mzinh.. 10vad~1ir: a cus da6 add:dei+s-.mw mat+ ~ctemh qw oc 6- c~mbust~ck ptcdo.a~ ern wins dw dc gotcd!~ ht.l.das as prc- u;fnmof~

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "mzinh.. 10vad~1ir: a cus da6 add:dei+s-.mw mat+ ~ctemh qw oc 6- c~mbust~ck ptcdo.a~ ern wins dw dc gotcd!~ ht.l.das as prc- u;fnmof~"

Transcrição

1 , ADM~NSRULFAO DA MPRENSA ~ACONBL oe USBOA Decnto nz a2 423: ' - Aukh a D'io-Gad do Editic:~~ c Ho9umfntcs Ne c!oor!s a ccbbrof wm~to pcrr + awe d* ~mpmitada AVSO dt &amtlr% des Peaha6 d ~ ~ S ~ i t d e - ~ ~ d mzinh 10vad~1ir: a cus da6 add:dei+s- mw mat+ Por ordem superibr e Gra mstar, 'comunica-so que $a:, bhiw 'k&f:aa e trawhos co~l a imtrlmo -& nbo serso oceites quaisxiuer originais' destinados 80 LBU' ' udl6rio do Governon desde que n9o tragarn awta Ministbio do mmhamu: ( ' x a cornpetente ordtm de publicaszo, assinada e auten- DW& n0 12 #& ' ticada, cvm selo branco, ~ctemh qw oc 6- c~mbust~ck ptcdoa~ ern wins dw dc gotcd!~ htldas as prc- u;fnmof~ 'pmm dd ~ ~ c q~ do gucd*de e cm cmorcw do aom os 6lm de &gem eabroogciro1 tvmeckntm~ r aspegmo matlt!m c Etcatuar nor SUMARlO drs mpoar~ar,pro~lnc:a* Ddaxaflo: ' ~iu'a!!rs a trm$fer9noie do uma wbr denw do copftulo la0 do O-~O a0 Y~s~&:o & c t a a forms mmo fa! iubibdr a PorW!c v9 1726; Lei n* 2098 PC deei&m q imptbncins quc a, oonntibm a4mhwr- WVOS do d!~- uu!duioo s estabch!m~too ds FOV Em noma da Xa*, aaassembleir Xa\=?oiollal decrcta 8hdrca flwm autc$xados a rrvw em oonrr do Caplo 5' e eu promut~o:a la segumte: do orpsmcnto ctrl;aido dos mwgn gwk dr Xecao MiaisiMo das Finanfas: ' Decreto-Lei n* : - Da nscionalidade portugueu CAPTULO B*ssx 1 Go portuguee8ea, dtsde que hzjam &do em territ6rio portugu8s: a) 0s filhos do pai b) 0s 6lhm de Minirtit!~ das Obru Pitblh: Dctrclo nf : c% huteriur a ~b+&eral dcj micia e ~anummtcs Xa dwab r celcbzu contrato pm a C X C O ~ ~ deem ~ O fitad* de r4e 8ruw utiharis de eorb (~aixia) -%* Co de ngu?~,xment~a ru eovkhnh dns grap888 pertonce ; 8) 0s 811acsade h e estrangeixa, se o psi for 2~6- trido, de nacrpnalidade desoonhecida on inccipzto, mlvw se aqnela-estivex em territ6rio portugues ao s'ek- ~igo do Fst~do s que perten& 2 Presurna4-8~ nascidos em Pottuxal salvo Drova ern contnirio, 6% ~m-nascidoa exposhs'em terrt6rio ~of~u~u~s

2 ~ ~~~ ~~~~~~~ ~ ~~~ / :06 PAG 14 <- L 2urbu -4bUdl0AiU A?:!,, 86% n, ' ChPfiULO 1l ~~uqucmto nados can territ6no estrangrw, oa Uos do ou m& portuueses que nwe ternt6no se encop P rem,av- (1~1go do- % stado??oportug~~ ass m Para on efeito~ do disposto uas bases t e n, Go ooneideiadorwmo eetando +o mip do Estgo 'a que perten- aqueles que se encontrem fqra dorespotrv9 - territdrio em consequpncia'de ram ofidil do m-o ' Stio ipahenh p ~ ~ ~ &, Estado,,' Da tuaglo 8m maw de nsolo~i - Bnsrrr $6 o NiWo esiabelooida do wnformidade emp q lei poduguesa mdus efeitor rclnti~amento 3, atrabua~eo d~ nacionali 5 nde p~rtuguesa me8 sm No cam da n fiii#o ser legftima, $6 a uae!ondidade do pi pmduzird efeitos em rcl~lo h nncion$idade L a fflhos, dvo se aquele far opitrida ou de armonahdade dexollhecida aans?n A naoionalidade dos legitimados rcgc-sepdos dispotipjes aplicireis 80% ahos legitimos Burn ll 1 Se o filho ile i~oforaimalt&neamentepeffimo, rolunt&ria ou ju&ciabente, or ambos 08 pd, n onarr o rcosnheoimento paterno deitos na ha$% a na- cionalidade do erfilkndo, exce to se o pai for apgtrids ou de nncionali $ ads dcswnheoi $ a 2 Se o filho ilegitimo lor suoesoirameate pefilhdo, volunt6ria ou judicidmenk, pop nmbos os pais, a 'o primeiro reconhecim~to 4 coneiderado para t r eah de fimp30 da nacionalidade do peaado, splva a hip& tese do o pedlhante 6er ap6trada ou de nlcionalidade dcseonhecida 8 A perfilllapgo 66 texd efeitos em relap S naciozixlidade do rewnbeoido quando estabelecida durante a run monoridade B eeq60 Da da dadoaalidade pel0 kame+ 3i~8X ', A mder casa win portugu8s a baciondidade por&guega, excepto se at4 pok do oosame'nto deolarar 'qae a neo quer a provar quen* perde a Monalidads nnkior, 'Da wibatrraaicio pot ebb do ionkhle, Zi~is~r ' G, dechada on p~sumida, ' A aulidade oh do basamento n% pre;jrid~ea ' $ -~ a sacionolidade tdauisida nw termos da base ante- WSN rim, deade que a ~ulher o hais oontraido de boa f4, 5x0 consideradds portugue8eg 08 filhds de pai wr- e enouanto hva domioflio etabelecido em Pdud 24 A tugubs n+doa no is^^, dwde que sotisfa-&m ' J a nlg~ma das seguinte~ wndi9iier: ' -on," *f J a) Ddpnuem por ek-seado maiotu ou koipa- : dos, ou wlos seus letail?epwentantea, eendo incava- Da ad&so da' nadonajidade'& $ natur&ac& res, quehuerem ser Fortu+eaes; b) Terem nasoimento ~naonto no registo oivil portugu8s akavgs de deolarqilo prstpds elas p~6 nos, wndo maioreu ou em~dpadod, on pe i w sew P egaiir representantea, sundo an? me&; satisfa am cllmulativamente 'ae scguiutes G) Estabelecercm domacho m1unt4rio em tq$6rio kf- maiorea ou havidos como tais, tanto pels lei! pdugu&s e asdm o declaram pemb a eut~dade compctsnte P? 'Lea coma pels lei n*cional do aeu Estado de 1 origem; - : Bui v b) Tertm a osp&i~a~'necurma para gnnjear sa Sgo tidos igualmenk coma portugue& dede que se Erio duflciente polo seu Ersbalho ou outsos meivs de ' ' : reri6que a1 das condipties prevkt? na base an- subsist&xia ; terior, oa fi ft- os de mxa portugucya nascados em terri- C) Terem barn wmportnm&to moral e oivil; Urio estrangeiro, se o pai for ap&trads, de nacionalidade d) Terem cumprido at leis de recrutamento militsr i desconhecida ou inchpito do qais de origem, so caw de nbo sera apitridas ou de :'' uaconalidado dwwuaecida; e) Possnfrem conhecimentos suficientes, seguudo a sua condipb, da lingua portugueaa; ' -f) Rwidirem hb t& anos, pelo menos, em territ &sum ' S 0 bverno $odes4 eonceder' a nacionalidado port& i guesa, mehto naturaliz*, aos eskangeims quo ; rio pohgnk me urr Aa wndie a que se referem as erlneas 6) e f) da base anteriot r60 $ertio edgveh aos dscengentos de save portup& que vieram tstabelecer dom~cilio em terxit6rio naoional e odwm ser dirpensadas em relqo aowtranb; easa d' o cum portugueaa cu que tenha restado ou seja ohamado a prestsr algum servip refavante M) EftOdo Portuguk Bur m A nawivago seri cancedida por deoreto do Ministm do nterior,? requezimento do interdo e me diante pmesso de inqueritb organicado e instruldo nos term08 que em regulamenb ~ierem a ser fixados h x v 0 prooessc de e os documentos destinados 9, sua instrue nn5;o estaa sujeitos &s da Lei do 8elo ~ S XTl K Oomo tfcul0 de aguiri$b da nacionalidade, aufr pas tada ao int~~sado a carta de natumlbapgo, que levad apostos e hutilizados os selw fiaoais previstos na legislago em vipr h 8 XVZ 1 Quando considerar juib B oportuno, o G OV~O poders, tambbm conceder a nacionalidade pertugusa a pesoas pertencentes a wmunidadas que a ei prbp* se atribuem ' ascendcncia portuguesa e mnnifestem

