Instituto Nacional do Turismo Abril de 2013 GLOSSÁRIO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Instituto Nacional do Turismo Abril de 2013 GLOSSÁRIO"

Transcrição

1 CONCURSO PARA CONSTRUÇÃO E EXPLORAÇÃO DE EMPREENDIMENTO TURÍSTICOS NAS ILHAS EPIDENDRON E CASUARINAS E NA RESERVA NACIONAL DO GILÉ PROVÍNCIA DA ZAMBÉZIA Instituto Nacional do Turismo Abril de 2013 GLOSSÁRIO Página 1 de 21

2 Contrato de Cessão de Exploração Data da Proposta DNAC EIA GdM INATUR Licença de Turismo MdE MICOA MITUR Proposta Proponente RNG Receita Bruta SDP O contrato a celebrar entre o Proponente Seleccionado e o INATUR A data limite para apresentação da Proposta Direcção Nacional das Áreas de Conservação Estudo de Impacto Ambiental realizado para a avaliação dos impactos ambientais da construção de um determinado empreendimento e sua subsequente operação; Governo de Moçambique Instituto Nacional de Turismo Documento oficial, intransmissível de Autorização para desenvolver a actividades turísticas, por um determinado período de tempo. Memorando de Entendimento Ministério para a Coordenação da Acção Ambiental Ministério do Turismo Uma Proposta apresentada nos termos desta SDP A entidade que tenha manifestado o seu interesse e recebido esta SDP, e apresente uma Proposta nos termos da mesma Reserva Nacional do Gilé O volume de receitas do negócio obtidas de todas as fontes e antes da dedução de quaisquer custos ou despesas incluindo comissões e descontos Esta Solicitação de Propostas Página 2 de 21

3 REPARO IMPORTANTE 1 O Instituto Nacional do Turismo (INATUR) ou qualquer dos seus funcionários, agentes contratados ou assessores não assumem quaisquer responsabilidades ou prestam garantias expressas ou implícitas, respeitante à exactidão ou perfeição desta Solicitação de Propostas - SDP, não aceitando qualquer responsabilidade relativa ao uso, por qualquer parte interessada, da informação contida nesta Solicitação de Propostas e documentos afins. 2 A informação contida nesta SDP e demais documentos do concurso é fornecida para ajudar o Proponente a fazer a sua própria avaliação das oportunidades aqui apresentadas e a decidir, na base da sua própria discrição, se deverá ou não apresentar uma Proposta. O Proponente deverá procurar a sua própria assessoria independente e basear-se nas suas próprias investigações para tomar qualquer decisão. A presente SDP refere-se à exploração das Ilhas Epidendron e Casuarina na perspectiva de turismo integrado em coordenado com o desenvolvimento da Reserva Nacional do Gilé. Nestes termos, baseando-se nesta SDP, devem-se apresentar propostas especificando a forma de exploração de cada ilha e de forma a fazer combinação entre o desenvolvimento das ilhas e a RNG, assim chamada combinação praia e a selva (beach & bush). O INATUR reserva-se o direito de: 2.1 Fazer emendas a esta SDP e demais documentos do concurso; 2.2 Prestar esclarecimentos escritos nos termos aqui previstos; e 2.3 Excluir as propostas que não sejam apresentadas em conformidade com o estabelecido nesta SDP. CONFIDENCIALIDADE 3 O Proponente deve, a todo tempo: 3.1 Diligenciar no sentido de manter a confidencialidade sobre todas as informações relacionadas com a sua Proposta e, caso seja seleccionado, sobre as negociações com o INATUR, salvo informação que seja de domínio público ou venha a ser publicitada; 3.2 Não utilizar nem revelar informações qualificadas como confidenciais excepto com o consentimento do INATUR ou em cumprimento de uma ordem judicial, ou de uma disposição legal ou regulamento que lhe seja aplicável. 4 O INATUR deve, a todo tempo: 4.1 Diligenciar no sentido de manter a confidencialidade sobre todas as informações obtidas ou que possa vir a obter relacionadas com as Propostas recebidas ao abrigo desta SDP, Página 3 de 21

4 salvo informação que seja de domínio público ou venha a ser publicitada; ou que tenha sido revelada ao INATUR por terceiros que não tenham obtido a informação sob reserva de confidencialidade ou que seja obtida de forma independente como resultado de trabalho desenvolvido por uma pessoa a quem não tenha sido revelada esta informação; ou que seja necessária para que os assessores possam assistir na adjudicação do Contrato. 4.2 Não utilizar nem revelar informações qualificadas como confidenciais excepto com o consentimento do Proponente ou em cumprimento de uma ordem judicial, ou de uma disposição legal ou regulamento que lhe seja aplicável. INTRODUÇÃO 5 As Ilhas Casuarina e Epidendron (Ilhas Primeiras do Arquipélago das Ilhas Primeiras e Segundas) e a Reserva Nacional do Gilé (RNG) enquadram-se nos Projectos Âncoras de Investimento em Turismo, uma iniciativa do Governo Moçambicano representado pelo Ministério do Turismo (MITUR) e o INATUR que são os implementadores (Mapa 1). Mapa 1. Localização das Ilhas Primeiras (Epidendron e Casuarina) e da RNG Com este concurso o INATUR tem o objectivo de encontrar um candidato para implantação e exploração de um projecto turístico integrado nas Ilhas Casuarina e Epidendron em ligação Página 4 de 21

5 com a RNG, de acordo com as condições estabelecidas nesta SDP e de acordo com o contrato de cessão de exploração a ser celebrado com o INATUR. O projecto pretende encontrar um investidor com as seguintes características: 5.1 Marca de renome regional e internacional em gestão de hotéis; 5.2 Forte capacidade regional e internacional de marketing, operações e vendas e experiência no sector de ecoturismo; 5.3 Estrutura de preços direccionada a um mercado de alto rendimento; 5.4 Demonstração de capacidade financeira; 5.5 Forte experiência no enraizamento da consciência ambiental, de preferência com credenciais a nível da operação de empreendimentos de ecoturismo em áreas protegidas; 5.6 Boas referências de responsabilidade social. Para efeitos de candidatura esta SDP: 5.7 Descreve as Ilhas e a RNG; 5.8 Apresenta o quadro legal e de políticas aplicáveis ao Projecto; 5.9 Explica as regras que regem a fase de apresentação de propostas; 5.10 Avança pormenores sobre o Projecto, Área e os principais termos e condições da cessão de exploração; 5.11 Estabelece os requisitos sobre o e conteúdo das Propostas; 5.12 Explica os procedimentos para a preparação, apresentação e avaliação das Propostas; e 5.13 Contém datas indicativas para a apresentação das Propostas. AS ILHAS CASUARINA E EPIDENDRON 6 As Ilhas Casuarina e Epidendron constituem parte integrante do Arquipélago das Ilhas Primeiras e Segundas que se estende nas águas territoriais Moçambicanas entre as províncias da Zambézia e de Nampula. Epidendron tem uma área de 32ha e Casuarina possui uma área de 24ha e ambas se localizam administrativamente no Distrito de Pebane, Província da Zambézia. Estas ilhas situam-se entre corais e recifes que albergam ecossistemas de alto valor ecológico na região, associado ao valor paisagístico fundamentado na vegetação indígena em bom estado de conservação. Esta característica contribuiram para que estas ilhas fossem declaradas Zona de Proteccao Ambiental o que significa que a sua ocupação e utilização deve Página 5 de 21

6 obedecer a critériios definidos no Plano de Maneio a ser desenvolvido para o efeito. Por outro lado, as mesmas características conferem, às ilhas, habilidades para acolher mergulho (superficial e profundo) para a contemplação da fauna e paisagem marinhas. A pesca (recreativa e desportiva) constitui outro produto a ser explorado nas ilhas, tendo como denominador comum a sustentabilidade em todos seus parâmetros. A distância entre as duas ilhas é de 5km e ambas estão a 10km da costa, a norte da foz do Rio Molocué. A povoação mais próxima encontra-se ao longo da costa a 40km na localidade de Moebase. Os aeroportos mais próximos localizam-se nas Cidades de Quelimane e Nampula. As localidades de Pebane, Moebase, Moma e Gilé apresentam pistas de aterragem. Todavia para o efeito deste concurso não há garantia de operacionalização de tais infra-estruturas deixando-se a possibilidade e condições de exploração daquelas infra-estruturas do proponente aprovado, caso este assuma a necessidade do seu uso. Estas duas ilhas são de particular interesse para o aproveitamento turístico pelo valor ecológico dos seus ecossistemas, proximidade uma da outra e facilidade de ligação entre as actividades nelas a serem desenvolvidas com a RG, também localizado no Distrito de Pebane, Província da Zambézia. A RESERVA NACIONAL DO GILÉ 7 A RNG cobre uma área de 2.100km 2 e situa-se entre os rios Molocue e Mulela, a 30km da costa. Esta reserva é constituída por florestas de miombo, dambos, savana arborizada e vegetação ribeirinha ao longo de vários rios e riachos Em termos de fauna existem nesta reserva cerca de 95 espécies de mamíferos com destaque para o elefante, leão, leopardo, cão selvagem, pala-pala, cudo, inhala e mais de 114 espécies de aves. A prioridade de investimentos nesta área é exclusivamente reservada ao Ecoturismo, sendo que na sua Zona Tampão é prevista a criação de uma Coutada Comunitária para o desenvolvimento do turismo de caça. Além das infraestruturas de maneio, não há registo de outras infra-estruturas nesta reserva pois não alberga população humana a residir no seu interior, por sinal a única área de conservação com essa característica em Moçambique. Pretende-se que a RNG e as duas ilhas sejam exploradas de forma integrada por um projecto de alto nível que fornece a oportunidade aos que visitam as ilhas também de visitarem a RNG, num conjunto de praia e selva que representa uma mais valia deste complexo. A RNG é gerida pela Direcção Nacional das Áreas de Conservação (DNAC), existindo uma Página 6 de 21

