06/06/2014. Manejo de suínos do nascimento ao abate. Manejo de suínos do nascimento ao abate. Manejo de suínos do nascimento ao abate

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "06/06/2014. Manejo de suínos do nascimento ao abate. Manejo de suínos do nascimento ao abate. Manejo de suínos do nascimento ao abate"

Transcrição

1 Considerações no pré-parto: Limpeza e desinfecção da maternidade Verificar condições do escamoteador Ao nascimento Secar o leitão Principalmente boca e narinas Evitar perda de T C corporal Reanimar o leitão se necessário 1

2 Ao nascimento Cortar o cordão umbilical Como proceder Colocar o leitão para mamar o colostro Importância (PPS) Leitões fracos colocar mamar nas tetas anteriores 2

3 Após o parto Recolher placentas, mumificados, natimortos Eliminar leitões com peso < que 700g Nas primeiras horas o leitão deve mamar a > quantidade de colostro possível Tabela Influência de diferentes formas de acompanhamento ao parto sobre a perda de leitões. 3

4 Manejo do escamoteador Ensinar o leitão Importância do escamoteador e aleitamento Gordura corporal insuficiente Glicogênio hepático (15-20h) Leitões com frio ficam hipoglicêmicos Esmagamentos 4

5 5

6 Manejo do nascimento ao abate Tabela. Temperatura de conforto para diferentes categorias de suínos. Categoria Temperatura de conforto ( C) Temperatura crítica inferior ( C) Temperatura crítica superior ( C) Recém-nascidos Leitões até a desmama Leitões desmamados Leitões em crescimento Suínos em terminação Corte ou desgaste dos dentes Importância Diminuir lesões nos leitões e tetos»n de leitões»produção de leite»leitegadas desuniformes Corte ou desgaste dos dentes UE : proibido desde 2001 Cuidados Consequências»Ferimentos»Relutância da matriz em aleitar»mastite 6

7 Corte dos dentes Tabela - Peso médio ao desmame (kg) e ganho de peso médio (kg) da leitegada do nascimento ao desmame, e seus respectivos desvios-padrão, para o grupo controle (GC - dentes intactos) e tratamento (GT - corte dos dentes). Fonte: Araújo et al (2009) Dentes intactos X cortados (Bates et al., 2003) O ganho de peso na maternidade e creche não diferiu; Leitões com dentes intactos apresentaram maior número de lesões; O fato de não cortar os dentes dos leitões diminuiu a mão-deobra na maternidade. 7

8 Tabela Pesomédiodeleitõesna desmama(dp)esaída da Crechedeacordo com o método de manejo dentário. No primeiro dia ainda: Corte de cauda Importância Cuidados Fonte: Koller,

9 Dia 1-2 Transferência cruzada Importância? Como proceder Dia 2-3 Prevenção de anemia ferropriva Reserva hepática insuficientes Ingestão de Fe via leite também é insuficiente O leite supre 10-20% das necessidades de Fe dos leitões Aplicação de mg de Fe dextrano 9

10 Dia 2-3 Marcação (identificação) Tatuagem Brinco Mossa Dia 7 10 Castração Como proceder Leitões normais Leitões com hérnia Fornecimento de ração 10

11 Causa Ideal Intervenção Esmagamento < 5 > 5 Diarréias < 5 > 5 Outras causas 0,5 0,5 11

12 21 ou 28 dias Mudança dos animais para a creche (Desmame) Creche Por que é feito com essa idade? Maximizar n de leitões/matriz/ano Trato reprodutivo da fêmea já está pronto para outra gestação É o pico de produção de leite Maior aproveitamento das instalações Secreção de enzimas pelos leitões Melhor dia da semana para fazer o desmame? Creche Controle da temperatura Equalização dos lotes Monitoramento dos animais nos primeiros dias Em caso de surto de diarréia suspender a ração 12

13 13

14 63 dia Crescimento e terminação Alojamento dos animais conforme a categoria e peso Temperatura C Limpeza 14

15 Crescimento e terminação Manejo da sala hospital Identificação dos animais com problemas Proporcionar o melhor ambiente possível 15

16 Crescimento e terminação Imunocastração 60 e 30 dias antes do abate Vacina que induz a produção de anticorpos contra o GnRH (Hormônio liberador de Gonadotrofina) Abolição da castração Identificação dos genes responsáveis pelo odor Hipotálamo GNRH Hipófise FSH e LH Anti GNRH Vacina Imunocastração Seqüestra Gônadas Testículos Hipotrofia 16

17 Quando aplicar a vacina de imunocastração? Inteiro Imunocastrado Castrado Peso, 70 e 100 kg Tabela Desempenho, características de carcaça, e peso dos órgãos reprodutivos de suínos castrados cirúrgicamente (CC), imunocastrados (IC) e suínos machos inteiro(smi). (Pauly et al., 2009) 17

MANEJO DE SUÍNOS 14/03/2013 INTRODUÇÃO. Maiara Braga Pereira Braz Graduanda do 2º ano de Zootecnia SISTEMA DE PRODUÇÃO SISTEMA DE PRODUÇÃO

MANEJO DE SUÍNOS 14/03/2013 INTRODUÇÃO. Maiara Braga Pereira Braz Graduanda do 2º ano de Zootecnia SISTEMA DE PRODUÇÃO SISTEMA DE PRODUÇÃO INTRODUÇÃO MANEJO DE SUÍNOS Sistema de produção Produtividade Monitorias Sanitária Limpeza e desinfecção Manejo do leitão Maiara Braga Pereira Braz Graduanda do 2º ano de Zootecnia SISTEMA DE PRODUÇÃO

