E-B2G negócio a governo eletrónico: Enquadramento e evolução dos portais corporativos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "E-B2G negócio a governo eletrónico: Enquadramento e evolução dos portais corporativos"

Transcrição

1 g e s t ã o d a informação 4 E-B2G negócio a governo eletrónico: Enquadramento e evolução dos portais corporativos Pedro Campos 1 Redes colaborativas As redes colaborativas virtuais Uma rede colaborativa (CN) é uma aliança constituída por diferentes entidades, tais como organizações e pessoas). Estas entidades são geralmente geograficamente distribuídas e heterogéneas em termos cultura, capital social, e objetivos, mas que colaboram de forma a melhor atingir os objetivos comuns ou compatíveis da rede e as respetivas interações são suportadas por rede de computadores (Camarinha e Hafsarmidesh, 2005). A base desta visão de redes colaborativas tem a sua origem em Williamson (1975), que estabeleceu o estudo dos custos de transação em Economia e defendeu que as empresas industriais devem fazer maior uso dos bens e serviços adquiridos externamente e não dos fornecidos internamente. Essas ideias de externalização tiveram um impacto mais evidente com a expansão da onda de terceirização na década de

2 A externalização ou outsourcing tornou-se um assunto muito atrativo para as empresas quando estas tiveram que reduzir os custos gerais de organização e eliminar os ineficientes serviços internos. Nesta linha de desenvolvimento, a ideia de empresa virtual / organização virtual começou a ter adeptos nos investigadores ligados a redes de empresas, tendo os conceitos associados às redes colaborativas virtuais amadurecido seguramente durante as últimas décadas. Segundo Camarinha e Hafsarmidesh (2005), algumas das primeiras referências introduzindo os primeiros termos como organização virtual, empresa virtual, ou corporação virtual iniciaram- -se na década de 1990, incluindo os trabalhos Davidow & Malone (1992); Introna, Mais e Cushman (1999); Walton & Whicker (1996). A virtualização da cadeia de fornecedores A criação das redes colaborativas virtuais como forma de promover o outsourcing tem tido um impacto direto na forma como se processam as trocas comerciais a nível da cadeia de fornecedores. A rapidez como se processa o comércio hoje em dia, fruto das novas tecnologias, nomeadamente com a introdução da Internet na década de 1990, impulsionou o processo de virtualização da cadeia de fornecedores, transformando as práticas de trabalho convencionais entre as organizações. A criação de redes colaborativas tem permitido virtualizar cadeia de fornecedores. Ho et al. (2003) apresentam três elementos-chave de virtualização da cadeia de fornecedores, incluindo a formação de comunidades virtuais de troca, o aparecimento de comunidades virtuais de conhecimento e a transferência e integração dos processos inter-organizacionais de negócios no ciberespaço, ilustrados no contexto da indústria de vestuário têxtil de Hong Kong. O setor automóvel, por exemplo, está associado com empresas intensivas de produção com o aumento da divisão do trabalho, redução de custos, utilização de máquinas e de grande dimensão (Campos, 2007). A inovação tem por objetivo reduzir os custos e melhorar a qualidade do produto. Esse setor está a passar por uma reestruturação significativa nas últimas décadas, graças a iniciativas de reorganização das empresas e da introdução de novas tecnologias e de novos modelos organizacionais. Consequentemente, tem havido um aumento de fusões e aquisições, bem como o estabelecimento de acordos de parceria de investigação e desenvolvimento (I&D) entre empresas da indústria automóvel. Em muitos casos, esses acordos de assumir a forma de redes que envolvem construtores e fornecedores de componentes. A rede 116 Coletânea Luso-Brasileira iv Gestão da Informação, Inovação e Logística

3 Faurécia é um exemplo deste tipo de redes colaborativas associadas ao setor automóvel, onde a virtualização da cadeia de fornecedores é feita através de um portal. Esta rede constitui-se como o sexto maior grupo de fornecedores do mundo, trabalhando com as marcas chave de construtores de automóveis. Nas áreas de desenvolvimento do grupo Faurécia, as expetativas do consumidor e as alterações legais constituem as duas principais motivações da mudança. O grupo Faurecia está envolvido no design dos automóveis do futuro através da inovação em três áreas principais: tecnologias para tornar os automóveis menos poluentes, redução dos pesos dos automóveis para melhorar o consumo de combustível e soluções para customizar o conforto e o estilo dos veículos. (www.faurecia.com). Outros projetos, completamente virtuais, como a plataforma ANTE (Cardoso, et. al, 2013), são pioneiros em modelos de redes colaborativas virtuais em várias de negócio. Na plataforma ANTE simulam-se agentes como empresas que negoceiam contratos. A Plataforma (ANTE) monitoriza a execução das obrigações devendo fazer variar o grau de confiança nos parceiros de negócio. Embora o objetivo da ANTE seja no domínio dos contratos B2B (empresa a empresa), esta plataforma foi concebida de uma forma mais geral tendo em vista uma vasta gama de aplicações (. As redes colaborativas que aqui definimos trabalham como uma única organização, tendo objetivos comuns (o que mais tarde designaremos como colaboração propriamente dita). Muitas redes colaborativas são materializadas sob a forma de mercados eletrónicos, que têm como propósito a interação através de meios eletrônicos, geralmente na internet, através de mecanismos de comércio eletrónico desenhados para comprar e vender produtos e/ou serviços. No capítulo seguinte apresentam-se alguns aspetos essenciais dos portais/mercados eletrónicos, bem como uma classificação de acordo com o tipo de redes colaborativas envolvidas. 2 Portais/mercados eletrónicos Tipos de mercados eletrónicos Os mercados eletrónicos são um tipo particular de negócio efetuado por canais eletrónicos, através de comércio eletrónico. Os portais (sites web com uma estrutura genérica permitindo a subdivisão em subsites), são a forma de suportar a estrutura dos mercados eletrónicos. Mercados eletrónicos são termos frequentemente usados E-B2G negócio a governo eletrónico: Enquadramento e evolução dos portais corporativos 117

4 para identificar as empresas que interagem através de meios eletrônicos, geralmente na Internet. São exemplos de mercados eletrónicos a livraria online Amazon (www. amazon.com), a rede Wal Mart (um shopping online com uma vasta seleção de artigos eletrónicos, mobílias, videojogos, artigos de bébés, e, mais recentemente a rede chinesa Jingdong (www.jc.com), com um elevado crescimento que a torna neste momento num dos portais de comércio eletrónico mais acedido no mundo interiro. Segundo Wand e Archer (2004), os mercados eletrónicos passaram por várias gerações. A primeira geração de mercados eletrónicos teve como objetivo criar mercados mais competitivos, eliminando algumas interações entre compradores e fornecedores. Deu-se, entretanto, o salto para a segunda geração numa busca da melhoria da fiabilidade dos modelos de negócio. Esta segunda geração permitiu a colocação preencher algumas lacunas, tal como a colocação e acompanhamento on line de encomendas, a contratação eletrónica de serviços de logística, etc. Contudo, algumas empresas continuaram sem querer investir o suficiente nestes serviços e, por isso, alguns mercados eletrónicos B2B entraram na terceira geração, através do aumento das possibilidades colaborativas de modo a garantir as relações corporativas de longo prazo com os parceiros de negócio. Os Sistemas de informação inter-organizacionais eletrónicos melhoraram a forma como os compradores e vendedores fazem a troca de informações sobre preços e ofertas de produtos (Oppel et al., 2001). Hoje em dia, os mercados eletrónicos estão a tornar-se cada vez mais populares como forma de impulsionar os negócios. Emergindo nos diferentes setores da atividade económica, os mercados eletrónicos suportam a troca de bens e serviços de diferentes tipos, com e para diferentes tipos de atores, seguindo diferentes princípios de arquitetura organizacional (Grieger, 2003). A maioria dos investigadores e observadores admitiam que os mercados eletrónicos dominariam a paisagem dos negócios. No entanto, temo-nos apercebido que o panorama não é tão próspero assim. A dimensão da cadeia de fornecedores de um mercado eletrónico é, muitas vezes negligenciada e mal gerida e as operações logísticas básicas prejudicam o volume de negócios e as receitas. O presente estudo não se debruça sobre os problemas relacionados com os mercados eletrónicos, nomeadamente em termos de problemas de logística, centrando-se num tipo especial de portais eletrónicos vocacionados para a prestação de serviços junto dos governos: os portais verticais. A tabela a seguir mostra a classificação dos mercados eletrónicos, de acordo com os tipos de relações existentes em termos 118 Coletânea Luso-Brasileira iv Gestão da Informação, Inovação e Logística

