Transdisciplinaridade, Novas Tecnologias e Compartilhamento de Informações: Perspectiva de Mudanças para o Campo Comunicação/Educação?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Transdisciplinaridade, Novas Tecnologias e Compartilhamento de Informações: Perspectiva de Mudanças para o Campo Comunicação/Educação?"

Transcrição

1 Transdisciplinaridade, Novas Tecnologias e Compartilhamento de Informações: Perspectiva de Mudanças para o Campo Comunicação/Educação? 1 Rafael Vergili 2 Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA-USP) Resumo A Web ajudou a modificar as maneiras de consumir, produzir, reformular e compartilhar informações. No atual contexto tecnológico, a troca de mensagens é facilitada, sem barreiras de tempo e espaço, o que poderia incentivar criações coletivas de interesse público. No entanto, a reclusão disciplinar e alguns obstáculos culturais ainda impedem que se atinja a plenitude no que tange ao entrecruzamento de campos do conhecimento. Para promover reflexão acerca dos temas supracitados e, em especial, sobre a projeção de novos cenários para a educação, por meio de pesquisa bibliográfica são desenvolvidos os seguintes tópicos: contribuições do prosumer nas perspectivas do consumo e do compartilhamento; relação entre avanços tecnológicos e alterações nos conceitos de autoria e autoridade; influência da cultura participatória nas criações coletivas; e associação entre transdisciplinaridade e novas tecnologias para gerar mudanças no contexto educacional. Palavras-chave: educação; transdisciplinaridade; Web; informação; criações coletivas. Introdução Emissores e receptores, antes separados por rígidas fronteiras, tornaram-se indissociáveis após a configuração midiática ter se remodelado com auxílio da Web. Em um novo panorama tecnológico, de fácil apropriação, o intercâmbio de imagens, sons e textos é intensificado. Nesse sentido, os códigos e símbolos gerados artificialmente pelo homem deram origem a mundos paralelos, que simulam a realidade e ganham cada vez mais importância. Pode-se dizer, assim, que a comunicação se baseia, cada vez mais, em bens imateriais, o que contribui para o desenvolvimento, proliferação e domínio por códigos, deslocando as estruturas de produção e consumo da sociedade contemporânea (FLUSSER, 2007; BENKLER, 2007). 1 Trabalho apresentado no Grupo de Trabalho Comunicação, Educação e Consumo, do 3º Encontro de GTs - Comunicon, realizado nos dias 10 e 11 de outubro de Doutorando em Ciências da Comunicação pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA- USP) e Mestre em Comunicação pela Faculdade Cásper Líbero.

2 Diante do breve panorama apresentado, o artigo, dividido em quatro itens, além da introdução e das considerações finais, pretende, por meio de pesquisa bibliográfica, promover reflexão sobre o impacto que a cultura participatória 3 e a transdisciplinaridade, associadas ao novo contexto tecnológico, podem provocar em criações coletivas de interesse público e na projeção de novos rumos para a educação. Para isso, o primeiro item apresenta a configuração atual do cenário tecnológico em que a sociedade está inserida, responsável direto por potencializar as atividades do prosumer (consumidor e produtor de informações, de forma simultânea), indivíduo que pode se tornar cada vez mais importante nas mudanças na forma de compartilhamento na Web. As principais referências utilizadas para abordar o tema são: Alvin Toffler (1980, 1990), Don Tapscott e Anthony D. Williams (2007). No segundo item, para tratar da mudança nos conceitos de autoria e autoridade, além da confiabilidade das informações geradas de maneira colaborativa com auxílio das novas tecnologias, são utilizados textos de Brasilina Passarelli (2008) e Jim Giles (2005). Obras de Henry Jenkins (2009, 2012) e de Yochai Benkler (2007) são usadas para abordar a cultura participatória e fan fiction, um arranjo colaborativo que permite a criação de novos textos, quadrinhos, games e filmes a partir de obras originais, introduzindo o fato de criações coletivas poderem contribuir com reflexões de interesse público e tornaram-se pilares norteadores de uma nova caminhada para a revitalização do cenário educacional. Por fim, no quarto item, apoiando-se em referenciais como Edgar Morin (2003), Maria Aparecida Baccega (1999), Muniz Sodré (2012) e Ubiratan D Ambrosio (1994, 1997), busca-se articular os tópicos debatidos anteriormente com o conceito de transdisciplinaridade, na tentativa de facilitar o entendimento de fenômenos ocorridos na Web, como a rápida troca de informações e as obras geradas coletivamente, no intuito de promover reflexão sobre mudanças que podem ocorrer no campo da ciência e da educação, caso evite-se a reclusão disciplinar e, por consequência, produza-se conhecimento unificado e significativo. 3 Devido à tradução literal da expressão participatory culture, Henry Jenkins (2012) usa o neologismo cultura participatória para se referir ao que se costuma chamar de cultura participativa. Optou-se pela utilização da palavra participatória no decorrer do artigo, para manter a ideia original do autor. Atributos referentes a essa cultura serão apresentados no item Cultura participatória e criações coletivas: puro entretenimento ou novas perspectivas para a educação?. 2

3 Prosumer: contribuições para as mudanças nas perspectivas do consumo e do compartilhamento Com o advento da Web, a emissão de informações, antes restrita aos tradicionais veículos de comunicação, foi rompida. Cada pessoa inserida no ambiente digital adquiriu a possibilidade de se tornar não apenas um consumidor de conteúdo, mas, também, um produtor e disseminador de mensagens. Com isso, abriu-se espaço para interações mais frequentes e, por consequência, a oportunidade de criar, remixar e/ou revitalizar textos, obras artísticas, entre outros processos e produtos comunicacionais, que podem favorecer obras coletivas (JENKINS, 2009). É desse contexto que surge a figura do prosumer, aglutinação das palavras producer + consumer (em português, produtor e consumidor). Tal condição já havia sido iniciada no livro Take Today: The Executive as Dropout, de Marshall McLuhan e Barrington Nevitt (1972), mas o termo que expressasse de maneira concisa as duas características foi apresentado pela primeira vez em 1980, por Alvin Toffler, na obra A Terceira Onda. Posteriormente, o conceito foi retomado em Powershift: as mudanças do poder, pelo próprio Toffler (1990) e, com considerações sobre novas características do ambiente, por Don Tapscott e Anthony D. Williams (2007). Não é raro notar o uso do termo prosumer traduzido para o português, ora com duas letras s, como no caso de João Távora, responsável pela tradução do livro de Alvin Toffler (1980), que optou por prossumidor, ora com um s só, caso de Jose Octavio Islas-Carmona (2008) e José Manuel Corona Rodríguez (2012). No presente artigo, no entanto, optou-se por utilizar sempre a expressão original prosumer 4, relatada em The third wave, de Alvin Toffler (1980), em que o autor trata basicamente de três ondas na história da humanidade: a primeira caracterizada pela sociedade agrícola, a segunda calcada na sociedade industrial e a terceira baseada na tecnologia. O prosumer, pessoa que, simultaneamente, consome e produz conteúdo, estaria inserido nas três ondas mencionadas anteriormente, mas ganharia destaque no momento atual, pois o consumo priorizaria a troca de informações em detrimento de produtos materiais/físicos (TOFFLER, 1980; BENKLER, 2007). Parte dessa mudança ocorre por razões econômicas. Antigamente, a replicação de conteúdo de maneira analógica muitas vezes era inviabilizada pelos altos custos associados ao processo. Por 4 Ao realizar uma revisão bibliográfica é possível encontrar outros termos que definem a junção de papéis entre consumidores e produtores de informação. Axel Bruns (2008a, 2008b), por exemplo, opta por utilizar o termo produser. Carolina Frazon Terra (2011), por sua vez, prefere empregar usuário-mídia. E Inês Amaral (2012) utiliza consumidor 2.0. Porém, por ter sido o primeiro termo utilizado para descrever a figura do consumidor de informações que também produz conteúdo, estar mais consolidado e ter seu uso recorrente na maior parte da bibliografia disponível sobre temas relacionados, optou-se pela manutenção do uso do termo prosumer no presente artigo. 3

4 exemplo, para compartilhar uma música com outra pessoa, era necessário gravar uma fita cassete a partir de outra fita, ou de um disco de vinil, o que fazia com que a quantidade de cópias existentes trouxesse consigo um custo proporcional fixo associado. Ou seja, o custo era alto, o conteúdo replicado geralmente possuía qualidade inferior, não existiam muitas possibilidades de remixagem e as tecnologias disponíveis para a realização da cópia eram escassas (LESSIG, 2010; SHAPIRO; VARIAN, 1999). No entanto, as inovações tecnológicas das últimas décadas e, mais recentemente, a emergência de redes sociais, com interfaces cada vez mais amigáveis, tornaram a apropriação mais frequente por parte da sociedade. Ou seja, uma substituição do átomo para os bits começou a ser incorporada, o que proporcionou o rompimento das limitações do espaço físico e a quebra da barreira do tempo, o livre trânsito de informações pela rede e a ampliação de oportunidades de troca de informações sem custos associados. Isso permite que não especialistas, de maneira criativa e não linear, criem, repliquem, reformulem, exponham e difundam mensagens para um grande número de pessoas, de qualquer parte do mundo, instantaneamente, estimulando uma comunicação voltada para a colaboração e, consequentemente, para o desenvolvimento de criações coletivas de maneira cada vez mais rápida (TOFFLER, 1980; BENKLER, 2007; LESSIG, 2008; TAPSCOTT, 2010; CASTELLS, 2011, AMARAL, 2012). Portanto, de acordo com Don Tapscott e Anthony D. Williams (2007) é possível verificar que as pessoas, com auxílio da tecnologia, conseguem exceder a concepção de simples consumidores, mudando as práticas de produção e influenciando diretamente os processos comunicacionais: Os usuários mais avançados, na realidade, não aguardam por um convite para transformar um produto em uma plataforma para as suas próprias inovações. Eles simplesmente organizam suas próprias comunidades de prosumers on-line, em que compartilham informações relacionadas ao produto, colaboram em projetos customizados, envolvem-se no comércio e trocam dicas, ferramentas e partes de produtos. (TAPSCOTT; WILLIAMS, 2007: 126, tradução nossa) Diante do ambiente Web e da consequente possibilidade da fácil troca de informações, muitos pontos precisam ser discutidos. Dentre os mais polêmicos estão as mudanças provocadas no conceito de autoria e autoridade, que serão debatidos mais detalhadamente no próximo item do artigo. 4

