Aplicando Grounded Theory para Compreender os Fatores Críticos de Sucesso em Iniciativas de Melhoria de Processo de Software

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Aplicando Grounded Theory para Compreender os Fatores Críticos de Sucesso em Iniciativas de Melhoria de Processo de Software"

Transcrição

1 Aplicando Grounded Theory para Compreender os Fatores Críticos de Sucesso em Iniciativas de Melhoria de Processo de Software Olavo O. de Matos Junior, Vinícius P. Secatti, Davi Viana dos Santos, Horácio A. B. F. de Oliveira, Tayana Conte Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal do Amazonas Av. Rodrigo Ramos, CEP Manaus, Amazonas Brasil Abstract. Software process improvement (SPI) initiatives have been increasing on every region of the country. To replicate the positive results of software process improvement initiatives, it is necessary to identify and analyze the several factors that contribute for the success of the SPI program. In this work it will be presented a qualitative study, using the Grounded Theory method that tries to indentify the success critical factors of perspective of the organizations collaborations. Through qualitative studies we search for a better comprehension of the social-technical concepts that must be considered on Software Engineering. This study is based on MPS.BR implementation in two software development organizations of Amazonas. Resumo. Iniciativas de melhoria do processo de software (MPS) vêm crescendo em todas as regiões do país. Para replicarmos os resultados positivos das iniciativas dos programas de melhoria, é necessário identificar e analisar os vários fatores que contribuem para o sucesso de um programa de MPS. Neste trabalho será apresentado um estudo qualitativo, utilizando o método Grounded Theory, que busca identificar os fatores críticos de sucesso da perspectiva dos colaboradores das organizações. Através de estudos qualitativos buscamos obter uma melhor compreensão dos conceitos sócio-técnicos que devem ser considerados na Engenharia de Software. Este estudo foi realizado no âmbito da implantação do programa MPS.BR em duas empresas de desenvolvimento de software no Amazonas. Palavras-chave: Melhoria de Processo de Software, Análise Qualitativa, Grounded Theory. 1. Introdução A produção de software vem crescendo de maneira acentuada no cenário nacional. Segundo a Associação Brasileira das Empresas de Software (ABES, 2009), este mercado é explorado por quase empresas, dedicadas ao desenvolvimento, produção e distribuição de software e de prestação de serviços. Diversas empresas têm surgido para suprir essa demanda e oferecer serviços. Entretanto, faz-se necessário melhorar as vantagens competitivas de organizações desenvolvedoras de software para garantir a sobrevivência destas no mercado (MONTONI et al., 2008). Para aumentar a capacidade das organizações no desenvolvimento de software, uma das abordagens mais amplamente utilizadas é a implantação de Melhoria de Processo de Software (MPS).

2 As questões que exercem influência sobre as iniciativas de implementação de melhoria de processos de software vêm sendo objeto de estudos nas últimas décadas (MONTONI et al., 2008). O propósito desses estudos é obter um melhor entendimento sobre as questões que influenciam iniciativas de melhoria de processo de software, bem como suas interações, causas, efeitos e formas de tratamento. Essas questões são comumente denominadas de Fatores Críticos de Sucesso (FCS). Segundo SANTANA (2007), existem vários fatores críticos em MPS que não são simplesmente questões técnicas de engenharia de software e sim questões sócio-técnicas, relativas à condução das iniciativas de melhoria e à interação entre seus participantes. FERREIRA e SILVA (2008) destacam a falta de envolvimento e comprometimento dos colaboradores entre os motivos de insucesso em programas de melhoria de processo. Embora haja um expressivo número de pesquisas para a identificação dos Fatores Críticos de Sucesso em MPS (MONTONI et al., 2008), são escassas as pesquisas que tem como foco entender como o colaborador da organização envolvida percebe o próprio programa MPS. A fim de aumentar o comprometimento dos envolvidos, é necessário entender quais os fatores críticos de sucesso são percebidos pelos colaboradores. A percepção do colaborador é uma valiosa fonte de informação, uma vez que o mesmo esteve presente na atividade analisada. As informações obtidas auxiliam na análise dos fatores relacionados a iniciativas de MPS. Através dos estudos qualitativos é possível obter uma melhor compreensão dos conceitos sócio-técnicos que devem ser considerados na Engenharia de Software. Estudar de forma conjunta os fatores sócio-técnicos que influenciam as iniciativas de MPS é uma forma de buscar o entendimento de toda a complexidade da Engenharia de Software. Desta forma, este artigo apresenta uma pesquisa qualitativa sobre fatores críticos de sucesso sob a perspectiva do colaborador. Pesquisas qualitativas definem um foco reduzido de abordagem de um problema para poder investigá-lo com a necessária profundidade. Para tal, usam ferramentas que apóiem a captura do detalhe sutil e invisível ao olhar panorâmico, tal como uma lente zoom é usada para registrar detalhes a respeito de um pequeno número de pessoas (LEITÃO, 2009). No presente trabalho, apresentamos os resultados de uma pesquisa exploratória em duas empresas de desenvolvimento de software pioneiras na implantação do nível G do modelo MPS.BR no estado do Amazonas. Para capturar a percepção do colaborador em relação aos fatores críticos de sucesso foram realizadas entrevistas semi-abertas, analisadas através do método qualitativo Grounded Theory. Com este trabalho, espera-se contribuir para uma compreensão mais aprofundada sobre fatores críticos de sucesso em MPS. Além dessa seção introdutória, o artigo está dividido como segue. A Seção 2 apresenta um breve referencial teórico sobre Melhoria de Processo de Software. A Seção 3 mostra o planejamento e a execução do estudo qualitativo. A Seção 4 discute os resultados da análise qualitativa. Por fim, a Seção 5 apresenta as principais lições aprendidas com este trabalho. 2. Melhoria de Processo de Software O processo de software é composto por uma sequência de passos, ou etapas, cada uma das quais executando um conjunto de atividades bem definidas que conduzem a conclusão do projeto (JALOTE, 1997). Segundo FUGGETTA (2000), processo de software é um

3 conjunto coerente de procedimentos, tecnologias, artefatos e estruturas organizacionais necessárias a conceber, desenvolver, implantar e manter um produto de software. Em geral, o processo de software descreve o caminho necessário para um completo desenvolvimento de um projeto. Nas organizações o processo funciona similar a um organismo vivo sendo constantemente melhorado. Essa melhoria é fundamental para que a organização seja competitiva no mercado. Para aprimorar o processo de software de uma organização, são utilizados os modelos de Melhoria de Processo de Software (MPS). Tais modelos são fundamentados na tríade processo-pessoas-tecnologia (SANDHOF, 2004). Entre os modelos existentes, um modelo cuja adoção está em crescimento no país é o modelo MR-MPS que, através do programa de Melhoria do Processo de Software Brasileiro (MPS.BR), define processos que devem ser executados pelas organizações. Esses processos são organizados por níveis de maturidade que descrevem a evolução dos processos dentro do programa de melhoria da organização (SOFTEX, 2009). Na literatura, é possível encontrar diversos trabalhos que utilizam pesquisas qualitativas para entender questões relacionadas a iniciativas de MPS. SANTANA (2007) apresenta uma tabela contendo os diversos fatores que influenciam diretamente a implantação de programas de melhoria. Entre os fatores mais relevantes, podemos destacar: (1) tempo e recursos para o MPS; (2) apoio e comprometimento da equipe de desenvolvimento; (3) apoio e comprometimento da alta gerência e (4) envolvimento da equipe de desenvolvimento. MONTONI e ROCHA (2007) apresentam os resultados de outra pesquisa qualitativa com a finalidade de encontrar fatores críticos de sucesso em iniciativas de melhoria de processo de software na indústria de software brasileira. No trabalho citado, os fatores críticos identificados foram: (1) a questão do ambiente organizacional; (2) eficiência da estratégia na implantação de MPS; (3) o quão sólida é a MPS implantada; (4) o quanto a alta gerência está comprometida com o programa de MPS e (5) o quanto o programa de MPS é aceito pelos colaboradores. Neste estudo, os autores utilizaram questionários para identificar fatores críticos de sucesso tanto do ponto de vista dos consultores dos programas de MPS quanto do ponto de vista dos membros das organizações envolvidas nos projetos de melhoria. Diferentemente dos trabalhos encontrados na literatura, o presente trabalho procura aprofundar a compreensão em relação a percepção dos colaboradores membros das organizações em processo de implantação de MPS, sobre os fatores críticos de sucesso. Além disso, uma segunda contribuição muito importante deste trabalho é a demonstração de como foram utilizados procedimentos do método Grounded Theory para a realização da análise qualitativa dos dados obtidos com entrevistas. Na seção seguinte, será descrito como este estudo foi realizado. 3. Estudo Qualitativo Através de um estudo qualitativo, identificamos os fatores críticos de sucesso deste tipo de iniciativa com a finalidade de se ter uma maior compreensão das influências desses fatores para um programa de melhoria. Este tipo de análise se faz necessária visto que, segundo SANTANA (2007), a implantação de iniciativas de melhoria de processo de software representa um grande desafio devido aos diversos fatores que influem no processo.

