O que é VPN? A VPN Connection

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O que é VPN? A VPN Connection"

Transcrição

1 O que é VPN? As redes virtuais privadas (VPNs) são conexões ponto a ponto em redes privadas ou públicas, como a Internet. Um cliente VPN usa protocolos especiais baseados em TCP/IP, denominados protocolos de encapsulamento, para realizar uma chamada virtual a uma porta virtual em um servidor VPN. Em uma implantação VPN típica, o cliente inicia uma conexão virtual ponto a ponto com um servidor de acesso remoto pela Internet. O servidor de acesso remoto atende a chamada, autentica o chamador e transfere os dados entre o cliente VPN e a rede privada da organização. Para emular um link ponto a ponto, os dados são encapsulados, ou empacotados, com um cabeçalho. O cabeçalho fornece informações de roteamento que possibilitam que os dados atravessem a rede pública ou compartilhada para acessar o ponto de extremidade. Para emular um link particular, os dados enviados são criptografados por questão de confidencialidade. Os pacotes que são interceptados na rede pública ou compartilhada são indecifráveis sem as chaves de criptografia. O link em que os dados privados são encapsulados e criptografados são conhecidos como uma conexão VPN. A VPN Connection

2 Existem dois tipos de conexão VPN: VPN de acesso remoto VPN site a site VPN de acesso remoto As conexões VPN de acesso remoto permitem que usuários que estejam trabalhando em casa ou em trânsito acessem um servidor em uma rede privada usando a infra-estrutura fornecida por uma rede pública, como a Internet. Do ponto de vista do usuário, a VPN é uma conexão ponto a ponto entre o computador (o cliente VPN) e um servidor da organização. A infra-estrutura exata da rede pública ou compartilhada é irrelevante porque ela aparece logicamente como se os dados fossem enviados por um link particular dedicado. VPN site a site As conexões VPN site a site (também conhecidas como conexões VPN roteador a roteador) permitem que as organizações

3 mantenham conexões roteadas entre escritórios independentes ou com outras organizações em uma rede pública enquanto ajudam a manter a segurança das comunicações. Uma conexão VPN roteada pela Internet funciona logicamente como um link dedicado de rede de longa distância (WAN). Quando as redes são conectadas pela Internet, como mostra a figura a seguir, um roteador encaminha os pacotes a outro roteador por meio de uma conexão VPN. Para os roteadores, a conexão VPN funciona como um link de camada de vínculo de dados. Uma conexão VPN site a site conecta duas partes de uma rede privada. O servidor VPN fornece uma conexão roteada com a rede à qual o servidor VPN está conectado. O roteador de chamada (o cliente VPN) realiza sua própria autenticação para o roteador de resposta (o servidor VPN) e, para autenticação mútua, o roteador de resposta realiza sua própria autenticação para o roteador de chamada. Geralmente, em uma conexão VPN site a site, os pacotes enviados de qualquer um dos roteadores pela conexão VPN não são originados nos roteadores. VPN conectando dois sites remotos pela Internet Propriedades das conexões VPN As conexões VPN que usam PPTP, L2TP/IPsec e SSTP têm as seguintes propriedades: Encapsulamento Autenticação

4 Criptografia de dados Encapsulamento Com a tecnologia VPN, os dados particulares são encapsulados com um cabeçalho que contém informações de roteamento que permitem que os dados atravessem a rede de tráfego. Para obter exemplos de encapsulamento, consulte Protocolos de encapsulamento de VPN. Autenticação A autenticação de conexões VPN ocorre de três formas diferentes: 1. Autenticação no nível do usuário usando PPPPara estabelecer a conexão VPN, o servidor VPN autentica o cliente VPN que está tentando a conexão usando um método de autenticação no nível do usuário do protocolo PPP e verifica se o cliente VPN possui a autorização apropriada. Se for usada a autenticação mútua, o cliente VPN também autenticará o servidor VPN que fornece proteção contra computadores que estejam mascarados como servidores VPN. 2. Autenticação no nível do computador usando protocolo IKEPara estabelecer uma associação de segurança IPsec, o cliente VPN e o servidor VPN usam o protocolo IKE para trocar certificados de computador ou uma chave précompartilhada. Em qualquer um dos casos, o cliente e o servidor VPN autenticam um ao outro no nível do computador. A autenticação de certificado de computador é altamente recomendada porque é um método de autenticação muito mais eficaz. A autenticação no nível do computador é realizada apenas para conexões L2TP/IPsec. 3. Autenticação da origem dos dados e integridade dos dadospara verificar se os dados enviados na conexão VPN

5 se originaram na outra extremidade da conexão e não foram modificados em trânsito, os dados contêm uma soma de verificação criptográfica baseada em uma chave de criptografia conhecida apenas pelo remetente e pelo destinatário. A autenticação da origem dos dados e integridade dos dados estão disponíveis apenas para conexões L2TP/IPsec. Criptografia de dados Para garantir a confidencialidade dos dados que atravessam a rede de tráfego pública ou compartilhada, os dados são criptografados pelo remetente e descriptografados pele destinatário. Os processos de criptografia e descriptografia dependem do fato de tanto o remetente quanto o destinatário usarem uma chave de criptografia comum. Os pacotes interceptados enviados durante a conexão VPN na rede de tráfego são ininteligíveis para qualquer parte que não tenha a chave de criptografia comum. O comprimento da chave de criptografia é um parâmetro de segurança importante. É possível usar técnicas de computação para determinar a chave de criptografia. No entanto, quanto maiores forem as chaves de criptografia, essas técnicas precisarão de mais eficiência de computação e tempo computacional. Sendo assim, é importante usar o maior tamanho de chave possível para garantir a confidencialidade. Fonte: TechNet