7 estrutura de Co-gestão que inclui a Administração da RNG, as administrações locais e os parceiros internacionais de cooperação. O PROCESSO DO CONCURSO 8 O INATUR reserva-se o direito de, a todo o momento, alterar a calendarização das actividades ou por qualquer outra forma modificar, acrescentar ou clarificar esta SDP. O INATUR poderá cancelar o concurso mediante simples notificação, e pode desqualificar qualquer proponente tal como previsto nesta SDP. O INATUR ou seus colaboradores não incorrerão em responsabilidade pelo exercício dos direitos previstos neste parágrafo, atribuídos nesta SDP ou outros disponíveis na legislação Moçambicana. Mais, ao INATUR reserva-se o direito de solicitar, a qualquer momento, informações adicionais ou documentação do Proponente e relativamente à Proposta. Normas Legais Aplicáveis 9 O processo de elaboração e apresentação da Proposta será realizado de acordo com os termos desta SDP e as leis da República de Moçambique. Correspondência e Comunicação 10 Toda a correspondência e comunicações deverão ser trocadas com o Representante Oficial para o Concurso: INSTITUTO NACIONAL DO TURISMO À Atenção do Director Geral Av. 25 de Setembro, nº 1203, 2º andar, Maputo Tel: Fax: (Coordenador do Concurso) 11 Nenhum Proponente pode corresponder-se ou comunicar-se com qualquer indivíduo da Equipa Técnica, funcionários do INATUR e da DNAC, seus assessores, pessoal e colaboradores, sem que para tal tenha obtido prévia permissão por escrito do Representante Oficial; caso contrário o Candidato poderá ser excluído. Aceitação dos Termos e Condições da SDP e do Contrato de Cessão de Exploração 12 A apresentação de uma Proposta implica o conhecimento e aceitação integral de todos os Página 7 de 21

8 termos e condições estabelecidas nesta SDP. Despesas 13 O Proponente será responsável por todos os custos, despesas e perdas por si incorridas na preparação e apresentação da Proposta ou de outro modo relacionados com a Proposta. O INATUR não indemnizará o Proponente por quaisquer custos, despesas ou perdas, independentemente do resultado do processo da Proposta. Nomeação de Representante Legal Local 14 O Proponente estrangeiro ou não residente em Moçambique deverá nomear um ou mais representantes legais residentes em Moçambique, devidamente mandatados por uma deliberação do Proponente e com poderes legais para representar o Proponente em todos os contactos com o INATUR. Visitas à Área e Consultas 15 Até 15 dias antes da data de abertura de propostas, os proponentes poderão visitar as Ilhas Casuarina e Epidendron, bem como a RNG, mediante arranjo prévio com o Representante Oficial e com a estrutura de co-gestão da RNG, sendo que estas viagens serão custeadas pelo Proponente. 16 O INATUR agindo através do seu Representante Oficial, apenas aceitará perguntas, sugestões e pedidos de esclarecimentos apresentados por escrito (dirigidos ao Representante Oficial). Responsabilidades do Proponente 17 Os Proponentes serão os únicos responsáveis pelas suas próprias investigações sobre a Área, os termos do Projecto proposto e de todas as questões relativas a esta SDP e Projecto (incluindo, entre outros, todos os requisitos de conformidade do empreendimento com a lei moçambicana). O INATUR e a DNAC, ou qualquer dos seus colaboradores, trabalhadores, oficiais ou assessores não dão qualquer conforto ou garantias, expressas ou implícitas, relativamente a qualquer assunto que diga respeito ao Projecto. 18 Nenhum acordo verbal ou conversa, nem esclarecimento verbal de qualquer oficial ou funcionário do INATUR ou da DNAC, ou qualquer dos seus assessores, afectarão ou modificarão quaisquer dos termos ou condições contidos nesta SDP. Serão apenas consideradas como válidas e autorizadas as emendas, suplementos ou esclarecimentos a SDP enviadas pelo Representante Oficial aos Proponentes. Data Limite de Apresentação das Proposta 19 As Propostas deverão ser endereçadas ao Representante Oficial e chegar aos escritórios do Página 8 de 21

9 INATUR até às 14:00 horas do dia 24 de Maio de A abertura das propostas na presença dos concorrentes que pretendam assistir o acto, será feita às 14:30 do dia 24 de Maio de 2013, portanto no mesmo dia da entrega, nos escritórios do INATUR. DETALHES DO PROJECTO Limites Geográficos da Área e seu Uso 21 Esta SDP refere-se ao desenvolvimento do ecoturismo nas ilhas Casuarina e Epidendron e na RNG, conforme ilustrado no esboço topográfico que se segue (Mapa 2). Epidendron tem uma área de 32ha e Casuarina ocupa uma área de 24ha, sendo que a RNG cobre uma área total de km 2. Conforme ao Plano de Maneio elaborado, no interior da RNG são identificadas duas zonas para o desenvolvimento do ecoturismo (Mapa 3). Nampula Province MOMA Zambezia Province Ponta Pandera INDIAN OCEAN Mozambique Channel Boat Link Epidendron Island Ponta Lipobane Casuarina Island Ponta Mecalonga Proposed Airstrip km Casuarina Island Epidendron Island INDIAN OCEAN Mozambique Channel Coordenadas Geográficas das Ilhas Casuarina 17º S 39º E Epidendron 17º S 39º E Mapa 2. Área de localização das Ilhas Casuarina e Epidendron e suas coordenadas geográficas. Página 9 de 21

10 Mapa 3. Localização das zonas de desenvolvimento do ecoturismo na RNG. 22 As ilhas Casuarina e Epidendron não apresentam habitação mas as praias adjacentes constituem recurso para subsistência de pescadores (pequena escala) das comunidades das zonas próximas (área continental). Em relação a este aspecto o Proponente reconhece igualmente que a praia é uma rota pública e que terceiros terão o direito de entrar na praia situada defronte à área do projecto desde que não remetam à ocupação do espaço de terra firme, área do projecto. 23 Não existe população humana residente no interior da RNG, havendo assim população residente na sua Zona Tampão. Pagamentos 24 O contrato entre o INATUR e o proponente vencedor irá incidir sobre a concessão das ilhas para exploração. Assim, o proponente deverá indicar uma proposta financeira da taxa de concessão a pagar pela exploração das ilhas. A taxa de concessão poderá ser definida em Página 10 de 21

11 intervalos mensal, trimestral e semestral. Vigência do Contrato de Cessão de Exploração 25 O Contrato em referência permanecerá válido e eficaz por um período de 50 anos renováveis de acordo as negociações entre as partes. Infra-estruturas 26 Para além do farol implantado na Ilha Epidendron, nas duas ilhas não existem outras infraestruturas (água, energia, etc.). O farol referenciado durante a implantação e exploração do projecto não deve ser retirado, barrada a sua visibilidade ou submetido a um aproveitamento/actividades que comprometam o efeito para o qual foi criado. 27 Para além das infra-estruturas de maneio, e de um pequeno acampamento de tendas na localidade de Lice (actualmente utilizado para as visitas turísticas, institucionais e cientificas) não existem outras infra-estruturas no interior da RNG. 28 O proponente aprovado será responsável pelo projecto, construção, financiamento e manutenção de infra-estruturas turísticas e de apoio que sejam apropriadas tal como apresentadas na Proposta (aceite pelo INATUR através do processo descrito nesta SDP). Capacidade de Carga 29 O proponente deverá indicar, por cada uma das áreas a ser desenvolvida, a capacidade de carga em termos de espaço e número de turistas conforme detectado nos próprios levantamentos e conforme as indicações das autoridades e dos técnicos da INATUR e da DNAC. Contudo poderão existir alterações consoante o que se constate no Estudo de Impacto Ambiental (Categoria A) que deverá ser preparado pelo proponente contratado numa segunda fase e aprovado pelo Ministério pela Coordenação da Acção Ambiental (MICOA). Todavia, os Proponentes devem assegurar-se que os requisitos de sustentabilidade e procedimentos legais aplicáveis sejam observados: 29.1 Ressalvar as condições para o licenciamento ambiental tal como referido acima Desenvolver empreendimentos numa perspectiva de turismo integrado em concordância com as características ambientais de cada ilha e da RNG Não é permitida a condução de viaturas na praia. Actividades 30 O Proponente deve apresentar uma lista detalhada de actividades turísticas que se propõe a desenvolver no complexo das ilhas Casuarina e Epidendron e na RNG, seguindo as seguintes especificações: 30.1 Garantir harmonia entre a conservação e promoção do meio ambiente e a actividade Página 11 de 21

