WISE: UMA ABORDAGEM DE FERRAMENTA DE SOFTWARE PARA O AUXÍLIO NO MODELO DE AVALIAÇÃO DO MPS.BR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "WISE: UMA ABORDAGEM DE FERRAMENTA DE SOFTWARE PARA O AUXÍLIO NO MODELO DE AVALIAÇÃO DO MPS.BR"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DA AMAZÔNIA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CARLOS ALBERTO COSTA DE ALBUQUERQUE JÚNIOR JOÃO AMÉRICO FREITAS FONSECA SANTOS JULIO CEZAR COSTA FURTADO WISE: UMA ABORDAGEM DE FERRAMENTA DE SOFTWARE PARA O AUXÍLIO NO MODELO DE AVALIAÇÃO DO MPS.BR BELÉM 2008

2 UNIVERSIDADE DA AMAZÔNIA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CARLOS ALBERTO COSTA DE ALBUQUERQUE JÚNIOR JOÃO AMÉRICO FREITAS FONSECA SANTOS JULIO CEZAR COSTA FURTADO WISE: UMA ABORDAGEM DE FERRAMENTA DE SOFTWARE PARA O AUXÍLIO NO MODELO DE AVALIAÇÃO DO MPS.BR Trabalho Final de Graduação submetido à Banca Examinadora do Curso de Ciência da Computação da Unama para a obtenção do Grau de Bacharel em Ciência da Computação, orientado pelo Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira. BELÉM 2008

3 UNIVERSIDADE DA AMAZÔNIA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO AUTOR: CARLOS ALBERTO COSTA DE ALBUQUERQUE JÚNIOR JOÃO AMÉRICO FREITAS FONSECA SANTOS JULIO CEZAR COSTA FURTADO WISE: UMA ABORDAGEM DE FERRAMENTA DE SOFTWARE PARA O AUXÍLIO NO MODELO DE AVALIAÇÃO DO MPS.BR TRABALHO FINAL DE GRADUAÇÃO SUBMETIDO À AVALIAÇÃO DA BANCA EXAMINADORA APROVADA PELO CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO DA UNAMA E JULGADA ADEQUADA PARA OBTENÇÃO DO GRAU DE BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO. APROVADA EM / / CONCEITO BANCA EXAMINADORA: Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira (ORIENTADOR UNAMA) Prof. (MEMBRO UNAMA) Prof.(MEMBRO UNAMA) VISTO: Prof. Msc. Cláudio Alex Rocha (COORDENADOR DO BCC/UNAMA)

4 AGRADECIMENTOS Primeiramente agradeço a Deus por ter me dado saúde, inteligência e força para vencer as dificuldades da vida. Agradeço também ao nosso orientador, Sandro Bezerra, por sua paciência e dedicação na criação de nossa monografia. Agradeço aos meus amigos e pais (Francilene e Carlos Albuquerque) no incentivo dado a mim para que sempre eu me dedicasse no estudo e desenvolvimento de nossa monografia e também pelo carinho e amizade de todos, que estavam comigo nos momento bons e ruins, me ajudando nesses momentos. Carlos Alberto Costa de Albuquerque Júnior À minha mãe Aracy pelo carinho, atenção, dedicação e por todas as oportunidades que ela me proporcionou e não mediu esforços para dar o melhor à mim. Ao meu segundo pai, José Maria Cavalheiro de Macedo, pelo apoio e incentivo constante ao meu crescimento e amadurecimento profissional e pessoal. Ao meu pai José Américo, por todos os momentos que passamos juntos, que me fizeram crescer e ser uma pessoa melhor. À minha esposa Lorena pela oportunidade de descobrir o significado da palavra paternidade. João Américo Freitas Fonseca Santos Gostaria de agradecer em primeiro lugar à minha mãe Delma Costa Furtado que não mediu esforços para conquistar tudo de bom e me oferecer, sem ela nada disso teria acontecido. Ofereço esta conquista de minha vida à ela. Ao meu orientador Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira, que transformou este trabalho de uma mera idéia à realidade, corrigindo nossos pontos fracos e fornecendo o apoio intelectual para nossas dúvidas. Minha namorada Andrelina Eudeny pelo amor, amizade e companheirismo, pela alegria e momentos de descontração, por estar sempre ao meu lado. E à meus companheiros neste trabalho, Carlos e João, que passaram comigo por todas as dificuldade na construção deste projeto de nossas vidas. Julio Cezar Costa Furtado

5 A ciência de hoje é a tecnologia de amanhã. Edward Teller

6 RESUMO Este trabalho visa analisar o método de avaliação do modelo de qualidade MPS.BR e, com base nestes resultados, implementar um ferramenta sistematizada que venha a facilitar a tarefa de avaliação realizada por um avaliador credenciado, visto que há pouco esforço com este foco. Primeiramente será descrito os conceitos e características do processos de software. Em seguida será discutida qualidade para processos de software, descrevendo os modelos de qualidade ISO/IEC 12207, ISO/IEC 15504, CMMI e MPS.BR. Após será descrita a WISE, ferramenta implementada a partir dos resultados, assim como será exposto um estudo de caso onde a ferramenta WISE foi utilizada em um processo de avaliação real do MPS.BR. PALAVRAS-CHAVE: Processo de software, Modelo de qualidade, MPS.BR, Avaliação.

7 ABSTRACT This study aims to examine the evaluation method of MPS.BR model quality and on the basis of these results, implement a systematic tool to come to facilitating the evaluation task made by an accredited evaluator, since it is a poor effort with this focus. First of all, it is described the concepts and features of software processes. Then it will discuss the quality for software processes, describing the ISO/IEC 12207, ISO/IEC 15504, CMMI and MPS.BR quality models. Following it will be described the WISE, tool developed from the results, as it will be explained a case study which the WISE tool was used in a real evaluation process of MPS.BR. KEYWORDS: Software Process, Model Quality, MPS.BR, Evaluation.

8 LISTA DE FIGURAS Figura 2.1: Visão geral do meta-processo de software Figura 3.1: Processos fundamentais da ISO/IEC Figura 3.2: Níveis de maturidade do MPS.BR Figura 4.1: Processo de prototipação Figura 4.2: Modelo Entidade Relacional Figura 4.3: Diagrama de Pacotes Figura 4.4: Lógica de comunicação Figura 4.5: Diagrama de Caso de Uso (Administrador) Figura 4.6: Diagrama de Caso de Uso (Avaliado) Figura 4.7: Diagrama de Caso de Uso (Avaliador) Figura 4.8: Diagrama de Atividade (Geral) Figura 4.9: Diagrama de Atividade (Administrador) Figura 4.10: Diagrama de Atividade (Avaliado) Figura 4.11: Diagrama de Atividade (Avaliador) Figura 4.12: Menu principal Administrador Figura 4.13: Lista de projetos Figura 4.14: Cadastro de projetos Figura 4.15: Lista de usuários Figura 4.16: Cadastro de usuários Figura 4.17: Gerência de níveis Figura 4.18: Lista e cadastro de instituições avaliadoras Figura 4.19: Alocar esforço Figura 4.20: Menu principal Avaliado Figura 4.21: Enviar artefatos Figura 4.22: Log de envio Figura 4.23: Realizar avaliação Figura 4.24: Realizar entrevista Figura 4.25: Consolidar avaliação Figura 4.26: Relatar resultados Figura 4.27: Log de eventos do servidor... 58

9 LISTA DE TABELAS Tabela 4.1: Requisitos funcionais para a ferramenta do Administrador Tabela 4.2: Requisitos funcionais para a ferramenta do Avaliado Tabela 4.3: Requisitos funcionais para a ferramenta do Avaliador Tabela 4.4: Requisitos não funcionais da ferramenta Tabela 4.5: Tabela de Rastreabilidade Tabela 4.6: Casos de Uso da ferramenta Tabela 4.7: Casos de Uso da ferramenta... 39

10 SUMÁRIO 1 - INTRODUÇÃO FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA PROBLEMÁTICA JUSTIFICATIVA OBJETIVOS METODOLOGIA ESTRUTURA DO TRABALHO PROCESSO DE SOFTWARE: UMA VISÃO GERAL DEFINIÇÃO CICLO DE VIDA DE PROCESSO (META-PROCESSO) AVALIAÇÃO DE PROCESSO MODELOS DE QUALIDADE PARA PROCESSO DE SOFTWARE QUALIDADE: VISÃO GERAL MODELOS DE MELHORIA ISO/IEC ISO/IEC (SPICE) CMMI MPS.BR Modelo de Referência Para Melhoria de Processo de Software WISE: UM SOFTWARE PARA AUXÍLIO NA AVALIAÇÃO DO MPS.BR POR QUE MPS.BR? METODOLOGIA DE CONCEPÇÃO DA FERRAMENTA CONCEPÇÃO DA WISE Arquitetura da WISE Requisitos de Software e Hardware Requisitos da ferramenta Requisitos funcionais para a ferramenta do Administrador Requisitos funcionais para a ferramenta do Avaliado Requisitos funcionais para a ferramenta do Avaliador Requisitos não funcionais Tabela de rastreabilidade Casos de uso Diagrama de casos de uso Fluxo Protótipo Administrador Avaliado Avaliador Servidor ESTUDO DE CASO DA FERAMENTA WISE CONCLUSÃO REVISÃO DO TRABALHO REVISÃO DO PROPOSTO TRABALHOS FUTUROS Promover melhorias Alterar arquitetura Estender aplicação REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS... 63

11 INTRODUÇÃO Neste capítulo serão apresentados as motivações para o desenvolvimento desta monografia, seus objetivos e a estrutura desta FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA A qualidade de um produto de software está diretamente ligada à maturidade na execução dos processos de software de uma fábrica. Assim as fábricas de software buscam a maturidade através da implementação de normas de qualidade em seus setores de desenvolvimento, normas como: a ISO/IEC 12207[ISO.98] e a ISO/IEC 15504[ISO.04], os modelos de maturidade CMMI[CMMI.06] e o modelo de qualidade MPS.BR[MPS.07]. Estes modelos ajudam as empresas dando um guia de como deve-se fazer os processos de software, de seu planejamento até sua entrega e manutenção junto ao cliente. O MPS.BR é um modelo criado para a realidade das empresas brasileiras, e criado a partir de estudo de um modelo e normas internacionais. Este modelo é dividido em sete níveis de maturidade. Sua avaliação é feita pelos processos e a empresa escolhe em que nível e em que setor da sua fábrica deve ser avaliado PROBLEMÁTICA No processo de avaliação de maturidade do MPS.BR (Melhoria de Processo do Software Brasileiro), o avaliador realiza a tarefa quase que manualmente, apenas auxiliado por editores de texto e planilha, o que gera uma perda de tempo que poderia ser melhor aplicado no restante da tarefa de avaliação, o que pode tornar este trabalho um processo moroso. Em função deste problema há necessidade de um trabalho de pesquisa, de tal maneira que a mesma tarefa possa ser realizada em menos tempo, com menos custo e de forma quase que automatizada. Há também muitas premissas e regras para a execução da avaliação que demandam tempo de aprendizado dos executores JUSTIFICATIVA Este trabalho tratar-se-á de uma das primeiras soluções sistematizadas aplicada a tal problemática, tendo em vista que não existe ferramenta homologada pela SOFTEX (Associação para Promoção da Excelência do Software Brasileiro) para auxílio na avaliação do modelo de qualidade MPS.BR. Foi eleito o MPS.BR como modelo de qualidade devido ao

