Estratégias para garantir eficiência na utilização de cana-de-açúcar. para ruminantes

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estratégias para garantir eficiência na utilização de cana-de-açúcar. para ruminantes"

Transcrição

1 Estratégias para garantir eficiência na utilização de cana-de-açúcar 1 para ruminantes Luiz Gustavo Nussio, Ivanete Susin, Clayton Quirino Mendes e Rafael Camargo do Amaral 1 Trabalho apresentado no 3º Simpósio Internacional sobre Caprinos e Ovinos de Corte 3º SINCORTE, em João Pessoa, Paraíba, Brasil, Novembro 2007 (publicado com anuência da Coordenação do 3º SINCORTE) 2 Professor Associado, Departamento de Zootecnia, USP/ESALQ. 3 Engenheiro Agronômo, Mestre em Ciência Animal e Pastagens, USP/ESALQ 4 Zootecnista, Mestrando em Ciência Animal e Pastagens, USP/ESALQ Resumo Este artigo apresenta estratégias para utilização da cana-de-açúcar na alimentação de ruminantes. As estratégias estudadas foram: cana-de-açúcar picada in natura, cana fresca hidrolisada, cana-de-açúcar na forma ensilada, aditivo microbiano Lactobacillus bucheneri, aditivos químicos óxido de cálcio e uréia. Considerando o cenário atual de avanço no cultivo e produção nacional da cana-de-açúcar, o pecuarista deve estar atento às diversas oportunidades de uso desta planta nos sistemas de produção, buscando aproveitar o elevado potencial para aumentar a receita líquida da propriedade e melhorar o uso da área destinada à produção animal. Ao eleger a cana-de-açúcar como fonte de forragem para o rebanho, os produtores devem conhecer as vantagens e limitações desta cultura e estar cientes das diversas opções de uso para definir a melhor estratégia e garantir eficiência na utilização para ruminantes. Palavras-chave: pequenos ruminantes, sistema de produção, alimentação, forragem, aditivo químico Strategies to ensure efficiency in the use of sugar cane for ruminants Abstract This paper presents strategies for use of the sugar cane in the feeding of ruminants. The strategies were: sugar cane chopped in natura, fresh hydrolyzed sugar cane, sugar cane in form of silage, microbial additive - Lactobacillus bucheneri, chemical additives - calcium oxide and urea. Considering the actual setting of advances in the cuttivation and national production of sugar cane, the rancher should be aware of several opportunities of use of this plant in the production systems, in search of use of the high potential for increase the net recipe of the property and improve the use of the area for animal production. By choosing the sugar cane as a source of fodder for the herd, the producers must know the advantages and limitations of this culture and be aware of the various use options to define the best strategy and ensure efficiency in the use for ruminants and improve the use of the area for animal production. Keywords: small ruminants, production system, feeding, forrage, chemical additive Introdução As oportunidades de uso da cana-de-açúcar para ruminantes no contexto de avanço do setor sucro-alcooleiro são referidas neste estudo. Em sistemas intensivos de produção de ruminantes, a maximização do potencial produtivo das pastagens durante o período chuvoso aumenta a capacidade de suporte da fazenda e, para a manutenção de elevadas taxas de lotação durante a estação seca do ano, torna-se necessário a utilização de volumosos suplementares. Quando comparada a outras fontes de forragens, a cana-de-açúcar tem se apresentado como alternativa economicamente viável na maioria das simulações de custo de produção e, mais que isso, tem gerado coeficientes de desempenho animal satisfatório quando comparada com qualquer outra fonte de alimento volumoso. A grande difusão dessa cultura para áreas tradicionais de pecuária tem sido fator de estímulo para o seu uso como volumoso na alimentação animal. O desenvolvimento tecnológico propiciou o lançamento de cultivares apropriadas à alimentação e produção de ruminantes e favoreceu o posicionamento destes materiais aos diversos ambientes de produção. Estes fatores, aliados aos aspectos já consagrados entre os produtores, como facilidade de cultivo e viabilidade econômica ajudaram na expansão desse volumoso para os sistemas de produção animal. A análise conjunta do cenário agrícola mundial indica que o setor sucro-alcooleiro continuará em processo de expansão. Diante desse contexto, o avanço da cana-deaçúcar em áreas de produção de grãos e produtos animais é um evento que continuará ocorrendo. Considerando a atual conjuntura de avanço no cultivo e produção nacional de cana-de-açúcar, diversas oportunidades de uso desta planta surgem nos sistemas de produção animal, com elevado potencial de contribuir para aumentar a receita líquida da propriedade e possibilitar melhor uso da área destinada à pecuária. 27

2 Atualmente encontram-se, com certa frequência, sistemas de produção que mantém canaviais exclusivamente para alimentação animal. Entretanto, estes apresentam baixa produtividade e reduzida longevidade dos talhões, resultando em elevado custo da forragem. Este quadro pode ser facilmente revertido se a cana utilizada para alimentação do rebanho for produzida pelo segmento agrícola das usinas. Desta forma, a responsabilidade dos tratos culturais e o manejo dos canaviais seriam atribuídos ao mesmo prestador de serviço que atende as usinas, resultando em melhores índices agronômicos dos talhões, com impacto direto no aumento da produtividade e redução de custo de produção da forragem e, consequentemente da alimentação do rebanho. Considerando essa possibilidade de terceirização da produção da forragem utilizando o know-how das unidades produtoras de açúcar e álcool, o produtor pode concentrar seus esforços sobre aspectos relacionados à colheita e utilização da forragem e planejamento da alimentação do rebanho ao longo do ano. Dentro deste contexto, a conservação da cana-de-açúcar na forma de silagem pode ser uma ferramenta estrategicamente interessante por possibilitar a concentração das atividades de tratos culturais, permitindo desta forma, aumento na longevidade do talhão, por favorecer uma rebrota mais uniforme e maior eficiência no controle de plantas daninhas. Além disso, esta técnica coloca-se como alternativa de recurso forrageiro por viabilizar o uso da cana-de-açúcar na alimentação de rebanhos de médio e grande porte e reduzir a utilização de mão-de-obra com alimentação dos animais. Além da cana-de-açúcar, o complexo agroindustrial canavieiro gera diversos subprodutos, como a levedura, o melaço, o bagaço e a ponta da cana, no caso de utilização da colheita mecanizada. Estes subprodutos apresentam elevado potencial de uso na alimentação animal e podem contribuir para redução do custo de produção. A ponta da cana é um subproduto que se coloca como potencial fonte de volumoso para alimentação animal. O segmento de pesquisa já começa a imprimir esforços no sentido de avaliar o valor nutritivo da ponta em cultivares de cana-de-açúcar, a qual pode ocasionar dificuldades no manejo dos talhões e oferecer estratégias de colheita e conservação dessa fonte de forragem. Esse subproduto, que já foi estudado intensamente nas décadas de 60 e 70, pode gerar receitas interessantes ao sistema de produção animal e, simultaneamente, promover acomodações convenientes na área agrícola. Por razões de ordem agronômicas e/ou econômicas a exploração isolada da lavoura ou da pecuária tende a apresentar sinais de insustentabilidade. O monocultivo da cana-de-açúcar pode resultar em aumento dos custos de produção e redução da margem de lucro devido à maior incidência de pragas, doenças e plantas invasoras. Tendo em vista estes aspectos, a integração da pecuária com a cana-deaçúcar pode contribuir para reduzir os aspectos negativos do ponto de vista ambiental. Desta forma, a rotação de cultura nas áreas de reforma dos canaviais se coloca como uma interessante alternativa de uso da cana-de-açúcar em sistemas de produção animal, uma vez que cria oportunidade ao pecuarista para explorar a produção de grãos de cereais e oleaginosas, ingredientes tradicionalmente utilizados na formulação de rações para ruminantes, e auxilia na diminuição da pressão de seleção por pragas e doenças na monocultura instalada. A conciliação desses dois sistemas de produção na propriedade rural permite maior diversificação e, consequentemente, redução dos riscos e aumento da margem de lucro, cenário geralmente observado com os avanços tecnológicos trazidos pela agricultura empresarial. Estratégias de utilização da cana-de-açúcar na alimentação do rebanho Cana fresca picada in natura Tradicionalmente o uso da cana-de-açúcar baseia-se no corte diário e fornecimento imediato da forragem fresca no cocho para alimentação do rebanho. Entretanto, deve-se atentar para as limitações do ponto de vista nutricional, o que impede seu uso como única fonte de alimento para ruminantes. De acordo com Nussio et al. (2006), a combinação adequada de ingredientes visando corrigir as deficiências nutricionais da cana-de-açúcar já foi bastante discutida, embora ainda seja foco de divergências entre técnicos e pesquisadores. Em extensa revisão de literatura, Santos et al. (2005) abordaram os principais fatores a serem considerados no balanceamento de rações contendo cana-de-açúcar como ingrediente volumoso. Por ser um ingrediente extremamente carente em proteína, a cana-de-açúcar demanda correção nos teores dessa fração, elevando assim, de forma significativa, o custo dessas rações (Santos et al., 2005). Além da uréia, tradicionalmente utilizada como ingrediente protéico de baixo custo, fontes de proteína verdadeira, como farelos de soja e algodão, caroço de algodão, grãos de soja, glúten de milho, entre outros, devem estar presentes nas rações contendo cana-de-açúcar, quando se almeja elevado desempenho animal, mesmo com elevação no custo unitário da ração, que muitas vezes se reflete em redução no custo do produto final (carne ou leite). Segundo Nussio et al. (2006) desequilíbrios na composição do leite produzido por vacas alimentadas com rações contendo cana-de-açúcar, frequentemente associados à presença desse volumoso, provavelmente se devem mais ao desbalanceamento de nutrientes do que a uma característica intrínseca a essa fonte de forragem. Cana fresca hidrolisada O fornecimento da cana-de-açúcar na forma in natura tem possibilitado alternativas de manejo com base na utilização de agentes hidrolíticos imediatamente após a 28

