ÉTICA E INTERNET: REFLEXÕES NA ESCOLA A PARTIR DO FACEBOOK

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ÉTICA E INTERNET: REFLEXÕES NA ESCOLA A PARTIR DO FACEBOOK"

Transcrição

1 ÉTICA E INTERNET: REFLEXÕES NA ESCOLA A PARTIR DO FACEBOOK Fabiana Panhosi Marsaro (Unicamp) RESUMO: Em 2011, o cantor Ed Motta postou comentários preconceituosos em sua página do Facebook. Partindo desse exemplo, neste trabalho propomos reflexões que possam embasar um trabalho crítico na escola utilizando essa rede social. As práticas escolares envolvendo as Tecnologias e Informação e Comunicação podem ser catalisadoras de mudanças sociais, desde que de forma crítica e situada, assumida sua complexidade. PALAVRAS-CHAVE: ética, Facebook, escola ABSTRACT: In 2011, singer Ed Motta posted prejudiced comments on his Facebook page. From this example, in this paper we propose reflections that can support a critical work in school using this social network. The school practices involving the Information and Communication Technologies can be catalysts for social change, since critically, located and assumed its complexity. KEYWORDS: ethics, Facebook, school Todas as pessoas fazem isso nos bares, em casa. Com essa afirmação, Ed Motta buscou justificar as polêmicas declarações que proferiu no dia 11 de maio de 2011, não no conforto de sua casa, muito menos no clima descontraído de um bar, mas em sua página do Facebook. Foi na rede social que têm mais de 750 milhões de usuários no mundo, que o cantor brasileiro vociferou contra o povo feio do Brasil (Cf. Anexo I). Os ícones de polegares levantados mostram que os comentários do cantor sobre a civilidade do Sul e do Sudeste do Brasil em comparação ao resto do país, feitos logo após ele desembarcar no Aeroporto da cidade de Curitiba, foram curtidos por vários usuários. Felizmente, como matéria do jornal Folha de S. Paulo, de 13/05/2011, fez questão de registrar, também houve manifestações contrárias ao artista: Um internauta reagiu indignado aos comentários: E tu bonitão? A cultura chata que tu vive, a grosseria que emergiu destes dois infelizes comentários, também não és um arquétipo de beleza (PRETO, 2011). Após a polêmica ganhar corpo, saindo do perfil do cantor e se tornando notícia, Ed Motta recuou: Procurado pela Folha, Motta afirmou que não sabia que seu perfil no Facebook estava aberto ao público. Disse que eram apenas brincadeiras com os amigos, sacanagem (PRETO, 2011).

2 Hipertextus Revista Digital (www.hipertextus.net), n.9, Dez Ainda que nem sempre cheguem até a mídia, o que é mais comum em exemplos como o nosso, em que os envolvidos são famosos, brincadeiras como essas que acabamos de relatar vêm se tornando cada vez mais frequentes nas redes sociais, seja envolvendo preconceitos de classe, racismo ou casos de homofobia e intolerância, suscitando diversas questões sobre as quais podemos refletir baseando-nos em diferentes teorias. Neste trabalho, explicitamos, situaremos a questão na área da Linguística Aplicada e, tendo em mente as relações entre linguagem, tecnologia e educação, nossa prioridade será tentar estabelecer pontes entre o problema posto e práticas pedagógicas que possam se dar a partir dele posteriormente, em um contexto de ensino e aprendizagem de língua materna. Discutiremos aqui, portanto, as seguintes questões: Como lidar com manifestações desse tipo - que sim, tragicamente, também acontecem em muitos bares e em muitas casas - quando são publicadas em meios com a abrangência das redes sociais, em que ganham apoio, são compartilhadas e reproduzidas, vinculadas ao nome de seus autores, sem que estes pareçam se dar conta do espaço em que estão agindo? Como sensibilizar nossos alunos para essas questões? Como prepará-los para agir de forma ética na vida social, sabendo lidar com as diversas vozes que se manifestam na internet? Acreditamos que um trabalho envolvendo o uso das redes sociais na escola deveria colocar em segundo plano a exploração de como usá-las, em um sentido técnico, relativo às habilidades do usuário no manuseio da máquina ou da ferramenta. Lembremos que as crianças e adolescentes que atualmente ocupam os bancos escolares, pelo simples fato de terem nascido após a década de 70, junto a todos os outros chamados nativos digitais, pelo menos na nomenclatura, pertencem à geração conhecida como geração (inter)net (netgeneration) ou geração digital (digital generation) (NOGUEIRA, 2007, p. 80), ou seja, estamos lidando com imersos nessas tecnologias. Vídeos como o já clássico O Buraco no Muro 1 nos mostram que o domínio técnico é um problema de solução relativamente simples, pois, uma vez em contato com a máquina ou a ferramenta, o usuário passa a explorá-lo intuitivamente, entendendo rapidamente sua lógica de funcionamento, pelo menos no que diz respeito às suas essencialidades. Consideramos necessário ir além, portanto, já que, de fato, as novas tecnologias diversificam e complexificam continuamente as práticas de linguagem, os perfis dos sujeitos letrados e as ideologias sobre o papel da leitura e da escrita (BUZATO, 2009, p. 12) e a escola não fica imune a esses processos já que, como aponta Rojo (2009), o volume de informações que circulam na sociedade é constantemente superado e impõe a cada dia novos parâmetros 1 Disponível em

3 ÉTICA E INTERNET: REFLEXÕES NA ESCOLA A PARTIR DO FACEBOOK Fabiana Panhosi Marsaro (Unicamp) para a formação dos cidadãos (ROJO, 2009, p. 89). A autora defende a importância de considerar que as novas configurações da sociedade têm tido impacto direto nos letramentos, principalmente nos dominantes, e, por isso, devem ser encaradas de maneira crítica pela escola. As quatro principais mudanças elencadas pela autora são: i) a vertiginosa intensificação e a diversificação da circulação da informação nos meios de comunicação analógicos e digitais (ROJO, 2009, p. 105), que têm colocado em xeque o impresso e o papel; ii) a diminuição das distâncias espaciais (ROJO, 2009 p. 105), que tem efeitos sobre a construção das identidades e o enraizamento das populações; iii) a diminuição das distâncias temporais ou a contração do tempo (ROJO, 2009 p. 105), que têm tornado o instantâneo e o imediato as medidas que regem o cotidiano; iv) a multissemiose ou a multiplicidade de modos de significar que as possibilidades multimidiáticas e hipermidiáticas do texto eletrônico trazem para o ato da leitura (ROJO, 2009 p. 105). Ainda segundo a autora, no contexto dessas mudanças está uma cultura de massa, fruto da globalização e da sociedade de consumo, que é padronizada, monofônica, homogênea e pasteurizada [...] Por isso, se tornam tão importantes hoje as maneiras de incrementar, na escola e fora dela, os letramentos críticos, capazes de lidar com os textos e discursos naturalizados, neutralizados, de maneira a perceber seus valores, suas intenções, suas estratégias, seus efeitos de sentido (ROJO, 2009, p. 112). A ideia de discursos naturalizados trazida por Rojo contribui para o entendimento do episódio que estamos tomando como exemplo. É preciso partir da constatação de que não foram a internet ou as redes sociais que deram origem a declarações como as de Ed Motta. Pelo contrário, esses e outros arroubos de preconceito perduram em nossa sociedade e nesses meios ganham mais visibilidade, são difundidos muito mais rapidamente e de forma menos velada, por encontrar facilmente respaldo em vozes sociais semelhantes. De maneira bastante interessante, para tentar justificar suas declarações na internet, Ed Motta as equipara às declarações que, não ele, mas todos, sempre fazem em ambientes domésticos. Essa justificativa, diferente do que seria esperado, não aponta imediatamente para a dicotomia existente entre real e virtual. Ed Motta tem um discurso um pouco diferente do senso comum, que costuma alegar que o que é dito ou feito no mundo virtual não pode ser considerado de fato pelo real, como se a internet fosse uma existência paralela, imune às leis - 3 -

