IMPACTO DA ADOÇÃO DE PRÁTICAS AMBIENTAIS DE GESTÃO DA CADEIA DE ABASTECIMENTO NO DESEMPENHO DAS EMPRESAS: DESENVOLVIMENTO DE UM MODELO CONCETUAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "IMPACTO DA ADOÇÃO DE PRÁTICAS AMBIENTAIS DE GESTÃO DA CADEIA DE ABASTECIMENTO NO DESEMPENHO DAS EMPRESAS: DESENVOLVIMENTO DE UM MODELO CONCETUAL"

Transcrição

1 30h IMPACTO DA ADOÇÃO DE PRÁTICAS AMBIENTAIS DE GESTÃO DA CADEIA DE ABASTECIMENTO NO DESEMPENHO DAS EMPRESAS: DESENVOLVIMENTO DE UM MODELO CONCETUAL Elisabete Maria da Fonseca Correia Instituto Politécnico de Coimbra Área Temática: H) Responsabilidad Social Corporativa Palavras chave: Gestão ambiental da Cadeia de Abastecimento, Desempenho Ambiental, Desempenho Económico, Desempenho Operacional, RBV

2 IMPACTO DE LA ADOPCIÓN DE PRÁCTICAS AMBIENTALES DE LA GESTIÓN DE LA CADENA DE SUMINISTRO EN EL DESEMPEÑO DE LAS EMPRESAS: DESARROLLO DE UN MODELO CONCEPTUAL Resumen La gestión medioambiental de la cadena de suministros ha recibido una creciente atención en la literatura. Sin embargo, los estudios sobre su impacto en el desempeño de la compañía son escasos y los resultados no son concluyentes. El objetivo de este trabajo es ayudar a entender y aclarar la relación entre la adopción de prácticas medioambientales en la cadena de suministro y el desempeño, y construir un modelo teórico para evaluar empíricamente. El modelo pretende ser comprensivo mediante la incorporación de prácticas ambientales internas, de prácticas ambientales que vinculan la empresa con proveedores y clientes en la cadena de suministro, y varias dimensiones en el nivel de desempeño. Construido en el marco teórico de la visión basada en los recursos (RBV), se analiza y propone dos importantes factores determinantes de las prácticas ambientales, y cómo éstos a su vez, forma el desempeño de la empresa. IMPACTO DA ADOÇÃO DE PRÁTICAS AMBIENTAIS DE GESTÃO DA CADEIA DE ABASTECIMENTO NO DESEMPENHO DAS EMPRESAS: DESENVOLVIMENTO DE UM MODELO CONCETUAL Resumo A Gestão Ambiental da Cadeia de Abastecimento tem recebido uma atenção crescente na literatura. Contudo, os estudos sobre o seu impacto na performance da empresa são escassos e os resultados não são conclusivos. O objetivo deste trabalho é contribuir para compreender e clarificar a relação entre a adoção de práticas ambientais da cadeia de abastecimento e o desempenho, sendo teorizado um modelo a avaliar empiricamente. O modelo procura ser abrangente, pelo que incorpora práticas ambientais da cadeia de abastecimento internas e práticas que ligam a empresa com os seus parceiros da cadeia de abastecimento (fornecedores e clientes) e várias dimensões ao nível do desempenho. Construído sobre o referencial teórico da Resource-based view (RBV), são analisados e propostos dois importantes potenciais determinantes dessas práticas ambientais, e como essas práticas ambientais, por sua vez, moldam o desempenho da empresa. 1

3 1. Introdução A partir dos nos 80, a dimensão ambiental começou a ganhar importância nas empresas, como resultado de pressões exercidas por diversos stakeholders, dentro e fora da organização, tais como agências governamentais, associações ambientais, organizações não governamentais, trabalhadores ou consumidores (Testa e Iraldo, 2010). O ambiente torna-se numa das principais áreas de desafio e oportunidade para as empresas, salientando-se o potencial que a adopção voluntária de práticas de gestão ambiental para a obtenção de vantagens competitivas e na melhoria do seu desempenho ambiental, económico e operacional (Molina-Azonín et al., 2009). Por outro lado, um ambiente mais competitivo e complexo fez com que a cadeia de abastecimento assumisse um papel importante para o sucesso das organizações. A integração da dimensão ambiental na gestão da cadeia de abastecimento, emerge como uma componente importante das estratégias ambientais de um grande número de empresas, como a IBM, HP, Samsung, LG, Sony, Toshiba, ou a Dell e uma nova maneira de enfrentar o desafio da sustentabilidade (Vachon e Klassen, 2006), que integraram essas práticas com o objetivo de obter melhores níveis de desempenho. O foco da gestão ambiental passa da empresa para a cadeia de abastecimento (Preuss, 2002) e ao serem consideradas atividades que extravasam as fronteiras da organização como relevantes para reduzir os impactos ambientais, a gestão torna-se mais complexa colocando-se novos desafios aos gestores, nomeadamente para a obtenção de benefícios para as empresas. Na literatura vários benefícios são atribuídos à Gestão Ambiental da Cadeia de Abastecimento (GACA), e vários estudos empíricos procuram analisar as relações entre as práticas ambientais da cadeia de abastecimento e os efeitos ao nível do desempenho ambiental, económico e operacional. Contudo, os resultados não são conclusivos (Zhu e Sarkis, 2004; Rao e Holt, 2005; Eltayeb et al., 2011), continuando a ser uma questão importante a discussão sobre se a adoção de práticas ambientais na cadeia se traduzem em melhorias do desempenho. São várias as razões que podem estar associadas a estes resultados. Em primeiro lugar, o facto de não ser consensual o próprio âmbito da GVCA, pode ser uma razão que conduziu à introdução de distintas práticas nos estudos, devendo os resultados a nível do desempenho, e a sua comparação com outros resultados, serem analisados com algum cuidado, dado que se poderão tratar de efeitos de práticas distintas. 2

4 Os estudos existentes na sua maioria não consideraram uma visão abrangente das práticas ambientais que podem ser desenvolvidas na cadeia de abastecimento. Por outro lado, as relações entre as práticas ambientais na cadeia de abastecimento e o desempenho da empresa não foram exaustivamente analisadas, sendo necessário continuar a investigar nesta área (Vachon e Klassen, 2008). Acresce ainda que para compreender a relação entre a adoção de certas práticas ambientais e o desempenho, parece importante compreender os fatores que podem promover ou condicionar essas práticas e analisar se diferenças no desempenho estão relacionadas com esses fatores. Contudo, poucos investigadores introduzem esta dimensão nos seus modelos. Na literatura da GACA o foco tem incidido sobretudo nas pressões exercidas por stakeholders externos como motivadores diretos das empresas para adotar práticas ambientais (e.g. Bansal e Roth, 2000), embora se reconheça que fatores internos como a preocupação dos gestores possam influenciar a adoção de práticas ambientais (Azzone e Noci, 1998). Acresce ainda que pode acontecer que os investigadores não tenham utilizado a abordagem teórica mais adequada (Kirchoff, 2011). A necessidade de maior fundamentação teórica no estudo da GVCA é reclamada (Vachon e Klassen, 2008), até porque se verifica que em muitos estudos, não é sequer feita qualquer menção ou ligação a um referencial teórico. Assim, este trabalho procura responder a estas preocupações, e apresenta com base numa extensa revisão da literatura um modelo concetual abrangente que incorpora as distintas práticas ambientais da cadeia de abastecimento, os seus antecedentes e o efeito destas práticas a nível do desempenho, tendo como referencial teórico a teoria baseada nos recursos (Resource Based View RBV). 2. Revisão da literatura 2.1. Gestão da cadeia de abastecimento e Gestão Ambiental da Cadeia de Abastecimento A cadeia de abastecimento é geralmente definida como um conjunto de organizações interdependentes que agem em conjunto para controlar, gerir e melhorar o fluxo de materiais, produtos, serviços e informações, desde o ponto de origem até ao ponto de entrega (cliente final), a fim de satisfazer as necessidades dos clientes ao menor custo para todos os membros (Lambert et al., 1998). A gestão da cadeia de abastecimento (GCA) envolve assim todas as atividades associadas à transformação e aos fluxos de bens e serviços, incluindo os fluxos de informação correspondentes, desde as fontes de matériasprimas até aos utilizadores finais (Ballou et al., 2000). Com a GCA, espera-se fornecer o 3

5 cliente com os produtos e serviços certos, no tempo, com as especificações exigidas e no lugar certo (Azevedo et al., 2011). Considerando que todos os produtos gerados, transportados ou usados na cadeia de abastecimento implicam o consumo de recursos como materiais e energia, libertam emissões, e produzem resíduos, parece evidente o impacto sobre o ambiente das várias atividades que fazem parte da cadeia. Esses impactos ambientais, ou seja qualquer modificação do meio ambiente, adversa ou benéfica, que resulte, no todo ou em parte, das atividades, produtos ou serviços de uma organização (ISO 14001: 2004), dependem em grande medida, do tipo de produto fabricado e tecnologia utilizada (Tsoulfas e Pappis, 2004), bem como das características do processo de produção (Sarkis, 2003). Embora os esforços para minimizar os impactos indesejáveis sobre o ambiente, para Tsoulfas e Pappis (2004) se tenham centrado durante muito tempo nas fases da produção e de disposição dos produtos, com bons resultados, uma abordagem mais abrangente - a GACA - começou a despertar uma atenção crescente nas empresas e no meio académico (Srivastara, 2007). A GACA integra considerações ambientais na gestão de cadeia de abastecimento, onde se inclui a conceção do produto, a seleção e gestão de materiais, os processos de fabricação, a entrega do produto final aos consumidores e a gestão do produto após o seu fim de vida útil (Srivastara, 2007). A GACA visa a otimização global dos fluxos de materiais e de informações ao longo da cadeia de valor, eliminando ou minimizando os impactos ambientais negativos e o desperdício de recursos (Hervani et al., 2005), acompanhando o ciclo de vida do produto (Beamon, 1999), enquanto cria valor e baixos custos para a empresa (Zhu e Sarkis 2004; Vachon e Klassen 2008). Dado que o ciclo de vida se refere à maioria das atividades no decurso de vida do produto, desde a sua fabricação, utilização, manutenção e deposição final incluindo a aquisição de matéria-prima necessária à sua fabricação (NP ISO 14050:2006), Preuss (2005) sublinha que numa perspetiva do ciclo de vida é quase impossível entender as iniciativas de proteção ambiental sem atender à gestão da cadeia de abastecimento. A GVCA representa assim a aplicação dos princípios de gestão ambiental a todo o conjunto de atividades que abrangem desde o design, aquisição, fabricação e montagem, embalagem, logística e distribuição (Zsidisin e Siferd, 2001), e que se traduz um vasto leque de iniciativas ou práticas ambientais que podem ser executadas no âmbito da cadeia de abastecimento. Uma cadeia de abastecimento bem gerida é essencial para criar vantagem competitiva e valor para a empresa (Min e Mentzer 2004). Vários estudos argumentam que a introdução da dimensão ambiental na cadeia contribui também para conseguir vantagens competitivas 4