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS SERVIÇOS DE ACESSO REMOTO (TELNET E TERMINAL SERVICES) Professor Carlos Muniz

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS SERVIÇOS DE ACESSO REMOTO (TELNET E TERMINAL SERVICES) Professor Carlos Muniz ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS SERVIÇOS DE ACESSO REMOTO (TELNET E O que é roteamento e acesso remoto? Roteamento Um roteador é um dispositivo que gerencia o fluxo de dados entre segmentos da rede,

Leia mais

Como as redes privadas virtuais funcionam

Como as redes privadas virtuais funcionam Como as redes privadas virtuais funcionam Índice Introdução Pré-requisitos Requisitos Componentes Utilizados Convenções Informações de Apoio Que faz um VPN? Analogia: Cada LAN é uma ilha Tecnologias de

Leia mais

CONCEITOS AVANÇADOS EM IRCS

CONCEITOS AVANÇADOS EM IRCS CONCEITOS AVANÇADOS EM IRCS VIRTUAL PRIVATED NETWORK - VPN VPN: Rede Virtual Privativa que usa a estrutura aberta e distribuída da Internet para a troca de dados segura e confiável entre redes corporativas

Leia mais

Tecnologias Atuais de Redes

Tecnologias Atuais de Redes Tecnologias Atuais de Redes Aula 3 VPN Tecnologias Atuais de Redes - VPN 1 Conteúdo Conceitos e Terminologias Vantagens, Desvantagens e Aplicações Etapas da Conexão Segurança Tunelamento Protocolos de

Leia mais

Introdução. Disciplina: Suporte Remoto Prof. Etelvira Leite

Introdução. Disciplina: Suporte Remoto Prof. Etelvira Leite Introdução Disciplina: Suporte Remoto Prof. Etelvira Leite Os Benefícios do Trabalho Remoto O mundo assiste hoje à integração e à implementação de novos meios que permitem uma maior rapidez e eficácia

Leia mais

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco.

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco. VPN: Redes Privadas Virtuais O objetivo deste tutorial é apresentar os tipos básicos de Redes Privadas Virtuais (VPN's) esclarecendo os significados variados que tem sido atribuído a este termo. Eduardo

Leia mais

A importância de uma NAT e de uma VPN para a segurança da informação. NAT Network Address Translation

A importância de uma NAT e de uma VPN para a segurança da informação. NAT Network Address Translation A importância de uma NAT e de uma VPN para a segurança da informação NAT Network Address Translation A funcionalidade de NAT consiste no procedimento de translado de endereços de uma rede para a outra.

Leia mais

Segurança e Auditoria de Sistemas. Segurança de Redes VPN - Virtual Private Network

Segurança e Auditoria de Sistemas. Segurança de Redes VPN - Virtual Private Network Segurança e Auditoria de Sistemas Segurança de Redes VPN - Virtual Private Network Prof. Me Willians Bueno williansbueno@gmail.com UNIFEB/2013 INTRODUÇÃO; ROTEIRO APLICAÇÕES; VANTAGENS; CARACTERÍSTICAS;

Leia mais

Segurança da Informação

Segurança da Informação Segurança da Informação 1 Agenda Segurança em Comunicações Protocolos de Segurança VPN 2 1 Comunicações Origem Destino Meio Protocolo 3 Ataques Interceptação Modificação Interrupção Fabricação 4 2 Interceptação

Leia mais

VPN. Desempenho e Segurança de Sistemas de Informação

VPN. Desempenho e Segurança de Sistemas de Informação VPN Desempenho e Segurança de Sistemas de Informação Conceito Vantagens Tipos Protocolos utilizados Objetivos VPN (Virtual Private Network) Rede Privada Virtual - uma conexão onde o acesso e a troca de

Leia mais

Redes de computadores. Redes para Internet

Redes de computadores. Redes para Internet Redes de computadores Redes para Internet Milhões de elementos de computação interligados: hospedeiros = sistemas finais Executando aplicações distribuídas Enlaces de comunicação fibra, cobre, rádio, satélite

Leia mais

VPN. Prof. Marciano dos Santos Dionizio

VPN. Prof. Marciano dos Santos Dionizio VPN Prof. Marciano dos Santos Dionizio VPN Virtual Private Network ou Rede Privada Virtual É uma rede de comunicações privada normalmente utilizada por uma empresa ou um conjunto de empresas e/ou instituições,

Leia mais

Rede Local - Administração Acesso Remoto

Rede Local - Administração Acesso Remoto Rede Local - Administração Acesso Remoto Formador: Miguel Neto (migasn@gmailcom) Covilhã - Novembro 16, 2015 Introdução Alguns dos serviços e dados das empresas devem estar apenas disponíveis dentro da

Leia mais

Para cada questão responda se a afirmativa está certa ou errada, JUSTIFICANDO:

Para cada questão responda se a afirmativa está certa ou errada, JUSTIFICANDO: Exercícios de Segurança de Informação Ameaças lógicas Para cada questão responda se a afirmativa está certa ou errada, JUSTIFICANDO: 1) Vírus de macro infectam arquivos criados por softwares que utilizam

Leia mais

Como as Virtual Private Networks Funcionam

Como as Virtual Private Networks Funcionam Como as Virtual Private Networks Funcionam Índice Introdução Antes de Iniciar Convenções Pré-requisitos Componentes Usados Informações Complementares O que forma uma VPN? Analogia: Cada LAN É um IsLANd

Leia mais

V3PN Voice, Video and Integrated Data IP. Palestra V3PN

V3PN Voice, Video and Integrated Data IP. Palestra V3PN V3PN Voice, Video and Integrated Data IP V3PN Voice, Video and Integrated Data Palestrante André Gustavo Lomônaco Diretor de Tecnologia da IPPLUS Tecnologia Mestre em Engenharia Elétrica Certificado Cisco

Leia mais

A importância de uma NAT e de uma VPN para a segurança da informação

A importância de uma NAT e de uma VPN para a segurança da informação A importância de uma NAT e de uma VPN para a segurança da informação NAT Network Translation Address A funcionalidade de NAT consiste no procedimento de translado de endereços de uma rede para a outra.

