FELIPE BIRIBA DE ALMEIDA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FELIPE BIRIBA DE ALMEIDA"

Transcrição

1 1 UFBA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA POLITÉCNICA FELIPE BIRIBA DE ALMEIDA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL COM ENFASE EM INFORMÁTICA INDUSTRIAL, INSTRUMENTAÇÃO, CONTROLE E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS CONTÍNUOS PADRONIZAÇÃO DA COMUNICAÇÃO SEM FIO EM AMBIENTES INDUSTRIAIS ISA SP100 Trabalho final de curso Salvador, 30 de julho de

2 ii UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA POLITÉCNICA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL COM ENFASE EM INFORMÁTICA INDUSTRIAL, INSTRUMENTAÇÃO, CONTROLE E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS CONTÍNUOS PADRONIZAÇÃO DA COMUNICAÇÃO SEM FIO EM AMBIENTES INDUSTRIAIS ISA SP100 Trabalho final de curso Salvador, 30 de julho de 2009

3 iii UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE QUÍMICA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL COM ENFASE EM INFORMÁTICA INDUSTRIAL, INSTRUMENTAÇÃO, CONTROLE E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS CONTÍNUOS PADRONIZAÇÃO DA COMUNICAÇÃO SEM FIO EM AMBIENTES INDUSTRIAIS ISA SP100 por FELIPE BIRIBA DE ALMEIDA Monografia submetida ao corpo docente do Instituto de Química da Universidade Federal da Bahia como requisito final para a obtenção do Diploma de Especialização em Automação Industrial com Ênfase em Informática Industrial, Instrumentação, Controle e Otimização de Processos Contínuos BANCA EXAMINADORA Orientador EP / UFBA Banca Examinadora EP / UFBA Salvador, 30 de julho de 2009

4 iv RESUMO Neste trabalho o autor analisa a atual situação das redes industriais, abordando vantagens e desvantagens da rede sem fio. Aborda o assunto da comunicação sem fio na indústria, detalhando seu funcionamento e esclarecendo alguns mitos que ainda insistem em existir. Esta tecnologia já faz parte da vida cotidiana de todos, mas ainda não é utilizada na indústria devido a alguns mitos / limitações que precisam ser solucionados. A padronização desta comunicação ainda está em andamento, o que dificulta o desenvolvimento ainda maior desta tecnologia. Desta forma abordamos a necessidade desta padronização e detalhamos como está sendo elaborada a Norma que futuramente vai orientar todos os usuários e fabricantes da comunicação sem fio. Esta Norma (SP 100) está sendo elabora da pela ISA, por um Comitê que tem como objetivo estabelecer padrões e recomendações técnicas para melhor utilização desta tecnologia. Palavras chaves: Wireless, Redes Industriais, ISA SP 100, Padronização, Redes Digitais, Redes Sem Fio.

5 v ABSTRACT In this article the writer describes the actual state of industrial networks, discussing the performances advantages or disadvantages for Wireless Networks. Besides several difficulties regarding Wireless Communication, the theme is described for diverse industrial situations. The Wireless technology is day-by-day concerned for personal users but, for the general industry purposes sites, is not stabilished because of practical limitations to be solutioned. The Wireless standardization for the industry is going on to be developed and, for this reason, difficults the actual state of disponnible techniques. For this reason, the standardization must be appointed in very short time based in norms that will provide all requirement concerning this ones. This norm, named SP100, is being provided by ISA Instrumentation Society of America, by a committee that is looking for a standard stabilishment and technical recommendations for a better technology use. Key Words: Wireless, Industrial Network, ISA SP100, Standardization, Digital Network, Wireless Network

6 vi LISTA DE ILUSTRAÇÕES FIGURA 1 - Principais Configurações de Rede FIGURA 2 - Principais Antenas Utilizadas Em Ambientes Industriais FIGURA 3 - Elementos de uma Instalação Wireless HART Típica (Fonte: WIHart Datasheet) FIGURA 4 - Exemplo da inserção do Wireless HART numa planta que já usa HART[31]. FIGURA 5 - Panorama arquitetônico das normas IEEE 802.X FIGURA 6 Marca da certificação ISA-SP100 [15]. FIGURA 7 - ISA SP 100 busca comunicação com a maioria dos protocolos industriais

7 vii SUMÁRIO RESUMO ABSTRACT LISTA DE ILUSTRAÇÕES 1. INTRODUÇÃO 8 2. TECNOLOGIA WIRELESS 9 3. CARACTERISTICAS DA COMUNICAÇÃO INDUSTRIAL FUNCIONAMENTO DA REDE DE COMUNICAÇÃO Antenas Interligação com redes de comunicação Espinha Dorsal Universal x Monopropósito FAIXAS E CANAIS DE RADIO O FCC e a ANATEL Bandas ISM Bandas UNII Banda utilizada DESAFIOS DAS REDES SEM FIO VANTAGENS DA COMUNICAÇÃO SEM FIO A PADRONIZAÇÃO WINA WIRELESS HART IEEE A NORMA ISA-SP Desenvolvimento da Norma ISA-SP ISA-SP ISA-SP ISA-SP100.11a ISA100 Wireless Compliance Institute Aplicação da Tecnologia CONCLUSÃO REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 54

8 8 1. INTRODUÇÃO O intenso avanço tecnológico das últimas décadas e a crescente necessidade de comunicação rápida e eficiente levou ao surgimento da comunicação digital. Do requisito de mobilidade surgiram as redes digitais sem fio. Paralelamente a este avanço, muitas empresas perceberam que a necessidade de agilidade e flexibilidade exigida pelos mercados mundiais pode ser mais bem atendida quando sua estrutura de comunicação é também ágil e flexível. Deste modo, muitas empresas de inúmeros setores têm adotado a comunicação digital sem fio em várias situações. Na área industrial, especificamente nas redes de campo, os últimos anos têm visto um avanço avassalador das redes digitais. Nestas indústrias, a tecnologia digital sem fio também pode ter um papel muito importante, uma vez que elas também precisam de agilidade e flexibilidade para se manter competitivas. Para estas indústrias, duas características da tecnologia sem fio são extremamente desejáveis se inseridas nas redes de campo: maior disponibilidade (uma vez que não possuem cabos para dar problemas e serem trocados) e maior flexibilidade (uma mudança na estrutura física não necessita mudança na estrutura dos cabos). O desenvolvimento, nos últimos anos, dos padrões de comunicação e das aplicações sem fio propiciou a crescente utilização dessas tecnologias em diversas áreas. Nos ambientes industriais, o interesse pela utilização de tecnologias sem fio pode ser comprovado pelo surgimento de vários estudos de viabilidade de implementações [1,2,3]. As tecnologias de comunicação sem fio podem constituir uma solução para vários problemas tradicionais nos ambientes industriais que utilizam sistemas cabeados, acompanhada de uma série de outros benefícios. Os principais benefícios relativos ao uso de comunicações sem fio nos ambientes industriais, dizem respeito aos menores custos de instalação e manutenção, os ganhos em flexibilidade, desempenho, confiabilidade e produtividade [4,5]. Entretanto, devido à alta quantidade de tecnologias e suas potencialidades nos ambientes industriais, muito esforço ainda deve ser demandado no estudo de quais dessas tecnologias de comunicação sem fio existentes podem ser utilizadas de

