Metodologia multicritério em apoio à decisão (MCDA) construtivista: uma visão do processo de validação

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Metodologia multicritério em apoio à decisão (MCDA) construtivista: uma visão do processo de validação"

Transcrição

1 Metodologia multicritério em apoio à decisão (MCDA) construtivista: uma visão do processo de validação Walter Luís Mikos (CEFET-PR) João Carlos Espíndola Ferreira (UFSC) Resumo Neste artigo é apresentada uma visão objetiva e detalhada de um processo de validação adequado à metodologia multicritério em apoio à decisão - MCDA construtivista, que busca expandir o conceito do processo de modelagem e validação proposto por Oral e Kettani (1993) ao incorporar o conceito de validação para o caminho do construtivismo estabelecido por Roy (1993). Neste sentido, a visão objetiva de Oral e Kettani (op. cit.) permite estabelecer uma fronteira nítida para a ciência em apoio à decisão e um melhor entendimento a respeito da complexidade e multiplicidade das atividades atuais da Pesquisa Operacional e a visão de Roy (op. cit.) vem complementá-la, em termos de um alto grau de profundidade e detalhamento no que se refere à validação das chaves do construtivismo, por meio da identificação das hipóteses de trabalho bem como a validação dos conhecimentos produzidos pela ciência em apoio à decisão. Palavra-chave: Modelagem; Validação; MCDA construtivista. 1. Introdução As questões relacionadas ao processo de validação nas atividades de Pesquisa Operacional têm sido objeto de crescente interesse, na última década, por parte da comunidade acadêmica envolvida. Em particular, percebe-se na recente literatura a série de artigos publicados no European Journal of Operational Research, onde autores de grande relevância como Miser (1993); Déry, Landry e Banville (1993), Landry e Oral (1993), Oral e Kettani (1993), Roy (1993) discutem profundamente este tema. Neste contexto, Miser (1993) ressalta que o processo de validação ainda é um importante desafio aos profissionais da pesquisa operacional e, que a maturidade desta ciência não será plenamente atingida até que este desafio seja superado. Neste sentido, o objetivo deste artigo é apresentar a proposta de uma visão objetiva e detalhada do processo de validação adequado à metodologia multicritério em apoio à decisão - MCDA construtivista, que busca expandir o conceito do processo de modelagem e validação proposto por Oral e Kettani (1993) ao incorporar o conceito de validação para o caminho do construtivismo proposto por Roy (1993). Desta perspectiva, busca-se, inicialmente, apresentar uma sucinta revisão da literatura recente sobre as questões de validação nas atividades de Pesquisa Operacional e, em particular, para a ciência em apoio à decisão. Em seguida, apresenta-se o quarteto proposto por Oral e Kettani (1993) em sua forma tridimensional composto pelo: contexto decisório; modelo conceitual; modelo formal e decisão. É importante ressaltar que a visão do processo de validação proposta neste trabalho não pretende ser exaustiva e, nem mesmo, ter um caráter genérico, em vez disto, é uma das ENEGEP 2004 ABEPRO 3006

2 possíveis visões, neste caso, consistente à abordagem construtivista da metodologia MCDA. Portanto, este artigo deve ser considerado à luz destas limitações. 2. O processo de validação na pesquisa operacional Como ponto de partida para esta revisão, apresenta-se a definição proposta por Miser (1993) para o campo da Pesquisa Operacional Clássica, onde a validação é o processo pelo qual os cientistas asseguram a si mesmos e aos outros que uma teoria ou modelo é uma descrição de um fenômeno determinado, sendo adequado ao uso para o qual será aplicada. Em relação ao processo de validação, inicialmente, Miser (1993) recorre ao conceito de ciência adotado pelo Círculo de Viena apresentado em Déry (1993) e indica que o primeiro e, mais fundamental, modo de abordar a validação é a comparação das conseqüências deduzidas a partir do modelo em contrate ao fenômeno no mundo real. Entretanto, esta via implica na visão de Miser (1993), em notar duas importantes facetas deste processo: por um lado o próprio processo de comparação é de natureza necessariamente teórica, pois as observações que são a base da comparação fundamentam-se nas teorias dos próprios analistas do fenômeno e em como mensurá-las. E, por outro lado, a própria comparação não é feita em relação a um padrão absoluto. Desta ótica, Miser (op. cit.) observa, que a comparação dos resultados do modelo com a realidade não é a única maneira pela qual os analistas podem apoiar os seus julgamentos sobre o grau de confiança que pode ser atribuído a um modelo. E sugere que os analistas observem, também, o fenômeno que foi a base para a indução inicial e os materiais usados para a construção do modelo,considerando outras fontes tais como outras teorias e outros fatos observados. Neste contexto, Miser (1993) argumenta que não há um critério universal para a validação; todavia, a base para julgar a confiança em um modelo depende do fenômeno modelado e do uso para o modelo proposto. Deste modo, o modelo pode ser usado com adequada confiança em uma situação mas não em outra. Nesta abordagem Landry et al. (1983) propõem atrelar o processo de construção do modelo à validação deste em um único processo, denominado processo de modelagem e validação, composto de quatro elementos básicos inter-relacionados e iterativos denominados de contexto decisório, modelo conceitual, modelo formal e decisão, e identificando os tipos de validação designados por conceitual, lógica, experimental e de dados. Nesta mesma linha, Oral e Kettani (1993) avançam ao explorar o conceito do processo de modelagem e validação para a Pesquisa Operacional como proposto por Landry et al. (1983), todavia considerando o quarteto : contexto decisório, modelo conceitual, modelo formal e decisão como vértices de uma estrutura em um espaço tridimensional denominado de tetraedro do processo de modelagem e validação descrito na figura 1. No primeiro estágio do processo de modelagem e validação, o contexto decisório pode ser entendido como uma abstração de um determinado conjunto de eventos do mundo real (Beer apud Oral e Kettani, 1993) ou ainda como uma entidade conceitual que é percebida pelo grupo de atores relevantes envolvidos (Smith apud Oral e Kettani, 1993); portanto o modo como os eventos do mundo real são percebidos pelos atores envolvidos conduz a uma percepção particular deste contexto decisório. Neste sentido, Ensslin (2001) observa que cada decisor percebe e interpreta de forma diferente este contexto decisório em função do seu próprio quadro de referência mental, isto é; seus valores, objetivos, crenças, relações sociais e de poder. ENEGEP 2004 ABEPRO 3007

