A regulação da Internet

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A regulação da Internet"

Transcrição

1 I S C T E M E S T R A D O C O M U N I C A Ç Ã O, C U L T U R A E T E C N O L O G I A S D A I N F O R M A Ç Ã O Cadeira: Politica e Regulação dos Media Docente: João Pedro Figueiredo 1º Ano / 2º Semestre Julho de 2012 A regulação da Internet Discente: João Morão Baptista

2 Índice Introdução... 3 Culturas digitais em Portugal... 4 A Cultura Digital em Portugal... 5 A regulação da Internet... 8 Regulação ou auto-regulação?... 9 Instrumentos de Auto-Regulação Conclusão Bibliografia... 15

3 Introdução Com este trabalho pretende-se elucidar para as formas como se regulação o uso da Internet em Portugal. Assim, aos principais temas que se tentará trabalhar estão desde logo ligados à esfera da World Wide Web, neste caso, as leis de regulação da Internet, quais as formas como se regula a mesma e os principais factores/resultados do mesmo exercício. Partindo da ideia de que a utilização da Internet é de livre acesso, começarei por ressalvar que não existe nenhum governo, organização internacional ou entidade que exerça um controlo ou domínio absoluto sobre a Internet, pelo que, tendo em vista o impedimento e a repressão de condutas ilícitas, são por vezes necessários esforços conjuntos de vários sistemas jurídicos, dependendo da localização dos infractores e dos serviços por estes utilizados. Visto se tratar de uma rede aberta, a Internet, qualquer utilizador poderá retirar e fazer da mesma o que bem entender, sendo que, este é um dos atractivos que representa uma grane fonte de sucesso desde a sua origem, o que tem vindo a ajudar o seu crescimento nas mais diversas áreas de utilização e de novas estruturas que através da mesma podemos utilizar. Desde blogs, as novas redes sociais online, jornais online, downloads de acesso livre, entre outras plataformas, existe actualmente um elevado número de estruturas às quais podemos aceder através de uma simples ligação à rede, podemos criar perfis para nos ligarmos a outras pessoas, procurar contactos profissionais, ler, criar e até fazer downloads de documentos. Porém, nem todos os tipos de utilização da Internet são os mais dignos, desde perfis falsos, o que pode levar a vários tipos de situações de delito social, como também a pirataria online, o roubo de documentos ou até utilizar espaços de debate de livre acesso para injuriar terceiros. Contudo, todos os estudos e trabalhos elaborados sobre a temática da regulação da Internet têm servido e poderão servir para um tipo de utilização mais protegido, ou seja, uma forma mais equilibrada de utilizar o que está disponível na rede, tendo em conta que, muitos dos conteúdos poderão ser utilizados por indivíduos com perfis de utilização diferentes, e neste caso, capacita-los de leis de conduta e formas de reger o

4 seu comportamento em rede. Assim, tenta-se desde logo dar crédito a uma utilização mais justa, que não tenha como objectivo injuriar, roubar e até destruir o que até agora se tem vindo a fazer. Culturas digitais em Portugal Parece de certa forma difuso referir o nome culturas digitais, mas o significado do mesmo é perceptível a todos, ou seja, os diferentes usos que todos nós damos ao digital, seja a Internet, sejamos o computador ou até aos mais diversos meios tecnológicos à nossa volta. Começo por dizer que, no caso de Portugal, os usos são bastante heterogéneos, a Internet não é apenas utilizada para partilhar ficheiros como também o computador não é só utilizado para trabalhar, seja nas empresas ou em casa. Nos últimos tempos, temos vindo a perceber que podemos utilizar estas duas tecnologias para um sem número de acções, sejam elas com o intuito de comunicar com alguém que está distante de nós, como também para ver filmes online ou até, de forma ilegal retirá-los de sites e recriálos em casa. Nesta questão da ilegalidade, quase todos nós, por uma questão ou outra já retira-mos documentos, programas, filmes, músicas, etc, sempre com a desculpa que saí mais barato ou então que é para fins didácticos, ou que é certo é que esta ideia de partilha semi-legal se tem espalhado, todos nós, através de um click temos acesso a tudo o que quisermos, sem grandes preocupações. Não será o mais ético, mas é o que acontece actualmente. Em Portugal, a realidade é esta, grande parte dos utilizadores da net partilham documentos, uns mais que outros, mas na generalidade, todos nós obtemos nem que seja uma música de forma ilegal, porque nos parece os mais normal e também nos foi imposto pelos parâmetros da actualidade. Porém, falar de usos heterogéneos das tecnologias é falar também, como já anteriormente referido, que o computador é utilizado para trabalhar bem como para outros fins, como por exemplo, falar da cultura dos gammers, esta subcultura digital dá-nos a conhecer que o computador, bem como a Internet têm um lado bastante lúdico, que na maior parte das vezes gera milhões, o simples facto que comprar ou sacar um jogo, de seguir todas as actualizações, e até mesmo a participação em campeonatos de

5 um determinado género de jogo tem vindo a ganhar cada vez mais relevo. Neste caso, trata-se sim perfeito ponto para se perceber em muitos casos, a relação que o Homem tem com as tecnologias, se um novo produto for lançado e tiver uma parte lúdica agregada, ganhará sempre pontos a favor. Contudo, terá que se ter em atenção o facto de que, a maior parte dos utilizadores de equipamentos como o computador e assimilares, em Portugal, pertencer a escalões etários mais baixos, em muitos casos entres os 15 e os 45, logo a sua utilização será sempre heterogénea, entre ler noticias online como partilhar filmes, jogar em rede e partilhar informação sobre documentos profissionais. Trata-se então de um uso complexo, em que todas as utilizações são sempre diferentes, com diferentes intuitos e gostos, diferentes perspectivas e saberes. De facto, pode-se retratar também que, a Internet em Portugal não atinge os seus propósitos primordiais, ou seja, mesmo que se utilize para uma parafernália de coisas, muitas das vezes ligadas com factos da vida mundana, nunca se tenta perceber o que se pretende da rede. Pois bem, tenta-se através das novas rede sociais 1, ter bastantes amigos, ser-se conhecido para que muitas pessoas gostem do que coloca-mos na nossa página pessoal, ou até editar a nossa experiência académica como a profissional. Vivendo num mundo que cada dia é sempre diferente do outro, essa mesma realidade atinge a sociedade portuguesa, a que utiliza o computador com ligação à Web, procuramos pois sempre algo novo, deixando assim para trás o que pensamos que já está gasto, ou seja, quem dita as tendências na maior parte das vezes são as próprias redes sócias, vídeos colocados nos perfis pessoais são cada vez mais virais, existe quase que uma moda de comunicar exclusivamente através das redes sociais, quando até há muito pouco tempo, se utilizava o telefone ou pessoalmente se ia ao encontro de uma pessoa que vive duas casas ao nosso lado. A Cultura Digital em Portugal Falando de Cultura Digital em Portugal é falar da utilização da Internet por parte dos portugueses, o uso que dão ao computador, como se relacionam através da Internet, entre outros exemplos. Nas últimas décadas, a população portuguesa que utiliza a 1 BOYD, Danah. (2007) Why Youth (Heart) Social Network Sites: The Role of Networked Publics in Teenage Social Life. MacArthur Foundation Series on Digital Learning Youth, Identity, and Digital Media Volume (ed. David Buckingham). Cambridge, MA: MIT Press.

