Uma reflexão teórica acerca das mudanças no mundo do trabalho e os impactos sobre o mercado de trabalho dos assistentes aociais no Brasil

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Uma reflexão teórica acerca das mudanças no mundo do trabalho e os impactos sobre o mercado de trabalho dos assistentes aociais no Brasil"

Transcrição

1 Uma reflexão teórica acerca das mudanças no mundo do trabalho e os impactos sobre o mercado de trabalho dos assistentes aociais no Brasil Vania Maria Manfroi 1 1. Introdução Apresenta-se nesse artigo uma revisão teórica acerca do tema do trabalho do assistente social perante as mudanças societárias. Essa revisão teórica faz parte do projeto mercado de trabalho dos assistentes sociais em Santa Catarina. O projeto foi aprovado pelo CNPq (Conselho nacional de Pesquisa) e pretende mapear o mercado de trabalho dos assistentes sociais no estado. Porém, nesse artigo será apresentada apenas a revisão bibliográfica e apresentação de resultados de algumas pesquisas feitas sobre o tema no Brasil. A discussão acerca da relação entre Serviço Social e trabalho emerge no Brasil nos anos 1980, com destaque para a produção de Marilda Villela Iamamoto e Raul de Carvalho de Tal trabalho demarca uma nova compreensão da profissão, pois segundo Iamomoto a profissão situa-se como um dos elementos que participa da reprodução das relações classes e do relacionamento contraditório entre elas. Assim, o livro de 1982 tem como objetivo compreender a profissão historicamente situada, configurada como um tipo de especialização do trabalho coletivo dentro da divisão social do trabalho peculiar à sociedade industrial.(iamamoto, 1995, p. 71). As alterações na questão social, bem como nas políticas sociais repercutem sobre o exercício profissional do assistente social, segundo Iamamoto (2004), o trabalho é um elemento indissociável da questão social, assim a sua compreensão implica do processo de trabalho na contemporaneidade, num processo de disputas entre projetos societários, informados por distintos interesses de classe, acerca de concepções e propostas para a condução das políticas econômicas e sociais (IAMAMOTO, 2004, p. 10). 1 Mestre e doutora em Serviço Social pela Pontíficia Universidade Católica de São Paulo e Professora Adjunto IV da Universidade Federal de Santa Catarina. Ponencia presentada en el XIX Seminario Latinoamericano de Escuelas de Trabajo Social. El Trabajo Social en la coyuntura latinoamericana: desafíos para su formación, articulación y acción profesional. Universidad Católica Santiago de Guayaquil. Guayaquil, Ecuador. 4-8 de octubre

2 Mais recentemente, Iamamoto (2008, p. 415) retoma o debate acerca do trabalho do assistente social. A autora considera no estudo a dupla dimensão do trabalho, no sentido marxiano. Para ela há uma dupla determinação do trabalho do assistente social como trabalho útil e abstrato, dimensões indissociáveis para se pensar o trabalho na sociedade burguesa. Lembra que na sociedade burguesa o trabalho tem a dimensão mercantil fundada na propriedade privada. Porém, ressalta a autora que o caráter social do trabalho do assistente social assume a dupla dimensão: (a) enquanto trabalho útil atende a necessidades sociais (que justificam a reprodução da própria profissão) e efetiva-se através de relações com outros homens, incorporando o legado material e intelectual de gerações passadas, ao mesmo tempo em que se beneficia das conquistas atuais das ciências sociais e humanas; (b) mas só pode atender às necessidades sociais se seu trabalho puder ser igualado a qualquer outro trabalho enquanto trabalho abstrato -, mero coágulo de tempo de trabalho social médio -, possibilitando que esse trabalho privado adquira um caráter social (Iamamoto, 2008, p.421). Nesse processo é central compreender como as medidas de reestruturação do trabalho afetam a ação profissional. Em princípio afetam diretamente, pois o assistente social é um trabalhador assalariado. Mas também atingem indiretamente à medida que essas mudanças implicam na ampliação da desigualdade social. Nesse processo há o que Iamamoto chama de radicalização da questão social, pois ampliam-se as demandas para o Serviço Social, o que requer respostas mais complexas. Concomitantemente, as mudanças nas políticas sociais interferem nas respostas das instituições sociais, em que atuam os assistentes sociais: E o assistente social, que é chamado a implementar e viabilizar direitos sociais e os meios de exercê-los, vê-se tolhido em suas ações, que dependem de recursos, condições e meios de trabalho cada vez mais escassos para operar as políticas sociais (Iamamoto, 2008, p. 149). Segundo Netto (1996, p.105), no Brasil as transformações societárias em curso no capitalismo tardio que se flexibiliza vão se processar combinando as suas seqüelas específicas com a cronificação daquelas que marcaram a modernização conservadora operada pela ditadura do grande capital e não foram senão agravadas (Netto, 1996, p.105). 2

3 Segundo Mota e Amaral (2000, p. 25), o processo de produção e reprodução da força de trabalho exige uma refuncionalização das competências profissionais e se desenvolve em dois planos. Um imediato que relaciona-se com questões que afetam diretamente o exercício profissional, como é o caso das alterações do mercado de trabalho e nas condições de trabalho profissional. Outro amplo e complexo, pois refere-se ao surgimento de novas problemáticas que podem ser mobilizadoras de competências profissionais estratégicas, como a elaboração de proposições teóricas, políticas, éticas e técnicas que se apresentem como respostas qualificadas ao enfrentamento das questões que lhe são postas. No entanto, segundo Netto (1996, p.89) há que se considerar também a cultura profissional, pois elas não são apenas resultados de processos sociais macroscópicos devem também ser tratadas cada qual com seu corpus teóricos e práticos que, condensando projetos sociais (donde as suas inelimináveis dimensões ídeopolíticas), articulam respostas (teleológicas) aos mesmos processos sociais (Netto, 1996, p.89). Nessa linha de raciocínio esse trabalho, mesmo que de forma sintética, tenta demonstrar que as transformações porque passam o capitalismo repercutem sobre o trabalho profissional, porém, os profissionais podem articular respostas coletivas de enfrentamento a essa conjuntura. Mudanças no capitalismo, no Mundo do Trabalho e nas Políticas Sociais Chesnais (1999, p. 79) utiliza o termo mundialização do capital para definir o atual momento do capitalismo. Segundo o autor, esse termo define a forma como o capitalismo vem se desenvolvendo desde os anos 1980 em decorrência das políticas de liberalização e de desregulamentação das trocas, do trabalho e das finanças, adotadas pelos governos dos países industriais, encabeçados pelos Estados Unidos e Grã-Bretanha. O autor afirma, no decorrer do texto, que o significado desse processo de mundialização do capital, é mais do que uma discussão econômica, ele diz respeito às formas do domínio social próprio de uma fase histórica, da qual não podemos saber nem quanto tempo durará nem por qual caminho a humanidade dela sairá (CHESNAIS, 1999, p. 86). 3

