TEORIA E PRÁTICA NO SERVIÇO SOCIAL: UMA REFLEXÃO SOBRE A IDENTIDADE PROFISSIONAL DO ASSISTENTE SOCIAL E OS DESAFIOS CONTEMPORÂNEOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TEORIA E PRÁTICA NO SERVIÇO SOCIAL: UMA REFLEXÃO SOBRE A IDENTIDADE PROFISSIONAL DO ASSISTENTE SOCIAL E OS DESAFIOS CONTEMPORÂNEOS"

Transcrição

1 1 TEORIA E PRÁTICA NO SERVIÇO SOCIAL: UMA REFLEXÃO SOBRE A IDENTIDADE PROFISSIONAL DO ASSISTENTE SOCIAL E OS DESAFIOS CONTEMPORÂNEOS Nilvania Alves Gomes 1 Camila Adriana Silva Diniz 2 RESUMO Este artigo propõe realizar uma reflexão no âmbito da construção da identidade profissional, do Assistente Social, destacando alguns dos desafios profissionais enfrentados relacionados a natureza teórica e prática do serviço social na atualidade. Para tanto, este trabalho apresenta inicialmente um breve resgate histórico sobre a formação profissional, sob o contexto brasileiro, advindo do Movimento de Reconceituação a partir da década de 1960, a perspectiva ética, política e teórica trazidas pelo movimento que desencadearam mudanças no Serviço Social brasileiro. Na sequência discute sobre as três competências que integram a formação do assistente social na contemporaneidade, técnica operativa, teórico-metodológica e ética política, e seus desafios na contemporaneidade, cuja prática profissional se insere no âmbito da correlação de poderes e forças sociais presentes na sociedade capitalista. Finalmente sugere o fortalecimento entre as competências profissionais, articuladas e mediadas, bem como as discussões contemporâneas acerca da confrontação prática aos elementos teóricos, envolto numa equação tensionada pelo pragmatismo na busca do fortalecimento da práxis profissional. Palavras-chave: Serviço Social. Identidade profissional. Formação. Trabalho profissional. 1 Discente do curso de Serviço Social na Faculdade UNA Betim, terapeuta holística. 2 Graduada em Serviço Social( PUC Minas), Especialista em Política Pública ( UFMG) e Mestre em Ciências Sociais ( PUC Minas).Docente no Centro Universitário UNA - Betim e na Faculdade de Políticas Públicas Tancredo Neves - UEMG.

2 2 INTRODUÇÃO O presente trabalho propõe realizar uma reflexão no âmbito da construção da identidade profissional, do Assistente Social, destacando alguns dos desafios profissionais enfrentados, relacionados a natureza teórica e prática do serviço social na atualidade. Tal reflexão - sobre a construção histórica e teórico-metodológica do Serviço Social - desconsiderando o contexto em que se fez necessária a implementação da profissão na divisão social do trabalho, seria como analisar a questão social 3 sob a ótica do pensamento liberal, que considera os problemas sociais como conseqüências de desajustes pessoais, respondendo a estes problemas com ações imediatistas, desprovidas de objetivos em desenvolvimento de um modelo genérico ao ser humano. Desconsiderar portanto, a questão da produção e manutenção das desigualdades sociais em atendimento aos interesses burgueses, induz a ideologia da institucionalização de uma profissão que, a serviço do capital filantrópico, ajuda aos cidadãos inaptos a sobreviverem neste sistema onde cada um vale segundo o que produz. O serviço social, para Iamamoto e Carvalho (1995), se gesta e se desenvolve como profissão reconhecida na divisão social do trabalho, tendo por pano de fundo o desenvolvimento capitalista industrial e a expansão urbana, processos esses aqui apreendidos sob o ângulo das novas classes sociais emergentes a constituição e expansão do proletariado e burguesia industrial e das modificações verificadas na composição dos grupos e frações de classes que compartilham o poder de Estado em conjunturas históricas específicas. Assim, no processo de produção e reprodução capitalista, o serviço social pode ser incluído entre as atividades que, não sendo diretamente produtivas, são indispensáveis ou facilitadoras do movimento do capital. Segundo Monteiro e Silva (2005) o desenvolvimento das forças produtivas e as relações sociais desenvolvidas no processo capitalista, determinam novas necessidades sociais e novos impasses que passam a exigir profissionais especialmente qualificados para o seu atendimento como é o caso do serviço social. Nesta perspectiva, as conseqüências negativas do modo capitalista, manifestadas como 3 A Questão Social é expressão das desigualdades sociais constitutivas do capitalismo. Suas diversas manifestações são indissociáveis das relações entre as classes sociais que estruturam esse sistema e nesse sentido a Questão Social se expressa também na resistência e na disputa política.

3 3 desemprego, precarização e flexibilidade no mercado de trabalho, desigualdade social, dentre outras, necessitam fornecer respostas às necessidades imediatas das classes trabalhadoras, a fim de que estas autorizem sua própria exploração, legitimando a lógica capitalista. No contexto capitalista, o trabalho do assistente social também se estabelece numa relação de compra e venda, onde sua força de trabalho é mercantilizada. O assistente social recebe um valor pela venda de sua força de trabalho, em troca dos seus serviços; valor este determinado como o preço de qualquer outra mercadoria, ingressando sua atividade no reino do valor. Uma das pré-condições para tal ingresso é a transformação de sua força de trabalho em mercadoria e de seu trabalho em atividade subordinada à classe capitalista. Todavia, a sociedade não é uma estrutura estática, e suas constantes transformações propiciam uma constante reconstrução da história, revelando a dinamicidade dos movimentos sociais que, através do protagonismo de seus membros, reavaliam, reestruturam e reconstroem seus paradigmas, reorganizando suas relações. E neste desenrolar histórico, onde são vivenciadas diversas crises, sociais, econômicas e políticas, nos mais diversos setores; o Serviço Social atravessa também suas crises, crises estas que têm sua gênese na própria crise da sociedade capitalista, cujas transformações e alterações, se fazem refletir nos diversos segmentos sociais. Segundo Paulo Netto (2010) é somente na ordem societária comandada pelo monopólio que se gestam as condições histórico-sociais, para que, a divisão social (e técnica) do trabalho, constitua-se um espaço em que se possam mover práticas profissionais como as do assistente social. A emergência profissional do serviço social é, em termos histórico-universais, uma variável da idade do monopólio, segundo o autor acima citado. E como profissão, o serviço social é indissociável da ordem monopólica ela cria e funda a profissionalidade do serviço social. (PAULO NETTO,2010, pag. 78). Diante destas perspectivas, torna-se importante refletir sobre a identidade do profissional Assistente Social, considerando sua bagagem histórica, seu protagonismo no desenrolar desta história e sua capacidade de renovação diante das exigências que perpassam seu compromisso ético, sua autonomia relativa, suas necessidades, valores

4 4 e aspirações pessoais; suas limitações diante das contradições do espaço onde atua sua construção de conhecimentos, enfim, decifrar sua própria identidade. O Serviço Social no Brasil e a categoria trabalho A institucionalização do serviço social como trabalho está embrionada no desenvolvimento do modo de produção capitalista, mais especificamente na passagem do capitalismo concorrencial ao capitalismo monopolista. Considerando o surgimento do Serviço Social no Brasil na década de 1930, onde a atuação dos agentes sociais pautava-se nos princípios cristãos de caridade e moralização, segundo a doutrina da Igreja Católica - período em que Getúlio Vargas viabilizava as leis trabalhistas, numa tentativa de conter a insatisfação da crescente massa proletariada, numa mescla de concessões de direitos, caridade e repressão - a gênese da profissão se estabelece portanto, numa ação de controle social, por meio de instrumentos de assistencialismo, doutrinamento moral, e propagação da ideologia de responsabilização do indivíduo pela sua condição e devotamento ao Estado e a Igreja pela ajuda prestada. (...) Não podemos, no entanto, esquecer que, por sua vinculação histórica com o trabalho filantrópico, voluntário e solidário, a Assistência Social brasileira carrega uma pesada herança assistencialista que se consubstanciou a partir da matriz do favor, do apadrinhamento, do clientelismo e do mando, formas enraizadas na cultura política do país, sobretudo no trato com as classes subalternas. (GUERRA, 2000, pág. 75) Desta forma o profissional do serviço social, que anteriormente recebeu o rótulo do profissional que ajuda aos pobres, foi questionado por uma minoria de sua categoria profissional no período entre 1930/1964, no qual emergiu um novo posicionamento, pautado pela análise crítica da sociedade, cujas contradições inerentes ao sistema capitalista de produção revelam as bases de sustentação deste sistema: a produção coletiva de riquezas, cuja apropriação é privativa aos donos dos meios de produção, trazendo como conseqüência principal, o enriquecimento de poucos e o empobrecimento de muitos, conforme destaca Iamamoto: (...) a produção social é cada vez mais coletiva, o trabalho torna-se mais amplamente social, enquanto a apropriação dos seus frutos mantém-se privada, monopolizada por uma parte da sociedade. (IAMAMOTO, 1999, p. 27).

