Estudos Sectoriais para o Ribatejo (Sector agro-alimentar)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estudos Sectoriais para o Ribatejo (Sector agro-alimentar)"

Transcrição

1 Estudos Sectoriais para o Ribatejo (Sector agro-alimentar)

2

3 Sumário Executivo Na actual conjuntura económica, financeira, política e social nacional discute-se frequen temente sobre quais serão as melhores soluções e quais as medidas e acções mais adequadas a adoptar por forma a assegurar um futuro de crescimento e prosperidade económica e social. Neste contexto, acções que envolvam inovação, internacionalização, exportação, diferenciação no produto e serviço, valor acrescentado, co ope - ração, imagem e qualificação de recursos humanos são apontadas como as melhores soluções para o crescimento. Tem-se verificado a nível nacional e regional um esforço neste sentido, através da identificação e implementação de medidas de curto, médio e longo prazo a que o Ribatejo não é alheio. Durante muitos anos, o Ribatejo conseguiu as - su mir a nível nacional um papel bastante relevante em diversos sectores onde, entre outros, se destacam o agro-alimentar, a construção ci - vil, a madeira e mobiliário, a metalomecânica e os minerais não metálicos. A NERSANT, consciente das realidades ligadas à inovação e à competitividade e reconhecendo a necessidade de definir uma estratégia sustentada para que o Ribatejo esteja em condições de desenvolver práticas inovadoras, decidiu elaborar 5 estudos sectoriais de carácter prospectivo, os quais foram financiados pelo FEDER, no âmbito do Sistema de Apoio a Acções Colectivas do Programa COMPETE. Assumindo que o reforço das actividades de inovação e de internacionalização é condição sine qua non para o aumento da competitividade das empresas da região, a NERSANT pretende, assim, aprofundar uma estratégia orientada para cinco sectores chave, nomeadamente: agro-alimentar, construção civil, madeira e mobiliário, metalomecânica e minerais não metálicos, procurando dar resposta à necessidade de criação de condições de médio e longo prazo que permitissem fomentar a inovação e a competitividade nas empresas e outras organizações da região. O presente documento sistematiza os resultados relativamente ao sector agro-alimentar. O objectivo geral deste documento consiste na realização de um diagnóstico para o sector agro-alimentar ao nível do Ribatejo e na apresentação de propostas de acção a serem implementadas com o objectivo prioritário de au - mentar as actividades de inovação e de internacionalização. Tendo em linha de conta o objectivo definido, a preparação do relatório decorreu em duas fases distintas, realizadas entre Agosto e De - zembro de 2010, nomeadamente: Fase 1 - Diagnóstico; Fase 2 - Definição da estratégia e das propostas de acção. A preparação do presente documento envolveu um trabalho alargado de recolha de informação a vários níveis. Num primeiro momento foi feita a identificação de agentes locais conhecedores da realidade empresarial do sector. As entrevistas realizadas a estes actores tiveram uma elevada importância, enquanto instrumento privilegiado de obtenção de informação I

4

5 de natureza qualitativa e como forma de envolver e sensibilizar estes mesmos agentes para possíveis soluções para as dificuldades que atravessam. Estas entrevistas foram desenvolvidas em moldes semi-directivos, com o apoio de um extenso guião desenvolvido para o efeito. A identificação de estudos de caso ligados à inovação e internacionalização resultou de casos de sucesso de empresas nacionais com as quais as empresas do Ribatejo se podem identificar e inspirar a vários níveis. Paralelamente foi realizado um levantamento de documentação e informação complementar em diversas fontes bibliográficas identificadas como sendo fontes de informação de referência. Tendo em conta o diagnóstico desenvolvido para o sector agro-alimentar, que envolveu a respectiva Caracterização, Análise SWOT e Casos de Estudo, foi delineado um Cenário de Evolução sobre o qual assenta uma Visão e uma Missão bem como Princípios Orientadores e respectivas Acções Prioritárias. Assim, para o sector agro-alimentar do Ribatejo propõe-se como cenário de evolução a Valorização dos produtos alimentares, que tem como principal objectivo oferecer aos consumidores uma vasta gama de produtos alimentares seguros, saudáveis, nutricionalmente ricos, economicamente acessíveis e produzidos de forma sustentável numa das regiões mais férteis do país. Por forma a alcançar o cenário de evolução Valorização dos produtos alimentares, sugere-se que o sector agro-alimentar do Ribatejo possa seguir uma estratégia organizada em torno de três princípios orientadores, nomeadamente: Reforço da competitividade industrial, suportada por um bom funcionamento dos mercados, indo ao encontro dos desafios da globalização e consolidando as condições para uma melhor e maior internacionalização; Reforço da confiança dos consumidores, baseada no diálogo, numa ciência idónea e numa aproximação séria e equilibrada aos assuntos relacionados com a alimentação, estilos de vida e saúde; e Desenvolvimento sustentável da cadeia de valor, através de uma gestão equilibrada, suportando a criação de valor e reforçando as práticas de responsabilidade social. Tendo como objectivo principal alavancar a implementação da estratégia para o sector agro-alimentar do Ribatejo, foi definido um conjunto de acções prioritárias que visam operacionalizar os princípios orientadores definidos, nomeadamente. Através da integração do cenários definido e da implementação das acções consideradas como prioritárias, pretende-se melhorar a performance actual das empresas e impulsionar as mesmas para um patamar de competitividade superior, por forma a que possam vir a tornar-se players de relevo a nível nacional e sobretudo a nível internacional, onde se encontra o futuro para muitas das empresas portuguesas. III

6

7 Índice Sumário Executivo i 1. Introdução Âmbito do Estudo Ribatejo População Infra-estruturas Infra-estruturas de Apoio à Envolvente Empresarial Infra-estruturas de Ensino e Formação Sectores de Actividade Dinâmica Empresarial O Sector Agro-Alimentar Caracterização Enquadramento Dinâmica Empresarial Inovação e Internacionalização Análise SWOT do Sector Estudos de Caso Queijo Saloio - Indústria de Lacticínios, S.A Estratégia para o sector agro-alimentar do Ribatejo Cenário de Evolução Visão Missão Princípios Orientadores Proposta de acções prioritárias para o sector agro-alimentar do Ribatejo Referências Bibliográficas Anexo Questionário das entrevistas Estudo elaborado por: Projecto co-financiado por: 7

8

9 Agradecimentos G ostaríamos de agradecer a todas as pessoas e entidades que generosamente se disponibilizaram para a discussão de temas relevantes para a elaboração dos Estudos Sectoriais para o Ribatejo, contribuindo com a sua visão para uma análise multifacetada da realidade e facilitando significativamente a reflexão apresentada no presente documento.

10

11 1. Introdução O desenvolvimento empresarial para novos patamares que permitam às empresas competir no palco global tem visto a sua importância a crescer a cada dia que passa. A concorrência de países emergentes, com uma elevada mão- -de-obra disponível e disposta a trabalhar em condições e preços muito diferentes daqueles a que os países mais industrializados estão habituados, despertou nas empresas a necessidade de evoluir para um nível de desenvolvimento acima do da concorrência. Perante a nova realidade, a evolução que é premente ser realizada envolve essencialmente mais Investigação, Desenvolvimento e Inovação (IDI) e mais valor acrescentado para os clientes particulares e empresariais, realidade a que as empresas portuguesas não são alheias. Neste sentido, e para o sector agro-alimentar do presente estudo, foi desenvolvido um diagnóstico sobre o panorama nacional em geral e de Santarém em particular, com o objectivo de identificar as oportunidades de melhoria e consequentemente delinear uma estratégia e respectivo plano de acções. Importa, portanto, definir primeiro para onde as empresas devem ir e só depois determinar os vários passos para atingir os objectivos e estratégia proposta. 1.1 Âmbito do Estudo Para efeitos do presente Estudo definem-se em seguida os âmbitos territoriais e sectoriais, nomeadamente: Âmbito Territorial: O Ribatejo é composta pela NUTS III Médio Tejo (NUTS II Centro) e Lezíria do Tejo (NUTS II Alentejo) e pelo Concelho de Mação; Âmbito Sectorial: Para efeitos do presente Estudo são consideradas as actividades a presentadas na Tabela seguinte. Tabela 1 Subsectores de actividade considerados para o presente Estudo Sector Subsector CAE (Rev.3) Agro-Alimentar Alimentar 10110, 10120, 10130, 10201, 10202, 10203, 10204, 10310, 10320, 10391, 10392, 10393, 10411, 10412, 10413, 10414, 10420, 10510, 10520, 10611, 10612, 10612, 10613, 10620, 10711, 10712, 10720, 10730, 10810, 10821, 10822, 10840, 10850, 10860, 10891, 10892, 10893, 10911, 10912, Fonte: Gabinete de Estratégia e Planeamento, CAE, Rev 3 11