4 O objetivo desse estudo, de acordo com o paradigma GQM (Goal-Question-Metric (BASILI e ROMBACH, 1988), é apresentado na Tabela 1. O paradigma GQM foi adotado para se conseguir um melhor direcionamento sobre o objetivo desta pesquisa. Analisar Com o propósito de Em relação à Do ponto de vista No contexto de Tabela 1 - Objetivo do estudo qualitativo segundo o paradigma GQM. programas de Melhoria de Processo de Software caracterizar influência dos fatores críticos de sucesso dos colaboradores membros da organização duas organizações de desenvolvimento de pioneiras na implantação do nível G do MPS.BR no estado do Amazonas. Para tanto, foi realizada uma pesquisa qualitativa com quatro colaboradores integrantes de duas organizações e que participaram dos projetos onde foi feita a implantação dos processos do MR-MPS. Esta pesquisa buscou identificar fatores críticos de sucesso que foram observados a partir da análise das entrevistas. 3.1 Planejamento O estudo foi planejado considerando as seguintes etapas: Definição do objetivo e seleção das técnicas a serem utilizadas nesta pesquisa; Seleção das organizações que estavam implantando o programa de melhoria e seus colaboradores mais envolvidos com a iniciativa; Realização de entrevistas semi-estruturadas baseadas em questões abertas; Transcrição do conteúdo gravado nas entrevistas; Codificação dos dados das entrevistas transcritas, isto é, identificação de códigos relevantes para a pesquisa, análise da relação entre os códigos e criação de categorias; Listagem das categorias identificadas que representam facilitadores e obstáculos em iniciativas de programas de melhoria; e Análise dos resultados. 3.2 Execução Foram selecionadas duas organizações de desenvolvimento de software que estão implantando um programa de melhoria com foco no nível G do MPS.BR. Foram selecionados quatro colaboradores, que participaram de forma ativa no programa de melhoria. Os mesmos foram entrevistados em relação à definição e implantação do programa de melhoria do processo de software em suas organizações do qual estiveram exercendo diferentes papéis envolvidos no esforço de MPS. Para a realização das entrevistas, os colaboradores foram informados por a respeito de sua participação na pesquisa e que sua duração seria de aproximadamente 30 minutos. Foi criado um Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (TCLE) para informar a respeito do procedimento e confidencialidade da pesquisa e foram estimulados a falar o mais livremente possível. A entrevista foi conduzida utilizando questões abertas para possibilitar maior entendimento a respeito das informações coletadas. Essas entrevistas foram realizadas individualmente e gravadas. Com o propósito de obter dados relevantes sobre a influência de fatores em programas de iniciativas de MPS foram definidas as questões apresentadas

5 na Tabela 2. Essas questões estão relacionadas com o objetivo de caracterizar programas MPS em relação à influência dos fatores críticos de sucesso (ver Tabela 1). Tabela 2 - Questões das Entrevistas aos Colaboradores. Questões sobre a visão do colaborador em relação ao programa de melhoria: Em relação ao programa de MPS, como você ver o programa de melhoria? Quais os fatores que mais influenciaram na implantação do programa MPS? Qual o seu papel no programa MPS? Questões sobre a definição das atividades do programa de melhoria na organização: Quem foi o responsável pela definição/implantação do programa MPS na organização? Como foi definido o programa dentro da sua organização? Quem definiu as atividades do programa MPS? Como foram repassadas as definições para os colaboradores? Existiam atividades em paralelo às atividades do programa de melhoria? Questões sobre o impacto do programa de melhoria: O que mudou na sua forma de trabalhar? Qual o resultado do programa MPS na sua organização? Questões para identificação de dificuldades relacionadas ao programa de melhoria: As atividades desenvolvidas para a implantação foram fáceis ou difíceis? Por quê? Existiram dúvidas em relação às atividades de implantação do programa de melhoria? Todas as atividades estabelecidas para implantação do programa de melhoria foram realizadas? Se não, por quê? Houve necessidade de treinamento para desenvolver novas atividades? Após a execução das entrevistas, foi realizada a transcrição na íntegra das mesmas. Foram gerados documentos individuais com todo o conteúdo gravado nas entrevistas, porém com omissão dos nomes citados e dos nomes dos entrevistados e utilizados na análise qualitativa descrita na próxima seção. 4. Análise dos Dados Qualitativos O método de análise qualitativa utilizado está baseado nos procedimentos do método Grounded Theory (GT). O método Grounded Theory (ou Teoria Fundamentada em Dados) descreve um conjunto de procedimentos sistemáticos de coleta e análise dos dados para gerar, elaborar e validar teorias substantivas sobre fenômenos essencialmente sociais, ou processos sociais abrangentes (BANDEIRA-DE-MELLO e CUNHA 2003). Seus autores, Glauser e Strauss, afirmam que existem dois tipos básicos de teorias: as formais e as substantivas (BIANCHI e IKEDA 2006). O primeiro tipo é composto das teorias conceituais e abrangentes, enquanto que o segundo tipo é específico para determinado grupo ou situação e não visa generalizar além da sua área substantiva. O foco em pesquisas utilizando GT é o segundo tipo básico de teoria. Os dados qualitativos desta pesquisa foram analisados utilizando um subconjunto das fases do processo de codificação sugerido por STRAUSS e CORBIN (1998) para o método Grounded Theory as codificações aberta (open coding) e axial (axial coding). Após transcrever as entrevistas, foi iniciada a etapa de codificação aberta, onde trechos relevantes que representavam dados específicos para o estudo foram relacionados a códigos. Na fase de codificação aberta os incidentes ou eventos são agrupados em códigos através da comparação incidente incidente (BANDEIRA-DE-MELLO e CUNHA 2003). Para a análise dos dados, foi eleito um questionário como fonte inicial. Ao se analisar os dados deste questionário, criou-se códigos relacionados a trechos do texto referentes à

6 implantação do programa de MPS. Várias interações de comparações foram realizadas para a seleção de códigos que indicavam relatos representativos em citações no texto. Quanto à incidência de códigos, considerou-se a contagem de uma unidade por entrevista. Isto é, apesar de haver casos em que um mesmo entrevistado se refere a um mesmo fator mais de uma vez durante a entrevista, a contagem da freqüência relativa ao tema é acrescida de apenas um código por entrevista, e o fator referenciado pelo entrevistado passou a ser um código associado ao código já existente. Após várias revisões dos códigos gerados com diferentes pesquisadores, obteve-se uma contagem com o número de incidências dos dados nas entrevistas, onde foi possível identificar padrões para a criação e classificação de categorias. Os códigos foram agrupados de acordo com suas propriedades, formando assim conceitos que representam categorias. Tais categorias foram então analisadas com outros pesquisadores e subcategorias foram criadas. Na etapa de codificação axial, as categorias e subcategorias foram relacionadas entre si. Foram gerados 63 códigos associados a 11 categorias relacionadas especificamente com os fatores de sucesso e fracasso em programas de MPS. A Figura 1 apresenta parte dos códigos associados a citações em um dos questionários analisados. Figura 1 - Codificação aberta de trecho de uma entrevista. Através da codificação aberta foi encontrado um conjunto de aspectos que influem na implantação do processo de software. Padrões foram identificados a partir dos códigos, o que gerou inter-relações que agrupam a natureza dos fatores envolvidos em programas de melhoria de processo de software. Nas próximas figuras são apresentados os códigos relacionados às categorias identificadas. Nestas figuras os códigos são apresentados em conjunto com dois números que representam respectivamente o grau de fundamentação (número de citações com as quais o código está associado) e o de densidade teórica do código (o número de relacionamentos do código com outros códigos). Os códigos que apresentam grau de fundamentação igual a zero representam as categorias criadas pelos pesquisadores (são precedidas de [CA] para facilitar sua identificação).

