21/9/2012. Produção de ovos no Brasil. Consumo mundial de ovos. Estados brasileiros produtores de ovos em 2011 PRODUÇÃO DE AVES NO BRASIL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "21/9/2012. Produção de ovos no Brasil. Consumo mundial de ovos. Estados brasileiros produtores de ovos em 2011 PRODUÇÃO DE AVES NO BRASIL"

Transcrição

1 BEM-ESTAR ESTAR NA PRODUÇÃO DE AVES DE POSTURA PRODUÇÃO DE AVES NO BRASIL Período comercial Piracicaba/SP Setembro de 2012 Dra. Aérica Cirqueira Nazareno Pesquisadora - NUPEA A criação de aves passa a ter como objetivo principal olucro(vendadeovosecarne). 2 Produção de ovos no Brasil 3º Maior produtor; Produção 31,5 bilhões de ovos; As exportações de ovos 16,6 mil toneladas em 2011; foram Queda de 39% em relação a Consumo mundial de ovos Japão Taiwan México China França EUA Malásia Itália Hong Kong Espanha Brasil 4 Estados brasileiros produtores de ovos em ,87% Hisex PRINCIPAIS LINHAGENS DE POSTURA COMERCIAL LOHMANN BROWN 5,73% 5,83% 2,14% 4,01% 5,91% 4,53% 6,92% 7,77% 11,45% 35,85% São Paulo Minas Gerais Espirito Santo Paraná Rio Grande do Sul Pernambuco Mato Grosso Goiás Ceará Santa Catarina Outros estado UBABEF (2012) 5 6 1

2 Características desejáveis das Baixo peso corporal; Baixo consumo de ração; Elevada produção de ovos; Ovos grandes e com casca resistente; Resistência às doenças; Precocidade; Baixa mortalidade. Características desejáveis das Idade da maturidade sexual: 147 a 154 dias; Pico de produção: 91 a 94%; Persistência de postura (ave alojada): - 12 meses: 280 a 290 ovos - 14 meses: 315 a 325 ovos; Tamanho do ovo: peso médio 62 g em 12 meses. 7 8 BEM ESTAR É possível garantir aos animais de produção? E ambiência andam juntos? Custo de produção de sistemas alternativos para Sistema Área m 2 /ave Aumento no custo de produção acima do sistema de gaiola industrial Aviário 0,1 0, % Pátio com palha 0,24 30% Livre Não aplicável 35 70% 9 ADAPTADO DE ROWAN et al. (1999 CITADO POR MOLENTO, 2005) 10 Bem-estar animal, por que adotá-lo na avicultura de postura? Legislação aves 2005: UE proibiu a permanência de galinhas em gaiolas tradicionais; 2006: Proibida a fabricação das gaiolas tradicionais no continente;

3 Legislação aves Diretiva 1999/74 Normas mínimas relativas à proteção das galinhas Gaiolas convencionais proibidas a partir de 2013 Legislação aves 2012: Prazo fornecido aos produtores para se adaptarem às mudanças; EUA: tema de menor importância; Canadá e países asiáticos acompanham a tendência Legislação aves Regulamento 5/2001 Normas de comercialização aplicáveis aos ovos Rotulagem obrigatória a partir de 2004: -Ao ar livre -No solo -Em gaiolas Sistemas de Criação 85% dos ovos industrias provêm de criadas em gaiolas convencionais. Países que apresentam todo sistema de criação em gaiola: México, China, Brasil, Índia, Turquia, Emirados Árabes e Irã Sistemas de Criação VOCÊ APROVARIA OVOS CERTIFICADOS COM SELO DE BEM-ESTAR? Consumidor de países em desenvolvimento: Preço VOCÊ PAGARIA POR OVOS CERTIFICADOS COM SELO DE BEM-ESTAR? 17 Reestruturação: Elevar os custos Reduzir número de avicultores 18 3

4 21/9/2012 Sistemas de Criação Sistemas de Criação GAIOLAS NA INDÚSTRIA ATUALMENTE Novo mercado para Brasil Vertical ou baterias (maior parte); Sustentação vertical, lembrando edifício; Condições favoráveis Condições técnicas, baixo custo Exige automação para coleta de ovos e excreta, distribuição de ração e água; de Galpões média a grande capacidade ( até aves); produção, bom clima, grãos não modificados AUTOMAÇÃO NA AVICULTURA BRASILEIRA Sistemas de Criação 21 Coleta automática de ovos 22 Medidas usadas para avaliar o BEA Sistemas de Criação Medidas de endócrinas de avaliação do estresse Cortisol Hormônios da tireóide T3 e T4 Problema: esterco muito úmido, dificulta Diminuição da atividade do eixo. comercialização RELAÇÃO COM METABOLISMO Mais adequado para clima brasileiro, permite maior controle de temperatura

5 Ambiência para Fatores do ambiente que influenciam na produção de ovos Necessidade de estabelecer objetivos e Físico Social Térmico metas; Conhecer os meios, formas e maneiras de se proceder esta climatização; Área/animal, e equipamentos Luz, som, pressão Densidade populacional, Comportamento animal e dominância Temperatura, umidade relativa, Ventilação e radiação Informações sobre custo e vida útil; Manutenção periódica e monitoramento constante Fatores do ambiente que influenciam na produção de ovos Fatores do ambiente que influenciam na produção de ovos INSTALAÇÕES 27 Cobertura Material ideal: alta refletividade solar; alta emissividade térmica na superfície superior; baixa refletividade solar na superfície inferior; Baixa emissividade térmica na superfície inferior. 28 Fatores do ambiente que influenciam na produção de ovos Cobertura INSTALAÇÕES ARTIFÍCIOS DA AMBIÊCIA Artifícios: forros sob a cobertura; pintura de cores clara (face superior) e escuras (face inferior); Uso de materiais isolantes; materiais de grande inércia térmica; aspersão de água sobre o telhado

6 Ventilação Função e importância Ambiência das instalações Função higiênica e sanitária Retirar gases e poeira Bem-estar animal Sistema de controle do ambiente SOMBREAMENTO Sombrear paredes e telhados do galpão - é o ideal? Atenção: Cuidados com a ventilação natural OBS: dar preferência a árvores de crescimento rápido Atenção: A interceptação da radiação solar pela vegetação depende da densidade da folhagem ao longo do ciclo anual da árvore escolhida Sistemas de controle do ambiente Sombreamento Gráfico da zona termoneutra Zona de sobrevivência 17 a 20 C 20 a 25 C Árvores utilizadas: Acásia Naja, Sanção do campo, Grevilhas e eucaliptos (Silva 1999). 33 Produção de calor Temperatura Ambiente 34 Tabela 2. Zona de termoneutralidade e suas respectiva fases Medidas usadas para avaliar o BEA Qualidade do produto final: Ovos Autores Umidade Temperatura C relativa % Cria 1ª a 11ª Recria 12ª a 17ª Postura 18ª a 76ª Freeman (1988) Guia de manejo Hisex (2009) Charles (1985) Cotta (2002) Curtis (1983) Esmay (1982) Temperatura (ºC) EFEITOS Zona de termoneutralidade. Boa Produção Faixa de temperatura ideal Pode-se iniciar uma pequena redução na ingestão de alimentos, porém, se a ingestão de nutrientes for adequada, a eficiência produtiva é mantida. O tamanho do ovo e a qualidade da casca podem diminuir quando a temperatura alcança o limite superior desta faixa Reduzido consumo alimentar e ingestão de água aumentada; iniciase ofegação; ovos de menor tamanho e cascas mais finas A ofegação se intensifica. O consumo alimentar continua diminuir e aumenta o consumo de água Prostração por calor. 40 e acima Pode ocorrer mortalidade por estresse térmico. 36 6

