MARKETING DE RELACIONAMENTO NO COMÉRCIO VAREJISTA: ESTUDO EM UMA EMPRESA DE MATERIAL DE CONSTRUÇÃO DE MÉDIO PORTE EM FORTALEZA.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MARKETING DE RELACIONAMENTO NO COMÉRCIO VAREJISTA: ESTUDO EM UMA EMPRESA DE MATERIAL DE CONSTRUÇÃO DE MÉDIO PORTE EM FORTALEZA."

Transcrição

1 CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO CEARÁ FACULDADE CEARENSE CURSO DE BACHAREL EM ADMINISTRAÇÃO RAIMUNDO NONATO DE ABREU MARKETING DE RELACIONAMENTO NO COMÉRCIO VAREJISTA: ESTUDO EM UMA EMPRESA DE MATERIAL DE CONSTRUÇÃO DE MÉDIO PORTE EM FORTALEZA. FORTALEZA 2012

2 RAIMUNDO NONATO DE ABREU MARKETING DE RELACIONAMENTO NO COMÉRCIO VAREJISTA: ESTUDO EM UMA EMPRESA DE MATERIAL DE CONSTRUÇÃO DE MÉDIO PORTE EM FORTALEZA Monografia submetida à aprovação da Coordenação do Curso de Administração de Empresas do Centro de Ensino Superior do Ceará, como requisito parcial para obtenção do grau de Bacharel em Administração. Orientador: Prof. João Queiroz Junior, Esp. Co- Orientador: Prof. Ricardo Cesar de Oliveira Borges, Ms. FORTALEZA 2012

3 RAIMUNDO NONATO DE ABREU MARKETING DE RELACIONAMENTO NO COMÉRCIO VAREJISTA: ESTUDO EM UMA EMPRESA DE MATERIAL DE CONSTRUÇÃO DE MÉDIO PORTE EM FORTALEZA. Monografia como pré-requisito para obtenção do título de Bacharelado em Administração, outorgado pela Faculdade Cearense - FAC, tendo sido aprovada pela banca examinadora composta pelos professores. Data de aprovação: / / BANCA EXAMINADORA Professor Orientador: João Queiroz Junior, Esp. Professor: Dr. Professor: Ms.

4 Dedico a minha família e amigos.

5 AGRADECIMENTOS Agradeço ao nosso Deus, acreditando em sua existência e no amor para conosco. A minha querida esposa Jucileide de Abreu e filha Débora de Abreu, pelo apoio e por serem motivos da minha vitória. Agradeço aos meus pais, que mesmo na dificuldade sempre me incentivaram ao estudo. Aos meus líderes espirituais, por servirem de fonte de motivação para o término do Curso de Administração. Agradeço aos queridos membros da Igreja de João XXIII, do conjunto Araturí, pela compreensão e carinho durante algumas ausências no período de aula na faculdade. Agradeço a professora Inácia Girão pela calma e destreza de continuar a orientação e ao meu orientador final professor Queiroz, por aceitar a orientação. Agradeço aos professores da FAC, principalmente, Paloma, Bernadete, Eloisa Bezerra, Carlos Werner, Davi Carneiro, Alexandre Carneiro, Milton Sousa, Júlio, Luiz Carlos e Ricardo Cesar, pela seriedade, amizade e exemplo de vida, Agradeço a professora Tacila Mihaliuc que me faz entender a importância do Marketing de Relacionamento e pelo auxílio no início da elaboração deste trabalho e a professora Eliny Luna por ser um grande apoio na correção do meu TCC, não posso deixa de cita minha querida pastora e professora Sara Costa que fez a tradução do ABSTRACT. Agradeço meus colegas de curso Emily Luna Lima, Lidianne Castro, Rene Quirino e o Janderson fiel companheiro, por compartilhar momentos inesquecíveis e felizes.

6 Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna. Jesus Cristo Ev. de João 3.16

7 RESUMO O presente estudo tem por objetivo analisar as ações de retenção, fidelização e deserção de clientes adotadas numa empresa varejista de material de construção em Fortaleza. No delineamento desta investigação, adotou-se como estratégia de pesquisa o estudo de caso. Trata-se, aqui, de uma pesquisa de natureza exploratória, de abordagem direta, sustentada por uma busca qualitativa, uma vez que analisa as ações marketing de relacionamento, voltadas ao cliente. Os dados secundários foram obtidos por meio de livros e artigo periódico especializado, discorrendo sobre a questão da presente investigação. Adotou-se um modelo de formulário estruturado, com perguntas abertas, aplicado in loco com o responsável da área de marketing. A técnica de amostragem foi a não-probabilística, por julgamento. Num raciocínio conclusivo, conclui-se que é primordial que haja por parte da empresa real interesse em aprimorar o marketing de relacionamento, fazendo mais uso de estratégias voltadas ao público alvo, consumidor de seus produtos. Palavras-chaves: Marketing de relacionamento. Cliente. Retenção. Fidelização. Deserção.

8 ABSTRACT This study aims to analyze the actions of retention, loyalty and customer defection adopted a building material retailer company in Fortaleza. In the design of this research, as the search strategy case study. It is here, a qualitative search, as it examines the relationship marketing actions, customer-focused.the secondary data were obtained by means of specialized journals, books and articles discussing the subject of this investigation. Adopted a model of structured form, with open-ended questions, applying the spot with the person in charge of marketing. The sampling technique was non-probabilistic, for trial.in a concluding reasoning, it is concluded that it is essential that there is real interest on the part of the company in improving the relationship marketing, making more use of strategies geared to the target audience, consumers of its products. Keywords: Relationship Marketing. Client. Retention. Customer Loyalty. Desertion.

9 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura 1 Desenvolvimento do cliente através de estratégia de relacionamento...24 Quadro 1 Aspectos que proporcionam satisfação para os clientes...31

10 SUMÁRIO 1INTRODUÇÃO MARKETING DE RELACIONAMENTO Introdutório Relacionamento entre Cliente e Empresa Benefícios do Relacionamento entre Cliente e Empresa Satisfação do Cliente Retenção e Deserção de Cliente Fidelização de Clientes Programa de Fidelização Valor para o Cliente GESTÃO DO VAREJO Conceito de Varejo Contextualização sobre Varejo Formatos e Tipos de Varejo baseado em Lojas Funções do Varejo Tendências do Varejo ASPECTOS METODOLÓGICOS Tipo de Pesquisa População e Amostra Elemento da Amostra Objeto da Pesquisa Procedimentos e Instrumento de Coleta de Dados ANÁLISE E INTERPRETAÇÃO DOS RESULTADOS DA PESQUISA CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS APÊNDICE Apêndice A - Formulário de Entrevista... 93