5 de redes colaborativas e o tipo de oferta de produtos (inspirada pelas obras de Oppel (2001) e Wang e Archer (2004)) Tabela 1 Classificação dos mercados eletrónicos, de acordo com os tipos de relações existentes em termos de redes colaborativas (adaptado de Campos, 2007) Tipo de relação / oferta de produtos Tipo de interação Horizontal (equipa de trabalho) Vertical (atividade de cadeia de fornecedor) Cooperação Catálogos de fornecedores Market Making Colaboração Sistemas agrupados de compras Portais corporativos A distinção entre colaboração e cooperação é feita da seguinte forma, (Wang and Archer, 2004): em atividades de colaboração, a informação e os riscos são partilhados, As empresas fazem esforços para atingirem objetivos que nunca conseguiriam atingir sozinhas. Em contrapartida, na cooperação, cada empresa detém a sua independência e não existe propriamente um objetivo comum na relação B2B. Tendo por base esta classificação, e tendo em conta as relações (verticais ou horizontais) existentes, surgem quatro tipos de mercados eletrónicos: o Market making é constituído por empresas que colocam ofertas e fazem cmpras ao mesmo tempo nos mercados eletrónicos. O índice Nasdaq é um exemplo de uma operação que usa Market makers. os Sistemas agrupados de compras são típicos no setor público, tais como o fornecimento de medicamentos nos hospitais de missão das organizações não governamentais NG (WHO, 2008). os catálogos de fornecedores são conhecidos no mundo das vendas. O portal MolPort (www.molport.com) é um exemplo de fornecedores que se juntaram para formarem um catálogo comum na área dos produtos químicos. a Autoeuropa, situada em Portugal é um exemplo de portal corporativo do grupo Volkswagen par ao fabrido de veículso automóveis. O seu marketplace eletrónico (www.vwgroupsupply.com), ) foi desenvolvido e implementado de forma estratégica para promover uma interação mais próxima com VW E-B2G negócio a governo eletrónico: Enquadramento e evolução dos portais corporativos 119

6 Autoeuropa e os seus fornecedores para a compra de materiais e serviços. O objetivo deste mercado eletrónico é reduzir as tarefas administrativas, acelerar processos e melhorar a precisão do planeamento e a colaboração com os fornecedores. Os portais corporativos Nos portais corporativos os participantes (indivíduos ou empresas) estão no mesmo ramo de atividades de um setor da Indústria de produção ou de serviços. Mesmo que os seus participantes sejam concorrentes na atividade (por exemplo, portais verticais da indústria automobilística agregam várias empresas concessionárias de automóveis), as oportunidades de lucro são seguramente mais importantes e determinantes. Nos portais corporativos, as relações entre as empresas são do tipo vertical. Os governos dos vários países têm utilizado este conceito para a facilitação do acesso a produtos e serviços oficiais através de um único portal. O capítulo seguinte será focado nos mercados eletrónicos verticais com objetivos de ligação entre o governo e as empresas. 3 Governo eletrónico e eb2g O governo eletrónico, e-government, ou simplesmemnte egov consiste na utilização de tecnologia para melhorar a eficácia da prestação de serviços públicos. O governo eletrónico permite a transparência, algo muito importante para os cidadãos, uma vez que permite que estes estejam informados acerca do que o estado está a fazer, assim como de quais as políticas a implementar. Aliás, as tarefas mais simples podem ser implementadas através do governo eletrónico. O governo eletrónico tem sido proposto como uma forma de melhorar a relação de confiança entre o governo, o cidadão e as empresas. Os governos têm desenvolvido competências na transmissão de dados G2B (governo a negócio), G2C (governo a consumidor) e para facilitar e reduzir os custos dos sistemas de pagamento e restituições de impostos C2G (consumidor a governo), (Paoliello e Furtado, 2004). 120 Coletânea Luso-Brasileira iv Gestão da Informação, Inovação e Logística

7 Negócio a Governo (B2G) Nas modalidades G2B (ou B2G), o governo utiliza portais corporativos no seu processo de relacionamento com os demais agentes económicos. Uma vez que muitos dos portais desenvolvidos nestas circunstâncias estão vocacionados para empresas do mesmo ramo de atividades, os portais em causa podem designar-se por vortais B2G. A modalidade B2G também pode incluir serviços de aprovisionamento eletrónico (e-procurement services), nos quais as empresas conhecem as necessidades de compra dos organismos do estado e procuram responder com propostas de negócio. O local virtual do mercado B2G pode ser mantido por uma empresa que coordena o o trabalho em colaboração com um organism do estado. Segundo Blinn et al (2011) as administrações públicas transformam-se em fornecedores de serviços orientados para os clientes. Por essa razão, a disponibilidade de serviços G2B (e-services) está a aumentar. Na Europa, existem várias atividades B2G eletrónicas (e-b2g) a decorrer. Um dos pontos de partida populares das empresas na economia em rede é a fatura eletrónica. Estimativas para 2013 apontam par aum número de faturas entre governo e empresas na ordem dos 16 biliões de faturas por anos, das quais 3.2 biliões (ou seja, 20%) são eletrónicas. Alguns projetos nesta area incluem: PEPPOL Pan-European Public Procurement Online. CEN The European Committee for Standardisation que desenvolve standards para faturas eletrónicas que serão usadas por empresas europeus. Nos Estados Unidos existem vários exemplos de portais eletrónicos B2G, tais como: GSA Advantage, um exemplo de uma agência federal que contrata empresas numa perspetiva B2G é a Administração de Serviços Gerais EUA, ou GSA. O site GSA Advantage oferece um portal corporativo de compra que as agências federais podem usar para adquirir bens e serviços. GSA Advantage é semelhante aos sites B2C mais de retalho e de comércio eletrônico. No entanto, é especialmente concebido para uso por pessoal do governo. O portal organiza de produtos e serviços em mais de 20 categorias, que vão desde material de construção para soluções de tecnologia para automóveis E-B2G negócio a governo eletrónico: Enquadramento e evolução dos portais corporativos 121

8 e barcos. Pequenas empresas podem aprender sobre o que as agências do governo exigem, quais as suas expectativas de preço e sobre como se tornar um fornecedor. FHA conexion Federal Housing Administration, ou FHA, é uma divisão do Departamento de Habitação e Desenvolvimento Urbano dos EUA, desenvolveu o sistema de B2G FHA conexion. Os corretores podem ligar-se aos dados da FHA sobre empréstimos para habitação que são subscritos pela agência. O sistema fornece os credores hipotecários um processo mais eficiente para a obtenção de informações sobre empréstimos FHA, eliminando entradas duplicadas, padroniza nomes de marcas e facilita as tarefas de organização e recuperação de dados. The Federal Contractor Network É a maior comunidade profissional para as contratações do governo norte americano, juntando mais de 50 mil membros Mais exemplos de portais corporativos eletrónicos, e-b2g Maine s Rapid Renewal portal O Maine s Rapid Renewal portal é um portal de renovação rápida do estado no Maine, que permite que os eleitores em mais de 130 municípios possam renovar as suas licenças de condução e pagamento de impostos especiais de consumo locais através de um único site. Vortal.gov O portal Vortal.gov é um portal corportativo portuguesa de contratação pública. Trata-se de um portal B2G para compradores e fornecedores que pretendam fazer negócios com o estado. Para além de poderem trabalhar com os seus fornecedores habituais, os utilizadores poderão utilizar a comunidade Vortal.gov de fornecedores para convidar outros não habituais que poderão realizar ofertas mais competitivas. Estes novos fornecedores são categorizados previamente por outras entidades públicas que já tenham trabalhado com o estado. 122 Coletânea Luso-Brasileira iv Gestão da Informação, Inovação e Logística