6 Internet como ferramenta de trabalho como também para outros afins tem vindo a aumentar, podendo assim afirmar que, nos habituamos ao uso desta tecnologia de informação/comunicação. Porém, não podemos apenas e só caracterizar a Internet como ferramenta, mas também o computador em si, um utensílio que tem vindo a modificar a forma de trabalhar, de procurar informação, entretenimento e também a maneira como interagimos uns com os outros. Contudo, através de estudos da OBERCOM (Observatório da Comunicação), neste caso, um relatório de 2010, o qual afirma que 51,2% 2 dos agregados familiares em Portugal ainda não dispõem de Internet, ou seja, a grande maioria da população portuguesa não tem Internet sem suas casas. Este estudo dá a perceber também o número de utilizadores de Internet em Portugal, que é de 44,6% 3, o que nos revela que mais de metade da população nacional não utiliza a mesma. O mesmo estudo também nos dá uma perspectiva sobre os propósitos da utilização da Internet, se para obter informação, bens e serviços, educação, entre outros motivos. Contudo, actualmente são muitos os sectores que já utilizam a Internet como ferramenta de trabalho, como por exemplo, desde a mais pequena empresa de produção agrícola até um banco privado português, estão conectados à rede, como forma de troca de informação com o cliente, com o mercado, visto que, no presente, se não estamos ligados à Internet, por via de um site ou de uma página numa rede social, entramos num vazio da informação, como que se não existíssemos. Falando neste vazio, e apesar nos números em cima apresentados sobre a utilização da Internet por parte dos portugueses, as percentagens poderão não ser as que estávamos à espera, mas, no que toca a redes sociais e utilização de correio electrónico, as percentagens mudam. Vivemos uma era que todos queremos estar conectados a algo, ver e ser visto por alguém e neste caso, as redes sociais vieram ajudar a essa procura flâneurista da sociedade contemporânea. 2 http newsid=428&filename=relat_internetportugal_2010.pdf 3 http newsid=428&filename=relat_internetportugal_2010.pdf

7 Porém, as redes sociais que actualmente tanto ruído criam na sociedade, já anteriormente existiam, noutro formato é certo, visto que todos os dias nos encontrávamos com os nossos familiares, amigos, colegas de trabalhos, entre outros. O que as redes sociais vieram trazer foi, uma maior proliferação de informação, maior troca de dados, uma que quase obrigatória noção do que é cool ou não, até uma maior força para as causas sociais ou manifestações em prol de um ou outro aspecto. Falando também das potencialidades do uso da Internet pela população nacional, podemos reiterar que, na área do ensino, o uso deste tipo de tecnologias tem vindo a ajuda e a sustentar novos avanços, seja o caso do ensino à distância, como também a troca de informação entre Universidades, o que traz sempre novas potencialidades. Também podemos retratar que, embora o número de utilizadores de Internet em Portugal ainda não atingir mais de metade, muitos foram os esforços por parte do governo, com planos de integração para com as novas tecnologias no ensino primário e secundário, que tem vindo a ajudar a atenuar este fosso tecno-exclusão em Portugal. As tecnologias no âmbito da educação em Portugal têm sido impulsionadas, principalmente nas escolas, através de várias iniciativas do estado português. O projecto-piloto consta de 1985, de seu nome, Minerva, tendo como principal objectivo a introdução das Novas Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) nas escolas do ensino não superior. A partir desse projecto, podemos contar mais 11 iniciativas do estado português com a finalidade de ensinar/educar os jovens através das tecnologias e informação e também com o intuito de os capacitar na utilização dessas novas ferramentas. Esses projectos foram: Minerva (1985); Nónio Século XXI ( ); Uarte ( ); Edutic (2005); CRIE (2005); Educom; Trends; Prof. 2000; UMIC (2005); Ligar Portugal (2005); Professores Inovadores (2004); e-escolas (2007). O caso do último projecto do Ministério da Educação, tem como principal objectivo a entrega de computadores aos alunos do ensino primária e secundário do território nacional, com o intuito de capacita-los no uso das novas tecnologias e também criar a habituação ao computador como ferramenta de trabalho, visto que, em certos países, todo o trabalho académico e até as próprias aulas são preparados através de computadores, ditando assim o fim dos cadernos e da velha ardósia. Em suma, no dia-a-dia, através seja de redes sociais, do massivo poder da Internet, ou até da utilização do computador como ferramenta de trabalho ou com outros

8 propósitos, a sociedade ainda está a aprender a utilizar e a viver com estas tecnologias, mesmo que não as possamos chamar de novas, ou até que tragam algo de novo, trazem sim um maior poder em certos parâmetros, quer na área da comunicação, informação, entretimento, entre outros. A regulação da Internet Não sendo o Direito alheio aos problemas suscitados no exercício da liberdade de expressão e comunicação na Internet e aos danos que deste podem decorrer, surgem propostas distintas referentes a processos e mecanismos dirigidos à resolução dos problemas, na medida em que, os conteúdos partilhados na Internet aquando do exercício da liberdade de expressão e das liberdades de comunicação são passíveis de ser reprovados pela ordem jurídica. Paul Mathias é um dos autores que opta por apresentar uma regulação alternativa que não careça de intervenção dos Estados. O autor propõe a compilação de uma série de costumes dos utilizadores da Internet e a sua tradução em normas que suavizem os problemas que têm vindo a ser suscitados, evitando-se, deste modo, a intervenção num meio de comunicação que nasceu e que se desenvolveu ao longo das décadas, sem qualquer tipo de mediador. As características da Internet, enquanto meio de comunicação justificariam, segundo algumas opiniões, a criação de um direito próprio, criado de raiz e concebido, única e exclusivamente, para este fim. Desta forma, compreende-se a necessidade de criar instituições próprias que visassem exclusivamente a auto-regulação da Internet. Outros dos argumentos invocados a favor da auto-regulação têm a ver com a natureza técnica e evolutiva do seu objecto e com o facto de apenas os utilizadores serem capazes de se aperceber dos riscos envolvidos quando confrontados com uma determinada situação, assim sendo, estes serão os mais habilitados para avaliar a adequação e a eficácia das sanções 4. 4 GONÇALVES, Maria Eduarda, Direito da Informação, Novos direitos e formas de regulação na sociedade da informação, Almedina, Coimbra, 2003, p. 140; Poullet, 2000: 159

9 Um sistema de auto-regulação funciona de modo célere e eficaz para dirimir conflitos na rede, com resultados extremamente eficazes 5. No entanto, À defesa da ausência de regulação e da auto-regulação, opõe-se assim, uma perspectiva que, ( ) vem argumentando em favor da regulação pública das comunicações electrónicas 6. A regulação das comunicações electrónicas por parte do Estado tem vindo a ser defendida por vários autores que apontam como fundamento vários argumentos de ordem moral. Desta forma, o Estado deverá arranjar forma de transpor para a sociedade de informação todos os princípios preconizados no seu texto constitucional. Regulação ou auto-regulação? É importante ter a noção de que, apesar da enorme quantidade de vantagens que esta verdadeira revolução nos trouxe, é impossível não proceder a um ponderação acerca dos problemas que é susceptível de suscitar. A utilização da blogosfera pode resultar num verdadeiro pesadelo jurídico. Por um lado, insurge-se a imponente liberdade de expressão, um direito consagrado na Constituição Portuguesa, por outro, brotam abusos sucessivos na publicação de conteúdos, por parte de alguns utilizadores da blogosfera. Paulo Querido alerta para esta questão: Uma pequena rede de blogs poder usar o seu poder para tentar (e conseguir) liquidar a reputação de alguém tomado por alvo, só dependendo das suas capacidades para coligir informação, do seu tempo para caçar, descontextualizar e amplificar erros e contradições, pequenos ou grandes, da repetição sistemática com o que façam ( ) faz-se hoje na rede em poucos dias e usando os gratuitos Google e blogs 7. 5 LEONARDI, Marcel, Responsabilidade Civil dos Provedores de Serviços de Internet, Marcel Leonardi, SP, 2005, p GONÇALVES, Maria Eduarda, Direito da Informação, Novos direitos e formas de regulação na sociedade da informação, Almedina, Coimbra, 2003, p. 140; Santos, Gonçalves e Marques, 2001: p. 191 e ss anos de auto-edição portuguesa (ou: código é poesia).

