestado há muito mais tempo que seu concorrente (REY: 2001, p. 134). Arriscaríamos a dizer que a origem desse critério está nos estudos alexandrinos, que já se interessaram por linguística histórica com o objetivo de fixar o texto genuíno de Homero, uma vez que foram encontradas variações nos testemunhos. Mas as justificativas dessa natureza, presumimos, conquistaram espaço de fato no período romântico. Primeiramente, porque esse período é caracterizado por um desejo de retorno ao passado como tentativa de resolução dos conflitos presentes. E, em segundo lugar, porque foi nessa época que se desenvolveram os estudos comparatistas que visavam à reconstrução da protolíngua, o que ofereceu subsídios para a remontagem histórica das formas. 2. Argumento racional: também chamado de argumento lógico, ele procura [...] fazer coincidir semântica do discurso e regularidade, lutando, por exemplo, contra os idiomatismos desmotivados, como eu custo a crer ou há anos atrás (REY: 2001, p. 134). A origem desse argumento está em Aristóteles, que [...] funda a lógica gramatical, condição da adequação do enunciado a seu objeto (CASEVITZ; CHARPIN, 2004, p. 30); mas é com a gramática especulativa dos escolásticos que esse critério ganha novo fôlego, retomando a doutrina de Aristóteles e estabelecendo como objetivo central a reflexão teórica, o pensamento sobre os fundamentos lógicos das regras e conceitos gramaticais (ROBINS, 1983). 3. Argumento de autoridade: muito recorrente, esse critério baseia-se na consideração de que os autores clássicos possuem um grau de proficiência linguística mais elevado e que, por isso, seus escritos servem de parâmetro de correção. Sob certo aspecto, podemos remontar a raiz desse critério à Grécia, porque, segundo Casevitz & Charpin: [...] a norma na gramática grega, nascida do sentimento da unidade da língua apesar de sua diversidade e de uma certa consciência de sua regularidade, se desenvolveu num esforço pedagógico por fixar a língua um certo estado de pureza e por permitir [justamente] o estudo dos escritores da época áurea (CASEVITZ; CHARPIN, 2001, p ). 4. Argumento social: esse critério, especialmente, coloca em conflito as acepções de norma implícita e norma explícita. Tendo em vista que a norma implícita é resultante da interface entre as dimensões social e linguística que norteiam o uso da língua, fundamentar a norma explícita sobre a variante de um determinado grupo, privilegiado do ponto de vista socioeconômico e cultural, agride a normalidade das demais variantes de uso da língua. A despeito disso, admitimos que, pela recorrência, esse critério está no cerne da legitimação construída na gramática que analisaremos a IDIOMA, Rio de Janeiro, nº. 27, p , 2º. Sem

7 Priscila Lacerda & Cynthia Vilaça seguir. Podemos dizer ainda que a justificativa social pra a legitimação de normas linguísticas teve grande impulso no período renascentista, já que nesse período [...] a língua escrita das classes cultas foi a base dos estudos gramaticais além do fato de que [...] o Renascimento anunciou uma época de mudanças na sociedade inglesa: a cuidadosa preservação das normas linguísticas próprias das classes superiores e a aquisição de tais normas [era tida] como passo imprescindível para qualquer promoção social (ROBINS, 1983). 5. Argumento estético: segundo esse argumento, usos e elementos são apreciados ou [...] depreciados por razões complexas de eufonia [ou] de conotações (REY, 2001, p. 134), ou seja, no escopo deste critério, a norma é legitimada por justificativas demasiado relativas e fluidas. Ele denuncia, mais do que os outros, que a escolha entre determinadas formas é, por vezes, motivada em primeira ordem por um gosto pessoal do gramático. 6. Argumento natural: este critério justifica a norma simplesmente por uma questão de natureza ou de convencionalidade dos próprios fatos linguísticos. A fim de ilustrarmos a aplicação de alguns desses critérios, analisaremos o trabalho de legitimação de normas no âmbito da ortoépia e da ortografia, presente na gramática de Jerónimo Soares Barbosa (1822). GRAMMATICA PHILOSOPHICA DA LINGUA PORTUGUEZA (1822): ANALISANDO A LEGITIMAÇÃO DE NORMAS NAS SEÇÕES DE ORTHOEPIA E DE ORTHOGRAPHIA Filiada à concepção logicista que norteou a Gramática de Port-Royal dois séculos antes, a Grammatica Philosophica da Lingua Portugueza (1822), de Jerónimo Soares Barbosa (doravante J.S.B.), privilegia a explicitação teórica e a descrição dos fenômenos linguísticos enquanto vinculados às categorias de pensamento. Dessa forma, os lances de normatividade não se mostraram tão numerosos e, quando estão presentes, raramente se apresentam com nitidez. Apresentaremos abaixo trechos da referida gramática, extraídos da parte dedicada a Ortoépia, que se ocupa do estudo dos caracteres fônicos e da boa pronúncia das palavras, e da parte de Ortografia, que aborda questões relativas à correção da representação escrita das palavras. Os trechos são acompanhados de uma breve consideração a respeito da justificativa dada à norma. IDIOMA, Rio de Janeiro, nº. 27, p , 2º. Sem

8 A norma linguística a) Orthoepia Após um longo trecho em que descreve a pronúncia das palavras da língua portuguesa, J.S.B. inicia suas considerações sobre o que ele denominou de vícios de pronunciação (p. 50). O gramático justifica de antemão o seu posicionamento, as preferências que serão apontadas na sequência, declarando a superioridade das pronunciações da Corte, isto é, por um argumento de natureza social e, em seguida, se vale também de um argumento estético, dizendo que as formas em descarte são desagradaveis ao ouvido (p. 50). Vejamos abaixo o trecho em que ele se justifica por um critério relacionado ao prestígio social. Figura 1 Grammatica Philosophica da Lingua Portugueza (J.S.B., 1822, p. 50) E sob essa perspectiva, são abordados os seguintes fatos linguísticos (J.S.B., 1822, p ): Troca das vozes Nas palavras do gramático, os Brasileiros costumam, na pronúncia, trocar o a grande em pequeno, dizendo vadio [breve] em vez de vadio [longo]. Também costumam trocar o e grande e aberto pelo pequeno e breve e, ainda, trocam este último pelo i. Dizem, por exemplo, pregar [breve] no lugar do aberto e longo. Os Algavios, por sua vez, costumam trocar o i em e dizendo dezer no lugar de dizer. E os Minhotos trocam o u oral pelo u nasal, dizendo hua [com u nasal] no lugar de huma. Além de trocarem o o grande fechado pelo o [til nasal], dizendo bõa no lugar de bôa. Entretanto, segundo o autor, os Rustico são os que mais cometem erros de troca de vozes, dizendo, por exemplo, rezão no lugar de razã ou precurador no lugar de procurador, entre outros. E não só os Rusticos, mas também muita gente polida, cometem o engano de pronunciar o plural tal como o singular, como ô fechado, quando o o deveria ser aberto: soccôrros no lugar de soccórros ou gostôsos no lugar de gostósos. IDIOMA, Rio de Janeiro, nº. 27, p , 2º. Sem