7 Tabela 3. Efeito da temperatura do ambiente na produção e tamanho do ovo e eficiência na conversão alimentar Ambiente ( o C) Produção Relativa (%) Tamanho do Ovo (%) Eficiência de Conversão (%) Problemas e Desafios para Poedeiras MAIOR PROBLEMA = utilização de gaiolas Problemas e Desafios para Poedeiras Problemas e Desafios para Poedeiras Situação Brasileira: Baterias de Gaiolas Sistema Piramidal Sistema vertical Baixo nível tecnológico 39 Dimensões: 1,00 x 0,40 x 0,45 m Alojamento: 8 a 10 aves Manejo automatizado Alto custo 40 Problemas e Desafios para Poedeiras Problemas e Desafios para Poedeiras Eliminar as gaiolas resolve o problema? Osteoporose, fragilidade óssea; Quebra dos ossos; Debilidade muscular. Grupos grandes são um dos fatores que resultam em bicagem de penas e o canibalismo. Além disso, maior incidência de posturanacamaebicagemdosovos. 41 Recomenda-se grupos de 100 aves (CIWFC, 1997). 42 7

8 Práticas de manejo que afetam o BEA Práticas de manejo que afetam o BEA DESVANTAGENS DA DEBICAGEM Percepção de dor de curta e longa duração Mudança de comportamento Impede a seleção de alimento Prejuízo temporário à habilidade da ave para se alimentar 1 dia de idade ou nos 10 primeiros Mazzuco(2006) Práticas de manejo que afetam o BEA VANTAGENS DA DEBICAGEM Reduz o canibalismo, bicadas das penas e cloaca Menor mortalidade e desperdício de ração Melhor produção e escores de empenamento Hester& Shea-More(2003) DEBICAGEM LAYSER Laser infravermelho (usado na medicina humana ). Compararam aves debicadas a partir do modo convencional e a laser, avaliaram as características morfológicas e fisiológicas, incluindo a produção e o comportamento desses animais. Não houve diferença entre os 2 grupos tanto para a produção de ovos como os níveis mensuráveis de estresse. No entanto, as aves tratadas com laser apresentaram menos agressividade e menor bicagem das penas entre elas. Conclusão a debicagem com laser parece ser mais precisa e menos dolorosa para as aves. 45 Lee etal. (2010) 46 Práticas de manejo que afetam o BEA Muda Forçada Muda de penas: todas as aves de ambos os sexos Período de descanso: aves domésticas cessam a produção Natural: 4 meses Forçada: varia com o método adotado, geralmente 6 a 8 semanas Objetivo: mais um ciclo de produção, aumentando a vida produtiva da ave. 47 Práticas de manejo que afetam o BEA Muda Forçada MANEJO Mais utilizado no Brasil Situações de estresse: Redução do fotoperíodo Retirada da ração (máx 14 dias) Retirada da água (máx 3 dias) Método varia muito entre regiões e deve ser adaptado às necessidades da granja 48 8

9 Desempenho comparativo de após muda forçada Características 1º Ciclo 2º Ciclo Formação da poedeira dias Custo relativo % Pico de postura % Ovos extras + grande % < 70 >85 Uso do bem-estar para Cons. Ração/poedeira kg 7 1,8 Período de postura semanas Produção Ovos/ave Conversão alimentar kg/dz 1,64 1, Problemas e Desafios para Poedeiras Método alternativo: GAIOLAS MODIFICADAS Poleiros Ninhos Substrato de cama Lixa para desgaste de unhas Liberdade de movimentação Maior disponibilidade de comedouros Adaptado de Laywel, Problemas e Desafios para Poedeiras Deve haver cuidado nas modificações das gaiolas? Será que as instalações estão fornecendo as 5 liberdades??? 52 Problemas e Desafios para Poedeiras Sistema de criação sem gaiolas Problemas e Desafios para Poedeiras Sistema de criação sem gaiolas Adaptado de Laywel, Adaptado de Laywel,

10 ENRIQUECIMENTO AMBIENTAL PARA POEDEIRAS Comparação entre comportamento de em diferentes tipos de enriquecimento ambiental em gaiolas Comportamento Sem Sino Pêndulo Tampinhas Total Bicando brinquedo 0 5,56 8,85 7,39 5,40 Bicando ave 0 0,56 2,60 1,14 1,08 Calmas 51,30 51,67 52,08 63,07 54,39 Agitadas 22,28 10,56 4,17 4,55 10,53 Alimentando 26,42 31,67 32,29 23,86 28,61 Abreu et al. (2006) Uso do bem-estar para NECESSIDADES DAS AVES POEDEIRAS Forrageamento e movimentos investigatórios Terem exercícios o suficiente para evitar danos Comportamento de banho de areia Procura por ninho e comportamento social Espaço de fuga 57 Comparação entre sistemas de criação em gaiola e em aviário com cama Citado por Alves (2007) 58 Uso do bem-estar para AVIÁRIOS COM CAMA E NINHOS Inserção dos itens necessários para o BEA Bebedouros e comedouros em n suficiente Uso do bem-estar para SISTEMA DE CRIAÇÃO ALTERNATIVO Densidade recomendada visando BEA 10 aves/m² (aves brancas) 8 aves/m² (aves vermelhas) Ninhos em número adequado (1 boca p/ 4 aves)

11 CRIAÇÃO ALTERNATIVA: DESVANTAGENS Contaminação com coccidiose e salmonela Predadores (ex. aves de rapina) Condições climáticas extremas Uso do bem-estar para FRAGILIDADE ÓSSEA Efeitos do bem-estar na fisiologia e no comportamento de Aves no sistema gaiolas: maior incidência Alto nível de osteoporose e osteomalacia 25 40%: ossos quebrados no transporte 0,5% livres; 6,5% nas gaiolas; 9,5% após o abate Efeitos do bem-estar na fisiologia e no comportamento de DEPOSIÇÃO DE CÁLCIO NOS OVOS Cascas mais finas quando em estresse térmico Efeitos do bem-estar na fisiologia e no comportamento de FISIOLOGIA DO ESTRESSE TÉRMICO COMPARAÇÃO DOS SISTEMAS GAIOLA E CAMA PARA FREQ. RESPIRATÓRIA Maior incidência na criação em gaiolas Além disso, maior % de ovos trincados Trincas: impacto do ovo na gaiola e casca fina FONTE: ALVES, 2007 FISIOLOGIA DO ESTRESSE TÉRMICO COMPARAÇÃO DOS SISTEMAS GAIOLA E CAMA PARA TEMPERATURA RETAL Efeitos do bem-estar no comportamento de T retal nas condições de estresse independe da linhagem do sistema. FONTE: BARBOSA FILHO, 2004 T retal no sistema gaiola 65 FONTE: ALVES,

12 Efeitos do bem-estar no comportamento de Efeitos do bem-estar no comportamento de OUTROS COMPORTAMENTOS Frustração em criadas em gaiolas: Níveis elevados de corticosterona (normal) Sem ninho: vocalização e estereotipia FONTE: ALVES, Estereotipia: movimentação repetida 68 FONTE: BROOM & FRASER, 2007 Efeitos do bem-estar no comportamento de COMPORTAMENTOS LIGADO À SAÚDE E BEA Efeitos do bem-estar na produção de Empoleiramento Parte do repertório comportamental Materiais ruins: problemas de lesões Diâmetro para estabilidade: 45 mm Material de melhor estabilidade: borracha 69 FONTE: PICKEL et al., 2010 FONTE: ALVES et al., Efeitos do bem-estar na produção de Efeitos do bem-estar na produção de CONSEQUÊNCIA NA PRODUÇÃO Cama vs. Gaiolas: sem diferenças produtivas Cama: mais ovos sujos do que gaiolas Devidamente projetado, compatível com gaiolas Mesmo desempenho das aves e qualidade FONTE: ALVES et al., Desafio futuro: mudanças com baixo custo 72 FONTE: ALVES et al., 2007; SILVA & MIRANDA,

13 Considerações finais O Brasil possui grande potencial para ampliar seu mercado, por isso é importante buscar novos modelos de produção, para o atendimento do mercado externo e no futuro a mais longo prazo, o mercado interno. 73 Obrigada!

