DIRETRIZES DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL APLICADAS A UM MODELO DE GESTÃO DE PROJETOS: ESTUDO DE CASO NO TERCEIRO SETOR

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DIRETRIZES DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL APLICADAS A UM MODELO DE GESTÃO DE PROJETOS: ESTUDO DE CASO NO TERCEIRO SETOR"

Transcrição

1 DIRETRIZES DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL APLICADAS A UM MODELO DE GESTÃO DE PROJETOS: ESTUDO DE CASO NO TERCEIRO SETOR FERNANDO RODRIGUES CASTANHO UNITAU MARCOS ROBERTO BURI UNINOVE Resumo:O presente estudo objetiva analisar os resultados da incorporação de diretrizes de desenvolvimento sustentável em modelo de gestão de projetos no terceiro setor adotado por uma organização não governamental. O método de pesquisa utilizado para o desenvolvimento da investigação é classificado como estudo de caso. Os resultados obtidos conduzem a conclusão de que a integração de práticas de sustentabilidade na gestão de projetos em uma organização do terceiro setor permitiu o equilíbrio no foco das ações e resultados entre os níveis: econômico, social e ambiental na gestão dos seus projetos. Palavras Chave: Terceiro Setor - Desenvolvimento - Sustentável - Gestão de Projetos -

2 1. INTRODUÇÃO As organizações do terceiro setor (OTS) em geral vêm demonstrando interesse crescente pela profissionalização e pelo aprimoramento da gestão, ora elaborando suas próprias práticas, ora adaptando as já consagradas práticas da administração empresarial. Desta maneira, as OTS, buscam cada vez mais atingir seu propósito de forma plena e efetiva, através de instrumentos e metodologias adequadas e construídas para a sua realidade frente ao entorno e às especificidades dominantes. Nesse sentido, o gerenciamento de projetos nessas organizações precisou levar em conta a sustentabilidade, ou seja, não se pode pensar apenas nos aspectos econômicos, mas também ambiental e social, quando se gerencia um projeto (CARVALHO et al., 2015). Dessa forma, verifica-se a importância de se difundir diretrizes do desenvolvimento sustentável na gestão de projetos no terceiro setor. Tais projetos justificam a organização perante seus objetivos, oferecendo a ela as condições de permanecer existindo, de gerar resultados efetivos, de se mostrar para a sociedade civil de forma verdadeira. Sendo estes também os responsáveis pelos impactos positivos e negativos em termos econômicos, ambientais e sociais de organização sem fins lucrativos (ROMM, 2004). Assim, justifica-se ressaltar que a questão da sustentabilidade, especialmente em projetos de ações sociais, torna-se fator preponderante a ser buscado pela gestão nas organizações do terceiro setor. Neste contexto, esse trabalho visa apresentar a análise da incorporação de práticas de desenvolvimento sustentável em um modelo específico de gestão de projetos no terceiro setor, adotado por uma organização não governamental. A estrutura de desenvolvimento deste artigo é composta por cinco seções. A introdução, que apresenta a questão de pesquisa e objetivo deste trabalho. Na segunda, é apresentado o referencial teórico que embasou o trabalho. Os procedimentos metodológicos utilizados neste estudo são descritos na terceira seção. Na seção quatro a apresentação do estudo de caso e análise dos resultados e na seção cinco as conclusões. 2. REFERENCIAL TEÓRICO O referencial teórico deste estudo apresenta os principais aspectos sobre o terceiro setor, o desenvolvimento sustentável e o modelo de gestão de projetos neste segmento. 2.1 CONTEXTO DO TERCEIRO SETOR A organização de uma sociedade constituída comporta três âmbitos ou setores, a saber: 1º) O primeiro setor representado pela administração pública corresponde à emanação da vontade popular, pelo voto, que confere o poder ao governo; 2º) O segundo setor representado pelas empresas com finalidade lucrativa, corresponde à livre iniciativa, que opera o mercado, define a agenda econômica usando o lucro como instrumento; 3º) O terceiro setor corresponde às instituições com preocupações e práticas sociais, sem fins lucrativos, que geram bens e serviços de caráter público, tendo como objetivo o atendimento de necessidades da sociedade, tais como: ONGs, instituições religiosas, clubes de serviços, entidades beneficentes, centros sociais, organizações de voluntariado, entre outras (REBRATES, 2015). Lacruz (2014) acrescenta que em outra perspectiva, o primeiro setor opera recursos públicos para fins públicos; o segundo setor opera recursos privados para fins privados; e o terceiro setor utiliza recursos públicos e privados para fins públicos. Pensar estrategicamente tornou-se para os dirigentes organizacionais um fator indispensável para a condução e administração das organizações e seus respectivos projetos, tenham estas organizações fins lucrativos ou não. Assim, o que antes era um assunto restrito às

3 organizações com fins lucrativos começa a penetrar o campo daquelas que atuam também no terceiro setor, visto que o crescimento destas organizações traz consigo o desafio da captação de recursos, indispensável para a sobrevivência das mesmas. Desse modo, a organização do terceiro setor tem a necessidade de melhorar a gestão de seus projetos no intuito de alcançar um melhor desempenho organizacional, atendendo assim a exigência por profissionalização, mostrando sua capacidade e competência (PEREIRA et al., 2006). Uma organização de interesse público deve orientar-se pelas políticas públicas e pautar suas ações pela garantia dos direitos, cumprimento da legislação em todos os níveis e pela transparência necessária ao bom desenvolvimento do bem comum. O desenvolvimento do bem comum pode ser traduzido neste contexto como sendo a gestão das demandas e necessidades do cidadão. Neste sentido, pensar na contribuição das ações das organizações do terceiro setor para o desenvolvimento sustentável, implica em olhar para as bases que formulam as ações e o modelo de gestão de projetos destas organizações (SCHLEDER et al., 2013). Schleder (2013) esclarece que desta forma, a gestão deve também assegurar o adequado dimensionamento entre a presença da ação voluntária e da equipe de profissionais que são necessárias para a garantia da qualidade técnica exigida em seu campo de atividade e na gestão de seus projetos. Deve, ainda, mostrar-se competente para monitorar e avaliar as próprias ações, garantindo a devida prestação de contas dos recursos financeiros que mobilizou e dos impactos ambientais e sociais que gerou. Enfim, estes elementos constituem-se naquilo que se identifica como gestão da organização do terceiro setor e de seus respectivos projetos, que ora se coloca como fundamental quando se integram às ações de desenvolvimento sustentável. 2.2 ASPECTOS BÁSICOS DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL O desenvolvimento sustentável pode ser definido como um conjunto de ações que uma organização toma, visando o respeito ao meio ambiente e o desenvolvimento da sociedade (SILVEIRA, 2011). Para que uma organização seja considerada sustentável ambientalmente e socialmente, ela deve adotar atitudes éticas e práticas que visem seu crescimento econômico equilibrado, sem agredir o meio ambiente e também colaborar para o desenvolvimento da sociedade (LAVILLE, 2009). Silveira (2011) ressalta que a adoção de diretrizes de desenvolvimento sustentável nas organizações não são atitudes superficiais que visem o marketing, aproveitando a chamada onda ambiental. As práticas adotadas por uma organização devem apresentar resultados práticos e significativos para o meio ambiente e a sociedade como um todo. Segundo Elkington (2012) as organizações que não aceitarem o desafio de harmonizar os três pilares da sustentabilidade (econômico, ambiental e social) correm o risco de extinção. Na Conferência Internacional do Instituto ETHOS, realizada no ano de 2006, foi tratada a questão da gestão de projetos para a sustentabilidade. Nesta conferência foi levantada a indagação de como os projetos podem contribuir para a evolução de modelos de gestão, incorporando o desenvolvimento sustentável. Foram apresentados resultados demonstrando que muitas organizações que já adotaram o desenvolvimento sustentável como diretriz estratégica em sua gestão, apresentam melhores resultados nos pilares da sustentabilidade (econômico, ambiental e social). Dessa forma, foi proposta na referida conferência a integração entre diretrizes do desenvolvimento sustentável e as melhores práticas de gestão de projetos propostas pelo Project Management Institute - PMI (ETHOS, 2015).