9 Priscila Lacerda & Cynthia Vilaça Troca das Consonâncias Aos Brasileiros, é atribuída a impropriedade de se pronunciar o z no lugar do s líquido como, por exemplo, dizer mizterio no lugar de misterio. Os Rusticos, por sua vez, tendem a colocar g, l, v, x e l, respectivamente, no lugar de z, d, x, s e r, ou às avessas. Também mudam frequentemente o lhe/lhes dizendo le disse/les disse no lugar de lhe disse/lhes disse. Troca de Diphtongos e de Syllabas Os Minhotos trocam sempre o ditongo nasal ão por om, pronunciado, por exemplo, sujeiçom e razon no lugar de sujeição e razão. E ainda articulam ou como ão : Estão bem no lugar de Estou bem. Já os Algavios e Alemtejãos trocam êi por êu ao dizerem mêi pai, por exemplo; enquanto os Rusticos da Provincia e dos arredores de Lisboa trocam por ãe os ditongos nasais ão e õe, pronunciando tostães e grães no lugar de tostões e grãos. Acréscimo, subtração ou inversão de vozes Segundo o gramático, os Beirões, compartilhando este vício com os Algarvios e com os Alemtejãos, descaracterizam muitas palavras com acréscimos supérfluos. Eles tendem a juntar um i ao ô grande fechado, ao a e a 3ª pessoa do verbo ser há, ao é grande aberto e ao u, dizendo côive no lugar de couve, ai agua e hay alma, héi justo e fruita. O chamado Povo rustico costuma errar pelo excesso acrescentando um a ao início de muitas palavras, dizendo alanterna, avoar... Em contrapartida, também costuma subtrair as vozes das palavras, dizendo calidade no lugar de qualidade ou masginação no lugar de imaginação; ao passo que os Brasileiros também cometem o erro de subtrair o a do ditongo ai dizendo, por exemplo, pixão no lugar de paixão. Há ainda os vícios que correspondem à inversão dos sons das palavras, uma perturbação da ordem de suas sílabas, como dizer frôl no lugar de flor ou percissão no lugar de procissão. Nos termos do próprio gramático, este é o pior vício, sendo o que mostra mais a rusticidade. Podemos observar com nitidez que o critério utilizado por J.S.B. para legitimar a norma no âmbito da ortoépia é o critério social. A pronúncia da corte lisboeta é claramente tomada como parâmetro de correção em detrimento da pronúncia de outros estratos sociais, considerados de maneira depreciativa como rústicos. Ao final da seção, o gramático firma a sua avaliação negativa a respeito das variantes de pronúncia IDIOMA, Rio de Janeiro, nº. 27, p , 2º. Sem

10 A norma linguística propondo, como vemos na Figura 2 logo abaixo, uma metodologia de ensino de pronunciação realizada a partir da leitura de textos impressos, o que, mais uma vez, atesta como parâmetro de correção o uso linguístico das classes socioeconômica e culturalmente privilegiadas, isto é, das classes que estão imersas em uma cultura letrada. Vejamos em seguida a consideração da norma no âmbito do estudo ortográfico. Figura 2 Grammatica Philosophica da Lingua Portugueza (J.S.B.: 1822, p. 54) b) Orthographia Ortografia dos ditongos nasais J.S.B. coloca como norma que, nos ditongos em que houver confusão entre os sons o e u nas prepositivas, deve-se escolher sempre a grafia em o, e naqueles cuja sonoridade oscilar entre e e i, deve-se optar por e nos ditongos õe e ẽe, e por i caso sejam os ditongos ãi e ũi. Segundo o autor (p. 63), assim o atestam as escrituras mais autorizadas dos antigos escritores. Em contrapartida, o gramático afirma que as más escrituras cometem o equívoco de escrever os ditongos nasais, sem qualquer confusão de pronúncia, como se fossem ditongos simples, escrevendo irmam IDIOMA, Rio de Janeiro, nº. 27, p , 2º. Sem

11 Priscila Lacerda & Cynthia Vilaça no lugar de irmão, por exemplo. Tais escrituras de má qualidade ainda cometem o erro de grafarem com n, sinal de nasalidade, nomes que deveriam ter o til sobre a prepositiva do ditongo. Assim, escrevem saons no lugar de sãos ou tostoens no lugar de tostões (p. 64). Nesse caso, podemos perceber que o gramático legitima a norma ortográfica que está a ser apresentada, tomando, enquanto contraexemplos, escritores avaliados negativamente, o que não deixa de ser uma justificativa construída às avessas sobre o critério de autoridade. Ortografia de palavras de origem grega Segundo J.S.B., o uso já tem autorizado a escrita de palavras como salmo e salteiro no lugar de psalmo e psalteiro. Nesse ponto, vemos a sobreposição do critério estético sobre o critério histórico. O autor afirma que a forma sem o p, apesar de produzir um distanciamento da origem do vocábulo, é melhor porque privilegia a docilidade da pronúncia (p. 71). A grafia do som de ô seguida de consoantes líquidas Adotando novamente um critério estético, J.S.B. afirma que ao escrever o som do ô grande fechado como o ou ou é indiferente aos ouvidos, sendo pertinente tanto a escrita louvár quanto lôvar. Porém, acrescenta o gramático, quando ao ô se seguem as consoantes l, r ou s, na medida em que são consoantes líquidas, é melhor grafar em ô do que em ou ; isto é, prefere-se louvôr, sôldo e gôsto a louvour, souldo e gousto (p. 78). Podemos perceber então que, no escopo das regras ortográficas, o critério social não foi prevalecente como na apresentação das regras em ortoépia. Em compensação, embora as justificativas sociais não tenham sido relevantes para a atribuição de preferência entre duas possibilidades, na seção dedicada à ortografia, por diversas vezes, J.S.B. sugere que os demais falantes da língua estão em um estágio deficitário de domínio das regras ortográficas se comparados aos falantes cultos. Ou seja, o gramático acaba manifestando que os falantes não pertinentes ao círculo social privilegiado não sabem a própria língua e, assim, ressalta o propósito pedagógico da gramática. Vejamos nas Figuras 3 e 4 dois trechos em que o autor reproduz essa ideologia que sustenta a própria normatividade da gramática. IDIOMA, Rio de Janeiro, nº. 27, p , 2º. Sem

12 A norma linguística Figura 3 Grammatica Philosophica da Lingua Portugueza (J.S.B.: 1822, p. 78) Figura 4 Grammatica Philosophica da Lingua Portugueza (J.S.B.: 1822, p. 82) CONSIDERAÇÕES FINAIS Considerando inicialmente as concepções de norma e verificando o mecanismo pelo qual uma dessas normas, a prescritiva, é legitimada no discurso gramatical, pudemos perceber que, a despeito da consideração de que as normas linguísticas são variantes de natureza social que se alinham às possibilidades do sistema, essas normas estão sujeitas a avaliações, também sociais, que acabam por lhes conferir um caráter paradoxal de não língua. Nessa posição, sustenta-se uma ideologia que confere poder de autoridade àqueles que dominam a variante escolhida como representante única da verdadeira língua, os social e culturalmente privilegiados. E a gramática normativa, então, firma a sua posição pedagógica: ensinar a língua portuguesa àqueles que a corrompem pelo mau uso. Nesse contexto, o conceito de norma implícita ou norma objetiva, vinculada a um estrato social, mostra-se completamente esvaziado. Podemos ver isso em evidência, considerando a definição dada por Jerónimo Soares Barbosa às duas partes da gramática que consideramos aqui: a Orthoepia ensina a distinguir, e a conhecer os sons articulados, proprios da Lingua, para bem os pronunciar (p. 01) e a Orthographia he a Arte de escrever certo (p. 56). IDIOMA, Rio de Janeiro, nº. 27, p , 2º. Sem

