Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Threads e Migração de Processos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Threads e Migração de Processos"

Transcrição

1 Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Threads e Migração de Processos Francisco José da Silva e Silva Laboratório de Sistemas Distribuídos (LSD) Departamento de Informática / UFMA 21 de maio de 2013 Francisco Silva (UFMA/LSD) SD: Conceitos e Projeto 21 de maio de / 39

2 Agenda 1 Threads 2 Migração de Código Francisco Silva (UFMA/LSD) SD: Conceitos e Projeto 21 de maio de / 39

3 Threads Threads Francisco Silva (UFMA/LSD) SD: Conceitos e Projeto 21 de maio de / 39

4 Threads Introdução Processos formam um importante bloco de construção em sistemas distribuídos; Operações envolvendo processos (criação, destruição, comunicação) são relativamentes caras. Francisco Silva (UFMA/LSD) SD: Conceitos e Projeto 21 de maio de / 39

5 Threads Definição de Thread Mecanismo que permite a um processo ter mais de um fluxo de controle; Threads compartilham o mesmo espaço de endereçamento. Francisco Silva (UFMA/LSD) SD: Conceitos e Projeto 21 de maio de / 39

6 Threads Threads em Sistemas não Distribuídos: Benefícios O processo inteiro não necessita ficar bloqueado ao realizar uma chamada bloqueante ao sistema; Exemplo de uso: planilha de cálculo Pode-se explorar paralelismo em sistemas multiprocessados; Simplifica o desenvolvimento de aplicações inerentemente concorrentes; Melhor desempenho para aplicações complexas que tradicionalmente eram implementadas através de múltiplos processos comunicando-se através de mecanismos IPCs Francisco Silva (UFMA/LSD) SD: Conceitos e Projeto 21 de maio de / 39

7 Threads Implementação de Threads: Biblioteca no Espaço do Usuário Francisco Silva (UFMA/LSD) SD: Conceitos e Projeto 21 de maio de / 39

8 Threads Implementação de Threads: Biblioteca no Espaço do Usuário Vantagens: Suporte a threads em sistemas operacionais que não as suportam nativamente; Criação e destruição de threads custa pouco: alocação de memória e criação de pilha no espaço do usuário; Troca de contexto entre threads custa pouco: troca de valores de registradores da UCP. Pode-se prover várias poĺıticas de escalomento dando aos processos a liberdade de escolher aquela que achar melhor; Maior escalabilidade já que não ocupam recursos do kernel. Desvantagens: Dificuldade na implementação de chamadas bloqueantes ao kernel; Dificuldade na implementação de preempção. Francisco Silva (UFMA/LSD) SD: Conceitos e Projeto 21 de maio de / 39

9 Threads Implementação de Threads no Kernel Francisco Silva (UFMA/LSD) SD: Conceitos e Projeto 21 de maio de / 39

10 Threads Implementação de Threads no Kernel Desvantagem: Cada operação com threads: criação, destruição, sincronização, etc.. Envolve o kernel, o que requer uma chamada ao sistema que é cara. Francisco Silva (UFMA/LSD) SD: Conceitos e Projeto 21 de maio de / 39

11 Threads Implementação de Threads LWP: Lightweight Process Thread state User space Thread Kernel space Lightweight process LWP executing a thread Francisco Silva (UFMA/LSD) SD: Conceitos e Projeto 21 de maio de / 39

12 Threads Implementação de Threads LWP: Lightweight Process LWPs são criadas por processos a nível de usuário através de uma chamada ao kernel; Threads de usuário não são visíveis ao kernel: ele escalona LWPs; Threads do usuário podem ser escalonadas em qualquer LWP criada pelo processo; Chamada bloqueante: Interceptada pela LWP que pode realizar a chamada real ao kernel ficando assim também bloqueada mas o processo inteiro NÃO fica; Sincronização e troca de contexto entre threads do usuário são realizadas a nível do usuário. Francisco Silva (UFMA/LSD) SD: Conceitos e Projeto 21 de maio de / 39

13 Threads Threads em Sistemas Distribuídos: Clientes multithreaded Clientes multithreaded. Exemplo: Web Browsers: Documento HTML consiste de um arquivo de texto e vários outros de imagens, ícones, etc... Pode-se esconder a grande latência na comunicação apresentando cada objeto assim que estiver disponível: estabelecimento de múltiplas conexões Melhoria no desempenho geral pode ser obtido no caso de servidores Web replicados em várias máquinas. Francisco Silva (UFMA/LSD) SD: Conceitos e Projeto 21 de maio de / 39

14 Threads Threads em Sistemas Distribuídos: Múltiplos RPCs Considere um cliente que realiza diversos RPCs, cada um para uma thread diferente; Ele deve esperar o retorno de cada resultado; Alternativamente, poder-se-ia realizar as RPCs através de threads independentes; Se as RPCs são destinadas a servidores diferentes, pode-se esperar um ganho linear, se comparado a realizar uma RPC após a outra. Francisco Silva (UFMA/LSD) SD: Conceitos e Projeto 21 de maio de / 39

15 Threads Servidores multithreaded: Objetivos Melhor desempenho: Iniciar uma thread para tratar uma requisição custa menos que iniciar um novo processo; Servidores que possuem uma única thread não são escaláveis a sistemas multiprocessados; Pode-se esconder a latência da rede, reagindo a uma nova requisição enquanto os resultados da anterior estiverem sendo entregues. Melhor estrutura: Muitos servidores demandam fortemente E/S. A utilização de chamadas bloqueantes simplifica a estrutura do código; Programas multithreaded tendem a ser menores e mais fácieis de entender, por possuírem um fluxo de controle simplificado. Francisco Silva (UFMA/LSD) SD: Conceitos e Projeto 21 de maio de / 39

16 Threads Servidores multithreaded Francisco Silva (UFMA/LSD) SD: Conceitos e Projeto 21 de maio de / 39

17 Threads Sincronização de Programas Concorrentes Semáforos; Monitores. Francisco Silva (UFMA/LSD) SD: Conceitos e Projeto 21 de maio de / 39

