Filosofia na Escola: o pensar reflexivo e crítico para mudança de comportamento

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Filosofia na Escola: o pensar reflexivo e crítico para mudança de comportamento"

Transcrição

1 Filosofia na Escola: o pensar reflexivo e crítico para mudança de comportamento Priscila Fraga Bastos i Sônia Aparecida Belletti Cruz ii Resumo Este artigo é fruto de pesquisa de iniciação científica, financiada pela UNIP e realizada por meio de observação e entrevista semi-estruturada com um professor de filosofia para crianças em uma escola de Araraquara-SP. Seu objetivo foi conhecer a linha teórica e metodológica adotada e saber se as crianças apresentam mudança de comportamento no decorrer dos estudos. Os resultados mostraram que, apoiadas nas ideias de Lipman e de Ramos de Oliveira, com histórias de personagens e enredos próximos ao padrão cultural brasileiro, elas melhoraram a relação com os colegas à medida que avançavam nas reflexões e na percepção de si e de sua realidade. Tornaram-se mais participativas e interessadas e prestaram mais atenção nos acontecimentos do país e do mundo e, muitas delas, voltaram-se à leitura de livros, jornais e revistas científicas. O professor interveio de forma afetiva nas mediações, buscando atender às diferenças de ser e de agir dos alunos. Palavras-chave: filosofia, filosofia para crianças, pensamento crítico, pensamento reflexivo, diversidade cultural. Abstract This article derives from a scientific initiation research, funded by UNIP, performed through observation and semi-structured interview with a professor of philosophy for children in an Araraquara s (SP) school. The goal of this article was to identify the theoretical and methodological framework adopted by the professor and whether the children have behavioral

2 change during the studies. The results showed that, based on the ideas of Lipman and Ramos de Oliveira, including stories of characters and plots close to the cultural norms, they have improved the relationship with colleagues as they advanced in thinking and in the perception of themselves and their reality. They became more participative and interested. Additionally, they paid more attention to the events in their country and in the world. Consequently, many of them started reading books, newspapers and journals. The teacher intervened affectively in mediations, attending the differences of being and acting as students. Keywords: philosophy, philosophy for children, critical thinking, reflective thinking, cultural diversity. Introdução Muitas vezes, surgem-nos perguntas que não sabemos responder; presenciamos fatos aos quais não sabemos o que pensar a seu respeito; defrontamo-nos com situações que não sabemos como nos comportar... Somente pela filosofia podemos alcançar atitudes que se distinguem de outras formas de pensamento; até a tomada de decisão para problemas mais corriqueiros pode ser transformada em tema de profunda reflexão, buscando e revelando significados que trazem clareza às ações. O termo Filosofia vem do grego philos (que ama) e sophia (sabedoria) e refere-se ao amor à sabedoria. Segundo Aranha (2003), filosofia é o pensar reflexivo do homem sobre seu cotidiano para compreender seus atos e seus pensamentos. Não se trata de qualquer reflexão, mas o refletir sobre o próprio pensar; pensar o já pensado, voltar para si mesmo e colocar em questão o que já se conhece (2003, p. 74). Por meio da reflexão o homem tem outra dimensão, além da oferecida pelo agir imediato e lhe é possibilitada a superação da situação dada e não escolhida. Dentro desta concepção, podemos interpretar a filosofia como atitude, pensar permanente e crítico que busca superar obstáculos na direção de uma resposta clara e segura, na tentativa de responder questões fundamentais da realidade e compreender o que há de vago

3 e confuso em nossas ideias habituais. Portanto, pode ser entendida como uma busca da verdade e não a própria verdade, como muitas vezes, pode parecer. A este respeito, Russell (1959) enfatiza: Na vida cotidiana admitimos como certas muitas coisas que, depois de um exame mais minucioso, nos parecem tão cheias de contradições que só um grande esforço de pensamento nos permite saber em que realmente acreditar. Na busca da certeza é natural começar pelas nossas experiências presentes e, num certo sentido, não há dúvida de que o conhecimento deriva delas. É possível, no entanto, que qualquer afirmação acerca do que nossas experiências imediatas nos permitem conhecer esteja errada. (p.7) É o que acontece, muitas vezes, quando nos deparamos em uma situação para resolver um determinado problema, mas não conseguimos chegar à solução dele; isso acontece porque não refletimos, não pesquisamos mais sobre o assunto, não nos questionamos se o que estamos fazendo é certo. Neste caso, a filosofia nos traz grande ajuda para refletir a respeito da realidade e questionar nossas ações, bem como para respeitar pontos de vistas diferentes. É o ato consciente e crítico, o filosofar espontâneo do homem comum (ARANHA, 2003, p. 73). Filosofia para Crianças A filosofia é pouco acolhida no universo acadêmico e, no processo de formação dos professores, embora seja matéria obrigatória, o único espaço de contato que usufrui com os futuros docentes consta de bibliografias de caráter enciclopédico, cujo repertório aparece apenas com a história das ideias filosóficas sobre a educação ou com correntes do pensamento filosófico sobre a educação. Mesmo assim, no exercício do magistério, há docentes que se interessam no aprofundamento de seus conhecimentos para ensinar aos seus alunos as habilidades necessárias para o domínio do pensamento filosófico. Apesar dos obstáculos os mais diversos, a filosofia pode ser uma opção para as crianças no ambiente escolar e, se bem aplicada, torna-se um instrumento motivador à vivência infantil, desde a mais tenra idade. Ela atrai a atenção e participação para temas significativos da vida, oferecendo habilidades de raciocínio, dentro do espírito aberto e crítico. Para Lipman (1990), a filosofia é uma ciência de investigação, que por meio do diálogo entre alunos/alunos/professor é possível construir ideias, pensar independente,

4 trazendo para suas vidas nova percepção de descoberta, de invenção, de interpretação e de crítica. Segundo o autor: A filosofia oferece às crianças a oportunidade de discutir conceitos, tais como o de verdade, que existem em outras disciplinas, mas que não são abertamente examinados por nenhuma delas. (p.13). Portanto, a ideia de unir educação e filosofia para a aprendizagem escolar, voltadas para o desenvolvimento de valores e da ética traz interessantes resultados para o exercício da cidadania. Na visão de Lipman (1990), há duas posições em relação aos valores que devem ser ensinados na escola: educação para a mudança, enfatizando as habilidades e de estabilidade, garantindo a continuidade do grupo social por meio do conteúdo. O importante numa sociedade/democracia é que a diversidade de fins, característica de uma sociedade pluralista pode repousar numa uniformidade de meios, e é este consenso em relação a procedimentos que pode formar um contexto satisfatório para a educação de valores (p.66) E tornando a escola um ambiente cooperativo e comunitário, as crianças poderão alcançar todas as habilidades de autocrítica e de autocorreção, habilidades estas necessárias para o cidadão assumir as responsabilidades que a cidadania lhe traz. Para o autor, os jovens devem ser preparados para o respeito aos princípios dos valores e da ética e, já no Ensino Fundamental, são capazes de compreender as teorias de Aristóteles, Kant e Mill. Porém, a escola dentro da sua função para o desenvolvimento do caráter tem se mostrado contraproducente, pois se apresenta como modelo para os alunos, onde as crianças internalizam as formas de comportamento dos adultos. O ideal seria transformar a sala de aula num ambiente onde as crianças pudessem participar, cooperar e investigar de forma reflexiva e racional, preparando-as para raciocinar juntamente com o adulto que não precisasse apelar para a arbitrariedade e violência. E, para que a preparação do jovem cidadão se concretize é necessária a presença de um professor comprometido com a investigação, um professor que o incentive a pensar por si só, um professor que o ajude a descobrir sua filosofia de vida, sem, contudo, esquecer-se que suas atitudes têm grande valor para o aluno. A esse respeito, Lipman (1994) salienta: Todos os professores revelam os seus valores através do que dizem e do que fazem, seja pela inflexão de voz, gestos ou expressões faciais, o modo de conduzir a aula ou de fazer uma prova. (p. 122) Portanto, a sala de aula é ambiente favorável para o desenvolvimento da filosofia para o bem pensar, onde cada aluno necessita desenvolver o seu ponto de vista, seu estilo de pensamento, sua perspectiva de vida.