13 Priscila Lacerda & Cynthia Vilaça REFERÊNCIAS ALÈONG, Stanley. Normas linguísticas, normas sociais: uma perspectiva antropológica. In: BAGNO, Marcos (Org.). Norma linguística. São Paulo: Loyola, p BARBOSA, Jerónimo Soares ( ). Grammatica philosophica da lingua portugueza ou princípios de grammatica geral applicados à nossa linguagem. Lisboa: Academia Real das Sciencias, XVI, 466 p. Disponível em: <https://play.google.com/books/reader?id=xpeuaaaayaaj&printsec=frontcover&output=reader&hl=pt_br&p g=gbs.pa8>. Acesso em: 30 de novembro de CASEVITZ, Michel; CHARPIN, François. A herança greco-latina. In: BAGNO, Marcos (Org.). Linguística da norma. São Paulo: Loyola, 2004, p COSERIU, Eugenio. Sistema, norma e habla. In:. Teoria del lenguaje y linguística general: cinco estudios. 3 ed. rev. e cor. Madrid: Gredos, p FARACO, Carlos Alberto. Norma-padrão brasileira: desembaraçando alguns nós. In: BAGNO, Marcos (Org.). Linguística da norma. São Paulo: Loyola, 2004, p REY, Alain. Usos, julgamentos e prescrições linguísticas. In: BAGNO, Marcos (Org.). Norma linguística. São Paulo: Loyola, p ROBINS, Robert H. Pequena história da linguística. Rio de Janeiro: Ao Livro Técnico, 1983, p Data de submissão: dez./2014. Data de aprovação: fev./2015. IDIOMA, Rio de Janeiro, nº. 27, p , 2º. Sem

7 Educação lingüística: uma proposta para o ensino de língua portuguesa

7 Educação lingüística: uma proposta para o ensino de língua portuguesa 7 Educação lingüística: uma proposta para o ensino de língua portuguesa As críticas ao ensino tradicional de língua portuguesa não são recentes. Nos anos trinta, Olavo Bilac já se posicionava contra o

Leia mais

Educação inclusiva para surdos: desmistificando pressupostos

Educação inclusiva para surdos: desmistificando pressupostos Educação inclusiva para surdos: desmistificando pressupostos Paula Botelho Mestre em Educação pela Faculdade de Educação da UFMG. Coordenadora do Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação de Surdos (GEPES),

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS INGLÊS E LITERATURAS DE LÍNGUA INGLESA (Currículo iniciado em 2010)

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS INGLÊS E LITERATURAS DE LÍNGUA INGLESA (Currículo iniciado em 2010) EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS INGLÊS E LITERATURAS DE LÍNGUA INGLESA (Currículo iniciado em 2010) COMPREENSÃO E PRODUÇÃO ORAL EM LÍNGUA INGLESA I C/H 102 (2358) intermediário de proficiência

Leia mais

Relações de poder e usos linguísticos: desvelando outra face

Relações de poder e usos linguísticos: desvelando outra face Relações de poder e usos linguísticos: desvelando outra face Girllaynne Marques Vinícius Nicéas 1 Universidade Federal de Pernambuco A obra A norma oculta, do linguista brasileiro Marcos Bagno 2 (2003),

Leia mais

AS CONCEPÇÕES DE LINGUAGEM E O ENSINO DA LÍNGUA MATERNA. Roberta da Silva 1. João Cabral de Melo Neto, Rios sem discurso.

AS CONCEPÇÕES DE LINGUAGEM E O ENSINO DA LÍNGUA MATERNA. Roberta da Silva 1. João Cabral de Melo Neto, Rios sem discurso. AS CONCEPÇÕES DE LINGUAGEM E O ENSINO DA LÍNGUA MATERNA Roberta da Silva 1 Quando um rio corta, corta-se de vez o discurso-rio de água que ele fazia; cortado, a água se quebra em pedaços, em poços de água,

Leia mais

Cadernos do CNLF, Vol. XVII, Nº 04. Rio de Janeiro: CiFEFiL, 2013.

Cadernos do CNLF, Vol. XVII, Nº 04. Rio de Janeiro: CiFEFiL, 2013. 122 Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos LER, ESCREVER E REESCREVER NO ENSINO MÉDIO POR MEIO DOS CLÁSSICOS DA LITERATURA BRASILEIRA José Enildo Elias Bezerra (IFAP) enildoelias@yahoo.com.br

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Linguagem oral dominada, Representação escrita, Sistema simbólico.

PALAVRAS-CHAVE: Linguagem oral dominada, Representação escrita, Sistema simbólico. 7.00.00.00-0 - CIÊNCIAS HUMANAS 7.08.00.00-6 Educação A APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA: A LINGUAGEM ORAL DOMINADA E SUA CORRELAÇÃO COM A APRENDIZAGEM DA ESCRITA GIOVANNA GAGGINI RODON Curso de Pedagogia

Leia mais

EMENTÁRIO LETRAS EaD INGLÊS

EMENTÁRIO LETRAS EaD INGLÊS EMENTÁRIO LETRAS EaD INGLÊS 1ª FASE LLE 931 Introdução aos Estudos da Linguagem Total h/a Introdução aos conceitos de língua e língua(gem); características da língua(gem) humana; a complexidade da língua(gem)

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA LOGOTIPO MACMILLAN BRASIL Utilização colorido; preto/branco e negativo Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que

Leia mais

Enunciação e política de línguas no Brasil

Enunciação e política de línguas no Brasil Enunciação e política de línguas no Brasil Eduardo GUIMARÃES Universidade Estadual de Campinas Considerando o fato de que o Brasil é um país multilingüe, tomo como objetivo específico aqui a reflexão sobre

Leia mais

COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA

COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA Fabiane Caron Novaes 1 Roberta Aparecida Diadio 2 Resumo: Considerando as recomendações contidas no referencial teórico dos Parâmetros Curriculares Nacionais

Leia mais

VARIAÇÃO LINGUÍSTICA E ENSINO DE LÍNGUA MATERNA: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES

VARIAÇÃO LINGUÍSTICA E ENSINO DE LÍNGUA MATERNA: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES 1 VARIAÇÃO LINGUÍSTICA E ENSINO DE LÍNGUA MATERNA: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES INTRODUÇÃO Francieli Motta da Silva Barbosa Nogueira (Mestranda em Língua e Cultura UFBA/CAPES) A variação linguística é um fenômeno

Leia mais

Etapas para a aplicação de cursos de PLE (geral e para fins específicos): reflectir para agir! 1

Etapas para a aplicação de cursos de PLE (geral e para fins específicos): reflectir para agir! 1 Etapas para a aplicação de cursos de PLE (geral e para fins específicos): reflectir para agir! 1 Ana Rita Bernardo Leitão Mestre em Língua e Cultura Portuguesa, área de PLE/L2 Cientes do apelo que se impõe

Leia mais

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1 AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1 Sandra M. Zákia L. Sousa 2 As demandas que começam a ser colocadas no âmbito dos sistemas públicos de ensino, em nível da educação básica, direcionadas

