Aplicando Avaliações de Contextualização em Processos de Software Alinhados ao nível F do MR-MPS V1.2

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Aplicando Avaliações de Contextualização em Processos de Software Alinhados ao nível F do MR-MPS V1.2"

Transcrição

1 Aplicando Avaliações de Contextualização em Processos de Software Alinhados ao nível F do MR-MPS V1.2 Marcello Thiry 1 2, Christiane Gresse von Wangenheim 1 2, Alessandra Zoucas (II-MPS.BR) Incremental Tecnologia em Informática Ltda. Caixa Postal 7009 CEP Florianópolis, SC Brasil 2 Universidade do Vale do Itajaí (UNIVALI ) Centro de Educação São José São José SC Brazil {marcello.thiry, gresse, Resumo. o contexto do projeto Avaliação dos Processos de Software em Micro e Pequenas Empresas para Melhoria da Qualidade e Produtividade do Software - financiado pela FAPESC, foram realizadas em 2008, três avaliações de contextualização (overview assessment) em empresas desenvolvedoras de software. Já no contexto de outros projetos, incluindo o Cooperado MPS.BR ACATE, mais quatro avaliações de contextualização foram realizadas em 2007/2008 em outras empresas desenvolvedoras de software. O objetivo destas avaliações foi identificar de maneira geral a situação atual do processo de software destas organizações em relação ao nível F de maturidade do MPS.BR. este trabalho, é apresentado o método utilizado para efetuar estas avaliações, o resultado obtido incluindo custos e benefícios, com sua aplicação em sete empresas na Grande Florianópolis, sendo 5 destas empresas associadas à ACATE. 1. Introdução Atualmente, o setor de software brasileiro é marcado pela grande presença de micro e pequenas empresas (MPEs), sendo que em 2005, estas eram mais de 80% do total. Em Santa Catarina, pode-se observar alguns pólos neste setor, como é o caso da Grande Florianópolis, e das cidades de Joinville e Blumenau. Apesar de sua importância para a economia nacional, as MPEs sofrem diversas dificuldades devido à informalidade de seus processos e à escassez de recursos, tanto financeiros como humanos, prejudicando-as em relação à competitividade e produtividade, comprometendo sobremaneira o seu desenvolvimento, a qualidade de seus produtos e até mesmo sua sobrevivência. Estas dificuldades são passíveis de serem aplicadas à área de gestão organizacional e organização do processo de produção de software. Neste contexto, a qualidade do software e de seu processo produtivo são de essencial importância para a competitividade de uma organização no mercado. Assim, identificar áreas problemáticas e estabelecer, sistematicamente, ações de melhoria, são atividades vitais para o sucesso de uma empresa em longo prazo. Como a melhoria da qualidade do produto final é tipicamente atingida pela garantia da qualidade do próprio processo produtivo [Maldonado, 2001] em geral, o primeiro passo de um programa de melhoria de processo de software é analisar a situação atual destes processos alinhado a algum modelo ou norma de melhoria de processos de software. Esta análise, no caso de um programa de melhoria pode ser realizada a partir de seções de avaliação de contextualização (overview assessment) em processo de software [Järvinen 2000]. Modelos como o CMMI-DEV [SEI,

2 2006] e normas como a ISO15504 [ ] são, normalmente, desenvolvidos no contexto de grandes empresas e sua aplicação efetiva para MPEs torna-se quase impossível pela falta de possibilidades de se investir os recursos necessários para adaptação da tecnologia. Portanto, é importante definir como adaptar estes modelos para melhorar o processo de software em MPEs. Uma proposta que visa atender esta demanda é o modelo MPS.BR [SOFTEX, 2007]. O objetivo do Projeto Cooperado MPS.BR ACATE (Associação Catarinense das Empresas de Tecnologia) foi de implementar um programa de melhoria de processos de software alinhado ao modelo MPS.BR em grupo de empresas associadas à ACATE. Já o projeto Avaliação dos Processos de Software em Micro e Pequenas Empresas para Melhoria da Qualidade e Produtividade do Software teve como objetivo prover recursos para o desenvolvimento e aplicação de uma técnica de avaliação de contextualização alinhada ao nível F modelo MPS.BR. É esperado que esta técnica seja adaptada para MPEs, e às suas características e limitações específicas, além da transferência de tecnologia para empresas associadas à ACATE. Estes projetos também visam a melhoria dos processos de software das organizações envolvidas com os projetos, bem como atingir padrões internacionais de qualidade e produtividade e vantagens competitivas para este tipo de empresas nos mercados internos e externos. O objetivo deste artigo é descrever os resultados obtidos com a aplicação de um método de avaliação de contextualização que foi adaptado para atender aos processos do nível F dom modelo MPS.BR Abordagem de avaliação originalmente descrito em (GRESSE VON WANGENHEIM, 2005). 2. Avaliações de Contextualização As avaliações de contextualização avaliam brevemente o processo de software como um todo e permitem que sejam observados fatores organizacionais relevantes [Järvinen 2000]. Como resultado deste tipo de avaliação se deseja obter a identificação de características importantes da empresa, bem como captar em alto nível seu processo de desenvolvimento de software. É esperado que sejam identificados os processos relevantes e críticos da organização face às metas de negócio e melhoria. Desta forma, pretende-se encontrar o conjunto de processos mais relevantes e os níveis de capacidade que estes devem atingir para alcançar as metas de melhoria e contribuir para as metas de negócio da organização. Também devem ser identificados os principais pontos fortes e fracos, além das recomendações de melhoria. Os modelos para a avaliação de contextualização podem ser baseados em vários modelos de referência como, por exemplo, do CMMI-DEV, do modelo exemplar da ISO/IEC ou do MR-MPS [SOFTEX 2007]. A seguir, é brevemente apresentado o processo adotado para esta avaliação. 3. O Processo de Avaliação de Contextualização O processo de avaliação de contextualização desenvolvido é composto por 4 fases principais (figura 1).

3 Figura 1: Visão geral do processo de avaliação de contextualização Planejamento. O trabalho é iniciado com o planejamento das atividades da avaliação de contextualização, o qual envolve o contato da equipe de avaliação com o representante da organização para definir o cronograma, o local e horário da execução da avaliação e da reunião de apresentação dos resultados. Em seguida, os envolvidos são comunicados das datas definidas e a equipe de avaliação prepara os documentos que serão utilizados na condução da avaliação e os armazena em mídia eletrônica e impressos em uma pasta. Coleta de Dados. A fase Coleta de Dados consiste em levantar dados e informações sobre a organização, referentes aos fatores organizacionais e ao processo de software. Inicialmente, o representante da organização preenche um questionário sobre informações gerais da organização, como as características da organização, as suas metas de negócio e de melhoria, o modelo de negócio, os principais projetos/produtos desenvolvidos, ferramentas utilizadas e os problemas conhecidos. Em seguida, o representante da organização encaminha o questionário preenchido para a equipe de avaliação analisar as informações coletadas. Caso a equipe de avaliação tenha alguma dúvida sobre o que o representante da organização informou no questionário, estas são registradas para serem discutidas durante a reunião de execução da avaliação. Na data planejada, o avaliador líder conduz a reunião de execução da avaliação, onde uma apresentação dos objetivos e atividade do processo de avaliação de contextualização é realizada. Esta apresentação visa preparar os envolvidos para fornecer informações válidas apresentando o o quê, porque e como da avaliação. Um acordo é assinado pelos membros da equipe de avaliação junto com o patrocinador para garantir que os dados coletados durante a avaliação de contextualização serão tratados com a confidencialidade apropriada. Em seguida, é realizada uma reunião exclusivamente com o patrocinador e os dirigentes/gerentes da organização para identificar fatores de negócio, considerando os principais objetivos de negócio, oportunidades e ameaças do negócio e metas de melhoria. Por meio de entrevista(s) com gerente(s) e com a equipe técnica da unidade organizacional que está sendo avaliada é identificado uma visão geral do processo de software atual, de forma ampla (envolvendo mais de um modelo, incluindo os processos de engenharia e outros adicionais que complementam as características usuais de empresas de software) e em alto-nível. Para captar esta visão com foco principalmente no nível F de maturidade do MPS.BR, foi definido um modelo de avaliação baseado no MA-MPS e em conformidade com a norma ISO/IEC e integrando com o modelo de referência do CMMI-DEV (Tabela 1). Tabela 1. Áreas de Processos incluídos no modelo de avaliação MPS.BR CMMI-DEV ISO/IEC :2004 [ISO ]