CRIAÇÃO E MANEJO DE AVES POEDEIRAS

CRIAÇÃO E MANEJO DE AVES POEDEIRAS CRIAÇÃO E MANEJO DE AVES POEDEIRAS INTRODUÇÃO Galinhas poedeiras ou de postura são aquelas destinadas à produção de ovos, sendo este considerado de alto valor nutricional, podendo a sua qualidade ser influenciada

Leia mais

Benefícios e Pontos Críticos da Implantação do Sistema de Pressão Negativa para Frangos de Corte

Benefícios e Pontos Críticos da Implantação do Sistema de Pressão Negativa para Frangos de Corte Benefícios e Pontos Críticos da Implantação do Sistema de Pressão Negativa para Frangos de Corte Sebastião Florêncio Pereira Neto CRMV-SP 20766 Itabom - SP Pontos Primordiais para a Produção de Frangos

Leia mais

Edenilse Gopinger 1*, Aiane A.S. Catalan 1, Victor F.B. Roll 2

Edenilse Gopinger 1*, Aiane A.S. Catalan 1, Victor F.B. Roll 2 ARTIGO NU MERO 187 EFEITOS DA DENSIDADE DE ALOJAMENTO SOBRE A PRODUÇA O DE FRANGOS DE CORTE Edenilse Gopinger 1*, Aiane A.S. Catalan 1, Victor F.B. Roll 2 1 Aluna do Programa de Pós-Graduação em Zootecnia

Leia mais

Componente curricular: Zootecnia II. Curso: Técnico em Agroecologia Professor: Janice Regina Gmach Bortoli

Componente curricular: Zootecnia II. Curso: Técnico em Agroecologia Professor: Janice Regina Gmach Bortoli Componente curricular: Zootecnia II Curso: Técnico em Agroecologia Professor: Janice Regina Gmach Bortoli Sistema de produção, instalações e manejo da avicultura. 1. Introdução. Avicultura: criação de

Leia mais

FERRAMENTAS E PRÁTICAS DE BAIXO CUSTO PARA MELHORAR O BEM-ESTAR DE ANIMAIS DE PRODUÇÃO. Irenilza de Alencar Nääs

FERRAMENTAS E PRÁTICAS DE BAIXO CUSTO PARA MELHORAR O BEM-ESTAR DE ANIMAIS DE PRODUÇÃO. Irenilza de Alencar Nääs FERRAMENTAS E PRÁTICAS DE BAIXO CUSTO PARA MELHORAR O BEM-ESTAR DE ANIMAIS DE PRODUÇÃO Irenilza de Alencar Nääs 1 O Brasil é um dos maiores produtores de aves no mundo. Crescimento mundial do consumo Preocupação

Leia mais

Avaliação de desempenho de poedeiras Isa Brown criadas no IFMG campus Bambuí em comparação aos dados de desempenho descritos no Manual da Linhagem 1.

Avaliação de desempenho de poedeiras Isa Brown criadas no IFMG campus Bambuí em comparação aos dados de desempenho descritos no Manual da Linhagem 1. Avaliação de desempenho de poedeiras Isa Brown criadas no IFMG campus Bambuí em comparação aos dados de desempenho descritos no Manual da Linhagem 1. Tiago Antônio dos SANTOS 2 ; Adriano GERALDO 3 ; Karina

Leia mais

D O S S I Ê T É C N I C O

D O S S I Ê T É C N I C O D O S S I Ê T É C N I C O Avicultura de postura Karime Cruz França Instituto de Tecnologia do Paraná Setembro 2007 DOSSIÊ TÉCNICO Sumário 1 INTRODUÇÃO...3 2 SISTEMAS DE PRODUÇÃO...4 2.1 Pinteiro...4 2.2

Leia mais

MELHORANDO O MANEJO DOS ANIMAIS NOS FRIGORÍFICOS STEPS

MELHORANDO O MANEJO DOS ANIMAIS NOS FRIGORÍFICOS STEPS MELHORANDO O MANEJO DOS ANIMAIS NOS FRIGORÍFICOS STEPS Risco para o trabalhador Sofrimento dos Animais Falta qualidade na carne Programa de Abate Humanitário Custo para o frigorífico Fiscalização ineficiente

Leia mais

Bem-estar de poedeiras: caminhos a serem percorridos

Bem-estar de poedeiras: caminhos a serem percorridos AVES DE POSTURA Bem-estar de poedeiras: caminhos a serem percorridos Fabíola Fernandes Schwartz Medica Veterinária, Mestre em Agroecologia e Desenvolvimento Rural, sócia proprietária da SFS Boas Práticas

Leia mais

COMPORTAMENTO DE FRANGOS DE CORTE EM SISTEMAS DE AQUECIMENTO

COMPORTAMENTO DE FRANGOS DE CORTE EM SISTEMAS DE AQUECIMENTO ISSN 0100-8862 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Centro Nacional de Pesquisa de Suínos e Aves Ministerio da Agricultura e do Abastecimento Caixa Postal 21, 89700-000, Concórdia, SC Telefone:

Leia mais

Milho: Produção, Armazenamento e sua utilização na elaboração de ração para Aves

Milho: Produção, Armazenamento e sua utilização na elaboração de ração para Aves MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACULDADE DE AGRONOMIA ELISEU MACIEL PET PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL Milho: Produção, Armazenamento e sua utilização na elaboração de ração para

Leia mais

Manejo de ambiência para melhor produção avícola. Paulo Giovanni de Abreu - pabreu @cnpsa.embrapa.br

Manejo de ambiência para melhor produção avícola. Paulo Giovanni de Abreu - pabreu @cnpsa.embrapa.br Manejo de ambiência para melhor produção avícola Paulo Giovanni de Abreu - pabreu @cnpsa.embrapa.br Homeotermia Energia utilizada pelos homeotermos 20 % Manter a homeotermia 80% Produção ZONA DE SOBREVIVÊNCIA

Leia mais

AviagenBrief. Manejo da Fase de Crescimento - Frango de Corte. Resumo. Aviagen Brief - Optimizing Broiler FCR, June 2011.

AviagenBrief. Manejo da Fase de Crescimento - Frango de Corte. Resumo. Aviagen Brief - Optimizing Broiler FCR, June 2011. Aviagen Brief - Optimizing Broiler FCR, June 2011 AviagenBrief Manejo da Fase de Crescimento - Frango de Corte Equipe Técnica da Turquía, Oriente Médio e África Janeiro / 2012 Resumo Introdução Melhorias

Leia mais

Código Sanitário de Animais Terrestres da OIE

Código Sanitário de Animais Terrestres da OIE Comissão Técnica Permanente de Bem-estar Animal Departamento de Sistemas de Produção e Sustentabilidade Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Código Sanitário de Animais Terrestres da OIE

Leia mais

Serviço Veterinário Oficial A importância em Saúde Animal e Saúde Pública

Serviço Veterinário Oficial A importância em Saúde Animal e Saúde Pública Serviço Veterinário Oficial A importância em Saúde Animal e Saúde Pública Supervisão Regional de Pelotas - SEAPA Objetivos do Serviço Veterinário Oficial * Promoção da saúde animal * Prevenção, controle