11 11 1 INTRODUÇÃO As empresas atualmente enfrentam competição acirrada, sendo que os clientes podem optar por uma ou outra organização disponível no mercado, para suprir suas necessidades. Desta forma, as organizações estão procurando de diversas maneiras possíveis proporcionar o que os clientes desejam e necessitam, em busca de torná-los fiéis à empresa. Para lidar com esta situação, os estabelecimentos comerciais precisam entender não apenas quem são os seus consumidores, e também utilizar o marketing de relacionamento que tem como direção a identificação dos benefícios que devem ser ofertados e conhecer seu público alvo, para lhes ofertar produtos e serviços que venham atender seus requisitos de compra e possa por meio desse relacionamento reter e personalizar o público desejado. O marketing de relacionamento é essencial ao desenvolvimento da liderança no mercado, da criação de relações sólidas entre empresa e cliente, e sua manutenção por longo tempo. Essa situação tem sido tarefa árdua e de difícil manutenção em um mercado onde os clientes têm uma infinidade de opções na aquisição de produtos e serviços, bem como, fornecedores ofertando produtos semelhantes, e às vezes substitutos, tornando-se, difícil manter uma relação pessoal que é uma das formas de conquistar a fidelização do cliente. De acordo com Kotler (2000), a manutenção dos clientes atuais e potenciais para a empresa, torna-se de importância considerável. O autor ainda destaca que elas devem desenvolver cada vez mais relacionamento estreito, de modo a caminhar para a fidelização e que ele se torne lucrativo para a empresa. Desse modo, o marketing de relacionamento vem sendo priorizado como uma das principais ferramentas para a tomada de decisão nas diferentes organizações no que concerne a retenção e a fidelização de seus clientes.

12 12 É de relevância considerável o estudo de marketing de relacionamento porque a qualidade dos produtos não é mais o único requisito de competição entre as empresas. O fator distintivo para a tomada de decisões quanto à retenção, fidelização e deserção de clientes é a qualidade dos relacionamentos, que, provavelmente, propiciará junto com a qualidade dos produtos e serviços o aumento das vendas, maior participação no mercado e, consequentemente, um maior faturamento da empresa. É importante que as empresas estabeleçam ações de longo prazo para manter o relacionamento e ofertem serviços nos níveis de qualidade exigidos, uma vez que os clientes estão se tornando cada vez mais parceiros do negócio. Na verdade, mais do que produzir produtos e serviços de qualidade superior, uma organização deve proporcionar satisfação em todos os seus relacionamentos. (DEMO; PONTE, 2008). Atualmente as facilidades que a economia vem proporcionando, como os financiamentos para reforma e construção aos proprietários de imóveis e empresários da construção civil, levam o varejo de material de construção a passar por um novo momento de crescimento. Além desses a expansão geográfica populacional, a crescente utilização da tecnologia e o aumento de qualidade de vida das pessoas favorecem crescimento do setor. No entanto, para obter posição financeira satisfatória por meio de maiores lucros e suplantar a concorrência atraindo consumidores em volume maior, o varejista de material de construção vem procurando identificar o perfil de seus clientes, características básicas e os benefícios que mais lhes agradam para depois implantar estratégias de marketing de relacionamento, objetivando atingir esse público alvo. Desse modo, justifica-se o estudo de marketing de relacionamento, porque o cliente tem valores diferentes para as organizações e, além do mais, tornase impossível satisfazer todas as pessoas durante o tempo todo. Sendo assim, é relevante a aplicação de esforços no sentido de tentar identificar e reter clientes que

13 13 valorizem seus produtos e serviços e só então se tornem usuários assíduos dos produtos e serviços oferecidos. Vários autores como Kotler (2000), Kotler e Keller (2006), McKenna (1997), Gordon (1998), Hooley, Saunders, Piercy, (2005), Zenone (2011), Silva e Zambon (2012),Madruga (2010), Parente (2000), Levy e Weitz (2000) entre outros, serviram como apoio ao referencial teórico sobre marketing de relacionamento e gestão de varejo. Com base nas considerações apresentadas, a seguinte indagação orienta esta investigação: Quais ações de marketing de relacionamento de clientes estão sendo utilizadas para conquistar o público alvo em uma empresa de construção de médio porte em Fortaleza? Esta monografia tem por objetivo geral analisar as ações de retenção, fidelização e deserção de clientes adotadas em uma empresa varejista de material de construção em Fortaleza. Tendo em vista, ainda, que as estratégias de retenção, fidelização e deserção de clientes propiciam meios para atingir tal objetivo, o trabalho se propõe a esclarecer os seguintes objetivos específicos: a) Levantar como a empresa pratica a retenção de clientes para alcançar relacionamento duradouro; b) Identificar as estratégias de fidelização e de retorno dos clientes deserdados utilizadas pela empresa; c) Avaliar os relacionamentos da empresa com os clientes; A estrutura deste trabalho esta composta de cinco partes, a seguir descriminadas: introdução, marketing de relacionamento, gestão do varejo, metodologia, a análise e interpretação dos dados, a conclusão e por último as referências bibliográficas.

14 14 Na Introdução faz-se uma exposição do assunto em estudo, determina-se o problema, descrevem-se o objetivo geral e os específicos, para a fundamentação do tema e apresenta-se a justificativa do trabalho. No Capítulo 2, aborda-se Marketing de Relacionamento, sua contextualização, relacionamento entre empresa e cliente, benefícios do relacionamento entre cliente e empresa, a satisfação do cliente, retenção e deserção do cliente, fidelização de clientes, e por último valor para o cliente. O Capítulo 3 está reservado a exposições teóricas sobre Gestão do Varejo, bem como conceitos, contextualização, formatos e tipos de varejo baseado em lojas, funções e tendências do varejo. O Capítulo 4 descreve os aspectos metodológicos, apresentando o tipo de pesquisa, população e amostra, elemento da amostra, objeto da pesquisa, procedimentos e instrumento de coleta de dados. No Capítulo 5 contém a análise e interpretação dos resultados da pesquisa, seguido da conclusão e das referências bibliográficas do trabalho.