3 Contexto decisório Processo de implementação da decisão. Processo de Conceituação Decisão Modelo conceitual Processo de obtenção da solução Processo de formalização do Modelo formal. Modelo formal Figura 1 - O quarteto do processo de modelagem e validação No segundo estágio do processo, o modelo conceitual é definido por Landry et al. (1983) como uma imagem mental coerente do contexto decisório que é constituída pelas percepções predominantes, juízos de valores, preferências, experiências e conhecimentos do decisor e do modelador. No terceiro estágio do processo, o modelo formal é definido por Landry et al. (1983) como uma tradução do modelo conceitual em termos de símbolos matemáticos, códigos de linguagem computacional ou ambos, cujo objetivo primário é permitir o estudo sistemático do contexto decisório de modo a melhor entende-lo ou obter soluções, sendo que estas podem ser satisfatórias ou ótimas. No quarto estágio do processo, a decisão segundo Oral e Kettani (1993) pode ser entendida como conclusão do processo com respeito a qual alternativa de curso de ação será tomada, qual solução ou recomendação será implementada ou, ainda, em qual área será concentrada a maior atenção gerencial. Entretanto, a grande contribuição de Oral e Kettani (1993) concentra-se em associar a cada uma das facetas do tetraedro do processo de modelagem e validação, como mostra a figura 1, a determinados conjuntos de problemas ou questões pertinentes à Pesquisa Operacional. A primeira faceta, denominada faceta protótipo aplica-se aos casos onde o contexto decisório corresponde a um tipo de problema, particular, bem conhecido e com os conceitos já estabelecidos que implicam em uma, relativamente, fácil construção do modelo formal. Esta faceta é caracterizada pela visão realista com grande concentração em algoritmos e técnicas de solução de problemas (ORAL E KETTANI, 1993). Na segunda faceta, denominada faceta descritiva a ênfase é entender o sistema ou a organização na qual o contexto decisório surge e, neste caso, os estudos da Pesquisa Operacional são realizados com as seguintes finalidades: criar conhecimentos para fazer previsões, criar uma consciência mediante estudos das conseqüências dos diferentes cenários, avaliar o desempenho usando critérios tradicionais e não-tradicionais estudando o comportamento do sistema de interesse. A terceira faceta, denominada faceta pragmática aplica-se aos casos onde o contexto decisório é pertinente a uma questão de emergência para a qual tem-se que encontrar e usar um meio pragmático, assim, não há tempo hábil nem oportunidade para construir um modelo formal. Esta faceta é caracterizada pela formulação da decisão baseando-se, exclusivamente, em modelos mentais ou informais obtidos a partir dos modelos conceituais (Oral e Kettani, 1993). ENEGEP 2004 ABEPRO 3008

4 Na quarta faceta, denominada faceta teórica a tarefa mais importante concentra-se na construção do modelo formal a partir do modelo conceitual, o qual deve ser assumido como a representação do contexto decisório. Esta faceta se aplica, principalmente, na formação de conceitos abstratos e generalizações (ORAL E KETTANI, 1993). 3. A visão do processo de validação para a Metodologia MCDA - construtivista A objetiva visão de Oral e Kettani (op. cit.) permite um melhor entendimento a respeito da complexidade e multiplicidade das atividades da Pesquisa Operacional e, estabelece uma clara fronteira para a ciência em apoio à decisão, em particular, a faceta descritiva e os quatro principais tipos de validação associados. E a visão de Roy (op. cit.), vem complementá-la em termos de um alto grau de profundidade e detalhamento no que se refere à validação das chaves do construtivismo, isto é, os conceitos, modelos, procedimentos e resultados por meio da identificação das hipóteses de trabalho, bem como a validação dos conhecimentos produzidos pela ciência em apoio à decisão. Em primeiro lugar, é importante observar que o objeto da ciência em apoio à decisão base da metodologia MCDA, que na visão de Roy (1996), não é descobrir ou aproximar-se da melhor solução possível, mas desenvolver um corpus de condições e meios nos quais pode-se basear as decisões à luz daquilo que se acredita ser o mais viável é consistente à faceta descritiva, proposta por Oral e Kettani (1993), cuja ênfase é entender o sistema e a decisão não se constitui em uma preocupação imediata. Assim, a seguir apresentam-se os quatro principais tipos de validação que na visão de Oral e Kettani (1993) estão associados à faceta descritiva, a saber: validação conceitual, validação lógica, validação de adequação e a validação de dados. O primeiro tipo diz respeito à validação conceitual que se refere ao desenvolvimento do modelo conceitual, que na visão Landry et al. (1983), tem por escopo, em termos gerais, responder questões como Estamos olhando para o contexto decisório a partir de uma perspectiva apropriada? Esta perspectiva pode conduzir a soluções apropriadas? Em que medida os construtos (a maneira pela qual as variáveis são interconectadas) são representativos do contexto decisório como percebido pelos atores?. Assim, a validação conceitual deve concentrar-se no processo de obtenção e uso destas bases de dados mentais o que inclui, segundo Oral e Kettani (1993), algumas questões tais como: (i) a identificação dos Stakeholders; (ii) o processo de tornar-se consciente do contexto decisório ; (iii) a formulação das metas nas quais concentrar o processo de modelagem e validação; (iv) a escolha do ponto de vista para a abordagem deste contexto; (v) a extração de construtos para dar sentido a um dado repertório de elementos do contexto decisório; (vii) a interiorização da propriedade do modelo conceitual entre os atores envolvidos; (viii) a identificação das chaves que conduzem a formulação do modelo formal. Portanto, especial atenção deve ser dada aos métodos e procedimentos usados para a modelagem conceitual, os quais devem ser capazes de potencializar as capacidades cognitivas dos atores relevantes bem como o nível de conhecimento disponível relacionado ao contexto decisório. Há várias sugestões na literatura, entre elas o procedimento do mapa cognitivo, que segundo Ensslin (2001) é uma forma de representar o problema do decisor, bem como lidar com grupos de decisores, cada qual com o seu próprio problema. O segundo tipo refere-se à validação lógica isto é, a capacidade do modelo formal de descrever de forma correta e acurada o contexto decisório estabelecido a partir do modelo conceitual (LANDRY et al., 1983). E, ainda, Oral e Kettani (1993) indicam que a validação lógica é um atributo que indica a extensão na qual o processo de modelagem formal é realizado correta e fielmente. ENEGEP 2004 ABEPRO 3009