4 Um aspecto central desse processo é a financeirização da economia, que segundo o autor, baseia-se na política monetária norte-americana combinado de fatores de hierarquização próprios do período da mundialização do capital, da interconexão dos mercados de obrigações e do lugar ocupado pelos déficits públicos (CHESNAIS, 1999, 98). Esse processo, segundo o mesmo autor, vem pesando cada vez mais na transformação da relação salarial (flexibilidade, precariedade, redução do nível médio dos salários reais (CHESNAIS, 1999, p. 99). Mészáros (2002) analisa a ordem da reprodução sociometabólica do capital, assim entende que o capital é em última análise, uma forma incontrolável de controle sociometabólico (2002, p. 96, grifos do autor), pois é uma estrutura totalizadora de controle à qual tudo o mais, inclusive seres humanos, deve se ajustar, e assim provar sua viabilidade produtiva, ou parecer, caso não consiga se adaptar. Em artigo em que analisa o desemprego, a precarização e as alternativas para a esquerda, o autor afirma que atualmente mesmo os países de capitalismo desenvolvido estão enfrentando o desemprego e o trabalho temporário (Mézáros, 2006, 27). Ele afirma que a flexibilidade é um mito, pois vive-se uma grande tendência socioeconômica de equalização da taxa de exploração diferencial (idem). Aprofundando mais sua análise, ele afirma que é a primeira vez na história que a dinâmica_ e, em suas implicações finais, dinamicamente destrutivas_ do controle social metabólico auto-expansivo do sistema expele, brutalmente se necessário, uma maioria esmagadora de seres humanos do processo de trabalho (Mézáros, 2006, 33). Noutra linha, Castel (1997), analisando as metamorfoses da questão social, afirma que estamos vivendo uma nova questão social em conseqüência do enfraquecimento da relação salarial, decorrente do processo de precarização do trabalho. Assim, a exclusão social afeta principalmente os trabalhadores, e dentre eles os pouco qualificados, mais do que os executivos, por exemplo, mas é preciso dizer que há também um desemprego para os quadros superiores, quer dizer, que ninguém escapa a essa reestabilização das situações de trabalho (1996, p. 9). Usando como exemplo a França, o autor levanta três tendências relativas ao trabalho, que assim classifica: desestabilização dos estáveis, ou seja, trabalhadores que ocupavam uma posição sólida na divisão do trabalho clássica e que se encontram ejetados dos circuitos produtivos; instalação na precariedade, isto é, 4

5 alternâncias de períodos de atividades, de desemprego, de trabalho temporário, de ajuda social e os sobrantes que são pessoas que não têm lugar na sociedade, que não são integrados, e talvez não sejam integráveis (1997, p. 11). Ricardo Antunes (1985), explica as mudanças no trabalho aconteceram a partir dos anos 80 e atingiram as formas de inserção na estrutura produtiva, as formas de representação política e sindical, ou seja, atingiram tanto a materialidade quanto a subjetividade da classe que vive do trabalho. As mudanças foram: a produção em série foi substituída pela flexibilização da produção; especialização flexível; novos padrões de busca de produtividade; novas formas de adequação à lógica do mercado; descontração industrial; direitos trabalhistas foram desregulamentados e flexibilizados. Houve um salto tecnológico: automação, robótica, micro eletrônica. Ocorreu, também, a especialização flexível, ou seja, uma nova forma produtiva que articula, de um lado, um significativo desenvolvimento tecnológico e, de outro, uma desconcentrarão produtiva baseada em empresas médias e pequenas (artesanais) e um novo modelo produtivo, no qual há uma recusa do padrão em massa, um processo desconcentrado; produz-se para um mercado localizado e regional e extingue a produção em série. Decorrente das mudanças que ocorreram na sociedade mundial, a partir dos anos 1970, foram anunciadas várias crises, uma delas seria a crise do trabalho. Assim, vários autores afirmaram que o trabalho não seria mais uma categoria central na contemporaneidade (Gorz, Offe, dentre outros). Mediante isso, no campo do marxismo Antunes tem feito a crítica a esses autores. No texto qual crise da sociedade salarial, o autor defende que com todas as reconfigurações, complexificação, heterogeneização, etc., não podem levar a uma idéia de crise do trabalho. Mishra (1995) analisa o Estado-providência na Europa, Estados Unidos e Austrália e relaciona o crescimento dos neoconservadores nestes países e a continuidade, ou não, do Estado-providência. Afirma que os neoconservadores não desmantelaram o Estadoprovidência. Mishra considera a história do Estado-providência em 3 fases: pré-criseantes de 1973; crise- meados a fins dos anos 70; pós-crise a partir dos anos 80. Segundo o autor, o consenso do pós-guerra sobre o Welfare State sofreu um revés a partir dos anos 70. Houve, ao mesmo tempo, inflação e recessão que não se podia mais resolver do ponto de vista do Estado-providência. O autor afirma que o mais importante na análise 5

6 que se faz no seu livro é que a doutrina keynesiana ainda não foi substituída por nenhum modelo. No livro ele analisa as diferenças presentes nas configurações dos diversos países. Para ele, perceber quais são as respostas políticas propostas por cada governo seja o neoconservadorismo, seja o social-corporativista são fundamentais para o futuro da assistência social e das democracias capitalistas. Nesse momento surge o neoliberalismo que, segundo Anderson (1995 p.9) é uma doutrina que ataca de forma apaixonada qualquer limitação dos mecanismos de mercado por parte do Estado, denunciadas como uma ameaça letal à liberdade, não somente econômica, mas também política. O neoliberalismo ataca, também, o igualitarismo que resulta do Estado de bem-estar, o qual, segundo os defensores do neoliberalismo destruía e limitava a liberdade dos homens e a concorrência. Um dos pontos fulcrais de defesa dos neoliberais é a redução do Estado, transformando-o em Estado mínimo com a redução gradual dos gastos sociais. Contrariamente à tese do Estado intervencionista defendida pelo keynesianismo, o neoliberalismo no questionamento do Estado de bem-estar e das propostas de pleno emprego, originando com isso o desemprego estrutural como forma de regulação social. Yasbeck afirma ainda que sob a crise do Welfare State se radica também a crise do pensamento igualitário e democrático (1995, p.11). Porém, o Brasil tem uma particularidade no que concerne às políticas sociais. Pereira (2000) afirma que a política social no Brasil teve a seguinte periodização: Período lassefariano; período populista/desenvolvimentista; período tecnocrático-militar; período da transição para a democracia liberal e período neoliberal. Nesse sentido, afirma a autora que: no Brasil, as políticas sociais tiveram a sua trajetória em grande parte influenciada pelas mudanças econômicas e políticas ocorridas no plano internacional e pelos impactos reorganizadores dessas mudanças na ordem política interna (PEREIRA, 2000, 125). Segundo a mesma autora, o caminho percorrido pelas políticas sociais no Brasil se diferenciou daquele dos países centrais, nesses elas 6

7 nasceram livres da dependência econômica e do domínio colonialista, o sistema de bem-estar brasileiro sempre expressou as limitações decorrentes dessas injunções. Assim, a proteção social no Brasil não se apoiou firmemente nas pilastras do pleno emprego, dos serviços sociais universais, nem armou, até hoje, uma rede de proteção impeditiva da queda e da reprodução de estratos sociais majoritários da população na pobreza extrema. (Pereira, 2000, p. 125) Ademais, devido à fragilidade das instituições democráticas nacionais, a política social brasileira teve seus momentos de expansão justamente nos períodos mais avessos à instituição da cidadania: durante os regimes autoritários sob o governo de coalizão conservadoras (PEREIRA, 2000, 125). Para a autora o padrão nacional de proteção social brasileiro teve as seguintes características: ingerência imperativa do poder executivo; seletividade dos gastos sociais e da oferta de benefícios e serviços públicos; heterogeneidade e superposição de ações; desarticulação institucional; intermitência da provisão; restrição e incerteza financeira. Nesse sentido cabe ressaltar que o neoliberalismo teve conseqüências no Brasil, mas de uma forma diferenciada dos países centrais que haviam desenvolvido o Welfare State. São características da política social no modelo neoliberal: função meramente compensatória e focalizada para atendimento apenas da pobreza extrema; a seletividade que tem uma função regressiva de desmantelamento dos serviços sociais que produzem redução dos gastos sociais. A pobreza é considerada de forma absoluta e não relativa atendida através de políticas emergenciais, o Estado passa a ter 3. Repercussão das Mudanças no Mercado de Trabalho para os Assistentes Sociais Brasileiros Recuperamos alguns estudos feitos no Brasil acerca do mercado de trabalho. É uma pesquisa bibliográfica, cujo objetivo é mostrar tendências do mercado de trabalho dos assistentes sociais nos últimos anos. Começamos apresentando sucintamente os dados de uma pesquisa que coordenamos no Espírito Santo (Manfroi, et al 2007). A pesquisa levantou os seguintes dados do perfil 7