12 Sector Subsector CAE (Rev.3) Bebidas 11011, 11012, 11013, 11021, 11021, 11030, 11040, 11050, 11060, 11071, Tabaco Fonte: Gabinete de Estratégia e Planeamento, CAE, Rev Ribatejo Entendeu-se, para efeitos do presente Estudo, que o Ribatejo (6.981 Km2) inclui uma parte do seu território na NUTS II Centro (NUTS III Médio Tejo com 10 municípios Km2, acrescida do concelho de Mação com 400 Km2) e outra parte na NUTS II Alentejo (NUTS III Lezíria do Tejo com 11 municípios correspondentes a Km2) (Figura 1). Em termos administrativos, o Ribatejo é constituída por 22 concelhos (Tabela 2) e 201 freguesias. Figura 1 Mapa do Ribatejo Abrantes Alcanena Almeirim Alpiarça Azambuja Benavente Cartaxo Chamusca Tabela 2 Concelhos do Ribatejo Constância Coruche Entroncamento Ferreira do Zêzere Golegã Mação Ourém Rio Maior Torres Novas Santarém Sardoal Tomar Salvaterra de Magos Vila Nova da Barquinha 12

13 Até 2003, ambas as NUTS III Médio Tejo e Lezíria do Tejo pertenciam à NUTS II do Vale do Tejo, enquanto o concelho de Mação já pertencia à NUTS II Centro, NUTS III Pinhal Interior Sul. Na sub-região da Lezíria do Tejo, onde se localiza Santarém, o rio Tejo é o principal elemento caracterizador. As suas margens são constituídas por solos muito férteis, onde se encontram importantes culturas hortícolas e frutícolas, bem como unidades de criação de gado taurino e cavalar. A sub-região do Médio Tejo é caracterizada pela diversidade dos seus solos, possuindo igualmente bons recursos hídricos. No Médio Tejo destaca-se uma importante actividade turística, potenciada tanto pelas características naturais e paisagísticas como pela presença do Santuário de Fátima. Em termos de localização, o centro geográfico do Ribatejo situa-se a 1 hora de distância da principal cidade do País (Lisboa) e a 2 horas da segunda maior cidade (Porto). Há também a destacar a sua localização entre a Área Metropolitana de Lisboa (AML) e a fronteira espanhola (a cerca de 1 hora de distância). A região constitui assim, a nível logístico, um elemento fundamental na articulação entre o Norte e o Sul e o Litoral e o Interior. 1.3 População A estimativa efectuada em 2008 pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) aponta para uma população residente de habitantes no Ribatejo, representando cerca de 4,6% da po - pulação residente em Portugal e uma densidade populacional de cerca de 69,9 hab/km2, bastante inferior à média nacional (115,4 hab/km2). 13

14 Tabela 3 População residente no Ribatejo entre 2001 e 2008 e respectiva variação Concelhos População Residente em População Residente em Variação Mação Médio Tejo Abrantes Alcanena Constância Entroncamento Ferreira do Zêzere Ourém Sardoal Tomar Torres Novas Vila N. da Barquinha Lezíria do Tejo Almeirim Alpiarça Azambuja Benavente Cartaxo Chamusca Coruche Golegã Rio Maior Salvaterra de Magos Santarém Ribatejo Fonte: : INE, Censos 2001, Anuário Estatístico da Região do Alentejo 2008, Anuário Estatístico da Região Centro

15 Ao desagregar os dados por sub-regiões e concelhos é visível a heterogeneidade da população residente e a sua variação. Em termos sub-regionais, a Lezíria do Tejo, apesar de integrar menos um concelho, teve um crescimento demográfico mais acentuado (mais 3,64% ou novos habitantes), enquanto na parte seten trional da região, os 10 concelhos que integram o Médio Tejo experimentaram uma evolu ção populacional menos significativa (4.969 habitantes, no universo territorial da sub-região). Em 13 concelhos (sendo 8 na Lezíria Tejo) ocorreram variações positivas da população, enquanto 9 municípios, com especial destaque para Abrantes, Coruche e Tomar, sofreram um decréscimo demográfico. No enquadramento inter- -regional, comparando o Ribatejo, em termos de crescimento demográfico, com a variação populacional das principais sub-regiões que a delimitam (Tabela 4), verifica-se que o ní vel de crescimento demográfico da região ficou aquém das principais sub-regiões vizinhas, nomeadamente, a Grande Lisboa, o Pinhal Lito ral e o Oeste, e além do indicador médio do continente. Para além do crescimento populacional pouco significativo, o Ribatejo é também caracterizada por um relativo envelhecimento da sua po - pulação (Figura 2). A classe etária compreendida entre os 15 e os 25 anos sofreu um decréscimo nos últimos 7 anos, ao passo que o número de idosos cresceu significativamente (Figura 3). Figura 2 Estrutura etária do Ribatejo em 2008 Fonte: : INE, Anuário Estatístico da Região do Alentejo 2008, Anuário Estatístico da Região Centro 2008 Tabela 4 Análise comparativa do crescimento demográfico entre 2001 e 2008 Sub - Região Taxa de Crescimento Médio Tejo +2,2% Lezíria do Tejo +3,6% Grande Lisboa +3,7% Oeste +7,5% Península de Setúbal +10,6% Ribatejo +2,6% Continente -2,7% Figura 3 Comparação entre a estrutura etária do Ribatejo em 2001 e 2008 Fonte: : INE, Censos 2001, Anuário Estatístico da Região do Alentejo 2008, Anuário Estatístico da Região Centro 2008 Fonte: : INE, Censos 2001, Anuário Estatístico da Região do Alentejo 2008, Anuário Estatístico da Região Centro

16 1.4. Infra-estruturas Infra-estruturas de Apoio à Envolvente Empresarial o Ribatejo conta com um conjunto de importantes infra-estruturas, a nível de apoio à en - volvente empresarial, as quais podem desempe nhar um papel relevante nos sectores em estudo. Parques de Negócios do Vale do Tejo Os Parques de Negócios são espaços para instalação de empresas que oferecem condições qualificadas e de exigente qualidade no desenvolvimento de actividades empresariais de natureza industrial, logística, comercial e de serviços. Foram já constituídas empresas que são responsáveis pela gestão dos Parques de Negócios da Região (distribuídos pelos Concelhos de Rio Maior, Torres Novas, Santarém, Fátima/Ourém e Cartaxo). Nestes espaços localizar-se-ão: empresas; centro de incubação de empresas; escolas profissionais e/ou tecnológicas; serviços às empresas; escritórios; centro empresarial: salas de formação, salas de reuniões, auditório; área residencial e comercial; estruturas complementares de acolhimento dotadas de: posto de abastecimento; restauração; agências bancárias; cre - ches; e hotel/residencial. NERSANT Associação Empresarial do Ribatejo A NERSANT Associação Empresarial do Ribatejo possui uma forte capacidade empreendedora através dos seus corpos sociais e colaboradores, o que tem permitido a dinamização da Associação e a realização de iniciativas concretas no sentido de promover a capacidade empresarial do Distrito e de se afirmar como a principal associação empresarial do Distrito. A NERSANT possui ainda núcleos locais, fruto da sua política de descentra lização, possuindo infra-estruturas próprias (como auditórios, salas de formação, etc.), nos quais realiza diversas actividades com vista à promoção do desenvolvimento do tecido empresarial e, por conseguinte, ao crescimento sustentado da própria Região. 16