12 turística; 30.2 Desenvolver actividades turísticas para mercado de alta renda nas ilhas Casuarina e Epidendron e de alta e média renda na RNG; 30.3 Desenvolver o projecto em conformidade com os princípios do Turismo Integrado, incluindo benefícios para as comunidades locais e em respeito do meio ambiente; 30.4 Desenvolver actividades que não interditem as actividades da comunidade salvo situação de acordos, nos termos legais, com a comunidade devendo estar garantido o benefício da mesma em relação ao acordo. 31 O ecoturismo no complexo das ilhas Casuarina e Epidendron e da RNG será desenvolvido de forma faseada, sendo as ilhas a ser desenvolvidas numa primeira fase e a RNG numa fase posterior. Fica contudo entendido que o desenvolvimento das ilhas Casuarina e Epidendron é ligado de forma indissolúvel com o desenvolvimento do ecoturismo da RNG. Assim os proponentes deverão apresentar uma proposta integrada para o complexo na sua totalidade. 32 Todas as actividades a ser desenvolvidas no complexo das ilhas Casuarina e Epidendron e da RNG serão supervisionadas e monitorizadas constantemente pelas autoridades competentes, a Direcção Provincial do Turismo da Zambézia (ilhas Casuarina e Epidendron) e a estrutura de Co-gestão da RNG (no interior da RNG), assim como pelas delegações locais sedeadas nos distritos de Gilé e Pebane. Acessos 33 As Ilhas não possuem actualmente nenhuma pista de aterragem. Para esta infra-estrutura o local indicado para implantação é a Ilha Casuarina devido à característica da vegetação (homogénea) e configuração geométrica (estreito) quando comparado à outra ilha. Contudo, o Proponente poderá indicar na sua Proposta a necessidade e local para a pista tendo em conta as seguintes especificações: 33.1 Área; 33.2 Material; 33.3 Tipo de aeronaves a usar. 34 O desenvolvimento de tal infra-estrutura deverá ser por conta do Proponente, mediante a apresentação de um estudo de impacto ambiental para o apuramento da viabilidade da sua implantação na proposta a ser apresentada ao INATUR pelo proponente. De referir que o estudo ora mencionado será solicitado apenas ao proponente vencedor. 35 O proponente deve indicar igualmente outras modalidades de acesso a adoptar especificando as infra-estruturas e os meios de transporte (características e modo de funcionamento). 36 Ao INATUR ou outras entidades do GdM reserva-se o direito de levar pessoas, ou autorizar a entrada de pessoas na Área, para visitas de trabalho (incluindo, mas não se limitando, a Página 12 de 21

13 inspecções periódicas à Área, às infra-estruturas do Projecto e actividades do Proponente) ou para outros fins considerados como justificados (sem limitações, à realização de pesquisas a serem realizadas ao abrigo de procedimentos legais). 37 A RNG é acessível através de picadas em terra batidas a partir da Vila de Gilé (cerca de 30km) e da Vila de Pebane (cerca de 80km), não sendo assim necessária a abertura de outras estradas. Será avaliada, contudo, a possibilidade de abertura de uma pista de aterragem no interior da RNG num local a ser definido e concordado com a estrutura de gestão da RNG. Desenvolvimento Comunitário 38 O Projecto deve contribuir significativamente para o crescimento económico, criação de emprego e alívio da pobreza. 39 Actualmente, as Ilhas não são habitadas mas constituem fonte de subsistência para as comunidades vizinhas, estas que usam as ilhas para extracção de plantas medicinais assim como abrigo temporário (casas de material local) por pescadores de pequena escala oriundos das comunidades da área continental próxima às ilhas, durante a actividade de pesca, esta que constitui sua base de sobrevivência. Estas comunidades são as principais beneficiárias do desenvolvimento turístico e o Projecto não as pode prejudicar. Em consideração a este aspecto o proponente deve indicar o contributo do projecto para o desenvolvimento da comunidade indicando: 39.1 Formas de contribuição; 39.2 Programa de benefícios comunitários; 39.3 Orçamento de actividades de benefícios comunitários; 39.4 Outras (a serem indicadas pelo proponente). 40 Estas especificações não isentam o proponente de cumprir (pagamento de taxas, etc.) estabelecidas por lei como bases legais de contributo da actividade turística para o desenvolvimento comunitário. Garantias 41 Todos os Proponentes deverão apresentar uma garantia provisória ( Garantia do Concurso ) a favor do INATUR, num valor correspondente a USD (cem mil dólares norte americanos). 42 A garantia permanecerá válida por um período de 180 dias úteis a contar da data de abertura das propostas, podendo ser prorrogada pelo INATUR e por igual período se tal se revelar necessário por virtude de atrasos inesperados que se verificarem no decorrer do processo. 43 As Garantias do Concurso de todos os Proponentes não seleccionados só serão devolvidas após a assinatura do Contrato com o proponente vencedor. Qualquer um dos motivos que se seguem dará lugar à renúncia à Garantia do Concurso: Página 13 de 21

14 43.1 Qualquer distorção substantiva de informação prestada pelo Proponente na Proposta; 40.2 A desistência ou modificação substantiva da sua Proposta durante o período de validade, ou seja, até ao encerramento das negociações; 40.3 Não apresentação, pelo Proponente Seleccionado, da Garantia de Definitiva requerida no Contrato de Cessão de Exploração. 41 A Garantia do Concurso será remida à primeira solicitação no caso de uma ou mais das situações descritas anteriormente vierem a ocorrer. A libertação da Garantia não prejudica os direitos do INATUR de procurar outras formas de reparação dos danos que sejam possíveis nos termos da legislação Moçambicana. 42 Para além desta Garantia do Concurso, o Proponente Seleccionado deverá prestar uma Garantia Definitiva (Garantia de Desempenho) cobrindo as fases de desenvolvimento e operações. CONTEÚDO DA PROPOSTA Informação Geral 43 A Proposta deve ser preparada com base na informação fornecida nesta SDP e em qualquer outra informação obtida de forma apropriada pelo Proponente durante o período de preparação da Proposta. 44 Deverão ser apresentadas 3 cópias impressas e uma electrónica (PDF ou World) da Proposta. 45 A Proposta deverá incluir a informação apresentada nos parágrafos subsequentes: 45.1 Carta de Cobertura; 45.2 Informação Sobre o Proponente; 45.3 Garantia do Concurso; 45.4 Plano de Desenvolvimento e Aproveitamento; 45.5 Plano de Negócios; 45.6 Proposta Financeira; 45.7 Plano de Benefícios Comunitários; 45.8 Plano preliminar de mitigação ambiental 46 A Proposta deve incluir uma carta de cobertura dirigida ao Representante Oficial e assinada por um representante autorizado do Proponente. Nela será apresentada a Proposta, devendo ainda conter uma declaração inequívoca de que a intenção e os compromissos prestados durante a fase de prévia qualificação permanecem válidos e vinculativos para o Proponente, e Página 14 de 21

15 no caso de tal intenção e compromissos terem alterado devem ser prestados detalhes da natureza e impacto das mudanças. Informação Sobre o Proponente 47 A Proposta deve fornecer a seguinte informação sobre o Proponente: 47.1 Nome e marca registada (caso sejam diferentes); 47.2 Domicílio físico e fiscal; 47.3 Informações de contacto, incluindo endereço postal, correio electrónico, números de telefone e fax; 47.4 Nome, informações de contacto e prova de poderes de representação (incluindo procuração) do Representante do Proponente em Moçambique; 47.5 Local de registo ou constituição e número de registo; 47.6 Estatutos e Memorando de criação (ou documentos constitutivos equivalentes); 47.7 Documentos Financeiros auditados dos últimos 3 anos; 47.8 Confirmação de cumprimento de obrigações fiscais emitida pela autoridade competente; 47.9 Cópias ou resumos de quaisquer contratos (incluindo acordos de contribuições de capital; contratos de gestão, acordos de partilha de dividendos, etc.) em que, caso o Projecto seja implementado, o Proponente venha a ser parte; Detalhes (incluindo sobre a identidade do proprietário, participação social e percentagem relativamente ao capital social) sobre a participação social ou direitos sobre a participação social ou sobre outros interesses ou titularidade de acções, por classes ou direitos sobre o capital do Proponente, acompanhado de um esquema ilustrativo da distribuição do capital social (e direitos e voto se diferentes) até ao nível da empresa mãe/dominante. 48 No caso de o Proponente ser um consórcio, deverá: 48.1 Identificar os membros do consórcio, sumariamente descrever as respectivas qualificações e apresentar o respectivo acordo, o qual deverá estar assinado e ser eficaz; 48.2 Nomear um membro que irá liderar o consórcio e ser responsável pela parceria em todos os aspectos relacionados com a Proposta (o Membro Principal ); 48.3 Prestar todas as informações listadas no parágrafo anterior para cada um dos membros do consórcio. Plano de Desenvolvimento e Aproveitamento 49 A Proposta deve incluir um Plano de Desenvolvimento e Aproveitamento, que deve: Página 15 de 21

16 49.1 Aplicar uma abordagem cautelosa e adversa ao risco que reconheça os limites do conhecimento presente relativamente a consequências ambientais de decisões ou acções actuais; 49.2 Procurar integrar os desenvolvimentos propostos com o ambiente natural; 49.3 Minimizar o impacto negativo no meio ambiente, através de: consumo de energia e de recursos naturais, produção de detritos e efluentes, impactos operacionais, consumo de água. 50 O Plano de Desenvolvimento e Aproveitamento deve também incluir esquemas e texto, incluindo: 50.1 Planos gerais sobre a distribuição na área de edifícios, áreas de serviços, picadas, áreas de parqueamento/ancoramento, espaços abertos e infra-estruturas comuns; 50.2 Posições, medidas e materiais a serem usados na construção de todas as picadas, zonas de parqueamento/ancoramento, caminhos para acesso de peões e outros espaços públicos; 50.3 Projectos executivos num formato claro, de fácil leitura e que cumpram os requisitos e regras constantes da legislação Moçambicana aplicável, que incluam: uma planta do local e planos, secções e elevações de cada estrutura; fonte/método de fornecimento de energia e abastecimento de água e de tratamento da drenagem de águas negras e residuais; a memória descritiva, sendo que cabe ao Proponente investigar as opções de engenharia possíveis Descrição dos acabamentos exteriores propostos e do tratamento dos principais elementos visuais dos edifícios, acompanhados por uma ou mais propostas de cores; 51 Anexo ilustrativo e descritivo com: 51.1 O número e tipo de unidades de acomodação; 51.2 O número e tipo de estruturas de apoio (como infra-estruturas comuns, piscinas, centros de bem estar, centros de desportos aquáticos, casas para trabalhadores e outras infra-estruturas de apoio, incluindo oficinas, armazéns, escritórios, lavandaria, etc.); 51.3 A área total de espaço coberto; Página 16 de 21