9 Os concursos públicos em causa são de vários tipos. Por exemplo, no dia 1 de Outubro de 2013, uma das propostas disponíveis no Vortal era relativo ao Instituto Nacional de Saúde Dr.Ricardo Jorge (INSA) para aquisição de serviços de calibrações e ensaio de equipamentos de laboratório. Outa proposta era para a EPAL Empresa Portuguesa das Águas Livres, para aquisição de serviços de controlo de locais de consumo, aberturas e fechos de água da EPAL. No Vortal.gov anuncia-se que os utilizadores poupam entre 5% e 20% com a utilização da plataforma. Ao ser 100% eletrónico elimina-se o efeito do papel durante todo o processo. Os processos dos concursos são realizados de forma eletrónica, tratando-se de uma solução utilizada por mais de entidades públicas e que cumpre os requisitos legais e técnicos. Esta plataforma não necessita de instalação de software nem manutenção, não apresentando também custos de manutenção de aplicações, servidores informáticos ou de licenças. COMPRASNET COMPRASNET é um portal de Compras do Governo Federal do Brasil instituído pelo Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão com vista a disponibilizar à sociedade informações referentes às licitações e contratações promovidas pelo Governo Federal, bem como permitir a realização de processos eletrônicos de aquisição. Neste portal podem ser vistos os avisos de licitação, as contratações realizadas, a execução de processos de aquisição pela modalidade de pregão e outras informações relativas a negociações realizadas pela administração pública federal direta, autárquica e fundacional. O COMPRASNET disponibiliza, também, a legislação vigente que regula o processo de serviços gerais e de contratação, além de diversas publicações relativas ao assunto. No Portal, os fornecedores poderão ter acesso a diversos serviços, como o pedido de inscrição no cadastro de fornecedores do Governo Federal, a obtenção de editais, a participação em processos eletrônicos de aquisição de bens e contratação de serviços e vários outros. E-B2G negócio a governo eletrónico: Enquadramento e evolução dos portais corporativos 123

10 Exemplos de portais corporativos na área logística DLA Defense Logistics Agency DLA é a agência de logística do departamento de defesa Norte Americano (www.dla.mil). Esta agência fornece as forças militares (exército, armada, força aérea, marines), assim como outras agências federais e as forces aliadas em todo o âmbito cadeia logística, aprovisionamento e serviços técnicos. A DLA recebe e fornece quase 100 por cento dos itens de consumo que as forças militares dos Estados Unidos precisam para operar em termos de alimentos, combustível e energia, uniformes, material médico e de construção. Fornece também mais de 84 por cento das peças dos militares. Além disso, a Agência gere a reutilização de equipamentos militares, fornece catálogos e outros produtos de informação de logística e oferece automação de documentos e produção de serviços. A Defense Logistics Agency suporta mais de sistemas de armas e administra nove cadeias de abastecimento e mais de 5 milhões de itens. Opera em 48 estados e 28 países, e processa, em média, mais de 100 mi requisições e mais de 9 mil ações de contratos por dia. Um Exemplo de inovação recente em termos de relação eletrónica negócio a empresas (e-b2g) é o cartão SEA Order Management System. Trata-se de uma solução baseada em Internet, fácil de usar e segura para os desafios de aquisição de combustíveis marinhos. O Cartão SEA Order Management System, conhecido como DoD SCOMS, é uma ordem eletrônica, que envolve a receção e faturação e que permite que os serviços militares, da Guarda Costeira dos EUA e outras embarcações de agências federais autorizadas possam a comprar combustível a partir de comerciantes de reabastecimento de navios comerciais em mais de locais em todo o mundo (v. Fig.1 ). 124 Coletânea Luso-Brasileira iv Gestão da Informação, Inovação e Logística

11 Figura 1 Cartão SEA, um desafio recente do tipo e-b2g na logística norte americana O portal Fedbizopps.gov O portal Fedbizopps.gov (Federal Business Oportunities) conhecido como FedBizOpps, ou FBO, é o web site do governo federal norte Americano que permite as oportunidades de aprovisionamento a partir de US$25,000. Este portal pode ser visto como uma central de compras, permitindo colocar as solicitações sob a forma de propostas a terceiros, ou seja, trata-se de uma central RFP (requests for proposals). E-B2G negócio a governo eletrónico: Enquadramento e evolução dos portais corporativos 125

12 Figura 2 Exemplo de propostas disponíveis no portal Fedbizopps.gov no dia 4 Outubro de 2013 Tendo em conta a quantidade de portais corporativos recentemente surgidos em todo o mundo no âmbito do e-b2g, torna-se de necessário fazer um estudo comparativo. Vários estudos têm sido propostos, desde rankings, a índices internacionais. Na secção seguinte faz-se uma abordagem a estas comparações, em jeito de benchmarking final. 4 Comparações Internacionais As comparações entre portais corporativos e plataformas e-government são frequentes. Rorissa et al (2011), referem que as ferramentas de benchmarking e de ranking, tais como o índice e-government das Nações Unidades (UNDPEPA, 2002), são utilizados pelos decisores para planear as políticas de comunicação e de informação, assim como para alocar os recursos para implementar essas políticas. Blinn et al (2011) analisam a oferta de serviços e-b2g em 27 capitais da Europa e em cidades europeias com mais de habitantes. São analisadas as correla- 126 Coletânea Luso-Brasileira iv Gestão da Informação, Inovação e Logística

13 ções entre indicadores macroeconómicos calculados ao nível regional (ex. GDP growth rate, GDP per Capita, unemployment rate) e a influência na qualidade dos serviços e-b2g. O Departamento de Governo Eletrônico brasileiro (DGE) definiu Indicadores e Métricas para Avaliação de e-serviços no Brasil (MP, 2007). Trata-se de um conjunto de indicadores focados na avaliação de uma maior ou menor conveniência para o cidadão dos serviços prestados por meios eletrónicos, considerando o seu nível de maturidade, facilidade de uso, comunicabilidade, multiplicidade de acesso, disponibilidade, acessibilidade, transparência e confiabilidade. Foram consolidados oito indicadores de conveniência para o cidadão e 19 critérios de avaliação. Os indicadores consolidados são maturidade do serviço prestado (com os níveis: informação, interação, transação), comunicabilidade, confiabilidade, multiplicidade de acesso, acessibilidade, disponibilidade, facilidade de uso e transparência. Numa outra publicação, Blinn et al. (2008), definiram os seguintes critérios de avaliação dos portais corporativos e-b2g, ordenados de acordo com o seu nível de complexidade. Os níveis de maturidade do MP (2007) foram usados (informação, interação, transação): Nível 0: sem Serviços eletrónicos (para certos serviços disponíveis) Nível 1: Informação (para alguns serviços disponíveis on line) Nível 2: Interação (importação de ficheiros disponíveis) Nível 3: Interação em duas vias (edição de formulários e autenticação disponíveis) Nível 4: online-tracking (apresentação da perspetiva de tempo atual e visão do estado do procedimento ou passos que falta completar até um serviço se encontrar disponível). Nível 5: Transação (processamento on line complete inclkuindo possibilidade de pagamento) Recentemente, a Universidade de Waseda publicou um ranking internacional Waseda University International e-government Ranking 2013 (Waseda University, 2013). Este índeice é mais complexo e inclui mais indicadores, tais como a infraestrutura e a inclusão digital (ver tabela 2). De acordo com este índice, na versão de 25 de março de 2013, Singapura e Finlândia são os países no topo do ranking mundial do governo eletrónico, seguidos dos Estados Unidos, Coreia e reino Unido. E-B2G negócio a governo eletrónico: Enquadramento e evolução dos portais corporativos 127