6 que se traduzem em melhores níveis de desempenho. No ponto seguinte, apresentam-se com base na RBV, os argumentos que podem justificar essa relação entre GACA e o seu desempenho, e que permitem na secção seguinte discutir os vários elementos presentes no modelo concetual. Após a apresentação deste, são apresentadas algumas conclusões Resource-based view (RBV), GACA e desempenho A RBV oferece um suporte teórico para compreender como pode uma empresa alcançar e sustentar uma vantagem competitiva (Barney, 1991). De acordo com a RBV, os recursos incluem todos os ativos, capacidades, processos organizacionais, atributos organizacionais, informações, conhecimento, etc controlados por uma empresa, e justificam as diferenças de desempenho entre as empresas (Barney, 1991). Os pressupostos fundamentais da RBV assentam na heterogeneidade e imobilidade dos recursos de uma empresa. Segundo Barney (1991) as empresas não podem esperar obter uma vantagem competitiva sustentada quando os seus recursos estratégicos (humanos, organizacionais e financeiros) estão uniformemente distribuídos entre as empresas concorrentes e são altamente transmissíveis. Para poder gerar vantagem competitiva sustentável, é necessário que os recursos sejam valiosos (de modo a explorar oportunidades ou reduzir ameaças no ambiente externo); raros, ou não disponíveis facilmente a outros competidores; difíceis de imitar ou inimitáveis, porque estão dependentes da organização da empresa e têm uma causalidade ambígua; não substituíveis, de modo a que não haja outros recursos que permitam replicar os resultados (Barney, 1991). Por exemplo, os ativos invisíveis, como o conhecimento tácito ou a confiança, não podem ser transacionados, e portanto, facilmente imitados pelos concorrentes. Neste sentido, podem ser considerados com recursos estratégicos, pois tal como o know-how e a reputação, são fatores decisivos para gerar diferenciação em relação aos concorrentes (Barney, 1991). De outro modo, as empresas não conseguem obter vantagem competitiva através da posse de recursos não estratégicos (i.e., que possam ser facilmente adquiridos e vendidos). A RBV considera recursos tangíveis e intangíveis de uma empresa; a forma como a empresa especificamente usa ou combina esses recursos pode ser uma fonte de vantagem competitiva. Grant (1991) estende essa ideia introduzindo a noção de capacidades (capabilities), onde a capacidade é a aptidão de um conjunto de recursos para executar alguma tarefa ou atividade. Uma organização desenvolve essas capacidades através da aprendizagem organizacional. Embora os recursos sejam a fonte das capacidades de uma empresa, as capacidades são entendidas como a sua fonte de 5

7 vantagem competitiva (Grant, 1991). Mais tarde, as capacidades são definidas como conjuntos complexos de habilidades individuais, bens e conhecimentos acumulados exercidos através de processos organizacionais que permitem à empresa coordenar as atividades e fazer uso dos seus recursos (Olavarrieta e Ellinger, 1997). Os métodos e razões que levam uma empresa a obter vantagens competitivas em situações de mudanças rápidas e imprevisíveis, conduziu ao desenvolvimento de uma nova perspetiva, a abordagem das capacidades dinâmicas, que figura segundo alguns autores (Teece et al., 1997), como uma extensão da RBV. Com as alterações do ambiente externo, as empresas têm necessidade de adaptar continuamente sua coleção de recursos, a fim de sustentar a sua vantagem competitiva. As capacidades dinâmicas (dymanic capabilities) facilitam essas mudanças constantes, e são entendidas como a capacidade da empresa integrar, construir e reconfigurar competências internas e externas para enfrentar ambientes que mudam rapidamente (Teece et al., 1997). A capacidade de aprendizagem a fim de alterar a configuração de recursos, diante de mudanças contextuais, torna-se crucial (Eisenhardt e Santos, 2006). O processo de aprendizagem organizacional que ocorre por meio da incorporação de novas informações altera os padrões de comportamento anteriores e leva a resultados possivelmente melhores. A criação de novos conhecimentos por meio desse processo de aprendizagem, baseado em interações verticais e horizontais, forma a base do crescimento da organização por meio da recombinação dos recursos existentes da firma (Penrose, 1959) e pelo desenvolvimento e modificação das rotinas (Eisenhardt e Santos, 2006). Hart (1995) estende também a teoria dos recursos ao considerar os recursos naturais. Assume uma perspetiva diferente de Barney (1991) ao argumentar que uma abordagem competitiva que assente apenas numa base interna pode revelar-se inadequada. Reconhecendo os desafios impostos pelo ambiente natural, sugere que a vantagem competitiva e a estratégia de uma empresa reside nas suas capacidades em promover atividades ambientalmente responsáveis. Por conseguinte, argumenta-se que a gestão ambiental numa organização é um recurso estratégico, porque pode levar a um melhor desempenho da empresa (Hart, 1995; Vachon e Klassen 2008). Como vimos, considerar os recursos como raros e difíceis de imitar são duas das propriedades fundamentais dos recursos (Hart, 1995). Por exemplo, a diferença existente entre a aplicação de dispositivos de controlo da poluição e a implementação de formas de prevenção da poluição podem ilustrar esta característica. Enquanto as primeiras envolvem soluções que estão geralmente disponíveis para os concorrentes da empresa, as tecnologias de prevenção da poluição implicam conhecimento tácito (Hart, 1995), recurso que é difícil de replicar. Klassen e 6

8 Whybark (1999) mostram inclusive que a seleção das tecnologias de prevenção da poluição leva ao desenvolvimento de capacidades difíceis de replicar para os concorrentes. Esta dificuldade verifica-se também em relação a práticas mais avançadas de gestão ambiental, como o eco-design, a logística inversa, a colaboração ambiental com os clientes ou fornecedores, criam uma teia de interações entre fornecedores e clientes, redes de informação e troca de conhecimentos, tornando assim as estratégias ambientais socialmente complexas (Hart, 1995). A abordagem da RBV tem sido utilizada também no âmbito da gestão ambiental ao nível da cadeia de abastecimento (Seuring e Müller, 2008), em particular para analisar como se pode incentivar a implementação de práticas ambientais na cadeia. Por exemplo, Bowen et al. (2001) usam a RBV para argumentar que práticas ambientais proativas e capacidades a nível da função compras são recursos internos das empresas, percebidos como um preditor de comportamentos das compras ambientais. Gold et al. (2010) consideram que as próprias ligações entre se estabelecem entre as empresas numa cadeia, sendo idiossincráticas, podem ser consideradas como um recurso que facilita um desempenho operacional superior temporário, ou que pode mesmo assegurar uma vantagem de desempenho sustentável, caso a empresa possa continuar a proteger o valor, a raridade e a transferibilidade imperfeita dessas ligações (Gold et al., 2010). As cadeias de abastecimento são também vistas como formas de aceder e incorporar recursos e competências externas, pois ao focar-se nas suas competências essenciais, a empresa pode solicitar recursos complementares de outras empresas intervenientes na cadeia de abastecimento (Skjoett- Larsen, 1999). A confiança entre uma empresa e os seus fornecedores surge como exemplo de um recurso interorganizacional (Skjoett-Larsen, 1999). A confiança cresce ao longo do tempo e está incorporada na própria relação, e como não pode ser transacionada no mercado, é muito difícil de imitar pelos concorrentes. Grant (1996) considera o conhecimento como o recurso estrategicamente mais importante da empresa. O acesso a informação valiosa é um grande incentivo para empresas criarem parcerias caracterizadas pela confiança e troca de informações (Gulati, 1999). Os relacionamentos entre as empresas na cadeia podem oferecer práticas raras, valiosas, e difíceis de imitar, no que respeita a tecnologias de informação e partilha de informação (Wu et al., 2006). Vachon e Klassen (2006) argumentam que a colaboração entre os membros da cadeia de abastecimento em particular, podem traduzir-se numa aprendizagem interorganizacional. A aprendizagem entre os membros da cadeia de abastecimento é em muitos aspetos menos transparente do que aprender dentro da própria empresa e, portanto, um recurso mais difícil 7