5 Baseados na importância que a filosofia tem para a formação da cidadania, surgiramnos alguns questionamentos a respeito da efetivação de sua prática na sala de aula: as instituições escolares consideram necessária a formação da criança para o exercício da reflexão? Em quais escolas da cidade de Araraquara-SP é oferecida a disciplina Filosofia para os alunos das séries iniciais do Ensino Fundamental? Quais critérios são utilizados para sua aplicação? Sua implantação trouxe mudança de comportamento e de aproveitamento escolar dos alunos? Essas questões foram fruto de nosso desejo de saber se as crianças que têm o ensino de Filosofia na escola encontram-se mais instrumentalizadas para a convivência social e escolar, já que a educação para o filosofar tem por objetivo desenvolver habilidades que tendem a tornar os seres humanos melhores, aperfeiçoando seu modo de ser, de agir e de pensar, segundo modos de vida mais democráticos e éticos. Na visão de Cunha (2008), O filosofar é, em suma, uma atividade de produção e de reflexão crítica de conhecimentos úteis para a vida [...] O filosofar que pretendemos está vinculado à história presente, ao cotidiano, à vida pulsante, aos interesses e motivações dos desafios atuais, em especial, aqueles vividos pelas crianças. (p. 13) Assim sendo, é na escola que, além da experiência motora ou emocional, acontece o convite à experiência reflexiva, na qual a imaginação impulsiona a criatividade e o autoaprimoramento traz melhoria da vida humana em geral. Este trabalho descritivo, de caráter qualitativo, embasado nos moldes de Selltiz (1965), Lüdke e André (1986), Triviños (1992), Minayo (2000) e Barnes (1995), teve como objetivo saber quais escolas de ensino fundamental da cidade de Araraquara-SP oferecem às crianças das séries iniciais a disciplina de Filosofia, conhecer a metodologia de ensino utilizada e quais as mudanças observadas no comportamento e no aproveitamento escolar de seus alunos. Contextualizando o ambiente e os sujeitos envolvidos nas aulas de filosofia para crianças Os dados aqui apresentados foram coletados no segundo semestre de 2009 em pesquisa de iniciação cientifica, financiada pela UNIP, realizada por meio de observação e de entrevista semi-estruturada com um professor de Filosofia de uma escola de Araraquara (a única da cidade, segundo informação da Diretoria de Ensino da região de Araraquara-SP) que oferece em seu currículo a disciplina de Filosofia nas séries iniciais do Ensino Fundamental.

6 A escola: Instituição cooperativa educacional, localizada em bairro periférico da cidade, oferece ensino nos níveis da educação infantil, do ensino fundamental e do ensino médio. De acordo com o Plano de Gestão, a escola atendeu no ano de 2009, cerca de 600 alunos, com o trabalho de 76 professores, conforme demonstra o quadro abaixo: Etapa nº de alunos nº de professores Educação Infantil Ensino Fundamental Ciclo I Ensino Fundamental Ciclo II Ensino Médio Em relação ao pessoal de suporte pedagógico, a escola conta com a presença de diretor, orientador educacional e de coordenador em todos os níveis de ensino. Ao entrarmos na escola, a primeira impressão que tivemos foi que é um lugar agradável, tanto na sua ampla estrutura física, que se apresenta limpa e organizada, quanto no aspecto social, mostrando existir muita cordialidade entre as pessoas que ali trabalham. Espalhados pelos corredores encontram-se expostos trabalhos elaborados pelos alunos e cartazes de campanhas educativas. Os alunos aparentam sentirem-se felizes na escola e transitam tranqüilos pelos corredores e demais ambientes da escola. Para as aulas de Filosofia, a escola disponibiliza espaço com duas lousas, um armário onde são guardados os materiais utilizados nas aulas, duas estantes com jogos educativos e carteiras organizadas em círculo para a visão recíproca dos participantes. O professor: A respeito da formação do professor, observamos os seguintes dados: graduação em Ciências Sociais pela UNESP de Araraquara, concluída em 1991; mestrado em Sociologia, também pela UNESP de Araraquara, concluído em 2002; especialização no curso de Filosofia para Criança, com habilitação para as séries iniciais do Ensino Fundamental, pelo Centro Brasileiro de Filosofia para Crianças. Durante os estudos, obteve bolsa de pesquisa do CNPq, por um período de 3 anos na graduação, e da FAPESP, por 2 anos na pós-graduação.

7 Quanto ao tempo de trabalho docente, o professor leciona desde 1994, trabalhando em escolas públicas, em cursinhos pré-vestibulares e em escolas privadas. Na atual escola privada trabalha há oito anos. Leciona, também, em duas instituições de ensino superior. Em relação às áreas de atuação, disse ter ministrado aulas de Sociologia, Ciências Políticas e Antropologia, História, Filosofia e Geografia. Começou a trabalhar como professor de Geografia do Ensino Fundamental, na escola pública. Deu aulas de História, Filosofia e Sociologia no Ensino Médio. Há oito anos é professor de Filosofia para crianças nas séries iniciais do Ensino Fundamenta e nos 8 e 9 anos, de História, nos 6 e 7 anos e de Filosofia e Sociologia, no Ensino Médio. Nas faculdades, ministra várias disciplinas na área das Ciências Humanas. No que se refere à filosofia para crianças, o professor disse ter iniciado esse trabalho na atual escola há oito anos.... comecei o primeiro semestre e ainda não tinha o curso. E nesse tempo, li o material e me inteirei. Nas férias de julho me especializei e continuo dando aula até hoje. Segundo ele, foi durante o curso de mestrado que se interessou pela filosofia para crianças, fundamentado na linha teórica de Matthew Lipman, com adaptação de métodos e recursos organizada pelo Grupo de Estudos e Pesquisas Filosofia para Crianças (GEPFC), liderado pela Profa Dra Paula Ramos de Oliveira da Faculdade de Ciências e Letras da UNESP de Araraquara. O ambiente filosófico e a metodologia de ensino-aprendizagem: Antes mesmo de soar o sinal da escola, os alunos aguardam na porta da sala de aula a chegada do professor. Acompanhados por ele, entram no ambiente de filosofia demonstrando entusiasmo e satisfação. Sentam-se nas carteiras que desejam, exceto quando o professor solicita a algum deles que se sente ao seu lado, e logo se comunicam entre si e com o professor; tiram dúvidas, perguntam, fazem comentários sobre fatos ocorridos, lançam opiniões. Segundo o professor, essas atitudes de curiosidade e de discussão sobre fatos da realidade são parte dos propósitos do ensino de filosofia, no que se refere às habilidades cognitivas, ao raciocínio lógico, à capacidade de criatividade. Seu objetivo principal é desenvolver nas crianças as habilidades de pensamento.... a Filosofia para criança está muito menos preocupada com o conteúdo filosófico, propriamente dito, e mais com o desenvolvimento do raciocínio e