5 5 Devido à inquietação profissional quanto a apenas atuar sobre as sequelas da chamada questão social, a categoria busca então aprofundar seu olhar sobre esta questão, numa tentativa de apreender as causas sobre as quais é chamado a intervir. A postura investigadora adotada pela profissão, objetiva subsidiar as propostas para o enfrentamento das manifestações da questão social, corroborando para o fortalecimento de sua competência. De acordo com Paulo Netto (2010) o serviço social não desempenha funções produtivas, mas se insere nas atividades que se tornaram auxiliadoras dos processos especificamente monopólicos da reprodução, acumulação e valorização do capital. Tais atividades, no caso do serviço social, configuram um complexo compósito de áreas de intervenção, onde se entrecruzam e rebatem todas as múltiplas dimensões das políticas sociais e as quais a ação profissional se move entre a manipulação prático-empírica de variáveis que afetam imediatamente os problemas sociais e a articulação simbólica que pode ser constelada nela e a partir dela. O desejo de rompimento com este trabalho de cunho assistencialista - visando uma reestruturação da profissão sob parâmetros de uma fundamentação teórica e uma prática política - é desarticulado pela ditadura militar ocorrida em Contudo, a emergência de mudanças tanto no que se refere à superestrutura, quanto ao que tange a profissão propriamente dita, manteve o posicionamento e engajamento destes profissionais que lutaram pela reconceituação da profissão, marcada por eventos tais como o Congresso de Araxá em 1967, o Congresso de Teresópolis em 1972 e o III Congresso Brasileiro de Assistentes Sociais e 1979 conhecido como Congresso da Virada onde a classe torna explícita sua ruptura com o serviço social e seu caráter conservador. Segundo Iamamoto (2010), o processo de renovação crítica do Serviço Social - fruto e expressão de um amplo movimento de lutas pela democratização da sociedade e do Estado no país, com forte presença das lutas operárias - impulsionaram a crise da ditadura militar: a ditadura do grande capital. Em um contexto de ascensão dos movimentos políticos das classes sociais, das lutas em torno da elaboração e aprovação da Carta Constitucional de 1988 e da defesa do Estado de Direito, a categoria de assistentes sociais foi sendo socialmente questionada pela prática política de diferentes segmentos da sociedade civil.

6 6 O Serviço Social não ficou a reboque desses acontecimentos, impulsionando um processo de ruptura com o tradicionalismo profissional e seu ideário conservador. Tal processo condiciona, fundamentalmente, o horizonte de preocupações emergentes no âmbito do Serviço Social, exigindo novas respostas profissionais, o que derivou em significativas alterações nos campos do ensino, da pesquisa, da regulamentação da profissão e da organização político - corporativa dos assistentes sociais. (IAMAMOTO, 2010, pag., 32) Inaugura-se portanto, uma nova etapa para a profissão que se posiciona em favor da classe trabalhadora, em favor da equidade e justiça social, na defesa dos direitos humanos, e construção de uma nova ordem societária. Assim, o Assistente Social idealizado e adestrado pela ordem burguesa em favor dos interesses capitalistas, rebela-se contra seu criador buscando sua emancipação profissional, o que torna possível na atualidade, discutir propostas para emancipar também o usuário de seus serviços. Seu objeto de estudo as contradições entre capital e trabalho e seu foco de trabalho o empoderamento do cidadão vão delineando novos contornos à identidade profissional. A motivação principal deste movimento foi de atribuir ao Serviço Social um caráter científico, desenhando novos contornos ao seu status de competência. Através do diálogo com a tradição marxista, além de outras Ciências, chamadas Humanas e Sociais (Antropologia, Sociologia, Psicologia, Economia, Ciência Política); foi possível construir objetivos maiores para a atuação profissional do Assistente Social que, ao romper com o caráter conservador, assistencialista e meramente executivo, conquista novas atribuições no mercado de trabalho, reconfigurando-se numa atividade capaz de decifrar a realidade, produzir conhecimentos e provocar transformações. Embora não tendo atingido o patamar de ciência, o Serviço Social conseguiu se constituir como uma área de produção de conhecimentos, inserida na grande área de Ciências Sociais Aplicadas (assim é identificada nas agências de fomento como CNPq, Capes e Fapergs), isto é, constrói conhecimento6 científico. O Serviço Social é uma profissão reconhecida na sociedade na medida em que é socialmente necessária e exercida por um grupo social específico, uma categoria profissional que compartilha um sentimento de pertencimento e possui uma identidade profissional. ( FRAGA, p. 43) Fruto da crítica ao conservadorismo profissional, ocorrida entre a década de 1970 à 1980, discute-se a construção do projeto ético-político do Serviço Social, que aponta novos horizontes para a identidade profissional dos assistentes sociais. Conforme Paulo Neto (2010), os projetos profissionais retratam a imagem idealizada

7 7 pela profissão, apresentando seus valores, seus objetivos, suas atribuições; estabelecendo normas de conduta que norteiem suas relações com os usuários de seus serviços, profissionais de outras áreas, instituições e organizações; caracterizando uma categoria profissional organizada. Estando imbuídos de dimensões políticas, tanto no que se refere à sua relação aos projetos societários, quanto à sua própria perspectiva profissional; e uma vez sujeitos à dinâmica social e suas consequentes transformações, os projetos profissionais acompanham, às mudanças econômicas, históricas, culturais, acadêmicas e da própria composição da categoria profissional. Os projetos profissionais apresentam a auto-imagem de uma profissão, elegem os valores que a legitimam socialmente, delimitam e priorizam seus objetivos e funções, formulam os requisitos (teóricos, práticos e institucionais) para o seu exercício, prescrevem normas para o comportamento dos profissionais e estabelecem as bases das suas relações com os usuários de seus serviços, com as outras profissões e com as organizações e instituições sociais privadas e públicas. (NETTO, 2010 p.04) O Código de Ética de 1993 foi, segundo Paiva e Salles (1996) um aliado na mobilização e qualificação do profissional assistente social, constituindo-se num mecanismo de defesa da qualidade dos serviços prestados pelos assistentes sociais e de garantia do exercício profissional, fornecendo respaldo jurídico à profissão. Iamamoto (1998), discutindo o perfil do profissional demandado na contemporaneidade, aponta três dimensões que devem ser do domínio do assistente social contemporâneo, afinado ao projeto ético político profissional. As dimensões ético-política, teórico-metodológica e técnico-operativa, vão direcionar o agir profissional a partir da identidade profissional construída pelo seu projeto éticopolítico. Além disto faz-se necessário apreender o caráter investigativo da profissão, onde a pesquisa, a reflexão crítica, a conduta pautada na ética e nas leis que regulamentam as relações sociais. Estes são pressupostos básicos para se compreender o Serviço Social como profissão institucionalizada, inserida no mercado enquanto especialização do trabalho. Considerando tais dimensões voltadas o trabalho do assistente social, cuja prática se insere no âmbito da correlação de poderes e forças sociais presentes na sociedade capitalista, se faz necessário que este profissional assuma seu posicionamento político - não partidário - diante das questões presentes na realidade

8 8 social cotidiana. Sendo as relações sociais, relações políticas, cabe ao assistente social buscar politizar-se - para ser capaz de politizar seu usuário - na busca pela transformação social, onde o conceito de cidadania venha a ser apreendido e esta venha a ser conquistada. A observação dos princípios éticos expressos no Código de Ética profissional, que reconhece e defende os princípios de liberdade, autonomia, emancipação; defesa dos direitos humanos, ampliação e consolidação da cidadania; defesa do aprofundamento da democracia; devem ser observados, sob o risco de se regredir ao tempo em que se atuava sob a perspectiva do ajuste aos desajustados sociais. O posicionamento profissional em favor da equidade e justiça social; empenho na eliminação de todas as formas de preconceito. A garantia do pluralismo, optando por um projeto profissional vinculado ao processo de construção de uma nova ordem societária, sem dominação, exploração de classe, etnia e gênero; articulação com os movimentos de outras categorias profissionais que partilhem dos princípios do Código e com a luta geral dos/as trabalhadores/as. O compromisso com a qualidade dos serviços prestados à população e com o aprimoramento intelectual. O exercício do Serviço Social sem ser discriminado/a, nem discriminar, por questões de inserção de classe social, gênero, etnia, religião, nacionalidade, orientação sexual, identidade de gênero, idade e condição física, são princípios fundamentais a serem reconhecidos pelo assistente social comprometido com a profissão por este escolhida. A dimensão da competência teórico-metodológica; pressupõe que o Assistente Social seja um profissional qualificado para conhecer a realidade social na qual vai atuar em seus níveis políticos econômicos e culturais, pautando-se num rigoroso trato teórico e metodológico, que o permita decifrar a realidade social em essência, dinamicidade, e possibilidades de transformação. Assim, compreender a questão social alicerçada na contradição entre capital e trabalho e enquanto causa primeira das demandas às quais o assistente social é chamado a intervir, constitui-se uma importante ferramenta de proposição de ações que visem ao seu enfrentamento. Já a competência técnico-operativa onde o profissional deve reconhecer e apropriar-se de um conjunto de habilidades técnicas que lhe permitam atuar junto as instituições contratantes e cidadãos usuários, desenvolvendo ações que respondam com qualidade tanto às demandas apresentadas pela sociedade, como aquelas colocadas pela