17 51.4 Um programa de construção, incluindo as datas previstas de inicio e de conclusão de cada fase / unidade e momentos importantes; 51.5 Outros documentos, plantas e informação que o INATUR e a DNAC possam solicitar; 51.6 Um plano detalhado de actividades para a Área. Plano de Negócios 52 A Proposta deverá incluir um Plano de Negócios que contenha pelo menos a seguinte informação: 52.1 Explicação do Negócio: Descrição dos objectivos do negocio e da experiencia do Proponente Os objectivos e razoes para o desenvolvimento do negócios; A experiência do Proponente em financiar, desenvolver, operar e comercializar unidades similares e breve descrição de projectos anteriores; Descrição do conceito do produto incluindo: O tamanho, tipo e modelo da acomodação, e outras infra-estruturas chave, serviços turísticos, etc; A abordagem existente e proposta de desenvolvimento de uma marca (branding); e A ligação com o estudo de mercado (a diante mencionado); 52.2 Descrição do modelo de negócio incluindo os serviços e actividades turísticas a serem fornecidos pelo Proponente e subcontratados (incluindo as transacções com partes relacionadas) 52.3 Justificação de Mercado: Descrevendo o tipo, extensão da pesquisa/investigação realizada; Explicando os mercados alvo identificados (demografia, periodicidade, origem, etc.); Descrevendo as redes de marketing e canais de distribuição a serem utilizados, incluindo a infra-estrutura de marketing do Proponente (reservas, agentes de vendas, instrumentos de venda, participação em consórcios de marketing, participação em eventos promocionais, etc.); Identificando e avaliando a competição existente & prevista; Analisando e quantificando a procura turística prevista (incluindo Página 17 de 21

PROCEDIMENTO. Ref. Pcd. 3-sGRHF. Bolsas de Investigação Científica da UA, financiadas pela UA ou por outras verbas desde que não provenientes da FCT

PROCEDIMENTO. Ref. Pcd. 3-sGRHF. Bolsas de Investigação Científica da UA, financiadas pela UA ou por outras verbas desde que não provenientes da FCT PROCEDIMENTO Ref. Pcd. 3-sGRHF Bolsas de Investigação Científica da UA, financiadas pela UA ou por outras verbas desde que não provenientes da FCT Data: 14 /07/2011 Elaboração Nome: Fátima Serafim e Helena

Leia mais

BOLSA INTERNACIONAL DE ENTRADA MARIE CURIE

BOLSA INTERNACIONAL DE ENTRADA MARIE CURIE ANEXO III DISPOSIÇÕES ESPECÍFICAS BOLSA INTERNACIONAL DE ENTRADA MARIE CURIE III. 1 - Definições FASE DE ENTRADA Para além das previstas no artigo II.1, aplicam-se à presente convenção de subvenção as

Leia mais

República de Angola PROCESSO N.º: Lei 20/11 de 20 de Maio Declaração Prévia Contractual. Nome: Morada: Localidade: Telefones: Fax: Email:

República de Angola PROCESSO N.º: Lei 20/11 de 20 de Maio Declaração Prévia Contractual. Nome: Morada: Localidade: Telefones: Fax: Email: A PREENCHER PELA ANIP PROCESSO N.º: ANO DO FORMULÁRIO REGIME DE APROVAÇÃO Lei 11/03 de 13 de Maio Lei 20/11 de 20 de Maio Declaração Prévia Contractual PROMOTOR Obs: Residente /Presente Nome: _ Morada:

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE AERONÁUTICA. Departamento de Relações Públicas e Comunicação

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE AERONÁUTICA. Departamento de Relações Públicas e Comunicação Departamento de Relações Públicas e Comunicação Regulamento 1. Do Departamento de Relações Públicas e Comunicação 1.1 Definição 1.2. Constituição 1.3. Articulação e procedimentos 1.4. Local de funcionamento

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO DE CRIAÇÃO DE MASCOTE DO CLUBE DESPORTIVO E RECREATIVO OS VINHAIS

REGULAMENTO DO CONCURSO DE CRIAÇÃO DE MASCOTE DO CLUBE DESPORTIVO E RECREATIVO OS VINHAIS REGULAMENTO DO CONCURSO DE CRIAÇÃO DE MASCOTE DO CLUBE DESPORTIVO E RECREATIVO OS VINHAIS Artigo 1º ÂMBITO O presente Regulamento estabelece os termos e condições de candidatura ao concurso lançado pelo

Leia mais

CENTRO DE INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE EMPRESAS INOV.POINT REGULAMENTO INTERNO

CENTRO DE INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE EMPRESAS INOV.POINT REGULAMENTO INTERNO CENTRO DE INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE EMPRESAS INOV.POINT REGULAMENTO INTERNO I Introdução 1.1 O presente Regulamento destina-se a estabelecer as regras de acesso e de funcionamento do INOV.POINT Centro

Leia mais

PROPOSTA DE SEGURO RESPONSABILIDADE CIVIL INTERNATIONAL COMMERCIAL AND ENGINEERING ICE SEGUROS S.A.

PROPOSTA DE SEGURO RESPONSABILIDADE CIVIL INTERNATIONAL COMMERCIAL AND ENGINEERING ICE SEGUROS S.A. PROPOSTA DE SEGURO RESPONSABILIDADE CIVIL INTERNATIONAL COMMERCIAL AND ENGINEERING ICE SEGUROS S.A. 141A Rua José Craveirinha Bairro de Polana Cidade de Maputo Moçambique INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO

Leia mais

PROPOSTA DE SEGURO DE RAPTO E RESGATE

PROPOSTA DE SEGURO DE RAPTO E RESGATE PROPOSTA DE SEGURO DE RAPTO E RESGATE INTERNATIONAL COMMERCIAL AND ENGINEERING ICE SEGUROS S.A. 141A Rua José Craveirinha Bairro de Polana Cidade de Maputo Moçambique INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO Preencher

Leia mais

PROSPECTO SIMPLIFICADO (actualizado a 31 de Dezembro de 2008) Designação: Liberty PPR Data início de comercialização: 19 de Abril de 2004

PROSPECTO SIMPLIFICADO (actualizado a 31 de Dezembro de 2008) Designação: Liberty PPR Data início de comercialização: 19 de Abril de 2004 PROSPECTO SIMPLIFICADO (actualizado a 31 de Dezembro de 2008) Designação: Liberty PPR Data início de comercialização: 19 de Abril de 2004 Empresa de Seguros Entidades comercializadoras Autoridades de Supervisão

Leia mais

GUIA PARA O PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO PROMOÇÃO DA SAÚDE PREVENÇÃO E TRATAMENTO DA DOENÇA REDUÇÃO DE DANOS E REINSERÇÃO

GUIA PARA O PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO PROMOÇÃO DA SAÚDE PREVENÇÃO E TRATAMENTO DA DOENÇA REDUÇÃO DE DANOS E REINSERÇÃO Para efectuar o projecto a que se propõe elaborar deve ler o Regulamento de Programa de Apoio Financeiro ao abrigo da Portaria n.º 1418/2007, de 30 de Outubro, bem como o aviso de abertura do concurso.

Leia mais

Concurso de Ideias de Negócio

Concurso de Ideias de Negócio Concurso de Ideias de Negócio Preâmbulo O Concurso de Ideias é uma iniciativa desenvolvida através do Contrato Local de Desenvolvimento Social (CLDS) de Estarreja 7 Desafios em Rede, promovido pela DESTAC

Leia mais

EMBAIXADA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA

EMBAIXADA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA EMBAIXADA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA FUNDO ESPECIAL DE AUTO-AJUDA DO EMBAIXADOR DOS E.U.A. Ajudando as Comunidades a Ajudar-se a Si Próprias Caro Candidato ao Fundo de Auto-Ajuda: Obrigado pelo seu

Leia mais

REGULAMENTO DA INCUBADORA DO TAGUSPARK

REGULAMENTO DA INCUBADORA DO TAGUSPARK REGULAMENTO DA INCUBADORA DO TAGUSPARK Data: Outubro de 2013 PARTE I Aspectos Gerais Artigo 1º (Âmbito) No presente regulamento definem-se os procedimentos de funcionamento da Incubadora do Taguspark,

Leia mais

REQUISITOS MÍNIMOS DE INFORMAÇÕES E DADOS PARA OS ESTUDOS DE VIABILIDADE TÉCNICA, ECONÓMICA E FINANCEIRA (EVTEF) DOS PROJECTOS

REQUISITOS MÍNIMOS DE INFORMAÇÕES E DADOS PARA OS ESTUDOS DE VIABILIDADE TÉCNICA, ECONÓMICA E FINANCEIRA (EVTEF) DOS PROJECTOS PROCESSOS DE CANDIDATURA A FINANCIAMENTO DO BANCO DE DESENVOLVIMENTO DE ANGOLA REQUISITOS MÍNIMOS DE INFORMAÇÕES E DADOS PARA OS ESTUDOS DE VIABILIDADE TÉCNICA, ECONÓMICA E FINANCEIRA (EVTEF) DOS PROJECTOS

Leia mais

ANÚNCIO DE VAGA DESCRIÇÃO DO POSTO. Junho de 2012.