4 GPR Gerência de Projetos RD Requisitos SPL.3 Suporte à Aceitação do Produto GRE Gerência de Requisitos TS Solução Técnica ENG.12 Manutenção de Software e Sistema GQA Garantia da Qualidade VER Verificação OPE. 2 Suporte ao Cliente GCO Gerência de Configuração VAL Validação SUP.1 Fornecimento AQU Aquisição ITP Integração do Produto SUP. 7 Documentação MED Medição ISP Instalação de Software MAN 4. Gerência de Qualidade LIP Liberação de Software RIN. 4 Infra-estrutura REU.1 Gerência de Ativos (Assets) REU. 3 Engenharia de Domínio Como o objetivo é identificar os processos críticos em relação às metas de negócio e de melhoria, é considerado apenas o nível 1 de capacidade de processo, ou no âmbito do MPS.BR, RAP 1 (Resultado de Atributo de Processo 1). Um formulário é utilizado para organizar e registrar os dados capturados durante as entrevistas sobre os processos de desenvolvim software atual (Figura 2). O formulário contém os resultados esperados de cada um dos processos do nível F de maturidade do MPS.BR. Este formulário permite identificar os resultados esperados que estão presentes, mesmo que parcialmente, ou não estão presentes nos processos de desenvolvim software atuais. Figura 2. Extrato do Formulário de Entrevista. Análise de Dados. Nesta fase da avaliação de contextualização a equipe de avaliação se reúne internamente para analisar os dados coletados na fase anterior. A avaliação é iniciada com a consolidação das informações consideradas relevantes sobre alguns aspectos da organização como, por exemplo, suas características, metas, principais produtos e/ou serviços, ferramentas utilizadas etc. Em seguida também é documentada, com base nos dados coletados, uma representação em alto nível dos processos atuais no formato de um diagrama. Na seqüência é identificado um perfil alvo que propõe um conjunto de processos importantes para a organização com a indicação de seus respectivos níveis de capacidade. A elaboração deste perfil é baseada no método MARES (GRESSE VON WANGENHEIM, 2004) e considera as metas de negócio da organização (vide figura 3). Os processos utilizados para elaborar o perfil foram selecionados a partir dos modelos MPS.BR e CMMI e da norma ISO/IEC Embora o foco desta avaliação tenha sido o nível F, foram considerados os processos de engenharia usualmente executados pelas empresas de desenvolvim software. Também foram utilizados processos adicionais que caracterizam este tipo de empresa como suporte ao cliente e manutenção.

5 As atividades de análise dos dados continuam com a identificação dos principais pontos fortes e fracos no processo de da organização. Esta fase é finalizada com a identificação de oportunidades para melhoria, definição de um escopo e estratégia de melhoria de forma geral. Nesta fase a equipe de avaliação gera um relatório técnico contendo os resultados da análise dos dados coletados na fase anterior. Figura 3. Exemplo de um perfil alvo de processo de software. Validação e Apresentação dos Resultados. O relatório técnico elaborado na fase anterior é apresentado para os envolvidos na organização validarem os resultados da avaliação. As observações feitas pelos envolvidos na organização a respeito do conteúdo do relatório em relação à consistência, completude, corretude, não-ambigüidade e omissões, são registrados e ações de melhoria são discutidas. Posteriormente o registro destas observações são utilizadas para gerar na versão final do relatório que é entregue ao patrocinador da avaliação. Controle. Para melhorar continuamente o método de avaliação de contextualização, a execução de cada uma de suas quatro fases são monitoradas e controladas em termos de esforço e duração/prazos. Ao término das atividades, um questionário de satisfação é encaminhado para o patrocinador e desta forma, se obtêm um feedback do mesmo a respeito das atividades e resultados da avaliação de contextualização. Além disto, as experiências adquiridas na realização da avaliação de contextualização são discutidas entre os membros da equipe de avaliação e lições aprendidas são consolidadas. 4. Execução dos projetos Todas as avaliações foram executadas em organizações na Grande Florianópolis e tiveram como objetivo conhecer a atual situação do processo de software das organizações envolvidas, visando o início de um programa de melhoria. Estas avaliações foram executadas pela equipe do LQPS (Laboratório de Qualidade e Produtividade de Software) da UNIVALI/São José em Cooperação com a II-MPS.BR Incremental Tecnologia no período de abril de 2007 a julho de O tamanho da equipe de avaliadores variou de dois a seis avaliadores. Este número elevado de avaliadores em algumas das avaliações ocorreu por motivo de treinamento da equipe. Por parte das organizações, participaram dirigentes, gerentes de projeto, responsáveis pela melhoria e técnicos dos projetos. As organizações que foram avaliadas têm tamanhos, metas e características distintas. A tabela 4 descreve algumas das características das organizações onde foram realizadas as avaliações de contextualização.

6 Tabela 4: Características das organizações. Projeto Cooperado MPS.BR/ACATE Outros Específicos FAPESC 2008 Organização Porte Pequeno Micro Médio Médio Pequeno Micro Médio Fundação Área de atuação sistemas para gestão da informação, gestão do conheciment o e e-learning plataformas eletrônicas embarcadas. Automação do cadastro dos clientes A empresa desenvolve software para Administraçã o escolar sistemas para Coleta e Tratamento de Dados de Energia Sistema de Gerência de Projetos soluções para CRM Sócios Funcionários Principais metas Principais Clientes produtividade Reduzir prazos de desenvolvimento Obter certificação CMMI ML2 Setor comercial e educacional Expandir a faixa no mercado honrar prazos estabelecidos Reduzir tempo de desnvolvimento de sistemas Telecomunic ações, Setor de construção civil, Energia, Comércio produtividade no processo de software satisfação dos clientes a reusabilidade A empresa desenvolve software para uso próprio Reduzir custos satisfação dos clientes Obter Nível G MPS.BR A empresa desenvolve software para uso próprio produtividade no processo de software estimativas e melhorar habilidade de cumprir os prazos estabelecido s a reusabilidade Órgãos governament ais Expandir faixa no mercado produtividade no processo de software a confiabilidade: Mercado empresarial privado Expandir faixa no mercado a funcionalidad es a manutenibilidade Mercado empresarial privado Certificação Não possui Não possui Não possui Não possui Não possui Não possui Não possui Data da Avaliação Abril 2007 Maio 2007 Outubro 2007 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Juho Custo Cada uma das sete avaliações foi executada em 3 dias, não consecutivos, porém com tempo (em horas) diferentes para cada organização avaliada. Não estão sendo considerados neste período o contato inicial, o preenchimento e a análise dos questionários de caracterização. Esta decisão foi tomada por que estas atividades foram executadas em dias que antecederam as atividades realizadas dentro das organizações. O custo coletado sobre as avaliações de contextualização é o esforço (homem/hora) consumido tanto pela equipe de avaliação, quanto pelos envolvidos nas organizações. A Figura 4 mostra o esforço total em cada uma das avaliações e a distribuição do esforço gasto pela equipe de avaliação e pelos envolvidos nas organizações. Analisando a equipe de avaliação, foi percebido que o esforço variou significativamente das micro e pequenas empresas para as empresas de médio porte. Esta diferença pode ser explicada, principalmente, por que nas avaliações das micro e das empresas de pequeno porte a quantidade de envolvidos nas organizações é inferior do que nas médias empresas. Desta forma foi necessária uma maior quantidade de esforço nas entrevistas para coletar os dados, como é mostrado na figura 4. Mesmo assim, considerando o esforço médio da equipe de avaliação de 14 homenshora (nas micro empresas), o esforço médio de aproximadamente de 19 homens-hora (nas empresas de pequeno porte) e de 24 homens-horas (nas empresas de médio porte), são considerados razoáveis e menores que o esforço normalmente gasto em uma avaliação detalhada (focused assessment).