7 A Figura 2 apresenta as associações relacionadas à categoria envolvimento organizacional com o MPS. Através da Figura 2, pode-se observar que o comprometimento da organização é formado pela motivação da equipe de colaboradores que estão empenhados em obter a certificação (termo utilizado pelos colaboradores para designar a avaliação MPS.BR). Quando há um comprometimento de todo o grupo de colaboradores da organização, o programa tende a ser executado com mais facilidade. A relação do código motivação da equipe com o código grupo empenhado buscando a certificação indica que a motivação faz com que todos os colaboradores se envolvam mais com a implantação do programa de melhoria, e esta motivação tende a gerar um grupo empenhado e consequentemente comprometido ao MPS. Outro, é que todos os colaboradores e diretoria da organização devem estar totalmente cientes de tudo que está sendo executado na organização em relação ao MPS. Figura 2 - Representação gráfica com as associações relacionadas à forma com que a organização lida com o programa MPS. A Figura 2 também apresenta a categoria tipo de dedicação do colaborador da organização em relação às atividades do MPS nas organizações analisadas, nas quais o mesmo não exerce uma dedicação exclusiva ao programa por ter várias funções em diferentes atividades dentro da organização. A relação do colaborador da organização com o programa de melhoria vai depender da maneira que o mesmo se dedica as atividades delegadas e da possibilidade de mudança de função nos projetos. A Figura 3 mostra os resultados positivos que o MPS trouxe para as organizações segundo a ótica dos colaboradores. Três categorias de resultados positivos foram identificadas: conhecimento entre equipe fica melhor distribuído, colaboradores mais detalhistas e otimização do trabalho.

8 Figura 3 - Pontos positivos obtidos com o MPS sob a ótica do colaborador. A Figura 4 apresenta, com maior detalhe, os códigos associados à otimização do trabalho. Com a implantação do programa de melhoria, os colaboradores entrevistados perceberam uma melhor organização em relação ao compartilhamento do conhecimento e troca de informação entre a equipe. Todo o processo de desenvolvimento passou a utilizar um modelo definido na abordagem do programa de melhoria do MPS.BR resultando em uma otimização do trabalho. A otimização do trabalho é percebida a partir do momento que as atividades foram bem definidas e informadas para os colaboradores responsáveis. Figura 4 - Representação gráfica da categoria Otimização do trabalho com suas associações.

9 A Figura 5 apresenta as principais dificuldades em relação ao programa de melhoria na perspectiva dos colaboradores entrevistados. O código Responsável pelo programa mal definido refere-se à falta de conhecimento, por parte dos colaboradores, sobre quem era o responsável pelo programa de melhoria dentro da organização. Além disso, um relevante fator identificado foi a dificuldade em compreender os processos definidos pelo MR-MPS, o que resultou na contratação de consultoria externa. O código receio em implantar o programa de melhoria trás o entendimento de que o modelo MPS seria um obstáculo ao trabalho real onde a organização acima de tudo prioriza o cliente e deixa a implantação do MPS em segundo plano. A categoria Dificuldade com documentação está relacionada à prática de elaboração de documentação dos projetos. Esta categoria é mais detalhada na Figura 6. Figura 5 - Associações relacionadas à categoria Dificuldades em relação à implantação do MPS. Sob a perspectiva dos colaboradores, a quantidade de evidências necessárias para a avaliação do nível almejado foi um fator que dificultou a implantação do programa de melhoria. Através da Figura 6 percebemos que os colaboradores tiveram dificuldades em elaborar a documentação por vários motivos como, por exemplo, não se tinha experiência em elaborar a documentação, o que resultava em dúvidas sobre como realizar esta atividade. O colaborador ainda expressa que elaborar documentação é uma atividade chata, o que faz com que atividades que dependem da mesma sofra atrasos. Mesmo ressaltando as dificuldades associadas à documentação na Figura 6, os colaboradores se mostraram cientes da importância da mesma para um controle mais eficiente dos projetos, como mostram os códigos da Figura 7. O colaborador enxerga que a documentação é um grande facilitador para compreender todas as atividades do projeto, assim todo o projeto se torna mais organizado e mais entendível, uma vez que o controle dessas informações se faz necessária.

10 Figura 6 - Associações relacionadas à categoria Dificuldades com documentação. Figura 7- Associações relacionadas à categoria Importância da documentação para o controle do projeto. Neste trabalho não foi necessário executar a terceira fases do processo de codificação sugerido por STRAUSS e CORBIN (1998) para Grounded Theory, pois foi possível compreender os fatores críticos de sucesso após a execução das fases de codificação aberta e axial. A terceira fase, codificação seletiva, identifica uma categoria central da teoria com a qual todas as outras estão relacionadas. A categoria central (core category) deve ser capaz de integrar todas as outras categorias e expressar a essência do

11 processo social que ocorre entre os envolvidos. Porém, para executar esta terceira fase é necessário que as propriedades das categorias sejam validadas. Por sua vez, essa validação é obtida quando se realiza novas coletas de dados e novas análises para se obter a saturação teórica, isto é, quando ganhos marginais no poder explicativo da teoria para mais evidências coletadas é aproximadamente nulo (BANDEIRA-DE-MELLO e CUNHA, 2006). 5. Conclusões e Lições Aprendidas Este trabalho apresentou um estudo qualitativo a respeito dos fatores críticos de sucesso em programas de MPS. Para a realização deste trabalho foram selecionadas duas organizações pioneiras que estão implantando os processos do nível G do MPS.BR no estado do Amazonas. Segundo CONTE et al (2009), a contribuição dos métodos qualitativos no trato das questões intangíveis e cruciais para o profundo entendimento da problemática inerente à produção de software é notória. A escolha de um tipo de método apropriado para realizar é muito importante para a qualidade dos resultados que se deseja obter. Ao estudar questões envolvendo os aspectos sócio-técnicos se faz necessário o uso de métodos específicos para obter uma melhor compreensão da influencia desses fatores no programa de MPS do ponto de vista dos colaboradores. Neste trabalho, foram aplicados procedimentos do método Grounded Theory para análise qualitativa, auxiliando na identificação dos fatores críticos de sucesso. Os procedimentos de análise qualitativa são úteis no sentido de buscar a essência de determinado evento que, neste trabalho, refere-se aos fatores relacionados a iniciativas de programa de melhoria. Um programa de melhoria apresenta diversos fatores que podem influenciar no sucesso ao final da implantação. Neste trabalho foi possível obter, através da análise qualitativa, a compreensão de alguns fatores que contribuíram para uma avaliação bem sucedida do modelo adotado. Como lições aprendidas, podemos verificar que: (1) os envolvidos com o programa de MPS devem saber do que o mesmo se trata, pois não se trata apenas de uma certificação e sim da melhoria contínua organizacional como um todo; (2) os envolvidos precisam estar comprometidos e motivados com o programa de melhoria pois se não há motivação e comprometimento, as atividades são realizadas de maneira ad-hoc; (4) ocorre uma mudança da visão dos colaboradores em relação aos processos executados pela organização; (5) do ponto de vista dos pesquisadores, foi verificado o quão importante é estudar os aspectos de forma conjunta, pois, desta maneira, é possível compreender a relação dos fatores sócio-técnicos mais facilmente e o quão entrelaçados os mesmos estão. Este trabalho é parte de uma pesquisa maior que está sendo desenvolvida com a finalidade de compreender os fatores que influenciam positiva e negativamente as iniciativas de melhoria de processo de software no País, em especial na região norte. Mesmo com as limitações em relação à generalização dos resultados, espera-se que este trabalho contribua para uma compreensão mais aprofundada sobre fatores críticos em iniciativas de MPS. Agradecimentos Agradecemos às organizações e aos colaboradores que participaram deste estudo. Agradecemos também o apoio financeiro da FAPEAM e do CNPq.

