SERGIO COSTANTINO WACHELESKI A RESERVA FLORESTAL LEGAL EM ÁREA DE TRANSIÇÃO AMAZÔNIA - CERRADO: O CASO DO MUNICÍPIO DE COLINAS DO TOCANTINS TO.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SERGIO COSTANTINO WACHELESKI A RESERVA FLORESTAL LEGAL EM ÁREA DE TRANSIÇÃO AMAZÔNIA - CERRADO: O CASO DO MUNICÍPIO DE COLINAS DO TOCANTINS TO."

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE NA AMAZÔNIA SERGIO COSTANTINO WACHELESKI A RESERVA FLORESTAL LEGAL EM ÁREA DE TRANSIÇÃO AMAZÔNIA - CERRADO: O CASO DO MUNICÍPIO DE COLINAS DO TOCANTINS TO. MANAUS AMAZONAS 2009

2 SERGIO COSTANTINO WACHELESKI A RESERVA FLORESTAL LEGAL EM ÁREA DE TRANSIÇÃO AMAZÔNIA - CERRADO: O CASO DO MUNICÍPIO DE COLINAS DO TOCANTINS TO. Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Ciências do Ambiente e Sustentabilidade da Amazônia - PPG-CASA, Universidade Federal do Amazonas, como parte dos requisitos para obtenção do título de Mestre em Ciências do Ambiente, área de concentração em Política e Gestão Orientador: Prof.º Dr.º: Henrique dos Santos Pereira MANAUS AMAZONAS 2009

3 W113r Wacheleski, Sergio Costantino A Reserva Florestal Legal em área de transição Amazônia - cerrado: o caso do município de Colinas do Tocantins TO / Sergio Costantino Wacheleski. - Manaus: UFAM, f.; il. color. Dissertação (Mestrado em Ciências do Ambiente e Sustentabilidade da Amazônia) Universidade Federal do Amazonas, Orientador: Prof. Dr. Henrique dos Santos Pereira 1. Legislação Ambiental 2. Reserva Florestal Legal, 3. Gestão Florestal I. Pereira, Henrique dos Santos II. Universidade Federal do Amazonas III. Título CDU 349.6(811)(043.3)

4 DEDICATÓRIA Dedico este trabalho à minha esposa Edileuza Aparecida Sousa Santos Wacheleski, amor da minha vida, pela confiança e carinho dedicados ao longo da nossa união e pelo irrestrito apoio ao desafio aqui concluído, aos meus queridos filhos, Yuri Santos Wacheleski e Yann Santos Wacheleski, pela compreensão nas horas ausentes, aos meus pais Cecília Fontanta Wacheleski e José Wacheleski (in memoriam), baluartes da minha existência e aos mestres, pelos ensinamentos aqui discorridos.

5 AGRADECIMENTOS Em primeiro lugar agradeço ao Mestre dos mestres, nosso criador, pela oportunidade da vida e na vida pelo dom de ousar e realizar. À minha esposa Edileuza, que nas horas mais difíceis apoiou-me, incentivou-me, não me deixando desistir, dando-me forças para a continuação do trabalho proposto. Ao meu orientador, Professor Henrique dos Santos Pereira, Ph.D., exemplo de dedicação, que clareou-me as idéias e deu o norte para colocá-las no papel. Agradeço-lhe pela paciência e dedicação desprendidas em suas orientações. Não posso esquecer de todos os meus colegas do Curso de Mestrado em Ciências do Ambiente e Sustentabilidade da Amazônia da UFAM, que também me incentivaram. Sucesso a todos. Enfim, agradeço a todos que de alguma forma contribuíram para a conclusão desta empreitada, em especial aos idealizadores do convênio FECOLINAS/UFAM.

6 RESUMO A Reserva Florestal Legal é um espaço localizado no interior de uma propriedade ou posse rural, excetuada as áreas de preservação permanente (APPs), necessária ao uso sustentável dos recursos naturais, à conservação e reabilitação dos processos ecológicos, à conservação da biodiversidade e ao abrigo e proteção de fauna e flora nativas, conforme exige o artigo 16 do Código Florestal. O objetivo deste trabalho centrou-se na análise da ocorrência de reserva florestal legal em imóvel rural localizado em área de transição Amazônia - cerrado. A área escolhida foi a do município de Colinas do Tocantins TO. O método escolhido para a realização da pesquisa foi o de estudo de caso. Inicialmente foi realizada uma abordagem conceitual da Reserva Florestal Legal, discorrendo sobre seus aspectos histórico-legislativos e suas peculiaridades. Em seguida foram identificadas as características físico-ambientais da região rural de Colinas do Tocantins TO, município localizado nas fraldas da Floresta Amazônica, cuja área territorial total alça a 844 km² e tem presente características dos Biomas Amazônico e Cerrado. Foram levantados dados sobre as propriedades rurais do município quanto à existência ou não da Reserva Florestal Legal e sua adequação ao ambiente natural da área de estudo, mediante consultas ao Departamento de Ordenamento Fundiário do INCRA Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária, Prefeitura Municipal de Colinas do Tocantins e Cartório de Registro de Imóveis. Foi ainda realizada uma pesquisa por amostragem, com a aplicação de um questionário contendo 31 questões, a doze proprietários rurais do município, sendo quatro pequenos proprietários, com áreas de até 50 ha, cinco médios proprietários, com áreas de até 999 ha e três grandes proprietários, com área acima de ha Os resultados obtidos com o estudo revelaram que existem 413 imóveis rurais no município de Colinas do Tocantins, sendo que a maioria deles, na ordem de 89,6%, não cumpre a legislação e mantém reserva legal florestal. Observou-se haver a predominância de imóveis de até 100 ha na área estudada, com 194 unidades, dos quais 4 contam com reserva legal averbada. Há maior incidência de averbações nos imóveis de 201 a 500 ha que perfazem 39,6% das 43 áreas com reserva legal averbada junto a sua matrícula imobiliária. O ano de 2000 registra o maior número de averbações (21), devido ao rigor das Medidas Provisórias que entraram em vigor nos anos anteriores. Por serem provisórias e não haver, ainda hoje, definição sobre a questão, houve progressiva diminuição de averbações, não tendo sido registrada nenhuma reserva legal do ano de 2007 até meados de 2008, data da coleta de dados para a pesquisa. O descompasso entre o respeito às normas que definem a reserva legal e a situação encontrada no municio de Colinas não se deve ao desconhecimento dos proprietários rurais, já que a totalidade dos entrevistados conhece ou já ouviu alguém falar sobre o que é a reserva legal e quais são as conseqüências para o seu descumprimento. Contatou-se também que restam pouco mais de 5,7 km² de florestas no município de Colinas e por não haver no seu âmbito nenhuma área publica destinada à manutenção dos ambientes naturais, a conservação/recomposição das áreas de reserva florestal legal e das APPs nos imóveis rurais é o único modo de manter parcelas conservadas/preservadas do ambiente natural, surgindo daí sua importância como mecanismo capaz de auxiliar na criação de um ambiente ecologicamente equilibrado. As recomendações propostas propiciam aos atores sociais a ampliação do debate em torno da reserva florestal legal, instituto do direito ambiental repudiado por uns, que o consideram um entrave ao desenvolvimento regional, e defendido por outros, que o tem como importante mecanismo de conservação do ambiente natural brasileiro. Palavras chaves: Legislação Ambiental, Reserva Florestal Legal, Cerrado, Amazônia, Gestão Florestal.

7 ABSTRACT The Legal Forest Reserve is an area located within a rural property or possession, except the areas of permanent preservation (APPs), required for the sustainable use of natural resources, conservation and rehabilitation of ecological processes, biodiversity conservation and under and protection of native flora and fauna, as required by Article 16 of the Forest Code. This work focused on analysis of the occurrence of legal forest reserves in rural properties located in an area of transition Amazon - Cerrado. The study area correspondes to the municipality of Colinas do Tocantins - TO. The method chosen to conduct the study was a case study. The introduction presents a conceptual approach of the Forest Reserve Legal, its historical origins, legislative aspects and their peculiarities. The physical and environmental characteristics of the rural area of Colinas do Tocantins - TO, municipality located in the boarder of the Amazon Forest, comprises a total area of 844 km² and has the characteristics of the Amazon and Cerrado biomes. Data were collected on the farms of the municipality as to the existence or not of Legal Forest Reserve and its suitability to the natural environment of the study area in consultation with the Department of Land Planning of INCRA - National Institute of Colonization and Agrarian Reform, City of Colinas do Tocantins and office of Registration of Real Estate. It also conducted a search at random, with the application of a questionnaire containing 31 questions to twelve landowners in the municipality, being four small owners, with areas of 50 ha, five medium owners, with areas of up to 999 ha and three large owners, with an area above 1,000 ha. The results of the study revealed that there are 413 rural properties in Colinas do Tocantins, where most of them in the order of 89.6%, does not comply with the law and maintain legal reserve forest. There was a predominance of properties sized up to 100 ha in the study area, with 194 units, four of which have endorsed legal reserve. There is greater incidence of registered reserves in properties of 201 to 500 ha, which make up to 39.6% of all 43 areas of legal reserve registered. The year 2000 correspondes to the highest number of registration (21), due to the severity of the measures that came into force in previous years, but because they are registered was not registered any legal reserve in the year 2007 until mid-2008, data collection for research. The mismatch between the compliance to the standards that define the legal reserve and the situation found in the municipality is not due to the ignorance of the landowners, since all the respondents know or have heard someone talk about what is the legal reserve and about the consequences for their noncompliance. A little over 5.7 square kilometers of forest remain in Colinas and since there is no public area left for the maintenance of natural environments, the conservation / restoration of the areas of legal forest reserve and the APPs within rural properties is the only way to keep portions of conserved / preserved natural areas, hencing the importance of private properties as a mechanism capable of assisting in creating an ecologically balanced environment. The recommendations proposed is to provide social actors to extend the debate around the forest reserve law, environmental policy instrument rejected by some, considered an obstacle to regional development, and defended by others, that is an important mechanism to maintain the Brazilian natural environment. Keywords: Environmental Law, Legal Forest Reserve, Cerrado, Amazon, Forest Management.

