AVALIAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO EM RESTAURANTES SELF-SERVICE DA CIDADE DE ITAPEVA, ESTADO DE SÃO PAULO.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AVALIAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO EM RESTAURANTES SELF-SERVICE DA CIDADE DE ITAPEVA, ESTADO DE SÃO PAULO."

Transcrição

1 AVALIAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO EM RESTAURANTES SELF-SERVICE DA CIDADE DE ITAPEVA, ESTADO DE SÃO PAULO. Daniela Firmo Souza Santos 1 Alessandra Teixeira Barbosa Pinto² Resumo: As constantes transformações sociais pelas quais o Brasil passou, mudaram os hábitos alimentares dos indivíduos. Estima-se que, de cada cinco refeições, uma é feita fora de casa e entre os estabelecimentos do segmento, o mais frequentado pelo brasileiro é o restaurante que usa o sistema self-service. Com o crescimento no setor é preciso assegurar que os alimentos preparados sejam seguros para o consumidor. Neste contexto, o presente trabalho teve como objetivo avaliar as condições higiênico-sanitárias dos estabelecimentos desse segmento no município de Itapeva-SP. Foi utilizado um check-list com seis grupos de itens, baseado na Portaria CVS nº 5, de 09 de abril de 2013, para verificar a aplicação de Boas Práticas de Fabricação. De acordo com os resultados obtidos, do total de 10 restaurantes, apenas dois alcançaram um número de conformidades maior do que 50%. Na maioria, os manipuladores não recebem treinamentos e não apresentam práticas higiênicas adequadas. A falta de documentação é um problema presente em 80% dos restaurantes, assim como a falta de um responsável técnico. Os estabelecimentos que tinham um responsável atendiam mais requisitos que os outros, evidenciando assim, a importância de ter uma pessoa capacitada para tal função. Palavras-chave: Restaurantes. Self-Service. Boas Práticas de Fabricação. Responsável técnico. Abstract: The constant social changes by which Brazil went, changed the eating habits of individuals. It is estimated that of every five meals, one is made out of the House and between the establishments of the segment, the more frequented by brazilian is the restaurant that uses the self-service system. With the growth in the sector is necessary to ensure that the food prepared are safe for the consumer. In this context, the present study aimed to evaluate the conditions sanitary hygienic establishments of this segment in the city of Itapeva (SP) was used a checklist with six groups of items, based on the Ordinance nº 5 CVS, 09 april 2013, to verify the application of good manufacturing practices. According to the obtained results, of the total of 10 restaurants, only three have achieved a number of compliance greater than 50%. For the most part, the event handlers do not receive training and do not present appropriate hygienic practices. The lack of documentation is a problem present in 80% of restaurants, as well as the lack of a technical manager. The establishments that had a manager attended more requirements than the others, so the importance of having a competent person for that function. Keywords: Restaurants. Lunch Buffet. Good manufacturing practices. Technical Manager. 1 Aluna da Pós-Graduação em Gestão da Qualidade e Segurança Alimentar das Faculdades Ponta Grossa- FacPG. ² professor do Curso de Pós-Graduação em Gestão da Qualidade e Segurança Alimentar das Faculdades Ponta Grossa- FacPG, Ponta Grossa PR.

2 2 1 INTRODUÇÃO Na segunda metade do século XX, a sociedade brasileira passou por um processo de transformação devido ao desenvolvimento industrial. Entre as mudanças, podemos destacar os hábitos alimentares. Atualmente, as mulheres trabalham fora, os indivíduos tem pouco tempo para preparar os alimentos e por isso buscam refeições rápidas e práticas fora de casa (ROSSI, 2006). Estima-se que no Brasil, de cada cinco refeições, uma é feita fora de casa. Com isso, está ocorrendo um aumento dos estabelecimentos que produzem alimentos para consumo imediato no país e o self-service é uma forma de oferecer uma refeição variada, onde o consumidor escolhe o que colocar no seu prato e sabe o valor que irá pagar (AKUTSU et al., 2005). Segundo o Comitê da WHO/FAO (Genebra, 1984) as doenças transmitidas por alimentos contaminados são o maior problema de saúde no mundo atual. A qualidade higiênico-sanitária é um fator de segurança alimentar, mas o preparo de alimentos em ambientes comerciais nem sempre é feito em condições adequadas. As Boas Práticas de Fabricação (BPF) são procedimentos que visam garantir a qualidade sanitária dos alimentos e seu padrão de identidade, analisando os pontos críticos de controle e a Resolução RDC n 216, de 15 de setembro de 2004 estabelece procedimentos a fim de garantir a inocuidade dos alimentos preparados e utiliza ferramentas para se atingir as Boas Práticas, como o check-list de verificação contido na RDC n 275, de 21 de outubro de No estado de São Paulo as atividades relacionadas à produção de alimentos seguem o regulamento técnico de Boas Práticas para Estabelecimentos Comerciais de Alimentos e para Serviços de Alimentação aprovado na Portaria CVS n 5, de 09 de abril de Dessa forma, o presente trabalho tem como objetivo avaliar a adequação de todos os restaurantes self-service do município de Itapeva-SP, através da aplicação de um check-list baseado na legislação do Estado de São Paulo, Portaria CVS n 5. 2 MATERIAIS E MÉTODOS Este estudo foi realizado no período de setembro a dezembro de 2015, tendo como objetos de pesquisa os restaurantes comerciais do tipo self-service localizados no município

3 3 de Itapeva-SP. A coleta de dados foi realizada por meio de entrevista e observação direta das condições encontradas no local, empregando o check list padrão da Portaria CVS n 5, de 09 de abril de A pesquisa abrangeu todos os restaurantes que atuam nesse segmento, sendo que as visitas ocorreram no horário do almoço, a fim de observar os procedimentos padrões utilizados na manipulação dos alimentos. Os estabelecimentos foram analisados conforme as condições higiênico-sanitárias da infraestrutura, abastecimento de água, instalações sanitárias, controle de pragas, condições dos equipamentos, utensílios e manipuladores (vestuário, higiene e programa de capacitação), recepção e armazenamento dos gêneros alimentícios e disponibilidade do manual de Boas Práticas de Fabricação. Cada item do questionário recebia resposta SIM para conforme, não conforme recebia a resposta NÃO. O questionário é composto por 55 itens, que são divididos em 6 grupos conforme a Tabela 1. Tabela 1 Número de itens que constituem cada grupo do check-list GRUPO NÚMERO DE ITENS I Higiene, saúde dos funcionários e capacitação 09 16,36% II Produção 18 32,73% III Higienização das instalações 03 5,45% IV Suporte operacional 09 16,36% V Instalações e edificações 15 27,27% VI Documentação 01 1,83% TOTAL % 3 RESULTADOS E DISCUSSÃO Na análise do diagnóstico foi observado que dois (20%) restaurantes alcançaram um número de itens conformes maior que 50%, o restaurante 1 e o 7. Os dois piores estabelecimentos tiveram 75,9% (restaurante 2) e 74,6% (restaurante 10) de não conformidades, um percentual elevado que compromete a qualidade dos produtos e a segurança alimentar dos consumidores. Para uma melhor análise, foi calculada a porcentagem de não conformidade de cada grupo de itens separado por restaurante e o total por estabelecimento, conforme a tabela 2.

4 4 Tabela 2 Porcentagem de não conformidades por grupo. Restaurante Não conformidades (%) Total Grupo I Grupo II Grupo III Grupo IV Grupo V Grupo VI 1 22,2 44,4 66,7 22,2 33,3 0 31,4 2 77,8 77, ,3 66, ,9 3 77,8 55,6 66,7 44, ,4 4 77,8 44,4 66,7 33,3 73, ,9 5 66,7 55,6 66,7 44,4 66, ,6 6 77,8 66,7 66,7 44,4 53, ,1 7 22,2 44,4 66,7 22,2 33,3 0 31,4 8 33,3 44, ,3 53, ,7 9 33,3 66, ,3 53, , ,8 72, ,4 53, ,6 3.1 Grupo I Higiene e Saúde dos Funcionários, Responsabilidade Técnica e Capacitação de Pessoal O Grupo I é formado por 9 itens que se referem à higiene e saúde dos funcionários, responsabilidade técnica e capacitação pessoal. Os valores de não conformidades variaram entre 22,2% e 77,8%. Os funcionários que manipulam os alimentos não estavam usando uniforme ou o mesmo estava incompleto, alguns usavam adereços como brincos e correntes. O uso da touca também estava incorreto, não protegendo como deveria. Apenas 20% apresentaram um plano de capacitação pessoal, com treinamentos para atualização profissional e um responsável técnico formado em Nutrição. A ausência de cartazes para correta higienização das mãos foi verificada em 60% dos restaurantes, assim como a lavagem incorreta das mãos. Os hábitos higiênicos dos manipuladores são de extrema importância para segurança do alimento, sendo assim a lavagem das mãos um ponto crítico de controle que deve ser bem orientado para garantir bons resultados (MESSIAS et al, 2013). Em nenhum restaurante foi solicitado que os visitantes colocassem uniforme ou algum EPI. De acordo com a RDC n 216 de 15 de setembro de 2004, os visitantes devem seguir as mesmas regras que são estabelecidas para os manipuladores. 3.2 Grupo II Qualidade Sanitária da Produção de Alimentos Neste grupo foram avaliados itens referentes à produção dos alimentos. A média de não conformidades foi de 57, 21%, sendo que 60% ficaram abaixo desse valor.