8 habilidades de raciocínio, como por exemplo: aprender a pensar com lógica, fundamentar seu pensamento, respeitar as opiniões diferentes dos outros colegas e assim por diante. Em relação à linha metodológica adotada, segundo o professor, durante 7 anos a escola trabalhou filosofia com a metodologia de Lipman e seu material. E a partir de 2009, foram feitas algumas mudanças, incluindo o material de Ramos de Oliveira.... O material é inovador, porque está adequado à realidade brasileira. Tanto é que foi elaborado por alunos daqui da UNESP de Araraquara... Por exemplo: não tem um plano de discussão fechado, as crianças encaminham a discussão de forma mais aberta. Fora que antes as crianças ficavam um pouco enjoadas. Quando utilizava Issao e Guga, havia dividido o material em dois anos. Eram várias novelinhas, mas sempre com os mesmos personagens e isso chegava ao final do segundo ano e elas estavam enjoadas. Já este material tem várias histórias com personagens diferentes, sendo mais empolgante para as crianças. Segundo o professor, o referencial teórico chamado Um mundo de histórias, foi elaborado junto com seu Grupo de Estudos e Pesquisas Filosofia para Crianças, no qual são abordados temas sobre a natureza, a física quântica e a origem do universo e do ser humano. A relação professor/aluno/aluno: Segundo o professor, a ação docente deve mediar o conhecimento e o sujeito da aprendizagem. No papel de mediador ele conduz a discussão reflexiva de forma a proporcionar aos alunos instrumentos que norteiem as idéias e sua seqüência, atingindo autonomia para o bem pensar, para a compreensão e para a tomada de decisão.... Se a discussão tomou um caminho e as crianças estão motivadas no assunto, eu as deixo prosseguir, fazendo colocações eventuais isso que você está dizendo tem coerência ou é contraditório? enfim, faço mediações. No que se refere à relação professor/aluno, o vinculo afetivo deve prevalecer, na opinião do professor. E na relação dos alunos entre si, ele considera importante primar pelo respeito às diferenças. Às vezes me perguntam: como você consegue prender a atenção dos alunos e ganhar tanto respeito deles? Afetividade. Estabeleço vínculo afetivo com eles. Agora, aluno/aluno, a questão se refere ao respeito às diferenças. Diferenças biológicas, uns são magrinhos outros são gordinhos; às diferenças psicológicas, uns são introvertidos outros extrovertidos; social, uns são mais ricos, outros não; cultural, quando a discussão pende para a questão religiosa. Têm muitos alunos que são espíritas e outros que são católicos, e eles precisam respeitar a diferença religiosa.

9 A intervenção afetiva enfatizada pelo professor na entrevista pôde ser observada no desenvolvimento das aulas. Os alunos demonstram amizade, respeito e admiração por ele. Pudemos observar ações de um profissional ético, comprometido com a aprendizagem dos alunos, que domina os conteúdos que serão estudados e que se mostra atencioso, o que lhe garante confiança dos alunos. Suas aulas são dinâmicas, com explicações claras, apresentadas com calma e pausadamente. Mas quando se trata de indisciplina ou de desrespeito dos alunos, tal comportamento é questionado, refletido e, coletivamente, são buscadas formas mais adequadas de comportamento. Os alunos e as mudanças comportamentais: De acordo com o professor, os alunos demonstram satisfação em participar das aulas de filosofia. Eles fazem indagações, querem conversar sobre suas curiosidades.... coisa que muitas pessoas vão perdendo ao longo do tempo. Por que a gente perde essa curiosidade, essa vontade de conhecer? A Escola de Frankfurt fala que, a própria sociedade tolhe o pensamento criativo e prima somente pelo pensamento instrumental: português, matemática, o mundo do trabalho etc. As artes e a filosofia acabam ficando de lado. É um referencial que gosto bastante. No decorrer das aulas, os alunos são instigados a participar das discussões. Por meio de questionamentos do professor, as opiniões vão surgindo, fazendo com que as aulas sejam interessantes. Todos querem falar, colocar seu ponto de vista e suas hipóteses, demonstrando entusiasmo, curiosidade e criatividade em relação ao que está sendo abordado. Segundo o professor, a maior parte dos alunos percebe a importância de suas ações e atitudes diante da sociedade e da natureza, procurando fazer o melhor e refletindo sobre as consequências de ações e de atitudes equivocadas. Para o professor, os alunos demonstram vontade de discutir questões que fazem parte da sua realidade, de entender um fato a seu modo, de refletir, de fazer relações de como, quando e por que as coisas acontecem. Eles gostam de ler e de se informar sobre os acontecimentos no país e no mundo por meio de leitura de jornais, de obras literárias, como Harry Poter e O mundo de Sofia e, até mesmo, de revistas científicas. Quando lhe foi perguntado se percebe mudança no comportamento dos alunos após iniciarem as aulas de filosofia, o professor respondeu afirmativamente. Para ele, a metodologia de filosofia para crianças traz momentos de percepção do pensamento e da forma de se pensar. Percebo sim. Os alunos que não tiveram filosofia desde a primeira série, carregaram alguns problemas para as aulas de filosofia, no que diz respeito a

10 saber ouvir, falar, respeitar opiniões, o que acaba refletindo no comportamento. É isso que faz com que os alunos amadureçam em seu pensamento. Na opinião do professor, os alunos passam a pensar mais racionalmente e a demonstrar atitudes com mais autonomia intelectual. Acatam regras com mais serenidade e se comportam melhor ao participar das discussões, o que exige que prestem atenção no que o colega está falando, que respeitem a opinião do outro, que esperem a vez para falar. Com o tempo, vão se soltando, ganham confiança ao perceberem que já conseguem pensar melhor, se colocar, testar seu pensamento. O professor disse perceber diferença no comportamento das crianças que participam das aulas desde o terceiro ano do Ciclo I em relação àquelas que não tiveram essa oportunidade, como as que chegam transferidas, que demonstram mais dificuldade para se relacionar. Mas, à medida que vão avançando nos estudos, mostram-se capazes de melhorar a relação com os colegas, participam mais das reflexões e adquirem melhor percepção de si e da realidade. Refletindo sobre as aulas de filosofia para crianças A infância é a fase privilegiada para a formação da identidade, do caráter e dos valores para a convivência respeitosa e cooperativa entre todas as pessoas. E, é comum nas crianças, assim como acontece com os filósofos, a capacidade de se maravilhar. São, também, as crianças as maiores apreciadoras de atitudes bonitas e elas gostam de repeti-las. Portanto, a educação para o filosofar encontra nesta fase o momento mais intenso e mais fértil para a percepção do eu e do outro. Educar para pensar bem por si só, para refletir, dialogar e investigar honestamente é formar o cidadão livre e ético, consciente de si e da escolha de valores com os quais se identifica. (CUNHA, 2008). Considerando a observação das aulas e a descrição feita pelo professor no decorrer da entrevista sobre o ensino de filosofia para crianças, oferecido pela escola em questão, pudemos verificar que por meio dela as crianças desenvolvem um conjunto de habilidades, mostrando-se participativas e interessadas em discutir assuntos tratados nas histórias que elas próprias escolhem no livro estudado. Nos debates, apoiadas pelo professor-mediador, que levanta questionamentos a respeito do tema tratado, demonstram saber opinar, apresentar respostas pensadas e respeito à opinião do colega. Quando colocadas em situação problematizadora para tomada de decisão, investigam hipóteses, trocam opinião, testam as