12 Referências ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS EMPRESAS DE SOFTWARE ABES (2009). Mercado Brasileiro de Software: Panorama e Tendências Disponível em: ASSOCIAÇÃO PARA PROMOÇÃO DA EXCELÊNCIA DO SOFTWARE BRASILEIRO SOFTEX. MPS.BR (2009). Guia Geral, agosto Disponível em: BANDEIRA-DE-MELLO, R., CUNHA, C. (2003). Operacionalizando o método da Grounded Theory nas Pesquisas em Estratégia: técnicas e procedimentos de análise com apoio do software ATLAS/TI. Encontro de Estudos em Estratégia. Curitiba, Brasil. BANDEIRA-DE-MELLO, R., CUNHA, C. (2006). "Grounded Theory". Em Godoi, C. K., Bandeira-de-Mello, R., Silva, A. B. d. (eds), Pesquisa Qualitativa em Estudos Organizacionais: Paradigmas, Estratégias e Métodos, cap. 8, São Paulo, Saraiva. BASILI, V. H ROMBACH (1988). "The tame project: towards improvement-oriented software environments". IEEE Transactions on Software Engineering, pg BIANCHI, E. M. P. G., IKEDA, A. A. (2006). Analisando a Grounded Theory em Administração. IX SEMEAD - Seminários em Administração. São Paulo, Brasil. CONTE, T. CABRAL, R. TRAVASSOS, G. H. (2009). Aplicando Grounded Theory na Análise Qualitativa de um Estudo de Observação em Engenharia de Software - Um relato de Experiência. V Workshop "Um Olhar Sociotécnico sobre a Engenharia de Software"(WOSES 2009) Ouro Preto, MG, Brasil. FUGGETTA, A. (2000). Software process: a roadmap. Em ICSE 00: Proceedings of the Conference on The Future of Software Engineering, pg 25 34, New York, NY, USA. ACM Press. JALOTE, P. (1997). An integrated approach to software engineering. Springer, 2a.edição. LEITÃO, C. (2010). Métodos Qualitativos de Pesquisa Científica. Computação Brasil: Interação Humano-Computador no Brasil, pg MONTONI, M., CERDEIRAL, C., ZANETTI, D., ROCHA, A. (2008) Uma abordagem para Condução de Iniciativas de Melhoria de Processos de Software. Anais do VII Simpósio Brasileiro de Qualidade de Software (SBQS 2008). MONTONI, M. ROCHA, A. R. (2007). A Methodology for Identifying Critical Success Factors that Influence Software Process Improvement Initiatives: An Application in the Brazilian Software Industry, Em EuroSPI 2007, LNCS 4764, pg SANDHOF, K. (2004). Fatores humanos no processo de desenvolvimento de software: um estudo visando qualidade. Dissertação de mestrado USP, SANTANA, A. (2007). Problemas em Iniciativas de Melhoria de Processos de Software sob a Ótica de uma Teoria de Intervenção. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal de Pernanbuco. Março STRAUSS, A., CORBIN, J. (1998). Basics of Qualitative Research: Techniques and Procedures for Developing Grounded Theory. 2 ed. London, SAGE Publications.

UM ESTUDO EXPERIMENTAL SOBRE ABORDAGENS DE APOIO À RASTREABILIDADE DE REQUISITOS

UM ESTUDO EXPERIMENTAL SOBRE ABORDAGENS DE APOIO À RASTREABILIDADE DE REQUISITOS Universidade Federal do Amazonas - UFAM Grupo de Usabilidade e Engenharia de Software USES -UFAM UM ESTUDO EXPERIMENTAL SOBRE ABORDAGENS DE APOIO À RASTREABILIDADE DE REQUISITOS Anna Beatriz Marques, Jacilane

Leia mais

Utilizando Grounded Theory para Compreender a Aceitação de uma Técnica de Elicitação de Requisitos

Utilizando Grounded Theory para Compreender a Aceitação de uma Técnica de Elicitação de Requisitos Utilizando Grounded Theory para Compreender a Aceitação de uma Técnica de Elicitação de Requisitos Amadeu Anderlin Neto, Cristina Araújo, Horácio A. B. F. Oliveira, Tayana Conte Departamento de Ciência

Leia mais

Aspectos humanos que afetam um programa de melhoria de processo de software - Uma análise qualitativa

Aspectos humanos que afetam um programa de melhoria de processo de software - Uma análise qualitativa Aspectos humanos que afetam um programa de melhoria de processo de software - Uma análise qualitativa Davi Viana dos Santos 1, Dalton Chaves Vilela Júnior 2, Cleidson de Souza 3, Tayana Conte 1 1 Grupo

Leia mais

UMA PROSTA DE ADEQUAÇÃO DO MS VISUAL STUDIO TEAM SYSTEM (VSTS) PARA O MPS.BR NÍVEIS F e G

UMA PROSTA DE ADEQUAÇÃO DO MS VISUAL STUDIO TEAM SYSTEM (VSTS) PARA O MPS.BR NÍVEIS F e G 1082 X Salão de Iniciação Científica PUCRS UMA PROSTA DE ADEQUAÇÃO DO MS VISUAL STUDIO TEAM SYSTEM (VSTS) PARA O MPS.BR NÍVEIS F e G Agner Macedo Paiva, Bernardo Copstein (orientador) FACIN, PUCRS, Centro

Leia mais

Processo de Software

Processo de Software Processo de Software Uma importante contribuição da área de pesquisa de processo de software tem sido a conscientização de que o desenvolvimento de software é um processo complexo. Pesquisadores e profissionais

Leia mais

Uso dos Resultados de um Estudo Baseado em Revisão Sistemática para Elaborar uma Proposta Inicial de Pesquisa

Uso dos Resultados de um Estudo Baseado em Revisão Sistemática para Elaborar uma Proposta Inicial de Pesquisa VII Experimental Software Engineering Latin American Workshop (ESELAW 2010) Uso dos Resultados de um Estudo Baseado em Revisão Sistemática para Elaborar uma Proposta Inicial de Pesquisa Natália Chaves

Leia mais

Fatores que Influenciam na Migração do Processo de Melhoria de Software baseado em MPS para o CMMI nas Empresas Brasileiras

Fatores que Influenciam na Migração do Processo de Melhoria de Software baseado em MPS para o CMMI nas Empresas Brasileiras Fatores que Influenciam na Migração do Processo de Melhoria de Software baseado em MPS para o CMMI nas Empresas Brasileiras Rhavy Maia Guedes, Ellen Poliana Ramos Souza, Alexandre Lins de Vasconcelos.

