Filosofia na Escola: o pensar reflexivo e crítico para mudança de comportamento

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Filosofia na Escola: o pensar reflexivo e crítico para mudança de comportamento"

Transcrição

1 Filosofia na Escola: o pensar reflexivo e crítico para mudança de comportamento Priscila Fraga Bastos i Sônia Aparecida Belletti Cruz ii Resumo Este artigo é fruto de pesquisa de iniciação científica, financiada pela UNIP e realizada por meio de observação e entrevista semi-estruturada com um professor de filosofia para crianças em uma escola de Araraquara-SP. Seu objetivo foi conhecer a linha teórica e metodológica adotada e saber se as crianças apresentam mudança de comportamento no decorrer dos estudos. Os resultados mostraram que, apoiadas nas ideias de Lipman e de Ramos de Oliveira, com histórias de personagens e enredos próximos ao padrão cultural brasileiro, elas melhoraram a relação com os colegas à medida que avançavam nas reflexões e na percepção de si e de sua realidade. Tornaram-se mais participativas e interessadas e prestaram mais atenção nos acontecimentos do país e do mundo e, muitas delas, voltaram-se à leitura de livros, jornais e revistas científicas. O professor interveio de forma afetiva nas mediações, buscando atender às diferenças de ser e de agir dos alunos. Palavras-chave: filosofia, filosofia para crianças, pensamento crítico, pensamento reflexivo, diversidade cultural. Abstract This article derives from a scientific initiation research, funded by UNIP, performed through observation and semi-structured interview with a professor of philosophy for children in an Araraquara s (SP) school. The goal of this article was to identify the theoretical and methodological framework adopted by the professor and whether the children have behavioral

2 change during the studies. The results showed that, based on the ideas of Lipman and Ramos de Oliveira, including stories of characters and plots close to the cultural norms, they have improved the relationship with colleagues as they advanced in thinking and in the perception of themselves and their reality. They became more participative and interested. Additionally, they paid more attention to the events in their country and in the world. Consequently, many of them started reading books, newspapers and journals. The teacher intervened affectively in mediations, attending the differences of being and acting as students. Keywords: philosophy, philosophy for children, critical thinking, reflective thinking, cultural diversity. Introdução Muitas vezes, surgem-nos perguntas que não sabemos responder; presenciamos fatos aos quais não sabemos o que pensar a seu respeito; defrontamo-nos com situações que não sabemos como nos comportar... Somente pela filosofia podemos alcançar atitudes que se distinguem de outras formas de pensamento; até a tomada de decisão para problemas mais corriqueiros pode ser transformada em tema de profunda reflexão, buscando e revelando significados que trazem clareza às ações. O termo Filosofia vem do grego philos (que ama) e sophia (sabedoria) e refere-se ao amor à sabedoria. Segundo Aranha (2003), filosofia é o pensar reflexivo do homem sobre seu cotidiano para compreender seus atos e seus pensamentos. Não se trata de qualquer reflexão, mas o refletir sobre o próprio pensar; pensar o já pensado, voltar para si mesmo e colocar em questão o que já se conhece (2003, p. 74). Por meio da reflexão o homem tem outra dimensão, além da oferecida pelo agir imediato e lhe é possibilitada a superação da situação dada e não escolhida. Dentro desta concepção, podemos interpretar a filosofia como atitude, pensar permanente e crítico que busca superar obstáculos na direção de uma resposta clara e segura, na tentativa de responder questões fundamentais da realidade e compreender o que há de vago

3 e confuso em nossas ideias habituais. Portanto, pode ser entendida como uma busca da verdade e não a própria verdade, como muitas vezes, pode parecer. A este respeito, Russell (1959) enfatiza: Na vida cotidiana admitimos como certas muitas coisas que, depois de um exame mais minucioso, nos parecem tão cheias de contradições que só um grande esforço de pensamento nos permite saber em que realmente acreditar. Na busca da certeza é natural começar pelas nossas experiências presentes e, num certo sentido, não há dúvida de que o conhecimento deriva delas. É possível, no entanto, que qualquer afirmação acerca do que nossas experiências imediatas nos permitem conhecer esteja errada. (p.7) É o que acontece, muitas vezes, quando nos deparamos em uma situação para resolver um determinado problema, mas não conseguimos chegar à solução dele; isso acontece porque não refletimos, não pesquisamos mais sobre o assunto, não nos questionamos se o que estamos fazendo é certo. Neste caso, a filosofia nos traz grande ajuda para refletir a respeito da realidade e questionar nossas ações, bem como para respeitar pontos de vistas diferentes. É o ato consciente e crítico, o filosofar espontâneo do homem comum (ARANHA, 2003, p. 73). Filosofia para Crianças A filosofia é pouco acolhida no universo acadêmico e, no processo de formação dos professores, embora seja matéria obrigatória, o único espaço de contato que usufrui com os futuros docentes consta de bibliografias de caráter enciclopédico, cujo repertório aparece apenas com a história das ideias filosóficas sobre a educação ou com correntes do pensamento filosófico sobre a educação. Mesmo assim, no exercício do magistério, há docentes que se interessam no aprofundamento de seus conhecimentos para ensinar aos seus alunos as habilidades necessárias para o domínio do pensamento filosófico. Apesar dos obstáculos os mais diversos, a filosofia pode ser uma opção para as crianças no ambiente escolar e, se bem aplicada, torna-se um instrumento motivador à vivência infantil, desde a mais tenra idade. Ela atrai a atenção e participação para temas significativos da vida, oferecendo habilidades de raciocínio, dentro do espírito aberto e crítico. Para Lipman (1990), a filosofia é uma ciência de investigação, que por meio do diálogo entre alunos/alunos/professor é possível construir ideias, pensar independente,

4 trazendo para suas vidas nova percepção de descoberta, de invenção, de interpretação e de crítica. Segundo o autor: A filosofia oferece às crianças a oportunidade de discutir conceitos, tais como o de verdade, que existem em outras disciplinas, mas que não são abertamente examinados por nenhuma delas. (p.13). Portanto, a ideia de unir educação e filosofia para a aprendizagem escolar, voltadas para o desenvolvimento de valores e da ética traz interessantes resultados para o exercício da cidadania. Na visão de Lipman (1990), há duas posições em relação aos valores que devem ser ensinados na escola: educação para a mudança, enfatizando as habilidades e de estabilidade, garantindo a continuidade do grupo social por meio do conteúdo. O importante numa sociedade/democracia é que a diversidade de fins, característica de uma sociedade pluralista pode repousar numa uniformidade de meios, e é este consenso em relação a procedimentos que pode formar um contexto satisfatório para a educação de valores (p.66) E tornando a escola um ambiente cooperativo e comunitário, as crianças poderão alcançar todas as habilidades de autocrítica e de autocorreção, habilidades estas necessárias para o cidadão assumir as responsabilidades que a cidadania lhe traz. Para o autor, os jovens devem ser preparados para o respeito aos princípios dos valores e da ética e, já no Ensino Fundamental, são capazes de compreender as teorias de Aristóteles, Kant e Mill. Porém, a escola dentro da sua função para o desenvolvimento do caráter tem se mostrado contraproducente, pois se apresenta como modelo para os alunos, onde as crianças internalizam as formas de comportamento dos adultos. O ideal seria transformar a sala de aula num ambiente onde as crianças pudessem participar, cooperar e investigar de forma reflexiva e racional, preparando-as para raciocinar juntamente com o adulto que não precisasse apelar para a arbitrariedade e violência. E, para que a preparação do jovem cidadão se concretize é necessária a presença de um professor comprometido com a investigação, um professor que o incentive a pensar por si só, um professor que o ajude a descobrir sua filosofia de vida, sem, contudo, esquecer-se que suas atitudes têm grande valor para o aluno. A esse respeito, Lipman (1994) salienta: Todos os professores revelam os seus valores através do que dizem e do que fazem, seja pela inflexão de voz, gestos ou expressões faciais, o modo de conduzir a aula ou de fazer uma prova. (p. 122) Portanto, a sala de aula é ambiente favorável para o desenvolvimento da filosofia para o bem pensar, onde cada aluno necessita desenvolver o seu ponto de vista, seu estilo de pensamento, sua perspectiva de vida.