Leia mais

OSRC Segurança em Redes de Computadores Módulo 11: VPN

OSRC Segurança em Redes de Computadores Módulo 11: VPN OSRC Segurança em Redes de Computadores Módulo 11: VPN Prof. Charles Christian Miers e-mail: charles.miers@udesc.br VPN: Virtual Private Networks Uma Rede Virtual Privada (VPN) é um meio de simular uma

Leia mais

TRANSMISSÃO DE DADOS

TRANSMISSÃO DE DADOS TRANSMISSÃO DE DADOS Aula 5: Comutação Notas de aula do livro: FOROUZAN, B. A., Comunicação de Dados e Redes de Computadores, MCGraw Hill, 4ª edição Prof. Ulisses Cotta Cavalca

Leia mais

Uma solução segura e escalável para Acesso Remoto VPN

Uma solução segura e escalável para Acesso Remoto VPN Laboratório de Administração e Segurança de Sistemas Instituto de Computação Universidade Estadual de Campinas Uma solução segura e escalável para Acesso Remoto Autores: Edmar Roberto Santana de Rezende

Leia mais

VPN - VIRTUAL PRIVATE NETWORK REDES VIRTUAIS PRIVADAS

VPN - VIRTUAL PRIVATE NETWORK REDES VIRTUAIS PRIVADAS VPN - VIRTUAL PRIVATE NETWORK REDES VIRTUAIS PRIVADAS Alfredo Alves da Silva Neto, Técnico em Eletrônica,CCNA-M4 pela academia Cisco Poli - UPE 2009 MCTIP MCTS MCT - Infra Estrutura Servidores e Virtualização

Leia mais

HOW TO Configuração de PPTP em Macbook, ipad e iphone

HOW TO Configuração de PPTP em Macbook, ipad e iphone Introdução HOW TO Página: 1 de 7 O Point to Point Tunneling Protocol (PPTP) é um método utilizado para se utilizar redes privadas virtuais. A tecnologia utiliza um canal de controle sobre TCP e um túnel

Leia mais

IPSec. IPSec Internet Protocol Security OBJETIVO ROTEIRO ROTEIRO

IPSec. IPSec Internet Protocol Security OBJETIVO ROTEIRO ROTEIRO OBJETIVO Internet Protocol Security Antonio Abílio da Costa Coutinho José Eduardo Mendonça da Fonseca Apresentar conceitos sobre segurança em redes de comunicação de dados, relacionados ao Protocolo (Internet

Leia mais

Segurança de Sistemas na Internet. Aula 10 - IPSec. Prof. Esp Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.br

Segurança de Sistemas na Internet. Aula 10 - IPSec. Prof. Esp Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.br Segurança de Sistemas na Internet Aula 10 - IPSec Prof. Esp Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.br Slide 2 de 31 Introdução Há inúmeras soluções de autenticação/cifragem na camada de aplicação

Leia mais

O que é um NAS (Network Attached Storage)?

O que é um NAS (Network Attached Storage)? O que é um NAS (Network Attached Storage)? A sigla que dá nome ao produto já exemplifica bem a sua função. NAS (Network Attached Storage) ou Armazenamento conectado à rede, em tradução livre, é um servidor

Leia mais

OTES07 - Segurança da Informação Módulo 08: VPN

OTES07 - Segurança da Informação Módulo 08: VPN OTES07 - Segurança da Informação Módulo 08: VPN Prof. Charles Christian Miers e-mail:charles.miers@udesc.br VPN: Virtual Private Networks Uma Rede Virtual Privada (VPN) é um meio de simular uma rede privada

Leia mais

REDES VIRTUAIS PRIVADAS

REDES VIRTUAIS PRIVADAS REDES VIRTUAIS PRIVADAS VPN Universidade Católica do Salvador Curso de Bacharelado em Informática Disciplina: Redes de Computadores Professor: Marco Antônio Câmara Aluna: Patricia Abreu Página 1 de 10

Leia mais

Segurança de Redes de Computadores

Segurança de Redes de Computadores Segurança de Redes de Computadores Aula 10 Segurança na Camadas de Rede Redes Privadas Virtuais (VPN) Prof. Ricardo M. Marcacini ricardo.marcacini@ufms.br Curso: Sistemas de Informação 1º Semestre / 2015

Leia mais

Prof. Roberto Franciscatto 4º Semestre - TSI - CAFW. Free Powerpoint Templates Page 1

Prof. Roberto Franciscatto 4º Semestre - TSI - CAFW. Free Powerpoint Templates Page 1 Segurança na Web Cap. 5: VPN Prof. Roberto Franciscatto 4º Semestre - TSI - CAFW Page 1 Introdução VPN (Virtual Private Network, ou rede virtual privada) criada para interligar duas redes distantes, através

Leia mais

1. Explicando Roteamento um exemplo prático. Através da análise de uns exemplos simples será possível compreender como o roteamento funciona.