ANÚNCIO DE VAGA DESCRIÇÃO DO POSTO. Junho de 2012. ANÚNCIO DE VAGA DESCRIÇÃO DO POSTO Posição: Director Executivo Programa Inter Religioso Contra a Malária (PIRCOM) Projecto Academy for Educational Development/Communication for Change (C Change) Supervisor:

Leia mais

Lei de Minas REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE. Lei nº 14/2002, de 26 de Junho

Lei de Minas REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE. Lei nº 14/2002, de 26 de Junho Lei de Minas REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Lei nº 14/2002, de 26 de Junho Os recursos minerais da República de Moçambique, quando racionalmente avaliados e utilizados, constituem um factor

Leia mais

IDN-Incubadora de Idanha-a-Nova

IDN-Incubadora de Idanha-a-Nova IDN-Incubadora de Idanha-a-Nova Guião do estudo económico e financeiro IDN - Incubadora de Idanha - Guião de candidatura Pág. 1 I CARACTERIZAÇÃO DO PROMOTOR 1.1 - Identificação sumária da empresa 1.2 -

Leia mais

PROPOSTA DE SEGURO MARÍTIMO

PROPOSTA DE SEGURO MARÍTIMO PROPOSTA DE SEGURO MARÍTIMO INTERNATIONAL COMMERCIAL AND ENGINEERING ICE SEGUROS S.A. 141A Rua José Craveirinha Bairro de Polana Cidade de Maputo Moçambique INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO Preencher todos

Leia mais

PROJETO DE REGULAMENTO DE VENDA E INSTALAÇÃO DO PARQUE EMPRESARIAL DE PROENÇA-A-NOVA

PROJETO DE REGULAMENTO DE VENDA E INSTALAÇÃO DO PARQUE EMPRESARIAL DE PROENÇA-A-NOVA PROJETO DE REGULAMENTO DE VENDA E INSTALAÇÃO DO PARQUE EMPRESARIAL DE PROENÇA-A-NOVA PREÂMBULO Considerando que ao Município de Proença-a-Nova é sócio único da empresa municipal Pepa Parque Empresarial

Leia mais

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO 1 Sumário: Conceito e Objectivos Estrutura do PN o Apresentação da Empresa o Análise do Produto / Serviço o Análise de Mercado o Estratégia de Marketing o

Leia mais

Auxílio estatal N 254/2002 Portugal Linha de crédito bonificada a investimentos do sector turístico.

Auxílio estatal N 254/2002 Portugal Linha de crédito bonificada a investimentos do sector turístico. COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 26.07.2002 C (2002) 2943 Assunto: Auxílio estatal N 254/2002 Portugal Linha de crédito bonificada a investimentos do sector turístico. Excelência, PROCEDIMENTO Por carta n.º

Leia mais

IV GOVERNO CONSTITUCIONAL PROPOSTA DE LEI N.º /2010 FUNDO FINANCEIRO IMOBILIÁRIO

IV GOVERNO CONSTITUCIONAL PROPOSTA DE LEI N.º /2010 FUNDO FINANCEIRO IMOBILIÁRIO IV GOVERNO CONSTITUCIONAL PROPOSTA DE LEI N.º /2010 DE DE FUNDO FINANCEIRO IMOBILIÁRIO A presente Lei cria o Fundo Financeiro Imobiliário e estabelece o respectivo regime jurídico. Os princípios de planeamento,

Leia mais

CONTRATO DE ARRENDAMENTO

CONTRATO DE ARRENDAMENTO Entre: CONTRATO DE ARRENDAMENTO, com o NUIT:,, natural de, de nacionalidade, residente na, nº, em, titular do B.I. nº, emitido em _, aos de de e válido até de de, doravante designado por Locador, E, com

Leia mais

Bélgica-Bruxelas: Digitalização de documentos analógicos em suporte magnético 2014/S 180-316768. Anúncio de concurso. Serviços

Bélgica-Bruxelas: Digitalização de documentos analógicos em suporte magnético 2014/S 180-316768. Anúncio de concurso. Serviços 1/7 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:316768-2014:text:pt:html Bélgica-Bruxelas: Digitalização de documentos analógicos em suporte magnético 2014/S 180-316768

Leia mais

ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 1/2010

ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 1/2010 ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 1/2010 APROVADA POR DELIBERAÇÃO DA COMISSÃO DIRECTIVA DE 19-03-2010 Altera o nº 4 da Orientação de Gestão nº 7/2008 e cria o ANEXO III a preencher pelos Beneficiários para registo

Leia mais

PROGRAMA MODELAR MANUAL DE APOIO AO PROCESSO DE CANDIDATURA

PROGRAMA MODELAR MANUAL DE APOIO AO PROCESSO DE CANDIDATURA PROGRAMA MODELAR MANUAL DE APOIO AO PROCESSO DE CANDIDATURA Junho de 2009 1 MANUAL DE APOIO AO PROCESSO DE CANDIDATURA AO PROGRAMA MODELAR O Programa MODELAR tem como objectivo a atribuição de apoio financeiro

Leia mais

candidatura regras e regulamento artigo 1 objectivos

candidatura regras e regulamento artigo 1 objectivos candidatura regras e regulamento artigo 1 objectivos A candidatura é um processo de prospecção e avaliação de projectos inovadores e tem como objectivo promover a realização de investimentos através do

Leia mais

Plus500 Ltd. Política de privacidade

Plus500 Ltd. Política de privacidade Plus500 Ltd Política de privacidade Política de privacidade Declaração de privacidade da Plus500 Proteger a privacidade e salvaguardar os dados pessoais e financeiros dos nossos clientes e dos visitantes

Leia mais

Tax News Flash n.º 7/2015 Construir o futuro

Tax News Flash n.º 7/2015 Construir o futuro 8 de Outubro de 2015 Tax News Flash n.º 7/2015 Construir o futuro Aprovação do Regulamento do Procedimento para a Realização do Investimento Privado realizado ao abrigo da Lei do Investimento Privado em

Leia mais

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO Considerando que os Municípios dispõem de atribuições no domínio da promoção do desenvolvimento, de acordo com o disposto na alínea n) do n.º 1 do

Leia mais

Incentivos Fiscais: SIFIDE Internacionalização Investimento Produtivo. Data de Apresentação:14 de Abril de2010

Incentivos Fiscais: SIFIDE Internacionalização Investimento Produtivo. Data de Apresentação:14 de Abril de2010 Incentivos Fiscais: SIFIDE Internacionalização Investimento Produtivo Data de Apresentação:14 de Abril de2010 1 Agenda 1 SIFIDE 2 Internacionalização 3 Investimento Produtivo 2 Incentivos Fiscais SIFIDE

Leia mais

PLANO SUCINTO DE NEGÓCIO

PLANO SUCINTO DE NEGÓCIO 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJECTO PLANO SUCINTO DE NEGÓCIO Título do projecto: Nome do responsável: Contacto telefónico Email: 1.1. Descrição sumária da Ideia de Negócio e suas características inovadoras (Descreva

Leia mais

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS DESPACHO N.º 5/2010 O Regulamento Tarifário do Sector do Gás Natural (RT), com a última redacção que lhe foi dada pelo Despacho n.º 4 878/2010, publicado no

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE ACESSO À "INTERNET" Minuta

CONDIÇÕES GERAIS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET Minuta I CONDIÇÕES GERAIS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE ACESSO À "INTERNET" Minuta O PRESENTE CONTRATO FOI APROVADO PELO INSTITUTO DAS COMUNICAÇÕES DE PORTUGAL, NOS TERMOS E PARA OS EFEITOS DO ARTIGO 9/2 DO DECRETO

Leia mais

DIRECTIVA RELATIVA À SUBCONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS

DIRECTIVA RELATIVA À SUBCONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS N. o 032/B/2009-DBS/AMCM Data: 14/8/2009 DIRECTIVA RELATIVA À SUBCONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS A Autoridade Monetária de Macau (AMCM), no exercício das competências que lhe foram atribuídas pelo Artigo 9. o

Leia mais

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA 1. A) ENTIDADE PROMOTORA 1. Identificação Ano a que respeita a candidatura

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA 1. A) ENTIDADE PROMOTORA 1. Identificação Ano a que respeita a candidatura FORMULÁRIO DE CANDIDATURA 1 NORMAS DE APOIO ÀS INSTITUIÇÕES SEM FINS LUCRATIVOS DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL E DE SAÚDE DO CONCELHO DE FARO Exmº Sr. Presidente da Câmara Municipal de Faro Solicito que seja

Leia mais

Definição de Business Angel

Definição de Business Angel BUSINESS ANGELS CLUB ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE INVESTIDORES EM START-UPS CÓDIGO DE CONDUTA Definição de Business Angel Os Business Angels são investidores individuais que investem, directamente ou através

Leia mais

Concurso de Ideias Jovem Empreendedor Estarreja 2013

Concurso de Ideias Jovem Empreendedor Estarreja 2013 Concurso de Ideias Jovem Empreendedor Estarreja 2013 Preâmbulo O Concurso de Ideias é uma iniciativa promovida pela DESTAC em parceria com a DOW Portugal, a Câmara Municipal de Estarreja e a Escola Secundária

Leia mais

22-05-2013 NUNO CASEIRO IPCB/ESA

22-05-2013 NUNO CASEIRO IPCB/ESA NUNO CASEIRO IPCB/ESA 1 Uma ideia não é um negócio!? Tempo Que restaurante? Onde? Para quem? Horário? Tenho uma ideia Um restaurante Como divulgar? O que preciso? Licenciamentos? Que tipo de comida? Horário?

