MPS.BR - Melhoria de Processo do Software Brasileiro. Guia de Avaliação

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MPS.BR - Melhoria de Processo do Software Brasileiro. Guia de Avaliação"

Transcrição

1 MPS.BR - Melhoria de Processo do Software Brasileiro Guia de Avaliação (Versão 1.0) Este Guia descreve o processo e o Método de Avaliação MA-MPS, baseado na Norma Internacional ISO/IEC Maio de 2006 Copyright SOFTEX Direitos desta edição reservados pela Sociedade SOFTEX A distribuição ilimitada desse documento está sujeita a copyright ISBN (solicitado à Biblioteca Nacional)

2 Sumário 1 Prefácio Introdução Objetivo Termos e definições Visão geral do processo de avaliação Descrição do processo de avaliação Subprocesso 1: Contratar a avaliação Subprocesso 2: Preparar para a realização da avaliação Subprocesso 3: Realizar a avaliação Subprocesso 4: Documentar os resultados da avaliação Instituição Avaliadora (IA) Requisitos para o avaliador líder Requisitos para o avaliador adjunto Papéis e responsabilidades Patrocinador da avaliação Instituição Avaliadora (IA) Avaliador líder Avaliador adjunto Equipe de avaliação Instituição Implementadora (II) SOFTEX...51 Referências bibliográficas...52 Lista de colaboradores do Guia de Avaliação...53 MPS.BR-Guia de Avaliação V1.0-Maio/2006 2/53

3 1 Prefácio O MPS.BR 1 é um programa para Melhoria de Processo do Software Brasileiro, está em desenvolvimento desde dezembro de 2003 e é coordenado pela Associação para Promoção da Excelência do Software Brasileiro (SOFTEX), contando com apoio do Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT), Financiadora de Estudos e Projetos (FINEP) e Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID). A coordenação do Programa MPS.BR conta com duas estruturas de apoio para o desenvolvimento de suas atividades: o Fórum de Credenciamento e Controle (FCC) e a Equipe Técnica do Modelo (ETM). Através dessas estruturas, o MPS.BR obtém a participação de representantes de Universidades, Instituições Governamentais, Centros de Pesquisa e de organizações privadas, os quais contribuem com suas visões complementares que agregam qualidade ao empreendimento. O FCC tem como principais objetivos assegurar que as Instituições Implementadoras (II) e Instituições Avaliadoras (IA) sejam submetidas a um processo adequado de credenciamento e que suas atuações não se afastem dos limites éticos e de qualidade esperados, além de avaliar e atuar sobre o controle dos resultados obtidos pelo MPS.BR. Por outro lado, cabe à ETM atuar sobre os aspectos técnicos relacionados ao Modelo de Referência (MR-MPS) e Método de Avaliação (MA-MPS), tais como a concepção e evolução do modelo, elaboração e atualização dos Guias do MPS.BR, preparação de material e definição da forma de treinamento e de aplicação de provas, publicação de Relatórios Técnicos e interação com a comunidade visando a identificação e aplicação de melhores práticas. Portanto, a criação e o aprimoramento deste Guia de Avaliação são atribuições da ETM, sendo que este guia faz parte do seguinte conjunto de documentos de apoio ao MPS.BR: Guia Geral [MPS.BR, 2006a]; Guia de Avaliação; e Guia de Aquisição [MPS.BR, 2006b]. Este Guia de Avaliação descreve o processo e o Método de Avaliação MA-MPS, baseado na Norma Internacional ISO/IEC :2003. Esta versão 1.0 do Guia de Avaliação incorpora, ainda, os resultados das experiências de avaliações piloto realizadas de setembro a dezembro de Introdução O MPS.BR tem como foco, ainda que não exclusivo, atender a micro, pequenas e médias empresas de software brasileiras, com poucos recursos e que necessitam obter melhorias significativas nos seus processos de software. Busca-se que o MR-MPS seja adequado ao perfil de empresas com diferentes tamanhos e características, públicas e privadas, seja compatível com os padrões de 1 MPS.BR, MR-MPS, MA-MPS e MN-MPS são marcas da SOFTEX. MPS.BR-Guia de Avaliação V1.0-Maio/2006 3/53

4 qualidade aceitos internacionalmente e que tenha como pressuposto o aproveitamento de toda a competência existente nos padrões e modelos de melhoria de processo já disponíveis. Dessa forma, o MR-MPS tem como base os requisitos de processos definidos nos modelos de melhoria de processo de software e busca atender à necessidade de implantar os princípios de Engenharia de Software de forma adequada ao contexto das empresas brasileiras, estando em consonância com as principais abordagens internacionais para definição, avaliação e melhoria de processos de software. O MR-MPS define sete níveis de maturidade de processos para organizações que produzem software: A (Em Otimização), B (Gerenciado Quantitativamente), C (Definido), D (Largamente Definido), E (Parcialmente Definido), F (Gerenciado) e G (Parcialmente Gerenciado). Para cada um desses sete níveis de maturidade foram atribuídos processos e atributos de processos que indicam onde a organização tem que colocar esforço para melhoria, de forma a atender os objetivos de negócio e do Modelo de Referência. A estratégia de desenvolvimento e implantação do MPS.BR prevê diversas etapas de disseminação de conhecimento e, entre elas, a elaboração e divulgação de guias de apoio. Assim sendo, fazem parte do MPS.BR o Guia Geral, o Guia de Aquisição e este Guia de Avaliação, que define o processo e o Método de Avaliação MA-MPS. 3 Objetivo Este documento descreve o processo e o Método de Avaliação do MPS.BR definidos em conformidade com a Norma Internacional ISO/IEC :2003 e descritos em detalhes na seção 6. O processo e o Método de Avaliação MA-MPS foram definidos de forma a: permitir a avaliação objetiva dos processos de software de uma organização; permitir a atribuição de um nível de maturidade do MR-MPS com base no resultado da avaliação; ser aplicável a qualquer domínio de aplicação na indústria de software; ser aplicável a organização de qualquer tamanho. Este documento é destinado, mas não está limitado, às Instituições Avaliadoras (IA), às empresas de software que desejam ser avaliadas seguindo o MA-MPS e às Instituições Implementadoras (II) do MR-MPS. 4 Termos e definições Os termos e definições do Guia Geral aplicam-se também a este guia. 5 Visão geral do processo de avaliação O propósito do Método de Avaliação MA-MPS é verificar a maturidade da unidade organizacional na execução de seus processos de software. O processo de avaliação descreve o conjunto de atividades a serem realizadas para atingir este propósito. O processo de avaliação tem início com a seleção de uma Instituição Avaliadora (IA) pelo patrocinador da avaliação e encerra com o registro dessa avaliação na base de dados confidencial da SOFTEX. MPS.BR-Guia de Avaliação V1.0-Maio/2006 4/53

5 O patrocinador pode ser um representante da alta gerência da unidade organizacional a ser avaliada, ou de uma outra organização que solicita a avaliação da unidade organizacional por uma terceira parte para fins de contrato. Para que uma avaliação MPS seja conduzida com sucesso, é necessário: 1. Comprometimento do patrocinador: o comprometimento do patrocinador é essencial para assegurar que os objetivos da avaliação sejam atingidos. Este comprometimento também diz respeito aos recursos necessários, tempo e pessoal disponível para executar a avaliação. 2. Motivação: a atitude da gerência da unidade organizacional tem forte impacto nos resultados de uma avaliação. O responsável pela unidade organizacional deve motivar os participantes de forma aberta e construtiva. Deve, também, deixar claro a todos que a avaliação foca o processo e não o desempenho dos indivíduos que implementam o processo. 3. Fornecimento de feedback: o fornecimento de feedback e o estabelecimento de uma atmosfera que encoraje a discussão aberta sobre os resultados preliminares, durante a avaliação, ajudam a assegurar que a avaliação seja significativa para a unidade organizacional. 4. Confidencialidade: o respeito à confidencialidade das fontes de informação e documentação recolhidas durante a avaliação é essencial para que se obtenha as informações necessárias. Deve-se assegurar total confidencialidade aos participantes, tanto da equipe de avaliação quanto dos entrevistados. Algumas das informações fornecidas podem ser propriedade da organização e esse entendimento é essencial para que as informações sejam manuseadas e distribuídas. Da mesma forma esse entendimento sobre a confidencialidade é essencial para que nenhum entrevistado se sinta ameaçado e todos se expressem livremente. 5. Percepção dos benefícios: os membros da unidade organizacional devem perceber que a avaliação resultará em benefícios que os ajudarão direta ou indiretamente a realizar o seu trabalho. 6. Credibilidade: o patrocinador, o gerente e os colaboradores da unidade organizacional devem acreditar que a avaliação chegará a um resultado representativo da organização. É importante que todas as partes confiem que os avaliadores têm a experiência necessária para realizar a avaliação, são imparciais e têm um entendimento adequado da unidade organizacional. Uma avaliação seguindo o MA-MPS tem validade de 3 (três) anos a contar da data em que a avaliação foi concluída na unidade organizacional avaliada. O processo de avaliação é composto de 4 subprocessos (Figura 1): 1. Contratar a avaliação 2. Preparar para a realização da avaliação 3. Realizar a avaliação 4. Documentar os resultados da avaliação MPS.BR-Guia de Avaliação V1.0-Maio/2006 5/53