12 12 seu menor custo de implementação e avaliação, mais acessível às empresas devido ao incentivo do Governo Federal e por ser um modelo que é aderente às recomendações de vários outros modelos já em uso OBJETIVOS Este trabalho tem como objetivo geral de desenvolver um sistema que auxilie os avaliadores no processo de análise da aderência ao modelo fazendo com que os avaliadores utilizem apenas o software específico no auxílio da avaliação. Tendo como objetivo específicos eliminar uso de planilhas, reduzir perda e redundância de informação, manter a segurança e integridade dos dados, definir uma ferramenta CASE (Computer-Aided Software Engineering) para avaliação e definir formas de avaliação mais sistêmicas METODOLOGIA Para o desenvolvimento deste trabalho foi usado como base: o entendimento do escopo; levantamento de requisitos; implementação e correção de possíveis problemas. O entendimento do escopo e o levantamento de requisitos ocorreram através de entrevistas com um avaliador certificado pela SOFTEX e leitura dos guias do MPS.BR disponibilizados livremente pela SOFTEX. A implementação foi feita em Java com arquitetura Desktop ESTRUTURA DO TRABALHO A organização da monografia foi feita da seguinte forma: O capítulo 2, tem por objetivo explicar o que é processo de software, conceito e definição de processo e meta-processo. O capítulo 3, é dedicado a explicar os principais modelos de qualidade de processo de software (CMMI, ISO 12207, ISO 15504) e o modelo de qualidade escolhido MPS.BR. O capítulo 4, é apresentado a arquitetura do sistema proposto e justifica as escolhas seguidas no projeto. O capítulo 5, será realizada a conclusão do trabalho proposto, comentando os resultados obtidos e propostas para trabalhos futuros. Por último as referências bibliográficas com toda a base referencial de conhecimento utilizada para realização deste trabalho.

13 PROCESSO DE SOFTWARE: UMA VISÃO GERAL Neste capítulo será dado o conhecimento necessário para o entendimento do que é proposto neste trabalho, através da explicação do conceito básico de processo de software e seu ciclo de vida. Irá também ser explanado os métodos de avaliação de processo DEFINIÇÃO Um processo de software é formado por um conjunto de passos de processos parcialmente ordenados, relacionados com conjuntos de artefatos, pessoas, recursos, estruturas organizacionais e restrições, e tem como objetivo produzir e manter os produtos de software finais requeridos [Reis.98]. O processo de software é um conjunto de atividades que é seguido para transformar os requisitos do usuário, em informações úteis, para que esses requisitos possam ser transformados em um produto de software ao final do processo, ou seja, processo de software é a seqüência em que as atividades devem ser executadas. Na definição de processo de software deve-se levar em consideração as seguintes especificações: o conjunto de atividades que serão realizadas; recursos utilizados; artefatos gerados e consumidos; procedimentos adotados; paradigma e tecnologia adotados; e o modelo de ciclo de vida a ser utilizado. Passos de processos são formados por atividades ou tarefas, onde uma atividade produz mudanças visíveis em um produto de software. A execução das atividades pode ser feita de maneira escalonável, onde a execução da atividade seguinte pode depender do resultado da atividade anterior ou conjunto de atividades anteriores. Uma atividade aloca recurso (por exemplo, máquinas e orçamento), é escalonada, monitorada, e atribuída a desenvolvedores (agentes), que podem utilizar ferramentas para executá-la [Reis.98]. A execução de uma atividade tem como objetivo criar ou modificar um determinado produto (artefato).

14 14 Processos bem definidos ajudam na realização das tarefas da equipe envolvida no projeto. Quanto mais definido for o processo melhor será sua execução. Sendo assim um processo de software bem claro, ou seja, bem definido, dá condição para que as pessoas envolvidas na equipe do projeto compreendam melhor seu trabalho e como a sua atividade se integra com a atividade de outros membros da equipe. Um agente está ligado às atividades de um processo e é o responsável pela execução desta tarefa. Um agente pode ser uma pessoa ou uma ferramenta automatizada. Os agentes podem estar distribuídos em diferentes cargos e funções para que possam ter visões diferentes sobre o que acontece no processo de software e se distribuam pelas atividades de forma que suas habilidades sejam escolhidas de acordo com a atividade. Um artefato é o produto de um processo. Assim, uma atividade obtém tal produto como resultado e este produto pode ser utilizado como artefato de entrada na realização de mais uma atividade que irá gerar outro produto, artefato de saída. Os produtos são freqüentemente persistentes e possuem versões [Reis.98]. Os processos são limitados pelas restrições, onde a realização de um processo deve satisfazer tal restrição antes ou depois de ser executado. Um modelo de processo de software é uma representação feita com uma linguagem de modelagem de processo de software onde são descritas as informações necessárias para realização dos passos do processo. Este modelo de processo ao ser executado chama-se modelo do processo instanciado ou processo executável. Um projeto é a instância de um processo, com objetivos e restrições específicos [Pressman.00]. Um projeto é o esforço de uma organização, que aloca recursos e tempo, tendo como produto final a realização de um produto de software.

15 CICLO DE VIDA DE PROCESSO (META-PROCESSO) Um processo de software e seu modelo não devem ser estáticos após sua criação, e sim evoluir e melhorar com o tempo para agregar as mudanças ocasionadas por situações não contempladas à princípio. Cada processo pode ser constituído de uma ou mais atividades, que podem ser chamadas de meta atividades. Todo processo de software e seu modelo sofrem constante evolução, devido a necessidade de melhoria e correções do processo e de seu modelo. O modelo é inicialmente criado para representar um mundo real no seu estado inicial, que durante seu tempo de vida pode sofrer modificações causadas por eventos planejados, ou não planejados interno ou externos à organização. Estas modificações que ocorrem no modelo que o processo está seguindo como referência e esta evolução dos processos de software são conhecidos como meta-processo. Este meta-processo é representado por fases, que por sua vez podem se subdividir em fases menores, aumentando, assim, o nível de detalhamento sobre o processo. O ciclo de vida do processo de software é dependente das entradas e saídas do que foram estabelecidas inicialmente. Quando definimos a entrada de um processo, estamos definindo seu início, e quando definimos as saídas deste mesmo processo estamos definindo o final. A Figura 2.1 a seguir mostra um exemplo de meta-processo.

16 16 Figura 2.1: Visão geral do meta-processo de software [Reis.99b] AVALIAÇÃO DE PROCESSO Segundo a norma ISO/IEC15504 [ISO 2004] e Humphrey em [Humphrey.89], avaliar um processo de software consiste em examinar a aplicabilidade do processo em uma determinada organização para validar se esta organização atinge as metas definidas naquele processo cujo modelo de referência adotado especifica. Sempre um processo de software estará ligado a um modelo de referência, ou seja, na avaliação do processo os resultados que o modelo sugere para um determinado processo, têm de estar compatíveis com os resultados do processo que está sendo avaliado de acordo com o modelo adotado, assim avaliando a maturidade da organização quanto aquele processo. Os modelos de processos de software não servem somente para especificar se o processo avaliado está de acordo com o modelo adotado, mas também para especificar os

17 17 pontos fortes e fracos do processo avaliado, com isso promover uma base para um plano de melhoria de processo de software. Segundo Humphrey em [Humphrey.89], avaliação de processo de software não é uma auditoria, mas uma revisão da organização de software que visa recomendar à gerência e a seus profissionais ações de melhoria da operação. A norma ISO/IEC [ISO/IEC ], entre outros modelos de referências classificam as avaliações em três tipos, dependendo de quem executa o papel principal na avaliação: Auto avaliação: Realizado internamente na organização, com o intuito de avaliar o processo de software da organização, para descobrir os pontos fortes e fracos para promover planos de melhoria de processos da organização; Avaliação de segunda parte: Executada por avaliadores externos, com objetivo geral de avaliar a capacidade da organização para atender os requisitos especificados em contrato geralmente feito pelo cliente para avaliar seu fornecedor; Avaliação de terceira parte: Executada por uma organização que não está ligada à organização a ser avaliada, tem por fim avaliar se a organização possui habilidade para desenvolver produtos de software. Toda avaliação tem um processo de avaliação, ou seja, o processo avaliativo tem passos que devem ser seguidos em ordens estabelecidas previamente, isso é denominado de plano de execução. Este plano de execução tem todos os passos a serem realizados durantes as atividades avaliativas. O processo de avaliação que ser realizado por um avaliador capacitado, que está sendo guiado por um plano de execução. Uma avaliação deve conter no mínimo três etapas: a preparação da avaliação; a

18 18 avaliação propriamente dita;e as recomendações pós-avaliação. A preparação para a avaliação trata de identificar a organização a ser avaliada qual, ou quanto ela será avaliada, como será o processo avaliativo. Logo em seguida avaliar a organização seguindo o plano de execução da avaliação. Feita a avaliação emite-se recomendações necessárias para à organização avaliada com relatórios claros e específicos informando os pontos fortes e fracos que a organização obteve, sugestões de melhorias para os processos que não obtiveram êxito na avaliação, estabelecer novos marcos para melhoria contínua dos processos. Uma forma muito comum de avaliar processo de software, é o uso de métricas. Uma métrica é a medição de atributo, propriedades ou características de um determinado processo. Com métricas a organização pode avaliar a produtividade do processo, de forma qualitativa e quantitativa para propor uma melhoria em todo o processo de desenvolvimento de software. Com avaliações baseada em métricas a organização pode formar baseline para montar estimativas e com isso melhorar a exatidão das estimativas. Uma baseline é um conjunto de especificações ou produtos de trabalho que foram formalmente revisados e sobre os quais foi feito um acordo, que serve como base para desenvolvimento posterior e que pode ser modificado somente através dos procedimentos de controle de mudanças. Seria uma forma de padrão oficial básico para as atividades subseqüentes da organização. Uma métrica deve conter as seguintes características: ela tem que quantificar o que queremos medir; produz os mesmo resultados dadas as mesmas condições; fácil de computar e fácil de interpretar. As métricas podem ser divididas em dois tipos: métricas diretas e métricas indiretas. Diretas são aquelas que estão ligadas diretamente com o processo, métricas indiretas são

19 19 aquelas derivadas das métricas diretas, o seja, sua criação foi devido a necessidade de uma métrica direta. Existem também métricas de qualidade, que oferecem quanto aquele processo está adequado ao modelo de referência. Para caracterizar o processo como válido, ele deve está de acordo com as métricas que o modelo estabelece para o determinado processo em questão.