5 A modelagem formal pode adotar a linguagem matemática, a linguagem computacional com seus códigos próprios, a linguagem semântica baseada em um tipo especial de lógica simbólica ou, ainda, uma combinação destas, o que na visão de Oral e Kettani (op. cit), há sempre a possibilidade destas linguagens não serem, suficientemente, capazes de descrever de modo integral a essência de um modelo conceitual, em particular, elementos tais como: insights, valores, julgamentos, preferências e etc, o que em geral, implica na introdução necessária de hipóteses simplificadoras de modo a habilitar o uso da linguagem pretendida, e por conseqüência o modelo formal pode excluir algumas variáveis ou relacionamentos importantes. Deste modo, Oral e Kettani (op. cit.) sugerem verificar o impacto em admitir-se tais hipóteses simplificadoras e conscientizar os usuários destes modelos com respeito a estas limitações além, naturalmente, de observar a coerência interna do modelo formal em termos dos axiomas, formas analíticas e teoremas. O terceiro tipo, validação de adequação, trata dos atributos de representatividade, usabilidade, sinergismo e custos de uso do modelo formal considerando os pontos de vista dos potenciais usuários destes modelos. Assim, o objetivo primário da validação de adequação é prover as informações necessárias para auxiliar os potenciais usuários a aceitar ou rejeitar o modelo formal (op cit.). O quarto tipo, a validação dos dados que diz respeito à suficiência, acuracidade, apropriação, disponibilidade, mantenabilidade, confiabilidade e custo dos dados, representa um papel central em todos os estágios do processo de modelagem e validação, pois os dados são instrumentos para o reconhecimento do contexto decisório, na construção do modelo conceitual, para o desenvolvimento do modelo formal bem como para a formulação da decisão na visão de Oral e Kettani (1993). Neste cenário, a visão objetiva do processo de modelagem e validação proposto por Oral e Kettani (1993), como discutido acima, pode ser agora expandida usando o conceito de validação para o caminho construtivista proposto por Roy (1993). Inicialmente, é importante ressaltar que a adoção do caminho do construtivismo significa, segundo Roy (1993): considerar os conceitos, modelos, procedimentos e resultados como sendo chaves capazes (ou não) de abrir determinadas fechaduras (ou não) sendo apropriadas para organizar a situação ou causar o seu desenvolvimento. Estes conceitos, modelos, procedimentos e resultados são aqui percebidos como ferramentas adequadas para desenvolver convicções e permiti-las evoluir, bem como comunicar, tomando como referência as bases destas convicções. E, ainda, considerar que a meta não é descobrir uma verdade existente externa aos atores envolvidos no processo, mas construir este conjunto de chaves, os quais irão abrir as portas para os atores permitindo a eles atuar, progredindo de acordo com seus objetivos e sistemas de valor. (op cit.). Portanto, ao contrário das ciências físicas e naturais onde, em tese, podese pretender descrever realidades, as quais deveriam ser independentes do observador e deveriam existir, independentemente, de outros atores humanos (op cit.). Assim, deve-se assumir na ciência em apoio à decisão na visão de Roy (1996) que: - Nós não descobrimos um problema como nós faríamos com um objeto pré-existente, os problemas são construídos, são fruto das percepções das pessoas, logo são únicos; - A estruturação e formulação de um problema não podem ser totalmente objetivas, mas espera-se que evolua durante o complexo processo de apoio à decisão; ENEGEP 2004 ABEPRO 3010

6 - Os atores envolvidos em um processo decisório não têm um conhecimento perfeito do problema e, portanto precisam produzir este conhecimento por meio de várias iterações naturais no caminho do construtivismo e ainda que os atores não conhecem seus valores e preferências para o dado contexto decisório. Dentro desta perspectiva, Roy (1993) sugere uma discussão mais crítica sobre este conjunto de chaves propriamente dito, bem como o modo pelo qual eles são usados. Pois, do mesmo modo que para abrir uma série de fechaduras pode-se recorrer a numerosos conjuntos de chaves e manuseá-los de muitas formas, no caminho do construtivismo, não há somente um conjunto de conceitos, modelos, procedimentos e resultados para desenvolver determinadas convicções capazes de prover a base para o que Roy (1993) chama de recomendações. Com esta finalidade, Roy (1993) propõe considerar duas importantes questões: Em que condições é justificável reconhecer o valor dos conceitos, modelos, procedimentos e resultados? E, quais são as bases a que devemos nos referir ao julgar a validade, viabilidade e confiabilidade dos conhecimentos produzidos pela ciência em apoio à decisão?. Em relação à primeira questão, Roy (1993) argumenta que a seleção e o desenvolvimento deste conjunto de chaves, isto é, conceitos, modelos, procedimentos e resultados, cuja finalidade é apoiar cientificamente os decisores, devem estar claramente conectadas a uma ou várias hipóteses de trabalho. No contexto da metodologia multicritério em apoio à decisão MCDA construtivista, estas hipóteses de trabalho são: os pontos de vista fundamentais, descritores, âncoras (que servem de suporte para a definição das unidades), a função de valor e taxas de compensação escolhidas (ENSSLIN et al., 2001). Em primeiro lugar, os pontos de vista fundamentais, segundo Ensslin et al. (2001) citando Bana e Costa (1992), podem ser entendidos como: aqueles aspectos considerados, por pelo menos um dos decisores, como fundamentais para avaliar as ações potenciais. Eles explicam os valores que os decisores consideram importantes naquele contexto e, ao mesmo tempo definem as características (propriedades) das ações que são de interesse dos decisores. Estes pontos de vista fundamentais na visão de Ensslin et al. (2001), podem ser entendidos como meios para se obter os objetivos estratégicos dos decisores. Deste modo, uma família de pontos de vista deve ser estabelecida e validada a partir da sua identificação por métodos cientificamente válidos (entre os quais a relevante literatura recomenda o uso de mapas cognitivos), bem como pela verificação se estes obedecem a um conjunto de propriedades, também relacionadas na literatura (ver ENSSLIN et al., 2001) a saber: ser essencial, controlável, completo, mensurável, operacional, isolável, não-redundante, conciso e compreensível. Em segundo lugar, os descritores como definido por Bana e Costa (1992) (ver ENSSLIN et al., 2001) são um conjunto de níveis de impacto que servem como base para descrever as performances plausíveis das ações em termos de cada um dos pontos de vista fundamentais, chamados por Roy (1993) como índices ou critérios, os quais devem ser construídos e aceitos pelos decisores como uma forma apropriada de avaliar as ações potenciais. Estes descritores segundo Roy (1993) citado por Ensslin et al. (2001), são construídos com a finalidade de: auxiliar na compreensão do que os decisores estão considerando ; tornar o ponto de vista mais inteligível ; permitir a geração de ações de aperfeiçoamento ; possibilitar a construção de escalas de preferências locais ; permitir a mensuração do desempenho de ações em um critério ; auxiliar na construção de um modelo global de avaliação. ENEGEP 2004 ABEPRO 3011

