Sistema Wireless em Automação Industrial

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sistema Wireless em Automação Industrial"

Transcrição

1 Sistema Wireless em Industrial Paulo Roberto Pedroso de Oliveira ASCC (11) (11)

2 Sistema Wireless em Industrial Tecnologias Wireless ABRANGÊNCIA DEFINIÇÃO PADRÕES USOS COBERTURA W PAN Wireless Personal Area Network Bluetooth (IEEE ) ZigBee (IEEE ) SP100 ISA a (IEEE ) HART Dispositivos Metros W LAN Wireless Local Area Network Wi-Fi (IEEE ) Acesso Ambiente W MAN Wireless Metropolitan Area Network Wi-Max (IEEE ) Acesso Cidade W WAN Wireless Wide Area Network GPRS EDGE 1xRTT 1xEV-DO Dispositivos Acesso País +

3 Sistema Wireless em Industrial Tecnologias Wireless ABRANGÊNCIA DEFINIÇÃO PADRÕES PROPRIEDADE MESH W PAN Wireless Personal Area Network Bluetooth (IEEE ) ZigBee (IEEE ) SP100 ISA a (IEEE ) HART PRÓPRIA PRIA PÚBLICA PRÓPRIA PRIA SIM W LAN Wireless Local Area Network Wi-Fi (IEEE ) PRÓPRIA PRIA NÃO W MAN Wireless Metropolitan Area Network Wi-Max (IEEE ) PÚBLICA NÃO W WAN Wireless Wide Area Network GPRS EDGE 1xRTT 1xEV-DO PÚBLICA NÃO

4 Sistema Wireless em Industrial Informações não críticas, mas que podem influenciar na performance geral. Eliminar pontos inacessíveis ou invisíveis com tecnologia fiada, em função de critérios econômicos. Monitoramento para preservação da saúde e segurança pessoal (safety). Normas IEC SIS Sistema Instrumentado de Segurança. Monitoramento para segurança ambiental. Monitoramento para gerenciamento de ativos. Monitoramento do processo industrial. Segurança da rede wireless? Security?

5 Dados críticos Wireless e fiação tradicional Dados não críticos Fiação tradicional Wireless Melhoria operacional. Redução da coleta de dados manuais. Melhoria na manutenção. Utilizar dispositivos Hart com Wireless. Gerenciamento de inventário. Armazenamento remoto e tancagem. Desnecessário deslocamento físico de pessoal. Economiza combustível e aumenta eficiência. Logística. Monitoração de máquinas rotativas ou temperatura de tubulações, remotas. Exemplo: uma leitura por hora. Instalação Nova Idade da planta industrial Instalação já em operação

6 WWAN - Telefonia Celular GSM Global System for Mobile Communication 800 à 1800 MHZ Europa, Ásia e Brasil. 850 à 1900 MHZ Américas, exceto Brasil. GPRS General Packed Radio Service, associado ao GSM. Pacotes TCP/IP - Internet no celular. LMDS Local Multpoint Distribution Service 26 GHZ à 29 GHZ

7 FDMA O FDMA é o método de acesso múltiplo mais utilizado. Esta técnica é mais antiga e permite diferenciar os usuários por uma diferenciação de frequência. fn associado. A aplicação desta tecnologia é bastante simples. Frequência Canal físico Ocupado pelo usuário 2 Livre Ocupado pelo usuário 1 Tempo C B A Frequency Division Multiple Access

8 TDMA O TDMA é um método de acesso que baseia-se na distribuição de recursos no tempo. Cada usuário emite ou transmite num intervalo de tempo cuja periodicidade é definida pela duração da varredura. Neste caso, para ouvir o usuário N, o receptor tem apenas que considerar o intervalo de tempo N associado à este usuário. Frequência 1, 2, 3,4 Slots Canal físico Ocupado pelo usuário 2 Livre Ocupado pelo usuário Tempo Time Division Multiple Access

9 F-TDMA Frequência C B Ocupado pelo usuário 2 Livre Ocupado pelo usuário 1 1, 2, 3,4 Slots A Tempo Frequency Time Division Multiple Access

10 O CDMA é baseado na distribuição por códigos. Cada usuário é diferenciado do resto por um código N, que lhe foi atribuído no início da sua comunicação e que é ortogonal ao resto de códigos. Para ouvir o usuário N, o receptor tem apenas que multiplicar o sinal recebido pelo código N associado à este usuário. Código CDMA Canal físico Ocupado pelo usuário 2 Livre Ocupado pelo usuário 1 Tempo Frequência Code Division Multiple Access

11 Enquadramento A tecnologia / WiMAX afeta os seguintes domínios tecnológicos: Redes de acesso; Redes wireless ; Redes metropolitanas; Redes móveis.

12 Norma(s) e Aprovada Dezembro 2001 Junho ºS 2005 Banda Até 134 Mbps com canais de 28 MHz Até 75 Mbps com canais de 20 MHz Até 15 Mbps com canais de 5 MHz Modulação QPSK, 16QAM, 64QAM OFDM 256 sub-portadoras, BPSK, QPSK, 16QAM, 64QAM OFDM 256 sub-portadoras, BPSK, QPSK, 16QAM, 64QAM Mobilidade Fixo Fixo, nômade Portabilidade nomádica, mobilidade Eficiência espectral < 4.8 bps/hz < 3.75 bps/hz < 3 bps/hz Larguras de banda de canal 20, 25 e 28 MHz Escalável 1.5 a 20 MHz Escalável 1.5 a 20 MHz Raio típico da célula 2-5 km (LOS) LOS-Line of sight NLOS-Non Line of Sight 1-15 km (depende de cenário) alcance max. 50 km 1-5 km (depende de cenário)

13 Banda para diferentes perfis Modulação QPSK 16QAM 64QAM Largura de Banda do Canal 20MHz 18.7Mbps 37.5Mbps 75Mbps 14MHz 13.1Mbps 26.2Mbps 52.5Mbps 10MHz 9.3Mbps 18.7Mbps 37.5Mbps 7MHz 6.5Mbps 13.1Mbps 26.2Mbps 5MHz 4.6Mbps 9.3Mbps 18.7Mbps 3.5MHz 3.3Mbps 6.5Mbps 13.1Mbps

14 Normas IEEE e ETSI HiperMAN IEEE (proposed) IEEE WirelessMAN IEEE WirelessLAN IEEE Bluetooth WAN MAN LAN PAN 3GPP, EDGE (GSM) ETSI HiperMAN & HIPERACCESS ETSI HiperLAN ETSI HiperPAN ETSI European Telecomunication Standard Institute EDGE- Enhanced Data Rates for GSM Evolution

15 Redes de acesso sem fio - Wireless 1997 Criação pelo IEEE do comitê Infravermelho Rádio 2,4 GHZ FHSS DSSS 2 Mbps 1999 IEEE b DSSS 11Mbps 2.4 GHZ 1999 IEEE a OFDM 54 Bps 5 GHZ (pressão dos Europeus USA tinha restrições ao OFDM). Versão final 2002, comercial WI FI Aliance Difundir b e g (não são compatíveis) IEEE g OFDM - 54 Mbps - 2,4 GHZ. (USA retiram a restrição a OFDM).

16 Wireless - Espectro Eletromagnético Bandas de frequências na faixa de rádio, de aplicações específicas, licenciadas : militares, empresas de rádio-difusão, telefonia, utilities. Bandas disponíveis livremente sem licenciamento ISM frequency - Industrial, (S)Científica, Médica. As relevantes para Industrial são: 900 MHZ 902 à 928 MHZ Américas 868 MHZ Europa 2,4 GHZ Wi-Fi standard spread spectrum IEEE e IEEE Ruídos? Confiabilidade da rede? 1. Frequency hop (saltos de frequências) e 2. Redes que se auto organizam.

