A IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DO TIPO ERP E AS TRANSFORMAÇÕES DO TRABALHO: evidências empíricas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DO TIPO ERP E AS TRANSFORMAÇÕES DO TRABALHO: evidências empíricas"

Transcrição

1 0 A IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DO TIPO ERP E AS TRANSFORMAÇÕES DO TRABALHO: evidências empíricas Elizabeth Castelo-Branco 1 Raquel Viana Gondim 2 Francisco Roberto F. Guimarães Jr. 3 Resumo: O objetivo desta pesquisa é entender as transformações no processo de trabalho e suas repercussões junto aos trabalhadores de uma indústria localizada na Região Nordeste, à implementação de sistema de informação do tipo ERP. Utilizou-se o processo de associação de idéias e a metodologia é do tipo exploratória e survey. Para coleta de dados empregou-se questionário semi-estruturado. Para tratamento dos dados foi aplicada a análise fatorial. Os resultados sugerem que, para esses trabalhadores, predomina a visão reducionista, determinística e instrumental à utilização do sistema; e a renúncia do diálogo entre conhecer o seu instrumento de trabalho e o próprio instrumento. Palavras-chave: Trabalho, sistema integrado, sustentabilidade. Abstract: The objective of this inquiry is to understand the transformations in the process of work and his repercussions at the workers of an industry located in the Northeast Region, to the implementation of system of information of the type ERP. There was used the ideas association process and the methodology is of the type exploratory and survey. For collection of data semi-structured questionnaire was employed. For treatment of the data was applied the fatorial analysis. The results suggest what, for these workers, predominates the vision reducionist, determinístic and instrumental to the use of the system; and the resignation of the dialog between knowing his tool and the instrument itself. Key words: Work, integrated system, sustainability. 1 Arquiteta. UECE. 2 Professora. UECE /UFC. 3 Doutorando. UFPE.

2 1 INTRODUÇÃO As organizações adotam, cada vez mais, tecnologias de informação na busca de produtividade e eficácia. Essas tecnologias requerem das pessoas que as utilizam uma gama de competências específicas, além de provocarem profundas mudanças nos processos de trabalho. São mudanças, em ritmo acelerado, provocadas nos indivíduos, nos grupos, nas lideranças, nos processos e no conhecimento técnico que exigem novos perfis profissionais e não há tempo para avaliar a adoção dessas tecnologias quanto aos custos e aos benefícios financeiros, humanos e sociais. O objetivo desta pesquisa é entender o processo de associação de idéias, por parte dos trabalhadores de uma indústria alimentícia de médio porte situada na região Nordeste, à implementação de sistemas de informação do tipo Enterprise Resource Planning (ERP). Muito pouco se tem pesquisado sobre as mudanças percebidas pelas pessoas que trabalham em empresas que implementam mudanças nas sistemáticas de trabalho que visam integrar as várias áreas da organização. Esse processo de mudança tem tido como suporte sistemas de informação, desenvolvidos a partir de um padrão para determinados segmentos e projetados para contemplar as particularidades dos processos de cada empresa. A fase de implementação dos sistemas integrados de gestão merece ser investigada, assim como os fatores que a afetam, pois é nessa fase que ocorre o primeiro contato formalizado dos funcionários com o sistema. 1 Trabalho, significado do trabalho e tecnologia De acordo com Lobato (2004, p. 1-2), o trabalho humano [...] é gerador de objetos, relações de produção, estratégias de sobrevivência, [...], e, nesta concepção, ao trabalho é atribuído significado, conferindo identidade e sentido ao homem. O conceito de significado do trabalho, sistematizado pelo Meaning of Working International Research Team (MOW), que nos anos 80 conduziu uma pesquisa em oito países, envolve três grandes domínios: a centralidade do trabalho, os resultados e objetivos valorizados do trabalho e as normas societais do trabalho. Ressalta-se, neste artigo, a centralidade do trabalho que representa o grau de importância geral que o trabalho possui na vida do trabalhador (BASTOS; PINHO; COSTA, 1995, p. 23). Segundo o MOW, a centralidade do trabalho define-se como uma crença geral acerca do valor do trabalho na vida do indivíduo, constituindo-se de dois componentes teóricos: (a) valorativo, o trabalho como o papel desempenhado na vida; (b) orientação para decisão sobre as esferas de vida preferidas (MOW, 1987 apud BASTOS;

3 2 PINHO; COSTA, 1995, p. 23). Nessa perspectiva, a introdução da tecnologia tem representado um aspecto significativo de modificação na organização do trabalho, gerando mudanças paradigmáticas nas práticas administrativas, ao longo da história (BETZ; KEYS; KHALIL; SMITH, 1997). Consideradas em conjunto, essas mudanças tecnológicas, em produtos e processos, vêem, na lógica do capitalismo, para contribuir com o aumento da produtividade nas organizações, constituindo-se em instrumento para viabilização do sistema de controle, pelo capital, sobre o processo de trabalho, em geral e sobre o trabalhador, em particular (FARIA, 2004a, p. 57). Os trabalhadores, de maneira gradual, desde o modelo artesanal de produção, onde tinham total autonomia sobre o conteúdo de seus trabalhos, aos modelos tayloristas e fordistas, vêem perdendo esse controle; é a apropriação do controle do trabalho, pelo capital, retirando-o das mãos do trabalhador (FARIA, 2004b, p. 210). Os trabalhadores tendem a aceitar esta situação como natural, concebendo-se como colaboradores que devem realizar suas tarefas como lhes é determinado (FARIA, 2004c, p. 65). Esse alheamento do trabalhador para com o conteúdo de seu trabalho pode afetar sua subjetividade, causando-lhe sofrimento e alterações nas relações psicossociais que ocorrem nas organizações (FARIA, 2004c), observados, também, nos estudos do MOW (1987) sobre o trabalho humano como objeto definidor da identidade e fundador da forma de se posicionar e de se validar na sociedade (ARENDT, 1981 apud LOBATO, 2004). 2 Sistemas de informação, sistemas de informação integrados - tecnologia e controle Adotando a caracterização de Faria (2004a), entende-se por tecnologia a integração entre tecnologia física e de gestão. Tecnologia física, por definição, é o agregado de máquinas, equipamentos, peças, instalações e métodos, geralmente informacionais, utilizados direta ou indiretamente no processo produtivo (FARIA, 2004a, p. 56), e tecnologia de gestão compreende as técnicas desenvolvidas para racionalização do trabalho, numa visão processual e metodizada. Com o avanço da Tecnologia da Informação (TI), fomentou-se, nas empresas, o uso de sistemas computacionais como suporte às suas atividades. De uma maneira geral, vários sistemas são desenvolvidos para atender a requisitos específicos das diversas unidades de negócio das empresas. A informação se apresenta nesse ambiente de maneira fragmentada, dificultando a obtenção de informações consolidadas, podendo ocasionar inconsistência nos dados, uma vez que estão armazenados em mais de um sistema