9 9 forma adequada, a fim de que os requisitos dos ambientes industriais sejam satisfeitos. Com o objetivo de relacionar as particularidades das comunicações sem fio, as diversas tecnologias disponíveis e os requisitos dos ambientes industriais, a norma ISA-SP100 está sendo desenvolvida. A norma pretende definir uma estrutura sem fio simples, integrada e padronizada para vários tipos de aplicações industriais. Qualquer nova tecnologia passa por um período de sedimentação, durante o qual seus princípios, bem como seus limites e contornos, ficam um tanto nebulosos para o mercado. 2. TECNOLOGIA WIRELESS Esta tecnologia foi criada pela atriz HEDY LAMARR e pelo compositor de vanguarda americano George Antheil, patentearam um método de telecomunicações através do qual se conseguia guiar torpedos através de ondas de rádio que não estariam sujeitos à interferência inimiga. Tal método, usado durante a 2ª Guerra Mundial, recebeu a patente de nº dos EUA, em 11/08/1942, sob o nome "Sistema Secreto de Comunicações. Rigorosamente falando, uma rede sem fio (do inglês wireless) é um arranjo de comunicação onde os agentes desta comunicação conseguem trocar informações sem a necessidade de serem ligados por fios. Por exemplo, estas estruturas de comunicação podem se utilizar, como meio de comunicação, do ultra-som, infravermelho, das ondas eletromagnéticas etc., para trafegar a informação. Outro fator que aumenta a multiplicidade das redes sem fio é que estas informações podem estar codificadas utilizando um formato digital ou analógico. Há ainda vários tipos e níveis de protocolos de comunicação utilizados pelos agentes desta comunicação. Faz-se necessário perceber que nesta monografia o termo sem fio é usado estritamente no sentido do termo técnico em inglês wireless, portanto não devendo

10 10 ser confundido com o termo inglês cordless, o qual se aplica a equipamentos que possuem uma fonte de alimentação independente, permitindo assim que ele seja deslocado livremente. Apesar dos equipamentos que são simultaneamente wireless e cordless serem bastante comuns, ex. celular, um equipamento wireless não tem que necessariamente que ser cordless e, vice-versa, um equipamento cordless não tem que necessariamente ser wireless.dentre as opções está-se interessado fortemente nas redes sem fio cuja informação é codificada digitalmente e que usam especificações abertas (de modo que o usuário não fique amarrado ao proprietário da especificação), por exemplo: as especificações do Institute for Electrical and Electronic Engineers (IEEE , IEEE ), ISA SP 100 etc. Dentro destas especificações, dar-se-á maior ênfase àquelas que tiverem maiores aplicabilidades na área industrial. 3. CARACTERISTICAS DA COMUNICAÇÃO INDUSTRIAL Quando se trata de tecnologia wireless, os usuários querem simplicidade, robustez, orientação para entender esse mundo novo e coexistência entre todos os personagens para conseguirmos o mundo wireless dos nossos sonhos. Apesar de a tecnologia wireless já ter conquistado o seu espaço no mercado industrial, os usuários ainda estão confusos quanto às potencialidades e às ciladas que um mundo wireless pode oferecer. Uma mudança de paradigma precisa ocorrer no âmbito da comunidade de usuários para que eles possam ganhar o mesmo nível de confiança já adquirido em infraestruturas com fio. Os usuários querem um ambiente de atuação em que eles possam alcançar a interoperabilidade e a coexistência em vários níveis. Eles também estão em busca de orientação para gerenciar o espaço wireless, e apesar de eles poderem precisar de algumas soluções especializadas, eles querem uma solução em rede comum que abranja o cenário como um todo.

11 11 Os usuários sabem que só poderão alcançar o potencial para grandes lucros de produtividade e eficiência tendo a tecnologia wireless como uma opção. A palavrachave é simplicidade. Num primeiro momento, as redes precisam imitar o ambiente com fio. Isso vai facilitar a transição à medida que formos treinando nossos profissionais de primeira linha para usarem essa tecnologia. A próxima questão é o risco. ISA100 definiu casos de uso abordando o ambiente dos dados da planta. Porém, num sistema construído com base em dados coletados de falhas, a tecnologia wireless não tem o pedigree que os sistemas com fio têm. O resto é uma questão de risco gerenciado no processo, e cada usuário vai custar para decidir como vai adotar cada um dos cases de uso. O outro risco é a segurança. Um profissional de TI enxerga a questão da segurança de uma maneira diferente da dos profissionais de redes de sistemas de controle. A combinação das duas definições pode fazer surgir um sinal wireless não determinístico na origem. Agências externas e hackers estão diariamente achando maneiras de se infiltrar nesse sistema aparentemente seguro. Isso dá dinamismo à questão, o que, num ambiente de produção, às vezes é inaceitável. A compatibilidade com as redes com fio também é uma questão a ser levada em conta. Num mundo onde os negócios e as redes de controle são mantidos separados e os dados são cuidadosamente controlados como dados estratégicos ao serem passados deste nível para o nível do controle do negócio, a tecnologia wireless pode abalar esse paradigma; ambas as redes estão compartilhando das mesmas ondas de rádio. Outros obstáculos que atravancam a adoção são os padrões numerosos e conflitantes, nos quais as freqüências são difíceis de entender e gerenciar para o novo usuário.

12 12 O custo também deve ser levado em conta, pois só a parte de economia de capital é prontamente quantificada. Novas aplicações vão exigir novos estudos para determinar as verdadeiras economias, a eficiência e as melhorias. A orientação vai se tornar um fator importante para o sucesso da tecnologia wireless. Apesar de, hoje em dia, existirem milhões de transmissores inteligentes em plantas, estudos mostram que as informações de diagnósticos ainda estão sendo relativamente subutilizadas. Apesar de a tecnologia wireless poder liberar esses dados represados, basta deixar que os usuários constatem o potencial das informações? Na maioria dos casos, ocorre uma subcompreensão das informações disponíveis e de como nós podemos usá-las. A tecnologia wireless abriu um espaço amplo e nebuloso que ainda traz incertezas aos usuários. Eles estão sendo confrontados com a necessidade de provar a robustez da nova tecnologia em termos que só são compreendidos num ambiente com fio. 4. FUNCIONAMENTO DA REDE DE COMUNICAÇÃO Para podermos implementar os equipamentos com transmissão de sinais sem fio, necessitamos entender os diversos componentes que são necessários, definir suas aplicações, verificar os locais da instalação, avaliar os aspectos de segurança, especificar todos os itens, comparar com as diferentes tecnologias que poderiam ser aplicadas, e detalhar as diversas etapas do projeto de implantação. Um dos principais pontos de um projeto de implantação de uma rede sem fios é quanto a sua topologia e a sua justificativa do ponto de vista de necessidades de comunicação. Temos diversas possibilidades de configuração de redes a serem instaladas em campo, a mais simples é a estrela onde os sinais de envio e recebimento passam sempre por um concentrador; em arvore onde configuramos diversos concentradores conforme as áreas monitoradas, conjunto onde temos diversos

13 13 concentradores onde cada um deles pode monitorar as mesmas variáveis; e (Mesh) encadeamento onde todos os transmissores são mestres e escravos simultaneamente, esta configuração é a que garante com maior segurança que em caso de interrupção de uma rota de transmissão os equipamentos escolhem uma outra rota aleatoriamente até a confirmação do envio do sinal e seu reconhecimento. Topologia Mesh Topologia Árvore Topologia Estrela Figura 1 Principais Configurações de Rede 4.1 Antenas As antenas são projetadas com cuidado para que uma freqüência particular irradie e receba o sinal de rádio. Sem antenas os dispositivos sem fios gerariam um sinal RF com freqüência tão baixa que não conseguiriam transmitir os sinais medidos. As antenas podem ser montadas diretamente à unidade sem fio, entretanto podem ser montadas normalmente separadas e conectados ao dispositivo pelo cabo coaxial. O cabo coaxial normalmente atenua o sinal do RF, porem não é uma perda significativa do sinal. As antenas são projetadas para focalizar a energia do RF em determinados sentidos, da mesma forma que o foco de uma lanterna direciona o foco de sua lente, no sentido que o projetamos. Na direção que projetamos, a energia do RF é ampliada com um ganho específico (expressado normalmente em db). Em direção ao foco o ganho pode ser elevado normalmente de 5 a 10 db (ou ampliado de 7 a 10 vezes).