8 profissional: Predominância feminina; concentração na Grande Vitória, especialmente no município de Vitória (49,5% moram e 52,97% trabalham); há uma presença considerável de novos profissionais se inserindo no mercado de trabalho; expressivo número de especialistas (57,92%); prevalência, ainda de formação por uma universidade pública. Quanto às condições de trabalho levantou-se como principais problemas citados pelos profissionais: falta de recursos; estrutura física inadequada; falta de profissionais; falta de autonomia, reconhecimento; questões salariais. Pode-se, ainda, afirmar que há um índice alto de desemprego: 43% dos profissionais já ficaram desempregados; há uma expressiva presença de problemas de saúde (70%), especialmente as doenças psicossomáticas (110 casos citados). Há uma prevalência de contratação no setor público; ampliação do espaço nas prefeituras municipais, decorrente do processo de municipalização. As áreas de atuação mais citadas foram saúde com maior percentual 35,64%, seguido de família e assistência e a pulverização e fragmentação das áreas. No que se refere à participação política concluiu-se que há pouca participação dos assistentes sociais em movimentos sociais, embora 57,92 % afirme que participa, mas há uma predominância de participação em movimentos religiosos e pequena participação nos conselhos, sendo que a maior participação se dá nos conselhos de assistência e criança e adolescente. O estudo realizado por Serra (2000) enfoca o estado do Rio de Janeiro no qual a autora mostra que houve no período de 1991 a 1997 houve uma maior absorção de assistentes sociais no nível municipal. Outro fenômeno apontado pela autora foi o processo de terceirização que ocorreu no setor público, destacando-se a ocorrência desse fenômeno no nível municipal. Prédes (2007) realizou estudo no estado de Alagoas e mostra, também que no ano de 2004 existiam 29,65% de assistentes sociais no nível municipal, 26,42 % no nível estadual e que há predominância da inserção dos assistentes sociais em políticas sociais estatais., pois somando-se o percentual de profissionais que atuam na iniciativa privada, no terceiro setor e em economia mista o total é de 11,32%. No que se refere aos vínculos, a pesquisadora ressalta a predominância do vínculo efetivo com um percentual de 43,52%. No entanto, há uma diversificação nas formas e tempos de vinculação do assistente social (Prédes, 2007, p. 27). Num outro estudo realizado no estado do Rio Grande do Sul por Guimarães e Rocha (2008) que descreve a inserção dos assistentes sociais no campo da assistência social 8

9 constatou que 76% dos assistentes sociais do estado estão inseridos nas instituições públicas municipais. Os dados mostram que 46% dos profissionais possuem vínculo estatutário e 31% celetista. Outro dado é a rotatividade do assistente social no mercado de trabalho. Já Pires et al (2006) realizaram pesquisa na Região Metropolitana de Londrina, composta por seis municípios. Na pesquisa também constatou-se a prevalência dos assistentes sociais inseridos no setor público, seguido do chamado terceiro setor e do setor privado. Considerações Finais O que se pode observar, a partir das pesquisas apresentadas e que Netto (1996) já previa é que não há tendência de contração do mercado de trabalho profissional, porém, se a categoria não for capaz de dar respostas qualificadas tenderá a tornar-se um exercício profissional residual. As tendências do mercado profissional anunciadas por Netto (1996, p.210 eram a crescente segmentação das atividades profissionais, requerendo uma definida especialização dos profissionais e a diferenciação progressiva das condições de trabalho nas instituições estatais e na iniciativa privada, estas com esquemas de controle e aferição mais estritos do desempenho profissional. Uma tendência clara nas pesquisas é a permanência do setor público como maior empregador de assistentes sociais no Brasil. Há uma diversificação de atividades dos profissionais no setor público. Houve uma ampliação da inserção dos profissionais nos municípios, devido ao processo de municipalização, o que não tem acarretado em políticas sociais qualitativas e nem não precarização da força de trabalho dos assistentes sociais. É no setor público municipal que há a maior precarização da força de trabalho dos assistentes sociais. Há a necessidade da intensificação de estudos para melhor conhecimento do mercado de trabalho dos assistentes sociais brasileiros. 9

10 Bibliografia: CASTEL, Robert. As transformações da questão social. In: BELFIORE- WANDERLEY, M. (org.); BÓGUS, L.; YAZBEK, M. C. Desigualdade e a questão social. São Paulo, EDUC, CHESNAIS, François. Um programa de ruptura com o neoliberalismo. In: A crise dos paradigmas em ciências sociais e os desafios para o século XXI. Rio de Janeiro: Contraponto, GUIMARÃES, Gleny Terezinha Duro e ROCHA,Maria Aparecida Marques de. Transformações no mundo do trabalho: repercussões no mercado de trabalho do assistente social a partir da criação da LOAS. In: Revista Textos & Contextos. Porto Alegre v. 7 n. 1 p jan./jun IAMAMOTO, Marilda Villela. Projeto Profissional, Espaços Ocupacionais e Trabalho do Assistente Social Na Atualidade. In: Em questão. Brasília: CFESS, IAMAMOTO, Marilda Villela. O Serviço Social na Contemporaneidade: trabalho e formação Profissional. 6. ed. São Paulo: Cortez, IAMAMOTO, M. "A Questão social no capitalismo". In: Revista Temporalis, n0 03, ABEPSS, Brasília, 2001 ( 09 a 32). IAMAMOTO, Marilda. A questão social no Brasil. In: Serviço Social em tempo de capital fetiche: capital financeiro, trabalho e questão social. São Paulo, Cortez, MANFROI, Vania Maria. (org). Relatório de Pesquisa: mercado de trabalho dos assistentes sociais no Espírito Santo. Vitória: CRES MÉZÁROS, István. Desemprego e precatização: um grande desafio para a esquerda. In: Antunes, Ricardo (org.). Riqueza e miséria do trabalho no Brasil. São Paulo: Boitempo, MISHRA, Ramesh. O Estado-Providência na Sociedade Capitalista. Tradução Ana Barradas. Celta Editora, Oeiras, Portugal, MOTA, Ana Elisabete. (Org.). A Nova Fábrica de Consensos: Ensaios sobre a reestruturação empresarial, o trabalho e as demandas ao Serviço Social. 2 ed. São Paulo: Cortez, NETTO, José Paulo. Transformações societárias e serviço social: notas para uma análise prospectiva da profissão no Brasil. In: Serviço Social e Sociedade, 50 São Paulo: Cortez, 1996, p

