ÉTICA E INTERNET: REFLEXÕES NA ESCOLA A PARTIR DO FACEBOOK

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ÉTICA E INTERNET: REFLEXÕES NA ESCOLA A PARTIR DO FACEBOOK"

Transcrição

1 ÉTICA E INTERNET: REFLEXÕES NA ESCOLA A PARTIR DO FACEBOOK Fabiana Panhosi Marsaro (Unicamp) RESUMO: Em 2011, o cantor Ed Motta postou comentários preconceituosos em sua página do Facebook. Partindo desse exemplo, neste trabalho propomos reflexões que possam embasar um trabalho crítico na escola utilizando essa rede social. As práticas escolares envolvendo as Tecnologias e Informação e Comunicação podem ser catalisadoras de mudanças sociais, desde que de forma crítica e situada, assumida sua complexidade. PALAVRAS-CHAVE: ética, Facebook, escola ABSTRACT: In 2011, singer Ed Motta posted prejudiced comments on his Facebook page. From this example, in this paper we propose reflections that can support a critical work in school using this social network. The school practices involving the Information and Communication Technologies can be catalysts for social change, since critically, located and assumed its complexity. KEYWORDS: ethics, Facebook, school Todas as pessoas fazem isso nos bares, em casa. Com essa afirmação, Ed Motta buscou justificar as polêmicas declarações que proferiu no dia 11 de maio de 2011, não no conforto de sua casa, muito menos no clima descontraído de um bar, mas em sua página do Facebook. Foi na rede social que têm mais de 750 milhões de usuários no mundo, que o cantor brasileiro vociferou contra o povo feio do Brasil (Cf. Anexo I). Os ícones de polegares levantados mostram que os comentários do cantor sobre a civilidade do Sul e do Sudeste do Brasil em comparação ao resto do país, feitos logo após ele desembarcar no Aeroporto da cidade de Curitiba, foram curtidos por vários usuários. Felizmente, como matéria do jornal Folha de S. Paulo, de 13/05/2011, fez questão de registrar, também houve manifestações contrárias ao artista: Um internauta reagiu indignado aos comentários: E tu bonitão? A cultura chata que tu vive, a grosseria que emergiu destes dois infelizes comentários, também não és um arquétipo de beleza (PRETO, 2011). Após a polêmica ganhar corpo, saindo do perfil do cantor e se tornando notícia, Ed Motta recuou: Procurado pela Folha, Motta afirmou que não sabia que seu perfil no Facebook estava aberto ao público. Disse que eram apenas brincadeiras com os amigos, sacanagem (PRETO, 2011).

2 Hipertextus Revista Digital (www.hipertextus.net), n.9, Dez Ainda que nem sempre cheguem até a mídia, o que é mais comum em exemplos como o nosso, em que os envolvidos são famosos, brincadeiras como essas que acabamos de relatar vêm se tornando cada vez mais frequentes nas redes sociais, seja envolvendo preconceitos de classe, racismo ou casos de homofobia e intolerância, suscitando diversas questões sobre as quais podemos refletir baseando-nos em diferentes teorias. Neste trabalho, explicitamos, situaremos a questão na área da Linguística Aplicada e, tendo em mente as relações entre linguagem, tecnologia e educação, nossa prioridade será tentar estabelecer pontes entre o problema posto e práticas pedagógicas que possam se dar a partir dele posteriormente, em um contexto de ensino e aprendizagem de língua materna. Discutiremos aqui, portanto, as seguintes questões: Como lidar com manifestações desse tipo - que sim, tragicamente, também acontecem em muitos bares e em muitas casas - quando são publicadas em meios com a abrangência das redes sociais, em que ganham apoio, são compartilhadas e reproduzidas, vinculadas ao nome de seus autores, sem que estes pareçam se dar conta do espaço em que estão agindo? Como sensibilizar nossos alunos para essas questões? Como prepará-los para agir de forma ética na vida social, sabendo lidar com as diversas vozes que se manifestam na internet? Acreditamos que um trabalho envolvendo o uso das redes sociais na escola deveria colocar em segundo plano a exploração de como usá-las, em um sentido técnico, relativo às habilidades do usuário no manuseio da máquina ou da ferramenta. Lembremos que as crianças e adolescentes que atualmente ocupam os bancos escolares, pelo simples fato de terem nascido após a década de 70, junto a todos os outros chamados nativos digitais, pelo menos na nomenclatura, pertencem à geração conhecida como geração (inter)net (netgeneration) ou geração digital (digital generation) (NOGUEIRA, 2007, p. 80), ou seja, estamos lidando com imersos nessas tecnologias. Vídeos como o já clássico O Buraco no Muro 1 nos mostram que o domínio técnico é um problema de solução relativamente simples, pois, uma vez em contato com a máquina ou a ferramenta, o usuário passa a explorá-lo intuitivamente, entendendo rapidamente sua lógica de funcionamento, pelo menos no que diz respeito às suas essencialidades. Consideramos necessário ir além, portanto, já que, de fato, as novas tecnologias diversificam e complexificam continuamente as práticas de linguagem, os perfis dos sujeitos letrados e as ideologias sobre o papel da leitura e da escrita (BUZATO, 2009, p. 12) e a escola não fica imune a esses processos já que, como aponta Rojo (2009), o volume de informações que circulam na sociedade é constantemente superado e impõe a cada dia novos parâmetros 1 Disponível em

3 ÉTICA E INTERNET: REFLEXÕES NA ESCOLA A PARTIR DO FACEBOOK Fabiana Panhosi Marsaro (Unicamp) para a formação dos cidadãos (ROJO, 2009, p. 89). A autora defende a importância de considerar que as novas configurações da sociedade têm tido impacto direto nos letramentos, principalmente nos dominantes, e, por isso, devem ser encaradas de maneira crítica pela escola. As quatro principais mudanças elencadas pela autora são: i) a vertiginosa intensificação e a diversificação da circulação da informação nos meios de comunicação analógicos e digitais (ROJO, 2009, p. 105), que têm colocado em xeque o impresso e o papel; ii) a diminuição das distâncias espaciais (ROJO, 2009 p. 105), que tem efeitos sobre a construção das identidades e o enraizamento das populações; iii) a diminuição das distâncias temporais ou a contração do tempo (ROJO, 2009 p. 105), que têm tornado o instantâneo e o imediato as medidas que regem o cotidiano; iv) a multissemiose ou a multiplicidade de modos de significar que as possibilidades multimidiáticas e hipermidiáticas do texto eletrônico trazem para o ato da leitura (ROJO, 2009 p. 105). Ainda segundo a autora, no contexto dessas mudanças está uma cultura de massa, fruto da globalização e da sociedade de consumo, que é padronizada, monofônica, homogênea e pasteurizada [...] Por isso, se tornam tão importantes hoje as maneiras de incrementar, na escola e fora dela, os letramentos críticos, capazes de lidar com os textos e discursos naturalizados, neutralizados, de maneira a perceber seus valores, suas intenções, suas estratégias, seus efeitos de sentido (ROJO, 2009, p. 112). A ideia de discursos naturalizados trazida por Rojo contribui para o entendimento do episódio que estamos tomando como exemplo. É preciso partir da constatação de que não foram a internet ou as redes sociais que deram origem a declarações como as de Ed Motta. Pelo contrário, esses e outros arroubos de preconceito perduram em nossa sociedade e nesses meios ganham mais visibilidade, são difundidos muito mais rapidamente e de forma menos velada, por encontrar facilmente respaldo em vozes sociais semelhantes. De maneira bastante interessante, para tentar justificar suas declarações na internet, Ed Motta as equipara às declarações que, não ele, mas todos, sempre fazem em ambientes domésticos. Essa justificativa, diferente do que seria esperado, não aponta imediatamente para a dicotomia existente entre real e virtual. Ed Motta tem um discurso um pouco diferente do senso comum, que costuma alegar que o que é dito ou feito no mundo virtual não pode ser considerado de fato pelo real, como se a internet fosse uma existência paralela, imune às leis - 3 -

