Comunicação e Marketing Político... VALOIS RIOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Comunicação e Marketing Político... VALOIS RIOS"

Transcrição

1 Comunicação e Marketing Político: Um Estudo de Caso Sobre as Campanhas Presidenciais de Collor (1989) e Lula (2002) d.o.i / v1n10p328 Daniele Moitinho Dourado Valois Rios 1 RESUMO Com a função de promover uma aproximação permanente entre candidatos/políticos e os cidadãos, auxiliando na criação de uma imagem positiva perante a opinião pública e, consequentemente, na obtenção do sucesso eleitoral, o marketing político tem ganhado uma importância cada vez maior nas sociedades democráticas. Considerando a importância dessa ferramenta para as práticas eleitorais no país, o presente artigo parte do objetivo de analisar as estratégias de marketing político utilizadas nas eleições de Fernando Collor de Mello (1989) e Luiz Inácio Lula da Silva (2002), investigando como elas auxiliaram os dois candidatos na obtenção da vitória das urnas. A metodologia adotada foi a teórico-bibliográfica, técnica que permitiu o levantamento de muitas informações relevantes. A partir de dados publicados sobre as duas eleições (e também sobre o histórico das campanhas presidenciais realizadas no país), pode-se constatar que as práticas de marketing político têm evoluído bastante no Brasil, revelando-se decisivas quando aplicadas de maneira correta. 1 Mestranda em Comunicação Social pelo Programa de Pós- Graduação em Comunicação (PPGCOM) da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Pós-graduada do curso de MBA em Administração e Marketing pela Universidade Internacional de Curitiba (Uninter), Bacharel em Jornalismo em Multimeios pela Universidade do Estado da Bahia (Uneb). 328

2 Palavras-chave: Marketing Político. Campanhas Presidenciais. Collor. Lula. 1.Introdução Importante sob os pontos de vista político, econômico e social, o Marketing Político tem apresentado um destaque cada vez maior na sociedade contemporânea. Utilizado com o objetivo de auxiliar os candidatos rumo ao sucesso eleitoral, moldando-os às necessidades e anseios do eleitorado, ele converteu-se numa eficiente ferramenta política, empregada tanto para a obtenção da vitória nas urnas, quanto para a manutenção do poder. Famoso por exercer efeitos nas intenções de votos, ajudando a decidir eleições, o Marketing Político costuma ser objeto de muitos estudos e discussões, tornando-se um tema ainda mais relevante em períodos de disputas eleitorais. Considerando a crescente utilização do marketing político por candidatos e governantes em todo o país (que entre outras expectativas, almejam traduzir os desejos do eleitorado e se tornarem conhecidos e bem vistos pelo maior número de pessoas), o presente trabalho se propõe a realizar um estudo de caso sobre esta ferramenta e suas práticas. Partindo de dois episódios clássicos da utilização do marketing na política brasileira, as eleições de Fernando Collor de Mello (1989) e Luiz Inácio Lula da Silva (2002), o estudo busca avaliar o potencial desse instrumento sob o eleitorado, empreendendo uma discussão que solucione o problema como as ferramentas do marketing político auxiliaram Collor e Lula rumo ao sucesso eleitoral nos anos de 1989 e 2002?. Entre os aspectos que justificaram a escolha da temática abordada estão a relevância histórica das duas campanhas e o destaque crescente que o marketing político e seus profissionais têm apresentado na sociedade contemporânea (ora apontados 329

3 como vilões e manipuladores, ora elogiados pelo seu caráter estratégico e sua genialidade). Vale destacar que o estudo parte da premissa de que o marketing político constitui uma corrente que tende a se desenvolver e se firmar cada vez mais, aperfeiçoando e tornando mais estruturadas as campanhas eleitorais realizadas no país. A pesquisa apresenta como objetivo geral investigar as estratégias utilizadas com êxito pelos dois presidenciáveis e parte de um breve histórico das campanhas presidenciais brasileiras (abordando desde a política dos governadores na República Velha, quando prevaleciam os desejos das oligarquias, ao período atual, em que a democracia está consolidada e a utilização das melhores estratégias pode ser decisiva na hora de convencer o eleitorado). Entre os objetivos específicos adotados estão o levantamento de registros históricos sobre o contexto em que foram realizadas as duas eleições; a análise de publicações que tratam da construção dos personagens Collor e Lula e a comparação entre as práticas dos dois candidatos com o que prescreve a literatura sobre o marketing político. Como o trabalho desenvolvido se trata de um estudo de caso sobre dois episódios conhecidos da história política brasileira, a metodologia adotada foi a teórico-bibliográfica. A partir de publicações sobre as duas campanhas (e também de registros teóricos sobre o marketing político e as suas práticas), buscou-se realizar uma análise descritiva sobre as estratégias utilizadas nas duas eleições, revelando a multiplicidade dos fatos que envolveram e determinaram as vitórias de Collor e Lula. 2. Marketing Político Com o desenvolvimento dos meios de comunicação de massa, que exercem uma grande influência sobre a opinião pública, o sucesso de um político passou a depender diretamente de sua visibilidade e da repercussão positiva dos seus atos. Seguindo a uma tendência mundial, as atividades políticas 330

4 começaram a requerer a utilização de métodos e técnicas minuciosamente planejadas, que substituíssem a intuição na hora de tomar as decisões sobre como agir para conquistar o eleitorado. Foi nesse contexto que as atividades políticas passaram a se valer de novos artifícios, entre eles, o marketing. De acordo com Berardi (2004, p.13), entende-se por marketing o estudo das necessidades e desejos dos clientes para, de posse dessas informações, oferecer a eles exatamente o que desejam, ajudando a resolver questões como o que vender, como vender, a quem vender e em que condições, etc. O marketing apresenta uma função tão vital na economia de mercado que, atualmente, permeia quase todas as atividades humanas e desempenha um papel importante na integração das relações sociais e de troca (BOGMANN, 2000, p.22). Como a atuação do marketing é muito ampla, suas ações são geralmente estruturadas num mix de quatro itens que compõem as estratégias de uma empresa ou organização, os chamados 4P s (Praça, Produto, Preço e Promoção), por meio dos quais, busca-se atender às necessidades dos clientes e fazer frente num mercado cada vez mais concorrido. Como sugerem os 4P s, cabe ao marketing participar da elaboração do produto, definindo características e preços, estabelecendo o local em que ele será comercializado, a promoção e as formas de comunicação a serem utilizadas, sempre avaliando as estratégias de produção, distribuição e organização. Para Kotler apud Carvalho (2010, p.06), o mix constitui um conjunto de ferramentas de marketing que operam juntas para satisfazer as necessidades dos indivíduos e construir relacionamento com eles. Quando empregado no campo da política, o marketing apresenta muitas semelhanças às práticas que costumam ser adotadas no campo empresarial. Ao se apresentar ao eleitorado mostrando-se como uma opção de voto, o candidato torna-se o produto em questão, que deve mostrar todas as suas qualidades e seu diferencial, destacando-se mais que seus opositores e conquistando o seu cliente potencial, o eleitor. 331

5 Em linhas gerais, assim como acontece com qualquer produto, o posicionamento do candidato é fundamental. É necessário que se façam pesquisas sérias para que se identifiquem os anseios, desejos e expectativas do eleitorado. Como destaca Figueiredo (2002, p.55), o produto passa a existir a partir do momento em que é constatada a sua necessidade. Ninguém lança um produto para um mercado inexistente, para um consumidor inexistente. Pesquisando, detecta-se a necessidade. O produto é, então, criado ou adaptado a essa necessidade, executando-se um trabalho de marketing e de comunicação sobre a carência verificada. Com um candidato, o processo segue o mesmo caminho. Ao ser aplicado sob essa perspectiva, a tentativa de moldar o político ao eleitorado, o marketing acaba recebendo dois tipos de classificações: marketing político e marketing eleitoral, denominações que, embora pareçam sinônimas a uma primeira vista, apresentam conceitos totalmente diferenciados. De acordo com Gomes (2012, p.01), o termo marketing político é bem mais abrangente, englobando, inclusive, as ações do marketing eleitoral. Apresentando uma missão bem complexa, o marketing político deve ser entendido como uma estratégia de aproximação permanente do político com os cidadãos, envolvendo todos os tipos de públicos, já que ser cidadão não significa, necessariamente, ser eleitor. Além disso, é importante mencionar que para atingir o seu objetivo, o marketing político deve ser desenvolvido em longo prazo, compreendendo um período superior ao tempo determinado pelo Tribunal Superior Eleitoral para a realização de campanhas. Utilizado tanto para conquistar o poder quanto para mantê-lo, o marketing político desenvolve ações em três etapas distintas: 1) no período anterior à eleição, quando atua de modo a construir a imagem positiva do candidato, tornando-o conhecido 332

6 pelo maior número possível de pessoas, 2) nos meses de duração da campanha (quando faz uso do marketing eleitoral) e 3) após a disputa nas urnas, sendo usado tanto para manter o poder em casos de vitórias, quanto para desenvolver estratégias mais eficazes, corrigindo possíveis erros que foram cometidos ao logo do processo. Como destacam Macedo e Manhanelli (2007), estão sob as atribuições do marketing político desenvolver cronogramas, definir alianças, decidir o momento certo de atacar os adversários, elaborar programas comerciais (de rádio e TV) e agregar eleitores, montando um planejamento estratégico que seja capaz de obter o sucesso nas urnas e diminuir os riscos e surpresas. De atuação bem ampla, o marketing político configurase como uma atividade multidisciplinar, que envolve interfaces da administração, da comunicação, da psicologia, da sociologia e da publicidade, dentre outros, compreendendo um conjunto de ferramentas e ações que vão da análise da situação através de pesquisas que permitam compreender o cenário de representação da política e o contexto social, econômico, político e cultural, passa pelo planejamento estratégico, pela administração da demanda, pela contratação de especialistas, e pelo desenvolvimento de diversos tipos de ações através dos partidos, do estado, da mídia e da sociedade civil e na esfera pública (ALMEIDA, p.02, 2003). Constituindo uma forte tendência mundial, o marketing político vem sendo efetivamente utilizado há mais de quatro décadas nos Estados Unidos e na Europa (Macedo e Manhanelli, 2007). No Brasil, apesar de presente na ação de alguns governantes do período pré-ditadura militar, como será visto mais adiante, sua utilização encontrou mais ressonância a partir de meados da década de 1980, época que coincide com a redemocratização do país e o início da sua maturidade democrática. 333