9 9 instituição empregadora; precisa ser desenvolvida em sinergia com as outras duas dimensões. Iamamoto (1998) aponta a relevância de que estas três dimensões sejam apreendidas em sua complementaridade, uma vez que, desenvolvidas isoladamente, poderão transformar-se em armadilhas tais como o militantismo, o teoricismo e o tecnicismo. As particularidades reconhecidas, apropriadas e desenvolvidas ao longo do fazer profissional do Assistente Social, vão caracterizar este exercício profissional como especialização na divisão socio-técnica do trabalho, constituindo-se na instrumentalidade do Serviço Social. A apreensão desta instrumentalidade e sua aplicação dentro das diretrizes norteadoras da profissão, representam um forte condicionante para o reconhecimento social da profissão. É através desta instrumentalidade que o profissional vai transformando sua intencionalidade em ações concretas que alteram a realidade sobre a qual este profissional intervém. (...) a instrumentalidade é uma propriedade e/ou capacidade que a profissão vai adquirindo na medida em que concretiza objetivos. Ela possibilita que os profissionais objetivem sua intencionalidade em respostas profissionais. É por meio desta capacidade, adquirida no exercício profissional, que os assistentes sociais modificam, transformam, alteram as condições objetivas e subjetivas e as relações interpessoais e sociais existentes num determinado nível da realidade social: no nível do cotidiano. (GUERRA, 2000, p. 22) Considerando a trajetória percorrida pelo serviço social, que buscou ultrapassar a fase de alienação através do desenvolvimento teórico e político; os profissionais contemporâneos devem estar atentos ao desafio de fazerem a diferença no mercado de trabalho, ou continuarão pagando o preço de sua atuação moralizadora, assistencialista e meramente executora do passado. Assim, a história de institucionalização da profissão, marcada pelas intervenções no sentido de manter a ordem social, não deve ser entendida como um fundamento da profissão, mas como um processo transitório que acompanhou a dinamicidade social e que foi largamente ultrapassada, adquirindo novos contornos, abrindo novos espaços e traçando novas linhas a este contexto histórico. Desta forma, é importante que o Código de Ética Profissional seja confrontado com a ética pessoal da pessoa que objetiva profissionalizar-se em serviço social, para que se possa avaliar a capacidade de identificar-se com a ética profissional, ou a necessidade de escolher outra profissão. As

10 10 teorias com que o Serviço Social dialoga devem ser reavaliadas constantemente, entendendo que esta profissão lida com questões objetivas e subjetivas e necessita, portanto, de um amplo arcabouço teórico, que possibilite a visão holística sobre o fenômeno social, rompendo de vez com o reducionismo, com a fragmentação. A instrumentalidade profissional deve ser cuidadosamente apreendida para que não se converta, em instrumentalização de pessoas; compreendido segundo Guerra como o (...) processo pelo qual a ordem burguesa, por meio de um conjunto de inversões transforma os homens de sujeitos em objetos, meios e instrumentos a serviço da valorização do capital.(guerra, 2000, pág. 22) Outra questão a ser refletida, é a relação entre teoria e prática do Serviço Social. Para Burtelar (2008), o agir profissional tem embutido em si, explícita ou implicitamente, o desvelamento do movimento entre consciência e ação, ou seja, de unidade entre teoria e prática teoria só existe por, e, em relação à prática Ora, considerando que o Serviço Social não tem teoria própria, ou seja, que utiliza as teorias das Ciências Sociais para fundamentar sua prática, esta visão sugere ou que as ciências sociais não servem como fundamentação, não tem sustentação científica, pois ao serem levadas à prática, percebe-se sua inconsistência; ou esta concepção sugere que a categoria profissional ainda não se encontra preparada para posicionar-se frente ao espaço contraditório de atuação específica deste profissional que é demandado pelas classes dominantes a exercer uma função de controle ao mesmo tempo que é requisitado pelas classes dominadas para propor uma ação de transformação social. Assim, o assistente social deve ter competência para atuar dentro do norteamento teórico, ou não estará fazendo serviço social. É fundamental discutir portanto, se é necessário reorganizar o currículo mínimo da formação em Serviço Social ou se é preciso ampliar os debates em relação à questão de tal unicidade entre teoria e prática. O processo de mediação pode ser interpretado como a prática de ações que mantenham a reprodução da força de trabalho ou como a práxis que promove respostas às necessidades humanas, constituídas em direitos. Logo, o assistente social deve reavaliar constantemente seu posicionamento: se atua a favor da classe trabalhadora ou se à serviço da manutenção do status quo. O Serviço Social inscreveuse na divisão social do trabalho em sua origem, como mero executor de intervenções

11 11 assistencialistas e imediatistas - assim sendo reconhecido e legitimado pela sociedade pelos resultados imediatos de sua ação interventiva - contudo, esta profissão buscou superar os estreitos limites dentro dos quais operava, debruçando-se sobre a análise crítica tanto da sociedade na qual está inscrita, como de si mesmo enquanto profissão, galgando por sua maturidade profissional. É importante reconhecer que este não é um processo finalizado, sendo crucial não se perder no comodismo, e sim avançar cada vez mais rumo aos objetivos propostos pela profissão. Teoria e Prática: Um Desafio Para o Profissional No decorrer das décadas de 1980/1990, o serviço social deu um salto qualitativo em sua formação teórica e prática, a considerar o adensamento do debate profissional, sua co-participação nos movimentos sociais em torno da elaboração e aprovação da Constituição de 1988; a regulamentação da profissão em 1993, ano em que foi aprovado o novo Código de Ética Profissional; um adensamento também das publicações editoriais, produções acadêmicas e da identidade profissional e a Proposta de diretrizes Gerais para o Curso de Serviço Social. A profissão superou seu estágio embrionário - marcado pela execução de filantropia - acompanhando a dinâmica social, buscando emancipar-se através da aproximação da análise crítica, da apropriação de bases teórico-metodológicas, da construção de estratégias técnicooperativas e do comprometimento com seus componentes ético-políticos, que compõem sua instrumentalidade, incidindo em sua identidade profissional. Contudo, são percebidos inúmeros desafios a serem enfrentados e um deles, segundo a Iamamoto (1998) é aliar o conhecimento produzido ao longo da história da profissão à dimensão técnico-operativa da mesma. O grande desafio na atualidade é, pois, transitar da bagagem teórica acumulada ao enraizamento da profissão na realidade, atribuindo, ao mesmo tempo, uma maior atenção às estratégias, táticas e técnicas do trabalho profissional, em função das particularidades dos temas que são objetos de estudo e ação do assistente social (IAMAMOTO; 1998; p. 52) Segundo IAMAMOTO (2010) o Serviço Social brasileiro contemporâneo, apresenta uma feição acadêmico-profissional e social renovada, voltada à defesa do trabalho e dos trabalhadores, do amplo acesso a terra para a produção de meios de

12 12 vida, ao compromisso com a afirmação da democracia, da liberdade, da igualdade e da justiça social no terreno da história. Nessa direção social, a luta pela afirmação dos direitos de cidadania, que reconheça as efetivas necessidades e interesses dos sujeitos sociais, é hoje fundamental como parte do processo de acumulação de forças em direção a uma forma de desenvolvimento social inclusiva para todos os indivíduos sociais. A análise dos espaços ocupacionais do assistente social em sua expansão e metamorfoses requer inscrevê-los na totalidade histórica considerando as formas assumidas pelo capital no processo de revitalização da acumulação no cenário da crise mundial. Sob a hegemonia das finanças e na busca incessante da produção de super lucros, aquelas estratégias vêm incidindo radicalmente no universo do trabalho e dos direitos. As medidas para superação da crise sustentam-se no aprofundamento da exploração e expropriação dos produtores diretos, com a ampliação da extração do trabalho excedente e a expansão do monopólio da propriedade territorial, comprometendo simultaneamente recursos naturais necessários à preservação da vida e os direitos sociais e humanos das maiorias. (IAMAMOTO, 2010, pag 35) Conforme Barroco (2010) deve-se considerar a necessidade de bases filosóficas para a apreensão da ética em Serviço Social. O autor pontua a dificuldade de apreensão da ética em sua dimensão filosófica, onde o Código de Ética profissional passa a ser percebido apenas como uma formalização do dever ser profissional, reproduzindo a confusão entre moral e moralismo. Os princípios éticos estabelecidos no Código de Ética norteiam um posicionamento em favor da equidade e justiça social, e o comprometimento com a população usuária, princípios que só podem ser assimilados mediante o debate filosófico acerca da essência de tais princípios e suas relações com o Serviço Social. Enquanto a ética profissional for concebida apenas no plano de formalização de conduta, haverá disparidades entre aparência e essência na sua aplicação prática. Desta forma, constitui-se um desafio para o assistente social aliar o conhecimento adquirido na academia à sua prática cotidiana, produzindo novos conhecimentos. Realizar uma reflexão crítica quanto à questão social no desenrolar da história e suas manifestações no cenário contemporâneo, suas multifacetadas expressões e perspectivas de enfrentamento. Avaliar o norteamento ético da profissão e sua aplicação nas relações vivenciadas pelo profissional. Confrontar a realidade com a bagagem teórica constantemente; conhecer os campos de atuação, os usuários e as demandas que se apresentam ao profissional.

13 13 Segundo Iamamoto (2010) a autonomia é condicionada pelas lutas hegemônicas presentes na sociedade que alargam ou retraem as bases sociais que sustentam a direção social projetada pelo assistente social ao seu exercício, permeada por interesses de classes e grupos sociais, que incidem nas condições que circunscrevem o trabalho voltado ao atendimento de necessidades de segmentos majoritários das classes trabalhadoras. A autora, ainda destaca que a artimanha é clara: as insuficiências da interpretação teórico-metodológica da prática profissional são transferidas para a categoria e imputadas às deficiências de sua competência profissional ou às suas opções sociopolíticas. Para Iamamoto, faz-se necessário, pois, elucidar o exercício profissional nas particulares condições e relações de trabalho em que se inscreve, reconhecendo tanto suas características enquanto trabalho concreto (e avançando na leitura das competências e atribuições privativas do assistente social, tais como se forjam na atualidade), quanto sua dimensão de trabalho humano abstrato, em seus vínculos com o processo de produção e/ou distribuição da riqueza social. Isso remete ao enfrentamento dos dilemas do trabalho produtivo e/ou improdutivo, cuja caracterização depende das relações estabelecidas com específicos sujeitos sociais, na órbita das quais se realiza o trabalho do assistente social. Essas projeções coletivas da categoria, materializadas nas ações de seus pares, apoiam-se em conhecimentos teórico-metodológicos concernentes ao Serviço Social nas relações entre o Estado e a sociedade de classes nas particularidades nacionais e em princípios éticos e políticos balizadores do comportamento dos profissionais, que moldam as ações empreendidas. Em outros termos, conhecimentos e princípios éticos alimentam projeções profissionais historicamente determinadas, materializando a dimensão teleológica do trabalho do assistente social: a busca, por parte da categoria, de imprimir nortes ao seu trabalho, afirmando-se como sujeito profissional.( IAMAMOTO, 2010, pag 37)