4 Hipertextus Revista Digital (www.hipertextus.net), n.9, Dez e convenções que regem a sociedade. Lévy (1996) discute longamente essa questão, chegando à conclusão de que uma oposição mais coerente seria entre o atual e o virtual, se opondo à polarização real e virtual. O autor discorre: (...) o virtual não se opõe ao real, mas sim ao atual. Contrariamente ao possível, estático e já constituído, o virtual é como o complexo problemático, o nó de tendências ou de forças que acompanha uma situação, um acontecimento, um objeto ou uma entidade qualquer, e que chama um processo de resolução: a atualização. (...) A atualização aparece então como a solução de um problema, uma solução que não estava contida previamente no enunciado. A atualização é criação, invenção de uma forma a partir de uma configuração dinâmica de forças e de finalidades (Lévy, 1996, 16). A consciência de Ed Motta em não tentar se eximir das consequências de suas palavras alegando que elas foram proferidas via Facebook, entretanto, nos surpreende de forma negativa. Assumindo esse posicionamento, podemos entender que a lógica do cantor é a de que uma vez que enunciados semelhantes aos dele circulam nos mais diversos contextos, não há razão para que sejam reprimidos na internet, já que para ele, ingenuamente, a diferença seria somente a maior divulgação, da qual ele não se deu conta previamente. Lógicas como essa, cada vez mais comuns de serem externalizadas sem pudores, em parte são reflexo das intensas e rápidas mudanças sociais e econômicas pelas quais estamos passando. Gee (1996) aponta para uma nova ordem de trabalho, que tem como consequência alterações nas relações entre os sujeitos. Segundo o autor, nos últimos 20 anos, caminhamos para o que hoje é uma realidade do fast capitalism ou capitalismo rápido: During the past twenty years or so, the realm of work has changed dramatically across the developed world as part of a profound global economic restructuring 2 (GEE, 1996, p. 24). Gee chama de fast capitalism texts, ou textos do capitalismo rápido, a visão particular sobre essa nova ordem de trabalho que circula em nossa sociedade e que vem modificando a maneira como as pessoas pensam acerca de suas relações com os negócios, educação, governo e sociedade (GEE, 1996, p. 25). 2 Em tradução livre: Durante os últimos 20 anos, o universo do trabalho mudou drasticamente em todo o mundo desenvolvido, como parte de uma profunda reestruturação econômica global

5 ÉTICA E INTERNET: REFLEXÕES NA ESCOLA A PARTIR DO FACEBOOK Fabiana Panhosi Marsaro (Unicamp) A essas mudanças, podemos relacionar a reflexão que Martin (2008) faz a respeito da construção da identidade individual na pós-modernidade: The construction of individual identity has become the fundamental social act. The taken-for-granted structures of modern (i.e., industrial) society the nation state, institutionalized religion, social class have become weaker and fuzzier as providers of meaning and, to that extent, of predictability. Even the family has become more atomized and short term. Under such conditions individual identity becomes the major life-project. You have to choose the pieces (from those available to you) rather than having them (largely) chosen for you. In this context, awareness of the self assumes new importance: reflexivity is a condition of life; a life that needs to be constantly active and constantly re-created. And care is needed, because each individual is responsible for their own biography. Risk and uncertainty have become endemic features of the personal biography, and individual risk-management action is thus an essential element of social action (Beck, 1992, 2001). The community can be no longer regarded as a given that confers aspects of identity, and the building of involvement in communities has become a conscious actionforming part of the construction of individual identity. Individualization has positive as well as negative aspects: the freedom to make one s own biography has never been greater, a theme frequently repeated in the media. But the structures of society continue to distribute the choices available very unequally, and the price of failure is greater since social support is now offered only equivocally 3. (MARTIN, 2008). 3 Em tradução livre: A construção da identidade individual tornou-se o ato social fundamental. As estruturas tidas como beneficiárias da sociedade moderna (isto é, industrial) a nação-estado, a religião institucionalizada, classe social tornaram-se mais fracas e imprecisas como fornecedoras de significado e, nessa medida, de previsibilidade. Mesmo a família tornou-se mais atomizada e de curto prazo. Sob tais condições, a identidade individual se torna o principal projeto de vida. Você tem que escolher as peças (entre as disponíveis para você), em vez de tê-las (principalmente) escolhidas por você. Neste contexto, a consciência do auto assume nova importância: a reflexão é uma condição de vida, uma vida que precisa ser constantemente ativa e constantemente recriada. E é preciso cuidado, porque cada indivíduo é responsável por sua própria biografia. O risco e a incerteza tornaram-se características endêmicas da biografia pessoal, e a ação de gestão de risco individual é, portanto, um elemento essencial da ação social (Beck, 1992, 2001). A comunidade pode já não ser considerada como um dado que confere aspectos da identidade, e a construção de envolvimento em comunidades tornou-se uma parte da ação de formação de consciência da construção da identidade individual. A individualização tem aspectos positivos, bem como aspectos negativos: a liberdade de fazer sua própria biografia nunca foi tão grande, um tema frequentemente repetido na mídia. Mas as estruturas da sociedade continuam a distribuir as - 5 -

6 Hipertextus Revista Digital (www.hipertextus.net), n.9, Dez Como o autor afirma, na pós-modernidade, a construção de uma identidade acaba por pautar a vida das pessoas, o que, sem dúvida, contribui para o individualismo ter se tornado também marca de nossa contemporaneidade. Antes de formular o conceito de modernidade líquida, Bauman já apontava para essa fragmentação da vida e dos indivíduos, trazendo à tona uma questão fundamental para nós neste trabalho: a ética. Segundo o autor, vivemos na era do individualismo mais puro e da busca pela boa vida, limitada somente pela exigência de tolerância (desde que acompanhada de um individualismo autocelebratório e sem escrúpulos, a tolerância só pode expressar-se como indiferença) (BAUMAN, 2005, p. 9). A indiferença, portanto, costuma ser a manifestação mais comum para com o outro. As redes sociais, porém, ao conectarem rapidamente as vozes sociais que compartilham das mesmas indiferenças, parecem promover a sua externalização. Por outro lado, como Braga afirma, se a falta do domínio da língua correta, da aparência correta, do comportamento correto entre outros, sempre foram argumentos explorados para impedir a participação ou justificar a exclusão de indivíduos oriundos de outros grupos sociais (BRAGA, 2010), nas redes sociais esses pares também têm mais chances de se conectar e fazer valer sua voz social. Ou seja, a internet possibilita que aqueles que sofrem da intolerância possam se manifestar pelo mesmo meio dos intolerantes, com igual ou maior abrangência. Encarar a internet e as redes sociais como possibilidades de ação é uma postura que dialoga com o que Braga afirma: O avanço no desenvolvimento das tecnologias de informação e comunicação (TICs) não garante a subversão desses modos de estruturação social. No entanto, o aumento e a diminuição de custos envolvidos no acesso à informação e à interação a distância viabilizados pela Internet ampliam, ou mesmo criam, novos espaços para a participação social, os quais carregam em si um potencial transformador. Como prevê a reflexão gramsciana, embora as restrições sócio-estruturais estabeleçam limites para a ação social, a malha social é constituída de brechas, rupturas e conflitos que viabilizam agentividade e potencializam mudanças sociais. A extensão e gradação de tais mudanças vai certamente variar de acordo com o poder de coesão e de exclusão social exercido pelos opções disponíveis de forma muito desigual, e o preço do fracasso é maior, já que o apoio social é agora oferecido somente equivocadamente

7 ÉTICA E INTERNET: REFLEXÕES NA ESCOLA A PARTIR DO FACEBOOK Fabiana Panhosi Marsaro (Unicamp) grupos hegemônicos e também de acordo com a capacidade de organização e de ação política dos grupos não-hegemônicos. Em função da natureza de tais ações, esses grupos podem ou não ocupar e ampliar as brechas já existentes de modo a gerar mudanças locais ou rupturas mais radicais (GRAMSCI, 1971). (BRAGA, 2010). Castells, há mais de uma década, mais precisamente em 1999, procurando apontar certas tendências que poderiam configurar a sociedade no início do século XXI, diz: Há outra reação contra a exclusão social e a não-pertinência econômica que, ao meu ver, desempenhará papel fundamental no século XXI; a exclusão dos que excluem pelos excluídos. Como o mundo inteiro está (e estará cada vez mais) interligado nas estruturas básicas da vida sob a lógica da sociedade em rede, a não-adesão de pessoas e de países não representará uma saída pacífica (CASTELLS, 1999, s./p.) As práticas escolares envolvendo as TIC s, nesse sentido, podem ser catalisadoras dessas transformações e mudanças sociais, dessa manifestação efetiva dos excluídos, desde que assumam a complexidade envolvida nessa tarefa e não lidem apenas com o manuseio didatizado e acrítico das novas tecnologias. É na esteira desses mesmos desafios que o Grupo de Nova Londres 4 se propõe a pensar uma pedagogia de multiletramentos, que poderia dar conta de maneira crítica e situada da heterogeneidade, pluralidade e das tensões que permeiam a sociedade e, consequentemente, a educação, na contemporaneidade. Para eles, de acordo com Rojo (no prelo), o prefixo multi, no conceito de multiletramentos, envolve por um lado, a multiplicidade de linguagens, semioses e mídias envolvidas na criação de significação para os textos multimodais contemporâneos e, por outro, a pluralidade e diversidade cultural trazida pelos autores/leitores contemporâneos a essa criação de significação (ROJO, no prelo, p. 1). 4 O New London Group, formado por teóricos como Bill Cope e Mary Kalantzis, James Paul Gee, Gunther Kress, Sarah Michaels e Martin Nakata, reuniu-se pela primeira vez em 1996, na cidade de Nova Londres, nos Estados Unidos. Desse encontro originou-se o manifesto Uma pedagogia dos multiletramentos: Projetando futuros sociais, publicado pela Harvard Educational Review

8 Hipertextus Revista Digital (www.hipertextus.net), n.9, Dez Assim, para os autores, uma pedagogia dos multiletramentos deve desenvolver-se recobrindo três âmbitos essencialmente (KALANTZIS; COPE, 2006): o do trabalho, considerando a diversidade produtiva, uma vez que no pós-fordismo, espera-se um trabalhador multicapacitado e autônomo, flexível para adaptação à mudança constante (ROJO, no prelo, p. 2); o da cidadania, levando-se em conta o pluralismo cívico, ou seja, frente às práticas arraigadas e sedimentadas no contexto escolar, provocar a coesão-peladiversidade, comprometer-se com o papel cívico e ético das pessoas (ROJO, no prelo, p. 4); e o da vida pessoal, pensando-se as identidades multifacetadas, apropriadas a diferentes modos de vida, espaços cívicos e contextos de trabalho em que cidadãos se encontram (ROJO, no prelo, p. 2). Neste trabalho, portanto, estamos propondo que manifestações de intolerância propagados no Facebook, como em nosso exemplo, podem ser úteis para discutir, de forma crítica, questões éticas e de cidadania com os alunos, permitindo a eles um uso menos ingênuo da internet. Essa estratégia visa, principalmente, a aproveitar as potencialidades dessa ferramenta pensando verdadeiramente em uma apropriação tecnológica, ou seja, nos termos de Buzato (2010), em potencializar o processo através do qual uma comunidade transforma uma tecnologia em algo significativo para si e para suas necessidades. Buzato (2010) afirma que: os novos letramentos/letramentos digitais são, ao mesmo tempo, produtores e resultados de apropriações tecnológicas.essas apropriações põem em evidência processos e conflitos socioculturais que sempre existiram e que não deixarão de existir, mas também abrem a possibilidade de transformações (inovações, aberturas de sentido, instabilidades estruturais, etc.) com as quais os que educam, numa perspectiva crítica e não-conformista, precisam se engajar, se é que estão dispostos a responsabilizar-se pela própria (e de seus alunos) inclusão/exclusão (BUZATO, 2010). Na rede social Facebook, mais do que o preenchimento do perfil com as informações básicas, o que marca a participação do usuário são atualizações em seu mural, a inserção de links, comentário e vídeos, o compartilhamento de postagens de outros usuários, ou seja, uma série de ações que movimentam a página do usuário e refletem seus interesses e características de maneira direta e indireta. Assim, capacitar o aluno a realizar essas ações de - 8 -

9 ÉTICA E INTERNET: REFLEXÕES NA ESCOLA A PARTIR DO FACEBOOK Fabiana Panhosi Marsaro (Unicamp) seleção e análise de conteúdo a ser publicado de forma crítica é fundamental para um uso situado da ferramenta. Tendo em vista o exemplo que guiou toda a nossa teorização, chegamos finalmente ao momento de explicitar quais práticas poderiam se desdobrar a partir de nossas reflexões. Acreditamos que exemplos de declarações como as de Ed Motta possam guiar um trabalho de sensibilização dos alunos com relação à ética na internet, incentivando a construção do respeito ao outro e do conceito de divergências respeitosas. Dada a complexidade que a questão pode ganhar, imaginamos que a proposta seria melhor aplicada nas turmas finais do Ensino Fundamental II ou nos primeiros anos do Ensino Médio. O ponto de partida para a prática de ensino-aprendizagem seria um exemplo similar ao que trouxemos neste trabalho, em que uma declaração de intolerância publicada no Facebook tenha causado polêmica, não necessariamente sendo noticiada pela mídia, como no caso de Ed Motta. Cabe ao professor a sensibilidade para selecionar um exemplo que possa ser produtivo para a comunidade onde atua e para a classe em que o trabalho se dará. Trazer à tona alguma questão que esteja latente na classe, como o preconceito contra nordestinos ou a homofobia, com certeza gerará mais polêmica, mas, por outro lado, possibilitará mais oportunidades de um trabalho realmente significativo. A partir do exemplo selecionado e das impressões da classe a respeito do mesmo, imaginamos que possa ser criado um ambiente profícuo para a prática do debate. Os alunos poderão pesquisar casos semelhantes e a sua repercussão na mídia. A necessidade de expor argumentos e justificar opiniões pode motivar um trabalho com o gênero oral formal público debate ou com textos argumentativos, cabendo ao professor diagnosticar o mais adequado para a turma no momento da atividade. A discussão deve ser sempre eticamente orientada, com atenção especial aos alunos que marcarem seu posicionamento a favor de vozes sociais questionáveis, o que com certeza pode acontecer. A segunda etapa da prática de ensino-aprendizagem vai de encontro com a ideia de Braga (2010), de que: a direção do desenvolvimento tecnológico e das mudanças sociais dele advindas está sempre ligada a valores e ideologias préexistentes que podem também mudar em novas direções quando a adoção dessa tecnologia transforma a própria natureza das práticas sociais pré-existentes (Braga, 2007, p. 80 apud BRAGA, 2010)

10 Hipertextus Revista Digital (www.hipertextus.net), n.9, Dez Ou seja, mostrados os efeitos nefastos que podem ter certas publicações nas redes sociais e que, infelizmente, podem ser endossados por milhares de pessoas, apresentar aos alunos possibilidades de agir de forma efetiva para a obtenção de um bem comum pode sensibilizá-los para o fato de que são as ações individuais que decidem de que forma as tecnologias podem impactar na sociedade. Um exemplo que temos e que pode ser alterado conforme o contexto em que o professor estiver é o reproduzido na Figura 2 (Cf. Anexo II). Explicamos: após a Câmara de Vereadores da cidade de Americana, interior de São Paulo, ter votado em regime de urgência o aumento dos salários dos vereadores em 60%, foi criado no Facebook um Evento convocando a população para uma passeata em protesto à ação. A criação de um Evento é uma função gratuita do Facebook a que qualquer usuário dessa rede social tem acesso. O usuário precisa definir um nome para o evento, adicionar data, horário e local e os detalhes, ou seja, uma descrição. Também há a opção de adicionar uma imagem. Feito isso, o usuário pode convidar seus contatos e outras pessoas para o evento. Os convidados têm a opção de aceitar ou não o convite, escolhendo entre as opções Vou, Não sei, Não vou. Quando a opção escolhida é Vou, o evento é compartilhado no perfil do convidado, de onde pode ser visto por outras pessoas que também podem confirmar presença, mesmo que não tenham sido convidadas inicialmente. Utilizando essa estratégia, a parte da população insatisfeita conseguiu a adesão de mais de duas mil pessoas à passeata, registradas na página do Evento. No dia 26 de novembro de 2011, horário marcado para o ato, de fato, cerca de duas mil pessoas compareceram ao local combinado, como registrado em matéria do jornal local 5. Pressionados pela ação e pela cobertura da mídia a respeito do caso, em nova votação, os vereadores revogaram o aumento e até então não houve novas propostas do mesmo tipo. Há vários exemplos semelhantes de mobilizações, desde o recente Churrasco da Gente Diferenciada, motivado pela resistência de parte dos moradores de Higienópolis à construção de um metrô no local, até o uso das redes sociais pelos militantes na Primavera Árabe, em uma escala global. Utilizando recursos argumentativos aprendidos, os alunos podem, colaborativamente, criar um evento que mobilize a comunidade em que vivem para uma causa comum. Pode haver discussões para definir estratégias de divulgação do evento entre aqueles que possuem perfis no Facebook, além do desenvolvimento de textos para justificar a causa em questão e incentivar a participação da comunidade no ato. Alguns usuários do Facebook criam eventos que se restringem à internet, mas seria interessante trabalhar com os alunos a abrangência e 5 Disponível em:

11 ÉTICA E INTERNET: REFLEXÕES NA ESCOLA A PARTIR DO FACEBOOK Fabiana Panhosi Marsaro (Unicamp) rapidez de propagação do meio em questão para uma ação que tivesse reflexos para além daquele ambiente, possibilitando uma apropriação efetiva. Não esquematizamos nossa proposta em passos muito fixos, ou em uma sequência didática com gêneros pré-estabelecidos, mas acreditamos que a análise, somada a essa ideia esboçada ao final, possa gerar inquietações e reflexões que, em contato com contextos e necessidades diferentes, podem se materializar de várias formas. Trabalhar com as novas tecnologias na escola de maneira mais crítica não garante que tipos de transformações vão ocorrer, nem mesmo se vão ocorrer, uma vez que as ferramentas e os tipos de relações que estabelecemos por meio da internet são frutos também dessas novas formas de se organizar e de agir da sociedade. Entretanto, pensar em propostas que levem em conta essa complexidade é o primeiro passo para que não nos isentemos dessas difíceis questões que estão em pauta atualmente. Reflexões éticas e situadas a esse respeito são necessárias e bem-vindas. Referências BAUMAN, Z. Ética posmoderna. Tradução: Bertha Ruiz de la Concha. 1 ed. Siglo XXI Editores, 2005 BRAGA, D. B. Tecnologia e participação social no processo de produção e consumo de bens culturais: novas possibilidades trazidas pelas práticas letradas digitais mediadas pela Internet. Trabalhos em Linguística Aplicada, vol.49 no.2 Campinas: BUZATO, M. E. K. Cultura digital e apropriação ascendente: apontamentos para uma educação 2.0. Educação em revista, vol. 26, n. 3. Belo Horizonte, CASTELLS, M. A Era da Informação: economia, sociedade e cultura, vol. 3, São Paulo: Paz e terra, 1999, p GEE, J. P.; HULL, G. A.; LANKSHEAR. The new work order - Behind the language of the new capitalism, LÉVY, P. O que é o virtual? São Paulo: Editora 34, MARTIN, A. Digital Literacy and the Digital Society in: LANKSHEAR, C.; KNOBEL, M. Digital Literacies - Concepts, Policies and Practices, New York: NOGUEIRA, M. C. B. Ouvindo a voz do (pré)adolescente brasileiro da geração digital sobre o livro didático de Inglês desenvolvido no Brasil. Dissertação (Mestre). Rio de Janeiro, RJ: Departamento de Letras, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro,

12 Hipertextus Revista Digital (www.hipertextus.net), n.9, Dez PRETO, M. Ed Motta ofende mulheres e músicos e cria polêmica no Facebook. Folha de S. Paulo, 13/05/2011. Disponível em: Acesso em: 28/11/2011. ROJO, R. H. R. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo, SP: Parábola Editorial, A Teoria dos Gêneros Discursivos do Círculo de Bakhtin e os Multiletramentos. In: DE PAULA, L.; STAFUZZA, G. (Orgs.) Círculo de Bakhtin: inter e intradiscursividades, Série Bakhtin Inclassificável, Vol. 4. Campinas, SP: Mercado de Letras, no prelo. Anexos Anexo 1 Figura 1 - Reprodução da página de Ed Motta no Facebook Anexo 2 Figura 2 - Página do evento no Facebook

RESENHA/REVIEW. ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola Editorial, 2009. 128 p.

RESENHA/REVIEW. ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola Editorial, 2009. 128 p. RESENHA/REVIEW ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola Editorial, 2009. 128 p. Resenhado por/by: Acir Mario KARWOSKI (Universidade Federal do Triângulo Mineiro)

Leia mais

O ENVOLVIMENTO DOS DOCENTES DO ENSINO FUNDAMENTAL COM OS LETRAMENTOS DIGITAIS 1

O ENVOLVIMENTO DOS DOCENTES DO ENSINO FUNDAMENTAL COM OS LETRAMENTOS DIGITAIS 1 O ENVOLVIMENTO DOS DOCENTES DO ENSINO FUNDAMENTAL COM OS LETRAMENTOS DIGITAIS 1 Bruno Ciavolella Universidade Estadual de Maringá RESUMO: Fundamentado na concepção dialógica de linguagem proposta pelo

Leia mais

WEB SITE COMO MEDIADOR DE LEITURA E LETRAMENTO

WEB SITE COMO MEDIADOR DE LEITURA E LETRAMENTO WEB SITE COMO MEDIADOR DE LEITURA E LETRAMENTO Juliana da Silva Cabral PIBID Universidade Estadual da Paraíba/ julianacabralletras2@gmail.com Janaína da Costa Barbosa PIBID Universidade Estadual da Paraíba/

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID DETALHAMENTO DO SUBPROJETO 1. Unidade: 2. Área do Subprojeto: Campo Grande 3. Curso(s) envolvido(s) na proposta: Letras - Inglês Obs.: Para

Leia mais

DIGITAL STORYTELLING: O GÊNERO NARRATIVA AUTOBIOGRÁFICA DIGITAL EM AULAS DE INGLÊS

DIGITAL STORYTELLING: O GÊNERO NARRATIVA AUTOBIOGRÁFICA DIGITAL EM AULAS DE INGLÊS DIGITAL STORYTELLING: O GÊNERO NARRATIVA AUTOBIOGRÁFICA DIGITAL EM AULAS DE INGLÊS Débora Bortolon (Colégio Estadual Castelo Branco /Paraná) Terezinha Marcondes Diniz Biazi (/UNICENTRO/GP) e-mail: emebiazi@hotmail.com

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA RESUMO Alba Patrícia Passos de Sousa 1 O presente artigo traz como temática o ensino da língua inglesa na educação de jovens e adultos (EJA),

Leia mais

REFLEXÕES ACERCA DO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA

REFLEXÕES ACERCA DO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE REFLEXÕES ACERCA DO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA Assunção, Paraguay Março 2015 REFLEXÕES ACERCA DO ENSINO DE LÍNGUA

Leia mais

Ensino de redação na escola - a prática de ensino de português no Brasil

Ensino de redação na escola - a prática de ensino de português no Brasil Mesa-redonda: Ensino de redação na escola - a prática de ensino de português no Brasil Debatedores: Profª, mestranda em Letras (UFSM) e professora de ensino médio público estadual; e Profª Me. Tânia Maria

Leia mais

Educação, Tecnologias de Comunicação e Formação Docente

Educação, Tecnologias de Comunicação e Formação Docente Educação, Tecnologias de Comunicação e Formação Docente Espaços de fluxo das TICs Fluxo Tecnológico Sistema Produtivo Sociedade Inovação Realimentação Flexibilidade Equipes Extrema velocidade das mudanças

Leia mais

Pinto, C. M., Carvalho, E. P., & Colaço, S. (orgs.). (2012). Projetos de letramentos: Debates e aplicações. São vicente do Sul: iffarroupilha

Pinto, C. M., Carvalho, E. P., & Colaço, S. (orgs.). (2012). Projetos de letramentos: Debates e aplicações. São vicente do Sul: iffarroupilha Revista Portuguesa de Educação, 2013, 26(1), pp. 383-390 2013, CIEd - Universidade do Minho Pinto, C. M., Carvalho, E. P., & Colaço, S. (orgs.). (2012). Projetos de letramentos: Debates e aplicações. São

Leia mais

Métodos e Práticas na Formação Inicial e Desenvolvimento Profissional do Professor de Matemática em uma Plataforma Digital

Métodos e Práticas na Formação Inicial e Desenvolvimento Profissional do Professor de Matemática em uma Plataforma Digital Métodos e Práticas na Formação Inicial e Desenvolvimento Profissional do Professor de Matemática em uma Plataforma Digital Carla de Araújo 1 GD13 Educação Matemática e Inclusão Resumo: Tendo em vista as

Leia mais

Mídia, linguagem e educação

Mídia, linguagem e educação 21 3 22 Mídia, Linguagem e Conhecimento Segundo a UNESCO (1984) Das finalidades maiores da educação: Formar a criança capaz de refletir, criar e se expressar em todas as linguagens e usando todos os meios

Leia mais

AMERICAN ASSOCIATION OF SCHOOL LIBRARIANS PARÂMETROS PARA O APRENDIZ DO SÉCULO 21

AMERICAN ASSOCIATION OF SCHOOL LIBRARIANS PARÂMETROS PARA O APRENDIZ DO SÉCULO 21 AMERICAN ASSOCIATION OF SCHOOL LIBRARIANS PARÂMETROS PARA O APRENDIZ DO SÉCULO 21 CONVICÇÕES COMPARTILHADAS A leitura é uma janela para o mundo. A leitura é uma competência fundamental para a aprendizagem,

Leia mais

ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: que lugar é este?

ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: que lugar é este? Universidade do Sul de Santa Catarina UNISUL maria.schlickmann@unisul.br Palavras iniciais... As reflexões que apresento neste texto são um recorte de estudo que venho realizando na minha tese de doutorado.

Leia mais

Formação de Professores de Inglês com Novas Linguagens e Tecnologias

Formação de Professores de Inglês com Novas Linguagens e Tecnologias Formação de Professores de Inglês com Novas Linguagens e Tecnologias Nivana Ferreira da Silva; Rodrigo Camargo Aragão Universidade Estadual de Santa Cruz Resumo: Este artigo visa abordar o trabalho de

Leia mais

Instituto Mundo Melhor 2013. A Educação para a Paz como caminho da infância

Instituto Mundo Melhor 2013. A Educação para a Paz como caminho da infância Instituto Mundo Melhor 2013 por um MUNDO MELHOR A Educação para a Paz como caminho da infância PROJETO O PROGRAMA INFÂNCIA MUNDO MELHOR O Projeto Infância Mundo Melhor investe na capacitação e na formação

Leia mais

REVISTA CIENTÍFICA ELETÔNICA DE PEDAGOGIA ISSN: 1678-300X. Ano VIII Número 15 Janeiro de 2010 Periódicos Semestral

REVISTA CIENTÍFICA ELETÔNICA DE PEDAGOGIA ISSN: 1678-300X. Ano VIII Número 15 Janeiro de 2010 Periódicos Semestral ENSINANDO A LER: AS ESTRATÉGIAS DE LEITURA SILVA, Joice Ribeiro Machado da 1 RESUMO Buscamos nessa pesquisa compreender como a criança poderá se tornar uma leitora competente através do letramento literário.

Leia mais

Fundação Carmelitana Mário Palmério - FUCAMP Faculdade de Ciências Humanas e Sociais - FACIHUS Educação de qualidade ao seu alcance

Fundação Carmelitana Mário Palmério - FUCAMP Faculdade de Ciências Humanas e Sociais - FACIHUS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO DE LETRAS PORTUGUÊS/ESPANHOL O ensino da língua espanhola no contexto da escola pública INTRODUÇÃO Este plano procura articular-se de forma integrada com o plano de trabalho institucional, que

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA E OS GÊNEROS TEXTUAIS

O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA E OS GÊNEROS TEXTUAIS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM LÍNGUA PORTUGUESA COM ÊNFASE EM MULTILETRAMENTOS O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA E OS GÊNEROS TEXTUAIS Monissa Mattos - 2 Ten CMPA LETRAMENTO letrar é mais do que alfabetizar,

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INVESTIGAÇÃO DA PRÁTICA DOCENTE I... 4 02 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 4 03 PROFISSIONALIDADE DOCENTE... 4 04 RESPONSABILIDADE

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL 1 Pesquisas e Práticas Educativas ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL DANIELA DE JESUS LIMA FACED/UFBA INTRODUÇÃO - O presente

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Médio Etec PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: TUPÃ Área de conhecimento: LINGUAGENS, CÓDIGOS E SUAS TECNOLOGIAS Componente Curricular: LÍNGUA ESTRANGEIRA

Leia mais

INTERNET, HIPERTEXTO E GÊNEROS DIGITAIS: NOVAS POSSIBILIDADES DE INTERAÇÃO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo (UNIGRANRIO) elainevasquez@ig.com.

INTERNET, HIPERTEXTO E GÊNEROS DIGITAIS: NOVAS POSSIBILIDADES DE INTERAÇÃO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo (UNIGRANRIO) elainevasquez@ig.com. INTERNET, HIPERTEXTO E GÊNEROS DIGITAIS: NOVAS POSSIBILIDADES DE INTERAÇÃO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo (UNIGRANRIO) elainevasquez@ig.com.br 1. Introdução A rede mundial tem permitido novas práticas

Leia mais

MINISTERIO DA DEFESA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXERCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATÓRIA E ASSISTENCIAL

MINISTERIO DA DEFESA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXERCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATÓRIA E ASSISTENCIAL APROVO Em conformidade com as Port. 38-DECEx, 12ABR11 e Port 137- Cmdo Ex, 28FEV12 MINISTERIO DA DEFESA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXERCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATÓRIA E ASSISTENCIAL

Leia mais

Um computador por aluno: possibilidades de inclusão e letramento digital

Um computador por aluno: possibilidades de inclusão e letramento digital Um computador por aluno: possibilidades de inclusão e letramento digital Um computador por aluno: possibilidades de inclusão e letramento digital Resumo Jeronimo Becker Flores * Neste artigo, desenvolve-se

Leia mais

Linguística Aplicada ao ensino de Língua Portuguesa: a oralidade em sala de aula (Juliana Carvalho) A Linguística Aplicada (LA) nasceu há mais ou menos 60 anos, como uma disciplina voltada para o ensino

Leia mais

ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola, 2009.

ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola, 2009. Resenhas 161 ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola, 2009. Márcia Moreira Pereira* marcia.moreirapereira@gmail.com *Possui graduação em Letras pela Universidade

Leia mais

2. Os estudantes sujeitos do Ensino Médio e os direitos à aprendizagem e ao desenvolvimento humano na Área de Ciências Humanas

2. Os estudantes sujeitos do Ensino Médio e os direitos à aprendizagem e ao desenvolvimento humano na Área de Ciências Humanas 1. O Passado das ciências (Integração). O papel das Ciências Humanas? 2. Os estudantes sujeitos do Ensino Médio e os direitos à aprendizagem e ao desenvolvimento humano na Área de Ciências Humanas Contexto

Leia mais

RESOLUÇÃO. Habilitação em Língua Espanhola extinta pela Res. CONSEPE 51/2003, de 29 de outubro de 2003.

RESOLUÇÃO. Habilitação em Língua Espanhola extinta pela Res. CONSEPE 51/2003, de 29 de outubro de 2003. RESOLUÇÃO CONSEPE 53/99 ALTERA O PLANO CURRICULAR E O REGIME DO CURSO DE LETRAS, DO CÂMPUS DE ITATIBA. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, no uso da atribuição que lhe confere

Leia mais

Mídia-educação e Biologia: uma experiência com uso de textos multimodais para estudar temas controversos no Ensino Médio

Mídia-educação e Biologia: uma experiência com uso de textos multimodais para estudar temas controversos no Ensino Médio Mídia-educação e Biologia: uma experiência com uso de textos multimodais para estudar temas controversos no Ensino Médio Monique Amália Moreira Campos Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM),

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: Drº José Luiz Viana Coutinho Código: 073 Município: Jales/SP Eixo Tecnológico: Recursos Naturais Componente Curricular: Inglês Instrumental Série:

Leia mais

Cinco pontos sobre redes sociais na Internet

Cinco pontos sobre redes sociais na Internet Cinco pontos sobre redes sociais na Internet Por Raquel Recuero (*) Nos últimos anos, assistimos a um crescimento espantoso das chamadas tecnologias de comunicação. Essas tecnologias tornaram-se mais rápidas,

Leia mais

WEB 2.0 NA EDUCAÇÃO: O FACEBOOK COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES

WEB 2.0 NA EDUCAÇÃO: O FACEBOOK COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES ISSN 2316-7785 WEB 2.0 NA EDUCAÇÃO: O FACEBOOK COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES Arlam Dielcio Pontes da Silva Universidade Federal Rural de Pernambuco arllan_dielcio@hotmail.com

Leia mais

O PRECONCEITO RACIAL PERCEBIDO/ NÃO PERCEBIDO, PELAS PROFESSORAS, NA EDUCAÇÃO FUNDAMENTAL Aline Oliveira Ramos PPGEd/UESB

O PRECONCEITO RACIAL PERCEBIDO/ NÃO PERCEBIDO, PELAS PROFESSORAS, NA EDUCAÇÃO FUNDAMENTAL Aline Oliveira Ramos PPGEd/UESB O PRECONCEITO RACIAL PERCEBIDO/ NÃO PERCEBIDO, PELAS PROFESSORAS, NA EDUCAÇÃO FUNDAMENTAL Aline Oliveira Ramos PPGEd/UESB Introdução Este trabalho se insere nas discussões atuais sobre relação étnico-cultural

Leia mais

Palavras-chave: Leitura. Oralidade. (Re)escrita. Introdução

Palavras-chave: Leitura. Oralidade. (Re)escrita. Introdução 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA (X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA OS TEXTOS

Leia mais

VARIAÇÃO LINGÜÍSTICA, ORALIDADE E LETRAMENTO EM UMA TURMA DE PRÉ-ESCOLAR (CRECHE), EM TERESINA.