17 Opção Wireless Conceitos de Comunicação Sem Fio Modulação SS Spread Spectrum. Ethernet sem-fio: 2.4GHz com SS. SS: robustez a ruídos e interferências. Seqüência direta (DS). Salto em freqüência (FH). OFDM Orthogonal Frequency Division Multiplexing. Robustez interferência. Aumento da taxa de transmissão. QAM Modulação e Codificação dos Dados. Aumento da taxa de transmissão.

18 7. Aplicação 6. Apresentação 5. Seção 4. Transporte 3. Rede 2.Enlace Arquitetura Lógica do LLC Link Logic Control CSMA/CA 1.Físico FHSS DSSS OFDM Infrared

19 DS Espalhamento Direto O sinal é espalhado em Freq. No b, o sinal de informação é espalhado numa faixa de 22MHz. FH Salto de Freqüência Variação de freqüência da portadora do sinal de dado. Padrão pseudo-randômico multicanal FH é superior ao DS nas aplicações industriais.

20 Modulação : OFDM Orthogonal Frequency Division Multiplexing (OFDM) Patenteada em 1970 mas usada desde 1960 Divide cada canal (20 MHz no caso do a) da banda em ondas portadoras de baixa frequência (até 52 no caso do a) Todas estas ondas portadoras são ortogonais, o que significa que cada onda portadora não interfere com nenhuma das outras Ao fazermos esta divisão da banda em pequenos subcanais, a sobreposição de canais é reduzida e por isso é possível ter várias LAN s co-existentes Permite estabelecer links de elevada qualidade e robustez Utilizado em Wi-Fi, Asymmetric Digital Subscriber Line (ADSL), European Telecommunications Standard Institute (ETSI), Digital Audio Broadcasting (DAB), Digital Video Broadcasting Terrestrial (DVB-T) e HiperLAN2

21 Modulação E(t) = A(t) cos[ωt + φ(t)] A(t): amplitude da onda ω: velocidade angular (freq.) φ(t): fase da onda

22 Múltiplos Caminhos O efeito A causa Robustez a ruídos e interferências. Aumento da taxa de transmissão.

23 Redes de acesso sem fio - Wireless Sub-Grupo e Modulação Frequên - cia Taxa Máxima Alcance típico Ano Public. da Norma a 5,0 GHZ 54 Mbps 20 m 2002 OFDM b DSSS 2,4 GHZ 11 Mbps 40 m g 2,4 GHZ 54 Mbps 40 m 2002 OFDM n OFDM MIMO 2,4 GHZ 540 Mbps 50 m Draft MIMO Multiple Input Multiple Output Multiple Antenas.

24 Camada Física Wireless OFDM FHSS DSSS GHZ TAMA - NHO Mbps Bluetooth x 2,4 PAN x 2,4 PAN x 5 WAN a x 5 LAN x x 2,4 LAN 1 e b x 2,4 LAN 5,5 e g x 2,4 LAN 54

25 Trabalhando de forma emocional? Eu quero comentar que não haverá wireless nas plantas industriais por razões de segurança operacional, não relacionada a hacking. Todo sinal wireless pode ser interferido ( jamming), então acrescentamos um risco operacional desnecessário. Para aqueles que pensam que spread spectrum é a resposta para jamming, estão totalmente enganados. Spread spectrum foi inventado para dificultar o hacking, pela rotação das frequências. Ele não irá nunca controlar uma interferência espectral. Um gerador de ruído branco de suficiente potência, no espectro dos dispositivos wireless, congestionará todas as frequências usadas, determinando total colapso. I wanted to comment that I will NOT have wireless in the plant for reason's of operational security not related to "hacking". ALL wireless signal generation can be jammed and as such provides an unnecessary operational risk. To those that state spread spectrum is the answer to jamming they are totally wrong. Spread spectrum was invented as a means to make hacking increasing difficult by rotating through a spectrum of frequencies. It was never meant to overcome a spectrum jammer. A white noise generator of sufficient power in the spectrum of the wireless devices can jam ALL the frequencies used leading to a total collapse of data from those devices. Apresentação ISA outubro de 2007, USA. Esta foi uma resposta emocional de alguém ao preencher um questionário sobre tecnologia wireless. A questão estava relacionada ao fato de se usar Sistemas Microsoft, que são claramente vulneráveis. A questão era : Existem situações na sua área onde o wireless pode ser aplicado? SP100 vai ajudar a definir o apropriado ambiente, aplicações, e alternativas para aumentar as chances de sucesso. Paranóia com terrorismo?

26 Preocupações frequentes Mitos do Wireless Baixa confiabilidade e disponibilidade. Pequena autonomia das baterias. Wireless é complicada. Dispositivos wireless são defíceis de instalar. Tem pouca escalabilidade. Não é apropriada para fazer. Wireless não é segura ( security ). Difícil de integrar com sistemas existentes. Não existem padrões industriais para redes de campo

27 Baixa Disponibilidade Um enlace de wireless pode ter confiabilidade de 40%. Sim, para Industrial, isto é fatal. Com a característica de Redes que se auto-organizam esta confiabilidade fica acima de 99%, similar às redes fiadas. IMPORTANTE Escolher bem a tecnologia empregada. Baixa autonomia das Baterias Tecnologia disponibilizou baterias mais eficientes. Dispositivos de baixo consumo. Utilização da energia solar, eólica, vibração (marés). São comuns sistemas com autonomia de vários anos.

28 Wireless é complicada. Não, é apenas uma nova tecnologia. Tensão da Fonte Vida útil da bateria Comprimento do cabo Comprimento do enlace Impedância Margem do enlace Queda de tensão Atenuação Volts ou miliamperes dbm Cabo direto Linha de visada Multdrop Redes que se auto-organizam Confiabilidade Confiabilidade

29 Não tem escalabilidade Numa rede ponto a ponto, onde todos dispositivos falam com um ponto central, há a necessidade de gateways. Sua capacidade de gerenciamento de links simultâneos e sua fragilidade configuram problemas de escalabilidade e confiabilidade. Já as Redes que se auto-organizam superam estes problemas IMPORTANTE Escolher bem a tecnologia empregada. Não é apropriada para fazer. Aplicações que exigem altas taxas de atualização milisegundos, necessitariam de hardware de alto consumo. As primeiras gerações de wireless não são apropriadas. Não é esse o nicho do wireless. Adequar à latência e taxa de transmissão. Novas tecnologias estão em desenvolvimento.

30 Wireless não é segura ( security ) Em função justamente desta afirmação, os desenvolvedores redobraram os esforços, e dotaram a tecnologia wireless de dispositivos que a fazem tão, ou em alguns aspectos mais, segura que as soluções convencionais. Planejamento prévio dos aspectos de segurança, como em qualquer sistema, deve ser observado. Criptografia, autenticação, verificação, gerenciamento de chaves e medidas contra ataques maliciosos e anti-congestionamento (antijamming). Trabalhar com fornecedores confiáveis. Mantenha-se aderente aos padrões. Companion Standard. Siga as melhores prática de segurança. Não contemporize. O fornecedor pode implementar dispositivos de segurança wireless, mas cabe a você garantir seu uso. IMPORTANTE Escolher bem a tecnologia empregada.