1. Explicando Roteamento um exemplo prático. Através da análise de uns exemplos simples será possível compreender como o roteamento funciona. Aula 14 Redes de Computadores 24/10/07 Universidade do Contestado UnC/Mafra Sistemas de Informação Prof. Carlos Guerber ROTEAMENTO EM UMA REDE DE COMPUTADORES A máscara de sub-rede é utilizada para determinar

Leia mais

TRANSMISSÃO DE DADOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

TRANSMISSÃO DE DADOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula 3-1. A CAMADA DE REDE (Parte 1) A camada de Rede está relacionada à transferência de pacotes da origem para o destino. No entanto, chegar ao destino pode envolver vários saltos em roteadores intermediários.

Leia mais

Implementação de uma VPN com Protocolo PPTP

Implementação de uma VPN com Protocolo PPTP Implementação de uma VPN com Protocolo PPTP Rafael Folhal 1, Msc. Rafael Rodrigues 1 1 Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC (FATEC PELOTAS) Rua Gonçalves

Leia mais

CENTRO DE INFORMATICA CCNA. Cisco Certified Network Associate

CENTRO DE INFORMATICA CCNA. Cisco Certified Network Associate CENTRO DE INFORMATICA CCNA Cisco Certified Network Associate E ste currículo ensina sobre redes abrange conceitos baseados em tipos de redes práticas que os alunos podem encontrar, em redes para residências

Leia mais

Unidade 1. Conceitos Básicos

Unidade 1. Conceitos Básicos Unidade 1 Conceitos Básicos 11 U1 - Conceitos Básicos Comunicação Protocolo Definição de rede Rede Internet 12 Comunicação de dados Comunicação de dados comunicação de informação em estado binário entre

Leia mais

Capítulo 11: NAT para IPv4

Capítulo 11: NAT para IPv4 Unisul Sistemas de Informação Redes de Computadores Capítulo 11: NAT para IPv4 Roteamento e Switching Academia Local Cisco UNISUL Instrutora Ana Lúcia Rodrigues Wiggers Presentation_ID 1 Capítulo 11 11.0

Leia mais

Interconexão de Redes. Aula 03 - Roteamento IP. Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.br

Interconexão de Redes. Aula 03 - Roteamento IP. Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.br Interconexão de Redes Aula 03 - Roteamento IP Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.br Revisão Repetidor Transceiver Hub Bridge Switch Roteador Domínio de Colisão Domínio de Broadcast

Leia mais

Professor(es): Fernando Pirkel. Descrição da(s) atividade(s):

Professor(es): Fernando Pirkel. Descrição da(s) atividade(s): Professor(es): Fernando Pirkel Descrição da(s) atividade(s): Definir as tecnologias de redes necessárias e adequadas para conexão e compartilhamento dos dados que fazem parte da automatização dos procedimentos

Leia mais

VPN: Uma solução prática e economicamente viável

VPN: Uma solução prática e economicamente viável VPN: Uma solução prática e economicamente viável Fernando Santos Lima; Jefferson Alves da Silva; Thiago dos Reis de Moura; Jocênio Marquios Epaminondas, Israel Rodrigues Gonçalves Resumo Com o crescente

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação I

Administração de Sistemas de Informação I Administração de Sistemas de Informação I Prof. Farinha Aula 03 Telecomunicações Sistemas de Telecomunicações 1 Sistemas de Telecomunicações Consiste de Hardware e Software transmitindo informação (texto,

Leia mais

Redes de Computadores II INF-3A

Redes de Computadores II INF-3A Redes de Computadores II INF-3A 1 ROTEAMENTO 2 Papel do roteador em uma rede de computadores O Roteador é o responsável por encontrar um caminho entre a rede onde está o computador que enviou os dados

Leia mais

VELOCIDADE DE TRANSMISSÃO DE DADOS UTILIZANDO VPNs

VELOCIDADE DE TRANSMISSÃO DE DADOS UTILIZANDO VPNs VELOCIDADE DE TRANSMISSÃO DE DADOS UTILIZANDO VPNs Rogers Rodrigues Garcia 1, Júlio César Pereira¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavai PR Brasil rogersgarcia@live.com, juliocesarp@unipar.br Resumo:

Leia mais

TUTORIAL DE CONFIGURAÇÃO DE ACESSO VPN. O que é VPN? Como a DGTI provê este serviço? Como configurar. 3.1 Em computadores executando Windows XP

TUTORIAL DE CONFIGURAÇÃO DE ACESSO VPN. O que é VPN? Como a DGTI provê este serviço? Como configurar. 3.1 Em computadores executando Windows XP TUTORIAL DE CONFIGURAÇÃO DE ACESSO VPN O que é VPN? A Rede Particular Virtual (Virtual Private Network - VPN) ) é uma rede de comunicações privada normalmente utilizada por uma empresa ou um conjunto de

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Capítulo 1 Gustavo Reis gustavo.reis@ifsudestemg.edu.br - O que é a Internet? - Milhões de elementos de computação interligados: hospedeiros = sistemas finais - Executando aplicações

Leia mais

Domín í io d e C onhecimento t 2 : Se S gurança e m C omunicações Carlos Sampaio

Domín í io d e C onhecimento t 2 : Se S gurança e m C omunicações Carlos Sampaio Domínio de Conhecimento 2: Segurança em Comunicações Carlos Sampaio Agenda Segurança de acesso remoto 802.1x (Wireless) VPN RADIUS e TACACS+ PPTP e L2TP SSH IPSec Segurança de E-Mail MIME e S/MIME PGP