14 14 O ganho de uma antena pode ser usado para compensar a perda em um cabo coaxial, e para aumentar igualmente o poder eficaz irradiado da antena transmissora. Da mesma maneira, as antenas de recepção ampliam o sinal recebido. Assim, as antenas elevam o ganho e têm o mesmo efeito que aumentar a potencia do RF no transmissor, e em melhorar a sensibilidade dos receptores, assim como compensar as perdas pela distância entre as antenas. Parabólicas Internas Unidirecionais Figura 2 - Principais Antenas Utilizadas Em Ambientes Industriais 4.2 Interligação com redes de comunicação Para compormos o sistema de comunicação teremos que definir as redes físicas que irão se comunicar via fiação com os demais equipamentos do sistema de controle e

15 15 neste item devemos escolher os demais equipamentos das redes e seus protocolos de comunicação. Repetidores de redes são usados para interligar sub-redes idênticas, produzindo basicamente o efeito de uma simples extensão. Eles atuam somente a nível físico, recebendo dados de uma sub-rede, reforçando sinais elétricos e retransmitindo na outra sub-rede. Roteadores são elementos operando ao nível de redes, que se utilizam do endereçamento definido a este nível para transferência e rotear as mensagens de uma rede a outra. Gateways são os elementos de interconexão de concepção mais complexas. Um Gateway, ou porta de ligação, é uma máquina intermediária geralmente destinada a interligar redes, separar domínios de colisão, ou mesmo traduzir protocolos. A sua importância no que diz respeito às necessidades de interconexão é o fato de que nem todas as redes de comunicação implantadas utilizam o mesmo padrão, temos caso de redes proprietárias e padrões de fato. Os concentradores podem ser passivos (HUB s) normalmente não tem inteligência local e atuam como emuladores de barramento. Cada conector do HUB para um nó de rede está isolado galvanicamente de modo que a abertura de uma das linhas não afetam as demais. Os concentradores ativos (SWITCHERS) têm inteligência local e podem chavear mensagens simultaneamente para destinos diferentes em alta velocidade. Permitem uma melhora significativa de desempenho da rede, uma vez que subdividem o sistema em sub redes que podem opera de forma independente. Em geral, hoje em dia as redes sem fio em ambientes industriais do tipo que a ISA está considerando com o seu padrão SP100 deveriam dar suporte para diversas aplicações, como por exemplo:

16 16 Operador Móvel a possibilidade de dar suporte a um operador de campo munido de um palmtop que está comunicando de volta para um sistema central, normalmente através de WiFi. Rede de Sensores transmissores de campo tipo pressão e temperatura que estão instalados no campo e comunicam de volta para um sistema central, atualmente através de esquemas proprietários. Monitores de Equipamentos do tipo monitor de compressor através de análise de variáveis do tipo vibração que podem tanto comunicar via WiFi quanto através da mesma rede proprietária dos sensores, caso em que seria uma extensão da mesma. Temos em geral, dispositivos de campo que se comunicam de volta com um sistema central digamos um SDCD. O sistema central recebe as informações dos dispositivos de campo através do gateway. Como as distâncias a serem percorridas (entre o campo e central) são às vezes grandes, há então uma malha de cobertura com fio, através da qual os sinais de campo transitam de volta para a central. Normalmente se refere a isto como sendo o backbone espinha dorsal do sistema wireless. E este backbone, diferentemente dos sensores que não têm fio algum, pode ter diferentes graus de fiação, variando de conexões para alimentação ou também conexões de comunicação (fibra ótica, cabo coaxial, etc) ou mesclas de ambos. Configura-se, então, uma situação distinta entre a malha de sensores de campo (sem fio) e a malha (backbone - com fio) e os dispositivos que a compõe que podem ser sem fio ou não. Sendo assim, a solução usando uma rede mista atende a necessidade do cliente da melhor forma.

17 Espinha Dorsal Universal x Monopropósito A malha de nós, chamada de espinha dorsal, pode ser responsável por múltiplas funções. Além de transitar os sinais dos instrumentos de volta para a central, podem aceitar sinais de diversas outras origens para transitar de volta para o sistema central. Por exemplo, pode-se aceitar os sinais de dispositivos do tipo hand-held e trafegar esses sinais de volta para o central. Pode- se também aceitar sinais de outros instrumentos que utilizam outras bandas de freqüência. Enfim, a espinha dorsal acaba sendo o meio de transporte dos diversos tipos de sinal que compõem um sistema wireless entre o campo e o sistema central. Neste caso, dizemos que a espinha dorsal é universal, e é justamente esta universalidade que a ISA busca padronizar com a SP100. Não há obrigatoriedade de se utilizar uma esquema universal. O próprio Wireless Hart é um exemplo de sistema monopropósito, no qual trafegam apenas os sinais de sensores (instrumentos), não acomodando outros tipos de informação como, por exemplo, WiFi. A grande diferença com os sistemas universais, neste caso, é que o usuário necessitaria implementar e manter sistemas distintos para cada aplicação que precisa. Dependendo do número e da quantidade de dispositivos, bem como das áreas de cobertura que se quer alcançar, a implementação de diversas redes monopropósitos pode representar custos bem superiores quando comparada com os sistemas universais, em termos de número de portais necessários para dar cobertura, custo de manutenção de sistemas distintos e resolução de eventuais conflitos, uma vez que esses sistemas distintos poderão ter que competir pelo mesmo airspace.

18 18 5. FAIXAS E CANAIS DE RADIO O uso dos dispositivos sem fios é regulado pesadamente no mundo inteiro. Cada país tem um departamento governamental responsável para decidir onde e como os dispositivos sem fios podem ser usados, e em que freqüências de rádio. A maioria de países (mas não todos) alocou partes do espectro para o uso aberto, ou "licençalivre" de uso. A maioria de produtos sem fio para aplicações industriais e comerciais trabalham com faixas estreitas e usam as áreas de licença-livres do espectro, para evitar o atraso, o custo e a trabalheira de obter licenças. As faixas licença-livres são usadas igualmente pelas áreas, Industrial, Cientifica e Medica - ISM Industrial, Scientific & Medical". Em muitos países há diversas faixas do ISM disponíveis, em partes diferentes do espectro. Muitos hardwares relacionados a diversas tecnologias são baseados em padrões, e WLANs (Wireless Local Area Network) não são uma exceção a essa regra. Existem organizações que definem e suportam os padrões que permitem a interoperabilidade entre hardware de diferentes fabricantes. Se as leis e padrões que guiam a tecnologia wireless forem seguidas corretamente pode-se assegurar que qualquer sistema sem fio implementado terá interoperabilidade O FCC e a ANATEL O FCC (Federal Communications Commission) é uma agência governamental independente dos Estados Unidos responsável por criar as regras dentro das quais dispositivos wireless devem operar, determinar em que parte do espectro de radio freqüências estas redes podem operar e em que potência, usando quais tecnologias de transmissão e como e onde várias peças do hardware podem ser utilizadas. No Brasil esta tarefa é executada pela ANATEL (Agência Nacional de

19 19 Telecomunicações), a qual por razões econômicas e tecnológicas tende a seguir as determinações do FCC. FCC estabelece regras limitando quais freqüências as redes wireless podem usar e a potência de saída em cada uma dessas bandas. O FCC especificou que estas podem usar as bandas ISM, que são bandas não licenciadas. As bandas ISM estão localizadas começando em 902 MHz, 2,4 GHz e 5,8 GHz e variam na largura em torno de 26 a 150 MHz. Na implementação de um sistema wireless não licenciado, não há necessidade de requisição à ANATEL no que tange a largura de banda e necessidade de potência para começar a operar. Embora ainda haja limites para a potência de transmissão. Logo, a maior vantagem de uma banda não licenciada é a inexistência do custo com licenciamento, o que permite pequenos negócios implementarem uma rede sem fio e irem crescendo de acordo com a necessidade, fomentando ainda mais o crescimento do mercado wireless. Por outro lado, o fato da banda ser não licenciada possui também uma desvantagem já que vários sistemas wireless podem estar competindo na mesma banda e interferindo entre si. As larguras das faixas dos canais definem com que velocidade as ordens podem ser transmitidas. Quanto maior a faixa de um canal, mais elevada à taxa de transmissão de dados. As faixas de freqüência mais elevadas são mais largas, assim como os canais nestas faixas são igualmente mais largos, permitindo assim as taxas de dados na comunicação sem fio mais elevadas Bandas ISM Conforme dito anteriormente, existem três bandas ISM não licenciadas regulamentadas pelo FCC/ANATEL que as redes sem fio podem usar. As bandas de 900 MHz, 2,4 GHz e 5,8 GHz.