3 colheita da forragem no campo e posterior armazenamento desse material tratado em ambiente protegido. A adição do agente hidrolítico sugere a redução da frequência de corte sem perda de capacidade de colheita, alcançando benefícios em termos de qualidade de vida no campo e facilitação das atividades dentro da propriedade rural. Essa menor freqüência de corte permite ainda redução da demanda por mão-de-obra sem, contudo, necessidade de investimentos em equipamentos. Em fazendas de pequeno porte, onde a aquisição e manutenção de equipamentos de colheita mecanizada podem dificultar a viabilidade econômica em virtude da necessidade de alto investimento inicial, o aumento da capacidade de colheita pode ser alcançado com o uso dessa técnica. Aliado a esses fatores, o baixo custo do aditivo e a concentração da colheita são benefícios adicionais que também devem ser considerados, embora a manipulação da forragem tratada ainda se constitua em demanda logística adicional. Outro fator relevante está relacionado com o efeito do aditivo na fração fibrosa da cana-de-açúcar. A ação hidrolítica desses agentes sob componentes da parede celular pode resultar em alimento com menor teor de FDN e com maior digestibilidade da matéria seca. Dessa forma, o uso dessa técnica poderia proporcionar ganhos adicionais em termos de valor nutritivo da cana-de-açúcar, possibilitando maior consumo e desempenho animal. Buscando conhecer as alterações decorrentes da hidrólise Santos (2007), trabalhando com doses crescentes de óxido de cálcio (cal virgem) em cana-de-açúcar tratada em montes, observou que a utilização do aditivo apresentou efeito benéfico para as variáveis de estabilidade aeróbia, reduzindo o aquecimento da massa, as perdas de matéria seca e os picos de temperatura. Na avaliação do valor nutritivo, o tratamento com cal virgem aplicado à cana picada e armazenada em montes apresentou pouco efeito sobre as variáveis químicobromatológicas. Apenas no período imediatamente após a adição do aditivo foi constatada solubilização parcial da hemicelulose e manutenção das frações FDN e FDA. A escassez de dados que realmente definam o tempo máximo de exposição aeróbia, a dose ideal do aditivo, a alteração da composição fibrosa e a quantificação das perdas ocorridas durante o processo geram a necessidade de estudos que, certamente, poderão contribuir para recomendação mais segura, com base em critérios técnicos. Cana-de-açúcar na forma ensilada Embora tenha sido objeto de estudo durante as décadas de 70 e 80 por pesquisadores da América Central e do Norte, somente a partir do final dos anos 90 é que começaram a surgir os primeiros trabalhos nacionais sobre a qualidade nutricional da cana-de-açúcar ensilada. Atualmente, a conservação da cana-de-açúcar na forma de silagem tem despertado o interesse de pesquisadores e produtores, em função dos benefícios em logística e operacionalidade que esta técnica apresenta. A prática da ensilagem da cana-de-açúcar resulta na redução de mão-de-obra, permite que grandes áreas sejam colhidas em um curto espaço de tempo, na época em que a forrageira apresenta melhor valor nutritivo, a qual coincide com o período das secas, mais propício aos trabalhos no campo. Portanto, o processo de ensilagem coloca-se como uma alternativa para os pecuaristas que buscam uma forma mais prática de manejo da forragem em suas propriedades e para àqueles que procuram viabilizar o aproveitamento da cana-de-açúcar como volumoso para rebanhos de médio e grande porte. Entretanto, de forma geral, o aumento do tempo de vida útil promovido pela adoção da técnica da ensilagem também deve levar em consideração fatores relacionados com o processo fermentativo. Entretanto, segundo Nussio & Schmidt (2005) a elevada produção de etanol, promovida por leveduras epífitas, é um dos principais entraves a confecção de silagem de cana-de-açúcar. Além de ser facilmente volatilizado, o etanol produzido acarreta em elevadas perdas de MS e redução no valor alimentício. Diversos autores observaram que a cana-de-açúcar, quando ensilada sem aditivos, apresenta fermentação tipicamente alcoólica e perda no valor nutritivo, com redução no conteúdo total de açúcares e sacarose e conseqüente produção de etanol, oriunda do desenvolvimento de leveduras na silagem (Kung & Stanley, 1982; Alli et al., 1983; Pedroso et al., 2005). Na fermentação da cana-de-açúcar, o açúcar é convertido em gás carbônico, água e etanol devido à elevada atividade de leveduras. Essa conversão resulta em perdas durante a estocagem e no fornecimento da silagem aos animais, levando a redução no teor de carboidratos solúveis, baixos teores de ácidos lático e acético (Alli et al., 1983). Ao se analisar o histórico sobre pesquisas com silagens de cana-de-açúcar, observa-se o interesse em identificar aditivos capazes de controlar a produção de etanol nesses volumosos. De fato, durante todos esses anos de estudo, houve grande concentração de esforços nessa área e avanços significativos foram obtidos. O surgimento de aditivos microbianos, como bactérias heterofermentativas do gênero Lactobacillus buchneri capazes de produzir compostos antifúngicos e a utilização de aditivos químicos como hidróxido de sódio (NaOH), de potássio (KOH), de amônio (NH4OH), de cálcio, carbonato de cálcio (CaCO 3), óxido de cálcio (CaO) ou a uréia que, além de aumentar valor nutritivo da silagem, controlam a população de leveduras são alguns exemplos de competência técnica adquirida nessa área. Aditivo microbiano Lactobacillus buchneri Em revisão sobre o papel do Lactobacillus buchneri na preservação de forragens, Holzer et al. (2003) afirmaram que Cooke, em 1995, foi o primeiro autor a descrever o potencial desta bactéria em inibir o crescimento de fungos e leveduras. No ano seguinte, Weinberg & Muck (1996) utilizaram o L. buchneri em silagem de milho e observaram aumento na estabilidade aeróbia. Estes autores atribuíram esta melhora à 29

4 conversão do ácido lático em ácido acético e sugeriram a utilização do L. buchneri como inoculante para silagens. As bactérias Lactobacillus buchneri não possuem a enzima acetaldeído desidrogenase, por isso não são capazes de produzir etanol durante o processo de fermentação anaeróbia da glucose. Oude Elferink et al. (2001) descreveram a via de degradação anaeróbia em que o ácido lático é convertido em ácido acético e 1,2 propanodiol pelo L. buchneri. Teoricamente, a capacidade de produzir ácido acético as expensas do ácido lático aliado ao maior poder de inibir o crescimento de mofos e leveduras apresentado pelo ácido acético confere ao L. buchneri características favoráveis que resultam em melhora na estabilidade aeróbia de materiais conservados durante a exposição ao ar. Kleinschmit & Kung Jr. (2006) avaliaram 43 experimentos que utilizaram o L. buchneri como inoculante para ensilagem de diversas plantas forrageiras (milho, sorgo, trigo, cevada e gramíneas) e afirmaram que, de forma geral, a presença do microganismo foi efetivo na redução do ph, ácido lático, população de leveduras e no aumento dos teores de ácido acético e da estabilidade aeróbia das silagens. Taylor & Kung (2002), avaliando a adição de L. buchneri 5 6 (10 e 10 ufc/g MV) em silagens de grãos úmidos de milho, constataram que estas bactérias foram eficientes no controle do desenvolvimento de leveduras e no aumento da estabilidade aeróbia. De acordo com Nussio, Shmidt & Pedroso (2003) a aplicação desses resultados vem induzindo o uso da bactéria heterolática L. buchneri como aditivo potencial à ensilagem da cana-de-açúcar, no sentido de reduzir a produção de etanol. Recentemente, diversos trabalhos nacionais têm mostrado viabilidade no uso deste microrganismo como inoculante, devido principalmente ao efeito sobre a estabilidade aeróbia do material após a abertura do silo e redução da fermentação alcoólica. Pedroso et al. (2005) avaliando o efeito de aditivos bacterianos, como L. pantarum e L. buchneri, e químicos, benzoato de sódio, sorbato de potássio e uréia, concluiu que o L. buchneri é um dos mais promissores aditivos, pois diminuiu a produção de etanol na silagem e aumentou a estabilidade aeróbia. A silagem aditivada com a bactéria demorou 78 horas para perder a estabilidade, o que corresponde a um aumento de 63% em relação à silagem controle, não aditivada. O teor de etanol encontrado na silagem com L. buchneri foi de 1,9% da MS enquanto na silagem controle esse teor chegou a 4,05 % da MS. Por outro lado, Mendes (2006) e Schmidt et al. (2007) observaram que o aditivo contendo o L. buchneri não promoveu alteração na produção de etanol de silagens de cana em comparação à silagens sem aditivos. O valor nutritivo e a estabilidade aeróbia de silagem de cana-de-açúcar inoculada com L. buchneri foram avaliados por Siqueira (2005). O autor concluiu haver maior teor de carboidratos não fibrosos e maior digestibilidade da matéria seca em silagens aditivadas com L. buchneri em comparação as silagens tratadas com a associação de bactérias ( P. acidipropionici + L. plantarum ), uréia ou benzoato de sódio e observou estabilidade aeróbia superior para silagens inoculadas com L. buchneri quando comparadas com silagem sem aditivo. Da mesma forma, Mendes (2006) verificou maior concentração de FDN, FDA e hemicelulose em silagens de cana-de-açúcar em relação ao material fornecido na forma in natura e que a silagem de cana-deaçúcar aditivada com L. buchneri apresentou maior estabilidade aeróbia em relação à silagem sem aditivo. Pedroso et al. (2006) avaliando o desempenho de novilhas recebendo silagem de cana-de-açúcar queimada observou um aumento nos índices de desempenho dos animais quando estes recebiam silagem tratada com L. buchneri. A melhor conversão alimentar apresentada pelos animais recebendo a silagem aditivada (7,73 kg MS/kg GPD) em comparação com os animais recebendo a silagem controle (9,37 kg MS/kg GPD) é resultado de um consumo similar, associados a um ganho de peso diário 32% maior para os animais comendo a silagem aditivada com a bactéria. Mendes (2006) avaliou o desempenho produtivo de cabras em lactação recebendo rações contendo 50% de volumoso e 50% de concentrado, diferindo quanto ao tipo do volumoso utilizado: cana-de-açúcar in natura, silagem de cana-de-açúcar sem aditivo ou silagem de cana-de-açúcar 4 aditivada com L. buchneri (5x10 ufc/g MV). O autor verificou que houve diferença para o consumo de matéria seca entre a cana-de-açúcar in natura picada e as silagens. Os animais que receberam a cana-de-açúcar in natura apresentaram consumo médio de 2,82 kg MS/dia, enquanto que para as silagens os consumos foram semelhantes, sendo encontrados valores de 2,22 e 2,42 kg MS/dia para os tratamentos com e sem aditivo, respectivamente. Segundo Mendes (2006) o maior consumo de matéria seca observado para a ração contendo a cana-de-açúcar in natura picada não refletiu na produção de leite, uma vez que não houve diferença entre os tratamentos. Entretanto, o autor verificou diferença nos parâmetros de composição do leite. Os teores de gordura, lactose e sólidos totais foram maiores para os tratamentos contendo silagem de cana-de-açúcar. A adição do Lactobacillus buchneri influenciou apenas a concentração de gordura, a qual foi maior para o tratamento contendo o microrganismo. O aumento observado para este componente do leite influenciou a eficiência alimentar (LCG/CMS), a qual foi menor para o tratamento contendo a cana-de-açúcar in natura. O autor afirma que a variação observada no teor de gordura do leite provavelmente está relacionada à maior concentração do ácido acético e ao maior tamanho de partículas observado para o material ensilado. Ranjit et al. (2002) avaliaram o desempenho de cordeiros da raça Dorset (35,7 ± 4,7 kg) alimentados com rações contendo silagem de milho controle ou inoculada com Lactobacillus buchneri. Estes autores concluíram que o fornecimento de silagem inoculada com L. buchneri não afetou a ingestão de matéria seca, mas aumentou a taxa 30