7 Em terceiro lugar, após a construção e validação dos descritores é útil especificar e validar as âncoras, as quais servem de suporte para as definições de unidades. Assim, alguns cuidados devem ser observados com a definição do incremento marginal dos descritores para que estes possam ser percebidos pelo decisor, percepção esta que na visão de Roy (1993) é denominada de threshold ou limiar no qual o decisor, ainda, tem a capacidade de poder perceber diferenças nestes descritores. Ensslin et al. (2001) observam que na literatura pertinente estas unidades, também, podem ser chamadas de níveis de impacto bom e neutro e, citando Bana e Costa (2000), revelam que estes níveis bom e neutro permitem uma maior inteligibilidade do descritor e conseqüentemente do ponto de vista observado. Em quarto lugar, deve-se construir e validar uma função de valor descrita na literatura como uma ferramenta aceita pelos decisores para auxiliar a articulação de suas preferências, ordenando a intensidade destas preferências (diferenças de atratividade) entre os pares de níveis de impacto (ver ENSSLIN et al., 2001). Em síntese, com a determinação da função de valor associada a um descritor e sua ancoragem, ressalta Ensslin et al. (2001) tem-se um critério de avaliação para um dado ponto de vista fundamental e, este critério será usado para mensurar e comparar a performance das ações em relação aos objetivos do decisor. E, por último, deve-se construir e validar um conjunto de parâmetros denominados de taxas de substituição que permitam avaliar o desempenho não para apenas um ponto de vista, em particular, mas para múltiplos pontos de vista, objetivo natural da metodologia multicritério e, portanto são parâmetros que os decisores julgaram adequados para agregar, de forma compensatória, desempenhos locais (nos critérios) em uma performance global (op cit.). Portanto, as condições, nas quais é justificável reconhecer o valor dos conceitos, modelos, procedimentos e resultados para a faceta MCDA construtivista em análise, como indagado na primeira questão por Roy (1993) são atingidas ao admitir-se como válidas as hipóteses de trabalho discutidas acima. Em relação à segunda questão proposta por Roy (op.cit.), que diz respeito às bases nas quais deve-se fundamentar os julgamentos sobre a validade, viabilidade e confiabilidade dos conhecimentos produzidos pela ciência em apoio à decisão, o próprio Roy (1993) adverte que o fato de uma recomendação desenvolvida usando determinados conceitos, modelos, procedimentos e/ou resultados estar sendo aceito e satisfaz, de nenhuma forma constitui a validação destes conceitos, modelos, procedimentos e/ou resultados. Da mesma forma, a rejeição da recomendação não pode ser considerada como a falsificação (no sentido de termo de Popper, 1974) destes conceitos, modelos, procedimentos e/ou resultados. Neste sentido, Roy (1993) revela a noção de legitimação que considera o entendimento e o uso de um modelo por parte dos atores envolvidos é independente do conceito de validação científica, noção esta que mais tarde foi desenvolvida por Landry et al. (1996). Assim, na visão de Roy (1993) para se reconhecer o valor científico, duas condições mínimas devem ser atingidas: a existência de uma comunidade científica, suficientemente, ampla e interessada que perceba estes conceitos, modelos, procedimentos e resultados como instrumentos apropriados aos projetos de Pesquisa Operacional para apoio à decisão ; e apresentar uma coerente aplicabilidade. ENEGEP 2004 ABEPRO 3012

8 4. Conclusões e recomendações É importante ressaltar que no caminho do construtivismo não existe um único conjunto de conceitos, modelos, procedimentos e/ ou resultados pelo simples fato de que cada conjunto de conceitos, modelos, procedimentos e/ou resultados é construído, especialmente, para um decisor, ou um grupo de decisores, de maneira a orientar de forma personalizada a decisão e facilitar a comunicação, considerando os objetivos e sistemas de valores destes decisores e, deste modo, sendo válido, somente, para este decisor ou grupo de decisores. E, ainda, que o processo de validação é fortemente dependente de uma comunidade científica que deve dispor de um conjunto de regras para esta finalidade e, portanto, dotado de natureza social. Evidentemente, muito ainda há para ser discutido com relação ao processo de validação na ciência em apoio à decisão, mas entende-se que tal como se apresenta este trabalho, o mesmo pode servir como um ponto de partida para estudos mais profundos bem como à novas reflexões sobre o tema. Neste sentido, sugere-se que este trabalho seja expandido mediante a conexão dos quatro tipos de validação: validação conceitual, validação lógica, validação de adequação e a validação de dados associados à faceta descritiva como propostos por Oral e Kettani (1993) aplicados para a validação de cada uma das hipóteses de trabalho do caminho do construtivismo como proposto por Roy (1993). É importante ressaltar, que a visão do processo de validação apresentada neste trabalho é uma das possíveis visões e está restrita à da metodologia multicritério em apoio à decisão - MCDA construtivista. Portanto, as conclusões e recomendações aqui apresentadas devem ser consideradas à luz destas limitações. Referências DÉRY, R., LANDRY, M., BANVILLE,C. (1993), Revisiting the issue of model validation in OR: an epistemological view, European Journal of Operational Research 66, pp ENSSLIN, L., MONTIBELLER NETO, G., NORONHA, S. M. (2001), Apoio à Decisão Metodologia para Estruturação de Problemas e Avaliação Multicritérios de Alternativas, Florianópolis : Insular. LANDRY, M., BANVILLE,C., ORAL, M. (1996), Model legitimisation in operational research, European Journal of Operational Research 92, pp LANDRY, M., MALOUIN, J., ORAL, M. (1983), Model validation in operations research, European Journal of Operational Research 14, pp LANDRY, M., ORAL, M. (1993), In search of a valid view of model validation for operations research, European Journal of Operational Research 66, pp MISER, H. J. (1993), Foundational concept of science appropriate for validation in operational research, European Journal of Operational Research 66, pp ORAL, M., KETTANI, O. (1993), The facets of the modelling and validation process in operational research, European Journal of Operational Research 66, pp ROY, B. (1993), Decision science or decision-aid science?, European Journal of Operational Research 66, pp ROY, B. (1996), Multicriteria Methodology for Decision Aiding, Kluwer Academic Publisher, Dordrecht. ENEGEP 2004 ABEPRO 3013

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Introdução Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software Os modelos de processos de desenvolvimento de software surgiram pela necessidade de dar resposta às

Leia mais

Perfil e Competências do Coach

Perfil e Competências do Coach Perfil e Competências do Coach CÉLULA DE TRABALHO Adriana Levy Isabel Cristina de Aquino Folli José Pascoal Muniz - Líder da Célula Marcia Madureira Ricardino Wilson Gonzales Gambirazi 1. Formação Acadêmica

Leia mais

Este trabalho tem como objetivo propor um modelo multicritério para a priorização dos modos de falha indicados a partir de uma aplicação do processo

Este trabalho tem como objetivo propor um modelo multicritério para a priorização dos modos de falha indicados a partir de uma aplicação do processo 1 Introdução A atual regulamentação do setor elétrico brasileiro, decorrente de sua reestruturação na última década, exige das empresas o cumprimento de requisitos de disponibilidade e confiabilidade operativa

Leia mais

Aula 08. Modelos e Simulação

Aula 08. Modelos e Simulação Modelos e Simulação 8.1 Aula 08 Modelos e Simulação Walter Antônio Bazzo e Luiz Teixeira do Vale Pereira, Introdução a Engenharia Conceitos, Ferramentas e Comportamentos, Capítulo 7: Modelos e Simulação