4 3 (PITASSI; LEITÃO, 2002). Sistema de informação em TI pode ser definido como um conjunto de componentes (hardware, software, banco de dados, telecomunicações, rede, internet, pessoas e procedimentos) que se inter-relacionam com o propósito de coletar, manipular, processar e disseminar dados e informações, além de fornecer mecanismo de feedback, visando ao atendimento dos objetivos organizacionais (STAIR; REYNOLDS, 2002). Segundo Laudon e Laudon (2001), um sistema de informação além de dar suporte ao processo de tomada de decisões e controlar a organização, pode contribuir na análise de problemas, visualização de assuntos complexos e criação de novos produtos. Para Davis e Olson (1985 apud CLEGG; HARDY; NORD, 2004, p. 320), sistemas de informação constituem-se em um conjunto de subsistemas responsáveis pela execução de funções específicas de processamento de informação, processamento da transação, apoio ao sistema de informação e controle operacional, apoio ao sistema de informação e controle gerencial e apoio ao sistema de informação de planejamento estratégico. A partir da década de 1990, com a evolução do uso da TI nas organizações, surgiu um modelo específico de sistemas, o sistema de informação integrado, denominado, inicialmente, pelo Gartner Group como ERP (Enterprise Resource Planning). Este tipo de sistema é composto por um conjunto de atividades executadas por um software multimodular, utilizado em conjunto por membros de diferentes departamentos de uma mesma organização, cujas funcionalidades suportam as atividades dos diversos processos de negócio das empresas (SOUZA, 2000; TEIXERA JÚNIOR; OLIVEIRA, 2003), tendo como proposta o apoio à tomada de decisão e resolução dos desafios empresariais por meio da integração dos processos de negócios em uma única arquitetura integrada de informação disponível, automaticamente, a todos que dela dependam ((AUDY; ANDRADE; CIDRAL, 2005, p. 25). A idéia central do modelo é o controle total sobre todas as operações das organizações (SOUZA, 2000), que Faria (2004a), distingue como ampliação do controle sobre o processo de trabalho, por parte do capital; e de sua abrangência física, podendo estar com muitos representantes do capital, dentro das organizações. 3 Implementação de ERP e mudanças na organização A introdução e os avanços da TI levaram as organizações a se defrontarem com variadas mudanças. Percebe-se que as preocupações em torno dessas mudanças

5 4 organizacionais são encaradas sob a ótica da razão instrumental e pelo paradigma funcionalista (NEGROPONTE, 1995 apud PITASSI; LEITÃO, 2002), onde as transformações superficiais de estrutura, comportamento e processos são mais relevantes que a complexidade das questões que envolvem a implementação de um sistema de informação. Essas transformações podem acarretar para as organizações produtivas, a deformação da natureza da informação, da linguagem e da comunicação (PITASSI; LEITÃO, 2002). A relação determinística de que o desenvolvimento da tecnologia, por si só, é capaz de transformar o modelo de gestão das organizações pressupõe uma visão reducionista e equivocada dos gestores sobre a responsabilidade das organizações pela produção de um bem-estar social (PITASSI; LEITÃO, 2002, p. 78). Para Davenport e Prusak (1998), a introdução de um sistema integrado de gestão em uma organização implica em mudanças nos processos e na cultura da organização em relação à informação que é compreendida como o padrão de comportamento e atitudes que expressam a orientação informacional de uma empresa (DAVENPORT; PRUSAK, 1998, p. 110). Na perspectiva de uma gestão em TI, o sujeito, na apreensão de uma nova realidade, está em interação dialética com outros sujeitos e com aquilo a ser conhecido, no caso, o ERP (LEFEBVRE, 1979 apud PITASSI; LEITÃO, 2002). Sob tal aspecto, as mudanças possibilitadas por TI devem ser orientadas pela razão substantiva voltada a entender a natureza e o ser humano, sendo, portanto, crítica (PITASSI; LEITÃO, 2002). É da relação dialética entre o sujeito que elabora o pensamento e o objeto a ser apreendido, que à TI será dada a condição de atuar responsavelmente a serviço da organização e da sociedade, utilizando-se do conhecimento acumulado da humanidade e, não limitada a uma capacidade de coleta, armazenamento, interpretação e compartilhamento de informações (PITASSI; LEITÃO, 2002; AUDY; ANDRADE; CIDRAL, 2005). 4 Metodologia da Pesquisa A metodologia desse trabalho é do tipo exploratória e visa proporcionar uma visão geral do objeto de estudo (GIL, 1999). Quanto aos procedimentos é do tipo survey, na qual os investigadores [...] coletam seus dados através de respostas a questões predeterminadas feitas a maioria ou a todos os sujeitos de pesquisa (RIGSBY, 1987, p. 49). O instrumento utilizado para coleta de dados foi um questionário semi-estruturado, com perguntas abertas e fechadas. O questionário é compreendido por três partes. A primeira, por meio de questões fechadas, propõe um gradiente, na percepção dos trabalhadores, da relação que 127 palavras ou expressões, extraídas da literatura, têm com

6 5 o sistema; a segunda, composta de questões abertas, visa à apreensão dos dez constructos que mais se relacionam com o sistema e os dez menos relacionados, além de abrir um espaço para, se necessário, o respondente acrescentar palavras ou expressões que não aparecem na lista, mas que, na sua visão, relacionam-se com a implementação do sistema; e a terceira, é formada por perguntas visando traçar um perfil dos respondentes. O tratamento dos dados foi elaborado com a análise fatorial, estatística multivariada para redução e sumarização de dados, que compõe o conjunto de métodos estatísticos para estudar as relações de interdependência que existem entre um conjunto de variáveis ou indivíduos (AAKER; KUMAR; DAY, 2004). Pode haver um grande número de variáveis, sendo a maioria delas correlacionadas, e que devem ser reduzidas a um nível gerenciável. Com a análise fatorial, estudaram-se as relações entre as variáveis da pesquisa, representando-as em termos de fatores fundamentais (HAIR JR. et al, 2005). Esta pesquisa teve como critério de amostragem a seleção por conveniência, na qual os elementos da população são selecionados conforme a sua disponibilidade para o estudo, ou por conveniência do pesquisador (CORRAR; TEÓPHILO, 2004). 5 Análise dos dados e interpretação dos resultados A principal estatística a ser observada na análise fatorial é o índice de Kaiser-Meyer- Olkin (KMO), para avaliação de sua adequacidade. Tabela 1 Medida de adequacidade e teste de esfericidade KMO e teste de esfericidade de Bartlett Medida de adequacidade de Kaiser-Meyer-Olkin 0, Teste de Qui-quadrado 332,586 esfericidade Grau de liberdade 210 de Bartlett Sig. 1,42E-07 Fonte: Cálculo dos autores. A análise fatorial é apropriada se 0,5 KMO 1,0. Observa-se, também, o teste de esfericidade de Bartlett, para examinar a hipótese de as variáveis serem correlacionadas na população, ou seja, verificar a inexistência de multicolinearidade. A análise deste teste se dá por meio do valor da significância (Sig.) que é apropriada quando menor que 0,05 (HAIR JR. et al, 2005). Os resultados demonstram que a análise fatorial está adequada e confiável (Tabela 1). Confirmada a adequacidade e a significância da análise fatorial, a próxima etapa é a identificação, análise e interpretação dos fatores extraídos. Ao todo foram extraídos 14 fatores, que explicam 75% da variância total. A Tabela 2 apresenta os fatores extraídos com as respectivas variáveis explicativas e cargas fatoriais que orientam a análise e