3 ~~~ 1996 ll:w( O, UU YY'Y YU 'VYV Jil -,, ii 6', soatshe de se integrar n( oxda &ial,? na- ' : ~ ~ n 1 0,:, : cional ' Da a 2 Esk concessgo ssrr&;feita nos temos da base xrv e reapulsfgto da nacionalidade para a obter' exigirse-eo apenas a ~ ~ndiped, enume- EASE X ~ rdar na base xn gue o Qoverno wnslderar indipensd-, veis em eada enso Readquire a nacionalidade portuguesa: a) 0 que, de ois de be haver naturalizado om pais : 8 ;, CM1TULO 11 ' estruwiro, esta % elecer domicflio no terrimrio national, e declzrar que pmtende ready-la; :, ; ': aa pcda! da reaqnisi~6o da naeion&dedi ' h)_o p np6r haver per >do a naclodalidede por ' <i 5 demsao o hverno, obta~er $raqa esgecial de reaqui- :, s-0,sipso; c) A iulhei qne houvor perdido a nacionalidade ~ devido ao, casamentdoelebrado com eshngeiw se, no css d'e o omamento ser diss6lvido dechrado aulo ou anuado, estabelecer domicilio em Portugal e declarar )% peris da?+onalidade - BASE X W, Perde a nacio'nalidade portuguesa: a) 0 que vluntariamente adquira naoionalidade es- que pretendc read\&-la;, ' trangeira; d) 0 que, haven o perd~do a nacionalidade em con-, b 0 que, cemlicengn do Qoperno, aceite ~UB~SPS sequtqci8 de declaraqzo feib na menoridade pet ru pdb 1 icas ou preste serrip militar, a Estado estrangeiro, legal representante, tiper domicil~o em Portugal e de se, nfo sendo tambfm sdbdito desse Estado, noo aban- clarar, yuando malor ou emanc~pado, que pretende donar was funybcs, ou serripa dentro do praio que lhe rerrdquin-la for designado pel0 Qorerno; EASE xxm c) A mulber portuguesa que ease corn ehtrangeiro, A cpncesszo da gracr espeoisl de reaquisiglo da nasalvo se n5o adquirir, por Qsse facto, a nmcional~dade cidnalldade portuguesa compete ao Consclho de Mihisdo marido ou se declarar at& jr celebraq8o do casamento tros e poderg aer requerida pel0 iateressado, por intarquo pretende msnter a nacionalidade portuguesa; mdio dp EinisMrio do nterior d) 0 que, havendo nascido em terzit6rio portugnes e seado tambem nacional de outro Eatado, declare, por si, sendo cspar, ou vela sea leas1 representante, sendo incnpax, qui i$o r&er ser po&gu&; -- E) Ajuele a quem, sendo mcapan, tenha sido Dos efeieilor da afthi~:o, aquisit&o, perda e reaqtkifio atrlbul e a nac~onal~dade portuguesa, nos termos da da nacionalidade sqtio rr do cnpftulo, ou a tenha adqniridv por efeito de deolarspiio do seu representanto legal; se declarar, -secg'xo 1 3- quando capas, que n8o quer ser portdp&s 0 prcrar Dot ekitos da airibuigo da nacionalidade que tom outra nacconalidsde!! R~ar - - ~ m r BAae w, Salvo disposis$o em cdntrm0; B atribuigo da na- Compete ao Conselho de 3[inistros decidir, ponde- ' radw as circuzst8ncias particulares de cads caso, sobre cionalidade portupem produ efeitos dade nascimento do iateressado, ainda que as condifo"es de a perda ou a msnuten~8o da nadional~dads: que dependa d posteriormente se tenham verificado a) Se a aquisipio da nacionalidade estrangeira for, xeste case, a atribui,,,o da nacionalibdo nzo predeterminada por naturalba$zo directs ou indireota- judica Talidade das relaflea juridic* antoriomente mente imposta a residentes no respsctivo Estado; eatabelecidas com fundamento em mcionalidcrde dib) Se os fsctos a que 6e refere aalinea 5) da base versa anterior s6 forem conhecidos depois de harerem cessado o exercfcio das funflee ou 3 pr~rtap5u do serri~o mi- SEcG'Xo 11, ' litar ou o Governo neo chegar a desipar pr& para )os efeitos'da aqalai$o, perde e reaquisiflo o seu abandorro Ba nacxonalidade &an LX Por deliberagb do Conselho de Minis&, pode o BASE decretar a perda da nacionalidade prtn- 0s efeitos pas alterage8 de nacionalidade dependenguosa: tes da actos ou factos obrigatbriamente sujeitos a rr a) bos~;tugueses haridat tambhm como Gcionais gibto d sl? produnem a partir da data do registo de cutro stzdo que, principalmentd ap6s a maioridade ou emancipapzo, se comportem, de facto, apenas como BASE xpn estran eiros ; b) 10s porfuguesrs definiiiramente oondenados par A carta de 86 ~~d~~'efeitos se 0 seu, crime doloro contra a seguranp extern do Bstado ou registo far requerido dentaw do pra7a de seis meses, a aue ilicitamente exetcerem a favor de wtgncia estran, contar da data do docreto deconce~?iq &ira ou de seus agentes actiridades cdntrkrias aos intereses da Rap30 Portuguesa BAS SS Wo caw prcvisto na alinea a) da baso anterior, a erda da nacionalidade poderg tornsr-se entcasivs h mu- '!her e aos filhor incaparcs do pluri~acional se todos forem tamb6m llnsidos wmo nncionais, do ouh Xstado; este re lme 1150 ser&, posm, aplicbrel aos blhos se o n5o or simr11tbncamente k mulher f - BASS ssm 0s efeitos daa alterapes de nacionalidnde depen- dentes do aottos ou tacks n"a obrigatbriamcnto sujeitos i a registo produzem-se desde a data ds verificaplo dos ; actos ou tach8 que as debmiinem r 2 Esoepha-se do dir osto no ngmero snterior a : perda da nacionalidade f und;da na- aquisiyfio voluni tlria de nacionalidade estrangeha, a qua1 apenaa prodw efeitds pan com terceims, no dominio das rolap8es

4 ~ riwdo, desde que seja, l ~ d ao a +b dab em que este se realize ma rtnza 0 hdiriduo iue adquirir ou zead~uirir q nacionali- ', ortu esa gova de tbdor os direitos b, :: uali f ade dt" e po$ugw&s,?ah rp roski9tee menciona- : -$a8 ao bas? sepmtb e ar expressamen~e praoistas em, lei ebpeoiai8 : ' * axe'k, :" Pua o uefiicio d? kudhecl p6blicju od de dire& So b &calixq&a 4~ medades ou de outras eatidaded 8ependentes do ErtDdo Po* bs, a ap~isiprio~da nooionalidads p ea s6 pw df" w efeib decomdor de* - anos a~68 a sua '=% ta, salvo se outro maxo, for fixado em lei'&pecial ' 9 Sa a w'&i ea +eri&oa-r na menoridade,' a dua da inabiili p ads d de bin00 anw e 'wtar da,mnimidnde ou emncipa& do int-do ' i BaJEnx, A inabilidade revista na ljwe anterior f apkkel durante o pram d' e t18s anw aos que ieadqu~ram *nar ciodidade portuguesa: mas n50 se p mdd sea erda da nacionalrdade portugaasa se houver rer%ca& na menoddade do interearndo, por declarqfb do seu re- C-) presentante legal b r nn A mulher asado com indioidpo oe ad uira n nacionolidsdo aortuauosa node hmbh s$auiri\s M ddeclwirr que pretehde <7?r porhguesa - &as xxm 1 0s fikos menotcs de pni 1edtimo ou ilegitimo ou Made portugu~a rp(uidr ou de &us xs&, aplidveic S para oa efeitcs dar bwos DN, as dawc+o nr do copitulo r CAPTVLO V Da oporifio i a-o on raaqpisi$%o h n~donalidadd, prlugnesa a)!psrsm exmido fun* dblioas de Estado estrangelrcr on hoverem d e prest a2 o semi mibtar; - d)!+tern maia de du~w goraw e ascend~nks he- diatos nasoidos no estrangerno e n8o provarem conhecet suficientomaente a lingua portugurrsa Ssr xxxw 0 Goveino pder$ ipor-w B aquisi~zo da nacionalidade ortugaesa neo e6 elw fmdamentos constantes &a$ a), b) e o) % b&e anterior, unaa ahda:, a), Xo w'w de a aquki60 pro+ de ba+amentc, se a mulher 'tiver'aido ex~dsa do vais antes da celebra- : 4 meioridade do interessado,~ do reprwen&nte egd, ae o damante houver mani eswo erpresremente, depois da maivridade, a vontsde de sew a nacionali- BUE sssvm 0 dmito de cposipso serd, eseipido pel0 XSstro da Justigtt, no pmo de seis mmoses, a contar da dab do fnoto de ue dependa a atribuiph ou aqukigo da nacionalida 8 s, y depo~ de outldos os Wnist6rios que posaam contribrur para a justa dwi- do ao B*sessm Do registo cenhl, da nacionalidada, a cargo da Conservatdna dos RegLtos Oentnis, censtaffio as de que dependc a a$ribui$io da nacionaxdade portupw, bem oomo a sua quia~xo, perda ou reaqat aigko ma Sl,, 2 obrigat6rio o 4) Dm deolw-ht neces4ria11 para - atribw&so d~ %acionalidade; b) Dw declara 'es para a aquisif;?o, &a ou da naoiona? dade; Q) Das para o eteito de, pel0 cacapaoleq%o, a mulher nrlo nerder a nacionalidade on do adauuir &XE JL Panr iln8nb ds idenaonho: sergo inscritas no registo: a) Br aquisiflo d? nucionalidade park ma por ds malher eatrangem que ora wm por f" ugues; b) A,perdo da nacionalidade da mu&v purtpguese que casa com w'wngeim; o) A perda da nacionalidade par aquisig8o voluntaria de nacionalidnde sstrangeira ' atioado em favor de Estado cstrangeiro s P seguranqa exkrior do Eatado Por- - BAS= ll~t A peda da nacionalidade ass condifles provistas na ilinea b) da base xvm on em conzeguaneia de deviirffo do?overno e, bem assim: a naquiaa$o por pip especial wrzo regista& o&oiopamanbe BASE ltlg~ 1 0 ~egist0 dos eotos a que se ref- a base m sex6 hito a requeymento dos intmssados '