14 Tabela 2 Indicadores utilizados no Waseda University International e-government Ranking 2013 Fonte: Waseda University, Conclusões Os governos têm utilizado portais corporativos no seu processo de relacionamento com os demais agentes económicos. O crescimento da Internet e das possibilidades tecnológicas de interação de entre governo e empresas tem permitido aumentar os níveis de interatividade entre as empresas e o governo. Neste momento, na 128 Coletânea Luso-Brasileira iv Gestão da Informação, Inovação e Logística

15 Europa perspetiva-se um crescimento na utilização de fatura eletrónica. Nos Estados Unidos, um dos líderes mundiais em e-government, as forças militares já utilizam portais corporativos para abastecimento de combustível e energia em todo o mundo. Neste trabalho, elencaram-se métricas que permitem comparações internacionais que mostram a evolução dos portais corporativos em todo o mundo e que provam que os níveis de desenvolvimento se encontram associados à existência e desenvolvimento do governo eletrónico e do e-b2g. Referências Abebe Rorissa, Dawit Demissie, Theresa Pardo, (2011), Benchmarking e-government: A comparison of frameworks for computing e-government index and ranking, Government Information Quarterly, Volume 28, Issue 3, Pages Blinn, Nadine; Gehrke, Nick; Hogrebe, Frank; and Nuettgens, Markus, ASSESSING THE QUALITY OF G2B INTERNET PORTALS A BENCHMARKING APPROACH (2011). ECIS 2011 Proceedings. Paper 86. Blinn, Nadine; Gehrke, Nick; Hogrebe, Frank; and Nuettgens, Markus, (2008), Benchmarking study on municipal portals: A Survey of G2B-Services in European capitals and large cities, Universitat Hamburg, Arbeitsberichte zur Wirtschaftsinformatik, Nr. 4 / Dezember 2008 Campos, P., (2007), Organizational Survival and the Emergence of Collaboration Networks:a Multi- Agent Approach, Tese de Doutoramento, Faculdade de Economia do Porto Cardoso, H. L., Urbano, J., Rocha, A. P., Castro, A. J. M, Oliveira, E., (2013), ANTE: Agreement Negotiation in Normative and Trust-Enabled Environments, Agreement Technologies, Law, Governance and Technology, Series Volume 8, 2013, pp Danny C.K. Ho, K.F. Au, Edward Newton, (2003) The process and consequences of supply chain virtualization, Industrial Management & Data Systems, Vol. 103 Iss: 6, pp MP, (2007), Ministério do Planejamento do Brasil, Orçamento e Gestão. Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação. Departamento de Governo Eletrônico. Indicadores e métricas para avaliação de e-serviços / Departamento de Governo Eletrônico. Brasília: MP, p. Wang, S. and N. Archer (2004), Supporting Collaboration in Business-to-Business Electronic Marketplaces, Information Systems and e-business Management, 2(2) pp Waseda Unniversity (2013), Waseda University International e-government Ranking 2013, Press Release, March, 25th 2013 World Health Organization, (2008), Measuring medicine prices,availability,affordability and price components, 2ND EDITION, WHO E-B2G negócio a governo eletrónico: Enquadramento e evolução dos portais corporativos 129

Este capítulo tem por objetivo apresentar os principais modelos de aplicações de comércio eletrônico e exemplos de aplicação dos mesmos.

Este capítulo tem por objetivo apresentar os principais modelos de aplicações de comércio eletrônico e exemplos de aplicação dos mesmos. 1 2 Este capítulo tem por objetivo apresentar os principais modelos de aplicações de comércio eletrônico e exemplos de aplicação dos mesmos. O comércio eletrônico é um gigante que movimentou no comércio

Leia mais

Compras Públicas para um Estado Inteligente

Compras Públicas para um Estado Inteligente Compras Públicas para um Estado Inteligente Princípios de um Estado Inteligente Agimos de modo a assegurar um legado para as gerações futuras, através da racionalidade da gestão e proteção dos recursos

Leia mais

Comércio Eletrônico. Comércio Eletrônico. Grau de digitalização. Caracteriza-se Comércio eletrônico pelo grau de digitalização:

Comércio Eletrônico. Comércio Eletrônico. Grau de digitalização. Caracteriza-se Comércio eletrônico pelo grau de digitalização: Comércio Eletrônico FTS Faculdade Taboão da Serra Curso de Administração de Sistemas de Informações Disciplina: Comércio Eletrônico Comércio Eletrônico Caracteriza-se Comércio eletrônico pelo grau de digitalização:

Leia mais

Sistemas web e comércio eletrônico. Aula 02 Arquiteturas de comércio eletrônico

Sistemas web e comércio eletrônico. Aula 02 Arquiteturas de comércio eletrônico Sistemas web e comércio eletrônico Aula 02 Arquiteturas de comércio eletrônico Tópicos abordados Arquitetura do e-commerce Aspectos importantes do e-commerce Modelos de negócios Identificação do modelo

Leia mais

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico.

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. TENDÊNCIAS NO COMÉRCIO ELETRÔNICO Atualmente, muitos negócios são realizados de forma eletrônica não sendo necessário sair de casa para fazer compras

Leia mais

Governo Eletrônico no Brasil

Governo Eletrônico no Brasil Governo Eletrônico no Brasil João Batista Ferri de Oliveira Natal, 18 de Setembro de 2009 II Simpósio de Ciência e Tecnologia de Natal Estrutura da apresentação Estrutura organizacional Diretrizes Principais

Leia mais

A vantagem competitiva através do desenvolvimento do e-business

A vantagem competitiva através do desenvolvimento do e-business A vantagem competitiva através do desenvolvimento do e-business Artigo original redigido por: Dien D. Phan Extraído do Information & Management, Vol.40, 2003 (pág.581-590) Introdução * E-business O seu

Leia mais

E-Business. Parte 2. Prof. Marcílio Oliveira marcilio.oliveira@gmail.com

E-Business. Parte 2. Prof. Marcílio Oliveira marcilio.oliveira@gmail.com Parte 2 Prof. Marcílio Oliveira marcilio.oliveira@gmail.com As dimensões do E-Commerce (Comércio Eletrônico). SCM - Supply Chain Management (Gerenciamento de Cadeia de Fornecimento) ERP - Enterprise Resourse

Leia mais

Governo Eletrônico. Universidade Federal de Santa Catarina Mestrado de Engenharia de Produção e Sistemas. Leandro Carioni

Governo Eletrônico. Universidade Federal de Santa Catarina Mestrado de Engenharia de Produção e Sistemas. Leandro Carioni Universidade Federal de Santa Catarina Mestrado de Engenharia de Produção e Sistemas Governo Eletrônico Capítulos 1, 2 e 3 do Livro Verde Leandro Carioni Cenário Futuro E-business E-Group E-Commerce E-Government

Leia mais

Governo Orientado por Serviços

Governo Orientado por Serviços Governo Orientado por Serviços Qual a Sociedade da Informação que Queremos? Uso das tecnologias da informação e da comunicação na administração pública - combinado com mudanças organizacionais e novas