4 Hipertextus Revista Digital (www.hipertextus.net), n.9, Dez e convenções que regem a sociedade. Lévy (1996) discute longamente essa questão, chegando à conclusão de que uma oposição mais coerente seria entre o atual e o virtual, se opondo à polarização real e virtual. O autor discorre: (...) o virtual não se opõe ao real, mas sim ao atual. Contrariamente ao possível, estático e já constituído, o virtual é como o complexo problemático, o nó de tendências ou de forças que acompanha uma situação, um acontecimento, um objeto ou uma entidade qualquer, e que chama um processo de resolução: a atualização. (...) A atualização aparece então como a solução de um problema, uma solução que não estava contida previamente no enunciado. A atualização é criação, invenção de uma forma a partir de uma configuração dinâmica de forças e de finalidades (Lévy, 1996, 16). A consciência de Ed Motta em não tentar se eximir das consequências de suas palavras alegando que elas foram proferidas via Facebook, entretanto, nos surpreende de forma negativa. Assumindo esse posicionamento, podemos entender que a lógica do cantor é a de que uma vez que enunciados semelhantes aos dele circulam nos mais diversos contextos, não há razão para que sejam reprimidos na internet, já que para ele, ingenuamente, a diferença seria somente a maior divulgação, da qual ele não se deu conta previamente. Lógicas como essa, cada vez mais comuns de serem externalizadas sem pudores, em parte são reflexo das intensas e rápidas mudanças sociais e econômicas pelas quais estamos passando. Gee (1996) aponta para uma nova ordem de trabalho, que tem como consequência alterações nas relações entre os sujeitos. Segundo o autor, nos últimos 20 anos, caminhamos para o que hoje é uma realidade do fast capitalism ou capitalismo rápido: During the past twenty years or so, the realm of work has changed dramatically across the developed world as part of a profound global economic restructuring 2 (GEE, 1996, p. 24). Gee chama de fast capitalism texts, ou textos do capitalismo rápido, a visão particular sobre essa nova ordem de trabalho que circula em nossa sociedade e que vem modificando a maneira como as pessoas pensam acerca de suas relações com os negócios, educação, governo e sociedade (GEE, 1996, p. 25). 2 Em tradução livre: Durante os últimos 20 anos, o universo do trabalho mudou drasticamente em todo o mundo desenvolvido, como parte de uma profunda reestruturação econômica global

5 ÉTICA E INTERNET: REFLEXÕES NA ESCOLA A PARTIR DO FACEBOOK Fabiana Panhosi Marsaro (Unicamp) A essas mudanças, podemos relacionar a reflexão que Martin (2008) faz a respeito da construção da identidade individual na pós-modernidade: The construction of individual identity has become the fundamental social act. The taken-for-granted structures of modern (i.e., industrial) society the nation state, institutionalized religion, social class have become weaker and fuzzier as providers of meaning and, to that extent, of predictability. Even the family has become more atomized and short term. Under such conditions individual identity becomes the major life-project. You have to choose the pieces (from those available to you) rather than having them (largely) chosen for you. In this context, awareness of the self assumes new importance: reflexivity is a condition of life; a life that needs to be constantly active and constantly re-created. And care is needed, because each individual is responsible for their own biography. Risk and uncertainty have become endemic features of the personal biography, and individual risk-management action is thus an essential element of social action (Beck, 1992, 2001). The community can be no longer regarded as a given that confers aspects of identity, and the building of involvement in communities has become a conscious actionforming part of the construction of individual identity. Individualization has positive as well as negative aspects: the freedom to make one s own biography has never been greater, a theme frequently repeated in the media. But the structures of society continue to distribute the choices available very unequally, and the price of failure is greater since social support is now offered only equivocally 3. (MARTIN, 2008). 3 Em tradução livre: A construção da identidade individual tornou-se o ato social fundamental. As estruturas tidas como beneficiárias da sociedade moderna (isto é, industrial) a nação-estado, a religião institucionalizada, classe social tornaram-se mais fracas e imprecisas como fornecedoras de significado e, nessa medida, de previsibilidade. Mesmo a família tornou-se mais atomizada e de curto prazo. Sob tais condições, a identidade individual se torna o principal projeto de vida. Você tem que escolher as peças (entre as disponíveis para você), em vez de tê-las (principalmente) escolhidas por você. Neste contexto, a consciência do auto assume nova importância: a reflexão é uma condição de vida, uma vida que precisa ser constantemente ativa e constantemente recriada. E é preciso cuidado, porque cada indivíduo é responsável por sua própria biografia. O risco e a incerteza tornaram-se características endêmicas da biografia pessoal, e a ação de gestão de risco individual é, portanto, um elemento essencial da ação social (Beck, 1992, 2001). A comunidade pode já não ser considerada como um dado que confere aspectos da identidade, e a construção de envolvimento em comunidades tornou-se uma parte da ação de formação de consciência da construção da identidade individual. A individualização tem aspectos positivos, bem como aspectos negativos: a liberdade de fazer sua própria biografia nunca foi tão grande, um tema frequentemente repetido na mídia. Mas as estruturas da sociedade continuam a distribuir as - 5 -

6 Hipertextus Revista Digital (www.hipertextus.net), n.9, Dez Como o autor afirma, na pós-modernidade, a construção de uma identidade acaba por pautar a vida das pessoas, o que, sem dúvida, contribui para o individualismo ter se tornado também marca de nossa contemporaneidade. Antes de formular o conceito de modernidade líquida, Bauman já apontava para essa fragmentação da vida e dos indivíduos, trazendo à tona uma questão fundamental para nós neste trabalho: a ética. Segundo o autor, vivemos na era do individualismo mais puro e da busca pela boa vida, limitada somente pela exigência de tolerância (desde que acompanhada de um individualismo autocelebratório e sem escrúpulos, a tolerância só pode expressar-se como indiferença) (BAUMAN, 2005, p. 9). A indiferença, portanto, costuma ser a manifestação mais comum para com o outro. As redes sociais, porém, ao conectarem rapidamente as vozes sociais que compartilham das mesmas indiferenças, parecem promover a sua externalização. Por outro lado, como Braga afirma, se a falta do domínio da língua correta, da aparência correta, do comportamento correto entre outros, sempre foram argumentos explorados para impedir a participação ou justificar a exclusão de indivíduos oriundos de outros grupos sociais (BRAGA, 2010), nas redes sociais esses pares também têm mais chances de se conectar e fazer valer sua voz social. Ou seja, a internet possibilita que aqueles que sofrem da intolerância possam se manifestar pelo mesmo meio dos intolerantes, com igual ou maior abrangência. Encarar a internet e as redes sociais como possibilidades de ação é uma postura que dialoga com o que Braga afirma: O avanço no desenvolvimento das tecnologias de informação e comunicação (TICs) não garante a subversão desses modos de estruturação social. No entanto, o aumento e a diminuição de custos envolvidos no acesso à informação e à interação a distância viabilizados pela Internet ampliam, ou mesmo criam, novos espaços para a participação social, os quais carregam em si um potencial transformador. Como prevê a reflexão gramsciana, embora as restrições sócio-estruturais estabeleçam limites para a ação social, a malha social é constituída de brechas, rupturas e conflitos que viabilizam agentividade e potencializam mudanças sociais. A extensão e gradação de tais mudanças vai certamente variar de acordo com o poder de coesão e de exclusão social exercido pelos opções disponíveis de forma muito desigual, e o preço do fracasso é maior, já que o apoio social é agora oferecido somente equivocadamente

