1.20 Núcleo de Estudos de Gênero

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1.20 Núcleo de Estudos de Gênero"

Transcrição

1 Centros e Núcleos 1.20 Núcleo de Estudos de Gênero Telefone: Ramal 7873 Coordenador: Mariza Correa Responsáveis pelo SIPEX: Rosilene S. Gelapi Corpo de pesquisadores Mariza Corrêa, Doutor, MS-4, RDIDP. Ana Maria Meregalli Goldani, Doutor, MS-3, RDIDP. Guita Grin Debert, Doutor, MS-3, RDIDP. Leila Mezan Algranti, Doutor, MS-3, RDIDP. Maria Lygia Q. de Moraes, Doutor, MS-3, RDIDP. Maria Suely Kofes, Doutor, MS-3, RDIDP. Adriana Gracia Piscitelli. Arilda Inês Miranda Ribeiro. Carla Silvia Beozzo Bassanezi. Karla Adriana Martin Bessa. Susana Maria Moreira Linhas de Pesquisa 1. Historias e Memorias Femininas. O projeto integrado Historias e Memorias Femininas reconstitui trajetorias femininas a partir de narrativas orais e escritas. Enfocando experiencias femininas atraves de memorias, e considerando os debates atuais acerca da historia das mulheres e das relacoes de genero, o projeto visa aprofundar, a partir do objeto empirico mulheres, o conhecimento da construcao social da diferenca sexual, explora ndo os limites da categoria analitica genero (Aprovada pelo Departamento/Conselho Científico em 11/1993). 2. Experiencias Culturais das Mulheres das Elites: Experiencias de Mulheres de Empresas Familiares Paulistas. Duas preocupacoes basicas orientaram a participacao no Projeto Historias e Memorias Femininas. A primeira delas foi explorar, no plano teorico, a relacao entre experiencias e memorias, mulheres e genero. A segunda foi estabelecer relacoes entre o material empirico, levando para o tema especifico, experiencias de mulheres em empresas familiares paulistas, escolhi o tema considerando que as empresas familiares podiam oferecer um universo privilegiado em termos de observar, ao longo das geracoes e particularmente na segunda metade do deste seculo, transformacoes importantes nas classificacoes de genero. As leituras de diversos materiais referidos as empresas familiares sugere que so nas decadas de 80 e 90 as mulheres sao incorporadas em cargos de decisoes quanto no que consideram seu direitonas herancas (Aprovada pelo Departamento/Conselho Científico em 11/1993). 3. Experiencias Femininas no Campo da Educacao: O Colegio Florence de Campinas. A campanha em favor do aprimoramento da instrucao feminina no Brasil nao tinha como objetivo elevar a mulher a carreira cientifica e literaria. Tambem nao se pretendia prepara-la para funcoes profissionais, ainda que consideradas incompativeis com a sua capacidade intelectual e desnecessaria a missao que acreditavam estar reservada pela natureza; a de ser mae. As cartas e jornais trazem a tona informacoes sobre a atuacao das alunas na sala de aula, no patio de recreacoes, nas apresentacoes em festas publicas, na assimilacao dos conteudos ministrados por seus professores, dificuldades, angustia s, conquistas, etc. Retratam o meio em que viviam e o cotidiano escolar do seculo XIX. Essas informacoes mostraram tambem como os pais, parentes e amigos, alem dos professores, vivenciavam suas preocupacoes no periodo analisado (Aprovada pelo Departamento/Conselho Científico em 11/1993). 74

2 Núcleo de Estudos de Gênero 4. Experiencias Afetivas e Sexualidade: Juventude nos anos Cinquenta. O objetivo do subprojeto foi contribuir para a discussao das questoes relativas a experiencias e memorias, sob a perspectiva de genero, e questionar os limites e possibilidades da propria teoria de genero adotada como ponto de referencia. Esta contribuicao dar-se-ia a tematica das experiencias afetivas de jovens brasileiros, de classe media, na decada de 50 - vivencias da sexualidade, flertes, namoros etc. O trabalho de pesquisa e direcionado nas maneiras pelas quais estas praticas, marcadas por significativos sociais, foram vivenciadas/problematizadas por representantes de uma geracao e nos modos como elas sao resgatadas e reconstruidas, hoje, pelos trabalhos da memoria (Aprovada pelo Departamento/Conselho Científico em 11/1993). 5. Experiencias Afetivas e Sexualidade: Judiciario e Praticas Afetivas em Uberlandia, decada de 50. Ao refazer a leitura dos processos criminais de seducao, sob a otica da metodologia e de alguns paradigmas teoricos propostos pelos estudos de genero, o trabalho seguiu dois eixos de discussao. O primeiro, relacinado diretamente a documentacao, procurou investigar as diversas praticas afetivas engendradas nos anos 50, no auge do romantismo, vivenciadas no limiar da transgressao, envolvendo assim o aparato policial e juridico. O segundo, paralelamente ao primeiro, foi a tentativa de compreensao do campo conceitual e da dinamica de funcionamento das relacoes de genero, num claro intento de familiarizar a pesquisadora com essa nova proposta teorico-metodologica (Aprovada pelo Departamento/Conselho Científico em 11/1993). 6. Experiencias Culturais das Mulheres das Elites: As Aristocratas do Cafe. O objetivo e acompanhar a trajetoria de mulheres da elite que viveram sua juventude nas primeiras decadas do seculo XX. Primordial, no subprojeto, sao as mulheres ligadas de alguma forma a elite cafeeira paulista, que atraves de biografias e de memorias - escritas e orais - recuperar imagens de suas vidas domesticas e em sociedade, bem como valores, representacoes e o modo de vida destas mulheres cuja prosperidade do cafe, permitia-lhes um padrao de vida e a fruicao de habitos proprios de sua condicao economica e social distinguindo-as de outras mulheres de sua epoca (Aprovada pelo Departamento/Conselho Científico em 11/1993). 7. Experiencias Femininas na Producao Artistica, Literaria e Cientifica: Antropologas e Antropologia. A Antropologia se especializou como disciplina no tratamento de situacoes liminares ou de fronteiras, como mostram os contrates estabelecidos desde o inicio de sua historia - entre o sagrado e o profano, o primitivo e o civilizado, a magia e a ciencia, as tribos e as sociedades nacionais: a lista poderia continuar, incorporando contrates mais finos, em pesquisas mais recentes. O feminino como contraste/oposicao/espelho masculino e uma instancia particular dessa preocupacao mais geral da disciplina ( ou seria o contrario?), mas so recentemente, e gracas a mobilizacao politica das mulheres, tem permeado quase qualquer discussao daquelas oposicoes, obrigando os pesquisadores a pensar em ambos os dominios com parte delas - ou elas como que perpassadas pelo que, de agora em diante, se convencio nou chamar de distincoes de genero (Aprovada pelo Departamento/Conselho Científico em 11/1993). 8. Experiencias Culturais das Mulheres das Elites: Uma Biografia: varias narrativas. Atraves de narrativas e da discussao da interelacao entre nocoes e relacoes sociais marcadas pelo genero e trajetorias de mulheres, reconstituir de uma biografia, a de uma mulher que morreu na decada de 80, estarei lidando com relatos de outros que conviveram ou ouviram falar de Vitoria; e tambem com a sua biblioteca e alguns jornais locais. Vitoria, a biografada, nem sempre foi reclusa, tinha umavida ativa, e que era atipica tendo em vista a trajetoria feminina nas primeiras decadas do seculo e no seu local de origem. Mas, em algum momento teria rompido com esta vida ativa e se tornado reclusa. Esta nao e um pesquisa sobre a reclusao, mas pretendo tomar a reclusao como elemento significativo, porque aponta para um ponto crucial de uma trajetoria e experiencia e para um ponto critico das relacoes sociais (Aprovada pelo Departamento/Conselho Científico em 11/1993). 9. Experiencias Femininas na Producao Artistica, Literaria e Cientifica: Pintoras Pioneiras. 75

