Coletânea de questões

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Coletânea de questões"

Transcrição

1 Alexandre Moreira Nascimento Coordenador e Organizador da Obra enade Wander Garcia Coordenador da Coleção Coletânea de questões ENGENHARIAS Civil, Elétrica, Eletrônica, da Computação, de Controle e Automação, de Telecomunicações, Mecânica, Química, Alimentos, de Produção, Ambiental, Florestal, Agrícola, de Pesca, e outras do Grupo VII Habilidades e conhecimentos gerais e específicos Organizador dos Componentes Específicos Alexandre Moreira Nascimento Organizador da Formação Geral Elson Garcia

2 Gabarito e Padrão de Resposta

3 COLETÂNEA DE QUESTÕES GABARITO 3 Capítulo III ENGENHARIA GERAL HABILIDADE 01 Administração e Economia 11. ANÁLISE OFICIAL PADRÃO DE RESPOSTA a) No Ponto de Equilíbrio, as RECEITAS equilibram as DESPESAS TOTAIS: não há lucro. Considerando x o número de componentes PONTO DE EQUILÍBRIO = componentes/mês (valor: 5,0 pontos) b) Neste nível de produção, as RECEITAS equilibram as DESPESAS TOTAIS mais 10% das RECEITAS. Considerando y o número de componentes NÍVEL DE PRODUÇÃO = componentes/mês (valor: 5,0 pontos)

4 4 COLETÂNEA DE QUESTÕES GABARITO 12. ANÁLISE OFICIAL PADRÃO DE RESPOSTA a) A queda da oferta interna de energia no início dos anos 80 (mostrada na Figura 3) resultou da queda do consumo de petróleo (mostrada na Figura 2), a qual ocorreu devido ao aumento de 150% no preço médio de petróleo (Figura 1). Estas alterações no perfil de preços (e consumo) de energia causaram e espelham a redução da atividade econômica no Brasil no mesmo período. (valor: 2,0 pontos) b) Hoje há uma dependência muito menor do petróleo importado do que nos anos Nos últimos 20 anos, observa-se um crescimento do consumo de petróleo no país da ordem de 25%. No entanto, no mesmo período, a produção brasileira de petróleo cresceu quase 5 vezes, reduzindo em 50% o volume de óleo importado. Mais ainda, o preço do petróleo no início de março de 2000 (por volta de US$ 30) era bem menor que o observado entre (acima de US$ 50, em 1981). Adicione-se a isso o aumento da oferta de energia hidrelétrica desde 1975 (e, em menor escala, da oferta de álcool), o que reduziu bastante a parcela de petróleo utilizada na matriz energética nacional. Por todos estes fatores, o impacto dos recentes aumentos no preço do petróleo na economia nacional é muito inferior ao ocorrido nos anos das crises do petróleo. (valor: 2,0 pontos) c) Petróleo: Os produtos da combustão de seus derivados são poluentes, tanto na utilização em transportes quanto na indústria. Os impactos ambientais, devido a possíveis acidentes com o transporte e armazenamento de petróleo e seus derivados, são potencialmente altos. Determinados tipos de petróleo contêm enxofre, liberado após a combustão, produto extremamente danoso ao ambiente, causador de chuvas ácidas. Gás Natural: Os produtos da combustão do gás natural são menos poluentes que os dos derivados de petróleo. As questões de segurança associadas com o transporte e utilização de gás natural sempre devem ser consideradas. Hidráulica: Os impactos ambientais devido ao alagamento de grandes áreas são negativos, sobretudo em regiões de baixa declividade, o que implica a formação de grandes reservatórios, de alto impacto ambiental. Lenha: Sua produção, desde que sujeita a programas de gerenciamento de culturas em áreas apropriadas, não apresenta grande impacto ambiental. Entretanto, os subprodutos gasosos da combustão da lenha são altamente poluentes. O uso intensivo da lenha como fonte energética pode incentivar o corte ilegal de áreas florestais protegidas. Produtos da Cana-de-Açúcar: O gerenciamento ambiental da produção da cana-de-açúcar (monocultura) é mais complexo do que no caso da lenha. Ainda assim, os impactos de sua produção são baixos, se comparados com outras fontes que não a biomassa. Os impactos ambientais de possíveis acidentes no transporte e armazenamento de grandes quantidades de álcool são altos. A reutilização dos resíduos sólidos e líquidos da produção de álcool ainda é uma questão técnica a ser aprimorada. Carvão Mineral: Tem grande utilização em processos siderúrgicos, com razoável nível de reaproveitamento de subprodutos. Seus resíduos gasosos e sólidos de combustão são altamente poluentes. A presença de altos teores de enxofre em determinados tipos de carvão traz reflexos altamente indesejáveis ao meio ambiente. (valor: 3,0 pontos) Obs.: Serão aceitas também outras considerações, desde que pertinentes. d) Fluxo de caixa: Assim, ao final do 40 ano, o investimento é recuperado #11 tempo de retorno: entre 3 e 4 anos. (valor: 3,0 pontos)

5 COLETÂNEA DE QUESTÕES GABARITO ANÁLISE OFICIAL PADRÃO DE RESPOSTA Obs.: Se o aluno cometer erros na interpretação do item despesas gerais, a falta não será penalizada. 01 Mar 99 Comp. C: Custo C 1/3 Custo C 1/3 = R$ 49,34 / equip. CU 1/3 CU 1/3 = R$ 239,84 / equip. 01 Abr 99 Comp. C: Custo C 1/4 Custo C 1/4 = R$ 39,48 / equip. CU 1/4 CU 1/4 = R$ 229,98 / equip. a) 01 Mar Abr 99 5,25%

6 6 COLETÂNEA DE QUESTÕES GABARITO 14. ANÁLISE OFICIAL PADRÃO DE RESPOSTA a) Resposta = Custo Total = R$ ,00 b) Depreciação dos transformadores, disjuntores e equipamentos diversos: Depreciação das estruturas, montagem e obras civis: Valor contábil ao final de 5 anos: V C5 = Custo total (a) - Depreciação = = ( ) = V C5 = R$ ,00 Obs.: Foram consideradas corretas as respostas que incluíam ou não o preço do terreno. c) Redução (%) = ( 1-0,98488) x 100% = = 0, x 100% = 1,51186% Resposta: redução de 1,51% HABILIDADE 02 Ciências do Ambiente 14. ANÁLISE OFICIAL PADRÃO DE RESPOSTA a) Para calcular a massa de ar da atmosfera, considerando que a pressão atmosférica é a pressão devida ao peso da massa de ar acima da superfície, pode-se escrever: mg = PA No caso, A é a área da superfície da Terra, considerada como uma esfera de raio 6,37 x 10 6 m. Portanto: (valor: 3,0 pontos)

7 COLETÂNEA DE QUESTÕES GABARITO 7 b) A contribuição percentual das emissões veiculares anuais é determinada pela razão: Como a contribuição das emissões veiculares na concentração de CO 2 na atmosfera é muito pequena (cerca de 0,6 partes por milhão), normalmente seu efeito é desprezível. Entretanto, a preocupação com essas emissões nas grandes cidades deve-se ao fato de que há uma maior quantidade de veículos nessas áreas, relativamente pequenas, em comparação com outras muito mais extensas (Amazônia, oceanos, desertos), nas quais praticamente inexistem veículos circulando. Além disso, as emissões de CO 2 concentram-se, inicialmente, no nível do solo, pois o CO 2 é mais pesado que o ar. (valor: 3,0 pontos) c) Devem ser citadas duas das seguintes fontes: - queimadas em florestas, matas, etc; - usinas termoelétricas a gás, a carvão e a óleo combustível; - emissões vulcânicas; - turbinas de aviões. A grande influência do CO 2 se dá no efeito estufa, associado a um possível aquecimento da atmosfera da Terra. Como é sabido, esse aquecimento pode resultar no aumento do derretimento de neve e gelo acumulados sobre os polos e os continentes e o consequente aumento do nível do mar. (valor: 4,0 pontos) HABILIDADE 03 Ciências e Tecnologia dos Materiais e Química 17. ANÁLISE OFICIAL PADRÃO DE RESPOSTA a) As forças que mantêm juntas as unidades que constituem os cristais podem ser das seguintes naturezas: ligação covalente, pontes de hidrogênio e ligações iônicas, polares ou eletrovalentes. b) Metais e minerais são exemplos de substâncias cristalinas, além da celulose, carvão vegetal.etc. HABILIDADE 04 Eletricidade Aplicada a) Considerando o circuito resistivo abaixo, temos: 3. ANÁLISE OFICIAL PADRÃO DE RESPOSTA Logo, não há risco de parada cardíaca! (valor: 3,0 pontos)

8 8 COLETÂNEA DE QUESTÕES GABARITO b) O contato da segunda mão adiciona um segundo resistor em paralelo, como mostrado: Logo, há risco de parada cardíaca! (valor: 2,0 pontos) c) A resistência da luva de borracha entra em série com o circuito resistivo: Logo, R L > 99,2 (valor: 3,0 pontos) d) Quando o choque é provocado por corrente alternada, deve-se usar o valor de pico, pois este é capaz de provocar os maiores valores de corrente. (valor: 2,0 pontos) HABILIDADE 06 Fenômenos de Transporte 23. ANÁLISE OFICIAL PADRÃO DE RESPOSTA a) De início o candidato precisa desenvolver uma relação entre a velocidade média e a velocidade máxima, a partir do perfil de velocidade do óleo no tubo (equação 1), e da definição de velocidade média (equação 2): v = v máx [1 (r/r) 2 ] (1) v média = Q/A e Q = v da (2) v média = v da/a (3) Os limites da integral localizada no numerador da equação (3) vão de 0 a R, e a área da seção circular do tubo é A = πd 2 /4. Substituindo e integrando a equação (3), chega se à equação (4): v média = [(2v máx )/R 2 ] [(R 2 /2) (R4/4R 2 )] = (2v máx R 2 )/4R 2 = v máx /2 (4) Outra possibilidade, é o candidato se lembrar que como o fluido é viscoso, a tendência é que o número de Reynolds seja baixo, situando se numa região laminar (Re<2.100), na qual, a velocidade média do fluido é a metade da velocidade máxima: Como a velocidade máxima é 0,35 m/s, tem se que a velocidade média é igual a 0,175 m/s. Assim, é possível verificar que o número de Reynolds é laminar para as condições do processo:

9 COLETÂNEA DE QUESTÕES GABARITO 9 Re óleo = (ρv média D)/μ = (800 0,175 0,4)/0,056 = < (5) Chegando à conclusão que a v média = v máx /2, o candidato deve selecionar um volume de controle que envolva o tanque e sua saída inferior e escrever um balanço de massa para o volume de controle escolhido, na forma simplificada ou usando, por exemplo, o Teorema de Transporte de Reynolds, descrito na equação (6): 0 = ( VC ρ dv)/ t + SC ρ v média da (6) onde ρ é a massa específica, V é o volume, A é a área, VC é o volume de controle estabelecido e SC a superfície de controle. Considerando escoamento incompressível: 0 = ρ (VVC)/ t+ ρ v média A = ρ (π D 2 h/4 + π R 2 L)/ t + ρ v média π R 2 (7) Como dl/dt = 0, já que não há variação da quantidade de fluido com o tempo ao longo do tubo de comprimento L: 0 = (π D 2 /4) dh/dt + v média π R 2 (7) dh/dt = 4 v média (R/D) 2 = 2 v máx (R/D) 2 (8) Substituindo os valores dados no enunciado: dh/dt = 2 0,35 (0,2/2) 2 = 0,007 m/s (9) Para se calcular o volume retirado do tanque, basta multiplicar dh/dt pela área da seção circular do tanque e pelo tempo: Volume de óleo retirado = (dh/dt) A t = 0, (2 2 /7) 4 10 = 0,22 m 3 = 220 L (10) b) Neste item, o candidato deve perceber que a mudança do fluido (óleo para água), vai provocar uma mudança no regime de escoamento, de laminar para fortemente turbulento, mudando o perfil de velocidade descrito no enunciado do item; a relação entre a velocidade média e a velocidade máxima e o volume de líquido retirado do tanque ao fim dos mesmos 10 segundos. A mudança do regime de escoamento pode ser comprovada com o cálculo do número de Reynolds para a água, a partir dos dados fornecidos no enunciado: Re água = (ρv média D)/μ = ( ,175 0,4)/0,001 = > (11) A equação (11) mostra um Reynolds muito maior para a água do que para o óleo (equação 5). 24. ANÁLISE OFICIAL PADRÃO DE RESPOSTA Com base nas informações contidas no enunciado da questão, o estudante deveria responder a três itens ( a, b e c ), da forma descrita a seguir. No item a, deveria apresentar a equação que relaciona o fluxo total de calor com a quantidade de água evaporada, relativamente às variáveis apresentadas na figura e às propriedades da água, atendendo, na resposta, a dois quesitos: (i) mostrar que o calor total (q c + q r + q K ) será destinado à evaporação da água, sendo, em termos de calor, igual a ; então 4,00 pontos, com conceitos variando entre 0 e 3. (ii) incluir que, com valor de 1,00 ponto, com conceitos de 0 a 2. No item b, deveria indicar, com base no comando do item, a variação correspondente em s R e T com o símbolo 8, se houver aumento; com o símbolo 9, se houver diminuição; ou com o símbolo =, se não houver alteração. O estudante deveria, então, completar o quadro segundo o padrão, com valor de 0,20 ponto para cada célula correta, perfazendo um total de 2,00 pontos, com conceitos de 0 a 2.

10 10 COLETÂNEA DE QUESTÕES GABARITO No item c, que pedia para, considerando que a umidade na estufa pode ser controlada pela vazão de entrada (e saída) do ar, relacionar essa vazão com a taxa de secagem e o consumo de energia, sugerindo as condições que definem o ponto ótimo de operação, com valor de 3,00 pontos, com conceitos de 0 a 2, o estudante deveria: (i) explicar que para vazão baixa há pouco consumo de energia, mas saturação do ar na estufa; e/ou para vazões altas trabalha-se longe da saturação do ar na estufa, com taxa de secagem alta, mas alto consumo de energia (valor: 2,00 pontos); (ii) o ponto de operação é uma condição intermediária determinada por um compromisso entre consumo de energia e taxa de secagem Usando unidades SI T i T e = = 125 K = 125 K, L = 1 m 25. ANÁLISE OFICIAL PADRÃO DE RESPOSTA (valor: 10,0 pontos) O fluido de menor capacidade calorífica é a água (fluido frio). Portanto: 26. ANÁLISE OFICIAL PADRÃO DE RESPOSTA a) Cálculo da efetividade de troca térmica å: Usando NUT = encontra-se na figura

11 COLETÂNEA DE QUESTÕES GABARITO 11 b) Cálculo da temperatura da água de resfriamento na saída do condensador: a) 27. ANÁLISE OFICIAL PADRÃO DE RESPOSTA Equação de Bernoulli entre 2 e 3 (escoamento de ar) Balanço hidrostático entre 2 e 3 (tubo em U com água) Lembrando que

12 12 COLETÂNEA DE QUESTÕES GABARITO b) = Q (rendimento 100%) ideal Balanço hidrostático entre 1 e 2 (tubo em U) Como o rendimento do motor é de 75%, (valor: 3,0 pontos) 28. ANÁLISE OFICIAL PADRÃO DE RESPOSTA Processo B: termodinamicamente viável. Justificativa: o fluxo de calor é constante ao longo da parede, de acordo com 1ª Lei da Termodinâmica, e o fluxo de entropia aumenta ao longo da parede, de acordo com a 2ª Lei da Termodinâmica (geração de entropia num processo de transferência de calor). Processo C: termodinamicamente inviável. Justificativa: embora o fluxo de entropia aumente ao longo da parede, o que é termodinamicamente viável pela 2ª Lei da Termodinâmica (geração de entropia), o fluxo de calor aumenta, o que contraria a 1ª Lei da Termodinâmica. (valor: 10,0 pontos) O valor da razão 29. ANÁLISE OFICIAL PADRÃO DE RESPOSTA = 24,4 kg de sólido seco por m 2 de superfície exposta é o mesmo para ambos os casos. Em função da simetria, R c é constante e igual nos dois casos. Logo: (valor: 10,0 pontos)

13 COLETÂNEA DE QUESTÕES GABARITO ANÁLISE OFICIAL PADRÃO DE RESPOSTA a) = AB A B Sendo >> : água ar Em B : PB = ( água. g) h + PA P A B = P B - P A = x 9,8 x 0,1 = 980 Pa (valor: 2,5 pontos) b) P ar = P man = 10 4 Pa Em termos absolutos: P ar = P man + P atm = = 1,1 x 10 5 Pa (valor: 2,5 pontos) c) Sim, pois o diferencial de pressão é causado pela perda de carga que aumenta com o aumento da vazão. Ressalve-se que a precisão desta medida pode não ser a desejada, se a distância entre A e B for pequena. (valor: 2,5 pontos) d) B A. (valor: 2,5 pontos) 31. ANÁLISE OFICIAL PADRÃO DE RESPOSTA Os valores de podem ser calculados desprezando-se ρ face a

14 14 COLETÂNEA DE QUESTÕES GABARITO Outra alternativa de resposta Tendo em vista que Como a vazão de gás é a mesma nos dois casos Portanto, não havendo risco de desfluidização do leito. (valor: 3,0 pontos) Observação: Para mostrar que Re p,mf < 20 (restrição da correlação de Wen e Yu) é necessário calcular o valor de u mf, o que será feito para o caso mais desfavorável: D p = 0,125 mm e = 3 x 10 3 kg m - 3. a) Da figura: 32. ANÁLISE OFICIAL PADRÃO DE RESPOSTA A partir do gráfico: = 75%

15 COLETÂNEA DE QUESTÕES GABARITO 15 Então, utilizando a definição de eficiência: Ou, utilizando o conceito de comprimento corrigido: b) O modelo unidimensional é utilizado com base na hipótese de que a resistência térmica condutiva na direção y é muito pequena quando comparada à da direção x. (valor: 2,0 pontos). 33. ANÁLISE OFICIAL PADRÃO DE RESPOSTA Determinação da taxa de transferência de calor perdida para o ambiente Determinação da temperatura superficial As equações utilizadas para a solução deste item baseiam-se no fato de que a taxa de transferência de calor que atravessa as resistências térmicas em um sistema em série e em estado estacionário é a mesma para cada resistência. Tomando a que utiliza a resistência convectiva externa, temos: Logo, o valor não satisfaz o critério de segurança apresentado no enunciado. Outra forma de resolver seria: (valor: 10,0 pontos) a) Para qualquer reator de escoamento ideal contínuo.