7 6 interpretação dos fatores. Tabela 2 Fatores extraídos através da análise fatorial FATORES EXTRAÍDOS 1 Eficiência no Trabalho 2 Trabalho em Equipe 3 Retorno do Invest. em TI DINAMICIDADE 0, COOPERAÇÃO 0, VEICULO COMUNIC. 0, SISTEMA 0, SOLUÇÃO 0, RED. BARREIRAS 0, VELOCIDADE 0, MODELO 0, MELH. CONTÍNUA 0, TRABALHO 0, RELACIONAMENTO 0, VANT. COMPETIT. 0, REESTRUTURAÇÃO 0, INFORMAÇÃO 0, BENEFÍCIO 0, Conformação no trabalho 5 Conflito de Interesses 6 Eficiência da Informação STRESS 0, PROMESSA 0, EFICIÊNCIA 0, DESGASTE 0, IMPREVISIBILIDADE 0, USABILIDADE 0, SACRIFÍCIO 0, ACOMODAÇÃO 0, DEMOC. INFORM. 0, PRISÃO 0, COMODIDADE 0, INSTRUMENTO 0, TURBULÊNCIA 0, INCERTEZA 0, PROJEÇÃO 0, Eficácia do Sistema 8 Lucro e Controle 9 Sublimação CICLO 0, AGREG. VALOR 0, CONFORTO 0, VARIEDADE 0, MONITORAMENTO 0, AGENTE 0, LIB. PESSOAS 0, COMPLEXIDADE 0, NECESSIDADE 0, ELEMENTO 0, REDUÇ. DE CUSTO 0, ADOÇÃO 0, SIMPLICIDADE 0, INSTRUMENTO 0, ABERTURA 0, Espraiamento do Controle 11 Mudança Organizacional 12 Sofrimento no Trabalho FLEXIBILIDADE 0, INTEGRAÇÃO 0, OPRESSÃO 0, FACILIDADE 0, INOVAÇÃO 0, INEFICIÊNCIA 0, MANIPULAÇÃO 0, DIALOGO 0, FRUSTRAÇÃO 0, APRENDIZAGEM 0, REVOLUÇÃO 0, INTIMIDAÇÃO 0, SIMPLICIDADE 0, ESTABILIDADE 0, LIMITAÇÃO 0, Instituição de Novo Padrão 14 Controle PADRONIZAÇÃO 0, CONFIABILIDADE 0, VINCULO 0, PARTICIPAÇÃO 0, MÉTODO 0, AUTONOMIA 0, PADRÃO 0, REGRAS 0, NOVAS IDÉIAS 0, ESTABILIDADE 0, Fonte: Cálculo dos autores. Os nomes atribuídos aos fatores foram sugeridos pelos autores, interpretando o significado dos cinco constructos que compõem cada fator. Observa-se que, de acordo com o agrupamento das variáveis e pela compreensão qualitativa das relações sugeridas por estes 14 fatores, um reagrupamento destes em cinco grupos de categorias parece emergir. Para esses trabalhadores, os fatores que emergiram indicam que a implementação do ERP possibilitou uma melhoria qualitativa no desempenho de suas atividades, a qual foi identificada com o surgimento dos fatores: (1) Eficiência no trabalho; (2) Trabalho em equipe; (6) Eficiência da informação. Um segundo grupo, formado pelos fatores (3) Retorno do investimento em TI e (7) Eficácia do sistema, sugere que, para esses trabalhadores, o ERP é, também, eficaz e justifica-se como investimento em TI. Um terceiro grupo de fatores sugere a emergência da categoria controle, podendo significar que para os trabalhadores o ERP amplia as possibilidades de controle dos gestores, mas também, os trabalhadores podem controlar uns aos outros, no desenvolvimento de suas atividades, aumentando a

8 7 confiança interna no trabalho, o que sugere o valor da carga da variável confiabilidade. Esta percepção se deu pela observação dos fatores: (8) Lucro e controle; (10) Espraiamento do controle; (14) Controle. Um quarto grupo de fatores parece sugerir a ocorrência de um processo de aculturação dos funcionários, percebido através dos fatores (11) Mudança organizacional e (13) Instituição de novos padrões, pois estes indicam o surgimento de novas rotinas aplicadas no desempenho das atividades com o apoio do ERP, representadas pelas variáveis: integração, inovação, padronização, vínculo, método e padrão. Os fatores relacionados no quinto grupo sugerem a emergência da categoria Sofrimento no Trabalho, percebida pelos fatores: (4) Conformação no trabalho; (5) Conflito de interesses; (9) Sublimação e (12) Sofrimento no trabalho. Comparando esta análise com as respostas abertas do segundo grupo de questões do questionário, verifica-se que o ERP, quando de sua implementação na empresa, transforma seu âmago, uma vez que o sistema, segundo os funcionários, agrega valor ao trabalho e às pessoas. Estas assertivas parecem ir ao encontro do que afirma Orlikowski (1992 apud CLEGG; HARDY; NORD, 2004, p. 326), sobre a personalização assumida pela tecnologia: a tecnologia é produto da ação humana [...] mas, uma vez desenvolvida e desdobrada, a tecnologia tende a se tornar personalizada e institucionalizada, perdendo sua conexão com os agentes humanos que a construíram e lhe conferiram significado. 6 Considerações finais Da análise fatorial das respostas dos questionários emergiram 14 fatores. Estes foram agrupados em cinco grupos afins. A partir de uma visão macro destes cinco grupos, pode-se sintetizá-los em dois grandes grupos por assuntos relacionados. No primeiro, formado pela união dos grupos 1, 2 e 3, estão relacionados os fatores que representam a posição do indivíduo na perspectiva do alinhamento estratégico da organização em relação ao ERP. Idéias como o retorno do investimento, lucro, controle da informação e do trabalho, eficácia e eficiência do sistema demonstram que há o predomínio da visão reducionista, determinística e instrumental quanto à utilização do sistema pelos trabalhadores. O segundo grande grupo, composto pelos grupos 4 e 5, apresenta os fatores relacionados ao impacto percebido pelos trabalhadores quanto à nova ferramenta de trabalho. Estes parecem demonstrar uma passiva compreensão da necessidade do controle da informação para o seu bem-estar e o da organização. A mudança ocorrida com a implementação do ERP converge a uma questão de adaptação. Assim, os fatores do