5 5 A recepção dos produtos é realizada em local apropriado em apenas 30% dos estabelecimentos. A temperatura é um importante fator de controle da qualidade, porém nenhum estabelecimento visitado faz o controle na recepção. O resultado obtido é similar ao encontrado por Santos et al (2010), num estudo realizado no município do Rio de Janeiro, onde 100% dos restaurantes comerciais pesquisados não faziam o controle da temperatura na recepção da matéria-prima. Os refrigeradores e freezers não estavam adequados no que se refere à temperatura e volume de produtos, excluindo apenas 2 estabelecimentos. Em alguns restaurantes foi verificada falta de higiene e armazenamento inadequado de produtos. Nenhum restaurante guarda amostras das refeições como a Portaria CVS n 5 determina. As amostras são importantes para auxiliar a esclarecer possíveis ocorrências de doenças transmitidas por alimentos. No quesito transporte nenhum estabelecimento atendeu o requisito, pois todos utilizam o serviço de moto-táxi terceirizado, que não trabalham exclusivamente para esse fim. A empresa que contrata esse tipo de serviço é responsável pelas condições de higiene do transporte (BRASIL, 2004). 3.3 Grupo III Higienização das Instalações e Ambiente A higienização das instalações foi um dos requisitos pior avaliados, com resultados de não conformidades elevados. Em 100% dos estabelecimentos, os mesmos funcionários que manipulam os alimentos realizam a limpeza, antes e depois de começarem as atividades de produção. Em 40%, os produtos saneantes não estavam rotulados de acordo com a legislação. Alguns surtos estão diretamente ligados à falta de higienização dos equipamentos (utensílios e móveis) desde a recepção da matéria-prima até a distribuição do produto final. Face ao que foi observado é grande o risco de contaminação cruzada, que é um dos principais fatores causadores das DTA. 3.4 Grupo IV Suporte Operacional No item que se refere ao controle da qualidade da água por análise laboratorial, nenhum estabelecimento estava conforme. É possível que a água esteja associada a todos os patógenos conhecidos de origem alimentar e a ocorrência de surtos alimentares em que ocorre a contaminação de vários produtos ao mesmo tempo geralmente configura problemas com a

6 6 água (LUPCHINSKI, 2013). Em 30% dos estabelecimentos, não tem caixa de gordura e os resíduos são lançados diretamente na rede de esgoto. Em 80% dos estabelecimentos, as lixeiras não são acionadas por pedal. Em 3 deles, os recipientes estavam cheios, demonstrando não ser suficiente para o local. Num estudo que verificou as condições sanitárias de 30 estabelecimentos do município de Belo Horizonte, Rossi (2006), encontrou que as condições de manejo dos resíduos eram precárias e inadequadas e em 23 (76,7%) deles, os resíduos não eram coletados e armazenados de forma correta. A área de armazenamento estava conforme em 50% dos estabelecimentos e os outros utilizavam o gás dentro da cozinha. O controle de pragas urbanas é realizado por empresa terceirizada e está documentado em 60% dos estabelecimentos. Aparentemente, as medidas de prevenção são eficazes, pois não foi verificada a existência ou sinais de vetores no momento da visita. 3.5 Grupo V Qualidade Sanitária das Edificações e Instalações Neste grupo, foram analisados os itens de localização, equipamentos, pisos, janelas, paredes e tetos, iluminação e ventilação, vestiários, instalações sanitárias e área de distribuição. A área externa dos estabelecimentos tinha acesso livre e independente, mas 60% apresentaram lixo na calçada, sendo assim um foco de insalubridade. Nenhum restaurante tem acesso para pessoas com deficiência. A separação das instalações ocorre apenas na área de produção com a de distribuição. O pré-preparo e preparo ocorre no mesmo local em 100% dos restaurantes e 40% deles tem um espaço menor do que o ideal. A portaria CVS n 5 estabelece que as instalações devem ser separadas por meios físico, para facilitar os procedimentos por meio de fluxos contínuos que evitem o cruzamento das etapas do processo. O lavatório exclusivo para as mãos está presente em 40% dos estabelecimentos, dos quais apenas 2 estão conformes no que se refere à localização estratégica e os sabonetes de ação antisséptica. De acordo com a RDC n 2016, os equipamentos, utensílios e móveis devem ser de fácil higienização, que não transmitam substancias tóxicas, odores ou sabores aos alimentos. Neste requisito apenas 30% dos estabelecimentos estavam conformes, os outros apresentaram equipamentos antigos, mal conservados e higienizados.

7 7 O piso em 90% dos restaurantes é liso, colocando em risco os manipuladores, que podem sofrer quedas durante a produção. Em 40%, apresentaram trincas e acúmulo de água. Sobre as paredes e tetos, 70% dos estabelecimentos estavam não conformes, pois apresentaram paredes com trincas e umidade, assim como o teto com pintura velha e sinais de umidade. Foi verificado que em 90% dos estabelecimentos as portas não possuem fechamento automático e proteção na área inferior para evitar o acesso de insetos. Apenas 2 (20%) apresentaram telas milimétricas nas janelas em condições ideais, 40% tinham as telas, porém estavam rasgadas e em péssimas condições de conservação. No requisito de instalações elétricas, 80% dos estabelecimentos não atenderam o que pede a legislação. Os mesmos apresentaram fiações expostas e lâmpadas sem proteção contra quedas acidentais ou explosões. Em 30% deles, a iluminação era fraca, causando desconforto para os manipuladores. A ventilação está incorreta em todos os restaurantes. Pelo fato da maioria das edificações não serem projetadas para a finalidade de um local de produção de alimentos, as cozinhas não tem um sistema de ventilação suficiente, causando desconforto térmico. Nenhum estabelecimento tem vestiário adequado, apenas banheiro, os quais apenas 20% apresentam-se separados por gênero, com papel higiênico, lixeira acionada por pedal, sabonete antisséptico e toalhas de papel. Os sanitários dos clientes estão conformes em 70% dos estabelecimentos. O estudo de Rossi (2006) realizado em Belo Horizonte, obteve resultados semelhantes, poucos estabelecimentos tinham estrutura correta para os manipuladores e em 25 (83,3%) restaurantes as instalações sanitárias para o público estavam conformes. 3.6 Grupo VI Documentação e Registro das Informações O último grupo de itens abordava apenas um requisito sobre manual de boas práticas e os procedimentos operacionais padrões (POPs). Apenas 2 (20%) apresentaram o manual e POPs de higiene dos funcionários, controle de vetores e pragas e capacitação dos funcionários em Boas Práticas. Santos et al (2010), em seu estudo com 5 restaurantes no Rio de Janeiro encontraram que em nenhum os manuais de Boas Práticas retratavam a realidade dos estabelecimentos. Um deles não tinha o manual e nem conhecimento da sua importância e nenhum tinha implementado os POPs.

8 8 CONCLUSÃO Verificou-se que, apesar de todas as legislações vigentes, os estabelecimentos do tipo self-service apresentam uma estrutura inadequada em sua maioria. Do total de 10 restaurantes, apenas dois alcançaram um número de conformidades maior do que 50%. Os manipuladores não recebem treinamentos e não apresentam práticas higiênicas adequadas. É fundamental que os estabelecimentos tenham um manual de Boas práticas e POPs, a fim de colocar em prática comportamentos que melhorem a qualidade dos alimentos servidos. Em 20% dos estabelecimentos o resultado da pesquisa foi positivo. Levando em consideração que esses dois restaurantes eram os únicos que tinham um responsável técnico presente durante a produção dos alimentos. Podemos concluir que nesse caso fez toda diferença para o bom desempenho. Cada dia mais os consumidores estão procurando saber o que estão consumindo, se tornando mais exigentes no se que refere à segurança alimentar. É fundamental que os proprietários de restaurantes acompanhem essas exigências e invistam na qualidade dos produtos que servem. REFERÊNCIAS ANVISA. Cartilha sobre Boas Práticas para serviços de alimentação. Disponível em: <http://www.anvisa.gov.br/divulga/public/alimentos/cartilha_gicra.pdf> Acesso em: 15 set Akutsu R.C et al. Adequação das Boas Práticas de Fabricação em Serviços de Alimentação. Revista de Nutrição. Campinas, v.18(3), p , Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=s > Acesso em 18 set Brasil. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução RDC nº 216, de 15 de setembro de Aprova o Regulamento Técnico de Boas Práticas para Serviços de Alimentação. Disponível em: <http://portal.anvisa.gov.br/wps/wcm/connect/4a3b680040bf8cdd8e5dbf1b b/resol U%C3%87%C3%83O- RDC+N+216+DE+15+DE+SETEMBRO+DE+2004.pdf?MOD=AJPERES> Acesso em: 20 set Brasil. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução RDC nº 275 de 21 de outubro de Dispõe sobre o Regulamento técnico de procedimentos operacionais padronizados aplicados aos estabelecimentos produtores/ industrializadores de alimentos e a lista de verificação das boas práticas de fabricação nesses estabelecimentos. Disponível em: <

