FORMAÇÃO CONTINUADA: ESPAÇO DE PROVOCAÇÕES,

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FORMAÇÃO CONTINUADA: ESPAÇO DE PROVOCAÇÕES,"

Transcrição

1 FORMAÇÃO CONTINUADA: ESPAÇO DE PROVOCAÇÕES, REFLEXÕES E CONSTRUÇÃO DE SABERES Lúcia Regina Silva de OLIVEIRA SESC DEPARTAMENTO NACIONAL RESUMO O texto trata a perspectiva da Formação Continuada como espaço de troca de saberes, olhares, experiências, e de muitas provocações que levam à reflexão e o repensar do fazer pedagógico. Será que estamos garantindo neste espaço o pensar reflexivo, a fala dos educadores e um momento real de aprendizagem? Cada sujeito tem uma história que precisa ser ouvida, valorizada e compartilhada. Os momentos de encontro para estudo precisam constituir-se em uma troca real de conhecimento e construção de saberes. Quando Telma Weisz aponta que os educadores por vezes atuam, sem que tenham real consciência das concepções teóricas que embasam sua ação, faz-se premente que os espaços formativos possam aproximá-los de uma reflexão entre o saber fazer e o campo teórico. Será isto possível na realidade atual das escolas? Nos encontros de formação das escolas do Sesc busca-se uma mediação que permita ir além do olhar que acompanha e possibilite a construção de saberes em parceria. Aponta-se que o ancoradouro para o educador será os estudos teóricos, provocadores da reflexão sobre a ação, na busca de reconhecer os referenciais que fundamentam a prática. É fazer a história de sua autoria nesse contexto diverso, e também ser protagonista no meio da polifonia. PALAVRAS-CHAVE: Formação continuada - Escola - Projeto político-pedagógico. 1

2 INTRODUÇÃO Cada educador tem uma história para contar que representa suas trocas, suas certezas e inquietações. É no diálogo com seus pares, revelando os percursos cotidianos do que acontece em sala de aula e em outros espaços da escola, que irá tecendo ou não a construção de uma equipe. Os momentos de estudo em grupo proporcionados aos educadores são relevantes para provocar essa construção. Sair do individual e pensar também no coletivo. Eis um desafio. E quem será o mediador desse grupo? Quem poderá fomentar e provocar que os relatos apareçam em meio às discussões teóricas e práticas? A escola possui diferentes atores com responsabilidades bem distintas. O gestor escolar, a coordenação pedagógica, os profissionais de apoio, os educadores entre outros. No contexto da formação continuada a ênfase estará na equipe gestora, direção escolar e coordenação pedagógica, e educadores. Serão eles os atores que poderão, a partir dos estudos coletivos, repensar conceitos e mudar as práticas estabelecidas? A ação reflexiva terá direcionamento apenas para os educadores, ou todos estarão envolvidos nesse processo? Podemos perceber uma rotina prevista na organização do ano letivo, sendo possível que uma primeira provocação aos educadores seja evitar que ela caia na repetição sem reflexão. Ou seja, utilizar cada momento na escola para pensar e instigar o pensar sobre cada ato. Talvez, esta poderá ser uma postura que enriquecerá os estudos da equipe. É permitir a si e ao outro, os desvelar das práticas, reconhecendo com quem se dialoga no campo teórico. Telma Weisz (2002) afirma que todo professor tem concepções teóricas que embasam sua prática, mesmo que não as reconheça. Propiciar esse conhecimento por meio dos estudos, debates e reflexões, utilizando-se dos momentos de formação continuada, poderá permitir no universo da sala de aula um educador revigorado e cônscio de sua responsabilidade e potencialidade no processo de ensino e de aprendizagem. Para tal, a organização dos encontros de estudo da equipe docente precisa estar garantida em sua carga horária, bem delineada no calendário escolar para que todos estejam cientes da proposta em termos de cronograma e ações. Neste quesito o papel do gestor escolar e da equipe de coordenação em propiciar as condições necessárias à formação da equipe poderá ser determinante. Pois, ter um plano de ação com as etapas do estudo planejado permitirá que haja um caminho traçado e as modificações de percurso serão feitas em acordo com as demandas do grupo. A premissa desses encontros será o diálogo, com respeito às singularidades dos sujeitos e à diversidade que faz parte do cotidiano escolar. Há uma polifonia circulante nesse espaço. Faz-se história em seu cotidiano. Estar inserida em um contexto social e cultural exige que sua proposta educativa dialogue com seu entorno, e a família será um dos elos dessa conversa. Todos podem ser atuantes e conhecerem os encaminhamentos/investimentos pensados para a formação dos educadores. Para tal, o que poderá nortear o caminho desses sujeitos na escola? A perspectiva de ter um projeto político-pedagógico poderá ser um deles. Se possível, elaborado a partir de discussões coletivas com a comunidade escolar, de foram que possa representar os anseios e desejos, senão de todos, pelo menos da maioria. 2

3 OBJETIVOS 1. A INTENCIONALIDADE DE DIÁLOGO COM A PRÁTICA: UMA CONSTRUÇÃO COTIDIANA Em alguns estudos coletivos temos algumas colocações recorrentes dos educadores. São elas: o distanciamento da teoria e o fazer pedagógico, o lugar da queixa no cotidiano escolar, a restrição de recursos materiais e humanos, a ausência de compromisso das famílias, as dificuldades de aprendizagem do educando, a não preparação dos educadores para atuar com alunos em situação de deficiência, entre outros. Todas são fatores intervenientes e que podem comprometer o desenvolvimento das atividades e as metas definidas pelo grupo para cada ano letivo. O que fazer? Como atuar num contexto tão diverso e repleto de questões complexas, em que algumas são de caráter administrativo, e outras pedagógicas. E de quem será a responsabilidade? Constituir o espaço de formação para os educadores é definir as intenções desta proposta, como ela será realizada e quem serão os atores responsáveis. De preferência, envolvendo os educadores nesta discussão para que os objetivos sejam alcançados. Há que pensar os limites desta proposta, delineando bem a temática a ser objeto de estudo, o espaço adequado para acomodar a equipe, quais serão as atividades desenvolvidas, qual a participação de cada sujeito e suas responsabilidades, como será avaliada a ação e que resultados são esperados a partir do debate coletivo. Há um grande desafio. Ir além da subjetividade das ideias, e viabilizar ações concretas no cotidiano escolar. Como realizar a transposição dos estudos para uma ação reflexiva sobre os processos de ensino e de aprendizagem? Como olhar para o educando como um sujeito também protagonista e repleto de saberes? Como construir parcerias com outros educadores e com a família? Não há um caminho pronto e estabelecido a ser entregue a cada um no grupo de estudo. O que se pretende buscar com essas provocações? Será possível instigar nos educadores o reconhecimento do seu saber fazer em diálogo com diferentes atores/teóricos? Isabel Alarcão (1996) aposta nas possibilidades de um professor que pensa sua prática na ação, e também pensa sobre a ação, respaldada nos estudos de Donald Schon. Os encontros de formação continuada poderão constituir-se em momentos de vislumbres provocados pelas vozes dos educadores, a voz da sala de aula em diálogo com diferentes autores/teóricos que podem permitir ressignificar ou ratificar suas práticas. O mediador desses encontros tem um papel fundamental de instigar, provocar e refletir junto em uma perspectiva de construção dialógica. A mediação da coordenação pedagógica neste contexto exige o conhecimento do grupo que atua, reconhecendo suas potencialidades e possíveis limitações. Será neste cenário conhecido, que organizará sua atuação e intervenção para que o grupo avance em seus conhecimentos. É um fazer coletivo e individual. Individual porque cada sujeito, educador ou coordenador, está em formação. Nesta troca consensual, ambos traçam novos percursos, de ensino e de aprendizagem. Reconhecer-se reflexivo neste processo é aproveitar os estudos para colocar as ideias, os desejos e as práticas na roda. Ninguém do grupo sairá o mesmo desses encontros, desde que todos sejam partícipes das propostas e se constituam autores do 3