Leia mais

E-BUSINESS AGENDA. Profª. Kelly Hannel

E-BUSINESS AGENDA. Profª. Kelly Hannel E-BUSINESS Profª. Kelly Hannel AGENDA Evolução da internet nos negócios Conceitos de E-BUSINESS e COMÉRCIO ELETRÔNICO Identificando tendências do E-BUSINESS Quadro das interações possíveis no meio eletrônico

Leia mais

APRESENTAÇÃO CORPORATIVA

APRESENTAÇÃO CORPORATIVA APRESENTAÇÃO CORPORATIVA 2015 Quem é a 2VG? A Empresa A 2VG Soluções Informáticas SA., é uma empresa tecnológica portuguesa, fundada em 2009, que surgiu para colmatar uma necessidade detetada no mercado

Leia mais

NORMALIZAÇÃO Comércio Electrónico e a sua Importância na Cadeia de Distribuição 14 de Dezembro 2010 Nuno Miranda

NORMALIZAÇÃO Comércio Electrónico e a sua Importância na Cadeia de Distribuição 14 de Dezembro 2010 Nuno Miranda NORMALIZAÇÃO Comércio Electrónico e a sua Importância na Cadeia de Distribuição 14 de Dezembro 2010 Nuno Miranda The global language of business O que é ecommerce? Da perspectiva de processo de negócio,

Leia mais

O e-gov em Portugal. Fórum Vale do Minho Digital Melgaço 30 de Setembro de 2008

O e-gov em Portugal. Fórum Vale do Minho Digital Melgaço 30 de Setembro de 2008 O e-gov em Portugal Fórum Vale do Minho Digital Melgaço 30 de Setembro de 2008 O Plano Tecnológico é uma estratégia de mudança da base competitiva através do conhecimento, tecnologia e inovação 2 Conhecimento

Leia mais

LINHA DE APRENDIZADO. Departamento de Compras. Modelo de Negócio. Central de Compras. Associação Beneficente de Assistência Social e Hospitalar

LINHA DE APRENDIZADO. Departamento de Compras. Modelo de Negócio. Central de Compras. Associação Beneficente de Assistência Social e Hospitalar AGOSTO/2015 LINHA DE APRENDIZADO Departamento de Compras Associação Beneficente de Assistência Social e Hospitalar Central de Compras Modelo de Negócio Fundada há 120 anos. Atendimento de média e alta

Leia mais

1. Agência Nacional de Compras Públicas - Enquadramento. 2. Estratégia para as Compras Públicas. 3. Modelo de Compras Públicas Electrónicas

1. Agência Nacional de Compras Públicas - Enquadramento. 2. Estratégia para as Compras Públicas. 3. Modelo de Compras Públicas Electrónicas Agenda 1. Agência Nacional de Compras Públicas - Enquadramento 2. Estratégia para as Compras Públicas 3. Modelo de Compras Públicas Electrónicas 4. Desafios para 2009 2 Propósito Estratégico: Agência Nacional

Leia mais

A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo.

A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo. A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo. Cristian Carlos Vicari (UNIOESTE) viccari@certto.com.br Rua Engenharia, 450 Jd. Universitário C.E.P. 85.819-190 Cascavel Paraná

Leia mais

II. Visão Geral do e-business

II. Visão Geral do e-business II. Visão Geral do e-business 1. e-commerce X e-business 2. Vantagens do e-business 3.Problemas na Internet 4. Tipos de e-business 5. Categorias de e-business 6. Ferramentas de Comércio Eletrônico 7. Dimensões

Leia mais

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010 Metodologia Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Através de e-survey - via web Público Alvo: Executivos de empresas associadas e não associadas à AMCHAM Amostra: 500 entrevistas realizadas Campo: 16

Leia mais

A mudança na aquisição de soluções de tecnologia da informação. O que significa para a TI e a linha de negócios (LOB)

A mudança na aquisição de soluções de tecnologia da informação. O que significa para a TI e a linha de negócios (LOB) A mudança na aquisição de soluções de tecnologia da informação Maio de 2014 O novo comprador de tecnologia e a mentalidade de aquisição Existe hoje um novo comprador de tecnologia da informação Esse comprador

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 4.1

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 4.1 Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 4.1 4 OBJETIVOS OBJETIVOS A EMPRESA DIGITAL: COMÉRCIO E NEGÓCIOS ELETRÔNICOS Como a tecnologia de Internet mudou propostas de valor e modelos de negócios

Leia mais

Objetivos. Universo. Transformação. Administração 10/10/2012. Entender as definições de e-business e e- commerce;

Objetivos. Universo. Transformação. Administração 10/10/2012. Entender as definições de e-business e e- commerce; Objetivos Administração Profª Natacha Pouget Módulo: Gestão de Inovação e Ativos Intangíveis Tema da Aula: E-Business e Tecnologia da Informação I Entender as definições de e-business e e- commerce; Conhecer

Leia mais

Estado da Nação das TIC em Angola

Estado da Nação das TIC em Angola Estado da Nação das TIC em Angola CIO AGENDA ANGOLA 2013 AS TI TI COMO ALAVANCA DE CRESCIMENTO DO NEGÓCIO 21 de Maio, Hotel Sana Epic, Luanda Gabriel Coimbra General Manager, IDC Angola gcoimbra@idc.com

Leia mais

Inteligência de Parceiros e Colaboração nos Negócios: a evolução no setor de Telecomunicações

Inteligência de Parceiros e Colaboração nos Negócios: a evolução no setor de Telecomunicações Inteligência de Parceiros e Colaboração nos Negócios: a evolução no setor de Telecomunicações Daniela Ramos Teixeira Para vencer a guerra diária num cenário co-opetivo (competitivo e cooperativo), as empresas

Leia mais

Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce).

Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce). Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce). A natureza global da tecnologia, a oportunidade de atingir

Leia mais

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr Tecnologia da Informação Prof Odilon Zappe Jr Comércio Eletrônico Um breve histórico Comércio compra, venda, troca de produtos e serviços; Incrementado pelos Fenícios, Árabes, Assírios e Babilônios uso

Leia mais

Características de Serviços Partilhados

Características de Serviços Partilhados Características de Serviços Partilhados Os Serviços Partilhados caracterizam-se pela prestação de funções de suporte a várias organizações, por uma organização vocacionada para estes serviços. Ministério

Leia mais

2015 espap Entidade de Serviços Partilhados da Administração Pública, I.P. Direitos reservados. 1

2015 espap Entidade de Serviços Partilhados da Administração Pública, I.P. Direitos reservados. 1 2015 espap Entidade de Serviços Partilhados da Administração Pública, I.P. Direitos reservados. 1 2015 espap Entidade de Serviços Partilhados da Administração Pública, I.P. Direitos reservados. 2 Agenda

Leia mais

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 3 } 1. INTRODUÇÃO: PARQUE TECNOLÓGICO CAPITAL DIGITAL - PTCD Principal polo de desenvolvimento Científico, Tecnológico e de Inovação do Distrito Federal, o PTCD

Leia mais

COMPETIR + Sistema de Incentivos para a Competitividade Empresarial

COMPETIR + Sistema de Incentivos para a Competitividade Empresarial Câmara do Comércio e Indústria de Ponta Delgada COMPETIR + Sistema de Incentivos para a Competitividade Empresarial Subsistemas Fomento da Base Económica de Exportação Desenvolvimento Local Empreendedorismo

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DE UM COMÉRCIO ELETRÔNICO

CLASSIFICAÇÃO DE UM COMÉRCIO ELETRÔNICO CLASSIFICAÇÃO DE UM COMÉRCIO ELETRÔNICO Classificação dos Tipos de CE Consumidor Empresa Governo Consumidor Empresa Governo CLASSIFICAÇÃO DO CE Business-to-business (empresa-empresa - B2B): Modelo de CE