20 20 Banda de 900 MHz - É definida na faixa de freqüências de 902 a 928 MHz com largura de 26MHz. Embora esta banda tenha sido usada por wireless, ela tem sido preterida pelas bandas de freqüência mais alta que possuem maior largura de banda. Alguns dos dispositivos que usam essa banda são telefones sem fio e câmeras wireless. Organizações que ainda usam essa banda sofrem com o alto custo de reposição para equipamentos defeituosos. Banda de 2,4 GHz Esta banda é usada por todos os dispositivos compatíveis com , b e g e é a mais popular das 3 bandas descritas. A banda é definida na faixa de freqüências de 2,4 a 2,5 GHz com largura de 100 MHz. Destes 100 MHz entre 2,4 e 2,5 GHz, somente a faixa de 2,4 a 2,.485 GHz tem sido usada por dispositivos sem fio. Banda de 5,8 GHz Esta banda é freqüentemente chamada de banda 5GHz ISM. É definida na faixa de freqüências de 5,725 a 5,875 GHz com largura de banda de 150 MHz. Esta banda não é especificada para uso com dispositivos sem fio, o que tende a fazer alguma confusão. Esta banda sobrepõe parte de uma outra banda não licenciada, a 5GHz UNII, e esta sim, é a que é utilizada pelos dispositivos wireless Bandas UNII As bandas 5GHz UNII podem ser divididas em três bandas com largura de 100 MHz (inferior, central e superior) e são usadas por dispositivos compatíveis com a. Dentro de cada uma das três bandas há quatro canais DSSS não coincidentes, cada qual separados por 5 MHz. O FCC determinou que a banda inferior deverá ser usada somente para aplicações indoor, a banda central para uso indoor ou outdoor, e a banda superior somente para uso outdoor. Como Pontos de acesso são comumente usados indoor, as bandas de 5GHz UNII permitiriam o uso de 8 APs (Access Points) indoors em canais não coincidentes usando as bandas inferior e central. Banda Inferior A banda inferior vai de 5,15 a 5,25GHz, e de acordo com o FCC, pode ter uma potência de saída máxima de 50mW. Na implementação de

21 21 dispositivos a, o IEEE especificou a potência de saída máxima para rádios a em 40mW (80%), reservando a banda inferior para uso indoor somente. Banda Central A banda central vai de 5,25 a 5,35GHz, de acordo com o FCC, pode ter uma potência de saída máxima de 250mW. O IEEE especificou 200mW para potência de saída. Este limite de potência permite seu uso tanto para aplicações indoor ou outdoor. Normalmente é usado para enlaces outdoor de curta distância envolvendo dois prédios. Para casos de instalações domésticas, tal configuração poderia envolver um link de RF entre uma casa e a garagem ou a casa do vizinho. Devido à alta potência de saída e sua flexibilidade quanto ao uso, produtos que operam nessa banda poderão ter grande aceitação no futuro. Banda Superior A banda superior vai de 5,725 a 5,875GHz e às vezes é confundida com a banda ISM de 5,8GHz, o FCC limita a potência de saída em 1W. O IEEE especificou 800mW para a potência de saída. Seu uso está restrito para aplicações outdoor, exceto em casos de link RF de grande distância Banda utilizada A faixa de 2.4 GHz é razoavelmente universal, com algumas diferenças entre países quanto a itens específicos por exemplo, potência, mas que, em geral, é liberada da mesma forma pelo FCC nos EUA como pela Anatel no Brasil. Essa faixa se estende de 2.4 GHz até GHz, ou seja, tem 83 MHz de largura. Devido à liberação da faixa, muitos diferentes tipos de comunicação a utilizam. Por exemplo, é nessa mesma faixa que funciona o WiFi que permite aos computadores operarem sem fio. Conforme for a faixa, pode ser bastante congestionada. Uma das formas de utilização das faixas de 83 MHz é sua a divisão em 16 diferentes canais, cada um com uma largura de 4 MHz. Os dispositivos podem se comunicar livremente em qualquer desses canais. De fato, entre o transmissor e o receptor se estabelece uma seqüência de alternação de freqüência (canais), de forma a tornar a rede mais resistente a interferências e bloqueios (que costumam se concentrar em

22 22 freqüências específicas e não ao longo do espectro inteiro), e também mais seguro, pois somente o transmissor e receptor sabem qual a seqüência de alternância que será usada (dessa forma, fica difícil para um intruso interromper, captar ou falsear as comunicações). Essa técnica chama-se frequency hopping. Conforme mencionado anteriormente, os 83 MHz costumam ser divididos em 16 canais de 4 MHz cada. Esta é uma forma convencional de usar o air space e é empregada por estratégias do tipo Wireless Hart. Trata-se de uma utilização bastante difundida e pela qual há larga oferta de circuitos integrados e rádios. Como os canais têm 4 MHz de largura, os rádios que praticam o frequency hopping dessa forma são chamados de fat hoppers, pois a largura dos canais é bastante gorda. De fato, não se trata da forma mais eficiente de utilizar o airspace disponível. Existem rádios hoje que conseguem dividir os mesmos 83 MHz em 80 canais de 1 MHz cada. Esses 80 canais costumam ser subdivididos em 4 bandas de 20 canais cada. Os esquemas desse tipo são chamados de narrow hoppers devido à magreza dos canais. Se mantiver todos os parâmetros iguais, um sistema que utiliza um esquema de narrow hoppers tem mais de quatro vezes a capacidade de um de fat hoppers. No entanto, é usual tentar limitar a operação num conjunto de 20 canais. O desempenho, neste caso, é cerca de 20 a 30% maior do que o esquema dos fat hoppers, e se tem ainda cerca de 75% da banda dos 83 MHz livre para outras aplicações. A SP100 da ISA busca comportar o uso de 16 canais de 4 MHz concomitantemente com narrow hoppers de 1 MHz tudo no mesmo air space. 6. DESAFIOS DAS REDES SEM FIO Redes sem fio não substituem redes fixas. A principal vantagem da mobilidade é que o usuário da rede pode estar se movendo. Servidores e outros equipamentos de um CPD devem ter acesso aos dados, mas a localização física do servidor é irrelevante. Portanto, uma vez que os servidores não se movem, eles podem ser conectados a cabos que também não se movem.

Alan Menk Santos alanmenk@hotmail.com www.sistemasul.com.br/menk. Camada Física: Redes Sem Fio. Equipamentos de Rede. O que já conhecemos.