Leia mais

LEVANTAMENTO DE REQUISITOS SEGUNDO O MÉTODO VOLERE

LEVANTAMENTO DE REQUISITOS SEGUNDO O MÉTODO VOLERE LEVANTAMENTO DE REQUISITOS SEGUNDO O MÉTODO VOLERE RESUMO Fazer um bom levantamento e especificação de requisitos é algo primordial para quem trabalha com desenvolvimento de sistemas. Esse levantamento

Leia mais

Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação

Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação Felipe Schadt 1 O presente capítulo 2 é parte integrante do livro Metodologia da Pesquisa-ação, do

Leia mais

o planejamento, como instrumento de ação permanente; a organização do trabalho, como produto efetivo do planejamento;

o planejamento, como instrumento de ação permanente; a organização do trabalho, como produto efetivo do planejamento; FRANCISCO BITTENCOURT Consultor Sênior do MVC VISÃO, AÇÃO, RESULTADOS Visão sem ação é um sonho, sonho sem visão é um passatempo. Fred Polak INTRODUÇÃO No conhecido diálogo entre Alice e o gato Ceeshire,

Leia mais

)HUUDPHQWDV &RPSXWDFLRQDLV SDUD 6LPXODomR

)HUUDPHQWDV &RPSXWDFLRQDLV SDUD 6LPXODomR 6LPXODomR GH6LVWHPDV )HUUDPHQWDV &RPSXWDFLRQDLV SDUD 6LPXODomR #5,6. Simulador voltado para análise de risco financeiro 3RQWRV IRUWHV Fácil de usar. Funciona integrado a ferramentas já bastante conhecidas,

Leia mais

Metodologia Científica. Metodologia Científica

Metodologia Científica. Metodologia Científica Metodologia Científica Metodologia Científica Seqüência da Apresentação Introdução Tipos de pesquisa Tipos de fontes de dados Pesquisa na área de Informática Projeto de pesquisa Metodologia Formato de

Leia mais

Estratégias de Pesquisa

Estratégias de Pesquisa Estratégias de Pesquisa Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Survey Design e Criação Estudo de Caso Pesquisa Ação Experimento

Leia mais

PLANEJAMENTO DE ENSINO PROJETO DE PESQUISA EM AÇÃO. Projetos de orientação educacional

PLANEJAMENTO DE ENSINO PROJETO DE PESQUISA EM AÇÃO. Projetos de orientação educacional PROJETO DE PESQUISA EM AÇÃO Projetos de orientação educacional Conforme foi caracterizado, o plano anual de ação estabelece as linhas globais da Orientação Educacional para um dado ano e é caracterizado

Leia mais

Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior INTRODUÇÃO O que é pesquisa? Pesquisar significa, de forma bem simples, procurar respostas para indagações propostas. INTRODUÇÃO Minayo (1993, p. 23), vendo por

Leia mais

Na medida em que se cria um produto, o sistema de software, que será usado e mantido, nos aproximamos da engenharia.

Na medida em que se cria um produto, o sistema de software, que será usado e mantido, nos aproximamos da engenharia. 1 Introdução aos Sistemas de Informação 2002 Aula 4 - Desenvolvimento de software e seus paradigmas Paradigmas de Desenvolvimento de Software Pode-se considerar 3 tipos de paradigmas que norteiam a atividade

Leia mais

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA O que é o Projeto de Intervenção Pedagógica? O significado de projeto encontrado comumente nos dicionários da Língua Portuguesa está associado a plano de realizar,

Leia mais

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação O Valor da TI Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

Introdução. Gestão do Conhecimento GC

Introdução. Gestão do Conhecimento GC Introdução A tecnologia da informação tem um aspecto muito peculiar quanto aos seus resultados, uma vez que a simples disponibilização dos recursos computacionais (banco de dados, sistemas de ERP, CRM,

Leia mais

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Na parte final da fase 1 do projecto Processo de Avaliação em Contextos Inclusivos foi discutido o conceito processo de avaliação inclusiva e prepararam-se

Leia mais

O Gestor de Projetos como Facilitador de Processos de Apoio à Decisão: Uma Visão Complementar ao Guia PMBOK

O Gestor de Projetos como Facilitador de Processos de Apoio à Decisão: Uma Visão Complementar ao Guia PMBOK O Gestor de Projetos como Facilitador de Processos de Apoio à Decisão: Uma Visão Complementar ao Guia PMBOK José Adson O. Guedes da Cunha, João Pedro C. Fernandes Thomaz, Hermano Perrelli de Moura 1. Introdução

Leia mais

Liderança Estratégica

Liderança Estratégica Liderança Estratégica A título de preparação individual e antecipada para a palestra sobre o tema de Liderança Estratégica, sugere-se a leitura dos textos indicados a seguir. O PAPEL DE COACHING NA AUTO-RENOVAÇÃO

Leia mais

INSTITUTO LONG TAO METODOLOGIA CIENTÍFICA

INSTITUTO LONG TAO METODOLOGIA CIENTÍFICA INSTITUTO LONG TAO METODOLOGIA CIENTÍFICA Profa. Ms. Rose Romano Caveiro CONCEITO E DEFINIÇÃO É um conjunto de abordagens, técnicas e processos utilizados pela ciência para formular e resolver problemas

Leia mais

Apresenta-se a seguir, a conclusão referente aos objetivos específicos e, em seguida, ao objetivo geral:

Apresenta-se a seguir, a conclusão referente aos objetivos específicos e, em seguida, ao objetivo geral: 7. Conclusão A conclusão do trabalho de pesquisa, exposto através desta dissertação, perpassa por duas vertentes. A primeira está relacionada aos objetivos traçados no início do desenvolvimento da pesquisa,

Leia mais

5 Conclusão e discussões

5 Conclusão e discussões 5 Conclusão e discussões O presente estudo procurou entender melhor o universo dos projetos de patrocínio de eventos, principalmente com o objetivo de responder a seguinte questão: quais são as principais

Leia mais

PNL Tecnologia, Metodologia e Atitude

PNL Tecnologia, Metodologia e Atitude 1 Dossiê Gilberto C. Cury Presidente da SBPNL - Sociedade Brasileira de Programação Neurolinguística Responsável por trazer a PNL ao Brasil, em 1981 gilberto@pnl.com.br PNL Tecnologia, Metodologia e Atitude

Leia mais

O TRABALHO DE MONOGRAFIA

O TRABALHO DE MONOGRAFIA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Módulo VI-a 27 a 29 de janeiro de 2011 O TRABALHO DE MONOGRAFIA PRINCÍPIO PARA O CONHECIMENTO E A FORMAÇÃO PROFISSIONAL Prof. Ms. Adriana Fernandes

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

METAS E INDICADORES COMO DEFINIR OS INDICADORES?