5 Relação entre avanços tecnológicos e alterações nos conceitos de autoria e autoridade As mudanças no conceito de autoria e autoridade possuem relação inextricável com os avanços tecnológicos. No que tange à autoria, uma das principais dificuldades encontradas refere-se à identificação de pessoas que produziram determinado tipo de texto ou expressão original, principalmente em decorrência das constantes remixagens de conteúdo e do anonimato possibilitado pela Web (PASSARELLI, 2008). Entre as características e possibilidades mais comuns nesse ambiente, Cíntia Dal Bello (2010: 12) sugere: a) sonegação parcial ou adulteração de informações pessoais; b) dissimulação da identidade oficial por meio da adoção de fake profile; c) uso superficial de múltiplas plataformas e perfis; d) restrição do número de amigos; e) classificação dos amigos em grupos para personalizar a disponibilidade dos conteúdos publicados; f) aplicação de cadeados aos conteúdos publicados (o que limita sua visibilidade à rede de amigos autorizados); g) seleção de imagens para publicação que não revelem a localização geográfica da residência, da escola e de locais de trabalho; h) uso de canais de comunicação mais apropriados para tratar de assuntos privados. Já no caso da autoridade, o destaque, principalmente no que se refere ao saber científico, fica por conta da validação de textos publicados sem o processo de legitimação por entendimento entre pares, também conhecido por peer review (PASSARELLI, 2008). Essa discussão, todavia, não é recente. Em 2005, em análise comparativa, desenvolvida pela Revista Nature, entre quarenta e dois artigos da Enciclopédia Britânica e da Wikipédia, cinquenta especialistas em revisão científica avaliaram que a diferença no número de omissões críticas, erros factuais e declarações enganosas era pequena três erros por artigo na enciclopédia impressa e quatro equívocos na on-line (GILES, 2005). Mesmo com os resultados do estudo divulgados, o debate sobre a confiabilidade de textos coletivos e, em especial, de enciclopédias com essas características como a Wikipédia, mencionada anteriormente ainda está em curso, longe de obter uma resposta definitiva. A partir da análise, inclusive, aumentaram as discussões sobre a metodologia utilizada, alegando-se que os verbetes e artigos analisados estariam estritamente ligados à ciência, o que pode ter feito com que muitas informações da enciclopédia on-line tenham sido copiadas de versões impressas ou de sites de universidades. A dúvida, no entanto, persistirá. Quase dez anos se passaram e a Enciclopédia Britânica não mais possui versão impressa, nem o mesmo número de profissionais, enquanto a Wikipédia alterou suas políticas de publicação e revisão para tentar aprimorar o sistema de contribuições, o que pode ter reduzido ou aumentado a diferença de erros entre as publicações. Independentemente dos resultados, fica uma reflexão: ainda que dividam opiniões quanto à 5

6 confiabilidade e dificultem a identificação de autoria, criações coletivas sejam elas de áudio, vídeo ou texto representam um indicativo para novas maneiras de consumir, possuir, compartilhar, reformular e disseminar informações? Cultura participatória e criações coletivas: puro entretenimento ou novas perspectivas para a educação? Ao tomar como base a questão levantada no item anterior como pressuposto básico, propõese, ao seguir a ideia de cultura participatória, promover reflexão acerca das novas possibilidades que as criações coletivas, potencializadas pelas novas tecnologias, são capazes de gerar no âmbito da educação. Basicamente, a cultura participatória se relacionaria com as novas possibilidades geradas pela Web e seria composta por: suporte técnico adequado para compartilhamentos entre pessoas; livre expressão artística e possibilidade de engajamento cívico, em que indivíduos possam acreditar que suas contribuições serão importantes; e orientação informal (sem líder específico) de fluxo de informações para criações coletivas de interesse público (JENKINS et. al., 2009). Deve-se ressaltar, todavia, que apesar de importantes alicerces, as novas tecnologias, de maneira isolada, não podem ser consideradas as únicas responsáveis pelos processos de colaboração entre pessoas. A alteração principal tem que ser a do próprio indivíduo, encorajado pela ruptura das limitações de espaço e tempo, da passagem do analógico para o digital, e da consequente multidirecionalidade incorporada no ambiente, responsável por facilidades no trânsito de informações, de forma não linear, simples e sem regras (BENKLER, 2007). Ainda na perspectiva técnica, Yochai Benkler destaca a característica nonrival da informação. Ou seja, diferentemente de produtos físicos, devido à sua imaterialidade, a informação pode ser consumida por diversas pessoas ao mesmo tempo, inclusive sem demandar custos adicionais de produção. Esse fator, por si só, já facilita a participação ativa de indivíduos, uma vez que o foco da expressão individual é alterado para o envolvimento livre de interesses comuns, dando origem a comunidades que possam expressar produções e consumos marginais, em detrimento de produtos institucionalizados (BENKLER, 2007; JENKINS, 2012). Um exemplo desse arranjo colaborativo e não institucional característico da cultura participatória é a fan fiction, descrita, de maneira geral, como o desenvolvimento de novas histórias, geralmente por fãs, a partir de filmes, textos, quadrinhos, romances, séries de TV ou games, quase sempre distribuídas gratuitamente no ambiente digital, o que pode gerar inquietação em outros 6

7 potenciais autores e, por consequência, revitalizar o impulso criativo (BENKLER, 2007; JENKINS, 2009). Nessa perspectiva, portanto, gera-se um círculo vicioso de participação em que o texto é apenas o ponto de partida; leitores podem estar motivados a responder à obra criando outras novas. Obras literárias não simplesmente nos iluminam; elas também nos inspiram ou, talvez mais precisamente, nos provocam (JENKINS, 2012: 15). De acordo com Henry Jenkins (2012), essas obras e criações em contínuo andamento, ou seja, raramente estáticas, geralmente estão vinculadas ao entretenimento, mas poderiam ser aplicadas ao contexto da educação: [...] surgiu um forte conjunto de argumentos sobre os benefícios educacionais da comunidade de fãs como um espaço de aprendizado informal, especialmente para os jovens fãs. Cada vez mais experts em literatura estão reconhecendo que recriar, recitar e se apropriar de elementos de histórias preexistentes é uma parte valiosa e orgânica do processo pelo qual crianças desenvolvem a cultura literária. Educadores gostam de falar sobre criar andaimes, as maneiras pelas quais o processo pedagógico funciona de uma maneira passo-a-passo, encorajando crianças a experimentarem novas habilidades baseadas naquelas que já aperfeiçoaram, dando suporte para novos passos até se sentirem confiantes para dar outros novos passos por conta própria. Na sala de aula, o professor providencia o andaime. Na cultura participatória, toda a comunidade toma a responsabilidade de ajudar os novatos a encontrarem seu caminho. (JENKINS, 2012: 22, grifo do autor) Nesse sistema de intensa participação e de auxílio coletivo, destaca-se a libertação das amarras comerciais e da possibilidade de entrecruzamento de campos do conhecimento, facilitandose a formação de pessoas mais preparadas para os desafios da sociedade contemporânea, até mesmo do ponto de vista científico, como será discutido no próximo item, que abordará mais detalhadamente como a transdisciplinaridade pode ser aplicada com auxílio da Web. Transdisciplinaridade associada às novas tecnologias: elementos que podem mudar o contexto educacional/científico? Acredita-se que o cenário de cultura participatória apresentado no item anterior é favorável para explorar de modo intensificado a transdisciplinaridade. O termo surgiu em 1970, no I Congresso Internacional sobre Interdisciplinaridade, realizado na cidade de Nice, na França. Jean Piaget, reconhecido educador suíço, ao abordar um dos temas do evento, mencionou a palavra trandisciplinaridade para indicar um caminho para o rompimento da dicotomia entre sujeito e objeto (THEOPHILO, 2004; MARTINEZ, 2008). O debate se ampliou em 1986, por meio da Declaração de Veneza, desenvolvida a partir de discussões realizadas no Colóquio A Ciência diante das Fronteiras do Conhecimento. Os debates prosseguiram em mais três declarações, 7

8 referentes a encontros ocorridos em Vancouver, Belém e Tóquio, que inclusive tiveram participação do matemático brasileiro Ubiratan D Ambrosio (1994, 1997). No entanto, o termo ganhou abrangência e apoiadores a partir do I Congresso Mundial de Transdisciplinaridade, realizado em Portugal, no ano de 1994, em que foi redigida uma Carta oficial, por Lima de Freitas, Edgar Morin e Basarab Nicolescu (1994), na qual foram oferecidas diretrizes sobre a transdisciplinaridade, definida como a abertura, e não necessariamente o domínio, de diversas disciplinas, permitindo atravessá-las e ultrapassá-las. De maneira geral, o conceito também teria relação com a ideia de que em determinado momento as movimentações internas de cada disciplina atingem um limite, conseguindo evoluções apenas quando o intercâmbio com outras áreas é realizado. Ou seja, as disciplinas não deveriam ser hierarquizadas, tornando possível uma nova abordagem, híbrida, capaz de construir conhecimento unificado e significativo, de transcender linhas divisórias, mas com a proposta de manter características e técnicas específicas de cada uma (D AMBRÓSIO, 1994; BACCEGA, 1999; FRANÇA, 2002; THEOPHILO, 2004; ROCHA FILHO; BASSO; BORGES, 2007; MARTINEZ, 2008). Como destaca Maria Aparecida Baccega (1999: 7), [...] as fronteiras entre os campos de conhecimento tornaram-se fluidas. Embora cada um dos campos guarde suas especificidades (Linguagem, História, Sociologia, Antropologia etc.), há entre eles um intercâmbio permanente, formando novos campos, em outro patamar. Ao tentar aplicar os conceitos supracitados em um contexto tecnológico muito mais avançado como é o atual, dever-se-ia encontrar facilidades para o entrecruzamento de campos do conhecimento, mas não é o que ocorre na maioria das vezes. Ao tomar como base algumas das ideias de Edgar Morin (2003), percebe-se que persiste a ideia de que as disciplinas não podem ser constituídas em torno de uma concepção organizadora comum, especialmente entre os cientistas formados a partir dos modelos clássicos do pensamento. A superespecialização, apesar de proporcionar benefícios no que tange à divisão do trabalho (no sentido de contribuir para que partes especializadas formem um todo organizador), é responsável por fragmentar o saber e, por exemplo, separar ciência e filosofia. Essa discussão, inclusive, ocorre desde 1959, no livro As Duas Culturas, de Charles Percy Snow, em que o autor destacou a nítida separação entre o que chamou de intelectuais literários e cientistas. O primeiro grupo entendia que cientistas desconsideravam as condições humanas e a arte envolvidas em pesquisas. O segundo grupo, por sua vez, afirmava que os intelectuais literários não possuíam balizamento empírico em suas evidências, reproduzindo pensamentos de autores 8