6 Como resultado da execução deste processo: são obtidos dados e informações que caracterizam os processos de software da organização; é determinado o grau em que os resultados esperados são alcançados e os processos atingem o seu propósito; é atribuído um nível de maturidade do MR-MPS à organização. Contratar a avaliação OPÇÃO 1/3 1. Selecionar Instituição Avaliadora (IA) 2. Estabelecer contrato OPÇÃO 2/3 1. Contactar SOFTEX 2. Estabelecer contrato Preparar para a realização da avaliação 1. Planejar avaliação 2. Preparar a avaliação 3. Conduzir avaliação inicial 4. Completar preparação da avaliação Realizar a avaliação 1. Conduzir avaliação 2. Avaliar a execução do processo de avaliação Documentar os resultados da avaliação 1. Relatar resultados 2. Registrar resultados Figura 1 - Processo de avaliação Cada subprocesso do processo de avaliação é composto de macroatividades. Cada macroatividade é descrita através das atividades que a compõem. Cada atividade é definida a partir dos seguintes itens (Quadro 1): MPS.BR-Guia de Avaliação V1.0-Maio/2006 6/53

7 Nome da atividade Descrição Pré-atividade Critério de Entrada Critério de Saída Responsável Quadro 1 - Itens para descrição de uma atividade Identifica a atividade através de um nome. Descreve a atividade em detalhes. Atividade que deve ser executada antes da atividade em questão. Critérios necessários de serem atendidos para que a atividade seja iniciada. Critérios necessários de serem atendidos para que a atividade seja considerada finalizada. Quem responde pela execução da atividade. Participantes Produtos Requeridos Produtos Gerados Ferramentas Pós-atividade Quem são os envolvidos na execução da atividade. Relaciona os insumos necessários para executar a atividade. Relaciona os produtos que foram produzidos na execução dessa atividade. Relaciona as ferramentas que devem ser utilizadas para a execução da atividade. Relaciona a atividade que deve ser executada, após esta ser finalizada. Considerações adicionais são fornecidas quando é necessária uma explicação mais detalhada sobre algum aspecto de uma atividade ou macroatividade. 6 Descrição do processo de avaliação Nesta seção cada um dos quatro subprocessos do processo de avaliação é descrito através de seu propósito e de suas macroatividades e atividades. 6.1 Subprocesso 1: Contratar a avaliação Propósito O propósito do subprocesso Contratar a avaliação é estabelecer um contrato para realização de uma avaliação MPS. Este subprocesso é realizado de acordo com uma das 3 opções a seguir: A unidade organizacional estabelece contato com uma ou mais Instituições Avaliadoras (IAs) credenciadas pela SOFTEX, visando a contratação de uma avaliação MPS (Opção 1). A unidade organizacional estabelece contato com a SOFTEX solicitando uma avaliação (Opção 2). Neste caso a SOFTEX pode encaminhar a solicitação a uma Instituição Avaliadora (IA) ou, excepcionalmente, ser a contratada designando avaliadores credenciados para realizar a avaliação de forma independente das Instituições Avaliadoras (IAs). MPS.BR-Guia de Avaliação V1.0-Maio/2006 7/53

8 A solicitação de uma avaliação MPS tem origem em uma outra empresa diferente da unidade organizacional a ser avaliada, que solicita uma avaliação de terceira parte para fins de contrato (Opção 3) Descrição do subprocesso 1 Opção 1: Quando este subprocesso é realizado entre uma unidade organizacional que deseja ser avaliada e uma Instituição Avaliadora (IA), o subprocesso é composto de 2 macroatividades: Selecionar Instituição Avaliadora e Estabelecer contrato. Macroatividade: Selecionar Instituição Avaliadora (IA) O objetivo desta macroatividade é selecionar uma Instituição Avaliadora, dentre as credenciadas pela SOFTEX, para realizar a avaliação de uma determinada unidade organizacional. Consultar site SOFTEX A unidade organizacional que deseja uma avaliação MPS consulta o site SOFTEX, para obter a lista das Instituições Avaliadoras (IA) credenciadas pela SOFTEX, e dentre estas escolhe uma ou mais IAs para solicitar proposta para a realização de uma avaliação MPS. Mesmo que a Instituição Implementadora (II) que apoiou a implementação do MPS na unidade organizacional também seja uma IA, esta não pode realizar a avaliação da unidade organizacional. O mesmo impedimento existe se a unidade organizacional fizer parte de um grupo organizado por uma IOGE (Instituição Organizadora de Grupo de Empresas) e esta for uma IA. Da mesma forma, se a empresa a qual pertence a unidade organizacional a ser avaliada for uma IA, esta também não poderá se auto-avaliar. Pré-atividade: - Uma unidade organizacional ter a decisão de realizar uma avaliação MPS. Potencial(is) Instituição(ões) Avaliadora(s) escolhida(s). Participantes: - - Ferramentas: Patrocinador ou coordenador local. Lista de Instituições Avaliadoras pré-selecionadas. Acesso à Internet. MPS.BR-Guia de Avaliação V1.0-Maio/2006 8/53

9 Contactar Instituição Avaliadora. Pré-atividade: Participantes: - Contactar Instituição Avaliadora (IA) A Unidade organizacional entra em contacto com a(s) Instituição(ões) Avaliadora(s), préselecionada(s) na atividade anterior, para solicitar proposta para realização da avaliação. Consultar site SOFTEX. Ter pré-selecionado uma ou mais Instituições Avaliadoras para solicitação de proposta. Instituição(ões) Avaliadora(s) contactada(s). Patrocinador ou coordenador local. Pedido(s) de proposta 2. Ferramentas: - Lista de Instituições Avaliadoras pré-selecionadas. Elaborar e enviar proposta. Macroatividade: Estabelecer contrato O objetivo desta macroatividade é a formalização do acordo, entre o patrocinador da avaliação na unidade organizacional a ser avaliada e a Instituição Avaliadora (IA), para a realização de uma avaliação MPS. Pré-atividade: Elaborar e enviar proposta Ao receber uma solicitação de proposta a Instituição Avaliadora (IA) designa um avaliador líder e um avaliador adjunto de seus quadros para a realização da avaliação, considerando as competências e disponibilidades, e elabora uma proposta que é encaminhada à unidade organizacional. Contactar Instituição Avaliadora (IA). Uma unidade organizacional ter solicitado uma proposta a uma Instituição Avaliadora (IA). Avaliadores líder e adjunto da IA selecionados para conduzir a avaliação e proposta para realização de uma avaliação MPS elaborada e enviada à unidade organizacional solicitante. 2 O pedido de proposta pode ter diferentes níveis de formalidade (edital, carta convite, , solicitação por telefone) MPS.BR-Guia de Avaliação V1.0-Maio/2006 9/53

10 Coordenador da Instituição Avaliadora (IA). Participantes: - - Proposta para avaliação. Ferramentas: - Selecionar Instituição Avaliadora (IA). Considerações relacionadas à proposta Na proposta da IA à unidade organizacional a ser avaliada deve constar a taxa SOFTEX correspondente à avaliação. Esta taxa deve ser paga diretamente à SOFTEX pela unidade organizacional quando esta aceitar a proposta e assinar o contrato com a IA. Pré-atividade: Participantes: Ferramentas: - Selecionar Instituição Avaliadora (IA) A unidade organizacional seleciona uma Instituição Avaliadora (IA) dentre as que enviaram proposta de acordo com os seus critérios de seleção e divulga o resultado da seleção. Elaborar e enviar proposta. O patrocinador ter recebido propostas de uma ou mais Instituições Avaliadoras (IA). Instituição Avaliadora (IA) selecionada para realizar a avaliação na unidade organizacional. Patrocinador. Coordenador local. Proposta para avaliação. Comunicado à IA selecionada. Formalizar contratação da Instituição Avaliadora (IA). Formalizar contratação da Instituição Avaliadora (IA) O contrato é formalizado com a assinatura da Instituição Avaliadora (IA) e da unidade organizacional. Após a formalização do contrato a Instituição Avaliadora (IA) comunica à SOFTEX que uma avaliação na unidade organizacional está em andamento. MPS.BR-Guia de Avaliação V1.0-Maio/ /53