Alan Menk Santos alanmenk@hotmail.com www.sistemasul.com.br/menk. Camada Física: Redes Sem Fio. Equipamentos de Rede. O que já conhecemos. Alan Menk Santos alanmenk@hotmail.com www.sistemasul.com.br/menk Camada Física: Redes Sem Fio Equipamentos de Rede O que já conhecemos. Cabos; Atenas; Tipos de transmissão; 1 O que vamos conhecer. Equipamentos

Leia mais

Capítulo 7 - Redes Wireless WiFi

Capítulo 7 - Redes Wireless WiFi Capítulo 7 - Redes Wireless WiFi Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática 1 de 55 Roteiro Definição Benefícios Tipos de Redes Sem Fio Métodos de Acesso Alcance Performance Elementos da Solução

Leia mais

Comunicação Sem Fio REDES WIRELES. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio 06/05/2014

Comunicação Sem Fio REDES WIRELES. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio 06/05/2014 REDES WIRELES Prof. Marcel Santos Silva Comunicação Sem Fio Usada desde o início do século passado Telégrafo Avanço da tecnologia sem fio Rádio e televisão Mais recentemente aparece em Telefones celulares

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Redes Sem Fio Fabricio Breve Tipos de transmissão sem fio Rádio Infravermelho Laser Aplicações Em ambientes internos: Ideal para situações onde não é possível utilizar cabeamento

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Introdução Redes de Computadores Marco Antonio Montebello Júnior marco.antonio@aes.edu.br Rede É um conjunto de computadores chamados de estações de trabalho que compartilham recursos de hardware (HD,

Leia mais

ATIVIDADE 1. Definição de redes de computadores

ATIVIDADE 1. Definição de redes de computadores ATIVIDADE 1 Definição de redes de computadores As redes de computadores são criadas para permitir a troca de dados entre diversos dispositivos estações de trabalho, impressoras, redes externas etc. dentro

Leia mais

Composição. Estrutura Fisica Redes Sistemas Operacionais Topologias de redes

Composição. Estrutura Fisica Redes Sistemas Operacionais Topologias de redes Composição Estrutura Fisica Redes Sistemas Operacionais Topologias de redes Aterramento Fio de boa qualidade A fiação deve ser com aterramento neutro (fio Terra) trabalhando em tomadas tripolares Fio negativo,

Leia mais

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal:

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal: Redes - Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Comunicação sempre foi, desde o início dos tempos, uma necessidade humana buscando aproximar comunidades distantes.

Leia mais

O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento. Padrões. Padrões. Meios físicos de transmissão

O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento. Padrões. Padrões. Meios físicos de transmissão O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento Romeu Reginato Julho de 2007 Rede. Estrutura de comunicação digital que permite a troca de informações entre diferentes componentes/equipamentos

Leia mais

André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Redes

André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Redes André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Redes Noções de Redes: Estrutura básica; Tipos de transmissão; Meios de transmissão; Topologia de redes;

Leia mais

Visão geral das redes sem fio

Visão geral das redes sem fio Visão geral das redes sem fio 1 - Introdução O termo redes de dados sem fio pode ser utilizado para referenciar desde dispositivos de curto alcance como o Bluetooth à sistemas de altas taxas de transmissão

Leia mais

AULA 9: REDES SEM FIO

AULA 9: REDES SEM FIO AULA 9: REDES SEM FIO Objetivo: Detalhar conceitos sobre a aplicação, configuração, métodos utilizados para autenticação de usuários e segurança de acesso a redes sem fio. Ferramentas: - Emuladores de

Leia mais

Wireless Red e e d s e s s e s m e m fi f o

Wireless Red e e d s e s s e s m e m fi f o Wireless Redes sem fio A tecnologia Wireless (sem fio) permite a conexão entre diferentes pontos sem a necessidade do uso de cabos (nem de telefonia, nem de TV a cabo, nem de fibra óptica), através da

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES Tecnologias de Rede Arquitetura Padrão 802.11 Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 Arquitetura Wireless Wi-Fi

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Tanenbaum Redes de Computadores Cap. 1 e 2 5ª. Edição Pearson Padronização de sistemas abertos à comunicação Modelo de Referência para Interconexão de Sistemas Abertos RM OSI Uma

Leia mais

Formadora: Daniela Azevedo Módulo 11 IGRI13 Rui Bárcia - 15

Formadora: Daniela Azevedo Módulo 11 IGRI13 Rui Bárcia - 15 Formadora: Daniela Azevedo Módulo 11 IGRI13 Rui Bárcia - 15 Introdução, com algumas características Uma rede sem fios ou uma rede Wireless é uma infraestrutura das comunicações sem fio que permite a transmissão

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M MORAES, C. C. Engenharia de Automação Industrial, Cap. 6 Tanenbaum, Redes de Computadores, Cap. 1.2 AGUIRRE, L. A. Enciclopédia da Automática, Volume II, Cap. 15.3 Escravo é um

Leia mais

SOLUÇÃO DE TELEMETRIA PARA SANEAMENTO

SOLUÇÃO DE TELEMETRIA PARA SANEAMENTO SOLUÇÃO DE TELEMETRIA PARA SANEAMENTO Marcelo Pessoa Engenheiro de soluções para saneamento Introdução As indústrias buscam eficiência, aumento da qualidade e a redução de custos. Para alcançar isto investem

Leia mais

Apesar das vantagens, essa tecnologia apresenta a mesma desvantagem de outras tecnologias para a transmissão de dados: os cabos.

Apesar das vantagens, essa tecnologia apresenta a mesma desvantagem de outras tecnologias para a transmissão de dados: os cabos. Página 1 de 9 PROJETOS / Telecom 25/08/2008 10:44:40 Sistemas Wireless em chão de fábricas. Existem diversas opções de padrões de conexão entre equipamentos industriais e computadores. Dentre essas opções,

Leia mais

Tecnologias Wireless WWAN Wireless Wide Area Network WLAN Wireless Local Area Network WPAN Wireless Personal Area Network

Tecnologias Wireless WWAN Wireless Wide Area Network WLAN Wireless Local Area Network WPAN Wireless Personal Area Network Fundamentos de Tecnologias Wireless Parte 1 Assunto Tecnologias Wireless Introdução à Wireless LAN Algumas questões e desafios Tecnologias Wireless WWAN Wireless Wide Area Network WLAN Wireless Local Area

Leia mais

Processamento de Dados

Processamento de Dados Processamento de Dados Redes de Computadores Uma rede de computadores consiste de 2 ou mais computadores e outros dispositivos conectados entre si de modo a poderem compartilhar seus serviços, que podem

Leia mais

Tecnologia da Informação Apostila 02

Tecnologia da Informação Apostila 02 Parte 6 - Telecomunicações e Redes 1. Visão Geral dos Sistemas de Comunicações Comunicação => é a transmissão de um sinal, por um caminho, de um remetente para um destinatário. A mensagem (dados e informação)

Leia mais

Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações.

Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações. Rádio Spread Spectrum Este tutorial apresenta os aspectos técnicos dos Rádios Spread Spectrum (Técnica de Espalhamento Espectral) aplicados aos Sistemas de Transmissão de Dados. Félix Tadeu Xavier de Oliveira

Leia mais

prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores

prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores Apresentação do professor, da disciplina, dos métodos de avaliação, das datas de trabalhos e provas; introdução a redes de computadores; protocolo TCP /

Leia mais

Prof. Edson Maia Graduado em Web Design e Programação Bacharel e Licenciado em Geografia Especialista em Gestão Ambiental Complementação para

Prof. Edson Maia Graduado em Web Design e Programação Bacharel e Licenciado em Geografia Especialista em Gestão Ambiental Complementação para Prof. Edson Maia Graduado em Web Design e Programação Bacharel e Licenciado em Geografia Especialista em Gestão Ambiental Complementação para Magistério Superior Especialista em Docência para Educação

Leia mais

Prof. Roberto Franciscatto 4º Semestre - TSI - CAFW. Free Powerpoint Templates Page 1

Prof. Roberto Franciscatto 4º Semestre - TSI - CAFW. Free Powerpoint Templates Page 1 Segurança na Web Capítulo 8: Segurança de Redes Sem Fio Prof. Roberto Franciscatto 4º Semestre - TSI - CAFW Page 1 Introdução Uma Wireless LAN (WLAN) é uma rede local sem fio padronizada pelo IEEE 802.11.

Leia mais

Wireless LAN (IEEE 802.11x)

Wireless LAN (IEEE 802.11x) Wireless LAN (IEEE 802.11x) WLAN: Wireless LAN Padrão proposto pela IEEE: IEEE 802.11x Define duas formas de organizar redes WLAN: Ad-hoc: Sem estrutura pré-definida. Cada computador é capaz de se comunicar

Leia mais

Redes Sem Fio (Wireless): Fundamentos e Padrões

Redes Sem Fio (Wireless): Fundamentos e Padrões Redes Sem Fio (Wireless): Fundamentos e Padrões As redes locais sem fio (WLANs) constituem-se como uma alternativa às redes convencionais com fio, fornecendo as mesmas funcionalidades, mas de forma flexível,

Leia mais

Evolução na Comunicação de

Evolução na Comunicação de Evolução na Comunicação de Dados Invenção do telégrafo em 1838 Código Morse. 1º Telégrafo Código Morse Evolução na Comunicação de Dados A evolução da comunicação através de sinais elétricos deu origem

Leia mais

Meios de Transmissão. Conceito. Importância. É a conexão física entre as estações da rede. Influência diretamente no custo das interfaces com a rede.

