Instituto Nacional do Turismo Abril de 2013 GLOSSÁRIO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Instituto Nacional do Turismo Abril de 2013 GLOSSÁRIO"

Transcrição

1 CONCURSO PARA CONSTRUÇÃO E EXPLORAÇÃO DE EMPREENDIMENTO TURÍSTICOS NAS ILHAS EPIDENDRON E CASUARINAS E NA RESERVA NACIONAL DO GILÉ PROVÍNCIA DA ZAMBÉZIA Instituto Nacional do Turismo Abril de 2013 GLOSSÁRIO Página 1 de 21

2 Contrato de Cessão de Exploração Data da Proposta DNAC EIA GdM INATUR Licença de Turismo MdE MICOA MITUR Proposta Proponente RNG Receita Bruta SDP O contrato a celebrar entre o Proponente Seleccionado e o INATUR A data limite para apresentação da Proposta Direcção Nacional das Áreas de Conservação Estudo de Impacto Ambiental realizado para a avaliação dos impactos ambientais da construção de um determinado empreendimento e sua subsequente operação; Governo de Moçambique Instituto Nacional de Turismo Documento oficial, intransmissível de Autorização para desenvolver a actividades turísticas, por um determinado período de tempo. Memorando de Entendimento Ministério para a Coordenação da Acção Ambiental Ministério do Turismo Uma Proposta apresentada nos termos desta SDP A entidade que tenha manifestado o seu interesse e recebido esta SDP, e apresente uma Proposta nos termos da mesma Reserva Nacional do Gilé O volume de receitas do negócio obtidas de todas as fontes e antes da dedução de quaisquer custos ou despesas incluindo comissões e descontos Esta Solicitação de Propostas Página 2 de 21

3 REPARO IMPORTANTE 1 O Instituto Nacional do Turismo (INATUR) ou qualquer dos seus funcionários, agentes contratados ou assessores não assumem quaisquer responsabilidades ou prestam garantias expressas ou implícitas, respeitante à exactidão ou perfeição desta Solicitação de Propostas - SDP, não aceitando qualquer responsabilidade relativa ao uso, por qualquer parte interessada, da informação contida nesta Solicitação de Propostas e documentos afins. 2 A informação contida nesta SDP e demais documentos do concurso é fornecida para ajudar o Proponente a fazer a sua própria avaliação das oportunidades aqui apresentadas e a decidir, na base da sua própria discrição, se deverá ou não apresentar uma Proposta. O Proponente deverá procurar a sua própria assessoria independente e basear-se nas suas próprias investigações para tomar qualquer decisão. A presente SDP refere-se à exploração das Ilhas Epidendron e Casuarina na perspectiva de turismo integrado em coordenado com o desenvolvimento da Reserva Nacional do Gilé. Nestes termos, baseando-se nesta SDP, devem-se apresentar propostas especificando a forma de exploração de cada ilha e de forma a fazer combinação entre o desenvolvimento das ilhas e a RNG, assim chamada combinação praia e a selva (beach & bush). O INATUR reserva-se o direito de: 2.1 Fazer emendas a esta SDP e demais documentos do concurso; 2.2 Prestar esclarecimentos escritos nos termos aqui previstos; e 2.3 Excluir as propostas que não sejam apresentadas em conformidade com o estabelecido nesta SDP. CONFIDENCIALIDADE 3 O Proponente deve, a todo tempo: 3.1 Diligenciar no sentido de manter a confidencialidade sobre todas as informações relacionadas com a sua Proposta e, caso seja seleccionado, sobre as negociações com o INATUR, salvo informação que seja de domínio público ou venha a ser publicitada; 3.2 Não utilizar nem revelar informações qualificadas como confidenciais excepto com o consentimento do INATUR ou em cumprimento de uma ordem judicial, ou de uma disposição legal ou regulamento que lhe seja aplicável. 4 O INATUR deve, a todo tempo: 4.1 Diligenciar no sentido de manter a confidencialidade sobre todas as informações obtidas ou que possa vir a obter relacionadas com as Propostas recebidas ao abrigo desta SDP, Página 3 de 21

4 salvo informação que seja de domínio público ou venha a ser publicitada; ou que tenha sido revelada ao INATUR por terceiros que não tenham obtido a informação sob reserva de confidencialidade ou que seja obtida de forma independente como resultado de trabalho desenvolvido por uma pessoa a quem não tenha sido revelada esta informação; ou que seja necessária para que os assessores possam assistir na adjudicação do Contrato. 4.2 Não utilizar nem revelar informações qualificadas como confidenciais excepto com o consentimento do Proponente ou em cumprimento de uma ordem judicial, ou de uma disposição legal ou regulamento que lhe seja aplicável. INTRODUÇÃO 5 As Ilhas Casuarina e Epidendron (Ilhas Primeiras do Arquipélago das Ilhas Primeiras e Segundas) e a Reserva Nacional do Gilé (RNG) enquadram-se nos Projectos Âncoras de Investimento em Turismo, uma iniciativa do Governo Moçambicano representado pelo Ministério do Turismo (MITUR) e o INATUR que são os implementadores (Mapa 1). Mapa 1. Localização das Ilhas Primeiras (Epidendron e Casuarina) e da RNG Com este concurso o INATUR tem o objectivo de encontrar um candidato para implantação e exploração de um projecto turístico integrado nas Ilhas Casuarina e Epidendron em ligação Página 4 de 21

5 com a RNG, de acordo com as condições estabelecidas nesta SDP e de acordo com o contrato de cessão de exploração a ser celebrado com o INATUR. O projecto pretende encontrar um investidor com as seguintes características: 5.1 Marca de renome regional e internacional em gestão de hotéis; 5.2 Forte capacidade regional e internacional de marketing, operações e vendas e experiência no sector de ecoturismo; 5.3 Estrutura de preços direccionada a um mercado de alto rendimento; 5.4 Demonstração de capacidade financeira; 5.5 Forte experiência no enraizamento da consciência ambiental, de preferência com credenciais a nível da operação de empreendimentos de ecoturismo em áreas protegidas; 5.6 Boas referências de responsabilidade social. Para efeitos de candidatura esta SDP: 5.7 Descreve as Ilhas e a RNG; 5.8 Apresenta o quadro legal e de políticas aplicáveis ao Projecto; 5.9 Explica as regras que regem a fase de apresentação de propostas; 5.10 Avança pormenores sobre o Projecto, Área e os principais termos e condições da cessão de exploração; 5.11 Estabelece os requisitos sobre o e conteúdo das Propostas; 5.12 Explica os procedimentos para a preparação, apresentação e avaliação das Propostas; e 5.13 Contém datas indicativas para a apresentação das Propostas. AS ILHAS CASUARINA E EPIDENDRON 6 As Ilhas Casuarina e Epidendron constituem parte integrante do Arquipélago das Ilhas Primeiras e Segundas que se estende nas águas territoriais Moçambicanas entre as províncias da Zambézia e de Nampula. Epidendron tem uma área de 32ha e Casuarina possui uma área de 24ha e ambas se localizam administrativamente no Distrito de Pebane, Província da Zambézia. Estas ilhas situam-se entre corais e recifes que albergam ecossistemas de alto valor ecológico na região, associado ao valor paisagístico fundamentado na vegetação indígena em bom estado de conservação. Esta característica contribuiram para que estas ilhas fossem declaradas Zona de Proteccao Ambiental o que significa que a sua ocupação e utilização deve Página 5 de 21

6 obedecer a critériios definidos no Plano de Maneio a ser desenvolvido para o efeito. Por outro lado, as mesmas características conferem, às ilhas, habilidades para acolher mergulho (superficial e profundo) para a contemplação da fauna e paisagem marinhas. A pesca (recreativa e desportiva) constitui outro produto a ser explorado nas ilhas, tendo como denominador comum a sustentabilidade em todos seus parâmetros. A distância entre as duas ilhas é de 5km e ambas estão a 10km da costa, a norte da foz do Rio Molocué. A povoação mais próxima encontra-se ao longo da costa a 40km na localidade de Moebase. Os aeroportos mais próximos localizam-se nas Cidades de Quelimane e Nampula. As localidades de Pebane, Moebase, Moma e Gilé apresentam pistas de aterragem. Todavia para o efeito deste concurso não há garantia de operacionalização de tais infra-estruturas deixando-se a possibilidade e condições de exploração daquelas infra-estruturas do proponente aprovado, caso este assuma a necessidade do seu uso. Estas duas ilhas são de particular interesse para o aproveitamento turístico pelo valor ecológico dos seus ecossistemas, proximidade uma da outra e facilidade de ligação entre as actividades nelas a serem desenvolvidas com a RG, também localizado no Distrito de Pebane, Província da Zambézia. A RESERVA NACIONAL DO GILÉ 7 A RNG cobre uma área de 2.100km 2 e situa-se entre os rios Molocue e Mulela, a 30km da costa. Esta reserva é constituída por florestas de miombo, dambos, savana arborizada e vegetação ribeirinha ao longo de vários rios e riachos Em termos de fauna existem nesta reserva cerca de 95 espécies de mamíferos com destaque para o elefante, leão, leopardo, cão selvagem, pala-pala, cudo, inhala e mais de 114 espécies de aves. A prioridade de investimentos nesta área é exclusivamente reservada ao Ecoturismo, sendo que na sua Zona Tampão é prevista a criação de uma Coutada Comunitária para o desenvolvimento do turismo de caça. Além das infraestruturas de maneio, não há registo de outras infra-estruturas nesta reserva pois não alberga população humana a residir no seu interior, por sinal a única área de conservação com essa característica em Moçambique. Pretende-se que a RNG e as duas ilhas sejam exploradas de forma integrada por um projecto de alto nível que fornece a oportunidade aos que visitam as ilhas também de visitarem a RNG, num conjunto de praia e selva que representa uma mais valia deste complexo. A RNG é gerida pela Direcção Nacional das Áreas de Conservação (DNAC), existindo uma Página 6 de 21