Leia mais

2ª Conferência. Internet, Negócio e Redes Sociais Financiar, Inovar e Empreender. 21 de novembro de 2013 Auditório do ISEGI

2ª Conferência. Internet, Negócio e Redes Sociais Financiar, Inovar e Empreender. 21 de novembro de 2013 Auditório do ISEGI 2ª Conferência Internet, Negócio e Redes Sociais Financiar, Inovar e Empreender 21 de novembro de 2013 Auditório do ISEGI Patrocinador Principal Patrocinadores Globais APDSI Internet, Negócio e Redes Sociais

Leia mais

FACULDADE DE COMUNICAÇÃO SOCIAL HABILITAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS ASSESSORIA DE RELAÇÕES PÚBLICAS. Professora Iara Silva INTRANET E EXTRANET

FACULDADE DE COMUNICAÇÃO SOCIAL HABILITAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS ASSESSORIA DE RELAÇÕES PÚBLICAS. Professora Iara Silva INTRANET E EXTRANET FACULDADE DE COMUNICAÇÃO SOCIAL HABILITAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS ASSESSORIA DE RELAÇÕES PÚBLICAS Professora Iara Silva INTRANET E EXTRANET CONCEITOS, OBJETIVOS, BENEFÍCIOS E TENDÊNCIAS Renato Schumacher

Leia mais

O que é comércio eletrônico?

O que é comércio eletrônico? COMÉRCIO ELETRÔNICO O que é comércio eletrônico? O comércio eletrônico ou e-commerce é a compra e venda de mercadorias ou serviços por meio da Internet, onde as chamadas Lojas Virtuais oferecem seus produtos

Leia mais

Webinar TMS. 13 de Março de 2014. Pedro Gordo Supply Chain Business Development. Nelson Marques. TMS Consultant

Webinar TMS. 13 de Março de 2014. Pedro Gordo Supply Chain Business Development. Nelson Marques. TMS Consultant Webinar TMS 13 de Março de 2014 Pedro Gordo Supply Chain Business Development Nelson Marques TMS Consultant 2 Generix Group em resumo Produtor de software para o universo do comércio > Distribuidores e

Leia mais

Sistemas. ções Gerenciais

Sistemas. ções Gerenciais Sistemas Como elaborar seu currículo? de Informaçõ 04/2006 ções Gerenciais Um currículo bem feito não garante sua contratação mas um currículo mal elaborado elimina-o do processo seletivo. Novas Tecnologias...

Leia mais

Apimec Florianópolis. Dezembro 2013

Apimec Florianópolis. Dezembro 2013 Apimec Florianópolis Dezembro 2013 Exoneração de Responsabilidades Esta apresentação não constitui uma oferta, convite ou pedido de qualquer forma, para a subscrição ou compra de ações ou qualquer outro

Leia mais

Pesquisa sobre Logística no E-commerce Brasileiro 2013

Pesquisa sobre Logística no E-commerce Brasileiro 2013 Pesquisa sobre Logística no E-commerce Brasileiro 2013 www.brazilpanels.com.br www.abcomm.com.br www.ecommerceschool.com.br Apoio: INTRODUÇÃO A Logística foi escolhida para ser o tema do primeiro estudo

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO

CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO Resende, J.M.; Nascimento Filho, W.G.; Costa S.R.R. INEAGRO/UFRuralRJ INTRODUÇÃO O patrimônio de uma empresa é formado por ativos tangíveis

Leia mais

Enterprise Content Management [ECM] Impulsionando o Poder da Informação

Enterprise Content Management [ECM] Impulsionando o Poder da Informação Enterprise Content Management [ECM] Impulsionando o Poder da Informação O SoftExpert ECM Suite provê as tecnologias utilizadas para criar, capturar, gerenciar, armazenar, preservar e distribuir todos os

Leia mais

Varejo virtual ERA DIGITAL. por Tânia M. Vidigal Limeira FGV-EAESP

Varejo virtual ERA DIGITAL. por Tânia M. Vidigal Limeira FGV-EAESP ERA DIGITAL Varejo virtual Ovolume de operações registrado recentemente no âmbito do comércio eletrônico atesta que a Internet ainda não chegou às suas últimas fronteiras. Vencidas as barreiras tecnológicas

Leia mais

A EMPRESA DIGITAL: COMÉRCIO E NEGÓCIOS ELETRÔNICOS

A EMPRESA DIGITAL: COMÉRCIO E NEGÓCIOS ELETRÔNICOS A EMPRESA DIGITAL: COMÉRCIO E NEGÓCIOS ELETRÔNICOS 1 OBJETIVOS 1. Como a tecnologia de Internet mudou propostas de valor e modelos de negócios? 2. O que é comércio eletrônico?? Como esse tipo de comércio

Leia mais

10. Defina Sistemas Distribuídos: Um conjunto de computadores independentes que se apresenta a seus usuários como um sistema único e coerente

10. Defina Sistemas Distribuídos: Um conjunto de computadores independentes que se apresenta a seus usuários como um sistema único e coerente 1. Quais os componentes de um sistema cliente-servidor? Clientes e servidores 2. Na visão do hardware, defina o que é cliente e o que é servidor: Clientes. Qualquer computador conectado ao sistema via

Leia mais

OUTSOURCING. Cadeira de Gestão de Informação

OUTSOURCING. Cadeira de Gestão de Informação Instituto Superior de Gestão Bancária Curso Organização e Sistemas de Informação OUTSOURCING a case study Trabalho realizado por: João Martinho nº 3064 João Gouveia nº 3070 Sara Soares nº 3060 Cadeira

Leia mais

ORGANIZAÇÕES VIRTUAIS

ORGANIZAÇÕES VIRTUAIS Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC Centro de Ciências Tecnológicas CCT Engenharia de Produção e Sistemas Sistemas de Informação (SIN) ORGANIZAÇÕES VIRTUAIS Profº Adalberto J. Tavares Vieira

Leia mais

Guia de Boas Práticas para a elaboração de uma Concorrência

Guia de Boas Práticas para a elaboração de uma Concorrência Guia de Boas Práticas para a elaboração de uma Concorrência Comitê de Agências Gestão 2008 ÍNDICE OBJETIVO DO DOCUMENTO... 3 DEFINIÇÕES... 4 PONTOS PARA A ELABORAÇÃO DE UMA CONCORRÊNCIA... 5 RFI: Quando

Leia mais

Daciane de Oliveira Silva www.daciane.wordpress.com

Daciane de Oliveira Silva www.daciane.wordpress.com Daciane de Oliveira Silva www.daciane.wordpress.com Marketing direto e mediação eletrônica Como a internet criou novos meios de intermediação entre as pessoas e as organizações? O que é marketing direto?

Leia mais

ZetesAthena Gestão in-store mais inteligente

ZetesAthena Gestão in-store mais inteligente ZetesAthena Gestão in-store mais inteligente WWW.ZETES.COM ALWAYS A GOOD ID Precisão de aprovisionamento para o retalhista omnicanal Evitar a perda de vendas As expetativas dos clientes estão a mudar e

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DE UM COMÉRCIO ELETRÔNICO

CLASSIFICAÇÃO DE UM COMÉRCIO ELETRÔNICO CLASSIFICAÇÃO DE UM COMÉRCIO ELETRÔNICO Classificação dos Tipos de CE Consumidor Empresa Governo Consumidor Empresa Governo CLASSIFICAÇÃO DO CE Business-to-business (empresa-empresa - B2B): Modelo de CE

Leia mais

Fator Estratégico para a Governança e a Efetividade da TI

Fator Estratégico para a Governança e a Efetividade da TI Fator Estratégico para a Governança e a Efetividade da TI Introdução Conceituação Transformando a TI: de Operacional para Estratégica Por que implementar Quem implementou Quem está implementando Como Implementar

Leia mais

Governança de TI no Governo. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Paulo Roberto Pinto

Governança de TI no Governo. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Paulo Roberto Pinto Governança de TI no Governo Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Paulo Roberto Pinto Agenda Agenda Contexto SISP IN SLTI 04/2008 EGTI Planejamento

Leia mais

Wagner K. Arendt Coordenador de TI FCDL/SC

Wagner K. Arendt Coordenador de TI FCDL/SC Wagner K. Arendt Coordenador de TI FCDL/SC sua empresa na Internet A criação de um site é uma regra geral para empresas que querem sobreviver em um mercado cada vez mais agressivo e um mundo globalizado,

Leia mais

A ARTSOFT é uma empresa especializada no desenvolvimento e comercialização de soluções tecnológicas de apoio à gestão empresarial.