10 A falta de regulação, tanto nacional como internacional; a insuficiência dos códigos de conduta; o surgimento de opiniões divergentes na doutrina; as questões que se levantam a nível não só nacional, mas também, transnacional; o facto de que, a partir do momento em que um conteúdo é colocado na World Wide Web, o autor pode perder completamente o controlo na partilha da informação, e o facto de a sua propagação poder vir a ser extremamente célere; são factores que no fazem repensar as vantagens da utilização e manuseamento da blogosfera. Todas estas problemáticas contribuem e conduzem-nos para um conjunto de incertezas que derivam da frequência e de uma utilização reiterada da blogosfera. A preocupação das autoridades relativamente a esta temática, tem vindo a aumentar. A proliferação de abusos e as dificuldades na detecção de quem os comete tem obrigado a repensar as formas regulação actuais. A sua insuficiência é notória, uma das maiores preocupações tem a ver com o surgimento de situações de total impunidade e desresponsabilização que não são compatíveis com o ordenamento jurídico português. Os primeiros a tomar consciência desta problemática foram as próprias empresas, as que fornecem este tipo de serviços, criando opções que permitem apagar comentários; opções que não permitem comentários anónimos, para que somente os utilizadores registados e identificados ou identificáveis possam participar construtivamente; ou criando opções em que o autor não permite, de todo, que esta faculdade exista para os visitantes do blogue. Deste modo, as empresas fornecedoras deste género de serviços começaram a criar códigos de conduta, de forma a evitar o surgimento de litígios. Estes códigos apelam, em geral, ao bom senso dos utilizadores na publicação de conteúdos, nos comentários e até mesmo na gestão de comentários que é feita pelo autor do blogue, não nos esqueçamos que o autor pode, a qualquer momento, decidir apagar os comentários dos visitantes.

11 Instrumentos de Auto-Regulação Tim O Reilly 8 foi o primeiro a propor a criação de um Código de Conduta dos bloggers. Esta ideia chegou a ser divulgada pela BBC News que citou O Reilly: I do think we need some code of conduct around what is acceptable behaviour, I would hope that it doesn t come through any kind of regulation it would become through selfregulation.. A ideia principal seria, portanto, a criação de um código de conduta que fosse adoptado livremente pelos utilizadores e que bastasse para regular a blogosfera, de modo a não ser necessária a intervenção dos Estados na resolução de eventuais litígios decorrentes da publicação de conteúdos em blogues. Esta solução passaria pela auto-regulação, ou seja, seriam as próprias empresas que fornecem os serviços (fornecedor de serviços de alojamento) a estabelecer os códigos de conduta e a regular a blogosfera. Tim O Reilly não ficou por aqui e tratou de apontar um conjunto de ideias que deveriam ser incorporadas nos códigos de conduta dos blogues, sendo que, o autor do blogue deveria assumir a responsabilidade pelos conteúdos que publica, assim como, pelos comentários que surgissem, tendo em conta que a gestão dos mesmos está a seu cargo e que, a qualquer momento, tem a possibilidade excluir comentários abusivos, cujo conteúdo não seja aceitável. Os comentários anónimos deveriam deixar de fazer parte da blogosfera, ou seja, após o surgimento da opção que não permite os comentários anónimos, O Reilly considerou fundamental que todos os utilizadores pudessem ser identificados por questões de segurança e de protecção dos utilizadores. Logo que um utilizador se apercebesse que um outro blogger não estivesse a agir de acordo com o código de conduta, este deveria tratar de chamá-lo à atenção desse 8 Fundador da O Reilly Media e apoiante de vários movimentos que defendem a legitimidade da distribuição gratuita e da cópia de quaisquer programas informáticos, sem quaisquer restrições

12 mesmo facto, frisando que, o blogger não devesse publicar online o que não pudesse afirmar pessoalmente e publicamente. A intenção por de trás desta proposta é boa, porém, reconhecidamente insuficiente. Os litígios têm surgido e o apelo ao bom senso dos utilizadores não tem sido bastante, o que levou as próprias empresas fornecedoras dos serviços a criar políticas de conteúdos, para evitar ao máximo o surgimento de litígios e, até mesmo, para se precaverem contra eventuais acusações de utilizadores, descartando, assim, a responsabilidade para os mesmos. Atentemos à política de conteúdos do Blogger 9, traduzida para a língua portuguesa e disponível a qualquer pessoa com acesso à Internet 10. A política de conteúdos do Blogger começa por proceder a uma breve descrição do seu produto que é colocado à disposição da generalidade e classificando-o como um serviço gratuito de comunicações de manifestação individual e liberdade de expressão. São ainda apontados os objectivos do Blogger, nomeadamente, o aumento da informação disponível na rede, o fomento do debate saudável entre a colectividade, de forma a possibilitar a troca de impressões e opiniões construtivas, enriquecendo, desta forma, a sociedade. O Blogger trata ainda de ressalvar o respeito pelos direitos de propriedade e responsabilidade dos utilizadores face ao conteúdo que os mesmos partilham, tendo em conta que não faria sentido que o serviço que promove a liberdade de expressão viesse agora censurar conteúdos. Classifica-o como sendo um espaço onde a liberdade de expressão não deverá, jamais, ser colocada em causa. Com esta tomada de posição o Blogger, por um lado, concretiza, uma vez mais, os seus valores e, por outro, afasta a sua responsabilidade nas publicações dos utilizadores, reconduzindo-a para os utilizadores. 9 Blogger, serviço que pretence ao Google e que visa a criação de blogues na internet 10

13 Na prática, o Blogger não restringe os conteúdos que os utilizadores publicam mas não se responsabiliza por ter permitido a publicação de um determinado conteúdo, através d seu alojamento no seu website. Com o intuito de preservar o valor da liberdade de expressão, de fomentar o diálogo e o debate saudável e de possibilitar o surgimento de novas interacções entre pessoas, o Blogger implementou um conjunto de limites relativos ao conteúdo que pode ser alojado através do seu serviço. Limites estes que se encontram definidos de forma a cumprir os requisitos legais e que visam o incremento da qualidade dos serviços prestados pelo Blogger. Assim sendo, relativamente aos limites ao conteúdo, o Blogger ressalva a possibilidade de poder, a qualquer momento, alterar as suas directrizes com vista à melhoria do seu serviço, de modo a obter uma maior satisfação por parte dos seus clientes. Fica igualmente ressalvado um conjunto de excepções com base em considerações artísticas, educativas, documentais ou científicas ou sempre que existam benefícios substanciais para o público ao não tomarmos medidas sobre o conteúdo 11. O conteúdo para adultos é permitido sempre que o utilizador marque o seu blogue como para adultos, caso contrário, o Blogger poderá colocar uma página de aviso de conteúdo para adultos. Excluídos, desta excepção, ficam os conteúdos utilizados como fonte de rendimento provenientes de conteúdos para adultos e conteúdos de incesto ou bestialidade, independentemente da sua forma. 11 In

14 Conclusão Em forma de conclusão, através da pesquisa elaborada para este trabalho, conseguiu-se de certa forma, perceber quais os parâmetros utilizados para regular a internet, neste caso, a questão dos blogues. Entre as questões de liberdade de utilização da Internet até a introdução de serviços de auto-regulação por parte das empresas detentoras de serviços como os blogues, pode-se perceber que muito fica por explicar, ou seja, até onde se pode ir, pode-se regular ou até restringir o uso de conteúdos e informações, mas creio, com a actual legislação sobre restrições na Web, ainda muito se poderá melhorar. Assim, e como se pode ver, a linha que escolhi na elaboração para este trabalho, não referindo apenas a regulação da Internet, optei por ligar a regulação da mesma e a questão dos blogues, espaços disponíveis para o desenvolvimento do pensamento critico, fóruns de debate ou até troca de informação. Neste caso, terá que se repensar as estruturas de regulação dos mesmos, visto que até ao momento, muito ficou por tratar, ou seja, muitos são os casos de abuso, seja contra terceiros ou apenas para criar distúrbios.