11 respostas, retomam a sequência de raciocínio, tentando nova forma de pensamento para solucionar o problema. Segundo Cunha (2008), crianças filosoficamente inteligentes são as que fazem boas perguntas sobre o que antes se acreditava inquestionável. Boas perguntas exigem que se pense de novo e melhor sobre o que já havia sido pensado. Uma das melhores definições do filosofar é justamente esta: filosofar é a atividade de repensar o já pensado, para pensar o ainda não pensado. Isso só é possível quando não se tem medo de fazer as perguntas que a situação permite, explorando novos modos de ver e pensar. (CUNHA, 2008, p.60) Assim, ensinar o processo do filosofar infantil é a primeira tarefa da educação filosófica. Trata-se, antes de mais nada, de o professor organizar o ambiente socioemocional e dispor-se a provocar as palavras na criança. Às vezes, é preciso nomear essas palavras em voz alta, ajudando, assim a completar o percurso da fala. Além de aumentar seu repertório de percepção e idéias. (CUNHA, 2008, p.51) Quanto à afirmação do professor de que as aulas priorizam o desenvolvimento das habilidades de pensamento em detrimento dos conteúdos filosóficos, propriamente dito, esta vem ao encontro das idéias de Cunha (2008), que considera o filosofar uma atividade de produção e de reflexão crítica de conhecimentos úteis para a vida. E que, o filosofar não pode restringir-se a repassar conhecimentos de erudição filosófica, voltada para a história já passada e sim, vinculado à história presente, ao cotidiano, aos interesses e motivações dos desafios atuais vividos pelas crianças. Em relação aos temas que mais trazem motivação às crianças, o professor salienta que os alunos de oito anos mostram interesse em discutir os fenômenos da natureza, enquanto que os de dez anos querem discutir assuntos científicos. Alguns se interessam até por física quântica, coisas do espaço, a origem do universo e do ser humano e por questões do pensamento. Para Ramos de Oliveira (2004), gostar da dúvida, da reflexão, do pensar é saudável e leva a criança a se distanciar do dogmatismo. E o papel da filosofia no Ensino Fundamental é desenvolver a reflexão metódica, o estranhamento, a curiosidade, o saber perguntar. A esse respeito, a autora ressalta que o educador não pode fazer do processo educativo uma corrente de mão única. Precisa ver o aluno como parte essencial deste processo, estimulando-o a usar sua voz e levando-o a desenvolver sua reflexão, seu pensar. (p. 06). Portanto, pudemos verificar nas palavras e atitudes do professor que ele acredita em seu trabalho e considera sua metodologia de ensino uma proposta inovadora para o ensino de

12 filosofia para crianças. Tem a intenção de formar cidadãos autônomos, criativos, com voz para enfrentar obstáculos, enfim, com postura de ser social crítico. Considerações finais Os dados coletados nesta pesquisa nos mostram que o exercício do filosofar propicia às crianças educação mais reflexiva, preparando-as para formação pessoal mais completa. Por meio de intervenções pedagógicas e afetivas o professor as orientam a testar seus pensamentos e a refletir sobre atitudes voltadas à prática a cidadania. Aprendendo valores éticos, demonstram sua aprendizagem no comportamento, que tem se mostrado mais maduro, emancipado e consciente. À medida que as crianças participam dessas aulas respeitando todas as regras, elas amadurecem e crescem a cada dia, mostrando-se capazes de refletir criticamente sobre situações ocorridas, opinando de forma autônoma e livre. Portanto, perceber a importância do ensino de filosofia na escola é somente o começo. A adoção de métodos do Programa de Filosofia para Crianças é um eficiente processo de humanização cidadã. Referências Bibliográficas ARANHA, M. L. e MARTINS, M. H. Filosofando: Introdução à Filosofia. São Paulo: Moderna, BARNES, R. Seja um ótimo aluno: guia prático para um estudo universitário eficiente. Campinas: Papirus CUNHA, J. A. (org) Filosofia para criança: orientação pedagógica para educação infantil e ensino fundamental. Campinas: Editora Alínea, LIPMAN, M. A filosofia vai à escola; tradução Maria E. de Brzezinski e Lúcia M. S. Kremer. São Paulo: Summus, 1990.

13 LIPMAN, M. A filosofia na sala de aula; tradução Ana L. F. Falcone. São Paulo: Nova Alexandria, LÜDKE, M. & ANDRÉ, M. E. D. A Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo. EPU MINAYO, M. C. S. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. Rio de Janeiro: Abrasco, RAMOS DE OLIVEIRA, P. Filosofia para a Formação da Criança. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, SELLTIZ, C. et al. Métodos de pesquisa das relações sociais. São Paulo. Herder TRIVIÑOS, A. N. S. Introdução à pesquisa em Ciências Sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo. Atlas i Graduanda em Pedagogia pela UNIP/Araraquara; aluna de iniciação científica pela UNIP; monitora do Projeto de Extensão Apoio Pedagógico na Alfabetização, escrita e Leitura e Raciocínio Lógico-Matemático de Crianças com Dificuldades de Aprendizagem; participante do Grupo de Estudos e Pesquisas Filosofia para Crianças na UNESP/Araraquara. ii Doutoranda em Educação Escolar pela UNESP/Araraquara; professora da UNIP e da E. E. Deputado Leonardo Barbieri ; orientadora de iniciação científica e de trabalhos de conclusão de curso; professora responsável pelo Projeto de Extensão Apoio Pedagógico na Alfabetização, escrita e Leitura e Raciocínio Lógico-Matemático de Crianças com Dificuldades de Aprendizagem.

A pesquisa na formação do professor

A pesquisa na formação do professor A pesquisa na formação do professor Karen Maria Jung Introdução Este trabalho tem por objetivo mostrar como a pesquisa, na formação de novos professores, é abordada nos diferentes cursos de Licenciatura

Leia mais

Filosofia para crianças? Que história é essa?

Filosofia para crianças? Que história é essa? Filosofia para crianças? Que história é essa? P Isabel Cristina Santana Diretora do CBFC ara muitos provoca espanto a minha resposta quando me perguntam: qual é o seu trabalho? e eu respondo trabalho com

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico Ingressantes em 2007 Dados: Sigla: Licenciatura em Educação Física Área: Biológicas

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA E MODELAGEM MATEMÁTICA: MUDANÇAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA E NO DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL RESUMO

FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA E MODELAGEM MATEMÁTICA: MUDANÇAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA E NO DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL RESUMO FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA E MODELAGEM MATEMÁTICA: MUDANÇAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA E NO DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL Edvard Luiz da Silva Filho, edvardluiz@folha.com.br - FMU, Brasil. RESUMO

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2005 Nome Aluno(a) Título Monografia/Artigo Orientador/Banca Annelise Lima

Leia mais

O COORDENADOR PEDAGÓGICO E OS DESAFIOS DA FUNÇÃO

O COORDENADOR PEDAGÓGICO E OS DESAFIOS DA FUNÇÃO 1 O COORDENADOR PEDAGÓGICO E OS DESAFIOS DA FUNÇÃO Bruna Riboldi 1 Jaqueline Zanchin Josiane Melo Ketelin Oliveira Natália Moré Paula T. Pinto Nilda Stecanela2 Samanta Wessel3 Resumo Este artigo tem por

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula INTRODUÇÃO Josiane Faxina Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho Câmpus Bauru e-mail: josi_unesp@hotmail.com

Leia mais

A TEORIA E A PRÁTICA NO CURSO DE PEDAGOGIA: O LIMITE DO POSSÍVEL

A TEORIA E A PRÁTICA NO CURSO DE PEDAGOGIA: O LIMITE DO POSSÍVEL V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 A TEORIA E A PRÁTICA NO CURSO DE PEDAGOGIA: O LIMITE DO POSSÍVEL Celeida Belchior Cintra Pinto 1 ; Maria Eleusa Montenegro

Leia mais

O PROCESSO REFLEXIVO E A REFLEXÃO CRÍTICA EM ALUNOS DE UM CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

O PROCESSO REFLEXIVO E A REFLEXÃO CRÍTICA EM ALUNOS DE UM CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS IX CONGRESO INTERNACIONAL SOBRE INVESTIGACIÓN EN DIDÁCTICA DE LAS CIENCIAS Girona, 9-12 de septiembre de 2013 COMUNICACIÓN O PROCESSO REFLEXIVO E A REFLEXÃO CRÍTICA EM ALUNOS DE UM CURSO DE LICENCIATURA

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

O PIBID NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUIÇOES E AÇÕES DO PIBID PARA FORMAÇÃO INICIAL DOS BOLSISTAS.

