A Otimização Nuvem de Partículas (particle swarm)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Otimização Nuvem de Partículas (particle swarm)"

Transcrição

1 A Otimização Nuvem de Partículas (particle swarm) Estéfane G. M. de Lacerda Departamento de Engenharia da Computação e Automação UFRN 20/06/2007

2 Índice Introdução Algoritmo Nuvem de Partículas Interpretação Geométrica Melhoramentos e Variantes

3 Otimização Nuvem de Partículas Desenvolvido pelo psicólogo social James Kennedy e o engenheiro eletricista Russel Eberhart em 1995; Inspirado no comportamento e na dinâmica dos movimentos dos pássaros, insetos e peixes; Originalmente desenvolvido para problemas de otimização com variáveis contínuas; Desempenho similar ao dos Algoritmos Genéticos;

4 Otimização Nuvem de Partículas Estudos apontam que um bando de passáros encontra alimento por meio de esforço conjunto. Isto sugere que eles compartilham informações.

5 Otimização Nuvem de Partículas

6 Otimização Nuvem de Partículas No início as partículas voam aleatoriamente pelo espaço de busca.

7 Otimização Nuvem de Partículas Vantagens Insensível a mudança de escala das variáveis; Implementação simples; Adaptável a computadores paralelos; Não requer cálculo de derivadas; Poucos parâmetros para serem definidos pelo usuário; Bom para encontrar o mínimo global; Desvantagens Rápido para localizar a bacia de atração das boas soluções, mas lento no ajuste fino da solução (como nos algoritmos genéticos).

8 Notação x i = v i = x i,1 x i,2. x i,n v i,1 v i,2. v i,n,, posição da partícula i (coordenadas) velocidade da partícula i f (x i ), aptidão da partícula i m, tamanho da população de partículas

9 Notação p i pbest i (personal best) a melhor posição encontrada pela partícula i g gbest (global best) a melhor posição encontrada por todas as partículas c 1, c 2 parâmetros cognitivo e social (também chamados de taxas de aprendizado) w ponderação de inércia r 1j, r 2j números aleatórios entre 0 e 1

10 Atualização de Posição e Velocidade Atualização de velocidade na iteração k v k+1 ij = wv k ij + c 1 r 1j (p k ij x k ij ) + c 2r 2j (g k j x k ij ) para i = 1,..., m e j = 1,..., n. Atualização de posição na iteração k para i = 1,..., m x k+1 i = x k i + v k+1 i

11 Componentes Cognitivo e Social (p k i x k i ) é o componente cognitivo: representa a experiência individual da partícula de onde a solução está. (g k x k i ) é o componente social: representa a experiência da nuvem de onde a solução está.

12 Algoritmo Nuvem de Partículas inicialize a nuvem de partículas repita para i = 1 até m se f (x i ) < f (p i ) então p i = x i se f (x i ) < f (g) então g = x i fim se fim se para j = 1 até n r 1 = rand(), r 2 = rand() v ij = wv ij + c 1 r 1 (p i x ij ) + c 2 r 2 (g j x ij ) fim para x i = x i + v i fim para até satisfazer o critério de parada

13 Alguns Detalhes de Implementação Limites superior e inferior. x ij [x min, x max ]. Caso x ij saia deste intervalo fazer x ij = x min ou x ij = x max (conforme o caso). Fazer também v ij = 0; Velocidade máxima. v max v ij v max. Em geral, não é necessário armazenar g no computador, basta armazenar o índice i tal que p i = g.

14 Interpretação Geométrica

15 Interpretação Geométrica

16 Diversificação e Intensificação Nuvem de partículas fornece um mecanismo bem balanceado entre diversificação e intensificação: v k+1 ij = wvij k }{{} diversificação + c 1 r 1j (pij k xij k ) + c 2 r 2j (gj k xij k ) } {{ } intensificação

17 Melhoramentos e Variantes Redução linear da ponderação de inércia; Fator de constrição; Modelos com Vizinhanças.

18 Redução Linear da Ponderação de Inércia A cada iteração k a ponderação é reduzida: ( ) w k+1 wmax w min = w max k k max onde k max é o número máximo de iterações. Shi e Eberhart (1998) relataram que w max = 0, 9 w min = 0, 4 c 1 = c 2 = 2 deu bons resultados em uma variedade de problemas.

19 Fator de Constrição Fator de Constrição foi introduzido por Clerc e Kennedy (2002). Tornou-se muito popular nos algoritmos recentes de nuvem de partícula.

20 Fator de Constrição Atualização de velocidade: v k+1 ij = χ [ vij k + c 1 r 1j (pij k xij k ) + c 2 r 2j (gj k 2κ χ = 2 ϕ ϕ 2 4ϕ x k ij ) ] onde χ é o fator de constrição, ϕ = c 1 + c 2, ϕ > 4. Valores usuais, κ = 1, ϕ = 4, 1 χ = 0, 73. c 1 = c 2 = 2, 05.

21 Modelos com Vizinhanças A cada partícula é atribuído uma vizinhança; As vizinhanças tornam mais lento a transmissão da melhor posição atráves da nuvem; Converge mais lentamente, mas melhora a diversificação.

22 Modelos com Vizinhanças Na nuvem de partícula, a vizinhança é social, ou seja, não é baseada na proximidade geográfica.

23 Modelos com Vizinhanças l i é o local best (lbest i ) e representa a melhor posição encontrada na vizinhança da partícula i; Substitua g (gbest) por l i (lbest i ), ou seja, v k+1 ij = wvij k + c 1 r 1 (pij k xij k) + c 2r 2 (li k x k ij )

24 Vizinhanças Soprepostas A nuvem é dividida em vizinhanças soprepostas. Exemplo: se há 8 partículas a,b,c,d,e,f,g,h e o tamanho da vizinhança é 2 então as vizinhanças são: (h,a,b) - (a,b,c) - (b,c,d) - (c,d,e) (d,e,f) - (e,f,g) - (f,g,h) - (g,h,a)

25 Vizinhanças Soprepostas Se o tamanho da vizinhança é dois, então partículas são arranjadas na forma de um anel.

26 O Conceito de Vizinhança em Nuvem de Partículas Este conceito de vizinhança nada tem haver com a idéia de proximidade no espaço de busca; De fato, vizinhos podem estar bem distantes um do outro no espaço de busca.

27 Outras Topologias de Vizinhanças Estrela Grade

Inteligência de Enxame: PSO

Inteligência de Enxame: PSO ! A otimização por enxame de partículas: «É baseada em uma estratégia inspirada no voo dos pássaros e movimento de cardumes de peixes; «Permite a otimização global de um função objetivo A função objetivo

Leia mais

CAP 254 CAP 254. Otimização Combinatória. Professor: Dr. L.A.N. Lorena. Assunto: Metaheurísticas Antonio Augusto Chaves

CAP 254 CAP 254. Otimização Combinatória. Professor: Dr. L.A.N. Lorena. Assunto: Metaheurísticas Antonio Augusto Chaves CAP 254 CAP 254 Otimização Combinatória Professor: Dr. L.A.N. Lorena Assunto: Metaheurísticas Antonio Augusto Chaves Conteúdo C01 Simulated Annealing (20/11/07). C02 Busca Tabu (22/11/07). C03 Colônia

Leia mais

A Otimização Colônia de Formigas

A Otimização Colônia de Formigas A Otimização Colônia de Formigas Estéfane G. M. de Lacerda Departamento de Engenharia da Computação e Automação UFRN 22/04/2008 Índice A Inspiração Biológica O Ant System Aplicado ao PCV O Ant System Aplicado

Leia mais

OTIMIZAÇÃO POR NUVEM DE PARTÍCULAS: DIFERENÇA ENTRE APLICAÇÕES A PROBLEMAS CONTÍNUOS E DISCRETOS

OTIMIZAÇÃO POR NUVEM DE PARTÍCULAS: DIFERENÇA ENTRE APLICAÇÕES A PROBLEMAS CONTÍNUOS E DISCRETOS OTIMIZAÇÃO POR NUVEM DE PARTÍCULAS: DIFERENÇA ENTRE APLICAÇÕES A PROBLEMAS CONTÍNUOS E DISCRETOS Marilyn Cristine Serafim de Oliveira 1, Thales Lima Silva 1, Dario José Aloise 1 1 Universidade Federal

Leia mais

Problemas Multi-modais e Distribuições Espaciais em Algoritmos Genéticos.

Problemas Multi-modais e Distribuições Espaciais em Algoritmos Genéticos. Problemas Multi-modais e Distribuições Espaciais em Algoritmos Genéticos. Thiago da Mota Souza Coordenação de Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia Centro de Tecnologia Universidade Federal do Rio de

Leia mais

IA Colônia de Formigas. Prof. Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

IA Colônia de Formigas. Prof. Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br IA Colônia de Formigas Prof. Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Introdução O Experimento da Ponte Binária. Ant System Aplicado ao PCV. Elitist Ant System. Introdução Otimização colônia

Leia mais

Introdução às Redes Neurais Artificiais

Introdução às Redes Neurais Artificiais Introdução às Redes Neurais Artificiais Treinamento via Algoritmos Genéticos Prof. João Marcos Meirelles da Silva http://www.professores.uff.br/jmarcos Departamento de Engenharia de Telecomunicações Escola

Leia mais

Método Dialético de Otimização usando o Princípio da Máxima Entropia

Método Dialético de Otimização usando o Princípio da Máxima Entropia Learning and Nonlinear Models Revista da Sociedade Brasileira de Redes Neurais (SBRN) Vol 7 No. 2 pp. 54-64 2009 Método Dialético de Otimização usando o Princípio da Máxima Entropia Wellington Pinheiro

Leia mais

Inteligência de Enxame

Inteligência de Enxame UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Laboratório de Computação Natural LCoN I ESCOLA DE COMPUTAÇÃO NATURAL Inteligência de Enxame Alexandre Szabo Diego Almeida Orientador: Leandro Nunes de Castro Outubro/2012

Leia mais

Complemento IV Introdução aos Algoritmos Genéticos

Complemento IV Introdução aos Algoritmos Genéticos Complemento IV Introdução aos Algoritmos Genéticos Esse documento é parte integrante do material fornecido pela WEB para a 2ª edição do livro Data Mining: Conceitos, técnicas, algoritmos, orientações e

Leia mais

Universidade do Estado do Rio de Janeiro Centro de Tecnologia e Ciências Faculdade de Engenharia. Rogério de Moraes Calazan

Universidade do Estado do Rio de Janeiro Centro de Tecnologia e Ciências Faculdade de Engenharia. Rogério de Moraes Calazan Universidade do Estado do Rio de Janeiro Centro de Tecnologia e Ciências Faculdade de Engenharia Rogério de Moraes Calazan Otimização por Enxame de Partículas em Arquiteturas Paralelas de Alto Desempenho

Leia mais

Inteligência de Enxame: ACO

Inteligência de Enxame: ACO Inteligência de Enxame: ACO! Otimização colônia de formigas é uma meta-heurística: «baseada em população «inspirada no comportamento forrageiro das formigas.! Muitas espécies de formigas são quase cegas.!

Leia mais

Inteligência Computacional Aplicada a Engenharia de Software

Inteligência Computacional Aplicada a Engenharia de Software Inteligência Computacional Aplicada a Engenharia de Software Estudo de caso III Prof. Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br Introdução Em alguns ambientes industriais, pode ser necessário priorizar

Leia mais

Roteamento em Redes de Computadores

Roteamento em Redes de Computadores Roteamento em Redes de Computadores José Marcos Câmara Brito INATEL - Instituto Nacional de Telecomunicações INATEL - Instituto Nacional de Telecomunicações 01/08/00 1 Introdução Objetivo Tipos de rede

Leia mais

Figura 1 Taxas de transmissão entre as redes

Figura 1 Taxas de transmissão entre as redes Conceitos de Redes Locais A função básica de uma rede local (LAN) é permitir a distribuição da informação e a automatização das funções de negócio de uma organização. As principais aplicações que requerem

Leia mais

Sintonia do controlador PID, com Algoritmo de Optimização por Grupo de Partículas.

Sintonia do controlador PID, com Algoritmo de Optimização por Grupo de Partículas. Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro Sintonia do controlador PID, com Algoritmo de Optimização por Grupo de Partículas. Dissertação de Mestrado Engenharia Electrotécnica e de Computadores Joaquim

Leia mais

Uso da Meta-Heurística otimização por exame de partículas no planejamento Florestal

Uso da Meta-Heurística otimização por exame de partículas no planejamento Florestal Scientia Forestalis Uso da Meta-Heurística otimização por exame de partículas no planejamento Florestal Use of Metaheuristics particle swarm optimization in Forest planning Flavio Augusto Ferreira do Nascimento¹,

Leia mais

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Por que redes de computadores? Tipos de redes Componentes de uma rede IFPB/Patos - Prof. Claudivan 2 Quando o assunto é informática, é impossível não pensar em

Leia mais

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura

Leia mais

Faça seu provedor crescer. Quer saber?

Faça seu provedor crescer. Quer saber? Faça seu provedor crescer Quer saber? Edmilson José de Almeida Filho Consultor e Gestor ISP Suporte a Provedores desde 2001 Suporte Linux desde 2001 Suporte Mikrotik desde 2007 Visão geral VISÃO As pessoas

Leia mais

Uma Ferramenta para otimização em Engenharia Mecânica e aplicações na Fundição Eletromagnética de Metais

Uma Ferramenta para otimização em Engenharia Mecânica e aplicações na Fundição Eletromagnética de Metais Uma Ferramenta para otimização em Engenharia Mecânica e aplicações na Fundição Eletromagnética de Metais Departamento de Engenharia Mecânica COPPE UFRJ STIC-AMSUD, Novembro de 2009 Conteúdo Preliminares

Leia mais

Projeto e Análise de Algoritmos Projeto de Algoritmos Introdução. Prof. Humberto Brandão humberto@dcc.ufmg.br

Projeto e Análise de Algoritmos Projeto de Algoritmos Introdução. Prof. Humberto Brandão humberto@dcc.ufmg.br Projeto e Análise de Algoritmos Projeto de Algoritmos Introdução Prof. Humberto Brandão humberto@dcc.ufmg.br aula disponível no site: http://www.bcc.unifal-mg.edu.br/~humberto/ Universidade Federal de

Leia mais

OTIMIZADOR MULTIOBJETIVO BASEADO EM INTELIGÊNCIA DE ENXAMES UTILIZANDO FATOR DE DIVERSIDADE

OTIMIZADOR MULTIOBJETIVO BASEADO EM INTELIGÊNCIA DE ENXAMES UTILIZANDO FATOR DE DIVERSIDADE OTIMIZADOR MULTIOBJETIVO BASEADO EM INTELIGÊNCIA DE ENXAMES UTILIZANDO FATOR DE DIVERSIDADE Trabalho de Conclusão de Curso Engenharia de Computação Aluno: Dennis Rodrigo da Cunha Silva Orientador: Prof.

Leia mais

INF 1771 Inteligência Artificial

INF 1771 Inteligência Artificial Edirlei Soares de Lima INF 1771 Inteligência Artificial Aula 04 Algoritmos Genéticos Introdução Algoritmos genéticos são bons para abordar espaços de buscas muito grandes e navegálos

Leia mais

Evolução na Comunicação de

Evolução na Comunicação de Evolução na Comunicação de Dados Invenção do telégrafo em 1838 Código Morse. 1º Telégrafo Código Morse Evolução na Comunicação de Dados A evolução da comunicação através de sinais elétricos deu origem

Leia mais

Representação por Números Reais

Representação por Números Reais Representação por Números Reais Cromossomas expressam valores através de números reais (ponto flutuante) e não em binário Para apresentarmos essa representação vamos introduzir o conceito de hibridização

Leia mais

CAP 254 CAP 254. Otimização Combinatória. Professor: Dr. L.A.N. Lorena. Assunto: Metaheurísticas Antonio Augusto Chaves

CAP 254 CAP 254. Otimização Combinatória. Professor: Dr. L.A.N. Lorena. Assunto: Metaheurísticas Antonio Augusto Chaves CAP 254 CAP 254 Otimização Combinatória Professor: Dr. L.A.N. Lorena Assunto: Metaheurísticas Antonio Augusto Chaves Conteúdo C01 Simulated Annealing (20/11/07). C02 Busca Tabu (22/11/07). C03 Colônia

Leia mais

TECNOLOGIA GRATUÍTA: ARQUITETURAS DE REDE TOPOLOGIAS

TECNOLOGIA GRATUÍTA: ARQUITETURAS DE REDE TOPOLOGIAS TECNOLOGIA GRATUÍTA: ARQUITETURAS DE REDE TOPOLOGIAS Ulisses Thadeu Vieira Guedes 2012-1/10 - Conteúdo TOPOLOGIAS DE REDE...2 TOPOLOGIA PONTO-A-PONTO...2 TOPOLOGIA EM BARRAMENTO...3 TOPOLOGIA EM ANEL...4

Leia mais

Consulte a exposição. Qual declaração descreve corretamente como R1 irá determinar o melhor caminho para R2?

Consulte a exposição. Qual declaração descreve corretamente como R1 irá determinar o melhor caminho para R2? 1. Que duas declarações descrevem corretamente os conceitos de distância administrativa e métrica? (Escolha duas.) a) Distância administrativa refere-se a confiabilidade de uma determinada rota. b) Um

Leia mais

Sistemas Inteligentes. Aula: Agentes Inteligentes Flávia Barros & Patricia Tedesco

Sistemas Inteligentes. Aula: Agentes Inteligentes Flávia Barros & Patricia Tedesco Sistemas Inteligentes Aula: Agentes Inteligentes Flávia Barros & Patricia Tedesco 1 Ao final desta aula a gente deve... Entender o que é um Agente Racional (inteligente)? Distinguir entre os vários tipos

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M MORAES, C. C. Engenharia de Automação Industrial, Cap. 6 Tanenbaum, Redes de Computadores, Cap. 1.2 AGUIRRE, L. A. Enciclopédia da Automática, Volume II, Cap. 15.3 Escravo é um

Leia mais

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1 Equipamentos de Rede Repetidor (Regenerador do sinal transmitido)* Mais usados nas topologias estrela e barramento Permite aumentar a extensão do cabo Atua na camada física da rede (modelo OSI) Não desempenha

Leia mais

Inteligência Coletiva. Prof. Eduardo R. Hruschka (Slides adaptados dos originais elaborados pelo Prof. André C. P. L. F.

Inteligência Coletiva. Prof. Eduardo R. Hruschka (Slides adaptados dos originais elaborados pelo Prof. André C. P. L. F. Inteligência Coletiva Prof. Eduardo R. Hruschka (Slides adaptados dos originais elaborados pelo Prof. André C. P. L. F. de Carvalho) Principais tópicos Inteligência Coletiva (CI) Otimização por enxames

Leia mais

Projeto de Redes Neurais e MATLAB

Projeto de Redes Neurais e MATLAB Projeto de Redes Neurais e MATLAB Centro de Informática Universidade Federal de Pernambuco Sistemas Inteligentes IF684 Arley Ristar arrr2@cin.ufpe.br Thiago Miotto tma@cin.ufpe.br Baseado na apresentação

Leia mais

Computação BioInspirada

Computação BioInspirada Computação BioInspirada Os Engenheiros da Natureza Fabrício Olivetti de França The reasonable man adapts himself to the world; the unreasonable one persists in trying to adapt the world to himself. Therefore

Leia mais

Rede de Computadores

Rede de Computadores Escola de Ciências e Tecnologia UFRN Rede de Computadores Prof. Aquiles Burlamaqui Nélio Cacho Luiz Eduardo Eduardo Aranha ECT1103 INFORMÁTICA FUNDAMENTAL Manter o telefone celular sempre desligado/silencioso

Leia mais

MPLS. Multi Protocol Label Switching

MPLS. Multi Protocol Label Switching MPLS Multi Protocol Label Switching Nome: Edson X. Veloso Júnior Engenheiro em Eletrônica Provedor de Internet desde 2002 Integrante da equipe de instrutores da MikrotikBrasil desde 2007 Certificado Mikrotik:

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein Programa de Pós-Graduação em Engenharia Eletrônica Faculdade de Engenharia Universidade do Estado do Rio de Janeiro Ementa Introdução a Redes de

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS CURITIBA GERÊNCIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS CURITIBA GERÊNCIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS CURITIBA GERÊNCIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA INDUSTRIAL - CPGEI Hugo Alberto Perlin Reconhecimento

Leia mais

3ª ETAPA - TURMAS Y DIAS 24/09/12 25/09/12 26/09/12 27/09/12 28/09/12 01/10/12 02/10/12 03/10/12 04/10/12 05/10/12

3ª ETAPA - TURMAS Y DIAS 24/09/12 25/09/12 26/09/12 27/09/12 28/09/12 01/10/12 02/10/12 03/10/12 04/10/12 05/10/12 1ª ETAPA - TURMA E CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I PAIE 3 CIÊNCIAS DO AMBIENTE PAIE 3 ÉTICA E CIDADANIA I PAIE 3 FÍSICA GERAL I PAIE 3 GEOMETR ANALITICA E VETORES PAIE 3 COMPUTAÇÃO, ALGORITMOS E PROGRAMAÇÃO

Leia mais

ALGORITMOS GENÉTICOS

ALGORITMOS GENÉTICOS ALGORITMOS GENÉTICOS INTRODUÇÃO São métodos adaptativos que podem ser usados para resolver problemas de busca e otimização. Na natureza a combinação de boas características provenientes de diferentes indivíduos

Leia mais

2 Estudo dos Acoplamentos

2 Estudo dos Acoplamentos 24 2 Estudo dos Acoplamentos Um problema acoplado é aquele em que dois ou mais sistemas físicos interagem entre si e cujo acoplamento pode ocorrer através de diferentes graus de interação (Zienkiewicz

Leia mais

Universidade Federal de Juiz de Fora Pós Graduação em Engenharia Elétrica Mestrado em Engenharia Elétrica ISABELA MIRANDA DE MENDONÇA

Universidade Federal de Juiz de Fora Pós Graduação em Engenharia Elétrica Mestrado em Engenharia Elétrica ISABELA MIRANDA DE MENDONÇA Universidade Federal de Juiz de Fora Pós Graduação em Engenharia Elétrica Mestrado em Engenharia Elétrica ISABELA MIRANDA DE MENDONÇA PLANEJAMENTO ESTÁTICO DA EXPANSÃO DE SISTEMAS DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA

Leia mais

Tabela de roteamento

Tabela de roteamento Existem duas atividades que são básicas a um roteador. São elas: A determinação das melhores rotas Determinar a melhor rota é definir por qual enlace uma determinada mensagem deve ser enviada para chegar

Leia mais

Aulas 17 & 18. Comutação Rápida a Pacote. Eytan Modiano MIT

Aulas 17 & 18. Comutação Rápida a Pacote. Eytan Modiano MIT Aulas 17 & 18 Comutação Rápida a Pacote Eytan Modiano MIT 1 Comutador a Pacote Etiqueta Um comutador a pacote consiste de uma máquina de roteamento (table lookup), um escalonador e uma máquina de comutação.

Leia mais

Geração de Chave Pública usando o Método do Enxame de Partículas

Geração de Chave Pública usando o Método do Enxame de Partículas Geração de Chave Pública usando o Método do Enxame de Partículas Rodolfo Dalla Costa FEComp CEATEC rodolfo.dc@puccampinas.edu.br Carlos Miguel Tobar Toledo Grupo de Sistemas Inteligentes CEATEC tobar@puc-campinas.edu.br

Leia mais

Meta-heurísticas. Métodos Heurísticos José António Oliveira zan@dps.uminho.pt. meta-heurísticas

Meta-heurísticas. Métodos Heurísticos José António Oliveira zan@dps.uminho.pt. meta-heurísticas Meta-heurísticas 105 meta-heurísticas Propriedades e Características: são estratégias que guiam o processo de pesquisa; - o objectivo a atingir é a exploração eficiente do espaço de pesquisa de modo a

Leia mais

Rede de Elementos Caóticos Acoplados Globalmente

Rede de Elementos Caóticos Acoplados Globalmente Rede de Elementos Caóticos Acoplados Globalmente Rosagela Follmann 1, Elbert E. N. Macau 2 1 Programa de Pós-graduação em Computação Aplicada - CAP Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - INPE 2 Laboratório

Leia mais

11 Conclusão. 11.1 Descobertas

11 Conclusão. 11.1 Descobertas 97 11 Conclusão 11.1 Descobertas Nesse trabalho apresentamos o McCloud Service Framework, um arcabouço para implementação de serviços baseados na Simulação de Monte Carlo na nuvem, disponibilizamos duas

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores. Hugo Barros email@hugobarros.com.br

Organização e Arquitetura de Computadores. Hugo Barros email@hugobarros.com.br Organização e Arquitetura de Computadores Hugo Barros email@hugobarros.com.br RISC X SISC RISC: Reduced Instruction Set Computer Nova Tecnologia para máquinas de alta performance; Máquina com um conjunto

Leia mais

Faculdade de Engenharia Optimização. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu

Faculdade de Engenharia Optimização. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu 1 Programação Não Linear Aula 25: Programação Não-Linear - Funções de Uma única variável Mínimo; Mínimo Global; Mínimo Local; Optimização Irrestrita; Condições Óptimas; Método da Bissecção; Método de Newton.

Leia mais

Faculdade de Engenharia Optimização. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu

Faculdade de Engenharia Optimização. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu 1 Programação Linear (PL) Aula 5: O Método Simplex. 2 Algoritmo. O que é um algoritmo? Qualquer procedimento iterativo e finito de solução é um algoritmo. Um algoritmo é um processo que se repete (itera)

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES MÓDULO 8

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES MÓDULO 8 ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES MÓDULO 8 Índice 1. A Organização do Computador - Continuação...3 1.1. Processadores - II... 3 1.1.1. Princípios de projeto para computadores modernos... 3 1.1.2. Paralelismo...

Leia mais

Interpolação de Curvas de Nível por Difusão de Calor

Interpolação de Curvas de Nível por Difusão de Calor Interpolação de Curvas de Nível por Difusão de Calor ROBERTO DE BEAUCLAIR SEIXAS LUIZ HENRIQUE DE FIGUEIREDO CLAUDIO ANTONIO DA SILVA IMPA Instituto de Matemática Pura e Aplicada VISGRAF Laboratório de

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES Tecnologias de Rede Arquitetura Padrão 802.11 Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 Arquitetura Wireless Wi-Fi

Leia mais

Figura 5.1.Modelo não linear de um neurônio j da camada k+1. Fonte: HAYKIN, 2001

Figura 5.1.Modelo não linear de um neurônio j da camada k+1. Fonte: HAYKIN, 2001 47 5 Redes Neurais O trabalho em redes neurais artificiais, usualmente denominadas redes neurais ou RNA, tem sido motivado desde o começo pelo reconhecimento de que o cérebro humano processa informações

Leia mais

Multiprocessamento. Sérgio Campos

Multiprocessamento. Sérgio Campos Multiprocessamento Sérgio Campos 1 / 19 Multiprocessamento Quem se importa? No mundo real multiprocessadores são comuns: PCs; LANs; Sistemas embutidos (porque?); Recursos podem ser modelados como processadores.

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Cluster, Grid e computação em nuvem Slide 8 Nielsen C. Damasceno Introdução Inicialmente, os ambientes distribuídos eram formados através de um cluster. Com o avanço das tecnologias

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES REDE DE COMPUTADORES Tipos de classificação das redes de acordo com sua topologia Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 Ao longo da historia das redes, varias topologias foram

Leia mais

Técnicas de Computação Natural para Segmentação de Imagens Médicas

Técnicas de Computação Natural para Segmentação de Imagens Médicas UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA Técnicas de Computação Natural para Segmentação de Imagens Médicas Jackson Gomes de Souza

Leia mais

O que é RAID? Tipos de RAID:

O que é RAID? Tipos de RAID: O que é RAID? RAID é a sigla para Redundant Array of Independent Disks. É um conjunto de HD's que funcionam como se fosse um só, isso quer dizer que permite uma tolerância alta contra falhas, pois se um

Leia mais

O uso da Computação Gráfica (CG) para Design e Marketing Automotivo Frederico Laguna PSA Peugeot Citroen América Latina

O uso da Computação Gráfica (CG) para Design e Marketing Automotivo Frederico Laguna PSA Peugeot Citroen América Latina O uso da Computação Gráfica (CG) para Design e Marketing Automotivo Frederico Laguna PSA Peugeot Citroen América Latina A crescente competição entre as principais montadoras mundiais e a incessante expectativa

Leia mais

Computação Paralela. Desenvolvimento de Aplicações Paralelas João Luís Ferreira Sobral Departamento do Informática Universidade do Minho.

Computação Paralela. Desenvolvimento de Aplicações Paralelas João Luís Ferreira Sobral Departamento do Informática Universidade do Minho. Computação Paralela Desenvolvimento de Aplicações Paralelas João Luís Ferreira Sobral Departamento do Informática Universidade do Minho Outubro 2005 Desenvolvimento de Aplicações Paralelas Uma Metodologia

Leia mais

15.053 Quinta-feira, 14 de março. Introdução aos Fluxos de Rede Handouts: Notas de Aula

15.053 Quinta-feira, 14 de março. Introdução aos Fluxos de Rede Handouts: Notas de Aula 15.053 Quinta-feira, 14 de março Introdução aos Fluxos de Rede Handouts: Notas de Aula 1 Modelos de Rede Modelos de programação linear que exibem uma estrutura muito especial. Podem utilizar essa estrutura

Leia mais

Pesquisa Operacional

Pesquisa Operacional Pesquisa Operacional Tópicos em Programação Linear e Inteira Prof. Dr.Ricardo Ribeiro dos Santos ricr.santos@gmail.com Universidade Católica Dom Bosco - UCDB Engenharia de Computação Roteiro Introdução

Leia mais

Projeto de Arquitetura

Projeto de Arquitetura Projeto de Arquitetura Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 11 Slide 1 Objetivos Apresentar projeto de arquitetura e discutir sua importância Explicar as decisões de projeto

Leia mais

UMA FERRAMENTA COMPUTACIONAL PARA ANÁLISE DE ALGORITMOS DE OTIMIZAÇÃO PARA SISTEMAS DINÂMICOS BASEADOS EM INTELIGÊNCIA DE ENXAMES

UMA FERRAMENTA COMPUTACIONAL PARA ANÁLISE DE ALGORITMOS DE OTIMIZAÇÃO PARA SISTEMAS DINÂMICOS BASEADOS EM INTELIGÊNCIA DE ENXAMES UMA FERRAMENTA COMPUTACIONAL PARA ANÁLISE DE ALGORITMOS DE OTIMIZAÇÃO PARA SISTEMAS DINÂMICOS BASEADOS EM INTELIGÊNCIA DE ENXAMES Trabalho de Conclusão de Curso Engenharia da Computação Rodrigo Maia Carneiro

Leia mais

AULA 1 INTRODUÇÃO - ENGENHARIA DE SOFTWARE. Prof. Msc. Hélio Esperidião

AULA 1 INTRODUÇÃO - ENGENHARIA DE SOFTWARE. Prof. Msc. Hélio Esperidião AULA 1 INTRODUÇÃO - ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof. Msc. Hélio Esperidião O QUE É UM ALGORITMO? É qualquer procedimento computacional bem definido que informa algum valor ou conjunto de valores como entrada

Leia mais

Algoritmos Genéticos: Aspectos Práticos. Estéfane G. M. de Lacerda DCA/UFRN Junho/2009

Algoritmos Genéticos: Aspectos Práticos. Estéfane G. M. de Lacerda DCA/UFRN Junho/2009 : Aspectos Práticos Estéfane G. M. de Lacerda DCA/UFRN Junho/2009 Principais Tópicos População Inicial Funções Objetivo de Alto Custo Critérios de Parada Convergência Prematura Diversidade Tipos de Substituição

Leia mais

Pós-Graduação em Engenharia Elétrica Inteligência Artificial

Pós-Graduação em Engenharia Elétrica Inteligência Artificial Pós-Graduação em Engenharia Elétrica Inteligência Artificial João Marques Salomão Rodrigo Varejão Andreão Inteligência Artificial Definição (Fonte: AAAI ): "the scientific understanding of the mechanisms

Leia mais

Introdução Redes de Computadores. Filipe Raulino

Introdução Redes de Computadores. Filipe Raulino <filipe.raulino@ifrn.edu.br> Introdução Redes de Computadores Filipe Raulino Introducão A comunicação sempre foi uma necessidade básica da humanidade. Como se comunicar a distância? 2 Evolução da Comunicação

Leia mais

Topologias e abrangência das redes de computadores. Nataniel Vieira nataniel.vieira@gmail.com

Topologias e abrangência das redes de computadores. Nataniel Vieira nataniel.vieira@gmail.com Topologias e abrangência das redes de computadores Nataniel Vieira nataniel.vieira@gmail.com Objetivos Tornar os alunos capazes de reconhecer os tipos de topologias de redes de computadores assim como

Leia mais

Redes Neurais. A IA clássica segue o paradigma da computação simbólica

Redes Neurais. A IA clássica segue o paradigma da computação simbólica Abordagens não simbólicas A IA clássica segue o paradigma da computação simbólica Redes Neurais As redes neurais deram origem a chamada IA conexionista, pertencendo também a grande área da Inteligência

Leia mais

Redes de Computadores. Camada de Rede Endereçamento

Redes de Computadores. Camada de Rede Endereçamento Redes de Computadores Camada de Rede Endereçamento Motivação Desperdício de endereços Qualquer endereço de rede somente pode ser alocada a uma única rede física Esquema de endereçamento original mostrou-se

Leia mais

REDES COMPUTADORES. Origem, Evolução e Conceitos Básicos

REDES COMPUTADORES. Origem, Evolução e Conceitos Básicos REDES COMPUTADORES Origem, Evolução e Conceitos Básicos Agenda Definição Objetivos Componentes Classificação Fluxo de Dados Tipo de Processamento Tipo de Conexão Tipo de Transmissão Tamanho Topologia Objetivos

Leia mais

Metaheurística Particle Swarm Utilizada para Alocação Ótima de Bancos de Capacitores em Sistemas de Distribuição Radial

Metaheurística Particle Swarm Utilizada para Alocação Ótima de Bancos de Capacitores em Sistemas de Distribuição Radial Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho Faculdade de Engenharia de Ilha Solteira Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica Metaheurística Particle Swarm Utilizada para Alocação Ótima

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software O que é a engenharia de software É um conjunto integrado de métodos e ferramentas utilizadas para especificar, projetar, implementar e manter um sistema. Método É uma prescrição

Leia mais

EDUARDO DE OLIVEIRA RODRIGUES USO DE PSO NO PROBLEMA DE OTIMIZAÇÃO DE CARTEIRAS DE AÇÕES BASEADO NO MODELO DE MARKOWITZ

EDUARDO DE OLIVEIRA RODRIGUES USO DE PSO NO PROBLEMA DE OTIMIZAÇÃO DE CARTEIRAS DE AÇÕES BASEADO NO MODELO DE MARKOWITZ EDUARDO DE OLIVEIRA RODRIGUES USO DE PSO NO PROBLEMA DE OTIMIZAÇÃO DE CARTEIRAS DE AÇÕES BASEADO NO MODELO DE MARKOWITZ LAVRAS - MG 2013 EDUARDO DE OLIVEIRA RODRIGUES USO DE PSO NO PROBLEMA DE OTIMIZAÇÃO

Leia mais

Minicurso SBSE 2012:

Minicurso SBSE 2012: Campus de Ilha Solteira Faculdade de Engenharia de Ilha Solteira Departamento de Energia Elétrica Minicurso SBSE 2012: Metaheurísticas em sistemas elétricos de potência: introdução ao estudo e aplicações

Leia mais

Engenheiro da Computação pelo Instituto Nacional de Telecomunicações INATEL (2012).

Engenheiro da Computação pelo Instituto Nacional de Telecomunicações INATEL (2012). Redes Cognitivas: Análise de Protocolos de Múltiplo Acesso A tecnologia de rádio cognitivo é forte candidata como solução para as próximas gerações de redes de comunicações sem fio. O protocolo de múltiplo

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Anéis Ópticos em Backbone www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Introdução Em 1980 foi formado o grupo de trabalho ANSI X3T9.5 com a finalidade de desenvolver

Leia mais

É importante que nos atenhamos a alguns aspectos importantes sobre banco de dados:

É importante que nos atenhamos a alguns aspectos importantes sobre banco de dados: Módulo 16 CONCEITOS DE BANCO DE DADOS Quando nos referimos a um computador como máquina, observamos as suas características em armazenar e gerenciar informações, além dessas características, existem outras

Leia mais

1ª ETAPA - TURMA E e F

1ª ETAPA - TURMA E e F Atualizado em: 20/05/2013 1/7 CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I PF 3 CIÊNCIAS DO AMBIENTE PF 3 ÉTICA E CIDADANIA I PF 3 FÍSICA GERAL I PF 3 GEOMETRIA ANALITICA E VETORES PF 3 COMPUTAÇÃO, ALGORITMOS E PROGRAMAÇÃO

Leia mais

3.1. Paralelização em CUDA (GPU-PGLIQ)

3.1. Paralelização em CUDA (GPU-PGLIQ) 44 3 3.1. Paralelização em CUDA (GPU-PGLIQ) Aplicação: Aceleração Base No algoritmo serial de PGLIQ, o maior tempo de processamento está na avaliação da função de aptidão, embora este procedimento seja

Leia mais

Sistemas Paralelos e Distribuídos. Prof. Jorge Dantas de Melo Depto. Eng. Comp. e Automação CT - UFRN

Sistemas Paralelos e Distribuídos. Prof. Jorge Dantas de Melo Depto. Eng. Comp. e Automação CT - UFRN Sistemas Paralelos e Distribuídos Prof. Jorge Dantas de Melo Depto. Eng. Comp. e Automação CT - UFRN Conceitos preliminares Paralelismo refere-se a ocorrência simultânea de eventos em um computador Processamento

Leia mais

Backup. Permitir a recuperação de sistemas de arquivo inteiros de uma só vez. Backup é somente uma cópia idêntica de todos os dados do computador?

Backup. Permitir a recuperação de sistemas de arquivo inteiros de uma só vez. Backup é somente uma cópia idêntica de todos os dados do computador? Backup O backup tem dois objetivos principais: Permitir a recuperação de arquivos individuais é a base do típico pedido de recuperação de arquivo: Um usuário apaga acidentalmente um arquivo e pede que

Leia mais

GUILHERME STUTZ TÖWS ANIMAÇÃO DE ALGORITMOS

GUILHERME STUTZ TÖWS ANIMAÇÃO DE ALGORITMOS GUILHERME STUTZ TÖWS ANIMAÇÃO DE ALGORITMOS Trabalho de graduação do Curso de Ciência da Computação do Setor de Ciências Exatas da Universidade Federal do Paraná. Professor: André Luiz Pires Guedes CURITIBA

Leia mais

Fundamentos de Modelagem de Sistemas

Fundamentos de Modelagem de Sistemas EA 044 Planejamento e Análise de Sistemas de Produção Fundamentos de Modelagem de Sistemas ProfFernandoGomide Fundamentos de Modelagem Introdução à modelagem e decisão Definição de modelos Modelagem e

Leia mais

Complemento II Noções Introdutória em Redes Neurais

Complemento II Noções Introdutória em Redes Neurais Complemento II Noções Introdutória em Redes Neurais Esse documento é parte integrante do material fornecido pela WEB para a 2ª edição do livro Data Mining: Conceitos, técnicas, algoritmos, orientações

Leia mais

Teoria de Redes e o papel dos bancos no mercado interbancário Brasileiro

Teoria de Redes e o papel dos bancos no mercado interbancário Brasileiro Teoria de Redes e o papel dos bancos no mercado interbancário Brasileiro Daniel Oliveira Cajueiro and Benjamin Miranda Tabak Universidade Católica de Brasília Banco Central do Brasil 7 de maio de 2007

Leia mais

Pesquisa em Memória Primária. Prof. Jonas Potros

Pesquisa em Memória Primária. Prof. Jonas Potros Pesquisa em Memória Primária Prof. Jonas Potros Pesquisa em Memoria Primária Estudo de como recuperar informação a partir de uma grande massa de informação previamente armazenada. A informação é dividida

Leia mais

MODELAGEM DIGITAL DE SUPERFÍCIES

MODELAGEM DIGITAL DE SUPERFÍCIES MODELAGEM DIGITAL DE SUPERFÍCIES Prof. Luciene Delazari Grupo de Pesquisa em Cartografia e SIG da UFPR SIG 2012 Introdução Os modelo digitais de superficie (Digital Surface Model - DSM) são fundamentais

Leia mais

HORÁRIO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO 1 PERÍODO 2015/1º SEMESTRE

HORÁRIO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO 1 PERÍODO 2015/1º SEMESTRE HORÁRIO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO 1 PERÍODO 2015/1º SEMESTRE 13:00 13:45 Cálculo Diferencial e Integral I s de (Raphael ) de 13:45 14:30 Cálculo Diferencial e Integral I s de de 14:30 15:15 Cálculo

Leia mais

Meio Físico. Mensagem. Protocolo. Emissor e Receptor. Data Terminal Equipment Data Communications Equipment

Meio Físico. Mensagem. Protocolo. Emissor e Receptor. Data Terminal Equipment Data Communications Equipment Emissor Receptor Meio Físico Mensagem Protocolo Emissor e Receptor Data Terminal Equipment Data Communications Equipment (DTE) + (DCE) Meio Físico Mensagem ( pacote ) O meio físico É o elemento que transmite

Leia mais

Memória Cache. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Memória Cache. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Memória Cache Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Introdução; Projeto de Memórias Cache; Tamanho; Função de Mapeamento; Política de Escrita; Tamanho da Linha; Número de Memórias Cache; Bibliografia.

Leia mais

CST em Redes de Computadores

CST em Redes de Computadores CST em Redes de Computadores Dispositivos de Rede I AULA 07 Roteamento Dinâmico / Protocolo RIP Prof: Jéferson Mendonça de Limas Protocolos de Roteamento Dinâmico Em 1969 a ARPANET utilizava-se de algoritmos

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO COMPUTER AIDED ENGINEERING - CAE FABIANO RAMOS DOS SANTOS SERGIO DA COSTA FERREIRA

Leia mais

DILSON LUCAS PEREIRA ESTUDO DO PSO NA CLUSTERIZAÇÃO DE DADOS

DILSON LUCAS PEREIRA ESTUDO DO PSO NA CLUSTERIZAÇÃO DE DADOS DILSON LUCAS PEREIRA ESTUDO DO PSO NA CLUSTERIZAÇÃO DE DADOS Monografia de graduação apresentada ao Departamento de Ciência da Computação da Universidade Federal de Lavras como parte das exigências do

Leia mais

Dificuldades de Modelos de PNL. Onde está a solução ótima? Outro exemplo: Condição ótima Local vs. Global. 15.053 Quinta-feira, 25 de abril

Dificuldades de Modelos de PNL. Onde está a solução ótima? Outro exemplo: Condição ótima Local vs. Global. 15.053 Quinta-feira, 25 de abril 15.053 Quinta-feira, 25 de abril Teoria de Programação Não-Linear Programação Separável Dificuldades de Modelos de PNL Programa Linear: Apostilas: Notas de Aula Programas Não-Lineares 1 2 Análise gráfica

Leia mais