8 LISTAS DE FIGURAS Figura 1. Localização município de Colinas Do Tocantins Figura 2. Distribuição da população urbana e rural de Colinas no ano de Figura 3. Mapa de vegetação do Estado do Tocantins Figura 4. Ordenamento jurídico dos imóveis rurais de Colinas no ano de Figura 5. Evolução desmatamento em Colinas no período de 2000/ Figura 6. Evolução da averbação da reserva legal no período de 1991/ Figura 7. Averbação de reserva legal no município de Colinas Figura 8. Área ocupada por imóvel com reserva legal averbada no município de Colinas. 55 Figura 9. Qualidade do meio ambiente em Colinas segundo o proprietário rural Figura 10. Percepção ambiental do proprietário rural de Colinas quanto a mudanças no meio ambiente Figura 11. Percepção dos proprietários rurais em relação a quantidade de árvores em seus imóveis no ano de Figura 12. Presença de matas e cerrados virgens na aquisição do imóvel Figura 13. conhecimento dos entrevistados sobre o que é reserva legal Figura 14. Conhecimento dos entrevistados sobre a lei da reserva legal Figura 15. Reserva legal nas propriedades de Colinas no ano de Figura 16. Tamanho ideal de reserva legal segundo o proprietário rural de Colinas...63 Figura 17. Melhor maneira de implantar a reserva florestal legal... 64

9 LISTA DE TABELAS Tabela 1. Situação jurídica dos imóveis rurais de Colinas no ano de Tabela 2. Classificação dos imóveis rurais de Colinas no ano de Tabela 3. Área urbana e rural do município de Colinas no ano de Tabela 4. Desmatamento em Colinas no período de 2000/ Tabela 5. Ocorrência de averbação de reserva legal por categoria de imóvel em Colinas.. 56

10 LISTA DE ANEXOS Anexo 1. Imóvel rural com reserva legal averbada na matrícula imobiliária no município de Colinas do Tocantins até junho de Anexo 2. Medida Provisória 2166/67/ Anexo 3. Resolução CMN Nº. 3545/ Anexo 4. Portaria MMA Nº. 96/ Anexo 5. Portaria MMA Nº. 186/ Anexo 6. Lei Nº /01 (CCIR)...86 Anexo 7. Questionário aplicado aos proprietarios rurais de Colinas Anexo 8. Termo de consentimento livre e esclarecido... 94

11 SUMÁRIO 1. Introdução Objetivos Objetivo geral Objetivos específicos Revisão bibliográfica A Reserva florestal legal Aspectos histórico-legislativos da reserva florestal legal no Brasil A Reserva florestal legal na Medida Provisória 2166/ A reserva legal na pequena propriedade rural A Propriedade privada A Função social da propriedade privada A Reserva florestal no Brasil e as sanções para o seu descumprimento Materiais e métodos Localização da área de estudo O Território da área de estudo A População residente no município de Colinas do Tocantins Histórico da povoação da área de estudo O Clima O Solo A Vegetação Procedimentos metodológicos Resultados e discussões A propriedades rural no município de Colinas do Tocantins O desflorestamento no município de Colinas do Tocantins Análise da reserva florestal legal no municípo de Colinas do Tocantins... 51

12 5.4. Análise da reserva legal na propriedade rural do municipio de Colinas do Tocantins Considerações finais Recomendações Referências Anexos... 72

13 11 1 INTRODUÇÃO O acelerado processo de ocupação e a crescente pressão exercida pelo desenvolvimento econômico em áreas de Floresta Amazônica e remanescentes do Cerrado têm provocado sérios prejuízos ao ambiente natural brasileiro. A cada ano, perde-se percentual considerável de sua extensão, tornando urgente a necessidade de implementação de ações que visem a sua conservação, fator preponderante para a sadia qualidade de vida das presentes e futuras gerações e, conseqüentemente, da continuidade da epopéia humana no planeta Terra. No decorrer das ultimas décadas, foram implementadas várias ações governamentais de proteção ao ambiente natural e, em especial, ao bioma amazônico, cujas eficácias têm se mostrado ainda insuficientes. De um lado, dispõe-se de uma vasta legislação ambiental em vigor que, no entanto, não evolui na mesma velocidade que as transformações na sociedade e os avanços do conhecimento científico-político. De outro, constata-se a baixa observância a estas normas impostas, configurando o agravamento e a intensificação dos crimes ambientais, fatores que somados colocam florestas e toda biodiversidade nelas existente à mercê de uma vasta gama de ações depredatórias. Sensível à problemática alhures, o legislador nacional elaborou um importante mecanismo de proteção do ambiente natural: A reserva florestal legal. A reserva florestal legal pode ser definida como o instituto de direito ambiental que prevê a criação de espaço territorialmente protegido de qualquer tipo de degradação dentro da propriedade particular ou posse rural, só podendo ser explorado através de plano de manejo devidamente aprovado pelos órgãos ambientais (SIRVINSKAS, 2005, p. 216). Na sistemática legal hodierna, a reserva florestal legal ocupa posição de destaque, assegurando com seus mecanismos o uso sustentável dos recursos naturais e da conservação e

14 12 reabilitação dos processos ecológicos de toda a biodiversidade, funcionando como abrigo seguro para a fauna e flora nativas. A obrigatoriedade e o tamanho da reserva florestal legal estão previstas na legislação ordinária brasileira, mais precisamente pela Lei nº de 15 de setembro 1965, cujos artigos 16 e 44 foram modificados pela Medida Provisória nº /67, de 28 de agosto 2001, e são definidas de acordo com a localização da propriedade rural no País, variando de 20% a 80% da área total do imóvel. O maior lastro da reserva florestal legal está na Constituição da República Federativa do Brasil, mais precisamente no seu artigo 5º., incisos XXII e XXIII, que garante o direito à propriedade e a sua utilização em função da sociedade e, no artigo 225, asseguratório de um meio ambiente ecologicamente equilibrado como uso comum do povo e essencial a sadia qualidade de vida. Contudo, vários estudos revelam que a realidade agrária brasileira se encontra desassociada do teor do artigo 16 do Código Florestal e da MP 2166/67, pois a simples edição de normas jurídicas, mesmo que de natureza constitucional, não operacionalizam milagres, transformando a realidade fática de um determinado lugar. O descumprimento das leis ambientais e agrárias tem sido responsável pela gênese de boa parte das tensões em áreas de fronteira agrícola na Amazônia e pela polarização da sociedade brasileira frente ao dilema entre a preservação ambiental e o desenvolvimento regional. De um lado, formam-se grupos ruralistas, ligados aos pecuaristas, agricultores, madeireiros garimpeiros, que procuram avançar suas atividades floresta adentro, buscando o tão sonhado progresso, o qual na prática, muitas vezes, não passa apenas de um crescimento exponencial e efêmero, que deixa em seu rastro miséria e destruição ambiental. De lado diametralmente oposto, Ministério Público, governos, organizações internacionais e

15 13 ambientalistas, procuram defender o ambiente natural por meio de vários institutos, dentre os quais destacamos o da reserva florestal legal, numa busca constante pela preservação dos biomas brasileiros e de sua fantástica biodiversidade (MIRANDA, 2007, p. 7). Outra complicação reside no fato de que no Brasil não existem dados precisos do número de imóveis rurais, bem como da exata proporção dos que mantêm reserva florestal legal. Os únicos dados disponíveis são os do cadastro de imóveis rurais do INCRA, que são informações prestadas diretamente pelos proprietários rurais (BACHA, 2003, p. 180). O emaranhado legislativo e a ausência de efetivo controle sobre o numero de imóveis rurais existentes no Brasil, bem como de dados precisos sobre os mesmo, provoca um descumprimento generalizado da legislação ambiental, e em especial, da que se destina à reserva florestal legal. O trabalho realizado teve como objetivo central a análise da observância de reserva florestal legal em área de transição Amazônia/cerrado, nos moldes do artigo 16 do Código Florestal, como mecanismo de conservação do ambiente natural. Pela insuficiência de dados precisos sobre o número de imóveis rurais existentes no Brasil e a proporção dos que mantém reserva legal florestal, bem como pela impossibilidade técnica de proceder tal levantamento, haja vista ser um trabalho hercúleo e longevo, este estudo focou sua área de abrangência para a um município, como unidade políticoadministrativa, onde tais políticas públicas deveriam estar operando em sintonia, permitindo um maior aprofundamento e detalhamento que essa questão evoca. Para tanto, foi eleito um município do Estado do Tocantins, mais precisamente o de Colinas do Tocantins, cuja área total alça a 844 km². Inicialmente, apresentou-se uma abordagem conceitual da reserva florestal legal, discorrendo sobre seus aspectos histórico-legislativos e as peculiaridades do instituto em comento.