Leia mais

ALUNOS: DANILLO ANDRADE LEANDRO TORRES CAVALCANTI

ALUNOS: DANILLO ANDRADE LEANDRO TORRES CAVALCANTI UNIVERSIDADE CATÓLICA DO SALVADOR DATA: 24/09/2003 TURNO: NOTURNO ALUNOS: DANILLO ANDRADE LEANDRO TORRES CAVALCANTI Roteiro 1. Definição 2. Motivação 3. Funções Básicas 4. Protocolos 5. Tipos 6. Soluções

Leia mais

(Open System Interconnection)

(Open System Interconnection) O modelo OSI (Open System Interconnection) Modelo geral de comunicação Modelo de referência OSI Comparação entre o modelo OSI e o modelo TCP/IP Analisando a rede em camadas Origem, destino e pacotes de

Leia mais

Guia do laboratório de teste: Configure o SharePoint Server 2010 como um Servidor Único com o Microsoft SQL Server

Guia do laboratório de teste: Configure o SharePoint Server 2010 como um Servidor Único com o Microsoft SQL Server Guia do laboratório de teste: Configure o SharePoint Server 2010 como um Servidor Único com o Microsoft SQL Server Este documento é fornecido no estado em que se encontra. As informações e exibições expressas

Leia mais

AMBIENTE MÓVEL DE SEGURANÇA (AME 2000)

AMBIENTE MÓVEL DE SEGURANÇA (AME 2000) AMBIENTE MÓVEL DE SEGURANÇA (AME 2000) SEGURANÇA DE GRAU GOVERNAMENTAL PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS COMERCIAIS Desde smartphones até tablets, os dispositivos móveis comerciais disponíveis no mercado (COTS)

Leia mais

Nível de segurança de uma VPN

Nível de segurança de uma VPN VPN Virtual Private Network (VPN) é uma conexão segura baseada em criptografia O objetivo é transportar informação sensível através de uma rede insegura (Internet) VPNs combinam tecnologias de criptografia,

Leia mais

Autenticação e VPN rede sem fio PPGIA - Windows 7

Autenticação e VPN rede sem fio PPGIA - Windows 7 Autenticação e VPN rede sem fio PPGIA - Windows 7 1. Configuração autenticação wireless rede PPGIA Estão sendo incorporadas novas bases wireless na infra-estrutura do PPGIA. As mesmas permitem integrar

Leia mais

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com /

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com / Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com / andre.belini@ifsp.edu.br MATÉRIA: SEG Aula N : 11 e 12 Tema: Servidores VPN

Leia mais

Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - agosto de 2007 - Página

Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - agosto de 2007 - Página Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Redes 1 Redes de Dados Inicialmente o compartilhamento de dados era realizado a partir de disquetes (Sneakernets) Cada vez que um arquivo era modificado ele teria que

Leia mais

Padãro 100 VG-AnyLAN(IEEE 802.12

Padãro 100 VG-AnyLAN(IEEE 802.12 Padrão menos utilizado; Padãro 100 VG-AnyLAN(IEEE 802.12 Combina elementos da Ethernet com Token Ring; Velocidade de 100 Mbps; Cabos par Trançado (cat. 3, 4 e 5) ou fibras ópticas. Cabos de Fibra Óptica;

Leia mais

VPN entre Unimed Federação do Paraná e Singulares do Paraná. Gustavo Kochan Nunes dos Santos. Curso de Especialização em Redes e Segurança de Sistemas

VPN entre Unimed Federação do Paraná e Singulares do Paraná. Gustavo Kochan Nunes dos Santos. Curso de Especialização em Redes e Segurança de Sistemas 1 VPN entre Unimed Federação do Paraná e Singulares do Paraná Gustavo Kochan Nunes dos Santos Curso de Especialização em Redes e Segurança de Sistemas Pontifícia Universidade Católica do Paraná Curitiba,

Leia mais

Nesta modalidade o cliente, além da administração de seus servidores, o cliente executa os procedimentos de backup e recovery do seu conteúdo.

Nesta modalidade o cliente, além da administração de seus servidores, o cliente executa os procedimentos de backup e recovery do seu conteúdo. 1. DATACENTER 1.1. Hospedagem simples de servidor (colocation) Fornecimento de alocação de espaço e infraestrutura de alta disponibilidade no Datacenter da PRODEPA para hospedagem de equipamentos de propriedade

Leia mais

REDE PRIVADA VIRTUAL (VPN)

REDE PRIVADA VIRTUAL (VPN) MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DCT - CITEx 5º CENTRO DE TELEMÁTICA DE ÁREA (C P D 4 / 1 9 7 8 ) REDE PRIVADA VIRTUAL (VPN) INTRODUÇÃO A Rede Privada Virtual (Virtual Private Network VPN) ou Acesso

Leia mais

Falaremos um pouco das tecnologias e métodos utilizados pelas empresas e usuários domésticos para deixar a sua rede segura.