O PIBID NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUIÇOES E AÇÕES DO PIBID PARA FORMAÇÃO INICIAL DOS BOLSISTAS. O PIBID NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUIÇOES E AÇÕES DO PIBID PARA FORMAÇÃO INICIAL DOS BOLSISTAS. 1 Marcos Antonio de Sousa Rodrigues Bolsista/ PIBID/ UESPI 2 Sara Juliana Lima Ferreira Bolsista/

Leia mais

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio.

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio. Proposta Pedagógica Visão: Ser um centro de excelência em Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio que busca alcançar a utopia que tem de pessoa e sociedade, segundo os critérios do evangelho, vivenciando

Leia mais

PSICOPEDAGOGIA. DISCIPLINA: Desenvolvimento Cognitivo, Afetivo e Motor: Abordagens Sócio Interacionistas

PSICOPEDAGOGIA. DISCIPLINA: Desenvolvimento Cognitivo, Afetivo e Motor: Abordagens Sócio Interacionistas PSICOPEDAGOGIA DISCIPLINA: Fundamentos da Psicopedagogia EMENTA: Introdução e fundamentos da Psicopedagogia. O objeto de estudo. Visão histórica e atual. Concepções que sustentam a Psicopedagogia. O papel

Leia mais

CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA

CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA Jacqueline Oliveira de Melo Gomes Faculdade de Formação de Professores da Mata Sul / FAMASUL-PE jacomgomes@yahoo.com.br

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS

FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS ISSN 2316-7785 FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS José André Tavares de Oliveira Instituto Federal de Alagoas

Leia mais

Revista Científica Eletrônica de Ciências Sociais Aplicadas da EDUVALE - ISSN 1806-6283

Revista Científica Eletrônica de Ciências Sociais Aplicadas da EDUVALE - ISSN 1806-6283 O PAPEL DO PROFESSOR E DO AUXILIAR DE DESENVOLVIMENTO INFANTIL E DO ESTAGIÁRIO: Um diálogo necessário OLIVEIRA, Elisangela 1 SERAFIM, Lindineide 2 OLIVEIRA, Elizabete Gaspar de 3 RESUMO O presente estudo

Leia mais

O LUDICO NA MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA

O LUDICO NA MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA O LUDICO NA MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA Thaís Koseki Salgueiro 1 ; Ms. Ozilia Geraldini Burgo 2 RESUMO: Este projeto tem como objetivo apresentar o trabalho de campo desenvolvido

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural

Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural Camila Turati Pessoa (Universidade Federal de Uberlândia) camilatpessoa@gmail.com Ruben de Oliveira

Leia mais

Edenilson Fernando Catarina 1 ; Leisi Fernanda Moya 2

Edenilson Fernando Catarina 1 ; Leisi Fernanda Moya 2 A CAPACITAÇÃO DE PROFESSORES SOBRE A DANÇA, JOGOS E BRINCADEIRAS NO CONTEXTO ESCOLAR Experiência teórica e prática por meio de um projeto extensionista Edenilson Fernando Catarina 1 ; Leisi Fernanda Moya

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA NO ENSINO SUPERIOR: APRECIAÇÃO DA EXPERIÊNCIA PELOS SUJEITOS PARTICIPANTES 1

MODELAGEM MATEMÁTICA NO ENSINO SUPERIOR: APRECIAÇÃO DA EXPERIÊNCIA PELOS SUJEITOS PARTICIPANTES 1 MODELAGEM MATEMÁTICA NO ENSINO SUPERIOR: APRECIAÇÃO DA EXPERIÊNCIA PELOS SUJEITOS PARTICIPANTES 1 Marinez Cargnin-Stieler UNEMAT/NEED marinez@unemat.br Resumo: Este trabalho é uma análise parcial dos dados

Leia mais

FAEL comemora 15 anos de atividades

FAEL comemora 15 anos de atividades ANOS FAEL comemora 15 anos de atividades Hoje, comemoramos 15 anos de um projeto que visa à democratização do ensino e que tornou a FAEL uma referência em educação de qualidade. Com o objetivo de proporcionar

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PIBID NA FORMAÇÃO DE FUTUROS PROFESSORES Vitor José Petry Universidade Federal da Fronteira Sul - UFFS vitor.petry@uffs.edu.

A IMPORTÂNCIA DO PIBID NA FORMAÇÃO DE FUTUROS PROFESSORES Vitor José Petry Universidade Federal da Fronteira Sul - UFFS vitor.petry@uffs.edu. ISSN 2316-7785 A IMPORTÂNCIA DO PIBID NA FORMAÇÃO DE FUTUROS PROFESSORES Vitor José Petry Universidade Federal da Fronteira Sul - UFFS vitor.petry@uffs.edu.br Resumo O artigo é resultado da análise de

Leia mais

Área de Ciências Humanas

Área de Ciências Humanas Área de Ciências Humanas Ciências Sociais Unidade: Faculdade de Ciências Humanas e Filosofia (FCHF) www.fchf.ufg.br Em Ciências Sociais estudam-se as relações sociais entre indivíduos, grupos e instituições,

Leia mais

A GRADUAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA E A PROMOÇÃO DO LETRAMENTO

A GRADUAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA E A PROMOÇÃO DO LETRAMENTO A GRADUAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA E A PROMOÇÃO DO LETRAMENTO Helena Ferro Blasi (UFSC) helenablasi@ccs.ufsc.br Tatiane Moraes Garcez (UFSC) fono.tatiane@hotmail.com 1. INTRODUÇÃO Há cerca de 875 milhões de

Leia mais

AS PRÁTICAS DE DOCÊNCIA ORIENTADA NOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO: UM CAMINHO POSSÍVEL NA TRAJETÓRIA FORMATIVA DOS DOCENTES UNIVERSITÁRIOS

AS PRÁTICAS DE DOCÊNCIA ORIENTADA NOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO: UM CAMINHO POSSÍVEL NA TRAJETÓRIA FORMATIVA DOS DOCENTES UNIVERSITÁRIOS AS PRÁTICAS DE DOCÊNCIA ORIENTADA NOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO: UM CAMINHO POSSÍVEL NA TRAJETÓRIA FORMATIVA DOS DOCENTES UNIVERSITÁRIOS Resumo Manuelli Cerolini Neuenfeldt 1 Silvia Maria de

Leia mais

A MATEMÁTICA FINANCEIRA COMO AUXÍLIO À REFLEXÃO SOBRE A COMPRA DE BENS DE CONSUMO

A MATEMÁTICA FINANCEIRA COMO AUXÍLIO À REFLEXÃO SOBRE A COMPRA DE BENS DE CONSUMO A MATEMÁTICA FINANCEIRA COMO AUXÍLIO À REFLEXÃO SOBRE A COMPRA DE BENS DE CONSUMO GT 02 Educação Matemática no Ensino Médio e Ensino Superior Janete Jacinta Carrer Soppelsa UCS - jsopelsa@gmail.com Raquel

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

ANEXO E: EMENTÁRIO DO CURRÍCULO 13

ANEXO E: EMENTÁRIO DO CURRÍCULO 13 ANEXO E: EMENTÁRIO DO CURRÍCULO 13 I CICLO DE ESTUDOS INTERDISCIPLINARES (1º e 2º semestres): FUNDAMENTOS DA FORMAÇÃO DO PEDAGOGO EMENTÁRIO: O I Ciclo do Curso de Pedagogia do UniRitter desenvolve os fundamentos

Leia mais

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional)

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) Universidade Federal de Roraima UFRR Brasil Especialista em Alfabetização (Prática Reflexiva

Leia mais

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior.