18 Migração de Código Francisco Silva (UFMA/LSD) SD: Conceitos e Projeto 21 de maio de / 39

19 Migração de Código Carzaniga et al. define mobilidade de código como a capacidade de mudar dinamicamente as ligações entre o código e a localização onde executa. Francisco Silva (UFMA/LSD) SD: Conceitos e Projeto 21 de maio de / 39

20 Migração de Código: Motivações Melhoria do desempenho global: processos podem ser movidos de máquinas muito carregadas para máquinas com cargas mais leves. Carga é usualmente expressa em termos do comprimento da fila de processos da CPU ou de sua utilização; Diminuição da carga na rede: Exemplo: uma aplicação cliente que requeira muitas operações em banco de dados ou validação de formúlario no cliente; Exploração de processamento paralelo: Exemplo: busca de informações na Web através de várias instâncias de um agente móvel; Extensão dinâmica da funcionalidade de aplicações: Exemplo: descoberta dinâmica de recursos e vinculação do código cliente apenas quando for necessário o acesso ao servidor; Em grades oportunistas, liberação dos recursos da máquina. Francisco Silva (UFMA/LSD) SD: Conceitos e Projeto 21 de maio de / 39

21 Migração de Código: Cuidados relacionados à Segurança Confiar cegamente em um código carregado dinamicamente nem sempre é uma boa idéia... Francisco Silva (UFMA/LSD) SD: Conceitos e Projeto 21 de maio de / 39

22 Migração de Código: Necessidades Para efetuar a migração de um processo, algumas informações de estado (também chamadas de contexto) devem ser salvas e transportadas para sua nova localização; Fuggetta descreve que um processo consiste basicamente de três segmentos: segmento de código, segmento de recursos e segmento de execução. Francisco Silva (UFMA/LSD) SD: Conceitos e Projeto 21 de maio de / 39

23 Alternativas para Migração de Código Francisco Silva (UFMA/LSD) SD: Conceitos e Projeto 21 de maio de / 39

24 Alternativas para Migração de Código Migração Forte: mecanismo que migre os três segmentos e reinicia o processo exatamente no mesmo estado e na mesma posição de código em que ele estava antes da migração Migração Fraca: somente o segmento de código é transferido e talvez alguns dados de inicialização. O programa transferido é sempre executado a partir de seu estado inicial; Migração é iniciada pelo emissor (proativa): a aplicação deixa o local onde está executando e migra para uma outra localidade na rede por iniciativa própria (e.g. programas de busca em bases de dados na web); Migração iniciada pelo receptor (reativa): a iniciativa da migração parte de uma aplicação executando na máquina de destino (e.g. applets Java). Francisco Silva (UFMA/LSD) SD: Conceitos e Projeto 21 de maio de / 39

25 Migração Forçada Expressa a habilidade do sistema em suportar a migração de um processo a qualquer momento, mediante a solicitação de uma entidade externa. Francisco Silva (UFMA/LSD) SD: Conceitos e Projeto 21 de maio de / 39

26 Etapas do Processo de Migração Francisco Silva (UFMA/LSD) SD: Conceitos e Projeto 21 de maio de / 39

27 Etapas do processo de migração 1 O fluxo de execução é interrompido; 2 O estado da entidade a ser migrada é capturado; 3 O código e o estado da entidade migrada são transportados para a máquina de destino; 4 O código e o estado da entidade migrada são restaurados; 5 A execução é reiniciada. Francisco Silva (UFMA/LSD) SD: Conceitos e Projeto 21 de maio de / 39

28 Migração de Recursos Francisco Silva (UFMA/LSD) SD: Conceitos e Projeto 21 de maio de / 39

29 Migração de Recursos 1 Recurso compartilhado: após o término do processo de migração o acesso ao recurso continua disponível (e.g. uma impressora de rede); 2 Recurso já disponível: Exemplo: uma aplicação gera uma série de arquivos de saída em uma unidade de fita. Após a migração, a nova máquina na qual a aplicação executa também tenha disponível uma unidade de fita. A aplicação poderá continuar a gerar os arquivos de saída no novo dispositivo; 3 Recurso referenciado: a referência ao recurso utilizado é migrada juntamente com o seu estado e seu código. Assim, ao chegar em seu destino, ele deve tentar se reconectar através da rede ao recurso na antiga máquina. Exemplo: uma base de dados; 4 Recurso despachado: o recurso deverá ser migrado inteiramente junto com o estado e o código da aplicação. Exemplo: arquivos utilizados pela aplicação. Francisco Silva (UFMA/LSD) SD: Conceitos e Projeto 21 de maio de / 39

30 Tipos de Recursos Fixos: os recursos não podem ser migrados. Exemplo: hardware local; Vinculados: os recursos podem, a princípio, serem migrados mas a um alto custo; Não vinculados: os recursos podem facilmente serem movidos junto com o objeto. Exemplo: uma cache. Francisco Silva (UFMA/LSD) SD: Conceitos e Projeto 21 de maio de / 39

31 Vinculação Objeto-Recurso Por identificador: o objeto requer uma instância específica do recurso. Exemplo: um banco de dados específico; Por valor: o objeto requer o valor de um recurso. Exemplo: entradas na cache; Por tipo: o objeto requer somente que um dado tipo de objeto esteja disponível. Exemplo: monitor colorido. Francisco Silva (UFMA/LSD) SD: Conceitos e Projeto 21 de maio de / 39

32 Ações de Migração Relativas aos Recursos Francisco Silva (UFMA/LSD) SD: Conceitos e Projeto 21 de maio de / 39

33 Migração em Sistemas Heterogêneos Principal problema: A máquina alvo pode não ser adequada para execução do código migrado; O contexto do processo/thread é dependente do hardware local, sistema operacional e ambiente de execução. Solução: utilização de uma máquina abstrata implementada em diferentes plataformas; Soluções atuais: Uso de linguagens interpretadas que executam em uma máquina virtual, como Java; Uso de VMMs (Virtual Machine Monitors), o que permite a migração completa do sistema operacional junto com as aplicações. Exemplo: substituição de uma máquina em um cluster, um ambiente de computação de longo tempo de execução. Francisco Silva (UFMA/LSD) SD: Conceitos e Projeto 21 de maio de / 39

34 Migração de Código em Java: Facilidades Compilador Java não gera instruções específicas a uma plataforma, mas sim um código intermediário denominado bytecode; Facilidade em transportar bytecode através da rede: mecanismo de serialização (que permite a migração de dados de objetos). Francisco Silva (UFMA/LSD) SD: Conceitos e Projeto 21 de maio de / 39

35 Migração Forte em Java: Problemas Java não provê mecanismos suficientes para capturar o estado de execução de computações: Mecanismo de serialização somente permite a salva do código e do valor dos atributos de objetos; Classes Java não podem acessar informações nativas e internas da Máquina Virtual Java (por exemplo, o contador de instrução e a pilha de chamadas), necessárias para a captura do estado completo de execução de threads Java. Francisco Silva (UFMA/LSD) SD: Conceitos e Projeto 21 de maio de / 39

36 Migração Forte em Java: Alteração da Máquina Virtual A máquina virtual é modificada de forma a exportar as informações a respeito da execução das aplicações; Desvantagem: perda de compatibilidade com relação à máquina virtual padrão. Francisco Silva (UFMA/LSD) SD: Conceitos e Projeto 21 de maio de / 39

37 Migração Forte em Java: Instrumentação do código-fonte das aplicações Uso de um pré-processador (um compilador de código-fonte) que insere na aplicação código-fonte adicional responsável por capturar e restaurar seu estado de execução; O código-fonte da aplicação deve estar disponível, o que não é sempre possível, como no caso, por exemplo, em que são utilizadas bibliotecas e aplicações legadas; Sobrecarga gerada no tempo de execução e no tamanho do código da aplicação. Francisco Silva (UFMA/LSD) SD: Conceitos e Projeto 21 de maio de / 39

38 Migração Forte em Java: Instrumentação do Bytecode das Aplicações o código para a captura e a restauração do estado de execução é inserido diretamente no bytecode da aplicação; sobrecarga é geralmente menor que a gerada na abordagem baseada em código-fonte; em nível de bytecode, tem-se acesso a um conjunto estendido de instruções, como por exemplo a instrução goto, utilizada para efetuar a restauração do contador de instrução das aplicações Francisco Silva (UFMA/LSD) SD: Conceitos e Projeto 21 de maio de / 39

39 Migração Forte em Java: Modificação da Java Platform Debugger Architecture Usando a JPDA as informações de execução das aplicações podem ser acessadas em modo de depuração, o que pode ser explorado para prover migração transparente; É necessário que um outro mecanismo possibilite a recuperação do estado de execução das aplicações, dado que esta capacidade não é fornecida pela especificação padrão da JPDA. Francisco Silva (UFMA/LSD) SD: Conceitos e Projeto 21 de maio de / 39

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 5 PROCESSOS 1. INTRODUÇÃO Em sistemas distribuídos é importante examinar os diferentes tipos de processos e como eles desempenham seu papel. O conceito de um processo é originário do campo de sistemas

Leia mais

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código)

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Roteiro Processos Threads Virtualização Migração de Código O que é um processo?! Processos são programas em execução. Processo Processo Processo tem

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Questões Em uma rede de sobreposição (overlay), mensagens são roteadas de acordo com a topologia da sobreposição. Qual uma importante desvantagem

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Processos I: Threads, virtualização e comunicação via protocolos Prof. MSc. Hugo Souza Nesta primeira parte sobre os Processos Distribuídos iremos abordar: Processos e a comunicação

Leia mais

Módulo 4: Processos. Conceito de Processo. Diagrama de Estados de Processos. Estados de Processo

Módulo 4: Processos. Conceito de Processo. Diagrama de Estados de Processos. Estados de Processo Módulo 4: Processos Conceito de Processo Conceito de Processo Escalonamento de Processos Operações com Processos Processos Cooperativos Comunicação entre Processos Um sistema operacional executa uma variedade

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Gerência de processos Controle e descrição de processos Edson Moreno edson.moreno@pucrs.br http://www.inf.pucrs.br/~emoreno Sumário Representação e controle de processos pelo SO Estrutura

Leia mais

Módulo 4: Processos. Conceito de Processo. Escalonamento de processos Operações sobre processos Processos cooperantes Comunicação entre processos

Módulo 4: Processos. Conceito de Processo. Escalonamento de processos Operações sobre processos Processos cooperantes Comunicação entre processos Módulo 4: Processos Conceito de Processo Escalonamento de processos Operações sobre processos Processos cooperantes Comunicação entre processos 4.1 Conceito de Processo Um Sistema Operacional executa uma

Leia mais

Programação Concorrente Processos e Threads

Programação Concorrente Processos e Threads Programação Concorrente Processos e Threads Prof. Eduardo Alchieri Processos O conceito mais central em qualquer sistema operacional é o processo Uma abstração de um programa em execução Um programa por

Leia mais

Processes. Chapter 3 PROCESSOS. O capitulo anterior concentrou-se na comunicação em Sistemas Distribuídos.

Processes. Chapter 3 PROCESSOS. O capitulo anterior concentrou-se na comunicação em Sistemas Distribuídos. Processes Chapter 3 PROCESSOS O capitulo anterior concentrou-se na comunicação em Sistemas Distribuídos. Essa comunicação acontece entre processos e eles são fundamentais em SDs. O conceito de processos

Leia mais

Sistemas Distribuídos Capítulos 3 e 4 - Aula 4

Sistemas Distribuídos Capítulos 3 e 4 - Aula 4 Sistemas Distribuídos Capítulos 3 e 4 - Aula 4 Aula passada Threads Threads em SDs Processos Clientes Processos Servidores Aula de hoje Clusters de Servidores Migração de Código Comunicação (Cap. 4) Fundamentos

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Aula 4 Msc. Daniele Carvalho Oliveira Doutoranda em Ciência da Computação - UFU Mestre em Ciência da Computação UFU Bacharel em Ciência da Computação - UFJF Migração de Código Em

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Processos- Clientes, Servidores, Migração Capítulo 3 Agenda Clientes Interfaces de usuário em rede Sistema X Window Software do lado cliente para

Leia mais

Prof. Marcos Ribeiro Quinet de Andrade Universidade Federal Fluminense - UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO

Prof. Marcos Ribeiro Quinet de Andrade Universidade Federal Fluminense - UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO Conceitos básicos e serviços do Sistema Operacional Prof. Marcos Ribeiro Quinet de Andrade Universidade Federal Fluminense - UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO Tipos de serviço do S.O. O S.O.

Leia mais

Distributed Systems Principles and Paradigms

Distributed Systems Principles and Paradigms Distributed Systems Principles and Paradigms Maarten van Steen VU Amsterdam, Dept. Computer Science (Tradução e Adaptação Ricardo Anido - IC/Unicamp) Capítulo 03: Processos Versão: 20 de março de 2014

Leia mais

Processos e Threads (partes I e II)

Processos e Threads (partes I e II) Processos e Threads (partes I e II) 1) O que é um processo? É qualquer aplicação executada no processador. Exe: Bloco de notas, ler um dado de um disco, mostrar um texto na tela. Um processo é um programa

Leia mais

Sistemas Operacionais I

Sistemas Operacionais I UFRJ IM - DCC Sistemas Operacionais I Unidade II - Threads 24/04/2014 Prof. Valeria M. Bastos 1 ORGANIZAÇÃO DA UNIDADE Threads Processos Threads Conceituação Descrição e Imagem de uma Thread Tipos de thread

Leia mais

Um sistema é constituído de um conjunto de processos que executam seus respectivos códigos do sistema operacional e processos e códigos de usuários.

Um sistema é constituído de um conjunto de processos que executam seus respectivos códigos do sistema operacional e processos e códigos de usuários. Os sistemas computacionais atuais permitem que diversos programas sejam carregados na memória e executados simultaneamente. Essa evolução tornou necessário um controle maior na divisão de tarefas entre

Leia mais

Sistemas Operativos. Threads. 3º ano - ESI e IGE (2011/2012) Engenheiro Anilton Silva Fernandes (afernandes@unipiaget.cv)

Sistemas Operativos. Threads. 3º ano - ESI e IGE (2011/2012) Engenheiro Anilton Silva Fernandes (afernandes@unipiaget.cv) Sistemas Operativos Threads 3º ano - ESI e IGE (2011/2012) Engenheiro Anilton Silva Fernandes (afernandes@unipiaget.cv) Dos Processos para os Threads O conceito de thread foi introduzido na tentativa de

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Software em Sistemas Distribuídos Aplicativo ou Sistema Operacional Sincronismo Interação Controles Um sistema operacional moderno provê dois serviços fundamentais para o usuário

Leia mais

Threads em Java. Sistemas Operacionais - Laboratório Professor Machado

Threads em Java. Sistemas Operacionais - Laboratório Professor Machado Threads em Java Sistemas Operacionais - Laboratório Professor Machado 1 Conceitos de Programação Concorrente Uma unidade concorrente é um componente de um programa que não exige a execução seqüencial,

Leia mais

1.2 Tipos de Sistemas Operacionais

1.2 Tipos de Sistemas Operacionais 1.2 Tipos de Operacionais Tipos de Operacionais Monoprogramáveis/ Monotarefa Multiprogramáveis/ Multitarefa Com Múltiplos Processadores 1.2.1 Monoprogramáveis/Monotarefa Os primeiros sistemas operacionais

Leia mais

Como foi exposto anteriormente, os processos podem ter mais de um fluxo de execução. Cada fluxo de execução é chamado de thread.

Como foi exposto anteriormente, os processos podem ter mais de um fluxo de execução. Cada fluxo de execução é chamado de thread. 5 THREADS Como foi exposto anteriormente, os processos podem ter mais de um fluxo de execução. Cada fluxo de execução é chamado de thread. 5.1 VISÃO GERAL Uma definição mais abrangente para threads é considerá-lo

Leia mais

Capítulo 8 Arquitetura de Computadores Paralelos

Capítulo 8 Arquitetura de Computadores Paralelos Capítulo 8 Arquitetura de Computadores Paralelos Necessidade de máquinas com alta capacidade de computação Aumento do clock => alta dissipação de calor Velocidade limitada dos circuitos => velocidade da

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS. Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN

SISTEMAS OPERACIONAIS. Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN SISTEMAS OPERACIONAIS Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN 1.0 O Sistema Operacional como uma Máquina Virtual A arquitetura (conjunto de instruções, organização de memória, E/S e estrutura

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Introdução aos Sistemas Operacionais

Arquitetura de Computadores. Introdução aos Sistemas Operacionais Arquitetura de Computadores Introdução aos Sistemas Operacionais O que é um Sistema Operacional? Programa que atua como um intermediário entre um usuário do computador ou um programa e o hardware. Os 4

Leia mais

Faculdades Santa Cruz - Inove. Plano de Aula Base: Livro - Distributed Systems Professor: Jean Louis de Oliveira.

Faculdades Santa Cruz - Inove. Plano de Aula Base: Livro - Distributed Systems Professor: Jean Louis de Oliveira. Período letivo: 4 Semestre. Quinzena: 5ª. Faculdades Santa Cruz - Inove Plano de Aula Base: Livro - Distributed Systems Professor: Jean Louis de Oliveira. Unidade Curricular Sistemas Distribuídos Processos

Leia mais

Sistemas Operacionais. Alexandre Meslin meslin@inf.puc-rio.br

Sistemas Operacionais. Alexandre Meslin meslin@inf.puc-rio.br Sistemas Operacionais Alexandre Meslin meslin@inf.puc-rio.br Ementa Apresentação do curso Cap1 - Visão Geral Cap2 - Conceitos de Hardware e Software Cap3 - Concorrência Cap4 - Estrutura do Sistema Operacional

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional

Sistemas Operacionais. Prof. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional Sistemas Operacionais Prof. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional INTRODUÇÃO Sistema Operacional (S.O.) Aplicativos Formado por um conjunto de rotinas que oferecem serviços aos usuários, às aplicações

Leia mais

Paradigma Cliente/Servidor

Paradigma Cliente/Servidor Paradigma Cliente/Servidor Mário Meireles Teixeira UFMA Departamento de Informática Dezembro, 2012 Comunicação em Sistemas Distribuídos! Os processos em um SD estão lógica e fisicamente separados. Precisam

Leia mais

Sistemas Distribuídos Processos I. Prof. MSc. Hugo Souza

Sistemas Distribuídos Processos I. Prof. MSc. Hugo Souza Sistemas Distribuídos Processos I Prof. MSc. Hugo Souza Até agora vimos a organização como um todo dos SDS, com o mapeamento estrutural e suas devidas características descritas em elementos, regras, conceitos,

Leia mais

Sistema Operacional Correção - Exercício de Revisão

Sistema Operacional Correção - Exercício de Revisão Prof. Kleber Rovai 1º TSI 22/03/2012 Sistema Operacional Correção - Exercício de Revisão 1. Como seria utilizar um computador sem um sistema operacional? Quais são suas duas principais funções? Não funcionaria.

Leia mais

Maestro. Arthur Kazuo Tojo Costa 317497. Universidade Federal de São Carlos Campus Sorocaba Bacharelado em Ciência da Computação

Maestro. Arthur Kazuo Tojo Costa 317497. Universidade Federal de São Carlos Campus Sorocaba Bacharelado em Ciência da Computação Maestro Arthur Kazuo Tojo Costa 317497 Universidade Federal de São Carlos Campus Sorocaba Bacharelado em Ciência da Computação Introdução Sistema Operacional de Redes Detalhes do hardware Multiplexação

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais UNIVERSIDADE BANDEIRANTE DE SÃO PAULO INSTITUTO POLITÉCNICO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Sistemas Operacionais Notas de Aulas: Tópicos 7 e 8 Estrutura do Sistema Operacional São Paulo 2009 1 Sumário

Leia mais

Capítulo 8. Sistemas com Múltiplos Processadores. 8.1 Multiprocessadores 8.2 Multicomputadores 8.3 Sistemas distribuídos

Capítulo 8. Sistemas com Múltiplos Processadores. 8.1 Multiprocessadores 8.2 Multicomputadores 8.3 Sistemas distribuídos Capítulo 8 Sistemas com Múltiplos Processadores 8.1 Multiprocessadores 8.2 Multicomputadores 8.3 Sistemas distribuídos 1 Sistemas Multiprocessadores Necessidade contínua de computadores mais rápidos modelo

Leia mais

Sistema Operacional. Processo e Threads. Prof. Dr. Márcio Andrey Teixeira Sistemas Operacionais

Sistema Operacional. Processo e Threads. Prof. Dr. Márcio Andrey Teixeira Sistemas Operacionais Sistema Operacional Processo e Threads Introdução a Processos Todos os computadores modernos são capazes de fazer várias coisas ao mesmo tempo. Enquanto executa um programa do usuário, um computador pode

Leia mais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Software de Entrada e Saída: Visão Geral Uma das tarefas do Sistema Operacional é simplificar o acesso aos dispositivos de hardware pelos processos

Leia mais

Sistemas Operacionais 2014 Introdução. Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com

Sistemas Operacionais 2014 Introdução. Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com Sistemas Operacionais 2014 Introdução Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com Roteiro Sistemas Operacionais Histórico Estrutura de SO Principais Funções do SO Interrupções Chamadas de Sistema

Leia mais

S.O.: Conceitos Básicos

S.O.: Conceitos Básicos S.O.: Conceitos Básicos Camada de software localizada entre o hardware e os programas que executam tarefas para o usuário; Acessa os periféricos Entrada e Saída Esconde os detalhes do hardware para o programador

Leia mais

Sistemas distribuídos:comunicação

Sistemas distribuídos:comunicação M. G. Santos marcela@estacio.edu.br Faculdade Câmara Cascudo - Estácio de Sá 16 de abril de 2010 Formas de comunicação Produtor-consumidor: comunicação uni-direccional, com o produtor entregando ao consumidor.

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Soquetes Um soquete é formado por um endereço IP concatenado com um número de porta. Em geral, os soquetes utilizam uma arquitetura cliente-servidor. O servidor espera por pedidos

Leia mais

Notas da Aula 4 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 4 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 4 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Threads Threads são linhas de execução dentro de um processo. Quando um processo é criado, ele tem uma única linha de execução, ou thread. Esta

Leia mais

Chamadas de Sistema e Processo

Chamadas de Sistema e Processo Andrique Amorim www.andrix.com.br professor@andrix.com.br Chamadas de Sistema e Processo Estrutura do Computador Sistemas Operacionais Estrutura do Computador Sistemas Operacionais Modos de Acesso ao S.O.

Leia mais

2 Modelos de Implementação

2 Modelos de Implementação 2 Modelos de Implementação Os modelos de concorrência definem como uma aplicação atende às requisições concorrentes. Os modelos de sandboxes definem como o ambiente das aplicações são criados. Os modelos

Leia mais

Sistemas Operacionais I Parte III Estrutura dos SOs. Prof. Gregorio Perez gregorio@uninove.br 2007. Roteiro. Componentes do Sistema

Sistemas Operacionais I Parte III Estrutura dos SOs. Prof. Gregorio Perez gregorio@uninove.br 2007. Roteiro. Componentes do Sistema Sistemas Operacionais I Parte III Estrutura dos SOs Prof. Gregorio Perez gregorio@uninove.br 2007 Roteiro Serviços Estrutura dos Sistemas Operacionais Funções do Sistema Operacional Chamadas do Sistema

Leia mais

Nível 3 Sistema Operacional

Nível 3 Sistema Operacional Nível 3 Sistema Operacional Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Tecnologia de Análise e Desenvolvimento de Sistemas Organização de Computadores Prof. André Luiz 1 Nível

Leia mais

Sistemas Operacionais Cap 3 Estruturas de Sistemas Operacionais. Podemos analisar um sistema operacional sob diversos aspectos:

Sistemas Operacionais Cap 3 Estruturas de Sistemas Operacionais. Podemos analisar um sistema operacional sob diversos aspectos: Estruturas de Sistemas Operacionais Podemos analisar um sistema operacional sob diversos aspectos: Os serviços que o sistema operacional oferece. A interface que o sistema operacional torna disponível

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Sistemas Operacionais Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Introdução Um sistema operacional é um programa que atua como intermediário entre o usuário e o hardware de um computador. O propósito

Leia mais

Comunicação em Sistemas Distribuídos. Conceitos: Paradigma C/S. Conceitos: Paradigma C/S. Paradigma Cliente/Servidor

Comunicação em Sistemas Distribuídos. Conceitos: Paradigma C/S. Conceitos: Paradigma C/S. Paradigma Cliente/Servidor Comunicação em Sistemas Distribuídos Paradigma / Os processos em um SD estão lógica e fisicamente separados. Precisam se comunicar para que possam interagir O desempenho de um SD depende criticamente do

Leia mais

Comparação SDs X Scs

Comparação SDs X Scs Prof. Alexandre Lima Sistemas Distribuídos Cap 9 1/7 Comparação SDs X Scs Distribuição inerente Economia Velocidade Confiabilidade Crescimento incremental Descrição Algumas aplicações envolvem máquinas

Leia mais

Capítulo 8. Software de Sistema

Capítulo 8. Software de Sistema Capítulo 8 Software de Sistema Adaptado dos transparentes das autoras do livro The Essentials of Computer Organization and Architecture Objectivos Conhecer o ciclo de desenvolvimento da linguagem Java

Leia mais

O que veremos nesta aula? Principais Aspectos de Sistemas Operacionais. Mas afinal, para que serve um sistema operacional? Gerenciando o hardware (--

O que veremos nesta aula? Principais Aspectos de Sistemas Operacionais. Mas afinal, para que serve um sistema operacional? Gerenciando o hardware (-- O que veremos nesta aula? Principais Aspectos de Sistemas Operacionais Arquitetura de Computadores e Software Básico Flávia Maristela (flavia@flaviamaristela.com) Tudo o que já vimos antes... Visão interna

Leia mais

Chamadas de Sistema e Processo

Chamadas de Sistema e Processo Andrique Amorim www.andrix.com.br professor@andrix.com.br Chamadas de Sistema e Processo Estrutura do Computador Sistemas Operacionais Estrutura do Computador Sistemas Operacionais Modos de Acesso ao S.O.

Leia mais

SO Sistemas Operacionais

SO Sistemas Operacionais GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO FUNDAÇÃO DE APOIO A ESCOLA TÉCNICA ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL REPÚBLICA SO Sistemas Operacionais Curso de Informática ETE REPÚBLICA - Rua Clarimundo de Melo, 847, Quintino

Leia mais

Introdução. Definição de um Sistema Distribuído (1) Definição de um Sistema Distribuído(2) Metas de Sistemas Distribuídos (2)

Introdução. Definição de um Sistema Distribuído (1) Definição de um Sistema Distribuído(2) Metas de Sistemas Distribuídos (2) Definição de um Sistema Distribuído (1) Introdução Um sistema distribuído é: Uma coleção de computadores independentes que aparecem para o usuário como um único sistema coerente. Definição de um Sistema

Leia mais

Capítulo 2 Processos e Threads Prof. Fernando Freitas

Capítulo 2 Processos e Threads Prof. Fernando Freitas slide 1 Capítulo 2 Processos e Threads Prof. Fernando Freitas Material adaptado de: TANENBAUM, Andrew S. Sistemas Operacionais Modernos. 3ª edição. Disponível em: http://www.prenhall.com/tanenbaum_br slide

Leia mais

Introdução aos Sistemas Operacionais

Introdução aos Sistemas Operacionais Introdução aos Sistemas Operacionais Prof. Dr. José Luís Zem Prof. Dr. Renato Kraide Soffner Prof. Ms. Rossano Pablo Pinto Faculdade de Tecnologia de Americana Centro Paula Souza Tópicos O que é um Sistema

Leia mais

Porque eu preciso entender este assunto?

Porque eu preciso entender este assunto? Porque eu preciso entender este assunto? Para entender como um computador consegue executar várias tarefas simultaneamente e qual o impacto que isso pode ter em meus programas! Os programas de ontem...

Leia mais

Sistemas Operacionais Aula 06: Threads. Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com

Sistemas Operacionais Aula 06: Threads. Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com Sistemas Operacionais Aula 06: Threads Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com Objetivos Introduzir o conceito de thread Discutir as APIs das bibliotecas de threads Pthreads, Win32

Leia mais

Camadas de Serviço de Hardware e Software em Sistemas Distribuídos. Introdução. Um Serviço Provido por Múltiplos Servidores

Camadas de Serviço de Hardware e Software em Sistemas Distribuídos. Introdução. Um Serviço Provido por Múltiplos Servidores Camadas de Serviço de Hardware e Software em Sistemas Distribuídos Arquiteutra de Sistemas Distribuídos Introdução Applications, services Adaptação do conjunto de slides do livro Distributed Systems, Tanembaum,

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira. Aula 05 Estrutura e arquitetura do SO Parte 2. Cursos de Computação

Sistemas Operacionais. Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira. Aula 05 Estrutura e arquitetura do SO Parte 2. Cursos de Computação Cursos de Computação Sistemas Operacionais Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira Aula 05 Estrutura e arquitetura do SO Parte 2 Referência: MACHADO, F.B. ; MAIA, L.P. Arquitetura de Sistemas Operacionais. 4.ed. LTC,

Leia mais

Caracterização de Sistemas Distribuídos

Caracterização de Sistemas Distribuídos Aula 1 Caracterização de Sistemas Distribuídos Prof. Dr. João Bosco M. Sobral mail: bosco@inf.ufsc.br - página: http://www.inf.ufsc.br/~bosco Rodrigo Campiolo mail: rcampiol@inf.ufsc.br - página: http://ww.inf.ufsc.br/~rcampiol

Leia mais

ESTUDO DE CASO WINDOWS VISTA

ESTUDO DE CASO WINDOWS VISTA ESTUDO DE CASO WINDOWS VISTA História Os sistemas operacionais da Microsoft para PCs desktop e portáteis e para servidores podem ser divididos em 3 famílias: MS-DOS Windows baseado em MS-DOS Windows baseado

Leia mais

PROJETO LÓGICO DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

PROJETO LÓGICO DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 6 - ARQUITETURAS AVANÇADAS DE COMPUTADORES 1. INTRODUÇÃO As arquiteturas dos processadores têm evoluído ao longo dos anos, e junto com ela o conceito de arquitetura avançada tem se modificado. Nos

Leia mais

Arquitetura de Sistemas Operacionais Machado/Maia. Arquitetura de Sistemas

Arquitetura de Sistemas Operacionais Machado/Maia. Arquitetura de Sistemas Arquitetura de Sistemas Operacionais Capítulo 4 Estrutura do Sistema Operacional Cap. 4 Estrutura do Sistema 1 Sistemas Operacionais Pitágoras Fadom Divinópolis Material Utilizado na disciplina Sistemas

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Computação Aula 01-02: Introdução 2o. Semestre / 2014 Prof. Jesus Agenda da Apresentação Definição e surgimento de Sistemas Distribuídos Principais aspectos de Sistemas Distribuídos

Leia mais

Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs. Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com

Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs. Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com OBJETIVOS Descrever os serviços que um sistema operacional oferece aos usuários e outros sistemas

Leia mais

Processos. Adão de Melo Neto

Processos. Adão de Melo Neto Processos Adão de Melo Neto 1 EXECUTE O SEGUINTE Baixa a aula dos dias 20 MAR 15 e 08 MAI 15 e salve no computador. Feche o browser Inicialize o vmware player e inicialize a máquina virtual ubuntu Inicialize

Leia mais

Virtualização. O conceito de VIRTUALIZAÇÃO

Virtualização. O conceito de VIRTUALIZAÇÃO Virtualização A virtualização está presente tanto no desktop de um entusiasta pelo assunto quanto no ambiente de TI de uma infinidade de empresas das mais variadas áreas. Não se trata de "moda" ou mero

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul UEMS Curso de Licenciatura em Computação Sistemas Operacionais Prof. José Gonçalves Dias Neto profneto_ti@hotmail.com Sistemas Operacionais Carga horária total:

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Referências Caracterização de Sistemas Distribuídos Sistemas operacionais modernos Andrew S. TANENBAUM Prentice-Hall, 1995 Capítulo 9 Seções 9.1 a 9.3 Distributed Systems: concept

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Aula 6 Estrutura de Sistemas Operacionais Prof.: Edilberto M. Silva http://www.edilms.eti.br Baseado no material disponibilizado por: SO - Prof. Edilberto Silva Prof. José Juan Espantoso

Leia mais

Introdução a Computação 07 Sistemas operacionais. Márcio Daniel Puntel marcio.puntel@ulbra.edu.br

Introdução a Computação 07 Sistemas operacionais. Márcio Daniel Puntel marcio.puntel@ulbra.edu.br Introdução a Computação 07 Sistemas operacionais Márcio Daniel Puntel marcio.puntel@ulbra.edu.br O que é? Pra que serve? Onde se usa? Como funciona? O que é? Uma coleção de programas Inicia e usa do HW

Leia mais

UMA VISÃO GERAL SOBRE THREADS

UMA VISÃO GERAL SOBRE THREADS 7 UMA VISÃO GERAL SOBRE THREADS - Revisão Bibliográfica ROSELY SCHEFFER Universidade Estadual de Maringá - DIN Departamento de Informática. E-mail: rose.scheffer@grupointegrado.br RESUMO Esta pesquisa

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sumário 2 a edição Revisão: Fev/2003 Sistemas Operacionais Gerência do processador Capítulo 4 Implementação do conceito de processos e threads Escalonamento Escalonadores não -preemptivos Escalonamento

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Basedos na Web Capítulo 12 Agenda Arquitetura Processos Comunicação Nomeação Sincronização Consistência e Replicação Introdução

Leia mais

O que veremos nesta aula? Principais Aspectos de Sistemas Operacionais. Visão geral de um sistema computacional

O que veremos nesta aula? Principais Aspectos de Sistemas Operacionais. Visão geral de um sistema computacional O que veremos nesta aula? Principais Aspectos de Sistemas Operacionais Laboratório de Sistemas Operacionais Aula 1 Flávia Maristela (flavia@flaviamaristela.com) Tudo o que já vimos antes... Introdução

Leia mais

(Aula 15) Threads e Threads em Java

(Aula 15) Threads e Threads em Java (Aula 15) Threads e Threads em Java Um fluxo computacional. A programa maioria de execução, dos seqüencial programas o qual simples consiste realiza tem uma de essa um certa único tarefa Grande característica:

Leia mais

6 - Gerência de Dispositivos

6 - Gerência de Dispositivos 1 6 - Gerência de Dispositivos 6.1 Introdução A gerência de dispositivos de entrada/saída é uma das principais e mais complexas funções do sistema operacional. Sua implementação é estruturada através de

Leia mais

Sistemas Operacionais. Estruturas de SO. Edeyson Andrade Gomes. www.edeyson.com.br

Sistemas Operacionais. Estruturas de SO. Edeyson Andrade Gomes. www.edeyson.com.br Sistemas Operacionais Estruturas de SO Edeyson Andrade Gomes www.edeyson.com.br Roteiro da Aula Estrutura do SO Chamadas ao Sistema Sistemas Monolíticos Sistemas em Camadas Sistemas Cliente-Servidor 2

Leia mais

2. Introdução aos Sistemas Operacionais

2. Introdução aos Sistemas Operacionais 2. Introdução aos Sistemas Operacionais O que é um Sistema Operacional? 1 Compilador 2 Editor de texto 3 Browser Aplicativos... Sistema Operacional (infraestrutura) Hardware n Quake No passado, a eficiência

Leia mais

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP)

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP) Hardware (Nível 0) Organização O AS/400 isola os usuários das características do hardware através de uma arquitetura de camadas. Vários modelos da família AS/400 de computadores de médio porte estão disponíveis,

Leia mais

Threads. 8 de janeiro de 2015

Threads. 8 de janeiro de 2015 1 / 24 Erick Nilsen Pereira de Souza T002 - Sistemas Operacionais e Org. Computadores Análise e Desenvolvimento de Sistemas Universidade de Fortaleza - UNIFOR 8 de janeiro de 2015 2 / 24 Agenda Tópicos

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais 7 Sistemas Operacionais 7.1 Fundamentos da ciência da computação Cengage Learning Objetivos 7.2 Compreender o papel do sistema operacional. Compreender o processo de inicialização para carregar o sistema

Leia mais

Prof. Luiz Fernando Bittencourt MC714. Sistemas Distribuídos 2 semestre, 2013

Prof. Luiz Fernando Bittencourt MC714. Sistemas Distribuídos 2 semestre, 2013 MC714 Sistemas Distribuídos 2 semestre, 2013 Virtualização - motivação Consolidação de servidores. Consolidação de aplicações. Sandboxing. Múltiplos ambientes de execução. Hardware virtual. Executar múltiplos

Leia mais

É a associação de mais de um fluxo de execução em um único processo.

É a associação de mais de um fluxo de execução em um único processo. Profa. Rita Rodorigo Threads Um processo é uma abstração que reúne uma série de atributos como espaço de endereçamento descritores de arquivos abertos, quotas, etc. Um processo possui ainda uma área de

Leia mais

8 Threads. 8.1 Introdução

8 Threads. 8.1 Introdução 1 8 Threads 8.1 Introdução Uma thread, também chamada de tarefa, pode ser definida como uma parte ou rotina de um processo em execução que compartilha o mesmo espaço de endereçamento, mas tem seu próprio

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Introdução Aplicações em rede de computadores As redes de computadores atualmente estão em todos os lugares. Ex.: Internet, redes de telefones móveis, redes corporativas, em fábricas,

Leia mais

Capítulo 2 Processos e Threads. 2.1 Processos 2.2 Threads 2.3 Comunicação interprocesso 2.4 Problemas clássicos de IPC 2.

Capítulo 2 Processos e Threads. 2.1 Processos 2.2 Threads 2.3 Comunicação interprocesso 2.4 Problemas clássicos de IPC 2. Capítulo 2 Processos e Threads 2.1 Processos 2.2 Threads 2.3 Comunicação interprocesso 2.4 Problemas clássicos de IPC 2.5 Escalonamento 1 Processos O Modelo de Processo Multiprogramação de quatro programas

Leia mais

Sistemas Operacionais Processos e Threads

Sistemas Operacionais Processos e Threads Sistemas Operacionais Processos e Threads Prof. Marcos Monteiro, MBA http://www.marcosmonteiro.com.br contato@marcosmonteiro.com.br 1 Estrutura de um Sistema Operacional 2 GERÊNCIA DE PROCESSOS Um processo

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Prof. Marcelo de Paiva Guimarães 1 Objetivos Apresentar uma visão geral de processamento distribuído, analisando os tópicos mais importantes sobre sistemas operacionais distribuídos,

Leia mais

Sistemas Operacionais Carlos Eduardo Portela Serra de Castro

Sistemas Operacionais Carlos Eduardo Portela Serra de Castro Introdução Sistemas Operacionais 1 Sistema Operacional: Um conjunto de programas, executado pelo computador como os outros programas. Função: Controlar o funcionamento do computador, disponibilizando seus

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS

SISTEMAS OPERACIONAIS SISTEMAS OPERACIONAIS Processos e Threads Andreza Leite andreza.leite@univasf.edu.br Plano de Aula 2 Gerenciamento de Processos Threads Aplicações com múltiplas Threads Concorrência e Compartilhamento

Leia mais

Arquitetura de Sistemas Distribuídos. Introdução a Sistemas Distribuídos

Arquitetura de Sistemas Distribuídos. Introdução a Sistemas Distribuídos Introdução a Sistemas Distribuídos Definição: "Um sistema distribuído é uma coleção de computadores autônomos conectados por uma rede e equipados com um sistema de software distribuído." "Um sistema distribuído

Leia mais

Programação Concorrente Conceitos Multiprogramação Threads

Programação Concorrente Conceitos Multiprogramação Threads Programação Concorrente Conceitos Multiprogramação Threads Prof. Gibson Pasquini Nascimento gibson.pasquini@gmail.com O que é Concorrência? Uma unidade concorrente é um componente de um programa que não

Leia mais

Slide. ! Multiprocessamento! Modelo de processo. Dep. Ciência da Computação. Slide. ! Alternância de processos. ! Relação Programa x Processo

Slide. ! Multiprocessamento! Modelo de processo. Dep. Ciência da Computação. Slide. ! Alternância de processos. ! Relação Programa x Processo Parte II - Sistemas Operacionais Cap. 2 - Processos (1) Prof. Marcelo Moreno moreno@ice.ufjf.br Processos - Motivação! Necessidade de gerenciamento dos programas instanciados para execução! Multiprogramação

Leia mais

Aplicações. Sistema Operacional Hardware. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Máquinas Virtuais e Emuladores

Aplicações. Sistema Operacional Hardware. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Máquinas Virtuais e Emuladores Máquinas Virtuais e Emuladores Marcos Aurelio Pchek Laureano Sistemas de Computadores Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: hardware sistema operacional aplicações Sistemas

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Evolução Edson Moreno edson.moreno@pucrs.br http://www.inf.pucrs.br/~emoreno Sumário Introdução Componentes de um sistema computacional Conceituação Características desejáveis Organização

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Aula 3 Msc. Daniele Carvalho Oliveira Doutoranda em Ciência da Computação - UFU Mestre em Ciência da Computação UFU Bacharel em Ciência da Computação - UFJF Processos Um processo

Leia mais

Sistema de Arquivos Distribuídos

Sistema de Arquivos Distribuídos Sistema de Arquivos Distribuídos Sistema de Arquivos Distribuídos A interface cliente para um sistema de arquivos é composta por um conjunto de primitivas e operações em arquivos (criar, apagar, ler, escrever)

Leia mais