3 Centros e Núcleos No Projeto Historias e Memorias Femininas, desenvolvo o trabalho de pesquisa sobre a historia de vida e a obra de algumas das nossas primeiras pintoras: Angelina Agostini, Georgina Albuquerque e Haydea Lopes Santiago, artistas que mesmo no Brasil sao quase desconhecidas, com obras pouco expostas em espacos publicos. As pintoras Modernistas figuram como mulheres pioneiras na arte brasileira, mas tal falha ocorre principalmente porque os demais nomes de pintoras nao fizeram parte de movimentos culturais mais amplos, como foi o caso do modernismo. Foi na busca do preenchimento parcial desta lacuna que iniciei minha pesquisa (Aprovada pelo Departamento/Conselho Científico em 11/1993). 10. Historias Femininas: Memorias e Experiencias. Historias Femininas: Memorias e Experiencias reconstiuti trajetorias femininas a partir de narrativas orais e escritas. Enfocando experiencias femininas atraves de memorias, e considerando os debates atuais acerca da historia das mulheres e das relacoes de genero, o projeto visa aprofundar, a partir do objeto empirico mulheres, o conhecimento da construcao social da diferenca sexual, explorando os limites da categoria de genero. As pesquisas que integram o projeto, organizadas em torno de cinco eixos, tratam destes multiplos aspectos, alguns deles pouco pesquisados na producao brasileira que toma as mulheres como objeto de estudo, e outros pouco desenvolvidos na perspectiva proposta pelo projeto (Aprovada pelo Departamento/Conselho Científico em 01/1994). 11. Experiencias Culturais das Mulheres das Elites: Experiencias de Mulheres de Empresas Familiares Paulistas. Duas preocupacoes basicas orientaram minha participacao no Projeto. A primeira delas foi explorar, no plano teorico, a relacao entre experiencias e memorias, mulheres e genero. A segunda foi estabelecer relacoes entre o material empirico, levantado para o tema especifico que estou desenvolvendo dentro do subprojeto, e essas questoes teoricas. Escolhi o tema considerando que as empresas familiares podiam oferecer um universo privilegiado em termos de observar, ao longo das geracoes e particularmente na segunda metade deste seculo, transformacoes importantes nas classificacoes de genero. A leitura de diversos materiais referidos as empresas sugere que so nas decadas de 80 e 90 as mulheres sao incorporadas em cargos diretivos e disputam pela participacao quanto no que consideram seu direito n as herancas (Aprovada pelo Departamento/Conselho Científico em 01/1994). 12. Experiencias Femininas no Campo da Educacao: O Colegio Florence de Campinas. A campanha em favor do aprimoramento da instrucao feminina no Brasil nao tinha como objetivo elevar a mulher a carreira cientifica e literaria. Tambem nao se pretendia prepara-la para funcoes profissionais, ainda que consideradas incompativeis com a sua capacidade intelectual e desnecessaria a missao que acreditavam estar reservada pela mulher; a de ser mae. Desobrigados, portanto, de preparar para os estudos superiores em geral, ainda considerados improprios a mulher, o ensino secundario montado no fim do Imperio, em alguns poucos estabelecimentos da Provincia de S. Paulo, adquire feicao propria. No caso do Colegio Florence, liberto da tradicao secular que vinha consagrando o predominio das humanidades classicas nos estudos preparatorios, caracterizou-se pela importancia atribuida as linguas modernas e as ciencias (Aprovada pelo Departamento/Conselho Científico em 01/1994). 13. Experiencias Afetivas e Sexualidade: Juventude nos Anos Cinquenta. O objetivo deste subprojeto era contribuir para a discussao das questoes relativas a experiencias e memorias, sob a perspectiva de genero, e questionar os limites e possibilidades da propria teoria degenero adotada como ponto de referencia, esta contribuicao dar-se-ia atraves de registro e analise de depoimentos orais direcinados a tematica das experiencias afetivas de jovens brasileiros, de clas se media, na decada de 50 - vivencias da sexualidade, flertes namoros etc. O trabalho de pesquisa estaria centrado nas maneiras pelas quais estas praticas, marcadas por significados sociais, foram vivenciadas/problematizadas por representantes de um geracao e nos modos como elas sao resgatadas e reconstruidas, hoje, pelos trabalhos da memoria (Aprovada pelo Departamento/Conselho Científico em 01/1994). 14. Experiencias Afetivas e Sexualidade: Judiciario e Praticas Afetivas em Uberlandia, decada de cinquenta. O objetivo dessa pesquisa era refazer a leitura dos processos criminais de seducao, sob a otica da metodologia e de alguns paradigmas teoricos propostos pelos estudos de genero, o que, 76

4 Núcleo de Estudos de Gênero de certa formaimplicou tambem no acompanhamento do debate acerca das producoes historiograficas mais recentes, que ousaram articular historia e genero, marcando desta maneira as diferencas entre os estudos de gene ro e a historia da mulher. Neste sentido, o trabalho desenvolve em dois eixos:a documentacao, procurando investigar as diversas praticas afetivas engendradas nos anos 50, vivenciada no limiar da transgressao e paralelamente a compreensao do campo conceitual e da dinamica de funcionamento das relacoes de genero (Aprovada pelo Departamento/Conselho Científico em 01/1994). 15. Experiencias Culturais das Mulheres das Elites: As Aristocratas do Cafe. O objetivo primordial sao as mulheres ligadas de alguma forma a elite cafeeira paulista, que atraves de biografias e de memorias - escritas e orais - recuperar imagens de suas vidas domesticas e em sociedade, bem como valores, representacoes e o modo de vida destas mulheres, cuja prosperidade do cafe, permitialhes um padrao de vida e a fruicao proprios de sua condicao economica e social distingui ndo-as de outras mulheres de sua epoca (Aprovada pelo Departamento/Conselho Científico em 01/1994). 16. Experiencias Femininas na Producao Artistica, Literaria e Cientifica: Antropologas e Antropologia. A Antropologia se especializou como disciplina no tratamento de situacoes liminares ou de fronteiras, como mostram os contrastes estabelecidos desde o inicio de sua historia - entre o sagrado e o profano, o primitivo e o civilizado, a magia e a ciencia, as tribos e as sociedades nacionais: a lista poderia continuar, incorporando contrastes mais finos, em pesquisas mais recentes. O feminino como contraste/oposicao/espelho do masculino e uma instancia particular dessa preocupacao mais geral da disciplina ( ou seira o contrario?), mas so recentemente, e gracas a mobilizacao politica das mulheres tem permeado quase qualquer discussao daquelas oposicoes, obrigando os pesquisadores a pensar em ambos os dominios como parte delas - ou elas como que perpassadas pelo que, de agora em diante, se conv encionou chamar de distincoes de genero (Aprovada pelo Departamento/Conselho Científico em 01/1994). 17. Experiencias Culturais das Mulheres das Elites: Uma Biografia: Varias narrativas. Atraves de narrativas e da discussao da interelacao entre nocoes e relacoes sociais marcadas pelo genero e trajetorias de mulheres, a pesquisa tem como objetivo a reconstituicao de uma biografia, a deuma mulher que morreu na decada de 80. Estarei lidando com relatos de outros que conviveram ou ouviram falara de Vitoria. Vitoria a biografada, nem sempre foi reclusa, tinha uma vida ativa, e que era atipica tendo em vista a trajetoria feminina nas primeiras decadas do seculo e no seu local de origem. Mas em algum momento teria rompido com esta vida e se tornado reclusa. Esta nao e uma pequisa sobre a reclusao, mas pretendo tomar a reclusao como elemento significativo, porque aponta para um ponto crucial em uma trajetoria e experiencia e para um ponto critico das relacoes sociais (Aprovada pelo Departamento/Conselho Científico em 01/1994). 18. Experiencias Femininas na Producao Artistica, Literarai e Cientifica: Pintoras Pioneiras. O desenvolviento da pesquisa e sobre historia de vida e a obra de algumas das nossas primeiras pintoras, artistas que no Brasil sao quase desconhecidas, com obras pouco expostas em espaco publicos - Angelina Agostini, Georgina Albuquerque, Haydea Lopes Santiago e Helena Pereira da Silva Ohashi. As pintoras modernistas figuram como mulheres pioneiras na arte brasileira, mas tal falha ocorre pirncipalmente porque os demais nomes de pintoras nao fizeram parte de movimentos culturais mais amplos, como foi o caso do modernismo. Foi na busca do preenchimento parcial desta lacuna que iniciei minha pesquisa (Aprovada pelo Departamento/Conselho Científico em 01/1994). 19. Genero Sexualidade nas leituras para adolescentes. E explorar como genero e sexualidade participam da construcao da nocao de adolescente, no material consumido por jovens brasileiros das camadas medias. Pensando em genero com conceitualizacoes que temcomo referencia o que e percebido como diferencas sexuais, a intencao desta pesquisa e compreender como nocoes tais como masculinidade e feminilidade, natureza, cultura, biologia, sao apresentadas no material lido pelos jovens. O projeto sera desenvolvido analisando as representacoes associadas a estas nocoes em material lido por jovens que frequentam os Colegios Anglo e Progresso, cm Campinas. Este material - basicamente 77