7 estrutura de Co-gestão que inclui a Administração da RNG, as administrações locais e os parceiros internacionais de cooperação. O PROCESSO DO CONCURSO 8 O INATUR reserva-se o direito de, a todo o momento, alterar a calendarização das actividades ou por qualquer outra forma modificar, acrescentar ou clarificar esta SDP. O INATUR poderá cancelar o concurso mediante simples notificação, e pode desqualificar qualquer proponente tal como previsto nesta SDP. O INATUR ou seus colaboradores não incorrerão em responsabilidade pelo exercício dos direitos previstos neste parágrafo, atribuídos nesta SDP ou outros disponíveis na legislação Moçambicana. Mais, ao INATUR reserva-se o direito de solicitar, a qualquer momento, informações adicionais ou documentação do Proponente e relativamente à Proposta. Normas Legais Aplicáveis 9 O processo de elaboração e apresentação da Proposta será realizado de acordo com os termos desta SDP e as leis da República de Moçambique. Correspondência e Comunicação 10 Toda a correspondência e comunicações deverão ser trocadas com o Representante Oficial para o Concurso: INSTITUTO NACIONAL DO TURISMO À Atenção do Director Geral Av. 25 de Setembro, nº 1203, 2º andar, Maputo Tel: Fax: (Coordenador do Concurso) 11 Nenhum Proponente pode corresponder-se ou comunicar-se com qualquer indivíduo da Equipa Técnica, funcionários do INATUR e da DNAC, seus assessores, pessoal e colaboradores, sem que para tal tenha obtido prévia permissão por escrito do Representante Oficial; caso contrário o Candidato poderá ser excluído. Aceitação dos Termos e Condições da SDP e do Contrato de Cessão de Exploração 12 A apresentação de uma Proposta implica o conhecimento e aceitação integral de todos os Página 7 de 21

8 termos e condições estabelecidas nesta SDP. Despesas 13 O Proponente será responsável por todos os custos, despesas e perdas por si incorridas na preparação e apresentação da Proposta ou de outro modo relacionados com a Proposta. O INATUR não indemnizará o Proponente por quaisquer custos, despesas ou perdas, independentemente do resultado do processo da Proposta. Nomeação de Representante Legal Local 14 O Proponente estrangeiro ou não residente em Moçambique deverá nomear um ou mais representantes legais residentes em Moçambique, devidamente mandatados por uma deliberação do Proponente e com poderes legais para representar o Proponente em todos os contactos com o INATUR. Visitas à Área e Consultas 15 Até 15 dias antes da data de abertura de propostas, os proponentes poderão visitar as Ilhas Casuarina e Epidendron, bem como a RNG, mediante arranjo prévio com o Representante Oficial e com a estrutura de co-gestão da RNG, sendo que estas viagens serão custeadas pelo Proponente. 16 O INATUR agindo através do seu Representante Oficial, apenas aceitará perguntas, sugestões e pedidos de esclarecimentos apresentados por escrito (dirigidos ao Representante Oficial). Responsabilidades do Proponente 17 Os Proponentes serão os únicos responsáveis pelas suas próprias investigações sobre a Área, os termos do Projecto proposto e de todas as questões relativas a esta SDP e Projecto (incluindo, entre outros, todos os requisitos de conformidade do empreendimento com a lei moçambicana). O INATUR e a DNAC, ou qualquer dos seus colaboradores, trabalhadores, oficiais ou assessores não dão qualquer conforto ou garantias, expressas ou implícitas, relativamente a qualquer assunto que diga respeito ao Projecto. 18 Nenhum acordo verbal ou conversa, nem esclarecimento verbal de qualquer oficial ou funcionário do INATUR ou da DNAC, ou qualquer dos seus assessores, afectarão ou modificarão quaisquer dos termos ou condições contidos nesta SDP. Serão apenas consideradas como válidas e autorizadas as emendas, suplementos ou esclarecimentos a SDP enviadas pelo Representante Oficial aos Proponentes. Data Limite de Apresentação das Proposta 19 As Propostas deverão ser endereçadas ao Representante Oficial e chegar aos escritórios do Página 8 de 21

9 INATUR até às 14:00 horas do dia 24 de Maio de A abertura das propostas na presença dos concorrentes que pretendam assistir o acto, será feita às 14:30 do dia 24 de Maio de 2013, portanto no mesmo dia da entrega, nos escritórios do INATUR. DETALHES DO PROJECTO Limites Geográficos da Área e seu Uso 21 Esta SDP refere-se ao desenvolvimento do ecoturismo nas ilhas Casuarina e Epidendron e na RNG, conforme ilustrado no esboço topográfico que se segue (Mapa 2). Epidendron tem uma área de 32ha e Casuarina ocupa uma área de 24ha, sendo que a RNG cobre uma área total de km 2. Conforme ao Plano de Maneio elaborado, no interior da RNG são identificadas duas zonas para o desenvolvimento do ecoturismo (Mapa 3). Nampula Province MOMA Zambezia Province Ponta Pandera INDIAN OCEAN Mozambique Channel Boat Link Epidendron Island Ponta Lipobane Casuarina Island Ponta Mecalonga Proposed Airstrip km Casuarina Island Epidendron Island INDIAN OCEAN Mozambique Channel Coordenadas Geográficas das Ilhas Casuarina 17º S 39º E Epidendron 17º S 39º E Mapa 2. Área de localização das Ilhas Casuarina e Epidendron e suas coordenadas geográficas. Página 9 de 21

10 Mapa 3. Localização das zonas de desenvolvimento do ecoturismo na RNG. 22 As ilhas Casuarina e Epidendron não apresentam habitação mas as praias adjacentes constituem recurso para subsistência de pescadores (pequena escala) das comunidades das zonas próximas (área continental). Em relação a este aspecto o Proponente reconhece igualmente que a praia é uma rota pública e que terceiros terão o direito de entrar na praia situada defronte à área do projecto desde que não remetam à ocupação do espaço de terra firme, área do projecto. 23 Não existe população humana residente no interior da RNG, havendo assim população residente na sua Zona Tampão. Pagamentos 24 O contrato entre o INATUR e o proponente vencedor irá incidir sobre a concessão das ilhas para exploração. Assim, o proponente deverá indicar uma proposta financeira da taxa de concessão a pagar pela exploração das ilhas. A taxa de concessão poderá ser definida em Página 10 de 21

11 intervalos mensal, trimestral e semestral. Vigência do Contrato de Cessão de Exploração 25 O Contrato em referência permanecerá válido e eficaz por um período de 50 anos renováveis de acordo as negociações entre as partes. Infra-estruturas 26 Para além do farol implantado na Ilha Epidendron, nas duas ilhas não existem outras infraestruturas (água, energia, etc.). O farol referenciado durante a implantação e exploração do projecto não deve ser retirado, barrada a sua visibilidade ou submetido a um aproveitamento/actividades que comprometam o efeito para o qual foi criado. 27 Para além das infra-estruturas de maneio, e de um pequeno acampamento de tendas na localidade de Lice (actualmente utilizado para as visitas turísticas, institucionais e cientificas) não existem outras infra-estruturas no interior da RNG. 28 O proponente aprovado será responsável pelo projecto, construção, financiamento e manutenção de infra-estruturas turísticas e de apoio que sejam apropriadas tal como apresentadas na Proposta (aceite pelo INATUR através do processo descrito nesta SDP). Capacidade de Carga 29 O proponente deverá indicar, por cada uma das áreas a ser desenvolvida, a capacidade de carga em termos de espaço e número de turistas conforme detectado nos próprios levantamentos e conforme as indicações das autoridades e dos técnicos da INATUR e da DNAC. Contudo poderão existir alterações consoante o que se constate no Estudo de Impacto Ambiental (Categoria A) que deverá ser preparado pelo proponente contratado numa segunda fase e aprovado pelo Ministério pela Coordenação da Acção Ambiental (MICOA). Todavia, os Proponentes devem assegurar-se que os requisitos de sustentabilidade e procedimentos legais aplicáveis sejam observados: 29.1 Ressalvar as condições para o licenciamento ambiental tal como referido acima Desenvolver empreendimentos numa perspectiva de turismo integrado em concordância com as características ambientais de cada ilha e da RNG Não é permitida a condução de viaturas na praia. Actividades 30 O Proponente deve apresentar uma lista detalhada de actividades turísticas que se propõe a desenvolver no complexo das ilhas Casuarina e Epidendron e na RNG, seguindo as seguintes especificações: 30.1 Garantir harmonia entre a conservação e promoção do meio ambiente e a actividade Página 11 de 21