16 16 COLETÂNEA DE QUESTÕES GABARITO 34. ANÁLISE OFICIAL PADRÃO DE RESPOSTA a) Determinação do valor local da tensão na superfície da placa Substituindo a expressão para : (valor: 3,0 pontos) b) Determinado o valor local da tensão na superfície, há pelo menos duas formas para calcular a força de arrasto: i) através da determinação do valor médio de ao longo da superfície e posterior determinação da força de arrasto: Como, onde A é a área de uma das faces da placa, tem-se: (valor: 7,0 pontos) ii) através de integração direta do valor local de ao longo das duas superfícies da placa: (valor: 7,0 pontos) 35. ANÁLISE OFICIAL PADRÃO DE RESPOSTA a)

17 COLETÂNEA DE QUESTÕES GABARITO 17 Obs.: Os formandos que esboçarem o gráfico com qualquer uma das três distribuições de pressão indicadas nos detalhes do gráfico recebem os pontos integrais. b) O valor máximo da pressão deve estar coerente com a resposta do item a) c) Obs.: Houve um erro de impressão na fórmula constante (onde consta = deveria constar ). Por essa razão, considerou-se correta também a solução em que o formando despreza o atrito. Substituindo-se os valores: obtém-se a equação A equação acima pode ser resolvida de duas maneiras: - desprezando-se o termo (0,5)V 2, a solução é V = 2,12 m/s - considerando-se o termo (0,5)V 2, e resolvendo-se a equação de forma iterativa (bisseção), obtém-se o valor V = 2,07 m/s Finalmente, a vazão é calculada através da expressão: Q = ρ VA = (997) (2,07)(π 0,005 2 /4) = 0,0406 kg/s a) Balanço de energia no fio com temperatura constante 36. ANÁLISE OFICIAL PADRÃO DE RESPOSTA b) Potência dissipada = Taxa de remoção de calor = q

18 18 COLETÂNEA DE QUESTÕES GABARITO Da tabela, propriedades do ar à pressão atmosférica Assim q 1000 x 1,88 x 10 x 305 0,57W e Potência a ser dissipada = 0,57 W c) Na ausência de escoamento de ar, uma quantidade de calor será retirada do fio por convecção natural (ou convecção livre). Ou, alternativamente, se e o termo C é correlacionado com as perdas de calor do fio por convecção natural (ou convecção livre). Questão 6 (valor: 10,0 pontos) 37. ANÁLISE OFICIAL PADRÃO DE RESPOSTA a) Com base nas informações fornecidas e como no ponto de operação da bomba as curvas de carga do sistema e da bomba se cruzam: b) Pelas informações fornecidas e lembrando que a curva de carga do sistema é uma expressão da Equação de Bernoulli modificada, aplicada entre as superfícies dos dois reservatórios, as condições da válvula somente influenciam o termo 99 Q 2. Como o valor da perda de carga na válvula é diretamente proporcional ao valor de K e estamos trabalhando na região de fator de atrito constante, a curva de carga do sistema com a válvula 50% aberta é representada por: Igualando novamente as duas curvas para determinar a nova vazão: c) A melhor opção é a que corresponde ao 1º Esquema, pois a carga líquida na sucção será necessariamente maior, reduzindo a possibilidade de ocorrência de cavitação. Note que, em função da grande diferença entre as cotas da superfície do tanque inferior e da bomba, o 2º Esquema implicará cavitação. Questão 7 (valor: 10,0 pontos)

19 COLETÂNEA DE QUESTÕES GABARITO ANÁLISE OFICIAL PADRÃO DE RESPOSTA a) Configuração do escoamento: Como o equipamento é um CT11 com as temperaturas especificadas, somente existe a possibilidade de operação em contracorrente. Determinação da área (pelo Método MLDT ou pelo Método ε NUT): Método MLDT: (indeterminação clássica da média log) Método ε - NUT: Como ΔT o = ΔT fl.proc.,temos pelo balanço térmico que o produto é igual para os dois fluidos. Assim: No gráfico, para configuração contracorrente: NUT = 1,7 Obs.: A diferença entre as duas respostas é devida à precisão do valor do NUT retirado do gráfico. b) Vazão da água: Do balanço térmico no segundo trocador:

20 20 COLETÂNEA DE QUESTÕES GABARITO Determinação do coeficiente global: Como a parede dos tubos é delgada, temos que: Observação: tendo em vista que, no enunciado da questão, o fator 0,14 não aparece claramente como expoente na expressão de Nu, serão consideradas como corretas as respostas em que o mesmo é tomado como multiplicador. Determinação da área e do comprimento dos 70 tubos: Método MLDT: Método ε - NUT: Obs.: A diferença entre as duas previsões para a área e, consequentemente, para o comprimento dos tubos, é devida à precisão do valor do NUT retirado do gráfico. a) As restrições impostas ao processo implicam: 39. ANÁLISE OFICIAL PADRÃO DE RESPOSTA Regime estacionário: ; Ausência de reação na fase fluida: RA = 0. Substituindo na eq. (1), tem-se: b) Em função da relação estequiométrica entre o oxigênio e o dióxido de carbono na reação proposta, temos que:

21 COLETÂNEA DE QUESTÕES GABARITO 21 Lembrando ainda que ya = ya(r), a eq. (2), escrita em relação ao oxigênio, assume a forma: c) Note que, conforme sugerido, a taxa molar de oxigênio é constante: Substituindo a expressão para o fluxo molar: Esta equação está pronta para integração. Há necessidade da definição das condições de contorno, que, com base nas informações fornecidas, são: Superfície da partícula: (em função de a reação ser instantânea) Afastado da partícula: (atmosfera de oxigênio puro) Separando as variáveis e integrando: Observação: note que é possível resolver este item a partir da eq. (3), determinando o perfil de frações molares e depois calculando a taxa. Para a determinação da taxa solicitada falta somente o cálculo de C: Como C é constante ao longo de r, pode-se calculá-lo com base na concentração de oxigênio longe da partícula: Considerando comportamento de gás ideal: Determinação da taxa molar de consumo de oxigênio, que é igual à taxa de transferência de massa:, por partícula.

22 22 COLETÂNEA DE QUESTÕES GABARITO 40. ANÁLISE OFICIAL PADRÃO DE RESPOSTA i) O tempo necessário é aquele para que o material da partícula atinja 300 C. O ponto de partida é o balanço de energia na partícula (fluxo condutivo = fluxo convectivo): Com os dados fornecidos, obtém-se: Os valores da área e do volume são: ii) Calculando o Número de Biot para o processo: A aproximação utilizada no item (i), de temperatura uniforme no interior da partícula, é bastante razoável, pois pelo valor de Bi verifica-se que a resistência condutiva no interior da partícula é pequena em comparação com a resistência convectiva em sua superfície. i) R = 1 mm; esfera de aço carbono 41. ANÁLISE OFICIAL PADRÃO DE RESPOSTA Balanço de forças (peso = empuxo + arrasto) atuando na esfera quando ela desloca-se a u t :

23 COLETÂNEA DE QUESTÕES GABARITO 23 Substituindo os diversos valores em (A): Assim, a hipótese de representação para Cd utilizada está correta. O valor de ut é igual a 0,64 m/s. ii) A velocidade terminal da partícula maior será superior a da menor. Desta forma, se o conjunto de partículas for colocado, por exemplo, em uma corrente ascendente de água com uma velocidade entre as velocidades terminais das duas partículas, as menores (R = 1mm) serão arrastadas para cima e as maiores (R = 2mm) cairão. 42. ANÁLISE OFICIAL PADRÃO DE RESPOSTA Solução: Alternativa I: A partir da equação da continuidade: (a) Nas condições do problema, a equação da continuidade pode ser simplificada do seguinte modo: = 0 (regime permanente) v x = v y = 0 ; v z 0 R A = 0 (ausência de reação química) C A = C A (x) (maior gradiente de concentração); C A C A (y); C A C A (z) Isto significa que a transferência de massa se dá apenas na direção x por mecanismo de ação molecular - difusão - o qual decorre do gradiente de concentração ao longo da espessura do filme líquido. Com estas considerações, a equação (1) se reduz a: (b) Para se obter o fluxo mássico (ou molar) basta integrar a equação acima: C A = C 1 x + C 2 (A) Em x = 0: C A = CA 0 C 2 = C A0 Em x = L: C A = C A L C 1 = Substituindo-se C 1 e C 2 na equação (A), obtém-se: C A = (C AL - C A0 ) + C A0 Somando-se (-C AL ) em ambos os membros tem-se: C A - C AL = (C AL - C A0 ) + C A0 - C AL C A - C AL = - (C A0 - C AL ) + (C A0 - C A L)

24 24 COLETÂNEA DE QUESTÕES GABARITO Dividindo-se ambos os membros por (C A0 - C AL ), tem-se: Da equação (B), tira-se: = constante (linha reta no perfil de concentração) Pela definição clássica de fluxo: Alternativa II: A partir do perfil de temperatura dado pela expressão (1): (a) A equação (1) do enunciado descreve o perfil de temperatura na transferência de calor difusiva, unidimensional e em regime permanente no prisma sólido. Em decorrência da analogia entre as equações de balanço de energia térmica e de balanço de massa para a espécie A, depreende-se a equação que descreve o perfil de concentração da espécie A nas mesmas condições: A equação diferencial desejada, não deve conter os termos correspondentes à taxa de acumulação, ao fluxo convectivo e à fonte, mas apenas o termo difusivo expresso pelo Laplaciano da propriedade, cujo único componente não nulo é o da direção x. Logo, derivando duas vezes a equação A, resulta: (b) O procedimento é o mesmo seguido no item (b) da Alternativa I. HABILIDADE 07 Física 14. ANÁLISE OFICIAL PADRÃO DE RESPOSTA Esperava-se, nessa questão, que o estudante descrevesse, a partir das informações fornecidas que, na instalação apresentada, inicialmente, existe uma transformação de energia potencial (ou energia de posição) em energia cinética que ocorre quando a água ingressa na tomada. Parte desta energia cinética é gasta para vencer o atrito dissipando-se na forma de calor. A energia cinética remanescente é transferida ao eixo da turbina, que está acoplado ao rotor do gerador. O movimento rotacional do rotor provoca uma variação de campo magnético, gerando assim energia elétrica. Em resumo, a energia potencial disponível no reservatório é transformada em energia cinética na tomada d água. A energia cinética se transforma parte em energia calorífica, na tomada de água, e parte em energia elétrica, no gerador. As conversões de energia antes citadas são as principais, mas também se observam outras transformações de menor magnitude na turbina e no gerador uma vez que esses equipamentos apresentam atrito entre seus componentes. Critérios de correção: itens avaliados valor conceito atribuído 1. Processo de conversão que ocorre na entrada da tubulação 4, Processo de conversão que ocorre na tubulação 2, Processo de conversão que ocorre na turbina-gerador 4,