7 3. Campanhas Presidenciais República desde 15 de novembro de 1889, o Brasil já vivenciou 29 eleições presidenciais. Ao longo de todos esses anos, o país passou por muitas mudanças e constituições, que interferiram diretamente na maneira como os brasileiros puderam (ou não) manifestar seu direito de escolha através do voto e na forma como as campanhas presidenciais passaram a ser desenvolvidas. De acordo com Vieira (2007), na mesma noite em que foi proclamada a república, estabeleceu-se no Brasil um Governo Provisório chefiado pelo Marechal Deodoro da Fonseca. Como primeiras medidas administrativas, o novo governo decretou o regime republicano e federalista, transformando todas as antigas províncias em estados da federação. Além disso, foi convocada uma Assembléia Constituinte para elaborar uma nova constituição, promulgada em 24 de fevereiro de Seguindo às determinações dessa nova constituição, O regime de governo escolhido foi o presidencialismo e os membros dos poderes Legislativo e Executivo passaram a ser eleitos pelo voto popular direto. O mandato do presidente da República foi estipulado em quatro anos, sem direito à reeleição para o mandato imediatamente seguinte, sem, contudo, haver impedimentos para um mandato posterior (LEITE JUNIOR, 2009, p.16). O primeiro presidente do país, no entanto, deveria ser escolhido de forma indireta pelo Congresso Nacional (formado a partir da Assembléia Constituinte). O vencedor da eleição foi o Marechal Deodoro da Fonseca que, por sofrer fortes oposições, renunciou ao cargo meses depois. Como previa a constituição, o governo foi assumido pelo vice-presidente, o Marechal Floriano 334

8 Peixoto, sucedido em 1894 pelo primeiro presidente civil eleito por voto direto no país: Prudente de Moraes (VIEIRA, 2007). Consciente da importância da imagem pública para atrair a simpatia do povo, Prudente de Moraes apresentou ao longo da sua campanha presidencial discursos que demonstravam a preocupação com valores como a ética e o cumprimento dos compromissos. Bastante visionário, ele possuía uma lista com os nomes dos seus eleitores, para os quais mandava cartões desejando boas festas de fim de ano. Além disso, buscou anular os discursos e ações do adversário, soube valer-se dos meios de comunicação disponíveis na época (como o jornal e o telégrafo) e visitou muitas cidades montado a cavalo (QUEIROZ E TAVARES, 2007). O sucessor de Prudente de Moraes foi o presidente Campos Salles, criador da Política dos Governadores, uma aliança entre o presidente, os governadores e as oligarquias regionais. Como destaca Vieira (2007, p.48), nesse período, que vai até o final da República Velha, é estabelecido no Brasil um sistema de completa exclusão social e de negação dos princípios democráticos republicanos, uma vez que, apesar de o direito de votar ser garantido aos maiores de 20 anos (com exceção de analfabetos, mulheres e padres), o voto não era secreto, o que facilitava a pressão sobre o eleitorado e a prática dos famosos votos de cabresto. Durante esse período, que também passou a ser classificado como política do café-com-leite, em virtude do governo ser ocupado alternadamente por representantes de São Paulo e Minas Gerais, as campanhas presidenciais se valiam de estratégias como comícios e reuniões de partido (práticas já comuns à época), mas o fator central e determinante à vitória nas urnas era a já mencionada aliança entre os políticos e os coronéis, que não raro praticavam a fraude eleitoral. Pondo fim a esse ciclo, ocorreu a Revolução de 30, golpe que impediu a posse do presidente eleito, o paulista Júlio Prestes, e empossou Getúlio Vargas como presidente do Brasil. Assim começa a Era Vargas, que resultou em algumas mudanças 335

9 no código eleitoral: à frente do governo, Vargas lançou a Constituição de 1934, que estendeu o direito de voto às mulheres, determinou o voto secreto e criou o Tribunal Superior Eleitoral e os Tribunais Regionais Eleitorais. No entanto, como destacam Macedo e Manhanelli (2007, p.02)), esses avanços duraram pouco. Em 1937, próximo ao fim do seu mandato, Vargas realizou um novo golpe e instituiu o Estado Novo. Fechou o Congresso, dissolveu os partidos políticos, e passou a governar de modo ditatorial até o final da Segunda Guerra Mundial, em 1945 (LEITE JUNIOR, 2009, p.23). Com a vitória dos aliados na guerra, houve uma grande pressão pela volta à democracia. Um golpe militar tira Vargas do poder e convoca uma Assembléia Constituinte, permitindo a reorganização partidária e realização de novas eleições em dezembro de 1945 (LEITE JUNIOR, 2009). Cinco anos depois, ele lança-se novamente candidato, realizando uma campanha presidencial que soube aproveitar ao máximo os veículos de comunicação de massa (Jornal, Rádio, Cinema e TV) e contou com a confecção de vários materiais promocionais (folhetos, cartazes, bottons, caricaturas, chaveiros, pulseiras, talheres, cinzeiros e aparelhos de jantar, chá e café todos com sua a efígie) (QUEIROZ e TAVARES, 2007). As duas disputas eleitorais subsequentes, a de Juscelino Kubitschek (1955) e Jânio Quadros (1960), são marcados por dois exemplos notáveis de utilização do marketing político em campanhas presidenciais brasileiras. Cientes da importância dos meios de comunicação para a formação da opinião pública, os dois fizeram forte uso dos aparatos midiáticos para se aproximarem do eleitorado e se valeram da utilização de muitos materiais promocionais, slogans e jingles. JK chegou a contar com a criação de comitês femininos comandados por Sarah, sua esposa, e tornou o histórico o lema 50 anos em cinco, associando sua campanha à ideia de progresso e modernidade. Jânio, por sua vez, conseguiu fazer com que sua candidatura repercutisse a níveis internacionais ao usar uma vassoura (que 336

10 aludia à limpeza da corrupção) como símbolo da sua campanha (QUEIROZ e TAVARES, 2007). O ano de 1964, no entanto, resultou em retrocessos para a democracia no país: um golpe de estado depôs o presidente João Goulart e instituiu a ditadura militar. Ao longo de 21 anos, as eleições presidências passaram a ser realizadas de modo indireto, via Colégio Eleitoral, onde somente os parlamentares e outros poucos indicados poderiam votar (LEITE JUNIOR, 2009, p.48). Muitos políticos e partidos tiveram os seus direitos cassados, veículos de comunicação foram fechados e a censura tornou-se prática comum. No início da década de 1980, as crises no regime deram início a muitas manifestações populares exigindo a volta das eleições diretas para presidente da república. O movimento, conhecido como Diretas Já!, resultou no fim do regime militar que comandava o país. Tancredo Neves, o primeiro presidente civil do período pós-ditadura, foi eleito de forma indireta após realizar uma campanha presidencial que aproveitou o ritmo das Diretas Já. Usando a mídia a seu favor, contou com o apoio de personalidades e artistas, mobilizou os jovens com a realização de comícios direcionados a eles, apresentou discursos eloquentes, sempre se apresentando como o salvador da pátria e chegou a contar, inclusive, com o trabalho de agências de publicidade (QUEIROZ e TAVARES, 2007). Sempre voltada à prática da democracia, essa foi uma campanha que, apesar de indireta, trouxe grande ânimo e esperança aos brasileiros, inflamados pelo seu slogan Para mudar, Tancredo já!. Morto antes de tomar posse, Tancredo foi substituído por seu vice, José Sarney. No ano de 1989 o brasileiro finalmente pode voltar às urnas para eleger o novo presidente da república numa eleição que, entre outros fatores, tornou-se famosa pela atuação decisiva do marketing político. Fundamentais para a prática de democracia, a abertura política e o desenvolvimento dos meios de comunicação de massa deram uma nova tônica à realização de campanhas presidenciais no Brasil. 337

11 4. Fernando Collor de Mello Como já foi visto, foram muitos os exemplos de políticos que se valeram do uso das estratégias de marketing ao longo da República Brasileira: Prudente de Moraes chegou a percorrer várias cidades do país a cavalo para tornar-se mais conhecido dos eleitores; Getúlio Vargas enviou o jornalista Lourival Fontes à Itália para aprender lições de campanha eleitoral e programas de cunho político com os assessores de Mussolini (Romão, 2012), Juscelino Kubitschek buscou desenvolver uma imagem de modernizador, Jânio Quadros usou jingles, Tancredo Neves associou seu nome à luta pelas Diretas já!. No entanto, por mais que esses casos tenham sido inovadores e eficientes, nenhum deles tornou-se tão comentado e debatido quanto a eleição de Fernando Collor de Mello à presidência da república em 1989, apontada por Figueiredo (2002, p.47) como um dos mais espetaculares cases de marketing político de todos os tempos. O contexto em que as eleições presidenciais de 1989 ocorreram foi marcado por intensa insatisfação: havia uma grande crise econômica, com altas taxas de inflação, e um total descrédito na administração do país, que, embora tivesse presenciado o fim do período ditatorial, estava sendo governado por um presidente diretamente ligado ao regime autoritário. As eleições que se aproximavam eram aguardadas com ansiedade pela população que, após mais de duas décadas de ditadura militar e cinco anos do governo Sarney, poderia finalmente votar e escolher um candidato que pudesse resolver os problemas econômicos e desafogar o país. De acordo com Figueiredo (2002, p.50), O Instituto Brasileiro de Opinião Pública e Estatística IBOPE -, em sucessivos 338