5 Centros e Núcleos manuais de educacao sexual, a Revista Capricho, o Folhateen, suplemento do Jornal Folha de S.Paulo, e alguns textos literarios - foi selecionado apos sondagem entre alunos desses Colegios (Aprovada pelo Departamento/Conselho Científico em 08/1994). 20. Leituras de Devocao. O Objetivo dessa vertente e recuperar a historia dos livros de devocao e de sua leitura, isto e, acompanha-los na sua trajetoria ate o Brasil, procurando compreender a questao da circulacao desses livros em Portugal e na Colombia, seus possiveis leitores e as formas de apreensao dessas leituras. Sem perder de vista o conjunto dos leitores, um grupo especifico nos interessa sobremaneira: as mulheres reclusas, leigas e religiosas, cujo cotidiano e universo de sociabilidade, ja estudado em trabalho anterior, nos permitira analisar agora, mais detalhadamente, os acervos de suas bibliotecas e as praticas de leitura (Aprovada pelo Departamento/Conselho Científico em 09/1995). 21. Genero Sexualidade nas Leituras para Adolescentes: Leitura do Folhateen e suplemento Jornal Folha de Sao Paulo. O Folhateen e suplemento da Folha de Sao Paulo, foram selecionados apos uma sondagem entre alunos dos Colegios Anglo e Progresso.O projeto sera desenvolvido analisando as representacoes associadas comgenero e sexualidade participam da construcao da nocao de adolescencia, no material consumido por jovens brasileiros das camadas medias. Neste sentido, a sexualidade constitui uma via particularmenteinteressante para pensar nas relacoes de genero. Em primeiro lugar, a propria sexualidade e vivida a partir de concepcoes de genero. Alem disso, o tratamento dado a sexualidade, focalizando precisamente as concepcoes referidas ao sexo permite observar quase diretamente o grau em que as diferenciacoes de genero sao ou nao biologizadas (Aprovada pelo Departamento/Conselho Científico em 08/1994). 22. Historia e Memorias Femininas. No projeto Memorias e Experiencias Femininas, com o objetivo de discutir a relacao entre mulheres e genero (estudos de mulheres e estudos de genero) enfatizavamos a importancia de interelacionar acao social, situacoes e sujeitos. Dai a enfase na nocao de experiencia, esta nocao pode ser conceitualizada de maneiras diferentes. No entanto, ela e quase sempre trabalhada para limitar excessos, particularmente os das explicacoes estruturais (Aprovada pelo Departamento/Conselho Científico em 09/1994). 23. Experiencias Culturais das Mulheres das elites: Experiencias de Mulheres de Empresas Familiares Paulistas. Escolhi o tema considerando que as empresas familiares podiam oferecer um universo privilegiado em termos de observar, ao longo das geracoes e particularmente na segunda metade deste seculo, transformacoes importantes na classifacacoes de genero. A leitura de diversos materiais referidos as empresas familiares sugere que so nas decadas de 80 e 90 as mulheres sao incorporadas em cargos diretivos das empresas de suas familias e disputam pela participacao tanto da tomada de decisoes quanto no que consideram seu direito nas herancas (Aprovada pelo Departamento/Conselho Científico em 09/1994). 24. Experiencias Femininas no Campo da Educacao: O Colegio Florence de Campinas. Esta pesquisa e parte do Projeto Integrado Historias e Memorias Femininas. A questao fundamental seria discutir a interelacao entre nocoes e relacoes sociais marcadas pelo genero e trajetorias de mulheres. O subprojeto e no campo da educacao e o campo empirico e o Colegio Florence de Campinas. O trabalho foi realizado atraves de leituras de microfilmes ou nos proprios jornais: A Gazeta de Campinas, O Correiro de Campinas, O Correiro Paulistano e A Provincia de Sao Paulo. A campanha em favor do aprimoramento da instrucao feminina no Brasil nao tinha como objetivo elevar a mulher a carreira cientifica e literaria. Tambem nao se prentedia prepara-la para funcoes profissionais, ainda que consideradas incompativeis com a sua capacidade intelectual e desnecessaria a missao que acreditavam estarreservada pela natureza; a de ser mae (Aprovada pelo Departamento/Conselho Científico em 09/1994). 25. Experiencias Afetivas e Sexualidade: Juventude nos Anos Cinquenta. O objetivo deste subprojeto e contribuir para a discussao das questoes relativas a experiencias e memorias, sob a perspectiva 78

6 Núcleo de Estudos de Gênero de genero, e questionar os limites e possibilidades da propria teoria de genero adotada como ponto de referencia. Esta contribuicao dar-se-ia atraves do registro e analise de depoimentos orais direcionados a tematica das experiencias afetivas de jovens brasileiros, de classe media, na decada de 50 - vivencias da sexualidade, flertes, namoros etc. O trabalho de pesquisa estaria centrado nas maneiras pelas quais estas praticas, marcadas por significados sociais, foram vivenciados/problematizados por representantes de uma geracao e nos modos como elas sao resgatadas e reconstruidas, hoje, pelos trabalhos da memoria (Aprovada pelo Departamento/Conselho Científico em 09/1994). 26. Experiencias Afetivas e Sexualidade: Judiciario e Praticas Afetivas em Uberlandia, decada de 50. O objetivo maior era refazer a leitura dos processos criminais de seducao, sob a otica da metodologia e de alguns paradigmas teoricos pelos estudos de genero, o que, de certa forma, implicou tambem noacompanhamento do debate acerca das producoes historiograficas mais recentes, que ousaram articular historia e genero, marcando desta maneira as diferenacas entre os estudos de genero e a historia da mulher (Aprovada pelo Departamento/Conselho Científico em 09/1994). 27. Experiencias Culturais das Mulheres das Elites: As Aristocratas do Cafe. O objetivo do subprojeto e acompanhar a trajetoria de mulheres da elite que viveram sua juventude nas primeiras decadas do seculo XX. O primordial sao as mulheres ligadas de alguma forma a elite cafeeira paulista, da regiao do Oeste Paulista. Pretende-se atraves de biografias e de memorias - escritas e orais - recuperar imagens de suas vidas domesticas e em sociedade, bem como valores, representacoes e o modo de vida desta mulheres, cuja prosperidade do cafe, permitia-lhes um padrao de vida e a fruicao de habitos proprios de sua condicao economica e social distinguindo-as de outras mulheres de sua epoca (Aprovada pelo Departamento/Conselho Científico em 09/1993). 28. Experiencias Femininas na Producao Artistica, Literaria e Cientifica: Antropologas e Antropologia. A Antropologia se especializou como disciplina no tratamento de situacoes liminares ou de fronteiras, como mostram os contrates estabelecidos desde o inicio de sua historia - entre o sagrado e o profano, o primitivo e o civilizado, a magia e a ciencia, as tribos e as sociedades nacionais: a lista poderia continuar, incorporando contrastes mais finos, em pesquisas mais recentes. O feminino como contraste/oposicao/espelho do masculino e uma instancia particular dessa preocupacao mais geral da disciplina ( ou seria o contrario?), mas so recentemente, e gracas a mobilizacao politica das mulheres, t em permeado quase qualquer discussao daquelas oposicoes, obrigando os pesquisadores a pensar em ambos os dominios como parte delas - ou elas como que perpassadas pelo que, de agora em diante, se conve ncionou chamar de distincoes de genero (Aprovada pelo Departamento/Conselho Científico em 09/1994). 29. Experiencias Culturais das Mulheres das Elites: Uma Biografia: Varias Narrativas. A questao fundamental da pesquisa seria discutir a interelacao entre nocoes e relacoes sociais marcadas pelo genero e trajetorias de mulheres. A reconstituicao e de uma biografia, a de uma mulher que morreu na decada de 80, Vitoria. Estarei lidando com relatos de outros que conviveram ou ouviram falar dela; e tambem de sua biblioteca e alguns jornais locais. A biografada, nem sempre foi reclusa, tinha uma vida ativa, e que era atipica tendo em vista a trajetoria feminina nas primeiras decadas do seculo e no seu local de origem. Mas, em algum momento teria rompido com esta vida ativa, com os lacos sociais e se tornado reclusa. Esta nao e uma pesquisa sobre a reclusao, porem a reclusao e um elemento significativo, porque aponta para um ponto crucial em uma trajetoria e experiencia e para um ponto critico das relacoes sociais (Aprovada pelo Departamento/Conselho Científico em 09/1994). 30. Experiencias Femininas na Producao Artistica, Literaria e Cientifica - Pintoras Pioneiras. Desenvolvo o trabalho de pesquisa sobre a historia de vida e a obra de algumas das nossas primeiras pintoras - Angelina Agostini, Georgina Albuquerque, Haydea Lopes Santiago e Helena Pereira da Silva Ohashi, artistas que mesmo no Brasil sao quase desconhecidas, com obras pouco expostas em espacos publicos. As pintoras modernistas figuram como mulheres pioneiras na arte brasileira, mas tal falha ocorre principalmente porque os demais nomes de pintoras nao fizeram parte de movimentos culturais 79

