Palavras - chave: Cadeia de Suprimentos; Gerenciamento; Vantagem Competitiva. Keywords: Supply Chain; Management; Competitive Advantage.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Palavras - chave: Cadeia de Suprimentos; Gerenciamento; Vantagem Competitiva. Keywords: Supply Chain; Management; Competitive Advantage."

Transcrição

1 Integração da Cadeia de Suprimentos, técnicas e sua Importância para o Alcance de Vantagem Competitiva: Um Estudo de Caso Bibliográfico-Corporativo da Dell Computer Corporation Janaína dos Santos Pereira Simões Administradora Graduada pela Faculdade Mauricio de Nassau - PE Emerson de Souza Barros Professor do Departamento de Administração da Faculdade Mauricio de Nassau PE Mestre (UFPE) RESUMO: O objetivo deste trabalho é conhecer a atuação da empresa Dell em termos de integração da cadeia de suprimentos, verificando suas estratégias para conseguir vantagem competitiva. Na nova visão adotada para gerenciar a cadeia de suprimentos é necessário ter um amplo conhecimento sobre as necessidades da empresa, além disso, se faz necessário conhecer o processo produtivo e as necessidades do cliente final. Este estudo classifica-se como pesquisa bibliográfica, pois é um estudo sistematizado publicado em livros, revistas, jornais e redes eletrônicas. A pesquisa em questão é também estudo de caso, pois é circunscrito a uma ou poucas unidades. O modelo Dell de negócios é tema de interesse de diferentes setores industriais por não possuir quase estoque, não produzem seus produtos e não possuem lojas. Portanto conclui-se que o contínuo andamento do processo produtivo é garantido através de parcerias com um seleto grupo de fornecedores que garantem a qualidade do produto. Pois o planejamento e acompanhamento da cadeia de suprimentos, adequadamente ajustados às necessidades corporativas, podem auxiliar efetivamente na melhoria da cadeia de suprimentos. Palavras - chave: Cadeia de Suprimentos; Gerenciamento; Vantagem Competitiva. ABSTRACT: The objective of this work is to know the company's performance in terms of integrating Dell's supply chain, checking their strategies to achieve competitive advantage. In the new vision adopted to manage the supply chain is necessary to have a broad understanding of business needs, in addition, it is necessary to know the production process and the needs of the customer. This study is classified as literature, it is a systematic study published in books, magazines, newspapers and electronic networks. The research in question is also a case study because it is limited to one or a few units. "The Dell business model" is the theme of interest for different industrial sectors have almost no stock, do not produce their products and do not have stores. Therefore we conclude that the continuous progress of the production process is ensured through partnerships with a select group of suppliers to ensure product quality. For planning and monitoring of the supply chain, properly adjusted to business needs, can help effectively in improving the supply chain. Keywords: Supply Chain; Management; Competitive Advantage.

2 1. INTRODUÇÃO Há bem pouco tempo atrás o controle do processo produtivo nas organizações estava sendo observado isoladamente e as etapas consideradas importantes para o abastecimento final foram ficando de lado, como por exemplo, o gerenciamento da cadeia de suprimentos. Visando sanar algumas deficiências do processo produtivo, foram ao longo de alguns anos sendo implementadas estratégias de fabricação utilizando métodos inovadores, tais como produção enxuta, kanban, just-in-time, gerenciamento da qualidade que permitiram até certo ponto reduzir os custos operacionais e tornando as organizações mais competitivas. Partindo desse pressuposto as organizações descobriram que o gerenciamento eficaz da cadeia de suprimentos seria o próximo desafio empresarial para aumentar suas receitas e obter uma maior participação de mercado (market share) evitando assim consequências desagradáveis aos negócios tais como prejuízos financeiros, gastos que não agregam valor e insatisfação dos Clientes. A gestão da cadeia de suprimentos eficiente é baseada na integração entre fornecedores, fabricantes, depósitos, armazéns, cliente final e ainda abrangem as atividades da empresa desde o nível estratégico, tático e operacional. Sugere-se que as formações de alianças estratégicas podem ter um impacto significativo na cadeia de suprimentos. Este artigo se justifica uma vez que o gerenciamento da cadeia de suprimentos vem despertando o interesse da alta gerência das maiores e mais modernas empresas no âmbito mundial, como resultados de sua implantação conseguem uma redução nos custos operacionais, redução de tempo, agilidade nas entregas, previsão de vendas, melhoria dos serviços e satisfação dos clientes. Antes se acreditava que um bom gerenciamento era baseado em grandes volumes de produção e estoque muito superiores ao desejado pela empresa, favorecendo a segurança de não faltar matéria-prima para atender ao fluxo da produção. Mas foi observado que durante a produção por diversas vezes ocorriam paradas por falta de algum item essencial da produção. Na nova visão adotada para gerenciar a cadeia de suprimentos é necessário ter um amplo conhecimento sobre as necessidades da empresa, além disso, se faz necessário conhecer o processo produtivo e as necessidades do cliente final. Justifica-se também porque através da integração da cadeia de suprimentos podemos interligar todos os departamentos de uma organização, obtendo e repassando informações essenciais aos processos que são compartilhados de forma corporativa, obtendo uma maior participação de mercado (market share) e proporcionando aumento de suas receitas. E mais ainda atualmente os clientes estão mais exigentes e os mercados cada vez mais globalizados, competitivos, instáveis e dinâmicos, fazendo com que as organizações se diferenciem por suas alianças estratégicas. As organizações que adotam políticas de gestão conseguem dar respostas mais eficazes e permite conhecer as atividades que não agregam valor optando assim por uma terceirização já que não atendem as necessidades de operação. Ampliando a visão da gestão da cadeia de suprimentos permite gerenciar as principais necessidades da empresa deixando assim de realizar suas atividades de forma fragmentada e ineficaz, ganhando rapidez em relação aos concorrentes. As empresas não devem utilizar abordagens isoladas, pois a atuação baseada em aglomerados facilitam a competição em determinado campo, podendo também se interligarem através de conexões vitais como clientes e fornecedores.

3 Na atual economia globalizada algumas empresas utilizam como forma de competição o capital, mão-de-obra, matéria-prima, tecnologia da informação, tecnologia da comunicação e localização em subúrbios ou países diferentes. A vantagem competitiva provem da habilidade das organizações em cumprir as atividades essenciais a um custo total inferior aos seus concorrentes ou em desempenhar atividades exclusivas de maneira restrita que agregue valor para o cliente e que não seja relacionado valor adicional ao preço. Esta vantagem pode ser adquirida através da eficiência operacional (práticas gerenciais) e da estratégia (aquisição de insumos em âmbito mundial e transferência de conhecimentos). Na administração do novo milênio as organizações se baseiam na eficiência; economia de escala; trabalhos em equipe; atuação em mercados globais; foco nas necessidades dos clientes; no conhecimento; na comunicação rápida e intensiva com membros, fornecedores e clientes. Também é importante estudar as empresas que aplicam de forma correta a cadeia de suprimentos, pois conseguem ter um aumento em sua excelência operacional e inovação. A Revista AMR Research publicou um artigo intitulado The AMR Research Supply Chain Top 25 for 2009 baseado em uma pesquisa anual com base na opinião de analistas, retorno sobre ativos, inventário e o crescimento da receita realizada com empresas que melhor utilizaram a cadeia de fornecimento no ano de O ranking foi composto por vinte e cinco empresas, de um total de 242 empresas de diferentes setores, sendo que as cinco primeiras foram a Apple, Dell, Procter & Gamble, IBM e Cisco Systems pois souberam monitorar suas demandas e durante o momento de econômica em declínio ajustaram a sua produção. Durante os últimos seis anos de relatório publicado pela AMR Research sobre quais as empresas que melhor representam a utilização da Cadeia de Suprimentos, a empresa que permaneceu dentre as cinco primeiras foi a Dell Computer Corporation. Portanto formatou-se o seguinte problema de pesquisa: Como ocorre a integração da cadeia de suprimentos (supply chain), as técnicas utilizadas e sua importância para o alcance de vantagem competitiva na empresa Dell? De posse dessa problemática, delineou-se no trabalho o objetivo de conhecer a atuação da empresa Dell em termos de integração da cadeia de suprimentos, verificando suas estratégias e técnicas para conseguir vantagem competitiva. 2. ABORDAGEM METODOLOGICA Considerando-se o critério de classificação de pesquisa proposto por Vergara (2006, p.50) quanto aos fins e quanto aos meios, tem-se: a)quanto aos fins trata-se de uma pesquisa metodológica, pois pretende expor as razões do sucesso das empresas que possuem a cadeia de suprimentos integrada como vantagem competitiva. b)quanto aos meios trata-se de pesquisa, ao mesmo tempo, bibliográfica e estudo de caso. Classifica-se como pesquisa bibliográfica, pois é um estudo sistematizado publicado em livros, revistas, jornais, redes eletrônicas, isto é, material acessível ao público em geral. Vergara (2006, p.48) Como pesquisa metodológica é o estudo que se refere a instrumentos de captação ou de manipulação da realidade. Está, portanto, associada a caminhos, formas, maneiras, procedimentos para atingir determinado fim. Vergara (2006, p.47) A pesquisa em questão é também estudo de caso, pois é circunscrito a uma ou poucas unidades, entidades essas com pessoa, família, produto, empresa, órgão público, comunidade