12 turística; 30.2 Desenvolver actividades turísticas para mercado de alta renda nas ilhas Casuarina e Epidendron e de alta e média renda na RNG; 30.3 Desenvolver o projecto em conformidade com os princípios do Turismo Integrado, incluindo benefícios para as comunidades locais e em respeito do meio ambiente; 30.4 Desenvolver actividades que não interditem as actividades da comunidade salvo situação de acordos, nos termos legais, com a comunidade devendo estar garantido o benefício da mesma em relação ao acordo. 31 O ecoturismo no complexo das ilhas Casuarina e Epidendron e da RNG será desenvolvido de forma faseada, sendo as ilhas a ser desenvolvidas numa primeira fase e a RNG numa fase posterior. Fica contudo entendido que o desenvolvimento das ilhas Casuarina e Epidendron é ligado de forma indissolúvel com o desenvolvimento do ecoturismo da RNG. Assim os proponentes deverão apresentar uma proposta integrada para o complexo na sua totalidade. 32 Todas as actividades a ser desenvolvidas no complexo das ilhas Casuarina e Epidendron e da RNG serão supervisionadas e monitorizadas constantemente pelas autoridades competentes, a Direcção Provincial do Turismo da Zambézia (ilhas Casuarina e Epidendron) e a estrutura de Co-gestão da RNG (no interior da RNG), assim como pelas delegações locais sedeadas nos distritos de Gilé e Pebane. Acessos 33 As Ilhas não possuem actualmente nenhuma pista de aterragem. Para esta infra-estrutura o local indicado para implantação é a Ilha Casuarina devido à característica da vegetação (homogénea) e configuração geométrica (estreito) quando comparado à outra ilha. Contudo, o Proponente poderá indicar na sua Proposta a necessidade e local para a pista tendo em conta as seguintes especificações: 33.1 Área; 33.2 Material; 33.3 Tipo de aeronaves a usar. 34 O desenvolvimento de tal infra-estrutura deverá ser por conta do Proponente, mediante a apresentação de um estudo de impacto ambiental para o apuramento da viabilidade da sua implantação na proposta a ser apresentada ao INATUR pelo proponente. De referir que o estudo ora mencionado será solicitado apenas ao proponente vencedor. 35 O proponente deve indicar igualmente outras modalidades de acesso a adoptar especificando as infra-estruturas e os meios de transporte (características e modo de funcionamento). 36 Ao INATUR ou outras entidades do GdM reserva-se o direito de levar pessoas, ou autorizar a entrada de pessoas na Área, para visitas de trabalho (incluindo, mas não se limitando, a Página 12 de 21

13 inspecções periódicas à Área, às infra-estruturas do Projecto e actividades do Proponente) ou para outros fins considerados como justificados (sem limitações, à realização de pesquisas a serem realizadas ao abrigo de procedimentos legais). 37 A RNG é acessível através de picadas em terra batidas a partir da Vila de Gilé (cerca de 30km) e da Vila de Pebane (cerca de 80km), não sendo assim necessária a abertura de outras estradas. Será avaliada, contudo, a possibilidade de abertura de uma pista de aterragem no interior da RNG num local a ser definido e concordado com a estrutura de gestão da RNG. Desenvolvimento Comunitário 38 O Projecto deve contribuir significativamente para o crescimento económico, criação de emprego e alívio da pobreza. 39 Actualmente, as Ilhas não são habitadas mas constituem fonte de subsistência para as comunidades vizinhas, estas que usam as ilhas para extracção de plantas medicinais assim como abrigo temporário (casas de material local) por pescadores de pequena escala oriundos das comunidades da área continental próxima às ilhas, durante a actividade de pesca, esta que constitui sua base de sobrevivência. Estas comunidades são as principais beneficiárias do desenvolvimento turístico e o Projecto não as pode prejudicar. Em consideração a este aspecto o proponente deve indicar o contributo do projecto para o desenvolvimento da comunidade indicando: 39.1 Formas de contribuição; 39.2 Programa de benefícios comunitários; 39.3 Orçamento de actividades de benefícios comunitários; 39.4 Outras (a serem indicadas pelo proponente). 40 Estas especificações não isentam o proponente de cumprir (pagamento de taxas, etc.) estabelecidas por lei como bases legais de contributo da actividade turística para o desenvolvimento comunitário. Garantias 41 Todos os Proponentes deverão apresentar uma garantia provisória ( Garantia do Concurso ) a favor do INATUR, num valor correspondente a USD (cem mil dólares norte americanos). 42 A garantia permanecerá válida por um período de 180 dias úteis a contar da data de abertura das propostas, podendo ser prorrogada pelo INATUR e por igual período se tal se revelar necessário por virtude de atrasos inesperados que se verificarem no decorrer do processo. 43 As Garantias do Concurso de todos os Proponentes não seleccionados só serão devolvidas após a assinatura do Contrato com o proponente vencedor. Qualquer um dos motivos que se seguem dará lugar à renúncia à Garantia do Concurso: Página 13 de 21

14 43.1 Qualquer distorção substantiva de informação prestada pelo Proponente na Proposta; 40.2 A desistência ou modificação substantiva da sua Proposta durante o período de validade, ou seja, até ao encerramento das negociações; 40.3 Não apresentação, pelo Proponente Seleccionado, da Garantia de Definitiva requerida no Contrato de Cessão de Exploração. 41 A Garantia do Concurso será remida à primeira solicitação no caso de uma ou mais das situações descritas anteriormente vierem a ocorrer. A libertação da Garantia não prejudica os direitos do INATUR de procurar outras formas de reparação dos danos que sejam possíveis nos termos da legislação Moçambicana. 42 Para além desta Garantia do Concurso, o Proponente Seleccionado deverá prestar uma Garantia Definitiva (Garantia de Desempenho) cobrindo as fases de desenvolvimento e operações. CONTEÚDO DA PROPOSTA Informação Geral 43 A Proposta deve ser preparada com base na informação fornecida nesta SDP e em qualquer outra informação obtida de forma apropriada pelo Proponente durante o período de preparação da Proposta. 44 Deverão ser apresentadas 3 cópias impressas e uma electrónica (PDF ou World) da Proposta. 45 A Proposta deverá incluir a informação apresentada nos parágrafos subsequentes: 45.1 Carta de Cobertura; 45.2 Informação Sobre o Proponente; 45.3 Garantia do Concurso; 45.4 Plano de Desenvolvimento e Aproveitamento; 45.5 Plano de Negócios; 45.6 Proposta Financeira; 45.7 Plano de Benefícios Comunitários; 45.8 Plano preliminar de mitigação ambiental 46 A Proposta deve incluir uma carta de cobertura dirigida ao Representante Oficial e assinada por um representante autorizado do Proponente. Nela será apresentada a Proposta, devendo ainda conter uma declaração inequívoca de que a intenção e os compromissos prestados durante a fase de prévia qualificação permanecem válidos e vinculativos para o Proponente, e Página 14 de 21

15 no caso de tal intenção e compromissos terem alterado devem ser prestados detalhes da natureza e impacto das mudanças. Informação Sobre o Proponente 47 A Proposta deve fornecer a seguinte informação sobre o Proponente: 47.1 Nome e marca registada (caso sejam diferentes); 47.2 Domicílio físico e fiscal; 47.3 Informações de contacto, incluindo endereço postal, correio electrónico, números de telefone e fax; 47.4 Nome, informações de contacto e prova de poderes de representação (incluindo procuração) do Representante do Proponente em Moçambique; 47.5 Local de registo ou constituição e número de registo; 47.6 Estatutos e Memorando de criação (ou documentos constitutivos equivalentes); 47.7 Documentos Financeiros auditados dos últimos 3 anos; 47.8 Confirmação de cumprimento de obrigações fiscais emitida pela autoridade competente; 47.9 Cópias ou resumos de quaisquer contratos (incluindo acordos de contribuições de capital; contratos de gestão, acordos de partilha de dividendos, etc.) em que, caso o Projecto seja implementado, o Proponente venha a ser parte; Detalhes (incluindo sobre a identidade do proprietário, participação social e percentagem relativamente ao capital social) sobre a participação social ou direitos sobre a participação social ou sobre outros interesses ou titularidade de acções, por classes ou direitos sobre o capital do Proponente, acompanhado de um esquema ilustrativo da distribuição do capital social (e direitos e voto se diferentes) até ao nível da empresa mãe/dominante. 48 No caso de o Proponente ser um consórcio, deverá: 48.1 Identificar os membros do consórcio, sumariamente descrever as respectivas qualificações e apresentar o respectivo acordo, o qual deverá estar assinado e ser eficaz; 48.2 Nomear um membro que irá liderar o consórcio e ser responsável pela parceria em todos os aspectos relacionados com a Proposta (o Membro Principal ); 48.3 Prestar todas as informações listadas no parágrafo anterior para cada um dos membros do consórcio. Plano de Desenvolvimento e Aproveitamento 49 A Proposta deve incluir um Plano de Desenvolvimento e Aproveitamento, que deve: Página 15 de 21