15 15 2 MARKETING DE RELACIONAMENTO 2.1 Introdutório O marketing de relacionamento tem sido um dos avanços mais significativos no pensamento de marketing. Embora ele não tenha sido reconhecido como importante em alguns mercados, por algum tempo, agora é aceito de forma mais ampla, sob diferentes rótulos, por meio de um serviço superior e da construção de relacionamento, sendo aplicado em mercados maiores. O marketing de relacionamento considerado como uma evolução do marketing tradicional de massa aparece na sociedade contemporânea com uma proposta diferente: a de planejar ações de relacionamentos de fora para dentro da organização, por meio do conhecimento da satisfação das necessidades, desejos e expectativas dos clientes. As novas formas de pesquisa, proporcionada por meios mais rápidos e fáceis de comunicação, dá condições às empresas de coletar informações desejadas do consumidor (CORRÊA, 2009). Segundo Kotler e Armstrong (2007, p. 24),marketing de relacionamento é o processo de construir e manter relacionamentos lucrativos com o cliente, entregando-lhe valor superior e satisfação. Assim sendo, entende-se que as organizações contemporâneas, mais do que nunca, devem compreender que não basta ter compradores de seus produtos, é preciso tornar esses clientes lucrativos, por meio da fidelização. Com um mercado agressivo, com a globalização da economia e da cultura das pessoas, as empresas estão se desenvolvendo através do conhecimento adquirido junto ao cliente, na personalização de seus produtos, na captação, retenção, fidelização e no relacionamento a longo prazo, para que estes não se tornem prospectos de outras organizações. De acordo com Corrêa (2009, p.155), as empresas precisam de um novo foco, nova visão de mercado e estratégia, baseados nesse relacionamento para alcançar seu objetivo principal que é transformar conhecimento em ações da empresa e a consecução da fidelização do consumidor.

16 16 O marketing de relacionamento funciona quando as organizações se conscientizam de que a qualidade dos produtos e serviços não é mais requisito único de competição. Neste sentido, McKenna (1997) ressalta que as empresas devem visar à criação de valor, satisfação e lealdade junto ao cliente e ainda, tomar ciência de que a qualidade do relacionamento é fator diferencial para o sucesso da organização, o que poderá garantir a lucratividade crescente bem como a redução dos custos e a maximização da satisfação do cliente. Gordon (1998, p. 31) reforça a importância de ampliar o foco das ações de marketing de relacionamento, e acrescenta que é um processo contínuo de identificação e criação de novos valores com clientes individuais e o compartilhamento de seus benefícios durante uma vida toda de parceria. Desta forma, entende-se que o cliente mantido na empresa, poderá ajudar a definir seus próprios interesses. Para este autor, as empresas não querem apenas criar clientes que atraiam lucros, e sim retê-los mediante fidelização. Zeithaml e Bitner (2003, p. 139) tratam o marketing de relacionamento como uma filosofia de fazer negócios cujo foco está na manutenção de clientes comprometidos e rentáveis para a organização e na conservação dos atuais. Percebe-se que, o principal objetivo básico do marketing de relacionamento é, atualmente, construir e manter um contingente de clientes, a médio e longo prazo e que o grupo atraído seja rentável para a organização. McKenna (1997) também se refere ao marketing de relacionamento como um meio pelo qual a empresa satisfaz seus clientes, reconhecendo a importância de mantê-los fiéis e satisfeitos, através de uma relação longa e duradoura. Conforme a citação do autor observa-se que, o marketing de relacionamento sugere que a empresa tenha o cliente como seu parceiro e assim tenha sucesso e parceria à longo prazo com o mesmo. O marketing de relacionamento é uma tendência de mercado, assim é uma maneira da empresa se posicionar e pensar no consumidor, no mercado, na concorrência e na realidade que a cerca. Em uma atual concorrência de mercado, as

17 17 empresas perceberam que o relacionamento apenas para efetivação da venda não têm mais condições de melhores lucros e estão voltando-se a esse tipo de marketing para permanecerem competitivas (MACKENNA, 1997). O marketing de relacionamento é essencial ao desenvolvimento da liderança no mercado, à rápida aceitação de novos produtos e serviços e à consecução da fidelidade do consumidor (BOGMANN, 2002, p. 23). O autor salienta, que o marketing de relacionamento envolve compreensão, concentração e uma administração de uma contínua colaboração entre fornecedores, rede de varejo e clientes selecionados para a criação e compartilhamento de valores mútuos por meio da independência e alinhamento organizacional (BOGMANN, 2002, p. 23). As empresas precisam se relacionar com as pessoas, porque, sem essa interação, não haverá mercado consumidor tampouco empresarial. Sabe-se que, atualmente, as empresas vencedoras devem manter estreito relacionamento com os clientes por meio de comunicações que possam influenciar os mesmos a procurar por elas e efetuar suas compras. Assim a liderança no mercado vai se estabelecendo e colocando-as em posição satisfatória diante das demais. Conforme Hooley, Saunders e Piercy (2005, p. 334), o foco do marketing de relacionamento está na construção de relações e laços entre a organização e seus clientes, para melhorar o nível de feedback. Assim sendo, o foco do marketing de relacionamento reside na construção de feedback no aumento das chances de obter a fidelização da clientela. Os laços ou vínculos podem ser de natureza tecnológica, relacionados a conhecimento e informações, geográficas ou sociais. E, se forem bem administrados, poderão oferecer valor ao cliente. Zenone (2011) acrescenta que frente à realidade do século XX, para uma empresa se manter no mercado era suficiente ter um bom produto, mas na era da interatividade o principal bem de uma empresa são os clientes. Para que isso aconteça, as empresas precisam estar organizadas ao redor deles, focadas em como aprender mais com cada um e fazê-los mais rentáveis. Essa ideia é defendida por Gordon (1998, p. 108) quando afirma que se você não der um passo para servir

18 18 os clientes como eles querem ser servidos e seu concorrente o fizer, isso afetará sua empresa. A partir do exposto até o momento, pode-se perceber que o marketing se desfragmentou em várias nuances e para a pesquisa em questão destacou-se o marketing de relacionamento com alterações da visão focada no produto para a compreensão e satisfação do consumidor em suas necessidades, ou seja, visão focada no cliente. 2.2 Relacionamentos entre empresa e cliente Em um ambiente competitivo, segundo Gordon (1998, p. 89), os relacionamentos compreendem as ligações formais dentro da empresa e com os participantes externos, especialmente os fornecedores e canais de distribuição, que permitem à empresa criar valor que os clientes finais desejam. Portanto o marketing de relacionamento é o canal da empresa com o mercado. Cada vez mais, as empresas estão cientes que precisam trabalhar com seus clientes, construindo relacionamentos duradouros e proporcionar maior valor e satisfação. Os clientes diferem em grau de importância para cada empresa e esta importância geralmente depende do vínculo mantido entre ambos. Assim, as empresas poderão se beneficiar com compras repetidas e com referências do marketing direto que proporcionarão o aumento de vendas, maior participação no mercado e lucros para a sua permanência na concorrência (LAMB, 2004). Diante dessa explanação, percebe-se a importância do relacionamento da empresa com o cliente. Estes buscam valor por meio de repetidas compras e a empresa se beneficia com maior lucratividade, mantendo o cliente em sua empresa por longo tempo. A satisfação do cliente gera relacionamentos de longa duração com a empresa. Qualquer contato, por mais rápido que seja, é uma oportunidade única e potencial para a empresa estabelecer um relacionamento proveitoso e duradouro com o cliente (VAVRA, 2006).