7 ÉTICA E INTERNET: REFLEXÕES NA ESCOLA A PARTIR DO FACEBOOK Fabiana Panhosi Marsaro (Unicamp) grupos hegemônicos e também de acordo com a capacidade de organização e de ação política dos grupos não-hegemônicos. Em função da natureza de tais ações, esses grupos podem ou não ocupar e ampliar as brechas já existentes de modo a gerar mudanças locais ou rupturas mais radicais (GRAMSCI, 1971). (BRAGA, 2010). Castells, há mais de uma década, mais precisamente em 1999, procurando apontar certas tendências que poderiam configurar a sociedade no início do século XXI, diz: Há outra reação contra a exclusão social e a não-pertinência econômica que, ao meu ver, desempenhará papel fundamental no século XXI; a exclusão dos que excluem pelos excluídos. Como o mundo inteiro está (e estará cada vez mais) interligado nas estruturas básicas da vida sob a lógica da sociedade em rede, a não-adesão de pessoas e de países não representará uma saída pacífica (CASTELLS, 1999, s./p.) As práticas escolares envolvendo as TIC s, nesse sentido, podem ser catalisadoras dessas transformações e mudanças sociais, dessa manifestação efetiva dos excluídos, desde que assumam a complexidade envolvida nessa tarefa e não lidem apenas com o manuseio didatizado e acrítico das novas tecnologias. É na esteira desses mesmos desafios que o Grupo de Nova Londres 4 se propõe a pensar uma pedagogia de multiletramentos, que poderia dar conta de maneira crítica e situada da heterogeneidade, pluralidade e das tensões que permeiam a sociedade e, consequentemente, a educação, na contemporaneidade. Para eles, de acordo com Rojo (no prelo), o prefixo multi, no conceito de multiletramentos, envolve por um lado, a multiplicidade de linguagens, semioses e mídias envolvidas na criação de significação para os textos multimodais contemporâneos e, por outro, a pluralidade e diversidade cultural trazida pelos autores/leitores contemporâneos a essa criação de significação (ROJO, no prelo, p. 1). 4 O New London Group, formado por teóricos como Bill Cope e Mary Kalantzis, James Paul Gee, Gunther Kress, Sarah Michaels e Martin Nakata, reuniu-se pela primeira vez em 1996, na cidade de Nova Londres, nos Estados Unidos. Desse encontro originou-se o manifesto Uma pedagogia dos multiletramentos: Projetando futuros sociais, publicado pela Harvard Educational Review

8 Hipertextus Revista Digital (www.hipertextus.net), n.9, Dez Assim, para os autores, uma pedagogia dos multiletramentos deve desenvolver-se recobrindo três âmbitos essencialmente (KALANTZIS; COPE, 2006): o do trabalho, considerando a diversidade produtiva, uma vez que no pós-fordismo, espera-se um trabalhador multicapacitado e autônomo, flexível para adaptação à mudança constante (ROJO, no prelo, p. 2); o da cidadania, levando-se em conta o pluralismo cívico, ou seja, frente às práticas arraigadas e sedimentadas no contexto escolar, provocar a coesão-peladiversidade, comprometer-se com o papel cívico e ético das pessoas (ROJO, no prelo, p. 4); e o da vida pessoal, pensando-se as identidades multifacetadas, apropriadas a diferentes modos de vida, espaços cívicos e contextos de trabalho em que cidadãos se encontram (ROJO, no prelo, p. 2). Neste trabalho, portanto, estamos propondo que manifestações de intolerância propagados no Facebook, como em nosso exemplo, podem ser úteis para discutir, de forma crítica, questões éticas e de cidadania com os alunos, permitindo a eles um uso menos ingênuo da internet. Essa estratégia visa, principalmente, a aproveitar as potencialidades dessa ferramenta pensando verdadeiramente em uma apropriação tecnológica, ou seja, nos termos de Buzato (2010), em potencializar o processo através do qual uma comunidade transforma uma tecnologia em algo significativo para si e para suas necessidades. Buzato (2010) afirma que: os novos letramentos/letramentos digitais são, ao mesmo tempo, produtores e resultados de apropriações tecnológicas.essas apropriações põem em evidência processos e conflitos socioculturais que sempre existiram e que não deixarão de existir, mas também abrem a possibilidade de transformações (inovações, aberturas de sentido, instabilidades estruturais, etc.) com as quais os que educam, numa perspectiva crítica e não-conformista, precisam se engajar, se é que estão dispostos a responsabilizar-se pela própria (e de seus alunos) inclusão/exclusão (BUZATO, 2010). Na rede social Facebook, mais do que o preenchimento do perfil com as informações básicas, o que marca a participação do usuário são atualizações em seu mural, a inserção de links, comentário e vídeos, o compartilhamento de postagens de outros usuários, ou seja, uma série de ações que movimentam a página do usuário e refletem seus interesses e características de maneira direta e indireta. Assim, capacitar o aluno a realizar essas ações de - 8 -

9 ÉTICA E INTERNET: REFLEXÕES NA ESCOLA A PARTIR DO FACEBOOK Fabiana Panhosi Marsaro (Unicamp) seleção e análise de conteúdo a ser publicado de forma crítica é fundamental para um uso situado da ferramenta. Tendo em vista o exemplo que guiou toda a nossa teorização, chegamos finalmente ao momento de explicitar quais práticas poderiam se desdobrar a partir de nossas reflexões. Acreditamos que exemplos de declarações como as de Ed Motta possam guiar um trabalho de sensibilização dos alunos com relação à ética na internet, incentivando a construção do respeito ao outro e do conceito de divergências respeitosas. Dada a complexidade que a questão pode ganhar, imaginamos que a proposta seria melhor aplicada nas turmas finais do Ensino Fundamental II ou nos primeiros anos do Ensino Médio. O ponto de partida para a prática de ensino-aprendizagem seria um exemplo similar ao que trouxemos neste trabalho, em que uma declaração de intolerância publicada no Facebook tenha causado polêmica, não necessariamente sendo noticiada pela mídia, como no caso de Ed Motta. Cabe ao professor a sensibilidade para selecionar um exemplo que possa ser produtivo para a comunidade onde atua e para a classe em que o trabalho se dará. Trazer à tona alguma questão que esteja latente na classe, como o preconceito contra nordestinos ou a homofobia, com certeza gerará mais polêmica, mas, por outro lado, possibilitará mais oportunidades de um trabalho realmente significativo. A partir do exemplo selecionado e das impressões da classe a respeito do mesmo, imaginamos que possa ser criado um ambiente profícuo para a prática do debate. Os alunos poderão pesquisar casos semelhantes e a sua repercussão na mídia. A necessidade de expor argumentos e justificar opiniões pode motivar um trabalho com o gênero oral formal público debate ou com textos argumentativos, cabendo ao professor diagnosticar o mais adequado para a turma no momento da atividade. A discussão deve ser sempre eticamente orientada, com atenção especial aos alunos que marcarem seu posicionamento a favor de vozes sociais questionáveis, o que com certeza pode acontecer. A segunda etapa da prática de ensino-aprendizagem vai de encontro com a ideia de Braga (2010), de que: a direção do desenvolvimento tecnológico e das mudanças sociais dele advindas está sempre ligada a valores e ideologias préexistentes que podem também mudar em novas direções quando a adoção dessa tecnologia transforma a própria natureza das práticas sociais pré-existentes (Braga, 2007, p. 80 apud BRAGA, 2010)