16 49.1 Aplicar uma abordagem cautelosa e adversa ao risco que reconheça os limites do conhecimento presente relativamente a consequências ambientais de decisões ou acções actuais; 49.2 Procurar integrar os desenvolvimentos propostos com o ambiente natural; 49.3 Minimizar o impacto negativo no meio ambiente, através de: consumo de energia e de recursos naturais, produção de detritos e efluentes, impactos operacionais, consumo de água. 50 O Plano de Desenvolvimento e Aproveitamento deve também incluir esquemas e texto, incluindo: 50.1 Planos gerais sobre a distribuição na área de edifícios, áreas de serviços, picadas, áreas de parqueamento/ancoramento, espaços abertos e infra-estruturas comuns; 50.2 Posições, medidas e materiais a serem usados na construção de todas as picadas, zonas de parqueamento/ancoramento, caminhos para acesso de peões e outros espaços públicos; 50.3 Projectos executivos num formato claro, de fácil leitura e que cumpram os requisitos e regras constantes da legislação Moçambicana aplicável, que incluam: uma planta do local e planos, secções e elevações de cada estrutura; fonte/método de fornecimento de energia e abastecimento de água e de tratamento da drenagem de águas negras e residuais; a memória descritiva, sendo que cabe ao Proponente investigar as opções de engenharia possíveis Descrição dos acabamentos exteriores propostos e do tratamento dos principais elementos visuais dos edifícios, acompanhados por uma ou mais propostas de cores; 51 Anexo ilustrativo e descritivo com: 51.1 O número e tipo de unidades de acomodação; 51.2 O número e tipo de estruturas de apoio (como infra-estruturas comuns, piscinas, centros de bem estar, centros de desportos aquáticos, casas para trabalhadores e outras infra-estruturas de apoio, incluindo oficinas, armazéns, escritórios, lavandaria, etc.); 51.3 A área total de espaço coberto; Página 16 de 21

17 51.4 Um programa de construção, incluindo as datas previstas de inicio e de conclusão de cada fase / unidade e momentos importantes; 51.5 Outros documentos, plantas e informação que o INATUR e a DNAC possam solicitar; 51.6 Um plano detalhado de actividades para a Área. Plano de Negócios 52 A Proposta deverá incluir um Plano de Negócios que contenha pelo menos a seguinte informação: 52.1 Explicação do Negócio: Descrição dos objectivos do negocio e da experiencia do Proponente Os objectivos e razoes para o desenvolvimento do negócios; A experiência do Proponente em financiar, desenvolver, operar e comercializar unidades similares e breve descrição de projectos anteriores; Descrição do conceito do produto incluindo: O tamanho, tipo e modelo da acomodação, e outras infra-estruturas chave, serviços turísticos, etc; A abordagem existente e proposta de desenvolvimento de uma marca (branding); e A ligação com o estudo de mercado (a diante mencionado); 52.2 Descrição do modelo de negócio incluindo os serviços e actividades turísticas a serem fornecidos pelo Proponente e subcontratados (incluindo as transacções com partes relacionadas) 52.3 Justificação de Mercado: Descrevendo o tipo, extensão da pesquisa/investigação realizada; Explicando os mercados alvo identificados (demografia, periodicidade, origem, etc.); Descrevendo as redes de marketing e canais de distribuição a serem utilizados, incluindo a infra-estrutura de marketing do Proponente (reservas, agentes de vendas, instrumentos de venda, participação em consórcios de marketing, participação em eventos promocionais, etc.); Identificando e avaliando a competição existente & prevista; Analisando e quantificando a procura turística prevista (incluindo Página 17 de 21

EMBAIXADA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA

EMBAIXADA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA EMBAIXADA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA FUNDO ESPECIAL DE AUTO-AJUDA DO EMBAIXADOR DOS E.U.A. Ajudando as Comunidades a Ajudar-se a Si Próprias Caro Candidato ao Fundo de Auto-Ajuda: Obrigado pelo seu

Leia mais

Auxílio estatal N 254/2002 Portugal Linha de crédito bonificada a investimentos do sector turístico.

Auxílio estatal N 254/2002 Portugal Linha de crédito bonificada a investimentos do sector turístico. COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 26.07.2002 C (2002) 2943 Assunto: Auxílio estatal N 254/2002 Portugal Linha de crédito bonificada a investimentos do sector turístico. Excelência, PROCEDIMENTO Por carta n.º

Leia mais

GUIA PARA O PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO PROMOÇÃO DA SAÚDE PREVENÇÃO E TRATAMENTO DA DOENÇA REDUÇÃO DE DANOS E REINSERÇÃO

GUIA PARA O PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO PROMOÇÃO DA SAÚDE PREVENÇÃO E TRATAMENTO DA DOENÇA REDUÇÃO DE DANOS E REINSERÇÃO Para efectuar o projecto a que se propõe elaborar deve ler o Regulamento de Programa de Apoio Financeiro ao abrigo da Portaria n.º 1418/2007, de 30 de Outubro, bem como o aviso de abertura do concurso.

Leia mais

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS FINANCIADO PELO GOVERNO ITALIANO (MAE/DGCS) PROGRAMA AID 8420

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS FINANCIADO PELO GOVERNO ITALIANO (MAE/DGCS) PROGRAMA AID 8420 AID 8420 Divulgação destinada exclusivamente à Entidade Contratante e ao autor do documento tendo em vista proteger dados pessoais e a vida privada, bem como a confidencialidade de informações comerciais

Leia mais

Documento de Divulgação. Introdução

Documento de Divulgação. Introdução Abbott Laboratórios, Lda. Estrada de Alf ragide, 67 Alf rapark Edif icio D 2610-008 Amadora Portugal Contribuinte nº 500 006 148 Reg. C.R.C. Amadora Capital Social: 3.396.850 Tel. (351) 214 727 100 Fax.

Leia mais

Concurso de Ideias de Negócio

Concurso de Ideias de Negócio Concurso de Ideias de Negócio Preâmbulo O Concurso de Ideias é uma iniciativa desenvolvida através do Contrato Local de Desenvolvimento Social (CLDS) de Estarreja 7 Desafios em Rede, promovido pela DESTAC

Leia mais

Capítulo 15. Impactos Cumulativos

Capítulo 15. Impactos Cumulativos Capítulo 15 Impactos Cumulativos ÍNDICE 15 IMPACTOS CUMULATIVOS 15-1 15.1 INTRODUÇÃO 15-1 15.1.1 Limitações e Mitigação 15-1 15.1.2 Recursos e Receptores Potenciais 15-3 15.2 IMPACTO CUMULATIVO DA ZONA

Leia mais

Sistema de Incentivos à Inovação. Inovação Produtiva CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Inovação. Inovação Produtiva CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Inovação Inovação Produtiva CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 04/SI/2010 1 Índice Tipologias de Investimento... 3 Condições de Elegibilidade

Leia mais

Decreto n.º 8/95 Acordo entre a República Portuguesa e a Organização das Nações Unidas para o Desenvolvimento Industrial (UNIDO)

Decreto n.º 8/95 Acordo entre a República Portuguesa e a Organização das Nações Unidas para o Desenvolvimento Industrial (UNIDO) Decreto n.º 8/95 Acordo entre a República Portuguesa e a Organização das Nações Unidas para o Desenvolvimento Industrial (UNIDO) Nos termos da alínea c) do n.º 1 do artigo 200.º da Constituição, o Governo

Leia mais

Primeira alteração à Lei n.º 9/2005, de 20 de Junho, Lei do Fundo Petrolífero

Primeira alteração à Lei n.º 9/2005, de 20 de Junho, Lei do Fundo Petrolífero IV GOVERNO CONSTITUCIONAL Proposta de Lei n. De... de... Primeira alteração à Lei n.º 9/2005, de 20 de Junho, Lei do Fundo Petrolífero O Fundo Petrolífero foi estabelecido em 2005 com o objectivo de contribuir

Leia mais

Concurso de Ideias e Planos de Negócio «Start-Up Universitário!»

Concurso de Ideias e Planos de Negócio «Start-Up Universitário!» Concurso de Ideias e Planos de Negócio «Start-Up Universitário!» REGULAMENTO Preâmbulo A capacitação da força laboral com formação avançada e a criação de um sector privado forte, adequando-os aos desafios

Leia mais

Bélgica-Bruxelas: Digitalização de documentos analógicos em suporte magnético 2014/S 180-316768. Anúncio de concurso. Serviços

Bélgica-Bruxelas: Digitalização de documentos analógicos em suporte magnético 2014/S 180-316768. Anúncio de concurso. Serviços 1/7 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:316768-2014:text:pt:html Bélgica-Bruxelas: Digitalização de documentos analógicos em suporte magnético 2014/S 180-316768

Leia mais

MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA ECONOMIA. Portaria n.º 1502/2002 de 14 de Dezembro

MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA ECONOMIA. Portaria n.º 1502/2002 de 14 de Dezembro MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA ECONOMIA Portaria n.º 1502/2002 de 14 de Dezembro A Resolução do Conselho de Ministros n.º 103/2002, de 17 de Junho, publicada em 26 de Julho, que aprovou o PPCE - Programa

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO DE CRIAÇÃO DE MASCOTE DO CLUBE DESPORTIVO E RECREATIVO OS VINHAIS

REGULAMENTO DO CONCURSO DE CRIAÇÃO DE MASCOTE DO CLUBE DESPORTIVO E RECREATIVO OS VINHAIS REGULAMENTO DO CONCURSO DE CRIAÇÃO DE MASCOTE DO CLUBE DESPORTIVO E RECREATIVO OS VINHAIS Artigo 1º ÂMBITO O presente Regulamento estabelece os termos e condições de candidatura ao concurso lançado pelo

Leia mais

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 07/SI/2010 1 Índice Condições de Elegibilidade do Promotor... 3 Condições

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE AERONÁUTICA. Departamento de Relações Públicas e Comunicação

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE AERONÁUTICA. Departamento de Relações Públicas e Comunicação Departamento de Relações Públicas e Comunicação Regulamento 1. Do Departamento de Relações Públicas e Comunicação 1.1 Definição 1.2. Constituição 1.3. Articulação e procedimentos 1.4. Local de funcionamento

Leia mais

Concurso Inovação CVMóvel

Concurso Inovação CVMóvel Concurso Inovação CVMóvel REGULAMENTO Edição 204 REGULAMENTO Preâmbulo O Concurso Inovação CVMóvel é uma iniciativa promovida pela CVMóvel, implementada anualmente no âmbito do seu Plano de Contributos

Leia mais

ANÚNCIO DE VAGA DESCRIÇÃO DO POSTO. Junho de 2012.