Leia mais

Sistemas de produção e Índices zootécnicos. Profª.: Valdirene Zabot

Sistemas de produção e Índices zootécnicos. Profª.: Valdirene Zabot Sistemas de produção e Índices zootécnicos Profª.: Valdirene Zabot O que é uma CADEIA? É um conjunto de elos onde cada um depende dos demais. Na cadeia de produção da carne e do couro, o bovino é ó elo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE VETERINÁRIA E ZOOTECNIA GRADUAÇÃO EM ZOOTECNIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE VETERINÁRIA E ZOOTECNIA GRADUAÇÃO EM ZOOTECNIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE VETERINÁRIA E ZOOTECNIA GRADUAÇÃO EM ZOOTECNIA KARLA ANDRADE TEIXEIRA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO SISTEMA INTENSIVO DE PRODUÇÃO DE SUÍNOS - MATERNIDADE Trabalho

Leia mais

AVALIAÇÃO DA PRÁTICA DO CORTE DOS DENTES DOS LEITÕES NA MATERNIDADE

AVALIAÇÃO DA PRÁTICA DO CORTE DOS DENTES DOS LEITÕES NA MATERNIDADE AVALIAÇÃO DA PRÁTICA DO CORTE DOS DENTES DOS LEITÕES NA MATERNIDADE Aruan Alexander de Araújo 1 ; Juliana da Costa Cidral 1 ; Elizabeth Silvano 1 ; Nilberto Afonso RESUMO Lafin 2 ; Erica Perez Marson 3

Leia mais

Comunicado Técnico 01

Comunicado Técnico 01 Comunicado Técnico 01 Sistema Intensivo de Suínos Criados ao Ar Livre (Siscal) Instruções Técnicas para Implantação. Responsável: Evandro José Rigo Zootecnista; MSc. Produção Animal; Professor FAZU evandro@fazu.br

Leia mais

AULA 02 CARACTERISTICAS ZOOTECNICAS E ECONOMICAS DOS SUINOS

AULA 02 CARACTERISTICAS ZOOTECNICAS E ECONOMICAS DOS SUINOS AULA 02 CARACTERISTICAS ZOOTECNICAS E ECONOMICAS DOS SUINOS PRINCIPAIS ATIVIDADES FISIOLÓGICAS DO SUÍNO Sistema respiratório: Frequência Respiratória variando entre 20 a 30 movimentos por minuto. Sistema

Leia mais

CRIAÇÃO DE BEZERRAS EM ALEITAMENTO ARTIFICAL. Med. Vet. Eduardo Lopes de Oliveira.

CRIAÇÃO DE BEZERRAS EM ALEITAMENTO ARTIFICAL. Med. Vet. Eduardo Lopes de Oliveira. CRIAÇÃO DE BEZERRAS EM ALEITAMENTO ARTIFICAL. Med. Vet. Eduardo Lopes de Oliveira. Cuidados Iniciais Fornecimento do Colostro Cura do Umbigo Identificação com brinco e tatuagem Remoção de tetas supranumerárias

Leia mais

Leitões de baixo peso: o desafio de conciliar prolificidade e sobrevivência

Leitões de baixo peso: o desafio de conciliar prolificidade e sobrevivência Leitões de baixo peso: o desafio de conciliar prolificidade e sobrevivência Durante as ultimas duas décadas os avanços genéticos na espécie suína culminaram com o desenvolvimento de matrizes chamadas hiperprolíficas,

Leia mais

MANEJO NA MATERNIDADE DE SUÍNOS

MANEJO NA MATERNIDADE DE SUÍNOS MANEJO NA MATERNIDADE DE SUÍNOS Hudson Fernandes Castro* Luís David Solis Murgas** 1. INTRODUÇÃO Por meio dos procedimentos que compõem o manejo sanitário, busca-se evitar, eliminar ou reduzir ao máximo

Leia mais

Manejo reprodutivo de caprinos e ovinos

Manejo reprodutivo de caprinos e ovinos Manejo reprodutivo de caprinos e ovinos Professor: Aparecido Porto da Costa Disciplina: Caprinovinocultura E-mail: aparecidoport@hotmail.com Introdução Importância Produtividade do rebanho => obter sucesso

Leia mais

Med. Vet. Avelino Murta avelino@biocampomg.com.br

Med. Vet. Avelino Murta avelino@biocampomg.com.br Med. Vet. Avelino Murta avelino@biocampomg.com.br QUEM SOMOS Localizada em Montes Claros, norte de Minas Gerais, a BIOCAMPO Assistência Veterinária foi fundada em 2010 e atua na área de Reprodução Bovina.

Leia mais

Gestão na Suinocultura Com Foco na Produtividade

Gestão na Suinocultura Com Foco na Produtividade Gestão na Suinocultura Com Foco na Produtividade Marco Lubas Cuiabá 05-05-2010 Produtividade 1. Quanto está produzindo? 2. Quanto é o potencial de sua produção? 3. Quais os Limitantes? PRODUTIVIDADE X

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Instituto de Ciências Biológicas e da Saúde Departamento de Medicina Veterinária Curso de Medicina Veterinária em Betim Gabriel Santos Coutinho BEM ESTAR

Leia mais

Manual. do Produtor. de bezerro de corte

Manual. do Produtor. de bezerro de corte Manual do Produtor de bezerro de corte INTRODUÇÃO 02 A etapa de cria na cadeia produtiva da carne bovina é muito importante, e caracterizase como um período fundamental no processo de produção. As técnicas

Leia mais

Cela Parideira e Escamoteador Instalações

Cela Parideira e Escamoteador Instalações Disciplina AZ044 - Suinocultura Manejo dos Leitões na Maternidade Prof. Marson Bruck Warpechowski A Maternidade Chegada da matriz 5 a 7 dias antes da previsão de parto (7 dias pós cobertura) Saída quando

Leia mais

Amamentação: sobrevivência infantil e. qualidade de. vida. 2 Nutricionista Materno Infantil Rejane Radunz

Amamentação: sobrevivência infantil e. qualidade de. vida. 2 Nutricionista Materno Infantil Rejane Radunz Amamentação: sobrevivência infantil e qualidade de vida 1 2 Nutricionista Materno Infantil Rejane Radunz PROMOVENDO O ALEITAMENTO MATERNO POR QUE A AMAMENTAÇÃO É IMPORTANTE? A Organização Mundial da Saúde

Leia mais

OS AMIGOS DO PRÉ NATAL O pré natal é muito importante para a saúde da mãe e do bebê.