5 e neste ow's& rea aprwaitaflo dos ne- % a'genter ~ o p ~ mpe~e~ ~ 1 a ~ df&?iot Do pmzo ; de gpinse dias e pa rutprmsdi~ do M1Pi3tkao dm Be- gklos Btrangeiroi, env~ar &, ~mmawia $8 Begis- *toe Centrric os daume?ba pec%5sios ao *sguto a'que st refpre a base antenor a,lw'kvl S& gratuitos as regivtps bs dwlar~pes pwa a atribuieo da naoidaalidade pmtquesa e ot rsgi* 06- cimor, bem wmo os documentas nccess4rkts para uns e oub,, %??a XLm auawv 1 ~nde~endentemenie da ~ X~S&C~D do registo, godera ser uados, a ueriminto do interedo, o ~ - tifimdw %e ~cionalide %e pdrtugaera 2 A forpa pmbatgria do certificsdo podex&, pore, ser ilidida par qual uer meio semqre que Go rogi3to da pacionali % ade do respeotrvo btular CBPtTUM T11 ' ' -, ~6 cimlen& aa iko&& ' : ' ' Bhrp 1 Esceptuado o o&o da daturdirqlo e os previstori 1136 bws SXX e rx, 6 da wrnp&ncia dc+yistro da Justip deoidir sob as q&es relativas B legulidade da atribuip50, aquidqtb, pads vu reaquisi* do m- oioddade e, bem ~sim, esalarecer as dayidas que nctsa mat4ria se euschra 2 bas dbis6w do Enistro cabe recurso, nos termas da lei prd, para o supm Ribunal ddminrstratioo BYE LR Pars awxi a$zo da rnatcria ds facto mar que8tzes rolativas B a 6 'buipb, aquiaifio, pwda e rea da nacionalidade pwtugueaa, funoioaarlr junto smat6ria dm RegktoJ Ceetrais o wntencioso da ns- cionalidade - 8- BAS= s&m A nacionalidado portupeu do bdiv1ducs nuscidos am tanimrio portugu2s qrova-se pelas rneqtks constantts do assunto de napelmento Bm nlx A nucionalibde portugua de indirizuos nascidos no estrangein, p?ora-so oonsonnte or a&?, pel0 ragisto air dechraes do %ue deacnao a ma a+bu condan,ter do assents de nasmmen yo o ~ OU Laado nos term05 prerastos aa afinsa b) dabase m, Bnex t A aquiri~iio, porda e raaguisi$%, da?acion$;dade pmvam-ae, nos oms de reg~sto obtrgatcrio, elos re+ divm registo3 ou pdos wnsequeat~ a~ \ omonios fmados margem do -to de natc=rnato Dos tom dvlils' blue a napiodidade BASE?m Se urn individuo tiver duas'ou mail nacioddadw e uma delas for a portuguesn, prerdecer6 sexapre &, - solro o disposta na base soplate WE ' 0 bkw& harido tambctn w&onacioa?l de odetm ~ststalo niio podpoaod, engutmy etiver no temtdric desse Estado, iu~ocar a naczonalrdade portaguesa perante as aukridads locais, nem rochmar a diplom6- tica ou consular porfuguesa BASS M, Xos conflito positives de duo6 ou mais iscimatidades estrangeim:, pretslecer+ a lrndonplidde do Estadu oqjo tmltbrio o plunnscienal tmer domicfllo, r' BAmU A aquisi~ao e a pexds dv ilqciodidade jut resultem do actos,oujo xepstg nlio ago ob+gawro p?mm-nc pelo xegi$t~ ov pelos documaatos corn rovauvas dos uctos de ue dependma Pea Pns de entisa$zo, 6 apli&vel? prwa dostos actns o disposb na base anterior BASE m Pam efeik de imcrips ou ma$fouls comdbr, a prova da nacionalidade odd 6- fsrb no8 twos previstos na mspectiva Bbl lac Em caso de dd*ida sobre a mcionslidade porkguess do impetrante, os ooaaulnres s6 devetao prooe- ae+ k respectiw matricda ou i d mediante con- & b Cvisernt&ia aos Be&tos CeatnriS 4 BaJs is A mulher portuguesa que renuncio P nacionalidade do mark30 eatraageiro niio perderd a nxiondidade portapesa, desde que a lei nacional do -rid0 rdmita a renhcia e wta sojs feta no prazo legal subub~equente $ do casamcntu BASE LXX A ou matricula replieada nos colwulados portupese$, nos term* do roe ecth regulamonto, constrtui, par d, 4itulo atri i utir~ da mcionalidade portugaesa ma Lxn Em todbs 0s cams de aquisigzo de aaoiondidade nos de por hctg postemr PO nascimento

6 , o Fataressado devei zegkbr w yb do Wudo civil a ele respeitantps pue, seguado a el portugaesa, dewm obrigawrimeate 00lutar do seglsto cipr1 hblipue-se e cumprkse como nela be wnt6m - pap do &era0 dl kepbbuis, 29 de Jnllu, de 1959, - B~ERco D~os RODP%O~S lcnom~ - Ani& nw do Olivbfra SokLuv MNSEROS DO EXERCTO Dedara-w, para 6s deoidw efaitw, qoe'mtxe o origi- nd, acquivatio neat8 SeoreUlria-Qerd,-e o text0 da Por- E DAS OBRAS POBLCAS Wa n' 17267% ublicdda pela RreaidBncia do Conse- -, ho, Subsecretar~a!io de Estjdo dn Aeronhtica, no D& &reto nf do do Go- ao 161, 1; s6rie, de 16 do corronte mk, : * existe J w ainte que msim oe reetifiear Considerqdo quo foi adjudiidda a0 arquitecto JQS~ 1: Onde re B a: da Ca9Q e Silva a do pm'eoto de adinplia- : do &rpo do ou~as do ~01~pio &tar, na h s : E Coasidsrando qua pnr$ a ese~u$%o de tal projeoto est6 hddo um pram que abrange parte dqs nnor ooon6micoa dr 1959 e 1860; Tendo'em dda o dicpasto no artjgo 22 e seu 5 1,'! deve ler-se : Artigq S$,*, n* 2 rgm de detec$o, abw r condrrta dr ink& o* * 11W~ SecktdaG& da hesidenda do Conselho, 27 ds do Decreto-Lei n* 41876, de 19 debovembw de W-57;,, 'U~do da faculdade aoaferida pelo L* 8O do ar- 2 ' Julbo de Seers%r~oQerd Diogo de tigo 109: da CanstituiyXo, o Govexno decreta e eu pm- : brmo ds Paim dd Farlo LeL B ~ O molp o seguink: / Artip 1' E aukkada -a Re artis% doi Semi j Admin:stratiws akdire "0-Gera P do8 Ediffobs e numentos Xacionsis do 9s" iniat6rio doe Obrns Pbblicaa o-, MlNlSTtRlO PAS FUANCAS a,celebrar contrato wm o arquitecta?as6 dr Costa e j Direc#cGeral da Fazenda PQblica Llva para,a eseoo$% do projecto duignado por Am- pliapo do wrpo do aulrs do Goldgio Militur, ua Luar, - pela im or&& de 12Q823S j Decreto-Lei n' , M, i* Seja qua1 for 6 rnlcr dos trabalhos a wali- 1 xar, ago, poderd o consalho adainistrotiso das 1 Tendo em vista 6 disposto do ~ ecrek~ei n' 42262, 2 DiroqZw-Ge~ais do Xinistbrio do Ex4FoiO des end? 14 de Xaio ds 1989, necessita b Fundo de Bomeato der wm pagameatos relati-os aos trrbalhos erecnta Faclonal de su habilitado com 18): , a faeuleel 08, por rirtude date oontnto, mair do qua as importan~as tar pelo Xinktdrio das Pinan* em id2nti- abaixo indieadas: COB 4e &klecidas pelos Docretot-Leis n , , 41 W4 e 41 6&3, rogwtivamente do 27 de 66 Em l6450 j tembro de 1951,29 de Junho de 1956,27 da Agonto de Em l S50 1 g57 e 17 de Tunho de bu o que se apumr wmo saldo 30 ano de 1959 bestes tonnos: - hndo ds faculdada coaferida pla 1" purte do Yablique-se a cumpr&e wmo nele M con%m', n" 2' do artiao 109' da Cons&tuiao, o Go~erno de- Paw do Governo da Repbbliea, 29 de Julho'de ~ cteta e eu pmgulp, para taler oomb lei; o seguinte: Aathw DEWS Ro~mms WOW, - Ant& :, Artigo 1' Pica autorimdo o YinisMrio das Finan- nio & OliFsica Sdaat - Jdio Carlos Akqs &s 80; i teb Yonb-Anhio YanueZ Pi~o-BaeBora- Afoaro ~s, a faeultar no Fundo de lfomrntp Kaeional, em resttaptest dumnte o ano de 1959, maos at4 ao limite MQalhaos &Ah& FemLd~r- Edm& d6 Araw1 tos a Olucwa B e 1so:mm mediaatc c%juwae ~*--oo-! ao, cujo rsembolso M, efechr5 em qu0rwh sementralidades ou em rints anuidades, ocxn inicio em data nho posterior a SO de Juuho d~ 1962 ) Snico 0 Conselha Econ6mico determinaxj a apli- do8 meim a facultax nos term4 d h artip, tendo em conta o program* & exwupb em 1969 do Plan0 de Pomenta Art 2' Oa ordditor e os encargos resultante para o Fundo da exaoucb do presbnte dmreto-lei acresoom aos que 880 refbridss nis respectiwlr do ar- MNSTERO DAS OBRAS PUBLCAS DiTec~Bic-Gent1 dos Ediffcioo 'e hlonkentos Nacionair 1 - i Decreto n Considerando que toi adjudtc3da h %ma Pipaim, i, Em5es Q Silva, L*, a empreitada de u2o prapa de tip 47' e na aliwa a) do n' * do arti artilharis de eq~ta (Trafana)- hstalap;za do equi- f Dccteto-Lei no , de 18 Q Xovambro!? do pamento na wnlaha das pragasn; i Publique-re e cumpra-ee como' wle se wnt4m, Considerando que para a exwu o de tsis obras, oomo 1 se '~oraca do respaotiro ca f erno de -~ :a Pacos do Oorqmo da Bepablica, 29 de Ju!ho db- eati fisado o ' ram de dumontos e setentd dias, que ' ~SCBRCO fits BDDBGWBS Tawo - Ant& abrange parte %a an0 de 1%8' e do dc 1980: a

Lei nº 37/81, de 3 de Outubro

Lei nº 37/81, de 3 de Outubro Lei nº 37/81, de 3 de Outubro TÍTULO I Atribuição, aquisição e perda da nacionalidade CAPÍTULO I Atribuição da nacionalidade Artigo 1.o Nacionalidade originária 1 São portugueses de origem: a) Os filhos

Leia mais

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e :

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : INSCRIÇÕES ABERTAS ATÉ 13 DE JULH DE 2015! Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : Caso vo cê nunca t e nh a pa

Leia mais

Questionário sobre o Ensino de Leitura

Questionário sobre o Ensino de Leitura ANEXO 1 Questionário sobre o Ensino de Leitura 1. Sexo Masculino Feminino 2. Idade 3. Profissão 4. Ao trabalhar a leitura é melhor primeiro ensinar os fonemas (vogais, consoantes e ditongos), depois as

Leia mais

Ministério da Administração do Território

Ministério da Administração do Território Ministério da Administração do Território A Lei Da Nacionalidade Lei N.º 01/05 De 01 de Julho Tornando se necessário proceder a alterações das principais regras sobre a atribuição, aquisição e perda da

Leia mais

2776 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 75 17 de Abril de 2006 ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA. Artigo 6. o. Lei Orgânica n. o 2/2006

2776 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 75 17 de Abril de 2006 ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA. Artigo 6. o. Lei Orgânica n. o 2/2006 2776 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 75 17 de Abril de 2006 ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Lei Orgânica n. o 2/2006 de 17 de Abril Quarta alteração à Lei n. o 37/81, de 3 de Outubro (Lei da Nacionalidade)

Leia mais

P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010

P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010 P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010 D A T A D E A B E R T U R A : 2 9 d e d e z e m b r o d e 2 0 1 0 H O R Á R I O : 9:0 0 h o r a s L O C A L D A S E S S Ã O P Ú B L I C A: S a l a d a C P L/

Leia mais

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009 FGV 010/1-13.1.009 VESTIBULAR FGV 010 DEZEMBRO 009 MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A PROVA DE MATEMÁTICA QUESTÃO 1 (Prova: Tipo B Resposta E; Tipo C Resposta C; Tipo D Resposta A) O gráfico abaio fornece o

Leia mais

Classificação Periódica dos Elementos

Classificação Periódica dos Elementos Classificação Periódica dos Elementos 1 2 3 1 Massa atômica relativa. A incerteza no último dígito é 1, exceto quando indicado entre parênteses. Os valores com * referemse Número Atômico 18 ao isótopo

Leia mais

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM No u s o d a c o mp e t ê n c i a p r e v i s t a al í n e a v ) d o n. º 1 d o ar t i g o 64º d o De c r e t o -Le i n. º 1

Leia mais

Assembleia Popular Nacional. Lei 6/90 LEI DA NACIONALIDADE

Assembleia Popular Nacional. Lei 6/90 LEI DA NACIONALIDADE República Democrática de São Tomé e Príncipe Assembleia Popular Nacional Lei 6/90 LEI DA NACIONALIDADE CAPÍTULO Disposições Gerais Artigo 1.º Objecto da lei A presente lei define as condições de atribuição,

Leia mais

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10 QUESTÃO 1 VESTIBULAR FGV 010 JUNHO/010 RESOLUÇÃO DAS 15 QUESTÕES DE MATEMÁTICA DA PROVA DA MANHÃ MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A O mon i tor de um note book tem formato retangular com a di ag o nal medindo

Leia mais

Vamos Subir Nova Voz

Vamos Subir Nova Voz c c Vamos Subir Nova Voz 2 Letra e Música: Lucas Pimentel Arr: Henoch Thomas 2 5 2 to Eu-pos tem - po te-nho ou vi - do a pro- 2 g g 8 mes - sa de que vi - rás pra res -ga -tar os fi-lhos Teus Nem sem-pre

Leia mais

n o m urd ne Hel e n o mis

n o m urd ne Hel e n o mis Em nosso cotidiano existem infinitas tarefas que uma criança autista não é capaz de realizar sozinha, mas irá torna-se capaz de realizar qualquer atividade, se alguém lhe der instruções, fizer uma demonstração

Leia mais

GASTRONOMIA. Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to.

GASTRONOMIA. Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to. GASTRONOMIA Instruções Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to. Res pe i te mar gens e en tra das de pa rá gra fo. Use as in for ma ções

Leia mais

RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO

RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO 1. RESULTADOS QUESTIONÁRIO I - PARTES/ CONCILIAÇÃO 1.1- QUESTIONÁRIO I - PARTES/ CONCILIAÇÃO: AMOSTRA REFERENTE AS

Leia mais

1. A cessan do o S I G P R H

1. A cessan do o S I G P R H 1. A cessan do o S I G P R H A c esse o en de reç o w w w.si3.ufc.br e selec i o ne a o p ç ã o S I G P R H (Siste m a I n te g ra d o de P la ne ja m e n t o, G estã o e R e c u rs os H u m a n os). Se

Leia mais

1 3Centrs e PP esq is II DD C n MM n Astr l i Astri C h i n Re. C h e H n g K n g F i n l n i I n i F rn 0 4 C n I n n si Al e m n h E st s U n i s I

1 3Centrs e PP esq is II DD C n MM n Astr l i Astri C h i n Re. C h e H n g K n g F i n l n i I n i F rn 0 4 C n I n n si Al e m n h E st s U n i s I 1 3Mr P e re s, R e s e r h D i re t r I D C B rs i l Br 0 0metr Cis e Bn L rg n Brsil, 2005-201 0 R e s l t s P ri m e i r T ri m e s t re e 2 0 0 7 Prer r Prer r Met e Bn Lrg em 2 0 1 0 n Brs i l : 10

Leia mais

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.)

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.) 32988 Quarta-feira 22 DIÁRIO DO SENADO FEDERAL Ou tu bro de 2003 Art. 3º O Gru po Parlamentar reger-se-á pelo seu regulamento in ter no ou, na falta deste, pela decisão da ma i o ria absoluta de seus mem

Leia mais

Tópicos Quem é é a a PP aa nn dd ui t t?? PP oo rr qq ue um CC aa bb ea men tt oo PP er ff oo rr ma nn cc e? dd e AA ll tt a a Qua ll ii dd aa dd e e PP aa nn dd ui t t NN et ww oo rr k k II nn ff rr aa

Leia mais

Correção da fuvest ª fase - Matemática feita pelo Intergraus

Correção da fuvest ª fase - Matemática feita pelo Intergraus da fuvest 009 ª fase - Matemática 08.0.009 MATEMÁTIA Q.0 Na figura ao lado, a reta r tem equação y x no plano cartesiano Oxy. Além dis so, os pontos 0,,, estão na reta r, sendo 0 = (0,). Os pontos A 0,

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 382/XII

PROJETO DE LEI N.º 382/XII PROJETO DE LEI N.º 382/XII QUINTA ALTERAÇÃO À LEI N.º 37/81, DE 3 DE OUTUBRO (LEI DA NACIONALIDADE) ESTENDE A NACIONALIDADE PORTUGUESA ORIGINÁRIA AOS NETOS DE PORTUGUESES NASCIDOS NO ESTRANGEIRO Exposição

Leia mais

16 CARLOS RODRIGUES BRANDÃO

16 CARLOS RODRIGUES BRANDÃO 16 CARLOS RODRIGUES BRANDÃO 1 a Começa assim Este jogo começa com todos os participantes procurando as PA LAVRAS SEMENTES. E isso não é nada difícil! Basta as pessoas que vão jogar o jogo saírem conversando

Leia mais

MÃE. M esmo q u e o s eu f ilho j á t enha sido regi strad o procu r e o cartóri o d e R egi stro Civil de

MÃE. M esmo q u e o s eu f ilho j á t enha sido regi strad o procu r e o cartóri o d e R egi stro Civil de APRESENTAÇÃO O T r i b u n a l d e J u st i ç a d e S ã o P a u l o d e s e n v o l ve, d e s d e 2 0 0 7, o P r o j e to P a t e r n i d a d e R e s p o n s á v e l. S u a d i s c i p l i n a e s t á

Leia mais

Proposta de Lei da Imigração Inovações que mudam a vida das pessoas

Proposta de Lei da Imigração Inovações que mudam a vida das pessoas da Imigração Inovações que mudam a vida das pessoas Fui expulso, mas tenho um filho menor a cargo a viver em Portugal. Podem recusar-me a entrada? Sim. A residência de filhos menores em Portugal é apenas

Leia mais

'!"( )*+%, ( -. ) #) 01)0) 2! ' 3.!1(,,, ".6 )) -2 7! 6)) " ) 6 #$ ))!" 6) 8 "9 :# $ ( -;!: (2. ) # )

'!( )*+%, ( -. ) #) 01)0) 2! ' 3.!1(,,, .6 )) -2 7! 6))  ) 6 #$ ))! 6) 8 9 :# $ ( -;!: (2. ) # ) !" #$%&& #% 1 !"# $%& '!"( )*+%, ( -. ) #) /)01 01)0) 2! ' 3.!1(,,, " 44425"2.6 )) -2 7! 6)) " ) 6 #$ ))!" 6) 4442$ ))2 8 "9 :# $ ( -;!: (2. ) # ) 44425"2 ))!)) 2() )! ()?"?@! A ))B " > - > )A! 2CDE)

Leia mais

ANEXO IV - OPERAÇÕES DE CRÉDITO, GARANTIAS BANCÁRIAS E DECLARAÇÕES DE CAPACIDADE FINANCEIRA. (Entrada em vigor: 01/11/2009)

ANEXO IV - OPERAÇÕES DE CRÉDITO, GARANTIAS BANCÁRIAS E DECLARAÇÕES DE CAPACIDADE FINANCEIRA. (Entrada em vigor: 01/11/2009) DE CAPACIDADE FINANCEIRA CONT. R.A. CONT. R. A. COMISSÕES COM ESTUDO E MONTAGEM 1. OPERAÇÕES DE CRÉDITO A PARTICULARES 1.1. CRÉDITO À HABITAÇÃO (compra, construção ou obras) / INVESTIMENTO EM IMOBILIÁRIO

Leia mais

PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O

PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O O s depós itos fos s ilíferos, o s s ítios paleontológ icos (paleobiológicos ou fossilíferos) e o s fós s eis q u e a p r e s e n ta m valores científico, educativo o u cultural

Leia mais

Politiska riktlinjer, avsnitt 2 En stنndigt f rنnderlig vنrld

Politiska riktlinjer, avsnitt 2 En stنndigt f rنnderlig vنrld Politiska riktlinjer, avsnitt 2 En stنndigt f rنnderlig vنrld i~éé هê pلا o~ا cêëن~ضëëي نن~êة aلëيêلâي vêâ~هاة cêةاê~ض~هاةë êâ~هاة M m~êيلëي êةنëةه _لر~ننيلننâ~éليةنOلêلâينلهàةêه~ T OT _لر~نن _لر~نن نêا~ضOEâ~éليةنOFKاçإ

Leia mais

URBANISMO COMERCIAL EM PORTUGAL E A REVITALIZAÇÃO DO CENTRO DAS CIDADES

URBANISMO COMERCIAL EM PORTUGAL E A REVITALIZAÇÃO DO CENTRO DAS CIDADES LEITURAS URBANISMO COMERCIAL EM PORTUGAL E A REVITALIZAÇÃO DO CENTRO DAS CIDADES [Carlos José Lopes Balsas (1999), Gabinete de Estudos e Prospectiva Económica, Ministério da Economia, ISBN: 972-8170-55-6]

Leia mais

Estratégico. III Seminário de Planejamento. Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011

Estratégico. III Seminário de Planejamento. Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011 Estratégico III Seminário de Planejamento Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011 G es tão Em pre sa rial O rie nta ção pa ra om erc ado Ino vaç ão et

Leia mais

NPQV Variável Educação Prof. Responsáv el : Ra ph a el B i c u d o

NPQV Variável Educação Prof. Responsáv el : Ra ph a el B i c u d o NPQV Variável Educação Prof. Responsáv v el :: Ra ph aa el BB ii cc uu dd o ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NA ÁREA DE EDUCAÇÃO 2º Semestre de 2003 ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NA ÁREA DE EDUCAÇÃO As atividades realizadas

Leia mais

Prgrmçã O Mu s u Év r, p r l ém f rcr s s i g ns «vi s i t s cl áss i cs» qu cri m s p nt s c nt ct nt r s di v rs s p úb l ic s qu vi s it m s c nt ú d s d s u ri c s p ó l i, p r cu r, c nc m i t nt

Leia mais

Messinki PUSERRUSLIITIN EM 10 MM PUSERRUSLIITIN EM 12 MM PUSERRUSLIITIN EM 15 MM PUSERRUSLIITIN EM 18 MM PUSERRUSLIITIN EM 22 MM

Messinki PUSERRUSLIITIN EM 10 MM PUSERRUSLIITIN EM 12 MM PUSERRUSLIITIN EM 15 MM PUSERRUSLIITIN EM 18 MM PUSERRUSLIITIN EM 22 MM Messinki Tuote LVI-numero Pikakoodi PUSERRUSLIITIN EM 1551002 XV87 PUSERRUSLIITIN EM PUSERRUSLIITIN EM PUSERRUSLIITIN EM PUSERRUSLIITIN EM PUSERRUSLIITIN EM PUSERRUSLIITIN EM PUSERRUSLIITIN EM 35 MM 10X

Leia mais

Quero um Novo Lar پ0 3 پ0 3 پ0 3 پ0 3 پ0 3 پ0 0 پ0 0 پ0 3پ0 0 پ0 3 پ0 0

Quero um Novo Lar پ0 3 پ0 3 پ0 3 پ0 3 پ0 3 پ0 0 پ0 0 پ0 3پ0 0 پ0 3 پ0 0 1 3 پ0 7 _ پ0 7 _ پ0 7 _ & 4 7 A. ز E 7 1 j j پ0گ7? 4 n #_ n _ L? Mi - nha ca -sa e -ra ve - ha nپ0ٹ0o po - di - a su - por - tar پ0ˆ7. _ eu me 4 پ0 7 پ0 8 & E 7 G 6 /A A _.. nnn_ n پ0ˆ7_ j j j j G j پ0گ7

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS ORGANIZAÇÃO

CONDIÇÕES GERAIS ORGANIZAÇÃO CONDIÇÕES GERAIS O presente programa/ catálogo é o documento informativo no qual se inserem as presentes condições gerais, dele fazendo parte integrante e que constituem, na ausência de documento autónomo

Leia mais

10.1 Objetivos, Conceitos e Funções. Os obje ti vos prin ci pais do con tro le orça men tá rio são: Responsabilidade pelo Controle Orçamentário

10.1 Objetivos, Conceitos e Funções. Os obje ti vos prin ci pais do con tro le orça men tá rio são: Responsabilidade pelo Controle Orçamentário Capítulo 10 Controle Orçamentário Essa etapa acon te ce após a exe cu ção das tran sa ções dos even tos eco nô mi cos pre vis - tos no plano orça men tá rio. Não se con ce be um plano orça men tá rio sem

Leia mais

Nos termos da alínea a) do n.º 1 do artigo 201.º da Constituição, o Governo decreta o seguinte: CAPÍTULO I Campo de aplicação

Nos termos da alínea a) do n.º 1 do artigo 201.º da Constituição, o Governo decreta o seguinte: CAPÍTULO I Campo de aplicação A leitura deste documento, que transcreve o conteúdo do Decreto-Lei n.º 14/90, de 8 de Janeiro, não substitui a consulta da sua publicação em Diário da República. Decreto-Lei n.º 14/90 de 8 de Janeiro

Leia mais

FACULDADES UNIFICADAS DA. Curso de Direito Escritório de Assistência Jurídica Registro OAB 6614 DA F UNDAÇ Ã O EDUCACIONAL DE B ARRETOS

FACULDADES UNIFICADAS DA. Curso de Direito Escritório de Assistência Jurídica Registro OAB 6614 DA F UNDAÇ Ã O EDUCACIONAL DE B ARRETOS FACULDADES UNIFICADAS DA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE BARRETOS Curso de Direito Escritório de Assistência Jurídica Registro OAB 6614 REGULAMENTO DO NÚ CLEO DE PRÁ TICA JURÍ DICA DA F UNDAÇ Ã O EDUCACIONAL DE

Leia mais

ALFANDEGATUR - EMP.DESENV.TURIST.DE ALF.DA FE EM

ALFANDEGATUR - EMP.DESENV.TURIST.DE ALF.DA FE EM Cn t - 31. 05. 2014 Me s : Ma r ç o Pag. 1 11 CA I XA 41, 0 14. 63 37, 080. 00 3, 9 34. 6 3 111 Ca i x a 6, 0 47. 50 4, 449. 54 1, 5 97. 9 6 112 Ca i x a Fa c t u r a ç ão 34, 7 92. 13 32, 630. 46 2, 1

Leia mais

ANEXO 1 - MODELO DE ESCRITURA DE SEPARAÇÃO CONSENSUAL SEM PARTILHA DE BENS

ANEXO 1 - MODELO DE ESCRITURA DE SEPARAÇÃO CONSENSUAL SEM PARTILHA DE BENS ANEXO 1 - MODELO DE ESCRITURA DE SEPARAÇÃO CONSENSUAL SEM PARTILHA DE BENS Livro... Folha... ESCRITURA PÚBLICA DE SEPARAÇÃO CONSENSUAL que fazem, como outorgantes e reciprocamente outorgados NOME e NOME,

Leia mais

8388-(2) Diário da República, 1. a série N. o 239 14 de Dezembro de 2006 MINISTÉRIO DA JUSTIÇA

8388-(2) Diário da República, 1. a série N. o 239 14 de Dezembro de 2006 MINISTÉRIO DA JUSTIÇA 8388-(2) Diário da República, 1. a série N. o 239 14 de Dezembro de 2006 MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Decreto-Lei n. o 237-A/2006 de 14 de Dezembro Pela Lei Orgânica n. o 2/2006, de 17 de Abril, foram introduzidas

Leia mais

Medley Forró 2. œ œ # œ œ œ œ #.

Medley Forró 2. œ œ # œ œ œ œ #. Roteiro e adapta: Edu Morelenbaum e Rold Valle Ú 106 sa Branca 4 2 Luiz Gonzaga # # 6 # # # # # 12 # # # # # # 18 # # # # # 24 0 Quan-do_o - # iei # # de São Jo - ão - - - a # ter - ra_ar - D # Eu per-gun

Leia mais

DECRETO-LEI Nº 389, DE 25 DE ABRIL DE 1938.

DECRETO-LEI Nº 389, DE 25 DE ABRIL DE 1938. DECRETO-LEI Nº 389, DE 25 DE ABRIL DE 1938. Regula a Nacionalidade Brasileira. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, usando da atribuição que lhe confere o art. 180 da Constituição, DECRETA: Art. 1º São considerados

Leia mais

nelson de oliveira ódio sustenido

nelson de oliveira ódio sustenido ódio sustenido sai da chu va, josé! Ah, José, que é que vo cê faz aí parado? Sai da chu va, José! Larga es sa tai nha e cor re pra varanda. Ah, José, a vi da não é só ga nhar ou per der. Você sa be dis

Leia mais

REGISTO FITOSSANITÁRIO / LICENCIAMENTO DE FORNECEDORES DE MATERIAIS DE PROPAGAÇÃO E DE OPERADORES DE OUTROS PRODUTOS VEGETAIS

REGISTO FITOSSANITÁRIO / LICENCIAMENTO DE FORNECEDORES DE MATERIAIS DE PROPAGAÇÃO E DE OPERADORES DE OUTROS PRODUTOS VEGETAIS REGISTO FITOSSANITÁRIO / LICENCIAMENTO DE FORNECEDORES DE MATERIAIS DE PROPAGAÇÃO E DE OPERADORES DE OUTROS PRODUTOS VEGETAIS 1 IDENTFICAÇÃO Nº de Identificação Fiscal (NIF): (Reservado à DGADR) Nº de

Leia mais

ARTIGO 1.º DEFINIÇÕES ARTIGO 2.º OBJECTO DO CONTRATO ARTIGO 3.º INÍCIO E DURAÇÃO DO CONTRATO. SEGURO REAL VIDA Condições Gerais

ARTIGO 1.º DEFINIÇÕES ARTIGO 2.º OBJECTO DO CONTRATO ARTIGO 3.º INÍCIO E DURAÇÃO DO CONTRATO. SEGURO REAL VIDA Condições Gerais ARTIGO 1.º DEFINIÇÕES 1. Para efeitos do presente contrato entende-se por: Seguradora: a Real Vida Seguros, S.A., que subscreve com o Tomador de Seguro o presente contrato; Tomador de Seguro: A entidade

Leia mais

E v o lu ç ã o d o c o n c e i t o d e c i d a d a n i a. A n t o n i o P a i m

E v o lu ç ã o d o c o n c e i t o d e c i d a d a n i a. A n t o n i o P a i m E v o lu ç ã o d o c o n c e i t o d e c i d a d a n i a A n t o n i o P a i m N o B r a s i l s e d i me nt o u - s e u ma v is ã o e r r a d a d a c id a d a n ia. D e u m mo d o g e r a l, e s s a c

Leia mais

GLOSSÁRIO PREV PEPSICO

GLOSSÁRIO PREV PEPSICO GLOSSÁRIO PREV PEPSICO A T A A ABRAPP Aã Aã I Aí I R ANAPAR A A M A A A Lí Aá S C é ç í ê çõ 13ª í ã. Açã B E F Pê P. Cí ê, ã ê. V Cê Aã P ( á). N í, - I R P Fí (IRPF), S R F, à í á, ( 11.053 2004), çã.

Leia mais

ARBITRAGEM VOLUNTÁRIA

ARBITRAGEM VOLUNTÁRIA (Até às alterações do Decreto Lei n.º 38/2003, de 08 de Março) ARBITRAGEM VOLUNTÁRIA CAPÍTULO I Artigo 1.º Convenção de arbitragem 1 - Desde que por lei especial não esteja submetido exclusivamente a tribunal

Leia mais

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE GOVERNO. DECRETO LEI N.º 1/2004 de 04 de Fevereiro REGULAMENTO DA LEI DA NACIONALIDADE

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE GOVERNO. DECRETO LEI N.º 1/2004 de 04 de Fevereiro REGULAMENTO DA LEI DA NACIONALIDADE REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE GOVERNO DECRETO LEI N.º 1/2004 de 04 de Fevereiro REGULAMENTO DA LEI DA NACIONALIDADE O Regulamento da Nacionalidade é uma imposição da Lei da Nacionalidade, e foi

Leia mais

2.º SUPLEMENTO II SÉRIE ÍNDICE. Ministério da Educação e Ciência PARTE C. Quinta-feira, 12 de abril de 2012 Número 73

2.º SUPLEMENTO II SÉRIE ÍNDICE. Ministério da Educação e Ciência PARTE C. Quinta-feira, 12 de abril de 2012 Número 73 II SÉRIE Quinta-feira, 12 de abril de 2012 Número 73 ÍNDICE 2.º SUPLEMENTO PARTE C Ministério da Educação e Ciência Gabinetes do Secretário de Estado do Ensino e da Administração Escolar e da Secretária

Leia mais

Ministério da Cultura Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional Departamento de Planejamento e Administração Coordenação-Geral de

Ministério da Cultura Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional Departamento de Planejamento e Administração Coordenação-Geral de Ministério da Cultura Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional Departamento de Planejamento e Administração Coordenação-Geral de Tecnologia da Informação!" !" $%& '( ) %) * +, - +./0/1/+10,++$.(2

Leia mais

CONVENÇÃO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DA ÁUSTRIA EM MATÉRIA DE SEGURANÇA SOCIAL

CONVENÇÃO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DA ÁUSTRIA EM MATÉRIA DE SEGURANÇA SOCIAL Decreto do Governo n.º 44/85 Convenção entre a República Portuguesa e a República da Áustria em Matéria de Segurança Social e o respectivo Protocolo Final, feitos em Viena em 18 de Abril de 1985 O Governo

Leia mais

Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades

Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades PNV 289 Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades Orides Bernardino São Leopoldo/RS 2012 Centro de Estudos Bíblicos Rua João Batista de Freitas, 558 B. Scharlau Caixa Postal 1051 93121-970

Leia mais

COMBINAR CORRESPONDENCIA, CREACIÓN DE INDICES Y TABLAS DE CONTENIDO EN MICROSOFT WORD.

COMBINAR CORRESPONDENCIA, CREACIÓN DE INDICES Y TABLAS DE CONTENIDO EN MICROSOFT WORD. COMBINAR CORRESPONDENCIA, CREACIÓN DE INDICES Y TABLAS DE CONTENIDO EN MICROSOFT WORD. I.E.S. ANDRÉS DE VANDELVIRA J. G a r r i g ó s ÍNDICE 1 COMBINAR CORRESPONDENCIA... 2 2. CREACIÓN DE ÍNDICES EN MICROSOFT

Leia mais

Prefeitura Municipal de Gavião-BA

Prefeitura Municipal de Gavião-BA Edição Nº Nº 024/2012 030/2012 Segunda-Feira Quinta-Feira 08 26 de Março Junho de 2012 Rua Irmã Dulce, nº 370 Gavião Bahia CEP: 44650-000. Tel/Fax: 75.3682 2271 CNPJ: 13.233.036/0001-67 www.gaviao.ba.gov.br

Leia mais

MODALIDADES DE INSERÇÃO PROFISSIONAL DOS QUADROS SUPERIORES NAS EMPRESAS

MODALIDADES DE INSERÇÃO PROFISSIONAL DOS QUADROS SUPERIORES NAS EMPRESAS MODALIDADES DE INSERÇÃO PROFISSIONAL DOS QUADROS SUPERIORES NAS EMPRESAS João Pedro Cordeiro Resumo O presente artigo versa sobre as práticas de gestão de recursos humanos pelas empresas, e mais especificamente

Leia mais

EM NOME DO PAI ====================== j ˆ«. ˆ««=======================

EM NOME DO PAI ====================== j ˆ«. ˆ««======================= œ» EM NOME O PI Trnscçã Isbel rc Ver Snts Pe. Jãzinh Bm & # #6 8 j. j... Œ. ll { l l l l n me d Pi e d Fi lh ed_es & #. 2. #. _. _ j.. Œ. Œ l l l j {.. l. pí t Sn t_ mém Sn t_ mém LÓRI O PI Trnscçã Isbel

Leia mais

Regulamento do XV Curso de Especialização em Relações Internacionais da Universidade de Brasília. Capítulo I Das Normas Regulamentares do Curso

Regulamento do XV Curso de Especialização em Relações Internacionais da Universidade de Brasília. Capítulo I Das Normas Regulamentares do Curso Universidade de Brasília/UnB Instituto de Relações Internacionais Regulamento do XV Curso de Especialização em Relações Internacionais da Universidade de Brasília Capítulo I Das Normas Regulamentares do

Leia mais

L 343/10 Jornal Oficial da União Europeia 29.12.2010

L 343/10 Jornal Oficial da União Europeia 29.12.2010 L 343/10 Jornal Oficial da União Europeia 29.12.2010 REGULAMENTO (UE) N. o 1259/2010 DO CONSELHO de 20 de Dezembro de 2010 que cria uma cooperação reforçada no domínio da lei aplicável em matéria de divórcio

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA REQUERENTES DE VISTOS DE IMIGRAÇÃO

INSTRUÇÕES PARA REQUERENTES DE VISTOS DE IMIGRAÇÃO INSTRUÇÕES PARA REQUERENTES DE VISTOS DE IMIGRAÇÃO Resumo Introdução V.Exa. encontra-se inscrito no Centro Nacional de Vistos (National Visa Center, NVC) para requerer um visto de imigração para os Estados

Leia mais

MANUAL DE CANDIDATURA A PRESIDENTE DA REPÚBLICA

MANUAL DE CANDIDATURA A PRESIDENTE DA REPÚBLICA MANUAL DE CANDIDATURA A PRESIDENTE DA REPÚBLICA PR 2016 LEI ELEITORAL para o PRESIDENTE DA REPÚBLICA (LEPR) Decreto-Lei nº 319-A/76, de 3 de maio Com as alterações introduzidas pelas pelos seguintes diplomas

Leia mais

DAI/DCTEC/DE-I/ 228 /692 (B46) (F37)

DAI/DCTEC/DE-I/ 228 /692 (B46) (F37) DAI/DCTEC/DE-I/ 228 /692 (B46) (F37) O Ministério das Relações Exteriores cumprimenta a Embaixada da França e tem a honra de acusar recebimento da nota número 1166, de 28 de setembro do corrente ano, cujo

Leia mais

Casa do Direito, Abre essa porta!

Casa do Direito, Abre essa porta! Casa do Direito, Abre essa porta! Apresentação do Projecto Organização Actividades Decreto-lei nº62/2005 de 10 de Outubro Garantir a protecção e o exercício dos direitos do cidadão bem como a observância

Leia mais

Casamento. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Casamento. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Casamento Casamento É a união permanente entre o homem e a mulher, de acordo com a lei, a fim de se reproduzirem, de se ajudarem mutuamente e de criarem os seus filhos. Washington de Barros Monteiro Capacidade

Leia mais

121,8 127,6 126,9 131,3. Sb Te I Xe 27,0 28,1 31,0 32,1 35,5 39,9 69,7 72,6 74,9 79,0 79,9 83, Ga Ge As Se Br Kr. In Sn 114,8 118,7.

121,8 127,6 126,9 131,3. Sb Te I Xe 27,0 28,1 31,0 32,1 35,5 39,9 69,7 72,6 74,9 79,0 79,9 83, Ga Ge As Se Br Kr. In Sn 114,8 118,7. PRVA DE QUÍMICA º 2º 3º 4º 5º 6º 7º TABELA PERIÓDICA DS ELEMENTS (IA),0 3 Li 6,9 Na 23,0 9 K 39, 2 (IIA) 4 Be 9,0 2 Mg 24,3 3 (III B) 4 5 6 7 8 9 0 2 20 2 22 23 24 25 26 27 28 29 30 Ca Sc Ti V Cr Mn Fe

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 227, DE 2010.

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 227, DE 2010. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o 227, DE 2010. Dispõe sobre o capital mínimo requerido para autorização e funcionamento e sobre planos corretivo e de recuperação

Leia mais

Exame de Seleção Mestrado em Química Turma 2013 II CLASSIFICAÇÃO PERIÓDICA DOS ELEMENTOS 11 1B. 26 Fe 55,8 44 Ru 101,1 76 Os 190,2

Exame de Seleção Mestrado em Química Turma 2013 II CLASSIFICAÇÃO PERIÓDICA DOS ELEMENTOS 11 1B. 26 Fe 55,8 44 Ru 101,1 76 Os 190,2 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO DPTO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM QUÍMICA Exame de Seleção Mestrado em Química Turma 2013

Leia mais

VESTIBULAR UNICAMP 2010-1ª FASE - NOVEMBRO/2009

VESTIBULAR UNICAMP 2010-1ª FASE - NOVEMBRO/2009 VESTIBULAR UNICAMP 2010-1ª FASE - NOVEMBRO/2009 Comentário da Redação Nes te ano, a pro va de Re da ção da Uni camp foi ex ce len te. Em pri me i ro lu gar, pelo res pe i to ao for ma to tra di ci o nal

Leia mais

REGIME E TABELA DE EMOLUME TOS DO TRIBU AL DE CO TAS. CAPÍTULO I Disposições Gerais. ARTIGO 1. (Emolumentos e encargos)

REGIME E TABELA DE EMOLUME TOS DO TRIBU AL DE CO TAS. CAPÍTULO I Disposições Gerais. ARTIGO 1. (Emolumentos e encargos) REGIME E TABELA DE EMOLUME TOS DO TRIBU AL DE CO TAS CAPÍTULO I Disposições Gerais ARTIGO 1. (Emolumentos e encargos) 1. Pelos serviços prestados pelo Tribunal de Contas e pela Direcção dos serviços Técnicos

Leia mais

< ()& : 555>?

< ()& : 555>? P Ú s Pr s t Pr t Pr r str Pr ss t át P q çõ s r ç s çõ s s é s r r t r Pr r sé rt r P Ú s Pr s t Pr t Pr r str Pr ss t át P q çõ s r ç s çõ s s é s r ss rt çã r s t rt s r q s t s r t çã tít str t r r

Leia mais

ALTERAÇÕES AO REGIME DO DESEMPREGO (comparação artigo a artigo) Redacção anterior Nova redação DL 64/2012 Artigo 9.º

ALTERAÇÕES AO REGIME DO DESEMPREGO (comparação artigo a artigo) Redacção anterior Nova redação DL 64/2012 Artigo 9.º ALTERAÇÕES AO REGIME DO DESEMPREGO (comparação artigo a artigo) Artigo 9.º Artigo 9.º Desemprego involuntário Desemprego involuntário 1 - O desemprego considera-se involuntário sempre que a cessação do

Leia mais

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, nomeadamente o terceiro parágrafo do artigo 159º,

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, nomeadamente o terceiro parágrafo do artigo 159º, REGULAMENTO (CE) Nº 1082/2006 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 5 de Julho de 2006 relativo aos agrupamentos europeus de cooperação territorial (AECT) O PARLAMENTO EUROPEU E O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA,

Leia mais

RESOLUÇÃO CEPE Nº 085, DE 16 DE AGOSTO DE 2005.

RESOLUÇÃO CEPE Nº 085, DE 16 DE AGOSTO DE 2005. RESOLUÇÃO CEPE Nº 085, DE 16 DE AGOSTO DE 2005. REGULAMENTA REVALIDAÇÃO DE DIPLOMAS/CERTIFICADOS DE PÓS-GRADUAÇÃO, EXPEDIDOS POR ESTABELECIMENTOS ESTRANGEIROS DE ENSINO SUPERIOR. O CONSELHO DE ENSINO,

Leia mais

Proposta de Revisão Metodológica

Proposta de Revisão Metodológica Proposta de Revisão Metodológica Gestão do Desempenho Dezembro de 20 DIDE/SVDC Propostas para 202 Nova sist em át ic a de pac t uaç ão e avaliaç ão de m et as set oriais e de equipe; Avaliaç ão de De s

Leia mais

EMBAIXADA DOS ESTADOS UNIDOS DO BRASIL. Lisboa, em 9 de agôsto de 1960. Senhor Ministro,

EMBAIXADA DOS ESTADOS UNIDOS DO BRASIL. Lisboa, em 9 de agôsto de 1960. Senhor Ministro, EMBAIXADA DOS ESTADOS UNIDOS DO BRASIL Lisboa, em 9 de agôsto de 1960. Senhor Ministro, Tenho a honra de referir-me aos entendimen tos e conversações últimamente havidos no Rio de Janeiro, entre os representantes

Leia mais

Decreto n.o 7/90. de 24 de Março

Decreto n.o 7/90. de 24 de Março Decreto n.o 7/90 de 24 de Março Os Decretos executivos n.ºs 5/80 e 57/84, de 1 de fevereio e de 16 de Agosto respectivamente, pretenderam estabelecer os princípios regulamentadores da actividade das Representações

Leia mais

RESOLUÇÃO Matemática APLICADA FGV Administração - 24.10.10

RESOLUÇÃO Matemática APLICADA FGV Administração - 24.10.10 VESTIBULAR FGV 2011 OUTUBRO/2010 RESOLUÇÃO DAS 10 QUESTÕES DE MATEMÁTICA APLICADA QUESTÃO 1 O gráfico no plano cartesiano expressa a alta dos preços médios de televisores de tela plana e alta definição,

Leia mais

Nacionalidade Portuguesa Folheto Informativo

Nacionalidade Portuguesa Folheto Informativo Nacionalidade Portuguesa Folheto Informativo Lei da Nacionalidade Portuguesa Lei nº 37/81, de 3 de Outubro, com as alterações introduzidas pela Lei nº 25/94, 19 de Agosto Regulamento da Nacionalidade Portuguesa

Leia mais

DATAPREV Divisão de Gestão Operacional e Controle - D1GC Serviço Técnico a Softwares de Produção STSP

DATAPREV Divisão de Gestão Operacional e Controle - D1GC Serviço Técnico a Softwares de Produção STSP GIS Gertran Integration Suite Guia de T ransferência de Arquivos Entidade x DATAPREV Versão 1.0 HTTPS G I S G ui a de T ra n sf er ên ci a d e Ar qu i vo s 1/ 8 ÍNDICE ANALÍT ICO 1. INTRODU ÇÃO......4

Leia mais

Correção da Unicamp 2009 2ª fase - Matemática feita pelo Intergraus. 14.01.2009

Correção da Unicamp 2009 2ª fase - Matemática feita pelo Intergraus. 14.01.2009 MATEMÁTICA 1. O transporte de carga ao porto de Santos é feito por meio de rodovias, ferrovias e dutovias. A tabela abaixo for ne ce al guns da dos re la ti vos ao trans por te ao por to no pri me i ro

Leia mais

EMPREGO JOVEM: AS POLÍTICAS. Alexandre Oliveira - IEFP

EMPREGO JOVEM: AS POLÍTICAS. Alexandre Oliveira - IEFP EMPREGO JOVEM: AS POLÍTICAS Alexandre Oliveira - IEFP Objetivos da sessão Identificar intervenções do IEFP no âmbito das políticas ativas de emprego para jovens: Estágios Profissionais; Medida Estímulo

Leia mais

CONTRATO Nº 229/ 2014

CONTRATO Nº 229/ 2014 CONTRATO Nº 229/ 2014 Prestação de Serviços de Consultoria especializada em gestão na área de planejamento estratégico e mapeamento de processos. Que fazem entre si de um lado a Prefeitura Municipal de

Leia mais

P i s cina s : 2 P i s ci n a e x te rior de á g u a d e m a r a q u e cida P i s ci n a i n te ri or d e á g u a

P i s cina s : 2 P i s ci n a e x te rior de á g u a d e m a r a q u e cida P i s ci n a i n te ri or d e á g u a E M P R IM E I R A MÃO T h e O i ta v os é o e x c lu s i v o h o te l d e 5 e s tre la s q u e co m p le t a e v a l ori za a ofe rta d a Q u i n ta d a M a ri n h a, co n s olid a n d o -a c om o d e

Leia mais

ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS CAPÍTULO X. Benefícios fiscais relativos ao mecenato. Artigo 61.º. Noção de donativo. Artigo 62.º

ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS CAPÍTULO X. Benefícios fiscais relativos ao mecenato. Artigo 61.º. Noção de donativo. Artigo 62.º ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS CAPÍTULO X Benefícios fiscais relativos ao mecenato Artigo 61.º Noção de donativo Para efeitos fiscais, os donativos constituem entregas em dinheiro ou em espécie, concedidos,

Leia mais

MATERIAL DO ALUNO PARA RECORTAR

MATERIAL DO ALUNO PARA RECORTAR MATERIAL DO ALUNO PARA RECORTAR O Sonho de Renato O Sonho de Renato a e i o u A E I O U so nho de Re na to Eu sou Renato Valadares Batista. Tenho 14 anos. Sou filho de Pedro Batista e Luzia Valadares.

Leia mais

14. Convenção Relativa à Citação e à Notificação no Estrangeiro dos Actos Judiciais e Extrajudiciais em Matéria Civil e Comercial

14. Convenção Relativa à Citação e à Notificação no Estrangeiro dos Actos Judiciais e Extrajudiciais em Matéria Civil e Comercial 14. Convenção Relativa à Citação e à Notificação no Estrangeiro dos Actos Judiciais e Extrajudiciais em Matéria Civil e Comercial Os Estados signatários da presente Convenção, desejando criar os meios

Leia mais

2.01, 0 A. .29 0ttp_t_ft. Asianc4z iondea, xmo. Senhor hefe do Gabinete do Presidente di Assembleia gislativa da Regiao Autemoma dos Acores 09.07.

2.01, 0 A. .29 0ttp_t_ft. Asianc4z iondea, xmo. Senhor hefe do Gabinete do Presidente di Assembleia gislativa da Regiao Autemoma dos Acores 09.07. ASSEMBLEIA LEG:31.ATIVA BA tu AD [DOGMA DOS AcOhES ADMITIDC,;, NUMERE-SE E A Pt ificaa up CIA 0 CONSELHO DE MINISTRZYS Baixa Comissão: Asianc4z iondea, Para parecar ate, Nall 6,/ is /al 2.01, 0A sidente,

Leia mais

Regulamento do Programa Desconto Amigo Versão 02/2016

Regulamento do Programa Desconto Amigo Versão 02/2016 Regulamento do Programa Desconto Amigo Versão 02/2016 1. O QUE É O PROGRAMA DESCONTO AMIGO E NO QUE CONSISTEM SEUS BENEFÍCIOS: 1.1. De acordo com este programa, terá direito ao beneficio, consistente em

Leia mais

REVISÃO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL PCH PIEDADE JUNHO/2007

REVISÃO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL PCH PIEDADE JUNHO/2007 REVISÃO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL JUNHO/27 VOLUME II ANEXOS ANEXO I DESENHOS... 1 Revisão do Plano de Controle Ambiental PCH Piedade Junho/27 ANEXO I DESENHOS Sigla PIE-CAN-2 PIE-ACE-2 PIE-RESG-1

Leia mais

Regulamento n.º 1 /2007 BANCO DE CABO VERDE. Auditoria Geral do Mercado de Valores Mobiliários. Auditores dos Organismos de Investimento Colectivo

Regulamento n.º 1 /2007 BANCO DE CABO VERDE. Auditoria Geral do Mercado de Valores Mobiliários. Auditores dos Organismos de Investimento Colectivo Regulamento n.º 1 /2007 BANCO DE CABO VERDE Auditoria Geral do Mercado de Valores Mobiliários Auditores dos Organismos de Investimento Colectivo Com a criação dos Organismos de Investimento Colectivo (OIC),

Leia mais

REAL PPR Condições Gerais

REAL PPR Condições Gerais Entre a, adiante designada por Segurador, e o Tomador do Seguro identificado nas Condições Particulares, estabelece-se o presente contrato de seguro que se regula pelas Condições Particulares e desta apólice,

Leia mais

Quadro 1 Evolução anual do stock de empresas. Stock final

Quadro 1 Evolução anual do stock de empresas. Stock final Demografia de empresas, fluxos de emprego e mobilidade dos trabalhadores em Portugal ESTATÍSTICAS STICAS em síntese 2006 A informação que se divulga tem como suporte o Sistema de Informação Longitudinal

Leia mais

PARECER N.º 135/CITE/2009

PARECER N.º 135/CITE/2009 PARECER N.º 135/CITE/2009 Assunto: Parecer prévio nos termos do n.º 1 e da alínea a) do n.º 3 do artigo 63.º do Código do Trabalho, aprovado pela Lei n.º 7/2009, de 12 de Fevereiro Despedimento por facto

Leia mais

Regulamentos REGULAMENTO DE PROPINAS DA UPORTO

Regulamentos REGULAMENTO DE PROPINAS DA UPORTO Regulamentos REGULAMENTO DE PROPINAS DA UPORTO Aprovado pelo Conselho Geral da UPorto em 26 de Fevereiro de 2010 Alterado pelo Conselho Geral da UPorto em 18 de Março de 2011 Ao abrigo da Lei n.º 37/2003,

Leia mais

O Sacrifício da Cruz

O Sacrifício da Cruz O Sacrifício da ruz 6 ø 4 4 Intenso q = 61 9. r. r m b sus4 6 Ó. m Œ. r J 1.u ø. r o - lho pa - ra_o céu, bus - M7.. can - do com - preen-der o sa - cri - fí - cio do Sal - va - dor em meu lu - gar ø ø

Leia mais

E mpresa B rasileira de S erviços Hospitalares EBS ER H. Plano de Ação

E mpresa B rasileira de S erviços Hospitalares EBS ER H. Plano de Ação E mpresa B rasileira de S erviços Hospitalares EBS ER H Plano de Ação 1 C O N T E X TO (R es ulta do s R E H U F) D es de s ua c o nc epç ã o o R E H U F tem a tua do : N a fo rm a de Fina nc ia m ento

Leia mais

INDICE DE CONFIANÇA DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS (ICMPE) NO BRASIL. Novembro/2012 (dados até outubro)

INDICE DE CONFIANÇA DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS (ICMPE) NO BRASIL. Novembro/2012 (dados até outubro) INDICE DE CONFIANÇA DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS (ICMPE) NO BRASIL Novembro/2012 (dados até outubro) Características da pesquisa Objetivo: - medir o impacto da conjuntura econômica nas MPE brasileiras

Leia mais

Quadro de conteúdos. Eu Gosto M@is Integrado 1 o ano. Lição 1 As crianças e os lugares onde vivem

Quadro de conteúdos. Eu Gosto M@is Integrado 1 o ano. Lição 1 As crianças e os lugares onde vivem Quadro de conteúdos Eu Gosto M@is Integrado 1 o ano Língua Portuguesa Matemática História Geografia Ciências Naturais Arte Inglês ABC da passarinhada O alfabeto Quantidade A ideia de quantidade Eu, criança

Leia mais

"Dorme enquanto eu velo"

Dorme enquanto eu velo poesia: Fernando Pessoa q = 60 6 "Dorme enquanto eu velo" para voz e piano legato Dor Patrícia Lopes J - me en. quan - to eu ve - lo Dei - xa me -. - so nhar 11. Na - da'em mim é ri - so - nho. 1. Que

Leia mais