5 média de ganho de peso diário dos animais. Por outro lado, Mendes (2006) avaliou a utilização da cana-de-açúcar in natura ou silagens de cana-de-açúcar com ou sem o aditivo microbiano L. buchneri sobre o desempenho e parâmetros da carcaça de cordeiros confinados e não observou diferença para nenhuma das variáveis avaliadas; o que levou o autor a concluir que silagem de cana-de-açúcar aditivada com esta bactéria pode ser utilizada na alimentação de cordeiros confinados sem alterar o desempenho e as características de carcaça. Schmidt et al. (2007) avaliaram efeito da inclusão de diversos aditivos (uréia, benzoato de sódio, L. plantarum e L. buchneri) na ensilagem de cana-de-açúcar sobre a composição químico-bromatológica das silagens, o consumo voluntário e a digestibilidade em bovinos de corte. Os autores concluíram que a composição bromatológica, os teores de etanol e ácidos orgânicos foram semelhantes entre os tratamentos e a presença dos aditivos não promoveram alterações no consumo e digestibilidade da matéria seca em relação à silagem produzida sem aditivos. Da mesma forma, Mendes (2006) não verificou diferença no consumo e na digestibilidade da matéria seca de borregos alimentados com silagens de cana-de-açúcar sem aditivo ou tratada com L. buchneri. Aditivo Químico - Óxido de cálcio O processo de calcinação (aquecimento) das rochas de calcita e dolomita moídas tem como produto final o óxido de cálcio (CaO), também conhecido como cal virgem. O processamento das rochas calcárias para a geração de compostos mais reativos traz como benefício adicional a obtenção de produtos livres de elementos tóxicos. Dessa forma, esses produtos podem ser utilizados como aditivos na produção animal sem ocasionar risco de intoxicação alimentar. A cal microprocessada utilizada recentemente para o controle da fermentação alcoólica em silagens de cana-de-açúcar é um exemplo dessa classe de aditivos. Supõe-se que esse aditivo aumente o ph, reduza a fermentação da sacarose a etanol e gás, melhore a estabilidade aeróbia e minimize perdas totais após abertura do silo (Balieiro Neto et al., 2005a). Segundo Santos et al. (2006) a utilização do óxido de cálcio foi capaz de promover alteração nos componentes da parede celular da cana-deaçúcar e redução do desaparecimento de frações orgânicas solúveis. Santos (2007) trabalhando com diferentes doses de cal virgem em silagem de cana-de-açúcar observou redução significativa da produção de etanol, conseqüentemente, maior recuperação de matéria seca e de carboidratos solúveis. Balieiro Neto et al. (2005a) avaliando silagens de canade-açúcar sem aditivo e aditivadas com 0,5, 1,0 e 2,0% de óxido de cálcio observaram maiores valores de ph para silagens com maiores teores do aditivo. Devido o alto teor de carboidratos solúveis e baixo teor de proteína bruta a canade-açúcar não apresenta resistência à queda de ph e, um valor muito reduzido pode comprometer o consumo pelos animais e aumentar perdas por fermentação da sacarose a álcool e gás. Por outro lado, valores de ph mais altos em silagens de cana devido à ação de aditivo, não implicariam necessariamente em associações com fermentação inadequada e com alto teor de nitrogênio amoniacal, proliferação de bactérias do gênero clostridium e produção de ácido butírico. Segundo Balieiro Neto et al. (2005b) a adição de óxido de cálcio nas silagens de cana-de-açúcar promoveu a solubilização parcial da hemicelulose, sendo que a adição de 2% do aditivo acarretou em aumento da digestibilidade verdadeira in vitro, redução dos constituintes da parede celular e manutenção da FDN e hemicelulose após a abertura dos silos. Cavali et al. (2006) avaliaram a ensilagem da cana-deaçúcar com adição de diferentes doses de óxido de cálcio (0,5; 1,0; 1,5 e 2,0%) e verificaram aumento linear no teor de MS na medida em que se elevou a dosagem de óxido de cálcio nas silagens. Os autores atribuíram este fato à elevada capacidade de retenção de água da cal, o que resultou também em menor produção de efluentes. Para o mesmo trabalho, os autores observaram redução nos constituintes da parede celular, na produção de gases e aumento nos valores de recuperação de matéria seca com o aumento no teor do aditivo. O uso de aditivos, contudo, nem sempre vem acompanhado de melhora no desempenho de animais recebendo silagens tratadas. Se o aditivo for capaz de alterar significativamente o padrão de fermentação das silagens, reduzindo as perdas totais e aumentando a recuperação de matéria seca de forma economicamente viável, sua utilização provavelmente já se torna justificável, mesmo sem promover alterações no desempenho animal. Aditivo Químico - Uréia A possibilidade de obtenção da amônia através da uréia impulsionou as pesquisas com o uso desse aditivo. Segundo Nussio & Schmidt (2005) inúmeros trabalhos vêm sendo realizados para avaliar o efeito da uréia como aditivo em silagem de cana-de-açúcar (Pedroso et al. 2005; Siqueira, 2005; Schmidt et al., 2007). De modo geral, doses entre 0,5 e 1,0% da matéria verde (MV) sugerem serem mais efetivas em reduzir, pela ação anti-fúngica, as perdas fermentativas, embora não apresente efeito sobre o controle de produção de álcool e efluentes. Doses superiores de uréia exercem efeito tampão, o que é crítico ao processo de fermentação, além de aumentarem o custo da produção da silagem. Molina et al. (2002) constataram que silagens tratadas com 0,5 e 1,5% de uréia proporcionaram bom padrão fermentativo e melhor composição bromatológica, como teor de MS mais elevado e teores mais baixos de FDA e FDN, em comparação à silagem de cana-de-açúcar sem aditivos. 31

6 Junqueira (2006) encontrou diminuição da produção de etanol nas silagens de cana-de-açúcar tratadas com uréia em relação à silagem sem aditivo. A recuperação de N nas silagens aditivadas com uréia é geralmente alta (acima de 70%), o que deve ser computado como benefício adicional na escolha desse aditivo (Nussio & Schmidt, 2005), fato este observado por Pedroso et al. (2005), Roth et al. (2005); Junqueira (2006), os quais avaliaram doses crescentes de uréia na ensilagem da canade-açúcar e encontraram elevação dos valores de proteína bruta da forragem. Adicionalmente, Gentil et al. (2007) avaliaram a utilização da uréia como aditivo da silagem de cana-de-açúcar nas doses de 1,0% e 1,5% da matéria verde sobre o consumo voluntário, digestibilidade e balanço de nitrogênio em borregos. Os autores não encontraram diferença na ingestão e concluíram que o processo de ensilagem com aditivos foi eficiente em manter o valor nutritivo. Junqueira (2006) observou que o tratamento contendo 2,0% de uréia foi o melhor resultado na avaliação da composição bromatológica das silagens e se manteve mais estável durante toda à exposição aeróbia. Adicionalmente, Pedroso et al. (2005) avaliaram o efeito de aditivos químicos contendo diferentes concentrações de hidróxido de sódio e uréia (0,5, 1,0 e 1,5% da matéria verde) na ensilagem da cana-de-açúcar e observaram que a menor concentração de uréia levou a redução na estabilidade aeróbia em 25% quando comparada ao controle (48h vs 65h), a maior concentração resultou em acréscimo de 22% na estabilidade (79h vs 65h). Segundo o autor esses dados evidenciam o aumento do poder inibidor do desenvolvimento de leveduras, com o aumento da dose de uréia. Sousa et al. (2005) avaliaram os parâmetros fermentativos de silagem de cana-de-açúcar com aditivos químicos e bacterianos, incluindo uréia na concentração de 1% da matéria verde. Os resultados mostraram que os aditivos alteraram a cinética das perdas durante os tempos de estocagem, sendo que a silagem tratada com uréia apresentou em relação ao controle menor perda por gases (28,01% contra 32,5%) e maior recuperação de matéria seca (74,24 contra 64,71%). Junqueira (2006) trabalhando com novilhas recebendo silagens de cana-de-açúcar aditivadas com diferentes concentrações de uréia (1,0, 1,5 e 2,0% na MV) e L. buchneri não observou diferença entre os tratamentos quanto ao consumo de matéria seca (kg/d), a conversão alimentar (kg MS/kg GPD) ou taxa de ganho diário de peso vivo. O consumo de matéria seca variou de 7,73 kg no tratamento com uréia (1,5% MV) até 8,76 kg no tratamento com L. buchneri. A conversão alimentar variou de 8,15 para o tratamento uréia 1,0% MV até 9,17 para o tratamento contendo L.buchneri. A taxa de ganho de peso variou de 0,98 kg para o tratamento uréia 1,0% até 1,05 kg para o tratamento contendo o L. buchneri. Gentil (2007), trabalhando com cabras em lactação alimentadas com rações contendo cana-de-açúcar fresca picada, silagem de cana-de-açúcar inoculada com L. 4 buchneri (5x10 ufc/g MV), silagem de cana-de-açúcar aditivada com 1,0% de uréia e silagem de cana-de-açúcar aditivada com 1,5% de uréia, observou que o consumo de matéria seca não diferiu entre os tratamentos avaliados. Este fato refletiu na produção de leite, já que também apresentou resultados semelhantes entre as comparações. Ao comparar o tratamento cana-de-açúcar fresca com as silagens de canade-açúcar aditivadas com uréia este autor observou aumento no teor de gordura do leite das cabras alimentadas com as silagens. Considerações Finais Embora o atual sucesso alcançado pelo setor canavieiro pareça ameaçar a atividade pecuária, devido ao avanço da cultura da cana-de-açúcar sobre áreas de pastagem, as quais são exploradas de forma extensiva e apresentam baixa competitividade. Entretanto, vale ressaltar que a perda de áreas para o cultivo da cana-de-açúcar não significa, necessariamente, diminuição da capacidade de produção de produto animal, principalmente carne e leite, a qual pode ser obtida pelo melhor gerenciamento do sistema de produção pecuária e aplicação de tecnologias. Considerando o cenário atual de avanço no cultivo e produção nacional da cana-de-açúcar, o pecuarista deve estar atento às diversas oportunidades de uso desta planta nos sistemas de produção, buscando aproveitar o elevado potencial para aumentar a receita líquida da propriedade e melhorar uso da área destinada à produção animal. Ao eleger a cana-de-açúcar como fonte de forragem para o rebanho, os produtores devem conhecer as vantagens e limitações desta cultura e estar cientes das diversas opções de uso para definir a melhor estratégia e garantir eficiência na utilização para ruminantes. Referências ALLI, I.; FAIRBAIRN, R.; BAKER, B.E.; GARCIA, G. The effects of ammonia on the fermentation of chopped sugarcane. Animal Feed Science and Technology, v. 9, p , BALIEIRO NETO, G.; SIQUEIRA, G.R.; NOGUEIRA, J.R.; REIS, R.A.; SILVA, D.N.; ROTH, M.T.P.; ROTH, A.P.T.P. Valor nutritivo da silagem de cana-de-açúcar cv. IAC 86/2480 (Saccharum officinarum L.) com doses de óxido de cálcio antes e depois da ensilagem e com 3, 6 e 9 dias após abertura do silo. In: REUNION DE LA ASOCIACÓN LATINOAMERICANA DE PRODUCCIÓN ANIMAL, 19., 2005b. Tampico. Anais... Tampico: ALPA, 2005b. 1 CD-ROM. BALIEIRO NETO, G.; SIQUEIRA, G.R.; NOGUEIRA, J.R.; REIS, R.A.; SILVA, D.N.; ROTH, A.P.T.P.; ROTH, M.T.P. Perdas na ensilagem da cana-de-açúcar cv. IAC86/2480 (Saccharum officinarum L.) com doses de óxido de cálcio. In: REUNIÃO ANUAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE ZOOTECNIA, 42., 2005, Goiânia. Anais... Goiânia: SBZ, 2005a. 1 CD-ROM. 32