OS AMIGOS DO PRÉ NATAL O pré natal é muito importante para a saúde da mãe e do bebê. OS AMIGOS DO PRÉ NATAL O pré natal é muito importante para a saúde da mãe e do bebê. O preparo da mama durante a gestação pode ser feito a partir do 6º mês, com banho de sol que fortalece os mamilos e

Leia mais

Ciclo pecuário. Comportamento de preços

Ciclo pecuário. Comportamento de preços Comportamento de preços... Continuação da aula anterior 3 fenômenos de preço Sazonalidade: seca e águas / safra entre safra Ciclo da pecuária: Flutuação de preços que ocorre periodicamente na comercialização

Leia mais

Questionário Para Seguro de Rebanho Ovinos

Questionário Para Seguro de Rebanho Ovinos Questionário Para Seguro de Rebanho Ovinos 1 - Propriedade: Proprietário: Profissão: Telefone: Nome da Fazenda: Endereço da Fazenda: Roteiro de acesso completo: Confrontações: Norte: Sul: Leste: Oeste:

Leia mais

IMUNOCASTRAÇÃO. Universidade Estadual de Londrina Camila Lorena de Lucio 4º ano de Zootecnia.

IMUNOCASTRAÇÃO. Universidade Estadual de Londrina Camila Lorena de Lucio 4º ano de Zootecnia. IMUNOCASTRAÇÃO Universidade Estadual de Londrina Camila Lorena de Lucio 4º ano de Zootecnia. Cronograma 1.Introdução 2. Suínos 3. Bovinos 4.Imunocastração 5. Considerações finais 1. Introdução A castração

Leia mais

Cuidados simples são fundamentais para o sucesso desta fase de criação e muitas vezes são negligenciados pelo produtor. Saiba quais são eles.

Cuidados simples são fundamentais para o sucesso desta fase de criação e muitas vezes são negligenciados pelo produtor. Saiba quais são eles. Cuidados simples são fundamentais para o sucesso desta fase de criação e muitas vezes são negligenciados pelo produtor. Saiba quais são eles. Publicado em 03/09/2010 por Breno Bracarense, graduando em

Leia mais

ALIMENTAÇÃO DE CORDEIROS LACTENTES

ALIMENTAÇÃO DE CORDEIROS LACTENTES ALIMENTAÇÃO DE CORDEIROS LACTENTES Mauro Sartori Bueno, Eduardo Antonio da Cunha, Luis Eduardo dos Santos Pesquisadores Científicos do Instituto de Zootecnia, IZ/Apta-SAA-SP CP 60, Nova Odessa-SP, CEP

Leia mais

COLOSTRAGEM DO BEZERRO RECÉM-NASCIDO

COLOSTRAGEM DO BEZERRO RECÉM-NASCIDO COLOSTRAGEM DO BEZERRO RECÉM-NASCIDO O colostro é o leite obtido na primeira ordenha após o parto. Da segunda à 10 a ordenha pós-parto, o leite obtido se chama leite de transição, pois vai ficando mais

Leia mais

Aleitamento Materno Por que estimular?

Aleitamento Materno Por que estimular? Aleitamento Materno Por que estimular? Francine Canovas Dias Nutricionista Especializanda Disciplina de Gastroenetrologia Pediátrica Escola Paulista de Medicina/UNIFESP Recomendações 1980-1 s estudos sobre

Leia mais

Sumário. Manual de Reprodutores - 3

Sumário. Manual de Reprodutores - 3 Manual Reprodutores Sumário PREFÁCIO................................................................................................................................ 05 1 - LEITOAS GENETIPORC EM CRESCIMENTO.............................................................................................

Leia mais

Sistema de Alimentação líquida e seus pontos chaves para bons resultados no Brasil. José Vr. Machado Gerente Regional Minas Gerais

Sistema de Alimentação líquida e seus pontos chaves para bons resultados no Brasil. José Vr. Machado Gerente Regional Minas Gerais Sistema de Alimentação líquida e seus pontos chaves para bons resultados no Brasil José Vr. Machado Gerente Regional Minas Gerais Introdução - Energia Elétrica; - Água; - Espaço de cocho para alimentação;

Leia mais

Tópicos em Manejo de luz. Alexandre Pires Rosa Elenice Franco

Tópicos em Manejo de luz. Alexandre Pires Rosa Elenice Franco Tópicos em Manejo de luz Alexandre Pires Rosa Elenice Franco PROGRAMAS DE LUZ PARA MATRIZES INSTALAÇÕES Convencional (aberto) Semi-escuro (sombrite) Escuro LATITUDE A duração do dia varia durante o ano

Leia mais

07/12/2012. Localização das instalações. Localização das instalações. Localização das instalações. Trajeto do sol sobre o barracão

07/12/2012. Localização das instalações. Localização das instalações. Localização das instalações. Trajeto do sol sobre o barracão Universidade Comunitária da Região de Chapecó Área de Ciências Exatas e Ambientais Curso de Agronomia Instalações Planejamento da atividade Considerações: Capacidade de investimento do produtor; Viabilidade

Leia mais

Vínculo entre mãe e bebê

Vínculo entre mãe e bebê Vínculo mãe/bebê Vínculo entre mãe e bebê Tenha uma idéia audaciosa hoje. Amanhã ela já não será nova. O bebê precisa reconhecer quem cuida dele, por isso, precisa ser cuidado sempre pela mesma pessoa.

Leia mais

III CURSO DE GESTÃO AGROECONÔMICA. EM PECUÁRIA DE CORTE: confinamento e terceirização

III CURSO DE GESTÃO AGROECONÔMICA. EM PECUÁRIA DE CORTE: confinamento e terceirização III CURSO DE GESTÃO AGROECONÔMICA EM PECUÁRIA DE CORTE: confinamento e terceirização RESULTADOS DO CONFINAMENTO DA COPLACANA EM 2.008 E PERSPECTIVAS PARA O FUTURO Ari José Fernandes Lacôrte Engenheiro

Leia mais

Programa nutricional específico para o Bulldog Inglês

Programa nutricional específico para o Bulldog Inglês Busca constante por qualidade e segurança. Programa nutricional específico para o Bulldog Inglês A Royal Canin impõe padrões extremamente rigorosos para garantir condições sanitárias ideais em suas fábricas.

Leia mais

Curva de Crescimento e Produtividade de Vacas Nelore

Curva de Crescimento e Produtividade de Vacas Nelore Curva de Crescimento e Produtividade de Vacas Nelore THIAGO VINÍCIUS DE SOUZA GRADUANDO EM MEDICINA VETERINÁRIA UFMT/SINOP CONTATO: THIAGOV_SOUZA@HOTMAIL.COM Produtividade Cenário atual Nelore sistema

Leia mais

ESCORE CORPORAL DE MATRIZES SUINAS NA FASE DE GESTAÇÃO

ESCORE CORPORAL DE MATRIZES SUINAS NA FASE DE GESTAÇÃO ESCORE CORPORAL DE MATRIZES SUINAS NA FASE DE GESTAÇÃO Alves, Bruna 1 ; Fischer, Janaina 1 ; Fritz, Osman 1 ; Bako, Erica, Perez Marson 2 ; Bianchi, Ivan 2 ; Ferreira, Vagner 3 ; Oliveira Jr, Juahil 4.

Leia mais

ÁGUA. 97% água salgada - ± 3% se restringe a água doce; Perda de toda gordura corporal, metade PTN s e 40% peso vivo Perda 10% - morte.

ÁGUA. 97% água salgada - ± 3% se restringe a água doce; Perda de toda gordura corporal, metade PTN s e 40% peso vivo Perda 10% - morte. ÁGUA 97% água salgada - ± 3% se restringe a água doce; Perda de toda gordura corporal, metade PTN s e 40% peso vivo Perda 10% - morte. PROPRIEDADES E FUNÇÕES Constituinte ativo e estrutural; 70% da carcaça

Leia mais

Mulheres grávidas ou a amamentar*

Mulheres grávidas ou a amamentar* Doença pelo novo vírus da gripe A(H1N1) Fase Pandémica 6 OMS Mulheres grávidas ou a amamentar* Destaques: A análise dos casos ocorridos, a nível global, confirma que as grávidas constituem um grupo de

Leia mais

Importância de equipamentos de monitoramento sanitário uma ferramenta para PREVENIR e RASTREAR surtos

Importância de equipamentos de monitoramento sanitário uma ferramenta para PREVENIR e RASTREAR surtos Importância de equipamentos de monitoramento sanitário uma ferramenta para PREVENIR e RASTREAR surtos M.V. José Dias Neto Ms. Aquicultura CAUNESP Esp. Homeopatia Veterinária François Lamasson Diretor PREVET

Leia mais

Qualidade do leite e manejo de ordenha Composição do Leite

Qualidade do leite e manejo de ordenha Composição do Leite Qualidade do leite e manejo de ordenha Composição do Leite 1 O QUE PODE AFETAR A COMPOSIÇÃO DO LEITE? RAÇA MANEJO MASTITE ESTRESSE ALIMENTAÇÃO Mastite Doença que mais causa prejuízos econômicos na cadeia

Leia mais

INTRODUÇÃO A etapa de cria na cadeia produtiva da carne bovina é muito importante, e caracteriza-se como um período fundamental no processo de

INTRODUÇÃO A etapa de cria na cadeia produtiva da carne bovina é muito importante, e caracteriza-se como um período fundamental no processo de d e b e z e r r o d e c o r t e INTRODUÇÃO A etapa de cria na cadeia produtiva da carne bovina é muito importante, e caracteriza-se como um período fundamental no processo de produção. As técnicas utilizadas

Leia mais

BEM-ESTAR DOS SUÍNOS NO BRASIL: COMO ESTAMOS? Cleandro Pazinato Dias

BEM-ESTAR DOS SUÍNOS NO BRASIL: COMO ESTAMOS? Cleandro Pazinato Dias BEM-ESTAR DOS SUÍNOS NO BRASIL: COMO ESTAMOS? Cleandro Pazinato Dias Agradecimentos Alexandre Marchetti Beate von Staa Celso Funcia Lemme Charli Ludke Dirceu Zotti Eduardo Hoff Evandro Poleze Fernando

Leia mais

MANEJO GERAL DE REBANHO POR CATEGORIAS. Cabras em gestação e lactação; cabritos em crescimento, desmame e terminação

MANEJO GERAL DE REBANHO POR CATEGORIAS. Cabras em gestação e lactação; cabritos em crescimento, desmame e terminação MANEJO GERAL DE REBANHO POR CATEGORIAS Cabras em gestação e lactação; cabritos em crescimento, desmame e terminação CABRAS GESTANTES Primeira fase (fase inicial): da cobertura até o terceiro mês de gestação:

Leia mais

Nestlé EM CAMPO. Período de transição. Eficiência e qualidade na produção leiteira

Nestlé EM CAMPO. Período de transição. Eficiência e qualidade na produção leiteira Nestlé EM CAMPO Eficiência e qualidade na produção leiteira Período de transição Cuidados no pré e pós-parto garantem a boa condição reprodutiva e produtiva Ano 2 Número 12 Nov./Dez. 2015 Nestlé EM CAMPO

Leia mais

Pré-imunização e Tratamento de Tristeza Parasitária em Bovinos Leiteiros

Pré-imunização e Tratamento de Tristeza Parasitária em Bovinos Leiteiros Pré-imunização e Tratamento de Tristeza Parasitária em Bovinos Leiteiros Laboratório de Imunovirologia Molecular DBG UFV Prof. Sérgio Oliveira de Paula Tristeza Parasitária Bovina (TPB) Enfermidade hemoparasita

Leia mais

PRÁTICAS DE MANEJO PARA CORRETA CRIAÇÃO DE BEZERRAS LEITEIRAS

PRÁTICAS DE MANEJO PARA CORRETA CRIAÇÃO DE BEZERRAS LEITEIRAS PRÁTICAS DE MANEJO PARA CORRETA CRIAÇÃO DE BEZERRAS LEITEIRAS Ricardo Dias Signoretti 1 Em sistemas de produção de bovinos leiteiros a criação de bezerras na fase compreendida do nascimento ao desaleitamento,

Leia mais

INTERNATO DE PEDIATRIA Programa de Atividades

INTERNATO DE PEDIATRIA Programa de Atividades FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SERRA DOS ÓRGÃOS CENTRO UNIVERSITÁRIO SERRA DOS ÓRGÃOS PRÓ REITORIA DE GRADUAÇÃO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOMÉDICAS CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA INTERNATO DE PEDIATRIA Programa de Atividades

Leia mais

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO ATIVIDADES DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO Área: Suinocultura

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO ATIVIDADES DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO Área: Suinocultura UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR PALOTINA CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO ATIVIDADES DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO Área: Suinocultura Aluno: Gefferson Almeida da

Leia mais

Simulação da evolução da idade dos eqüinos através da cronometria dentária. Adalgiza Souza Carneiro de Rezende Silvio Leite Monteiro da Silva

Simulação da evolução da idade dos eqüinos através da cronometria dentária. Adalgiza Souza Carneiro de Rezende Silvio Leite Monteiro da Silva Simulação da evolução da idade dos eqüinos através da cronometria dentária Adalgiza Souza Carneiro de Rezende Silvio Leite Monteiro da Silva Introdução A idade aproximada de um eqüino pode ser avaliada

Leia mais

Novidade. Nutrix+ Alimentação de leitões lactantes

Novidade. Nutrix+ Alimentação de leitões lactantes Novidade Nutrix+ Alimentação de leitões lactantes O sistema A nova geração de alimentação de leitões lactantes Pela primeira vez no segmento, agora já é possível fazer uma dosagem mínima de substitutos

Leia mais

1. O QUE É PARACETAMOL BLUEPHARMA E PARA QUE É UTILIZADO. Grupo Farmacoterapêutico: 2.10 - Sistema Nervoso Central - Analgésicos e antipiréticos

1. O QUE É PARACETAMOL BLUEPHARMA E PARA QUE É UTILIZADO. Grupo Farmacoterapêutico: 2.10 - Sistema Nervoso Central - Analgésicos e antipiréticos Folheto Informativo Informação para o utilizador Paracetamol Bluepharma Paracetamol Este folheto contém informações importantes para si. Leia-o atentamente Este medicamento pode ser adquirido sem receita

Leia mais

AviagenBrief. Manejo da Fase de Crescimento - Frango de Corte. Resumo. Aviagen Brief - Optimizing Broiler FCR, June 2011.

AviagenBrief. Manejo da Fase de Crescimento - Frango de Corte. Resumo. Aviagen Brief - Optimizing Broiler FCR, June 2011. Aviagen Brief - Optimizing Broiler FCR, June 2011 AviagenBrief Manejo da Fase de Crescimento - Frango de Corte Equipe Técnica da Turquía, Oriente Médio e África Janeiro / 2012 Resumo Introdução Melhorias

Leia mais

CUIDADOS COM OS LEITÕES NO PÓS-PARTO E NOS PRIMEIROS DIAS DE VIDA

CUIDADOS COM OS LEITÕES NO PÓS-PARTO E NOS PRIMEIROS DIAS DE VIDA CUIDADOS COM OS LEITÕES NO PÓS-PARTO E NOS PRIMEIROS DIAS DE VIDA CAMPOS, Camila Poles Discente Medicina Veterinária FAMED Garça e-mail: milapoles@pop.com.br SOUZA, Giuliano Dalla Palma Discente Medicina

Leia mais

Primeiros Cuidados. Dicas de uma Alimentação Saudável

Primeiros Cuidados. Dicas de uma Alimentação Saudável Dividindo o ambiente com os seres humanos, os bichos de estimação também precisam de cuidados especiais para não contrair doenças e, se já houver algum problema, evitar a transmissão aos seus donos. Entre

Leia mais

Relatório Final do Experimento

Relatório Final do Experimento Relatório Final do Experimento Efeito da suplementação de duas formas comerciais de somatotropina bovina (bst) na produção de leite de vacas de alta produção. Prof. Dr. Rodrigo de Almeida (DZ-UFPR) Coordenador

Leia mais

Alimentação de caprinos

Alimentação de caprinos Alimentação de Caprinos vcadavez@ipb.pt Conservação de habitats com recurso a caprinos Outline 1 Denição comportamental dos caprinos 2 3 4 5 Denição comportamental dos caprinos Os caprinos são ruminantes

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL - UNISC DEPARTAMENTO DE FARMÁCIA DISCIPLINA DE FISIOLOGIA GERAL HORMÔNIOS MASCULINOS

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL - UNISC DEPARTAMENTO DE FARMÁCIA DISCIPLINA DE FISIOLOGIA GERAL HORMÔNIOS MASCULINOS UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL - UNISC DEPARTAMENTO DE FARMÁCIA DISCIPLINA DE FISIOLOGIA GERAL HORMÔNIOS MASCULINOS Andiara Onizzolo Marques Isadora Schmachtenberg Manoela Zaccani Maristela Ullrich

Leia mais

Calf Notes.com. Calf Note #154 Fatores que influenciam a mortalidade de bezerros em uma fazenda em Nova Iorque

Calf Notes.com. Calf Note #154 Fatores que influenciam a mortalidade de bezerros em uma fazenda em Nova Iorque Calf Notes.com Calf Note #154 Fatores que influenciam a mortalidade de bezerros em uma fazenda em Nova Iorque Introdução Muitos fatores podem influenciar a mortalidade de bezerros. Sabemos que a mortalidade

Leia mais

ATUAL SITUAÇÃO DA PECUÁRIA DE CORTE NO BRASIL

ATUAL SITUAÇÃO DA PECUÁRIA DE CORTE NO BRASIL ATUAL SITUAÇÃO DA PECUÁRIA DE CORTE NO BRASIL Empresa Júnior de Nutrição de Ruminantes NUTRIR FCA-UNESP-FMVZ INTRODUÇÃO CONCEITOS BÁSICOS CENÁRIO DADOS MERCADO DO BOI CONSIDERAÇÕES FINAIS CONCEITOS BÁSICOS

Leia mais

FAZENDA SANTA LUZIA. Maurício Silveira Coelho HISTÓRICO

FAZENDA SANTA LUZIA. Maurício Silveira Coelho HISTÓRICO FAZENDA SANTA LUZIA Maurício Silveira Coelho Medico Veterinário CRMV MG 2352 Fazenda Santa Luzia PASSOS/MG E-mail mauricio@josecaboverde.com.br HISTÓRICO Proprietário: José Coelho Vítor e filhos Localização:

Leia mais

Instruções e planilhas para o controle de produção visando o melhoramento genético na bovinocultura de corte de base familiar

Instruções e planilhas para o controle de produção visando o melhoramento genético na bovinocultura de corte de base familiar ISSN 0103-376X Setembro, 2006 Instruções e planilhas para o controle de produção visando o melhoramento genético na bovinocultura de corte de base familiar 57 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária

Leia mais

FERRAMENTAS E PRÁTICAS DE BAIXO CUSTO PARA MELHORAR O BEM-ESTAR DE ANIMAIS DE PRODUÇÃO. Irenilza de Alencar Nääs

FERRAMENTAS E PRÁTICAS DE BAIXO CUSTO PARA MELHORAR O BEM-ESTAR DE ANIMAIS DE PRODUÇÃO. Irenilza de Alencar Nääs FERRAMENTAS E PRÁTICAS DE BAIXO CUSTO PARA MELHORAR O BEM-ESTAR DE ANIMAIS DE PRODUÇÃO Irenilza de Alencar Nääs 1 O Brasil é um dos maiores produtores de aves no mundo. Crescimento mundial do consumo Preocupação

Leia mais

Manejo nutricional dos leitões nas fases de maternidade e creche e seus efeitos no desempenho. Gustavo J. M. M. de Lima

Manejo nutricional dos leitões nas fases de maternidade e creche e seus efeitos no desempenho. Gustavo J. M. M. de Lima Manejo nutricional dos leitões nas fases de maternidade e creche e seus efeitos no desempenho Gustavo J. M. M. de Lima Suíno jovem tem potencial para apresentar um rápido crescimento; Dificuldades de expressar

Leia mais

A visão da Indústria de Insumos. FEICORTE 22 DE JULHO 2007 Sergio Carlo Franco Morgulis ASBRAM

A visão da Indústria de Insumos. FEICORTE 22 DE JULHO 2007 Sergio Carlo Franco Morgulis ASBRAM A visão da Indústria de Insumos FEICORTE 22 DE JULHO 2007 Sergio Carlo Franco Morgulis ASBRAM Objetivos Objetivos em comum para toda a cadeia Economicamente viável Socialmente responsável Ambientalmente

Leia mais

ALIMENTAÇÃO/APETITE como lidar com a situação!

ALIMENTAÇÃO/APETITE como lidar com a situação! ALIMENTAÇÃO/APETITE como lidar com a situação! ISABEL DINIS Fases da Infância e as Problemáticas Infantis. Oliveira do Hospital, 2009 Importância da alimentação saudável Estado de saúde adequado Óptimo

Leia mais

ÍNDICE MITSUISAL A SUA NOVA OPÇÃO COM QUALIDADE

ÍNDICE MITSUISAL A SUA NOVA OPÇÃO COM QUALIDADE ÍNDICE Suplementos minerais pronto para uso Mitsuisal 40 - Bovinos de corte Mitsuisal 60 - Bovinos de corte Mitsuisal 65 - Bovinos de corte Mitsuisal 80 - Bovinos de corte Mitsuisal 88 - Bovinos de corte

Leia mais

Profª Drª Alda Lúcia Gomes Monteiro Disciplina de Caprinocultura 2013

Profª Drª Alda Lúcia Gomes Monteiro Disciplina de Caprinocultura 2013 Profª Drª Alda Lúcia Gomes Monteiro Disciplina de Caprinocultura 2013 Manejo reprodutivo de caprinos Qual a importância de um bom manejo reprodutivo? Determina a eficiência do sistema de produção Estacionalidade

Leia mais

Fatores de produção. Variáveis de Classificação dos SISTEMAS. Tipos de produção. Sistemas de produção em suinocultura. Suinocultura Brasileira

Fatores de produção. Variáveis de Classificação dos SISTEMAS. Tipos de produção. Sistemas de produção em suinocultura. Suinocultura Brasileira Disciplina AZ044 - Suinocultura Suinocultura Brasileira Sistemas de produção em suinocultura Prof. Marson Bruck Warpechowski Suinocultura Brasileira Fatores de produção Produtor / mão-de-obra Animais (genótipo)

Leia mais

ANEXO I RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

ANEXO I RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO ANEXO I RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO 1 1. NOME DO MEDICAMENTO VETERINÁRIO Suprelorin 4,7 mg implante para cães 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Substância activa: 4,7 mg de deslorelina

Leia mais

INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO

INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO Universidade Federal do Ceará INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO Doutorando: MV Msc Rodrigo Vasconcelos de Oliveira Introdução Bovinocultura=> + eficiência reprodutiva Limitações: Anestro pós-parto longo

Leia mais

21/9/2012. Produção de ovos no Brasil. Consumo mundial de ovos. Estados brasileiros produtores de ovos em 2011 PRODUÇÃO DE AVES NO BRASIL

21/9/2012. Produção de ovos no Brasil. Consumo mundial de ovos. Estados brasileiros produtores de ovos em 2011 PRODUÇÃO DE AVES NO BRASIL BEM-ESTAR ESTAR NA PRODUÇÃO DE AVES DE POSTURA PRODUÇÃO DE AVES NO BRASIL 1930-1960 Período comercial Piracicaba/SP Setembro de 2012 Dra. Aérica Cirqueira Nazareno Pesquisadora - NUPEA A criação de aves

Leia mais

ARTIGO TÉCNICO Minerthal Pró-águas Suplementação protéica energética no período das águas

ARTIGO TÉCNICO Minerthal Pró-águas Suplementação protéica energética no período das águas ARTIGO TÉCNICO Minerthal Pró-águas Suplementação protéica energética no período das águas A bovinocultura de corte brasileira tem sua produção concentrada em sistemas de pastejo e, portanto, dependente

Leia mais

CONTROLE E INTEGRAÇÂO

CONTROLE E INTEGRAÇÂO CONTROLE E INTEGRAÇÂO A homeostase é atingida através de uma série de mecanismos reguladores que envolve todos os órgãos do corpo. Dois sistemas, entretanto, são destinados exclusivamente para a regulação

Leia mais

Hipotermia em Cabritos e Cordeiros Recém-nascidos

Hipotermia em Cabritos e Cordeiros Recém-nascidos Hipotermia em Cabritos e Cordeiros Recém-nascidos Define-se como hipotermia (hipo: diminuição e termia: temperatura), a redução significativa da temperatura corporal ao nível mais baixo da média normal,

Leia mais

Inseminação Artificial em Tempo Fixo em Vacas Leiteiras

Inseminação Artificial em Tempo Fixo em Vacas Leiteiras Inseminação Artificial em Tempo Fixo em Vacas Leiteiras Serviços em Pecuária de Leite Avaliação Ginecológica e Diagnóstico de Gestação com Aparelho de Ultrassonografia Exames Laboratoriais IATF Inseminação

Leia mais

BEM-ESTAR ANIMAL NA BOVINOCULTURA LEITEIRA. Mateus J.R. Paranhos da Costa Departamento de Zootecnia, FCAV/UNESP, Jaboticabal-SP mpcosta@fcav.unesp.

BEM-ESTAR ANIMAL NA BOVINOCULTURA LEITEIRA. Mateus J.R. Paranhos da Costa Departamento de Zootecnia, FCAV/UNESP, Jaboticabal-SP mpcosta@fcav.unesp. BEM-ESTAR ANIMAL NA BOVINOCULTURA LEITEIRA Mateus J.R. Paranhos da Costa Departamento de Zootecnia, FCAV/UNESP, Jaboticabal-SP mpcosta@fcav.unesp.br Vacas há muitas, gordas é que há poucas e são raros

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 ESTIMATIVA DE PADRÃO DE CONFORTO AMBIENTAL PARA LEITÕES NA MATERNIDADE DE SUÍNOS USANDO LÓGICA FUZZY JAQUELINE DE OLIVEIRA CASTRO 1, LEONARDO SCHIASSI 2, PATRÍCIA FERREIRA PONCIANO 3, TADAYUKI YANAGI JUNIOR

Leia mais

O MANEJO SANITÁRIO E SUA IMPORTÂNCIA NO NOVO CONTEXTO DO AGRONEGÓCIO DA PRODUÇÃO DE PECUÁRIA DE CORTE

O MANEJO SANITÁRIO E SUA IMPORTÂNCIA NO NOVO CONTEXTO DO AGRONEGÓCIO DA PRODUÇÃO DE PECUÁRIA DE CORTE O MANEJO SANITÁRIO E SUA IMPORTÂNCIA NO NOVO CONTEXTO DO AGRONEGÓCIO DA PRODUÇÃO DE PECUÁRIA DE CORTE Guilherme Augusto Vieira, MV, MSc gavet@uol.com.br 1 Danilo Gusmão de Quadros, Eng.Agro,DSc - uneb_neppa@yahoo.com.br

Leia mais

ZONA DE SOBREVIVÊNCIA. Conforto Térmico. Gráfico 1: Variações da temperatura corporal de um animal homeotérmico em função da temperatura ambiente.

ZONA DE SOBREVIVÊNCIA. Conforto Térmico. Gráfico 1: Variações da temperatura corporal de um animal homeotérmico em função da temperatura ambiente. ZONA DE SOBREVIVÊNCIA Hipotermia HOMEOTERMIA Homeotermia (HOMEOSTASIA) Hipertermia ou Homeostasia Termogênese Termoneutralidade Zona de Conforto Térmico Temperatura corporal TI TCIn Zona de TCS Termoneutralidade

Leia mais

Apresentação. Tá na hora! O momento é de felicidade. Tudo indica que seu bebê está para nascer! É tempo de cuidados mais que especiais.

Apresentação. Tá na hora! O momento é de felicidade. Tudo indica que seu bebê está para nascer! É tempo de cuidados mais que especiais. Apresentação Tá na hora! O momento é de felicidade. Tudo indica que seu bebê está para nascer! É tempo de cuidados mais que especiais. A gravidez dura 280 dias ou 40 semanas, de acordo com os médicos,

Leia mais

1 - Qual o significado do registro genealógico para o melhoramento das raças de gado de corte?

1 - Qual o significado do registro genealógico para o melhoramento das raças de gado de corte? Dicas e Dúvidas 1 - Qual o significado do registro genealógico para o melhoramento das raças de gado de corte? O principal objetivo do registro genealógico é possibilitar o fornecimento de pedigrees corretos

Leia mais

Recria de bovinos de corte

Recria de bovinos de corte Recria de bovinos de corte Professor: Fabiano Alvim Barbosa Disciplina: Bovinocultura de Corte Sistema de Recria Novilhos são recriados para engorda ou Touros (seleção genética) Novilhas são recriadas

Leia mais

Avaliação econômica CURSO SOBRE MANEJO E TRATAMENTO DE DEJETOS COM BIODIGESTORES. 29 de setembro a 01 de outubro de 2009 Foz do Iguaçu/PR

Avaliação econômica CURSO SOBRE MANEJO E TRATAMENTO DE DEJETOS COM BIODIGESTORES. 29 de setembro a 01 de outubro de 2009 Foz do Iguaçu/PR CURSO SOBRE MANEJO E TRATAMENTO DE DEJETOS COM BIODIGESTORES 29 de setembro a 01 de outubro de 2009 Foz do Iguaçu/PR Avaliação econômica Marcelo Miele Franco Müller Martins A suinocultura brasileira Desempenho

Leia mais

ÍNDICE: INTRODUÇÃO: No final são apresentados os níveis de garantia dos nossos produtos. Boa leitura!

ÍNDICE: INTRODUÇÃO: No final são apresentados os níveis de garantia dos nossos produtos. Boa leitura! ÍNDICE: INTRODUÇÃO: Este manual tem a finalidade de orientar os produtores, técnicos e vendedores a respeito da forma correta para a utilização de suplementos minerais, suplementos minerais protéicos,

Leia mais

HIPOTÁLAMO E HIPÓFISE. Introdução à Endocrinologia

HIPOTÁLAMO E HIPÓFISE. Introdução à Endocrinologia HIPOTÁLAMO E HIPÓFISE Introdução à Endocrinologia GENERALIDADES SOBRE HORMÔNIOS CONCEITO Hormônios são substâncias que funcionam como mensageiras inter-celulares CLASSIFICAÇÃO DOS HORMÔNIOS PROTÉICOS Formados

Leia mais

FACULDADE DE ZOOTECNIA, VETERINÁRIA E AGRONOMIA PUCRS CAMPUS URUGUAIANA OBSTETRÍCIA VETERINÁRIA PARTO EUTÓCICO.

FACULDADE DE ZOOTECNIA, VETERINÁRIA E AGRONOMIA PUCRS CAMPUS URUGUAIANA OBSTETRÍCIA VETERINÁRIA PARTO EUTÓCICO. 1) DEFINIÇÃO: PARTO EUTÓCICO. É o conjunto de eventos fisiológicos que conduzem o útero a expulsar o feto a termo e seus anexos. O feto é o responsável pelo desencadeamento do início do parto, disparando

Leia mais

Como estimar peso vivo de novilhas quando a balança não está disponível? Métodos indiretos: fita torácica e hipômetro

Como estimar peso vivo de novilhas quando a balança não está disponível? Métodos indiretos: fita torácica e hipômetro Como estimar peso vivo de novilhas quando a balança não está disponível? Métodos indiretos: fita torácica e hipômetro Introdução O principal objetivo nos sistemas de criação de novilhas leiteiras é conseguir

Leia mais

Bem-estar animal: Brasil x Europa

Bem-estar animal: Brasil x Europa UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA Bem-estar animal: Brasil x Europa Cleandro Pazinato Dias Bem-estar: Brasil x Europa Introdução Situação europeia Situação brasileira Considerações finais Conceitos de

Leia mais

Criação de Porco Caipira

Criação de Porco Caipira Criação de Porco Caipira CRIAÇÃO DE PORCO CAIPIRA 1 - INTRODUÇÃO A criação de porco caipira, também chamada criação extensiva de suínos, criação tradicional de porcos ou criação de porco-banha, está presente

Leia mais

AUMENTO DA ASSINALAÇÃO DE CORDEIROS:

AUMENTO DA ASSINALAÇÃO DE CORDEIROS: CENTRO DE ESTUDOS DE PEQUENOS RUMINANTES AUMENTO DA ASSINALAÇÃO DE CORDEIROS: Luiz Alberto O. Ribeiro Departamento de Medicina Animal Faculdade de Veterinária Porto Alegre / BRASIL Causas do baixo desempenho

Leia mais