20 MODELOS DE QUALIDADE PARA PROCESSO DE SOFTWARE Neste capítulo serão descritos os principais modelos de qualidade para processo de software na atualidade, com maior ênfase no MPS.BR por ser o foco deste trabalho QUALIDADE: VISÃO GERAL Em um processo de software são muitas as atividades que afetam diretamente a qualidade do produto. A execução ineficiente ou a não execução de algumas delas pode acarretar na obtenção de um produto de software que não esteja alinhado com as expectativas e requisitos dos usuários. Por esta razão, já é amplamente aceito que a qualidade do produto seja fortemente dependente da qualidade da execução do processo que o gerou [Pfleeger.98]. Qualidade... a gente sabe o que é, e, ao mesmo tempo, não sabe. Isso é contraditório. Mas algumas coisas são melhores que outras, ou seja, têm mais qualidade. Porém, se a gente tenta definir qualidade, isolando-a das outras coisas que a possuem, então ' puf ' - já não há mais o que falar. Robert Pirsig em "Zen e a arte da manutenção de motocicletas" Como a qualidade do produto se dá pela qualidade na produção do mesmo, e com o crescimento da preocupação da qualidade de software, as empresas passaram a adotar normas como: a ISO/IEC 12207[ISO.98] e a ISO/IEC 15504[ISO.04], e o modelos de maturidade CMMI[CMMI.06]. Com isso, definindo processos de softwares que ajudarão a: reduzir custos; aumentar a produtividade; reduzir os riscos de desenvolvimento; e por último e mais importante, melhorar a qualidade do produto final. Assim, pode-se observar que a qualidade do produto depende de vários fatores que vão desde a escolha de um processo de software adequado à empresa que irá desenvolver o produto até a entrega de um produto, com qualidade, ao cliente. A ISO 8402 [ISO.94] diz que a qualidade de software se dá com a totalidade de características de uma entidade que lhe confere a capacidade de satisfazer às necessidades explícitas e implícitas. Explícitas são as necessidades do cliente, ou seja, os requisitos que ele propôs. Definindo o objetivo do produto, funções e desempenho esperado. Implícitas são aquelas que não são pedidas pelo cliente, mas que são necessárias para o desenvolvimento sem erros e com todas as suas funções, como por exemplo: quando o

21 21 usuário for entrar no sistema ele tenha um usuário e senha, e caso não tenha apareça uma mensagem de erro MODELOS DE MELHORIA Para garantir a melhoria dos processos de softwares, foram criadas as normas e os modelos de melhoria. Como se vive em um mundo em que a economia é globalizada e com o advento dos padrões internacionais, foram adotados as seguintes normas ISO/IEC e ISO/IEC e modelos de maturidade CMMI, e o modelo de referência MPS.BR[MPS.07]. Estes modelos foram criados para serem guias destinadas a melhorar os processos organizacionais e habilidades de gerenciar o desenvolvimento, aquisição e manutenção dos produtos e serviços. Apesar de cada modelo ter uma visão própria, todos visam preparar os envolvidos no projeto, para que melhorem e dêem mais qualidade ao produto ISO/IEC A norma ISO/IEC foi criada pela ISO (Institute of Organization for Standardization) e o IEC (Internetional Ectrotechnical Commission) em um esforço conjunto dessas duas organizações. Esta norma foi proposta em 1988, com sua primeira versão sendo publicada em agosto de 1995, mas a versão brasileira só foi publicada em Em 2002 e 2004 foram feitas atualizações na norma gerando as ementas 1 e 2 respectivamente [Machado.06]. Tem como objetivo estabelecer um padrão para os processos de ciclo de vida de software que possuem uma terminologia bem definida e que podem ser referenciadas pela indústria de software. A estrutura contém processos, atividades e tarefas que servem para serem aplicadas durante a aquisição de um sistema que contém software, de um produto de software independente ou de um serviço de software, e durante o fornecimento, desenvolvimento, operação e manutenção de produtos de software [ISO.98]. Esta norma fornece uma arquitetura para o ciclo de vida do projeto, de forma a ser aplicada em todo o ciclo de vida do início ao fim, e com isso engloba todos os envolvidos na produção do software. Existem casos em que esta norma é aplicada apenas nas fases iniciais do processo, mas isso só se faz necessário quando o contratando deixa explícito no contrato. Esta norma foi adaptada pelos Estados Unidos como a norma IEEE/EIA e é

22 22 considerada base, a nível organizacional, dos projetos de softwares de diversos setores de atividades, quer sejam clientes internos ou internacionais. Os processos desta norma são agrupados de acordo com seu objetivo. Este agrupamento resultou em três classes fundamentais, como mostra a Figura 3.1: Processos primários: são os processos necessários para dar a início ao ciclo de vida do software, tais como: Aquisição, Fornecimento, Desenvolvimento, Operação e Manutenção. Processos de suporte: como o próprio nome já diz, este dá suporte a outros processos para que estes sejam desenvolvidos de forma mais organizada, são estes: Documentação, Gestão de Configuração, Garantia de Qualidade, Verificação, Validação, Revisões Conjuntas, Auditoria e Usabilidade, Gerência de Resolução de Problemas, Gerência de Solicitação de Mudanças e Avaliação do Produto. Processos organizacionais: são processos empregados para estabelecer ou implementar uma estrutura subjacente feita a partir de processos associados, como pessoas e melhoramento. Fazem parte desse grupo: Gestão de Ativos, Infra-estrutura, Gerência, Engenharia de Domínio, Gestão de Programa de Reuso e Recursos Humanos. Figura 3.1: Processos fundamentais da ISO/IEC 12207

23 ISO/IEC 15504(SPICE) Devido às organizações mundiais estarem muito dependentes dos sistemas de informática ou de softwares para fazer suas atividades de forma mais rápida e mais automatizada, e com o crescimento da quantidade de softwares que não atendem as expectativas dos usuários, foi criado o projeto SPICE (Software Process Improvement and Capability Determination) que suas origens bem próximas do SPA (Software Process Assessment). As falhas em produtos de software vêm sendo uma das principais fontes de gastos nas organizações [ISO.98]. Outro motivo do surgimento desta norma foram às iniciativas dos governos dos Estados Unidos e da Inglaterra, nos anos 80, para reduzir os custo com software, melhorar a seleção de seus fornecedores de softwares, reduzir os riscos associados aos projetos de software e melhorar a qualidade do produto final. No início dos anos 90 vários métodos para melhoria dos processos e determinação de capacitação tiveram início em diversos países. Dentre os métodos criados os que mais se destacam são: CMM[Paulk.95], BOOTSTRAP [Zahran.98], e como todos procuravam identificar as fraquezas e os riscos, haveria de existir um consenso internacional para avaliação do processo de software, pela facilidade de se trabalhar e pela possibilidade de se comparar os resultados. Este modelo pode ser aplicado quando se deseja melhorar suas capacidades em: planejar, gerenciar, monitorar, controlar e melhorar aquisição, fornecimento, desenvolvimento, operação, evolução e suporte de software CMMI O propósito do CMMI (Capability Maturity Model Integration) é fornecer guias para o aperfeiçoamento de processos e para o gerenciamento do desenvolvimento, aquisição, e manutenção de produtos e serviços [CMMI.06]. O CMMI é um modelo baseado em maturidade e pode ser aplicado em muitas das empresas que têm como seu foco a área de informática. O CMMI contém duas visões: contínua e estágio. A contínua possui uma abordagem mais flexível para melhoria do processo, com seu foco em áreas de processo específicas, diretamente relacionadas ao objetivo de negócio da organização, sendo esta similar à ISO/IEC E a visão em estágios um passo a passo contendo os detalhes de como prover a melhoria do processo, descrevendo sobre os níveis de maturidade, que é um grupo de seqüência de execução das áreas de processo, e quando esse nível de maturidade é alcançado

24 24 indica uma pequena melhoria do processo, e esta é similar a SW-CMM (Capability Maturity Model for software) MPS.BR Teve seu início em dezembro de 2003 quando sete renomadas instituições brasileiras, que têm em sua área de atuação a melhoria de processos de software em empresas, participaram do projeto de Melhoria do Processo de Software Brasileiro (MPS.BR): a Sociedade SOFTEX, coordenadora do projeto; três instituições de ensino e pesquisa e centros tecnológicos (COPPE/UFRJ, CESAR, CenPRA); uma sociedade de economia mista, a Companhia de Informática do Paraná (CELEPAR), hospedeira do Subcomitê de Software da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT); duas organizações não-governamentais integrantes do Programa SOFTEX (Sociedade Núcleo de Apoio à produção e Exportação de Software do Rio de Janeiro RIOSOFT e Sociedade Núcleo SOFTEX 2000 de Campinas). Desde o início do projeto, a COPPE/UFRJ convidou a Universidade Católica de Brasília (UCB) para ser sua parceira no projeto, que assim se uniu ao grupo. Este modelo tem como intuito fazer com que micro, pequenas e médias empresas, principalmente, melhorem seu processo de software. É focado nessas empresas, por ter um custo bem acessível e por ter incentivos monetários de órgãos governamentais. Seu objetivo principal é definir e implementar o Modelo de Referência para melhoria de processo de software (MR MPS) em empresas. E os objetivos secundários, disseminar em diversos locais no país: a capacitação no uso do modelo (cursos de Introdução ao MR MPS e cursos e provas para Consultores de Implementação e Avaliação do modelo); o credenciamento de instituições implementadoras e/ou avaliadoras do modelo, especialmente instituições de ensino e centros tecnológicos; a implementação e avaliação do modelo com foco em grupos de empresas. Em modelos como CMMI, o custo de implementação e avaliação é muito alto, mesmo que em seus níveis mais baixos, como 2 e 3, o que faz com que fique inviável para micro e pequenas empresas, especialmente no Brasil, tenham um poder aquisitivo muito baixo. E como solução para este problema foram criados o Modelo de Referência para melhoria do processo de software (MR MPS) e o Modelo de Negócio para melhoria do processo de software (MN MPS). A partir das experiências que algumas instituições e alguns Agentes SOFTEX tiveram, com a implementação e certificação ISO 9000 [ISO.91] e implementação e avaliação CMM e

25 25 CMMI, foram criados um modelo de negócios para o projeto MPS.BR que prevê duas situações: - MNE (Modelo de Negócio Específico) que se dá de forma personalizado para uma empresa; - MNC (Modelo de Negócio Cooperado) mais acessível para micro, pequenas e médias empresas, por dividir proporcionalmente parte dos custos entre as empresas e por se buscar outras fontes de financiamento. A implementação e avaliação do MR MPS só podem ser feitas a partir de instituições credenciadas. Este credenciamento é feito pelo Fórum de Credenciamento e Controle (FCC) do projeto. Quando a empresa é credenciada, a Sociedade SOFTEX assina um convênio com as instituições credenciadas. Quando se tem Modelo de Negócio Específico as empresas, uma a uma, que querem se qualificar no MPS.BR, negocia a implementação, e assina um contrato junto à Instituição Credenciada para Implementação (ICI) do MR MPS, e para avaliação faz o mesmo processo com a Instituição Credenciada para Avaliação (ICA). E a coordenadora do projeto MPS.BR (Sociedade SOFTEX) só toma conhecimento, a partir das ICI ou ICA, do contrato e dos resultados gerados pelas duas empresas, de implementação e de avaliação. No Modelo de Negócio Cooperado as empresas formam um grupo com as empresas interessadas na implementação do MR. Este grupo pode começar a partir de um agente SOFTEX. E o resto acontece da mesma forma que o anterior, com a diferença apenas que quem faz a negociação e assina os contratos é a coordenação do grupo Modelo de Referência Para Melhoria de Processo de Software O projeto MPS.BR não tem finalidade de criar um novo modelo, com novas Normas ou novos Modelos de Maturidade. O que este projeto traz de novo é: a estratégia adotada para sua implementação, que teve como base para sua criação a realidade brasileira; e o Modelo de Negócio, que tem grande potencial de uso em países com as mesmas características do Brasil, como por exemplo os países latino-americanos. A definição do MR teve como início análise da norma ISO/IEC 12207, a norma ISO/IEC e o modelo CMMI (Capability Maturity Model Integration). A norma de referência para os processos de ciclo de vida de software no MR MPS é a ISO/IEC conforme atualização publicada em 2002 [Weber.04]. Nesta norma existe a