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior. Cotas Pra Quê? 1 Sarah Rocha MARTINS 2 Luan Barbosa OLIVEIRA 3 Camilla Alves Ribeiro PAES LEME 4 Instituto de Ensino Superior de Rio Verde, Rio Verde, Goiás RESUMO Este documentário foi planejado e desenvolvido

Leia mais

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA Núbia Vieira TEIXEIRA; Solange Martins Oliveira MAGALHÃES Mestrado - Programa de Pós - Graduação em Educação - FE/UFG vitenubia@yahoo.com.br;solufg@hotmail.com

Leia mais

AS TRÊS DIMENSÕES DA INCLUSÃO

AS TRÊS DIMENSÕES DA INCLUSÃO r 02.qxp 5/6/2008 16:15 Page 1 293 SANTOS, MÔNICA PEREIRA; PAULINO, MARCOS MOREIRA (ORGS.). INCLUSÃO EM EDUCAÇÃO: CULTURAS, POLÍTICAS E PRÁTICAS. SÃO PAULO: CORTEZ, 2006. 168 P. JANETE NETTO BASSALOBRE*

Leia mais

Palavras-chave: Didática; Estágio; Formação; Teoria; Prática.

Palavras-chave: Didática; Estágio; Formação; Teoria; Prática. ESTÁGIO E DIDÁTICA: DESAFIOS E PERSPECTIVAS Maria do Socorro Sousa e Silva Universidade Estadual Vale do Acaraú UVA Resumo O presente artigo objetiva registrar e refletir sobre a disciplina de Estágio

Leia mais

ANÁLISE DE TRABALHOS PRODUZIDOS NOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO

ANÁLISE DE TRABALHOS PRODUZIDOS NOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO ANÁLISE DE TRABALHOS PRODUZIDOS NOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA REGIÃO SUDESTE, ÁREA 46 DA CAPES, SOBRE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE QUÍMICA. Osmair Benedito da Silva (Departamento de Química, Universidade

Leia mais

PROVA SIMULADA SOBRE A LEI DE DIRETRIZES E BÁSICAS DA EDUCAÇÃO NACIONAL LDBEN

PROVA SIMULADA SOBRE A LEI DE DIRETRIZES E BÁSICAS DA EDUCAÇÃO NACIONAL LDBEN PROVA SIMULADA SOBRE A LEI DE DIRETRIZES E BÁSICAS DA EDUCAÇÃO NACIONAL LDBEN 1. A Lei de Diretrizes e Bases, Lei nº. 9394/96, em seu artigo 3º enfatiza os princípios norteadores do ensino no Brasil. Analise-os:

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA INTRODUÇÃO O Estágio Curricular foi criado pela Lei 6.494, de 7 de dezembro de 1977 e regulamentado pelo Decreto 87.497, de 18 de agosto

Leia mais

ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação

ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação Janaina Guimarães 1 Paulo Sergio Machado 2 Resumo: Este trabalho tem por objetivo fazer uma reflexão acerca da espiritualidade do educador

Leia mais

A formação inicial e continuada de professores de crianças pequenas

A formação inicial e continuada de professores de crianças pequenas A formação inicial e continuada de professores de crianças pequenas Linha de Pesquisa: LINHA DE PESQUISA E DE INTERVENÇÃO METODOLOGIAS DA APRENDIZAGEM E PRÁTICAS DE ENSINO (LIMAPE) Área de Concentração:

Leia mais

OS CONHECIMENTOS DO PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA PARA A ESCOLA HOJE

OS CONHECIMENTOS DO PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA PARA A ESCOLA HOJE OS CONHECIMENTOS DO PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA PARA A ESCOLA HOJE KOGUT, Maria Cristina - PUCPR Cristina.k@pucpr.br SOUZA, Franciely Prudente de Oliveira - PUCPR franciely.oliveira@pucpr.br TREVISOL,

Leia mais

MODELAGEM NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: ABORDAGEM CRÍTICA DE TEMAS LIGADOS A SUSTENTABILIDADE

MODELAGEM NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: ABORDAGEM CRÍTICA DE TEMAS LIGADOS A SUSTENTABILIDADE 1 PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO Programa de Bolsa Institucional de Ensino e Aprendizagem Submodalidade Ensino Licenciatura em Matemática (Turno Noturno) MODELAGEM NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: ABORDAGEM CRÍTICA

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INVESTIGAÇÃO DA PRÁTICA DOCENTE I... 4 02 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 4 03 PROFISSIONALIDADE DOCENTE... 4 04 RESPONSABILIDADE

Leia mais

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID Victor Silva de ARAÚJO Universidade Estadual da Paraiba sr.victorsa@gmail.com INTRODUÇÃO A monitoria é uma modalidade

Leia mais

A METODOLOGIA DE APRENDIZAGEM POR PROJETOS E A PRÁTICA PEDAGÓGICA NO ENSINO SUPERIOR

A METODOLOGIA DE APRENDIZAGEM POR PROJETOS E A PRÁTICA PEDAGÓGICA NO ENSINO SUPERIOR A METODOLOGIA DE APRENDIZAGEM POR PROJETOS E A PRÁTICA PEDAGÓGICA NO ENSINO SUPERIOR Gisele Mugnol Santos (PUCPR) Jayme Ferreira Bueno (PUCPR) RESUMO Este pôster expõe os principais tópicos de uma pesquisa

Leia mais

A Recuperação Intensiva do Ensino Fundamental: a opinião de professores de Matemática sobre o erro do aluno

A Recuperação Intensiva do Ensino Fundamental: a opinião de professores de Matemática sobre o erro do aluno A Recuperação Intensiva do Ensino Fundamental: a opinião de professores de Matemática sobre o erro do aluno Ambrosio, Ana Cristina da Silva.¹ GD2: Educação Matemática nos anos finais do Ensino Fundamental

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR As transformações sociais no final do século passado e início desse século, ocorridas de forma vertiginosa no que diz respeito aos avanços tecnológicos

Leia mais

INTERDISCIPLINARIDADE NO CONTEXTO EDUCACIONAL

INTERDISCIPLINARIDADE NO CONTEXTO EDUCACIONAL INTERDISCIPLINARIDADE NO CONTEXTO EDUCACIONAL Jair Bevenute Gardas Isabel Corrêa da Mota Silva RESUMO A presente pesquisa objetiva um conhecimento amplo sobre a temática interdisciplinaridade, idealizando

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

I - FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA

I - FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA I - FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA O Colégio Ceom, fundamenta seu trabalho educacional na área da Educação Infantil, Ensino Fundamental I, Fundamental II e Ensino Médio, a partir das teorias de Jean Piaget e Emília

Leia mais

AVALIAÇÃO: Uma prática constante no processo de ensino e aprendizagem. Palavras-chave: Avaliação. Ensino e aprendizagem. Docente. Prática pedagógica

AVALIAÇÃO: Uma prática constante no processo de ensino e aprendizagem. Palavras-chave: Avaliação. Ensino e aprendizagem. Docente. Prática pedagógica AVALIAÇÃO: Uma prática constante no processo de ensino e aprendizagem Resumo Maria Rita Leal da Silveira Barbosa * Angélica Pinho Rocha Martins ** É sabido que a prática de avaliação é uma intervenção

Leia mais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA Seção I Das Disposições Gerais Art. 22. A educação básica tem por finalidades desenvolver o educando, assegurar-lhe

Leia mais

TCC2036. fevereiro de 2006. Pricila Kohls dos Santos. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul PUCRS. pricilas.ead@pucrs.