19 19 Para realizar a transação que o cliente realmente deseja, as organizações, segundo Gordon (1998), devem escolher para seus relacionamentos, clientes sobre os quais se concentrarão. Portanto, os que proverão maior lucro ao longo prazo, desenvolver percepções significativas esperadas pelo cliente, formular estratégias para relacionamentos individuais e criar habilidades internamente. O que se entende é que a empresa deverá alinhar todos esses aspectos estruturais em prol do cliente, e reavaliar sempre os relacionamentos internos e externos visando fidelização, para seu crescimento no mercado. Na manutenção de relacionamentos diretos com os clientes, Grönroos (2009, p. 31) orienta que: os varejistas devem desenvolver sistemas que lhe forneçam o máximo de informação possível sobre seus clientes de modo que campanhas publicitárias, contatos de venda e situações de reclamação, possam ser orientadas para relacionamentos tanto quanto possível. Os sistemas que o autor se refere (tecnologia da informação) podem proporcionar a empresa mais aproximação com os clientes e oportunizar o desenvolvimento de relacionamentos mostrando que ele é reconhecido e valorizado. No entanto, negligenciar o investimento no desenvolvimento de novas e melhores tecnologias e soluções poderá ser fatal. O que começou como uma situação de negócio conhecida como ganha-ganha pode acabar se tornando um fardo para uma das partes ou, às vezes, até mesmo para ambas. No caso da utilização de cartões de crédito nas lojas, existe a possibilidade de saber quem são os clientes, onde moram, quanto ganham, o que compram, quanto e quando, oportunizando assim análises do perfil de seus compradores e preparação mais adequada para ofertar produtos e serviços de acordo com a clientela desejada. Como atual exemplo desta estratégia, cita-se a loja de departamento Riachuelo, que ampliou sua loja, colocou produtos de qualidade superior para uma faixa de poder aquisitivo mais alto e procurou fixar um relacionamento mais estreito com seu público alvo, por meio de comunicações.

20 20 Com relação às tecnologias digitais, Kotler e Keller (2006) salientam que os consumidores de hoje, estão mais informados e informatizados, esperam que as empresas façam relacionamentos mais do que se conectar com eles, e sim satisfazê-los e até mesmo encantá-los. Atualmente, a internet tornou-se ferramenta efetiva para estreitar relacionamento em razão de sua capacidade de interagir com os clientes. Por esse meio de comunicação, as empresas podem utilizar o correio eletrônico para divulgar produtos e serviços, procurando também fidelizar e aumentar assim sua carteira de clientes (LAMB, 2004). Vale salientar que a partir das informações sobre o mercado, a empresa poderá identificar quem são seus possíveis clientes e qual é o seu potencial de desenvolvimento. A vantagem para as empresas na disponibilidade das informações por meio da tecnologia nas áreas de informática e telecomunicações é comentada por Zenone (2010) quando defende que isso pode manter (manter o que?), analisar as informações de cada cliente e tomar decisões a partir delas. Assim, favorece o relacionamento entre as partes, que é o princípio do conceito do marketing de relacionamento. Inúmeros métodos são sugeridos para manter relacionamentos mais próximos com os clientes, os quais podem ser agrupados em três categorias: construir benefícios superiores de fidelidade, criar laços estruturais e gerar clientes encantados (HOOLEY; SAUNDERS; PIERCY, 2005, p. 337). Quanto à abordagem de construir benefícios superiores de fidelidade, estes podem ser benefícios financeiros ou sociais. O primeiro baseia-se no acréscimo de benefícios financeiros. Estes dão ao cliente motivos financeiros para estabelecer um relacionamento de longo prazo com seu fornecedor e permanecer leal a ele. Assim, podem ser incluídos descontos por volume ou compras repetidas, cartões de fidelidade. O segundo benefício é o social. Os colaboradores trabalham para aumentar os vínculos sociais com os clientes e podem incluir o estabelecimento de grupos sociais que se encontram regularmente, como o programa de Vigilantes do Peso, eventos sociais patrocinados por uma empresa, os quais os clientes podem encontrar outros clientes, visando a desenvolver interesses mútuos. Outra abordagem é de criar vínculos estruturais com a oferta de equipamentos especiais ou links de computadores para ajudar os clientes a administrar pedidos, folha de pagamento, estoque e demais. Por meio da

21 21 oferta de benefícios superiores, as empresas conseguem criar laços estruturais com seus clientes que lhes tornam difícil ou custosos mudar de fornecedor. Quando os laços estruturais são fortes, mesmo os clientes insatisfeitos podem permanecer fiéis devido aos altos custos de mudança envolvidos. A última abordagem trata de gerar clientes encantados. Para isso é necessário ir além do que eles esperam e lhes proporcionar a entrega de um valor ainda superior ao desejado por ele. Proporcionar encantamento demanda que o atendimento ao cliente tenha alta prioridade, tanto nas estratégias desenvolvidas pela organização quanto nas ações que se realiza no mercado (HOOLEY; SAUNDERS; PIERCY, 2005). Para ser eficiente na administração dos relacionamentos com os clientes, Brown (2001, apud DEMO; PONTE, 2008, p. 109) acredita que as organizações devem: Definir uma estratégia de clientes é necessário haver um entendimento entre os segmentos de clientes e suas necessidades para definir quais produtos e serviços oferecer. Criar uma estratégia de canal de produtos definir como a organização entregará seus produtos e serviços eficiente e efetivamente, garantindo produtividade em vendas e boa administração de canal. Entender a importância de uma estratégia de infraestrutura robusta e integrada criação de ambiente com o cliente que satisfaça suas necessidades. Nos demais relacionamentos, a empresa deve reconhecer a importância de outros parceiros como, fornecedores, instituições e demais influenciadores na tomada de decisão. Para Grönroos (2009, p. 242), marketing de relacionamento é: o processo de identificar e estabelecer, manter e realçar e, quando necessário, encerrar relacionamentos com clientes e outros interessados, de modo a cumprir os objetivos relativos às variáveis econômicas e outras, de todos os envolvidos. Isso é conseguido por meio de uma troca mútua e do cumprimento de promessas. Quanto ao que o autor acima define, entende-se que para estabelecer relacionamentos com clientes no primeiro contato, é primordial boa comunicação e habilidade de venda. Entretanto, para manter e realçar os relacionamentos, é preciso qualidade nos serviços, informações corretas, contatos pessoais

