A IMPORTÂNCIA DO MARKETING PARA OS MUSEUS COMO ATRATIVO TURÍSTICO: UM BREVE ESTUDO NO MUSEU DO ÍNDIO DA CIDADE DE MANAUS-AM

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A IMPORTÂNCIA DO MARKETING PARA OS MUSEUS COMO ATRATIVO TURÍSTICO: UM BREVE ESTUDO NO MUSEU DO ÍNDIO DA CIDADE DE MANAUS-AM"

Transcrição

1 Revista Eletrônica Aboré - Publicação da Escola Superior de Artes e Turismo Manaus - Edição 04 Dez/ A IMPORTÂNCIA DO MARKETING PARA OS MUSEUS COMO ATRATIVO TURÍSTICO: UM BREVE ESTUDO NO MUSEU DO ÍNDIO DA CIDADE DE MANAUS-AM José Carlos Lima Rocha 1 Simone Marcela Souza de Carvalho 2 RESUMO Os museus como componentes do produto turístico e fontes para a difusão histórica e cultural de uma região e de seu povo, podem tornar-se atraentes pontos turísticos. Estratégias de marketing são importantes para o desenvolvimento de um museu como atrativo turístico ao possibilitar o aproveitamento do seu potencial para o turismo cultural. O objetivo geral deste trabalho é investigar a importância das estratégias de marketing realizadas no museu do Índio da Cidade de Manaus. Foi realizado por meio de uma revisão literária acerca da temática para conhecimento de conceitos e definições utilizados como base para uma pesquisa com visitantes do Museu do Índio, em Manaus-AM. Os dados obtidos da pesquisa indicam que o Museu estudado, destaca-se como reconhecido ponto turístico local em função da importância de seu acervo, um diferencial em relação à história e identidade da região Amazônica. Os visitantes entrevistados informaram estar satisfeitos com os serviços oferecidos pelo atrativo e apresentaram como recomendações o exercício contínuo de divulgação do museu. Palavras- chave: Museus. Atrativo Turístico Cultural. Marketing Turístico. ABSTRACT The museums as component of the tourist product and sources for the historical and cultural diffusion of an e region its people, can become attractive tourist points. Strategies of marketing are important for the development of a tourist museum as attractive when making possible the exploration and exploitation of its potential for the cultural tourism. The general objective of this work was to demonstrate the importance of the strategies of marketing in museums for the development of these tourist places as attractive and for the satisfaction of the visitor. It was carried through by means of a thematic literary revision concerning for knowledge of concepts and the used definitions as base for a research with visitors of the Museum of the Indian, in Manaus-AM. The gotten data of the research indicate that the Museum of the Indian is distinguished as recognized local tourist point in function of the importance of its quantity, a differential in relation to history and identity of this region. The majority of the interviewed visitors informed to be satisfied with the museum and had presented as suggestion, better spreading service. 1 Especialista em Turismo e Desenvolvimento Local - Universidade do Estado do Amazonas. 2 Doutoranda do Curso de Geografia Humana DINTER/UA/USP. Mestre em Ciências Florestais e Ambientais PPGCIFA/UFAM, professora do Curso de Pós-Graduação em Turismo ESAT/UEA,

2 25 Key- words: Museums. Touristic Cultural Attraction. Touristic Marketing. 1 INTRODUÇÃO O marketing tornou-se uma tecnologia estratégica indispensável no âmbito da gestão empresarial das organizações de todos os segmentos. Consiste em um processo que se propõe a oferecer um conjunto de estratégias focadas no desenvolvimento das empresas, com a identificação de suas necessidades e oportunidades de mercado, a potencialidade, qualidade e os preços de seus produtos, a garantia da correta distribuição e comunicação. Nesse processo, além de serem detectadas e supridas as diversas oportunidades e necessidades apresentadas pelo mercado consumidor, são também estabelecidas as relações entre clientes e responsáveis por produtos. Estudiosos destacam que, anos após a aplicação do marketing as entidades que visam essencialmente o lucro, o processo foi estendido a outros segmentos organizacionais. No turismo, o marketing tem como função, reconhecer o desejo e a expectativa dos turistas e desenvolver os bens e serviços que compõem o produto turístico de uma localidade, possibilitando sua atratividade, de forma a atender satisfatoriamente a demanda. Dessa forma, o marketing turístico tem a proeminência do mercado como estratégia importante, que permite às organizações, identificar e delimitar os seus produtos com mais precisão em relação a esse mercado-alvo. Os museus como organizações envolvidas com a preservação e difusão cultural da história do homem e da sociedade, fazem parte do produto turístico local, e devem estar comprometidos com o seu papel cultural. Como toda organização, os museus também precisam utilizar-se das estratégias de marketing para o atendimento satisfatório da demanda e para se constituírem como reconhecidos atrativos turísticos locais. Mudanças relacionadas a novas tecnologias e a criação de novas atividades, podem ser inovações necessárias à gestão dos museus, para melhor alcance dos objetivos da organização. Este trabalho surgiu do interesse do autor pelo tema ao considerar a necessidade do marketing em instituições culturais e turísticas, que dependem da adequação de seus serviços, de modo a atender o mercado-alvo que são os visitantes locais e turistas.

3 26 Procurou-se discutir, o papel dos museus como componentes do produto turístico de uma localidade, e a função do marketing no processo de integração de visitantes e museus, no processo de desenvolvimento dessas organizações, como atrativos turísticos locais. Destaca-se como objeto de estudo, o Museu do Índio, em Manaus (AM), que é um atrativo cultural da cidade, em função do seu importante acervo para a difusão da cultura da região. Desse modo, o objetivo geral deste trabalho é investigar a importância das estratégias de marketing realizadas no museu do Índio da Cidade de Manaus. 2 OS MUSEUS COMO ATRATIVOS TURÍSTICOS A origem dos museus, conforme Suano (1986 apud VASCONCELOS, 2006), remetese à Grécia Antiga, onde existia o Mouseion ou Casa das Musas, que consistia em uma mistura de templo e centro de pesquisa direcionado à filosofia, cujas obras que ali eram expostas tinham a função de agradar as divindades. A base existencial dos acervos surgiu do hábito do ser humano em colecionar coisas. A coleção retrata, ao mesmo tempo, a realidade e a história de uma parte do mundo, além de demonstrar àquele homem ou sociedade que a coletou e, a transformou em coleção. Sob a influência do tempo essas coleções foram tendo valores agregados e, com a evolução da sociedade, tornaram-se públicas (VASCONCELOS, 2006). De acordo com o Conselho Internacional de Museus- ICOM: Museu é uma instituição permanente sem fins lucrativos, a serviço da sociedade e de seu desenvolvimento, aberta ao público, que adquire, conserva, pesquisa, comunica e expõe testemunhos materiais do homem e de seu meio, para fins de estudo, educação e lazer (apud VASCONCELOS, 2006). De acordo com o Ministério da Cultura (2008): Os museus são casas que guardam e apresentam sonhos, sentimentos, pensamentos e intuições que ganham corpo através de imagens, cores, sons e formas. Os museus são pontes, portas e janelas que ligam e desligam mundos, tempos, culturas e pessoas diferentes.

4 27 Segundo a declaração da UNESCO (1998 apud VASCONCELOS, 2006), o turismo não pode existir sem a cultura, por ser esta uma das principais motivações para o movimento das pessoas, e pelo fato de que qualquer forma de turismo produz um efeito cultural tanto no visitante como no anfitrião. Dessa forma, o turismo cultural oferece aos turistas e visitantes, o desejo de conhecer e experimentar culturas diferentes das suas, e esta modalidade do turismo é voltada para a apreciação cultural, seja através de experiências ou obtenção de conhecimento (BARRETO, 2001). Os museus, como componentes do produto turístico, voltados à conservação, disposição e difusão das testemunhas culturais e materiais da história do homem e da sociedade devem estar comprometidas com essa função no contexto turístico, de servir como instrumento para o turismo cultural (VASCONCELOS, 2006). Produto turístico, na concepção de Ruschmann (2003), corresponde ao conjunto de componentes (atrações, facilidades e meios de acessos) materiais e imateriais, voltados para uma atividade específica e numa determinada localidade, englobando as experiências e expectativas dos consumidores. Para Vaz (1999), o produto turístico é formado pelo conjunto de atrações que o consumidor busca e pelo complexo estrutural dos serviços oferecidos (dentre outros, recursos naturais, bens e recursos culturais, religiosidade, etc.), que, globalmente, satisfazem a necessidade turística, influenciando a decisão dos turistas em relação aos fatores de atratividade dos destinos. Cada organização de um destino turístico deve identificar o seu papel desempenhado no contexto turístico local e empenhar-se em aperfeiçoar o seu grau de atratividade. Segundo Cooper (2001), as atrações são o principal ponto para desenvolver o turismo em uma destinação. Os museus oferecem outras atividades aos visitantes, como cursos, orientações, acervo bibliográficos, o que integra o lazer na vida cultural das pessoas e tornam os museus, atrativos turísticos a todos os públicos. De acordo com Vasconcelos (2006), o museu desempenha também papel educativo com a finalidade de contribuir para o despertar da consciência do indivíduo em relação ao patrimônio do qual é herdeiro e do seu potencial em termos de ensino e aprendizagem. Os museus conservam e preservam parte de nossa história, e por isso podem utilizar-se de seu

5 28 patrimônio para atrair diferentes fluxos de turistas interessados em pesquisar as características específicas de diferentes acervos expostos nos museus. Vasconcelos (2006) faz referências ao papel social do museu, ao demonstrar que essa entidade envolve turistas e moradores locais em atividades culturais passíveis de trocas de experiências. O interesse pelas trocas culturais impulsiona o crescimento do turismo ampliando com isso a procura por produtos culturais que se bem adequados podem contribuir para a melhoria da qualidade de vida das pessoas. Vasconcelos (2006), cita que existem museus brasileiros que recebem um número relevante de visitantes, conseguem manter-se com recursos próprios ou de outras fontes, como da venda de souvenir, mas não têm atividades além da exibição permanente do acervo e algumas atividades de pesquisa desenvolvidas por estudantes e pesquisadores de instituições de ensino. Por outro lado, há museus que apresentam inovações tecnológicas, desde a estrutura de ambientação e recursos de multimídia, desenvolvem pesquisas contínuas, exibições especiais de acervos de outros museus e instituições do gênero, e promovem eventos relacionados à sua temática. Segundo Barreto (2001), as pessoas estão cada vez mais interessadas em conhecer lugares, costumes, histórias próprias de cada lugar, valorizando a cultura local. E, portanto, existe a preocupação de levar informações aos turistas, de forma interessante. Os museus devem acompanhar as inovações para tornar a visita do turista interessante e proveitosa. Conforme Molin e Souza (2006), para tornarem-se mais atrativos, os museus devem procurar agregar valores, e para isso seus gestores precisam considerar as oportunidades que podem ser possibilitadas pelo marketing, por meio de estratégias capazes de atrair maior público e atingir de forma otimizada, os objetivos da instituição. 3 OS MUSEUS E AS ESTRATÉGIAS DE MARKETING De acordo com Kotler (2004), o marketing é uma técnica de gestão, através da qual indivíduos ou grupos obtêm aquilo de que têm necessidade e aquilo que querem, graças à criação, oferta e troca de produtos com outros indivíduos. O marketing começa pelo reconhecimento de que cada pessoa tem um conjunto de necessidades e desejos por realizar e que a sua realização, depende de uma série de produtos e

6 29 serviços. Realiza-se sempre que duas de cinco condições estão reunidas: a existência de pelo menos duas partes envolvidas; sempre que uma parte tem algo a oferecer à outra; sempre que cada parte é capaz de se desfazer da sua metade da troca e sentir-se satisfeito com a troca; sempre que cada parte puder aceitar ou rejeitar a oferta e sempre que todas as partes considerarem desejável negociar entre si. A essência da atividade de marketing consiste na agregação de valores aos produtos com o intuito de atrair e satisfazer clientes. O turismo se apresenta como um importante setor econômico que precisa ser desenvolvido de forma planejada. O marketing e suas ferramentas podem ser aplicados no turismo para fomentar a comercialização dos produtos turísticos (RUSCHMANN, 1997). De acordo com a American Marketing Association (apud KOTLER, 2004), marketing é o processo de planejar e executar a concepção do produto, a determinação do preço, a promoção e a distribuição de idéias, bens e serviços para criar trocas que satisfaçam metas individuais e organizacionais. O marketing turístico, segundo Beni (2003), é um processo administrativo através do qual as empresas e outras organizações de turismo identificam seus clientes (turistas), reais e potenciais, e com eles se comunicam para conhecerem e influenciarem suas necessidades, desejos e motivações nos planos em que atuam, com o objetivo de formular e adaptar seus produtos para alcançar a satisfação ótima da demanda. De acordo com a definição da EMBRATUR, marketing turístico é um conjunto de técnicas estatísticas, econômicas, sociológicas e psicológicas, utilizadas para estudar e conquistar o mercado, mediante lançamento planejado de produtos, consistindo numa estratégia para adequar seus recursos às novas oportunidades que o mercado oferece. Kotler e Armstrong (2003) enfatizam o crescimento da aplicação do marketing como estratégia em organizações que não visam lucros, como os museus. Quando aplicado ao museu, o marketing será um conjunto de atividades realizadas para atingir os objetivos do museu e satisfazer os seus públicos diferentes. Entretanto, na organização interna dos museus, o marketing é utilizado de forma similar à sua função em empresas privadas de produtos e serviços, detectando e delimitando mercados potenciais, com base em suas necessidades para atendê-los de forma satisfatória (MOLIN & SOUZA, 2006).

7 30 Conforme Kotler (2000), as estratégias de marketing adotadas em organizações como os museus podem contribuir para a obtenção dos objetivos da instituição, de forma mais eficaz. Isto é, tais estratégias devem visar a possibilidade de maiores recursos para a instituição, de estímulos aos funcionários e a busca de clientes, por meio de parcerias, eficientes e eficazes. Como ocorre em todo planejamento de marketing, nos museus devem ser elaboradas pesquisas para subsidiar as tomadas de decisões que se apresentarem necessárias face às exigências atuais para as organizações. Essas pesquisas, de acordo com Kotler e Armstrong (2003), podem ser feitas por meio de observações no ambiente da instituição, no caso, no recinto interno dos museus, da análise da divulgação de outras organizações similares, bem como, por meio de levantamentos da opinião do público (visitantes e turistas) e dos colaboradores, e também da avaliação de estratégias já utilizadas. Resultados dessas pesquisas podem levar a mudanças na gestão dos museus, e justificar o investimento em novas tecnologias, criação de instrumentos, que permitam maior participação e novas experiências dos visitantes. 4 BREVE HISTÓRICO DO MUSEU DO ÍNDIO Segundo os dados fornecidos pelos representantes entrevistados do Museu do Índio, o referido Museu foi fundado em 1952 por uma freira, madre Mazzone e é mantido desde a sua fundação pela Congregação das Irmãs Salesianas. A admiração da freira das Missões Salesianas pelos utensílios e artesanato indígena quando viajava no Alto Rio Negro, próximo ao Pico da Neblina, fez com que esta idealizasse a criação do museu. O acervo do museu, de três mil peças, foi totalmente adquirido nas Missões Salesianas junto a tribos índigenas: Tukano, Yanomani, Wanana, Kobeva, Tariano, Dessana e Macu. Os materiais expostos são diversos: utensílios domésticos, armas de caça e guerra, adornos ornamentais e rituais, animais empalhados, modelos de malocas, e artesanato já aculturado, distribuídos em seis dependências do museu. O museu contém uma loja de artesanato onde se pode comprar alguns produtos indígenas, principalmente cerâmicas e objetos de cipó.