Leia mais

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Especialização em Gerência de Projetos de Software Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br Qualidade de Software 2009 Instituto

Leia mais

O SISTEMA DE QUALIDADE NA INDUSTRIA DE CONFECÇÃO

O SISTEMA DE QUALIDADE NA INDUSTRIA DE CONFECÇÃO 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 O SISTEMA DE QUALIDADE NA INDUSTRIA DE CONFECÇÃO Sandra Biégas 1, Patrícia Machado Mellero Cardoso 2 RESUMO: Com base em uma realidade onde indústrias

Leia mais

Agenda. Análise de riscos na implementação do MPS.BR em um setor de desenvolvimento de software de uma indústria

Agenda. Análise de riscos na implementação do MPS.BR em um setor de desenvolvimento de software de uma indústria Renato Ferraz Machado Viviane Aleixo de Paula Xavier Análise de riscos na implementação do MPS.BR em um setor de desenvolvimento de software de uma indústria Agenda Perfil da Empresa Objetivo do Projeto

Leia mais

A Percepção de uma Equipe sobre o Processo de Gerência de Configuração em Relação ao MPS.BR Nível F: Um Estudo de Caso

A Percepção de uma Equipe sobre o Processo de Gerência de Configuração em Relação ao MPS.BR Nível F: Um Estudo de Caso A Percepção de uma Equipe sobre o Processo de Gerência de Configuração em Relação ao MPS.BR Nível F: Um Estudo de Caso Relato de Experiência José Jorge L. Dias Jr., Arkjoaquitonyo E. da Silva, Fernanda

Leia mais

Uma Abordagem para Condução de Iniciativas de Melhoria de Processos de Software

Uma Abordagem para Condução de Iniciativas de Melhoria de Processos de Software Uma Abordagem para Condução de Iniciativas de Melhoria de Processos de Software Mariano Montoni, Cristina Cerdeiral, David Zanetti, Ana Regina Rocha COPPE/UFRJ - Universidade Federal do Rio de Janeiro

Leia mais

Diagnóstico de Processos em Organizações Intensivas em Software Usando um Sistema Especialista

Diagnóstico de Processos em Organizações Intensivas em Software Usando um Sistema Especialista Computer on the Beach 2015 - Artigos Completos 169 Diagnóstico de Processos em Organizações Intensivas em Software Usando um Sistema Especialista Chaiene M. da Silva Minella¹, Marcello Thiry¹, Anita da

Leia mais

Fatores de Sucesso e Dificuldades na Implementação de Processos de Software Utilizando o MR-MPS MPS e o CMMI

Fatores de Sucesso e Dificuldades na Implementação de Processos de Software Utilizando o MR-MPS MPS e o CMMI Fatores de Sucesso e Dificuldades na Implementação de Processos de Software Utilizando o MR-MPS MPS e o CMMI Ana Regina Rocha, Mariano Montoni, Gleison Santos, Kathia Oliveira 2, Ana Cândida Natali, Paula

Leia mais

Planejamento - 7. Planejamento do Gerenciamento do Risco Identificação dos riscos. Mauricio Lyra, PMP

Planejamento - 7. Planejamento do Gerenciamento do Risco Identificação dos riscos. Mauricio Lyra, PMP Planejamento - 7 Planejamento do Gerenciamento do Risco Identificação dos riscos 1 O que é risco? Evento que representa uma ameaça ou uma oportunidade em potencial Plano de gerenciamento do risco Especifica

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

Adriano Marum Rômulo. Uma Investigação sobre a Gerência de Projetos de Desenvolvimento de Software em Órgãos do Governo do Ceará com Base no MPS-BR

Adriano Marum Rômulo. Uma Investigação sobre a Gerência de Projetos de Desenvolvimento de Software em Órgãos do Governo do Ceará com Base no MPS-BR Adriano Marum Rômulo 2014 Uma Investigação sobre a Gerência de Projetos de Desenvolvimento de Software em Órgãos do Governo do Ceará com Base no MPS-BR Agenda I. Introdução II. Referencial Teórico III.

Leia mais

Análise de Dados Qualitativos

Análise de Dados Qualitativos 2 Objetivo Análise de Dados Qualitativos Uma breve Introdução a Grounded Theory cleidson de souza cdesouza@ufpa.br! Você já está há 1 mês coletando documentos, fazendo observações, conduzindo entrevistas

Leia mais

CLEVERSONTPP@GMAIL.COM

CLEVERSONTPP@GMAIL.COM UM BREVE DESCRITIVO DO MODELO MPS-BR (MELHORIA DE PROCESSO DE SOFTWARE BRASILEIRO) E SUAS PERSPECTIVAS PARA O FUTURO CLÉVERSON TRAJANO PRÉCOMA PORTES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

Fundamentos de Teste de Software

Fundamentos de Teste de Software Núcleo de Excelência em Testes de Sistemas Fundamentos de Teste de Software Módulo 2- Teste Estático e Teste Dinâmico Aula 3 Teste Estático SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 1. Definição... 3 2. Custo Versus Benefício...

Leia mais

Instituto de Computação, Universidade Federal do Amazonas (UFAM) Manaus-AM, Brasil

Instituto de Computação, Universidade Federal do Amazonas (UFAM) Manaus-AM, Brasil Elicitação de Requisitos a partir de Modelos de Processos de Negócio e Modelos Organizacionais: Uma pesquisa para definição de técnicas baseadas em heurísticas Marcos A. B. de Oliveira 1, Sérgio R. C.

Leia mais

FACULDADE SENAC GOIÂNIA

FACULDADE SENAC GOIÂNIA FACULDADE SENAC GOIÂNIA NORMA ISO 12.207 Curso: GTI Matéria: Auditoria e Qualidade de Software Professor: Elias Ferreira Acadêmico: Luan Bueno Almeida Goiânia, 2015 CERTIFICAÇÃO PARA O MERCADO BRASILEIRO

Leia mais

Qualidade, Processos e Gestão de Software Professores: Alexandre Vasconcelos e Hermano Moura. O Modelo. Wesley Torres Galindo. wesleygalindo@gmail.

Qualidade, Processos e Gestão de Software Professores: Alexandre Vasconcelos e Hermano Moura. O Modelo. Wesley Torres Galindo. wesleygalindo@gmail. Qualidade, Processos e Gestão de Software Professores: Alexandre Vasconcelos e Hermano Moura O Modelo Wesley Torres Galindo wesleygalindo@gmail.com Agenda O que é? Motivação Organização do MPS.BR Estrutura

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo VIII Riscos

Gerenciamento de Projetos Modulo VIII Riscos Gerenciamento de Projetos Modulo VIII Riscos Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

Padrões de Qualidade de Software

Padrões de Qualidade de Software Universidade Federal do Vale do São Francisco Padrões de Qualidade de Software Engenharia de Software I Aula 4 Ricardo Argenton Ramos Agenda da Aula Introdução (Qualidade de Software) Padrões de Qualidade

Leia mais

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras Por Marcelo Bandeira Leite Santos 13/07/2009 Resumo: Este artigo tem como tema o Customer Relationship Management (CRM) e sua importância como

Leia mais

Investigação experimental

Investigação experimental Investigação experimental Aproximação positivista Experiências laboratoriais: identificação de relações exactas entre as variáveis escolhidas num ambiente controlado (laboratório) através do uso de técnicas

Leia mais

A visão do modelo MPS.BR para Gerência de Projeto - Nível G. por Adriana Silveira de Souza

A visão do modelo MPS.BR para Gerência de Projeto - Nível G. por Adriana Silveira de Souza A visão do modelo MPS.BR para Gerência de Projeto - Nível G por Adriana Silveira de Souza Agenda Visão Geral do MPS.BR Processos e Capacidade de Processo Níveis de Maturidade Atributos de Processo Processo

Leia mais

3 METODOLOGIA DA PESQUISA

3 METODOLOGIA DA PESQUISA 3 METODOLOGIA DA PESQUISA O objetivo principal deste estudo, conforme mencionado anteriormente, é identificar, por meio da percepção de consultores, os fatores críticos de sucesso para a implementação

Leia mais

CMMI (Capability Maturity Model Integration) Thiago Gimenez Cantos. Bacharel em Sistemas de Informação

CMMI (Capability Maturity Model Integration) Thiago Gimenez Cantos. Bacharel em Sistemas de Informação CMMI (Capability Maturity Model Integration) Thiago Gimenez Cantos Bacharel em Sistemas de Informação Faculdade de Informática de Presidente Prudente Universidade do Oeste Paulista (UNOESTE) thiago@visioncom.com.br;

Leia mais

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions ISO 9001 Relatórios A importância do risco em gestao da qualidade Abordando a mudança BSI Group BSI/UK/532/SC/1114/en/BLD Contexto e resumo da revisão da ISO 9001:2015 Como uma Norma internacional, a ISO

Leia mais

MODELO SPICE Software Improvement and Capacibilty Determination Avalia o software com foco na melhoria de seus processos (identifica pontos fracos e

MODELO SPICE Software Improvement and Capacibilty Determination Avalia o software com foco na melhoria de seus processos (identifica pontos fracos e MODELO SPICE Software Improvement and Capacibilty Determination Avalia o software com foco na melhoria de seus processos (identifica pontos fracos e fortes, que serão utilizados para a criação de um plano