11 PEREIRA, Potyara. (2000) As necessidades humanas: subsídios à crítica dos mínimos sociais. São Paulo: Cortez. PREDES, Rosa Maria. Serviço Social e políticas sociais: articulação histórica e necessária para compreender a profissão. In: Serviço Social, políticas públicas e mercado de trabalho em Alagoas. Maceió: UFAL PIRES, Sandra Regina de Abreu Volume 8 - Número 2 Jan/Jun Serviço Social em Revista Universidade Estadual de Londrina. In: ttp://revistaseletronicas. pucrs.br/ojs/ index.php/fass/article/ viewfile/3936/3200http://www.ssrevista.uel.br. SERRA, Rose M. S. Crise da materialidade no Serviço Social: repercussões no mercado de trabalho. São Paulo: Cortez TELLES, Vera da Silva - Sociedade Civil e a construção de espaços públicos. In: Anos 90: política e sociedade. São Paulo. Brasiliense, YAZBEK, Maria Carmelita - A Política Social Brasileira nos anos 90: A Refilantropização da Questão Social. In Subsídios à Conferência Nacional de Assistência Social. ABONG, CNAS, 1995.a **** 11

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO Karen Ramos Camargo 1 Resumo O presente artigo visa suscitar a discussão acerca dos processos de trabalho do Serviço Social, relacionados

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A QUESTÃO SOCIAL

REFLEXÕES SOBRE A QUESTÃO SOCIAL TEORIA MARXISTA NA COMPREENSÃO DA SOCIEDADE CAPITALISTA Disciplina: QUESTÃO E SERVIÇO Professora: Maria da Graça Maurer Gomes Türck Fonte: AS Maria da Graça Türck 1 Que elementos são constitutivos importantes

Leia mais

Seminário RMC e os desafios para o século XXI OBSERVATÓRIO DAS METRÓPOLES/UFPR

Seminário RMC e os desafios para o século XXI OBSERVATÓRIO DAS METRÓPOLES/UFPR Seminário RMC e os desafios para o século XXI OBSERVATÓRIO DAS METRÓPOLES/UFPR : mudanças na estrutura produtiva e no mercado de trabalho no período 1991/2010 Paulo Delgado Liana Carleial Curitiba, 17

Leia mais

Serviço Social e o Trabalho Social em Habitação de Interesse Social. Tânia Maria Ramos de Godoi Diniz Novembro de 2015

Serviço Social e o Trabalho Social em Habitação de Interesse Social. Tânia Maria Ramos de Godoi Diniz Novembro de 2015 Serviço Social e o Trabalho Social em Habitação de Interesse Social Tânia Maria Ramos de Godoi Diniz Novembro de 2015 Sobre o trabalho social O trabalho social nos programas de, exercido pelo (a) assistente

Leia mais

Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades

Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades 1 Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades A Comissão Nacional da Questão da Mulher Trabalhadora da CUT existe desde 1986. Neste período houve muitos avanços na organização das

Leia mais

Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL

Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL ÍNDICE Pensamento Social...2 Movimentos Sociais e Serviço Social...2 Fundamentos do Serviço Social I...2 Leitura e Interpretação de Textos...3 Metodologia Científica...3

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO SOCIOECONÔMICO PROJETO

SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO SOCIOECONÔMICO PROJETO SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO SOCIOECONÔMICO PROJETO ABRIL / 2005 Apresentação SMPDSE SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO E A Secretaria Municipal de Planejamento e Desenvolvimento

Leia mais

O MERCADO DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL NO INTERIOR DE ALAGOAS E O PROCESSO DE DESCENTRALIZAÇÃO DAS POLÍTICAS PÚBLICAS

O MERCADO DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL NO INTERIOR DE ALAGOAS E O PROCESSO DE DESCENTRALIZAÇÃO DAS POLÍTICAS PÚBLICAS 1 O MERCADO DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL NO INTERIOR DE ALAGOAS E O PROCESSO DE DESCENTRALIZAÇÃO DAS POLÍTICAS PÚBLICAS Rosa Prédes * Sarah Bernardo Pereira ** RESUMO O trabalho é parte da pesquisa sobre

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR.

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ÉTICA E SERVIÇO SOCIAL: Elementos para uma breve reflexão e debate. Perspectiva de Análise Teoria Social Crítica (Marx e alguns marxistas)

Leia mais

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável Sustentabilidade Socioambiental Resistência à pobreza Desenvolvimento Saúde/Segurança alimentar Saneamento básico Educação Habitação Lazer Trabalho/

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA: DIREÇÃO SOCIAL. Rafael TEIXEIRA DO NASCIMENTO. 1 Valderes MARIA ROMERA 2

SERVIÇO SOCIAL NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA: DIREÇÃO SOCIAL. Rafael TEIXEIRA DO NASCIMENTO. 1 Valderes MARIA ROMERA 2 SERVIÇO SOCIAL NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA: DIREÇÃO SOCIAL. Rafael TEIXEIRA DO NASCIMENTO. 1 Valderes MARIA ROMERA 2 RESUMO: O capitalismo financeiro está fortemente projetado na sociedade contemporânea,

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE SERVIÇO SOCIAL INTRODUÇÃO AO SERVIÇO SOCIAL EMENTA: A ação profissional do Serviço Social na atualidade, o espaço sócioocupacional e o reconhecimento dos elementos

Leia mais

Unidade II FUNDAMENTOS HISTÓRICOS, TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL. Prof. José Junior

Unidade II FUNDAMENTOS HISTÓRICOS, TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL. Prof. José Junior Unidade II FUNDAMENTOS HISTÓRICOS, TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL Prof. José Junior O surgimento do Serviço Social O serviço social surgiu da divisão social e técnica do trabalho, afirmando-se

Leia mais

Universidade Estadual de Londrina/Departamento de Serviço Social/Londrina, PR Ciências Sociais Aplicadas Ética e Serviço Social

Universidade Estadual de Londrina/Departamento de Serviço Social/Londrina, PR Ciências Sociais Aplicadas Ética e Serviço Social O materialismo-histórico dialético e o projeto ético-político do Serviço Social: algumas aproximações Emelin Caroline Tarantini Cremasco (PIBIC/CNPq-UEL), Olegna Souza Guedes (Orientadora), e-mail: olegnasg@gmail.com

Leia mais

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006.

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006. UM ENSAIO SOBRE A DEMOCRATIZAÇÃO DA GESTÃO NO COTIDIANO ESCOLAR: A CONEXÃO QUE FALTA. Noádia Munhoz Pereira Discente do Programa de Mestrado em Educação PPGE/FACED/UFU - noadia1@yahoo.com.br Resumo O presente

Leia mais

difusão de idéias EDUCAÇÃO INFANTIL SEGMENTO QUE DEVE SER VALORIZADO

difusão de idéias EDUCAÇÃO INFANTIL SEGMENTO QUE DEVE SER VALORIZADO Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias outubro/2007 página 1 EDUCAÇÃO INFANTIL SEGMENTO QUE DEVE SER VALORIZADO Moysés Kuhlmann :A educação da criança pequena também deve ser pensada na perspectiva de

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL EM INSTITUIÇÕES DO INTERIOR DO ESTADO, FRENTE AS MUDANÇAS NA GESTÃO DESCENTRALIZADAS DAS POLÍTICAS SOCIAIS 1

O SERVIÇO SOCIAL EM INSTITUIÇÕES DO INTERIOR DO ESTADO, FRENTE AS MUDANÇAS NA GESTÃO DESCENTRALIZADAS DAS POLÍTICAS SOCIAIS 1 UFMA UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICAS PÚBLICAS III JORNADA INTERNACIONAL DE POLÍCAS PÚBLICAS QUESTÃO SOCIAL E DESENVOLVIMENTO NO SÉCULO XXI 1 O SERVIÇO SOCIAL EM

Leia mais

Um debate acerca da inserção da prática profissional do serviço social na questão sócio-ambiental Ana Carla Barreto de Oliveira 1