15 Bibliografia LEONARDI, Marcel, Responsabilidade Civil dos Provedores de Serviços de Internet, Marcel Leonardi, SP, AAVV (2003), Spreading the Word on the Internet, 16 Answers to 4 Questions, Reflections on Freedom of the Media and the Internet, Amsterdam Conference, June 2003, Edited by Christiane Hardy and Christian Möller, OSCE. GONÇALVES, Maria Eduarda, Direito da Informação, Novos direitos e formas de regulação na sociedade da informação, Almedina, Coimbra, 2003, p. 140; Santos, Gonçalves e Marques, BOYD, Danah. (2007) Why Youth (Heart) Social Network Sites: The Role of Networked Publics in Teenage Social Life. MacArthur Foundation Series on Digital Learning Youth, Identity, and Digital Media Volume (ed. David Buckingham). Cambridge, MA: MIT Press Outros documentos utilizados Http newsid=428&filename=relat_internetportugal _2010.pdf 15 Anos de Auto-Edição Portuguesa (ou: código é poesia),

O Público dos Blogues

O Público dos Blogues O Público dos Blogues em Portugal Universidade Católica Portuguesa Comunicação Social e Cultural Variante Digital Interactiva Públicos e Audiências Dezembro 2005 Dinis Correia 130301088 Filipa Manha 130301505

Leia mais

DIREITO AO ESQUECIMENTO NA INTERNET / / LIBERDADE DE INFORMAÇÃO (CASO PORTUGUÊS)

DIREITO AO ESQUECIMENTO NA INTERNET / / LIBERDADE DE INFORMAÇÃO (CASO PORTUGUÊS) DIREITO AO ESQUECIMENTO NA INTERNET / / LIBERDADE DE INFORMAÇÃO (CASO PORTUGUÊS) Cartagena das Índias, 15 de Outubro de 2013 Carlos Campos Lobo Índice Enquadramento Direito ao esquecimento Quadro normativo

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA. Adoptado a 25 de Junho de 1999 pelas três Associações:

CÓDIGO DE ÉTICA. Adoptado a 25 de Junho de 1999 pelas três Associações: CÓDIGO DE ÉTICA Adoptado a 25 de Junho de 1999 pelas três Associações: APDIS Associação Portuguesa de Documentação e Informação na Saúde BAD Associação Portuguesa de Bibliotecários, Arquivistas e Documentalistas

Leia mais

CÓDIGO BRASILEIRO DE ÉTICA PARA ARQUIVISTAS

CÓDIGO BRASILEIRO DE ÉTICA PARA ARQUIVISTAS CÓDIGO BRASILEIRO DE ÉTICA PARA ARQUIVISTAS Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Código de Ética dos Arquivistas Objetivo: Fornecer à profissão arquivística

Leia mais

centro atlântico Portugal/2003

centro atlântico Portugal/2003 centro atlântico Portugal/2003 Reservados todos os direitos por Centro Atlântico, Lda. Qualquer reprodução, incluindo fotocópia, só pode ser feita com autorização expressa dos editores da obra. Blogs Colecção:

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 414/IX

PROJECTO DE LEI N.º 414/IX PROJECTO DE LEI N.º 414/IX PROCEDE À ADAPTAÇÃO DO CÓDIGO DOS DIREITOS DE AUTOR E DOS DIREITOS CONEXOS ÀS NOVAS REALIDADES CRIADAS PELA SOCIEDADE DE INFORMAÇÃO Exposição de motivos O presente projecto de

Leia mais

LICENCIATURA EM GESTÃO CONTROLO DA QUALIDADE

LICENCIATURA EM GESTÃO CONTROLO DA QUALIDADE LICENCIATURA EM GESTÃO 1º Ano 2º semestre CONTROLO DA QUALIDADE Elaborado por: João Gilberto Ramos Abreu 2089506 Nádia Andrade Abreu 2038907 Sónia Vieira da Silva - 2043407 Funchal Abril de 2008 "Criatividade

Leia mais

REGULAMENTO INTRODUÇÃO OBJETIVOS PÚBLICO-ALVO

REGULAMENTO INTRODUÇÃO OBJETIVOS PÚBLICO-ALVO REGULAMENTO INTRODUÇÃO O DNS.PT e a DECO promovem a 3ª edição do Concurso Sitestar.pt, uma iniciativa nacional que convida a comunidade educativa a desenvolver sites em português e sob domínio.pt durante

Leia mais

António Amaro Marketing Digital Junho 2014 INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS

António Amaro Marketing Digital Junho 2014 INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS FACTOS A Internet mudou profundamente a forma como as pessoas encontram, descobrem, compartilham, compram e se conectam. INTRODUÇÃO Os meios digitais, fazendo hoje parte do quotidiano

Leia mais

A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS

A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS NOVEMBRO DE 2007 CMVM A 1 de Novembro de 2007 o

Leia mais

A INFLUÊNCIA DAS NOVAS TECNOLOGIAS NO PROCESSO DE ENSINO: VANTAGENS E DESVANTAGENS

A INFLUÊNCIA DAS NOVAS TECNOLOGIAS NO PROCESSO DE ENSINO: VANTAGENS E DESVANTAGENS A INFLUÊNCIA DAS NOVAS TECNOLOGIAS NO PROCESSO DE ENSINO: VANTAGENS E DESVANTAGENS Vitor Cleton Viegas de Lima 1 Cristiane Camargo Aita 2 Daniele Pinto Andres 3 Resumo: este artigo tem por objetivo levantar

Leia mais

MANIFESTO. A voz dos adultos aprendentes nas acções de alfabetização na Europa

MANIFESTO. A voz dos adultos aprendentes nas acções de alfabetização na Europa QUEM SOMOS NÓS? MANIFESTO A voz dos adultos aprendentes nas acções de alfabetização na Europa Somos adultos que participam em acções de alfabetização oriundos da Bélgica, França, Alemanha, Irlanda, Holanda,

Leia mais

Ano letivo 2014/2015. Planificação da disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação 8º ano. Domínio: Comunicação e Colaboração CC8

Ano letivo 2014/2015. Planificação da disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação 8º ano. Domínio: Comunicação e Colaboração CC8 Ano letivo 2014/2015 Planificação da disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação 8º ano Domínio: Comunicação e Colaboração CC8 Aulas Previstas Semestre 32 Subdomínio: Conhecimento e utilização

Leia mais

Melhor Comunicação com o serviço UCoIP. Uma nova visão da Identidade Corporativa

Melhor Comunicação com o serviço UCoIP. Uma nova visão da Identidade Corporativa Melhor Comunicação com o serviço UCoIP Uma nova visão da Identidade Corporativa O que irá aprender A Importância do novo conceito UCoIP nas comunicações empresariais de amanhã. Um único endereço para todas

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA

CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA Na defesa dos valores de integridade, da transparência, da auto-regulação e da prestação de contas, entre outros, a Fundação Casa da Música,

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE T.I.C. 8.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE T.I.C. 8.º ANO DE T.I.C. 8.º ANO Ano Letivo 2015 2016 PERFIL DO ALUNO O aluno deve ser capaz de: - desenvolver capacidades na utilização das tecnologias de informação e comunicação que permitam uma literacia digital

Leia mais

REGIME JURÍDICO APLICÁVEL AOS CALL CENTERS

REGIME JURÍDICO APLICÁVEL AOS CALL CENTERS TMT N.º 2 /2009 MAIO/JUNHO 2009 REGIME JURÍDICO APLICÁVEL AOS CALL CENTERS Foi publicado no passado dia 2 de Junho o Decreto-Lei nº 134/2009 que veio estabelecer o regime jurídico aplicável à prestação

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA Julho de 2013

CÓDIGO DE CONDUTA Julho de 2013 CÓDIGO DE CONDUTA Julho de 2013 1 ÍNDICE INTRODUÇÃO...3 I. Âmbito de Aplicação e Princípios Gerais...4 Artigo 1.º Âmbito Pessoal...4 Artigo 2.º Âmbito Territorial...4 Artigo 3.º Princípios Gerais...4 Artigo

Leia mais

da Identidade social dos jovens

da Identidade social dos jovens O Papel dos media digitais na construção da Identidade social dos jovens O Papel dos media digitais na construção da Identidade social dos jovens Media Digitais e Socialização Atividade 3 SINTESE Grupo

Leia mais

Guião de Apoio Juntos por uma Internet melhor! GUIÃO DE APOIO. Página 1

Guião de Apoio Juntos por uma Internet melhor! GUIÃO DE APOIO. Página 1 GUIÃO DE APOIO Página 1 As metas curriculares da disciplina de Tecnologias de Informação e Comunicação, do 7º e 8º ano, contemplam em alguns domínios, subdomínios e descritores, uma abordagem às questões

Leia mais

1. Introdução. 2. O pedido

1. Introdução. 2. O pedido http://www.anacom.pt/template31.jsp?categoryid=227462 Deliberação de 11.1.2007 FUNDAMENTAÇÃO PARA O SENTIDO PROVÁVEL DE DECISÃO SOBRE A CRIAÇÃO DE CÓDIGOS ESPECÍFICOS NO PLANO NACIONAL DE NUMERAÇÃO PARA