Leia mais

Padrões de Qualidade de Software e Métricas de Software

Padrões de Qualidade de Software e Métricas de Software Universidade Federal do Vale do São Francisco Padrões de Qualidade de Software e Métricas de Software Engenharia de Software I Aula 3 e 4 Ricardo Argenton Ramos Agenda da Aula Introdução (Qualidade de

Leia mais

Avaliação e Melhorias no Processo de Construção de Software

Avaliação e Melhorias no Processo de Construção de Software Avaliação e Melhorias no Processo de Construção de Software Martim Chitto Sisson Centro Tecnológico Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) Florianópolis SC Brasil martim@inf.ufsc.br Abstract. This

Leia mais

ITIL V3 GUIA DE MELHORES PRÁTICAS EM GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS

ITIL V3 GUIA DE MELHORES PRÁTICAS EM GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS ITIL V3 GUIA DE MELHORES PRÁTICAS EM GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO ITIL V3 1.1. Introdução ao gerenciamento de serviços. Devemos ressaltar que nos últimos anos, muitos profissionais da

Leia mais

6.10 - FROISPI Framework Return on Investment of Software Process Improvement

6.10 - FROISPI Framework Return on Investment of Software Process Improvement 6.10 - FROISPI Framework Return on Investment of Software Process Improvement 3º Lugar: Prêmio Dorgival Brandão Júnior da Qualidade e Produtividade em Software Paulino W. P. Viana 1,2, Alexandre M. L.

Leia mais

Estudo de caso para implantação do modelo MR-MPS-SV

Estudo de caso para implantação do modelo MR-MPS-SV Estudo de caso para implantação do modelo MR-MPS-SV Giovani Hipolito Maroneze 1, Jacques Duílio Branches 1 1 Departamento de Computação Universidade Estadual de Londrina (UEL) Caixa Postal 10.001 86.057-970

Leia mais

Década de 80, o Instituto de Engenharia de Software (SEI) foi criado.

Década de 80, o Instituto de Engenharia de Software (SEI) foi criado. Aécio Costa CMM Década de 80, o Instituto de Engenharia de Software (SEI) foi criado. Objetivos Fornecer software de qualidade para o Departamento de Defesa dos EUA Aumentar a capacitação da indústria

Leia mais

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMM E CMMI

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMM E CMMI PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMM E CMMI INTRODUÇÃO Aumento da Importância do Software Software está em tudo: Elemento crítico

Leia mais

CERTIFICAÇÃO BRASILEIRA DE MELHORIA DE PROCESSO DE SOFTWARE: O MPS.BR

CERTIFICAÇÃO BRASILEIRA DE MELHORIA DE PROCESSO DE SOFTWARE: O MPS.BR CERTIFICAÇÃO BRASILEIRA DE MELHORIA DE PROCESSO DE SOFTWARE: O MPS.BR Leonardo Galvão Daun Universidade Estadual de Maringá leonardo.daun@gmail.com Profª Drª Sandra Ferrari Universidade Estadual de Maringá

Leia mais

MPS.BR: Melhoria de Processo do Software Brasileiro e dos Resultados de Desempenho

MPS.BR: Melhoria de Processo do Software Brasileiro e dos Resultados de Desempenho l MPS.BR: Melhoria de Processo do Software Brasileiro e dos Resultados de Desempenho SUMÁRIO 1. Introdução Programa MPS.BR e Modelo MPS 2. Programa MPS.BR Resultados Esperados, Resultados Alcançados e

Leia mais

Fatores que influenciam na migração do MPS.BR para o CMMI nas empresas de software brasileiras

Fatores que influenciam na migração do MPS.BR para o CMMI nas empresas de software brasileiras Fatores que influenciam na migração do MPS.BR para o CMMI nas empresas de software brasileiras Rhavy M. Guedes 1,2, Rharon M. Guedes 2, Alexandre L. de Vasconcelos 1 1 Centro de Informática - Universidade

Leia mais

Introdução ao MPS.BR Guia Geral. Prof. Elias Batista Ferreira

Introdução ao MPS.BR Guia Geral. Prof. Elias Batista Ferreira Introdução ao MPS.BR Guia Geral Prof. Elias Batista Ferreira IMPORTANTE Este NÃO é um curso oficial do MPS.BR. Este curso NÃO é apoiado pela Softex. Objetivo deste Curso Descrever os processos e resultados

Leia mais

Como as empresas podem minimizar os efeitos da crise e manterem-se competitivas?

Como as empresas podem minimizar os efeitos da crise e manterem-se competitivas? Como as empresas podem minimizar os efeitos da crise e manterem-se competitivas? Professor e consultor Álvaro Camargo explica a importância dos processos de aproveitamento de lições aprendidas nas organizações

Leia mais

Lívia Jordão. Marcos Kalinowski. livia.jordao@ice.ufjf.br. kalinowski@ice.ufjf.br

Lívia Jordão. Marcos Kalinowski. livia.jordao@ice.ufjf.br. kalinowski@ice.ufjf.br Lívia Jordão livia.jordao@ice.ufjf.br Marcos Kalinowski kalinowski@ice.ufjf.br Introdução MPS-SV e Serviços de Desenvolvimento Survey: Aplicabilidade do MPS-SV à Serviços de Desenvolvimento Planejamento

Leia mais

Modelagem de Processos de Negócio Departamento de Ciência da Computação - UFMG. Maturidade em BPM. (Business Process Management)

Modelagem de Processos de Negócio Departamento de Ciência da Computação - UFMG. Maturidade em BPM. (Business Process Management) Modelagem de Processos de Negócio Departamento de Ciência da Computação - UFMG Maturidade em BPM (Business Process Management) Douglas Rodarte Florentino Belo Horizonte, 21 de Junho de 2010 Agenda Introdução

Leia mais

Declaração de trabalho do projeto. Caso de negócio. Fatores ambientais da empresa. Estratégia de gerenciamento das partes interessadas.

Declaração de trabalho do projeto. Caso de negócio. Fatores ambientais da empresa. Estratégia de gerenciamento das partes interessadas. 30 Estratégia de gerenciamento das partes interessadas. Eles serão descritos nas subseções a seguir. Declaração de trabalho do projeto A declaração de trabalho do projeto descreve o produto, serviço ou

Leia mais

O processo de melhoria de processo

O processo de melhoria de processo O processo de melhoria de processo Prof.ª Dra. Aida Araújo Ferreira aidaferreira@recife.ifpe.edu.br Modelos de Melhoria de Processo de Software Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas IFPE

Leia mais

PRÁTICA DE ENSINO INTERDISCIPLINAR NO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO NA PERSPECTIVA DOS DISCENTES.

PRÁTICA DE ENSINO INTERDISCIPLINAR NO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO NA PERSPECTIVA DOS DISCENTES. PRÁTICA DE ENSINO INTERDISCIPLINAR NO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO NA PERSPECTIVA DOS DISCENTES. Introdução As mudanças e desafios no contexto social influenciam a educação superior, e como consequência, os

Leia mais

COMO FAZER A TRANSIÇÃO

COMO FAZER A TRANSIÇÃO ISO 9001:2015 COMO FAZER A TRANSIÇÃO Um guia para empresas certificadas Antes de começar A ISO 9001 mudou! A versão brasileira da norma foi publicada no dia 30/09/2015 e a partir desse dia, as empresas

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Universidade São Judas Tadeu Profª Dra. Ana Paula Gonçalves Serra Engenharia de O Processo Uma Visão Genérica Capítulo 2 (até item 2.2. inclusive) Engenharia de - Roger Pressman 6ª edição McGrawHill Capítulo

Leia mais

Estratégias de Pesquisa

Estratégias de Pesquisa Estratégias de Pesquisa Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Survey Design e Criação Estudo de Caso Pesquisa Ação Experimento

Leia mais

Capítulo 1. Introdução ao Gerenciamento de Projetos

Capítulo 1. Introdução ao Gerenciamento de Projetos Capítulo 1 Introdução ao Gerenciamento de Projetos 2 1.1 DEFINIÇÃO DE PROJETOS O projeto é entendido como um conjunto de ações, executadas de forma coordenada por uma organização transitória, ao qual são