9 anteriores e tornando-se muito inventivos. Resumidamente, os dois grupos não conseguiam identificar pontos de contato para articularem objetos de estudo, fazendo avaliações destrutivas e, por vezes, equivocadas, contribuindo para criar um abismo de incompreensão entre eles (SNOW, 1993). Ao tentar transitar entre as duas culturas, Snow (1993) identificou a partir da segunda edição do livro, lançada em 1963, o surgimento de uma terceira cultura, que, teoricamente, poderia reduzir a dicotomia entre cientistas e intelectuais literários. A ideia partia de uma advertência do próprio autor, que afirmava que o aumento da separação entre as duas culturas (também abordadas como humanidades e ciências ditas duras) estaria coibindo oportunidades criativas de produção e gerando obstáculos para resoluções de diversas questões científicas e sociais. No entanto, um fato que demonstra que a junção entre campos do conhecimento ainda está distante, e precisa ser trabalhada, pode ser observada no artigo The Third Culture: Beyond the Scientific Revolution, de John Brockman (1995), em que se verifica que cientistas, por não conseguirem espaço em jornais e revistas, além de entenderem que os intelectuais literários cometiam diversos equívocos de interpretação sobre objetos de estudo, em vez de se unirem ao grupo, resolveram adquirir técnicas de redação e iniciaram um processo de popularização da ciência, com linguajar de entendimento público e aumento considerável no número de publicações vendidas com conteúdo científico mais acessível. Essas discussões, que já duram mais de cinquenta anos, só aumentam a reclusão disciplinar, separando campos da ciência e impedindo que os avanços tecnológicos ofereçam reais benefícios para a educação, principalmente em uma perspectiva científica, para a população. Edgar Morin (2003), nesse sentido, propõe a multicruzalidade, que evitaria que o saber científico fosse reduzido a migalhas, como tem frequentemente acontecido há décadas. O autor defende que a ciência nunca teria se constituído se não fosse transdisciplinar, além de sugerir que se pense em um novo paradigma (que Morin denomina de paradigma da complexidade ) responsável por distinguir e associar, simultaneamente, os domínios científicos. Esse aparente paradoxo ultrapassaria o entendimento estritamente lógico de muitos cientistas, uma vez que buscaria a unidade (unificar) e diversidade (diversificar) ao mesmo tempo. No entanto, Morin justifica essa dialética como uma alternativa para a simplificação, ou seja, uma proposta para motivar a busca infindável pelo diálogo constante com o objeto. Algumas das ideias expostas no texto Comunicação/Educação e transdisciplinaridade: os caminhos da linguagem, de Maria Aparecida Baccega (1999: 7), coadunam com esse conceito: 9

10 Essa dialética entre intercâmbio e especificidade, entre totalidade e particular, num movimento que impede que as disciplinas se fechem em si mesmas e cada uma se considere a melhor, fragmentando a apreensão científica da realidade (que não é compartimentada), constitui a transdisciplinaridade, e é o grande desafio daqueles que se dispõem a refletir, criticar e construir uma nova variável histórica. Para articular os conceitos externados anteriormente, na perspectiva educacional e científica, recorre-se a Muniz Sodré (2012), que afirma que o atual contexto tecnológico pode ser importante para reinventar as formas de ensino e compartilhamento de informações, desde que não se tente simplesmente repetir velhos modelos com auxílio de novas ferramentas, como comentado anteriormente. Em um espaço-tempo vigente extremamente modificado, há renovação cada vez mais veloz das profissões, do ritmo da aprendizagem dos saberes e dos processos produtivos. Porém, é necessário escolher criteriosamente os objetos tecnológicos a serem utilizados, evitando, assim, apenas atingir estatisticamente determinado número de criações coletivas ou de pessoas inseridas em um sistema educacional (ideia utilitarista). Há necessidade de se repensar modelos para que um dia se alcance a plenitude em práticas educacionais. Isso passa, de certo modo, pela averiguação de como o professor poderá se inserir no processo que está em curso, tendo o propósito de gerar debate e reflexão mesmo fora da sala de aula, ambiente em que as informações são trocadas de maneira cada vez mais rápida e sem orientação de fluxo. Educar é, também, tirar o indivíduo da zona de conforto, causar um estranhamento interno e externo, permitindo que a pessoa tenha sua autonomia ampliada, capaz de selecionar quais informações poderiam contribuir para a sua formação ou quais mensagens agregadas poderiam gerar determinada criação coletiva de interesse público (SODRÉ, 2012). Ou seja, preparar pessoas para conviverem em uma sociedade em constante mutação, tornando-se construtores do próprio conhecimento (PASSARELLI, 1995). De forma geral, o que se propõe em um ambiente mundialmente interligado é a ideia de tornar a educação compatível com a diversidade cultural e, quando envolvida com grupos mais homogêneos, com alto grau de escolaridade, atrelar o compartilhamento e a proposta de criações coletivas desvinculados da aprendizagem disciplinar e da divisão departamental do saber, favorecendo a formação do indivíduo em toda a sua amplitude existencial, capaz de realizar análises mais amplas, transteóricas, com visão mais completa sobre objetos de estudo que possam gerar benefícios educacionais e para a sociedade (MACNAMARA, 2010). 10

11 Considerações finais Diante das reflexões propostas no decorrer do artigo, percebe-se que a apropriação tecnológica já faz parte de considerável parcela da população e, em muitos casos, pode ajudar a transformar diversas práticas de compartilhamento, trocas simbólicas e fluxos digitais, ampliando a liberdade de escolha e expressão de mensagens, o que, de certo modo, impacta diretamente os mais variados setores da sociedade. Predicado herdado das conexões das redes, o novo cenário altera as formas de relacionamento e o consumo de informações, facilitando o compartilhamento entre prosumers, seja a troca para criações coletivas voltadas ao entretenimento, para tornar o pensamento mais claro e lógico, em uma perspectiva educacional, ou para formar conhecimento unificado. A tendência de crescimento constante no uso da Web pode aumentar a participação de profissionais e pesquisadores de diferentes países e formações em criações coletivas, valorizando-as e possibilitando a elaboração de materiais cientificamente válidos, com potencial para transformar as práticas educacionais. Nesse sentido, a troca de informações e textos, que já ocorre atualmente, teria apenas que mudar seu foco, do entretenimento, prática mais frequente na atualidade, para finalidades acadêmicas. É possível questionar que considerável parcela do desenvolvimento coletivo de textos parte de motivações pessoais e sociais, fora das obrigações do ambiente científico e educacional, mas, na perspectiva de Henry Jenkins (2012), é preciso encorajar professores, pesquisadores, cientistas e comunicadores a pensarem em modelos de aplicação da fan fiction, por exemplo, de maneira mais formal, uma vez que: [...] o processo de criar obras transformativas muitas vezes motiva uma leitura mais próxima do texto original, que isso fortalece os jovens a pensar por si próprios como autores e portanto a encontrar suas próprias vozes expressivas, especialmente no contexto da atual cultura participatória. (JENKINS, 2012: 23). Ao utilizar uma definição de educação que tem como proposta fundamental garantir a todos os estudantes maneiras de aprender a se expressar plenamente em público e participar ativamente da vida em sociedade, Henry Jenkins et. al. (2009) cita diversos exemplos, especialmente de jovens, que, ao adquirirem determinadas habilidades (ler, escrever, editar, defender a liberdade civil, programar computadores e como gerenciar uma empresa, por exemplo), muitas vezes com o uso específico da Web, tiveram atitudes inovadoras e mudaram a forma de trabalhar em equipe pela 11

