GUIA PARA GERAÇÃO DO SPED PIS/COFINS LBCGAS STATION VERSÃO DESTE GUIA: 1.0. Janeiro de 2012

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GUIA PARA GERAÇÃO DO SPED PIS/COFINS LBCGAS STATION VERSÃO DESTE GUIA: 1.0. Janeiro de 2012"

Transcrição

1 GUIA PARA GERAÇÃO DO SPED PIS/COFINS LBCGAS STATION VERSÃO DESTE GUIA: 1.0 Janeiro de 2012 AS INFORMAÇÕES (LEIS, DECRETOS, PORTARIAS, LAYOUTS) AQUI CONTIDAS FORAM EXTRAÍDAS DE VÁRIAS FONTES E PODEM TER SOFRIDO ALTERAÇÕES. É DE EXTREMA IMPORTÂNCIA QUE SUA VALIDADE SEJA COMPROVADA PELO CONTRIBUINTE.

2 ÍNDICE 1. APRESENTAÇÃO PRÉ-REQUISITOS 5 2. INFORMAÇÕES GERAIS OBJETIVO CONCEITO OBRIGATORIEDADE FUNCIONAMENTO PERIODICIDADES E INICIO DA ENTREGA PRAZO DE ENTREGA DO SPED PIS/COFINS PENALIDADES 7 3. INSTALANDO O VALIDADOR EFD PIS/COFINS 9 4. LBC GAS STATION MODULO GERENCIAL DEFININDO ACESSO DOS USUARIOS AOS RECURSOS REVISÃO NOS CADASTROS CADASTRO DE PRODUTOS CADASTRO DE COMBUSTIVEIS CADASTRO DE SERVIÇOS CADASTROS DO CONTABILISTA RESPONSAVEL REGISTRANDO LANÇAMENTOS PARA O SPED PIS/COFINS ENTRADAS DE NOTAS MODELO 1/1A E 55: PRODUTOS PARA REVENDA OU SERVIÇOS PRESTADOS POR TERCEIRO 18 ENTRADAS DE NOTAS DE CONSUMO E AQUISIÇÃO DE SERVIÇOS 21 ENTRADAS DE NOTAS DE AQUISIÇÃO DE SERVIÇOS DE TRANSPORTE 21 2

3 6.4 ALTERAÇÃO DOS CAMPOS FISCAIS NOS DOCUMENTOS DE ENTRADA E SAIDA BLOCO F REGISTRANDO LANÇAMENTOS NO BLOCO F NO LBCGAS GERANDO O ARQUIVO MAGNETICO DO SPED PIS/COFINS DEFINIÇÕES DO ARQUIVO MAGNÉTICO UNIFICANDO ARQUIVOS DA EFD CONSIDERAÇÕES FINAIS 34 3

4 1. APRESENTAÇÃO Este guia foi desenvolvido com objetivo de auxiliar na implantação e geração do arquivo magnético contendo informações do SPED PIS/COFINS. Ao final deste guia, você estará apto a gerar o arquivo magnético no regime de apuração da sua empresa utilizando o módulo LBC GAS Station. Este arquivo será submetido para validação no software PVA-EFD PIS/COFINS e, após a revisão e aprovação pela sua contabilidade, assinado digitalmente e enviado para o fisco. 4

5 1.1 PRÉ-REQUISITOS Para a geração e envio do arquivo magnético do SPED PIS/COFINS, devemos observar alguns pré-requisitos: 1- Módulo LBCGAS na última versão disponível (verifique sempre). 2- Download e instalação do software PVA-EFD PIS/COFINS (programa validador). Acesse o endereço Clique no link SPED localizado à direita da página principal. Localize e faça o download do Validador PVA-EFD PIS/COFINS. 3- Certificado digital válido e instalado no computador onde o PVA-EFD PIS/COFINS será executado. Ele será necessário para a assinatura dos dados antes do envio aos servidores da Receita Federal do Brasil. 4- Revisão nos cadastros do sistema objetivando a redução das advertências e erros de validação. Sempre que necessário, consulte o site e fique por dentro das ultimas informações e atualizações para a geração do arquivo magnético. Mantenha sempre atualizada sua versão do LBCGAS como também do validador PVA-EFD PIS/COFINS. 5

6 2. INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE O SPED PIS/COFINS 2.1 OBJETIVO: Promover a integração dos fiscos Federal, Estaduais, Distrito Federal e, futuramente, Municipais, e dos Órgãos de Controle mediante a padronização, racionalização e compartilhamento das informações fiscais digitais, bem como integrar todo o processo relativo à escrituração fiscal, com a substituição do atual documentário em meio físico por documento eletrônico com validade jurídica para todos os fins. 2.2 CONCEITO: A EFD PIS/COFINS trata-se de um arquivo digital instituído no Sistema Publico de Escrituração Digital SPED, a ser utilizado pelas pessoas jurídicas de direito privado na escrituração da contribuição para o PIS/Pasep e da COFINS, nos regimes de apuração não-cumulativo e/ou cumulativo, com base no conjunto de documentos e operações representativas das receitas auferidas, bem como dos custos, despesas, encargos e aquisições geradores de créditos da não-cumulatividade. 2.3 OBRIGATORIEDADE: Sujeitam-se à obrigatoriedade de geração de arquivo da Escrituração Fiscal Digital das Contribuição para o PIS/Pasep e da COFINS as pessoas jurídicas de direito privado em geral e as que lhes são equiparadas pela legislação do Imposto de Renda, que apuram a Contribuição para o PIS/Pasep e a Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social COFINS com base no faturamento mensal. 2.4 FUNCIONAMENTO: A partir de um banco de dados, a pessoa jurídica deverá gerar o arquivo digital de acordo com leiaute estabelecido pela Secretaria da Receita Federal, informando todos os documentos fiscais e demais operações com repercussão no campo de incidência das contribuições sociais e dos créditos da não-cumulatividade, referentes a cada período de apuração do PIS/Pasep e da COFINS. 6

7 2.5 PERIODICIDADES E INICIO DA ENTREGA: Os arquivos da EFD PIS/COFINS têm a periodicidade mensal e sua entrega deve ser iniciada a partir das seguintes datas: Janeiro de 2012: Pessoas jurídicas sujeitas a tributação do imposto sobre a renda com base no lucro real. Julho de 2012: Pessoas jurídicas sujeitas a tributação do imposto sobre a renda com base no lucro presumido ou arbitrado. 2.6 PRAZO DE ENTREGA DO SPED PIS/COFINS: O arquivo da EFD PIS/COFINS deverá ser validado, assinado digitalmente e transmitido via internet, através de um programa validador fornecido pela Receita Federal do Brasil, o qual verifica a consistência das informações prestadas no arquivo. Os arquivos da EFD PIS/COFINS devem ser entregues até o 10 o dia útil do 2 o mês subseqüente a que se refira a escrituração. De acordo com a Instrução Normativa RFB nº 1.052, de 2010, atualizada pela IN RFB nº 1.085, de 2010, o prazo para retificação da escrituração é o ultimo dia útil do mês de junho do ano-calendário seguinte a que se refere a escrituração substituída. 2.7 PENALIDADES: O sujeito passivo que deixar de apresentar nos prazos fixados o arquivo da EFD PIS/COFINS, exigidos nos termos do art. 16 da Lei ou que os apresentar com incorreções ou omissões, será intimado para apresentá-los ou para prestar esclarecimentos nos prazos estipulados pela Secretaria da Receita Federal do Brasil e sujeitar-se-á às seguintes multas, independentemente do regime fiscal a que se submeta: I por apresentação extemporânea: a) R$500,00 (quinhentos reais)pó mês-calendário, relativamente às pessoas jurídicas que aufiram receita bruta anual igual ou inferior a R$ ,00; b) R$ 1.000,00 (mil reais) por mês-calendário ou fração, relativamente às pessoas jurídicas que aufiram receita bruta anual superior a R$ ,00 e igual ou inferior a R$ ,00; c) R$ 1.500,00 (mil e quinhentos reais) por mês-calendário ou fração, relativamente às pessoas jurídicas que aufiram receita bruta anual superior a R$ ,00; 7

8 II por informações incorretas ou omitidas: a) R$ 5,00 (cinco reais) para cada grupo de 10 (dez) informações incorretas ou omitidas, relativamente às pessoas jurídicas que aufiram receita bruta anual igual ou inferior a R$ ,00; b) R$ 10,00 (dez reais) para cada grupo de 10 (dez) informações incorretas ou omitidas, relativamente às pessoas jurídicas que aufiram receita bruta anual superior a R$ ,00 e igual ou inferior a R$ ,00; c) R$ 20,00 (vinte reais) para cada grupo de 10 (dez) informações incorretas ou omitidas, relativamente às pessoas jurídicas que aufiram receita bruta anual superior a R$ ,00. 8

9 3. INSTALANDO O VALIDADOR EFD PIS/COFINS: A Receita Federal do Brasil disponibilizou um software chamado PVA-EFD PIS/COFINS responsável pela geração/importação, validação, assinatura e envio da escrituração para seus servidores. O primeiro passo para a instalação do PVA é acessar o site da Receita Federal do Brasil em No menu Portais de Serviços localizado no final da pagina clique na imagem que identifica o SPED. 9

10 Uma nova página será aberta. Localize e clique em Validadores no link para baixar o validador EFD-Contribuições. Na próxima página selecione o programa de acordo com o sistema operacional do computador onde o mesmo será instalado. Normalmente, Windows. 10

11 Após a conclusão do download localize onde o arquivo foi armazenado e execute-o. Clique em Avançar. Informe se deseja criar um atalho do validador na área de trabalho. Clique em Avançar. 11

12 Será exibido um resumo da instalação. Para prosseguir clique em Avançar e aguarde a conclusão. Após a confirmação de êxito na instalação do validador clique em concluir. 12