VARIAÇÃO LINGÜÍSTICA, ORALIDADE E LETRAMENTO EM UMA TURMA DE PRÉ-ESCOLAR (CRECHE), EM TERESINA. VARIAÇÃO LINGÜÍSTICA, ORALIDADE E LETRAMENTO EM UMA TURMA DE PRÉ-ESCOLAR (CRECHE), EM TERESINA. Maria de Fátima Silva Araújo (bolsista do PIBIC/ UFPI), Catarina de Sena Sirqueira Mendes da Costa (Orientadora,

Leia mais

Voluntariado. Cabe na sua vida. Ser voluntário #issomudaomundo NOTÍCIAS. Ação Estudar Vale a Pena mobiliza mais de 800 voluntários Itaú Unibanco

Voluntariado. Cabe na sua vida. Ser voluntário #issomudaomundo NOTÍCIAS. Ação Estudar Vale a Pena mobiliza mais de 800 voluntários Itaú Unibanco NOTÍCIAS Ação Estudar Vale a Pena mobiliza mais de 800 voluntários Itaú Unibanco Mobilizar. Colaborar. Transformar. Muitas foram as motivações que levaram você e mais 791 colaboradores Itaú Unibanco (e

Leia mais

CONSIDERAÇÕE SOBRE A RENOVAÇÃO DO PLANEJAMENTO ATRAVÉS DA MUDANÇA DO LIVRO DIDÁTICO

CONSIDERAÇÕE SOBRE A RENOVAÇÃO DO PLANEJAMENTO ATRAVÉS DA MUDANÇA DO LIVRO DIDÁTICO CONSIDERAÇÕE SOBRE A RENOVAÇÃO DO PLANEJAMENTO ATRAVÉS DA MUDANÇA DO LIVRO DIDÁTICO Elizabeth Christina Rodrigues Bittencourt, EE Rui Bloem e EE Alberto Levy. exrbittencourt@yahoo.com.br Introdução Nos

Leia mais

O USO DA INTERNET E SEUS EFEITOS SOBRE O PROCESSO DE SUBJETIVAÇÃO DE USUÁRIOS BRASILEIROS

O USO DA INTERNET E SEUS EFEITOS SOBRE O PROCESSO DE SUBJETIVAÇÃO DE USUÁRIOS BRASILEIROS O USO DA INTERNET E SEUS EFEITOS SOBRE O PROCESSO DE SUBJETIVAÇÃO DE USUÁRIOS BRASILEIROS Lucas Germani Wendt; Leonardo Pestillo de Oliveira; Letícia Rossi RESUMO: O presente projeto terá por objetivo

Leia mais

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS A IV CONFERÊNCIA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE EM NOSSA SALA DE AULA Mary Lucia da Silva Doutora em Ciências- Química Analítica pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

INFLUÊNCIAS DE APARELHOS DIGITAIS MÓVEIS NO PROCESSO ENSINO - APRENDIZAGEM DE ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL 1

INFLUÊNCIAS DE APARELHOS DIGITAIS MÓVEIS NO PROCESSO ENSINO - APRENDIZAGEM DE ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 Resumo: INFLUÊNCIAS DE APARELHOS DIGITAIS MÓVEIS NO PROCESSO ENSINO - APRENDIZAGEM DE ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 QUEIROZ, Joyce Duarte joyceduart@hotmail.com QUEIROZ, Antônia Márcia Duarte Instituto

Leia mais

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global (texto extraído da publicação IRVING, M.A.; BOTELHO, E.S.; SANCHO, A.; MORAES, E &

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DOS PROFESSORES DE LÍNGUA PORTUGUESA DO ENSINO MÉDIO: PERSPECTIVAS DE MUDANÇA

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DOS PROFESSORES DE LÍNGUA PORTUGUESA DO ENSINO MÉDIO: PERSPECTIVAS DE MUDANÇA PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DOS PROFESSORES DE LÍNGUA PORTUGUESA DO ENSINO MÉDIO: PERSPECTIVAS DE MUDANÇA SANTOS, Lilian 1 NUNES, Célia 2 O presente trabalho tem como objetivo apresentar algumas considerações

Leia mais

EDUCAÇÃO EM TEMPO INTEGRAL: NOVOS DESAFIOS PARA A EDUCAÇÃO NO BRASIL. PALAVRAS-CHAVE: educação pública, período integral, desafios, inovação

EDUCAÇÃO EM TEMPO INTEGRAL: NOVOS DESAFIOS PARA A EDUCAÇÃO NO BRASIL. PALAVRAS-CHAVE: educação pública, período integral, desafios, inovação EDUCAÇÃO EM TEMPO INTEGRAL: NOVOS DESAFIOS PARA A EDUCAÇÃO NO BRASIL Fernanda Oliveira Fernandes 1 José Heleno Ferreira 2 RESUMO: Este artigo tem como objetivo apresentar reflexões acerca da educação integral

Leia mais

Novas Tecnologias Aplicadas à Educação Visão Geral da Tecnologia da Informação I. Prof. Hugo Souza

Novas Tecnologias Aplicadas à Educação Visão Geral da Tecnologia da Informação I. Prof. Hugo Souza Novas Tecnologias Aplicadas à Educação Visão Geral da Tecnologia da Informação I Prof. Hugo Souza Voltando alguns [vários] anos atrás, teremos uma breve revisão sobre a história e a contextualização do

Leia mais

Michele M. Granzotto ** Valdir Pretto ***

Michele M. Granzotto ** Valdir Pretto *** A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DE FILOSOFIA NA FORMAÇÃO ACADÊMICA DO CURSO DE PEDAGOGIA * Michele M. Granzotto ** Valdir Pretto *** Resumo: Este estudo foi construído a partir de uma pesquisa realizada na própria

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS. Plano de Curso 2012

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS. Plano de Curso 2012 1. EMENTA Origem e desenvolvimento dos conceitos e concepções de Letramento. Usos e funções sociais da escrita. Letramento e oralidade. Letramento, alfabetização e alfabetismo: conceitos, indicadores e

Leia mais

AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO

AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E O TRABALHO DO TUTOR COMO MEDIADOR DO CONHECIMENTO SOEK, Ana Maria (asoek@bol.com.br) Universidade Federal do Paraná (UFPR) - Brasil HARACEMIV,

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Prática: 15 h/a Carga Horária: 60 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio.

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio. Proposta Pedagógica Visão: Ser um centro de excelência em Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio que busca alcançar a utopia que tem de pessoa e sociedade, segundo os critérios do evangelho, vivenciando

Leia mais

Como adquirir os materiais didáticos do Moderna.Compartilha

Como adquirir os materiais didáticos do Moderna.Compartilha Como adquirir os materiais didáticos do Moderna.Compartilha MODERNA.COMPARTILHA: INTEGRAR TECNOLOGIA E CONTEÚDOS A FAVOR DO APRENDIZADO. Os alunos deste século estão conectados com novas ideias, novas

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: TECENDO RELAÇÕES COM O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: TECENDO RELAÇÕES COM O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: TECENDO RELAÇÕES COM O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE Marcia Aparecida Alferes 1 Resumo O presente texto pretende refletir sobre a definição dos conceitos de alfabetização e letramento,

Leia mais

Diversidade Cultural X Estereótipos: Discursos Ideológicos em Livros Didáticos para o ensino de Língua Inglesa

Diversidade Cultural X Estereótipos: Discursos Ideológicos em Livros Didáticos para o ensino de Língua Inglesa Diversidade Cultural X Estereótipos: Discursos Ideológicos em Livros Didáticos para o ensino de Língua Inglesa Mary Clevely Mendes Programa de Iniciação Científica UEG / CNPq Orientador (Pesquisador-líder):

Leia mais

Sumário Aspectos Básicos... 3 Como Empresas usam o Facebook... 3 Introdução ao Facebook... 4 Criando um Cadastro... 5 Confirmando E-mail...

Sumário Aspectos Básicos... 3 Como Empresas usam o Facebook... 3 Introdução ao Facebook... 4 Criando um Cadastro... 5 Confirmando E-mail... FACEBOOK Sumário Aspectos Básicos... 3 Como Empresas usam o Facebook... 3 Introdução ao Facebook... 4 Criando um Cadastro... 5 Confirmando E-mail... 8 Características do Facebook... 10 Postagens... 11

Leia mais

PVANET: PRINCIPAIS FERRAMENTAS E UTILIZAÇÃO DIDÁTICA

PVANET: PRINCIPAIS FERRAMENTAS E UTILIZAÇÃO DIDÁTICA 11 PVANET: PRINCIPAIS FERRAMENTAS E UTILIZAÇÃO DIDÁTICA O PVANet é o ambiente virtual de aprendizagem (AVA) de uso exclusivo da UFV. Os AVAs apresentam diferenças de layout, forma de acesso, funcionamento,

Leia mais

A DIVERSIDADE CULTURAL: UM ELO ENTRE A MATEMÁTICA E OUTROS SABERES

A DIVERSIDADE CULTURAL: UM ELO ENTRE A MATEMÁTICA E OUTROS SABERES A DIVERSIDADE CULTURAL: UM ELO ENTRE A MATEMÁTICA E OUTROS SABERES Marilene Rosa dos Santos Coordenadora Pedagógica de 5ª a 8ª séries da Prefeitura da Cidade do Paulista rosa.marilene@gmail.com Ana Rosemary

Leia mais

INGLÊS INSTRUMENTAL: PRÉ-REQUISITO INDISPENSÁVEL À FORMAÇÃO DO ENGENHEIRO QUÍMICO

INGLÊS INSTRUMENTAL: PRÉ-REQUISITO INDISPENSÁVEL À FORMAÇÃO DO ENGENHEIRO QUÍMICO INGLÊS INSTRUMENTAL: PRÉ-REQUISITO INDISPENSÁVEL À FORMAÇÃO DO ENGENHEIRO QUÍMICO Adriana Recla Pós-graduada em Língua Inglesa e Língua Portuguesa Professora da Faculdade de Aracruz - UNIARACRUZ Professora

Leia mais

TRABALHOS TÉCNICOS Serviço de Documentação e Informação EDIÇÃO E GESTÃO DE CONTEÚDO PARA WEB

TRABALHOS TÉCNICOS Serviço de Documentação e Informação EDIÇÃO E GESTÃO DE CONTEÚDO PARA WEB TRABALHOS TÉCNICOS Serviço de Documentação e Informação EDIÇÃO E GESTÃO DE CONTEÚDO PARA WEB Gestão do Conhecimento hoje tem se materializado muitas vezes na memória organizacional da empresa. O conteúdo

Leia mais

Prova Nacional de Concurso para o Ingresso na Carreira Docente

Prova Nacional de Concurso para o Ingresso na Carreira Docente Prova Nacional de Concurso para o Ingresso na Carreira Docente A Prova Docente: Breve Histórico Prova Nacional de Concurso para o Ingresso na Carreira Docente Instituída pela Portaria Normativa nº 3, de

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES AUDIOVISUAIS NA PRODUÇÃO TEXTUAL DE ALUNOS DO ENSINO MÉDIO: UMA ANÁLISE INTERDISCIPLINAR

CONTRIBUIÇÕES AUDIOVISUAIS NA PRODUÇÃO TEXTUAL DE ALUNOS DO ENSINO MÉDIO: UMA ANÁLISE INTERDISCIPLINAR 1 CONTRIBUIÇÕES AUDIOVISUAIS NA PRODUÇÃO TEXTUAL DE ALUNOS DO ENSINO MÉDIO: UMA ANÁLISE INTERDISCIPLINAR Loraine Vidigal LISBOA Universidade Gama Filho loraine_vidigal@yahoo.com.br Resumo: O artigo apresenta

Leia mais

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior.

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior. Cotas Pra Quê? 1 Sarah Rocha MARTINS 2 Luan Barbosa OLIVEIRA 3 Camilla Alves Ribeiro PAES LEME 4 Instituto de Ensino Superior de Rio Verde, Rio Verde, Goiás RESUMO Este documentário foi planejado e desenvolvido

Leia mais

ELABORAÇÃO DE CATÁLOGO DESCRITIVO DE SITES PARA O ENSINO DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA

ELABORAÇÃO DE CATÁLOGO DESCRITIVO DE SITES PARA O ENSINO DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA ELABORAÇÃO DE CATÁLOGO DESCRITIVO DE SITES PARA O ENSINO DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA Dayane Ribeiro da Silva (PICV/PRPPG/ UNIOESTE), Greice da Silva Castela (Orientadora), e-mail: greicecastela@yahoo.com.br

Leia mais

Novos textos no ensino da Geografia

Novos textos no ensino da Geografia Novos textos no ensino da Geografia Renata de Souza Ribeiro (UERJ/ FFP) Thiago Jeremias Baptista (UERJ/ FFP) Resumo Este texto relata a experiência desenvolvida no curso Pré-vestibular Comunitário Cidadania

Leia mais

Ensino/aprendizagem circense: projeto transversal de política social

Ensino/aprendizagem circense: projeto transversal de política social ENSINO/APRENDIZAGEM CIRCENSE: PROJETO TRANSVERSAL DE POLÍTICA SOCIAL Erminia Silva Centro de Formação Profissional em Artes Circenses CEFAC Teatralidade circense, circo como educação permanente, história

Leia mais

UMA PROPOSTA PARA INTEGRAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NAS LICENCIATURAS EM MATEMÁTICA

UMA PROPOSTA PARA INTEGRAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NAS LICENCIATURAS EM MATEMÁTICA 1 UMA PROPOSTA PARA INTEGRAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NAS LICENCIATURAS EM MATEMÁTICA Resumo. Este artigo apresenta os resultados de uma pesquisa realizada nas Instituições de Ensino

Leia mais

ABORDAGEM DO CICLO DE POLÍTICAS SEGUNDO STEPHEN BALL

ABORDAGEM DO CICLO DE POLÍTICAS SEGUNDO STEPHEN BALL Departamento de Educação 1 ABORDAGEM DO CICLO DE POLÍTICAS SEGUNDO STEPHEN BALL Aluna: Ana Carolina de Souza e Paula Gomes Orientadora: Maria Inês G.F. Marcondes de Souza Introdução Esse texto é resultado

Leia mais

Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco. Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas

Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco. Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas Metodologia Científica 60 horas História da Educação 60 horas Sociologia da Educação I 60 horas Filosofia

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE PEDAGOGIA, Licenciatura REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente documento

Leia mais

ANAIS ELETRÔNICOS ISSN 235709765

ANAIS ELETRÔNICOS ISSN 235709765 UMA ABORDAGEM REFLEXIVA SOBRE AS PRATICAS DE PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO ESCOLAR SILVA, Ana Raquel Henriques 1. (UFCG) ARAÙJO, Gérssica Xavier Brito de 2. (UFCG) RAFAEL, Edmilson Luiz 3. (Orientador) RESUMO

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO INTERDISCIPLINAR COM A LENDA DO BOTO RESUMO

ALFABETIZAÇÃO INTERDISCIPLINAR COM A LENDA DO BOTO RESUMO ALFABETIZAÇÃO INTERDISCIPLINAR COM A LENDA DO BOTO RESUMO Cristina Maria da Silva Lima cris86lima@yahoo.com.br Diana Gonçalves dos Santos dianasantos07@gmail.com (IEMCI/UFPA) Este estudo apresenta um relato

Leia mais

OS TEMAS TRANSVERSAIS GÊNERO E DIVERSIDADE NAS AULAS DE GEOGRAFIA

OS TEMAS TRANSVERSAIS GÊNERO E DIVERSIDADE NAS AULAS DE GEOGRAFIA OS TEMAS TRANSVERSAIS GÊNERO E DIVERSIDADE NAS AULAS DE GEOGRAFIA SILVA, Sueley Luana da Especialista em Geografia do Brasil pela UFG/CAC, aluna do Programa de Mestrado em Geografia/UFG/CAC/Bolsista Capes.

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

TREINAMENTO DE MÍDIAS SOCIAIS

TREINAMENTO DE MÍDIAS SOCIAIS TREINAMENTO DE MÍDIAS SOCIAIS PADRONIZAÇÃO REGRAS BÁSICAS FACEBOOK GOOGLE Apresentação: Marcus Barboza Analista de Social Media marcus@pericoco.com.br facebook.com/marcusbarboza whatsapp (17) 997275046

Leia mais

REDES SOCIAIS COMO FERRAMENTA AUXILIAR NO ENSINO DE LITERATURA

REDES SOCIAIS COMO FERRAMENTA AUXILIAR NO ENSINO DE LITERATURA REDES SOCIAIS COMO FERRAMENTA AUXILIAR NO ENSINO DE LITERATURA Elenice KOZIEL (UEM) [1] Márcio Roberto do PRADO (UEM) [2] Introdução É perceptível que os sujeitos da pós-modernidade estão conectados, dedicando

Leia mais

AS PRÁTICAS DE DOCÊNCIA ORIENTADA NOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO: UM CAMINHO POSSÍVEL NA TRAJETÓRIA FORMATIVA DOS DOCENTES UNIVERSITÁRIOS

AS PRÁTICAS DE DOCÊNCIA ORIENTADA NOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO: UM CAMINHO POSSÍVEL NA TRAJETÓRIA FORMATIVA DOS DOCENTES UNIVERSITÁRIOS AS PRÁTICAS DE DOCÊNCIA ORIENTADA NOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO: UM CAMINHO POSSÍVEL NA TRAJETÓRIA FORMATIVA DOS DOCENTES UNIVERSITÁRIOS Resumo Manuelli Cerolini Neuenfeldt 1 Silvia Maria de

Leia mais

Novas Tecnologias no Ensino de Física: discutindo o processo de elaboração de um blog para divulgação científica

Novas Tecnologias no Ensino de Física: discutindo o processo de elaboração de um blog para divulgação científica Novas Tecnologias no Ensino de Física: discutindo o processo de elaboração de um blog para divulgação científica Pedro Henrique SOUZA¹, Gabriel Henrique Geraldo Chaves MORAIS¹, Jessiara Garcia PEREIRA².

Leia mais

LETRAMENTO DIGITAL: O PROFESSOR DE LÍNGUA PORTUGUESA E O TRABALHO COM A WEBQUEST

LETRAMENTO DIGITAL: O PROFESSOR DE LÍNGUA PORTUGUESA E O TRABALHO COM A WEBQUEST LETRAMENTO DIGITAL: O PROFESSOR DE LÍNGUA PORTUGUESA E O TRABALHO COM A WEBQUEST Claudia Lucia Landgraf-Valerio 1 Resumo Este artigo propõe uma reflexão sobre o letramento digital do professor de Língua

Leia mais

Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) II Bloco

Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) II Bloco Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) I Bloco Filosofia da Educação 60 horas Metodologia Científica 60 horas Iniciação à Leitura e Produção de Textos Acadêmicos 60 horas Introdução à filosofia e

Leia mais

COLETA DE LIXO TECNOLÓGICO

COLETA DE LIXO TECNOLÓGICO COLETA DE LIXO TECNOLÓGICO SANTOS, A. B. RESUMO O uso das novas tecnologias vem alterando significativamente o cenário das nossas empresas, indústrias, prestação de serviços de diversas áreas, como estamos

Leia mais

A TENDÊNCIA DO MULTILETRAMENTO NO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA

A TENDÊNCIA DO MULTILETRAMENTO NO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA A TENDÊNCIA DO MULTILETRAMENTO NO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA Aline Krahl i () Greicy Kelly de Oliveira Hensel ii () Sandra Fonseca Pinto iii () Luciana Maria Crestani iv () INTRODUÇÃO A evolução da tecnologia

Leia mais

1 Introdução. 1.1 A Nova Era Digital

1 Introdução. 1.1 A Nova Era Digital 11 1 Introdução Com o advento da nova era da internet, conhecida com web 2.0, e o avanço das tecnologias digitais, o consumidor passa a ter maior acesso à informação bem como à facilidade de expressar

Leia mais

INTRODUÇÃO. Pesquisa Paideia Jurídica PPGDireito FD UFMG.

INTRODUÇÃO. Pesquisa Paideia Jurídica PPGDireito FD UFMG. A UTILIZAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DIGITAIS NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA NO ENSINO MÉDIO: POSSIBILIDADES DE PROMOÇÃO DOS LETRAMENTOS CRÍTICO-PROTAGONISTAS 1 Viviane Raposo Pimenta 2 PPGLetras Doutorado em

Leia mais

As interações dos alunos na internet e o ensino de língua materna

As interações dos alunos na internet e o ensino de língua materna As interações dos alunos na internet e o ensino de língua materna Luciana Sales Barbosa Moura 1 (UFCG) Rossana Delmar de Lima Arcoverde 2 (Orientadora) Resumo: A interação em atividades letradas comuns

Leia mais

C.P.F. DOS ENVOLVIDOS: 105111179-06 085997089-29 093745209-23 KRIO. A integração entre a tecnologia e a comunicação para Jovens Aprendizes

C.P.F. DOS ENVOLVIDOS: 105111179-06 085997089-29 093745209-23 KRIO. A integração entre a tecnologia e a comunicação para Jovens Aprendizes C.P.F. DOS ENVOLVIDOS: 105111179-06 085997089-29 093745209-23 KRIO A integração entre a tecnologia e a comunicação para Jovens Aprendizes FLORIANÓPOLIS 2014 2 RESUMO: O projeto apresentado é resultado

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico O Coordenador Pedagógico é o profissional que, na Escola, possui o importante papel de desenvolver e articular ações pedagógicas que viabilizem

Leia mais

O futuro da educação já começou

O futuro da educação já começou O futuro da educação já começou Sua conexão com o futuro A 10 Escola Digital é uma solução inovadora para transformar a sua escola. A LeYa traz para a sua escola o que há de mais moderno em educação, a

Leia mais

A atuação do educador e as tecnologias: uma relação possível?

A atuação do educador e as tecnologias: uma relação possível? 1 A atuação do educador e as tecnologias: uma relação possível? Natália Regina de Almeida (UERJ/EDU/CNPq) Eixo Temático: Tecnologias: Pra que te quero? Resumo As novas tecnologias estão trazendo novos

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

3. Autonomia frente aos partidos e parlamentares e Independência em relação aos patrões e governos

3. Autonomia frente aos partidos e parlamentares e Independência em relação aos patrões e governos Eixo III: Programa de trabalho para a direção do SISMMAC Continuar avançando na reorganização do magistério municipal com trabalho de base, organização por local de trabalho, formação política e independência

Leia mais

SEMINÁRIO DE EDUCAÇÃO EM REDE. Resumo

SEMINÁRIO DE EDUCAÇÃO EM REDE. Resumo SEMINÁRIO DE EDUCAÇÃO EM REDE Cleide Aparecida Carvalho Rodrigues 1 Resumo A proposta para a realização do SEMINÁRIO DE EDUCAÇÃO EM REDE surgiu durante uma das atividades do Grupo de Estudos de Novas Tecnologias

Leia mais

Blogs na Educação: uma ferramenta de auxilio na aprendizagem 1

Blogs na Educação: uma ferramenta de auxilio na aprendizagem 1 Blogs na Educação: uma ferramenta de auxilio na aprendizagem 1 Andreia Solange Bos 2 Rodrigo Moreira 3 Instituto Federal Farroupilha- Campus Alegrete Universidade Regional do Noroeste do Estado do RS Ijuí,

Leia mais

AS CONCEPÇÕES DE LINGUAGEM E O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: (AINDA) ALGUMAS REFLEXÕES

AS CONCEPÇÕES DE LINGUAGEM E O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: (AINDA) ALGUMAS REFLEXÕES AS CONCEPÇÕES DE LINGUAGEM E O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: (AINDA) ALGUMAS REFLEXÕES RESUMO Cleuma Regina Ribeiro da Rocha Lins (UEPB) cleumaribeiro@yahoo.com.br Orientador: Prof. Dr. Juarez Nogueira

Leia mais

Carlos Fabiano de Souza IFF (carlosfabiano.teacher@gmail.com; carlos.souza@iff.edu.br) Mestrando em Estudos de Linguagem (UFF)

Carlos Fabiano de Souza IFF (carlosfabiano.teacher@gmail.com; carlos.souza@iff.edu.br) Mestrando em Estudos de Linguagem (UFF) RELAÇÕES DICOTÔMICAS NO ENSINO DE INGLÊS EM CURSOS DE IDIOMAS: as implicaturas da (de)formação do professor de línguas que atua nesse contexto de ensinoaprendizagem de língua estrangeira Carlos Fabiano

Leia mais

A formação de professores/as e as possibilidades de mudança advindas da reflexão crítica 1

A formação de professores/as e as possibilidades de mudança advindas da reflexão crítica 1 A formação de professores/as e as possibilidades de mudança advindas da reflexão crítica 1 Leanna Evanesa ROSA Rosane Rocha PESSOA Faculdade de Letras - UFG leannarosa@yahoo.com.br Palavras-chave: língua;

Leia mais

Articulando saberes e transformando a prática

Articulando saberes e transformando a prática Articulando saberes e transformando a prática Maria Elisabette Brisola Brito Prado Na sociedade do conhecimento e da tecnologia torna-se necessário repensar o papel da escola, mais especificamente as questões

Leia mais

Universidade de Brasília

Universidade de Brasília Disciplina: Comunicação Pública Professores: Ellis e Asdrubal Aluno: João Paulo Apolinário Passos Universidade de Brasília Assessoria de Imprensa em Comunicação Pública e Governamental Prefeitura de Curitiba

Leia mais