12 levantamentos realizados por encomenda dos empresários e procedidos durante 5 mil entrevistas mensais em 249 municípios, vinha revelando desde de 1987 a insatisfação popular em curva ascendente. Entre os líderes da desconfiança popular, estavam os políticos de uma forma geral, seguidos pelo presidente Sarney, o Governo Federal, o Congresso Nacional e os partidos políticos. Reclamava-se mais da corrupção que da violência. Foi nessa conjuntura em que apareceu Fernando Collor de Mello. Político jovem e com uma trajetória ascendente, que havia sido prefeito de Maceió em 1982 e governador de Alagoas em 1986, ele viu nos resultados das pesquisas uma oportunidade para se eleger ao cargo de presidente da república. Agindo conforme um dos principais pensamentos do planejamento de marketing, que é saiba o que os seus clientes desejam, e ofereça a eles exatamente o que eles querem (BERARDI, 2004, p.22) Collor não demorou a interpretar os anseios da população e moldar-se a eles. Como a população estava insatisfeita com os políticos, ele mostrou-se como uma cara nova, de passado limpo. Diante da fragilidade da imagem dos partidos políticos, lançou-se pelo PRN (Partido da Reconstrução Nacional), considerado de baixa expressividade. Como a corrupção governamental era um dos temas que mais afligia o brasileiro, apresentou-se como um representante da moralidade, oposicionista ferrenho e caçador de marajás. Com uma aparência bem cuidada, Collor aparecia no vídeo com ar jovem, urbano, atlético e dinâmico, incorporava a própria modernidade que ele prometia trazer para o país (LUNA, 2012, p.05). Agindo dentro dos princípios do marketing político, que determinam que para planejar uma candidatura é essencial conhecer o meio ambiente, saber administrar a campanha, escolher temas específicos para serem tratados, decidir quais são os canais de comunicação necessários, conhecer o eleitor, 339

13 acompanhar e revisar todo o processo (SANTOS, 2008, p.168), Collor e sua equipe demonstraram uma grande sensibilidade para interpretar as pesquisas e os dados preciosos contidos nelas, demonstrando grande habilidade para conduzir a campanha. Como destaca Figueiredo (2002, p.54), esteve sempre atento para dizer aquilo que o povo queria ouvir, segundo as informações levantadas previamente. Além disso, outro ponto forte de sua campanha foi a maneira com que Collor desenvolveu a sua promoção. Consciente do papel da mídia como grande influenciadora da construção da opinião pública, ele soube se valer muito bem do aparato da imprensa: além de aparecer com frequência no horário nobre falando de suas realizações em Alagoas, era geralmente mostrado como jovem e vigoroso, que poderia combater a inflação e, sobretudo, tinha respeito ao dinheiro público. A estratégia deu tão certo, a campanha de caçador de marajás ganhou destaque em todo o Brasil. Candidato que respondia aos anseios da população, Collor alcançou, segundo informações do Tribunal Superior Eleitoral, quase 30% do número total de votos, chegando como favorito à disputa de segundo turno contra Luiz Inácio Lula da Silva. No entanto, no segundo turno, enfrentando apenas um candidato, a situação nas pesquisas começou a mudar. Lula vinha em ascensão permanente em todos os segmentos sociais do eleitorado e em todos os estados (FIGUEIREDO, 2002, p.61). Foi aí que, mais uma vez, Collor e sua equipe demonstraram domínio sobre as técnicas de marketing político, que vêem uma campanha eleitoral como algo vivo e passível de mudanças, sendo necessário que se façam constantes monitoramentos e avaliações para diminuir os riscos de surpresas. De acordo com Figueiredo (2002), diante do crescimento do candidato petista, partiu do próprio Collor a decisão de mudar os rumos da campanha a partir de duas ações: a primeira delas foi a utilização de um depoimento da ex-namorada de Lula, Mirian Cordeiro, que o acusava de haver incitado a praticar um aborto 340

14 para evitar o nascimento da filha que os dois tiveram, Lurian Cordeiro Lula da Silva, àquela época com 15 anos de idade. A segunda medida decisiva foi a radicalização ideológica. Nos momentos finais da disputa, Collor passou a chamar o seu opositor de comunista, dizendo, por exemplo, que se o candidato de esquerda vencesse as eleições, o PT iria confiscar todas as poupanças. Lula foi fortemente associado ao fim do direito à propriedade privada, às invasões de terra, à ocupação de fábricas. Como destaca Figueiredo (2002, p.62), contra essas duas decisões tomadas por Fernando Collor, Lula e seus assessores não tiveram nem habilidade e nem competência para lutar. A opinião pública foi fortemente influenciada e Collor sagrou-se vencedor das eleições com 42,75% dos votos (segundo informação obtida no site do Tribunal Superior Eleitoral). 5. Luiz Inácio Lula da Silva Outro episódio da história política brasileira cuja atuação do planejamento de marketing merece destaque é a eleição de Luiz Inácio Lula da Silva à presidência da república em Nascido na cidade de Caetés, no interior de Pernambuco, Lula foi morar com a família em Santos (SP) aos sete anos de idade e, quatro anos depois, mudou-se para a capital do estado. De origem pobre, trabalhou como engraxate e vendedor ambulante, até que, aos 15 anos, tornou-se aprendiz de torneiro mecânico. A partir da década de 1970, passou a dedicar-se à causa sindical, chegando à presidência do Sindicato dos Metalúrgicos de São Bernardo dos Campos e Diadema em No ano de 1980, ao lado de intelectuais e outros lideres sociais, funda o Partido dos Trabalhadores (PT), pelo qual se elege Deputado Federal no estado de São Paulo em Sempre atuando na esquerda política e levantando a bandeira do proletariado, Lula foi derrotado em três campanhas presidenciais consecutivas (1989,1994 e 1998) até que em 2002, 341

15 ano de sua quarta disputa presidencial, tomou uma decisão irredutível: só se candidataria novamente se fosse assessorado por um profissional de marketing. A ideia, que a priori foi recebida com desagrado por parte do PT, resultou na contratação do famoso publicitário Duda Mendonça, um dos grandes responsáveis pela construção de uma nova imagem para Luiz Inácio Lula da Silva, a de Lulinha Paz e Amor. Agindo como pregam os princípios do marketing político apontados por Santos (2008), os trabalhos foram todos estruturados mediante três passos fundamentais: o diagnóstico, a estratégia e a implementação dessa estratégia. Os momentos que antecederam a campanha de Lula em 2002 foram marcados pela realização de pesquisas que ajudaram a entender o contexto em que a disputa estava sendo realizada, quais os perfis dos eleitores e quais atributos cada um desses perfis esperava do novo presidente. Como destaca Meyer (2004, p.05), os recursos de marketing podem ser utilizados mais eficientemente quando se consegue entender porque os consumidores desejam determinado produto. Os levantamentos realizados apontaram para uma população insatisfeita, preocupada com a situação em que se encontrava o país no término do segundo mandato do governo Fernando Henrique Cardoso. Entre os problemas que marcavam o país estavam o afastamento do Estado das questões sociais, o alto nível de desemprego, a retração da produção, a crise energética, o aprofundamento das desigualdades sociais e o retorno gradual da inflação (LUNA, 2002, p.06). Aquele era um período em que os países da América do Sul, em especial a Argentina, passavam por grandes instabilidades econômicas, sociais e políticas, e estava claro que o modelo liberal adotado não teria condições de resolver todas aquelas crises. A mudança era a tônica que prevalecia no discurso da população. No entanto, por mais que o brasileiro quisesse mudar, Lula não aparecia muito bem visto por parte considerável do eleitorado. Embora contasse com a simpatia de alguns, a ponto de 342

16 ter ficado em segundo lugar nas três disputas anteriores pela presidência, as pesquisas feitas por Duda Mendonça e sua equipe apontavam que a sociedade, de uma maneira geral, viam em Lula uma figura radical e politicamente irresponsável. Estava assimilada no imaginário popular a ideia de que ele era um simples semianalfabeto que não conseguiria resolver as grandes questões nacionais (CARVALHO, 2010, p.02). De posse desse diagnóstico, a coordenação da campanha passou a utilizar as estratégias do marketing político de modo a convencer a população quanto a capacidade que Lula tinha de governar. Além disso, foi feito um planejamento em torno da imagem do candidato, que deveria substituir o caráter radical e adquirir feições mais moderadas. Agindo dentro do pensamento de que o que é bonito é bom, evidenciado por meio de pesquisas do campo da propaganda, segundo as quais pessoas atraentes são vistas de maneira mais positiva e têm um reflexo mais favorável sobre aquilo que anunciam (ROGRIGUES, 2007, p.55), foi realizado em Lula todo um melhoramento estético. Como destaca uma matéria publicada pela revista Veja em maio de 2002, as mudanças empreendidas por Duda Mendonça no visual do petista foram muitas: as camisetas apertadas deram lugar a ternos bem cortados, paletós de grife, gravatas italianas e camisas feitas sob encomenda; os cabelos em desalinho e a testa brilhando de suor foram totalmente abolidos; o barbeiro mudou e até a arcada dentária foi realinhada para que o sorriso ficasse mais harmonioso. Além disso, vale destacar que não foi só a embalagem que passou por alterações. Foram realizadas mudanças importantes no discurso do candidato, que passou a adquirir um tom mais moderado. Expressões como vamos à luta, companheiro e a luta continua deixaram de ser usadas, visto que, como destaca a mesma matéria da revista Veja, elas assustam o eleitor comum, moderado e despolitizado, que não quer falar em lutas ou brigas. (...) Briga lembra confusão, e 343