13 4. LBC GAS STATION MÓDULO GERENCIAL Concluída a instalação do software validador, passamos para o módulo gerencial do LBCGAS. Antes de iniciarmos é importante verificarmos se a versão em execução do módulo é a última disponível. Para isso, clique em Utilitários > Atualização de versão. Se for necessário, atualize-a. Esta verificação deve ser feita frequentemente, pois atualizações do SPED serão liberadas acompanhando as mudanças da legislação. 4.1 DEFININDO ACESSO DOS USUÁRIOS AOS RECURSOS. Por padrão, nenhum usuário do sistema está autorizado a gerar o arquivo magnético do SPED PIS/COFINS a não ser que o mesmo já esteja habilitado previamente para a geração do SPED FISCAL. Para que seja permitida a geração assim como a definição de algumas informações, é necessário configurarmos o perfil de cada usuário. Acesse Cadastros > Usuários. Selecione o(a) usuário(a) desejado(a) e clique em Perfil de acesso. Marque as opções de acordo com o perfil de cada usuário na empresa. Por segurança, é interessante que somente os usuários do setor fiscal/contábil da empresa tenham acesso irrestrito a todas as opções acima. 13

14 5. REVISÃO NOS CADASTROS O software validador do SPED PIS/COFINS assim como o validador do SPED FISCAL é bastante crítico ao verificar a importação do arquivo. Para que os registros sejam processados com o menor número possível de erros ou advertências, é imprescindível uma revisão em alguns cadastros. 5.1 CADASTRO DE PRODUTOS: CST de entrada e de saída para PIS e COFINS: Verifique se o código da situação tributaria do produto está correto para a utilização nas operações de entrada e saída. Alíquota de PIS e COFINS: Alíquota de PIS e COFINS aplicados sobre a movimentação do produto, se existente. Código de Natureza da Receita: Código que caracteriza a natureza da receita de acordo com o CST de saída. Esta tabela pode ser visualizada clicando-se no ícone? ou através do site do SPED na Receita Federal do Brasil. DICA: Uma maneira prática de fazermos a revisão nos produtos cadastrados é utilizar o relatório chamado tributação disponível na própria tela de cadastro (ícone ). Outra ferramenta importante é a alteração cadastral em lote (ícone ) disponível nesta mesma tela. Através dela é possível fazer a alteração de campos de vários produtos cadastrados em um mesmo grupo de uma só vez. Tanto para os campos de CST quando para o Código de Natureza da Receita utilize o atalho da tecla F1 para visualizar as tabelas com os códigos. 14

15 5.2 CADASTRO DE COMBUSTÍVEIS: CST de entrada e de saída para PIS e COFINS: Verifique se o código da situação tributária do combustível está correta para utilização nas operações de entrada e saída. Alíquota de PIS e COFINS: Alíquota de PIS e COFINS aplicados sobre a movimentação do combustível, se existente. Código de Natureza da Receita: Código que caracteriza a natureza da receita de acordo com o CST de saída. Esta tabela pode ser visualizada clicando-se no ícone? ou através do site do SPED na Receita Federal do Brasil. 5.3 CADASTRO DE SERVIÇOS: CST de entrada e de saída para PIS e COFINS: Verifique se o código da situação tributária do serviço está correto para utilização nas operações de entrada e saída. Alíquota de PIS e COFINS: Alíquota de PIS e COFINS aplicados sobre a movimentação do serviço, se existente. Código de Natureza da Receita: Código que caracteriza a natureza da receita de acordo com o CST de saída. Esta tabela pode ser visualizada clicando-se no ícone? ou através do site do SPED na Receita Federal do Brasil. 15

16 5.4 CADASTRO DO CONTABILISTA RESPONSÁVEL: O registro 0100 do SPED PIS/COFINS identifica o contabilista responsável pela escrituração fiscal do estabelecimento. Este registro deve ser preenchido mesmo se o contabilista for funcionário da empresa ou prestador de serviços. Acesse Utilitários > Configurações > Sistema > Dados do contabilista e preencha todas as informações. 16

17 6. REGISTRANDO LANÇAMENTOS PARA O SPED PIS/COFINS No arquivo do SPED PIS/COFINS constarão apenas as movimentações de entrada e saída que refiram a operações geradoras de receitas ou de créditos de PIS e de COFINS: NOTAS FISCAIS MODELO 1/1A, 55 (NFe) : Produtos para revenda ou serviços prestados por terceiros. NOTAS DE CONSUMO: Energia elétrica (modelo 06), água canalizada (modelo 29) e fornecimento de gás (modelo 28). NOTAS DE AQUISIÇÃO DE SERVIÇOS: Comunicação (modelo 21) e telecomunicação (modelo 22). NOTAS DE SERVIÇOS DE TRANSPORTE: Nota fiscal de serviço de transporte (modelo 07), conhecimento de transporte rodoviário de cargas (modelo 08), conhecimento de transporte de cargas avulso (modelo 8B), aquaviário de cargas (modelo 09), aéreo (modelo 10), ferroviário de cargas (modelo 11), multimodal de cargas (modelo 26), nota fiscal de transporte ferroviário de carga (modelo 27) e conhecimento de transporte eletrônico CTe (modelo 57). NOTAS FISCAIS PARA CONSUMIDOR FINAL: Nota fiscal para consumidor final modelo 2 (série D). Todas as saídas deste modelo devem ser registradas. CUPONS FISCAIS: Todas as vendas (saídas) realizadas através de cupons fiscais emitidos por equipamento ECF. DEMAIS DOCUMENTOS E OPERAÇÕES GERADORAS DE CONTRIBUIÇÃO E CRÉDITOS DE PIS/COFINS: Outras operações que em função de sua natureza ou documentação, não sejam passíveis de serem escrituradas em um dos itens acima. 17

18 6.1 ENTRADA DE NOTAS MODELOS 1/1A E 55: PRODUTOS PARA REVENDA OU SERVIÇOS PRESTADOS POR TECEIROS. O processo de entrada de notas sofreu alterações com a atribuição dos novos campos de CST e alíquota de PIS e COFINS. Para isso é necessário que os cadastros dos mesmos estejam devidamente revisados agilizando o processo de lançamento. Para situações especiais (CST ou alíquota diferente do padrão) será permitida a alteração manual dos campos. Veja abaixo o exemplo dos campos de CST e alíquotas de PIS e COFINS dentro do relacionamento dos itens no lançamento das notas de produtos e serviços. Notas de serviços prestados por terceiros devem ser registradas para escrituração do PIS/COFINS. Este processo é análogo ao lançamento de produtos e combustíveis. 18

19 CÓDIGO DA SITUAÇÃO TRIBUTÁRIA REFERENTE AO PIS/PASEP (CST-PIS): Código Descrição 01 Operação Tributável com Alíquota Básica 02 Operação Tributável com Alíquota Diferenciada 03 Operação Tributável com Alíquota por Unidade de Medida de Produto 04 Operação Tributável Monofásica - Revenda a Alíquota Zero 05 Operação Tributável por Substituição Tributária 06 Operação Tributável a Alíquota Zero 07 Operação Isenta da Contribuição 08 Operação sem Incidência da Contribuição 09 Operação com Suspensão da Contribuição 49 Outras Operações de Saída 50 Operação com Direito a Crédito - Vinculada Exclusivamente a Receita Tributada no Mercado Interno 51 Operação com Direito a Crédito Vinculada Exclusivamente a Receita Não Tributada no Mercado Interno 52 Operação com Direito a Crédito - Vinculada Exclusivamente a Receita de Exportação 53 Operação com Direito a Crédito - Vinculada a Receitas Tributadas e Não- Tributadas no Mercado Interno 54 Operação com Direito a Crédito - Vinculada a Receitas Tributadas no Mercado Interno e de Exportação 55 Operação com Direito a Crédito - Vinculada a Receitas Não-Tributadas no Mercado Interno e de Exportação 56 Operação com Direito a Crédito - Vinculada a Receitas Tributadas e Não- Tributadas no Mercado Interno, e de Exportação 60 Crédito Presumido - Operação de Aquisição Vinculada Exclusivamente a Receita Tributada no Mercado Interno 61 Crédito Presumido - Operação de Aquisição Vinculada Exclusivamente a Receita Não-Tributada no Mercado Interno 62 Crédito Presumido - Operação de Aquisição Vinculada Exclusivamente a Receita de Exportação 63 Crédito Presumido - Operação de Aquisição Vinculada a Receitas Tributadas e Não-Tributadas no Mercado Interno 64 Crédito Presumido - Operação de Aquisição Vinculada a Receitas Tributadas no Mercado Interno e de Exportação 65 Crédito Presumido - Operação de Aquisição Vinculada a Receitas Não- Tributadas no Mercado Interno e de Exportação 66 Crédito Presumido - Operação de Aquisição Vinculada a Receitas Tributadas e Não-Tributadas no Mercado Interno, e de Exportação 67 Crédito Presumido - Outras Operações 70 Operação de Aquisição sem Direito a Crédito 71 Operação de Aquisição com Isenção 72 Operação de Aquisição com Suspensão 73 Operação de Aquisição a Alíquota Zero 74 Operação de Aquisição sem Incidência da Contribuição 75 Operação de Aquisição por Substituição Tributária 98 Outras Operações de Entrada 99 Outras Operações 19