9 8 segundo grupo sugerem que o indivíduo, no processo de adaptação à TI, renuncie a seu diálogo dialético (LEFEBVRE, 1979 apud PITASSI; LEITÃO, 2002) entre o processo de conhecer o seu instrumento de trabalho e o próprio instrumento. O comportamento dos trabalhadores se modifica para se adequar à expectativa da organização, onde a aceitação do ERP representa uma pseudo-garantia da empregabilidade no mercado. A crença de que o ERP implantado é a solução redentora dos problemas da empresa pode ser representada nos conflitos entre os objetivos dos indivíduos e os da empresa sugerindo que a conformação, o sofrimento e a sublimação do trabalho no espaço produtivo são sentimentos camuflados no discurso organizacional. Visto que a TI é amplamente acessível, de fácil replicação e adaptação e, no que se refere ao capital humano, recurso que gera valor agregado, estes sistemas não permitem uma resposta que direcione valor de longo prazo, então, como as empresas podem manter vantagem competitiva e duradoura embasada nessa tecnologia? Sugere-se que novas pesquisas sejam realizadas com o objetivo de identificar quais os direcionadores de valor das empresas e como os sistemas ERP podem contribuir para o crescimento e desenvolvimento desses direcionadores. Referências AAKER, D. A.; KUMAR, V.; DAY, G. S. Pesquisa de Marketing. 2. ed. São Paulo: Atlas, AUDY, J. L. N.; ANDRADE G. K.; CIDRAL, A. Fundamentos de sistemas de informação. Porto Alegre: Bookman, BASTOS, A.; PINHO, A.; COSTA, C. Significado do trabalho: um estudo entre trabalhadores inseridos em organizações formais. RAE. Vol. 35, n. 6, p , São Paulo: FGV, BETZ, F.; KEYS, K.; KHALIL, T.; SMITH, R. O fator tecnológico. HSM. Vol. 5, ano 1, n. 1, SP: Savana, CLEGG, S.; HARDY, C.; NORD, W. Handbook de estudos organizacionais. Vol. 3, SP: Atlas, CORRAR, L. J.; TEÓPHILO, C. R. Pesquisa Operacional para decisão em contabilidade e administração: contabilometria. São Paulo: Atlas, DAVENPORT, T. H.; PRUSAK, L. Ecologia da informação: por que só a tecnologia não basta para o sucesso na era da informação. São Paulo: Futura, FARIA, J. H. Economia política do poder. Vol. 1. Curitiba: Juruá, 2004a.. Economia política do poder. Vol. 2. Curitiba: Juruá, 2004b.. Economia política do poder. Vol. 3. Curitiba: Juruá, 2004c. GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 5. ed. São Paulo: Atlas, HAIR JR., J. F.; ANDERSON, R. E.; TATHAM, R. L.; BLACK, W. C. Análise multivariada de dados. 5. ed. Porto Alegre: Bookman, LAUDON, K; LAUDON, J. Gerenciamento de sistemas de informação. 3. ed. RJ: LTC, LOBATO, S. Trabalho: meio de vida, meio de morte. II Encontro da ANPPAS. Indaiatuba, MOW. Meaning of Working International Research Team. London: Academic Press, PITASSI, C.; LEITÃO, S. P. Tecnologia de informação e mudança: uma abordagem crítica. RAE. Vol. 42, n. 2, p São Paulo: FGV, 2002.

10 RIGSBY, L. Delineamento de pesquisa de levantamento. In: KIDDER, L. H. (Org.). Métodos de pesquisa nas relações sociais. São Paulo. EDU, SOUZA, C. Sistemas integrados de gestão empresarial: estudos de casos de implementação de sistemas ERP. Dissertação de Mestrado (FEA/USP). São Paulo: USP, STAIR, R.; REYNOLDS, G. Princípios de sistemas de informação. 4. ed. RJ: LTC,

O PROCESSO DE INTELIGÊNCIA COMPETITIVA ORGANIZACIONAL E AS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNI- CAÇÃO

O PROCESSO DE INTELIGÊNCIA COMPETITIVA ORGANIZACIONAL E AS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNI- CAÇÃO Revista de Ciências Gerenciais Vol. XII, Nº. 14, Ano 2008 O PROCESSO DE INTELIGÊNCIA COMPETITIVA ORGANIZACIONAL E AS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNI- CAÇÃO Rodrigo Rodrigues Faculdade Anhanguera de

Leia mais

www.projetode redes.co m.br www.redesde com p uta dores. com. br

www.projetode redes.co m.br www.redesde com p uta dores. com. br Outras Apostilas em: www.projetode redes.co m.br www.redesde com p uta dores. com. br Centro Universitário Geraldo di Biase 1. Sistemas, Processos e Informações Ao observarmos o funcionamento de um setor

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação

Estratégias em Tecnologia da Informação Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 6 Sistemas de Informações Estratégicas Sistemas integrados e sistemas legados Sistemas de Gerenciamento de Banco de Dados Material de apoio 2 Esclarecimentos

Leia mais

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 Conhecimento em Tecnologia da Informação Alinhamento Estratégico A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 2010 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr.

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. 15 Aula 15 Tópicos Especiais I Sistemas de Informação Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. Site Disciplina: http://fundti.blogspot.com.br/ Conceitos básicos sobre Sistemas de Informação Conceitos sobre Sistemas

Leia mais

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos Denis Alcides Rezende Do processamento de dados a TI Na década de 1960, o tema tecnológico que rondava as organizações era o processamento de

Leia mais

Conceitos. - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação. - Dados x Informações. Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com.

Conceitos. - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação. - Dados x Informações. Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com. Conceitos - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação - Dados x Informações Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com.br Definição de Sistema Uma coleção de objetos unidos por alguma forma

Leia mais

Evolução dos sistemas ERP nas empresas

Evolução dos sistemas ERP nas empresas Evolução dos sistemas ERP nas empresas Aloísio André dos Santos (ITA) aloisio@mec.ita.br João Murta Alves (ITA) murta@mec.ita.br Resumo Os sistemas ERP são considerados uma evolução dos sistemas de administração

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS Gilmar da Silva, Tatiane Serrano dos Santos * Professora: Adriana Toledo * RESUMO: Este artigo avalia o Sistema de Informação Gerencial

Leia mais

Planejamento de sistemas de informação.

Planejamento de sistemas de informação. Planejamento de sistemas de informação. O planejamento de sistemas de informação e da tecnologia da informação é o processo de identificação das aplicações baseadas em computadores para apoiar a organização

Leia mais

sistemas de informação nas organizações

sistemas de informação nas organizações sistemas de nas organizações introdução introdução aos sistemas de objectivos de aprendizagem avaliar o papel dos sistemas de no ambiente empresarial actual definir um sistema de a partir de uma perspectiva

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais

Sistemas de Informações Gerenciais Conteúdo Gerenciais Direcionadores de Arquitetura de TI Tipologia dos sistemas da informação Prof. Ms. Maria C. Lage marialage.prof@gmail.com As preocupações corporativas Gerenciar Mudanças Crescimento

Leia mais

INFORMAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS a pesquisa empírica em Portais Corporativos

INFORMAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS a pesquisa empírica em Portais Corporativos INFORMAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS a pesquisa empírica em Portais Corporativos Cláudia Peixoto de Moura Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul PUCRS E-mail: cpmoura@pucrs.br Resumo do Trabalho:

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO * César Raeder Este artigo é uma revisão de literatura que aborda questões relativas ao papel do administrador frente à tecnologia da informação (TI) e sua

Leia mais

INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS

INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS Elane de Oliveira, UFRN 1 Max Leandro de Araújo Brito, UFRN 2 Marcela Figueira de Saboya Dantas, UFRN 3 Anatália Saraiva Martins Ramos,

Leia mais

A pesquisa acadêmica stricto sensu no Brasil sobre a inteligência competitiva

A pesquisa acadêmica stricto sensu no Brasil sobre a inteligência competitiva A pesquisa acadêmica stricto sensu no Brasil sobre a inteligência competitiva Sandely Fernandes de Araújo (UFRN) sandely.araujo@pep.ufrn.br Anatália Saraiva Martins Ramos (UFRN) anatalia@pep.ufrn.br Resumo

Leia mais

Introdução aos Sistemas de Informação. Departamento de Engenharia Rural Centro de Ciências Agrárias - UFES Bruno Vilela Oliveira bruno@cca.ufes.

Introdução aos Sistemas de Informação. Departamento de Engenharia Rural Centro de Ciências Agrárias - UFES Bruno Vilela Oliveira bruno@cca.ufes. Introdução aos Sistemas de Informação Departamento de Engenharia Rural Centro de Ciências Agrárias - UFES Bruno Vilela Oliveira bruno@cca.ufes.br Nesta aula Apresentação da disciplina Avaliação Recursos

Leia mais

Sistemas Integrados ASI - II

Sistemas Integrados ASI - II Sistemas Integrados ASI - II SISTEMAS INTEGRADOS Uma organização de grande porte tem muitos tipos diferentes de Sistemas de Informação que apóiam diferentes funções, níveis organizacionais e processos

Leia mais

UCAM UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES FRANCISCO DE ASSIS GURGEL A IMPORTÂNCIA DO ERP NA GESTÃO EMPRESARIAL

UCAM UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES FRANCISCO DE ASSIS GURGEL A IMPORTÂNCIA DO ERP NA GESTÃO EMPRESARIAL UCAM UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES FRANCISCO DE ASSIS GURGEL A IMPORTÂNCIA DO ERP NA GESTÃO EMPRESARIAL NATAL RN 2013 UCAM UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES FRANCISCO DE ASSIS GURGEL A IMPORTÂNCIA DO ERP NA GESTÃO

Leia mais

A Importância da Visão Sistêmica para a Introdução dos Sistemas Informatizados nas Organizações

A Importância da Visão Sistêmica para a Introdução dos Sistemas Informatizados nas Organizações A Importância da Visão Sistêmica para a Introdução dos Sistemas Informatizados nas Organizações Carlos Campello Introdução Nos dias atuais existe a necessidade de constantes modificações das estratégias

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

FUNÇÕES MOTORAS (Produtos e Serviços)

FUNÇÕES MOTORAS (Produtos e Serviços) FUNÇÕES MOTORAS (Produtos e Serviços) 1. MÉTODO MENTOR - Modelagem Estratégica Totalmente Orientada para Resultados Figura 1: Método MENTOR da Intellectum. Fonte: autor, 2007 O método MENTOR (vide o texto

Leia mais

Visão Geral dos Sistemas de Informação

Visão Geral dos Sistemas de Informação Visão Geral dos Sistemas de Informação Existem muitos tipos de sistemas de informação no mundo real. Todos eles utilizam recursos de hardware, software, rede e pessoas para transformar os recursos de dados

Leia mais

O QUE SÃO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO? Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br

O QUE SÃO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO? Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br O QUE SÃO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO? Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br O QUE SÃO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO? Dado Informação Conhecimento Sistemas de Informação DADO O DADO consiste

Leia mais

SISTEMATIZAÇÂO DOS TIPOS DE INFORMAÇÂO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EMPRESARIAL E DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÂO E COMUNICAÇÂO

SISTEMATIZAÇÂO DOS TIPOS DE INFORMAÇÂO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EMPRESARIAL E DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÂO E COMUNICAÇÂO SISTEMATIZAÇÂO DOS TIPOS DE INFORMAÇÂO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EMPRESARIAL E DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÂO E COMUNICAÇÂO Danilo Freitas Silvas Sistemas de informação CEATEC danilofs.ti@gmail.com Resumo:

Leia mais

Sistema de informação para controle de vendas em imobiliária

Sistema de informação para controle de vendas em imobiliária Sistema de informação para controle de vendas em imobiliária Acadêmico: Diego Vicentini Orientador: Prof. Paulo R. Dias FURB Universidade Regional de Blumenau Julho/2007 Roteiro da apresentação Introdução

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Pessoas tem por objetivo o fornecimento de instrumental que possibilite

Leia mais

GESTÃO INTEGRADA COM A UTILIZAÇÃO DO SISTEMA INFORMATIZADO

GESTÃO INTEGRADA COM A UTILIZAÇÃO DO SISTEMA INFORMATIZADO GESTÃO INTEGRADA COM A UTILIZAÇÃO DO SISTEMA INFORMATIZADO Resumo Sheila Patricia Ferreira 1 Lacordaire Kemel Pimenta Cury 2 Dentro do novo contexto empresarial criado pela globalização, a tecnologia de

Leia mais

Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura

Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura Juliano Hammes (FAHOR) jh000697@fahor.com.br Gustavo Gerlach (FAHOR) gg000675@fahor.com.br Édio Polacinski (FAHOR) edio.pk@gmail.com.br Resumo

Leia mais

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia.

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Introdução Sávio Marcos Garbin Considerando-se que no contexto atual a turbulência é a normalidade,

Leia mais

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES:

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: A Teoria das Organizações em seu contexto histórico. Conceitos fundamentais. Abordagens contemporâneas da teoria e temas emergentes. Balanço crítico. Fornecer aos mestrandos

Leia mais

A utilização de um sistema ERP após implantação: estudo de caso em uma empresa do ramo ferroviário da região metropolitana de Belo Horizonte

A utilização de um sistema ERP após implantação: estudo de caso em uma empresa do ramo ferroviário da região metropolitana de Belo Horizonte 1 A utilização de um sistema ERP após implantação: estudo de caso em uma empresa do ramo ferroviário da região metropolitana de Belo Horizonte Michel Gonçalves da Silva Centro Universitário de Belo Horizonte

Leia mais

Proposta de integração de ferramentas em um sistema de gestão

Proposta de integração de ferramentas em um sistema de gestão III SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia 1 Proposta de integração de ferramentas em um sistema de gestão Breno Barros Telles do Carmo Marcos Ronaldo Albertin Francisco José do Rêgo Coelho

Leia mais

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação INSTITUTO VIANNA JÚNIOR LTDA FACULDADES INTEGRADAS VIANNA JÚNIOR Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação Lúcia Helena de Magalhães 1 Teresinha Moreira de Magalhães 2 RESUMO Este artigo traz

Leia mais

ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação

ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação UNIFEI Universidade Federal de Itajubá Prof. Dr. Alexandre Ferreira de Pinho 1 Componentes de uma empresa Organizando uma empresa: funções empresariais básicas Funções

Leia mais

Utilização de ferramentas de colaboração para Gestão do Conhecimento

Utilização de ferramentas de colaboração para Gestão do Conhecimento Utilização de ferramentas de colaboração para Gestão do Conhecimento Carlos Roberto de Souza Tavares 1 Carlos Mário Dal Col Zeve 2 RESUMO Um dos maiores problemas que as empresas atuais enfrentam refere-se

Leia mais

Janeiro de 2008 A nova agenda para gestão da informação: você tem uma?

Janeiro de 2008 A nova agenda para gestão da informação: você tem uma? Janeiro de 2008 A nova agenda para gestão da informação: Agenda para gestão da Informação Página Conteúdo 2 Introdução 3 A necessidade de informações confiáveis 5 Uma nova abordagem a agenda para gestão

Leia mais

Estruturação do sistema de informação contábil no ERP

Estruturação do sistema de informação contábil no ERP Estruturação do sistema de informação contábil no ERP Clóvis Luís Padoveze (UNIMEP) cpadoveze@romi.com.br Resumo A característica gerencial da informação contábil determina que o sistema de informação

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento de Dados

Módulo 4: Gerenciamento de Dados Módulo 4: Gerenciamento de Dados 1 1. CONCEITOS Os dados são um recurso organizacional decisivo que precisa ser administrado como outros importantes ativos das empresas. A maioria das organizações não

Leia mais

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec Capital Intelectual O Grande Desafio das Organizações José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago Novatec 1 Tudo começa com o conhecimento A gestão do conhecimento é um assunto multidisciplinar

Leia mais

Aula 03 CLASSIFICAÇÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

Aula 03 CLASSIFICAÇÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Aula 03 CLASSIFICAÇÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Na prática, não existe uma classificação rígida, permitindo aos autores e principalmente as empresas classificar seus sistemas de diversas maneiras. A ênfase

Leia mais

Tecnologias e Sistemas de Informação

Tecnologias e Sistemas de Informação Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 02 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

Aula 1 Conceitos básicos de Sistemas de Informação.

Aula 1 Conceitos básicos de Sistemas de Informação. Aula 1 Conceitos básicos de Sistemas de Informação. Dados X Informações O que são Dados? São materiais brutos que precisam ser manipulados e colocados em um contexto compreensivo antes de se tornarem úteis

Leia mais

1 - Introdução 1.1 Contextualização do Problema

1 - Introdução 1.1 Contextualização do Problema 1 - Introdução 1.1 Contextualização do Problema No ambiente de negócios atual, o potencial da Tecnologia da Informação (TI) está sendo utilizado para alavancar a vantagem competitiva de inúmeras industrias.

Leia mais

Apresentação, xix Prefácio à 8a edição, xxi Prefácio à 1a edição, xxiii. Parte I - Empresa e Sistemas, 1

Apresentação, xix Prefácio à 8a edição, xxi Prefácio à 1a edição, xxiii. Parte I - Empresa e Sistemas, 1 Apresentação, xix Prefácio à 8a edição, xxi Prefácio à 1a edição, xxiii Parte I - Empresa e Sistemas, 1 1 SISTEMA EMPRESA, 3 1.1 Teoria geral de sistemas, 3 1.1.1 Introdução e pressupostos, 3 1.1.2 Premissas

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

Componente Curricular: ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PLANO DE CURSO

Componente Curricular: ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PLANO DE CURSO C U R S O D E E N G E N H A R I A D E P R O D U Ç Ã O Autorizado pela Portaria nº 1.150 de 25/08/10 DOU Nº 165 de 27/08/10 Componente Curricular: ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Código: ENGP -

Leia mais

A GESTÃO DA QUALIDADE ORGANIZACIONAL 1

A GESTÃO DA QUALIDADE ORGANIZACIONAL 1 A GESTÃO DA QUALIDADE ORGANIZACIONAL 1 FRANCESCHI, Franciéli Rosa de 2 ; LORENZETT, Daniel Benitti 2 ; NEUHAUS, Mauricio 3 ; COSTA, Vanessa de Matos da 2 ; ROSSATO, Marivane Vestena 2 ; PEGORARO, Delvan

Leia mais

PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA

PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA universidade de Santa Cruz do Sul Faculdade de Serviço Social Pesquisa em Serviço Social I I PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA BIBLIOGRAFIA: MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Técnicas de

Leia mais

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA APLICAÇÃO DA GESTÃO DE PROCESSOS EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA APLICAÇÃO DA GESTÃO DE PROCESSOS EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA APLICAÇÃO DA GESTÃO DE PROCESSOS EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: CIÊNCIAS DA INFORMAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE

Leia mais

GESTÃO DO CONHECIMENTO

GESTÃO DO CONHECIMENTO GESTÃO DO CONHECIMENTO OconceitodeGestãodoConhecimentosurgiunoinício da década de 90 e, segundo SVEIBY (1998, p. 3), a Gestão do Conhecimento não é mais uma moda de eficiência operacional. Faz parte da

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057 INTRODUÇÃO SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057 Há algum tempo, podemos observar diversas mudanças nas organizações,

Leia mais

5.5 Enterprise Resources Planning

5.5 Enterprise Resources Planning 5.5 Enterprise Resources Planning 5.5 Enterprise Resources Planning Enterprise Resources Planning (ERP), significa Planejamento de Recursos do Empreendimento e abrange todas as necessidades de informação

Leia mais

IF685 Gerenciamento de Dados e Informação - Prof. Robson Fidalgo 1

IF685 Gerenciamento de Dados e Informação - Prof. Robson Fidalgo 1 IF685 Gerenciamento de Dados e Informação - Prof. Robson Fidalgo 1 Banco de Dados Introdução Por: Robson do Nascimento Fidalgo rdnf@cin.ufpe.br IF685 Gerenciamento de Dados e Informação - Prof. Robson

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS

A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS Linha de pesquisa: Sistema de informação gerencial Pâmela Adrielle da Silva Reis Graduanda do Curso de Ciências

Leia mais

Como vai a Governança de TI no Brasil? Resultados de pesquisa com 652 profissionais

Como vai a Governança de TI no Brasil? Resultados de pesquisa com 652 profissionais Fórum de Governança Tecnologia e Inovação LabGTI/UFLA Como vai a Governança de TI no Brasil? Resultados de pesquisa com 652 profissionais Pamela A. Santos pam.santos91@gmail.com Paulo H. S. Bermejo bermejo@dcc.ufla.br

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais

Sistemas de Informações Gerenciais Sistemas de Informações Gerenciais Aula 4 Sistema de Informação SI baseado em computadores Organização, administração e estratégia Professora: Cintia Caetano INTRODUÇÃO Sistemas de Informação são parte

Leia mais

A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO COMO SUPORTE À GESTÃO ESTRATÉGICA DA INFORMAÇÃO NA PEQUENA EMPRESA

A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO COMO SUPORTE À GESTÃO ESTRATÉGICA DA INFORMAÇÃO NA PEQUENA EMPRESA A tecnologia da informação como suporte à gestão estratégica da informação na pequena empresa 1 Revista de Gestão da Tecnologia e Sistemas de Informação Journal of Information Systems and Technology Management

Leia mais

A PRODUÇÃO CIENTÍFICA SOBRE INTELIGÊNCIA COMPETITIVA E VANTAGEM COMPETITIVA:

A PRODUÇÃO CIENTÍFICA SOBRE INTELIGÊNCIA COMPETITIVA E VANTAGEM COMPETITIVA: A PRODUÇÃO CIENTÍFICA SOBRE INTELIGÊNCIA COMPETITIVA E VANTAGEM COMPETITIVA: UMA ANÁLISE DAS PUBLICAÇÕES NO ENANPAD ENTRE OS ANOS DE 010 014. Ronaldo Maciel Guimarães 1. RESUMO Como o mercado vem sofrendo

Leia mais

1 Introdu ç ão. 1.1. A questão de pesquisa

1 Introdu ç ão. 1.1. A questão de pesquisa 1 Introdu ç ão 1.1. A questão de pesquisa A temática estratégia é muito debatida no meio acadêmico e também possui destacado espaço nas discussões no meio empresarial. Organizações buscam continuamente

Leia mais

ERP é um sistema de gestão empresarial que gerencia as informações relativas aos processos operacionais, administrativos e gerenciais das empresas.

ERP é um sistema de gestão empresarial que gerencia as informações relativas aos processos operacionais, administrativos e gerenciais das empresas. Introdução Sistemas de Informação é a expressão utilizada para descrever um Sistema seja ele automatizado (que pode ser denominado como Sistema Informacional Computadorizado), ou seja manual, que abrange

Leia mais

COBIT FOUNDATION - APOSTILA DE RESUMO

COBIT FOUNDATION - APOSTILA DE RESUMO COBIT FOUNDATION - APOSTILA DE RESUMO GOVERNANÇA DE TI O QUE É GOVERNANÇA DE TI É um conjunto de estruturas e processos que visa garantir que a TI suporte e maximize adequadamente os objetivos e estratégias

Leia mais

EIXO DE APRENDIZAGEM: CERTIFICAÇÃO E AUDITORIA Mês de Realização

EIXO DE APRENDIZAGEM: CERTIFICAÇÃO E AUDITORIA Mês de Realização S QUE VOCÊ ENCONTRA NO INAED Como instituição que se posiciona em seu mercado de atuação na condição de provedora de soluções em gestão empresarial, o INAED disponibiliza para o mercado cursos abertos,

Leia mais

A Importância do Gerenciamento da Cadeia de Abastecimento Integrada como um Fator de Vantagem Competitiva para as Organizações.

A Importância do Gerenciamento da Cadeia de Abastecimento Integrada como um Fator de Vantagem Competitiva para as Organizações. A Importância do Gerenciamento da Cadeia de Abastecimento Integrada como um Fator de Vantagem Competitiva para as Organizações. Nathan de Oliveira Paula nathan_paula@hotmail.com IFSudesteMG Marylaine de

Leia mais

LIDERANÇA E INVESTIMENTO EM PESSOAS HEITOR M. QUINTELLA DSC(1) JOSÉ CARLOS DE FREITAS (2)

LIDERANÇA E INVESTIMENTO EM PESSOAS HEITOR M. QUINTELLA DSC(1) JOSÉ CARLOS DE FREITAS (2) LIDERANÇA E INVESTIMENTO EM PESSOAS HEITOR M. QUINTELLA DSC(1) JOSÉ CARLOS DE FREITAS (2) No Brasil, com a abertura econômica, a partir de 1990, a importância da competitividade, este cenário ficou mais

Leia mais

TECNOLOGIA E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA POSTO DOURADÃO LTDA RESUMO

TECNOLOGIA E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA POSTO DOURADÃO LTDA RESUMO TECNOLOGIA E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA POSTO DOURADÃO LTDA Hewerton Luis P. Santiago 1 Matheus Rabelo Costa 2 RESUMO Com o constante avanço tecnológico que vem ocorrendo nessa

Leia mais

Introdução ao BPM e CBOK. Decanato de Planejamento e Orçamento DPO Diretoria de Processos Organizacionais - DPR

Introdução ao BPM e CBOK. Decanato de Planejamento e Orçamento DPO Diretoria de Processos Organizacionais - DPR Introdução ao BPM e CBOK Decanato de Planejamento e Orçamento DPO Diretoria de Processos Organizacionais - DPR BPM CBOK O Guia para o Gerenciamento de Processos de Negócio - Corpo Comum de Conhecimento

Leia mais

www.projetode redes.co m.br www.redesde com p uta dores. com. br

www.projetode redes.co m.br www.redesde com p uta dores. com. br Outras Apostilas em: www.projetode redes.co m.br www.redesde com p uta dores. com. br Centro Universitário Geraldo di Biase 1. Enterprise Resouce Planning ERP O ERP, Sistema de Planejamento de Recursos

Leia mais

Sistema de Informação

Sistema de Informação Sistema de Informação É um conjunto de partes coordenadas, que buscam prover a empresa com informações, com o objetivo de melhorar a tomada de decisões. Conjunto organizado de pessoas, hardware, software,

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Autorizado pela Portaria nº 1.399 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 PLANO DE CURSO

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Autorizado pela Portaria nº 1.399 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 PLANO DE CURSO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Autorizado pela Portaria nº 1.399 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 Componente Curricular: ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Código: ADM - 251 Pré-requisito: ------- Período Letivo:

Leia mais

Sistemas de Informação. O uso de sistemas de informações como ferramentas de gestão

Sistemas de Informação. O uso de sistemas de informações como ferramentas de gestão Sistemas de Informação O uso de sistemas de informações como ferramentas de gestão Objetivos Impactos na gestão das empresas: Macro mudanças no ambiente Novas tecnologias de comunicação e informática Macro

Leia mais

Por que estudar sistemas de informação?

Por que estudar sistemas de informação? Por que estudar sistemas de informação? Por que estudar sistemas de informação? Isto é o mesmo que perguntar por que alguém deve estudar contabilidade, finanças, as, marketing, RH ou qualquer outra grande

Leia mais

Pós-Graduação "Lato Sensu" Especialização em Análise de Dados e Data Mining

Pós-Graduação Lato Sensu Especialização em Análise de Dados e Data Mining Pós-Graduação "Lato Sensu" Especialização em Análise de Dados e Data Mining Inscrições Abertas Início das Aulas: 24/03/2015 Dias e horários das aulas: Terça-Feira 19h00 às 22h45 Semanal Quinta-Feira 19h00

Leia mais

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO As Empresas e os Sistemas Problemas locais - impacto no sistema total. Empresas como subsistemas de um sistema maior. Uma empresa excede a soma de

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

MBA Gestão de Negócios e Pessoas

MBA Gestão de Negócios e Pessoas PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Nome do Curso MBA Gestão de Negócios e Pessoas Área de Conhecimento Ciências Sociais Aplicadas Nome do Coordenador do Curso e Breve Currículo: Prof.

Leia mais

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo:

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo: Perguntas e respostas sobre gestão por processos 1. Gestão por processos, por que usar? Num mundo globalizado com mercado extremamente competitivo, onde o cliente se encontra cada vez mais exigente e conhecedor

Leia mais

CONTROLADORIA: UM MECANISMO DE AUXILIO A AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E A TOMADA DE DECISÃO 1 RESUMO

CONTROLADORIA: UM MECANISMO DE AUXILIO A AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E A TOMADA DE DECISÃO 1 RESUMO CONTROLADORIA: UM MECANISMO DE AUXILIO A AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E A TOMADA DE DECISÃO 1 GELAIN, Anna Júlia Lorenzzon 2 ; LORENZETT, Daniel Benitti 3 ; GODOY, Taís Pentiado 4 ; LOSEKANN, Andresa Girardi

Leia mais

AUTOR(ES): ALTIERES FRANCISCO MOLINA SECAFIN, DREISON NIHI, EDUARDO VINICIUS PONDIAN DE OLIVEIRA

AUTOR(ES): ALTIERES FRANCISCO MOLINA SECAFIN, DREISON NIHI, EDUARDO VINICIUS PONDIAN DE OLIVEIRA TÍTULO: O USO DA SIMULAÇÃO EMPRESARIAL NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO: UMA ANÁLISE SOB A PERSPECTIVA DOS ALUNOS JÁ FORMADOS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FATECS CURSO: ADMINISTRAÇÃO ÁREA: SISTEMA DE GESTÃO DE INFORMAÇÃO

FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FATECS CURSO: ADMINISTRAÇÃO ÁREA: SISTEMA DE GESTÃO DE INFORMAÇÃO FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FATECS CURSO: ADMINISTRAÇÃO ÁREA: SISTEMA DE GESTÃO DE INFORMAÇÃO OS IMPACTOS DE UM ERP NA GESTÃO DE PROCESSOS DE UMA ORGANIZAÇÃO LUAN MOREIRA CAMARGO

Leia mais

Finanças. O impacto da Crise Financeira Mundial de 2008 nas empresas listadas na BOVESPA: um estudo estatístico de agrupamentos.

Finanças. O impacto da Crise Financeira Mundial de 2008 nas empresas listadas na BOVESPA: um estudo estatístico de agrupamentos. Finanças O impacto da Crise Financeira Mundial de 2008 nas empresas listadas na BOVESPA: um estudo estatístico de agrupamentos. AUTOR EDUARDO DE PAULA E SILVA CHAVES Faculdade Interativa COC (Tutor - CLT)

Leia mais

Sistema. Atividades. Sistema de informações. Tipos de sistemas de informação. Everson Santos Araujo everson@everson.com.br

Sistema. Atividades. Sistema de informações. Tipos de sistemas de informação. Everson Santos Araujo everson@everson.com.br Sistema Tipos de sistemas de informação Everson Santos Araujo everson@everson.com.br Um sistema pode ser definido como um complexo de elementos em interação (Ludwig Von Bertalanffy) sistema é um conjunto

Leia mais

A utilização de sistemas ERP voltados para Instituições de Ensino Superior Privadas

A utilização de sistemas ERP voltados para Instituições de Ensino Superior Privadas 2º Contecsi Congresso Internacional de Gestão da Tecnologia e Sistemas de Informação / Internacional Conference on Information Systems and Technology Management 01-03 de Junho de 2005 São Paulo/SP Brasil

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 1.1 2003 by Prentice Hall Sistemas de Informação José Celso Freire Junior Engenheiro Eletricista (UFRJ) Mestre em Sistemas Digitais (USP) Doutor em Engenharia de Software (Universit(

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO COMO FERRAMENTA PARA INTEGRAÇÃO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO - ATENDIMENTO A REQUISITOS E MELHORES PRÁTICAS GERENCIAIS

UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO COMO FERRAMENTA PARA INTEGRAÇÃO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO - ATENDIMENTO A REQUISITOS E MELHORES PRÁTICAS GERENCIAIS UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO COMO FERRAMENTA PARA INTEGRAÇÃO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO - ATENDIMENTO A REQUISITOS E MELHORES PRÁTICAS GERENCIAIS Daniel Gueiber (UTFPR) gueiber@copel.com Cezar Augusto

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Ementa da Disciplina Fundamentos da teoria

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CAMPUS CATALÃO MESTRADO PROFISSIONAL EM GESTÃO ORGANIZACIONAL. Ementário

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CAMPUS CATALÃO MESTRADO PROFISSIONAL EM GESTÃO ORGANIZACIONAL. Ementário SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CAMPUS CATALÃO MESTRADO PROFISSIONAL EM GESTÃO ORGANIZACIONAL Ementário Metodologia de Pesquisa 64 horas Introdução; Paradigmas da investigação social.

Leia mais

Modelo de sistema de informação para apoio ao processo decisório em micro e pequenas empresas.

Modelo de sistema de informação para apoio ao processo decisório em micro e pequenas empresas. Modelo de sistema de informação para apoio ao processo decisório em micro e pequenas empresas. Francisco Ignácio Giocondo César (UNIMEP) giocondo@merconet.com.br Osvaldo Elias Farah (UNIMEP) oefarah@unimep.br

Leia mais

INTELIGÊNCIA COMPETITIVA: ESTUDO DE CASO EM UMA COOPERATIVA AGRO-INDUSTRIAL DO ESTADO DO PARANÁ

INTELIGÊNCIA COMPETITIVA: ESTUDO DE CASO EM UMA COOPERATIVA AGRO-INDUSTRIAL DO ESTADO DO PARANÁ INTELIGÊNCIA COMPETITIVA: ESTUDO DE CASO EM UMA COOPERATIVA AGRO-INDUSTRIAL DO ESTADO DO PARANÁ Elisiane Ap. Antoniazzi (UNICENTRO), Sílvio Roberto Stefano (Orientador), e-mail: elisianeantoniazzi@yahoo.com.br

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Esp. Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com Sistemas de informação Disciplina: Introdução a SI 19/04 Recursos e Tecnologias dos Sistemas de Informação Turma: 01º semestre

Leia mais

MBA Analytics em Big Data

MBA Analytics em Big Data MBA Analytics em Big Data Inscrições Abertas Início das Aulas: 04/06/2015 Dias e horários das aulas: Segunda-Feira 19h00 às 23h00 Semanal Sexta-Feira 19h00 às 23h00 Semanal Carga horária: 600 Horas Duração:

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Dimensões de análise dos SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução n Os sistemas de informação são combinações das formas de trabalho, informações, pessoas

Leia mais

Agenda. Visão Geral Alinhamento Estratégico de TI Princípios de TI Plano de TI Portfolio de TI Operações de Serviços de TI Desempenho da área de TI

Agenda. Visão Geral Alinhamento Estratégico de TI Princípios de TI Plano de TI Portfolio de TI Operações de Serviços de TI Desempenho da área de TI Governança de TI Agenda Visão Geral Alinhamento Estratégico de TI Princípios de TI Plano de TI Portfolio de TI Operações de Serviços de TI Desempenho da área de TI Modelo de Governança de TI Uso do modelo

Leia mais

A PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROFISSIONAIS DA AREA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1

A PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROFISSIONAIS DA AREA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1 A PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROFISSIONAIS DA AREA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1 Tatiana Pereira da Silveira 1 RESUMO O objetivo deste trabalho é apresentar os resultados da

Leia mais

Marketing Visão 360º. O nosso objetivo é ter uma visão ampla dos temas de Marketing, abordando os seguintes tópicos.

Marketing Visão 360º. O nosso objetivo é ter uma visão ampla dos temas de Marketing, abordando os seguintes tópicos. Marketing Visão 360º O Mundo do Marketing em parceria com a TNS Research International está realizando pesquisas mensais com profissionais da área de marketing para investigar temas relacionados ao dia-a-dia

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO EM BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS BRASILEIRAS E PORTUGUESAS

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO EM BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS BRASILEIRAS E PORTUGUESAS 1 TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO EM BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS BRASILEIRAS E PORTUGUESAS São Carlos SP Abril 2011 Euro Marques Júnior USP eurojr@uol.com.br Educação Universitária Serviços

Leia mais