ANÚNCIO DE VAGA DESCRIÇÃO DO POSTO. Junho de 2012. ANÚNCIO DE VAGA DESCRIÇÃO DO POSTO Posição: Director Executivo Programa Inter Religioso Contra a Malária (PIRCOM) Projecto Academy for Educational Development/Communication for Change (C Change) Supervisor:

Leia mais

NORMAS PARA A CONCESSÃO DE APOIO FINANCEIRO ÀS ACTIVIDADES DE INTERESSE PÚBLICO MUNICIPAL. Artigo 1º Objecto e âmbito de aplicação

NORMAS PARA A CONCESSÃO DE APOIO FINANCEIRO ÀS ACTIVIDADES DE INTERESSE PÚBLICO MUNICIPAL. Artigo 1º Objecto e âmbito de aplicação NORMAS PARA A CONCESSÃO DE APOIO FINANCEIRO ÀS ACTIVIDADES DE INTERESSE PÚBLICO MUNICIPAL Artigo 1º Objecto e âmbito de aplicação O presente conjunto de normas disciplina e regulamenta a concessão de apoio

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS E COOPERAÇÃO GABINETE DO ORDENADOR NACIONAL PARA A COOPERAÇÃO MOÇAMBIQUE / UE

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS E COOPERAÇÃO GABINETE DO ORDENADOR NACIONAL PARA A COOPERAÇÃO MOÇAMBIQUE / UE REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS E COOPERAÇÃO GABINETE DO ORDENADOR NACIONAL PARA A COOPERAÇÃO MOÇAMBIQUE / UE ANÚNCIO DE CONCURSO O Gabinete do Ordenador Nacional para a Cooperação

Leia mais

CENTRO DE INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE EMPRESAS INOV.POINT REGULAMENTO INTERNO

CENTRO DE INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE EMPRESAS INOV.POINT REGULAMENTO INTERNO CENTRO DE INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE EMPRESAS INOV.POINT REGULAMENTO INTERNO I Introdução 1.1 O presente Regulamento destina-se a estabelecer as regras de acesso e de funcionamento do INOV.POINT Centro

Leia mais

NND 02.10. Acreditação de Organizações de Desminagem. Normas Nacionais de Desminagem Segunda Edição Junho de 2012

NND 02.10. Acreditação de Organizações de Desminagem. Normas Nacionais de Desminagem Segunda Edição Junho de 2012 NND 02.10 Normas Nacionais de Desminagem Acreditação de Organizações de Desminagem Instituto Nacional de Desminagem (IND) Maputo, Moçambique Telefone: +258 1 418577/8; +258 82 3023650; 258 82 3023470 Fax:

Leia mais

Sistema de Incentivos à Inovação. Empreendedorismo Qualificado CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Inovação. Empreendedorismo Qualificado CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Inovação Empreendedorismo Qualificado CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 05/SI/2010 1 Índice Destinatários... 3 Condições de Elegibilidade do

Leia mais

O REGISTO DO ACORDO OU DA PROVA DE COMPRA É NECESSÁRIO ANTES DE A SONY EFECTUAR QUALQUER SERVIÇO DE ASSISTÊNCIA.

O REGISTO DO ACORDO OU DA PROVA DE COMPRA É NECESSÁRIO ANTES DE A SONY EFECTUAR QUALQUER SERVIÇO DE ASSISTÊNCIA. Acordo PrimeSupport PS.UPDR200.123.1 / PS.UPDR200.12X.1 Versão 1.0 10/2008 Este documento fornece informações sobre o Acordo PrimeSupport ao Cliente. Leia-o cuidadosamente. Para activar os serviços de

Leia mais

Anúncio de concurso. Fornecimentos

Anúncio de concurso. Fornecimentos 1/8 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:268336-2015:text:pt:html Itália-Ispra: Fornecimento, instalação e manutenção de 2 sistemas de armazenamento por baterias

Leia mais

Concurso de Ideias Jovem Empreendedor Estarreja 2013

Concurso de Ideias Jovem Empreendedor Estarreja 2013 Concurso de Ideias Jovem Empreendedor Estarreja 2013 Preâmbulo O Concurso de Ideias é uma iniciativa promovida pela DESTAC em parceria com a DOW Portugal, a Câmara Municipal de Estarreja e a Escola Secundária

Leia mais

BIG Alocação Condições Gerais

BIG Alocação Condições Gerais ARTIGO PRELIMINAR Entre a, e o Tomador do Seguro mencionado nas Condições Particulares é estabelecido o contrato de seguro que se regula pelas, Especiais e Particulares da Apólice, de acordo com as declarações

Leia mais

Agências de Viagens Manual de Candidatura

Agências de Viagens Manual de Candidatura Agências de Viagens Manual de Candidatura Índice 1 Introdução... 3 2 Prémios... 4 2.1 Prémio Empresa de Qualidade... 4 2.2 Prémio para Equipa Serviço de Qualidade... 4 3 Organização... 5 4 Elegibilidade...

Leia mais

ANÚNCIO PRELIMINAR DE LANÇAMENTO DE OFERTA PÚBLICA GERAL DE AQUISIÇÃO DE ACÇÕES REPRESENTATIVAS DO CAPITAL SOCIAL DO BANCO BPI, S.A.

ANÚNCIO PRELIMINAR DE LANÇAMENTO DE OFERTA PÚBLICA GERAL DE AQUISIÇÃO DE ACÇÕES REPRESENTATIVAS DO CAPITAL SOCIAL DO BANCO BPI, S.A. BANCO COMERCIAL PORTUGUÊS,S.A. Sociedade Aberta Sede: Praça D.João I,, Porto Mat. CRC Porto: 40.043 NIPC: 501.525.882 Capital Social Registado: 3.257.400.827 Euros ANÚNCIO PRELIMINAR DE LANÇAMENTO DE OFERTA

Leia mais

PROPOSTA DE SEGURO RESPONSABILIDADE CIVIL INTERNATIONAL COMMERCIAL AND ENGINEERING ICE SEGUROS S.A.

PROPOSTA DE SEGURO RESPONSABILIDADE CIVIL INTERNATIONAL COMMERCIAL AND ENGINEERING ICE SEGUROS S.A. PROPOSTA DE SEGURO RESPONSABILIDADE CIVIL INTERNATIONAL COMMERCIAL AND ENGINEERING ICE SEGUROS S.A. 141A Rua José Craveirinha Bairro de Polana Cidade de Maputo Moçambique INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO

Leia mais

Definição de Business Angel

Definição de Business Angel BUSINESS ANGELS CLUB ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE INVESTIDORES EM START-UPS CÓDIGO DE CONDUTA Definição de Business Angel Os Business Angels são investidores individuais que investem, directamente ou através

Leia mais

REQUISITOS MÍNIMOS DE INFORMAÇÕES E DADOS PARA OS ESTUDOS DE VIABILIDADE TÉCNICA, ECONÓMICA E FINANCEIRA (EVTEF) DOS PROJECTOS

REQUISITOS MÍNIMOS DE INFORMAÇÕES E DADOS PARA OS ESTUDOS DE VIABILIDADE TÉCNICA, ECONÓMICA E FINANCEIRA (EVTEF) DOS PROJECTOS PROCESSOS DE CANDIDATURA A FINANCIAMENTO DO BANCO DE DESENVOLVIMENTO DE ANGOLA REQUISITOS MÍNIMOS DE INFORMAÇÕES E DADOS PARA OS ESTUDOS DE VIABILIDADE TÉCNICA, ECONÓMICA E FINANCEIRA (EVTEF) DOS PROJECTOS

Leia mais

JORNAL OFICIAL. 2.º Suplemento. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Terça-feira, 24 de fevereiro de 2015. Série. Número 33

JORNAL OFICIAL. 2.º Suplemento. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Terça-feira, 24 de fevereiro de 2015. Série. Número 33 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Terça-feira, 24 de fevereiro de 2015 Série 2.º Suplemento Sumário PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Decreto Regulamentar Regional n.º 1/2015/M Aprova o Regulamento

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO DE IDEIAS DO CONCELHO DE PENELA

REGULAMENTO DO CONCURSO DE IDEIAS DO CONCELHO DE PENELA REGULAMENTO DO CONCURSO DE IDEIAS DO CONCELHO DE Preâmbulo O concurso de Ideias do Concelho de Penela é uma iniciativa da Câmara Municipal de Penela. O presente documento visa regular o Concurso Empreendedorismo

Leia mais

PROGRAMA MODELAR MANUAL DE APOIO AO PROCESSO DE CANDIDATURA

PROGRAMA MODELAR MANUAL DE APOIO AO PROCESSO DE CANDIDATURA PROGRAMA MODELAR MANUAL DE APOIO AO PROCESSO DE CANDIDATURA Junho de 2009 1 MANUAL DE APOIO AO PROCESSO DE CANDIDATURA AO PROGRAMA MODELAR O Programa MODELAR tem como objectivo a atribuição de apoio financeiro