20 CÓDIGO DA SITUAÇÃO TRIBUTÁRIA REFERENTE À COFINS (CST-COFINS): Código Descrição 01 Operação Tributável com Alíquota Básica 02 Operação Tributável com Alíquota Diferenciada 03 Operação Tributável com Alíquota por Unidade de Medida de Produto 04 Operação Tributável Monofásica - Revenda a Alíquota Zero 05 Operação Tributável por Substituição Tributária 06 Operação Tributável a Alíquota Zero 07 Operação Isenta da Contribuição 08 Operação sem Incidência da Contribuição 09 Operação com Suspensão da Contribuição 49 Outras Operações de Saída 50 Operação com Direito a Crédito - Vinculada Exclusivamente a Receita Tributada no Mercado Interno 51 Operação com Direito a Crédito - Vinculada Exclusivamente a Receita Não-Tributada no Mercado Interno 52 Operação com Direito a Crédito - Vinculada Exclusivamente a Receita de Exportação 53 Operação com Direito a Crédito - Vinculada a Receitas Tributadas e Não- Tributadas no Mercado Interno 54 Operação com Direito a Crédito - Vinculada a Receitas Tributadas no Mercado Interno e de Exportação 55 Operação com Direito a Crédito - Vinculada a Receitas Não Tributadas no Mercado Interno e de Exportação 56 Operação com Direito a Crédito - Vinculada a Receitas Tributadas e Não- Tributadas no Mercado Interno e de Exportação 60 Crédito Presumido - Operação de Aquisição Vinculada Exclusivamente a Receita Tributada no Mercado Interno 61 Crédito Presumido - Operação de Aquisição Vinculada Exclusivamente a Receita Não-Tributada no Mercado Interno 62 Crédito Presumido - Operação de Aquisição Vinculada Exclusivamente a Receita de Exportação 63 Crédito Presumido - Operação de Aquisição Vinculada a Receitas Tributadas e Não-Tributadas no Mercado Interno 64 Crédito Presumido - Operação de Aquisição Vinculada a Receitas Tributadas no Mercado Interno e de Exportação 65 Crédito Presumido - Operação de Aquisição Vinculada a Receitas Não- Tributadas no Mercado Interno e de Exportação 66 Crédito Presumido - Operação de Aquisição Vinculada a Receitas Tributadas e Não-Tributadas no Mercado Interno e de Exportação 67 Crédito Presumido - Outras Operações 70 Operação de Aquisição sem Direito a Crédito 71 Operação de Aquisição com Isenção 72 Operação de Aquisição com Suspensão 73 Operação de Aquisição a Alíquota Zero 74 Operação de Aquisição sem Incidência da Contribuição 75 Operação de Aquisição por Substituição Tributária 98 Outras Operações de Entrada 99 Outras Operações 20

21 6.2 ENTRADA DE NOTAS DE CONSUMO E AQUISIÇÃO DE SERVIÇOS: Assim como os demais modelos de entrada, as notas de consumo (energia, água e fornecimento de gás) e as notas de aquisição de serviço (comunicação e telecomunicação) deveram ser lançadas e os campos de alíquotas e CST para PIS e COFINS deverem ser preenchidos. 6.3 ENTRADA DE NOTAS DE AQUISIÇÃO DE SERVIÇO DE TRANSPORTE Nas notas de aquisição de serviço de transporte, também devem ser relacionados os campos de alíquota e CST de PIS e COFINS de acordo com a sua ocorrência. É necessário definir o indicador da natureza do frete contratado e o código da base de calculo do crédito. 21

22 6.4 ALTERAÇÃO DOS CAMPOS FISCAIS NOS DOCUMENTOS DE ENTRADA E SAÍDA. Com o intuito de regularizar as movimentações de entrada e saída que já foram lançadas no sistema, além da opção de alterar os campos fiscais nas notas de entrada, também será possível fazer esta alteração nas notas de saída. Por se tratar de uma nova função do sistema, por padrão de segurança, ela estará bloqueada para todos os usuários. Antes de realizar as alterações autorize o acesso dentro do perfil de acesso de cada usuário. 22

23 6.5 BLOCO F: DEMAIS DOCUMENTOS E OPERAÇÕES Neste bloco serão informadas as demais operações geradoras de contribuição ou de crédito, não informados nos Blocos A, C e D (entradas de notas, emissão de notas, vendas por ECF). Devem ser informadas no registro F100 as operações representativas das demais receitas auferidas, com incidência ou não das contribuições sociais, bem como das demais aquisições, despesas, custos e encargos com direito à apuração de créditos das contribuições sociais, que devam constar na escrituração do período, tais como: - Receitas Financeiras auferidas no período; - Receitas auferidas de Juros sobre o Capital Próprio; - Receitas de Aluguéis auferidas no período; - Montante do faturamento atribuído a pessoa jurídica associada/cooperada, decorrente da produção entregue a sociedade cooperativa para comercialização, conforme documento (extrato, demonstrativo, relatório, etc) emitido pela sociedade cooperativa; - Outras receitas auferidas, operacionais ou não operacionais, não vinculadas à emissão de documento fiscal específico; - Despesas de Aluguéis de prédios, máquinas e equipamentos utilizados nas atividades da empresa; - Contraprestações de Arrendamento Mercantil; - Despesa de armazenagem de mercadorias; - Receitas e operações com direito a crédito, vinculadas a consórcio, contratos de longo prazo, etc., cujos documentos que a comprovem ou validem não sejam notas fiscais, objeto de relacionamento nos Blocos A, C ou D; - aquisição de bens e serviços a serem utilizados como insumos, com documentação que não deva ser informada nos Blocos A, C e D; - Operações de importação de mercadorias para revenda ou produtos a serem utilizados com insumos, quando a apropriação dos créditos ocorrer amparada pela DI (na competência do desembaraço aduaneiro) e não pela entrada da mercadoria com a nota fiscal correspondente. 23

24 As operações relacionadas neste registro devem ser demonstradas de forma individualizada quando se referirem a operações com direito a crédito da não cumulatividade, como nos casos de contratos de locação de bens móveis e imóveis, das contraprestações de arrendamento mercantil, etc. As operações referentes às demais receitas auferidas, tributadas ou não, devem ser individualizadas no registro F100 em função da sua natureza e tratamento tributário, tais como: - Rendimentos de aplicações financeiras; - Receitas de títulos vinculados ao mercado aberto; - Receitas decorrentes de consórcio constituído nos termos do disposto nos arts. 278 e 279 da Lei nº 6.404, de 1976; - Receitas de locação de bens móveis e imóveis; - Receita da venda de bens imóveis do ativo não-circulante; - Juros sobre o Capital Próprio recebidos; - Receitas decorrentes da execução por administração, empreitada ou subempreitada, de obras de construção civil; - Receita auferida com produtos e serviços, convencionada e estipulada mediante contrato; - Montante do faturamento atribuído a pessoa jurídica associada/cooperada; - Receitas da prestação de serviços de educação e da área de saúde, etc. 24

25 6.6 REGISTRANDO LANÇAMENTOS DO BLOCO F NO LBCGAS: No Sistema LBC GAS STATION estas informações serão registradas dentro do menu FISCAL na opção SPED PIS/COFINS Escrituração Bloco F. No campo Dt. Operação informe a data de escrituração do documento. Em Operação selecione a opção que caracteriza o indicador do tipo da operação: 0- Operação Representativa de Aquisição, Custos, Despesas ou Encargos, Sujeita à Incidência de Crédito de PIS ou COFINS (CST 50 a 66). 1- Operação Representativa de Receita Auferida Sujeita ao Pagamento da Contribuição para o PIS e da COFINS (CST 01, 02, 03 ou 05). 2- Operação Representativa de Receita Auferida Não Sujeita ao Pagamento da Contribuição para o PIS e da COFINS (CST 04, 06, 07, 08, 09, 49 ou 99). No campo Valor deverá ser atribuído o valor do documento. 25

26 Identifique nos campos a seguir o Destinatário (cliente ou fornecedor). O próximo campo se destina ao Tipo de produto ou serviço que foi comercializado e também a sua identificação cadastrada dentro do sistema. Nos campos de PIS e COFINS deve ser lançado o CST que caracteriza a operação, Base de calculo, Aliquota e Valor. Logo em seguida o Código da Base de Cálculo do Crédito, Indicador da origem do crédito, Código conta analítica contábil debitada/creditada, Código do Centro de Custos e também Descrição do documento/operação. 26

27 7. GERANDO O ARQUIVO MAGNÉTICO DO SPED PIS/COFINS Após o lançamento e conferência de todas as informações envolvidas na escrituração é hora de gerarmos o arquivo magnético. Acesse Módulos e dê um duplo clique no botão SPED PIS/COFINS Será exibida a tela principal da geração do arquivo onde iremos observar as suas definições. 27

28 7.1 DEFINIÇÕES DO ARQUIVO MAGNÉTICO: Em Período de/até, informe o período para geração do arquivo magnético. O período padrão de geração do arquivo magnético é mensal. No campo Finalidade do arquivo, selecione: 0. Original para enviar o arquivo pela primeira vez. 1. Retificadora para envio de um arquivo que fará a substituição de uma escrituração previamente enviada. Esta opção só deve ser utilizada em caso de necessidade. Informe-se com seu contador sobre esta possibilidade. Em Tipo de regime de apuração da contribuição, selecione: 1. Exclusivamente no regime NÃO-CUMULATIVO 2. Exclusivamente no regime CUMULATIVO 3. Regimes CUMULATIVO e NÃO-CUMULATIVO No campo Pasta destino do arquivo magnético, informe uma pasta válida para a criação da escrituração. O nome do arquivo a ser gerado será exibido no campo Nome do arquivo magnético. Informações preenchidas e definidas, clique em Processar Ao final do processo, será apresentada uma tela de sucesso (verde) ou de críticas (vermelha) para sua verificação. As críticas apresentadas nesta tela são uma pré-validação que o sistema faz da escrituração fiscal. Uma verificação dos erros é de extrema importância principalmente para identificar registros que não foram gerados ou gerados incompletos. Corrija o máximo de erros para evitar que nos meses seguintes as mesmas críticas sejam exibidas. Para sabermos se o arquivo está correto será necessário passá-lo pela validação do software PVA-EFD. É possível que um arquivo criticado pelo LBC seja aprovado sem críticas/erros pelo validador PVA-EFD e vice-versa. 7.2 UNIFICANDO ARQUIVOS DA EFD O arquivo digital da EFD PIS/COFINS deverá ser gerado de forma centralizada pelo estabelecimento matriz da pessoa jurídica. Em função desta regra, as empresas que possuem matriz e filial, ou aquelas que possuem o mesmo CNPJ e Inscrições Estaduais diferentes (caso de posto e loja, por exemplo), o arquivo deverá ser UNIFICADO antes do envio. Para este processo, após a geração e validação das escriturações de cada empresa, deve-se realizar a unificação dentro da empresa Matriz para geração de um arquivo único contendo todas as escriturações. 28