7 CAVALI, J.; PEREIRA, O.G.; SOUSA, L.O. et al. Silagem de cana-deaçúcar tratada com óxido de cálcio: composição bromatológica e perdas. In: REUNIÃO ANUAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE ZOOTECNIA, 43., João Pessoa, Anais... João Pessoa: SBZ, CD-ROM GENTIL, R.S.; PIRES, A.V.; SUSIN, I.; NUSSIO, L.G.; MENDES, C.Q.; MOURÃO, G.B. Digestibilidade aparente de dietas contendo silagem de cana-de-açúcar tratada com aditivo químico ou microbiano para cordeiros. Acta Scientiarum Animal Science, v.29, n.1, p.63-67, JUNQUEIRA, M.C. Aditivos químicos e inoculantes microbianos em silagens de cana-de-açúcar: perdas na conservação, estabilidade aeróbia e o desempenho de animais p. Dissertação (Mestrado em Ciência Animal e Pastagens) Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, Universidade de São Paulo, Piracicaba, HOLZER, M.; MAYRHUBER, E.; DANNER, H.; BRAUN, R. The role of Lactobacillus buchneri in forage preservation: Review. Trends in Biotechnology, v. 21, n. 6, p , KLEINSCHIMIT, D.H.; KUNG, Jr. A meta-analysis of the effect of Lactobacillus buchneri on the fermentation and aerobic stability of corn and grass small-grain silges. Journal of Dairy Science, v.89, n.10, p , KUNG, L.Jr.; STANLEY, R. W. Effect of stage of maturity on the nutritive value of whole-plant sugarcane preserved as silage. Journal of Animal Science, v. 54, p , MENDES, C.Q. Silagem de cana-de-açúcar na alimentação de ovinos e caprinos: valor nutritivo, desempenho e valor nutritivo p. Dissertação (Mestrado em Agronomia) Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, Universidade de São Paulo, Piracicaba, MOLINA, L.R.; FERREIRA, D.A.; GONÇALVES, L.C.; CASTRO NETO, A.G.; RODRIGUES, N.M. Padrão de fermentação da silagem de cana-de-açúcar (Saccharum officinarum L.) submetida a diferentes tratamentos In: REUNIÃO ANUAL DA SOCIEDADE BRSILEIRA DE ZOOTECNIA, 39., 2002, Recife. Anais... Recife: SBZ, CD-ROM. NUSSIO, L.G.; SCHMIDT, P.; SCHOGOR, A.L.B.; MARI, L.J. Cana-deaçúcar como alimento para bovinos. In: SIMPÓSIO SOBRE MANEJO ESTRATÉGICO DA PASTAGEM, 3., 2006,Viçosa. Anais...Viçosa: FUNERB, p NUSSIO, L. G.; SCHMIDT, P.; PEDROSO, A. F. Silagem de cana-deaçúcar. In: SIMPÓSIO SOBRE MANEJO DA PASTAGEM : PRODUÇÃO ANIMAL EM PASTAGENS. 20., 2003, Piracicaba. Anais... Piracicaba: FEALQ, p NUSSIO, L.G; SCHMIDT, P. Silagens de cana-de-açúcar para bovinos leiteiros: aspectos agronômicos e nutricionais. In: SIMPÓSIO SOBRE BOVINOCULTURA LEITEIRA, 5., Piracicaba, Anais... Piracicaba: FEALQ, p OUDE ELFERINK, S. J. W. H.; KROONEMAN, J.; GOTTSCHAL, J.C.; SPOELSTRA, S.F.; FABER, F.; DRIEHUIS, F. Anaerobic conversion of lactic acid to acetic acid and 1,2 propanediol by Lactobacillus buchneri. Applied Environmental Microbiology, Washington, v. 67, p , PEDROSO, A.F.; NUSSIO, L.G.; PAZIANI, S.F.; LOURES, D.R.S.; IGARASI, M.S.; COELHO, R M.; PACKER, I.U.; HORII, J.; GOMES, L.H. Fermentation and epiphytic microflora dynamics in sugar cane silage. Scientia Agricola, Piracicaba, v. 62, n. 5, p , PEDROSO, A.F.; NUSSIO, L.G.; BARIONI JR, W. et al. Performance of Holstein heifers fed sugarcane treated with urea, sodium benzoate or Lactobacillus buchneri. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v.41, n.4, p , RANJIT, N.K.; TAYLOR, C.C.; KUNG, L.Jr. Effect of Lactobacillus buchneri on the fermentation, aerobic estability and nutritive value of maize silage. Grass Forage Science, v.57, p.73-81, ROTH, M.T.P.; SIQUEIRA, G.R.; REIS, R.A.; SCHOCKEN- ITURRINO, R.B.; BERNARDES, T.F.; PIRES, A.J.V.; ROTH, A.P.T.P.; AMARAL, R.C. Ensilagem da cana-de-açúcar (Saccharum officinarum L.) tratada com doses de uréia. In: REUNIÃO ANUAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE ZOOTECNIA, 42., 2005, Goiânia. Anais Goiânia: UFG/SBZ, CD-ROM. SANTOS, F.A.P.; VOLTOLINI, T.V.; PEDROSO, A.M. Balanceamento de rações com cana-de-açúcar para rebanhos leiteiros: até onde é possível ir. In: CARVALHO, M.P.; SANTOS, M.V. (Org.). Estratégia e competitividade na cadeia de produção de leite. 7 ed. Uberlândia: Bertaier, 2005, p SANTOS, M.C. Aditivos químicos para o tratamento da cana-deaçúcar in natura e ensilada (Saccharum officinarum L.) p. Dissertação (Mestrado em Agronomia) Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, Universidade de São Paulo, Piracicaba, SCHMIDT, P.; MARI, L.J.; NUSSIO, L.G.; PEDROSO, A.F.; PAZIANI, S.F.; WECHSLER, F.S.Aditivos químicos e biológicos na ensilagem de cana-de-açúcar. 1. Composição química das silagens, ingestão, digestibilidade e comportamento ingestivo. Revista da Sociedade Brasileira de Zootecnia, v. 36, n.5, p , 2007 (supl.). SIQUEIRA, G.R. Cana-de-açúcar (Saccharum officinarum L.) ensilada com aditivos químicos e microbianos p. Dissertação (Mestrado em Zootecnia) - Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Jaboticabal, SOUSA, D. P.; MATTOS, W.R.S.; NUSSIO, L.G.; MARI, L.J.; SANTOS, M.C.; ZOPOLLATTO, M.; SCHMIDT, P.; RIBEIRO, J.L. ; QUEIROZ, O.C.M.; JUNQUEIRA, M.C.; CAMARGO, M.S.; TOLEDO FILHO, S.G.; FIGUEIRÓ, R.N. Avaliação das perdas por efluentes e gases em silagens de cana-de-açúcar aditivadas com inoculantes químicos e bacterianos. In: REUNIÃO ANUAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE ZOOTECNIA, 42., 2005, Goiânia, Anais Goiânia: UFG/SBZ, CD ROM. TAYLOR, C.C.; KUNG, L.Jr. The effect of Lactobacillus buchneri on the fermentation and aerobic stability of high moisture corn in laboratory silos. Journal of Dairy Science, v. 85, p , WEINBERG, Z.G.; MUCK, R.E. New trends and opportunities in development and use of inoculants for silage. FEMS Microbilogy Reviews, v. 19, p ,

Inclusão de bagaço de cana de açúcar na alimentação de cabras lactantes: desempenho produtivo

Inclusão de bagaço de cana de açúcar na alimentação de cabras lactantes: desempenho produtivo Inclusão de bagaço de cana de açúcar na alimentação de cabras lactantes: desempenho produtivo José Maria de OLIVEIRA Júnior 1 ; Gian Nascimento 2 ; Rafael Mendonça de Carvalho ² ; Wanderson Bahia Paulineli²;

Leia mais

ENSILAGEM DE CANA-DE-AÇÚCAR (Saccharum spp.) COM ÊNFASE NO USO DE ADITIVOS

ENSILAGEM DE CANA-DE-AÇÚCAR (Saccharum spp.) COM ÊNFASE NO USO DE ADITIVOS 1 BOLETIM TÉCNICO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS ENSILAGEM DE CANA-DE-AÇÚCAR (Saccharum spp.) COM ÊNFASE NO USO DE ADITIVOS Boletim Técnico - n.º 72 - p. 1-20 Lavras/MG GOVERNO DO BRASIL 2 MINISTÉRIO DA

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: <http://www.pubvet.com.br/texto.php?id=129>.