14 14 Considerações Finais O que se debate no Serviço Social hoje é o desenvolvimento de uma competência profissional que se fundamente no diálogo com diversas áreas do saber, e que este diálogo não cesse, após a graduação. Que se paute na ética, considerando-a um espaço para a reflexão filosófica. Que se utilizem os instrumentos profissionais reconhecendo a instrumentalidade que é própria do Serviço Social. Que se aproprie dos espaços institucionais de modo a concretizar suas competências específicas através de ações que caracterizem este saber profissional. A argumentação, a confrontação, a escuta, a reflexão, a criatividade e a ação com vistas a objetivos a curto, médio e longo prazo, são habilidades a serem utilizadas no exercício profissional. Assim, refletir sobre a identidade profissional do Assistente Social requer resgates históricos e perspectivas futuras, pois ainda é um processo em construção. O embate vivenciado pela profissão na época do Movimento de Reconceituação, onde se debatiam as perspectivas de prática tradicional, modernização conservadora e ruptura, ainda não se encerrou. Atuar sob a perspectiva de atenuar os excessos da exploração do trabalho, aceitando a sociedade capitalista e suas desigualdades sociais como naturais; viabilizar os direitos sociais do cidadão, mantendo-o dependente do profissional, das políticas públicas, ou das instituições; entender a manutenção do status quo como garantia de emprego para assistentes sociais; constitui-se uma seqüela deixada pelo Serviço Social conservador. Contudo, não são poucos os profissionais que atuam sob a perspectiva de viabilização de direitos, conscientização de responsabilidades, produção de conhecimento e socialização de informações; apontando possibilidades para que o cidadão usuário de seus serviços seja atendido em sua especificidade, em sua mediaticidade, e também em sua possibilidade de emancipação. Isto significa que a profissão avança em direção ao fortalecimento de uma identidade profissional pautada na competência teórica e prática. Observa-se, portanto, as contradições presentes nas relações sociais, e seus reflexos na profissão do assistente social e sua identidade como profissional. O refinamento desejado por grande parte da categoria, só poderá ser alcançado mediante a reflexão e o debate quanto aos componentes teórico-metodológicos,

15 15 técnico-operativos e ético-políticos, que compõem a instrumentalidade profissional, não apenas no sentido de identificá-los, como também de interrelacioná-los, confrontando pesquisas, produções teóricas e a práxis profissional; de modo a promover a inquietação necessária para que se desenvolvam as transformações sociais a que se propõe o Serviço Social. Através dos resultados obtidos pelas ações profissionais da categoria, é que sua identidade será reconhecida socialmente; assim, a identidade profissional pode ser orientada por uma normatização, mas é através daquilo que o assistente social produz, que virá o seu reconhecimento social.

16 16 REFERÊNCIAS BARROCO, M.L.S.; Bases filosóficas para uma reflexão sobre ética e serviço social. In: BONETTI, D. A.(Org.) et. al.: Serviço Social e ética: Convite a uma nova práxis. 11ª ed.; São Paulo: Cortez, BURTELAR, Marta. O estágio supervisionado, 5ª ed.; São Paulo: Cortez, FRAGA, Cristina Kologeski. A atitude investigativa no trabalho do assistente social. Revista Serviço. Social e Sociedade. São Paulo, n. 101, p , jan./mar Disponível em: Acesso em: 24 de Fev. de 2013 GUERRA, Yolanda. Instrumentalidade do processo de trabalho e Serviço Social. In: Revista Serviço Social e Sociedade n. 62. São Paulo: Cortez, IAMAMOTO, Marilda V. e Carvalho, Raul. Relações Sociais e Serviço Social no Brasil. Esboço de uma interpretação histórico/metodológica. São Paulo, Cortez/CELATS, 10º edição, IAMAMOTO, Marilda Vilela O Serviço Social na cena contemporânea. In CFESS e ABEPSS (Org). Serviço Social: direitos sociais e competências profissionais. Brasília: CFESS / ABEPSS, IAMAMOTO, Marilda Vilela. O serviço social na contemporaneidade: trabalho e formação profissional. São Paulo: Cortez, MONTEIRO, Patrícia da Silva; Silva, Elaine Nunes da. Transformações Contemporâneas No Mundo Do Trabalho: Incidências No Serviço Social. Anais IIª Jornada Internacional de Políticas Públicas. São Luís MA, 23 a 26 de agosto PAIVA, B. A. de; SALES. M. A.; A nova ética profissional: práxis e princípios. In: BONETTI, D. A.(Org.) et. al.: Serviço Social e ética: Convite a uma nova práxis. 11ª ed.; São Paulo: Cortez, PAULO NETTO, José; A Construção do Projeto Ético-Político do Serviço Social; Serviço Social e Saúde: Formação e Trabalho Profissional; Brasília; Disponível em: (acesso em 10 de maio de 2012)

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO Karen Ramos Camargo 1 Resumo O presente artigo visa suscitar a discussão acerca dos processos de trabalho do Serviço Social, relacionados

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL E O ATUAL PROJETO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL 1

O SERVIÇO SOCIAL E O ATUAL PROJETO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL 1 O SERVIÇO SOCIAL E O ATUAL PROJETO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL 1 AVILA, Lisélen 2 ; AVILA, Evelisen 3 ; AGUINSKY, Beatriz 4 1 Trabalho do tipo bibliográfico 2 Assistente Social, Mestranda em Serviço Social

Leia mais

HELENA NAVARRO GIMENEZ

HELENA NAVARRO GIMENEZ HELENA NAVARRO GIMENEZ O ASSISTENTE SOCIAL NA GESTÃO ESTADUAL DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E A APLICABILIDADE DO CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL NESSE ESPAÇO DE ATUAÇÃO O presente artigo tem por objetivo

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR.

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ÉTICA E SERVIÇO SOCIAL: Elementos para uma breve reflexão e debate. Perspectiva de Análise Teoria Social Crítica (Marx e alguns marxistas)

Leia mais

Formulação de projeto de trabalho profissional

Formulação de projeto de trabalho profissional Formulação de projeto de trabalho profissional Berenice Rojas Couto Professora de Política Social nos cursos de Graduação e Pós-Graduação da Faculdade de Serviço Social da PUCRS/Rio Grande do Sul. 0 1

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE SERVIÇO SOCIAL INTRODUÇÃO AO SERVIÇO SOCIAL EMENTA: A ação profissional do Serviço Social na atualidade, o espaço sócioocupacional e o reconhecimento dos elementos

Leia mais

OS FUNDAMENTOS TEÓRICO-METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL NO SÉCULO XXI

OS FUNDAMENTOS TEÓRICO-METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL NO SÉCULO XXI OS FUNDAMENTOS TEÓRICO-METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL NO SÉCULO XXI Ariana Célis Leite Lívia Hernandes de Carvalho Lívia Moura Marinho Thiago Agenor dos Santos de Lima RESUMO: O presente artigo tem como

Leia mais

Profa. Rosemara Soares de Souza Caires. Unidade II SERVIÇO SOCIAL

Profa. Rosemara Soares de Souza Caires. Unidade II SERVIÇO SOCIAL Profa. Rosemara Soares de Souza Caires Unidade II SERVIÇO SOCIAL INTERDISCIPLINAR Aproximações entre o Serviço Social e a Interdisciplinaridade A interdisciplinaridade se manifesta na profissão por meio

Leia mais

A PROFISSÃO DO SERVIÇO SOCIAL: DA GÊNESE A ATUALIDADE Sibeli Ribas

A PROFISSÃO DO SERVIÇO SOCIAL: DA GÊNESE A ATUALIDADE Sibeli Ribas A PROFISSÃO DO SERVIÇO SOCIAL: DA GÊNESE A ATUALIDADE Sibeli Ribas A emancipação dos trabalhadores será obra dos próprios trabalhadores. Karl Marx e Friederich Engels Resumo O presente artigo tem por objetivo

Leia mais

2. Projeto Ético-Político do Serviço Social

2. Projeto Ético-Político do Serviço Social Projeto Ético-político do Serviço Social: a passagem do âmbito da possibilidade ao âmbito da efetividade Cláudia Mônica dos Santos Discente: Janaina Menegueli Início: agosto de 2013. Objeto: Projeto Ético-político

Leia mais

Universidade Estadual de Londrina/Departamento de Serviço Social/Londrina, PR Ciências Sociais Aplicadas Ética e Serviço Social

Universidade Estadual de Londrina/Departamento de Serviço Social/Londrina, PR Ciências Sociais Aplicadas Ética e Serviço Social O materialismo-histórico dialético e o projeto ético-político do Serviço Social: algumas aproximações Emelin Caroline Tarantini Cremasco (PIBIC/CNPq-UEL), Olegna Souza Guedes (Orientadora), e-mail: olegnasg@gmail.com

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL. Disciplina: Metodologia Científica. Número de créditos: 04. Carga horária: 80

SERVIÇO SOCIAL. Disciplina: Metodologia Científica. Número de créditos: 04. Carga horária: 80 Disciplina: Metodologia Científica SERVIÇO SOCIAL Ementa: Finalidade da metodologia científica. Importância da metodologia Número âmbito das ciências. Metodologia de estudos. O conhecimento e suas formas.