Leia mais

DIÁRIO DA REPÚBLICA SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE S U M Á R I O. 1280 SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE - DIÁRIO DA REPÚBLICA N.º 77 6 de Novembro de 2009

DIÁRIO DA REPÚBLICA SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE S U M Á R I O. 1280 SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE - DIÁRIO DA REPÚBLICA N.º 77 6 de Novembro de 2009 Sexta Feira, 6 de Novembro de 2009 Número 77 1280 SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE - DIÁRIO DA REPÚBLICA N.º 77 6 de Novembro de 2009 SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE MINISTÉRIO DO PLANO E FINANÇAS, MINISTÉRIO DO COMÉRCIO INDÚSTRIAS

Leia mais

BOLSA INTERNACIONAL DE ENTRADA MARIE CURIE

BOLSA INTERNACIONAL DE ENTRADA MARIE CURIE ANEXO III DISPOSIÇÕES ESPECÍFICAS BOLSA INTERNACIONAL DE ENTRADA MARIE CURIE III. 1 - Definições FASE DE ENTRADA Para além das previstas no artigo II.1, aplicam-se à presente convenção de subvenção as

Leia mais

IV GOVERNO CONSTITUCIONAL PROPOSTA DE LEI N.º /2010 FUNDO FINANCEIRO IMOBILIÁRIO

IV GOVERNO CONSTITUCIONAL PROPOSTA DE LEI N.º /2010 FUNDO FINANCEIRO IMOBILIÁRIO IV GOVERNO CONSTITUCIONAL PROPOSTA DE LEI N.º /2010 DE DE FUNDO FINANCEIRO IMOBILIÁRIO A presente Lei cria o Fundo Financeiro Imobiliário e estabelece o respectivo regime jurídico. Os princípios de planeamento,

Leia mais

REGULAMENTO DE BOLSAS DO INESC PORTO

REGULAMENTO DE BOLSAS DO INESC PORTO REGULAMENTO DE BOLSAS DO INESC PORTO I - DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO 1º (Finalidade da atribuição das bolsas) 1. O INESC Porto - Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores do Porto, com o objectivo

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. ARTIGO 1 (Definições)

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. ARTIGO 1 (Definições) REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Lei nº 20 /2014 De 18 de Agosto Havendo necessidade de adequar o quadro jurídico-legal da actividade mineira à actual ordem económica do país e aos desenvolvimentos

Leia mais

BOLETIM DA REPÚBLICA 5.º SUPLEMENTO PUBLICAÇÃO OFICIAL DA REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE. Segunda-feira, 14 de Novembro de 2011 I SÉRIE Número 45

BOLETIM DA REPÚBLICA 5.º SUPLEMENTO PUBLICAÇÃO OFICIAL DA REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE. Segunda-feira, 14 de Novembro de 2011 I SÉRIE Número 45 Segunda-feira, 14 de Novembro de 2011 I SÉRIE Número 45 BOLETIM DA REPÚBLICA PUBLICAÇÃO OFICIAL DA REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE 5.º SUPLEMENTO IMPRENSA NACIONAL DE MOÇAMBIQUE, E.P. Ministério das Obras Públicas

Leia mais

MINUTA. Ccent. n.º [identificação da operação de concentração] DOCUMENTO DE COMPROMISSOS ASSUMIDOS PERANTE A AUTORIDADE DA CONCORRÊNCIA

MINUTA. Ccent. n.º [identificação da operação de concentração] DOCUMENTO DE COMPROMISSOS ASSUMIDOS PERANTE A AUTORIDADE DA CONCORRÊNCIA MINUTA Ccent. n.º [identificação da operação de concentração] DOCUMENTO DE COMPROMISSOS ASSUMIDOS PERANTE A AUTORIDADE DA CONCORRÊNCIA 1. Nos termos do n.º 3 do artigo 35.º da Lei n.º 18/2003, de 11 de

Leia mais

3 QUADRO LEGAL E INSTITUCIONAL

3 QUADRO LEGAL E INSTITUCIONAL 3 QUADRO LEGAL E INSTITUCIONAL 3.1 QUADRO INSTITUCIONAL O Ministério para a Coordenação da Acção Ambiental (MICOA) criado pelo Decreto Presidencial 6/95 de 16 de Novembro, é responsável por todas as actividades

Leia mais

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO 1 Sumário: Conceito e Objectivos Estrutura do PN o Apresentação da Empresa o Análise do Produto / Serviço o Análise de Mercado o Estratégia de Marketing o

Leia mais

PROCEDIMENTO. Ref. Pcd. 3-sGRHF. Bolsas de Investigação Científica da UA, financiadas pela UA ou por outras verbas desde que não provenientes da FCT

PROCEDIMENTO. Ref. Pcd. 3-sGRHF. Bolsas de Investigação Científica da UA, financiadas pela UA ou por outras verbas desde que não provenientes da FCT PROCEDIMENTO Ref. Pcd. 3-sGRHF Bolsas de Investigação Científica da UA, financiadas pela UA ou por outras verbas desde que não provenientes da FCT Data: 14 /07/2011 Elaboração Nome: Fátima Serafim e Helena

Leia mais

PRÉMIO LIFE MARPRO REGULAMENTO

PRÉMIO LIFE MARPRO REGULAMENTO PRÉMIO LIFE MARPRO REGULAMENTO ARTIGO 1º Enquadramento 1. O Prémio LIFE Ideias inovadoras para reduzir a captura acidental de Cetáceos e Aves Marinhas nas artes de pesca é uma iniciativa do projeto LIFE+

Leia mais

PARCERIA E PONTES MARIE CURIE ENTRE EMPRESAS E UNIVERSIDADES

PARCERIA E PONTES MARIE CURIE ENTRE EMPRESAS E UNIVERSIDADES ANEXO III DISPOSIÇÕES ESPECÍFICAS PARCERIA E PONTES MARIE CURIE ENTRE EMPRESAS E UNIVERSIDADES [MULTI-BENEFICIÁRIOS] III. 1 - Definições Para além das previstas no artigo II.1, aplicam-se à presente convenção

Leia mais

Perguntas e respostas mais frequentes

Perguntas e respostas mais frequentes Convite n.ºeuropeaid/136-792/dd/act/mz para a apresentação de propostas para o Instrumento Europeu para Democracia e Direitos Humanos Perguntas e respostas mais frequentes Por ocasião do lançamento do

Leia mais

Reapreciação da Comunicação relativa ao seguro de crédito à exportação em operações garantidas a curto prazo. Documento de consulta

Reapreciação da Comunicação relativa ao seguro de crédito à exportação em operações garantidas a curto prazo. Documento de consulta Reapreciação da Comunicação relativa ao seguro de crédito à exportação em operações garantidas a curto prazo 1. Introdução Documento de consulta Em alguns Estados-Membros, as agências oficiais de crédito

Leia mais

Artigo 1.º Imunidade de jurisdição e insusceptibilidade de busca, apreensão, requisição, perda ou qualquer outra forma de ingerência

Artigo 1.º Imunidade de jurisdição e insusceptibilidade de busca, apreensão, requisição, perda ou qualquer outra forma de ingerência Resolução da Assembleia da República n.º 21/2002 Decisão dos Representantes dos Governos dos Estados- Membros da União Europeia, reunidos no Conselho, de 15 de Outubro de 2001, Relativa aos Privilégios

Leia mais

Estatutos da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa

Estatutos da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa Estatutos da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (com revisões de São Tomé/2001, Brasília/2002, Luanda/2005, Bissau/2006 e Lisboa/2007) Artigo 1º (Denominação) A Comunidade dos Países de Língua

Leia mais

Programa EDP SOLIDÁRIA

Programa EDP SOLIDÁRIA Programa EDP SOLIDÁRIA REGULAMENTO I. Do Programa EDP SOLIDÁRIA 1. A Fundação EDP, no âmbito das suas actividades nas áreas da solidariedade e inovação social, promove uma iniciativa anual o Programa EDP

Leia mais

TAXA GARANTIDA 1ª SÉRIE

TAXA GARANTIDA 1ª SÉRIE Prospecto Informativo TAXA GARANTIDA 1ª SÉRIE ICAE NÃO NORMALIZADO Os elementos constantes deste prospecto informativo reportam-se a 31 de Dezembro de 2009 (actualização dos ns.8, 9 e 10 da Parte III)

Leia mais

GAI GABINETE APOIO AO INVESTIDOR PME INVESTE VI LINHA ESPECÍFICA MICROS E PEQUENAS EMPRESAS INFORMAÇÃO SINTETIZADA 1

GAI GABINETE APOIO AO INVESTIDOR PME INVESTE VI LINHA ESPECÍFICA MICROS E PEQUENAS EMPRESAS INFORMAÇÃO SINTETIZADA 1 PME INVESTE VI LINHA ESPECÍFICA MICROS E PEQUENAS EMPRESAS INFORMAÇÃO SINTETIZADA 1 OBJECTO Facilitar o acesso ao crédito por parte das PME, nomeadamente através da bonificação de taxas de juro e da minimização

Leia mais

PARCERIAS E PONTES MARIE CURIE ENTRE EMPRESAS E UNIVERSIDADES

PARCERIAS E PONTES MARIE CURIE ENTRE EMPRESAS E UNIVERSIDADES ANEXO III DISPOSIÇÕES ESPECÍFICAS PARCERIAS E PONTES MARIE CURIE ENTRE EMPRESAS E UNIVERSIDADES [MULTI-BENEFICIÁRIOS] III.1 Definições Para além das previstas no artigo II.1, aplicam-se à presente convenção