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: <http://www.pubvet.com.br/texto.php?id=129>. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: . Diferentes níveis de uréia adicionados à cana-de-açúcar (Saccharum officinarum L.) no

Leia mais

SILAGEM DE MILHO DE ALTA QUALIDADE

SILAGEM DE MILHO DE ALTA QUALIDADE SeGurança para produzir mais e melhor! Programa Qualidade Total: SILAGEM DE MILHO DE ALTA QUALIDADE Autor: Eng. Agr., Dr. Mikael Neumann Ano: 2009 SILAGEM DE MILHO DE ALTA QUALIDADE Mikael Neumann 1 1

Leia mais

TRATAMENTO QUÍMICO DE RESÍDUOS AGRÍCOLAS COM SOLUÇÃO DE URÉIA NA ALIMENTAÇÃO DE RUMINANTES

TRATAMENTO QUÍMICO DE RESÍDUOS AGRÍCOLAS COM SOLUÇÃO DE URÉIA NA ALIMENTAÇÃO DE RUMINANTES TRATAMENTO QUÍMICO DE RESÍDUOS AGRÍCOLAS COM SOLUÇÃO DE URÉIA NA ALIMENTAÇÃO DE RUMINANTES INTRODUÇÃO Onaldo Souza 1 Mariah Tenório de Carvalho Souza 2 Izabele Emiliano dos Santos 3 Cereal é a denominação

Leia mais

Diferimento de pastagens para animais desmamados

Diferimento de pastagens para animais desmamados Diferimento de pastagens para animais desmamados Marco Antonio Alvares Balsalobre Eng. Agrônomo doutor em Ciência Animal e Pastagens Diretor de Produto da Bellman Nutrição Animal LTDA Mirella Colombo Moscardini

Leia mais

SUPLEMENTAÇÃO DE BEZERROS DE CORTE

SUPLEMENTAÇÃO DE BEZERROS DE CORTE SUPLEMENTAÇÃO DE BEZERROS DE CORTE Nos primeiros meses de vida os bezerros obtêm grande parte dos nutrientes de que precisa do leite materno, que é de fácil digestão para o animal que ainda é jovem. Em

Leia mais

Culturas anuais para produção de volumoso em áreas de sequeiro

Culturas anuais para produção de volumoso em áreas de sequeiro Culturas anuais para produção de volumoso em áreas de sequeiro Henrique Antunes de Souza Fernando Lisboa Guedes Equipe: Roberto Cláudio Fernandes Franco Pompeu Leandro Oliveira Silva Rafael Gonçalves Tonucci

Leia mais

bovinos de corte A resposta para o X da sua questão está aqui.

bovinos de corte A resposta para o X da sua questão está aqui. bovinos de corte A resposta para o da sua questão está aqui. índice Linha Campo Linha PSAI Linha Branca Linha Araguaia Núcleos Rações Linha Phós Aditivos 6 11 12 16 17 21 24 26 2 A Premix está comprometida

Leia mais

Introdução. Leandro Sâmia Lopes (1), Adauto Ferreira Barcelos (2), Paulo César de Aguiar Paiva (3) (1) Bolsista BIC FAPEMIG/EPAMIG;

Introdução. Leandro Sâmia Lopes (1), Adauto Ferreira Barcelos (2), Paulo César de Aguiar Paiva (3) (1) Bolsista BIC FAPEMIG/EPAMIG; APROVEITAMENTO DO RESÍDUO DE BATATA (SOLANUM TUBEROSUM L.) NAS FORMAS DE RASPA DESIDRATADA E ENSILADA COM CAPIM-ELEFANTE, NA ALIMENTAÇÃO DE BOVINOS. I-AVALIAÇÃO DA SILAGEM DE CAPIM-ELEFANTE COM DIFERENTES

Leia mais

Qualidade da silagem de milho em função do teor de matéria seca na ocasião da colheita

Qualidade da silagem de milho em função do teor de matéria seca na ocasião da colheita ISSN 1518-4269 Qualidade da silagem de milho em função do teor de matéria seca na ocasião da colheita 112 A forragem obtida a partir do milho é a mais tradicional por apresentar condições ideais para uma

Leia mais

ARTIGO TÉCNICO Minerthal Pró-águas Suplementação protéica energética no período das águas

ARTIGO TÉCNICO Minerthal Pró-águas Suplementação protéica energética no período das águas ARTIGO TÉCNICO Minerthal Pró-águas Suplementação protéica energética no período das águas A bovinocultura de corte brasileira tem sua produção concentrada em sistemas de pastejo e, portanto, dependente

Leia mais

Universidade Federal do Paraná Departamento de Zootecnia Centro de Pesquisa em Forragicultura (CPFOR)

Universidade Federal do Paraná Departamento de Zootecnia Centro de Pesquisa em Forragicultura (CPFOR) Universidade Federal do Paraná Departamento de Zootecnia Centro de Pesquisa em Forragicultura (CPFOR) EXCESSO DE PICAGEM NA SILAGEM DE MILHO: DESEMPENHO E SAÚDE DAS VACAS Elinton Weinert Carneiro Méd.

Leia mais

Utilização de dietas de alto concentrado em confinamentos

Utilização de dietas de alto concentrado em confinamentos Utilização de dietas de alto concentrado em confinamentos FMVZ Unesp Botucatu João Ricardo Ronchesel Henrique Della Rosa Utilização de dietas de alto concentrado em confinamentos Evolução do manejo nutricional

Leia mais

USO DE CONCENTRADOS PARA VACAS LEITEIRAS

USO DE CONCENTRADOS PARA VACAS LEITEIRAS USO DE CONCENTRADOS PARA VACAS LEITEIRAS Ivan Pedro de O. Gomes, Med.Vet., D.Sc. Professor do Departamento de Zootecnia CAV/UDESC. e-mail: a2ipog@cav.udesc.br A alimentação constitui-se no principal componente

Leia mais

PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP

PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP Autores: Eng.º Agr.º José Alberto Ávila Pires Eng.º Agr.º Wilson José Rosa Departamento Técnico da EMATER-MG Trabalho baseado em: Técnicas

Leia mais

ALIMENTAÇÃO DE CORDEIROS LACTENTES

ALIMENTAÇÃO DE CORDEIROS LACTENTES ALIMENTAÇÃO DE CORDEIROS LACTENTES Mauro Sartori Bueno, Eduardo Antonio da Cunha, Luis Eduardo dos Santos Pesquisadores Científicos do Instituto de Zootecnia, IZ/Apta-SAA-SP CP 60, Nova Odessa-SP, CEP

Leia mais

Avaliação agronômica de variedades de cana-de-açúcar, cultivadas na região de Bambuí em Minas Gerais

Avaliação agronômica de variedades de cana-de-açúcar, cultivadas na região de Bambuí em Minas Gerais Avaliação agronômica de variedades de cana-de-açúcar, cultivadas na região de Bambuí em Minas Gerais César Ferreira Santos¹; Antônio Augusto Rocha Athayde²; Geann Costa Dias 1 ; Patrícia Fernades Lourenço¹

Leia mais

Conservação de Forragem Silagem. Sistema de Produção de Carne. Produção de forragem O QUE FAZER COM ESSES ANIMAIS NA ÉPOCA SECA???

Conservação de Forragem Silagem. Sistema de Produção de Carne. Produção de forragem O QUE FAZER COM ESSES ANIMAIS NA ÉPOCA SECA??? Conservação de Forragem Silagem Sistema de Produção de Carne Terminados a pasto aproximadamente 90 % Terminados em confinamentos aproximadamente 10% Produção de forragem > Quantidade Forragem > Qualidade

Leia mais

ÍNDICE MITSUISAL A SUA NOVA OPÇÃO COM QUALIDADE

ÍNDICE MITSUISAL A SUA NOVA OPÇÃO COM QUALIDADE ÍNDICE Suplementos minerais pronto para uso Mitsuisal 40 - Bovinos de corte Mitsuisal 60 - Bovinos de corte Mitsuisal 65 - Bovinos de corte Mitsuisal 80 - Bovinos de corte Mitsuisal 88 - Bovinos de corte

Leia mais

CULTIVARES DE MILHO PARA SILAGEM

CULTIVARES DE MILHO PARA SILAGEM CULTIVARES DE MILHO PARA SILAGEM Solidete de Fátima Paziani, Pólo APTA Centro Norte, Pindorama/SP Aildson Pereira Duarte, Programa Milho IAC/APTA, Assis/SP Luiz Gustavo Nussio, USP/ESALQ, Piracicaba/SP

Leia mais

Valor nutritivo da cana-de-açúcar hidrolisada com hidróxido de sódio ou óxido de cálcio

Valor nutritivo da cana-de-açúcar hidrolisada com hidróxido de sódio ou óxido de cálcio Arq. Bras. Med. Vet. Zootec., v.61, n.5, p.1156-1164, 2009 Valor nutritivo da cana-de-açúcar hidrolisada com hidróxido de sódio ou óxido de cálcio [Nutritional value of the hydrolyzed sugarcane with sodium

Leia mais

UTILIZAÇÃO DA SILAGEM DE CANA-DE-AÇÚCAR PARA VACAS EM LACTAÇÃO

UTILIZAÇÃO DA SILAGEM DE CANA-DE-AÇÚCAR PARA VACAS EM LACTAÇÃO UTILIZAÇÃO DA SILAGEM DE CANA-DE-AÇÚCAR PARA VACAS EM LACTAÇÃO Marcos Inácio Marcondes 1 ; Mateus Pies Gionbelli 2 ; Felipe Leite de Andrade 3 ; Rafael Alberto Vergara Vergara 3 ; Tadeu Eder da Silva 4

Leia mais

NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO ANIMAL 1. HISTÓRICO E IMPORTANCIA DOS ESTUDOS COM NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO:

NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO ANIMAL 1. HISTÓRICO E IMPORTANCIA DOS ESTUDOS COM NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO: NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO ANIMAL 1. HISTÓRICO E IMPORTANCIA DOS ESTUDOS COM NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO: 1750 Europa com o início do processo da Revolução Industrial houve aumento da população nas cidades, com

Leia mais

DEGRADABILIDADE IN SITU DAS SILAGENS DE VARIEDADES DE CANA-DE-AÇÚCAR COM ADITIVOS

DEGRADABILIDADE IN SITU DAS SILAGENS DE VARIEDADES DE CANA-DE-AÇÚCAR COM ADITIVOS DEGRADABILIDADE IN SITU DAS SILAGENS DE VARIEDADES DE CANA-DE-AÇÚCAR COM ADITIVOS IN SITU DEGRADABILITY OF SUGARCANE VARIETIES ENSILED WITH ADDITIVES Silva, G.W.V. 1 ; Rocha Júnior, V.R. 1 *; Rocha, W.J.B.

Leia mais

MANEJO DE BOVINOS DE CORTE Confinamento. Prof : Ricardo Alexandre Silva Pessoa

MANEJO DE BOVINOS DE CORTE Confinamento. Prof : Ricardo Alexandre Silva Pessoa MANEJO DE BOVINOS DE CORTE Confinamento Prof : Ricardo Alexandre Silva Pessoa Julho/2013 1 Confinamento - sistema de criação onde lotes de animais são encerrados em piquetes ou currais com área restrita

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Processamento de milho e sorgo um foco para reconstituição

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Processamento de milho e sorgo um foco para reconstituição PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Processamento de milho e sorgo um foco para reconstituição Juliana Sávia da Silva 1, Ana Luiza Costa Cruz Borges 2, Alessander Rodrigues Vieira

Leia mais

Influência do Espaçamento de Plantio de Milho na Produtividade de Silagem.

Influência do Espaçamento de Plantio de Milho na Produtividade de Silagem. Influência do Espaçamento de Plantio de Milho na Produtividade de Silagem. DAMASCENO, T. M. 1, WINDER, A. R. da S. 2, NOGUEIRA, J. C. M. 3, DAMASCENO, M. M. 2, MENDES, J. C. da F. 2, e DALLAPORTA, L. N.