7 Centros e Núcleos mais amplos, como foi do modernismo. Foi na busca do preenchimento parcial desta lacuna que iniciei minha pesquisa (Aprovada pelo Departamento/Conselho Científico em 09/1994) Projetos de Pesquisa 1. Historias Femininas: Memorias e Experiencias. Coordenador: L.M.Algranti; (01/ /1995). Órgão Financiador: Fundo de Apoio ao Ensino e a Pesquisa - UNICAMP, valor equivalente em dolares: US$ 2.463, Publicações Artigos publicados em revistas de circulação internacional especializadas 1. A.M.M.Goldani, Fecundidade e Familia: uma relacao de tamanho desde a perspectiva dos filhos, Revista Brasileira de Estudos de População, 11(1), 12-13, (1995). Capítulos de livros publicados no exterior 1. L.M.Algranti, Os Livros de Devocao e a Religiosa Perfeita (normatizacao e praticas religiosas nos recolhimentos femininos do Brasil colonial, Cultura Portuguesa na Terra de Santa Cruz, 1 a Edição, Vol. 1, Editora: Estampa, Pags , Lisboa, Portugal, (1995) Participação em eventos 1. L.M.Algranti (apresentação de trabalho), A Literatura Religiosa e a Biblioteca de uma Mistica Brasileira do seculo XVIII, Participou da mesa redonda: Leitura e Genero com o trabalho A Literatura Religiosa e a Biblioteca de uma Mistica Brasileira do seculo XVIII, X COLE - Leitura e Sociedade, Campinas. 2. A.G.Piscitelli (apresentação de trabalho), Diarios e Confissoes: Genero e Sexualidade em leituras de Adolescentes, Participou apresentando trabalho, X COLE - Leitura e Sociedade, Campinas. 3. M.Corrêa (apresentação de trabalho), Frankenstein em Pequim ( ), Apresetou trabalho Frankentein em Pequim, Encontro Estadual sobre Violencia contra a Mulher, Universidade Estadual de Santa Maria. 4. M.Corrêa (apresentação de trabalho), Os Crimes Passionais no Direito Brasileiro, Apresentou conferencia para juizas e promotoras, III Semana da Mulher Gaucha, Nucleo de Estudos Juridicos. 5. M.Corrêa (apresentação de trabalho), Genero e Sexualidade, Participou de mesa redonda apresentando trabalho, Seminario Panorama da Antropologia Portuguesa, Ufrj. 6. M.Corrêa (apresentação de trabalho), Usos e Abusos da Leitura Confesionario de Francisco Pareja, Participou da mesa redonda com apresentacao de trabalho, X Congresso de Leitura do Brasil - COLE, Unicamp. 7. L.M.Algranti (coordenador), Coordenou a mesa redonda: Historia e Literatura, Congresso de Leitura do Brasil - COLE, Instituto de Estudos da Linguagem. 8. L.M.Algranti (apresentação de trabalho), A Literatura Religiosa e a Biblioteca de uma Mistica Brasileira do Seculo XVIII, Participou apresentando o trabalho na mesa redonda, Congresso de Leitura no Brasil - COLE Encontro Interno Memoria e Leitura, Iel - Unicamp. 9. L.M.Algranti (apresentação de trabalho), A Devocao Feminina nos Recolhimentos do Sudeste, Apresentou trabalho na conferencia, Participacao das mulheres na America Latina, Cedhal. 80

8 Núcleo de Estudos de Gênero 10. M.L.Q.de Moraes (apresentação de trabalho), O aborto do ponto de vista da crianca: o direito de ser amada, Participou com apresentacao de trabalho, Genero, Ciencia e Tecnologias, Unesp. 11. M.L.Q.de Moraes (apresentação de trabalho), A relacao mulher/crianca e a iconografia dos seculos XVII e XIX, Participou apresentando trabalho, XIX Encontro Anual da ANPOCS, Caxambu. 12. A.G.Piscitelli (apresentação de trabalho), O que aconteceria se os homens menstruassem?, Participou da Mesa Redonda Masculino e Feminino na Familia, na escola e na Sociedade, X Curso Anual de Atualizacao em Educacao Sexual, Salao Vermelho da Prefeitura Campinas. 13. M.L.Q.de Moraes (apresentação de trabalho), Marxismo e Feminismo: o movimento de mulheres no Brasil, Participou apresentando trabalho, Simpoio Internacional Dialetica, Departamento de Historia FFCH Promoção de eventos 1. Sexualidade e Saude Reprodutiva, Fecamp. 2. Genero e especie em duas sociedades da America do Sul, Sala da Congregacao do IFCH. 3. Genero, Cidadania e Identidades, Sala de Reunioes do Pagu. 4. Representacoes Politicas da Mulher Palestina, Sala da Congregacao do IFCH. 5. Genero, Estado, e Violencia: reflexoes a partir da Delegacia da Mulher, Sala de Renuioes do Pagu. 6. Pesquisa sobre familias no Caribe, Sala de reunioes do Pagu. 7. As estrategias de seducao: mulheres escravas apre(e)ndendo a liberdade ( ), Sala de reunioes do Pagu Quadro Geral das Atividades (Núcleo de Estudos de Gênero) LINHAS DE PESQUISA: 30 PROJETOS DE PESQUISA: 1 Descrição Qtd MS-1 MS-2 MS-3 MS-4 MS-5 MS-6 NÚMERO DE PESQUISADORES PUBLICAÇÕES 2 2 Artigos em revistas circ.internac.espec. 1 1 Capítulos de livros pub. no exter. 1 1 PARTICIPAÇÃO EM EVENTOS 13 PROMOÇÃO DE EVENTOS 7 81

O USO DA IMAGEM NAS AULAS DE HISTÓRIA: AS PINTURAS DO SÉCULO XIX

O USO DA IMAGEM NAS AULAS DE HISTÓRIA: AS PINTURAS DO SÉCULO XIX O USO DA IMAGEM NAS AULAS DE HISTÓRIA: AS PINTURAS DO SÉCULO XIX Ricardo Barros Aluno do curso de Pós graduação (mestrado) da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo Sendo as coisas que pensamos

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Jorge Luiz de FRANÇA * Nesta comunicação, pretendemos, por intermédio das publicações

Leia mais

Historia das relações de gênero

Historia das relações de gênero STEARNS, P. N. Historia das relações de gênero. Trad. De Mirna Pinsky. Sao Paulo: Contexto, 2007. 250p. Suellen Thomaz de Aquino Martins Santana 1 Historia das relações de gênero aborda as interações entre

Leia mais

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 TEMÁTICA: EDUCAÇÃO, QUESTÃO DE GÊNERO E DIVERSIDADE EDUCAÇÃO

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA

NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA Margarete Maria da Silva meghamburgo@yahoo.com.br Graduanda em Pedagogia e membro do NEPHEPE Universidade Federal de

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INVESTIGAÇÃO DA PRÁTICA DOCENTE I... 4 02 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 4 03 PROFISSIONALIDADE DOCENTE... 4 04 RESPONSABILIDADE

Leia mais

Pós-graduação em Gestão das Minorias

Pós-graduação em Gestão das Minorias 1 Ascensão Acadêmica Pós-Graduação alavanca sucesso na carreira profissional Pesquisa coordenada pelo Centro de Políticas Sociais da Fundação Getúlio Vargas (FGV), em 2010, indica que as pessoas que não

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

Secretaria de Enfrentamento à Violência contra as Mulheres 1º Fórum de Violência contra a Mulher: Múltiplos olhares

Secretaria de Enfrentamento à Violência contra as Mulheres 1º Fórum de Violência contra a Mulher: Múltiplos olhares Secretaria de Enfrentamento à Violência contra as Mulheres 1º Fórum de Violência contra a Mulher: Múltiplos olhares Campinas, Abril de 2014 Violência contra as Mulheres: dados Internacional: 1 de cada