Leia mais

Sobre a linha de apoio de compliance do Grupo Generali (EthicsPoint)

Sobre a linha de apoio de compliance do Grupo Generali (EthicsPoint) Sobre a linha de apoio de compliance do Grupo Generali (EthicsPoint) Denúncias - Geral Segurança das denúncias Confidencialidade e proteção de dados Sobre a linha de apoio de compliance do Grupo Generali

Leia mais

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA PARECER SOBRE O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA (Proposta de Regulamento sobre o Estatuto da AE e Proposta de Directiva que completa o estatuto da AE no que se refere ao papel dos

Leia mais

Vivências condicionadas do digital: as experiências de crianças e jovens do Programa Escolhas

Vivências condicionadas do digital: as experiências de crianças e jovens do Programa Escolhas Vivências condicionadas do digital: as experiências de crianças e jovens do Programa Escolhas Cristina Ponte, José Alberto Simões, Ana Jorge FCSH-UNL, Lisboa, 4 de Novembro 2011 Aspectos gerais Objectivo

Leia mais

e-learning: Outro espaço para ensinar e aprender

e-learning: Outro espaço para ensinar e aprender e-learning: Outro espaço para ensinar e aprender João Torres, Miguel Figueiredo e Rosário Rodrigues Centro de Competência Nónio Séc. XXI da ESE de Setúbal 26 de Abril de 2005 1 2 3 4 5 24 Objectivos Debater

Leia mais

Periodicamente, poderemos restringir o acesso a alguns locais do nosso site, ou a todo o site, mesmo aos utilizadores registados.

Periodicamente, poderemos restringir o acesso a alguns locais do nosso site, ou a todo o site, mesmo aos utilizadores registados. TERMOS DE UTILIZAÇÃO UTILIZAÇÃO DO SITE CONDIÇÕES DE UTILIZAÇÃO DO SITE Esta página (juntamente com os documentos nela referidos) informa-o das condições de utilização do nosso site [insert website], quer

Leia mais

Introdução ao projecto Gaia Global

Introdução ao projecto Gaia Global Introdução ao projecto Gaia Global Autarquia de Vila Nova de Gaia Luís BorgesGouveia A sociedade da informação A Sociedade da Informação é uma sociedade que predominantemente utiliza o recurso às tecnologias

Leia mais

Normas para Evitar Conflito de Interesses no Processo de Avaliação

Normas para Evitar Conflito de Interesses no Processo de Avaliação Normas para Evitar Conflito de Interesses no Processo de Avaliação Janeiro de 2008 1. Introdução Uma das condições para que a avaliação cumpra todos os seus objectivos e contribua para a melhoria contínua

Leia mais

Guião de apoio para divulgação junto da Comunicação Social

Guião de apoio para divulgação junto da Comunicação Social Semana da Liberdade de Escolha da Escola / School Choice Week & I Conferência da Liberdade de Escolha da Escola / 1st School Choice Conference Guião de apoio para divulgação junto da Comunicação Social

Leia mais

UMA VISÃO GERAL SOBRE O PROJECTODA WORLD WIDE WEB FOUNDATION "DIREITOS DAS MULHERES ONLINE" Por: Alsácia Atanásio. Coordenadora do Projecto

UMA VISÃO GERAL SOBRE O PROJECTODA WORLD WIDE WEB FOUNDATION DIREITOS DAS MULHERES ONLINE Por: Alsácia Atanásio. Coordenadora do Projecto UMA VISÃO GERAL SOBRE O PROJECTODA WORLD WIDE WEB FOUNDATION "DIREITOS DAS MULHERES ONLINE" Por: Alsácia Atanásio Coordenadora do Projecto SIITRI, Moçambique Ò o UMA VISÃO GERAL SOBRE O PROJECTO DA WORLD

Leia mais

XI Mestrado em Gestão do Desporto

XI Mestrado em Gestão do Desporto 2 7 Recursos Humanos XI Mestrado em Gestão do Desporto Gestão das Organizações Desportivas Módulo de Gestão de Recursos Rui Claudino FEVEREIRO, 28 2 8 INDÍCE DOCUMENTO ORIENTADOR Âmbito Objectivos Organização

Leia mais

Mónica Montenegro António Jorge Costa

Mónica Montenegro António Jorge Costa Mónica Montenegro António Jorge Costa INTRODUÇÃO... 4 REFERÊNCIAS... 5 1. ENQUADRAMENTO... 8 1.1 O sector do comércio em Portugal... 8 2. QUALIDADE, COMPETITIVIDADE E MELHORES PRÁTICAS NO COMÉRCIO... 15

Leia mais

A Problemática da Pirataria

A Problemática da Pirataria A Problemática da Pirataria Márcio Miguel Rodrigues Francisco Departamamento de Engenharia Informática Faculdade de Ciências e Tecnologia Universidade de Coimbra 3030 Coimbra, Portugal mfranc@student.dei.uc.pt

Leia mais

DIREITOS FUNDAMENTAIS. Exame - 16.06.2015. Turma: Dia. Responda, sucintamente, às seguintes questões:

DIREITOS FUNDAMENTAIS. Exame - 16.06.2015. Turma: Dia. Responda, sucintamente, às seguintes questões: DIREITOS FUNDAMENTAIS Exame - 16.06.2015 Turma: Dia I Responda, sucintamente, às seguintes questões: 1. Explicite o sentido, mas também as consequências práticas, em termos de densidade do controlo judicial,

Leia mais

USANDO A REDE SOCIAL (FACEBOOK) COMO FERRAMENTA DE APRENDIZAGEM

USANDO A REDE SOCIAL (FACEBOOK) COMO FERRAMENTA DE APRENDIZAGEM Introdução USANDO A REDE SOCIAL (FACEBOOK) COMO FERRAMENTA DE APRENDIZAGEM Paula Priscila Gomes do Nascimento Pina EEEFM José Soares de Carvalho EEEFM Agenor Clemente dos Santos paulapgnascimento@yahoo.com.br

Leia mais

GUIA PARA COMPRA ONLINE

GUIA PARA COMPRA ONLINE GUIA PARA COMPRA ONLINE www.tipsal.pt QUEM SOMOS A TIPSAL - Técnicas Industriais de Protecção e Segurança, Lda foi fundada em 1980. Somos uma empresa de capitais exclusivamente nacionais com sede social

Leia mais

Escola EB 2,3 de António Feijó

Escola EB 2,3 de António Feijó AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ANTÓNIO FEÍJO Escola EB 2,3 de António Feijó 8.º ANO PLANIFICAÇÃO SEMESTRAL Tecnologias de Informação e Comunicação Ano Letivo 2014/2015 INFORMAÇÃO Domínio Conteúdos Objetivos

Leia mais

Aviso de privacidade de dados

Aviso de privacidade de dados Aviso de privacidade de dados 1. Introdução Nós somos a Supplies Distributors SA, a nossa sede está localizada na Rue Louis Blériot 5, 4460 Grâce-Hollogne, está inscrita no Registo do Comércio Liége com

Leia mais

T&E Tendências & Estratégia

T&E Tendências & Estratégia FUTURE TRENDS T&E Tendências & Estratégia Newsletter número 1 Março 2003 TEMA deste número: Desenvolvimento e Gestão de Competências EDITORIAL A newsletter Tendências & Estratégia pretende ser um veículo

Leia mais

Portal AEPQ Manual do utilizador

Portal AEPQ Manual do utilizador Pedro Gonçalves Luís Vieira Portal AEPQ Manual do utilizador Setembro 2008 Engenharia Informática - Portal AEPQ Manual do utilizador - ii - Conteúdo 1 Introdução... 1 1.1 Estrutura do manual... 3 1.2 Requisitos...

