Nº Questionamento na íntegra Resposta

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Nº Questionamento na íntegra Resposta"

Transcrição

1 Ref.: LPI 001/ Fábrica de Software Respostas aos questionamentos Nº Questionamento na íntegra Resposta 1 No Edital em questão, no item 6.1 d Não serão aceitas joint venture, Seção VIII - Condições Gerais do Contrato (CGC), prevê: 6.1 Se o Contratado for uma Joint Venture, consórcio ou associação, todas as partes deverão ser conjunta e solidariamente responsáveis frente ao consórcio ou associação, conforme previsto nas Condições Especiais de Contrato da LPI, elaborado de acordo com as Políticas de Aquisição do BID. Ou seja, na presente aquisição, não se aplica o artigo 33 da Lei nº 8666/93. Contratante pelo cumprimento das Dentro do modelo de fábrica, com joint disposições do Contrato e deverão designar uma delas para que atue como venture, é possível que cada projeto, ou cada módulo de um projeto seja representante com autoridade para desenvolvido por empresas diferentes, comprometer a entidade. A composição pois o grupo contratado é que vai ou constituição da Joint Venture, definir esta distribuição. consórcio ou associação não poderá ser alterada sem o prévio consentimento do Contratante. menciona que será aceito a participação. O fato de termos várias empresas envolvidas pode trazer os seguintes problemas: - um esforço grande dos gestores do E no item CGC 6.1 na Seção IX - contrato para administrar prazos e Condições Especiais do Contrato (CEC) qualidade das entregas de diferentes diz que não será permitida a empresas; participação de Joint Venture, consórcio ou associação como licitante. Conforme exposto no art. 33 da Lei de Licitações permite que o edital admita a oferta de propostas por intermédio de consórcios, tornando-se assim, possível que empresas diversas, detentoras de - esforço maior para a capacitação das empresas nos ambientes, tecnologias e metodologias previstos no edital; - diferente nível de qualidade entre as empresas envolvidas; e - esforço da gestão para a integração das entregas. atributos específicos, conjuguem Portanto, a opção do Contratante em 1

2 interesses e formulem uma proposta unitária para a Administração. A consequência desta desarrazoada imprevisão editalícea é tão somente restringir a competitividade, ainda que de forma não intencional. No âmbito dos contratos administrativos, as empresas consorciadas têm responsabilidade solidária na prestação dos serviços. Assim, a discricionariedade do Administrador em permitir ou não a participação de empresas em consórcio, deve se ater, tão somente, ao fim de ampliação da competição no certame, não trazendo nenhum prejuízo ao órgão. Assim, tendo em vista que a permissão de participação em consórcio tem previsão legal, favorece a Administração Pública e amplia a competitividade, não prejudicando em nada a SECRETARIA DA FAZENDA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. Desta forma, entendemos que será permitido à participação em consórcio. Está correto nosso entendimento? 2 1. Certificação CMMI nível 5 ou MPS nível A: 1.1. É informado no item 1. CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO (IAL 36.3(D)) da Seção III. Critérios de Avaliação e Qualificação, subitem QUALIFICAÇÃO TÉCNICA DO LICITANTE, alínea (e) : Devido às características de alta não permitir a participação de consórcio não tem como escopo restringir a competitividade, mas garantir a melhor execução do contrato. Administração Pública pode impor exigências quando a atividade a ser executada apresentar complexidade ou envolver graus mais elevados de aperfeiçoamento, que é exatamente o caso do objeto em questão. Desta forma, como garantia da total execução do contrato, as exigências 2

3 complexidade dos serviços a serem prestados, a elevada capacidade de entrega e gerenciamento necessários para atender demandas simultâneas das varias áreas envolvidas, o Licitante deverá apresentar comprovação de que obteve êxito na avaliação do nível de maturidade em um dos seguintes modelos: (i) MPS.BR (Melhoria de Processos do Software Brasileiro) NÍVEL A, comprovada pela SOFTEX - Associação para Excelência de Software Brasileira (http://www.softex.br); ou, (ii) CMMI (Capability Maturity Model Integrated) NÍVEL 5, comprovada pelo SEI Software Engineering Institute (http://sas.sei.cmu.edu/pars/pars.aspx).. Grifo nosso Considerando que: No Documento GN ( Políticas para a aquisição de bens e obras financiados pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento ) é informado que: Compete ao Mutuário a responsabilidade pela implementação do projeto e, por conseguinte, pela adjudicação e administração de contratos abrangidos pelo projeto. Por sua vez, o Banco, de acordo com seu Convênio Constitutivo, tomará as medidas necessárias para assegurar que os produtos de qualquer empréstimo de nível de maturidade mostram-se compatíveis com o mínimo de segurança da Administração Pública. Ademais, sendo esta uma Licitação Pública Internacional (LPI), não há restrição demasiada ao competitório, uma vez que existem diversas empresas, tanto nacionais quanto estrangeiras, aptas a cumprir estas exigências. Somente dentro do Brasil temos 08 fornecedores aptos, segundo levantamento apresentado no questionamento. Assim, por se tratar de licitação baseada apenas no preço, o Executor optou por impor para fins de habilitação certificações CMMI nível 5 ou MPS nível A, justamente pois está no escopo do PROFISCO, tanto para SEFAZ/RS como para PGE/RS, a melhoria contínua dos processos organizacionais. 3

4 que conceda ou garanta, ou em que tenha participação, se destinem unicamente aos fins para os quais o empréstimo tenha sido concedido, dando devida atenção às considerações de economia e eficiência. Embora, na prática, as normas e os procedimentos específicos de aquisições e contratações a serem observados na implementação de um projeto dependam de cada caso em particular, as exigências do Banco são orientadas por quatro critérios: (a) a necessidade de economia e eficiência na implementação do projeto, inclusive nas aquisições de bens e contratação de obras nele incluídas; (b) o interesse do Banco em oferecer a todos os licitantes elegíveis de países mutuários e não-mutuários, membros do Banco as mesmas informações e igual oportunidade de competir para o fornecimento de bens e a contratação de obras financiados pelo Banco;[...]. Grifo nosso; Os Editais de Licitação serão redigidos de forma a permitir e estimular a competição internacional, descrevendo, com clareza e precisão, a obra a ser executada, sua localização, os bens a serem fornecidos, o local de entrega ou instalação, o cronograma de entrega ou conclusão, os requisitos mínimos de desempenho, os requisitos de manutenção e garantia, bem como 4

5 quaisquer outros termos e condições aplicáveis.. Grifo nosso; e As normas técnicas e especificações técnicas citadas nos Editais de Licitação deverão possibilitar a competição assegurando simultaneamente o desempenho essencial ou outros requisitos relativos aos bens e/ou obras licitados. Na medida do possível, o Mutuário utilizará normas técnicas internacionalmente aceites, tais como as emitidas pela Organização Internacional de Padrões ( International Standards Organization, ISO ) [...]..Grifo nosso Considerando ainda: Que em certames semelhantes de Fábrica de Software, é entendido que a certificação CMMI nível 3 de maturidade ou MPS nível C são suficientes para atendimento, a exemplo da Caixa Econômica Federal, Secretaria da Receita Federal do Brasil RFB e Secretaria da Receita do Estado da Paraíba nos seguintes certames: PREGÃO ELETRÔNICO N 074/ GILOG/BR, com valor estimado de R$ ,29 cujo objeto é a prestação de serviços técnicos especializados em Tecnologia da Informação, compreendendo o desenvolvimento, manutenção, documentação e sustentação de sistemas de informação, em regime de 5

6 fábrica de software, por empresa que detenha também conhecimento especializado e experiência em Gestão de Risco, para atendimento de demandas do portfólio de sistemas que sustentam o Segmento Risco da CAIXA. PREGÃO ELETRÔNICO N 108/ GILOG/BR, com valor estimado de R$ ,49 cujo objeto é a prestação de serviços técnicos especializados em Tecnologia da Informação, compreendendo o desenvolvimento, manutenção, documentação e sustentação de sistemas de informação, em regime de fábrica de software, por empresa que detenha também conhecimento especializado e experiência em Gestão de Fundos e Seguros, para atendimento de demandas do portfólio de sistemas que sustentam o Segmento Fundos e Seguros da CAIXA. PREGÃO ELETRÔNICO N 110/ GILOG/BR, com valor estimado de R$ ,80 cujo objeto é a prestação de serviços técnicos especializados em Tecnologia da Informação, compreendendo o desenvolvimento, manutenção, documentação e sustentação de sistemas de informação, em regime de fábrica de software, por empresa que detenha também conhecimento 6

7 especializado e experiência em Gestão de Fundos e Seguros, para atendimento de demandas do portfólio de sistemas que sustentam o Segmento Fundos e Seguros da CAIXA. PREGÃO ELETRÔNICO RFB/COPOL Nº 22/2011, com valor estimado em R$ ,00 cujo objeto é a prestação de Serviços Técnicos de Fábrica de Software para o desenvolvimento e manutenção de sistemas de informação, sítios e portais na forma de serviços continuados para a Secretaria da Receita Federal. PREGÃO PRESENCIAL N. 045/2011, com valor estimado em R$ ,00 cujo objeto é a Contratação de Serviço de Fábrica de Software, destinada a Gerência de Tecnologia da Informação da Secretaria de Estado da Receita SER. Estes órgãos também fazem uso intensivo da tecnologia da informação, e no entendimento deles a Certificação CMMI nível 3 e MPS nível C atendem suas necessidades. Um exemplo claro disso é a Caixa Econômica Federal, esta instituição depende inteiramente dos recursos de TI, e tem contratos de Fábrica de Software de mais de 50 (cinquenta) milhões de reais. Estes contratos também têm características de alta complexidade dos serviços a serem 7

8 prestados, a elevada capacidade de entrega e gerenciamento necessários para atender demandas simultâneas das varias áreas envolvidas Considerando também que: Como demonstrado no quadro abaixo, nos níveis 2 e 3 do CMMI estão concentradas as Áreas de Processo de Gerenciamento e Controle de Projetos e Engenharia de Software, já os níveis 4 e 5 são focados na melhoria contínua dos processos organizacionais. Desta forma, a exigência de Certificação de nível 5 ou A, pode não trazer reais benefícios à Administração Pública e levaria a SEFAZ a pagar por recursos que não utilizará No Brasil apenas 7 (sete) instituições são certificadas nível 5 do CMMI e apenas 1 (uma) nível A do MPS, já as certificações CMMI nível 3 são 42 (quarenta e duas) empresas e 24 (vinte e quatro) no nível C do MPS. De acordo com estes pontos e considerando as Políticas para a aquisição de bens e obras financiados pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento, entendemos que será aceito, para fins de habilitação, também as certificações CMMI nível 3 e MPS nível C. Está correto o entendimento? 3 Com relação aos atestados a serem apresentados para comprovação da Será aceito somatório de atestados, desde que não 8

9 capacidade técnica, conforme requerido na Seção III, consta a observação de que a comprovação deverá ser feita por meio de atestado ou conjunto de atestados. A este respeito questionamos se todos os requisitos devem constar dos atestados, ou poderá ser feito o somatório no seguinte sentido: com relação as atividades executadas, constar, por exemplo, em um atestado a execução de atividades de análise e projeto, e, em outro, as atividades de construção, homologação e testes, e ainda em outro documentação e implantação. Será aceito este tipo de somatório de atestados, ou todas as atividades deverão constar de um mesmo atestado para este ser aceito? 4 Com relação aos Bancos de Dados utilizados, entendemos que devem ser comprovados os usos dos dois bancos referidos, porém estes devem constar de um mesmo atestado ou poderá ser apresentado, por exemplo, um atestado constando o uso de Oracle e outro de MS SQL Server? 5 Ainda com relação aos atestados, o modelo constante da Seção II traz em seu item 3 a determinação que seja feita Descrição sucinta do(s) projeto(s), constando a identificação dos projetos, contendo as etapas de Ciclo de desenvolvimento/manutenção ultrapassado o limite máximo de cinco atestados originais ou cópias, previstos na Seção III. Devem ser comprovados o uso dos dois bancos de dados, podendo ser em atestados separados. As etapas exigidas são análise, projeto, construção, homologação, testes, documentação e implantação, conforme Seção III. O fornecedor deverá informar neste item qual a metodologia utilizada no 9

10 executadas, a quantidade de profissionais envolvidos, período de desenvolvimento do projeto e a utilização de metodologia formal. Quais as etapas são exigidas e quais metodologias são consideradas formais? 6 Em continuação ao questionamento anterior, todas as etapas deverão constar de um único atestado ou poderão estar distribuídas em mais de um atestado, comprovando, no seu somatório, o atendimento a todas? 7 Com relação à equipe técnica, verificamos que há a exigência de apresentação de atestado de cliente apenas para o cargo de Gerente de Projeto, está correto o entendimento de que apenas para este cargo deverá ser apresentado atestado de cliente comprovando o exercício da função? 8 Ainda com relação a esta declaração da empresa em que atuou, caso a função de Gerente de Projeto conste da Carteira de Trabalho do profissional, será necessário apresentar atestado, ou a CTPS substitui este? 9 Ainda com relação à equipe técnica, há a exigência de formação superior apenas para o Gestor Geral e Analistas de Sistemas. Apenas para estas duas sistema desenvolvido, não sendo exigida pelo contratante uma metodologia formal específica como critério de avaliação. Será aceito somatório de atestados, desde que não ultrapassado o limite máximo de cinco atestados originais ou cópias, previstos na Seção III. Há a exigência de apresentação de declaração da empresa apenas para o cargo de Gerente de Projeto. Ainda que conste a função de Gerente de Projeto da Carteira de Trabalho do profissional, é indispensável apresentar declaração da empresa em que atuou, conforme item (g) da Seção III. Apenas para Gestor Geral e Analistas de Sistemas será exigida a apresentação de diploma de graduação. 10

11 funções será exigida a apresentação de Diploma de Graduação? 10 Ainda com relação à equipe técnica, verificamos que há a exigência de comprovação de apenas uma certificação, a de PMI para o Gerente de Projeto. Entendemos que para nenhuma das demais funções deverá ser apresentada certificação de cursos especialistas, apenas a descrição da experiência em currículo. Está correto o nosso entendimento? Ainda com relação a esta Certificação, como ela é apresentada no idioma inglês, é necessária a apresentação de tradução juramentada, já que a mesma é de uso comum e seu conteúdo é de domínio público no ambiente de TI? 11 Ainda com relação à equipe, entendemos que não é necessária a apresentação do vínculo do profissional apresentado com a empresa licitante. Está correto o entendimento? 12 Será exigida a apresentação/comprovação de vínculo específico dos profissionais para a execução do projeto, ou poderão compor a equipe tanto profissionais com Apenas é exigida certificação para gerente de projeto (PMP), sendo dispensável a tradução juramentada. Não é necessária a apresentação do vínculo do profissional apresentado com a empresa licitante. Não é necessária a apresentação do vínculo do profissional apresentado com a empresa licitante. 11

12 vínculo trabalhista/societário como com vínculo através de contrato de prestação de serviços? 13 Os profissionais apresentados devem declarar especificamente a sua disponibilidade para participar do projeto, ou a simples apresentação do currículo com a certificação do profissional emitente ao final é suficiente? 14 O Edital traz ao final um orçamento estimado. As empresas que apresentarem proposta acima deste valor serão desclassificadas? Existe um valor máximo orçado para a contratação deste serviço? É possível informar qual é este valor? 15 Em nosso entendimento, a escolha da proposta vencedora será pelo menor preço apresentado. Está correto o entendimento? Para cada projeto encomendado a contratada designará profissionais para atuar. A contratada deverá alocar profissionais com capacitação adequada aos serviços solicitados, sempre observada a qualificação exigida na Seção III (g), conforme cláusula , da Seção IX, CEC, referente à cláusula 14.2 da CGC. Por fim, os currículos deverão ser apresentados de acordo com o modelo da Seção IV, Formulários da Proposta. O orçamento estimado representa um valor referencial, conforme as políticas do BID. A avaliação de proposta pelo contratante deverá considerar, além do preço cotado da proposta, em conformidade com a cláusula 14.6 das IAL, os fatores descritos na Seção III, os quais terão pertinência apenas para fins de aferição de 12

13 16 Em continuação ao questionamento acima, entendemos que a documentação relativa à capacidade técnica terá finalidade meramente comprobatória, está correto? 17 De modo a comprovar a capacidade técnica da proponente, entendemos ser possível adicionar cases dentro da documentação de atestado de capacidade técnica, a fim de ser avaliado pela comissão desta licitação, é correto este entendimento? 18 Entendemos que todos os atestados e documentos de qualificação fazem parte da proposta, deste modo todos devem ser apresentados no idioma português falado no Brasil, é correto este entendimento? 19 Entendemos que as empresas proponentes não necessitam realizar cadastro prévio em nenhuma mesa de compra, ou junto ao BID, ou ainda junto ao adequação substancial da proposta aos documentos de licitação. Os fatores descritos na Seção III terão pertinência apenas para fins de aferição de adequação substancial da proposta aos documentos de licitação. Alternativamente aos atestados poderão ser apresentados contratos de prestação de serviço, desde que sejam atendidas todas as demais exigências que se referem aos atestados e apresentadas, conjuntamente, as correspondentes notas fiscais de prestação dos serviços contratados, conforme alínea d, Seção III. Todos os atestados e documentos de qualificação fazem parte da proposta, devendo ser apresentados no idioma português falado no Brasil, conforme Seção II, Dados da Licitação, referente ao item 10.1 da IAL. As empresas proponentes não necessitam realizar cadastro prévio em nenhuma mesa de compra, ou junto ao BID, ou ainda junto ao SEFAZ/RS ou à 13

14 SEFAZ/RS, é correto este entendimento? 20 De que forma serão publicadas as respostas dos esclarecimentos e eventuais alterações do edital que venham a ser feitas pelo Órgão licitador? 21 No item 2.1 das especificações técnicas para contratação de fábrica de software, temos a informação de que para o dimensionamento dos serviços poderão ser utilizadas as normatizações indicadas no edital e que a Contratante especificará o padrão a ser utilizado caso a caso na OS. Quais critérios serão utilizados para determinar qual normatização será aplicada em cada serviço? Há possibilidade de definição de uma única métrica, considerando que o valor a ser proposto pelo fornecedor por ponto de função será diferente para cada métrica? 22 No item Prazo de execução dos serviços, estão incluídos os prazos de GQA que trata o item ? 23 No item Projeto Preliminar, caso a diferença de contagem entre o estimado e o tamanho real do projeto (sem alteração de escopo, mas com evolução de PGE-RS. Os esclarecimentos aos questionamentos e eventuais alterações do edital serão disponibilizados no site Para dimensionamento dos serviços poderão ser utilizadas as normatizações previstas no item 2.1, Seção VII, Especificações técnicas, a critério do contratante, especificada caso a caso na OS. Não há critérios definidos no edital para determinar qual normatização será aplicada em cada serviço, pois dependerá do projeto a ser executado e da área demandante. Sendo assim, não há possibilidade de definição de uma única métrica. No item prazo de execução dos serviços não estão incluídos os prazos de GQA que trata o item Após o aceite formal do projeto preliminar, a contratante se resguardará o direito de recusar variações superiores a 20% (vinte por cento) do número de 14

15 requisitos) seja maior que 20% esta diferença deverá ser absorvida pela contratada? No caso da Contratante não executar o projeto, como será paga a fase de análise? 24 No item 11 Capacitação, os custos relativos a esta etapa devem ser absorvidos pela contratada? 25 Com relação ao item 3.4.4, Seção VII Especificações Técnicas, questiona-se acerca da disponibilidade da documentação de sistemas legados. 26 Qual o prazo de aceite/homologação pelo Contratante a partir de cada entrega? pontos de função estimado para o projeto, desde que o escopo não seja alterado a pedido dessa, conforme item 2.1.5, Seção VII, Especificações Técnicas. Todavia, o valor referente aos pontos de função executados será pago após o aceite formal em cada uma das etapas, conforme Seção IX, CEC, referente à cláusula 16.1 da CGC (a).desta forma, se executada a fase de análise, está será paga. As horas do profissional designado serão descontadas das horas de consultoria técnica contratadas, conforme item 11, da Seção VII, Especificações Técnicas. Os sistemas legados e sua documentação já identificados como escopo da presente licitação estão disponíveis para consulta no site Não há previsão no edital de prazo para aceite/homologação pelo contratante. Todavia, durante a negociação do contrato, poderão ser acordados prazos para aceite/homologação pelo contratante, dependendo da complexidade da etapa desenvolvida. 27 Com relação aos atestados de É obrigatória a comprovação da 15

16 qualificação técnica e as exigências de comprovação vinculadas aos ambientes tecnológicos presentes no edital Seção III, item I, alíneas a, b e c. Cada atestado tem que comprovar, obrigatoriamente, os três ambientes com a mesma volumetria de horas ou pontos de função? 28 Há um planejamento prévio da distribuição das ordens de serviço durante a vigência do contrato? 29 Se a capacitação será remunerada por horas de consultoria, consideram-se horas ministradas ou estão inclusas as horas de preparação? 30 Considerando que os serviços serão executados na sede da Contratada, eventuais custos de infraestrutura, comunicação e softwares são de responsabilidade da Contratada? 31 No item Projeto Preliminar, caso a diferença de contagem entre o estimado e o tamanho real do projeto (sem alteração de escopo, mas com evolução de requisitos) seja maior que 20% esta diferença deverá ser absorvida pela contratada? No caso da Contratante não executar o projeto, como será paga a fase de análise? utilização da volumetria de horas e pontos de função nos ambientes tecnológicos exigidos no item (a), ou seja,.net e Java, independentemente dos ambientes tecnológicos previstos nos anexos I, II e III, da Seção VII, Especificações Técnicas. Não. As horas do profissional designado serão descontadas das horas de consultoria técnica contratadas, conforme item 11, das Seção VII, Especificações Técnicas. A carga horária e sua discriminação serão indicadas na OS, conforme item 3.4.5, Seção VII, Especificações Técnicas. Sim. O item 2.1.5, Seção VII, Especificações Técnicas apenas resguarda o direito de não ser executado um projeto. Todavia, todas as etapas executadas, mediante OS, serão pagas, após o aceite formal do contratante, conforme Secção IX, CEC, referente à cláusula 16.1 da CGC (a). 16

17 Resposta: Após o aceite formal do projeto preliminar, a contratante se resguardará o direito de recusar variações superiores a 20% (vinte por cento) do número de pontos de função estimado para o projeto, desde que o escopo não seja alterado a pedido dessa, conforme i tem 2.1.5, Seção VII, Especificações Técnicas. Todavia, o valor referente aos pontos de função executados será pago após o aceite formal em cada uma das etapas, conforme Seção IX, CEC, referente à cláusula 16.1 da CGC (a). Nosso questionamento: caso a SEFAZ/PGE, apesar da variação superar os 20%, opte por executar o projeto, o mesmo será pago com base nos PFs efetivamente executados, mesmo que os mesmos superem a variação de 20%. Está correto este entendimento? 32 Serão aceitos atestados/certificações de empresa do mesmo grupo econômico? 33 Rever as exigências de serem apresentadas: (i) MPS.BR (Melhoria de Processos do Software Brasileiro) Nivel A, comprovada pela SOFTEX Associação para Excelência de Software Brasileira (http://www.softex.br); ou, (ii) CMMI (Capability Maturity Model Integrated) NIVEL 5, comprovada pelo A possibilidade de aceitação de atestados/certificações de empresa do mesmo grupo econômico não está prevista no edital. Não. A Administração Pública pode impor exigências quando a atividade a ser executada apresentar complexidade ou envolver graus mais elevados de aperfeiçoamento, que é exatamente o caso do objeto em questão. Desta forma, como garantia da total execução do contrato, as 17

18 SEI Software Engineering Institute (http://sas.sei.cmu.edu/pars/pars.aspx). exigências de nível de maturidade mostram-se compatíveis com o mínimo de segurança da Administração Pública. Ademais, sendo esta uma Licitação Pública Internacional (LPI), não há restrição demasiada ao competitório, uma vez que existem diversas empresas, tanto nacionais quanto estrangeiras, aptas a cumprir estas exigências. Somente dentro do Brasil temos 08 fornecedores aptos segundo levantamento apresentado no questionamento. 18

SECRETARIA DA FAZENDA SUPERVISÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DIVISÃO DE SISTEMAS E TECNOLOGIA

SECRETARIA DA FAZENDA SUPERVISÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DIVISÃO DE SISTEMAS E TECNOLOGIA LICITAÇÃO PÚBLICA INTERNACIONAL - LPI N 0 001/CELIC/2014 PROCESSO ADMINISTRATIVO N 0 0122073-14.00/12-0 RESPOSTAS DO CONTRATANTE Respostas aos questionamentos enviados pela empresa STEFANINI ASSESSORIA

Leia mais

Comissão Especial de Licitação Concorrência nº 397/2010 Verificador Independente RESPOSTA AOS QUESTIONAMENTOS REALIZADOS EM 08/02/2011

Comissão Especial de Licitação Concorrência nº 397/2010 Verificador Independente RESPOSTA AOS QUESTIONAMENTOS REALIZADOS EM 08/02/2011 RESPOSTA AOS QUESTIONAMENTOS REALIZADOS EM 08/02/2011 EDITAL DE LICITAÇÃO 1. É dito no item 9.6.3 que os atestados de capacitação técnica a que se refere o item 9.6.1 (I a III) deverão ser fornecidos por

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 235/2013

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 235/2013 MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 235/2013 NOME DA INSTITUIÇÃO: Stefanini Consultoria e Assessoria em Informática S.A. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO:

Leia mais

Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993.

Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993. DECRETO N.º 7.892, DE 23 DE JANEIRO DE 2013. Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que

Leia mais

DECRETO N 001 A / 2015 De 02 de janeiro de 2015.

DECRETO N 001 A / 2015 De 02 de janeiro de 2015. DECRETO N 001 A / 2015 De 02 de janeiro de 2015. EMENTA: Regulamenta o Sistema de Registro de Preços SRP previsto no art. 15 da Lei nº 8.666/93, no âmbito do Município de Central Bahia. O PREFEITO DO MUNICÍPIO

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. 1. Objeto. 2. Antecedentes. 3. Objeto da Licitação

TERMO DE REFERÊNCIA. 1. Objeto. 2. Antecedentes. 3. Objeto da Licitação TERMO DE REFERÊNCIA 1. Objeto 1.1. Contratação de empresa especializada em auditoria de tecnologia da informação e comunicações, com foco em segurança da informação na análise de quatro domínios: Processos

Leia mais

QUESTÃO 14: Pergunta 1: Resposta: Pergunta 2: Resposta: QUESTÃO 15: Pergunta 1: Resposta: Pergunta 2: Resposta:

QUESTÃO 14: Pergunta 1: Resposta: Pergunta 2: Resposta: QUESTÃO 15: Pergunta 1: Resposta: Pergunta 2: Resposta: QUESTÃO 14: O Edital cita no subitem d.1, do item d, tópico 7.3.4 Qualificação Técnica : "No caso da Área de Especialização 2, o atestado, para fins desta habilitação, deverá se referir a uma experiência

Leia mais

ERRATA II - CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

ERRATA II - CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO ERRATA II - CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 1. INTRODUÇÃO Este documento contém a descrição dos procedimentos e critérios a serem adotados para avaliação, julgamento e classificação das propostas das licitantes

Leia mais

ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À CONSULTA PÚBLICA Nº 010/2015

ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À CONSULTA PÚBLICA Nº 010/2015 ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À CONSULTA PÚBLICA Nº 010/2015 NOME DA INSTITUIÇÃO: Hepta Tecnologia em Informática Ltda. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL EMENTA: OBJETO: Obter contribuições

Leia mais

PREGÃO ELETRÔNICO Nº 01/2014

PREGÃO ELETRÔNICO Nº 01/2014 PREGÃO ELETRÔNICO Nº 01/2014 Objeto: Contratação de empresa para prestação de serviços para desenvolvimento de projeto, sustentação, serviço e documentação de sistemas de informação, na modalidade Fábrica

Leia mais

Ref: Edital da Concorrência nº. 01/2009. termos do edital, pelas razões a seguir: 1º PEDIDO DE ESCLARECIMENTO:

Ref: Edital da Concorrência nº. 01/2009. termos do edital, pelas razões a seguir: 1º PEDIDO DE ESCLARECIMENTO: Ref: Edital da Concorrência nº. 01/2009 Empresa interessada no certame solicitou PEDIDO DE ESCLLARECI IMENTTO,, aos termos do edital, pelas razões a seguir: 1º PEDIDO DE ESCLARECIMENTO: 1) Com relação

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 3.931, DE 19 DE SETEMBRO DE 2001. Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº 8.666, de 21

Leia mais

VIVA RIO REGULAMENTO PARA AQUISIÇÃO DE BENS E CONTRATAÇÃO DE OBRAS, SERVIÇOS E LOCAÇÕES

VIVA RIO REGULAMENTO PARA AQUISIÇÃO DE BENS E CONTRATAÇÃO DE OBRAS, SERVIÇOS E LOCAÇÕES VIVA RIO REGULAMENTO PARA AQUISIÇÃO DE BENS E CONTRATAÇÃO DE OBRAS, SERVIÇOS E LOCAÇÕES O PRESIDENTE DA VIVA RIO, no uso de suas atribuições regimentais, torna público o anexo Regulamento para Aquisição

Leia mais

A empresa Linknet Tecnologia & Telecomunicação Ltda. apresentou impugnação datada de 15 de junho de 2009, ao edital do Pregão Eletrônico nº 71/2008.

A empresa Linknet Tecnologia & Telecomunicação Ltda. apresentou impugnação datada de 15 de junho de 2009, ao edital do Pregão Eletrônico nº 71/2008. Decisão de Pregoeiro n 0021/2009-SLC/ANEEL Em 22 de junho de 2009. Processo nº: 48500.003566/2008-44 Licitação: Pregão Eletrônico nº 71/2008 Assunto: Análise da IMPUGNAÇÃO AO EDITAL apresentada pela empresa

Leia mais

Sociedade para a Promoção da Excelência do Software Brasileiro - SOFTEX

Sociedade para a Promoção da Excelência do Software Brasileiro - SOFTEX Sociedade para a Promoção da Excelência do Software Brasileiro - SOFTEX QUALIFICACAO DE PROFISSIONAIS NO MODELO SEI/CMMI CHAMADA PÚBLICA SOFTEX No. CPS/01/2004 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTA PARA IMPLANTACAO

Leia mais

Ass.: Programa BNDES para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação BNDES Prosoft - Comercialização

Ass.: Programa BNDES para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação BNDES Prosoft - Comercialização Classificação: Documento Ostensivo Unidade Gestora: AOI CIRCULAR SUP/AOI Nº 11/2015-BNDES Rio de Janeiro, 16 de abril de 2015. Ref.: Produto BNDES Automático Ass.: Programa BNDES para o Desenvolvimento

Leia mais

Questão: Entendemos que apenas um atestado atende as duas solicitações. Está correto nosso entendimento?

Questão: Entendemos que apenas um atestado atende as duas solicitações. Está correto nosso entendimento? ILMA. SRA. PREGOEIRA DO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA EXECUTIVA SUBSECRETARIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO GERAL DE RECURSOS LOGÍSTICOS PREGÃO ELETRÔNICO Nº 13/2009

Leia mais

CAPÍTULO I Da fase interna da licitação SEÇÃO I Do edital padrão

CAPÍTULO I Da fase interna da licitação SEÇÃO I Do edital padrão 1 Fonte: http://www.transportes.gov.br/ Link: legislação Instrução Normativa MT nº 001/2007, de 04/10/2007, publicada no D.O.U em 05/10/2007. Uniformiza os procedimentos e rotinas a serem observados pelo

Leia mais

FACULDADE SENAC GOIÂNIA

FACULDADE SENAC GOIÂNIA FACULDADE SENAC GOIÂNIA NORMA ISO 12.207 Curso: GTI Matéria: Auditoria e Qualidade de Software Professor: Elias Ferreira Acadêmico: Luan Bueno Almeida Goiânia, 2015 CERTIFICAÇÃO PARA O MERCADO BRASILEIRO

Leia mais

NOTA DE ESCLARECIMENTO. EDITAL DE CONCORRÊNCIA Nº. 001/2012 SGG/Gabinete do Secretário de Estado Extraordinário da Copa do Mundo

NOTA DE ESCLARECIMENTO. EDITAL DE CONCORRÊNCIA Nº. 001/2012 SGG/Gabinete do Secretário de Estado Extraordinário da Copa do Mundo NOTA DE ESCLARECIMENTO EDITAL DE CONCORRÊNCIA Nº. 001/2012 SGG/Gabinete do Secretário de Estado Extraordinário da Copa do Mundo 1. Tendo em vista as características do projeto objeto desta licitação e

Leia mais

DECRETO Nº. 6.204, DE 5 DE SETEMBRO DE 2007 DOU 06.09.2007

DECRETO Nº. 6.204, DE 5 DE SETEMBRO DE 2007 DOU 06.09.2007 DECRETO Nº. 6.204, DE 5 DE SETEMBRO DE 2007 DOU 06.09.2007 Regulamenta o tratamento favorecido, diferenciado e simplificado para as microempresas e empresas de pequeno porte nas contratações públicas de

Leia mais

ANEXO 6 Critérios e Parâmetros de Pontuação Técnica

ANEXO 6 Critérios e Parâmetros de Pontuação Técnica 449 ANEXO 6 Critérios e Parâmetros de Pontuação Técnica A. Fatores de Pontuação Técnica: Critérios Pontos Peso Pontos Ponderados (A) (B) (C) = (A)x(B) 1. Qualidade 115 1 115 2. Compatibilidade 227 681.

Leia mais

O entendimento está correto, conforme a Cláusula Quarta, Parágrafo Quinto da Minuta do Contrato (Anexo IV do Edital).

O entendimento está correto, conforme a Cláusula Quarta, Parágrafo Quinto da Minuta do Contrato (Anexo IV do Edital). Questão 1 4.4.3 (edital) A empresa líder do Consórcio deverá apresentar o instrumento de constituição ou de compromisso de constituição do Consórcio, o qual não deverá revelar dados contidos na Proposta

Leia mais

DIÁRIO OFICIAL EDIÇÃO Nº 030224 de 30/06/2004

DIÁRIO OFICIAL EDIÇÃO Nº 030224 de 30/06/2004 DIÁRIO OFICIAL EDIÇÃO Nº 030224 de 30/06/2004 GABINETE DO GOVERNADOR D E C R E T O Nº 1.093, DE 29 DE JUNHO DE 2004 Institui, no âmbito da Administração Pública Estadual, o Sistema de Registro de Preços

Leia mais

DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO - DAD COORDENAÇÃO GERAL DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS CGADM COORDENAÇÃO DE INFRA-ESTRUTURA COINF SERVIÇO DE LICITAÇÃO - SELIC

DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO - DAD COORDENAÇÃO GERAL DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS CGADM COORDENAÇÃO DE INFRA-ESTRUTURA COINF SERVIÇO DE LICITAÇÃO - SELIC DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO - DAD COORDENAÇÃO GERAL DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS CGADM COORDENAÇÃO DE INFRA-ESTRUTURA COINF SERVIÇO DE LICITAÇÃO - SELIC Of. n.º 319/2009 Brasília, 11 de maio de 2009. Ref.:

Leia mais

EDITAL DO PREGÃO PRESENCIAL Nº. 002/2008

EDITAL DO PREGÃO PRESENCIAL Nº. 002/2008 EDITAL DO PREGÃO PRESENCIAL Nº. 002/2008 ANEXO I - TERMO DE REFERÊNCIA 1. OBJETO: 1.1 - O presente Termo de Referência tem por objeto a contratação de empresa especializada em: a) desenvolvimento de software

Leia mais

ESTADO DO ACRE DECRETO Nº 5.966 DE 30 DE DEZEMBRO DE 2010

ESTADO DO ACRE DECRETO Nº 5.966 DE 30 DE DEZEMBRO DE 2010 Regulamenta o tratamento favorecido, diferenciado e simplificado para as microempresas, empresas de pequeno porte e equiparadas nas contratações de bens, prestação de serviços e execução de obras, no âmbito

Leia mais

PROPOSTA TÉCNICA/PLANILHA DE AVALIAÇÃO (com Alteração 01)

PROPOSTA TÉCNICA/PLANILHA DE AVALIAÇÃO (com Alteração 01) CONCORRÊNCIA DIRAD/CPLIC Nº 001/2010 ANEXO II 1 PROPOSTA TÉCNICA/PLANILHA DE AVALIAÇÃO (com Alteração 01) I - Atestados, certidões e comprovantes I.1 Todos os documentos, atestados e certificados deverão

Leia mais

ANEXO V CRITÉRIOS DE PONTUAÇÃO

ANEXO V CRITÉRIOS DE PONTUAÇÃO CONCORRÊNCIA DIRAD/CPLIC Nº 008/2008 1 1- PLANILHA DE PONTUAÇÃO TÉCNICA FATOR QUALIDADE ANEXO V CRITÉRIOS DE PONTUAÇÃO Item Descrição Peso 2 1.1 A licitante será pontuada pela comprovação de parceria com

Leia mais

RESPOSTAS DOS QUESTIONAMENTOS DA CONCORRÊNCIA Nº002/2014-INCRA

RESPOSTAS DOS QUESTIONAMENTOS DA CONCORRÊNCIA Nº002/2014-INCRA RESPOSTAS DOS QUESTIONAMENTOS DA CONCORRÊNCIA Nº002/2014-INCRA Acumulado até 03/02/2015 1 Pergunta Para a solução a ser apresentada para atendimento ao briefing deve ser utilizada a identidade digital

Leia mais

ATO CONVOCATÓRIO 002 2013. OBJETO: Credenciamento de Consultores

ATO CONVOCATÓRIO 002 2013. OBJETO: Credenciamento de Consultores ATO CONVOCATÓRIO 002 2013 OBJETO: Credenciamento de Consultores O INSTITUTO QUALIDADE MINAS, pessoa jurídica de Direito privado sem fins lucrativos, qualificada como Organização da Sociedade Civil de Interesse

Leia mais

REGULAMENTO DE COMPRAS

REGULAMENTO DE COMPRAS REGULAMENTO DE COMPRAS A SPDM /PAIS Associação Paulista Para O Desenvolvimento da Medicina, vem por meio deste dar publicidade ao Regulamento Próprio utilizado contendo os procedimentos que adotará para

Leia mais

PREGÃO PRESENCIAL EDITAL 239/2009/DNIT 1º CADERNO DE PERGUNTAS E RESPOSTAS

PREGÃO PRESENCIAL EDITAL 239/2009/DNIT 1º CADERNO DE PERGUNTAS E RESPOSTAS PREGÃO PRESENCIAL EDITAL 239/2009/DNIT 1º CADERNO DE PERGUNTAS E RESPOSTAS 1ª PERGUNTA: Pelo que entendemos no edital o sistema será implantado em cada unidade do DNIT, com banco de dados descentralizados

Leia mais

Introdução ao MPS.BR Guia Geral. Prof. Elias Batista Ferreira

Introdução ao MPS.BR Guia Geral. Prof. Elias Batista Ferreira Introdução ao MPS.BR Guia Geral Prof. Elias Batista Ferreira IMPORTANTE Este NÃO é um curso oficial do MPS.BR. Este curso NÃO é apoiado pela Softex. Objetivo deste Curso Descrever os processos e resultados

Leia mais

ANEXO 8 Planilha de Pontuação Técnica

ANEXO 8 Planilha de Pontuação Técnica 491 ANEXO 8 Planilha de Pontuação Técnica Nº Processo 0801428311 Licitação Nº EDITAL DA CONCORRÊNCIA DEMAP Nº 09/2008 [Razão ou denominação social do licitante] [CNPJ] A. Fatores de Pontuação Técnica:

Leia mais

Esclarecimentos aos questionamentos sobre a consulta pública do projeto GRP Minas

Esclarecimentos aos questionamentos sobre a consulta pública do projeto GRP Minas Esclarecimentos aos questionamentos sobre a consulta pública do projeto GRP Minas 1. Produtos. a. Não foram encontradas referencias aos artefatos de fábrica de software que devem ser entregues, somente

Leia mais

COLETA DE PREÇOS nº 07/2013

COLETA DE PREÇOS nº 07/2013 COLETA DE PREÇOS nº 07/2013 1. PREÂMBULO 1.1. A ASSOCIAÇÃO MUSEU AFRO BRASIL, torna pública a realização de Seleção de Fornecedores na modalidade Coleta de Preços, pelo critério de menor preço, objetivando

Leia mais

LEI Nº 1.048, de 12 de novembro de 2009.

LEI Nº 1.048, de 12 de novembro de 2009. LEI Nº 1.048, de 12 de novembro de 2009. Institui a Lei Geral Municipal da Microempresa, Empresa de Pequeno Porte e Microempreendedor Individual, e dá outras providências. CIRILDE MARIA BRACIAK, Prefeita

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos 1 de 7 07/10/2015 10:08 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 8.538, DE 6 DE OUTUBRO DE 2015 Vigência Regulamenta o tratamento favorecido, diferenciado e simplificado

Leia mais

PROCESSO SELETIVO DE TUTORES MÓDULO BÁSICO 2015 POLOS UFRN CENTRAL, CENEP, MOSSORÓ, CAICÓ E ANGICOS

PROCESSO SELETIVO DE TUTORES MÓDULO BÁSICO 2015 POLOS UFRN CENTRAL, CENEP, MOSSORÓ, CAICÓ E ANGICOS PROCESSO SELETIVO DE TUTORES MÓDULO BÁSICO 2015 POLOS UFRN CENTRAL, CENEP, MOSSORÓ, CAICÓ E ANGICOS A Coordenação de Cursos Técnicos do Instituto Metrópole Digital da Universidade Federal do Rio Grande

Leia mais

Modelo de Plano de Negócios

Modelo de Plano de Negócios EDITAL DE SELEÇÃO PÚBLICA CONJUNTA BNDES/FINEP/MS DE APOIO À INOVAÇÃO TECNOLÓGICA NO SETOR DE EQUIPAMENTOS MÉDICOS E TECNOLOGIAS PARA A SAÚDE INOVA SAÚDE EQUIPAMENTOS MÉDICOS - 02/2013 Modelo de Plano

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA SIMPLIFICADA nº 088/2015. Convênio PMSP/TERMO DE CONVÊNIO nº 025/2014/SDTE

CHAMADA PÚBLICA SIMPLIFICADA nº 088/2015. Convênio PMSP/TERMO DE CONVÊNIO nº 025/2014/SDTE CHAMADA PÚBLICA SIMPLIFICADA nº 088/2015 Convênio PMSP/TERMO DE CONVÊNIO nº 025/2014/SDTE A Central de Cooperativas e Empreendimentos Solidários do Brasil UNISOL, entidade sem fins econômicos, com sede

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA DE ALAGOAS COORDENADORIA SETORIAL DE GESTÃO DA INFORMÁTICA E INFORMAÇÃO

GOVERNO DO ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA DE ALAGOAS COORDENADORIA SETORIAL DE GESTÃO DA INFORMÁTICA E INFORMAÇÃO RESPOSTA AOS QUESTIONAMENTOS DA UNITECH 1) No item 5.2 dos critérios de qualidade, entendemos que não será aceita declaração, desacompanhada do certificado de qualidade. É correto o nosso entendimento?

Leia mais

VALEC: Desenvolvimento Sustentável para o Cerrado Brasileiro 1ª ERRATA EDITAL DE CONCORRÊNCIA Nº 008/2008

VALEC: Desenvolvimento Sustentável para o Cerrado Brasileiro 1ª ERRATA EDITAL DE CONCORRÊNCIA Nº 008/2008 1ª ERRATA EDITAL DE CONCORRÊNCIA Nº 008/2008 1) INSTRUÇÕES ÀS LICITANTES ITEM 6.2.4 QUALIFICAÇÃO TÉCNICA Onde se lê: 6.2.4 Qualificação Técnica a) Registro/Certidão de inscrição no CREA e/ou CRA, da empresa

Leia mais

DEPARTAMENTO GERAL DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS Coordenadoria de Apoio Logístico Departamento de Apoio Operacional TERMO DE REFERÊNCIA

DEPARTAMENTO GERAL DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS Coordenadoria de Apoio Logístico Departamento de Apoio Operacional TERMO DE REFERÊNCIA Processo n.º E-04/. /2012. Contratação de empresa para fornecimento e instalação de sistema de gerenciamento de tráfego para elevadores do prédio da SEFAZ, localizado na Avenida Presidente Vargas, 670

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 9, DE 2 DE MARÇO DE 2011 (*) Estabelece os procedimentos a serem adotados para aquisição de materiais e bens e contratação

Leia mais

A Nota do Fator Suporte de Serviços NS será atribuída com os seguintes critérios:

A Nota do Fator Suporte de Serviços NS será atribuída com os seguintes critérios: ANEXO XIII PONTUAÇÃO TÉCNICA/PREÇO 1 Fatores de Avaliação e Respectivas Pontuações Fator de Avaliação - FA Nota Nota Máxima Peso Pontuação Ponderada Máxima S: Suporte NS 40 3 120 Q: Qualidade NQ 30 2 60

Leia mais

Políticas de Qualidade em TI

Políticas de Qualidade em TI Políticas de Qualidade em TI Aula 05 MPS.BR (ago/12) Melhoria de Processo do Software Brasileiro Prof. www.edilms.eti.br edilms@yahoo.com Agenda Descrição sumária do MPS.BR - Melhoria de Processo do Software

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA

ESTADO DE SANTA CATARINA DECRETO N.º 2356/2013 Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993, e dá outras providências. Rosane Minetto Selig, Prefeita Municipal de Ouro

Leia mais

Decreto nº 8.538, de 6 de outubro de 2015 Decreto nº 6.204, de 5 de setembro de 2007

Decreto nº 8.538, de 6 de outubro de 2015 Decreto nº 6.204, de 5 de setembro de 2007 DECRETO 8.538/2015 COMPARATIVO COM DECRETO 6.204/2007 Outubro/2015 Importante: Pontos acrescidos estão destacados em verde. Pontos suprimidos estão destacados em vermelho. Decreto nº 8.538, de 6 de outubro

Leia mais

PEDIDOS DE ESCLARECIMENTOS

PEDIDOS DE ESCLARECIMENTOS PEDIDOS DE ESCLARECIMENTOS EMPRESA: ILION SOLUÇÕES EM INTERNET LTDA. 1 DO PRAZO: item 5.2 f) Prestação de serviços: 5 (cinco) meses, contados a partir da data da Ordem de Serviço. g) Prazo para desenvolvimento:

Leia mais

EDITAL DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DIREITO PENAL 1º Semestre de 2016

EDITAL DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DIREITO PENAL 1º Semestre de 2016 EDITAL DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DIREITO PENAL 1º Semestre de 2016 As FACULDADES INTEGRADAS RIO BRANCO, na forma regimental torna público o presente Edital, estabelecendo as normas para inscrição e matrícula

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS EDITAL 05/2014

PERGUNTAS E RESPOSTAS EDITAL 05/2014 PERGUNTAS E RESPOSTAS EDITAL 05/2014 Atualizado em 10/11/2014 Esta nota tem o objetivo de esclarecer as instituições que pretendam apresentar propostas de projetos ao Edital 05/2014. 1. No que se refere

Leia mais

Consulta Pública Contratação de Serviços de TI STI - Superintendência de Tecnologia da Informação

Consulta Pública Contratação de Serviços de TI STI - Superintendência de Tecnologia da Informação Consulta Pública Contratação de Serviços de TI STI - Superintendência de Tecnologia da Informação Diretoria de Soluções Tecnológicas Superintendência de Tecnologia da Informação Objeto Objeto: Prestação

Leia mais

MONTREAL / RIO DE JANEIRO

MONTREAL / RIO DE JANEIRO QUESTIONAMENTOS CONCORRÊNCIA PÚBLICA Nº 001/14 MONTREAL / RIO DE JANEIRO 1 Quanto às certificações solicitadas nos itens 2.3, 2.4, e 2.5 da página 136 do Edital, perguntamos: Dado que a Norma ABNT NBR

Leia mais

DIVERSOS QUESTIONAMENTOS COM AS RESPECTIVAS RESPOSTAS ACERCA DA CONCORRÊNCIA N.º 001/2011

DIVERSOS QUESTIONAMENTOS COM AS RESPECTIVAS RESPOSTAS ACERCA DA CONCORRÊNCIA N.º 001/2011 DIVERSOS QUESTIONAMENTOS COM AS RESPECTIVAS RESPOSTAS ACERCA DA CONCORRÊNCIA N.º 001/2011... RESPOSTAS AOS QUESTIONAMENTOS FEITOS PELA EMPRESA AVANSYS TECNOLOGIA LTDA, CNPJ MF sob nº 04.181.950/0001-10,

Leia mais

ANEXO I - TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO I - TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I - TERMO DE REFERÊNCIA 1. OBJETO... 2 2. JUSTIFICATIVA... 2 3. OBJETIVO GERAL... 3 4. OBJETIVOS ESPECÍFICOS... 3 5 DOCUMENTAÇÃO DE REFERÊNCIA... 4 6 PRODUTOS E SERVIÇOS... 4 6.1 RELATÓRIO DE SITUAÇÃO

Leia mais

MUNICÍPIO DE SENGÉS CNPJ/MF 76.911.676/0001-07 TRAVESSA SENADOR SOUZA NAVES N. 95 SENGÉS PARANÁ

MUNICÍPIO DE SENGÉS CNPJ/MF 76.911.676/0001-07 TRAVESSA SENADOR SOUZA NAVES N. 95 SENGÉS PARANÁ DECRETO Nº 600/2014 Súmula:- Regulamenta a aquisição de Bens Permanentes, de Consumo e Serviços destinados a Administração Direta, Indireta e Fundacional do Município de Sengés, através de Pregão, tendo

Leia mais

1.3 Público Alvo / Instituições Elegíveis Instituições Públicas de Ensino Superior que possuam Programas de Pós-Graduação recomendados pela Capes.

1.3 Público Alvo / Instituições Elegíveis Instituições Públicas de Ensino Superior que possuam Programas de Pós-Graduação recomendados pela Capes. DIRETORIA DE PROGRAMAS E BOLSAS NO PAÍS Coordenação-Geral de Programas Estratégicos Coordenação de Programas Especiais EDITAL N 0 27/2010 - PRÓ-EQUIPAMENTOS INSTITUCIONAL A Fundação Coordenação de Aperfeiçoamento

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PROCESSO Nº XXXXXXX

TERMO DE REFERÊNCIA PROCESSO Nº XXXXXXX < Nome do órgão/entidade> TERMO DE REFERÊNCIA PROCESSO Nº XXXXXXX Página 1 de 6 1. DO OBJETO (Informar o que essencialmente você pretende adquirir. Ainda não é o detalhamento da configuração). Ex.: Aquisição

Leia mais

Quem Somos CMM/ CMMI. ISO 9000 PNQ ISO 12207 ISO 15504 ITIL Outros modelos. Gestão Sistêmica da. Alinhamento às Diretrizes Organizacionais.

Quem Somos CMM/ CMMI. ISO 9000 PNQ ISO 12207 ISO 15504 ITIL Outros modelos. Gestão Sistêmica da. Alinhamento às Diretrizes Organizacionais. Quem Somos Missão Promover a melhoria e a busca da excelência na gestão organizacional e o aperfeiçoamento contínuo dos processos dos nossos clientes, por meio de modelos e padrões de qualidade adequados

Leia mais

Ass.: Programa para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação PROSOFT Comercialização

Ass.: Programa para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação PROSOFT Comercialização CARTA-CIRCULAR Nº 37/2007 Rio de Janeiro, 30 de agosto de 2007 Ref.: BNDES AUTOMÁTICO Ass.: Programa para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação PROSOFT

Leia mais

OFÍCIO CEL N 313/2009. Brasília, 06 de maio de 2009.

OFÍCIO CEL N 313/2009. Brasília, 06 de maio de 2009. OFÍCIO CEL N 313/2009. Brasília, 06 maio 2009. Ref.: Processo n 001592/2008-4 - CC 001/2009 Ass.: Contratação pessoa jurídica para prestação serviços especializados em Tecnologia da Informação (TI), na

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa LEI Nº 13.179, DE 10 DE JUNHO DE 2009. (publicada no DOE nº 109, de 12 de junho de 2009) Dispõe sobre a Cotação Eletrônica

Leia mais

Conforme previsto no item VIII do edital de Pregão nº 44/2009, apresentamos nosso pedido de esclarecimentos sobre a licitação, conforme segue:

Conforme previsto no item VIII do edital de Pregão nº 44/2009, apresentamos nosso pedido de esclarecimentos sobre a licitação, conforme segue: Quanto aos questionamentos apresentados pela empresa LORENO, passamos a responder o seguinte: Conforme previsto no item VIII do edital de Pregão nº 44/2009, apresentamos nosso pedido de esclarecimentos

Leia mais

REGULAMENTO MBA EM GESTÃO DE CRÉDITO DESTE REGULAMENTO

REGULAMENTO MBA EM GESTÃO DE CRÉDITO DESTE REGULAMENTO REGULAMENTO MBA EM GESTÃO DE CRÉDITO DESTE REGULAMENTO O Regulamento de Pós-Graduação da Fundação Getulio Vargas é um instrumento normativo, destinado ao corpo discente, que descreve os padrões de qualidade

Leia mais

EDITAL DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO NEW BRANDING INNOVATION MBA 1º Semestre de 2016

EDITAL DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO NEW BRANDING INNOVATION MBA 1º Semestre de 2016 EDITAL DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO NEW BRANDING INNOVATION MBA 1º Semestre de 2016 As FACULDADES INTEGRADAS RIO BRANCO, na forma regimental torna público o presente Edital, estabelecendo as normas para inscrição

Leia mais

PROJETO DE MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO PÚBLICA DO ESTADO DO PIAUÍ

PROJETO DE MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO PÚBLICA DO ESTADO DO PIAUÍ PROJETO DE MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO PÚBLICA DO ESTADO DO PIAUÍ TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA PESSOA JURÍDICA PARA REALIZAÇÃO DE CURSOS DE CAPACITAÇÃO DE SERVIDORES PÚBLICOS EM GESTÃO ESTRATÉGICA

Leia mais

EDITAL DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA EM COMUNICAÇÃO CORPORATIVA INTEGRADA 1º Semestre de 2016

EDITAL DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA EM COMUNICAÇÃO CORPORATIVA INTEGRADA 1º Semestre de 2016 EDITAL DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA EM COMUNICAÇÃO CORPORATIVA INTEGRADA 1º Semestre de 2016 As FACULDADES INTEGRADAS RIO BRANCO, na forma regimental torna público o presente Edital, estabelecendo as

Leia mais

PROEX - PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ

PROEX - PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ PROEX - PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ EDITAL N 01/2014/Unifei/PROEX, DE 28 de ABRIL de 2014, FINANCIAMENTO DE PROJETOS E PROGRAMAS DE EXTENSÃO DA UNIFEI (EDITAL RETIFICADO) A

Leia mais

Regulamento de Compras, Contratação de Serviços e Alienações

Regulamento de Compras, Contratação de Serviços e Alienações Regulamento de Compras, Contratação de Serviços e Alienações Aprovada na XLIII Reunião do Conselho de Administração do Instituto de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá (IDSM), realizada de 05 a 14 de

Leia mais

EDITAL DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA EM GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1º Semestre de 2016

EDITAL DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA EM GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1º Semestre de 2016 EDITAL DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA EM GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1º Semestre de 2016 As FACULDADES INTEGRADAS RIO BRANCO, na forma regimental torna público o presente Edital, estabelecendo as

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE ASSUNTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE ASSUNTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE ASSUNTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO Ofício nº 077/2005/CPL/SAA/SE/MEC Brasília, 04 de maio de 2005. Aos interessados REFERÊNCIA: Concorrência

Leia mais

EDITAL FAPERGS 06/2014 PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO TECNOLÓGICA E INOVAÇÃO PROBITI/PROUNI-FAPERGS

EDITAL FAPERGS 06/2014 PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO TECNOLÓGICA E INOVAÇÃO PROBITI/PROUNI-FAPERGS EDITAL FAPERGS 06/2014 PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO TECNOLÓGICA E INOVAÇÃO PROBITI/PROUNI-FAPERGS A FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL FAPERGS torna público o

Leia mais

EDITAL DE EXTENSÃO Nº 23/2014 PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INCENTIVO À CRIAÇÃO DE LABORATÓRIOS DE EXTENSÃO LabEx/IFRJ

EDITAL DE EXTENSÃO Nº 23/2014 PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INCENTIVO À CRIAÇÃO DE LABORATÓRIOS DE EXTENSÃO LabEx/IFRJ EDITAL DE EXTENSÃO Nº 23/2014 PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INCENTIVO À CRIAÇÃO DE LABORATÓRIOS DE EXTENSÃO LabEx/IFRJ A Pró-Reitora de Extensão, do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade IV QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade IV QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade IV QUALIDADE DE SOFTWARE introdução As mudanças que estão ocorrendo nos clientes e nos ambientes de negócios altamente competitivos têm motivado as empresas a modificarem

Leia mais

Presidência da República

Presidência da República Presidência da República Casa Subchefia para Assuntos Jurídicos Civil DECRETO Nº 6.170, DE 25 DE JULHO DE 2007. Dispõe sobre as normas relativas às transferências de recursos da União mediante convênios

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES DO OBJETO

ESPECIFICAÇÕES DO OBJETO ANEXO IV REFERENTE AO EDITAL DE PREGÃO Nº 022/2013 ESPECIFICAÇÕES DO OBJETO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE Nº 001/2013 1. OBJETO DE CONTRATAÇÃO A presente especificação tem por objeto a Contratação de empresa

Leia mais

EDITAL DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO RELAÇÕES INTERNACIONAIS 1º Semestre de 2016

EDITAL DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO RELAÇÕES INTERNACIONAIS 1º Semestre de 2016 EDITAL DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO RELAÇÕES INTERNACIONAIS 1º Semestre de 2016 As FACULDADES INTEGRADAS RIO BRANCO, na forma regimental torna público o presente Edital, estabelecendo as normas para inscrição

Leia mais

CONSELHO DE ARQUITETURA E URBANISMO DO BRASIL. Ata de Realização do Pregão Eletrônico Nº 00001/2014

CONSELHO DE ARQUITETURA E URBANISMO DO BRASIL. Ata de Realização do Pregão Eletrônico Nº 00001/2014 Pregão Eletrônico 926284.12014.9995.5031.568746915954.633 CONSELHO DE ARQUITETURA E URBANISMO DO BRASIL Ata de Realização do Pregão Eletrônico Nº 00001/2014 Às 09:05 horas do dia 25 de novembro de 2014,

Leia mais

INCUBADORAS DE EMPRESAS. EDITAL SEBRAE/ANPROTEC 01/2015 Implantação e Certificação do CERNE

INCUBADORAS DE EMPRESAS. EDITAL SEBRAE/ANPROTEC 01/2015 Implantação e Certificação do CERNE INCUBADORAS DE EMPRESAS EDITAL SEBRAE/ANPROTEC 01/2015 Implantação e Certificação do CERNE Brasília, 2015 O Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas SEBRAE, entidade associativa de Direito

Leia mais

CARTA CONVITE Nº 002/2010

CARTA CONVITE Nº 002/2010 IMPORTANTE: PARA PARTICIPAR DA LICITAÇÃO O INTERESSADO DEVERÁ RETIRAR O EDITAL SOB PROTOCOLO COM ATÉ 24 HORAS DE ANTECEDENCIA DO CERTAME NA SEDE DO CONSELHO SITUADO À RUA PAMPLONA, 1200 JD PAULISTA CEP:

Leia mais

APOIO E FOMENTO ÁS INICIATIVAS DE FINANÇAS SOLIDÁRIAS COM BASE EM BANCOS COMUNITÁRIOS DE DESENVOLVIMENTO

APOIO E FOMENTO ÁS INICIATIVAS DE FINANÇAS SOLIDÁRIAS COM BASE EM BANCOS COMUNITÁRIOS DE DESENVOLVIMENTO INSTITUTO PALMAS DE DESENVOLVIMENTO E SOCIOECONOMIA SOLIDÁRIA Av. Val Paraíso, 698, Conjunto Palmeira Fortaleza-CE CEP 60870-440 bancopalmas@bancopalmas.org.br / 55 85 3459-4848 CNPJ 05705438/0001-99 APOIO

Leia mais

MINISTÉRIO DA CULTURA INSTITUTO BRASILEIRO DE MUSEUS

MINISTÉRIO DA CULTURA INSTITUTO BRASILEIRO DE MUSEUS MINISTÉRIO DA CULTURA INSTITUTO BRASILEIRO DE MUSEUS EDITAL SELEÇÃO DE PROJETOS Nº /2012 O Instituto Brasileiro de Museus - IBRAM autarquia federal vinculada ao Ministério da Cultura, criada pela Lei n.º

Leia mais

EMPRESA MUNICIPAL DE INFORMÁTICA S/A IPLANRIO COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO ESCLARECIMENTO PROCESSO 01.300.180/2012 PE 0266/2012

EMPRESA MUNICIPAL DE INFORMÁTICA S/A IPLANRIO COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO ESCLARECIMENTO PROCESSO 01.300.180/2012 PE 0266/2012 EMPRESA MUNICIPAL DE INFORMÁTICA S/A IPLANRIO COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO ESCLARECIMENTO PROCESSO 01.300.180/2012 PE 0266/2012 Trata-se de impugnações interpostas pelas licitantes abaixo relacionadas,

Leia mais

Estudo de Caso da Implantação do Nível G do MPS.BR em Uma Empresa

Estudo de Caso da Implantação do Nível G do MPS.BR em Uma Empresa Estudo de Caso da Implantação do Nível G do MPS.BR em Uma Empresa Dayana Henriques Fonseca 1, Frederico Miranda Coelho 1 1 Departamento de Ciência da Computação Universidade Presidente Antônio Carlos (UNIPAC)

Leia mais

MENSAGEM PREGÃO ELETRÔNICO N. 61/2008 ESCLARECIMENTO 2

MENSAGEM PREGÃO ELETRÔNICO N. 61/2008 ESCLARECIMENTO 2 MENSAGEM Assunto: Esclarecimento 2 Referência: Pregão Eletrônico n. 61/2008 Data: 17/12/2008 Objeto: Contratação de empresa especializada para fornecimento de solução informatizada e integrada para o acompanhamento

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA - ESCLARECIMENTOS DAS CONTRIBUIÇÕES PREGÃO ELETRÔNICO REGISTRO DE PREÇOS

CONSULTA PÚBLICA - ESCLARECIMENTOS DAS CONTRIBUIÇÕES PREGÃO ELETRÔNICO REGISTRO DE PREÇOS CONSULTA PÚBLICA - ESCLARECIMENTOS DAS CONTRIBUIÇÕES PREGÃO ELETRÔNICO REGISTRO DE PREÇOS Em reposta a Consulta Pública abaixo indicada, prestamos os seguintes esclarecimentos às contribuições apresentadas:

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA PARA ASSUNTOS ACADÊMICOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA PARA ASSUNTOS ACADÊMICOS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA PARA ASSUNTOS ACADÊMICOS Edital de Melhoria e Inovação do Ensino da Graduação Nº 01/2015 A Universidade Federal de Pernambuco (UFPE),

Leia mais

14 Os principais documentos de um projeto são: o termo de. 15 Elemento integrante do gerenciamento do escopo do projeto,

14 Os principais documentos de um projeto são: o termo de. 15 Elemento integrante do gerenciamento do escopo do projeto, De acordo com o comando a que cada um dos itens de 1 a 70 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

No que se refere a conceitos básicos do gerenciamento de projetos, segundo o PMBoK, julgue os itens a seguir.

No que se refere a conceitos básicos do gerenciamento de projetos, segundo o PMBoK, julgue os itens a seguir. De acordo com o comando a que cada um dos itens de 1 a 70 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

Estudo de caso para implantação do modelo MR-MPS-SV

Estudo de caso para implantação do modelo MR-MPS-SV Estudo de caso para implantação do modelo MR-MPS-SV Giovani Hipolito Maroneze 1, Jacques Duílio Branches 1 1 Departamento de Computação Universidade Estadual de Londrina (UEL) Caixa Postal 10.001 86.057-970

Leia mais

ATO CONVOCATÓRIO 001 2013. OBJETO: Credenciamento de Consultores

ATO CONVOCATÓRIO 001 2013. OBJETO: Credenciamento de Consultores ATO CONVOCATÓRIO 001 2013 OBJETO: Credenciamento de Consultores O INSTITUTO QUALIDADE MINAS, pessoa jurídica de Direito privado sem fins lucrativos, qualificada como Organização da Sociedade Civil de Interesse

Leia mais

SUPLEMENTO Nº 02. O presente Suplemento tem por finalidade proceder as alterações do edital do Pregão PE.DAQ.G.00031.2011, conforme abaixo:

SUPLEMENTO Nº 02. O presente Suplemento tem por finalidade proceder as alterações do edital do Pregão PE.DAQ.G.00031.2011, conforme abaixo: PE.DAQ.G.00031.2011 1/7 SUPLEMENTO Nº 02 O presente Suplemento tem por finalidade proceder as alterações do edital do Pregão PE.DAQ.G.00031.2011, conforme abaixo: 1) Na Seção III, subitem 3.3 Documentação

Leia mais

DECRETO Nº 6.555, DE 8 DE SETEMBRO DE 2008.

DECRETO Nº 6.555, DE 8 DE SETEMBRO DE 2008. DECRETO Nº 6.555, DE 8 DE SETEMBRO DE 2008. Dispõe sobre as ações de comunicação do Poder Executivo Federal e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe confere o

Leia mais

PORTARIA Nº 7.965, DE 23 DE NOVEMBRO DE 2015.

PORTARIA Nº 7.965, DE 23 DE NOVEMBRO DE 2015. PORTARIA Nº 7.965, DE 23 DE NOVEMBRO DE 2015. Atualiza o macroprocesso da fase de Gestão de Contratos de Tecnologia da Informação e Comunicações, instituído no âmbito do Tribunal Regional do Trabalho da

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA DE ALAGOAS COORDENADORIA SETORIAL DE GESTÃO DA INFORMÁTICA E INFORMAÇÃO

GOVERNO DO ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA DE ALAGOAS COORDENADORIA SETORIAL DE GESTÃO DA INFORMÁTICA E INFORMAÇÃO 2.1.3.5 Resultados. a) Aumento da arrecadação tributária do Estado - excluído o crescimento econômico, variações de alíquotas e bases de cálculo, etc; b) Redução do tempo de julgamento administrativo dos

Leia mais

Informamos que os documentos exigidos no Termo de Referência deverão ser apresentados, visto que o mesmo é parte integrante do Edital.

Informamos que os documentos exigidos no Termo de Referência deverão ser apresentados, visto que o mesmo é parte integrante do Edital. Senhor Licitante, Informamos que os documentos exigidos no Termo de Referência deverão ser apresentados, visto que o mesmo é parte integrante do Edital. Atenciosamente, Vera Lucia M. de Araujo Pregoeira

Leia mais