31 Difícil de integrar com sistemas existentes. Gateways Modbus RTU, TCP, OPC, Ethernet, XML. Não existem padrões industriais para redes de campo. Organismos de padronização ISA, IEC, IEEE, Foundation, Hart. WI-FI Aliance 250 companhias do mundo todo estabelecer o padrão

32 Padrões existentes IEEE WiFi ou Wireless Ethernet. IEEE Baixo custo e baixo consumo, suporte para Wireless Hart e ISA SP 100. Define a Camada de Enlace, para funcionar com as três topologias comuns de wireless Estrela (Star), Malha (Mesh), Agrupamento de árvores (Cluster Tree). Define a Camada Física com FHSS, banda 2,4 GHZ e taxa 250 KBps. Padrões emergentes SP 100 Wireless Hart Aplicação Enlace Modelo OSI Física

33 IEEE (Bluetooth) Conexão de telefones, Laptops, PDAs e outros equipamentos portáteis. Operação na faixa de 2.56 GHz; Uso do FHSS; Capacidade de controlar até 8 dispositivos; Omni-direcional; Alcance de 10m a 100m; Baixo custo.

34 Zig Bee Características do Protocolo Topologia Master/slave Configuração automática da rede Endereçamento Dinâmico de Escravos Link Virtual peer-to-peer Checagem de todos os pacotes de Energia Até 254 (+ master) nós CSMA/CA Estrutura de frame de 15ms Alocação de slots TDMA Taxa de 28kbps & 250kbps Capacidade Internet

35 TOPOLOGIAS DE REDE WIRELESS Estrela Ponto a ponto Baixo consumo Dispositivo Gateway Enlace Wireless Malha Mesh Agrupamento em árvores Cluster Tree

36 Topologia Malha - Mesh Dispositivo Gateway Enlace wireless Multi hoping mensagem pula entre os vários nós. Alta tolerância a falha. Fácil Instalação. Fácil expansão. Obstrução Não necessita de site survey.

37 Topologia em agrupamento de árvore cluster tree Combina ponto a ponto e ponto com multiponto. Combina as vantagens da estrela ( baixo consumo) com multiplos caminhos. Mesh Dispositivo Obstrução Gateway Roteador Enlace Wireless

38 Redes que se auto-organizam Muitos caminhos de comunicação Reconfiguração automática dos mesmos Não é necessário Site Survey Verificar quais visadas estão desobstruídas. Os mecanismos da camada de aplicação re-roteiam as mensagens que encontrarem obstrução. Exemplo Um caminhão passa no caminho da comunicação. Um guindaste, idem, com sua carga. Iniciar uma rede numa planta é muito mais fácil que nas tecnologias tradicionais.

39 Versões Mbps GHz DSSS FHSS Infravermelho b - 11 Mbps GHz DSSS a - 54 Mbps - UNII OFDM Sem uma infra-estrutura wireless comum e escalável, a maioria dos responsáveis pelas plantas industriais vai achar difícil, ou até impossível, desenvolver, gerenciar e manter mais de uma, ou duas, aplicações wireless! g - 11 e 54 Mbps GHz OFDM Kbps 2,4 GHZ - ISA SP100 Wireless Hart FHSS

40 Melhor Tecnologia Depende da Aplicação Eficiência Espectral bit/seg/hz Não Interfe - rência Consumo da Fonte (watts) Confiabilidade Taxa Efetiva Melhor OFDM DSSS FHSS OFDM OFDM Médio DSSS FHSS DSSS DSSS DSSS Pior FHSS OFDM OFDM FHSS FHSS

41 Segurança na comunicação Security Autenticação Verificação - Criptografia Apesar das medidas de segurança, sua mensagem pode sofrer ataques : 1. Interrupção do serviço-jamming. 2. Spoofing 3. Homem no meio 4. Replay TRANSMISSOR Rei escreve uma mensagem para seu comandante 1. Inundar sistema com mensagens sem nexo. (Bloquear a estrada com paus e pedras). TRANSMISSÃO Mensageiro leva a mensagem no território hostil 3. Alguém intercepta a mensagem e muda seu conteúdo, sem conhecimento do transmissor ou do receptor. 4. Uma mensagem verdadeira, deslocar 15 Km-oeste, se repetida, causa um erro enorme. RECEPTOR Comandante de campo interpreta a mensagem e toma as ações apropriadas 2. Alguém se faz passar pelo rei, e manda uma mensagem falsa.

42 Fazendo a Rede mais segura Fabricantes implementam Usuários exigem Autenticação Dispositivos autorizados autenticam uns aos outros, trocando chaves equivalente da password. Gateway pode autenticar novos dispositivos que entram na rede. Verificação da integridade equivalente ao checksum. Etiqueta de tempo evita ataques de replays. Criptografia AES Advanced Encryption Standard, XTEA Extended Tiny Encryption Algorithm.

43 Fazendo a Rede mais segura Fabricantes implementam Usuários exigem Gerenciamento de chaves Nível 1 por fabricantes não recomendado. Nível 2 todos dispsitivos da rede tem a mesma chave. Mudar constantemente Atende a maioria dos casos. Nível 3 chave diferente para cada par de dispositivos. A complexidade de manutenção aumenta sensívelmente a cada nível. Anti-jamming Spread Spectrum FHSS Frequency Hopping Spread Spectrum e DSSS Direct Sequence S. S. IEEE Wi Fi. Alguns dispositivos usam os dois métodos

44 ISA100.11a Release 1 Previsão 4º Trimestre de 2008 Ser um padrão para todos empresas/profissionais implementarem e desenvolverem. Ser simples para o usuário final, usar e desenvolver. Estar focado em : Indústria de processos e automação. Dentro da planta, próximo da planta. Desenvolvimento Global Prover tecnologia para classe 1 (não critica) até classe 5 ( monitoração). Assegurar interoperabilidade entre fornecedores. Ter um Padrão Rascunho ( Draft Standard) para votação (ballot) a partir de outubro de Previsão de conclusão 4º trimestre de 2008.

45 ISA100.11a Release 1 Previsão 4º Trimestre de 2008 Inclui somente 2,4 GHZ Adere às estratégias existentes. Utilizar salto de canal FHSS para aumentar confiabilidade, imunidade a ruídos. Utilizar uma única camada de aplicação, provendo protocolos nativos e de tunelamento. Camada de segurança simples, flexível e escalável, considerando as principais ameaças presentes no meio industrial. Dispositivos de Campo com capacidades Malha (mesh) e Estrela (star). Latência de 100 ms.

46 ISA a - Riscos existem. Técnico Segurança, latência, confiabilidade. Comercial Aceitação, custo, marketing. Político Assumir que tudo é muito fácil, ou muito difícil. Solução de problemas multidisciplinares! Wireless rádio, detalhes construtivos, dimensões, antena. Industrial ambiente hostil, blindagem, tolerância a falha, segurança, custo. Sensores filtros, amostragem, sensibilidade, interferência, controles. Redes tempo-real, latência, agilidade na comunicação (throughput), segurança, integridade, integração com legado. 46#

47 RFID Radio Frequency Identification Chip de memória com custo de alguns centavos. Uma onda eletromagnética incidindo sobre êle, faz com que o mesmo responda, emitindo o seu cabeçalho de identificação, utilizando a energia da própria onda que chega (passivo). Existe opção com alimentação (chip ativo). Código de Barras fizeram seu papel, mas RFID acrescenta muitas virtudes. É muito superior. Empresas produzem de acordo com uma previsão de consumo da sociedade. O que acontece se houver uma mudança repentina nos padrões de consumo. Produção encalhada, prejuízos. Ou, perda de oportunidade de aumento de vendas. RFID permite monitoração em tempo real, das saídas de produtos do estoque.

48 RFID Radio Frequency Identification Pode ser visualizado como três sistemas : RFID tag ou transponder, Leitor de RFID ou transceiver e o Subsistema de Processamento de Dados. Baixa frequencia 125 à 134,2 Khz / 140 à 148,5 Khz Alta frequencia 13,56 Mhz, UHF 868 Mhz à 928 Mhz. Baixa frequência menor custo e menor alcance (25 metros) usado em segurança de acesso, rastreamento de ativos e identificação de animais. Alta frequência - maior alcance (acima de 25 metros), e altas velocidades de leitura. Rastreamento em ferrovias. Custos altos.