A ARTSOFT é uma empresa especializada no desenvolvimento e comercialização de soluções tecnológicas de apoio à gestão empresarial. POWERING BUSINESS QUEM SOMOS A ARTSOFT é uma empresa especializada no desenvolvimento e comercialização de soluções tecnológicas de apoio à gestão empresarial. Desde 1987 que desenvolvemos um trabalho

Leia mais

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação Capítulo 2 E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação 2.1 2007 by Prentice Hall OBJETIVOS DE ESTUDO Identificar e descrever as principais características das empresas que são importantes

Leia mais

SISTEMAS PARA INTERNET

SISTEMAS PARA INTERNET Unidade II SISTEMAS PARA INTERNET E SOFTWARE LIVRE Prof. Emanuel Matos Sumário Unidade II Comércio Eletrônico Tecnologia de Comércio Eletrônico Categorias do Comércio Eletrônico M-commerce Comércio eletrônico

Leia mais

Engenharia de Software Sistemas Distribuídos. 2º Semestre, 2007/2008. Departamento Engenharia Informática. Enunciado do projecto: Loja Virtual

Engenharia de Software Sistemas Distribuídos. 2º Semestre, 2007/2008. Departamento Engenharia Informática. Enunciado do projecto: Loja Virtual Engenharia de Software Sistemas Distribuídos 2º Semestre, 2007/2008 Departamento Engenharia Informática Enunciado do projecto: Loja Virtual Fevereiro de 2008 Índice Índice...2 Índice de Figuras...3 1 Introdução...4

Leia mais

MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA Da AP Central à AP Local

MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA Da AP Central à AP Local Da AP Central à AP Local PAULO NEVES PRESIDENTE DO CONSELHO DIRETIVO 01 JULHO 2014 COMO OS CIDADÃOS VÊEM O SETOR PÚBLICO? 2 3 MAS SERÁ QUE PODEMOS FALAR NUMA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA? 4 DIVERSIDADE DA ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Soluções em Tecnologia da Informação

Soluções em Tecnologia da Informação Soluções em Tecnologia da Informação Curitiba Paraná Salvador Bahia A DTS Sistemas é uma empresa familiar de Tecnologia da Informação, fundada em 1995, especializada no desenvolvimento de soluções empresariais.

Leia mais

Transforme. Transforme a TI. a empresa. Três imperativos da TI para a transformação da empresa realizada pelo CIO em um mundo dinâmico.

Transforme. Transforme a TI. a empresa. Três imperativos da TI para a transformação da empresa realizada pelo CIO em um mundo dinâmico. TECH DOSSIER Transforme a TI Transforme a empresa Três imperativos da TI para a transformação da empresa realizada pelo CIO em um mundo dinâmico. Consolidar para conduzir a visibilidade da empresa e a

Leia mais

DOSSIER DE IMPRENSA 2015

DOSSIER DE IMPRENSA 2015 DOSSIER DE IMPRENSA 2015 A Empresa A Empresa A 2VG é uma empresa tecnológica portuguesa criada em 2009, que surgiu para colmatar uma necessidade detetada no mercado das tecnologias de informação e comunicação

Leia mais

YET - Your Electronic Transactions. Soluções globais de transações eletrónicas

YET - Your Electronic Transactions. Soluções globais de transações eletrónicas YET - Your Electronic Transactions Soluções globais de transações eletrónicas Conhecimento e experiência na desmaterialização de processos A YET Your Electronic Transactions é uma empresa especializada

Leia mais

Cartão BNDES Peças, Partes e Componentes. São Paulo, 23 de setembro de 2010

Cartão BNDES Peças, Partes e Componentes. São Paulo, 23 de setembro de 2010 Cartão BNDES Peças, Partes e Componentes São Paulo, 23 de setembro de 2010 Cartão BNDES Baseado no conceito de cartão de crédito, visa financiar de forma ágil e simplificada os investimentos das MPMEs.

Leia mais

Prognos SMART OPTIMIZATION

Prognos SMART OPTIMIZATION Prognos SMART OPTIMIZATION A resposta aos seus desafios Menos estimativas e mais controlo na distribuição A ISA desenvolveu um novo software que permite o acesso a dados remotos. Através de informação

Leia mais

Sociedade e Tecnologia

Sociedade e Tecnologia Unidade de Aprendizagem 15 Empresas em Rede Ao final desta aula você será capaz de inovações influenciam na competitividade das organizações, assim como compreender o papel da Inteligência Competitiva

Leia mais

MERCADO BRASILEIRO DE SOFTWARE PANORAMA E TENDÊNCIAS

MERCADO BRASILEIRO DE SOFTWARE PANORAMA E TENDÊNCIAS MERCADO BRASILEIRO DE SOFTWARE PANORAMA E TENDÊNCIAS 2009 Introdução Resumo Executivo Apesar das turbulências que marcaram o ano de 2008, com grandes variações nos indicadores econômicos internacionais,

Leia mais

Avaliação de Investimentos Logísticos e. Outsourcing Logístico

Avaliação de Investimentos Logísticos e. Outsourcing Logístico APLOG Centro do Conhecimento Logístico Avaliação de Investimentos Logísticos e Outsourcing Logístico Guilherme Loureiro Cadeia de Abastecimento- Integração dos processos de gestão Operador Logístico vs

Leia mais

Objectivos de aprendizagem

Objectivos de aprendizagem Capítulo 6 1 Telecomunicações e redes 2 Objectivos de aprendizagem ƒ Identificar as principais tendências e os grandes desenvolvimentos nas empresas, nas tecnologias e nas aplicações de negócio, das telecomunicações

Leia mais

Eficiência operacional no setor público. Dez recomendações para cortar custos

Eficiência operacional no setor público. Dez recomendações para cortar custos Eficiência operacional no setor público Dez recomendações para cortar custos 2 de 8 Introdução Com grandes cortes no orçamento e uma pressão reguladora cada vez maior, o setor público agora precisa aumentar

Leia mais

Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos Ação Estratégica MVNO

Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos Ação Estratégica MVNO Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos Ação Estratégica MVNO Audiência Pública Seleção de Prestadora SMP Parceira * Operacionalização do MVNO/Correios Infraestrutura Logística A maior Rede de Logística

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS

GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS Ana Carolina Freitas Teixeira¹ RESUMO O gerenciamento de projetos continua crescendo e cada

Leia mais

Estratégia da VMware: O modelo corporativo definido por software e o desafio de simplificar a TI. Anderson Ferreira Bruno Amaral 22 Ago 2014

Estratégia da VMware: O modelo corporativo definido por software e o desafio de simplificar a TI. Anderson Ferreira Bruno Amaral 22 Ago 2014 Estratégia da VMware: O modelo corporativo definido por software e o desafio de simplificar a TI Anderson Ferreira Bruno Amaral 22 Ago 2014 Desafios de TI Arquitetura da VMware Estratégia da VMware Sucesso