29 Após gerar e salvar os arquivos da matriz e suas filiais dentro de uma mesma pasta, acesse novamente a opção Módulos > SPED PIS/COFINS. Localize no canto inferior direito da tela de geração o botão Unificar escriturações Será aberta a janela a seguir, onde deveremos observar as seguintes definições. Em Período da escrituração deverá ser definida a data da EFD que se pretende unificar. No campo Pasta onde os arquivos a serem unificados se encontram, devemos preencher com o caminho onde as escriturações da matriz e suas filiais foram geradas no processo anterior. No campo O que você deseja unificar devemos escolher entre os tipos de enquadramento das empresas: 0. FILIAIS na escrituração da MATRIZ (mesmo núcleo de CNPJ) 1. Escriturações de uma MESMA empresa (mesmo CNPJ, IE diferente) Ao clicar no botão processar o sistema ira localizar as escriturações que se enquadram no tipo de unificação selecionado e ira exibi-las na tela conforme mostra a imagem abaixo: Selecione-as utilizando a barra de espaço e clique no botão Unificar escriturações selecionadas. Aguarde o final do processo até a mensagem de finalização. ***ATENÇÂO*** Este processo fará a unificação APENAS dos registros abaixo especificados: Bloco A (0100, 0110, 0140, 0150, 0190, 0200, 0205, 0400, 0450), Bloco A (A010, A100, A110, A111, A170), Bloco C (C010, C110, C111, C120, C170, C180, C181, C185, C188, C190, C191, C195, C198, C380, C381, C385, C395, C396, C400, C405, C481, C485, C489, C490, C491, C495, C49, C500, C501, C505, C509), Bloco D(D010, D100, D101, D105, D111, D200, D201, D205, D209, D300, D309, D350, D359, D500, D501, D505, D509) Bloco F(F010, F100, F111, F120, F129, F130, F139, F150, F200, F205, F210, F211, F600, F700, F800), Bloco M (M400, M410, M800, M810). Excepcionalmente, para os registros M400, M410, M800 e M810, será realizada uma soma dos valores declarados em cada escrituração gerando apenas um registro correspondente. 29

30 Com o arquivo gerado, execute o PVA-EFD PIS/COFINS para sua importação e validação. Clique no botão Importar Escrituração Fiscal. Localize o arquivo a ser validado e clique em Abrir. Várias telas de processamento serão apresentadas. Aguarde pacientemente enquanto a escrituração é importada. É possível que, durante o processamento do arquivo, o PVA apresente uma tela de atualização de tabelas. Clique em Selecionar Tudo para prosseguir. 30

31 Ao final da importação da escrituração será apresentada uma mensagem de erro indicando a falta dos registros de apuração (bloco M). Para incluí-los, usaremos o recurso de geração automática da apuração oferecido pelo próprio software PVA-EFD. Para isto, clique no botão Gerar apuração. Aguarde o final do processo e refaça a validação do arquivo, clicando no ícone. 31

32 Na guia Relatórios, é possível conferir todas as informações da escrituração fiscal. É de extrema importância que, antes do envio, a escrituração seja analisada e, em caso de erro, corrigida. A correção pode ser feita no módulo LBCGAS ou dentro do próprio PVA (alterações, inclusões, exclusões, etc). Uma vez corrigida, a escrituração deve ser validada novamente até todos os erros sejam sanados. 32

33 Na guia Escrituração é possível visualizar, alterar, incluir ou excluir todas as informações contidas na escrituração. Após as alterações, será necessário revalidar a escrituração clicando no botão. 33

34 8. CONSIDERAÇÕES FINAIS Lembramos que o sistema é uma ferramenta imprescindível para que esta obrigação seja gerada de maneira mais ágil e segura possível. Logicamente, sua operação deve ser aprimorada para que a cada mês as rotinas sejam melhor definidas e mais informações apuradas. Recomendamos sempre recorrer a sua contabilidade para auxilio nas informações fiscais que estiver em duvidas. Mantenha sempre suas versões do LBCGAS e validador PVA-EFD atualizadas. Para enviar duvidas, criticas e sugestões utilizem o endereço de 34

EFD PIS COFINS ESCRITURAÇÃO FISCAL DIGITAL

EFD PIS COFINS ESCRITURAÇÃO FISCAL DIGITAL EFD PIS COFINS ESCRITURAÇÃO FISCAL DIGITAL 1. INTRODUÇÃO Este artigo tem por objetivo trazer considerações relevantes quanto a dados inerentes à Escrituração Fiscal Digital da Contribuição para o PIS/Pasep

Leia mais

D A C O N. O que é Dacon? Quais tributos são declarados? Quem deve entregar? Periodicidade

D A C O N. O que é Dacon? Quais tributos são declarados? Quem deve entregar? Periodicidade D A C O N O que é Dacon? As siglas DACON significam: DEMONSTRATIVO DE APURAÇÃO DE CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS. O Demonstrativo de Apuração de Contribuições Sociais (Dacon) foi instituído pela Instrução Normativa

Leia mais

Elaborado por Marcos Matos Revisado por C. Douglas de Souza e Carina Gonçalves Aprovado por Paulo Bernardi

Elaborado por Marcos Matos Revisado por C. Douglas de Souza e Carina Gonçalves Aprovado por Paulo Bernardi Elaborado por Marcos Matos Revisado por C. Douglas de Souza e Carina Gonçalves Aprovado por Paulo Bernardi Sumário 1. INTRODUÇÃO... 3 1.1. SOBRE O GUIA... 3 1.2. INTRODUÇÃO AO EFD... 3 2. PRÉ-INSTALAÇÃO...

Leia mais

FIATNET - EXPORTAÇÃO SPED PIS/COFINS NOTA TÉCNICA - CONFIGURAÇÕES NECESSÁRIAS

FIATNET - EXPORTAÇÃO SPED PIS/COFINS NOTA TÉCNICA - CONFIGURAÇÕES NECESSÁRIAS FIATNET - EXPORTAÇÃO SPED PIS/COFINS NOTA TÉCNICA - CONFIGURAÇÕES NECESSÁRIAS ATUALIZADA EM: 20/01/2012 ÍNDICE 1. CONFIGURAÇÃO NATUREZAS DE OPERAÇÕES... 1 1.1. Naturezas de Operações (COMPRAS)... 4 1.2.

Leia mais

GUIA PRÁTICO EFD-CONTRIBUIÇÕES

GUIA PRÁTICO EFD-CONTRIBUIÇÕES GUIA PRÁTICO EFD-CONTRIBUIÇÕES Maio de 2012 O QUE É A EFD-Contribuições trata de arquivo digital instituído no Sistema Publico de Escrituração Digital SPED, a ser utilizado pelas pessoas jurídicas de direito

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO WFISCAL SPED PIS COFINS. Lucro Presumido Regime de Competência Escrituração Consolidada por CFOP

MANUAL DO USUÁRIO WFISCAL SPED PIS COFINS. Lucro Presumido Regime de Competência Escrituração Consolidada por CFOP MANUAL DO USUÁRIO WFISCAL SPED PIS COFINS Lucro Presumido Regime de Competência Escrituração Consolidada por CFOP Página: 1 INTRODUÇÃO Este material traz as informações sobre as características do SPED

Leia mais

NFe e NFCe Como emitir nota fiscal pelo Lince? COMO EMITIR NOTA FISCAL PELO LINCE?

NFe e NFCe Como emitir nota fiscal pelo Lince? COMO EMITIR NOTA FISCAL PELO LINCE? Como emitir nota fiscal pelo Lince? COMO EMITIR NOTA FISCAL PELO LINCE? O que é a Nota Fiscal Eletrônica? Nota Fiscal Eletrônica (NF-e) tem como intuito emitir e armazenar eletronicamente, para fins fiscais,

Leia mais

FAQ SPED. Devido ao grande número de correções que terei que fazer em meu cadastro, não vou conseguir cumprir o prazo de entrega, o que posso fazer?

FAQ SPED. Devido ao grande número de correções que terei que fazer em meu cadastro, não vou conseguir cumprir o prazo de entrega, o que posso fazer? FAQ SPED Questionamentos Pré Geração: Devido ao grande número de correções que terei que fazer em meu cadastro, não vou conseguir cumprir o prazo de entrega, o que posso fazer? Existe a possibilidade de

Leia mais

MANUAL SPED(EFD) PIS-COFINS

MANUAL SPED(EFD) PIS-COFINS MANUAL SPED(EFD) PIS-COFINS O que é SPED? É um arquivo de texto que detalha todas as movimentações fiscais da empresa em um determinado período, listando todas as operações de compra (Notas de compra)

Leia mais

SPED ECF. ECF Escrituração Contábil Fiscal. Danilo Lollio São Paulo - SP. Esta apresentação é de propriedade da Wolters Kluwer Prosoft.

SPED ECF. ECF Escrituração Contábil Fiscal. Danilo Lollio São Paulo - SP. Esta apresentação é de propriedade da Wolters Kluwer Prosoft. SPED ECF ECF Escrituração Contábil Fiscal Danilo Lollio São Paulo - SP Esta apresentação é de propriedade da Wolters Kluwer Prosoft. É proibida a reprodução, distribuição ou comercialização deste conteúdo.

Leia mais

SPED - Sistema Público de Escrituração Digital

SPED - Sistema Público de Escrituração Digital SPED - Sistema Público de Escrituração Digital SPED - Sistema Público de Escrituração Digital? 2 SPED - Sistema Público de Escrituração Digital Projeto do PAC 2007-2010 Instituído pelo Convênio ICMS 143/06.

Leia mais

Guia SPED. Sumário. Guia SPED. Introdução ... 4. Copyright 2014 MV. Todos os direitos reservados.

Guia SPED. Sumário. Guia SPED. Introdução ... 4. Copyright 2014 MV. Todos os direitos reservados. Sumário Introdução 3... 4 Programa validador e assinador do EFD-PIS/COFINS... 5 Configuração do... MV2000 8 Geração do arquivo digital em.txt... 12 2 3 Introdução Este guia tem por objetivo auxiliar na

Leia mais

Escrituração Fiscal Digital da Contribuição para o PIS/Pasep, da Cofins e da Contribuição Previdenciária sobre a Receita - EFD Contribuições

Escrituração Fiscal Digital da Contribuição para o PIS/Pasep, da Cofins e da Contribuição Previdenciária sobre a Receita - EFD Contribuições Escrituração Fiscal Digital da Contribuição para o PIS/Pasep, da Cofins e da Contribuição Previdenciária sobre a Receita - EFD Contribuições Roteiro de Escrituração das Contribuições Sociais (Pessoa Jurídica

Leia mais

EFD-PIS/COFINS Regras Gerais Aplicáveis a Partir de 2012

EFD-PIS/COFINS Regras Gerais Aplicáveis a Partir de 2012 EFD-PIS/COFINS Regras Gerais Aplicáveis a Partir de 2012 Matéria Elaborada com Base na Legislação Vigente em: 09/01/2012. SUMÁRIO: 1 INTRODUÇÃO 2 OBRIGATORIEDADE DE APRESENTAÇÃO 2.1 Obrigatoriedade em

Leia mais

EFD-Contribuições Informações PIS/COFINS

EFD-Contribuições Informações PIS/COFINS EFD-Contribuições Informações PIS/COFINS 1. Introdução 2. Obrigatoriedade e dispensa 3. Periodicidade e prazo de entrega (Alterações IN nº 1.305/2012 e ADE Cofis nº 65/2012) 4. Dispensa do Dacon 5. Forma

Leia mais

Sistema de Livros Fiscais Imediata

Sistema de Livros Fiscais Imediata 1 Sistema de Livros Fiscais Imediata 2 Descritivo das Rotinas Operacionais do Sistema de Livros Fiscais para geração EFD PIS/Cofins SPED Contribuições Após a instalação do Sistema de Livros Fiscais, basta

Leia mais

1 Notas fiscais de Entrada

1 Notas fiscais de Entrada Gerando o SPED PIS / COFINS no SisMoura 1 Notas fiscais de Entrada Todos os produtos e fornecedores das notas fiscais de entrada devem ser devidamente cadastrados no sistema para evitar quaisquer problemas

Leia mais

Guia Prático da Escrituração Fiscal DIgital - EFD Infrmações Gerais sobre a EFD

Guia Prático da Escrituração Fiscal DIgital - EFD Infrmações Gerais sobre a EFD Guia Prático da Escrituração Fiscal DIgital - EFD Infrmações Gerais sobre a EFD Sumário: 1. INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE A EFD 1. 1 APRESENTAÇÃO 1. 2 LEGISLAÇÃO 1. 3 DA APRESENTAÇÃO DO ARQUIVO DA EFD 1. 4

Leia mais

FIATNET - EXPORTAÇÃO SPED PIS/COFINS

FIATNET - EXPORTAÇÃO SPED PIS/COFINS FIATNET - EXPORTAÇÃO SPED PIS/COFINS NOTA TÉCNICA - EXPORTAR E UNIFICAR ARQUIVOS GERADOS NA MATRIZ E SUAS FILIAIS ATUALIZADA EM: 02/06/2011 ÍNDICE 1. EXPORTAÇÃO... 1 2. UNIFICAÇÃO DOS ARQUIVOS... 9 3.

Leia mais

SPED Contribuições Pis, Cofins e INSS

SPED Contribuições Pis, Cofins e INSS Versão 6.04.00 Abril/2015 SPED Contribuições Pis, Cofins e INSS Passo a Passo: Cadastros, Configurações e Operações SPED Contribuições O SPED Contribuições é um arquivo digital instituído no Sistema Publico

Leia mais

ÍNDICE ANALÍTICO: 1.0. CADASTRO DE CONTABILISTAS... 4 1.1. Primeiro Acesso... 4 1.2. Visão Geral... 11

ÍNDICE ANALÍTICO: 1.0. CADASTRO DE CONTABILISTAS... 4 1.1. Primeiro Acesso... 4 1.2. Visão Geral... 11 MANUAL DE USO DO SISTEMA GOVERNO DIGITAL ÍNDICE ANALÍTICO: 1.0. CADASTRO DE CONTABILISTAS... 4 1.1. Primeiro Acesso... 4 1.2. Visão Geral... 11 2.0. SOLICITAÇÕES DE AIDF E AUTORIZAÇÃO DE EMISSÃO DE NOTA

Leia mais

Sistema Público de Escrituração Digital

Sistema Público de Escrituração Digital INTRODUÇÃO PIS/PASEP E COFINS SISTEMÁTICA DA NÃO-CUMULATIVIDADE AS DIFICULDADES Não é um regime pleno de não-cumulatividade, como o IPI e o ICMS. O legislador preferiu listar as operações geradoras de

Leia mais

MANUAL DO CVCONT/ SPED PIS COFINS. Recomendamos que este manual seja impresso para futuras consultas, devido à sua importância.

MANUAL DO CVCONT/ SPED PIS COFINS. Recomendamos que este manual seja impresso para futuras consultas, devido à sua importância. MANUAL DO CVCONT/ SPED PIS COFINS Recomendamos que este manual seja impresso para futuras consultas, devido à sua importância. 1. Configuração Primeiramente para que os sistemas estejam aptos para a geração

Leia mais

ESCRITURAÇÃO FISCAL DIGITAL DA CONTRIBUIÇÃO (EFD CONTRIBUIÇÕES) Diário Oficial da União Nº 43, Seção 1, sexta-feira, 2 de Março de 2012

ESCRITURAÇÃO FISCAL DIGITAL DA CONTRIBUIÇÃO (EFD CONTRIBUIÇÕES) Diário Oficial da União Nº 43, Seção 1, sexta-feira, 2 de Março de 2012 Circular 112/2012 São Paulo, 06 de Março de 2012. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) ESCRITURAÇÃO FISCAL DIGITAL DA CONTRIBUIÇÃO (EFD CONTRIBUIÇÕES) Diário Oficial da União Nº 43, Seção 1, sexta-feira, 2 de

Leia mais

- No primeiro campo informe o numero da empresa que serão copiadas as informações.(ex: 9999)

- No primeiro campo informe o numero da empresa que serão copiadas as informações.(ex: 9999) 1 2 1. Duplicação das informações de uma empresa para outra Juntamente com a instalação do sistema Office encaminhamos anexada a empresa modelo, que contem cadastros que podem ser utilizados nas empresas

Leia mais

Aspectos gerais para validação da EFD Contribuições Lucro Presumido

Aspectos gerais para validação da EFD Contribuições Lucro Presumido Aspectos gerais para validação da EFD Contribuições Lucro Presumido Sumário Aspectos gerais para validação da EFD Contribuições Lucro Presumido 1. Cadastro de Empresas... 2 2. Cadastro de Participantes...

Leia mais

SPED PIS E COFINS SPED PIS E COFINS. Sistema Questor SPED PIS E COFINS - SPED PIS E COFINS - 0brigatoriedade. Objetivos do Curso

SPED PIS E COFINS SPED PIS E COFINS. Sistema Questor SPED PIS E COFINS - SPED PIS E COFINS - 0brigatoriedade. Objetivos do Curso Sistema Questor SPED PIS E COFINS SPED Sistema Público de Escrituração Digital EFD Escrituração Fiscal Digital Instrutor: - Jocenei Friedrich Apoio: - Sejam todos bem-vindos Objetivos do Curso Conhecer

Leia mais

Conteúdo. 1.0 SPED Fiscal Regras Fiscais 2013... 3. 1.1 Perfil de apresentação do arquivo digital do SPED Fiscal... 3

Conteúdo. 1.0 SPED Fiscal Regras Fiscais 2013... 3. 1.1 Perfil de apresentação do arquivo digital do SPED Fiscal... 3 SPED Fiscal 2013 Conteúdo 1.0 SPED Fiscal Regras Fiscais 2013... 3 1.1 Perfil de apresentação do arquivo digital do SPED Fiscal... 3 2.0 Pré-requisitos para a elaboração do arquivo do SPED FISCAL... 3

Leia mais

Como consultar o histórico de pagamentos

Como consultar o histórico de pagamentos Histórico de Pagamentos Como consultar o histórico de pagamentos O histórico de pagamentos registra todos os pagamentos feitos no estabelecimento para todos os tipos de vendas. Pode ser considerado uma

Leia mais

FIATNET - EXPORTAÇÃO SPED PIS/COFINS NOTA TÉCNICA - CONFIGURAÇÕES NECESSÁRIAS

FIATNET - EXPORTAÇÃO SPED PIS/COFINS NOTA TÉCNICA - CONFIGURAÇÕES NECESSÁRIAS FIATNET - EXPORTAÇÃO SPED PIS/COFINS NOTA TÉCNICA - CONFIGURAÇÕES NECESSÁRIAS ATUALIZADA EM: 02/06/2011 ÍNDICE 1. CONFIGURAÇÃO NATUREZAS DE OPERAÇÕES... 1 1.1. Naturezas de Operações (compras)... 3 1.2.

Leia mais

O que é o Sistema Público de Escrituração Digital - SPED?