4 ou mesmo país. Tem caráter de profundidade e detalhamento. Pode ser ou não ser realizado no campo. Vergara (2006, p.49) A amostra foi definida pelo critério de acessibilidade Vergara (2006, p.51), longe de qualquer procedimento estatístico, pois seleciona elementos pela facilidade de acesso a eles. Para compor a amostra foi selecionada a empresa Dell. Na pesquisa bibliográfica, buscou-se estudos sobre atitudes, mudanças e relação entre empresas e fornecedores na cadeia de suprimentos. Foram pesquisados livros, dicionários, periódicos, teses e dissertações. Como resultado da pesquisa espera-se uma melhor compreensão sobre a integração da cadeia de suprimentos independente do setor de sua atuação. Os dados encontrados são essencialmente levantados por terceiros e trazem reflexões, argumentações, interpretações, análise de casos notórios ou não e conclusões desses autores. Extrairemos através dos elementos práticos a conclusão por meio das publicações A metodologia escolhida para esta pesquisa apresenta algumas dificuldades e limitações quanto à coleta e tratamento de dados: Um fator limitante esta relacionado às dimensões da Dell. Sua distribuição espacial devido a uma atuação virtual. Outro fator diz respeito à realização de pesquisa documental e de campo. Antecipando eventuais dificuldades em conseguir autorização. A investigação desenvolveu-se em cinco etapas distribuídas no período de 01 de janeiro a 30 de abril de 2011, como segue: a) 1ª etapa: pesquisa bibliográfica que permitiu a coleta de dados. b) 2ª etapa: elaboração dos conceitos c) 3ª etapa: análise das informações d) 4ª etapa: atuação da empresa no que se refere o assunto e elaboração do estudo de caso e) 5ª etapa: Considerações finais e revisão do texto 3. REVISÃO DA LITERATURA Neste tópico serão abordados os conceitos teóricos relevantes, juntos auxiliarão no entendimento da formação da vantagem competitiva da empresa em estudo Administração A palavra administração vem do latim ad (direção, tendência para) e minister (suborninação ou obediência) e significa originalmente aquele que realiza uma função sob o comando de outrem, isto é, aquele que presta um serviço a outro. Chiavenato (2006, p.02) Administração significa planejar o que será feito, preparar o futuro que virá botar ordem nas coisas, alinhar recursos, tecnologias e competências, convergir tudo isso em direção a um objetivo predeterminado, fazer as coisas acontecerem, criar condições para gerar valor e criar riqueza, atender às expectativas de todos os grupos de interesses (stakeholders) envolvido monitorar continuamente o desempenho e, sobretudo, oferecer resultados. Chiavenato (2006) O conceito amplo e compreensivo de Administração como um conjunto de processos entrosados e unificados abrange aspectos que a organização por si só não envolve, tais como a previsão, comando e controle mencionado por Chiavenato (2006, p.52). A origem da palavra Gestão advém do verbo latino gero gessi, gestum, gerere, cujo significado é levar sobre si, carregar, chamar a si, executar, exercer e gerar. Desse modo,

5 gestão é a geração de um novo modo de administrar uma realidade, sendo, então, por si mesma, democrática, pois traduz a ideia de comunicação pelo envolvimento coletivo, por meio da discussão e do diálogo. Dalberio (2008, p.03) Administração tem sua origem no latim administrare, e tem aplicação especifica no sentido de gerir um bem, defendendo os interesses dos que o possuem: administrar apresenta se como aplicação de gerir; administração pode ser mais utilizada para denotar atividades da administração pública. Minotto (2002, p.26) Gestão tem sua origem no latim gerere, e significa conduzir, dirigir ou governar: gestão está associada ao segmento empresarial: administração de empresas. Minotto (2002, p.26) Segundo Maranaldo apud Santos (2001, p.19), Administração Participativa é o conjunto harmônico de sistemas organizacionais e comportamentos gerenciais que provocam e incentivam a participação de todos no processo de administrar os três recursos gerenciais (capital, informação e recursos humanos), obtendo, através dessa o total comprometimento com os resultados, medidos como eficiência, eficácia e qualidade. Severo Filho (2006, p.12), Administração é anter o ambiente interno e externo a empresa, onde indivíduos, em grupos organizados, possam trabalhar eficientemente com vistas à consecução de metas do grupo. Stoner & Freeman (1999, p.05), Administração é o processo de planejar, organizar, liderar e controlar os esforços realizados pelos membros da organização e o uso de todos os outros recursos organizacionais para alcançar os objetivos estabelecidos Administração da Produção Chase, Davis & Aquilino (2000, p.24), Administração da Produção pode ser definida como a gestão do processo de conversão que transforma insumos, tais como matéria-prima e mão -de- obra, em resultados na forma de produtos acabados e serviços. Chase, Davis & Aquilino (2000, p.24), Administração da Produção pode ser definida como o gerenciamento dos recursos diretos que são necessários para a obtenção dos produtos e serviços de uma organização. Chase, Aquilino & Jacobs (2005, p.22), Administração da Produção (AP) é o projeto, a operação e a melhoria dos sistemas que criam e distribuem os principais produtos e serviços de uma empresa. Fusco (2003, p.25), define formalmente a Administração da Produção e Operações: é o projeto, a operação como sendo o campo de estudos dos conceitos e técnicas aplicáveis à tomada de decisões na função de produção ou operações. Os conceitos e técnicas a que o autor se refere dizem respeito às funções administrativas clássicas, ou seja, planejamento, organização, direção e controle, em suas partes especificamente aplicadas às atividades de produção e operação. Gaither (2004, p.05), define que Administração da Produção e Operações (APO) é a administração do sistema de produção de uma organização, que transforma os insumos (são as despesas com investimentos que contribuem para a obtenção de um determinado resultado, mercadoria ou produto até o acabamento ou consumo final) nos produtos e serviços da organização Administração de Materiais

6 O termo materiais é empregado para identificar o estoque que está sendo movimentado para dentro da empresa, independentemente de seu estágio com relação à revenda. Bowesox & Closs (2008, p.45) Garcia, Melhado & Kritz (1998, p.08), A Administração de material trata de todas as etapas de movimentação e de guarda desses materiais, visando garantir que o investimento em estoques seja de rentabilidade segura, em termos de lucro e de atendimento às metas da organização. Gurgel (2001,p.05) definiu administração de materiais como sendo atividade que planeja, executa e controla, nas condições mais eficientes e econômicas, o fluxo de material, partindo das especificações dos artigos a comprar até a entrega do produto terminando ao cliente. Costa (2006, p.18), Administração de materiais é o conjunto de atividades que visam garantir o fluxo contínuo e uniforme das compras, produção e vendas de mercadorias e serviços. Costa (2006, p.18), Administração de materiais é um conjunto de ações que visam dar continuidade aos suprimentos necessários à manutenção das atividades da empresa. Costa (2006, p.18), Administração de materiais consiste na ação conjunta das atividades de compra, armazenamento, produção e vendas, com fins de manter as atividades da empresa, estas, por sua vez, em sintonia com as atividades financeiras e contábeis. Severo Filho (2006, p.14), Administração de recursos materiais é um conjunto ambiental constituído por todos os órgãos da empresa, interagindo entre si, proporcionando condições necessárias a uma atuação integrada e eficiente, com objetivo de atender convenientemente às necessidades operacionais da empresa. Severo Filho (2006, p.15), Administração de recursos materiais é utilizar os princípios básicos de administração, com um padrão de qualidade sistemática, com a finalidade de bem aplicar os recursos financeiros e materiais, destinados às atividades operacionais de uma organização, seja de natureza industrial, comercial ou de serviços Logística É imperativo para o entendimento da vantagem competitiva de uma empresa, A definição para Ballou (1993, p.24), a logística empresarial trata de todas as atividades de movimentação e armazenagem, que facilitam o fluxo de produtos desde o ponto de aquisição da matéria-prima até o ponto de consumo final, assim como dos fluxos de informação que colocam os produtos em movimento, com o propósito de providenciar níveis de serviço adequados aos clientes a um custo razoável. Para Gomes (2004, p.01), a logística é o processo de gerenciar estrategicamente a aquisição, a movimentação e o armazenamento de materiais, peças e produtos acabados (e os fluxos de informação correlatos) por meio da organização e dos seus canais de marketing, de modo a poder maximizar as lucratividades presentes e futuras com o atendimento dos pedidos a baixo custo. Bowesox & Closs (2008, p.37), a competência logística é alcançada pela coordenação de (1) um projeto de rede; (2) informação; (3) transporte; (4) estoque; (5) armazenagem, manuseio de materiais e embalagem. Para Christopher (2007, p.03), Logística é o processo de gerenciamento estratégico da compra, do transporte e da armazenagem de matérias-primas, partes e produtos acabados (além dos fluxos de informação relacionados) por parte da organização e de seus canais de marketing, de tal modo que a lucratividade atual e futura sejam maximizadas mediante a entrega de encomendas com o menor custo associado.