Um debate acerca da inserção da prática profissional do serviço social na questão sócio-ambiental Ana Carla Barreto de Oliveira 1 Um debate acerca da inserção da prática profissional do serviço social na questão sócio-ambiental Ana Carla Barreto de Oliveira 1 Modalidade do Trabalho: Resultados de Investigação Eixo Temático: anacarla.oliveira@ig.com.br

Leia mais

Currículo nº2 DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL

Currículo nº2 DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL CURSO DE SERVIÇO SOCIAL Turno: INTEGRAL Currículo nº2 Reconhecido pelo Decreto Federal n 82.413, de 16.10.78, D.O.U. nº198 de 17.10.78. Renovação de Reconhecimento Decreto Est. nº. 1064, de 13.04.11 DOE

Leia mais

DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL

DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL CURSO DE SERVIÇO SOCIAL Turno: INTEGRAL Currículo nº Reconhecido pelo Decreto Federal n 8.1, de 16.10.78, D.O.U. nº198 de 17.10.78. Renovação de Reconhecimento Decreto Est. nº. 106, de 1.0.11 DOE nº 85

Leia mais

1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO

1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO 1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO A análise da evolução temporal (ou dinâmica) da economia constitui o objeto de atenção fundamental do desenvolvimento econômico,

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável: idéias sobre a perspectiva da integração 1

Desenvolvimento Sustentável: idéias sobre a perspectiva da integração 1 Desenvolvimento Sustentável: idéias sobre a perspectiva da integração 1 Juliano Varela de Oliveira 2 O Desenvolvimento Sustentável é uma proposta alternativa ao modelo de desenvolvimento com viés puramente

Leia mais

Rogério Medeiros medeirosrogerio@hotmail.com

Rogério Medeiros medeirosrogerio@hotmail.com Programa Nacional de Capacitação do SUAS - Sistema Único de Assistência Social CAPACITASUAS CURSO 2 Indicadores para diagnóstico e acompanhamento do SUAS e do BSM Ministrado por Rogério de Souza Medeiros

Leia mais

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude.

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude. A MULHER NA ATIVIDADE AGRÍCOLA A Constituição Federal brasileira estabelece no caput do art. 5º, I, que homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações e reconhece no dispositivo 7º a igualdade de

Leia mais

Atualização e Aperfeiçoamento. 1ª edição: O Serviço Social e seus desafios na contemporaneidade

Atualização e Aperfeiçoamento. 1ª edição: O Serviço Social e seus desafios na contemporaneidade Curso de Serviço Social 2011/2 Atualização e Aperfeiçoamento 1ª edição: O Serviço Social e seus desafios na contemporaneidade EMENTA A atividade de extensão se destina ao debate sobre as particularidades

Leia mais

Desafíos para la formación profesional en América Latina y Caribe

Desafíos para la formación profesional en América Latina y Caribe Fórum de supervisores e formação profissional: relato de uma experiência político-acadêmica e pedagógica na Faculdade de Mauá - SP 1 Maria Liduína de Oliveira e Silva 2 liduoliveira@ig.com.br Rodrigo José

Leia mais

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE.

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE. TRABALHO DOCENTE: POR UMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL CRÍTICA, TRANSFORMADORA E EMANCIPATÓRIA OLIVEIRA, Marinalva Luiz de Prefeitura da Cidade do Recife GT-22: Educação Ambiental Resumo Este trabalho tem o objetivo

Leia mais

HELENA NAVARRO GIMENEZ

HELENA NAVARRO GIMENEZ HELENA NAVARRO GIMENEZ O ASSISTENTE SOCIAL NA GESTÃO ESTADUAL DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E A APLICABILIDADE DO CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL NESSE ESPAÇO DE ATUAÇÃO O presente artigo tem por objetivo

Leia mais

Melhora nos indicadores da presença feminina no mercado de trabalho não elimina desigualdades

Melhora nos indicadores da presença feminina no mercado de trabalho não elimina desigualdades A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DE PORTO ALEGRE NOS ANOS 2000 Boletim Especial: Dia Internacional das Mulheres MARÇO/2010 Melhora nos indicadores da presença feminina no mercado de trabalho

Leia mais

BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA E ENVELHECIMENTO ATIVO: CONQUISTAS E DESAFIOS

BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA E ENVELHECIMENTO ATIVO: CONQUISTAS E DESAFIOS BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA E ENVELHECIMENTO ATIVO: CONQUISTAS E DESAFIOS Cristiane Cinat Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - UNESP - Franca cricriblue@hotmail.com Introdução

Leia mais

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense 1. DISCRIMINAÇÃO DO PROJETO Título do Projeto Educação de Qualidade: direito de todo maranhense Início Janeiro de 2015 Período de Execução Término

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA PARA SE COMPREENDER A COMPLEXIDADE DO ENSINO/APRENDIZADO BRASILEIRO.

SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA PARA SE COMPREENDER A COMPLEXIDADE DO ENSINO/APRENDIZADO BRASILEIRO. SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA PARA SE COMPREENDER A COMPLEXIDADE DO ENSINO/APRENDIZADO BRASILEIRO. Resumo Paula Lopes Gomes - Universidade Estadual da Paraíba. E-mail: paulagomes20@msn.com

Leia mais

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias dezembro/2006 página 1 FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Bernardete Gatti: o país enfrenta uma grande crise na formação de seus professores em especial, de alfabetizadores.

Leia mais

Trabajo en la contemporaneidad, cuestión social y trabajo social Trabajo social, identidad profesional, autonomia

Trabajo en la contemporaneidad, cuestión social y trabajo social Trabajo social, identidad profesional, autonomia Considerações sobre identidade e autonomia profissionais nas ONGS no Brasil desafios ou possibilidades? Janaína Lopes do Nascimento Duarte 1 jana.lopesduarte@gmail.com Modalidad de trabajo: Eje temático:

Leia mais

O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL

O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL Larissa dos Santos Gomes Resumo O presente artigo refere-se ao trabalho de conclusão

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

CONCURSO DA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE/2010 FORMULÁRIO DE RESPOSTA AOS RECURSOS

CONCURSO DA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE/2010 FORMULÁRIO DE RESPOSTA AOS RECURSOS QUESTÃO: 22 Ver bibliografia do concurso: IAMAMOTO, Marilda. & CARVALHO, Raul. Relações sociais e serviço social no Brasil. Esboço de uma interpretação históricometodológica. 14ªed. São Paulo, Cortez,

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia A CONTRIBUIÇÃO DA DIDÁTICA CRÍTICA NA INTERLIGAÇÃO DE SABERES AMBIENTAIS NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

Leia mais

O IMPACTO DAS MUDANÇAS NO MUNDO DO TRABALHO E OS TRABALHADORES DE ENFERMAGEM

O IMPACTO DAS MUDANÇAS NO MUNDO DO TRABALHO E OS TRABALHADORES DE ENFERMAGEM O IMPACTO DAS MUDANÇAS NO MUNDO DO TRABALHO E OS TRABALHADORES DE ENFERMAGEM Salete Beatriz Scheid 1 Neide Tiemi Murofuse 2 INTRODUÇÃO: Vivemos atualmente numa sociedade marcada pelas intensas e rápidas

Leia mais

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS 1 FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS MAURICIO SEBASTIÃO DE BARROS 1 RESUMO Este artigo tem como objetivo apresentar as atuais

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 19/A

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 19/A 9 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 19/A QUESTÃO 16 O Capítulo II das Entidades de Atendimento ao Idoso, da Lei nº 10.741, de 2003, que dispõe sobre o Estatuto do Idoso, coloca no Parágrafo Único