Falaremos um pouco das tecnologias e métodos utilizados pelas empresas e usuários domésticos para deixar a sua rede segura. Módulo 14 Segurança em redes Firewall, Criptografia e autenticação Falaremos um pouco das tecnologias e métodos utilizados pelas empresas e usuários domésticos para deixar a sua rede segura. 14.1 Sistemas

Leia mais

Exercícios de Revisão Edgard Jamhour. Quarto Bimestre: IPv6 e Mecanismos de Transiçao

Exercícios de Revisão Edgard Jamhour. Quarto Bimestre: IPv6 e Mecanismos de Transiçao Exercícios de Revisão Edgard Jamhour Quarto Bimestre: IPv6 e Mecanismos de Transiçao Questão 1: Indique a qual versão do IP pertence cada uma das características abaixo: ( ) Verifica erros no cabeçalho

Leia mais

SEGURANÇA EM REDE PEER TO PEER USANDO TECNOLOGIA IPSEC EM UM AMBIENTE CORPORATIVO *

SEGURANÇA EM REDE PEER TO PEER USANDO TECNOLOGIA IPSEC EM UM AMBIENTE CORPORATIVO * SEGURANÇA EM REDE PEER TO PEER USANDO TECNOLOGIA IPSEC EM UM AMBIENTE CORPORATIVO * Giovani Francisco de Sant Anna Centro Universitário do Triângulo (UNITRI) William Rodrigues Gomes Centro Universitário

Leia mais

Segurança em Redes IP

Segurança em Redes IP IPSec 1 Segurança em Redes IP FEUP MPR IPSec 2 Introdução Conceitos básicos IP Seguro Criptografia Segurança em redes IP Associação de Segurança, Modos de funcionamento AH, ESP, Processamento de tráfego,

Leia mais

Rede d s d e d Com o pu p t u ado d r o es Conceitos Básicos M d o e d los o de d Re R de d s:

Rede d s d e d Com o pu p t u ado d r o es Conceitos Básicos M d o e d los o de d Re R de d s: Tecnologia em Redes de Computadores Redes de Computadores Professor: André Sobral e-mail: alsobral@gmail.com Conceitos Básicos Modelos de Redes: O O conceito de camada é utilizado para descrever como ocorre

Leia mais

Arquitetura do Protocolo da Internet. Aula 05 - Protocolos de Roteamento. Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.

Arquitetura do Protocolo da Internet. Aula 05 - Protocolos de Roteamento. Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu. Arquitetura do Protocolo da Internet Aula 05 - Protocolos de Roteamento Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.br Revisão Roteamento; Gateway; Tabelas de Roteamento; Slide 2 de 82 Rotas?!

Leia mais

No projeto das primeiras redes de computadores, o hardware foi a principal preocupação e o software ficou em segundo plano.

No projeto das primeiras redes de computadores, o hardware foi a principal preocupação e o software ficou em segundo plano. No projeto das primeiras redes de computadores, o hardware foi a principal preocupação e o software ficou em segundo plano. Essa estratégia foi deixada para trás. Atualmente, o software de rede é altamente

Leia mais

Prof. Edson Maia Graduado em Web Design e Programação Bacharel e Licenciado em Geografia Especialista em Gestão Ambiental Complementação para

Prof. Edson Maia Graduado em Web Design e Programação Bacharel e Licenciado em Geografia Especialista em Gestão Ambiental Complementação para Prof. Edson Maia Graduado em Web Design e Programação Bacharel e Licenciado em Geografia Especialista em Gestão Ambiental Complementação para Magistério Superior Especialista em Docência para Educação

Leia mais

Conceitos de Segurança Física e Segurança Lógica. Segurança Computacional Redes de Computadores. Professor: Airton Ribeiro Fevereiro de 2016-1

Conceitos de Segurança Física e Segurança Lógica. Segurança Computacional Redes de Computadores. Professor: Airton Ribeiro Fevereiro de 2016-1 Segurança Computacional Redes de Computadores Professor: Airton Ribeiro Fevereiro de 2016-1 1 2 Compreende os mecanismos de proteção baseados em softwares Senhas Listas de controle de acesso - ACL Criptografia

Leia mais

5.2 MAN s (Metropolitan Area Network) Redes Metropolitanas

5.2 MAN s (Metropolitan Area Network) Redes Metropolitanas MÓDULO 5 Tipos de Redes 5.1 LAN s (Local Area Network) Redes Locais As LAN s são pequenas redes, a maioria de uso privado, que interligam nós dentro de pequenas distâncias, variando entre 1 a 30 km. São

Leia mais

Autenticação de WiFi com L2TP/IPSEC. Edielson Pantoja Santana MyRouter Soluções contato@myrouter.com.br

Autenticação de WiFi com L2TP/IPSEC. Edielson Pantoja Santana MyRouter Soluções contato@myrouter.com.br Autenticação de WiFi com L2TP/IPSEC Edielson Pantoja Santana MyRouter Soluções contato@myrouter.com.br Desafio Autenticar os usuários do provedor, evitando uso não Autorizado Operar independente do modelo

Leia mais

Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte

Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte O TCP/IP, na verdade, é formado por um grande conjunto de diferentes protocolos e serviços de rede. O nome TCP/IP deriva dos dois protocolos mais

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br II Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br Frame Relay DÉCADA DE 80 Uso do protocolo X.25 (RENPAC) Linhas Analógicas Velocidade baixa Altas taxas de erros Computadores lentos e caros Circuitos

Leia mais

MANUAL CRIAÇÃO E CONFIGURAÇÃO ACESSO VPN REDE CIASC ATRAVÉS DE UM WINDOWS 7

MANUAL CRIAÇÃO E CONFIGURAÇÃO ACESSO VPN REDE CIASC ATRAVÉS DE UM WINDOWS 7 MANUAL CRIAÇÃO E CONFIGURAÇÃO ACESSO VPN REDE CIASC ATRAVÉS DE UM WINDOWS 7 Acessar o Painel de Controle. PASSOS PARA CRIAR CONEXÃO VPN No ítem Rede e Internet clique em Exibir o status e as tarefas da