7 Segundo o Conselho de Gestão da Logística (CML) apud Moura (2004, p.173), Logística é o processo de planejamento, implementação e controle do fluxo eficiente e economicamente eficaz de matérias-primas, estoque em processo, produtos acabados, bem como serviços e informações associadas, cobrindo desde o ponto de origem até o ponto de consumo, com o objetivo de atender as necessidades e explicativas do cliente e/ou consumidor. Para Pozo (2004, p.28), a logística é o processo de gerenciar estrategicamente a aquisição, a movimentação e a armazenagem de materiais, peças e produtos acabados e, também, seus fluxos de informações através da organização e seus canais, de modo a poder maximizar as lucratividades presente e futura mediante atendimento dos pedidos a baixo custo e a plena satisfação do cliente Logística Reversa Segundo Gomes (2004, p.140), a logística de fluxos de retorno, ou logística reversa visa à eficiente execução da recuperação de produtos. Tendo como propósitos a redução, a disposição e o gerenciamento de resíduos tóxicos ou não-tóxicos. Leite (2009, p.17), a logística reversa como área da logística empresarial que planeja, opera e controla o fluxo e as informações logísticas correspondentes, do retorno dos bens de pós-venda e de pós-consumo ao ciclo de negócios ou ao ciclo produtivo, por meio dos canais de distribuição reversos, agregando-lhes valores de diversas naturezas: econômico, de prestação de serviços, ecológico, legal, logístico, de imagem corporativa, dentre outros Cross-Docking Moura (2004, p.167), Cross-Docking: operação de consolidação em que as mercadorias passam nos armazéns diretamente do cais de entrada para o cais de saída, sem armazenamento e com operações de manuseio reduzidas ao mínimo, o que requer estreita sincronização dos movimentos de entrada e de saída. A combinação dos conceitos Just in Time é designada Marge in Transit (Ligação em Trânsito) De acordo com Kinnear apud Pires (2004, p.244), o termo Cross-Docking tem origem no modal marítimo e no ferroviário e começou quando grandes navios atracados em portos passaram a descarregar suas cargas over the dock, ou seja, passaram a descarregar diretamente em outros pequenos navios, barcos ou vagões ferroviários. Severo Filho (2006, p.293), Cross-Docking é uma operação de rápida movimentação de produtos acabados para expedição, entre fornecedores e clientes. Chega e sai imediatamente De forma simples podemos definir o Cross-Docking como uma prática que visa evitar armazenagens desnecessárias (que representam grandes fontes de desperdício) em centros de distribuição ou em locais que trabalham como tal. Pires (2004, p.244) Just in Sequence Um refinamento posterior do processo JIT (Just-in-time) em que as partes são entregues não só no tempo e nas quantidades certas, mas são sincronizadas com a programação do cliente, ou seja, se adéquam ao próprio fluxo do produto do cliente com a eliminação completa do estoque necessário para a montagem do próximo produto. Ribeiro (2008, p.06). Pires (2004, p.247), Just in Sequence JIS É uma prática logística contemporânea, voltada ao processo de abastecimento (inbound), e que pode ser considerada uma evolução do

8 processo de abastecimento dentro da lógica do just in time (prover o cliente com a coisa certa, na quantidade certa e no momento certo). O JIS acrescenta a questão da entrega na sequência certa. As entregas JIS geralmente envolvem itens de alto valor agregado e que são entregues diretamente ou ao lado de linhas de montagens finais Cadeia de Suprimentos Podemos considerar as expressões Cadeia de Suprimentos (Supply Chain) ou Rede de Suprimentos (Supply Network) depende do referencial utilizado. Para Christopher (2007, p.05), sugeriu uma definição mais precisa como sendo uma rede de organizações conectadas e interdependentes, trabalhando conjuntamente, em regime de cooperação mútua, para controlar, gerenciar e aperfeiçoar o fluxo de matériasprimas e informação dos fornecedores para os clientes finais. Segundo o dicionário da American Production Inventory Control Society APICS apud Pires (2004, p.48), uma cadeia de suprimentos (supply chain - SC) pode ser definida como os processos que envolvem fornecedores-clientes e ligam empresas desde a fonte até o ponto de consumo do produto acabado. Para o Supply Chain Council apud Pires (2004, p.48), uma cadeia de suprimentos abrange todos os esforços envolvidos na produção e liberação de um ponto final, desde o (primeiro) fornecedor do até o (último) cliente do cliente. Quatro processos básicos definem esses esforços que são o Planejar (Plan), o Abastecer (Source), o Fazer (Make) e o Entregar (Delivery). Para Quinn apud Pires (2004, p.48), uma cadeia de suprimentos pode ser definida com todas as atividades associadas com o movimento de bens desde o estágio de matériaprima até o usuário final. Para Lee e Billington apud Pires (2004, p.48), uma cadeia de suprimentos representa uma rede de trabalho (network) para as funções de busca de material, sua transformação em produtos intermediários e acabados e a distribuição desses produtos acabados aos clientes finais. Já Lummus e Albert apud Pires (2004, p.48) relatam que uma cadeia de suprimentos é uma rede de entidades (fornecedores, transportadores, fábricas, centros de distribuição, varejistas e clientes finais) na qual o material flui. Segundo Christopher apud Pires (2004, p.48) define a cadeia de suprimentos como uma rede de organizações que estão envolvidas através das ligações a jusante (downstream) e a montante (upstream) nos diferentes processos e atividades que produzem valor na forma de produtos e serviços liberados ao consumidor final. Para Mentzer et al apud Pires (2004,p.48) definem uma cadeia de suprimentos como conjunto de três ou mais entidades (organizações ou indivíduos) diretamente envolvidas nos fluxos a montante ou a jusante de produtos, serviços,financeiro e de informações, desde a fonte primária até o cliente final Gestão da Cadeia de Suprimentos No inicio da década de 90, começou a ser desenvolvido o conceito gerencial chamado de Supply Chain Management, sendo considerado por alguns profissionais na época como uma extensão do conceito da logística integrada. Dizemos que o Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos (GSM, do inglês supply chain management) é um termo recente que destaca as interações logísticas que ocorrem entre as funções de marketing, logística e produção no âmbito do canal de fluxo de produtos.

9 Para Christopher (2007, p.04), define gerenciamento da cadeia de suprimentos como sendo a gestão das relações a montante e a jusante com fornecedores e clientes, para entregar mais valor ao cliente, a um custo menor para a cadeia de suprimentos como um todo. Para Christopher (2007, p.13), a cadeia de suprimentos representa uma rede de organizações, através de ligações nos dois sentidos, dos diferentes processos e atividade que produzem valor na forma de produtos e serviços que são colocados nas mãos do consumidor final. Segundo Gomes (2004, p.143), a gestão da cadeia de suprimentos é o controle de materiais, informação e finanças dentro do processo que vai do fornecedor ao consumidor, passando por fabricante, atacadistas e varejistas. Para Pires (2004, p.70), no contexto do gerenciamento da cadeia de suprimentos definiu como sendo Um modelo gerencial que busca obter sinergias através da integração dos processos de negócios chaves ao longo da cadeia de suprimentos. O objetivo principal é atender ao consumidor final e outros stakeholdres da forma mais eficaz e eficiente possível, ou seja, com produtos e/ou serviços de maior valor percebido pelo cliente final obtido através do menor custo possível. O Supply Chain Management trouxe a mudança no desenvolvimento da visão de competição no mercado atual, então Pozo (2004, p.29) diz que seu objetivo básico é maximizar e tornar realidade as potenciais sinergias entre as partes da cadeia produtiva, de forma a atender ao consumidor final mais eficientemente através da redução dos custos. Moura (2004, p.175) ressalta que o Supply Chain Management ou Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos é a ciência que visa unir todas as fases do processo da cadeia de suprimentos, com o intuito de otimizar os métodos etapas de produção: compras e suprimentos, inventário, administração, previsões, armazenagem, transporte e entrega de produtos. A definição utilizada por Simchi-Levi et al (2003,p.28), para gestão da cadeia de suprimentos é semelhante a definição de gestão de logística dada pelo Conselho de Gestão da Logística: O processo de planejar, implantar e controlar o fluxo e armazenamento eficiente e eficazes de matérias-primas, estoque em processo, produtos acabados e informações relacionadas, desde o ponto de origem ao ponto de consumo, com o propósito de se adaptar às necessidades do cliente. Simchi-Levi et al.(2003,p.27), definiu a gestão de cadeias de suprimentos como sendo é um conjunto de abordagens utilizadas para integrar eficientemente fornecedores, fabricantes, depósitos, armazéns de forma que a mercadoria seja produzida e distribuída na quantidade certa, para a localização certa e no tempo certo, de forma a minimizar os custos globais do sistema ao mesmo tempo em que atinge o nível de serviço desejado Administração Participativa Administração Participativa é uma filosofia que exige que o processo organizacional de tomada de decisões seja feito de forma que os recursos e responsabilidades necessários sejam estendidos até o nível hierárquico mais apropriado. Ferreira (2006, p.129) Maximiano (2006), Administração participativa é uma filosofia ou doutrina que valoriza a participação das pessoas no processo de tomar decisões sobre a administração das organizações. De acordo com o SEBRAE apud Ricca (2007, p.30), a administração participativa é uma filosofia ou doutrina que valoriza a participação das pessoas no processo de tomar decisões sobre diversos aspectos da administração das organizações.