METAS E INDICADORES COMO DEFINIR OS INDICADORES? METAS E INDICADORES COMO DEFINIR OS INDICADORES? Os indicadores permitem avaliação do desempenho da instituição, segundo três aspectos relevantes: controle, comunicação e melhoria. (MARTINS & MARINI, 2010,

Leia mais

Conceito de pesquisa

Conceito de pesquisa Conceito de pesquisa A pesquisa e uma atividade voltada para a solução de problemas, através do emprego de procedimentos científicos. Seus elementos são: 1. Problema ou dúvida 2. Metodo científico 3. Resposta

Leia mais

METODOLOGIA CIENTÍFICA PROJETO DE PESQUISA MONOGRAFIA PROJETO DE PESQUISA MONOGRAFIA CITAÇÕES NO TEXTO REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA ESTRUTURA MONOGRAFIA

METODOLOGIA CIENTÍFICA PROJETO DE PESQUISA MONOGRAFIA PROJETO DE PESQUISA MONOGRAFIA CITAÇÕES NO TEXTO REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA ESTRUTURA MONOGRAFIA METODOLOGIA CIENTÍFICA PROJETO DE PESQUISA MONOGRAFIA CITAÇÕES NO TEXTO REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA ESTRUTURA MONOGRAFIA 1 METODOLOGIA CIENTÍFICA ELABORANDO PROJETO DE PESQUISA MONOGRAFIA 2 Abordagem Sistêmica

Leia mais

Requisitos de Software

Requisitos de Software Requisitos de Software Prof. José Honorato F.N. Prof. José Honorato F.N. honoratonunes@gmail.com Requisitos de Software Software é o conjunto dos programas e dos meios não materiais que possibilitam o

Leia mais

Introdução à Engenharia de Software

Introdução à Engenharia de Software Introdução à Engenharia de Software Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Imagem Clássica Objetivo da aula Depois desta aula você terá uma visão sobre o que é a engenharia

Leia mais

Métodos qualitativos:

Métodos qualitativos: Métodos AULA 11 qualitativos: Pesquisa-Ação Quando iniciou-se a pesquisa-ação? Para Susman e Evered (1978), o termo pesquisa-ação foi introduzido por Kurt Lewin em 1946 para denotar uma abordagem pioneira

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Introdução à Melhoria de Processos de Software baseado no MPS.BR Prof. Maxwell Anderson www.maxwellanderson.com.br Agenda Introdução MPS.BR MR-MPS Detalhando o MPS.BR nível G Introdução

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 10 de Outubro de 2013. Revisão aula anterior Documento de Requisitos Estrutura Padrões Template Descoberta

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

ELABORAÇÃO DO PLANO DE TRABALHO

ELABORAÇÃO DO PLANO DE TRABALHO CAPÍTULO 02 ELABORAÇÃO DO PLANO DE TRABALHO Simplificação Administrativa Planejamento da Simplificação Pré-requisitos da Simplificação Administrativa Elaboração do Plano de Trabalho Mapeamento Mapeamento

Leia mais

Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619

Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619 Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2 Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619 Engenharia de Software Objetivo da aula Depois desta aula você terá uma revisão sobre o

Leia mais

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA Muitas organizações terceirizam o transporte das chamadas em seus call-centers, dependendo inteiramente

Leia mais

TÉCNICAS PARA COLETA DE DADOS

TÉCNICAS PARA COLETA DE DADOS AULA 7 TÉCNICAS PARA COLETA DE DADOS Classificação das pesquisas científicas Classificação das pesquisas científicas: quanto a natureza Básica: Procura o progresso científico; Procura a ampliação dos conhecimentos

Leia mais

Resenha de livro. Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3

Resenha de livro. Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3 Resenha de livro Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3 A presente resenha do livro de Moretto, (2007) em sua 2 edição tem o intuito de mostrar que a avaliação é um

Leia mais

PLANEJAMENTO DA MANUFATURA

PLANEJAMENTO DA MANUFATURA 58 FUNDIÇÃO e SERVIÇOS NOV. 2012 PLANEJAMENTO DA MANUFATURA Otimizando o planejamento de fundidos em uma linha de montagem de motores (II) O texto dá continuidade à análise do uso da simulação na otimização

Leia mais

EXPLORANDO ALGUMAS IDEIAS CENTRAIS DO PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS ENSINO MÉDIO. Giovani Cammarota

EXPLORANDO ALGUMAS IDEIAS CENTRAIS DO PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS ENSINO MÉDIO. Giovani Cammarota UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA PRÁTICA DE ENSINO DE MATEMÁTICA IV EXPLORANDO ALGUMAS IDEIAS CENTRAIS DO PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS ENSINO MÉDIO Giovani Cammarota - Divisão

Leia mais

UTILIZANDO O BALANCED SCORECARD PARA GERENCIAR PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS. JOSÉILTON SILVEIRA DA ROCHA MS.c 1 PAULO MAURICIO SELIG Dr.

UTILIZANDO O BALANCED SCORECARD PARA GERENCIAR PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS. JOSÉILTON SILVEIRA DA ROCHA MS.c 1 PAULO MAURICIO SELIG Dr. UTILIZANDO O BALANCED SCORECARD PARA GERENCIAR PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS. JOSÉILTON SILVEIRA DA ROCHA MS.c 1 PAULO MAURICIO SELIG Dr. 1 UFBA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA JSROCHA@EPS.UFSC.BR UFSC UNIVERSIDADE

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como Texto de apoio ao Curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Desenvolvimento motor do deficiente auditivo A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada

Leia mais

Modelagem e Simulação Material 02 Projeto de Simulação

Modelagem e Simulação Material 02 Projeto de Simulação Modelagem e Simulação Material 02 Projeto de Simulação Prof. Simão Sirineo Toscani Projeto de Simulação Revisão de conceitos básicos Processo de simulação Etapas de projeto Cuidados nos projetos de simulação

Leia mais

Resumo do BABok 2.0 O Guia de Referência de Análise de Negócio Curso de Analista de Negócio 3.0

Resumo do BABok 2.0 O Guia de Referência de Análise de Negócio Curso de Analista de Negócio 3.0 O que é BABok? O BABok 2.0, Corpo de Conhecimento de Análise de Negócios, é considerado como um Guia Referência de Práticas de Análise de Negócio. Este guia é publicado e mantido pelo IIBA. O guia BABok

Leia mais

Design Thinking O que é?

Design Thinking O que é? DESIGN THINKING O que é? É o conjunto de métodos e processos para abordar problemas, relacionados à aquisição de informações, análise de conhecimento e propostas de soluções. Como uma abordagem, é considerada

Leia mais

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa.