Leia mais

Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática

Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática Evandro Polese Alves Ricardo de Almeida Falbo Departamento de Informática - UFES Av. Fernando Ferrari, s/n, Vitória - ES - Brasil

Leia mais

Metodologia para Planejamento, Execução e Controle de Teste de Software. Roteiro

Metodologia para Planejamento, Execução e Controle de Teste de Software. Roteiro Metodologia para Planejamento, Execução e Controle de Teste de Software Arilo Claudio Dias Neto - acdn@cos.ufrj.br Gladys Machado P. S. Lima - gladysmp@cos.ufrj.br Guilherme Horta Travassos - ght@cos.ufrj.br

Leia mais

Reutilização no MPS.BR e no projeto Cooperativa MPS.BR SOFTSUL. Porto Alegre, Agosto de 2008. Sumário

Reutilização no MPS.BR e no projeto Cooperativa MPS.BR SOFTSUL. Porto Alegre, Agosto de 2008. Sumário Reutilização no MPS.BR e no projeto Cooperativa MPS.BR SOFTSUL Porto Alegre, Agosto de 2008. Sumário Apresentação Programa MPS.BR Reutilização no MPS.BR Gerência de reutilização Desenvolvimento para reutilização

Leia mais

Roteiro SENAC. Análise de Riscos. Planejamento do Gerenciamento de Riscos. Planejamento do Gerenciamento de Riscos

Roteiro SENAC. Análise de Riscos. Planejamento do Gerenciamento de Riscos. Planejamento do Gerenciamento de Riscos SENAC Pós-Graduação em Segurança da Informação: Análise de Riscos Parte 2 Leandro Loss, Dr. Eng. loss@gsigma.ufsc.br http://www.gsigma.ufsc.br/~loss Roteiro Introdução Conceitos básicos Riscos Tipos de

Leia mais

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 Conhecimento em Tecnologia da Informação Alinhamento Estratégico A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 2010 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

XXIV Encontro Nac. de Eng. de Produção - Florianópolis, SC, Brasil, 03 a 05 de nov de 2004

XXIV Encontro Nac. de Eng. de Produção - Florianópolis, SC, Brasil, 03 a 05 de nov de 2004 Implantação e certificação do sistema de gestão da qualidade do Programa Especial de Treinamento da Engenharia de Produção da UFSC conforme a norma ISO 9001:2000 Victor Monte Mascaro Vietti (PET Produção

Leia mais

Programa MPS.BR: resultados e perspectivas

Programa MPS.BR: resultados e perspectivas Programa MPS.BR: resultados e perspectivas Ana Regina Rocha Programa de Engenharia de Sistemas e Computação Coordenadora da Equipe Técnica do Modelo MPS Uma Organização com bom desempenho gasta 80% de

Leia mais

Quem Contratar como Coach?

Quem Contratar como Coach? Quem Contratar como Coach? por Rodrigo Aranha, PCC & CMC Por diversas razões, você tomou a decisão de buscar auxílio, através de um Coach profissional, para tratar uma ou mais questões, sejam elas de caráter

Leia mais

1 Introdução 1.1. Motivação

1 Introdução 1.1. Motivação 9 1 Introdução 1.1. Motivação Ao longo das últimas décadas, observou-se um aumento enorme na complexidade dos sistemas de software desenvolvidos, no número de profissionais que trabalham nesta área, na

Leia mais

2.10 Um Framework para Avaliação da Implantação do MR MPS em Grupos Cooperados de Empresas

2.10 Um Framework para Avaliação da Implantação do MR MPS em Grupos Cooperados de Empresas 2.10 Um Framework para Avaliação da mplantação do MR MPS em Grupos Cooperados de Empresas Rafael Prikladnicki (PUCRS) rafaelp@pucrs.br Odisnei Galarraga odisnei@swprocess.com.br Agenda 1. Contexto, objetivos

Leia mais

Projeto 2.19: Implantação do Processo de Software em uma empresa do Pólo de Software AmazonSoft

Projeto 2.19: Implantação do Processo de Software em uma empresa do Pólo de Software AmazonSoft Paulino Wagner Palheta Viana Projeto 2.19: Implantação do Processo de Software em uma empresa do Pólo de Software AmazonSoft 1 Agenda Quem somos? Motivação Qualidade, GSDS, GSDS / EPS Objetivo Projeto

Leia mais

Autor(es) BARBARA STEFANI RANIERI. Orientador(es) LUIZ EDUARDO GALVÃO MARTINS, ANDERSON BELGAMO. Apoio Financeiro PIBIC/CNPQ. 1.

Autor(es) BARBARA STEFANI RANIERI. Orientador(es) LUIZ EDUARDO GALVÃO MARTINS, ANDERSON BELGAMO. Apoio Financeiro PIBIC/CNPQ. 1. 19 Congresso de Iniciação Científica ESPECIFICAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO DE UMA FERRAMENTA AUTOMATIZADA DE APOIO AO GERSE: GUIA DE ELICITAÇÃO DE REQUISITOS PARA SISTEMAS EMBARCADOS Autor(es) BARBARA STEFANI

Leia mais

VALORIZAÇÃO DO CONHECIMENTO ADQUIRIDO E DESENVOLVIDO NO RAMO DE CONFECÇÕES EM JARAGUÁ

VALORIZAÇÃO DO CONHECIMENTO ADQUIRIDO E DESENVOLVIDO NO RAMO DE CONFECÇÕES EM JARAGUÁ VALORIZAÇÃO DO CONHECIMENTO ADQUIRIDO E DESENVOLVIDO NO RAMO DE CONFECÇÕES EM JARAGUÁ Verônica Cordeiro Rocha Agente Local de Inovação atuante na região do interior da cidade de Jaraguá e Ceres do Programa

Leia mais

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software [...] O que é a Qualidade? A qualidade é uma característica intrínseca e multifacetada de um produto (BASILI, et al, 1991; TAUSWORTHE, 1995).

Leia mais

Gerenciamento de Configuração de Software

Gerenciamento de Configuração de Software FACULDADE MAURÍCIO DE NASSAU Jessé de Souza da Silva, José Arnaldo de Oliveira Almeida, Gabriel Pereira da Silva Gerenciamento de Configuração de Software Uma Abordagem Conceitual João Pessoa 2015 FACULDADE

Leia mais

TREINAMENTOS MAGAZINE 3 WORKSHOP INTERNACIONAL DE LIDERANÇA 5 GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS 7 INTRODUÇÃO AO GERENCIAMENTO DE PROJETOS

TREINAMENTOS MAGAZINE 3 WORKSHOP INTERNACIONAL DE LIDERANÇA 5 GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS 7 INTRODUÇÃO AO GERENCIAMENTO DE PROJETOS TREINAMENTOS MAGAZINE 3 WORKSHOP INTERNACIONAL DE LIDERANÇA Líderes eficazes devem encontrar maneiras de melhorar o nível de engajamento, compromisso e apoio das pessoas, especialmente durante os períodos

Leia mais

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Apoiar a empregabilidade pela melhora da qualidade do ensino profissionalizante UK Skills Seminar Series 2014 15 British Council UK Skills Seminar

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO. webqda - SOFTWARE DE APOIO À ANÁLISE QUALITATIVA. Entidade de formação credenciada e homologada

CURSO DE FORMAÇÃO. webqda - SOFTWARE DE APOIO À ANÁLISE QUALITATIVA. Entidade de formação credenciada e homologada CURSO DE FORMAÇÃO webqda - SOFTWARE DE APOIO À ANÁLISE QUALITATIVA Entidade de formação credenciada e homologada 1. Fundamentação A investigação nas ciências humanas e sociais tem passado nas últimas décadas

Leia mais

PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL: um relato de experiência de dois estagiários de psicologia

PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL: um relato de experiência de dois estagiários de psicologia PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL: um relato de experiência de dois estagiários de psicologia MESQUITA NETO, Rui 1 DIAS, Vanessa Aparecida 2 NUNES, Ruth Vieira 3 RESUMO A organização depende das pessoas para atingir

Leia mais

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS Nadia Al-Bdywoui (nadia_alb@hotmail.com) Cássia Ribeiro Sola (cassiaribs@yahoo.com.br) Resumo: Com a constante

Leia mais

6 Metodologia. 6.1 Situando a pesquisa

6 Metodologia. 6.1 Situando a pesquisa 6 Metodologia Apresento neste capítulo a metodologia utilizada nesta pesquisa, o contexto em que ocorreu a coleta de dados, os participantes, os instrumentos usados e os procedimentos metodológicos para

Leia mais

Uma Implementação do Processo de Medição usando a Spider-MPlan

Uma Implementação do Processo de Medição usando a Spider-MPlan Uma Implementação do Processo de Medição usando a Spider-MPlan Simone Nayara Costa Carneiro 1, Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira 1 1 Faculdade de Computação Instituto de Ciências Exatas e Naturais Universidade

Leia mais

O IMPACTO DO ENSINO DE EMPREENDEDORISMO NA GRADUAÇÃO DE ENGENHARIA : RESULTADOS E PERSPECTIVAS.