11 Pré-atividade: Participantes: - Ferramentas: - Selecionar Instituição Avaliadora (IA). Uma Instituição Avaliadora (IA) ter sido selecionada para realizar a avaliação na unidade organizacional. Contrato assinado pela unidade organizacional e pela Instituição Avaliadora (IA) e taxa SOFTEX paga pela unidade organizacional. Patrocinador. Instituição Avaliadora (IA). Contrato. Enviar template SOFTEX do plano de avaliação à unidade organizacional e acordo de confidencialidade (Subprocesso Preparar para a avaliação ). Opção 2: Quando a unidade organizacional que deseja ser avaliada faz contato direto com a SOFTEX, esta pode orientar a unidade organizacional a selecionar e contratar uma IA de acordo com as macro-atividades descritas acima ou, excepcionalmente, pode selecionar avaliadores credenciados e ser ela mesma a contratada. Neste caso, o subprocesso Contratar a avaliação é realizado conforme descrito a seguir: Macroatividade: Contactar SOFTEX Pré-atividade: - Participantes: - - Contactar SOFTEX A unidade organizacional entra em contacto com a SOFTEX, para solicitar proposta para realização de uma avaliação MPS. Uma unidade organizacional desejar uma avaliação MPS e não haver Instituição Avaliadora (IA) credenciada em condição de atendê-la. SOFTEX ter sido contactada por uma unidade organizacional que deseja avaliação MPS e não ser adequado ou possível realizar a avaliação por uma IA. Patrocinador ou coordenador local. MPS.BR-Guia de Avaliação V1.0-Maio/ /53

12 Pedido de proposta 3. Ferramentas: - Elaborar e enviar proposta. Macroatividade: Estabelecer contrato O objetivo desta macroatividade é a formalização do acordo, entre o patrocinador da avaliação na unidade organizacional a ser avaliada e a SOFTEX, para a realização de uma avaliação MPS. Pré-atividade: Participantes: - - Ferramentas: - Elaborar e Enviar proposta Ao receber uma solicitação de proposta, a SOFTEX designa um avaliador líder e um ou mais avaliadores adjuntos para a realização da avaliação, considerando as competências e disponibilidades, e elabora uma proposta que é encaminhada à unidade organizacional. Os avaliadores selecionados não podem ter participado da implementação MPS na unidade organizacional, nem serem vinculados à empresa a qual pertence a unidade organizacional. O mesmo impedimento existe se a unidade organizacional fizer parte de um grupo organizado por uma IOGE (Instituição Organizadora de Grupo de Empresas), os avaliadores selecionados não podem estar vinculados a esta IOGE. Contactar SOFTEX. SOFTEX ter sido contactada por uma unidade organizacional que deseja avaliação MPS e não haver uma IA em condições de atendê-la. Avaliadores líder e adjunto(s) selecionados para conduzir a avaliação e proposta para realização de uma avaliação MPS elaborada e enviada à unidade organizacional solicitante. Coordenador da SOFTEX. Proposta da SOFTEX. Formalizar contratação da SOFTEX. 3 Também neste caso, o pedido de proposta pode ter diferentes níveis de formalidade (edital, carta convite, , solicitação por telefone) MPS.BR-Guia de Avaliação V1.0-Maio/ /53

13 Pré-atividade: Participantes: Ferramentas: - Formalizar contratação da SOFTEX O contrato é formalizado com a assinatura do patrocinador, dando o de acordo na proposta da SOFTEX. Elaborar e Enviar proposta. SOFTEX ter sido escolhida como responsável por uma avaliação MPS. Contratação da SOFTEX e taxa SOFTEX paga pela unidade organizacional. Patrocinador. SOFTEX. Proposta da SOFTEX. Proposta da SOFTEX com o de acordo assinado pelo patrocinador. Enviar template do plano de avaliação à unidade organizacional e acordo de confidencialidade (Subprocesso Preparar para a avaliação ). Opção 3: A solicitação de uma avaliação MPS tem origem em uma outra empresa diferente da unidade organizacional a ser avaliada, que solicita uma avaliação de terceira parte para fins de contrato. Neste caso a empresa que solicita a avaliação pode contactar uma Instituição Avaliadora (IA), seguindo a opção 1, ou contactar a SOFTEX, seguindo a opção Subprocesso 2: Preparar para a realização da avaliação Propósito O propósito do subprocesso Preparar para a realização da avaliação é planejar a avaliação, preparar a documentação necessária para a sua realização e fazer uma avaliação inicial que permita verificar se a unidade organizacional está pronta para a avaliação MPS no nível de maturidade solicitado Descrição do subprocesso 2 Macroatividade: Planejar avaliação O objetivo da macroatividade Planejar avaliação é elaborar o plano de avaliação a ser seguido para se realizar a avaliação na unidade organizacional. MPS.BR-Guia de Avaliação V1.0-Maio/ /53

14 Pré-atividade: Participantes: - Enviar template do plano de avaliação à unidade organizacional e acordo de confidencialidade Enviar o template SOFTEX do plano de avaliação MPS para ser preenchido pela unidade organizacional a ser avaliada e o acordo de confidencialidade assinado pelo avaliador líder e avaliador(es) adjunto(s). Formalizar contratação da Instituição Avaliadora (IA) ou formalizar contratação da SOFTEX. Ter sido assinado um contrato para a avaliação. Template SOFTEX do plano de avaliação e acordo de confidencialidade assinados enviados à unidade organizacional a ser avaliada. Avaliador líder. Template SOFTEX do plano de avaliação, Template SOFTEX do acordo de confidencialidade Ferramentas: - Acordo de confidencialidade. Agendar avaliação inicial. Pré-atividade: Participantes: - - Agendar avaliação inicial A avaliação inicial a ser realizada na unidade organizacional deve ser agendada pelo avaliador líder com a unidade organizacional, através do coordenador local 4. Formalizar contratação da Instituição Avaliadora (IA). Ter sido assinado um contrato para a avaliação. Data da avaliação inicial dos indicadores ter sido marcada. Avaliador líder, coordenador local, patrocinador. 4 A escolha do coordenador local é fundamental para a boa condução da avaliação. A indicação deve ser feita pelo patrocinador da avaliação. O coordenador local trabalha junto com o avaliador líder na confecção do plano de avaliação e é responsável por prover a infra-estrutura necessária para a condução da avaliação. MPS.BR-Guia de Avaliação V1.0-Maio/ /53

15 - Ferramentas: - Preencher plano de avaliação com dados da unidade organizacional. Pré-atividade: Participantes: Ferramentas: Preencher plano de avaliação com dados da unidade organizacional A unidade organizacional preenche sua parte do plano de avaliação, o que inclui: informações sobre a unidade organizacional (nome, ano de fundação, número de colaboradores envolvidos com desenvolvimento e manutenção de software), parâmetros da avaliação (escopo da avaliação, isto é, o maior nível de maturidade MR-MPS solicitado, patrocinador da avaliação, coordenador local e escopo organizacional para a avaliação, exclusões de processos e/ou resultados de processos, os quais por não serem aplicáveis ao negócio da unidade organizacional foram declarados fora do escopo da avaliação, com as devidas justificativas), identificação dos projetos selecionados para avaliação, identificação dos representantes da unidade organizacional na equipe de avaliação, identificação dos colaboradores a serem entrevistados. Enviar template SOFTEX do plano de avaliação à unidade organizacional. Template SOFTEX do plano de avaliação enviado à unidade organizacional. Plano de avaliação ter sido preenchido com os dados da unidade organizacional. Coordenador local. Implementador do MR-MPS. Template SOFTEX do plano de avaliação. Plano de avaliação (preenchido pela unidade organizacional com seus dados). Editor de texto. Rever plano de avaliação e preencher dados da avaliação. MPS.BR-Guia de Avaliação V1.0-Maio/ /53

16 Pré-atividade: Participantes: - Ferramentas: Rever plano de avaliação e preencher dados da avaliação O avaliador líder revê o plano de avaliação preenchido pela unidade organizacional; certificase que os colaboradores da unidade organizacional membros da equipe de avaliação cumprem as condições do Método de Avaliação MA-MPS (descritas nas considerações desta atividade); discute com a mesma ajustes, caso estes sejam necessários; e completa, em comum acordo com a unidade organizacional, a equipe de avaliação (se pertinente). Neste momento deve-se chegar a um acordo sobre processos e/ou resultados de processos a serem excluídos do escopo da avaliação e registrar a decisão no plano de avaliação. Preencher plano de avaliação com dados da unidade organizacional. Plano de avaliação preenchido pela unidade organizacional. Plano de avaliação com dados preenchidos pelo avaliador líder. Avaliador líder. Plano de avaliação (preenchido pela unidade organizacional com seus dados). Plano de avaliação (revisto pelo avaliador líder). Editor de texto. Preencher planilha de indicadores. Considerações relacionadas ao planejamento do cronograma da avaliação Para se planejar o cronograma de uma avaliação deve-se primeiramente estimar: - A duração dos eventos principais como base para se derivar um cronograma adequado; - As horas que devem ser necessárias das pessoas para participarem de uma avaliação; - A quantidade de pessoas que poderão fazer parte da equipe de avaliação; - O número de entrevistas necessárias para cobrir todos os processos; - O número de processos e resultados a serem avaliados; e - O número de projetos a serem avaliados. Uma base para estimar o tempo da avaliação e a composição da equipe sugerida pelo MA-MPS segue a Tabela 1. MPS.BR-Guia de Avaliação V1.0-Maio/ /53

