Curso de Exploração Funcional Vestibular

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Curso de Exploração Funcional Vestibular"

Transcrição

1 Curso de Exploração Funcional Vestibular Referencial Pedagógico

2 1. Competências Globais e Específicas Esta acção de formação visa desenvolver competências gerais e específicas sobre o tema da Exploração Funcional Vestibular, nomeadamente ao nível das principais causas de vertigem e outras alterações do equilíbrio, Exames Laboratoriais e Fisiologia e Anatomia. 2. Objectivos Globais Identificar as estruturas do ouvido interno; Descrever a histologia e fisiologia do ouvido interno; Descrever os reflexos vestibulares e a sua importância para o equilíbrio; Distinguir vertigem e tontura; Caracterizar a vertigem quanto à sua duração, factores, sintomas, antecedentes próximos e evolução; Caracterizar os movimentos oculares induzidos pelo movimento e posição da cabeça; Definir e executar os testes que informem sobre eventuais compromissos neurológicos; Apresentar as causas de vertigem que podem levar os doentes ao Serviço de Urgência; Caracterizar o estímulo sonoro; Definir e avaliar os diferentes tipos de surdez; Descrever os métodos usuais de avaliação de movimentos oculares; Interpretar e classificar os nistaqmos vestibulares.

3 3. Objectivos / Competências Específicos Unidade 1 Objectivos No final desta Unidade deverá ser capaz de: Identificar as estruturas do ouvido interno; Descrever a histologia e fisiologia do ouvido interno; Correlacionar as estruturas com a função do órgão. Explicar as estruturas principais do SNC relacionadas com os movimentos oculares bem como as conexões entre as estruturas que organizam, executam e controlam esses movimentos; Conhecer a vascularização do SNC. Resumo da Unidade 1 Esta unidade possui apenas uma sessão, onde será desenvolvido a temática da Anatomia do Sistema Vestibular. Unidade 2 Objectivos No final desta Unidade deverá ser capaz de: Descrever os reflexos vestibulares e a sua importância para o equilíbrio; Entender a importância do armazenamento de velocidade que prolonga os movimentos oculares de compreensão após cessação dos estímulos que os desencadearam; Descrever e enumerar as diferentes fases da compensação vestibular.

4 Resumo da Unidade 2 Esta sessão possui igualmente uma sessão onde abordaremos a Fisiologia Vestibular e daremos peculiar ênfase aos captores vestibulares, estabilização do olhar e da postura. Unidade 3 Objectivos No final desta Unidade deverá ser capaz de: Distinguir vertigem e tontura; Caracterizar a vertigem quanto à sua duração, factores precipitantes, sintomas associados, factores predisponentes, antecedentes próximos e evolução; Explicar as causas mais importantes de vertigem; Demonstrar o modo de pesquisar o nistagmo vestibular, tanto espontâneo como desencadeado pelo olhar descentrado; Caracterizar os movimentos oculares induzidos pelo movimento e posição da cabeça; Realizar provas estáticas e dinâmicas que avaliem o RVS; Definir os testes que, de um modo rápido, informem sobre eventuais compromissos neurológicos; Mostrar o modo da sua execução; Estabelecer, na medida do possível, o diagnóstico topográfico; Apresentar as causas de vertigem que podem levar os doentes ao Serviço de Urgência; Identificar as vertigens de tipo periférico e central; Explicar os procedimentos a seguir nos quadros de vertigem aguda.

5 Resumo da Unidade 3 Esta unidade reparte-se em quatro sessões. Na primeira sessão será abordada a vertigem e a tontura. Na segunda sessão, iremos discutir aos exames clínicos básicos e na terceira e quarta sessão serão debatidos os exames neurológicos do doente com vertigem. Unidade 4 Objectivos No final desta Unidade deverá ser capaz de: Caracterizar o estímulo sonoro; Definir e avaliar os diferentes tipos de surdez; Identificar os métodos mais utilizados na avaliação coclear; Definir os reflexos que asseguram a estabilidade visual nas várias condições de estimulação vestibular e visual; Criar um protocolo satisfatório para avaliação dos diferentes movimentos oculares; Descrever os métodos usuais de avaliação de movimentos oculares; Analisar as vantagens e inconvenientes dos métodos mais utilizados no registo dos movimentos oculares (ENG/VGN); Interpretar e classificar os nistaqmos vestibulares; Descrever as provas usuais para a avaliação dos sistemas vestibular e oculomotor e das interacções visuo-vestibulares; Identificar as alterações patológicas dos movimentos oculares e procurar estabelecer o diagnóstico topográfico das lesões; Descrever métodos correntes para a avaliação da função sacular (Potenciais sáculo-cólicos) e utricular (Vertical visual subjectiva) e mostrar resultados normais e patológicos; Apresentar métodos correntes para a avaliação do reflexo vestíbulo-espinhal e do equilíbrio; Analisar as possibilidades e limitações do exame vestibular convencional;

6 Identificar novamente as principais alterações sugestivas de patologia central. Resumo da Unidade 4 Ao longo desta unidade serão estudados os exames laboratoriais. Na primeira sessão discutiremos as características do estímulo auditivo e daremos especial enfâse à Electrococleografia. Já na segunda sessão serão analisadas as generalidades sobre a Avaliação Vestibular e na terceira sessão estudaremos a Electronistagmografia. Na quarta sessão será realizada uma avaliação dos Movimentos Oculares e na última e quinta sessão faremos uma análise a outras Provas da Função Vestibular. Unidade 5 Objectivos No final desta Unidade deverá ser capaz de: Identificar os sintomas VPPB (os quais, por si só, evocam o diagnóstico); Saber realizar as manobras de Dix-Hallpike e interpretar as características do possível nistagmo desencadeado; Conhecer as duas teorias fisiopatológicas que a explicam: cupulolitíase e a canalolitíase; Efectuar as diferentes manobras terapêuticas correntemente utilizadas; Identificar o quadro clínico da nevrite vestibular, como paradigma das vertigens de instalação súbita, bem como a sua evolução e tratamento; Reconhecer os possíveis achados da exploração funcional cócleo-vestibular; Explicar as principais entidades clínicas que podem revelar-se por uma vertigem de instalação súbita, nomeadamente o Síndroma de Wallenberg e outros acidentes vasculares constituídos, neurinoma do acústico e esclerose múltipla;

7 Explicar a possibilidade de vertigem psocogénica (ataques de pânico, agarofobia e vertigem postural fóbica) nas situações de vertigem crónica; Definir os critérios para se considerar essa possibilidade; Caracterizar outros quadros de vertigem crónica, como sucede nas Malformações da Charneira Occipito-vertebral, em geral, e na de Arnold-Chiari. Resumo da Unidade 5 Esta Unidade possui quatro sessões. Ao longo destas sessões serão debatidas as principais causas de vertigem, nevrite vestibular e doença de Menière. Ficha Técnica Destinatários Médicos de Medicina Geral e Familiar (Clínica Geral) e Otorrinolaringologistas Duração 90 horas Metodologia Pedagógica elearning, através do Modelo Pedagógico e Andragógico SAFEM-D (Sistema Aberto de Formação e Ensino, Multimédia a Distância). Meios Didácticos Computador com ligação à Internet Plataforma NetForma Da Vinci Web Autoria Dr. Fernando Vaz Garcia e Dr. José Tavares Coordenação e Consultoria Pedagógica Prof. Doutor António Augusto Fernandes