5 Baseados na importância que a filosofia tem para a formação da cidadania, surgiramnos alguns questionamentos a respeito da efetivação de sua prática na sala de aula: as instituições escolares consideram necessária a formação da criança para o exercício da reflexão? Em quais escolas da cidade de Araraquara-SP é oferecida a disciplina Filosofia para os alunos das séries iniciais do Ensino Fundamental? Quais critérios são utilizados para sua aplicação? Sua implantação trouxe mudança de comportamento e de aproveitamento escolar dos alunos? Essas questões foram fruto de nosso desejo de saber se as crianças que têm o ensino de Filosofia na escola encontram-se mais instrumentalizadas para a convivência social e escolar, já que a educação para o filosofar tem por objetivo desenvolver habilidades que tendem a tornar os seres humanos melhores, aperfeiçoando seu modo de ser, de agir e de pensar, segundo modos de vida mais democráticos e éticos. Na visão de Cunha (2008), O filosofar é, em suma, uma atividade de produção e de reflexão crítica de conhecimentos úteis para a vida [...] O filosofar que pretendemos está vinculado à história presente, ao cotidiano, à vida pulsante, aos interesses e motivações dos desafios atuais, em especial, aqueles vividos pelas crianças. (p. 13) Assim sendo, é na escola que, além da experiência motora ou emocional, acontece o convite à experiência reflexiva, na qual a imaginação impulsiona a criatividade e o autoaprimoramento traz melhoria da vida humana em geral. Este trabalho descritivo, de caráter qualitativo, embasado nos moldes de Selltiz (1965), Lüdke e André (1986), Triviños (1992), Minayo (2000) e Barnes (1995), teve como objetivo saber quais escolas de ensino fundamental da cidade de Araraquara-SP oferecem às crianças das séries iniciais a disciplina de Filosofia, conhecer a metodologia de ensino utilizada e quais as mudanças observadas no comportamento e no aproveitamento escolar de seus alunos. Contextualizando o ambiente e os sujeitos envolvidos nas aulas de filosofia para crianças Os dados aqui apresentados foram coletados no segundo semestre de 2009 em pesquisa de iniciação cientifica, financiada pela UNIP, realizada por meio de observação e de entrevista semi-estruturada com um professor de Filosofia de uma escola de Araraquara (a única da cidade, segundo informação da Diretoria de Ensino da região de Araraquara-SP) que oferece em seu currículo a disciplina de Filosofia nas séries iniciais do Ensino Fundamental.

6 A escola: Instituição cooperativa educacional, localizada em bairro periférico da cidade, oferece ensino nos níveis da educação infantil, do ensino fundamental e do ensino médio. De acordo com o Plano de Gestão, a escola atendeu no ano de 2009, cerca de 600 alunos, com o trabalho de 76 professores, conforme demonstra o quadro abaixo: Etapa nº de alunos nº de professores Educação Infantil Ensino Fundamental Ciclo I Ensino Fundamental Ciclo II Ensino Médio Em relação ao pessoal de suporte pedagógico, a escola conta com a presença de diretor, orientador educacional e de coordenador em todos os níveis de ensino. Ao entrarmos na escola, a primeira impressão que tivemos foi que é um lugar agradável, tanto na sua ampla estrutura física, que se apresenta limpa e organizada, quanto no aspecto social, mostrando existir muita cordialidade entre as pessoas que ali trabalham. Espalhados pelos corredores encontram-se expostos trabalhos elaborados pelos alunos e cartazes de campanhas educativas. Os alunos aparentam sentirem-se felizes na escola e transitam tranqüilos pelos corredores e demais ambientes da escola. Para as aulas de Filosofia, a escola disponibiliza espaço com duas lousas, um armário onde são guardados os materiais utilizados nas aulas, duas estantes com jogos educativos e carteiras organizadas em círculo para a visão recíproca dos participantes. O professor: A respeito da formação do professor, observamos os seguintes dados: graduação em Ciências Sociais pela UNESP de Araraquara, concluída em 1991; mestrado em Sociologia, também pela UNESP de Araraquara, concluído em 2002; especialização no curso de Filosofia para Criança, com habilitação para as séries iniciais do Ensino Fundamental, pelo Centro Brasileiro de Filosofia para Crianças. Durante os estudos, obteve bolsa de pesquisa do CNPq, por um período de 3 anos na graduação, e da FAPESP, por 2 anos na pós-graduação.

7 Quanto ao tempo de trabalho docente, o professor leciona desde 1994, trabalhando em escolas públicas, em cursinhos pré-vestibulares e em escolas privadas. Na atual escola privada trabalha há oito anos. Leciona, também, em duas instituições de ensino superior. Em relação às áreas de atuação, disse ter ministrado aulas de Sociologia, Ciências Políticas e Antropologia, História, Filosofia e Geografia. Começou a trabalhar como professor de Geografia do Ensino Fundamental, na escola pública. Deu aulas de História, Filosofia e Sociologia no Ensino Médio. Há oito anos é professor de Filosofia para crianças nas séries iniciais do Ensino Fundamenta e nos 8 e 9 anos, de História, nos 6 e 7 anos e de Filosofia e Sociologia, no Ensino Médio. Nas faculdades, ministra várias disciplinas na área das Ciências Humanas. No que se refere à filosofia para crianças, o professor disse ter iniciado esse trabalho na atual escola há oito anos.... comecei o primeiro semestre e ainda não tinha o curso. E nesse tempo, li o material e me inteirei. Nas férias de julho me especializei e continuo dando aula até hoje. Segundo ele, foi durante o curso de mestrado que se interessou pela filosofia para crianças, fundamentado na linha teórica de Matthew Lipman, com adaptação de métodos e recursos organizada pelo Grupo de Estudos e Pesquisas Filosofia para Crianças (GEPFC), liderado pela Profa Dra Paula Ramos de Oliveira da Faculdade de Ciências e Letras da UNESP de Araraquara. O ambiente filosófico e a metodologia de ensino-aprendizagem: Antes mesmo de soar o sinal da escola, os alunos aguardam na porta da sala de aula a chegada do professor. Acompanhados por ele, entram no ambiente de filosofia demonstrando entusiasmo e satisfação. Sentam-se nas carteiras que desejam, exceto quando o professor solicita a algum deles que se sente ao seu lado, e logo se comunicam entre si e com o professor; tiram dúvidas, perguntam, fazem comentários sobre fatos ocorridos, lançam opiniões. Segundo o professor, essas atitudes de curiosidade e de discussão sobre fatos da realidade são parte dos propósitos do ensino de filosofia, no que se refere às habilidades cognitivas, ao raciocínio lógico, à capacidade de criatividade. Seu objetivo principal é desenvolver nas crianças as habilidades de pensamento.... a Filosofia para criança está muito menos preocupada com o conteúdo filosófico, propriamente dito, e mais com o desenvolvimento do raciocínio e