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL BRASILEIRO E OS REBATIMENTOS DAS TRANSFORMAÇÕES CONTEMPORÂNEAS: A DIMENSÃO POLÍTICA DA PROFISSÃO

O SERVIÇO SOCIAL BRASILEIRO E OS REBATIMENTOS DAS TRANSFORMAÇÕES CONTEMPORÂNEAS: A DIMENSÃO POLÍTICA DA PROFISSÃO O SERVIÇO SOCIAL BRASILEIRO E OS REBATIMENTOS DAS TRANSFORMAÇÕES CONTEMPORÂNEAS: A DIMENSÃO POLÍTICA DA PROFISSÃO Evelyn Secco Faquin Resumo: O presente trabalho tem como objeto o Serviço Social brasileiro,

Leia mais

SEMINÁRIO NACIONAL DE SERVIÇO SOCIAL NA PREVIDÊNCIA SOCIAL

SEMINÁRIO NACIONAL DE SERVIÇO SOCIAL NA PREVIDÊNCIA SOCIAL SEMINÁRIO NACIONAL DE SERVIÇO SOCIAL NA PREVIDÊNCIA SOCIAL SERVIÇO SOCIAL E A SAÚDE DO TRABALHADOR: ATUAÇÃO NO BENEFÍCIO POR INCAPACIDADE Profª Drª: Jussara Maria Rosa Mendes Professora do Curso de Serviço

Leia mais

Ementários de acordo com o Projeto Político Pedagógico do Curso de Serviço Social (2007).

Ementários de acordo com o Projeto Político Pedagógico do Curso de Serviço Social (2007). Anexo 1. Ementários de acordo com o Projeto Político Pedagógico do Curso de Serviço Social (2007). I. Disciplinas Obrigatórias SOCIOLOGIA CLÁSSICA Os paradigmas sociológicos clássicos (Marx, Weber, Durkheim).

Leia mais

Saúde no Brasil: avanços e desafios

Saúde no Brasil: avanços e desafios I JORNADA DE SERVIÇO SOCIAL DAS UNIDADES I JORNADA ADMINISTRADAS DE SERVIÇO PELO SOCIAL SECONCI-SP DAS UNIDADES ADMINISTRADAS PELO SECONCI-SP Saúde no Brasil: avanços e desafios Repercussões na prática

Leia mais

ASSOCIAÇÃO UNIVERSIDADE EM REDE

ASSOCIAÇÃO UNIVERSIDADE EM REDE Como Associação que abarca as instituições de educação superior públicas tendo como finalidade o desenvolvimento da educação a distância, a UniRede apresenta abaixo as considerações relativas aos três

Leia mais

difusão de idéias AS ESCOLAS TÉCNICAS SE SALVARAM

difusão de idéias AS ESCOLAS TÉCNICAS SE SALVARAM Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias dezembro/2006 página 1 AS ESCOLAS TÉCNICAS SE SALVARAM Celso João Ferretti: o processo de desintegração da educação atingiu em menor escala as escolas técnicas.

Leia mais

TEORIA DO CAPITAL HUMANO: CONCEITOS E POSTULADOS

TEORIA DO CAPITAL HUMANO: CONCEITOS E POSTULADOS CRÍTICAS À TEORIA DO CAPITAL HUMANO: UMA CONTRIBUIÇÃO À ANÁLISE DE POLÍTICAS PÚBLICAS EM EDUCAÇÃO Camila Fernandes da Costa UFRN - fernandes.camila23@yahoo.com.br Emerson Nunes de Almeida UFRN - nunespedagogo@yahoo.com.br

Leia mais

PROGRAMAS DE INSERÇÃO SÓCIO-PROFISSIONAL DE JOVENS NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE MG Geraldo Magela Pereira Leão (UFMG)

PROGRAMAS DE INSERÇÃO SÓCIO-PROFISSIONAL DE JOVENS NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE MG Geraldo Magela Pereira Leão (UFMG) PROGRAMAS DE INSERÇÃO SÓCIO-PROFISSIONAL DE JOVENS NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE MG Geraldo Magela Pereira Leão (UFMG) 1 - INTRODUÇÃO Este trabalho apresenta dados e informações que fundamentam

Leia mais

Incubadoras Sociais: O Assistente Social contribuído na viabilização de uma nova economia.

Incubadoras Sociais: O Assistente Social contribuído na viabilização de uma nova economia. Incubadoras Sociais: O Assistente Social contribuído na viabilização de uma nova economia. Autores: Ana Claudia Carlos 1 Raquel Aparecida Celso 1 Autores e Orientadores: Caroline Goerck 2 Fabio Jardel

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

1 O texto da Constituição Federal de 1988 diz: Art. 7. São direitos dos trabalhadores urbanos e

1 O texto da Constituição Federal de 1988 diz: Art. 7. São direitos dos trabalhadores urbanos e 1 Introdução A presente pesquisa tem como objeto de estudo a inserção da pessoa com deficiência física no mercado de trabalho. Seu objetivo principal é o de compreender a visão que as mesmas constroem

Leia mais

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional*

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* 1. Natureza do mestrado profissional A pós-graduação brasileira é constituída, atualmente, por dois eixos claramente distintos: o eixo acadêmico, representado

Leia mais

Nota Técnica. Conceitos da Vigilância Socioassistencial Nº 01. Curitiba, PR. Junho de 2014. Coordenação da Gestão do SUAS

Nota Técnica. Conceitos da Vigilância Socioassistencial Nº 01. Curitiba, PR. Junho de 2014. Coordenação da Gestão do SUAS Nota Técnica Conceitos da Vigilância Socioassistencial Nº 01 Curitiba, PR. Junho de 2014 Coordenação da Gestão do SUAS Conceitos da Vigilância Socioassistencial Finalidade: Considerando a importância da

Leia mais

O EMPREENDEDORISMO NA EDUCAÇÃO BÁSICA PÚBLICA

O EMPREENDEDORISMO NA EDUCAÇÃO BÁSICA PÚBLICA O EMPREENDEDORISMO NA EDUCAÇÃO BÁSICA PÚBLICA Genilson José da Silva Universidade Federal da Paraíba genilsonjos27@gmail.com Maria das Graças de Almeida Baptista Universidade Federal da Paraíba - mgabaptista2@yahoo.com.br

Leia mais

PLANO DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DE SÃO PAULO: processo, participação e desafios. Seminário dos/as Trabalhadores/as da Educação Sindsep 24/09/2015

PLANO DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DE SÃO PAULO: processo, participação e desafios. Seminário dos/as Trabalhadores/as da Educação Sindsep 24/09/2015 PLANO DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DE SÃO PAULO: processo, participação e desafios Seminário dos/as Trabalhadores/as da Educação Sindsep 24/09/2015 Ação Educativa Organização não governamental fundada por um

Leia mais

EDUCAÇÃO INCLUSIVA. Profa.: Jane Peruzo Iacono Projeto: UNIOESTE/MEC 2006

EDUCAÇÃO INCLUSIVA. Profa.: Jane Peruzo Iacono Projeto: UNIOESTE/MEC 2006 EDUCAÇÃO INCLUSIVA Profa.: Jane Peruzo Iacono Projeto: UNIOESTE/MEC 2006 Por que é equivocado dizer que a INCLUSÃO refere se a um processo direcionado aos alunos com necessidades educacionais especiais,

Leia mais

Pesquisa. Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e. A mulher no setor privado de ensino em Caxias do Sul.