TCC2036. fevereiro de 2006. Pricila Kohls dos Santos. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul PUCRS. pricilas.ead@pucrs. 1 O PEDAGOGO EM MULTIMEIOS E INFORMÁTICA EDUCATIVA E SUA CONTRIBUIÇÃO PARA A EFICÁCIA DA UTILIZAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA EDUCAÇÃO TCC2036 fevereiro de 2006 Pricila Kohls dos Santos

Leia mais

PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA: Perspectivas da formação de professores no viés da Gestão de Conhecimento

PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA: Perspectivas da formação de professores no viés da Gestão de Conhecimento PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA: Perspectivas da formação de professores no viés da Gestão de Conhecimento Leonardo Rocha de Almeida Mestrando Profissional em Gestão Educacional Universidade

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PEDAGOGIA Disciplina: Comunicação e Expressão Ementa: A leitura como vínculo leitor/texto através do conhecimento veiculado pelo texto escrito. Interpretação:

Leia mais

TÍTULO: O ENSINO DA ARTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL: FONTE DE PRAZER E APRENDIZAGEM

TÍTULO: O ENSINO DA ARTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL: FONTE DE PRAZER E APRENDIZAGEM TÍTULO: O ENSINO DA ARTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL: FONTE DE PRAZER E APRENDIZAGEM CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO ANHANGUERA DE

Leia mais

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA, Daniela C. F. Barbieri Programa de Pós-Graduação em Educação Núcleo: Formação de professores UNIMEP

Leia mais

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID BARROS, Raquel Pirangi. SANTOS, Ana Maria Felipe. SOUZA, Edilene Marinho de. MATA, Luana da Mata.. VALE, Elisabete Carlos do.

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE PEDAGOGIA, Licenciatura REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente documento

Leia mais

INSTITUTO SINGULARIDADES CURSO PEDAGOGIA MATRIZ CURRICULAR POR ANO E SEMESTRE DE CURSO

INSTITUTO SINGULARIDADES CURSO PEDAGOGIA MATRIZ CURRICULAR POR ANO E SEMESTRE DE CURSO INSTITUTO SINGULARIDADES CURSO PEDAGOGIA MATRIZ CURRICULAR POR ANO E SEMESTRE DE CURSO 1º N1 1. Espaços e Práticas Culturais 40h N1 2. Oficina de Artes Visuais 80h N1 3. Prática de Leitura e escrita 80h

Leia mais

Títulos de Palestras, Oficinas ou Projetos Pedagógicos. Títulos de palestras para a formação continuada de professores:

Títulos de Palestras, Oficinas ou Projetos Pedagógicos. Títulos de palestras para a formação continuada de professores: Títulos de Palestras, Oficinas ou Projetos Pedagógicos Títulos de palestras para a formação continuada de professores: - O professor e a filosofia A valorização do papel do professor está intimamente ligada

Leia mais

RE SIGNIFICANDO A AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

RE SIGNIFICANDO A AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL RE SIGNIFICANDO A AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Maria Celina Melchior Dados da autora Mestre em Educação, Avaliadora Institucional do INEP/SINAES/MEC, atuou como avaliadora in loco do Prêmio Inovação em Gestão

Leia mais

A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo

A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL Maria Elany Nogueira da Silva Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo Este presente artigo pretende refletir idéias sobre o brincar na Educação Infantil,

Leia mais

Palavras-chave: Matemática; Olimpíadas; PIBID. INTRODUÇÃO

Palavras-chave: Matemática; Olimpíadas; PIBID. INTRODUÇÃO OLIMPÍADAS DE MATEMÁTICA: AÇÕES ENTRE PIBID E EMEB JARDIM PARAÍSO Gessica Lisbôa 1 (gssclisboa@hotmail.com) Michelly Trivilin de Morais 2 (michellytrivilin@hotmail.com) Rafael Camilo Custódio Arias 3 (fael_camilo@hotmail.com)

Leia mais

********** É uma instituição destinada ao atendimento de crianças de 0 a 3 anos e faz parte da Educação Infantil. Integra as funções de cuidar e

********** É uma instituição destinada ao atendimento de crianças de 0 a 3 anos e faz parte da Educação Infantil. Integra as funções de cuidar e 1 CONCEPÇÃO DE CRECHE (0 A 3 ANOS): A Constituição Federal de 1988 assegura o reconhecimento do direito da criança a creche, garantindo a permanente atuação no campo educacional, deixando de ser meramente

Leia mais

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO: APRENDIZAGEM POR PROJETOS INTERDISCIPLINARES

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO: APRENDIZAGEM POR PROJETOS INTERDISCIPLINARES 1 TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO: APRENDIZAGEM POR PROJETOS INTERDISCIPLINARES Eliana Rela 1 Karla Marques da Rocha 2 Marceli Behm Goulart 3 Marie Jane Soares Carvalho 4 RESUMO: É inadiável tentar

Leia mais

2 Segundo Jean Piaget as características observáveis mais importantes do estágio pré-operacional são:

2 Segundo Jean Piaget as características observáveis mais importantes do estágio pré-operacional são: PROVA DE CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS 1 Segundo Piaget toda criança passa por estágios do desenvolvimento. Assinale a alternativa que indica a qual estágio corresponde a idade em que o pensamento da criança

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS JOGOS NO DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL DA CRIANÇA RESUMO

A IMPORTÂNCIA DOS JOGOS NO DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL DA CRIANÇA RESUMO A IMPORTÂNCIA DOS JOGOS NO DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL DA CRIANÇA *Sandra Rejane Silva Vargas **Luiz Fernandes Pavelacki RESUMO O presente trabalho tem como principal objetivo identificar qual a importância

Leia mais

XI Encontro de Iniciação à Docência

XI Encontro de Iniciação à Docência 4CCSDEFPLIC02 SITUAÇÕES PROBLEMAS RELATADAS NA APLICAÇÃO DA PERSPECTIVA CRÍTICO- SUPERADORA NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR Diôgo Severo de Sousa (1),Jeimison de Araújo Macieira (1), Thercles de Araújo

Leia mais

LUDICIDADE: UMA POSSIBILIDADE METODOLÓGICA PARA PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO INFANTIL E SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA

LUDICIDADE: UMA POSSIBILIDADE METODOLÓGICA PARA PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO INFANTIL E SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LUDICIDADE: UMA POSSIBILIDADE METODOLÓGICA PARA PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO INFANTIL E SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA RESUMO Edena Carla Dorne Cavalli UNIOESTE CAPES ed-cavalli@uol.com.br

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Jaqueline Oliveira Silva Ribeiro SESI-SP josr2@bol.com.br Dimas Cássio Simão SESI-SP

Leia mais

ANALISE DA METODOLOGIA DESENVOLVIDA NADISCIPLINA INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DE PRODUÇÃO CIVIL DA UNEB

ANALISE DA METODOLOGIA DESENVOLVIDA NADISCIPLINA INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DE PRODUÇÃO CIVIL DA UNEB ANALISE DA METODOLOGIA DESENVOLVIDA NADISCIPLINA INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DE PRODUÇÃO CIVIL DA UNEB Resumo Telma Dias Silva dos Anjos 1 - UNEB Tânia Regina Dias Silva Pereira 2 - UNEB Inaiá Brandão Pereira

Leia mais

CURSO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E PESQUISA NO ENSINO MÉDIO: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

CURSO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E PESQUISA NO ENSINO MÉDIO: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA CURSO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E PESQUISA NO ENSINO MÉDIO: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA FAUSTINO, Aline de Lima¹ UEPB. NASCIMENTO, Nilton Ronni Cândido do² UEPB. SILVEIRA, Alessandro Frederico da³ UEPB. Resumo

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO E SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO FUNDAMENTAL, PROPORCIONANDO A LEITURA E ESCRITA.

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO E SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO FUNDAMENTAL, PROPORCIONANDO A LEITURA E ESCRITA. 1 ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO E SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO FUNDAMENTAL, PROPORCIONANDO A LEITURA E ESCRITA. Grupo de trabalho GT (01) Alfabetização e Letramento Escolar Rita de Cássia da Conceição Maria

Leia mais

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos.