4 2.3 GESTÃO DE PROJETOS NO TERCEIRO SETOR Ainda que não sejam empresas que visam lucro, as organizações do terceiro setor têm clientes aos quais se destinam seus serviços. Desta forma, devem buscar meios para financiar suas próprias atividades, fato este que as obriga a pensar em termos bem próximos aos de costume nas empresas que visam o lucro. Estas organizações podem receber o financiamento de recursos públicos e privados, visto que são entidades privadas que prestam serviços de natureza pública. Para obter tais financiamentos, a maioria das iniciativas do terceiro setor é implementada sob a forma de projetos, sendo então necessário melhorar os processos de gestão dos mesmos, em razão da concorrência interna do setor frente à limitação destes recursos disponíveis para financiamento e, também, da crescente exigência das organizações financiadoras por propostas e prestações de contas consistentes, assim como melhores resultados dos projetos. Somente com a recente disseminação das técnicas de planejamento estratégico, dos debates sobre o impacto do trabalho social e das dificuldades para sua avaliação é que se começou a encarar a gestão de projetos como instrumento metodológico nas organizações do terceiro setor. Para fazer da ação social uma intervenção organizada com melhores possibilidades de atingir seus objetivos (XAVIER e CHUERI, 2008). As organizações de terceiro setor geralmente contratam serviços de profissionais conhecidos no segmento por especialistas em elaboração de projetos. São profissionais que possuem conhecimento de editais de financiamento e que trabalham na elaboração de projetos para estas organizações. Após aprovar o seu projeto naquele edital, o especialista em elaboração de projetos não irá mais contribuir, pois já terá concluído seu trabalho (elaborar o projeto). A partir deste momento, fica totalmente a cargo da organização a tarefa de executar o plano de ações descrito no projeto, sendo, geralmente neste ponto que a organização apresenta suas maiores dificuldades. Para que o gerenciamento de projetos no terceiro setor seja eficiente, a criação e a implementação desses projetos necessitam de sistematização. Desta maneira, as fases do projeto devem apresentar um encadeamento de suas ações que leve aos resultados esperados pelas organizações e também pelos seus financiadores. O gerenciamento de projetos é uma atividade que trata do planejamento, da execução e do controle de projetos, e sua aplicação ao longo de todo o trabalho, permite a avaliação do desempenho, as lições aprendidas e a antecipação do desempenho futuro com alguma confiabilidade (BORGES et al., 2010). A aceitação do gerenciamento de projetos como uma profissão indica que a aplicação do conhecimento, processos, habilidades, ferramentas e técnicas pode ter um impacto significativo no sucesso do projeto. O Guia PMBOK identifica esse subconjunto do conhecimento em gerenciamento de projetos que é amplamente reconhecido como boa prática. "Amplamente reconhecido" significa que o conhecimento e as práticas descritas são aplicáveis à maioria dos projetos na maior parte das vezes, e que existe um consenso em relação ao seu valor e utilidade. "Boa prática" significa que existe um consenso geral de que a aplicação do conhecimento, habilidades, ferramentas e técnicas podem aumentar as chances de sucesso de muitos projetos. "Boa prática" não significa que o conhecimento descrito deva ser sempre aplicado uniformemente a todos os projetos; a organização e/ou a equipe de gerenciamento do projeto é responsável por determinar o que é apropriado para um projeto específico (PMBOK, 2013). 3. PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS Esta pesquisa é de caráter qualitativo, tendo como foco principal a observação, descrição e compreensão de uma organização do terceiro setor que adotou diretrizes de desenvolvimento sustentável em uma metodologia de gerenciamento de projetos. Para alcançar o objetivo proposto, foram utilizadas pesquisas bibliográficas além de estudo de caso, que,

5 segundo Yin (2005), é adequado quando há interesse em examinar um fenômeno atual dentro de seu contexto. A pesquisa bibliográfica foi fundamental para realizar o levantamento teórico existente relativo ao objetivo da pesquisa, destacando os conceitos de terceiro setor, desenvolvimento sustentável e gerenciamento de projetos, além da bibliografia existente na junção dos três conceitos. Os referenciais teóricos são importantes porque reforçam, justificam, demonstram, esclarecem e explicam o fenômeno pesquisado. Além disso, a teoria traz credibilidade ao tema que está sendo pesquisado. O estudo de caso descreve a situação do contexto da organização, apresenta a metodologia de gestão de projetos baseada em Lacruz (2014) utilizada na organização e descreve as diretrizes de desenvolvimento sustentável adotadas pelo modelo de gestão. Os resultados obtidos através da avaliação do estudo de caso e de entrevistas com o Conselho Diretivo, gestores das áreas e gerentes de projetos da organização, permitiu conduzir as conclusões da pesquisa e propor linhas de investigação para o desenvolvimento de trabalhos futuros e melhorias. 4. APRESENTAÇÃO DO ESTUDO DE CASO E ANÁLISE DOS RESULTADOS O Núcleo Beneficente Educacional e Social objeto desta pesquisa é uma organização não governamental sem fins lucrativos, fundada em 1978, localizada no estado do Paraná. O Conselho Diretivo do Núcleo autorizou a realização desta pesquisa através do livre acesso a todas as dependências da instituição, assim como a disponibilização de informações e realização de entrevistas com seus colaboradores. Porém, foi estabelecida a condição da não divulgação do nome ou informação que identifique a instituição. No estudo de caso a organização será tratada e denominada como Núcleo. 4.1 PROJETOS DO NÚCLEO Missão Trabalhar em defesa da Criança e do Adolescente de 6 a 14 anos, na proteção social básica e fortalecimento de vínculos, promovendo suas potencialidades biopsicossociais e educacional em busca da cidadania. Campos de atuação e projetos Apoio ao desenvolvimento global da criança, oferecendo atividades que promovam sua formação integral, potencialidade, criatividade, sociabilidade, saúde física e psicológica, prevenindo situações de risco e evasão escolar. Modelo de Gestão de Projetos utilizado pelo Núcleo A partir do mês de setembro de 2014, a equipe de gestores de projetos do Núcleo passou a utilizar o modelo de gestão de projetos proposto pelo Prof. Adonai José Lacruz em seu livro intitulado: Gestão de projetos no terceiro setor, que terão seus aspectos básicos apresentados a seguir segundo Lacruz, (2014). No livro Metodologia de gerenciamento de projetos no terceiro setor: uma estratégia para a condução de projetos, elaborado pelo Grupo Estratégico Terceiro Setor do Project Management Institute (PMI-RJ), foi desenvolvida a metodologia de gerenciamento de projetos do terceiro setor que teve como ponto de partida as fases: proposta, captação, realização, monitoramento e controle e encerramento. Note-se que aqui temos uma metodologia, pois sua documentação se deu pelas fases do projeto, diferenciando do PMBOK (2013), um guia de melhores práticas, que pode (e deve) ser usado para o desenvolvimento de metodologias, por sua vez, aplicadas a uma entidade em particular ou grupo de entidades semelhantes.

6 No modelo proposto por Lacruz, o fluxo de trabalho também se dá por fases, uma vez que, se o rito do gerenciamento for apresentado pela cronologia lógica de ocorrência, facilita o entendimento da interlocução das áreas e dos grupos de processos de gerenciamento. Entretanto, é diferente do trabalho do Grupo Estratégico Terceiro Setor do PMI-RJ, pois, em vez de partir do Gerenciamento de projetos para o terceiro setor leva em consideração sete fases (captação, contratação, organização e preparação, execução, monitoramento e controle, prestação de contas e encerramento) e foi realizado do terceiro setor para o Gerenciamento de Projeto. Olhares diferentes sobre a mesma temática, portanto. A Figura 1 apresenta as fases e subfases dos projetos no terceiro setor e seu interrelacionamento. Note-se que a fase Monitoramento e Controle retroalimenta a fase Organização e Preparação. Ou seja, o planejamento é revisto à medida que os resultados parciais são avaliados e se suscita reescrever o planejamento. Figura 1: Fases de gerenciamento de projetos no terceiro setor. Fonte: Lacruz (2014). Neste modelo foi adotada a nomenclatura da 5ª edição do PMBOK (2013). As adaptações ao terceiro setor foram realizadas na escolha dos processos (suas entradas, ferramentas e técnicas, e saídas), dando preferência às ferramentas e técnicas mais simples. A Tabela 1 apresenta as equivalências das entregas-chave do gerenciamento de projetos no PMBOK e neste modelo, apesar da diferente forma de apresentação. Tabela 1: Equivalências com o PMBOK. Fonte: Lacruz (2014).

7 Outra diferença do Modelo Lacruz de Gestão de projetos no terceiro setor para o PMBOK está no continuum lógico. Para as entidades do terceiro setor, o projeto nasce como proposta e se transforma em projeto quando da assinatura do convênio. Caso a proposta de projeto não tenha patrocinador, não haverá projeto. Há, portanto, dois momentos de encerramento: ainda como pré-projeto e com a aprovação da prestação de contas pelo patrocinador. No PMBOK há apenas um momento de encerramento do projeto, de acordo com os ciclos de vida de entidades privadas com fins lucrativos. A Figura 2 apresenta os processos de gerenciamento de projetos no terceiro setor proposto no Modelo Lacruz de Gestão de Projetos. Figura 2: Processos de gerenciamento de projetos no terceiro setor. Fonte: Lacruz (2014). A fase de Captação esta composta de três subfases: identificação de oportunidades, elaboração de propostas e negociação. O encadeamento das subfases identificação de oportunidades e elaboração de propostas pode ser invertido. Ora se elaboram propostas para adiante capturar recursos (demanda espontânea), ora oportunidades são identificadas para depois serem elaboradas propostas que atendam àquela oportunidade identificada (resposta a editais e correlatos). Na subfase identificação de oportunidades, há duas situações distintas: oportunidades identificadas por meio de chamadas de apoio a projetos e oportunidades de propostas de projetos por necessidades internas identificadas. Com uma oportunidade confirmada, a elaboração de uma proposta de projeto pode ser iniciada seguindo o roteiro de proposta de projeto do Núcleo. O processo de negociação tem seu inicio com a submissão da proposta de projeto. É comum que a proposta do projeto seja reescrita ao longo da negociação para tornar algumas partes mais claras ou mesmo incluir ou excluir elementos por força do feedback do