10 Hipertextus Revista Digital (www.hipertextus.net), n.9, Dez Ou seja, mostrados os efeitos nefastos que podem ter certas publicações nas redes sociais e que, infelizmente, podem ser endossados por milhares de pessoas, apresentar aos alunos possibilidades de agir de forma efetiva para a obtenção de um bem comum pode sensibilizá-los para o fato de que são as ações individuais que decidem de que forma as tecnologias podem impactar na sociedade. Um exemplo que temos e que pode ser alterado conforme o contexto em que o professor estiver é o reproduzido na Figura 2 (Cf. Anexo II). Explicamos: após a Câmara de Vereadores da cidade de Americana, interior de São Paulo, ter votado em regime de urgência o aumento dos salários dos vereadores em 60%, foi criado no Facebook um Evento convocando a população para uma passeata em protesto à ação. A criação de um Evento é uma função gratuita do Facebook a que qualquer usuário dessa rede social tem acesso. O usuário precisa definir um nome para o evento, adicionar data, horário e local e os detalhes, ou seja, uma descrição. Também há a opção de adicionar uma imagem. Feito isso, o usuário pode convidar seus contatos e outras pessoas para o evento. Os convidados têm a opção de aceitar ou não o convite, escolhendo entre as opções Vou, Não sei, Não vou. Quando a opção escolhida é Vou, o evento é compartilhado no perfil do convidado, de onde pode ser visto por outras pessoas que também podem confirmar presença, mesmo que não tenham sido convidadas inicialmente. Utilizando essa estratégia, a parte da população insatisfeita conseguiu a adesão de mais de duas mil pessoas à passeata, registradas na página do Evento. No dia 26 de novembro de 2011, horário marcado para o ato, de fato, cerca de duas mil pessoas compareceram ao local combinado, como registrado em matéria do jornal local 5. Pressionados pela ação e pela cobertura da mídia a respeito do caso, em nova votação, os vereadores revogaram o aumento e até então não houve novas propostas do mesmo tipo. Há vários exemplos semelhantes de mobilizações, desde o recente Churrasco da Gente Diferenciada, motivado pela resistência de parte dos moradores de Higienópolis à construção de um metrô no local, até o uso das redes sociais pelos militantes na Primavera Árabe, em uma escala global. Utilizando recursos argumentativos aprendidos, os alunos podem, colaborativamente, criar um evento que mobilize a comunidade em que vivem para uma causa comum. Pode haver discussões para definir estratégias de divulgação do evento entre aqueles que possuem perfis no Facebook, além do desenvolvimento de textos para justificar a causa em questão e incentivar a participação da comunidade no ato. Alguns usuários do Facebook criam eventos que se restringem à internet, mas seria interessante trabalhar com os alunos a abrangência e 5 Disponível em:

11 ÉTICA E INTERNET: REFLEXÕES NA ESCOLA A PARTIR DO FACEBOOK Fabiana Panhosi Marsaro (Unicamp) rapidez de propagação do meio em questão para uma ação que tivesse reflexos para além daquele ambiente, possibilitando uma apropriação efetiva. Não esquematizamos nossa proposta em passos muito fixos, ou em uma sequência didática com gêneros pré-estabelecidos, mas acreditamos que a análise, somada a essa ideia esboçada ao final, possa gerar inquietações e reflexões que, em contato com contextos e necessidades diferentes, podem se materializar de várias formas. Trabalhar com as novas tecnologias na escola de maneira mais crítica não garante que tipos de transformações vão ocorrer, nem mesmo se vão ocorrer, uma vez que as ferramentas e os tipos de relações que estabelecemos por meio da internet são frutos também dessas novas formas de se organizar e de agir da sociedade. Entretanto, pensar em propostas que levem em conta essa complexidade é o primeiro passo para que não nos isentemos dessas difíceis questões que estão em pauta atualmente. Reflexões éticas e situadas a esse respeito são necessárias e bem-vindas. Referências BAUMAN, Z. Ética posmoderna. Tradução: Bertha Ruiz de la Concha. 1 ed. Siglo XXI Editores, 2005 BRAGA, D. B. Tecnologia e participação social no processo de produção e consumo de bens culturais: novas possibilidades trazidas pelas práticas letradas digitais mediadas pela Internet. Trabalhos em Linguística Aplicada, vol.49 no.2 Campinas: BUZATO, M. E. K. Cultura digital e apropriação ascendente: apontamentos para uma educação 2.0. Educação em revista, vol. 26, n. 3. Belo Horizonte, CASTELLS, M. A Era da Informação: economia, sociedade e cultura, vol. 3, São Paulo: Paz e terra, 1999, p GEE, J. P.; HULL, G. A.; LANKSHEAR. The new work order - Behind the language of the new capitalism, LÉVY, P. O que é o virtual? São Paulo: Editora 34, MARTIN, A. Digital Literacy and the Digital Society in: LANKSHEAR, C.; KNOBEL, M. Digital Literacies - Concepts, Policies and Practices, New York: NOGUEIRA, M. C. B. Ouvindo a voz do (pré)adolescente brasileiro da geração digital sobre o livro didático de Inglês desenvolvido no Brasil. Dissertação (Mestre). Rio de Janeiro, RJ: Departamento de Letras, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro,

12 Hipertextus Revista Digital (www.hipertextus.net), n.9, Dez PRETO, M. Ed Motta ofende mulheres e músicos e cria polêmica no Facebook. Folha de S. Paulo, 13/05/2011. Disponível em: Acesso em: 28/11/2011. ROJO, R. H. R. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo, SP: Parábola Editorial, A Teoria dos Gêneros Discursivos do Círculo de Bakhtin e os Multiletramentos. In: DE PAULA, L.; STAFUZZA, G. (Orgs.) Círculo de Bakhtin: inter e intradiscursividades, Série Bakhtin Inclassificável, Vol. 4. Campinas, SP: Mercado de Letras, no prelo. Anexos Anexo 1 Figura 1 - Reprodução da página de Ed Motta no Facebook Anexo 2 Figura 2 - Página do evento no Facebook

ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola, 2009.

ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola, 2009. Resenhas 161 ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola, 2009. Márcia Moreira Pereira* marcia.moreirapereira@gmail.com *Possui graduação em Letras pela Universidade

Leia mais

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do sumário Introdução 9 Educação e sustentabilidade 12 Afinal, o que é sustentabilidade? 13 Práticas educativas 28 Conexões culturais e saberes populares 36 Almanaque 39 Diálogos com o território 42 Conhecimentos

Leia mais

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS 1 ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS INTRODUÇÃO Marilda Coelho da Silva marildagabriela@yahoo.com.br Mestrado Profissional Formação de Professores UEPB As

Leia mais

A INTERNET COMPLETOU 20 ANOS DE BRASIL EM 2015.

A INTERNET COMPLETOU 20 ANOS DE BRASIL EM 2015. A INTERNET COMPLETOU 20 ANOS DE BRASIL EM 2015. Isso nos permite afirmar que todas as pessoas nascidas após 1995 são consideradas NATIVAS DIGITAIS, ou seja, quando chegaram ao mundo, a internet já existia.

Leia mais

Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual

Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual Adriana Cristina Lázaro e-mail: adrianaclazaro@gmail.com Milena Aparecida Vendramini Sato e-mail:

Leia mais

QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA!

QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA! QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA! NOSSA VISÃO Um mundo mais justo, onde todas as crianças e todos os adolescentes brincam, praticam esportes e se divertem de forma segura e inclusiva. NOSSO

Leia mais

Linguística Aplicada ao ensino de Língua Portuguesa: a oralidade em sala de aula (Juliana Carvalho) A Linguística Aplicada (LA) nasceu há mais ou menos 60 anos, como uma disciplina voltada para o ensino

Leia mais

Situando o uso da mídia em contextos educacionais

Situando o uso da mídia em contextos educacionais Situando o uso da mídia em contextos educacionais Maria Cecília Martinsi Dentre os pressupostos educacionais relevantes para a época atual, considera-se que as múltiplas dimensões do ser humano - intelectual,

Leia mais

Universidade de Brasília

Universidade de Brasília Disciplina: Comunicação Pública Professores: Ellis e Asdrubal Aluno: João Paulo Apolinário Passos Universidade de Brasília Assessoria de Imprensa em Comunicação Pública e Governamental Prefeitura de Curitiba

Leia mais

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de PAULO FREIRE E A ALFABETIZAÇÃO Vera Lúcia Queiroga Barreto 1 Uma visão de alfabetização que vai além do ba,be,bi,bo,bu. Porque implica uma compreensão crítica da realidade social, política e econômica

Leia mais

USANDO A REDE SOCIAL (FACEBOOK) COMO FERRAMENTA DE APRENDIZAGEM

USANDO A REDE SOCIAL (FACEBOOK) COMO FERRAMENTA DE APRENDIZAGEM Introdução USANDO A REDE SOCIAL (FACEBOOK) COMO FERRAMENTA DE APRENDIZAGEM Paula Priscila Gomes do Nascimento Pina EEEFM José Soares de Carvalho EEEFM Agenor Clemente dos Santos paulapgnascimento@yahoo.com.br

Leia mais

O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas

O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas Julie Caroline de Alcântara Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP E-mail: juliealcantara.31@gmail.com

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCACIONAIS: FORTALECIMENTO DA LÍNGUA ESTRANGEIRA Assunção, Paraguay Abril 2015 POLÍTICAS PÚBLICAS

Leia mais

Projeto Escola com Celular

Projeto Escola com Celular Projeto Escola com Celular Rede Social de Sustentabilidade Autores: Beatriz Scavazza, Fernando Silva, Ghisleine Trigo, Luis Marcio Barbosa e Renata Simões 1 Resumo: O projeto ESCOLA COM CELULAR propõe

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Jaqueline Oliveira Silva Ribeiro SESI-SP josr2@bol.com.br Dimas Cássio Simão SESI-SP

Leia mais

Manual de conduta nas mídias sociais. colégio magnum cidade nova

Manual de conduta nas mídias sociais. colégio magnum cidade nova Manual de conduta nas mídias sociais colégio magnum cidade nova Manual de conduta nas mídias sociais Práticas de comportamento dos educadores do Colégio Magnum nas mídias sociais A Magnum 2 Introdução

Leia mais

CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA

CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA Júlio César Paula Neves Tânia Mayra Lopes de Melo Modalidade: Pôster Sessão Temática 5: Educação e

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

Cinco pontos sobre redes sociais na Internet

Cinco pontos sobre redes sociais na Internet Cinco pontos sobre redes sociais na Internet Por Raquel Recuero (*) Nos últimos anos, assistimos a um crescimento espantoso das chamadas tecnologias de comunicação. Essas tecnologias tornaram-se mais rápidas,

Leia mais

Proposta do projeto de extensão: Inclusão digital dos softwares livres na comunidade escolar da rede pública em Aracaju SE

Proposta do projeto de extensão: Inclusão digital dos softwares livres na comunidade escolar da rede pública em Aracaju SE Proposta do projeto de extensão: Inclusão digital dos softwares livres na comunidade escolar da rede pública em Aracaju SE Resumo O projeto tem como objetivo principal promover a inclusão digital dos softwares

Leia mais

PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária

PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária Apoio: Secretária municipal de educação de santo Afonso PROJETO INTERAÇÃO FAMÍLIA X ESCOLA: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA. É imperioso que dois dos principais

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

Puerta Joven. Juventud, Cultura y Desarrollo A.C.

Puerta Joven. Juventud, Cultura y Desarrollo A.C. Puerta Joven. Juventud, Cultura y Desarrollo A.C. Declaração de Princípios Quem Somos Somos uma organização não-governamental dedicada à promoção da liderança juvenil e da participação da cultura da juventude

Leia mais

Critérios de seleção e utilização do livro didático de inglês na rede estadual de ensino de Goiás

Critérios de seleção e utilização do livro didático de inglês na rede estadual de ensino de Goiás Critérios de seleção e utilização do livro didático de inglês na rede estadual de ensino de Goiás COSTA, Bianca Ribeiro Morais OLIVEIRA, Eliane Carolina de Universidade Federal de Goiás- UFG Programa de

Leia mais

Sumário Aspectos Básicos... 3 Como Empresas usam o Facebook... 3 Introdução ao Facebook... 4 Criando um Cadastro... 5 Confirmando E-mail...

Sumário Aspectos Básicos... 3 Como Empresas usam o Facebook... 3 Introdução ao Facebook... 4 Criando um Cadastro... 5 Confirmando E-mail... FACEBOOK Sumário Aspectos Básicos... 3 Como Empresas usam o Facebook... 3 Introdução ao Facebook... 4 Criando um Cadastro... 5 Confirmando E-mail... 8 Características do Facebook... 10 Postagens... 11

Leia mais

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO Karen Ramos Camargo 1 Resumo O presente artigo visa suscitar a discussão acerca dos processos de trabalho do Serviço Social, relacionados

Leia mais

As Tecnologias de Informação e Comunicação para Ensinar na Era do Conhecimento

As Tecnologias de Informação e Comunicação para Ensinar na Era do Conhecimento As Tecnologias de Informação e Comunicação para Ensinar na Era do Conhecimento Nirave Reigota Caram Universidade Sagrado Coração, Bauru/SP E-mail: nirave.caram@usc.br Comunicação Oral Pesquisa em Andamento

Leia mais

O papel educativo do gestor de comunicação no ambiente das organizações

O papel educativo do gestor de comunicação no ambiente das organizações O papel educativo do gestor de comunicação no ambiente das organizações Mariane Frascareli Lelis Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho UNESP, Bauru/SP e-mail: mariane_lelis@yahoo.com.br;

Leia mais

Fácil e comum é se ouvir uma empresa levantar a bandeira do fluxo de informação com seus diversos públicos, inclusive o interno. A este, a maioria das empresas enaltece com orgulho um setor específico,

Leia mais

Educação a Distância: a oportunidade vai ao seu encontro

Educação a Distância: a oportunidade vai ao seu encontro DICAS PARA ESTUDAR A DISTÂNCIA Educação a Distância: a oportunidade vai ao seu encontro Ensinar não é transferir conhecimento, mas criar as possibilidades para a sua própria produção ou a sua construção.

Leia mais

I SEMINÁRIO POLÍTICAS PÚBLICAS E AÇÕES AFIRMATIVAS Universidade Federal de Santa Maria Observatório de Ações Afirmativas 20 a 21 de outubro de 2015

I SEMINÁRIO POLÍTICAS PÚBLICAS E AÇÕES AFIRMATIVAS Universidade Federal de Santa Maria Observatório de Ações Afirmativas 20 a 21 de outubro de 2015 I SEMINÁRIO POLÍTICAS PÚBLICAS E AÇÕES AFIRMATIVAS Universidade Federal de Santa Maria Observatório de Ações Afirmativas 20 a 21 de outubro de 2015 A GESTÃO ESCOLAR E O POTENCIAL DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO

Leia mais

PASSOS A SEGUIR :) BAIXAR PACOTE GRÁFICO

PASSOS A SEGUIR :) BAIXAR PACOTE GRÁFICO PASSOS A SEGUIR :) ORGANIZAR OU ADICIONAR O SEU EVENTO PREENCHER O FORMULÁRIO BAIXAR PACOTE GRÁFICO COMEMORAR DIA DA TERRA ENVIAR-NOS SUAS FOTOS E GRÁFICOS ORGANIZAR UM EVENTO OU ADICIONAR O QUE VOCÊ ESTÁ

Leia mais

1» A revolução educacional e a educação em valores 11

1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Sumário Introdução 9 1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Introdução 12 As causas da revolução educacional 12 O triplo desafio pedagógico 14 Da transmissão à educação 15 O que pretende

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS RESOLUÇÃO Nº xx/xxxx CONSELHO UNIVERSITÁRIO EM dd de mês de aaaa Dispõe sobre a criação

Leia mais

SEMANA 3 A CONTRIBUIÇAO DOS ESTUDOS DE GÊNERO

SEMANA 3 A CONTRIBUIÇAO DOS ESTUDOS DE GÊNERO SEMANA 3 A CONTRIBUIÇAO DOS ESTUDOS DE GÊNERO Autor (unidade 1 e 2): Prof. Dr. Emerson Izidoro dos Santos Colaboração: Paula Teixeira Araujo, Bernardo Gonzalez Cepeda Alvarez, Lívia Sousa Anjos Objetivos:

Leia mais

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos!

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! Documento final aprovado por adolescentes dos Estados do Amazonas, da Bahia, do Ceará, do Mato Grosso,

Leia mais

Novell Vibe 4.0. Março de 2015. Inicialização Rápida. Iniciando o Novell Vibe. Conhecendo a interface do Novell Vibe e seus recursos

Novell Vibe 4.0. Março de 2015. Inicialização Rápida. Iniciando o Novell Vibe. Conhecendo a interface do Novell Vibe e seus recursos Novell Vibe 4.0 Março de 2015 Inicialização Rápida Quando você começa a usar o Novell Vibe, a primeira coisa a se fazer é configurar sua área de trabalho pessoal e criar uma área de trabalho de equipe.

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

Período Fevereiro a Maio de 2014

Período Fevereiro a Maio de 2014 Relatório da Campanha Participação Período Fevereiro a Maio de 2014 Assunto Objetivo Observadores(as) Campanha de sensibilização para a importância da participação da sociedade nos espaços de debate e

Leia mais

Entrevista da Professora Rosa Trombetta à rádio Jovem Pan.

Entrevista da Professora Rosa Trombetta à rádio Jovem Pan. Entrevista da Professora Rosa Trombetta à rádio Jovem Pan. A Professora Rosa Trombetta, Coordenadora de Cursos da FIPECAFI aborda o assunto elearning para os ouvintes da Jovem Pan Online. Você sabe o que

Leia mais

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância Nilce Fátima Scheffer - URI-Campus de Erechim/RS - snilce@uri.com.br

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

48 Os professores optaram por estudar a urbanização, partindo dos espaços conhecidos pelos alunos no entorno da escola. Buscavam, nesse projeto, refletir sobre as características das moradias existentes,

Leia mais

CARTA DE OTTAWA. PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986

CARTA DE OTTAWA. PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986 CARTA DE OTTAWA PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986 A Primeira Conferência Internacional sobre Promoção da Saúde, realizada em Ottawa, Canadá, em novembro

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches A presença de tecnologias digitais no campo educacional já é facilmente percebida, seja pela introdução de equipamentos diversos,

Leia mais

Lucas Arantes Zanetti 1 Lívia Cadete da Silva 2 Orientadora: Caroline Kraus Luvizotto 3 Universidade Estadual Paulista, Bauru, SP

Lucas Arantes Zanetti 1 Lívia Cadete da Silva 2 Orientadora: Caroline Kraus Luvizotto 3 Universidade Estadual Paulista, Bauru, SP Movimentos sociais e internet: uma análise sobre as manifestações de 2013 no Brasil Lucas Arantes Zanetti 1 Lívia Cadete da Silva 2 Orientadora: Caroline Kraus Luvizotto 3 Universidade Estadual Paulista,

Leia mais

Introdução a EaD: Um guia de estudos

Introdução a EaD: Um guia de estudos MÓDULO BÁSICO PROFESSORES FERNANDO SPANHOL E MARCIO DE SOUZA Introdução a EaD: Um guia de estudos Realização: guia de estudo SUMÁRIO UNIDADE 1 ORGANIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA 1.1 Entendendo a EaD 5

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

DIGITAL STORYTELLING: O GÊNERO NARRATIVA AUTOBIOGRÁFICA DIGITAL EM AULAS DE INGLÊS

DIGITAL STORYTELLING: O GÊNERO NARRATIVA AUTOBIOGRÁFICA DIGITAL EM AULAS DE INGLÊS DIGITAL STORYTELLING: O GÊNERO NARRATIVA AUTOBIOGRÁFICA DIGITAL EM AULAS DE INGLÊS Débora Bortolon (Colégio Estadual Castelo Branco /Paraná) Terezinha Marcondes Diniz Biazi (/UNICENTRO/GP) e-mail: emebiazi@hotmail.com

Leia mais

6. Considerações finais

6. Considerações finais 84 6. Considerações finais Nesta dissertação, encontram-se registros de mudanças sociais que influenciaram as vidas de homens e mulheres a partir da chegada das novas tecnologias. Partiu-se da Revolução

Leia mais

CURSO DE EXTENSÃO A DISTÂNCIA SECADI/UFC AULA 02: EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA TÓPICO 03: CARACTERÍSTICAS DO ENSINO A DISTÂNCIA VERSÃO TEXTUAL Antes de iniciar este curso, você deve ter refletido bastante sobre

Leia mais

PENSAMENTO E LINGUAGEM: ESTUDO DA INOVAÇÃO E REFLEXÃO DOS ANAIS E DO ENSINO/APRENDIZAGEM DO INGLÊS EM SALA DE AULA

PENSAMENTO E LINGUAGEM: ESTUDO DA INOVAÇÃO E REFLEXÃO DOS ANAIS E DO ENSINO/APRENDIZAGEM DO INGLÊS EM SALA DE AULA PENSAMENTO E LINGUAGEM: ESTUDO DA INOVAÇÃO E REFLEXÃO DOS ANAIS E DO ENSINO/APRENDIZAGEM DO INGLÊS EM SALA DE AULA Adriana Zanela Nunes (UFRJ) zannelli@bol.com.br, zannelli@ig.com.br zannelli@ibest.com.br

Leia mais

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES CHAVES, Natália Azenha Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: natalya_azenha@hotmail.com

Leia mais

ELABORAÇÃO DE CATÁLOGO DESCRITIVO DE SITES PARA O ENSINO DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA

ELABORAÇÃO DE CATÁLOGO DESCRITIVO DE SITES PARA O ENSINO DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA ELABORAÇÃO DE CATÁLOGO DESCRITIVO DE SITES PARA O ENSINO DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA Dayane Ribeiro da Silva (PICV/PRPPG/ UNIOESTE), Greice da Silva Castela (Orientadora), e-mail: greicecastela@yahoo.com.br

Leia mais

A atuação do educador e as tecnologias: uma relação possível?

A atuação do educador e as tecnologias: uma relação possível? 1 A atuação do educador e as tecnologias: uma relação possível? Natália Regina de Almeida (UERJ/EDU/CNPq) Eixo Temático: Tecnologias: Pra que te quero? Resumo As novas tecnologias estão trazendo novos

Leia mais

O uso de blogs no ensino de Matemática 2

O uso de blogs no ensino de Matemática 2 Claudinei Flavia Batista Santos Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Brasil bs_flavia@hotmail.com Sirlândia Souza Santana sirlandiasantana@hotmail.com Resumo Este trabalho tem como principal objetivo

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL A língua espanhola na Educação Básica A implantação da língua espanhola por meio da lei federal 11.161, que diz respeito à sua oferta

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável Sustentabilidade Socioambiental Resistência à pobreza Desenvolvimento Saúde/Segurança alimentar Saneamento básico Educação Habitação Lazer Trabalho/

Leia mais

A INTERNET COMO RECURSO PEDAGÓGICO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

A INTERNET COMO RECURSO PEDAGÓGICO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS A INTERNET COMO RECURSO PEDAGÓGICO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Jacqueline Liedja Araujo Silva Carvalho Universidade Federal de Campina Grande (UFCG CCTA Pombal) jliedja@hotmail.com

Leia mais

O futuro da educação já começou

O futuro da educação já começou O futuro da educação já começou Sua conexão com o futuro A 10 Escola Digital é uma solução inovadora para transformar a sua escola. A LeYa traz para a sua escola o que há de mais moderno em educação, a

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

Cultura: diferentes significados

Cultura: diferentes significados 1 Cultura: diferentes significados O termo cultura é utilizado com diferentes significados. No senso comum encontramos o uso do termo como sinônimo de educação. Nesta acepção, a cultura tem sido motivo

Leia mais

O uso de Objetos de Aprendizagem como recurso de apoio às dificuldades na alfabetização

O uso de Objetos de Aprendizagem como recurso de apoio às dificuldades na alfabetização O uso de Objetos de Aprendizagem como recurso de apoio às dificuldades na alfabetização Juliana Ferreira Universidade Estadual Paulista UNESP- Araraquara E-mail: juliana.ferreiraae@gmail.com Silvio Henrique

Leia mais

Estratégias em Propaganda e Comunicação

Estratégias em Propaganda e Comunicação Ferramentas Gráficas I Estratégias em Propaganda e Comunicação Tenho meu Briefing. E agora? Planejamento de Campanha Publicitária O QUE VOCÊ DEVE SABER NO INÍCIO O profissional responsável pelo planejamento

Leia mais

Diversidade Cultural X Estereótipos: Discursos Ideológicos em Livros Didáticos para o ensino de Língua Inglesa

Diversidade Cultural X Estereótipos: Discursos Ideológicos em Livros Didáticos para o ensino de Língua Inglesa Diversidade Cultural X Estereótipos: Discursos Ideológicos em Livros Didáticos para o ensino de Língua Inglesa Mary Clevely Mendes Programa de Iniciação Científica UEG / CNPq Orientador (Pesquisador-líder):

Leia mais

Manual Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle-ESPMG 2.0

Manual Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle-ESPMG 2.0 Manual Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle-ESPMG 2.0 Adriano Lima Belo Horizonte 2011 SUMÁRIO Apresentação... 3 Acesso ao Ambiente Virtual de Aprendizagem AVA ESP-MG... 3 Programação do curso no AVA-ESPMG

Leia mais

Ministério da Educação. Primavera 2014. Atualização do Redesenho do Currículo

Ministério da Educação. Primavera 2014. Atualização do Redesenho do Currículo Ministério da Educação Primavera 2014 Atualização do Redesenho do Currículo Em 2010, o Ministério da Educação começou a transformar o sistema educacional de British Columbia, Canadá, Ensino Infantil Médio

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Etec: Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã Área de conhecimento: Ciências Humanas e Suas Tecnologias Componente Curricular:

Leia mais

coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - u s a r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - u s a r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - Sou so profes r a, Posso m a s n ão parar d aguento m e ai ensinar s? d a r a u la s Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

NA POSTURA DO PROFESSOR, O SUCESSO DA APRENDIZAGEM

NA POSTURA DO PROFESSOR, O SUCESSO DA APRENDIZAGEM Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias outubro/2007 página 1 NA POSTURA DO PROFESSOR, O SUCESSO DA APRENDIZAGEM Marina Muniz Nunes: É inegável que determinadas ações e posturas do professor, tal como

Leia mais

Artigo Publicado na revista Eletrônica F@pciência, Apucarana-PR, v.1, n.1, 61-66, 2007. INCLUSÃO DIGITAL

Artigo Publicado na revista Eletrônica F@pciência, Apucarana-PR, v.1, n.1, 61-66, 2007. INCLUSÃO DIGITAL Artigo Publicado na revista Eletrônica F@pciência, Apucarana-PR, v.1, n.1, 61-66, 2007. Resumo INCLUSÃO DIGITAL Leandro Durães 1 A inclusão digital que vem sendo praticada no país tem abordado, em sua

Leia mais

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS 1 FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS MAURICIO SEBASTIÃO DE BARROS 1 RESUMO Este artigo tem como objetivo apresentar as atuais

Leia mais

BREVE APRESENTACAO, ~

BREVE APRESENTACAO, ~ BREVE APRESENTACAO, ~ Jornal era considerado mídia obrigatória O principal diferencial costumava ser o volume de circulação, principalmente se o jornal era auditado pelo IVC. Os jornais eram procurados

Leia mais

AS SALAS DE TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS E A PRATICA DOCENTE.

AS SALAS DE TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS E A PRATICA DOCENTE. AS SALAS DE TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS E A PRATICA DOCENTE. Introdução Carlos Roberto das Virgens Sirlene de Souza Benedito das Virgens Antonio Sales Universidade Estadual do Mato Grosso do Sul Não faz muito

Leia mais

Portal Contador Parceiro

Portal Contador Parceiro Portal Contador Parceiro Manual do Usuário Produzido por: Informática Educativa 1. Portal Contador Parceiro... 03 2. Acesso ao Portal... 04 3. Profissionais...11 4. Restrito...16 4.1 Perfil... 18 4.2 Artigos...