Pesquisa. Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e. A mulher no setor privado de ensino em Caxias do Sul. Pesquisa A mulher no setor privado de ensino em Caxias do Sul. Introdução Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e políticas capazes de ampliar a inserção da mulher no mercado de trabalho.

Leia mais

Marcos Antônio de Oliveira 1

Marcos Antônio de Oliveira 1 POLÍTICA DE TREINAMENTO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA DA REDE ESTADUAL DE ENSINO NO PARANÁ: A MATEMÁTICA CONTEXTUALIZADA - CORD/SEED E O AJUSTE DA ESCOLA AO MUNDO DO TRABALHO CAPITALISTA Marcos Antônio

Leia mais

OS IMPACTOS DA PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO PARA O PROFISSIONAL DE SERVIÇO SOCIAL.

OS IMPACTOS DA PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO PARA O PROFISSIONAL DE SERVIÇO SOCIAL. OS IMPACTOS DA PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO PARA O PROFISSIONAL DE SERVIÇO SOCIAL. Tatiane da Silva Pereira 1 Cristiane Freitas da Silva 2 Carlos Alberto Batista Maciel 3 RESUMO Este artigo aborda sobre o

Leia mais

Educação Ambiental Crítica: do socioambientalismo às sociedades sustentáveis

Educação Ambiental Crítica: do socioambientalismo às sociedades sustentáveis Educação Ambiental Crítica: do socioambientalismo às sociedades sustentáveis Ciclo de Cursos de Educação Ambiental Ano 4 Secretaria de Estado do Meio Ambiente Coordenadoria de Planejamento Ambiental Estratégico

Leia mais

1.3. Planejamento: concepções

1.3. Planejamento: concepções 1.3. Planejamento: concepções Marcelo Soares Pereira da Silva - UFU O planejamento não deve ser tomado apenas como mais um procedimento administrativo de natureza burocrática, decorrente de alguma exigência

Leia mais

PARA ALÉM DOS CONFLITOS: UM ESTUDO SOBRE O PAPEL DO SERVIÇO SOCIAL FRENTE AOS IMPACTOS DAS RELAÇÕES ENTRE CAPITAL E TRABALHO

PARA ALÉM DOS CONFLITOS: UM ESTUDO SOBRE O PAPEL DO SERVIÇO SOCIAL FRENTE AOS IMPACTOS DAS RELAÇÕES ENTRE CAPITAL E TRABALHO PARA ALÉM DOS CONFLITOS: UM ESTUDO SOBRE O PAPEL DO SERVIÇO SOCIAL FRENTE AOS IMPACTOS DAS RELAÇÕES ENTRE CAPITAL E TRABALHO Christiani Cassoli Bortoloto Lopes Marilia Borges Claudia Debora Picolli Claudimara

Leia mais

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A O capitalismo teve origem na Europa, nos séculos XV e XVI, e se expandiu para outros lugares do mundo ( Ásia, África,

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Mudanças na Cultura de Gestão

V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Mudanças na Cultura de Gestão 1 V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Painel: Desenvolvimento Institucional Mudanças na Cultura de Gestão Roteiro: 1. Perfil das organizações do PAD. 2. Desenvolvimento Institucional:

Leia mais

EDUCAÇÃO SUPERIOR, INOVAÇÃO E PARQUES TECNOLÓGICOS

EDUCAÇÃO SUPERIOR, INOVAÇÃO E PARQUES TECNOLÓGICOS EDUCAÇÃO SUPERIOR, INOVAÇÃO E PARQUES TECNOLÓGICOS Jorge Luis Nicolas Audy * A Universidade vem sendo desafiada pela Sociedade em termos de uma maior aproximação e alinhamento com as demandas geradas pelo

Leia mais

Contribuição sobre Economia solidária para o Grupo de Alternativas econômicas Latino-Americano da Marcha Mundial das Mulheres Isolda Dantas 1

Contribuição sobre Economia solidária para o Grupo de Alternativas econômicas Latino-Americano da Marcha Mundial das Mulheres Isolda Dantas 1 Contribuição sobre Economia solidária para o Grupo de Alternativas econômicas Latino-Americano da Marcha Mundial das Mulheres Isolda Dantas 1 Economia solidária: Uma ferramenta para construção do feminismo

Leia mais

A CONTEE a Reforma Universitária e o Programa Universidade Para Todos.

A CONTEE a Reforma Universitária e o Programa Universidade Para Todos. A CONTEE a Reforma Universitária e o Programa Universidade Para Todos. A CONTEE, depois de uma trajetória de mais de uma década de permanente debate interno e sintonia com as entidades filiadas, se encontra

Leia mais

Volta de Apoio ao Emprego. Cidadania Ativa v/s Inserção Profissional

Volta de Apoio ao Emprego. Cidadania Ativa v/s Inserção Profissional Volta de Apoio ao Emprego Cidadania Ativa v/s Inserção Profissional Cidadania Ativa A cidadania ativa é entendida como um conceito que parte de princípios coletivos e individuais, que requer a participação

Leia mais

TRABALHO INFANTIL NO PARÁ

TRABALHO INFANTIL NO PARÁ TRABALHO INFANTIL NO PARÁ Maria de Nazaré Sá de Oliveira- Pedagoga Exercendo a presidência do Conselho Estadual dos Direitos da Criança e Adolescente do Pará- representando a sociedade civil. A realidade

Leia mais

Políticas Sociales y desarrollo en el contexto neoliberal y los desafíos para el Trabajo Social Trabalho; Economia Solidária; Incubadoras Sociais

Políticas Sociales y desarrollo en el contexto neoliberal y los desafíos para el Trabajo Social Trabalho; Economia Solidária; Incubadoras Sociais Política pública de economia solidária e sua relação com incubadoras sociais 1 Gleny Terezinha Guimarães 2 Karen Eidelwein 3 Fabio Jardel Gaviraghi 4 Anelise Gronitzki Adam 5 Eixo Temático: Palavras-chave:

Leia mais

Este Fórum Local da Agenda 21 se propõe a escutar, mobilizar e representar a sociedade local, para construirmos em conjunto uma visão compartilhada

Este Fórum Local da Agenda 21 se propõe a escutar, mobilizar e representar a sociedade local, para construirmos em conjunto uma visão compartilhada Fórum da Agenda 21 de Guapimirim Aprender a APRENDER e a FAZER. Aprender a CONVIVER, e Aprender a SER Cidadãos Participativos, Éticos e Solidários Este Fórum Local da Agenda 21 se propõe a escutar, mobilizar

Leia mais

Resgate histórico do processo de construção da Educação Profissional integrada ao Ensino Médio na modalidade de Educação de Jovens e Adultos (PROEJA)

Resgate histórico do processo de construção da Educação Profissional integrada ao Ensino Médio na modalidade de Educação de Jovens e Adultos (PROEJA) Resgate histórico do processo de construção da Educação Profissional integrada ao Ensino Médio na modalidade de Educação de Jovens e Adultos (PROEJA) Mário Lopes Amorim 1 Roberto Antonio Deitos 2 O presente

Leia mais

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social ASSOCIAÇÃO REVIVER DE ASSISTÊNCIA AO PORTADOR DO VÍRUS HIV

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social ASSOCIAÇÃO REVIVER DE ASSISTÊNCIA AO PORTADOR DO VÍRUS HIV VIII Jornada de Estágio de Serviço Social ASSOCIAÇÃO REVIVER DE ASSISTÊNCIA AO PORTADOR DO VÍRUS HIV HEY, Claudia Maria 1 BONOMETO, Tatiane Caroline 2 TRENTINI, Fabiana Vosgerau 3 Apresentador (es): Claudia

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

A PÓS-GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL EM TOLEDO(PR) - UMA RESPOSTA CRÍTICA ÀS NOVAS DIRETRIZES CURRICULARES

A PÓS-GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL EM TOLEDO(PR) - UMA RESPOSTA CRÍTICA ÀS NOVAS DIRETRIZES CURRICULARES A PÓS-GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL EM TOLEDO(PR) - UMA RESPOSTA CRÍTICA ÀS NOVAS DIRETRIZES CURRICULARES Amália Madureira Paschoal 1 Em defesa da Universidade gratuita, autônoma e de qualidade, em todos

Leia mais

Atuação do psicólogo na Assistência Social. Iolete Ribeiro da Silva Conselho Federal de Psicologia

Atuação do psicólogo na Assistência Social. Iolete Ribeiro da Silva Conselho Federal de Psicologia Atuação do psicólogo na Assistência Social Iolete Ribeiro da Silva Conselho Federal de Psicologia Concepção de Assistência Social Assistência social direito social e dever estatal Marco legal: Constituição

Leia mais

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995)

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) 1. Nós, os Governos, participante da Quarta Conferência Mundial sobre as

Leia mais

As Escolas Famílias Agrícolas do Território Rural da Serra do Brigadeiro

As Escolas Famílias Agrícolas do Território Rural da Serra do Brigadeiro As Escolas Famílias Agrícolas do Território Rural da Serra do Brigadeiro VIEIRA, Tatiana da Rocha UFV - pedagogia_tati@yahoo.com.br BARBOSA, Willer Araújo UFV- wbarbosa@ufv.br Resumo: O trabalho apresentado

Leia mais

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre N o Brasil há 2.361 municípios, em 23 estados, onde vivem mais de 38,3 milhões de pessoas abaixo da linha de pobreza. Para eles, o Governo Federal criou

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

Educação Profissional, Demanda e Inclusão S ocial Dante Henrique MOURA IFRN/NUPED dante@ cefetrn.br Natal, 29/03/2010

Educação Profissional, Demanda e Inclusão S ocial Dante Henrique MOURA IFRN/NUPED dante@ cefetrn.br Natal, 29/03/2010 Educação Profissional, Demanda e Inclusão S ocial Dante Henrique MOURA IFRN/NUPED dante@ cefetrn.br Natal, 29/03/2010 ... De quais educação profissional e inclusão social estamos tratando? Sob a ótica

Leia mais

ANEXO I ROTEIRO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS FIA 2011. Cada projeto deve conter no máximo 20 páginas

ANEXO I ROTEIRO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS FIA 2011. Cada projeto deve conter no máximo 20 páginas Cada projeto deve conter no máximo 20 páginas 1. APRESENTAÇÃO Faça um resumo claro e objetivo do projeto, considerando a situação da criança e do adolescente, os dados de seu município, os resultados da

Leia mais

Gestão Democrática da Educação

Gestão Democrática da Educação Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica Departamento de Articulação e Desenvolvimento dos Sistemas de Ensino Coordenação Geral de Articulação e Fortalecimento Institucional dos Sistemas de

Leia mais

Dimensão social. Educação

Dimensão social. Educação Dimensão social Educação 218 Indicadores de desenvolvimento sustentável - Brasil 2004 36 Taxa de escolarização Representa a proporção da população infanto-juvenil que freqüenta a escola. Descrição As variáveis

Leia mais

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004 REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor Brasília, outubro de 2004 FEDERAÇÃO NACIONAL DOS JORNALISTAS FENAJ http://www.fenaj.org.br FÓRUM NACIONAL DOS PROFESSORES DE JORNALISMO - FNPJ

Leia mais

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Eliane Aparecida Toledo Pinto Docente da Faculdade Municipal de Filosofia,

Leia mais

TRABALHO DOCENTE VIRTUAL NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

TRABALHO DOCENTE VIRTUAL NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA TRABALHO DOCENTE VIRTUAL NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA É o trabalho educativo desenvolvido pelo docente numa modalidade de ensino na qual os sujeitos envolvidos estabelecem uma relação pedagógica em que a comunicação

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EM EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DE MÉDIO PORTE NO BRASIL. Elisabete Maria de Freitas Arquiteta

Leia mais

MÁRCIO FLORENTINO PEREIRA DEMOCRACIA, PARTICIPAÇÃO E CONTROLE SOCIAL EM SAÚDE

MÁRCIO FLORENTINO PEREIRA DEMOCRACIA, PARTICIPAÇÃO E CONTROLE SOCIAL EM SAÚDE MÁRCIO FLORENTINO PEREIRA DEMOCRACIA, PARTICIPAÇÃO E CONTROLE SOCIAL EM SAÚDE BRASÍLIA 2013 1 1. CAPITALISMO E A BAIXA INTENSIDADE DEMOCRÁTICA: Igualdade apenas Jurídica e Formal (DUSSEL, 2007), Forma

Leia mais

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4 ANEXO 4 RELATÓRIO PRELIMINAR DO CEED AO CONSELHO DE DEFESA SUL- AMERICANO SOBRE OS TERMOS DE REFERÊNCIA PARA OS CONCEITOS DE SEGURANÇA E DEFESA NA REGIÃO SUL- AMERICANA O é uma instância de conhecimento

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL E O ATUAL PROJETO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL 1

O SERVIÇO SOCIAL E O ATUAL PROJETO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL 1 O SERVIÇO SOCIAL E O ATUAL PROJETO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL 1 AVILA, Lisélen 2 ; AVILA, Evelisen 3 ; AGUINSKY, Beatriz 4 1 Trabalho do tipo bibliográfico 2 Assistente Social, Mestranda em Serviço Social

Leia mais

A importância dos Bancos de Desenvolvimento

A importância dos Bancos de Desenvolvimento MISSÃO PERMANENTE DA REPÚBLICA DE ANGOLA JUNTO AO OFÍCIO DAS NAÇÕES UNIDAS REPRESENTAÇÃO COMERCIAL GENEBRA - SUÍÇA NOTA DE TRABALHO A importância dos Bancos de Desenvolvimento G E NEBRA A OS 5 DE Segundo

Leia mais

Patrocínio Institucional Parceria Apoio

Patrocínio Institucional Parceria Apoio Patrocínio Institucional Parceria Apoio InfoReggae - Edição 70 A ONG brasileira está em crise? 06 de fevereiro de 2015 O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através

Leia mais

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e DECRETO Nº, DE DE DE. Aprova a Política Nacional da Indústria de Defesa (PNID). A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e Considerando

Leia mais

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na atualidade: luta, organização e educação

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na atualidade: luta, organização e educação O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na atualidade: luta, organização e educação Entrevista concedida por Álvaro Santin*, da coordenação nacional do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL E TRABALHO INTERDISCIPLINAR

SERVIÇO SOCIAL E TRABALHO INTERDISCIPLINAR SERVIÇO SOCIAL E TRABALHO INTERDISCIPLINAR Fátima Grave Ortiz é assistente social, mestre e doutora em Serviço Social pela UFRJ. É professora da Escola de Serviço Social da mesma universidade, e compõe

Leia mais

TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL NA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL. Profa. Maria Eunice Damasceno Pereira

TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL NA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL. Profa. Maria Eunice Damasceno Pereira Profa. Maria Eunice Damasceno Pereira 1 Qualquer que seja o campo de atuação\intervenção o Profissional deve: Elaborar um Plano de Intervenção (definição dos instrumentos teórico-metodológicos e técnicooperativos);

Leia mais