8 patrocinador, a fim de torná-la mais alinhada com as políticas de patrocínio aos projetos dos patrocinadores. Como em qualquer negociação, há elementos que não são negociáveis, entretanto, e não se pode ter receio de informar tal condição. Sendo por norma do Núcleo não iniciar um projeto sem que as condições mínimas para sua boa execução sejam satisfeitas. A fase de captação é concluída com a aprovação do projeto na fase de negociação onde inicia-se o projeto pela sua contratação. Desta forma, o início do processo se deu pela ampliação da perspectiva de análise para as áreas social e ambiental até então pouco exploradas. E pela busca no equilíbrio entre os níveis econômico, social e ambiental na gestão dos projetos do Núcleo. 4.2 DIRETRIZES SUSTENTÁVEIS INTEGRADAS AO MODELO DE GESTÃO NO TERCEIRO SETOR As ações do terceiro setor são verdadeiros agentes de transformação em um empreendimento humano. Nas mãos dos gestores de projetos muitas vezes encontra-se a possibilidade de avaliar quais são as melhores práticas associadas aos projetos e o quanto essas práticas estão levando em consideração as diretrizes para o desenvolvimento sustentável. Partindo desta visão, o Núcleo decidiu por implementar em seu modelo de gestão de projetos, diretrizes de desenvolvimento sustentável abordadas por Roa (2013) e apresentadas a seguir. A Tabela 2 apresentada as visões adotadas com ampliação de perspectivas na gestão de projetos do Núcleo. Tabela 2: Visões e perspectivas adotadas na gestão de projetos do Núcleo. FUNÇÃO VISÃO ANTERIOR VISÃO ADOTADA (Atual) Econômica Ambiental Social Fonte: Elaborada pelos autores. Foco nos resultados econômicos. Análise do impacto ambiental das atividades de execução dos projetos. Inexistente. Ampliação dos resultados econômicos equilibrados com os sociais e ambientais, com atuação em todas as fases dos projetos. Ampliação da perspectiva, analisando a capacidade dos projetos enriquer o meio ambiente. Avaliação constante das potencialidades sociais que podem ser ampliadas com os projetos. A integração das diretrizes de desenvolvimento sustentável ao modelo de gestão de projetos do terceiro setor utilizada pelo Núcleo foi planejada com objetivo de considerar que os padrões de gerenciamento de projetos permitam identificar e efetivar ações relacionadas à sustentabilidade em todas as fases do projeto. Aspectos do desenvolvimento sustentável foram elaborados e inseridos em forma de processos e formulários no modelo de gestão do Núcleo e considerados nas sete fases da gestão de projetos: captação, contratação, organização e preparação, execução monitoramento e controle, prestação de contas e encerramento. Na Tabela 3 são apresentados os aspectos do desenvolvimento sustentável a serem levantados e tratados em cada processo e em cada fase da gestão dos projetos.

9 Tabela 3: Integração de diretrizes sustentáveis ao modelo de gestão de projetos. DIRETRIZES DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL ADOTADO NAS FASES: CAPTAÇÃO E CONTRATAÇÃO Equivalência com o Grupo de Processo (Pmbok) : INICIAÇÃO Inserção de questões ligadas ao desenvolvimento sustentável e diretrizes específicas do Núcleo, incentivando os profissionais a se questionarem sobre as formas pelas quais o projeto poderia ampliar suas perspectivas. Apresentação de contribuição para as diretrizes de sustentabilidade do Núcleo. Definição do gerente: optar por alguém que participe do plano de desenvolvimento e educação do Núcleo, com uma maior carga de formação em questões ligadas ao Desenvolvimento Sustentável. Premissas do Projeto: deve-se considerar o respeito aos Valores, Premissas e Diretrizes estratégicas para a Sustentabilidade. Restrições: apresentação de restrições com a finalidade de não potencializarem as questões da Sustentabilidade em seu escopo. Os marcos do cronograma devem prever pontos de controle também com as partes interessadas ampliadas da empresa, envolvidas ou impactadas pelo projeto. Orçamento: deve considerar também os investimentos necessários para tratar os impactos sociais ou ambientais do projeto quando de sua implantação DIRETRIZES DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL ADOTADO NA FASE: ORGANIZAÇÃO E PREPARAÇÃO Equivalência com o Grupo de Processo (Pmbok) : PLANEJAMENTO Critérios de controle e aceitação do escopo: deve considerar o envolvimento de todas as partes interessadas. Estimativa de Custo / Plano de Contas: segregação dos custos incrementados pela adoção das diretrizes de sustentabilidade que ampliaram o escopo do projeto, assim pode-se contabilizar o custo da sustentabilidade e utilizar dados para análise de retorno com o projeto. Padrões, métricas e indicadores de qualidade: deve considerar ISO e também protocolos como Global ReportingIniciative (GRI), Pacto Global (ou Global Compact proposto pela ONU), etc. Deve considerar partes interessadas, internas e externas, na estrutura de decisão do projeto no plano de gerenciamento de recursos humanos e nas estratégias de comunicação. Política de incentivo: projetos com escopo apresentando idéias inovadoras no campo do desenvolvimento sustentável poderá ter planos específicos e premiação às equipes que o idealizaram e implementaram. Matriz de Riscos: deve considerar análise dos impactos do projeto na dimensão do desenvolvimento sustentável. Definição dos parceiros e fornecedores do Núcleo: Priorizar parceiros e fornecedores com maior aderência às políticas e diretrizes do desenvolvimento sustentável.ressaltando que se deve sempre manter, em primeiro lugar, o trinômio qualidade, preço e prazo em foco. DIRETRIZES DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL ADOTADO NA FASE: EXECUÇÃO Equivalência com o Grupo de Processo (Pmbok) : EXECUÇÃO Responsabilidade pelos gerentes de projetos pela inserção do tema da sustentabilidade: acompanhar e incentivar a adoção dessa nova abordagem de pensar projetos junto à equipe. Distribuição das informações: Considerar todas as partes interessadas, internas e externas. Responsáveis pelo tema de Sustentabilidade: manter informações adicionais de mercado no tema ligado ao projeto e que tenha íntima relação o Desenvolvimento Sustentável, repassar para as equipe de projetos, visando inspirá-las e atualizá-las. Aquisições: Priorizar sempre parceiros e fornecedores com maior aderência às políticas e diretrizes do desenvolvimento sustentável. DIRETRIZES DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL ADOTADO NA FASE: MONITORAMENTO E CONTROLE Equivalência com o Grupo de Processo (Pmbok) : MONITORAMENTO E CONTROLE À conclusão de cada fase do Ciclo de Vida do Projeto: envolver todas as partes interessadas na conclusão das fases, inclusive as externas. Nas entregas (sign-off) com patrocinadores, parceiros e/ou stakeholders: envolver todas as partes interessadas na conclusão das fases, inclusive as externas. Gerenciamento de Equipes: considerar todas as adequações feitas devido à inclusão do tema sustentabilidade. Monitoramento e Controle de Riscos: considerar todas as adequações feitas devido à inclusão do tema sustentabilidade. Administração de contratos: considerar todas as adequações feitas devido à inclusão do tema sustentabilidade. DIRETRIZES DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL ADOTADO NA FASES: PRESTAÇÃO DE CONTAS E ENCERRAMENTO Equivalência com o Grupo de Processo (Pmbok) : ENCERRAMENTO À conclusão de cada fase do Ciclo de Vida do Projeto: envolver todas as partes interessadas na conclusão das fases, inclusive as externas. Nas entregas (sign-off) com patrocinadores, parceiros e/ou stakeholders: envolver todas as partes interessadas na conclusão das fases, inclusive as externas. Gerenciamento de Equipes: considerar todas as adequações feitas devido à inclusão do tema sustentabilidade. Monitoramento e Controle de Riscos: considerar todas as adequações feitas devido à inclusão do tema sustentabilidade. Administração de contratos: considerar todas as adequações feitas devido à inclusão do tema sustentabilidade. Fonte: Elaborada pelos autores.