Leia mais

Trabalho 3 Scratch na Escola

Trabalho 3 Scratch na Escola Faculdade de Ciências e Tecnologias da Universidade de Coimbra Departamento de Matemática Trabalho 3 Scratch na Escola Meios Computacionais de Ensino Professor: Jaime Carvalho e Silva (jaimecs@mat.uc.pt)

Leia mais

Concurso de Design Mascote Eficiência Energética

Concurso de Design Mascote Eficiência Energética Concurso de Design Mascote Eficiência Energética Regulamento 1. Introdução O presente concurso destina-se à criação da Mascote da Eficiência Energética, que estará associada à COGEN Portugal, e que será

Leia mais

RIO DE JANEIRO 2015. Anteprojeto de lei de proteção de dados pessoais/ Contribuição do ITS para o debate público

RIO DE JANEIRO 2015. Anteprojeto de lei de proteção de dados pessoais/ Contribuição do ITS para o debate público RIO DE JANEIRO 2015 Anteprojeto de lei de proteção de dados pessoais/ Contribuição do ITS para o debate público APL DE DADOS Resumo Esta é uma contribuição do ITS ao debate público sobre o anteprojeto

Leia mais

1.3 Duração: O Passatempo decorrerá entre o dia 8 e as 23h59 do dia 21 de Setembro de 2014.

1.3 Duração: O Passatempo decorrerá entre o dia 8 e as 23h59 do dia 21 de Setembro de 2014. REGULAMENTO PASSATEMPO: A vida são 2 dias Acção promocional Garnier Narta Deocare 1. DEFINIÇÕES 1.1 Passatempo: Este passatempo visa premiar a melhor resposta à pergunta Porque é que mereces ganhar 48h

Leia mais

É uma rede mundial de computadores ligados entre si. INTERNET

É uma rede mundial de computadores ligados entre si. INTERNET INTERNET O QUE É A INTERNET? O QUE É NECESSÁRIO PARA ACEDER À INTERNET? QUAL A DIFERENÇA ENTRE WEB E INTERNET? HISTÓRIA DA INTERNET SERVIÇOS BÁSICOS DA INTERNET 2 1 INTERCONNECTED NETWORK INTERNET A Internet

Leia mais

NORMAS DE CONDUTA. Apresentação

NORMAS DE CONDUTA. Apresentação NORMAS DE CONDUTA Apresentação Adequando-se às melhores práticas de Governança Corporativa, a TITO está definindo e formalizando as suas normas de conduta ( Normas ). Estas estabelecem as relações, comportamentos

Leia mais

Relatório Final da Acção de Formação Sustentabilidade na Terra e Energia na Didáctica das Ciências (1 de Julho a 13 de Setembro de 2008)

Relatório Final da Acção de Formação Sustentabilidade na Terra e Energia na Didáctica das Ciências (1 de Julho a 13 de Setembro de 2008) Relatório Final da Acção de Formação Sustentabilidade na Terra e Energia na Didáctica das Ciências (1 de Julho a 13 de Setembro de 2008) Centro de Formação Centro de Formação da Batalha Formando Selma

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

Código de Ética do IBCO

Código de Ética do IBCO Código de Ética do IBCO Qua, 14 de Novembro de 2007 21:00 O papel do consultor de organização, no desempenho de suas atividades, é o de assistir aos clientes na melhoria do seu desempenho, tanto nos aspectos

Leia mais

Código de Ética. PARTE I Relação com o cliente de Consultoria

Código de Ética. PARTE I Relação com o cliente de Consultoria Código de Ética PARTE I Relação com o cliente de Consultoria 1. É essencial que o Consultor estabeleça de inicio com o cliente, de forma clara, os objetivos do trabalho previsto, dos meios a serem utilizados,

Leia mais

Potencialidades Pedagógicas do Windows Live

Potencialidades Pedagógicas do Windows Live Potencialidades Pedagógicas do Windows Live Novembro, 2010 1 O que é o Windows Live 2 Como aceder ao Windows Live 2.1 Criar uma Windows Live ID 2.2 Aceder ao Windows Live 3 Serviços online do Windows Live

Leia mais

SOCIEDADE VIRTUAL: UMA NOVA REALIDADE PARA A RESPONSABILIDADE CIVIL

SOCIEDADE VIRTUAL: UMA NOVA REALIDADE PARA A RESPONSABILIDADE CIVIL SOCIEDADE VIRTUAL: UMA NOVA REALIDADE PARA A RESPONSABILIDADE CIVIL FABRICIO DOS SANTOS RESUMO A sociedade virtual, com suas relações próprias vem se tornando uma nova realidade para a responsabilidade

Leia mais

PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º 1373/XII/4ª

PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º 1373/XII/4ª PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º 1373/XII/4ª Recomenda ao Governo a definição de uma estratégia para o aprofundamento da cidadania e da participação democrática e política dos jovens A cidadania é, além de um

Leia mais

Office 2010 e SharePoint 2010: Produtividade Empresarial no Seu Melhor. Folha de Factos

Office 2010 e SharePoint 2010: Produtividade Empresarial no Seu Melhor. Folha de Factos Office 2010 e SharePoint 2010: Produtividade Empresarial no Seu Melhor Folha de Factos A informação contida neste documento representa a visão actual da Microsoft Corporation sobre os assuntos discutidos,

Leia mais

Utilização das redes sociais e suas repercussões

Utilização das redes sociais e suas repercussões Utilização das redes sociais e suas repercussões O papel da escola : @ Orientação aos professores, alunos e pais @ Acompanhamento de situações que repercutem na escola @ Atendimento e orientação a pais

Leia mais

MÓDULO MULTIMÉDIA PROFESSOR: RICARDO RODRIGUES. MAIL: rprodrigues@escs.ipl.pt esganarel@gmail.com. URL: http://esganarel.home.sapo.

MÓDULO MULTIMÉDIA PROFESSOR: RICARDO RODRIGUES. MAIL: rprodrigues@escs.ipl.pt esganarel@gmail.com. URL: http://esganarel.home.sapo. MÓDULO MULTIMÉDIA PROFESSOR: RICARDO RODRIGUES MAIL: rprodrigues@escs.ipl.pt esganarel@gmail.com URL: http://esganarel.home.sapo.pt GABINETE: 1G1 - A HORA DE ATENDIMENTO: SEG. E QUA. DAS 11H / 12H30 (MARCAÇÃO

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE MUDANÇA DE COMERCIALIZADOR - CONSULTA PÚBLICA -

PROCEDIMENTOS DE MUDANÇA DE COMERCIALIZADOR - CONSULTA PÚBLICA - PROCEDIMENTOS DE MUDANÇA DE COMERCIALIZADOR - CONSULTA PÚBLICA - 1. ENQUADRAMENTO Na sequência da consulta pública acima mencionada, promovida conjuntamente pelos reguladores português e espanhol, vem

Leia mais

ARTIGO 29.º - Grupo de Protecção de Dados Pessoais

ARTIGO 29.º - Grupo de Protecção de Dados Pessoais ARTIGO 29.º - Grupo de Protecção de Dados Pessoais 12054/02/PT WP 69 Parecer 1/2003 sobre o armazenamento dos dados de tráfego para efeitos de facturação Adoptado em 29 de Janeiro de 2003 O Grupo de Trabalho

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE O USO DA INTERNET E

ORIENTAÇÕES SOBRE O USO DA INTERNET E ORIENTAÇÕES SOBRE O USO DA INTERNET E DO CORREIO ELECTRÓNICO NA SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO CÓDIGO DE CONDUTA (VERSÃO 1.0 2005-12-09) Índice 1 INTRODUÇÃO...2 2 CÓDIGO DE CONDUTA...2 2.1 CONDIÇÕES GERAIS

Leia mais

ANUCIANTE declara que aquiesceu com todas as condições apresentadas no presente Termo de Uso.