O IMPACTO DO ENSINO DE EMPREENDEDORISMO NA GRADUAÇÃO DE ENGENHARIA : RESULTADOS E PERSPECTIVAS. O IMPACTO DO ENSINO DE EMPREENDEDORISMO NA GRADUAÇÃO DE ENGENHARIA : RESULTADOS E PERSPECTIVAS. Fernando Toledo Ferraz - ferraz@cybernet.com.br Departamento de Engenharia de Produção Myriam Eugênia R.

Leia mais

Uma Implementação do Processo de Garantia da Qualidade usando a Spider-QA, a Spider-CL e o Mantis

Uma Implementação do Processo de Garantia da Qualidade usando a Spider-QA, a Spider-CL e o Mantis Uma Implementação do Processo de Garantia da Qualidade usando a Spider-QA, a Spider-CL e o Mantis Rodrigo Araujo Barbalho 1, Marília Paulo Teles 2, Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira 1,2 1 Faculdade de Computação

Leia mais

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral III Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação PUCRS Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral Marcelo Cavasotto, Prof.ª Dra. Ruth Portanova (orientadora) Mestrado em Educação

Leia mais

TÍTULO: IMPLANTAÇÃO DE SGQ ISO 9001 NO BRASIL: UM ESTUDO SOBRE O SERVIÇO DE CONSULTORIA

TÍTULO: IMPLANTAÇÃO DE SGQ ISO 9001 NO BRASIL: UM ESTUDO SOBRE O SERVIÇO DE CONSULTORIA TÍTULO: IMPLANTAÇÃO DE SGQ ISO 9001 NO BRASIL: UM ESTUDO SOBRE O SERVIÇO DE CONSULTORIA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA

Leia mais

Fatores Críticos de Sucesso em GP

Fatores Críticos de Sucesso em GP Fatores Críticos de Sucesso em GP Paulo Ferrucio, PMP pferrucio@hotmail.com A necessidade das organizações de maior eficiência e velocidade para atender as necessidades do mercado faz com que os projetos

Leia mais

3 METODOLOGIA DA PESQUISA

3 METODOLOGIA DA PESQUISA 43 3 METODOLOGIA DA PESQUISA Medeiros (2005) esclarece que a pesquisa científica tem por objetivo maior contribuir para o desenvolvimento humano. Para isso, conta com métodos adequados que devem ser planejados

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE MATEMÁTICA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO MATA62 - Engenharia de Software I Comparação entre Ferramentas de Gerência de Projeto Salvador 2009.1 MATA62

Leia mais

CMM - Capability Maturity Model

CMM - Capability Maturity Model Tema da Aula Normas e Padrões de Qualidade em II CMM Prof. Cristiano R R Portella portella@widesoft.com.br CMM - Capability Maturity Model Desenvolvido pelo SEI (Instituto de Engenharia de ) Carnegie Mellon

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo II Clico de Vida e Organização

Gerenciamento de Projetos Modulo II Clico de Vida e Organização Gerenciamento de Projetos Modulo II Clico de Vida e Organização Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos

Leia mais

MPS.BR A EXPERIÊNCIA E OS BENEFÍCIOS EM IMPLANTAR O MODELO NOS NÍVEIS G E F:

MPS.BR A EXPERIÊNCIA E OS BENEFÍCIOS EM IMPLANTAR O MODELO NOS NÍVEIS G E F: MPS.BR A EXPERIÊNCIA E OS BENEFÍCIOS EM IMPLANTAR O MODELO NOS NÍVEIS G E F: um estudo de caso. Rodrigo Pereira Assunção 1 Fabrício Pires Vasconcellos 2 RESUMO: Muitas empresas têm buscado no modelo de

Leia mais

Lições Aprendidas em Implementações de Melhoria de Processos em Organizações com Diferentes Características

Lições Aprendidas em Implementações de Melhoria de Processos em Organizações com Diferentes Características Artigos técnicos selecionados Lições Aprendidas em Implementações de Melhoria de Processos em Organizações com Diferentes Características Natália Chaves Lessa Schots 1, Gleison Santos 2, Cristina Cerdeiral

Leia mais

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação O artigo fala sobre os vários aspectos e desafios que devem ser levados em consideração quando se deseja transformar ou fortalecer uma cultura organizacional, visando a implementação de uma cultura duradoura

Leia mais

Políticas de Qualidade em TI

Políticas de Qualidade em TI Políticas de Qualidade em TI Aula 05 MPS.BR (ago/12) Melhoria de Processo do Software Brasileiro Prof. www.edilms.eti.br edilms@yahoo.com Agenda Descrição sumária do MPS.BR - Melhoria de Processo do Software

Leia mais

Trilhas Técnicas SBSI - 2014

Trilhas Técnicas SBSI - 2014 brunoronha@gmail.com, germanofenner@gmail.com, albertosampaio@ufc.br Brito (2012), os escritórios de gerenciamento de projetos são importantes para o fomento de mudanças, bem como para a melhoria da eficiência

Leia mais

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM M P S. B R : M E L H O R I A D E P R O C E S S O D O S O F T W A R E B R A S I L E I R O A

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Introdução à Melhoria de Processos de Software baseado no MPS.BR Prof. Maxwell Anderson www.maxwellanderson.com.br Agenda Introdução MPS.BR MR-MPS Detalhando o MPS.BR nível G Introdução

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo II Ciclo de Vida e Organização do Projeto

Gerenciamento de Projetos Modulo II Ciclo de Vida e Organização do Projeto Gerenciamento de Projetos Modulo II Ciclo de Vida e Organização do Projeto Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com PMBoK Organização do Projeto Os projetos e o gerenciamento

Leia mais

A Disciplina Gerência de Projetos

A Disciplina Gerência de Projetos A Disciplina Gerência de Projetos Atividades, Artefatos e Responsabilidades hermano@cin.ufpe.br Objetivos Apresentar atividades da disciplina Gerência de Projetos Discutir os artefatos e responsáveis envolvidos

Leia mais

ROBSON FUMIO FUJII GOVERNANÇA DE TIC: UM ESTUDO SOBRE OS FRAMEWORKS ITIL E COBIT

ROBSON FUMIO FUJII GOVERNANÇA DE TIC: UM ESTUDO SOBRE OS FRAMEWORKS ITIL E COBIT ROBSON FUMIO FUJII GOVERNANÇA DE TIC: UM ESTUDO SOBRE OS FRAMEWORKS ITIL E COBIT LONDRINA - PR 2015 ROBSON FUMIO FUJII GOVERNANÇA DE TIC: UM ESTUDO SOBRE OS FRAMEWORKS ITIL E COBIT Trabalho de Conclusão

Leia mais

Dificuldades na implantação de métodos ágeis Marcelo Werneck

Dificuldades na implantação de métodos ágeis Marcelo Werneck Dificuldades na implantação de métodos ágeis Marcelo Werneck Apresentação - Prof. Marcelo Werneck Mestre em Ciência da Computação; Coordenador e Professor do curso de Sistemas de Informação PUC Minas no

Leia mais