Leia mais

O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção

O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção Leite relatório de inteligência JANEIRO 2014 O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção Na busca da eficiência nos processos produtivos na atividade leiteira este

Leia mais

ARTIGO 230 TRATAMENTOS QUÍMICOS NA MELHORIA DO VALOR NUTRITIVO DE VOLUMOSOS. Chemical treatments in improving the nutritional value of bulky

ARTIGO 230 TRATAMENTOS QUÍMICOS NA MELHORIA DO VALOR NUTRITIVO DE VOLUMOSOS. Chemical treatments in improving the nutritional value of bulky ARTIGO 230 TRATAMENTOS QUÍMICOS NA MELHORIA DO VALOR NUTRITIVO DE VOLUMOSOS Chemical treatments in improving the nutritional value of bulky Bruno Spindola Garcez¹, Arnaud Azevêdo Alves 1,Natalia Alves

Leia mais

USO DO CREEP FEEDING NA CRIAÇÃO DE OVINOS E CAPRINOS

USO DO CREEP FEEDING NA CRIAÇÃO DE OVINOS E CAPRINOS USO DO CREEP FEEDING NA CRIAÇÃO DE OVINOS E CAPRINOS José Neuman Miranda Neiva 1, Maria Andréa Borges Cavalcante 2 e Marcos Cláudio Pinheiro Rogério 3 1 Professor do Depto. de Zootecnia da Universidade

Leia mais

Aditivos na ensilagem de cana-de-açúcar

Aditivos na ensilagem de cana-de-açúcar ISSN 1516-4111X Aditivos na ensilagem de cana-de-açúcar Introdução 35 São Carlos, SP Dezembro, 2004 Autor André de Faria Pedroso Eng. Agr., Embrapa Pecuária Sudeste, Rod. Washington Luis, km 234, 13560-970,

Leia mais

Índices Zootécnicos Taxa de mortalidade 1,0% Idade de abate do boi gordo ou venda do animal Taxa de desfrute 45,81%

Índices Zootécnicos Taxa de mortalidade 1,0% Idade de abate do boi gordo ou venda do animal Taxa de desfrute 45,81% CUSTO DE PRODUÇÃO DE BOVINOCULTURA DE CORTE EM UMUARAMA/PR. Com a iniciativa da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem (SENAR) e o Centro

Leia mais

Manejos da Cobertura do Solo e da Adubação Nitrogenada na Cultura do Milho para Silagem em Sistema de Integração Lavoura Pecuária

Manejos da Cobertura do Solo e da Adubação Nitrogenada na Cultura do Milho para Silagem em Sistema de Integração Lavoura Pecuária XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Manejos da Cobertura do Solo e da Adubação Nitrogenada na Cultura do Milho para Silagem em Sistema de Integração

Leia mais

Produção, Uso e Vantagens de Silagens de Alta Qualidade

Produção, Uso e Vantagens de Silagens de Alta Qualidade Produção, Uso e Vantagens de Silagens de Alta Qualidade Luis Eduardo Zampar - Consultor Biomatrix A silagem de milho de alta qualidade tem sido muito utilizada por produtores de gado de corte e leite,

Leia mais

APLICAÇÃO DA PESQUISA OPERACIONAL AVALIAÇÃO DE FORMULAÇÕES DE RAÇÃO PARA BOVINOS EM CONFINAMENTO UTILIZANDO O SOFTWARE LINGO

APLICAÇÃO DA PESQUISA OPERACIONAL AVALIAÇÃO DE FORMULAÇÕES DE RAÇÃO PARA BOVINOS EM CONFINAMENTO UTILIZANDO O SOFTWARE LINGO Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 8 APLICAÇÃO DA PESQUISA OPERACIONAL AVALIAÇÃO DE FORMULAÇÕES DE RAÇÃO PARA BOVINOS EM CONFINAMENTO UTILIZANDO O SOFTWARE

Leia mais

A PRODUCAO LEITEIRA NOS

A PRODUCAO LEITEIRA NOS A PRODUCAO LEITEIRA NOS ESTADOS UNIDOS Estatisticas A produção leiteira durante Janeiro de 2012 superou os 7 bilhões de kg, 3.7% acima de Janeiro de 2011. A produção por vaca foi em media 842 kg em Janeiro,

Leia mais

Quadro 1 Ganho de peso de novilhos (g / cab / d) em pastejo de forrageiras de acordo com a época do ano. ... ... ...

Quadro 1 Ganho de peso de novilhos (g / cab / d) em pastejo de forrageiras de acordo com a época do ano. ... ... ... Falar em suplementar bovinos de corte, com grãos, nas águas, normalmente é tido como antieconómico. No entanto, sabendo utilizar tal suplementação, é uma alternativa de manejo interessante que pode contribuir

Leia mais

de inverno que viraram opção para o pecuarista da região para conseguir ter pasto na época da seca.

de inverno que viraram opção para o pecuarista da região para conseguir ter pasto na época da seca. CUSTO DE PRODUÇÃO DE BOVINOCULTURA DE CORTE EM GUARAPUAVA/PR Com a iniciativa da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem (SENAR) e o Centro

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA BOVINOS LEITEIROS

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA BOVINOS LEITEIROS UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA BOVINOS LEITEIROS Prof. Ricardo Alexandre Silva Pessoa MANEJO DE VACAS SECAS E PERÍODO DE TRANSIÇÃO ponto de vista tecnológico = alimentar

Leia mais

Metabolismo de Lipídios PEDRO LEONARDO DE PAULA REZENDE

Metabolismo de Lipídios PEDRO LEONARDO DE PAULA REZENDE Universidade Federal de Goiás Escola de Veterinária Depto. De Produção Animal Pós-Graduação em Ciência Animal Metabolismo de Lipídios PEDRO LEONARDO DE PAULA REZENDE Zootecnista Especialista em Produção

Leia mais

AGROECONÔMICA CONSULTORIA MEIO AMBIENTE E PECUÁRIA

AGROECONÔMICA CONSULTORIA MEIO AMBIENTE E PECUÁRIA PASTAGENS: INTENSIDADE DE MANEJO E ADEQUAÇÃO ESTRATÉGICA. O que mais impressiona na nossa pecuária de corte é a possibilidade de um uso bastante conveniente e de baixo custo das pastagens. O Brasil, um

Leia mais

Fortalecimento da cadeia produtiva do leite Elizabeth Nogueira Fernandes Chefe Adjunto de Transferência de Tecnologia

Fortalecimento da cadeia produtiva do leite Elizabeth Nogueira Fernandes Chefe Adjunto de Transferência de Tecnologia Audiência Pública Comissão de Agricultura e Reforma Agrária Fortalecimento da cadeia produtiva do leite Elizabeth Nogueira Fernandes Chefe Adjunto de Transferência de Tecnologia Cadeia produtiva do leite

Leia mais

Aimportância do trigo pode ser aquilatada pela

Aimportância do trigo pode ser aquilatada pela 199 Trigo não é somente para alimentar o homem Renato Serena Fontaneli Leo de J.A. Del Duca Aimportância do trigo pode ser aquilatada pela posição ocupada como uma das culturas mais importantes para alimentar

Leia mais

PRODUÇÃO, UTILIZAÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO DO FENO

PRODUÇÃO, UTILIZAÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO DO FENO 163 PRODUÇÃO, UTILIZAÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO DO FENO FURLANETTI, Alessandra Carla 1 BRAMBILLA, Everton 2 Resumo: Este artigo teve como objetivo refletir sobre a obtenção da forragem desidratada de alta qualidade

Leia mais

CUSTO DE PRODUÇÃO DE BOVINOCULTURA DE CORTE EM LONDRINA/PR

CUSTO DE PRODUÇÃO DE BOVINOCULTURA DE CORTE EM LONDRINA/PR CUSTO DE PRODUÇÃO DE BOVINOCULTURA DE CORTE EM LONDRINA/PR Com a iniciativa da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem (SENAR) e o Centro

Leia mais

Ponto de Corte do Milho para Silagem

Ponto de Corte do Milho para Silagem Setor de Forragicultura Ponto de Corte do Milho para Silagem Eng. Agr. Igor Quirrenbach de Carvalho 23/8/213 Acertar o ponto de corte é fundamental para ter alta produção de massa e alta qualidade nutricional.

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE MANEJO E SUPLEMENTAÇÃO DO PASTO SOBRE CARACTERÍSTICAS DO DOSSEL E DESEMPENHO BIOECONOMICO DE BOVINOS EM RECRIA NA SECA

ESTRATÉGIAS DE MANEJO E SUPLEMENTAÇÃO DO PASTO SOBRE CARACTERÍSTICAS DO DOSSEL E DESEMPENHO BIOECONOMICO DE BOVINOS EM RECRIA NA SECA ESTRATÉGIAS DE MANEJO E SUPLEMENTAÇÃO DO PASTO SOBRE CARACTERÍSTICAS DO DOSSEL E DESEMPENHO BIOECONOMICO DE BOVINOS EM RECRIA NA SECA Carlos Alberto Vicente Soares 1 ; Regis Luis Missio 2 1 Aluno do Curso

Leia mais

INTEGRAÇÃO LAVOURA/ PECUÁRIA. Wilson José Rosa Coordenador Técnico Estadual de Culturas DEPARTAMENTO TÉCNICO - EMATER-MG

INTEGRAÇÃO LAVOURA/ PECUÁRIA. Wilson José Rosa Coordenador Técnico Estadual de Culturas DEPARTAMENTO TÉCNICO - EMATER-MG INTEGRAÇÃO LAVOURA/ PECUÁRIA Wilson José Rosa Coordenador Técnico Estadual de Culturas DEPARTAMENTO TÉCNICO - EMATER-MG - No Brasil o Sistema de Integração Lavoura Pecuária, sempre foi bastante utilizado,

Leia mais

Manuel Cláudio Motta Macedo Ademir Hugo Zimmer

Manuel Cláudio Motta Macedo Ademir Hugo Zimmer 16 Potencial para Adoção da Estratégia de Integração Lavoura- -Pecuária e de Integração Lavoura-Pecuária- -Floresta para Recuperação de Pastagens Degradadas Manuel Cláudio Motta Macedo Ademir Hugo Zimmer

Leia mais

Universidade Federal do Paraná Departamento de Zootecnia Centro de Pesquisa em Forragicultura (CPFOR)

Universidade Federal do Paraná Departamento de Zootecnia Centro de Pesquisa em Forragicultura (CPFOR) Universidade Federal do Paraná Departamento de Zootecnia Centro de Pesquisa em Forragicultura (CPFOR) Determinação da matéria seca em forno de micro-ondas doméstico Por Bleine Conceição Bach e Patrick

Leia mais

MODELOS NUTRICIONAIS ALTERNATIVOS PARA OTIMIZAÇÃO DE RENDA NA PRODUÇÃO DE BOVINOS DE CORTE

MODELOS NUTRICIONAIS ALTERNATIVOS PARA OTIMIZAÇÃO DE RENDA NA PRODUÇÃO DE BOVINOS DE CORTE MODELOS NUTRICIONAIS ALTERNATIVOS PARA OTIMIZAÇÃO DE RENDA NA PRODUÇÃO DE BOVINOS DE CORTE Sebastião de Campos Valadares Filho 1 ; Pedro Veiga Rodrigues Paulino 2 ; Karla Alves Magalhães 2 ; Mário Fonseca

