Faça o que Eu Digo, Mas Não Faça o que Eu Faço: Estudo Exploratório sobre Infidelidade em Relacionamentos Românticos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Faça o que Eu Digo, Mas Não Faça o que Eu Faço: Estudo Exploratório sobre Infidelidade em Relacionamentos Românticos"

Transcrição

1 CienteFico. Ano III, v. II, Salvador, julho-dezembro 2003 Faça o que Eu Digo, Mas Não Faça o que Eu Faço: Estudo Exploratório sobre Infidelidade em Relacionamentos Românticos Giovana Dal Bianco Perlin e colaboradores 1 Resumo O trabalho realiza uma análise exploratória da percepção de homens e mulheres acerca de comportamentos e significados relacionados à infidelidade em relacionamentos românticos estáveis. Participaram do estudo 232 pessoas 115 do sexo feminino e 117 do sexo masculino, universitários, respondendo a um instrumento auto-aplicável sobre infidelidade. Os resultados indicam que, apesar de a infidelidade ser socialmente considerada deletéria para a qualidade dos relacionamentos, é amplamente praticada por homens e mulheres, sendo que os homens demonstram uma visão mais rígida acerca da infidelidade e as mulheres maior aceitabilidade da infidelidade por parte do parceiro. Indicadores sugerem que a maior parte dos homens inseridos neste estudo apresenta uma perspectiva relacional causal-linear, enquanto a maior parte das mulheres apresenta uma perspectiva relacional sistêmica. O estudo aponta uma demanda de reformulação do modelo de fidelidade praticado nos relacionamentos estáveis. INTRODUÇÃO No final da década de 80, a questão da infidelidade conjugal extrapolou os âmbitos da vida privada e dos crimes passionais, destacando-se nas questões de saúde pública. Com o advento da propagação da AIDS, da hepatite B e C e da recorrência de HPV em casais casados cuja fidelidade era considerada pressuposto básico, pôde-se atentar para a dimensão do evento de traição conjugal nos relacionamentos contemporâneos. A organização social pós-moderna tem vivenciado um grande paradoxo ao lidar com o tema. 1 Alunos da disciplina Psicologia da Sexualidade, do 2 semestre de 2001, do Curso de Psicologia da Faculdade Ruy Barbosa.

2 Isto porque o estilo de vida contemporâneo apresenta um conjunto de características quase contraditórias quando confrontado com os ideais dos relacionamentos estáveis e da instituição do casamento tradicional, assim como à noção de infidelidade. O casamento, hoje, encontra-se num estágio onde as relações são marcadas por um aprofundamento do individualismo. A ética inerente ao individualismo estimula a instabilidade do relacionamento íntimo e leva a constantes reformulações dos projetos conjugais. O relacionamento estável fica dessa forma marcado por uma necessidade de aceitação da heterogeneidade, da descontinuidade e da efemeridade das relações (Munhóz, 1996). Grande parte dos casais contemporâneos recebe mensagens contraditórias da sociedade. Por um lado, sofre pressão para manter valores e padrões morais tradicionais, pressão para casar e ter filhos, assim como para valorizar o meio familiar como o locus realizador de todas as expectativas emocionais e pessoais; sofre, ainda, pressão para a adoção de modelos rígidos de sexualidade e de divisão rígida de papéis e funções na família de acordo com o sexo. Por outro lado, encontra-se obrigada a adequar-se às transformações nas tendências sociais, como: multiplicidade dos papéis exigidos no mercado de trabalho, valorização do crescimento individual, da independência financeira e da flexibilidade no exercício dos papéis de gênero, além do incentivo à vivência plena da sexualidade (Perlin, 2001; Diniz, 1999). Nessa confrontação de informações e normas sociais, grande parte das pessoas vive o dilema de experienciar a infidelidade e escondê-la, de aceitar a possibilidade de ser infiel sempre existe uma explicação para o ato e de rechaçar a possibilidade de ser traído não há desculpas para uma traição. Homens e mulheres apresentam visões e comportamentos diferentes. Desde os primórdios da instituição do casamento parece existir uma permissão velada para que o homem tenha relacionamentos extraconjugais e, além disso, um incentivo social para que ele exerça esse direito interligado ao seu papel sexual. Há, ainda, um controle exacerbado em relação à sexualidade da mulher, inclusive no sentido de atribuir à traição por parte da mulher culpa e significado diferentes. Em outras palavras, os homens têm maior permissão social do que as mulheres neste setor. Faça o que eu digo, mas não faça o que eu faço. Ao aceitarmos que a construção do gênero é histórica e se faz incessantemente, estamos entendendo que as relações de homens e mulheres com a infidelidade, bem como seus discursos e representações sobre o tema, foram geradas em sociedade e estão em constante mudança e rearranjamento, demandando ressignificações e

3 reinterpretações que desafiam a falsa naturalização de comportamentos sociais. OBJETIVO GERAL Analisar a percepção subjetiva da infidelidade conjugal e comportamentos correlacionados em homens e mulheres adultos. MÉTODO 1. Participantes: 115 mulheres e 117 homens, estudantes universitários, residentes na cidade de Salvador, com faixa etária entre 17 e 47 anos. A faixa de idade predominante para o sexo feminino situou-se entre 20 e 30 anos, correspondendo a 67,3% da amostra feminina. Já para o sexo masculino, a faixa etária predominante posicionou-se entre 19 e 22 anos, correspondendo a 66,1% da amostra masculina. 2. Instrumentos: questionário auto-aplicável constituído por 23 itens. RESULTADOS E DISCUSSÃO Como eles e elas estão se relacionando?

4 Quem trai mais? Quanto à pergunta Já traiu?, os indicadores apontam para um maior evento de traição dentro da amostra masculina. Apesar de representar um comportamento socialmente questionável, a maior parte das pessoas assumiu já ter sido infiel. No item Os homens são mais infiéis, homens e mulheres, em sua maioria, concordam em muitos aspectos. Os homens não perdoam... No item "Você acha que já foi traído/a?", as mulheres percebem terem sido traídas em maior número do que os homens. Neste quesito, observamos que o fato de grande parte das mulheres admitir uma suposta traição pode estar relacionado com uma maior flexibilidade em aceitá-la. Quanto aos homens, metade da amostra acredita ter sido traída, o que pode indicar uma transformação na percepção masculina acerca da sexualidade feminina.