17 confusão lembra baderna. A ideia central do planejamento de marketing era acabar de vez com a imagem de Lula radical em detrimento de outra, a de um Lula mais light, paz e amor. Reforçando a mudança do discurso a fim de agradar ao eleitorado mais conservador, Lula chegou a concordar com parte da linha de gestão do governo FHC e a assumir alguns dos compromissos firmados por sua administração. Além disso, ideias mais radicais, a exemplo do boicote ao pagamento da dívida externa, foram totalmente deixadas de lado, o que acalmou a empresários e à classe média. Demonstrando sua maturidade, Lula lançou, em junho de 2002, a sua Carta ao Povo Brasileiro, um documento no qual se mostrou disposto a dialogar com todos os segmentos da sociedade e com o próprio governo, de modo a evitar que a crise se agravasse e trouxesse mais aflição ao povo brasileiro. Vale destacar, também, que a nova postura do candidato petista foi ainda mais reforçada com a escolha do vice que iria compor a sua chapa. Além de ser um grande empresário, o senador mineiro José Alencar fazia parte do conservador PL (Partido Liberal). Com a aliança, Lula conseguiu ampliar seus apoios políticos, demonstrar uma capacidade de conciliação e aumentar sua popularidade no estado de Minas Gerais, segundo maior colégio eleitoral do país. Completando a estratégia de reconstrução da marca Lula, coube ao marketing político divulgar a imagem de um Lula competente, que sabia governar. De acordo com Luna (2012, p.15) o fato de Lula não possuir um curso superior é amenizado pela presença de especialistas nas diversas áreas para gerir um novo projeto de governo e técnicos de competência reconhecida. Assim, a falta de experiência do candidato petista deixava de ser um problema, afinal, ele nunca tinha governado, mas estava cercado por uma equipe gabaritada que o ajudaria a construir um programa de governo qualificado (RUBIM, 2012). Além disso, essa estratégia de mostrar Lula sempre acompanhado, seja por especialistas, políticos ou personalidades 344

18 de renome internacional, contribuiu para que outra imagem positiva fosse construída: a de um Lula negociador e bem relacionado (CARVALHO, 2010). Ciente da importância da televisão, que ainda continua mudando opiniões e tem o poder de provocar o sucesso ou fracasso de um candidato (SANTOS, 2008, p.181), Duda Mendonça teve também uma grande preocupação com a elaboração dos programas políticos de Lula, que se converteram numa excelente ferramenta para a criação de uma boa imagem pública e o reforço da nova marca que estava sendo criada para o candidato. Além de mostrar imagens de Lula em companhia de outras pessoas, demonstrando sociabilidade (como já fora explicitado aqui), os programas buscaram reforçar as qualidades naturais de Lula, como o poder de liderança, o carisma e a sua origem popular e historicamente ligada aos trabalhadores. De acordo com Luna (2012), os vídeos exibidos na propaganda eleitoral e gratuita de Lula serviram para ressaltar o amadurecimento tanto do candidato como do PT como um todo, demonstrado pela ampliação das alianças, não ataque aos adversários, apresentação de um plano de governo e, ainda, um visual mais bem cuidado. Ao mesmo tempo, o vídeo procurou mostrar que Lula sempre foi responsável ao conduzir greves e também um bom negociador, dialogando com diversos segmentos da sociedade, inclusive com os patrões. Dessa forma, o vídeo procurou afastar a imagem de baderneiro e violento, que sempre pairou sobre o petista (p.16-17). Como destaca Rubim (2012), as principais temáticas apresentadas nos programas do PT foram o diagnóstico dos problemas do país e a atenção às políticas futuras, com destaque para as questões sociais (em especial a saúde e a educação), as propostas de política econômica e a temática do emprego e do salário. Reforçando a imagem Lulinha paz e amor, o candidato 345

19 foi o que mais utilizou jingles e músicas, e o que menos se valeu do recurso da propaganda negativa. É importante mencionar também, que na construção da campanha presidencial de Lula em 2002, houve a ampla utilização de mais dois importantes determinantes do planejamento de marketing: a segmentação e a diferenciação. Ao montar as ações do candidato, sua equipe procurou desenvolver propostas específicas para cada grupo (trabalhadores, empresários, jovens e etc) e inovar, tanto em suas propostas, quanto na maneira de transmitir sua mensagem, agregando mais valor à sua marca. Como grande exemplo de segmentação e diferenciação na campanha do candidato, pode ser mencionada a sua estratégia para atrair a atenção do eleitorado feminino. O PT colocou no ar um belo clipe com mulheres grávidas, símbolos da renovação, lembrando às eleitoras que Lula é quem realmente defende um mundo voltado para os valores femininos da solidariedade e da paz: a mudança light, sem rupturas ou sustos. O clipe tornava visível o que os outros candidatos tentavam utilizar um modo subliminar e ainda desqualificava sutilmente as outras iniciativas de cooptação do voto feminino (GOMES, 2006, p.22). Ao adotar essa nova postura, dialogando com todos os setores da sociedade e apresentado a imagem light do Lulinha paz e amor, Luiz Inácio Lula da Silva conseguiu, enfim, vencer sua primeira eleição presidencial. Ao derrotar José Serra no segundo turno por 61,271% dos votos válidos (segundo dados do Tribunal Superior Eleitoral), ele entra para a história como o primeiro candidato de esquerda socialista que se tornou presidente do Brasil. Conclusão 346

20 A partir da realização desse trabalho, pode-se constatar que a utilização do marketing como ferramenta eleitoral constitui uma tendência que deverá tornar-se cada vez mais forte. Empregado há décadas por candidatos e governantes de todo o país, o marketing político transformou-se num instrumento indispensável, cujo domínio é um quesito fundamental para todos aqueles que pretendem constituir uma carreira de vitórias, e isso fica ainda mais evidente conforme o país adquire maturidade e a democracia torna-se mais consolidada. Diante da grande quantidade de partidos, candidatos e, sobretudo, de veículos de comunicação, que estão a todo o momento bombardeado a população com novas notícias e informações, torna-se necessário que os candidatos/políticos saibam cultivar uma boa imagem e mostrar-se como a melhor opção em relação aos demais concorrentes, e isso não é possível sem o marketing político. Através dessa ferramenta, a política deixa de ser uma caixinha de surpresas e passa a ser algo coordenado, passível de planejamento. Ao se analisar como as ferramentas do marketing político auxiliaram Collor e Lula rumo ao sucesso eleitoral nos anos de 1989 e 2002, várias grandes lições puderam ser aprendidas (mas, em função do espaço, serão listadas apenas quatro). A primeira delas é que dispor de pesquisas sérias é fundamental, afinal, elas fornecem bem mais do que simples números: demonstram a preferência do eleitorado, suas preocupações. Indicam o que a população espera dos governantes, quem ela prefere (e porque prefere), quem ela rejeita (e porque rejeita), onde cada um é mais forte, qual é o seu eleitor em potencial, quem são os indecisos e como conquistá-los. Pesquisas são indícios, direcionamentos, verdadeiros tesouros nas mãos de quem sabe aproveitá-las. A segunda lição é a importância de se cuidar da imagem. Com os meios de comunicação e, sobretudo, a televisão, é fundamental que o candidato pareça bem cuidado. O terceiro ensinamento é que a política é dinâmica e os candidatos devem estar preparados para mudar, seja de estratégia (como fez Collor 347

Temas Governo de Vargas 1930-1945), Populismo (1945-1964) Ditadura Militar (1964-1985) e República Nova (Redemocratização do Brasil) (1985-2010)

Temas Governo de Vargas 1930-1945), Populismo (1945-1964) Ditadura Militar (1964-1985) e República Nova (Redemocratização do Brasil) (1985-2010) Trabalho de História Recuperação _3ºAno Professor: Nara Núbia de Morais Data / /2014 Aluno: nº Ens. Médio Valor: 40 Nota: Temas Governo de Vargas 1930-1945), Populismo (1945-1964) Ditadura Militar (1964-1985)

Leia mais

CAMPANHAS ELEITORAIS E COMUNICAÇÃO MIDIÁTICA: CICLOS DE MUDANÇA E CONTINUIDADE

CAMPANHAS ELEITORAIS E COMUNICAÇÃO MIDIÁTICA: CICLOS DE MUDANÇA E CONTINUIDADE CAMPANHAS ELEITORAIS E COMUNICAÇÃO MIDIÁTICA: CICLOS DE MUDANÇA E CONTINUIDADE 48 Monalisa Soares Lopes Universidade Federal do Ceará (UFC) monalisaslopes@gmail.com Os estudos da política contemporânea,

Leia mais

A longa conquista do voto na história política brasileira

A longa conquista do voto na história política brasileira A longa conquista do voto na história política brasileira Vera Chaia 1 A extensão dos direitos políticos no Brasil nem sempre esteve ligada ao aumento da participação política no processo eleitoral. Esta

Leia mais

AULA 23.1 Conteúdos: Governo Collor Governo Itamar Franco Governo Fernando Henrique

AULA 23.1 Conteúdos: Governo Collor Governo Itamar Franco Governo Fernando Henrique AULA 23.1 Conteúdos: Governo Collor Governo Itamar Franco Governo Fernando Henrique 2 AULA 23.1 Habilidades: Conhecer as mudanças políticas no Brasil decorrentes do processo de redemocratização Conhecer

Leia mais

Eleições presidenciais no Brasil em 2010: o perfil dos candidatos e de suas alianças

Eleições presidenciais no Brasil em 2010: o perfil dos candidatos e de suas alianças Eleições presidenciais no Brasil em 2010: o perfil dos candidatos e de suas alianças Aline Bruno Soares Rio de Janeiro, julho de 2010. Desde seu início, o ano de 2010 tem se mostrado marcante em relação

Leia mais

50 ANOS DO GOLPE MILITAR

50 ANOS DO GOLPE MILITAR 50 ANOS DO GOLPE MILITAR (1964-1985) Prof. Dr. Rogério de Souza CAUSAS Guerra Fria Contexto Internacional: Construção do Muro de Berlim (1961) Cuba torna-se Socialista (1961) Crise dos Mísseis (1962) CAUSAS

Leia mais

Escola de Formação Política Miguel Arraes. Módulo I História da Formação Política Brasileira. Aula 2 A História do Brasil numa dimensão ética

Escola de Formação Política Miguel Arraes. Módulo I História da Formação Política Brasileira. Aula 2 A História do Brasil numa dimensão ética LINHA DO TEMPO Módulo I História da Formação Política Brasileira Aula 2 A História do Brasil numa dimensão ética SEC XV SEC XVIII 1492 A chegada dos espanhóis na América Brasil Colônia (1500-1822) 1500

Leia mais

A História do Voto no Brasil: O profissional de Marketing Político nos Bastidores do Processo Eleitoral 1

A História do Voto no Brasil: O profissional de Marketing Político nos Bastidores do Processo Eleitoral 1 A História do Voto no Brasil: O profissional de Marketing Político nos Bastidores do Processo Eleitoral 1 Roberto Gondo Macedo 2 Carlos Manhanelli 3 Universidade Metodista de São Paulo UMESP Resumo O objetivo

Leia mais

HISTÓRIA DO LEGISLATIVO

HISTÓRIA DO LEGISLATIVO HISTÓRIA DO LEGISLATIVO Maurício Barbosa Paranaguá Seção de Projetos Especiais Goiânia - 2015 Origem do Poder Legislativo Assinatura da Magna Carta inglesa em 1215 Considerada a primeira Constituição dos

Leia mais

Revolução de 1930. Fatores: Crise de 1929. Movimento Tenentista. Resultado das eleições.

Revolução de 1930. Fatores: Crise de 1929. Movimento Tenentista. Resultado das eleições. Revolução de 1930 Revolução de 1930 Fatores: Crise de 1929. Movimento Tenentista. Resultado das eleições. Revolução de 1930 Responsável pelo fim da chamada Política café com leite Política café com leite

Leia mais

GABARITO ATIVIDADE DE CLASSE DESVENDANDO A NOTÍCIA. Pastor recua e garante que nunca irá queimar o Alcorão (Folha UOL/ 10/09/2010)

GABARITO ATIVIDADE DE CLASSE DESVENDANDO A NOTÍCIA. Pastor recua e garante que nunca irá queimar o Alcorão (Folha UOL/ 10/09/2010) GABARITO ATIVIDADE DE CLASSE Questão 1 DESVENDANDO A NOTÍCIA Certos acontecimentos que ganham destaque na mídia internacional costumam, como se diz na linguagem corrente, esconder problemas ou polêmicas

Leia mais

Capítulo. A ditadura militar no Brasil

Capítulo. A ditadura militar no Brasil Capítulo A ditadura militar no Brasil ARQUIVO/O GLOBO 1 Do golpe militar ao AI-5 O golpe militar de 1964 João Goulart é derrubado pelos militares, em 31 de março de 1964, por meio de um golpe, apoiado

Leia mais

MARKETING POLÍTICO: um mal necessário?

MARKETING POLÍTICO: um mal necessário? MARKETING POLÍTICO: um mal necessário? Political Marketing: a necessary evil? Fernanda Lima 1 Cliciane de Jesus Salin 2 RESUMO O objetivo deste trabalho é identificar o papel do marketing político sobre

Leia mais

Scup e Política: vitória nas urnas pelas redes sociais

Scup e Política: vitória nas urnas pelas redes sociais Scup e Política: vitória nas urnas pelas redes sociais A campanha do prefeito de Duque de Caxias Alexandre Aguiar Cardoso, natural de Duque de Caxias, cidade da região metropolitana do Rio de Janeiro,

Leia mais

Propaganda política: o uso da retórica como instrumento na construção de imagem dos candidatos 1

Propaganda política: o uso da retórica como instrumento na construção de imagem dos candidatos 1 Propaganda política: o uso da retórica como instrumento na construção de imagem dos candidatos 1 Prof. Ms. Sérgio Roberto Trein Universidade do Vale do Rio dos Sinos 2 Resumo O objetivo deste trabalho

Leia mais

Datafolha, propaganda e eleitores nos estados

Datafolha, propaganda e eleitores nos estados Datafolha, propaganda e eleitores nos estados 23 de agosto de 2010 1. Vitória de Dilma no 1º turno Bastou uma semana de horário eleitoral gratuito em rádio e televisão ao lado do presidente Lula para Dilma

Leia mais

História Fascículo 01 Cinília Tadeu Gisondi Omaki Maria Odette Simão Brancatelli

História Fascículo 01 Cinília Tadeu Gisondi Omaki Maria Odette Simão Brancatelli História Fascículo 01 Cinília Tadeu Gisondi Omaki Maria Odette Simão Brancatelli Índice História do Brasil Eleições e voto no Brasil Império e República...1 Exercícios...2 Gabarito...4 História do Brasil

Leia mais

A perspectiva de reforma política no Governo Dilma Rousseff

A perspectiva de reforma política no Governo Dilma Rousseff A perspectiva de reforma política no Governo Dilma Rousseff Homero de Oliveira Costa Revista Jurídica Consulex, Ano XV n. 335, 01/Janeiro/2011 Brasília DF A reforma política, entendida como o conjunto

Leia mais

Histórico das constituições: direito de sufrágio

Histórico das constituições: direito de sufrágio 89 Histórico das constituições: direito de sufrágio André de Oliveira da Cruz Waldemar de Moura Bueno Neto José Carlos Galvão Goulart de Oliveira Graduandos pela Faculdade de Educação, Administração e

Leia mais

Prof. Thiago Oliveira

Prof. Thiago Oliveira Prof. Thiago Oliveira Depois da 2ª Guerra Mundial o Brasil passou por um período de grandes transformações no campo da política, economia e sociedade, superando o Estado Novo de Getúlio e experimentando

Leia mais

O PMDB E OS DESAFIOS DA ELEIÇÃO DE 2010

O PMDB E OS DESAFIOS DA ELEIÇÃO DE 2010 22 O PMDB E OS DESAFIOS DA ELEIÇÃO DE 2010 The Brazilian Democratic Movement Party (PMDB) and the challenges of the elections of 2010 Eliseu Padilha Deputado Federal (PMDB RS) e Presidente da Comissão

Leia mais

ESCOLHA DE DIRIGENTES ESCOLARES EM MINAS GERAIS: TRAJETÓRIA HISTÓRICA, IMPASSES E PERSPECTIVAS Marcelo Soares Pereira da Silva Universidade Federal

ESCOLHA DE DIRIGENTES ESCOLARES EM MINAS GERAIS: TRAJETÓRIA HISTÓRICA, IMPASSES E PERSPECTIVAS Marcelo Soares Pereira da Silva Universidade Federal ESCOLHA DE DIRIGENTES ESCOLARES EM MINAS GERAIS: TRAJETÓRIA HISTÓRICA, IMPASSES E PERSPECTIVAS Marcelo Soares Pereira da Silva Universidade Federal de Uberlândia A discussão sobre a importância da participação

Leia mais

Mas, um golpe de Estado militar instaurou a forma republicana presidencialista, em 15 de novembro de 1889.

Mas, um golpe de Estado militar instaurou a forma republicana presidencialista, em 15 de novembro de 1889. Brasil no período de transição: Império para República. Éramos governados por um dos ramos da Casa de Bragança, conhecido como família imperial brasileira que constituía o 11º maior império da história

Leia mais

Como usar o monitoramento de mídias sociais numa campanha política

Como usar o monitoramento de mídias sociais numa campanha política Como usar o monitoramento de mídias sociais numa campanha política No Brasil, há poucas experiências conhecidas de uso de ferramentas de monitoramento de mídias sociais em campanhas políticas. Uma delas

Leia mais

O que fazer para reformar o Senado?

O que fazer para reformar o Senado? O que fazer para reformar o Senado? Cristovam Buarque As m e d i d a s para enfrentar a crise do momento não serão suficientes sem mudanças na estrutura do Senado. Pelo menos 26 medidas seriam necessárias

Leia mais

Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo FESPSP PROGRAMA DE DISCIPLINA

Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo FESPSP PROGRAMA DE DISCIPLINA 1 Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo FESPSP PROGRAMA DE DISCIPLINA No equilíbrio entre as várias partes do livro, dei maior peso à fase que se inicia nos fins do século XIX e vai até

Leia mais

Aprofundar mudanças rumo a um modelo de desenvolvimento sustentável

Aprofundar mudanças rumo a um modelo de desenvolvimento sustentável Este artigo é cópia fiel do publicado na revista Nu e va So c i e d a d especial em português, junho de 2012, ISSN: 0251-3552, . Aprofundar mudanças rumo a um modelo de desenvolvimento sustentável

Leia mais

O marketing aplicado aos mandatos : A importância da leitura de cenário para o planejamento.

O marketing aplicado aos mandatos : A importância da leitura de cenário para o planejamento. 2º Seminário Nacional de REDES SOCIAIS e E-GOV para Administração Pública O marketing aplicado aos mandatos : A importância da leitura de cenário para o planejamento. Daniel Machado Especialista em Marketing

Leia mais

CARTILHA DO VOTO CONSCIENTE

CARTILHA DO VOTO CONSCIENTE CARTILHA DO VOTO CONSCIENTE ART. 1, 1 da Constituição Federal de 88: Todo o poder emana do povo, que o exerce por meio de representantes eleitos ou diretamente, nos termos desta Constituição. Voto consciente:

Leia mais

FREIRE, Muniz *const. 1891; dep. fed. ES 1891-1892; pres. ES 1892-1896 e 1900-1904; sen. ES 1904-1915.

FREIRE, Muniz *const. 1891; dep. fed. ES 1891-1892; pres. ES 1892-1896 e 1900-1904; sen. ES 1904-1915. FREIRE, Muniz *const. 1891; dep. fed. ES 1891-1892; pres. ES 1892-1896 e 1900-1904; sen. ES 1904-1915. José de Melo Carvalho Muniz Freire nasceu em Vitória a 13 de julho de 1861, filho de Manuel Feliciano

Leia mais

CRISE E RUPTURA NA REPÚBLICA VELHA. Os últimos anos da República Velha

CRISE E RUPTURA NA REPÚBLICA VELHA. Os últimos anos da República Velha CRISE E RUPTURA NA REPÚBLICA VELHA Os últimos anos da República Velha Década de 1920 Brasil - as cidades cresciam e desenvolviam * Nos grandes centros urbanos, as ruas eram bem movimentadas, as pessoas

Leia mais

O IDEAL DA MUDANÇA E OS ATAQUES NOS SPOTS DO PRIMEIRO TURNO DAS

O IDEAL DA MUDANÇA E OS ATAQUES NOS SPOTS DO PRIMEIRO TURNO DAS O IDEAL DA MUDANÇA E OS ATAQUES NOS SPOTS DO PRIMEIRO TURNO DAS ELEIÇÕES PRESIDENCIAIS DE 2014 Luma Doné Miranda 1 RESUMO: Este artigo analisa as inserções na programação de televisão dos candidatos à

Leia mais

ADDITIONAL TEXT PASSO A PASSO CAMPANHA ELEITORAL

ADDITIONAL TEXT PASSO A PASSO CAMPANHA ELEITORAL ADDITIONAL TEXT PASSO A PASSO CAMPANHA ELEITORAL COMO FAZER UMA CAMPANHA POLÍTICA? Passo-a-passo para você vencer as eleições internet + mídias sociais Para um político conseguir ser eleito, ele precisa

Leia mais

Telefones: 41.91135521 e-mails: doacir.q@grupouninter.com.br

Telefones: 41.91135521 e-mails: doacir.q@grupouninter.com.br IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO Título do projeto: Meios de Comunicação e Política Pesquisador responsável: Prof. Doutor Doacir Gonçalves de Quadros Contatos: Telefones: 41.91135521 e-mails: doacir.q@grupouninter.com.br

Leia mais

A REPÚBLICA DEMOCRÁTICA POPULISTA (1945 1964):

A REPÚBLICA DEMOCRÁTICA POPULISTA (1945 1964): A REPÚBLICA DEMOCRÁTICA POPULISTA (1945 1964): 1. - PRINCIPAIS PARTIDOS: PSD (Partido Social Democrático): Principal partido. Criado por Getúlio Vargas. Base rural. Industriais, banqueiros e latifundiários

Leia mais

REPÚBLICA VELHA (1889 1930) Disciplina: História. Professora: Daianne. Série: 9º ano.

REPÚBLICA VELHA (1889 1930) Disciplina: História. Professora: Daianne. Série: 9º ano. REPÚBLICA VELHA (1889 1930) Disciplina: História. Professora: Daianne. Série: 9º ano. PROJETOS DE REPÚBLICA MILITARES Relutava em convocar eleições para a Assembleia Constituinte; Queria um governo forte,

Leia mais

Questões sobre a Ditadura Militar no Brasil (respostas no final da página) 1. Como teve início a Ditadura Militar no Brasil que durou de 1964 a 1985?

Questões sobre a Ditadura Militar no Brasil (respostas no final da página) 1. Como teve início a Ditadura Militar no Brasil que durou de 1964 a 1985? Questões sobre a Ditadura Militar no Brasil (respostas no final da página) 1. Como teve início a Ditadura Militar no Brasil que durou de 1964 a 1985? A - Através de eleições democráticas que levaram ao

Leia mais

Nota à 14 a Edição... 11 Introdução... 13

Nota à 14 a Edição... 11 Introdução... 13 sumário Nota à 14 a Edição................................................ 11 Introdução..................................................... 13 1. As Causas da Expansão Marítima e a Chegada dos Portugueses

Leia mais

presidente Brasil Por Nízea Coelho

presidente Brasil Por Nízea Coelho a PRIMEIRA presidente do Brasil Por Nízea Coelho 1 Lula é um fenômeno no mundo Historiador, mestre e futuro doutor. Este é Leandro Pereira Gonçalves, professor de História do Centro de Ensino Superior

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA. A VOLATILIDADE ELEITORAL: Uma análise socioeconômica e espacial sobre o voto em Santa Maria.

PROJETO DE PESQUISA. A VOLATILIDADE ELEITORAL: Uma análise socioeconômica e espacial sobre o voto em Santa Maria. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS CURSO DE CIÊNCIAS SOCIAIS BACHARELADO GUSTAVO ANDRÉ AVELINE MÜLLER PROJETO DE PESQUISA A VOLATILIDADE

Leia mais

Televisão brasileira: o início da problemática 1

Televisão brasileira: o início da problemática 1 Televisão brasileira: o início da problemática 1 AUTOR: QUINTANA JÚNIOR, José CURSO: Comunicação Social Jornalismo/Unifra, Santa Maria, RS OBRA: CAPARELLI, Sérgio. Televisão e capitalismo no Brasil: com

Leia mais

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº., DE 2015. (Da Sra. Cristiane Brasil)

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº., DE 2015. (Da Sra. Cristiane Brasil) PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº., DE 2015 (Da Sra. Cristiane Brasil) Altera o artigo 14, parágrafo 5º., da Constituição Federal, para determinar a proibição da reeleição por períodos descontinuados,

Leia mais

PERÍODO MILITAR (1964/1985) PROF. SORMANY ALVES

PERÍODO MILITAR (1964/1985) PROF. SORMANY ALVES PERÍODO MILITAR (1964/1985) PROF. SORMANY ALVES INTRODUÇÃO Período governado por GENERAIS do exército brasileiro. Adoção do modelo desenvolvimento dependente, principalmente dos EUA, que subordinava a

Leia mais

Aula 10.1. Avaliação da Unidade II Pontuação: 7,5 pontos

Aula 10.1. Avaliação da Unidade II Pontuação: 7,5 pontos Aula 10.1 Avaliação da Unidade II Pontuação: 7,5 pontos 1ª QUESTÃO (1,0) Em seu discurso de despedida do Senado, em dezembro de 1994, o presidente Fernando Henrique Cardoso anunciou o fim da Era Vargas,

Leia mais

Orientação ao mercado de trabalho para Jovens. 1ª parte. Projeto Super Mercado de Trabalho 1ª parte Luiz Fernando Marca

Orientação ao mercado de trabalho para Jovens. 1ª parte. Projeto Super Mercado de Trabalho 1ª parte Luiz Fernando Marca Orientação ao mercado de trabalho para Jovens 1ª parte APRESENTAÇÃO Muitos dos jovens que estão perto de terminar o segundo grau estão lidando neste momento com duas questões muito importantes: a formação

Leia mais

Acirrada como não se via desde 1989, a campanha pelo primeiro turno

Acirrada como não se via desde 1989, a campanha pelo primeiro turno Panorama Edição 07 Sexta-feira, 3 de de 2014 Acirrada como não se via desde 1989, a campanha pelo primeiro turno das eleições presidenciais demonstrou a importância da internet e das redes sociais. Elas

Leia mais

VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO

VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO A prova de História é composta por três questões e vale 10 pontos no total, assim distribuídos: Questão 1 3 pontos (sendo 1 ponto para o subitem A, 1,5

Leia mais

PESQUISA RELATÓRIO 1/2 PESQUISA PRESIDENTE GOVERNADOR - SENADOR CONTRATANTE DA PESQUISA: PARTIDO DA REPÚBLICA-PR MINAS GERIAS ESTADO: MINAS GERAIS

PESQUISA RELATÓRIO 1/2 PESQUISA PRESIDENTE GOVERNADOR - SENADOR CONTRATANTE DA PESQUISA: PARTIDO DA REPÚBLICA-PR MINAS GERIAS ESTADO: MINAS GERAIS PESQUISA RELATÓRIO 1/2 PESQUISA PRESIDENTE GOVERNADOR - SENADOR CONTRATANTE DA PESQUISA: PARTIDO DA REPÚBLICA-PR MINAS GERIAS ESTADO: MINAS GERAIS PERÍODO DE REALIZAÇÃO DOS TRABALHOS: 12 A 19 DE SETEMBRO

Leia mais

Período Populista (1945/64)

Período Populista (1945/64) Período Populista (1945/64) INTRODUÇÃO Período de Democracia, sem censura e eleições direta (o( o povo vota) para presidente. O mundo encontrava-se no Período de Guerra Fria : Capitalistas (EUA) X Socialistas

Leia mais

Marketing político e eleitoral

Marketing político e eleitoral Marketing político e eleitoral Eloá Muniz Inicialmente é preciso conceituar diferentemente marketing político e marketing eleitoral. O marketing político é um conjunto de técnicas e procedimentos que tem

Leia mais

Resenha. Qual a lógica das políticas de comunicação no Brasil? César Ricardo Siqueira Bolaño, São Paulo: Editora Paulus, 2007, 124 p.

Resenha. Qual a lógica das políticas de comunicação no Brasil? César Ricardo Siqueira Bolaño, São Paulo: Editora Paulus, 2007, 124 p. Resenha Qual a lógica das políticas de comunicação no Brasil? César Ricardo Siqueira Bolaño, São Paulo: Editora Paulus, 2007, 124 p. Naná Garcez de Castro DÓRIA 1 Qual a lógica das políticas de comunicação

Leia mais

O QUE PODERÁ OCORRER NA ELEIÇÃO PRESIDENCIAL DE 2014?

O QUE PODERÁ OCORRER NA ELEIÇÃO PRESIDENCIAL DE 2014? 16 O QUE PODERÁ OCORRER NA ELEIÇÃO PRESIDENCIAL DE 2014? Adriano Oliveira Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) adrianopolitica@uol.com.br Resumo: Este artigo tem os objetivos de desenvolver uma análise

Leia mais

PROJETO: ELEIÇÕES 2014 E O EXERCÍCIO DA CIDADANIA

PROJETO: ELEIÇÕES 2014 E O EXERCÍCIO DA CIDADANIA PROJETO: ELEIÇÕES 2014 E O EXERCÍCIO DA CIDADANIA Meu ideal político é a democracia, para que todo homem seja respeitado como indivíduo e nenhum venerado. (Albert Einstein) JUSTIFICATIVA Estaremos vivenciando

Leia mais

Política, Democracia e Cidadania

Política, Democracia e Cidadania Política, Democracia e Cidadania Por um jovem brasileiro atuante Por Floriano Pesaro Vereador, líder da bancada do PSDB na Câmara Municipal de São Paulo. Natural de São Paulo, Floriano é sociólogo formado

Leia mais

AS ELEIÇÕES DE 2014 E SUAS IMPLICAÇÕES PARA A POLÍTICA ECONÔMICA. Abril/2013

AS ELEIÇÕES DE 2014 E SUAS IMPLICAÇÕES PARA A POLÍTICA ECONÔMICA. Abril/2013 AS ELEIÇÕES DE 2014 E SUAS IMPLICAÇÕES PARA A POLÍTICA ECONÔMICA Abril/2013 Cenário Político 2 A conjuntura política brasileira aponta uma antecipação dos debates em torno da eleição presidencial de 2014,

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL O ELEITOR E A REFORMA POLÍTICA

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL O ELEITOR E A REFORMA POLÍTICA PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL O ELEITOR E A REFORMA POLÍTICA JUNHO DE 2007 Dados Técnicos Pesquisa Pesquisa de opinião pública nacional Universo Eleitores e potenciais eleitores brasileiros que

Leia mais

Tucano nega plano para 2014 e atribui rejeição à ideia, explorada por adversários, de que deixaria prefeitura

Tucano nega plano para 2014 e atribui rejeição à ideia, explorada por adversários, de que deixaria prefeitura Fonte: O Globo 'Ficam dizendo que vou sair de novo' Tucano nega plano para 2014 e atribui rejeição à ideia, explorada por adversários, de que deixaria prefeitura Fernanda da Escóssia, Germano Oliveira,

Leia mais

Reforma Política Democrática Eleições Limpas 13 de janeiro de 2015

Reforma Política Democrática Eleições Limpas 13 de janeiro de 2015 Reforma Política Democrática Eleições Limpas 13 de janeiro de 2015 A Coalizão é uma articulação da sociedade brasileira visando a uma Reforma Política Democrática. Ela é composta atualmente por 101 entidades,

Leia mais

Cartilha VOTE CONSCIENTE VOTE BEM

Cartilha VOTE CONSCIENTE VOTE BEM Cartilha VOTE VOTE BEM CONSCIENTE O mês de outubro marca a escolha de quem estará, durante os próximos anos, à frente do poder no Brasil. É um dos momentos mais significativos, pois é a hora de o brasileiro

Leia mais

Período Democrático e o Golpe de 64

Período Democrático e o Golpe de 64 Período Democrático e o Golpe de 64 GUERRA FRIA (1945 1990) Estados Unidos X União Soviética Capitalismo X Socialismo Governo de Eurico Gaspar Dutra (1946 1950) Período do início da Guerra Fria Rompimento

Leia mais

PROJETOS CULTURAIS ELEIÇÕES. 5 0 a O - fu dame tal. Votar é uma forma de lutar pelos nossos direitos. Justificativa

PROJETOS CULTURAIS ELEIÇÕES. 5 0 a O - fu dame tal. Votar é uma forma de lutar pelos nossos direitos. Justificativa ELEIÇÕES ELEIÇÕES 5 0 a O - fu dame tal Votar é uma forma de lutar pelos nossos direitos. Justificativa PROJETOS CULTURAIS Estamos em época de eleições, em tempo de discutir ideias para fazer a melhor

Leia mais

Prof. Me. Souvenir Maria Graczyk Dornelles FAMECOS / PUCRS

Prof. Me. Souvenir Maria Graczyk Dornelles FAMECOS / PUCRS A PESQUISA QUALITATIVA NO MARKETING POLÍTICO Prof. Me. Souvenir Maria Graczyk Dornelles FAMECOS / PUCRS RESUMO Este texto procura demonstrar o influente papel das Pesquisas de Opinião Qualitativas no contexto

Leia mais

CONQUISTAS IMPORTANTES DAS MULHERES NO BRASIL AO LONGO DA HISTÓRIA

CONQUISTAS IMPORTANTES DAS MULHERES NO BRASIL AO LONGO DA HISTÓRIA CONQUISTAS IMPORTANTES DAS MULHERES NO BRASIL AO LONGO DA HISTÓRIA No mês em que se comemora o Dia Internacional da Mulher, uma seleção com importantes conquistas das Mulheres no Brasil 1822: Maria Leopoldina

Leia mais

Alunos: Alyne Bezerra, Bruna Moraes, Natasha Layla,Raquel Silveira e Rhage Yuri

Alunos: Alyne Bezerra, Bruna Moraes, Natasha Layla,Raquel Silveira e Rhage Yuri Faculdade Estácio Ceut Coordenação do Curso Bacharel em Direito Disciplina: História do Direito Alunos: Alyne Bezerra, Bruna Moraes, Natasha Layla,Raquel Silveira e Rhage Yuri Turma: 1º B 3º Avaliação

Leia mais

A INSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA

A INSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA A INSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA A PROCLAMAÇÃO Proclamada em 15 de novembro de 1889, a República nascia no Brasil como resultado de um movimento de cúpula, como uma espécie de revolução pelo alto controlada

Leia mais

O Dia D. 12º Prêmio Destaque em Comunicação SINEPE. e a culturalização de um. posicionamento estratégico

O Dia D. 12º Prêmio Destaque em Comunicação SINEPE. e a culturalização de um. posicionamento estratégico O Dia D e a culturalização de um posicionamento estratégico 12º Prêmio Destaque em Comunicação SINEPE Centro Universitário Franciscano uma universidade para suas aspirações Santa Maria é um polo educacional

Leia mais

Jornalista: O senhor se arrepende de ter dito que crise chegaria ao Brasil como uma marolinha?

Jornalista: O senhor se arrepende de ter dito que crise chegaria ao Brasil como uma marolinha? Entrevista exclusiva concedida por escrito pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, ao jornal Gazeta do Povo, do Paraná Publicada em 08 de fevereiro de 2009 Jornalista: O Brasil ainda tem

Leia mais

INTRODUÇÃO AO CURSO DE MARKETING ELEITORAL

INTRODUÇÃO AO CURSO DE MARKETING ELEITORAL INTRODUÇÃO AO CURSO DE MARKETING ELEITORAL FAÇA SUA CAMPANHA PARA PROJETO PODER P - Planejamento O - Organização D - Delegação E - Execução R - Realização Lance sua campanha para Vereador com o Projeto

Leia mais

Marketing Político, História e Evolução no Brasil Republicano

Marketing Político, História e Evolução no Brasil Republicano 1 Marketing Político, História e Evolução no Brasil Republicano Trabalho apresentado ao GT 02 História da Publicidade e Propaganda do V Congresso Nacional de História da Mídia, Facasper e Ciee, São Paulo,

Leia mais

Propaganda ideológica. Baseado no livro: O que é Propaganda Ideológica de Nelson Jahr Garcia

Propaganda ideológica. Baseado no livro: O que é Propaganda Ideológica de Nelson Jahr Garcia Propaganda ideológica Baseado no livro: O que é Propaganda Ideológica de Nelson Jahr Garcia Propagandas: comerciais e eleitorais Estão em todo parte: televisão, rádio, cartazes; veículos; objetos... As

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 16 DE ABRIL PALÁCIO DO PLANALTO BRASÍLIA

Leia mais

29 A ordem liberal-democrática

29 A ordem liberal-democrática A U A UL LA A ordem liberal-democrática Abertura Na aula passada vimos que, em 1945, Vargas convocou eleições para a presidência da República. Mas o regime do Estado Novo chegou ao fim antes que elas se

Leia mais

A intenção é introduzir o tema para instigar a troca de opiniões. O Partido acumula boas experiências a partir do debate iniciado em

A intenção é introduzir o tema para instigar a troca de opiniões. O Partido acumula boas experiências a partir do debate iniciado em Propaganda Eleitoral 6.05.200 A. Introdução A intenção é introduzir o tema para instigar a troca de opiniões O Partido acumula boas experiências a partir do debate iniciado em + - 998 O tema esquentou

Leia mais

Clipping. ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO 03 de outubro de 2011 ESTADO DE MINAS

Clipping. ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO 03 de outubro de 2011 ESTADO DE MINAS ESTADO DE MINAS 1 2 ESTADO DE MINAS 3 ESTADO DE MINAS http://www.em.com.br PSD de Kassab mira 'órfãos' do PMDB quercista O PSD obteve registro no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) na terça-feira e corre

Leia mais

I Formação do Perfil do Candidato e as Convenções Partidárias. II Registro de Candidatura e Modalidades de Propaganda Política

I Formação do Perfil do Candidato e as Convenções Partidárias. II Registro de Candidatura e Modalidades de Propaganda Política ÍNDICE I Formação do Perfil do Candidato e as Convenções Partidárias 1.1 Introdução 1.2 Perfil do candidato x perfil do eleitor 1.3 Marketing pessoal do candidato 1.3.1 A pesquisa de mercado 1.3.2 O conceito

Leia mais

UMA RESPOSTA ESTRATÉGICA AOS

UMA RESPOSTA ESTRATÉGICA AOS UMA RESPOSTA ESTRATÉGICA AOS DESAFIOS DO CAPITALISMO GLOBAL E DA DEMOCRACIA Luiz Carlos Bresser-Pereira A Reforma Gerencial ou Reforma à Gestão Pública de 95 atingiu basicamente os objetivos a que se propunha

Leia mais

Provão. História 5 o ano

Provão. História 5 o ano Provão História 5 o ano 61 Os reis portugueses governaram o Brasil à distância, até o século XIX, porém alguns acontecimentos na Europa mudaram essa situação. Em que ano a família real portuguesa veio

Leia mais

VI SEMINÁRIO DE DIREITO PARA JORNALISTAS - DIA 28.11.06 PERGUNTAS E RESPOSTAS

VI SEMINÁRIO DE DIREITO PARA JORNALISTAS - DIA 28.11.06 PERGUNTAS E RESPOSTAS VI SEMINÁRIO DE DIREITO PARA JORNALISTAS - DIA 28.11.06 PERGUNTAS E RESPOSTAS Perguntas e resposta feitas ao jornalisa Romário Schettino Perguntas dos participantes do 6 Seminário de Direito para Jornalistas

Leia mais

Grêmio em Forma: o fomento à participação dos jovens na escola como estratégia de prevenção da violência

Grêmio em Forma: o fomento à participação dos jovens na escola como estratégia de prevenção da violência Grêmio em Forma: o fomento à participação dos jovens na escola como estratégia de prevenção da violência (Artigo publicado no livro Violência & Juventude, editora Hucitec, 2010) Este texto pretende apresentar

Leia mais

Resumo. Palavras-chave: twitter; ferramenta; planejamento; Greenpeace.

Resumo. Palavras-chave: twitter; ferramenta; planejamento; Greenpeace. O Twitter Como Ferramenta de Divulgação Para As Empresas: Um Estudo De Caso do GREENPEACE 1 Jonathan Emerson SANTANA 2 Gustavo Guilherme da Matta Caetano LOPES 3 Faculdade Internacional de Curitiba - FACINTER

Leia mais

país. Ele quer educação, saúde e lazer. Surge então o sindicato cidadão que pensa o trabalhador como um ser integrado à sociedade.

país. Ele quer educação, saúde e lazer. Surge então o sindicato cidadão que pensa o trabalhador como um ser integrado à sociedade. Olá, sou Rita Berlofa dirigente do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Brasil, filiado à Contraf e à CUT. Quero saudar a todos os trabalhadores presentes e também àqueles que, por algum motivo, não puderam

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO 1

PROJETO PEDAGÓGICO 1 PROJETO PEDAGÓGICO 1 Projeto Pedagógico Por Beatriz Tavares de Souza* Ideias e ações políticas? Mãos à obra! Você sabe precisar quando a infância termina para dar lugar à adolescência? Mudanças físicas

Leia mais

O SR. NELSON MARQUEZELLI (PTB - sp) pronuncia o. seguinte discurso: Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados,

O SR. NELSON MARQUEZELLI (PTB - sp) pronuncia o. seguinte discurso: Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados, O SR. NELSON MARQUEZELLI (PTB - sp) pronuncia o seguinte discurso: Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados, encontra-se em curso, no Congresso Nacional, uma proposta de reforma que aborda questões consideradas

Leia mais

PESQUISAS, ESTRATÉGIAS ELEITORAIS E A DISPUTA PRESIDENCIAL DE 2010.

PESQUISAS, ESTRATÉGIAS ELEITORAIS E A DISPUTA PRESIDENCIAL DE 2010. 6 PESQUISAS, ESTRATÉGIAS ELEITORAIS E A DISPUTA PRESIDENCIAL DE 2010. Pools, electoral strategies and the presidential dispute in 2010. Adriano Oliveira Universidade Federal de Pernambuco - UFPE adrianopolitica@uol.com.br

Leia mais

Apontamentos sobre marketing eleitoral

Apontamentos sobre marketing eleitoral Apontamentos sobre marketing eleitoral Posicionamento da Candidatura Cada campanha é única e terá seu próprio cronograma. No entanto, é possível propor uma divisão geral em fases, pelas quais qualquer

Leia mais

O PT e a lenda do Boto cor de rosa

O PT e a lenda do Boto cor de rosa O PT e a lenda do Boto cor de rosa De: Francisco Uribam Xavier de Holanda O PT e a lenda do Boto cor de rosa. Fortaleza: Expressão Gráfica e Editora, 2013. Por: André Haguette Ph.D. Professor Titular em

Leia mais

35º Encontro Anual da ANPOCS GT21 - Mídia, política e eleições

35º Encontro Anual da ANPOCS GT21 - Mídia, política e eleições 35º Encontro Anual da ANPOCS GT21 - Mídia, política e eleições As pesquisas das pesquisas A opinião do eleitor sobre as pesquisas eleitorais Adriano Oliveira Professor Adjunto do Departamento de Ciência

Leia mais

QUARTA CONSTITUIÇÃO (A CONSTITUIÇÃO DO ESTADO NOVO)

QUARTA CONSTITUIÇÃO (A CONSTITUIÇÃO DO ESTADO NOVO) QUARTA CONSTITUIÇÃO (A CONSTITUIÇÃO DO ESTADO NOVO) NOME...Constituição dos Estados Unidos do Brasil DATA...10 de Novembro de 1937 ORIGEM...Outorgada DURAÇÃO...9 anos PREÂMBULO O Presidente da República

Leia mais

DIREITO ELEITORAL E PROCESSO ELEITORAL

DIREITO ELEITORAL E PROCESSO ELEITORAL CURSO DE CAPACITAÇÃO A DISTÂNCIA EM DIREITO ELEITORAL E PROCESSO ELEITORAL Autor: Fabiano Leitoguinho Rossi Sumário 1. Gestão político-eleitoral... 04 1.1 Introdução... 04 1.2 Perfil do candidato x perfil

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO DE JANEIRO Escola Judiciária Eleitoral

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO DE JANEIRO Escola Judiciária Eleitoral TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO DE JANEIRO Escola Judiciária Eleitoral Abril 2013 TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Presidente Desembargadora Letícia De Faria Sardas Corregedor

Leia mais

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA Clodoaldo Meneguello Cardoso Nesta "I Conferência dos lideres de Grêmio das Escolas Públicas Estaduais da Região Bauru" vamos conversar muito sobre política.

Leia mais

As 10 coisas que todas as campanhas vitoriosas fazem

As 10 coisas que todas as campanhas vitoriosas fazem Eleições 2012 As 10 coisas que todas as campanhas vitoriosas fazem Dicas práticas para prefeito e vereador Conquiste o diploma mais importante da sua vida Faça do blog Campanhas e Mandatos sua vantagem

Leia mais

Planejamento de Campanha Publicitária

Planejamento de Campanha Publicitária Planejamento de Campanha Publicitária Prof. André Wander UCAM O briefing chegou. E agora? O profissional responsável pelo planejamento de campanha em uma agência de propaganda recebe o briefing, analisa

Leia mais

presidencial por Deodoro. Fracassada a rebelião, foi um dos deportados para Cucuí, no alto Amazonas, e perdeu o cargo de diretor da Faculdade de

presidencial por Deodoro. Fracassada a rebelião, foi um dos deportados para Cucuí, no alto Amazonas, e perdeu o cargo de diretor da Faculdade de SEABRA, J. J. *const. 1891; dep. fed. BA 1891-1893 e 1897-1902; min. Interior e Just. 1902-1906; dep. fed. BA 1909-1910; min. Viação 1910-1912; gov. BA 1912-1915; dep. fed. BA 1916-1917; sen. BA 1917-1920;

Leia mais

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA 1 CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INTRODUÇÃO A PUBLICIDADE E PROPAGANDA... 4 02 HISTÓRIA DA ARTE... 4 03 COMUNICAÇÃO

Leia mais

criação da União Nacional dos Estudantes (UNE) em 1937

criação da União Nacional dos Estudantes (UNE) em 1937 História da ENESSO No Brasil, desde o período colonial podemos observar a participação dos estudantes na política do país, mesmo não possuindo um caráter organizado que só aconteceria no século XX. A primeira

Leia mais

RESOLUÇÃO SOBRE O CONTEÚDO DE TRABALHO NAS ORGANIZAÇÕES DE BASE DO PARTIDO

RESOLUÇÃO SOBRE O CONTEÚDO DE TRABALHO NAS ORGANIZAÇÕES DE BASE DO PARTIDO RESOLUÇÃO SOBRE O CONTEÚDO DE TRABALHO NAS ORGANIZAÇÕES DE BASE DO PARTIDO 1 FICHA TÉCNICA Regulamento Geral de Organização e Funcionamento das Estruturas do MPLA Edição: COMITÉ CENTRAL DO MPLA Ano de

Leia mais

Guia de Reforma Política

Guia de Reforma Política Guia de Reforma Política Guia de Reforma Política - 2 de 13 O que os partidos querem com a Reforma Política e a proposta do Movimento Liberal Acorda Brasil O Movimento Liberal Acorda Brasil avaliou as

Leia mais

A guerra dos slogans:um estudo sobre os efeitos da comunicação política na campanha para Prefeito de São José dos Campos/SP em 2008.

A guerra dos slogans:um estudo sobre os efeitos da comunicação política na campanha para Prefeito de São José dos Campos/SP em 2008. A guerra dos slogans:um estudo sobre os efeitos da comunicação política na campanha para Prefeito de São José dos Campos/SP em 2008. Margarete Salles Iwanikow 1 RESUMO Este artigo mostra a importância

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013 Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: COMUNICAÇÃO SOCIAL BACHARELADO MATRIZ CURRICULAR PUBLICIDADE E PROPAGANDA SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL

Leia mais