O que é o Sistema Público de Escrituração Digital - SPED? SPED PIS/COFINS Teoria e Prática O que é o Sistema Público de Escrituração Digital - SPED? E v e l i n e B a r r o s o Maracanaú - CE Março/2 0 1 2 1 2 Conceito O SPED é instrumento que unifica as atividades

Leia mais

DECLARAÇÕES Lucro Presumido, Isentas e Simples

DECLARAÇÕES Lucro Presumido, Isentas e Simples DECLARAÇÕES Lucro Presumido, Isentas e Simples Wagner Mendes Contador, Pós-Graduado em Controladoria, Auditoria e Tributos, Consultor Tributário, Especialista em Tributos Federais, Contabilidade e Legislação

Leia mais

Manual. Transmitindo arquivo da Nota Fiscal Gaúcha. www.atualy.com.br

Manual. Transmitindo arquivo da Nota Fiscal Gaúcha. www.atualy.com.br Manual Transmitindo arquivo da Nota Fiscal Gaúcha www.atualy.com.br ESCLARECENDO DÚVIDAS SOBRE A NOTA FISCAL GAÚCHA 1- O que é a Nota Fiscal Gaúcha? Nota Fiscal Gaúcha é um programa que, por meio da distribuição

Leia mais

Manual. EFD Contribuições

Manual. EFD Contribuições Treinamento Escrita Fiscal Material desenvolvido por: Saiba que este documento não poderá ser reproduzido, seja por meio eletrônico ou mecânico, sem a permissão expressa por escrito da Implantta Serviços

Leia mais

Sumário PANORAMA... 6 APRESENTAÇÃO... 6 PORTAL GISSONLINE... 7 ACESSO PARA CONTRIBUINTES COM IDENTIFICAÇÃO E SENHA... 8

Sumário PANORAMA... 6 APRESENTAÇÃO... 6 PORTAL GISSONLINE... 7 ACESSO PARA CONTRIBUINTES COM IDENTIFICAÇÃO E SENHA... 8 Sumário PANORAMA... 6 APRESENTAÇÃO... 6 O QUE É GISSONLINE?... 6 FILOSOFIA DA GISSONLINE... 6 BENEFÍCIOS QUE A GISSONLINE OFERECE... 6 PORTAL GISSONLINE... 7 ACESSO PARA CONTRIBUINTES COM IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

Manual Escrituração Fiscal Digital

Manual Escrituração Fiscal Digital Manual Escrituração Fiscal Digital NOVEMBRO/2013 Sumário Sumário... 2 1 Introdução... 3 2 Funcionalidade... 3 3 Navegação no Sistema... 4 3.1 Inicialização... 4 4 Configurações Gerais... 7 4.1 Domínios...

Leia mais

SINTEGRA GUIA PARA GERAÇÃO DO VIA MÓDULO LBCGAS. Versão 1.00 15 de Abril de 2010.

SINTEGRA GUIA PARA GERAÇÃO DO VIA MÓDULO LBCGAS. Versão 1.00 15 de Abril de 2010. GUIA PARA GERAÇÃO DO SINTEGRA VIA MÓDULO LBCGAS Versão 1.00 15 de Abril de 2010. 1 a ETAPA CADASTRANDO IMPRESSORAS FISCAIS (ECFs) Antes de iniciarmos o lançamento das reduções Z que farão a consolidação

Leia mais

O arquivo SPED é complexo, contém diversas amarrações e muita informação. Algumas medidas diminuem o impacto de dificuldade na validação do arquivo:

O arquivo SPED é complexo, contém diversas amarrações e muita informação. Algumas medidas diminuem o impacto de dificuldade na validação do arquivo: O arquivo SPED é complexo, contém diversas amarrações e muita informação. Algumas medidas diminuem o impacto de dificuldade na validação do arquivo: Não gere toda a movimentação de uma vez. O ideal e aconselhável

Leia mais

Ciências Contábeis. Centro Universitário Padre Anchieta

Ciências Contábeis. Centro Universitário Padre Anchieta Ciências Contábeis Centro Universitário Padre Anchieta Projeto SPED Em 2007, foi aprovado o Projeto SPED Sistema Público de Escrituração Digital, foi oficializado. Trata-se de uma solução tecnológica que

Leia mais

DIRF 2011. Secretaria da Receita Federal do Brasil

DIRF 2011. Secretaria da Receita Federal do Brasil DIRF 2011 O que é a DIRF? É a Declaração do Imposto de Renda Retido na Fonte feita pela FONTE PAGADORA, destinada a informar à Secretaria da Receita Federal o valor do Imposto de Renda retido na fonte,

Leia mais

Palestra. SPED - Escrituração Contábil Digital - ECD - Roteiro. Julho 2012. Elaborado por: Antonio Sérgio de Oliveira

Palestra. SPED - Escrituração Contábil Digital - ECD - Roteiro. Julho 2012. Elaborado por: Antonio Sérgio de Oliveira Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

Para gerar o arquivo do SPED PIS/COFINS com sucesso são necessárias algumas parametrizações e lançamentos.

Para gerar o arquivo do SPED PIS/COFINS com sucesso são necessárias algumas parametrizações e lançamentos. Para gerar o arquivo do SPED PIS/COFINS com sucesso são necessárias algumas parametrizações e lançamentos. 1. No cadastro de empresas 1.1. Informar o regime de apuração dos impostos 1.1.1. LUCRO PRESUMIDO

Leia mais

Fiscal Configurar Impostos Fiscais

Fiscal Configurar Impostos Fiscais Fiscal Configurar Impostos Fiscais Objetivo Configurar todos os impostos que refletirão na Nota Fiscal de Saída. Pré- Requisitos As Taxas Tributárias dos Produtos devem ser devidamente cadastradas ( Fiscal

Leia mais

Manual do Usuário. Declaração de Substituição Tributária, Diferencial de Alíquota e Antecipação - DeSTDA

Manual do Usuário. Declaração de Substituição Tributária, Diferencial de Alíquota e Antecipação - DeSTDA Livro Super Simples Manual do Usuário Declaração de Substituição Tributária, Diferencial de Alíquota e Antecipação - DeSTDA Secretarias de Fazenda Estaduais, do Distrito Federal e Comitê Gestor do Simples

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA. Versão 6.07

MANUAL DO SISTEMA. Versão 6.07 MANUAL DO SISTEMA Versão 6.07 Configurando o Módulo... 3 Contas... 3 Conta Caixa... 5 Aba Geral... 5 Aba Empresas... 8 Conta Banco... 9 Aba Geral... 9 Aba Conta Banco... 10 Aba Empresas... 12 Tipos de

Leia mais

Treinamento Presencial CISS Contábil & Fiscal

Treinamento Presencial CISS Contábil & Fiscal Treinamento Presencial CISS Contábil & Fiscal Contabilidade Digital O termo Contabilidade Digital é aqui utilizado para traduzir os (nem tão novos) rumos que a contabilidade tomou, principalmente a partir

Leia mais

EFD PIS/COFINS. O que é a EFD PIS/COFINS?...2. A EFD PIS/COFINS no Cordilheira Escrita Fiscal...2. 1. Procedimentos Iniciais...2

EFD PIS/COFINS. O que é a EFD PIS/COFINS?...2. A EFD PIS/COFINS no Cordilheira Escrita Fiscal...2. 1. Procedimentos Iniciais...2 EFD PIS/COFINS SUMÁRIO O que é a EFD PIS/COFINS?...2 A EFD PIS/COFINS no Cordilheira Escrita Fiscal...2 1. Procedimentos Iniciais...2 a) Classificando as Empresas... 3 b) Conferindo os Cadastros que Influenciam

Leia mais

Bloco Contábil e Fiscal

Bloco Contábil e Fiscal Bloco Contábil e Fiscal EFD Contribuições Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo EFD Contribuições, que faz parte do Bloco Contábil e Fiscal. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

BOLETIM INFORMATIVO DE MAIO DE 2011

BOLETIM INFORMATIVO DE MAIO DE 2011 BOLETIM INFORMATIVO DE MAIO DE 2011 S U M Á R I O 1 - MATÉRIAS FEDERAIS 1 2 - MATÉRIAS ESTADUAIS 3 3 - MATÉRIAS MUNICIPAIS 4 4 - MATÉRIAS TRABALHISTAS 4 5 - MATÉRIAS DIVERSAS 5 1 - MATÉRIAS FEDERAIS DECLARAÇÃO

Leia mais

Manual SPED Fiscal MANUAL SPED FISCAL

Manual SPED Fiscal MANUAL SPED FISCAL MANUAL SPED FISCAL Digisat Tecnologia Ltda Rua Marechal Deodoro, 772 Edifício Mirage 1º Andar Sala 5 e 6 Centro Concórdia/SC CEP: 89700-000 Fone/Fax: (49) 3441-1600 suporte@digisat.com.br www.digisat.com.br

Leia mais

SPED ECD 2015 Conteúdo

SPED ECD 2015 Conteúdo Conteúdo Apresentação... 3 Para gerar o Arquivo... 4 1. Passo a passo... 4 2. Referenciação do Plano de Contas... 7 3. Relatórios... 8 4. Obrigações Federais... 8 2 Apresentação Bem-vindo ao Guia SPED

Leia mais

Escrituração Fiscal Digital EFD - PIS/COFINS. São Paulo, agosto de 2011

Escrituração Fiscal Digital EFD - PIS/COFINS. São Paulo, agosto de 2011 Escrituração Fiscal Digital EFD - PIS/COFINS São Paulo, agosto de 2011 m28 Obrigações Tributárias: Emissão de Documento Fiscal Escrituração Contábil Obrigação Acessória Escrituração Fiscal Entrega de Declarações

Leia mais

MÓDULO DE NOTA FISCAL ELETRONICA

MÓDULO DE NOTA FISCAL ELETRONICA MANUAL DO SISTEMA Versão 6.08 Introdução... 2 Requisitos para Utilização do Módulo NF-e... 2 Termo de Responsabilidade... 2 Certificados... 2 Criação de Séries... 2 Framework... 3 Teste de Comunicação...

Leia mais

Versão para atualização do Gerpos Retaguarda

Versão para atualização do Gerpos Retaguarda Versão para atualização do Gerpos Retaguarda A Gerpos comunica a seus clientes que nova versão do aplicativo Gerpos Retaguarda, contendo as rotinas para emissão da Nota Fiscal Eletrônica, já está disponível.