5 No item Eu poderia perdoar uma traição, a maioria das mulheres mostra concordância. Já os homens, em sua maioria, discordam completamente. Para os homens, parece que sofrer uma traição acarreta maiores danos psicossociais do que para as mulheres, principalmente levando-se em consideração a expectativa social atrelada aos papéis e funções masculinas em um relacionamento estável. No item Não há nada que justifique uma traição, homens e mulheres, em sua maioria, discordam em muitos aspectos, ou seja, existem situações onde a traição pode ser justificada. Porém, observando-se os percentuais, pode-se perceber que as mulheres acreditam mais na justificativa para a traição do que os homens. Podemos inferir que as mulheres possuem uma atitude mais flexível com relação à infidelidade, inclusive aceitando mais a possibilidade de existência de justificativas para a ocorrência. Matos (2000), em pesquisa com casais heterossexuais, encontrou resultados

6 similares. Para esta autora, estes resultados confirmam a cultura fálica/tradicional ainda vigente. A infidelidade masculina, quando não é estimulada com a função de provar a virilidade do homem, é quase sempre tolerada. Na década de 80, alguns crimes contra mulheres foram desencadeados por episódios de traição. Homens traídos parecem tender muito mais à violência contra suas companheiras do que o contrário. Isto pode estar relacionado com o papel cultural da mulher como propriedade masculina e mantenedora do relacionamento afetivo. Quando o homem trai, pode existir justificativa e pode ser considerado algo aceitável ou esperado dentro do relacionamento. Quando a mulher trai, a estrutura do relacionamento é abalada a tal ponto que a punição pode ter desdobramentos de violência física inclusive tolerados socialmente. Esquentando o relacionamento? Ambas amostras, em suas maiorias, discordam completamente do item A traição pode esquentar o relacionamento. O indicador corrobora o caráter e significado negativos da infidelidade. Apesar do significado deletério da infidelidade para os relacionamentos, podemos observar que é uma prática comum. Como vimos anteriormente, mais da metade de homens e mulheres admite já ter traído, somando em torno de 60% da amostra total. É interessante observar que as mulheres apresentam uma discreta tendência em considerar a afirmativa como uma possibilidade.

7 Sexo e Amor Quanto ao quesito Sexo e amor são coisas separadas, podemos dizer que, de forma geral, a amostra apresenta uma certa tendência em concordar com esta afirmação. Porém, observando os detalhes percentuais, parece haver uma inclinação para os homens em concordarem completamente mais do que as mulheres. No item Traição está mais relacionada ao sexo do que ao amor, obtivemos resultados muito semelhantes entre os grupos. Ambos concordam em muitos aspectos com o fato de a traição estar mais relacionada ao sexo.

8 Peso na consciência... Os homens apresentaram uma tendência a concordarem que a traição acarreta sentimento de culpa, enquanto que as mulheres mostraram tendência a discordarem. Ante a afirmação A culpa pela traição é sempre de quem traiu, observamos que a amostra masculina atribui a culpa pela traição a quem traiu em freqüência maior do que a feminina. Este indicador, de forma indireta, corrobora a literatura quando esta observa que a mulher é a principal provedora afetiva e principal responsável pela manutenção relacional (Perlin e Diniz, 2001), já que mostra que a mulher parece não atribuir culpa apenas a um membro da relação. Quanto aos homens, parece existir uma tendência a direcionar a responsabilidade pela traição ao/à parceiro(a) que traiu. Este indicador fornece uma importante informação sobre o relacionamento de homens e mulheres, uma vez que aponta para uma tendência de entendimento relacional sistêmico analisando o evento de infidelidade com uma perspectiva compartilhada pela maioria das mulheres e um entendimento causal linear utilizando uma visão que privilegia a postura e responsabilidade unilateral por parte da maioria dos homens. O que os olhos não vêem o coração não sente...

9 Quanto ao item O que os olhos não vêem o coração não sente, os resultados foram bastante curiosos. Observa-se que uma parcela significante da amostra feminina demonstra manter a aceitação da traição velada o que caracterizou os casamentos durante boa parte da época moderna. No entanto, devemos levar em consideração que há uma grande concentração de respostas que discordam completamente desta proposição. Aqui podemos sugerir a emergência de transformação da atitude da mulher diante da traição, tendendo a não aceitá-la. Na amostra masculina, observamos certa rigidez do homem em relação à traição, não a aceitando, mesmo que velada. Uma observação importante está no percentual significativo de homens e mulheres que concordam com uma infidelidade escondida (velada). É possível não trair? Parece que não, na opinião da maioria da amostra. Homens e mulheres têm predominantemente a mesma opinião em relação ao item É possível não trair em um relacionamento duradouro, acreditando na impossibilidade de ser fiel em um relacionamento duradouro.

10 Existe a pior maneira de saber que foi traído? Ambos os sexos responderam de forma bastante expressiva ao que seria "flagrar seu parceiro com outra pessoa" (74,6% dos homens e 66,7% das mulheres), dentre as seguintes opções: saber por terceiros e o/a parceiro/a contar. CONCLUSÃO E REFLEXÕES FINAIS A mudança em torno da vivência de experiências extraconjugais traições ou infidelidade é visível. Homens e mulheres apresentam percepções aproximadas acerca do fenômeno, apesar de vivenciarem-no de diversas maneiras. O discurso sobre a eqüidade entre homens e mulheres na forma de relacionamentos românticos/conjugais parece sofrer transformações significativas, ainda que algumas questões práticas comportamentos e condutas sociais sofram poucas alterações. A posição dos homens frente à traição parece flexível nos casos em que eles cometem a traição, embora ainda se mostre rígida quando eles são os supostos traídos. É provável que as mulheres sejam mais flexíveis ante a ocorrência de infidelidade do parceiro comportamento ligado à condição de subordinação da mulher ao homem durante a história ocidental como se a traição estivesse no rol de direitos implícitos dos homens no relacionamento. Os homens acreditam nesse pressuposto, apesar de não estarmos mais vivendo estruturas sociais que o suportem. O resultado, ao que parece, apresenta homens e mulheres relacionando-se com parceiro/a estável e também com parceiros/as ocasionais. Ou seja, a infidelidade parece estar se consolidando como prática comum nos relacionamentos, o que é ratificado pela experiência clínica em terapia de casal e família. Nestes contextos, observamos uma certa alusão a eventos de relacionamentos extraconjugais, na maior parte dos casos atendidos. É importante enfatizar que a maior parcela da amostra se concentra em faixa etária de adultos jovens ainda não casados. A possibilidade de que estas pessoas mantenham sua percepção acerca da fidelidade até o casamento é grande, tanto em casamentos formais quanto em regimes de concubinato. Outro aspecto interessante ressaltado pelo estudo diz respeito à forma como homens e mulheres percebem o relacionamento. Mulheres parecem perceber o relacionamento como um fenômeno sistêmico, interativo, que depende de ambos parceiros e da forma como se

11 relacionam. Já os homens parecem perceber o relacionamento de forma linear, independente, onde os acontecimentos são causais e de âmbito individual, ou seja, os problemas possuem causas unilaterais e respectivos responsáveis. Tal tendência não configura um dado completamente novo, já que a literatura tem sugerido que a mulher possui um self-em-relação e que o homem possui um self (Avis e Rampage, 1999). Trazer à tona a emergência de reformulação das normas e estratégias que permeiam os relacionamentos estáveis é fundamental, tanto no âmbito relacional quanto no legislativo. Sem esta discussão, estamos lidando com uma clínica, com ferramentas jurídicas e com questões do âmbito da saúde pública negligentes ante um problema que ultrapassa o contexto da moral e do privado. O estudo aponta para a necessidade de reformulação do entendimento e do paradigma de fidelidade praticado nos relacionamentos estáveis e discutidos pelas agências. Referências Bibliográficas: AVIS, J.; RAMPAGE, C. Identidade Sexual, Feminismo e Terapia Familiar. Em ELKAIM, M. (org.) Panorama das Terapias Familiares. São Paulo: Summus, DINIZ, G. Homens e Mulheres Frente à Interação Casamento-Trabalho: Aspectos da Realidade Brasileira. Em FÉRES-CARNEIRO, T. (Org) Casal e Família: Entre a Tradição e a Transformação. Rio de Janeiro: NAU, MATOS, M. Reinvenções do Vínculo Amoroso: Cultura e Identidade de Gênero na Modernidade Tardia. Belo Horizonte: Ed. UFMG, Rio de Janeiro: IUPERJ, PERLIN, G. Casais que Trabalham e São Felizes: Mito ou Realidade? Dissertação de Mestrado, Brasília, UNB, 2001.