17 Nível de maturidade Tabela 1 Estimativa de tempo de uma avaliação MPS e composição da equipe de avaliação Duração Composição da equipe de avaliação (dias) A 5 Av. líder (1), av. adjunto (1 ou mais), representante unidade organizacional (1 ou mais) Total mínimo de avaliadores: 8. Total máximo de avaliadores: 9 B 5 Av. líder (1), av. adjunto (1 ou mais), representante unidade organizacional (1 ou mais) Total mínimo de avaliadores: 8. Total máximo de avaliadores: 9 C 5 Av. líder (1), av. adjunto (1 ou mais), representante unidade organizacional (1 ou mais) Total mínimo de avaliadores: 6. Total máximo de avaliadores: 7 D 5 Av. líder (1), av. adjunto (1 ou mais), representante unidade organizacional (1 ou mais) Total mínimo de avaliadores: 6. Total máximo de avaliadores: 7 E 4 Av. líder (1), av. adjunto (1 ou mais), representante unidade organizacional (1 ou mais) Total mínimo de avaliadores: 4. Total máximo de avaliadores: 5 F 3 Av. líder (1), av. adjunto (1 ou mais), representante unidade organizacional (1 ou mais) Total mínimo de avaliadores: 4. Total máximo de avaliadores: 5 G 2 Av. líder (1), av. adjunto (1 ou mais), representante unidade organizacional (1) Total mínimo de avaliadores: 3. Total máximo de avaliadores: 4 Considerações relacionadas à equipe de avaliação O avaliador líder deve ajudar a unidade organizacional a criar uma equipe de avaliação adequada, escolhendo as pessoas-chave dentro da organização e fora dela, capazes de realizar uma avaliação MPS. A equipe de avaliação é composta por membros internos e externos à organização, para se garantir que a equipe tenha o conhecimento da unidade organizacional que está sendo avaliada (membros internos) e não ter interesse direto no resultado da avaliação (membros externos). Os membros internos da equipe de avaliação são geralmente responsáveis por conduzir o processo de melhoria na unidade organizacional a ser avaliada e por isso a sua participação é incentivada. Entretanto, nenhum dos membros da equipe deve ser superior hierárquico de quem será entrevistado e não pode ter tido uma participação significativa nos projetos que serão avaliados. Alguns requisitos devem ser considerados na seleção dos membros da equipe avaliação: É obrigatório que tenha assistido ao Curso de Introdução ao MPS.BR (C1-MPS.BR) Deve ter experiência em desenvolvimento de software, preferencialmente em gerência de projetos. Nenhum membro da equipe deve ter forte interesse no resultado da avaliação e nem estar técnica e/ou emocionalmente envolvido com o processo para não ocasionar problemas dentro da equipe e prejudicar a avaliação. A equipe de avaliação é composta por no mínimo três (3) pessoas, incluindo o avaliador líder, e no máximo por oito (8) pessoas, também incluindo o avaliador líder, de acordo com a Tabela 1. MPS.BR-Guia de Avaliação V1.0-Maio/ /53

18 Fazer parte de uma equipe de avaliação é um trabalho de tempo integral e, portanto, os membros da equipe de avaliação não podem agendar outros compromissos para os dias da avaliação inicial e da avaliação final. É responsabilidade do avaliador líder verificar se os requisitos do Método de Avaliação MA-MPS para a composição da equipe estão sendo seguidos. Considerações relacionadas à seleção dos projetos a serem avaliados Uma avaliação MPS considera uma amostra dos projetos da organização que vão, normalmente, de dois (2) até quatro (4) projetos. A seleção dos projetos é crucial para o sucesso da avaliação, pois esses projetos devem ser representativos tanto em termos de processos quanto em termos de negócio da organização. Isso quer dizer que os projetos selecionados devem ser do tipo/categoria dos que normalmente a organização realiza. Para uma avaliação nível G a unidade organizacional deve ter pelo menos um (1) projeto concluído e um (1) em andamento e, para os níveis F e acima, dois (2) projetos concluídos e dois (2) em andamento. Caso necessário podem ser incluídos mais um ou 2 projetos. Estas condições podem ser revistas, desde que o avaliador líder as trate de forma apropriada para não prejudicar a qualidade e a seriedade da avaliação. Considerações relacionadas à seleção das pessoas a serem entrevistadas A seleção das pessoas a serem entrevistadas é realizada ao se elaborar o plano de avaliação e deve estar concluída ao se finalizar a avaliação inicial.. Esta seleção está diretamente relacionada aos processos e projetos que serão avaliados. É possível selecionar pessoas de outros projetos para se aprofundar em uma parte específica da avaliação, entretanto os projetos que serão avaliados devem estar representados em todas as entrevistas. As entrevistas podem ser agendadas para serem conduzidas individualmente ou em grupos. Os grupos representam diferentes partes do ciclo de desenvolvimento e são definidos de acordo com a participação (papel) do indivíduo a ser entrevistado nessas partes. Os grupos são representados por diferentes pessoas que executam o mesmo tipo de trabalho no mesmo projeto ou em diferentes projetos. Exemplos de grupos são: grupo de desenvolvedores, grupo de especificadores de requisitos, grupo de gerentes de projeto, grupo de garantia da qualidade, grupo de teste, grupo de processos. O melhor é conseguir envolver o máximo possível de pessoas dos projetos nas entrevistas. Deve-se cuidar para que, em um grupo, não se tenha nenhum membro que seja superior hierárquico de outros membros do grupo. Representantes da gerência média e sênior que estão relacionados com o processo de desenvolvimento de software também podem ser entrevistados, com o objetivo de se obter uma perspectiva gerencial da organização e oportunidades de melhorias. A critério do avaliador líder, podem ser incluídas na lista de entrevistados outras pessoas da unidade organizacional ou mesmo de fora dela e que tenham participado da execução dos processos. MPS.BR-Guia de Avaliação V1.0-Maio/ /53

MPS.BR - Melhoria de Processo do Software Brasileiro. Guia de Avaliação

MPS.BR - Melhoria de Processo do Software Brasileiro. Guia de Avaliação MPS.BR - Melhoria de Processo do Software Brasileiro Guia de Avaliação Este Guia descreve o Processo e o Método de Avaliação MA-MPS, baseado na Norma Internacional ISO/IEC 15504. VIGÊNCIA: O Guia de Avaliação:2013

Leia mais

APOSTILAS: NORMAS; ABNT NBR ISO; MPS BR

APOSTILAS: NORMAS; ABNT NBR ISO; MPS BR APOSTILAS: NORMAS; ABNT NBR ISO; MPS BR Fonte: http://www.softex.br/mpsbr/_home/default.asp Apostilas disponíveis no site 1 NORMAS: NBR ISO NBR ISO/IEC CMM SPICE Continuação... 2 NORMAS VISÃO GERAL NBR

Leia mais

FACULDADE SENAC GOIÂNIA

FACULDADE SENAC GOIÂNIA FACULDADE SENAC GOIÂNIA NORMA ISO 12.207 Curso: GTI Matéria: Auditoria e Qualidade de Software Professor: Elias Ferreira Acadêmico: Luan Bueno Almeida Goiânia, 2015 CERTIFICAÇÃO PARA O MERCADO BRASILEIRO

Leia mais

Horário: 13:00 às 15:00 horas (hora de Brasília) IDENTIFICAÇÃO DO CANDIDATO INSTRUÇÕES

Horário: 13:00 às 15:00 horas (hora de Brasília) IDENTIFICAÇÃO DO CANDIDATO INSTRUÇÕES P1-MPS.BR - Prova de Introdução ao MPS.BR Data: 21 de maio de 2007 Horário: 13:00 às 15:00 horas (hora de Brasília) Nome: e-mail: Nota: INSTRUÇÕES Você deve responder a todas as questões. O total máximo

Leia mais

Introdução ao MPS.BR Guia Geral. Prof. Elias Batista Ferreira

Introdução ao MPS.BR Guia Geral. Prof. Elias Batista Ferreira Introdução ao MPS.BR Guia Geral Prof. Elias Batista Ferreira IMPORTANTE Este NÃO é um curso oficial do MPS.BR. Este curso NÃO é apoiado pela Softex. Objetivo deste Curso Descrever os processos e resultados

Leia mais

RM 12 DIRETRIZES PARA REALIZAÇÃO DE AVALIAÇÕES 1 OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO 2 REFERÊNCIAS 3 DEFINIÇÕES 4 METODOLOGIA

RM 12 DIRETRIZES PARA REALIZAÇÃO DE AVALIAÇÕES 1 OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO 2 REFERÊNCIAS 3 DEFINIÇÕES 4 METODOLOGIA SUMÁRIO 1 OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO 2 REFERÊNCIAS 3 DEFINIÇÕES 4 METODOLOGIA 1 OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO O presente documento tem como objetivo estabelecer diretrizes e orientações para realização

Leia mais

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9 Página: 1 de 9 1. OBJETIVO Estabelecer sistemática de funcionamento e aplicação das Auditorias Internas da Qualidade, fornecendo diretrizes para instruir, planejar, executar e documentar as mesmas. Este

Leia mais

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Histórico de Revisões Data Versão Descrição 30/04/2010 1.0 Versão Inicial 2 Sumário 1. Introdução... 5 2. Público-alvo... 5 3. Conceitos básicos...