8 Programa Unidade 1 - Anatomia do Sistema Vestibular Sessão 1 - Anatomia Vestibular Periférica Tópico 1 Ouvido Interno Tópico 2 Canais Semicirculares Tópico 3 Cristas / cúpulas ampolares: histologia Tópico 4 Orgão Otolítico Tópico 5 Líquidos Labirínticos Tópico 6 Irrigação do Ouvido Interno Tópico 7 Conduto Auditivo Interno Unidade 2 - Fisiologia Vestibular Sessão 1 - Captores Vestibulares, Estabilização do Olhar e da Postura Tópico 1 Reflexo Vestíbulo Ocular (RVO) Tópico 2 Reflexo Vestíbulo Espinhal (RVS) Tópico 3 Armazenamento de velocidade Tópico 4 Compensação Vestibular Unidade 3 - Vertigem e Outras Alterações do Equilíbrio Sessão 1 - Abordagem da Vertigem Tópico 1 Vertigem e tontura Tópico 2 Causas de vertigem Sessão 2 - Exame Clínico Básico Tópico 1 Pesquisa de Nistagmo Tópico 2 Outros Exames de cabeceira

9 Sessão 3 - O Exame Neurológico do Doente com Vertigem Tópico 1 Exame Neurológico Sumário Sessão 4 - O Exame Neurológico do Doente com Vertigem Tópico 1 A Vertigem na óptica da Neurologia Unidade 4 - Exames Laboratoriais: Exploração Funcional Vestibular Sessão 1 - Avaliação Coclear Tópico 1 Características do estímulo auditivo SOM Tópico 2 Audiometria Tonal Liminar Tópico 3 Potenciais Evocados Auditivos Precoces (BER) Tópico 4 Electrococleografia (ECoG) Tópico 5 Impedânciometria Sessão 2 - Generalidades sobre a Avaliação Vestibular Tópico 1 Exploração Funcional Vestibularo Tópico 2 Protocolos da Avaliação Funcional Sessão 3 - Registo dos Movimentos Oculares Tópico 1 Electronistagmografia Sessão 4 - Avaliação dos Movimentos Oculares Tópico 1 Pesquisa de Nistagmo Espontâneo e do Olhar Descentrado Tópico 2 Pesquisa de Nístagmo Posicional Tópico 3 Provas Rotatórias

10 Tópico 4 Provas Calóricas Tópico 5 Interacções Visuovestibulares Tópico 6 Sacadas Tópicos 7 Perseguição Ocular Tópico 8 Pesquisa de Nístagmo Optocinético Sessão 5 - Outras Provas da Função Vestibular Tópico 1 Vertical Visual Subjectiva Tópico 2 Potenciais Miogénicos Unidade 5 - Principais Causas de Vertigem Sessão 1 - Vertigem Paroxística Tópico 1 Vertigem Posicional Paroxistica Benigna Sessão 2 - Nevrite Vestibular Tópico 1 A Nevrite Vestibular Tópico 2 Exploração Funcional Áudio-Vestibular e Imagiologia Sessão 3 - Doença de Menière Tópico 1 Vertigem por crises Tópico 2 Etiologia Doença de Menière Tópico 3 Avaliação Funcional Sessão 4 - Vertigens Psicogénicas Tópico 1 Vertigem Crónica

Curso de Exames Laboratoriais: Exploração Funcional Vestibular. Referencial Pedagógico

Curso de Exames Laboratoriais: Exploração Funcional Vestibular. Referencial Pedagógico Curso de Exames Laboratoriais: Exploração Funcional Vestibular Referencial Pedagógico 1. Competências Globais e Específicas O formando irá desenvolver competências gerais e específicas no âmbito da caracterização

Leia mais

Vertigem na emergência. Dra. Cristiana Borges Pereira

Vertigem na emergência. Dra. Cristiana Borges Pereira Vertigem na emergência Dra. Cristiana Borges Pereira Dra. Cristiana Borges Pereira Doutorado FMUSP Tratamento domiciliar da vertigem de posicionamento paroxística benigna Responsável pelo ambulatório de

Leia mais

FISIOLOGIA DO LABIRINTO POSTERIOR (APARELHO VESTIBULAR)

FISIOLOGIA DO LABIRINTO POSTERIOR (APARELHO VESTIBULAR) FISIOLOGIA DO LABIRINTO POSTERIOR (APARELHO VESTIBULAR) INTRODUÇÃO Controle da Postura e Equilíbrio Estabilização da imagem Orientação Espacial/Gravitacional Filogênese do aparelho vestibular/auditivo

Leia mais

A vertigem e as alterações do equilíbrio

A vertigem e as alterações do equilíbrio A vertigem e as alterações do equilíbrio O síndrome vertiginoso é um sintoma definido como a sensação ilusória de movimento. O tratamento baseia-se num programa de reeducação vestibular PEDRO ARAÚJO Texto

Leia mais

Audição. Audição. Audição e equilíbrio. Capta e direcciona as ondas sonoras para o canal auditivo externo.

Audição. Audição. Audição e equilíbrio. Capta e direcciona as ondas sonoras para o canal auditivo externo. Sistema auditivo Audição Audição Audição e equilíbrio Capta e direcciona as ondas sonoras para o canal auditivo externo. Possui glândulas sebáceas e glândulas sudoríparas apócrinas modificadas glândulas

Leia mais

DOENÇAS DO OUVIDO E DA APÓFISE MASTÓIDE (H60 H95) Justificativa Tipos N máximo de sessões Pedido médico + Laudo médico + Exames complementares

DOENÇAS DO OUVIDO E DA APÓFISE MASTÓIDE (H60 H95) Justificativa Tipos N máximo de sessões Pedido médico + Laudo médico + Exames complementares DOENÇAS DO OUVIDO E DA APÓFISE MASTÓIDE (H60 H95) Guias SP/SADT Protocolo Conduta Indicação Clinica Perda Auditiva Justificativa Tipos N máximo de sessões Pedido médico + Laudo médico + Exames complementares

Leia mais

Considerando a necessidade de Cursos de Treinamento para formação de médicos otorrinolaringologistas para realização cirurgias de implante coclear;

Considerando a necessidade de Cursos de Treinamento para formação de médicos otorrinolaringologistas para realização cirurgias de implante coclear; NORMAS DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE OTORRINOLARINGOLOGIA E CIRURGIA CÉRVICO FACIAL (ABORL-CCF) E DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE OTOLOGIA (SBO) PARA ACREDITAÇÃO DE CURSOS DE FORMAÇÃO E TREINAMENTO DE MÉDICOS

Leia mais

Semiologia do sistema vestibular e motor ocular. Dra. Cristiana Borges Pereira

Semiologia do sistema vestibular e motor ocular. Dra. Cristiana Borges Pereira Semiologia do sistema vestibular e motor ocular Dra. Cristiana Borges Pereira Anamnese TONTURA OU VERTIGEM? Anamnese tontura: estado de tonto, zonzo vertigem: 1. estado mórbido em que o indivíduo tem a

Leia mais

PROPOSTA REABILITAÇÃO VESTIBULAR NA VERTIGEM POSICIONAL PAROXÍSTICA BENIGNA CRÔNICA

PROPOSTA REABILITAÇÃO VESTIBULAR NA VERTIGEM POSICIONAL PAROXÍSTICA BENIGNA CRÔNICA PROPOSTA REABILITAÇÃO VESTIBULAR NA VERTIGEM POSICIONAL PAROXÍSTICA BENIGNA CRÔNICA Veruska Cronemberger Nogueira 1, 2, 4, Elmirana Maria Lopes Machado 1, Rafael Costa Oliveira 1, Maria Clara Napoleão

Leia mais

Vertigem posicional paroxística benigna (VPPB): reflexões sobre o roteiro diagnóstico e o processo de tomada de decisão.

Vertigem posicional paroxística benigna (VPPB): reflexões sobre o roteiro diagnóstico e o processo de tomada de decisão. Vertigem posicional paroxística benigna (VPPB): reflexões sobre o roteiro diagnóstico e o processo de tomada de decisão. André Luís dos Santos Silva, D.Sc.* *Diretor do Instituto Brasileiro de Fisioterapia

Leia mais

CURSO DIAGNÓSTICO MECÂNICO e TRATAMENTO TÉCNICA de McKENZIE. Parte A Coluna Lombar

CURSO DIAGNÓSTICO MECÂNICO e TRATAMENTO TÉCNICA de McKENZIE. Parte A Coluna Lombar CURSO DIAGNÓSTICO MECÂNICO e TRATAMENTO TÉCNICA de McKENZIE Parte A Coluna Lombar Conteúdos Programáticos A Lombalgia Incidência, custos, tempo e tipos de tratamentos Abordagem à Técnica de McKenzie. Anatomia

Leia mais

O que é Fisioterapia Vestibular?

O que é Fisioterapia Vestibular? O que é Fisioterapia Vestibular? Existem 02 tipos de tontura: rotatória ou vertigem, quando o paciente relata que tudo gira ao seu redor; e não-rotatória, equivalente à instabilidade postural ou desequilíbrio.

Leia mais

PORTARIA Nº 1.278, DE 20 DE OUTUBRO DE

PORTARIA Nº 1.278, DE 20 DE OUTUBRO DE MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 1.278, DE 20 DE OUTUBRO DE 1999 DO 202, de 21/10/99 O Ministro de Estado da Saúde, interino, no uso de suas atribuições legais e, Considerando a importância

Leia mais

SISTEMA VESTIBULAR E MANUTENÇÃO DO EQUILÍBRIO

SISTEMA VESTIBULAR E MANUTENÇÃO DO EQUILÍBRIO SISTEMA VESTIBULAR E MANUTENÇÃO DO EQUILÍBRIO Prof. Hélder Mauad APARELHO VESTIBULAR Órgão sensorial que detecta as sensações de equilíbrio. Constituído por labirinto ósseo e por dentro dele há o labirinto

Leia mais

DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DAS PRINCIPAIS SÍNDROMES VESTIBULARES

DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DAS PRINCIPAIS SÍNDROMES VESTIBULARES Arq Neuropsiquiatr 2005;63(1):140-144 DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DAS PRINCIPAIS SÍNDROMES VESTIBULARES Aline Mizuta Kozoroski Kanashiro 1, Cristiana Borges Pereira 2, Antonio Carlos de Paiva Melo 3, Milberto

Leia mais

Referencial do Curso Segurança na Operação de Empilhadores

Referencial do Curso Segurança na Operação de Empilhadores Referencial do Curso Segurança na Operação de Empilhadores [2010] 1. DATA DE INICIO: De acordo com o Plano de Formação. 2. DATA DE FIM: De acordo com o Plano de Formação. 3. MÓDULOS: Módulo 1 - Introdução

Leia mais

Profa Silvia Mitiko Nishida Depto de Fisiologia SENTIDO VESTIBULAR

Profa Silvia Mitiko Nishida Depto de Fisiologia SENTIDO VESTIBULAR Profa Silvia Mitiko Nishida Depto de Fisiologia SENTIDO VESTIBULAR Orelha Interna -Sistema Vestibular Movimentos rotacionais (aceleração angular) As células sensoriais são ciliadas mas são estimuladas

Leia mais

CURSOS DA ÁREA DA SAÚDE. Formação Presencial a Distância (elearning)

CURSOS DA ÁREA DA SAÚDE. Formação Presencial a Distância (elearning) CURSOS DA ÁREA DA SAÚDE Formação Presencial a Distância (elearning) ÍNDICE DE CURSOS Clique no nome dos cursos Dislipidemias Metabolismo Lipídico e Patogénese da Aterosclerose Diagnóstico e Classificação

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS DO EXTREMO SUL DA BAHIA REABILITAÇÃO VESTIBULAR NA VERTIGEM POSICIONAL PAROXÍSTICA BENIGNA: UMA REVISÃO DE LITERATURA.

FACULDADES INTEGRADAS DO EXTREMO SUL DA BAHIA REABILITAÇÃO VESTIBULAR NA VERTIGEM POSICIONAL PAROXÍSTICA BENIGNA: UMA REVISÃO DE LITERATURA. FACULDADES INTEGRADAS DO EXTREMO SUL DA BAHIA REABILITAÇÃO VESTIBULAR NA VERTIGEM POSICIONAL PAROXÍSTICA BENIGNA: UMA REVISÃO DE LITERATURA. Discente: Maria Mariana Orientadora: Profª Anelisa C. R. Leite

Leia mais

O Ministro de Estado de Saúde, interino, no uso de suas atribuições legais e,

O Ministro de Estado de Saúde, interino, no uso de suas atribuições legais e, PORTARIA Nº 1.278/MS DE 20 DE OUTUBRO DE 1999 O Ministro de Estado de Saúde, interino, no uso de suas atribuições legais e, Considerando a importância médico-social do tratamento da deficência auditiva;

Leia mais

FORMAÇÃO INICIAL PEDAGÓGICA DE FORMADORES (Parceria Secção Regional de Lisboa da OF CaF-Formação)

FORMAÇÃO INICIAL PEDAGÓGICA DE FORMADORES (Parceria Secção Regional de Lisboa da OF CaF-Formação) FORMAÇÃO INICIAL PEDAGÓGICA DE FORMADORES (Parceria Secção Regional de Lisboa da OF CaF-Formação) OBJECTIVOS: PRETENDE-SE COM ESTA FORMAÇÃO QUE O PARTICIPANTE ADQUIRA COMPETÊNCIAS DE FORMA A: - Facilitar,

Leia mais

ÍNDICE. 1. Finalidade Pág. 3. 2. Objectivos Gerais Pág. 3. 3. Objectivos Operacionais Pág. 3. 4. Perfil dos Formadores Pág. 4

ÍNDICE. 1. Finalidade Pág. 3. 2. Objectivos Gerais Pág. 3. 3. Objectivos Operacionais Pág. 3. 4. Perfil dos Formadores Pág. 4 ÍNDICE 1. Finalidade Pág. 3 2. Objectivos Gerais Pág. 3 3. Objectivos Operacionais Pág. 3 4. Perfil dos Formadores Pág. 4 5. Equipa Formativa Pág. 4 6. Perfil dos Formandos Pág. 4 7. Recursos Didácticos

Leia mais

TONTURA. Qual é a fisiologia do sistema vestibular?

TONTURA. Qual é a fisiologia do sistema vestibular? 2 TONTURA Dr. Carlos R. Caron Objetivos 1. Saber o significado de tontura para o paciente. 2. Qual é a fisiopatología da vertigem. 3. Quais os principais tipos de vertigem. 4. Como distinguir uma vertigem

Leia mais

PATOLOGIAS DO APARELHO AUDITIVO ANDERSON CELSO LUANA MUNIQUE PRISCILA PAMELA

PATOLOGIAS DO APARELHO AUDITIVO ANDERSON CELSO LUANA MUNIQUE PRISCILA PAMELA PATOLOGIAS DO APARELHO AUDITIVO ANDERSON CELSO LUANA MUNIQUE PRISCILA PAMELA 1 INTRODUÇÃO A audição possibilita a aquisição da linguagem e a conseqüente integração do homem com o mundo sonoro e social.

Leia mais

ARTIGO DE REVISÃO. Abstract. Resumo. Este artigo consiste em uma revisão ampla sobre vertigem e seu diagnóstico diferencial.

ARTIGO DE REVISÃO. Abstract. Resumo. Este artigo consiste em uma revisão ampla sobre vertigem e seu diagnóstico diferencial. 1806-4280/08/37-01/91 Arquivos Catarinenses de Medicina Arquivos Catarinenses de Medicina Vol. 37, n o. 1, de 2008 91 ARTIGO DE REVISÃO Nova abordagem das Vertigens: correlação clínica Rosemeri Maurici

Leia mais

Entidade Certificada pela DGERT

Entidade Certificada pela DGERT Entidade Certificada pela DGERT FICHA TÉCNICA Agito Formação & Serviços, Lda. Rua Dr. Jerónimo Pereira Leite, 352 4580-362 Cristelo Paredes TLM: 912 345 306 TLF: 255 781 812 FAX: 255 781 866 E-mail: info@agito-lda.com

Leia mais

Programa de Unidade Curricular

Programa de Unidade Curricular Programa de Unidade Curricular Faculdade Ciências Empresariais Licenciatura Ciências Económicas e Empresariais / Contabilidade Unidade Curricular Introdução à Contabilidade Semestre: 1 Nº ECTS: 6,0 Regente

Leia mais

0612- Noções Básicas de Gestão Técnica de Recursos Humanos

0612- Noções Básicas de Gestão Técnica de Recursos Humanos 0612- Noções Básicas de Gestão Técnica de Recursos Humanos Trabalho elaborado por: Vera Valadeiro, nº20 TAG 4 Índice Conteúdo Função:... 3 Descrição da Função:... 3 Perfil da Função:... 4 Processo de Recrutamento:...

Leia mais

PERCEPÇÃO DE SINTOMAS AUDITIVOS E NÃO-AUDITIVOS DOS MOTORISTAS DE ÔNIBUS DE TRANSPORTE

PERCEPÇÃO DE SINTOMAS AUDITIVOS E NÃO-AUDITIVOS DOS MOTORISTAS DE ÔNIBUS DE TRANSPORTE PERCEPÇÃO DE SINTOMAS AUDITIVOS E NÃO-AUDITIVOS DOS MOTORISTAS DE ÔNIBUS DE TRANSPORTE Alexandre Ramos NOVAFAPI Rita de Cássia - Orientadora - NOVAFAPI INTRODUÇÃO A saúde do trabalhador constitui uma área

Leia mais

FACULDADE TECSOMA Curso de Fisioterapia. Fernando Luiz dos Anjos

FACULDADE TECSOMA Curso de Fisioterapia. Fernando Luiz dos Anjos FACULDADE TECSOMA Curso de Fisioterapia Fernando Luiz dos Anjos APLICAÇÃO DO PROTOCOLO DE CAWTHORNE E COOKSEY ADAPTADO PARA MELHORA DA SINTOMATOLOGIA EM UM PACIENTE COM VERTIGEM POSICIONAL PAROXÍSTICA

Leia mais

Microbiologia: fungos causadores de micoses superficiais e. Microbiologia: fungos causadores de micoses superficiais e

Microbiologia: fungos causadores de micoses superficiais e. Microbiologia: fungos causadores de micoses superficiais e PLANILHA GERAL - BASES BIOLÓGICAS DA PRÁTICA MÉDICA VI- 1º 2013 Dia Data Hora Professor Sala Conteúdo Módulo 08:00 Marina 204 D Histologia da pele e anexos QUARTA 8/5/2013 Marina 204 D Histologia da pele

Leia mais

U N I V E R S I D A D E D E B R A S Í L I A (UnB) CENTRO DE SELEÇÃO E DE PROMOÇÃO DE EVENTOS (CESPE)

U N I V E R S I D A D E D E B R A S Í L I A (UnB) CENTRO DE SELEÇÃO E DE PROMOÇÃO DE EVENTOS (CESPE) U N I V E R S I D A D E D E B R A S Í L I A (UnB) CENTRO DE SELEÇÃO E DE PROMOÇÃO DE EVENTOS (CESPE) MINISTÉRIO DA DEFESA SECRETARIA DE ORGANIZAÇÃO INSTITUCIONAL HOSPITAL DAS FORÇAS ARMADAS (HFA) Concurso

Leia mais

Matriz Curricular - Fonoaudiologia. PRIMEIRO SEMESTRE CH teórica prática ANATOMIA HUMANA

Matriz Curricular - Fonoaudiologia. PRIMEIRO SEMESTRE CH teórica prática ANATOMIA HUMANA Matriz Curricular - Fonoaudiologia PRIMEIRO SEMESTRE ANATOMIA HUMANA Fundamentos de Anatomia Humana 18 FISIOLOGIA HUMANA Fundamentos de Fisiologia Humana 18 HISTOLOGIA E EMBRIOLOGIA Fundamentos de Histologia

Leia mais

Anatomia e Fisiologia Humana OUVIDO: SENTIDO DA AUDIÇÃO E DO EQUILÍBRIO. DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais)

Anatomia e Fisiologia Humana OUVIDO: SENTIDO DA AUDIÇÃO E DO EQUILÍBRIO. DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais) Anatomia e Fisiologia Humana OUVIDO: SENTIDO DA AUDIÇÃO E DO EQUILÍBRIO DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais) 1ª edição novembro/2006 OUVIDO: SENTIDO DA AUDIÇÃO E DO EQUILÍBRIO SUMÁRIO Sobre a Bio Aulas... 03

Leia mais

Vertigens Cervicogénicas e Reabilitação Vestibular

Vertigens Cervicogénicas e Reabilitação Vestibular Vertigens Cervicogénicas e Reabilitação Vestibular Conteúdo Programático - Anatomia e Fisiologia vestibular - Avaliação Clínica Oculo-Vestibular (VOR) - Patologias Vestibulares - Nistagmos - Examinação

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MUSICOTERAPIA

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MUSICOTERAPIA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM A Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico do Porto, através da Área de Música do Departamento de Artes e Motricidade Humana, conjuntamente com a Faculdade de Ciências

Leia mais

Audiologia. SERVIÇO DE FONOAUDIOLOGIA ORGANOGRAMA Chefe de serviço: Prof. Maria Isabel Kós Vice-chefe: Prof. Rosane Pecorari

Audiologia. SERVIÇO DE FONOAUDIOLOGIA ORGANOGRAMA Chefe de serviço: Prof. Maria Isabel Kós Vice-chefe: Prof. Rosane Pecorari SERVIÇO DE FONOAUDIOLOGIA ORGANOGRAMA Chefe de serviço: Prof. Maria Isabel Kós Vice-chefe: Prof. Rosane Pecorari Sessão de pacientes internos Motricidade oral e disfagia (pacientes internados no HU) A

Leia mais

Composição Cada comprimido de 25 mg contém 25 mg de cinarizina. Excipientes: amido, lactose, óleo vegetal hidrogenado, povidona, sacarose e talco.

Composição Cada comprimido de 25 mg contém 25 mg de cinarizina. Excipientes: amido, lactose, óleo vegetal hidrogenado, povidona, sacarose e talco. 112360002 Stugeron cinarizina comprimidos Forma farmacêutica e apresentações Comprimidos de 25 mg em embalagem com 30 comprimidos. Comprimidos de 75 mg em embalagem com 30 comprimidos. USO ADULTO Composição

Leia mais

Certificação e Acreditação Auditorias. Normalização Processos de certificação Processos de acreditação Auditorias dos sistemas de gestão da qualidade

Certificação e Acreditação Auditorias. Normalização Processos de certificação Processos de acreditação Auditorias dos sistemas de gestão da qualidade Certificação e Acreditação Auditorias Sumário da Aula JN2 Normalização Processos de certificação Processos de acreditação Auditorias dos sistemas de gestão da qualidade 1 Normalização Norma Internacional

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular PROJECTO APLICADO Ano Lectivo 2014/2015

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular PROJECTO APLICADO Ano Lectivo 2014/2015 Programa da Unidade Curricular PROJECTO APLICADO Ano Lectivo 2014/2015 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (1º Ciclo) 2. Curso Contabilidade 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular

Leia mais

- Anatomia e Fisiologia do Ouvido. - Avaliação Básica do Ouvido e da Audição. - Principais manifestações patológicas

- Anatomia e Fisiologia do Ouvido. - Avaliação Básica do Ouvido e da Audição. - Principais manifestações patológicas Intervenções de Enfermagem à Pessoa com Problemas da Função Sensorial - do Ouvido - Avaliação Básica do Ouvido e da Audição - Principais manifestações patológicas três partes: ouvido externo, médio e interno.

Leia mais

Curso de e-learning Outubro de 2014

Curso de e-learning Outubro de 2014 Associação Portuguesa dos Técnicos de Natação Complexo de Piscinas Municipais de Rio Maior Estradas das Marinhas 2040 Rio Maior Curso de e-learning Outubro de 2014 Conservação, qualidade da água e contributos

Leia mais

Normas de Boas Práticas em Acupunctura Médica OBJECTIVO

Normas de Boas Práticas em Acupunctura Médica OBJECTIVO Normas de Boas Práticas em Acupunctura Médica OBJECTIVO O presente documento visa estabelecer as normas de boas práticas clínicas no âmbito do exercício da Acupunctura Médica a serem observadas pelos médicos

Leia mais

INSTITUTO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, I.P.

INSTITUTO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, I.P. 2 O r g a n i z a ç ã o e m U n i d a d e s C a p i t a l i z á v e i s Área de Formação 850. Protecção do Ambiente Itinerário de Formação 85001. Operação de Sistemas Ambientais Saída Profissional Designação:

Leia mais

A EFETIVIDADE DA REABILITAÇÃO VESTIBULAR NA SÍNDROME LABIRÍNTICA PERIFÉRICA IRRITATIVA

A EFETIVIDADE DA REABILITAÇÃO VESTIBULAR NA SÍNDROME LABIRÍNTICA PERIFÉRICA IRRITATIVA A EFETIVIDADE DA REABILITAÇÃO VESTIBULAR NA SÍNDROME LABIRÍNTICA PERIFÉRICA IRRITATIVA ZANDOMENIGHI, P. M. C.; LOPES, J. Resumo: A reabilitação vestibular com o uso do protocolo de Cawthorne-Cooksey (PCC)

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA BACHARELADO (Currículo de início em 2015)

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA BACHARELADO (Currículo de início em 2015) EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA BACHARELADO (Currículo de início em 2015) ANATOMIA HUMANA C/H 102 3248 Estudo da estrutura e função dos órgãos em seus respectivos sistemas no corpo

Leia mais

EMENTAS DE DISCIPLINAS. Professores: Jair Marques, Rosane Sampaio Santos, Wesley M. de Souza

EMENTAS DE DISCIPLINAS. Professores: Jair Marques, Rosane Sampaio Santos, Wesley M. de Souza Universidade Tuiuti do Paraná Credenciada por Decreto Presidencial de 07 de julho de 1997 D.O.U. Nº 128, de 08 de julho de 1997, Secção 1, Página 14295. PROGRAMA DE MESTRADO E DOUTORADO EM DISTÚRBIOS DA

Leia mais

A palavra postura tem dois grandes significados físico e figurativo (FERREI-

A palavra postura tem dois grandes significados físico e figurativo (FERREI- 11 2 BIOMECÂNICA DA POSTURA 1 2.1 Conceituação de postura A palavra postura tem dois grandes significados físico e figurativo (FERREI- RA, 1986, p. 1373): no sentido físico, corporal, significa "o modo

Leia mais

Simpósio de Fisioterapia do Into

Simpósio de Fisioterapia do Into 1º Simpósio de Fisioterapia do Into I ns titu to N acion al de Traum atologia e Or toped ia Jam il Had d ad PROGR AMAÇ ÃO Dia 24 Simpósio Apoio 8h às 12h Auditório 2 Novos Conceitos em Prevenção de Lesões

Leia mais

III CONGRESSO DE TRAUMA DO VALE DO PARAÍBA

III CONGRESSO DE TRAUMA DO VALE DO PARAÍBA TRAUMA 2010 III CONGRESSO DE TRAUMA DO VALE DO PARAÍBA SÃO JOSÉ DOS CAMPOS TRAUMA FAST TRACK ORGANIZAÇÃO DOS CUIDADOS HOSPITALARES URGENTES AO DOENTE TRAUMATIZADO - UMA VIA VERDE PARA O TRAUMA Carlos Mesquita

Leia mais

CURSO BÁSICO DE ULTRASSONOGRAFIA DA TIREOIDE E PARATIREOIDE ORGANIZAÇÃO

CURSO BÁSICO DE ULTRASSONOGRAFIA DA TIREOIDE E PARATIREOIDE ORGANIZAÇÃO CURSO BÁSICO DE ULTRASSONOGRAFIA DA TIREOIDE E PARATIREOIDE ORGANIZAÇÃO Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia Departamento de Tireoide da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PSICOLOGIA MORFOFISIOLOGIA E COMPORTAMENTO HUMANO Estudo anátomo-funcional de estruturas orgânicas na relação com manifestações emocionais. HISTÓRIA E SISTEMAS

Leia mais

Infarto cerebelar e vertigem aguda

Infarto cerebelar e vertigem aguda Página 1 de 6 Infarto cerebelar e vertigem aguda Cerebellar infarction and acute vertigo Sérgio Albertino Pedro Ferreira Moreira Filho Professor doutor em Neurologia Aída Regina Monteiro Assunção Mestranda

Leia mais

EDITAL PARA A AVALIAÇÃO PERIÓDICA DOS RESIDENTES E ESPECIALIZANDOS DOS 1º E 2º ANOS EM OTORRINOLARINGOLOGIA EDIÇÃO 2016

EDITAL PARA A AVALIAÇÃO PERIÓDICA DOS RESIDENTES E ESPECIALIZANDOS DOS 1º E 2º ANOS EM OTORRINOLARINGOLOGIA EDIÇÃO 2016 EDITAL PARA A AVALIAÇÃO PERIÓDICA DOS RESIDENTES E ESPECIALIZANDOS DOS 1º E 2º ANOS EM OTORRINOLARINGOLOGIA EDIÇÃO 2016 A ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE OTORRINOLARINGOLOGIA E CIRURGIA CÉRVICO- FACIAL ABORL-CCF,

Leia mais

Departamento de Formação

Departamento de Formação FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE BADMINTON Departamento de Formação Documento Orientador de Formação de Treinadores Nível I, II e III Com apoio de: ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 OBJECTIVOS 4 FUNÇÃO DO TREINADOR 4 SISTEMA

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Curso: Graduação em Estética - Bacharelado Missão O Curso de Estética, tem como missão a formação de profissionais para atuarem no segmento de estética de forma criativa, crítica

Leia mais

CURSO DE REABILITAÇAO VESTIBULAR: FUNDAMENTOS E PRÁTICA

CURSO DE REABILITAÇAO VESTIBULAR: FUNDAMENTOS E PRÁTICA CURSO DE REABILITAÇAO VESTIBULAR: FUNDAMENTOS E PRÁTICA 14 e 15 de novembro de 2015 São Paulo - SP Brasil Local: INSTITUTO VITA UNIDADE HIGIENÓPOLIS RUA MATO GROSSO, 306 1º ANDAR SÃO PAULO / SP Sábado,

Leia mais

ORL. Jornal. «A quase totalidade das maternidades possui programas de rastreio auditivo»

ORL. Jornal. «A quase totalidade das maternidades possui programas de rastreio auditivo» Jornal ORL www.sporl.net Número 04 Abril 2012 VISEU ACOLHE 59.º CONGRESSO NACIONAL DE SPORL Dr.ª Luísa Monteiro fala acerca do RANU: «A quase totalidade das maternidades possui programas de rastreio auditivo»

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA BACHAELADO (Currículo de início em 2015)

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA BACHAELADO (Currículo de início em 2015) EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA BACHAELADO (Currículo de início em 2015) ANATOMIA HUMANA C/H 102 Estudo da estrutura e função dos órgãos em seus respectivos sistemas no corpo humano,

Leia mais

SOCIEDADE BRASILEIRA DE NEFROLOGIA

SOCIEDADE BRASILEIRA DE NEFROLOGIA NORMAS PARA CREDENCIAMENTO E RECREDENCIAMENTO DE SERVIÇOS DE TREINAMENTO EM NEFROLOGIA Curso de Especialização em Nefrologia OBJETIVOS DO PROGRAMA OBJETIVO GERAL Capacitar o profissional médico no conteúdo

Leia mais

VISÃO GERAL DAS SOLUÇÕES

VISÃO GERAL DAS SOLUÇÕES VIDEO OTOSCOPIA EOA NOAH AUDIOMETRIA R E L AT Ó R I O A C O N S E L H A M E N T O EMR READY IMITANCIOMETRIA H IT P M M VISÃO GERAL DAS SOLUÇÕES www.otometrics.com.br AVALIAÇÃO AUDITIVA AVALIAÇÃO AUDITIVA

Leia mais

Acções Integradas sobre o Sentido da Audição

Acções Integradas sobre o Sentido da Audição Semana da Ciência e Tecnologia 23 a 30 de Novembro de 2002 Acções Integradas sobre o Sentido da Audição http://www.inescporto.pt/cienciaviva Datas: 25 de Novembro de 2002: Colégio Internato dos Carvalhos

Leia mais

Proteção Auditiva. Existem coisas que você não precisa perder. A audição é uma delas. Proteja-se! Itabira/2007

Proteção Auditiva. Existem coisas que você não precisa perder. A audição é uma delas. Proteja-se! Itabira/2007 Proteção Auditiva Existem coisas que você não precisa perder. A audição é uma delas. Proteja-se! Itabira/2007 O Som O som é definido como qualquer variação na pressão do ar que o ouvido humano possa detectar.

Leia mais

PLANO DE CURSO 6º PERÍODO ANO: 2013.2

PLANO DE CURSO 6º PERÍODO ANO: 2013.2 PLANO DE CURSO 6º PERÍODO ANO: 2013.2 CURSO: MEDICINA DISCIPLINA: Farmacologia Aplicada à Clínica Médica CARGA HORÁRIA: 36 horas PROFESSOR TITULAR: Miguel de Lemos Neto PROFESSORES: EMENTA: Compreender

Leia mais

Perda Auditiva Induzida pelo Ruído - PAIR

Perda Auditiva Induzida pelo Ruído - PAIR Perda Auditiva Induzida Disciplina Medicina Social e do Trabalho MLS 0412 Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo Graduação 3º Ano Grupo A1 Trata-se de uma perda auditiva do tipo neuro-sensorial,

Leia mais

Eletroneuromiografia na abordagem diagnóstica das Neuropatias Periféricas

Eletroneuromiografia na abordagem diagnóstica das Neuropatias Periféricas Eletroneuromiografia na abordagem diagnóstica das Neuropatias Periféricas Sociedade Brasileira de Neurofisiologia Clínica Sociedade Brasileira de Medicina Física e Reabilitação Elaboração Final: 23 de

Leia mais

PLANO DE ENSINO HORÁRIO SEG TER QUA QUI SEX SAB 07:10-08:00 08:00 08:50 08:50 09:40 09:40 10:40 10:40-11:30 11:30 12:20

PLANO DE ENSINO HORÁRIO SEG TER QUA QUI SEX SAB 07:10-08:00 08:00 08:50 08:50 09:40 09:40 10:40 10:40-11:30 11:30 12:20 FUNDAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DE OLINDA - FUNESO UNIÃO DE ESCOLAS SUPERIORES DA FUNESO UNESF CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE - CURSO DE BACHARELADO EM ENFERMAGEM PLANO DE ENSINO DISCIPLINA: ENFERMAGEM EM EMERGÊNCIA

Leia mais

Atividades de Auditoria. Auditoria Ambiental. 1. Reunião de Abertura. Atividades de Auditoria. 1. Reunião de Abertura. 1. Reunião de Abertura

Atividades de Auditoria. Auditoria Ambiental. 1. Reunião de Abertura. Atividades de Auditoria. 1. Reunião de Abertura. 1. Reunião de Abertura Auditoria Ambiental Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental Professora Flavia Nogueira Zanoni MSc em Controle de Poluição Ambiental PhD

Leia mais

das Doenças Cérebro Cardiovasculares

das Doenças Cérebro Cardiovasculares Programa Regional de Prevenção e Controlo das Doenças Cérebro Cardiovasculares Índice Siglas e Acrónimos... 2 1. Contextualização... 3 2. População Alvo... 3 3. Objectivos... 4 4. Indicadores para Avaliação

Leia mais

Um pouco sobre nós. Tecnologia e modernas instalações

Um pouco sobre nós. Tecnologia e modernas instalações Um pouco sobre nós. Referência em Medicina Ocupacional, Saúde do Trabalhador em Uberlândia e Região. Nosso objetivo é solucionar os problemas ligados à preservação da saúde e segurança do trabalhador,

Leia mais

Informações do PPC que constarão na página eletrônica do Curso. Missão

Informações do PPC que constarão na página eletrônica do Curso. Missão Informações do PPC que constarão na página eletrônica do Curso CURSO: Biomedicina Missão O Curso de Biomedicina tem como missão a formação de um profissional generalista, humanista, crítico e reflexivo

Leia mais

REABILITAÇÃO VESTIBULAR: UM ENFOQUE FISIOTERAPÊUTICO RESUMO. fisiologia, sua adaptação e função no controle postural, fornecendo desta forma, a

REABILITAÇÃO VESTIBULAR: UM ENFOQUE FISIOTERAPÊUTICO RESUMO. fisiologia, sua adaptação e função no controle postural, fornecendo desta forma, a REABILITAÇÃO VESTIBULAR: UM ENFOQUE FISIOTERAPÊUTICO José Wagner Cavalcante Muniz 1 João Sérgio de Sousa Oliveira 2 Poliana Pedrinha de Lima 3 Ridailda de Oliveira Amaral 4 RESUMO O presente artigo aborda

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE TERAPIA OCUPACIONAL DA UNESP CAMPUS DE MARÍLIA

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE TERAPIA OCUPACIONAL DA UNESP CAMPUS DE MARÍLIA PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE TERAPIA OCUPACIONAL DA UNESP CAMPUS DE MARÍLIA Objetivos do Curso Curso da área da saúde, centrado nos aspectos ergonômicos e sociais da atividade humana. Visa à formação

Leia mais

Curso de Arteterapia Antroposófica 2014/2018

Curso de Arteterapia Antroposófica 2014/2018 Curso de Arteterapia Antroposófica 2014/2018 1- GENERALIDADES Introdução: A formação em Arteterapia com base na imagem antroposófica do ser humano, baseia-se numa imagem integral do homem, tanto são como

Leia mais

AVALIAÇÃO AUDITIVA DE BOLSISTAS VINCULADOS A UM PROJETO EXTENSIONISTA SOBRE SAÚDE AUDITIVA DESENVOLVIDO NA CIDADE DE MACAÉ, RIO DE JANEIRO.

AVALIAÇÃO AUDITIVA DE BOLSISTAS VINCULADOS A UM PROJETO EXTENSIONISTA SOBRE SAÚDE AUDITIVA DESENVOLVIDO NA CIDADE DE MACAÉ, RIO DE JANEIRO. AVALIAÇÃO AUDITIVA DE BOLSISTAS VINCULADOS A UM PROJETO EXTENSIONISTA SOBRE SAÚDE AUDITIVA DESENVOLVIDO NA CIDADE DE MACAÉ, RIO DE JANEIRO. VIVIAN DE OLIVEIRA SOUSA 1 IZABELLA MENDES NOGUEIRA1 ARIADNE

Leia mais

Catálogo de Formação (por áreas)

Catálogo de Formação (por áreas) Catálogo de Formação (por áreas) Área 144 (DGERT) Formação de Professores 2 A Internet como Recurso para a Aprendizagem Duração: 25 horas Formador: Vítor Amaro Forma de formação: Presencial - Refletir

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/5 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA EXPOSIÇÃO AO RUÍDO 2 DESCRIÇÃO A sociedade moderna tem multiplicado as fontes de ruído e aumentado o seu nível de pressão sonora. O ruído é uma

Leia mais

CURSO DE COMPLEMENTO DE FORMAÇÃO EM ENFERMAGEM PLANO DE ESTUDOS

CURSO DE COMPLEMENTO DE FORMAÇÃO EM ENFERMAGEM PLANO DE ESTUDOS CURSO DE COMPLEMENTO DE FORMAÇÃO EM ENFERMAGEM PLANO DE ESTUDOS JULHO 1999 PREÂMBULO A alteração à Lei de Bases do Sistema Educativo Lei nº 115/97 de 19 de Setembro, prevê no ponto 3 do artº 13º, a atribuição

Leia mais

CEREBELO PROFª. RESPONSÁVEL: NORMA M. S. FRANCO ORGANIZADOR: ANDRÉ R MENDONÇA

CEREBELO PROFª. RESPONSÁVEL: NORMA M. S. FRANCO ORGANIZADOR: ANDRÉ R MENDONÇA CEREBELO PROFª. RESPONSÁVEL: NORMA M. S. FRANCO ORGANIZADOR: ANDRÉ R MENDONÇA FUNÇÃO DO CEREBELO. É a parte do encéfalo responsável pelo controle dos movimentos voluntários, aprendizagem motora, controle

Leia mais

Engenharia Biomédica - UFABC

Engenharia Biomédica - UFABC Engenharia de Reabilitação e Biofeedback Deficiência Auditiva Professor: Pai Chi Nan 1 2 1 Ouvido externo Orelha Canal auditivo externo Função Coleta de sons 3 Ouvido médio Tímpano Ossículos Martelo Bigorna

Leia mais

O Nosso Corpo Volume XXIV O Ouvido Parte 2

O Nosso Corpo Volume XXIV O Ouvido Parte 2 O Nosso Corpo Volume XXIV um Guia de O Portal Saúde Outubro de 2010 O Portal Saúde Rua Braancamp, 52-4º 1250-051 Lisboa Tel. 212476500 geral@oportalsaude.com Copyright O Portal Saúde, todos os direitos

Leia mais

TABELA DE CURSOS e-learning E b-learning

TABELA DE CURSOS e-learning E b-learning TABELA DE CURSOS e-learning E b-learning PARCERIA EXCLUSIVA PARA ANGOLA LAKEWOOD SERVICES e DISTANT LEARNING CONSULTING (DLC) (Cursos homologados pela DGERT de acordo com o Artº. 125 Código do Trabalho

Leia mais

RESIDÊNCIA MÉDICA 2014 PROVA OBJETIVA

RESIDÊNCIA MÉDICA 2014 PROVA OBJETIVA RESIDÊNCIA MÉDICA 2014 1 Questão 1 A confecção de acessos vasculares definitivos para hemodiálise (FAV) tornou-se um dos principais procedimentos realizados pelos cirurgiões vasculares em todo o mundo.

Leia mais

Sistema vestibular. semiologia. Cristiana B. Pereira

Sistema vestibular. semiologia. Cristiana B. Pereira Sistema vestibular semiologia Cristiana B. Pereira Sistema vestibular: semiologia INTRODUÇÃO Vertigem e tontura são sintomas que podem estar envolvidos no comprometimento de múltiplos sistemas e em diferentes

Leia mais

REPOSITÓRIO EDUCACIONAL ABERTO PARA SURDOS: UMA PRIMEIRA ABORDAGEM

REPOSITÓRIO EDUCACIONAL ABERTO PARA SURDOS: UMA PRIMEIRA ABORDAGEM GT8 - Informação e Tecnologia Modalidade de apresentação: Pôster REPOSITÓRIO EDUCACIONAL ABERTO PARA SURDOS: UMA PRIMEIRA ABORDAGEM Romario Antunes da Silva Universidade Federal de Santa Catarina Rosângela

Leia mais

A neurite vestibular é uma infecção de ouvido causada por vírus, apresentando vários sintomas, incluindo a vertigem. (1)

A neurite vestibular é uma infecção de ouvido causada por vírus, apresentando vários sintomas, incluindo a vertigem. (1) METILPREDNISOLONA Resultados satisfatórios no tratamento da Neurite Vestibular Doutor, o objetivo desse informe científico é demonstrar alta eficácia da METILPREDNISOLONA no tratamento da neurite vestibular.

Leia mais

Listagem de UC por curso. Escola Superior de Educação e Ciências Sociais

Listagem de UC por curso. Escola Superior de Educação e Ciências Sociais Listagem de UC por curso Semestre * 2014-15 Escola Superior de Educação e Ciências Sociais Animação Cultural Prática do Projeto Cultural Animação Ambiental Gestão Cultural Seminário Linguagem Plástica

Leia mais

Medicina de Urgência e Cuidados intensivos 500horas/aula

Medicina de Urgência e Cuidados intensivos 500horas/aula Introdução à Medicina Veterinária Intensiva Introdução à Medicina Veterinária Intensiva Medicina Baseada em Evidências Estatística Biomédica e Metodologia do Ensino Índices Prognósticos Arquitetura Hospitalar

Leia mais

PLANO DE ENSINO - 1º/2014

PLANO DE ENSINO - 1º/2014 PLANO DE ENSINO - 1º/2014 1. IDENTIFICAÇÃO: Curso: Odontologia Disciplina: Endodontia Carga Horária: 60h/a Professora: Dra. Patrícia Alvarez Ruiz Spyere do Nascimento E-mail: patriciaruizspyere@hotmail.com

Leia mais

Sistema Sensorial. Biofísica da Audição

Sistema Sensorial. Biofísica da Audição Sistema Sensorial Biofísica da Audição Falar pelos cotovelos... Ouvir pelos joelhos... SENTIDO DA AUDIÇÃO - FINALIDADE Detectar predadores, presas e perigo Comunicação acústica intra - específica Som propagação

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE FONOAUDIOLOGIA (Currículo iniciado em 2013)

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE FONOAUDIOLOGIA (Currículo iniciado em 2013) EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE FONOAUDIOLOGIA (Currículo iniciado em 2013) ATENÇÃO À SAÚDE AUDITIVA DO TRABALHADOR 68 h/a 1537/I Audiologia na Saúde do Trabalhador. Perda auditiva de origem ocupacional.

Leia mais

Estratégia de intervenção do QIMRAM no desenvolvimento de competências nos docentes da RAM

Estratégia de intervenção do QIMRAM no desenvolvimento de competências nos docentes da RAM Estratégia de intervenção do QIMRAM no desenvolvimento de competências nos docentes da RAM 1- Estabelecimentos de ensino integrados no projecto em anos lectivos transactos Os docentes colocados em estabelecimentos

Leia mais

SÍNDROME DE USHER: ESTUDO CLÍNICO E GENÉTICO NA ESPANHA

SÍNDROME DE USHER: ESTUDO CLÍNICO E GENÉTICO NA ESPANHA SÍNDROME DE USHER: ESTUDO CLÍNICO E GENÉTICO NA ESPANHA Conceito A Síndrome de Usher é um grupo de doenças hereditárias (autossômicas recessivas) caracterizada por surdez neurosensorial com ou sem disfunção

Leia mais

Perda Auditiva Induzida Por Ruído Ocupacional (PAIR-O)

Perda Auditiva Induzida Por Ruído Ocupacional (PAIR-O) Perda Auditiva Induzida Por Ruído Ocupacional (PAIR-O) Objetivos da Aula Saber Reconhecer: Características do som e do ruído ocupacional Noções de fisiologia auditiva e de audiometria clínicas Tipos de

Leia mais

PATOLOGIA VESTIBULAR CENTRAL NO IDOSO

PATOLOGIA VESTIBULAR CENTRAL NO IDOSO PATOLOGIA VESTIBULAR CENTRAL NO IDOSO Dra Rosa Castillo Coordenadora do Serviço de Otorrinolaringologia do Hospital de Santiago (Setúbal) Responsável pela Unidade de Vertigem e Patologia do Equilibrio

Leia mais

PROGRAMA DE FORMAÇÃO DO INTERNATO COMPLEMENTAR DE ORTOPEDIA. Portaria 50/ 97

PROGRAMA DE FORMAÇÃO DO INTERNATO COMPLEMENTAR DE ORTOPEDIA. Portaria 50/ 97 PROGRAMA DE FORMAÇÃO DO INTERNATO COMPLEMENTAR DE ORTOPEDIA Portaria 50/ 97 314 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o 16 20-1-1997 MINISTÉRIO DA SAÚDE Portaria n. o 50/97 de 20 de Janeiro As crescentes exigências

Leia mais

RESOLUÇÃO. Artigo 3º - O Plano de Implantação, Conteúdo Programático e demais características do referido Curso constam do respectivo Processo.

RESOLUÇÃO. Artigo 3º - O Plano de Implantação, Conteúdo Programático e demais características do referido Curso constam do respectivo Processo. RESOLUÇÃO CONSEPE 56/2001 REFERENDA A CRIAÇÃO DO CURSO DE FONOAUDIOLOGIA, NO CÂMPUS DE BRAGANÇA PAULISTA, DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE,

Leia mais

CURSO MASTER EM MESOTERAPIA

CURSO MASTER EM MESOTERAPIA CURSO MASTER EM MESOTERAPIA - 4ª edição - Curso Teórico-Prático www.apestetica.org CURSO MASTER EM MESOTERAPIA - 4ª edição O sector da Medicina em geral e da Medicina Estética em particular, está em constante

Leia mais

Perda Auditiva Ocupacional. Profa. Ms. Angélica Pezzin Palheta

Perda Auditiva Ocupacional. Profa. Ms. Angélica Pezzin Palheta Perda Auditiva Ocupacional Profa. Ms. Angélica Pezzin Palheta Fatores para a Perda Auditiva Ocupacional Agentes físicos: ruído, vibrações, radiações, temperaturas extremas, pressões anormais, umidade;

Leia mais

Programa de Unidades Curriculares Opcionais

Programa de Unidades Curriculares Opcionais Programa de Unidades Curriculares Opcionais Para assegurar que todos os alunos tenham acesso a UC que permitam perfazer as exigências em créditos (ECTS) de UC Opcionais dos respectivos Planos de Estudo,

Leia mais