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

EIXOS TEMÁTICOS REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS

EIXOS TEMÁTICOS REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS EIXOS TEMÁTICOS 1. Cultura, saberes e práticas escolares e pedagógicas na educação profissional e tecnológica: arquivos escolares, bibliotecas e centros de documentação. Para este eixo temático espera

Leia mais

3.360 H/AULA (*) CURRÍCULO PLENO/

3.360 H/AULA (*) CURRÍCULO PLENO/ MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: HISTÓRIA LICENCIATURA PLENA SERIADO ANUAL 3 (TRÊS) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 03 (TRÊS) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 05 (CINCO)

Leia mais

NÚCLEO DE ESTUDOS DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR CONTRA A MULHER NA CIDADE DE PONTA GROSSA

NÚCLEO DE ESTUDOS DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR CONTRA A MULHER NA CIDADE DE PONTA GROSSA 9. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( X ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

Geyso D. Germinari Universidade Estadual do Centro-Oeste

Geyso D. Germinari Universidade Estadual do Centro-Oeste O ENSINO DE HISTÓRIA LOCAL E A FORMAÇÃO DA CONSCIÊNCIA HISTÓRICA DE ALUNOS DO 6º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM A UNIDADE TEMÁTICA INVESTIGATIVA Geyso D. Germinari Universidade Estadual

Leia mais

Faculdade de Direito Ipatinga Núcleo de Investigação Científica e Extensão NICE Coordenadoria de Extensão. Identificação da Ação Proposta

Faculdade de Direito Ipatinga Núcleo de Investigação Científica e Extensão NICE Coordenadoria de Extensão. Identificação da Ação Proposta Faculdade de Direito Ipatinga Núcleo de Investigação Científica e Extensão NICE Coordenadoria de Extensão Identificação da Ação Proposta Área do Conhecimento: Ciências Sociais Aplicadas Área Temática:

Leia mais

CURRICULUM VITAE ALCILENE CAVALCANTE (DE OLIVEIRA) - Doutora em Literatura - Mestra em História. paulistana brasileira

CURRICULUM VITAE ALCILENE CAVALCANTE (DE OLIVEIRA) - Doutora em Literatura - Mestra em História. paulistana brasileira CURRICULUM VITAE ALCILENE CAVALCANTE (DE OLIVEIRA) - Doutora em Literatura - Mestra em História E-mail: alcilene.cavalcante@terra.com.br paulistana brasileira QUALIFICAÇÃO ACADÊMICA 2007-2003 Pós-Graduação

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA SIMPLIFICADA FACULDADE DE PSICOLOGIA/UFAM Nº 03/2013 SELEÇÃO DE PROFISSIONAIS PARA ATUAÇÃO POR CURTO PRAZO

CHAMADA PÚBLICA SIMPLIFICADA FACULDADE DE PSICOLOGIA/UFAM Nº 03/2013 SELEÇÃO DE PROFISSIONAIS PARA ATUAÇÃO POR CURTO PRAZO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS FACULDADE DE PSICOLOGIA Núcleo de Formação Continuada de Conselheiros dos Direitos e Conselheiros Tutelares do Estado do Amazonas Escola de Conselhos do Amazonas CHAMADA

Leia mais

Resenha do livro: GONDRA, José Gonçalves; SCHUELER, Alessandra. Educação, poder e sociedade no Império Brasileiro. Sao Paulo: Cortez, 2008.

Resenha do livro: GONDRA, José Gonçalves; SCHUELER, Alessandra. Educação, poder e sociedade no Império Brasileiro. Sao Paulo: Cortez, 2008. do livro: GONDRA, José Gonçalves; SCHUELER, Alessandra. Educação, poder e sociedade no Império Brasileiro. Sao Paulo: Cortez, 2008. de: Surya Aaronovich Pombo de Barros Universidade Federal da Paraíba/UFPB

Leia mais

Programa ADAI Projetos Brasileiros

Programa ADAI Projetos Brasileiros Programa ADAI Projetos Brasileiros Brasil 1999 1ª Convocatória Arquivo Público da Cidade de Belo Horizonte: Conservação preventiva de acervo audiovisual. Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami:

Leia mais

1.11 Núcleo de Estudos Estratégicos

1.11 Núcleo de Estudos Estratégicos 1.11 Núcleo de Estudos Estratégicos Telefone: Ramal 7569 Coordenador: Geraldo Lesbat Cavagnari Filho Responsáveis pelo SIPEX: Sueli de Almeida Cypriano (nee00@sipex.unicamp.br) 1.11.1 Corpo de pesquisadores

Leia mais

Literatura infantil e juvenil Formação de leitores

Literatura infantil e juvenil Formação de leitores Coleção educação em análise A literatura é um campo privilegiado para ocultar/desocultar sentidos, e os livros contemporâneos (muitas vezes plenos de mensagens que vão além do texto literário, estabelecendo

Leia mais

A se acreditar no testemunho de seus contemporâneos, Maria Guilhermina Loureiro

A se acreditar no testemunho de seus contemporâneos, Maria Guilhermina Loureiro CONSIDERAÇÕES FINAIS A se acreditar no testemunho de seus contemporâneos, Maria Guilhermina Loureiro de Andrade foi uma mulher bastante conhecida na sociedade brasileira, pelo menos entre a imprensa e

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR:

ESTRUTURA CURRICULAR: ESTRUTURA CURRICULAR: Definição dos Componentes Curriculares Os componentes curriculares do Eixo 1 Conhecimentos Científico-culturais articula conhecimentos específicos da área de história que norteiam

Leia mais

O documentário gaúcho contemporâneo: memória e identidade (1995-2010). De Moringue a Barão do Jacuí: a trajetória de Francisco Pedro de Abre.

O documentário gaúcho contemporâneo: memória e identidade (1995-2010). De Moringue a Barão do Jacuí: a trajetória de Francisco Pedro de Abre. 35. MESTRADO EM HISTÓRIA (CÓDIGO 1049) 35.1. Área de Concentração e vagas: História, Poder e Cultura: 15 (quinze) vagas 35.1.1 Linha de Pesquisa e vagas: Integração, Política e Fronteira: oito vagas PROFESSOR

Leia mais

USOS E LIMITES DA CATEGORIA GÊNERO *

USOS E LIMITES DA CATEGORIA GÊNERO * USOS E LIMITES DA CATEGORIA GÊNERO * MARIA LYGIA QUARTIM DE MORAES ** A introdução da categoria gênero permite a incorporação das dimensões culturais às dimensões psico-biológicas das diferenças entre

Leia mais

elementos para refletirmos a respeito da liberdade do corpo da prostituta na prática da

elementos para refletirmos a respeito da liberdade do corpo da prostituta na prática da PROSTITUIÇÃO E A LIBERDADE DO CORPO 1 Primeiramente quero agradecer o convite e falar que estou encantada de falar deste tema para uma platéia tão especial. Bom, na minha comunicação pretendo levantar

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: BACHARELADO SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 07 (SETE)

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2004.1. Disciplinas do Núcleo Comum 01 ANTROPOLOGIA CULTURAL

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2004.1. Disciplinas do Núcleo Comum 01 ANTROPOLOGIA CULTURAL Disciplinas do Núcleo Comum 01 ANTROPOLOGIA CULTURAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 10 h/a Créditos: 2 : A Antropologia enquanto ciência e seus principais ramos. Metodologia da pesquisa em Antropologia

Leia mais

Curso de Relações Internacionais

Curso de Relações Internacionais UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA CÂMPUS DE MARÍLIA Faculdade de Filosofia e Ciências Curso de Relações Internacionais 1 º. ano Disciplina: Introdução à História Profª Lidia M. V. Possas Lidia. M. V. Possas

Leia mais

Cinema como ferramenta de aprendizagem¹. Angélica Moura CORDEIRO². Bianca da Costa ARAÚJO³ Universidade Federal de Campina Grande, Campina Grande, PB.

