Riscos de Explosões. Notas das aulas da disciplina de. Instalações e Serviços Industriais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Riscos de Explosões. Notas das aulas da disciplina de. Instalações e Serviços Industriais"

Transcrição

1 Riscos de Explosões Notas das aulas da disciplina de Instalações e Serviços Industriais 1

2 Forte ruído Imensa produção de luz O que é uma explosão? Que tipo de sinais? Elevação súbita da pressão, gerando efeito de sopro Projecção de objectos/estilhaços Forte produção de calor 2

3 3 Uma explosão!

4 Evolução da transformação físico-química e resultado final 4

5 5 Explocão

6 Acidentes graves Estatísticas sobre graves acidentes industriais Caso da indústria química e petrolífera Impacto económico Tipo Nº de fogos > Químicos 33 7 Óleos 9 6 Tintas e vernizes 6 1 Fertilizantes 5 1 Produtos para a agricultura 3 0 Dados: UK Plásticos 2 0 Outros 11 1 Total 69

7 Acidentes graves Caso da indústria química e petrolífera Local de origem do acidente Nº de fogos Armazenagem Espaço aberto 21 Espaço fechado 12 Falha/derrame 7 Tubo 15 Flange 6 Equipamento eléctrico 6 Não especificado 6 Reactores/misturadores 4 Secador por vapor 2 Spray de pintura 1 Torre de arrefecimento 1 Não relatado 9 Total 79 Dados: UK

8 Acidentes graves Caso da indústria química Relação das perdas em função do tipo de acidente Ano Nº % perda Nº % perda Nº % perda Fogo Explosão Outros ,6 6 13,4 1 0, ,9 8 8, ,2 6 9,9 1 0, , ,4 2 1, , ,3 0 0 TOTAL 35 30, ,7 4 2,1 8 American Inst. Chemical Engineers, 1969

9 Acidentes graves (1980( ) Causa: Fogo 1982 Dezembro Venezuela: Fogo em central termoeléctrica, 128 mortos 1991 Setembro EUA: Fogo em unidade de produção de produtos alimentares; 25 mortos; não possuía sistema de detecção de incêndio, nem sprinklers; muitas portas estavam fechadas 1993 Maio Tailândia: Fogo em fábrica de brinquedos, 187 mortos e 500 feridos 1993 Novembro China: Fogo em fábrica de brinquedos; 87 mortos e 57 feridos 1997 Setembro China: Empregado põe fogo a fábrica de sapatos; 32 mortos 1999 Dezembro Tailândia: Fogo num tanque de uma refinaria; 7 mortos, 18 feridos, 4,000 residentes evacuados. Após uma explosão inicial que danificou vários veículos de combate a incêndio, 40 milhões de litros de gasolina armazenados em 4 tanques envolveram-se em chamas. Mais de 36 horas para extinguir o fogo e cerca de litros de espuma 2000 Abril China: Fogo num matadouro de frangos; 38 mortos 2000 Junho China: Fogo numa pirotecnia; 36 mortos 9

10 Acidentes graves (2003( 2003) Causa: Explosão 2003 Janeiro EUA: Explosão em unidade farmacêutica, 3 mortos mais de 20 feridos 2003 Maio Índia: Fogo começa após explosão de uma garrafa de gás, na cozinha de uma residência e atinge o 2º andar de armazém de explosivos; 12 mortos e mais de 70 feridos 2003 Julho EUA: O reboque de um camião carregado de artigos pirotécnicos explode quando os empregados descarregavam o material, 5 mortos 2003 Julho EUA: Explosão num armazém de artigos pirotécnicos, 3 mortos 2003 Julho Turquia: Tanque de gasolina de um camião explode durante o fase de abastecimento de combustível num zona residencial densamente povoada, 180 feridos Agosto Paquistão: Fogo iniciado numa casa, por um curto-circuito eléctrico, espalha-se rapidamente pela vila e atinge um paiol de dinamite de apoio às obras de construção de uma estrada; da explosão do paiol resultou 49 mortos e 132 feridos

11 Acidentes graves na indústria (2003) Causa: Explosão 2004 Julho 30 Bélgica lgica: Pipeline de gás natural explode a cerca de 28 km a sudoeste de Bruxelas; o pipeline com um metro de diâmetro transporta gás natural, numerosas casas e veículos nas imediações são destruídos pelo efeito da explosão, 15 mortos, incluindo 5 bombeiros e mais de 120 feridos 11

12 Acidentes graves Plataformas petrolíferas (1995( ) Causa: Fogo/Explosão 1995 Novembro Brasil: Fogo no pipeline da Petrobrás, 1 morto e 5 feridos 1996 Janeiro Golfo do Suez: Explosão na plataforma da Morgan Oil, 3 mortos e 2 feridos 1998 Julho Árctico: Explosão na Glomar Árctico IV, 2 mortos Janeiro Brasil: Fogo no offshore da Petrobrás, na plataforma de produção de gás natural, 2 mortos 2001 Março Brasil: 3 explosões numa das maiores plataformas petrolíferas da Petrobrás, 10 mortos, cerca de 165 operários evacuados para a plataforma vizinha 12

13 Acidentes graves Indústria química (1994( 2003) Causa: Explosão 1994 Dezembro, Iowa, EUA: Explosão numa unidade de fabrico de adubos, com origem no neutralizador, onde o ácido nítrico e a amónia (gás) eram misturados ao nitrato de amónio. Impurezas no nitrato de amónio (matéria orgânico e cloretos) e a altas temperaturas terão estado na origem da explosão, 4 mortos e vários feridos 1984 Dezembro 3, Índia: Explosão na unidade petroquímica da Union Carbide à Bophal 2001 Setembro 21, França: Explosão da unidade química AZF em Toulouse, 31 mortos e 2442 feridos 2003 Março 27, França : Explosão na fábrica de dinamite da Nitrochimie em Billy-Berclau. 13

14 Explosão com origem numa reacção química AGENTES FUNDAMENTAIS Combustível (ME) Oxidante 14 Condições gerais que podem influenciar a reacção química: Temperatura do meio Pressão do meio Volume do confinamento Energia de activação do ME - E Taxa de decomposição térmica do ME - k Estrutura molecular e ligações atómicas Densidade do ME Relação Oxidante/Material Energético (Concentração)

15 Explosão de vapor por expansão de líquido l saturado A rotura violenta de uma recipiente sobre pressão, contendo líquido e vapor saturados a uma pressão bastante superior à pressão atmosférica, faz com que a evaporação súbita de grande massa de líquido produza uma nuvem de vapor de grande extensão. 15

16 Explosão de vapor por expansão de hidrocarboneto saturado Cenários possíveis: Vapor inflamável Fonte de ignição presente Combustão na forma de uma bola de fogo ascendente Atraso à ignição Diluição Explosão de uma nuvem de vapor Atraso ainda maior Nuvem diluída abaixo do LII Combustão apenas do combustível líquido residual 16

17 Correlações da bola de fogo gerada pela explosão de hidrocarbonetos D max = 5,25 m 0,314 τ 1/2 = 1,07 m 0,181 q r(max) = 828 m 0,771 / R 2 1/3 z P = 12,73 V Va m [kg] massa de combustível no reservatório D max [m] diâmetro máximo da bola de fogo τ 1/2 [s] semi-largura do impulso de radiação térmica q r (max) [kw/m2 ] radiação térmica recebida à distância R [m] da bola de fogo z P [m] altura de elevação da bola de fogo 17 V Va [m 3 ] volume do vapor combustível à pressão e temperatura atmosféricas

18 Caso de explosão de uma suspensão de poeiras Causas iniciadoras da explosão Energia Volume Duração Temperatura Pressão Local Propriedades da mistura explosiva Concentração (poeira/gás/oxidante) Pressão e Temperatura de iniciação Turbulência Inertes Características do confinamento Escala Geometria Estado da superfície Obstáculos Aberturas Propriedades das poeiras Poder Calorifíco Granulometria Voláteis Humidade Densidade Existe risco quando as poeiras têm diâmetro 400 µm e estão suspensas no ar com concentrações entre os limites inferior e superior de explosividade 18

19 Dados sobre Explosividade de poeiras Material d 50 [µm] Concentração Explosiva Mínima [g/cm 3 ] Pmax [bar] (dp/dt) max V 1/3 [bar m/s] Alumínio ,4 415 Carvão Bituminoso ,2 129 Cortiça 7-10,3 202 Polimetilmetacrilato ,4 269 Polipropileno ,4 101 Policloreto de Vinil ,6 46 Açúcar ,5 138 Zinco ,

20 Origem das explosões 20 Químicas Fase sólida Fase líquida Fase gasosa Físicas Pneumáticas Gases sob pressão Hidraúlicas Liquídos sob pressão Mecânicas Nucleares Ruptura/desintegração de uma estrutura De acordo com o critério definido podem ocorrer sequencialmente diferentes tipos de explosões. Explosão - termo abrangente de todos os fenómenos de reacção violenta

21 Tipos de fenómeno que podem decorrer de uma reacção química rápida? r Deflagração consagra uma reacção química cuja frente de reacção se propaga com uma celeridade inferior à celeridade do som nesse material. Detonação caracteriza-se por uma reacção química cuja frente de reacção se propaga com uma celeridade superior à do som no material. 21 Transição deflagração-detonação é possível quando ocorre um aumento da turbulência e da pressão na frente de reacção, a ponto de provocar uma aceleração da sua celeridade relativamente à da frente sónica.

22 Diferenças entre detonação e deflagração? Detonação Deflagração D / c , ,03 p / p o ,98-0,976 T / T o ρ / ρ o 1,4-2,6 0,06-0,25 22

23 Onda de pressão aéreaa Uma certa quantidade de energia é libertada instântaneamente, num ponto da atmosfera, resultando daí a formação duma onda de pressão. Essa onda é designada geralmente por onda de sopro (blast wave) Zona de sobrepressão e zona de depressão 23

24 Evolução da pressão com a distância Os efeitos de uma onda de choque na sua propagação no espaço estão directamente relacionados com a energia libertada através de uma lei de expoente (1/n) Distância de segurança: para explosivos (DL nº139/2002) D = K x P (1/n) 24 D Distância de segurança K - Factor experimental que tem em conta o tipo de explosivo e as condições do local onde se produz a explosão e as do local a proteger P - Quantidade de explosivo n - Parâmetro empírico que varia entre 2 e 6, reflectindo a natureza dos efeitos produzidos

25 Efeitos de uma onda de choque Efeito de sobrepressão num indivíduo adulto P [bar] Efeito 0,07 Faz cair uma pessoa 0,2 Ainda suportável sem perigo 0,3 Possível rotura do tímpano 0,5 Limite do suportável, mas com protecção auricular 1-2 Lesões nos ouvidos e pulmões 5 Limite da sobrevivência 25

26 Efeitos de uma onda de choque Efeito da sobrepressão em estruturas SobrePressão [bar] Dano 0,02 Alguns vidros partidos 1,4 50% de vidros partidos 2,7 90% de vidros partidos 25% de telhas deslocadas 4,1 100% de vidros partidos 6,9 Estrutura da janela danificada Danos sérios na estrutura de casas Fissuras nas paredes exteriores

27 Efeitos de uma onda de choque Efeito da sobrepressão em estruturas SobrePressão [bar] Dano 20,7 Estruturas metálicas deformadas 48 Casas demolidas 60 Paredes de betão fissuradas 68,9 Maioria das habitações demolidas 27

28 Projecção de estilhaços Efeitos da explosão Os estragos causados pela projecção de estilhaços são em geral menos significativos que os efeitos da onda de pressão, a qual em princípio provoca estragos bastante mais elevados É necessário no entanto ter em conta este efeito e calcular a distância máxima de projecção A experiência mostra que raramente são encontrados estilhaços a uma distância superior a 50 m (-1/3) m [kg] 28 o que corresponde a uma sobrepressão de 0,02 bar

29 Violência da explosão 29 A rotura e o colapso do confinamento onde ocorre uma explosão depende da pressão máxima Pmax e da taxa máxima de subida de pressão (dp/dt)max. Estas duas grandezas são funções da mistura explosiva contida no volume em causa e das suas características geométricas. A subida de pressão para o caso de materiais energéticos está relacionada com a propagação sustentada de uma reacção exotérmica no espaço disponível. A propagação da reacção está directamente associada à taxa de reacção, exprimindo esta a quantidade de ME consumido por unidade de tempo e volume

30 Poder calorífico combustíveis líquidosl ρ [kg/m 3 ] %C %H2 %(O2+N2) %S PCI [kj/kg] Fuel oil ,4 11,3 1,1 0, Benzeno ,7 7,8-0, Gasóleo ,6 12,9 0,2 0,

31 Energia de activação - E E é a energia necessária para fazer o sistema os reagentes a um estado activo complexo que pode levar os reagentes a passar a produtos 31

32 Taxa de reacção de um ME k = Z exp (-E/RT) - expressão de Arrhénius Z constante pré-exponencial que exprime a frequência de colisões induzidas pela condições térmicas do volume em análise, as concentrações dos componentes e a temperatura Z [10 12 ; ] K < E/R < K ln k -E/R 32 1/T

33 Velocidade de propagação de chama É medida perpendicularmente à superfície da chama V F α (Γ k) 1/2 Γ - coeficiente de difusibilidade térmica da mistura K condutividade térmica da mistura V F aumenta quando: - temperatura aumenta - capacidade calorífica dos inertes diminui - Estequiometria se apromixa de 1. V F 33 1 Riqueza

34 Velocidade de propagação de chama para diversos combustíveis 34

35 V F de diversos combustiveis φ =0,8 φ =0,9 φ =1,0 φ =1,1 φ =1,2 V Fmax φ p/ V Fmax Etano 36,0 40,6 44,5 47,3 47,3 47,6 1,14 Propano - 42,3 45,6 46,2 42,4 46,4 1,06 Metano 30,0 38,3 43,4 44,7 39,8 44,8 1,08 Isopentano 33,0 37,6 39,8 38,4 33,4 39,9 1,01 Acetileno ,25 Etileno 50,0 60,0 68,0 73,0 72,0 73,5 1,13 Propileno - 48,4 51,2 49,9 46,4 51,2 1,00 35

36 Pressão máxima m atingida numa explosão de gásg p V = n RT = m (R/M) T p max /p o = (M o /M b ) (T b /T o ) 36 p max pressão máxima atingida p o M o M b T o T b pressão inicial massa molecular média dos reagentes massa molecual rmédia dos produtos temperatura inicial temperatura final dos produtos

37 Pressão máxima m atingida numa explosão de gásg Gás P max [bar] Butano 8,0 Etano 7,8 Etileno 8,0 Etilbenzeno 6,6 Hidrogénio 6,9 Metano 7,05 Pentano 7,65 Propano 7,9 37

38 Limites de inflamabilidade Temperaturas baixas baixas taxas de reacção Existe uma gama restrita de condições que dão origem a taxas de reacção suficientemente elevadas para permitir combustão auto-sustentada. 38 Limites de inflamabilidade corresponde às percentagens volumétricas de combustível na mistura gasosa entre as quais é possível ter uma combustão autosustentada.

39 Variação dos limites de inflamabilidade Limite inferior de inflamabilidade (LII) diminui Limite superior de inflamabilidade (LSI) aumenta QUANDO: Capacidade calorífica dos inertes diminui Concentração de oxigénio aumenta Temperatura dos reagentes aumenta Pressão aumenta acima de 1 bar Obs: As variações são muito mais acentuadas no LSI do que no LII 39

40 Limites de inflamabilidade de alguns combustíveis Determinados à pressão atmosférica e temperatura ambiente num tubo vertical de 50 mm de diâmetro co propagação de baixo para cima Combustível LII (% Volumétrica) LSI (% Volumétrica) 40 Metano 5,3 15 Etano 3,0 12,5 Propano 2,2 9,5 Etileno 3,1 32 Propileno 2,4 10,3 Acetileno 2,5 80 Benzeno 1,4 7,1 Alcool metílico 7,3 36 Etanol 4,3 19

41 Influência da capacidade calorífica dos inertes no LI 41 nertes

42 Influência da concentração de O 2 no LI 42

43 Limites de inflamabilidade em Ar e O 2 LII LII LSI LSI 43 Ar O 2 Ar O 2 CO Amoníaco Hidrogénio Acetileno 2,5 2, Etileno 2,7 2, Metano Propano 2,2 2, Etano ,5 66 Butano 1,8 1,8 8,4 49 Hexano 1,2 1,2 7,5 52

44 44 Influência da temperatura no LI

45 45 Influência da pressão no LI

46 Domínio de temperaturas de inflamabilidade Combustíveis líquidos LI [ ] - (ºC) Álcool Etílico 12 a 39 Álcool Metílico 10 a 37 Acetona -18 a 7 Ácido acético 40 a 58 Benzina -12 a 14 Hexano -27 a 7 Tolueno 4 a 37 Xileno 22 a 60 Gasolinas (auto) -34/-40 a -12/-7 46

47 Limites de inflamabilidade de misturas de gases e/ou vapores Lei de Le Chatelier LI = 100 x 1 / [Σ (n i / LI i )] n i - % volumétrica do combustível i LI i Limite de inflamabilidade do combustível i 47

48 Tipos de ignição Provocada Origem num fornecimento localizado de energia à mistura explosiva Descarga eléctrica (Faísca) Chama Superfíce quente Espontânea Origem no aquecimento progressivo da mistura explosiva causado pelas reacções químicas que ela vai sofrendo. Quando o calor libertado nas reacções químicas exotérmicas que ocorrem na mistura explosiva é superior ao calor libertado para o exterior. 48

49 Ignição térmicat q g calor gerado q l calor perdido ρ C v V (dt/dt) = q g -q l 49

50 Energia mínima m de ignição E m aumenta quando: p d E m Em d extinção d 1 Riqueza 50

51 Energia mínima m de ignição vs distância e diâmetro dos eléctrodos 51

52 Atraso de ignição - t ig τ ig aumenta quando: Temperatura da mistura diminui Pressão da mistura diminui A diluição da mistura diminui 52

53 E m (ignição) em Ar e O2 E m [µj] E m [µj] Ar O 2 Hidrogénio 17 1,2 Etano Etileno 70 1 Acetileno 17 0,2 Butano Hexano

54 Largura da célula c de detonação Corresponde à dimensão transversal das células geradas pela estrutura transversal da onda de detonação λ [1; 30] cm Quanto menor a largura da célula de detonação mais favorável é a propagação da detonação. Gases λ [cm] E ini [kj] Acetileno 0,98 53 Hidrogénio 1,5 4,7 Etileno 2,8 43 a 63 Etano 5,4 a 6,2 130 a 170 Propileno 5,4 53 Propano 6,9 210 a Metano 28,

55 55 Diâmetro crítico de detonação

56 Diâmetro crítico de detonação Influência do diâmetro e natureza do confinamento na velocidade de detonação 56

57 Prevenção de explosões de gases ou vapores 57 Reduzir a concentração para valores inferiores ao LII ou aumentá-la para valores superiores ao LSI Diminuir a concentração por ventilação (ventiladores de extracção, entradas e saídas de ar afastadas) Manutenção da concentração acima do LSI (recipientes fechados). Nota: Mesmo depois de esvaziado os reservatórios que tenham contido líquidos inflamáveis, pelos resíduos no fundo e paredes podem emitir vapores inflamáveis. Introdução de um gás inerte num espaço confinado onde se encontra uma mistura combustível vai provocar uma diminuição da concentração de O 2 da mistura (N 2, CO 2, vapor de água) Na zona de descarga da mistura combustível deve haver cuidados especiais, pode ser inflamável, tóxica ou asfixiante

58 Prevenção de explosões de gases ou vapores 58 Proibição de execução de trabalhos em que haja lugar a chama em espaço aberto Soldadura, corte, fumar, aparelho de aquecimento com chama nua Vigiar as superfícies aquecidas (canalizações, aparelhos de aquecimento) e isolar termicamente as superfícies quentes Evitar operações susceptíveis de originar faíscas por partículas metálicas arrancadas a uma material por choque ou fricção; bem como equipamentos como: mós, martelos, trituradores Evitar instalações eléctricas não protegidas (protecções blindadas)

59 Prevenção de explosões de gases ou vapores Evitar acumulação de cargas electrostáticas, que ocorrem quando existe movimento relativo de dois corpos, sendo pelo menos um deles um isolante (eg. escoamento de líquidos isolantes, escoamento de gás com poeiras em suspensão, atrito de correias de transmissão, manipulação de materiais plásticos) Ligação à Terra Humidificação da atmosfera Aumento da condutividade de materiais isolantes 59

60 Prevenção de explosões de poeiras Eliminar a presença de poeiras em quantidades perigosas Limpeza de depósitos de poeiras antes de atingirem 1 mm de espessura e humidificação aquando da sua limpeza Acabamento superficial de aparelhos ou canalizações susceptíveis de favorecer a acumulação de poeiras e evitar vibrações Estanquicidade dos aparelhos que emitem poeiras Evitar variações bruscas de direcção e diâmetro em condutas de transporte pneumático Inertização da atmosfera Introduzir poeiras inertes (eg. poeiras de rocha, cimento) Suprimir as fontes de inflamação 60

61 Causas mais comuns dos acidentes Tipo de Artigos Propergóis Explosivos Estímulo Pirotécnicos Impacto 6% 10% 14% Fricção 65% 48% 65% Faísca eléctrica 5% 2% 6% Calor 24% 40% 15% Nº acidentes (240) Elaborado com base nos dados do Reino Unido: Fonte:Bailey et al., 1992 The handling and processing of explosives, 18 th Int. Pyrot. Seminar, Colorado, USA.

62 DL nº n 139/2002 Regulamento de segurança a dos estabelecimentos de fabrico ou de armazenagem de produtos explosivos 62 Estabelece normas e procedimentos particulares de segurança industrial a que devem obedecer a implantação, a organização e o funcionamento dos estabelecimentos de fabrico ou de armazenagem de produtos explosivos para utilização civil Produtos explosivos: matérias e objectos da classe 1 que figuram no RPE Produtos explosivos e objectos da classe 1 RPE A) Matérias explosivas: matérias sólidas ou líquidas, ou misturas, susceptíveis, por reacção química, de libertar gases a uma temperatura, a uma pressão e a uma velocidade tais que podem causar danos nas imediações B) Matérias pirotécnicas: C) Objectos explosivos: objectos que contêm uma ou várias matérias explosivas e ou matérias pirotécnicas D) Matérias e objectos não mencionados anteriormente com vista a produzir uma explosão

63 Divisões de riscos 63 Divisão de risco Risco de explosão em massa: matérias e objectos susceptíveis de produzir uma explosão em massa (uma explosão em massa é uma explosão que afecta de modo praticamente instantâneo a quase totalidade da carga) Divisão de risco Risco de projecções: matérias e objectos que apresentam risco de projecções, sem risco de explosão em massa Divisão de risco Risco de fogo em massa: matérias e objectos que apresentem risco de incêndio, podendo da sua combustão resultar uma forte radiação térmica, mas cujo risco de sopro ou de projecções seja ligeiro, ou ambos, sem que haja risco de explosão em massa Divisão de risco 1.4 -Risco de fogo moderado: matérias e objectos que apenas apresentam perigo mínimo no caso de ignição ou de iniciação. Os efeitos são essencialmente limitados ao próprio volume e normalmente não dão lugar à projecção de fragmentos apreciáveis ou susceptíveis de percorrer uma elevada distância. Um incêndio exterior não deve provocar a explosão praticamente instantânea da quase totalidade do conteúdo do volume Divisão de risco Matérias muito pouco sensíveis, comportando um risco de explosão em massa, mas cuja sensibilidade à iniciação é tal que, em condições normais, será pouco provável a sua iniciação e a transição de deflagração a detonação Divisão de risco Objectos muito pouco sensíveis, com características detonantes, mas não comportando risco de explosão em massa. Estes objectos são muito pouco sensíveis e têm uma probabilidade quase negligenciável de iniciação. 0 risco ligado aos objectos desta divisão 1.6 é limitado à explosão de um único objecto

64 Distâncias de segurança 64 As distâncias de segurança devem ser tais que no mínimo, sejam capazes de impedir que: uma explosão verificada num edifício se possa transmitir a outros por simpatia, ou que um incêndio ou uma explosão se possam propagar em consequência do calor radiante desenvolvido ou das projecções de material incandescente. As distâncias de segurança devem ser superiores às distâncias de simpatia correspondentes aos produtos explosivos existentes nos edifícios e, simultaneamente, não ser inferiores a 10 m, para garantir protecção contra a acção do calor radiante, ou a 15 m para garantir protecção contra os efeitos das projecções de material incandescente, mesmo nos casos em que o cálculo permita concluir que se poderiam adoptar valores menores para distâncias de simpatia.

65 Tipos de distância de segurança Consoante a natureza e a finalidade dos locais a proteger dos efeitos de um acidente num edifício contendo produtos que oferecem risco de fogo ou de explosão, assim se devem distinguir, por ordem crescente de exigências de segurança, os seguintes tipos de distâncias de segurança: Distâncias entre edifícios de armazenagem; Distâncias entre edifícios de linhas de fabrico; Distâncias entre edifícios de armazenagem e edifícios de linhas de fabrico; Distâncias a vias de comunicação (caminhos, estradas, vias férreas, fluviais ou marítimas) destinadas ao serviço público; Distâncias a edifícios habitados (residências, escolas, hotéis, hospitais, igrejas, teatros, cinemas, estabelecimentos comerciais, locais de reunião, de desporto ou de recreio, etc.) 65

66 Prevenção de incêndios 66 Nos locais onde existam produtos explosivos ou substâncias inflamáveis e nas áreas de segurança assinaladas é proibido ser-se portador de telemóveis, fósforos, f acendedores, ou outros objectos que produzam chama ou faísca sca. Nestes locais é proibido depositar ou abandonar matérias que possam oferecer perigo de auto-inflama inflamação. Com a finalidade de evitar a acumulação de detritos ou de poeiras, todos os edifícios de fabrico ou armazenagem devem ser limpos com frequência e cuidadosamente, para o que devem estar apetrechados com o necessário material de limpeza. Os resíduos retirados dos pavimentos devem ser colocados separadamente em recipientes apropriados e destinados exclusivamente para este fim. Os locais ou compartimentos onde se trabalhe com produtos explosivos ou substâncias inflamáveis devem ser isolados entre si por portas corta-fogo fogo, dotadas de dispositivos de fecho automático.

67 Protecção individual 67 Um trabalhador nunca se deve encontrar sozinho no local de laboração com explosivos, a menos que exista um sistema de controlo/vigilância, que permita o aviso em caso de acidente. Os trabalhadores devem usar vestuário e calçado apropriados, limpos e livres de resíduos de substâncias explosivas sensíveis. Os trabalhadores não devem usar: Peças de fibras sintéticas Objectos pessoais metálicos Telemóveis ou rádios Peças com algibeiras susceptíveis de acumular poeiras explosivas, inflamáveis ou tóxicas Calçado que seja favorável à acumulação de cargas electrostáticas ou produtor de faíscas.

68 Directivas Europeias sobre acidentes graves Directiva 2003/105/CE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 16 de Dezembro de 2003 Altera a Directiva 96/82/CE do Conselho relativa ao controlo dos perigos associados a acidentes graves que envolvem substâncias perigosas A Directiva 96/82/CE(4) tem por objectivo a prevenção de acidentes graves que envolvem substâncias perigosas e a limitação das suas consequências para o homem e o ambiente, tendo em vista assegurar, de maneira coerente e eficaz, níveis n de protecção elevados em toda a Comunidade Decreto-Lei nº n 164/2001, de 23 de Maio 68 A Directiva 2003/105/CE inclui alterações decorrentes: Do acidente com artigos pirotécnicos, ocorrido em Enschede, nos Países Baixos, em Maio de 2000, decorrente do armazenamento e fabrico de substâncias pirotécnicas e explosivas. A definição dessas substâncias na Directiva 96/82/CE é esclarecida e simplificada na Directiva 2003/105/CE Da explosão ocorrida numa fábrica de adubos em Toulouse, em Setembro de 2001, realçou o risco de acidentes decorrente do armazenamento de nitrato de amónio e de adubos à base de nitrato de amónio, em especial de resíduos do processo de fabrico ou de matérias devolvidas ao fabricante. As categorias existentes de nitrato de amónio e de adubos à base de nitrato de amónio referidas na Directiva 96/82/CE são revistas.

69 69 Decreto-Lei nº 236/2003 de 30 de Setembro Ministério da Segurança Social e do Trabalho Transpõe para a ordem jurídica nacional a Directiva nº 1999/92/CE, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 16 de Dezembro, relativa às prescrições mínimas destinadas a promover a melhoria da protecção da segurança e da saúde dos trabalhadores susceptíveis de serem expostos a riscos derivados de atmosferas explosivas. Decreto-Lei n.º 112/96 de 05 de Agosto Ministério da Economia Estabelece as regras de segurança e de saúde relativas aos aparelhos e sistemas de protecção destinados a ser utilizados em atmosferas potencialmente explosivas

70 70 Directiva 94/9/CEA Directiva 94/9/CE aplica-se aos aparelhos e sistemas de protecção (equipamentos de mina e de superfície), eléctricos e não eléctricos, utilizados em atmosferas potencialmente explosivas, bem como aos dispositivos utilizados fora de atmosferas potencialmente explosivas relacionados com os aparelhos nelas instalados. DIRECTIVA 1999/92/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 16 de Dezembro de 1999 relativa às prescrições mínimas destinadas a promover a melhoria da protecção da segurança e da saúde dos trabalhadores susceptíveis de serem expostos a riscos derivados de atmosferas explosivas

71 Referências 1. Explosives Engineering (Paul Cooper), Combustion (Irvin Glassman), Laboratórios http://www.yimpact.com/ 71 Associação Portuguesa de Estudos e Engenharia de Explosivos

Prevenção e Combate a Incêndios

Prevenção e Combate a Incêndios Prevenção e Combate a Incêndios Fogo É uma forma de combustão Combustão É uma forma de oxidação Incêndio É um acidente provocado pelo fogo Analogias Geométricas do Fogo Triângulo do Fogo Tetraedro do Fogo

Leia mais

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume V Riscos de Incêndio. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao.

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume V Riscos de Incêndio. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao. Guia Técnico Segurança e Higiene no Trabalho Volume V Riscos de Incêndio um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a expressa

Leia mais

Índice geral. Apresentação. Prólogo à 2.ª edição. Sumário. Siglas. Agradecimentos. 1. Introdução. 2. O risco de incêndio

Índice geral. Apresentação. Prólogo à 2.ª edição. Sumário. Siglas. Agradecimentos. 1. Introdução. 2. O risco de incêndio Índice geral 3 Prólogo à 2.ª edição 5 Sumário 7 Siglas 9 Agradecimentos 11 1. Introdução 13 Tipificação dos incêndios... Causas de incêndio... Consequências dos incêndios... 2.3.1. Considerações gerais...

Leia mais

Escola Secundária com 3.º ciclo Jorge Peixinho

Escola Secundária com 3.º ciclo Jorge Peixinho Escola Secundária com 3.º ciclo Jorge Peixinho Ciências Físico-Químicas: CEF-EM(N2) PROFESSORA: Daniela Oliveira MÓDULO 1 SEGURANÇA EM LABORATÓRIOS DE QUÍMICA Escola Secundária com 3.º ciclo Jorge Peixinho

Leia mais

Capítulo 2. Caracterização dos gases Combustíveis

Capítulo 2. Caracterização dos gases Combustíveis Capítulo 2 Caracterização dos gases Combustíveis 1 Caracterização dos gases combustíveis... 1 2 Principais características dos gases... 2 2.1 Gases da 1ª família gás de cidade... 2 2.2 Gases da 2ª família

Leia mais

Produtos químicos PERIGOSOS

Produtos químicos PERIGOSOS Produtos químicos PERIGOSOS Como podemos identificar os produtos químicos perigosos? Os produtos químicos estão presentes em todo o lado, quer em nossas casas, quer nos locais de trabalho. Mesmo em nossas

Leia mais

Tópicos. Introdução Avaliação/gestão de riscos Normas de segurança Boas práticas laboratoriais (case study) Conclusões

Tópicos. Introdução Avaliação/gestão de riscos Normas de segurança Boas práticas laboratoriais (case study) Conclusões Boas Práticasde Trabalhoem Laboratório Olga Conde Moreira Seminário no âmbito do Projeto AGROPECUÁRIA, TECNOLOGIA ALIMENTAR E AMBIENTE APRENDER CIÊNCIA HANDS-ON Programa Ciência Viva 12 de Março de 2014

Leia mais

ANEXO IV. II- um armário para armazenagem de solventes, com construção resistente ao fogo.

ANEXO IV. II- um armário para armazenagem de solventes, com construção resistente ao fogo. ANEXO IV ARMAZENAMENTO DE PRODUTOS QUÍMICOS. No laboratório, almoxarifado e em locais em que se tenha que armazenar ou manipular substâncias químicas, deve-se ter em conta sua composição, pois muitas delas

Leia mais

Medidas de Protecção Contra Explosão

Medidas de Protecção Contra Explosão Medidas de Protecção Contra Explosão a) Líquidos Inflamáveis/Combustíveis Gasóleo Grupos geradores depósito de gasóleo Depósito Enterrado Armazenamento do gasóleo Manutenção Abastecimento do depósito Armazenamento

Leia mais

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume XIII Trabalho em Espaços Confinados. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume XIII Trabalho em Espaços Confinados. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção Guia Técnico Segurança e Higiene no Trabalho Volume XIII Trabalho em Espaços Confinados um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído

Leia mais

Proteção e combate a incêndio

Proteção e combate a incêndio Proteção e combate a incêndio Conceito de fogo Fogo é um processo químico de transformação. Podemos também defini-lo como o resultado de uma reação química que desprende luz e calor devido à combustão

Leia mais

Incêndios e Explosões Baseado no original do Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo - da Espanha) - www.mtas.

Incêndios e Explosões Baseado no original do Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo - da Espanha) - www.mtas. Incêndios e Explosões Baseado no original do Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo - da Espanha) - www.mtas.es/insht/ INTRODUÇÃO Os incêndios e explosões, ainda que representem uma porcentagem

Leia mais

Eng. Rosiane Albuquerque

Eng. Rosiane Albuquerque Eng. Rosiane Albuquerque NR - 20 Definição e Classes: - Líquidos e Combustíveis Inflamáveis Tanques de Armazenagem e suas Características Salas de armazenamento de Líquidos Inflamáveis NR - 23 Classes

Leia mais

MANUAL DE NORMAS DE SEGURANÇA NO LABORATÓRIO DE QUÍMICA. Material organizado pelo Prof. Cristiano Alfredo. Rupp.

MANUAL DE NORMAS DE SEGURANÇA NO LABORATÓRIO DE QUÍMICA. Material organizado pelo Prof. Cristiano Alfredo. Rupp. MANUAL DE NORMAS DE SEGURANÇA NO LABORATÓRIO DE QUÍMICA Material organizado pelo Prof. Cristiano Alfredo. Rupp. NORMAS DE SEGURANÇA NO LABORATÓRIO DE QUÍMICA Para um trabalho com segurança e com menores

Leia mais

LEGISLAÇÃO BÁSICA. Portaria nº 867/89, de 7 de Outubro Determina quais devem ser os parâmetros para caracterizar os gases combustíveis

LEGISLAÇÃO BÁSICA. Portaria nº 867/89, de 7 de Outubro Determina quais devem ser os parâmetros para caracterizar os gases combustíveis LEGISLAÇÃO BÁSICA Especificações GPL Portaria nº 867/89, de 7 de Outubro Determina quais devem ser os parâmetros para caracterizar os gases combustíveis Portaria nº 348/96, de 8 de Agosto Estabelece as

Leia mais

EXPLOSÕES (parte 1) Introdução. P.Cartwright e P.E.Pascon

EXPLOSÕES (parte 1) Introdução. P.Cartwright e P.E.Pascon EXPLOSÕES (parte 1) P.Cartwright e P.E.Pascon Fogo e explosão são eventos normalmente abordados quando procedemos na análise de perigo e risco em plantas de processo. Contudo, em alguns casos, os parâmetros

Leia mais

Lista das frases de risco e de segurança

Lista das frases de risco e de segurança Lista das frases de risco e de segurança FRASES DE RISCO R1 : Explosivo no estado seco. R2 : Risco de explosão por choque, fricção, fogo ou outras fontes de ignição. R3 : Grande risco de explosão por choque,

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA O USO DE GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO (GLP) EM EDIFICAÇÕES CLASSIFICADAS COMO PROCEDIMENTO SIMPLIFICADO

ORIENTAÇÕES PARA O USO DE GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO (GLP) EM EDIFICAÇÕES CLASSIFICADAS COMO PROCEDIMENTO SIMPLIFICADO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO PARÁ CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS ORIENTAÇÕES PARA O USO DE GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO (GLP) EM EDIFICAÇÕES CLASSIFICADAS COMO PROCEDIMENTO SIMPLIFICADO Belém 2014 / Versão

Leia mais

PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 149 (Novembro/Dezembro de 2003) KÉRAMICA n.º 264 (Janeiro/Fevereiro de 2004)

PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 149 (Novembro/Dezembro de 2003) KÉRAMICA n.º 264 (Janeiro/Fevereiro de 2004) TÍTULO: Atmosferas explosivas risco de explosão AUTORIA: Paula Mendes PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 149 (Novembro/Dezembro de 2003) KÉRAMICA n.º 264 (Janeiro/Fevereiro de 2004) INTRODUÇÃO A protecção contra

Leia mais

PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 152 (Maio/Junho de 2004) KÉRAMICA n.º 274 (Setembro/Outubro de 2005)

PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 152 (Maio/Junho de 2004) KÉRAMICA n.º 274 (Setembro/Outubro de 2005) TÍTULO: Riscos de incêndio em unidades industriais AUTORIA: Factor Segurança, Lda PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 152 (Maio/Junho de 2004) KÉRAMICA n.º 274 (Setembro/Outubro de 2005) 1. INTRODUÇÃO Nos estabelecimentos

Leia mais

Motores de Combustão Interna MCI

Motores de Combustão Interna MCI Motores de Combustão Interna MCI Aula 3 - Estudo da Combustão Componentes Básicos dos MCI Combustão Combustão ou queima é uma reação química exotérmica entre um substância (combustível) e um gás (comburente),

Leia mais

MEMBRANAS BETUMINOSAS

MEMBRANAS BETUMINOSAS FICHA DE SEGURANÇA DE PRODUTO (Em conformidade com o Regulamento REACH (EC) nº 1907/2006) Nº revisão: 08 Data de emissão: 24 de Janeiro de 2014 MEMBRANAS BETUMINOSAS 1. Identificação da substância/mistura

Leia mais

PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIO

PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIO PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIO PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIO DEFINIÇÃO DO FOGO O FOGO É UMA REAÇÃO QUIMICA QUE LIBERA LUZ E CALOR. PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIO 193 QUAL É O NUMERO DO CORPO DE BOMBEIROS?

Leia mais

Coordenação Nacional da Norma - ABNT NBR 14.787, publicada em Dezembro de 2001; Membro do GT Tripartite da NR-33, publicada em 27/12/2006.

Coordenação Nacional da Norma - ABNT NBR 14.787, publicada em Dezembro de 2001; Membro do GT Tripartite da NR-33, publicada em 27/12/2006. Coordenação Nacional da Norma - ABNT NBR 14.787, publicada em Dezembro de 2001; Membro do GT Tripartite da NR-33, publicada em 27/12/2006. Al. Iraé, 620 conjunto 56 Indianópolis São Paulo SP Tel: (11)

Leia mais

Unidade: Instalações prediais de proteção contra incêndio e de gás

Unidade: Instalações prediais de proteção contra incêndio e de gás Unidade: Instalações prediais de proteção contra incêndio e de gás Nesta Unidade da Disciplina tentaremos compreender a questão da problemática envolvida nos tratos dos assuntos atinentes a prevenção e

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA Edição revista (*) Nº : 5. 2.2 : Gás não inflamável e não tóxico.

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA Edição revista (*) Nº : 5. 2.2 : Gás não inflamável e não tóxico. Página : 1 2.2 : Gás não inflamável e não tóxico. Atenção 1 Identificação da substância/ preparação e da sociedade/ empresa Identificador do produto Designação Comercial : AR Reconstituido K/AR Comprimido/

Leia mais

CURSO MULTIPLICADORES NR-20

CURSO MULTIPLICADORES NR-20 CURSO MULTIPLICADORES NR-20 O CONTROLE DAS FONTES DE IGNIÇÃO Data: 28 de maio de 2014 Local: Uberlândia CREA-MG Realização: Prevenir/Fundacentro Apoio: Crea-MG/ Asseng José Possebon Em uma unidade de produção

Leia mais

14 COMBUSTÍVEIS E TEMPERATURA DE CHAMA

14 COMBUSTÍVEIS E TEMPERATURA DE CHAMA 14 COMBUSTÍVEIS E TEMPERATURA DE CHAMA O calor gerado pela reação de combustão é muito usado industrialmente. Entre inúmeros empregos podemos citar três aplicações mais importantes e frequentes: = Geração

Leia mais

Estação de Tratamento de Águas Residuais de Frielas

Estação de Tratamento de Águas Residuais de Frielas Estação de Tratamento de Águas Residuais de Frielas 1/26 ÍNDICE CAPÍTULO I ESTRUTURA DO MANUAL... 3 I - Introdução... 3 II - Objectivos... 3 III - Forma de Consulta... 4 IV - Registo de Revisões e Alterações...

Leia mais

FICHA DE SEGURANÇA Edição revista no : 0. 2.1 : Gás inflamável. M M« : Enumerados nos Anexos IV/ V do REACH, isentos de registo Uso

FICHA DE SEGURANÇA Edição revista no : 0. 2.1 : Gás inflamável. M M« : Enumerados nos Anexos IV/ V do REACH, isentos de registo Uso Página : 1 óm 2.1 : Gás inflamável. Perigo M M«1 Identificação da substância/mistura e da sociedade/empresa Identificador do produto Designação Comercial : N Ficha de Segurança : Denominação química :

Leia mais

Chaminés Cálculos e Normas aplicáveis

Chaminés Cálculos e Normas aplicáveis Chaminés Cálculos e Normas aplicáveis Chaminé de tiragem natural Tem como função permitir a evacuação dos gases, produzidos por uma determinada combustão. Aplicado na extracção de gases de combustão provenientes

Leia mais

ÁREAS DE ATUAÇÃO SENAC EM JUNDIAÍ. Inspeções Internas. João Gama Godoy. Técnico de Segurança do Trabalho. Senac - 2009

ÁREAS DE ATUAÇÃO SENAC EM JUNDIAÍ. Inspeções Internas. João Gama Godoy. Técnico de Segurança do Trabalho. Senac - 2009 ÁREAS DE ATUAÇÃO SENAC EM JUNDIAÍ Inspeções Internas João Gama Godoy Técnico de Segurança do Trabalho Senac - 2009 É proibida a reprodução do conteúdo desta apresentação em qualquer meio de comunicação,

Leia mais

S A D I José Rui Ferreira

S A D I José Rui Ferreira Concepção de Instalações Eléctricas S A D I José Rui Ferreira Setembro 2000 SADI - Sistema Automático de Detecção de Incêndios Índice - Introdução - Equipamento - Concepção da instalação - Instalação eléctrica

Leia mais

FICHA DE SEGURANÇA Edição revista no : 1

FICHA DE SEGURANÇA Edição revista no : 1 Página : 1 T : Tóxico F+ : Extremamente Etiqueta 2.1 : Gás inflamável inflamável. 1 IDENTIFICAÇÃO DA SUBSTÂNCIA/PREPARAÇÃO E DA SOCIEDADE / EMPRESA Designação Comercial : N Ficha de Segurança : Uso : Esterilização

Leia mais

SEGURANÇA COM GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO - GLP. Fernando Vieira Sobrinho Fundacentro/SP

SEGURANÇA COM GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO - GLP. Fernando Vieira Sobrinho Fundacentro/SP SEGURANÇA COM GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO - GLP Fernando Vieira Sobrinho Fundacentro/SP O GLP é basicamente uma mistura de propano e butano e sua composição é função de disponibilidade dos gases nas refinarias.

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUIÍMICO ( FISPQ )

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUIÍMICO ( FISPQ ) 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Anti Ruído Tradicional Aplicação: Reparação e emborrachamento de veículos. Fornecedor: Nome: Mastiflex Indústria e Comércio Ltda Endereço : Rua

Leia mais

SEPARADORES DE GORDURAS TUBOFURO NATUR-GREASE

SEPARADORES DE GORDURAS TUBOFURO NATUR-GREASE SEPARADORES DE GORDURAS TUBOFURO EN 109 Km 160,3 2425-737 Ortigosa Leiria ; Telf, 244616073 / Fax: 244616074 E-mail: geo@tubofuro,pt www.tubofuro.pt Apresentação Os Separadores de Gorduras são construídos

Leia mais

AMONIACO. O Refrigerante Testado pelo Tempo. Segurança, Ventilacao e Emergencias. PHI ENGINEERING, Consultores de Engenharia. Walter Gameiro, PhD ME.

AMONIACO. O Refrigerante Testado pelo Tempo. Segurança, Ventilacao e Emergencias. PHI ENGINEERING, Consultores de Engenharia. Walter Gameiro, PhD ME. AMONIACO O Refrigerante Testado pelo Tempo. Segurança, Ventilacao e Emergencias Walter Gameiro, PhD ME. PHI ENGINEERING, Consultores de Engenharia Fort Worth, Texas - USA Amoniaco... O Refrigerante mais

Leia mais

Newton Pimenta Neves Jr. www.ifi.unicamp.br/ceneh

Newton Pimenta Neves Jr. www.ifi.unicamp.br/ceneh Segurança de Gases e Hidrogênio Newton Pimenta Neves Jr. www.ifi.unicamp.br/ceneh Acidentes No dia a dia das empresas, as seguintes constatações têm sido verificadas e se tornam cada vez mais evidentes:

Leia mais

NR-23 Proteção Contra Incêndio

NR-23 Proteção Contra Incêndio NR-23 Proteção Contra Incêndio Fatores de Êxito na Prevenção de Incêndio PREPARAO PRÉVIO ESTAR EM DIA COM OS DOCUMENTOS DO BOMBEIRO; MANUTENÇÃO EM DIA; EQUIPAMENTOS ADEQUADOS AO RISCO; SINALIZAÇÃO; FAMILIARIZAÇÃO

Leia mais

Capítulo 4. Classificação dos aparelhos de queima e redes abastecidas com GPL

Capítulo 4. Classificação dos aparelhos de queima e redes abastecidas com GPL Capítulo 4 Classificação dos aparelhos de queima e redes abastecidas com GPL 1 Classificação dos aparelhos de queima... 203 1.1 Classificação dos aparelhos... 207 2 Abastecimento de GPL... 208 2.1 Armazenamento

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA 1. Identificação da substância/preparação e da sociedade / empresa Identificação da substância / preparação Nome comercial: LUSO EXTRUDER Código do produto: TPVE 301 Utilização da substância / da preparação:

Leia mais

TABELA A DISTÂNCIA MÍNIMA DO TANQUE À LINHA DE DIVISA DA PROPRIEDADE ADJACENTE

TABELA A DISTÂNCIA MÍNIMA DO TANQUE À LINHA DE DIVISA DA PROPRIEDADE ADJACENTE NR 20 - Líquidos combustíveis e inflamáveis Publicação D.O.U. Portaria GM n.º 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07/78 20.1 Líquidos combustíveis. 20.1.1 Para efeito desta Norma Regulamentadora - NR fica

Leia mais

Caldeiras. Notas das aulas da disciplina de INSTALAÇÕES E SERVIÇOS INDUSTRIAIS. Instalações e Serviços Industriais 1

Caldeiras. Notas das aulas da disciplina de INSTALAÇÕES E SERVIÇOS INDUSTRIAIS. Instalações e Serviços Industriais 1 Caldeiras Notas das aulas da disciplina de INSTALAÇÕES E SERVIÇOS INDUSTRIAIS Instalações e Serviços Industriais 1 Geradores com câmara de combustão Caldeiras Tipo de combustível sólido, líquido, gasoso,

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA Edição revista (*) Nº : 2. 2.3 : Gás tóxico. 2.1 : Gás inflamável.

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA Edição revista (*) Nº : 2. 2.3 : Gás tóxico. 2.1 : Gás inflamável. Página : 1 2.3 : Gás tóxico. 2.1 : Gás inflamável. Perigo 1 Identificação da substância/ preparação e da sociedade/ empresa Identificador do produto Designação Comercial : Sulfureto de carbonilo N Ficha

Leia mais

DISTÂNCIA MÍNIMA DO TANQUE À LINHA DE DIVISA DA PROPRIEDADE ADJACENTE. DISTÂNCIA MÍNIMA DO TANQUE ÀS VIAS PÚBLICAS Acima de 250 até 1.

DISTÂNCIA MÍNIMA DO TANQUE À LINHA DE DIVISA DA PROPRIEDADE ADJACENTE. DISTÂNCIA MÍNIMA DO TANQUE ÀS VIAS PÚBLICAS Acima de 250 até 1. NR 20 - Líquidos combustíveis e inflamáveis (120.000-3) 20.1 Líquidos combustíveis. 20.1.1 Para efeito desta Norma Regulamentadora - NR fica definido "líquido combustível" como todo aquele que possua ponto

Leia mais

MEDIDAS DE PROTECÇÃO E SEGURANÇA PARA TRABALHADORES EXPOSTOS A ATMOSFERAS EXPLOSIVAS EM POSTOS DE ABASTECIMENTO DE COMBUSTIVEIS

MEDIDAS DE PROTECÇÃO E SEGURANÇA PARA TRABALHADORES EXPOSTOS A ATMOSFERAS EXPLOSIVAS EM POSTOS DE ABASTECIMENTO DE COMBUSTIVEIS MEDIDAS DE PROTECÇÃO E SEGURANÇA PARA TRABALHADORES EXPOSTOS A ATMOSFERAS EXPLOSIVAS EM POSTOS DE ABASTECIMENTO DE COMBUSTIVEIS A APLICAÇÃO DO DECRETO LEI 236/2003 INTRODUÇÃO A avaliação de riscos e o

Leia mais

LISTA DE VERIFICAÇÃO PARA A IDENTIFICAÇÃO DE PERIGOS

LISTA DE VERIFICAÇÃO PARA A IDENTIFICAÇÃO DE PERIGOS SUBSTÂNCIAS PERIGOSAS: Inflamáveis A substância está catalogada como facilmente inflamável. Ponto de inflamação: 10ºC. Tóxicas O metanol está considerado como tóxico por ingestão e inalação Perigosa para

Leia mais

Norma Regulamentadora 20 - NR 20

Norma Regulamentadora 20 - NR 20 Norma Regulamentadora 20 - NR 20 Líquidos combustíveis e inflamáveis 20.1. Líquidos combustíveis. 20.1.1. Para efeito desta Norma Regulamentadora - NR fica definido "líquido combustível" como todo aquele

Leia mais

Atmosferas Explosivas. Segurança e confiabilidade

Atmosferas Explosivas. Segurança e confiabilidade Atmosferas Explosivas Segurança e confiabilidade Atmosferas Explosivas Quando o assunto é área de risco o uso de produtos apropriados e a manutenção adequada são exigências obrigatórias para atender normas

Leia mais

MINISTÉRIO DA ECONOMIA. Portaria n.º 451/2001. de 5 de Maio

MINISTÉRIO DA ECONOMIA. Portaria n.º 451/2001. de 5 de Maio MINISTÉRIO DA ECONOMIA Portaria n.º 451/2001 de 5 de Maio Considerando que pelo Decreto-Lei n.º 124/97, de 23 de Maio, foram fixadas as disposições respeitantes à aprovação dos Regulamentos de Segurança

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE PRODUTOS PERIGOSOS: CLASSIFICAÇÃO DE RISCOS DA ONU, PAINEL DE SEGURANÇA E RÓTULO DE RISCOS

IDENTIFICAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE PRODUTOS PERIGOSOS: CLASSIFICAÇÃO DE RISCOS DA ONU, PAINEL DE SEGURANÇA E RÓTULO DE RISCOS IDENTIFICAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE PRODUTOS PERIGOSOS: CLASSIFICAÇÃO DE RISCOS DA ONU, PAINEL DE SEGURANÇA E RÓTULO DE RISCOS 1. Introdução Por Edson Haddad, Ricardo Serpa e Rodolfo Arias As atividades que

Leia mais

SÉRIE: 2º ano EM Exercícios de recuperação final DATA / / DISCIPLINA: QUÍMICA PROFESSOR: FLÁVIO QUESTÕES DE MÚLTIPLA ESCOLHA

SÉRIE: 2º ano EM Exercícios de recuperação final DATA / / DISCIPLINA: QUÍMICA PROFESSOR: FLÁVIO QUESTÕES DE MÚLTIPLA ESCOLHA SÉRIE: 2º ano EM Exercícios de recuperação final DATA / / DISCIPLINA: QUÍMICA PROFESSOR: FLÁVIO QUESTÕES DE MÚLTIPLA ESCOLHA QUESTÃO 01 Em uma determinada transformação foi constatado que poderia ser representada

Leia mais

http://www81.dataprev.gov.br/sislex/paginas/05/mtb/20.htm

http://www81.dataprev.gov.br/sislex/paginas/05/mtb/20.htm Page 1 of 5 20.1 Líquidos combustíveis. NR 20 - Líquidos combustíveis e inflamáveis (120.000-3) 20.1.1 Para efeito desta Norma Regulamentadora - NR fica definido "líquido combustível" como todo aquele

Leia mais

Classificação de incidentes

Classificação de incidentes norma técnica Classificação de incidentes Código: NT.00036.GN Edição: 1 O texto seguinte corresponde a uma tradução do Procedimento original Clasificación de incidentes (NT.00036.GN), Edição 1, com o fim

Leia mais

Examen de teste: Segurança Básica (BE)

Examen de teste: Segurança Básica (BE) Examen de teste: Segurança Básica (BE) Série: Examen de teste (BE) Leia atentamente as instruções apresentadas abaixo! Este exame é constituído por 40 perguntas de escolha múltipla. A seguir a cada pergunta

Leia mais

ANEXO IV EQUIPAMENTOS RELATIVOS AO SISTEMA AUTOMÁTICO DE DETECÇÃO DE INCÊNDIOS

ANEXO IV EQUIPAMENTOS RELATIVOS AO SISTEMA AUTOMÁTICO DE DETECÇÃO DE INCÊNDIOS ANEXO IV EQUIPAMENTOS RELATIVOS AO SISTEMA AUTOMÁTICO DE DETECÇÃO DE INCÊNDIOS A - DETECTORES AUTOMÁTICOS Segundo [2], os detectores de incêndio são os aparelhos de detecção de incêndio que registam, comparam

Leia mais

GASES PERIGOSOS NOS ESPAÇOS CONFINADOS

GASES PERIGOSOS NOS ESPAÇOS CONFINADOS GASES PERIGOSOS NOS ESPAÇOS CONFINADOS Nos diversos ambientes, muitos deles existentes no subsolo, como galerias, esgotos, os porões nas edificações, tanques etc., pela natureza de seus projetos e finalidades,

Leia mais

Despoeiramento industrial Ventilação Ecologia Recuperação de energia Pintura e Acabamento

Despoeiramento industrial Ventilação Ecologia Recuperação de energia Pintura e Acabamento Despoeiramento industrial Ventilação Ecologia Recuperação de energia Pintura e Acabamento A Empresa Sediada na Trofa há mais de 25 anos, somos uma empresa dinâmica que oferece uma gama de soluções que

Leia mais

Acessório misto - dispositivo destinado a reunir dois troços de tubagem de diferentes materiais;

Acessório misto - dispositivo destinado a reunir dois troços de tubagem de diferentes materiais; Para efeitos do Regulamento Técnico Relativo ao Projecto, Construção, Exploração e Manutenção das Instalações de Gás Combustível Canalizado em Edifícios, entende-se por: Acessibilidade de grau 1 - situação

Leia mais

OBJECTIVOS PRINCIPAIS:

OBJECTIVOS PRINCIPAIS: Câmara Municipal de Aveiro SERVIÇO MUNICIPAL DE PROTECÇÃO CIVIL SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS EM EDIFICIOS ESCOLARES (SCIE) Meios de 1ª Intervenção - EXTINTORES AGRUPAMENTO EIXO 28 Setembro 2011 Sandra Fernandes

Leia mais

Conservação de Energia

Conservação de Energia Conservação de Energia Sistemas físicos O que é um sistema físico? Um sistema físico é uma porção do universo que escolhemos para analisar e estudar. Sistema Fronteira Sistema Exterior Um sistema físico

Leia mais

Gerador de nitrogênio. Sistemas de geração de gases, membranas e PSA

Gerador de nitrogênio. Sistemas de geração de gases, membranas e PSA Gerador de nitrogênio Sistemas de geração de gases, membranas e PSA Aplicações de nitrogênio Comidas e bebidas O nitrogênio é um gás ideal para armazenar (fumigação) e transportar alimentos e bebidas.

Leia mais

Ficha de dados de segurança

Ficha de dados de segurança Página 1 de 5 SECÇÃO 1: Identificação da substância/mistura e da sociedade/empresa 1.1. Identificador do produto 1.2. Utilizações identificadas relevantes da substância ou mistura e utilizações desaconselhadas

Leia mais

ARMAZENAGEM. 8 O empilhamento dos materiais obstruí a circulação nas vias. Decreto-lei 243/86 de 20 de Agosto. Foto Nº.

ARMAZENAGEM. 8 O empilhamento dos materiais obstruí a circulação nas vias. Decreto-lei 243/86 de 20 de Agosto. Foto Nº. CHECK LIST DE HIGIENE E SEGURANÇA NO TRABALHO Resposta à check list. A severidade está dividida em 3 níveis, Leve, Médio e Grave Só é preenchida quando a resposta não corresponde ao que a legislação prevê.

Leia mais

Prevenção de Acidentes com GLP.

Prevenção de Acidentes com GLP. Prevenção de Acidentes com GLP. Data de Publicação: 06/03/2008 Convidamos o nosso visitante, a ler e responder as perguntas abaixo. Ao término desta visita temos a certeza que um dia estas informações

Leia mais

Princípios de combate ao fogo

Princípios de combate ao fogo Princípios de combate ao fogo Mauricio Vidal de Carvalho Entende-se por fogo o efeito da reação química de um material combustível com desprendimento de luz e calor em forma de chama. Grande parte das

Leia mais

Ficha de dados de segurança

Ficha de dados de segurança Página 1 de 5 SECÇÃO 1: Identificação da substância/mistura e da sociedade/empresa 1.1. Identificador do produto 1.2. Utilizações identificadas relevantes da substância ou mistura e utilizações desaconselhadas

Leia mais

Prof.Dr. Wyser José Yamakami

Prof.Dr. Wyser José Yamakami Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho - Campus Ilha Solteira-SP SP Prof.Dr. Wyser José Yamakami Introdução a Engenharia de Segurança: Capítulo 8 Prevenção de Incêndios 8.1 - INTRODUÇÃO

Leia mais

HI 701-25 Reagente para Cloro Livre

HI 701-25 Reagente para Cloro Livre Data de revisão: 2013-07-15 Motivo da Revisão: Conformidade com o Regulamento (CE) No. 1272/2008 SECÇÃO 1: IDENTIFICAÇÃO DA SUBSTÂNCIA/MISTURA E DA SOCIEDADE/EMPRESA HI 701-25 Identificador do produto:

Leia mais

RESOLUÇÃO TÉCNICA CBMRS Nº 14 EXTINTORES DE INCÊNDIO 2014

RESOLUÇÃO TÉCNICA CBMRS Nº 14 EXTINTORES DE INCÊNDIO 2014 ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA COMANDO DO CORPO DE BOMBEIROS DIVISÃO TÉCNICA DE PREVENÇÃO DE INCÊNDIO E INVESTIGAÇÃO RESOLUÇÃO TÉCNICA CBMRS Nº 14 EXTINTORES DE INCÊNDIO 2014

Leia mais

Sugere-se a passagem dos slides e explicação sumário durante 5 a 10 minutos. 2/19/2014 Instituto Superior Técnico

Sugere-se a passagem dos slides e explicação sumário durante 5 a 10 minutos. 2/19/2014 Instituto Superior Técnico DECivil, Fevereiro 2014 A necessidade A segurança e as respostas a emergências são aspectos vitais em qualquer organização e edifício. Assim importa assegurar que no DECivil os colaboradores (docentes

Leia mais

Os perigos do Gás G s Liquefeito de Petróleo (GLP) e a segurança no uso doméstico

Os perigos do Gás G s Liquefeito de Petróleo (GLP) e a segurança no uso doméstico Os perigos do Gás G s Liquefeito de Petróleo (GLP) e a segurança no uso doméstico José Possebon 20/10/2010 Características do GLP O GLP normalmente é uma mistura de propano e butano e sua composição é

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA PROMI FERTIL Especial Hortícolas 18-8-6 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Data de emissão: 13 / 03 / 08 Nome do produto: Promi-Fertil Especial Hortícolas 18-8-6 Uso do

Leia mais

Índice. Página 1 de 7

Índice. Página 1 de 7 Índice 1 - Considerações gerais...2 1.1 - Introdução...2 2 - Actuação em caso de emergência...2 2.1 - Esquema geral de actuação...2 2.2 - Procedimento gerais de actuação...3 2.2.1 - Em caso de incêndio

Leia mais

Equipamentos de queima em caldeiras

Equipamentos de queima em caldeiras Equipamentos de queima em caldeiras Notas das aulas da disciplina de EQUIPAMENTOS INDUSTRIAIS 1 Objectivo do sistema de queima 1. Transportar o combustível até ao local de queima 2. Proporcionar maior

Leia mais

n o 2 INTRODUÇÃO GUIAS BÁSICOS DE SEGURANÇA

n o 2 INTRODUÇÃO GUIAS BÁSICOS DE SEGURANÇA n o 2 Armazenamento e Manipulação de Inflamáveis GUIAS BÁSICOS DE SEGURANÇA INTRODUÇÃO O campo dos produtos inflamáveis é amplo e diversificado, estando presente como matéria prima, produto intermediário,

Leia mais

ÁREAS DE ATUAÇÃO SENAC EM JUNDIAÍ. João Gama Godoy. Técnico de Segurança do Trabalho. Senac - 2009

ÁREAS DE ATUAÇÃO SENAC EM JUNDIAÍ. João Gama Godoy. Técnico de Segurança do Trabalho. Senac - 2009 ÁREAS DE ATUAÇÃO SENAC EM JUNDIAÍ João Gama Godoy Técnico de Segurança do Trabalho Senac - 2009 É proibida a reprodução do conteúdo desta apresentação em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso,

Leia mais

Incêndio: Objetivos de Projeto

Incêndio: Objetivos de Projeto OBJETIVO GERAL Incêndio: Objetivos de Projeto Criar dispositivos capazes de detectar, informar onde iniciou e debelar com presteza um incêndio, evitando danos materiais e perdas de vidas. NORMAS QUE DEVEM

Leia mais

Avaliação de Riscos no Laboratório de Química Orgânica do IST

Avaliação de Riscos no Laboratório de Química Orgânica do IST Avaliação de Riscos no Laboratório de Química Orgânica do IST Apresentação do Laboratório Armazém de Reagentes aprox. 7 m 2 de armazém Escadas sem apoio e com grande inclinação Armazém de Reagentes Ventilação

Leia mais

Tecnologias de Produção de Hidrogênio

Tecnologias de Produção de Hidrogênio Programa de Pós-Graduação em Bioenergia Tecnologias de Produção de Hidrogênio Prof. Helton José Alves Palotina, 19/05/14 O HIDROGÊNIO - Elemento mais abundante do universo (95% em número de átomos e 75%

Leia mais

NOTA TÉCNICA nº 11 Complementar do Regime Jurídico de SCIE

NOTA TÉCNICA nº 11 Complementar do Regime Jurídico de SCIE NOTA TÉCNICA nº 11 Complementar do Regime Jurídico de SCIE OBJECTIVO Indicar os critérios gerais que caracterizam os sinais de segurança aplicáveis em SCIE. Listar os sinais específicos exigidos no RT-SCIE,

Leia mais

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Económica Europeia e, nomeadamente, o seu artigo 100º.,

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Económica Europeia e, nomeadamente, o seu artigo 100º., Avis juridique important 31967L0548 Directiva 67/548/CEE do Conselho, de 27 de Junho de 1967, relativa à aproximação das disposições legislativas, regulamentares e administrativas respeitantes à classificação,

Leia mais

Código do exame Teste de preparação

Código do exame Teste de preparação Nome do candidato: Este teste de preparação de VCA trata-se apenas de um exercício e tem como finalidade a familiarização do candidato com os métodos de exame. As questões são revistas anualmente no que

Leia mais

OS PAINÉIS SANDUÍCHE E O RISCO DE INCÊNDIO

OS PAINÉIS SANDUÍCHE E O RISCO DE INCÊNDIO OS PAINÉIS SANDUÍCHE E O RISCO DE INCÊNDIO Allianz Portugal. S.A. Rua Andrade Corvo, 32 1069-014 Lisboa Portugal tel : +351 213 165 300 fax: +351 213 578 140 info@allianz.pt www.allianz.pt 1. INTRODUÇÃO...3

Leia mais

XDS-100. Manual de segurança R9898490

XDS-100. Manual de segurança R9898490 XDS-100 Manual de segurança R9898490 R59770579PT/00 25/08/2010 Barco nv Simulation Division Noordlaan 5, B-8520 Kuurne Telefone: +32 56.36.82.11 Fax: +32 56.36.84.86 E-mail: info@barco.com Visite-nos na

Leia mais

6. O que indica este sinal? a) um perigo possível b) uma via de evacuação c) material de combate ao fogo d) direcção das casas de banho

6. O que indica este sinal? a) um perigo possível b) uma via de evacuação c) material de combate ao fogo d) direcção das casas de banho 1. Uma autorização de trabalho é um documento: a) que tem de promover a concertação entre todos os que tenham a ver com o trabalho. b) em que vêm estipuladas as condições relativas à maneira de trabalhar

Leia mais

Sistemas Fixos de Protecção Contra Incêndio DEPOIS DO HALON

Sistemas Fixos de Protecção Contra Incêndio DEPOIS DO HALON Sistemas Fixos de Protecção Contra Incêndio DEPOIS DO HALON Este documento, e outros relativos à prevenção e protecção contra incêndio, encontra-se na página da Internet dos Consultores de Risco da Allianz

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA SIPFOL MAX

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA SIPFOL MAX FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA SIPFOL MAX 1. IDENTIFICAÇÃO DA PREPARAÇÃO E DA EMPRESA Nome do produto: Identificação: Tipo de formulação: Utilização: SIPFOL MAX Aminoácidos, magnésio e oligoelementos Concentrado

Leia mais

Motores Térmicos. 9º Semestre 5º ano

Motores Térmicos. 9º Semestre 5º ano Motores Térmicos 9º Semestre 5º ano 19 Sistema de Refrigeração - Tópicos Introdução Meios refrigerantes Tipos de Sistemas de Refrigeração Sistema de refrigeração a ar Sistema de refrigeração a água Anticongelantes

Leia mais

Riscos de Incêndio e Explosão

Riscos de Incêndio e Explosão 1) Introdução O fogo e as explosões estão na origem de grandes danos pessoais e materiais em instalações onde se desenvolvem atividades económicas. A promoção da segurança contra riscos de incêndio nos

Leia mais

Os agentes extintores mais usados são: água Água + adiivos espuma pó químico dióxido de carbono

Os agentes extintores mais usados são: água Água + adiivos espuma pó químico dióxido de carbono Escolha do agente extintor Os agentes extintores mais usados são: água Água + adiivos espuma pó químico dióxido de carbono É de notar que não se refere as substâncias halogenados por se encontrarem proibidos

Leia mais

Nota Técnica. Requisitos Gerais para a armazenagem de óleos usados:

Nota Técnica. Requisitos Gerais para a armazenagem de óleos usados: Nota Técnica ARMAZENAGEM DE ÓLEOS USADOS Para efeitos do presente documento, considera-se a definição de óleos usados constante na alínea b) do artigo 2.º do Decreto-lei n.º 153/2003. Define-se reservatório

Leia mais

Guia para a elaboração de Estudos de Segurança contra Incêndio em Edifícios Hospitalares G 02/2006

Guia para a elaboração de Estudos de Segurança contra Incêndio em Edifícios Hospitalares G 02/2006 Guia para a elaboração de Estudos de Segurança contra Incêndio em Edifícios Hospitalares G 02/2006 Ficha técnica Número G 02/2006 Data de aprovação JUL 2006 Data de publicação JUL 2006 Data última revisão

Leia mais

Ficha de dados de segurança conforme 1907/2006/EC (REACH), 453/2010/EC ALT 25

Ficha de dados de segurança conforme 1907/2006/EC (REACH), 453/2010/EC ALT 25 SECÇÃO 1: IDENTIFICAÇÃO DA SUBSTÂNCIA/MISTURA E DA SOCIEDADE/EMPRESA 1.1 1.2 1.3 1.4 Identificador do produto: Não definido. Para uso profissional ALT 25 Utilizações identificadas relevantes da substância

Leia mais

PLASTOFLEX tintas e plásticos ltda. GUIA PARA CONSULTA

PLASTOFLEX tintas e plásticos ltda. GUIA PARA CONSULTA GUIA PARA CONSULTA VII SEGURANÇA E PROTEÇÃO PESSOAL SEGURANÇA NO TRABALHO INTRODUÇÃO Tintas, vernizes e solventes, são produtos químicos que, se manuseados sem as devidas precauções, podem oferecer riscos

Leia mais

LOXIC. de redução de oxigénio

LOXIC. de redução de oxigénio LOXIC de redução de oxigénio APSEI NFPA Fire & Security 2012 Índice 1.Teoria Teoria da da combustão 8. Condições que favorecem estes sistemas 2. Conceito 3. Sistemas hipóxicos vs injeção de azoto 9. Projeto

Leia mais

Lista de Documentos Normativos de janeiro a distribuir aos Correspondentes IPQ

Lista de Documentos Normativos de janeiro a distribuir aos Correspondentes IPQ Lista de Documentos Normativos de janeiro a distribuir aos Correspondentes IPQ DNP CEN ISO/TS 15875-7:2014 Sistemas de tubagens de plástico para instalações de água quente e fria Polietileno reticulado

Leia mais