12 rede, gerando benefícios educacionais, científicos ou, até mesmo, financeiros. Entre as principais produções estão: no campo do entretenimento, clãs para jogos em comunidades on-line e desenvolvimento de roteiros de filmes vendidos para grandes produtoras, e no campo da educação, a elaboração de textos coletivos com pessoas de mais de cem países e oportunidades de ensino com avaliação por pares. Partindo-se do pressuposto de que essas obras coletivas poderiam envolver diversos campos do conhecimento, não seria impossível tentar retomar a transdisciplinaridade com o propósito de agregar informações de diferentes áreas e gerar conteúdo qualificado. As dificuldades de caráter econômico e tecnológico, como comentado anteriormente, foram reduzidas com as novas tecnologias e, por consequência, poderiam contribuir para evitar que cada complexo disciplinar ignorasse os métodos e propósitos de outro, o que ainda acontece com frequência atualmente. Não se defende que as inovações tecnológicas e, em especial, a Web até mesmo por dificuldades técnicas e acesso de conexão desigual serão capazes de oferecer todas as habilidades necessárias para mudar completamente as práticas de consumo, compartilhamento e ensino disseminadas por décadas na sociedade. O que se sugere é a possibilidade de que o entendimento do novo contexto tecnológico possa complementar uma abordagem sistêmica composta por: família, escola/universidade, mídia, entrecruzamento de campos do conhecimento e atividades extracurriculares, qualificando, assim, os participantes desse ambiente, aqui tratados como prosumers. Dessa maneira, tende-se a aproveitar a oportunidade oferecida pelas novas tecnologias para constituir indivíduos mais preparados, que, por consequência, poderão participar criticamente da sociedade contemporânea. Referências AMARAL, Inês. Participação em rede: do utilizador ao consumidor 2.0 e ao prosumer. Revista Comunicação e Sociedade, Minho, n. 22, p , BACCEGA, Maria Aparecida. Comunicação/Educação e transdisciplinaridade: os caminhos da linguagem. Revista Comunicação & Educação, vol. 5, n. 15, p. 7-14, BENKLER, Yochai. The wealth of networks: how social production transforms markets and freedom. New Haven, CT: Yale University Press, BROCKMAN, John. The Third Culture: Beyond the Scientific Revolution Disponível em: < Acesso em: 30 jul BRUNS, Axel. Blogs, Wikipedia, Second Life, and beyond: from production to produsage. New York: Peterlang, 2008a. 12

13 . The Future is User-Led: The Path towards Widespread Produsage. 2008b. Disponível em: <http://snurb.info/files/the%20future%20is%20user-led%20(perthdac%202007).pdf>. Acesso em: 28 jun CASTELLS, Manuel. Communication power. New York: Oxford, DAL BELLO, Cíntia. Sorria, você está sendo indexado: A questão da privacidade nas plataformas ciberculturais de relacionamento e projeções subjetiva. In: IV Simpósio Nacional da ABCiber, nov. 2010, Rio de Janeiro. Disponível em: <http://www.abciber2010.pontaodaeco.org/sites/default/files/artigos/1_redes_sociais/c%c3%adnt ia%20dal%20bello_redessociais.pdf>. Acesso em: 02 ago D AMBROSIO, Ubiratan. (Org.). Declaração dos fóruns de ciência e cultura da UNESCO: Veneza, Vancouver, Belém e a carta da transdisciplinaridade. Brasília: Editora UnB, Transdisciplinaridade. São Paulo: Palas Athena, FLUSSER, Vilém. O mundo codificado: por uma filosofia da comunicação. São Paulo: Cosac Naif, FRANÇA, Vera Veiga. Paradigmas da Comunicação: conhecer o que?. In: MOTTA, Luiz Gonzaga et AL. (Org.). Estratégias e Culturas da Comunicação. Brasília: Editora UnB, 2002, p FREITAS, Lima de; MORIN, Edgar; NICOLESCU, Basarab. Carta da Transdisciplinaridade Disponível em: <http://www.caosmose.net/candido/unisinos/textos/textos/carta.pdf>. Acesso em: 14 jul GILES, Jim. Special Report Internet encyclopaedias go head to head Disponível: <http://www.nature.com/nature/journal/v438/n7070/full/438900a.html>. Acesso em: 28 jul ISLAS-CARMONA, Jose Octavio. El prosumidor. El actor comunicativo de la sociedad de la ubicuidad. Palabra Clave, Colombia, v. 11, n. 1, p , JENKINS, Henry et. al. Confronting the Challenges of Participatory Culture: Media Education for the 21 st Century. Cambridge, Massachusetts: The MIT Press, Disponível em:<http://mitpress.mit.edu/sites/default/files/titles/free_download/ _confronting_the_challe nges.pdf>. Acesso em: 18 jul JENKINS, Henry. Cultura da Convergência. 2. ed. São Paulo: Aleph, Lendo criticamente e lendo criativamente. Revista Matrizes, São Paulo, ano 6, n.1, p , jul./dez LESSIG, Lawrence. Remix: Making Art and Commerce Thrive in the Hybrid Economy. New York: The Penguin Press, Code 2.0. New York: SoHo Books, MACNAMARA, Jim. The 21st Century Media (R)evolution: Emergent Communication Practices. New York: Peter Lang, MARTINEZ, Monica. Comunicação, transdisciplinaridade e criatividade. Revista Líbero, ano XI, n 21, jun

14 McLUHAN, Marshall; NEVITT, Barrington. Take Today: The Executive as Dropout. New York: Harcourt Brace, MORIN, Edgar. Ciência com Consciência. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, PASSARELLI, Brasilina. Do Mundaneum à WEB Semântica: discussão sobre a revolução nos conceitos de autor e autoridade das fontes de informação. Revista Datagramazero, Rio de Janeiro, v. 9, n. 5, Disponível em: <http://www.dgz.org.br/out08/art_04.htm>. Acesso em: 18 jul A Teoria das Inteligências Múltiplas aliada à Multimídia na Educação: Novos Rumos para o Conhecimento. In: III Simpósio Brasileiro de Geoprocessamento, 1995, São Paulo. Anais do III Simpósio Brasileiro de Geoprocessamento. São Paulo: Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, v. 1. p ROCHA FILHO, João Bernardes da; BASSO, Nara Regina de Souza; BORGES, Regina Maria Rabello. Transdisciplinaridade: A Natureza Íntima da Educação Científica. Porto Alegre: EDIPUCRS, RODRÍGUEZ, José Manuel Corona. Acercamientos y propuestas de investigación sobre el consumo y producción de información en Internet. El prosumidor como concepto clave en la construcción social de la tecnología. Question, Buenos Aires, v. 1, n. 35, p , SHAPIRO, Carl; VARIAN, Hal R. A economia da informação: como os princípios econômicos se aplicam à era da Internet. Rio de Janeiro: Campus, SNOW, Charles Percy. The Two Cultures. Cambrige: Cambridge University Press, SODRÉ, Muniz. Reinventando a Educação: diversidade, descolonização e redes. Rio de Janeiro: Vozes, TAPSCOTT, Don. A hora da geração digital: como os jovens que cresceram usando a internet estão mudando tudo, das empresas aos governos. (tradução de Marcelo Lino). Rio de Janeiro: Agir Negócios, TAPSCOTT, Don; WILLIAMS, Anthony. D. The Prosumers. In: Wikinomics: how mass collaboration changes everything. New York: Penguin Books, p TERRA, Carolina Frazon Mídias sociais... e agora? - o que você precisa saber para implementar um projeto de mídias sociais. São Caetano do Sul, SP: Difusão Editora, THEOPHILO, Roque. A transdisciplinaridade e a modernidade Disponível em: <http://www.sociologia.org.br/tex/ap40.htm>. Acesso em: 12 jul TOFFLER, Alvin. A terceira onda. Trad. João Távora. 8ª. ed. Rio de Janeiro: Record, (orig. TOFFLER, Alvin. The third wave. Bantam Books, 1980).. Powershift: as mudanças do poder. Tradução de Luiz Carlos do Nascimento Silva. Rio de Janeiro: Record,

UNESCO Brasilia Office Representação da UNESCO no Brasil

UNESCO Brasilia Office Representação da UNESCO no Brasil UNESCO Brasilia Office Representação da UNESCO no Brasil Construindo Comunidades Virtuais de Aprendizagem : TôLigado O Jornal Interativo da sua Escola Brasilina Passarelli Brasília 2004 Artigo publicado,

Leia mais

Mídia, linguagem e educação

Mídia, linguagem e educação 21 3 22 Mídia, Linguagem e Conhecimento Segundo a UNESCO (1984) Das finalidades maiores da educação: Formar a criança capaz de refletir, criar e se expressar em todas as linguagens e usando todos os meios

Leia mais

REDES SOCIAIS COMO FERRAMENTA AUXILIAR NO ENSINO DE LITERATURA

REDES SOCIAIS COMO FERRAMENTA AUXILIAR NO ENSINO DE LITERATURA REDES SOCIAIS COMO FERRAMENTA AUXILIAR NO ENSINO DE LITERATURA Elenice KOZIEL (UEM) [1] Márcio Roberto do PRADO (UEM) [2] Introdução É perceptível que os sujeitos da pós-modernidade estão conectados, dedicando

Leia mais

TRABALHOS TÉCNICOS Serviço de Documentação e Informação EDIÇÃO E GESTÃO DE CONTEÚDO PARA WEB

TRABALHOS TÉCNICOS Serviço de Documentação e Informação EDIÇÃO E GESTÃO DE CONTEÚDO PARA WEB TRABALHOS TÉCNICOS Serviço de Documentação e Informação EDIÇÃO E GESTÃO DE CONTEÚDO PARA WEB Gestão do Conhecimento hoje tem se materializado muitas vezes na memória organizacional da empresa. O conteúdo

Leia mais

Prosumers: como podem influenciar a inovação ou aprimoramento de produtos e serviços em organizações

Prosumers: como podem influenciar a inovação ou aprimoramento de produtos e serviços em organizações - SEPesq Prosumers: como podem influenciar a inovação ou aprimoramento de produtos e serviços em organizações Liana Haussen Bacharel em Design de Moda Mestranda PPG em Design UniRitter Bolsista FAPERGS

Leia mais

Desenho didático para cursos online

Desenho didático para cursos online Desenho didático para cursos online Edméa Santos Professora da UERJ Professora-tutora do PROGED/ISP/UFBA E-mail: mea2@uol.com.br Site: www.docenciaonline.pro.br/moodle Que é cibercultura? Educação online:

Leia mais

Informática na Educação: aplicação de Ferramentas Informatizadas no ensino fundamental

Informática na Educação: aplicação de Ferramentas Informatizadas no ensino fundamental Informática na Educação: aplicação de Ferramentas Informatizadas no ensino fundamental Ingrid S. T. Silva Caio J. M. Veloso Ester E. Jeunon y Regina M. S. Moraes Resumo Este projeto teve como propósito

Leia mais

Roteiro de Aplicação da Economia Criativa e Inovação como critérios na FETEPS

Roteiro de Aplicação da Economia Criativa e Inovação como critérios na FETEPS Roteiro de Aplicação da Economia Criativa e Inovação como critérios na FETEPS Com objetivo de auxiliar na elaboração dos trabalhos, apresentamos critérios relacionados a Economia Criativa e Inovação, conceitos

Leia mais

Gestão de tecnologias na escola

Gestão de tecnologias na escola Gestão de tecnologias na escola Maria Elizabeth Bianconcini de Almeida 1 As tecnologias de informação e comunicação foram inicialmente introduzidas na educação para informatizar as atividades administrativas,

Leia mais

O BLOG NUMA PERSPECTIVA EDUCOMUNICATIVA

O BLOG NUMA PERSPECTIVA EDUCOMUNICATIVA O BLOG NUMA PERSPECTIVA EDUCOMUNICATIVA SANTOS, Suara Macedo dos 1 - UFPE Grupo de Trabalho Comunicação e Tecnologia Agência Financiadora: não contou com financiamento Resumo O trabalho apresentado resulta

Leia mais

CONHECENDO O SCRATCH E SUAS POTENCIALIDADES PEDAGÓGICAS

CONHECENDO O SCRATCH E SUAS POTENCIALIDADES PEDAGÓGICAS CONHECENDO O SCRATCH E SUAS POTENCIALIDADES PEDAGÓGICAS ANDREA DA SILVA MARQUES RIBEIRO andrea.marques@gmail.com INSTITUTO DE APLICAÇÃO FERNANDO RODRIGUES DA SILVEIRA (CAP-UERJ) FERNANDO DE BARROS VASCONCELOS

Leia mais

Ferramentas de informações e comunicações e as interações possíveis Tecnologias populares para uma Educação à Distância mais Popular.

Ferramentas de informações e comunicações e as interações possíveis Tecnologias populares para uma Educação à Distância mais Popular. Trabalha de Conclusão do Curso Educação a Distância : Um Novo Olhar Para a Educação - Formação de Professores/Tutores em EaD pelo Portal Somática Educar Ferramentas de informações e comunicações e as interações

Leia mais

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino fundamental Resumo O projeto de iniciação científica está vinculado à pesquisa Uso do jornal em sala de aula e compreensão

Leia mais

Ensinando por projetos transdisciplinares

Ensinando por projetos transdisciplinares Ensinando por projetos transdisciplinares Romildo Nogueira (UFRPE) ran.pe@terra.com.br Maria Cilene Freire de Menezes (UFRPE) pgensino@ufrpe.br Ana Maria dos Anjos Carneiro Leão (UFRPE) amanjos2001@yahoo.com.br

Leia mais

USO DE REDES SOCIAIS DA INTERNET COMO FERRAMENTAS DE APOIO NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS E POSSIBILIDADES. Douglas Ribeiro da Silva, Caroline Kraus Luvizotto

USO DE REDES SOCIAIS DA INTERNET COMO FERRAMENTAS DE APOIO NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS E POSSIBILIDADES. Douglas Ribeiro da Silva, Caroline Kraus Luvizotto 1333 USO DE REDES SOCIAIS DA INTERNET COMO FERRAMENTAS DE APOIO NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS E POSSIBILIDADES Douglas Ribeiro da Silva, Caroline Kraus Luvizotto Discente do curso de Ciências Contábeis da UNOESTE.

Leia mais

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA NA INTERNET: UMA ANÁLISE DAS ATIVIDADES DO LIVRO DIDÁTICO DO ENSINO MÉDIO

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA NA INTERNET: UMA ANÁLISE DAS ATIVIDADES DO LIVRO DIDÁTICO DO ENSINO MÉDIO PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA NA INTERNET: UMA ANÁLISE DAS ATIVIDADES DO LIVRO DIDÁTICO DO ENSINO MÉDIO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo (UNIGRANRIO) elainevasquez@ig.com.br RESUMO Este artigo discute

Leia mais

2- GESTÃO DOS AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM NOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA NO ÂMBITO DO PROINFO INTEGRADO

2- GESTÃO DOS AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM NOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA NO ÂMBITO DO PROINFO INTEGRADO 2- GESTÃO DOS AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM NOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA NO ÂMBITO DO PROINFO INTEGRADO Maria do Rozario Gomes da Mota Silva 1 Secretaria de Educação do

Leia mais

O Uso das Tecnologias de Informação e Comunicação (tics) Pelos Adolescentes

O Uso das Tecnologias de Informação e Comunicação (tics) Pelos Adolescentes O Uso das Tecnologias de Informação e Comunicação (tics) Pelos Adolescentes Luan Rafael Emerick Silva, Maykon de Castro Mendel, Helder Flores Calda, Maria Lúcia Flores da Silva Mendel, Sâmia D angelo Alcuri

Leia mais

Lucas Arantes Zanetti 1 Lívia Cadete da Silva 2 Orientadora: Caroline Kraus Luvizotto 3 Universidade Estadual Paulista, Bauru, SP

Lucas Arantes Zanetti 1 Lívia Cadete da Silva 2 Orientadora: Caroline Kraus Luvizotto 3 Universidade Estadual Paulista, Bauru, SP Movimentos sociais e internet: uma análise sobre as manifestações de 2013 no Brasil Lucas Arantes Zanetti 1 Lívia Cadete da Silva 2 Orientadora: Caroline Kraus Luvizotto 3 Universidade Estadual Paulista,

Leia mais

PROPRIEDADES DE DETERMINANTE UTILIZANDO O SOFTWARE MICROSOFT EXCEL: um relato de experiência

PROPRIEDADES DE DETERMINANTE UTILIZANDO O SOFTWARE MICROSOFT EXCEL: um relato de experiência ISSN 2316-7785 PROPRIEDADES DE DETERMINANTE UTILIZANDO O SOFTWARE MICROSOFT EXCEL: um relato de experiência José Jefferson da Silva 1 Universidade Federal de Pernambuco jef3ferson@hotmaill.com Dorghisllany

Leia mais

Novas Tecnologias no Ensino de Física: discutindo o processo de elaboração de um blog para divulgação científica

Novas Tecnologias no Ensino de Física: discutindo o processo de elaboração de um blog para divulgação científica Novas Tecnologias no Ensino de Física: discutindo o processo de elaboração de um blog para divulgação científica Pedro Henrique SOUZA¹, Gabriel Henrique Geraldo Chaves MORAIS¹, Jessiara Garcia PEREIRA².

Leia mais

Formação de professores para docência online

Formação de professores para docência online Formação de professores para docência online uma pesquisa interinstitucional Marco Silva EDU/UERJ Educar em nosso tempo conta com uma feliz coincidência histórica: a dinâmica comunicacional da cibercultura,

Leia mais

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Maria do Socorro Pimentel da Silva 1 Leandro Mendes Rocha 2 No Brasil, assim como em outros países das Américas, as minorias étnicas viveram

Leia mais

Palestra - "GESTÃO DE PROGRAMAS E SISTEMAS DE EAD - ADOÇÃO DE FORMAS INSTITUCIONAIS E GERENCIAIS COMPATÍVEIS COM A EAD"

Palestra - GESTÃO DE PROGRAMAS E SISTEMAS DE EAD - ADOÇÃO DE FORMAS INSTITUCIONAIS E GERENCIAIS COMPATÍVEIS COM A EAD Palestra - "GESTÃO DE PROGRAMAS E SISTEMAS DE EAD - ADOÇÃO DE FORMAS INSTITUCIONAIS E GERENCIAIS COMPATÍVEIS COM A EAD" PALESTRANTE: Maria Luiza Angelim Coordenadora do Curso de Especialização em Educação

Leia mais

Uma Experiência Prática da Utilização da Ferramenta Moodle para Comunidades Virtuais na ENSP - Fiocruz

Uma Experiência Prática da Utilização da Ferramenta Moodle para Comunidades Virtuais na ENSP - Fiocruz Uma Experiência Prática da Utilização da Ferramenta Moodle para Comunidades Virtuais na ENSP - Fiocruz Autores: Ana Paula Bernardo Mendonça Ana Cristina da Matta Furniel Rosane Mendes da Silva Máximo Introdução

Leia mais

ENSINO DE MATEMÁTICA PONTO BLOG

ENSINO DE MATEMÁTICA PONTO BLOG ENSINO DE MATEMÁTICA PONTO BLOG Moema Gomes Moraes 1 RESUMO: Este trabalho faz uma reflexão sobre os aspectos relacionados ao uso de Blogs no ensino de Matemática. Para isto, ele inicia fazendo uma reflexão

Leia mais

SEMINÁRIO DE EDUCAÇÃO EM REDE. Resumo

SEMINÁRIO DE EDUCAÇÃO EM REDE. Resumo SEMINÁRIO DE EDUCAÇÃO EM REDE Cleide Aparecida Carvalho Rodrigues 1 Resumo A proposta para a realização do SEMINÁRIO DE EDUCAÇÃO EM REDE surgiu durante uma das atividades do Grupo de Estudos de Novas Tecnologias

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DE HISTÓRIA NAS ESCOLAS E SUAS IMPLICAÇÕES NA VIDA SOCIAL

A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DE HISTÓRIA NAS ESCOLAS E SUAS IMPLICAÇÕES NA VIDA SOCIAL A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DE HISTÓRIA NAS ESCOLAS E SUAS IMPLICAÇÕES NA VIDA SOCIAL Alex Silva Costa 1 Resumo O artigo procura analisar o desenvolvimento do ensino da disciplina de História na educação brasileira,

Leia mais

I Jornada de Pesquisa e Extensão Trabalhos Científicos

I Jornada de Pesquisa e Extensão Trabalhos Científicos I Jornada de Pesquisa e Extensão Trabalhos Científicos LABORATÓRIO DE CONVERGÊNCIA DE MÍDIAS PROJETO DE CRIAÇÃO DE UM NOVO AMBIENTE DE APRENDIZADO COM BASE EM REDES DIGITAIS. 1 Palavras-chave: Convergência,

Leia mais

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima.