Leia mais

ANÁLISE SEMÂNTICA E PRAGMÁTICA DOS SIGNIFICANTES NEGUINHO (A), E NEGO (A)" NO SÉCULO XIX E NO MUNDO CONTEMPORÂNEO

ANÁLISE SEMÂNTICA E PRAGMÁTICA DOS SIGNIFICANTES NEGUINHO (A), E NEGO (A) NO SÉCULO XIX E NO MUNDO CONTEMPORÂNEO ANÁLISE SEMÂNTICA E PRAGMÁTICA DOS SIGNIFICANTES NEGUINHO (A), E NEGO (A)" NO SÉCULO XIX E NO MUNDO CONTEMPORÂNEO Gabriel Nascimento dos Santos (UESC) gabrielnasciment.eagle@hotmail.com Maria D Ajuda Alomba

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

Literatura Portuguesa Idade Média e Classicismo Renascentista. 6 ECTS BA Semestre de inverno / 2º.ano

Literatura Portuguesa Idade Média e Classicismo Renascentista. 6 ECTS BA Semestre de inverno / 2º.ano Literatura Idade Média e Classicismo Renascentista 6 ECTS BA Semestre de inverno / 2º.ano história e da cultura de Portugal no período estudado, domínio da língua portuguesa A unidade curricular Literatura

Leia mais

LÍNGUA INGLESA I LÍNGUA INGLESA II LÍNGUA INGLESA III LÍNGUA INGLESA IV LÍNGUA INGLESA V EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE BACHARELAD0 EM TRADUÇÃO

LÍNGUA INGLESA I LÍNGUA INGLESA II LÍNGUA INGLESA III LÍNGUA INGLESA IV LÍNGUA INGLESA V EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE BACHARELAD0 EM TRADUÇÃO EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE BACHARELAD0 EM TRADUÇÃO 1. CONTEÚDOS BÁSICOS PROFISSIONAIS LÍNGUA INGLESA I Ementa: Consolidação do estudo das estruturas simples da Língua Inglesa I em seus aspectos

Leia mais

Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) II Bloco

Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) II Bloco Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) I Bloco Filosofia da Educação 60 horas Metodologia Científica 60 horas Iniciação à Leitura e Produção de Textos Acadêmicos 60 horas Introdução à filosofia e

Leia mais

LINGUAGEM, LÍNGUA, LINGÜÍSTICA MARGARIDA PETTER

LINGUAGEM, LÍNGUA, LINGÜÍSTICA MARGARIDA PETTER LINGUAGEM, LÍNGUA, LINGÜÍSTICA MARGARIDA PETTER Duas explicações da Origem do mundo palavra (a linguagem verbal) associada ao poder mágico de criar. Atributo reservado a Deus. Através dela ele criou as

Leia mais

Linguística P R O F A. L I L L I A N A L V A R E S F A C U L D A D E D E C I Ê N C I A D A I N F O R M A Ç Ã O

Linguística P R O F A. L I L L I A N A L V A R E S F A C U L D A D E D E C I Ê N C I A D A I N F O R M A Ç Ã O Linguística P R O F A. L I L L I A N A L V A R E S F A C U L D A D E D E C I Ê N C I A D A I N F O R M A Ç Ã O U N I V E R S I D A D E D E B R A S Í L I A Conceito Ciência que visa descrever ou explicar

Leia mais

O PAPEL SOCIAL DA LÍNGUA: O PODER DAS VARIEDADES LINGÜÍSTICAS Carmen Elena das Chagas (UFF/UNESA) carmenelena@bol.com.br

O PAPEL SOCIAL DA LÍNGUA: O PODER DAS VARIEDADES LINGÜÍSTICAS Carmen Elena das Chagas (UFF/UNESA) carmenelena@bol.com.br O PAPEL SOCIAL DA LÍNGUA: O PODER DAS VARIEDADES LINGÜÍSTICAS Carmen Elena das Chagas (UFF/UNESA) carmenelena@bol.com.br CONSIDERAÇÕES INICIAIS A língua, na concepção da sociolingüística, é intrinsecamente

Leia mais

Esperamos que este pequeno material seja esclarecedor e que possa levar mais gente a se interessar pela língua que falamos.

Esperamos que este pequeno material seja esclarecedor e que possa levar mais gente a se interessar pela língua que falamos. Apresentação Será que a Língua Portuguesa é mesmo difícil? Por que é comum ouvir brasileiros dizerem que não sabem falar português? Será que a experiência escolar com o ensino de Língua Portuguesa causa

Leia mais

Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos*

Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos* Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos* Magda Soares Doutora e livre-docente em Educação e professora titular emérita da Universidade Federal de Minas Gerais. Um olhar histórico sobre a alfabetização

Leia mais

AGRUPAMENTO DE CLARA DE RESENDE COD. 242 937 COD. 152 870

AGRUPAMENTO DE CLARA DE RESENDE COD. 242 937 COD. 152 870 CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO (Aprovados em Conselho Pedagógico de 16 outubro de 2012) No caso específico da disciplina de PORTUGUÊS, do 3.º ano de escolaridade, a avaliação incidirá ainda ao nível

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: TECENDO RELAÇÕES COM O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: TECENDO RELAÇÕES COM O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: TECENDO RELAÇÕES COM O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE Marcia Aparecida Alferes 1 Resumo O presente texto pretende refletir sobre a definição dos conceitos de alfabetização e letramento,

Leia mais

5 Sintaxe dos verbos haver e existir

5 Sintaxe dos verbos haver e existir 5 Sintaxe dos verbos haver e existir Há aspectos envolvidos em construções com haver e existir que são muito importantes, para encontrar as raízes das dificuldades que se apresentam no uso desses dois

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA LEITURA PARA A PRODUÇÃO TEXTUAL

A IMPORTÂNCIA DA LEITURA PARA A PRODUÇÃO TEXTUAL A IMPORTÂNCIA DA LEITURA PARA A PRODUÇÃO TEXTUAL REBECCA TAVARES DE MELO TOSCANO DE BRITO (UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA). Resumo Nos dias atuais a prática da leitura está se tornando cada vez mais rara

Leia mais

DIFERENTES PRODUÇÕES ESCRITAS DE CRIANÇAS EM CLASSES DE ALFABETIZAÇÃO: ABORDAGENS SINTÉTICAS E DE BASE CONSTRUTIVISTA

DIFERENTES PRODUÇÕES ESCRITAS DE CRIANÇAS EM CLASSES DE ALFABETIZAÇÃO: ABORDAGENS SINTÉTICAS E DE BASE CONSTRUTIVISTA DIFERENTES PRODUÇÕES ESCRITAS DE CRIANÇAS EM CLASSES DE ALFABETIZAÇÃO: ABORDAGENS SINTÉTICAS E DE BASE CONSTRUTIVISTA Fernanda Cargnin Gonçalves 1 Introdução O embate entre os métodos de alfabetização

Leia mais

CURRÍCULO DO CURSO. Mínimo: 8 semestres CELSO HENRIQUE SOUFEN TUMOLO 37219288

CURRÍCULO DO CURSO. Mínimo: 8 semestres CELSO HENRIQUE SOUFEN TUMOLO 37219288 71 EaD_UAB LETRAS LICENCIATURA EM LÍNGUA INGLESA 009 Documentação: jetivo: Titulação: Diplomado em: Resolução n. 005/CEG/009, de 5/03/009 Habilitar professores para o pleno exercício de sua atividade docente,

Leia mais

ENSINO DE GRAMÁTICA OU ANÁLISE LINGUÍSTICA? SERÁ QUE ESSA ESCOLHA É NECESSÁRIA?

ENSINO DE GRAMÁTICA OU ANÁLISE LINGUÍSTICA? SERÁ QUE ESSA ESCOLHA É NECESSÁRIA? 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( x ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA ENSINO DE

Leia mais

Palavras chave: Letramento Literário; Educação infantil; Literatura infantil; Primeira Infância; Formação Docente.