10 Outsourcing Segundo Chiavenato (2006, p.337) Outsourcing também chamada de Terceirização ocorre quando uma operação interna da organização é transferida para outra organização que possa fazê-la melhor e mais barato. Segundo Gomes (2004, p.134), o Outsourcing é uma prática em que parte do conjunto de produtos e serviços utilizados por uma empresa (na realização de uma cadeia produtiva) é providenciada por uma empresa externa, em um relacionamento cooperativo e interdependente. Pozo (2004, p.30) o Outsourcing é a ação em que parte do conjunto de produtos e serviços utilizados pela empresa, dentro de uma cadeia produtiva, é providenciada por uma terceira empresa num relacionamento colaborativo e interdependente. Ainda Pozo (2004, p.30) diz que o Outsourcing é em sua essência uma relação de parceria e cumplicidade muito forte e de extrema lealdade com um ou mais fornecedores da cadeia produtiva com visão estratégica Postponement A palavra inglesa Postponement que significa deixar para o último instante possível a execução de determinada tarefa, por conveniência operacional. Bowesox & Closs (2008, p.23). Na essência, o Postponement consiste em adiar o máximo possível qualquer deslocamento e/ou configurações final de produtos e serviços na cadeia de suprimentos, ou seja, a ordem é aguardar o comprometimento final até o momento exato da definição do pedido do cliente. Csillag & Sampaio (2006,p.05) Um conjunto atual de empresas, como alguns produtores globais de computadores, praticam três formas de postergação, caracterizado a prática de manufatura de postergada. Como: Postergação de Tempo onde postergam ao máximo alguns processos produtivos até que o pedido do cliente seja firmado; Postergação de Forma algumas especificações finais e regionais dos clientes são contempladas pouco antes da entrega do produto, como o conhecido caso da voltagem e/ou frequência de trabalho de produtos eletrônicos e Postergação de Lugar na medida do possível os produtos são enviados para centros de distribuição gerais ou globais, obtendo-se assim uma clara concentração de estoques e de movimentação de cargas consolidadas. Pires (2004, p.167). De acordo com Bowesox & Closs; Csillag & Sampaio e Pires, A prática de adiar a execução de operações finais em processos de fabricação mais flexíveis permite que os produtos em sua forma básica tenham seus estoques descentralizados por instalações capazes de finalizar operações de mistura, montagem e embalagem é conhecida como Postponement (adiamento) de manufatura Efficient Consumer Response (ECR) A Resposta Eficiente ao Consumidor, conhecida em inglês por Efficient Consumer Response (ECR), representa um esforço de otimização da cadeia logística iniciado nos EUA em 1993, com o objetivo de melhorar a satisfação do cliente final através da construção de uma cadeia de suprimentos mais ágil, com mais qualidade entre fabricantes, distribuidores e varejistas a um menor preço para o consumidor. (Tallange, 2010) O Efficient Consumer Response (ECR) ou Resposta Eficiente ao Consumidor trata-se segundo a Associação ECR Brasil de uma estratégia na qual o varejista, o distribuidor e o

11 fornecedor trabalham muito próximos para eliminar custos excedentes da cadeia de suprimentos e melhor servir ao consumidor. (ECR BRASIL, 2010) O ECR visa a um atendimento melhor das reais demandas dos clientes através de um sistema de reposição automática dos estoques consumidos nos pontos de venda. Pires (2004, p.167) De acordo com Moura (2004, p.197), Efficient Consumer Response é uma estratégia produtiva, com a qual distribuidores e fornecedores fazem esforços conjunto para oferecer mais valor aos consumidores de produtos mercearis Followsourcing De forma resumida, o Followsourcing pode ser entendido como uma estratégia e/ou política de abastecimento que força alguns fornecedora-chave (Key suppliers) a acompanhar a empresa cliente ao redor do globo para poder atender-lhe com um padrão e escala global. Pires (2004, p.101) 3.8. Vantagem Competitiva Para Chiavenato (2006, p.316), As principais vantagens competitivas são: 1. Qualidade: traduz a capacidade que a empresa tem de fazer as coisas certas, de acordo com as necessidades e aspirações do cliente, evitando perdas e retrabalho; 2.Velocidade: significa produzir mais rapidamente determinado produto ou serviço, bem como responder mais prontamente às mudanças de necessidades dos clientes; 3.Confiabilidade: é a capacidade de atender seus pedidos pontualmente e de oferecer produtos e serviços de acordo com as aspirações dos clientes; 4.Flexibilidade: significa provocar ações para mudar a estrutura e a cultura vigente a fim de oferecer produtos e serviços de maneira rápida e eficaz e 5.Custo: traduz a capacidade que a empresa tem de tornar as coisas mais baratas. De acordo com Michel Porter apud Moura (2004, p.178) as vantagens competitivas podem ser alcançadas através das reduções de custos ou por meio de uma diferenciação estratégica de uma cadeia global de suprimentos, que ofereça vantagens de melhores custos, garantia dos prazos de entrega e agregação de valor no nível de serviços ao cliente. Já Pozo (2004, p.28) a base da vantagem competitiva fundamenta-se, primeiramente na capacidade de a empresa diferenciar-se de seus concorrentes aos olhos do cliente e, em segundo lugar, pela capacidade de operar a baixo custo e, portanto, oferecendo maior satisfação ao cliente e proporcionando melhor retorno ao negócio. 4. ESTUDO DE CASO 4.1. Caso DELL (Logística Estratégia e Cadeia de Suprimentos) O modelo Dell de negócios é tema de interesse de diferentes setores industriais por não possuir quase estoque, não produzem seus produtos e não possuem lojas. A organização Dell Computer Corporation, uma empresa de computadores de uso pessoal e corporativo, foi fundada em 1984, com plano arrojado fazendo negócios diretamente para o cliente; eliminando revendedores, distribuidores, varejistas, atacadistas, em sua cadeia de suprimentos, garantindo uma relação sem precedentes entre o cliente e o fabricante; relação essa que permite estender o ciclo de vida do produto e prioriza a satisfação do cliente.