Leia mais

Internet Protocol Security (IPSec)

Internet Protocol Security (IPSec) Internet Protocol Security (IPSec) Segurança de Computadores IPSec - Introdução Preocupados com a insegurança na Internet o IETF (Internet Engineering Task Force) desenvolveu um conjunto de protocolos,

Leia mais

Voltar. Placas de rede

Voltar. Placas de rede Voltar Placas de rede A placa de rede é o dispositivo de hardware responsável por envio e recebimento de pacotes de dados e pela comunicação do computador com a rede. Existem placas de rede on-board(que

Leia mais

Técnico em Redes de Computadores. Equipamentos e Acessórios

Técnico em Redes de Computadores. Equipamentos e Acessórios Técnico em Redes de Computadores Equipamentos e Acessórios Componentes de uma Rede Uma rede é um sistema composto de um arranjo de componentes: Cabeamento Hardware Software Cabeamento Componentes de uma

Leia mais

Autenticação e VPN rede sem fio PPGIA - Windows XP

Autenticação e VPN rede sem fio PPGIA - Windows XP Autenticação e VPN rede sem fio PPGIA - Windows XP 1. Configuração autenticação wireless rede PPGIA Estão sendo incorporadas novas bases wireless na infra-estrutura do PPGIA. As mesmas permitem integrar

Leia mais

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim Redes TCP/IP alexandref@ifes.edu.br O que é a Internet? Milhões de elementos de computação interligados: hospedeiros = sistemas finais Executando aplicações Enlaces de comunicação: fibra, cobre, rádio,

Leia mais

Equipamentos de rede. Repetidores. Repetidores. Prof. Leandro Pykosz Leandro@sulbbs.com.br

Equipamentos de rede. Repetidores. Repetidores. Prof. Leandro Pykosz Leandro@sulbbs.com.br 1 Equipamentos de rede Prof. Leandro Pykosz Leandro@sulbbs.com.br Repetidores É o dispositivo responsável por ampliar o tamanho máximo do cabeamento de rede; Como o nome sugere, ele repete as informações

Leia mais

Curso: Redes II (Heterogênea e Convergente) Tema da Aula: Roteadores Estaticos

Curso: Redes II (Heterogênea e Convergente) Tema da Aula: Roteadores Estaticos Curso: Redes II (Heterogênea e Convergente) Tema da Aula: Roteadores Estaticos Professor Rene - UNIP 1 Introdução do capitulo Função do roteador Roteamento estático O roteador é um computador com uma finalidade

Leia mais

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP HTTP (Hypertext Transfer Protocol ) Protocolo usado na Internet para transferir as páginas da WWW (WEB). HTTPS (HyperText Transfer

Leia mais

Rede de Computadores II

Rede de Computadores II Prof. Fábio Nelson Colegiado de Engenharia de Computação Slide 1 Colegiado de Engenharia de Computação Slide 2 Autenticação Processo de provar a própria identidade a alguém. Na rede a autenticação se dá

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Julgue os itens subsecutivos, acerca de noções básicas de arquitetura de computadores. 51 Periféricos são dispositivos responsáveis pelas funções de entrada e saída do computador, como, por exemplo, o

Leia mais

Segurança no Acesso Remoto VPN

Segurança no Acesso Remoto VPN Segurança no Acesso Remoto Edmar Roberto Santana de Rezende 1 Orientador: Prof. Dr. Paulo Lício de Geus 1 Financiado por Robert Bosch Ltda 1de 31 Apresentação Motivação Redes Privadas Virtuais () Análise

Leia mais

VIRTUAIS PRIVADAS. Pedro Celestino Mestre em Engenharia Mecânica Professor do CEFET-SP. Luiz Octávio Mattos dos Reis. Professor da UNITAU

VIRTUAIS PRIVADAS. Pedro Celestino Mestre em Engenharia Mecânica Professor do CEFET-SP. Luiz Octávio Mattos dos Reis. Professor da UNITAU REDES VIRTUAIS PRIVADAS Pedro Celestino Mestre em Engenharia Mecânica Professor do CEFET-SP Luiz Octávio Mattos dos Reis Doutor em Engenharia Professor da UNITAU Mecânica Com as redes de computadores,

Leia mais

Uma solução segura de acesso remoto via VPN para manutenção de Controladora de Discos de Mainframe da Empresa Beta baseada na Norma NBR ISO/IEC 17799

Uma solução segura de acesso remoto via VPN para manutenção de Controladora de Discos de Mainframe da Empresa Beta baseada na Norma NBR ISO/IEC 17799 Uma solução segura de acesso remoto via VPN para manutenção de Controladora de Discos de Mainframe da Empresa Beta baseada na Norma NBR ISO/IEC 17799 Edvaldo Queiroga 1, Leila Maria M V Galvão 2, Marcio

Leia mais

Segurança em Sistemas de Informação Tecnologias associadas a Firewall

Segurança em Sistemas de Informação Tecnologias associadas a Firewall Algumas definições Firewall Um componente ou conjunto de componentes que restringe acessos entre redes; Host Um computador ou um dispositivo conectado à rede; Bastion Host Um dispositivo que deve ser extremamente

Leia mais

Projeto Tor. 2013-1 UFRJ Redes I Alunos: Jhonatas Alfradique, Hugo Klin, Guilherme Almeida