7 Figura 4. Esforço para cada avaliação de contextualização. Observando a distribuição do esforço por fase da avaliação de contextualização, foi possível perceber que a atividade de coleta de dados consome a maior parte do esforço, como pode ser observado na figura 5. Figura 5. Distribuição do esforço por fase da avaliação de contextualização. Isto se explica pelo envolvim um maior número de pessoas (especialmente das organizações) em comparação às outras atividades. Porém, foi observado que isto proporciona uma maior discussão sobre os processos da organização e, conseqüentemente, um melhor entendimento dos processos atuais de desenvolvim software, tanto por parte da equipe de avaliação, quanto dos próprios envolvidos a organização. 5. Benefícios A aplicação das avaliações de contextualização permitiu que fosse obtida uma visão geral dos fatores organizacionais e uma melhor compreensão por parte dos envolvidos na organização do processo de software atual. Também possibilitou a identificação de pontos fortes e fracos e a recomendação de ações de melhoria para o início dos programas de melhoria alinhados com o MPS.BR. A avaliação de contextualização ainda se mostrou um eficiente instrumento para identificar processos inexistentes e/ou incompletos. Praticamente todos os resultados registrados no relatório da avaliação foram confirmados durante a apresentação para os representantes das organizações. Estes resultados incentivaram a discussão sobre ações, escopo e estratégias de melhoria. A avaliação de contextualização não afeta diretamente o processo de software. Portanto, os benefícios apresentados são de natureza qualitativa. Entretanto, mesmo assim, as organizações informaram que consideraram o resultado das avaliações de contextualização interessantes considerando sua rapidez e o baixo custo em comparação com o custo tipicamente necessário para uma avaliação detalhada. 6. Próximos passos Está planejada para o projeto Avaliação dos Processos de Software em Micro e Pequenas Empresas para Melhoria da Qualidade e Produtividade do Software a execução de cinco

8 avaliações aplicando o método de avaliação desenvolvido. Entretanto, até o momento apenas três avaliações foram executadas. Desta forma, até dezembro de 2008, mais duas avaliações de contextualização serão conduzidas no âmbito deste projeto. 7. Conclusão O método de avaliação de contextualização apresenta, através dos resultados de sua aplicação, que pode ser empregado de forma efetiva e eficiente para avaliar processos de software em diferentes tipos de organização. O método permite identificar pontos fortes e fracos e oportunidades de melhoria logo no início de iniciativas de melhoria. Podemos citar como principais vantagens, em comparação com avaliações detalhadas, a sua agilidade, baixo custo e a visão mais ampla como resultado da avaliação. Embora, o método seja limitado a uma visão inicial da organização, não entrando em detalhes sobre cada processo, o exercício de apresentação dos resultados demonstrou efetividade. Mesmo, dentro de um curto espaço de tempo, as organizações conseguiram confirmar os resultados obtidos com cada avaliação. Com base nas primeiras aplicações, a equipe LQPS/UNIVALI São José também está iniciando novas experiências para continuar a validar o método. Agradecimentos Os autores gostariam de agradecer aos órgãos financiadores que viabilizaram a execução destes projetos incluindo a FAPESC, UNIVALI, ACATE e SOFTEX. Também gostariam de agradecer aos representantes das organizações envolvidas no projeto que participaram das avaliações realizadas. Referências ISO/IEC ( ). ISO/IEC 15504: Information Technology Process Assessment. Part 1 to Part 5. ISO/IEC International Standard. Järvinen, J. Measurement based continuous assessment of software engineering process. Technical Research Centre of Finland, ESPOO Maldonado, J.C; Rocha, A.R.C.; Weber, K.C. (2001) Qualidade de software: teoria e prática São Paulo: Prentice Hall. ISBN SOFTWARE ENGENEERING INSTITUTE (SEI) CMMI for Development, Version 1.2, CMMI-DEV v1.2, CMU/SEI 2006-TR-008, Technical Report, Software Engineering Institute, August 2006a, Disponível em: 008.pdf SOFTEX (2007a) MPS.BR - Guia Geral, versão 1.2, Associação para Promoção da Excelência do Software Brasileiro (SOFTEX). Junho, Disponível em: GRESSE VON WAMGENHEIM, C.; Pickler, K. ; Thiry, M. ; Zoucas, A. ; Salviano, C. (2005) Aplicando Avaliações de Contextualização em Processos de Software Alinhados ao CMMI-SE/SW In: VII Simpósio Internacional de Melhoria de Processo de Software, São Paulo. International Organization for Standardization. ISO/IEC 15504: Information Technology Process Assessment. Part 1 to Part 5. ISO/IEC International Standard (in development). GRESSE VON WANGENHEIM, Christiane; ANACLETO, Alessandra; SALVIANO, Clênio F. MARES - A Methodology for Software Process Assessment in Small Software Companies. Technical Report LQPS001.04E, LQPS - Laboratório de Qualidade e Produtividade de Software, UNIVALI, 2004.