Palavras chave: Letramento Literário; Educação infantil; Literatura infantil; Primeira Infância; Formação Docente. LETRAMENTO LITERÁRIO NA PRIMEIRA INFÂNCIA Mônica Correia Baptista (FAPEMIG/FaE/UFMG) monicacb@fae.ufmg.br Amanda de Abreu Noronha (FaE/UFMG) amandadeabreu13@gmail.com Priscila Maria Caligiorne Cruz FALE/(UFMG)

Leia mais

Unidade: Os Níveis de Análise Linguística I. Unidade I:

Unidade: Os Níveis de Análise Linguística I. Unidade I: Unidade: Os Níveis de Análise Linguística I Unidade I: 0 OS NÍVEIS DE ANÁLISE LINGUÍSTICA I Níveis de análise da língua Análise significa partição em segmentos menores para melhor compreensão do tema.

Leia mais

PONTO DE CONTATO: Transferência da Palatalização do Português para o Inglês 1

PONTO DE CONTATO: Transferência da Palatalização do Português para o Inglês 1 PONTO DE CONTATO: Transferência da Palatalização do Português para o Inglês 1 Mestranda Neliane Raquel Macedo Aquino (UFT) Resumo: A aprendizagem de uma língua estrangeira LE possibilita transferências

Leia mais

PIBID: UMA PONTE INTERDISCIPLINAR ENTRE O ENSINO SUPERIOR E O ENSINO MÉDIO

PIBID: UMA PONTE INTERDISCIPLINAR ENTRE O ENSINO SUPERIOR E O ENSINO MÉDIO PIBID: UMA PONTE INTERDISCIPLINAR ENTRE O ENSINO SUPERIOR E O ENSINO MÉDIO Extensão, docência e investigação. Danielle Gomes Mendes Theciana Silva Silveira Orientadora: Prof.ª Dr.ª Marize Barros Rocha

Leia mais

O AUXÍLIO DA FONÉTICA NO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA

O AUXÍLIO DA FONÉTICA NO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA O AUÍLIO DA FONÉTICA NO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA Ana Beatriz Miranda Jorge UFCG/ beatrizjmiranda@gmail.com Bruna Melo do Nascimento UEPB/ bruna.melo.nascimento@gmail.com Isabelle Coutinho Ramos Benício

Leia mais

O QUE É ENSINAR LÍNGUA PORTUGUESA? CONCEPÇÕES DE EDUCADORES DO ENSINO FUNDAMENTAL DE TEIXEIRA DE FREITAS

O QUE É ENSINAR LÍNGUA PORTUGUESA? CONCEPÇÕES DE EDUCADORES DO ENSINO FUNDAMENTAL DE TEIXEIRA DE FREITAS O QUE É ENSINAR LÍNGUA PORTUGUESA? CONCEPÇÕES DE EDUCADORES DO ENSINO FUNDAMENTAL DE TEIXEIRA DE FREITAS Helania Thomazine Porto Veronez Em 2002 foi realizada uma pesquisa intitulada: A prática pedagógica

Leia mais

A LINGÜÍSTICA ONTEM E HOJE

A LINGÜÍSTICA ONTEM E HOJE A LINGÜÍSTICA ONTEM E HOJE Daniela Araujo * RESUMO: Este trabalho escreve sobre a importância dos estudos em Lingüística, enfatizando os estudos de Ferdinand de Saussure(1974), fazendo um breve panorama

Leia mais

1 Introdução. 1.1 Apresentação do tema

1 Introdução. 1.1 Apresentação do tema 1 Introdução 1.1 Apresentação do tema Segundo Basílio (1987), as principais funções do léxico são a representação conceitual e o fornecimento de unidades básicas para a construção dos enunciados. Para

Leia mais

A REPRODUÇÃO DE ENUNCIADOS EM SOCIOLINGUÍSTICA

A REPRODUÇÃO DE ENUNCIADOS EM SOCIOLINGUÍSTICA Rafael Barreto do Prado Universidade de São Paulo - USP Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas - FFLCH A REPRODUÇÃO DE ENUNCIADOS EM SOCIOLINGUÍSTICA O veredicto sobre a Gramática Tradicional

Leia mais

16 Pronúncia do Inglês

16 Pronúncia do Inglês Este livro tem por objetivo central apresentar os sons do inglês aos falantes do português brasileiro. Pretende-se, ainda, indicar algumas diferenças de pronúncia entre variedades do inglês falado em diferentes

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

CAMPOS LEXICOS DOS FALARES RURAIS DE GOIÁS, MATO GROSSO, MINAS GERAIS E SÃO PAULO.

CAMPOS LEXICOS DOS FALARES RURAIS DE GOIÁS, MATO GROSSO, MINAS GERAIS E SÃO PAULO. CAMPOS LEXICOS DOS FALARES RURAIS DE GOIÁS, MATO GROSSO, MINAS GERAIS E SÃO PAULO. Gisele Martins SIQUEIRA (Mestranda FL/UFG) Gisele.msiqueira@gmail.com Maria Suelí de AGUIAR (FL/UFG) aguiarmarias@gamil.com

Leia mais

HÁ VARIAÇÃO LINGUÍSTICA NAS ESCOLAS PÚBLICAS?

HÁ VARIAÇÃO LINGUÍSTICA NAS ESCOLAS PÚBLICAS? HÁ VARIAÇÃO LINGUÍSTICA NAS ESCOLAS PÚBLICAS? Wéllem Aparecida de FREITAS Prof. Joyce Elaine de ALMEIDA BARONAS (Orientadora) RESUMO Nos últimos anos, pesquisadores da área de linguagem vêm desenvolvendo

Leia mais

INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS DEPARTAMENTO DE LETRAS E COMUNICAÇÃO

INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS DEPARTAMENTO DE LETRAS E COMUNICAÇÃO AA 285 ESTÁGIO SUPERVISIONADO I LÍNGUA PORTUGUESA NO 6º E 7º ANOS DO ENSINO FUNDAMENTAL Língua Portuguesa. Elaborar propostas de trabalho com diferentes gêneros textuais que contemplem também textos literários.

Leia mais

ANÁLISE DE COMPREENSÃO DE TEXTO ESCRITO EM LÍNGUA INGLESA COM BASE EM GÊNEROS (BIOGRAFIA).