4 fazer cotidiano junto ao educando. Segundo Isabel Alarcão (1996), (...) ser-se reflexivo é ter a capacidade de utilizar o pensamento como atribuidor de sentido. E qual será o sentido que é dado aos encontros de formação continuada? Será este espaço validado pelos sujeitos da escola? O aproveitamento desses estudos é primordial para que as metas estabelecidas no projeto político-pedagógico sejam realizadas. Será uma possibilidade de sair do desejo para a concretização no dia a dia da escola. Então, o mediador desses encontros precisa ter instrumentos que permitam acompanhar os resultados dos estudos realizados, e observar como se dá a transposição para as atividades com os educandos. Identificar o crescimento da equipe docente, os avanços do seu conhecimento, o crescimento da qualidade das ações educativas, as mudanças de concepções dos sujeitos, o ambiente de aprendizagem estabelecido na escola. Tudo isso faz parte de uma proposta de ação bem delineada de formação continuada, onde estarão traçados: os encaminhamentos metodológicos, as diretrizes de ação, o diagnóstico do grupo, os objetivos de curto, médio e longo prazo, o acompanhamento do educando e educadores, a observação de discrepâncias entre o proposto e o realizado, a avaliação sistemática e dialógica com os atores da ação, os resultados esperados e os alcançados. Sem deixar de esquecer as estratégias de valorização profissional dos educadores, reconhecendo a importância de seu papel para que a escola desenvolva um trabalho de referência para a comunidade do seu entorno. METODOLOGIA 2. ENTRE O INDIVIDUAL E O COLETIVO: A CONSTRUÇÃO DE UMA PRÁTICA REFLEXIVA Entre alguns desejos dos sujeitos da escola temos o pensar reflexivo e a busca da autonomia no fazer pedagógico, visando à vivência num espaço democrático, de direitos, bem como de deveres. Um desejo individual que depende do coletivo, de diferentes vozes, pensamentos e olhares. E nem sempre há o consenso. Mas, que não impede de sonhar com uma escola que pensa, reflete; e permite que o diálogo entre professores e educandos possa construir um espaço de acolhimento, principalmente, às diferenças. A partir desta premissa podemos retomar a formação continuada dos educadores como fomentadora de momentos enriquecedores para todos, pois visa a constante troca de saberes, experiências e diferentes olhares sobre o universo educativo. Tão diverso que fazem todos os atores serem importantes e responsáveis pelo pulsar da escola, o humano em prevalência. As ações se entrecruzam, e muitas são decorrentes dos estudos em grupo, rotina imprescindível para pensar as necessidades do dia a dia. E como poderiam ocorrer os encontros de formação de forma a garantir um espaço de reflexão e aprendizagem? A proposta de formação continuada pode ser realizada de diferentes modos e dependerá da organização de cada escola, ou das diretrizes estabelecidas pelo sistema na qual ela esteja vinculada, público ou privado. Pensar na formação coletiva, não prescinde pensar também em encontros individuais. Cada educador é um sujeito singular e também com 4

5 percursos de aprendizagem bem distintos. Então, será preciso prever estudo coletivo e individual. Aceita-se o sujeito em formação, quer ele seja o professor ou o aluno, como pessoa que pensa, e dá-se-lhe o direito de construir o seu saber (Alarcão: 1996, p.175) O plano de ação da formação dos educadores poderá contemplar essas especificidades de cada equipe docente. O caminho de cada educador precisa ser respeitado nesse processo, considerando sua história pessoal e profissional e de formação. Será nesse caleidoscópio de educadores que o desafio se coloca para o mediador. Cabe à equipe de coordenação pedagógica buscar a construção da identidade de sua equipe, enquanto grupo. Isto exigirá que os encontros de formação continuada contemplem diferentes momentos, que a subjetividade tenha seu espaço garantido, que as emoções possam fazer parte desse contexto, que o brincar se faça presente, que as memórias sejam compartilhadas, que a história individual contribua para a do coletivo, e que tudo isso só alimente os estudos teóricos. Afinal, ser educador é ter uma história para contar. E ao tratar da história pessoal e profissional, que seguem tão imbricadas, e se materializam nestes encontros polifônicos dos educadores; observam-se olhares distintos para a escola. É possível observar as ousadias e resistências, que nem sempre tem uma convivência harmoniosa; a ansiedade por caminhos já percorridos que possam constituir-se em mapas; o receio de expor ideias pela remota perspectiva de um juízo de valor; e o desejo nem sempre revelado que alguém valide o certo e o errado. No entanto, trocar conhecimentos é apenas um dos momentos vivenciados nos encontros de formação. Há uma troca de histórias, de trajetórias, de desejos, de dúvidas, de (in)certezas que (re)configuram o percurso do planejado no coletivo. É a construção também da história da escola, que envolve os diferentes sujeitos que nela atuam e dialogam. O que permite refletir sobre a importância do seu Projeto Político-Pedagógico. Pois, pensar na ação pedagógica é ter um projeto educativo que permita, ressalvadas as limitações, a valorização dos educadores; a organização de espaços adequados para o docente, o educando e a família; a disponibilização de recursos materiais para o desenvolvimento das atividades entre outros. Considerar que a escola está inserida numa localidade e sua presença está comprometida com a história deste lugar. E o que o sucesso de sua proposta educativa está relacionado com a valorização do seu contexto, e de cada um que chega para ocupar um espaço legítimo, um espaço de aprendiz. Sem esquecer que aquele que aprende também ensina, e faz história, como tão bem nos sinaliza Paulo Freire. Podemos ratificar o pensamento de Freire (1989), a leitura de mundo precede a leitura da palavra. E ao pensar nas pessoas que transitam cotidianamente pela escola, imaginamos quantos olhares não são desvelados quando se trata de perceber o contexto social, cultural, econômico e histórico que permeia esta instituição. Há um mundo há ser explorado e (re)conhecido pelos sujeitos que se encontram, se entreolham, cooptando-se parcerias de estudos, de vivências, alegrias e também desapontamentos. Assim é a escola, um mundo cheio de palavras ditas e não ditas. Será possível apontar toda esta responsabilidade para os encontros de formação continuada? O que irá advir dos estudos e dos avanços da equipe poderá contribuir para ter a 5