Meios de Transmissão. Conceito. Importância. É a conexão física entre as estações da rede. Influência diretamente no custo das interfaces com a rede. Meios de Transmissão Conceito Importância É a conexão física entre as estações da rede. Influência diretamente no custo das interfaces com a rede. Meios de Transmissão Qualquer meio físico capaz de transportar

Leia mais

Wireless. Leandro Ramos www.professorramos.com

Wireless. Leandro Ramos www.professorramos.com Wireless Leandro Ramos www.professorramos.com Redes Wireless Interferências Access-Point / ROUTER Wireless Ponto de Acesso Numa rede wireless, o hub é substituído pelo ponto de acesso (access-point em

Leia mais

Protocolo wireless Ethernet

Protocolo wireless Ethernet Protocolo wireless Ethernet Conceituar as variações de redes sem fio (wireless) descrevendo os padrões IEEE 802.11 a, b, g e n. Em meados de 1986, o FCC, organismo norte-americano de regulamentação, autorizou

Leia mais

Placa de Rede. Rede de Computadores. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. Placa de Rede

Placa de Rede. Rede de Computadores. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. Placa de Rede Rede de Computadores Prof. André Cardia Email: andre@andrecardia.pro.br MSN: andre.cardia@gmail.com Placa de Rede Uma placa de rede (NIC), ou adaptador de rede, oferece capacidades de comunicações nos

Leia mais

Uma LAN proporciona: Topologias. Tipos de rede:

Uma LAN proporciona: Topologias. Tipos de rede: Tipos de rede: Estritamente falando, uma rede local ou LAN (Local Area Network) é um grupo de computadores que estão conectados entre si dentro de uma certa área. As LANs variam grandemente em tamanho.

Leia mais

8/3/2009. TE155-Redes de Acesso sem Fios. TE155-Redes de Acesso sem Fios

8/3/2009. TE155-Redes de Acesso sem Fios. TE155-Redes de Acesso sem Fios Panorama atual das Redes de Acesso sem Fios para Computadores Ewaldo Luiz de Mattos Mehl Universidade Federal do Paraná Departamento de Engenharia Elétrica mehl@eletrica.ufpr.br Computação do Passado Computadores

Leia mais

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis 2.1. Histórico e Evolução dos Sistemas Sem Fio A comunicação rádio móvel teve início no final do século XIX [2], quando o cientista alemão H. G. Hertz demonstrou que as

Leia mais

Mude para digital. Sistema de rádio bidirecional digital profissional MOTOTRBO

Mude para digital. Sistema de rádio bidirecional digital profissional MOTOTRBO Sistema de rádio bidirecional digital profissional A solução de comunicação em rádios bidirecionais de próxima geração está aqui, com melhor desempenho, produtividade e preço e mais oportunidades para

Leia mais

switches LAN (rede de comunicação local)

switches LAN (rede de comunicação local) O funcionamento básico de uma rede depende de: nós (computadores) um meio de conexão (com ou sem fios) equipamento de rede especializado, como roteadores ou hubs. Todas estas peças trabalham conjuntamente

Leia mais

Guia das Cidades Digitais

Guia das Cidades Digitais Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais Módulo 4: Tecnologia Wi-Fi INATEL Competence Center treinamento@inatel.br Tel: (35) 3471-9330 Este módulo trata da tecnologia de acesso sem fio mais amplamente

Leia mais

Universidade de Brasília

Universidade de Brasília Universidade de Brasília Introdução a Microinformática Turma H Redes e Internet Giordane Lima Porque ligar computadores em Rede? Compartilhamento de arquivos; Compartilhamento de periféricos; Mensagens

Leia mais

Tecnologia da Informação e Comunicação. Euber Chaia Cotta e Silva

Tecnologia da Informação e Comunicação. Euber Chaia Cotta e Silva Tecnologia da Informação e Comunicação Euber Chaia Cotta e Silva Redes e a Internet Conceitos Básicos 01 Para que você possa entender o que é e como funciona a Internet é necessário primeiro compreender...

Leia mais

Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet

Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet Marcos R. Dillenburg Gerente de P&D da Novus Produtos Eletrônicos Ltda. (dillen@novus.com.br) As aplicações de

Leia mais

UFSM-CTISM. Comunicação de Dados Meios de Transmissão Aula-03

UFSM-CTISM. Comunicação de Dados Meios de Transmissão Aula-03 UFSM-CTISM Comunicação de Dados Meios de Transmissão Aula-03 Professor: Andrei Piccinini Legg Santa Maria, 2012 Par trançado Cabo coaxial Fibra óptica Meios Não-guiados Transmissão por rádio Microondas

Leia mais

Segurança da Informação

Segurança da Informação INF-108 Segurança da Informação Segurança em Redes Sem Fio Prof. João Henrique Kleinschmidt Redes sem fio modo de infraestrutura estação-base conecta hospedeiros móveis à rede com fio infraestrutura de

Leia mais

Introdução Redes de Computadores. Filipe Raulino

Introdução Redes de Computadores. Filipe Raulino <filipe.raulino@ifrn.edu.br> Introdução Redes de Computadores Filipe Raulino Introducão A comunicação sempre foi uma necessidade básica da humanidade. Como se comunicar a distância? 2 Evolução da Comunicação

Leia mais

Prof. Wilton O. Ferreira Universidade Federal Rural de Pernambuco UFRPE 1º Semestre / 2012

Prof. Wilton O. Ferreira Universidade Federal Rural de Pernambuco UFRPE 1º Semestre / 2012 Prof. Wilton O. Ferreira Universidade Federal Rural de Pernambuco UFRPE 1º Semestre / 2012 As redes de computadores possibilitam que indivíduos possam trabalhar em equipes, compartilhando informações,

Leia mais

802.11 PROTOCOLO DE SEGURANÇA

802.11 PROTOCOLO DE SEGURANÇA UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ 802.11 PROTOCOLO DE SEGURANÇA Nome: Micaella Coelho Valente de Paula Matrícula: 201207115071 2 o Período Contents 1 Introdução 2 2 802.11 3 3 Seu Funcionamento 3 4 História 4

Leia mais

Sistemas de redes sem fio são classificadas nas categorias de móveis ou fixas:

Sistemas de redes sem fio são classificadas nas categorias de móveis ou fixas: Redes Sem Fio Sistemas de redes sem fio são classificadas nas categorias de móveis ou fixas: Redes sem fio fixa são extremamente bem adequado para implantar rapidamente uma conexão de banda larga, para

Leia mais

Orientações para implantação e uso de redes sem fio

Orientações para implantação e uso de redes sem fio Orientações para implantação e uso de redes sem fio Define requisitos e orientações técnicas para implantação e uso de redes sem fio na Universidade Estadual de Campinas. I. Introdução Este documento apresenta

Leia mais

Air-Fi - sistema sem fio Sinta-se confortável com a confiança e o desempenho líderes do setor.