Aplicando Avaliações de Contextualização em Processos de Software Alinhados ao nível F do MR-MPS V1.2

Aplicando Avaliações de Contextualização em Processos de Software Alinhados ao nível F do MR-MPS V1.2 Aplicando Avaliações de Contextualização em Processos de Software Alinhados ao nível F do MR-MPS V1.2 IV Workshop de Implementadores W2-MPS.BR 2008 Marcello Thiry marcello.thiry@gmail.com Christiane von

Leia mais

FAPS: Ferramenta para apoiar Avaliações Integradas de Processos de Software

FAPS: Ferramenta para apoiar Avaliações Integradas de Processos de Software FAPS: Ferramenta para apoiar Avaliações Integradas de Processos de Software Marcello Thiry 1 2, Christiane Gresse von Wangenheim 1 2, Alessandra Zoucas 12, Leonardo Reis Tristão 1 1 (II-MPS.BR) Incremental

Leia mais

Aplicando Avaliações de Contextualização em Processos de Software Alinhados ao CMMI-SE/SW

Aplicando Avaliações de Contextualização em Processos de Software Alinhados ao CMMI-SE/SW Aplicando Avaliações de Contextualização em Processos de Software Alinhados ao CMMI-SE/SW Christiane Gresse von Wangenheim 1, Kênia Karim Pickler 1, Marcello Thiry 1, Alessandra Casses Zoucas 1, Clenio

Leia mais

15504MPE - Desenvolvendo um Método para Avaliação de Processos de Software em MPEs Utilizando a ISO/IEC 15504

15504MPE - Desenvolvendo um Método para Avaliação de Processos de Software em MPEs Utilizando a ISO/IEC 15504 15504MPE - Desenvolvendo um Método para Avaliação de Processos de Software em MPEs Utilizando a ISO/IEC 15504 Alessandra Anacleto Christiane Gresse von Wangenheim Rafael Savi Clenio F. Salviano Situação

Leia mais

Propondo um Método de Avaliação de Processo de Software em Micro Empresas Incubadas

Propondo um Método de Avaliação de Processo de Software em Micro Empresas Incubadas Propondo um Método de Avaliação de Processo de Software em Micro Empresas Incubadas Kênia Karim Pickler 1, Christiane Gresse von Wangenheim 1, Clenio Figueiredo Salviano 2 1 Universidade do Vale do Itajaí

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Introdução à Melhoria de Processos de Software baseado no MPS.BR Prof. Maxwell Anderson www.maxwellanderson.com.br Agenda Introdução MPS.BR MR-MPS Detalhando o MPS.BR nível G Introdução

Leia mais

MPS.BR: Melhoria de Processo do Software Brasileiro e dos Resultados de Desempenho

MPS.BR: Melhoria de Processo do Software Brasileiro e dos Resultados de Desempenho l MPS.BR: Melhoria de Processo do Software Brasileiro e dos Resultados de Desempenho SUMÁRIO 1. Introdução Programa MPS.BR e Modelo MPS 2. Programa MPS.BR Resultados Esperados, Resultados Alcançados e

Leia mais

A visão do modelo MPS.BR para Gerência de Projeto - Nível G. por Adriana Silveira de Souza

A visão do modelo MPS.BR para Gerência de Projeto - Nível G. por Adriana Silveira de Souza A visão do modelo MPS.BR para Gerência de Projeto - Nível G por Adriana Silveira de Souza Agenda Visão Geral do MPS.BR Processos e Capacidade de Processo Níveis de Maturidade Atributos de Processo Processo

Leia mais

MPS.BR Melhoria de Processo do Software Brasileiro

MPS.BR Melhoria de Processo do Software Brasileiro l MPS.BR Melhoria de Processo do Software Brasileiro SUMÁRIO 1. Introdução 2. Modelo MPS 3. Programa MPS.BR: Resultados Alcançados (2004-2008) e Resultados Esperados (2004-2010) 4. MPS.BR Lições Aprendidas

Leia mais

Melhoria de Processo de Software baseado no Modelo MPS.BR nível G - Um Estudo de Caso

Melhoria de Processo de Software baseado no Modelo MPS.BR nível G - Um Estudo de Caso Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade em Software PBQP SW Melhoria de Processo de Software baseado no Modelo MPS.BR nível G - Um Estudo de Caso Categoria 2.36: Métodos de Gestão Soltin - Soluções

Leia mais

FAPS: Ferramenta de suporte à avaliação de processos de software alinhada aos modelos CMMI e MPS.BR

FAPS: Ferramenta de suporte à avaliação de processos de software alinhada aos modelos CMMI e MPS.BR FAPS: Ferramenta de suporte à avaliação de processos de software alinhada aos modelos CMMI e MPS.BR PBQP Software - Ciclo 2008 EQPS 2009 Manaus Marcello Thiry marcello.thiry@gmail.com Christiane Gresse

Leia mais

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM M P S. B R : M E L H O R I A D E P R O C E S S O D O S O F T W A R E B R A S I L E I R O A

Leia mais

Reutilização no MPS.BR e no projeto Cooperativa MPS.BR SOFTSUL. Porto Alegre, Agosto de 2008. Sumário

Reutilização no MPS.BR e no projeto Cooperativa MPS.BR SOFTSUL. Porto Alegre, Agosto de 2008. Sumário Reutilização no MPS.BR e no projeto Cooperativa MPS.BR SOFTSUL Porto Alegre, Agosto de 2008. Sumário Apresentação Programa MPS.BR Reutilização no MPS.BR Gerência de reutilização Desenvolvimento para reutilização

Leia mais

FACULDADE SENAC GOIÂNIA

FACULDADE SENAC GOIÂNIA FACULDADE SENAC GOIÂNIA NORMA ISO 12.207 Curso: GTI Matéria: Auditoria e Qualidade de Software Professor: Elias Ferreira Acadêmico: Luan Bueno Almeida Goiânia, 2015 CERTIFICAÇÃO PARA O MERCADO BRASILEIRO

Leia mais

Políticas de Qualidade em TI

Políticas de Qualidade em TI Políticas de Qualidade em TI Aula 05 MPS.BR (ago/12) Melhoria de Processo do Software Brasileiro Prof. www.edilms.eti.br edilms@yahoo.com Agenda Descrição sumária do MPS.BR - Melhoria de Processo do Software

Leia mais

Rumo ao CMMI-SW Nível 2 para micro, pequenas e médias empresas

Rumo ao CMMI-SW Nível 2 para micro, pequenas e médias empresas Rumo ao CMMI-SW Nível 2 para micro, pequenas e médias empresas EQPS Manaus Marcello Thiry marcello.thiry@gmail.com Christiane von Wangenheim gresse@gmail.com Alessandra Casses Zoucas alessandrazoucas@gmail.com

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade IV QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade IV QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade IV QUALIDADE DE SOFTWARE introdução As mudanças que estão ocorrendo nos clientes e nos ambientes de negócios altamente competitivos têm motivado as empresas a modificarem

Leia mais

Avaliação de Processos para Início de Programas de Melhoria em Micro e Pequenas Empresas de Software

Avaliação de Processos para Início de Programas de Melhoria em Micro e Pequenas Empresas de Software Avaliação de Processos para Início de Programas de Melhoria em Micro e Pequenas Empresas de Software Alessandra Anacleto 1, Christiane Gresse von Wangenheim 2 e Clenio F. Salviano 3 1 Universidade Federal

Leia mais

Introdução ao MPS.BR Guia Geral. Prof. Elias Batista Ferreira

Introdução ao MPS.BR Guia Geral. Prof. Elias Batista Ferreira Introdução ao MPS.BR Guia Geral Prof. Elias Batista Ferreira IMPORTANTE Este NÃO é um curso oficial do MPS.BR. Este curso NÃO é apoiado pela Softex. Objetivo deste Curso Descrever os processos e resultados

Leia mais

SIMPROS 2001. Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos

SIMPROS 2001. Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos Adilson Sérgio Nicoletti Blumenau, SC - setembro de 2001 Conteúdo Apresentação

Leia mais

MPS.BR Melhoria de Processo do Software Brasileiro

MPS.BR Melhoria de Processo do Software Brasileiro Melhoria de Processo do Software Brasileiro (MPS.BR) SUMÁRIO 1. Introdução 2. Implantação do Programa MPS.BR: 2004 2007 3. Consolidação do Programa MPS.BR: 20082010 4. Conclusão Kival Weber Coordenador

Leia mais

Resultados alcançados com a Ferramenta Channel em implementação de sucesso da Gerência de Projetos no nível G de maturidade do MR-MPS