Cinema como ferramenta de aprendizagem¹. Angélica Moura CORDEIRO². Bianca da Costa ARAÚJO³ Universidade Federal de Campina Grande, Campina Grande, PB. Cinema como ferramenta de aprendizagem¹ Angélica Moura CORDEIRO² Bianca da Costa ARAÚJO³ Universidade Federal de Campina Grande, Campina Grande, PB. RESUMO Este artigo pronuncia o projeto Criancine que

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS. 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias

MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS. 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias C/H Memória Social 45 Cultura 45 Seminários de Pesquisa 45 Oficinas de Produção e Gestão Cultural 45 Orientação

Leia mais

A Corte Chegou Cândida Vilares e Vera Vilhena PROJETO DE LEITURA. Ficha Autoras: Romance histórico. As autoras A vivência como professoras

A Corte Chegou Cândida Vilares e Vera Vilhena PROJETO DE LEITURA. Ficha Autoras: Romance histórico. As autoras A vivência como professoras A Corte Chegou Cândida Vilares e Vera Vilhena PROJETO DE LEITURA 1 As autoras A vivência como professoras foi a base de trabalho das autoras. Na sala de aula, puderam conviver com a realidade de leitura

Leia mais

GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE DOCUMENTOS DO GEPHE - GRUPO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM CAMPINA GRANDE PARAIBA

GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE DOCUMENTOS DO GEPHE - GRUPO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM CAMPINA GRANDE PARAIBA GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE DOCUMENTOS DO GEPHE - GRUPO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM CAMPINA GRANDE PARAIBA Autora: Regina Coelli Gomes Nascimento - Professora do curso de História

Leia mais

(30h/a 02 créditos) Dissertação III (90h/a 06 Leituras preparatórias para a

(30h/a 02 créditos) Dissertação III (90h/a 06 Leituras preparatórias para a GRADE CURRICULAR DO MESTRADO EM LETRAS: LINGUAGEM E SOCIEDADE DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS 34 CRÉDITOS Teorias da Linguagem (60h/a 04 Teorias Sociológicas (60h/a 04 Metodologia da Pesquisa em Linguagem (30h/a

Leia mais

ANEXO E: EMENTÁRIO DO CURRÍCULO 13

ANEXO E: EMENTÁRIO DO CURRÍCULO 13 ANEXO E: EMENTÁRIO DO CURRÍCULO 13 I CICLO DE ESTUDOS INTERDISCIPLINARES (1º e 2º semestres): FUNDAMENTOS DA FORMAÇÃO DO PEDAGOGO EMENTÁRIO: O I Ciclo do Curso de Pedagogia do UniRitter desenvolve os fundamentos

Leia mais

1) A prática e o aprofundamento das habilidades comunicativas específicas que serão avaliadas nos exames.

1) A prática e o aprofundamento das habilidades comunicativas específicas que serão avaliadas nos exames. C U R S O S ESPECIAIS I n s t i t u t o C e r v a n t e s d e B r a s i l i a CURSOS ESPECIAIS O Instituto Cervantes de Brasília dispõe de uma ampla oferta de cursos especiais para se adaptar as necessidades

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Relatório Perfil Curricular

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Relatório Perfil Curricular PERÍODO: 1º LE733- COMPREENSÃO E PRODUÇÃO DE TEXTO EM LÍNGUA PORTUGUESA Fórmula: LE003 LE003- LINGUA PORTUGUESA 3 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTOS. ANÁLISE DE ESTRUTURAS BÁSICAS DA LÍNGUA PORTUGUESA. SINTAXE

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Prática: 15 h/a Carga Horária: 60 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

Ananindeua, Rurópolis, Belterra, Santarém, Novo Progresso, Trairão, Itaituba, Alenquer, Portel, Breves, Souré, Salvaterra.

Ananindeua, Rurópolis, Belterra, Santarém, Novo Progresso, Trairão, Itaituba, Alenquer, Portel, Breves, Souré, Salvaterra. I-IDENTIFICAÇÃO 1. INSTITUIÇÃO Universidade Federal do Pará 2. UNIDADE ACADÊMICA/ CAMPI/ NÚCLEO DEPARTAMENTO/ COLEGIADO Instituto de Ciências da Educação / Programa de Pós-Graduação em Educação / Núcleo

Leia mais

CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN EDUCAÇÃO INFANTIL DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL IV

CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN EDUCAÇÃO INFANTIL DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL IV CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN EDUCAÇÃO INFANTIL 2013 DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL IV DISCIPLINA : MUNDO SOCIAL OBJETIVOS GERAIS Demonstrar interesse e curiosidade pelo mundo social e natural, formulando

Leia mais

Aender Luis Guimarães Endereço para acessar este CV:http://lattes.cnpq.br/0650701466672587

Aender Luis Guimarães Endereço para acessar este CV:http://lattes.cnpq.br/0650701466672587 Imprimir currículo Aender Luis Guimarães Endereço para acessar este CV:http://lattescnpqbr/0650701466672587 Última atualização do currículo em 20/10/2015 Resumo informado pelo autor Docente do Instituto

Leia mais

VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL

VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL CONSIDERAÇÕES SOBRE O TRABALHO REALIZADO PELO SERVIÇO SOCIAL NO CENTRO PONTAGROSSENSE DE REABILITAÇÃO AUDITIVA E DA FALA (CEPRAF) TRENTINI, Fabiana Vosgerau 1

Leia mais

Ementários de acordo com o Projeto Político Pedagógico do Curso de Serviço Social (2007).

Ementários de acordo com o Projeto Político Pedagógico do Curso de Serviço Social (2007). Anexo 1. Ementários de acordo com o Projeto Político Pedagógico do Curso de Serviço Social (2007). I. Disciplinas Obrigatórias SOCIOLOGIA CLÁSSICA Os paradigmas sociológicos clássicos (Marx, Weber, Durkheim).

Leia mais

SAúDE e PReVENÇãO NaS ESCoLAS Atitude pra curtir a vida

SAúDE e PReVENÇãO NaS ESCoLAS Atitude pra curtir a vida SAúDE e PReVENÇãO NaS ESCoLAS Atitude pra curtir a vida UNAIDS/ONUSIDA Relatório para o Dia Mundial de Luta contra AIDS/SIDA 2011 Principais Dados Epidemiológicos Pedro Chequer, Diretor do UNAIDS no Brasil

Leia mais

PARECER Nº 13/2009 1- APRESENTAÇÃO

PARECER Nº 13/2009 1- APRESENTAÇÃO PARECER Nº 13/2009 Manifesta-se sobre a declaração de interesse público e social do acervo de Abdias Nascimento, sob a guarda do Instituto de Pesquisas e Estudos Afro-Brasileiros - IPEAFRO 1- APRESENTAÇÃO

Leia mais

Universidade de São Paulo USP

Universidade de São Paulo USP Abordagem Interdisciplinar em Ciências da Natureza e Matemática para o Ensino Básico em diferentes regiões do Estado de São Paulo (Projeto: 66472). Leila Maria Beltramini, Esther Pacheco de Almeida Prado,

Leia mais

RELATÓRIO DA PESQUISA ONLINE: Avaliação dos Atores do Sistema de Garantia de Direitos participantes das Oficinas em São Paulo

RELATÓRIO DA PESQUISA ONLINE: Avaliação dos Atores do Sistema de Garantia de Direitos participantes das Oficinas em São Paulo RELATÓRIO DA PESQUISA ONLINE: Avaliação dos Atores do Sistema de Garantia de Direitos participantes das Oficinas em São Paulo APRESENTAÇÃO A SaferNet Brasil é uma associação civil de direito privado, com

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE SERVIÇO SOCIAL INTRODUÇÃO AO SERVIÇO SOCIAL EMENTA: A ação profissional do Serviço Social na atualidade, o espaço sócioocupacional e o reconhecimento dos elementos

Leia mais

Menino brinca de boneca? Livro e guia do professor Autor: Marcos Ribeiro

Menino brinca de boneca? Livro e guia do professor Autor: Marcos Ribeiro Menino brinca de boneca? Livro e guia do professor Autor: Marcos Ribeiro Trabalha a questão do masculino feminino de forma muito didática. Trata, basicamente, dos estereótipos sexuais e preconceitos existentes

Leia mais

Lançamento de Livros e Sessão de Autógrafos 12 de Julho - 19h30

Lançamento de Livros e Sessão de Autógrafos 12 de Julho - 19h30 Lançamento de Livros e Sessão de Autógrafos 12 de Julho - 19h30 Ana Isabel Madeira (Apresentação pela autora - sala 1) Referência da Obra: Madeira, A. (2012). A Construção do Saber Comparado em Educação:

Leia mais

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido 1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido No estudo da Comunicação, a publicidade deve figurar como um dos campos de maior interesse para pesquisadores e críticos das Ciências Sociais e Humanas.

Leia mais

Graduanda em Geografia pela Universidade de São Paulo. Bolsista de iniciação científica da FUSP/BNDES. Contato: ca-milafranco@hotmail.

Graduanda em Geografia pela Universidade de São Paulo. Bolsista de iniciação científica da FUSP/BNDES. Contato: ca-milafranco@hotmail. Implementação de bancos de dados georeferenciados das Viagens Filosóficas Portuguesas (1755-1808) e a criação de um material didático com o uso do Google Earth. Camila Franco 1 Ermelinda Moutinho Pataca

Leia mais

Os Cursos de Licenciatura em Matemática das Universidades em Belém do Pará: da criação à consolidação

Os Cursos de Licenciatura em Matemática das Universidades em Belém do Pará: da criação à consolidação Os Cursos de Licenciatura em Matemática das Universidades em Belém do Pará: da criação à consolidação Alailson Silva de Lira 1 GD5 História da Matemática e Cultura O presente trabalho faz parte da dissertação

Leia mais

Memória e discurso: reflexões sobre a trajetória do ensino de espanhol a. partir da análise de textos oficiais

Memória e discurso: reflexões sobre a trajetória do ensino de espanhol a. partir da análise de textos oficiais Memória e discurso: reflexões sobre a trajetória do ensino de espanhol a partir da análise de textos oficiais Maria Cecília do Nascimento Bevilaqua (UERJ) Apresentação Quem não se lembra da ênfase dada

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS 1. EMENTA Análise das diferentes abordagens historiográficas acerca da transição das sociedades medievais européias ao capitalismo. Formação do Antigo Regime e surgimento do paradigma do homem moderno:

Leia mais

Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) II Bloco

Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) II Bloco Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) I Bloco Filosofia da Educação 60 horas Metodologia Científica 60 horas Iniciação à Leitura e Produção de Textos Acadêmicos 60 horas Introdução à filosofia e

Leia mais

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável Sustentabilidade Socioambiental Resistência à pobreza Desenvolvimento Saúde/Segurança alimentar Saneamento básico Educação Habitação Lazer Trabalho/

Leia mais

Juventude e Prevenção das DST/Aids

Juventude e Prevenção das DST/Aids 1 Juventude e Prevenção das DST/Aids Sandra Unbehaum 1, Sylvia Cavasin 2, Valéria Nanci Silva 3 A pesquisa Jovens do sexo masculino, Sexualidade, Saúde Reprodutiva: um estudo de caso na comunidade de Capuava

Leia mais

HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA

HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA Juliana Fabbron Marin Marin 1 Ana Maria Dietrich 2 Resumo: As transformações no cenário social que ocorreram

Leia mais

A PRESENÇA MASCULINA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: REFLEXÕES INTRODUTÓRIAS

A PRESENÇA MASCULINA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: REFLEXÕES INTRODUTÓRIAS A PRESENÇA MASCULINA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: REFLEXÕES INTRODUTÓRIAS Nilson Sousa Cirqueira 1 - UESB José Valdir Jesus de Santana 2 - UESB Grupo de Trabalho - Educação da Infância Agência Financiadora: Não

Leia mais

29 DE JANEIRO DIA NACIONAL DA VISIBILIDADE DE TRAVESTIS E TRANSEXUAIS. Jaqueline Gomes de Jesus* 1

29 DE JANEIRO DIA NACIONAL DA VISIBILIDADE DE TRAVESTIS E TRANSEXUAIS. Jaqueline Gomes de Jesus* 1 29 DE JANEIRO DIA NACIONAL DA VISIBILIDADE DE TRAVESTIS E TRANSEXUAIS Jaqueline Gomes de Jesus* 1 Uma história única cria estereótipos, e o problema com os estereótipos não é que eles sejam mentirosos,

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 60 h Prática: 15 h Créditos: 4 A Biologia e o educador. Herança e meio, a hereditariedade. Reprodução humana. As funções vegetativas (digestão e alimentos,

Leia mais

Traçar um quadro histórico dos estudos de sânscrito desenvolvidos

Traçar um quadro histórico dos estudos de sânscrito desenvolvidos O curso de Sânscrito MARÍA VALíRIA ADERSON DE MELLO VARGAS Traçar um quadro histórico dos estudos de sânscrito desenvolvidos na Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São

Leia mais

Alessandra Martins de Faria Data de nascimento: 16/11/1976 Nacionalidade: Brasileira Contato: afaria.28@gmail.com

Alessandra Martins de Faria Data de nascimento: 16/11/1976 Nacionalidade: Brasileira Contato: afaria.28@gmail.com Alessandra Martins de Faria Data de nascimento: 16/11/1976 Nacionalidade: Brasileira Contato: afaria.28@gmail.com Formação acadêmica: 2009 2011 Mestre em Sociologia Área de Especialização: Saúde e Sociedade

Leia mais

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social: instrumentais técnico-operativos no Serviço Social. CRAS CONSULESA HELENA VAN DEN BERG - CASTRO/ PARANÁ

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social: instrumentais técnico-operativos no Serviço Social. CRAS CONSULESA HELENA VAN DEN BERG - CASTRO/ PARANÁ VIII Jornada de Estágio de Serviço Social: instrumentais técnico-operativos no Serviço Social. CRAS CONSULESA HELENA VAN DEN BERG - CASTRO/ PARANÁ DUCHEIKO, Angelina do Rocio 1 RODRIGUES, Camila Moreira

Leia mais

Da Natureza, Personalidade Jurídica e Identificação. Art. 1º O Colégio da Polícia Militar do Estado de Goiás, neste Regimento

Da Natureza, Personalidade Jurídica e Identificação. Art. 1º O Colégio da Polícia Militar do Estado de Goiás, neste Regimento SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR UNIDADE POLIVALENTE GABRIEL ISSA REGIMENTO INTERNO TÍTULO I Das Disposições Preliminares

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CORREGEDORIA GERAL DA JUSTIÇA DIRETORIA GERAL DE ADMINISTRAÇÃO

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CORREGEDORIA GERAL DA JUSTIÇA DIRETORIA GERAL DE ADMINISTRAÇÃO PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CORREGEDORIA GERAL DA JUSTIÇA DIRETORIA GERAL DE ADMINISTRAÇÃO Divisão de Apoio Técnico Interdisciplinar Serviço de Apoio aos Psicólogos A) PROJETOS SÍNTESE

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS INGLÊS E LITERATURAS DE LÍNGUA INGLESA (Currículo iniciado em 2010)

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS INGLÊS E LITERATURAS DE LÍNGUA INGLESA (Currículo iniciado em 2010) EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS INGLÊS E LITERATURAS DE LÍNGUA INGLESA (Currículo iniciado em 2010) COMPREENSÃO E PRODUÇÃO ORAL EM LÍNGUA INGLESA I C/H 102 (2358) intermediário de proficiência

Leia mais

MATO GROSSO: MUITO ALÉM DO DEVER FUNCIONAL

MATO GROSSO: MUITO ALÉM DO DEVER FUNCIONAL MATO GROSSO: MUITO ALÉM DO DEVER FUNCIONAL Cuiabá-MT teve a primeira Promotoria de Justiça a aplicar a Lei Maria da Penha no Brasil, iniciando seus trabalhos no dia 22/09/2006, dia em que a Lei Maria da

Leia mais

A PRESENÇA NEGRA NO PARÁ: RESENHA DE UM

A PRESENÇA NEGRA NO PARÁ: RESENHA DE UM R E S E N H A A PRESENÇA NEGRA NO PARÁ: RESENHA DE UM TRABALHO PIONEIRO SALLES, VICENTE. O NEGRO NO PARÁ. SOB O REGIME DA ESCRAVIDÃO. 3ª EDIÇÃO. BELÉM: INSTITUTO DE ARTES DO PARÁ, 2005. JOSÉ MAIA BEZERRA

Leia mais

2ª Etapa: Propor a redação de um conto de mistério utilizando os recursos identificados na primeira etapa da atividade.

2ª Etapa: Propor a redação de um conto de mistério utilizando os recursos identificados na primeira etapa da atividade. DRÁCULA Introdução ao tema Certamente, muitas das histórias que atraem a atenção dos jovens leitores são as narrativas de terror e mistério. Monstros, fantasmas e outras criaturas sobrenaturais sempre

Leia mais

ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA

ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA Área Temática: Direitos Humanos e Justiça Liza Holzmann (Coordenadora da Ação de Extensão) Liza Holzmann 1 Palavras Chave:

Leia mais

Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1. Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana Xavier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE

Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1. Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana Xavier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1 Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana avier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE RESUMO Este trabalho se propõe uma jornada Arcoverde adentro

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE PEDAGOGIA, Licenciatura REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente documento

Leia mais

A (DES)CONSTRUÇÃO DA MATERNIDADE PINTO, Maria das Graças C. da S. M. G. Uniplac/Unifra profgra@terra.com.br GT:Gênero, Sexualidade e Educação / n.

A (DES)CONSTRUÇÃO DA MATERNIDADE PINTO, Maria das Graças C. da S. M. G. Uniplac/Unifra profgra@terra.com.br GT:Gênero, Sexualidade e Educação / n. A (DES)CONSTRUÇÃO DA MATERNIDADE PINTO, Maria das Graças C. da S. M. G. Uniplac/Unifra profgra@terra.com.br GT:Gênero, Sexualidade e Educação / n. 23 Introdução A maternidade tem se constituído cada vez

Leia mais

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Maria do Socorro Pimentel da Silva 1 Leandro Mendes Rocha 2 No Brasil, assim como em outros países das Américas, as minorias étnicas viveram

Leia mais

Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL

Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL ÍNDICE Pensamento Social...2 Movimentos Sociais e Serviço Social...2 Fundamentos do Serviço Social I...2 Leitura e Interpretação de Textos...3 Metodologia Científica...3

Leia mais

marcadores sociais Várias formas de diferença e desigualdade convivem 13 SOCIOLOGIA ESPECIAL

marcadores sociais Várias formas de diferença e desigualdade convivem 13 SOCIOLOGIA ESPECIAL marcadores sociais Várias formas de diferença e desigualdade convivem na sociedade contemporânea. Ao longo de suas trajetórias de vida, os indivíduos se identificam e se diferenciam dos outros das mais

Leia mais

CURSO: HISTÓRIA PRIMEIRO PERÍODO. Área de Ciências Humanas Sociais e Aplicadas. DISCIPLINA: Metodologia Científica (on-line)

CURSO: HISTÓRIA PRIMEIRO PERÍODO. Área de Ciências Humanas Sociais e Aplicadas. DISCIPLINA: Metodologia Científica (on-line) CURSO: HISTÓRIA PRIMEIRO PERÍODO DISCIPLINA: Metodologia Científica (on-line) (Modalidade a Distância NEAD) 104032 04 01 80h O Conhecimento Científico e os Métodos Científicos. Epistemologia. Métodos Científicos:

Leia mais

EDUCAÇÃO ESTATÍSTICA PESQUISA E PRÁTICA

EDUCAÇÃO ESTATÍSTICA PESQUISA E PRÁTICA A EDUCAÇÃO ESTATÍSTICA PESQUISA E PRÁTICA Prof.ª Ms. Keli Cristina Conti keli.conti@gmail.com Doutoranda em Educação pela Unicamp Licenciada em Matemática e Pedagoga Participante dos Grupos Prapem (Prática

Leia mais

Feminilidade e Violência

Feminilidade e Violência Feminilidade e Violência Emilse Terezinha Naves O tema sobre a violência e a feminilidade apresenta-se, nas mais diversas áreas do conhecimento, como um tema de grande interesse, quando encontramos uma

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 93 DE JUNHO DE 2014

RESOLUÇÃO Nº. 93 DE JUNHO DE 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS RESOLUÇÃO Nº. 93 DE JUNHO DE 2014 O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA, EXTENSÃO E CULTURA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS,

Leia mais

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID BARROS, Raquel Pirangi. SANTOS, Ana Maria Felipe. SOUZA, Edilene Marinho de. MATA, Luana da Mata.. VALE, Elisabete Carlos do.

Leia mais

Gênero: Temas Transversais e o Ensino de História

Gênero: Temas Transversais e o Ensino de História Gênero: Temas Transversais e o Ensino de História Thayane Lopes Oliveira 1 Resumo: O tema Relações de gênero compõe o bloco de Orientação Sexual dos temas transversais apresentados nos parâmetros curriculares

Leia mais

Desigualdade e desempenho: uma introdução à sociologia da escola brasileira

Desigualdade e desempenho: uma introdução à sociologia da escola brasileira Desigualdade e desempenho: uma introdução à sociologia da escola brasileira Maria Lígia de Oliveira Barbosa Belo Horizonte, MG: Argvmentvm, 2009, 272 p. Maria Lígia de Oliveira Barbosa, que há algum tempo

Leia mais

A TRAJETÓRIA HISTÓRICO-CULTURAL E A FORMAÇÃO DO LEITOR: UM ESTUDO SOBRE A EXPERIÊNCIA SOCIAL INFANTIL RETRATADA EM HISTÓRIAS DE VIDA

A TRAJETÓRIA HISTÓRICO-CULTURAL E A FORMAÇÃO DO LEITOR: UM ESTUDO SOBRE A EXPERIÊNCIA SOCIAL INFANTIL RETRATADA EM HISTÓRIAS DE VIDA A TRAJETÓRIA HISTÓRICO-CULTURAL E A FORMAÇÃO DO LEITOR: UM ESTUDO SOBRE A EXPERIÊNCIA SOCIAL INFANTIL RETRATADA EM HISTÓRIAS DE VIDA Flávia Cristina Oliveira Murbach de Barros Programa de Pós-graduação

Leia mais

O talento é seu. A gente só aperfeiçoa. Conheça: est.edu.br

O talento é seu. A gente só aperfeiçoa. Conheça: est.edu.br O talento é seu. A gente só aperfeiçoa. EXTENSÃO Conheça: est.edu.br PROGRAMA DE EXTENSÃO A Faculdades EST é vinculada à Rede Sinodal de Educação, identificada com a Igreja Evangélica de Confissão Luterana

Leia mais

Educação escolar indígena

Educação escolar indígena Educação escolar indígena O principal objetivo desta apresentação é fazer uma reflexão sobre a cultura indígena kaingang, sobre as políticas educacionais integracionistas e sobre a política atual, que

Leia mais

CIDADANIA: o que é isso?

CIDADANIA: o que é isso? CIDADANIA: o que é isso? Autora: RAFAELA DA COSTA GOMES Introdução A questão da cidadania no Brasil é um tema em permanente discussão, embora muitos autores discutam a respeito, entre eles: Ferreira (1993);

Leia mais

O conceito de Gênero e a Antropologia: Entrevista com Mariza Corrêa

O conceito de Gênero e a Antropologia: Entrevista com Mariza Corrêa O conceito de Gênero e a Antropologia: Entrevista com Mariza Corrêa Camila Rocha FIRMINO e Natália SGANZELLA Entre 1996 e 1998, a professora Mariza Corrêa foi presidente da Associação Brasileira de Antropologia.

Leia mais

Ágatha Francesconi Gatti

Ágatha Francesconi Gatti Ágatha Francesconi Gatti contato: agatha_gatti@yahoo.com.br link para o currículo lattes: http://lattes.cnpq.br/3170048013948376 FORMAÇÃO ACADÊMICA / TITULAÇÃO Graduação em História (fev.2001-dez.2005):

Leia mais

ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG.

ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG. ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG. Michael Jhonattan Delchoff da Silva. Universidade Estadual de Montes Claros- Unimontes. maicomdelchoff@gmail.com

Leia mais

Apresentação. Maria Cecília de Oliveira Micotti

Apresentação. Maria Cecília de Oliveira Micotti Apresentação Maria Cecília de Oliveira Micotti Leitura e escrita: como aprender com êxito por meio da pedagogia por projetos enfoca as perspectivas para o desenvolvimento do processo de ensino e aprendizagem

Leia mais

A SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PARA MULHERES AS AÇÕES SÃO DESENVOLVIDAS POR QUATRO ÁREAS ESTRATÉGICAS:

A SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PARA MULHERES AS AÇÕES SÃO DESENVOLVIDAS POR QUATRO ÁREAS ESTRATÉGICAS: O QUE É QUE FAZ A SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PARA MULHERES A Prefeitura de São Paulo, em maio de 2013, seguindo a política implementada nacionalmente e atendendo uma reivindicação histórica do movimento

Leia mais

Resumo do Projeto de Elaboração de Indicadores de Integração de TICs na Educação para os países da região Iberoamericana

Resumo do Projeto de Elaboração de Indicadores de Integração de TICs na Educação para os países da região Iberoamericana Resumo do Projeto de Elaboração de Indicadores de Integração de TICs na Educação para os países da região Iberoamericana O IDIE - Instituto para o Desenvolvimento e Inovação Educativa, especializado em

Leia mais

SOCIOLOGIA CLÁSSICA A CONTRIBUIÇÃO DO PENSAMETO DE MAX WEBER

SOCIOLOGIA CLÁSSICA A CONTRIBUIÇÃO DO PENSAMETO DE MAX WEBER SOCIOLOGIA CLÁSSICA A CONTRIBUIÇÃO DO PENSAMETO DE MAX WEBER Introdução França e Inglaterra desenvolveram o pensamento social sob a influência do desenvolvimento industrial e urbano, que tornou esses países

Leia mais