Leia mais

PESQUISA DE MERCADO COM CONSUMIDORES DE OVO DE CODORNA

PESQUISA DE MERCADO COM CONSUMIDORES DE OVO DE CODORNA PESQUISA DE MERCADO COM CONSUMIDORES DE OVO DE CODORNA MARALI VILELA DIAS 1, MATHEUS GARCIA FERREIRA 2, JOÃO DE DEUS SOUZA CARNEIRO 3, LUISA PEREIRA FIGUEIREDO 4. RESUMO Os ovos constituem-se em um alimento

Leia mais

Manual de Manejo POEDEIRAS COMERCIAIS BROWN

Manual de Manejo POEDEIRAS COMERCIAIS BROWN 2014 Manual de Manejo POEDEIRAS COMERCIAIS BROWN USO DO MANUAL DE MANEJO O potencial genético das Aves Comerciais da Linhagem Hy-Line Brown somente será aproveitado em sua plenitude com o emprego de boas

Leia mais

Gestão na Suinocultura Com Foco na Produtividade

Gestão na Suinocultura Com Foco na Produtividade Gestão na Suinocultura Com Foco na Produtividade Marco Lubas Cuiabá 05-05-2010 Produtividade 1. Quanto está produzindo? 2. Quanto é o potencial de sua produção? 3. Quais os Limitantes? PRODUTIVIDADE X

Leia mais

MODELOS DE AQUECIMENTO

MODELOS DE AQUECIMENTO MODELOS DE AQUECIMENTO Paulo Giovanni de Abreu D.Sc. - Área de Construções Rurais e Ambiência Embrapa Suínos e Aves Introdução Nos primeiros dias de vida, o sistema termorregulador das aves ainda não está

Leia mais

Criação de galinha caipira

Criação de galinha caipira Criação de galinha caipira CRIAÇÃO DE GALINHA CAIPIRA 1 Introdução A criação de galinhas caipiras sempre foi para os pequenos produtores uma importante fonte de produção de alimentos proteicos (carne e

Leia mais

PROCESSO DE CRIAÇÃO DAS AVES DE POSTURA EMBRAPA SUÍNOS E AVES

PROCESSO DE CRIAÇÃO DAS AVES DE POSTURA EMBRAPA SUÍNOS E AVES PROCESSO DE CRIAÇÃO DAS AVES DE POSTURA EMBRAPA SUÍNOS E AVES Pablo Zotti AMADOR 1 ; Maribel Barbosa da CUNHA 2 1 Instituto Federal Catarinense, Concórdia/SC; 2 Instituto Federal Catarinense, Concórdia/SC

Leia mais

1. INTRODUÇÃO 2. ESCOLHA DA RAÇA

1. INTRODUÇÃO 2. ESCOLHA DA RAÇA Produção de Poedeiras Miryelle Freire Sarcinelli 1 (e-mail: miryelle@hotmail.com.) Katiani Silva Venturini 1 (e-mail: katiani_sv@hotmail.com.) Luís César da Silva 2 (website: www.agais.com) 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO 1/2005. Maria Jorge Correia Divisão de Bem Estar Animal

REGULAMENTO 1/2005. Maria Jorge Correia Divisão de Bem Estar Animal BEM ESTAR DOS ANIMAIS EM TRANSPORTE REGULAMENTO 1/2005 Maria Jorge Correia Divisão de Bem Estar Animal DGV REGULAMENTO 1/2005 DECRETO-LEI Nº 265/07 REGRAS DO TRANSPORTE DE ANIMAIS VERTEBRADOS TRANSPORTES

Leia mais

Você tem ninho de ovos de ouro?

Você tem ninho de ovos de ouro? Você tem ninho de ovos de ouro? Promotor L, o reforço que suas aves precisam... E seu bolso também! Benefícios com o uso do Promotor L : Diminui efeitos do estresse (calor, debicagem, etc.); Aumenta a

Leia mais

Hitachi Ar Condicionado do Brasil Ltda.

Hitachi Ar Condicionado do Brasil Ltda. Página 01/05 TÍTULO: INFORMATIVO DE UTILIZAÇÃO DE TUBOS DE ALUMÍNIO EM UNIDADES DIVIDIDAS DO TIPO SPLIT (UTOPIA) COM FLUÍDO REFRIGERANTE HFC R-410A e HCFC R22 SUMÁRIO: Orientações e restrições sobre a

Leia mais

MANEJO PRÉ-ABATE DE SUÍNOS E AVES

MANEJO PRÉ-ABATE DE SUÍNOS E AVES Prejuízos decorrentes do manejo préabate inadequado MANEJO PRÉ-ABATE DE SUÍNOS E AVES Canadá: perda de 1.500 toneladas Austrália: prejuízo de U$ 20 milhões Estados Unidos: U$ 60 milhões causado pela anomalia

Leia mais

Apresentação. Conceito

Apresentação. Conceito Apresentação Apresentamos um novo conceito de Mercado para a Distribuição e Venda Direta de Produtos e Serviços para o Setor da Construção Civil; Com Ênfase em atender principalmente, construtoras, lojas

Leia mais

07/12/2012. Localização das instalações. Localização das instalações. Localização das instalações. Trajeto do sol sobre o barracão

07/12/2012. Localização das instalações. Localização das instalações. Localização das instalações. Trajeto do sol sobre o barracão Universidade Comunitária da Região de Chapecó Área de Ciências Exatas e Ambientais Curso de Agronomia Instalações Planejamento da atividade Considerações: Capacidade de investimento do produtor; Viabilidade

Leia mais

Ética no Uso de Animais de Laboratório. Méd. Vet. Vanessa Carli Bones Doutoranda em Ciências Veterinárias Laboratório de Bem-estar Animal- LABEA/UFPR

Ética no Uso de Animais de Laboratório. Méd. Vet. Vanessa Carli Bones Doutoranda em Ciências Veterinárias Laboratório de Bem-estar Animal- LABEA/UFPR Ética no Uso de Animais de Laboratório Méd. Vet. Vanessa Carli Bones Doutoranda em Ciências Veterinárias Laboratório de Bem-estar Animal- LABEA/UFPR Conteúdo Reflexões sobre a ética animal; Assuntos relacionados

Leia mais

ASSOALHOS PARA CARROCERIAS ECOLOGICAMENTE CORRETO

ASSOALHOS PARA CARROCERIAS ECOLOGICAMENTE CORRETO ASSOALHOS PARA CARROCERIAS ECOLOGICAMENTE CORRETO Cassius Flavius Barbosa Fantoni Antonio Luciano De Marco Leite Betim 2010 1 RESUMO Este trabalho tem por objetivo, apresentar uma alternativa de uso de

Leia mais

ATIVIDADE INTERAÇÕES DA VIDA. CAPÍTULOS 1, 2, 3 e 4

ATIVIDADE INTERAÇÕES DA VIDA. CAPÍTULOS 1, 2, 3 e 4 ATIVIDADE INTERAÇÕES DA VIDA CAPÍTULOS 1, 2, 3 e 4 Questão 1) Abaixo representa uma experiência com crisântemo, em que a planta foi iluminada, conforme mostra o esquema. Com base no esquema e seus conhecimentos,

Leia mais

Adaptação à mudança do clima*

Adaptação à mudança do clima* Agropecuária: Vulnerabilidade d e Adaptação à mudança do clima* Magda Lima - Embrapa Meio Ambiente Bruno Alves - Embrapa Agrobiologia OCB Curitiba Março de 2010 * Apresentação baseada em artigo publicado

Leia mais

INFLUÊNCIA DO LOCAL E CONDIÇÕES DE ARMAZENAGEM SOBRE A QUALIDADE INTERNA DOS OVOS DE MESA, COMERCIALIZADOS EM VIDEIRA/SC.