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa. A Liderança Faz a Diferença Guia de Gerenciamento de Riscos Fatais Introdução 2 A prevenção de doenças e acidentes ocupacionais ocorre em duas esferas de controle distintas, mas concomitantes: uma que

Leia mais

Competências avaliadas pela ICF

Competências avaliadas pela ICF Competências avaliadas pela ICF ð Estabelecendo a Base: 1. Atendendo as Orientações Éticas e aos Padrões Profissionais Compreensão da ética e dos padrões do Coaching e capacidade de aplicá- los adequadamente

Leia mais

Ajuda ao SciEn-Produção 1. 1. O Artigo Científico da Pesquisa Experimental

Ajuda ao SciEn-Produção 1. 1. O Artigo Científico da Pesquisa Experimental Ajuda ao SciEn-Produção 1 Este texto de ajuda contém três partes: a parte 1 indica em linhas gerais o que deve ser esclarecido em cada uma das seções da estrutura de um artigo cientifico relatando uma

Leia mais

Trabalho de Conclusão de Curso - TCC - Bacharelado Interdisciplinar em Ciências Humanas

Trabalho de Conclusão de Curso - TCC - Bacharelado Interdisciplinar em Ciências Humanas Trabalho de Conclusão de Curso - TCC - Bacharelado Interdisciplinar em Ciências Humanas 1. O que é o TCC? O O TCC é uma atividade de síntese e integração de conhecimentos adquiridos ao longo do curso,

Leia mais

DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Processo Unificado e Desenvolvimento Ágil. Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga

DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Processo Unificado e Desenvolvimento Ágil. Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Processo Unificado e Desenvolvimento Ágil Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga 2º Semestre / 2011 O Processo Unificado dos autores Ivar Jacobson, Grady Booch e James

Leia mais

Painel Um caminho para o modelo brasileiro realizações desde a fundação do GEC em 2007

Painel Um caminho para o modelo brasileiro realizações desde a fundação do GEC em 2007 Painel Um caminho para o modelo brasileiro realizações desde a fundação do GEC em 2007 Projetos Perfil e Competências do Coach Entidades Formadoras e Certificadoras Perfil e Competências do Coach Adriana

Leia mais

ORIENTAÇÃO SOBRE COMO DEVE SER FEITO O TCC DENTRO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

ORIENTAÇÃO SOBRE COMO DEVE SER FEITO O TCC DENTRO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ORIENTAÇÃO SOBRE COMO DEVE SER FEITO O TCC DENTRO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Ministrantes: Anita Maria da Rocha Fernandes César Albenes Zeferino Maria Cristina Kumm Pontes Rafael Luiz Cancian Itajaí,

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR Bacharelado em Ciência da Computação

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR Bacharelado em Ciência da Computação SOFT DISCIPLINA: Engenharia de software AULA NÚMERO: 08 DATA: / / PROFESSOR: Andrey APRESENTAÇÃO O objetivo desta aula é apresentar e discutir conceitos relacionados a modelos e especificações. Nesta aula

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

Diretrizes visando a melhoria de projetos e soluções construtivas na expansão de habitações de interesse social 1

Diretrizes visando a melhoria de projetos e soluções construtivas na expansão de habitações de interesse social 1 Diretrizes visando a melhoria de projetos e soluções construtivas na expansão de habitações de interesse social 1 1. INTRODUÇÃO 1.1. Justificativa O tema estudado no presente trabalho é a expansão de habitações

Leia mais

Introdução. Ronir Raggio Luiz Claudio José Struchiner

Introdução. Ronir Raggio Luiz Claudio José Struchiner Introdução Ronir Raggio Luiz Claudio José Struchiner SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros LUIZ, RR., and STRUCHINER, CJ. Inferência causal em epidemiologia: o modelo de respostas potenciais [online].

Leia mais

MODELAGEM COM EQUAÇÕES DIFERENCIAIS DE PRIMEIRA ORDEM E APLICAÇÕES À ECONOMIA

MODELAGEM COM EQUAÇÕES DIFERENCIAIS DE PRIMEIRA ORDEM E APLICAÇÕES À ECONOMIA MODELAGEM COM EQUAÇÕES DIFERENCIAIS DE PRIMEIRA ORDEM E APLICAÇÕES À ECONOMIA PAULO, João Pedro Antunes de Universidade Estadual de Goiás UnU de Iporá jpadepaula@hotmail.com RESUMO Esta pesquisa foi feita

Leia mais

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos:

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos: A CONTRIBUIÇÃO DE MAX WEBER (1864 1920) Max Weber foi o grande sistematizador da sociologia na Alemanha por volta do século XIX, um pouco mais tarde do que a França, que foi impulsionada pelo positivismo.

Leia mais

DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho.

DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho. - DSI DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho. Preocupação: Problema técnicos Mudança na natureza e conteúdo do trabalho

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

COMO FORMATAR MONOGRAFIA E TCC

COMO FORMATAR MONOGRAFIA E TCC TEXTO COMPLEMENTAR AULA 2 (15/08/2011) CURSO: Serviço Social DISCIPLINA: ORIENTAÇÕES DE TCC II - 8º Período - Turma 2008 PROFESSORA: Eva Ferreira de Carvalho Caro acadêmico, na Aula 2, você estudará Áreas

Leia mais

Notas de Aula 02: Processos de Desenvolvimento de Software

Notas de Aula 02: Processos de Desenvolvimento de Software Notas de Aula 02: Processos de Desenvolvimento de Software Objetivos da aula: Introduzir os conceitos de um processo de desenvolvimento de software Definir os processos básicos Apresentar as vantagens

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

Sistemas de monitoramento

Sistemas de monitoramento Sistemas de monitoramento Prof. Marcos Pó Avaliação e Monitoramento de Políticas Públicas Definições Monitoramento: um processo sistemático e contínuo que, produzindo informações sintéticas e em tempo

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

Suas atividades terão como horizonte a escola, de modo particular, a escola em que você atua!

Suas atividades terão como horizonte a escola, de modo particular, a escola em que você atua! PROJETO-INTERVENÇÃO O curso de formação de gestores escolares que estamos realizando orientase por dois eixos básicos: a) a educação compreendida como direito social a ser suprido pelo Estado; b) a gestão

Leia mais

SOBRE UM PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA COM MODELAGEM MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA

SOBRE UM PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA COM MODELAGEM MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA SOBRE UM PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA COM MODELAGEM MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA Susana Lazzaretti Padilha Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE) Campus Cascavel susana.lap@hotmail.com

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Universidade São Judas Tadeu Profª Dra. Ana Paula Gonçalves Serra Engenharia de O Processo Uma Visão Genérica Capítulo 2 (até item 2.2. inclusive) Engenharia de - Roger Pressman 6ª edição McGrawHill Capítulo

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani Planejamento Estratégico de TI Prof.: Fernando Ascani Data Warehouse - Conceitos Hoje em dia uma organização precisa utilizar toda informação disponível para criar e manter vantagem competitiva. Sai na

Leia mais

PRÓ-MATATEMÁTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

PRÓ-MATATEMÁTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PRÓ-MATATEMÁTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Regina Luzia Corio de Buriasco * UEL reginaburiasco@sercomtel.com.br Magna Natália Marin Pires* UEL magna@onda.com.br Márcia Cristina de Costa Trindade Cyrino*