Leia mais

Aspectos Gerais e Agronômicos. Silagem de Milho na Bovinocultura Leiteira 05/04/2013. Silagem de Milho Aspectos Gerais

Aspectos Gerais e Agronômicos. Silagem de Milho na Bovinocultura Leiteira 05/04/2013. Silagem de Milho Aspectos Gerais Silagem de Milho na Bovinocultura Leiteira % 60 50 40 30 20 10 0 Prof. Thiago Bernardes DZO/UFLA Ciclo de Palestras em Bovinocultura de Leite e Corte Terra Jr Consultoria 31 de Janeiro de 2013 Utilização

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO E DO MANEJO DE VACAS LEITEIRAS EM PRODUÇÃO

A IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO E DO MANEJO DE VACAS LEITEIRAS EM PRODUÇÃO A IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO E DO MANEJO DE VACAS LEITEIRAS EM PRODUÇÃO 1 Ricardo Dias Signoretti A atual situação econômica da cadeia produtiva do leite exige que os produtores realizem todas as atividades

Leia mais

FAZENDA SANTA LUZIA. Maurício Silveira Coelho HISTÓRICO

FAZENDA SANTA LUZIA. Maurício Silveira Coelho HISTÓRICO FAZENDA SANTA LUZIA Maurício Silveira Coelho Medico Veterinário CRMV MG 2352 Fazenda Santa Luzia PASSOS/MG E-mail mauricio@josecaboverde.com.br HISTÓRICO Proprietário: José Coelho Vítor e filhos Localização:

Leia mais

Suplementação de Bovinos de corte

Suplementação de Bovinos de corte Suplementação de Bovinos de corte Leonardo de Oliveira Fernandes Professor da FAZU Pesquisador da EPAMIG leonardo@epamiguberaba.com.br FAZU/EPAMIG Brasil POTENCIAL DAS PASTAGENS 0,6 a 0,8 kg/bovino/dia

Leia mais

Palavras-chave: Cana-de-açúcar; Bem-estar; Goiatuba; Expansão agrícola.

Palavras-chave: Cana-de-açúcar; Bem-estar; Goiatuba; Expansão agrícola. Implicações da Expansão do cultivo da cana-deaçúcar sobre o município de Goiatuba Washington Pereira Campos8 Márcio Caliari9 Marina Aparecida da Silveira10 Resumo: A partir de 2004, ocorreu um aumento

Leia mais

A balança comercial do agronegócio brasileiro

A balança comercial do agronegócio brasileiro A balança comercial do agronegócio brasileiro Antonio Carlos Lima Nogueira 1 Qual é a contribuição atual dos produtos do agronegócio para o comércio exterior, tendo em vista o processo atual de deterioração

Leia mais

Linha completa de suplementos minerais e proteinados da Guabi.

Linha completa de suplementos minerais e proteinados da Guabi. 0090_mar10 Linha completa de suplementos minerais e proteinados da Guabi. Campinas/SP - 19. 3729 4477 Sales Oliveira/SP - 16. 3852 0011 Pará de Minas/MG - 37. 3231 7300 Além Paraíba/MG - 32. 3466 5555

Leia mais

III CURSO DE GESTÃO AGROECONÔMICA. EM PECUÁRIA DE CORTE: confinamento e terceirização

III CURSO DE GESTÃO AGROECONÔMICA. EM PECUÁRIA DE CORTE: confinamento e terceirização III CURSO DE GESTÃO AGROECONÔMICA EM PECUÁRIA DE CORTE: confinamento e terceirização RESULTADOS DO CONFINAMENTO DA COPLACANA EM 2.008 E PERSPECTIVAS PARA O FUTURO Ari José Fernandes Lacôrte Engenheiro

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Aplicação de Adubo em Milho Verde Orgânico Irrigado Leandro Barradas Pereira 1, Lauro Kenji Komuro 1, Neli Cristina

Leia mais

Nestlé EM CAMPO. Período de transição. Eficiência e qualidade na produção leiteira

Nestlé EM CAMPO. Período de transição. Eficiência e qualidade na produção leiteira Nestlé EM CAMPO Eficiência e qualidade na produção leiteira Período de transição Cuidados no pré e pós-parto garantem a boa condição reprodutiva e produtiva Ano 2 Número 12 Nov./Dez. 2015 Nestlé EM CAMPO

Leia mais

Integração Lavoura Pecuária

Integração Lavoura Pecuária Integração Lavoura Pecuária A B E A S CONVÊNIO Nº 420013200500139/SDC/MAPA A B E A S Apresentação Esta cartilha, produto do esforço do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MAPA, em parceria

Leia mais

SILAGEM DE CANA-DE-AÇÚCAR COM ADIÇÃO DE MANIÇOBA

SILAGEM DE CANA-DE-AÇÚCAR COM ADIÇÃO DE MANIÇOBA 0 UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA ANIMAL Francisco Allan Leandro de Carvalho SILAGEM DE CANA-DE-AÇÚCAR COM

Leia mais

MANEJO NUTRICIONAL DE BOVINOS DE CORTE

MANEJO NUTRICIONAL DE BOVINOS DE CORTE 1. Introdução MANEJO NUTRICIONAL DE BOVINOS DE CORTE Rogério Marchiori Coan 1 O complexo pecuário brasileiro de corte apresenta diversos pontos de ineficiência, destacando-se a produtividade extremamente

Leia mais

ARTIGO 287 UTILIZAÇÃO DO BAGAÇO DE CANA-DE-AÇUCAR NA ALIMENTAÇÃO DE RUMINANTES 1. Use of bagasse of cane sugar in feed ruminantes 1

ARTIGO 287 UTILIZAÇÃO DO BAGAÇO DE CANA-DE-AÇUCAR NA ALIMENTAÇÃO DE RUMINANTES 1. Use of bagasse of cane sugar in feed ruminantes 1 ARTIGO 287 UTILIZAÇÃO DO BAGAÇO DE CANA-DE-AÇUCAR NA ALIMENTAÇÃO DE RUMINANTES 1 Use of bagasse of cane sugar in feed ruminantes 1 Maxwelder Santos Soares², Aureliano José Vieira Pires 3, Leonardo Guimarães

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Fenação e ensilagem de plantas forrageiras

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Fenação e ensilagem de plantas forrageiras PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Fenação e ensilagem de plantas forrageiras Carlos Clayton Oliveira Dantas¹ e Fagton de Mattos Negrão 1 ¹Graduado em Zootecnia pela Universidade

Leia mais

PRINCÍPIOS DA PRODUÇÃO E MANEJO DE SILAGENS. André de Faria Pedroso Pesquisador, Doutor; Embrapa Pecuária Sudeste

PRINCÍPIOS DA PRODUÇÃO E MANEJO DE SILAGENS. André de Faria Pedroso Pesquisador, Doutor; Embrapa Pecuária Sudeste PRINCÍPIOS DA PRODUÇÃO E MANEJO DE SILAGENS André de Faria Pedroso Pesquisador, Doutor; Embrapa Pecuária Sudeste I. Introdução Os bovinos precisam de um suprimento contínuo de alimento de boa qualidade

Leia mais

Universidade Federal do Paraná Departamento de Zootecnia Centro de Pesquisa em Forragicultura (CPFOR)

Universidade Federal do Paraná Departamento de Zootecnia Centro de Pesquisa em Forragicultura (CPFOR) Universidade Federal do Paraná Departamento de Zootecnia Centro de Pesquisa em Forragicultura (CPFOR) Uso estratégico de aditivos em silagens: Quando e como usar? 1 Patrick Schmidt, Camilla Maciel de Souza,

Leia mais

Manejo de Pastagens e Suplementação na Pecuária. Ari José Fernades Lacôrte Engenheiro Agrônomo MS

Manejo de Pastagens e Suplementação na Pecuária. Ari José Fernades Lacôrte Engenheiro Agrônomo MS 1 Manejo de Pastagens e Suplementação na Pecuária Ari José Fernades Lacôrte Engenheiro Agrônomo MS 2 PECUÁRIA NO MUNDO GRAFICO 1: REBANHO MUNDIAL EM 2.008 78,1 17,8 26,5 29,9 51,2 87,0 96,5 138,90 281,9

Leia mais

LEI Nº 7.043, DE 8 DE OUTUBRO DE 2007

LEI Nº 7.043, DE 8 DE OUTUBRO DE 2007 LEI Nº 7.043, DE 8 DE OUTUBRO DE 2007 Publicada no DOE(Pa) de 09.10.07. Dispõe sobre Política Estadual para a Promoção do Uso de Sistemas Orgânicos de Produção Agropecuária e Agroindustrial. Lei: A ASSEMBLÉIA

Leia mais

Sistema de Integração Lavoura-Pecuária (ILP) de Corte da Embrapa Milho e Sorgo

Sistema de Integração Lavoura-Pecuária (ILP) de Corte da Embrapa Milho e Sorgo Sistema de Integração Lavoura-Pecuária (ILP) de Corte da Embrapa Milho e Sorgo Ramon C. Alvarenga¹ e Miguel M. Gontijo Neto¹ Pesquisadores da Embrapa Milho e Sorgo (Sete Lagoas-MG) A Embrapa Milho e Sorgo

Leia mais

O USO DO CREEP FEEDING NA PRODUÇÃO DE GADO DE CORTE

O USO DO CREEP FEEDING NA PRODUÇÃO DE GADO DE CORTE 1 O USO DO CREEP FEEDING NA PRODUÇÃO DE GADO DE CORTE Prof. Dr. Antonio Ferriani Branco PhD em Nutrição e Produção de Ruminantes afbranco@uem.br O SISTEMA VACA-BEZERRO Os fatores que afetam mais significativamente

Leia mais

Sistemas de produção e Índices zootécnicos. Profª.: Valdirene Zabot

Sistemas de produção e Índices zootécnicos. Profª.: Valdirene Zabot Sistemas de produção e Índices zootécnicos Profª.: Valdirene Zabot O que é uma CADEIA? É um conjunto de elos onde cada um depende dos demais. Na cadeia de produção da carne e do couro, o bovino é ó elo

Leia mais

Como estimar peso vivo de novilhas quando a balança não está disponível? Métodos indiretos: fita torácica e hipômetro

Como estimar peso vivo de novilhas quando a balança não está disponível? Métodos indiretos: fita torácica e hipômetro Como estimar peso vivo de novilhas quando a balança não está disponível? Métodos indiretos: fita torácica e hipômetro Introdução O principal objetivo nos sistemas de criação de novilhas leiteiras é conseguir

Leia mais

Desempenho de variedades de milho (Zea mays l.) para produção de silagem no município de Colorado do oeste-ro

Desempenho de variedades de milho (Zea mays l.) para produção de silagem no município de Colorado do oeste-ro Desempenho de variedades de milho (Zea mays l.) para produção de silagem no município de Colorado do oeste-ro Lucimara Ferreira de Figueredo 1, Ana Paula Salviana de lazari 2, Juliana Pereira da Silva

Leia mais

Tipos de Sistema de Produção

Tipos de Sistema de Produção Tipos de Sistema de Produção Os sistemas de cultura dominantes conjunto de plantas cultivadas, forma como estas se associam e técnicas utilizadas no seu cultivo apresentam grandes contrastes entre o Norte

Leia mais

Vantagens da integração lavoura-pecuária na recuperação de pastagens degradadas

Vantagens da integração lavoura-pecuária na recuperação de pastagens degradadas Vantagens da integração lavoura-pecuária na recuperação de pastagens degradadas Armindo Neivo Kichel 1 ; José Alexandre Agiova da Costa 1 ; Roberto Giolo de Almeida 1 1 Pesquisador EMBRAPA Gado de Corte,

Leia mais

Introdução. Conceitos aplicados a alimentação animal. Produção animal. Marinaldo Divino Ribeiro. Nutrição. Alimento. Alimento. Nutriente.