16 14 Em seguida, identificaram-se as características físico-ambientais da região rural do município de Colinas do Tocantins TO. Foram analisados os dados existentes sobre propriedades rurais do município de Colinas do Tocantins, bem como aqueles acerca da existência ou inexistência da reserva florestal legal e sua adequação ao ambiente natural do município de Colinas do Tocantins TO. Os dados coletados e analisados permitiram avaliar o grau de observância da manutenção obrigatória da Reserva Florestal Legal, assim como as diferenças entre propriedades de diferentes classes de tamanho e as percepções dos proprietários rurais quanto à exigência legal e as conseqüências para o seu descumprimento.

17 15 2 OBJETIVOS 2.1 OBJETIVO GERAL O objetivo geral do trabalho em tela foi a análise da ocorrência de reserva florestal legal em área de transição Amazônia/cerrado, nos moldes do artigo 16 do Código Florestal, como mecanismo de conservação do ambiente no município de Colinas do Tocantins TO. 2.2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS Os objetivos específicos do estudo foram: Identificar as características físico-ambientais da região rural do município de Colinas do Tocantins TO. Descrever a legislação e o histórico da reserva florestal legal em área de produção rural e sua adequação às características do ambiente no município de Colinas do Tocantins TO. Caracterizar as propriedades rurais do município de Colinas do Tocantins quanto à existência da reserva florestal legal. Descrever e analisar as percepções e dificuldades dos proprietários do município quanto à implantação e recomposição da reserva florestal legal.

18 16 3 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 3.1 A RESERVA FLORESTAL LEGAL A reserva legal é uma figura jurídica criada pelo Código Florestal. Trata-se de uma parcela da propriedade rural onde não é permitido o corte raso. Há um bom motivo para que ela exista: o de assegurar mostras significativas de ecossistemas, conservando a biodiversidade e servindo de abrigo e proteção à fauna e à flora (IRIGARAY, 2006, p. 159). Por conceito, a reserva florestal legal pode ser definida como o instituto de Direito Ambiental que prevê a criação de espaço territorialmente protegido de qualquer tipo de degradação dentro da propriedade particular ou posse rural, só podendo ser explorado através de plano de manejo devidamente aprovado pelos órgãos ambientais (SIRVINSKAS, 2005, p. 216). A área de reserva legal é a parcela da propriedade rural que deve ser conservada com vegetação natural, sendo nela permitida apenas a exploração racional, sem destruir o conjunto da vegetação (OLIVEIRA e BACHA, 2003, p. 178). A reserva florestal legal deve ser distinta das áreas de preservação permanentes APP, que são áreas protegidas, nos termos dos artigos 2º e 3º do Código Florestal, e situam-se ao longo dos rios ou de qualquer curso d'água desde o seu nível mais alto em faixa marginal, cuja extensão é definida de acordo com a sua largura, bem como todas as nascentes, os lagos, as lagoas, as encostas, os topos de morros etc., sendo cobertas ou não por vegetação nativa, possuindo a função de preservar os recursos hídricos, a paisagem, a estabilidade geológica, a biodiversidade, o fluxo gênico da fauna e da flora, bem como o de proteger o solo e assegurar o bem estar das populações humanas. Nas áreas de preservação permanente os recursos naturais não podem ser explorados.

19 17 Da mesma forma que as florestas e demais formas de preservação permanente, a reserva florestal legal decorre de normas legais que limitam o direito de propriedade. A diferença entre elas diz respeito ao que concerne a dominialidade (MACHADO, 2007, p. 719). A reserva florestal legal do art. 16 do Código Florestal incide somente sobre o domínio privado ao passo que as áreas de preservação permanente incidem sobre o domínio privado e público (Lei 4.771/65 e Lei 5.197/67). O conceito de reserva legal, hoje vigente no ordenamento jurídico brasileiro, é matéria disciplinada pelo Código Florestal Brasileiro Lei 4.771/65, com as modificações que lhe foram feitas, em um primeiro momento pela Medida Provisória , de 26 de maio de 2000 e, em seguida, mantido pela Medida Provisória O inciso III, do 2º da citada Medida Provisória, define reserva legal como a área localizada no interior de uma propriedade ou posse rural, excetuada a de preservação permanente, necessária ao uso sustentável dos recursos naturais, à conservação e reabilitação dos processos ecológicos, à conservação da biodiversidade e ao abrigo e proteção de fauna e flora nativas. 3.2 ASPECTOS HISTÓRICO-LEGISLATIVOS DA RESERVA FLORESTAL LEGAL NO BRASIL A legislação florestal brasileira em vigor divide a área total de uma propriedade rural em três parcelas: área de reserva legal, área de preservação permanente e área livre para exploração agropecuária (OLIVEIRA e BACHA, 2003, p. 182). No entanto, a preocupação em preservar parte da vegetação nativa nas propriedades rurais particulares não é nova no cenário legal pátrio, já que remonta a época do Brasil Colônia, período em que foram editadas várias Ordens Reais proibindo sesmarias em áreas onde abundavam as madeiras apropriadas para a construção naval (DEAN, 1996, pág. 151).

20 18 Tal fato decorreu da implementação da indústria de construção naval em Salvador, ocorrida entre o fim do século XVI e meados do século XVII, quando estaleiros reais e de iniciativa privada passaram a consumir grande quantidade de certos tipos de madeira, levando a Coroa Portuguesa a expedir, nos idos de 1795 a 1799, regulamentações, denominadas de Cartas Régias, que além de proibir sesmarias em áreas de reserva de madeira naval, passaram a considerar de uso exclusivo da Coroa toda a madeira naval, que passou a ser denominada de pau real ou madeira de lei (DEAN, 1996, p. 171), expressão que se popularizou na língua pátria e é hodiernamente usada para designar as madeiras nobres no País. Ao tutelar juridicamente estas florestas, a Coroa Portuguesa passou a limitar o direito de propriedade. Sua intenção era a de preservar árvores propícias para construção naval, protegendo-as da cobiça e da ambição dos habitantes, que a pretexto das suas lavouras, assolavam e destruíam preciosas matas,... a ferro e a fogo. MIRANDA (2007, p. 15), citando Paulo Ferreira de Souza, traz os seguintes fragmentos da Carta Régia de 11 de julho de 1799: Eu, a Rainha, faço saber aos que este Alvará virem, que tendo em consideração a necessidade que há de se formar um regimento, que não só regule a direção do serviço de córtes das madeiras de construcção já abertos nas Capitanias de Pernambuco e Bahia, ou que para o futuro se houverem de abrir, de tão grande importância aos interesses da minha Real Marinha e da mercantil; mas que também cohiba a indiscreta e desordenada ambição dos habitantes, que a pretexto das suas lavouras, tem assolado e destruído preciosas mattas a ferro e fogo, de tal sorte que, a não acudir Eu com as mais enérgicas providencias, ficarão, em poucos annos, reduzidas a inutilidade de poderem fornecer os páos de construcção, de que tanto abundaram e já hoje ficam em distâncias consideráveis dos portos de embarque... TÍTULO I DO JUIZ CONSERVADOR Art. 1 Declarando ser de propriedade da minha Real Coroa, todas as mattas e alvoredos á borda da costa ou rio, que desembarque immediatamente no mar... Art. 3 E querendo para o futuro acautelar os prejuízos que a indiscreta ambição dos habitantes continuam a causar nas mattas, reduzindo-as á cinzas pelo ferro e fogo,