Leia mais

O Paradigma da nova liderança

O Paradigma da nova liderança O Paradigma da nova liderança Robert B. Dilts Um dos mais importantes conjuntos de habilidades Um dos mais importantes conjuntos de habilidades necessárias num mundo em transformação são as habilidades

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

Gestão Estratégica e o Balanced Scorecard

Gestão Estratégica e o Balanced Scorecard Tribunal Regional do Trabalho da 23ª Região (http://www.trt23.jus.br) Gestão Estratégica e o Balanced Scorecard José Silva Barbosa Assessor de Planejamento e Gestão Setembro/2009 Objetivos Apresentar a

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

8 Considerações finais

8 Considerações finais 8 Considerações finais Neste trabalho, propusemo-nos a elaborar uma ferramenta epistêmica de apoio ao design de SiCo s, fundamentada na EngSem, que ajude o designer a elaborar seu projeto da comunicação

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

Projeto de Graduação 1 Prof. Fabiano Dorça. Metodologia Científica

Projeto de Graduação 1 Prof. Fabiano Dorça. Metodologia Científica Projeto de Graduação 1 Prof. Fabiano Dorça Metodologia Científica Metodologia Científica Conjunto de abordagens, técnicas e processos utilizados pela ciência para formular e resolver problemas de aquisição

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Pensar na realidade é pensar em transformações sociais. Atualmente, temos observado os avanços com relação à

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001 Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Conceitos Gerais A gestão ambiental abrange uma vasta gama de questões, inclusive aquelas com implicações estratégicas

Leia mais

A Arquivologia como campo de pesquisa: desafios e perspectivas. José Maria Jardim Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO

A Arquivologia como campo de pesquisa: desafios e perspectivas. José Maria Jardim Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO A Arquivologia como campo de pesquisa: desafios e perspectivas José Maria Jardim Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO A indissociabilidade entre ensino/produção/difusão do conhecimento

Leia mais

O ENSINO DO PRINCÍPIO DE BERNOULLI ATRAVÉS DA WEB: UM ESTUDO DE CASO

O ENSINO DO PRINCÍPIO DE BERNOULLI ATRAVÉS DA WEB: UM ESTUDO DE CASO O ENSINO DO PRINCÍPIO DE BERNOULLI ATRAVÉS DA WEB: UM ESTUDO DE CASO Rivanildo Ferreira de MOURA 1, Marcos Antônio BARROS 2 1 Aluno de Graduação em Licenciatura em Física, Universidade Estadual da Paraíba-UEPB,

Leia mais

PLANEJAMENTO DE CAPACIDADE EM INFRA-ESTRUTURAS SUPORTADAS POR SERVIÇOS TERCEIRIZADOS DE REDE DE COMUNICAÇÃO DE DADOS

PLANEJAMENTO DE CAPACIDADE EM INFRA-ESTRUTURAS SUPORTADAS POR SERVIÇOS TERCEIRIZADOS DE REDE DE COMUNICAÇÃO DE DADOS PLANEJAMENTO DE CAPACIDADE EM INFRA-ESTRUTURAS SUPORTADAS POR SERVIÇOS TERCEIRIZADOS DE REDE DE COMUNICAÇÃO DE DADOS Roosevelt Belchior Lima Neste artigo será apresentada uma proposta de acompanhamento

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL:

EDUCAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL: EDUCAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL: AÇÃO TRANSFORMADORA IV Seminário Internacional de Engenharia de Saúde Pública Belo Horizonte Março de 2013 Quem sou eu? A que grupos pertenço? Marcia Faria Westphal Faculdade

Leia mais

Etapas para a Elaboração de Planos de Mobilidade Participativos. Nívea Oppermann Peixoto, Ms Coordenadora Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil

Etapas para a Elaboração de Planos de Mobilidade Participativos. Nívea Oppermann Peixoto, Ms Coordenadora Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil Etapas para a Elaboração de Planos de Mobilidade Participativos Nívea Oppermann Peixoto, Ms Coordenadora Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil Novo cenário da mobilidade urbana Plano de Mobilidade Urbana:

Leia mais

PROJETO MEIO AMBIENTE NA SALA DE AULA

PROJETO MEIO AMBIENTE NA SALA DE AULA PROJETO MEIO AMBIENTE NA SALA DE AULA Conceito: PROJETO: -Proposta -Plano; Intento -Empreendimento -Plano Geral de Construção -Redação provisória de lei; Estatuto Referência:Minidicionário - Soares Amora

Leia mais

PROJETO MEIO AMBIENTE NA SALA DE AULA

PROJETO MEIO AMBIENTE NA SALA DE AULA PROJETO MEIO AMBIENTE NA SALA DE AULA Conceito: PROJETO: -Proposta -Plano; Intento -Empreendimento -Plano Geral de Construção -Redação provisória de lei; Estatuto Referência:Minidicionário - Soares Amora

Leia mais

Processo de Desenvolvimento Unificado

Processo de Desenvolvimento Unificado Processo de Desenvolvimento Unificado Processo de Desenvolvimento de Software? Conjunto de atividades bem definidas; com responsáveis; com artefatos de entrada e saída; com dependências entre as mesmas

Leia mais

Desigualdade e desempenho: uma introdução à sociologia da escola brasileira

Desigualdade e desempenho: uma introdução à sociologia da escola brasileira Desigualdade e desempenho: uma introdução à sociologia da escola brasileira Maria Lígia de Oliveira Barbosa Belo Horizonte, MG: Argvmentvm, 2009, 272 p. Maria Lígia de Oliveira Barbosa, que há algum tempo

Leia mais

Percursos Teóricos-metodológicos em Ciências Humanas e Sociais

Percursos Teóricos-metodológicos em Ciências Humanas e Sociais Percursos Teóricos-metodológicos em Ciências Humanas e Sociais Daniela Riva Knauth Departamento de Medicina Social PPG Antropologia e Epidemiologia UFRGS Pesquisa qualitativa Crítica ao Positivismo Todo

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO

CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO TEMA: ELABORAÇÃO DE PROJETOS COM FOCO NA FAMÍLIA Março/2010 ELABORAÇÃO DE PROJETOS ELABOR-AÇÃO: palavra-latim-elabore preparar, formar,ordenar AÇÃO: atuação, ato PRO-JETOS: palavra-latim-projetus

Leia mais

Profissionais de Alta Performance

Profissionais de Alta Performance Profissionais de Alta Performance As transformações pelas quais o mundo passa exigem novos posicionamentos em todas as áreas e em especial na educação. A transferência pura simples de dados ou informações

Leia mais

6 Considerações Finais

6 Considerações Finais 6 Considerações Finais Este capítulo apresenta as conclusões deste estudo, as recomendações gerenciais e as recomendações para futuras pesquisas, buscadas a partir da análise dos casos das empresas A e

Leia mais