22 22 interessantes e todos ou outros serviços que venham fornecer soluções adequadas e satisfazer o cliente. Segundo Zenone (2010), as empresas atuantes em mercados competitivos devem perceber a importância de dar atenção maior ao atendimento e melhorar o relacionamento, não apenas com o cliente, mas com toda a cadeia de negócio: fornecedores, consumidores, colaboradores, formadores de opinião, acionistas e demais. Gummersson (2005) acrescenta que esses tipos de relacionamentos precisam ser identificados e analisados para implementar o marketing de relacionamento nas organizações. O autor se refere aos relacionamentos com a sociedade, salientando que os cidadãos são formadores de opiniões e o poder público através das políticas, interfere nas atividades comerciais das empresas. Desta forma, fica claro que a empresa precisa maximizar relacionamentos com os stakeholders envolvidos, o que poderá gerar maiores benefícios para toda rede colaborativa. Após a identificação dos tipos de relacionamentos a empresa deve definir quais as informações necessárias para cada um destes relacionamentos e determinar as estratégias e acompanhamentos necessários. Os stakeholders, como explicam Churchill e Peter (2005, p. 130), são todos os indivíduos e grupos que também têm interesse nas consequências das decisões de marketing das organizações e pode influenciá-las. Assim, stakeholders podem ser clientes, grupos de interesse, funcionários da empresa, fornecedores, comunidade local e a sociedade como um todo. Para Zenone (2011), os stakeholders são importantes e devem ser considerados clientes, não apenas pelo lucro proporcionado a empresa, mas pela parceria estabelecida com a organização. Na construção de relacionamentos duráveis com os stakeholders, Silva (2005, p. 55) afirma que a organização deve utilizar certos princípios citados por Nickels e Wood (1997), assim elencados: Os relacionamentos devem se basear em comunicação aberta a organização deve ouvir o que outros parceiros têm a dizer.

23 23 Os relacionamentos são construídos com base na confiança a organização deve conquistar confiança dos clientes e outros parceiros, cumprindo sempre o prometido. Uma organização que, ao longo do tempo faz o que combinou, demonstra que é digna de confiança e do compromisso se seu servir aos clientes. Os relacionamentos são forçados quando as partes não mantêm contatos. Quanto mais a organização está em contato com clientes, mais se torna apta a identificar suas necessidades e desejos e dar respostas mais adequadas para satisfazê-los. Os relacionamentos dependem de confiança, honestidade e comportamento ético. Qualquer indício de que ela não está sendo honesta e ética com o empregado, cliente e comunidade, irá enfraquecer e até mesmo romper o relacionamento. Parceiros em um relacionamento mostram que se preocupam uns com os outros. A organização pode mostrar aos clientes e outros grupos de interesse que se preocupa com eles de diversas formas. As ações de relacionamento não devem estar voltadas apenas para clientes que mantém boa frequência de compras com a empresa, mas também trazer de volta os que foram perdidos. Para clientes perdidos devem ser programadas ações que motivem seu retorno. Isso pode ir desde uma simples ligação até convite para conhecer a nova estrutura da empresa, onde aquelas ocorrências que provocaram sua saída não aconteça mais. Essas ações, entre outras, podem trazê-los de volta ou, no mínimo, manter forte a relação entre as partes (PINHEIRO; GULLO, 2011). A respeito da rentabilidade do cliente na empresa, Grupta e Lehmann (2006, p. 16) salientam que é preciso haver consciência de que os clientes são a corrente sanguínea de qualquer organização. Sem eles, a empresa não terá receitas nem lucros, e, portanto, não tem valor de mercado. Essa ideia é confirmada por Kotler e Armstrong (2007) quando citam que, embora sabendo que todos os clientes são importantes, alguns são mais importantes do que outros, devido à sua grande rentabilidade para a organização, sendo assim, as empresas devem cuidar de quem lhe proporciona condições de sobrevivência diante da concorrência. O objetivo da estratégia de relacionamento, segundo Zenone (2010, p. 37) será de converter os clientes potenciais em clientes eventuais, depois em

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES):

Leia mais

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado.

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. TECNICAS E TECNOLOGIAS DE APOIO CRM Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. Empresas já não podem confiar em mercados já conquistados. Fusões e aquisições

Leia mais

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex...

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... (/artigos /carreira/comopermanecercalmosob-pressao /89522/) Carreira Como permanecer calmo sob pressão (/artigos/carreira/como-permanecer-calmosob-pressao/89522/)

Leia mais

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras Por Marcelo Bandeira Leite Santos 13/07/2009 Resumo: Este artigo tem como tema o Customer Relationship Management (CRM) e sua importância como

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA Autor: Jeferson Correia dos Santos ARTIGO TÉCNICO INOVAÇÃO NA GESTÃO DE PÓS-VENDAS: SETOR AUTOMOTIVO RESUMO A palavra inovação tem sido atualmente umas das mais mencionadas

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida Unidade IV MERCADOLOGIA Profº. Roberto Almeida Conteúdo Aula 4: Marketing de Relacionamento A Evolução do Marketing E-marketing A Internet como ferramenta As novas regras de Mercado A Nova Era da Economia

Leia mais

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO.

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Workshop para empreendedores e empresários do Paranoá DF. SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Dias 06 e 13 de Dezembro Hotel Bela Vista Paranoá Das 08:00 às 18:00 horas Finanças: Aprenda a controlar

Leia mais

Como a automação de marketing pode aumentar suas vendas

Como a automação de marketing pode aumentar suas vendas edição 04 Guia do inbound marketing Como a automação de marketing pode aumentar suas vendas Como a automação de marketing pode aumentar suas vendas Há um tempo atrás o departamento de marketing era conhecido

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL Introdução A partir da década de 90 as transformações ocorridas nos aspectos: econômico, político, social, cultural,

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV Bloco Comercial CRM e AFV Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre os Módulos CRM e AFV, que fazem parte do Bloco Comercial. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas

Leia mais

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro.

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. PLANO DE MARKETING Andréa Monticelli Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. 1. CONCEITO Marketing é

Leia mais

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa.