9 9 C2%BA+275,+DE+21+DE+OUTUBRO+DE+2002.pdf?MOD=AJPERES> Acesso em: set CAMPOS, M. C. B.; NICODEMO, T. C.; WEBER, M. L. Boas Práticas em Restaurantes do Tipo Self-Service: Situação no município de Alfenas, MG. Revista Higiene alimentar. v. 21, n. 222/223, p Disponível em: < Acesso em: 25 set MENEZES, P. D. L et al. Qualidade e Segurança Alimentar nos Restaurantes de Mamanguape PB. Disponível em: < Acesso em 10 set MESSIAS, G.M et al. Avaliação das Condições Higiênico-Sanitárias de Restaurantes do Tipo Self Service e do Conhecimento dos Manipuladores de Alimentos Quanto à Segurança do Alimento na Cidade do Rio de Janeiro, RJ. Revista Eletrônica Novo Enfoque. Rio de Janeiro, v. 17, n. 17, p , Disponível em: <http://www.castelobranco.br/sistema/novoenfoque/files/17/12-giselle-bolsista-erik.pdf> Acesso em: 15 set MONTEIRO, M. A. M. Qualidade na produção de refeições em restaurantes do tipo selfservice. Revista DEMETRA: Alimentação, Nutrição e Saúde. Rio de Janeiro, v.09, n. 4, p , Disponível em: < Acesso em: 20 set RÊGO, C.J. Qualidade e Segurança de Alimentos em Unidades de Alimentação e Nutrição p. Tese (Doutorado) Curso Nutrição, Universidade Federal de Pernambuco, Disponível em: < Acesso em 20 set ROSSI. C. F. Condições Higiênico-Sanitárias de Restaurantes Comerciais do Tipo Self- Service de Belo Horizonte MG p. Dissertação (Mestrado) em Ciência de Alimentos, Universidade Federal de Minas Gerais, Disponível em: < > Acesso em: 07 out SANTOS, M. O. B.; RANGEL, V.P.; AZEREDO D.P. Adequação de Restaurantes Comerciais às Boas Práticas. Revista Higiene Alimentar. v. 21, n. 190/191, p , Disponível em: <http://bvs.panalimentos.org/local/file/bol_mar_2011_higalimentarnovdez44-49adequacaorestaurantescomerciaisboaspraticas.pdf> Acesso em 18 set Secretaria do Estado da Saúde. Portaria CVS 5, de 09 de abril de Aprova o regulamento técnico sobre boas práticas para estabelecimentos comerciais de alimentos e para serviços de alimentação, e o roteiro de inspeção, anexo. Disponível em: < Acesso em: 15 set

ANEXO IV LAUDO DE CONDIÇÕES SANITÁRIAS E DE HIGIENE

ANEXO IV LAUDO DE CONDIÇÕES SANITÁRIAS E DE HIGIENE ANEXO IV LAUDO DE CONDIÇÕES SANITÁRIAS E DE HIGIENE 119 LAUDO TÉCNICO PREVISTO NO DECRETO Nº 6.795 DE 16 DE MARÇO DE 2009 LAUDO DE CONDIÇÕES SANITÁRIAS E DE HIGIENE 1. IDENTIFICAÇÃO DO ESTÁDIO 1.1. Nome

Leia mais

LISTA DE VERIFICAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO EM COZINHAS MILITARES E SERVIÇO DE APROVISIONAMENTO

LISTA DE VERIFICAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO EM COZINHAS MILITARES E SERVIÇO DE APROVISIONAMENTO ANEXO II LISTA DE VERIFICAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO EM COZINHAS MILITARES E SERVIÇO DE APROVISIONAMENTO A - IDENTIFICAÇÃO DA OM 1-NOME 2- TELEFONE: 3- ENDEREÇO : 4- E- MAIL: 5- BAIRRO : 6- CIDADE

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES HIGIÊNICO-SANITÁRIAS DE RESTAURANTES COMERCIAIS, NO MUNICIPIO DE ASSIS-SP

AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES HIGIÊNICO-SANITÁRIAS DE RESTAURANTES COMERCIAIS, NO MUNICIPIO DE ASSIS-SP AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES HIGIÊNICO-SANITÁRIAS DE RESTAURANTES COMERCIAIS, NO MUNICIPIO DE ASSIS-SP Patrícia Akemi Kishi Koyake Tatiane Bruna Barbosa Elis Carolina de Souza Fatel RESUMO Alimentar-se fora

Leia mais

AVALIAÇÃO E INTERVENÇÃO NO PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR NO MUNICÍPIO DE BANANEIRAS-PB

AVALIAÇÃO E INTERVENÇÃO NO PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR NO MUNICÍPIO DE BANANEIRAS-PB UFPB-PRAC XIV Encontro de Extensão AVALIAÇÃO E INTERVENÇÃO NO PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR NO MUNICÍPIO DE BANANEIRAS-PB ATAÍDE, Celene dos Santos²; SANTOS, Juliana Marques Lima¹; MELO, Luana

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA INDAIATUBA/SP

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA INDAIATUBA/SP SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA INDAIATUBA/SP GUIA DE ORIENTAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO MANUAL DE BOAS PRÁTICAS (MBP) E PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PADRONIZADOS (POPs) PARA

Leia mais

CONDIÇÕES HIGIÊNICO-SANITÁRIAS: O CASO DA UNIDADE DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO DE COMPANHIA DE BEBIDAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

CONDIÇÕES HIGIÊNICO-SANITÁRIAS: O CASO DA UNIDADE DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO DE COMPANHIA DE BEBIDAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CONDIÇÕES HIGIÊNICO-SANITÁRIAS: O CASO DA UNIDADE DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO DE COMPANHIA DE BEBIDAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Ellen Bilheiro Bragança 1 Leziane de Matos Araujo 2 Tatiane Gonçalves do

Leia mais

ESTRUTURA FÍSICA DA ÁREA DE PRODUÇÃO DE UMA UNIDADE DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO (UAN) LOCALIZADA EM FORTALEZA-CE

ESTRUTURA FÍSICA DA ÁREA DE PRODUÇÃO DE UMA UNIDADE DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO (UAN) LOCALIZADA EM FORTALEZA-CE 1 ESTRUTURA FÍSICA DA ÁREA DE PRODUÇÃO DE UMA UNIDADE DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO (UAN) LOCALIZADA EM FORTALEZA-CE RESUMO Karla Braga Lobo Liberato 1 Maria Consuelo Landim 2 Eveline de Alencar Costa 3 A

Leia mais

ANÁLISE HIGIÊNICO-SANITÁRIA DAS LANCHONETES LOCALIZADAS NO PERÍMETRO DE UMA FACULDADE, EM TERESINA-PI.

ANÁLISE HIGIÊNICO-SANITÁRIA DAS LANCHONETES LOCALIZADAS NO PERÍMETRO DE UMA FACULDADE, EM TERESINA-PI. ANÁLISE HIGIÊNICO-SANITÁRIA DAS LANCHONETES LOCALIZADAS NO PERÍMETRO DE UMA FACULDADE, EM TERESINA-PI. Claudeny Holanda Mendes da Rocha -Orientadora- NOVAFAPI Mitra Mobin - Colaboradora-NOVAFAPI Rosana

Leia mais

Enquadramento legal Item 4.5.1 da RDC ANVISA Nº 216/04. N Recipientes para coleta de resíduos Item 4.5.2 da RDC

Enquadramento legal Item 4.5.1 da RDC ANVISA Nº 216/04. N Recipientes para coleta de resíduos Item 4.5.2 da RDC AEXO ROTERO PARA FSCALZAÇÃO/SPEÇÃO SATÁRA, E AUTOSPEÇÃO EM MMERCADOS, MERCADOS, SUPERMERCADOS, HPERMERCADOS E AFS. 1. DADOS DO ESTABELECMETO. RAZÃO SOCAL: OME FATASA: CPJ: EDEREÇO: TELEFOE: REPRESETATE

Leia mais

ESTUDO DA APLICAÇÃO DE BOAS PRÁTICAS DE MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS NAS CANTINAS DE ALIMENTAÇÃO DO CAMPUS I DA UFPB

ESTUDO DA APLICAÇÃO DE BOAS PRÁTICAS DE MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS NAS CANTINAS DE ALIMENTAÇÃO DO CAMPUS I DA UFPB ESTUDO DA APLICAÇÃO DE BOAS PRÁTICAS DE MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS NAS CANTINAS DE ALIMENTAÇÃO DO CAMPUS I DA UFPB DANTAS¹, Aline Macedo LEITE², Kerolayne Santos OLIVEIRA 3, Lidja Regina Soares de PEIXOTO

Leia mais

NOTA TÉCNICA SPEIS/VISA nº 02/2015

NOTA TÉCNICA SPEIS/VISA nº 02/2015 Prefeitura Municipal de Salvador- PMS Secretaria Municipal de Saúde- SMS Diretoria de Vigilância á Saúde- DVIS Subcoordenação de Vigilância Sanitária- VISA Setor de Produtos e Serviços de Interesse á Saúde-

Leia mais

ANÁLISE DA APLICAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO NAS AGROINDÚSTRIAS FAMILIARES DO ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DO VALE DO TAQUARI

ANÁLISE DA APLICAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO NAS AGROINDÚSTRIAS FAMILIARES DO ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DO VALE DO TAQUARI ANÁLISE DA APLICAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO NAS AGROINDÚSTRIAS FAMILIARES DO ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DO VALE DO TAQUARI T.J. Siebeneichler 1, A. Girelli 2, E.M.Kolchinski 3, M.M. Erhardt 4, M.Frizzo

Leia mais

Anais da 3ª Jornada Científica da UEMS/Naviraí

Anais da 3ª Jornada Científica da UEMS/Naviraí Anais da 3ª Jornada Científica da UEMS/Naviraí 22 a 26 de Outubro de 2013 Naviraí/MS - Brasil www.uems.br/navirai Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul - Unidade de Naviraí 97 Avaliação das Condições

Leia mais

ROTEIRO DE INSPEÇÃO CRECHES, BERÇÁRIOS E SIMILARES.

ROTEIRO DE INSPEÇÃO CRECHES, BERÇÁRIOS E SIMILARES. SUPERINTEDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERENCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL E SAÚDE DO TRABALHADOR COORDERNAÇÃO DE FISCALIZAÇÃO DE AMBIENTES E SAÚDE DO TRABALHADOR Av. Anhanguera, nº 5.195 Setor Coimbra

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES MICROBIOLÓGICAS EM UMA PIZZARIA SITUADA NO MUNICÍPIO DE UBERLÂNDIA-MG: um estudo de caso.

AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES MICROBIOLÓGICAS EM UMA PIZZARIA SITUADA NO MUNICÍPIO DE UBERLÂNDIA-MG: um estudo de caso. AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES MICROBIOLÓGICAS EM UMA PIZZARIA SITUADA NO MUNICÍPIO DE UBERLÂNDIA-MG: um estudo de caso. N.O.C. Teixeira 1, E.A.S. Rissato 2 1-Instituto Federal do Triângulo Mineiro Campus Uberlândia,

Leia mais

CAPACITAÇÃO EM BOAS PRÁTICAS COM MANIPULADORES DA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR DA REDE PÚBLICA DE ENSINO DA REGIÃO CENTRAL DO RIO GRANDE DO SUL 1

CAPACITAÇÃO EM BOAS PRÁTICAS COM MANIPULADORES DA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR DA REDE PÚBLICA DE ENSINO DA REGIÃO CENTRAL DO RIO GRANDE DO SUL 1 CAPACITAÇÃO EM BOAS PRÁTICAS COM MANIPULADORES DA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR DA REDE PÚBLICA DE ENSINO DA REGIÃO CENTRAL DO RIO GRANDE DO SUL 1 Botega, A. de O.²; Gabbardo, F.G.²; Saccol, A.L. de F.³ 1 Projeto

Leia mais

TEMPO E TEMPERATURA DA ALIMENTAÇÃO TRANSPORTADA DESTINADA AO RESTAURANTE UNIVERSITÁRIO NA CIDADE DE SALVADOR BA.

TEMPO E TEMPERATURA DA ALIMENTAÇÃO TRANSPORTADA DESTINADA AO RESTAURANTE UNIVERSITÁRIO NA CIDADE DE SALVADOR BA. TEMPO E TEMPERATURA DA ALIMENTAÇÃO TRANSPORTADA DESTINADA AO RESTAURANTE UNIVERSITÁRIO NA CIDADE DE SALVADOR BA. Luiza de Jesus Santos 1, Eluá Benemérita Vilela Nascimento 1 e Maria da Conceição Pereira

Leia mais

RESOLUÇÃO - RDC N 216, DE 15 DE SETEMBRO DE 2004 REGULAMENTO TÉCNICO DE BOAS PRÁTICAS PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO

RESOLUÇÃO - RDC N 216, DE 15 DE SETEMBRO DE 2004 REGULAMENTO TÉCNICO DE BOAS PRÁTICAS PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO RESOLUÇÃO - RDC N 216, DE 15 DE SETEMBRO DE 2004 Dispõe sobre Regulamento Técnico de Boas Práticas para Serviços de Alimentação. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso

Leia mais

PORTARIA CVS Nº 02, de 11/01/2010

PORTARIA CVS Nº 02, de 11/01/2010 PORTARIA CVS Nº 02, de 11/01/2010 Dispõe sobre Regulamento Técnico que estabelece requisitos sanitários para estabelecimentos destinados a eventos esportivos. A Diretora Técnica do Centro de Vigilância

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO EM BOAS PRÁTICAS DE MANIPULAÇÃO PARA RESTAURANTES

IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO EM BOAS PRÁTICAS DE MANIPULAÇÃO PARA RESTAURANTES IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO EM BOAS PRÁTICAS DE MANIPULAÇÃO PARA RESTAURANTES ELISÂNGELA PEREIRA DOS SANTOS, LARISSA RODRIGUES RIBEIRO PEREIRA, TAINARA LOPES DE OLIVEIRA Resumo: O objetivo deste

Leia mais

SEGURANÇA DO ALIMENTO: CONDIÇÕES HIGIÊNICO- SANITÁRIAS DO RESTAURANTE DE EMPRESA DO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO-RJ 1 Leziane de Matos Araújo 2

SEGURANÇA DO ALIMENTO: CONDIÇÕES HIGIÊNICO- SANITÁRIAS DO RESTAURANTE DE EMPRESA DO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO-RJ 1 Leziane de Matos Araújo 2 SEGURANÇA DO ALIMENTO: CONDIÇÕES HIGIÊNICO- SANITÁRIAS DO RESTAURANTE DE EMPRESA DO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO-RJ 1 Leziane de Matos Araújo 2 RESUMO Ellen Bilheiro Bragança 3 Tatiane Gonçalves do Amaral

Leia mais

Avaliação das condições higiênico sanitárias do comércio ambulante de alimentos na feira de artesanato de Curitiba PR

Avaliação das condições higiênico sanitárias do comércio ambulante de alimentos na feira de artesanato de Curitiba PR Artigo Original Avaliação das condições higiênico sanitárias do comércio ambulante de alimentos na feira de artesanato de Curitiba PR Priscila Canabal Brandalize 1 Graduanda do Curso de Nutrição Unibrasil

Leia mais

ADEQUAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO JUNTO AOS MANIPULADORES DE ALIMENTOS DE UMA ESCOLA MUNICIPAL DE GOIÂNIA - GO.

ADEQUAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO JUNTO AOS MANIPULADORES DE ALIMENTOS DE UMA ESCOLA MUNICIPAL DE GOIÂNIA - GO. ADEQUAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO JUNTO AOS MANIPULADORES DE ALIMENTOS DE UMA ESCOLA MUNICIPAL DE GOIÂNIA - GO. ZAGO, Márcio Fernando Cardoso 1 ; COUTO, Daiane Borges Sousa do 2 ; SILVEIRA, Nusa

Leia mais

ANVISA Resolução - RDC nº 275, de 21 de outubro de 2002

ANVISA Resolução - RDC nº 275, de 21 de outubro de 2002 http://wwwanvisagovbr/legis/resol/2002/275_02rdchtm ANVISA Resolução - RDC nº 275, de 21 de outubro de 2002 DOU de 23/10/2002 Dispõe sobre o Regulamento Técnico de Procedimentos Operacionais Padronizados

Leia mais

atos relacionados: Lei nº 6437, de 20 de agosto de 1977 revoga: item 7.1 da Portaria nº 379, de 26 de abril de 1999

atos relacionados: Lei nº 6437, de 20 de agosto de 1977 revoga: item 7.1 da Portaria nº 379, de 26 de abril de 1999 título: Resolução RDC nº 267, de 25 de setembro de 2003 ementa: Dispõe sobre o Regulamento Técnico de Boas Práticas de Fabricação para Estabelecimentos Industrializadores de Gelados Comestíveis e a Lista

Leia mais

BOAS PRÁTICAS NO PREPARO DE ALIMENTOS

BOAS PRÁTICAS NO PREPARO DE ALIMENTOS BOAS PRÁTICAS NO PREPARO DE ALIMENTOS SÉRIE: SEGURANÇA ALIMENTAR e NUTRICIONAL Autora: Faustina Maria de Oliveira - Economista Doméstica DETEC Revisão: Dóris Florêncio Ferreira Alvarenga Pedagoga Departamento

Leia mais

SELEÇÃO DE PERMISSIONÁRIOS PARA FEIRA ORGANICA EDITAL DE REGULAMENTO

SELEÇÃO DE PERMISSIONÁRIOS PARA FEIRA ORGANICA EDITAL DE REGULAMENTO Prefeitura Municipal de Curitiba Secretaria Municipal do Abastecimento Departamento de Unidades de Abastecimento Gerencia de Controle de Qualidade Rua General Carneiro, 938 - Centro 80060-150 Curitiba

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES HIGIÊNICO - SANITÁRIAS DA COZINHA DE UMA CRECHE NO MUNICIPIO DE SEROPÉDICA/RJ - BRASIL: UM ESTUDO DE CASO

AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES HIGIÊNICO - SANITÁRIAS DA COZINHA DE UMA CRECHE NO MUNICIPIO DE SEROPÉDICA/RJ - BRASIL: UM ESTUDO DE CASO AVALAÇÃO DA CONDÇÕE HGÊNCO - ANTÁRA DA COZNHA DE UMA CRECHE NO MUNCPO DE EROPÉDCA/RJ - BRAL: UM ETUDO DE CAO Rosinere Evaristo Bittencourt 1 Maria Lúcia Almeida Martins 2 Hellen de Almeida Góes 3 REUMO

Leia mais

ADEQUAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS DE MANIPULAÇÃO NOS RESTAURANTES DA REGIÃO ADMINISTRATIVA DO LAGO SUL, BRASÍLIA DF. Maria da Soledade Reis Nunes

ADEQUAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS DE MANIPULAÇÃO NOS RESTAURANTES DA REGIÃO ADMINISTRATIVA DO LAGO SUL, BRASÍLIA DF. Maria da Soledade Reis Nunes Universidade de Brasília Centro de Excelência em Turismo ADEQUAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS DE MANIPULAÇÃO NOS RESTAURANTES DA REGIÃO ADMINISTRATIVA DO LAGO SUL, BRASÍLIA DF Maria da Soledade Reis Nunes Wilma

Leia mais

ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM CLUBES E PISCINAS

ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM CLUBES E PISCINAS SUPERINTEDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERENCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL E SAÚDE DO TRABALHADOR COORDERNAÇÃO DE FISCALIZAÇÃO DE AMBIENTES E SAÚDE DO TRABALHADOR Av. Anhanguera, nº 5.195 Setor Coimbra

Leia mais

QUALIDADE DA CONSERVAÇÃO, MANIPULAÇÃO E HIGIENIZAÇÃO DOS PEIXES COMERCIALIZADOS NOS BOXES DO MERCADO PÚBLICO DE SÃO JOSÉ EM RECIFE-PE.

QUALIDADE DA CONSERVAÇÃO, MANIPULAÇÃO E HIGIENIZAÇÃO DOS PEIXES COMERCIALIZADOS NOS BOXES DO MERCADO PÚBLICO DE SÃO JOSÉ EM RECIFE-PE. QUALIDADE DA CONSERVAÇÃO, MANIPULAÇÃO E HIGIENIZAÇÃO DOS PEIXES COMERCIALIZADOS NOS BOXES DO MERCADO PÚBLICO DE SÃO JOSÉ EM RECIFE-PE. Aldicélia Prazeres, Ângela Gondim, Érica Souza, Maria Eduarda Andrade,

Leia mais

Qualidade na produção de refeições em restaurantes do tipo self-service

Qualidade na produção de refeições em restaurantes do tipo self-service ARTIGOS DE TEMA LIVRE / FREE THEMED ARTICLES Qualidade na produção de refeições em restaurantes do tipo self-service Quality in meals production at self-service restaurants DOI: http://dx.doi.org/10.12957/demetra.2014.13375

Leia mais

considerando que a Lista de Verificação restringe-se especificamente às Boas Práticas de Fabricação de Alimentos;

considerando que a Lista de Verificação restringe-se especificamente às Boas Práticas de Fabricação de Alimentos; RESOLUÇÃO - RDC Nº 275, DE 21 DE OUTUBRO DE 2002 Dispõe sobre o Regulamento Técnico de Procedimentos Operacionais Padronizados aplicados aos Estabelecimentos Produtores/Industrializadores de Alimentos

Leia mais

DOCUMENTOS NECESSARIOS PARA REQUERER ALVARÁ SANITÁRIO

DOCUMENTOS NECESSARIOS PARA REQUERER ALVARÁ SANITÁRIO DOCUMENTOS NECESSARIOS PARA REQUERER ALVARÁ SANITÁRIO PESSOA JURIDICA. Cópia CNPJ; Nº Inscrição estadual; Nº telefone; Comprovante de endereço; Cópia RG e CPF resp. Legal; Cópia RG e CPF resp. Técnico;

Leia mais

BOAS PRÁTICAS DE MANIPULAÇÃO - BPM

BOAS PRÁTICAS DE MANIPULAÇÃO - BPM Conteúdo BOAS PRÁTICAS DE MANIPULAÇÃO - BPM Prof. Dr. Humberto G. Ferraz sferraz@usp.br 1. Introdução 2. A RDC 67/2007 e seus anexos 3. Classificação das farmácias de acordo com a RDC 67/2007 4. Alguns

Leia mais

NORMAS TÉCNICAS DE INSTALAÇÕES E EQUIPAMENTOS PARA FÁBRICAS DE CONSERVAS DE OVOS

NORMAS TÉCNICAS DE INSTALAÇÕES E EQUIPAMENTOS PARA FÁBRICAS DE CONSERVAS DE OVOS SECRETARIA DA AGRICULTURA E ABASTECIMENTO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL DEPARTAMENTO DE PRODUÇÃO ANIMAL COORDENADORIA DE INSPEÇÃO SANITÁRIA DOS PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL - C I S P O A - NORMAS TÉCNICAS

Leia mais

Observância da RDC 216-15.09.2004

Observância da RDC 216-15.09.2004 Observância da RDC 216-15.09.2004 4.3.1 A edificação, as instalações, os equipamentos, os móveis e os utensílios devem ser livres de vetores e pragas urbanas. Deve existir um conjunto de ações eficazes

Leia mais

ROTEIRO PARA SALÕES DE BELEZAS, INSTITUTO DE BELEZA, ESTETICA, BARBEARIAS E SIMILARES.

ROTEIRO PARA SALÕES DE BELEZAS, INSTITUTO DE BELEZA, ESTETICA, BARBEARIAS E SIMILARES. SUPERINTEDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERENCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL E SAÚDE DO TRABALHADOR COORDERNAÇÃO DE FISCALIZAÇÃO DE AMBIENTES E SAÚDE DO TRABALHADOR Av. Anhanguera, nº 5.195 Setor Coimbra

Leia mais

Manual Básico para os Manipuladores de Alimentos

Manual Básico para os Manipuladores de Alimentos Secretaria Municipal de Saúde VISA Ponte Nova Manual Básico para os Manipuladores de Alimentos Elaborado pela Equipe da Vigilância Sanitária de Ponte Nova Índice: 1. Manipulador de Alimentos e Segurança

Leia mais

INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES

INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES TE Conservação e Limpeza. 1. DETFCÇ FÇ DE DETFCÇ Demanda/Processo: azão Social: ome Fantasia: nscrição Estadual/unicipal: tividade (CE): ( ) 8121-4/00-0 - Limpeza de prédios e em domicílio CPJ/CPF: Endereço:

Leia mais

Orientações para elaboração de Planos de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde - PGRSS

Orientações para elaboração de Planos de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde - PGRSS Orientações para elaboração de Planos de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde - PGRSS Luís Eduardo Magalhães-BA Março/2015 Werther Brandão Secretário Municipal de Saúde Luziene de Souza Silva

Leia mais

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DE ARMAZENAMENTO E NA ÁREA DE VENDA

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DE ARMAZENAMENTO E NA ÁREA DE VENDA MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DE ARMAZENAMENTO E NA ÁREA DE VENDA MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DE ARMAZENAMENO E VENDAS CUIDADOS NAS OPERAÇÕES RECEBIMENTO No ato do recebimento dos produtos são conferidos: Procedência;

Leia mais

Boas Práticas de Funcionamento em Serviços de Saúde

Boas Práticas de Funcionamento em Serviços de Saúde - ANVISA Gerência de Tecnologia em Serviço de Saúde - GGTES Boas Práticas de Funcionamento em Serviços de Saúde Resolução ANVISA RDC nº. 63 de 25 de novembro de 2011 IV SEMINÁRIO DE PREVENÇÃO E CONTROLE

Leia mais

NÍVEL DE ADEQUAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS EM DOMICÍLIOS DE SANTA MARIA- RS¹.

NÍVEL DE ADEQUAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS EM DOMICÍLIOS DE SANTA MARIA- RS¹. NÍVEL DE ADEQUAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS EM DOMICÍLIOS DE SANTA MARIA- RS¹. HECKTHEUER, Luisa Helena Rychecki²; DEON, Barbara Cecconi³; ROCKEMBACH, Aline 4 ; GABBARDO, Francine 4 ; ORSOLIN, Giulianna Londero

Leia mais

1. INTRODUÇÃO. Engº Agrº Arnaldo Cavalcanti de Rezende 1

1. INTRODUÇÃO. Engº Agrº Arnaldo Cavalcanti de Rezende 1 BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO (GMP) E ANÁLISE DE PERIGOS E PONTOS CRÍTICOS DE CONTROLE (HCCPP) EM UNIDADES DE ARMAZENAMENTO DE GRÃOS E PRODUTOS PROCESSADOS Engº Agrº Arnaldo Cavalcanti de Rezende 1 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº. 173, DE 13 DE SETEMBRO DE

RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº. 173, DE 13 DE SETEMBRO DE título: Resolução RDC nº 173, de 13 de setembro de 2006 ementa: Dispõe sobre o Regulamento Técnico de Boas Práticas para Industrialização e Comercialização de Água Mineral Natural e de Água Natural e a

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS CURSO DE ENGENHARIA DE ALIMENTOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS CURSO DE ENGENHARIA DE ALIMENTOS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS CURSO DE ENGENHARIA DE ALIMENTOS BOAS PRÁTICAS E A CATEGORIZAÇÃO DE SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO PARA A COPA FIFA 2014

Leia mais

DIMENSIONAMENTO E LAYOUT DE MICRO E PEQUENAS INDÚSTRIAS DE ALIMENTOS

DIMENSIONAMENTO E LAYOUT DE MICRO E PEQUENAS INDÚSTRIAS DE ALIMENTOS DIMENSIONAMENTO E LAYOUT DE MICRO E PEQUENAS INDÚSTRIAS DE ALIMENTOS COSTA FILHO, UFPB, Professor Orientador, Aluisio, Aluisio@ct.ufpb.br. NEVES, UFPB, Discente bolsista, Ana Marília Andrade, contato@anamarilia.com.br.

Leia mais

CONDIÇÕES DE RECEBIMENTO DE CARNES EM RESTAURANTE COMERCIAL NO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA (RS) 1

CONDIÇÕES DE RECEBIMENTO DE CARNES EM RESTAURANTE COMERCIAL NO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA (RS) 1 CONDIÇÕES DE RECEBIMENTO DE CARNES EM RESTAURANTE COMERCIAL NO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA (RS) 1 MEDEIROS, Laissa Benites 2 ; NAISSINGER, Maritiele 2 ; PEREIRA, Larissa 2 ; SACCOL, Ana Lúcia de Freitas 2.

Leia mais

IDENTIFICÃO E PROPOSTA DE MELHORIAS DAS CONDIÇÕES SANITÁRIAS DO MERCADO PÚBLICO DA TORRE - JOÃO PESSOA, PB.

IDENTIFICÃO E PROPOSTA DE MELHORIAS DAS CONDIÇÕES SANITÁRIAS DO MERCADO PÚBLICO DA TORRE - JOÃO PESSOA, PB. IDENTIFICÃO E PROPOSTA DE MELHORIAS DAS CONDIÇÕES SANITÁRIAS DO MERCADO PÚBLICO DA TORRE - JOÃO PESSOA, PB. Mariana Moreira de OLIVEIRA 1, José Vicente Damante Ângelo e SILVA 2, Elisângela Maria Rodrigues

Leia mais

O Perfil dos Secretários Municipais de Saúde em Minas Gerais e a Organização dos Programas e Projetos Municipais

O Perfil dos Secretários Municipais de Saúde em Minas Gerais e a Organização dos Programas e Projetos Municipais O Perfil dos Secretários Municipais de Saúde em Minas Gerais e a Organização dos Programas e Projetos Municipais Águeda Amorim Corrêa Loureiro de Souza 1 1 Terapeuta ocupacional, especialista em Gestão

Leia mais

PORTARIA SVS/MS Nº 326, DE 30 DE JULHO DE

PORTARIA SVS/MS Nº 326, DE 30 DE JULHO DE PORTARIA SVS/MS Nº 326, DE 30 DE JULHO DE 1997 A Secretaria de Vigilância Sanitária do Ministério da Saúde, no uso de suas atribuições legais e considerando: a necessidade do constante aperfeiçoamento

Leia mais

REVISTA SAÚDE TRABALHAR COM TRABALHAR COM A POR ONDE COMEÇAR? 29/9/2010 SETEMBRO DE 2010 UFSM UFSM. PPHO na Indústria de Laticínios

REVISTA SAÚDE TRABALHAR COM TRABALHAR COM A POR ONDE COMEÇAR? 29/9/2010 SETEMBRO DE 2010 UFSM UFSM. PPHO na Indústria de Laticínios REVISTA SAÚDE SETEMBRO DE 2010 POR ONDE COMEÇAR? TRABALHAR COM ALIMENTOS É TRABALHAR COM A SAÚDE DAS PESSOAS 1 Para garantirmos a produção de alimentos seguros, precisamos traduzir a legislação e as normas

Leia mais

ROTEIRO PARA CLASSIFICAÇÃO DE AÇOUGUES 2015 IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO

ROTEIRO PARA CLASSIFICAÇÃO DE AÇOUGUES 2015 IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO ROTERO PARA CLASSFCAÇÃO DE AÇOUGUES 2015 DETFCAÇÃO DO ESTABELECMETO Razão Social: ome Fantasia: Endereço Completo (Rua, º, Bairro): CPJ: Licença de Localização: nscrição Municipal: Alvará Sanitário: Proprietário(s)

Leia mais

NOÇÕES DE HIGIENE NA MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS OFERECIDOS NA MERENDA ESCOLAR DA REDE PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE JATAÍ/GO

NOÇÕES DE HIGIENE NA MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS OFERECIDOS NA MERENDA ESCOLAR DA REDE PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE JATAÍ/GO NOÇÕES DE HIGIENE NA MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS OFERECIDOS NA MERENDA ESCOLAR DA REDE PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE JATAÍ/GO RODRIGUES, Clarissa de Jesus 1 ; AZEVEDO, Dionatan Assis 2 ; DIAS, Jaqueline Carneiro

Leia mais

(HOJE É FEITO POR PETICIONAMENTO ELETRÔNICO NO SITE DA ANVISA)

(HOJE É FEITO POR PETICIONAMENTO ELETRÔNICO NO SITE DA ANVISA) ANEXO I Solicitação de Autorização de Funcionamento de Empresas Distribuidoras de Produtos Farmacêuticos (HOJE É FEITO POR PETICIONAMENTO ELETRÔNICO NO SITE DA ANVISA) A empresa interessada em desenvolver

Leia mais

Irlene Maria Lanius Saurim 2 e Cristiana Basso 3

Irlene Maria Lanius Saurim 2 e Cristiana Basso 3 Disc. Scientia. Série: Ciências da Saúde, Santa Maria, v. 9, n. 1, p. 115-120, 2008. 115 ISSN 2177-3335 AVALIAÇÃO DO DESPERDÍCIO DE ALIMENTOS DE BUFÊ EM RESTAURANTE COMERCIAL EM SANTA MARIA, RS 1 EVALUATION

Leia mais

TREINAMENTO PARA MANIPULADORES DE ALIMENTOS EM SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO TRAINING FOR FOOD HANDLERS IN FOOD SERVICES

TREINAMENTO PARA MANIPULADORES DE ALIMENTOS EM SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO TRAINING FOR FOOD HANDLERS IN FOOD SERVICES TREINAMENTO PARA MANIPULADORES DE ALIMENTOS EM SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO Darlene Cavalheiro, Doutora, UDESC, darlene.cavalheiro@udesc.br Elisandra Rigo, Doutora, UDESC, elisandra.rigo@udesc.br Ana Paula

Leia mais

QUALIDADE HIGIÊNICO-SANITÁRIA DA MERENDA ESCOLAR OFERECIDA NO MUNICÍPIO DE LONDRINA, PR

QUALIDADE HIGIÊNICO-SANITÁRIA DA MERENDA ESCOLAR OFERECIDA NO MUNICÍPIO DE LONDRINA, PR QUALIDADE HIGIÊNICO-SANITÁRIA DA MERENDA ESCOLAR OFERECIDA NO MUNICÍPIO DE LONDRINA, PR Elis Carolina de Souza Fatel* Aline Sarabia** Cássia Daiane Givigier** Eliane Kelly Silva Garcia** Indianara Cardoso

Leia mais

A REALIDADE DAS AGROINDÚSTRIAS DOS MUNICÍPIOS DE BARRACÃO E BOM JESUS DO SUL, PR. Ivanira Correia de Oliveira 1 (Coordenadora da Ação de Extensão)

A REALIDADE DAS AGROINDÚSTRIAS DOS MUNICÍPIOS DE BARRACÃO E BOM JESUS DO SUL, PR. Ivanira Correia de Oliveira 1 (Coordenadora da Ação de Extensão) A REALIDADE DAS AGROINDÚSTRIAS DOS MUNICÍPIOS DE BARRACÃO E BOM JESUS DO SUL, PR. Área Temática 07: Tecnologia e Produção Ivanira Correia de Oliveira 1 (Coordenadora da Ação de Extensão) Kérley Braga Pereira

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS EM UMA UNIDADE DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO (UAN) NA CIDADE DE SANTA MARIA (RS)

IMPLANTAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS EM UMA UNIDADE DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO (UAN) NA CIDADE DE SANTA MARIA (RS) Alim. Nutr.= Braz. J. Food Nutr., Araraquara v. 24, n. 2, p. 203-207, abr./jun. 2013 ISSN 0103-4235 ISSN 2179-4448 on line IMPLANTAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS EM UMA UNIDADE DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO (UAN) NA

Leia mais

Vigilância Sanitária de Alimentos. Ana Valéria de Almeida Carli Médica Veterinária Coordenadora do SIM-CURITIBA e Vigilância Sanitária de Alimentos

Vigilância Sanitária de Alimentos. Ana Valéria de Almeida Carli Médica Veterinária Coordenadora do SIM-CURITIBA e Vigilância Sanitária de Alimentos Prefeitura Municipal de Curitiba Secretaria Municipal da Saúde Centro de Saúde Ambiental Vigilância Sanitária de Alimentos Ana Valéria de Almeida Carli Médica Veterinária Coordenadora do SIM-CURITIBA e

Leia mais

Resolução da Diretoria Colegiada RDC nº 352, de 23 de dezembro de 2002. Publicada no D.O.U de 08/01/2003

Resolução da Diretoria Colegiada RDC nº 352, de 23 de dezembro de 2002. Publicada no D.O.U de 08/01/2003 Resolução da Diretoria Colegiada RDC nº 352, de 23 de dezembro de 2002. Publicada no D.O.U de 08/01/2003 Dispõe sobre o Regulamento Técnico de Boas Práticas de Fabricação para Estabelecimentos Produtores/Industrializadores

Leia mais

PORTARIA N 368, DE 04 DE SETEMBRO DE 1997

PORTARIA N 368, DE 04 DE SETEMBRO DE 1997 PORTARIA N 368, DE 04 DE SETEMBRO DE 1997 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO, no uso da atribuição que lhe confere o art. 87, parágrafo único, inciso II, da Constituição, e nos termos

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 2.125/2013, DE 19 DE SETEMBRO DE 2013.

LEI MUNICIPAL Nº 2.125/2013, DE 19 DE SETEMBRO DE 2013. LEI MUNICIPAL Nº 2.125/2013, DE 19 DE SETEMBRO DE 2013. DISPÕE SOBRE O REGULAMENTO TÉCNICO MUNICIPAL DAS CONDIÇÕES HIGIÊNICO-SANITÁRIAS E DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO PARA ESTABELECIMENTOS ELABORADORES

Leia mais

RESOLUÇÃO-RDC N 216, DE 15 DE SETEMBRO DE 2004. Dispõe sobre Regulamento Técnico de Boas Práticas para Serviços de Alimentação.

RESOLUÇÃO-RDC N 216, DE 15 DE SETEMBRO DE 2004. Dispõe sobre Regulamento Técnico de Boas Práticas para Serviços de Alimentação. RESOLUÇÃO-RDC N 216, DE 15 DE SETEMBRO DE 2004 Dispõe sobre Regulamento Técnico de Boas Práticas para Serviços de Alimentação. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES HIGIÊNICO-SANITÁRIAS EM COZINHAS DAS ESCOLAS ESTADUAIS DO MUNICÍPIO DE TRÊS PASSOS/RS

AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES HIGIÊNICO-SANITÁRIAS EM COZINHAS DAS ESCOLAS ESTADUAIS DO MUNICÍPIO DE TRÊS PASSOS/RS AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES HIGIÊNICO-SANITÁRIAS EM COZINHAS DAS ESCOLAS ESTADUAIS DO MUNICÍPIO DE TRÊS PASSOS/RS L. Abreu¹, F.H.Weber², M.E. Lanzanova³, G. Scherer 4, H. Weirch 5 1- Universidade Estadual

Leia mais

Ficha Técnica de Fiscalização

Ficha Técnica de Fiscalização FTF: 64//07 IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO Nome/Designação Social: Morada: IDENTIFICAÇÃO DA BRIGADA Brigada: Direcção Regional: Data de Controlo: / / Hora: h m LEGISLAÇÃO APLICÁVEL: Licenciamento: o

Leia mais

PROPOSTA DE LEI SANITÁRIA PARA MUNICÍPIOS A PARTIR DA CONSTITUIÇÃO DO SUASA

PROPOSTA DE LEI SANITÁRIA PARA MUNICÍPIOS A PARTIR DA CONSTITUIÇÃO DO SUASA PROPOSTA DE LEI SANITÁRIA PARA MUNICÍPIOS A PARTIR DA CONSTITUIÇÃO DO SUASA Sugestão elaborada pela equipe do Programa de Agroindústria do MDA: José Adelmar Batista Leomar Luiz Prezotto João Batista da

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO. SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 5, DE 31 DE MARÇO DE 2000.

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO. SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 5, DE 31 DE MARÇO DE 2000. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO. SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 5, DE 31 DE MARÇO DE 2000. O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO

Leia mais

A - IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA

A - IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA ANEXO II REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA DEPARTAMENTO DE FISCALIZAÇÃO DE INSUMOS PECUÁRIOS ROTEIRO DE INSPEÇÃO DAS BOAS

Leia mais

Importância da Higiene

Importância da Higiene Importância da Higiene Anexo 1 1 Semana Pedagógica 1º semestre - 2016 Anexo I Importância da Higiene Você sabe o que é higiene? Higiene é o conjunto de medidas que tomamos para eliminar a sujeira, que

Leia mais

Organização e Controle ABIC. Operação. Programa da Qualidade do Café ABIC Passo a Passo PARTES ENVOLVIDAS

Organização e Controle ABIC. Operação. Programa da Qualidade do Café ABIC Passo a Passo PARTES ENVOLVIDAS 1. O que é? O Selo da Qualidade ABIC é uma evolução em relação ao Selo de Pureza, lançado há mais de 15 anos e está inserido dentro das diretrizes da ABIC de aumento do consumo interno de café no Brasil.

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Areado, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 282,6 km² IDHM 2010 0,727 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 13731 hab. Densidade demográfica

Leia mais

Empresa terceirizada, contratada para a produção e distribuição de refeições aos usuários da Universidade Federal do Amapá. Nº NOME TELEFONE E-MAIL

Empresa terceirizada, contratada para a produção e distribuição de refeições aos usuários da Universidade Federal do Amapá. Nº NOME TELEFONE E-MAIL PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO - POP Nº 1.1.3.4 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO E AÇÕES COMUNITÁRIAS DEPARTAMENTO DO RESTAURANTE UNIVERSITÁRIO CHEFE

Leia mais

Boas Práticas de Fabricação

Boas Práticas de Fabricação Embrapa Hortaliças II Encontro Nacional do Agronegócio Pimentas (Capsicum spp.) Boas Práticas de Fabricação Fernando Teixeira Silva Embrapa Agroindústria de Alimentos I- Introdução As Boas Práticas de

Leia mais

POP 02 (Higienização de Ambientes e Superfícies ) RESTAURANTE...

POP 02 (Higienização de Ambientes e Superfícies ) RESTAURANTE... Página 1 POP 02 (Higienização de Ambientes e Superfícies ) RESTAURANTE... Modelo sugerido por Márcia M M Paranaguá, CRN 0434/5, em conformidade com as leis da ANVISA Página 2 1. OBJETIVOS - Estabelecer

Leia mais

ANAIS 2010 ISSN 1808-3579 IMPLANTAÇÃO DE BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO EM EMPRESAS DO RAMO ALIMENTÍCIO

ANAIS 2010 ISSN 1808-3579 IMPLANTAÇÃO DE BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO EM EMPRESAS DO RAMO ALIMENTÍCIO IMPLANTAÇÃO DE BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO EM EMPRESAS DO RAMO ALIMENTÍCIO Mariza F. Rosa Cruz (orientador-uenp-clm) Claudia Y. Tamehiro (co-orientador-uenp-clm) Ana Paula M. E. S Trad (co-orientador-uenp-clm)

Leia mais

Controle de pragas urbanas em minimercados comercializadores de carne in natura [Control of urban pests in minimarkets suppliers of fresh meat]

Controle de pragas urbanas em minimercados comercializadores de carne in natura [Control of urban pests in minimarkets suppliers of fresh meat] Medicina Veterinária ISSN 1809-4678 Controle de pragas urbanas em minimercados comercializadores de carne in natura [Control of urban pests in minimarkets suppliers of fresh meat] Artigo Científico/Scientific

Leia mais

Minuta NR 24 Versão final da Bancada de Governo

Minuta NR 24 Versão final da Bancada de Governo Legenda: *(asterisco): Para revisão Azul: aprovado Controle de alterações na lateral São feitas as observações de propostas das bancadas após o texto de cada item. Propostas não registradas neste arquivo

Leia mais

WebSite da Vigilância Sanitária

WebSite da Vigilância Sanitária Página 1 de 5 SERVIÇOS MAIS ACESSADOS: Selecione um Serviço Página Principal Quem somos Regularize sua Empresa Roteiros Denúncias e Reclamações Vigilância e Fiscalização Sanitária em Indústrias de Alimentos

Leia mais

MÓDULO 16 Programa 5S da Qualidade

MÓDULO 16 Programa 5S da Qualidade MÓDULO 16 Programa 5S da Qualidade Desenvolvido no Japão, pós Segunda Guerra Mundial, o Programa 5S (conhecido também como Housekeeping) era um método utilizado pelos pais para ensinar a seus filhos os

Leia mais

ESTUDO DE CASO SOBRE AS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO EM RESTAURANTE DO MUNICÍPIO DE FRANCISCO BELTRÃO - PR. 1

ESTUDO DE CASO SOBRE AS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO EM RESTAURANTE DO MUNICÍPIO DE FRANCISCO BELTRÃO - PR. 1 1 ESTUDO DE CASO SOBRE AS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO EM RESTAURANTE DO MUNICÍPIO DE FRANCISCO BELTRÃO - PR. 1 Rafael Aldori Velho 2 Claudia T. G. Galvan 3 Área de conhecimento: Economia Doméstica Eixo

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DE PROPRIEDADES RURAIS QUE PRODUZEM QUEIJO NO MUNICÍPIO DE ANGATUBA, SP

CARACTERIZAÇÃO DE PROPRIEDADES RURAIS QUE PRODUZEM QUEIJO NO MUNICÍPIO DE ANGATUBA, SP CARACTERIZAÇÃO DE PROPRIEDADES RURAIS QUE PRODUZEM QUEIJO NO MUNICÍPIO DE ANGATUBA, SP Paola Mariano Profª Esp. Sílvia Panetta Nascimento FATEC Itapetininga SP Resumo: A cadeia produtiva do leite é uma

Leia mais

Adriana Andreotti 1 Flávia H. Baleroni¹ Vanessa H. B. Paroschi¹ Sandra Geres Alves Panza 2

Adriana Andreotti 1 Flávia H. Baleroni¹ Vanessa H. B. Paroschi¹ Sandra Geres Alves Panza 2 29 Iniciação Científica Cesumar jan-jun. 2003, Vol. 05 n.01, pp. 29-33 IMPORTÂNCIA DO TREINAMENTO PARA MANIPULADORES DE ALIMENTOS EM RELAÇÃO À HIGIENE PESSOAL Adriana Andreotti 1 Flávia H. Baleroni¹ Vanessa

Leia mais

6 CURSO DE CONTROLE DE QUALIDADE NA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS

6 CURSO DE CONTROLE DE QUALIDADE NA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS Universidade de Passo Fundo Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária Curso de Medicina Veterinária 6 CURSO DE CONTROLE DE QUALIDADE NA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS Médico Veterinário Profº Dr. Elci Lotar

Leia mais

PARECER COREN-SP 042/2014 CT PRCI nº 5441/2014 Tickets nºs 374.222, 374.252 e 374.523

PARECER COREN-SP 042/2014 CT PRCI nº 5441/2014 Tickets nºs 374.222, 374.252 e 374.523 PARECER COREN-SP 042/2014 CT PRCI nº 5441/2014 Tickets nºs 374.222, 374.252 e 374.523 Ementa: Utilização de luvas de procedimentos para aplicação de vacina. 1. Do fato Profissionais de Enfermagem solicitam

Leia mais

Boas Práticas para Estocagem de Medicamentos

Boas Práticas para Estocagem de Medicamentos Boas Práticas para Estocagem de Medicamentos Manual Elaborado por PEDRO PAULO TRIGO VALERY Considerações Gerais Estocar e administrar um almoxarifado de medicamentos não é como estocar alimentos apesar

Leia mais

Considerando a necessidade de padronizar os processos de elaboração dos produtos de origem animal, resolve:

Considerando a necessidade de padronizar os processos de elaboração dos produtos de origem animal, resolve: PORTARIA Nº 368, DE 04 DE SETEMBRO DE 1997. O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição que lhe confere o art. 87, parágrafo único, inciso II, da Constituição, e

Leia mais

Simpósio: Conjugando saberes e competências do Nutricionista 24 e 25/11/09 Centro Universitário São Camilo

Simpósio: Conjugando saberes e competências do Nutricionista 24 e 25/11/09 Centro Universitário São Camilo Simpósio: Conjugando saberes e competências do Nutricionista 24 e 25/11/09 Centro Universitário São Camilo Mesa Redonda: Interface entre os Sistemas de Gestão da Qualidade e a Segurança dos Alimentos Palestra:

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

BOAS PRÁTICAS NA PRODUÇÃO LEITEIRA Revisão de Literatura

BOAS PRÁTICAS NA PRODUÇÃO LEITEIRA Revisão de Literatura BOAS PRÁTICAS NA PRODUÇÃO LEITEIRA Revisão de Literatura 1 LIMA, Eduardo Henrique Oliveira; 2 NORONHA, Cássia Maria Silva; SOUSA, Edgar João Júnio¹. 1 Estudante do Curso Técnico em Agricultura e Zootecnia

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA À ABERTURA DE PROCESSO PARA SOLICITAÇÃO LICENÇA SANITÁRIA DE FARMÁCIAS

DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA À ABERTURA DE PROCESSO PARA SOLICITAÇÃO LICENÇA SANITÁRIA DE FARMÁCIAS ANEXO I DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA À ABERTURA DE PROCESSO PARA SOLICITAÇÃO LICENÇA SANITÁRIA DE FARMÁCIAS atividade, endereço, CEP, telefone, assinado pelo Representante Legal e Responsável Técnico do estabelecimento

Leia mais

REPERCUSSÃO DAS INSTALAÇÕES FÍSICAS NAS CONDIÇÕES HIGIÊNICO-SANITÁRIAS DE RESTAURANTE UNIVERSITÁRIO NA CIDADE DO RECIFE

REPERCUSSÃO DAS INSTALAÇÕES FÍSICAS NAS CONDIÇÕES HIGIÊNICO-SANITÁRIAS DE RESTAURANTE UNIVERSITÁRIO NA CIDADE DO RECIFE REPERCUSSÃO DAS INSTALAÇÕES FÍSICAS NAS CONDIÇÕES HIGIÊNICO-SANITÁRIAS DE RESTAURANTE UNIVERSITÁRIO NA CIDADE DO RECIFE Rafael Augusto Batista de Medeiros Regina de Deus Lira Benevides, Evelise Ramos de

Leia mais

adota a seguinte Resolução de Diretoria Colegiada e eu, Diretor-Presidente, determino a sua publicação:

adota a seguinte Resolução de Diretoria Colegiada e eu, Diretor-Presidente, determino a sua publicação: Resolução - RDC nº 275, de 21 de outubro de 2002(*) Republicada no D.O.U de 06/11/2002 Dispõe sobre o Regulamento Técnico de Procedimentos Operacionais Padronizados aplicados aos Estabelecimentos Produtores/Industrializadores

Leia mais

ROTEIRO DE INSPEÇÃO DOS ESTABELECIMENTOS DE FONOAUDIOLOGIA

ROTEIRO DE INSPEÇÃO DOS ESTABELECIMENTOS DE FONOAUDIOLOGIA ROTEIRO DE INSPEÇÃO DOS ESTABELECIMENTOS DE FONOAUDIOLOGIA 1 CONDIÇÕES DE ESTRUTURA FÍSICA R 1.1 Sala de recepção/espera (área aprox. 1.20m² por pessoa) em condições para que os pacientes aguardem sentados

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária

Agência Nacional de Vigilância Sanitária Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública nº 67, de 27 de outubro de 2004. D.O.U de 28/10/2004 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso

Leia mais

Planejamento das operações por André Leite

Planejamento das operações por André Leite Planejamento das operações por André Leite Chef André Leite Formado pela UNIRIO Membro ABAGA Chefe do restaurante Privativo da Presidência Prof./Coord. Gastronomia UNIRIO Prof. Pós Graduação Nutrição UGF

Leia mais

MANUAL INFORMATIVO PARA ORDENHA MECÂNICA BPA 34 3818-1300 34 9684-3150. bpa@cemil.com.br REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA

MANUAL INFORMATIVO PARA ORDENHA MECÂNICA BPA 34 3818-1300 34 9684-3150. bpa@cemil.com.br REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA ilustra BPA REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA Normativa nº 51 18/09/2002. Regulamentos Técnicos de Produção, Identidade e Qualidade do Leite tipo A, do Leite tipo B, do Leite tipo C, do Leite Pasteurizado e do

Leia mais

Apresentaçã. ção o da RDC nº n 11 de 16 de fevereiro de 2012. Gerência Geral de Laboratórios de Saúde Pública abril de 2013 Curitiba - Paraná

Apresentaçã. ção o da RDC nº n 11 de 16 de fevereiro de 2012. Gerência Geral de Laboratórios de Saúde Pública abril de 2013 Curitiba - Paraná Ministério da Saúde/ Diretoria de Coordenação e Articulação do Sistema Nacional - DSNVS Apresentaçã ção o da RDC nº n 11 de 16 de fevereiro de 2012 Gerência Geral de Laboratórios de Saúde Pública abril

Leia mais