9 de imitar (Carter e Rogers, 2008), que pode induzir capacidades adicionais na empresa (Vachon e Klassen, 2006). Gavronski et al. (2011) reconhecem que o conjunto de recursos físicos, financeiros, humanos, tecnológicos e organizacionais coordenados por rotinas organizacionais e implementados dentro de uma empresa para melhorar a sua performance ambiental, constituem capacidades ambientais da empresa. Nesta perspetiva, as empresas que utilizam recursos estratégicos ligados às práticas ambientais nas suas cadeias de abastecimento e nas operações da empresa podem estar em uma posição de melhorar o desempenho da empresa (Zhu e Sarkis 2004; Vachon e Klassen 2008). Do exposto, podemos concluir que a RBV e as extensões que têm sido feitas a esta teoria, oferecem suporte teórico no âmbito da GACA para justificar as vantagens competitivas que lhes podem estar associadas, seja considerando as próprias práticas ambientais como recursos estratégicos (e.g. Hart, 1995) ou as características da própria cadeia de abastecimento (e.g., Wu et al., 2006), seja considerando as práticas ambientais da cadeia de abastecimento como capacidades (e.g. Shang et al., 2010; Gavronski et al., 2011) Modelo concetual Antecedentes da GACA Orientação para a cadeia de abastecimento Para construção do nosso modelo, entendemos, na linha de Kirchoff (2011), que tanto uma orientação ambiental como uma orientação para a cadeia de abastecimento podem ser considerados recursos estratégicos capazes de melhorar o desempenho da empresa, e que conduzem a práticas de gestão ambiental na cadeia de abastecimento. A abordagem RBV sugere que as orientações, como culturas organizacionais, são consideradas um recurso estratégico, uma vez que são tácitas e difíceis de definir e transferir (Hult et al. de 2008). As orientações são compostas de sistemas internos que ligam áreas distintas da empresa num padrão de crenças e comportamentos (Fiol, 1991). A interação dessas crenças e comportamentos podem ser um recurso crítico competitivo por meio de um processo cognitivo que é único, difícil de imitar, e valioso para a empresa (Barney, 1991; Fiol, 1991). Gerir com sucesso uma cadeia de abastecimento para criar valor depende de uma filosofia que revela o compromisso com a gestão das dimensões complexas das relações interempresas inerentes à cadeia de abastecimento (Trent, 2004). Sendo um recurso estratégico, não é contudo um recurso observável. Mentzer et al. (2001) propõem que uma empresa que tenha uma orientação para a cadeia de abastecimento deve apresentar um 8

10 número de fatores comportamentais internos, onde se incluem: confiança, compromisso, normas de cooperação, compatibilidade organizacional, e apoio da gestão de topo. Min e Mentzer (2004) suportam empiricamente a relação entre estes fatores e a existência de orientação para a cadeia de abastecimento. Partindo deste modelo, Tucker (2011) propõe um modelo cujos fatores essenciais para a orientação para a cadeia de abastecimento são a confiança, a confiabilidade no parceiro e o foco na gestão da cadeia de abastecimento interna. Considerando que o fator confiança estabelece o "tom" da relação com os parceiros (por exemplo, a compreensão, empatia, apoio), o foco interno na gestão da cadeia de abastecimento dá à empresa as ferramentas necessárias para alimentar a relação, e a confiabilidade no parceiro possibilita garantir uma maior fiabilidade e qualidade da gestão da cadeia de abastecimento dos parceiros, o autor propõe um modelo mais parcimonioso e que inclui uma dimensão temporal na orientação para a cadeia de abastecimento, e traduz a ideia de que apesar da gestão da cadeia de abastecimento ser a aplicação da orientação para a cadeia de abastecimento, ela não se faz de forma imediata como a aplicação de um programa ou projeto, mas implica um processo contínuo de amadurecimento, o que pode significar configurá-la como uma capacidade dinâmica. Orientação ambiental As empresas que prestam atenção ao ambiente devem mostrar as suas responsabilidades em todos os problemas ambientais relacionados com as suas operações, e tentar evitar impactos negativos. Assim, devem desenvolver esforços para ajudar a melhorar e desenvolver o ambiente. O reconhecimento pelos gestores da importância atribuída às questões ambientais que afetam as suas empresas, constitui segundo Bannerjee (2003), a orientação ambiental, podendo ser considerado como um recurso estratégico (Hult et al., 2008). A orientação ambiental pode ter um foco interno ou externo (Banerjee, 2003). A orientação ambiental interna reflete os valores internos de uma empresa, os seus padrões de comportamento ético e o compromisso com a proteção ambiental. Inclui a tentativa de educar e ampliar os valores de práticas ambientais amigas do ambiente a todos os trabalhadores. Neste sentido as empresas podem organizar vários eventos e programas para apoiar o meio ambiente, sendo importante incluir o objetivo ambiente nas estratégias de negócio (Shrivastava, 1995). O foco externo está ligado à necessidade de legitimidade e de satisfação das exigências das suas partes interessadas. A orientação ambiental é muito semelhante ao que Simpson et al. (2007) definiram como compromisso ambiental, e que pretende capturar o compromisso com as responsabilidades 9

11 ambientais da empresa, expresso através das políticas, valores e programas de consciencialização dos trabalhadores As práticas ambientais na gestão da cadeia de abastecimento As práticas ambientais na gestão da cadeia de abastecimento são geralmente compostas por ações que reduzam ou eliminem o desperdício e a poluição, eliminem materiais perigosos, considerem o ciclo de vida dos produtos, o desempenho ambiental, minimizem o impacto ambiental das operações da empresa, e corrijam os problemas ambientais. Montabon et al. (2007) incluem nessas práticas o conjunto das técnicas, políticas e procedimentos para acompanhar e controlar o impacto ambiental das operações da organização. Apesar da literatura crescente sobre GACA, parece não se verificar um consenso alargado quanto ao tipo de práticas ou iniciativas ambientais que podem ser levadas a cabo nas cadeias de abastecimento (Zhu e Sarkis, 2004; Zhu et al., 2008; Vachon e Klassen, 2006; Eltayeb et al., 2011). Tal pode dever-se, segundo Eltayeb et al. (2011) ao fato desta ser uma nova área de estudo, e a teoria nesta área estar ainda subdesenvolvida, como apontado anteriormente por Sarkis (1999), não sendo consensual o próprio âmbito da GVCA. Por exemplo, Hervani et al. (2005) integram o ambiente nas funções típicas da cadeia de abastecimento (compras, fabricação, distribuição, marketing e logística inversa), e de forma muito similar, Ninlawan et al. (2010) definem a GVCA como "compras verdes + produção verde + distribuição verde + logística inversa". Em ambas as definições as iniciativas ambientais relacionadas com as atividades de conceção e desenvolvimento de produtos (eco-design) não são contempladas, contrariamente à definição proposta por Srivastara (2007), que adotamos neste trabalho, e que parece ser mais abrangente e ir de encontro à abordagem do ciclo de vida, que está intimamente ligada à própria GACA. Com efeito, as diferenças quanto à definição e âmbito da GVCA, resultam na existência de diferentes categorias de práticas ou iniciativas ambientais presentes na literatura, como é constatado por Azevedo et al. (2011), que referem que vários estudos têm usado macrovariáveis ou construtos agregados para avaliar a conexão entre as práticas ambientais e o desempenho da cadeia de abastecimento. Para estabelecer essas macro-variáveis ou categorias, destaca-se na literatura a prevalência do critério funcional, à semelhança de 10

12 Hervani et al (2005). As principais categorias ou macro-variáveis que agrupam distintas práticas são o ecodesign (Zhu et al., 2008; Eltayeb et al., 2011), compras verdes (Hervani et al, 2005; Zhu et al., 2008; Eltayeb et al., 2011), logística inversa (Hervani et al, 2005; Eltayeb et al., 2011), distribuição (Hervani et al, 2005), produção verde/gestão de materiais (Hervani et al, 2005), gestão ambiental interna (Hervani et al, 2005; Zhu et al., 2008), ou sistemas de informação ambiental (Hervani et al, 2005; Esty e Winston, 2006). Por seu lado, Vachon e Klasson (2006), propõem uma categorização diferente das práticas da cadeia de abastecimento, distinguindo entre práticas de monitorização ambiental e práticas de colaboração ambiental envolvendo clientes e fornecedores. Esta categorização centra-se na caraterística interorganizacional na cadeia, onde se destaca a interação com os membros a montante e a jusante da cadeia de abastecimento. Eltayeb et al. (2011), concilia esta última perspetiva com a lógica funcional, estabelecendo as categorias de ecodesign, compras verdes, colaboração ambiental com o fornecedor, colaboração ambiental com o cliente e logística inversa. Neste trabalho estendemos a categorização propostas por Eltayeb et al. (2011), às atividades ambientais ao nível da produção e da distribuição que entendemos não se encontram incluídas nas restantes categorias, embora vários autores (e.g. Hervani et al, 2005) as identifiquem como práticas de gestão ambiental da cadeia de abastecimento. De seguida descrevem-se essas práticas que farão parte do modelo proposto. Ecodesign Esta categoria inclui atividades que visam minimizar os impactos ambientais dos produtos durante o seu ciclo de vida (Beamon, 1999; Hervani et al., 2005; Zhu et al., 2007). De acordo com Klassen e McLaughlin (1993) a excelência ambiental começa durante o design, a fase inicial do ciclo de vida do produto e dos processos, onde o impacto ambiental é predominantemente fixado (Zsidisin e Hendrics, 1998). Com efeito, a maioria dos impactos ambientais decorrentes da produção, consumo e eliminação do produto são consequências diretas das decisões tomadas nesta fase (Handfield et al., 1997). No design, a função do produto, processo ou serviço é definida, e as matérias primas, outros inputs do processo são selecionados. Estes, por sua vez vão determinar a energia que irá ser consumida para produzi-los e os resíduos que irão ser gerados (Eltayeb et al., 2011). As atividades que podem ser desenvolvidas podem ser de diversa ordem: 1) design para redução ou eliminação de materiais ambientalmente perigosos tais como chumbo, mercúrio, crómio e cádmio (Zsidisin e Siferd, 2001); 2) design para facilitar a reutilização de um produto ou parte dele, com ou sem tratamento mínimo do produto usado (Sarkis, 1998); 11

13 3) design para facilitar a desmontagem do produto residual, a separação das peças de acordo com o material, e o reprocessamento do material; 4) design para remanufatura, ou seja para facilitar a reparação, retrabalho, e remodelação dos produtos (Beamon, 1999); 5) design para a eficiência dos recursos, incluindo a redução de materiais e consumo de energia de um produto durante a sua utilização, promovendo a utilização de energia e recursos renováveis. Compras Verdes Nesta categoria são incluídas as atividades que visam garantir que os itens comprados têm desejáveis atributos ambientais, tais como reutilização, reciclagem, ou ausência de materiais perigosos (Bowen et al, 2001; Carter e Carter, 1998; Hervani et al, 2005;. Min e Galle, 2001; Preuss, 2001; Rao, 2004;;. Zhu et al, 2007). Dado que a função compras está no início da cadeia de valor, os esforços ambientais de uma empresa provavelmente não serão bem sucedidos sem integrar os objetivos ambientais da empresa nas atividades de compras. Björklund (2010) afirma que as compras poderão ser realmente um agente de mudança mais poderoso do que qualquer outra função corporativa, e a sua influência sobre os outros membros da cadeia de abastecimento é tanto maior quanto maior for o seu papel estratégico numa organização (Zsidisin e Siferd, 2001). Várias atividades de compras verdes podem ser identificadas a partir da literatura. Hamner (2006) salienta a especificação por parte do comprador dos atributos desejáveis que os produtos devem possuir tais como itens recicláveis ou itens reutilizáveis (requisitos de conteúdo do produto); as restrições do conteúdo dos produtos, em que os compradores especificam que os produtos adquiridos não devem conter atributos ecologicamente indesejáveis tais como o chumbo, ou outros nos materiais de embalagem, por exemplo. Pode ainda considerar-se a exigência da divulgação dos atributos ambientais ou de segurança do conteúdo do produto adquirido, através da utilização de rótulos ambientais ou certificação dos produtos, por exemplo. Os compradores podem ainda proceder ao envio de questionários aos fornecedores, solicitando-lhes informações sobre os seus aspetos ambientais e / ou sistemas de gestão; exigir-lhes sistemas de gestão ambiental; exigir que esses sistemas estejam certificados de acordo com normas internacionais reconhecidas tais como as ISO ou EMAS. Com o objetivo de determinar o seu nível de cumprimento das exigências ambientais, os compradores podem ainda efetuar auditorias de conformidade aos fornecedores. Alguns autores como Zsidisin e Siferd (2001) incluem ainda outras atividades relacionadas com os fornecedores, para além das mencionadas, nas atividades das compras verdes tais como a inclusão de critérios ambientais na seleção e desenvolvimento 12

14 dos fornecedores. Essas atividades poderiam ser consideradas de avaliação/monitorização de acordo com Vachon e Klassen (2006). Note-se ainda que por vezes iniciativas que implicam um elevado nível de interação com os fornecedores do que, como iniciativas de colaboração em atividades de reutilização e reciclagem (Zhu e Geng, 2010), são incluídas nas compras verdes, alargando-se o âmbito deste conceito. Colaboração ambiental com os fornecedores Nesta categoria incluem-se as atividades que visam melhorar o desempenho ambiental e as capacidades dos fornecedores e realizar projetos comuns para desenvolver produtos verdes e inovações ambientais (Bowen et al, 2001; Vachon e Klassen, 2006; Vachon e Klassen, 2007). As atividades de colaboração incluem, por exemplo a realização de atividades de formação pelos compradores em relação aos seus fornecedores sobre questões ambientais e atividades de gestão ambiental. Exemplos destas iniciativas incluem a realização de seminários de sensibilização destinados aos fornecedores, informando os fornecedores sobre os benefícios de práticas ambientais visando melhorar a informação e conhecimentos nesta área (Bowen et al, 2001; Zhu et al., 2008). O apoio direto dos compradores aos fornecedores para ajudá-los a melhorar seu desempenho ambiental, pode ocorrer por exemplo, através de visitas às instalações dos fornecedores para fornecer assistência técnica ou da prestação de assistência financeira aos fornecedores para melhorar o seu desempenho ambiental (Walton et al, 1998; Hervani et al, 2005). Segundo Hamner (2006), podem existir ainda outras formas de colaboração que podem implicar a constituição de equipas comuns com programas a desenvolver em conjunto no longo prazo, nomeadamente para desenvolver inovações e soluções ambientais tais como tecnologias limpas e design de produtos verdes (Bowen et al., 2001; Hervani et al, 2005;. Vachon e Klassen, 2006). Ao contrário de compras verdes, a colaboração com os fornecedores envolve um nível considerável de envolvimento e investimento nas operações dos fornecedores, e não apenas nos resultados dos seus esforços ambientais (Vachon e Klassen,2006). Produção verde A capacidade dos processo produtivos para usar determinados materiais, a sua capacidade de integrar componentes reutilizáveis e/ou remanufaturados, a forma como os processos são projetados para a prevenção de resíduos (Sarkis, 2003), são aspetos que influenciam o impacto ambiental na cadeia de abastecimento. Sarkis (2003) salienta que é na área da produção que muitas das inovações tecnológicas e de processo são mais 13

15 avançadas do ponto de vista ambiental. No mesmo sentido, Rao e Holt (2005) ressaltam que a função de produção tem um papel crítico em assegurar que os produtos / serviços produzidos por uma organização são ambientalmente amigáveis; que a prevenção da poluição na fonte é conseguida, que as práticas de produção mais limpas são adotadas; que a fabricação incorpora ao máximo preocupações com a forma como os resíduos gerados são processados e reciclados, que a reutilização e reciclagem de materiais é maximizada; que o uso de materiais é reduzido; ou que os processos de produção são otimizados de modo que a geração de resíduos, incluindo os perigosos, são minimizados. Distribuição verde São muito diversas as designações das categorias consideradas a jusante da empresa focal na cadeia de abastecimento (e.g. marketing verde), bem como as iniciativas inseridas nessas categorias. Rao e Holdt (2005) referem que a jusante podem ser incluídas as atividades relacionadas com a operação de embalagem e atividades de distribuição que visam melhorar os impactos ambientais, bem como atividades de marketing verde. Ninlawan et al., (2010) inclui na distribuição verde as iniciativas relacionadas com as embalagens e transporte. As características da embalagem, tais como o tamanho, forma, e materiais têm impacto na distribuição devido aos seus efeitos sobre as características do transporte do produto. Melhorar a embalagem e o padrão dos carregamentos pode reduzir o uso de materiais, aumentar a utilização do espaço no armazém e nos meios de transporte e reduzir a necessidade do seu manuseamento (Ninlawan et al., 2010). De forma semelhante ao que acontece para as compras verdes e a categoria que inclui as iniciativas de colaboração com os fornecedores, consideramos outra categoria distinta da distribuição verde - a colaboração com os clientes- que correspondem aliás às únicas iniciativas admitidas por Zhu e Geng (2010) a jusante da fase da produção na cadeia de abastecimento. Colaboração ambiental com os clientes A colaboração ambiental com os clientes inclui atividades que visam melhorar o desempenho ambiental e as capacidades do cliente e a realização de projetos conjuntos para o desenvolvimento de produtos verdes e de inovações ambientais (Vachon e Klassen, 2006). Esta categoria contempla a intervenção direta de uma empresa para melhorar o desempenho ambiental dos seus clientes. A colaboração pode estar relacionada com as atividades de transporte, embalagem, reciclagem (Hervani et al., 2005; Hamner, 2006), ecodesign ou produção verde (Ninlawan et al., 2010). As práticas de colaboração são, 14

16 segundo ElTayeb et al (2011), semelhantes às mencionadas anteriormente para os fornecedores (educação, apoio, joint-ventures), com a exceção de que é a empresa vendedora que assume a responsabilidade das atividades. Inclui por exemplo, a troca de informações técnicas entre uma empresa e seus clientes tendo em vista aprender com as operações uns dos outros, a fim de planear e estabelecer metas de melhoria ambiental (Vachon e Klassen, 2007). Logística inversa Inclui atividades que visam trazer de volta ao processo produtivo produtos ou materiais para fins de reutilização ou remanufactura ou reciclagem (Beamon, 1999; Hervani et al, 2005;. Zhu et al., 2007). Desta forma, a logística inversa "fecha o ciclo" de uma cadeia de abastecimento (Vachon e Klassen, 2007) ao incluir o conjunto das atividades logísticas tradicionais de gestão de transporte e de materiais relacionadas com a recuperação do produto Práticas ambientais na gestão da cadeia de abastecimento e desempenho Medir o desempenho é fundamental para qualquer organização gerir as suas atividades e operações, sendo um pré-requisito importante para o seu processo de melhoria. A medição de desempenho permite por exemplo, determinar a eficiência e eficácia de um sistema existente ou comparar sistemas alternativos (Hervani et al., 2005). A abordagem RBV explica por que algumas empresas são capazes de criar uma vantagem competitiva. Contudo, a grande maioria dos estudos na área da gestão ambiental, nomeadamente os que analisam o impacto da proactividade ambiental das empresas, centram o debate em torno do conceito de desempenho empresarial (López-Gamero et al., 2009). Consideramos, para efeito do nosso modelo, tal como López-Gamero et al. (2009) que existe uma relação positiva entre a proactividade ambiental e a obtenção de vantagens competitivas, mas estas assumem têm um papel mediador entre essa proactividade ambiental e o desempenho. No contexto da cadeia de abastecimento, a abordagem RBV pode ser igualmente a base para explicar o impacto da adoção de práticas ambientais na gestão da cadeia de abastecimento. Esse impacto tem sido estudado seja relativamente ao desempenho das empresas (e.g. Zhu e Sarkis, 2004), da cadeia de abastecimento (e.g. Azevedo et al., 2011) ou uma área da produção (e.g., Vachon e Klassen, 2008), e considerando diferentes dimensões do desempenho: ambiental, económico e operacional (e.g. Eltayeb et al., 2011). 15

17 Observa-se ainda uma grande diversidade das medidas e métricas utilizadas nessas dimensões. Ao nível do desempenho ambiental a relação entre práticas de GACA é amplamente destacada na literatura (Testa e Iraldo, 2011). Os impactos ambientais positivos como consequência da adoção de iniciativas ambientais na cadeia de abastecimento, podem ser muito diversas e acontecerem dentro e fora das organizações (Eltayeb et al., 2011). Incluem redução de emissões, materiais perigosos/tóxicos, redução de resíduos sólidos (Eltayeb et al., 2011), diminuição da frequência de acidentes ambientais, melhoria da saúde dos trabalhadores e da comunidade (Zhu et al., 2008). Zhu e Sarkis (2004) encontraram uma relação positiva e significativa entre algumas práticas ambientais da cadeia de abastecimento (compras verdes, ecodesign e cooperação com clientes) e o desempenho ambiental em empresas industriais na China, indo de encontro aos resultados de Rao (2003) em empresas do sudeste asiático. Eltayeb et al. (2011) identificaram uma relação positiva, de entre várias práticas de GACA, apenas entre o ecodesign e o desempenho ambiental. Quanto aos benefícios económicos das iniciativas ambientais existe contudo algum ceticismo (Preuss, 2005; King e Lenox, 2008). Estes impactos económicos podem ser medidos através de indicadores como a rentabilidade, crescimento da receita, aumento da quota de mercado e aumento de produtividade (Zhu e Sarkis, 2004), aumento da eficiência e redução de custos (Azevedo et al., 2011). Os resultados dessas iniciativas ambientais no desempenho económico e na competitividade são pouco claros, por exemplo em Rao (2003) e Zhu et al. (2007). Rao e Holdt (2005) e Zhu e Sarkis (2004), por seu lado, encontram uma relação positiva e significativa entre as práticas ambientais na cadeia de abastecimento, e melhorias no desempenho económico das empresas que as adotaram. De forma similar Rao e Holdt (2005) registam ainda uma relação positiva entre as práticas e a competitividade. Contudo, Bowen et al. (2001) sugerem que o impacto positivo sobre o desempenho económico (rentabilidade e vendas) não se verifica. Poucos estudos examinam a relação entre gestão ambiental e desempenho operacional. Os resultados operacionais representam o impacto direto das iniciativas ambientais sobre o desempenho operacional de uma empresa (Eltayeb et al., 2011), e incluem redução de custos, melhorias de qualidade de produtos, melhorias na entrega e flexibilidade (Vachon e Klassen, 2006). Azevedo et al (2011) estabelecem como medidas de desempenho operacional ao nível da cadeia de abastecimento a satisfação dos clientes e a qualidade. Também nesta dimensão do desempenho, se observam resultados contraditórios. Por exemplo Vachon e Klassen (2006) mostraram que algumas práticas ambientais relacionadas com a colaboração com os clientes está positivamente relacionada 16

18 com a qualidade, flexibilidade e desempenho ambiental, enquanto a colaboração com os fornecedores está associada a um melhor desempenho das entregas. 3. Modelo concetual proposto e investigação futura Como resultado da revisão da literatura, apresenta-se na figura seguinte uma versão preliminar de um modelo que propõe uma relação positiva entre dois antecedentes da GACA, a orientação para a cadeia de abastecimento e a orientação para o ambiente e cada uma das práticas em que a GACA se pode traduzir, e uma relação positiva entre essas práticas e as várias dimensões do desempenho: ambiental, económico e operacional. Antecendentes GVCA Orientação para a cadeia de abastecimento Orientação para o ambiente Práticas GVCA ecodesign Compras verdes Colaboração fornecedores Produção verde Distribuição verde Colaboração com clientes Desempenho Desempenho ambiental Desempenho económico Desempenho operacional Logística inversa Fig.1. Modelo teórico para análise das relações entre antecedentes e práticas da GACA, e performance da empresa Este modelo poderá registar alterações, após ser submetido, juntamente com medidas e métricas de todas as variáveis à avaliação de um grupo de respondentes potenciais. O objetivo final é testar o modelo junto de empresas industriais portuguesas. A metodologia a 17

19 seguir após essa fase será de natureza quantitativa (survey), recorrendo-se a um inquérito elaborado com base na revisão da literatura e refinado através de um pré-teste. 4. Conclusões Embora se verifique uma grande diversidade das iniciativas ambientais na gestão da cadeia de abastecimento consideradas ao nível teórico, vários estudos mostram que, na prática, muitas iniciativas não são adotadas pelas empresas (ElTayeb et al (2010), e que os resultados da sua adoção não são conclusivos, o que justifica a necessidade de mais investigação. Por um lado, perceber quais os fatores que podem levar as empresas a adotar certas práticas que se traduzam em vantagens competitivas, pode ajudar a compreender o gap entre a teoria e a prática; por outro lado, uma demonstração clara e significativa da relação entre a adoção dessas práticas e o desempenho, pode encorajar as empresas a adotarem práticas ambientais na gestão da cadeia de abastecimento. Ao que se sabe, estudos empíricos deste tipo não foram ainda realizado em empresas portuguesas, pelo que esperamos poder dar um pequeno contributo para conhecer melhor as relações estabelecidas no modelo concetual aplicado a num novo contexto. Referências bibliográficas Azevedo, Susana G., Carvalho, Helena e Machado, V. Cruz (2011) - The influence of green practices on supply chain performance: A case study approach, Transportation Research Part E, Vol 47, pp Azzone, G. e Noci, G. (1998) Identifying effective PMSs for the deployment of green manufacturing strategies, International Journal of Operations & Production Management, Vol. 18 No. 4, pp Ballou, R.H.; Gilbert, S.M.; Mukherjee (2000) - New managerial challanges from supply chain opportunities, Industrial Marketing Management, Vol 29, pp.7-18 Banerjee, S. B., Iyer, E. S., e Kashyap, R. K. (2003) Corporate environmentalism: Antecedents and influence of industry type, Journal of Marketing, 67(2): Bansal, P. e Roth, K. (2000) Why companies go green: A model of ecological responsiveness, Academy of Management Journal, Vol 43, Nº4, pp Barney, J. (1991) Firm Resources and Sustained Competitive Advantage, Journal of Management, Vol 17, Nº 1, pp Beamon, B.M. (1999) Designing the green supply chain, Logistics Information Management, Vol. 12 No. 4, pp Björklund, Maria (2010) Influence from the business environment on environmental purchasing Drivers and hinders of purchasing green transportation services, Journal of Purchasing & Supply Management (in press). Bowen, Frances; Cousins, Paul D., Lamming, Richard C. e Faruk, Adam C. (2001) The role of supply management capabilities in green supply, Production and Management Journal, Vol 10, Nº 2, pp

20 Carter, C.R. e Carter, J.R. (1998) - Inter-organizational determinants of environmental purchasing: initial evidence from the consumer products industries, Decision Science, Vol. 29 No. 3, pp Carter, C.R. e Rogers, D.S. (2007) A framework of sustainable supply chain management: towards new theory, International Journal of Physical Distribution & Logistics Management, Vol. 38 No. 5, pp Eisenhardt, K.M., Santos, F.M. (2002) Knowledge-based view: a new theory of strategy? In: Pettigrew, A., Thomas, H., Whittington, R. (Eds.), Handbook of Strategy and Management. Sage, London Eltayeb, Tarig K.; Zailani, Suhaiza e Ramayah, T. (2011) Green supply chain initiatives among certified companies in Malaysia and environmental sustainability: Investigating the outcomes, Resources, Conservation and Recycling, Vol 55, pp Esty, D. e Winston, A. (2006) Green to Gold: How Smart Companies Use Environmental Strategy to Innovate, Create Value, and Build Competitive Advantage, Yale University Press, New Haven, CT. Fiol, C. (1991) - "Managing Culture as a Competitive Resource: An Identity-Based View of Sustainable Competitive Advantage," Journal of Management, Vol 17, Nº1, pp Gavronski, Iuri; Klassen, Robert D.; Vachon, Stephan e Nascimento, Luis Felipe Machado (2011) A resource-based view of green supply management, Transportation Research Part E, Vol 47, pp Gold, Stefan; Seuring, Stefan e Beske, Philip (2010) Sustainable Supply Chain Management and Inter-Organizational Resources: A literature review, Corporate Social Responsibility and Environmental Management, Vol 17, pp Grant, R. (1991) - "The Resource-Based Theory of Competitive Advantage: Implications for Strategy Formulation," California Management Review, Vol 33, Nº 3, pp Hamner B. (2006) Effects of green purchasing strategies on supplier behaviour. In: Sarkis J, editor. Greening the supply chain. London: Springer; p [chapter 2]. Handfield RB, Walton SV, Seegers LK, e Melnyk SA (1997) Green value chain practices in the furniture industry, Journal of Operations Management, Vol 15, pp Hart, S.L., (1995) A natural-resource based view of the firm, Academy of Management Review, Vol 20, nº 4, pp Hervani, A., Helms, M., e Sarkis, J. (2005) Performance measurement for green supply chain management, Benchmarking: An International Journal, Vol 12, Nº 4, pp Hult, G., D. Ketchen Jr, G. Adams e J. Mena (2008) - "Supply Chain Orientation and Balanced Scorecard Performance," Journal of Managerial Issues, Vol 20, Nº 4, pp King, A.A. e Lenox, M.J. (2008) Does it really pay to be green? An empirical study of firm environmental and financial performance, Journal of Industrial Ecology, Vol. 5 No. 1, pp Kirchoff, Jon Frederick (2011) - A Resource-Based Perspective on Green Supply Chain Management and Firm Performance, PhD diss, University of Tennessee. Klassen, R. e McLaughlin, C. (1993) TQM and environmental excellence in manufacturing, Industrial Management and Data Systems, Vol. 93, Nº. 6, pp Klassen, R.D. e Whybark, D.C. (1999) The impact of environmental technologies on manufacturing performance. Academy of Management Journal, Vol 42, Nº 6, pp Lambert, D., J. Stock e L. Ellram (1998) - Fundamentals of Logistics Management, Boston: Irwin McGraw-Hill. López-Gamero, María D.; F. Molina-Azorín, José e Claver-Cortés, Enrique (2009) The whole relationship between environmental variables and firm performance: Competitive advantage and firm resources as mediator variables, Journal of Environmental Management, Vol 90, pp

Prof. Me. Maico Roris Severino Curso Engenharia de Produção Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão

Prof. Me. Maico Roris Severino Curso Engenharia de Produção Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão Prof. Me. Maico Roris Severino Curso Engenharia de Produção Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão 1 Roteiro da Apresentação Definições Cadeia de Suprimentos Logística Gestão da Cadeia de Suprimentos

Leia mais

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Artigo para a Revista Global Fevereiro de 2007 DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT O conceito de Supply Chain Management (SCM), denominado Administração da Cadeia de Abastecimento

Leia mais

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta.

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta. Pesquisa IMAM/CEPEAD descreve os níveis de maturidade dos logísticos de empresas associadas Marcos Paulo Valadares de Oliveira e Dr. Marcelo Bronzo Ladeira O Grupo IMAM, em conjunto com o Centro de Pós-Graduação

Leia mais

Nível de Adoção das Práticas do Green Supply Chain Management no Setor Automotivo Brasileiro

Nível de Adoção das Práticas do Green Supply Chain Management no Setor Automotivo Brasileiro Nível de Adoção das Práticas do Green Supply Chain Management no Setor Automotivo Brasileiro LOPES, L. J. a, SACOMANO NETO, M. b, SILVA, E. M. c, LOPES, F. C. C. d a. UNIMEP: Universidade Metodista de

Leia mais

Contributo do Balanced Scorecard para Competitividade Sustentável das Organizações

Contributo do Balanced Scorecard para Competitividade Sustentável das Organizações Contributo do Balanced Scorecard para Competitividade Sustentável das Organizações Rita Almeida Dias 18 Setembro de 2012 2012 Sustentare Todos os direitos reservados Anterior Próximo www.sustentare.pt

Leia mais

GESTÃO LOGÍSTICA 05. O Papel da Logística na Organização Empresarial e na Economia. Padrões de SaC. Amílcar Arantes 1

GESTÃO LOGÍSTICA 05. O Papel da Logística na Organização Empresarial e na Economia. Padrões de SaC. Amílcar Arantes 1 GESTÃO LOGÍSTICA 2004-05 05 Capítulo - 2 Índice 1. Introdução 2. Definição de 3. 4. Desenvolvimento e Documentação de Padrões de SaC 5. Barreiras a uma Estratégia efectiva de SaC 6. Melhorar o Desempenho

Leia mais

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS VERDE GREEN SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS VERDE GREEN SUPPLY CHAIN MANAGEMENT X SIGA: Seminário para Interação em Gestão Ambiental GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS VERDE GREEN SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Linéia Jollembeck Lopes GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

networking capabilities dynamic capabilities innovation capabilities

networking capabilities dynamic capabilities innovation capabilities networking capabilities dynamic capabilities innovation capabilities uma perspetiva focada na estratégia de inovação MARIANA PITA. UNIVERSIDADE DE AVEIRO PROGRAMA DOUTORAL EM MARKETING & ESTRATÉGIA. CONHECIMENTO

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

Evolução estratégica do processo de compras ou suprimentos de bens e serviços nas empresas

Evolução estratégica do processo de compras ou suprimentos de bens e serviços nas empresas Evolução estratégica do processo de compras ou suprimentos de bens e serviços nas empresas Ataíde Braga Introdução A aquisição de bens e serviços a serem utilizados na produção e na revenda de produtos

Leia mais

PRINCÍPIOS PARA A AVALIAÇÃO DA AJUDA AO DESENVOLVIMENTO

PRINCÍPIOS PARA A AVALIAÇÃO DA AJUDA AO DESENVOLVIMENTO COMITÉ DE AJUDA AO DESENVOLVIMENTO PRINCÍPIOS PARA A AVALIAÇÃO DA AJUDA AO DESENVOLVIMENTO PARIS 1991 ÍNDICE I. INTRODUÇÃO 3 II. FINALIDADE DA AVALIAÇÃO 5 III. IMPARCIALIDADE E INDEPENDÊNCIA 6 IV. CREDIBILIDADE

Leia mais

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000 ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário Gestão da Qualidade 2005 1 As Normas da família ISO 9000 ISO 9000 descreve os fundamentos de sistemas de gestão da qualidade e especifica

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais

O PAPEL DOS STAKEHOLDERS NO CONTEXTO DA GREEN SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA REVISÃO SISTEMÁTICA

O PAPEL DOS STAKEHOLDERS NO CONTEXTO DA GREEN SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA REVISÃO SISTEMÁTICA O PAPEL DOS STAKEHOLDERS NO CONTETO DA GREEN SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA REVISÃO SISTEMÁTICA Bruno Michel Roman Pais Seles (FEB/UNESP ) bruno_seles@yahoo.com.br Ana Beatriz Lopes de Sousa Jabbour (FEB/UNESP

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Integrado MSGI-01

Manual do Sistema de Gestão Integrado MSGI-01 Manual de Acolhimento LogicPulse Technologies, Lda. Índice PROMULGAÇÃO... 3 1. INTRODUÇÃO... 4 2. OBJETIVOS DO MANUAL... 4 3. APRESENTAÇÃO DA LOGICPULSE TECHNOLOGIES... 5 4. ORGANOGRAMA ORGANIZACIONAL...

Leia mais

Apresentação do Manual de Gestão de IDI

Apresentação do Manual de Gestão de IDI Seminário Final do Projeto IDI&DNP Coimbra 31 de março Miguel Carnide - SPI Conteúdos. 1. O CONCEITO DE IDI (INVESTIGAÇÃO, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO) 2. OVERVIEW DO MANUAL 3. A NORMA NP 4457:2007 4. A

Leia mais

Data de adopção. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor. Observações

Data de adopção. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor. Observações NP ISO 10001:2008 Gestão da qualidade. Satisfação do cliente. Linhas de orientação relativas aos códigos de conduta das organizações CT 80 2008 NP ISO 10002:2007 Gestão da qualidade. Satisfação dos clientes.

Leia mais

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO Profa. Leonor Cordeiro Brandão Relembrando Vimos alguns conceitos importantes: O que são dados; O que é informação; Quando uma informação se transforma em conhecimento;

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

Estratégias de Pesquisa

Estratégias de Pesquisa Estratégias de Pesquisa Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Survey Design e Criação Estudo de Caso Pesquisa Ação Experimento

Leia mais

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos Prof. Paulo Medeiros Introdução nos EUA surgiram 100 novos operadores logísticos entre 1990 e 1995. O mercado para estas empresas que

Leia mais

Logística Uma nova fórmula para o Exército CONCEITOS ESTRUTURANTES DA CIÊNCIA LOGÍSTICA

Logística Uma nova fórmula para o Exército CONCEITOS ESTRUTURANTES DA CIÊNCIA LOGÍSTICA Logística Uma nova fórmula para o Exército CONCEITOS ESTRUTURANTES DA CIÊNCIA LOGÍSTICA A Logística, ciência de origem militar que despontou das necessidades de preparação, movimentação e colocação de

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Estratégia Competitiva é o conjunto de planos, políticas,

Leia mais

A Certificação das atividades de investigação, desenvolvimento e inovação (IDI) Alter do Chão 12 Novembro. Miguel Taborda - SPI

A Certificação das atividades de investigação, desenvolvimento e inovação (IDI) Alter do Chão 12 Novembro. Miguel Taborda - SPI A Certificação das atividades de investigação, desenvolvimento e inovação (IDI) Miguel Taborda - SPI Conteúdos. 1. O CONCEITO DE IDI (INVESTIGAÇÃO, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO) 2. A NORMA NP 4457:2007 REQUISITOS

Leia mais

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 Critérios Descrições Pesos 1. Perfil da Organização Breve apresentação da empresa, seus principais produtos e atividades, sua estrutura operacional

Leia mais

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada.

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

XLM Innovation & Technology

XLM Innovation & Technology 01. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA 2 01. Apresentação da empresa A XLM, sedeada em Aveiro, iniciou a sua atividade em 1995. Nesta data, a sua área de atuação cingia-se à venda, instalação e assistência técnica

Leia mais

A gestão da qualidade e a série ISO 9000

A gestão da qualidade e a série ISO 9000 A gestão da qualidade e a série ISO 9000 Seminário QUALIDADE E EXCELÊNCIA NA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃ ÇÃO FLUP 3 Novembro 2005 3 Novembro 2005 Maria Beatriz Marques / APQ-DRN A gestão da qualidade e a série

Leia mais

Balanced Scorecard. As quatro perspectivas de desempenho compreendem diversos indicadores, tais como:

Balanced Scorecard. As quatro perspectivas de desempenho compreendem diversos indicadores, tais como: Balanced Scorecard Inicialmente desenvolvido pelo Dr. Robert Kaplan e David Norton - Harvard, o Balanced Scorecard é uma filosofia prática e inovadora de gestão da performance das empresas e organizações.

Leia mais

Os Operadores Nacionais e a Garantia/Melhoria da Qualidade na Educação e Formação Profissional (EFP) João Barbosa. Abril de 2015

Os Operadores Nacionais e a Garantia/Melhoria da Qualidade na Educação e Formação Profissional (EFP) João Barbosa. Abril de 2015 Os Operadores Nacionais e a Garantia/Melhoria da Qualidade na Educação e Formação Profissional (EFP) João Barbosa Abril de 2015 1 A ANQEP aplicou um questionário online, em outubro de 2014. Caracterizar

Leia mais

Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental

Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental A Nestlé, na qualidade de Companhia líder em Nutrição, Saúde e Bem-Estar, assume o seu objectivo

Leia mais

10ª Semana da Responsabilidade Social. Certificação da Responsabilidade Social Geradora de confiança Base para negócios sustentáveis

10ª Semana da Responsabilidade Social. Certificação da Responsabilidade Social Geradora de confiança Base para negócios sustentáveis 10ª Semana da Responsabilidade Social Certificação da Responsabilidade Social Geradora de confiança Base para negócios sustentáveis Enquadramento geral No mundo de hoje todas as sociedades têm ambições

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005.

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. Cooperação empresarial, uma estratégia para o sucesso Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. É reconhecida a fraca predisposição

Leia mais

. evolução do conceito. Inspecção 3. Controlo da qualidade 4. Controlo da Qualidade Aula 05. Gestão da qualidade:

. evolução do conceito. Inspecção 3. Controlo da qualidade 4. Controlo da Qualidade Aula 05. Gestão da qualidade: Evolução do conceito 2 Controlo da Qualidade Aula 05 Gestão da :. evolução do conceito. gestão pela total (tqm). introdução às normas iso 9000. norma iso 9000:2000 gestão pela total garantia da controlo

Leia mais

Avaliação de Investimentos Logísticos e. Outsourcing Logístico

Avaliação de Investimentos Logísticos e. Outsourcing Logístico APLOG Centro do Conhecimento Logístico Avaliação de Investimentos Logísticos e Outsourcing Logístico Guilherme Loureiro Cadeia de Abastecimento- Integração dos processos de gestão Operador Logístico vs

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

A coleta de informações no processo de benchmarking: principais fontes utilizadas e dificuldades

A coleta de informações no processo de benchmarking: principais fontes utilizadas e dificuldades A coleta de informações no processo de benchmarking: principais fontes utilizadas e dificuldades Emiliane Januário (USP) emiliane90@hotmail.com Luiz César Ribeiro Carpinetti (USP) carpinet@prod.eesc.sc.usp.br

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO 30.1. O comércio e a indústria, inclusive as empresas transnacionais,

Leia mais

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS Data: 10/03/2001 Peter Wanke INTRODUÇÃO Localizar instalações ao longo de uma cadeia de suprimentos consiste numa importante

Leia mais

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02 Pagina 1/6 ÍNDICE 1. OBJETIVO...3 2. ABRANGÊNCIA / APLICAÇÃO...3 3. REFERÊNCIAS...3 4. DEFINIÇÕES...3 5. DIRETRIZES E RESPONSABILIDADES...4 5.1 POLITICAS...4 5.2 COMPROMISSOS...4 5.3 RESPONSABILIDADES...5

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

AA1000: Estrutura de gestão da responsabilidade corporativa. Informações gerais

AA1000: Estrutura de gestão da responsabilidade corporativa. Informações gerais AA1000: Estrutura de gestão da responsabilidade corporativa Informações gerais Produzido por BSD Brasil. Pode ser reproduzido desde que citada a fonte. Introdução Lançada em novembro de 1999, em versão

Leia mais

Influência das Práticas do Green Supply Chain Management no Desempenho Ambiental das empresas do Setor Automotivo Brasileiro

Influência das Práticas do Green Supply Chain Management no Desempenho Ambiental das empresas do Setor Automotivo Brasileiro Influência das Práticas do Green Supply Chain Management no Desempenho Ambiental das empresas do Setor Automotivo Brasileiro Autoria: Lineia Jollembeck Lopes, Mário Sacomano Neto, Eliciane Maria da Silva,

Leia mais

Motivação para o emprego do Ecodesign: : um estudo de caso na indústria automotiva

Motivação para o emprego do Ecodesign: : um estudo de caso na indústria automotiva Engenharia de Produção Motivação para o emprego do Ecodesign: : um estudo de caso na indústria automotiva Miriam Borchardt Leonel Augusto C. Poltosi Miguel A. Sellitto Giancarlo M. Pereira Introdução Ecodesign:

Leia mais

Produto mais sustentável

Produto mais sustentável Produto mais sustentável De maneira geral, um produto pode ser considerado mais sustentável por diversas razões: a) processo de fabricação com baixo impacto: consiste em produtos que eliminaram ingredientes

Leia mais

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Na parte final da fase 1 do projecto Processo de Avaliação em Contextos Inclusivos foi discutido o conceito processo de avaliação inclusiva e prepararam-se

Leia mais

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7. Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.5, 7.5.1, 7.5.2, 7.6, 7.6.1, 7.6.2 Exercícios 7 Competência

Leia mais

Normas ISO 14000. Jonas Lucio Maia

Normas ISO 14000. Jonas Lucio Maia Jonas Lucio Maia Agenda Origem das normas Normas ISO 14000 Similaridades GQ e GA Benefícios Críticas Bibliografia Origens das normas Quatro origens relacionadas: Padrões do Business Council for Sustainable

Leia mais

Controlo da Qualidade Aula 05

Controlo da Qualidade Aula 05 Controlo da Qualidade Aula 05 Gestão da qualidade:. evolução do conceito. gestão pela qualidade total (tqm). introdução às normas iso 9000. norma iso 9001:2000 Evolução do conceito 2 gestão pela qualidade

Leia mais

Permanente actualização tecnológica e de Recursos Humanos qualificados e motivados;

Permanente actualização tecnológica e de Recursos Humanos qualificados e motivados; VISÃO Ser a empresa líder e o fornecedor de referência do mercado nacional (na área da transmissão de potência e controlo de movimento) de sistemas de accionamento electromecânicos e electrónicos, oferecendo

Leia mais

ROCK IN RIO LISBOA 2014. Princípios de desenvolvimento sustentável Declaração de propósitos e valores Política de Sustentabilidade do evento

ROCK IN RIO LISBOA 2014. Princípios de desenvolvimento sustentável Declaração de propósitos e valores Política de Sustentabilidade do evento ROCK IN RIO LISBOA 2014 Princípios de desenvolvimento sustentável Declaração de propósitos e valores Política de Sustentabilidade do evento PRINCÍPIOS O Sistema de Gestão da Sustentabilidade é baseado

Leia mais

Política de Responsabilidade Corporativa. Março 2013

Política de Responsabilidade Corporativa. Março 2013 Política de Responsabilidade Corporativa Março 2013 Ao serviço do cliente Dedicamos os nossos esforços a conhecer e satisfazer as necessidades dos nossos clientes. Queremos ter a capacidade de dar uma

Leia mais

Conceito. As empresas como ecossistemas de relações dinâmicas

Conceito. As empresas como ecossistemas de relações dinâmicas Conceito As empresas como ecossistemas de relações dinâmicas PÁG 02 Actualmente, face à crescente necessidade de integração dos processos de negócio, as empresas enfrentam o desafio de inovar e expandir

Leia mais

ESCOLA PAULISTA DE NEGOCIOS DISCIPLINA: ESTRATÉGIA E PLANEJAMENTO CORPORATIVO PROFESSOR: CLAUDEMIR DUCA VASCONCELOS ALUNOS: BRUNO ROSA VIVIANE DINIZ

ESCOLA PAULISTA DE NEGOCIOS DISCIPLINA: ESTRATÉGIA E PLANEJAMENTO CORPORATIVO PROFESSOR: CLAUDEMIR DUCA VASCONCELOS ALUNOS: BRUNO ROSA VIVIANE DINIZ ESCOLA PAULISTA DE NEGOCIOS DISCIPLINA: ESTRATÉGIA E PLANEJAMENTO CORPORATIVO PROFESSOR: CLAUDEMIR DUCA VASCONCELOS ALUNOS: BRUNO ROSA VIVIANE DINIZ INTRODUÇÃO Estratégia é hoje uma das palavras mais utilizadas

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Centro Regional das Beiras Departamento de Economia, Gestão e Ciências Sociais

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Centro Regional das Beiras Departamento de Economia, Gestão e Ciências Sociais UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Centro Regional das Beiras Departamento de Economia, Gestão e Ciências Sociais UNIDADE CURRICULAR Qualidade Total e Gestão das Operações MESTRADO Gestão Negócios ANO E

Leia mais

Código de Fornecimento Responsável

Código de Fornecimento Responsável Código de Fornecimento Responsável Breve descrição A ArcelorMittal requer de seus fornecedores o cumprimento de padrões mínimos relacionados a saúde e segurança, direitos humanos, ética e meio ambiente.

Leia mais

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades;

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades; POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE OBJETIVO Esta Política tem como objetivos: - Apresentar as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente as inovações

Leia mais

ISO Revisions. ISO Revisions. Revisões ISO. Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança

ISO Revisions. ISO Revisions. Revisões ISO. Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança Revisões ISO ISO Revisions Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança Processos vs procedimentos: o que isto significa? O conceito da gestão de processo

Leia mais

O Desenvolvimento do Corporate Governance em Portugal

O Desenvolvimento do Corporate Governance em Portugal 10 ANOS DO IPCG O GOVERNO SOCIETÁRIO EM PORTUGAL O Desenvolvimento do Corporate Governance em Portugal Lisboa, 09 de Julho de 2013 SUMÁRIO 1. Acontecimentos empresariais e governance 2. Fatores normativos

Leia mais

Sustentabilidade Workshops

Sustentabilidade Workshops www.pwc.pt/academy Workshops PwC s Academy Portefólio de soluções formativas de profissionais para profissionais Workshops As empresas do futuro devem ser capazes de garantir a gestão dos seus pilares

Leia mais

Estratégia de Operações - Modelos de Formulação - Jonas Lucio Maia

Estratégia de Operações - Modelos de Formulação - Jonas Lucio Maia Estratégia de Operações - Modelos de Formulação - Jonas Lucio Maia Processo de EO Procedimentos que são, ou podem ser, usados para formular as estratégias de operações que a empresa deveria adotar (SLACK,

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

Existem três categorias básicas de processos empresariais:

Existem três categorias básicas de processos empresariais: PROCESSOS GERENCIAIS Conceito de Processos Todo trabalho importante realizado nas empresas faz parte de algum processo (Graham e LeBaron, 1994). Não existe um produto ou um serviço oferecido por uma empresa

Leia mais

Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes

Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes 1 SÉRIE DESENVOLVIMENTO HUMANO FORMAÇÃO DE LÍDER EMPREENDEDOR Propiciar aos participantes condições de vivenciarem um encontro com

Leia mais

MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLÍTICA

MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLÍTICA MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLÍTICA VISÃO Ser a empresa líder e o fornecedor de referência do mercado nacional (na área da transmissão de potência e controlo de movimento) de sistemas de accionamento electromecânicos

Leia mais

Um Modelo de Mensuração da Contribuição da Gestão do Conhecimento em Projetos

Um Modelo de Mensuração da Contribuição da Gestão do Conhecimento em Projetos 1 Um Modelo de Mensuração da Contribuição da Gestão do Conhecimento em Projetos José Renato Sátiro Santiago Junior 1. Introdução A estruturação de processos voltados para a medição e monitoramentos das

Leia mais

Logística Reversa - Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais

Logística Reversa - Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais Logística Reversa - Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais Leonardo Lacerda Introdução Usualmente pensamos em logística como o gerenciamento do fluxo de materiais do seu ponto

Leia mais

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA SUMÁRIO Apresentação ISO 14001 Sistema de Gestão Ambiental Nova ISO 14001 Principais alterações e mudanças na prática Estrutura de alto nível Contexto

Leia mais

MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000)

MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000) MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000) Ao longo do tempo as organizações sempre buscaram, ainda que empiricamente, caminhos para sua sobrevivência, manutenção e crescimento no mercado competitivo.

Leia mais

Autor(es) FELIPE DE CAMPOS MARTINS. Orientador(es) ALEXANDRE TADEU SIMON. Apoio Financeiro PIBITI/CNPQ. 1. Introdução

Autor(es) FELIPE DE CAMPOS MARTINS. Orientador(es) ALEXANDRE TADEU SIMON. Apoio Financeiro PIBITI/CNPQ. 1. Introdução 19 Congresso de Iniciação Científica GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS: APRIMORAMENTO DA METODOLOGIA DE DIAGNOSTICO E PROPOSIÇÃO DE UM MÉTODO PARA IMPLANTAÇÃO BASEADO EM PROCESSOS DE NEGÓCIO Autor(es) FELIPE

Leia mais

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Página 1 NORMA ISO 14004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio (votação 10/02/96. Rev.1) 0. INTRODUÇÃO 0.1 Resumo geral 0.2 Benefícios de se ter um Sistema

Leia mais

A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel.

A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel. A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel. Projecto A Oficina+ ANECRA é uma iniciativa criada em 1996, no âmbito da Padronização de Oficinas ANECRA. Este projecto visa reconhecer a qualidade

Leia mais

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Como as pessoas tendem a imitar os seus líderes, estes devem-se empenhar e comprometer-se com o QSSA, para servirem

Leia mais

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions ISO 9001 Relatórios A importância do risco em gestao da qualidade Abordando a mudança BSI Group BSI/UK/532/SC/1114/en/BLD Contexto e resumo da revisão da ISO 9001:2015 Como uma Norma internacional, a ISO

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE. Norma NBR ISO 9001:2008

Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE. Norma NBR ISO 9001:2008 Título Manual da Qualidade Folha: 1 de 20 Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE Norma NBR ISO 9001:2008 Título Manual da Qualidade Folha: 2 de 20 Título Manual da Qualidade Folha: 3 de 20 Índice 1. Apresentação...

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

Lean Maintenance: perspectiva de manufatura competitiva e sustentável

Lean Maintenance: perspectiva de manufatura competitiva e sustentável Lean Maintenance: perspectiva de manufatura competitiva e sustentável Autores Dr. José Barrozo de Souza PPGEP-UNIP (Apresentação) Dr. José Benedito Sacomano PPGEP-UNIP Dr. Sérgio Luiz Kyrillos PPGEP-UNIP

Leia mais

Análise interna. Adelcio Machado adelcio@redelnet.com.br. Cincinato Lui Cordeiro cincinato@hotmail.com. Gisele Mazon gisele.mazon@unisul.

Análise interna. Adelcio Machado adelcio@redelnet.com.br. Cincinato Lui Cordeiro cincinato@hotmail.com. Gisele Mazon gisele.mazon@unisul. Análise interna Adelcio Machado adelcio@redelnet.com.br Cincinato Lui Cordeiro cincinato@hotmail.com Gisele Mazon gisele.mazon@unisul.br Roberto de Medeiros Junior roberto.medeiros.junior@hotmail.com Fernando

Leia mais

AUDITORIAS DE VALOR FN-HOTELARIA, S.A.

AUDITORIAS DE VALOR FN-HOTELARIA, S.A. AUDITORIAS DE VALOR FN-HOTELARIA, S.A. Empresa especializada na concepção, instalação e manutenção de equipamentos para a indústria hoteleira, restauração e similares. Primeira empresa do sector a nível

Leia mais

3 Análise para a definição da estratégia

3 Análise para a definição da estratégia 3 Análise para a definição da estratégia O presente capítulo aborda os aspectos relacionados à transação sob dois prismas, sendo o primeiro o Transaction Cost Theory (TCT), no qual o foco é a análise dos

Leia mais

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE 1. OBJETIVO E ABRANGÊNCIA Esta Política tem como objetivos: Apresentar de forma transparente os princípios e as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e direcionam

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais

5 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos

5 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos 5 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos 5.1 Conceitos e definições do supply chain management O conceito ou definição do SCM é algo recente na literatura especializada, datado mais precisamente da metade

Leia mais

ANA BEATRIZ LOPES DE SOUSA JABBOUR

ANA BEATRIZ LOPES DE SOUSA JABBOUR IDENTIFICAÇÃO DAS MOTIVAÇÕES E BARREIRAS PARA A ADOÇÃO DE PRÁTICAS AMBIENTAIS EM CADEIAS DE SUPRIMENTOS: ESTUDO DE CASOS NO SETOR DE BATERIAS AUTOMOTIVAS DENISE FRANCO ( denifranco00@hotmail.com ) UNIVERSIDADE

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão: 07 Data: 05.03.09 Página 1 de 7 Copia controlada MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE José G. Cardoso Diretor Executivo As informações contidas neste Manual são de propriedade da Abadiaço Ind. e Com.

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM-ESTAR NO TRABALHO

POLÍTICA DE SEGURANÇA POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM-ESTAR NO TRABALHO POLÍTICA DE SEGURANÇA POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM-ESTAR NO TRABALHO Política de SEGURANÇA Política de SEGURANÇA A visão do Grupo Volvo é tornar-se líder

Leia mais

POLÍTICA DE AMBIENTE, QUALIDADE E SEGURANÇA

POLÍTICA DE AMBIENTE, QUALIDADE E SEGURANÇA HOMOLOGAÇÃO: José Eduardo Carvalho 14-03- Pág. 2 de 5 A Tagusgás subscreve a Política AQS da Galp Energia. A Política AQS da Tagusgás foi definida tendo em consideração os Objectivos Estratégicos do Grupo

Leia mais

Mensagens ambientais da HP

Mensagens ambientais da HP Mensagens ambientais da HP Definição da promessa Projeto para o meio ambiente Por ser líder ambiental há décadas no setor tecnológico, a HP faz a diferença com um projeto abrangente de estratégia ambiental,

Leia mais

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning Curso e- Learning Planejamento Estratégico através do Balanced Scorecard Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa

Leia mais

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO O QUE É NÍVEL DE SERVIÇO LOGÍSTICO? É a qualidade com que o fluxo de bens e serviços

Leia mais

decisões tomadas. Euchner e Ries (2013) argumentam, entretanto, que é difícil implementar o planejamento tradicional e a previsão de resultados em

decisões tomadas. Euchner e Ries (2013) argumentam, entretanto, que é difícil implementar o planejamento tradicional e a previsão de resultados em 1 Introdução Não é recente a preocupação das empresas em buscar uma vantagem competitiva, de forma a gerar mais valor para os seus clientes do que os concorrentes por meio da oferta de produtos ou serviços

Leia mais

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática A Abiquim e suas ações de mitigação das mudanças climáticas As empresas químicas associadas à Abiquim, que representam cerca

Leia mais

Asseguração de Relatórios de Sustentabilidade Denise Saboya 23 de setembro de 2009

Asseguração de Relatórios de Sustentabilidade Denise Saboya 23 de setembro de 2009 Asseguração de Relatórios de Sustentabilidade Denise Saboya 23 de setembro de 2009 Relembrando conceitos de sustentabilidade Desenvolvimento Econômico Responsabilidade Social Maximização do retorno do

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO. Requisitos e Diretrizes para a Integração de Sistemas de Gestão PAS 99:2012

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO. Requisitos e Diretrizes para a Integração de Sistemas de Gestão PAS 99:2012 Risk Tecnologia Coleção Risk Tecnologia SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO Requisitos e Diretrizes para a Integração de Sistemas de Gestão PAS 99:2012 Aplicável às Atuais e Futuras Normas ISO 9001, ISO 14001,

Leia mais