Logística, gerenciamento de cadeias de suprimento e organização do fluxo de produtos. Comecemos nosso estudo pela colocação das seguintes questões?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Logística, gerenciamento de cadeias de suprimento e organização do fluxo de produtos. Comecemos nosso estudo pela colocação das seguintes questões?"

Transcrição

1 WANKE, Peter F. Estratégia Logística em Empresas Brasileiras. Uso exclusivamente interno para acompanhamento às aulas Logística, gerenciamento de cadeias de suprimento e organização do fluxo de produtos Comecemos nosso estudo pela colocação das seguintes questões? O que é logística? O que é cadeia de suprimento?

2 Segundo Lambert et al (1998), gerenciamento da cadeia de suprimento seria muitas vezes percebido como a simples extensão da logística, quando são incorporados os clientes e os fornecedores de uma empresa.

3 A clássica definição conceitual proposta pelo Council of Supply Chain Management Professionals (CSMP) para logística: Logística é a parte do gerenciamento de cadeias de suprimento responsável pelo planejamento, implementação e controle, de modo eficiente e eficaz, do fluxo e armazenagem de produtos (bens e serviços) e informações relacionadas, do ponto de origem até o ponto de consumo, com vistas ao atendimento das necessidades dos clientes.

4 Definição conceitual apresentada em 1998 pelo Global Supply Chain Forum : O gerenciamento de cadeias de suprimento consiste na integração dos principais processos de negócio a partir do consumidor final para o fornecedor inicial de produtos serviços e informações que adicionam valor.

5 A Logística e a organização do fluxo de produtos Premissas e paradigmas em logística nos últimos 50 anos: de Custo total (todos os gastos necessários para desenvolvimento das necessidades logísticas) O conceito na distribuição de componentes eletrônicos, os aumentos no custo de transporte expresso da fábrica para os clientes eram mais do que compensados por reduções nos custos de oportunidade de manutenção de estoques e de operação de armazéns. E qual a justificativa para este conceito?

6 Justificativa: custo de manutenção de estoques como uma medida de consumo de capital de giro somado a um fluxo de produtos de uma determinada intensidade e de um terminado tempo.(operadores logísticos/cross docking)

7 Paradigmas e Premissas em Logística da Melhoria de processos - Segundo Shingo (1989), os processos seriam constituídos fundamentalmente pelo acompanhamento do objeto do trabalho (p. ex. produtos) no tempo e no espaço. Objeto do trabalho seriam os fluxos de produtos Sujeitos do trabalho seriam as máquinas, veículos, empilhadeiras recursos de modo geral Frederick W. Taylor estudos limitados ao homem e a máquina /Shingo (1989) novo paradigma eixo central das melhorais deveria voltar-se para o processo, para o fluxo de produtos Obs: Slides: Aula sobre Estruturas de Armazenagem

8 Premissa do ressuprimento enxuto Cristopher (1997) considera que para determinadas características do produto e da demanda o ressuprimento enxuto não seria a política mais apropriada. Exemplo: Entrega de pequenas quantidades, maior frequência, no momento previsto x desafio de não aumentar custos. O ressuprimento enxuto pode não ser o mais adequado ou justificar-se para componentes de baixo custo, e em demandas de difícil previsão.

9 Premissa da presença local Antes (segunda metade do séc. XIX) Crença de estoques locais mantidos em cada região atendida como condição para prestação de um serviço adequado (BALLOU, 1992). (Abertura de Cds, infraestrutura logística: rodovias, portos, aeroportos, ferrovias) Últimas duas décadas aperfeiçoamento dos serviços de transporte, tecnologias de informação reduzindo o tempo de processar os pedidos e as informações sobre o andamento da entrega em tempo real.

10 PARADIGMA DO CUSTO TOTAL PREMISSA DO RESSUPRIMEN TO ENXUTO Minimizar custo total para determinado nível de serviço PARADIGMA DE MELHORIA DE PROCESSOS Planejamento fluxo de produtos deve ser o principal e não nível de LOGÍSTICA EMPRESARIAL Ressuprimento de pequenas quantidades e elevada frequência PREMISSA DA PRESENÇA LOCAL Estoques de fornecedores próximos aos clientes e utilização dos recursos consumidores PREMISSAS E PARADIGMAS QUE MOLDARAM A LOGÍSTICA NOS ÚLTIMOS 50 ANOS. Adaptado de (Wanke,2010, p.3)

11 Planejamento, controle e tomada de decisões logísticas Receberam importantes subsídios a partir dos paradigmas e premissas que moldaram a logística. Exemplos de decisões tomadas com base nos tradeoffs de custo: Escolha de modal de transporte (como se verifica?), escolha entre distribuição direta e distribuição via CD, escolha entre produção para estoque e produção contra pedido, consolidação de carregamentos, dentre outras.

12 Pode-se dizer que a Logística é uma ferramenta gerencial (braço operacional) do marketing? Em sendo, como se desenvolveriam suas ações?

13 Como ferramenta gerencial do marketing, deve-se considerar os 4Ps ou do composto mercadológico. Preço, produto, promoção e praça. Logística como ferramenta gerencial do marketing produto preço promoção praça (serviço ao cliente) Planejamento/tomada de decisão em logística devem observar as inter-relações de custo entre seus componentes decisão estoque decisão de compras decisão armazenagem decisão de transporte decisão processamento de pedidos Adaptado de Logística como ferramenta gerencial de marketing (Wanke, 2010, p.6)

14 A logística deve atender aos níveis estabelecidos para prestação de serviço ao cliente, de acordo com as estratégias de marketing. Deve adequar-se ao menor custo total de: transporte, armazenagem, proc. pedidos, estoques, compras e vendas.

15 Excelência em logística é preciso atender: Redução de custos ou a melhoria do nível de serviços? Existe um paradigma entre Custo e Qualidade de serviço? Trade-offs da área de operações (Ver Slide 11) Evidências empíricas apontam que a logística está ancorada nas seguintes dimensões: Sucesso do cliente, integração interna, integração externa, processos baseados no tempo, mensuração de desempenho e benchmarking.

16 benchmarking - processo sistemático de comparações entre processos semelhantes e, a partir delas, a promoção de melhorias que permitam que determinada atividade tenha excelência quando comparada com outras equivalentes em empresas do mesmo setor ou de outros setores da economia (FIGUEIREDO et al, 2003, p.99)

17 Sucesso das empresas depende do sucesso dos clientes (minimizar custo total ($) e maximizar o nível de serviços (NS) ) SUCESSO DO CLIENTE Serviços customizados/martins INTEGRAÇÃO INTERNA INTEGRAÇÃO EXTERNA PROCESSOS BASEADOS NO TEMPO MENSURAÇÃO DESEMPENHO Trade-offs de custo Estrutura organizacional, TIC Relacionamentos cooperativos ECR, CPFR, etc. Resposta rápida das operações Benchmarking

18 Mensuração de desempenho na logística Qual é a sua aplicação na empresa? Medir e controlar sua importância. Artigo sobre mensuração de desempenho (parte 1) NÍvel de serviço Custos de serviço

19 Gerenciamento de cadeias de suprimento avaliar estratégias dos canais de distribuição FONECEDORES FABRICANTE (FÁBRICA) CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO REGIONAL ATACADISTA DISTRIBUIDOR CENTRO DISTRIBUIÇÃO CADEIA DE VAREJO COOPERATIVAS /OUTRAS INSTITUIÇÕES.com merce VAREJISTAS CONSUMIDORES PÓS-VENDA LOGÍSTICA REVERSA QUAIS SÃO E COMO SE COMPORTAM OS FLUXOS REVERSOS?

20 Necessidade de integração na cadeia de suprimentos: Deriva por exemplo da necessidade de desenvolvimento de novos produtos necessitando: - que o marketing estabeleça o conceito do produto; - que haja uma pesquisa para o desenvolvimento do projeto do produto; - avaliação e projeção da capacidade produtiva; - logística para executar as operações; - finanças para estruturação do projeto de investimento; - Avaliação das competências funcionais dos colaboradores.

21 O gerenciamento da cadeia de suprimentos é na realidade o esforço de integração dos diversos membros do canal de distribuição através da administração compartilhada de diferentes processos-chave de negócio. E quais seriam estes processos-chave de negócio?

22 Relacionamento com clientes equipes focadas nos clientes estratégicos Serviço ao cliente atendimento de forma eficiente e eficaz Administração da demanda análise dos dados da demanda Atendimento de pedidos entrega sem erros Administração do fluxo de produção sistemas de produção flexíveis Compras/suprimento parcerias com fornecedores Desenvolvimento de novos produtos envolvimento dos fornecedores no projeto de produto, pesquisa e desenvolvimento

23 Cadeia de suprimento necessidade de equipes multifuncionais Logística, suprimentos/compras, fabricação, administração de estoque, serviço ao cliente e sistemas de informação Demais funções participantes : RH, marketing, vendas, promoções, P & D.

24 Programas de resposta rápida (PRRs) São serviços logísticos que se concretizam com base nas parcerias e compartilhamento de informações no seguinte fluxo: FORNECEDOR ELEMENTOS COMPLEMENTARES DA CADEIA CLIENTE

25 Compartilhamento de informações nos PRRs Podem ser utilizadas de duas formas: Compartilhamento de informações Consignação de estoques Adaptar princípios STP 1)Ressuprimento enxuto, 2)Melhoria contínua, 3)Maior ênfase na distribuição Aprimorar fluxo empurrado 1)Previsão de vendas, 2)Programação da produção, 3)Maior ênfase na produção ECR, CRP CPFR, QR, VMI, JIT II

26 Cinco forças de Porter O modelo das Cinco Forças de Porter foi concebido por Michael Porter em 1979 e destina-se à análise da competição entre empresas. Considera cinco fatores, as "forças" competitivas, que devem ser estudados para que se possa desenvolver uma estratégia empresarial eficiente. Porter refere-se a essas forças como microambiente, em contraste com o termo mais geral macroambiente. Utilizam dessas forças em uma empresa que afeta a sua capacidade para servir os seus clientes e obter lucros. Uma mudança em qualquer uma das forças normalmente requer uma nova pesquisa (análise) para reavaliar o mercado. Porter avalia que a estratégia competitiva de uma empresa deve aparecer a partir da abrangência das regras da concorrência que definem a atratividade de uma indústria.

27 QUICK RESPONSE (QR) Resposta rápida - Fornecedores recebem os dados coletados nos pontos de venda do cliente e utilizam a informação para sincronizar suas operações de produção e manutenção de estoques com as vendas reais do cliente. - Pedidos continuam sendo colocados individualmente pelos clientes. Porém os dados do PV (ponto de venda) são utilizados pelo fornecedor para aprimoramento da previsão e programação. Crossdocking Informação de vendas em tempo real Pedidos colocados Fornecedor Produção + estoques CD crossdocking Varejista Consumidor

28 Continuons Replenishment(CR) - Reposição contínua - Os fornecedores recebem os dados do ponto de venda, para programar as entregas (carregamentos) em intervalos regulares, garantindo a oscilação dos níveis de estoque no cliente entre limites máximo e mínimo. - Os limites máximo e mínimo podem sofrer variações? - Procter & Gamble / Wal Mart Ressuprimento das Fraldas Pampers, pioneirismo.

29 Efficient Consumer Response (ECR) Resposta eficiente ao consumidor - Fabricantes e supermercadistas acordaram em comprometer-se quanto ao: compartilhamento de informações em tempo real, gerenciamento de categorias, reposição contínua, custeio baseado em atividades e padronização. Reposição contínua Just in time Compartilhamento de informações Montagem carregamen tos Gerenciamento de categorias Definição /ajustes no mix produtos Padronização Normas e rotinas Custeio Baseado em atividades Quantif. das melhorias operacionais/ecr

30 Collaborative Planning, Forecasting and Replenishement (CPFR) Planejamento colaborativo, previsão e reabastecimento - Constitui uma extensão do CRP/ECR, através do qual os fabricantes e varejistas compartilham sistemas e o processo de previsão de vendas. - Previsão de vendas mais precisas para determinado sku, região geográfica, conforme objetivos/estratégias a serem atingidas. - Iniciativa inicial desenvolvida pela Nabisco para acesso aos dados no PDV.

31 Vendor Managed Inventory (VMI) Estoque gerenciado pelo fornecedor - Resumidamente a rotina do VMI, envolve: - Rever a posição em estoque de cada sku por loja da cadeia varejista. - Checar a disponibilidade do sku no estoque do fabricante, em função de ordens de produção liberadas anteriormente e defasadas do tempo de resposta. - Projetar as necessidades líquidas de estoque por sku para cada loja da cadeia varejista NL = previsão de vendas (estoque em mãos + recebimentos programados e não recebidos) = previsão de vendas posição em estoque (questão do corte na previsão) - Checar se as necessidades líquidas projetadas caem abaixo dos níveis de estoque de segurança. (precisão dos inventários de estoque). - Programar os embarques por sku por loja para próximos períodos.

32 Just in time - Just in time é um sistema de administração da produção que determina que nada deve ser produzido, transportado ou comprado antes da hora exata. Pode ser aplicado em qualquer organização, para reduzir estoques e os custos decorrentes. O just in time é o principal pilar do Sistema Toyota de Produção ou produção enxuta. Com este sistema, o produto ou matéria prima chega ao local de utilização somente no momento exato em que for necessário. Os produtos somente são fabricados ou entregues a tempo de serem vendidos ou montados. O conceito de just in time está relacionado ao de produção por demanda, onde primeiramente vende-se o produto para depois comprar a matéria prima e posteriormente fabricá-lo ou montá-lo.

33 Just in time II - JIT II Extensão lógica do regime de produção JIT para fora da empresa. Fornecedor disponibiliza um funcionário para atuar no cliente. Funcionário conhecido como in plant: O in plant substitui as funções do comprador e do planejador no cliente e a função do vendedor no fornecedor. DECISÕES : Quanto à Programação de produção, aquisição de insumos e envolvimento em projetos de engenharia simultânea JIT II AMPLIAR E APERFEIÇOAR A CAPACIDADE DE RESPOSTA DO FORNECEDOR

34 Sintese dos PRRs PRR Quem decide a reposição Como decide a reposição Propriedade dos estoques Como o fornec. utiliza os dados da demanda Quick Response (Resposta Rápida) Cliente Previsão de vendas é independente do fornecedor Cliente Aprimorar previsão de vendas e sincronização das operações Continuons Replenishment ( Reposição Contínua) Fornecedor Com base na posição de estoque. O nível de reposição é decidido em conjunto Fornecedor/ Cliente Atualizar posição de estoque e modificar nível de reposição em conjunto com varejo

35 Sintese dos PRRs - continuação PRR Efficient Consumer Response (Resposta Eficiente ao Consumidor) Collaborative Planning, Forecasting and Replenishement (Planejamento Colaborativo, Previsão e Reabastmento) Quem decide a reposição Fornecedor Fornecedor Como decide a reposição Com base na posição de estoque. O nível de reposição é decidido em conjunto Com base na posição de estoque. O nível de reposição é decidido em conjunto Propriedade dos estoques Fornecedor/ Cliente Fornecedor/ Cliente Como o fornec. utiliza os dados da demanda Atualizar posição de estoque e modificar nível de reposição em conjunto com varejo Aprimorar a previsão de vendas e sincronização das operações com participação do cliente

36 Sintese dos PRRs - continuação PRR Vendor Managed Inventory (Estoque Ger. pelo Forn.) Quem decide a reposição Fornecedor Como decide a reposição Com base na necessidade líquida projetada NL = PV -PE e PE = EM + PPCNR Jus in Time In-plant De acordo com o sistema de suporte à decisão do cliente Propriedade dos estoques Fornecedor/ Cliente ou Consignado Fornecedor/ Cliente Como o fornec. utiliza os dados da demanda Gerar previsão de vendas e projetar necessidade líquida Aprimorar a previsão de vendas e sincronização das operações

37 Processamento de pedidos Tendências tecnológicas Processamento de pedidos Espinha dorsal do sistema logístico Coordenação dos trade-offs de custo e de serviços na: - Escolha do modal de transporte, alocação de estoques (preparação da lista de coleta e embalagem), coleta e embalagem em si, atualização dos níveis de estoque (através do balanço da entrada e saída de produtos), preparação dos documentos fiscais e carregamento. - Ciclo do pedido = desde a decisão do cliente em efetuar o pedido até o momento em que recebe esse pedido e efetua o pagamento. O gerente pergunta ao vendedor se o pedido foi tirado? Resposta?

38 Quais são as etapas principais do ciclo do pedido? Preparação Transmissão Atendimento Entrega Limitações tecnológicas dos sistemas de processamento de pedidos: - Quanto ao prazo de atendimento, D + 1, D+ 2, D + 0? - Resposta do fornecedor ao cliente em razão das flutuações de demanda. - Erros nos registros de acordos comerciais e emissão de documentos.

39 Principais causas que podem comprometer os tempos de resposta dos ciclos de pedido : -atraso na transmissão do pedido, de Quanto ao fluxo de informações mora na negociação dos descontos e prioridade no atendimento Quanto ao fluxo de produtos -disponibilidade de estoque, espera para consolidação de carregamento, atrasos diversos no transporte e difi culdades para entrega nos clientes. Informações nos pontos de venda por scanner ótico e a rápida transmissão aos fornecedores, permite sincronizar a reposição dos estoques/demanda/ciclos do pedido.

40 Planejamento e administração do transporte de carga - É o principal componente dos sistemas logísticos das empresas - Sua importância pode ser medida através dos indicadores (pelo menos 3): - Custo, faturamento e lucro.

41 Representatividade do transporte de carga nas empresas - 64% dos custos logísticos, 4,3% do faturamento e em alguns casos é superior ao dobro do lucro. - Administração do transporte envolve: DECISÕES ESTRATÉGICAS De longo prazo Aspectos estruturais DECISÕES OPERACIONAIS De curto prazo Tarefas do dia a dia

42 Custo de transporte em alguns setores (% do faturamento) Setor Participação (% do faturamento) Varejo 1,40% Cosméticos 2,60% Alimentos embalados 4,50% Alimentos básicos 6,00% Celulose e papel 7,10% - São quatro as principais decisões estratégicas no transporte: - Escolha do modal, propriedade da frota, seleção e negociação com fornecedores e política de consolidação. - Decisões curto prazo: programação entregas e auditoria fretes

43 Modais de transporte de cargas - Na sequência: Rodoviário, ferroviário, aquaviário, dutoviário e aéreo.

44 Propriedade da frota - Decisão quanto a manter frota própria ou utilizar a frota de terceiros deve levar em consideração: questões de custo, qualidade do serviço e rentabilidade financeira das alternativas. - Características como tamanho da operação, competência gerencial interna, competitividade, competência do setor, existência de carga de retorno e os modais a serem utilizados, também contribuem para a decisão quanto a propriedade da frota. Explique por que a decisão quanto a manter frota própria ou terceirizada pode constituir um diferencial perante a concorrência?

45 Administração da armazenagem principais decisões - Custos de armazenagem são responsáveis por 19% dos custos logísticos. - Transporte representam 64% dos custos e estoques, 17%. - Benefícios obtidos desde que bem gerenciados: - Economia de transporte (consolidação de cargas), economias de produção (maiores lotes), reduções de preços nas negociações em função de volumes e compras antecipadas. - Atendimento das variações de mercado e garantia da disponibilidade de produtos e variedade de mix.

46

47 A Armazenagem antes vista como custo do negócio, devido a guarda de estoques, passa nos dias atuais a condição de instrumento de competitividade. Missão viabilizar a melhor gestão do fluxo de suprimentos + informações dentro do CD - CDs chegaram para atender: JIT da indústria automobilística, os PRRs, aumento dos sku s (stock keeping units), pressão para melhores níveis de serviço e qualidade.

48 Operadores logísticos Diversos fatores têm contribuído para o crescimento dos CDs: - Explosão do comércio eletrônico e das Vendas de produtos on-line. - De acordo com a Associação Brasileira de Movimentação e Logística; - Operador logístico é o fornecedor de serviços logísticos especializado em gerenciar e executar todas ou parte das atividades logísticas nos diferentes estágios da cadeia de suprimentos de seus clientes, que tenha competência para, no mínimo prestar simultaneamente serviços nas atividades de controle de estoques, armazenagem e gestão de transportes. Os demais serviços oferecidos são diferenciais de cada operador.

49 Operadores logísticos - Do ponto de vista dos tipos de serviço oferecidos, os OLs (operadores logísticos) podem ser classificados em: - Funcionais e integradores SERVIÇOS DE TRANSPORTE, ARMAZENAGEM E CONSOLIDAÇÃO/ ETIQUETAGEM LOGÍSTICAS COMPLETAS DESENVOLVIMEN TO DE PROJETOS LOG. COMPLEXOS PARA CLIENTES ESPECÍFICOS

50 Operadores Logísticos Demanda de Serviços atendidos Adaptado Wanke (2010) Fonte: Rev.Tecnologística ) Armazenagem 98% Controle de Estoque 97% Distribuição 97% Coordenação 96% Transferência 93% Desenvolvimento de projetos 92% Porta a Porta 91% Embalagem 90% Montagem de Kits e Conjuntos 90% Logística Reversa 82% Suporte fiscal 75% Gerenciamento intermodal 73% Outros (JIT, Milk-Run,Imp/Exp e Despacho aduaneiro) 73%, 69% e 53% respectivamente

51 Sistemas de administração das operações de produção São Materiais, equipamentos, pessoas, fornecedores e distribuidores Para operacionalizar as decisões sobre o que, quanto, quando, onde e com que recursos produzir Dentre as lógicas de programação, destacamos o Manufacturing Resources Planning (MRP II).

52 Sistemas de administração das operações de produção - MRP - Sistema de administração da produção de grande porte mais implantado pelas empresas no mundo desde os anos Modularização do MRP Plano mestre de produção (1) Planejamento no chão de fábrica (4) Planejamento das necessidades de materiais (2) Planejamento dos recursos de capacidade (3) (1)Master Production Scheduling MPS para itens de demanda independente (produtos acabados), (2)Materials Requeriment Planning - MRP para itens de demanda dependente (matérias-primas), (3)Capacity Resource Planning CRP, (4)Shop Floor Control - SFC

53 Sistemas de administração das operações de produção Previsão agregada Estrutura do MRPII Integração SOP MKT, FIN,P&D Previsão detalhada Políticas de estoque Rot., tepos cetros RCCP CRP MPS Parametri zação MRP Itens e estrutu ras Regists. de estques Compras SCF

54 A análise de capacidade é verificada em dois momentos diferentes no ciclo MRP. No primeiro momento, é feito um corte grosseiro de capacidade ("Rough Cut Capacity Planning" RCCP), quando se procura estabelecer uma relação direta entre o programa mestre de produção e a carga dos centros produtivos. Esta primeira análise permite, em princípio, que, mesmo sem rodar o ciclo completo no nível de detalhe da explosão de materiais e carga dos centros, se verifique preliminarmente a viabilidade do programa mestre proposto.

55 MRP desenvolvimento MPS plano mestre de produção. Com base em informações da carteira de pedidos, previsão de vendas, estoques iniciais de produtos acabados, são determinados: quando e quanto produzir dos itens de demanda independente (produtos acabados). (Comentário sobre previsão para fábrica: comitê, planilhas de controle, ações de mercado, condições da fábrica, S + 1, etc.) MRP planejamento das necessidades de materiais. A partir do MPS, o MRP, explode as necessidades de produtos acabados em itens e componentes defasados no tempo em função dos respectivos tempos de resposta. O sistema programa as ordens de compra e de produção para o período adequado sem comprometer os prazos de entrega. CRP planejamento dos recursos de capacidade. Após a explosão (desmembramento) dos produtos em itens componentes, na capacidade dos recursos e no histórico dos recursos pelos itens componentes, calcula-se as necessidades de capacidade produtiva para cumprir o plano de materiais, determinando sua viabilidade ou não. SCF planejamento no chão de fábrica. O SCF carrega as ordens do próximo período nas máquinas segundo prioridades predefinidas e segundo uma lógica de programação finita baseada em regras de sequenciamento.

56

57

58

59

60 Gestão de estoques na cadeia de suprimentos Onde estão os estoques na cadeia de suprimentos? Matérias primas Estoques na cadeia de suprimentos Produtos semiacabados Produtos acabados

61 Gestão de estoques na cadeia de suprimentos Estágio da cadeia de suprimentos onde está localizado o estoque? Estágio pode estar localizado em função de diferentes atributos Visibilidade da demanda Tempo de resposta Tipos de operação

62 Gestão de estoques na cadeia de suprimentos Além da informação/orientação sobre a demanda deve-se também observar os tempos de resposta das operações na política de atender à demanda (por planejamento ou reação?) Com relação a localização dos estoques (centralizado ou descentralizado): cabe destacar quatro características : giro, tempo de resposta, disponibilidade exigida e custo adicionado.

63 Quanto maior o giro (maior taxa de renovação dos estoques) maior a tendência à descentralização, pois a perecibilidade e obsolescência são menores, em função do maior giro menor proporção de custos fixos de armazenagem absorvidos pelo item. (Obs: posição/palete no estoque pagamento pelo pico) Quanto maior o tempo de resposta desde a colocação do pedido até o atendimento ao cliente final, maior a tendência à descentralização dos estoques com vistas a um atendimento mais rápido. Quanto maior a disponibilidade exigida, maior a tendência a posicionar o produto próximo do cliente final.

64 Consignação de estoques e estoque zero Consignação para o item com elevado custo adicionado, elevado custo de oportunidade de manutenção do estoque. - Item crítico para o cliente, devido a exigência de disponibilidade imediata, deve estar localizado próximo ao processo produtivo, de distribuição e de suprimento. - Item com elevado giro, que permita ao fornecedor manter ou aumentar seu retorno sobre o investimento, mesmo que ocorra redução nas margens de contribuição por unidade de produto (em função do alongamento do clico de caixa) Estoque zero para o item com elevado custo adicionado, baixo giro e baixa exigência com relação a sua disponibilidade imediata, por exemplo produtos tais como: Experiência com estoque zero, comentário!

65 o bem de capital que é um tipo de bem usado na produção outros bens, mas que não é diretamente incorporado no produto final. Bem de capital inclui fábricas, máquinas, ferramentas, equipamentos, e diversas construções que são utilizadas para produzir outros produtos para consumo. Também conhecidos como bem de produção. Um significado mais amplo, considera também as matérias primas usadas na produção. Equipamentos tais como os hospitalares mais caros, como os tomógrafos computadorizados. Veja exemplo a seguir de política de estoques. Decisão de política de estoque com base em modelo gestão de estoques/produção Política gestão Modelo de gestão de estoque Quanto pedir estoques Planejar e antecipar programação Necessidades líquidas MPS/MRP- Qto pedir =lote de reposição ou qdo a posição est. for < est. segurança e tempo de resposta

Logística, gerenciamento de cadeias de suprimento e organização do fluxo de produtos. Comecemos nosso estudo pela colocação das seguintes questões?

Logística, gerenciamento de cadeias de suprimento e organização do fluxo de produtos. Comecemos nosso estudo pela colocação das seguintes questões? WANKE, Peter F. Estratégia Logística em Empresas Brasileiras. Uso exclusivamente interno para acompanhamento às aulas Logística, gerenciamento de cadeias de suprimento e organização do fluxo de produtos

Leia mais

Logística, gerenciamento de cadeias de suprimento e organização do fluxo de produtos. Comecemos nosso estudo pela colocação das seguintes questões?

Logística, gerenciamento de cadeias de suprimento e organização do fluxo de produtos. Comecemos nosso estudo pela colocação das seguintes questões? WANKE, Peter F. Estratégia Logística em Empresas Brasileiras. Uso exclusivamente interno para acompanhamento às aulas Logística, gerenciamento de cadeias de suprimento e organização do fluxo de produtos

Leia mais

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos JOGO DA CERVEJA Experimento 3: Abordagem gerencial hierárquica e centralizada Planejamento Integrado e Nivelado de todos os Estágios de Produção e Distribuição JOGO DA CERVEJA Experimento e 3: Integrando

Leia mais

Supply Chain Management Gerenciamento da cadeia de suprimentos. Prof. Paulo Medeiros

Supply Chain Management Gerenciamento da cadeia de suprimentos. Prof. Paulo Medeiros Supply Chain Management Gerenciamento da cadeia de suprimentos. Prof. Paulo Medeiros Supply Chain Management O período entre 1980 e 2000 foi marcado por grandes transformações nos conceitos gerenciais,

Leia mais

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi e Sistema Integrado Objetivos do Tema Apresentar: Uma visão da logística e seu desenvolvimento com o marketing. A participação da logística como elemento agregador

Leia mais

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos JOGO DA CERVEJA Experimento e 2: Abordagem gerencial hierárquica e centralizada Planejamento Integrado de todos os Estágios de Produção e Distribuição Motivação para um novo Experimento Atender à demanda

Leia mais

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 2. Logística de Resposta Rápida. Contextualização. Prof. Me. John Jackson Buettgen

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 2. Logística de Resposta Rápida. Contextualização. Prof. Me. John Jackson Buettgen Logística Empresarial Aula 2 Evolução da Disciplina O papel da Logística Empresarial Aula 1 A flexibilidade e a Resposta Rápida (RR) Aula 2 Operadores logísticos: conceitos e funções Aula 3 Prof. Me. John

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Gerenciamento Logístico Gerenciamento Logístico A missão do gerenciamento logístico é planejar

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009 LOGÍSTICA EMPRESARIAL Rodolfo Cola Santolin 2009 Conteúdo Cadeia de suprimentos Custos Logísticos Administração de Compras e Suprimentos Logística Reversa CADEIA DE SUPRIMENTOS Logística Logística Fornecedor

Leia mais

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS Data: 10/03/2001 Peter Wanke INTRODUÇÃO Localizar instalações ao longo de uma cadeia de suprimentos consiste numa importante

Leia mais

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza Prova 1 09 de Maio de 2013 Nome: 1ª QUESTÃO (1,0) Segundo os dados divulgados pela ood and Agriculture Organization (AO, 2011) sobre as exportações brasileiras, em

Leia mais

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007.

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. Operações Terminais Armazéns AULA 3 PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. A Gestão de Estoques Definição» Os estoques são acúmulos de matériasprimas,

Leia mais

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Programação e Controle da Produção é um conjunto de funções inter-relacionadas que objetivam comandar o processo produtivo e coordená-lo com os demais setores administrativos

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1

Introdução e Planejamento Cap. 1 BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@fae.br L

Leia mais

MRP II. Planejamento e Controle da Produção 3 professor Muris Lage Junior

MRP II. Planejamento e Controle da Produção 3 professor Muris Lage Junior MRP II Introdução A lógica de cálculo das necessidades é conhecida há muito tempo Porém só pode ser utilizada na prática em situações mais complexas a partir dos anos 60 A partir de meados da década de

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1. Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br

Introdução e Planejamento Cap. 1. Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

2. Logística. 2.1 Definição de Logística

2. Logística. 2.1 Definição de Logística 2. Logística 2.1 Definição de Logística Por muito tempo a Logística foi tratada de forma desagregada. Cada uma das funções logísticas era tratada independentemente e como áreas de apoio ao negócio. Segundo

Leia mais

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha Unidade II GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha Após a Segunda Guerra Mundial: Estados Unidos da América passaram por um longo período de crescimento. Responsáveis pela reconstrução de muitos

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial Objetivos da aula: - Explorar as principais motivações para a redução dos níveis de estoque e as armadilhas presentes na visão tradicional, quando é focada apenas uma empresa em vez de toda a cadeia de

Leia mais

Logística Empresarial. Atividades Chave, Planejamento e Estratégia Logística Prof. José Correia

Logística Empresarial. Atividades Chave, Planejamento e Estratégia Logística Prof. José Correia Logística Empresarial Atividades Chave, Planejamento e Estratégia Logística Prof. José Correia Atividades chave da Logística Padrões de serviço ao cliente (c/ marketing): Determinar as necessidades/desejos

Leia mais

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE *Envie o nome de seu grupo, dos integrantes e um telefone de contato junto com as respostas do questionário abaixo para o e-mail COMMUNICATIONS.SLA@SCANIA.COM*

Leia mais

Aspectos Fundamentais da Gestão de Estoques na Cadeia de Suprimentos

Aspectos Fundamentais da Gestão de Estoques na Cadeia de Suprimentos Aspectos Fundamentais da Gestão de Estoques na Cadeia de Suprimentos Peter Wanke Introdução Este texto é o primeiro de dois artigos dedicados à análise da gestão de estoques, a partir de uma perspectiva

Leia mais

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi Marketing Prof. Angelo Polizzi Gestão de Produção Gestão de Produção Objetivos: Mostrar que produtos (bens e serviços) consumidos, são produzidos em uma ordem lógica, evitando a perda ou falta de insumos

Leia mais

Gestão de Estoques no Sistema Just in Time: Uma Adequação aos Novos Tempos

Gestão de Estoques no Sistema Just in Time: Uma Adequação aos Novos Tempos Gestão de Estoques no Sistema Just in Time: Uma Adequação aos Novos Tempos Rafael Marques Ribeiro 1 Resumo: Muitas organizações trabalham com o sistema de estoques, mas, no entanto, sentem a necessidade

Leia mais

Advanced Planning and Scheduling

Advanced Planning and Scheduling Advanced Planning and Scheduling Por Soraya Oliveira e Raquel Flexa A importância do planejamento Uma cadeia de suprimentos é composta por diversos elos conectados que realizam diferentes processos e atividades

Leia mais

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA:

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA: Prof. Jean Cavaleiro Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA: PRODUÇÃO E COMÉRCIO Introdução Entender a integração logística. A relação produção e demanda. Distribuição e demanda. Desenvolver visão sistêmica para

Leia mais

Brochura - Panorama ILOS

Brochura - Panorama ILOS Brochura - Panorama ILOS c Custos Logísticos no Brasil - 2014 - Apresentação O tema custos é uma preocupação recorrente dos executivos de logística no Brasil. Por isso, de dois em dois anos, o ILOS vai

Leia mais

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos Profª Caroline Pauletto Spanhol Cadeia de Abastecimento Conceitos e Definições Elementos Principais Entendendo a Cadeia de Abastecimento Integrada Importância

Leia mais

FORMALIZANDO UMA POLÍTICA DE ESTOQUES PARA A CADEIA DE SUPRIMENTOS

FORMALIZANDO UMA POLÍTICA DE ESTOQUES PARA A CADEIA DE SUPRIMENTOS FORMALIZANDO UMA POLÍTICA DE ESTOQUES PARA A CADEIA DE SUPRIMENTOS INTRODUÇÃO Este texto é o segundo de dois artigos dedicados à análise da gestão de estoques, a partir de uma perspectiva diferente da

Leia mais

Unidade IV LOGÍSTICA INTEGRADA. Profa. Marinalva R. Barboza

Unidade IV LOGÍSTICA INTEGRADA. Profa. Marinalva R. Barboza Unidade IV LOGÍSTICA INTEGRADA Profa. Marinalva R. Barboza Supply Chain Managment - SCM Conceito: Integração dos processos industriais e comerciais, partindo do consumidor final e indo até os fornecedores

Leia mais

Brochura - Panorama ILOS

Brochura - Panorama ILOS Brochura - Panorama ILOS Planejamento no Supply Chain - 2015 - Apresentação As empresas devem garantir que suas cadeias de suprimento estejam preparadas para um mercado em constante modificação. Planejar

Leia mais

ETIQUETA INTELIGENTE (RFID) A nova fronteira na cadeia de distribuição. Onde estamos, para onde vamos? Claudio Czapski, ECR Brasil

ETIQUETA INTELIGENTE (RFID) A nova fronteira na cadeia de distribuição. Onde estamos, para onde vamos? Claudio Czapski, ECR Brasil ETIQUETA INTELIGENTE (RFID) A nova fronteira na cadeia de distribuição Onde estamos, para onde vamos? Claudio Czapski, ECR Brasil 1 Plano Estratégico do Comitê -o que? (disseminação do conhecimento) -

Leia mais

COMO A LEROY MERLIN ESTÁ ESTRUTURANDO SEU SUPPLY CHAIN PARA APOIAR SEU CRESCIMENTO

COMO A LEROY MERLIN ESTÁ ESTRUTURANDO SEU SUPPLY CHAIN PARA APOIAR SEU CRESCIMENTO COMO A LEROY MERLIN ESTÁ ESTRUTURANDO SEU SUPPLY CHAIN PARA APOIAR SEU CRESCIMENTO CAFÉ DA MANHÃ 30/04/2014 AGENDA 1. Leroy Merlin Brasil: uma empresa em crescimento 2. A estruturação do Supply Chain Ø

Leia mais

CS&OP-P Certified S&OP Professional

CS&OP-P Certified S&OP Professional A achain é uma empresa especializada nas áreas de Supply Chain, Value Chain e Demand Chain Management, com atuação nas modalidades de serviços de treinamento e apoio administrativo. Missão achain: Proporcionar

Leia mais

Unidade II LOGÍSTICA INTEGRADA. Profa. Marinalva R. Barboza

Unidade II LOGÍSTICA INTEGRADA. Profa. Marinalva R. Barboza Unidade II LOGÍSTICA INTEGRADA Profa. Marinalva R. Barboza A logística integrada A expressão logística integrada surgiu nos EUA em um trabalho de três autores (Lambert, Stock e Ellram) Se destacou pela

Leia mais

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA Marinalva R. Barboza Definição do conceito de logística e evolução Logística tem origem no idioma francês Logistique se define de forma militar sendo uma parte estratégica

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo III.1 GESTÃO DE TRANSPORTES 1.1. O desenvolvimento econômico e o transporte. 1.2. A geografia brasileira, a infraestrutura dos estados, municípios

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO @ribeirord FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br Sistemas de Informação Sistemas de Apoio às Operações Sistemas

Leia mais

Aula 2º bim. GEBD dia16/10

Aula 2º bim. GEBD dia16/10 Aula 2º bim. GEBD dia16/10 Compras e Manufatura (produção) O ciclo de compras liga uma organização a seus fornecedores. O ciclo de manufatura envolve a logística de apoio à produção. O ciclo de atendimento

Leia mais

Gestão de Estoques. Prof. José Roberto Dale Luche Prof. Fernando Augusto Silva Marins DPD-FEG-UNESP

Gestão de Estoques. Prof. José Roberto Dale Luche Prof. Fernando Augusto Silva Marins DPD-FEG-UNESP Gestão de Estoques Prof. José Roberto Dale Luche Prof. Fernando Augusto Silva Marins DPD-FEG-UNESP Sumário Introdução A arte da segmentação Políticas Diferenciadas Aspectos Fundamentais Políticas de Estoques

Leia mais

Logística Reversa de Materiais

Logística Reversa de Materiais Logística Reversa de Materiais Aplicação de ferramentas de gestão e operação da Cadeia de Abastecimento na Logística Reversa Apresentador: João Paulo Lopez Outubro / 2.008 Objetivos: Conceituar Logística

Leia mais

Vamos nos conhecer. Avaliações 23/08/2015. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc.

Vamos nos conhecer. Avaliações 23/08/2015. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. Vamos nos conhecer Danillo Tourinho Sancho da Silva, M.Sc Bacharel em Administração, UNEB Especialista em Gestão da Produção

Leia mais

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7)

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) A ESTRATÉGIA DA MANUFATURA E O SISTEMA PPCP: A estratégia

Leia mais

Paulo Gadas JUNHO-14 1

Paulo Gadas JUNHO-14 1 Paulo Gadas JUNHO-14 1 Cadeia de Suprimentos Fornecedor Fabricante Distribuidor Loja Paulo Gadas JUNHO-14 2 Exemplo de cadeia de suprimentos Fornecedores de matériaprima Indústria principal Varejistas

Leia mais

Departamento de Engenharia. ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção

Departamento de Engenharia. ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Curso de Graduação em Engenharia de Produção ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles Faz

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Esp. Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com Sistemas de informação Disciplina: Introdução a SI 19/04 Recursos e Tecnologias dos Sistemas de Informação Turma: 01º semestre

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém Bloco Suprimentos WMS Gerenciamento de Armazém Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo WMS, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas foram

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos Bloco Suprimentos Controle de Produção PCP Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Controle de Produção PCP, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

16/02/2010. Relação empresa-cliente-consumidor. Distribuição física do produto final até ponto de venda final

16/02/2010. Relação empresa-cliente-consumidor. Distribuição física do produto final até ponto de venda final Logística de Distribuição e Reversa MSe. Paulo Cesar C. Rodrigues paulo.rodrigues@usc.br Mestre em Engenharia de Produção Conceito Relação empresa-cliente-consumidor Distribuição física do produto final

Leia mais

5.4 Manufacturing Resources Planning

5.4 Manufacturing Resources Planning 5.4 Manufacturing Resources Planning 5.4 Manufacturing Resources Planning O Planejamento dos Recursos de Manufatura (Manufacturing Resourdes Panning, em inglês, ou MRP II) representa um esforço para expandir

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Trade Marketing é confundido por algumas empresas como um conjunto de ferramentas voltadas para a promoção e a comunicação dos produtos. O

Leia mais

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha A administração de materiais A administração de materiais procura conciliar as necessidades de suprimentos com a otimização dos recursos financeiros

Leia mais

LOGÍSTICA GLOBAL. Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP.

LOGÍSTICA GLOBAL. Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP. LOGÍSTICA GLOBAL Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP. EDI Intercâmbio Eletrônico de Dados Introdução O atual cenário econômico é marcado por: a) intensa competitividade, b) pela necessidade de rápida

Leia mais

Sistemas de Informação. Sistemas Integrados de Gestão ERP

Sistemas de Informação. Sistemas Integrados de Gestão ERP Sistemas de Informação Sistemas Integrados de Gestão ERP Exercício 1 Um arame é cortado em duas partes. Com uma das partes é feito um quadrado. Com a outra parte é feito um círculo. Em que ponto deve ser

Leia mais

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES 1 O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES Cesar Paulo Lomba (Discente do 4º período de Tecnologia de Gestão Financeira das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS) Maria Luzia

Leia mais

Armazenagem. Por que armazenar?

Armazenagem. Por que armazenar? Armazenagem Introdução Funções da armazenagem Atividades na armazenagem Objetivos do planejamento de operações de armazenagem Políticas da armazenagem Pilares da atividade de armazenamento Armazenagem

Leia mais

SCM Supply Chain Management Desafio na Integração de clientes e fornecedores

SCM Supply Chain Management Desafio na Integração de clientes e fornecedores SCM Supply Chain Management Desafio na Integração de clientes e fornecedores OBJETIVOS Principais desafios de Supply Chain enfrentados pelas indústrias Premissas para criação de valor na comunicação interempresas

Leia mais

Unidade II MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino

Unidade II MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino Unidade II MARKETING DE VAREJO E NEGOCIAÇÃO Profa. Cláudia Palladino Preço em varejo Preço Uma das variáveis mais impactantes em: Competitividade; Volume de vendas; Margens e Lucro; Muitas vezes é o mote

Leia mais

Olá pessoal nesta fase vimos que a definição de Logística segundo Dornier (2000) é Logística é a gestão de fluxos entre funções de negócio.

Olá pessoal nesta fase vimos que a definição de Logística segundo Dornier (2000) é Logística é a gestão de fluxos entre funções de negócio. Gestão da Produção Industrial Módulo B Fase 1 2015 Logística Empresarial Olá pessoal nesta fase vimos que a definição de Logística segundo Dornier (2000) é Logística é a gestão de fluxos entre funções

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DA PROGRAMAÇÃO E SEQUENCIAMENTO DA PRODUÇÃO EM UM TRATAMENTO TÉRMICO COM A UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE CAPACIDADE FINITA

OTIMIZAÇÃO DA PROGRAMAÇÃO E SEQUENCIAMENTO DA PRODUÇÃO EM UM TRATAMENTO TÉRMICO COM A UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE CAPACIDADE FINITA OTIMIZAÇÃO DA PROGRAMAÇÃO E SEQUENCIAMENTO DA PRODUÇÃO EM UM TRATAMENTO TÉRMICO COM A UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE CAPACIDADE FINITA Izabel C. Zattar, Carlos M. Sacchelli, M. Eng. Instituto Superior de Tecnologia

Leia mais

UnB Universidade de Brasília. Administração de Recursos Materiais. Tema: Gestão de estoque. Alunos: - Beliza de Ávila.

UnB Universidade de Brasília. Administração de Recursos Materiais. Tema: Gestão de estoque. Alunos: - Beliza de Ávila. UnB Universidade de Brasília Administração de Recursos Materiais Tema: Gestão de estoque Alunos: - Beliza de Ávila - Felipe Jordán - Guilherme de Miranda - Jefferson Coelho O conceito de ocupação física

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

GESTÃO EM PRODUÇÃO E SERVIÇOS

GESTÃO EM PRODUÇÃO E SERVIÇOS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL MBA GESTÃO EM PRODUÇÃO E SERVIÇOS DISCIPLINAS E EMENTAS SINTONIZANDO PERCEPÇÕES E UNIFORMIZANDO A LINGUAGEM

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em LOGÍSTICA E SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em LOGÍSTICA E SUPPLY CHAIN MANAGEMENT CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em LOGÍSTICA E SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Coordenação Acadêmica: Prof. Jamil Moysés Filho OBJETIVO: Ao final do Curso, o aluno será capaz de: Conhecer

Leia mais

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS 1. Sumário Executivo Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso 2. Sumário da Empresa 2.1 Composição da Sociedade Perfil Individual dos sócios, experiência, formação, responsabilidades

Leia mais

O Supply Chain Evoluiu?

O Supply Chain Evoluiu? O Supply Chain Evoluiu? Apresentação - 24º Simpósio de Supply Chain & Logística 0 A percepção de estagnação do Supply Chain influenciada pela volatilidade do ambiente econômico nos motivou a entender sua

Leia mais

Logística Integrada. Prof. Fernando Augusto Silva Marins. fmarins@feg.unesp.br. www.feg.unesp.br/~fmarins

Logística Integrada. Prof. Fernando Augusto Silva Marins. fmarins@feg.unesp.br. www.feg.unesp.br/~fmarins Logística Integrada Prof. Fernando Augusto Silva Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins 1 Sumário Cenário Fatores para o Desenvolvimento da Logística Bases da Logística Integrada Conceitos

Leia mais

Canais de marketing. Trade Marketing. Trade Marketing. Trade marketing é uma ferramenta que atua diretamente em três níveis:

Canais de marketing. Trade Marketing. Trade Marketing. Trade marketing é uma ferramenta que atua diretamente em três níveis: Canais de marketing Prof. Ricardo Basílio ricardobmv@gmail.com Trade Marketing Trade Marketing Trade marketing é uma ferramenta que atua diretamente em três níveis: Distribuidores; Clientes; Ponto de venda.

Leia mais

O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS

O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS Mauricio João Atamanczuk (UTFPR) atamanczuk@hotmail.com João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br Antonio Carlos de Francisco (UTFPR)

Leia mais

Tecnologia Aplicada à Logística

Tecnologia Aplicada à Logística Tecnologia Aplicada à Logística Movimentação e TI Alunos: Keriton Leandro Fernando TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA LOGÍSTICA Definição de Informação na Logística É um elemento de grande importância nas operações

Leia mais

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Estratégia Competitiva é o conjunto de planos, políticas,

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial IETEC INSTITUTO DE EDUCAÇAO TECNOLÓGICA PÓS GRADUAÇAO LATU SENSU 15 a. Turma Gestão da Logística Logística Empresarial Elenilce Lopes Coelis Belo Horizonte MG Julho - 2006 2 SUMÁRIO INTRODUÇÃO À LOGÍSTICA...PÁGINA

Leia mais

CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL

CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL Data: 10/12/1998 Maurício Lima INTRODUÇÃO Um dos principais desafios da logística moderna é conseguir gerenciar a relação entre custo e nível de serviço (trade-off).

Leia mais

1 Habilitação: Educação Profissional Técnica de Nível Médio em Administração de Logística

1 Habilitação: Educação Profissional Técnica de Nível Médio em Administração de Logística Habilitação, qualificações e especializações: 1 Habilitação: Educação Profissional Técnica de Nível Médio em Administração de Logística Carga-Horária: 960 horas 1.2 Objetivo Geral do Curso O curso de Educação

Leia mais

TAW Tópicos de Ambiente Web

TAW Tópicos de Ambiente Web TAW Tópicos de Ambiente Web Comércio Eletrônico rveras@unip.br Aula - 04 Agenda Comércio Eletrônico 2 Comércio Eletrônico Comércio Eletrônico 3 O que é o comércio eletrônico Evolução Transações convencionais

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos Prof. Paulo Medeiros Introdução nos EUA surgiram 100 novos operadores logísticos entre 1990 e 1995. O mercado para estas empresas que

Leia mais

ERP Entreprise Resource Planning. Fabiano Armellini

ERP Entreprise Resource Planning. Fabiano Armellini ERP Entreprise Resource Planning Fabiano Armellini Overview 1) Introdução 2) Histórico 2.1) MRP 2.2) MRP II 2.3) Do MRP II ao ERP 3) Módulos do ERP 3.1) Módulos de supply chain management 3.2) Módulos

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão da Produção Integrada e Logística

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão da Produção Integrada e Logística Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão da Produção Integrada e Logística Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão da Produção e Logística tem por objetivo fornecer

Leia mais

Supply Chain Management: Conceitos, Oportunidades e Desafios da Implementação

Supply Chain Management: Conceitos, Oportunidades e Desafios da Implementação Supply Chain Management: Conceitos, Oportunidades e Desafios da Implementação Paulo Fernando Fleury O período entre 1980 e 2000 foi marcado por grandes transformações nos conceitos gerenciais, especialmente

Leia mais

Importância da Logística. O lugar da Logística nas Empresas. Custos Logísticos são significativos

Importância da Logística. O lugar da Logística nas Empresas. Custos Logísticos são significativos IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA Importância da Logística O lugar da Logística nas Empresas A logística diz respeito à criação de valor; O valor em logística é expresso em termos de tempo e lugar. Produtos e serviços

Leia mais

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO LOGÍSTICA EMPRESARIAL

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO LOGÍSTICA EMPRESARIAL UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO LOGÍSTICA EMPRESARIAL ANÁLISE DE ASPECTOS LOGÍSTICOS DE UMA REVENDEDORA DE PRODUTOS AGROPECUÁRIOS INSERIDA EM UMA CADEIA DE PRODUÇÃO AGROINDUSTRIAL

Leia mais

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO A melhor formação cientifica, prática e metodológica. 1 POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA Marketing Vendas Logística ANTES: foco no produto - quantidade de produtos sem qualidade

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE

PLANEJAMENTO E CONTROLE Unidade I PLANEJAMENTO E CONTROLE DE ESTOQUES Profa. Marinalva Barboza Planejamento e controle de estoques Objetivos da disciplina: Entender o papel estratégico do planejamento e controle de estoques.

Leia mais

Logística Integrada. Esse termo refere-se ao papel da Logística como elemento de ligação entre todos os processos, desde o Fornecedor até o Cliente.

Logística Integrada. Esse termo refere-se ao papel da Logística como elemento de ligação entre todos os processos, desde o Fornecedor até o Cliente. Logística Integrada Esse termo refere-se ao papel da Logística como elemento de ligação entre todos os processos, desde o Fornecedor até o Cliente. Ballou (1993) Fonte: BALLOU, R. H. Logística Empresarial.

Leia mais

Sistemas de Transformação e Estratégia de produção

Sistemas de Transformação e Estratégia de produção Sistemas de Transformação e de produção A seleção do Processo de produção depende: -Tecnologia dos Processos de Transformaçã ção -Tecnologia dos meios auxiliares (dispositivos, ferramentas) -Tecnologia

Leia mais

Administração Mercadológica

Administração Mercadológica Organização Competitiva e Estratégias de Branding Administração Mercadológica Os elementos do mix de marketing Marketing-mix = Composto de MKt = 4P s Estratégia de produto Estratégia de preço Estratégia

Leia mais

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE PRODUÇÃO E OPERAÇÕES Profa. Lérida Malagueta Planejamento e controle da produção O PCP é o setor responsável por: Definir quanto e quando comprar Como fabricar ou montar cada

Leia mais

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial Sistemas de Informação Empresarial SIG Sistemas de Informação Gerencial Visão Integrada do Papel dos SI s na Empresa [ Problema Organizacional ] [ Nível Organizacional ] Estratégico SAD Gerência sênior

Leia mais

Unidade II GESTÃO DAS INFORMAÇÕES. Prof. Me. Léo Noronha

Unidade II GESTÃO DAS INFORMAÇÕES. Prof. Me. Léo Noronha Unidade II GESTÃO DAS INFORMAÇÕES ORGANIZACIONAIS Prof. Me. Léo Noronha Objetivos Informação estratégica Sistema de informações como fonte de vantagem competitiva (VC) Conceito de informação estratégica

Leia mais

A Organização orientada pela demanda. Preparando o ambiente para o Drummer APS

A Organização orientada pela demanda. Preparando o ambiente para o Drummer APS A Organização orientada pela demanda. Preparando o ambiente para o Drummer APS Entendendo o cenário atual As organizações continuam com os mesmos objetivos básicos: Prosperar em seus mercados de atuação

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL

LOGÍSTICA EMPRESARIAL LOGÍSTICA EMPRESARIAL ACORDO - Celular: Silencioso ou desligado - Chamada 19:10hs e 22:10hs. - Entrada ou saída no decorrer da aula em silencio para não atrapalhar os demais participantes. -Trabalho final

Leia mais

FEA. Desenvolvimento de Profissionais de Logística com Foco nos Resultados dos Negócios. Sergio Rodrigues Bio

FEA. Desenvolvimento de Profissionais de Logística com Foco nos Resultados dos Negócios. Sergio Rodrigues Bio FEA Desenvolvimento de Profissionais de Logística com Foco nos Resultados dos Negócios Sergio Rodrigues Bio Centro Breve Apresentação USP 6 campi, 5.000 profs. 60.000 alunos Cerca de 30% da produção científica

Leia mais

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12)

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) As siglas MRP, MRP II e ERP são bastante difundidas e significam: MRP Materials Requirements Planning Planejamento das Necessidades de Materiais; MRP II Resource

Leia mais

Prof. Me. Maico Roris Severino Curso Engenharia de Produção Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão

Prof. Me. Maico Roris Severino Curso Engenharia de Produção Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão Prof. Me. Maico Roris Severino Curso Engenharia de Produção Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão 1 Roteiro da Apresentação Definições Cadeia de Suprimentos Logística Gestão da Cadeia de Suprimentos

Leia mais

Previsão, Reabastecimento e Planejamento Colaborativo (CPFR): Conceitos e Aplicações

Previsão, Reabastecimento e Planejamento Colaborativo (CPFR): Conceitos e Aplicações Previsão, Reabastecimento e Planejamento Colaborativo (CPFR): Conceitos e Aplicações Flávio Luis Borges Tavares (UNIFEI) flbtjnc@yahoo.com.br Renato da Silva Lima (UNIFEI) rslima@unifei.edu.br Resumo:

Leia mais