17 OTIC.IPT A Oficina de Transferência de Tecnologia e de Conhecimento do Instituto Politécnico de Tomar assume-se como entidade mediadora nas relações entre o meio académico, instituições parceiras, o mundo empresarial e a sociedade em geral, com a finalidade de identificar e promover a transferência e desenvolvimento de ideias e conceitos novos e inovadores (produtos, processos, etc.), contribuindo para um crescente desenvolvimento económico, social e empresarial da Região e do País e promovendo a cultura da Inovação Tecnológica e da Sociedade de Informação e Conhecimento. A oferta tecnológica da Oficina inclui, entre outras temáticas, a computação, a engenharia mecânica, o design de produtos, o mobiliário urbano, a ergonomia e a tecnologia e ciência de materiais. Instituto Nacional de Recursos Biológicos Centro de Actividades Pólo de Investigação da Quinta da Fonte Boa O Centro de Actividades Pólo de Investigação da Quinta da Fonte Boa, antiga Estação Zootécnica Nacional, tem como missão prestar apoio especializado à investigação, experimentação e desenvolvimento nas áreas da produção, reprodução e melhoramento animais, nomeadamente no que concerne à gestão de infra-estruturas e meios de uso comum nestas áreas. É neste centro que se encontra o recentemente inaugurado Banco Português de Germoplasma Animal (BPGA), no qual se pretende preservar o património genético animal português de 46 raças autóctones nacionais, nomeadamente de bovinos, caprinos, ovinos, equídeos, suínos e aves, com o objectivo de se promover investigação na área da genética animal e estudos de aspectos relacionados com a reprodução. LINE.PT Laboratório de Inovação Industrial e Empresarial do Instituto Politécnico de Tomar O LINE.IPT surge para responder às necessidades das empresas relativamente ao desenvolvimento de novos produtos, equipamentos, tecnologias e processos, detendo um forte conhecimento do tecido empresarial da região onde se encontra e contribuindo assim para a competitividade das empresas. 17

18 Inov.Linea Centro de Transferência de Tecnologia Alimentar Criado em 2008, o Centro de Transferência de Tecnologia Alimentar (Inov.Linea), localizado em Abrantes, surge da iniciativa conjunta do Município de Abrantes, da NERSANT, da Escola Superior de Tecnologia de Abrantes, da A. Logos - Associação para o Desenvolvimento de Assessoria e Ensaios Técnicos, da empresa Sistemas e Técnicas Empresariais (STI) e de outras empresas do sector. Assumindo-se como uma oficina tecnológica, tem por objectivo tornar-se o principal pólo de suporte de desenvolvimento na indústria Agro-Alimentar de Portugal, focalizando as indústrias que utilizem métodos produtivos e matérias-primas específicas portuguesas. Neste sentido, pretende responder às necessidades tecnológicas do País e da Região. No que respeita às actividades desenvolvidas pelo Inov.Linea, o Centro divide-se em três grandes áreas de actuação: nos processos industriais correntes e na inovação do produto e processo. Ao nível da intervenção nos processos industriais correntes, o centro pretende reunir um conhecimento profundo dos processos de produção adoptados pela indústria, dando particular atenção aos produtos específicos do mercado e tradição nacionais e regio - nais e contribuindo para a formação dos quadros e operadores. Relativamente às actividades no domínio da inovação do produto, o centro pretende acompanhar as tendências de mercado e apoiar a criação de produtos totalmente inovadores e o desenvolvimento de novas embalagens, facilitando a adequação dos produtos às exigências do mercado de exportação. Por fim, ao nível da inovação de processo, a sua intervenção poderá incidir na alteração, melhoramento ou mesmo modificação de processos de produção para uma maior qualidade ou redução de custos de transformação, na divulgação, junto das empresas, das novas tecnologias de produção e processo e no apoio à implementação de sistemas como o Good Manufacturing Practice (GMP) e o Hazard Analysis and Critical Control Point (HAC- CP). 18

19 Tagusvalley Associação para a Promoção e Desenvolvimento do Tecnopolo do Vale do Tejo A Tagusvalley é uma Associação que, entre outros objectivos, visa prestar serviços de inovação e desenvolvimento tecnológico, dinamizar as relações entre entidades e empresas na área do conhecimento e promover actividades de investigação e formação com interesse empresarial. A Tagusvalley inclui um Parque Tecnológico que oferece às empresas e aos intervenientes económicos e sociais da região, um conjunto de infra-estruturas de acolhimento e serviços de alta qualidade e inovação e promove a inovação, a investigação e o desenvolvimento tecnológico orientado para as actividades económicas regionais em coope ração e estreita ligação com instituições académicas e científicas locais, nacionais e internacionais. Esta infra-estrutura, localizada em Abrantes, apresenta-se como um instrumento privilegiado para promover a inovação e internacionalização das PME da Região e reforçar a atractividade do território para novas empresas. DET Desenvolvimento Empresarial e Tecnológico, S.A. A DET Desenvolvimento Empresarial e Tecnológico, S.A. é uma incubadora de empresas, cujas actividades incluem a prestação de serviços às empresas e o apoio à criação, expansão, modernização e desenvolvimento de pequenas e médias empresas, visando a promoção do desenvolvimento económico dos Distritos de Santarém e Leiria e do concelho de Azambuja, através da criação de novos postos de trabalho. Os serviços prestados por esta entidade incluem: Tutoria e Acompanhamento; Consultoria; Formação e Apoio às empresas em criação na obtenção de financiamentos externos. CIN.IPT O Centro de Incubação de Ideias e Negócios do Instituto Politécnico de Tomar (CIN.IPT) é uma estrutura informal integrada no IPT que visa contribuir para o fomento de iniciativas empresariais inovadoras e para o desenvolvimento de produtos inovadores, de interesse quer para o IPT quer para a região em que se encontra inserido. O CIN.IPT tem por missão contribuir para transformar o tecido empresarial e as organizações em geral, da região em que o IPT se insere, promovendo uma cultura de inovação, qualidade, rigor e empreendedorismo, assente num sólido relacionamento ensino superior/empresa e actuando em três frentes que se reforçam e complementam: 1) investigação, desenvolvimento tecnológico, consultoria e serviços especializados, 2) incubação de ideias e empresas e 3) formação especializada e divulgação de ciência e tecnologia. 19

20 Centro de Empresas de Constância No âmbito das suas actividades, a NERSANT criou, em 2003, o Centro de Empresas de Constância, em parceria com o Município de Constância, que tem como objectivo incrementar e facilitar a instalação de empresas na Região Infra-estruturas de Ensino e Formação O Ribatejo possui 381 escolas pré-escolares, 511 escolas de Ensino Básico, 45 de Ensino Se - cun dário e 10 de Ensino Superior (Figura 4). No que respeita ao Ensino Básico, existe pelo menos uma escola deste nível em cada freguesia, sendo que, para o Ensino Secundário, existe pelo menos uma escola em cada um dos 22 concelhos da região. Figura 4 Estabelecimentos de ensino no Ribatejo em 2008 Tabela 5 Estabelecimentos de ensino superior no Ribatejo ENSINO SUPERIOR PÚBLICO POLITÉCNICO Instituto Politécnico de Santarém: Escola Superior Agrária de Santarém; Escola Superior de Desporto de Rio Maior; Escola Superior de Educação de Santarém; Escola Superior de Gestão de Santarém. INSTITUTO POLITÉCNICO DE TOMAR: * Escola Superior de Gestão de Tomar; * Escola Superior de Tecnologia de Abrantes; * Escola Superior de Tecnologia de Tomar. ENSINO SUPERIOR PARTICULAR E COOPERATIVO UNIVERSITÁRIO Instituto Superior de Línguas e Administração de Santarém Fonte: : INE, Anuário Estatístico da Região do Alentejo 2008, Anuário Estatístico da Região Centro 2008 A nível de Ensino Superior, a região possui quatro institutos que integram várias escolas superiores, distribuídas pelas cidades de Santarém, Rio Maior, Abrantes e Tomar (Tabela 5). ENSINO SUPERIOR PARTICULAR E COOPERATIVO POLITÉCNICO Instituto Superior de Educação de Torres Novas 20

21 No que respeita a instituições de formação, existem actualmente 12 Escolas Profissionais, distribuídas por diversos concelhos da região (Tabela 6). Tabela 6 Escolas Profissionais no Ribatejo O Ribatejo conta ainda com importantes infraestruturas de apoio tanto ao nível da envolvente empresarial como ao nível do turismo e lazer, entre outras, que contribuem para refor çar o seu potencial em termos de competitividade no mercado nacional e/ou global. Escola Profissional de Coruche Escola Profissional de Ourém Escola Profissional de Rio Maior Escola Profissional de Salvaterra de Magos Escola Profissional de Tomar Escola Profissional de Torres Novas Escola Profissional de Tremês Escola Profissional do Vale do Tejo Escola Profissional de Tomar Escola Profissional de Fátima Escola Profissional do Entroncamento Escola Profissional de Abrantes 1.5. Sectores de Actividade o Ribatejo caracteriza-se pela forte dinâmica de alguns sectores de actividade, entre os quais se destacam os seguintes: Agricultura A Lezíria do Tejo detém a nível nacional os melhores solos para a prática agrícola. Nesta sub-região é principalmente explorado o potencial da policultura de regadio (culturas arven - ses e horto-industriais), da vinha, da pecuária semi-intensiva, da silvo-pastorícia, da fruticultura e da horticultura. É também de destacar a longa tradição vinícola da região e a sua apetência para produzir vinhos de qualidade, sendo que os vinhos Ribatejanos assumem uma parcela cada vez mais significativa na produção vinícola nacional. Maior concentração: Lezíria do Tejo 21

22 Agro-indústria Em virtude das excelentes condições existentes na região para a prática agrícola, nomeadamente a existência de extensões de terrenos de grande fertilidade, bem como dos bons recursos hídricos (percorrida pelos rios Tejo, Nabão, Almonda e Zêzere) verifica-se uma forte implementação das agro-indústrias. Este é um dos principais sectores exportadores da região. Maior concentração: Almeirim Cartaxo Coruche Rio Maior Automóvel A indústria automóvel encontra suporte na tradição do Ribatejo em actividades de fundição e de travamento de metais. A indústria automóvel é o principal sector de exportação da região. Maior concentração: Abrantes Azambuja Benavente Curtumes e Têxteis A indústria dos curtumes tem especial tradição no Ribatejo, sendo que 80% das empresas de curtumes nacionais se situam em Alcanena. Embora tradicionalmente este sector esteja muito ligado à indústria do calçado, tem sido feito um esforço positivo de diversificação para outros sectores de actividade, nomeadamente para o automóvel, mobiliário e moda. Outras aplicações importantes residem na produção de biodiesel a partir dos resíduos sólidos da indústria dos curtumes e o desenvolvimento e produção de nanorevestimentos (artigos em pele com programas funcionais estão a ser desenvolvidas em coope-ração com o CTIC). Maior concentração: Alcanena Exploração Florestal Ao nível da floresta verifica-se que 10% da floresta nacional se localiza no Ribatejo, assegurando 27% da produção de cortiça e 10% da produção de madeiras e resinas. Maior concentração: Abrantes Benavente Chamusca Coruche Ferreira do Zêzere - Sardoal 22

23 Madeira, Mobiliário e Papel Em especial no Médio Tejo, o coberto florestal suporta actividades de serração e carpintaria e fabrico de aglomerados de madeira, de mobiliário e de pasta de papel. A madeira, mobiliário e papel têm um peso bastante significativo nas exportações da região. Maior concentração: Chamusca Constância Tomar Torres Novas Almeirim Alpiarça Coruche Ferreira do Zêzere Mação Ourém Salvaterra de Magos Sardoal Metalomecânica O sector da metalomecânica tem um peso considerável na indústria do Ribatejo. Este sector compreende um vasto conjunto de segmentos que fornecem o sector industrial, quer o extractivo, quer o transformador e também outros importantes sectores como o agrícola, a construção civil e o comércio. Maior concentração: Abrantes Benavente Cartaxo Ourém Santarém Tomar Torres Novas Construção Civil O Ribatejo possui um número considerável de empresas relacionadas com a construção ci - vil, que se subdividem em três áreas: promoção imobiliária, actividades especializadas de construção e engenharia civil. Esta última área tem particular expressão no que respeita à intensidade de mão-de-obra. Maior concentração: Santarém Ourém Almeirim - Benavente Minerais Não Metálicos Os elementos decorativos em pedra, revestimentos, lareiras, telhas etc., estão a alimentar uma indústria em crescimento e que, juntamente com o fornecimento de pedra de calçada, tem um potencial significativo, apesar do baixo valor acrescentado que representa. Maior concentração: Rio Maior Santarém 23

Estudos Sectoriais para o Ribatejo (Sector da construção civil)

Estudos Sectoriais para o Ribatejo (Sector da construção civil) Estudos Sectoriais para o Ribatejo (Sector da construção civil) Sumário Executivo Na actual conjuntura económica, financeira, política e social nacional discute-se frequentemente sobre quais serão as

Leia mais

Várzea de Mesiões - Apartado 177 2354-909 Torres Novas Tel.:249839500-249839509 e-mail:geral@nersant.pt - site:www.nersant.pt

Várzea de Mesiões - Apartado 177 2354-909 Torres Novas Tel.:249839500-249839509 e-mail:geral@nersant.pt - site:www.nersant.pt Várzea de Mesiões - Apartado 177 2354-909 Torres Novas Tel.:249839500-249839509 e-mail:geral@nersant.pt - site:www.nersant.pt Projectos a Desenvolver pela Nersant 2007-2013 Prioridades Estratégicas Nersant

Leia mais

Portugal 2020. Inovação da Agricultura, Agroindústria. Pedro Cilínio pedro.cilinio@iapmei.pt

Portugal 2020. Inovação da Agricultura, Agroindústria. Pedro Cilínio pedro.cilinio@iapmei.pt Portugal 2020 Inovação da Agricultura, Agroindústria e Floresta Pedro Cilínio pedro.cilinio@iapmei.pt FEDER 2020 - Prioridades Concentração de investimentos do FEDER Eficiência energética e energias renováveis

Leia mais

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005.

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. Cooperação empresarial, uma estratégia para o sucesso Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. É reconhecida a fraca predisposição

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Identidade, Competitividade, Responsabilidade Acordo de Parceria Consagra a política de desenvolvimento económico, social, ambiental e territorial Define

Leia mais

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas À semelhança do que acontece nas sociedades contemporâneas mais avançadas, a sociedade portuguesa defronta-se hoje com novos e mais intensos

Leia mais

Enquadramento Turismo Rural

Enquadramento Turismo Rural Enquadramento Turismo Rural Portugal é um País onde os meios rurais apresentam elevada atratividade quer pelas paisagens agrícolas, quer pela biodiversidade quer pelo património histórico construído o

Leia mais

XX CONGRESSO ENGENHARIA 2020 UMA ESTRATÉGIA PARA PORTUGAL 17 a 19 de outubro de 2014 ALFÂNDEGA DO PORTO

XX CONGRESSO ENGENHARIA 2020 UMA ESTRATÉGIA PARA PORTUGAL 17 a 19 de outubro de 2014 ALFÂNDEGA DO PORTO XX CONGRESSO ENGENHARIA 2020 UMA ESTRATÉGIA PARA PORTUGAL 17 a 19 de outubro de 2014 ALFÂNDEGA DO PORTO Desenvolvimento Rural, Agricultura, Florestas e Sustentabilidade 17 de outubro de 2014 / GPP Eduardo

Leia mais

CANDIDATURAS ABERTAS:

CANDIDATURAS ABERTAS: Resumo das candidaturas aos Sistemas de Incentivos QREN CANDIDATURAS ABERTAS: Sistema de Incentivos à Investigação e Desenvolvimento Tecnológico Tipologia de Projectos Abertura Encerramento Individuais

Leia mais

Lisboa 2020 Competitividade, Inovação e Cooperação: Estratégia para o Desenvolvimento Regional de Lisboa e Vale do Tejo

Lisboa 2020 Competitividade, Inovação e Cooperação: Estratégia para o Desenvolvimento Regional de Lisboa e Vale do Tejo Lisboa 2020 Competitividade, Inovação e Cooperação: Estratégia para o Desenvolvimento Regional de Lisboa e Vale do Tejo LISBOA DE GEOGRAFIA VARIÁVEL... Perspectiva administrativa: Área Metropolitana de

Leia mais

Estratégia de Especialização Inteligente para a Região de Lisboa

Estratégia de Especialização Inteligente para a Região de Lisboa Diagnóstico do Sistema de Investigação e Inovação: Desafios, forças e fraquezas rumo a 2020 FCT - A articulação das estratégias regionais e nacional - Estratégia de Especialização Inteligente para a Região

Leia mais

Area (km 2 ): 31.604,9 Hab/Km 2 : 23,7 População (Nº): 749.055 (2010)

Area (km 2 ): 31.604,9 Hab/Km 2 : 23,7 População (Nº): 749.055 (2010) As Regiões de - Região O Território Porquê? Com a maior área territorial de Continental 31.605,2 km2 (1/3 do território nacional) a região do apresenta 179 km de perímetro de linha de costa e 432 km de

Leia mais

A Construção Sustentável e o Futuro

A Construção Sustentável e o Futuro A Construção Sustentável e o Futuro Victor Ferreira ENERGIA 2020, Lisboa 08/02/2010 Visão e Missão O Cluster Habitat? Matérias primas Transformação Materiais e produtos Construção Equipamentos Outros fornecedores

Leia mais

Apoio à Internacionalização. CENA 3 de Julho de 2012

Apoio à Internacionalização. CENA 3 de Julho de 2012 Apoio à Internacionalização CENA 3 de Julho de 2012 Enquadramento Enquadramento Comércio Internacional Português de Bens e Serviços Var. 13,3% 55,5 68,2 57,1 73,4 48,3 60,1 54,5 66,0 67,2 61,7 Exportação

Leia mais

Projecto ApoiarMicro - REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO

Projecto ApoiarMicro - REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO Regulamento de Funcionamento Preâmbulo Tendo como principal objectivo fomentar o empreendedorismo na Região da Lezíria do Tejo, a NERSANT Associação Empresarial em parceria com a Comunidade Intermunicipal

Leia mais

POLÍTICAS DE COMPETITIVIDADE PARA O SECTOR AGRO-ALIMENTAR

POLÍTICAS DE COMPETITIVIDADE PARA O SECTOR AGRO-ALIMENTAR POLÍTICAS DE COMPETITIVIDADE PARA O SECTOR AGRO-ALIMENTAR Prioridades Estratégicas Indústria Portuguesa Agro-Alimentar Federação das Indústrias Portuguesas Agro-Alimentares XI LEGISLATURA 2009-2013 XVIII

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO DAS EMPRESAS DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA 2014-2020

COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO DAS EMPRESAS DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA 2014-2020 COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO DAS EMPRESAS DA 2014-2020 18-11-2015 INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL, IP-RAM MISSÃO Promover o desenvolvimento, a competitividade e a modernização das empresas

Leia mais

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 Factores Determinantes para o Empreendedorismo Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 IAPMEI Instituto de Apoio às PME e à Inovação Principal instrumento das políticas económicas para Micro e Pequenas

Leia mais

Percepção de Portugal no mundo

Percepção de Portugal no mundo Percepção de Portugal no mundo Na sequência da questão levantada pelo Senhor Dr. Francisco Mantero na reunião do Grupo de Trabalho na Aicep, no passado dia 25 de Agosto, sobre a percepção da imagem de

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Identidade, Competitividade, Responsabilidade ACORDO DE PARCERIA Consagra a política de desenvolvimento económico, social, ambiental e territorial Define

Leia mais

MISSÃO EMPRESARIAL À TUNÍSIA

MISSÃO EMPRESARIAL À TUNÍSIA MISSÃO EMPRESARIAL À TUNÍSIA 03 A 06 DE NOVEMBRO DE 2008 RELATÓRIO FINAL MISSÃO EMPRESARIAL À TUNÍSIA 03 A 06 DE NOVEMBRO DE 2008 1. Introdução À semelhança de iniciativas anteriores, a Nersant organizou

Leia mais

Memória descritiva do projecto Sanjonet Rede de Inovação e Competitividade

Memória descritiva do projecto Sanjonet Rede de Inovação e Competitividade Memória descritiva do projecto Sanjonet Rede de Inovação e Competitividade Candidatura aprovada ao Programa Política de Cidades - Redes Urbanas para a Competitividade e a Inovação Síntese A cidade de S.

Leia mais

Apoios ao Turismo Lições do QREN, desafios e oportunidades

Apoios ao Turismo Lições do QREN, desafios e oportunidades Apoios ao Turismo Lições do QREN, desafios e oportunidades Piedade Valente Comissão Diretiva do COMPETE Sintra, 9 de outubro de 2014 Agenda da Competitividade (2007-2013): instrumentos de apoio eficiência

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Universidade de Évora, 10 de março de 2015 Identidade, Competitividade, Responsabilidade Lezíria do Tejo Alto Alentejo Alentejo Central Alentejo Litoral

Leia mais

IV Seminário Plataformas Logísticas Ibéricas

IV Seminário Plataformas Logísticas Ibéricas IV Seminário Plataformas Logísticas Ibéricas Preparar a Retoma, Repensar a Logística 10 de Novembro NOVOHOTEL SETUBAL Comunicação: Factores de Atractividade da oferta logística do Alentejo Orador: Dr.

Leia mais

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO::

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO:: ::ENQUADRAMENTO:: :: ENQUADRAMENTO :: O actual ambiente de negócios caracteriza-se por rápidas mudanças que envolvem a esfera politica, económica, social e cultural das sociedades. A capacidade de se adaptar

Leia mais

Normas de Funcionamento para o Apoio à Criação de Empresas

Normas de Funcionamento para o Apoio à Criação de Empresas Normas de Funcionamento para o Apoio à Criação de Empresas 1 Preâmbulo Tendo como principal objetivo fomentar o empreendedorismo na Região do Médio Tejo, a Comunidade Intermunicipal do Médio Tejo (CIMT)

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO

PROGRAMA OPERACIONAL COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO PROGRAMA OPERACIONAL COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO Jorge Abegão Secretário-Técnico do COMPETE Coimbra, 28 de janeiro de 2015 Estratégia Europa 2020 ESTRATÉGIA EUROPA 2020 CRESCIMENTO INTELIGENTE

Leia mais

Infraestruturas para instalação de empresas

Infraestruturas para instalação de empresas Infraestruturas para instalação de empresas A proximidade a Lisboa, a infraestruturas portuárias e aeroportuárias, e a existência de um conjunto de acessibilidades marcadas por eixos rodoviários (A1, A6,

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural

Programa de Desenvolvimento Rural Programa de Desenvolvimento Rural PDR 2020 do Continente Terra no Horizonte 2014-2020 Tavira, 13 Março 2014 1 2 Panorama Principais constatações Atuação Constrangimentos e Necessidades 3 Arquitetura 4

Leia mais

INCENTIVOS ÀS EMPRESAS

INCENTIVOS ÀS EMPRESAS INCENTIVOS ÀS EMPRESAS Gestão de Projectos info@ipn-incubadora.pt +351 239 700 300 BEST SCIENCE BASED INCUBATOR AWARD Incentivos às Empresas Objectivos: - Promoção do up-grade das empresas de PME; - Apoiar

Leia mais

.: Instrumentos de financiamento de apoio à competitividade no âmbito do Portugal 2020. 14 de Janeiro de 2015

.: Instrumentos de financiamento de apoio à competitividade no âmbito do Portugal 2020. 14 de Janeiro de 2015 14 de Janeiro de 2015 O que é o Portugal 2020? O Portugal 2020 é um Acordo de Parceria assinado entre Portugal e a Comissão Europeia, que reúne a atuação dos 5 fundos estruturais e de investimento europeus

Leia mais

O contributo do Cluster Habitat Sustentável

O contributo do Cluster Habitat Sustentável O contributo do Cluster Habitat Sustentável Victor Ferreira Plataforma para a Construção Sustentável Seminário Construção Sustentável CONCRETA 2011 20/10/2011 Visão e Missão O Cluster Habitat? agregador

Leia mais

Comunidade Intermunicipal da Beira Interior Sul

Comunidade Intermunicipal da Beira Interior Sul Comunidade Intermunicipal da Beira Interior Sul 1. Identificação do Recurso Endógeno e do Território Alvo PROVERE Beira Baixa: Terras de Excelência : Conjugar a valorização do território, dos produtos

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR +

APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR + APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR + Ponta Delgada, 28 de Abril de 2014 Intervenção do Presidente do Governo Regional

Leia mais

Permanente actualização tecnológica e de Recursos Humanos qualificados e motivados;

Permanente actualização tecnológica e de Recursos Humanos qualificados e motivados; VISÃO Ser a empresa líder e o fornecedor de referência do mercado nacional (na área da transmissão de potência e controlo de movimento) de sistemas de accionamento electromecânicos e electrónicos, oferecendo

Leia mais

Orientação nº 1/2008 ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (EDL) EIXO 4 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES

Orientação nº 1/2008 ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (EDL) EIXO 4 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES Programa de da ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (ELD) 1 / 16 Programa de da 1. Caracterização Socioeconómica do Território A caracterização do território deve centrar-se em dois aspectos

Leia mais

CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO

CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO CONVÉNIO CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO ÍNDICE FINALIDADE... 2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS... 3 CONSTITUIÇÃO E GOVERNÂNCIA... 4 FINANCIAMENTO... 5 RELATÓRIOS... 5 Ficha de Adesão ao CLUSTER

Leia mais

Apoios à Internacionalização e à Inovação. António Costa da Silva Santarém, 26 de setembro de 2014

Apoios à Internacionalização e à Inovação. António Costa da Silva Santarém, 26 de setembro de 2014 Apoios à Internacionalização e à Inovação António Costa da Silva Santarém, 26 de setembro de 2014 ALENTEJO PRIORIDADES PARA UMA ESPECIALIZAÇÃO INTELIGENTE 1. Alimentar e Floresta 2. Recursos Naturais,

Leia mais

Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas

Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas Da União Europeia vão chegar até 2020 mais de 20 mil milhões de euros a Portugal. Uma pipa de massa, nas palavras do ex-presidente da Comissão

Leia mais

Dos resíduos às matérias-primas rentáveis

Dos resíduos às matérias-primas rentáveis Dos resíduos às matérias-primas rentáveis 1 Dos resíduos às matérias-primas rentáveis O aumento da população e do nível de vida previstos para as próximas décadas, pressupõem um acréscimo na procura de

Leia mais

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes:

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes: EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME (SI QUALIFICAÇÃO PME) O presente documento suporta a apreciação do ponto 3

Leia mais

AGENDA VALORIZAÇÃO DO TERRITÓRIO

AGENDA VALORIZAÇÃO DO TERRITÓRIO Novas Oportunidades para o Financiamento de Investimento Público e Empresarial no âmbito do QREN --- Sines 11 de Março de 2008 A Agenda Operacional para a Valorização do Território é uma estratégia de

Leia mais

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões:

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 7.1 Conclusões De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 1 - Descrever os instrumentos/modelos de gestão e marketing estratégicos

Leia mais

A COMPETITIVIDADE E O CRESCIMENTO DA ECONOMIA AÇORIANA - OPORTUNIDADES NO QUADRO DO HORIZONTE 2020

A COMPETITIVIDADE E O CRESCIMENTO DA ECONOMIA AÇORIANA - OPORTUNIDADES NO QUADRO DO HORIZONTE 2020 A COMPETITIVIDADE E O CRESCIMENTO DA ECONOMIA AÇORIANA - OPORTUNIDADES NO QUADRO DO HORIZONTE 2020 Quais os Instrumentos regionais para apoiar as empresas dos Açores? Competir + Apoios contratação de RH

Leia mais

AS OPORTUNIDADES PARA AS EMPRESAS NO PORL 2014-20

AS OPORTUNIDADES PARA AS EMPRESAS NO PORL 2014-20 AS OPORTUNIDADES PARA AS EMPRESAS NO PORL 2014-20 Vítor Escária CIRIUS ISEG, Universidade de Lisboa e Augusto Mateus & Associados Barreiro, 30/06/2014 Tópicos Enquadramento A Estratégia de Crescimento

Leia mais

MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLÍTICA

MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLÍTICA MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLÍTICA VISÃO Ser a empresa líder e o fornecedor de referência do mercado nacional (na área da transmissão de potência e controlo de movimento) de sistemas de accionamento electromecânicos

Leia mais

A VISÃO do ENERGYIN Motivos da sua criação & Objectivos

A VISÃO do ENERGYIN Motivos da sua criação & Objectivos Pólo da Competitividade e Tecnologia da Energia (PCTE) O papel do PCTE na energia solar em Portugal 8 e 9 de Fevereiro de 2010 António Mano - EDP Antonio.ermidamano@edp.pt A VISÃO do ENERGYIN Motivos da

Leia mais

PO AÇORES 2020 FEDER FSE

PO AÇORES 2020 FEDER FSE Apresentação pública PO AÇORES 2020 FEDER FSE Anfiteatro C -Universidade dos Açores -Ponta Delgada 04 de marçode 2015 PO AÇORES 2020 UM CAMINHO LONGO, DIVERSAS ETAPAS A definição das grandes linhas de

Leia mais

Diagnóstico de Competências para a Exportação

Diagnóstico de Competências para a Exportação Diagnóstico de Competências para a Exportação em Pequenas e Médias Empresas (PME) Guia de Utilização DIRECÇÃO DE ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL Departamento de Promoção de Competências Empresariais Índice ENQUADRAMENTO...

Leia mais

Portugal 2020. 03-11-2014 Areagest Serviços de Gestão S.A.

Portugal 2020. 03-11-2014 Areagest Serviços de Gestão S.A. Portugal 2020 Os Nossos Serviços Onde pode contar connosco? Lisboa Leiria Braga Madrid As Nossas Parcerias Institucionais Alguns dos Nossos Clientes de Referência Bem Vindos à Areagest Índice O QREN;

Leia mais

Criar Valor com o Território

Criar Valor com o Território Os territórios como ativos 4 O VALORIZAR é um programa de valorização económica de territórios, que os vê como ativos de desenvolvimento e geração de riqueza e emprego. 5 é a sua visão e a sua assinatura.

Leia mais

Análise SWOT. Área: Território. Rede Social. - Novo Acesso Rodoviário - Qualidade do Ambiente - Recursos Naturais

Análise SWOT. Área: Território. Rede Social. - Novo Acesso Rodoviário - Qualidade do Ambiente - Recursos Naturais Área: Território - Novo Acesso Rodoviário - Qualidade do Ambiente - Recursos Naturais - Dinamização da Exploração dos Recursos Naturais para Actividades Culturais e Turísticas - Localização Geográfica

Leia mais

MEMORANDO DE ENTENDIMENTO

MEMORANDO DE ENTENDIMENTO MEMORANDO DE ENTENDIMENTO Tendo em consideração o inquestionável papel central dos sectores agrícola e agroalimentar na atividade económica da Região de Lisboa e Vale do Tejo e observando-se a inexistência

Leia mais

INTERVENÇÃO DO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO NO SEMINÁRIO DA APAVT: QUAL O VALOR DA SUA AGÊNCIA DE VIAGENS?

INTERVENÇÃO DO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO NO SEMINÁRIO DA APAVT: QUAL O VALOR DA SUA AGÊNCIA DE VIAGENS? INTERVENÇÃO DO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO NO SEMINÁRIO DA APAVT: QUAL O VALOR DA SUA AGÊNCIA DE VIAGENS? HOTEL TIVOLI LISBOA, 18 de Maio de 2005 1 Exmos Senhores ( ) Antes de mais nada gostaria

Leia mais

Apoio à Inovação no sector agro-alimentar

Apoio à Inovação no sector agro-alimentar Apoio à Inovação no sector agro-alimentar O Cluster A colaboração entre empresas/entidades: Inovação 1 Posicionamento do Cluster INTERNACIONALIZAÇÃO INOVAÇÃO Invest. & Desenv. Ao Serviço das EMPRESAS COMPETIVIDADE

Leia mais

RELATÓRIO DE CONJUNTURA AEP / GABINETE DE ESTUDOS

RELATÓRIO DE CONJUNTURA AEP / GABINETE DE ESTUDOS HOTELARIA RELATÓRIO DE CONJUNTURA AEP / GABINETE DE ESTUDOS Julho de 2005 A actividade da hotelaria insere-se na CAE 55 Alojamento e Restauração, que, por sua vez, integra o sector do turismo, um dos sectores

Leia mais

Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020

Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 30 de julho de 2014 Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020 Informações gerais O Acordo de Parceria abrange cinco fundos: Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional

Leia mais

+Inovação +Indústria. AIMMAP Horizonte 2020 - Oportunidades para a Indústria Porto, 14 outubro 2014

+Inovação +Indústria. AIMMAP Horizonte 2020 - Oportunidades para a Indústria Porto, 14 outubro 2014 +Inovação +Indústria AIMMAP Horizonte 2020 - Oportunidades para a Indústria Porto, 14 outubro 2014 Fatores que limitam maior capacidade competitiva e maior criação de valor numa economia global Menor capacidade

Leia mais

APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012

APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012 APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012 A aposta no apoio à internacionalização tem sido um dos propósitos da AIDA que, ao longo dos anos, tem vindo a realizar diversas acções direccionadas para

Leia mais

METADE DA POPULAÇÃO RESIDENTE EM CIDADES CONCENTRADA EM APENAS 14 DAS 141 CIDADES

METADE DA POPULAÇÃO RESIDENTE EM CIDADES CONCENTRADA EM APENAS 14 DAS 141 CIDADES Atlas das Cidades de Portugal Volume II 2004 01 de Abril de 2005 METADE DA POPULAÇÃO RESIDENTE EM CIDADES CONCENTRADA EM APENAS 14 DAS 141 CIDADES Apesar das disparidades ao nível da dimensão populacional

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL ESCOLA SUPERIOR DE CIÊNCIAS EMPRESARIAIS Departamento de Economia e Gestão Gestão da Distribuição e da Logística Gestão de Recursos Humanos Gestão de Sistemas de Informação

Leia mais

2006-2015. Bolsa de Turismo de Lisboa 18 de Janeiro 2006

2006-2015. Bolsa de Turismo de Lisboa 18 de Janeiro 2006 2006-2015 Bolsa de Turismo de Lisboa 18 de Janeiro 2006 Portugal 2015 Portugal 2015 - Metas 2005 2015 Douro Douro Oeste Oeste Serra da Estrela Serra da Estrela Alqueva Litoral Alentejano Litoral Alentejano

Leia mais

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada.

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E ENERGIAS RENOVÁVEIS

PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E ENERGIAS RENOVÁVEIS Enquadramento Protocolo de Quioto Cimeira de Joanesburgo Directiva Renováveis Estratégia Nacional de Desenvolvimento Sustentável Programa E4 Nova Resolução do Conselho de Ministros INTERREG Programas Regionais

Leia mais

Adenda aos Critérios de Selecção

Adenda aos Critérios de Selecção Adenda aos Critérios de Selecção... Critérios de Selecção SI Qualificação PME EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE

Leia mais

ÍNDICE APRESENTAÇÃO 02 HISTÓRIA 02 OBJECTIVOS 02 CURSOS 04 CONSULTORIA 06 I&D 07 DOCENTES 08 FUNDEC & IST 09 ASSOCIADOS 10 PARCERIAS 12 NÚMEROS 13

ÍNDICE APRESENTAÇÃO 02 HISTÓRIA 02 OBJECTIVOS 02 CURSOS 04 CONSULTORIA 06 I&D 07 DOCENTES 08 FUNDEC & IST 09 ASSOCIADOS 10 PARCERIAS 12 NÚMEROS 13 ÍNDICE APRESENTAÇÃO 02 HISTÓRIA 02 OBJECTIVOS 02 CURSOS 04 CONSULTORIA 06 I&D 07 DOCENTES 08 FUNDEC & IST 09 ASSOCIADOS 10 PARCERIAS 12 NÚMEROS 13 QUEM SOMOS FUNDEC APRESENTAÇÃO HISTÓRIA OBJECTIVOS A

Leia mais

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS N.º 01 / SAESCTN / 2012

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS N.º 01 / SAESCTN / 2012 AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS N.º 01 / SAESCTN / 2012 SISTEMA DE APOIO A ENTIDADES DO SISTEMA CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO NACIONAL (SAESCTN) PROJETOS DE INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA E DESENVOLVIMENTO

Leia mais

POLÍTICAS PARA A EXPORTAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DA INDÚSTRIA AGROALIMENTAR

POLÍTICAS PARA A EXPORTAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DA INDÚSTRIA AGROALIMENTAR POLÍTICAS PARA A EXPORTAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DA INDÚSTRIA AGROALIMENTAR Contributos para uma Visão Estratégica Federação das Indústrias Portuguesas Agro-Alimentares A Indústria Portuguesa Agroalimentar

Leia mais

Estudos sobre Estatísticas Estruturais das Empresas 2008. Micro, Pequenas. e Médias. Empresas. em Portugal

Estudos sobre Estatísticas Estruturais das Empresas 2008. Micro, Pequenas. e Médias. Empresas. em Portugal Estudos sobre Estatísticas Estruturais das Empresas 2008 28 de Junho de 2010 Micro, Pequenas e Médias Empresas em Portugal Em 2008, existiam 349 756 micro, pequenas e médias empresas (PME) em Portugal,

Leia mais

METALOMECÂNICA RELATÓRIO DE CONJUNTURA

METALOMECÂNICA RELATÓRIO DE CONJUNTURA METALOMECÂNICA RELATÓRIO DE CONJUNTURA 1. Indicadores e Variáveis das Empresas A indústria metalomecânica engloba os sectores de fabricação de produtos metálicos, excepto máquinas e equipamento (CAE )

Leia mais

Uma das maiores áreas territoriais de Portugal, com uma fronteira terrestre internacional de 568 km e um perímetro da linha de costa de 142 km

Uma das maiores áreas territoriais de Portugal, com uma fronteira terrestre internacional de 568 km e um perímetro da linha de costa de 142 km As Regiões de - Região O Território Porquê o? Uma das maiores áreas territoriais de, com uma fronteira terrestre internacional de 568 km e um perímetro da linha de costa de 142 km Area (km 2 ): 21.286

Leia mais

OPORTUNIDADES. Cluster energético: oportunidades; horizontes; observatório, BejaGlobal; PASE

OPORTUNIDADES. Cluster energético: oportunidades; horizontes; observatório, BejaGlobal; PASE CLUSTER ENERGÉTICO DE BEJA OPORTUNIDADES SUSTENTABILIDADE ENERGÉTICA E CRESCIMENTO ECONÓMICO A sustentabilidade energética e climática é um desígnio estratégico duplo significado. Por um lado, desenvolvimento

Leia mais

UM OLHAR PARA O MUNDO RURAL DLBC - A NOVA ESTRATÉGIA PARA O TERRITÓRIO

UM OLHAR PARA O MUNDO RURAL DLBC - A NOVA ESTRATÉGIA PARA O TERRITÓRIO UM OLHAR PARA O MUNDO RURAL DLBC - A NOVA ESTRATÉGIA PARA O TERRITÓRIO LIMITES DO TERRITÓRIO DE INTERVENÇÃO CONSTRUÇÃO DA ESTRATÉGIA - Acordo Parceria 2020 - PDR 2014-2020 - PORA 2020 - PROT OVT - EIDT

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DO ALENTEJO

PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DO ALENTEJO PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DO ALENTEJO Alentejo 2020 Desafios Borba 17 de Dezembro de 2014 ALENTEJO Estrutura do Programa Operacional Regional do Alentejo 2014/2020 1 - Competitividade e Internacionalização

Leia mais

Perfil das Ideias e dos Empreendedores

Perfil das Ideias e dos Empreendedores Perfil das Ideias e dos Empreendedores I - Considerações gerais A análise que se segue tem como referência um painel 115 ideias de negócio, com proposta de desenvolvimento por 214 empreendedores, candidatos

Leia mais

3. POPULAÇÃO E INDICADORES DEMOGRÁFICOS

3. POPULAÇÃO E INDICADORES DEMOGRÁFICOS 3. POPULAÇÃO E INDICADORES DEMOGRÁFICOS 37 38 3.1. Introdução Para a interpretação dos dados de saúde, quer de morbilidade quer de mortalidade, e nomeadamente para, com base nesses dados, se fazer o planeamento

Leia mais

SISTEMA DE APOIO A AÇÕES COLETIVAS CRITÉRIOS DE SELEÇÃO (PI 1.2, 3.1, 3.2, 3.3 E 8.5) CA 9.03.2015 Versão Definitiva Consulta escrita Maio.

SISTEMA DE APOIO A AÇÕES COLETIVAS CRITÉRIOS DE SELEÇÃO (PI 1.2, 3.1, 3.2, 3.3 E 8.5) CA 9.03.2015 Versão Definitiva Consulta escrita Maio. SISTEMA DE APOIO A AÇÕES COLETIVAS CRITÉRIOS DE SELEÇÃO (PI 1.2, 3.1, 3.2, 3.3 E 8.5) CA 9.03.2015 Versão Definitiva Consulta escrita Maio.2015 19 JUNHO DE 2015 Página 1 de 9 TIPOLOGIAS DE INVESTIMENTO

Leia mais

Victor Ferreira Plataforma Construção Sustentável Entidade Gestora do Cluster Habitat Sustentável

Victor Ferreira Plataforma Construção Sustentável Entidade Gestora do Cluster Habitat Sustentável 2ª CONFERÊNCIA PASSIVHAUS PORTUGAL 2014 29 de Novembro de 2014 Aveiro - Centro Cultural e de Congressos Victor Ferreira Plataforma Construção Sustentável Entidade Gestora do Cluster Habitat Sustentável

Leia mais

O papel de Portugal no mundo é mais importante do que imagina

O papel de Portugal no mundo é mais importante do que imagina Informação 8 de Fevereiro de 2011 Campanha institucional do grupo Portucel Soporcel arranca hoje O papel de Portugal no mundo é mais importante do que imagina Arranca hoje a nova campanha institucional

Leia mais

PROVERE PROGRAMAS DE VALORIZAÇÃO ECONÓMICA DE RECURSOS ENDÓGENOS

PROVERE PROGRAMAS DE VALORIZAÇÃO ECONÓMICA DE RECURSOS ENDÓGENOS PROVERE PROGRAMAS DE VALORIZAÇÃO ECONÓMICA DE RECURSOS ENDÓGENOS VALORIZAÇÃO DOS RECURSOS SILVESTRES DO MEDITERRÂNEO - UMA ESTRATÉGIA PARA AS ÁREAS DE BAIXA DENSIDADE DO SUL DE PORTUGAL CARACTERIZAÇÃO

Leia mais

Missão Empresarial Banco Asiático de Desenvolvimento (BAsD) Sector: Energia

Missão Empresarial Banco Asiático de Desenvolvimento (BAsD) Sector: Energia Missão Empresarial Banco Asiático de Desenvolvimento (BAsD) Sector: Energia Manila, 18 a 22 de Março de 2013 1 Enquadramento: No âmbito do Acordo de Parceiros celebrado entre a AICEP e o GPEARI (Ministério

Leia mais

Desenvolvimento Local nos Territórios Rurais: desafios para 2014-2020

Desenvolvimento Local nos Territórios Rurais: desafios para 2014-2020 Desenvolvimento Local nos Territórios Rurais: desafios para 2014-2020 Seminário Turismo Sustentável no Espaço Rural: Experiências de Sucesso em Portugal e na Europa Castro Verde - 06 de Março 2013 Joaquim

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Medida 1 INOVAÇÃO Ação 1.1 GRUPOS OPERACIONAIS Enquadramento Regulamentar Artigos do Regulamento (UE) n.º 1305/2013, do Conselho e do Parlamento

Leia mais

CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade

Leia mais

O Contributo do Cluster da Electrónica e Telecomunicações para o Desenvolvimento Económico Espanhol

O Contributo do Cluster da Electrónica e Telecomunicações para o Desenvolvimento Económico Espanhol O Contributo do Cluster da Electrónica e Telecomunicações para o Desenvolvimento Económico Espanhol O presente estudo visa caracterizar o cluster da electrónica, informática e telecomunicações (ICT), emergente

Leia mais

- PERFIL DO GRUPO - O Portfólio de negócios, obedece a um critério de maturidade e geração de valor, no qual o Grupo, concilia:

- PERFIL DO GRUPO - O Portfólio de negócios, obedece a um critério de maturidade e geração de valor, no qual o Grupo, concilia: GRUPO FERREIRA A GFH, é um Grupo sólido e inovador, detendo um curriculum de projectos de qualidade reconhecida, com um portfólio de negócios diversificado, e que aposta no processo de internacionalização,

Leia mais

DESAFIO PORTUGAL 2020

DESAFIO PORTUGAL 2020 DESAFIO PORTUGAL 2020 Estratégia Europa 2020: oportunidades para os sectores da economia portuguesa Olinda Sequeira 1. Estratégia Europa 2020 2. Portugal 2020 3. Oportunidades e desafios para a economia

Leia mais

Fundos Comunitários. geridos pela Comissão Europeia. M. Patrão Neves. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves.

Fundos Comunitários. geridos pela Comissão Europeia. M. Patrão Neves. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves. Fundos Comunitários geridos pela Comissão Europeia M. Patrão Neves Fundos comunitários: no passado Dependemos, de forma vital, dos fundos comunitários, sobretudo porque somos um dos países da coesão (e

Leia mais

Vale Projecto - Simplificado

Vale Projecto - Simplificado IDIT Instituto de Desenvolvimento e Inovação Tecnológica Vale Projecto - Simplificado VALES Empreendedorismo e Inovação Associados Parceiros / Protocolos IDIT Enquadramento Vale Projecto - Simplificado

Leia mais

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO Considerando que os Municípios dispõem de atribuições no domínio da promoção do desenvolvimento, de acordo com o disposto na alínea n) do n.º 1 do

Leia mais

Regulamento. Preâmbulo

Regulamento. Preâmbulo Regulamento Preâmbulo As Empresas e os Empreendedores são a espinha dorsal de qualquer economia, em termos de inovação, de criação de emprego, de distribuição de riqueza e de coesão económica e social

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Medida 3 - VALORIZAÇÃO DA PRODUÇÃO AGRÍCOLA Versão submetida à CE a 5 de maio de 2014 sujeita a aprovação Ação 3.1 JOVENS AGRICULTORES Nota

Leia mais

Plano Estratégico de Iniciativas à Empregabilidade Jovem e de Apoio às PME Exponor, 15 de Junho de 2012

Plano Estratégico de Iniciativas à Empregabilidade Jovem e de Apoio às PME Exponor, 15 de Junho de 2012 Plano Estratégico de Iniciativas à Empregabilidade Jovem e de Apoio às PME Exponor, 15 de Junho de 2012 Contexto: O Impulso Jovem, Plano Estratégico de Iniciativas de Promoção da Empregabilidade Jovem

Leia mais

BIOCANT PARK A NOSSA VISÃO

BIOCANT PARK A NOSSA VISÃO 01 A NOSSA VISÃO O PARQUE DE BIOTECNOLOGIA DE PORTUGAL ESTÁ A CRIAR VALOR PARA A REGIÃO E PARA O PAÍS FOMENTANDO INVESTIMENTOS E INI- CIATIVAS EMPRESARIAIS DE BASE CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA. A NOSSA VISÃO

Leia mais

adaptados às características e expectativas dos nossos Clientes, de modo a oferecer soluções adequadas às suas necessidades.

adaptados às características e expectativas dos nossos Clientes, de modo a oferecer soluções adequadas às suas necessidades. A Protteja Seguros surge da vontade de contribuir para o crescimento do mercado segurador nacional, através da inovação, da melhoria da qualidade de serviço e de uma política de crescimento sustentável.

Leia mais

Inovação e Inteligência Competitiva: Desafios para as Empresas e para a Economia Portuguesa

Inovação e Inteligência Competitiva: Desafios para as Empresas e para a Economia Portuguesa QUIDGEST Q-DAY: INOVAÇÃO CONTRA A CRISE Inovação e Inteligência Competitiva: Desafios para as Empresas e para a Economia Portuguesa André Magrinho TAGUSPARK: 09 de Setembro 2009 SUMÁRIO 1. Globalização

Leia mais

Estudo - Estratégias de Diferenciação das Principais Fileiras de Produtos Agrícolas, Agro- Alimentares de Alimentação do Vale do Ave

Estudo - Estratégias de Diferenciação das Principais Fileiras de Produtos Agrícolas, Agro- Alimentares de Alimentação do Vale do Ave Estudo - Estratégias de Diferenciação das Principais Fileiras de Produtos Agrícolas, Agro- Alimentares de Alimentação do Vale do Ave NOTAS INTRODUTÓRIAS - Objetivo do estudo: Definir estratégias de atuação

Leia mais