ANUCIANTE declara que aquiesceu com todas as condições apresentadas no presente Termo de Uso. O website e domínio www.busquecursos.co, bem como seus subdomínios, funcionalidades, conteúdo e demais aplicações e serviços (incluindo aplicações mobile) estão sujeitos aos termos e condições deste termo

Leia mais

DOMÍNIO/SUBDOMÍNIOS/ METAS Subdomínio: Conhecimento e utilização

DOMÍNIO/SUBDOMÍNIOS/ METAS Subdomínio: Conhecimento e utilização Comunicação e Colaboração Planificação da Disciplina de Planificação Semestral DOMÍNIO/SUBDOMÍNIOS/ METAS Subdomínio: Conhecimento e utilização OBJETIVOS Explorar sumariamente diferentes ferramentas e

Leia mais

Fundo de Garantia Automóvel. Fundo de Garantia Automóvel

Fundo de Garantia Automóvel. Fundo de Garantia Automóvel INSTITUTO DE SEGUROS DE PORTUGAL Rigor e Transparência Rigor e Transparência COSTUMAMOS DIZER NO FGA QUE O UTENTE, AINDA QUE NÃO TENHA RAZÃO, É A RAZÃO DA NOSSA EXISTÊNCIA E DIZEMOS TAMBÉM QUE UM PROCESSO

Leia mais

ESCOLA BÁSICA 2 / 3 DE MARTIM DE FREITAS TIC Tecnologias de informação e comunicação - Ano lectivo de 2014 / 2015

ESCOLA BÁSICA 2 / 3 DE MARTIM DE FREITAS TIC Tecnologias de informação e comunicação - Ano lectivo de 2014 / 2015 TIC Tecnologias de informação e comunicação - Ano lectivo de 204 / 205 SUBDOMÍNIO CC8.. CONHECIMENTO E UTILIZAÇÃO ADEQU ADA E SEGURA DE DIFERENTES TIPOS DE FERRAMENTAS DE COMUNICAÇÃO, DE ACORDO COM AS

Leia mais

O QUE FARIAS? Destacável Noesis n.º 83. Concepção da Equipa da SeguraNet-ERTE/DGIDC Ilustração de Nelson Martins

O QUE FARIAS? Destacável Noesis n.º 83. Concepção da Equipa da SeguraNet-ERTE/DGIDC Ilustração de Nelson Martins O QUE FARIAS? Actividades sobre segurança na Internet destinadas aos alunos do 2.º e 3.º ciclos e ensino secundário Destacável Noesis n.º 83 Concepção da Equipa da SeguraNet-ERTE/DGIDC Ilustração de Nelson

Leia mais

... 1º Período. Metas/Objetivos Descritores Conceitos/Conteúdos Estratégias/Metodologias Avaliação

... 1º Período. Metas/Objetivos Descritores Conceitos/Conteúdos Estratégias/Metodologias Avaliação DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E INFORMÁTICA DISCIPLINA: TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO PLANIFICAÇÃO DE 8º ANO... 1º Período Domínio COMUNICAÇÃO E COLABORAÇÃO CC8 Conhecimento e utilização adequada

Leia mais

Investigar a relação de crianças e adolescentes com a internet numa perspetiva comparada

Investigar a relação de crianças e adolescentes com a internet numa perspetiva comparada Cristina Ponte - CIMJ/FCSH, Universidade Nova de Lisboa Investigar a relação de crianças e adolescentes com a internet numa perspetiva comparada II Congresso Internacional Comunicação e Consumo ESPM Escola

Leia mais

PROJETO: ESCOLA DIGITAL

PROJETO: ESCOLA DIGITAL GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA EDUCAÇÃO BÁSICA E.E.F.M. MARIA EDILCE DIAS FERNANDES. PROJETO: ESCOLA DIGITAL PÚBLICO ALVO: Ensino Fundamental: 20 Alunos do 8º ano; 24 do 9º ano Ensino Médio:

Leia mais

澳 門 特 別 行 政 區 政 府 Governo da Região Administrativa Especial de Macau 個 人 資 料 保 護 辦 公 室 Gabinete para a Protecção de Dados Pessoais

澳 門 特 別 行 政 區 政 府 Governo da Região Administrativa Especial de Macau 個 人 資 料 保 護 辦 公 室 Gabinete para a Protecção de Dados Pessoais Estudo do grau de conhecimento e das necessidades de protecção de dados pessoais entre os alunos do ensino secundário e do ensino superior de Macau 2014 Sumário Para saber qual o grau de conhecimento e

Leia mais

Novas Tecnologias no Ensino de Física: discutindo o processo de elaboração de um blog para divulgação científica

Novas Tecnologias no Ensino de Física: discutindo o processo de elaboração de um blog para divulgação científica Novas Tecnologias no Ensino de Física: discutindo o processo de elaboração de um blog para divulgação científica Pedro Henrique SOUZA¹, Gabriel Henrique Geraldo Chaves MORAIS¹, Jessiara Garcia PEREIRA².

Leia mais

AEC ALE TIC. Orientações Pedagógicas. 1.º Ciclo do Ensino Básico

AEC ALE TIC. Orientações Pedagógicas. 1.º Ciclo do Ensino Básico ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR ANO LETIVO 2014/2015 AEC ALE TIC Orientações Pedagógicas 1.º Ciclo do Ensino Básico 1. Introdução A atividade de enriquecimento curricular, ALE (atividades lúdico-expressivas)

Leia mais

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira Inclusão Financeira Inclusão Financeira Ao longo da última década, Angola tem dado importantes passos na construção dos pilares que hoje sustentam o caminho do desenvolvimento económico, melhoria das

Leia mais

QUESTÕES ÉTICAS E SOCIAIS NA EMPRESA DIGITAL

QUESTÕES ÉTICAS E SOCIAIS NA EMPRESA DIGITAL QUESTÕES ÉTICAS E SOCIAIS NA EMPRESA DIGITAL 1 OBJETIVOS 1. Quais são as questões éticas, sociais e políticas relacionadas com os sistemas de informação? 2. Existem princípios específicos de conduta que

Leia mais

geas www.sensocomum.pt

geas www.sensocomum.pt geas Como uma aplicação online pode facilitar a gestão da minha associação + fácil fichas de sócio online + rápido consulta de cotas + controlo histórico de alteração dados Com uma ferramenta disponível

Leia mais

Termos e Condições de Utilização do Portal ZOOM

Termos e Condições de Utilização do Portal ZOOM Termos e Condições de Utilização do Portal ZOOM 1. Objeto, Âmbito e Finalidade Este documento define as regras gerais de utilização do Portal ZOOM, cuja propriedade e administração compete à CASES COOPERATIVA

Leia mais

POLÍTICA DE CONTRATAÇÃO DE TERCEIROS

POLÍTICA DE CONTRATAÇÃO DE TERCEIROS POLÍTICA DE CONTRATAÇÃO DE TERCEIROS 1 INDICE POLÍTICA DE CONTRATAÇÃO DE TERCEIROS... 1 INDICE... 2 1. Responsabilidade Legal e Social... 3 2. Processo de Contratação de Terceiros... 4 3. Categorias de

Leia mais

Colaborações em ambientes online predispõem a criação de comunidades de

Colaborações em ambientes online predispõem a criação de comunidades de Ficha de Leitura Tipo de documento: Artigo Título: Colaboração em Ambientes Online na Resolução de Tarefas de Aprendizagem Autor: Miranda Luísa, Morais Carlos, Dias Paulo Assunto/Sinopse/Resenha: Neste

Leia mais

PLATAFORMA CLICK TO PRAY

PLATAFORMA CLICK TO PRAY PLATAFORMA CLICK TO PRAY 1 OBJECTO: Informação sobre os TERMOS E CONDIÇÕES que regulam o acesso e utilização do sítio web alojado sob a denominação www.clicktopray.org e de todos os conteúdos que dele

Leia mais

Anexo 1 GUIÃO DE ENTREVISTA A APLICAR À DOCENTE DE EDUCAÇÃO ESPECIAL

Anexo 1 GUIÃO DE ENTREVISTA A APLICAR À DOCENTE DE EDUCAÇÃO ESPECIAL ANEXOS 1 Anexo 1 GUIÃO DE ENTREVISTA A APLICAR À DOCENTE DE EDUCAÇÃO ESPECIAL - Saber se a escola contempla o Programa de Transição para a Vida Activa e identificar as características do Programa; 1 -

Leia mais

Enunciado de apresentação do projecto

Enunciado de apresentação do projecto Engenharia de Software Sistemas Distribuídos 2 o Semestre de 2009/2010 Enunciado de apresentação do projecto FEARSe Índice 1 Introdução... 2 2 Cenário de Enquadramento... 2 2.1 Requisitos funcionais...

Leia mais

coleção Conversas #22 - maio 2015 - Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #22 - maio 2015 - Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. coleção Conversas #22 - maio 2015 - assistente social. agora? Sou E Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção CONVERSAS da Editora AfroReggae nasceu com o desejo

Leia mais

QUERES SER VOLUNTÁRIO(A) NO GEOTA?