8 31 O funcionamento do museu obedece o seguinte horário: de segunda a sexta-feira, das 8h30 às 11h30 e das 14h às 16h30; aos sábados das 8h30 às 11h30. O museu está situado no seguinte endereço: Rua Duque de Caxias, n. 356, Centro Manaus. 5 METODOLOGIA Procurou-se neste trabalho demonstrar a importância da utilização de marketing no âmbito de museus para o desenvolvimento dos mesmos como atrativo turístico. Tratou-se de uma pesquisa qualitativa, em que inicialmente, se buscou na literatura pertinente, conceitos e definições de termos inerentes à temática proposta. Posteriormente, procurou-se relacionar informações teóricas obtidas nesse estudo com dados obtidos em pesquisa realizada no Museu do Índio, em Manaus. Foram realizadas entrevistas, de perguntas abertas e fechadas, com vinte visitantes, de ambos os sexos e faixas etárias diversas, selecionados aleatoriamente, durante os meses de março e abril de As entrevistas contemplaram questões relacionadas: aos motivos para a visita; à infra-estrutura, à satisfação em relação ao museu, à acolhida, ao acervo, às informações e explicações disponibilizadas; e opinião sobre a divulgação do museu. O museu também participou da pesquisa, através da entrevista com uma colaboradora, com questões relacionadas à manutenção do museu, média de visitação, planos de marketing existentes e os diferenciais do local. 6 RESULTADOS E DISCUSSÕES As informações obtidas nas entrevistas realizadas com os visitantes do Museu do Índio confirmam a conceituação do referido local como um importante ponto turístico cultural da cidade de Manaus, pela atratividade de seu acervo. Para a pergunta sobre a percepção do turista em relação ao museu como atrativo turístico, a resposta mais comum foi a de que o referido ponto turístico é muito importante

9 32 para a valorização e o fortalecimento da identidade cultural de um povo pois possibilita a aquisição de mais conhecimentos sobre a cultura e a história da região. A colaboradora do museu, entrevistada, por sua vez, enfatizou a importância do acervo para a informação sobre a cultura indígena, principalmente sobre as tribos do Alto Rio Negro, área indígena do Amazonas. Os visitantes dos museus pertencem a segmentos variados da sociedade, além de turistas, educadores, familiares e estudantes de diferentes faixas etárias, o que contribui para que as visitas sejam realizadas a partir de diversas expectativas, contribuindo assim, com o gestor local, onde se tem a oportunidade de buscar sempre a melhoria nos serviços. Os motivos apontados que levaram os entrevistados ao museu, foram: conhecer a cultura regional, o aprimoramento cultural, um pouco de curiosidade sobre o tema indígena, vida e costumes, interesse acadêmico, e também a influência da divulgação do local. É válido ressaltar, que os turistas, de modo particular, demonstram um interesse de conhecer a história da região e do povo amazonense. Nas questões relacionadas à infra-estrutura, para a colaboradora do museu, a localização do mesmo é de fácil acesso, em área próxima ao centro da cidade, e com espaço disponível para estacionamento de veículos particulares e ônibus turísticos. As dependências do museu também apresentam condições necessárias para uma boa receptividade, com salas amplas e claras, permitindo conforto ao visitante. Quanto à apresentação do acervo foram destacados alguns itens como pontos positivos: etiquetas informativas com textos claros; folders explicativos para orientação dos visitantes; suportes e vitrines adequadas para exposições dos objetos. Uma necessidade reconhecida e apontada pela colaboradora é a falta de identificações e explicações para os itens do acervo em outros idiomas além do português, o que dificulta uma melhor compreensão por parte de turistas internacionais quando não se fazem acompanhar de guias de turismo para proceder às traduções. Os vinte visitantes entrevistados sobre essas questões relacionadas à infra-estrutura concordaram com a boa localização do museu, de fácil acesso para os visitantes, locais e turistas, com possibilidade de estacionamento próximo ao local. Quanto às obras do acervo, consideravam disponibilizadas de forma a permitir ampla visibilidade e compreensão aos visitantes brasileiros.

10 33 Considerando que, o marketing se preocupa com a qualidade do produto a ser oferecido e, suas estratégias são importantes para o desenvolvimento de um museu como atrativo turístico. Em um atrativo turístico cultural, o marketing focaliza as peculiaridades do produto para que este se torne um desejo do visitante. Nesse contexto, para a integração e um bom aproveitamento dos museus pelo turismo é necessário haver investimento em infra-estrutura adequada para o recebimento de visitantes, como local de fácil acesso, monitores bem treinados, acervo organizado e bem disponibilizado, loja de souvenir, biblioteca, sala para palestras e outros eventos, como por exemplo, exposições temporárias passaram a fazer parte dos contextos dos museus. Como inovações, os museus podem contemplar novos ambientes e novas atividades voltados para o entretenimento, para a socialização e processo educativo, direcionados para a satisfação do visitante. No quesito que se investiga o grau de satisfação, todos os entrevistados informaram ter sido bom realizar a visita, estavam satisfeitos em relação ao acolhimento, e com o que viram e aprenderam no local por meio das informações e explicações disponibilizadas. Perguntados sobre o que poderia melhorar os serviços do museu para torná-lo ainda mais atrativo, responderam poder haver a possibilidade de outras atividades no recinto do museu com a participação dos visitantes. O processo de consultar o público para investigar os desejos e sonhos é uma das ferramentas de estratégias básicas do marketing, na qual subsidia o planejamento das organizações, de modo a elaborar e oferecer serviços que atendam os anseios da clientela enquanto desenvolvem a organização. Na opinião quanto à divulgação do local, a maioria dos entrevistados informou desconhecer os meios pelos quais o museu é divulgado, falaram da importância da divulgação e sugeriram que esse serviço deveria ser socializado através dos vários meios disponíveis de informação. Os turistas disseram ter tido conhecimento no hotel, onde hospedados, observaram o material de publicação, como folhetos/folders sobre os pontos turísticos locais, bem como outros foram informados pelos amigos ou familiares. Sobre essa questão da divulgação do referido ponto turístico, a colaboradora confirmou a distribuição dos panfletos por ocasião da visita, e citou as reportagens realizadas por emissoras locais de rádio e televisão, o que ressalta mais uma vez a relevância desse tipo de atrativo.

11 34 Diante do exposto, recomenda-se que, o museu por meio do marketing deve fazer uso de material promocional para atrair o público, bem como vir a buscar parcerias que possam contribuir com o trabalho de divulgação e também com a manutenção do museu. O museu pode ter um papel importante no complexo turístico local, pois ele tem entre as funções, preservar e proteger um patrimônio cultural que retorna às origens do povo da região, devendo ser visto tanto por turistas nacionais e internacionais como pela comunidade local. No contexto em que as atividades de marketing influenciam cada vez mais os consumidores, mesmo as instituições não incluídas como exclusivamente comerciais, como é o caso dos museus, precisam utilizar estratégias de marketing para estimularem o interesse dos visitantes e para se tornarem um atrativo turístico de relevância. 7 CONCLUSÃO Considerando o desenvolvimento da pesquisa e a busca para se atingir os objetivos propostos, ressalta-se que o estudo foi alcançado. Dentre os resultados elencados, apontaram aspectos referentes ao marketing em organizações como os museus, mostrando a importância de suas estratégias e a necessidade de sua adaptação às peculiaridades dessas instituições, com a finalidade de atrair e satisfazer visitantes, e conseqüentemente, angariar recursos. Desse modo, conclui-se que, o marketing não está vinculado apenas às empresas que visam lucros, mas, sobretudo, nos aspectos culturais, sociais e ambientais, é importante no turismo, contemplando organizações como museus. Sendo o produto turístico constituído de bens e serviços, sua funcionalidade eficaz depende de um conjunto de metas planejadas e atividades realizadas para que se alcance o objetivo de ofertar o produto, de acordo com as exigências da demanda. Baseado nas definições apresentadas, conclui-se que, pretende-se buscar por meio do marketing turístico, conhecer o público-alvo, visitantes e turistas, no sentido de serem desenvolvidos produtos que venham a satisfazer suas necessidades. No caso do Museu do Índio, especificamente, recomenda-se que a primeira estratégia de marketing a ser implementada seja uma pesquisa direcionada para o conhecimento dos anseios dos visitantes em relação ao museu, apresentando o perfil e suas expectativas.