Leia mais

Dicas de importação na RAIS. Neste bip. Você Sabia? edição 30 Fevereiro de 2013

Dicas de importação na RAIS. Neste bip. Você Sabia? edição 30 Fevereiro de 2013 Neste bip Dicas sobre RAIS... 1 Contribuição Patronal para RAIS... 2 Rumodoc - Ajuda no sistema Rumo... 2 Fechamento contábil... 2 Dispensa da entrega da DACON... 3 Dicas de importação na RAIS Já era um

Leia mais

COMO FAZER ENTRADA DE MATERIAL POR XML. Após abrir o sistema, localize o menu no canto superior esquerdo e clique em Movimentação > Entrada Material

COMO FAZER ENTRADA DE MATERIAL POR XML. Após abrir o sistema, localize o menu no canto superior esquerdo e clique em Movimentação > Entrada Material COMO FAZER ENTRADA DE MATERIAL POR XML Observação: O arquivo XML da nota fiscal deve estar salvo em seu computador. Se o seu fornecedor não enviou o arquivo por e-mail, você pode obter o arquivo pela internet,

Leia mais

e-nota NFC-e PR Nota Fiscal de Consumidor eletrônica Versão Gratuita - Paraná

e-nota NFC-e PR Nota Fiscal de Consumidor eletrônica Versão Gratuita - Paraná e-nota NFC-e PR Nota Fiscal de Consumidor eletrônica Versão Gratuita - Paraná Manual do Usuário Produzido por: Informática Educativa Página1 Índice 1. O que é NFC-e?... 03 2. Safeweb enota NFC-e PR...

Leia mais

Bloco K + ECF. Bloco K no SPED Fiscal. Apresentação: 20/11/2014

Bloco K + ECF. Bloco K no SPED Fiscal. Apresentação: 20/11/2014 Bloco K + ECF Apresentação: Danilo Lollio Graduado em Análise de Sistemas pela Universidade Mackenzie. Formado em Pedagogia pela Universidade de São Paulo -USP. Gerente de Legislação da Wolters Kluwer

Leia mais

PIS/ COFINS. NOTÍCIAS DA SEMANA (14/02/11 a 18/02/11)

PIS/ COFINS. NOTÍCIAS DA SEMANA (14/02/11 a 18/02/11) PIS/ COFINS NOTÍCIAS DA SEMANA (14/02/11 a 18/02/11) I NOVAS SOLUÇÕES DE CONSULTAS.... 2 A) LOCADORAS DE VEÍCULOS PODEM SE CREDITAR DE 1/48 (UM QUARENTA O OITO AVOS) NO CÁLCULO DOS CRÉDITOS DE PIS/COFINS

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA GOVERNO DE BIGUAÇU SECRETARIA MUNICIPAL DA FAZENDA GUIA DE ORIENTAÇÕES. NOTA FISCAL ELETRÔNICA DE SERVIÇOS (NFS-e)

ESTADO DE SANTA CATARINA GOVERNO DE BIGUAÇU SECRETARIA MUNICIPAL DA FAZENDA GUIA DE ORIENTAÇÕES. NOTA FISCAL ELETRÔNICA DE SERVIÇOS (NFS-e) ESTADO DE SANTA CATARINA GOVERNO DE BIGUAÇU SECRETARIA MUNICIPAL DA FAZENDA GUIA DE ORIENTAÇÕES NOTA FISCAL ELETRÔNICA DE SERVIÇOS (NFS-e) Diretoria Geral de Tributos Biguaçu, Janeiro de 2012 INTRODUÇÃO

Leia mais

Sistema Integrado de Gerenciamento de Imposto Sobre Serviços.

Sistema Integrado de Gerenciamento de Imposto Sobre Serviços. Sistema Integrado de Gerenciamento de Imposto Sobre Serviços. 1 Sumário: Tópico: Página: 2 Apresentação: O Sistema Integrado de Gerenciamento de Imposto Sobre Serviços ou SIG-ISS é um sistema para gerenciamento

Leia mais

1. Fluxo de documentação

1. Fluxo de documentação 1. Fluxo de documentação É de fundamental importância o envio de toda documentação financeira para atender as exigências impostas pelo fisco e evitar problemas futuros à empresa. Prazo de envio: É ideal

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos ICMS na Base de Cálculo do PIS e da COFINS nos Registros F500 e 1900 da EFD Contribuições

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos ICMS na Base de Cálculo do PIS e da COFINS nos Registros F500 e 1900 da EFD Contribuições ICMS na Base de Cálculo do PIS e da COFINS nos Registros F500 e 1900 da EFD Contribuições 08/08/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria...

Leia mais

INFORMATIVO ESPECIAL SPED Comunicado SPED vs.4-02/03/2012

INFORMATIVO ESPECIAL SPED Comunicado SPED vs.4-02/03/2012 Comunicado SPED vs.4-02/03/2012 Prezado cliente, Para mantê-lo informado sobre as liberações e procedimentos referentes ao SPED PIS/COFINS, destacamos nesse comunicado os principais pontos que devem ser

Leia mais

Manual. Transmitindo arquivo da Nota Fiscal Gaúcha. www.atualy.com.br

Manual. Transmitindo arquivo da Nota Fiscal Gaúcha. www.atualy.com.br Manual Transmitindo arquivo da Nota Fiscal Gaúcha www.atualy.com.br ESCLARECENDO DÚVIDAS SOBRE A NOTA FISCAL GAÚCHA 1- O que é a Nota Fiscal Gaúcha? Nota Fiscal Gaúcha é um programa que, por meio da distribuição

Leia mais

SPED PIS COFINS ERROS

SPED PIS COFINS ERROS SPED PIS COFINS ERROS RMS Software S.A. - Uma Empresa TOTVS Todos os direitos reservados. A RMS Software é a maior fornecedora nacional de software de gestão corporativa para o mercado de comércio e varejo.

Leia mais

ÍNDICE. ISS Online. Guia do Usuário ÍNDICE

ÍNDICE. ISS Online. Guia do Usuário ÍNDICE Guia do Usuário ÍNDICE ÍNDICE Setembro /2009 www.4rsistemas.com.br 15 3262 8444 IDENTIFICAÇÃO E SENHA... 3 Sou localizado no município... 4 Não sou localizado no município... 4 ACESSO AO SISTEMA... 5 Tela

Leia mais

Assunto: Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais - DCTF

Assunto: Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais - DCTF NOTA TÉCNICA n. 003/2008/GECON Vitória, 20 de abril de 2008. Alterado o item 7 em 21 de janeiro de 2010. Alterado o item 6 em 29 de janeiro de 2010. Assunto: Declaração de Débitos e Créditos Tributários

Leia mais

TÍTULO 10 SISTEMA PÚBLICO DE ESCRITURAÇÃO DIGITAL SPED E ESCRITURAÇÃO FISCAL DIGITAL EFD

TÍTULO 10 SISTEMA PÚBLICO DE ESCRITURAÇÃO DIGITAL SPED E ESCRITURAÇÃO FISCAL DIGITAL EFD (*) 1) SISTEMA PÚBLICO DE ESCRITURAÇÃO DIGITAL SPED 1.1) FINALIDADE: instituído pelo Decreto nº 6.022, de janeiro de 2007, o projeto do Sistema Público de Escrituração Digital SPED faz parte do programa

Leia mais

Fluxograma - Configuração EFD Contribuições (Lucro Presumido)

Fluxograma - Configuração EFD Contribuições (Lucro Presumido) Fluxograma - Configuração EFD Contribuições (Lucro Presumido) Parametrizar a empresa como Lucro Presumido. 1 - Regime de Competência Qual o Regime de apuração adotado? 2 - Regime de Caixa Qual será a forma

Leia mais

MUNICÍPIO DE ESTEIO SECRETARIA MUNICIPAL DE FAZENDA NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA - NFS-E MANUAL DE ACESSO E UTILIZAÇÃO DO APLICATIVO ON-LINE

MUNICÍPIO DE ESTEIO SECRETARIA MUNICIPAL DE FAZENDA NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA - NFS-E MANUAL DE ACESSO E UTILIZAÇÃO DO APLICATIVO ON-LINE MUNICÍPIO DE ESTEIO SECRETARIA MUNICIPAL DE FAZENDA NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA - NFS-E MANUAL DE ACESSO E UTILIZAÇÃO DO APLICATIVO ON-LINE Versão 1.0.5 Março/2014 ÍNDICE 1. APRESENTAÇÃO... 6 2.

Leia mais

CeC. Cadastro Eletrônico de Contribuintes

CeC. Cadastro Eletrônico de Contribuintes CeC Cadastro Eletrônico de Contribuintes Versão 1.0 Usuário Externo Março/2010 Índice 1. Apresentação... 3 2. Objetivos... 3 3. Solicitação de CeC... 4 3.1. Cadastro de pessoas físicas... 5 3.1.1. Cadastro

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Recibo Provisório de Serviço - EFD Contribuições Bloco A

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Recibo Provisório de Serviço - EFD Contribuições Bloco A Recibo Provisório de Serviço - EFD Contribuições Bloco A 07/10/2013 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 3 3.1 Instrução Normativa

Leia mais

Í N D I C E A N A L Í T I C O

Í N D I C E A N A L Í T I C O DIRF CARTÃO 2013 V4..03 DE 07//02//2013 PROGRAMA PARA IMPORTAÇÃO DE DADOS DE CARTÕES DE CRÉDITO NA DIRF 2013 VERSÃO COM VISANET E REDECARD IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO EM LOTE CAPTURA DADOS CADASTRAIS DE EMPRESAS

Leia mais

Agendador de Rotinas

Agendador de Rotinas Agendador de Rotinas Agendamento para Importação de Notas Fiscais É possível parametrizar o agendamento para importação de notas fiscais de entrada, saída e conhecimento de transporte, para todas as empresas

Leia mais

Este documento tem por objetivo a definição das especificações necessárias para transmissão de Conhecimento de Transporte eletrônico - CT-e.