6 escola almejada? Talvez, a resposta não esteja dada. No entanto, a escola é um espaço social que sofre interferências de cunho social, econômico, político e outros. Porém, o diálogo e as reflexões provocadas pelos encontros de estudo serão marcas significativas para repensar ações e atuações dos educadores, apesar das possíveis limitações do contexto. A construção da identidade de grupo e de uma postura reflexiva requer tempo UMA PROPOSTA INSTITUCIONAL DE FORMAÇÃO CONTINUADA É a partir deste universo escolar, e como componente da Equipe do Ensino Fundamental do Departamento Nacional do Sesc, que são propostas ações sistemáticas, presenciais ou à distância, de formação continuada para os professores do ensino fundamental das escolas do Sesc, em diferentes recantos do país. Constitui uma realidade diversa e enriquecedora, principalmente, quando possibilita que o diálogo ultrapasse as fronteiras, tanto locais quanto nacionais. São momentos em que os educadores, mesmo em ações à distância, por videoconferência, se colocam juntos e separados, mas todos imbricados no desejo de cooperar, compartilhar saberes e histórias. É a possibilidade de reconhecer sua escola e a de todos como singulares, apesar de comporem uma rede, seja em nível regional ou nacional. A partir do diálogo com os educadores que atuam nos anos iniciais do ensino fundamental, elabora-se uma proposta institucional de formação, presencial ou por videoconferência, que em sua gênese é fruto de diferentes interlocuções e olhares: os assessores técnicos do Sesc, os assessores externos especialistas, e as indicações/considerações da equipe gestora e docente nas escolas. Sempre tendo como premissa atender as necessidades de estudo, que foram identificadas nas trocas com cada equipe. A proposta institucional é mais uma a ser agregada nas ações locais organizadas por cada equipe (semana pedagógica, grupo de estudo, aula-passeio, participação em seminários, congressos etc.). A intenção é contribuir com os estudos locais, possibilitando o diálogo com especialistas, em diversas áreas de conhecimento, de diferentes localidades/instituições, ampliando esta polifonia, marca característica de uma rede composta de diferentes sotaques, dizeres e saberes. É importante ressaltar que no acompanhamento das equipes, gestora e docente, as proposições de caráter institucional primam pela autonomia das equipes, e valorizam a troca, possibilitando a interlocução para melhor atender a todos, sem desconsiderar as especificidades de cada escola. Para tal, sinaliza-se a importância da escola ter sua proposta pedagógica para melhor dialogar com as famílias acerca de sua prática. Este percurso de formação com as equipes do Sesc permite obter diferentes contribuições e olhares, de especialistas, referenciados num fazer pedagógico ou em estudos teóricos, e possibilita ampliar e aprofundar conhecimentos do cotidiano escolar. Quando tratamos da prática pedagógica, consideramos premente pensar em diferentes aspectos que possam subsidiar o educador, e dar condições para que exerça uma ação reflexiva. Sendo uma das propostas o encaminhamento de estudos acerca de: gestão escolar; planejamento no cotidiano escolar, alfabetização, avaliação, projetos didáticos, inclusão, registro, entre outros. É possível observar o quanto os encontros foram tecendo uma narrativa, na qual diferentes atores entraram e saíram, mas a tessitura se manteve com cada novo ator que 6

7 assumiu o compromisso de construir uma escola de qualidade, embasada em referenciais teóricos e metodológicos, objeto de estudo e reflexão constante. Cada um foi protagonista de sua trajetória, com um fazer pedagógico individual e/ou coletivo, utilizando diferentes possibilidades de registros que ratificaram o desejo do grupo. Tais registros exibem imagens de uma escola viva. O exercício da autoria não tem caminho de volta. Cada educador escolhe o seu caminho na escola, e como constitui o seu pertencimento no grupo. Cada sujeito é parte integrante e atuante, sujeito de ação e reflexão, que faz história na relação/interlocução consigo e com o(s) outro(s). DISCUSSÃO TEÓRICA 3. FORMAÇÃO CONTINUADA: UM ESPAÇO DE DIÁLOGO ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA A intenção de que cada educador possa ser protagonista do seu fazer, crítico, autônomo, reflexivo em suas ações, traz uma concepção de um sujeito que é autor de sua prática e se autoriza na construção de diferentes caminhos na ação pedagógica. Consciente que neste fazer não está só, e há um embasamento para suas ações serem traçadas de um jeito ou de outro. Existe um diálogo entre a sua prática pedagógica e as concepções que a fundamenta, decorrente de sua formação inicial e em serviço. Bem como do seu percurso profissional como educador e na troca com seus pares. Como bem diz Weisz (2002, p.118), (...) começamos a conceber a profissão de professor como uma profissão que pressupõe uma prática de reflexão e atualização constante. Neste ir e vir dos encontros de formação continuada vislumbra-se a busca incessante. Parece que nunca há as respostas que se procura. É preciso repensar este olhar! Reconhecer os conflitos de ordem teórica e metodológica que instigam à reflexão e ter um posicionamento, que irá delinear as escolhas em sala de aula. Há que se ter segurança das concepções, de aluno, escola, ensino, aprendizagem, avaliação e tantas outras. Pois serão elas que irão subsidiar cada ato, cada intencionalidade do educador com seu grupo. Este é um dos desafios da formação continuada, contribuir para que o educador possa aproximar-se cada vez mais dos autores/teóricos que embasam sua prática. E o mediador precisará também identificar se os pressupostos teóricos e metodológicos da prática de sua equipe estão em consonância com a proposta educativa da escola. Os encontros de formação desvelam os conhecimentos, as concepções dos educadores pelas palavras, posicionamentos, os olhares de dúvidas, inquietações e certezas que demonstram como cada um está dialogando com o estudo em foco. Comunicar sua prática à luz dos referenciais teóricos e metodológicos permite um exercício de reconhecer-se coerente com sua prática e seu discurso. (...) Valoriza-se a experiência como fonte de aprendizagem, a metacognição como processo de conhecer o próprio modo de conhecer e a metacomunicação como processo de avaliar a capacidade de interagir. Reconhece-se a capacidade de tomar em mãos a própria gestão da aprendizagem. (Alarcão: 1996, p.175) 7