Resultados alcançados com a Ferramenta Channel em implementação de sucesso da Gerência de Projetos no nível G de maturidade do MR-MPS Resultados alcançados com a Ferramenta Channel em implementação de sucesso da Gerência de Projetos no nível G de maturidade do MR-MPS Mauricio Fiorese 1, Alessandra Zoucas 2 e Marcello Thiry 2 1 JExperts

Leia mais

CLEVERSONTPP@GMAIL.COM

CLEVERSONTPP@GMAIL.COM UM BREVE DESCRITIVO DO MODELO MPS-BR (MELHORIA DE PROCESSO DE SOFTWARE BRASILEIRO) E SUAS PERSPECTIVAS PARA O FUTURO CLÉVERSON TRAJANO PRÉCOMA PORTES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

Melhoria do Processo de Software MPS-BR

Melhoria do Processo de Software MPS-BR Melhoria do Processo de Software MPS-BR Fabrício Sousa Pinto fabbricio7@yahoo.com.br O que é Qualidade? O problema da gestão da qualidade não é que as pessoas não sabem a respeito dela. O problema é que

Leia mais

Qualidade, Processos e Gestão de Software Professores: Alexandre Vasconcelos e Hermano Moura. O Modelo. Wesley Torres Galindo. wesleygalindo@gmail.

Qualidade, Processos e Gestão de Software Professores: Alexandre Vasconcelos e Hermano Moura. O Modelo. Wesley Torres Galindo. wesleygalindo@gmail. Qualidade, Processos e Gestão de Software Professores: Alexandre Vasconcelos e Hermano Moura O Modelo Wesley Torres Galindo wesleygalindo@gmail.com Agenda O que é? Motivação Organização do MPS.BR Estrutura

Leia mais

Estudo de Caso da Implantação do Nível G do MPS.BR em Uma Empresa

Estudo de Caso da Implantação do Nível G do MPS.BR em Uma Empresa Estudo de Caso da Implantação do Nível G do MPS.BR em Uma Empresa Dayana Henriques Fonseca 1, Frederico Miranda Coelho 1 1 Departamento de Ciência da Computação Universidade Presidente Antônio Carlos (UNIPAC)

Leia mais

Quem Somos CMM/ CMMI. ISO 9000 PNQ ISO 12207 ISO 15504 ITIL Outros modelos. Gestão Sistêmica da. Alinhamento às Diretrizes Organizacionais.

Quem Somos CMM/ CMMI. ISO 9000 PNQ ISO 12207 ISO 15504 ITIL Outros modelos. Gestão Sistêmica da. Alinhamento às Diretrizes Organizacionais. Quem Somos Missão Promover a melhoria e a busca da excelência na gestão organizacional e o aperfeiçoamento contínuo dos processos dos nossos clientes, por meio de modelos e padrões de qualidade adequados

Leia mais

Resultados alcançados com a Ferramenta Channelem implementação de sucesso da Gerência de Projetos no nível G de maturidade do MR-MPS

Resultados alcançados com a Ferramenta Channelem implementação de sucesso da Gerência de Projetos no nível G de maturidade do MR-MPS Resultados alcançados com a Ferramenta Channelem implementação de sucesso da Gerência de Projetos no nível G de maturidade do MR-MPS Mauricio Fiorese 1, Alessandra Zoucas 2,3 e Marcello Thiry 2 1 JExperts

Leia mais

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Especialização em Gerência de Projetos de Software Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br Qualidade de Software 2009 Instituto

Leia mais

Programa MPS.BR: resultados e perspectivas

Programa MPS.BR: resultados e perspectivas Programa MPS.BR: resultados e perspectivas Ana Regina Rocha Programa de Engenharia de Sistemas e Computação Coordenadora da Equipe Técnica do Modelo MPS Uma Organização com bom desempenho gasta 80% de

Leia mais

Programa MPS.BR e Modelo MPS: Contribuições para a Evolução da Qualidade de Software no Brasil

Programa MPS.BR e Modelo MPS: Contribuições para a Evolução da Qualidade de Software no Brasil l Programa MPS.BR e Modelo MPS: Contribuições para a Evolução da Qualidade de Software no Brasil SUMÁRIO 1. Introdução: Programa MPS.BR e Modelo MPS 2. Programa MPS.BR: Resultados Esperados, Resultados

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Qualidade de Software André Mesquita Rincon Instituto de Informática/Universidade Federal de Goiás (UFG) Goiânia GO Brasil Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas/Fundação

Leia mais

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Planejamento e Gerenciamento

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Planejamento e Gerenciamento Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE Planejamento e Gerenciamento Prof. Claudinei Dias email: prof.claudinei.dias@gmail.com Roteiro Introdução; Pessoas, Produto, Processo e Projeto; Gerência de

Leia mais

Programa MPS.BR e Modelo MPS: A Evolução da Qualidade de Software no Brasil

Programa MPS.BR e Modelo MPS: A Evolução da Qualidade de Software no Brasil Programa MPS.BR e Modelo MPS: A Evolução da Qualidade de Software no Brasil 1. Qualidade de Software: motivação para o foco no processo, características dos processos de software e abordagens para melhoria

Leia mais

O Modelo Processo de Software Brasileiro MPS-Br

O Modelo Processo de Software Brasileiro MPS-Br O Modelo Processo de Software Brasileiro MPS-Br Prof. Pasteur Ottoni de Miranda Junior Disponível em www.pasteurjr.blogspot.com 1-Estrutura do MPS-Br ( Softex, 2009) O MPS.BR1 é um programa mobilizador,

Leia mais

Gerência de Projetos Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo

Gerência de Projetos Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo Gerência de Projetos Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo Laboratório de Tecnologia de Software LTS www.ufpa.br/lts Rede Paraense de Pesquisa em Tecnologias de Informação

Leia mais

VANTAGENS DA APLICAÇÃO DO PROGRAMA DE MELHORIA DE PROCESSO DE SOFTWARE BRASILEIRO MPS.BR NOS AMBIENTES DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

VANTAGENS DA APLICAÇÃO DO PROGRAMA DE MELHORIA DE PROCESSO DE SOFTWARE BRASILEIRO MPS.BR NOS AMBIENTES DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE 1 VANTAGENS DA APLICAÇÃO DO PROGRAMA DE MELHORIA DE PROCESSO DE SOFTWARE BRASILEIRO MPS.BR NOS AMBIENTES DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Elvis Ferreira da Silva* Msc. Marta Alves de Souza** Msc. Helder

Leia mais

Avaliação e Melhorias no Processo de Construção de Software

Avaliação e Melhorias no Processo de Construção de Software Avaliação e Melhorias no Processo de Construção de Software Martim Chitto Sisson Centro Tecnológico Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) Florianópolis SC Brasil martim@inf.ufsc.br Abstract. This

Leia mais

Definição do Framework

Definição do Framework Definição do Framework 1. Introdução 1.1. Finalidade Este documento tem por finalidade apresentar o mapeamento dos processos de Definição de Processo Organizacional e Avaliação e Melhoria do Processo dos

Leia mais

Avaliação de Riscos Aplicada à Qualidade em Desenvolvimento de Software

Avaliação de Riscos Aplicada à Qualidade em Desenvolvimento de Software Rafael Espinha, Msc rafael.espinha@primeup.com.br +55 21 9470-9289 Maiores informações: http://www.primeup.com.br riskmanager@primeup.com.br +55 21 2512-6005 Avaliação de Riscos Aplicada à Qualidade em

Leia mais

MPS.BR. O MPS.BR é um programa para Melhoria de Processo do Software Brasileiro. A proposta MPS.BR nasceu com base nos moldes CMMI.

MPS.BR. O MPS.BR é um programa para Melhoria de Processo do Software Brasileiro. A proposta MPS.BR nasceu com base nos moldes CMMI. MPS.BR O MPS.BR é um programa para Melhoria de Processo do Software Brasileiro. A proposta MPS.BR nasceu com base nos moldes CMMI. ISO - 12207 para desenvolvimento de software. ISO - 15504 para avaliação

Leia mais

Aplicação da ISO/IEC TR 15504 na Melhoria do Processo de Desenvolvimento de Software de uma Pequena Empresa

Aplicação da ISO/IEC TR 15504 na Melhoria do Processo de Desenvolvimento de Software de uma Pequena Empresa Aplicação da ISO/IEC TR 15504 na Melhoria do Processo de Desenvolvimento de Software de uma Pequena Empresa Odair Jacinto da Silva 1, Carlos Alberto Borges 1, Clênio Sampaio Salviano 2, Adalberto N. Crespo

Leia mais

Uma Abordagem para a Modelagem Colaborativa de Processos de Software em Micro e Pequenas Empresas

Uma Abordagem para a Modelagem Colaborativa de Processos de Software em Micro e Pequenas Empresas Uma Abordagem para a Modelagem Colaborativa de Processos de Software em Micro e Pequenas Empresas Marcello Thiry 1, Christiane Gresse von Wangenheim 1, Alesandra Zoucas 1, Kênia Pickler 1 1 Laboratório

Leia mais

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Análise dos Requisitos de Software

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Análise dos Requisitos de Software Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE Análise dos Requisitos de Software Prof. Claudinei Dias email: prof.claudinei.dias@gmail.com Roteiro Introdução Tipos de requisitos Atividades Princípios da

Leia mais

MPS.BR Melhoria de Processo do Software Brasileiro

MPS.BR Melhoria de Processo do Software Brasileiro MPS.BR Melhoria de Processo do Software Brasileiro SUMÁRIO: Introdução: Objetivo e Metas do MPS.BR (Propósito, Subprocessos e Resultados) Resultados Alcançados Dez2003 Set2006 Conclusão: MPS.BR Um Programa

Leia mais

Processo de Software

Processo de Software Processo de Software Uma importante contribuição da área de pesquisa de processo de software tem sido a conscientização de que o desenvolvimento de software é um processo complexo. Pesquisadores e profissionais

Leia mais

Método para aplicação de modelos de melhoria e avaliação do processo de desenvolvimento de software em sistemas críticos de segurança.

Método para aplicação de modelos de melhoria e avaliação do processo de desenvolvimento de software em sistemas críticos de segurança. Método para aplicação de modelos de melhoria e avaliação do processo de desenvolvimento de software em sistemas críticos de segurança. Eng. Christian Becker Bueno de Abreu Prof. Dr. Paulo Sérgio Cugnasca

Leia mais

Implantação do Processo Aquisição na Synapsis Brasil. Carlos Simões Ana Regina Rocha Gleison Santos

Implantação do Processo Aquisição na Synapsis Brasil. Carlos Simões Ana Regina Rocha Gleison Santos Implantação do Processo Aquisição na Synapsis Brasil Carlos Simões Ana Regina Rocha Gleison Santos Data: 20/10/2009 Agenda Empresa Problema Alternativas Implementação Forma de contratação Processo Aquisição

Leia mais

Qualidade de. Software. Definições. Qualidade do Produto ISO 9126. Processo de. Software. Modelo de Processo de. Software CMM SPICE ISO 12207

Qualidade de. Software. Definições. Qualidade do Produto ISO 9126. Processo de. Software. Modelo de Processo de. Software CMM SPICE ISO 12207 Qualidade de : Visão Geral ISO 12207: Estrutura s Fundamentais Aquisição Fornecimento s de Apoio Documentação Garantia de Qualidade Operação Desenvolvimento Manutenção Verificação Validação Revisão Conjunta

Leia mais

Políticas de Qualidade em TI

Políticas de Qualidade em TI Políticas de Qualidade em TI Prof. www.edilms.eti.br edilms@yahoo.com Aula 03 CMMI Capability Maturity Model Integration Parte II Agenda sumária dos Processos em suas categorias e níveis de maturidade

Leia mais

Qualidade de Processo de Desenvolvimento de Software

Qualidade de Processo de Desenvolvimento de Software Qualidade de Processo de Desenvolvimento de Software DAS 5316 Integração de Sistemas Corporativos DAS 5316 Integração de Sistemas Corporativos Prof. Ricardo J. Rabelo Conteúdo Introdução & Problemática

Leia mais

Modelo de Qualidade CMMI

Modelo de Qualidade CMMI Modelo de Qualidade CMMI João Machado Tarcísio de Paula UFF - Campus Rio das Ostras Resumo Este trabalho tem como objetivo explicar de forma simples o que é e como funciona o modelo de qualidade CMMI,

Leia mais

Definição de Processos Reutilizáveis para Desenvolvimento de Software com Aquisição

Definição de Processos Reutilizáveis para Desenvolvimento de Software com Aquisição Definição de Processos Reutilizáveis para Desenvolvimento de Software com Aquisição VIII Workshop Anual do MPS (WAMPS 2012) Autores: Fabrício Souto Cardoso (Eletrobras e COPPE/UFRJ) Dr.ª Ana Regina Rocha

Leia mais

Projeto 2.32 Consolidação da Metodologia para Avaliação de Processos de Software de MPEs Baseada na Norma ISO/IEC 15504 (SPICE)

Projeto 2.32 Consolidação da Metodologia para Avaliação de Processos de Software de MPEs Baseada na Norma ISO/IEC 15504 (SPICE) Programa Brasileiro de EQPS, Campinas, SP Qualidade e Produtividade 16 e 17 de Setembro de 2004 Projeto 2.32 Consolidação da Metodologia para Avaliação de Processos de Software de MPEs Baseada na Norma

Leia mais

Padrões de Qualidade de Software e Métricas de Software

Padrões de Qualidade de Software e Métricas de Software Universidade Federal do Vale do São Francisco Padrões de Qualidade de Software e Métricas de Software Engenharia de Software I Aula 3 e 4 Ricardo Argenton Ramos Agenda da Aula Introdução (Qualidade de

Leia mais

Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Ciências Agrárias CCA-UFES Departamento de Computação

Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Ciências Agrárias CCA-UFES Departamento de Computação Centro de Ciências Agrárias Departamento de Computação Visão Geral do Processo de Desenvolvimento de Software Introdução à Ciência da Computação Introdução à Ciência da Computação COM06850-2015-II Prof.