Leia mais

Acordo Especial de Cooperação no Domínio do Sector Eléctrico entre a República Popular de Moçambique e a República Portuguesa.

Acordo Especial de Cooperação no Domínio do Sector Eléctrico entre a República Popular de Moçambique e a República Portuguesa. Decreto n.º 87/79 de 20 de Agosto Acordo Especial de Cooperação no Domínio do Sector Eléctrico entre a República Portuguesa e a República Popular de Moçambique O Governo decreta, nos termos da alínea c)

Leia mais

PROGRAMA DO CONCURSO. CONCURSO PÚBLICO n.º 1/2010

PROGRAMA DO CONCURSO. CONCURSO PÚBLICO n.º 1/2010 PROGRAMA DO CONCURSO CONCURSO PÚBLICO n.º 1/2010 FORNECIMENTO DE REFEIÇÕES PARA ESCOLAS DO 1º CICLO E JARDINS- DE-INFÂNCIA DO MUNICÍPIO DE SOBRAL DE MONTE AGRAÇO Aquisição de Serviços - Fornecimento de

Leia mais

FORMAÇÃO REGULAMENTO

FORMAÇÃO REGULAMENTO FORMAÇÃO REGULAMENTO Data: Julho de 2010 1. Politica e Estratégia A Formação desempenha um papel preponderante no desenvolvimento do indivíduo. É através dela que as pessoas adquirem os conhecimentos necessários

Leia mais

ACORDO QUE INSTITUI O LABORATÓRIO EUROPEU DE BIOLOGIA MOLECULARA

ACORDO QUE INSTITUI O LABORATÓRIO EUROPEU DE BIOLOGIA MOLECULARA Resolução da Assembleia da República n.º 31/98 Acordo Que Institui o Laboratório Europeu de Biologia Molecular, concluído em Genebra em 10 de Maio de 1973, no âmbito do Acordo Relativo à Criação da Conferência

Leia mais

Programa EDP SOLIDÁRIA

Programa EDP SOLIDÁRIA Programa EDP SOLIDÁRIA REGULAMENTO I. Do Programa EDP SOLIDÁRIA 1. A Fundação EDP, no âmbito das suas actividades nas áreas da solidariedade e inovação social, promove uma iniciativa anual o Programa EDP

Leia mais

PARCERIA E PONTES MARIE CURIE ENTRE EMPRESAS E UNIVERSIDADES

PARCERIA E PONTES MARIE CURIE ENTRE EMPRESAS E UNIVERSIDADES ANEXO III DISPOSIÇÕES ESPECÍFICAS PARCERIA E PONTES MARIE CURIE ENTRE EMPRESAS E UNIVERSIDADES [MULTI-BENEFICIÁRIOS] III. 1 - Definições Para além das previstas no artigo II.1, aplicam-se à presente convenção

Leia mais

PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS, CONCESSÕES EMPRESARIAIS E PROJECTOS DE INFRA- ESTRUTURAS

PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS, CONCESSÕES EMPRESARIAIS E PROJECTOS DE INFRA- ESTRUTURAS PASSAPORTE PARA MOÇAMBIQUE Auditório SIBS PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS, CONCESSÕES EMPRESARIAIS E PROJECTOS DE INFRA- ESTRUTURAS 27 de Outubro DIOGO XAVIER DA CUNHA ÍNDICE Enquadramento Lei n.º 15/2011 Âmbito

Leia mais

TERMOS E CONDIÇÕES DE UTILIZAÇÃO e CONDIÇÕES GENÉRICAS DE VENDA

TERMOS E CONDIÇÕES DE UTILIZAÇÃO e CONDIÇÕES GENÉRICAS DE VENDA pág. 1 / 5 TERMOS E CONDIÇÕES DE UTILIZAÇÃO e CONDIÇÕES GENÉRICAS DE VENDA 1. INTRODUÇÃO O site de vendas online www.fitnesshut.pt (adiante designado por site ou loja online) é um site de vendas online

Leia mais

ANÚNCIO PRELIMINAR DE LANÇAMENTO DE OFERTA PÚBLICA GERAL DE AQUISIÇÃO DE ACÇÕES REPRESENTATIVAS DO CAPITAL SOCIAL DO BANCO BPI, S.A.

ANÚNCIO PRELIMINAR DE LANÇAMENTO DE OFERTA PÚBLICA GERAL DE AQUISIÇÃO DE ACÇÕES REPRESENTATIVAS DO CAPITAL SOCIAL DO BANCO BPI, S.A. BANCO COMERCIAL PORTUGUÊS,S.A. Sociedade Aberta Sede: Praça D.João I,, Porto Mat. CRC Porto: 40.043 NIPC: 501.525.882 Capital Social Registado: 3.257.400.827 Euros ANÚNCIO PRELIMINAR DE LANÇAMENTO DE OFERTA

Leia mais

Eurovida Companhia de Seguros de Vida, S.A., sociedade anónima pertencente ao Grupo Banco Seguros

Eurovida Companhia de Seguros de Vida, S.A., sociedade anónima pertencente ao Grupo Banco Seguros Data início de comercialização: 2007/05 por tempo indeterminado Empresa de Companhia de Seguros de Vida, S.A., sociedade anónima pertencente ao Grupo Banco Seguros Popular, com sede social na - 1099-090

Leia mais

PRÉMIOS CONSUMUS DIXIT FÓRUM DO CONSUMO

PRÉMIOS CONSUMUS DIXIT FÓRUM DO CONSUMO PRÉMIOS CONSUMUS DIXIT FÓRUM DO CONSUMO ETAPAS DO PROCESSO DE CANDIDATURA 1ª Etapa Candidaturas: 1 Out 2014 28 Fev 2015. O prémio Consumus Dixit é aberto a todos trabalhos profissionais, académicos, personalidades

Leia mais

relatório final do projecto.../pt/16/c/ /

relatório final do projecto.../pt/16/c/ / Relatório Final Estrutura 1. INTRODUÇÃO 1.1 Caracterização da Situação Antes da Intervenção 1.2 Objectivos da Intervenção 2. IDENTIFICAÇÃO DA DECISÃO 2.1 Elementos Básicos da Decisão Inicial 2.2 Alterações

Leia mais

Como Vender em Alemanha Uma acção à medida dos seus interesses

Como Vender em Alemanha Uma acção à medida dos seus interesses Como Vender em Alemanha Uma acção à medida dos seus interesses Ficha de Inscrição Encontre a resposta às suas dúvidas! Identifique a sessão pretendida: Porto AICEP (Rua António Bessa Leite, 1430-2.º andar)

Leia mais

Artigo 1.º Imunidade de jurisdição e insusceptibilidade de busca, apreensão, requisição, perda ou qualquer outra forma de ingerência

Artigo 1.º Imunidade de jurisdição e insusceptibilidade de busca, apreensão, requisição, perda ou qualquer outra forma de ingerência Resolução da Assembleia da República n.º 21/2002 Decisão dos Representantes dos Governos dos Estados- Membros da União Europeia, reunidos no Conselho, de 15 de Outubro de 2001, Relativa aos Privilégios

Leia mais

FUNDAÇÃO PARQUE TECNOLÓGICO ITAIPU - BRASIL PROCESSO FPTI-BR Nº. 0001/2014 Edital Nº 068/2014

FUNDAÇÃO PARQUE TECNOLÓGICO ITAIPU - BRASIL PROCESSO FPTI-BR Nº. 0001/2014 Edital Nº 068/2014 FUNDAÇÃO PARQUE TECNOLÓGICO ITAIPU - BRASIL PROCESSO FPTI-BR Nº. 0001/2014 Edital Nº 068/2014 A Fundação Parque Tecnológico Itaipu Brasil (FPTI-BR), por meio do PTI Ciência, Tecnologia e Inovação (PTI

Leia mais

A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS

A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS NOVEMBRO DE 2007 CMVM A 1 de Novembro de 2007 o

Leia mais

EDITAL DE PRODUÇÃO DE VÍDEO DA JUSTIÇA RESTAURATIVA

EDITAL DE PRODUÇÃO DE VÍDEO DA JUSTIÇA RESTAURATIVA Instituto Cultural São Francisco de Assis Centro de Promoção da Criança e do Adolescente São Francisco de Assis Estrada João de Oliveira Remião, 4444 Lomba do Pinheiro - Porto Alegre RS www.franciscanos-rs.org.br

Leia mais

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2013 REGULAMENTO Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2013 é uma competição interna da Laureate International

Leia mais

Concurso limitado por prévia qualificação para a celebração de acordo quadro para a prestação do serviço de seguro automóvel

Concurso limitado por prévia qualificação para a celebração de acordo quadro para a prestação do serviço de seguro automóvel Concurso limitado por prévia qualificação para a celebração de acordo quadro para a prestação do serviço de seguro automóvel Convite à apresentação de propostas ANCP Outubro de 2010 Índice Artigo 1.º Objecto

Leia mais

CARTÃO PRÉ-PAGO VISA KANDANDU

CARTÃO PRÉ-PAGO VISA KANDANDU [Imagem] CONTRATO DE ADESÃO CARTÃO PRÉ-PAGO VISA KANDANDU Órgão Nº de Entidade (NDE) Dados do Titular Nome Nome a gravar no cartão Nº de Conta - - Declaro serem verdadeiras todas as informações prestadas.