26 26 definição dos processos organizacionais, por ela definir bem a arquitetura, terminologia e responsabilidade inerente a processos. Com a atualização foram acrescentados: processos e sua descrição de propósito e resultados de implementação, o que possibilita a avaliação da capacidade do processo. Esta norma é composta destes seguintes itens: Processos fundamentais: atendem ao início, à contratação entre o adquirente e o fornecedor e a execução do Desenvolvimento, da Operação ou Manutenção de produtos de software durante o ciclo de vida do software [Machado.01]. E também fazem parte dos processos fundamentais os processos de Aquisição e Fornecimento; Processos de apoio: auxiliam e contribuem para o sucesso e a qualidade do projeto de software, como estes: Documentação, Gerência de Configuração, Garantia da Qualidade, Verificação, Validação, Revisão Conjunta, Auditoria, Resolução de Problemas e Usabilidade; Processos Organizacionais: responsável por estabelecer e implementar uma estrutura constituída pelos processos de ciclo de vida e pelo pessoal envolvido no projeto de software. Eles são geralmente empregados fora do domínio de projeto e contratos específicos; entretanto, os ensinamentos desses projetos e contratos contribuem para a melhoria da organização, são eles: Processos de Gerência, Infra-estrutura, Melhoria, e Treinamento [Machado.01]. E também fazem parte desses processos os Recursos Humanos, Gestão de Ativos, Gestão de Programa de Reuso e Engenharia de Domínio. A maturidade do MPS de acordo o MR é dividido em duas dimensões: Dimensão de capacidade: (capability dimension) são os diversos atributos de um processo que têm a finalidade de medir o grau de institucionalização e refinamento de um processo na organização, e uma maior capacidade de desempenhar um projeto é atingido quando se evolui nos níveis; Dimensão de processo: (process dimension) é baseada na norma ISO/IEC e estabelece o que deveria ser feito para se ter qualidade na produção, fornecimento, aquisição e operação de software. Existem sete níveis, são eles, como mostra a Figura 3.2: nível G Parcialmente Gerenciado, composto pelos processo: Gerência de Projeto e Gerência de Requisitos; nível F Gerenciado, composto pelos processos no nível anterior e dos processos: Aquisição, Gerência de Configuração, Garantia de Qualidade e Medição; nível E Parcialmente Definido, composto pelos processos dos níveis anteriores acrescidos de: Avaliação e Melhoria

27 27 do Processo Organizacional, Definição do Processo Organizacional, Gerência de Recursos Humanos, Gerência de Reutilização e Gerência de Projetos; nível D Largamente Definido, composto dos processos dos níveis anteriores acrescido dos processos Desenvolvimento de Requisitos, Integração do Produto, Validação, Verificação e Projeto e Construção do Produto; nível C Definido, composto dos processos dos níveis anteriores acrescido dos processos Análise de Decisão e Resolução, Desenvolvimento para Reutilização, Gerência de Risco e Gerência de Reutilização; nível B Gerenciado Quantitativamente, composto pelos processos dos níveis anteriores, sendo que o processo Gerência de Projeto teve novos resultados a serem acrescentados; nível A Em Otimização, composto pelos processo dos níveis anteriores acrescido do processo de Análise de Causa de Problemas e Resolução.

28 28 Figura 3.2: Níveis de maturidade do MPS.BR O método de avaliação teve como base a norma ISO/IEC 15504, e é realizada considerando que cada nível suas áreas de processo e que a cada avaliação dos níveis acima, os que estão abaixo serão avaliados novamente. O processo de avaliação é feito a partir de indicadores, onde estes irão medir o nível de implementação das práticas relacionadas a cada área de processo, estes são definidos pela empresa para cada uma das práticas, e podem ser divididos em três tipos: Direto, Indireto ou

29 29 Afirmação. Indicadores Diretos são produtos intermediários, resultados de uma atividade. Indicadores Indiretos são, na maioria das vezes, documentos que indicam que uma atividade foi realizada. Afirmações são os resultados das entrevistas que os entrevistados relatam como uma prática foi implementada. O nível de implementação de uma prática é avaliado de acordo com quatro níveis: TI Totalmente Implementado; LI Largamente Implementado; PI Parcialmente Implementado, e, NI Não Implementado. Esta escala deve ser entendida como uma porcentagem que representa o grau de alcance de completude de cada artefato. Mas o resultado final é dado pela equipe de avaliação, considerando os resultados da avaliação nos projetos avaliados. Para que uma empresa seja considerada de um nível A, B, C, D, E, F ou G todas as áreas da empresa devem ter sido avaliadas naquele nível. Uma empresa pode requerer avaliação de apenas um ou algum dos seu setores. É possível que em uma avaliação parte da empresa alcance um nível e outra parte alcance outro nível diferente. Mas de qualquer forma, será emitido um documento que explicará o objetivo da avaliação e o nível de maturidade resultante. Como pré-requisitos da avaliação, tem-se todos os projetos concluídos e todos os que estão em andamento. No momento do planejamento da avaliação, a Instituição avaliadora deve escolher um subconjunto de projetos que garanta a representatividade da organização a ser avaliada, e este número de projetos não pode ser inferior a dois. Existem algumas empresas que desenvolvem apenas um produto, porém isso não impede que esta faça a avaliação, pois projetos são entendidos de sentido bem amplo, como por exemplo projetos de manutenção do produto. A avaliação tem validade de dois anos.

30 WISE: UM SOFTWARE PARA AUXÍLIO NA AVALIAÇÃO DO MPS.BR Neste capítulo será dito quais motivos da escolha pelo MPS.BR como modelo base para o estudo deste trabalho e desenvolvimento do sistema. Também serão exibidas características da ferramenta, tais como: metodologia de concepção e desenvolvimento da ferramenta POR QUE MPS.BR? Foi optado por este modelo por ser um modelo nacional, que foi criado pensando nas características do mercado brasileiro de desenvolvimento software. O modelo é bem aceito internacionalmente, sendo aderente ao modelo CMMI, então quando se implementar, por exemplo os níveis G e F, o nível 2 do CMMI está sendo contemplado porém a partir de um procedimento de implementação menos moroso, já que o MPS.BR está divido em mais níveis de maturidade que os outros modelos, facilitando assim a adequação da empresa e diminuindo os custos daquela implementação/avaliação, sem um grande custo para a empresa. É também aderente às normas ISO/IEC e ISO/IEC Outro ponto forte para sua escolha é que este modelo tem grandes chances de ascensão, por ter incentivos financeiros, fazendo com que as empresas de médio e pequeno porte tenham a possibilidade de serem qualificadas no MPS.BR e ter um selo de qualidade que comprove a maturidade dos seus processos e a capacidade em se desenvolver produtos de software seguindo tais processo, podendo assim, fornecer seus produtos com mais facilidade e para consumidores de maior nome. Estes incentivos não ficam restritos apenas a empresas de pequeno e médio porte, mas também a empresa de grande porte que estejam interessadas à investirem na qualidade de seus produtos. Principalmente para as empresas que buscam software com qualidade e que querem algo que possa garantir a qualidade daquele produto. O modelo MPS.BR conta com o apoio do Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT), da Financiadora de Estudos e Projetos (FINEP) e do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID). Entidades responsáveis pelos incentivos financeiros aos interessados na implantação do modelo na sua instituição. O MPS.BR também vem conquistando já um reconhecimento internacional como modelo de qualidade a se fixar, já que muitas empresas na América Latina também têm demostrado interesse no modelo brasileiro de qualidade.

31 METODOLOGIA DE CONCEPÇÃO DA FERRAMENTA A ferramenta WISE foi desenvolvida para atender as necessidades dos stakeholders do processo avaliativo do modelo MPS.BR. O WISE é uma ferramenta para ajudar neste processo tanto para os avaliados quanto para os avaliadores envolvidos neste processo. A metodologia utilizada para o desenvolvimento da ferramenta foi divido em 3 (três) etapas. A primeira etapa foi uma entrevista com o Avaliador Líder, certificado pela SOFTEX, para que ele provesse todo o ciclo em que o processo de avaliação é definido. Nas entrevistas com o Avaliador, em um primeiro momento foi descrito o processo como um todo para que pudesse ser verificada os requisitos básicos que a ferramenta deveria contemplar. Posteriormente foi feito o estudo dos guias do MPS.BR que estão disponíveis no site da SOFTEX (http://www.softex.br/mpsbr). O primeiro guia a ser consultado para a elaboração da ferramenta foi o Guia Geral que contém uma descrição geral do modelo MPS.BR e explica o modelo de referência. A segunda etapa foi o Guia de Avaliação, onde explica como será a avaliação do nível que está sendo solicitado os critérios da avaliação, os requisitos para a avaliação ser feita. O processo de desenvolvimento da ferramenta foi feito através de prototipação evolutiva, ou seja, um protótipo inicial produzido após a validação inicial, onde irão sendo adicionado novas funcionalidades ao protótipo minimizando assim a possibilidade de erros no desenvolvimento do projeto, pois os usuários da ferramenta estão em contato constante com ela, podendo mostrar os pontos em que a ferramenta não atende as necessidades dos usuários, ou algum requisito que não foi contemplado nos protótipos ou mesmo no levantamento dos requisitos iniciais, quando ainda não se tem um protótipo desenvolvido. A prototipação evolutiva tinha um ciclo pré-definido pelos os stakeholders, haviam marcos a ser seguidos, com reuniões para avaliar o protótipo que estava sendo exposto, levantando os pontos fracos e fortes da ferramenta, melhorias que deveriam ocorrer ou novos requisitos que surgiram durante o processo de desenvolvimento da ferramenta. Todas as reuniões eram acompanhadas por um avaliador do modelo de referência MPS.BR credenciado, que validava a ferramenta e acrescentava novos requisitos. A Figura 4.1 abaixo demostra como é o processo de prototipação:

32 32 Figura 4.1: Processo de prototipação Esta metodologia de prototipação foi usada durante toda e fase de desenvolvimento da ferramenta, e análise dos requisitos. Sendo que os requisitos eram analisados de acordo com as validações efetivadas, ou seja, a cada validação era apresentado um novo requisito ou uma melhora em algum já existente CONCEPÇÃO DA WISE Foi definido que a ferramenta WISE teria três perfis de acesso: o perfil administrador, que seria utilizado apenas pela SOFTEX, onde seria responsável pela gerência do sistema; o perfil avaliado, que seria utilizado pelas entidades que se candidatassem à uma avaliação de nível de maturidade do MPS.BR; e o perfil avaliador, que seria o perfil utilizado pelos avaliadores credenciados pela SOFTEX para realizar a avaliação. Estes foram divididos em mesma quantidade de módulos funcionais. Cada um com seu devido perfil e seus atributos. E além dos perfis existe um servidor que fica ativo pra envio e recepção de dados dos avaliadores e avaliados.