10 4.3 ANÁLISE DOS RESULTADOS Passados seis meses da implementação do modelo de gestão de projetos no terceiro setor integrado a diretrizes de desenvolvimento sustentável, o Núcleo concluiu cinco novos projetos. Ainda é muito cedo para uma avaliação mais profunda e precisa sobre os resultados efetivos e seus impactos. Entretanto, através de um processo de entrevistas com todas as partes envolvidas nos projetos, foi possível se chegar a uma análise de percepção dos resultados iniciais, quanto aos impactos na gestão dos projetos com relação às visões social, ambiental e econômica. A Figura 3 apresenta o resultado da consolidação do processo de entrevistas na percepção das partes envolvidas, apontando a variação da utilização de diretrizes de desenvolvimento sustentável no gerenciamento dos projetos antes e após sua implantação. Econômica Social Antes Implantação Após Implantação Ambiental Figura 3: Utilização de diretrizes sustentáveis após implantação. Fonte: Elaborada pelos autores. Fica demonstrado um relevante aumento no nível de utilização de diretrizes de desenvolvimento sustentável no modelo de gestão de projetos do Núcleo nas áreas social e ambiental e de aumento moderado na área econômica. 5. CONCLUSÕES Apesar do pouco tempo de utilização do modelo de gestão de projetos com a adoção de diretrizes de desenvolvimento sustentável pelo Núcleo, já foi possível observar resultados satisfatórios quanto à utilização efetiva de aspectos de sustentabilidade nas visões social, ambiental e econômica na gestão de seus projetos. Desta forma, conclui-se ser possível e viável incorporar diretrizes de sustentabilidade em um modelo de gestão de projetos no terceiro setor, em geral, sendo adotadas ações de certa complexidade e outras mais simples, que podem fazer parte da agenda cotidiana do Núcleo. Com certeza todos os esforços valerão a pena, uma vez que órgãos reconhecidos afirmam que organizações engajadas com o tema apresentam melhores resultados e são mais valorizadas pela sociedade, além de despertar o interesse de patrocinadores para ações e investimentos no terceiro setor. Vale ressaltar que há um campo muito vasto a ser percorrido ainda sobre o tema deste estudo, ficando como sugestão para pesquisas futuras: o aprofundamento na identificação de novas diretrizes de desenvolvimento sustentável e também um aprimoramento da integração das diretrizes com o modelo de gestão e seus documentos de apoio.

11 Powered by TCPDF ( 6. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BORGES, C. N., FILHO B. A. C. Terceiro setor e o gerenciamento de projetos: análise de uma ferramenta estratégica. XIII Seminários de Administração. Editora Semead CARVALHO, M. M., RABECHINI, R. Fundamentos em gestão de projetos - Construindo competências para gerenciar projetos. 4. ed. São Paulo. Editora Atlas ELKINGTON, J. Sustentabilidade, canibais com garfo e faca. 1. ed. São Paulo. Editora M. Books ETHOS, I. Gestão de projetos para sustentabilidade. Conferência Internacional do Instituto Ethos. Disponível em: < Acesso em: 02/mar/ LACRUZ, A. J. Gestão de Projetos no terceiro setor Uma aplicação prática. 1. ed. Rio de Janeiro. Editora Elsevier LAVILLE, E. Empresa Verde. 1. ed. São Paulo. Editora OTE PEREIRA, M., AGAPITO, F. Afinal, Como se Formam as Estratégias? O Processo de Formulação Estratégica em uma Organização do Terceiro Setor. Revista de Administração e Inovação. Vol. 3. n 1. São Paulo PMBOK, G. A Guide to the Project Management Body of Knowledge. 5. ed. Pennsylvania. EUA. Editora PMI REBRATES, R. B. T. S. O Terceiro Setor: Quem somos?. Disponível em: < Acesso em: 14/fev/2015. ROA, J. P. B., BARROS, I. P. A. F. Práticas de desenvolvimento sustentável na gestão de projetos. Nº 03. Ano II. Revista Vozes do Vale. Minas Gerais ROMM, J. Empresas Eco-Eficientes. 1. ed. São Paulo. Editora Signus SCHLEDER, A.; PEDREIRA, E. R.; MAZZALI, R. Gestão de negócios sustentáveis. 1. ed. Rio de Janeiro. Editora FGV SILVEIRA, M. C. A. C. Responsabilidade Social Empresarial e a Sustentabilidade. 1. ed. São Paulo. Editora Annablume XAVIER, C., CHUERI, L. Metodologia de Gerenciamento de Projetos no Terceiro Setor :uma estratégia para a condução de projetos. 1. ed. Rio de Janeiro. Editora Brasport YIN, R. Estudo de caso: planejamento e métodos. 1. ed. Porto Alegre. Editora Bookman, 2005.

ADOÇÃO DE DIRETRIZES DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL NA GESTÃO DE PROJETOS: ESTUDO DE CASO NO TERCEIRO SETOR

ADOÇÃO DE DIRETRIZES DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL NA GESTÃO DE PROJETOS: ESTUDO DE CASO NO TERCEIRO SETOR ADOÇÃO DE DIRETRIZES DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL NA GESTÃO DE PROJETOS: ESTUDO DE CASO NO TERCEIRO SETOR Fernando Rodrigues Castanho (UNITAU) * Marcos Roberto Buri (UNITAU/FACEQ/UNINOVE) ** Resumo O

Leia mais

Processos de gerenciamento de projetos em um projeto

Processos de gerenciamento de projetos em um projeto Processos de gerenciamento de projetos em um projeto O gerenciamento de projetos é a aplicação de conhecimentos, habilidades, ferramentas e técnicas às atividades do projeto a fim de cumprir seus requisitos.

Leia mais

3 Gerenciamento de Projetos

3 Gerenciamento de Projetos 34 3 Gerenciamento de Projetos Neste capítulo, será abordado o tema de gerenciamento de projetos, iniciando na seção 3.1 um estudo de bibliografia sobre a definição do tema e a origem deste estudo. Na

Leia mais

Objetivos da aula. Planejamento, Execução e Controle de Projetos de Software. O que é um plano de projeto? O que é um projeto?

Objetivos da aula. Planejamento, Execução e Controle de Projetos de Software. O que é um plano de projeto? O que é um projeto? Planejamento, Execução e Controle de Projetos de Software. Objetivos da aula 1) Dizer o que é gerenciamento de projetos e a sua importância; 2) Identificar os grupos de processos do gerenciamento de projetos

Leia mais

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro Matheus de Aguiar Sillos matheus.sillos@pmlog.com.br AGV Logística Rua Edgar Marchiori, 255, Distrito

Leia mais

Novidades do Guia PMBOK 5ª edição

Novidades do Guia PMBOK 5ª edição Novidades do Guia PMBOK 5ª edição Mauro Sotille, PMP O Guia PMBOK 5 a edição (A Guide to the Project Management Body of Knowledge (PMBOK Guide) Fifth Edition), em Inglês, foi lançado oficialmente pelo

Leia mais

Gerenciamento de Projeto: Planejando os Riscos. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Gerenciamento de Projeto: Planejando os Riscos. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Gerenciamento de Projeto: Planejando os Riscos Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Introdução Planejar o Gerenciamento dos Riscos. Identificar os Riscos Realizar a Análise Qualitativa

Leia mais

XII Seminario Latino-Iberoamericano de Gestión Tecnológica - ALTEC 2007

XII Seminario Latino-Iberoamericano de Gestión Tecnológica - ALTEC 2007 XII Seminario Latino-Iberoamericano de Gestión Tecnológica - ALTEC 2007 Processo de Avaliação e Acompanhamento de Empreendimentos Pré-Incubados Utilizando Balanced Scorecard Perez, Celso Roberto Instituto

Leia mais

Project Management Body of Knowledge

Project Management Body of Knowledge PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS PUCMINAS (UNIDADE BARREIRO) CURSOS: ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS / LOGÍSTICA Project Management Body of Knowledge Definição Também conhecido como PMBOK é um

Leia mais

Planejamento - 7. Planejamento do Gerenciamento do Risco Identificação dos riscos. Mauricio Lyra, PMP

Planejamento - 7. Planejamento do Gerenciamento do Risco Identificação dos riscos. Mauricio Lyra, PMP Planejamento - 7 Planejamento do Gerenciamento do Risco Identificação dos riscos 1 O que é risco? Evento que representa uma ameaça ou uma oportunidade em potencial Plano de gerenciamento do risco Especifica

Leia mais

Manual dos Indicadores de Acompanhamento do Pacto Empresarial Contra Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes nas Rodovias Brasileiras

Manual dos Indicadores de Acompanhamento do Pacto Empresarial Contra Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes nas Rodovias Brasileiras VAMOS ACABAR COM A EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES NAS RODOVIAS BRASILEIRAS parceria estratégica parceria técnica Manual dos Indicadores de Acompanhamento do Pacto Empresarial Contra Exploração

Leia mais

Caroline Maria Guimaraes Beasley, Dulce Maria Baptista

Caroline Maria Guimaraes Beasley, Dulce Maria Baptista [X ] PÔSTER A GESTÃO DA INFORMAÇÃO EM ORGANIZAÇÕES NÃO- GOVERNAMENTAIS (ONG): UM ESTUDO DE CASO EM ONGS AMBIENTAIS FINANCIADAS PELA AGÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS PARA DESENVOLVIMENTO INTERNACIONAL - USAID

Leia mais

Roteiro SENAC. Análise de Riscos. Planejamento do Gerenciamento de Riscos. Planejamento do Gerenciamento de Riscos

Roteiro SENAC. Análise de Riscos. Planejamento do Gerenciamento de Riscos. Planejamento do Gerenciamento de Riscos SENAC Pós-Graduação em Segurança da Informação: Análise de Riscos Parte 2 Leandro Loss, Dr. Eng. loss@gsigma.ufsc.br http://www.gsigma.ufsc.br/~loss Roteiro Introdução Conceitos básicos Riscos Tipos de

Leia mais

Práticas de Gerenciamento de Projetos (GP) em Mobilização de Recursos. Raquel Moreira

Práticas de Gerenciamento de Projetos (GP) em Mobilização de Recursos. Raquel Moreira Práticas de Gerenciamento de Projetos (GP) em Mobilização de Recursos Raquel Moreira NIC Núcleo de Investigação em de Recursos Pesquisa e Consultoria Tema e objetivos de nossa conversa Reflexão sobre:

Leia mais

Gerência de Projetos e EVTE. Fabiana Costa Guedes

Gerência de Projetos e EVTE. Fabiana Costa Guedes Gerência de Projetos e Fabiana Costa Guedes 1 Agenda O que é um Projeto O que é Gerenciamento de Projetos O Contexto da Gerência de Projetos PMI Project Management Institute Ciclo de Vida do Projeto Áreas

Leia mais

mascarenhas@jacarei.sp.gov.br ramalho@vdr.cta.br gladis@directnet.com.br TÓPICOS DE PLANEJAMENTO DE PROJETOS EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO RESUMO ABSTRACT

mascarenhas@jacarei.sp.gov.br ramalho@vdr.cta.br gladis@directnet.com.br TÓPICOS DE PLANEJAMENTO DE PROJETOS EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO RESUMO ABSTRACT Mestrando CARLOS C. MASCARENHAS - PG Mestrando ANTONIO RAMALHO DE S. CARVALHO - PG Orientadora Profa. Dra. GLADIS CAMARINI mascarenhas@jacarei.sp.gov.br ramalho@vdr.cta.br gladis@directnet.com.br UNIVERSIDADE

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO (Anexo 1)

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO (Anexo 1) Prezado(a) Professor(a), Visando orientar e otimizar as informações que deverão constar no projeto, elencamos, abaixo, os itens imprescindíveis para compreensão e apresentação da sua proposta ao Prêmio

Leia mais

Gerenciamento de Projetos. Faculdade Unisaber 2º Sem 2009

Gerenciamento de Projetos. Faculdade Unisaber 2º Sem 2009 Semana de Tecnologia Gerenciamento de Projetos Faculdade Unisaber 2º Sem 2009 ferreiradasilva.celio@gmail.com O que é um Projeto? Projeto é um "esforço temporário empreendido para criar um produto, serviço

Leia mais

Ministério Público do Estado de Goiás

Ministério Público do Estado de Goiás Ministério Público do Estado de Goiás Apresentação Inicial PMO Institucional MP-GO 1 Um projeto é um esforço temporário empreendido para criar um produto, serviço ou resultado exclusivo. Em muitos casos

Leia mais

Ciclo de Vida de Projetos Sociais

Ciclo de Vida de Projetos Sociais P R O N O R D 2004 Ciclo de Vida de Projetos Sociais Um estudo dos projetos de Vitae Apoio à Cultura, Educação e Promoção Social Eduardo Marino, Everton L. P. de Lorenzi Cancellier 1. Introdução É cada

Leia mais

METODOLOGIA DE PROMOÇÃO DA SUSTENTABILIDADE PELO GERENCIAMENTO DE PROJETOS

METODOLOGIA DE PROMOÇÃO DA SUSTENTABILIDADE PELO GERENCIAMENTO DE PROJETOS METODOLOGIA DE PROMOÇÃO DA SUSTENTABILIDADE PELO GERENCIAMENTO DE PROJETOS Débora Noronha¹; Jasmin Lemke¹; Carolina Vergnano¹ ¹Concremat Engenharia e Tecnologia S/A, Diretoria Técnica de Estudos, Projetos

Leia mais

Introdução. Gerência de Projetos de Software. Sumário. Sistemas de Informação para Processos Produtivos

Introdução. Gerência de Projetos de Software. Sumário. Sistemas de Informação para Processos Produtivos Sumário Sistemas de Informação para Processos Produtivos 1. Gerência de 2. Agentes principais e seus papéis 3. Ciclo de vida do gerenciamento de projetos M. Sc. Luiz Alberto lasf.bel@gmail.com Módulo 6

Leia mais

Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gerenciamento de Projeto /Turma 140 Data: Agosto/2014 GERENCIAMENTO DE PROJETOS AMBIENTAIS

Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gerenciamento de Projeto /Turma 140 Data: Agosto/2014 GERENCIAMENTO DE PROJETOS AMBIENTAIS Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gerenciamento de Projeto /Turma 140 Data: Agosto/2014 GERENCIAMENTO DE PROJETOS AMBIENTAIS Eduardo Christófaro de Andrade Eng. Agrônomo Juliana Maria Mota

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das Partes Interessadas e da Integração

Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das Partes Interessadas e da Integração Diretoria de Desenvolvimento Gerencial Coordenação Geral de Educação a Distância Gerência de Projetos - Teoria e Prática Conteúdo para impressão Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo VIII Riscos

Gerenciamento de Projetos Modulo VIII Riscos Gerenciamento de Projetos Modulo VIII Riscos Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento

Leia mais

CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA: A IMPLANTAÇÃO E A GESTÃO NA MODALIDADE A DISTÃNCIA. Araras, maio de 2011.

CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA: A IMPLANTAÇÃO E A GESTÃO NA MODALIDADE A DISTÃNCIA. Araras, maio de 2011. 1 CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA: A IMPLANTAÇÃO E A GESTÃO NA MODALIDADE A DISTÃNCIA Araras, maio de 2011. Fernando da Silva Pereira Centro Universitário Hermínio Ometto UNIARARAS SP fernandosilper@uniararas.br

Leia mais

29/05/2012. Gestão de Projetos. Luciano Gonçalves de Carvalho FATEC. Agenda. Gerenciamento de Integração do Projeto Exercícios Referências FATEC

29/05/2012. Gestão de Projetos. Luciano Gonçalves de Carvalho FATEC. Agenda. Gerenciamento de Integração do Projeto Exercícios Referências FATEC Gestão de Projetos 1 Agenda Gerenciamento de Integração do Projeto Exercícios Referências 2 1 GERENCIAMENTO DA INTEGRAÇÃO DO PROJETO 3 Gerenciamento da Integração do Projeto Fonte: EPRoj@JrM 4 2 Gerenciamento

Leia mais

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão Desenvolve Minas Modelo de Excelência da Gestão O que é o MEG? O Modelo de Excelência da Gestão (MEG) possibilita a avaliação do grau de maturidade da gestão, pontuando processos gerenciais e resultados

Leia mais

Um passo inicial para aplicação do gerenciamento de projetos em pequenas empresas

Um passo inicial para aplicação do gerenciamento de projetos em pequenas empresas Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão de Projetos Aperfeiçoamento/GPPP1301 T132 09 de outubro de 2013 Um passo inicial para aplicação do gerenciamento de s em pequenas empresas Heinrich

Leia mais

Concurso da Prefeitura São Paulo. Curso Gestão de Processos, Projetos e Tecnologia da Informação. Tema: Gestão de Projetos - Conceitos Básicos

Concurso da Prefeitura São Paulo. Curso Gestão de Processos, Projetos e Tecnologia da Informação. Tema: Gestão de Projetos - Conceitos Básicos Contatos: E-mail: profanadeinformatica@yahoo.com.br Blog: http://profanadeinformatica.blogspot.com.br/ Facebook: https://www.facebook.com/anapinf Concurso da Prefeitura São Paulo Curso Gestão de Processos,

Leia mais

Planejamento e Gestão de Projetos

Planejamento e Gestão de Projetos MBA em EXCELÊNCIA EM GESTÃO DE PROJETOS E PROCESSOS ORGANIZACIONAIS Planejamento e Gestão de s Planejamento e Gestão de s Prof. Msc. Maria C Lage Prof. Newman Serrano, PMP Visão geral da disciplina Objetivos

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: GESTÃO DE PROJETOS. Prof. Msc. Carlos José Giudice dos Santos

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: GESTÃO DE PROJETOS. Prof. Msc. Carlos José Giudice dos Santos FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: GESTÃO DE PROJETOS Prof. Msc. Carlos José Giudice dos Santos O QUE SÃO PROCESSOS? De acordo com o Guia PMBOK, (2013) processo é um conjunto de ações e/ou atividades inter-relacionadas

Leia mais

CAMINHO PARA DESENVOLVER UMA AGENDA DE ADAPTAÇÃO EM MUDANÇAS CLIMÁTICAS NAS EMPRESAS. Junho 2013

CAMINHO PARA DESENVOLVER UMA AGENDA DE ADAPTAÇÃO EM MUDANÇAS CLIMÁTICAS NAS EMPRESAS. Junho 2013 CAMINHO PARA DESENVOLVER UMA AGENDA DE ADAPTAÇÃO EM MUDANÇAS CLIMÁTICAS NAS EMPRESAS Junho 2013 PROPÓSITO Aqui apresentamos o caminho para as empresas adotarem uma estratégia em adaptação às mudanças climáticas,

Leia mais

Gerenciamento da Integração (PMBoK 5ª ed.)