Leia mais

Centro Português de Investigação em História e Trabalho Social 1

Centro Português de Investigação em História e Trabalho Social 1 Centro Português de Investigação em História e Trabalho Social 1 Serviço Social e Projeto Ético-político: desafios à categoria profissional 1 Mileni Alves Secon 2 1- Introdução: O Serviço Social e contradição

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA PARA SE COMPREENDER A COMPLEXIDADE DO ENSINO/APRENDIZADO BRASILEIRO.

SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA PARA SE COMPREENDER A COMPLEXIDADE DO ENSINO/APRENDIZADO BRASILEIRO. SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA PARA SE COMPREENDER A COMPLEXIDADE DO ENSINO/APRENDIZADO BRASILEIRO. Resumo Paula Lopes Gomes - Universidade Estadual da Paraíba. E-mail: paulagomes20@msn.com

Leia mais

Unidade II FUNDAMENTOS HISTÓRICOS, TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL. Prof. José Junior

Unidade II FUNDAMENTOS HISTÓRICOS, TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL. Prof. José Junior Unidade II FUNDAMENTOS HISTÓRICOS, TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL Prof. José Junior O surgimento do Serviço Social O serviço social surgiu da divisão social e técnica do trabalho, afirmando-se

Leia mais

A CATEGORIA MEDIAÇÃO E O PROCESSO DE TRABALHO NO SERVIÇO SOCIAL: uma relação possível?

A CATEGORIA MEDIAÇÃO E O PROCESSO DE TRABALHO NO SERVIÇO SOCIAL: uma relação possível? A CATEGORIA MEDIAÇÃO E O PROCESSO DE TRABALHO NO SERVIÇO SOCIAL: uma relação possível? Michelle CAVALLI 1 RESUMO: O presente artigo pretende discutir sobre as reflexões referentes à polêmica que permeia

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA: DIREÇÃO SOCIAL. Rafael TEIXEIRA DO NASCIMENTO. 1 Valderes MARIA ROMERA 2

SERVIÇO SOCIAL NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA: DIREÇÃO SOCIAL. Rafael TEIXEIRA DO NASCIMENTO. 1 Valderes MARIA ROMERA 2 SERVIÇO SOCIAL NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA: DIREÇÃO SOCIAL. Rafael TEIXEIRA DO NASCIMENTO. 1 Valderes MARIA ROMERA 2 RESUMO: O capitalismo financeiro está fortemente projetado na sociedade contemporânea,

Leia mais

O trabalho do Assistente Social na educação: Desafios atuais e o compromisso com o projeto ético-político profissional

O trabalho do Assistente Social na educação: Desafios atuais e o compromisso com o projeto ético-político profissional O trabalho do Assistente Social na educação: Desafios atuais e o compromisso com o projeto ético-político profissional Autoras: Valdenice José Raimundo 1 Sandra Carla Lima 2 Ana Claudia Galvão Matos 3

Leia mais

Serviço Social e o Trabalho Social em Habitação de Interesse Social. Tânia Maria Ramos de Godoi Diniz Novembro de 2015

Serviço Social e o Trabalho Social em Habitação de Interesse Social. Tânia Maria Ramos de Godoi Diniz Novembro de 2015 Serviço Social e o Trabalho Social em Habitação de Interesse Social Tânia Maria Ramos de Godoi Diniz Novembro de 2015 Sobre o trabalho social O trabalho social nos programas de, exercido pelo (a) assistente

Leia mais

Seminário Cenário Contemporâneo: Polêmicas e Desafios ao Serviço Social

Seminário Cenário Contemporâneo: Polêmicas e Desafios ao Serviço Social Seminário Cenário Contemporâneo: Polêmicas e Desafios ao Serviço Social Seminário Cenário Contemporâneo: Polêmicas e Desafios ao Serviço Social PALESTRA 03: Investigação em Serviço Social: para quê, a

Leia mais

classe, etnia e gênero. A partir das escolhas que o fundam, tal projeto afirma a defesa intransigente dos direitos humanos e a recusa do arbítrio e

classe, etnia e gênero. A partir das escolhas que o fundam, tal projeto afirma a defesa intransigente dos direitos humanos e a recusa do arbítrio e A questão da instrumentalidade do Serviço Social Professora Dra. Odária Battini Texto de apoio para discussões na disciplina de Metodologia de Serviço Social-2001 Na história do serviço social no Brasil,

Leia mais

DIMENSÃO EDUCATIVA DO ASSISTENTE SOCIAL NA EDUCAÇÃO ESCOLAR. A investigação sobre a dimensão educativa que também caracteriza o

DIMENSÃO EDUCATIVA DO ASSISTENTE SOCIAL NA EDUCAÇÃO ESCOLAR. A investigação sobre a dimensão educativa que também caracteriza o 1 DIMENSÃO EDUCATIVA DO ASSISTENTE SOCIAL NA EDUCAÇÃO ESCOLAR Iris de Lima Souza 1 A investigação sobre a dimensão educativa que também caracteriza o fazer profissional do Assistente Social, é parte de

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA Nº 01/2013

ORIENTAÇÃO TÉCNICA Nº 01/2013 ORIENTAÇÃO TÉCNICA Nº 01/2013 Ementa: Realização de estudo socioeconômico para a concessão de benefícios eventuais e outros benefícios sociais. A presente Orientação Técnica tem por objetivo responder

Leia mais

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM SERVIÇO SOCIAL: perspectivas e desafios frente às novas diretrizes curriculares

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM SERVIÇO SOCIAL: perspectivas e desafios frente às novas diretrizes curriculares 590 O ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM SERVIÇO SOCIAL: perspectivas e desafios frente às novas diretrizes curriculares Raquel Renzo Silva - UNESP Analúcia Bueno dos Reis Giometti - UNESP INTRODUÇÃO A atualidade

Leia mais

DIMENSÃO TÉCNICO OPERATIVA DO SERVIÇO SOCIAL

DIMENSÃO TÉCNICO OPERATIVA DO SERVIÇO SOCIAL DIMENSÃO TÉCNICO OPERATIVA DO SERVIÇO SOCIAL PROFESSORA: DENISE CARDOSO O serviço social é uma especialização do trabalho coletivo, inserido na divisão sóciotécnica do trabalho, cujo produto expressa-se

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL E DO MEIO AMBIENTE: um debate necessário

SERVIÇO SOCIAL E DO MEIO AMBIENTE: um debate necessário SERVIÇO SOCIAL E DO MEIO AMBIENTE: um debate necessário SILVA, IVANNA SILIANA DO NASCIMENTO 1, ALVES, MARIA GERALDA 2, SILVA, IRBIA SONALY DO NASCIMENTO 3, NASCIMENTO, MARIA ANAZUILA 4, LEANDRO, DARLANIA

Leia mais

Ementários de acordo com o Projeto Político Pedagógico do Curso de Serviço Social (2007).

Ementários de acordo com o Projeto Político Pedagógico do Curso de Serviço Social (2007). Anexo 1. Ementários de acordo com o Projeto Político Pedagógico do Curso de Serviço Social (2007). I. Disciplinas Obrigatórias SOCIOLOGIA CLÁSSICA Os paradigmas sociológicos clássicos (Marx, Weber, Durkheim).

Leia mais

Ética Profissional e os Desafios de Concretizar Direitos no Sistema Penal. Marco Antonio da Rocha

Ética Profissional e os Desafios de Concretizar Direitos no Sistema Penal. Marco Antonio da Rocha Ética Profissional e os Desafios de Concretizar Direitos no Sistema Penal Marco Antonio da Rocha O LUGAR DA ÉTICA NA SOCIEDADE FILOSOFIA: PRECISAMOS DE UMA PARA VIVER??? Ou uma breve reflexão sobre os

Leia mais

Estágio Supervisionado: Pesquisa e Mobilização de Saberes na Construção da Identidade Docente

Estágio Supervisionado: Pesquisa e Mobilização de Saberes na Construção da Identidade Docente Estágio Supervisionado: Pesquisa e Mobilização de Saberes na Construção da Identidade Docente CARVALHO, Ademar de Lima 1 RESSUMO O presente texto tem por objetivo apresentar uma reflexão sobre o Estágio

Leia mais

UMA ANÁLISE DO SERVIÇO SOCIAL NO CONTEXTO DA CATEGORIA TRABALHO. Key-words: Social Work, Work Category, Work, Labour

UMA ANÁLISE DO SERVIÇO SOCIAL NO CONTEXTO DA CATEGORIA TRABALHO. Key-words: Social Work, Work Category, Work, Labour 1 UMA ANÁLISE DO SERVIÇO SOCIAL NO CONTEXTO DA CATEGORIA TRABALHO Patricia da Silva Monteiro *. Jocelina Alves de Souza Coelho ** Elaine Nunes da Silva *** RESUMO O Serviço Social não é uma profissão que

Leia mais

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: SERVIÇO

Leia mais

PROJETO ÉTICO-POLÍTICO E ENSINO DA PRÁTICA PROFISSIONAL DO ASSISTENTE SOCIAL RESUMO

PROJETO ÉTICO-POLÍTICO E ENSINO DA PRÁTICA PROFISSIONAL DO ASSISTENTE SOCIAL RESUMO PROJETO ÉTICO-POLÍTICO E ENSINO DA PRÁTICA PROFISSIONAL DO ASSISTENTE SOCIAL RESUMO CARIAGA, Maria Helena BURGINSKI, Vanda Micheli Esse trabalho busca realizar algumas reflexões acerca do projeto ético-político

Leia mais

O ASSISTENTE SOCIAL COMO TRABALHADOR E O PROJETO PROFISSIONAL CRÍTICO.