Air-Fi - sistema sem fio Sinta-se confortável com a confiança e o desempenho líderes do setor. Air-Fi - sistema sem fio Sinta-se confortável com a confiança e o desempenho líderes do setor. Corte os fios e sinta-se confortável com a solução sem fio Air-Fi da Trane. A comunicação sem fio Air-Fi da

Leia mais

Soluções de Segurança em ambientes heterogêneos

Soluções de Segurança em ambientes heterogêneos 2013 Soluções de Segurança em ambientes heterogêneos Protocolos de Segurança de Redes WI-FI Este documento destina-se a ser uma resenha crítica tendo como base o texto Entenda WEP e WPA, protocolos de

Leia mais

Redes Sem Fio. 1. Introdução. 2. Conceitos e Terminologias. 2.1. Rede Sem Fio. 2.2. Zona de Cobertura. Tecnologias Atuais de Redes Redes Sem Fio

Redes Sem Fio. 1. Introdução. 2. Conceitos e Terminologias. 2.1. Rede Sem Fio. 2.2. Zona de Cobertura. Tecnologias Atuais de Redes Redes Sem Fio 1. Introdução Geralmente, a forma mais rápida de se implementar uma rede de computadores é por meio da utilização de cabos, sejam eles de par trançado ou de fibra óptica. Para pequenas redes, com poucos

Leia mais

Tecnologias Atuais de Redes

Tecnologias Atuais de Redes Tecnologias Atuais de Redes Aula 2 Redes Sem Fio Tecnologias Atuais de Redes - Redes Sem Fio 1 Conteúdo Conceitos e Terminologias Alcance Interferência Padrões Segurança Tecnologias Atuais de Redes - Redes

Leia mais

Placa de Rede. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. MAN (Metropolitan Area Network) Rede Metropolitana

Placa de Rede. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. MAN (Metropolitan Area Network) Rede Metropolitana Rede de Computadores Parte 01 Prof. André Cardia Email: andre@andrecardia.pro.br MSN: andre.cardia@gmail.com Placa de Rede Uma placa de rede (NIC), ou adaptador de rede, oferece capacidades de comunicações

Leia mais

15/02/2015. Conteúdo deste módulo. Curso de Preparatório para Concursos Públicos. Tecnologia da Informação REDES. Conceitos Iniciais

15/02/2015. Conteúdo deste módulo. Curso de Preparatório para Concursos Públicos. Tecnologia da Informação REDES. Conceitos Iniciais Curso de Preparatório para Concursos Públicos Tecnologia da Informação REDES Conceitos Iniciais; Classificações das Redes; Topologias de Redes; Meios de Transmissão; Arquitetura de Redes; Conteúdo deste

Leia mais

TI Aplicada. Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br

TI Aplicada. Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br TI Aplicada Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br Conceitos Básicos Equipamentos, Modelos OSI e TCP/IP O que são redes? Conjunto de

Leia mais

UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO)

UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO) Par Trançado UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO) O cabo UTP é composto por pares de fios, sendo que cada par é isolado um do outro e todos são trançados juntos dentro de uma cobertura externa, que não possui

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Padrão IEEE 802.11 Inst tituto de Info ormátic ca - UF FRGS Redes de Computadores IEEE 802.11 Aula 12 Modelo para arquiteturas wireless (1997) Especifica a camada de nível físico (PHY) e seu controle de

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES Tecnologias de Rede Topologias Tipos de Arquitetura Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 REDES LOCAIS LAN -

Leia mais

Advanced Wireless Networks Overview & Configuration. Workshop by Nicola Sanchez

Advanced Wireless Networks Overview & Configuration. Workshop by Nicola Sanchez Advanced Wireless Networks Overview & Configuration Workshop by Nicola Sanchez Microwave Wireless Telecom - Brasil Distribuidor Mikrotik no Brasil Fornecedor de Soluções em Redes Wireless Consultoria e

Leia mais

Interconexão de redes locais. Repetidores. Pontes (Bridges) Hubs. Pontes (Bridges) Pontes (Bridges) Existência de diferentes padrões de rede

Interconexão de redes locais. Repetidores. Pontes (Bridges) Hubs. Pontes (Bridges) Pontes (Bridges) Existência de diferentes padrões de rede Interconexão de redes locais Existência de diferentes padrões de rede necessidade de conectá-los Interconexão pode ocorrer em diferentes âmbitos LAN-LAN LAN: gerente de um determinado setor de uma empresa

Leia mais

Na implantação de um projeto de rede sem fio existem dois personagens:

Na implantação de um projeto de rede sem fio existem dois personagens: Redes Sem Fio Instalação Na implantação de um projeto de rede sem fio existem dois personagens: O Projetista é o responsável: Cálculo dos link e perdas Site survey (levantamento em campo das informações)

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA

Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA Disciplina: Redes de Computadores Prof.: Rafael Freitas Reale Aluno: Data / / Prova Final de Redes Teoria Base 1) Qual o tipo de ligação e a topologia respectivamente

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M AGUIRRE, L. A. Enciclopédia da Automática, Volume II, Cap. 16 MORAES, C. C. Engenharia de Automação Industrial, Cap. 6 Microeletrônica equipamentos microprocessados necessidade

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES MEMÓRIAS DE AULA AULA 1 APRESENTAÇÃO DO CURSO, HISTÓRIA, EQUIPAMENTOS E TIPOS DE REDES Prof. José Wagner Bungart CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Definição de Redes de Computadores e Conceitos

Leia mais

Wireless Network: Comunicação sem fio

Wireless Network: Comunicação sem fio Wireless Network: Comunicação sem fio Objetivos: Identificar os tipos de redes sem fio e a utilização de cada uma delas. Descrever as técnicas de transmissão utilizadas. Descrever as características da

Leia mais

Roteador Sem Fio. Prof. Marciano dos Santos Dionizio

Roteador Sem Fio. Prof. Marciano dos Santos Dionizio Roteador Sem Fio Prof. Marciano dos Santos Dionizio Roteador Sem Fio Um roteador wireless é um dispositivo de redes que executa a função de um roteador mas também inclui as funções de um access point.

Leia mais

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III 1 REDE DE COMPUTADORES III 1. Introdução MODELO OSI ISO (International Organization for Standardization) foi uma das primeiras organizações a definir formalmente

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

19/07/2013. Camadas. Camadas de Enlace e Física. Camadas de Enlace e Física. Topologias de Rede NOÇÕES DE REDE: CAMADAS DE ENLACE E FÍSICA

19/07/2013. Camadas. Camadas de Enlace e Física. Camadas de Enlace e Física. Topologias de Rede NOÇÕES DE REDE: CAMADAS DE ENLACE E FÍSICA 2 Camadas NOÇÕES DE REDE: CAMADAS DE ENLACE E FÍSICA Introdução à Microinformática Prof. João Paulo Lima Universidade Federal Rural de Pernambuco Departamento de Estatística e Informática Aplicação Transporte

Leia mais

ANÁLISE DE REDES HIERÁRQUICAS PARA ATENDIMENTO DE LOCAIS REMOTOS

ANÁLISE DE REDES HIERÁRQUICAS PARA ATENDIMENTO DE LOCAIS REMOTOS ANÁLISE DE REDES HIERÁRQUICAS PARA ATENDIMENTO DE LOCAIS REMOTOS Fabiana da Silva Podeleski Faculdade de Engenharia Elétrica CEATEC podeleski@yahoo.com.br Prof. Dr. Omar Carvalho Branquinho Grupo de Pesquisa

Leia mais

Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1.

Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1. Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1. (CODATA 2013) Em relação à classificação da forma de utilização

Leia mais

09/06/2011. Profª: Luciana Balieiro Cosme

09/06/2011. Profª: Luciana Balieiro Cosme Profª: Luciana Balieiro Cosme Revisão dos conceitos gerais Classificação de redes de computadores Visão geral sobre topologias Topologias Barramento Anel Estrela Hibridas Árvore Introdução aos protocolos

Leia mais

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani Redes de Dados e Comunicações Prof.: Fernando Ascani Redes Wireless / Wi-Fi / IEEE 802.11 Em uma rede wireless, os adaptadores de rede em cada computador convertem os dados digitais para sinais de rádio,

Leia mais

Velocidade, Performance e Estabilidade do cabo de rede com a Flexibilidade do Wireless!