Leia mais

A INTERAÇÃO SOCIAL DESCRITA POR VIGOTSKI E A SUA POSSÍVEL LIGAÇÃO COM A APRENDIZAGEM COLABORATIVA ATRAVÉS DAS TECNOLOGIAS EM REDE

A INTERAÇÃO SOCIAL DESCRITA POR VIGOTSKI E A SUA POSSÍVEL LIGAÇÃO COM A APRENDIZAGEM COLABORATIVA ATRAVÉS DAS TECNOLOGIAS EM REDE A INTERAÇÃO SOCIAL DESCRITA POR VIGOTSKI E A SUA POSSÍVEL LIGAÇÃO COM A APRENDIZAGEM COLABORATIVA ATRAVÉS DAS TECNOLOGIAS EM REDE O artigo estabelece algumas abstrações sobre a interação social como elemento

Leia mais

RESENHA/REVIEW. ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola Editorial, 2009. 128 p.

RESENHA/REVIEW. ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola Editorial, 2009. 128 p. RESENHA/REVIEW ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola Editorial, 2009. 128 p. Resenhado por/by: Acir Mario KARWOSKI (Universidade Federal do Triângulo Mineiro)

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

MINIWEB EDUCAÇÃO - A EXPERIÊNCIA DA CRIAÇÃO DE UM PORTAL EDUCACIONAL E CURSOS A DISTÂNCIA.

MINIWEB EDUCAÇÃO - A EXPERIÊNCIA DA CRIAÇÃO DE UM PORTAL EDUCACIONAL E CURSOS A DISTÂNCIA. 1 MINIWEB EDUCAÇÃO - A EXPERIÊNCIA DA CRIAÇÃO DE UM PORTAL EDUCACIONAL E CURSOS A DISTÂNCIA. Profa. Arlete Embacher MiniWeb Educação S/C Ltda webmaster@miniweb.com.br Resumo Este relato descreve como surgiu

Leia mais

ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: que lugar é este?

ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: que lugar é este? Universidade do Sul de Santa Catarina UNISUL maria.schlickmann@unisul.br Palavras iniciais... As reflexões que apresento neste texto são um recorte de estudo que venho realizando na minha tese de doutorado.

Leia mais

Novas Tecnologias no Ensino de Física: discutindo o processo de elaboração de um blog para divulgação científica

Novas Tecnologias no Ensino de Física: discutindo o processo de elaboração de um blog para divulgação científica Novas Tecnologias no Ensino de Física: discutindo o processo de elaboração de um blog para divulgação científica Pedro Henrique SOUZA¹, Gabriel Henrique Geraldo Chaves MORAIS¹, Jessiara Garcia PEREIRA².

Leia mais

O desenvolvimento do Terceiro Setor e a profissionalização

O desenvolvimento do Terceiro Setor e a profissionalização O desenvolvimento do Terceiro Setor e a profissionalização Cristiane dos Santos Schleiniger * Lise Mari Nitsche Ortiz * O Terceiro Setor é o setor da sociedade que emprega aproximadamente 1 milhão de pessoas.

Leia mais

ANEXO V À RESOLUÇÃO Nº XX/2015, DE XX DE XXXX DE 2015.

ANEXO V À RESOLUÇÃO Nº XX/2015, DE XX DE XXXX DE 2015. ANEXO V À RESOLUÇÃO Nº XX/2015, DE XX DE XXXX DE 2015. 1 OBJETIVO O objetivo deste documento é estipular um plano de ação para criar e gerenciar perfis do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

O QUE É ECONOMIA VERDE? Sessão de Design Thinking sobre Economia Verde

O QUE É ECONOMIA VERDE? Sessão de Design Thinking sobre Economia Verde O QUE É ECONOMIA VERDE? Sessão de Design Thinking sobre Economia Verde Florianópolis SC Junho/2012 2 SUMÁRIO Resumo do Caso...3 Natureza do Caso e Ambiente Externo...3 Problemas e Oportunidades...4 Diagnóstico:

Leia mais

O USO DE TECNOLOGIAS NAS AULAS DE MATEMÁTICA E CRENÇAS SOBRE A SUA APRENDIZAGEM

O USO DE TECNOLOGIAS NAS AULAS DE MATEMÁTICA E CRENÇAS SOBRE A SUA APRENDIZAGEM O USO DE TECNOLOGIAS NAS AULAS DE MATEMÁTICA E CRENÇAS SOBRE A SUA APRENDIZAGEM Justificativa ABREU,Tamires de Sá 1 BARRETO, Maria de Fátima Teixeira² Palavras chave: crenças, matemática, softwares, vídeos.

Leia mais

GESTÃO DA SALA DE AULA: NOVOS CONTEXTOS, NOVAS DIFICULDADES, GRANDES DESAFIOS E POSSIBILIDADES. Profa. Aureli Martins Sartori de Toledo Setembro/2012

GESTÃO DA SALA DE AULA: NOVOS CONTEXTOS, NOVAS DIFICULDADES, GRANDES DESAFIOS E POSSIBILIDADES. Profa. Aureli Martins Sartori de Toledo Setembro/2012 GESTÃO DA SALA DE AULA: NOVOS CONTEXTOS, NOVAS DIFICULDADES, GRANDES DESAFIOS E POSSIBILIDADES Profa. Aureli Martins Sartori de Toledo Setembro/2012 A palestra em algumas palavras... Provocações... reflexões...leitura

Leia mais

(Publicada no D.O.U em 30/07/2009)

(Publicada no D.O.U em 30/07/2009) MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS RESOLUÇÃO N o 98, DE 26 DE MARÇO DE 2009 (Publicada no D.O.U em 30/07/2009) Estabelece princípios, fundamentos e diretrizes para a educação,

Leia mais

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LI ESTAMOS PASSANDO PELA MAIOR TRANSFORMAÇÃO NA HISTÓRIA DA HUMANIDADE. VALORIZAR PESSOAS

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

OS DESAFIOS DA INCLUSÃO ESCOLAR: O método avaliativo do aluno com deficiência intelectual

OS DESAFIOS DA INCLUSÃO ESCOLAR: O método avaliativo do aluno com deficiência intelectual OS DESAFIOS DA INCLUSÃO ESCOLAR: O método avaliativo do aluno com deficiência intelectual Tuane Telles Rodrigues 1 Letícia Ramires Corrêa 2 Resumo: Durante nossa vida acadêmica estamos em constante aperfeiçoamento,

Leia mais

EXTENSÃO DE ESPANHOL: CONTRIBUIÇÃO NA FORMAÇÃO DOS ALUNOS, DA CIDADE DOS MENINOS

EXTENSÃO DE ESPANHOL: CONTRIBUIÇÃO NA FORMAÇÃO DOS ALUNOS, DA CIDADE DOS MENINOS 9. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA EXTENSÃO DE

Leia mais

PROJETO DE INTERVEÇÃO: UM OLHAR DIFERENTE PARA O LIXO

PROJETO DE INTERVEÇÃO: UM OLHAR DIFERENTE PARA O LIXO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO-UFERSA NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA CURSO :EDUCAÇÃO AMBIENTAL ALUNA:FRANCISCA IÊDA SILVEIRA DE SOUZA TUTORA: ANYELLE PAIVA ROCHA ELIAS PROFESSORA: DIANA GONSALVES

Leia mais