CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO REVERSOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO REVERSOS"

Transcrição

1 CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO REVERSOS ( SUPPLY CHAIN REVERSO ) Em artigos anteriores analisamos a tipologia dos canais de distribuição reversos, desde os conceitos básicos que os caracterizam até as dificuldades de estruturação dos mesmos, descrevendo as etapas de desembaraço dos bens pela sociedade, os tipos de captação ou coleta de bens de pós consumo até a disposição final ou seu reaproveitamento, por sistemas de reciclagem ou por reutilização dos mesmos, caracterizando alguns exemplos mais comuns. Nesta nova série de artigos abordaremos os canais reversos sob a ótica das empresas geradoras e utilizadoras dos materiais passíveis de serem reciclados ou reutilizados, examinando suas relações e interdependências com a sociedade e com o governo, no que se convenciona denominar de triângulo interativo. É através de diferentes níveis de interação entre estes agentes que se estabelecem níveis diferentes de estruturação e organização dos canais reversos nos diversos países e regiões. O interesse principal desta nova série será, portanto, o exame das diferentes formas e organizações estratégicas das empresas com relação aos fluxos reversos de materiais, de que forma os fatores econômicos, legislativos, ecológicos e logísticos, entre outros, influem neste posicionamento empresarial, de que forma a responsabilidade ambiental está sendo inserida nesta nova visão estratégica e como se estabelecem as cadeias de suprimentos reversas dos diversos tipos de bens produzidos. Embora o Supply Chain possa ser entendido como a cadeia de suprimentos de um setor produtivo, mais recentemente o termo tem sido utilizado de forma simplificada, incorretamente, com ou sem a palavra Management, para caracterizar o processo de formação de redes de empresas, constituintes dos diversos elos de uma cadeia produtiva, através de parcerias entre si, visando melhorar a eficiência operacional do conjunto da cadeia e consequentemente os respectivos custos nos elos e nas diversas interfaces, repassando-os ao mercado consumidor. A formação deste tipo de parceria, em redes empresariais, normalmente têm origem em estratégias de ganho de participação ou de defesa de posição no mercado consumidor, conduzindo os participantes a um gerenciamento integrado de toda a cadeia, o Supply Chain Management, uma espécie de organização virtual entre empresas sem laços jurídicos necessariamente. Os objetivos de melhoria de eficiência de uma rede de empresas podem variar em cada caso, porem normalmente visam uma evolução nos conceitos de relacionamentos entre os diversos elos da cadeia propiciando aumento de velocidade de resposta e redução de custo final ao mercado consumidor. O Supply Chain Reverso O esquema que a seguir apresentamos resume as principais idéias sobre o Supply Chain Reverso, destacando os principais fatores que condicionam a intensidade do fluxo reverso, os fatores essenciais que tornam possível o fluxo reverso de um canal e os fatores modificadores da estrutura e organização destes canais reversos.

2 CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO REVERSOS SUPPLY CHAIN REVERSO PÓS- CONSUMO RECICLAGEM REUSO RETÔRNO AO MERCADO CONDIÇÕES DO FLUXO DE MATERIAIS: CUSTOS OFERTA QUALIDADE CONDIÇÕES ESSENCIAIS: TECNOLOGIA LOGÍSTICA MERCADO FATORES MODIFICADORES: ECOLÓGICOS LEGISLAÇÕES

3 Pode-se imaginar o Supply Chain Reverso como a suporte mercadológico que permite o fluxo dos materiais de pós- consumo até a sua reintegração ao ciclo produtivo, na forma de um produto equivalente ou diverso do produto original, ou o retorno do bem usado ao mercado. Esta rede de empresas industriais e comerciais, normalmente especializadas por natureza de material constituinte dos produtos (ferro, alumínio, plástico, vidro, etc.) ou por setores industriais (máquinas, computadores, automóveis, etc.) garantem os processos de reciclagem ou de reuso dos bens, cessado a utilização original dos mesmos. A intensidade comercial destes fluxos, no canal reverso de um determinado material, será condicionado pela existência de custos agregados, quantidades ofertadas e qualidade dos produtos reciclados ou a serem reutilizados, que permitam uma rentabilidade operacional aceitável aos diversos agentes intervenientes. Desta forma o fluxo será determinado pela etapa que apresente a maior restrição econômica ao longo do canal reverso. Nesta busca de melhores condições de custos, quantidades e qualidade nos materiais, o mercado seleciona naturalmente e prioritariamente certas fontes de pós- consumo, certos produtos de pós consumo, estabelecendo-se concorrência entre os produtos ou materiais de naturezas diferentes e suas fontes primárias de coleta. Desta forma, o mercado esgotará primeiramente as fontes de Resíduos Industriais e coletará os produtos de pós consumo que apresentem melhores condições de valor relativo, transportabilidade, etc., por apresentarem estas características. No caso dos bens descartáveis ( embalagens domésticas, papéis, vidros, etc.) já foi mencionado que a coleta dos pós consumo é uma das fases restritivas ao fluxo reverso dos mesmos e que, por outro lado, as latas de alumínio, utilizadas para bebidas em geral, é um dos produtos de maior fluxo reverso, relativamente às quantidades produzidas ( índice de reciclagem), devido ao seu alto valor comercial. A tecnologia nas diversas etapas, as características logísticas gerais e a existência de um mercado consumidor dos produtos elaborados com os materiais reciclados, ou dos produtos em reuso, redundarão em condições de custos, oferta e qualidade requeridas para que este fluxo se realize. Desta forma o nível de organização e estruturação dos canais de distribuição reversos ou Supply Chain Reverso depende de um encadeamento de fatores de diversas naturezas, atuando direta ou indiretamente, e propiciando interesses econômicos aos diversos agentes envolvidos nestas cadeias. O caso dos principais metais, de alguns tipos de papéis, as latas de alumínio, ficando nestes exemplos mais conhecidos em diversos países e que possuem uma intensidade de fluxo reverso relativamente alto, ilustram estas organização reversa através de economia de mercado. Nos casos em que faltem algumas destas condições ao canal de distribuição reverso, o desenvolvimento e estruturação dos mesmos será menos eficiente, não havendo uma intensidade de fluxo reverso que garanta o desejável equilíbrio entre a produção do bem e a sua disposição final. Nestas condições, fatores modificadores ecológicos ou legislativos, poderão ser criados de forma a desbloquear os gargalos de eficiência dos canais reversos, produzindo nova ordem econômica.

4 Denominamos fatores ecológicos modificadores das condições de um Supply Chain Reverso aqueles que são motivados por sensibilidade ecológica de qualquer agente: governo, sociedade ou empresas. Iniciativas do próprio governo, pressões sociais induzindo o governo à intervenção, seletividade ecológica da sociedade no consumo de bens, preocupação e responsabilidade ambiental das empresas, poderão modificar condições de um canal reverso. Os fatores modificadores por intervenção governamental, qualificados como de regulamentação, promoção, educação e de incentivos aos aspectos do desequilíbrios destes resíduos sólidos, podem ser motivados como uma alternativa de redução de custos governamentais, para a satisfação de pressões de grupos sociais ou políticos, ou para desbloquear fases do processo reverso no sentido de aumentar o performance do mesmo. O Supply Chain Reverso, ou a rigor, o Reverse Supply Chain Management, embora muitas vezes existentes em alguns casos de cadeias reversas estabelecidas e rentáveis, intensifica-se em função destes fatores modificadores, caracterizando-se pela constituição destas redes de empresas, envolvendo um ou diversos elos das cadeias reversas de produtos para reuso, produtos de pós consumo ou materiais reciclados, objetivando maior eficiência operacional e melhor estruturação dos mesmos. Examinaremos a seguir como os citados fatores modificadores desta estruturação dos canais de distribuição reversos atuam na estratégia das empresas, através da análise de legislações ambientais sobre resíduos sólidos, das tendências de consumo da sociedade e de suas repercussões nas estratégias empresariais. Legislações Ambientais sobre Resíduos Sólidos não Perigosos. Alguns canais reversos se estruturam naturalmente pelas leis de mercado, em função de sua comercialização e reutilização apresentarem condições tecnológicas e logísticas que garantem rentabilidade aos agentes envolvidos em seus diversos elos. Em alguns casos de canais reversos, os custos acrescidos desde a coleta dos pós - consumo até a reintegração ao ciclo produtivo superam as vantagens econômicas de reutiliza-los em substituição às matérias primas originais ou `a utilização de componentes recuperados, sendo necessário criar condições especiais para desbloquear uma das fases reversas para que estes canais reversos se estruturem e apresentem rentabilidade operacional em todos as fases reversas. As legislações ambientais sobre resíduos sólidos normalmente têm suas origens em uma reação aos impactos que os excessos destes resíduos sólidos provocam ao meio ambiente, seja pelas dificuldades crescentes de desembaraço dos mesmos até a disposição final, seja pelo impacto negativo ao meio ambiente, causado pelo desequilíbrio entre a oferta e demanda que estes resíduos provocam. Estas legislações têm sido promulgadas, em diversos países, visando intervir em fases reversas de forma a melhorar estes desequilíbrios, através de modificações nas condições da oferta de materiais reciclados de um determinado grupo de produtos e nas condições de mercado destes materiais ou de seus produtos finais.

5 Dentre os vários tipos de legislações sobre resíduos sólidos não perigosos, encontrados na literatura atual em diversos países desenvolvidos, destacamos algumas orientações gerais, sem pretensão de categorização jurídica das mesmas e muito menos exaurir todos os aspectos abordados, mas agrupando-as pelo tipo de atuação visada: a) Legislações relativas à Coletas e Disposição Final. - Legislações sobre proibições de aterros sanitários. - Legislações sobre implantação de coleta seletiva. - Legislações sobre a responsabilidade do fabricante sobre o canal reverso de seus produtos ( Product Take- Back ) - Legislações sobre proibição de disposição em aterros sanitários de certos produtos. - Legislações sobre um valor monetário depositado na compra de certos tipos de embalagens. - Legislações sobre índices mínimos de reciclagem. - Etc. b) Legislações relativas ao Marketing - Legislações de incentivos ao conteúdo de reciclados nos produtos - Legislações sobre proibição de venda ou uso de certos produtos. - Legislações sobre proibição de embalagens descartáveis. - Legislações sobre rótulos ambientais. - Legislações sobre incentivos fiscais. - Etc. c) Legislações relativas à redução na fonte. - Legislações de incentivo financeiro. Contrariamente às primeiras legislações do início dos anos 70, cuja tendência era de responsabilizar os governos locais pelo impacto ambiental destes resíduos sólidos, uma das idéias básicas que orientam estas legislações, mais recentemente, é a de responsabilizar os fabricantes, direta ou indiretamente, pelo impacto de seus produtos ao meio ambiente, através de leis dirigidas às etapas de reciclagem dos mesmos ou indiretamente através de proibições de disposição em aterros sanitários, proibições de certos tipos de embalagens plásticas até a devida estruturação dos canais reversos, etc.. Estas legislações tem sua origem nas idéias da denominada filosofia de EPR (Extended Product Responsability).

6 As empresas fabricantes, principalmente afetadas por este tipo de legislação, através de estratégias diversas, deverão contabilizar novos custos de origem ecológica aos seus produtos, em cumprimento às novas regulamentações e, em alguns casos, beneficiarem-se de novas condições de economia de escala, de novas e melhores condições logísticas, entre outras novas condições decorrentes destas leis, caso não tenham se antecipado a elas. Esta nova distribuição de custos nas diversas etapas de um determinado canal reverso, poderá criar condições de viabilidade econômica, em uma ou algumas etapas reversas, de um determinado material ou de um grupo de produtos de pós- consumo, que anteriormente impediam uma correta intensidade de fluxo reverso e conseqüente melhor estruturação dos canais de distribuição reversos, estabelecendo novas relações de interesse econômico e parcerias entre as empresas no Supply Chain Reverso destes produtos. Será sempre discutível o nível de intervenção governamental sobre o mercado livre, porém nos casos em que as associações de classe de fabricantes e de outros integrantes da cadeia industrial direta não se antecipem, e mesmo colaborem, com a busca de soluções para os problemas destes desequilíbrios causadores de impactos ao meio ambiente, a intervenção governamental se faz necessária Exemplos de legislações mal aplicadas em alguns casos permitem avaliar os cuidados que devem ser tomadas para não provocar desequilíbrios de outra natureza, evitar favorecer um elo ou um setor de etapa reversa, provocar desequilíbrio de preços de materiais reciclados no mercado, entre outras conseqüências possíveis. Muitos autores têm defendido a idéia de que as melhores soluções são encontradas quando o governo, sociedade e as empresas trabalham em conjunto, através da conscientização de seus diversos segmentos, e que a regulamentação governamental revela-se principalmente útil na definição de padrões, normas gerais, deixando ao mercado a liberdade de seu natural equilíbrio. Alguns exemplos de legislações em diversos países. Estados Unidos O país de uma forma geral, tem se revelado muito atuante e intervencionista quanto às legislação sobre resíduos sólidos, acreditando intensamente na reciclagem como solução para os mesmos e orientando legislações responsabilizando principalmente os governos locais para as soluções dos problemas. De 1988 a 1991 foram promulgadas cerca de 400 leis estaduais relativas a redução de resíduos sólidos e reciclagens, e recentemente, mais de 2000 projetos de lei estão sendo discutidos no país, o que praticamente fez com que todos os estados americanos apresentem atualmente elevado grau de intervenção legislativa na área de resíduos sólidos em geral. Legislações sobre Coletas e Disposição Final Todo este movimento legislativo, no sentido de melhorar as condições de coleta ( captação) dos materiais de pós- consumo, se deveu à famosa crise dos aterros sanitários americanos dos anos 80, onde cerca de 70% dos mesmos ou foram considerados saturados ou foram impedidos de receber certos tipos de produtos de pós

7 consumo, pneus, baterias, listas telefônicas, móveis velhos, etc., (produtos de pós consumo de bens duráveis não eram aceitos há longo tempo nestes aterros). Como conseqüência destas leis sobre aterros sanitários e coletas seletivas obrigatórias, o número de programas de coleta seletiva aumentou de 1000 programas em 1988 a 5404 programas em 1992, possivelmente um número bem maior atualmente. Este expressivo aumento de coletas seletivas em todo o país redundou em disponibilidade considerável de materiais reciclados de todos os tipos, aliás o objetivo principal da legislação, mas desequilibrou a oferta e demanda dos mesmos ocasionando turbulência nos preços do mercado. Estas novas escalas econômicas de negócios, movimentando grandes quantidades de materiais descartáveis como os plásticos, papéis, vidro, metais, modificaram e reestruturaram os diversos aspectos logísticos e tecnológicos nas diversas fases dos canais de distribuição reversos, dando origem a novas parcerias e alianças entre empresas, instalando-se o verdadeiro Reverse Supply Chain Management, adaptando-se às novas condições. As empresas americanas empreeendem parcerias que as possibilitem cumprir as novas legislações, surgindo alianças entre grandes empresas de coleta de lixo e de coletas seletivas com as empresas utilizadoras destes materiais, tais como a da Waste Management Inc. com a Stone Container and American Can e com a Eastman Chemical Co., da Browning Ferris, grande empresa de coleta de lixo com a Wellman, maior fabricante de fibras de poliester a partir de resíduos de pós - consumo de garrafas e de filmes de PET. A conhecida empresa Dupont desenvolve uma rede de parcerias com empresas recuperadoras da prata, presente nos filmes radiográficos descartados após uso, para a coleta de filmes de PET que servem como suporte para este filme, montando uma cadeia reversa de coleta. Esta atividade transformou-se em um novo negócio estratégico da empresa que fornece, atualmente, serviços especializados em Reverse Supply Chain a outras empresas para vários tipos de materiais. As legislações sobre produtos duráveis foram dirigidas, principalmente, aos fabricantes dos mesmos exigindo maior responsabilidade empresarial através de programas de take back de seus produtos. Os fabricantes passam a ser responsáveis pela organização dos canais reversos dos produtos após o seu fim de vida, organizando a coleta, o desmanche e reciclagem ou reuso dos componentes. Produtos como automóveis, eletrodomésticos em geral, mobiliário, baterias elétricas de toda natureza, pneus, listas telefônicas, óleos lubrificantes, etc.. Vários sistemas são utilizados pela rede de distribuição direta dos produtos no sentido de incentivar estes canais, desde o depósito monetário obrigatório na compra do bem, como forma de garantir a devolução após uso, como taxas monetárias para fundos de pesquisa de reciclagem acrescidas ao preço de venda do produto, entre outros. No caso específico dos plásticos, uma série de legislações foram emanadas no país relativas à redução de peso de embalagens, número mínimo de reutilização das embalagens, embalagens com conteúdo crescente de reciclados, chegando até a 50% em 2002, taxas de reciclagem mínimas de 50%, etc..

8 O aproveitamento de sinergias logísticas na montagem dos canais reversos geram associações entre empresas compartilhando etapas reversas, parcerias com empresas especializadas em logística de distribuição direta para a conversão dos sistemas em reversos, entre outras. Criam-se nestes setores as condições de Supply Chain Reverso, algumas vezes por iniciativa das próprias empresas como forma de responsabilidade ambiental. São bons exemplos de montagem de Supply Chain Reverso, por conta própria ou por terceirização dos serviços, os da empresa Xerox, no caso das copiadoras, da empresa de medicamentos Bristol-Myers Squibb, dos produtos da Helewtt Packard, de empresas automobilísticas. Legislações sobre o Mercado As legislações sobre coleta e disposição final neste país apresentaram resultados tão expressivos que o aumento da oferta de produtos descartáveis superou substancialmente a demanda para os mesmos, o que provocou momentaneamente desequilíbrios nos preços destes materiais e dificuldades conseqüentes no mercado em geral. Para compensar este desequilíbrio de oferta houve necessidade de legislações de incentivo ao uso de reciclados como leis sobre produtos com certo conteúdo de reciclados, governos incentivando as compras destes produtos, etc.. As leis de conteúdo de reciclado dispõem sobre um certo mínimo destes no produto final e estão presentes em grande parte dos estados americanos, principalmente no caso do papel de imprensa e em menor escala para as sacolas de plásticos, vasilhames de plásticos e de vidro, listas telefônicas. O caso do papel de imprensa nos Estados Unidos é interessante, pois com a legislação de aumento do conteúdo do papel reciclado nos jornais americanos houve um enorme crescimento da rede de fábricas especializadas na eliminação de tintas de papéis de pós consumo para a reciclagem dos mesmos. Quando foram promulgadas as primeiras leis nos estados de Connecticut e Califórnia, em 1989, haviam 9 fábricas especializadas neste tipo de operação, e no ano de 1992 este número havia crescido para 27 fábricas e com projetos de mais 12 novas fábricas em curso naquele ano. O uso indiscriminado de etiquetas ambientais nos produtos foi muito utilizado no inicio dos anos 70 causando uma certa dificuldade para o consumidor final distinguir verdades e falsas mensagens mercadológicas na época. Vários organismos americanos como EPA ( Environment Protectio Agency), FTC ( Federal Trade Commission), alguns estados e organizações ambientalistas, procuram definir padrões e termos como reciclável, reutilizável, ambientalmente correto, degradável, com conteúdo reciclado, etc., de forma a melhor orientar o mercado. Parece que atualmente o mais bem aceito guia ambiental, com normas sobre uso da publicidade ambiental, é o da FTC (Federal Trade Commission). Europa Ocidental Contrariamente aos Estados Unidos, onde o ônus sobre os programas de coleta seletiva e seleção dos materiais coube aos governos locais, pelo menos nos casos de coletas seletivas do lixo, subsidiados por incentivos federais, na Europa Ocidental estes programas e toda a legislação sobre resíduos sólidos impõe o ônus da criação e organização dos canais de distribuição reversos, diretamente aos

9 fabricantes dos produtos, conforme se constatará em alguns exemplos destas legislações, selecionados em alguns países, apresentados a seguir. Alemanha Após a reunificação da Alemanha Ocidental e Oriental, constatouse que grande parte dos resíduos sólidos, perigosos ou não, anteriormente enviados para serem tratados na Alemanha Oriental encontravam-se em aterros sem nenhum tratamento. Em conseqüência foram promulgadas uma série de leis, inicialmente visando a reciclagem de embalagens e posteriormente aos produtos duráveis. As legislações sobre embalagens, por exemplo, obedeceram a um programa de progressivos objetivos de forma a dar tempo aos agentes de organizarem os respectivos canais reversos. Inicialmente, a partir de 1991, as leis sobre embalagens envolviam a responsabilidade de fabricantes e varejistas pela reciclagem das embalagens de transporte dos bens em geral, em 1992 a obrigatoriedade de reciclagem de embalagens secundárias, resumidamente aquelas que envolvem as embalagens primárias ou de contenção dos produtos, e em 1993 a obrigatoriedade de embalagens primárias em geral. Em função destas novas condições, cerca de 400 grandes empresas nacionais e multinacionais tais como Coca Cola, Pepsi Cola, Nestlé, Unilever, Wilkinson Sword, entre outras, formaram em 1992 uma empresa de coleta seletiva, de capital privado, com objetivos de reciclar até 80% de embalagens até 1993, iniciando sistemas de parcerias em um novo Supply Chain Reverso destes materiais. O grande varejista alemão Tengelmann forma parceria com a empresa de embalagem Scholler para desenvolvimento de embalagens retornáveis com duração mínima de 10 anos. No caso de automóveis, este país associa-se com a França e Holanda para definir sistemas de reciclagem passando a responsabilidade de governos para as companhias automobilísticas destes países a partir de até o ano Inglaterra Legislação sobre índices de reciclagem de descartáveis de 50% Países Escandinavos A legislação sobre resíduos sólidos está principalmente ligada à redução de embalagens descartáveis de bebidas em geral, através de proibição direta de sua comercialização ou através de taxas sobre os descartáveis. Comunidade Européia Visando harmonizar as diversas legislações nos países da comunidade foi publicado em 1992 o New Approach Standard para reutilização e reciclagem, principalmente voltado para embalagens, adotando um nível objetivo de reciclagem de 60%, níveis de captura de resíduos sólidos de 90%, etiquetas ecológicas, regras de incineração e outras. Japão Considerado um dos líderes em reciclagem de todas as naturezas, este país não apresenta um nível de intervenção governamental importante, mas uma cultura de escassez natural conduziu o país a altas taxas de reciclagem, com média de mais de 60% na maioria dos materiais recicláveis como embalagens, papéis, baterias, etc..

CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO REVERSOS

CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO REVERSOS CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO REVERSOS LOGÍSTICA REVERSA E A RESPONSABILIDADE EMPRESARIAL Os bens industriais apresentam ciclos de vida útil de algumas semanas ou de alguns anos, após o que serão descartados

Leia mais

CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO REVERSOS

CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO REVERSOS CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO REVERSOS A COLETA SELETIVA A Coleta Seletiva como Fonte Primária Temos analisado as diversas formas de desembaraço dos bens após o seu uso original, os quais darão origem aos chamados

Leia mais

AUTOR: PAULO ROBERTO LEITE REVISTA TECNOLOGÍSTICA MAIO / 2002. SÃO PAULO, EDIT. PUBLICARE LOGÍSTICA REVERSA NOVA ÁREA DA LOGÍSTICA EMPRESARIAL

AUTOR: PAULO ROBERTO LEITE REVISTA TECNOLOGÍSTICA MAIO / 2002. SÃO PAULO, EDIT. PUBLICARE LOGÍSTICA REVERSA NOVA ÁREA DA LOGÍSTICA EMPRESARIAL LOGÍSTICA REVERSA NOVA ÁREA DA LOGÍSTICA EMPRESARIAL Introdução : Conceitos, Definições e Áreas de atuação A Logística Reversa tem sido citada com freqüência e de forma crescente em livros modernos de

Leia mais

13/10/2011. Logística Reversa Meio Ambiente 5ª Apostila. Objetivos da aula. Características das empresas da cadeia produtiva reversa

13/10/2011. Logística Reversa Meio Ambiente 5ª Apostila. Objetivos da aula. Características das empresas da cadeia produtiva reversa Logística Reversa Meio Ambiente 5ª Apostila Prof. Ph.D. Cláudio Farias Rossoni Objetivos da aula 1. Avaliar as diferenças entre as empresas da cadeia direta e da cadeia reversa; 2. Compreender o papel

Leia mais

06/10/2011. Logística Reversa Meio Ambiente 4ª Apostila. Objetivos da aula. Canais de distribuição de pós-consumo de bens duráveis e semiduráveis

06/10/2011. Logística Reversa Meio Ambiente 4ª Apostila. Objetivos da aula. Canais de distribuição de pós-consumo de bens duráveis e semiduráveis Logística Reversa Meio Ambiente 4ª Apostila Prof. Ph.D. Cláudio Farias Rossoni Objetivos da aula 1. Entender a importância dos fluxos logísticos reversos dos produtos e materiais de pós-consumo; 2. Perceber

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER

LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER Conceito LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER É uma área da logística que atua de forma a gerenciar e operacionalizar o retorno de bens e materiais, após sua venda e consumo, às suas origens, agregando

Leia mais

Prof. Paulo Medeiros

Prof. Paulo Medeiros Prof. Paulo Medeiros Em 2010 entrou em vigor no Brasil a lei dos Resíduos Sólidos. Seu objetivo principal é diminuir a destinação incorreta de resíduos ao meio ambiente. Ela define que todas as indústrias,

Leia mais

Logística Reversa. Conceito de Logística. Reversa 15/09/2011. Objetivos da aula. e o Meio Ambiente

Logística Reversa. Conceito de Logística. Reversa 15/09/2011. Objetivos da aula. e o Meio Ambiente Logística Reversa e o Meio Ambiente Objetivos da aula 1. Estabelecer as relações entre os canais de distribuição diretos e os canais reversos; 2. Identificar as diferentes categorias de canais de distribuição

Leia mais

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade Carla Fernanda Mueller, carla@deps.ufsc.br 1. Introdução O ciclo dos produtos na cadeia comercial não termina quando, após serem usados pelos consumidores,

Leia mais

SENALIMP 2010 CLRB. CONSELHO DE LOGÍSTICA REVERSA DO BRASIL www.clrb.com.br clrb@clrb.com.br

SENALIMP 2010 CLRB. CONSELHO DE LOGÍSTICA REVERSA DO BRASIL www.clrb.com.br clrb@clrb.com.br SENALIMP 2010 CLRB CONSELHO DE LOGÍSTICA REVERSA DO BRASIL www.clrb.com.br clrb@clrb.com.br Missão Oferecer oportunidades de aumento de competitividade empresarial através da Logística Reversa. Objetivos

Leia mais

O sucesso da política depende do forte comprometimento de cada um dos envolvidos no processo, de governo e empresas até consumidores.

O sucesso da política depende do forte comprometimento de cada um dos envolvidos no processo, de governo e empresas até consumidores. ECONOMIA - 19/08/14 BRIEFING DE POSICIONAMENTO SOBRE A POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS 1. CONTEXTO Posicionamento geral para quaisquer entrevistas realizadas no âmbito da terceira edição do projeto

Leia mais

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade 1. Introdução O ciclo dos produtos na cadeia comercial não termina quando, após serem usados pelos consumidores, são descartados. Há muito se fala em reciclagem e reaproveitamento dos materiais utilizados.

Leia mais

é lei Agora Política Nacional de Resíduos Sólidos poder público, empresas, catadores e população Novos desafios para

é lei Agora Política Nacional de Resíduos Sólidos poder público, empresas, catadores e população Novos desafios para Política Nacional de Resíduos Sólidos Agora é lei Novos desafios para poder público, empresas, catadores e população Marco histórico da gestão ambiental no Brasil, a lei que estabelece a Política Nacional

Leia mais

A Estratégia na Gestão de Resíduos Sólidos no Estado de São Paulo e sua Interface com a Política Nacional de Resíduos Sólidos

A Estratégia na Gestão de Resíduos Sólidos no Estado de São Paulo e sua Interface com a Política Nacional de Resíduos Sólidos GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE A Estratégia na Gestão de Resíduos Sólidos no Estado de São Paulo e sua Interface com a Política Nacional de Resíduos Sólidos São Paulo, 17 de

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA E OS IMPACTOS DA PNRS

LOGÍSTICA REVERSA E OS IMPACTOS DA PNRS LOGÍSTICA REVERSA E OS IMPACTOS DA PNRS Autora: PATRICIA GUARNIERI i para o Portal Direito Ambiental 1. Introdução A extração desenfreada dos recursos naturais, o pensamento errôneo de que os mesmos são

Leia mais

Uma visão sobre os conceitos básicos da logística reversa

Uma visão sobre os conceitos básicos da logística reversa Uma visão sobre os conceitos básicos da logística reversa Vanina Macowski Durski Silva (UFSC/CNPQ) vaninadurski@gmail.com Rosely Antunes de Souza (UTFPR) roselypr@gmail.com Silvana Ligia Vincenzi Bortolotti

Leia mais

CLRB. clrb@clrb.com.br www.clrb.com.br PAULO ROBERTO LEITE. http://meusite.mackenzie.br/leitepr PAULO ROBERTO LEITE

CLRB. clrb@clrb.com.br www.clrb.com.br PAULO ROBERTO LEITE. http://meusite.mackenzie.br/leitepr PAULO ROBERTO LEITE CLRB PAULO ROBERTO LEITE clrb@clrb.com.br www.clrb.com.br http://meusite.mackenzie.br/leitepr MISSÃO DO CLRB Oferecer ganhos de competitividade empresarial através da Logística Reversa. SERVIÇOS OFERECIDOS

Leia mais

Unidade IV LOGÍSTICA INTEGRADA: PRODUÇÃO E COMÉRCIO. A logística reversa é entendida como:

Unidade IV LOGÍSTICA INTEGRADA: PRODUÇÃO E COMÉRCIO. A logística reversa é entendida como: LOGÍSTICA INTEGRADA: PRODUÇÃO E COMÉRCIO Unidade IV 7 LOGÍSTICA REVERSA 7.1 Conceitos A logística reversa é entendida como: A área da logística empresarial que planeja, opera e controla o fluxo e as informações

Leia mais

Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini

Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini O lixo é conhecido como os restos das atividades humanas considerados inúteis, indesejáveis e descartáveis. No entanto, separado nos seus

Leia mais

Responsabilidade Socioambiental

Responsabilidade Socioambiental Fernando Tabet Responsabilidade Socioambiental Resíduos Sólidos Classificação (NBR 10.004:2004) Classe I - Perigosos Resíduos Classe II Não Perigosos Classe II-A - Não Inertes Classe II-B - Inertes Gerenciamento

Leia mais

LEI FEDERAL 12305/2010 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS

LEI FEDERAL 12305/2010 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS LEI FEDERAL 12305/2010 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS ARTIGO 13 -ORIGEM RSU(domiciliares e de limpeza pública) Comerciais e Prestadores de Serviços Serviços Públicos de Saneamento Básico Industriais

Leia mais

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ Carla Klassen A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA REVERSA NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ Carla Klassen A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA REVERSA NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ Carla Klassen A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA REVERSA NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA CURITIBA 2012 UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ Carla Klassen A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA REVERSA NA

Leia mais

Logística empresarial

Logística empresarial 1 Logística empresarial 2 Logística é um conceito relativamente novo, apesar de que todas as empresas sempre desenvolveram atividades de suprimento, transporte, estocagem e distribuição de produtos. melhor

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS LEI 12.305/2010

POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS LEI 12.305/2010 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS LEI 12.305/2010 I RESUMO EXECUTIVO O que muda com a Lei 12.305/2010? Lixões a céu aberto e aterros controlados ficam proibidos. A Lei, determina que todas as administrações

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos e Logística Reversa

Política Nacional de Resíduos Sólidos e Logística Reversa Política Nacional de Resíduos Sólidos e Logística Reversa Cristina R. Wolter Sabino de Freitas Departamento Ambiental O mundo será obrigado a se desenvolver de forma sustentável, ou seja, que preserve

Leia mais

GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL

GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL O QUE MUDA COM A APROVAÇÃO DA P.N.R.S.? Engo. Eleusis Di Creddo Gerente de Meio Ambiente e Destinação Final SOLVI PARTICIPAÇÕES S.A. ecreddo@solvi.com Realização:

Leia mais

CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO REVERSOS

CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO REVERSOS CANAIS D DISTIBUIÇÃO VSOS A COLTA DOMICILIA DO LIXO mbora ainda inexistente em muitas comunidades pobres do planeta e nas periferias de grandes cidades, principal causa da visualização dos resíduos sólidos

Leia mais

A Política Estadual de Resíduos Sólidos e os RSS no Estado de São Paulo. III SEMINÁRIO HOSPITAIS SAUDÀVEIS SHS 2010. São Paulo, 12 novembro de 2010

A Política Estadual de Resíduos Sólidos e os RSS no Estado de São Paulo. III SEMINÁRIO HOSPITAIS SAUDÀVEIS SHS 2010. São Paulo, 12 novembro de 2010 A Política Estadual de Resíduos Sólidos e os RSS no Estado de São Paulo. III SEMINÁRIO HOSPITAIS SAUDÀVEIS SHS 2010 SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE São Paulo, 12 novembro de 2010 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

Leia mais

Gestão dos resíduos sólidos, reciclagem e sustentabilidade ambiental

Gestão dos resíduos sólidos, reciclagem e sustentabilidade ambiental Gestão dos resíduos sólidos, reciclagem e sustentabilidade ambiental Grupo: Fabiana Augusta César Irene Benevides Vinícius Tôrres Pires Samira Chantre Gestão de Resíduos Sólidos Gestão/gerir:Administrar,dirigir,

Leia mais

O PAPEL DO MUNICÍPIO NA GESTÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS

O PAPEL DO MUNICÍPIO NA GESTÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS REALIZAÇÃO: O PAPEL DO MUNICÍPIO NA GESTÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS O Município é estratégico na gestão dos resíduos sólidos. As atividades geradoras e de gestão de resíduos se desenvolvem no âmbito local.

Leia mais

RESÍDUOS SÓLIDOS : as responsabilidades de cada Setor

RESÍDUOS SÓLIDOS : as responsabilidades de cada Setor RESÍDUOS SÓLIDOS : as responsabilidades de cada Setor Gestão de Resíduos Sólidos ( São Paulo ) Lei 997/76 e regulamento: Dec. 8468/76 Foco: Comando e Controle Resíduos Disposição Final Disposição inadequada

Leia mais

Base Legal para a Reciclagem no Brasil em comparação com os EUA e a União Européia.

Base Legal para a Reciclagem no Brasil em comparação com os EUA e a União Européia. Base Legal para a Reciclagem no Brasil em comparação com os EUA e a União Européia. Aluna: Thaísa Silveira Nascimento Curso: Engenharia Ambiental Professor: Ricardo Motta Pinto Coelho O que é a Reciclagem?

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE LEI Nº N 12.305/2010 DECRETO Nº N 7.404/2010

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE LEI Nº N 12.305/2010 DECRETO Nº N 7.404/2010 MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOSS LEI Nº N 12.305/2010 DECRETO Nº N 7.404/2010 TRAMITAÇÃO DA PNRS 1989 Projeto de Lei Nº N 354/89 do Senado 1991 Projeto de Lei Nº N 203/91

Leia mais

Importância da Logística. O lugar da Logística nas Empresas. Custos Logísticos são significativos

Importância da Logística. O lugar da Logística nas Empresas. Custos Logísticos são significativos IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA Importância da Logística O lugar da Logística nas Empresas A logística diz respeito à criação de valor; O valor em logística é expresso em termos de tempo e lugar. Produtos e serviços

Leia mais

Desafios da Logística Reversa

Desafios da Logística Reversa São Paulo, 11 e 12 de maio de 2011 Desafios da Logística Reversa Nextel Telecomunicações 1 Organização Patrocínio Apoio 2 Agenda Nextel Case de sucesso Objetivos da logística reversa Diferenciação entre

Leia mais

Coleta Seletiva : Desafios e Oportunidades

Coleta Seletiva : Desafios e Oportunidades Coleta Seletiva : Desafios e Oportunidades Experiências e estratégias para coleta e reciclagem de embalagens longa vida ABSTRACT O gerenciamento dos resíduos sólidos urbanos é uma das questões ambientais

Leia mais

Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde

Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde Naraiana Agapito, naraagapito@yahoo.com.br 1 Introdução Embora a geração de resíduos oriundos das atividades humanas faça parte da própria história do homem,

Leia mais

ANÁLISE DO PERFIL E DAS DIFICULDADES DE ALGUMAS EMPRESAS DE RECICLAGEM DE PLÁSTICOS DA CIDADE DE PONTA GROSSA PR

ANÁLISE DO PERFIL E DAS DIFICULDADES DE ALGUMAS EMPRESAS DE RECICLAGEM DE PLÁSTICOS DA CIDADE DE PONTA GROSSA PR ANÁLISE DO PERFIL E DAS DIFICULDADES DE ALGUMAS EMPRESAS DE RECICLAGEM DE PLÁSTICOS DA CIDADE DE PONTA GROSSA PR Armando Madalosso Vieira Filho (UEPG/UTFPR) armandovieiraf@gmail.com Ivanir Luiz de Oliveira

Leia mais

A QUESTÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NA ALEMANHA, NA FRANÇA, NA ESPANHA E NO CANADÁ

A QUESTÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NA ALEMANHA, NA FRANÇA, NA ESPANHA E NO CANADÁ A QUESTÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NA ALEMANHA, NA FRANÇA, NA ESPANHA E NO CANADÁ Ilídia da A. G. Martins Juras Consultora Legislativa da Área XI Meio Ambiente e Direito Ambiental, Organização Territorial,

Leia mais

Ref.: Lei Estadual-RJ nº 6.805, de 18 de junho de 2014 DOERJ 23.06.2014.

Ref.: Lei Estadual-RJ nº 6.805, de 18 de junho de 2014 DOERJ 23.06.2014. Rio de Janeiro, 24 de junho de 2014. Of. Circ. Nº 212/14 Ref.: Lei Estadual-RJ nº 6.805, de 18 de junho de 2014 DOERJ 23.06.2014. Senhor Presidente, Fazendo referência à Lei Estadual-RJ nº 6.805, de 18

Leia mais

EXPO 2010 2a. Feira Internacional de Equipamentos e Soluções para Meio Ambiente

EXPO 2010 2a. Feira Internacional de Equipamentos e Soluções para Meio Ambiente Ministério do Meio Ambiente Secretaria de Recursos Hídricos e Ambiente Urbano EXPO 2010 2a. Feira Internacional de Equipamentos e Soluções para Meio Ambiente A Lei e Políticas Públicas de de Resíduos Sólidos

Leia mais

RECICLAGEM MECÂNICA: CONCEITOS E TÉCNICAS

RECICLAGEM MECÂNICA: CONCEITOS E TÉCNICAS RECICLAGEM MECÂNICA: CONCEITOS E TÉCNICAS 2.1 - Algumas Definições A idéia de se aproveitar resíduos não é nova; ela tem, contudo, se estabelecido de forma expressiva, não só por razões econômicas, mas

Leia mais

CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO REVERSOS: FATORES DE INFLUÊNCIA SOBRE AS QUANTIDADES RECICLADAS DE MATERIAIS

CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO REVERSOS: FATORES DE INFLUÊNCIA SOBRE AS QUANTIDADES RECICLADAS DE MATERIAIS CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO REVERSOS: FATORES DE INFLUÊNCIA SOBRE AS QUANTIDADES RECICLADAS DE MATERIAIS AUTOR: PAULO ROBERTO LEITE TRABALHO APRESENTADO NO III SIMPOI SIMPÓSIO DE ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO,

Leia mais

RESÍDUOS SÓLIDOS : as responsabilidades de cada Setor

RESÍDUOS SÓLIDOS : as responsabilidades de cada Setor RESÍDUOS SÓLIDOS : as responsabilidades de cada Setor Resíduos Domiciliares Resíduos da Construção Civil Resíduos de escritórios Pneus queimados Resíduos de madeira Resíduos de fibra de vidro Resíduos

Leia mais

CONSUMO SUSTENTÁVEL: O QUE FAZER POR NÓS E PELO PLANETA

CONSUMO SUSTENTÁVEL: O QUE FAZER POR NÓS E PELO PLANETA CONSUMO SUSTENTÁVEL: O QUE FAZER POR NÓS E PELO PLANETA CONSUMO SUSTENTÁVEL: O QUE FAZER POR NÓS E PELO PLANETA Desenvolvimento sustentável e consumo sustentável Existe uma relação direta entre o que chamamos

Leia mais

Sustentabilidade: A Visão do Ministério Público

Sustentabilidade: A Visão do Ministério Público WORKSHOP NOVAS DEMANDAS AMBIENTAIS E SEUS IMPACTOS ECONÔMICOS NA INDÚSTRIA DO VIDRO Sustentabilidade: A Visão do Ministério Público SÃO PAULO - MARÇO/2015 LEI DE POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS (Lei

Leia mais

ATENÇÃO. Apresentação

ATENÇÃO. Apresentação Apresentação O tema logística reversa vem crescendo em importância entre as empresas desde a regulamentação da Política Nacional de Resíduos Sólidos. Com as novas exigências, as empresas precisam buscar

Leia mais

LEGISLAÇÃO SOBRE RECICLAGEM DO LIXO

LEGISLAÇÃO SOBRE RECICLAGEM DO LIXO LEGISLAÇÃO SOBRE RECICLAGEM DO LIXO ILIDIA DA A. G. MARTINS JURAS Consultora Legislativa da Área XI Meio Ambiente e Direito Ambiental, Organização Territorial, Desenvolvimento Urbano e Regional DEZEMBRO/2000

Leia mais

A LOGÍSTICA REVERSA DENTRO DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Cristiane Tomaz

A LOGÍSTICA REVERSA DENTRO DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Cristiane Tomaz A LOGÍSTICA REVERSA DENTRO DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Cristiane Tomaz A logística reversa é importante instrumento de desenvolvimento econômico e social previsto na Política Nacional de Resíduos

Leia mais

política nacional de resíduos sólidos conceitos e informações gerais

política nacional de resíduos sólidos conceitos e informações gerais política nacional de resíduos sólidos conceitos e informações gerais 1 Índice PALAVRA DO PRESIDENTE 03. Palavra do Presidente 04. Introdução 06. Resíduos Sólidos 07. Classificação dos Resíduos Sólidos

Leia mais

RESÍDUO SÓLIDO: UM PROBLEMA SOCIAL, AMBIENTAL E ECONÔMICO.

RESÍDUO SÓLIDO: UM PROBLEMA SOCIAL, AMBIENTAL E ECONÔMICO. RESÍDUO SÓLIDO: UM PROBLEMA SOCIAL, AMBIENTAL E ECONÔMICO. POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS LEI Nº 12.305/2010 DECRETO Nº 7.404/2010 O QUE MUDA COM A LEI 12.305/2010? Lixões a céu aberto e aterros

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos - PNRS LEI 12.305 / 08/ 2010 DECRETO 7.404/ 12/ 2010

Política Nacional de Resíduos Sólidos - PNRS LEI 12.305 / 08/ 2010 DECRETO 7.404/ 12/ 2010 Política Nacional de Resíduos Sólidos - PNRS LEI 12.305 / 08/ 2010 DECRETO 7.404/ 12/ 2010 Cenário brasileiro de resíduos sólidos Aumento da: População nas cidades 50% mundial 85% Brasil (IBGE, 2010).

Leia mais

Gestão dos Resíduos em Florianópolis - COMCAP. Florianópolis, 03 setembro de 2011

Gestão dos Resíduos em Florianópolis - COMCAP. Florianópolis, 03 setembro de 2011 Gestão dos Resíduos em Florianópolis - COMCAP Florianópolis, 03 setembro de 2011 Missão Prestar serviços públicos p de saneamento ambiental com eficiência, qualidade e responsabilidade social. COMCAP

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA Política Nacional de Resíduos Sólidos Instituída pela Lei 12.305/2010 e regulamentada pelo Decreto 7.404/2010, após 21 anos de tramitação no Congresso nacional Tem interação

Leia mais

Políticas Públicas de Resíduos Sólidos e. Alexandre Magrineli dos Reis Fundação Estadual do Meio Ambiente Belo Horizonte, outubro de 2011

Políticas Públicas de Resíduos Sólidos e. Alexandre Magrineli dos Reis Fundação Estadual do Meio Ambiente Belo Horizonte, outubro de 2011 Políticas Públicas de Resíduos Sólidos e logística reversa Alexandre Magrineli dos Reis Fundação Estadual do Meio Ambiente Belo Horizonte, outubro de 2011 Relatório da Pesquisa Pagamento por Serviços Ambientais

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA E OS RESÍDUOS ELETRÔNICOS

LOGÍSTICA REVERSA E OS RESÍDUOS ELETRÔNICOS LOGÍSTICA REVERSA E OS RESÍDUOS ELETRÔNICOS Mineração Urbana no Brasil Lúcia Helena Xavier São José dos Campos SP Junho de 2015 REGULAMENTAÇÃO AMBIENTAL NO BRASIL LEI Nº 6.938 DE 1981 PNMA CONSTITUIÇÃO

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA - I Patrícia Beaumord Gomes Liva Administradora de Empresas, Pós Graduada em Gestão da Logística pelo IETEC.

LOGÍSTICA REVERSA - I Patrícia Beaumord Gomes Liva Administradora de Empresas, Pós Graduada em Gestão da Logística pelo IETEC. LOGÍSTICA REVERSA - I Patrícia Beaumord Gomes Liva Administradora de Empresas, Pós Graduada em Gestão da Logística pelo IETEC. Viviane Santos Lacerda Pontelo Administradora de Empresas, Pós Graduada em

Leia mais

COLETA SELETIVA PRATIQUE ESTA IDEIA

COLETA SELETIVA PRATIQUE ESTA IDEIA COLETA SELETIVA PRATIQUE ESTA IDEIA O QUE É? Coleta seletiva é o processo de separação dos materiais recicláveis do restante dos resíduos sólidos. Como definição de resíduos sólidos, pelo Wikipédia, entende-se

Leia mais

2 Logística Reversa. 2.1. Conceito

2 Logística Reversa. 2.1. Conceito 2 Logística Reversa 2.1. Conceito A reutilização de produtos e materiais não é um fato novo. A reciclagem de metais, plásticos e papéis são processos realizados já há algum tempo. Nesses casos, a reciclagem

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA Política Nacional de Resíduos Sólidos Instituída pela Lei 12.305/2010 e regulamentada pelo Decreto 7.404/2010, após 21 anos de tramitação no Congresso nacional Tem interação

Leia mais

PATRICIA GUARNIERI. LOGÍSTICA REVERSA: Em busca do equilíbrio econômico e ambiental

PATRICIA GUARNIERI. LOGÍSTICA REVERSA: Em busca do equilíbrio econômico e ambiental PATRICIA GUARNIERI LOGÍSTICA REVERSA: Em busca do equilíbrio econômico e ambiental EDITORA CLUBE DE AUTORES RECIFE, 2011 2011 Patricia Guarnieri TODOS OS DIREITOS RESERVADOS AO AUTOR. Proibida a reprodução

Leia mais

O Sistema Legal de Gestão dos Óleos Lubrificantes Usados ou Contaminados

O Sistema Legal de Gestão dos Óleos Lubrificantes Usados ou Contaminados O Sistema Legal de Gestão dos Óleos Lubrificantes Usados ou Contaminados Proteção e Participação da Sociedade Março/2015 Lubrificante deterioração contaminação Óleo Lubrificante Usado ou Contaminado OLUC

Leia mais

Programa de Gestão. Ambiental. Cartilha. Ambiental

Programa de Gestão. Ambiental. Cartilha. Ambiental Programa de Gestão Ambiental Cartilha Ambiental Índice Responsabilidade Ambiental 1. Responsabilidade Ambiental 2. Organograma 4. Política Ambiental 6. Coleta Seletiva Interna 12. Dicas Importantes A preocupação

Leia mais

Logística Reversa Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais

Logística Reversa Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais Logística Reversa Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais Introdução Leonardo Lacerda Usualmente pensamos em logística como o gerenciamento do fluxo de materiais do seu ponto de

Leia mais

Departamento de Meio Ambiente DMA/FIESP. Política Nacional de Resíduos Sólidos

Departamento de Meio Ambiente DMA/FIESP. Política Nacional de Resíduos Sólidos Política Nacional de Resíduos Sólidos Setembro de 2010 Esquema de funcionamento DISPOSIÇÕES GERAIS DO OBJETO E CAMPO DE APLICAÇÃO DEFINIÇÕES DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS DISPOSIÇÕES GERAIS

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA REVERSA NA CONSTRUÇÃO DA RESPONSABILIDADE SOCIAL AGREGADORA DE VANTAGENS COMPETITIVAS

A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA REVERSA NA CONSTRUÇÃO DA RESPONSABILIDADE SOCIAL AGREGADORA DE VANTAGENS COMPETITIVAS 1 A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA REVERSA NA CONSTRUÇÃO DA RESPONSABILIDADE SOCIAL AGREGADORA DE VANTAGENS COMPETITIVAS Hercules Farnesi Cunha (Docente das Faculdades Integradas de Três Lagoas- AEMS e UniSALESIANO

Leia mais

"PANORAMA DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM NO BRASIL"

PANORAMA DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM NO BRASIL "PANORAMA DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM NO BRASIL" Associação sem fins lucrativos, fundado em 1992, o CEMPRE se dedica à promoção da reciclagem dentro do conceito de gerenciamento integrado do lixo.

Leia mais

REDUZIR REUTILIZAR RECICLAR. O caminho para um futuro melhor.

REDUZIR REUTILIZAR RECICLAR. O caminho para um futuro melhor. R R R REDUZIR REUTILIZAR RECICLAR O caminho para um futuro melhor. A FGR se preocupa com o planeta. v Reduza o quanto puder; Reutilize tudo que puder; Recicle o máximo que puder. 2 A qualidade de vida

Leia mais

Reciclagem Energética. Alternativa para destinação de Resíduos Sólidos Urbanos

Reciclagem Energética. Alternativa para destinação de Resíduos Sólidos Urbanos Reciclagem Energética Alternativa para destinação de Resíduos Sólidos Urbanos Claudio Marcondes Engenheiro de Materiais com especialização em Polímeros pela Universidade Federal de São Carlos. Pós graduado

Leia mais

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO A melhor formação cientifica, prática e metodológica. 1 POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA Marketing Vendas Logística ANTES: foco no produto - quantidade de produtos sem qualidade

Leia mais

10/8/2013. Para se alimentar, o ser humano abate animais, colhe frutos, sementes, etc, recursos naturais que podem ser repostos;

10/8/2013. Para se alimentar, o ser humano abate animais, colhe frutos, sementes, etc, recursos naturais que podem ser repostos; 6º Anos Prof. Leonardo F. Stahnke Consiste em assegurar uma gestão responsável dos recursos do planeta de forma a preservar os interesses das futuras gerações e ao mesmo tempo atender às necessidades das

Leia mais

Lei 12.305/10 Decreto 7.404/10

Lei 12.305/10 Decreto 7.404/10 A EXPERIÊNCIA BRASILEIRA EM LOGÍSTICA REVERSA A INICIATIVA DO SETOR DE HIGIENE PESSOAL, PERFUMARIA E COSMÉTICOS POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Lei 12.305/10

Leia mais

CICLO DE VIDA DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS

CICLO DE VIDA DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS CICLO DE VIDA DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS Reciclagem 33.8% Incineração com Produção de Energia (WTE) 11.9% CARACTERÍSTICAS REGIONAIS DISPOSIÇÃO FINAL, 2004 Aterros Sanitários 54.3% Midwest Great Lakes

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA DO PAPELÃO: O PROCESSO E CUIDADOS AMBIENTAIS EM UMA REDE DE VAREJO DO RS

LOGÍSTICA REVERSA DO PAPELÃO: O PROCESSO E CUIDADOS AMBIENTAIS EM UMA REDE DE VAREJO DO RS ISSN 1984-9354 LOGÍSTICA REVERSA DO PAPELÃO: O PROCESSO E CUIDADOS AMBIENTAIS EM UMA REDE DE VAREJO DO RS Andrea Karla Breunig de Freitas (ufsm) DEISE SCHEFFER (ufsm) Luis Felipe Lopes Dias (ufsm) Resumo

Leia mais

Site Terra, 05 de Junho de 2013

Site Terra, 05 de Junho de 2013 Site Terra, 05 de Junho de 2013 Mesmo com data para acabar, lixões subsistem no Brasil. Mais da metade dos municípios brasileiros não impõe a destinação adequada ao lixo. Assim, cerca de 75 mil toneladas

Leia mais

Logística Reversa: destinação dos resíduos de poliestireno expandido (isopor ) pós-consumo de uma indústria i catarinense

Logística Reversa: destinação dos resíduos de poliestireno expandido (isopor ) pós-consumo de uma indústria i catarinense Logística Reversa: destinação dos resíduos de poliestireno expandido 1. Introdução Objetivo da pesquisa: analisar a possibilidade de uma destinação dos resíduos de poliestireno expandido (EPS), utilizados

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002)

RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002) RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002) Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil. Correlações: Alterada pela Resolução nº 469/15

Leia mais

REGULAMENTO DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS DECRETO 7.404, DE 23.12.2010

REGULAMENTO DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS DECRETO 7.404, DE 23.12.2010 REGULAMENTO DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS DECRETO 7.404, DE 23.12.2010 I - Dos objetivos do Decreto Quase cinco meses após a publicação da lei 12.305/10, que instituiu a chamada Política Nacional

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA Política Nacional de Resíduos Sólidos Plano Nacional de Resíduos Sólidos

AUDIÊNCIA PÚBLICA Política Nacional de Resíduos Sólidos Plano Nacional de Resíduos Sólidos AUDIÊNCIA PÚBLICA Política Nacional de Resíduos Sólidos Plano Nacional de Resíduos Sólidos Diógenes Del Bel Diretor Presidente Senado Federal Subcomissão Temporária de Resíduos Sólidos (CMARS) 19 / 3 /

Leia mais

PÓS-CONSUMO: a logística reversa - fragmentos de leitura.

PÓS-CONSUMO: a logística reversa - fragmentos de leitura. 1 PÓS-CONSUMO: a logística reversa - fragmentos de leitura. É do conhecimento de todos que o consumo é uma constante na contemporaneidade. Em decorrência, os gestores das organizações planejam e operacionalizam

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos

Política Nacional de Resíduos Sólidos Política Nacional de Resíduos Sólidos A lei na prática Ago-12 Sonho: ser a melhor empresa de bebidas do mundo, em um mundo melhor. MEIO AMBIENTE CONSUMO RESPONSÁVEL COMUNIDADE Gente e Cultura Resíduos:

Leia mais

é lei Agora Política Nacional de Resíduos Sólidos poder público, empresas, catadores e população Novos desafios para

é lei Agora Política Nacional de Resíduos Sólidos poder público, empresas, catadores e população Novos desafios para Política Nacional de Resíduos Sólidos Agora é lei Novos desafios para poder público, empresas, catadores e população Marco histórico da gestão ambiental no Brasil, a lei que estabelece a Política Nacional

Leia mais

Logística Reversa. Guia rápido

Logística Reversa. Guia rápido Logística Reversa Guia rápido 1 Apresentação Em 2010 foi sancionada pelo Governo Federal, a Política Nacional de Resíduos Sólidos, na qual, dentre outros temas, constam exigências às empresas quanto à

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA. Reverse Logistics. Josiane de Medeiros da Silva 1

LOGÍSTICA REVERSA. Reverse Logistics. Josiane de Medeiros da Silva 1 LOGÍSTICA REVERSA Reverse Logistics Josiane de Medeiros da Silva 1 Resumo: Conforme Ribeiro e Gomes (2004), logística é o processo de gerenciar estrategicamente a aquisição, movimentação e armazenagem

Leia mais

POLITICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS : Responsabilidade de cada Setor

POLITICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS : Responsabilidade de cada Setor POLITICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS : Responsabilidade de cada Setor Gestão de Resíduos Sólidos ( São Paulo ) Lei 997/76 e regulamento: Dec. 8468/76 Foco: Comando e Controle Resíduos Disposição Final

Leia mais

Fig. A: A imagem da rede total e da rede imediata de suprimentos Fonte: Slack, Nigel e outros. Administração da Produção

Fig. A: A imagem da rede total e da rede imediata de suprimentos Fonte: Slack, Nigel e outros. Administração da Produção Fascículo 5 Projeto da rede de operações produtivas Se pensarmos em uma organização que produza algo, é impossível imaginar que essa organização seja auto-suficiente, isto é, que produza tudo o que irá

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE RESOLUÇÃO N. 307, DE 05 DE JULHO DE 2002 Alterações: Resolução CONAMA n. 348, de 16.08.04 Resolução CONAMA n. 431, de 24.05.11 Resolução CONAMA n. 448, de 18.01.12 Resolução

Leia mais

Secretaria Municipal de meio Ambiente

Secretaria Municipal de meio Ambiente PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL O presente Programa é um instrumento que visa à minimização de resíduos sólidos, tendo como escopo para tanto a educação ambiental voltada

Leia mais

Resíduo Zero e alternativas à incineração. TATIANA BARRETO SERRA Promotora de Justiça

Resíduo Zero e alternativas à incineração. TATIANA BARRETO SERRA Promotora de Justiça Resíduo Zero e alternativas à incineração TATIANA BARRETO SERRA Promotora de Justiça SÃO PAULO 28/05/2015 Desequilíbrio: padrões de produção e consumo dos séculos XX e XXI Necessidades do consumidor Melhorias

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA A COLETA SELETIVA DO LIXO E DICAS DE CONSUMO CONSCIENTE

INSTRUÇÕES PARA A COLETA SELETIVA DO LIXO E DICAS DE CONSUMO CONSCIENTE 12:43 Page 1 INSTRUÇÕES PARA A COLETA SELETIVA DO LIXO E DICAS DE CONSUMO CONSCIENTE Jardins é Page 2 LIXO UM PROBLEMA DE TODOS Reduzir a quantidade de lixo é um compromisso de todos. Uma pessoa é capaz

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SUPRIMENTOS GESTÃO

ADMINISTRAÇÃO DE SUPRIMENTOS GESTÃO GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS DEFINIÇÃO DE CADEIAS DE SUPRIMENTOS (SUPLLY CHAIN) São os processos que envolvem fornecedores-clientes e ligam empresas desde a fonte inicial de matéria-prima até o ponto

Leia mais

Do lixo ao valor. O caminho da Logística Reversa

Do lixo ao valor. O caminho da Logística Reversa Do lixo ao valor O caminho da Logística Reversa O problema do lixo A sociedade, hoje, vive com um grande desafio: o lixo. Calcula-se que, por dia, no Brasil, são gerados 1 Kg de resíduos por habitante.

Leia mais

Palestrante: Alessandra Panizi Evento: Resíduos Sólidos: O que fazer?

Palestrante: Alessandra Panizi Evento: Resíduos Sólidos: O que fazer? Palestrante: Alessandra Panizi Evento: Resíduos Sólidos: O que fazer? Marco Histórico sobre Resíduos Sólidos Lei 12.305/2010 Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) Decreto 7.404/2012 regulamento

Leia mais

Diário Oficial da União Seção 01 DOU 03 de agosto de 2010 Página [3-7]

Diário Oficial da União Seção 01 DOU 03 de agosto de 2010 Página [3-7] Diário Oficial da União Seção 01 DOU 03 de agosto de 2010 Página [3-7] LEI N 12.305, DE 2 DE AGOSTO DE 2010 Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos; altera a Lei no 9.605, de 12 de fevereiro de

Leia mais

A EVOLUÇÃO DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO BRASIL

A EVOLUÇÃO DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO BRASIL A EVOLUÇÃO DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO BRASIL 1. Aspectos gerais A geração de lixo urbano no Brasil está em torno de 140,000 ton/dia, sendo que a estimativa dos órgãos

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA Resolução nº 307, de 5 de Julho de 2002. Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil, disciplinando as ações

Leia mais

Implementação da Logística Reversa: A primeira fase da experiência do Estado de São Paulo

Implementação da Logística Reversa: A primeira fase da experiência do Estado de São Paulo Implementação da Logística Reversa: A primeira fase da experiência do Estado de São Paulo RIBEIRO, F.M. a, *; KRUGLIANSKAS, I. b a- CETESB- Companhia Ambiental do Estado de São Paulo b- FEA-USP Faculdade

Leia mais