8 habilidades de raciocínio, como por exemplo: aprender a pensar com lógica, fundamentar seu pensamento, respeitar as opiniões diferentes dos outros colegas e assim por diante. Em relação à linha metodológica adotada, segundo o professor, durante 7 anos a escola trabalhou filosofia com a metodologia de Lipman e seu material. E a partir de 2009, foram feitas algumas mudanças, incluindo o material de Ramos de Oliveira.... O material é inovador, porque está adequado à realidade brasileira. Tanto é que foi elaborado por alunos daqui da UNESP de Araraquara... Por exemplo: não tem um plano de discussão fechado, as crianças encaminham a discussão de forma mais aberta. Fora que antes as crianças ficavam um pouco enjoadas. Quando utilizava Issao e Guga, havia dividido o material em dois anos. Eram várias novelinhas, mas sempre com os mesmos personagens e isso chegava ao final do segundo ano e elas estavam enjoadas. Já este material tem várias histórias com personagens diferentes, sendo mais empolgante para as crianças. Segundo o professor, o referencial teórico chamado Um mundo de histórias, foi elaborado junto com seu Grupo de Estudos e Pesquisas Filosofia para Crianças, no qual são abordados temas sobre a natureza, a física quântica e a origem do universo e do ser humano. A relação professor/aluno/aluno: Segundo o professor, a ação docente deve mediar o conhecimento e o sujeito da aprendizagem. No papel de mediador ele conduz a discussão reflexiva de forma a proporcionar aos alunos instrumentos que norteiem as idéias e sua seqüência, atingindo autonomia para o bem pensar, para a compreensão e para a tomada de decisão.... Se a discussão tomou um caminho e as crianças estão motivadas no assunto, eu as deixo prosseguir, fazendo colocações eventuais isso que você está dizendo tem coerência ou é contraditório? enfim, faço mediações. No que se refere à relação professor/aluno, o vinculo afetivo deve prevalecer, na opinião do professor. E na relação dos alunos entre si, ele considera importante primar pelo respeito às diferenças. Às vezes me perguntam: como você consegue prender a atenção dos alunos e ganhar tanto respeito deles? Afetividade. Estabeleço vínculo afetivo com eles. Agora, aluno/aluno, a questão se refere ao respeito às diferenças. Diferenças biológicas, uns são magrinhos outros são gordinhos; às diferenças psicológicas, uns são introvertidos outros extrovertidos; social, uns são mais ricos, outros não; cultural, quando a discussão pende para a questão religiosa. Têm muitos alunos que são espíritas e outros que são católicos, e eles precisam respeitar a diferença religiosa.

9 A intervenção afetiva enfatizada pelo professor na entrevista pôde ser observada no desenvolvimento das aulas. Os alunos demonstram amizade, respeito e admiração por ele. Pudemos observar ações de um profissional ético, comprometido com a aprendizagem dos alunos, que domina os conteúdos que serão estudados e que se mostra atencioso, o que lhe garante confiança dos alunos. Suas aulas são dinâmicas, com explicações claras, apresentadas com calma e pausadamente. Mas quando se trata de indisciplina ou de desrespeito dos alunos, tal comportamento é questionado, refletido e, coletivamente, são buscadas formas mais adequadas de comportamento. Os alunos e as mudanças comportamentais: De acordo com o professor, os alunos demonstram satisfação em participar das aulas de filosofia. Eles fazem indagações, querem conversar sobre suas curiosidades.... coisa que muitas pessoas vão perdendo ao longo do tempo. Por que a gente perde essa curiosidade, essa vontade de conhecer? A Escola de Frankfurt fala que, a própria sociedade tolhe o pensamento criativo e prima somente pelo pensamento instrumental: português, matemática, o mundo do trabalho etc. As artes e a filosofia acabam ficando de lado. É um referencial que gosto bastante. No decorrer das aulas, os alunos são instigados a participar das discussões. Por meio de questionamentos do professor, as opiniões vão surgindo, fazendo com que as aulas sejam interessantes. Todos querem falar, colocar seu ponto de vista e suas hipóteses, demonstrando entusiasmo, curiosidade e criatividade em relação ao que está sendo abordado. Segundo o professor, a maior parte dos alunos percebe a importância de suas ações e atitudes diante da sociedade e da natureza, procurando fazer o melhor e refletindo sobre as consequências de ações e de atitudes equivocadas. Para o professor, os alunos demonstram vontade de discutir questões que fazem parte da sua realidade, de entender um fato a seu modo, de refletir, de fazer relações de como, quando e por que as coisas acontecem. Eles gostam de ler e de se informar sobre os acontecimentos no país e no mundo por meio de leitura de jornais, de obras literárias, como Harry Poter e O mundo de Sofia e, até mesmo, de revistas científicas. Quando lhe foi perguntado se percebe mudança no comportamento dos alunos após iniciarem as aulas de filosofia, o professor respondeu afirmativamente. Para ele, a metodologia de filosofia para crianças traz momentos de percepção do pensamento e da forma de se pensar. Percebo sim. Os alunos que não tiveram filosofia desde a primeira série, carregaram alguns problemas para as aulas de filosofia, no que diz respeito a

10 saber ouvir, falar, respeitar opiniões, o que acaba refletindo no comportamento. É isso que faz com que os alunos amadureçam em seu pensamento. Na opinião do professor, os alunos passam a pensar mais racionalmente e a demonstrar atitudes com mais autonomia intelectual. Acatam regras com mais serenidade e se comportam melhor ao participar das discussões, o que exige que prestem atenção no que o colega está falando, que respeitem a opinião do outro, que esperem a vez para falar. Com o tempo, vão se soltando, ganham confiança ao perceberem que já conseguem pensar melhor, se colocar, testar seu pensamento. O professor disse perceber diferença no comportamento das crianças que participam das aulas desde o terceiro ano do Ciclo I em relação àquelas que não tiveram essa oportunidade, como as que chegam transferidas, que demonstram mais dificuldade para se relacionar. Mas, à medida que vão avançando nos estudos, mostram-se capazes de melhorar a relação com os colegas, participam mais das reflexões e adquirem melhor percepção de si e da realidade. Refletindo sobre as aulas de filosofia para crianças A infância é a fase privilegiada para a formação da identidade, do caráter e dos valores para a convivência respeitosa e cooperativa entre todas as pessoas. E, é comum nas crianças, assim como acontece com os filósofos, a capacidade de se maravilhar. São, também, as crianças as maiores apreciadoras de atitudes bonitas e elas gostam de repeti-las. Portanto, a educação para o filosofar encontra nesta fase o momento mais intenso e mais fértil para a percepção do eu e do outro. Educar para pensar bem por si só, para refletir, dialogar e investigar honestamente é formar o cidadão livre e ético, consciente de si e da escolha de valores com os quais se identifica. (CUNHA, 2008). Considerando a observação das aulas e a descrição feita pelo professor no decorrer da entrevista sobre o ensino de filosofia para crianças, oferecido pela escola em questão, pudemos verificar que por meio dela as crianças desenvolvem um conjunto de habilidades, mostrando-se participativas e interessadas em discutir assuntos tratados nas histórias que elas próprias escolhem no livro estudado. Nos debates, apoiadas pelo professor-mediador, que levanta questionamentos a respeito do tema tratado, demonstram saber opinar, apresentar respostas pensadas e respeito à opinião do colega. Quando colocadas em situação problematizadora para tomada de decisão, investigam hipóteses, trocam opinião, testam as

11 respostas, retomam a sequência de raciocínio, tentando nova forma de pensamento para solucionar o problema. Segundo Cunha (2008), crianças filosoficamente inteligentes são as que fazem boas perguntas sobre o que antes se acreditava inquestionável. Boas perguntas exigem que se pense de novo e melhor sobre o que já havia sido pensado. Uma das melhores definições do filosofar é justamente esta: filosofar é a atividade de repensar o já pensado, para pensar o ainda não pensado. Isso só é possível quando não se tem medo de fazer as perguntas que a situação permite, explorando novos modos de ver e pensar. (CUNHA, 2008, p.60) Assim, ensinar o processo do filosofar infantil é a primeira tarefa da educação filosófica. Trata-se, antes de mais nada, de o professor organizar o ambiente socioemocional e dispor-se a provocar as palavras na criança. Às vezes, é preciso nomear essas palavras em voz alta, ajudando, assim a completar o percurso da fala. Além de aumentar seu repertório de percepção e idéias. (CUNHA, 2008, p.51) Quanto à afirmação do professor de que as aulas priorizam o desenvolvimento das habilidades de pensamento em detrimento dos conteúdos filosóficos, propriamente dito, esta vem ao encontro das idéias de Cunha (2008), que considera o filosofar uma atividade de produção e de reflexão crítica de conhecimentos úteis para a vida. E que, o filosofar não pode restringir-se a repassar conhecimentos de erudição filosófica, voltada para a história já passada e sim, vinculado à história presente, ao cotidiano, aos interesses e motivações dos desafios atuais vividos pelas crianças. Em relação aos temas que mais trazem motivação às crianças, o professor salienta que os alunos de oito anos mostram interesse em discutir os fenômenos da natureza, enquanto que os de dez anos querem discutir assuntos científicos. Alguns se interessam até por física quântica, coisas do espaço, a origem do universo e do ser humano e por questões do pensamento. Para Ramos de Oliveira (2004), gostar da dúvida, da reflexão, do pensar é saudável e leva a criança a se distanciar do dogmatismo. E o papel da filosofia no Ensino Fundamental é desenvolver a reflexão metódica, o estranhamento, a curiosidade, o saber perguntar. A esse respeito, a autora ressalta que o educador não pode fazer do processo educativo uma corrente de mão única. Precisa ver o aluno como parte essencial deste processo, estimulando-o a usar sua voz e levando-o a desenvolver sua reflexão, seu pensar. (p. 06). Portanto, pudemos verificar nas palavras e atitudes do professor que ele acredita em seu trabalho e considera sua metodologia de ensino uma proposta inovadora para o ensino de

12 filosofia para crianças. Tem a intenção de formar cidadãos autônomos, criativos, com voz para enfrentar obstáculos, enfim, com postura de ser social crítico. Considerações finais Os dados coletados nesta pesquisa nos mostram que o exercício do filosofar propicia às crianças educação mais reflexiva, preparando-as para formação pessoal mais completa. Por meio de intervenções pedagógicas e afetivas o professor as orientam a testar seus pensamentos e a refletir sobre atitudes voltadas à prática a cidadania. Aprendendo valores éticos, demonstram sua aprendizagem no comportamento, que tem se mostrado mais maduro, emancipado e consciente. À medida que as crianças participam dessas aulas respeitando todas as regras, elas amadurecem e crescem a cada dia, mostrando-se capazes de refletir criticamente sobre situações ocorridas, opinando de forma autônoma e livre. Portanto, perceber a importância do ensino de filosofia na escola é somente o começo. A adoção de métodos do Programa de Filosofia para Crianças é um eficiente processo de humanização cidadã. Referências Bibliográficas ARANHA, M. L. e MARTINS, M. H. Filosofando: Introdução à Filosofia. São Paulo: Moderna, BARNES, R. Seja um ótimo aluno: guia prático para um estudo universitário eficiente. Campinas: Papirus CUNHA, J. A. (org) Filosofia para criança: orientação pedagógica para educação infantil e ensino fundamental. Campinas: Editora Alínea, LIPMAN, M. A filosofia vai à escola; tradução Maria E. de Brzezinski e Lúcia M. S. Kremer. São Paulo: Summus, 1990.

13 LIPMAN, M. A filosofia na sala de aula; tradução Ana L. F. Falcone. São Paulo: Nova Alexandria, LÜDKE, M. & ANDRÉ, M. E. D. A Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo. EPU MINAYO, M. C. S. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. Rio de Janeiro: Abrasco, RAMOS DE OLIVEIRA, P. Filosofia para a Formação da Criança. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, SELLTIZ, C. et al. Métodos de pesquisa das relações sociais. São Paulo. Herder TRIVIÑOS, A. N. S. Introdução à pesquisa em Ciências Sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo. Atlas i Graduanda em Pedagogia pela UNIP/Araraquara; aluna de iniciação científica pela UNIP; monitora do Projeto de Extensão Apoio Pedagógico na Alfabetização, escrita e Leitura e Raciocínio Lógico-Matemático de Crianças com Dificuldades de Aprendizagem; participante do Grupo de Estudos e Pesquisas Filosofia para Crianças na UNESP/Araraquara. ii Doutoranda em Educação Escolar pela UNESP/Araraquara; professora da UNIP e da E. E. Deputado Leonardo Barbieri ; orientadora de iniciação científica e de trabalhos de conclusão de curso; professora responsável pelo Projeto de Extensão Apoio Pedagógico na Alfabetização, escrita e Leitura e Raciocínio Lógico-Matemático de Crianças com Dificuldades de Aprendizagem.

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID Victor Silva de ARAÚJO Universidade Estadual da Paraiba sr.victorsa@gmail.com INTRODUÇÃO A monitoria é uma modalidade

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2005 Nome Aluno(a) Título Monografia/Artigo Orientador/Banca Annelise Lima

Leia mais

CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA

CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA Jacqueline Oliveira de Melo Gomes Faculdade de Formação de Professores da Mata Sul / FAMASUL-PE jacomgomes@yahoo.com.br

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Jaqueline Oliveira Silva Ribeiro SESI-SP josr2@bol.com.br Dimas Cássio Simão SESI-SP

Leia mais

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA Núbia Vieira TEIXEIRA; Solange Martins Oliveira MAGALHÃES Mestrado - Programa de Pós - Graduação em Educação - FE/UFG vitenubia@yahoo.com.br;solufg@hotmail.com

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

O COORDENADOR PEDAGÓGICO E OS DESAFIOS DA FUNÇÃO

O COORDENADOR PEDAGÓGICO E OS DESAFIOS DA FUNÇÃO 1 O COORDENADOR PEDAGÓGICO E OS DESAFIOS DA FUNÇÃO Bruna Riboldi 1 Jaqueline Zanchin Josiane Melo Ketelin Oliveira Natália Moré Paula T. Pinto Nilda Stecanela2 Samanta Wessel3 Resumo Este artigo tem por

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA, Daniela C. F. Barbieri Programa de Pós-Graduação em Educação Núcleo: Formação de professores UNIMEP

Leia mais

A TEORIA E A PRÁTICA NO CURSO DE PEDAGOGIA: O LIMITE DO POSSÍVEL

A TEORIA E A PRÁTICA NO CURSO DE PEDAGOGIA: O LIMITE DO POSSÍVEL V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 A TEORIA E A PRÁTICA NO CURSO DE PEDAGOGIA: O LIMITE DO POSSÍVEL Celeida Belchior Cintra Pinto 1 ; Maria Eleusa Montenegro

Leia mais

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA JURUMENHA, Lindelma Taveira Ribeiro. 1 Universidade Regional do Cariri URCA lindelmafisica@gmail.com FERNANDES, Manuel José Pina 2 Universidade Regional do Cariri

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA MISSÃO DO CURSO O Curso de Licenciatura em Educação Física do Centro Universitário Estácio Radial de São Paulo busca preencher

Leia mais

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 721 CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE Elaine Fernanda Dornelas de Souza Serviço Nacional de

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR As transformações sociais no final do século passado e início desse século, ocorridas de forma vertiginosa no que diz respeito aos avanços tecnológicos

Leia mais

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula INTRODUÇÃO Josiane Faxina Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho Câmpus Bauru e-mail: josi_unesp@hotmail.com

Leia mais

48 Os professores optaram por estudar a urbanização, partindo dos espaços conhecidos pelos alunos no entorno da escola. Buscavam, nesse projeto, refletir sobre as características das moradias existentes,

Leia mais

Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano

Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano SANTANA, Ludmylla Siqueira 1 RIBEIRO, José Pedro Machado 2 SOUZA, Roberto Barcelos 2

Leia mais

A CITOLOGIA NAS PROVAS DO ENEM: DADOS PRELIMINARES

A CITOLOGIA NAS PROVAS DO ENEM: DADOS PRELIMINARES A CITOLOGIA NAS PROVAS DO ENEM: DADOS PRELIMINARES Tailene Kommling Behling(Acadêmica de Licenciatura em Ciências Biológicas Universidade Católica de Pelotas/UCPEL Bolsista PRONECIM) Viviane Barneche Fonseca

Leia mais

O INGRESSO NA CARREIRA DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NA PREFEITURA DE SÃO PAULO: Currículo e atuação docente

O INGRESSO NA CARREIRA DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NA PREFEITURA DE SÃO PAULO: Currículo e atuação docente O INGRESSO NA CARREIRA DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NA PREFEITURA DE SÃO PAULO: Currículo e atuação docente Leandro Pedro de Oliveira¹ INTRODUÇÃO A introdução à carreira docente tem sido objeto de

Leia mais

Seminário do 16º COLE vinculado: 10

Seminário do 16º COLE vinculado: 10 Kelly Cristina Ducatti da Silva. Doutoranda UNICAMP/Campinas-SP, Professora do Ensino Fundamental (Prefeitura Municipal de Bauru) e Docente UNESP/BAURU kellyducatti@hotmail.com RELATO DE EXPERIÊNCIA: UM

Leia mais

Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor

Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor Ariane Baffa Lourenço 1, Maria Lúcia V. dos S. Abib 2 e Salete Linhares Queiroz 3 1 Programa de Pós-Graduação Interunidades

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS

FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS ISSN 2316-7785 FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS José André Tavares de Oliveira Instituto Federal de Alagoas

Leia mais

ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação

ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação Janaina Guimarães 1 Paulo Sergio Machado 2 Resumo: Este trabalho tem por objetivo fazer uma reflexão acerca da espiritualidade do educador

Leia mais

A pesquisa na formação do professor

A pesquisa na formação do professor A pesquisa na formação do professor Karen Maria Jung Introdução Este trabalho tem por objetivo mostrar como a pesquisa, na formação de novos professores, é abordada nos diferentes cursos de Licenciatura

Leia mais

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior.

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior. Cotas Pra Quê? 1 Sarah Rocha MARTINS 2 Luan Barbosa OLIVEIRA 3 Camilla Alves Ribeiro PAES LEME 4 Instituto de Ensino Superior de Rio Verde, Rio Verde, Goiás RESUMO Este documentário foi planejado e desenvolvido

Leia mais

O USO DO TANGRAM COMO QUEBRA-CABEÇA PARA UMA APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA SOBRE MULTIPLICAÇÃO DE POLINÔMIOS

O USO DO TANGRAM COMO QUEBRA-CABEÇA PARA UMA APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA SOBRE MULTIPLICAÇÃO DE POLINÔMIOS ISSN 2177-9139 O USO DO TANGRAM COMO QUEBRA-CABEÇA PARA UMA APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA SOBRE MULTIPLICAÇÃO DE POLINÔMIOS Morgana Fernandes da Silva 1 morganaf60@gmail.com Faculdades Integradas de Taquara,

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

A PESQUISA CIENTÍFICA NO ENSINO-APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA.

A PESQUISA CIENTÍFICA NO ENSINO-APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA. A PESQUISA CIENTÍFICA NO ENSINO-APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA. Eugeniano Brito Martins Ana Carolina Costa Pereira eugenianobm@yahoo.com.br carolinawx@gmail.com Colégio Militar do Corpo de Bombeiros do Estado

Leia mais

LUDICIDADE E EDUCAÇÃO: O ENCANTAMENTO DE APRENDER BRINCANDO

LUDICIDADE E EDUCAÇÃO: O ENCANTAMENTO DE APRENDER BRINCANDO LUDICIDADE E EDUCAÇÃO: O ENCANTAMENTO DE APRENDER BRINCANDO Tatiane Testa Ferrari e-mail: tatitferrari@ig.com.br Ticiane Testa Ferrari e-mail: ticiferrari@ig.com.br Araceli Simão Gimenes Russo e-mail:

Leia mais

METODOLOGIA PARA O ENSINO DA MATEMÁTICA: UM OLHAR A PARTIR DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

METODOLOGIA PARA O ENSINO DA MATEMÁTICA: UM OLHAR A PARTIR DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO METODOLOGIA PARA O ENSINO DA MATEMÁTICA: UM OLHAR A PARTIR DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Flávia Nascimento de Oliveira flavinhamatematica@hotmail.com Rivânia Fernandes da Costa Dantas rivafern@hotmail.com

Leia mais

ENSINO DE FÍSICA EM ANGICAL DO PIAUÍ PI: EM BUSCA DA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES E DE METODOLOGIAS EFICAZES

ENSINO DE FÍSICA EM ANGICAL DO PIAUÍ PI: EM BUSCA DA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES E DE METODOLOGIAS EFICAZES ENSINO DE FÍSICA EM ANGICAL DO PIAUÍ PI: EM BUSCA DA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES E DE METODOLOGIAS EFICAZES MARCELA NEIVA SOUSA 1 SAMARA MARIA VIANA DA SILVA 2 RESUMO O presente artigo tem como objetivo investigar

Leia mais

ATIVIDADES DE INVESTIGAÇÃO MATEMÁTICA: UMA ABORDAGEM PRÁTICA

ATIVIDADES DE INVESTIGAÇÃO MATEMÁTICA: UMA ABORDAGEM PRÁTICA ATIVIDADES DE INVESTIGAÇÃO MATEMÁTICA: UMA ABORDAGEM PRÁTICA Fernanda Eloisa Schmitt Centro Universitário UNIVATES fschmitt@universo.univates.br Marli Teresinha Quartieri Centro Universitário UNIVATES

Leia mais

PRÁTICAS, EXPERIÊNCIAS, CULTURA ESCOLAR: QUESTÕES QUE ENVOLVEM A PRÁTICA DOCENTE

PRÁTICAS, EXPERIÊNCIAS, CULTURA ESCOLAR: QUESTÕES QUE ENVOLVEM A PRÁTICA DOCENTE PRÁTICAS, EXPERIÊNCIAS, CULTURA ESCOLAR: QUESTÕES QUE ENVOLVEM A PRÁTICA DOCENTE DAMKE, Anderléia Sotoriva - UFMS anderleia.damke@yahoo.com SIMON, Ingrid FADEP ingrid@fadep.br Resumo Eixo Temático: Formação

Leia mais

Encontro: 20 e 21 de Setembro. Prof. Esp. Angélica Viriato Ortiz Alves

Encontro: 20 e 21 de Setembro. Prof. Esp. Angélica Viriato Ortiz Alves Encontro: 20 e 21 de Setembro Prof. Esp. Angélica Viriato Ortiz Alves 1 RAÍZES - Habilidades, Qualidades, Valores 2 TRONCO: Nome / Formação 3 GALHOS/FOLHAS: Projetos para o futuro 4 FLORES: Projetos em

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

WORKSHOP DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL EM ESCOLAS PÚBLICAS

WORKSHOP DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL EM ESCOLAS PÚBLICAS WORKSHOP DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL EM ESCOLAS PÚBLICAS 2014 Gisele Vieira Ferreira Psicóloga, Especialista e Mestre em Psicologia Clínica Elenise Martins Costa Acadêmica do curso de Psicologia da Universidade

Leia mais

Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual

Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual Adriana Cristina Lázaro e-mail: adrianaclazaro@gmail.com Milena Aparecida Vendramini Sato e-mail:

Leia mais

CURSINHO POPULAR OPORTUNIDADES E DESAFIOS: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOCENTE

CURSINHO POPULAR OPORTUNIDADES E DESAFIOS: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOCENTE CURSINHO POPULAR OPORTUNIDADES E DESAFIOS: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOCENTE INTRODUÇÃO Lucas de Sousa Costa 1 Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará lucascostamba@gmail.com Rigler da Costa Aragão 2

Leia mais

A COLABORAÇÃO NA PESQUISA ETNOGRÁFICA: O DIÁLOGO ENTRE ESCOLA E UNIVERSIDADE

A COLABORAÇÃO NA PESQUISA ETNOGRÁFICA: O DIÁLOGO ENTRE ESCOLA E UNIVERSIDADE A COLABORAÇÃO NA PESQUISA ETNOGRÁFICA: O DIÁLOGO ENTRE ESCOLA E UNIVERSIDADE Autora: Lorena Valin Mesquita Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) - lm_valin@hotmail.com Coautora: Roberta Souza

Leia mais

ESPAÇOS PEDAGÓGICOS ADAPTADOS: EXPERIÊNCIAS E APRENDIZAGENS DE ADAPTAÇÃO QUE ENRIQUECEM A EDUCAÇÃO

ESPAÇOS PEDAGÓGICOS ADAPTADOS: EXPERIÊNCIAS E APRENDIZAGENS DE ADAPTAÇÃO QUE ENRIQUECEM A EDUCAÇÃO 1 ESPAÇOS PEDAGÓGICOS ADAPTADOS: EXPERIÊNCIAS E APRENDIZAGENS DE ADAPTAÇÃO QUE ENRIQUECEM A EDUCAÇÃO VOGEL, Deise R. 1 BOUFLEUR, Thaís 2 RAFFAELLI, Alexandra F. 3 Palavras chave: Espaços adaptados; experiências;

Leia mais

1. Capacitação Docente em Informática na Educação

1. Capacitação Docente em Informática na Educação DO EDITOR DE TEXTOS A PLATAFORMA MOODLE: UM PROJETO PILOTO INOVADOR DE CAPACITAÇÃO DOCENTE CONSTRUCIONISTA EM UMA ESCOLA DA REDE MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE Maira Teresinha Lopes Penteado 1 Maria Beatriz

Leia mais

CONSTRUINDO TRIÂNGULOS: UMA ABORDAGEM ENFATIZANDO A CONDIÇÃO DE EXISTÊNCIA E CLASSIFICAÇÕES

CONSTRUINDO TRIÂNGULOS: UMA ABORDAGEM ENFATIZANDO A CONDIÇÃO DE EXISTÊNCIA E CLASSIFICAÇÕES CONSTRUINDO TRIÂNGULOS: UMA ABORDAGEM ENFATIZANDO A CONDIÇÃO DE EXISTÊNCIA E CLASSIFICAÇÕES Poliana de Brito Morais ¹ Francisco de Assis Lucena² Resumo: O presente trabalho visa relatar as experiências

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DA COLA OFICIAL DURANTE AS AVALIAÇÕES DE MATEMÁTICA

A UTILIZAÇÃO DA COLA OFICIAL DURANTE AS AVALIAÇÕES DE MATEMÁTICA A UTILIZAÇÃO DA COLA OFICIAL DURANTE AS AVALIAÇÕES DE MATEMÁTICA Camila Nicola Boeri Universidade de Aveiro Portugal camilaboeri@hotmail.com Márcio Tadeu Vione IFMT - Campus Parecis - MT mtvione@gmail.com

Leia mais

Filosofia para crianças? Que história é essa?

Filosofia para crianças? Que história é essa? Filosofia para crianças? Que história é essa? P Isabel Cristina Santana Diretora do CBFC ara muitos provoca espanto a minha resposta quando me perguntam: qual é o seu trabalho? e eu respondo trabalho com

Leia mais

Cadernos do CNLF, Vol. XVII, Nº 04. Rio de Janeiro: CiFEFiL, 2013.

Cadernos do CNLF, Vol. XVII, Nº 04. Rio de Janeiro: CiFEFiL, 2013. 122 Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos LER, ESCREVER E REESCREVER NO ENSINO MÉDIO POR MEIO DOS CLÁSSICOS DA LITERATURA BRASILEIRA José Enildo Elias Bezerra (IFAP) enildoelias@yahoo.com.br

Leia mais

Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações

Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações a serem implementadas nos câmpus do Instituto. A identidade

Leia mais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA Seção I Das Disposições Gerais Art. 22. A educação básica tem por finalidades desenvolver o educando, assegurar-lhe

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

iniciais: relato de uma experiência de parceria

iniciais: relato de uma experiência de parceria A formação do professor de ciências para as séries iniciais: relato de uma experiência de parceria Profa. Dra. Maria Candida Muller Professora dos cursos de Pedagogia e Análise de Sistemas Centro Universitário

Leia mais

COOPERAÇÃO E SOLIDARIEDADE: o programa COOPERJOVEM em turmas da EJA na Escola Municipal Maria Minervina de Figueiredo em Campina Grande-PB

COOPERAÇÃO E SOLIDARIEDADE: o programa COOPERJOVEM em turmas da EJA na Escola Municipal Maria Minervina de Figueiredo em Campina Grande-PB COOPERAÇÃO E SOLIDARIEDADE: o programa COOPERJOVEM em turmas da EJA na Escola Municipal Maria Minervina de Figueiredo em Campina Grande-PB Monaliza Silva Professora de ciências e biologia da rede estadual

Leia mais

Jardim Helena São Miguel Paulista PROJETO DE REGÊNCIA EM TURMAS DO ENSINO MÉDIO RECUPERAÇÃO PARALELA.

Jardim Helena São Miguel Paulista PROJETO DE REGÊNCIA EM TURMAS DO ENSINO MÉDIO RECUPERAÇÃO PARALELA. De acordo com às determinações constantes do Plano de Estágio Supervisionado, submeto à apreciação de V.Sª o plano de aula que foram desenvolvidas no Estágio de Licenciatura em Matemática no período de

Leia mais

OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA. Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2

OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA. Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1029 OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2

Leia mais

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC Regulamento de Projeto Integrador dos Cursos Superiores de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas, Segurança da Informação e Sistemas para Internet

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA INTRODUÇÃO O Estágio Curricular foi criado pela Lei 6.494, de 7 de dezembro de 1977 e regulamentado pelo Decreto 87.497, de 18 de agosto

Leia mais

O PROCESSO REFLEXIVO E A REFLEXÃO CRÍTICA EM ALUNOS DE UM CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

O PROCESSO REFLEXIVO E A REFLEXÃO CRÍTICA EM ALUNOS DE UM CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS IX CONGRESO INTERNACIONAL SOBRE INVESTIGACIÓN EN DIDÁCTICA DE LAS CIENCIAS Girona, 9-12 de septiembre de 2013 COMUNICACIÓN O PROCESSO REFLEXIVO E A REFLEXÃO CRÍTICA EM ALUNOS DE UM CURSO DE LICENCIATURA

Leia mais

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto 1 Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Professor Doutor Marcos T. Masetto Objetivos Desenvolver competências

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PIBID NA FORMAÇÃO DE FUTUROS PROFESSORES Vitor José Petry Universidade Federal da Fronteira Sul - UFFS vitor.petry@uffs.edu.

A IMPORTÂNCIA DO PIBID NA FORMAÇÃO DE FUTUROS PROFESSORES Vitor José Petry Universidade Federal da Fronteira Sul - UFFS vitor.petry@uffs.edu. ISSN 2316-7785 A IMPORTÂNCIA DO PIBID NA FORMAÇÃO DE FUTUROS PROFESSORES Vitor José Petry Universidade Federal da Fronteira Sul - UFFS vitor.petry@uffs.edu.br Resumo O artigo é resultado da análise de

Leia mais

Palavras-chave: Educação Matemática; Avaliação; Formação de professores; Pró- Matemática.

Palavras-chave: Educação Matemática; Avaliação; Formação de professores; Pró- Matemática. PRÓ-MATEMÁTICA 2012: UM EPISÓDIO DE AVALIAÇÃO Edilaine Regina dos Santos 1 Universidade Estadual de Londrina edilaine.santos@yahoo.com.br Rodrigo Camarinho de Oliveira 2 Universidade Estadual de Londrina

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO PROJETO DE ETENSÃO CÂMPUS: Campos Belos ANO DE EECUÇÃO: 2015 LINHAS DE

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO Marcelo Moura 1 Líbia Serpa Aquino 2 Este artigo tem por objetivo abordar a importância das atividades lúdicas como verdadeiras

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico Ingressantes em 2007 Dados: Sigla: Licenciatura em Educação Física Área: Biológicas

Leia mais

APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ORAL DA CRIANÇA COM SÍNDROME DE DOWN NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONCEPÇÕES DE PAIS E PROFESSORES

APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ORAL DA CRIANÇA COM SÍNDROME DE DOWN NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONCEPÇÕES DE PAIS E PROFESSORES APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ORAL DA CRIANÇA COM SÍNDROME DE DOWN NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONCEPÇÕES DE PAIS E PROFESSORES Resumo Gabriela Jeanine Fressato 1 - Universidade Positivo Mariana Gomes de Sá Amaral

Leia mais

ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA

ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA Antonio Carlos Pavão Quero saber quantas estrelas tem no céu Quero saber quantos peixes tem no mar Quero saber quantos raios tem o sol... (Da canção de João da Guabiraba

Leia mais

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID BARROS, Raquel Pirangi. SANTOS, Ana Maria Felipe. SOUZA, Edilene Marinho de. MATA, Luana da Mata.. VALE, Elisabete Carlos do.

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA MODALIDADE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (BOLSA PIC/FACIT/FAPEMIG)

PROJETO DE PESQUISA MODALIDADE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (BOLSA PIC/FACIT/FAPEMIG) PROJETO DE PESQUISA MODALIDADE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (BOLSA PIC/FACIT/FAPEMIG) MONTES CLAROS FEVEREIRO/2014 1 COORDENAÇÃO DE PESQUISA PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM CURSOS

Leia mais

Centro de Estudos Avançados em Pós Graduação e Pesquisa

Centro de Estudos Avançados em Pós Graduação e Pesquisa EDUCAÇÃO INFANTIL JUSTIFICATIVA O momento social, econômico, político e histórico em que vivemos está exigindo um novo perfil de profissional, de cidadão: informado, bem qualificado, crítico, ágil, criativo,

Leia mais

Educação Física Escolar: análise do cotidiano pedagógico e possibilidades de intervenção

Educação Física Escolar: análise do cotidiano pedagógico e possibilidades de intervenção Educação Física Escolar: análise do cotidiano pedagógico e possibilidades de intervenção Silvia Christina Madrid Finck E-mail: scmfinck@ uol.com.br Resumo: Este artigo refere-se ao projeto de pesquisa

Leia mais

OS DESAFIOS DA INCLUSÃO ESCOLAR: O método avaliativo do aluno com deficiência intelectual

OS DESAFIOS DA INCLUSÃO ESCOLAR: O método avaliativo do aluno com deficiência intelectual OS DESAFIOS DA INCLUSÃO ESCOLAR: O método avaliativo do aluno com deficiência intelectual Tuane Telles Rodrigues 1 Letícia Ramires Corrêa 2 Resumo: Durante nossa vida acadêmica estamos em constante aperfeiçoamento,

Leia mais

A formação inicial e continuada de professores de crianças pequenas

A formação inicial e continuada de professores de crianças pequenas A formação inicial e continuada de professores de crianças pequenas Linha de Pesquisa: LINHA DE PESQUISA E DE INTERVENÇÃO METODOLOGIAS DA APRENDIZAGEM E PRÁTICAS DE ENSINO (LIMAPE) Área de Concentração:

Leia mais

O LUDICO NA MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA

O LUDICO NA MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA O LUDICO NA MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA Thaís Koseki Salgueiro 1 ; Ms. Ozilia Geraldini Burgo 2 RESUMO: Este projeto tem como objetivo apresentar o trabalho de campo desenvolvido

Leia mais

O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento

O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento A contribuição do interesse e da curiosidade por atividades práticas em ciências, para melhorar a alfabetização de

Leia mais

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças PADILHA, Aparecida Arrais PMSP cidarrais@yahoo.com.br Resumo: Este artigo apresenta uma

Leia mais

Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP

Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP ALVES, Crislaine 1; CARVALHO, Daiane 1; CRUZ, Júlia 1, FÉLIX, Michelle 1; FERREIRA, Juliane

Leia mais

No entanto, a compreensão e a implicação de ser docente envolve reflexões que necessitam cada vez mais de sentido e significado para que se possa

No entanto, a compreensão e a implicação de ser docente envolve reflexões que necessitam cada vez mais de sentido e significado para que se possa CONCEPÇÕES DE FORMAÇÃO/DOCÊNCIA DOS PROFESSORES DO CURSO DE FISIOTERAPIA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO FRANCISCANO *Hedioneia Maria Foletto Pivetta **Silvia Maria de Aguiar Isaia A educação superior vem passando

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO FILOSOFIA PARA CRIANÇAS E JOVENS A COMUNIDADE DE INVESTIGAÇÃO. Local de realização: Escola Secundária José Estêvão - AVEIRO

CURSO DE FORMAÇÃO FILOSOFIA PARA CRIANÇAS E JOVENS A COMUNIDADE DE INVESTIGAÇÃO. Local de realização: Escola Secundária José Estêvão - AVEIRO CURSO DE FORMAÇÃO FILOSOFIA PARA CRIANÇAS E JOVENS A COMUNIDADE DE INVESTIGAÇÃO Local de realização: Escola Secundária José Estêvão - AVEIRO Registo: CCPFC/ACC-76907/14, Nº Créditos: 1, Válida até: 10-02-2017

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 UMA ANÁLISE DA PERSPECTIVA DOS GRADUANDOS DO CURSO DE MATEMÁTICA DAS MODALIDADES DE LICENCIATURA E BACHARELADO DA UFRN SOBRE A FORMAÇÃO CONTINUADA STRICTO SENSU Claudianny Noronha Amorim Universidade Federal

Leia mais

VENCENDO DESAFIOS NA ESCOLA BÁSICA... O PROJETO DE OFICINAS DE MATEMATICA

VENCENDO DESAFIOS NA ESCOLA BÁSICA... O PROJETO DE OFICINAS DE MATEMATICA VENCENDO DESAFIOS NA ESCOLA BÁSICA... O PROJETO DE OFICINAS DE MATEMATICA Thayza Ferreira Cabral MATOS; Elinéia Pereira VAILANT; Carla Michelle de Lima SOUZA; Weslley de Castro ALVES; Adriana Aparecida

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE AS POTENCIALIDADES DE UM PROJETO DE EXTENSÃO

REFLEXÕES SOBRE AS POTENCIALIDADES DE UM PROJETO DE EXTENSÃO REFLEXÕES SOBRE AS POTENCIALIDADES DE UM PROJETO DE EXTENSÃO Fátima Aparecida Queiroz Dionizio UEPG faqdionizio@hotmail.com Joseli Almeida Camargo UEPG jojocam@terra.com.br Resumo: Este trabalho tem como

Leia mais

Núcleo de Educação Infantil Solarium

Núcleo de Educação Infantil Solarium 0 APRESENTAÇÃO A escola Solarium propõe um projeto de Educação Infantil diferenciado que não abre mão do espaço livre para a brincadeira onde a criança pode ser criança, em ambiente saudável e afetivo

Leia mais

JUSTIFICATIVA DA INCLUSÃO DA DISCIPLINA NA CONSTITUIÇÃO DO CURRICULO

JUSTIFICATIVA DA INCLUSÃO DA DISCIPLINA NA CONSTITUIÇÃO DO CURRICULO FATEA Faculdades Integradas Teresa D Ávila Curso: Pedagogia Carga Horária: 36h Ano: 2011 Professor: José Paulo de Assis Rocha Plano de Ensino Disciplina: Arte e Educação Período: 1º ano Turno: noturno

Leia mais

PSICOPEDAGOGIA. DISCIPLINA: Desenvolvimento Cognitivo, Afetivo e Motor: Abordagens Sócio Interacionistas

PSICOPEDAGOGIA. DISCIPLINA: Desenvolvimento Cognitivo, Afetivo e Motor: Abordagens Sócio Interacionistas PSICOPEDAGOGIA DISCIPLINA: Fundamentos da Psicopedagogia EMENTA: Introdução e fundamentos da Psicopedagogia. O objeto de estudo. Visão histórica e atual. Concepções que sustentam a Psicopedagogia. O papel

Leia mais

PROFESSOR DE MATEMÁTICA E EDUCADOR ESPECIAL: UM PASSO PARA INCLUSÃO

PROFESSOR DE MATEMÁTICA E EDUCADOR ESPECIAL: UM PASSO PARA INCLUSÃO ISSN 2316-7785 PROFESSOR DE MATEMÁTICA E EDUCADOR ESPECIAL: UM PASSO PARA INCLUSÃO RESUMO Karen Rodrigues Copello Universidade Federal de Santa Maria karen_keruso@hotmail.com Debora Silvana Soares Universidade

Leia mais

LEITURA E ESCRITA: ALIMENTAÇÃO E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE

LEITURA E ESCRITA: ALIMENTAÇÃO E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE LEITURA E ESCRITA: ALIMENTAÇÃO E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE Renata Angélica dos SANTOS, Cristiana Alves da SILVA, Maria Marta L. FLORES, Dulcéria TARTUCI, Ângela Aparecida DIAS, Departamento de Educação,

Leia mais

OLIMPÍADAS DE CIÊNCIAS EXATAS: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO ENSINO PÚBLICO E PRIVADO

OLIMPÍADAS DE CIÊNCIAS EXATAS: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO ENSINO PÚBLICO E PRIVADO ISSN 2177-9139 OLIMPÍADAS DE CIÊNCIAS EXATAS: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO ENSINO PÚBLICO E PRIVADO André Martins Alvarenga - andrealvarenga@unipampa.edu.br Andressa Sanches Teixeira - andressaexatas2013@gmail.com

Leia mais

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia 1. Componentes curriculares O currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia engloba as seguintes dimensões. 1.1. Conteúdos de natureza teórica Estes conteúdos

Leia mais

Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda Cinara Rizzi Cecchin Uma das primeiras certezas que o professor deve ter é que as crianças sempre

Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda Cinara Rizzi Cecchin Uma das primeiras certezas que o professor deve ter é que as crianças sempre Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda Cinara Rizzi Cecchin Uma das primeiras certezas que o professor deve ter é que as crianças sempre sabem alguma coisa, todo educando pode aprender, mas

Leia mais

A INCLUSÃO ESCOLAR DE UM ALUNO SURDO: UM ESTUDO DE CASO NA REGIÃO DO CARIRI ORIENTAL DA PARAÍBA

A INCLUSÃO ESCOLAR DE UM ALUNO SURDO: UM ESTUDO DE CASO NA REGIÃO DO CARIRI ORIENTAL DA PARAÍBA A INCLUSÃO ESCOLAR DE UM ALUNO SURDO: UM ESTUDO DE CASO NA REGIÃO DO CARIRI ORIENTAL DA PARAÍBA 1.0 INTRODUÇÃO JUSCIARA LOURENÇO DA SILVA (UEPB) VIVIANA DE SOUZA RAMOS (UEPB) PROFESSOR ORIENTADOR: EDUARDO

Leia mais

RE SIGNIFICANDO A AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

RE SIGNIFICANDO A AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL RE SIGNIFICANDO A AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Maria Celina Melchior Dados da autora Mestre em Educação, Avaliadora Institucional do INEP/SINAES/MEC, atuou como avaliadora in loco do Prêmio Inovação em Gestão

Leia mais

Palavras-chave: Didática; Estágio; Formação; Teoria; Prática.

Palavras-chave: Didática; Estágio; Formação; Teoria; Prática. ESTÁGIO E DIDÁTICA: DESAFIOS E PERSPECTIVAS Maria do Socorro Sousa e Silva Universidade Estadual Vale do Acaraú UVA Resumo O presente artigo objetiva registrar e refletir sobre a disciplina de Estágio

Leia mais

HISTÓRIA ORAL NO ENSINO FUNDAMENTAL: O REGIME MILITAR NO EX- TERRITÓRIO DE RORAIMA

HISTÓRIA ORAL NO ENSINO FUNDAMENTAL: O REGIME MILITAR NO EX- TERRITÓRIO DE RORAIMA HISTÓRIA ORAL NO ENSINO FUNDAMENTAL: O REGIME MILITAR NO EX- TERRITÓRIO DE RORAIMA LYSNE NÔZENIR DE LIMA LIRA, 1 HSTÉFFANY PEREIRA MUNIZ 2 1. Introdução Este trabalho foi criado a partir da experiência

Leia mais

PORTFÓLIO COMO INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO FORMATIVA: A ANÁLISE DO PROCESSO NO CMEI VALÉRIA VERONESI

PORTFÓLIO COMO INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO FORMATIVA: A ANÁLISE DO PROCESSO NO CMEI VALÉRIA VERONESI PORTFÓLIO COMO INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO FORMATIVA: A ANÁLISE DO PROCESSO NO CMEI VALÉRIA VERONESI Resumo Rosangela de Sousa Cardoso Stabenow1 - UEL Cassiana Magalhães2 - UEL Grupo de Trabalho - Didática:

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA A ESCOLA INCLUSIVA

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA A ESCOLA INCLUSIVA A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA A ESCOLA INCLUSIVA Vera Lúcia de Brito Barbos Mestranda em Educação Lúcia de Araújo R. Martins UFRN 1. INTRODUÇÃO Podemos considerar que estamos atravessando um dos maiores

Leia mais

MEDIAÇÃO DE CONFLITOS ESCOLARES: PROJETO BLITZ DA PAZ

MEDIAÇÃO DE CONFLITOS ESCOLARES: PROJETO BLITZ DA PAZ 110. ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA MEDIAÇÃO DE CONFLITOS ESCOLARES: PROJETO BLITZ DA PAZ

Leia mais

PROVA SIMULADA SOBRE A LEI DE DIRETRIZES E BÁSICAS DA EDUCAÇÃO NACIONAL LDBEN

PROVA SIMULADA SOBRE A LEI DE DIRETRIZES E BÁSICAS DA EDUCAÇÃO NACIONAL LDBEN PROVA SIMULADA SOBRE A LEI DE DIRETRIZES E BÁSICAS DA EDUCAÇÃO NACIONAL LDBEN 1. A Lei de Diretrizes e Bases, Lei nº. 9394/96, em seu artigo 3º enfatiza os princípios norteadores do ensino no Brasil. Analise-os:

Leia mais

CURSO A DISTÂNCIA DISSEMINADORES DE EDUCAÇÃO FISCAL

CURSO A DISTÂNCIA DISSEMINADORES DE EDUCAÇÃO FISCAL CURSO A DISTÂNCIA DISSEMINADORES DE EDUCAÇÃO FISCAL 2013 1. IDENTIFICAÇÃO GRUPO DE EDUCAÇÃO FISCAL ESTADUAL DE GOIÁS GEFE/GO 2. APRESENTAÇÃO O curso a distância de Disseminadores de Educação Fiscal constitui

Leia mais

Palavras-chaves: Jogos matemáticos; Ensino e aprendizagem.

Palavras-chaves: Jogos matemáticos; Ensino e aprendizagem. Emanuella Filgueira Pereira Universidade Federal do Recôncavo da Bahia O JOGO NO ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA Resumo O presente artigo apresenta resultados parciais de uma pesquisa mais ampla que

Leia mais