Gerenciamento da Integração (PMBoK 5ª ed.) Gerenciamento da Integração (PMBoK 5ª ed.) O PMBoK diz que: O gerenciamento da integração do projeto inclui os processos e as atividades necessárias para identificar, definir, combinar, unificar e coordenar

Leia mais

Leslier Soares Corrêa Estácio de Sá / Facitec Abril/Maio 2015

Leslier Soares Corrêa Estácio de Sá / Facitec Abril/Maio 2015 Leslier Soares Corrêa Estácio de Sá / Facitec Abril/Maio 2015 O Gerenciamento de Integração do Projeto envolve os processos necessários para assegurar que os diversos elementos do projeto serão coordenados

Leia mais

Ferramentas para a Gestão da Sustentabilidade na Indústria da Mineração Mª Sulema Pioli ERM Brasil Ltda Setembro 2009

Ferramentas para a Gestão da Sustentabilidade na Indústria da Mineração Mª Sulema Pioli ERM Brasil Ltda Setembro 2009 Ferramentas para a Gestão da Sustentabilidade na Indústria da Mineração Mª Sulema Pioli ERM Brasil Ltda Setembro 2009 Conteúdo da apresentação Breve contexto Indutores da Gestão da Sustentabilidade Gestão

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO: CONCEITOS GERAIS E BSC. Antonieta E. M. Oliveira antonieta.oliveira@fgv.br

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO: CONCEITOS GERAIS E BSC. Antonieta E. M. Oliveira antonieta.oliveira@fgv.br AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO: CONCEITOS GERAIS E BSC Antonieta E. M. Oliveira antonieta.oliveira@fgv.br INTRODUÇÃO Histórico dos indicadores de desempenho BSC (e ferramentas semelhantes) BSC no setor sistema

Leia mais

Sessão 4: Avaliação na perspectiva de diferentes tipos de organizações do setor sem fins lucrativos

Sessão 4: Avaliação na perspectiva de diferentes tipos de organizações do setor sem fins lucrativos Sessão 4: Avaliação na perspectiva de diferentes tipos de organizações do setor sem fins lucrativos Avaliação Econômica como instrumento para o aprimoramento da gestão das ações sociais 26/09/2013 Fundação

Leia mais

IETEC INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

IETEC INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA IETEC INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PÓS-GRADUAÇÃO GESTÃO DE PROJETOS 86ª turma Os Ativos de Processos na Gestão de Projetos Sustentáveis da Construção Civil Beatriz de Almeida Singi Siqueira Belo Horizonte,

Leia mais

Disciplina: Gerenciamento de Projetos e Práticas de Integração. Gerenciamento de Projetos e Práticas de Integração.

Disciplina: Gerenciamento de Projetos e Práticas de Integração. Gerenciamento de Projetos e Práticas de Integração. Gerenciamento de Projetos e Práticas de Integração AULA 5 Set/2013 Gerenciamento de Projetos e Práticas de Integração Execução Áreas de conhecimentos de gerenciamento de projetos ESCOPO TEMPO CUSTO QUALIDADE

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS SUSTENTABILIDADE

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS SUSTENTABILIDADE COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS SUSTENTABILIDADE descrições dos níveis APRENDIZ SABER Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE PESSOAS DA SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR PREVIC

POLÍTICA DE GESTÃO DE PESSOAS DA SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR PREVIC POLÍTICA DE GESTÃO DE PESSOAS DA SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR PREVIC 1. CONCEITOS E DEFINIÇÕES 1.1 Políticas de Gestão de Pessoas são o conjunto de estratégias ou políticas específicas

Leia mais

Gerenciamento dos Riscos de um Projeto

Gerenciamento dos Riscos de um Projeto Gerenciamento dos Riscos de um Projeto Profa. Carolina Andion, Dra Referência: PROJECT MANAGEMENT INSTITUTE (PMI) Um Guia do Conjunto de Conhecimento em Gerenciamento de Projetos (Guia PMBOK Capítulo 6),

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DOS PILARES DA MPT NO DESEMPENHO OPERACIONAL EM UM CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO DE COSMÉTICOS. XV INIC / XI EPG - UNIVAP 2011

IMPLANTAÇÃO DOS PILARES DA MPT NO DESEMPENHO OPERACIONAL EM UM CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO DE COSMÉTICOS. XV INIC / XI EPG - UNIVAP 2011 IMPLANTAÇÃO DOS PILARES DA MPT NO DESEMPENHO OPERACIONAL EM UM CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO DE COSMÉTICOS. XV INIC / XI EPG - UNIVAP 2011 Rogério Carlos Tavares 1, José Luis Gomes da Silva² 1 Universidade de

Leia mais

Introdução. Escritório de projetos

Introdução. Escritório de projetos Introdução O Guia do Conhecimento em Gerenciamento de Projetos (Guia PMBOK ) é uma norma reconhecida para a profissão de gerenciamento de projetos. Um padrão é um documento formal que descreve normas,

Leia mais

Legitimação dos conceitos face as práticas organizacionais; Oportunizar reflexão sobre as competências em desenvolvimento;

Legitimação dos conceitos face as práticas organizacionais; Oportunizar reflexão sobre as competências em desenvolvimento; 1 MANUAL DE ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS INTEGRADORES CURSO SUPERIORES DE GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA (LOGÍSTICA) SÃO PAULO 2009 2 Introdução A prática pedagógica dos Cursos Superiores de Graduação

Leia mais

ANEXO 1 PROJETO BÁSICO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL E ORGANIZACIONAL DE ENTIDADES CIVIS DE DEFESA DO CONSUMIDOR

ANEXO 1 PROJETO BÁSICO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL E ORGANIZACIONAL DE ENTIDADES CIVIS DE DEFESA DO CONSUMIDOR ANEXO 1 PROJETO BÁSICO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL E ORGANIZACIONAL DE ENTIDADES CIVIS DE DEFESA DO CONSUMIDOR I - OBJETIVO GERAL Realização de Módulos do programa de capacitação

Leia mais

Planejamento de Projeto Gestão de Projetos

Planejamento de Projeto Gestão de Projetos Planejamento de Projeto Gestão de Projetos O gerenciamento de projetos consiste na aplicação de conhecimentos, habilidades, ferramentas e técnicas adequadas às atividades do projeto, a fim de cumprir seus

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo II Clico de Vida e Organização

Gerenciamento de Projetos Modulo II Clico de Vida e Organização Gerenciamento de Projetos Modulo II Clico de Vida e Organização Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos

Leia mais

Sustentabilidade nos Negócios

Sustentabilidade nos Negócios Sustentabilidade nos Negócios Apresentação O programa Gestão Estratégica para a Sustentabilidade foi oferecido pelo Uniethos por nove anos. Neste período os temas ligados à sustentabilidade começam a provocar

Leia mais

Carta de Adesão à Iniciativa Empresarial e aos 10 Compromissos da Empresa com a Promoção da Igualdade Racial - 1

Carta de Adesão à Iniciativa Empresarial e aos 10 Compromissos da Empresa com a Promoção da Igualdade Racial - 1 Carta de Adesão à Iniciativa Empresarial pela Igualdade Racial e à sua agenda de trabalho expressa nos 10 Compromissos da Empresa com a Promoção da Igualdade Racial 1. Considerando que a promoção da igualdade

Leia mais

Práticas de desenvolvimento sustentável na gestão de projetos

Práticas de desenvolvimento sustentável na gestão de projetos - 1 - Ministério da Educação Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri UFVJM Minas Gerais Brasil Revista Vozes dos Vales: Publicações Acadêmicas Reg.: 120.2.095 2011 UFVJM ISSN: 2238-6424

Leia mais

Resultados da Pesquisa IDIS de Investimento Social na Comunidade 2004

Resultados da Pesquisa IDIS de Investimento Social na Comunidade 2004 Resultados da Pesquisa IDIS de Investimento Social na Comunidade 2004 Por Zilda Knoploch, presidente da Enfoque Pesquisa de Marketing Este material foi elaborado pela Enfoque Pesquisa de Marketing, empresa

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos Grupo de Consultores em Governança de TI do SISP 20/02/2013 1 Agenda 1. PMI e MGP/SISP 2. Conceitos Básicos - Operações e Projetos - Gerenciamento de Projetos - Escritório de

Leia mais

RESENHA. COSTA, Eliezer Arantes. Gestão Estratégica: construindo o futuro de sua empresa - Fácil. 1. ed. São Paulo: Saraiva, 2012.

RESENHA. COSTA, Eliezer Arantes. Gestão Estratégica: construindo o futuro de sua empresa - Fácil. 1. ed. São Paulo: Saraiva, 2012. FOCO: Revista de Administração da Faculdade Novo Milênio. RESENHA COSTA, Eliezer Arantes. Gestão Estratégica: construindo o futuro de sua empresa - Fácil. 1. ed. São Paulo: Saraiva, 2012. Valéria Santiago

Leia mais

Como o Manual de Planejamento e Avaliação de Projetos Sociais (FDC/POS) pode se integrar com o Guia do PMD-PRO 1?

Como o Manual de Planejamento e Avaliação de Projetos Sociais (FDC/POS) pode se integrar com o Guia do PMD-PRO 1? Como o Manual de Planejamento e Avaliação de Projetos Sociais (FDC/POS) pode se integrar com o Guia do PMD-PRO 1? Esse artigo corresponde ao Anexo 5 do Manual de Planejamento e Avaliação de Projetos Sociais

Leia mais

Ainda na visão dos entrevistados, as razões para profissionalização envolvem benefícios esperados, como a otimização da utilização de recursos, e

Ainda na visão dos entrevistados, as razões para profissionalização envolvem benefícios esperados, como a otimização da utilização de recursos, e 7 Conclusão No mundo de negócios, as organizações constantemente buscam melhorias e aperfeiçoamento de suas gestões para sobreviver e crescer em face de um mercado competitivo. Nesse movimento, percebe-se

Leia mais

10º ENCONTRO NACIONAL DE CONSERVAÇÃO RODOVIÁRIA

10º ENCONTRO NACIONAL DE CONSERVAÇÃO RODOVIÁRIA 10º ENCONTRO NACIONAL DE CONSERVAÇÃO RODOVIÁRIA JOINVILLE/SC - BRASIL - 4 a 7 de outubro de 2005 Local: Centreventos Cau Hansen PADRÕES INTERNACIONAIS DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS APLICADOS À CONSERVAÇÃO

Leia mais

Gerenciamento de integração de projeto

Gerenciamento de integração de projeto Objetivos do Conteúdo Gerenciamento de integração de projeto Sergio Scheer / DCC / UFPR TC045 Gerenciamento de Projetos Prover capacitação para: - Identificar os processos de Gerenciamento de Projetos;

Leia mais

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727)

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Pergunta: Sua resposta Data de envio: 11/06/2014 13:47:32 Endereço IP: 200.253.113.2 1. Liderança da alta administração 1.1. Com

Leia mais

PMBOK 4ª Edição III. O padrão de gerenciamento de projetos de um projeto

PMBOK 4ª Edição III. O padrão de gerenciamento de projetos de um projeto PMBOK 4ª Edição III O padrão de gerenciamento de projetos de um projeto 1 PMBOK 4ª Edição III Processos de gerenciamento de projetos de um projeto 2 Processos de gerenciamento de projetos de um projeto

Leia mais

Questionário de Governança de TI 2016

Questionário de Governança de TI 2016 Questionário de Governança de TI 2016 De acordo com o Referencial Básico de Governança do Tribunal de Contas da União, a governança no setor público compreende essencialmente os mecanismos de liderança,

Leia mais

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015 PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE UM PRODUTO NO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Cleidiane Silva e Silva¹; Tassyane Lara Souza²; Patrícia Caroline Verissimo³; Antônio Luiz Ferreira Junior 4 1234 Universidade

Leia mais

Gestão Estratégica de Pessoas

Gestão Estratégica de Pessoas Gestão Estratégica de Pessoas MBA FGV 1 Grandes Decisões sobre Pessoas Fatores que Garantem o Resultado As Tendências e Perspectivas de Gestão de Pessoas em Saúde Gestão de Pessoas e o Balanced Score Card

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Este material resulta da reunião de fragmentos do módulo I do Curso Gestão Estratégica com uso do Balanced Scorecard (BSC) realizado pelo CNJ. 1. Conceitos de Planejamento Estratégico

Leia mais

Ouvir o cliente e reconhecer o problema: ingredientes essenciais à gestão de projetos

Ouvir o cliente e reconhecer o problema: ingredientes essenciais à gestão de projetos Ouvir o cliente e reconhecer o problema: ingredientes essenciais à gestão de projetos Antonio Mendes da Silva Filho * The most important thing in communication is to hear what isn't being said. Peter Drucker

Leia mais

Gerência de Projetos Prof. Késsia Rita da Costa Marchi 3ª Série kessia@unipar.br

Gerência de Projetos Prof. Késsia Rita da Costa Marchi 3ª Série kessia@unipar.br Gerência de Projetos Prof. Késsia Rita da Costa Marchi 3ª Série kessia@unipar.br Motivações Gerenciamento de projetos, vem sendo desenvolvido como disciplina desde a década de 60; Nasceu na indústria bélica

Leia mais

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE DO GRUPO INVEPAR

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE DO GRUPO INVEPAR DE DO GRUPO INVEPAR PÁGINA Nº 2/5 1. INTRODUÇÃO Desenvolver a gestão sustentável e responsável nas suas concessões é um componente fundamental da missão Invepar de prover e operar sistemas de mobilidade

Leia mais

2. Desenvolver Pesquisa de Campo sobre uma pequena empresa conforme modelo de pesquisa anexo.

2. Desenvolver Pesquisa de Campo sobre uma pequena empresa conforme modelo de pesquisa anexo. 1 1. ESTÁGIO SUPERVISIONADO 2. OBJETIVO Resolução nº 01 de 02/02/2004 do Conselho Nacional de Educação CNEC/CN/MEC. Proporcionar ao estudante oportunidade de desenvolver suas habilidades, analisar situações

Leia mais

Gestão de Mudanças 3G O Fator Humano na Liderança de Projetos do Terceiro Milênio

Gestão de Mudanças 3G O Fator Humano na Liderança de Projetos do Terceiro Milênio Gestão de Mudanças 3G O Fator Humano na Liderança de Projetos do Terceiro Milênio Não é exagero dizer que o mundo mudou mais nos últimos 30 anos do que nos últimos 30 séculos. A revolução tecnológica vem

Leia mais

Estou aqui para estudar com vocês o conteúdo de LEGISLAÇÃO - GESTÃO

Estou aqui para estudar com vocês o conteúdo de LEGISLAÇÃO - GESTÃO Aula 0 Olá, pessoal! Estou aqui para estudar com vocês o conteúdo de LEGISLAÇÃO - GESTÃO DE PROJETOS E GESTÃO SOCIAL para o concurso de ANALISTA DE POLÍTICAS SOCIAIS do MPOG. Esta é uma carreira nova,

Leia mais

Unidade III ESPECIALIZAÇÕES. Profa. Cláudia Palladino

Unidade III ESPECIALIZAÇÕES. Profa. Cláudia Palladino Unidade III ESPECIALIZAÇÕES DO MARKETING Profa. Cláudia Palladino Marketing social Atuação das empresas hoje e a Responsabilidade social: Obtenção de insumos e processamento de matéria prima de maneira

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA PROGRAMA DE MODERNIZAÇÃO INTEGRADA DO MINISTÉRIO DA FAZENDA - PMIMF MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA ATORES DA REDE DE INOVAÇÃO 2 O MODELO CONTEMPLA: Premissas e diretrizes de implementação Modelo

Leia mais

CSE-300-4 Métodos e Processos na Área Espacial

CSE-300-4 Métodos e Processos na Área Espacial CSE-300-4 Métodos e Processos na Área Espacial Engenharia e Tecnologia Espaciais ETE Engenharia e Gerenciamento de Sistemas Espaciais L.F.Perondi Engenharia e Tecnologia Espaciais ETE Engenharia e Gerenciamento

Leia mais

10 Minutos. sobre práticas de gestão de projetos. Capacidade de executar projetos é essencial para a sobrevivência das empresas

10 Minutos. sobre práticas de gestão de projetos. Capacidade de executar projetos é essencial para a sobrevivência das empresas 10 Minutos sobre práticas de gestão de projetos Capacidade de executar projetos é essencial para a sobrevivência das empresas Destaques Os CEOs de setores que enfrentam mudanças bruscas exigem inovação

Leia mais

Gerência de Projetos. O segredo para ter sucesso na implantação de Tecnologia da informação

Gerência de Projetos. O segredo para ter sucesso na implantação de Tecnologia da informação Gerência de Projetos O segredo para ter sucesso na implantação de Tecnologia da informação Introdução e Conceitos Conceitos importantes para o entendimento da disciplina O que é um projeto? Um projeto

Leia mais

Edital de seleção para formação em gestão de Organizações da Sociedade Civil Fundação Tide Setubal 2011

Edital de seleção para formação em gestão de Organizações da Sociedade Civil Fundação Tide Setubal 2011 Edital de seleção para formação em gestão de Organizações da Sociedade Civil Fundação Tide Setubal 2011 INTRODUÇÃO A Fundação Tide Setubal nasce em 2005 para ressignificar e inovar o trabalho pioneiro

Leia mais

Texto para discussão. Desenvolvimento profissional dos integrantes da carreira de EPPGG

Texto para discussão. Desenvolvimento profissional dos integrantes da carreira de EPPGG 1 Introdução Texto para discussão Desenvolvimento profissional dos integrantes da carreira de EPPGG Como resultado da coleta de subsídios para aperfeiçoamento da gestão da carreira de Especialista em Políticas

Leia mais

A gestão da prática do voluntariado como responsabilidade social, no contexto da estratégia organizacional. Fundação ArcelorMittal

A gestão da prática do voluntariado como responsabilidade social, no contexto da estratégia organizacional. Fundação ArcelorMittal A gestão da prática do voluntariado como responsabilidade social, no contexto da estratégia organizacional Fundação ArcelorMittal ArcelorMittal Maior produtora de aço do mundo com mais de 222.000 empregados

Leia mais

Remuneração e Avaliação de Desempenho

Remuneração e Avaliação de Desempenho Remuneração e Avaliação de Desempenho Objetivo Apresentar estratégias e etapas para implantação de um Modelo de Avaliação de Desempenho e sua correlação com os programas de remuneração fixa. Programação

Leia mais

DESEMPENHO 1 INTRODUÇÃO

DESEMPENHO 1 INTRODUÇÃO DESEMPENHO 1 INTRODUÇÃO Esta pesquisa tem como objetivo abordar o tema voltado para a avaliação do desempenho humano com os seguintes modelos: escalas gráficas, escolha forçada, pesquisa de campo, métodos

Leia mais

Gerenciamento de integração de projeto. Sergio Scheer / DCC / UFPR TC045 Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de integração de projeto. Sergio Scheer / DCC / UFPR TC045 Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de integração de projeto Sergio Scheer / DCC / UFPR TC045 Gerenciamento de Projetos 9 áreas de conhecimento de GP / PMBOK / PMI QUALIDADE RECURSOS HUMANOS ESCOPO AQUISIÇÕES INTEGRAÇÃO COMUNICAÇÕES

Leia mais

ONDE OS PROJETOS FALHAM? Manuel da Rocha Fiúza BRANCO, Jr 1

ONDE OS PROJETOS FALHAM? Manuel da Rocha Fiúza BRANCO, Jr 1 ONDE OS PROJETOS FALHAM? Manuel da Rocha Fiúza BRANCO, Jr 1 RESUMO Diversos profissionais relatam dificuldades em coordenar adequadamente projetos sob sua responsabilidade. Muitos fatores que influenciam

Leia mais

4. PMBOK - Project Management Body Of Knowledge

4. PMBOK - Project Management Body Of Knowledge 58 4. PMBOK - Project Management Body Of Knowledge No Brasil, as metodologias mais difundidas são, além do QL, o método Zopp, o Marco Lógico do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e o Mapp da

Leia mais

ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA. Declaração de trabalho, serviços e especificações

ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA. Declaração de trabalho, serviços e especificações PROCESSO 026-2013 ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA Declaração de trabalho, serviços e especificações A Contratada deverá executar o trabalho e realizar os serviços a seguir, indicados de acordo com as especificações

Leia mais

A Sustentabilidade e a Inovação na formação dos Engenheiros Brasileiros. Prof.Dr. Marco Antônio Dias CEETEPS

A Sustentabilidade e a Inovação na formação dos Engenheiros Brasileiros. Prof.Dr. Marco Antônio Dias CEETEPS A Sustentabilidade e a Inovação na formação dos Engenheiros Brasileiros Prof.Dr. Marco Antônio Dias CEETEPS O PAPEL DA FORMAÇÃO ACADÊMICA Segundo diversos autores que dominam e escrevem a respeito do tema,

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES. Inatel Competence Center. Business School. Gestão de Projetos

INSTITUTO NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES. Inatel Competence Center. Business School. Gestão de Projetos INSTITUTO NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES Inatel Competence Center Business School Gestão de Projetos Projeto Pedagógico de Curso de Extensão Curricular Aprovado no dia 15/05/2013 Pró diretoria de Desenvolvimento

Leia mais

Fundação Vanzolini O GERENCIAMENTO DA QUALIDADE NA SAÚDE E A ACREDITAÇÃO. Departamento de Certificação

Fundação Vanzolini O GERENCIAMENTO DA QUALIDADE NA SAÚDE E A ACREDITAÇÃO. Departamento de Certificação Fundação Vanzolini O GERENCIAMENTO DA QUALIDADE NA SAÚDE E A ACREDITAÇÃO Departamento de Certificação A FUNDAÇÃO VANZOLINI Fundada em 1967 pelos professores do Departamento de Engenharia de Produção da

Leia mais

Sumário 1 APRESENTAÇÃO...3 2 LINHAS GERAIS...4. 2.1. Diretrizes Básicas... 4 2.3. Objetivos... 4 2.4. Público-Alvo... 4

Sumário 1 APRESENTAÇÃO...3 2 LINHAS GERAIS...4. 2.1. Diretrizes Básicas... 4 2.3. Objetivos... 4 2.4. Público-Alvo... 4 Planejamento Estratégico do Sindicato Caderno de Orientações para Outubro de 2008 Sumário 1 APRESENTAÇÃO...3 2 LINHAS GERAIS...4 2.1. Diretrizes Básicas... 4 2.3. Objetivos... 4 2.4. Público-Alvo... 4

Leia mais

INFORMATIVO GERAL CURSO ELABORAÇÃO DE PROJETOS E PRESTAÇÃO DE CONTAS. 1. Apresentação

INFORMATIVO GERAL CURSO ELABORAÇÃO DE PROJETOS E PRESTAÇÃO DE CONTAS. 1. Apresentação INFORMATIVO GERAL CURSO ELABORAÇÃO DE PROJETOS E PRESTAÇÃO DE CONTAS 1. Apresentação Com as relações comerciais globalizadas é imperativo que as organizações tenham foco onde pretendem chegar. Para tanto,

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: GESTÃO DE PROJETOS. Prof. Msc. Carlos José Giudice dos Santos

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: GESTÃO DE PROJETOS. Prof. Msc. Carlos José Giudice dos Santos FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: GESTÃO DE PROJETOS Prof. Msc. Carlos José Giudice dos Santos IMPORTÂNCIA DO GUIA PMBOK [01] Grandes organizações, notadamente aquelas que chamamos de multinacionais, trabalham

Leia mais

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL DAS EMPRESAS ELETROBRAS SUSTENTABILIDADE E M P R E S A R I A L Política de Sustentabilidade Empresarial das Empresas Eletrobras DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras,

Leia mais

ATRIBUIÇÕES ESSENCIAIS DA FUNÇÃO

ATRIBUIÇÕES ESSENCIAIS DA FUNÇÃO PERFIL DE CARGO S 1- DADOS DA VAGA Cargo: Analista Função: Analista de Cooperativismo e Monitoramento Unidade Estadual: Sescoop- Maranhão Carga Horária: 40h/ semanais Salário: R$ 1.663,00 (hum mil seiscentos

Leia mais

Disciplina: Técnicas de Racionalização de Processos Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 04 O PROJETO DE MELHORIA DOS PROCESSOS

Disciplina: Técnicas de Racionalização de Processos Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 04 O PROJETO DE MELHORIA DOS PROCESSOS Disciplina: Técnicas de Racionalização de Processos Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 04 O PROJETO DE MELHORIA DOS PROCESSOS 3.4 O PROJETO DE MELHORIA DE PROCESSOS 3.4.1 - CONCEITO DE PROJETO

Leia mais

Gestão e estratégia de TI Conhecimento do negócio aliado à excelência em serviços de tecnologia

Gestão e estratégia de TI Conhecimento do negócio aliado à excelência em serviços de tecnologia Gestão e estratégia de TI Conhecimento do negócio aliado à excelência em serviços de tecnologia Desafios a serem superados Nos últimos anos, executivos de Tecnologia de Informação (TI) esforçaram-se em

Leia mais

Urgência: Um Fator Crítico no Planejamento de Projetos

Urgência: Um Fator Crítico no Planejamento de Projetos Urgência: Um Fator Crítico no Planejamento de Projetos por Ricardo Vargas em Ricardo-Vargas.com Ricardo Diante da natural velocidade e do dinamismo do mundo, a agilidade e o senso de urgência têm se tornado

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO E DO ESPORTE 2ª COORDENADORIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO

GOVERNO DO ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO E DO ESPORTE 2ª COORDENADORIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO GOVERNO DO ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO E DO ESPORTE 2ª COORDENADORIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO I ENCONTRO PARA ESTUDOS COM ORIENTADORES II ETAPA CADERNO I FORMADORA REGIONAL: Elyda Cristina

Leia mais

Orientações para elaborar um. Plano de Negócios

Orientações para elaborar um. Plano de Negócios Orientações para elaborar um Plano de Negócios Maio de 2010 www.nascente.cefetmg.br Página 1 Apresentação Este documento contém um roteiro básico de Plano de Negócios. O objetivo é permitir que o futuro

Leia mais

1 POR QUE EMPRESA JÚNIOR?

1 POR QUE EMPRESA JÚNIOR? Título: SOLUÇÃO ESTATÍSTICA JÚNIOR- PRIMEIRA DO GÊNERO NO RJ Autores:Regina Serrão Lanzillotti - lanzillotti@uol.com.br Aline Moraes da Silva alineuerj@zipmail.com.br Anna Paula Leite de Mattos anna.mattos@zipmail.com.br

Leia mais

As Organizações e a Teoria Organizacional

As Organizações e a Teoria Organizacional Página 1 de 6 As Organizações e a Teoria Organizacional Autora: Sara Fichman Raskin Este texto é totalmente baseado no primeiro capítulo do livro Organizational theory: text and cases, do autor Jones Gareth,

Leia mais