Leia mais

Tecnologia Web Focada em Negócios

Tecnologia Web Focada em Negócios Tecnologia Web Focada em Negócios Palestra: Otimização e Transparência no processo de compras. Marcos Carrara Outplan Empresa Catarinense com 13 anos de mercado. Produtos: Futebolcard Moke OutBuyCenter

Leia mais

IV. Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI)

IV. Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI) IV. Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI) 1. Funcionamento do EDI 2. EDI tradicional X WEB EDI 3. EDI Tradicional 4. WEB EDI Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI) EDI: Electronic Data Interchange Troca

Leia mais

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Artigo para a Revista Global Fevereiro de 2007 DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT O conceito de Supply Chain Management (SCM), denominado Administração da Cadeia de Abastecimento

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Mudanças das organizações e os SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução n A mudança nos sistemas de informação das organizações é, ou deve ser, considerada

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br @ribeirord Pesquisa e Propagação do conhecimento: Através da Web, é possível

Leia mais

Competitividade e Inovação

Competitividade e Inovação Competitividade e Inovação Evento SIAP 8 de Outubro de 2010 Um mundo em profunda mudança Vivemos um momento de transformação global que não podemos ignorar. Nos últimos anos crise nos mercados financeiros,

Leia mais

ÍNDICE. Manual do COMPRASNET Versão 1 Jan/2002 2

ÍNDICE. Manual do COMPRASNET Versão 1 Jan/2002 2 ÍNDICE ÍNDICE...2 1. Introdução...3 2. Navegando pela área de livre acesso...4 3. Navegando pela área de ACESSO SEGURO...6 A. Instalando o Certificado de Segurança...6 B. Fazendo Cadastramento nos Serviços

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Esp. Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com Sistemas de informação Disciplina: Introdução a SI 19/04 Recursos e Tecnologias dos Sistemas de Informação Turma: 01º semestre

Leia mais

o SEU clube de aluguer de DVD s na internet. BluePlanetDVD.com Study Case 2003 - IDEF/ISEG www.blueplanetdvd.com 1

o SEU clube de aluguer de DVD s na internet. BluePlanetDVD.com Study Case 2003 - IDEF/ISEG www.blueplanetdvd.com 1 BluePlanetDVD.com Study Case www.blueplanetdvd.com 1 A Ideia Necessidades não satisfeitas para o cliente; Uma IDEIA; Dois anos a amadurecer a ideia, de forma a ser inovadora, tecnologicamente avançada,

Leia mais

Cidades mais Verdes de África localizadas a Sul e Norte do Continente

Cidades mais Verdes de África localizadas a Sul e Norte do Continente Informação à Imprensa Lisboa, 02 de Dezembro de 2011 Green City Índex África analisa desempenho ambiental das 15 maiores cidades africanas Cidades mais Verdes de África localizadas a Sul e Norte do Continente

Leia mais

E-BUSINESS: O USO CORPORATIVO DA INTERNET

E-BUSINESS: O USO CORPORATIVO DA INTERNET ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 - AO2 GERÊNCIA SETORIAL DE COMÉRCIO E SERVIÇOS Data: Junho/2000 N o 15 E-BUSINESS: O USO CORPORATIVO DA INTERNET INTRODUÇÃO As empresas que, de alguma forma, estão envolvidas

Leia mais

4. As novas tecnologias

4. As novas tecnologias 4. As novas tecnologias É evidente que estamos em uma nova fase do desenvolvimento humano, que deve ser chamada Era da Informação. Não porque nas eras anteriores a informação deixasse de desempenhar seu

Leia mais

Alinhamento Estratégico da TI com o Modelo de Negócios da Empresa: um estudo sobre as melhores práticas da biblioteca ITIL

Alinhamento Estratégico da TI com o Modelo de Negócios da Empresa: um estudo sobre as melhores práticas da biblioteca ITIL Alinhamento Estratégico da TI com o Modelo de Negócios da Empresa: um estudo sobre as melhores práticas da biblioteca ITIL Fernando Riquelme i Resumo. A necessidade por criar processos mais eficientes,

Leia mais

Portal dos Convênios

Portal dos Convênios Portal dos Convênios Um novo paradigma nas transferências voluntárias da União Carlos Henrique de Azevedo Moreira Brasília, junho de 2009 Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Apresentação

Leia mais

.: Instrumentos de financiamento de apoio à competitividade no âmbito do Portugal 2020. 14 de Janeiro de 2015

.: Instrumentos de financiamento de apoio à competitividade no âmbito do Portugal 2020. 14 de Janeiro de 2015 14 de Janeiro de 2015 O que é o Portugal 2020? O Portugal 2020 é um Acordo de Parceria assinado entre Portugal e a Comissão Europeia, que reúne a atuação dos 5 fundos estruturais e de investimento europeus

Leia mais

Press Release. Voith promove constantes mudanças 2014-12-10

Press Release. Voith promove constantes mudanças 2014-12-10 Press Release Voith promove constantes mudanças 2014-12-10 Reversão da tendência em pedidos recebidos se estabiliza: volume de pedidos aumenta em 7% no ano fiscal de 2013/14 Vendas consolidadas e lucro

Leia mais

O comércio eletrônico (CE) é, basicamente, a realização de transações empresariais vida rede de telecomunicações, especialmente a Internet.

O comércio eletrônico (CE) é, basicamente, a realização de transações empresariais vida rede de telecomunicações, especialmente a Internet. E-commerce Prof Marcus Regenold Disciplina Negócios pela Internet O comércio eletrônico (CE) é, basicamente, a realização de transações empresariais vida rede de telecomunicações, especialmente a Internet.

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS IS/TI

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS IS/TI COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS IS/TI DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência se necessário.

Leia mais

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS N.º 02/SAMA2020/2015

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS N.º 02/SAMA2020/2015 AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS N.º 02/SAMA2020/2015 REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO DA OPERAÇÃO SISTEMA DE APOIO À MODERNIZAÇÃO E CAPACITAÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA (SAMA2020) Página 1 de 16

Leia mais

Modelos de Negócio e Internet internet, intranet e extranet

Modelos de Negócio e Internet internet, intranet e extranet Modelos de Negócio e Internet internet, intranet e extranet Luis Manuel Borges Gouveia lmbg@ufp.pt Abril de 2001 Modelos de negócio e internet valor oferecido aos consumidores segmentação dos consumidores

Leia mais

O papel das TICs no desenvolvimento das Nações

O papel das TICs no desenvolvimento das Nações O papel das TICs no desenvolvimento das Nações Robinson L. Sezanowitch Eugênio R. Bignes PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA E GESTÃO DO CONHECIMENTO EGC NÚCLEO DE ESTUDOS EM INOVAÇÃO, GESTÃO E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

Programa de Parcerias Ilog

Programa de Parcerias Ilog Programa de Parcerias Ilog Dados do Documento: Responsável Ilog: Renato Dutra Revisor Ilog: Renato Dutra Versão: 2.0 Data da última alteração: 1. OBJETIVO DO DOCUMENTO Apresentar o funcionamento do programa

Leia mais

Globalweb otimiza oferta e entrega de serviços a clientes com CA AppLogic

Globalweb otimiza oferta e entrega de serviços a clientes com CA AppLogic CUSTOMER SUCCESS STORY Globalweb otimiza oferta e entrega de serviços a clientes com CA AppLogic PERFIL DO CLIENTE Indústria: Serviços de TI Companhia: Globalweb Outsourcing Empregados: 600 EMPRESA A Globalweb

Leia mais

Gerenciamento de Serviços de TI e Site Backup

Gerenciamento de Serviços de TI e Site Backup Gerenciamento de Serviços de TI e Site Backup ATIVAS encerra o ano como a empresa que mais cresceu no mercado brasileiro de serviços de TI ATIVAS é formalmente apresentada ao mercado CEMIG Telecom adquire

Leia mais

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais