MARKETING SOCIAL: ESTUDO DE CASO NA COOPERATIVA DE CRÉDITO SICOOB METROPOLITANO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MARKETING SOCIAL: ESTUDO DE CASO NA COOPERATIVA DE CRÉDITO SICOOB METROPOLITANO"

Transcrição

1 JULIANE CRISTINA DURLO KAZAKEVICH MARISTELA DE CARVALHO PEREIRA OLIVEIRA MARKETING SOCIAL: ESTUDO DE CASO NA COOPERATIVA DE CRÉDITO SICOOB METROPOLITANO Maringá 2007

2 JULIANE CRISTINA DURLO KAZAKEVICH MARISTELA DE CARVALHO PEREIRA OLIVEIRA MARKETING SOCIAL: ESTUDO DE CASO NA COOPERATIVA DE CRÉDITO SICOOB METROPOLITANO Monografia apresentada no curso de Administração da Faculdade Nobel, como exigência para obtenção do título de bacharel na Área de Administração sob a orientação do Professor Especialista Luciano Ferreira. Maringá 2007

3 Professor Orientador: Luciano Ferreira Professor Ricardo Dantas Lopes Professor Wagner Cordeiro Delivio

4 Dedicamos esse trabalho primeiramente aos nossos esposos e familiares, que nos ajudaram a mais essa conquista adquirida em nossa caminhada, vista que foram os principais responsáveis, pois sempre nos apoiaram e incentivaram a alcançar nossos objetivos e a realizar nossos sonhos. Porém, uma das pessoas fundamentais para a conclusão deste trabalho, sem dúvida, foi o nosso orientador, Luciano Ferreira, que nos guiou no decorrer deste último ano, auxiliando-nos e elucidando todas as nossas dúvidas, sempre, nos indicando os caminhos a seguir.

5 Agradecemos a Deus, Pai sempre presente em todos os nossos momentos de nossas vidas. Em especial a todos os professores que com carinho e dedicação deixaram seus lares para nos passar suas experiências. Aos amigos de curso pelo apoio e companheirismo. Temos que agradecer imensamente a empresa que nos concedeu a oportunidade de desenvolver nosso trabalho, de colocar em prática nossos conhecimentos e contribuir para nossa formação profissional.

6 O caminho mais curto para se realizar as coisas é fazer uma coisa de cada vez.

7 RESUMO O presente trabalho de conclusão de curso de Administração aborda o assunto de Marketing Social, que atualmente está causando mudanças no meio empresarial. Trata-se de uma nova expectativa da sociedade em relação aos valores, às pessoas, à comunidade e ao meio ambiente. A prática do Marketing Social é positiva para os negócios, sendo por exigência de clientes, parceiros, colaboradores e outros grupos. É considerado também um diferencial de mercado, no qual os consumidores cada vez mais valorizam empresas que praticam o Marketing Social. Por isso, cada vez mais o Marketing Social torna-se não apenas uma vantagem competitiva, mas uma condição de sobrevivência no mercado. Palavras-chaves: Marketing Social, Responsabilidade Social, Sicoob Metropolitano.

8 SUMÁRIO INTRODUÇÃO OBJETIVO GERAL OBJETIVOS ESPECÍFICOS METODOLOGIA JUSTIFICATIVA ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO EMBASAMENTO TEÓRICO CONCEITO DE MARKETING E MARKETING SOCIAL O MARKETING SOCIAL NAS ORGANIZAÇÕES DE SOCIEDADE CIVIL ÉTICA, CIDADANIA CORPORATIVA E FILANTROPIA SOCIAL RESPONSABILIDADE SOCIAL Os Indicadores da Responsabilidade Social: O Balanço Social Histórico do Balanço Social Porque fazer o Balanço Social? Os Beneficiários O Modelo e o Selo do Balanço Social A RELAÇÃO ENTRE MARKETING SOCIAL E RESPONSABILIDADE SOCIAL ESTUDO DE CASO: O MARKETING SOCIAL PRATICADO PELA COOPERATIVA DE CRÉDITO SICOOB METROPOLITANO HISTÓRIA DO COOPERATIVISMO Origem História do Cooperativismo de Crédito O Cooperativismo de Crédito no Brasil Histórico da Cooperativa Sicoob Central Paraná Histórico da Cooperativa Sicoob Metropolitano INSTITUTO SICOOB PARANÁ PROJETO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Missão Objetivos Abrangência As ações sociais praticadas pelo Sicoob Metropolitano através do Instituto Sicoob PR Biblioteca Digital Comunitária Projeto Crescendo e Vivendo com o Basquete...51

9 Programa Bom Aluno Creche Menino Jesus Associação de Catadores e Agentes Ecológicos Vida e Esperança RECIMAR Basquete sobre Rodas Fundação Isis Bruder Lar Escola da Criança Instituto de Responsabilidade Social de Maringá FUNDACIM O Marketing Social praticado pelo Sicoob Metropolitano A relação entre Marketing Social e Responsabilidade Social praticados pelo Sicoob Metropolitano...64 CONCLUSÃO...65 REFERÊNCIAS...66 ANEXOS

10 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura 1- Parceiros do Projeto Biblioteca Digital Comunitária...48 Figura 2- Biblioteca Digital Comunitária...50 Figura 3- A comunidade utilizando a Biblioteca Digital Comunitária...50 Figura 4- Projeto Vivendo e Crescendo com o Basquete...51 Figura 5- Projeto Vivendo e Crescendo com o Basquete...52 Figura 6- Projeto Bom Aluno...53 Figura 7- Crianças na Creche Menino Jesus...54 Figura 8- Aulas na Creche Menino Jesus...54 Figura 9- Recimar distribuindo sacos para estimular a coleta seletiva...55 Figura 10- Basquete sobre Rodas...56 Figura 11- Logotipo da Fundação Isis Bruder...57 Figura 12- Lar Escola da Criança...58 Figura 13- Logotipo da Fundacim...59 Figura 14- Evento: II Costela ao Fogo de Chão...60 Figura 15- Evento: II Costela ao Fogo de Chão (Colaboradores e Voluntários do Sicoob Metropolitano...60 Figura 16- Evento: Arroz Carreteiro...61 Figura 17- Cartão Credicabal Paraná Instituto Sicoob PR...62 Figura 18- Banner do Instituto Sicoob PR em exposição no PAC Colombo...63 Figura 19-Lançamento da Coleção Primavera/ Verão do Shopping Atacadista Vest Sul

11 INTRODUÇÃO O tema Marketing Social passou a fazer parte das empresas nos últimos anos, sejam elas grandes ou pequenas, em todo o mundo. Com o acirramento da concorrência, o aumento do grau de instrução e a elevação da renda do consumidor, a deterioração do meio ambiente e as leis de proteção ambiental e ao consumidor, o Marketing Social apresenta-se como uma forma de adquirir vantagem competitiva. O mesmo pode ser conceituado como uma ferramenta estratégica que associa uma empresa ou marca, a uma causa social, em benefício mútuo. Hoje, a prática do Marketing Social nas empresas é vista como um fator positivo, afetando a imagem e os resultados da empresa. E ainda os consumidores cada vez mais valorizam empresas que praticam o Marketing Social. Essa valorização é demonstrada através da preferência por empresas que o praticam. Por isso, cada vez mais o Marketing Social torna-se não apenas uma vantagem competitiva, mas uma condição de sobrevivência no mercado. Mas sua aplicação demanda critério na escolha da forma a ser utilizada, bem como controle em todas as etapas do processo. Contudo, deve-se analisar cuidadosamente a campanha que a empresa irá apoiar, devendo ir de encontro aos princípios dos consumidores, pois se a empresa usar indiscriminadamente desta ferramenta poderá sofrer incriminação de postura antiética e ainda denegrir sua imagem. A realização desse trabalho tem por objetivo, mostrar como ocorre o Marketing Social, quais as formas de atuação do Marketing Social dentro da Cooperativa de Crédito Sicoob Metropolitano, e ainda porque se preocupa em ser socialmente responsável. Desenvolveu-se pesquisas bibliográficas para conceituarmos e explicarmos o tema em questão, seguido de pesquisa de campo, para justificar a ocorrência do Marketing Social ocorrido dentro da organização escolhida.

12 1.1 OBJETIVO GERAL Metropolitano. Verificar como ocorre o Marketing Social na Cooperativa de Crédito Sicoob 1.2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS o Conceituar o Marketing Social; o Mostrar a relação entre Marketing Social e Responsabilidade Social; o Mostrar as ações de Marketing Social praticadas pelo Sicoob Metropolitano; 1.3 METODOLOGIA Primeiramente será desenvolvida uma pesquisa bibliográfica sobre o tema em questão, através de livros, artigos, revistas e internet. Em seguida, será realizada uma pesquisa de campo onde se identificará a aplicação do Marketing Social na Cooperativa de Crédito Sicoob Metropolitano. 1.4 JUSTIFICATIVA Observam-se hoje muitos problemas na sociedade. A fome, a guerra, o desmatamento, a violência e ainda a grande desigualdade social. Esses problemas favorecem o aparecimento de empresas interessadas em resolvê-los. O Marketing Social é uma ferramenta poderosa utilizada na gestão empresarial e de projetos, na solução de problemas sociais, beneficiando a comunidade e proporcionando retorno para a empresa. Devido à importância do assunto para a administração, achou-se oportuno realizar este trabalho.

13 ressaltam-se as seguintes causas: Quanto à escolha da Cooperativa de Crédito Sicoob Metropolitano, o o Permitiu acesso às informações; Desenvolve projetos e programa de apoio à sociedade e ao meio ambiente. 1.5 ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO Nesta primeira parte, será apresentada a introdução, os objetivos e justificativa. O segundo capítulo será dedicado ao embasamento teórico sobre Marketing Social e assuntos relacionados como Responsabilidade Social, Ética, Cidadania Corporativa e Filantropia Social, etc. Em seguida, será descrita a História do Cooperativismo, do Cooperativismo de crédito no mundo e no Brasil, o surgimento do Sicoob Central, Sicoob Metropolitano e Instituto Sicoob PR, e as ações de Responsabilidade Social e Marketing Social da Cooperativa de Crédito Sicoob Metropolitano praticadas através do Instituto Sicoob PR. E, finalmente a conclusão, as referências e anexos.

14 2 EMBASAMENTO TEÓRICO 2.1 CONCEITO DE MARKETING E MARKETING SOCIAL Apesar de se encontrar suas origens ao longo da história, na própria constituição do comércio, o Marketing é uma área de estudo nova se comparada com os demais campos. De acordo com a Chiavenato (1997) o estudo do mercado surgiu da necessidade dos industriais de administrar a nova realidade vinda da Revolução Industrial que provocou a transformação do mercado de vendedores para o mercado dos compradores. Nesta etapa o marketing ainda é indivisível da economia e da administração, pois sua preocupação inicial era exclusivamente de logística e produtividade, para o aumento dos lucros. Os consumidores não tinham poder de barganha e praticamente não existia a concorrência. Segundo Maximiano (2002) essa realidade manteve-se até o fim da Segunda Guerra Mundial, quando houve a reação e crescimento da concorrência, então os mercadólogos começaram a criar teorias sobre como atrair e lidar com os consumidores. Nasceu então à cultura de vender a qualquer preço. As formas existentes até aquele momento baseavam-se mais na intuição do que na prática. Eram formas ingênuas ou maliciosas que estavam envolvidas as ferramentas eficientes. Maximiano (2002) diz que nos anos 40, foram desenvolvidos os primeiros estudos sobre o marketing, sobre como aplicar a psicologia na propaganda e sobre as Leis de gravitação do varejo. A questão principal era se as teorias de mercado iriam ou não se desenvolver. Afirmava-se também que seria impossível criar uma teoria mercadológica original, pois se considerava esta uma forma de arte. Ao mesmo tempo começava-se a admitir a existência de um potencial para a teoria mercadológica se tornar uma ciência.

15 Segundo a Wikipédia (2007) em 1954, pelas mãos de Peter Drucker ao lançar seu livro A Prática da Administração, o marketing é colocado como uma força poderosa a ser considerada pelos administradores. Na maioria das empresas, o marketing ocupava apenas um lugar no organograma, composto por alguns vendedores e empregados e muita vez estava subordinado a outros diretores, mas ao longo do tempo, essa função foi se abrindo progressivamente e encaixada no mesmo plano das outras direções. Pode-se ver atualmente a mesma empresa praticando diferentes tipos de marketing, que segundo Kotler e Armstrong (1998) o definem como um processo social e gerencial pelo qual indivíduos e grupos obtêm o que necessitam e desejam através da criação, oferta e troca de produtos de valor em outros. Esta definição baseia-se nos seguintes conceitos centrais: necessidades, desejos e demandas; produtos (bens e serviços); valor, custo e satisfação; troca e transações; relacionamentos e redes; mercados; e empresas e consumidores potenciais. Entende-se, então, que o principal objetivo do marketing é o desenvolvimento de trocas em que às empresas e clientes voluntariamente participam de ações focadas para trazer benefícios a ambos. Torna-se necessário compreender, planejar e controlar as trocas, através de pesquisas às necessidades da outra parte, projetando e comunicando com eficiência uma oferta, a fim de atender essas necessidades, dentro das circunstancias adequadas. É o que se pode chamar de estar no lugar certo, no tempo certo e com o produto certo. Resumindo-se em outra definição: Marketing é a análise, o planejamento, a implementação e o controle de programas cuidadosamente formulados e projetados para propiciar trocas voluntárias de valores com mercados-alvo, no propósito de atingir os objetivos organizacionais (KOTLER, 1978, p. 20).

16 As trocas são provenientes das necessidades essenciais para a sobrevivência do ser humano. As pessoas necessitam de água, alimentos, vestuário e moradia e também necessitam de lazer, educação, conforto entre outros serviços. Sendo assim, o mercado tem por objetivo criar e comercializar produtos e serviços para a satisfação dessas necessidades e desejos. Deve-se agregar a esses produtos e serviços valores, considerando sempre o custo e o grau de satisfação do consumidor. Cobra (2003) define o marketing como: O conhecimento de saber o que o mercado necessita através de informação complementar dos consumidores, para poder elaborar produtos com design diferenciados que satisfaçam os desejos dos clientes (COBRA, 2003, p. 23). Las Casas (1993) afirma que o marketing é uma área do conhecimento que envolve atividades voltadas às relações de troca, dirigidas para a satisfação dos clientes, com o intuito de alcançar objetivos de empresas ou indivíduos e levando em consideração sempre o meio ambiente e o conflito destas relações com a coletividade. Neste último conceito nota-se uma preocupação direcionada à sociedade. É uma das derivações do Marketing, o Marketing Social. De acordo com Kotler e Roberto (1992), o conceito de marketing social surgiu em 1971, para descrever os princípios e técnicas do marketing comercial para a promoção de uma causa, idéia ou comportamento. Surgiram na Grécia e Roma antigas as primeiras campanhas de Marketing social que tinham por objetivo a libertação dos escravos. Atualmente, essas campanhas têm dado mais destaque a questões ambientais, educacionais econômicas e de saúde. Logo, Kotler define o Marketing social como: O projeto, a implementação e o controle de programas que procuram aumentar a aceitação de uma idéia ou prática social num grupo alvo. Utiliza conceitos de segmentação de mercado, da pesquisa de consumidores, de configurações de idéias, de comunicação, de facilitação de incentivos e a teoria da troca a fim de maximizar a relação do grupo alvo (KOTLER, 1978, p.288).

17 Os conceitos desenvolvidos a seguir por outros autores são bastante influenciados pela definição de Kotler. Encontram-se também autores que discordam com a visão de Kotler. Isto mostra a existência de duas correntes de pensamentos: uma mais focada na ação empresarial e outra na ação das Organizações da Sociedade Civil. comercial: Araújo coloca as seguintes diferenças entre o marketing social e o marketing O Marketing social opera num ambiente bem mais complexo que o do Marketing comercial, e seus objetivos são infinitamente mais ambiciosos. Eis algumas diferenças: os produtos sociais são mais complexos que os comerciais; os produtos sociais freqüentemente são mais controversos que os comerciais; trazem menos satisfação imediata dos consumidores; normalmente, o público do Marketing social tem menos recursos que a média da população; e os programas sociais requerem resultados espetaculares (ARAUJO, 1997, p.9). Melo Neto conceitua o marketing social como: Uma modalidade de marketing promocional, que tem como objetivo divulgar as ações sociais de uma empresa de modo que ela obtenha a preferência dos consumidores, o respeito dos clientes, a admiração dos funcionários, a satisfação dos acionistas e o reconhecimento da comunidade (MELO NETO, 2000, p.35). Para Mendonça e Shommer apud Adulis (2007), o marketing social, nasceu no Brasil, para sugerir a ação empresarial na área social com o foco de atingir um diferencial competitivo, sem que essas ações tenham o objetivo de influenciar comportamento da sociedade. Para Kotler e Armstrong (1998) o termo marketing social é o esboço, a prática e o controle de programas que tem por fim fazer com que o público-alvo aceite uma idéia, causa ou ação social. Adulis define marketing social como: Um conjunto de atividades, técnicas e estratégias que são utilizadas para estimular e promover mudanças sociais, como alterações de crenças, atitudes e comportamentos. Assim, no marketing social são empregados conceitos e ferramentas originárias do marketing convencional (ADULIS, 2007).

18 Meneghetti (2001) diz que o marketing para organizações do Terceiro setor e marketing social são parecidos quando se dirigem ao planejamento detalhado de programas e projetos sociais. Porém, a autora pergunta por que usar conceitos do mundo dos negócios? Como aplicar as mesmas técnicas de marketing à gestão das organizações do Terceiro setor? seguinte idéia: Adulis menciona que no Socialtec (Fórum de Marketing Social) depara-se a O Marketing social é a gestão estratégica do processo de inovações sociais a partir da adoção de comportamentos, atitudes e práticas individuais e coletivas, orientadas por preceitos éticos, fundamentados nos direitos humanos e na equidade social. O termo é empregado para descrever o uso sistemático de princípios e técnicas orientadas para promover aceitação de uma causa ou idéia. Tem como objetivo principal transformar a maneira pela qual um determinado público-adotante percebe uma questão social e promover mudanças comportamentais visando melhorar a qualidade de vida de um segmento populacional (ADULIS, 2007). Estas considerações são influenciadas pela definição de Kotler que destaca o marketing social no uso de suas ferramentas para mudanças comportamentais na sociedade. Andreasen conceitua o marketing social e o distingue do marketing comercial: O marketing social difere do marketing comercial em pelo menos dois aspectos importantes: primeiro, a meta do marketing social é o bem (bem estar) individual ou social, não simplesmente a satisfação individual; segundo, a finalidade a ser alcançada pelo marketing social é algo que aqueles que vivenciam o problema social não precisam eles mesmos identificar como um problema social [...] (ANDREASEN, 2002, p ). A análise destes conceitos mostra a diferença de entendimentos sobre o marketing social. Percebem-se duas correntes diferentes de idéia: uma direcionada às práticas empresariais e outra na mudança comportamental, papel exercido pelas Organizações da Sociedade Civil. E além de se falar em marketing social passa a existir também outras opiniões que se confundem com esta, como os conceitos de marketing para causas sociais. sociais: Pringle e Thompson apresentam o conceito de marketing para causas Marketing de causas sociais é uma forma efetiva de melhorar a imagem corporativa, diferenciando produtos e aumentando tanto as vendas quanto a fidelidade. [...] É o esforço que as empresas fazem para associar suas

19 atividades diretamente ou em parceria com instituições de caridade a uma causa social aprovada por grande parte da sociedade e, portanto, dos consumidores (PRINGLE E THOMPSON, 2000, p.3). Para Pringle e Thompson (2000) a lealdade do cliente não pode ser comprada, ela deve ser conquistada. Para isso, em oposição ao simples suborno, exigem-se valores superiores das marcas. Isto reivindica uma parceria com transparência e com o objetivo de assumir um acordo de longo prazo entre empresas e Organizações do Terceiro Setor. Adulis fala do marketing para causas sociais, que é confundido com o de marketing social e menciona suas principais diferenças: benefícios para as Organizações: Uma organização agrega uma causa, como combate ao trabalho infantil ou a preservação ambiental, aos processos de produção, promoção e vendas de seus produtos e serviços. Neste caso, a empresa vincula seu produto ou sua imagem institucional a uma determinada causa, seja ela social ou não, com o objetivo de atrair ou conquistar a fidelidade de seus consumidores por afinidades. [...] No caso do marketing social, como explorado em diversas publicações em todo o mundo, o principal impacto será a transformação da sociedade, na qual a empresa ou a instituição está inserida. Já no caso do marketing para causas sociais, retornos financeiros ou de imagens, diretamente voltados para a empresa ou instituição, serão mais evidentes (ADULIS, 2007). Camargo et al definem o marketing de causa relacionada e descreve seus A estratégia de marketing de causa relacionada é uma atividade estabelecida para alcançar dois objetivos: incrementar as vendas e ajudas às causas sociais. As ações do marketing de causa relacionada têm origem em fatores do ambiente de negócios da empresa que levaram os profissionais de marketing a repensar seu relacionamento com a comunidade. [...] O marketing de causa relacionada pode fazer clientes trocarem de marca para apoiar uma causa pela qual se interessam. Programas de marketing de causa relacionada de longa duração acabam por gerar a associação da corporação com a causa, os produtos e serviços das empresas são vistos como uma oportunidade para os consumidores apoiarem a causa social por meio de uso ou compra (CAMARGO et al 2001, p. 102). Para Camargo et al (2001) o marketing de causa relacionada está, focado nas empresas, uma vez que estas podem usar esta estratégia para expandir suas vendas e colaborar para uma causa social. Porém, pode-se afirmar também que, direta ou

20 indiretamente, o marketing de causa relacionada, e seus instrumentos, contribuem também para mobilizar recursos das Organizações da Sociedade Civil. Referente à aplicabilidade do conceito de marketing social Adulis apud Baker (2007) afirma que ele deve se distinguir do marketing sem fins lucrativos, que se preocupa com o gerenciamento do marketing de instituições ou organizações sem fins lucrativos. Porém, ao observar a prática e outros conceitos percebe-se que esta diferenciação não é feita. Um exemplo disso são ações para fortalecer a sustentabilidade financeira das Organizações da Sociedade Civil através de programas de doação, que se utiliza de diversas ferramentas do marketing social. Para que as organizações viabilizem seus projetos é necessária à obtenção de recursos. Se as pessoas se dedicarem a uma causa, seja através de ações voluntário ou cedendo uma pequena parcela dos seus recursos as entidades que elas acreditam, teremos entidades legitimas e representantes de uma sociedade ativa. Para a ação contínua de uma sociedade a favor de uma causa é extremamente imprescindível a participação da sociedade, pois uma organização não tem sua existência legitimada se apenas alguns cidadãos defenderem sua causa. Quanto mais pessoas estiverem envolvidas, mais apoio ela terá, mais idéias serão geradas, mais recursos serão obtidos, resultando em melhores serviços e em uma causa social mais forte e concreta. 2.2 O MARKETING SOCIAL NAS ORGANIZAÇÕES DA SOCIEDADE CIVIL Considerando o conceito de Kotler (1978), como base para o que foca o marketing social como projeto, a implementação e o controle de programas que procuram aumentar a aceitação de uma idéia ou prática social num grupo alvo, parte-se para agrupar quais elementos do marketing social podem colaborar efetivamente para as Organizações da Sociedade Civil.

21 Percebe-se o desenvolvimento do conceito de sustentabilidade dentro das Organizações da Sociedade Civil, passando de um problema financeiro para um problema que envolve também uma dimensão técnica e uma dimensão política. Segundo Camargo et al (2001) no que se refere à dimensão financeira da sustentabilidade usa-se algumas ferramentas do marketing para suavizar as dificuldades encontradas pelas Organizações com a sua captação de recursos, sendo assim, eles adequam o mix de marketing (produto, preço, comunicação e distribuição) à realidade das empresas, com o intuito de criar condições favoráveis para que as iniciativas das Organizações sejam confiáveis para as empresas, para o Estado, entre outros. De acordo com Camargo et al (2001) os aspectos técnicos e políticos da sustentabilidade das Organizações da Sociedade Civil são bastante didáticos e contribuem para dirigir a aplicação prática das ferramentas de marketing social nas Organizações. Segundo Kotler e Roberto (1992), há cinco estratégias de mudança social que são elas: a tecnológica, a econômica, a político-legal, a educacional e o Marketing social que é uma estratégia de mudança de comportamento. A última estratégia combina os melhores elementos das abordagens tradicionais de mudança social num diagrama integrado de planejamento e ação e utiliza os avanços na tecnologia das comunicações e na capacidade de marketing. Kotler e Roberto (1992) conceituam as campanhas de mudança social como um esforço organizado, realizado por um grupo, com o objetivo de convencer terceiros a aceitar, mudar ou ceder a certas idéias, atitudes, práticas e comportamentos. Kotler (1978) diz que há quatro tipos de mudanças ou causas sociais e seus graus de dificuldades e suas possibilidades de acontecer:

22 Mudança cognitiva: são as campanhas de informações ou educação pública. São consideradas fáceis, pois não tem como objetivo modificar atitudes ou comportamentos enraizados; Mudança de ação: elas têm como objetivo tentar fazer com que o máximo de pessoas possível pratique uma ação específica. São consideradas mais difíceis que a anterior, pois as pessoas terão que aprender uma coisa nova e desempenhar uma ação com base no novo aprendizado; Mudança de comportamento: são as que levam ou ajudam as pessoas a mudar algum comportamento. Estas são mais difíceis que as anteriores, pois a pessoa deve estar consciente das conseqüências prejudiciais de seus hábitos de consumo e não há uma ação que ele possa adotar para terminar com os impulsos a que ele está sujeito; Mudança de valor: buscam alterar intensamente as crenças ou valores que um grupo tem em relação a alguns objetos ou posição. É considerada a mais difícil, pois o sentido de identidade e bem-estar de um indivíduo está radicado em seus valores principais. Kotler e Roberto (1992) definem as principais causas para o fracasso de campanhas de informação: Há grupos de ignorantes crônicos que não conseguem ser alcançados por elas; Se poucas pessoas estão interessadas, poucas reagirão; As pessoas tendem a evitar informações desagradáveis; As pessoas interpretam de forma diferentes as informações que recebem, dependendo de suas crenças e valores. Kotler e Roberto (1992) concluem que, o uso da comunicação de massa para modificar a conduta do público foi restringido e defendem que influências interpessoais e contatos pessoais são as alternativas mais eficazes para incitar as pessoas a terem hábitos mais

23 saudáveis. E ainda defendem que as condições necessárias para o sucesso de uma campanha de informação de massa são: adversas; Monopolização: presume o monopólio da mídia, sem mensagens Canalização: prevê que é mais fácil canalizar atitudes e condutas já existentes numa outra direção do que a criação de novas atitudes e pregar novas condutas; Suplementação: comprova que os esforços de comunicação de massa têm mais oportunidade de dar certo se forem complementados pela comunicação direta. mudanças aconteçam na sociedade: Kotler esclarece qual a importância do marketing social para que algumas O Marketing social visa produzir um plano ótimo para proporcionar uma mudança social desejada. O fato de o plano ser ótimo, no entanto, não garantirá que a mudança-alvo será atingida. Dependerá de quanto fácil ou difícil seja a mudança social alvo. Sem o Marketing Social, poderá acontecer que a mudança social desejada tenha somente dez por cento de possibilidade de ser alcançada; o melhor plano de Marketing Social poderá aumentar essa possibilidade a quinze por cento. Em outras palavras, algumas mudanças sociais são relativamente fáceis de acontecer, mesmo sem o marketing social; outras são extremamente difíceis de acontecer, mesmo com o Marketing social (KOTLER, 1978, p. 293). O Marketing Social é uma ferramenta poderosa para solucionar problemas sociais e ainda representa uma grande oportunidade para as organizações passarem a um patamar mais alto, no qual os consumidores passam a encarar esse trabalho como uma forma de compromisso que a empresa tem com a sociedade, proporcionando maior retorno para a empresa. Atualmente, a prática do Marketing Social nas empresas é vista como um fator positivo, afetando a imagem e os resultados da empresa. E ainda os consumidores cada vez mais valorizam empresas que praticam o Marketing Social. E essa valorização é

24 demonstrada através da preferência por empresas que o praticam. Por isso, cada vez mais o Marketing Social torna-se não apenas uma vantagem competitiva, mas uma condição de sobrevivência no mercado. Para Meneghetti (2001), embora a cultura de marketing social nas organizações seja um ação recente e em cabal construção, ainda vigora a visão de que, se os serviços prestados pelas Organizações são verdadeiramente necessários e desejados, não é necessário esforçar-se para vendê-los porque se vendem sozinhos. Uma outra censura a esta nova moda é de que o marketing social é oposto às abordagens de comunicação que fortalecem os mecanismos de participação comunitária. Meneghetti (2001) define ainda as principais contribuições do marketing para a gestão de uma Organização são: Visão estratégica, ou seja, de fora para dentro; Planejamento das atividades análise de pontos fortes e fracos; Conceito de posicionamento; Busca de relacionamentos mais sólidos e duradouros com os públicos estratégicos, ou seja, estabelecimento de trocas; Foco no cliente; Maior controle e monitoramento do processo de comunicação; Racionalização de recursos. Na extensão política da sustentabilidade das Organizações da Sociedade Civil, vale enfatizar um outro subsídio exposto por Baker apud Adulis (2007) que destaca que o marketing social tem muito a proporcionar também não somente influenciando o comportamento individual do cidadão, mas também dos responsáveis pelas políticas e de grupos de interesse influentes. Camargo et al (2001) percebe na apreciação dos diversos conceitos apontados no trabalho que ainda não existe um consenso sobre o conceito de marketing social.

POLÍTICA CORPORATIVA Código PC.00.001. PRESIDÊNCIA Revisão 00

POLÍTICA CORPORATIVA Código PC.00.001. PRESIDÊNCIA Revisão 00 Páginas 1/8 1. OBJETIVO O Código de Ética é um conjunto de diretrizes e regras de atuação, que define como os empregados e contratados da AQCES devem agir em diferentes situações no que diz respeito à

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL

RESPONSABILIDADE SOCIAL RESPONSABILIDADE SOCIAL Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares TODO COMPORTAMENTO TEM SUAS RAZÕES. A ÉTICA É SIMPLESMENTE A RAZÃO MAIOR DAVID HUME DEFINIÇÕES

Leia mais

PROGRAMA DE ADOÇÃO DE PRINCÍPIOS SOCIOAMBIENTAIS

PROGRAMA DE ADOÇÃO DE PRINCÍPIOS SOCIOAMBIENTAIS A Copagaz A Copagaz, primeira empresa do Grupo Zahran, iniciou suas atividades em 1955 distribuindo uma tonelada de Gás Liquefeito de Petróleo - GLP por dia nos estados de São Paulo, Mato Grosso e Mato

Leia mais

Profa. Cláudia Palladino. Unidade I RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS

Profa. Cláudia Palladino. Unidade I RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS Profa. Cláudia Palladino Unidade I RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS ORGANIZAÇÕES Antes de falarmos sobre RSE Ambiente das empresas: Incertezas Pressões das partes interessadas em: desempenho global que promova

Leia mais

CONTABILIDADE SOCIAL: O BALANÇO SOCIAL EVIDENCIANDO A RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS ORGANIZAÇÕES.

CONTABILIDADE SOCIAL: O BALANÇO SOCIAL EVIDENCIANDO A RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS ORGANIZAÇÕES. Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 417 CONTABILIDADE SOCIAL: O BALANÇO SOCIAL EVIDENCIANDO A RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS ORGANIZAÇÕES. Alice da Silva

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL NO CENÁRIO EMPRESARIAL ¹ JACKSON SANTOS ²

RESPONSABILIDADE SOCIAL NO CENÁRIO EMPRESARIAL ¹ JACKSON SANTOS ² RESPONSABILIDADE SOCIAL NO CENÁRIO EMPRESARIAL ¹ JACKSON SANTOS ² A Responsabilidade Social tem sido considerada, entre muitos autores, como tema de relevância crescente na formulação de estratégias empresarias

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL. Roberta Dalvo

RESPONSABILIDADE SOCIAL. Roberta Dalvo RESPONSABILIDADE SOCIAL Roberta Dalvo Objetivo: Histórico e definições Panorama Social Oportunidades para as empresas (Vantagem Competitiva) Pesquisa realizada pelo Instituto Ethos/Valor Casos de sucesso

Leia mais

APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES

APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES 2º. Bimestre Capítulos: I Ética: noções e conceitos básicos II Processo de Decisão Ética III - Responsabilidade Social Apostila elaborada pela Profa. Ana

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES):

Leia mais

Programa de Capacitação em Gestão da Responsabilidade Social Empresarial e Desenvolvimento PETROBRÁS

Programa de Capacitação em Gestão da Responsabilidade Social Empresarial e Desenvolvimento PETROBRÁS Programa de Capacitação em Gestão da Responsabilidade Social Empresarial e Desenvolvimento PETROBRÁS OFICINA 2 Professora: Izabel Portela izabel@institutoiris.org.br Novembro - 2007 1 M A R K E T I N G

Leia mais

XXXII Congresso da Sociedade Brasileira de Medicina Farmacêutica

XXXII Congresso da Sociedade Brasileira de Medicina Farmacêutica XXXII Congresso da Sociedade Brasileira de Medicina Farmacêutica Mesa-Redonda: Responsabilidade Social Empresarial 23-24 de Novembro de 2006 Mário Páscoa (Wyeth/ Painel Febrafarma) E-mail: pascoam@hotmail.com

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA. Introdução. Código de Ética. Nossos Valores na prática.

CÓDIGO DE ÉTICA. Introdução. Código de Ética. Nossos Valores na prática. CÓDIGO DE ÉTICA Introdução Nossos Valores Artigo 1º Premissa Artigo 2º Objetivos e Valores Artigo 3º Sistema de Controle Interno Artigo 4º Relação com os Stakeholders / Partes Interessadas 4.1 Acionistas

Leia mais

Aliança do Brasil. É assim que a gente faz. Código de Conduta Ética

Aliança do Brasil. É assim que a gente faz. Código de Conduta Ética Aliança do Brasil. É assim que a gente faz. Código de Conduta Ética SUMÁRIO CONCEITO OBJETIVO ABRANGÊNCIA PRINCÍPIOS DE RELACIONAMENTOS CONFLITOS DE INTERESSE CONFIDENCIALIDADE DAS INFORMAÇÕES PRESERVAÇÃO

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Política de Sustentabilidade Sul Mineira 1 Índice Política de Sustentabilidade Unimed Sul Mineira Mas o que é Responsabilidade Social? Premissas Básicas Objetivos da Unimed Sul Mineira Para a Saúde Ambiental

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

Modelo para elaboração do Plano de Negócios

Modelo para elaboração do Plano de Negócios Modelo para elaboração do Plano de Negócios 1- SUMÁRIO EXECUTIVO -Apesar de este tópico aparecer em primeiro lugar no Plano de Negócio, deverá ser escrito por último, pois constitui um resumo geral do

Leia mais

Glossário do Investimento Social*

Glossário do Investimento Social* Glossário do Investimento Social* O IDIS Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social é uma organização da sociedade civil de interesse público, que tem como missão promover e estruturar o investimento

Leia mais

Questionário para Instituidoras

Questionário para Instituidoras Parte 1 - Identificação da Instituidora Base: Quando não houver orientação em contrário, a data-base é 31 de Dezembro, 2007. Dados Gerais Nome da instituidora: CNPJ: Endereço da sede: Cidade: Estado: Site:

Leia mais

Valores Pessoas; Trabalho em Equipe; Conduta Ética; Orientação ao Cliente; Orientação a Resultados; Inovação; e Comunidade e Meio Ambiente.

Valores Pessoas; Trabalho em Equipe; Conduta Ética; Orientação ao Cliente; Orientação a Resultados; Inovação; e Comunidade e Meio Ambiente. CÓDIGO DE ÉTICA EMPRESARIAL 1 INTRODUÇÃO O Código de Ética Empresarial da COELCE, apresenta os princípios direcionadores das políticas adotadas pela empresa e que norteiam as ações e relações com suas

Leia mais

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades;

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades; POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE OBJETIVO Esta Política tem como objetivos: - Apresentar as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente as inovações

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

Código de Conduta Ética

Código de Conduta Ética Código de Conduta Ética MENSAGEM DA DIRETORIA A todos os dirigentes e empregados A Companhia de Seguros Aliança do Brasil acredita no Respeito aos princípios éticos e à transparência de conduta com as

Leia mais

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro.

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. PLANO DE MARKETING Andréa Monticelli Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. 1. CONCEITO Marketing é

Leia mais

Marketing de Causas Sociais

Marketing de Causas Sociais Marketing de Causas Sociais Denilson Motta denilson.motta@yahoo.com.br AEDB Lúcia Maria Aparecido Vieira lucivie3@hotmail.com UBM Vanderléia Duarte potter_van@yahoo.com.br AEDB Rayanna Mattos Viana rayannamviana@gmail.com

Leia mais

DIRECIONADORES DA AÇÃO EMPRESARIAL

DIRECIONADORES DA AÇÃO EMPRESARIAL DIRECIONADORES DA AÇÃO EMPRESARIAL Na ASBRASIL, já foram estabelecidas as direções básicas da ação empresarial, conforme estabelecido em nosso plano de negócios que deseja se consolidar em uma cultura

Leia mais

Profa. Ligia Vianna. Unidade II PRINCÍPIOS BÁSICOS DA

Profa. Ligia Vianna. Unidade II PRINCÍPIOS BÁSICOS DA Profa. Ligia Vianna Unidade II PRINCÍPIOS BÁSICOS DA ADMINISTRAÇÃO Num passado não muito distante, a ordem sociopolítica compreendia apenas dois setores, ou seja, um público e outro privado. Esses setores

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO * César Raeder Este artigo é uma revisão de literatura que aborda questões relativas ao papel do administrador frente à tecnologia da informação (TI) e sua

Leia mais

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes Unidade IV Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas Prof a. Daniela Menezes Tipos de Mercado Os mercados podem ser divididos em mercado de consumo e mercado organizacional. Mercado de consumo: o consumidor

Leia mais

visão, missão e visão valores corporativos Ser uma empresa siderúrgica internacional, de classe mundial.

visão, missão e visão valores corporativos Ser uma empresa siderúrgica internacional, de classe mundial. visão, missão e valores corporativos visão Ser uma empresa siderúrgica internacional, de classe mundial. MISSÃO O Grupo Gerdau é uma Organização empresarial focada em siderurgia, com a missão de satisfazer

Leia mais

CONSULTOR CARLOS MARTINS AÇAO EM MARKETING

CONSULTOR CARLOS MARTINS AÇAO EM MARKETING CONSULTOR CARLOS MARTINS CRIA - AÇAO EM MARKETING SUA EMPRESA Copyright Consultor Carlos Martins - Todos os direitos reservados wwwcarlosmartinscombr - consultor@carlosmartinscombr Como conquistar Clientes

Leia mais

Prefeitura Municipal de Botucatu

Prefeitura Municipal de Botucatu I- Identificação: Projeto Empresa Solidária II- Apresentação : O Fundo Social de Solidariedade é um organismo da administração municipal, ligado ao gabinete do prefeito, que atua em diversos segmentos

Leia mais

Francisco Chaves, Presidente Ibolyka Elizabeth, Diretora Executiva. www.iaap.org.br Lorena-SP

Francisco Chaves, Presidente Ibolyka Elizabeth, Diretora Executiva. www.iaap.org.br Lorena-SP Diretoria Francisco Chaves, Presidente Ibolyka Elizabeth, Diretora Executiva. www.iaap.org.br Lorena-SP O Terceiro Setor no Brasil Sumário: Histórico e Legislação Bandeira: a figura da Filantropia (do

Leia mais

Rafael Vargas Presidente da SBEP.RO Gestor de Projetos Sociais do Instituto Ágora Secretário do Terceiro Setor da UGT.RO

Rafael Vargas Presidente da SBEP.RO Gestor de Projetos Sociais do Instituto Ágora Secretário do Terceiro Setor da UGT.RO Abril/2014 Porto Velho/Rondônia Rafael Vargas Presidente da SBEP.RO Gestor de Projetos Sociais do Instituto Ágora Secretário do Terceiro Setor da UGT.RO Terceiro Setor É uma terminologia sociológica que

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

POLíTICA DE PATROCíNIOS E DOAÇÕES VOLVO DO BRASIL

POLíTICA DE PATROCíNIOS E DOAÇÕES VOLVO DO BRASIL POLíTICA DE PATROCíNIOS E DOAÇÕES VOLVO DO BRASIL índice APRESENTAÇÃO...3 POLíTICA DE PATROCíNIOS DA VOLVO DO BRASIL...3 1. Objetivos dos Patrocínios...3 2. A Volvo como Patrocinadora...3 3. Foco de Atuação...4

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL Introdução A partir da década de 90 as transformações ocorridas nos aspectos: econômico, político, social, cultural,

Leia mais

Administração Financeira

Administração Financeira Prof. Fabini Hoelz Bargas Alvarez O que são finanças? Finanças é a arte e a ciência de gestão do dinheiro; Imprescindível, pois todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam dinheiro; A teoria

Leia mais

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável Felipe de Oliveira Fernandes Vivemos em um mundo que está constantemente se modificando. O desenvolvimento de novas tecnologias

Leia mais

Identidade Organizacional. Prezado,

Identidade Organizacional. Prezado, Prezado, Apresentamos a todos os colaboradores, o Código de Conduta da Bolt Transportes, que foi minuciosamente elaborado de acordo com os valores que acreditamos ser essenciais para o um bom relacionamento

Leia mais

CARTA DE OTTAWA. PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986

CARTA DE OTTAWA. PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986 CARTA DE OTTAWA PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986 A Primeira Conferência Internacional sobre Promoção da Saúde, realizada em Ottawa, Canadá, em novembro

Leia mais

Responsabilidade Social

Responsabilidade Social Responsabilidade Social Profa. Felicia Alejandrina Urbina Ponce A questão principal é debater: o que torna uma empresa socialmente responsável? É o fato de ela ser ética? Ou fi lantrópica? Ou porque ela

Leia mais

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE 1. OBJETIVO E ABRANGÊNCIA Esta Política tem como objetivos: Apresentar de forma transparente os princípios e as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e direcionam

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL E VOLUNTARIADO EMPRESARIAL. A contribuição do trabalho voluntário na Responsabilidade Social

RESPONSABILIDADE SOCIAL E VOLUNTARIADO EMPRESARIAL. A contribuição do trabalho voluntário na Responsabilidade Social RESPONSABILIDADE SOCIAL E VOLUNTARIADO EMPRESARIAL A contribuição do trabalho voluntário na Responsabilidade Social Ana Paula P. Mohr Universidade do Vale do Rio dos Sinos ana.mohr@gerdau.com.br INTRODUÇÃO

Leia mais

FDC E SUA RESPONSABILIDADE COMO UMA ESCOLA DE NEGÓCIOS

FDC E SUA RESPONSABILIDADE COMO UMA ESCOLA DE NEGÓCIOS FDC E SUA RESPONSABILIDADE COMO UMA ESCOLA DE NEGÓCIOS IV CONFERÊNCIA INTERAMERICANA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL RIAL Cláudio Boechat Fundação Dom Cabral 12 DE DEZEMBRO, 2006 F U N D A Ç Ã O

Leia mais

INESUL / FAEC FACULDADE EDUCACIONAL DE COLOMBO. Programa de Responsabilidade Social

INESUL / FAEC FACULDADE EDUCACIONAL DE COLOMBO. Programa de Responsabilidade Social INESUL / FAEC FACULDADE EDUCACIONAL DE COLOMBO Programa de Responsabilidade Social APRESENTAÇÃO 2 O equilíbrio de uma sociedade em última instância, é formada pelo tripé: governo, família e empresa. Esperar

Leia mais

NORMAS DE CONDUTA. Apresentação

NORMAS DE CONDUTA. Apresentação NORMAS DE CONDUTA Apresentação Adequando-se às melhores práticas de Governança Corporativa, a TITO está definindo e formalizando as suas normas de conduta ( Normas ). Estas estabelecem as relações, comportamentos

Leia mais

Redes sociais no Terceiro Setor

Redes sociais no Terceiro Setor Redes sociais no Terceiro Setor Prof. Reginaldo Braga Lucas 2º semestre de 2010 Constituição de redes organizacionais Transformações organizacionais Desenvolvimento das organizações articuladas em redes

Leia mais

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO 1 BUSINESS GAME UGB Eduardo de Oliveira Ormond Especialista em Gestão Empresarial Flávio Pires Especialista em Gerencia Avançada de Projetos Luís Cláudio Duarte Especialista em Estratégias de Gestão Marcelo

Leia mais

Gestão de Negócios. Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING

Gestão de Negócios. Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING Gestão de Negócios Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING 3.1- CONCEITOS DE MARKETING Para a American Marketing Association: Marketing é uma função organizacional e um Marketing é uma função organizacional

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO

EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO Odilio Sepulcri odilio@emater.pr.gov.br www.odiliosepulcri.com.br www.emater.pr.gov.br Telefone: (41) 3250-2252 ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO 1. Perfil para empreender

Leia mais

Cidadania Global na HP

Cidadania Global na HP Cidadania Global na HP Mensagem abrangente Com o alcance global da HP, vem sua responsabilidade global. Levamos a sério nossa função como ativo econômico, intelectual e social para as Comunidades em que

Leia mais

Princípios de Ética no Grupo DB

Princípios de Ética no Grupo DB Princípios de Ética no Grupo DB Código de conduta Objetivo do código de conduta Estipulamos com valor vinculativo os nossos padrões e as expectativas relativas aos nossos negócios diários. Para todos os

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA ESTRATÉGIA NA INTEGRAÇÃO DAS AÇÕES DE SUSTENTABILIDADE

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA ESTRATÉGIA NA INTEGRAÇÃO DAS AÇÕES DE SUSTENTABILIDADE Revista Ceciliana Jun 5(1): 1-6, 2013 ISSN 2175-7224 - 2013/2014 - Universidade Santa Cecília Disponível online em http://www.unisanta.br/revistaceciliana EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA

Leia mais

Código de Ética e Conduta Lojas Renner

Código de Ética e Conduta Lojas Renner Código de Ética e Conduta Lojas Renner Junho de 2008 Introdução Carta do Presidente Código de Ética: Valores e Princípios Empresariais Código de Conduta: Colaboradores Fornecedores Clientes Comunidade

Leia mais

Aula 7: TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO

Aula 7: TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO Aula 7: TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO OBJETIVOS Definir com maior precisão o que é marketing; Demonstrar as diferenças existentes entre marketing externo, marketing interno e marketing de treinamento;

Leia mais

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Responsabilidade Social das Faculdades Integradas Ipitanga (PRS- FACIIP) é construído a partir

Leia mais

Gestão Ambiental e Responsabilidade Social. Responsabilidade Social Empresarial. Aula 6. Contextualização. Definições, Conceitos e Terminologia

Gestão Ambiental e Responsabilidade Social. Responsabilidade Social Empresarial. Aula 6. Contextualização. Definições, Conceitos e Terminologia Gestão Ambiental e Responsabilidade Social Aula 6 Responsabilidade Social Empresarial Prof. Esp. Felipe Luiz Contextualização Instrumentalização Definições, Conceitos e Terminologia Responsabilidade obrigação

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR PROJETO INTEGRADOR 1. INTRODUÇÃO Conforme as diretrizes do Projeto Pedagógico dos Cursos Superiores de Tecnologia da Faculdade Unida de Suzano

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Projeto de Implantação e Implementação da Responsabilidade Socioambiental na Indústria

Mostra de Projetos 2011. Projeto de Implantação e Implementação da Responsabilidade Socioambiental na Indústria Mostra de Projetos 2011 Projeto de Implantação e Implementação da Responsabilidade Socioambiental na Indústria Mostra Local de: Umuarama Categoria do projeto: I - Projetos em implantação, com resultados

Leia mais

Unidade III ESPECIALIZAÇÕES. Profa. Cláudia Palladino

Unidade III ESPECIALIZAÇÕES. Profa. Cláudia Palladino Unidade III ESPECIALIZAÇÕES DO MARKETING Profa. Cláudia Palladino Marketing social Atuação das empresas hoje e a Responsabilidade social: Obtenção de insumos e processamento de matéria prima de maneira

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 1. Palestras informativas O que é ser voluntário Objetivo: O voluntariado hoje, mais do que nunca, pressupõe responsabilidade e comprometimento e para que se alcancem os resultados

Leia mais

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex...

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... (/artigos /carreira/comopermanecercalmosob-pressao /89522/) Carreira Como permanecer calmo sob pressão (/artigos/carreira/como-permanecer-calmosob-pressao/89522/)

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

Planejamento Estratégico para Escritórios de Advocacia ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 1º SEMESTRE DE 2012

Planejamento Estratégico para Escritórios de Advocacia ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 1º SEMESTRE DE 2012 Planejamento Estratégico para Escritórios de Advocacia ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 1º SEMESTRE DE 2012 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS A Fundação Getulio Vargas (FGV) deu início a

Leia mais

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente A Importância do Marketing nos Serviços da Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente Hellen Souza¹ Universidade do Vale do Rio dos Sinos UNISINOS RESUMO Este artigo aborda a importância

Leia mais

Identificação, classificação e análise dos públicos de uma organização do Terceiro Setor 1. Introdução

Identificação, classificação e análise dos públicos de uma organização do Terceiro Setor 1. Introdução Identificação, classificação e análise dos públicos de uma organização do Terceiro Setor 1 Marcello Chamusca 2 Márcia Carvalhal 3 Resumo Este artigo pretende introduzir o estudante de relações públicas,

Leia mais

UIPES/ORLA Sub-Região Brasil

UIPES/ORLA Sub-Região Brasil 1 A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO MUNDO GLOBALIZADO 1 Introdução Área de atuação. A Carta de Bangkok (CB) identifica ações, compromissos e garantias requeridos para atingir os determinantes

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE MARKETING

GESTÃO ESTRATÉGICA DE MARKETING GESTÃO ESTRATÉGICA DE MARKETING PÓS-GRADUAÇÃO / FIB-2009 Prof. Paulo Neto O QUE É MARKETING? Marketing: palavra em inglês derivada de market que significa: mercado. Entende-se que a empresa que pratica

Leia mais

ABM BLUE CONVÊNIO E PUBLICIDADE - LTDA CNPJ: 22.153.768/0001-38 Endereço: Rua C-5, lote 09, sala 101, Taguatinga - Centro Brasília / Distrito Federal

ABM BLUE CONVÊNIO E PUBLICIDADE - LTDA CNPJ: 22.153.768/0001-38 Endereço: Rua C-5, lote 09, sala 101, Taguatinga - Centro Brasília / Distrito Federal Sumário A. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA... 3 1. Sobre Nós... 3 1.1. - Missão... 3 1.2. - Visão... 3 1.3. - Valores... 3 2. Serviços... 4 2.1. Das atividades da BLUE CONVÊNIO: seus objetivos e finalidade...

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

A história do Balanço Social

A história do Balanço Social C A P Í T U L O 1 A história do Balanço Social D esde o início do século XX registram-se manifestações a favor de ações sociais por parte de empresas. Contudo, foi somente a partir da década de 1960, nos

Leia mais

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional Carlos Henrique Cangussu Discente do 3º ano do curso de Administração FITL/AEMS Marcelo da Silva Silvestre Discente do 3º ano do

Leia mais

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL. 02/01/2013 rev. 00

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL. 02/01/2013 rev. 00 APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL 02/01/2013 rev. 00 PAUTA INSTITUCIONAL Sobre a Harpia OUTRAS INFORMAÇÕES Clientes Parceiros SERVIÇOS Responsabilidade Social Consultoria & Gestão Empresarial Planejamento Estratégico

Leia mais

Missão, Visão e Valores

Missão, Visão e Valores , Visão e Valores Disciplina: Planejamento Estratégico Página: 1 Aula: 12 Introdução Página: 2 A primeira etapa no Planejamento Estratégico é estabelecer missão, visão e valores para a Organização; As

Leia mais

Comunicação Institucional Visão de Futuro

Comunicação Institucional Visão de Futuro Comunicação Institucional Visão de Futuro Organograma Presidente Comunicação Institucional Assistente Imagem Corporativa e Marcas Comitê Estratégico Imprensa Planejamento e Gestão Atendimento e Articulação

Leia mais

4º Período Ciências Contábeis Aulas 03 e 04 11.02.2014 Semana 2. Contabilidade e Responsabilidade Socioambiental

4º Período Ciências Contábeis Aulas 03 e 04 11.02.2014 Semana 2. Contabilidade e Responsabilidade Socioambiental 4º Período Ciências Contábeis Aulas 03 e 04 11.02.2014 Semana 2 Contabilidade e Responsabilidade Socioambiental 1 RESPONSABILIDADE SOCIAL: conceitos e importância Responsabilidade trata-se do cargo ou

Leia mais

GESTÃO DE PESSOAS E RESPONSABILIDADE SOCIAL: CRIANDO VALOR PARA. Profa. MARIA ELIZABETH PUPE JOHANN

GESTÃO DE PESSOAS E RESPONSABILIDADE SOCIAL: CRIANDO VALOR PARA. Profa. MARIA ELIZABETH PUPE JOHANN GESTÃO DE PESSOAS E RESPONSABILIDADE SOCIAL: CRIANDO VALOR PARA O NEGÓCIO Profa. MARIA ELIZABETH PUPE JOHANN Maio de 2007 LEMBRANDO ESTRATÉGIAS... APARENTE PARADOXO: POR QUE A RICA SOCIEDADE AMERICANA

Leia mais

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING Sumário Parte um Conceitos e tarefas da administração de marketing CAPITULO I MARKETING PARA 0 SÉCULO XXI A importância do marketing O escopo do marketing 0 que é marketing? Troca e transações A que se

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E RESPONSABILIDADE SOCIAL Laboratório Weinmann Ltda.

CÓDIGO DE ÉTICA E RESPONSABILIDADE SOCIAL Laboratório Weinmann Ltda. CÓDIGO DE ÉTICA E RESPONSABILIDADE SOCIAL Laboratório Weinmann Ltda. 1 Objetivo Descrever e comunicar os princípios que norteiam o relacionamento do Laboratório Weinmann Ltda. com as suas partes interessadas

Leia mais

LEI Nº 4.791 DE 2 DE ABRIL DE

LEI Nº 4.791 DE 2 DE ABRIL DE Lei nº 4791/2008 Data da Lei 02/04/2008 O Presidente da Câmara Municipal do Rio de Janeiro nos termos do art. 79, 7º, da Lei Orgânica do Município do Rio de Janeiro, de 5 de abril de 1990, não exercida

Leia mais

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR Programa de Capacitação PAPEL D GESTR CM MULTIPLICADR Brasília 12 de maio de 2011 Graciela Hopstein ghopstein@yahoo.com.br Qual o conceito de multiplicador? Quais são as idéias associadas a esse conceito?

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local 1 Por: Evandro Prestes Guerreiro 1 A questão da Responsabilidade Social se tornou o ponto de partida para o estabelecimento

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DO BANCO DA AMAZÔNIA

CÓDIGO DE ÉTICA DO BANCO DA AMAZÔNIA CÓDIGO DE ÉTICA DO BANCO DA AMAZÔNIA APRESENTAÇÃO O Banco da Amazônia S.A., consciente da importância da ética nas relações com a comunidade em que atua, divulga este Código de Ética, que contém os padrões

Leia mais

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02 Pagina 1/6 ÍNDICE 1. OBJETIVO...3 2. ABRANGÊNCIA / APLICAÇÃO...3 3. REFERÊNCIAS...3 4. DEFINIÇÕES...3 5. DIRETRIZES E RESPONSABILIDADES...4 5.1 POLITICAS...4 5.2 COMPROMISSOS...4 5.3 RESPONSABILIDADES...5

Leia mais

Administração e Planejamento em Serviço Social. Administração em Serviço Social Conceitos e contextualizações

Administração e Planejamento em Serviço Social. Administração em Serviço Social Conceitos e contextualizações Administração e Planejamento em Serviço Social Profa. Edilene Maria de Oliveira Administração em Serviço Social Conceitos e contextualizações Palavras chave: Administração, planejamento, organização 1

Leia mais

CONNECT AMERICAS: REDE SOCIAL EMPRESARIAL

CONNECT AMERICAS: REDE SOCIAL EMPRESARIAL CONNECT AMERICAS: REDE SOCIAL EMPRESARIAL DAS AMÉRICAS Washington D. C - março 2014 NOME CLASSIFICAÇÃO CATEGORIA TEMA PALAVRAS-CHAVE REDE SOCIAL EMPRESARIAL : CONNECT AMERICAS PRÁTICA INTERNACIONALIZAÇÃO

Leia mais

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. PLANO DE NEGÓCIOS:... 2 2.1 RESUMO EXECUTIVO... 3 2.2 O PRODUTO/SERVIÇO... 3 2.3 O MERCADO... 3 2.4 CAPACIDADE EMPRESARIAL... 4 2.5

Leia mais

c) Ênfase na importância e necessidade de contínuo aprimoramento cultural e profissional de todos os envolvidos.

c) Ênfase na importância e necessidade de contínuo aprimoramento cultural e profissional de todos os envolvidos. TÍTULO Código de Conduta Ética da Organização Bradesco GESTOR Banco Bradesco S.A. ABRANGÊNCIA Unidades no Exterior, Agências, Departamentos, Empresas Ligadas DATA DE PUBLICAÇÃO 07/08/2015 Descrição: 1.

Leia mais

MARKETING AMBIENTAL: UMA FERRAMENTA EMPRESARIAL ESTRATÉGICA

MARKETING AMBIENTAL: UMA FERRAMENTA EMPRESARIAL ESTRATÉGICA 1 MARKETING AMBIENTAL: UMA FERRAMENTA EMPRESARIAL ESTRATÉGICA Felipe Rogério Pereira (UniSALESIANO Araçatuba/SP) HerculesFarnesi Cunha ( Docente das Faculdades Integradas de Três Lagoas- AEMS e UniSALESIANO

Leia mais

18/06/2009. Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br.

18/06/2009. Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br. Marketing Ambiental Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. O que temos visto e ouvido falar das empresas ou associado a elas? Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br 2 3 Sílvia

Leia mais

Política de Patrocínios e Doações da Volvo do Brasil

Política de Patrocínios e Doações da Volvo do Brasil Política de Patrocínios e Doações da Volvo do Brasil Data de publicação: 10/07/2007 Última atualização: 10/07/2007 APRESENTAÇÃO Os patrocínios exercem um importante papel na estratégia de comunicação e

Leia mais

AVALIAÇÃO DO PLANO DE T&D

AVALIAÇÃO DO PLANO DE T&D AVALIAÇÃO DO PLANO DE T&D Ariadne Cedraz 1 Léa Monteiro Rocha 2 Luciana Cristina Andrade Costa Franco 3 A quarta e última etapa do processo refere-se à avaliação que tem por objetivo averiguar se os resultados

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS O plano de negócios deverá conter: 1. Resumo Executivo 2. O Produto/Serviço 3. O Mercado 4. Capacidade Empresarial 5. Estratégia de Negócio 6. Plano de marketing

Leia mais

Capítulo 19 - RESUMO

Capítulo 19 - RESUMO Capítulo 19 - RESUMO Considerado como sendo um dos principais teóricos da área de marketing, Philip Kotler vem abordando assuntos referentes a esse fenômeno americano chamado marketing social, desde a

Leia mais

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO 21 de novembro de 1978 SHS/2012/PI/H/1 Preâmbulo A Conferência Geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura,

Leia mais