Leia mais

CPAI COMISSÃO PERMANENTE DE APOIO AO INVESTIDOR

CPAI COMISSÃO PERMANENTE DE APOIO AO INVESTIDOR ANEXO V - NOTAS EXPLICATIVAS Este formulário é de preenchimento obrigatório e serve de sustentação à auto-avaliação realizada no Anexo III Os itens I Preenchimento dos requisitos de elegibilidade e II

Leia mais

7254 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 288 15 de Dezembro de 2000 ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

7254 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 288 15 de Dezembro de 2000 ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA 7254 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 288 15 de Dezembro de 2000 ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Resolução da Assembleia da República n. o 84/2000 Aprova, para ratificação, a Convenção entre a República Portuguesa

Leia mais

Ordem de Serviço Nº 03/CA/2011 Presidente do Conselho de Administração

Ordem de Serviço Nº 03/CA/2011 Presidente do Conselho de Administração Ordem de Serviço Nº 03/CA/2011 Presidente do Conselho de Administração ASSUNTO: ALTERAÇÃO DO REGULAMENTO DE CRÉDITO O Conselho de Administração da Cooperativa de Poupança e Crédito, SCRL, no âmbito das

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Diário da República, 1.ª série N.º 219 12 de novembro de 2014 5759 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Decreto do Presidente da República n.º 101/2014 de 12 de novembro O Presidente da República decreta, nos termos

Leia mais

1. DISPOSIÇÕES GERAIS. 1.1 A Entidade Organizadora

1. DISPOSIÇÕES GERAIS. 1.1 A Entidade Organizadora 1. DISPOSIÇÕES GERAIS 1.1 A Entidade Organizadora A entidade organizadora do presente concurso é a Comissão de Viticultura da Região dos Vinhos Verdes (CVRVV), que sita na Rua da Restauração, 318 4050-501,

Leia mais

Para que a justificação seja admissível do ponto de vista legal, terá que se enquadrar nas seguintes disposições legais:

Para que a justificação seja admissível do ponto de vista legal, terá que se enquadrar nas seguintes disposições legais: ORIENTAÇÕES PARA O PREENCHIMENTO DA CHECK LIST SOBRE CONTRATAÇÃO PÚBLICA (POR REFERÊNCIA AOS PONTOS CONTROVERTIDOS DAS TABELAS DESSAS LISTAS) 3. LEGISLAÇÃO APLICÁVEL 1. Integram-se nos sectores especiais

Leia mais

BESA PATRIMÓNIO FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FECHADO PROSPECTO. A Identificação

BESA PATRIMÓNIO FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FECHADO PROSPECTO. A Identificação BESA PATRIMÓNIO FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FECHADO PROSPECTO A Identificação Denominação: BESA Património Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Tipo de Fundo e Duração: Fundo de investimento

Leia mais

REGULAMENTO DO VI CONCURSO DE IDEIAS DE NEGÓCIO DO CONCELHO DE CASCAIS REGULAMENTO DO CINC CASCAIS

REGULAMENTO DO VI CONCURSO DE IDEIAS DE NEGÓCIO DO CONCELHO DE CASCAIS REGULAMENTO DO CINC CASCAIS REGULAMENTO DO CINC CASCAIS VI CONCURSO DE IDEIAS DE NEGÓCIO DO CONCELHO DE CASCAIS Preâmbulo O CINC CASCAIS - VI Concurso de Ideias de Negócio do Concelho de Cascais é uma iniciativa de captação de ideias

Leia mais

Eurovida Companhia de Seguros de Vida, S.A., sociedade anónima pertencente ao Grupo Banco Seguros

Eurovida Companhia de Seguros de Vida, S.A., sociedade anónima pertencente ao Grupo Banco Seguros Data início de comercialização: 2007/05 por tempo indeterminado Empresa de Companhia de Seguros de Vida, S.A., sociedade anónima pertencente ao Grupo Banco Seguros Popular, com sede social na - 1099-090

Leia mais

Estatuto Orgânico da Administração Nacional das Áreas de Conservação

Estatuto Orgânico da Administração Nacional das Áreas de Conservação 13 DE JUNHO DE 2014 1281 b) Programar a actividade da unidade orgânica; c) Analisar e emitir pareceres sobre projectos, plano e orçamento das actividades e relatórios a submeter a nível superior; d) Proceder

Leia mais

Regulamento CONCURSO: A Biodiversidade da minha Cidade 2012. Regulamento de concurso - 2012. 1 - Entidade Promotora. 2 Objectivo

Regulamento CONCURSO: A Biodiversidade da minha Cidade 2012. Regulamento de concurso - 2012. 1 - Entidade Promotora. 2 Objectivo CONCURSO: A Biodiversidade da minha Cidade 2012 Regulamento 1 - Entidade Promotora O Concurso A Biodiversidade na Minha Cidade é uma iniciativa da Câmara Municipal de Gouveia, que conta com a colaboração

Leia mais

Lei de Minas REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE. Lei nº 14/2002, de 26 de Junho

Lei de Minas REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE. Lei nº 14/2002, de 26 de Junho Lei de Minas REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Lei nº 14/2002, de 26 de Junho Os recursos minerais da República de Moçambique, quando racionalmente avaliados e utilizados, constituem um factor

Leia mais

República de Angola PROCESSO N.º: Lei 20/11 de 20 de Maio Declaração Prévia Contractual. Nome: Morada: Localidade: Telefones: Fax: Email:

República de Angola PROCESSO N.º: Lei 20/11 de 20 de Maio Declaração Prévia Contractual. Nome: Morada: Localidade: Telefones: Fax: Email: A PREENCHER PELA ANIP PROCESSO N.º: ANO DO FORMULÁRIO REGIME DE APROVAÇÃO Lei 11/03 de 13 de Maio Lei 20/11 de 20 de Maio Declaração Prévia Contractual PROMOTOR Obs: Residente /Presente Nome: _ Morada:

Leia mais

PROPOSTA DE SEGURO DE RAPTO E RESGATE

PROPOSTA DE SEGURO DE RAPTO E RESGATE PROPOSTA DE SEGURO DE RAPTO E RESGATE INTERNATIONAL COMMERCIAL AND ENGINEERING ICE SEGUROS S.A. 141A Rua José Craveirinha Bairro de Polana Cidade de Maputo Moçambique INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO Preencher

Leia mais

Acordo de Promoção e Protecção Recíprocas de Investimentos entre a República Portuguesa e a República de Angola. Diploma Legal

Acordo de Promoção e Protecção Recíprocas de Investimentos entre a República Portuguesa e a República de Angola. Diploma Legal Acordo de Promoção e Protecção Recíprocas de Investimentos entre a República Portuguesa e a República de Angola Diploma Legal O texto que se segue é um documento não oficial, preparado pelo ICEP Portugal,

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE CONSELHO DE MINISTROS. Decreto n 14/93. de 21 de Julho

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE CONSELHO DE MINISTROS. Decreto n 14/93. de 21 de Julho REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE CONSELHO DE MINISTROS Decreto n 14/93 de 21 de Julho A aprovação e entrada em vigor da Lei n 4/84, de 18 de Agosto, e da Lei n 5/87, de 30 de Janeiro, bem como dos Regulamentos

Leia mais

PrimeSupport Agreement

PrimeSupport Agreement PrimeSupport Agreement Acordo PrimeSupport Este documento fornece informações sobre o Acordo PrimeSupport ao Cliente. Leia-o cuidadosamente. Para activar os serviços de assistência, o Cliente tem de registar

Leia mais

Descrição do serviço Serviço de Rastreio e Recuperação de Computadores Portáteis e Serviço de Eliminação Remota de Dados

Descrição do serviço Serviço de Rastreio e Recuperação de Computadores Portáteis e Serviço de Eliminação Remota de Dados Descrição do serviço Serviço de Rastreio e Recuperação de Computadores Portáteis e Serviço de Eliminação Remota de Dados Apresentação do serviço A Dell tem o prazer de fornecer o Serviço de rastreio e

Leia mais

Decreto 1/98, de 24 de Janeiro - I Série-A

Decreto 1/98, de 24 de Janeiro - I Série-A Decreto 1/98, de 24 de Janeiro - I Série-A Aprova o Acordo entre a República Portuguesa e a República da Eslovénia sobre a Promoção e a Protecção Mútua de Investimentos e respectivo Protocolo, assinados

Leia mais

Regulamento do. Programa de Estágios Curriculares. no Ministério dos Negócios Estrangeiros

Regulamento do. Programa de Estágios Curriculares. no Ministério dos Negócios Estrangeiros Regulamento do Programa de Estágios Curriculares no Ministério dos Negócios Estrangeiros Preâmbulo Na sequência do acordo tripartido celebrado entre o Governo e os parceiros sociais em junho de 2008 e

Leia mais

Regulamento do Concurso de Ideias do Concelho da Sertã

Regulamento do Concurso de Ideias do Concelho da Sertã Regulamento do Concurso de Ideias do Concelho da Sertã Preâmbulo O concurso de Ideias do Concelho da Sertã é uma iniciativa da Câmara Municipal da Sertã. O presente documento visa regular o Concurso Empreendedorismo

Leia mais

Resolução da Assembleia da República n.º 12-A/88 Convenção Constitutiva da Agência Multilateral de Garantia dos Investimentos (MIGA)

Resolução da Assembleia da República n.º 12-A/88 Convenção Constitutiva da Agência Multilateral de Garantia dos Investimentos (MIGA) Resolução da Assembleia da República n.º 12-A/88 Convenção Constitutiva da Agência Multilateral de Garantia dos Investimentos (MIGA) Aprovação, para ratificação, da Convenção Constitutiva da Agência Multilateral

Leia mais

Agência certa. Guia de boas práticas para concursos de agências de publicidade e comunicação.