Leia mais

Processo de Desenvolvimento de Software

Processo de Desenvolvimento de Software Unidade IV Introdução aos Padrões de PDS Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Conteúdo da Unidade 1. CMM / CMMI 2. SPICE 3. ISO 12207 4. MPS/BR CMM - Capability Maturity Model CMM Capability

Leia mais

Um Método de Avaliação de Processos de Software em Micro e Pequenas Empresas

Um Método de Avaliação de Processos de Software em Micro e Pequenas Empresas Um Método de Avaliação de Processos de Software em Micro e Pequenas Empresas Alessandra Anacleto 1, Christiane Gresse von Wangenheim 2, Clenio F. Salviano 3 1 Sociedade Educacional de Santa Catarina (SOCIESC)

Leia mais

MPS.BR A EXPERIÊNCIA E OS BENEFÍCIOS EM IMPLANTAR O MODELO NOS NÍVEIS G E F:

MPS.BR A EXPERIÊNCIA E OS BENEFÍCIOS EM IMPLANTAR O MODELO NOS NÍVEIS G E F: MPS.BR A EXPERIÊNCIA E OS BENEFÍCIOS EM IMPLANTAR O MODELO NOS NÍVEIS G E F: um estudo de caso. Rodrigo Pereira Assunção 1 Fabrício Pires Vasconcellos 2 RESUMO: Muitas empresas têm buscado no modelo de

Leia mais

Sistemas de Informação Empresarial

Sistemas de Informação Empresarial Sistemas de Informação Empresarial Governança de Tecnologia da Informação parte 2 Fonte: Mônica C. Rodrigues Padrões e Gestão de TI ISO,COBIT, ITIL 3 International Organization for Standardization d -

Leia mais

CERTIFICAÇÃO BRASILEIRA DE MELHORIA DE PROCESSO DE SOFTWARE: O MPS.BR

CERTIFICAÇÃO BRASILEIRA DE MELHORIA DE PROCESSO DE SOFTWARE: O MPS.BR CERTIFICAÇÃO BRASILEIRA DE MELHORIA DE PROCESSO DE SOFTWARE: O MPS.BR Leonardo Galvão Daun Universidade Estadual de Maringá leonardo.daun@gmail.com Profª Drª Sandra Ferrari Universidade Estadual de Maringá

Leia mais

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais

Diagnóstico de Processos em Organizações Intensivas em Software Usando um Sistema Especialista

Diagnóstico de Processos em Organizações Intensivas em Software Usando um Sistema Especialista Computer on the Beach 2015 - Artigos Completos 169 Diagnóstico de Processos em Organizações Intensivas em Software Usando um Sistema Especialista Chaiene M. da Silva Minella¹, Marcello Thiry¹, Anita da

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

Método para auxiliar na definição de perfis de capacidade de processo a partir de características organizacionais - PCPM

Método para auxiliar na definição de perfis de capacidade de processo a partir de características organizacionais - PCPM Método para auxiliar na definição de perfis de capacidade de processo a partir de características organizacionais - PCPM Cristiano Schwening SETREM - Sociedade Educacional Três de Maio Av. Santa Rosa,

Leia mais

Padrões de Qualidade de Software

Padrões de Qualidade de Software Universidade Federal do Vale do São Francisco Padrões de Qualidade de Software Engenharia de Software I Aula 4 Ricardo Argenton Ramos Agenda da Aula Introdução (Qualidade de Software) Padrões de Qualidade

Leia mais

PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos

PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos As organizações em torno do mundo estão implantando processos e disciplinas formais

Leia mais

Horário: 13:00 às 15:00 horas (hora de Brasília) IDENTIFICAÇÃO DO CANDIDATO INSTRUÇÕES

Horário: 13:00 às 15:00 horas (hora de Brasília) IDENTIFICAÇÃO DO CANDIDATO INSTRUÇÕES P1-MPS.BR - Prova de Introdução ao MPS.BR Data: 21 de maio de 2007 Horário: 13:00 às 15:00 horas (hora de Brasília) Nome: e-mail: Nota: INSTRUÇÕES Você deve responder a todas as questões. O total máximo

Leia mais

A Experiência na Implantação do Processo de Gerência de Reutilização no Laboratório de Engenharia de Software da COPPE/UFRJ

A Experiência na Implantação do Processo de Gerência de Reutilização no Laboratório de Engenharia de Software da COPPE/UFRJ A Experiência na Implantação do Processo de Gerência de Reutilização no Laboratório de Engenharia de Software da COPPE/UFRJ Reinaldo C. Silva Filho 1, Anne Elise Katsurayama 1, Gleison Santos 1, Leonardo

Leia mais

Definição do Framework de Execução de Processos Spider-PE

Definição do Framework de Execução de Processos Spider-PE Definição do Framework de Execução de Processos Spider-PE 1. INTRODUÇÃO 1.1 Finalidade Este documento define um framework de execução de processos de software, denominado Spider-PE (Process Enactment),

Leia mais

Projeto 2.32, Ciclo 2004

Projeto 2.32, Ciclo 2004 Programa Brasileiro de EQPS, Manaus, AM Qualidade e Produtividade 31 de outubro de 2005 Projeto 2.32, Ciclo 2004 Consolidação de uma Metodologia para Avaliação de Processos de Software (para a melhoria)

Leia mais

Processo de garantia da qualidade baseado no modelo MPS.BR. Acadêmico: Anildo Loos Orientador: Everaldo Artur Grahl

Processo de garantia da qualidade baseado no modelo MPS.BR. Acadêmico: Anildo Loos Orientador: Everaldo Artur Grahl Processo de garantia da qualidade baseado no modelo MPS.BR Acadêmico: Anildo Loos Orientador: Everaldo Artur Grahl Roteiro introdução objetivos do trabalho fundamentação teórica desenvolvimento da ferramenta

Leia mais

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Análise dos Riscos

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Análise dos Riscos Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE Análise dos Riscos Prof. Claudinei Dias email: prof.claudinei.dias@gmail.com Roteiro Introdução Análise dos Riscos Atividades Princípios da Análise Especificação

Leia mais

COBIT Um kit de ferramentas para a excelência na gestão de TI. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com

COBIT Um kit de ferramentas para a excelência na gestão de TI. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com COBIT Um kit de ferramentas para a excelência na gestão de TI Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com Introdução Atualmente, é impossível imaginar uma empresa sem uma forte área de sistemas

Leia mais

Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Desenvolvendo o Plano de Gerenciamento do Projeto. Coletando Requisitos. Declarando

Leia mais

CMMI Conceitos básicos. CMMI Representações contínua e por estágios. Professor Gledson Pompeu (gledson.pompeu@gmail.com)

CMMI Conceitos básicos. CMMI Representações contínua e por estágios. Professor Gledson Pompeu (gledson.pompeu@gmail.com) CMMI Conceitos básicos 113 CMMI integra as disciplinas de engenharia de sistemas e de engenharia de software em um único framework de melhoria de processos. 114 No tocante às disciplinas de engenharia

Leia mais

Gerenciando Riscos no Desenvolvimento de Software

Gerenciando Riscos no Desenvolvimento de Software Rafael Espinha, MSc rafael.espinha@primeup.com.br João Condack, MSc condack@primeup.com.br Maiores informações: http://www.primeup.com.br riskmanager@primeup.com.br +55 21 2512-6005 Gerenciando Riscos

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

Estudo de caso para implantação do modelo MR-MPS-SV

Estudo de caso para implantação do modelo MR-MPS-SV Estudo de caso para implantação do modelo MR-MPS-SV Giovani Hipolito Maroneze 1, Jacques Duílio Branches 1 1 Departamento de Computação Universidade Estadual de Londrina (UEL) Caixa Postal 10.001 86.057-970

Leia mais

MPS.BR - Melhoria de Processo do Software Brasileiro. Guia de Avaliação

MPS.BR - Melhoria de Processo do Software Brasileiro. Guia de Avaliação MPS.BR - Melhoria de Processo do Software Brasileiro Guia de Avaliação (Versão 1.0) Este Guia descreve o processo e o Método de Avaliação MA-MPS, baseado na Norma Internacional ISO/IEC 15504 Maio de 2006