O ASSISTENTE SOCIAL COMO TRABALHADOR E O PROJETO PROFISSIONAL CRÍTICO. O ASSISTENTE SOCIAL COMO TRABALHADOR E O PROJETO PROFISSIONAL CRÍTICO. Aurora Amelia Brito de Miranda 1 RESUMO Na primeira parte deste trabalho, retomo a discussão efetivada por Iamamoto (1982 e 2007)

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL E TRABALHO INTERDISCIPLINAR

SERVIÇO SOCIAL E TRABALHO INTERDISCIPLINAR SERVIÇO SOCIAL E TRABALHO INTERDISCIPLINAR Fátima Grave Ortiz é assistente social, mestre e doutora em Serviço Social pela UFRJ. É professora da Escola de Serviço Social da mesma universidade, e compõe

Leia mais

JOZIANE FERREIRA DE CIRILO

JOZIANE FERREIRA DE CIRILO JOZIANE FERREIRA DE CIRILO ÉTICA PROFISSIONAL: desafios e possibilidades para a materialização da práxis do Serviço Social no cotidiano da Previdência Social RESUMO Este artigo tem como finalidade, refletir

Leia mais

XI Encontro de Iniciação à Docência

XI Encontro de Iniciação à Docência 4CCHLADSSMT01 A INSERÇÃO DOS ALUNOS NOS CAMPOS DE ESTÁGIO ENQUANTO ESPAÇO DE INTERVENÇÃO PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL - UFPB /BRASIL Ana Karolynne de Lima Freitas (1), Dalliana Ferreira Brito (1), Flávio

Leia mais

GÊNERO E SERVIÇO SOCIAL: A PREVALÊNCIA DA MULHER NAS CINCO DÉCADAS DE EXISTENCIA DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAIBA

GÊNERO E SERVIÇO SOCIAL: A PREVALÊNCIA DA MULHER NAS CINCO DÉCADAS DE EXISTENCIA DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAIBA GÊNERO E SERVIÇO SOCIAL: A PREVALÊNCIA DA MULHER NAS CINCO DÉCADAS DE EXISTENCIA DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAIBA Neyde Jussara Gomes Abdala Rodrigues Universidade Estadual

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES CURSO: SERVIÇO SOCIAL

DIRETRIZES CURRICULARES CURSO: SERVIÇO SOCIAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO Secretaria de Educação Superior Coordenação das Comissões de Especialistas de Ensino Superior Comissão de Especialistas de Ensino em Serviço Social DIRETRIZES CURRICULARES

Leia mais

A PRÁTICA PROFISSIONAL DO ASSISTENTE SOCIAL NO BRASIL. Artigo submetido em 15/07/2012. Artigo aceito em 10/08/2012

A PRÁTICA PROFISSIONAL DO ASSISTENTE SOCIAL NO BRASIL. Artigo submetido em 15/07/2012. Artigo aceito em 10/08/2012 92 Artigo original A PRÁTICA PROFISSIONAL DO ASSISTENTE SOCIAL NO BRASIL DOURADO, Alex Alves 1 LIMA, Marcela Pontes SANTOS, Christiane Kelly dos SILVA, Patrícia Franco Ortiz da ANDRADE, Lilian Regina de

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 19/A

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 19/A 9 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 19/A QUESTÃO 16 O Capítulo II das Entidades de Atendimento ao Idoso, da Lei nº 10.741, de 2003, que dispõe sobre o Estatuto do Idoso, coloca no Parágrafo Único

Leia mais

A CATEGORIA TRABALHO E O SERVIÇO SOCIAL: PORQUE SERVIÇO SOCIAL NÃO É TRABALHO Luciana Sátiro Silva 1 Universidade Estadual do Ceará-UECE

A CATEGORIA TRABALHO E O SERVIÇO SOCIAL: PORQUE SERVIÇO SOCIAL NÃO É TRABALHO Luciana Sátiro Silva 1 Universidade Estadual do Ceará-UECE A CATEGORIA TRABALHO E O SERVIÇO SOCIAL: PORQUE SERVIÇO SOCIAL NÃO É TRABALHO Luciana Sátiro Silva 1 Universidade Estadual do Ceará-UECE GT 3 Trabalho e produção no capitalismo contemporâneo O Serviço

Leia mais

Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL

Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL ÍNDICE Pensamento Social...2 Movimentos Sociais e Serviço Social...2 Fundamentos do Serviço Social I...2 Leitura e Interpretação de Textos...3 Metodologia Científica...3

Leia mais

RESOLUÇÃO CEPE N 49/2005*

RESOLUÇÃO CEPE N 49/2005* RESOLUÇÃO CEPE N 49/2005* Ratifica o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Serviço Social, em implantação a partir do ano letivo de 2002. CONSIDERANDO a Lei n.º 9394/96 - Lei de Diretrizes e Bases da

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL E SUA IMAGEM SOCIAL: ajuda ou defesa de direitos?

O SERVIÇO SOCIAL E SUA IMAGEM SOCIAL: ajuda ou defesa de direitos? 1 O SERVIÇO SOCIAL E SUA IMAGEM SOCIAL: ajuda ou defesa de direitos? Carolina Lima Chagas. Assistente Social 1 Fátima da Silva Grave Ortiz. Doutora em Serviço Social 2 Mariana Fernandes Alcoforado Beltrão

Leia mais

PROJETO ÉTICO POLÍTICO PROFISSIONAL: UMA REALIDADE EM CONSTRUÇÃO Maria Isabel Araújo dos Santos 1 Marisa Antônia de Souza 2

PROJETO ÉTICO POLÍTICO PROFISSIONAL: UMA REALIDADE EM CONSTRUÇÃO Maria Isabel Araújo dos Santos 1 Marisa Antônia de Souza 2 1 PROJETO ÉTICO POLÍTICO PROFISSIONAL: UMA REALIDADE EM CONSTRUÇÃO Maria Isabel Araújo dos Santos 1 Marisa Antônia de Souza 2 RESUMO O novo projeto profissional do Serviço Social brasileiro foi construído

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A QUESTÃO SOCIAL

REFLEXÕES SOBRE A QUESTÃO SOCIAL TEORIA MARXISTA NA COMPREENSÃO DA SOCIEDADE CAPITALISTA Disciplina: QUESTÃO E SERVIÇO Professora: Maria da Graça Maurer Gomes Türck Fonte: AS Maria da Graça Türck 1 Que elementos são constitutivos importantes

Leia mais

I- SEMINÁRIO ESTADUAL DE SERVIÇO SOCIAL NA PREVIDÊNCIA SOCIAL

I- SEMINÁRIO ESTADUAL DE SERVIÇO SOCIAL NA PREVIDÊNCIA SOCIAL I- SEMINÁRIO ESTADUAL DE SERVIÇO SOCIAL NA PREVIDÊNCIA SOCIAL Seguridade Social e Projeto Ético Político Profissional: desafios aos Assistentes Sociais da Previdência Social Ana Maria Baima Cartaxo Professora

Leia mais

Atuação do psicólogo na Assistência Social. Iolete Ribeiro da Silva Conselho Federal de Psicologia

Atuação do psicólogo na Assistência Social. Iolete Ribeiro da Silva Conselho Federal de Psicologia Atuação do psicólogo na Assistência Social Iolete Ribeiro da Silva Conselho Federal de Psicologia Concepção de Assistência Social Assistência social direito social e dever estatal Marco legal: Constituição

Leia mais

Retomando a Temática da Sistematização da Prática em Serviço Social

Retomando a Temática da Sistematização da Prática em Serviço Social Retomando a Temática da Sistematização da Prática em Serviço Social Por Tomando por base as profissões liberais e aquelas que atuam no âmbito do aparato estatal prestador de serviços, cuja formação de

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA INTRODUÇÃO O Estágio Curricular foi criado pela Lei 6.494, de 7 de dezembro de 1977 e regulamentado pelo Decreto 87.497, de 18 de agosto

Leia mais

A PRÁTICA PROFISSIONAL NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL: UM ENFOQUE NOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS.

A PRÁTICA PROFISSIONAL NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL: UM ENFOQUE NOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS. A PRÁTICA PROFISSIONAL NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL: UM ENFOQUE NOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS. CLáudia Mônica dos Santos RESUMO: Esse estudo tem por objetivo conhecer como a prática profissional vem

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

Serviço Social e Reflexões Críticas sobre Práticas Terapêuticas

Serviço Social e Reflexões Críticas sobre Práticas Terapêuticas Serviço Social e Reflexões Críticas sobre Práticas Terapêuticas Conselho Federal de Serviço Social (CFESS) Gestão Atitude Crítica para Avançar na Luta (2008/2011) 1 O Conselho Federal de Serviço Social

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O. Art. 2º A nova matriz será implantada a partir do 1 semestre do ano letivo de 2011.

R E S O L U Ç Ã O. Art. 2º A nova matriz será implantada a partir do 1 semestre do ano letivo de 2011. RESOLUÇÃO CONSEPE 64/2010 ALTERA A MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE GRADUAÇÃO DE SERVIÇO, CAMPUS SÃO PAULO, DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE,

Leia mais

EVASÃO ESCOLAR: UMA EXPRESSÃO DA QUESTÃO SOCIAL NO CONTEXTO DA ESCOLA 1

EVASÃO ESCOLAR: UMA EXPRESSÃO DA QUESTÃO SOCIAL NO CONTEXTO DA ESCOLA 1 EVASÃO ESCOLAR: UMA EXPRESSÃO DA QUESTÃO SOCIAL NO CONTEXTO DA ESCOLA 1 KAEFER, Carin Otília 2 ; LEAL, Francine Ziegler 3. 1 Resultado de projeto de extensão do Curso de Serviço Social da UNIFRA. 2 Orientadora/

Leia mais

Metodologia de Ensino; Cultura Corporal; Ciclos de Escolarização. SOARES, C. L.; TAFFAREL, C. N. Z.; VARJAL, E; et al. São Paulo, Cortez, 1992.