Leia mais

Sacerdotes do Coração de Jesus Dehonianos. Província Portuguesa. Estatutos da Associação dos Leigos Voluntários Dehonianos

Sacerdotes do Coração de Jesus Dehonianos. Província Portuguesa. Estatutos da Associação dos Leigos Voluntários Dehonianos Sacerdotes do Coração de Jesus Dehonianos Província Portuguesa Estatutos da Associação dos Leigos Voluntários Dehonianos CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Artigo 1º Denominação A ASSOCIAÇÃO DOS LEIGOS

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE MUDANÇA DE COMERCIALIZADOR - CONSULTA PÚBLICA -

PROCEDIMENTOS DE MUDANÇA DE COMERCIALIZADOR - CONSULTA PÚBLICA - PROCEDIMENTOS DE MUDANÇA DE COMERCIALIZADOR - CONSULTA PÚBLICA - 1. ENQUADRAMENTO Na sequência da consulta pública acima mencionada, promovida conjuntamente pelos reguladores português e espanhol, vem

Leia mais

O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:126814-2015:text:pt:html

O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:126814-2015:text:pt:html 1/6 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:126814-2015:text:pt:html Alemanha-Karlsruhe: Serviços de gestão de projetos e planeamento para projetos de construção

Leia mais

Primeira alteração à Lei n.º 9/2005, de 20 de Junho, Lei do Fundo Petrolífero

Primeira alteração à Lei n.º 9/2005, de 20 de Junho, Lei do Fundo Petrolífero IV GOVERNO CONSTITUCIONAL Proposta de Lei n. De... de... Primeira alteração à Lei n.º 9/2005, de 20 de Junho, Lei do Fundo Petrolífero O Fundo Petrolífero foi estabelecido em 2005 com o objectivo de contribuir

Leia mais

1. DISPOSIÇÕES GERAIS. 1.1 A Entidade Organizadora

1. DISPOSIÇÕES GERAIS. 1.1 A Entidade Organizadora 1. DISPOSIÇÕES GERAIS 1.1 A Entidade Organizadora A entidade organizadora do presente concurso é a Comissão de Viticultura da Região dos Vinhos Verdes (CVRVV), que sita na Rua da Restauração, 318 4050-501,

Leia mais

REGULAMENTO NO. 2000/6 SOBRE O ESTABELECIMENTO DE UM GABINETE CENTRAL DE PAGAMENTOS DE TIMOR LESTE

REGULAMENTO NO. 2000/6 SOBRE O ESTABELECIMENTO DE UM GABINETE CENTRAL DE PAGAMENTOS DE TIMOR LESTE UNITED NATIONS United Nations Transitional Administration in East Timor UNTAET NATIONS UNIES Administration Transitoire des Nations Unies au Timor Oriental UNTAET/REG/2000/6 22 de Janeiro de 2000 REGULAMENTO

Leia mais

COMISSÃO EUROPEIA Gabinete de Cooperação EuropeAid. América Latina Gestão financeira e contratual

COMISSÃO EUROPEIA Gabinete de Cooperação EuropeAid. América Latina Gestão financeira e contratual 1 Introdução ao sistema financeiro (custos elegíveis ) Custos directos elegíveis por natureza Custos não elegíveis Período de elegibilidade Repartição das despesas financeiras em conformidade com oanexo

Leia mais

Anúncio de concurso. Serviços

Anúncio de concurso. Serviços 1 / 8 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:102558-2016:text:pt:html Bélgica-Bruxelas: Serviços de subscrição de periódicos, publicações informativas, bases de

Leia mais

Bruxelas, 3 de Dezembro de 1980. Sr. Vice-Primeiro-Ministro:

Bruxelas, 3 de Dezembro de 1980. Sr. Vice-Primeiro-Ministro: Decreto n.º 143-A/80 Acordo, por troca de cartas, entre a República Portuguesa e a Comunidade Económica Europeia Relativo à Implementação de Uma Ajuda Pré-Adesão a Favor de Portugal O Governo decreta,

Leia mais

CURSO SOBRE PARTICIPAÇÃO DE GRUPOS DE INTERESSE

CURSO SOBRE PARTICIPAÇÃO DE GRUPOS DE INTERESSE CURSO SOBRE PARTICIPAÇÃO DE GRUPOS DE INTERESSE CENÁRIO: GESTÃO COLABORATIVA DE PESCAS Este caso de estudo é largamente fictício e foi baseado em Horrill, J.C., n.d. Collaborative Fisheries Management

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA ATRIBUIÇÃO DE UMA LICENÇA DE TÁXI PARA A FREGUESIA DE REGO DA MURTA, COM ESTACIONAMENTO FIXO EM VENDA DOS OLIVAIS

CONCURSO PÚBLICO PARA ATRIBUIÇÃO DE UMA LICENÇA DE TÁXI PARA A FREGUESIA DE REGO DA MURTA, COM ESTACIONAMENTO FIXO EM VENDA DOS OLIVAIS CONCURSO PÚBLICO PARA ATRIBUIÇÃO DE UMA LICENÇA DE TÁXI PARA A FREGUESIA DE REGO DA MURTA, COM ESTACIONAMENTO FIXO EM VENDA DOS OLIVAIS PROGRAMA DE CONCURSO Artigo 1.º OBJECTO E VALIDADE DO CONCURSO 1.

Leia mais

ANÚNCIO PRELIMINAR DE LANÇAMENTO DE OFERTA PÚBLICA GERAL DE AQUISIÇÃO DE ACÇÕES REPRESENTATIVAS DO CAPITAL SOCIAL DA PORTUGAL TELECOM, SGPS, SA.

ANÚNCIO PRELIMINAR DE LANÇAMENTO DE OFERTA PÚBLICA GERAL DE AQUISIÇÃO DE ACÇÕES REPRESENTATIVAS DO CAPITAL SOCIAL DA PORTUGAL TELECOM, SGPS, SA. SONAECOM, S.G.P.S., S.A. Sociedade Aberta Sede: Lugar do Espido, Via Norte, Maia Pessoa Colectiva nº 502 028 351 Matriculada na Conservatória de Registo Comercial da Maia sob o nº 45 466 Capital Social

Leia mais

APCMG - Associação Portuguesa de Clínicas Médicas, Clínicas de Medicina Dentária, Médicos, Médicos Dentistas e Gestores de Clínicas NIPC: 508826020

APCMG - Associação Portuguesa de Clínicas Médicas, Clínicas de Medicina Dentária, Médicos, Médicos Dentistas e Gestores de Clínicas NIPC: 508826020 ESTATUTOS Artigo Primeiro (Denominação e sede social) 1 - A associação, sem fins lucrativos, adopta a denominação de APCMG - Associação Portuguesa de Clínicas Médicas, Clínicas de Medicina. 2 - A sociedade

Leia mais

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO (EXEMPLO) Março 2015. Avaliação e Financiamento de Unidades de Investigação

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO (EXEMPLO) Março 2015. Avaliação e Financiamento de Unidades de Investigação PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO (EXEMPLO) Março 2015 Avaliação e Financiamento de Unidades de Investigação Protocolo de Colaboração (Exemplo) O Termo de Aceitação (TA) do financiamento atribuído pela Fundação

Leia mais

Projecto ApoiarMicro - REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO

Projecto ApoiarMicro - REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO Regulamento de Funcionamento Preâmbulo Tendo como principal objectivo fomentar o empreendedorismo na Região da Lezíria do Tejo, a NERSANT Associação Empresarial em parceria com a Comunidade Intermunicipal

Leia mais

EMPRÉSTIMO OBRIGACIONISTA GALP ENERGIA 2013/2018 FICHA TÉCNICA. Galp Energia, SGPS, S.A. Euro. 100.000 (cem mil euros) por Obrigação.

EMPRÉSTIMO OBRIGACIONISTA GALP ENERGIA 2013/2018 FICHA TÉCNICA. Galp Energia, SGPS, S.A. Euro. 100.000 (cem mil euros) por Obrigação. EMPRÉSTIMO OBRIGACIONISTA GALP ENERGIA 2013/2018 FICHA TÉCNICA ENTIDADE EMITENTE: MODALIDADE: MOEDA: MONTANTE DA EMISSÃO: REPRESENTAÇÃO: VALOR NOMINAL: PREÇO DE SUBSCRIÇÃO: Galp Energia, SGPS, S.A. Emissão

Leia mais

ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS RESPOSTAS SOCIAIS

ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS RESPOSTAS SOCIAIS 1. bjectivo presente documento tem como objectivo definir o esquema de acreditação para a Certificação do Serviço proporcionado pelas várias Respostas Sociais, tendo em conta os Modelos de Avaliação da

Leia mais

WWOOF - ASSOCIAÇÃO PARA A PROMOÇÃO DE OPORTUNIDADES MUNDIAIS EM AGRICULTURA BIOLÓGICA

WWOOF - ASSOCIAÇÃO PARA A PROMOÇÃO DE OPORTUNIDADES MUNDIAIS EM AGRICULTURA BIOLÓGICA WWOOF - ASSOCIAÇÃO PARA A PROMOÇÃO DE OPORTUNIDADES MUNDIAIS EM AGRICULTURA BIOLÓGICA O presente Regulamento Interno destina-se a explicitar os princípios de funcionamento da Associação WWOOF. CAPITULO

Leia mais

PROGRAMA DE CONCURSO

PROGRAMA DE CONCURSO PROGRAMA DE CONCURSO Cessão de Exploração da Loja N do Centro Comercial e de Artesanato de Penela 1 ENTIDADE PROMOTORA: Município de Penela, Praça do Município 3230-253 Penela, telefone 239560120, fax

Leia mais

Ministério da Ciência e Tecnologia

Ministério da Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia Conselho de Ministros DECRETO nº.../07 de... de... Considerando que as aplicações pacíficas de energia atómica assumem cada vez mais um papel significativo no desenvolvimento

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Despacho Sob proposta do Gestor do Programa Operacional Sociedade do Conhecimento e nos termos da alínea a) do n.º 1 do artigo 29º do Decreto-Lei n.º 54-A/2000, de

Leia mais

AHETA - Associação. Empreendimentos. Oportunidades de poupança fiscal e incentivos financeiros

AHETA - Associação. Empreendimentos. Oportunidades de poupança fiscal e incentivos financeiros AHETA - Associação dos Hotéis e Empreendimentos Turísticos do Algarve Oportunidades de poupança fiscal e incentivos financeiros Abril de 2013 Alojamento local AHETA Oportunidades de poupança fiscal Reafectação

Leia mais

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS FINANCIADO PELO GOVERNO ITALIANO (MAE/DGCS) PROGRAMA AID 8420

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS FINANCIADO PELO GOVERNO ITALIANO (MAE/DGCS) PROGRAMA AID 8420 AID 8420 Divulgação destinada exclusivamente à Entidade Contratante e ao autor do documento tendo em vista proteger dados pessoais e a vida privada, bem como a confidencialidade de informações comerciais

Leia mais

CÓDIGO INTERNACIONAL ICC/ESOMAR PARA A INVESTIGAÇÃO SOCIAL E DE MERCADO

CÓDIGO INTERNACIONAL ICC/ESOMAR PARA A INVESTIGAÇÃO SOCIAL E DE MERCADO CÓDIGO INTERNACIONAL ICC/ESOMAR PARA A INVESTIGAÇÃO SOCIAL E DE MERCADO INTRODUÇÃO O primeiro Código para a Prática de Investigação Social e de Mercado foi publicado pela ESOMAR em 1948. Depois deste foram

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA CONSULADO GERAL DA REPÚBLICA DE ANGOLA PEDIDO DE VISTO TRABALHO PRIVILEGIADO PARA FIXAÇÃO DE RESIDÊNCIA

REPÚBLICA DE ANGOLA CONSULADO GERAL DA REPÚBLICA DE ANGOLA PEDIDO DE VISTO TRABALHO PRIVILEGIADO PARA FIXAÇÃO DE RESIDÊNCIA Vistos de Privilegiado Documentos necessários: Carta do interessado, dirigida à Missão Consular de Angola, a solicitar o visto, com assinatura reconhecida pelo Notário e visado por este Consulado; Formulário

Leia mais

Moçambique: nova Lei de Minas e nova Lei dos Petróleos

Moçambique: nova Lei de Minas e nova Lei dos Petróleos 5 de setembro de 2014 Moçambique: nova Lei de Minas e nova Lei dos Petróleos mozambique@vda.pt Foram publicadas, em Boletim da República, a Lei n.º 20/2014, de 18 de Agosto ( Lei de Minas ) e a Lei n.º

Leia mais

O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:378383-2013:text:pt:html

O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:378383-2013:text:pt:html 1/6 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:378383-2013:text:pt:html Polónia-Varsóvia: Contrato-quadro para desenvolvimento de Intranet com base em SharePoint, sistema

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA ONLINE WWW.ZILIANCHOOSE.COM. Artigo 1.º. (Âmbito e Definições)

CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA ONLINE WWW.ZILIANCHOOSE.COM. Artigo 1.º. (Âmbito e Definições) CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA ONLINE WWW.ZILIANCHOOSE.COM Artigo 1.º (Âmbito e Definições) 1 As presentes condições gerais regulam a venda, incluindo o registo e a encomenda, de produtos através da página/sítio

Leia mais

I-Ispra: Fornecimento e instalação de cablagem estruturada, instalação de sistemas de voz-dados e redes de fibra ótica 2013/S 121-206362

I-Ispra: Fornecimento e instalação de cablagem estruturada, instalação de sistemas de voz-dados e redes de fibra ótica 2013/S 121-206362 1/6 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:206362-2013:text:pt:html I-Ispra: Fornecimento e instalação de cablagem estruturada, instalação de sistemas de voz-dados

Leia mais

Sessão de Divulgação - ALBUFEIRA

Sessão de Divulgação - ALBUFEIRA Sessão de Divulgação - ALBUFEIRA Entidade: Centro de Emprego de Loulé Tema: Apoios à de Empresas e Criação do Próprio Emprego IEFP,I.P. 1. O Plano de Negócios 2. Apoios à Criação do Próprio Emprego ou

Leia mais

Concurso de Design Mascote Eficiência Energética

Concurso de Design Mascote Eficiência Energética Concurso de Design Mascote Eficiência Energética Regulamento 1. Introdução O presente concurso destina-se à criação da Mascote da Eficiência Energética, que estará associada à COGEN Portugal, e que será

Leia mais

REGULAMENTO DO PASSAPORTE PARA O EMPREENDEDORISMO

REGULAMENTO DO PASSAPORTE PARA O EMPREENDEDORISMO REGULAMENTO DO PASSAPORTE PARA O EMPREENDEDORISMO Artigo 1º Âmbito Ao abrigo do n.º 1 do artigo 8.º da Portaria n.º 370-A/2012, de 15 de novembro de 2012, o presente regulamento estabelece os procedimentos

Leia mais

Termos de Referência

Termos de Referência MAPEAMENTO DE PARTES INTERESSADAS (PARCEIROS E DOADORES) Termos de Referência 1. Contexto O Fundo Mundial para a Natureza (WWF) tem vindo a trabalhar em Moçambique desde os meados dos anos 90 em áreas-chave

Leia mais

CONDIÇÕES DO CONTRATO DE CONCESSÃO DE EXPLORAÇÃO DO ESTABELECIMENTO SITO NO PORTO DE RECREIO DE OLHÃO

CONDIÇÕES DO CONTRATO DE CONCESSÃO DE EXPLORAÇÃO DO ESTABELECIMENTO SITO NO PORTO DE RECREIO DE OLHÃO CONDIÇÕES DO CONTRATO DE CONCESSÃO DE EXPLORAÇÃO DO ESTABELECIMENTO SITO NO PORTO DE RECREIO DE OLHÃO 1.- OBJECTO DO CONTRATO 1.1. - O contrato terá por objecto a concessão de exploração do Snack-Bar-Restaurante

Leia mais

REGULAMENTO PARA A APRESENTAÇÃO DE PROPOSTA AO PRÉMIO IDEIAS EM GRANDE

REGULAMENTO PARA A APRESENTAÇÃO DE PROPOSTA AO PRÉMIO IDEIAS EM GRANDE REGULAMENTO PARA A APRESENTAÇÃO DE PROPOSTA AO PRÉMIO IDEIAS EM GRANDE ARTIGO I - INTRODUÇÃO O projeto Sem Fronteiras: formar, agir e empreender ( Behind the threshold. Improving migrants integration through

Leia mais

Investir em Moçambique Aspectos jurídicos do Investimento Imobiliário. Manuel Camarate de Campos

Investir em Moçambique Aspectos jurídicos do Investimento Imobiliário. Manuel Camarate de Campos Manuel Camarate de Campos logo_rsalp Investir em Moçambique Coimbra, 3 de Novembro de 2014 Investimento imobiliário? Habitação (condomínios, moradias, habitação social) Centros comerciais/retail Parks

Leia mais

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO PARA AS MATÉRIAS FINANCEIRAS/COMISSÃO DE AUDITORIA

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO PARA AS MATÉRIAS FINANCEIRAS/COMISSÃO DE AUDITORIA Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO PARA AS MATÉRIAS FINANCEIRAS/COMISSÃO DE AUDITORIA Aprovado em 18 de Junho de 2015 REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO PARA AS MATÉRIAS FINANCEIRAS/COMISSÃO

Leia mais

RELATÓRIO DE EXECUÇÃO FINANCEIRA

RELATÓRIO DE EXECUÇÃO FINANCEIRA PROGRAMA EUROSTARS RELATÓRIO DE EXECUÇÃO FINANCEIRA INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ACOMPANHAMENTO FINANCEIRO COMPONENTES DO RELATÓRIO A verificação da execução financeira dos projectos EUROSTARS é suportada

Leia mais

PROPOSTA DE SEGURO TODOS OS RISCOS DESMONTAGEM, TRANSPORTE E MONTAGEM

PROPOSTA DE SEGURO TODOS OS RISCOS DESMONTAGEM, TRANSPORTE E MONTAGEM PROPOSTA DE SEGURO TODOS OS RISCOS DESMONTAGEM, TRANSPORTE E MONTAGEM INTERNATIONAL COMMERCIAL AND ENGINEERING ICE SEGUROS S.A. 141A Rua José Craveirinha Bairro de Polana Cidade de Maputo Moçambique INSTRUÇÕES

Leia mais

4.1. A verba máxima disponível por projecto será de 200.000 Euros. A ajuda solicitada poderá ser aplicada para financiar pessoal, aquisição de

4.1. A verba máxima disponível por projecto será de 200.000 Euros. A ajuda solicitada poderá ser aplicada para financiar pessoal, aquisição de Bases reguladoras para a concessão das ajudas destinadas a dar apoio à valorização de projectos de investigação ao abrigo da Rede Universitária Iberoamericana de Incubação de Empresas (RedEmprendia) Em

Leia mais

A Concepção da Ideia

A Concepção da Ideia A Concepção da Ideia Inov@emprego - Fórum do emprego, formação e empreendedorismo do litoral alentejano Tiago Santos Sines, 7 de Novembro de 2008 Sines Tecnopolo O Sines Tecnopolo é uma associação de direito

Leia mais