12 Beneficia-se do conhecimento adquirido por seus parceiros da área de tecnologia e seus parceiros se beneficiam pelo retorno em vendas e suporte tecnológico. Michael Dell tornou on line o negócio da Dell em Três anos depois apresentava um catalogo eletrônico que permitia aos clientes adquirir computadores pela internet. Mas até a metade do ano 2000, a Dell reduziu seus custos com pedidos via funcionários. Investiu na construção do seu próprio canal direto com o cliente, podendo visualizar informações e assim conseguindo responder as mudanças com maior rapidez. O mesmo chama esse modelo de negócios de integração virtual, onde a empresa está voltada ao consumidor individual e integra a cadeia de suprimentos com foco mais no fluxo de informação do que no tradicional fluxo físico de materiais. A filosofia de negócios se baseia em construir sob encomenda (built-to-order) combinada com exigências dos clientes. Por possuir uma estrutura de manufatura flexível e administração de estoques permite atender rapidamente a pedidos únicos de diferentes tamanhos e complexidade. A Dell acredita numa abordagem baseada na relação direta com o cliente, uma estratégia de distribuição e foco em operar eficientemente. Como resultado possuem produtos com qualidade elevada, alta flexibilidade, custos reduzidos, entrega rápida, capacidade de adaptação da produção. A Dell oferece uma solução personalizada para atender suas necessidades seja empresa ou de uso pessoal. Através do site o cliente pode ter uma resposta imediata sobre configurações e preços do produto, isso possibilita que a Dell crie uma configuração personalizada para todo comprador. Seus produtos são customizados e montados por módulos após confirmação da compra, enviado ao centro de distribuição para logística para finalização do produto através de um fornecedor externo (merge-in-transit) e o produto deve ser entregue em cinco dias úteis. Os tempos do pedido até o carregamento dos caminhões de entrega correspondem há 36 horas. Os componentes para confecção dos computadores estão a cerca de 15 metros da linha de produção. Possuem ainda um plano diferenciado para grandes clientes sendo o produto entregue na porta do cliente dentro de 48 horas a partir do pedido. Um artigo da Harvard Business Review (HBR on POINT,2003), relata que atualmente a Dell possui uma faixa de 64 a 100 giros de estoque por ano, o que representa mais de duas ou três vezes o valor adotado por seus concorrentes. A estratégia competitiva e dinâmica da empresa Dell, tem como meta ser fabricante com baixos custos e usam os estoques para se tornar mais eficientes, reduzindo a utilização de armazenagem centralizada tendo uma capacidade crucial na cadeia de suprimentos. Na Dell com relação à SCM podemos destacar a aplicação da prática do Postponement (postergação) ao longo da cadeia de suprimentos; extensivo grau de Outsourcing (terceirização) na cadeia de suprimentos; integração virtual da cadeia de suprimentos através da construção de parcerias de longo prazo e do compartilhamento de informações on line (em termos de demanda e níveis de estoque), com restrito número de fornecedores que são os líderes em tecnologia e qualidade. São considerados pontos-chaves presente neste modelo de negócios: realizar vendas diretas aos clientes finais através de um canal direto de comunicação como Call Centers e da internet; relacionar-se com grupo seleto e flexível base em torno de quarenta fornecedores responsável por 90% das suas necessidades de materiais; promover uma política de Followsourcing com seus fornecedores; possuir canais de atendimento e de distribuição totalmente integrados para poder conceber produtos e serviços que satisfazem a cada categoria de cliente final; conseguir maior redução de custos e maior velocidade no lançamento de novos produtos (time to market); eliminar estoques de produtos acabados.

13 Características marcantes no modelo Dell como: coordenação de atividades que agregam valor aos clientes finais; agilidade de atendimento; estratégia de segmentação no atendimento ao mercado em especial entre clientes pessoa física e jurídica; criação de canais diretos de venda com os clientes finais; não existência de distribuidores ou varejistas; uso da tecnologia para customização dos produtos pelos próprios clientes; uso da tecnologia da informação empregada para apresentar os níveis de estoque e reabastecimento em tempo real; valorização única cliente (instalação de softwares evitando perda de tempo); canais de comunicação direto com cliente possibilitando redução dos níveis de estoque e previsão de vendas; realização de pesquisa de satisfação de interesse em tendências do setor e segmentação de clientes por empresas que realizam vendas institucionais e que compram produtos na faixa de preço um milhão de dólares/ano. Níveis de Formação de uma Cadeia de Suprimentos Integrada Figura 1 Formação de uma cadeia de suprimentos Integrada. Fonte: CHRISTOPHER (2007, p.018) 5. CONSIDERAÇÕES FINAIS Este artigo apresenta alguns conceitos relacionados ao gerenciamento da cadeia de suprimentos. Neste sentido foram ressaltados alguns aspectos como administração, administração de materiais, administração da produção, administração colaborativa, logística, cadeia de suprimentos e vantagem competitiva, pois são tópicos norteadores e essenciais para promoção de vantagem competitiva. Através de fontes bibliográficas procurou-se relacionar a importância do gerenciamento da cadeia de suprimentos e sua influência no sucesso das organizações que a utilizam como resultado para obtenção de vantagem competitiva.

14 A política de gerência adotada pela organização pode trazer resultados muito interessantes para o processo de controle da produção e de materiais como um todo, principalmente nas áreas diretamente relacionadas ao gerenciamento da cadeia de suprimentos ou da cadeia de valor, como: compras, recebimento, controle de qualidade e o próprio controle dos estoques. O contínuo andamento do processo produtivo é garantido através de parcerias com um seleto grupo de fornecedores que garantem a qualidade do produto. É imprescindível que a empresa possua estratégias que possam garantir o andamento da produção. Dentro da perspectiva apresentada pela Dell Computer, que se preocupa com o fluxo de informações, a fim de manter um nível de estoque eficiente. Adequada ao planejamento da produção, que visam obter e manter os estoques, apenas a níveis estritamente necessários. O planejamento e acompanhamento da cadeia de suprimentos, adequadamente ajustados às necessidades corporativas, podem auxiliar efetivamente na melhoria da cadeia de suprimentos. Percebe-se que estratégia e eficácia operacional andam juntas nas operações logística da cadeia de Suprimentos da Dell, garantindo rapidez de operação, flexibilidade para mudança, integração de cadeia e redução de custos. 9. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ARNOLD, J. R. Tony. Administração de Materiais: Uma Introdução - 1ª ed. - 6ª reimpr. - São Paulo: Atlas, BALLOU, Ronald H. Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos/Logística Empresarial; tradução Raul Rubenich 5ª ed. - Porto Alegre: Bookman, BALLOU, Ronald H. Logística Empresarial: transportes, administração de materiais e distribuição física; tradução Hugo T. Y. Yoshizaki 5ª ed. - São Paulo: Atlas, BOWERSOX, Donald J. ; Closs, David J. Logística Empresarial o processo de integração da cadeia de suprimento. São Paulo: Atlas, CHASE, Richard B.; AQUILINO, Nicholas J.; JACOBS, F. Robert. Fundamentos da Administração da Produção - 10ª ed - Porto Alegre: Bookman Companhia Ed, CHASE, Richard B.; MARK, Davis; AQUILINO, Nicholas J..Fundamentos da Administração da Produção. - 3ª ed. - Porto Alegre: Bookman Companhia Ed, CHIAVENATO, Idalberto. Princípios de Administração: o essencial em teoria geral da administração Rio de Janeiro: Elsevier, CHRISTOPHER, Martin. Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos: criando redes que agregam valor; [tradução Mauro de Campos Silva] 2ª ed São Paulo:Thomson Learning, CHRISTOPHER, Martin. Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos: estratégias para redução de custos e melhoria de serviços 2ª ed São Paulo:Thomson Learning, 1997.

15 COSTA, Fabio José Correia Leal. Introdução à Administração de Materiais em Sistemas Informatizados. São Paulo: Editora, CSILLAG, João Mário; SAMPAIO, Mauro. O Conceito de Postponement Como Estratégia de Distribuição: Um Estudo de Multi-Casos no Mercado Brasileiro. EAESP/FGV/NPP: Núcleo de Pesquisas e Publicações, São Paulo, n.03, p , DALBERIO, Maria Célia Borges. Gestão democrática e participação na escola pública popular. Revista Iberoamericana de Educacion: Editora Organización de estados Iberoamerianos para la educación, la ciencia y la cultura (OEI),Madri, v. 03, n. 47, p.01-12, ECR BRASIL: Glossário. Disponível em: <http://www.ecrbrasil.com.br/ecrbrasil/page/glossario.asp?letra=e&pagina=1>. Acesso em: 25 maio 2010 FERREIRA, Ademir Antônio; REIS, Ana Carla Fonseca; PEREIRA, Maria Isabel. Gestão Empresarial: De Taylor aos Nossos Dias -1ª ed- São Paulo: Thomson Pioneira, FRISCIA, Tony; O, Kevin; HOFMAN, Debra. The AMR Research Supply Chain Top 25 for AMR Research, Estados Unidos, n., p., 28 maio FUSCO, José Paulo Alves. Administração de Operações: da Formulação Estratégica ao Controle Operacional - 1ª ed São Paulo : Arte & Ciência, GAITHER, Norman; FRAZIER, Greg. Administração da Produção e Operações. 2ª reimpr. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, GARCIA, Ana Maria F. MELHADO, Heloísa M. C.; KRITZ, Sônia. Administração de Materiais e Patrimônio. 2ª ed.rev. e atual. Rio de Janeiro: SENAC Nacional, GOMES, Carlos Francisco Simões. Gestão da Cadeia de Suprimentos: Integrada à Tecnologia da Informação. 1ª ed. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, GURGEL, Floriano do Amaral; FRANCISCHINI, Paulino G.. Administração de Materiais e do Patrimônio - 1ª ed.- São Paulo: Thomson Pioneira, LEITE, Paulo Roberto. Logística Reversa: Meio Ambiente e Competitividade. 2ª ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, MAXIMIANO, Antônio César Amaru. Teoria Geral da Administração: da Revolução Urbana à Revolução Digital. --. São Paulo. Editora Atlas, MINOTTO, Ricardo. A Estratégia Em Organizações Hospitalares - 1ª ed - Rio Grande do Sul: EdiPUCRS, MOURA, Cássia. Gestão de Estoques: Ação e Monitoramento na Cadeia de Logística Integrada. Rio de Janeiro: Editora Ciência Moderna Ltda, 2004.