Leia mais

Prova de Conhecimento para Consultores de Implementação MPS.BR INSTRUÇÕES

Prova de Conhecimento para Consultores de Implementação MPS.BR INSTRUÇÕES Implementação MPS.BR 26 de maio de 2008 4 horas de duração e-mail: (DEIXAR EM BRANCO) RESULTADO: Q1 Q2 Q3 Q4 Q5 Q6 Q7 Q8 Q9 Q10 Nota INSTRUÇÕES Para a maioria das questões você tem mais de uma opção e

Leia mais

Qualidade, Processos e Gestão de Software Professores: Alexandre Vasconcelos e Hermano Moura. O Modelo. Wesley Torres Galindo. wesleygalindo@gmail.

Qualidade, Processos e Gestão de Software Professores: Alexandre Vasconcelos e Hermano Moura. O Modelo. Wesley Torres Galindo. wesleygalindo@gmail. Qualidade, Processos e Gestão de Software Professores: Alexandre Vasconcelos e Hermano Moura O Modelo Wesley Torres Galindo wesleygalindo@gmail.com Agenda O que é? Motivação Organização do MPS.BR Estrutura

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

Qualidade de Software MPS.BR - Questões CESPE (2010 a 2013)

Qualidade de Software MPS.BR - Questões CESPE (2010 a 2013) Qualidade de Software MPS.BR - Questões CESPE (2010 a 2013) Professor Gledson Pompeu gledson.pompeu@gmail.com Acesse nosso site em WWW.DOMINANDOTI.COM.BR Versões atualizadas de notas de aula e listas de

Leia mais

Manual de Implantação e Roteiro para Auditoria do Critérios para Auditoria SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA ATUAÇÃO RESPONSÁVEL

Manual de Implantação e Roteiro para Auditoria do Critérios para Auditoria SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA ATUAÇÃO RESPONSÁVEL Manual de Implantação e Roteiro para Auditoria do Critérios para Auditoria SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA ATUAÇÃO RESPONSÁVEL É proibida a reprodução total ou parcial deste documento por quaisquer meios

Leia mais

A visão do modelo MPS.BR para Gerência de Projeto - Nível G. por Adriana Silveira de Souza

A visão do modelo MPS.BR para Gerência de Projeto - Nível G. por Adriana Silveira de Souza A visão do modelo MPS.BR para Gerência de Projeto - Nível G por Adriana Silveira de Souza Agenda Visão Geral do MPS.BR Processos e Capacidade de Processo Níveis de Maturidade Atributos de Processo Processo

Leia mais

Referências internas são os artefatos usados para ajudar na elaboração do PT tais como:

Referências internas são os artefatos usados para ajudar na elaboração do PT tais como: Plano de Teste (resumo do documento) I Introdução Identificador do Plano de Teste Esse campo deve especificar um identificador único para reconhecimento do Plano de Teste. Pode ser inclusive um código

Leia mais

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1.

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1. ARCO - Associação Recreativa dos Correios Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Versão Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor Página

Leia mais

II. FASE DE PLANEJAMENTO define a maturidade do entendimento do escopo e, o desenvolvimento do Plano do Projeto PP.

II. FASE DE PLANEJAMENTO define a maturidade do entendimento do escopo e, o desenvolvimento do Plano do Projeto PP. II. FASE DE PLANEJAMENTO define a maturidade do entendimento do escopo e, o desenvolvimento do Plano do Projeto PP. Nesta fase busca-se o refinamento dos objetivos do projeto e detalhamento do melhor caminho

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PÚBLICA DE FORNECEDORES 007/2015 - ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA

EDITAL DE SELEÇÃO PÚBLICA DE FORNECEDORES 007/2015 - ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA EDITAL DE SELEÇÃO PÚBLICA DE FORNECEDORES 007/2015 - ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA 1. IDENTIFICAÇÃO Coordenação: Profª. Ingrid Eleonora Schreiber Jansch Pôrto Centro de Empreendimentos em Informática da

Leia mais

ACOMPANHAMENTO GERENCIAL SANKHYA

ACOMPANHAMENTO GERENCIAL SANKHYA MANUAL DE VISITA DE ACOMPANHAMENTO GERENCIAL SANKHYA Material exclusivo para uso interno. O QUE LEVA UMA EMPRESA OU GERENTE A INVESTIR EM UM ERP? Implantar um ERP exige tempo, dinheiro e envolve diversos

Leia mais

Introdução ao Modelo de Referência para melhoria do processo de software (MR mps) Projeto: mps Br melhoria de processo do software Brasileiro

Introdução ao Modelo de Referência para melhoria do processo de software (MR mps) Projeto: mps Br melhoria de processo do software Brasileiro Introdução ao Modelo de Referência para melhoria do processo de software (MR mps) Realidade das Empresas Brasileiras ISO/IEC 12207 ISO/IEC 15504 CMMI Softex Governo Universidades Modelo de Referência para

Leia mais

MPS.BR Melhoria de Processo do Software Brasileiro

MPS.BR Melhoria de Processo do Software Brasileiro l MPS.BR Melhoria de Processo do Software Brasileiro SUMÁRIO 1. Introdução 2. Modelo MPS 3. Programa MPS.BR: Resultados Alcançados (2004-2008) e Resultados Esperados (2004-2010) 4. MPS.BR Lições Aprendidas

Leia mais

Política Organizacional para Desenvolvimento de Software no CTIC

Política Organizacional para Desenvolvimento de Software no CTIC Política Organizacional para Desenvolvimento de Software no CTIC O CTIC/UFPA Centro de Tecnologia da Informação e Comunicação da Universidade Federal do Pará define neste documento sua Política Organizacional

Leia mais

P4-MPS.BR - Prova de Conhecimento do Processo de Aquisição do MPS.BR

P4-MPS.BR - Prova de Conhecimento do Processo de Aquisição do MPS.BR Data: 6 de Dezembro de 2011 Horário: 13:00 às 17:00 horas (hora de Brasília) Nome: e-mail: Nota: INSTRUÇÕES Você deve responder a todas as questões. O total máximo de pontos da prova é de 100 pontos (100%),

Leia mais

MPR MPR/SPI-801-R00 PARCERIAS COM INSTITUIÇÕES DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO

MPR MPR/SPI-801-R00 PARCERIAS COM INSTITUIÇÕES DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO MPR MPR/SPI-801-R00 PARCERIAS COM INSTITUIÇÕES DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO 05/2015 PÁGINA INTENCIONALMENTE EM BRANCO 2 18 de maio de 2015. Aprovado, Tiago Sousa Pereira 3 PÁGINA INTENCIONALMENTE EM BRANCO

Leia mais

Gerência de Projetos Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo

Gerência de Projetos Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo Gerência de Projetos Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo Laboratório de Tecnologia de Software LTS www.ufpa.br/lts Rede Paraense de Pesquisa em Tecnologias de Informação

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO SORE Sistema Online de Reservas de Equipamento. Toledo PR. Versão 2.0 - Atualização 26/01/2009 Depto de TI - FASUL Página 1

MANUAL DO USUÁRIO SORE Sistema Online de Reservas de Equipamento. Toledo PR. Versão 2.0 - Atualização 26/01/2009 Depto de TI - FASUL Página 1 MANUAL DO USUÁRIO SORE Sistema Online de Reservas de Equipamento Toledo PR Página 1 INDICE 1. O QUE É O SORE...3 2. COMO ACESSAR O SORE... 4 2.1. Obtendo um Usuário e Senha... 4 2.2. Acessando o SORE pelo

Leia mais

O Modelo Processo de Software Brasileiro MPS-Br

O Modelo Processo de Software Brasileiro MPS-Br O Modelo Processo de Software Brasileiro MPS-Br Prof. Pasteur Ottoni de Miranda Junior Disponível em www.pasteurjr.blogspot.com 1-Estrutura do MPS-Br ( Softex, 2009) O MPS.BR1 é um programa mobilizador,

Leia mais

INFORMAÇÕES AOS COMITÊS E FRANQUEADOS

INFORMAÇÕES AOS COMITÊS E FRANQUEADOS INFORMAÇÕES AOS COMITÊS E FRANQUEADOS Este material tem o objetivo de fornecer aos comitês regionais e setoriais do PGQP, e a seus franqueados, informações atualizadas sobre o SAG e orientações para a

Leia mais

MODELO CMM MATURIDADE DE SOFTWARE

MODELO CMM MATURIDADE DE SOFTWARE MODELO CMM MATURIDADE DE SOFTWARE O modelo CMM Capability Maturity Model foi produzido pelo SEI (Software Engineering Institute) da Universidade Carnegie Mellon (CMU), em Pittsburgh, EUA, por um grupo