25 COLETÂNEA DE QUESTÕES GABARITO ANÁLISE OFICIAL PADRÃO DE RESPOSTA a) Resistência da Lâmpada 2 A Lâmpada 2, quando ligada na tensão 127 V, dissipa: O excedente percentual é, então, de b) Consumo anual excedente da Lâmpada 2 = 33,3 W x 24h x 365 dias x 0,15 = 43756,2 Wh = 43,76 kwh Custo em Reais para uma Lâmpada 2 CUSTO = 43,7562 kwh x Considerando que o excedente de consumo da Lâmpada 2 fosse 35 MW, a resposta seria: Consumo anual excedente da Lâmpada 2 = 35 W x 24h x 365 dias x 0,15 = Wh 46 kwh Custo em Reais para uma Lâmpada 2 c) A vantagem que o fabricante apregoa é verdadeira. Entretanto, existem duas desvantagens que não foram apregoadas pelo fabricante: o consumo desse tipo de lâmpada é maior; seu tempo de vida útil é menor. HABILIDADE 08 Informática 8. ANÁLISE OFICIAL PADRÃO DE RESPOSTA a) Configuração I: Determinação da capacidade de armazenamento em disco rígido: cilindros x 16 cabeçotes x 63 setores x 512 bytes por setor = bytes = 20 Gbytes Configuração II: Determinação da capacidade de armazenamento em disco rígido: cilindros x 24 cabeçotes x 126 setores x 512 bytes por setor = bytes = 60 Gbytes Configuração III: Determinação da capacidade de armazenamento em disco rígido: cilindros x 32 cabeçotes x 126 setores x 512 bytes por setor = bytes = 40 Gbytes Resposta: Configuração II (valor: 4,0 pontos)

26 26 COLETÂNEA DE QUESTÕES GABARITO (valor: 5,0 pontos) c) O Windows XP Professional requer que a configuração da máquina onde vai ser instalado o produto tenha 64 MB de RAM (mínimo suportado), sendo recomendado o mínimo de 128 MB para um melhor desempenho. Além disso, a configuração deverá conter uma unidade de CD-ROM, pois a instalação é realizada a partir de um CD. Assim, a configuração possível é a III. (valor: 1,0 ponto) a) Memória Cache 9. ANÁLISE OFICIAL PADRÃO DE RESPOSTA Nos sistemas de computação mais antigos, os microcomputadores não possuíam CACHE, os registradores eram ligados diretamente à memória principal (RAM). Em toda execução de uma instrução, a UCP acessa a memória principal (sem cache), pelo menos uma vez, para buscar a instrução (ou cópia dela) e transferi-la para um dos registradores da UCP. Muitas instruções requerem outro acesso à memória, seja para a transferência de dados para a UCP, seja para a transferência do resultado de uma operação da UCP para a memória. Para a realização do ciclo de uma instrução, há sempre a necessidade de ser realizado um ou mais ciclos de memória. A performance de um sistema é fortemente afetada pela interface entre o processador e a memória principal. A velocidade das operações na UCP é muito maior que na memória principal. Daí que, na busca de uma solução para o baixo desempenho e congestionamento na comunicação UCP/memória, foi desenvolvida uma técnica que consiste na inclusão de um dispositivo de memória entre a UCP e a MP, denominado CACHE, cuja função é acelerar a velocidade de transferência de informações entre UCP e MP e, com isso, aumentar o desempenho dos sistemas de computação. (valor : 2,0 pontos) b) Memória Cache X RAM Capacidade de armazenamento Tendo em vista que a UCP acessa primeiramente a CACHE, para buscar a informação requerida (a próxima instrução ou dados requeridos pela instrução em execução), é importante que a referida memória tenha capacidade adequada para armazenar uma quantidade significativa de informações, visto que, se ela não for encontrada na CACHE, então o sistema deverá sofrer um atraso para que a informação seja transferida da MP para a CACHE. Por outro lado, uma grande capacidade implicará certamente elevação de seu custo. Há uma solução de compromisso. A capacidade de armazenamento da CACHE é bem menor que a da MP. (valor : 2,0 pontos)

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES 1 a QUESTÃO Valor: 1,00 A L 0 H mola apoio sem atrito B A figura acima mostra um sistema composto por uma parede vertical

Leia mais

4. O Ciclo das Substancias na Termoelétrica Convencional De uma maneira geral todas as substâncias envolvidas na execução do trabalho são o

4. O Ciclo das Substancias na Termoelétrica Convencional De uma maneira geral todas as substâncias envolvidas na execução do trabalho são o 1.Introdução O fenômeno da corrente elétrica é algo conhecido pelo homem desde que viu um raio no céu e não se deu conta do que era aquilo. Os efeitos de uma descarga elétrica podem ser devastadores. Há

Leia mais

IME - 2003 2º DIA FÍSICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR

IME - 2003 2º DIA FÍSICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR IME - 2003 2º DIA FÍSICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR Física Questão 01 Um pequeno refrigerador para estocar vacinas está inicialmente desconectado da rede elétrica e o ar em seu interior encontra-se

Leia mais

ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO CADERNO DE QUESTÕES

ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO CADERNO DE QUESTÕES CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO CADERNO DE QUESTÕES 2014 1 a QUESTÃO Valor: 1,00 O núcleo central de inércia é o lugar geométrico da seção transversal

Leia mais

GABARITO DAS QUESTÕES DE MÚLTIPLA ESCOLHA ENGENHARIA - GRUPO IV ITEM GABARITO

GABARITO DAS QUESTÕES DE MÚLTIPLA ESCOLHA ENGENHARIA - GRUPO IV ITEM GABARITO GABARITO DAS QUESTÕES DE MÚLTIPLA ESCOLHA ENGENHARIA - GRUPO IV ITEM GABARITO 1 D 2 A 3 E 4 A 5 C 6 B 7 B 8 E 9 A 10 A 11 C 12 B 13 E 14 C 15 C 16 E 17 A 18 B 19 D 20 B 21 B 22 D 23 D 24 D 25 E 26 A 27

Leia mais

TURMA DE ENGENHARIA - FÍSICA

TURMA DE ENGENHARIA - FÍSICA Prof Cazuza 1 (Uff 2012) O ciclo de Stirling é um ciclo termodinâmico reversível utilizado em algumas máquinas térmicas Considere o ciclo de Stirling para 1 mol de um gás ideal monoatônico ilustrado no

Leia mais

1) d = V t. d = 60. (km) = 4km 60 2) Movimento relativo: s V rel 80 60 = t = (h) = h = 12min

1) d = V t. d = 60. (km) = 4km 60 2) Movimento relativo: s V rel 80 60 = t = (h) = h = 12min OBSERVAÇÃO (para todas as questões de Física): o valor da aceleração da gravidade na superfície da Terra é representado por g. Quando necessário, adote: para g, o valor de 10 m/s 2 ; para a massa específica

Leia mais

MECÂNICA DOS FLUIDOS 2 ME262

MECÂNICA DOS FLUIDOS 2 ME262 UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE TECNOLOGIA E GEOCIÊNCIAS (CTG) DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA (DEMEC) MECÂNICA DOS FLUIDOS ME6 Prof. ALEX MAURÍCIO ARAÚJO (Capítulo 5) Recife - PE Capítulo

Leia mais

Fuvest 2005 2ª fase FÍSICA

Fuvest 2005 2ª fase FÍSICA Fuvest 2005 2ª fase FÍSICA 1. Procedimento de segurança, em auto-estradas, recomenda que o motorista mantenha uma distância de 2 segundos do carro que está à sua frente, para que, se necessário, tenha

Leia mais

Resolução O período de oscilação do sistema proposto é dado por: m T = 2π k Sendo m = 250 g = 0,25 kg e k = 100 N/m, vem:

Resolução O período de oscilação do sistema proposto é dado por: m T = 2π k Sendo m = 250 g = 0,25 kg e k = 100 N/m, vem: 46 c FÍSICA Um corpo de 250 g de massa encontra-se em equilíbrio, preso a uma mola helicoidal de massa desprezível e constante elástica k igual a 100 N/m, como mostra a figura abaixo. O atrito entre as

Leia mais

BOLETIM de ENGENHARIA Nº 001/15

BOLETIM de ENGENHARIA Nº 001/15 BOLETIM de ENGENHARIA Nº 001/15 Este boletim de engenharia busca apresentar informações importantes para conhecimento de SISTEMAS de RECUPERAÇÃO de ENERGIA TÉRMICA - ENERGY RECOVERY aplicados a CENTRAIS

Leia mais

c = c = c =4,20 kj kg 1 o C 1

c = c = c =4,20 kj kg 1 o C 1 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO DO TESTE INTERMÉDIO - 2014 (VERSÃO 1) GRUPO I 1. H vap (H 2O) = 420 4 H vap (H 2O) = 1,69 10 3 H vap (H 2O) = 1,7 10 3 kj kg 1 Tendo em consideração a informação dada no texto o calor

Leia mais

TERMODINÂMICA EXERCÍCIOS RESOLVIDOS E TABELAS DE VAPOR

TERMODINÂMICA EXERCÍCIOS RESOLVIDOS E TABELAS DE VAPOR TERMODINÂMICA EXERCÍCIOS RESOLVIDOS E TABELAS DE VAPOR Prof. Humberto A. Machado Departamento de Mecânica e Energia DME Faculdade de Tecnologia de Resende - FAT Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Leia mais

Perda de Carga e Comprimento Equivalente

Perda de Carga e Comprimento Equivalente Perda de Carga e Comprimento Equivalente Objetivo Este resumo tem a finalidade de informar os conceitos básicos para mecânicos e técnicos refrigeristas sobre Perda de Carga e Comprimento Equivalente, para

Leia mais

NOÇÕES DE HIDRÁULICA E MECÂNICA DOS FLUÍDOS Fonte: Jacuzzi do Brasil

NOÇÕES DE HIDRÁULICA E MECÂNICA DOS FLUÍDOS Fonte: Jacuzzi do Brasil NOÇÕES DE HIDRÁULICA E MECÂNICA DOS FLUÍDOS Fonte: Jacuzzi do Brasil ÍNDICE 1. Introdução 2. Pressão 3. Pressão da água 4. Pressão atmosférica ou barométrica 5. Vazão 6. Velocidade 7. Trabalho 8. Potência

Leia mais

www.soumaisenem.com.br

www.soumaisenem.com.br 1. (Enem 2011) Uma das modalidades presentes nas olimpíadas é o salto com vara. As etapas de um dos saltos de um atleta estão representadas na figura: Desprezando-se as forças dissipativas (resistência

Leia mais

FÍSICA. Questões de 01 a 04

FÍSICA. Questões de 01 a 04 GRUPO 1 TIPO A FÍS. 1 FÍSICA Questões de 01 a 04 01. Considere uma partícula presa a uma mola ideal de constante elástica k = 420 N / m e mergulhada em um reservatório térmico, isolado termicamente, com

Leia mais

p A = p B = = ρgh = h = Por outro lado, dado que a massa total de fluido despejada foi m, temos M 1 m = ρ(v 1 + V 2 ) = ρ 4 H + πd2 4 h = H = 4

p A = p B = = ρgh = h = Por outro lado, dado que a massa total de fluido despejada foi m, temos M 1 m = ρ(v 1 + V 2 ) = ρ 4 H + πd2 4 h = H = 4 Q1 (,5) Um pistão é constituído por um disco ao qual se ajusta um tubo oco cilíndrico de diâmetro d. O pistão está adaptado a um recipiente cilíndrico de diâmetro D. massa do pistão com o tubo é M e ele

Leia mais

Processos em Engenharia: Modelagem Matemática de Sistemas Fluídicos

Processos em Engenharia: Modelagem Matemática de Sistemas Fluídicos Processos em Engenharia: Modelagem Matemática de Sistemas Fluídicos Prof. Daniel Coutinho coutinho@das.ufsc.br Departamento de Automação e Sistemas DAS Universidade Federal de Santa Catarina UFSC DAS 5101

Leia mais

Conceitos gerais. A movimentação do ar e dos gases de combustão é garantida por: Ventiladores centrífugos Efeito de sucção da chaminé

Conceitos gerais. A movimentação do ar e dos gases de combustão é garantida por: Ventiladores centrífugos Efeito de sucção da chaminé TIRAGEM Definição Tiragem é o processo que garante a introdução do ar na fornalha e a circulação dos gases de combustão através de todo gerador de vapor, até a saída para a atmosfera 00:43 2 Conceitos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE AGRONOMIA E ENGENHARIA DE ALIMENTOS SETOR DE ENGENHARIA RURAL. Prof. Adão Wagner Pêgo Evangelista

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE AGRONOMIA E ENGENHARIA DE ALIMENTOS SETOR DE ENGENHARIA RURAL. Prof. Adão Wagner Pêgo Evangelista UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE AGRONOMIA E ENGENHARIA DE ALIMENTOS SETOR DE ENGENHARIA RURAL Prof. Adão Wagner Pêgo Evangelista 3 CONDUÇÃO DE ÁGUA 3.1 CONDUTOS LIVRES OU CANAIS Denominam-se condutos

Leia mais

Questão 46. Questão 47. Questão 48. alternativa E. alternativa C

Questão 46. Questão 47. Questão 48. alternativa E. alternativa C Questão 46 O movimento de uma partícula é caracterizado por ter vetor velocidade e vetor aceleração não nulo de mesma direção. Nessas condições, podemos afirmar que esse movimento é a) uniforme. b) uniformemente

Leia mais

IME - 2006 2º DIA FÍSICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR

IME - 2006 2º DIA FÍSICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR IME - 2006 2º DIA FÍSICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR Física Questão 01 O ciclo Diesel, representado na figura seguinte, corresponde ao que ocorre num motor Diesel de quatro tempos: o trecho AB representa

Leia mais

Questão 57. Questão 59. Questão 58. alternativa D. alternativa C

Questão 57. Questão 59. Questão 58. alternativa D. alternativa C OBSERVAÇÃO (para todas as questões de Física): o valor da aceleração da gravidade na superfície da Terra é representada por g. Quando necessário adote: para g, o valor de 10 m/s 2 ; para a massa específica

Leia mais

2 a Prova de EDI-49 Concreto Estrutural II Prof. Flávio Mendes Junho de 2012 Duração prevista: até 4 horas.

2 a Prova de EDI-49 Concreto Estrutural II Prof. Flávio Mendes Junho de 2012 Duração prevista: até 4 horas. 2 a Prova de EDI-49 Concreto Estrutural II Prof. Flávio Mendes Junho de 212 Duração prevista: até 4 horas. Esta prova tem oito (8) questões e três (3) laudas. Consulta permitida somente ao formulário básico.

Leia mais

TC 3 UECE - 2013 FASE 2 MEDICINA e REGULAR

TC 3 UECE - 2013 FASE 2 MEDICINA e REGULAR TC 3 UECE - 03 FASE MEICINA e EGULA SEMANA 0 a 5 de dezembro POF.: Célio Normando. A figura a seguir mostra um escorregador na forma de um semicírculo de raio = 5,0 m. Um garoto escorrega do topo (ponto

Leia mais

UNIGRANRIO www.exerciciosdevestibulares.com.br. 2) (UNIGRANRIO) O sistema abaixo encontra-se em equilíbrio sobre ação de três forças

UNIGRANRIO www.exerciciosdevestibulares.com.br. 2) (UNIGRANRIO) O sistema abaixo encontra-se em equilíbrio sobre ação de três forças 1) (UNIGRANRIO) Um veículo de massa 1200kg se desloca sobre uma superfície plana e horizontal. Em um determinado instante passa a ser acelerado uniformemente, sofrendo uma variação de velocidade representada

Leia mais

Funcionamento de uma Torre de Resfriamento de Água

Funcionamento de uma Torre de Resfriamento de Água Funcionamento de uma Torre de Resfriamento de Água Giorgia Francine Cortinovis (EPUSP) Tah Wun Song (EPUSP) 1) Introdução Em muitos processos, há necessidade de remover carga térmica de um dado sistema

Leia mais

Operações Unitárias II

Operações Unitárias II UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Operações Unitárias II Evaporação Professor Paul Fernand Milcent Monitora Patrícia Carrano Moreira Pereira 2013 Sumário 1. Introdução... 2 1.1. Fontes de energia... 2 1.2.

Leia mais

Revisão de Física Vestibular ITA 2011

Revisão de Física Vestibular ITA 2011 Vestibular ITA 011 Questão 1 Um cilindro oco, feito de material isolante, é fechado em uma das extremidades por uma placa metálica fixa e na outra por um pistão metálico bem ajustado livre para se mover.

Leia mais

FISICA. Justificativa: Taxa = 1,34 kw/m 2 Energia em uma hora = (1,34 kw/m 2 ).(600x10 4 m 2 ).(1 h) ~ 10 7 kw. v B. v A.

FISICA. Justificativa: Taxa = 1,34 kw/m 2 Energia em uma hora = (1,34 kw/m 2 ).(600x10 4 m 2 ).(1 h) ~ 10 7 kw. v B. v A. FISIC 01. Raios solares incidem verticalmente sobre um canavial com 600 hectares de área plantada. Considerando que a energia solar incide a uma taxa de 1340 W/m 2, podemos estimar a ordem de grandeza

Leia mais

5ª LISTA DE EXERCÍCIOS PROBLEMAS ENVOLVENDO FLEXÃO

5ª LISTA DE EXERCÍCIOS PROBLEMAS ENVOLVENDO FLEXÃO Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Construção e Estruturas Professor: Armando Sá Ribeiro Jr. Disciplina: ENG285 - Resistência dos Materiais I-A www.resmat.ufba.br 5ª LISTA

Leia mais

1 Analise a figura a seguir, que representa o esquema de um circuito com a forma da letra U, disposto perpendicularmente à superfície da Terra.

1 Analise a figura a seguir, que representa o esquema de um circuito com a forma da letra U, disposto perpendicularmente à superfície da Terra. FÍSIC 1 nalise a figura a seguir, que representa o esquema de um circuito com a forma da letra U, disposto perpendicularmente à superfície da Terra. Esse circuito é composto por condutores ideais (sem

Leia mais

Resolução Comentada CEFET/MG - 2 semestre 2014

Resolução Comentada CEFET/MG - 2 semestre 2014 Resolução Comentada CEFET/MG - 2 semestre 2014 01 - A figura mostra um sistema massa-mola que pode oscilar livremente, sem atrito, sobre a superfície horizontal e com resistência do ar desprezível. Nesse

Leia mais

Unidade V - Estática e Dinâmica dos Fluidos

Unidade V - Estática e Dinâmica dos Fluidos 49 Unidade V - Estática e Dinâmica dos Fluidos fig. V.. Atmosfera terrestre é uma camada essencialmente gasosa um fluido. Na segunda parte da figura podemos ver a um fluido em movimento escoando em um

Leia mais

O mundo da energia...9 1. Uma presença universal... 10

O mundo da energia...9 1. Uma presença universal... 10 S UNIDADE 1 U M Á R I O O mundo da energia...9 1. Uma presença universal... 10 ENERGIA, SEMPRE MUDANDO DE FORMA...11 ENERGIA AO LONGO DA HISTÓRIA...16 NA VIDA MODERNA...18 Buscando a sustentabilidade...20

Leia mais

Soluções das Questões de Física do Processo Seletivo de Admissão à Escola Preparatória de Cadetes do Exército EsPCEx

Soluções das Questões de Física do Processo Seletivo de Admissão à Escola Preparatória de Cadetes do Exército EsPCEx Soluções das Questões de Física do Processo Seletivo de dmissão à Escola Preparatória de Cadetes do Exército EsPCEx Questão Concurso 009 Uma partícula O descreve um movimento retilíneo uniforme e está

Leia mais

a) os módulos das velocidades angulares ωr NOTE E ADOTE

a) os módulos das velocidades angulares ωr NOTE E ADOTE 1. Um anel condutor de raio a e resistência R é colocado em um campo magnético homogêneo no espaço e no tempo. A direção do campo de módulo B é perpendicular à superfície gerada pelo anel e o sentido está

Leia mais

Ensaios Mecânicos de Materiais. Aula 10 Ensaio de Torção. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues

Ensaios Mecânicos de Materiais. Aula 10 Ensaio de Torção. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues Ensaios Mecânicos de Materiais Aula 10 Ensaio de Torção Tópicos Abordados Nesta Aula Ensaio de Torção. Propriedades Avaliadas do Ensaio. Exemplos de Cálculo. Definições O ensaio de torção consiste em aplicação

Leia mais

PROVA UPE 2012 TRADICIONAL(RESOLVIDA)

PROVA UPE 2012 TRADICIONAL(RESOLVIDA) PROVA UPE 2012 TRADICIONAL(RESOLVIDA) 33 - Sete bilhões de habitantes, aproximadamente, é a população da Terra hoje. Assim considere a Terra uma esfera carregada positivamente, em que cada habitante seja

Leia mais

Professores: Gilberto / Gustavo / Luciano / Maragato CURSO DOMÍNIO. Comentário: Energia de Capacitor. Comentário: Questão sobre atrito

Professores: Gilberto / Gustavo / Luciano / Maragato CURSO DOMÍNIO. Comentário: Energia de Capacitor. Comentário: Questão sobre atrito Professores: Gilberto / Gustavo / Luciano / Maragato CURSO DOMÍNIO A prova de física exigiu um bom conhecimento dos alunos. Há questões relacionadas principalmente com a investigação e compreensão dos

Leia mais

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL Documento(s) Orientador(es): Programa de Física 12.º ano homologado em 21/10/2004 ENSINO SECUNDÁRIO FÍSICA 12.º ANO TEMAS/DOMÍNIOS

Leia mais

Recomendações para o Projeto e Dimensionamento. Profª Gersina N.R.C. Junior

Recomendações para o Projeto e Dimensionamento. Profª Gersina N.R.C. Junior Recomendações para o Projeto e Dimensionamento Profª Gersina N.R.C. Junior Vazão; Recomendações Para Projeto Principais recomendações que o projetista deve observar: Diâmetro mínimo; Lâmina d água máxima;

Leia mais

Física Fácil prof. Erval Oliveira. Aluno:

Física Fácil prof. Erval Oliveira. Aluno: Física Fácil prof. Erval Oliveira Aluno: O termo trabalho utilizado na Física difere em significado do mesmo termo usado no cotidiano. Fisicamente, um trabalho só é realizado por forças aplicadas em corpos

Leia mais

Curso de Engenharia Civil. Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil CAPÍTULO 6: TORÇÃO

Curso de Engenharia Civil. Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil CAPÍTULO 6: TORÇÃO Curso de Engenharia Civil Universidade Estadual de Maringá Centro de ecnologia Departamento de Engenharia Civil CPÍULO 6: ORÇÃO Revisão de Momento orçor Convenção de Sinais: : Revisão de Momento orçor

Leia mais

MÓDULO 03 - PROPRIEDADES DO FLUIDOS. Bibliografia

MÓDULO 03 - PROPRIEDADES DO FLUIDOS. Bibliografia MÓDULO 03 - PROPRIEDADES DO FLUIDOS Bibliografia 1) Estática dos Fluidos Professor Dr. Paulo Sergio Catálise Editora, São Paulo, 2011 CDD-620.106 2) Introdução à Mecânica dos Fluidos Robert W. Fox & Alan

Leia mais

Física FUVEST ETAPA. ε = 26 cm, e são de um mesmo material, Resposta QUESTÃO 1 QUESTÃO 2. c) Da definição de potência, vem:

Física FUVEST ETAPA. ε = 26 cm, e são de um mesmo material, Resposta QUESTÃO 1 QUESTÃO 2. c) Da definição de potência, vem: Física QUESTÃO 1 Um contêiner com equipamentos científicos é mantido em uma estação de pesquisa na Antártida. Ele é feito com material de boa isolação térmica e é possível, com um pequeno aquecedor elétrico,

Leia mais

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD)

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD) UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD) TRABALHO DE BIOLOGIA GERAL RAQUEL ALVES DA SILVA CRUZ Rio de Janeiro, 15 de abril de 2008. TRABALHO DE BIOLOGIA GERAL TERMOELÉTRICAS

Leia mais

Pelo princípio da independência dos movimentos, na horizontal, temos: V. = 0, o corpo se comporta como em queda livre, por isso: F g.

Pelo princípio da independência dos movimentos, na horizontal, temos: V. = 0, o corpo se comporta como em queda livre, por isso: F g. Questão 01 008 Um astronauta, de pé sobre a superfície da Lua, arremessa uma pedra, horizontalmente, a partir de uma altura de 1,5 m, e verifica que ela atinge o solo a uma distância de 15 m. Considere

Leia mais

Controle de vibração significa a eliminação ou a redução da vibração.

Controle de vibração significa a eliminação ou a redução da vibração. Quais são os métodos mais utilizados para controle de vibrações? Defina um absorvedor de vibração? Qual é função de um isolador de vibração? Por que um eixo rotativo sempre vibra? Qual é a fonte da força

Leia mais

18 a QUESTÃO Valor: 0,25

18 a QUESTÃO Valor: 0,25 6 a A 0 a QUESTÃO FÍSICA 8 a QUESTÃO Valor: 0,25 6 a QUESTÃO Valor: 0,25 Entre as grandezas abaixo, a única conservada nas colisões elásticas, mas não nas inelásticas é o(a): 2Ω 2 V 8Ω 8Ω 2 Ω S R 0 V energia

Leia mais

Questão 46. o diagrama horário da velocidade escalar, cuja ilustração correta para esse movimento. a) d)

Questão 46. o diagrama horário da velocidade escalar, cuja ilustração correta para esse movimento. a) d) Questão 46 b) Sobre um trilho reto, uma pequena esfera descreve um movimento uniformemente variado. Um estudante resolveu analisar esse movimento e construiu o gráfico do espaço percorrido (S) em função

Leia mais

Tanques Sépticos e Disposição de Efluentes de Tanques Sépticos

Tanques Sépticos e Disposição de Efluentes de Tanques Sépticos UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO DECIV DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Tanques Sépticos e Disposição de Efluentes de Tanques Sépticos DISCIPLINA: SANEAMENTO PROF. CARLOS EDUARDO F MELLO e-mail: cefmello@gmail.com

Leia mais

DINÂMICA DE MÁQUINAS

DINÂMICA DE MÁQUINAS DINÂMICA DE MÁQUINAS CAPITULO 2 Momentos de inércia de componentes de máquinas com diferentes geometrias 1. O corpo composto mostrado na figura consiste em uma barra esbelta de 3 kg e uma placa fina de

Leia mais

TIPO-A FÍSICA. r 1200 v média. Dado: Aceleração da gravidade: 10 m/s 2. Resposta: 27

TIPO-A FÍSICA. r 1200 v média. Dado: Aceleração da gravidade: 10 m/s 2. Resposta: 27 1 FÍSICA Dado: Aceleração da gravidade: 10 m/s 01. Considere que cerca de 70% da massa do corpo humano é constituída de água. Seja 10 N, a ordem de grandeza do número de moléculas de água no corpo de um

Leia mais

Máquinas Hidráulicas

Máquinas Hidráulicas Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental Hidráulica Geral (ESA024) CAPÍTULO IV: Máquinas Hidráulicas Dezembro 2012 1 Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental Objetivos do capítulo: Máquinas

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES 2011 1 a QUESTÃO Valor: 1,00 Um varal de roupas foi construído utilizando uma haste rígida DB de massa desprezível, com

Leia mais

RT 2.003 Página 1 de 15 TÍTULO: DIMENSIONAMENTO DE POSTE DE CONCRETO COM SEÇÃO CIRCULAR, UTILIZADO EM REDE DE DISTRIBUIÇÃO

RT 2.003 Página 1 de 15 TÍTULO: DIMENSIONAMENTO DE POSTE DE CONCRETO COM SEÇÃO CIRCULAR, UTILIZADO EM REDE DE DISTRIBUIÇÃO RT 2.003 Página 1 de 15 1. OBJETIVO Estabelecer parâmetros técnicos para subsidiar a padronização dos critérios para dimensionamento de postes de concreto com seção circular padronizados para uso em Redes

Leia mais

ENGENHARIA CIVIL. Questão nº 1. Padrão de Resposta Esperado: a) Solução ideal

ENGENHARIA CIVIL. Questão nº 1. Padrão de Resposta Esperado: a) Solução ideal Questão nº 1 a) Solução ideal Aceita-se que a armadura longitudinal seja colocada pelo lado de fora das armaduras. Caso o graduando apresente o detalhe das armaduras, a resposta será: Solução para as hipóteses

Leia mais

γ = 5,0m/s 2 2) Cálculo da distância percorrida para a velocidade escalar reduzir-se de 30m/s para 10m/s. V 2 2

γ = 5,0m/s 2 2) Cálculo da distância percorrida para a velocidade escalar reduzir-se de 30m/s para 10m/s. V 2 2 OBSERVAÇÃO (para todas as questões de Física): o valor da aceleração da gravidade na superfície da Terra é representado por g. Quando necessário, adote: para g, o valor 10 m/s 2 ; para a massa específica

Leia mais

ATENÇÃO ESTE CADERNO CONTÉM 10 (DEZ) QUESTÕES E RESPECTIVOS ESPAÇOS PARA RESPOSTAS. DURAÇÃO DA PROVA: 3 (TRÊS) HORAS

ATENÇÃO ESTE CADERNO CONTÉM 10 (DEZ) QUESTÕES E RESPECTIVOS ESPAÇOS PARA RESPOSTAS. DURAÇÃO DA PROVA: 3 (TRÊS) HORAS ATENÇÃO ESTE CADERNO CONTÉM 10 (DEZ) QUESTÕES E RESPECTIVOS ESPAÇOS PARA RESPOSTAS. DURAÇÃO DA PROVA: 3 (TRÊS) HORAS A correção de cada questão será restrita somente ao que estiver registrado no espaço

Leia mais

GREGOR MENDEL & GRANDES MESTRES REVISÃO 2ª FASE BAHIANA

GREGOR MENDEL & GRANDES MESTRES REVISÃO 2ª FASE BAHIANA REVISÃO ª FASE BAHIANA 1 Um anel condutor de raio a e resistência R é colocado em um campo magnético homogêneo no espaço e no tempo. A direção do campo de módulo B é perpendicular à superfície gerada pelo

Leia mais

Exercícios 6 Aplicações das Leis de Newton

Exercícios 6 Aplicações das Leis de Newton Exercícios 6 plicações das Leis de Newton Primeira Lei de Newton: Partículas em Equilíbrio 1. Determine a intensidade e o sentido de F de modo que o ponto material esteja em equilíbrio. Resp: = 31,8 0,

Leia mais

Questão 1. Questão 2. Resposta. Resposta

Questão 1. Questão 2. Resposta. Resposta Questão 1 Na natureza, muitos animais conseguem guiar-se e até mesmo caçar com eficiência, devido à grande sensibilidade que apresentam para a detecção de ondas, tanto eletromagnéticas quanto mecânicas.

Leia mais

Física. Resolução. Q uestão 01 - A

Física. Resolução. Q uestão 01 - A Q uestão 01 - A Uma forma de observarmos a velocidade de um móvel em um gráfico d t é analisarmos a inclinação da curva como no exemplo abaixo: A inclinação do gráfico do móvel A é maior do que a inclinação

Leia mais

a) Em função da energia cinética:

a) Em função da energia cinética: AULA 04 PERDAS DE CARGA LOCALIZADAS 4.1. Perdas locais, Localizadas ou Acidentais Ocorrem sempre que houver uma mudança da velocidade de escoamento, em grandeza ou direção. Este fenômeno sempre ocorre

Leia mais

grandeza do número de elétrons de condução que atravessam uma seção transversal do fio em segundos na forma, qual o valor de?

grandeza do número de elétrons de condução que atravessam uma seção transversal do fio em segundos na forma, qual o valor de? Física 01. Um fio metálico e cilíndrico é percorrido por uma corrente elétrica constante de. Considere o módulo da carga do elétron igual a. Expressando a ordem de grandeza do número de elétrons de condução

Leia mais

Questão 46. Questão 47. Questão 48. Questão 49. alternativa C. alternativa A. alternativa B

Questão 46. Questão 47. Questão 48. Questão 49. alternativa C. alternativa A. alternativa B Questão 46 Um ferreiro golpeia, com a marreta, uma lâmina de ferro, em ritmo uniforme, a cada 0,9 s. Um observador afastado desse ferreiro vê, com um binóculo, a marreta atingir o ferro e ouve o som das

Leia mais

Eixo Temático ET-09-009 - Energia ESTUDO DA TERMOFLUIDODINÂMICA DE UM SECADOR SOLAR DE EXPOSIÇÃO DIRETA: MODELAGEM E SIMULAÇÃO

Eixo Temático ET-09-009 - Energia ESTUDO DA TERMOFLUIDODINÂMICA DE UM SECADOR SOLAR DE EXPOSIÇÃO DIRETA: MODELAGEM E SIMULAÇÃO 426 Eixo Temático ET-09-009 - Energia ESTUDO DA TERMOFLUIDODINÂMICA DE UM SECADOR SOLAR DE EXPOSIÇÃO DIRETA: MODELAGEM E SIMULAÇÃO Maria Teresa Cristina Coelho¹; Jailton Garcia Ramos; Joab Costa dos Santos;

Leia mais

; Densidade da água ρ

; Densidade da água ρ Na solução da prova, use quando necessário: COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO COPESE VESTIULAR Aceleração da gravidade g = m / s ; Densidade da água ρ a =, g / cm = kg/m 8 5 Velocidade da luz no vácuo c =,

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Circuitos Elétricos I EEL420. Módulo 2

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Circuitos Elétricos I EEL420. Módulo 2 Universidade Federal do Rio de Janeiro Circuitos Elétricos I EEL420 Módulo 2 Thévenin Norton Helmholtz Mayer Ohm Galvani Conteúdo 2 Elementos básicos de circuito e suas associações...1 2.1 Resistores lineares

Leia mais

Questão 57. Questão 58. alternativa D. alternativa C. seu mostrador deverá indicar, para esse mesmo objeto, o valor de

Questão 57. Questão 58. alternativa D. alternativa C. seu mostrador deverá indicar, para esse mesmo objeto, o valor de OBSERVAÇÃO (para todas as questões de Física): o valor da aceleração da gravidade na superfície da Terra é representado por g. Quando necessário, adote: para g, o valor 10 m/s ; para a massa específica

Leia mais

Módulo VIII - 1ª Lei da Termodinâmica Aplicada a Volume de Controle: Regime Permanente, Dispositivos de Engenharia com Escoamento e Regime Transiente.

Módulo VIII - 1ª Lei da Termodinâmica Aplicada a Volume de Controle: Regime Permanente, Dispositivos de Engenharia com Escoamento e Regime Transiente. Módulo VIII - 1ª Lei da Termodinâmica Aplicada a Volume de Controle: Regime Permanente, Dispositivos de Engenharia com Escoamento e Regime Transiente. Bocais e Difusores São normalmente utilizados em motores

Leia mais

TÍTULO: CURVA DA BOMBA E DO SISTEMA PARA O TRANSPORTE DE FLUIDO VISCOSO

TÍTULO: CURVA DA BOMBA E DO SISTEMA PARA O TRANSPORTE DE FLUIDO VISCOSO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: CURVA DA BOMBA E DO SISTEMA PARA O TRANSPORTE DE FLUIDO VISCOSO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS

Leia mais

Escoamento em dutos em L

Escoamento em dutos em L 4ª Parte do Trabalho EM974 Métodos Computacionais em Engenharia Térmica e Ambiental Escoamento em dutos em L Rafael Schmitz Venturini de Barros RA:045951 Marcelo Delmanto Prado RA: 048069 1. Introdução

Leia mais

ANÁLISE DO ESCOAMENTO DE UM FLUIDO REAL: água

ANÁLISE DO ESCOAMENTO DE UM FLUIDO REAL: água UFF Universidade Federal Fluminense Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Química e de Petróleo Integração I Prof.: Rogério Fernandes Lacerda Curso: Engenharia de Petróleo Alunos: Bárbara Vieira

Leia mais

HIDRODINÂMICA CONDUTOS SOB PRESSÃO

HIDRODINÂMICA CONDUTOS SOB PRESSÃO HIDRODINÂMICA CONDUTOS SOB PRESSÃO CONDUTOS SOB PRESSÃO Denominam-se condutos sob pressão ou condutos forçados, as canalizações onde o líquido escoa sob uma pressão diferente da atmosférica. As seções

Leia mais

Física Geral. Série de problemas. Unidade II Mecânica Aplicada. Departamento Engenharia Marítima

Física Geral. Série de problemas. Unidade II Mecânica Aplicada. Departamento Engenharia Marítima Física Geral Série de problemas Unidade II Mecânica Aplicada Departamento Engenharia Marítima 2009/2010 Módulo I As Leis de movimento. I.1 Uma esfera com uma massa de 2,8 10 4 kg está pendurada no tecto

Leia mais

Noções de Hidráulica

Noções de Hidráulica Noções de Hidráulica 1- INTRODUÇÃO - PRESSÃO - PRESSÃO DA ÁGUA 4- PRESSÃO ATMOSFÉRICA OU BAROMÉTRICA 5- VAZÃO 6- VELOCIDADE 7- TRABALHO 8- POTÊNCIA 9- ENERGIA 10- RENDIMENTO 11- CONSERVAÇÃO DA ENERGIA

Leia mais

ESTUDO APLICADO DE UMA EÓLICA

ESTUDO APLICADO DE UMA EÓLICA Temática Energias Renováveis Capítulo Energia Eólica Secção ESTUDO APLICADO DE UMA EÓLICA INTRODUÇÃO Nesta exposição apresentam-se as equações e os conhecimentos necessários para a resolução dos exercícios.

Leia mais

Mecânica dos Fluidos. Prof. Engº Franco Brunetti.

Mecânica dos Fluidos. Prof. Engº Franco Brunetti. Mecânica dos Fluidos. Prof. Engº Franco Brunetti. Resolução dos Exercícios. Por Josenei Godoi( Dúvidas,sugestões ou correções enviar email para joseneigodoi@yahoo.com.br). Resumo de fórmulas: - Tensão

Leia mais

UFMG - 2003 2º DIA FÍSICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR

UFMG - 2003 2º DIA FÍSICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR UFMG - 2003 2º DIA FÍSICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR Física Questão 01 Durante uma brincadeira, Rafael utiliza o dispositivo mostrado nesta figura para lançar uma bolinha horizontalmente. Nesse

Leia mais

FIS-14 Lista-09 Outubro/2013

FIS-14 Lista-09 Outubro/2013 FIS-14 Lista-09 Outubro/2013 1. Quando um projétil de 7,0 kg é disparado de um cano de canhão que tem um comprimento de 2,0 m, a força explosiva sobre o projétil, quando ele está no cano, varia da maneira

Leia mais

Ivan Guilhon Mitoso Rocha. As grandezas fundamentais que serão adotadas por nós daqui em frente:

Ivan Guilhon Mitoso Rocha. As grandezas fundamentais que serão adotadas por nós daqui em frente: Rumo ao ITA Física Análise Dimensional Ivan Guilhon Mitoso Rocha A análise dimensional é um assunto básico que estuda as grandezas físicas em geral, com respeito a suas unidades de medida. Como as grandezas

Leia mais

3. Procedimento e Montagem Experimental

3. Procedimento e Montagem Experimental 3. Procedimento e Montagem Experimental O presente trabalho é uma continuação da pesquisa iniciada por Leiroz [14]. A seção de testes usada para nosso estudo de deposição de parafina sob condições de escoamento

Leia mais

x = X = 4 minutos antes V = λ. f 30 = λ. 10 λ = 3 m a) Ultra-som (acima de 20.000 Hz) λ = 0,008 m 320 = λ. 40000 b) Infra-som (abaixo de 20 Hz)

x = X = 4 minutos antes V = λ. f 30 = λ. 10 λ = 3 m a) Ultra-som (acima de 20.000 Hz) λ = 0,008 m 320 = λ. 40000 b) Infra-som (abaixo de 20 Hz) QUESTÃO 30 RESPOSTA B A B Considere que a Terra faça um movimento aproximadamente circular em torno do Sol, num período de 360 dias. Se numa determinada data a Terra estiver no ponto A, e você visualizar

Leia mais

Questão 46. Questão 48. Questão 47. alternativa A. alternativa B

Questão 46. Questão 48. Questão 47. alternativa A. alternativa B Questão 46 Na figura, são dados os vetores a, bec. Sendo u a unidade de medida do módulo desses vetores, pode-se afirmar que o vetor d = = a b + c tem módulo a) 2u, e sua orientação é vertical, para cima.

Leia mais

Fundamentos de Automação. Hidráulica 01/06/2015. Hidráulica. Hidráulica. Hidráulica. Considerações Iniciais CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

Fundamentos de Automação. Hidráulica 01/06/2015. Hidráulica. Hidráulica. Hidráulica. Considerações Iniciais CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL Ministério da educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Técnica SETEC Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Rio Grande Fundamentos de Automação CURSO

Leia mais

Fundamentos de Engenharia Solar. Racine T. A. Prado

Fundamentos de Engenharia Solar. Racine T. A. Prado Fundamentos de Engenharia Solar Racine T. A. Prado Coletores Solares Um coletor solar é um tipo específico de trocador de calor que transforma energia solar radiante em calor. Duffie; Beckman Equação básica

Leia mais

PROVA DE ENGENHARIA CIVIL 1996

PROVA DE ENGENHARIA CIVIL 1996 PROVA DE ENGENHARIA CIVIL 1996 Questão nº 1 a) Uma determinada viga, com vão L e condições de contorno não identificadas, está submetida a uma carga uniformemente distribuída de valor q e apresenta a seguinte

Leia mais

Disciplina : Termodinâmica. Aula 5 ANÁLISE DA MASSA E ENERGIA APLICADAS A VOLUMES DE CONTROLE

Disciplina : Termodinâmica. Aula 5 ANÁLISE DA MASSA E ENERGIA APLICADAS A VOLUMES DE CONTROLE Curso: Engenharia Mecânica Disciplina : Aula 5 ANÁLISE DA MASSA E ENERGIA APLICADAS A VOLUMES DE CONTROLE Prof. Evandro Rodrigo Dário, Dr. Eng. Vazão mássica e vazão volumétrica A quantidade de massa que

Leia mais

Questão 57. Questão 58. Questão 59. alternativa C. alternativa C

Questão 57. Questão 58. Questão 59. alternativa C. alternativa C Questão 57 Um automóvel e um ônibus trafegam em uma estrada plana, mantendo velocidades constantes em torno de 100 km/h e 75 km/h, respectivamente. Os dois veículos passam lado a lado em um posto de pedágio.

Leia mais

Simulado ENEM. a) 75 C b) 65 C c) 55 C d) 45 C e) 35 C

Simulado ENEM. a) 75 C b) 65 C c) 55 C d) 45 C e) 35 C 1. Um trocador de calor consiste em uma serpentina, pela qual circulam 18 litros de água por minuto. A água entra na serpentina à temperatura ambiente (20 C) e sai mais quente. Com isso, resfria-se o líquido

Leia mais

1. Nesta figura, está representada, de forma esquemática, a órbita de um cometa em torno do Sol:

1. Nesta figura, está representada, de forma esquemática, a órbita de um cometa em torno do Sol: 1. Nesta figura, está representada, de forma esquemática, a órbita de um cometa em torno do Sol: Nesse esquema, estão assinalados quatro pontos P, Q, R ou S da órbita do cometa. a) Indique em qual dos

Leia mais

Departamento Formação Básica Engenharia Civil Disciplina. Matéria. Fenômenos de Transporte. Código. Carga Horária (horas-aula) 120

Departamento Formação Básica Engenharia Civil Disciplina. Matéria. Fenômenos de Transporte. Código. Carga Horária (horas-aula) 120 Departamento Curso Formação Básica Engenharia Civil Disciplina Código Fenômenos de Transporte BT1 Docentes José Gabriel França Simões (Prof. Responsável) Adriana L. S. Domingues Matéria Fenômenos de Transporte

Leia mais

Efeitos da Corrente Elétrica. Prof. Luciano Mentz

Efeitos da Corrente Elétrica. Prof. Luciano Mentz Efeitos da Corrente Elétrica Prof. Luciano Mentz 1. Efeito Magnético Corrente elétrica produz campo magnético. Esse efeito é facilmente verificado com uma bússola e será estudado no eletromagnetismo. 2.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Departamento de Engenharia Mecânica

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Departamento de Engenharia Mecânica UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Departamento de Engenharia Mecânica Elementos de Máquinas II Elementos de Apoio F T O = 0 Óleo e.sen O F h máx e Eixo Mancal L Óleo F d n h min d Q máx F pmáx p O

Leia mais

RESOLUÇÕES E COMENTÁRIOS DAS

RESOLUÇÕES E COMENTÁRIOS DAS 1 RESOLUÇÕES E COMENTÁRIOS DAS QUESTÕES ( ) I Unidade ( ) II Unidade ( x ) III Unidade FÍSICA E GEOGRAFIA Curso: Ensino Fundamental Ano: 1.º Turma: ABCDEFG Data: / / 11 009 Física Profs. 1. Resolução I

Leia mais

a) Estime o intervalo de tempo t 1 , em segundos, que a bola levou para ir do ponto A ao ponto B. b) Estime o intervalo de tempo t 2

a) Estime o intervalo de tempo t 1 , em segundos, que a bola levou para ir do ponto A ao ponto B. b) Estime o intervalo de tempo t 2 1 FÍSICA Durante um jogo de futebol, um chute forte, a partir do chão, lança a bola contra uma parede próxima. Com auxílio de uma câmera digital, foi possível reconstituir a trajetória da bola, desde o

Leia mais

Eletrodinâmica. Circuito Elétrico

Eletrodinâmica. Circuito Elétrico Eletrodinâmica Circuito Elétrico Para entendermos o funcionamento dos aparelhos elétricos, é necessário investigar as cargas elétricas em movimento ordenado, que percorrem os circuitos elétricos. Eletrodinâmica

Leia mais