ANÁLISE DE COMPREENSÃO DE TEXTO ESCRITO EM LÍNGUA INGLESA COM BASE EM GÊNEROS (BIOGRAFIA). ANÁLISE DE COMPREENSÃO DE TEXTO ESCRITO EM LÍNGUA INGLESA COM BASE EM GÊNEROS (BIOGRAFIA). Alinne da Silva Rios Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP e-mail: alinnerios@hotmail.com Profa. Ms. Leila

Leia mais

CRENÇAS DE UMA ALUNA INICIANTE NO CURSO DE LETRAS INGLÊS ACERCA DA ORALIDADE

CRENÇAS DE UMA ALUNA INICIANTE NO CURSO DE LETRAS INGLÊS ACERCA DA ORALIDADE CRENÇAS DE UMA ALUNA INICIANTE NO CURSO DE LETRAS INGLÊS ACERCA DA ORALIDADE Marrine Oliveira Sousa (UFG) Tatiana Diello Borges (UFG) marrine_@hotmail.com tatiana.diello@gmail.com 1. Introdução No exterior,

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

Motivação para aprender línguas

Motivação para aprender línguas RESENHA: QUERER É PODER? MOTIVAÇÃO, IDENTIDADE E APRENDIZAGEM DE LÍNGUA ESTRANGEIRA Gisele da Cruz Rosa 1 O artigo Querer é poder? Motivação, identidade e aprendizagem de língua estrangeira, escrito por

Leia mais

português língua não materna (a2) Dezembro de 2013

português língua não materna (a2) Dezembro de 2013 Informação prova final / Exame Final Nacional português língua não materna (a2) Dezembro de 2013 Prova 63/93/739 2014 6.º Ano, 9.º Ano ou 12.º Ano de Escolaridade O presente documento divulga as características

Leia mais

Base Nacional Comum Curricular

Base Nacional Comum Curricular Área de Linguagens: Componente Curricular Língua portuguesa SEC/UEFS Para que se dá aulas de Português a falantes nativos do Português? Desenvolver a competência comunicativa dos usuários da língua (progressiva

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Prática: 15 h/a Carga Horária: 60 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

VI Seminário de Iniciação Científica SóLetras - 2009 ISSN 1808-9216

VI Seminário de Iniciação Científica SóLetras - 2009 ISSN 1808-9216 O EMPREGO GRAMATICAL NO LIVRO DIDÁTICO Desiree Bueno TIBÚRCIO (G-UENP/campus Jac.) desiree_skotbu@hotmail.com Marilúcia dos Santos Domingos Striquer (orientadora-uenp/campus Jac.) marilucia.ss@uol.com.br

Leia mais

Licenciatura em Língua Portuguesa e Literaturas de Língua Portuguesa (AL/EC) NÍVEL I. Introdução à Pesquisa em Letras

Licenciatura em Língua Portuguesa e Literaturas de Língua Portuguesa (AL/EC) NÍVEL I. Introdução à Pesquisa em Letras Licenciatura em Língua Portuguesa e Literaturas de Língua Portuguesa (AL/EC) Curso 1/20C Ingresso a partir de 2007 NÍVEL I Introdução à Pesquisa em Letras Codicred: 1216A-02 Ementa: Compreensão da linguagem

Leia mais

:: Cuidados na Elaboração de uma Redação Científica

:: Cuidados na Elaboração de uma Redação Científica :: Cuidados na Elaboração de uma Redação Científica José Mauricio Santos Pinheiro em 21/04/2005 Os princípios indispensáveis à redação científica podem ser resumidos em quatro pontos fundamentais: clareza,

Leia mais

As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R

As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R INTRODUÇÃO A pesquisa é um procedimento reflexivo e crítico de busca de respostas para problemas ainda não solucionados. O

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

TÍTULO: A DESCONSTRUÇÃO DO PRECONCEITO NO FALAR DO PORTUGUÊS NO BRASIL ORIENTADOR(ES): ILZA ALVES FERREIRA GONÇALVES DA SILVA, JOÃO ANGELO SEGANTIN

TÍTULO: A DESCONSTRUÇÃO DO PRECONCEITO NO FALAR DO PORTUGUÊS NO BRASIL ORIENTADOR(ES): ILZA ALVES FERREIRA GONÇALVES DA SILVA, JOÃO ANGELO SEGANTIN TÍTULO: A DESCONSTRUÇÃO DO PRECONCEITO NO FALAR DO PORTUGUÊS NO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: LETRAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES): DULCELENA RIBEIRO

Leia mais

Professora Verônica Ferreira PROVA CESGRANRIO 2012 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL TÉCNICO BANCÁRIO

Professora Verônica Ferreira PROVA CESGRANRIO 2012 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL TÉCNICO BANCÁRIO Professora Verônica Ferreira PROVA CESGRANRIO 2012 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL TÉCNICO BANCÁRIO 1 Q236899 Prova: CESGRANRIO - 2012 - Caixa - Técnico Bancário Disciplina: Português Assuntos: 6. Interpretação

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL 2015/2016 PORTUGUÊS - 3ºANO

PLANIFICAÇÃO ANUAL 2015/2016 PORTUGUÊS - 3ºANO DIREÇÃO DE SERVIÇOS DA REGIÃO ALGARVE Agrupamento de Escolas José Belchior Viegas (Sede: Escola Secundária José Belchior Viegas) PLANIFICAÇÃO ANUAL 2015/2016 PORTUGUÊS - 3ºANO METAS Domínios/ Conteúdos

Leia mais

Universidade Estadual de Maringá Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes

Universidade Estadual de Maringá Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes R E P U B L I C A Ç Ã O R E S O L U Ç Ã O N.º 143/2011 CI / CCH CERTIDÃO Certifico que a presente resolução foi afixada em local de costume, neste Centro, no dia 27/08/2012. João Carlos Zanin, Secretário

Leia mais

INTERTEXTUALIDADE E INTERDISCURSIVIDADE EM PAUTA NAS AULAS DE LÍNGUA MATERNA

INTERTEXTUALIDADE E INTERDISCURSIVIDADE EM PAUTA NAS AULAS DE LÍNGUA MATERNA INTERTEXTUALIDADE E INTERDISCURSIVIDADE EM PAUTA NAS AULAS DE LÍNGUA MATERNA Luciana Maria Crestani i () As avaliações do MEC (Saeb e Prova Brasil) apontam que os alunos têm déficits de aprendizagem no

Leia mais

NOSSO CURRÍCULO A EDUCAÇÃO QUE PRATICAMOS ÁREA DAS CIÊNCIAS HUMANAS. Adotamos uma pedagogia:

NOSSO CURRÍCULO A EDUCAÇÃO QUE PRATICAMOS ÁREA DAS CIÊNCIAS HUMANAS. Adotamos uma pedagogia: A EDUCAÇÃO QUE PRATICAMOS NOSSO CURRÍCULO Adotamos uma pedagogia: - que faz da escola uma instância efetiva de assimilação crítica, sistemática e integradora do saber e da cultura geral; - que trata os

Leia mais

AQUISIÇÃO DA LEITURA E ESCRITA: ANÁLISES DE ATIVIDADES A LUZ DA PSICOLINGUÍSTICA

AQUISIÇÃO DA LEITURA E ESCRITA: ANÁLISES DE ATIVIDADES A LUZ DA PSICOLINGUÍSTICA AQUISIÇÃO DA LEITURA E ESCRITA: ANÁLISES DE ATIVIDADES A LUZ DA PSICOLINGUÍSTICA Marciel Alan Freitas de CASTRO (PIBIC CNPq/UERN) RESUMO: O referido trabalho constitui, antes, numa análise das atividades

Leia mais

CRENÇAS DISCENTES SOBRE A FORMAÇÃO EM LETRAS E A DOCÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA

CRENÇAS DISCENTES SOBRE A FORMAÇÃO EM LETRAS E A DOCÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 761 CRENÇAS DISCENTES SOBRE A FORMAÇÃO EM LETRAS E A DOCÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA Fabiana Gonçalves Monti 1, Sérgio

Leia mais

13º CONGRESSO BRASILEIRO DE LÍNGUA PORTUGUESA DO IP/PUC-SP 4º CONGRESSO INTERNACIONAL DE LUSOFONIA

13º CONGRESSO BRASILEIRO DE LÍNGUA PORTUGUESA DO IP/PUC-SP 4º CONGRESSO INTERNACIONAL DE LUSOFONIA 13º CONGRESSO BRASILEIRO DE LÍNGUA PORTUGUESA DO IP/PUC-SP 4º CONGRESSO INTERNACIONAL DE LUSOFONIA Mônica Vicente Marinho Gerhardt (Pontifícia Universidade Católica de São Paulo) Mestranda em Língua Portuguesa

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA CAMINHOS PARA O ENSINO

FORMAÇÃO CONTINUADA CAMINHOS PARA O ENSINO FORMAÇÃO CONTINUADA CAMINHOS PARA O ENSINO SUPERIOR PLANO DE ENSINO E ESTRATÉGIAS Profª Msc. Clara Maria Furtado PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO CURRÍCULO ORGANIZAÇÃO CURRICULAR PLANEJAMENTO DO CURSO OBJETIVOS

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Porto de Mós Informação-Prova de Equivalência à Frequência

Agrupamento de Escolas de Porto de Mós Informação-Prova de Equivalência à Frequência Prova de Equivalência à Frequência de Inglês (Escrita + Oral) Prova Código 06-2015 2º Ciclo do Ensino Básico - 6ºano de escolaridade 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características

Leia mais

1. Linguagens e Códigos; 2. Raciocínio Lógico e Matemática; 3. Leitura e Interpretação de Textos; 4. Atualidades.

1. Linguagens e Códigos; 2. Raciocínio Lógico e Matemática; 3. Leitura e Interpretação de Textos; 4. Atualidades. ANEXO I - PROGRAMA DAS PROVAS DE CONHECIMENTOS GERAIS E DE REDAÇÃO Prova (Todos os Cursos) Trabalhando em consonância com as diretrizes curriculares nacionais, o UNIFEMM entende que as avaliações do processo

Leia mais

LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i. Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática.

LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i. Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática. LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática. Justificativa A Matemática faz parte do cotidiano das pessoas. Nas diversas atividades

Leia mais

Critérios de Avaliação. 3º Ano. Agrupamento de Escolas Pedro Jacques de Magalhães 1º Ciclo

Critérios de Avaliação. 3º Ano. Agrupamento de Escolas Pedro Jacques de Magalhães 1º Ciclo Critérios de Avaliação 3º Ano 1º Ciclo Disciplina: PORTUGUÊS Domínio Parâmetros de Avaliação Instrumentos de avaliação Ponderação Oralidade Assimilar e expressar as ideias essenciais e as intenções de

Leia mais

WEEDWOOD, B. História Concisa da Lingüística.

WEEDWOOD, B. História Concisa da Lingüística. RESENHAS WEEDWOOD, B. História Concisa da Lingüística. Tradução: Marcos Bagno. São Paulo: Parábola, 2002. Ronaldo de Oliveira BATISTA Centro Universitário Nove de Julho Um número crescente de livros a

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS

DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS 7.PROJETO PEDAGÓGICO 1º SEMESTRE DISCIPLINA: INTRODUÇÃO À ECONOMIA EMENTA: Conceitos Fundamentais; Principais Escolas do Pensamento; Sistema Econômico; Noções de Microeconomia; Noções de Macroeconomia;

Leia mais

RELAÇÕES DE GÊNERO NA REDE SOCIAL: UM OLHAR SOBRE O MANUAL PARA ENTENDER AS MULHERES Carolina Sena de Meneses (UFRB) carolina_msena@hotmail.

RELAÇÕES DE GÊNERO NA REDE SOCIAL: UM OLHAR SOBRE O MANUAL PARA ENTENDER AS MULHERES Carolina Sena de Meneses (UFRB) carolina_msena@hotmail. RELAÇÕES DE GÊNERO NA REDE SOCIAL: UM OLHAR SOBRE O MANUAL PARA ENTENDER AS MULHERES Carolina Sena de Meneses (UFRB) carolina_msena@hotmail.com 1. Introdução O presente artigo fará uma análise sobre a

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec:Paulino Botelho/ Professor E.E. Arlindo Bittencourt (extensão) Código: 092-2 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação

Leia mais

Título: Observações introdutórias sobre os paradoxos sorites e o fenômeno da vagueza na linguagem natural

Título: Observações introdutórias sobre os paradoxos sorites e o fenômeno da vagueza na linguagem natural Título: Observações introdutórias sobre os paradoxos sorites e o fenômeno da vagueza na linguagem natural Conceitos-chaves: Paradoxo sorites, Vagueza, Casos-fronteira, Teoria Epistêmica. 1. Introdução

Leia mais

UMA REFLEXÃO TEÓRICA ACERCA DO PRECONCEITO LINGUÍSTICO E O ENSINO DA LÍNGUA MATERNA

UMA REFLEXÃO TEÓRICA ACERCA DO PRECONCEITO LINGUÍSTICO E O ENSINO DA LÍNGUA MATERNA Revista Eletrônica de Educação de Alagoas Volume 01. Nº 01. 1º Semestre de 2013 UMA REFLEXÃO TEÓRICA ACERCA DO PRECONCEITO LINGUÍSTICO E O ENSINO DA LÍNGUA MATERNA Kátia Simone Costa VIEIRA 1 Resumo O

Leia mais

PENSAMENTO E LINGUAGEM: ESTUDO DA INOVAÇÃO E REFLEXÃO DOS ANAIS E DO ENSINO/APRENDIZAGEM DO INGLÊS EM SALA DE AULA

PENSAMENTO E LINGUAGEM: ESTUDO DA INOVAÇÃO E REFLEXÃO DOS ANAIS E DO ENSINO/APRENDIZAGEM DO INGLÊS EM SALA DE AULA PENSAMENTO E LINGUAGEM: ESTUDO DA INOVAÇÃO E REFLEXÃO DOS ANAIS E DO ENSINO/APRENDIZAGEM DO INGLÊS EM SALA DE AULA Adriana Zanela Nunes (UFRJ) zannelli@bol.com.br, zannelli@ig.com.br zannelli@ibest.com.br

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Unidade curricular INICIAÇÃO AOS ESTUDOS LINGUISTICOS. Carga Horária Prática -

PLANO DE ENSINO. Unidade curricular INICIAÇÃO AOS ESTUDOS LINGUISTICOS. Carga Horária Prática - PLANO DE ENSINO LETRAS (PORTUGUÊS-INGLÊS) Turno: Noturno Currículo: 2003 INFORMAÇÕES BÁSICAS Período 2013/1 Natureza: Unidade curricular INICIAÇÃO AOS ESTUDOS LINGUISTICOS Teórica 60 Carga Horária Prática

Leia mais

LICENCIATURA DUPLA EM INGLÊS E PORTUGUÊS E RESPECTIVAS LITERATURAS

LICENCIATURA DUPLA EM INGLÊS E PORTUGUÊS E RESPECTIVAS LITERATURAS LICENCIATURA DUPLA EM INGLÊS E PORTUGUÊS E RESPECTIVAS LITERATURAS Curso 1/20B Ingresso a partir de 2007 NÍVEL I Introdução à Pesquisa em Letras Codicred: 1216A-02 Ementa: Compreensão da linguagem como

Leia mais

Coleção Escola Aprendente. Matrizes Curriculares para o Ensino Médio

Coleção Escola Aprendente. Matrizes Curriculares para o Ensino Médio Coleção Escola Aprendente Matrizes Curriculares para o Ensino Médio Projeto Gráfico Jozias Rodrigues Feliciano de Magalhães Jr. Márcio Magalhães Diagramação Eletrônica Jozias Rodrigues Márcio Magalhães

Leia mais

O ensino de línguas estrangeiras via redes sociais 1

O ensino de línguas estrangeiras via redes sociais 1 O ensino de línguas estrangeiras via redes sociais 1 Gabriel Belinazo 2 gbelinazo@inf.ufsm.br Abstract: In this review article, the main goal is to review and analyze information about social networks

Leia mais

LICENCIATURA EM LÍNGUA ESPANHOLA E RESPECTIVAS LITERATURAS

LICENCIATURA EM LÍNGUA ESPANHOLA E RESPECTIVAS LITERATURAS LICENCIATURA EM LÍNGUA ESPANHOLA E RESPECTIVAS LITERATURAS Curso 1/20K Ingresso a partir de 2011/1 Fundamentos dos Estudos Literários Codicred: 12224-04 NÍVEL I Ementa: Funções da literatura. Discurso

Leia mais

Edição nº 002 - Julho 2004

Edição nº 002 - Julho 2004 88 RESUMO: O texto Língua Materna ou Madrasta? A língua da escola e a variação lingüística propõem uma reflexão sobre a língua trabalhada na escola e a variação lingüística, com base nos Subsídios a Proposta

Leia mais

PRÁTICAS DE PRODUÇÃO ESCRITA EM ESPANHOL NO CURSO DE LETRAS PARA A PROGRESSÃO DE NÍVEIS DE REFERÊNCIA

PRÁTICAS DE PRODUÇÃO ESCRITA EM ESPANHOL NO CURSO DE LETRAS PARA A PROGRESSÃO DE NÍVEIS DE REFERÊNCIA 500 PRÁTICAS DE PRODUÇÃO ESCRITA EM ESPANHOL NO CURSO DE LETRAS PARA A PROGRESSÃO DE NÍVEIS DE REFERÊNCIA Renata Aparecida de Freitas 1 FATEA Faculdades Integradas Teresa D Ávila Lorena - SP Este trabalho

Leia mais

ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: que lugar é este?

ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: que lugar é este? Universidade do Sul de Santa Catarina UNISUL maria.schlickmann@unisul.br Palavras iniciais... As reflexões que apresento neste texto são um recorte de estudo que venho realizando na minha tese de doutorado.

Leia mais

OLIVEIRA, Luciano Amaral. Coisas que todo professor de português precisa saber: a teoria na prática. São Paulo: 184 Parábola Editorial, 2010.

OLIVEIRA, Luciano Amaral. Coisas que todo professor de português precisa saber: a teoria na prática. São Paulo: 184 Parábola Editorial, 2010. Resenha OLIVEIRA, Luciano Amaral. Coisas que todo professor de português precisa saber: a teoria na prática. São Paulo: 184 Parábola Editorial, 2010. Leticia Macedo Kaeser * leletrasufjf@gmail.com * Aluna

Leia mais

FORMAÇÃO IDEOLÓGICA: O CONCEITO BASILAR E O AVANÇO DA TEORIA

FORMAÇÃO IDEOLÓGICA: O CONCEITO BASILAR E O AVANÇO DA TEORIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 FORMAÇÃO

Leia mais

Informação-Exame de Equivalência à disciplina de: INGLÊS (LE I) Prova Oral e Prova Escrita

Informação-Exame de Equivalência à disciplina de: INGLÊS (LE I) Prova Oral e Prova Escrita Informação-Exame de Equivalência à disciplina de: INGLÊS (LE I) Prova Oral e Prova Escrita 2º Ciclo do Ensino Básico Ano letivo de 2011/12 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características

Leia mais

Fundação Carmelitana Mário Palmério - FUCAMP Faculdade de Ciências Humanas e Sociais - FACIHUS Educação de qualidade ao seu alcance

Fundação Carmelitana Mário Palmério - FUCAMP Faculdade de Ciências Humanas e Sociais - FACIHUS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO DE LETRAS PORTUGUÊS/ESPANHOL O ensino da língua espanhola no contexto da escola pública INTRODUÇÃO Este plano procura articular-se de forma integrada com o plano de trabalho institucional, que

Leia mais

XVII Congresso Nacional de Linguística e Filologia 117

XVII Congresso Nacional de Linguística e Filologia 117 XVII Congresso Nacional de Linguística e Filologia 117 PRINCÍPIOS E FUNDAMENTOS DOS PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS Marcos Luiz Wiedemer (UERJ/UNESP) mlwiedemer@gmail.com 1. Introdução Os Parâmetros

Leia mais

LICENCIATURA EM LÍNGUA INGLESA E RESPECTIVAS LITERATURAS

LICENCIATURA EM LÍNGUA INGLESA E RESPECTIVAS LITERATURAS LICENCIATURA EM LÍNGUA INGLESA E RESPECTIVAS LITERATURAS Curso 1/20J Ingresso a partir de 2011/1 Fundamentos dos Estudos Literários Codicred: 12224-04 NÍVEL I Ementa: Funções da literatura. Discurso literário

Leia mais

Letras Tradução Inglês-Português Ementário

Letras Tradução Inglês-Português Ementário Letras Tradução Inglês-Português Ementário Componentes Curriculares CH Ementa Cultura Clássica 04 Estudo da cultura das civilizações clássica em suas diversas fases, tendo em vista reflexões sobre a contribuição

Leia mais

Palavras-chave: Toponímia, linguística, memória, imigração italiana, Belo Horizonte.

Palavras-chave: Toponímia, linguística, memória, imigração italiana, Belo Horizonte. MARCAS DA ITÁLIA NA TOPONÍMIA DE BELO HORIZONTE Resumo Zuleide Ferreira Filgueiras 1 Esta comunicação tem como objetivo apresentar os principais resultados da dissertação de mestrado A presença italiana

Leia mais

Educação, crescimento e desenvolvimento económico: notas e reflexões 1

Educação, crescimento e desenvolvimento económico: notas e reflexões 1 Educação, crescimento e desenvolvimento económico: notas e reflexões 1 Carlos Nuno Castel-Branco 2 24-03-2011 Introdução A discussão da ligação entre educação, crescimento económico e desenvolvimento precisa

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR Página 1/3 CURSO: LETRAS - GRADUAÇÃO - LICENCIATURA GRADE: INGRESSANTES 2015/1

MATRIZ CURRICULAR Página 1/3 CURSO: LETRAS - GRADUAÇÃO - LICENCIATURA GRADE: INGRESSANTES 2015/1 Página 1/3 Período: 1 ENADE INGRESSANTE 0 ESTILÍSTICA 36 LITERATURA BRASILEIRA: CONTEMPORÂNEA 72 LITERATURA EM LÍNGUA INGLESA 72 LITERATURA EM LÍNGUA INGLESA: AS ÉPOCAS VITORIANA E CONTEMPORÂNEA 36 LÍNGUA

Leia mais

DIVERSIDADE LINGUÍSTICA E O PROCESSO ENSINO-APRENDIZAGEM

DIVERSIDADE LINGUÍSTICA E O PROCESSO ENSINO-APRENDIZAGEM Revista Eletrônica da Faculdade Metodista Granbery http://re.granbery.edu.br - ISSN 1981 0377 Curso de Pedagogia - N. 4, JAN/JUN 2008 DIVERSIDADE LINGUÍSTICA E O PROCESSO ENSINO-APRENDIZAGEM Andreia Rezende

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA LOGOTIPO MACMILLAN BRASIL Utilização colorido; preto/branco e negativo Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que

Leia mais