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

Manual de Procedimentos Para Recrutamento e Seleção

Manual de Procedimentos Para Recrutamento e Seleção Manual de Procedimentos Para Recrutamento e Seleção Versão: V0_0_10 Data: 13 de setembro de 2013 Procedimentos para recrutamento e seleção de servidores por processo seletivo público. Diretoria Geral de

Leia mais

Cláudia Araújo Coordenadora Diego Macêdo Programador Marcelo Rodrigues Suporte

Cláudia Araújo Coordenadora Diego Macêdo Programador Marcelo Rodrigues Suporte BCON Sistema de Controle de Vendas e Estoque Declaração de escopo Versão 1.0 Histórico de Revisão Elaborado por: Filipe de Almeida do Amaral Versão 1.0 Aprovado por: Marcelo Persegona 22/03/2011 Time da

Leia mais

P4-MPS.BR - Prova de Conhecimento do Processo de Aquisição do MPS.BR

P4-MPS.BR - Prova de Conhecimento do Processo de Aquisição do MPS.BR Data: 9 de Dezembro de 2005 Horário: 13:00 às 17:00 horas (hora de Brasília) e-mail: Nota: INSTRUÇÕES Você deve responder a todas as questões. O total máximo de pontos da prova é de 100 pontos (100%),

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE 1 ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Elaborado por: GT Especial do ABNT/CB-25 Grupo de Aperfeiçoamento do

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Atividade 1 Que modelos em gestão de projetos estão sendo adotados como referência nas organizações? Como

Leia mais

METODOLOGIA DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DO MUSEU PARAENSE EMÍLIO GOELDI

METODOLOGIA DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DO MUSEU PARAENSE EMÍLIO GOELDI METODOLOGIA DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DO MUSEU PARAENSE EMÍLIO GOELDI HISTÓRICO DE REVISÕES Data Versão Descrição Autor 02/04/2014 1.0 Versão Inicial Ewertton Bravo 27/08/2014 1.1 Alteração da Imagem

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA RUBENS LARA Análise e Desenvolvimento de Sistemas

FACULDADE DE TECNOLOGIA RUBENS LARA Análise e Desenvolvimento de Sistemas FACULDADE DE TECNOLOGIA RUBENS LARA Análise e Desenvolvimento de Sistemas Trabalho de Conclusão de Curso Regulamento (2013/01) Professor Responsável: Ms. Gerson Prando Santos, 17 de março de 2013. Versão

Leia mais

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Junho, 2006 Anglo American Brasil

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Junho, 2006 Anglo American Brasil MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS Junho, 2006 Anglo American Brasil 1. Responsabilidade Social na Anglo American Brasil e objetivos deste Manual Já em 1917, o Sr. Ernest Oppenheimer, fundador

Leia mais

PSQ 290.0300 - PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE

PSQ 290.0300 - PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE PSQ - (4.2.3 - Controle de Documentos) (820.40 Document Control) APROVAÇÃO MARCOS FERNANDES NUNES Gerente da QA/RA Data: / / ELABORAÇÃO REVISÃO GISELA CRISTINA LUÇOLLI NASS Assistente Administrativo APARECIDA

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Nacional de Renda de Cidadania

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Nacional de Renda de Cidadania Instrução Operacional nº 27 SENARC/MDS Brasília, 22 janeiro de 2009. Divulga aos municípios orientações sobre a utilização do Sistema de Atendimento e Solicitação de Formulários (Sasf) 1 APRESENTAÇÃO O

Leia mais

FACULDADE DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO. PROJETO FINAL I e II PLANO DE TRABALHO <NOME DO TRABALHO> <Nome do Aluno> <Nome do Orientador>

FACULDADE DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO. PROJETO FINAL I e II PLANO DE TRABALHO <NOME DO TRABALHO> <Nome do Aluno> <Nome do Orientador> FACULDADE DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO PROJETO FINAL I e II PLANO DE TRABALHO O Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) a ser desenvolvido

Leia mais

Plano de Gerenciamento das Aquisições Exemplo 1

Plano de Gerenciamento das Aquisições Exemplo 1 Plano de Gerenciamento das Aquisições Exemplo 1 Este plano descreve como serão administrados os processos de aquisição de bens e serviços neste projeto. As perguntas a serem respondidas no plano são: o

Leia mais

Sociedade para a Promoção da Excelência do Software Brasileiro - SOFTEX

Sociedade para a Promoção da Excelência do Software Brasileiro - SOFTEX Sociedade para a Promoção da Excelência do Software Brasileiro - SOFTEX QUALIFICACAO DE PROFISSIONAIS NO MODELO SEI/CMMI CHAMADA PÚBLICA SOFTEX No. CPS/01/2004 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTA PARA IMPLANTACAO

Leia mais

REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO NO CURSO DE ACESSIBILIDADE DIGITAL

REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO NO CURSO DE ACESSIBILIDADE DIGITAL REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO NO CURSO DE ACESSIBILIDADE DIGITAL 1. APRESENTAÇÃO Este regulamento apresenta as regras e os critérios estabelecidos pelo Núcleo de Gestão do Porto Digital (NGPD) para participação

Leia mais

PRODAV 05/2014 Passo a passo para inscrição do projeto

PRODAV 05/2014 Passo a passo para inscrição do projeto PASSO A PASSO PARA INSCRIÇÃO NA CHAMADA PÚBLICA BRDE/FSA PRODAV 05/2014 Para se inscrever na CHAMADA PÚBLICA BRDE/FSA PRODAV 05/2014, clique em http://ancine.brde.com.br/ancine/login.asp ou através do

Leia mais

Modelo de Referência para melhoria do processo de software (MR mps)

Modelo de Referência para melhoria do processo de software (MR mps) Modelo de Referência para melhoria do processo de software (MR mps) Projeto mps Br: Modelo de Referência para Melhoria de Processo de Software CMMI SPICE SCAMPI MODELO PARA MELHORIA DO PROCESSO DE SOFTWARE

Leia mais

Governança de TI. ITIL v.2&3. parte 1

Governança de TI. ITIL v.2&3. parte 1 Governança de TI ITIL v.2&3 parte 1 Prof. Luís Fernando Garcia LUIS@GARCIA.PRO.BR ITIL 1 1 ITIL Gerenciamento de Serviços 2 2 Gerenciamento de Serviços Gerenciamento de Serviços 3 3 Gerenciamento de Serviços

Leia mais

MÓDULO 5 Movimentações

MÓDULO 5 Movimentações MÓDULO 5 Movimentações Bem-vindo(a) ao quinto módulo do curso. Agora que você já conhece as entradas no HÓRUS, aprenderá como são feitas as movimentações. As movimentações do HÓRUS são: Requisição ao Almoxarifado:

Leia mais

Manual SAGe Versão 1.2 (a partir da versão 12.08.01)

Manual SAGe Versão 1.2 (a partir da versão 12.08.01) Manual SAGe Versão 1.2 (a partir da versão 12.08.01) Submissão de Relatórios Científicos Sumário Introdução... 2 Elaboração do Relatório Científico... 3 Submissão do Relatório Científico... 14 Operação

Leia mais

GUIA DE CURSO. Tecnologia em Sistemas de Informação. Tecnologia em Desenvolvimento Web. Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

GUIA DE CURSO. Tecnologia em Sistemas de Informação. Tecnologia em Desenvolvimento Web. Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas PIM PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO COM O MERCADO GUIA DE CURSO Tecnologia em Sistemas de Informação Tecnologia em Desenvolvimento Web Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Tecnologia em Sistemas

Leia mais

NBR - ISO 14010 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL - PRINCÍPIOS GERAIS

NBR - ISO 14010 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL - PRINCÍPIOS GERAIS NBR - ISO 14010 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL - PRINCÍPIOS GERAIS Sumário 1. Objetivo e campo de aplicação...2 2. Definições...2 2.1. conclusão de auditoria...2 2.2. critérios de auditoria...2

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Introdução à Melhoria de Processos de Software baseado no MPS.BR Prof. Maxwell Anderson www.maxwellanderson.com.br Agenda Introdução MPS.BR MR-MPS Detalhando o MPS.BR nível G Introdução

Leia mais

Elaboração do Projeto de Pesquisa

Elaboração do Projeto de Pesquisa Elaboração do Projeto de Pesquisa Pesquisa Pesquisa é um conjunto de atividades, que tem como finalidade solucionar e esclarecer dúvidas e problemas; comprovar hipóteses; Utiliza procedimentos próprios,

Leia mais

Porque estudar Gestão de Projetos?

Porque estudar Gestão de Projetos? Versão 2000 - Última Revisão 07/08/2006 Porque estudar Gestão de Projetos? Segundo o Standish Group, entidade americana de consultoria empresarial, através de um estudo chamado "Chaos Report", para projetos

Leia mais

SESI. Empreendedorismo Social. Você acredita que sua idéia pode gerar grandes transformações?

SESI. Empreendedorismo Social. Você acredita que sua idéia pode gerar grandes transformações? SESI Empreendedorismo Social Você acredita que sua idéia pode gerar grandes transformações? REGULAMENTO SESI Empreendedorismo Social A inovação social é o ponto de partida para um novo modelo que atende

Leia mais

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO 1 de 9 1. OBJETIVO: Este procedimento estabelece o processo para concessão, manutenção, extensão e exclusão da certificação de Sistema de Gestão de Segurança da Informação, em conformidade com norma ABNT

Leia mais

Processo de Desenvolvimento de Políticas da LACNIC Versão 2.0. Objetivo do Processo de Desenvolvimento de Políticas da LACNIC

Processo de Desenvolvimento de Políticas da LACNIC Versão 2.0. Objetivo do Processo de Desenvolvimento de Políticas da LACNIC Processo de Desenvolvimento de Políticas da LACNIC Versão 2.0 Alcance Este documento descreve o processo pelo qual passará o desenvolvimento de políticas da LACNIC. Inclui a operação dos diferentes órgãos

Leia mais

FUMSOFT EDITAL 002/2013 1ª EDIÇÃO

FUMSOFT EDITAL 002/2013 1ª EDIÇÃO FUMSOFT PROGRAMA DE APOIO E INCENTIVO À MELHORIA E QUALIDADE DOS PROCESSOS DE SOFTWARE EM EMPRESAS COM ESTABELECIMENTO EM MINAS GERAIS E DIFUSÃO DO MODELO MPS.BR (MELHORIA DE PROCESSO DO SOFTWARE BRASILEIRO)

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria do Tesouro Nacional TERMO DE REFERÊNCIA

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria do Tesouro Nacional TERMO DE REFERÊNCIA 1 MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria do Tesouro Nacional TERMO DE REFERÊNCIA Contratação de um consultor especializado no desenvolvimento de programas voltados à promoção da saúde e da qualidade de vida

Leia mais

1 Objetivo Apresentar as atividades de pré-auditoria, execução e atividade pós-auditoria, para servir de base aos trabalhos dos auditores.

1 Objetivo Apresentar as atividades de pré-auditoria, execução e atividade pós-auditoria, para servir de base aos trabalhos dos auditores. Título: PLANEJAMENTO DE AUDITORIAS Palavra-chave: AUDITORIAS Código: PO 14.01 Elaboração: COUTINHO, S. V.; ZANELLA. G. Versão: 01 Revisão: PEREIRA, G.R; WACHHOLZ, F.D; ZANELLA, G. Aprovação: COMA Data:

Leia mais

SAG SISTEMA DE AVALIAÇÃO DA GESTÃO 2013

SAG SISTEMA DE AVALIAÇÃO DA GESTÃO 2013 INFORMAÇÕES AOS COMITÊS E FRANQUEADOS Este material tem o objetivo de fornecer aos comitês regionais e setoriais do PGQP, e a seus franqueados, informações atualizadas sobre o SAG 2013 e orientações para

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS REGULAMENTO DAS DISCIPLINAS DE PESQUISA E ANÁLISE EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS, PROJETO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO E TRABALHO

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO I INTRODUÇÃO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO I INTRODUÇÃO O estágio curricular do curso de Administração é uma atividade obrigatória, em consonância com as Diretrizes Curriculares Nacionais

Leia mais

CADASTRO, TREINAMENTO E QUALIFICAÇÃO DE INSPETORES BPL

CADASTRO, TREINAMENTO E QUALIFICAÇÃO DE INSPETORES BPL CADASTRO, TREINAMENTO E QUALIFICAÇÃO DE INSPETORES BPL NORMA Nº NIE-CGCRE-039 APROVADA EM NOV/2009 Nº 01/05 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação 3 Responsabilidade 4 Documentos Complementares 5 Histórico

Leia mais

PROC. 07 AUDITORIA INTERNA

PROC. 07 AUDITORIA INTERNA 1 de 12 AUDITORIA INTERNA MACROPROCESSO GESTÃO DE PROCESSOS PROCESSO AUDITORIA INTERNA AUDITORIA INTERNA 1. OBJETIVO... 2 2. ABRANGÊNCIA... 2 3. DOCUMENTOS RELACIONADOS... 2 4. PROCEDIMENTOS... 2 4.1 PLANEJAMENTO

Leia mais

CÓPIA NÃO CONTROLADA. DOCUMENTO CONTROLADO APENAS EM FORMATO ELETRÔNICO. PSQ PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE

CÓPIA NÃO CONTROLADA. DOCUMENTO CONTROLADO APENAS EM FORMATO ELETRÔNICO. PSQ PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE PSQ PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE PSQ 290.0339 - PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE APROVAÇÃO CARLOS ROBERTO KNIPPSCHILD Gerente da Qualidade e Assuntos Regulatórios Data: / / ELABORAÇÃO REVISÃO

Leia mais

Declaração de Escopo

Declaração de Escopo 1/9 Elaborado por: Adriano Marra, Bruno Mota, Bruno Leite, Janaina Versão: 1.4 Lima, Joao Augusto, Paulo Takagi, Ricardo Reis. Aprovado por: Porfírio Carlos Roberto Junior 24/08/2010 Time da Equipe de

Leia mais

EDITAL 05/2015 PROPESP/FADESP PROGRAMA DE APOIO À COOPERAÇÃO INTERINSTITUCIONAL PACI SUBPROGRAMA COOPERAÇÃO INTERNACIONAL

EDITAL 05/2015 PROPESP/FADESP PROGRAMA DE APOIO À COOPERAÇÃO INTERINSTITUCIONAL PACI SUBPROGRAMA COOPERAÇÃO INTERNACIONAL EDITAL 05/2015 PROPESP/FADESP PROGRAMA DE APOIO À COOPERAÇÃO INTERINSTITUCIONAL PACI SUBPROGRAMA COOPERAÇÃO INTERNACIONAL A Pró- Reitoria de Pesquisa e Pós- Graduação (PROPESP) e a Fundação de Amparo e

Leia mais

Plano de Gerenciamento das Comunicações

Plano de Gerenciamento das Comunicações Projeto: Simul-e Plano de Gerenciamento das Comunicações Versão 1.0 Página 1 de 9 Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor 01/11/2015 1.0 Criação do Documento Hugo Pazolline Página 2 de 9 Índice

Leia mais

Perguntas Frequentes do Prêmio Catarinense de Excelência

Perguntas Frequentes do Prêmio Catarinense de Excelência Perguntas Frequentes do Prêmio Catarinense de Excelência O que é o Modelo de Excelência da Gestão (MEG) e quais são seus objetivos? O Modelo de Excelência da Gestão reflete a experiência, o conhecimento

Leia mais

MUDANÇAS NA ISO 9001: A VERSÃO 2015

MUDANÇAS NA ISO 9001: A VERSÃO 2015 MUDANÇAS NA ISO 9001: A VERSÃO 2015 Está em andamento o processo de revisão da Norma ISO 9001: 2015, que ao ser concluído resultará na mudança mais significativa já efetuada. A chamada família ISO 9000

Leia mais

NORMA ISO/IEC 14598. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com

NORMA ISO/IEC 14598. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com NORMA ISO/IEC 14598 Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com Contexto Normas e Modelos de Qualidade Engenharia de Software Qualidade de Software ISO/IEC 14598 - Avaliação da Qualidade de Produto

Leia mais

Feature-Driven Development

Feature-Driven Development FDD Feature-Driven Development Descrição dos Processos Requisitos Concepção e Planejamento Mais forma que conteúdo Desenvolver um Modelo Abrangente Construir a Lista de Features Planejar por

Leia mais

Programa de Excelência em Atendimento aos Clientes

Programa de Excelência em Atendimento aos Clientes Programa de Excelência em Atendimento aos Clientes PROPOSTA TÉCNICA COMERCIAL Versão 2.0 Setembro de 2014 Agosto de 2008 Índice ÍNDICE...2 1. CONTEXTO...3 2. VISÃO, ESCOPO E ATIVIDADES DESTE PROJETO...5

Leia mais

Módulo 3. Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.2, 6.2.1, 6.2.2, 6.2.3, 6.2.4, 6.2.5, 6.3, 6.4, 6.4.1, 6.4.2, 6.4.