33 Arquitetura da WISE A seguir serão discutidos alguns modelos de projeto usados como base para a definição da arquitetura. A arquitetura da ferramenta WISE divide-se em três camadas, sendo estas: Interface Gráfica - GUI (Graphic User Interface), Negócio e Banco de Dados. Será mostrado na Figura 4.2 o MER (Modelo Entidade Relacional); Figura 4.2: Modelo Entidade Relacional

34 34 A Figura 4.3 representa o diagrama de Pacotes da UML para a Ferramenta. Figura 4.3: Diagrama de Pacotes A Figura 4.4 exibe a lógica de comunicação entre os clientes e a base de dados. Figura 4.4: Lógica de comunicação

35 Requisitos de Software e Hardware O sistema deve ser executado sobre a plataforma Windows com a máquina virtual Java na versão 1.6 (JRE 1.6) instalada, e por este motivo, o hardware deve atingir os requisitos recomendados para a execução da plataforma Windows e da máquina virtual Java. Há também a necessidade de uma conexão com a Internet em banda-larga nos momentos em o cliente for sincronizar seus dados com o servidor, sincronização esta que será explicada mais a frente Requisitos da ferramenta As seções a seguir retratam os requisitos levantados para o desenvolvimento da ferramente WISE Requisitos funcionais para a ferramenta do Administrador R1 Tabela 4.1: Requisitos funcionais para a ferramenta do Administrador O administrador deve poder cadastrar projetos; R2 O administrador deve poder alterar projetos; R3 O administrador deve poder excluir projetos; R4 O administrador deve poder cadastrar usuários; R5 O administrador deve poder alterar usuários; R6 O administrador deve poder excluir usuários; R7 O administrador deve poder cadastrar níveis; R8 O administrador deve poder alterar níveis; R9 O administrador deve poder excluir níveis; R10 O administrador deve poder cadastrar instituições avaliadoras; R11 O administrador deve poder alterar instituições avaliadoras; R12 O administrador deve poder excluir instituições avaliadoras; R13 O administrador deve poder gerenciar esforço, podendo atribuí-lo ou modificá-lo; R14 O administrador deve poder gerenciar cronograma, podendo atribuí-lo ou modificá-lo. R23 Os usuários devem fazer login.

36 Requisitos funcionais para a ferramenta do Avaliado R15 Tabela 4.2: Requisitos funcionais para a ferramenta do Avaliado O avaliado deve poder receber os dados, com as informações necessárias de seu projeto; R16 O avaliado deve poder preencher planilha de artefatos, com as informações necessárias para que a avaliação seja feita; R17 O avaliado deve poder enviar dados, como, sua planilha preenchida e os artefatos que a compõem; R23 Os usuários devem fazer login Requisitos funcionais para a ferramenta do Avaliador R18 Tabela 4.3: Requisitos funcionais para a ferramenta do Avaliador O avaliador deve poder receber os dados, com as informações necessárias do projeto a ser avaliado; R19 O avaliador deve poder analisar a planilha; R20 O avaliador deve poder analisar resultados da planilha; R21 O avaliador deve poder relatar os resultados; R22 O avaliador deve poder fazer a entrevista guardando as conversar para analise posterior; R23 Os usuários devem fazer login Requisitos não funcionais RNF1 Tabela 4.4: Requisitos não funcionais da ferramenta Deve ser criada sala para conversar na entrevista; RNF2 Deve ser dada nota nas análises de planilha e de resultados; RNF3 Fazer atualização recebendo ou enviando dados.

37 Tabela de rastreabilidade A seguir a tabela representa a rastreabilidade tida como premissa para o gerenciamento de requisitos: Requisitos funcionais R1 R2 R3 R4 R5 R6 R7 R7 R8 R9 R10 R11 R12 R13 R14 R15 R16 R17 R18 R19 R20 R21 R22 R23 Tabela 4.5: Tabela de Rastreabilidade Requisitos não Requisitos não funcionais funcionais RNF1 RNF2 Requisitos não funcionais RNF3 X X X X X

38 Casos de uso A partir dos requisitos levantados os seguintes casos de uso foram especificados: Casos de Uso Cadastrar Projetos Alterar Projetos Excluir Projetos Listar Projetos Cadastrar Usuários Alterar Usuários Excluir Usuários Listar Usuários Cadastrar Instituição Avaliadora Alterar Instituição Avaliadora Excluir Instituição Avaliadora Listar Instituição Avaliadora Gerenciar Esforço Gerenciar Cronograma Tabela 4.6: Casos de Uso da ferramenta Ator Objetivo Descrição Administrador Inserir projeto no O administrador informa todos os banco de dados dados do projeto para que o mesmo seja guardado no sistema. Administrador Alterar projeto no O administrador informa todos os banco de dados dados do projeto para que o mesmo seja alterado no sistema. Administrador Excluir projeto no O administrador exclui o projeto banco de dados selecionando o mesmo. Sistema Exibir projetos O sistema exibi todos os projeto cadastrados previamente cadastrados. Administrador Inserir usuário no O administrador informa todos os banco de dados dados do usuário para que o mesmo seja guardado no sistema. Administrador Alterar usuário no O administrador informa todos os banco de dados dados do usuário para que o mesmo seja alterado no sistema. Administrador Excluir usuário O administrador exclui o usuário no banco de selecionando o mesmo. dados Sistema Exibir usuário O sistema exibi todos os usuário cadastrados previamente cadastrados. Administrador Inserir instituição O administrador informa todos os avaliadora no dados do instituição avaliadora banco de dados para que o mesmo seja guardado no sistema. Administrador Alterar instituição O administrador informa todos os avaliadora no dados do instituição avaliadora banco de dados para que o mesmo seja alterado no sistema. Administrador Excluir O administrador exclui o instituição instituição avaliadora avaliadora no selecionando o mesmo. banco de dados Sistema Exibir instituição O sistema exibi todos os avaliadora instituição avaliadora previamente cadastrados cadastrados. Administrador Manipular Inserir e modificar informações informações do esforço. sobre esforço Administrador Manipular Inserir e modificar informações informações do cronograma. sobre cronograma

39 39 Casos de Uso Fazer Login Enviar Dados Preencher Planilha de Artefatos Receber dados Tabela 4.7: Casos de Uso da ferramenta Ator Objetivo Descrição Administrador, Entrar em partes Entrar e obter informações Avaliador e restritas nos restritas por usuário. Avaliado sistema Avaliado Atualizar dados Manda dados das tabelas no servidor preenchidas. Avaliado Inserir dados do Insere dados necessários para projeto avaliação. Avaliado e Avaliador Registrar Avaliador Entrevista Relatar Avaliador Resultados Analisar Planilha Avaliador Analisar Resultados Avaliador Receber informações Guardar conversas Fornece resultados Dar nota a cada evidência da planilha Analisar Resultados Recebe informações necessárias para preenchimento de tabela do avaliado ou do avaliador para avaliação. Registra conversas para posterior análise. Dizer os pontos fortes, fracos e oportunidades de melhoria. Dá nota a cada evidência, atribuindo uma cor pra cada evidência. Analisa resultados gerados pelas evidências para poder dar nota por processo.

40 Diagrama de casos de uso Para um melhor entendimento dos casos de uso, estes foram divididos em três diagramas, são eles: Administrador que representa as funcionalidades do programa no perfil do administrador, representado pela Figura 4.5; Figura 4.5: Diagrama de Casos de Uso (Administrador)

41 41 Avaliado: que representa as funcionalidades do programa no perfil do avaliado, representado pela Figura 4.6; Figura 4.5: Diagrama de Casos de Uso (Avaliado)

42 42 Avaliador: que representa a funcionalidade do programa no perfil do avaliador, representado pela Figura 4.7. Figura 4.7: Diagrama de Casos de Uso (Avaliador)

43 Fluxo Para um entendimento das atividades da ferramenta, foram definidos alguns diagramas de atividades da UML, estes diagramas, assim como os casos de uso, serão divididos em três perfis. Cada um com suas características específicas. E mais um fluxo geral, para mostrar a seqüência que o programa deve seguir, mostrado na Figura 4.8. Os diagramas são: administrador, mostrado na Figura 4.9; avaliado, mostrado na Figura 4.10 e avaliador, mostrado na Figura Figura 4.8: Diagrama de Atividade (Geral)

44 44 Figura 4.9: Diagrama de Atividade (Administrador)

45 45 Figura 4.10: Diagrama de Atividade (Avaliado)

46 46 Figura 4.11: Diagrama de Atividade (Avaliador)

47 Protótipo Nesta seção serão discutidas as interfaces gráficas projetadas para o protótipo da ferramenta WISE, com o intuito de representar as funcionalidades de execução da ferramenta Administrador A tela representada da Figura 4.12 mostra o menu principal do perfil do Administrador, onde o usuário poderá escolher entre manipular os dados de projeto, usuário, nível, instituições avaliadoras e alocar esforço. Figura 4.12: Menu principal Administrador Na tela representada pela Figura 4.13 serão mostrados todos os projetos cadastrados, podendo-se cadastrar novos projetos inserindo as informações do projeto e da empresa a ser avaliada. mostrado na Figura 4.14, possibilitando cadastrar novos projetos, alterar e excluir projetos já cadastrados.

48 48 Figura 4.13: Lista de projetos Figura 4.14: Cadastro de projetos

49 49 Figura 4.15: Lista de usuários Figura 4.16: Cadastro de usuários

50 50 Na tela representada pela Figura 4.15 serão mostrados todos os usuários cadastrados, podendo-se cadastrar novos usuários com informações, como, senha, perfil, id e nome, mostrado na Figura 4.16, possibilitando cadastrar novos usuários, alterar e excluir usuários já cadastrados. Na tela representada pela Figura 4.17 serão mostrados todos os níveis cadastrados, podendo-se cadastrar novos níveis inserindo informações sobre os níveis e as informações contidas neles tendo como base o modelo MPS.BR, além de alterar e excluir níveis já cadastrados. A ferramenta tem suas informações atualizadas quando o modelo for atualizado. Nesta tela como na anterior apenas o administrador terá acesso. Figura 4.17: Gerência níveis

51 51 Na tela representada pela Figura 4.18 serão mostrados todos as instituições avaliadoras cadastrados, podendo-se cadastrar novas instituições necessitando apenas do nome e o CNPJ da mesma, além de alterar e excluir as instituições avaliadoras já cadastrados. Figura 4.18: Lista e cadastro de instituições avaliadoras

52 52 Na tela representada pela Figura 4.19 serão cadastrados e alterados os esforços a serem alocados a cada projeto, atribuindo os avaliadores, disponíveis na instituição avaliadora atribuída anteriormente, ao projeto escolhido, e nessa tela o administrador também fará o organograma da avaliação, atribuindo um tempo pra cada tarefa que cada avaliador terá que fazer. Figura 4.19: Alocar esforço

53 Avaliado A tela representada pela Figura 4.20 mostra o menu principal do perfil do Avaliado, onde será preenchida uma tabela, mostrada na Figura 4.21, com as informações necessárias para a avaliação da empresa, tais como: evidência, fonte e o arquivo atribuído a cada evidência, onde cada evidência está relacionada com pelo menos um projeto. Figura 4.20: Menu principal Avaliado A tela representada na Figura 4.22 mostra o envio dos dados preenchidos pela empresa avaliada ao servidor, atualizando as informações para que posteriormente possa ser enviada aos avaliadores.

54 54 Figura 4.21: Enviar artefatos Figura 4.22: Log de envio

55 Avaliador A tela representada na Figura 4.23 mostra o foco principal do perfil do Avaliador, onde serão avaliados as evidências enviadas pela empresa avaliada, atribuindo uma cor que será a nota de cada evidência que posteriormente será feita a análise para a nota final. Figura 4.23: Realizar avaliação A tela representada na Figura 4.24 mostra onde será feita a entrevista com os funcionários da empresa guardando as conversas para que possam ser analisadas. A tela representada na Figura 4.25 mostra onde será feita a avaliação por processos e o avaliador poderá atribuir a nota não mais evidência por evidência e sim pelo processo tirando um média das notas das evidências.

56 56 Figura 4.24: Realizar entrevista Figura 4.25: Consolidar avaliação

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Especialização em Gerência de Projetos de Software Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br Qualidade de Software 2009 Instituto

Leia mais

do software Brasileiro

do software Brasileiro Projeto mps Br: melhoria de processo do software Brasileiro SUMÁRIO 1. Introdução 2. O Projeto mps Br 3. Conclusão Project: Bspi Brazilian software process improvement 1 Percepção da Qualidade dos Processos

Leia mais

CERTIFICAÇÃO BRASILEIRA DE MELHORIA DE PROCESSO DE SOFTWARE: O MPS.BR

CERTIFICAÇÃO BRASILEIRA DE MELHORIA DE PROCESSO DE SOFTWARE: O MPS.BR CERTIFICAÇÃO BRASILEIRA DE MELHORIA DE PROCESSO DE SOFTWARE: O MPS.BR Leonardo Galvão Daun Universidade Estadual de Maringá leonardo.daun@gmail.com Profª Drª Sandra Ferrari Universidade Estadual de Maringá

Leia mais

FACULDADE SENAC GOIÂNIA

FACULDADE SENAC GOIÂNIA FACULDADE SENAC GOIÂNIA NORMA ISO 12.207 Curso: GTI Matéria: Auditoria e Qualidade de Software Professor: Elias Ferreira Acadêmico: Luan Bueno Almeida Goiânia, 2015 CERTIFICAÇÃO PARA O MERCADO BRASILEIRO

Leia mais

Políticas de Qualidade em TI

Políticas de Qualidade em TI Políticas de Qualidade em TI Aula 05 MPS.BR (ago/12) Melhoria de Processo do Software Brasileiro Prof. www.edilms.eti.br edilms@yahoo.com Agenda Descrição sumária do MPS.BR - Melhoria de Processo do Software

Leia mais

Projeto mps Br melhoria de processo do software Brasileiro

Projeto mps Br melhoria de processo do software Brasileiro Projeto mps Br melhoria de processo do software Brasileiro SUMÁRIO. Introdução 2. Projeto mps Br 3. Modelo MR mps 4. Conclusão Project: Bspi Brazilian software process improvement Comparação da Maturidade

Leia mais

Modelo de Referência para melhoria do processo de software (MR mps)

Modelo de Referência para melhoria do processo de software (MR mps) Modelo de Referência para melhoria do processo de software (MR mps) Projeto mps Br: Modelo de Referência para Melhoria de Processo de Software CMMI SPICE SCAMPI MODELO PARA MELHORIA DO PROCESSO DE SOFTWARE

Leia mais

Introdução ao MPS.BR Guia Geral. Prof. Elias Batista Ferreira

Introdução ao MPS.BR Guia Geral. Prof. Elias Batista Ferreira Introdução ao MPS.BR Guia Geral Prof. Elias Batista Ferreira IMPORTANTE Este NÃO é um curso oficial do MPS.BR. Este curso NÃO é apoiado pela Softex. Objetivo deste Curso Descrever os processos e resultados

Leia mais

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM M P S. B R : M E L H O R I A D E P R O C E S S O D O S O F T W A R E B R A S I L E I R O A

Leia mais

Introdução ao Modelo de Referência para melhoria do processo de software (MR mps) Projeto: mps Br melhoria de processo do software Brasileiro

Introdução ao Modelo de Referência para melhoria do processo de software (MR mps) Projeto: mps Br melhoria de processo do software Brasileiro Introdução ao Modelo de Referência para melhoria do processo de software (MR mps) Realidade das Empresas Brasileiras ISO/IEC 12207 ISO/IEC 15504 CMMI Softex Governo Universidades Modelo de Referência para

Leia mais

APOSTILAS: NORMAS; ABNT NBR ISO; MPS BR

APOSTILAS: NORMAS; ABNT NBR ISO; MPS BR APOSTILAS: NORMAS; ABNT NBR ISO; MPS BR Fonte: http://www.softex.br/mpsbr/_home/default.asp Apostilas disponíveis no site 1 NORMAS: NBR ISO NBR ISO/IEC CMM SPICE Continuação... 2 NORMAS VISÃO GERAL NBR

Leia mais

Estudo de caso para implantação do modelo MR-MPS-SV

Estudo de caso para implantação do modelo MR-MPS-SV Estudo de caso para implantação do modelo MR-MPS-SV Giovani Hipolito Maroneze 1, Jacques Duílio Branches 1 1 Departamento de Computação Universidade Estadual de Londrina (UEL) Caixa Postal 10.001 86.057-970

Leia mais

Qualidade de. Software. Definições. Qualidade do Produto ISO 9126. Processo de. Software. Modelo de Processo de. Software CMM SPICE ISO 12207

Qualidade de. Software. Definições. Qualidade do Produto ISO 9126. Processo de. Software. Modelo de Processo de. Software CMM SPICE ISO 12207 Qualidade de : Visão Geral ISO 12207: Estrutura s Fundamentais Aquisição Fornecimento s de Apoio Documentação Garantia de Qualidade Operação Desenvolvimento Manutenção Verificação Validação Revisão Conjunta

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI)

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) APARECIDA DE GOIÂNIA 2014 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Áreas de processo por

Leia mais

CLEVERSONTPP@GMAIL.COM

CLEVERSONTPP@GMAIL.COM UM BREVE DESCRITIVO DO MODELO MPS-BR (MELHORIA DE PROCESSO DE SOFTWARE BRASILEIRO) E SUAS PERSPECTIVAS PARA O FUTURO CLÉVERSON TRAJANO PRÉCOMA PORTES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

A visão do modelo MPS.BR para Gerência de Projeto - Nível G. por Adriana Silveira de Souza

A visão do modelo MPS.BR para Gerência de Projeto - Nível G. por Adriana Silveira de Souza A visão do modelo MPS.BR para Gerência de Projeto - Nível G por Adriana Silveira de Souza Agenda Visão Geral do MPS.BR Processos e Capacidade de Processo Níveis de Maturidade Atributos de Processo Processo

Leia mais

Qualidade de Software: Visão Geral

Qualidade de Software: Visão Geral Qualidade de Software: Visão Geral Engenharia de Software 1 Aula 05 Qualidade de Software Existem muitas definições de qualidade de software propostas na literatura, sob diferentes pontos de vista Qualidade

Leia mais

Avaliação e Melhorias no Processo de Construção de Software

Avaliação e Melhorias no Processo de Construção de Software Avaliação e Melhorias no Processo de Construção de Software Martim Chitto Sisson Centro Tecnológico Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) Florianópolis SC Brasil martim@inf.ufsc.br Abstract. This

Leia mais

CMMI (Capability Maturity Model Integration) Thiago Gimenez Cantos. Bacharel em Sistemas de Informação

CMMI (Capability Maturity Model Integration) Thiago Gimenez Cantos. Bacharel em Sistemas de Informação CMMI (Capability Maturity Model Integration) Thiago Gimenez Cantos Bacharel em Sistemas de Informação Faculdade de Informática de Presidente Prudente Universidade do Oeste Paulista (UNOESTE) thiago@visioncom.com.br;

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade IV QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade IV QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade IV QUALIDADE DE SOFTWARE introdução As mudanças que estão ocorrendo nos clientes e nos ambientes de negócios altamente competitivos têm motivado as empresas a modificarem

Leia mais

Programa MPS.BR: resultados e perspectivas

Programa MPS.BR: resultados e perspectivas Programa MPS.BR: resultados e perspectivas Ana Regina Rocha Programa de Engenharia de Sistemas e Computação Coordenadora da Equipe Técnica do Modelo MPS Uma Organização com bom desempenho gasta 80% de

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Introdução à Melhoria de Processos de Software baseado no MPS.BR Prof. Maxwell Anderson www.maxwellanderson.com.br Agenda Introdução MPS.BR MR-MPS Detalhando o MPS.BR nível G Introdução

Leia mais

Estudo de Caso da Implantação do Nível G do MPS.BR em Uma Empresa

Estudo de Caso da Implantação do Nível G do MPS.BR em Uma Empresa Estudo de Caso da Implantação do Nível G do MPS.BR em Uma Empresa Dayana Henriques Fonseca 1, Frederico Miranda Coelho 1 1 Departamento de Ciência da Computação Universidade Presidente Antônio Carlos (UNIPAC)

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE MATEMÁTICA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO MATA62 - Engenharia de Software I Comparação entre Ferramentas de Gerência de Projeto Salvador 2009.1 MATA62

Leia mais

Qualidade, Processos e Gestão de Software Professores: Alexandre Vasconcelos e Hermano Moura. O Modelo. Wesley Torres Galindo. wesleygalindo@gmail.

Qualidade, Processos e Gestão de Software Professores: Alexandre Vasconcelos e Hermano Moura. O Modelo. Wesley Torres Galindo. wesleygalindo@gmail. Qualidade, Processos e Gestão de Software Professores: Alexandre Vasconcelos e Hermano Moura O Modelo Wesley Torres Galindo wesleygalindo@gmail.com Agenda O que é? Motivação Organização do MPS.BR Estrutura

Leia mais

Políticas de Qualidade em TI

Políticas de Qualidade em TI Políticas de Qualidade em TI Prof. www.edilms.eti.br edilms@yahoo.com Aula 03 CMMI Capability Maturity Model Integration Parte II Agenda sumária dos Processos em suas categorias e níveis de maturidade

Leia mais

Definição do Framework de Execução de Processos Spider-PE

Definição do Framework de Execução de Processos Spider-PE Definição do Framework de Execução de Processos Spider-PE 1. INTRODUÇÃO 1.1 Finalidade Este documento define um framework de execução de processos de software, denominado Spider-PE (Process Enactment),

Leia mais

O Modelo Processo de Software Brasileiro MPS-Br

O Modelo Processo de Software Brasileiro MPS-Br O Modelo Processo de Software Brasileiro MPS-Br Prof. Pasteur Ottoni de Miranda Junior Disponível em www.pasteurjr.blogspot.com 1-Estrutura do MPS-Br ( Softex, 2009) O MPS.BR1 é um programa mobilizador,

Leia mais

Universidade Paulista

Universidade Paulista Universidade Paulista Ciência da Computação Sistemas de Informação Gestão da Qualidade Principais pontos da NBR ISO/IEC 12207 - Tecnologia da Informação Processos de ciclo de vida de software Sergio Petersen

Leia mais

Padrões de Qualidade de Software

Padrões de Qualidade de Software Universidade Federal do Vale do São Francisco Padrões de Qualidade de Software Engenharia de Software I Aula 4 Ricardo Argenton Ramos Agenda da Aula Introdução (Qualidade de Software) Padrões de Qualidade

Leia mais

Reutilização no MPS.BR e no projeto Cooperativa MPS.BR SOFTSUL. Porto Alegre, Agosto de 2008. Sumário

Reutilização no MPS.BR e no projeto Cooperativa MPS.BR SOFTSUL. Porto Alegre, Agosto de 2008. Sumário Reutilização no MPS.BR e no projeto Cooperativa MPS.BR SOFTSUL Porto Alegre, Agosto de 2008. Sumário Apresentação Programa MPS.BR Reutilização no MPS.BR Gerência de reutilização Desenvolvimento para reutilização

Leia mais

Políticas de Qualidade em TI

Políticas de Qualidade em TI Políticas de Qualidade em TI Prof. www.edilms.eti.br edilms@yahoo.com Aula 03 CMMI Capability Maturity Model Integration Parte I Agenda Processos CMMI Definição Histórico Objetivos Características Representações

Leia mais

Qualidade de Software MPS.BR - Questões CESPE (2010 a 2013)

Qualidade de Software MPS.BR - Questões CESPE (2010 a 2013) Qualidade de Software MPS.BR - Questões CESPE (2010 a 2013) Professor Gledson Pompeu gledson.pompeu@gmail.com Acesse nosso site em WWW.DOMINANDOTI.COM.BR Versões atualizadas de notas de aula e listas de

Leia mais

Processo de Software

Processo de Software Processo de Software Uma importante contribuição da área de pesquisa de processo de software tem sido a conscientização de que o desenvolvimento de software é um processo complexo. Pesquisadores e profissionais

Leia mais

CMMI. B) descrições das atividades consideradas importantes para o atendimento de suas respectivas metas específicas. Governo do ES (CESPE 2009)

CMMI. B) descrições das atividades consideradas importantes para o atendimento de suas respectivas metas específicas. Governo do ES (CESPE 2009) CMMI Governo do ES (CESPE 2009) Na versão 1.2 do CMMI, 111 os níveis de capacidade são definidos na abordagem de estágios. 112 os níveis de maturidade são definidos na abordagem contínua. 113 existem seis

Leia mais

UMA ABORDAGEM SOBRE OS PADRÕES DE QUALIDADE DE SOFTWARE COM ÊNFASE EM SISTEMAS PARA WEB

UMA ABORDAGEM SOBRE OS PADRÕES DE QUALIDADE DE SOFTWARE COM ÊNFASE EM SISTEMAS PARA WEB UMA ABORDAGEM SOBRE OS PADRÕES DE QUALIDADE DE SOFTWARE COM ÊNFASE EM SISTEMAS PARA WEB Alan Francisco de Souza¹, Claudete Werner¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil alanfsouza.afs@gmail.com,

Leia mais

MPS.BR Melhoria de Processo do Software Brasileiro

MPS.BR Melhoria de Processo do Software Brasileiro Melhoria de Processo do Software Brasileiro (MPS.BR) SUMÁRIO 1. Introdução 2. Implantação do Programa MPS.BR: 2004 2007 3. Consolidação do Programa MPS.BR: 20082010 4. Conclusão Kival Weber Coordenador

Leia mais

Melhoria do Processo de Software MPS-BR

Melhoria do Processo de Software MPS-BR Melhoria do Processo de Software MPS-BR Fabrício Sousa Pinto fabbricio7@yahoo.com.br O que é Qualidade? O problema da gestão da qualidade não é que as pessoas não sabem a respeito dela. O problema é que

Leia mais

Fatores humanos de qualidade CMM E CMMI

Fatores humanos de qualidade CMM E CMMI Fatores humanos de qualidade CMM E CMMI Eneida Rios¹ ¹http://www.ifbaiano.edu.br eneidarios@eafcatu.gov.br Campus Catu 1 Curso de Análise e Desenvolvimento de Sistemas Conteúdos Fatores humanos de qualidade

Leia mais

Metodologia e Gerenciamento do Projeto na Fábrica de Software v.2

Metodologia e Gerenciamento do Projeto na Fábrica de Software v.2 .:: Universidade Estadual de Maringá Bacharelado em Informática Eng. de Software III :. Sistema de Gerenciamento de Eventos - Equipe 09 EPSI Event Programming System Interface Metodologia e Gerenciamento

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Qualidade de Software André Mesquita Rincon Instituto de Informática/Universidade Federal de Goiás (UFG) Goiânia GO Brasil Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas/Fundação

Leia mais

Uma Implementação do Processo de Garantia da Qualidade usando a Spider-QA, a Spider-CL e o Mantis

Uma Implementação do Processo de Garantia da Qualidade usando a Spider-QA, a Spider-CL e o Mantis Uma Implementação do Processo de Garantia da Qualidade usando a Spider-QA, a Spider-CL e o Mantis Rodrigo Araujo Barbalho 1, Marília Paulo Teles 2, Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira 1,2 1 Faculdade de Computação

Leia mais

Engenharia de Software Questionário sobre Engenharia de Requisitos Resolvido Prof. MSc Wagner Siqueira Cavalcante

Engenharia de Software Questionário sobre Engenharia de Requisitos Resolvido Prof. MSc Wagner Siqueira Cavalcante 1 - Q193183 ( Prova: FCC - 2011 - TRT - 19ª Região (AL) - Analista Judiciário - Tecnologia da Informação / Engenharia de Software / Análise de Requisitos; Engenharia de Requisitos; ) De acordo com Sommerville,

Leia mais

MPS.BR Melhoria de Processo do Software Brasileiro

MPS.BR Melhoria de Processo do Software Brasileiro MPS.BR Melhoria de Processo do Software Brasileiro SUMÁRIO: Introdução: Objetivo e Metas do MPS.BR (Propósito, Subprocessos e Resultados) Resultados Alcançados Dez2003 Set2006 Conclusão: MPS.BR Um Programa

Leia mais

Gerência de Projetos Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo

Gerência de Projetos Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo Gerência de Projetos Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo Laboratório de Tecnologia de Software LTS www.ufpa.br/lts Rede Paraense de Pesquisa em Tecnologias de Informação

Leia mais

VANTAGENS DA APLICAÇÃO DO PROGRAMA DE MELHORIA DE PROCESSO DE SOFTWARE BRASILEIRO MPS.BR NOS AMBIENTES DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

VANTAGENS DA APLICAÇÃO DO PROGRAMA DE MELHORIA DE PROCESSO DE SOFTWARE BRASILEIRO MPS.BR NOS AMBIENTES DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE 1 VANTAGENS DA APLICAÇÃO DO PROGRAMA DE MELHORIA DE PROCESSO DE SOFTWARE BRASILEIRO MPS.BR NOS AMBIENTES DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Elvis Ferreira da Silva* Msc. Marta Alves de Souza** Msc. Helder

Leia mais

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Fonte: http://www.testexpert.com.br/?q=node/669 1 GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Segundo a NBR ISO 9000:2005, qualidade é o grau no qual um conjunto de características

Leia mais

Implantação dos Processos Gerência de Projeto e Medição com Auxílio de Ferramenta Baseada em Planilhas Carlos Simões Claudia Lasmar Gleison Santos

Implantação dos Processos Gerência de Projeto e Medição com Auxílio de Ferramenta Baseada em Planilhas Carlos Simões Claudia Lasmar Gleison Santos Implantação dos Processos Gerência de Projeto e Medição com Auxílio de Ferramenta Baseada em Planilhas Carlos Simões Claudia Lasmar Gleison Santos Agenda: Carlos Simões cs@synapsisbrasil.com.br carlossimoes@cos.ufrj.br

Leia mais

Fundamentos de Teste de Software

Fundamentos de Teste de Software Núcleo de Excelência em Testes de Sistemas Fundamentos de Teste de Software Módulo 2- Teste Estático e Teste Dinâmico Aula 3 Teste Estático SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 1. Definição... 3 2. Custo Versus Benefício...

Leia mais

Definição do Framework

Definição do Framework Definição do Framework 1. Introdução 1.1. Finalidade Este documento tem por finalidade apresentar o mapeamento dos processos de Definição de Processo Organizacional e Avaliação e Melhoria do Processo dos

Leia mais

MPS.BR Melhoria de Processo do Software Brasileiro

MPS.BR Melhoria de Processo do Software Brasileiro l MPS.BR Melhoria de Processo do Software Brasileiro SUMÁRIO 1. Introdução 2. Modelo MPS 3. Programa MPS.BR: Resultados Alcançados (2004-2008) e Resultados Esperados (2004-2010) 4. MPS.BR Lições Aprendidas

Leia mais

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas Aula 1 Ementa Fases do Ciclo de Vida do Desenvolvimento de Software, apresentando como os métodos, ferramentas e procedimentos da engenharia de software, podem

Leia mais

Qualidade de Software Aula 6 / 2010. luis@garcia.pro.br www.garcia.pro.br

Qualidade de Software Aula 6 / 2010. luis@garcia.pro.br www.garcia.pro.br Qualidade de Software Aula 6 / 2010 Prof. Dr. Luís Fernando Garcia luis@garcia.pro.br www.garcia.pro.br Introdução As três dimensões críticas Introdução Começando MAL CMMI Impeditivos CMMI Desculpas CMMI

Leia mais

MPS.BR A EXPERIÊNCIA E OS BENEFÍCIOS EM IMPLANTAR O MODELO NOS NÍVEIS G E F:

MPS.BR A EXPERIÊNCIA E OS BENEFÍCIOS EM IMPLANTAR O MODELO NOS NÍVEIS G E F: MPS.BR A EXPERIÊNCIA E OS BENEFÍCIOS EM IMPLANTAR O MODELO NOS NÍVEIS G E F: um estudo de caso. Rodrigo Pereira Assunção 1 Fabrício Pires Vasconcellos 2 RESUMO: Muitas empresas têm buscado no modelo de

Leia mais

Demais Áreas de Conhecimento do PMBOK

Demais Áreas de Conhecimento do PMBOK Residência em Arquitetura de Software Demais Áreas de Conhecimento do PMBOK Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo Gerência de Desenvolvimento 2008.2 Faculdade de Computação

Leia mais

Dificuldades no desenvolvimento de software Características do mercado de software A participação de Minas Gerais no cenário nacional

Dificuldades no desenvolvimento de software Características do mercado de software A participação de Minas Gerais no cenário nacional Promovendo a Melhoria de Processos e a Qualidade de Software em Minas Gerais Ana Liddy Cenni de Castro Magalhães, Fernando Silva Parreiras, Frederico Faria Comitê Gestor do SPIN-BH Direitos reservados

Leia mais

Processo de garantia da qualidade baseado no modelo MPS.BR. Acadêmico: Anildo Loos Orientador: Everaldo Artur Grahl

Processo de garantia da qualidade baseado no modelo MPS.BR. Acadêmico: Anildo Loos Orientador: Everaldo Artur Grahl Processo de garantia da qualidade baseado no modelo MPS.BR Acadêmico: Anildo Loos Orientador: Everaldo Artur Grahl Roteiro introdução objetivos do trabalho fundamentação teórica desenvolvimento da ferramenta

Leia mais

CMMI Conceitos básicos. CMMI Representações contínua e por estágios. Professor Gledson Pompeu (gledson.pompeu@gmail.com)

CMMI Conceitos básicos. CMMI Representações contínua e por estágios. Professor Gledson Pompeu (gledson.pompeu@gmail.com) CMMI Conceitos básicos 113 CMMI integra as disciplinas de engenharia de sistemas e de engenharia de software em um único framework de melhoria de processos. 114 No tocante às disciplinas de engenharia

Leia mais

MPS.BR - Melhoria de Processo do Software Brasileiro. Guia de Implementação Parte 2: Fundamentação para Implementação do Nível F do MR-MPS-SW:2012

MPS.BR - Melhoria de Processo do Software Brasileiro. Guia de Implementação Parte 2: Fundamentação para Implementação do Nível F do MR-MPS-SW:2012 MPS.BR - Melhoria de Processo do Software Brasileiro Guia de Implementação Parte 2: Fundamentação para Implementação do Nível F do MR-MPS-SW:2012 Este guia contém orientações para a implementação do nível

Leia mais

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Análise dos Requisitos de Software

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Análise dos Requisitos de Software Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE Análise dos Requisitos de Software Prof. Claudinei Dias email: prof.claudinei.dias@gmail.com Roteiro Introdução Tipos de requisitos Atividades Princípios da

Leia mais

CobiT 5. Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? Conhecimento em Tecnologia da Informação

CobiT 5. Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação CobiT 5 Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? 2013 Bridge Consulting All rights reserved Apresentação Sabemos que a Tecnologia da

Leia mais

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMMI E METODOLOGIAS Á G EIS

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMMI E METODOLOGIAS Á G EIS PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMMI E METODOLOGIAS Á G EIS CMMI E METODOLOGIAS ÁGEIS Os métodos de desenvolvimento Ágeis e

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Outubro de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Abordar o domínio Adquirir e Implementar e todos

Leia mais

MPS.BR - Melhoria de Processo do Software Brasileiro. Guia de Implementação Parte 3: Fundamentação para Implementação do Nível E do MR-MPS-SW:2012

MPS.BR - Melhoria de Processo do Software Brasileiro. Guia de Implementação Parte 3: Fundamentação para Implementação do Nível E do MR-MPS-SW:2012 MPS.BR - Melhoria de Processo do Software Brasileiro Guia de Implementação Parte 3: Fundamentação para Implementação do Nível E do MR-MPS-SW:2012 Este guia contém orientações para a implementação do nível

Leia mais

Ambiente de workflow para controle de métricas no processo de desenvolvimento de software

Ambiente de workflow para controle de métricas no processo de desenvolvimento de software Ambiente de workflow para controle de métricas no processo de desenvolvimento de software Gustavo Zanini Kantorski, Marcelo Lopes Kroth Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) 97100-000 Santa Maria

Leia mais

Padrões de Qualidade de Software e Métricas de Software

Padrões de Qualidade de Software e Métricas de Software Universidade Federal do Vale do São Francisco Padrões de Qualidade de Software e Métricas de Software Engenharia de Software I Aula 3 e 4 Ricardo Argenton Ramos Agenda da Aula Introdução (Qualidade de

Leia mais

EProcessos: Um Sistema para Edição de Processos de Software

EProcessos: Um Sistema para Edição de Processos de Software Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP Instituto de Ciencias Exatas e Biologicas - ICEB Departamento de Computação - DECOM EProcessos: Um Sistema para Edição de Processos de Software Aluno: Sávio Geraldo

Leia mais

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1.

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1. ARCO - Associação Recreativa dos Correios Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Versão Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor Página

Leia mais

Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Ciências Agrárias CCA-UFES Departamento de Computação

Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Ciências Agrárias CCA-UFES Departamento de Computação Centro de Ciências Agrárias Departamento de Computação Visão Geral do Processo de Desenvolvimento de Software Introdução à Ciência da Computação Introdução à Ciência da Computação COM06850-2015-II Prof.

Leia mais

Modelos de Qualidade de Produto de Software

Modelos de Qualidade de Produto de Software CBCC Bacharelado em Ciência da Computação CBSI Bacharelado em Sistemas de Informação Modelos de Qualidade de Produto de Software Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo

Leia mais

A ESCOLHA DE SISTEMA PARA AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS. A decisão de automatizar

A ESCOLHA DE SISTEMA PARA AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS. A decisão de automatizar A ESCOLHA DE SISTEMA PARA AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS A decisão de automatizar 1 A decisão de automatizar Deve identificar os seguintes aspectos: Cultura, missão, objetivos da instituição; Características

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Disciplina: Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com marcosmoraisdesousa.blogspot.com Sistemas de informação Engenharia de Software II Gerenciamento de Qualidade CMMI e MPS.BR

Leia mais

Engenharia de Software Processo de Desenvolvimento de Software

Engenharia de Software Processo de Desenvolvimento de Software Engenharia de Software Processo de Desenvolvimento de Software Prof. Edison A. M. Morais prof@edison.eti.br http://www.edison.eti.br Objetivo (1/1) Conceituar PROCESSO E CICLO DE VIDA, identificar e conceituar

Leia mais

Capítulo 1 - Introdução 14

Capítulo 1 - Introdução 14 1 Introdução Em seu livro Pressman [22] define processo de software como um arcabouço para as tarefas que são necessárias para construir software de alta qualidade. Assim, é-se levado a inferir que o sucesso

Leia mais

CERTIFICAÇÃO ISO PARA EMPRESÁRIOS. Um guia fácil para preparar e certificar sua empresa. Ricardo Pereira

CERTIFICAÇÃO ISO PARA EMPRESÁRIOS. Um guia fácil para preparar e certificar sua empresa. Ricardo Pereira CERTIFICAÇÃO ISO PARA EMPRESÁRIOS Um guia fácil para preparar e certificar sua empresa Ricardo Pereira Antes de começar por Ricardo Pereira Trabalhando na Templum Consultoria eu tive a rara oportunidade

Leia mais

Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas. Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi

Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas. Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi Histórico Uso de Metodologias Histórico Uso de Metodologias Era da Pré-Metodologia 1960-1970 Era da Metodologia

Leia mais

Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática

Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática Evandro Polese Alves Ricardo de Almeida Falbo Departamento de Informática - UFES Av. Fernando Ferrari, s/n, Vitória - ES - Brasil

Leia mais

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS PDS - DATASUS Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS Coordenação Geral de Arquitetura e Engenharia Tecnológica Coordenação de Padronização e Qualidade de Software Gerência de Padrões e Software

Leia mais

Importância do GED. Implantação de um Sistema de GED

Importância do GED. Implantação de um Sistema de GED Implantação de um Sistema de GED Gerenciamento Eletrônico de Documentos Importância do GED O GED tem uma importante contribuição na tarefa da gestão eficiente da informação; É a chave para a melhoria da

Leia mais

14 Os principais documentos de um projeto são: o termo de. 15 Elemento integrante do gerenciamento do escopo do projeto,

14 Os principais documentos de um projeto são: o termo de. 15 Elemento integrante do gerenciamento do escopo do projeto, De acordo com o comando a que cada um dos itens de 1 a 70 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

No que se refere a conceitos básicos do gerenciamento de projetos, segundo o PMBoK, julgue os itens a seguir.

No que se refere a conceitos básicos do gerenciamento de projetos, segundo o PMBoK, julgue os itens a seguir. De acordo com o comando a que cada um dos itens de 1 a 70 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

O que é CMMI? Base do CMMI. Melhorando o processo é possível melhorar-mos o software. Gerais. Processo. Produto

O que é CMMI? Base do CMMI. Melhorando o processo é possível melhorar-mos o software. Gerais. Processo. Produto Gerais Processo Produto Propostas NBR ISO 9000:2005 define principios e vocabulário NBR ISO 9001:2000 define exigências para sistema de gerência de qualidade NBR ISO 9004:2000 apresenta linha diretivas

Leia mais

Rede TSQC / SOFTEX Workshop de Aquisição de software Guia de Aquisição MPS.BR

Rede TSQC / SOFTEX Workshop de Aquisição de software Guia de Aquisição MPS.BR Rede TSQC / SOFTEX Workshop de Aquisição de software Guia de Aquisição MPS.BR Danilo Scalet dscalet@yahoo.com.br Editor do Guia de Aquisição 1 2 1 MPS.BR: Desenvolvimento e Aprimoramento do Modelo Realidade

Leia mais

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti e d a id 4 m IN r fo a n m Co co M a n ua l Governança AMIGA Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti Um dos grandes desafios atuais da administração

Leia mais

Introdução Fatores de Qualidade Garantia de Qualidade Rivisões de Software Conclusão. Qualidade. Plácido A. S. Neto 1

Introdução Fatores de Qualidade Garantia de Qualidade Rivisões de Software Conclusão. Qualidade. Plácido A. S. Neto 1 Qualidade Plácido A. S. Neto 1 1 Gerência Educacional de Tecnologia da Informação Centro Federal de Educação Tecnologia do Rio Grande do Norte 2006.1 - Planejamento e Gerência de Projetos Agenda Introdução

Leia mais

Introdução CMMI. Qualidade e Teste de Software CMMI 1

Introdução CMMI. Qualidade e Teste de Software CMMI 1 Introdução CMMI O propósito da qualidade é estabelecer um diferencial competitivo, através de contribuições como redução de defeitos, redução de custos, redução de retrabalho e aumento da produtividade,

Leia mais

Horário: 13:00 às 15:00 horas (hora de Brasília) IDENTIFICAÇÃO DO CANDIDATO INSTRUÇÕES

Horário: 13:00 às 15:00 horas (hora de Brasília) IDENTIFICAÇÃO DO CANDIDATO INSTRUÇÕES P1-MPS.BR - Prova de Introdução ao MPS.BR Data: 21 de maio de 2007 Horário: 13:00 às 15:00 horas (hora de Brasília) Nome: e-mail: Nota: INSTRUÇÕES Você deve responder a todas as questões. O total máximo

Leia mais

ANEXO 6 Critérios e Parâmetros de Pontuação Técnica

ANEXO 6 Critérios e Parâmetros de Pontuação Técnica 449 ANEXO 6 Critérios e Parâmetros de Pontuação Técnica A. Fatores de Pontuação Técnica: Critérios Pontos Peso Pontos Ponderados (A) (B) (C) = (A)x(B) 1. Qualidade 115 1 115 2. Compatibilidade 227 681.

Leia mais

Modelo de Qualidade CMMI

Modelo de Qualidade CMMI Modelo de Qualidade CMMI João Machado Tarcísio de Paula UFF - Campus Rio das Ostras Resumo Este trabalho tem como objetivo explicar de forma simples o que é e como funciona o modelo de qualidade CMMI,

Leia mais

A Disciplina Gerência de Projetos

A Disciplina Gerência de Projetos A Disciplina Gerência de Projetos Atividades, Artefatos e Responsabilidades hermano@cin.ufpe.br Objetivos Apresentar atividades da disciplina Gerência de Projetos Discutir os artefatos e responsáveis envolvidos

Leia mais

Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo de Maturidade Prado-MMGP

Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo de Maturidade Prado-MMGP DARCI PRADO Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo de Maturidade Prado-MMGP Versão 2.0.0 Janeiro 2014 Extraído do Livro "Maturidade em Gerenciamento de Projetos" 3ª Edição (a publicar)

Leia mais

Conteúdo. Disciplina: INF 02810 Engenharia de Software. Monalessa Perini Barcellos

Conteúdo. Disciplina: INF 02810 Engenharia de Software. Monalessa Perini Barcellos Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Informática Disciplina: INF 02810 Prof.: (monalessa@inf.ufes.br) Conteúdo 1. Introdução 2. Processo de Software 3. Gerência de

Leia mais

MPS.BR: Melhoria de Processo do Software Brasileiro e dos Resultados de Desempenho

MPS.BR: Melhoria de Processo do Software Brasileiro e dos Resultados de Desempenho l MPS.BR: Melhoria de Processo do Software Brasileiro e dos Resultados de Desempenho SUMÁRIO 1. Introdução Programa MPS.BR e Modelo MPS 2. Programa MPS.BR Resultados Esperados, Resultados Alcançados e

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais

Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento

Leia mais

Programa MPS.BR e Modelo MPS: Contribuições para a Evolução da Qualidade de Software no Brasil

Programa MPS.BR e Modelo MPS: Contribuições para a Evolução da Qualidade de Software no Brasil l Programa MPS.BR e Modelo MPS: Contribuições para a Evolução da Qualidade de Software no Brasil SUMÁRIO 1. Introdução: Programa MPS.BR e Modelo MPS 2. Programa MPS.BR: Resultados Esperados, Resultados

Leia mais

Engenharia de Software Qualidade de Software

Engenharia de Software Qualidade de Software Engenharia de Software Qualidade de Software O termo qualidade assumiu diferentes significados, em engenharia de software, tem o significado de está em conformidade com os requisitos explícitos e implícitos

Leia mais