Agência certa. Guia de boas práticas para concursos de agências de publicidade e comunicação. Agência certa. Guia de boas práticas para concursos de agências de publicidade e comunicação. Introdução. Os profissionais de marketing têm que trabalhar em parcerias mutuamente benéficas com as suas agências

Leia mais

Oficinas E2 Poliempreende Instituto Politécnico de Coimbra. Introdução ao Modelo de Análise Económico-Financeira

Oficinas E2 Poliempreende Instituto Politécnico de Coimbra. Introdução ao Modelo de Análise Económico-Financeira Oficinas E2 Poliempreende Instituto Politécnico de Coimbra Introdução ao Modelo de Análise Económico-Financeira 18 de Maio de 2011 1 Modelo de análise económico-financeira 2 Modelo de análise económico-financeira

Leia mais

Estatutos da. Comunidade dos Países de Língua Portuguesa

Estatutos da. Comunidade dos Países de Língua Portuguesa Estatutos da (com revisões de São Tomé/2001, Brasília/2002, Luanda/2005 e Bissau/2006) Artigo 1º (Denominação) A, doravante designada por CPLP, é o foro multilateral privilegiado para o aprofundamento

Leia mais

PRÉMIOS CONSUMUS DIXIT FÓRUM DO CONSUMO

PRÉMIOS CONSUMUS DIXIT FÓRUM DO CONSUMO PRÉMIOS CONSUMUS DIXIT FÓRUM DO CONSUMO ETAPAS DO PROCESSO DE CANDIDATURA 1ª Etapa Candidaturas: 1 Out 2014 28 Fev 2015. O prémio Consumus Dixit é aberto a todos trabalhos profissionais, académicos, personalidades

Leia mais

Integração de Dados Nacionais sobre o Oceano CONVITE À APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS

Integração de Dados Nacionais sobre o Oceano CONVITE À APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Integração de Dados Nacionais sobre o Oceano CONVITE À APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Informação de Referência: EEA PT02 PA objetivo Bom Estado Ambiental nas águas marinhas e costeiras da Europa EEA PT02

Leia mais

Programa de Patrocínio à Investigação Científica e Formação do Interno/Especialista de Pediatria Em parceria com a SPP

Programa de Patrocínio à Investigação Científica e Formação do Interno/Especialista de Pediatria Em parceria com a SPP Programa de Patrocínio à Investigação Científica e Formação do Interno/Especialista de Pediatria Em parceria com a SPP A Pfizer é uma companhia multinacional dedicada à Investigação e Desenvolvimento de

Leia mais

PSZ CONSULTING Dez 2014

PSZ CONSULTING Dez 2014 Incentivos Fiscais PSZ CONSULTING Dez 2014 Índice Índice... 1 1 Introdução... 3 2 RFAI... 3 2.1 O Que é?... 3 2.2 Beneficiários... 3 2.3 Condições de Acesso... 4 2.4 Despesas Elegíveis... 4 2.5 Taxas de

Leia mais

O candidato exerce uma actividade no domínio do desporto? 4

O candidato exerce uma actividade no domínio do desporto? 4 . FORMULÁRIO DE CANDIDATURA DE 2010 ACÇÃO PREPARATÓRIA NO DOMÍNIO DO DESPORTO CONVITE À APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS EAC/22/2010 (CONCURSO ABERTO) Execução da rubrica orçamental 15.05.11 para 2010 Domínios

Leia mais

Iniciativa igeo Mentes Criativas. Concurso de ideias para o desenvolvimento de uma aplicação para sistemas móveis (App)

Iniciativa igeo Mentes Criativas. Concurso de ideias para o desenvolvimento de uma aplicação para sistemas móveis (App) Iniciativa igeo Mentes Criativas Concurso de ideias para o desenvolvimento de uma aplicação para sistemas móveis (App) Coordenação: Equipa: Apoio: 1/8 REGULAMENTO Concurso de ideias para divulgação de

Leia mais

Sistema de Incentivos à Inovação. Inovação Produtiva CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Inovação. Inovação Produtiva CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Inovação Inovação Produtiva CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 02/SI/2012 1 Índice Tipologias de Investimento... 3 Condições de Elegibilidade

Leia mais

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS FINANCIADO PELA UE/PELO FED

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS FINANCIADO PELA UE/PELO FED Divulgação limitada à Entidade Adjudicante e ao autor do documento, tendo em vista proteger os dados pessoais e a vida privada, bem como a confidencialidade de informações comerciais e industriais FORMULÁRIO

Leia mais

OUTUBRO/NOVEMBRO 2009

OUTUBRO/NOVEMBRO 2009 FISCAL N.º 4/2009 OUTUBRO/NOVEMBRO 2009 INCENTIVOS FISCAIS A PROJECTOS DE INVESTIMENTO DE INTERNACIONALIZAÇÃO No passado mês de Setembro foram publicados dois decretos-lei que completaram e alteraram o

Leia mais

SEGURO SEGURO O ABC DO. Em colaboração com: Agradecimentos: Ministério de Finanças e Planeamento Económico da República do Ghana. GTZ-Ghana.

SEGURO SEGURO O ABC DO. Em colaboração com: Agradecimentos: Ministério de Finanças e Planeamento Económico da República do Ghana. GTZ-Ghana. ASSOCIAÇÃO MOÇAMBICANA DOS OPERADORES DE MICROFINANÇAS O ABC DO SEGURO O ABC DO SEGURO Em colaboração com: Agradecimentos: Ministério de Finanças e Planeamento Económico da República do Ghana. GTZ-Ghana.

Leia mais

Diagnóstico de Competências para a Exportação

Diagnóstico de Competências para a Exportação Diagnóstico de Competências para a Exportação em Pequenas e Médias Empresas (PME) Guia de Utilização DIRECÇÃO DE ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL Departamento de Promoção de Competências Empresariais Índice ENQUADRAMENTO...

Leia mais

ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 1/2010

ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 1/2010 ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 1/2010 APROVADA POR DELIBERAÇÃO DA COMISSÃO DIRECTIVA DE 19-03-2010 Altera o nº 4 da Orientação de Gestão nº 7/2008 e cria o ANEXO III a preencher pelos Beneficiários para registo

Leia mais

Imposto Simplificado para Pequenos Contribuintes - ISPC

Imposto Simplificado para Pequenos Contribuintes - ISPC República de Moçambique Ministério das Finanças Autoridade Tributária de Moçambique DIRECÇÃO GERAL DE IMPOSTOS Imposto Simplificado para Pequenos Contribuintes - ISPC Maputo, Julho de 2013 INDICE Contextualização

Leia mais

O consultor deverá fornecer respostas às seguintes perguntas: 2. OBJECTIVO 3. ÂMBITO DO TRABALHO

O consultor deverá fornecer respostas às seguintes perguntas: 2. OBJECTIVO 3. ÂMBITO DO TRABALHO TERMOS DE REFERÊNCIA DE UM ESTUDO PARA O ACONSELHAMENTO RELATIVO A POSSÍVEIS FORMAS DE MELHORAR AS CAPACIDADES DE AS PME S MOÇAMBICANAS SE INTEGRAREM EFECTIVAMENTE NA CADEIA DE VALOR DO PETRÓLEO E GÁS

Leia mais

Moçambique: nova Lei de Minas e nova Lei dos Petróleos

Moçambique: nova Lei de Minas e nova Lei dos Petróleos 5 de setembro de 2014 Moçambique: nova Lei de Minas e nova Lei dos Petróleos mozambique@vda.pt Foram publicadas, em Boletim da República, a Lei n.º 20/2014, de 18 de Agosto ( Lei de Minas ) e a Lei n.º

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO DE ARTE PÚBLICA VIARTES

REGULAMENTO DO CONCURSO DE ARTE PÚBLICA VIARTES REGULAMENTO DO CONCURSO DE ARTE PÚBLICA VIARTES O ViaCatarina Shopping é um empreendimento comercial emblemático da baixa da cidade do Porto. A sua localização central na zona comercial mais antiga da

Leia mais

Regulamento da Lei do Investimento Estrangeiro. CAPÍTULO I Disposições gerais. Artigo 1.º (Âmbito)

Regulamento da Lei do Investimento Estrangeiro. CAPÍTULO I Disposições gerais. Artigo 1.º (Âmbito) Regulamento da Lei do Investimento Estrangeiro CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1.º (Âmbito) O presente diploma regula a introdução no território nacional, de capitais, bens, de equipamento e outros,

Leia mais

Incentivos Fiscais: SIFIDE Internacionalização Investimento Produtivo. Data de Apresentação:14 de Abril de2010

Incentivos Fiscais: SIFIDE Internacionalização Investimento Produtivo. Data de Apresentação:14 de Abril de2010 Incentivos Fiscais: SIFIDE Internacionalização Investimento Produtivo Data de Apresentação:14 de Abril de2010 1 Agenda 1 SIFIDE 2 Internacionalização 3 Investimento Produtivo 2 Incentivos Fiscais SIFIDE

Leia mais