Metodologia de Ensino; Cultura Corporal; Ciclos de Escolarização. SOARES, C. L.; TAFFAREL, C. N. Z.; VARJAL, E; et al. São Paulo, Cortez, 1992. METODOLOGIA DO ENSINO DE EDUCAÇÃO FÍSICA. Aline Fabiane Barbieri Metodologia de Ensino; Cultura Corporal; Ciclos de Escolarização. SOARES, C. L.; TAFFAREL, C. N. Z.; VARJAL, E; et al. São Paulo, Cortez,

Leia mais

TEXTOS PARA REFLEXÃO N 1

TEXTOS PARA REFLEXÃO N 1 TEXTOS PARA REFLEXÃO N 1 REFLEXÕES SOBRE O ESTÁGIO EM SERVIÇO SOCIAL E O PROCESSO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL Jussara Ayres Bourguignon Ponta Grossa, setembro de 2007 DEPARTAMENTO DE SERVIÇO SOCIAL COLEGIADO

Leia mais

COMISSÃO DE ORIENTAÇÃO E FISCALIZAÇÃO- COFI ORIENTAÇÃO Nº 3

COMISSÃO DE ORIENTAÇÃO E FISCALIZAÇÃO- COFI ORIENTAÇÃO Nº 3 COMISSÃO DE ORIENTAÇÃO E FISCALIZAÇÃO- COFI ORIENTAÇÃO Nº 3 Concessão de benefícios eventuais e análises correlatas, na Politica de Assistência Social. Considerando que o Conselho Regional de Serviço Social

Leia mais

A TRANSVERSALIDADE ÉTICA: trabalho, formação e caminhos para uma pesquisa no Serviço Social 1. INTRODUÇÃO

A TRANSVERSALIDADE ÉTICA: trabalho, formação e caminhos para uma pesquisa no Serviço Social 1. INTRODUÇÃO A TRANSVERSALIDADE ÉTICA: trabalho, formação e caminhos para uma pesquisa no Serviço Social Gabriela Dutra Cristiano* RESUMO: Este ensaio se propõe a apresentar o projeto de pesquisa que será operacionalizado

Leia mais

APRESENTAÇÃO O PROJETO

APRESENTAÇÃO O PROJETO O PROJETO APRESENTAÇÃO A comunidade do serviço social está em expressivo crescimento no pais. Em 2011, haviam 108.893 assistentes sociais inscritos ativos e, segundo dados do MEC, estimase que em 2012

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA PARA O CURSO DE SERVIÇO SOCIAL: PERSPECTIVA HISTÓRICA E ATUAL FERREIRA, CMA 1 ; ROCHA, LM 2 ; FERREIRA, CMA 3

A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA PARA O CURSO DE SERVIÇO SOCIAL: PERSPECTIVA HISTÓRICA E ATUAL FERREIRA, CMA 1 ; ROCHA, LM 2 ; FERREIRA, CMA 3 A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA PARA O CURSO DE SERVIÇO SOCIAL: PERSPECTIVA HISTÓRICA E ATUAL FERREIRA, CMA 1 ; ROCHA, LM 2 ; FERREIRA, CMA 3 1 Catyelle Maria de Arruda Ferreira, autora, aluna do Curso de Ciências

Leia mais

A predominância do sexo feminino na profissão do Serviço Social: uma discussão em torno desta questão

A predominância do sexo feminino na profissão do Serviço Social: uma discussão em torno desta questão A predominância do sexo feminino na profissão do Serviço Social: uma discussão em torno desta questão Adriéli Volpato Craveiro 1 Jéssica Gomes do Vale Cabrerisso Machado 2 RESUMO: A profissão do Serviço

Leia mais

SUPERVISÃO DE ESTÁGIO EM SERVIÇO SOCIAL E AS RELAÇÕES COM A FORMAÇÃO DO PERFIL PROFISSIONAL

SUPERVISÃO DE ESTÁGIO EM SERVIÇO SOCIAL E AS RELAÇÕES COM A FORMAÇÃO DO PERFIL PROFISSIONAL SUPERVISÃO DE ESTÁGIO EM SERVIÇO SOCIAL E AS RELAÇÕES COM A FORMAÇÃO DO PERFIL PROFISSIONAL Janaina da Silva Feitoza Estudante de Serviço Social AEMS Fernando Guimarães Oliveira da Silva Prof. Esp. do

Leia mais

Serviço Social: A importância da Pesquisa e da Produção do Conhecimento da Formação ao Exercício Profissional, uma Prática Contínua.

Serviço Social: A importância da Pesquisa e da Produção do Conhecimento da Formação ao Exercício Profissional, uma Prática Contínua. Serviço Social: A importância da Pesquisa e da Produção do Conhecimento da Formação ao Exercício Profissional, uma Prática Contínua. 1 Bárbara Damasceno Assunção 2 Edmária Lima Medeiros 3 Lorena Patrícia

Leia mais

O Assistente Social como trabalhador da saúde

O Assistente Social como trabalhador da saúde III SEMINÁRIO POLÍTICAS SOCIAIS E CIDADANIA AUTOR DO TEXTO: Taciani Pelizaro Cintra O Assistente Social como trabalhador da saúde RESUMO: Este trabalho visa mostrar a trajetória e a importância do trabalho

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL INTRODUÇÃO O estágio curricular obrigatório é aquele definido

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO ANEXO I. PROJETO DE CURTA DURAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do

Leia mais

REVISTA SABER ACADÊMICO N 16 / ISSN 1980-5950 SQUIZATTO, E. P. S. 2013.

REVISTA SABER ACADÊMICO N 16 / ISSN 1980-5950 SQUIZATTO, E. P. S. 2013. 86 Artigo original A PRÁXIS PROFISSIONAL DO ASSISTENTE SOCIAL NO CENTRO DE REFERÊNCIA ESPECIALIZADO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL SQUIZATTO, E. P. S. 1 Nome Completo Ediléia Paula dos Santos Squizatto Artigo submetido

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: BACHARELADO SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 07 (SETE)

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A IMPORTÂNCIA E A NECESSIDADE DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO SUPERIOR A DISTÂNCIA NO BRASIL

REFLEXÕES SOBRE A IMPORTÂNCIA E A NECESSIDADE DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO SUPERIOR A DISTÂNCIA NO BRASIL 1 REFLEXÕES SOBRE A IMPORTÂNCIA E A NECESSIDADE DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO SUPERIOR A DISTÂNCIA NO BRASIL Brasil - Santa Catarina Indaial (05/2011) Msc. Vera Lúcia Hoffmann

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

O PERFIL DOS(AS) DISCENTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA (UEPB)

O PERFIL DOS(AS) DISCENTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA (UEPB) O PERFIL DOS(AS) DISCENTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA (UEPB) Elizângela Samara da Silva 1, Cibelly Michalane Oliveira dos Santos Costa 2, Salyanna de Souza Silv 3, Lourayne

Leia mais

A DIMENSÃO EDUCATIVA DO SERVIÇO SOCIAL E A INSTRUMENTALIDADE ARTÍSTICA

A DIMENSÃO EDUCATIVA DO SERVIÇO SOCIAL E A INSTRUMENTALIDADE ARTÍSTICA 118 Introdução A DIMENSÃO EDUCATIVA DO SERVIÇO SOCIAL E A INSTRUMENTALIDADE ARTÍSTICA Ana Flavia Luca de Castro Uni-FACEF Bianca Nogueira Mattos Uni-FACEF Eliana Bolorino Canteiro Martins Uni-FACEF Iara

Leia mais

ACOMPANHAMENTO FAMILIAR NA ASSISTENCIA SOCIAL: UMA PROPOSTA DE METODOLOGIA PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO

ACOMPANHAMENTO FAMILIAR NA ASSISTENCIA SOCIAL: UMA PROPOSTA DE METODOLOGIA PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO ACOMPANHAMENTO FAMILIAR NA ASSISTENCIA SOCIAL: UMA PROPOSTA DE METODOLOGIA PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO Subsecretaria de Assistência Social e Descentralização da Gestão O PAIF NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

Leia mais

3 O Serviço Social no setor de ONGs

3 O Serviço Social no setor de ONGs 3 O Serviço Social no setor de ONGs Uma análise sobre a atuação do assistente social em organizações não governamentais (ONGs) deve partir da reflexão sobre a configuração da sociedade civil brasileira,

Leia mais

http://www.promenino.org.br/default.aspx?tabid=77&conteudoid=737b5d90-0003- 4fd3-b9b6-907614625b10&boletim

http://www.promenino.org.br/default.aspx?tabid=77&conteudoid=737b5d90-0003- 4fd3-b9b6-907614625b10&boletim Disponível em http://www.promenino.org.br/default.aspx?tabid=77&conteudoid=737b5d90-0003- 4fd3-b9b6-907614625b10&boletim Acesso em 20/04/2012 LIDIANE RIOS DE OLIVEIRA 15/04/2012 SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO:

Leia mais

OS SABERES E AS HABILIDADES NECESSÁRIAS A FORMAÇÃO E ATUAÇÃO DOS ASSISTENTES SOCIAIS

OS SABERES E AS HABILIDADES NECESSÁRIAS A FORMAÇÃO E ATUAÇÃO DOS ASSISTENTES SOCIAIS OS SABERES E AS HABILIDADES NECESSÁRIAS A FORMAÇÃO E ATUAÇÃO DOS ASSISTENTES SOCIAIS Autoras: Eliana Andrade da Silva(DESSO-UFRN) e Priscilla Gracia do Nascimento (UFRN) RESUMO Esta investigação objetiva

Leia mais

PROJETO COMUNITÁRIO NA FISIOTERAPIA DA PUCPR E PRÁTICA PEDAGÓGICA: NOVAS POSSIBILIDADES NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL

PROJETO COMUNITÁRIO NA FISIOTERAPIA DA PUCPR E PRÁTICA PEDAGÓGICA: NOVAS POSSIBILIDADES NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL PROJETO COMUNITÁRIO NA FISIOTERAPIA DA PUCPR E PRÁTICA PEDAGÓGICA: NOVAS POSSIBILIDADES NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL Ana Paula Loureiro Cunha, PUCPR Eliani de Souza Arruda, PUCPR Marilda Aparecida Behrens,

Leia mais

Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Itaberaí. Projeto de Estágio Supervisionado Obrigatório: Práxis pedagógica e formação docente

Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Itaberaí. Projeto de Estágio Supervisionado Obrigatório: Práxis pedagógica e formação docente Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Itaberaí Projeto de Estágio Supervisionado Obrigatório: Práxis pedagógica e formação docente Itaberaí 2012 Sebastião Alonso Júnior Diretor da Unidade

Leia mais

A REFLEXÃO CRÍTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Entre Práticas e Saberes. Alciane Gonçalves Barbosa - Graduanda em Pedagogia/UFPI

A REFLEXÃO CRÍTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Entre Práticas e Saberes. Alciane Gonçalves Barbosa - Graduanda em Pedagogia/UFPI A REFLEXÃO CRÍTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Entre Práticas e Saberes Alciane Gonçalves Barbosa - Graduanda em Pedagogia/UFPI Maria Antonia Alves Lima Graduanda em Pedagogia /UFPI Bárbara Maria Macedo

Leia mais

Ana Lúcia Maciel Francisco Kern Maria da Graça Türck Regina Martins Rosa Maria Castilhos Fernandes

Ana Lúcia Maciel Francisco Kern Maria da Graça Türck Regina Martins Rosa Maria Castilhos Fernandes 1 A Graturck é uma empresa especializada nas áreas de consultoria, assessoria e cursos em Serviço Social. Contando com uma equipe técnica qualificada, está lançando uma oportunidade para aqueles alunos

Leia mais

CARGO: ASSISTENTE SOCIAL

CARGO: ASSISTENTE SOCIAL P. M INDIANA CP 01/2014 CARGO: ASSISTENTE SOCIAL Inscrição nº: Assinatura do Candidato: Conrio Concursos Públicos e Assessoria www.conrio.com.br Cargo: Assistente Social Língua Portuguesa 01. Pontue corretamente

Leia mais

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social O SERVIÇO SOCIAL NA LEGIÃO DA BOA VONTADE - LBV

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social O SERVIÇO SOCIAL NA LEGIÃO DA BOA VONTADE - LBV VIII Jornada de Estágio de Serviço Social O SERVIÇO SOCIAL NA LEGIÃO DA BOA VONTADE - LBV Apresentador: Jordana Oliveira OLIVEIRA, Jordana 1. KRAVICZ, Gisele Ferreira 2. TRENTINI, Fabiana Vosgerau. 3 RESUMO:

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

GESTÃO EDUCACIONAL: REFLEXÃO SOBRE O PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO

GESTÃO EDUCACIONAL: REFLEXÃO SOBRE O PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO GESTÃO EDUCACIONAL: REFLEXÃO SOBRE O PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO Ana Paula Martins Costa Graduanda de Pedagogia- UEPB Aline Carla da Silva Costa - Graduanda de Pedagogia- UEPB

Leia mais

VIGILÂNCIA SOCIAL: Uma ferramenta de gestão dos serviços sociais

VIGILÂNCIA SOCIAL: Uma ferramenta de gestão dos serviços sociais 1 VIGILÂNCIA SOCIAL: Uma ferramenta de gestão dos serviços sociais Vera Lucia Canhoto GONÇALVES 1 Vanessa Martins RAMOS 2 Helen Cristina Osório XAVIER 3 RESUMO: A Política Nacional de Assistência Social

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL E SAÚDE MENTAL ABSTRACT

SERVIÇO SOCIAL E SAÚDE MENTAL ABSTRACT SERVIÇO SOCIAL E SAÚDE MENTAL Sofia Laurentino Barbosa Pereira 1 Simone de Jesus Guimarães 2 RESUMO O presente artigo tem como objetivo fazer uma revisão teórico-crítica acerca do Serviço Social no campo

Leia mais

A INTERFACE DO SERVIÇO SOCIAL COM O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: UMA REFLEXÃO ACERCA DA CONTRIBUIÇÃO PROFISSIONAL

A INTERFACE DO SERVIÇO SOCIAL COM O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: UMA REFLEXÃO ACERCA DA CONTRIBUIÇÃO PROFISSIONAL A INTERFACE DO SERVIÇO SOCIAL COM O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: UMA REFLEXÃO ACERCA DA CONTRIBUIÇÃO PROFISSIONAL Karina Tatiane da Costa Martins 1 Helenita dos Santos Arruda 2

Leia mais

Mini-curso: Processo de Trabalho do Assistente Social na área Sociojurídica

Mini-curso: Processo de Trabalho do Assistente Social na área Sociojurídica Mini-curso: Processo de Trabalho do Assistente Social na área Sociojurídica Facilitadoras: Profª Esp. Assistente Social Maria do Amparo Gomes Barro Assistente Social Esp. Ana Margarida Participação especial:

Leia mais

PROJETO ÉTICO POLÍTICO: QUAIS OS FIOS PARA A SUA CONSOLIDAÇÃO? UMA ANÁLISE DA EFETIVAÇÃO DO PROJETO ÉTICO-POLÍTICO DO SERVIÇO SOCIAL

PROJETO ÉTICO POLÍTICO: QUAIS OS FIOS PARA A SUA CONSOLIDAÇÃO? UMA ANÁLISE DA EFETIVAÇÃO DO PROJETO ÉTICO-POLÍTICO DO SERVIÇO SOCIAL 1 PROJETO ÉTICO POLÍTICO: QUAIS OS FIOS PARA A SUA CONSOLIDAÇÃO? UMA ANÁLISE DA EFETIVAÇÃO DO PROJETO ÉTICO-POLÍTICO DO SERVIÇO SOCIAL Débora Begati Viana 1 Rafaela Marangon Dia 2 RESUMO O artigo em questão

Leia mais

3 O serviço social no Brasil nos anos de 1990: Consolidação do amadurecimento teórico metodológico crítico

3 O serviço social no Brasil nos anos de 1990: Consolidação do amadurecimento teórico metodológico crítico 3 O serviço social no Brasil nos anos de 1990: Consolidação do amadurecimento teórico metodológico crítico O desenvolvimento dos direitos humanos, possibilitado pela luta geral dos trabalhadores pelo mundo,

Leia mais

Mobilização e Participação Social: Desafios para a Intervenção do Assistente Social

Mobilização e Participação Social: Desafios para a Intervenção do Assistente Social Mobilização e Participação Social: Desafios para a Intervenção do Assistente Social Ivanete Boschetti 1 ; Sandra Oliveira Teixeira 2 Eixo temático: 3 - Los instrumentos econômicos-políticos internacionales.

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social O Projeto pedagógico do Curso de Serviço Social do Pólo Universitário de Rio das Ostras sua direção social, seus objetivos, suas diretrizes, princípios,

Leia mais

As dimensões teórico-metodológica, ético-política e técnicooperativa: particularidades e unidade

As dimensões teórico-metodológica, ético-política e técnicooperativa: particularidades e unidade I CONGRESSO INTERNACIONAL DE POLÍTICA SOCIAL E SERVIÇO SOCIAL: DESAFIOS CONTEMPORÂNEOS As dimensões teórico-metodológica, ético-política e técnicooperativa: particularidades e unidade Sofia Laurentino

Leia mais

RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão. Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus

RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão. Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus 2013-2016 0 1 Sumário Apresentação... 2 Análise Situacional... 2 Programas Estruturantes...

Leia mais

5. Considerações finais

5. Considerações finais 99 5. Considerações finais Ao término da interessante e desafiadora jornada, que implicou em estabelecer um olhar crítico e relativamente distanciado em relação ao universo pesquisado, na medida em que

Leia mais

AS TRÊS DIMENSÕES DA INCLUSÃO

AS TRÊS DIMENSÕES DA INCLUSÃO r 02.qxp 5/6/2008 16:15 Page 1 293 SANTOS, MÔNICA PEREIRA; PAULINO, MARCOS MOREIRA (ORGS.). INCLUSÃO EM EDUCAÇÃO: CULTURAS, POLÍTICAS E PRÁTICAS. SÃO PAULO: CORTEZ, 2006. 168 P. JANETE NETTO BASSALOBRE*

Leia mais

I SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NA COMUNIDADE DE PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA CPLP CARTA DE PORTO ALEGRE

I SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NA COMUNIDADE DE PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA CPLP CARTA DE PORTO ALEGRE I SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NA COMUNIDADE DE PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA CPLP CARTA DE PORTO ALEGRE O I Seminário Internacional de Educação Superior na Comunidade de Países de Língua

Leia mais

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social A PRÁTICA PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E AMIGOS DOS EXCEPCIONAIS - APAE DE PALMEIRA

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social A PRÁTICA PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E AMIGOS DOS EXCEPCIONAIS - APAE DE PALMEIRA VIII Jornada de Estágio de Serviço Social A PRÁTICA PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E AMIGOS DOS EXCEPCIONAIS - APAE DE PALMEIRA Apresentador: Mayara Lucia Martins. MARTINS, Mayara

Leia mais

GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA

GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA SPINELLI, Mônica dos Santos IE/PPGE/UFMT RESUMO O texto apresenta resultados parciais da pesquisa teórica sobre categorias conceituais em

Leia mais