QUERES SER VOLUNTÁRIO(A) NO GEOTA? INVENTARIAÇÃO DE POPULAÇÕES DE AVIFAUNA DA RESERVA NATURAL LOCAL DO PAUL DE TORNADA - Quais os objetivos da tarefa? Manter, incrementar e divulgar os valores naturais da Reserva Natural Local do Paul de

Leia mais

Apresentação de Solução

Apresentação de Solução Apresentação de Solução Solução: Gestão de Altas Hospitalares Unidade de negócio da C3im: a) Consultoria e desenvolvimento de de Projectos b) Unidade de Desenvolvimento Área da Saúde Rua dos Arneiros,

Leia mais

AMUT Trocas. Normas de funcionamento

AMUT Trocas. Normas de funcionamento AMUT Trocas Normas de funcionamento A Associação Mutualista dos Trabalhadores da Câmara Municipal de Gondomar, Instituição Particular de Solidariedade Social (IPSS), tem como finalidade principal conceder

Leia mais

Os Investigadores da Universidade de Coimbra e as plataformas

Os Investigadores da Universidade de Coimbra e as plataformas Os Investigadores da Universidade de Coimbra e as plataformas & 1 Índice 2 Introdução...3 3 A Plataforma de Curricula DeGóis...3 3.1 É utilizada porque...3 3.2 Com a utilização do DeGóis ganho...4 3.1

Leia mais

TERMOS E CONDIÇÕES Nutri Ventures Corporation, S.A.

TERMOS E CONDIÇÕES Nutri Ventures Corporation, S.A. TERMOS E CONDIÇÕES Nutri Ventures Corporation, S.A. O presente documento regula a utilização do sítio de Internet http://www.nutri-ventures.com/ e respectivas subpáginas (doravante, o Sítio de Internet

Leia mais

Género e Actividades com as TIC

Género e Actividades com as TIC Género, Cidadania e Intervenção Educativa: Sugestões Práticas q Actividade Género e Actividades com as TIC Objectivos Sugestões Reconhecer que a interpretação da realidade é influenciada por expectativas

Leia mais

População Portuguesa. Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação 2002 DOCUMENTO METODOLÓGICO

População Portuguesa. Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação 2002 DOCUMENTO METODOLÓGICO População Portuguesa Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação 2002 DOCUMENTO METODOLÓGICO ÍNDICE 1. IDENTIFICAÇÃO E OBJECTIVOS DO INQUÉRITO...3 2. RECOLHA E TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO...3

Leia mais

CÓDIGO INTERNACIONAL ICC/ESOMAR PARA A INVESTIGAÇÃO SOCIAL E DE MERCADO

CÓDIGO INTERNACIONAL ICC/ESOMAR PARA A INVESTIGAÇÃO SOCIAL E DE MERCADO CÓDIGO INTERNACIONAL ICC/ESOMAR PARA A INVESTIGAÇÃO SOCIAL E DE MERCADO INTRODUÇÃO O primeiro Código para a Prática de Investigação Social e de Mercado foi publicado pela ESOMAR em 1948. Depois deste foram

Leia mais

ASSUNTO: Livro verde. Reduzir os trâmites administrativos para os cidadãos. Reconhecimento dos efeitos dos actos de registo civil.

ASSUNTO: Livro verde. Reduzir os trâmites administrativos para os cidadãos. Reconhecimento dos efeitos dos actos de registo civil. PARECER DESPACHO ASSUNTO: Livro verde. Reduzir os trâmites administrativos para os cidadãos. Reconhecimento dos efeitos dos actos de registo civil. Em 17 de Dezembro de 2010, a Comissão Europeia apresentou

Leia mais

1º Mapeamento Nacional das Iniciativas de Educação Financeira

1º Mapeamento Nacional das Iniciativas de Educação Financeira 1º Mapeamento Nacional das Iniciativas de Educação Financeira ENVOLVIDOS EXECUÇÃO COORDENAÇÃO Mario Mattos Wladimir Machado Mariel Deak Claudia Donega Yael Sandberg PATROCÍNIO 2 OBJETIVOS DO MAPEAMENTO

Leia mais

O que farias? pretendem servir de apoio à dinamização de sessões de trabalho

O que farias? pretendem servir de apoio à dinamização de sessões de trabalho Indicações para o professor Introdução Os ALER TAS O que farias? pretendem servir de apoio à dinamização de sessões de trabalho sobre segurança na Internet, promovendo a discussão entre os alunos, em torno

Leia mais

SUMÁRIO 1. AULA 6 ENDEREÇAMENTO IP:... 2

SUMÁRIO 1. AULA 6 ENDEREÇAMENTO IP:... 2 SUMÁRIO 1. AULA 6 ENDEREÇAMENTO IP:... 2 1.1 Introdução... 2 1.2 Estrutura do IP... 3 1.3 Tipos de IP... 3 1.4 Classes de IP... 4 1.5 Máscara de Sub-Rede... 6 1.6 Atribuindo um IP ao computador... 7 2

Leia mais

Recensão do site: «Google Reader» «Google»:

Recensão do site: «Google Reader» «Google»: Recensão do site: «Google Reader» «Google»: Este motor de busca surgiu pela primeira vez na mente de dois jovens da Universidade de Stanford, Larry Page e Sergey Brin. Tudo começou num projecto de doutoramento,

Leia mais

Đ ŕňĉòă. g esſ tã o d e r e d esſ sſo ciaisſ

Đ ŕňĉòă. g esſ tã o d e r e d esſ sſo ciaisſ Đ ŕňĉòă g esſ tã o d e r e d esſ sſo ciaisſ Em todas as empresas há um segredo Na nossa o segredo passa a ser você quem somos? Quando acabarem a licenciatura, o desemprego espera-vos. Enganaram se! Se

Leia mais

AS NOVAS TECNOLOGIAS COMO PARCEIRAS NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DE LÍNGUA INGLESA.

AS NOVAS TECNOLOGIAS COMO PARCEIRAS NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DE LÍNGUA INGLESA. AS NOVAS TECNOLOGIAS COMO PARCEIRAS NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DE LÍNGUA INGLESA. MORAES, Camilla Santos 1 Palavras-chave: ensino-aprendizagem de inglês, novas tecnologias, ensino mediado pelo computador.

Leia mais

Utilização da rede e- U/eduroam por utilizadores Convidados. Serviço Utilizador RCTS Fevereiro de 2010

Utilização da rede e- U/eduroam por utilizadores Convidados. Serviço Utilizador RCTS Fevereiro de 2010 Utilização da rede e- U/eduroam por utilizadores Convidados Serviço Utilizador RCTS Fevereiro de 2010 5 de Fevereiro de 2010 Utilização da rede e- U/eduroam por utilizadores Convidados Serviço Utilizador

Leia mais

Tudo sobre TELEMEDICINA O GUIA COMPLETO

Tudo sobre TELEMEDICINA O GUIA COMPLETO Tudo sobre TELEMEDICINA O GUIA COMPLETO O QUE É TELEMEDICINA? Os recursos relacionados à Telemedicina são cada vez mais utilizados por hospitais e clínicas médicas. Afinal, quem não quer ter acesso a diversos

Leia mais

POLÍTICA DE PRIVACIDADE

POLÍTICA DE PRIVACIDADE POLÍTICA DE PRIVACIDADE Este site é propriedade da Johnson & Johnson Limitada. Esta Política de Privacidade foi concebida para o informar das nossas regras no que respeita à recolha, utilização e divulgação

Leia mais

SENTE FAZ PARTILHA IMAGINA. Kit do Professor

SENTE FAZ PARTILHA IMAGINA. Kit do Professor Kit do Professor A Associação High Play pretende proporcionar a crianças e jovens um Projecto Educativo preenchido de experiências positivas que permitam o desenvolvimento de competências transversais

Leia mais

GUIA DE ESTUDOS INSS NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO FÁBIO RAMOS BARBOSA

GUIA DE ESTUDOS INSS NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO FÁBIO RAMOS BARBOSA DIREITO ADMINISTRATIVO Estado, governo e administração pública: conceitos, elementos, poderes e organização; natureza, fins e princípios. Direito Administrativo: conceito, fontes e princípios. Organização

Leia mais