BOLSA FAMÍLIA Relatório-SÍNTESE. 53

BOLSA FAMÍLIA Relatório-SÍNTESE. 53 CAPÍTULO6 BOLSA FAMÍLIA Relatório-SÍNTESE. 53 Aspectos de gênero O Programa Bolsa Família privilegia como titulares as mulheres-mães (ou provedoras de cuidados), público que aflui às políticas de assistência

Leia mais

Ano 3 Nº 37 Novembro de 2007. Escolaridade e Trabalho: desafios para a população negra nos mercados de trabalho metropolitanos

Ano 3 Nº 37 Novembro de 2007. Escolaridade e Trabalho: desafios para a população negra nos mercados de trabalho metropolitanos Ano 3 Nº 37 Novembro de 2007 Escolaridade e Trabalho: desafios para a população negra nos mercados de trabalho metropolitanos Escolaridade e Trabalho: desafios para a população negra nos mercados de trabalho

Leia mais

Política de cotas para mulheres na política tem 75% de aprovação

Política de cotas para mulheres na política tem 75% de aprovação Política de cotas para mulheres na política tem 75% de aprovação População conhece pouco a atual lei de cotas, mas acha que os partidos que não cumprem a lei deveriam ser punidos A maioria da população

Leia mais

MEMÓRIAS DE PESQUISA: A HISTÓRIA DE VIDA CONTADA POR MULHERES VIGIADAS E PUNIDAS

MEMÓRIAS DE PESQUISA: A HISTÓRIA DE VIDA CONTADA POR MULHERES VIGIADAS E PUNIDAS MEMÓRIAS DE PESQUISA: A HISTÓRIA DE VIDA CONTADA POR MULHERES VIGIADAS E PUNIDAS 1 Introdução O presente estudo se insere no contexto do sistema penitenciário feminino e, empiricamente, tem como tema as

Leia mais

AS RELAÇÕES AMOROSAS E OS TRAÇOS DE CARÁTER

AS RELAÇÕES AMOROSAS E OS TRAÇOS DE CARÁTER 1 AS RELAÇÕES AMOROSAS E OS TRAÇOS DE CARÁTER Eloá Andreassa Resumo: As relações amorosas continuam sendo mais que um objetivo na vida das pessoas, é uma necessidade, um sonho, até uma esperança. Porém,

Leia mais

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DE HOMENS CASADOS E SOLTEIROS A RESPEITO DA UNIÃO ESTÁVEL

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DE HOMENS CASADOS E SOLTEIROS A RESPEITO DA UNIÃO ESTÁVEL 1 REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DE HOMENS CASADOS E SOLTEIROS A RESPEITO DA UNIÃO ESTÁVEL Patrícia Ennes UERJ Celso Pereira de Sá UERJ Proponente: Patrícia Ennes E-mail: patrícia_ennes@ig.com.br A união estável

Leia mais

RELAÇÕES DE GÊNERO E VIOLÊNCIA

RELAÇÕES DE GÊNERO E VIOLÊNCIA RELAÇÕES DE GÊNERO E VIOLÊNCIA Caro (a) Chesfiano (a), Você está recebendo uma série de publicações intitulada Para Viver Melhor, com informações atualizadas sobre temas diversos no campo da saúde física

Leia mais

DataSenado. Secretaria de Transparência DataSenado. Março de 2013

DataSenado. Secretaria de Transparência DataSenado. Março de 2013 Violência Doméstica e Familiar Contra a Mulher DataSenado Março de 2013 Mulheres conhecem a Lei Maria da Penha, mas 700 mil ainda sofrem agressões no Brasil Passados quase 7 desde sua sanção, a Lei 11.340

Leia mais

Formação Profissional em Psicologia Social: Um estudo sobre os interesses dos estudantes pela área.

Formação Profissional em Psicologia Social: Um estudo sobre os interesses dos estudantes pela área. Formação Profissional em Psicologia Social: Um estudo sobre os interesses dos estudantes pela área. Autores: Ligia Claudia Gomes de Souza Universidade Salgado de Oliveira Faculdades Integradas Maria Thereza.

Leia mais

Nem tudo o que parece, é! Estereótipos de género, os meios de comunicação social, as e os jovens

Nem tudo o que parece, é! Estereótipos de género, os meios de comunicação social, as e os jovens Nem tudo o que parece, é! Estereótipos de género, os meios de comunicação social, as e os jovens Senhora Presidente da CIG, Caras parceiras e parceiro de mesa, Caras senhoras e caros senhores, É com grande

Leia mais

É recomendável ordenar e responder apenas àquelas perguntas que podem efetivamente contribuir para um aprofundamento da análise da organização.

É recomendável ordenar e responder apenas àquelas perguntas que podem efetivamente contribuir para um aprofundamento da análise da organização. Roteiro de Apoio Análise da Sustentabilidade Institucional Antonio Luiz de Paula e Silva alpsilva@fonte.org.br 1 O presente documento apresenta uma série de perguntas para ajudar no levantamento de dados

Leia mais

A PSICANÁLISE E OS MODERNOS MOVIMENTOS DE AFIRMAÇÃO HOMOSSEXUAL 1

A PSICANÁLISE E OS MODERNOS MOVIMENTOS DE AFIRMAÇÃO HOMOSSEXUAL 1 A PSICANÁLISE E OS MODERNOS MOVIMENTOS DE AFIRMAÇÃO HOMOSSEXUAL 1 Este artigo trata da difícil relação entre a teoria psicanalítica, que tradicionalmente considerava os comportamentos eróticos entre pessoas

Leia mais

O SUJEITO EM FOUCAULT

O SUJEITO EM FOUCAULT O SUJEITO EM FOUCAULT Maria Fernanda Guita Murad Foucault é bastante contundente ao afirmar que é contrário à ideia de se fazer previamente uma teoria do sujeito, uma teoria a priori do sujeito, como se

Leia mais

TÉCNICAS DE MOTIVAÇÃO APLICADAS A EMPRESAS

TÉCNICAS DE MOTIVAÇÃO APLICADAS A EMPRESAS TÉCNICAS DE MOTIVAÇÃO APLICADAS A EMPRESAS Rogéria Lopes Gularte 1 Resumo: No presente trabalho procuramos primeiramente definir o que é motivação, e como devemos nos comportar com as diferentes necessidades,

Leia mais

Iara L. Camaratta Anton Psicóloga CRP 07-0370 iaracamaratta@gmail.com www.iaracamaratta@com.br

Iara L. Camaratta Anton Psicóloga CRP 07-0370 iaracamaratta@gmail.com www.iaracamaratta@com.br Iara L. Camaratta Anton Psicóloga CRP 07-0370 iaracamaratta@gmail.com www.iaracamaratta@com.br EM QUE CONSISTEM OS MITOS? Curiosidades e indagações Tentativas para obtenção de respostas, sem recursos técnicos

Leia mais

PAZ EM CASA, PAZ NO MUNDO o programa de prevenção a violência intrafamiliar e de gênero do Instituto Noos. Carlos Eduardo Zuma