Introdução. Conceitos aplicados a alimentação animal. Produção animal. Marinaldo Divino Ribeiro. Nutrição. Alimento. Alimento. Nutriente. Conceitos aplicados a alimentação animal Introdução Produção animal Marinaldo Divino Ribeiro EMV Depto de Produção ão Animal - UFBA Genética Sanidade Nutrição Alimento Susbstância que, consumida por um

Leia mais

Departamento de Ciências Econômicas DCECO. Tel.: +55 32 3379-2537 E-mail: infover@ufsj.edu.br

Departamento de Ciências Econômicas DCECO. Tel.: +55 32 3379-2537 E-mail: infover@ufsj.edu.br 2013 InfoVer São João del-rei, fevereiro de 2013 InFover InfoVer Informativo sobre o Mercado de Leite de Vaca do Campo Uma publicação do DCECO- UFSJ Ano VI Nº 55 Agosto de 2013 Universidade Federal de

Leia mais

PRODUÇÃO ECONÔMICA DE SILAGEM 2º Dia de Campo de Ovinocultura Pedro Canário/ES 29/11/14

PRODUÇÃO ECONÔMICA DE SILAGEM 2º Dia de Campo de Ovinocultura Pedro Canário/ES 29/11/14 PRODUÇÃO ECONÔMICA DE SILAGEM 2º Dia de Campo de Ovinocultura Pedro Canário/ES 29/11/14 Pergunta fundamental 1 Quanto custa produzir um quilo de carne????????? Pergunta fundamental 2 O que produz o pecuarista?

Leia mais

BOAS PRÁTICAS DE ENSILAGEM

BOAS PRÁTICAS DE ENSILAGEM ISSN 2318-3837 Descalvado, SP Junho, 2012 BOAS PRÁTICAS DE ENSILAGEM Autores: 1 Käthery Brennecke 1 Paulo Henrique Moura Dian 1 Liandra Maria Abaker Bertipaglia 1 Vando Edésio Soares 2 Thiago Rossi Simões

Leia mais

Federal da Paraíba. edsonzootecnista@yahoo.com.br 3 Mestrando em Zootecnia, Universidade Federal da Paraíba.

Federal da Paraíba. edsonzootecnista@yahoo.com.br 3 Mestrando em Zootecnia, Universidade Federal da Paraíba. REDVET - Revista electrónica de Veterinaria - ISSN 1695-7504 Perdas e perfil fermentativo de silagens de capim-elefante colhido em diferentes alturas - Losses and fermentative profile of elephantgrass

Leia mais

Comunicado Técnico 06

Comunicado Técnico 06 Comunicado Técnico 06 ISSN 2177-854X Agosto. 2010 Uberaba - MG Irrigação de Pastagens Instruções Técnicas Responsáveis: André Luis Teixeira Fernandes; E-mail: andre.fernandes@fazu.br Engenheiro Agrônomo;

Leia mais

Intenções de Investimento

Intenções de Investimento Intenções de Investimento Quarto Trimestre 2014 Principais Resultados: Resultados:» Preocupações atuais» Intenções de investimento em: Tecnologia / Custeio Maquinas e Equipamentos Gestão de Pessoas Infraestrutura

Leia mais

fmvz-unesp FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA - BOTUCATU Curso de Pós-Graduação em Zootecnia Nutrição e Produção Animal

fmvz-unesp FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA - BOTUCATU Curso de Pós-Graduação em Zootecnia Nutrição e Produção Animal fmvz-unesp FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA - BOTUCATU Curso de Pós-Graduação em Zootecnia Nutrição e Produção Animal SISTEMA DE PRODUÇÃO X QUALIDADE DA CARNE OVINA Raquel Abdallah da Rocha

Leia mais

Avaliação da influência de coberturas mortas sobre o desenvolvimento da cultura da alface na região de Fernandópolis- SP.

Avaliação da influência de coberturas mortas sobre o desenvolvimento da cultura da alface na região de Fernandópolis- SP. Avaliação da influência de coberturas mortas sobre o desenvolvimento da cultura da alface na região de Fernandópolis- SP. Roberto Andreani Junior 1 Pedro Galbiati Neto 1 UNICASTELO-Faculdade de Ciências

Leia mais

Relatório Final do Experimento

Relatório Final do Experimento Relatório Final do Experimento Efeito da suplementação de duas formas comerciais de somatotropina bovina (bst) na produção de leite de vacas de alta produção. Prof. Dr. Rodrigo de Almeida (DZ-UFPR) Coordenador

Leia mais

Índices Zootécnicos Taxa de mortalidade 1,0% Idade de abate do boi gordo ou venda do animal Taxa de desfrute 38,34%

Índices Zootécnicos Taxa de mortalidade 1,0% Idade de abate do boi gordo ou venda do animal Taxa de desfrute 38,34% CUSTO DE PRODUÇÃO DE BOVINOCULTURA DE CORTE EM PARANAVAÍ/PR. Com a iniciativa da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem (SENAR) e o Centro

Leia mais

AVALIAÇÃO DA AGITAÇÃO E DA AERAÇÃO NA PRODUÇÃO DE β- GALACTOSIDASE POR Kluyveromyces marxianus CBS 6556 A PARTIR DE SORO DE QUEIJO

AVALIAÇÃO DA AGITAÇÃO E DA AERAÇÃO NA PRODUÇÃO DE β- GALACTOSIDASE POR Kluyveromyces marxianus CBS 6556 A PARTIR DE SORO DE QUEIJO AVALIAÇÃO DA AGITAÇÃO E DA AERAÇÃO NA PRODUÇÃO DE β- GALACTOSIDASE POR Kluyveromyces marxianus CBS 6556 A PARTIR DE SORO DE QUEIJO B. L. B. PERINI 1, H. C. M. SOUZA 3 e A. L. S. SCHNEIDER 1, 2 1 Universidade

Leia mais

TAXA DE LOTAÇÃO EM PASTAGEM DE TIFTON 85 SOB MANEJO DE IRRIGAÇÃO E SEQUEIRO NO PERÍODO DA SECA*

TAXA DE LOTAÇÃO EM PASTAGEM DE TIFTON 85 SOB MANEJO DE IRRIGAÇÃO E SEQUEIRO NO PERÍODO DA SECA* TAXA DE LOTAÇÃO EM PASTAGEM DE TIFTON 85 SOB MANEJO DE IRRIGAÇÃO E SEQUEIRO NO PERÍODO DA SECA* SENE. G. A. 1 ; JAYME. D. G.²; BARRETO. A. C. 2 ; FERNANDEZ. L. O. 3, OLIVEIRA. A. I. 4 ; BARBOSA. K. A.

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA

FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA MANEJO ALIMENTAR DE CORDEIROS MARIANNA MIETTO MENDES 3 ZOOTECNIA INTRODUÇÃO Mercado; Período de aleitam

Leia mais

Características Químicas para Avaliação do Processo Fermentativo de Silagens: uma Proposta para Qualificação da Fermentação

Características Químicas para Avaliação do Processo Fermentativo de Silagens: uma Proposta para Qualificação da Fermentação ISSN 1517-1973 Dezembro, 2003 57 Características Químicas para Avaliação do Processo Fermentativo de Silagens: uma Proposta para Qualificação da Fermentação República Federativa do Brasil Luiz Inácio Lula

Leia mais

FACULDADE CATÓLICA DOM ORIONE VIABILIDADE E DEMANDA DA PRODUÇÃO DE BOVINOS DE CORTE E LEITE NA REGIÃO NORTE DO ESTADO DO TOCANTINS- guarda-chuva

FACULDADE CATÓLICA DOM ORIONE VIABILIDADE E DEMANDA DA PRODUÇÃO DE BOVINOS DE CORTE E LEITE NA REGIÃO NORTE DO ESTADO DO TOCANTINS- guarda-chuva FACULDADE CATÓLICA DOM ORIONE VIABILIDADE E DEMANDA DA PRODUÇÃO DE BOVINOS DE CORTE E LEITE NA REGIÃO NORTE DO ESTADO DO TOCANTINS- guarda-chuva Coordenador: Cláudio Henrique Clemente Fernandes Araguaína-TO

Leia mais

PROGRAMA DE SUPLEMENTAÇÃO DE LUZ ARTIFICIAL PARA BEZERROS EM ALEITAMENTO

PROGRAMA DE SUPLEMENTAÇÃO DE LUZ ARTIFICIAL PARA BEZERROS EM ALEITAMENTO PROGRAMA DE SUPLEMENTAÇÃO DE LUZ ARTIFICIAL PARA BEZERROS EM ALEITAMENTO Luiz Carlos Roma Júnior Eng. Agr., Dr., PqC do Polo Regional Centro Leste/APTA lcroma@apta.sp.gov.br Priscilla Ayleen Bustos Mac-Lean

Leia mais

Sistema Optimat TM - DeLaval Sistema de alimentação automatizado Sergio Toledo Filho - Solution Manager Ruminant. Internal

Sistema Optimat TM - DeLaval Sistema de alimentação automatizado Sergio Toledo Filho - Solution Manager Ruminant. Internal Sistema de alimentação automatizado Sergio Toledo Filho - Solution Manager Ruminant 1 Alimentação regular e frequente de dietas específicas é essencial para o sucesso da pecuária leiteira. Maior número

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia

Universidade Federal de Uberlândia Universidade Federal de Uberlândia Júlio Cézar Pessanha Rangel Júnior Relatório de Viagem ao estado do Mato Grosso do Sul Relatório de visitas à Embrapa Gado de Corte e propriedades da região Uberlândia

Leia mais

Silagem Produção e análise econômica

Silagem Produção e análise econômica Pelotas, RS - Outubro de 2013 Silagem Produção e análise econômica Sérgio Toledo Filho Solution Manager Ruminants Estacionalidade de produção de forragem Excedente Forragem Silagem 2 Processo de ensilagem

Leia mais