Leia mais

Modelos de Maturidade (CMMI, MPS-BR, PMMM)

Modelos de Maturidade (CMMI, MPS-BR, PMMM) UNEB - UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA - DCET1 COLEGIADO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DISCIPLINA: ENGENHARIA DE SOFTWARE PROFESSOR: EDUARDO JORGE Modelos de Maturidade

Leia mais

GIOVANI HIPOLITO MARONEZE ESTUDO DE CASO CONTENDO IMPLANTAÇÃO DO MODELO MR-MPS-SV (NÍVEL G)

GIOVANI HIPOLITO MARONEZE ESTUDO DE CASO CONTENDO IMPLANTAÇÃO DO MODELO MR-MPS-SV (NÍVEL G) GIOVANI HIPOLITO MARONEZE ESTUDO DE CASO CONTENDO IMPLANTAÇÃO DO MODELO MR-MPS-SV (NÍVEL G) LONDRINA - PR 2014 GIOVANI HIPOLITO MARONEZE ESTUDO DE CASO CONTENDO IMPLANTAÇÃO DO MODELO MR-MPS-SV (NÍVEL G)

Leia mais

MPS.BR - Melhoria de Processo do Software Brasileiro. Guia de Implementação Parte 2: Fundamentação para Implementação do Nível F do MR-MPS-SW:2012

MPS.BR - Melhoria de Processo do Software Brasileiro. Guia de Implementação Parte 2: Fundamentação para Implementação do Nível F do MR-MPS-SW:2012 MPS.BR - Melhoria de Processo do Software Brasileiro Guia de Implementação Parte 2: Fundamentação para Implementação do Nível F do MR-MPS-SW:2012 Este guia contém orientações para a implementação do nível

Leia mais

NÃO RESPONDA AS QUESTÕES QUE VOCÊ NÃO SABE

NÃO RESPONDA AS QUESTÕES QUE VOCÊ NÃO SABE Easy PMP - Preparatório para o Exame de Certificação PMP Simulado Inicial versão 5_22 Prof. André Ricardi, PMP Todos os direitos reservados Registre suas respostas na planilha Easy PMP-Simulado Inicial-5ª

Leia mais

NORMA ISO/IEC 14598. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com

NORMA ISO/IEC 14598. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com NORMA ISO/IEC 14598 Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com Contexto Normas e Modelos de Qualidade Engenharia de Software Qualidade de Software ISO/IEC 14598 - Avaliação da Qualidade de Produto

Leia mais

ABNT NBR ISO/IEC 27002:2005

ABNT NBR ISO/IEC 27002:2005 ABNT NBR ISO/IEC 27002:2005 Código de prática para a gestão da segurança da informação A partir de 2007, a nova edição da ISO/IEC 17799 será incorporada ao novo esquema de numeração como ISO/IEC 27002.

Leia mais

MODELOS DE MELHORES GOVERNANÇA DE T.I. PRÁTICAS DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

MODELOS DE MELHORES GOVERNANÇA DE T.I. PRÁTICAS DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza MODELOS DE MELHORES PRÁTICAS DA GOVERNANÇA DE T.I. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza MELHORES PRÁTICAS PARA T.I. MODELO DE MELHORES PRÁTICAS COBIT Control Objectives for Information

Leia mais

Profa. Celia Corigliano. Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI

Profa. Celia Corigliano. Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI Profa. Celia Corigliano Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI Agenda da disciplina Unidade I Gestão de Projetos Unidade II Ferramentas para Gestão de Projetos Unidade III Gestão de Riscos em TI Unidade

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Atividade 1 Que modelos em gestão de projetos estão sendo adotados como referência nas organizações? Como

Leia mais

APOSTILAS: NORMAS; ABNT NBR ISO; MPS BR

APOSTILAS: NORMAS; ABNT NBR ISO; MPS BR APOSTILAS: NORMAS; ABNT NBR ISO; MPS BR Fonte: http://www.softex.br/mpsbr/_home/default.asp Apostilas disponíveis no site 1 NORMAS: NBR ISO NBR ISO/IEC CMM SPICE Continuação... 2 NORMAS VISÃO GERAL NBR

Leia mais

http://rogerioaraujo.wordpress.com Série Rações Semanais MPS.BR Rogério Araújo

http://rogerioaraujo.wordpress.com Série Rações Semanais MPS.BR Rogério Araújo http://rogerioaraujo.wordpress.com Série Rações Semanais MPS.BR Rogério Araújo http://rogerioaraujo.wordpress.com Série Rações Semanais MPS.BR Rogério Araújo Questões O futuro pertence àqueles que acreditam

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais

Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento

Leia mais

Spider-Appraisal: Uma Ferramenta de Apoio à Avaliação Integrada do MPS.BR e CMMI

Spider-Appraisal: Uma Ferramenta de Apoio à Avaliação Integrada do MPS.BR e CMMI Spider-Appraisal: Uma Ferramenta de Apoio à Avaliação Integrada do MPS.BR e CMMI Jñane Neiva Sampaio de Souza 1, Pedro Afonso Aviz 2, Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira 1,2 1 Programa de Pós-Graduação em

Leia mais

Introdução CMMI. Qualidade e Teste de Software CMMI 1

Introdução CMMI. Qualidade e Teste de Software CMMI 1 Introdução CMMI O propósito da qualidade é estabelecer um diferencial competitivo, através de contribuições como redução de defeitos, redução de custos, redução de retrabalho e aumento da produtividade,

Leia mais

WAMPS 2009. Gestão Integrada da Melhoria de Processos em Organizações de Software. Ana Regina Rocha Marcelo Mello 19/10/2009

WAMPS 2009. Gestão Integrada da Melhoria de Processos em Organizações de Software. Ana Regina Rocha Marcelo Mello 19/10/2009 WAMPS 2009 Gestão Integrada da Melhoria de Processos em Organizações de Software Ana Regina Rocha Marcelo Mello 19/10/2009 Agenda 1. Objetivos 2. Fundamentação Teórica 3. Organização do Projeto 4. Mapeamento

Leia mais

MPS.BR - Melhoria de Processo do Software Brasileiro. Guia de Implementação Parte 3: Fundamentação para Implementação do Nível E do MR-MPS-SW:2012

MPS.BR - Melhoria de Processo do Software Brasileiro. Guia de Implementação Parte 3: Fundamentação para Implementação do Nível E do MR-MPS-SW:2012 MPS.BR - Melhoria de Processo do Software Brasileiro Guia de Implementação Parte 3: Fundamentação para Implementação do Nível E do MR-MPS-SW:2012 Este guia contém orientações para a implementação do nível

Leia mais

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

MUDANÇAS NA ISO 9001: A VERSÃO 2015

MUDANÇAS NA ISO 9001: A VERSÃO 2015 MUDANÇAS NA ISO 9001: A VERSÃO 2015 Está em andamento o processo de revisão da Norma ISO 9001: 2015, que ao ser concluído resultará na mudança mais significativa já efetuada. A chamada família ISO 9000

Leia mais

Gerência de Projetos CMMI & PMBOK

Gerência de Projetos CMMI & PMBOK Gerência de Projetos CMMI & PMBOK Uma abordagem voltada para a qualidade de processos e produtos Prof. Paulo Ricardo B. Betencourt pbetencourt@urisan.tche.br Adaptação do Original de: José Ignácio Jaeger

Leia mais