Módulo 3. Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.2, 6.2.1, 6.2.2, 6.2.3, 6.2.4, 6.2.5, 6.3, 6.4, 6.4.1, 6.4.2, 6.4. Módulo 3 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.2, 6.2.1, 6.2.2, 6.2.3, 6.2.4, 6.2.5, 6.3, 6.4, 6.4.1, 6.4.2, 6.4.3 Exercícios 6.2 Iniciando a auditoria/ 6.2.1 Designando o líder da equipe

Leia mais

Definição de Processos Reutilizáveis para Desenvolvimento de Software com Aquisição

Definição de Processos Reutilizáveis para Desenvolvimento de Software com Aquisição Definição de Processos Reutilizáveis para Desenvolvimento de Software com Aquisição VIII Workshop Anual do MPS (WAMPS 2012) Autores: Fabrício Souto Cardoso (Eletrobras e COPPE/UFRJ) Dr.ª Ana Regina Rocha

Leia mais

Manual Geral do OASIS

Manual Geral do OASIS Manual Geral do OASIS SISTEMA DE GESTÃO DE DEMANDA, PROJETO E SERVIÇO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO OASIS Introdução Esse manual tem como objetivo auxiliar aos usuários nos procedimentos de execução do sistema

Leia mais

Programa de Capacitação em Gestão do PPA Curso PPA: Elaboração e Gestão Ciclo Básico. Elaboração de Planos Gerenciais dos Programas do PPA

Programa de Capacitação em Gestão do PPA Curso PPA: Elaboração e Gestão Ciclo Básico. Elaboração de Planos Gerenciais dos Programas do PPA Programa de Capacitação em Gestão do PPA Curso PPA: Elaboração e Gestão Ciclo Básico Elaboração de Planos Gerenciais dos Programas do PPA Brasília, abril/2006 APRESENTAÇÃO O presente manual tem por objetivo

Leia mais

Guia Rápido para Acesso, Preenchimento e Envio Formulário de Cadastro da Empresa e Formulário de Projeto

Guia Rápido para Acesso, Preenchimento e Envio Formulário de Cadastro da Empresa e Formulário de Projeto EDITAL DE SELEÇÃO PÚBLICA MCTI/AEB/FINEP/FNDCT Subvenção Econômica à Inovação Transferência de Tecnologia do SGDC 01/2015 Transferência de Tecnologia Espacial no Âmbito do Decreto nº 7.769 de 28/06/2012

Leia mais

1º Anexo a estas Normas haverá um conjunto de Resoluções de caráter transitório que legislarão sobre assuntos específicos do Programa em Astronomia.

1º Anexo a estas Normas haverá um conjunto de Resoluções de caráter transitório que legislarão sobre assuntos específicos do Programa em Astronomia. NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ASTRONOMIA DO ON Capítulo 1 Das disposições gerais Capítulo 2 Da constituição do Corpo Docente Capítulo 3 Da orientação do aluno Capítulo 4 Da admissão e matrícula

Leia mais

PORTAL DE EMPREGOS ANHANGUERA CATHO-ON LINE

PORTAL DE EMPREGOS ANHANGUERA CATHO-ON LINE Principais dúvidas e benefícios Conteúdo O que é?... 3 Quem administra o Portal?... 3 Qual é o produto que estamos oferecendo aos alunos?... 3 O aluno terá que pagar alguma coisa?... 3 Mas o que são os

Leia mais

AUDITORIAS AUDITORIAS AUDITORIAS GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE OBJETIVO DA AUDITORIA GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE DEFINIÇÕES:

AUDITORIAS AUDITORIAS AUDITORIAS GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE OBJETIVO DA AUDITORIA GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE DEFINIÇÕES: OBJETIVO DA AUDITORIA PROCEDIMENTOS VERIFICAR, ATESTAR SE AS ATIVIDADES E OS RESULTADOS A ELA RELACIONADOS, DE UM SISTEMA DE GESTÃO FORMAL, ESTÃO IMPLEMENTADOS EFICAZMENTE. DEFINIÇÕES: AUDITORIA: UM EXAME,

Leia mais

Regulamento PAPSummer 2015

Regulamento PAPSummer 2015 Regulamento PAPSummer 2015 Artigo 1º Objectivos do programa, montante e designação das bolsas 1. O programa PAPSummer pretende dar a oportunidade a estudantes portugueses (Estudante) de desenvolver um

Leia mais

Universidade Paulista

Universidade Paulista Universidade Paulista Ciência da Computação Sistemas de Informação Gestão da Qualidade Principais pontos da NBR ISO/IEC 12207 - Tecnologia da Informação Processos de ciclo de vida de software Sergio Petersen

Leia mais

MPS.BR Melhoria de Processo do Software Brasileiro

MPS.BR Melhoria de Processo do Software Brasileiro MPS.BR Melhoria de Processo do Software Brasileiro SUMÁRIO: Introdução: Objetivo e Metas do MPS.BR (Propósito, Subprocessos e Resultados) Resultados Alcançados Dez2003 Set2006 Conclusão: MPS.BR Um Programa

Leia mais

PROCEDIMENTO DE AUDITORIA INTERNA DO PROGRAMA 5 S HISTÓRICO DAS ALTERAÇÕES

PROCEDIMENTO DE AUDITORIA INTERNA DO PROGRAMA 5 S HISTÓRICO DAS ALTERAÇÕES Página 1 de 5 SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2 CONDIÇÕES GERAIS 3 CONDIÇÕES ESPECÍFICAS 4 REGISTROS E ANEXOS HISTÓRICO DAS ALTERAÇÕES DATA REVISÃO ITENS REVISADOS ELABORAÇÃO APROVAÇÃO 24/06/2011 10/12/2011 Emissão

Leia mais

Melhoria do Processo de Software MPS-BR

Melhoria do Processo de Software MPS-BR Melhoria do Processo de Software MPS-BR Fabrício Sousa Pinto fabbricio7@yahoo.com.br O que é Qualidade? O problema da gestão da qualidade não é que as pessoas não sabem a respeito dela. O problema é que

Leia mais

FUMSOFT EDITAL 001/2013 1ª EDIÇÃO

FUMSOFT EDITAL 001/2013 1ª EDIÇÃO FUMSOFT PROGRAMA DE APOIO E INCENTIVO À MELHORIA E QUALIDADE DOS PROCESSOS DE SOFTWARE EM EMPRESAS COM ESTABELECIMENTO EM MINAS GERAIS E DIFUSÃO DO MODELO MPS.BR (MELHORIA DE PROCESSO DO SOFTWARE BRASILEIRO)

Leia mais

MPS.BR - Melhoria de Processo do Software Brasileiro. Guia de Aquisição

MPS.BR - Melhoria de Processo do Software Brasileiro. Guia de Aquisição MPS.BR - Melhoria de Processo do Software Brasileiro Guia de Aquisição Este guia descreve um processo de aquisição de software e serviços correlatos, baseado na Norma Internacional ISO/IEC 12207:2008.

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 77, DE 18 DE MARÇO DE 2014.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 77, DE 18 DE MARÇO DE 2014. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 77, DE 18 DE MARÇO DE 2014. Institui os procedimentos para o gerenciamento de projetos prioritários no âmbito da Agência Nacional de Aviação Civil - ANAC e dá outras providências.

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo III Grupo de Processos

Gerenciamento de Projetos Modulo III Grupo de Processos Gerenciamento de Projetos Modulo III Grupo de Processos Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com PMBoK Processos de Gerenciamento de Projetos Para que um projeto seja bem-sucedido,

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS APRESENTAÇÃO ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS Breve histórico da instituição seguido de diagnóstico e indicadores sobre a temática abrangida pelo projeto, especialmente dados que permitam análise da

Leia mais

Gestão de Programas Estruturadores

Gestão de Programas Estruturadores Gestão de Programas Estruturadores Fevereiro/2014 DEFINIÇÕES Rede de Desenvolvimento Integrado Arranjos que estimulam e proporcionam um comportamento (em rede) cooperativo entre agentes governamentais

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade

Sistema de Gestão da Qualidade Sistema de Gestão da Qualidade Coordenadora Responsável Mara Luck Mendes, Jaguariúna, SP, mara@cnpma.embrapa.br RESUMO Em abril de 2003 foi lançado oficialmente pela Chefia da Embrapa Meio Ambiente o Cronograma

Leia mais

O desafio da liderança: Avaliação, Desenvolvimento e Sucessão

O desafio da liderança: Avaliação, Desenvolvimento e Sucessão O desafio da liderança: Avaliação, Desenvolvimento e Sucessão Esse artigo tem como objetivo apresentar estratégias para assegurar uma equipe eficiente em cargos de liderança, mantendo um ciclo virtuoso

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

PP001/00 ELABORAÇÃO E CONTROLE DE DOCUMENTOS E REGISTROS

PP001/00 ELABORAÇÃO E CONTROLE DE DOCUMENTOS E REGISTROS SUMÁRIO 1. Objetivo... 2 2. Abrangência... 2 3. Documentos Complementares... 2 4. Definições/Siglas... 2 5. Descrição dos Procedimentos... 2 5.1 Identificação da Necessidade... 3 5.1.1 Estrutura da Documentação

Leia mais

Fundap. Programa de Estágio. Manual de Utilização do Sistema de Administração de Bolsas de Estágio. Plano de Estágio

Fundap. Programa de Estágio. Manual de Utilização do Sistema de Administração de Bolsas de Estágio. Plano de Estágio Fundap Fundação do Desenvolvimento Administrativo Programa de Estágio Programa de Estágio Manual de Utilização do Sistema de Administração de Bolsas de Estágio Plano de Estágio Julho de 2008 SABE - Sistema

Leia mais

Condições Gerais para Prestação de Serviços Analíticos e de Amostragem

Condições Gerais para Prestação de Serviços Analíticos e de Amostragem Condições Gerais para Prestação de Serviços Analíticos e de Amostragem I. Apresentação A ACQUALAB Laboratório e Consultoria Ambiental S/S Ltda. atua, desde a sua constituição, nas diversas áreas da ciência

Leia mais