49 RFID Radio Frequency Identification Padrões em RFID Duas entidades ISO e EPC Global. Padronizar os itens : - 1. Protocolo de Interface Modo como as Tags e os Transceivers se comunicam. Comércio mundial. Padrão aceito por todos países. 2. Conteúdo - Organização dos dados. 3. Conformidade como testar se os produtos são aderentes à norma. 4. Aplicações Como serão usadas. EPC Classe 0 Tag de apenas leitura ( read only tag ) onde o código foi gravado pelo fabricante, no momento de produção do chip, passiva. EPC Classe 1 Programável apenas uma vez ( field progammable one time non volatile memory), passiva. Classe 1 e 2 não são interoperáveís, nem compatíveis com ISO. Padrão ISO Atende à praticamente todas aplicações.

50 RFID Padrão ISO v1 Parâmetros genéricos para interfaces de transmissão pelo ar, para frequências globalmente aceitas v2 Interface para 135 KHZ v3 Interface para 13,56 MHZ v4 Interface para 2,45 GHZ v5 Interface para 5,8 GHZ v6 Interface para 860 MHZ à 930 MHZ v7 Interface para 433,95 MHZ

51 Aplicações Proximidade (short range) e vizinhança (long range). Identificação pessoal Identificação de partes dentro de um produto maior. Indústria automobilística pode colher dados em acidentes, oficinas, garagens. Just in time. Monitoração de lixo tóxico. Identificação de objetos de valor, seguros. Gerenciamento de ativos. de acesso. Bilhetagem de trânsito em massa ( passe fácil ).

52 Segurança RFID ( security ). Num futuro próximo todos objetos estarão conectados à internet, através de uma conexão wireless e identificador único. Profetizou em forma de suave brincadeira (quipped) um alto executivo da SUN Microsystems. Impressionante, preocupante, aguça nossa imaginação? Sua televisão, mesa, sofá, fogão, porta, tapete conectados na internet? Ternos, camisa, calça, que se adaptam à temperatura ambiente? Cuecas? E a nossa privacidade? Nanotecnologia + wireless + internet = mistura explosiva!!! TNT puro? Rastreamento sem nosso consentimento? Banco de dados sobre nossas vidas, sem nosso conhecimento. Sistemas tiram conclusões sobre as nossas preferências políticas, gastronomia, culturais, etc... Contramedidas Kill Tags, scramble Tags. Estão em desenvolvimento. Implicações morais Automóveis sem motoristas causam acidente. Quem responsabilizar criminalmente?

Comunicação sem Fio WLAN (802.11) Edgard Jamhour

Comunicação sem Fio WLAN (802.11) Edgard Jamhour Comunicação sem Fio WLAN (802.11) Edgard Jamhour WLAN: Parte I Técnicas de Modulação, Taxas de Transmissão e Alcance Faixa de Freqüências faixa desde até comprimento da onda ELF 30 Hz 300 Hz 10 7 metros

Leia mais

WiMAX. Miragem ou Realidade? Jorge Rodrigues PT Comunicações Universidade da Beira Interior, 4 de Outubro de 2005. WiMAX

WiMAX. Miragem ou Realidade? Jorge Rodrigues PT Comunicações Universidade da Beira Interior, 4 de Outubro de 2005. WiMAX 1 1 Miragem ou Realidade? Jorge Rodrigues PT Comunicações Universidade da Beira Interior, 4 de Outubro de 2005 2 2 Enquadramento A tecnologia 802.16 / afecta domínios tecnológicos cruciais para os operadores:

Leia mais

Protocolo wireless Ethernet

Protocolo wireless Ethernet Protocolo wireless Ethernet Conceituar as variações de redes sem fio (wireless) descrevendo os padrões IEEE 802.11 a, b, g e n. Em meados de 1986, o FCC, organismo norte-americano de regulamentação, autorizou

Leia mais

Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações.

Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações. Rádio Spread Spectrum Este tutorial apresenta os aspectos técnicos dos Rádios Spread Spectrum (Técnica de Espalhamento Espectral) aplicados aos Sistemas de Transmissão de Dados. Félix Tadeu Xavier de Oliveira

Leia mais

SOLUÇÃO DE TELEMETRIA PARA SANEAMENTO

SOLUÇÃO DE TELEMETRIA PARA SANEAMENTO SOLUÇÃO DE TELEMETRIA PARA SANEAMENTO Marcelo Pessoa Engenheiro de soluções para saneamento Introdução As indústrias buscam eficiência, aumento da qualidade e a redução de custos. Para alcançar isto investem

Leia mais

8/3/2009. TE155-Redes de Acesso sem Fios. TE155-Redes de Acesso sem Fios

8/3/2009. TE155-Redes de Acesso sem Fios. TE155-Redes de Acesso sem Fios Panorama atual das Redes de Acesso sem Fios para Computadores Ewaldo Luiz de Mattos Mehl Universidade Federal do Paraná Departamento de Engenharia Elétrica mehl@eletrica.ufpr.br Computação do Passado Computadores

Leia mais

Tecnologias Wireless WWAN Wireless Wide Area Network WLAN Wireless Local Area Network WPAN Wireless Personal Area Network

Tecnologias Wireless WWAN Wireless Wide Area Network WLAN Wireless Local Area Network WPAN Wireless Personal Area Network Fundamentos de Tecnologias Wireless Parte 1 Assunto Tecnologias Wireless Introdução à Wireless LAN Algumas questões e desafios Tecnologias Wireless WWAN Wireless Wide Area Network WLAN Wireless Local Area

Leia mais

Segurança em redes sem fio Freqüências

Segurança em redes sem fio Freqüências Segurança em redes sem fio Freqüências Carlos Lamb Fausto Levandoski Juliano Johann Berlitz Vagner Dias Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS) 16/08/2011 AGENDA INTRODUÇÃO ESPECTRO ELETROMAGNÉTICO

Leia mais

Rede Wireless Para LAN e WAN

Rede Wireless Para LAN e WAN Rede Wireless Para LAN e WAN Marcos Macoto Iwashita CERNET Tecnologia e Sistemas macoto@cernet.com.br www.cernet.com.br INTRODUÇÃO Toda a tecnologia wireless não é nova, porém, em nossos dias apresenta

Leia mais

SSC0748 - Redes Móveis

SSC0748 - Redes Móveis - Redes Móveis Introdução Redes sem fio e redes móveis Prof. Jó Ueyama Agosto/2012 1 Capítulo 6 - Resumo 6.1 Introdução Redes Sem fo 6.2 Enlaces sem fo, características 6.3 IEEE 802.11 LANs sem fo ( wi-f

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Macêdo Firmino Comunicação Wireless Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Maio de 2012 1 / 30 Redes sem Fio Nas redes sem fio (wireless), não exite uma conexão cabeada

Leia mais

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal:

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal: Redes - Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Comunicação sempre foi, desde o início dos tempos, uma necessidade humana buscando aproximar comunidades distantes.