PAZ EM CASA, PAZ NO MUNDO o programa de prevenção a violência intrafamiliar e de gênero do Instituto Noos. Carlos Eduardo Zuma Congreso Iberoamericano de Masculinidades y Equidad: Investigación y Activismo Panel 2: Violencia y masculinidad/segunda sesión Barcelona, 8 de outubro de 2011 PAZ EM CASA, PAZ NO MUNDO o programa de prevenção

Leia mais

PSICOLOGIA E DIREITOS HUMANOS: Formação, Atuação e Compromisso Social. O PAPEL DA PSICOTERAPIA DE CASAL E FAMíLIA EM UM CASO DE ADOçãO

PSICOLOGIA E DIREITOS HUMANOS: Formação, Atuação e Compromisso Social. O PAPEL DA PSICOTERAPIA DE CASAL E FAMíLIA EM UM CASO DE ADOçãO O PAPEL DA PSICOTERAPIA DE CASAL E FAMíLIA EM UM CASO DE ADOçãO Bruna Maria Schiavinatto* (Programa de Iniciação Extensionista, Fundação Araucária, Departamento de Psicologia e Psicanálise, Universidade

Leia mais

1 O CONTEXTO DO CURSO

1 O CONTEXTO DO CURSO REFLEXÕES ACERCA DAS QUESTÕES DE GÊNERO NO CURSO PEDAGOGIA: LICENCIATURA PARA EDUCAÇÃO INFANTIL MODALIDADE A DISTÂNCIA Lívia Monique de Castro Faria Bolsista de Apoio Técnico a Pesquisa /FAPEMIG. Universidade

Leia mais

** O texto aqui reproduzido é de propriedade do MUD - Museu da Dança e não pode ser copiado ou reproduzido sem a autorização prévia.

** O texto aqui reproduzido é de propriedade do MUD - Museu da Dança e não pode ser copiado ou reproduzido sem a autorização prévia. * Este texto corresponde à visão da autora Marcia Dib e todas as informações aqui contidas são de inteira responsabilidade da autora. ** O texto aqui reproduzido é de propriedade do MUD - Museu da Dança

Leia mais

A GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA

A GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA A GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA Edna G. Levy A questão da gravidez na adolescência é muito mais comum do que parece ser, a reação inicial e geral é que este problema só acontece na casa dos outros, na nossa

Leia mais

Palestra Virtual. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org.br

Palestra Virtual. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org.br Palestra Virtual Promovida pelo http://www.irc-espiritismo.org.br Tema: Vida em Sociedade Palestrante: Regina de Agostini Rio de Janeiro 05/02/1999 Organizadores da palestra: Moderador: "Brab" (nick: [Moderador])

Leia mais

O que é protagonismo juvenil?

O que é protagonismo juvenil? O que é protagonismo juvenil? Branca Sylvia Brener * Índice Protagonismo Juvenil Por que a participação social dos jovens? O papel do educador Bibliografia Protagonismo Juvenil A palavra protagonismo vem

Leia mais

QUEM É O ESTUDANTE BRASILEIRO? UM ESTUDO SOBRE OS VALORES PRIORIZADOS PELOS UNIVERSITÁRIOS DE PSICOLOGIA: RESULTADOS PRELIMINARES

QUEM É O ESTUDANTE BRASILEIRO? UM ESTUDO SOBRE OS VALORES PRIORIZADOS PELOS UNIVERSITÁRIOS DE PSICOLOGIA: RESULTADOS PRELIMINARES 1 QUEM É O ESTUDANTE BRASILEIRO? UM ESTUDO SOBRE OS VALORES PRIORIZADOS PELOS UNIVERSITÁRIOS DE PSICOLOGIA: RESULTADOS PRELIMINARES PEDRO. SILVA, Nelson 1 ; SANTOS, Melina Rodrigues dos 2. Curso de Psicologia,

Leia mais

APADRINHAMENTO AFETIVO. PROJETO AFETO QUE AFETA

APADRINHAMENTO AFETIVO. PROJETO AFETO QUE AFETA APADRINHAMENTO AFETIVO. PROJETO AFETO QUE AFETA RESUMO A nossa principal proposta é sensibilizar a sociedade para o abandono de crianças e adolescentes que se encontram privados de uma relação afetiva

Leia mais

TERAPIA DE CASAIS. A Terapia Comportamental de Casais (TCC) é uma prática clínica

TERAPIA DE CASAIS. A Terapia Comportamental de Casais (TCC) é uma prática clínica CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA GERAL E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO 5PAC016 PSICOLOGIA CLÍNICA NA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO Prof.ª Dra. Maria Luiza Marinho Casanova 1 TERAPIA DE CASAIS

Leia mais

REAÇÕES E SENTIMENTOS DE FAMILIARES frente ao suicídio

REAÇÕES E SENTIMENTOS DE FAMILIARES frente ao suicídio REAÇÕES E SENTIMENTOS DE FAMILIARES frente ao suicídio TERAPIA DO LUTO Profa. Dra. Angela Maria Alves e Souza Enfermeira-Docente-UFC o suicídio desencadeia o luto mais difícil de ser enfrentado e resolvido

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DOS NAMORADOS 2012 CONVÊNIO UCDB-ACICG-PMCG

RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DOS NAMORADOS 2012 CONVÊNIO UCDB-ACICG-PMCG RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DOS NAMORADOS 2012 CONVÊNIO UCDB-ACICG-PMCG 31/05/2012 RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DOS NAMORADOS 2012 CONVÊNIO UCDB-ACICG-PMCG

Leia mais

ESPIRITUALIDADE E SAÚDE: UMA PERSPECTIVA BIOENERGÉTICA

ESPIRITUALIDADE E SAÚDE: UMA PERSPECTIVA BIOENERGÉTICA 1 ESPIRITUALIDADE E SAÚDE: UMA PERSPECTIVA BIOENERGÉTICA Périsson Dantas do Nascimento RESUMO O trabalho tem como objetivo principal elaborar um diálogo entre a Psicossomática e a Análise Bioenergética,

Leia mais

MORTALIDADE POR AIDS EM SÃO PAULO: DEZOITO ANOS DE HISTÓRIA

MORTALIDADE POR AIDS EM SÃO PAULO: DEZOITO ANOS DE HISTÓRIA MORTALIDADE POR AIDS EM SÃO PAULO: DEZOITO ANOS DE HISTÓRIA Bernadette Waldvogel 1 Lilian Cristina Correia Morais 1 1 INTRODUÇÃO O primeiro caso brasileiro conhecido de morte por Aids ocorreu em 1980,

Leia mais

SAÍDA DO MERCADO DE TRABALHO: QUAL É A IDADE?

SAÍDA DO MERCADO DE TRABALHO: QUAL É A IDADE? SAÍDA DO MERCADO DE TRABALHO: QUAL É A IDADE? Ana Amélia Camarano* Solange Kanso** Daniele Fernandes** 1 INTRODUÇÃO Assume-se que idade avançada e invalidez resultam em perda da capacidade laboral, o que

Leia mais

Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de Ciências e Tecnologia- UNESP. E-mail: rafaela_reginato@hotmail.com

Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de Ciências e Tecnologia- UNESP. E-mail: rafaela_reginato@hotmail.com 803 AS CONTRIBUIÇÕES DO LÚDICO PARA O DESENVOLVIMENTO EMOCIONAL INFANTIL NO CONTEXTO ESCOLAR Rafaela Reginato Hosokawa, Andréia Cristiane Silva Wiezzel Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de

Leia mais

Prova de Português Comentada NCE

Prova de Português Comentada NCE Estado de Mato Grosso (MT) Auditoria Geral do Estado (AGE) - 2005 Nível Superior Prova de Português Comentada NCE Texto: EDUCAÇÃO: O FUTURO ESTÁ EM NOSSAS MÃOS José Henrique Vilhena Folha de São Paulo

Leia mais

Gênero: Temas Transversais e o Ensino de História

Gênero: Temas Transversais e o Ensino de História Gênero: Temas Transversais e o Ensino de História Thayane Lopes Oliveira 1 Resumo: O tema Relações de gênero compõe o bloco de Orientação Sexual dos temas transversais apresentados nos parâmetros curriculares

Leia mais

ST 28: Sexualidade, gênero e reprodução na juventude Márcia Stengel PUC Minas Família adolescência gênero

ST 28: Sexualidade, gênero e reprodução na juventude Márcia Stengel PUC Minas Família adolescência gênero ST 28: Sexualidade, gênero e reprodução na juventude Márcia Stengel PUC Minas Família adolescência gênero Que família eu quero? Discutindo a família com adolescentes A família contemporânea sofre(u) transformações.

Leia mais

TALLER: III CONGRESSO DE PSICOTERAPIAS COGNITIVAS LATINO- AMERICANAS E I CONRESSO URUGUAYO DE PSICOTERAPIAS COGNITIVAS.

TALLER: III CONGRESSO DE PSICOTERAPIAS COGNITIVAS LATINO- AMERICANAS E I CONRESSO URUGUAYO DE PSICOTERAPIAS COGNITIVAS. TALLER: III CONGRESSO DE PSICOTERAPIAS COGNITIVAS LATINO- AMERICANAS E I CONRESSO URUGUAYO DE PSICOTERAPIAS COGNITIVAS. A SIGNIFICAÇÃO DOS CONCEITOS DE GÊNERO MASCULINO E FEMININO NA (DES)CONSTRUÇÃO DA

Leia mais

Aula 1 Uma visão geral das comorbidades e a necessidade da equipe multidisciplinar

Aula 1 Uma visão geral das comorbidades e a necessidade da equipe multidisciplinar Aula 1 Uma visão geral das comorbidades e a necessidade da equipe multidisciplinar Nesta aula, apresentaremos o panorama geral das comorbidades envolvidas na dependência química que serão estudadas ao

Leia mais

O CONSUMO VIRTUAL NO BRASIL

O CONSUMO VIRTUAL NO BRASIL O CONSUMO VIRTUAL NO BRASIL Março 2015 1. PANORAMA DO CONSUMO VIRTUAL NO BRASIL Eletroeletrônicos, livros e calçados foram os itens mais comprados em 2014. Índice de satisfação do consumidor virtual brasileiro

Leia mais

Os brasileiros diante da microgeração de energia renovável

Os brasileiros diante da microgeração de energia renovável Os brasileiros diante da microgeração de energia renovável Contexto Em abril de 2012, o governo através da diretoria da agência reguladora de energia elétrica (ANEEL) aprovou regras destinadas a reduzir

Leia mais

5 Considerações Finais

5 Considerações Finais 5 Considerações Finais Nosso objetivo nesse trabalho foi investigar as influências da família de origem na construção do laço conjugal no novo casal. Partimos da premissa de que toda família possui um

Leia mais

O COTIDIANO DO CASAMENTO CONTEMPORÂNEO A DIFÍCIL E CONFLITIVA DIVISÃO DE TAREFAS E RESPONSABILIDADES ENTRE HOMENS E MULHERES

O COTIDIANO DO CASAMENTO CONTEMPORÂNEO A DIFÍCIL E CONFLITIVA DIVISÃO DE TAREFAS E RESPONSABILIDADES ENTRE HOMENS E MULHERES O COTIDIANO DO CASAMENTO CONTEMPORÂNEO A DIFÍCIL E CONFLITIVA DIVISÃO DE TAREFAS E RESPONSABILIDADES ENTRE HOMENS E MULHERES Aluna: Thays de Azevedo Athayde Mielli de Assis Orientador: Bernardo Jablonski

Leia mais

BULLYING NAS ORGANIZAÇÕES: IDENTIFICAÇÃO DE PRÁTICAS FEMININAS E SEUS IMPACTOS PSICOLÓGICOS

BULLYING NAS ORGANIZAÇÕES: IDENTIFICAÇÃO DE PRÁTICAS FEMININAS E SEUS IMPACTOS PSICOLÓGICOS UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ GISELE APARECIDA DE ARAÚJO METER BULLYING NAS ORGANIZAÇÕES: IDENTIFICAÇÃO DE PRÁTICAS FEMININAS E SEUS IMPACTOS PSICOLÓGICOS CURITIBA 2104 GISELE APARECIDA DE ARAÚJO METER

Leia mais

Relacionamento Amoroso

Relacionamento Amoroso CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA GERAL E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO PSICOLOGIA CLÍNICA NA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO Relacionamento Amoroso Luisa Guedes Di Mauro Natália Gióia Cípola

Leia mais

Essa frase, que aqui utilizo à guisa de epígrafe, foi-me dita por meu pai. Um Paradigma que Cai por Terra. Capítulo

Essa frase, que aqui utilizo à guisa de epígrafe, foi-me dita por meu pai. Um Paradigma que Cai por Terra. Capítulo Capítulo 1 Um Paradigma que Cai por Terra Se for um bom negócio, faça. Entretanto, se não for, não faça. Essa frase, que aqui utilizo à guisa de epígrafe, foi-me dita por meu pai quando eu ainda era uma

Leia mais

MARCHA MUNDIAL DAS MULHERES TERCEIRA AÇÃO INTERNACIONAL

MARCHA MUNDIAL DAS MULHERES TERCEIRA AÇÃO INTERNACIONAL MARCHA MUNDIAL DAS MULHERES TERCEIRA AÇÃO INTERNACIONAL Autonomia econômica das mulheres Autonomia econômica das mulheres se refere à capacidade das mulheres de serem provedoras de seu próprio sustento,

Leia mais

REFLEXÕES CLÍNICAS SOBRE UM CASAL DE PAIS ADOTANTES

REFLEXÕES CLÍNICAS SOBRE UM CASAL DE PAIS ADOTANTES REFLEXÕES CLÍNICAS SOBRE UM CASAL DE PAIS ADOTANTES Autores: Tânia Regina Goia; José Paulo Diniz; Maria Luísa Louro de Castro Valente Instituição: Universidade Estadual Paulista Faculdade de Ciências e

Leia mais

Trabalho apresentado no III Congresso Ibero-americano de Psicogerontologia, sendo de total responsabilidade de seu(s) autor(es).

Trabalho apresentado no III Congresso Ibero-americano de Psicogerontologia, sendo de total responsabilidade de seu(s) autor(es). O TRABALHO NA TERCEIRA IDADE: A CONTINUAÇÃO DE UMA IDENTIDADE SOCIAL? Rosimeire de Oliveira Sueli Galego de carvalho Universidade Presbiteriana Mackenzie São Paulo, Brasil Resumo O número de idosos tem

Leia mais

Desafios da guarda compartilhada: (des)construções sobre a paternidade e a parentalidade no Brasil Carolina de Campos Borges 1

Desafios da guarda compartilhada: (des)construções sobre a paternidade e a parentalidade no Brasil Carolina de Campos Borges 1 1 Desafios da guarda compartilhada: (des)construções sobre a paternidade e a parentalidade no Brasil Carolina de Campos Borges 1 Este trabalho discute um dos desafio que se impõe à aplicação da guarda

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME. Nota MDS Brasília, 02 de maio de 2011.

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME. Nota MDS Brasília, 02 de maio de 2011. Nota MDS Brasília, 02 de maio de 2011. Assunto: O perfil da Extrema Pobreza no Brasil com base nos dados preliminares do universo do Censo 2010. 1. INTRODUÇÃO O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

Leia mais

A AIDS NA TERCEIRA IDADE: O CONHECIMENTO DOS IDOSOS DE UMA CASA DE APOIO NO INTERIOR DE MATO GROSSO

A AIDS NA TERCEIRA IDADE: O CONHECIMENTO DOS IDOSOS DE UMA CASA DE APOIO NO INTERIOR DE MATO GROSSO A AIDS NA TERCEIRA IDADE: O CONHECIMENTO DOS IDOSOS DE UMA CASA DE APOIO NO INTERIOR DE MATO GROSSO SATO, Camila Massae 1 Palavras-chave: Idoso, AIDS, conhecimento Introdução A população idosa brasileira

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL NO DIREITO AMBIENTAL

RESPONSABILIDADE CIVIL NO DIREITO AMBIENTAL RESPONSABILIDADE CIVIL NO DIREITO AMBIENTAL O ordenamento jurídico pátrio, em matéria ambiental, adota a teoria da responsabilidade civil objetiva, prevista tanto no art. 14, parágrafo 1º da Lei 6.938/81

Leia mais

Transição para a parentalidade após um diagnóstico de anomalia congénita no bebé: Resultados do estudo

Transição para a parentalidade após um diagnóstico de anomalia congénita no bebé: Resultados do estudo 2013 Transição para a parentalidade após um diagnóstico de anomalia congénita no bebé: Resultados do estudo Ana Fonseca, Bárbara Nazaré e Maria Cristina Canavarro Pontos de interesse especiais: Porque

Leia mais

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES Inês Barbosa de Oliveira O desafio de discutir os estudos e as práticas curriculares, sejam elas ligadas à educação de jovens e adultos ou ao

Leia mais

O Jovem no Mercado de Trabalho: Clientes em potencial dos programas de primeiro emprego

O Jovem no Mercado de Trabalho: Clientes em potencial dos programas de primeiro emprego Ibmec MG Working Paper WP1 O Jovem no Mercado de Trabalho: Clientes em potencial dos programas de primeiro emprego André Braz Golgher (UFMG e UNI-BH) agolgher@hotmail.com Ari Francisco de Araujo Junior

Leia mais

O que a Postura Consultiva tem a ver com Você

O que a Postura Consultiva tem a ver com Você O que a Postura Consultiva tem a ver com Você Marcelo Egéa M* O que é postura consultiva Criar e sustentar uma marca é um trabalho que exige o máximo de todos na empresa. Alguns têm contato direto com

Leia mais

ADOLESCÊNCIA NORMAL Tamara Santos de Souza (fonte: http://psicologiaereflexao.wordpress.com/)

ADOLESCÊNCIA NORMAL Tamara Santos de Souza (fonte: http://psicologiaereflexao.wordpress.com/) ADOLESCÊNCIA NORMAL Tamara Santos de Souza (fonte: http://psicologiaereflexao.wordpress.com/) Arminda Aberastury foi pioneira no estudo da psicanálise de crianças e adolescentes na América Latina. A autora

Leia mais

E Entrevistador E18 Entrevistado 18 Sexo Masculino Idade 29anos Área de Formação Técnico Superior de Serviço Social

E Entrevistador E18 Entrevistado 18 Sexo Masculino Idade 29anos Área de Formação Técnico Superior de Serviço Social Transcrição de Entrevista nº 18 E Entrevistador E18 Entrevistado 18 Sexo Masculino Idade 29anos Área de Formação Técnico Superior de Serviço Social E - Acredita que a educação de uma criança é diferente

Leia mais

Preconceito, cultura e subjetividade: uma análise comparativa de dois posicionamentos teóricos

Preconceito, cultura e subjetividade: uma análise comparativa de dois posicionamentos teóricos Preconceito, cultura e subjetividade: uma análise comparativa de dois posicionamentos teóricos Autora: Sheila Ferreira Miranda (Mestranda em Psicologia Social pela UFMG) sheilaze@gmail.com Resumo Pretende-se

Leia mais

IDENTIDADE Equipe docente da disciplina Ser Humano em relações Centro Universitário Metodista Izabela Hendrix

IDENTIDADE Equipe docente da disciplina Ser Humano em relações Centro Universitário Metodista Izabela Hendrix IDENTIDADE Equipe docente da disciplina Ser Humano em relações Centro Universitário Metodista Izabela Hendrix Traduzir- se (FERREIRA GULLAR) é todo mundo: outra parte é ninguém: fundo sem fundo. é multidão:

Leia mais

RESENHA. Autoras: Fraulein Vidigal de Paula e Denise D Aurea-Tardeli (orgs.) Editora: Universidade Metodista de São Paulo

RESENHA. Autoras: Fraulein Vidigal de Paula e Denise D Aurea-Tardeli (orgs.) Editora: Universidade Metodista de São Paulo RESENHA Violência na escola e da escola: desafios contemporâneos à psicologia da educação Autoras: Fraulein Vidigal de Paula e Denise D Aurea-Tardeli (orgs.) Editora: Universidade Metodista de São Paulo

Leia mais

Compartilhando a Sua Fé

Compartilhando a Sua Fé Livrinho 2 Pàgina 4 Lição Um Compartilhando a Sua Fé O Propósito desta Lição Agora que você descobriu a alegria de pecados perdoados e de uma nova vida em Cristo, sem dúvida quer que os seus familiares

Leia mais

Cliente Empreendedorismo Metodologia e Gestão Lucro Respeito Ética Responsabilidade com a Comunidade e Meio Ambiente

Cliente Empreendedorismo Metodologia e Gestão Lucro Respeito Ética Responsabilidade com a Comunidade e Meio Ambiente Código de Ética OBJETIVO Este código de ética serve de guia para atuação dos empregados e contratados da AQCES e explicita a postura que deve ser adotada por todos em relação aos diversos públicos com

Leia mais

Transcrição de Entrevista n º 24

Transcrição de Entrevista n º 24 Transcrição de Entrevista n º 24 E Entrevistador E24 Entrevistado 24 Sexo Feminino Idade 47 anos Área de Formação Engenharia Sistemas Decisionais E - Acredita que a educação de uma criança é diferente

Leia mais

VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: ESTUDO EXPLORATÓRIO E REFLEXIVO NO CREAS DO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE SP

VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: ESTUDO EXPLORATÓRIO E REFLEXIVO NO CREAS DO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE SP Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 385 VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: ESTUDO EXPLORATÓRIO E REFLEXIVO NO CREAS DO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE

Leia mais

HABILIDADE FINANCEIRA DOS BRASILEIROS. Fevereiro de 2016

HABILIDADE FINANCEIRA DOS BRASILEIROS. Fevereiro de 2016 HABILIDADE FINANCEIRA DOS BRASILEIROS Fevereiro de 2016 OBJETIVOS DO ESTUDO Compreender o grau de conhecimento e a habilidade dos brasileiros em lidar com o dinheiro e suas finanças. METODOLOGIA Público

Leia mais

Principais tendências do mercado de trabalho da região metropolitana de Curitiba RMC 2003 a 2007 1

Principais tendências do mercado de trabalho da região metropolitana de Curitiba RMC 2003 a 2007 1 Principais tendências do mercado de trabalho da região metropolitana de Curitiba RMC 2003 a 2007 1 Eron José Maranho 2 À luz de alguns indicadores gerados pela Pesquisa Mensal de Emprego PME para o período

Leia mais

INFÂNCIA: DESAFIOS DA MODERNIDADE

INFÂNCIA: DESAFIOS DA MODERNIDADE 1 INFÂNCIA: DESAFIOS DA MODERNIDADE Silva, Claudia Maria Rinhel * Resumo: Há anos estamos na prática de orientação de pais em Programas Sociais de crianças e adolescentes no âmbito municipal e temos observado

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 97 Discurso no banquete oferece/do

Leia mais

A INCLUSÃO DOS DIREITOS HUMANOS NAS TURMAS DO EJA POR MEIO DAS NOVAS TECNOLOGIAS

A INCLUSÃO DOS DIREITOS HUMANOS NAS TURMAS DO EJA POR MEIO DAS NOVAS TECNOLOGIAS A INCLUSÃO DOS DIREITOS HUMANOS NAS TURMAS DO EJA POR MEIO DAS NOVAS TECNOLOGIAS Gisllayne Rufino Souza UFPB gisllayne.souza@gmail.com Profa. Dra. Marlene Helena de Oliveira França UFPB/Centro de Educação/Núcleo

Leia mais

NÍVEIS DO CONSUMO DE CERVEJA EM CAICÓ: UM ESTUDO DO MARKETING SOBRE A PREFERÊNCIA DO CONSUMIDOR

NÍVEIS DO CONSUMO DE CERVEJA EM CAICÓ: UM ESTUDO DO MARKETING SOBRE A PREFERÊNCIA DO CONSUMIDOR NÍVEIS DO CONSUMO DE CERVEJA EM CAICÓ: UM ESTUDO DO MARKETING SOBRE A PREFERÊNCIA DO CONSUMIDOR Micherlândio dos Santos GUEDES 1, Aleanny Batista de ARAÚJO 2, Katya Rayane da Silva COSTA 2 1 Departamento

Leia mais

14 segredos que você jamais deve contar a ele

14 segredos que você jamais deve contar a ele Link da matéria : http://www.dicasdemulher.com.br/segredos-que-voce-jamais-deve-contar-aele/ DICAS DE MULHER DICAS DE COMPORTAMENTO 14 segredos que você jamais deve contar a ele Algumas lembranças e comentários

Leia mais

Universidade Estadual Paulista Júlio Mesquita Filho Psicologia Integral Disciplina: Antropologia II. Sexualidade, Desvio e Norma Permissões e Limites

Universidade Estadual Paulista Júlio Mesquita Filho Psicologia Integral Disciplina: Antropologia II. Sexualidade, Desvio e Norma Permissões e Limites Universidade Estadual Paulista Júlio Mesquita Filho Psicologia Integral Disciplina: Antropologia II Sexualidade, Desvio e Norma Permissões e Limites Mariana Cervi Marques Fernandes RA 922901 Resumo Dos

Leia mais

CONCEPÇÃO E PRÁTICA DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS: UM OLHAR SOBRE O PROGRAMA MAIS EDUCAÇÃO RAFAELA DA COSTA GOMES

CONCEPÇÃO E PRÁTICA DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS: UM OLHAR SOBRE O PROGRAMA MAIS EDUCAÇÃO RAFAELA DA COSTA GOMES 1 CONCEPÇÃO E PRÁTICA DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS: UM OLHAR SOBRE O PROGRAMA MAIS EDUCAÇÃO RAFAELA DA COSTA GOMES Introdução A discussão que vem sendo proposta por variados atores sociais na contemporaneidade

Leia mais

Fundação: Sócio-Fundador: Sócia-Diretora Administrativa: Atuação Principal: São Paulo:

Fundação: Sócio-Fundador: Sócia-Diretora Administrativa: Atuação Principal: São Paulo: Fundação: Sócio-Fundador: Sócia-Diretora Administrativa: Atuação Principal: São Paulo: 05/07/1988 Marcelo Ponzoni Cristiane Lança Ponzoni São Paulo e Ribeirão Preto Sede Própria com 700m2 C O M U N I C

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego - PME

Pesquisa Mensal de Emprego - PME Pesquisa Mensal de Emprego - PME Dia Internacional da Mulher 08 de março de 2012 M U L H E R N O M E R C A D O D E T R A B A L H O: P E R G U N T A S E R E S P O S T A S A Pesquisa Mensal de Emprego PME,

Leia mais

CIÊNCIA E PROGRESSO: notas a partir do texto de Pierre Auger denominado Os métodos e limites do conhecimento científico.

CIÊNCIA E PROGRESSO: notas a partir do texto de Pierre Auger denominado Os métodos e limites do conhecimento científico. CIÊNCIA E PROGRESSO: notas a partir do texto de Pierre Auger denominado Os métodos e limites do conhecimento científico. Rafael Augusto De Conti 1. Pensar no progresso da ciência, nos conduz, necessariamente,

Leia mais

STEVEN CARTER. Sou uma. mulher inteligente. porque... Dicas para você se valorizar e transformar sua vida amorosa

STEVEN CARTER. Sou uma. mulher inteligente. porque... Dicas para você se valorizar e transformar sua vida amorosa STEVEN CARTER Sou uma mulher inteligente porque... Dicas para você se valorizar e transformar sua vida amorosa Introdução Você se considera uma mulher inteligente? Antes de responder, tenha em mente o

Leia mais

O Impacto da relação terapeuta clientes. em terapia de casal. Inês Franco Alexandre; Inês Mota

O Impacto da relação terapeuta clientes. em terapia de casal. Inês Franco Alexandre; Inês Mota O Impacto da relação terapeuta clientes no processo de tomada de decisão em terapia de casal Inês Franco Alexandre; Inês Mota Objectivos Explorar o impacto dos isomorfismos cliente terapeuta e cliente

Leia mais

CONHECIMENTOS, ATITUDES E PERCEPÇÃO DE RISCO: A VISÃO DOS ALUNOS DO CURSO DE PSICOLOGIA SOBRE A AIDS

CONHECIMENTOS, ATITUDES E PERCEPÇÃO DE RISCO: A VISÃO DOS ALUNOS DO CURSO DE PSICOLOGIA SOBRE A AIDS CONHECIMENTOS, ATITUDES E PERCEPÇÃO DE RISCO: A VISÃO DOS ALUNOS DO CURSO DE PSICOLOGIA SOBRE A AIDS DALILA CASTELLIANO DE VASCONCELOS YANA THAMIRES MENDES FELIX Universidade Federal da Paraíba (UFPB),

Leia mais

REDESCOBRINDO O PERFIL POLÍTICO DA MULHER

REDESCOBRINDO O PERFIL POLÍTICO DA MULHER SILVANA ITAMARA CASTRO REDESCOBRINDO O PERFIL POLÍTICO DA MULHER Projeto de pesquisa apresentado ao Programa de Pós- Graduação do Cefor como parte das exigências do curso de Especialização em Instituições

Leia mais

PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA

PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA SETEMBRO /2012 ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 1. Dimensão e características da ocupação no setor da construção civil no Brasil e na Bahia (2000 e 2010)...

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA SEGUNDO A PERCEPÇÃO DE ESTUDANTES DA REDE PÚBLICA INCLUSOS NO PROJOVEM ADOLESCENTE

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA SEGUNDO A PERCEPÇÃO DE ESTUDANTES DA REDE PÚBLICA INCLUSOS NO PROJOVEM ADOLESCENTE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA SEGUNDO A PERCEPÇÃO DE ESTUDANTES DA REDE PÚBLICA INCLUSOS NO PROJOVEM ADOLESCENTE Angélica da Silva Santos 1, Cicera Rócila Pereira Araújo¹, Lourdes Lanes Ferreira Pereira¹,

Leia mais

O Determinismo na Educação hoje Lino de Macedo

O Determinismo na Educação hoje Lino de Macedo O Determinismo na Educação hoje Lino de Macedo 2010 Parece, a muitos de nós, que apenas, ou principalmente, o construtivismo seja a ideia dominante na Educação Básica, hoje. Penso, ao contrário, que, sempre

Leia mais

Paulo de Lima. Tema 04: Dimensão Sócio- Política- Ecológica (Processo de participação- conscientização. Qual a minha relação com a sociedade? ).

Paulo de Lima. Tema 04: Dimensão Sócio- Política- Ecológica (Processo de participação- conscientização. Qual a minha relação com a sociedade? ). Tema 04: Dimensão Sócio- Política- Ecológica (Processo de participação- conscientização. Qual a minha relação com a sociedade? ). Titulo 03: Droga, Álcool e cidadania Paulo de Lima (Mestrando em Educação

Leia mais

RESULTADOS E EFEITOS DO PRODOCÊNCIA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DO INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS RESUMO

RESULTADOS E EFEITOS DO PRODOCÊNCIA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DO INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS RESUMO RESULTADOS E EFEITOS DO PRODOCÊNCIA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DO INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS Elisabete Duarte de Oliveira e Regina Maria de Oliveira Brasileiro Instituto Federal de Alagoas

Leia mais

ATIVIDADE: DIA DA FAMÍLIA NA ESCOLA

ATIVIDADE: DIA DA FAMÍLIA NA ESCOLA ATIVIDADE: DIA DA FAMÍLIA NA ESCOLA 1. PASSO-A-PASSO DA AÇÃO 1.1 PROPOSTA Organização de um encontro de integração entre a escola e a comunidade, onde o planejamento e sua realização sejam elaborados de

Leia mais

Introdução. instituição. 1 Dados publicados no livro Lugar de Palavra (2003) e registro posterior no banco de dados da

Introdução. instituição. 1 Dados publicados no livro Lugar de Palavra (2003) e registro posterior no banco de dados da Introdução O interesse em abordar a complexidade da questão do pai para o sujeito surgiu em minha experiência no Núcleo de Atenção à Violência (NAV), instituição que oferece atendimento psicanalítico a

Leia mais

Plano Básico Esclarecimento e Educação em Direitos Humanos

Plano Básico Esclarecimento e Educação em Direitos Humanos ~ Cidade de Oizumi ~ Plano Básico Esclarecimento e Educação em Direitos Humanos 大 泉 町 人 権 教 育 啓 発 に 関 する 基 本 計 画 概 要 版 Sumário Todas as pessoas devem respeitar a individualidade de cada um. O direito da

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA Pró-Reitoria Acadêmica Setor de Pesquisa

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA Pró-Reitoria Acadêmica Setor de Pesquisa FORMULÁRIO PARA INSCRIÇÃO DE PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. Coordenação/Colegiado ao(s) qual(is) será vinculado: Curso (s) : Direito Nome do projeto: ALIENAÇÃO PARENTAL E O PODER JUDICIÁRIO CATARINENSE

Leia mais

Integração social e Segregação real: uma questão para as medidas socioeducativas no Brasil

Integração social e Segregação real: uma questão para as medidas socioeducativas no Brasil Integração social e Segregação real: uma questão para as medidas socioeducativas no Brasil Fídias Gomes Siqueira 1 Andréa Maris Campos Guerra 2 [...] a gente carecia de querer pensar somente nas coisas

Leia mais

PANORAMA MUNDIAL DA EDUCAÇÃO E O BRASIL: CENÁRIOS E PERSPECTIVAS

PANORAMA MUNDIAL DA EDUCAÇÃO E O BRASIL: CENÁRIOS E PERSPECTIVAS PANORAMA MUNDIAL DA EDUCAÇÃO E O BRASIL: CENÁRIOS E PERSPECTIVAS Márcio de Souza Pires, Dr.¹ A educação mundial é fortemente analisada e acompanhada por importantes instituições, em busca de avanços no

Leia mais

Seminário> Família: realidades e desafios 18 e 19 de Novembro de 2004 Homens e Mulheres entre Família e Trabalho

Seminário> Família: realidades e desafios 18 e 19 de Novembro de 2004 Homens e Mulheres entre Família e Trabalho Seminário> Família: realidades e desafios 18 e 19 de Novembro de 2004 Homens e Mulheres entre Família e Trabalho Anália Cardoso Torres Quatro ideias fundamentais. Grande valorização da família em todos

Leia mais

INDISCIPLINA ESCOLAR E A RELAÇÃO PROFESSOR-ALUNO: UMA ANÁLISE SOB AS ÓTICAS MORAL E INSTITUCIONAL

INDISCIPLINA ESCOLAR E A RELAÇÃO PROFESSOR-ALUNO: UMA ANÁLISE SOB AS ÓTICAS MORAL E INSTITUCIONAL INDISCIPLINA ESCOLAR E A RELAÇÃO PROFESSOR-ALUNO: UMA ANÁLISE SOB AS ÓTICAS MORAL E INSTITUCIONAL ZANDONATO, Zilda Lopes - UNESP GT: Educação Fundamental/nº 13 Agência Financiadora: não contou com financiamento

Leia mais

Terapia Cognitivo- Comportamental para Casais

Terapia Cognitivo- Comportamental para Casais Terapia Cognitivo- Comportamental para Casais Edson Vizzoni Psicólogo Especialista em TCC Terapia Cognitivo-Comportamental para Casais Casal A&B - Crenças irracionais ou expectativas irrealistas. Casal

Leia mais

Dicas para você trabalhar o livro Mamãe, como eu nasci? com seus alunos.

Dicas para você trabalhar o livro Mamãe, como eu nasci? com seus alunos. Dicas para você trabalhar o livro Mamãe, como eu nasci? com seus alunos. Caro professor, Este link do site foi elaborado especialmente para você, com o objetivo de lhe dar dicas importantes para o seu

Leia mais

SEXUALIDADE NA TERCEIRA IDADE: UMA REFLEXÃO PSICOSSOCIAL

SEXUALIDADE NA TERCEIRA IDADE: UMA REFLEXÃO PSICOSSOCIAL SEXUALIDADE NA TERCEIRA IDADE: UMA REFLEXÃO PSICOSSOCIAL Alanna Silva dos Santos 1*, Geilza Carla de Lima Silva 2 1 Graduanda em Psicologia, Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) 2 Graduanda em Ciências

Leia mais