Velocidade, Performance e Estabilidade do cabo de rede com a Flexibilidade do Wireless! Velocidade, Performance e Estabilidade do cabo de rede com a Flexibilidade do Wireless! AirWIRE é um dispositivo versátil para interconexão de equipamentos através de uma rede wireless de alta velocidade

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

LNet Mobility WIRELESS SOLUTIONS

LNet Mobility WIRELESS SOLUTIONS LNet Mobility WIRELESS SOLUTIONS INTRODUÇÃO: Entende-se por Mobilidade a possibilidade de poder se comunicar em qualquer momento e de qualquer lugar. Ela é possível graças às redes wireless, que podem

Leia mais

TOPOLOGIAS E CONCEITOS BÁSICOS SOBRE O PADRÃO IEEE 802.16 (WIMAX) MATHEUS CAVECCI

TOPOLOGIAS E CONCEITOS BÁSICOS SOBRE O PADRÃO IEEE 802.16 (WIMAX) MATHEUS CAVECCI TOPOLOGIAS E CONCEITOS BÁSICOS SOBRE O PADRÃO IEEE 802.16 (WIMAX) MATHEUS CAVECCI Dezembro 2011 INTRODUÇÃO A transmissão de dados via ondas de radio não é novidade, segundo Haykin e Moher, as primeiras

Leia mais

Redes de Computadores I

Redes de Computadores I Redes de Computadores I REDES SEM FIO CARACTERÍSTICAS DE ENLACE LAN S SEM FIO 802.11 Slide 1 Elementos de uma Rede Sem Fio Hospedeiros sem fio Equipamentos de sistemas finais que executam aplicações Enlaces

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

Capítulo 11: Redes de Computadores. Prof.: Roberto Franciscatto

Capítulo 11: Redes de Computadores. Prof.: Roberto Franciscatto Capítulo 11: Redes de Computadores Prof.: Roberto Franciscatto REDES - Introdução Conjunto de módulos de processamento interconectados através de um sistema de comunicação, cujo objetivo é compartilhar

Leia mais

Davidson Rodrigo Boccardo flitzdavidson@gmail.com

Davidson Rodrigo Boccardo flitzdavidson@gmail.com Fundamentos em Sistemas de Computação Davidson Rodrigo Boccardo flitzdavidson@gmail.com Camada Física Primeira cada do modelo OSI (Camada 1) Função? Processar fluxo de dados da camada 2 (frames) em sinais

Leia mais

WirelessHART Manager

WirelessHART Manager Descrição do Produto O uso de tecnologias de comunicação de dados sem fio em sistemas de automação industrial é uma tendência em crescente expansão. As vantagens do uso de tecnologia sem fio são inúmeras

Leia mais

Como Montar uma Rede Wireless Passo-a-Passo

Como Montar uma Rede Wireless Passo-a-Passo Outras apostilas em: www.projetoderedes.com.br Como Montar uma Rede Wireless Passo-a-Passo Redes Wireless estão em franco crescimento. Novas redes são implementadas, com soluções mais rápidas, abrangentes

Leia mais

Wireless Solutions BROCHURE

Wireless Solutions BROCHURE Wireless Solutions BROCHURE JUNHO 203 info@novus.com.br www.novus.com.br REV0803 Produto beneficiado pela Legislação de Informática. Transmissor de Temperatura e Umidade RHT-Air ISO 900 EMPRESA CERTIFICADA

Leia mais

A solução objetiva conjugar a operação dos mecanismos internos do Padrão IEEE 802.11b com uma autenticação externa, utilizando o Padrão IEEE 802.1x.

A solução objetiva conjugar a operação dos mecanismos internos do Padrão IEEE 802.11b com uma autenticação externa, utilizando o Padrão IEEE 802.1x. 1 Introdução A comunicação de dados por redes sem fio (Wireless Local Area Network - WLAN - Padrão IEEE 802.11b) experimenta uma rápida expansão tecnológica, proporcionando novas soluções para serem implementadas

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Disciplina: Redes I Fundamentos - 1º Período Professor: José Maurício S. Pinheiro Material de Apoio IV TOPOLOGIAS

Leia mais

A utilização das redes na disseminação das informações

A utilização das redes na disseminação das informações Internet, Internet2, Intranet e Extranet 17/03/15 PSI - Profº Wilker Bueno 1 Internet: A destruição as guerras trazem avanços tecnológicos em velocidade astronômica, foi assim também com nossa internet

Leia mais

Transmissor acústico wireless Rosemount 708

Transmissor acústico wireless Rosemount 708 Folha de dados do produto Rosemount 708 Transmissor acústico wireless Rosemount 708 O monitoramento acústico dos coletores de vapor e das válvulas de alívio de pressão melhoram a eficiência energética

Leia mais

Comunicação sem fio - antenas

Comunicação sem fio - antenas Comunicação sem fio - antenas Antena é um condutor elétrico ou um sistema de condutores Necessário para a transmissão e a recepção de sinais através do ar Na transmissão Antena converte energia elétrica

Leia mais

CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas

CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS SÃO JOSÉ SANTA CATARINA CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas

Leia mais

SSC0748 - Redes Móveis

SSC0748 - Redes Móveis - Redes Móveis Introdução Redes sem fio e redes móveis Prof. Jó Ueyama Agosto/2012 1 Capítulo 6 - Resumo 6.1 Introdução Redes Sem fo 6.2 Enlaces sem fo, características 6.3 IEEE 802.11 LANs sem fo ( wi-f

Leia mais

Técnico em Redes de Computadores. Equipamentos e Acessórios

Técnico em Redes de Computadores. Equipamentos e Acessórios Técnico em Redes de Computadores Equipamentos e Acessórios Componentes de uma Rede Uma rede é um sistema composto de um arranjo de componentes: Cabeamento Hardware Software Cabeamento Componentes de uma

Leia mais

Estudo de caso da Solução Unified Wireless Cisco. Jonas Odorizzi. Curso de Redes e Segurança de Sistemas. Pontifícia Universidade Católica do Paraná

Estudo de caso da Solução Unified Wireless Cisco. Jonas Odorizzi. Curso de Redes e Segurança de Sistemas. Pontifícia Universidade Católica do Paraná Estudo de caso da Solução Unified Wireless Cisco Jonas Odorizzi Curso de Redes e Segurança de Sistemas Pontifícia Universidade Católica do Paraná Curitiba, Abril de 2010 RESUMO Este artigo tem o objetivo

Leia mais

PROJETO BÁSICO. Serviço de Comunicação Multimídia

PROJETO BÁSICO. Serviço de Comunicação Multimídia PROJETO BÁSICO Serviço de Comunicação Multimídia xxxxxxxxxx, xx de xxxxx de 2009 PROJETO BÁSICO (De acordo com a Res. n 272 da Anatel - SCM, de 9 de agosto de 2001, Anexo II) O B J E T O SOLICITAÇÃO DE

Leia mais

Aula III Redes Industriais

Aula III Redes Industriais Aula III Redes Industriais Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Disciplina: Instrumentação e Automação Industrial I(ENGF99) Professor: Eduardo Simas(eduardo.simas@ufba.br) 1 Introdução Muitas

Leia mais

Esta dúvida foi esclarecida através da simulação em laboratório dos diversos mecanismos de segurança propiciados pelos Padrões IEEE 802.

Esta dúvida foi esclarecida através da simulação em laboratório dos diversos mecanismos de segurança propiciados pelos Padrões IEEE 802. 6 Conclusão As inúmeras vantagens proporcionadas pela WLAN contribuem para a expansão das redes sem fio IEEE 802.11 nos ambientes empresariais, governamentais e residenciais. Porém, estas redes possuem

Leia mais

Telemetria para Medição de Consumo Especificações Técnicas

Telemetria para Medição de Consumo Especificações Técnicas Página: 2 / 5 Telemetria para Medição de Consumo Introdução Este documento apresenta as características técnicas da solução de telemetria do consumo de água, gás e energia (e outros medidores com saída

Leia mais

Universidade Federal do Acre. Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas

Universidade Federal do Acre. Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Universidade Federal do Acre Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Universidade Federal do Acre Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Pós-graduação Lato Sensu em Desenvolvimento de Software e Infraestrutura

Leia mais