16 PIRES, Silvio R. I..Gestão de Cadeia de Suprimentos: conceitos, estratégias e casos Supply chain management - São Paulo: Atlas, POZO, Hamilton. Administração de Materiais e Patrimoniais: uma abordagem logística 3. ed. - São Paulo: Atlas, RIBEIRO, Antônio Nelson; AKABANE, Getulio Kazue. Tomada de Decisão para Fornecimento em Logística: Estudo de Caso em uma Empresa de Transportes. VII SEMEAD TRABALHO CIENTIFICO OPERAÇÕES. São Paulo: FEA/USP, v. 03, n. 47, p.01-13, RICCA, Domingos. Sucessão na Empresa Familiar: Conflitos e Soluções 1ª ed. São Paulo: Cla Editora, SANTOS, Antônio Raimundo dos et al. Gestão do conhecimento: uma experiência para o sucesso empresarial. - 2ª ed. - Curitiba: Champagnat, SEVERO FILHO, João. Administração de Logística Integrada: Materiais, PCP e Marketing. 2ª ed. rev. atual. Rio de Janeiro: E-papers, SIMCHI-LEVI, David et al. Cadeia de Suprimentos:projeto e gestão 1ª ed Porto Alegre: Bookman, STONER, James A. F.; FREEMAN, R. Edward. Administração. - 2ª ed. - Rio de Janeiro: LTC, TALLENGE CONSULTORIA GERENCIAL: EFFICIENT CONSUMER RESPONSE. Disponível em: <http://www.tallenge.com.br/ecr.html>. Acesso em: 25 maio VERGARA, Sylvia Constant. Projetos e Relatórios de Pesquisa em Administração 7ª ed São Paulo: Atlas, 2006.

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes.

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes. Logística Empresarial Aula 6 Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II Prof. Me. John Jackson Buettgen Contextualização Conceitos Importantes Fluxos logísticos É o movimento ou

Leia mais

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Estratégia Competitiva é o conjunto de planos, políticas,

Leia mais

Prof. Me. Maico Roris Severino Curso Engenharia de Produção Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão

Prof. Me. Maico Roris Severino Curso Engenharia de Produção Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão Prof. Me. Maico Roris Severino Curso Engenharia de Produção Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão 1 Roteiro da Apresentação Definições Cadeia de Suprimentos Logística Gestão da Cadeia de Suprimentos

Leia mais

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Artigo para a Revista Global Fevereiro de 2007 DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT O conceito de Supply Chain Management (SCM), denominado Administração da Cadeia de Abastecimento

Leia mais

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos Prof. Paulo Medeiros Introdução nos EUA surgiram 100 novos operadores logísticos entre 1990 e 1995. O mercado para estas empresas que

Leia mais

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos Capítulo 2 Logística e Cadeia de Suprimentos Prof. Glauber Santos glauber@justocantins.com.br 1 Capítulo 2 - Logística e Cadeia de Suprimentos Papel primordial da Logística na organização Gestão da Produção

Leia mais

O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas.

O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas. Logística e Distribuição Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT Histórico O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas. A história mostra que

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009 LOGÍSTICA EMPRESARIAL Rodolfo Cola Santolin 2009 Conteúdo Cadeia de suprimentos Custos Logísticos Administração de Compras e Suprimentos Logística Reversa CADEIA DE SUPRIMENTOS Logística Logística Fornecedor

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi e Sistema Integrado Objetivos do Tema Apresentar: Uma visão da logística e seu desenvolvimento com o marketing. A participação da logística como elemento agregador

Leia mais

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial Sistemas de Informação Empresarial SIG Sistemas de Informação Gerencial Visão Integrada do Papel dos SI s na Empresa [ Problema Organizacional ] [ Nível Organizacional ] Estratégico SAD Gerência sênior

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1

Introdução e Planejamento Cap. 1 BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@fae.br L

Leia mais

TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO

TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR PRESIDENTE

Leia mais

Gestão da Cadeia de Suprimentos e Logística visões 1

Gestão da Cadeia de Suprimentos e Logística visões 1 Gestão da Cadeia de Suprimentos e Logística visões 1 Objetivo da aula Esta aula se propõe a atingir os seguintes objetivos: 1. Apresentar e discutir o conceito de Cadeia de Suprimentos; 2. Apresentar e

Leia mais

Gestão em Logística. Fundação de Estudos Sociais do Paraná. Luiz Alexandre Friedrich

Gestão em Logística. Fundação de Estudos Sociais do Paraná. Luiz Alexandre Friedrich Gestão em Logística Fundação de Estudos Sociais do Paraná Luiz Alexandre Friedrich Nosso contrato... Fornecedor : Luizão Cliente : Alunos de Adm. da FESP - Fornecer subsídios de teoria e prática de Gestão

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec ETEC PAULINO BOTELHO EXTENSÃO EE ESTERINA PLACCO Código: 091.01 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1. Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br

Introdução e Planejamento Cap. 1. Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA Marinalva R. Barboza Definição do conceito de logística e evolução Logística tem origem no idioma francês Logistique se define de forma militar sendo uma parte estratégica

Leia mais

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

Aula 2º bim. GEBD dia16/10

Aula 2º bim. GEBD dia16/10 Aula 2º bim. GEBD dia16/10 Compras e Manufatura (produção) O ciclo de compras liga uma organização a seus fornecedores. O ciclo de manufatura envolve a logística de apoio à produção. O ciclo de atendimento

Leia mais

LOGÍSTICA 1. Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO

LOGÍSTICA 1. Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO 1 LOGÍSTICA 1 Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO Versa o presente artigo sobre logística e suas aplicabilidades no mundo moderno. A logística foi criada para suprir necessidades durante a Segunda

Leia mais

Olá pessoal nesta fase vimos que a definição de Logística segundo Dornier (2000) é Logística é a gestão de fluxos entre funções de negócio.

Olá pessoal nesta fase vimos que a definição de Logística segundo Dornier (2000) é Logística é a gestão de fluxos entre funções de negócio. Gestão da Produção Industrial Módulo B Fase 1 2015 Logística Empresarial Olá pessoal nesta fase vimos que a definição de Logística segundo Dornier (2000) é Logística é a gestão de fluxos entre funções

Leia mais

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO LOGÍSTICA EMPRESARIAL

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO LOGÍSTICA EMPRESARIAL UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO LOGÍSTICA EMPRESARIAL ANÁLISE DE ASPECTOS LOGÍSTICOS DE UMA REVENDEDORA DE PRODUTOS AGROPECUÁRIOS INSERIDA EM UMA CADEIA DE PRODUÇÃO AGROINDUSTRIAL

Leia mais

O uso da tecnologia CRM em uma empresa de pequeno porte no município de Bambuí-MG

O uso da tecnologia CRM em uma empresa de pequeno porte no município de Bambuí-MG O uso da tecnologia CRM em uma empresa de pequeno porte no município de Bambuí-MG Caroline Passatore¹, Dayvid de Oliveira¹, Gustavo Nunes Bolina¹, Gabriela Ribeiro¹, Júlio César Benfenatti Ferreira² 1

Leia mais

A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo.

A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo. A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo. Cristian Carlos Vicari (UNIOESTE) viccari@certto.com.br Rua Engenharia, 450 Jd. Universitário C.E.P. 85.819-190 Cascavel Paraná

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Sistemas de Informação Prof. M.Sc. Diego Fernandes Emiliano Silva diego.femiliano@gmail.com Agenda Conquistando excelência operacional e intimidade com o cliente: aplicativos integrados Sistemas integrados

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT CIÊNCIAS CONTÁBEIS e ADMINISTRAÇÃO Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT maio/2014 APRESENTAÇÃO Em um ambiente onde a mudança é a única certeza e o número de informações geradas é desmedido,

Leia mais

Unidade IV LOGÍSTICA INTEGRADA. Profa. Marinalva R. Barboza

Unidade IV LOGÍSTICA INTEGRADA. Profa. Marinalva R. Barboza Unidade IV LOGÍSTICA INTEGRADA Profa. Marinalva R. Barboza Supply Chain Managment - SCM Conceito: Integração dos processos industriais e comerciais, partindo do consumidor final e indo até os fornecedores

Leia mais

17/08/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves

17/08/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves 17//2010 Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Engenheiro Agrônomo CCA/UFSCar 1998 Mestre em Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente IE/UNICAMP 2001 Doutor em Engenharia de Produção PPGEP/UFSCar

Leia mais

Paulo Gadas JUNHO-14 1

Paulo Gadas JUNHO-14 1 Paulo Gadas JUNHO-14 1 Cadeia de Suprimentos Fornecedor Fabricante Distribuidor Loja Paulo Gadas JUNHO-14 2 Exemplo de cadeia de suprimentos Fornecedores de matériaprima Indústria principal Varejistas

Leia mais

Logística empresarial

Logística empresarial 1 Logística empresarial 2 Logística é um conceito relativamente novo, apesar de que todas as empresas sempre desenvolveram atividades de suprimento, transporte, estocagem e distribuição de produtos. melhor

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos ... lembrando Uma cadeia de suprimentos consiste em todas

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM

FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM 5/5/2013 1 ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING 5/5/2013 2 1 Os SI nas organizações 5/5/2013 3 Histórico Os Softwares de SI surgiram nos anos 60 para controlar estoque

Leia mais

A LOGÍSTICA COMO INSTRUMENTO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO EM EMPRESAS FORNECEDORAS DE BENS DE CONSUMO NÃO DURÁVEIS.

A LOGÍSTICA COMO INSTRUMENTO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO EM EMPRESAS FORNECEDORAS DE BENS DE CONSUMO NÃO DURÁVEIS. A LOGÍSTICA COMO INSTRUMENTO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO EM EMPRESAS FORNECEDORAS DE BENS DE CONSUMO NÃO DURÁVEIS. Carolina Salem de OLIVEIRA 1 Cristiane Tarifa NÉSPOLIS 2 Jamile Machado GEA 3 Mayara Meliso

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial IETEC INSTITUTO DE EDUCAÇAO TECNOLÓGICA PÓS GRADUAÇAO LATU SENSU 15 a. Turma Gestão da Logística Logística Empresarial Elenilce Lopes Coelis Belo Horizonte MG Julho - 2006 2 SUMÁRIO INTRODUÇÃO À LOGÍSTICA...PÁGINA

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

Sistemas de Apoio. Prof.: Luiz Mandelli Neto. Sistemas de Apoio. ERP (Enterprise Resource Planning) PLANEJAMENTO DE RECURSOS EMPRESARIAIS

Sistemas de Apoio. Prof.: Luiz Mandelli Neto. Sistemas de Apoio. ERP (Enterprise Resource Planning) PLANEJAMENTO DE RECURSOS EMPRESARIAIS Sistemas de Apoio Prof.: Luiz Mandelli Neto Sistemas de Apoio ERP (Enterprise Resource Planning) PLANEJAMENTO DE RECURSOS EMPRESARIAIS Mapa de TI da cadeia de suprimentos Estratégia Planejamento Operação

Leia mais

Segundo o dicionário da American Production Inventory Control Society, uma Cadeia de Suprimentos (Supply Chain) pode ser definida como:

Segundo o dicionário da American Production Inventory Control Society, uma Cadeia de Suprimentos (Supply Chain) pode ser definida como: Fascículo 4 Gestão na cadeia de suprimentos Cadeias de suprimentos Segundo o dicionário da American Production Inventory Control Society, uma Cadeia de Suprimentos (Supply Chain) pode ser definida como:

Leia mais

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação Capítulo 2 E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação 2.1 2007 by Prentice Hall OBJETIVOS DE ESTUDO Identificar e descrever as principais características das empresas que são importantes

Leia mais

EMC Consulting. Estratégia visionária, resultados práticos. Quando a informação se reúne, seu mundo avança.

EMC Consulting. Estratégia visionária, resultados práticos. Quando a informação se reúne, seu mundo avança. EMC Consulting Estratégia visionária, resultados práticos Quando a informação se reúne, seu mundo avança. Alinhando TI aos objetivos de negócios. As decisões de TI de hoje devem basear-se em critérios

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1. COLABORAÇÃO NAS EMPRESAS Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar a colaborar, comunicando idéias, compartilhando

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação Tecnologia da Informação Gestão Organizacional da Logística CONCEITOS O nome Supply Chain, cujo termo têm sido utilizado em nosso país como Cadeia de Suprimentos, vem sendo erroneamente considerado como

Leia mais

Sistemas Integrados ASI - II

Sistemas Integrados ASI - II Sistemas Integrados ASI - II SISTEMAS INTEGRADOS Uma organização de grande porte tem muitos tipos diferentes de Sistemas de Informação que apóiam diferentes funções, níveis organizacionais e processos

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Gerenciamento Logístico Gerenciamento Logístico A missão do gerenciamento logístico é planejar

Leia mais

Sociedade e Tecnologia

Sociedade e Tecnologia Unidade de Aprendizagem 15 Empresas em Rede Ao final desta aula você será capaz de inovações influenciam na competitividade das organizações, assim como compreender o papel da Inteligência Competitiva

Leia mais

O que é uma Empresa Líder em Logística?

O que é uma Empresa Líder em Logística? 133 O que é uma Empresa Líder em Logística? É aquela que oferece maior agregação de valor aos seus clientes em relação aos seus concorrentes a partir de uma combinação harmônica de práticas logísticas

Leia mais

OS DESAFIOS LOGISTICOS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO

OS DESAFIOS LOGISTICOS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO OS DESAFIOS LOGISTICOS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO Fabiana Rubim Cintra Murilo Rodrigues da Silva Patrick Beirigo Andrade RESUMO Este artigo tem o objetivo de expor os principais problemas que o comércio eletrônico

Leia mais

Logística Reversa de Materiais

Logística Reversa de Materiais Logística Reversa de Materiais Aplicação de ferramentas de gestão e operação da Cadeia de Abastecimento na Logística Reversa Apresentador: João Paulo Lopez Outubro / 2.008 Objetivos: Conceituar Logística

Leia mais

O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS

O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS Mauricio João Atamanczuk (UTFPR) atamanczuk@hotmail.com João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br Antonio Carlos de Francisco (UTFPR)

Leia mais

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual Logística Empresarial Evolução da Disciplina Aula 1 Aula 1 O papel da Logística empresarial Aula 2 A flexibilidade e a Resposta Rápida (RR) Operadores logísticos: conceitos e funções Aula 3 Prof. Me. John

Leia mais

Por existir diferentes níveis em uma organização, existem diferentes tipos de sistemas servindo cada nível organizacional

Por existir diferentes níveis em uma organização, existem diferentes tipos de sistemas servindo cada nível organizacional Por existir diferentes níveis em uma organização, existem diferentes tipos de sistemas servindo cada nível organizacional Fonte: Tipos de Sistemas de Informação (Laudon, 2003). Fonte: Tipos de Sistemas

Leia mais

Aula 5 Supply Chain Management (SCM) Gestão da cadeia de suprimentos Prof: Cleber A. de Oliveira

Aula 5 Supply Chain Management (SCM) Gestão da cadeia de suprimentos Prof: Cleber A. de Oliveira 1. Introdução Aula 5 Supply Chain Management (SCM) Gestão da cadeia de suprimentos Prof: Cleber A. de Oliveira Gestão de Sistemas de Informação Os estudos realizados nas disciplinas Gestão da Produção

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial Logística Empresarial Administração de Empresas 6º Período Resumo Introdução ao Conceito de Logística Logística Empresarial (ótica acadêmica e empresarial) Globalização e Comércio Internacional Infra-Estrutura

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA

IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA SILVA, Paulo Henrique Rodrigues da Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerencias E-mail: ph.rs@hotmail.com SILVA, Thiago Ferreira da Docente da Faculdade

Leia mais

Operação do Sistema Logístico

Operação do Sistema Logístico Operação do Sistema Logístico Prof. Ph.D. Cláudio F. Rossoni Engenharia Logística II Objetivo Entender que, possuir um excelente planejamento para disponibilizar produtos e serviços para os clientes não

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO @ribeirord FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br Sistemas de Informação Sistemas de Apoio às Operações Sistemas

Leia mais

Armazenamento e TI: sistema de controle e operação

Armazenamento e TI: sistema de controle e operação Armazenamento e TI: sistema de controle e operação Pós-Graduação Latu-Sensu em Gestão Integrada da Logística Disciplina: TI aplicado à Logística Professor: Mauricio Pimentel Alunos: RA Guilherme Fargnolli

Leia mais

Logística e Distribuição: Definições e Evolução da Logística em um Contexto Global

Logística e Distribuição: Definições e Evolução da Logística em um Contexto Global Logística e Distribuição: Definições e Evolução da Logística em um Contexto Global Neófita Maria de Oliveira (UERN) neofita_maria@yahoo.com.br Athenágoras José de Oliveira (UERN) mara_suy@hotmail.com Mara

Leia mais

Supply Chain Management Gerenciamento da cadeia de suprimentos. Prof. Paulo Medeiros

Supply Chain Management Gerenciamento da cadeia de suprimentos. Prof. Paulo Medeiros Supply Chain Management Gerenciamento da cadeia de suprimentos. Prof. Paulo Medeiros Supply Chain Management O período entre 1980 e 2000 foi marcado por grandes transformações nos conceitos gerenciais,

Leia mais

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO A melhor formação cientifica, prática e metodológica. 1 POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA Marketing Vendas Logística ANTES: foco no produto - quantidade de produtos sem qualidade

Leia mais

DEFINIÇÕES COUNCIL SCM

DEFINIÇÕES COUNCIL SCM ADM DE MATERIAIS DEFINIÇÕES COUNCIL SCM Logística empresarial é a parte do Supply Chain Management que planeja, implementa e controla o eficiente e efetivo fluxo direto e reverso, a estocagem de bens,

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Introdução A A logística sempre existiu e está presente no dia a dia de todos nós, nas mais diversas

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

CEA439 - Gestão da Tecnologia da Informação

CEA439 - Gestão da Tecnologia da Informação CEA439 - Gestão da Tecnologia da Informação Janniele Aparecida Como uma empresa consegue administrar toda a informação presente nesses sistemas? Não fica caro manter tantos sistemas diferentes? Como os

Leia mais

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010 Enterprise Resource Planning - ERP Objetivo da Aula Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 2 1 Sumário Informação & TI Sistemas Legados ERP Classificação Módulos Medidas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS APLICADOS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E TURISMO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO PLANO DE DISCIPLINA DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Conquistando excelência operacional e intimidade com o cliente: aplicativos integrados. slide 1

Conquistando excelência operacional e intimidade com o cliente: aplicativos integrados. slide 1 Conquistando excelência operacional e intimidade com o cliente: aplicativos integrados slide 1 Objetivos de estudo Como os sistemas integrados ajudam as empresas a conquistar a excelência operacional?

Leia mais

ANÁLISE PARA APLICAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NA LOGÍSTICA COMO ESTRATÉGIA COMPETITIVA DE UMA EMPRESA DE DISTRIBUIÇÃO

ANÁLISE PARA APLICAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NA LOGÍSTICA COMO ESTRATÉGIA COMPETITIVA DE UMA EMPRESA DE DISTRIBUIÇÃO ANÁLISE PARA APLICAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NA LOGÍSTICA COMO ESTRATÉGIA COMPETITIVA DE UMA EMPRESA DE DISTRIBUIÇÃO Wallace Passos Malheiros wallace.malheiros@gmail.com André Lima Duarte sesplife@yahoo.com.br

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a SISTEMAS INTEGRADOS Prof. Eduardo Oliveira Bibliografia adotada: COLANGELO FILHO, Lúcio. Implantação de Sistemas ERP. São Paulo: Atlas, 2001. ISBN: 8522429936 LAUDON, Kenneth C.; LAUDON, Jane Price. Sistemas

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação

Estratégias em Tecnologia da Informação Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 6 Sistemas de Informações Estratégicas Sistemas integrados e sistemas legados Sistemas de Gerenciamento de Banco de Dados Material de apoio 2 Esclarecimentos

Leia mais

5 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos

5 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos 5 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos 5.1 Conceitos e definições do supply chain management O conceito ou definição do SCM é algo recente na literatura especializada, datado mais precisamente da metade

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS: UM PLANEJAMENTO INDISPENSÁVEL

ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS: UM PLANEJAMENTO INDISPENSÁVEL ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS: UM PLANEJAMENTO INDISPENSÁVEL DUMAS, Ana Carolina¹ Guirado CALDAMONE,Camila¹ Guerino FRANCO, Nathália¹ Ribeiro; Acadêmicos do curso de Administração da Faculdade de Ciências

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Noções de Engenharia de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Noções de Engenharia de Produção Curso de Engenharia de Produção Noções de Engenharia de Produção Logística: - II Guerra Mundial; - Por muito tempo as indústrias consideraram o setor de logística de forma reativa e não proativa (considera

Leia mais

PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO

PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO Umberto Sales Mazzei Bruno Vieira Bertoncini PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO

Leia mais

30/09/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves. Como surgiu o termo?

30/09/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves. Como surgiu o termo? Engenheiro Agrônomo CCA/UFSCar 1998 Mestre em Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente IE/UNICAMP 2001 Doutor em Engenhariade Produção PPGEP/UFSCar 2005 Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Consultor

Leia mais

Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br

Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Agenda Componentes de uma empresa Objetivos Organizacionais X Processos de negócios Gerenciamento integrado

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro Matheus de Aguiar Sillos matheus.sillos@pmlog.com.br AGV Logística Rua Edgar Marchiori, 255, Distrito

Leia mais

Objetivos da Produção

Objetivos da Produção Objetivos da Produção Aula 3 Profª. Ms. Eng. Aline Soares Pereira Sistemas Produtivos I Objetivos da aula 1. Apresentar os objetivos e estratégias da produção 2 Produção: É o processo de obtenção de qualquer

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO EXTENSÃO EE ESTERINA PLACCO

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO EXTENSÃO EE ESTERINA PLACCO Plano Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO EXTENSÃO EE ESTERINA PLACCO Código: 091.01 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico Nível

Leia mais

INTEGRAÇÃO ENTRE MARKETING E LOGÍSTICA EMPRESARIAL: UM ESTUDO DE CASO NO SETOR DE MÓVEIS PLANEJADOS

INTEGRAÇÃO ENTRE MARKETING E LOGÍSTICA EMPRESARIAL: UM ESTUDO DE CASO NO SETOR DE MÓVEIS PLANEJADOS INTEGRAÇÃO ENTRE MARKETING E LOGÍSTICA EMPRESARIAL: UM ESTUDO DE CASO NO SETOR DE MÓVEIS PLANEJADOS Amanda Cristina Nunes Alves (SSP) amandac.06@hotmail.com Anne Sthefanie Santos Guimaraes (SSP) annesthefanie14@hotmail.com

Leia mais

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios UNIMEP MBA em Gestão e Negócios Módulo: Sistemas de Informações Gerenciais Aula 4 TI com foco nos Negócios: Áreas envolvidas (Parte II) Flávio I. Callegari www.flaviocallegari.pro.br O perfil do profissional

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO / E.E. ESTERINA PLACCO (EXTENSAO) Código: 091.01 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Nível

Leia mais

Prof. Lucas Santiago

Prof. Lucas Santiago Classificação e Tipos de Sistemas de Informação Administração de Sistemas de Informação Prof. Lucas Santiago Classificação e Tipos de Sistemas de Informação Sistemas de Informação são classificados por

Leia mais

SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA INTRODUÇÃO À UM MODELO DE GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS PARA OBTENÇÃO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO

SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA INTRODUÇÃO À UM MODELO DE GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS PARA OBTENÇÃO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA INTRODUÇÃO À UM MODELO DE GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS PARA OBTENÇÃO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO BURGO, Rodrigo Navarro Sanches, RIBEIRO, Talita Cristina dos Santos, RODRIGUES,

Leia mais

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial Prof. Pedro Luiz de O. Costa Bisneto 14/09/2003 Sumário Introdução... 2 Enterprise Resourse Planning... 2 Business Inteligence... 3 Vantagens

Leia mais

IMPLANTAÇÃO E TREINAMENTO NO SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS ESTUDO DE CASO

IMPLANTAÇÃO E TREINAMENTO NO SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS ESTUDO DE CASO 503 IMPLANTAÇÃO E TREINAMENTO NO SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS ESTUDO DE CASO Christina Garcia(1); Franciane Formighieri(2); Taciana Tonial(3) & Neimar Follmann(4)(1) Acadêmica do 4º Ano do Curso de

Leia mais

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA:

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA: Prof. Jean Cavaleiro Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA: PRODUÇÃO E COMÉRCIO Introdução Entender a integração logística. A relação produção e demanda. Distribuição e demanda. Desenvolver visão sistêmica para

Leia mais

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha Unidade II GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha Após a Segunda Guerra Mundial: Estados Unidos da América passaram por um longo período de crescimento. Responsáveis pela reconstrução de muitos

Leia mais

GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS ISSN: 0000-0000 Monica Alejandra Noemi Romero 1 Dario Silva de Souza 2 RESUMO O presente artigo tem por objetivo apresentar uma revisão bibliográfica da abrangência

Leia mais

O que é Balanced Scorecard?

O que é Balanced Scorecard? O que é Balanced Scorecard? A evolução do BSC de um sistema de indicadores para um modelo de gestão estratégica Fábio Fontanela Moreira Luiz Gustavo M. Sedrani Roberto de Campos Lima O que é Balanced Scorecard?

Leia mais

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia.

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Introdução Sávio Marcos Garbin Considerando-se que no contexto atual a turbulência é a normalidade,

Leia mais