Leia mais

Capítulo 6 Redes sem fio e redes móveis

Capítulo 6 Redes sem fio e redes móveis Capítulo 6 Redes sem fio e redes móveis Todo o material copyright 1996-2009 J. F Kurose e K. W. Ross, Todos os direitos reservados slide 1 2010 2010 Pearson Prentice Hall. Hall. Todos Todos os os direitos

Leia mais

Visão geral das redes sem fio

Visão geral das redes sem fio Visão geral das redes sem fio 1 - Introdução O termo redes de dados sem fio pode ser utilizado para referenciar desde dispositivos de curto alcance como o Bluetooth à sistemas de altas taxas de transmissão

Leia mais

O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento. Padrões. Padrões. Meios físicos de transmissão

O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento. Padrões. Padrões. Meios físicos de transmissão O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento Romeu Reginato Julho de 2007 Rede. Estrutura de comunicação digital que permite a troca de informações entre diferentes componentes/equipamentos

Leia mais

Capítulo 7 - Redes Wireless WiFi

Capítulo 7 - Redes Wireless WiFi Capítulo 7 - Redes Wireless WiFi Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática 1 de 55 Roteiro Definição Benefícios Tipos de Redes Sem Fio Métodos de Acesso Alcance Performance Elementos da Solução

Leia mais

Novas Tecnologias para aplicações RF. Alexsander Loula Gerente de Eng. de Aplicações

Novas Tecnologias para aplicações RF. Alexsander Loula Gerente de Eng. de Aplicações Novas Tecnologias para aplicações RF Alexsander Loula Gerente de Eng. de Aplicações Agenda Espectro de frequência As últimas tecnologias de rádio Algumas coisas para ficar de olho 2 ESPECTRO DE FREQUÊNCIA

Leia mais

UFSM-CTISM. Comunicação de Dados Meios de Transmissão Aula-03

UFSM-CTISM. Comunicação de Dados Meios de Transmissão Aula-03 UFSM-CTISM Comunicação de Dados Meios de Transmissão Aula-03 Professor: Andrei Piccinini Legg Santa Maria, 2012 Par trançado Cabo coaxial Fibra óptica Meios Não-guiados Transmissão por rádio Microondas

Leia mais

Wireless LAN (IEEE 802.11x)

Wireless LAN (IEEE 802.11x) Wireless LAN (IEEE 802.11x) WLAN: Wireless LAN Padrão proposto pela IEEE: IEEE 802.11x Define duas formas de organizar redes WLAN: Ad-hoc: Sem estrutura pré-definida. Cada computador é capaz de se comunicar

Leia mais

INF-111 Redes Sem Fio Aula 06 Tecnologias para WMAN Prof. João Henrique Kleinschmidt

INF-111 Redes Sem Fio Aula 06 Tecnologias para WMAN Prof. João Henrique Kleinschmidt INF-111 Redes Sem Fio Aula 06 Tecnologias para WMAN Prof. João Henrique Kleinschmidt Santo André, outubro de 2014 Roteiro Sistemas de Telefonia Celular Evolução dos Sistemas Celulares WMAN WiMAX Arquitetura

Leia mais

Redes IEEE 802.11. Makoto Miyagawa 1. Manaus Amazonas Brasil

Redes IEEE 802.11. Makoto Miyagawa 1. Manaus Amazonas Brasil Redes IEEE 802.11 Makoto Miyagawa 1 1 Faculdade de Tecnologia Universidade Federal do Amazonas Manaus Amazonas Brasil Resumo. A mobilidade oferecida pelas redes sem fio aos usuários, aliada ao baixo custo

Leia mais

Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações.

Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações. Roteiro de Estudos Redes PAN II O Portal Teleco apresenta periodicamente Roteiros de Estudo sobre os principais temas das Telecomunicações. Os roteiros apresentam uma sugestão de tutoriais publicados para

Leia mais

LNet Mobility WIRELESS SOLUTIONS

LNet Mobility WIRELESS SOLUTIONS LNet Mobility WIRELESS SOLUTIONS INTRODUÇÃO: Entende-se por Mobilidade a possibilidade de poder se comunicar em qualquer momento e de qualquer lugar. Ela é possível graças às redes wireless, que podem

Leia mais

NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO

NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO Profª. Kelly Hannel Novas tecnologias de informação 2 HDTV WiMAX Wi-Fi GPS 3G VoIP Bluetooth 1 HDTV 3 High-definition television (também conhecido por sua abreviação HDTV):

Leia mais

Wireless. Crescimento da Rede Wireless. Sistemas de Informação Rui Silva. Rui Silva. Jan 08

Wireless. Crescimento da Rede Wireless. Sistemas de Informação Rui Silva. Rui Silva. Jan 08 Wireless Sistemas de Informação Crescimento da Rede Wireless 1 Caso de Estudo: Intel, etc. Tempo dispendido por ligação em média m 5 minutos para cada nova ligação; Independência do local de trabalho dentro

Leia mais

26. O sistema brasileiro de televisão digital adota os seguintes parâmetros para HDTV:

26. O sistema brasileiro de televisão digital adota os seguintes parâmetros para HDTV: IFPB Concurso Público/Professor de Ensino Básico, Técnico e Tecnológico (Edital 24/2009) CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CÓDIGO 06 UCs de Comunicações Móveis e/ou de Processamento de Sinais de Áudio e Vídeo

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ

UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ CURSO DE REDES DE COMPUTADORES PROFESSOR MARCELO BERRÊDO NOTAS DE AULA PADRÃO IEEE 802.11 REVISÃO ABRIL/2004 IEEE 802.11 WIRELESS LAN 1. INTRODUÇÃO O Grupo de trabalho IEEE 802.11

Leia mais

Segurança da Informação

Segurança da Informação INF-108 Segurança da Informação Segurança em Redes Sem Fio Prof. João Henrique Kleinschmidt Redes sem fio modo de infraestrutura estação-base conecta hospedeiros móveis à rede com fio infraestrutura de

Leia mais

Placa de Rede. Rede de Computadores. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. Placa de Rede

Placa de Rede. Rede de Computadores. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. Placa de Rede Rede de Computadores Prof. André Cardia Email: andre@andrecardia.pro.br MSN: andre.cardia@gmail.com Placa de Rede Uma placa de rede (NIC), ou adaptador de rede, oferece capacidades de comunicações nos

Leia mais

3 INTEFACES E PROTOCOLOS PARA REDES DE SENSORES INTELIGENTES SEM FIOS

3 INTEFACES E PROTOCOLOS PARA REDES DE SENSORES INTELIGENTES SEM FIOS Capítulo 3 Interfaces e Protocolos para Redes de Sensores Inteligentes sem Fios 36 3 INTEFACES E PROTOCOLOS PARA REDES DE SENSORES INTELIGENTES SEM FIOS A tecnologia sem fios vem sendo comumente utilizada

Leia mais

Telemetria para Medição de Consumo Especificações Técnicas

Telemetria para Medição de Consumo Especificações Técnicas Página: 2 / 5 Telemetria para Medição de Consumo Introdução Este documento apresenta as características técnicas da solução de telemetria do consumo de água, gás e energia (e outros medidores com saída

Leia mais

Redes sem Fio 2016.1. WMANs (IEEE 802.16) Wi-MAX. Ricardo Kléber. Ricardo Kléber

Redes sem Fio 2016.1. WMANs (IEEE 802.16) Wi-MAX. Ricardo Kléber. Ricardo Kléber Redes sem Fio 2016.1 WMANs (IEEE 802.16) Wi-MAX Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Turma: TEC.SIS.5M Redes sem Fio Onde Estamos? Sistemas de comunicação wireless Redes locais wireless

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M MORAES, C. C. Engenharia de Automação Industrial, Cap. 6 Tanenbaum, Redes de Computadores, Cap. 1.2 AGUIRRE, L. A. Enciclopédia da Automática, Volume II, Cap. 15.3 Escravo é um

Leia mais

2. Componentes básicos (Hardware) Redes Sem Fio (Wireless) 1

2. Componentes básicos (Hardware) Redes Sem Fio (Wireless) 1 2. Componentes básicos (Hardware) Redes Sem Fio (Wireless) 1 Ementa 1. Introdução a Tecnologias Sem Fio WLAN 2. Componentes básicos (Hardware) 3. Conceitos de espectro de Frequência e tecnologia de sinais

Leia mais

TRANSMISSÃO DE DADOS

TRANSMISSÃO DE DADOS TRANSMISSÃO DE DADOS Aula 4: Multiplexação Notas de aula do livro: FOROUZAN, B. A., Comunicação de Dados e Redes de Computadores, MCGraw Hill, 4ª edição Prof. Ulisses Cotta Cavalca

Leia mais

Guia das Cidades Digitais

Guia das Cidades Digitais Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais Módulo 2: Tecnologia WiMAX INATEL Competence Center treinamento@inatel.br Tel: (35) 3471-9330 Neste segundo módulo, abordaremos a tecnologia WiMAX, que faz

Leia mais

Mude para digital. Sistema de rádio bidirecional digital profissional MOTOTRBO

Mude para digital. Sistema de rádio bidirecional digital profissional MOTOTRBO Sistema de rádio bidirecional digital profissional A solução de comunicação em rádios bidirecionais de próxima geração está aqui, com melhor desempenho, produtividade e preço e mais oportunidades para

Leia mais

Redes de Computadores I

Redes de Computadores I Redes de Computadores I REDES SEM FIO CARACTERÍSTICAS DE ENLACE LAN S SEM FIO 802.11 Slide 1 Elementos de uma Rede Sem Fio Hospedeiros sem fio Equipamentos de sistemas finais que executam aplicações Enlaces

Leia mais

WiMAX. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com

WiMAX. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com WiMAX é uma tecnologia padronizada de rede sem fio que permite substituir as tecnologias de acesso de banda larga por cabo e ADSL. O WiMAX permite a

Leia mais

IEEE 802.16 - WiMAX. Ewaldo Luiz de Mattos Mehl Universidade Federal do Paraná Departamento de Engenharia Elétrica mehl@eletrica.ufpr.

IEEE 802.16 - WiMAX. Ewaldo Luiz de Mattos Mehl Universidade Federal do Paraná Departamento de Engenharia Elétrica mehl@eletrica.ufpr. IEEE 802.16 - WiMAX Ewaldo Luiz de Mattos Mehl Universidade Federal do Paraná Departamento de Engenharia Elétrica mehl@eletrica.ufpr.br WiMax - Worldwide Interoperability for Microwave Access WiMAX Forum:

Leia mais

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis 2.1. Histórico e Evolução dos Sistemas Sem Fio A comunicação rádio móvel teve início no final do século XIX [2], quando o cientista alemão H. G. Hertz demonstrou que as

Leia mais

Formadora: Daniela Azevedo Módulo 11 IGRI13 Rui Bárcia - 15

Formadora: Daniela Azevedo Módulo 11 IGRI13 Rui Bárcia - 15 Formadora: Daniela Azevedo Módulo 11 IGRI13 Rui Bárcia - 15 Introdução, com algumas características Uma rede sem fios ou uma rede Wireless é uma infraestrutura das comunicações sem fio que permite a transmissão

Leia mais

ANÁLISE DE REDES HIERÁRQUICAS PARA ATENDIMENTO DE LOCAIS REMOTOS

ANÁLISE DE REDES HIERÁRQUICAS PARA ATENDIMENTO DE LOCAIS REMOTOS ANÁLISE DE REDES HIERÁRQUICAS PARA ATENDIMENTO DE LOCAIS REMOTOS Fabiana da Silva Podeleski Faculdade de Engenharia Elétrica CEATEC podeleski@yahoo.com.br Prof. Dr. Omar Carvalho Branquinho Grupo de Pesquisa

Leia mais

UMTS. www.teleco.com.br 1

UMTS. www.teleco.com.br 1 UMTS Este tutorial apresenta os conceitos básicos do Universal Mobile Telecommunications System (UMTS) padrão de 3ª Geração de sistemas celulares para evolução de redes GSM. Autor: Eduardo Tude Engenheiro

Leia mais

1 Sistemas de telefonia celular no Brasil

1 Sistemas de telefonia celular no Brasil 1 Sistemas de telefonia celular no Brasil Em 1984, deu-se início à análise de sistemas de tecnologia celular sendo definido o padrão americano, analógico, AMPS Advanced Mobile Phone System, como modelo

Leia mais

Objetivos. Ao término desta palestra você irá:

Objetivos. Ao término desta palestra você irá: Objetivos Ao término desta palestra você irá: Conhecer as especificações IEEE802.15.4 Conhecer o protocolo ZigBee Conhecer o protocolo MiWi Conhecer o módulo ZIGBEE Conhecer o Kit ZIGBEE Agenda IEEE 802.15.4

Leia mais

Redes Locais Sem Fio

Redes Locais Sem Fio Redes Locais Sem Fio Prof. Rafael Guimarães Redes sem Fio Aula 13 Aula 13 Rafael Guimarães 1 / 63 Sumário Sumário 1 Motivação e Objetivos 2 Introdução 3 Terminologia 4 WiFi 5 Arquitetura 802.11 6 Padrões

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD 1 de 7 Na minha opinião o telemovél na sociedade tem uma boa vantagem porque com tem uma grande mobilidade (pode-se levar para todo o lado), através dele podemos entrar em contacto com amigos ou familiares

Leia mais

ZigBee: arquitetura e aplicações

ZigBee: arquitetura e aplicações ZigBee: arquitetura e aplicações Prof. Felipe da Rocha Henriques Abril, 2011 CEFET/RJ UnED Petrópolis UnED Petrópolis Laboratório de Multimídia, Animação, Redes e Comunicações MARC Professores: Dalbert

Leia mais

19/07/2013. Camadas. Camadas de Enlace e Física. Camadas de Enlace e Física. Topologias de Rede NOÇÕES DE REDE: CAMADAS DE ENLACE E FÍSICA

19/07/2013. Camadas. Camadas de Enlace e Física. Camadas de Enlace e Física. Topologias de Rede NOÇÕES DE REDE: CAMADAS DE ENLACE E FÍSICA 2 Camadas NOÇÕES DE REDE: CAMADAS DE ENLACE E FÍSICA Introdução à Microinformática Prof. João Paulo Lima Universidade Federal Rural de Pernambuco Departamento de Estatística e Informática Aplicação Transporte

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD 1 de 9 Desde o nascimento do telemóvel e o seu primeiro modelo vários se seguiram e as transformações tecnológicas que estes sofreram ditaram o nascimento de várias gerações. O Motorola DynaTac 8000X é

Leia mais

Comunicação Sem Fio REDES WIRELES. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio 06/05/2014

Comunicação Sem Fio REDES WIRELES. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio 06/05/2014 REDES WIRELES Prof. Marcel Santos Silva Comunicação Sem Fio Usada desde o início do século passado Telégrafo Avanço da tecnologia sem fio Rádio e televisão Mais recentemente aparece em Telefones celulares

Leia mais

Sistemas de Comunicação Wireless

Sistemas de Comunicação Wireless Sistemas de Comunicação Wireless Definição Uma conexão wireless é qualquer forma de conexão entre dois sistemas transmissor e receptor de dados que não requeira o uso de fios. Para tanto são utilizadas

Leia mais

WirelessHART Manager

WirelessHART Manager Descrição do Produto O uso de tecnologias de comunicação de dados sem fio em sistemas de automação industrial é uma tendência em crescente expansão. As vantagens do uso de tecnologia sem fio são inúmeras

Leia mais

Segurança de Redes de Computadores. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br ricardo.souza@ifpa.edu.br

Segurança de Redes de Computadores. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br ricardo.souza@ifpa.edu.br Segurança de Redes de Computadores Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br Sumário Redes sem Fio Infraestrutura Ad Hoc Características de Enlaces sem Fio Princípios de Radiofrequência Tecnologias

Leia mais

TI Aplicada. Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br

TI Aplicada. Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br TI Aplicada Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br Conceitos Básicos Equipamentos, Modelos OSI e TCP/IP O que são redes? Conjunto de

Leia mais

Wireless Mesh Networks

Wireless Mesh Networks Wireless Mesh Networks Redes Mesh se configuram e se organizam automaticamente, com seus nós estabelecendo uma conexão ad hoc e mantendo a conectividade em malha. Isanio Lopes Araujo Santos Paradoxo: pontos

Leia mais

Capa. Redes de Acesso à Internet Móvel. Perspectiva dos operadores FWA

Capa. Redes de Acesso à Internet Móvel. Perspectiva dos operadores FWA Capa Redes de Acesso à Internet Móvel Perspectiva dos operadores FWA Sonaecom Engenharia de Acesso Rádio Tecnologias Wireless Leiria, 3 de Maio de 2006 Sonaecom EAR / TW I David Antunes I 03/Maio/2006

Leia mais

Redes Sem Fio (Wireless): Fundamentos e Padrões

Redes Sem Fio (Wireless): Fundamentos e Padrões Redes Sem Fio (Wireless): Fundamentos e Padrões As redes locais sem fio (WLANs) constituem-se como uma alternativa às redes convencionais com fio, fornecendo as mesmas funcionalidades, mas de forma flexível,

Leia mais

Davidson Rodrigo Boccardo flitzdavidson@gmail.com

Davidson Rodrigo Boccardo flitzdavidson@gmail.com Fundamentos em Sistemas de Computação Davidson Rodrigo Boccardo flitzdavidson@gmail.com Camada Física Primeira cada do modelo OSI (Camada 1) Função? Processar fluxo de dados da camada 2 (frames) em sinais

Leia mais

WPAN ZigBee & Bluetooth SDIC Cap6. Redes Sem Fios

WPAN ZigBee & Bluetooth SDIC Cap6. Redes Sem Fios Redes Sem Fios As recomendações do IEEE (Institute of Electrical and Eletronics Engineers), particularmente as recomendações da série IEEE 802.11, são os exemplos mais conhecidos para os padrões de redes

Leia mais

Evolução na Comunicação de

Evolução na Comunicação de Evolução na Comunicação de Dados Invenção do telégrafo em 1838 Código Morse. 1º Telégrafo Código Morse Evolução na Comunicação de Dados A evolução da comunicação através de sinais elétricos deu origem

Leia mais

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani Redes de Dados e Comunicações Prof.: Fernando Ascani Redes Wireless / Wi-Fi / IEEE 802.11 Em uma rede wireless, os adaptadores de rede em cada computador convertem os dados digitais para sinais de rádio,

Leia mais

Introdução as Redes de Computadores Transparências baseadas no livro Computer Networking: A Top-Down Approach Featuring the Internet James Kurose e Keith Ross Redes de Computadores A. Tanenbaum e Prof.

Leia mais

Placa de Rede. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. MAN (Metropolitan Area Network) Rede Metropolitana

Placa de Rede. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. MAN (Metropolitan Area Network) Rede Metropolitana Rede de Computadores Parte 01 Prof. André Cardia Email: andre@andrecardia.pro.br MSN: andre.cardia@gmail.com Placa de Rede Uma placa de rede (NIC), ou adaptador de rede, oferece capacidades de comunicações

Leia mais

WL-5470POE Hi-Powered Ponto Acesso POE com oito Modos de Operação

WL-5470POE Hi-Powered Ponto Acesso POE com oito Modos de Operação WL-5470POE Hi-Powered Ponto Acesso POE com oito Modos de Operação omo fornecedor e líder global de soluções WISP, AirLive compreende as aplicações dos ambientes dos operadores WISP. Como resultado, estamos

Leia mais

Descritivo Técnico AirMux-200

Descritivo Técnico AirMux-200 Multiplexador Wireless Broadband -Visualização da unidade indoor IDU e unidade outdoor ODU com antena integrada- Principais Características Rádio e multiplexador wireless ponto-a-ponto com interface E1

Leia mais

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Introdução às Telecomunicações 2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Elementos de um Sistemas de Telecomunicações Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Telecomunicações 2 1 A Fonte Equipamento que origina

Leia mais

Guia das Cidades Digitais

Guia das Cidades Digitais Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais Módulo 4: Tecnologia Wi-Fi INATEL Competence Center treinamento@inatel.br Tel: (35) 3471-9330 Este módulo trata da tecnologia de acesso sem fio mais amplamente

Leia mais

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas IW10 Rev.: 02 Especificações Técnicas Sumário 1. INTRODUÇÃO... 1 2. COMPOSIÇÃO DO IW10... 2 2.1 Placa Principal... 2 2.2 Módulos de Sensores... 5 3. APLICAÇÕES... 6 3.1 Monitoramento Local... 7 3.2 Monitoramento

Leia mais

Wireless Network: Comunicação sem fio

Wireless Network: Comunicação sem fio Wireless Network: Comunicação sem fio Objetivos: Identificar os tipos de redes sem fio e a utilização de cada uma delas. Descrever as técnicas de transmissão utilizadas. Descrever as características da

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Redes Sem Fio Fabricio Breve Tipos de transmissão sem fio Rádio Infravermelho Laser Aplicações Em ambientes internos: Ideal para situações onde não é possível utilizar cabeamento

Leia mais

Redes de Computadores I - Meios de Transmissão. por Helcio Wagner da Silva

Redes de Computadores I - Meios de Transmissão. por Helcio Wagner da Silva Redes de Computadores I - Meios de Transmissão por Helcio Wagner da Silva Classificação Meios guiados: Par trançado. Cabo coaxial. Fibra óptica. Meios Não-guiados: Transmissão por rádio. Microondas. Infravermelho.

Leia mais

UNICE Ensino Superior Introdução a Redes de Computadores Aula 01

UNICE Ensino Superior Introdução a Redes de Computadores Aula 01 UNICE Ensino Superior Introdução a Redes de Computadores Aula 01 PROFESSOR: Hiarly Alves Rodrigues Paiva Introdução a Redes de Computadores FACULDADE UNICE Fortaleza CE Ementa Introdução. Topologias de

Leia mais

Arquitetura de protocolos

Arquitetura de protocolos Arquitetura de protocolos Segue o modelo híbrido Usada pelos nós sensores e pelo nó sorvedouro Inclui planos de Gerenciamento de energia Como um nó sensor usa a sua energia Pode desligar o receptor após

Leia mais

Prof. Othon M. N. Batista Mestre em Informática. Página 1 de 25

Prof. Othon M. N. Batista Mestre em Informática. Página 1 de 25 Mestre em Informática Página 1 de 25 Roteiro Introdução Definição História Requerimentos IMT-Advanced Padrões 4G LTE Advanced Padrões 4G WirelessMAN Advanced 4G no Brasil Perguntas Página 2 de 25 Introdução

Leia mais

Wireless Solutions BROCHURE

Wireless Solutions BROCHURE Wireless Solutions BROCHURE JUNHO 203 info@novus.com.br www.novus.com.br REV0803 Produto beneficiado pela Legislação de Informática. Transmissor de Temperatura e Umidade RHT-Air ISO 900 EMPRESA CERTIFICADA

Leia mais

Estudo de caso da Solução Unified Wireless Cisco. Jonas Odorizzi. Curso de Redes e Segurança de Sistemas. Pontifícia Universidade Católica do Paraná

Estudo de caso da Solução Unified Wireless Cisco. Jonas Odorizzi. Curso de Redes e Segurança de Sistemas. Pontifícia Universidade Católica do Paraná Estudo de caso da Solução Unified Wireless Cisco Jonas Odorizzi Curso de Redes e Segurança de Sistemas Pontifícia Universidade Católica do Paraná Curitiba, Abril de 2010 RESUMO Este artigo tem o objetivo

Leia mais

Capítulo 6 Redes sem fio e Redes móveis

Capítulo 6 Redes sem fio e Redes móveis Redes de Computadores DCC/UFJF Capítulo 6 Redes sem fio e Redes móveis Material fortemente baseado nos slides do livro: Computer Networking: A Top-Down Approach Featuring the Internet. Os slides foram

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

Aula III Redes Industriais

Aula III Redes Industriais Aula III Redes Industriais Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Disciplina: Instrumentação e Automação Industrial I(ENGF99) Professor: Eduardo Simas(eduardo.simas@ufba.br) 1 Introdução Muitas

Leia mais

4. Rede de Computador

4. Rede de Computador Definição Uma rede de computadores é formada por um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos, interligados por um sub-sistema de comunicação, ou seja, é quando

Leia mais

Descritivo Técnico BreezeACCESS-VL

Descritivo Técnico BreezeACCESS-VL Broadband Wireless Access -Visualização da linha de produtos BreezeACCESS VL- Solução completa ponto multiponto para comunicação Wireless em ambiente que não tenha linda de visada direta, utiliza a faixa

Leia mais

WIRELESS LAN. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com

WIRELESS LAN. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com WIRELESS LAN Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com Introdução A tecnologia de Wireless LAN tem sido muito utilizada em depósitos, companhias aéreas, e aplicações de aluguel de carros. Através

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES Tecnologias de Rede Arquitetura Padrão 802.11 Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 Arquitetura Wireless Wi-Fi

Leia mais

Terminal Ad Hoc para viabilizar a comunicação das aplicações de automação das Utilities

Terminal Ad Hoc para viabilizar a comunicação das aplicações de automação das Utilities Terminal Ad Hoc para viabilizar a comunicação das aplicações de automação das Utilities Iran Lima Gonçalves * / Fabrício Lira Figueiredo Álvaro A. M. de Medeiros Agenda O que são Redes Ad Hoc sem Fio?

Leia mais

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br Tópicos Modelos Protocolos OSI e TCP/IP Tipos de redes Redes locais Redes grande abrangência Redes metropolitanas Componentes Repetidores

Leia mais

Composição. Estrutura Fisica Redes Sistemas Operacionais Topologias de redes

Composição. Estrutura Fisica Redes Sistemas Operacionais Topologias de redes Composição Estrutura Fisica Redes Sistemas Operacionais Topologias de redes Aterramento Fio de boa qualidade A fiação deve ser com aterramento neutro (fio Terra) trabalhando em tomadas tripolares Fio negativo,

Leia mais

Parabéns, você acaba de adquirir um produto com qualidade e tecnologia Identech.

Parabéns, você acaba de adquirir um produto com qualidade e tecnologia Identech. MANUAL Sumário 1 INTRODUÇÃO3 2 LIGANDO/CONECTANDO3 3 CONFIGURAÇÕES4 31 - INICIAL4 32 - REDE8 321-3G8 322 - WAN9 323 - LAN10 324 - Tipo de Reconexão13 325 - Redirecionar14 33 - WIRELESS16 34 - DHCP17 35

Leia mais

Cidades Digitais. Desmistificando a Tecnologia. Bruno Soares Henriques. www.inatel.br

Cidades Digitais. Desmistificando a Tecnologia. Bruno Soares Henriques. www.inatel.br Cidades Digitais Desmistificando a Tecnologia INATEL Competence Center Av. João de Camargo, 510 Santa Rita do Sapucai MG Tel: (35) 3471 9330 Bruno Soares Henriques O que é Cidade Digital City Cloud, Digital

Leia mais

Universidade Federal do Acre. Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas

Universidade Federal do Acre. Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Universidade Federal do Acre Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Universidade Federal do Acre Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Pós-graduação Lato Sensu em Desenvolvimento de Software e Infraestrutura

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Considerando o circuito mostrado na figura acima, julgue os itens seguintes. 51 O valor da tensão v o é igual a 10 V. 52 O valor da corrente I 2 é igual a 1 ma. 53 O equivalente

Leia mais

Modelos de Redes em Camadas

Modelos de Redes em Camadas Modelos de Redes em Camadas Prof. Gil Pinheiro 1 1. Arquitetura de Sistemas de Automação Sistemas Centralizados Sistemas Distribuídos Sistemas Baseados em Redes Arquitetura Cliente-Servidor 2 Sistemas

Leia mais

Roteiro I Redes WiMAX. WiMAX, de onde deriva a tecnologia e perspectivas de evolução. Taxas de transferência, características quanto a mobilidade.

Roteiro I Redes WiMAX. WiMAX, de onde deriva a tecnologia e perspectivas de evolução. Taxas de transferência, características quanto a mobilidade. Curso: Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Disciplina: Redes I Professor: Marco Câmara Aluno: Guilherme Machado Ribeiro Turma: 12 matutino Roteiro I Redes WiMAX 1-Histórico WiMAX, de

Leia mais

IEEE 802.11 a, b, g, n

IEEE 802.11 a, b, g, n IEEE 802.11 a, b, g, n Redes de Computadores I Professor Otto Carlos Muniz Bandeira Barreto Bruno Dias Martins Rodolfo Machado Brandão Costa Rodrigo Leite de Queiroz Sumário 1. Introdução 4. Perguntas

Leia mais

Transmissor acústico wireless Rosemount 708

Transmissor acústico wireless Rosemount 708 Folha de dados do produto Rosemount 708 Transmissor acústico wireless Rosemount 708 O monitoramento acústico dos coletores de vapor e das válvulas de alívio de pressão melhoram a eficiência energética

Leia mais

TOPOLOGIAS E CONCEITOS BÁSICOS SOBRE O PADRÃO IEEE 802.16 (WIMAX) MATHEUS CAVECCI

TOPOLOGIAS E CONCEITOS BÁSICOS SOBRE O PADRÃO IEEE 802.16 (WIMAX) MATHEUS CAVECCI TOPOLOGIAS E CONCEITOS BÁSICOS SOBRE O PADRÃO IEEE 802.16 (WIMAX) MATHEUS CAVECCI Dezembro 2011 INTRODUÇÃO A transmissão de dados via ondas de radio não é novidade, segundo Haykin e Moher, as primeiras

Leia mais

Brampton Telecom, PhD em Engenharia de Telecomunicações (Unicamp).

Brampton Telecom, PhD em Engenharia de Telecomunicações (Unicamp). Wireless LAN (WLAN) Este tutorial apresenta alguns aspectos da arquitetura e protocolos de comunicação das Redes Locais sem fio, ou Wireless Local Area Networks (WLAN's), que são baseados no padrão IEEE

Leia mais

TELECOMUNICAÇÕES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

TELECOMUNICAÇÕES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 4 - Padrão 802.11 - WIRELESS 1. INTRODUÇÃO O padrão IEEE 802.11 estabelece os padrões para redes locais sem fio. O modelo tem como premissa o funcionamento da rede de duas formas: - Na presença

Leia mais

O novo serviço Giro oferece a você o máximo da Internet através da tecnologia móvel digital de terceira geração CDMA 2000 1xEV-DO:

O novo serviço Giro oferece a você o máximo da Internet através da tecnologia móvel digital de terceira geração CDMA 2000 1xEV-DO: Manual da fase de teste do Giro Beta Versão: 1.0 Data de publicação: Janeiro/2004 Descrição: Este manual irá ajudá-lo a responder dúvidas que você possa ter sobre a fase de teste do novo serviço Giro.

Leia mais