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa. DIREITO DOS CLIENTES O que esperar de sua empresa de Executive Search Uma pesquisa de executivos envolve um processo complexo que requer um investimento substancial do seu tempo e recursos. Quando você

Leia mais

Conceito de Marketing Considerações Preliminares Atendimento

Conceito de Marketing Considerações Preliminares Atendimento Conceito de Marketing Considerações Preliminares Atendimento Metodologia de Ensino 1) Noções de Marketing 2) Marketing de Serviço 3) Marketing de Relacionamento 1 2 1) Noções de Marketing 3 4 5 6 www.lacconcursos.com.br

Leia mais

Anais da Jornada Científica Integração: Educação, Sociedade e Tecnologia

Anais da Jornada Científica Integração: Educação, Sociedade e Tecnologia MARKETING DE RELACIONAMENTO UTILIZADO COMO FERRAMENTA PARA APRIMORAR A RELAÇÃO ENTRE O PÚBLICO INTERNO: ESTUDO DE CASO REALIZADO NA EMPRESA DALCAR NA CIDADE DE BACABAL MA MOURA, Íthalo Bruno Grigório de

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora

CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Prof Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefet.br Prof Dr. Antonio Carlos de Francisco (UTFPR) acfrancisco@pg.cefetpr.br

Leia mais

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com. AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.br COM O SEBRAE, O SEU NEGÓCIO VAI! O Sebrae Goiás preparou diversas

Leia mais

6 Considerações Finais

6 Considerações Finais 6 Considerações Finais Este capítulo apresenta as conclusões deste estudo, as recomendações gerenciais e as recomendações para futuras pesquisas, buscadas a partir da análise dos casos das empresas A e

Leia mais

PARA QUE SERVE O CRM?

PARA QUE SERVE O CRM? Neste mês, nós aqui da Wiki fomos convidados para dar uma entrevista para uma publicação de grande referência no setor de varejo, então resolvemos transcrever parte da entrevista e apresentar as 09 coisas

Leia mais

O CRM e a TI como diferencial competitivo

O CRM e a TI como diferencial competitivo O CRM e a TI como diferencial competitivo Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br Profº Dr. Luciano Scandelari (UTFPR) luciano@cefetpr.br

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 1. Comercial e Marketing 1.1 Neurovendas Objetivo: Entender

Leia mais

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente A Importância do Marketing nos Serviços da Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente Hellen Souza¹ Universidade do Vale do Rio dos Sinos UNISINOS RESUMO Este artigo aborda a importância

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

Visão Geral dos Sistemas de Informação

Visão Geral dos Sistemas de Informação Visão Geral dos Sistemas de Informação Existem muitos tipos de sistemas de informação no mundo real. Todos eles utilizam recursos de hardware, software, rede e pessoas para transformar os recursos de dados

Leia mais

Mónica Montenegro António Jorge Costa

Mónica Montenegro António Jorge Costa Mónica Montenegro António Jorge Costa INTRODUÇÃO... 4 REFERÊNCIAS... 5 1. ENQUADRAMENTO... 8 1.1 O sector do comércio em Portugal... 8 2. QUALIDADE, COMPETITIVIDADE E MELHORES PRÁTICAS NO COMÉRCIO... 15

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI)

CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr,br Profº Dr. Luciano

Leia mais

Laudinei Rossi Barbatto JUNIOR 1 Gilson Rodrigo Silvério POLIDORIO 2

Laudinei Rossi Barbatto JUNIOR 1 Gilson Rodrigo Silvério POLIDORIO 2 COMO QUEBRAR PARADIGMAS SEM CAUSAR UM IMPACTO NEGATIVO NO PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DO MARKETING DE RELACIONAMENTO, CRM E DBM EMPRESARIAL: UM ESTUDO DE CASO Laudinei Rossi Barbatto JUNIOR 1 Gilson Rodrigo

Leia mais

MARKETING DE RELACIONAMENTO

MARKETING DE RELACIONAMENTO MARKETING DE RELACIONAMENTO 1 O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica

Leia mais

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes Unidade IV Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas Prof a. Daniela Menezes Tipos de Mercado Os mercados podem ser divididos em mercado de consumo e mercado organizacional. Mercado de consumo: o consumidor

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

AVALIAÇÃO E EDUCAÇÃO PERMANENTE DE SAÚDE

AVALIAÇÃO E EDUCAÇÃO PERMANENTE DE SAÚDE MOVE 2015 AVALIAÇÃO E EDUCAÇÃO PERMANENTE DE SAÚDE II CONGRESSO TODOS JUNTOS CONTRA O CANCER MOVE 2015 PRINCIPAIS MENSAGENS 01 AVALIAÇÃO É FUNDAMENTAL PARA GARANTIR A QUALIFICAÇÃO DOS PROCESSOS DE EDUCAÇÃO

Leia mais

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto CURRÍCULO DO PROFESSOR Administradora com mestrado e doutorado em engenharia de produção

Leia mais

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Projeto Saber Contábil O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Alessandra Mercante Programa Apresentar a relação da Gestão de pessoas com as estratégias organizacionais,

Leia mais

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

Gestão Empresarial. Aula 5. A Estrutura Estratégica. Modelo de Gestão. Missão da Empresa. Prof. Elton Ivan Schneider.

Gestão Empresarial. Aula 5. A Estrutura Estratégica. Modelo de Gestão. Missão da Empresa. Prof. Elton Ivan Schneider. Gestão Empresarial Aula 5 Prof. Elton Ivan Schneider tutoriacomercioexterior@grupouninter.com.br A Estrutura Estratégica Comércio Exterior Fornecedores Macro Ambiente Organizacional Ambiente Organizacional

Leia mais

Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores

Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores Com uma abordagem inovadora e lúdica, o professor Paulo Gerhardt tem conquistado plateias em todo o Brasil. Seu profundo

Leia mais

Somente com estratégia, varejo consegue reter clientes

Somente com estratégia, varejo consegue reter clientes Somente com estratégia, varejo consegue reter clientes Márcia Sola O mercado varejista no Brasil tem experimentado uma série de mudanças nos últimos anos. A estabilização da economia, o desenvolvimento

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

Empreendedorismo de Negócios com Informática

Empreendedorismo de Negócios com Informática Empreendedorismo de Negócios com Informática Aula 5 Cultura Organizacional para Inovação Empreendedorismo de Negócios com Informática - Cultura Organizacional para Inovação 1 Conteúdo Intraempreendedorismo

Leia mais

Transformação do call center. Crie interações com o cliente mais lucrativas e agregue valor adicionando insights e eficiência em todas as chamadas.

Transformação do call center. Crie interações com o cliente mais lucrativas e agregue valor adicionando insights e eficiência em todas as chamadas. Transformação do call center Crie interações com o cliente mais lucrativas e agregue valor adicionando insights e eficiência em todas as chamadas. Lucre com a atenção exclusiva de seus clientes. Agora,

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Módulo 4 O que é CRM?