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima. Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público Alexia Melo Clebin Quirino Michel Brasil Gracielle Fonseca Rafaela Lima Satiro Saone O projeto Rede Jovem de Cidadania é uma iniciativa da Associação

Leia mais

BLOCO 8. Por que o PROFESSOR DEVE ESCREVER pelos alunos?

BLOCO 8. Por que o PROFESSOR DEVE ESCREVER pelos alunos? BLOCO 8 Por que o PROFESSOR DEVE ESCREVER pelos alunos? Texto 23: Práticas de escrita orientações didáticas Fonte: Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil - Volume 3 / Conhecimento do

Leia mais

INFLUÊNCIAS E POSSIBILIDADES DO USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO

INFLUÊNCIAS E POSSIBILIDADES DO USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFLUÊNCIAS E POSSIBILIDADES DO USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO Gustavo Cançado de Azevedo O autor relaciona educação e tecnologia, tomando como ponto de partida a maneira com que os avanços

Leia mais

A EDUCAÇÃO ALIADA AS NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (NTIC)

A EDUCAÇÃO ALIADA AS NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (NTIC) A EDUCAÇÃO ALIADA AS NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (NTIC) José Wellithon Batista Zacarias (1); Programa de Pós Graduação, Faculdade Leão Sampaio - wellithonb@gmail.com RESUMO No mundo informatizado

Leia mais

1 Introdução. 1.1 A Nova Era Digital

1 Introdução. 1.1 A Nova Era Digital 11 1 Introdução Com o advento da nova era da internet, conhecida com web 2.0, e o avanço das tecnologias digitais, o consumidor passa a ter maior acesso à informação bem como à facilidade de expressar

Leia mais

ABRINDO ESPAÇOS PARA A FORMAÇÃO DE EDUCADORES AMBIENTAIS NUMA ABORDAGEM TRANSDISCIPLINAR

ABRINDO ESPAÇOS PARA A FORMAÇÃO DE EDUCADORES AMBIENTAIS NUMA ABORDAGEM TRANSDISCIPLINAR ABRINDO ESPAÇOS PARA A FORMAÇÃO DE EDUCADORES AMBIENTAIS NUMA ABORDAGEM TRANSDISCIPLINAR Autora: Lívia Costa de ANDRADE- liviacandrade@uol.com.br Orientadora: Sandra de Fátima OLIVEIRA sanfaoli@gmail.com.br

Leia mais

O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas

O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas Julie Caroline de Alcântara Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP E-mail: juliealcantara.31@gmail.com

Leia mais

LETRAMENTO DIGITAL: REFLEXÕES SOBRE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA NA CIBERCULTURA

LETRAMENTO DIGITAL: REFLEXÕES SOBRE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA NA CIBERCULTURA LETRAMENTO DIGITAL: REFLEXÕES SOBRE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA NA CIBERCULTURA INTRODUÇÃO Silvane Santos Souza(UNEB/Lusófona) No contexto atual em que a educação encontra-se inserida, surgem muitas inquietações

Leia mais

Métodos e Práticas na Formação Inicial e Desenvolvimento Profissional do Professor de Matemática em uma Plataforma Digital

Métodos e Práticas na Formação Inicial e Desenvolvimento Profissional do Professor de Matemática em uma Plataforma Digital Métodos e Práticas na Formação Inicial e Desenvolvimento Profissional do Professor de Matemática em uma Plataforma Digital Carla de Araújo 1 GD13 Educação Matemática e Inclusão Resumo: Tendo em vista as

Leia mais

Universidade Anhembi Morumbi Especialização em Inovação em Tecnologias Educacionais Avaliação Encerramento 2/2014

Universidade Anhembi Morumbi Especialização em Inovação em Tecnologias Educacionais Avaliação Encerramento 2/2014 Universidade Anhembi Morumbi Especialização em Inovação em Tecnologias Educacionais Avaliação Encerramento 2/2014 Proposta Geral de Trabalho DESIGN THINKING PARA EDUCAÇÃO ALUNAS Paula Tauhata Ynemine RA

Leia mais

mídia, psicologia e subjetividade I 2014-2 I egc I ufsc sílvio serafim marisa carvalho

mídia, psicologia e subjetividade I 2014-2 I egc I ufsc sílvio serafim marisa carvalho mídia, psicologia e subjetividade I 2014-2 I egc I ufsc sílvio serafim marisa carvalho Sumário Conhecimento introdução EGC estudo Mídias conceito teoria Cibercultura processo Inovação mídias Temas seminários

Leia mais

AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES

AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES 1 Apresentação 1. As comunicações, contemporaneamente, exercem crescentes determinações sobre a cultura,

Leia mais

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NA UFMG: EAD E O CURSO DE LETRAS

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NA UFMG: EAD E O CURSO DE LETRAS Aline Passos Amanda Antunes Ana Gabriela Gomes da Cruz Natália Neves Nathalie Resende Vanessa de Morais EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NA UFMG: EAD E O CURSO DE LETRAS Trabalho apresentado à disciplina online Oficina

Leia mais

PORTAL EDUCACIONAL COMO APOIO A UMA EDUCAÇÃO INOVADORA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

PORTAL EDUCACIONAL COMO APOIO A UMA EDUCAÇÃO INOVADORA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA 1 PORTAL EDUCACIONAL COMO APOIO A UMA EDUCAÇÃO INOVADORA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA Curitiba PR Maio 2010 Roberto F. Bentes SISTEMA FIEP SENAI roberto.bentes@fiepr.org.br Silvana Martinski SISTEMA FIEP

Leia mais

A TERCEIRA GERAÇÃO DA EAD E SUA INFLUÊNCIA NA DEMOCRATIZAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR BRASILEIRO

A TERCEIRA GERAÇÃO DA EAD E SUA INFLUÊNCIA NA DEMOCRATIZAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR BRASILEIRO Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 624 A TERCEIRA GERAÇÃO DA EAD E SUA INFLUÊNCIA NA DEMOCRATIZAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR BRASILEIRO Fabiane Carniel 1,

Leia mais

As Comunidades Virtuais e a Produção do Capital Social: 1 Uma análise sob a comunidade Lollapalooza Brasil

As Comunidades Virtuais e a Produção do Capital Social: 1 Uma análise sob a comunidade Lollapalooza Brasil As Comunidades Virtuais e a Produção do Capital Social: 1 Uma análise sob a comunidade Lollapalooza Brasil Samira NOGUEIRA 2 Márcio Carneiro dos SANTOS 3 Universidade Federal do Maranhão, São Luís, MA

Leia mais

Inovações na sala de aula e as Redes Sociais

Inovações na sala de aula e as Redes Sociais Inovações na sala de aula e as Redes Sociais Painel: Inovando nas estruturas acadêmicas e administrativas Profa. Dra. Marta de Campos Maia Marta.maia@fgv.br Agenda As Tecnologias Educacionais e os Nativos

Leia mais

Interatividade na docência e aprendizagem online

Interatividade na docência e aprendizagem online Interatividade na docência e aprendizagem online ou a pedagogia do parangolé Marco Silva EDU/UERJ Educar em nosso tempo conta com uma feliz coincidência histórica: a dinâmica comunicacional da cibercultura,

Leia mais

Plano de Ensino. Identificação. Câmpus de Bauru. Curso null - null. Ênfase. Disciplina 0003029A - História da Comunicação

Plano de Ensino. Identificação. Câmpus de Bauru. Curso null - null. Ênfase. Disciplina 0003029A - História da Comunicação Curso null - null Ênfase Identificação Disciplina 0003029A - História da Comunicação Docente(s) Vinicius Martins Carrasco de Oliveria Unidade Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação Departamento

Leia mais

A internet, um possível espaço midiático?

A internet, um possível espaço midiático? A internet, um possível espaço midiático? Prof. M.e Vitor Pachioni Brumatti Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP e-mail: vitor.brumatti@usc.br Comunicação Oral Pesquisa Concluída Eixo 1- Práticas

Leia mais

OBJETIVOS. PALAVRAS CHAVE: Formação de professores, Ensino de Física, História e Filosofia da Ciência.

OBJETIVOS. PALAVRAS CHAVE: Formação de professores, Ensino de Física, História e Filosofia da Ciência. IX CONGRESO INTERNACIONAL SOBRE INVESTIGACIÓN EN DIDÁCTICA DE LAS CIENCIAS Girona, 9-12 de septiembre de 2013 COMUNICACIÓN CONSIDERAÇÕES SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E AS

Leia mais

NOVAS TECNOLOGIAS: APOIO PARA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NOVAS TECNOLOGIAS: APOIO PARA FORMAÇÃO DE PROFESSORES 1 NOVAS TECNOLOGIAS: APOIO PARA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Lúcia Helena de Magalhães 1 Neuza Maria de Oliveira Marsicano 2 O papel das tecnologias da informação na atual sociedade da informação vem sendo

Leia mais

Gestão escolar: revendo conceitos

Gestão escolar: revendo conceitos Gestão escolar: revendo conceitos Myrtes Alonso É um equívoco pensar que o desempenho da escola se expressa apenas nos resultados da aprendizagem obtidos nas disciplinas e que é fruto exclusivo do trabalho

Leia mais

Webjornalismo: A sobrevivência dos jornais digitais frente a aplicativos como Flipboard

Webjornalismo: A sobrevivência dos jornais digitais frente a aplicativos como Flipboard Webjornalismo: A sobrevivência dos jornais digitais frente a aplicativos como Flipboard Rafael Martins Rodrigues Renata Prado Faculdade Estácio de Sá de Juiz de Fora Resumo: Este artigo visa analisar a

Leia mais

Participação política na internet: o caso do website Vote na web

Participação política na internet: o caso do website Vote na web Participação política na internet: o caso do website Vote na web Lívia Cadete da Silva 1 Lucas Arantes Zanetti 2 Orientadora: Caroline Kraus Luvizotto 3 Universidade Estadual Paulista, Bauru, SP RESUMO

Leia mais

O conceito de colaboração

O conceito de colaboração O conceito de colaboração O conceito de colaboração está ligado às técnicas que possibilitam que pessoas dispersas geograficamente possam trabalhar de maneira integrada, como se estivessem fisicamente

Leia mais

Sistema de Gestão de Aulas

Sistema de Gestão de Aulas Sistema de Gestão de Aulas criando cultura para o Ensino a Distância e melhorando o processo ensino-aprendizagem pela internet RICARDO CREPALDE* RESUMO O objetivo deste artigo é apresentar a experiência

Leia mais

WEB 2.0 NA EDUCAÇÃO: O FACEBOOK COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES

WEB 2.0 NA EDUCAÇÃO: O FACEBOOK COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES ISSN 2316-7785 WEB 2.0 NA EDUCAÇÃO: O FACEBOOK COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES Arlam Dielcio Pontes da Silva Universidade Federal Rural de Pernambuco arllan_dielcio@hotmail.com

Leia mais

A Rotina de Atualização na TV Uol: Produção, Participação e Colaboração 1. Thais CASELLI 2. Iluska COUTINHO 3

A Rotina de Atualização na TV Uol: Produção, Participação e Colaboração 1. Thais CASELLI 2. Iluska COUTINHO 3 A Rotina de Atualização na TV Uol: Produção, Participação e Colaboração 1 RESUMO Thais CASELLI 2 Iluska COUTINHO 3 Universidade Federal de Juiz De Fora, Juiz de Fora, MG Este trabalho verifica como é a

Leia mais

Cenário sobre a integração das tecnologias às escolas brasileiras. Diretrizes para o desenvolvimento do uso das tecnologias no ensino-aprendizagem

Cenário sobre a integração das tecnologias às escolas brasileiras. Diretrizes para o desenvolvimento do uso das tecnologias no ensino-aprendizagem Cenário sobre a integração das tecnologias às escolas brasileiras Diretrizes para o desenvolvimento do uso das tecnologias no ensino-aprendizagem Maio, 2014 1 Índice 1. Introdução 3 2. Cenário do acesso

Leia mais

Nas ondas do rádio produção de programa na Web

Nas ondas do rádio produção de programa na Web Nas ondas do rádio produção de programa na Web O rádio chegou ao Brasil na festa de centenário da Independência, em 7 de setembro de 1922. Hoje é um meio de comunicação amplamente difundido em nosso país,

Leia mais

Os 3 erros mais comuns na adoção dos tablets na sala de aula - e como você pode evitá-los

Os 3 erros mais comuns na adoção dos tablets na sala de aula - e como você pode evitá-los Os 3 erros mais comuns na adoção dos tablets na sala de aula - e como você pode evitá-los Visite mosyle.com e blog.mosyle.com 2015 Mosyle. Todos os direitos reservados. Nos últimos anos, as escolas passaram

Leia mais

Produção de textos online. O modelo de consumo de uma nova era

Produção de textos online. O modelo de consumo de uma nova era Produção de textos online O modelo de consumo de uma nova era Introdução Novas tecnologias, ou mesmo o aprimoramento daquelas já existentes, tem transformado o modo como são consumidos os conteúdos disponibilizados

Leia mais

Projeto Aprendendo na Rede: Uso da internet como ferramenta de aprendizado

Projeto Aprendendo na Rede: Uso da internet como ferramenta de aprendizado Projeto Aprendendo na Rede: Uso da internet como ferramenta de aprendizado Leandro Avelino de SOUSA¹; Samuel Pereira DIAS²; Wanda Luzia CHAVES³; ¹ Estudante de Ciências Biológicas. Instituto Federal Minas

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO FERNANDA SERRER ORIENTADOR(A): PROFESSOR(A) STOP MOTION RECURSO MIDIÁTICO NO PROCESSO DE ENSINO E DE APRENDIZAGEM

Leia mais

O uso de blogs no ensino de Matemática 2

O uso de blogs no ensino de Matemática 2 Claudinei Flavia Batista Santos Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Brasil bs_flavia@hotmail.com Sirlândia Souza Santana sirlandiasantana@hotmail.com Resumo Este trabalho tem como principal objetivo

Leia mais

MIDIA E INCLUSÃO: RELATO DE EXPERIÊNCIAS DE UMA PESSOA COM DEFICIÊNCIA VISUAL RESUMO. Fabiana Fator Gouvêa Bonilha Rede Anhanguera de Comunicação

MIDIA E INCLUSÃO: RELATO DE EXPERIÊNCIAS DE UMA PESSOA COM DEFICIÊNCIA VISUAL RESUMO. Fabiana Fator Gouvêa Bonilha Rede Anhanguera de Comunicação MIDIA E INCLUSÃO: RELATO DE EXPERIÊNCIAS DE UMA PESSOA COM DEFICIÊNCIA VISUAL Fabiana Fator Gouvêa Bonilha Rede Anhanguera de Comunicação fabiana.ebraille@gmail.com RESUMO No presente trabalho, tenciona-se

Leia mais

O MODELO DA TELEVISÃO BRASILEIRA NA CONCEPÇÃO DE VIDEOAULAS: UMA EXPERIÊNCIA INOVADORA DO IFSC NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA.

O MODELO DA TELEVISÃO BRASILEIRA NA CONCEPÇÃO DE VIDEOAULAS: UMA EXPERIÊNCIA INOVADORA DO IFSC NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. O MODELO DA TELEVISÃO BRASILEIRA NA CONCEPÇÃO DE VIDEOAULAS: UMA EXPERIÊNCIA INOVADORA DO IFSC NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Autor: Paulo Vitor Tavares, Ms. Palavras-chave: EAD, Televisão, Videoaula, IFSC.

Leia mais

DESIGN DISCIPLINAS QUE PODEM SER OFERECIDAS PARA OUTROS CURSOS CURSO DE ORIGEM DA DISCIPLINA NOME DA DISCIPLINA EMENTA C.H. OBSERVAÇÕES PREVISÃO

DESIGN DISCIPLINAS QUE PODEM SER OFERECIDAS PARA OUTROS CURSOS CURSO DE ORIGEM DA DISCIPLINA NOME DA DISCIPLINA EMENTA C.H. OBSERVAÇÕES PREVISÃO DISCIPLINAS QUE PODEM SER OFERECIDAS PARA OUTROS CURSOS CURSO DE ORIGEM DA DISCIPLINA DESIGN NOME DA DISCIPLINA EMENTA C.H. OBSERVAÇÕES PREVISÃO Raciocínio Lógico Matemática Financeira A disciplina trata

Leia mais

Novas tecnologias no ensino de matemática: possibilidades e desafios

Novas tecnologias no ensino de matemática: possibilidades e desafios Novas tecnologias no ensino de matemática: possibilidades e desafios Marcelo Antonio dos Santos Mestre em Matemática Aplicada UFRGS, Professor na Faculdade Cenecista de Osório (FACOS) e professor da rede

Leia mais

Módulo 4 Criando Exemplos para Aprendizagem

Módulo 4 Criando Exemplos para Aprendizagem Módulo 4 Criando Exemplos para Aprendizagem Este Caderno de Anotações é usado para o do Programa Intel Educar. No decorrer do curso você pode registrar seus pensamentos on-line ou em uma cópia impressa

Leia mais

A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA NO MUNICIPIO DE MOSSORÓ

A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA NO MUNICIPIO DE MOSSORÓ A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA NO MUNICIPIO DE MOSSORÓ Selma Andrade de Paula Bedaque 1 - UFRN RESUMO Este artigo relata o desenvolvimento do trabalho de formação de educadores

Leia mais

INTERNET, HIPERTEXTO E GÊNEROS DIGITAIS: NOVAS POSSIBILIDADES DE INTERAÇÃO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo (UNIGRANRIO) elainevasquez@ig.com.

INTERNET, HIPERTEXTO E GÊNEROS DIGITAIS: NOVAS POSSIBILIDADES DE INTERAÇÃO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo (UNIGRANRIO) elainevasquez@ig.com. INTERNET, HIPERTEXTO E GÊNEROS DIGITAIS: NOVAS POSSIBILIDADES DE INTERAÇÃO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo (UNIGRANRIO) elainevasquez@ig.com.br 1. Introdução A rede mundial tem permitido novas práticas

Leia mais

Resumo. GT Produção Laboratorial Impresso Jornal cultural 2ª Opinião Márcia Eliane Rosa Professora de Jornalismo, doutoranda na ECA/USP

Resumo. GT Produção Laboratorial Impresso Jornal cultural 2ª Opinião Márcia Eliane Rosa Professora de Jornalismo, doutoranda na ECA/USP GT Produção Laboratorial Impresso Jornal cultural 2ª Opinião Márcia Eliane Rosa Professora de Jornalismo, doutoranda na ECA/USP Resumo O 2ª Opinião - Espaço cultural é um jornal-laboratório que vem sendo

Leia mais

Computação nas nuvens (Vantagens)

Computação nas nuvens (Vantagens) Computação em Nuvem Computação em nuvem O conceito de computação em nuvem (em inglês, cloud computing) refere-se à possibilidade de utilizarmos computadores menos potentes que podem se conectar à Web e

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DA REALIDADE AUMENTADA EM ATIVIDADES PRÁTICAS/COMPLEMENTARES COMO MOTIVAÇÃO PARA ALUNOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Brasília DF Maio 2010

A UTILIZAÇÃO DA REALIDADE AUMENTADA EM ATIVIDADES PRÁTICAS/COMPLEMENTARES COMO MOTIVAÇÃO PARA ALUNOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Brasília DF Maio 2010 1 A UTILIZAÇÃO DA REALIDADE AUMENTADA EM ATIVIDADES PRÁTICAS/COMPLEMENTARES COMO MOTIVAÇÃO PARA ALUNOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA Brasília DF Maio 2010 Daniela Zinn S. Gonçalves - NT Educação - daniela.goncalves@grupont.com.br

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Ensino. Matemática. App Inventor. Aplicativos.

PALAVRAS-CHAVE: Ensino. Matemática. App Inventor. Aplicativos. 13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

O USO DO SOFTWARE GEOGEBRA COMO METODOLOGIA DE ENSINO DE MATEMÁTICA NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DO COLÉGIO SÃO JOÃO BATISTA, CEDRO-CE

O USO DO SOFTWARE GEOGEBRA COMO METODOLOGIA DE ENSINO DE MATEMÁTICA NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DO COLÉGIO SÃO JOÃO BATISTA, CEDRO-CE O USO DO SOFTWARE GEOGEBRA COMO METODOLOGIA DE ENSINO DE MATEMÁTICA NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DO COLÉGIO SÃO JOÃO BATISTA, CEDRO-CE ¹C. J. F. Souza (ID); ¹M. Y. S. Costa (ID); ²A. M. Macêdo (CA)

Leia mais

A CULTURA UNIVERSIDADE E OS CURSOS SEMIPRESENCIAIS: TENDÊNCIAS E TRANSFORMAÇÕES

A CULTURA UNIVERSIDADE E OS CURSOS SEMIPRESENCIAIS: TENDÊNCIAS E TRANSFORMAÇÕES 1 A CULTURA UNIVERSIDADE E OS CURSOS SEMIPRESENCIAIS: TENDÊNCIAS E TRANSFORMAÇÕES São Paulo SP 04/2015. Juliana Moraes Marques Giordano USP julianagiordano@usp.br 2.1.1. Classe: Investigação Científica

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DE DÜRER E LYGIA CLARK ÁS ATIVIDADES INTERDISCIPLINARES ENVOLVENDO A MATEMÁTICA E A ARTE

CONTRIBUIÇÕES DE DÜRER E LYGIA CLARK ÁS ATIVIDADES INTERDISCIPLINARES ENVOLVENDO A MATEMÁTICA E A ARTE CONTRIBUIÇÕES DE DÜRER E LYGIA CLARK ÁS ATIVIDADES INTERDISCIPLINARES ENVOLVENDO A MATEMÁTICA E A ARTE Rosiney de Jesus Ferreira 1 Marco Aurélio Kistemann Jr. 2 1 Universidade Federal de Juiz de Fora/ICE,

Leia mais

Conceitos básicos de comunicação de dados e redes de computadores

Conceitos básicos de comunicação de dados e redes de computadores Conceitos básicos de comunicação de dados e redes de computadores Nesta aula vamos ver o conceito de informática e comunicação de dados, conhecer noções teleprocessamento e de rede de computadores e obter

Leia mais

Como adquirir os materiais didáticos do Moderna.Compartilha

Como adquirir os materiais didáticos do Moderna.Compartilha Como adquirir os materiais didáticos do Moderna.Compartilha MODERNA.COMPARTILHA: INTEGRAR TECNOLOGIA E CONTEÚDOS A FAVOR DO APRENDIZADO. Os alunos deste século estão conectados com novas ideias, novas

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu Mídias Digitais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu Mídias Digitais Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu Mídias Digitais Apresentação A emergência de novas tecnologias de informação e comunicação e sua convergência exigem uma atuação de profissionais com visão

Leia mais

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL 1 Pesquisas e Práticas Educativas ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL DANIELA DE JESUS LIMA FACED/UFBA INTRODUÇÃO - O presente

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO MÉDIA E TECNOLÓGICA. CONVERSAS COM O PROFESSOR. Prezado(a) Professor(a),

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO MÉDIA E TECNOLÓGICA. CONVERSAS COM O PROFESSOR. Prezado(a) Professor(a), MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO MÉDIA E TECNOLÓGICA. CONVERSAS COM O PROFESSOR SOBRE TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS. TEMA 2: Televisão e Vídeo no Ensino Médio: algumas reflexões e sugestões. Prezado(a)

Leia mais

As 5 grandes tendências em tecnologia para Educação. Compartilhe este guia:

As 5 grandes tendências em tecnologia para Educação. Compartilhe este guia: As 5 grandes tendências em tecnologia para Educação 1 Introdução: A educação iniciou o século XXI de maneira bastante disruptiva. Uma série de inovações por parte de educadores e alunos fez com que os

Leia mais

O BLOG COMO RECURSO DE APRENDIZAGEM MATEMÁTICA NA EJA

O BLOG COMO RECURSO DE APRENDIZAGEM MATEMÁTICA NA EJA O BLOG COMO RECURSO DE APRENDIZAGEM MATEMÁTICA NA EJA Fernanda de Araujo Monteiro Colégio Estadual General Dutra fmonteiro5@yahoo.com.br Príscila de Oliveira Neves Colégio Estadual General Dutra priscila1092@uol.com.br

Leia mais

UMA REFLEXÃO SOBRE A REDE MUNDIAL DE COMPUTADORES

UMA REFLEXÃO SOBRE A REDE MUNDIAL DE COMPUTADORES Uma reflexão sobre a rede mundial de computadores 549 UMA REFLEXÃO SOBRE A REDE MUNDIAL DE COMPUTADORES por Guilherme Paiva de Carvalho * CASTELLS, Manuel. A galáxia da Internet: reflexões sobre a Internet,

Leia mais

DESAFIOS DO SKYPE NA COLETA DE DADOS NA PESQUISA EM EDUCAÇÃO ONLINE

DESAFIOS DO SKYPE NA COLETA DE DADOS NA PESQUISA EM EDUCAÇÃO ONLINE DESAFIOS DO SKYPE NA COLETA DE DADOS NA PESQUISA EM EDUCAÇÃO ONLINE Mayara Teles Viveiros de Lira (UFAL) Maria Helena de Melo Aragão (UFAL) Luis Paulo Leopoldo Mercado (UFAL) Resumo Este estudo analisa

Leia mais

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD): LIMITES E POSSIBILIDADES DA CRIAÇÃO DE UM NOVO MODELO PEDAGÓGICO

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD): LIMITES E POSSIBILIDADES DA CRIAÇÃO DE UM NOVO MODELO PEDAGÓGICO EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD): LIMITES E POSSIBILIDADES DA CRIAÇÃO DE UM NOVO MODELO PEDAGÓGICO Eva Karolina Pereira Santos Isabela Almeida Valadares Marina Santos Silva Pedro Henrique Branco de Oliveira

Leia mais

LENDO, ESCREVENDO E PRODUZINDO JORNAL: A APROPRIAÇÃO DA ESCRITA POR ALUNOS DE EJA

LENDO, ESCREVENDO E PRODUZINDO JORNAL: A APROPRIAÇÃO DA ESCRITA POR ALUNOS DE EJA LENDO, ESCREVENDO E PRODUZINDO JORNAL: A APROPRIAÇÃO DA ESCRITA POR ALUNOS DE EJA CENTRO MUNICIPAL DE REFERÊNCIA DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS PROFESSORA FABÍOLA DANIELE DA SILVA A lingüística moderna

Leia mais

PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: EXPERIMENTAÇÃO DOCENTE NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Mariely Rodrigues Anger marielyanger@hotmail.com

PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: EXPERIMENTAÇÃO DOCENTE NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Mariely Rodrigues Anger marielyanger@hotmail.com ISSN 2177-9139 PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: EXPERIMENTAÇÃO DOCENTE NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Mariely Rodrigues Anger marielyanger@hotmail.com 000 Alegrete, RS, Brasil. Ana Carla Ferreira Nicola Gomes

Leia mais

ANA LÚCIA DE OLIVEIRA BARRETO

ANA LÚCIA DE OLIVEIRA BARRETO COLÉGIO MILITAR DO RIO DE JANEIRO GUIA BÁSICO DE UTILIZAÇÃO DA REDE COLABORATIVA Construçãoo de Saberes no Ensino Médio ANA LÚCIA DE OLIVEIRA BARRETO CMRJ - 2010 2 LISTA DE FIGURAS Figura 01: Exemplo de

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS Cultura Brasileira 1º PERÍODO O fenômeno cultural. Cultura(s) no Brasil. Cultura regional e

Leia mais

Cultura Digital e Educação: desafios contemporâneos para a aprendizagem escolar em tempos de dispositivos móveis

Cultura Digital e Educação: desafios contemporâneos para a aprendizagem escolar em tempos de dispositivos móveis Fórum de Informática Educativa- CEPIC NTM Cultura Digital e Educação: desafios contemporâneos para a aprendizagem escolar em tempos de dispositivos móveis Profª Drª Cíntia Inês Boll / Faced/UFRGS Rafaela

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Pensar na realidade é pensar em transformações sociais. Atualmente, temos observado os avanços com relação à

Leia mais

JORNALISMO CULTURAL ONLINE: EXPERIÊNCIAS DE COBERTURA JORNALÍSTICA DO SITE CULTURA PLURAL

JORNALISMO CULTURAL ONLINE: EXPERIÊNCIAS DE COBERTURA JORNALÍSTICA DO SITE CULTURA PLURAL 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( x ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA JORNALISMO

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches A presença de tecnologias digitais no campo educacional já é facilmente percebida, seja pela introdução de equipamentos diversos,

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO 1. AUDIOVISUAL NO ENSINO MÉDIO O audiovisual tem como finalidade realizar-se como crítica da cultura,

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE tarefas tecnológicas, práticas didáticas, tarefas criativas.

PALAVRAS-CHAVE tarefas tecnológicas, práticas didáticas, tarefas criativas. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (x) EDUCAÇÃO. A relação entre o contexto do livro didático e a tarefa digital criativa no PIC Reinaldo Afonso Mayer (ramayer1952@gmail.com)

Leia mais

Para estar junto não é preciso estar perto, e sim do lado de dentro. Leonardo da Vinci

Para estar junto não é preciso estar perto, e sim do lado de dentro. Leonardo da Vinci MATEMÁTICA - ENEM 1 2 Para estar junto não é preciso estar perto, e sim do lado de dentro. Leonardo da Vinci CARO ALUNO Não existem limites para a educação a distância. Seus desafios são os mesmos da educação

Leia mais