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos. Etapa de Ensino Faixa Etária Prevista Duração Educação Infantil 3 a 5 anos Ensino Fundamental: Anos Iniciais 6 a 10 anos 5 anos Ensino Fundamental: Anos Finais 11 a 14 anos 4 anos EDUCAÇÃO INFANTIL EDUCAÇÃO

Leia mais

AUTORES: CASTRO, M. S.; SANTANA N. F. O.; BILMAIA R. A.

AUTORES: CASTRO, M. S.; SANTANA N. F. O.; BILMAIA R. A. TÍTULO: AS DIFICULDADES E AS COMPLEXIDADES ENCONTRADAS NA ALFABETIZAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DENTRO DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO E O RELACIONAMENTO COM O DESENVOLVIMENTO INFANTIL RESUMO AUTORES: CASTRO, M.

Leia mais

A Proposta Filosofia para Crianças e o Projeto ABC na Educação Científica A Mão na Massa : Primeiras observações

A Proposta Filosofia para Crianças e o Projeto ABC na Educação Científica A Mão na Massa : Primeiras observações A Proposta Filosofia para Crianças e o Projeto ABC na Educação Científica A Mão na Massa : Primeiras observações Valéria Camilo Corrêa (Professora da Prefeitura Municipal de São Carlos) Orientadora: Profa.

Leia mais

PROJETO COMUNITÁRIO NA FISIOTERAPIA DA PUCPR E PRÁTICA PEDAGÓGICA: NOVAS POSSIBILIDADES NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL

PROJETO COMUNITÁRIO NA FISIOTERAPIA DA PUCPR E PRÁTICA PEDAGÓGICA: NOVAS POSSIBILIDADES NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL PROJETO COMUNITÁRIO NA FISIOTERAPIA DA PUCPR E PRÁTICA PEDAGÓGICA: NOVAS POSSIBILIDADES NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL Ana Paula Loureiro Cunha, PUCPR Eliani de Souza Arruda, PUCPR Marilda Aparecida Behrens,

Leia mais

ENSINO DE FILOSOFIA: SUA HISTÓRIA E A INTESDISCIPLINARIDADE EM AULAS DE 45 MINUTOS SEMANAIS

ENSINO DE FILOSOFIA: SUA HISTÓRIA E A INTESDISCIPLINARIDADE EM AULAS DE 45 MINUTOS SEMANAIS ENSINO DE FILOSOFIA: SUA HISTÓRIA E A INTESDISCIPLINARIDADE EM AULAS DE 45 MINUTOS SEMANAIS Frederico Silva Lopes AGUIAR; Carmelita Brito de Freitas FELÍCIO Faculdade de Filosofia (FaFil) - Universidade

Leia mais

Articulando saberes e transformando a prática

Articulando saberes e transformando a prática Articulando saberes e transformando a prática Maria Elisabette Brisola Brito Prado Na sociedade do conhecimento e da tecnologia torna-se necessário repensar o papel da escola, mais especificamente as questões

Leia mais

No entanto, a compreensão e a implicação de ser docente envolve reflexões que necessitam cada vez mais de sentido e significado para que se possa

No entanto, a compreensão e a implicação de ser docente envolve reflexões que necessitam cada vez mais de sentido e significado para que se possa CONCEPÇÕES DE FORMAÇÃO/DOCÊNCIA DOS PROFESSORES DO CURSO DE FISIOTERAPIA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO FRANCISCANO *Hedioneia Maria Foletto Pivetta **Silvia Maria de Aguiar Isaia A educação superior vem passando

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 JOGOS COMPUTACIONAIS E A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: CONTRIBUIÇÕES DAS PESQUISAS E DAS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS Regina Célia Grando Universidade São Francisco regina.grando@saofrancisco.edu.br Resumo: No presente

Leia mais

Seminário do 16º COLE vinculado: 10

Seminário do 16º COLE vinculado: 10 Kelly Cristina Ducatti da Silva. Doutoranda UNICAMP/Campinas-SP, Professora do Ensino Fundamental (Prefeitura Municipal de Bauru) e Docente UNESP/BAURU kellyducatti@hotmail.com RELATO DE EXPERIÊNCIA: UM

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano

Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano SANTANA, Ludmylla Siqueira 1 RIBEIRO, José Pedro Machado 2 SOUZA, Roberto Barcelos 2

Leia mais

DINÂMICA DE FUNCIONAMENTO: Horário matutino: de 5º ao 9 º ano do Ensino Fundamental.

DINÂMICA DE FUNCIONAMENTO: Horário matutino: de 5º ao 9 º ano do Ensino Fundamental. NÍVEIS E MODALIDADES DE ENSINO: EDUCAÇÃO INFANTIL: Maternal III: 3-4 anos 1º Período: 4-5 anos 2º Período: 5-6 anos ENSINO FUNDAMENTAL: Novatos: 1º ano matrícula com 6 anos completos (até 31 de março)

Leia mais

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 721 CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE Elaine Fernanda Dornelas de Souza Serviço Nacional de

Leia mais

Nós, alunos do 2º A, queremos tratar as pessoas com respeito e amor, estudar com muita dedicação e sempre pensar antes de tomar decisões.

Nós, alunos do 2º A, queremos tratar as pessoas com respeito e amor, estudar com muita dedicação e sempre pensar antes de tomar decisões. Como tratar as pessoas: de uma maneira boa, ajudar todas as pessoas. Como não fazer com os outros: não cuspir, empurrar, chutar, brigar, não xingar, não colocar apelidos, não beliscar, não mentir, não

Leia mais

UM PROJETO BASEADO NO USO DE TECNOLOGIAS CONTEMPLANDO AS ÁREAS DA ESCRITA, LEITURA E RACIOCÍNIO LÓGICO-MATEMÁTICO

UM PROJETO BASEADO NO USO DE TECNOLOGIAS CONTEMPLANDO AS ÁREAS DA ESCRITA, LEITURA E RACIOCÍNIO LÓGICO-MATEMÁTICO UM PROJETO BASEADO NO USO DE TECNOLOGIAS CONTEMPLANDO AS ÁREAS DA ESCRITA, LEITURA E RACIOCÍNIO LÓGICO-MATEMÁTICO Naiara Sousa Vilela Geovana Ferreira Melo Marly Nunes de Castro Kato Marlei José de Souza

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA MISSÃO DO CURSO O Curso de Licenciatura em Educação Física do Centro Universitário Estácio Radial de São Paulo busca preencher

Leia mais

CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS E AS PRÁTICAS DE LETRAMENTO NO ENSINO FUNDAMENTAL: REFLEXÕES SOBRE O ESTÁGIO SUPERVISIONADO DESENVOLVIDO NA PUCGOIÁS/GOIÂNIA

CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS E AS PRÁTICAS DE LETRAMENTO NO ENSINO FUNDAMENTAL: REFLEXÕES SOBRE O ESTÁGIO SUPERVISIONADO DESENVOLVIDO NA PUCGOIÁS/GOIÂNIA GT 13 - DIÁLOGOS ABERTOS SOBRE A EDUCAÇÃO BÁSICA CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS E AS PRÁTICAS DE LETRAMENTO NO ENSINO FUNDAMENTAL: REFLEXÕES SOBRE O ESTÁGIO SUPERVISIONADO DESENVOLVIDO NA PUCGOIÁS/GOIÂNIA Daniella

Leia mais

A Cobronça, a Princesa e a Surpresa

A Cobronça, a Princesa e a Surpresa elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO A Cobronça, a Princesa e a Surpresa escrito por & ilustrado por Celso Linck Fê Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais)

Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais) UFPR SETOR DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA EMENTAS DAS DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais) 1º ANO

Leia mais