Módulo 4 O que é CRM? Módulo 4 O que é CRM? Todos nós já sabemos a importância de manter os clientes fiéis e a qualidade do atendimento que temos que oferecer para fidelizar cada vez mais os clientes. Atualmente, uma das principais

Leia mais

Problema ou Oportunidade. Processo de Decisão

Problema ou Oportunidade. Processo de Decisão Prof. Dr. ANDERSON SONCINI PELISSARI Processo de Decisão INFLUÊNCIA DO AMBIENTE Cultura Classes Sociais Valores Étnicos Família Situação DIFERÊNÇAS INDIVIDUAIS Recursos do cliente Auto conceito Problema

Leia mais

de empresas ou de organizações de todos os tipos? O que fazem os líderes eficazes que os distingue dos demais?

de empresas ou de organizações de todos os tipos? O que fazem os líderes eficazes que os distingue dos demais? TEMA - liderança 5 LEADERSHIP AGENDA O Que fazem os LÍDERES eficazes Porque é que certas pessoas têm um sucesso continuado e recorrente na liderança de empresas ou de organizações de todos os tipos? O

Leia mais

ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ

ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ Acadêmica de Administração Geral na Faculdade Metropolitana de Maringá /PR - 2005 RESUMO: A atividade comercial

Leia mais

Sistemas de Gerenciamento do Relacionamento com o Cliente (Customer Relationship Management CRM)

Sistemas de Gerenciamento do Relacionamento com o Cliente (Customer Relationship Management CRM) CRM Definição De um modo muito resumido, pode definir-se CRM como sendo uma estratégia de negócio que visa identificar, fazer crescer, e manter um relacionamento lucrativo e de longo prazo com os clientes.

Leia mais

...estas abordagens contribuem para uma ação do nível operacional do design.

...estas abordagens contribuem para uma ação do nível operacional do design. Projetar, foi a tradução mais usada no Brasil para design, quando este se refere ao processo de design. Maldonado definiu que design é uma atividade de projeto que consiste em determinar as propriedades

Leia mais

A l e x a n d r a P a u l o

A l e x a n d r a P a u l o A l e x a n d r a P a u l o ESCOLA SECUNDÁRIA SERAFIM LEITE TRABALHO FINAL TÉCNICAS DE VENDA Alexandra Paulo 11ºI Nº 21160 Disciplina: Comercializar e vender Prof: João Mesquita 20-12-2012 2012-2013 1

Leia mais

MARKETING DE RELACIONAMENTO: UM ESTUDO DE CASO NO COMÉRCIO DE TRÊS LAGOAS

MARKETING DE RELACIONAMENTO: UM ESTUDO DE CASO NO COMÉRCIO DE TRÊS LAGOAS MARKETING DE RELACIONAMENTO: UM ESTUDO DE CASO NO COMÉRCIO DE TRÊS LAGOAS ADRIELI DA COSTA FERNANDES Aluna da Pós-Graduação em Administração Estratégica: Marketing e Recursos Humanos da AEMS PATRICIA LUCIANA

Leia mais

CRM. Customer Relationship Management

CRM. Customer Relationship Management CRM Customer Relationship Management CRM Uma estratégia de negócio para gerenciar e otimizar o relacionamento com o cliente a longo prazo Mercado CRM Uma ferramenta de CRM é um conjunto de processos e

Leia mais

Uma nova perspectiva sobre a experiência digital do cliente

Uma nova perspectiva sobre a experiência digital do cliente Uma nova perspectiva sobre a experiência digital do cliente Redesenhando a forma como empresas operam e envolvem seus clientes e colaboradores no mundo digital. Comece > Você pode construir de fato uma

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional.

MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional. Empresa MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional. Nossa filosofia e oferecer ferramentas de gestão focadas na

Leia mais

A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram

A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram Esquema de Palestra I. Por Que As Pessoas Compram A Abordagem da Caixa Preta A. Caixa preta os processos mentais internos que atravessamos ao tomar uma

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO O QUE É NÍVEL DE SERVIÇO LOGÍSTICO? É a qualidade com que o fluxo de bens e serviços

Leia mais

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os melhores resultados. 2 ÍNDICE SOBRE O SIENGE INTRODUÇÃO 01

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

Código de Ética e Conduta

Código de Ética e Conduta Código de Ética e Conduta Introdução A Eucatex, através deste Código de Ética e Conduta, coloca à disposição de seus colaboradores, fornecedores e comunidade, um guia de orientação para tomada de decisões

Leia mais

O MARKETING DIRETO COMO CONQUISTA DE CLIENTES

O MARKETING DIRETO COMO CONQUISTA DE CLIENTES O MARKETING DIRETO COMO CONQUISTA DE CLIENTES Rosanne Farineli Peixoto Gomes, Ivonete A. Canuto Dias, Valdete Neri Andrade, Luiz Sérgio Almeida dos Santos e Wagner Conceição INTRODUÇÃO O mercado atual

Leia mais

1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL

1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL 1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL 1.1 APRESENTAÇÃO O Plano de Comunicação e Participação Social subsidiará a elaboração do Plano Diretor de Mobilidade Urbana, criando as bases para

Leia mais

A PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROFISSIONAIS DA AREA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1

A PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROFISSIONAIS DA AREA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1 A PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROFISSIONAIS DA AREA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1 Tatiana Pereira da Silveira 1 RESUMO O objetivo deste trabalho é apresentar os resultados da

Leia mais

com níveis ótimos de Brand Equity, os interesses organizacionais são compatíveis com as expectativas dos consumidores.

com níveis ótimos de Brand Equity, os interesses organizacionais são compatíveis com as expectativas dos consumidores. Brand Equity O conceito de Brand Equity surgiu na década de 1980. Este conceito contribuiu muito para o aumento da importância da marca na estratégia de marketing das empresas, embora devemos ressaltar

Leia mais

Gestão de Relacionamento com o Cliente CRM

Gestão de Relacionamento com o Cliente CRM Gestão de Relacionamento com o Cliente CRM Fábio Pires 1, Wyllian Fressatti 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil pires_fabin@hotmail.com wyllian@unipar.br RESUMO. O projeto destaca-se

Leia mais

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA Daniela Vaz Munhê 1 Jenifer Oliveira Custódio Camara 1 Luana Stefani 1 Murilo Henrique de Paula 1 Claudinei Novelli 2 Cátia Roberta Guillardi

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL Cristiane de Oliveira 1 Letícia Santos Lima 2 Resumo O objetivo desse estudo consiste em apresentar uma base conceitual em que se fundamenta a Controladoria.