Projeto Tor. 2013-1 UFRJ Redes I Alunos: Jhonatas Alfradique, Hugo Klin, Guilherme Almeida Projeto Tor 2013-1 UFRJ Redes I Alunos: Jhonatas Alfradique, Hugo Klin, Guilherme Almeida O que é Tor? Tor (The Onion Router, traduzido por O roteador Cebola ) é uma rede de túneis que permite as pessoas

Leia mais

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP Arquitetura TCP/IP Arquitetura TCP/IP INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP gatewa y internet internet REDE REDE REDE REDE Arquitetura TCP/IP (Resumo) É útil conhecer os dois modelos de rede TCP/IP e OSI. Cada

Leia mais

Redes de Computadores (RCOMP 2014/2015)

Redes de Computadores (RCOMP 2014/2015) Redes de Computadores (RCOMP 2014/2015) Redes Privadas Virtuais (VPN) Protocolo PPP 1 Virtual Private Network (VPN) Uma VPN é uma infra-estrutura de comunicação de nível 2 (camada de ligação lógica) que

Leia mais

O que se tem, na prática, é a utilização do protocolo TCP/IP na esmagadora maioria das redes. Sendo a sua adoção cada vez maior.

O que se tem, na prática, é a utilização do protocolo TCP/IP na esmagadora maioria das redes. Sendo a sua adoção cada vez maior. Introdução ao TCP/IP(TCP (Transmission Control Protocol) e IP(InternetProtocol) ) Objetivo Para que os computadores de uma rede possam trocar informações entre si é necessário que todos os computadores

Leia mais

Camadas da Arquitetura TCP/IP

Camadas da Arquitetura TCP/IP Camadas da Arquitetura TCP/IP A arquitetura TCP/IP divide o processo de comunicação em quatro camadas. Em cada camada atuam determinados protocolos que interagem com os protocolos das outas camadas desta

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Dispositivos de Interconexão www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Componentes de Rede Diversos são os componentes de uma rede de computadores e entendê-los

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Camada de Rede Slide 1 Funções da Camada de Rede Repasse Conduzir o pacote que chega pelo enlace de entrada até o enlace de saída apropriado através de uma tabela de repasse. Roteamento

Leia mais

Estados Unidos e China se unem para prevenir ciberataques

Estados Unidos e China se unem para prevenir ciberataques Estados Unidos e China se unem para prevenir ciberataques Nos últimos tempos, os Estados Unidos e a China têm trocado acusações em relação a ataques hackers, que tinham como alvo sistemas importantes dos

Leia mais

MÓDULO I - INTERNET APRESENTAÇÃO DO CURSO. Prof. BRUNO GUILHEN. Prof. BRUNO GUILHEN. O processo de Navegação na Internet. Aula 01

MÓDULO I - INTERNET APRESENTAÇÃO DO CURSO. Prof. BRUNO GUILHEN. Prof. BRUNO GUILHEN. O processo de Navegação na Internet. Aula 01 APRESENTAÇÃO DO CURSO Prof. BRUNO GUILHEN Prof. BRUNO GUILHEN MÓDULO I - INTERNET O processo de Navegação na Internet Aula 01 O processo de Navegação na Internet. USUÁRIO A CONEXÃO PROVEDOR On-Line EMPRESA

Leia mais

INFORMÁTICA PROF. RAFAEL ARAÚJO

INFORMÁTICA PROF. RAFAEL ARAÚJO INFORMÁTICA PROF. RAFAEL ARAÚJO CERTIFICADO DIGITAL O certificado digital é um arquivo eletrônico que contém dados de uma pessoa ou instituição, utilizados para comprovar sua identidade. Este arquivo pode

Leia mais

IPv6: Introdução. Escrito por Paul Stalvig Gerente Técnico de Marketing

IPv6: Introdução. Escrito por Paul Stalvig Gerente Técnico de Marketing IPv6: Introdução Assim como outras pessoas, eu acredito que algumas complicam demais a vida. Talvez seja a segurança do emprego, o efeito "Chicken Little" ou o fato de que isso dá ao mundo de TI uma plataforma

Leia mais

ESTUDO DE VIABILIDADE, PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE UMA REDE VPN (VIRTUAL PRIVATE NETWORK)

ESTUDO DE VIABILIDADE, PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE UMA REDE VPN (VIRTUAL PRIVATE NETWORK) ESTUDO DE VIABILIDADE, PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE UMA REDE VPN (VIRTUAL PRIVATE NETWORK) 1. VPN Segundo TANENBAUM (2003), VPNs (Virtual Private Networks) são redes sobrepostas às redes públicas, mas com

Leia mais

Curso: Redes II (Heterogênea e Convergente)

Curso: Redes II (Heterogênea e Convergente) Curso: Redes II (Heterogênea e Convergente) Tema da Aula: Redes Heterogênea e Convergente Professor Rene - UNIP 1 Redes heterogêneas Redes Heterogêneas Todo ambiente de rede precisa armazenar informações

Leia mais

Unidade 3 Visão Geral de Equipamentos de Rede

Unidade 3 Visão Geral de Equipamentos de Rede Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Redes de Computadores Disciplina: Redes de Computadores Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 3 Visão Geral de Equipamentos de Rede 2 Repetidor

Leia mais

IV. Em uma rede Frame Relay o roteamento dos quadros é de responsabilidade do protocolo IP da família de protocolos TCP/IP.

IV. Em uma rede Frame Relay o roteamento dos quadros é de responsabilidade do protocolo IP da família de protocolos TCP/IP. Exercícios: Redes WAN Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/ Frame-Relay 1. (FCC/Pref. Santos 2005) O frame-relay é

Leia mais