Este documento tem por objetivo a definição das especificações necessárias para transmissão de Conhecimento de Transporte eletrônico - CT-e. Conhecimento de Transporte Eletrônico OBJETIVO Este documento tem por objetivo a definição das especificações necessárias para transmissão de Conhecimento de Transporte eletrônico - CT-e. CONSIDERAÇÕES

Leia mais

EFD. Contribuições Atualização. Abril 2013. Elaborado por: Antônio Sérgio de Oliveira

EFD. Contribuições Atualização. Abril 2013. Elaborado por: Antônio Sérgio de Oliveira Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

NOVO MÓDULO PATRIMÔNIO

NOVO MÓDULO PATRIMÔNIO NOVO MÓDULO PATRIMÔNIO 1 PARÂMETROS 1.1 Aba Geral 1. No quadro Período, no campo: Observação: Após ser efetuado o cálculo de qualquer período, o campo Inicial, não poderá mais ser alterado. Inicial, informe

Leia mais

Manual de Instruções. Programa para Baixar e Transmitir Arquivos XML XML CONQUER MÓDULO TRANSMISSOR

Manual de Instruções. Programa para Baixar e Transmitir Arquivos XML XML CONQUER MÓDULO TRANSMISSOR 1 Manual de Instruções Programa para Baixar e Transmitir Arquivos XML XML CONQUER MÓDULO TRANSMISSOR Sumário Apresentação... 2 Instalação... 3 Utilização... 4 Menu Cadastro... 5 XML NFE Notas Emitidas

Leia mais

MANUAL NOTA FISCAL ELETRÔNICA ESCRITÓRIO CONTÁBIL CAIRES

MANUAL NOTA FISCAL ELETRÔNICA ESCRITÓRIO CONTÁBIL CAIRES MANUAL NOTA FISCAL ELETRÔNICA ESCRITÓRIO CONTÁBIL CAIRES Por: Douglas Adolpho Maicon F. Campos COMO BAIXAR EMISSOR DE NF-e (novo!). Acesse o site da Secretária do Governo do Estado de São Paulo (www.fazenda.sp.gov.br/nfe),

Leia mais

Cartilha Básica Sobre Tributação e Aplicação em Drogarias

Cartilha Básica Sobre Tributação e Aplicação em Drogarias BIG AUTOMAÇÃO Cartilha Básica Sobre Tributação e Aplicação em Drogarias Sumário Índice de Figuras... 3 Histórico de Revisões... 4 Introdução... 5 Imposto... 5 Taxa... 5 Contribuição... 5 Tributos... 5

Leia mais

EFD PIS COFINS Teoria e Prática

EFD PIS COFINS Teoria e Prática EFD PIS COFINS Teoria e Prática É uma solução tecnológica que oficializa os arquivos digitais das escriturações fiscal e contábil dos sistemas empresariais dentro de um formato digital específico e padronizado.

Leia mais

Informações gerais sobre a EFD-PIS/COFINS

Informações gerais sobre a EFD-PIS/COFINS Informações gerais sobre a EFD-PIS/COFINS Legislação Conforme instituído pela Instrução Normativa RFB nº 1.052, de 5 de julho de 2010, sujeitam à obrigatoriedade de geração de arquivo da Escrituração Fiscal

Leia mais

Neste bip. Como lançar FUNRURAL no Rumo. Você sabia? edição 24 Agosto de 2012

Neste bip. Como lançar FUNRURAL no Rumo. Você sabia? edição 24 Agosto de 2012 Neste bip Como lançar FUNRURAL no Rumo... 1 Férias Proporcionais na Rescisão... 2 Direito de férias regime parcial... 2 Prorrogação da EFD Contribuições para Empresas do Lucro Presumido e Arbitrado...

Leia mais

Escrituração Fiscal Digital

Escrituração Fiscal Digital Escrituração Fiscal Digital Secretarias de Fazenda Evolução 2003 2004 2005 2006 2007 Emenda Constitucional nº 42 19/12/03 Art. 37 da Constituição Federal... XXII - as administrações tributárias da União,

Leia mais

ESCRITURAÇÃO FISCAL DIGITAL - EFD O QUE É?

ESCRITURAÇÃO FISCAL DIGITAL - EFD O QUE É? ESCRITURAÇÃO FISCAL DIGITAL - EFD O QUE É? A Escrituração Fiscal Digital - EFD é um arquivo digital, que se constitui de um conjunto de escriturações de documentos fiscais e de outras informações de interesse

Leia mais

Gerar EFD Contribuições Lucro Presumido

Gerar EFD Contribuições Lucro Presumido Gerar EFD Contribuições Lucro Presumido 1º Acesse o menu Controle, opção Parâmetros, clique na guia Impostos, e certifique-se de que estão incluídos os impostos do regime 4- Pis e 5 Cofins. Na guia Federal,

Leia mais

MANUAL DE EMISSÃO E INSTALAÇÃO DO CERTIFICADO TIPO A1 (INTERNET EXPLORER)

MANUAL DE EMISSÃO E INSTALAÇÃO DO CERTIFICADO TIPO A1 (INTERNET EXPLORER) MANUAL DE EMISSÃO E INSTALAÇÃO DO CERTIFICADO TIPO A1 (INTERNET EXPLORER) VERSÃO 10 Atualizado em 30/12/2015 Página 1 de 21 A renovação online do certificado somente poderá ser feita uma única vez (e-cpf)

Leia mais

GUIA RÁPIDO DO USUÁRIO (Sistema NFSE) Acesse nossos manuais em: ead.sempretecnologia.com.br

GUIA RÁPIDO DO USUÁRIO (Sistema NFSE) Acesse nossos manuais em: ead.sempretecnologia.com.br GUIA RÁPIDO DO USUÁRIO () Acesse nossos manuais em: ead.sempretecnologia.com.br Sumário Configurações iniciais... 3 Acessando o sistema... 3 Alterando a senha de acesso... 3 Cadastrando clientes... 4 Cadastrando

Leia mais

Integração de livros fiscais com o Microsoft Dynamics AX 2009

Integração de livros fiscais com o Microsoft Dynamics AX 2009 Microsoft Dynamics AX Integração de livros fiscais com o Microsoft Dynamics AX 2009 White paper Este white paper descreve como configurar e usar a integração de livros fiscais entre o Microsoft Dynamics

Leia mais

Manual do Emissor RPS

Manual do Emissor RPS Manual do Emissor RPS Fly E-Nota 1/14 Índice 1.Instalação...3 1.1.Pré-requisitos da instalação...3 1.2.Baixar e instalar do Emissor RPS...3 1.3.Carregar as configurações do prestador...4 1.4.Instalação

Leia mais

EFD PIS/COFINS NOVIDADES G5 PHOENIX 1 CADASTRO DE ITENS. Foram acrescentados os seguintes campos no Cadastro de Itens:

EFD PIS/COFINS NOVIDADES G5 PHOENIX 1 CADASTRO DE ITENS. Foram acrescentados os seguintes campos no Cadastro de Itens: EFD PIS/COFINS NOVIDADES G5 PHOENIX 1 CADASTRO DE ITENS Foram acrescentados os seguintes campos no Cadastro de Itens: 1.1 Subtela Cod.Grupo Bebidas Frias. Teclando ctrl+enter neste campo o sistema abre

Leia mais

CURSO SPED PIS COFINS CONTRIBUIÇOES MATÉRIA

CURSO SPED PIS COFINS CONTRIBUIÇOES MATÉRIA CURSO SPED PIS COFINS CONTRIBUIÇOES MATÉRIA POR NEOMAR ANTONIO CÓRDOVA Como é do conhecimento dos alunos que participaram do roteiro de cursos do CRC/SC, sobre SPED CONTRIBUIÇÕES, alguma modificações foram

Leia mais

NFE Nota Fiscal eletrônica. Versão 2.0 (07/2012)

NFE Nota Fiscal eletrônica. Versão 2.0 (07/2012) NFE Nota Fiscal eletrônica Versão 2.0 (07/2012) Sumário INTRODUÇÃO... 2 COMO OBTER AUTORIZAÇÃO PARA EMISSÃO DA NOTA FISCAL ELETRÔNICA... 3 2º VIA DE SOLICITAÇÃO/AUTORIZAÇÃO DE IMPRESSÃO DE DOCUMENTOS FISCAIS...

Leia mais

NOTA FISCAL DE SERVIÇO ELETRÔNICA (NFS-e) Acesso ao Sistema - Pessoa Física

NOTA FISCAL DE SERVIÇO ELETRÔNICA (NFS-e) Acesso ao Sistema - Pessoa Física Acesso ao Sistema - Pessoa Física Página 2 de 37 Índice ÍNDICE... 2 1. CONSIDERAÇÕES GERAIS... 4 1.1. DEFINIÇÃO... 4 1.2. OBRIGATORIEDADE DE EMISSÃO DA NFS-E... 4 1.3. CONTRIBUINTES IMPEDIDOS DA EMISSÃO

Leia mais

IPI TABELAS PRÁTICAS ICMS - PA ANO XXI - 2010-4ª SEMANA DE AGOSTO DE 2010 BOLETIM INFORMARE Nº 35/2010

IPI TABELAS PRÁTICAS ICMS - PA ANO XXI - 2010-4ª SEMANA DE AGOSTO DE 2010 BOLETIM INFORMARE Nº 35/2010 IPI ANO XXI - 2010-4ª SEMANA DE AGOSTO DE 2010 BOLETIM INFORMARE Nº 35/2010 DIF PAPEL IMUNE - ANO-BASE 2010 - NOVAS DISPOSIÇÕES Introdução - Obrigatoriedade - Apresentação - Prazos - Retificação - Penalidades

Leia mais

Informativo de Versão 18.12

Informativo de Versão 18.12 Informativo de Versão 18.12 Índice ERP Posto... 2 Cadastro Contrato de Abastecimento (Chamado 21982)... 2 Resulth Business... 3 Entrada de Produtos (Chamado 24400)... 3 ERP Faturamento... 4 Consulta Preço

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO. SISTEMA CONTÁBIL WEB versão: GA2.0.5

MANUAL DO USUÁRIO. SISTEMA CONTÁBIL WEB versão: GA2.0.5 MANUAL DO USUÁRIO SISTEMA CONTÁBIL WEB versão: GA2.0.5 Atualizado em: 30/01/2010 Planeta Contábil 2009 Todos os Direitos Reservados (www.planetacontabil.com.br) 1/25 CONSIDERAÇÕES: Este manual é destinado

Leia mais

Objetivos e Módulos do SPED. Dulcineia L. D. Santos

Objetivos e Módulos do SPED. Dulcineia L. D. Santos Objetivos e Módulos do SPED Dulcineia L. D. Santos Sistema Público de Escrituração Digital SPED Decreto n. 6.022, de 22/01/2007 Objetivos do SPED: unificar as atividades de recepção, validação, armazenamento

Leia mais