INFLUÊNCIA DO LOCAL E CONDIÇÕES DE ARMAZENAGEM SOBRE A QUALIDADE INTERNA DOS OVOS DE MESA, COMERCIALIZADOS EM VIDEIRA/SC. INFLUÊNCIA DO LOCAL E CONDIÇÕES DE ARMAZENAGEM SOBRE A QUALIDADE INTERNA DOS OVOS DE MESA, COMERCIALIZADOS EM VIDEIRA/SC. Gustavo Ribeiro Bonatto 1 ; Marinês Kerber 2 INTRODUÇÃO Atualmente se busca qualidade

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA NA ANÁLISE DE SISTEMAS DE CRIAÇÃO DE FRANGO DE CORTE RESUMO

MODELAGEM MATEMÁTICA NA ANÁLISE DE SISTEMAS DE CRIAÇÃO DE FRANGO DE CORTE RESUMO Mostra Nacional de Iniciação Científica e Tecnológica Interdisciplinar III MICTI Fórum Nacional de Iniciação Científica no Ensino Médio e Técnico - I FONAIC-EMT Camboriú, SC, 22, 23 e 24 de abril de 2009

Leia mais

Tópicos em Manejo de luz. Alexandre Pires Rosa Elenice Franco

Tópicos em Manejo de luz. Alexandre Pires Rosa Elenice Franco Tópicos em Manejo de luz Alexandre Pires Rosa Elenice Franco PROGRAMAS DE LUZ PARA MATRIZES INSTALAÇÕES Convencional (aberto) Semi-escuro (sombrite) Escuro LATITUDE A duração do dia varia durante o ano

Leia mais

muito gás carbônico, gás de enxofre e monóxido de carbono. extremamente perigoso, pois ocupa o lugar do oxigênio no corpo. Conforme a concentração

muito gás carbônico, gás de enxofre e monóxido de carbono. extremamente perigoso, pois ocupa o lugar do oxigênio no corpo. Conforme a concentração A UU L AL A Respiração A poluição do ar é um dos problemas ambientais que mais preocupam os governos de vários países e a população em geral. A queima intensiva de combustíveis gasolina, óleo e carvão,

Leia mais

PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP

PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP Autores: Eng.º Agr.º José Alberto Ávila Pires Eng.º Agr.º Wilson José Rosa Departamento Técnico da EMATER-MG Trabalho baseado em: Técnicas

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DE CIÊNCIAS CICLO DA ALFABETIZAÇÃO 1º 2º E 3º ANOS DO ENSINO FUNDAMENTAL VERSÃO PRELIMINAR

MATRIZ CURRICULAR DE CIÊNCIAS CICLO DA ALFABETIZAÇÃO 1º 2º E 3º ANOS DO ENSINO FUNDAMENTAL VERSÃO PRELIMINAR SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS GERAIS SUBSECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃOBÁSICA SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO INFANTIL E FUNDAMENTAL DIRETORIA DE ENSINO FUNDAMENTAL MATRIZ CURRICULAR

Leia mais

arquitetura bioclimática e desempenho térmico t edificações

arquitetura bioclimática e desempenho térmico t edificações PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL Construção Metálica Escola de Minas Universidade Federal de Ouro Preto arquitetura bioclimática e desempenho térmico t de edificações Henor Artur de Souza

Leia mais

Mai/2010. Cama de Aviário. shaping tomorrow s nutrition

Mai/2010. Cama de Aviário. shaping tomorrow s nutrition Mai/2010 Cama de Aviário Cama de Aviário Introdução O objetivo do uso da cama de aviário é evitar o contato direto da ave com o piso, servir de substrato para a absorção da água, incorporação das fezes

Leia mais

INTEGRAÇÃO LAVOURA/ PECUÁRIA. Wilson José Rosa Coordenador Técnico Estadual de Culturas DEPARTAMENTO TÉCNICO - EMATER-MG

INTEGRAÇÃO LAVOURA/ PECUÁRIA. Wilson José Rosa Coordenador Técnico Estadual de Culturas DEPARTAMENTO TÉCNICO - EMATER-MG INTEGRAÇÃO LAVOURA/ PECUÁRIA Wilson José Rosa Coordenador Técnico Estadual de Culturas DEPARTAMENTO TÉCNICO - EMATER-MG - No Brasil o Sistema de Integração Lavoura Pecuária, sempre foi bastante utilizado,

Leia mais

Tabela 1 - conteúdo de umidade em alguns alimentos:

Tabela 1 - conteúdo de umidade em alguns alimentos: UMIDADE EM ALIMENTOS Umidade, ou teor de água, de um alimento constitui-se em um dos mais importantes e mais avaliados índices em alimentos. É de grande importância econômica por refletir o teor de sólidos

Leia mais

Med. Vet. Avelino Murta avelino@biocampomg.com.br

Med. Vet. Avelino Murta avelino@biocampomg.com.br Med. Vet. Avelino Murta avelino@biocampomg.com.br QUEM SOMOS Localizada em Montes Claros, norte de Minas Gerais, a BIOCAMPO Assistência Veterinária foi fundada em 2010 e atua na área de Reprodução Bovina.

Leia mais

Compostagem. Gersina N. da R. Carmo Junior

Compostagem. Gersina N. da R. Carmo Junior Compostagem Gersina N. da R. Carmo Junior Compostagem É um processo de transformação da matéria orgânica do lixo em um composto orgânico (húmus). Composto orgânico Produto final da compostagem Compostagem

Leia mais

Produção de Ovos Comerciais

Produção de Ovos Comerciais Produção de Ovos Comerciais Introdução 1 Características das Granjas Modernas Operação em grandes volumes: Lucro pequeno, Crises cíclicas, Plantéis acima de 100.000 aves; Sistema tudo dentro / tudo fora;

Leia mais

Processos Construtivos

Processos Construtivos Patrocínio: Coordenação: Parcerias: Processos Construtivos Soldagem Elaborado por: Bruno Stupello As informações e análises contidas nesse documento são de responsabilidade do Centro de Estudos em Gestão

Leia mais

TERMILOR PAINÉIS DE POLIURETANO EXPANDIDO PARA ISOLAÇÃO TÉRMICA, ABSORÇÃO E ISOLAÇÃO ACÚSTICA

TERMILOR PAINÉIS DE POLIURETANO EXPANDIDO PARA ISOLAÇÃO TÉRMICA, ABSORÇÃO E ISOLAÇÃO ACÚSTICA TERMILOR PAINÉIS DE POLIURETANO EXPANDIDO PARA ISOLAÇÃO TÉRMICA, ABSORÇÃO E ISOLAÇÃO ACÚSTICA TERMILOR TÉCNICA DO POLIURETANO O QUE É O poliuretano é uma espuma rígida termofixa (que não amolece com a

Leia mais

ESTUDO DE INSTALAÇÃO FOTOVOLTAICAS ISOLADAS E CONECTADAS À REDE ELÉTRICA. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul.

ESTUDO DE INSTALAÇÃO FOTOVOLTAICAS ISOLADAS E CONECTADAS À REDE ELÉTRICA. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. ESTUDO DE INSTALAÇÃO FOTOVOLTAICAS ISOLADAS E CONECTADAS À REDE ELÉTRICA Bolsista Apresentador: Diego Leonardo Bertol Moraes. Coordenador: Airton Cabral de Andrade Pontifícia Universidade Católica do Rio

Leia mais

TECNOLOGIA DE ALIMENTOS

TECNOLOGIA DE ALIMENTOS TECNOLOGIA DE ALIMENTOS NUTRIÇÃO UNIC Profª Andressa Menegaz Conservação por irradiação A irradiação pode servir para: -destruir os microrganismos; -retardar a germinação de certos legumes; -destruir os

Leia mais

MÓDULO DIDÁTICO PARA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO TÉRMICO DE SISTEMAS CONSTRUTIVOS

MÓDULO DIDÁTICO PARA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO TÉRMICO DE SISTEMAS CONSTRUTIVOS I CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL X ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO 18-21 julho 2004, São Paulo. ISBN 85-89478-08-4. MÓDULO DIDÁTICO PARA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

Leia mais

16/3/2016 BEM-ESTAR ESTAR EM

16/3/2016 BEM-ESTAR ESTAR EM SEMINÁRIO DE RESPONSABILIDADE TÉCNICA SANIDADE ANIMAL E SAÚDE PÚBLICA Erechim/RS - 15/03/2016 BEM-ESTAR ESTAR EM PEQUENOS ANIMAIS Prof. Assoc. UFSM - William Schoenau CEBBEA CRMV-RSRS wschoenau@hotmail.com

Leia mais

Produção de Ovos Comerciais

Produção de Ovos Comerciais Introdução 1- Características das Granjas Modernas Produção de Ovos Comerciais Operação em grandes volumes: Lucro pequeno Crises cíclicas Plantéis acima de 100.000 aves Sistema tudo dentro / tudo fora;

Leia mais

Utilização do óleo vegetal em motores diesel

Utilização do óleo vegetal em motores diesel 30 3 Utilização do óleo vegetal em motores diesel O óleo vegetal é uma alternativa de combustível para a substituição do óleo diesel na utilização de motores veiculares e também estacionários. Como é um

Leia mais

entidade promotora financiamento GUIA DO INSTALADOR

entidade promotora financiamento GUIA DO INSTALADOR entidade promotora financiamento GUIA DO INSTALADOR José Maria Almeida Pedro.almeida@ineti.pt Jorge Cruz Costa Cruz.costa@ineti.pt Esquema unifilar utilização 8 INÍCIO Slides 4 a 12 9 7 1 CD 4 5 6 7 7

Leia mais

ÁGUA. 97% água salgada - ± 3% se restringe a água doce; Perda de toda gordura corporal, metade PTN s e 40% peso vivo Perda 10% - morte.

ÁGUA. 97% água salgada - ± 3% se restringe a água doce; Perda de toda gordura corporal, metade PTN s e 40% peso vivo Perda 10% - morte. ÁGUA 97% água salgada - ± 3% se restringe a água doce; Perda de toda gordura corporal, metade PTN s e 40% peso vivo Perda 10% - morte. PROPRIEDADES E FUNÇÕES Constituinte ativo e estrutural; 70% da carcaça

Leia mais

TUBINA TORRE DE ENERGIA

TUBINA TORRE DE ENERGIA Sistema Híbrido de Geração de Energia Fotovoltaica e Eólica + Utilização de fontes de energia renováveis; + Ferramenta única de marketing ("Green + Propaganda"); + Produtos inovadores com alta qualidade;

Leia mais

MANEJO DE BOVINOS DE CORTE Confinamento. Prof : Ricardo Alexandre Silva Pessoa

MANEJO DE BOVINOS DE CORTE Confinamento. Prof : Ricardo Alexandre Silva Pessoa MANEJO DE BOVINOS DE CORTE Confinamento Prof : Ricardo Alexandre Silva Pessoa Julho/2013 1 Confinamento - sistema de criação onde lotes de animais são encerrados em piquetes ou currais com área restrita

Leia mais

Comunicado Técnico 01

Comunicado Técnico 01 Comunicado Técnico 01 Sistema Intensivo de Suínos Criados ao Ar Livre (Siscal) Instruções Técnicas para Implantação. Responsável: Evandro José Rigo Zootecnista; MSc. Produção Animal; Professor FAZU evandro@fazu.br

Leia mais

DOCUMENTO DE TRABALHO

DOCUMENTO DE TRABALHO Parlamento Europeu 2014-2019 Comissão da Agricultura e do Desenvolvimento Rural 11.5.2016 DOCUMENTO DE TRABALHO sobre normas mínimas de proteção dos coelhos nas explorações cunícolas Comissão da Agricultura

Leia mais

METODOS CONTRACEPTIVOS ENF. MARIANA P. JUSTINO

METODOS CONTRACEPTIVOS ENF. MARIANA P. JUSTINO METODOS CONTRACEPTIVOS ENF. MARIANA P. JUSTINO METODOS DE BARREIRA Imobilizam os espermatozóides, impedindo-os de entrar em contato com o óvulo e de haver fecundação. Espermicidas (sob a forma de óvulos,

Leia mais

INFLUÊNCIA DO ENRIQUECIMENTO AMBIENTAL NO COMPORTAMENTO DE Ara ararauna e Ara chloropterus NO ZOOLÓGICO VALE DOS BICHOS

INFLUÊNCIA DO ENRIQUECIMENTO AMBIENTAL NO COMPORTAMENTO DE Ara ararauna e Ara chloropterus NO ZOOLÓGICO VALE DOS BICHOS INFLUÊNCIA DO ENRIQUECIMENTO AMBIENTAL NO COMPORTAMENTO DE Ara ararauna e Ara chloropterus NO ZOOLÓGICO VALE DOS BICHOS SANTOS, M. S. 1, SALGADO, A. P. B. 2, MATTOS, J. F. A. 2, MONTEIRO, A. R. 1 1 Universidade

Leia mais

NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO ANIMAL 1. HISTÓRICO E IMPORTANCIA DOS ESTUDOS COM NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO:

NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO ANIMAL 1. HISTÓRICO E IMPORTANCIA DOS ESTUDOS COM NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO: NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO ANIMAL 1. HISTÓRICO E IMPORTANCIA DOS ESTUDOS COM NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO: 1750 Europa com o início do processo da Revolução Industrial houve aumento da população nas cidades, com

Leia mais

Bem estar animal e situação do transporte de cargas vivas no Brasil

Bem estar animal e situação do transporte de cargas vivas no Brasil Bem estar animal e situação do transporte de cargas vivas no Brasil Mateus J. R. Paranhos da Costa Departamento de Zootecnia, FCAV- UNESP, Jaboticabal- SP, Desafios no transporte de animais para abate

Leia mais

IMPACTO DA EVOLUÇÃO FUTURA DOS PREÇOS DOS OVOS NO DESEMPENHO DE UMA GRANJA DE AVES DE POSTURA COMERCIAL

IMPACTO DA EVOLUÇÃO FUTURA DOS PREÇOS DOS OVOS NO DESEMPENHO DE UMA GRANJA DE AVES DE POSTURA COMERCIAL IMPACTO DA EVOLUÇÃO FUTURA DOS PREÇOS DOS OVOS NO DESEMPENHO DE UMA GRANJA DE AVES DE POSTURA COMERCIAL José Renato Auler Fundação Instituto Capixaba de Pesquisa em Contabilidade, Economia e Finanças (FUCAPE)

Leia mais

Luciano LaGatta Médico Veterinário MSc. - Coordenadoria de Defesa Agropecuária Orientador: Prof. Dr. Augusto Hauber Gameiro

Luciano LaGatta Médico Veterinário MSc. - Coordenadoria de Defesa Agropecuária Orientador: Prof. Dr. Augusto Hauber Gameiro Estimativa do custo de implantação das medidas de biosseguridade preconizadas pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento sobre a postura comercial. Luciano LaGatta Médico Veterinário MSc.

Leia mais

PALESTRA: Criação, Manejo e Comercialização de Galinhas Caipiras e Ovos. Bons motivos para criar Frangos e Galinhas Caipiras

PALESTRA: Criação, Manejo e Comercialização de Galinhas Caipiras e Ovos. Bons motivos para criar Frangos e Galinhas Caipiras PALESTRA: Criação, Manejo e Comercialização de Galinhas Caipiras e Ovos INTRODUÇÃO: Bons motivos para criar Frangos e Galinhas Caipiras A criação de frangos e galinhas caipiras hoje é uma atividade produtiva

Leia mais

Ecologia Geral (ECG33AM) Estrutura populacional (crescimento e dinâmica populacional)

Ecologia Geral (ECG33AM) Estrutura populacional (crescimento e dinâmica populacional) Ecologia Geral (ECG33AM) Estrutura populacional (crescimento e dinâmica populacional) A dinâmica populacional crescimento e regulação do tamanho populacional Quando se menciona um aumento do tamanho populacional,

Leia mais

ÍNDICE 4.2 IMPERMEABILIZANTES 4.2.1 VANTAGENS DA IMPERMEABILIZAÇÃO 4.2.2 FATORES QUE PODEM AFETAR NEGATIVAMENTE À IMPERMEABILIZAÇÃO 4.2.

ÍNDICE 4.2 IMPERMEABILIZANTES 4.2.1 VANTAGENS DA IMPERMEABILIZAÇÃO 4.2.2 FATORES QUE PODEM AFETAR NEGATIVAMENTE À IMPERMEABILIZAÇÃO 4.2. ÍNDICE 1 SUPERFICIES CERÂMICAS 2 PROTEÇÃO ÀS TELHAS E TIJOLOS 3 PRINCIPAIS FATORES QUA ALTERAM AS CARACTERISTICAS DAS SUPERFICIES CERAMICAS: HIDROFUGANTES E IMPERMEABILIZANTES 4.1 HIDROFUGANTES 4.1.1 TIPOS

Leia mais

Os fenômenos climáticos e a interferência humana

Os fenômenos climáticos e a interferência humana Os fenômenos climáticos e a interferência humana Desde sua origem a Terra sempre sofreu mudanças climáticas. Basta lembrar que o planeta era uma esfera incandescente que foi se resfriando lentamente, e

Leia mais

A SUINOCULTURA DO FUTURO: SUSTENTABILIDADE E BEM-ESTAR ANIMAL. Irenilza de Alencar Nääs

A SUINOCULTURA DO FUTURO: SUSTENTABILIDADE E BEM-ESTAR ANIMAL. Irenilza de Alencar Nääs A SUINOCULTURA DO FUTURO: SUSTENTABILIDADE E BEM-ESTAR ANIMAL Irenilza de Alencar Nääs Tópicos Introdução a indústria suinícola Desafios de sustentabilidade Bem-estar animal suas aplicações e seus desafios

Leia mais

INSTALAÇÕES AVÍCOLAS DO ESTADO DE SÃO PAULO BRASIL: OS PRINCIPAIS PONTOS CRÍTICOS QUANTO AO BEM ESTAR E CONFORTO TÉRMICO ANIMAL

INSTALAÇÕES AVÍCOLAS DO ESTADO DE SÃO PAULO BRASIL: OS PRINCIPAIS PONTOS CRÍTICOS QUANTO AO BEM ESTAR E CONFORTO TÉRMICO ANIMAL 24 INSTALAÇÕES AVÍCOLAS DO ESTADO DE SÃO PAULO BRASIL: OS PRINCIPAIS PONTOS CRÍTICOS QUANTO AO BEM ESTAR E CONFORTO TÉRMICO ANIMAL VALÉRIA CRISTINA RODRIGUES 1, IRAN JOSÉ OLIVEIRA DA SILVA 1, SHEILA TAVARES

Leia mais

Construção. Sika Unitherm -Steel S interior. Pintura intumescente base solvente, de rápida secagem, para uso em áreas internas. Descrição do Produto

Construção. Sika Unitherm -Steel S interior. Pintura intumescente base solvente, de rápida secagem, para uso em áreas internas. Descrição do Produto Ficha do Produto Edição 21/03/2014 Identificação 02 06 04 00 003 0 000029 Sika Unitherm -Steel S interior Pintura intumescente base solvente, de rápida secagem, para uso em áreas internas Descrição do

Leia mais

MANUAL DE USO E MANUTENÇÃO CHOCADEIRA GC 660

MANUAL DE USO E MANUTENÇÃO CHOCADEIRA GC 660 MANUAL DE USO E MANUTENÇÃO CHOCADEIRA GC 660 APRESENTAÇÃO Ao mesmo tempo em que expressamos nossos agradecimentos pela aquisição desse produto fabricado com tanto orgulho, lembramos também que não basta

Leia mais

Os Produtores (gado corte) diante do SISBOV e Novo SISBOV

Os Produtores (gado corte) diante do SISBOV e Novo SISBOV Os Produtores (gado corte) diante do SISBOV e Novo SISBOV RESUMO: EXIGENCIAS DA UE 40 DIAS ULTIMA PROPRIEDADE 90 DIAS AREA HABILITADA ESTOQUES ANIMAIS : BND=AG.DEFESA = FAZENDAS VALORIZAR O BOI APTO A

Leia mais

Introdução ao bem-estar animal PERSPECTIVA HISTÓRICA

Introdução ao bem-estar animal PERSPECTIVA HISTÓRICA Introdução ao bem-estar animal MSc. Aline Sant Anna Doutorado em Genética e Melhoramento Animal, Grupo ETCO - FCAV / UNESP, Jaboticabal-SP PERSPECTIVA HISTÓRICA Livros que fizeram história Abordagem científica

Leia mais

Departamento de Ciências Econômicas DCECO. Tel.: +55 32 3379-2537 E-mail: infover@ufsj.edu.br

Departamento de Ciências Econômicas DCECO. Tel.: +55 32 3379-2537 E-mail: infover@ufsj.edu.br 2013 InfoVer São João del-rei, fevereiro de 2013 InFover InfoVer Informativo sobre o Mercado de Leite de Vaca do Campo Uma publicação do DCECO- UFSJ Ano VI Nº 55 Agosto de 2013 Universidade Federal de

Leia mais

Dicas Qualyvinil PROCESSOS DE PINTURA

Dicas Qualyvinil PROCESSOS DE PINTURA Processos de pintura Existem diferentes processos de pintura, mas o segredo para o sucesso e durabilidade do acabamento final, depende invariavelmente da habilidade do profissional e da preparação da superfície.

Leia mais

PAC 16. Bem Estar e Abate Humanitário dos Animais Aves

PAC 16. Bem Estar e Abate Humanitário dos Animais Aves PAC 16 Página 1 de 14 PAC 16 Bem Estar e Abate Humanitário dos Animais Aves PAC 16 Página 2 de 14 Índice 1. Objetivo------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------03

Leia mais

SUPLEMENTAÇÃO DE BEZERROS DE CORTE

SUPLEMENTAÇÃO DE BEZERROS DE CORTE SUPLEMENTAÇÃO DE BEZERROS DE CORTE Nos primeiros meses de vida os bezerros obtêm grande parte dos nutrientes de que precisa do leite materno, que é de fácil digestão para o animal que ainda é jovem. Em

Leia mais

LEI Nº 7.043, DE 8 DE OUTUBRO DE 2007

LEI Nº 7.043, DE 8 DE OUTUBRO DE 2007 LEI Nº 7.043, DE 8 DE OUTUBRO DE 2007 Publicada no DOE(Pa) de 09.10.07. Dispõe sobre Política Estadual para a Promoção do Uso de Sistemas Orgânicos de Produção Agropecuária e Agroindustrial. Lei: A ASSEMBLÉIA

Leia mais

Métodos de marcação direta de peças. Identificação legível de máquina para indústrias automotivas e aeroespaciais

Métodos de marcação direta de peças. Identificação legível de máquina para indústrias automotivas e aeroespaciais Guia técnico Métodos de marcação direta de peças Identificação legível de máquina para indústrias automotivas e aeroespaciais A prática da Marcação Direta de Peças (DPM) é utilizada em muitas indústrias

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DE JERSEY PARA O BEM-ESTAR DAS

CÓDIGO DE CONDUTA DE JERSEY PARA O BEM-ESTAR DAS CÓDIGO DE CONDUTA DE JERSEY PARA O BEM-ESTAR DAS AVES DE CAPOEIRA O CÓDIGO O Código de recomendações para o bem-estar das aves de capoeira visa incentivar todas as pessoas responsáveis por cuidar destas

Leia mais

Comunicado 501 Técnico

Comunicado 501 Técnico Comunicado 501 Técnico ISSN 0100-8862 Versão Eletrônica Maio, 2012 Concórdia, SC Foto: Valdir Avila/Embrapa Custo do avicultor para a produção de frango de corte para a região de Dourados no Mato Grosso

Leia mais

Building Technologies

Building Technologies Building Technologies Detecção de Incêndio Catálogo de Produtos BC80 Índice Página 1. Central de Detecção e Alarme de Incêndio Série BC8001... 4 BC8001/e Central de Detecção e Alarme de Incêndio BC8001

Leia mais

MEIOS DE LIGAÇÃO DE TUBOS

MEIOS DE LIGAÇÃO DE TUBOS MEIOS DE LIGAÇÃO DE TUBOS Ligações rosqueadas; Ligações soldadas; Ligações flangeadas; Ligações de ponta e bolsa; Outras Ligações: - Ligações de compressão; - Ligações patenteadas. 1 Fatores que influenciam

Leia mais

A AGROFLORESTA AGROECOLÓGICA: UM MOMENTO DE SÍNTESE DA AGROECOLOGIA, UMA AGRICULTURA QUE CUIDA DO MEIO AMBIENTE.

A AGROFLORESTA AGROECOLÓGICA: UM MOMENTO DE SÍNTESE DA AGROECOLOGIA, UMA AGRICULTURA QUE CUIDA DO MEIO AMBIENTE. A AGROFLORESTA AGROECOLÓGICA: UM MOMENTO DE SÍNTESE DA AGROECOLOGIA, UMA AGRICULTURA QUE CUIDA DO MEIO AMBIENTE. Alvori Cristo dos Santos, Deser, Fevereiro 2007. Há alguns anos atrás, um movimento social

Leia mais

Manual de Manejo W-36 POEDEIRAS COMERCIAIS

Manual de Manejo W-36 POEDEIRAS COMERCIAIS Manual de Manejo W-36 POEDEIRAS COMERCIAIS 2015 USO DO MANUAL DE MANEJO O potencial genético das Aves Comerciais da Linhagem Hy-Line W-36 somente será aproveitado em sua plenitude com o emprego de boas

Leia mais

A DOMESTICAÇÃO. Túlio Goes

A DOMESTICAÇÃO. Túlio Goes A DOMESTICAÇÃO Túlio Goes PORQUE ESTUDAR A DOMESTICAÇÃO? A domesticação de animais tem sido realizada há muitos anos, e influenciou diretamente no rumo da civilização O processo de adaptação ao homem e

Leia mais

Diferimento de pastagens para animais desmamados

Diferimento de pastagens para animais desmamados Diferimento de pastagens para animais desmamados Marco Antonio Alvares Balsalobre Eng. Agrônomo doutor em Ciência Animal e Pastagens Diretor de Produto da Bellman Nutrição Animal LTDA Mirella Colombo Moscardini

Leia mais

SMG SILICONES MINAS GERAIS LTDA.

SMG SILICONES MINAS GERAIS LTDA. SMG SILICONES MINAS GERAIS LTDA. SENHOR USUÁRIO, Esperamos que as informações contidas nesse boletim sejam de utilidade em seu processo industrial. Dúvidas aparecerão. Entre em contato com nosso departamento

Leia mais

Influência do tipo de laje nos custos de um edifício em aço

Influência do tipo de laje nos custos de um edifício em aço ArtigoTécnico Ygor Dias da Costa Lima 1 Alex Sander Clemente de Souza 2 Silvana De Nardin 2 1 Mestre em Construção Civil pela Pós-Graduação em Construção Civil PPGCiv/UFSCar 2 Prof. Dr. Pós-Graduação em

Leia mais

Temperatura Devido ao seu alto ponto de fusão, a safira pode ser utilizada para aplicações de até 2000 C.

Temperatura Devido ao seu alto ponto de fusão, a safira pode ser utilizada para aplicações de até 2000 C. A proteção de Safira consiste em um tubo exterior de proteção selada de um lado e de um ou mais capilares internos utilizados para o isolamento dos fios termopares. Devido à sua transparência óptica e

Leia mais

FUNDAMENTOS DA PRODUÇÃO ANIMAL SISTEMAS DE PRODUÇÃO DE FRANGOS DE CORTE E GALINHAS POEDEIRAS

FUNDAMENTOS DA PRODUÇÃO ANIMAL SISTEMAS DE PRODUÇÃO DE FRANGOS DE CORTE E GALINHAS POEDEIRAS FUNDAMENTOS DA PRODUÇÃO ANIMAL SISTEMAS DE PRODUÇÃO DE FRANGOS DE CORTE E GALINHAS POEDEIRAS FUNDAMENTOS DA PRODUÇÃO ANIMAL Sistemas de Produção de Frangos de Corte Manejo de Frangos de Corte Manejo de

Leia mais

Manuel Cláudio Motta Macedo Ademir Hugo Zimmer

Manuel Cláudio Motta Macedo Ademir Hugo Zimmer 16 Potencial para Adoção da Estratégia de Integração Lavoura- -Pecuária e de Integração Lavoura-Pecuária- -Floresta para Recuperação de Pastagens Degradadas Manuel Cláudio Motta Macedo Ademir Hugo Zimmer

Leia mais

BEM-ESTAR EM SUÍNOS: CONCEITO, MANEJO PRÉ-ABATE E CONTEXTO ECONÔMICO. Guilherme Augusto Manske 1 ; Raquel Piletti 2

BEM-ESTAR EM SUÍNOS: CONCEITO, MANEJO PRÉ-ABATE E CONTEXTO ECONÔMICO. Guilherme Augusto Manske 1 ; Raquel Piletti 2 BEM-ESTAR EM SUÍNOS: CONCEITO, MANEJO PRÉ-ABATE E CONTEXTO ECONÔMICO Guilherme Augusto Manske 1 ; Raquel Piletti 2 Palavras-chave: abate humanitário, qualidade, carne suína. INTRODUÇÃO No inicio do século

Leia mais

tesa ACX plus o mundo das aplicações estruturais adesivas

tesa ACX plus o mundo das aplicações estruturais adesivas o mundo das aplicações estruturais adesivas Baseado em 75 anos de experiência na produção de fitas e soluções adesivas, a tesa tornou-se num dos fornecedores líderes mundiais em muitos campos de aplicação

Leia mais

INCUBAÇÃO ARTIFICIAL. Alexandre Pires Rosa. alexandreprosa@smail.ufsm.br. Elenice Zucuni Franco. elenicefranco@mail.ufsm.br

INCUBAÇÃO ARTIFICIAL. Alexandre Pires Rosa. alexandreprosa@smail.ufsm.br. Elenice Zucuni Franco. elenicefranco@mail.ufsm.br INCUBAÇÃO ARTIFICIAL alexandreprosa@smail.ufsm.br Elenice Zucuni Franco elenicefranco@mail.ufsm.br QUALIDADE DA CASCA Segurança Considerações iniciais CUIDADOS NA INCUBAÇÃO ARTIFICIAL NA ARMAZENAGEM Posição:

Leia mais

Monitoramento do comportamento territorialista e reprodutivo de capivaras: evitando eventos de superpopulações

Monitoramento do comportamento territorialista e reprodutivo de capivaras: evitando eventos de superpopulações Monitoramento do comportamento territorialista e reprodutivo de capivaras: evitando eventos de superpopulações Tiago Garcia PEREIRA 1 ; Eriks Tobias VARGAS 2 Cássia Maria Silva Noronha 2 Sylmara Silva

Leia mais