12 35 Desse modo, esta pesquisa poderá contribuir para a identificação dos pontos fortes e fracos da organização, de suas oportunidades e dificuldades. Essa análise, conhecida administrativamente como análise SWOT, é uma ferramenta utilizada para fazer análise de ambiente, contribuindo na base do exercício de uma gestão, além do planejamento estratégico de uma organização. Tendo o marketing como foco, o estudo, em termos científicos, procura contribuir para o aprofundamento do conhecimento desse processo na área do turismo, ao ressaltar a eficácia do marketing turístico para organizações, como os museus. REFERÊNCIAS BARRETO, Margarita. Turismo e legado cultural. Campinas: Papirus, BENI, M.C. Análise estrutural do turismo. 9.ed. São Paulo: Senac, BRASIL. Ministério da Cultura. IBRAM- Instituto Brasileiro de Museus. Os Museus. Disponível em: [http: www1.museus.gov.br/ibran/pag/osmuseus.asp]. Acesso em COOPER, Chris et al. Turismo, princípios e prática. 3. ed. Porto Alegre: Bookman, EMBRATUR. Instituto Brasileiro de Turismo. Ministério do Turismo. Glossário de Turismo. Disponível em: [www.braziltour.com/site/br/dados-fatos]. Acesso em: KOTLER, Philip. Administração de marketing. 10. ed. São Paulo: Prentice Hall, Prentice Hall, Marketing Essencial: Conceitos, estratégias e casos. 2.ed. São Paulo: KOTLER, P.; ARMSTRONG, G. Princípios de Marketing. 9.ed. São Paulo: Prentice Hall, MOLIN, E.D.D.; SOUZA, M.J.B. Os museus como organizações sem fins lucrativos e as estratégias de marketing aplicadas ao segmento. Rev.Cent.Ciên.Admin, Fortaleza, v.12, n.2.,p , dez MUSEU DO ÍNDIO. Folder do Museu do Índio: produzido e distribuído pela organização. Manaus-AM,2010.

13 36 RUSCHMANN, D. Turismo e planejamento sustentável: a proteção do meio ambiente. 3.ed. Campinas, SP: Papirus, RUSCHMANN, D.; SOLHA, K.T. Turismo: Uma visão empresarial. SP: Manole, VASCONCELOS, Camilo de Mello. Turismo e Museus. São Paulo: Aleph, VAZ, Gil Nuno. Marketing turístico: receptivo e emissivo. São Paulo: Cengage Learning, 1999.

ANÁLISE DA EXISTÊNCIA DE ESTRATÉGIAS DE MARKETING APLICADAS NOS MATERIAIS DE DIVULGAÇÃO TURÍSTICA DE PONTA GROSSA-PARANÁ

ANÁLISE DA EXISTÊNCIA DE ESTRATÉGIAS DE MARKETING APLICADAS NOS MATERIAIS DE DIVULGAÇÃO TURÍSTICA DE PONTA GROSSA-PARANÁ ANÁLISE DA EXISTÊNCIA DE ESTRATÉGIAS DE MARKETING APLICADAS NOS MATERIAIS DE DIVULGAÇÃO TURÍSTICA DE PONTA GROSSA-PARANÁ Camilla Moro Piekarski 1 RESUMO Dentro de uma nova ordem mundial, com meios cada

Leia mais

Orientadora: Profa. Dra. Sonia Aparecida Cabestré (USC)

Orientadora: Profa. Dra. Sonia Aparecida Cabestré (USC) Título (Limite de 250 caracteres incluindo os espaços) Título: Relações Públicas e Ferramentas de Comunicação um estudo abordando à realidade de Ibitinga A capital nacional do bordado 1 Autores (Incluir

Leia mais

FOLHETOS TURÍSTICOS: TIPOS E CARACTERÍSTICAS

FOLHETOS TURÍSTICOS: TIPOS E CARACTERÍSTICAS REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA TURISMO PERIODICIDADE SEMESTRAL ANO III EDIÇÃO NÚMERO 5 JUNHO DE 2006 FOLHETOS TURÍSTICOS: TIPOS E CARACTERÍSTICAS GUARALDO, Tamara de S. Brandão Mestre em Comunicação/ Unesp-Bauru

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Publicitária

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Publicitária Área de Comunicação Tecnologia em Produção Publicitária Curta Duração Tecnologia em Produção Publicitária CARREIRA EM PRODUÇÃO PUBLICITÁRIA Nos últimos anos, a globalização da economia e a estabilização

Leia mais

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia Área de Comunicação Produção Multimídia Curta Duração Produção Multimídia Carreira em Produção Multimídia O curso superior de Produção Multimídia da FIAM FAAM forma profissionais preparados para o mercado

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE TURISMO DE BLUMENAU. Senac Santa Catarina

PLANO MUNICIPAL DE TURISMO DE BLUMENAU. Senac Santa Catarina PLANO MUNICIPAL DE TURISMO DE BLUMENAU Senac Santa Catarina PLANO MUNICIPAL DE TURISMO UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA Órgão Proponente: Prefeitura Municipal Órgão Executor: Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA ESTRATÉGIA NA INTEGRAÇÃO DAS AÇÕES DE SUSTENTABILIDADE

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA ESTRATÉGIA NA INTEGRAÇÃO DAS AÇÕES DE SUSTENTABILIDADE Revista Ceciliana Jun 5(1): 1-6, 2013 ISSN 2175-7224 - 2013/2014 - Universidade Santa Cecília Disponível online em http://www.unisanta.br/revistaceciliana EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE SITES DE COMPRA COLETIVA, POR EMPRESAS DO RAMO ALIMENTÍCIO, COMO ESTRATÉGIA DE MARKETING

UTILIZAÇÃO DE SITES DE COMPRA COLETIVA, POR EMPRESAS DO RAMO ALIMENTÍCIO, COMO ESTRATÉGIA DE MARKETING UTILIZAÇÃO DE SITES DE COMPRA COLETIVA, POR EMPRESAS DO RAMO ALIMENTÍCIO, COMO ESTRATÉGIA DE MARKETING Monique Michelon 1 Lorete Kossowski 2 RESUMO O empreendedorismo no Brasil vive hoje um cenário promissor,

Leia mais

Análise exploratória da Inovação Tecnológica nos Estados, Regiões e. no Brasil com base na Pesquisa de Inovação Tecnológica PINTEC

Análise exploratória da Inovação Tecnológica nos Estados, Regiões e. no Brasil com base na Pesquisa de Inovação Tecnológica PINTEC USCS UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Guilherme Yukihiro Dallaido Shibata Análise exploratória da Inovação Tecnológica nos Estados, Regiões e no Brasil com

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA Quando focalizamos o termo a distância, a característica da não presencialidade dos sujeitos, num mesmo espaço físico e ao mesmo tempo, coloca se como um

Leia mais

PESQUISA DE DEMANDA E PLANEJAMENTO: UM ESTUDO DE CASO DA MÜNCHEN FEST PONTA GROSSA - PR

PESQUISA DE DEMANDA E PLANEJAMENTO: UM ESTUDO DE CASO DA MÜNCHEN FEST PONTA GROSSA - PR 110. ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( x ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA PESQUISA DE DEMANDA E PLANEJAMENTO:

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATEGICO NAS EMPRESAS DA AMAZÔNIA: O CASO DE CRUZEIRO DO SUL/AC.

PLANEJAMENTO ESTRATEGICO NAS EMPRESAS DA AMAZÔNIA: O CASO DE CRUZEIRO DO SUL/AC. PLANEJAMENTO ESTRATEGICO NAS EMPRESAS DA AMAZÔNIA: O CASO DE CRUZEIRO DO SUL/AC. César Gomes de Freitas, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Acre, Campus Cruzeiro do Sul/Acre, Brasil

Leia mais

Pesquisa Semesp 2009. Índice de Imagem e Reputação

Pesquisa Semesp 2009. Índice de Imagem e Reputação Pesquisa Semesp 2009 Índice de Imagem e Reputação Uma ferramenta estratégica para a qualidade de mercado Desvendar qual é a real percepção de seus públicos estratégicos com relação à atuação das instituições

Leia mais

BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA. Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira.

BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA. Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira. 1 PROJETO SETORIAL INTEGRADO BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira. 2 Introdução O Ministério da Cultura, sugeriu a Fundação

Leia mais

A HOTELARIA NA CIDADE DE PONTA GROSSA PR: UMA ANÁLISE DO PERFIL DO HÓSPEDE E DA OCUPAÇÃO HOTELEIRA ATRAVÉS DE PROJETO DE EXTENSÃO

A HOTELARIA NA CIDADE DE PONTA GROSSA PR: UMA ANÁLISE DO PERFIL DO HÓSPEDE E DA OCUPAÇÃO HOTELEIRA ATRAVÉS DE PROJETO DE EXTENSÃO 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE

Leia mais

CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora

CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Prof Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefet.br Prof Dr. Antonio Carlos de Francisco (UTFPR) acfrancisco@pg.cefetpr.br

Leia mais

ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.939

ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.939 ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.939 TURISMO DE AVENTURA: ANÁLISES E QUESTIONAMENTOS SOBRE O PROCESSO DE CRIAÇÃO DA EXPERIÊNCIA

Leia mais

Daniela Campioto Cyrilo Lima*, Emanuela Matos Granja*, Fabio Giordano **

Daniela Campioto Cyrilo Lima*, Emanuela Matos Granja*, Fabio Giordano ** AVALIAÇÃO SOBRE AS PRÁTICAS EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL DESENVOLVIDA ATRAVÉS DO ECOTURISMO NO CAMINHO DO MAR PARQUE ESTADUAL DA SERRA DO MAR NÚCLEO ITUTINGA PILÕES Daniela Campioto Cyrilo Lima*, Emanuela Matos

Leia mais

CULTURA, GASTRONOMIA E TURISMO: DESENVOLVIMENTO LOCAL ESTUDO DE CASO DA III FESTA DA FARINHA DE ANASTÁCIO (MS)

CULTURA, GASTRONOMIA E TURISMO: DESENVOLVIMENTO LOCAL ESTUDO DE CASO DA III FESTA DA FARINHA DE ANASTÁCIO (MS) CULTURA, GASTRONOMIA E TURISMO: DESENVOLVIMENTO LOCAL ESTUDO DE CASO DA III FESTA DA FARINHA DE ANASTÁCIO (MS) 1 TREVIZAN, Fernanda Kiyome Fatori INTRODUÇÃO A promoção dos recursos humanos e do planejamento

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

Portal de Periódicos da CAPES: evolução do acesso pela UEPG 2005 a 2013 : experiência da capacitação de usuários com cursos de extensão

Portal de Periódicos da CAPES: evolução do acesso pela UEPG 2005 a 2013 : experiência da capacitação de usuários com cursos de extensão 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( x ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional.

MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional. Empresa MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional. Nossa filosofia e oferecer ferramentas de gestão focadas na

Leia mais

Melhor Prática vencedora: Serviços e Equipamentos Turísticos (Capital) Capacitação para profissionais do setor: Manual para Atendimento ao turista

Melhor Prática vencedora: Serviços e Equipamentos Turísticos (Capital) Capacitação para profissionais do setor: Manual para Atendimento ao turista 1 Melhor Prática vencedora: Serviços e Equipamentos Turísticos (Capital) Capacitação para profissionais do setor: Manual para Atendimento ao turista DESTINO: Vitória/ES INSTITUIÇÃO PROMOTORA: Secretaria

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES

DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES Maria Helena Machado de Moraes - FURG 1 Danilo Giroldo - FURG 2 Resumo: É visível a necessidade de expansão da Pós-Graduação no Brasil, assim

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) «21. É falacioso falar que o marketing é filho do capitalismo e, portanto, apenas ajudaria a concentrar a renda satisfazendo necessidades supérfluas

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO 1. PRÁTICA DE GESTÃO EFICAZ - Projeto Via Turismo 1.1 Histórico da Prática Eficaz Descrever como surgiu o programa/prática e indicar a data de início das ações. O Projeto Via Turismo

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS

FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS ISSN 2316-7785 FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS José André Tavares de Oliveira Instituto Federal de Alagoas

Leia mais

A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades de Extensão Universitária

A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades de Extensão Universitária Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004 A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCACIONAIS: FORTALECIMENTO DA LÍNGUA ESTRANGEIRA Assunção, Paraguay Abril 2015 POLÍTICAS PÚBLICAS

Leia mais

ABM BLUE CONVÊNIO E PUBLICIDADE - LTDA CNPJ: 22.153.768/0001-38 Endereço: Rua C-5, lote 09, sala 101, Taguatinga - Centro Brasília / Distrito Federal

ABM BLUE CONVÊNIO E PUBLICIDADE - LTDA CNPJ: 22.153.768/0001-38 Endereço: Rua C-5, lote 09, sala 101, Taguatinga - Centro Brasília / Distrito Federal Sumário A. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA... 3 1. Sobre Nós... 3 1.1. - Missão... 3 1.2. - Visão... 3 1.3. - Valores... 3 2. Serviços... 4 2.1. Das atividades da BLUE CONVÊNIO: seus objetivos e finalidade...

Leia mais

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES):

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS 3ª Série Gestão em Marketing CST em Marketing A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensino-aprendizagem desenvolvido por meio de um conjunto de atividades

Leia mais

TÍTULO: MEIOS DE COMUNICAÇÃO DIGITAIS E A REVOLUÇÃO NA DISSEMINAÇÃO DA INFORMAÇÃO.

TÍTULO: MEIOS DE COMUNICAÇÃO DIGITAIS E A REVOLUÇÃO NA DISSEMINAÇÃO DA INFORMAÇÃO. Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: MEIOS DE COMUNICAÇÃO DIGITAIS E A REVOLUÇÃO NA DISSEMINAÇÃO DA INFORMAÇÃO. CATEGORIA: EM ANDAMENTO

Leia mais

Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso

Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso III Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí II Jornada Científica 9 a 23 de Outubro de 200 Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso Sablina

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA Autor: Jeferson Correia dos Santos ARTIGO TÉCNICO INOVAÇÃO NA GESTÃO DE PÓS-VENDAS: SETOR AUTOMOTIVO RESUMO A palavra inovação tem sido atualmente umas das mais mencionadas

Leia mais

Documento Final do Seminário

Documento Final do Seminário Documento Final do Seminário Gestão de Acervos Culturais em Centros de Formação, de Documentação, de Cultura e Museus Indígenas no Brasil Entre os dias 17 e 20 de setembro de 2013, um grupo de 30 pessoas,

Leia mais

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do Dimensão 2 As políticas para o ensino, a pesquisa, a pós-graduação, a extensão e as respectivas normas de operacionalização, incluídos os procedimentos para estímulo à produção acadêmica, as bolsas de

Leia mais

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES CHAVES, Natália Azenha Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: natalya_azenha@hotmail.com

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO INTERDISCIPLINAR EM PATRIMÔNIO, DIREITOS CULTURAIS E CIDADANIA

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO INTERDISCIPLINAR EM PATRIMÔNIO, DIREITOS CULTURAIS E CIDADANIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO NÚCLEO INTERDISCIPLINAR DE ESTUDOS E PESQUISAS EM DIREITOS HUMANOS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO INTERDISCIPLINAR

Leia mais

Endomarketing: um estudo de caso em uma agência de uma instituição financeira de Bambuí- MG

Endomarketing: um estudo de caso em uma agência de uma instituição financeira de Bambuí- MG Endomarketing: um estudo de caso em uma agência de uma instituição financeira de Bambuí- MG Bruna Jheynice Silva Rodrigues 1 ; Lauriene Teixeira Santos 2 ; Augusto Chaves Martins 3 ; Afonso Régis Sabino

Leia mais

FONTES PARA O ESTUDO DO TURISMO

FONTES PARA O ESTUDO DO TURISMO REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA TURISMO PERIODICIDADE SEMESTRAL ANO III EDIÇÃO NÚMERO 4 JANEIRO DE 2006 FONTES PARA O ESTUDO DO TURISMO GUARALDO, Tamara de S. Brandão ACEG Faculdade de Ciências Humanas docente

Leia mais

A importância do design nos negócios

A importância do design nos negócios A importância do design nos negócios SUMÁRIO Apresentação 4 A importância do Design 5 Design de Comunicação 13 A Escada do Design 6 Design Gráfico 14 O processo do Design 7 Logomarca 15 Design & Inovação

Leia mais

PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL: um relato de experiência de dois estagiários de psicologia

PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL: um relato de experiência de dois estagiários de psicologia PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL: um relato de experiência de dois estagiários de psicologia MESQUITA NETO, Rui 1 DIAS, Vanessa Aparecida 2 NUNES, Ruth Vieira 3 RESUMO A organização depende das pessoas para atingir

Leia mais

O PAPEL DA QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL NO DESENVOLVIMENTO REGIONAL: um estudo de caso sobre o curso técnico em administração de cruzeiro

O PAPEL DA QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL NO DESENVOLVIMENTO REGIONAL: um estudo de caso sobre o curso técnico em administração de cruzeiro O PAPEL DA QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL NO DESENVOLVIMENTO REGIONAL: um estudo de caso sobre o curso técnico em administração de cruzeiro Geraldo José Lombardi de Souza, Paulo César Ribeiro Quintairos, Jorge

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DAS CRIANÇAS 2012

RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DAS CRIANÇAS 2012 RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DAS CRIANÇAS 2012 CONVÊNIO UCDB-ACICG-PMCG 26/09/2012 RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DAS CRIANÇAS 2012 CONVÊNIO UCDB-ACICG-PMCG

Leia mais

A DIVERSIDADE DA GEOGRAFIA BRASILEIRA: ESCALAS E DIMENSÕES DA ANÁLISE E DA AÇÃO DE 9 A 12 DE OUTUBRO

A DIVERSIDADE DA GEOGRAFIA BRASILEIRA: ESCALAS E DIMENSÕES DA ANÁLISE E DA AÇÃO DE 9 A 12 DE OUTUBRO PLANEJAMENTO TERRITORIAL E TURISMO: UM ESTUDO DAS ESTÂNCIAS TURÍSTICAS DO ESTADO DE SÃO PAULO RIBEIRO, RENATA MARIA 1 MARGARETE ARAUJO TELES 2 Resumo: Esse estudo defende a pertinência em aliar o planejamento

Leia mais

TURISMO. o futuro, uma viagem...

TURISMO. o futuro, uma viagem... TURISMO o futuro, uma viagem... PLANO NACIONAL DO TURISMO 2007-2010 OBJETIVOS Desenvolver o produto turístico brasileiro com qualidade, contemplando nossas diversidades regionais, culturais e naturais.

Leia mais

As práticas do historiador: experiências do Laboratório de Documentação do Curso de História da Universidade Cruzeiro do Sul UNICSUL

As práticas do historiador: experiências do Laboratório de Documentação do Curso de História da Universidade Cruzeiro do Sul UNICSUL As práticas do historiador: experiências do Laboratório de Documentação do Curso de História da Universidade Cruzeiro do Sul UNICSUL Profa. Dra. Ana Barbara A. Pederiva Professora da Universidade Cruzeiro

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV MANUAL DA QUALIDADE Manual da Qualidade - MQ Página 1 de 15 ÍNDICE MANUAL DA QUALIDADE 1 INTRODUÇÃO...3 1.1 EMPRESA...3 1.2 HISTÓRICO...3 1.3 MISSÃO...4 1.4 VISÃO...4 1.5 FILOSOFIA...4 1.6 VALORES...5

Leia mais

Cultura Material em Exposição: Museu do Couro e do Zé Didor, Campo Maior, Piauí

Cultura Material em Exposição: Museu do Couro e do Zé Didor, Campo Maior, Piauí 1 Cultura Material em Exposição: Museu do Couro e do Zé Didor, Campo Maior, Piauí Felipe de Sousa Soares* Felipe Rocha Carvalho Lima** Petherson Farias de Oliveira*** 1. Introdução O texto visa apresentar

Leia mais

O turismo e os recursos humanos

O turismo e os recursos humanos Introdução O turismo e os recursos humanos Belíssimas praias, dunas, cachoeiras, cavernas, montanhas, florestas, falésias, rios, lagos, manguezais etc.: sem dúvida, o principal destaque do Brasil no setor

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2015-2017

PLANO DE GESTÃO 2015-2017 UNIFAL-MG FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS PLANO DE GESTÃO 2015-2017 Profa. Fernanda Borges de Araújo Paula Candidata a Diretora Profa. Cássia Carneiro Avelino Candidata a Vice Diretora Índice Apresentação...

Leia mais

PROJETO PARA FORMAÇÃO DE MONITORES AMBIENTAIS NO DISTRITO DE SÃO FRANCISCO XAVIER - SP. Glauce Yukari Michida, Greice Keli Nunes, Cleide Pivott

PROJETO PARA FORMAÇÃO DE MONITORES AMBIENTAIS NO DISTRITO DE SÃO FRANCISCO XAVIER - SP. Glauce Yukari Michida, Greice Keli Nunes, Cleide Pivott PROJETO PARA FORMAÇÃO DE MONITORES AMBIENTAIS NO DISTRITO DE SÃO FRANCISCO XAVIER - SP Glauce Yukari Michida, Greice Keli Nunes, Cleide Pivott UNIVAP Universidade do Vale do Paraíba / Faculdade de Comunicação

Leia mais

OS 5 P S DO MARKETING NO SETOR HOTELEIRO NA CIDADE DE BAMBUÍ-MG

OS 5 P S DO MARKETING NO SETOR HOTELEIRO NA CIDADE DE BAMBUÍ-MG 1 OS 5 P S DO MARKETING NO SETOR HOTELEIRO NA CIDADE DE BAMBUÍ-MG Camila Alves Teles 1 Maria Solange dos Santos 2 Rodrigo Honório Silva 3 Romenique José Avelar 4 Myriam Angélica Dornelas 5 RESUMO O presente

Leia mais

EDUCAÇÃO EXECUTIVA PARA O MERCADO FINANCEIRO MAIO / 2005 108-TC-B4

EDUCAÇÃO EXECUTIVA PARA O MERCADO FINANCEIRO MAIO / 2005 108-TC-B4 1 EDUCAÇÃO EXECUTIVA PARA O MERCADO FINANCEIRO MAIO / 2005 108-TC-B4 NADINE WASSMER TREINA E-LEARNING treina@treina.com.br ROSANA GOMES CONTEÚDOS E HABILIDADES EDUCAÇÃO CORPORATIVA DESCRIÇÃO DE PROJETO

Leia mais

COMUNICADO n o 001/2012 ÁREA DE ENSINO ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de maio de 2012

COMUNICADO n o 001/2012 ÁREA DE ENSINO ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de maio de 2012 COMUNICADO n o 001/2012 ÁREA DE ENSINO ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de maio de 2012 IDENTIFICAÇÃO ÁREA DE AVALIAÇÃO: Ensino PERÍODO DE AVALIAÇÃO: 2012 ANO DE PUBLICAÇÃO DESTE DOCUMENTO:

Leia mais

REGULAMENTO 1º CONCURSO INOVAÇÃO NO TCE-PE

REGULAMENTO 1º CONCURSO INOVAÇÃO NO TCE-PE 1 REGULAMENTO 1º CONCURSO INOVAÇÃO NO TCE-PE A Escola de Contas Públicas Professor Barreto Guimarães (ECPBG) torna público o regulamento do 1º Concurso Inovação no TCE-PE, que será regido de acordo com

Leia mais

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras Por Marcelo Bandeira Leite Santos 13/07/2009 Resumo: Este artigo tem como tema o Customer Relationship Management (CRM) e sua importância como

Leia mais

Fase I - Contexto e Pesquisa - Alinhamento dos conceitos de Branding, análise do contexto atual e introdução ao Design Thinking.

Fase I - Contexto e Pesquisa - Alinhamento dos conceitos de Branding, análise do contexto atual e introdução ao Design Thinking. Os programas de Pós-Graduação oferecidos pela Faculdade de Tecnologia do Istituto Europeo di Design estão em conformidade legal e atendem as Resoluções CNE/CES nº 1, de 3 de abril de 2001 e nº 1, de 8

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES

Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES Introdução 10.1. A terra costuma ser definida como uma entidade física, em termos de sua topografia e sua natureza

Leia mais

RELATÓRIO TREINAMENTO ADP 2013 ETAPA 01: PLANEJAMENTO

RELATÓRIO TREINAMENTO ADP 2013 ETAPA 01: PLANEJAMENTO RELATÓRIO TREINAMENTO ADP 2013 ETAPA 01: PLANEJAMENTO 1. Apresentação geral Entre os dias 15 e 18 de Abril de 2013 foram realizados encontros de quatro horas com os servidores e supervisores da Faculdade

Leia mais

ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.983

ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.983 ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.983 TURISMO E MEIO AMBIENTE: PRINCIPIOS E CONDUTAS NORMATIVAS PARA O USUFRUTO DE RECURSOS/ATRATIVOS

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR PROJETO INTEGRADOR 1. INTRODUÇÃO Conforme as diretrizes do Projeto Pedagógico dos Cursos Superiores de Tecnologia da Faculdade Unida de Suzano

Leia mais

Critérios para certificação de Sites SciELO: critérios, política e procedimentos para a classificação e certificação dos sites da Rede SciELO

Critérios para certificação de Sites SciELO: critérios, política e procedimentos para a classificação e certificação dos sites da Rede SciELO Critérios para certificação de Sites SciELO: critérios, política e procedimentos para a classificação e certificação dos sites da Rede SciELO Versão Março 2008 1 Introdução Este documento tem por objetivo

Leia mais

MARKETING DESENVOLVIMENTO HUMANO

MARKETING DESENVOLVIMENTO HUMANO MRKETING DESENVOLVIMENTO HUMNO MRKETING rte de conquistar e manter clientes. DESENVOLVIMENTO HUMNO É a ciência e a arte de conquistar e manter clientes e desenvolver relacionamentos lucrativos entre eles.

Leia mais

MARKETING TURÍSTICO: UM ESTUDO SOBRE AS ESTRATÉGIAS DE MARKETING UTILIZADAS NO MUNICÍPIO DA BAIA DA TRAIÇÃO-PB

MARKETING TURÍSTICO: UM ESTUDO SOBRE AS ESTRATÉGIAS DE MARKETING UTILIZADAS NO MUNICÍPIO DA BAIA DA TRAIÇÃO-PB MARKETING TURÍSTICO: UM ESTUDO SOBRE AS ESTRATÉGIAS DE MARKETING UTILIZADAS NO MUNICÍPIO DA BAIA DA TRAIÇÃO-PB Aline Dayanne Diniz Figueiredo Ana Paula Santana Pontes Ingrid Almeida da Silva Jammilly Fagundes

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em Arquitetura

Leia mais

Programa de Comunicação Interna e Externa

Programa de Comunicação Interna e Externa Programa de Comunicação Interna e Externa Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Comunicação Interna e Externa das Faculdades Integradas Ipitanga FACIIP pretende orientar a execução

Leia mais

Programa de Diálogo Intercultural para as Relações Étnico-Raciais da UNESCO no Brasil

Programa de Diálogo Intercultural para as Relações Étnico-Raciais da UNESCO no Brasil Programa de Diálogo Intercultural para as Relações Étnico-Raciais da UNESCO no Brasil Bases Fundamentais Convenção para a proteção e promoção da diversidade das expressões culturais Consolida princípios

Leia mais

CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES FINAIS ADOTADAS PARA O RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO. Introdução

CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES FINAIS ADOTADAS PARA O RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO. Introdução MUS-12/1.EM/3 Rio de Janeiro, 13 Jul 2012 Original: Inglês ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A EDUCAÇÃO, A CIÊNCIA E A CULTURA REUNIÃO DE ESPECIALISTAS NA PROTEÇÃO E PROMOÇÃO DE MUSEUS E COLEÇÕES Rio

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE AS INTERFACES DO MARKETING E ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE AS INTERFACES DO MARKETING E ENGENHARIA DE PRODUÇÃO ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE AS INTERFACES DO MARKETING E ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Carolina K. Souza Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC Departamento de Engenharia de Produção, Campus universitário

Leia mais

Este evento busca oportunizar a divulgação de resultados de pesquisa de alunos regularmente matriculados em cursos de graduação.

Este evento busca oportunizar a divulgação de resultados de pesquisa de alunos regularmente matriculados em cursos de graduação. MANUAL OFICIAL O EVENTO O IDEAU Instituto de Desenvolvimento Educacional do Alto Uruguai reconhece a importância do trabalho acadêmico, as habilidades de criação e de inovação dos alunos de cada um de

Leia mais

Programa de Educação Dinâmica Progressiva PEDP

Programa de Educação Dinâmica Progressiva PEDP Programa de Educação Dinâmica Progressiva PEDP 1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL 1.1. Histórico da Prática Eficaz descrever como surgiu o programa/prática e indicar a data de início das ações. O

Leia mais

MARKETING AMBIENTAL: UMA FERRAMENTA EMPRESARIAL ESTRATÉGICA

MARKETING AMBIENTAL: UMA FERRAMENTA EMPRESARIAL ESTRATÉGICA 1 MARKETING AMBIENTAL: UMA FERRAMENTA EMPRESARIAL ESTRATÉGICA Felipe Rogério Pereira (UniSALESIANO Araçatuba/SP) HerculesFarnesi Cunha ( Docente das Faculdades Integradas de Três Lagoas- AEMS e UniSALESIANO

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO FINCK, Silvia Christina Madrid (UEPG) 1 TAQUES, Marcelo José (UEPG) 2 Considerações iniciais Sabemos

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE MARKETING

GESTÃO ESTRATÉGICA DE MARKETING GESTÃO ESTRATÉGICA DE MARKETING PÓS-GRADUAÇÃO / FIB-2009 Prof. Paulo Neto O QUE É MARKETING? Marketing: palavra em inglês derivada de market que significa: mercado. Entende-se que a empresa que pratica

Leia mais

Belisa Giorgis Daiana Cunha Joyce Siqueira Leandra Gonçalves Sinara Sampaio

Belisa Giorgis Daiana Cunha Joyce Siqueira Leandra Gonçalves Sinara Sampaio Criação: Adriane Dienstmann Belisa Giorgis Daiana Cunha Joyce Siqueira Leandra Gonçalves Sinara Sampaio Esse projeto foi elaborado pelas alunas do Curso de Relações Públicas, disciplina de Captação de

Leia mais

&DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR

&DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR &DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR Toda comunicação publicitária visa atender a alguma necessidade de marketing da empresa. Para isso, as empresas traçam estratégias de comunicação publicitária, normalmente traduzidas

Leia mais

PROJETO MULTIDISCIPLINAR DE COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL - 2013 - PLANO DE COMUNICAÇÃO -

PROJETO MULTIDISCIPLINAR DE COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL - 2013 - PLANO DE COMUNICAÇÃO - PROJETO MULTIDISCIPLINAR DE COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL - 2013 - PLANO DE COMUNICAÇÃO - A estrutura a seguir foi desenvolvida com base no escopo da disciplina de Planejamento Estratégico de Comunicação,

Leia mais

CONSULTOR CARLOS MARTINS AÇAO EM MARKETING

CONSULTOR CARLOS MARTINS AÇAO EM MARKETING CONSULTOR CARLOS MARTINS CRIA - AÇAO EM MARKETING SUA EMPRESA Copyright Consultor Carlos Martins - Todos os direitos reservados wwwcarlosmartinscombr - consultor@carlosmartinscombr Como conquistar Clientes

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DE ATENDIMENTO EM HOTEIS RESUMO

PADRONIZAÇÃO DE ATENDIMENTO EM HOTEIS RESUMO PADRONIZAÇÃO DE ATENDIMENTO EM HOTEIS RODRIGUES, Luiz Antonio Junior Docente do curso de Turismo da Faculdade de Ciências Humanas FAHU/ACEG e-mail: Junior_fdi@terra.com.br RESUMO Este artigo visa demonstrar

Leia mais

A QUALIFICAÇÃO DO TURISMO PARA O DESENVOLVIMENTO TURISTICO NOS CAMPOS GERAIS DO PARANÁ. Área: TURISMO

A QUALIFICAÇÃO DO TURISMO PARA O DESENVOLVIMENTO TURISTICO NOS CAMPOS GERAIS DO PARANÁ. Área: TURISMO A QUALIFICAÇÃO DO TURISMO PARA O DESENVOLVIMENTO TURISTICO NOS CAMPOS GERAIS DO PARANÁ Área: TURISMO SOUZA Janaína Terezinha de MASCARENHAS, Rubia Gisele Tramontin Resumo A atividade turística está ligada

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1 Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em Arquitetura

Leia mais

PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES

PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES Organizador Patrocínio Apoio PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 O Turismo é uma das maiores fontes de

Leia mais

Prêmio Fundação Banco do Brasil de Tecnologia Social - 2013 Regulamento

Prêmio Fundação Banco do Brasil de Tecnologia Social - 2013 Regulamento 1. Do Conceito de Tecnologia Social 1.1 Tecnologia Social compreende produtos, técnicas ou metodologias reaplicáveis, desenvolvidas na interação com a comunidade e que representem efetivas soluções de

Leia mais

SUGESTÕES PARA ARTICULAÇÃO ENTRE O MESTRADO EM DIREITO E A GRADUAÇÃO

SUGESTÕES PARA ARTICULAÇÃO ENTRE O MESTRADO EM DIREITO E A GRADUAÇÃO MESTRADO SUGESTÕES PARA ARTICULAÇÃO ENTRE O MESTRADO EM DIREITO E A GRADUAÇÃO Justificativa A equipe do mestrado em Direito do UniCEUB articula-se com a graduação, notadamente, no âmbito dos cursos de

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: Turismo, Hospitalidade e Lazer CURSO: Gestão de Turismo FORMA/GRAU:( )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura ( x ) tecnólogo

Leia mais

V Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014

V Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GERENCIAMENTO DA COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS DOMÉSTICOS EM ÁREA URBANA: ESTUDO DE CASO EM MUNICÍPIO DE PEQUENO PORTE Aline Ferrão Custodio Passini (*), Guilherme Barros,

Leia mais

A EDUCAÇÃO SOB O OLHAR DO TURISMO PEDAGÓGICO: o exemplo do Museu Regional de Olinda PE.

A EDUCAÇÃO SOB O OLHAR DO TURISMO PEDAGÓGICO: o exemplo do Museu Regional de Olinda PE. A EDUCAÇÃO SOB O OLHAR DO TURISMO PEDAGÓGICO: o exemplo do Museu Regional de Olinda PE. Autora: MARIA HELENA CAVALCANTI DA SILVA Introdução A atividade turística perpassa por diversa áreas do conhecimento

Leia mais

11ª Mostra Nacional de Trabalhos de Qualidade no Poder Judiciário Gestão de Pessoas

11ª Mostra Nacional de Trabalhos de Qualidade no Poder Judiciário Gestão de Pessoas 11ª Mostra Nacional de Trabalhos de Qualidade no Poder Judiciário Gestão de Pessoas Introdução Identificação do órgão: Supremo Tribunal Federal STF Unidade: Seção de Gestão de Desempenho Email para contato:

Leia mais

MBA em Marketing Estratégico

MBA em Marketing Estratégico MBA em Marketing Estratégico Início em 28 de setembro de 2015 Aulas as segundas e quartas, das 19h às 22h Valor do curso: R$ 21.600,00 À vista com desconto: R$ 20.520,00 Consultar planos de parcelamento.

Leia mais

2- PÚBLICO ALVO. Página 1 de 8 CURSO PRÁTICO FORMAÇÃO DE CONSULTORES EMPRESARIAIS. SESI Serviço Social da Indústria. IEL Instituto Euvaldo Lodi

2- PÚBLICO ALVO. Página 1 de 8 CURSO PRÁTICO FORMAÇÃO DE CONSULTORES EMPRESARIAIS. SESI Serviço Social da Indústria. IEL Instituto Euvaldo Lodi 1- Objetivo Geral Capacitar profissionais para o exercício da consultoria empresarial com qualidade, possibilitando assim um melhor atendimento as demandas das empresas paraenses por estes serviços. Disseminar

Leia mais

Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores

Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores Com uma abordagem inovadora e lúdica, o professor Paulo Gerhardt tem conquistado plateias em todo o Brasil. Seu profundo

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

Cultura Oficina Litoral Sustentável

Cultura Oficina Litoral Sustentável Cultura Oficina Litoral Sustentável 1 ESTRUTURA DA AGENDA REGIONAL E MUNICIPAIS 1. Princípios 2. Eixos 3. Diretrizes 4. Ações 4.1 Natureza das ações (planos, projetos, avaliação) 4.2 Mapeamento de Atores

Leia mais

A comunicação eficaz é tão estimulante como um café preto e tão difícil quanto dormir depois...

A comunicação eficaz é tão estimulante como um café preto e tão difícil quanto dormir depois... A comunicação eficaz é tão estimulante como um café preto e tão difícil quanto dormir depois... livro Comunicação Interpessoal Empresas investem cada vez mais no desenvolvimento de pessoas e processos

Leia mais