8 A reflexão cotidiana, o olhar atento às necessidades do educando, o diálogo com a família entre outras ações poderá permitir ao educador subsídios diários para alterar ou não o caminho delineado. E com o apoio da equipe gestora, em encontros dialogados, seja individual ou coletivo, há a possibilidade de consolidar seus encaminhamentos metodológicos. Gerir sua aprendizagem, como aponta Alarcão, é tomar para si a responsabilidade de construir um caminho profissional, reconhecendo que não está sozinho, e que seus saberes dialogam com seus pares (educadores, coordenadores e diretores). Ter um plano de formação construído a partir das falas e olhares das equipes é permitir que as possibilidades substituam o discurso das impossibilidades, tão presente no cotidiano de algumas escolas e no discurso de alguns profissionais, que insistem em ficar no lugar da queixa. Atualmente, sabemos que este lugar é transitório, e cabe à equipe gestora contribuir para que os educadores saiam dessa prática. Criar momentos de estudo para ir além desse lugar, ir ao encontro das oportunidades possíveis nos grupos de estudo, na sala de aula, na interlocução com a família e a comunidade. RESULTADO 4. O EXERCÍCIO DE AUTORIA NOS ESPAÇOS DE FORMAÇÃO O protagonismo dos educadores no cotidiano escolar destaca a importância de sua participação no projeto educativo da escola em diálogo com os demais atores. Nesse documento os princípios serão delineados e a proposta de formação da equipe docente também será contemplada. Em um realidade com rotatividade de educadores faz-se imprescindível garantir a proposta de formação continuada pensada para a escola. Mudam-se os atores, mas atualizam-se os desejos, as utopias, as ações possíveis de concretização. Para isto, cada um precisa reconhecer o seu papel, compromisso e responsabilidade neste espaço educativo. Todas as ações com os educadores precisam ser previstas nos planos de formação continuada e contidas no calendário da escola. A ideia de pertencimento no grupo é a ideia de construção coletiva. A utopia de uma proposta educativa construída no coletivo como possibilidade de mudança, requer uma dose de ousadia. Contribuir com a formação do educando é ousar construir um caminho, que exige o empenho e compromisso dos educadores. Investir no estudo, na troca entre pares e na continuidade de sua formação acadêmica. Afinal, ousar é uma das formas de abrir espaços de mudanças significativas na ação pedagógica, já que exige o repensar de práticas consolidadas, sair da zona de conforto. Olhar adiante e além, valorizando os passos dados. A proposta viável e possível poderá ser delinear um caminho de formação em parceria com os educadores, acreditando que reconhecer a diversidade, é saber da impossibilidade de atender a todos em suas necessidades de estudo, porém, os olhares trocados, as pequenas redes que vão se constituindo, demonstram que o caminho não é dado, ele é feito a cada passo e permeado por respostas, perguntas, conflitos, avanços, recuos, acertos, equívocos, certezas e incertezas... Mas, e os limites neste olhar para/com a escola? Nenhuma escola está pronta, mas o diálogo com os teóricos e os autores da área de educação poderá viabilizar o repensar das 8

9 práticas. Nos encontros de estudo entre os professores, na mediação das atividades em sala de aula, na autonomia do fazer pedagógico, na coerência da ação educativa com os referenciais teóricos e metodológicos da proposta pedagógica, no compromisso com a aprendizagem de todos os educandos, poderá ter possibilidades/oportunidades de fazer uma história diferente. A autoria dessa história será dos sujeitos. É imprescindível ressoar as vozes e ampliar o olhar nos encontros de formação. Investir na formação continuada é fomentar o reconhecimento de que não estamos sós, que falamos e entendemos de diferentes jeitos, mas que isto não impede o diálogo. Os educadores precisam assumir o seu protagonismo para mudar, ousar, ou melhor, acreditar que fazem diferença, no dia a dia, deste universo intitulado escola. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ALARCÃO, Isabel, Formação reflexiva de professores Estratégias de supervisão. Porto- Portugal: Porto Editora, FREIRE, Paulo. A importância do ato de ler. São Paulo: Editora Cortez, WEISZ, Telma & SANCHEZ, Ana, O diálogo entre o ensino e a aprendizagem. São Paulo: Editora Ática,

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME)

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) Palmas 2010 1. Apresentação O Núcleo de Apoio Didático e Metodológico NADIME é o órgão da Faculdade Católica do Tocantins responsável pela efetivação da

Leia mais

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

AS IMPLICAÇÕES DA GESTÃO DEMOCRATICA NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COLETIVO Hedi Maria Luft UNIJUI Diovanela Liara Schmitt IEDB

AS IMPLICAÇÕES DA GESTÃO DEMOCRATICA NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COLETIVO Hedi Maria Luft UNIJUI Diovanela Liara Schmitt IEDB AS IMPLICAÇÕES DA GESTÃO DEMOCRATICA NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COLETIVO Hedi Maria Luft UNIJUI Diovanela Liara Schmitt IEDB Resumo Este estudo apresentado em forma de pôster tem como

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor Juliana Graciano Parise 1 Eliane de Lourdes Felden 2 Resumo: O trabalho apresenta uma experiência de ensino articulado à pesquisa

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE PROJETO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ

Leia mais

RODA DE CONVERSA SOBRE PROFISSÕES

RODA DE CONVERSA SOBRE PROFISSÕES RODA DE CONVERSA SOBRE PROFISSÕES Kátia Hatsue Endo Unesp hatsueendo@yahoo.com.br Daniela Bittencourt Blum - UNIP danibittenc@bol.com.br Catarina Maria de Souza Thimóteo CEETEPS - catarinamst@netonne.com.br

Leia mais

2.5 AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

2.5 AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL 2.5 AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Para que a Educação Infantil no município de Piraquara cumpra as orientações desta Proposta Curricular a avaliação do aprendizado e do desenvolvimento da criança, como

Leia mais

Justificativa: Cláudia Queiroz Miranda (SEEDF 1 ) webclaudia33@gmail.com Raimunda de Oliveira (SEEDF) deoliveirarai@hotmail.com

Justificativa: Cláudia Queiroz Miranda (SEEDF 1 ) webclaudia33@gmail.com Raimunda de Oliveira (SEEDF) deoliveirarai@hotmail.com 1 COMO COLOCAR AS TEORIAS ESTUDADAS NA FORMAÇÃO DO PNAIC EM PRÁTICA NA SALA DE AULA? REFLEXÕES DE PROFESSORES ALFABETIZADORES SOBRE O TRABALHO COM O SISTEMA DE NUMERAÇÃO DECIMAL Cláudia Queiroz Miranda

Leia mais

OBSERVANDO A PRÁTICA DOCENTE E O APRENDIZADO DAS CRIANÇAS EM UMA CRECHE MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE PRISCILLA SILVESTRE DE LIRA OLIVEIRA

OBSERVANDO A PRÁTICA DOCENTE E O APRENDIZADO DAS CRIANÇAS EM UMA CRECHE MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE PRISCILLA SILVESTRE DE LIRA OLIVEIRA 1 OBSERVANDO A PRÁTICA DOCENTE E O APRENDIZADO DAS CRIANÇAS EM UMA CRECHE MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE PRISCILLA SILVESTRE DE LIRA OLIVEIRA 1. Introdução: Compreendendo que a Educação Infantil é uma etapa

Leia mais

Sumário. I. Apresentação do Manual. II. A Prevenção de Acidentes com Crianças. III. Programa CRIANÇA SEGURA Pedestre

Sumário. I. Apresentação do Manual. II. A Prevenção de Acidentes com Crianças. III. Programa CRIANÇA SEGURA Pedestre Sumário I. Apresentação do Manual II. A Prevenção de Acidentes com Crianças III. Programa CRIANÇA SEGURA Pedestre IV. Como a Educação pode contribuir para a Prevenção de Acidentes no Trânsito V. Dados

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA Profª. Ms. Marilce da Costa Campos Rodrigues - Grupo de estudos e pesquisas em Política e Formação Docente: ensino fundamental

Leia mais

O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL

O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL Introdução Com frequência as tecnologias digitais estão sendo empregadas pelos educadores em

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores A PROPOSTA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: OBSERVAÇÃO PARTICIPATIVA NO ESTÁGIO Monica Isabel

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

PSICOLOGIA E PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: EVIDÊNCIAS DE UMA RELAÇÃO.

PSICOLOGIA E PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: EVIDÊNCIAS DE UMA RELAÇÃO. PSICOLOGIA E PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: EVIDÊNCIAS DE UMA RELAÇÃO. Betânia Maria Oliveira de Amorim UFCG betânia_maria@yahoo.com.br Polliany de Abrantes Silva UFCG pollianyabrantes_psico@hotmail.com

Leia mais

A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NO CONTEXTO ATUAL

A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NO CONTEXTO ATUAL A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS Ana Lúcia Cunha Duarte UCB duart_ana@hotmail.com Resumo: A prática investigativa desenvolvida no curso de Pedagogia do Centro de Educação,

Leia mais

NARRATIVAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES 1

NARRATIVAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES 1 NARRATIVAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES 1 Helker Silva Paixão 2 Universidade Federal de Lavras helkermeister@gmail.com Patrícia Nádia Nascimento Gomes 3 Universidade Federal de Lavras paty.ufla@yahoo.com.br

Leia mais

CURSO: LICENCIATURA DA MATEMÁTICA DISCIPLINA: PRÁTICA DE ENSINO 4

CURSO: LICENCIATURA DA MATEMÁTICA DISCIPLINA: PRÁTICA DE ENSINO 4 CAMPUS CARAGUATUBA CURSO: LICENCIATURA DA MATEMÁTICA DISCIPLINA: PRÁTICA DE ENSINO 4 PROFESSOR: ANDRESSA MATTOS SALGADO-SAMPAIO ORIENTAÇÕES PEDAGÓGICAS PARA A PRÁTICA DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO NO CURSO

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DE ESPAÇO FÍSICO NA CRECHE ( os cantinhos ), que possibilitou entender o espaço como aliado do trabalho pedagógico, ou seja, aquele que

ORGANIZAÇÃO DE ESPAÇO FÍSICO NA CRECHE ( os cantinhos ), que possibilitou entender o espaço como aliado do trabalho pedagógico, ou seja, aquele que Introdução A formação continuada iniciou-se com um diagnóstico com os profissionais que atuam nos Centros de Educação Infantil do nosso município para saber o que pensavam a respeito de conceitos essenciais

Leia mais

MANUAL DO ALUNO EM DISCIPLINAS NA MODALIDADE A DISTÂNCIA

MANUAL DO ALUNO EM DISCIPLINAS NA MODALIDADE A DISTÂNCIA MANUAL DO ALUNO EM DISCIPLINAS NA MODALIDADE A DISTÂNCIA ORIENTAÇÕES PARA OS ESTUDOS EM EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Caro (a) Acadêmico (a), Seja bem-vindo (a) às disciplinas ofertadas na modalidade a distância.

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

A EDUCAÇÃO DO CAMPO E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NAS ESCOLAS DO ASSENTAMENTO SÃO FRANCISCO III.SOLÂNEA/PB.

A EDUCAÇÃO DO CAMPO E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NAS ESCOLAS DO ASSENTAMENTO SÃO FRANCISCO III.SOLÂNEA/PB. A EDUCAÇÃO DO CAMPO E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NAS ESCOLAS DO ASSENTAMENTO SÃO FRANCISCO III.SOLÂNEA/PB. Otaciana da Silva Romão (Aluna do curso de especialização em Fundamentos da Educação UEPB), Leandro

Leia mais

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional)

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) Universidade Federal de Roraima UFRR Brasil Especialista em Alfabetização (Prática Reflexiva

Leia mais

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT Proposta do CDG-SUS Desenvolver pessoas e suas práticas de gestão e do cuidado em saúde. Perspectiva da ética e da integralidade

Leia mais

As 11 dúvidas mais frequentes

As 11 dúvidas mais frequentes As 11 dúvidas mais frequentes Deyse Campos Assessora de Educação Infantil dcampos@positivo.com.br Frequentemente recebemos solicitações de professores de escolas que estão utilizando o Sistema Positivo

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social PAPÉIS COMPETÊNCIAS

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social PAPÉIS COMPETÊNCIAS PAPÉIS E COMPETÊNCIAS O SERVIÇO PSICOSSOCIAL NO CREAS... O atendimento psicossocial no serviço é efetuar e garantir o atendimento especializado (brasil,2006). Os profissionais envolvidos no atendimento

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA INTRODUÇÃO O Estágio Curricular foi criado pela Lei 6.494, de 7 de dezembro de 1977 e regulamentado pelo Decreto 87.497, de 18 de agosto

Leia mais

A COLABORAÇÃO NA PESQUISA ETNOGRÁFICA: O DIÁLOGO ENTRE ESCOLA E UNIVERSIDADE

A COLABORAÇÃO NA PESQUISA ETNOGRÁFICA: O DIÁLOGO ENTRE ESCOLA E UNIVERSIDADE A COLABORAÇÃO NA PESQUISA ETNOGRÁFICA: O DIÁLOGO ENTRE ESCOLA E UNIVERSIDADE Autora: Lorena Valin Mesquita Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) - lm_valin@hotmail.com Coautora: Roberta Souza

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

O que é o projeto político-pedagógico (PPP)

O que é o projeto político-pedagógico (PPP) O que é o projeto político-pedagógico (PPP) 1 Introdução O PPP define a identidade da escola e indica caminhos para ensinar com qualidade. Saiba como elaborar esse documento. sobre ele: Toda escola tem

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

NAP NÚCLEO DE ASSESSORIA PEDAGÓGICA: PROPOSIÇÕES PARA A FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE LÍNGUA INGLESA NA UEPG

NAP NÚCLEO DE ASSESSORIA PEDAGÓGICA: PROPOSIÇÕES PARA A FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE LÍNGUA INGLESA NA UEPG 110. ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( x ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA NAP NÚCLEO DE ASSESSORIA PEDAGÓGICA: PROPOSIÇÕES PARA

Leia mais

Interação das Escolas do Tocantins

Interação das Escolas do Tocantins SINDICATO DOS PEDAGOGOS DO ESTADO DO TOCANTINS - SINPETO www.sinpeto.com.br Interação das Escolas do Tocantins Palmas 2010. SINDICATO DOS PEDAGOGOS DO ESTADO DO TOCANTINS - SINPETO www.sinpeto.com.br Projeto:

Leia mais

OFICINA DE LÍNGUA PORTUGUESA COMO MEDIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL NOS CURSOS SUBSEQÜENTES DO IFRN - CAMPUS NATAL/CIDADE ALTA

OFICINA DE LÍNGUA PORTUGUESA COMO MEDIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL NOS CURSOS SUBSEQÜENTES DO IFRN - CAMPUS NATAL/CIDADE ALTA OFICINA DE LÍNGUA PORTUGUESA COMO MEDIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL NOS CURSOS SUBSEQÜENTES DO IFRN - CAMPUS NATAL/CIDADE ALTA Dayvyd Lavaniery Marques de Medeiros Professor do IFRN Mestrando do PPGEP

Leia mais

Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1

Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1 Ulisses F. Araújo 2 A construção de um ambiente ético que ultrapasse

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Conteúdos e Metodologia de Alfabetização Carga Horária Semestral: 80 horas Semestre do Curso: 5º 1 - Ementa (sumário, resumo) História

Leia mais

Formação de professores do Ensino Médio

Formação de professores do Ensino Médio Formação de professores do Ensino Médio Etapa I Caderno VI Pacto Nacional pelo Fortalecimento do Ensino Médio A Avaliação no Ensino Médio Ocimar Alavarse Gabriel Gabrowski Mediadora: Viviane Aparecida

Leia mais

UMA RELEITURA SOBRE A IMPORTÂNCIA DA BIBLIOTECA NO CONTEXTO ESCOLAR MARIA MAZARELO RODRIGUES DE LIMA

UMA RELEITURA SOBRE A IMPORTÂNCIA DA BIBLIOTECA NO CONTEXTO ESCOLAR MARIA MAZARELO RODRIGUES DE LIMA 1 UMA RELEITURA SOBRE A IMPORTÂNCIA DA BIBLIOTECA NO CONTEXTO ESCOLAR MARIA MAZARELO RODRIGUES DE LIMA INTRODUÇÃO Compreende-se que na promoção de ações de estímulo à leitura, a escola tem como instrumento

Leia mais

O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA

O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA SANTOS *, Josiane Gonçalves SME/CTBA josiane_2104@hotmail.com Resumo Os tempos mudaram, a escola mudou. Refletir sobre a escola na contemporaneidade

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Introdução à Pedagogia Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º 1 - Ementa (sumário, resumo) A disciplina se constitui como

Leia mais

DESENHO PEDAGÓGICO PARA A EDUCAÇÃO MULTIPROFISSIONAL NO CURSO A DISTÂNCIA DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA DA UNA-SUS/UNIFESP

DESENHO PEDAGÓGICO PARA A EDUCAÇÃO MULTIPROFISSIONAL NO CURSO A DISTÂNCIA DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA DA UNA-SUS/UNIFESP DESENHO PEDAGÓGICO PARA A EDUCAÇÃO MULTIPROFISSIONAL NO CURSO A DISTÂNCIA DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA DA UNA-SUS/UNIFESP São Paulo - SP - maio 2011 Rita Maria Lino Tarcia, Universidade Federal

Leia mais

Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações

Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações a serem implementadas nos câmpus do Instituto. A identidade

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

UMA TRAJETÓRIA DEMOCRÁTICA: das habilitações à coordenação pedagógica

UMA TRAJETÓRIA DEMOCRÁTICA: das habilitações à coordenação pedagógica UMA TRAJETÓRIA DEMOCRÁTICA: das habilitações à coordenação pedagógica Shirleiscorrea@hotmail.com A escola, vista como uma instituição que historicamente sofreu mudanças é apresentada pelo teórico português

Leia mais

Contribuir para a implantação de programas de gestão e de educação ambiental em comunidades e em instituições públicas e privadas.

Contribuir para a implantação de programas de gestão e de educação ambiental em comunidades e em instituições públicas e privadas. TÍTULO: EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ESTRATÉGIA PARA O CONHECIMENTO E A INCLUSÃO SOCIAL AUTORES: Chateaubriand, A. D.; Andrade, E. B. de; Mello, P. P. de; Roque, W. V.; Costa, R. C. da; Guimarães, E. L. e-mail:

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS FUNCIONÁRIOS NO PROCESSO EDUCATIVO NAS ESCOLAS

A IMPORTÂNCIA DOS FUNCIONÁRIOS NO PROCESSO EDUCATIVO NAS ESCOLAS A IMPORTÂNCIA DOS FUNCIONÁRIOS NO PROCESSO EDUCATIVO NAS ESCOLAS Carine Ferreira Machado Virago 1 Carla Cristiane Costa 2 Resumo: A nova conjuntura educacional, voltada especialmente a uma educação integral

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR 1. Como são os cursos ofertados pela plataforma freire e quais os benefícios para os professores que forem selecionados? O professor sem formação poderá estudar nos

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA EM SERVIÇO DE PROFESSORAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA PESQUISA-INTERVENÇÃO EM ESCOLA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO.

FORMAÇÃO CONTINUADA EM SERVIÇO DE PROFESSORAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA PESQUISA-INTERVENÇÃO EM ESCOLA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO. 1 FORMAÇÃO CONTINUADA EM SERVIÇO DE PROFESSORAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA PESQUISA-INTERVENÇÃO EM ESCOLA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO. Autora: MERLI, Angélica de Almeida - UNINOVE - angel.almeida@uninove.edu.br

Leia mais

PROJETO QUARTA LITERÁRIA

PROJETO QUARTA LITERÁRIA PROJETO QUARTA LITERÁRIA * Francisca Wládia de Medeiros Inocêncio ** Leni Oliveira da Silva Este artigo pretende socializar o Projeto Quarta Literária, desenvolvido no Centro Educacional do Projeto SESC

Leia mais

Instrumento para revisão do Projeto Político Pedagógico

Instrumento para revisão do Projeto Político Pedagógico SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS GERAIS SUBSECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DO ENSINO MÉDIO SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO INFANTIL E FUNDAMENTAL

Leia mais

Formação continuada: a educação municipal de Bauru/SP

Formação continuada: a educação municipal de Bauru/SP Formação continuada: a educação municipal de Bauru/SP Prof.ª Dra. Vera Mariza Regino Casério e-mail: veracaserio@bauru.sp.gov.br Prof.ª Esp. Fernanda Carneiro Bechara Fantin e-mail: fernandafantin@bauru.sp.gov.br

Leia mais

É projeto porque reúne propostas de ação concreta a executar durante determinado período de tempo. É político por considerar a escola como um espaço

É projeto porque reúne propostas de ação concreta a executar durante determinado período de tempo. É político por considerar a escola como um espaço É projeto porque reúne propostas de ação concreta a executar durante determinado período de tempo. É político por considerar a escola como um espaço de formação de cidadãos conscientes, responsáveis e

Leia mais

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Eixo temático 1: Fundamentos e práticas educacionais Telma Sara Q. Matos 1 Vilma L. Nista-Piccolo 2 Agências Financiadoras: Capes / Fapemig

Leia mais

Regulamento de Estágio Curricular

Regulamento de Estágio Curricular Regulamento de Estágio Curricular REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR O presente regulamento normatiza o Estágio Curricular em acordo com a Lei nº 11.788, de 25/09/2008, componente do Projeto Pedagógico

Leia mais

PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: Uma estratégia de integração curricular

PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: Uma estratégia de integração curricular PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: Uma estratégia de integração curricular Daiele Zuquetto Rosa 1 Resumo: O presente trabalho objetiva socializar uma das estratégias de integração curricular em aplicação

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO Secretaria de Estado da Educação Estado do Paraná Núcleo Regional de Educação de União da Vitória COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio Rua Presidente Kennedy, 200 Fone: (42) 3552

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Elisa Maçãs IDÉIAS & SOLUÇÕES Educacionais e Culturais Ltda www.ideiasesolucoes.com 1

Leia mais

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças PADILHA, Aparecida Arrais PMSP cidarrais@yahoo.com.br Resumo: Este artigo apresenta uma

Leia mais

Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual

Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual Adriana Cristina Lázaro e-mail: adrianaclazaro@gmail.com Milena Aparecida Vendramini Sato e-mail:

Leia mais

Algumas contribuições para a construção do projeto político pedagógico na escola 1

Algumas contribuições para a construção do projeto político pedagógico na escola 1 FALA PEDAGOGIA Algumas contribuições para a construção do projeto político pedagógico na escola 1 Daniela Erani Monteiro Will O Projeto Político Pedagógico (PPP), há alguns anos, está na pauta de discussões

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Orientações para a elaboração do projeto escolar

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Orientações para a elaboração do projeto escolar MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO MÉDIA E TECNOLÓGICA Coordenação-Geral de Ensino Médio Orientações para a elaboração do projeto escolar Questões norteadoras: Quais as etapas necessárias à

Leia mais

Educação a distância: desafios e descobertas

Educação a distância: desafios e descobertas Educação a distância: desafios e descobertas Educação a distância: Desafios e descobertas Conteudista: Equipe Multidisciplinar Campus Virtual Cruzeiro do Sul Você na EAD Educação a distância: desafios

Leia mais

INTRODUÇÃO. Sobre o Sou da Paz: Sobre os Festivais Esportivos:

INTRODUÇÃO. Sobre o Sou da Paz: Sobre os Festivais Esportivos: 1 INTRODUÇÃO Sobre o Sou da Paz: O Sou da Paz é uma organização que há mais de 10 anos trabalha para a prevenção da violência e promoção da cultura de paz no Brasil, atuando nas seguintes áreas complementares:

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

O Projeto Político Pedagógico. Norteadores para uma Gestão Democrática na Escola: PPP e Regimento Escolar

O Projeto Político Pedagógico. Norteadores para uma Gestão Democrática na Escola: PPP e Regimento Escolar O Projeto Político Pedagógico Norteadores para uma Gestão Democrática na Escola: PPP e Regimento Escolar 1 A sua escola possui uma Proposta Pedagógica (ou Projeto Político Pedagógico - PPP? Em caso afirmativo,

Leia mais

Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva. Ministro da Educação Fernando Haddad. Secretário Executivo José Henrique Paim Fernandes

Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva. Ministro da Educação Fernando Haddad. Secretário Executivo José Henrique Paim Fernandes Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro da Educação Fernando Haddad Secretário Executivo José Henrique Paim Fernandes Secretária de Educação Especial Claudia Pereira Dutra MINISTÉRIO

Leia mais

Projeto Acelerando o Saber

Projeto Acelerando o Saber Projeto Acelerando o Saber Tema: Valorizando o Ser e o Aprender Lema: Ensinar pra Valer Público Alvo: Alunos do Ensino Fundamental da Rede Municipal de Ensino contemplando o 3º ano a 7ª série. Coordenadoras:

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

A divulgação desta apresentação por Cd-Rom e no Web site do programa Educação do Instituto do Banco Mundial e feita com a autorização do autor.

A divulgação desta apresentação por Cd-Rom e no Web site do programa Educação do Instituto do Banco Mundial e feita com a autorização do autor. A divulgação desta apresentação por Cd-Rom e no Web site do programa Educação do Instituto do Banco Mundial e feita com a autorização do autor. A ESCOLA PRECISA SER VISTA COMO UMA UNIDADE FUNDAMENTAL PARA

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA GESTÃO DEMOCRÁTICA NO COTIDIANO ESCOLAR

OS PRINCÍPIOS DA GESTÃO DEMOCRÁTICA NO COTIDIANO ESCOLAR OS PRINCÍPIOS DA GESTÃO DEMOCRÁTICA NO COTIDIANO ESCOLAR Alex Vieira da Silva 1 RESUMO O presente artigo pretende discutir os princípios da gestão democrática no contexto educacional, visando perceber

Leia mais

ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL DRA. MARIA AUGUSTA SARAIVA MANUAL DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL DRA. MARIA AUGUSTA SARAIVA MANUAL DE ESTÁGIO PROFISSIONAL 2012 ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL DRA. MARIA AUGUSTA SARAIVA MANUAL DE ESTÁGIO PROFISSIONAL APRESENTAÇÃO Este Manual foi elaborado com o objetivo de normalizar o Estágio Profissional Supervisionado, para os

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO

CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO TEMA: ELABORAÇÃO DE PROJETOS COM FOCO NA FAMÍLIA Março/2010 ELABORAÇÃO DE PROJETOS ELABOR-AÇÃO: palavra-latim-elabore preparar, formar,ordenar AÇÃO: atuação, ato PRO-JETOS: palavra-latim-projetus

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COMO UMA PROPOSTA EDUCACIONAL DEMOCRÁTICA

A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COMO UMA PROPOSTA EDUCACIONAL DEMOCRÁTICA A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COMO UMA PROPOSTA EDUCACIONAL DEMOCRÁTICA Maria Cleonice Soares (Aluna da Graduação UERN) 1 Kátia Dayana de Avelino Azevedo (Aluna da Graduação UERN) 2 Silvia

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

1.3. Planejamento: concepções

1.3. Planejamento: concepções 1.3. Planejamento: concepções Marcelo Soares Pereira da Silva - UFU O planejamento não deve ser tomado apenas como mais um procedimento administrativo de natureza burocrática, decorrente de alguma exigência

Leia mais

REGULAMENTO CURSO DESCENTRALIZADO

REGULAMENTO CURSO DESCENTRALIZADO REGULAMENTO CURSO DESCENTRALIZADO I Nome do curso PROTAGONISMO JUVENIL - GRÊMIO ESTUDANTIL E A FORMAÇÃO CIDADÃ NO ESPAÇO ESCOLAR II Apresentação: descrição do curso O curso capacitará os participantes

Leia mais

EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS DO CAMPO COM ÊNFASE EM ECONOMIA SOLIDÁRIA EJA CAMPO/ECOSOL Nível: Especialização Modalidade: Presencial / A distância

EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS DO CAMPO COM ÊNFASE EM ECONOMIA SOLIDÁRIA EJA CAMPO/ECOSOL Nível: Especialização Modalidade: Presencial / A distância EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS DO CAMPO COM ÊNFASE EM ECONOMIA SOLIDÁRIA EJA CAMPO/ECOSOL Nível: Especialização Modalidade: Presencial / A distância Parte 1 Código / Área Temática 34/Educação de Jovens e

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA Diretoria de Políticas de Formação, Materiais Didáticos e Tecnologias para a Educação Básica Coordenação Geral de Materiais Didáticos PARA NÃO ESQUECER:

Leia mais

GESTÃO ESCOLAR DEMOCRÁTICA: UM INSTRUMENTO DA INCLUSÃO RESUMO

GESTÃO ESCOLAR DEMOCRÁTICA: UM INSTRUMENTO DA INCLUSÃO RESUMO Revista Eletrônica da Faculdade Metodista Granbery http://re.granbery.edu.br - ISSN 1981 0377 Curso de Pedagogia - N. 6, JAN/JUN 2009 GESTÃO ESCOLAR DEMOCRÁTICA: UM INSTRUMENTO DA INCLUSÃO Beanilde Toledo

Leia mais

Programa de Educação Inclusiva: A educação tem muitas faces Educando e aprendendo na diversidade

Programa de Educação Inclusiva: A educação tem muitas faces Educando e aprendendo na diversidade Programa de Educação Inclusiva: A educação tem muitas faces Educando e aprendendo na diversidade 1. Educação Especial: histórico, funcionamento e legislação Para suprir a demanda da Educação Especial e

Leia mais

em partilhar sentido. [Gutierrez e Prieto, 1994] A EAD pode envolver estudos presenciais, mas para atingir seus objetivos necessita

em partilhar sentido. [Gutierrez e Prieto, 1994] A EAD pode envolver estudos presenciais, mas para atingir seus objetivos necessita II. COMPETÊNCIAS E HABILIDADES A assessoria pedagógica não consiste em transmitir certezas, mas em partilhar sentido. [Gutierrez e Prieto, 1994] A EAD pode envolver estudos presenciais, mas para atingir

Leia mais

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES Inês Barbosa de Oliveira O desafio de discutir os estudos e as práticas curriculares, sejam elas ligadas à educação de jovens e adultos ou ao

Leia mais

FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO FACIHUS FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO: PEDAGOGIA

FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO FACIHUS FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO: PEDAGOGIA SUBPROJETO: PEDAGOGIA Alfabetizar letrando com as tecnologias INTRODUÇÃO A escola necessita formar seu aluno a aprender a ler o mundo, ter autonomia para buscar seu conhecimento, incentivá-lo a ser autor

Leia mais

RELATÓRIOS DAS OFICINAS: CUIDANDO DO CUIDADOR: CPPT CUNIÃ. Facilitadoras: Liliane Lott Pires e Maria Inês Castanha de Queiroz

RELATÓRIOS DAS OFICINAS: CUIDANDO DO CUIDADOR: CPPT CUNIÃ. Facilitadoras: Liliane Lott Pires e Maria Inês Castanha de Queiroz 1 RELATÓRIOS DAS OFICINAS: CUIDANDO DO CUIDADOR: CPPT CUNIÃ Facilitadoras: Liliane Lott Pires e Maria Inês Castanha de Queiroz Empresa: SENSOTECH ASSESSORAMENTO E REPRESENTAÇÕES LTDA 4ª Oficina Data: 31/07/2012

Leia mais

Alcance e flexibilidade nem sempre oferecidos pelo ensino presencial.

Alcance e flexibilidade nem sempre oferecidos pelo ensino presencial. Alcance e flexibilidade nem sempre oferecidos pelo ensino presencial. Nos programas e cursos da Educação a Distância da Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca (EAD/ ENSP), a formação dos profissionais

Leia mais

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR Acreditamos ser relevante abordar de forma rápida o contexto atual da Educação Física Escolar

Leia mais

CIDADANIA: o que é isso?

CIDADANIA: o que é isso? CIDADANIA: o que é isso? Autora: RAFAELA DA COSTA GOMES Introdução A questão da cidadania no Brasil é um tema em permanente discussão, embora muitos autores discutam a respeito, entre eles: Ferreira (1993);

Leia mais

FORMULÁRIO DE AÇÃO DE EXTENSÃO

FORMULÁRIO DE AÇÃO DE EXTENSÃO Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Proppex Supervisão de Extensão FORMULÁRIO DE AÇÃO DE EXTENSÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DA ORIGEM 1.1. TÍTULO: PROJETOS POLÍTICO-PEDAGÓGICOS (PPP) DAS ESCOLAS

Leia mais