21 19 mando que sejam vedadas ao uso comum com os seus fundos todas as que houverem madeiras de construcção... Art. 7 Attendendo porém a que nos fundos das referidas mattas das Alagoas, se acham alguns ramos de Pau Brasil ainda que pela má administração do seu corte destruídas, que poderão com tudo pelo tempo adiante restabelcerem-se, ordeno que fiquem as sobreditas inteiramente vedadas e fechadas a todo e qualquer uso dos particulares... Art. 11 Considerando por outra parte a necessidade, que os povos têm de madeiras para edificarem casas, e engenhos e quaisquer outras obras, permitto que nas mattas excluídas aos particulares possam desfructar os que nellas habitarem aquellas madeiras que forem necessárias para o seu uso tão somente, não sendo das de construcção... A voraz sanha depredatória dos primeiros colonizadores, bem caracterizada na Carta Régia, dizimou o pau-brasil e mais tarde reduziu a Mata Atlântica a menos de 15% da que existia em Infelizmente, sinais da mesma catástrofe se repetem na Amazônia nos dias de hoje. Desde o ano de 2001 desmata-se mais de 2 milhões de hectares por ano da maior floresta tropical do planeta Terra (INPE, 2005). Passados mais de dois séculos, a Carta Régia de 1799 é incrivelmente atual. Parece estar se referindo às atuais fronteiras agrícolas da Amazônia, semelhante ao que, atualmente, é denominado de arco do desmatamento. A única mudança perceptível se dá em relação ao palco da ação. Outrora, no Brasil Colonial, a Rainha falava da mata atlântica no litoral e zona da mata nordestina; atualmente fala-se da floresta amazônica nos nove Estados que compõem a Amazônia brasileira, estendendo-se do centro-oeste ao norte do País. É a interiorização lenta e paulatina da destruição (MIRANDA, 2007, p. 15). Embora a motivação do legislador fosse outra, tais regulamentações são antecedentes históricos legislativos das atuais leis que instituem reservas da biodiversidade no Brasil. A reserva legal somente foi formalmente instituída no Brasil no ano de 1934, quando se estabeleceram limites ao uso da terra dentro da propriedade rural. O imóvel deveria ser

22 20 dividido em duas áreas; a área livre para exploração e as áreas a serem mantidas com florestas. Estas últimas seriam de no mínimo 25% da propriedade rural (OLIVEIRA e BACHA, 2003, p. 181). Tal evento adveio de iniciativa de Epitácio Pessoa, Presidente da República na década de 20 do século passado, quando veio a lume a necessidade de proteger determinada área das propriedades rurais particulares. Tal ideal materializou-se 14 anos depois através do Decreto Federal nº , que passou a ser designado de Código Florestal de 34, sendo que dentre as inúmeras inovações que trouxe, a mais ousada se encontrava inserida no artigo 23, que criava o limite do direito de uso da propriedade, a chamada quarta parte (DEAN, p. 71), ou seja, a redação do citado artigo de Lei determinava que nenhum proprietário de terras cobertas de matas podia abater mais de três partes da vegetação existente. Esta primeira reserva legal, por assim dizer, pois no inicio não tinha essa denominação, era na verdade uma reserva extrativista. A intenção do legislador era de manter uma reserva de madeira para uso futuro do proprietário. Tanto que aquele Código não previa qualquer sanção para o corte da reserva. O primeiro Código Florestal estabeleceu um limite único para as reservas legais em todo o Brasil (mínimo de 25% da área da propriedade rural) e não definiu regras sobre o uso das reservas legais. Esse mencionado ato jurídico apenas estabeleceu a necessidade de autorização, por parte da autoridade florestal, para exploração de florestas situadas próximas de rios e estradas de ferro (OLIVEIRA e BACHA, 2003, p. 181). O Código Florestal de 1934 permaneceu em vigor até o ano de 1965, quando foi substituído pelo Novo Código Florestal, editado pela Lei nº de 15 de setembro. Neste novo Código Florestal ainda não aparecia o termo reserva legal. O legislador colocou restrições a exploração das florestas em termos de percentuais que variavam conforme a região do País.

LEI Nº 4.771, DE 15 DE SETEMBRO DE 1965

LEI Nº 4.771, DE 15 DE SETEMBRO DE 1965 LEI Nº 4.771, DE 15 DE SETEMBRO DE 1965 Institui o Novo Código Florestal.... Art. 3º Consideram-se, ainda, de preservação permanentes, quando assim declaradas por ato do Poder Público, as florestas e demais

Leia mais

Planejando o Uso da Propriedade Rural I a reserva legal e as áreas de preservação permanente

Planejando o Uso da Propriedade Rural I a reserva legal e as áreas de preservação permanente Planejando o Uso da Propriedade Rural I a reserva legal e as áreas de preservação permanente Ricardo D. Gomes da Costa 1 Marcelo Araujo 2 A rápida destruição de ambientes naturais, juntamente com a redução

Leia mais

b) cinqüenta hectares, se localizada no polígono das secas ou a leste do Meridiano de 44º W, do Estado do Maranhão; e

b) cinqüenta hectares, se localizada no polígono das secas ou a leste do Meridiano de 44º W, do Estado do Maranhão; e MEDIDA PROVISÓRIA N o 2.166-67, DE 24 DE AGOSTO DE 2001. Altera os arts. 1 o, 4 o, 14, 16 e 44, e acresce dispositivos à Lei n o 4.771, de 15 de setembro de 1965, que institui o Código Florestal, bem como

Leia mais

Código Florestal Brasileiro Lei Federal 12.651/12. 4º Ecologia 28/09/2015

Código Florestal Brasileiro Lei Federal 12.651/12. 4º Ecologia 28/09/2015 1 Código Florestal Brasileiro Lei Federal 12.651/12 4º Ecologia 28/09/2015 Motivação para criação 2 Conservação de ecossistemas naturais é interessante! Única lei nacional que veta a ocupação urbana ou

Leia mais

Legislação Anterior Novo Código Florestal Avanços

Legislação Anterior Novo Código Florestal Avanços A APP era computada a partir das margens de rio ou cursos d água, pelo nível mais alto do período de cheia. Várzeas eram consideradas parte dos rios ou cursos d água, porque são inundadas durante o período

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Decreto nº 53.939, de 6 de janeiro de 2009 Dispõe sobre a manutenção, recomposição, condução da regeneração natural, compensação e composição da área de Reserva Legal de

Leia mais

http://www4.planalto.gov.br/legislacao/resenha-diaria/2012/maio-resenhadiaria#content

http://www4.planalto.gov.br/legislacao/resenha-diaria/2012/maio-resenhadiaria#content http://www4.planalto.gov.br/legislacao/resenha-diaria/2012/maio-resenhadiaria#content Lei nº 12.651, de 25.5.2012 - Dispõe sobre a proteção da vegetação nativa; altera as Leis n os 6.938, de 31 de agosto

Leia mais

Cadastro Ambiental Rural: CAR E OS IMÓVEIS ABAIXO DE 4 MÓDULOS FISCAIS

Cadastro Ambiental Rural: CAR E OS IMÓVEIS ABAIXO DE 4 MÓDULOS FISCAIS Cadastro Ambiental Rural: CAR E OS IMÓVEIS ABAIXO DE 4 MÓDULOS FISCAIS O que é Módulo Fiscal / agricultura familiar Classificação dos imóveis até 4 módulos fiscais Como e onde consultar os módulos fiscais

Leia mais

Entendendo o Código Florestal. II Congresso Brasileiro de Reflorestamento Ambiental Novembro 23 de Outubro de 2012

Entendendo o Código Florestal. II Congresso Brasileiro de Reflorestamento Ambiental Novembro 23 de Outubro de 2012 Entendendo o Código Florestal II Congresso Brasileiro de Reflorestamento Ambiental Novembro 23 de Outubro de 2012 Tópicos abordados hoje: * Florestas no Planejamento Federal; * Lei 12.651/12 Estrutura

Leia mais

QUESTÕES-CHAVE DO NOVO CÓDIGO FLORESTAL

QUESTÕES-CHAVE DO NOVO CÓDIGO FLORESTAL RESUMO PARA POLÍTICA PÚBLICA NOVO CÓDIGO FLORESTAL PARTE I: DECIFRANDO O NOVO CÓDIGO FLORESTAL QUESTÕES-CHAVE DO NOVO CÓDIGO FLORESTAL O novo Código Florestal dispõe sobre o uso e a proteção da vegetação

Leia mais

POLÍTICA FLORESTAL E O NOVO CÓDIGO

POLÍTICA FLORESTAL E O NOVO CÓDIGO POLÍTICA FLORESTAL E O NOVO CÓDIGO (Lei Federal n. 12.651/12) PROF. DR. RAFAEL COSTA FREIRIA E-MAIL: RAFAELFREIRIA@COM4.COM.BR DISCIPLINA: DIREITO AMBIENTAL Fundamentos e Temas de Trabalho na Questão Florestal

Leia mais

Lei 12.651/2012. Prof. Dr. Rafaelo Balbinot Departamento. de Eng. Florestal UFSM Frederico Westphalen

Lei 12.651/2012. Prof. Dr. Rafaelo Balbinot Departamento. de Eng. Florestal UFSM Frederico Westphalen Lei 12.651/2012 Prof. Dr. Rafaelo Balbinot Departamento. de Eng. Florestal UFSM Frederico Westphalen Considerações Padrão Legal X Padrão de Qualidade Capacitação para aplicação da lei Análise individual

Leia mais

Recuperação e Recomposição de Mata Ciliar e Reserva Legal

Recuperação e Recomposição de Mata Ciliar e Reserva Legal Recuperação e Recomposição de Mata Ciliar e Reserva Legal Novo Código Florestal (Lei 12651) Eng Agrônomo Ricardo Moraes Witzel, Msc Concepção de Propriedade Sustentável A discussão do novo código florestal

Leia mais

A N E X O LEGISLAÇÃO AMBIENTAL

A N E X O LEGISLAÇÃO AMBIENTAL A N E X O V LEGISLAÇÃO AMBIENTAL ASPECTOS DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL REFERENTE AO MANEJO FLORESTAL 1. DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL BRASILEIRA A legislação ambiental traduz um sistema de princípios e normas jurídicas

Leia mais

Ferramentas de sensoriamento remoto e SIG aplicadas ao novo Código Florestal

Ferramentas de sensoriamento remoto e SIG aplicadas ao novo Código Florestal 1/33 Ferramentas de sensoriamento remoto e SIG aplicadas ao novo Código Florestal Introdução Eng. Allan Saddi Arnesen Eng. Frederico Genofre Eng. Matheus Ferreira Eng. Marcelo Pedroso Curtarelli 2/33 Conteúdo

Leia mais

LEI Nº 4.771, DE 15 de setembro de 1965, com as alterações posteriores (arts. 2 o. e 3 o.)

LEI Nº 4.771, DE 15 de setembro de 1965, com as alterações posteriores (arts. 2 o. e 3 o.) LEI Nº 4.771, DE 15 de setembro de 1965, com as alterações posteriores (arts. 2 o. e 3 o.) Art. 2 Consideram-se de preservação permanente, pelo só efeito desta Lei, as florestas e demais formas de vegetação

Leia mais

TEXTO EM VIGOR EM VERDE

TEXTO EM VIGOR EM VERDE BUREAUX JURÍDICOS ASSOCIADOS Porto Alegre-RS Brasília-DF São Paulo-SP Belo Horizonte-MG Ricardo Alfonsin Advogados Ricardo Barbosa Alfonsin OAB/RS 9.275 Breno Moreira Mussi OAB/RS 5.791 Arilei Ribeiro

Leia mais

Uso econômico da Reserva Legal

Uso econômico da Reserva Legal Uso econômico da Reserva Legal Regulamentação Garantindo a propriedade Usos econômicos possíveis O uso econômico da Reserva Legal é viável? Reserva Legal - Definição Área particular protegida localizada

Leia mais

Áreas de Preservação Permanente e Reserva Legal Isenção com relação ao Imposto Territorial Rural (ITR)

Áreas de Preservação Permanente e Reserva Legal Isenção com relação ao Imposto Territorial Rural (ITR) Áreas de Preservação Permanente e Reserva Legal Isenção com relação ao Imposto Territorial Rural (ITR) Ab initio deve-se salientar quais áreas estão abrangidas pelo conceito de Áreas de Conservação e/ou

Leia mais

ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE CONSOLIDADAS:

ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE CONSOLIDADAS: O mais importante Do novo Código Florestal Engª Agrônoma Carla Beck- FAEP/DTE As propriedades rurais ocupadas até 22 de julho de 2008, terão que cumprir as seguintes regras estabelecidas pelo novo Código

Leia mais

DO CRITÉRIO DA AUTORIDADE COMPETENTE NA AVERBAÇÃO DA RESERVA LEGAL

DO CRITÉRIO DA AUTORIDADE COMPETENTE NA AVERBAÇÃO DA RESERVA LEGAL DO CRITÉRIO DA AUTORIDADE COMPETENTE NA AVERBAÇÃO DA RESERVA LEGAL RODRIGO ANDREOTTI MUSETTI I-) INTRODUÇAO. A exploração de florestas de domínio privado (não sujeitas ao regime de utilização limitada

Leia mais

Breve Histórico das Leis Ambientais Aplicadas à Propriedade Rural

Breve Histórico das Leis Ambientais Aplicadas à Propriedade Rural Breve Histórico das Leis Ambientais Aplicadas à Propriedade Rural Código florestal 1934 Código das águas Novo Código florestal 1965 Política Nacional de Meio Ambiente 1981 Mudança na mata ciliar 1986/9

Leia mais

Comparação entre lei 4771 e PL relatado pelo Dep.Aldo Rebelo preparado por Zeze Zakia Versão preliminar ( APP)

Comparação entre lei 4771 e PL relatado pelo Dep.Aldo Rebelo preparado por Zeze Zakia Versão preliminar ( APP) Lei 4771 versão em vigor II área de preservação permanente: área protegida nos termos dos arts. 2 o e 3 o desta Lei, coberta ou não por vegetação nativa, com a função ambiental de preservar os recursos

Leia mais

REFLEXOS NO REGISTRO DE IMÓVEIS DO NOVO CÓDIGO FLORESTAL

REFLEXOS NO REGISTRO DE IMÓVEIS DO NOVO CÓDIGO FLORESTAL REFLEXOS NO REGISTRO DE IMÓVEIS DO NOVO CÓDIGO FLORESTAL Maria Aparecida Bianchin Pacheco Registradora de Imóveis de Poxoréu-MT Recentemente a Câmara Federal disponibilizou o texto contendo a redação final

Leia mais

Histórico. Decreto 7.029/2009 (Decreto Mais Ambiente) Lei Federal 12.651/2012 Decreto 7.830/2012

Histórico. Decreto 7.029/2009 (Decreto Mais Ambiente) Lei Federal 12.651/2012 Decreto 7.830/2012 Histórico Decreto 7.029/2009 (Decreto Mais Ambiente) Lei Federal 12.651/2012 Decreto 7.830/2012 É criado o Cadastro Ambiental Rural - CAR, no âmbito do Sistema Nacional de Informação sobre Meio Ambiente

Leia mais

DECRETO FEDERAL N 1.282, DE 19 DE OUTUBRO DE 1994 Regulamenta os arts. 15, 19, 20 e 21 da Lei n 4.771, de 15 de setembro de 1965, e dá outras

DECRETO FEDERAL N 1.282, DE 19 DE OUTUBRO DE 1994 Regulamenta os arts. 15, 19, 20 e 21 da Lei n 4.771, de 15 de setembro de 1965, e dá outras DECRETO FEDERAL N 1.282, DE 19 DE OUTUBRO DE 1994 Regulamenta os arts. 15, 19, 20 e 21 da Lei n 4.771, de 15 de setembro de 1965, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições

Leia mais

O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA. Restrições x Oportunidades

O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA. Restrições x Oportunidades O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA Restrições x Oportunidades Secretaria de Políticas para o Desenvolvimento Sustentável SDS Dr. Gilney Amorim Viana ASPECTOS REGULATÓRIOS RELEVANTES Código Florestal:

Leia mais

Saiba mais sobre o Novo Código Florestal Brasileiro e o CAR COLADO NA CAPA

Saiba mais sobre o Novo Código Florestal Brasileiro e o CAR COLADO NA CAPA Saiba mais sobre o Novo Código Florestal Brasileiro e o CAR COLADO NA CAPA Índice O que o agricultor brasileiro deve saber sobre o Novo Código Florestal?...1 Começando a regularizar o imóvel rural...2

Leia mais

IMPACTOS DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL EM PEQUENAS PROPRIEDADES RURAIS NO MUNICÍPIO DE ITAPIRANGA

IMPACTOS DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL EM PEQUENAS PROPRIEDADES RURAIS NO MUNICÍPIO DE ITAPIRANGA IMPACTOS DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL EM PEQUENAS PROPRIEDADES RURAIS NO MUNICÍPIO DE ITAPIRANGA Daniel Schull Brandão 1 ; Fabiana Raquel Muhl 2, Anderson Rhoden 3, Neuri Antonio Feldmann 4 Palavras-Chave:

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC - SNUC PREVISÃO LEGAL Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e àcoletividade

Leia mais

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Código florestal

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Código florestal Código florestal Art. 1º - As florestas existentes no território nacional e as demais formas de vegetação, reconhecidas de utilidade às s terras que revestem, são bens de interesse comum a todos os habitantes

Leia mais

Prazos estabelecidos pelo Novo Código Florestal. Prazos para o Poder Público

Prazos estabelecidos pelo Novo Código Florestal. Prazos para o Poder Público Prazos estabelecidos pelo Novo Código Florestal Prazos para o Poder Público Artigo Obrigação Prazo 11, 5º 13, 2º 29 47 59 59, 1º 78-A 82 Conclusão do Zoneamento Ecológico- Econômico da Zona Costeira ZEEZOC

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARANÁ PODER EXECUTIVO DECRETO Nº 3.320, DE 12 DE JULHO DE 2004 (D.O.E.PR. Nº 6769 DE 12/07/2004)

GOVERNO DO ESTADO DO PARANÁ PODER EXECUTIVO DECRETO Nº 3.320, DE 12 DE JULHO DE 2004 (D.O.E.PR. Nº 6769 DE 12/07/2004) GOVERNO DO ESTADO DO PARANÁ PODER EXECUTIVO DECRETO Nº 3.320, DE 12 DE JULHO DE 2004 (D.O.E.PR. Nº 6769 DE 12/07/2004) Aprova os critérios, normas, procedimentos e conceitos aplicáveis ao SISLEG Sistema

Leia mais

AMAZÔNIA: NOVOS MECANISMOS LEGAIS PARA REDUÇÃO DO DESMATAMENTO 1

AMAZÔNIA: NOVOS MECANISMOS LEGAIS PARA REDUÇÃO DO DESMATAMENTO 1 AMAZÔNIA: NOVOS MECANISMOS LEGAIS PARA REDUÇÃO DO DESMATAMENTO 1 Carlos Felipe de Andrade Abirached², Lívia Marques Borges³ ² Advogado, especialista em Direito Ambiental. Mestrando em Política e Gestão

Leia mais

Novo Código Florestal Orientações Gerais ao Produtor Rural

Novo Código Florestal Orientações Gerais ao Produtor Rural Outubro 2012 Novo Código Florestal Orientações Gerais ao Produtor Rural Mediante a publicação da lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012; da lei nº 12.727, de 17 de outubro de 2012; e do Decreto nº 7.830,

Leia mais

Entendendo o Novo Código Florestal II CBRA 2012. Eduardo Chagas Engº Agrônomo, M.Sc Chefe DRNRE / IDAF

Entendendo o Novo Código Florestal II CBRA 2012. Eduardo Chagas Engº Agrônomo, M.Sc Chefe DRNRE / IDAF Entendendo o Novo Código Florestal II CBRA 2012 Eduardo Chagas Engº Agrônomo, M.Sc Chefe DRNRE / IDAF O Idaf por definição O IDAF, é a entidade responsável pela execução da política, florestal, bem como

Leia mais

Novo Código Florestal Lei 12.651/12. Rodrigo Justus de Brito Advogado e Engº Agroº Especialista em Legislação Ambiental

Novo Código Florestal Lei 12.651/12. Rodrigo Justus de Brito Advogado e Engº Agroº Especialista em Legislação Ambiental Novo Código Florestal Lei 12.651/12 Rodrigo Justus de Brito Advogado e Engº Agroº Especialista em Legislação Ambiental Fevereiro - 2013 ROTEIRO 1. HISTORICO DO CODIGO FLORESTAL a. EVOLUCAO DOS CONCEITOS

Leia mais

Mais informações e a lista completa de signatários estão disponíveis no site da iniciativa, em www.dialogoflorestal.org.br.

Mais informações e a lista completa de signatários estão disponíveis no site da iniciativa, em www.dialogoflorestal.org.br. APRESENTAÇÃO Este documento apresenta em detalhes as propostas consolidadas pelo Diálogo Florestal como contribuição ao debate sobre a revisão do Código Florestal Brasileiro, em curso no Congresso Nacional.

Leia mais

Boletim CSMG. CSMG Advogados Associados 28/05/2012 Codigo Florestal

Boletim CSMG. CSMG Advogados Associados 28/05/2012 Codigo Florestal Boletim CSMG CSMG Advogados Associados 28/05/2012 Codigo Florestal Após anos de debate, indas e vindas e muita discussão política, foi publicada no Diário Oficial da União de 25 de Maio de 2012 a Lei nº

Leia mais

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são:

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são: Pedro da Cunha Barbosa. Especialização em Direito Ambiental. Área do conhecimento jurídico que estuda as relações entre o homem e a natureza, é um ramo do direito diferenciado em suas especificidades e,

Leia mais

RESUMO ESPANDIDO. O Novo Código Florestal: aspectos legais e evolução.

RESUMO ESPANDIDO. O Novo Código Florestal: aspectos legais e evolução. RESUMO ESPANDIDO O Novo Código Florestal: aspectos legais e evolução. Alcione Adame 1 INTRODUÇÃO Ao contrário do que a mídia a muita gente pensa a lei 12.651/12, conhecida como Novo Código Florestal, não

Leia mais

LEGISLAÇÃO FLORESTAL APLICADA. Docentes Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Eng. Agr. Renata Inês Ramos

LEGISLAÇÃO FLORESTAL APLICADA. Docentes Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Eng. Agr. Renata Inês Ramos LEGISLAÇÃO FLORESTAL APLICADA Docentes Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Eng. Agr. Renata Inês Ramos Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado de São Paulo Artigo 1º

Leia mais

Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas

Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas LEI Nº 13.550, DE 02 DE JUNHO DE 2009 Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas O GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que

Leia mais

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL DE INTERFACE COM AS FLORESTAS PLANTADAS EM MS. Política Ambiental para o Setor Florestal

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL DE INTERFACE COM AS FLORESTAS PLANTADAS EM MS. Política Ambiental para o Setor Florestal LEGISLAÇÃO AMBIENTAL DE INTERFACE COM AS FLORESTAS PLANTADAS EM MS Principais Objetivos da Política Ambiental de MS para o Setor Florestal Reduzir a pressão sobre a vegetação nativa, especialmente aquela

Leia mais

O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado

O MATOPIBA e o desenvolvimento destrutivista do Cerrado O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado Paulo Rogerio Gonçalves* No dia seis de maio de 2015 o decreto n. 8447 cria o Plano de Desenvolvimento Agropecuário do Matopiba e seu comitê gestor.

Leia mais

CONQUISTAS AOS AGRICULTORES NO CÓDIGO FLORESTAL

CONQUISTAS AOS AGRICULTORES NO CÓDIGO FLORESTAL CONQUISTAS AOS AGRICULTORES NO CÓDIGO FLORESTAL 1. DISPENSA AOS PROPRIETÁRIOS DE ÁREAS CONSOLIDADAS DE RECOMPOSIÇÃO DA RESERVA LEGAL Art. 61 a. Área rural consolidada: é a área de imóvel rural com ocupação

Leia mais

Marcio S. Suganuma Escola de Engenharia de São Carlos EESC/ USP. marciosuganuma@gmail.com

Marcio S. Suganuma Escola de Engenharia de São Carlos EESC/ USP. marciosuganuma@gmail.com Marcio S. Suganuma Escola de Engenharia de São Carlos EESC/ USP marciosuganuma@gmail.com Área de preservação permanente (artigos 2 o e 3 o ) Reserva Legal (artigos 16 e 44) Área de preservação permanente

Leia mais

A AGRICULTURA EM MACHADINHO D OESTE & O CÓDIGO FLORESTAL EVARISTO DE MIRANDA

A AGRICULTURA EM MACHADINHO D OESTE & O CÓDIGO FLORESTAL EVARISTO DE MIRANDA A AGRICULTURA EM MACHADINHO D OESTE & O CÓDIGO FLORESTAL EVARISTO DE MIRANDA Coordenador do Grupo de Inteligência Territorial Estratégica GITE da Embrapa TULIO BARBOSA Mineiro de Guidoval TULIO BARBOSA

Leia mais

03 de Dezembro de 2015

03 de Dezembro de 2015 Página 1 de 9 Marco Legal pertinente à área florestal no Brasil (1965 ao presente) Data de publicação Ato ou Lei Função 1 1965 Código Florestal Brasileiro Define diretrizes gerais para o uso e conservação

Leia mais

ecoturismo ou turismo. As faixas de APP que o proprietário será obrigado a recompor serão definidas de acordo com o tamanho da propriedade.

ecoturismo ou turismo. As faixas de APP que o proprietário será obrigado a recompor serão definidas de acordo com o tamanho da propriedade. São as áreas protegidas da propriedade. Elas não podem ser desmatadas e por isso são consideradas Áreas de Preservação Permanente (APPs). São as faixas nas margens de rios, lagoas, nascentes, encostas

Leia mais

BR 116/RS Gestão Ambiental. Oficina para Capacitação em Gestão Ambiental

BR 116/RS Gestão Ambiental. Oficina para Capacitação em Gestão Ambiental BR 116/RS Gestão Ambiental Programa de Apoio às Prefeituras Municipais Oficina para Capacitação em Gestão Ambiental Novo Código Florestal Inovações e aspectos práticos STE Serviços Técnicos de Engenharia

Leia mais

8º. Curso de Atualização em Eucaliptocultura. Adequação Legal da Propriedade Rural

8º. Curso de Atualização em Eucaliptocultura. Adequação Legal da Propriedade Rural 8º. Curso de Atualização em Eucaliptocultura Adequação Legal da Propriedade Rural Eng o. F tal. Msc. João Carlos Teixeira Mendes jctmende@esalq.usp.br Departamento de Ciências Florestais Estação Experimental

Leia mais

Novo Código Florestal Cadastro Ambiental Rural -CAR

Novo Código Florestal Cadastro Ambiental Rural -CAR Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Novo Código Florestal Cadastro Ambiental Rural -CAR João Carlos Dé Carli Assessor Técnico da Comissão Nacional do Meio Ambiente Confederação da Agricultura

Leia mais

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 368, DE 2012

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 368, DE 2012 SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 368, DE 2012 Altera a Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012, para dispor sobre as Áreas de Preservação Permanentes em áreas urbanas. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

Leia mais

Código Florestal: APP e RL

Código Florestal: APP e RL Código Florestal: APP e RL Decreto Federal 23793/34: Institui o Código Florestal Brasileiro (Getúlio Vargas) Art. 1º As florestas existentes no territorio nacional, consideradas em conjuncto, constituem

Leia mais

A RESERVA LEGAL E A AGRICULTURA FAMILIAR

A RESERVA LEGAL E A AGRICULTURA FAMILIAR A RESERVA LEGAL E A AGRICULTURA FAMILIAR Vilmar Pina Dias Júnior 1 INTRODUÇÃO A preservação ambiental do planeta deixou de ser apenas uma previsão tornando-se uma necessidade em face da poluição e degradação

Leia mais

COTAS DE RESERVA AMBIENTAL. O que são e como criá-las

COTAS DE RESERVA AMBIENTAL. O que são e como criá-las COTAS DE RESERVA AMBIENTAL O que são e como criá-las COTAS DE RESERVA AMBIENTAL O que são e como criá-las! Olá! Você já ouviu falar das Cotas de Reserva Ambiental (CRAs)? O que são Cotas de Reserva Ambiental?

Leia mais

Impacto das Alterações do Código Florestal: Quais Políticas de Conservação no Pós Código?

Impacto das Alterações do Código Florestal: Quais Políticas de Conservação no Pós Código? Impacto das Alterações do Código Florestal: Quais Políticas de Conservação no Pós Código? Dr. Sergius Gandolfi IV Simpósio sobre RAD - Ibt 16/11/2011-14h- Capital (SP) Biólogo, Laboratório de Ecologia

Leia mais

O PL DO NOVO CÓDIGO FLORESTAL FEDERAL: Gustavo Trindade Brasília, 15 de agosto de 2011

O PL DO NOVO CÓDIGO FLORESTAL FEDERAL: Gustavo Trindade Brasília, 15 de agosto de 2011 O PL DO NOVO CÓDIGO FLORESTAL FEDERAL: Gustavo Trindade Brasília, 15 de agosto de 2011 BREVE HISTÓRICO DA LEGISLAÇÃO FLORESTAL 1934 CÓDIGO FLORESTAL - DECRETO Nº 23.793, DE 23 DE JANEIRO DE 1934 Classificou

Leia mais

A OBRIGAÇÃO DE SE MANTER A RESERVA FLORESTAL LEGAL EM IMÓVEL URBANO

A OBRIGAÇÃO DE SE MANTER A RESERVA FLORESTAL LEGAL EM IMÓVEL URBANO A OBRIGAÇÃO DE SE MANTER A RESERVA FLORESTAL LEGAL EM IMÓVEL URBANO (*) Gabriel Montilha Nos processos de licenciamento ambiental para a implantação de loteamentos, submetidos à aprovação dos órgãos ambientais,

Leia mais

Novo Código Florestal: as Falhas do Cadastro Ambiental Rural e os Possíveis Meios de Burla

Novo Código Florestal: as Falhas do Cadastro Ambiental Rural e os Possíveis Meios de Burla Novo Código Florestal: as Falhas do Cadastro Ambiental Rural e os Possíveis Meios de Burla Joelson de Souza Passos Estudante de Graduação Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) Brasil Resumo O código

Leia mais

ESTADO DO ACRE. Estado do Acre estabelece processos de inclusão social e econômica visando ao uso sustentável dos recursos naturais

ESTADO DO ACRE. Estado do Acre estabelece processos de inclusão social e econômica visando ao uso sustentável dos recursos naturais Estado do Acre estabelece processos de inclusão social e econômica visando ao uso sustentável dos recursos naturais Através da Política de Valorização do Ativo Ambiental Florestal e do Zoneamento Ecológico

Leia mais

Cadastro Ambiental Rural e Programa de Regularização Ambiental

Cadastro Ambiental Rural e Programa de Regularização Ambiental Cadastro Ambiental Rural e Programa de Regularização Ambiental Segundo a Lei Federal 12.651/2012 e Decreto Federal 7.830/2012 ESALQ Março/Abril de 2014 Caroline Vigo Cogueto Centro de Monitoramento e Avaliação

Leia mais

Dispositivos da Lei. Destaques. Áreas de Preservação Permanente (APPs)

Dispositivos da Lei. Destaques. Áreas de Preservação Permanente (APPs) Cursos d água naturais perenes e intermitentes excluídos os efêmeros: art. 4º, inciso I. A proteção vale para os cursos d água naturais. Variados cursos d água, como resultantes de retificações, canalizações

Leia mais

Importância da Reserva Legal - Visão da SBS -

Importância da Reserva Legal - Visão da SBS - Importância da Reserva Legal - Visão da SBS - Workshop Reserva Legal: Legislação, Uso Econômico e Importância Social IPEF / DCF / DEAS / ESALQ-USP Amantino Ramos de Freitas Rubens C. Garlipp Presidente

Leia mais

LICENCIAMENTO AMBIENTAL. Autorização para supressão de vegetação nativa e intervenções em Áreas de Preservação Permanente - APP

LICENCIAMENTO AMBIENTAL. Autorização para supressão de vegetação nativa e intervenções em Áreas de Preservação Permanente - APP LICENCIAMENTO AMBIENTAL Autorização para supressão de vegetação nativa e intervenções em Áreas de Preservação Permanente - APP Engª Adriana Maira Rocha Goulart Gerente Divisão de Apoio e Gestão dos Recursos

Leia mais

LEI Nº 14.675/2009 CÓDIGO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE

LEI Nº 14.675/2009 CÓDIGO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE LEI Nº 14.675/2009 CÓDIGO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE ELABORAÇÃO DO CÓDIGO ESTADUAL 2007: Determinação do Sr. Governador do Estado à FATMA Fundação do Meio Ambiente de Santa Catarina para a elaboração de

Leia mais

Na definição de área de preservação permanente, na mesma lei, colhemos:

Na definição de área de preservação permanente, na mesma lei, colhemos: Restauração ambiental e o sistema jurídico brasileiro Julis Orácio Felipe Advogado em Santa Catarina Segundo Deisy Trés e Ademir Reis, no livro Perspectivas sistêmicas para a conservação e restauração

Leia mais

Tortuga Câmaras de Ar

Tortuga Câmaras de Ar A Tortuga Câmaras de Ar entende que desenvolvimento só é válido se for socialmente justo e ecologicamente correto. Acredita que a consciência do indivíduo e das empresas em preservar o meio ambiente e

Leia mais

Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo

Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo Aspectos relacionados com a Legislação Florestal / Mineração LEI FEDERAL 12651/12 Engª Amb. Adriana Maira Rocha Goulart Divisão de Apoio e Gestão dos Recursos

Leia mais

www.desmatamentozero.org.br Greenpeace/Daniel Beltra

www.desmatamentozero.org.br Greenpeace/Daniel Beltra Greenpeace/Daniel Beltra www.desmatamentozero.org.br Chega de desmatamento no Brasil As florestas são fundamentais para assegurar o equilíbrio do clima, a conservação da biodiversidade e o sustento de

Leia mais

Políticas Públicas para Operacionalizar o CAR Câmara temática de Insumos Agropecuários Brasília, 27 de maio de 2014

Políticas Públicas para Operacionalizar o CAR Câmara temática de Insumos Agropecuários Brasília, 27 de maio de 2014 Políticas Públicas para Operacionalizar o CAR Câmara temática de Insumos Agropecuários Brasília, 27 de maio de 2014 O QUE É O CAR O Cadastro Ambiental Rural - CAR, é o registro público eletrônico de âmbito

Leia mais

O Código Florestal como ferramenta para o Planejamento Ambiental na Bacia Hidrográfica do Córrego do Palmitalzinho - Regente Feijó/ São Paulo

O Código Florestal como ferramenta para o Planejamento Ambiental na Bacia Hidrográfica do Córrego do Palmitalzinho - Regente Feijó/ São Paulo O Código Florestal como ferramenta para o Planejamento Ambiental na Bacia Hidrográfica do Córrego do Palmitalzinho - Regente Feijó/ São Paulo INTRODUÇÃO Aline Kuramoto Gonçalves aline587@gmail.com Graduada

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANETE (APP s)

A IMPORTÂNCIA DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANETE (APP s) A IMPORTÂNCIA DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANETE (APP s) Richard Antonio Souza Mesquita Tocantins - FACTO Murilo Ribeiro Brito Tocantins FACTO Adelzon Aires Marinho Tocantins FACTO Prof: Dr. Cid Tacaoca

Leia mais

Treinamento no Sistema de Cadastro Ambiental Rural

Treinamento no Sistema de Cadastro Ambiental Rural Treinamento no Sistema de Cadastro Ambiental Rural Programação Manhã: teórica Conceitos da legislação ambiental Conceitos específicos do CAR e do PRA Tarde: prática Considerações sobre o sistema Apresentação

Leia mais

Prof. Pedro Brancalion

Prof. Pedro Brancalion Prof. Pedro Brancalion Decreto Federal 23793/34: Institui o Código Florestal Brasileiro (Getúlio Vargas) Art. 1º As florestas existentes no territorio nacional, consideradas em conjuncto, constituem

Leia mais

Engenharia de Avaliações Aplicada às Áreas de Preservação Permanente (APP)

Engenharia de Avaliações Aplicada às Áreas de Preservação Permanente (APP) Engenharia de Avaliações Aplicada Às Áreas de Preservação Permanente (APP). Engenharia de Avaliações Aplicada às Áreas de Preservação Permanente (APP) 1. Fundamento Legal das APPs: Constituição Federal

Leia mais

Prof. Pedro Brancalion

Prof. Pedro Brancalion Prof. Pedro Brancalion Reserva Legal: área localizada no interior de uma propriedade ou posse rural, delimitada nos termos do art. 12, com a função de assegurar o uso econômico de modo sustentável dos

Leia mais

BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 19, DE 2012

BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 19, DE 2012 BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 19, DE 2012 Biodiversidade Conservação e Uso Sustentável Carmen Rachel Scavazzini Marcondes Faria O principal instrumento jurídico internacional para a conservação e o uso sustentável

Leia mais

CURSO DE RESOLUÇÃO DE QUESTÕES JURÍDICAS Disciplina: Direito Ambiental Prof. Fabiano Melo Data:23/06 Aula nº 02 MATERIAL DE APOIO PROFESSOR

CURSO DE RESOLUÇÃO DE QUESTÕES JURÍDICAS Disciplina: Direito Ambiental Prof. Fabiano Melo Data:23/06 Aula nº 02 MATERIAL DE APOIO PROFESSOR CURSO DE RESOLUÇÃO DE QUESTÕES JURÍDICAS Disciplina: Direito Ambiental Prof. Fabiano Melo Data:23/06 Aula nº 02 MATERIAL DE APOIO PROFESSOR (Promotor de Justiça SP/2010) 01. Na ação de responsabilidade

Leia mais

Desafios e oportunidades associadas ao Cadastro Ambiental Rural (CAR) 7ª CONSEGURO setembro 2015

Desafios e oportunidades associadas ao Cadastro Ambiental Rural (CAR) 7ª CONSEGURO setembro 2015 Desafios e oportunidades associadas ao Cadastro Ambiental Rural (CAR) 7ª CONSEGURO setembro 2015 Meta brasileira de redução das emissões até 2020 36,1% a 38,9% das 3.236 MM de tonco2eq de emissões projetadas

Leia mais

1. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS

1. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS Secretaria de Estado do Meio SEMA-MT Roteiro Básico de Projeto de Compensação de Área de Reserva Legal (ARL) 1. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS I T E M N º. D O C U M E N T O S E X I G I D O S O B S E

Leia mais

NOVO CÓDIGO FLORESTAL E CADASTRO AMBIENTAL RURAL

NOVO CÓDIGO FLORESTAL E CADASTRO AMBIENTAL RURAL NOVO CÓDIGO FLORESTAL E CADASTRO AMBIENTAL RURAL Eduardo de Mércio Figueira Condorelli desenvolvimentosustentavel@farsul.org.br Ibirubá (RS), 08 de maio de 2014 O TAMANHO DA AGROPECUÁRIA NACIONAL Área

Leia mais

A grilagem de terras na Amazônia e os serviços notariais e de registro de imóveis Márcio Silva Fernandes Consultor Legislativo da Câmara dos Deputados Área de Direito Constitucional A grilagem de terras

Leia mais

PLANO DIRETOR DECENAL DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO. LEI COMPLEMENTAR N 16, de 4 de junho de 1992

PLANO DIRETOR DECENAL DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO. LEI COMPLEMENTAR N 16, de 4 de junho de 1992 Um plano e novas definições Em 1992, foi publicado na forma de lei complementar o Plano Decenal da Cidade do Rio de Janeiro. Estabeleciam-se então as normas para a política urbana de nossa cidade que deveriam

Leia mais

Análise técnica dos pontos críticos

Análise técnica dos pontos críticos CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO Lei Nº 4.771/65 Foto: Ricardo Ribeiro Lei Nº 12.651/12 MP Nº 571/12 Análise técnica dos pontos críticos Material desenvolvido por: Código Florestal Brasileiro: Versão 01 / Reprodução

Leia mais

O Novo Código Florestal

O Novo Código Florestal Madeira 2012 O Novo Código Florestal Prof. Sebastião Renato Valverde SIF/DEF/UFV Vitória, ES Novo Código Florestal Disposições Permanentes.Poucas alterações nos parâmetros de APPs e RL Disposições transitórias.voltam-se

Leia mais

DESAFIOS À EXPANSÃO DA AGROPECUÁRIA BRASILEIRA

DESAFIOS À EXPANSÃO DA AGROPECUÁRIA BRASILEIRA DESAFIOS À EXPANSÃO DA AGROPECUÁRIA BRASILEIRA Restrições Ambientais à Expansão Sustentável da Agropecuária Brasileira Assuero Doca Veronez Presidente da Comissão Nacional do Meio Ambiente da CNA assuero@mdnet.com.br

Leia mais

COTAS DE RESERVA AMBIENTAL. O que são, como cria-las e como negocia-las

COTAS DE RESERVA AMBIENTAL. O que são, como cria-las e como negocia-las COTAS DE RESERVA AMBIENTAL O que são, como cria-las e como negocia-las COTAS DE RESERVA AMBIENTAL O que são, como cria-las e como negocia-las! 3 Olá! Você já ouviu falar das Cotas de Reserva Ambiental

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS LEGISLAÇÃO E PROCEDIMENTOS PARA COMPENSAÇÃO DE RESERVA LEGAL. De acordo com o Art. 1.º da Lei 4.771/1965, As florestas existentes no território nacional e as demais formas de vegetação, reconhecidas de

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 004/2012/GT PROJETOS DE LEI E LEGISLAÇÃO AMBIENTAL/COMITE DE MEIO AMBIENTE CMA

NOTA TÉCNICA Nº 004/2012/GT PROJETOS DE LEI E LEGISLAÇÃO AMBIENTAL/COMITE DE MEIO AMBIENTE CMA NOTA TÉCNICA Nº 004/2012/GT PROJETOS DE LEI E LEGISLAÇÃO AMBIENTAL/COMITE DE MEIO AMBIENTE CMA São Paulo, 17 de outubro de 2012. 1. Referência A presente Nota Técnica nº 004/2012/GT tem por objetivo proceder

Leia mais

A Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012 e as competências florestais dos entes públicos Roberta Rubim del Giudice ÍNDICE

A Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012 e as competências florestais dos entes públicos Roberta Rubim del Giudice ÍNDICE Estrada Dona Castorina, 124 Jardim Botânico Rio de Janeiro RJ CEP: 22460-320 Tel.: 21 35964006 A Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012 e as competências florestais dos entes públicos Roberta Rubim del Giudice

Leia mais

MMA/Agricultura Familiar (CONTAG, FETRAF-CUT, MPA): Bases socioambientais para o desenvolvimento sustentável no campo

MMA/Agricultura Familiar (CONTAG, FETRAF-CUT, MPA): Bases socioambientais para o desenvolvimento sustentável no campo MMA/Agricultura Familiar (CONTAG, FETRAF-CUT, MPA): Bases socioambientais para o desenvolvimento sustentável no campo Art. Para os efeitos desta MP, a pequena propriedade rural ou posse rural familiar,

Leia mais

Dados do Cadastrante: Nome: CPF: Data de Nascimento: / / Nome da mãe: Meios de contato: E-mail: Telefone residencial:

Dados do Cadastrante: Nome: CPF: Data de Nascimento: / / Nome da mãe: Meios de contato: E-mail: Telefone residencial: 1. ETAPA CADASTRANTE Dados do Cadastrante: Nome: CPF: Data de Nascimento: / / Nome da mãe: Meios de contato: E-mail: Telefone residencial: Endereço do Cadastrante: Logradouro Número: Complemento: Bairro:

Leia mais

1. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS

1. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS Secretaria de Estado do Meio SEMA-MT Roteiro Básico de Projeto de Desoneração de Área de Reserva Legal (ARL) 1. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS I T E M N º. D O C U M E N T O S E X I G I D O S O B S E

Leia mais

SEMIPRESENCIAL DISCIPLINA: MEIO AMBIENTE E QUALIDADE DE VIDA MATERIAL COMPLEMENTAR UNIDADE I PROFESSOR: EDUARDO PACHECO

SEMIPRESENCIAL DISCIPLINA: MEIO AMBIENTE E QUALIDADE DE VIDA MATERIAL COMPLEMENTAR UNIDADE I PROFESSOR: EDUARDO PACHECO SEMIPRESENCIAL DISCIPLINA: MEIO AMBIENTE E QUALIDADE DE VIDA MATERIAL COMPLEMENTAR UNIDADE I PROFESSOR: EDUARDO PACHECO 2 - Marco político, normativo e de contexto nacional 2.1 - Marco político atual para

Leia mais

CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO PROJETO LEI 6.424/05

CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO PROJETO LEI 6.424/05 CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO PROJETO LEI 6.424/05 CONGRESSO NACIONAL AUDIÊNCIA PÚBLICA BRASILIA, 1 DEZEMBRO 2009 PROF. LUIZ CARLOS BALDICERO MOLION, PhD INSTITUTO DE CIÊNCIAS ATMOSFÉRICAS UNIVERSIDADE FEDERAL

Leia mais

CARTILHA CADASTRO AMBIENTAL RURAL

CARTILHA CADASTRO AMBIENTAL RURAL CARTILHA CADASTRO AMBIENTAL RURAL O QUE É O CADASTRO AMBIENTAL RURAL CAR? Criado pela Lei Federal nº 12.651/2012, que institui o NOVO CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO, registro público eletrônico de âmbito

Leia mais