Leia mais

ANEC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UMA ABORDAGEM. Reflexões voltadas para a Gestão

ANEC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UMA ABORDAGEM. Reflexões voltadas para a Gestão ANEC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UMA ABORDAGEM Reflexões voltadas para a Gestão MUDANÇAS EDUCAÇÃO NO BRASIL 1996 Lei 9.934 LDB 1772 Reforma Pombalina 1549 Ensino Educação público no dos Brasil Jesuítas Lei

Leia mais

Proposta de Candidatura Diretoria da Presidência Agrobio Consultoria Júnior Gestão 2013. Isabella Assunção Cerqueira Procópio

Proposta de Candidatura Diretoria da Presidência Agrobio Consultoria Júnior Gestão 2013. Isabella Assunção Cerqueira Procópio Proposta de Candidatura Diretoria da Presidência Agrobio Consultoria Júnior Gestão 2013 Isabella Assunção Cerqueira Procópio Janeiro de 2013 1 Sumário 1. Dados Básicos de Identificação...3 2. Histórico

Leia mais

A. Conceito de Trade Marketing, responsabilidades, atividades, amplitude de atuação e limites

A. Conceito de Trade Marketing, responsabilidades, atividades, amplitude de atuação e limites 5 Conclusão Trade Marketing é um termo conhecido por grande parte dos profissionais das áreas comercial e de marketing, principalmente entre as indústrias de bens de consumo. Muitas empresas já incluíram

Leia mais

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios UNIMEP MBA em Gestão e Negócios Módulo: Sistemas de Informações Gerenciais Aula 4 TI com foco nos Negócios: Áreas envolvidas (Parte II) Flávio I. Callegari www.flaviocallegari.pro.br O perfil do profissional

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

Estratégias em Propaganda e Comunicação

Estratégias em Propaganda e Comunicação Ferramentas Gráficas I Estratégias em Propaganda e Comunicação Tenho meu Briefing. E agora? Planejamento de Campanha Publicitária O QUE VOCÊ DEVE SABER NO INÍCIO O profissional responsável pelo planejamento

Leia mais

Aula 7: TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO

Aula 7: TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO Aula 7: TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO OBJETIVOS Definir com maior precisão o que é marketing; Demonstrar as diferenças existentes entre marketing externo, marketing interno e marketing de treinamento;

Leia mais

18/06/2009. Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br.

18/06/2009. Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br. Marketing Ambiental Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. O que temos visto e ouvido falar das empresas ou associado a elas? Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br 2 3 Sílvia

Leia mais

Liderança Estratégica

Liderança Estratégica Liderança Estratégica A título de preparação individual e antecipada para a palestra sobre o tema de Liderança Estratégica, sugere-se a leitura dos textos indicados a seguir. O PAPEL DE COACHING NA AUTO-RENOVAÇÃO

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

Código de Ética. PARTE I Relação com o cliente de Consultoria

Código de Ética. PARTE I Relação com o cliente de Consultoria Código de Ética PARTE I Relação com o cliente de Consultoria 1. É essencial que o Consultor estabeleça de inicio com o cliente, de forma clara, os objetivos do trabalho previsto, dos meios a serem utilizados,

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Trade Marketing é confundido por algumas empresas como um conjunto de ferramentas voltadas para a promoção e a comunicação dos produtos. O

Leia mais

AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR

AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR KOTLER, 2006 AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR. OS CANAIS AFETAM TODAS AS OUTRAS DECISÕES DE MARKETING Desenhando a estratégia

Leia mais

OS NEGÓCIOS LUCRO = VOLUME PRODUZIDO X PREÇO - CUSTO

OS NEGÓCIOS LUCRO = VOLUME PRODUZIDO X PREÇO - CUSTO OS NEGÓCIOS Odilio Sepulcri* INTRODUÇÃO A sobrevivência dos negócios, dentre outros fatores, se dará pela sua capacidade de gerar lucro. O lucro, para um determinado produto, independente da forma como

Leia mais

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.)

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Resenha Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Patrícia Morais da Silva 1 Superar as expectativas do mercado atendendo de forma satisfatória as demandas dos clientes

Leia mais

2015 Manual de Parceiro de Educação. Suas soluções. Nossa tecnologia. Mais inteligentes juntos.

2015 Manual de Parceiro de Educação. Suas soluções. Nossa tecnologia. Mais inteligentes juntos. 2015 Manual de Parceiro de Educação Suas soluções. Nossa tecnologia. Mais inteligentes juntos. Prêmios Reais, a Partir de Agora Bem-vindo ao Intel Technology Provider O Intel Technology Provider é um programa

Leia mais

5 CONSIDERAÇÕES FINAIS. 5.1 Conclusão

5 CONSIDERAÇÕES FINAIS. 5.1 Conclusão 97 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS 5.1 Conclusão Este estudo teve como objetivo final elaborar um modelo que explique a fidelidade de empresas aos seus fornecedores de serviços de consultoria em informática. A

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR PROJETO INTEGRADOR 1. INTRODUÇÃO Conforme as diretrizes do Projeto Pedagógico dos Cursos Superiores de Tecnologia da Faculdade Unida de Suzano

Leia mais

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes Unidade IV Marketing Profª. Daniela Menezes Comunicação (Promoção) Mais do que ter uma ideia e desenvolver um produto com qualidade superior é preciso comunicar a seus clientes que o produto e/ ou serviço

Leia mais

Autoatendimento Digital. Reduz custos e aprimora as relações com o cliente, criando experiências de autoatendimento personalizadas e significativas.

Autoatendimento Digital. Reduz custos e aprimora as relações com o cliente, criando experiências de autoatendimento personalizadas e significativas. Autoatendimento Digital Reduz custos e aprimora as relações com o cliente, criando experiências de autoatendimento personalizadas e significativas. Oferece aos clientes as repostas que buscam, e a você,

Leia mais

Missão, Visão e Valores

Missão, Visão e Valores , Visão e Valores Disciplina: Planejamento Estratégico Página: 1 Aula: 12 Introdução Página: 2 A primeira etapa no Planejamento Estratégico é estabelecer missão, visão e valores para a Organização; As

Leia mais

PLANEJAMENTO DE MARKETING

PLANEJAMENTO DE MARKETING PLANEJAMENTO DE MARKETING A análise ambiental e o planejamento beneficiam os profissionais de marketing e a empresa como um todo, ajudando os gerentes e funcionários de todos os níveis a estabelecer prioridades

Leia mais

O COACHING ESTRATÉGICO A Abordagem para uma Nova Cultura Organizacional. Luiz Cláudio Binato Belo Horizonte, 12 de Maio de 2011

O COACHING ESTRATÉGICO A Abordagem para uma Nova Cultura Organizacional. Luiz Cláudio Binato Belo Horizonte, 12 de Maio de 2011 O COACHING ESTRATÉGICO A Abordagem para uma Nova Cultura Organizacional Luiz Cláudio Binato Belo Horizonte, 12 de Maio de 2011 Organização Realização O QUE É COACHING? É um PROCESSO no qual um profissional

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais