Programa Enquadrador CARIT Comité dos Altos Responsáveis das Inspecções do Trabalho da União Europeia

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Programa Enquadrador CARIT Comité dos Altos Responsáveis das Inspecções do Trabalho da União Europeia"

Transcrição

1 Programa Enquadrador CARIT Comité dos Altos Responsáveis das Inspecções do Trabalho da União Europeia Campanha Europeia de Informação e Inspecção sobre a Avaliação de Riscos na utilização de Substâncias Perigosas no Local de Trabalho

2 Introdução 1 Objectivos, organização, tarefas e cronograma da campanha 1.1 Objectivos e organização 1.2 Cronograma: Quando, o quê e por quem 2 Informação para as PME 2.1 Avaliação de riscos químicos no local de trabalho 2.2 Cooperação com os parceiros sociais 2.3 A divulgação da informação junto da comunicação social 2.4 Os suportes de informação 2.5 A página na Internet 2.6 Cooperação com a Agência Europeia para a SST 3 A inspecção dos locais de trabalho 3.1 A formação dos Inspectores do Trabalho 3.2 Materiais de apoio à Inspecção 3.3 As expectativas de mudança dos locais de trabalho 4 A avaliação da Campanha 4.1 Objectivos da avaliação 4.2 Resultados (qualidade e quantidade) da Campanha 4.3 Seminário de Avaliação da Campanha 5 Iniciativas nacionais suplementares 5.1 Actividades suplementares da iniciativa dos Estados Membros

3 Introdução O CARIT, Comité dos Altos Responsáveis das Inspecções do Trabalho da União Europeia, com o apoio da Comissão Europeia, organiza uma Campanha de Informação e Inspecção, para a melhoria das condições de trabalho associadas à utilização de substâncias químicas perigosas nos locais de trabalho. Este documento é criado pelo coordenador europeu da campanha (ACT Autoridade para as Condições do Trabalho - Portugal) e destina-se a apoiar a construção da Campanha pelas diferentes Inspecções do Trabalho a nível europeu, nomeadamente, apoiar: A Direcção das Inspecções do Trabalho dos Estados Membros a: - Reservar meios para realizar a inspecção durante a Campanha; - Reservar meios financeiros para as actividades de informação (tradução e impressão de folhetos, cartazes, tradução de conteúdos para a página na Internet, a plataforma de e-learning). Os Gestores do Projecto nos Estados Membros a: - Organizar e executar a Campanha de Informação e Inspecção no âmbito dos riscos associados à utilização de substâncias químicas perigosas nos locais de trabalho. Os Serviços de Imprensa das Inspecções do Trabalho dos Estados Membros a: - Organizar a campanha de informação nos meios de comunicação social e na Internet de acordo com este Guia. Os Serviços de Formação das Inspecções do Trabalho a: - Planificar a formação dos Inspectores do Trabalho.

4 1 Objectivos, organização, tarefas e cronograma da campanha A Campanha de do CARIT para a melhoria das condições de trabalho associadas à utilização de substâncias químicas perigosas nos locais de trabalho, assenta na ideia de que a segurança e saúde no trabalho representa uma área fundamental no quadro da política da União Europeia, pois, por um lado, cria um nível mínimo de protecção para os trabalhadores e por outro, contribui para uma livre e justa competição no mercado interno. Esta iniciativa do CARIT concorrerá para o alcance dos resultados definidos para a Estratégia Comunitária de Segurança e Saúde no Trabalho Esta Campanha, que decorrerá entre Janeiro de 2010 e Março de 2011, tem o apoio da Comissão Europeia e abrange os seguintes sectores de actividade: indústria de mobiliário, reparação automóvel, limpeza (incluindo limpeza a seco e limpezas industriais) e panificação. Esta Campanha terá como público alvo os empregadores, os trabalhadores e os seus representantes das micro, pequenas e médias empresas tendo como alvo preferencial as empresas até 50 trabalhadores. 1.1 Objectivos e organização Objectivos da Campanha Melhorar a harmonização do cumprimento das prescrições mínimas relativas à utilização de substâncias perigosos nos locais de trabalho, contribuindo para a redução do número de doenças profissionais e acidentes de trabalho no espaço comunitário. Melhorar a capacidade de informação e de actuação das Inspecções do Trabalho de cada Estado-membro. Participantes A nível europeu há a previsão de participação dos Estados Membros da União Europeia que manifestaram interesse em integrar a Campanha, bem como dos países do EEE. Projecta o CARIT continuar a estreita relação de colaboração com a Agência Europeia para a Segurança e Saúde no Trabalho como tem ocorrido em Campanhas anteriores. Os sectores de actividade alvo Tendo presente que encontramos substâncias perigosas em muitos sectores de actividade, foram seleccionados alguns sectores para a Campanha relevantes pela dimensão transnacional e significado nas economias nacionais.

5 Os sectores alvos desta Campanha são a indústria de mobiliário, reparação automóvel, limpeza (incluindo limpezas a seco e limpezas industriais) e panificação. Organização da Campanha A Campanha inicia-se com uma fase de informação sobre os riscos associados às substâncias perigosas no local de trabalho, devendo para isso procurar-se o envolvimento dos Parceiros Sociais, dos meios de comunicação social, dos destinatários da Campanha, e dos diferentes técnicos que, de algum modo, têm competências neste domínio. Num segundo momento, está prevista a visita inspectiva aos locais de trabalho, com um duplo sentido de promoção da melhoria das condições de trabalho e de controlo na aplicação das normas, de organização da prevenção na empresa, cumprindo assim o espírito da Directiva 89/391/CEE, de 12 de Junho. Para que se torne possível o desenvolvimento em toda a União Europeia do projecto foram definidas as seguintes tarefas e produtos: - Campanha de Inspecção realizada com linhas de orientação comuns em matéria da estratégia de prevenção dos riscos associados à utilização de substâncias químicas perigosas nos locais de trabalho; - Formação dos Inspectores do Trabalho conduzida a nível nacional e baseada, a nível europeu, em materiais e métodos comuns; - Publicações comuns (Folhetos e Cartazes) para os sectores alvo; - Campanha de Informação, com a utilização da Internet e dos meios de comunicação social; - Avaliação da Campanha que inclui a realização de um Seminário de Encerramento; - A integração no projecto de iniciativas nacionais, particularmente as que visem a participação dos parceiros sociais. Sujeitos responsáveis pelas tarefas a nível europeu CARIT: Grupo europeu do CARIT: Preparar as linhas de orientação e tomar as decisões relacionadas com a implementação das tarefas da campanha, preparando instrumentos de apoio para a informação, formação e visitas de inspecção. Coordenador Europeu da Campanha: ACT Portugal: Preparar e distribuir: - Guia do CARIT para a Campanha e Formulários de Avaliação; - Ferramentas de apoio para a realização da Campanha de Inspecção; - Materiais de apoio para a formação dos Inspectores do Trabalho a nível nacional;

6 - Textos e layout das publicações: folhetos e cartazes, de todos os sectores, em Inglês, de modo a permitir a tradução para as línguas dos Estados Membros; - Comunicados de imprensa com informação sobre o desenvolvimento da Campanha; - Administrar a página da Internet da Campanha; - Apoiar os restantes participantes na alimentação da área na Internet relativa ao e-learning; - Coordenar as actividades da Campanha, dinamizando a troca de informação e de boas práticas entre os Serviços de Inspecção do Trabalho dos Estados Membros envolvidos (sobretudo através da página na Internet); - Apresentar os relatórios de progresso da Campanha nas Reuniões Plenárias do CARIT e junto do grupo de trabalho europeu; - Preparar o relatório de avaliação final da Campanha; - Organizar o Seminário de encerramento da Campanha em Março Direcção das Inspecções do Trabalho dos Estados Membros: Integrar a Campanha nos Planos de Actividade das Inspecções do Trabalho dos Estados Membros para o ano de Gestores do Projecto nos Estados Membros: Informação - Preparar a campanha de informação para 2010 com base no guia da Campanha do CARIT; - Traduzir os documentos da campanha para a língua nacional e preparar informação de âmbito nacional a incluir nos mesmos; - Devolver os documentos traduzidos ao coordenador do projecto para adaptação dos materiais informativos à língua de cada Estado membro; - Imprimir os documentos de informação (folhetos e cartazes); - Distribuir os suportes de informação aos grupos alvos; - Relatar os progressos da Campanha, experiência nacional e boas práticas; informação a ser colocada na página da Internet da Campanha; - Avaliar a realização da campanha a nível nacional e dos materiais disponibilizados pelo CARIT. Gestores do Projecto nos Estados Membros: Inspecção - Preparar o Plano da Campanha para o ano de 2010 com base no guia da Campanha do CARIT; - Organizar a formação dos Inspectores do Trabalho a nível nacional; - Gerir o projecto da campanha a nível nacional coordenação de acções entre os diferentes responsáveis pelos serviços locais; - Relatar os progressos da Campanha, experiência nacional e boas práticas; - Avaliar a realização da Campanha a nível nacional. Serviços de Imprensa das Inspecções do Trabalho dos Estados Membros:

7 - Organizar a campanha ao nível da comunicação social (impressa e on-line) a nível nacional; - Apoiar a produção de materiais informativos. Serviços de Formação das Inspecções do Trabalho dos Estados Membros: - Organizar a formação a nível nacional com base nos materiais desenvolvidos pelo CARIT. Inspectores do Trabalho: - Desenvolver os conhecimentos relacionados com a utilização de produtos químicos perigosos no local de trabalho; - Realizar as visitas de inspecção aos locais de trabalho; - Fornecer os dados necessários à avaliação da Campanha e recolher os exemplos de boas práticas dos diferentes sectores visitados. 1.2 Cronograma: Quando, o quê e por quem Janeiro de 2010: Lançamento da Campanha 19 Janeiro: 1.ª Reunião com pontos focais no Luxemburgo 21 Janeiro: Lançamento em Lisboa (FIL) 1º semestre 2010: Produção e envio de produtos (5 cartazes / 4 folhetos) (website + plataforma electrónica) Abril 2010: Formação de IT/Pontos focais no Luxemburgo Maio/ Junho 2010: Formação nos EM Junho 2010: Formação em Portugal 15 Setembro / Dezembro 2010: Enforcement Fevereiro 2011: Avaliação final Março 2011: Seminário de encerramento 2 Informação para as PME A informação constitui um elemento chave em qualquer Campanha. Nas organizações ela é um factor dinamizador da acção e de suporte das restantes medidas de prevenção. Considerando que os destinatários desta iniciativa são os trabalhadores e empregadores de empresas de pequena dimensão importa que a

8 informação a disponibilizar seja facilmente compreendida e os conteúdos maioritariamente práticos. 2.1 Avaliação de riscos químicos no local de trabalho Sendo a avaliação de riscos um factor decisivo no sucesso da prevenção de lesões profissionais, e sabendo, em simultâneo, da dificuldade que as PME têm na gestão da segurança, importa criar algumas ferramentas básicas que promovam, num primeiro momento, a identificação dos perigos, e num segundo momento, o controlo dos riscos associados aos agentes químicos perigosos. Os materiais a construir devem reflectir esta necessidade. Um dos produtos a utilizar nesta Campanha é uma ferramenta interactiva de auto-avaliação de riscos que permitirá às empresas um autocontrole da sua situação, na forma de um questionário de autoavaliação sobre riscos profissionais, do tipo lista de verificação, permitindo elaborar um auto diagnóstico da sua empresa. 2.2 Cooperação com os parceiros sociais Os representantes sectoriais podem ter um papel decisivo na melhoria das condições de trabalho. Sendo conhecedores da realidade, e com interesse directo nas vantagens competitivas que possam advir na mudança das condições de trabalho, podem desencadear um processo alargado de participação dos Empregadores e dos Trabalhadores na Campanha que importa favorecer. Em cada Estado Membro, e em respeito pela legislação e cultura de cada país, deve procurar-se a construção de parcerias conjuntas no sentido de apoiar à divulgação da Campanha e dos suportes de informação construídos. 2.3 Divulgação da informação junto da comunicação social A eficácia e o impacto da Campanha dependerão da qualidade da informação, mas também da capacidade de divulgação, recorrendo-se aos meios mais adequados para o efeito. Os resultados obtidos dependerão também do modo como se conseguir divulgar a informação através dos meios de comunicação social. Foi criada uma identidade visual e gráfica da Campanha, nomeadamente, um logotipo, um slogan e uma mascote, que terá uma configuração adaptada a cada sector de actividade alvo. Serão elaborados comunicados de imprensa a serem utilizados em momentos chave da Campanha e que promoverão a atenção sobre a mesma. Prevê-se a divulgação de comunicados de imprensa no início da Campanha, no final do primeiro trimestre (quando e se os folhetos e

9 cartazes estiverem já disponíveis), no final do segundo trimestre (reforçando a oportunidade da Campanha), no início da Inspecção aos locais de trabalho e no final da Campanha. 2.4 Suportes de informação O sucesso desta valência da Campanha dependerá da grandeza com que a informação produzida chegar aos destinatários da Campanha. Os suportes de informação produzidos visam transmitir algum dos conhecimentos básicos sobre o tema de modo simples e acessível, privilegiando-se a imagem e a ligação às situações concretas de trabalho que estão na origem dos riscos, incluindo boas práticas. A Internet representa um meio privilegiado de difusão rápida, simultânea e com baixo custo, permitindo uma fácil e célere actualização de conteúdos. Os documentos impressos permitem uma proximidade maior aos destinatários e garantem uma permanência futura relevante. São construídos para impressão, um folheto com informações sobre a Campanha, bem como folhetos e cartazes específicos para cada um dos sectores de intervenção com informações sobre os riscos e as medidas de prevenção. O conteúdo dos folhetos integrará informação geral sobre a Campanha, a Prevenção de Riscos, e as Boas Práticas no sector. Incluir-se-á, ainda, informação específica de cada Estado Membro. Propõe-se que os folhetos possam ser distribuídos da seguinte forma: - Através da Internet, em formato digital; - Nos Seminários sobre o tema; - Pelos Serviços, junto de stakeholders específicos; - Pelos Inspectores do Trabalho nas visitas. Os cartazes pretendem atingir uma população nem sempre disponível para aceder à informação escrita. O impacto visual das imagens e comentários podem ajudar a transmitir mensagens aos trabalhadores com níveis de escolaridade diferenciados. Os cartazes serão apresentados com a utilização da linguagem da banda desenhada o que se espera possa cativar ainda mais a atenção do público. Todos os suportes de informação serão produzidos em Inglês pela ACT/Portugal e terão que ser traduzidos para a língua de cada um dos Estados Membros pelas respectivas Inspecções do Trabalho. A organização do layout dos suportes de informação será então realizada pela ACT, que remeterá a cada Inspecção do Trabalho o documento final para impressão, e colocá-lo-á na página Web.

10 No entanto, para a vertente de Auto-formação, cada Inspecção do Trabalho será responsável pela gestão do respectivo domínio na Internet, partindo de documentação em Inglês fornecida pela ACT/Portugal. 2.5 Página na Internet Na Campanha do CARIT de 2007 e 2008 sobre os riscos associados à Movimentação Manual de Cargas foi criada uma página na Internet específica para divulgação da Campanha. Esta iniciativa, que teve muito bom acolhimento em todos os países europeus, terá continuidade nesta nova Campanha. A página será organizada em três grandes domínios: Informação, Auto-avaliação e Formação, tendo ainda um quarto domínio dedicado a actividades de natureza lúdica. No domínio da Informação, será disponibilizada informação sobre a Campanha e a prevenção de riscos profissionais em cada sector, o que inclui a disponibilização em formato electrónico (com possibilidade de impressão) dos folhetos e cartazes produzidos. Estarão disponíveis ainda hiperligações a outros conteúdos informáticos. Promover-se-á a inclusão de exemplos de boas práticas e no domínio da Auto-avaliação será incluído um questionário ilustrado que ajudará o pequeno empresário a identificar os riscos na utilização de substâncias perigosas em operações mais comuns nos sectores identificados. No domínio da Formação, estará disponível um pequeno curso de e-learning com informações fundamentais sobre o tema e que permitirá a autoaprendizagem de trabalhadores e empregadores e, especificamente, dos inspectores do trabalho. Com as actividades de natureza lúdica promove-se a aprendizagem pelo exercício criativo de jogos educativos. A página estará disponível na língua de todos os países que aderiram à Campanha e a gestão de conteúdos será realizada em grande parte pela ACT em Portugal mas espera-se que os Estados Membros participantes possam gerir o domínio da Formação (que estará disponível numa plataforma Moodle). A tradução dos textos será da responsabilidade de cada Estado Membro. Aceitam-se contributos de todos os Estados Membros na identificação de boas práticas a colocar na página Web. Permite-se a colocação na página de dados específicos de cada país: contactos, legislação, informação adicional relativa a eventos. A inclusão de material específico de cada país pode fazer-se sem a necessidade de utilização da imagem gráfica da Campanha. Na Webpage estarão ainda disponíveis: - Glossário com os termos mais relevantes;

11 - Documento com a legislação mais relevante sobre os produtos químicos, incluindo não apenas a sua utilização nos locais de trabalho como a classificação, embalagem e rotulagem. Por fim, entende-se que a Campanha deve ser divulgada, em primeiro lugar, na página na Internet de todas as Inspecções do Trabalho de cada Estado Membro. Será criado um banner alusivo à Campanha que reencaminhará para a respectiva página web. 2.6 Cooperação com a Agência Europeia para a SST A Agência Europeia para a Segurança e Saúde no Trabalho tem cooperado nas Campanhas anteriores do CARIT e, de novo, a sua participação no projecto acontece desde o início. Os temas Substâncias Perigosas e Avaliação de Riscos, foram já tratados durante as iniciativas das Semanas Europeias de prevenção de riscos profissionais da Agência de Bilbao, respectivamente, em 2003 e Há por isso, um conjunto significativo de documentos de informação já construídos que podem ser utilizados. Espera-se comunicação recíproca de informação sobre o tema e projecta-se que em cada Estado Membro, em articulação com os restantes elementos da rede de prevenção de riscos profissionais, se trabalhe com os Pontos Focais da Agência ampliando a divulgação da Campanha. 3 Inspecção dos locais de trabalho Os Inspectores do Trabalho nas visitas aos locais de trabalho promovem a procura de soluções que contribuam para a prevenção de acidentes de trabalho e de doenças profissionais, apoiando em simultâneo, o crescimento das empresas. A harmonização da intervenção das diferentes Inspecções do Trabalho a nível europeu, depende particularmente da formação dos Inspectores do Trabalho, e da utilização de referenciais comuns para análise dos locais de trabalho. 3.1 Formação dos Inspectores do Trabalho No ano de 2010, far-se-á uma formação comum a nível europeu para os representantes dos Estados Membros, que integrará directrizes comuns e que conta com a participação dos seguintes Estados Membros no desenvolvimento de conteúdos específicos: Portugal no sector das Madeiras e Mobiliário; Reino Unido no sector da reparação automóvel; República da Irlanda no sector da Panificação e Eslováquia no sector das Limpezas. Esta formação terá a duração de um dia e realizar-se-á no Luxemburgo com o apoio dos Serviços da Comissão Europeia.

12 O programa de formação e os materiais de suporte serão entregues previamente permitindo uma preparação adequada. Cada Inspecção do Trabalho poderá indicar um ou mais representantes para participar na formação, consoante o número de sectores que tenha escolhido. A Comissão Europeia assegura o pagamento das despesas de deslocação de um representante. 3.2 Materiais de apoio à Inspecção Serão disponibilizadas listas de verificação de utilização opcional que possam auxiliar os Inspectores do Trabalho na realização das visitas de inspecção. Serão disponibilizados documentos com informação sobre os processos produtivos, sobre a identificação dos riscos mais frequentes e sobre a gestão dos riscos. As visitas aos locais de trabalho para a Campanha devem realizar-se no período de Setembro a Novembro de Expectativas de mudança dos locais de trabalho A dificuldade das PME em implementar práticas de trabalho seguras é reconhecida na generalidade dos países europeus. A explicação para esta situação radica na ausência de recursos humanos com formação no domínio da segurança e saúde no trabalho, e numa realidade muito específica destas empresas que estão usualmente mais afastadas dos processos de informação. Espera-se que com a intervenção nesta Campanha seja possível alterar as condições de trabalho, motivando empregadores e trabalhadores a saberem mais sobre os temas e a agirem activamente na redução dos riscos profissionais. 4 Avaliação da Campanha A avaliação do trabalho realizado durante as Campanhas anteriores tem permitido melhorar o que é feito nos anos seguintes, quer a nível das Campanhas do CARIT, quer a nível das Inspecções do Trabalho. 4.1 Objectivos da avaliação A avaliação do trabalho desenvolvido é do interesse do CARIT e de cada uma das Inspecções do Trabalho dos Estados Membros, e representará o momento para o balanço do trabalho realizado, ao mesmo tempo que permitirá a descoberta de informação útil à realização de outras Campanhas do CARIT.

13 A avaliação da Campanha deve acontecer em cada país durante o mês de Janeiro de O formulário para avaliação será entregue em tempo oportuno. 4.2 Resultados (qualidade e quantidade) da Campanha Serão disponibilizados oportunamente aos pontos focais de cada Estado membro mapas de recolha de resultados para envio ao coordenador. 4.3 Seminário de Avaliação da Campanha A ACT de Portugal, coordenadora desta Campanha, organizará um Seminário em Março de 2011 para se avaliar todo o trabalho realizado durante esta Campanha do CARIT sobre avaliação de riscos de substâncias perigosas no local de trabalho. Neste evento será apresentado o trabalho realizado pelos diferentes países europeus, as boas práticas identificadas e discutir-se-á as perspectivas de desenvolvimento futuro sobre a intervenção inspectiva neste domínio. 5 Iniciativas nacionais suplementares 5.1 Actividades suplementares da iniciativa dos Estados Membros A organização de um conjunto de actividades comuns a todos os Serviços de Inspecção dos Estados Membros, conforme o que acima se apresentou, não impede, naturalmente, que surjam outras iniciativas de cariz nacional. Como sugestão, e tendo em conta a experiência com as Campanhas de anos anteriores, propõe-se a divulgação da Campanha através de: - Correio electrónico para os destinatários da mesma; - Seminários, Workshops ou Sessões de Divulgação; - Parcerias para iniciativas conjuntas, e.g., publicações, seminários, reuniões, não apenas com os parceiros sociais dos sectores alvo, mas também com centros tecnológicos dos sectores alvo,

Balanço da Campanha. Felgueiras, 4 de março de 2015

Balanço da Campanha. Felgueiras, 4 de março de 2015 Balanço da Campanha Felgueiras, 4 de março de 2015 Preparação da Campanha Envolvimento dos parceiros sociais APICCAPS, CTCP, FESETE, SINDEQ e Academia do Design e Calçado Compromisso de apoio à Campanha

Leia mais

1) Breve apresentação do AEV 2011

1) Breve apresentação do AEV 2011 1) Breve apresentação do AEV 2011 O Ano Europeu do Voluntariado 2011 constitui, ao mesmo tempo, uma celebração e um desafio: É uma celebração do compromisso de 94 milhões de voluntários europeus que, nos

Leia mais

3. PRINCIPAIS TEMÁTICAS E CARACTERÍSTICAS DE ORGANIZAÇÃO DOS OPEN DAYS 2008

3. PRINCIPAIS TEMÁTICAS E CARACTERÍSTICAS DE ORGANIZAÇÃO DOS OPEN DAYS 2008 1. INTRODUÇÃO Em apenas 5 anos os OPEN DAYS Semana Europeia das Regiões e Cidades tornaram-se um evento de grande importância para a demonstração da capacidade das regiões e das cidades na promoção do

Leia mais

Plano de Comunicação para o QCA III. Relatório de Execução de 2002

Plano de Comunicação para o QCA III. Relatório de Execução de 2002 Plano de Comunicação para o QCA III Relatório de Execução de 2002 Após o período de lançamento do QCA III o ano de 2002 foi de consolidação dos projectos iniciados e de apresentação dos primeiros resultados.

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU E CONSELHO

PARLAMENTO EUROPEU E CONSELHO 27.4.2001 PT Jornal Oficial das Comunidades Europeias L 118/41 II (Actos cuja publicação não é uma condição da sua aplicabilidade) PARLAMENTO EUROPEU E CONSELHO RECOMENDAÇÃO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO

Leia mais

QUADRO COMUNITÁRIO DE APOIO

QUADRO COMUNITÁRIO DE APOIO QUADRO COMUNITÁRIO DE APOIO 2000-2006 PLANO DE ACÇÃO DE COMUNICAÇÃO DO QCA AGOSTO 2001 1 ÍNDICE 1 - Objectivos... 4 2 - Públicos-alvo... 4 3 - Estratégia... 4 4 Conteúdo e Estratégia das Acções... 5 5

Leia mais

Conselho Local de Acção Social De Vila Nova de Cerveira

Conselho Local de Acção Social De Vila Nova de Cerveira Conselho Local de Acção Social De Vila Nova de Cerveira REGULAMENTO INTERNO INTRODUÇÃO A rede social é uma plataforma de articulação de diferentes parceiros públicos e privados que tem por objectivos combater

Leia mais

AGENDA 21 LOCAL CONDEIXA-A-NOVA

AGENDA 21 LOCAL CONDEIXA-A-NOVA AGENDA 21 LOCAL CONDEIXA-A-NOVA PLANO DE COMUNICAÇÃO E DIVULGAÇÃO Deliverable 4 Fase 2 Novembro 2008 1 P á g i n a Índice 1. Objectivos... 3 2. Públicos-alvo... 4 3. Estratégia de Comunicação... 5 3.1

Leia mais

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO::

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO:: ::ENQUADRAMENTO:: :: ENQUADRAMENTO :: O actual ambiente de negócios caracteriza-se por rápidas mudanças que envolvem a esfera politica, económica, social e cultural das sociedades. A capacidade de se adaptar

Leia mais

22.1.2010 Jornal Oficial da União Europeia L 17/43

22.1.2010 Jornal Oficial da União Europeia L 17/43 22.1.2010 Jornal Oficial da União Europeia L 17/43 IV (Actos adoptados, antes de 1 de Dezembro de 2009, em aplicação do Tratado CE, do Tratado da UE e do Tratado Euratom) DECISÃO DO CONSELHO de 27 de Novembro

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO DE INTERVENÇÃO (PEI)

PLANO ESTRATÉGICO DE INTERVENÇÃO (PEI) PLANO ESTRATÉGICO DE INTERVENÇÃO (PEI) Setembro de 2009/ Dezembro de 2010 Índice Introdução.. 3 Etapas de intervenção... 4 Âmbito de intervenção.. 5 Objectivos estratégicos..... 5 Metas.. 5 Equipa....

Leia mais

Regulamento do Concurso para Pontos de Contacto Nacionais do 7º Programa-Quadro de Investigação e Desenvolvimento Tecnológico da União Europeia

Regulamento do Concurso para Pontos de Contacto Nacionais do 7º Programa-Quadro de Investigação e Desenvolvimento Tecnológico da União Europeia Regulamento do Concurso para Pontos de Contacto Nacionais do 7º Programa-Quadro de Investigação e Desenvolvimento Tecnológico da União Europeia O Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (MCTES)

Leia mais

GRELHA PARA A CARACTERIZAÇÃO DE RTP. AEBJC Associação para o Ensino Bento de Jesus Caraça

GRELHA PARA A CARACTERIZAÇÃO DE RTP. AEBJC Associação para o Ensino Bento de Jesus Caraça GRELHA PARA A CARACTERIZAÇÃO DE RTP Entidade interlocutora: Identificação do Projecto AEBJC Associação para o Ensino Bento de Jesus Caraça Nº do projecto: 2001/EQUAL/A2/AD/139 Designação do projecto: Área

Leia mais

Plano de Marketing Operacional

Plano de Marketing Operacional Plano de Marketing Operacional CONTEÚDO 1. Oportunidade do projecto APCMC +Inovação... iii 2. Plano de comunicação... viii 3. Controlo e revisão... xvi ii 1. Oportunidade do projecto APCMC +Inovação A

Leia mais

Locais de Trabalho Seguros e Saudáveis

Locais de Trabalho Seguros e Saudáveis Autoridade para as Condições de Trabalho PFN-Ponto Focal Nacionalda AgênciaEuropeiapara a Segurança e Saúde no Trabalho Manuela Calado 28 DE ABRIL DIA MUNDIAL DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO 28 de Abril

Leia mais

APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012

APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012 APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012 A aposta no apoio à internacionalização tem sido um dos propósitos da AIDA que, ao longo dos anos, tem vindo a realizar diversas acções direccionadas para

Leia mais

O desafio de informar melhor. Juntos, uma comunicação de sucesso

O desafio de informar melhor. Juntos, uma comunicação de sucesso O desafio de informar melhor Juntos, uma comunicação de sucesso Janeiro 2006 1.Introdução Dar a conhecer à população (e sensibilizar os potenciais beneficiários) o papel que os financiamentos comunitários

Leia mais

Diagnóstico de Competências para a Exportação

Diagnóstico de Competências para a Exportação Diagnóstico de Competências para a Exportação em Pequenas e Médias Empresas (PME) Guia de Utilização DIRECÇÃO DE ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL Departamento de Promoção de Competências Empresariais Índice ENQUADRAMENTO...

Leia mais

INOVAÇÃO E SOLUÇÃO INTEGRADA

INOVAÇÃO E SOLUÇÃO INTEGRADA INOVAÇÃO E SOLUÇÃO INTEGRADA A Formação no ISQ A actividade de Formação do ISQ tem sido uma forte aposta enquanto factor determinante para o desenvolvimento e melhoria de desempenho dos sectores tecnológicos

Leia mais

Programa Operacional de Potencial Humano EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL

Programa Operacional de Potencial Humano EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL Programa Operacional de Potencial Humano EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL TIPOLOGIA DE INTERVENÇÃO 3.1.1 PROGRAMA DE FORMAÇÃO-AÇÃO PARA PME REGULAMENTO DE CANDIDATURA PARA ENTIDADES

Leia mais

PE-CONS 3619/3/01 REV 3

PE-CONS 3619/3/01 REV 3 PE-CONS 3619/3/01 REV 3 relativa à avaliação dos efeitos de determinados planos e programas no ambiente O PARLAMENTO EUROPEU E O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA, Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Segurança e Higiene no Trabalho Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/7 ÁREA DE ACTIVIDADE OBJECTIVO

Leia mais

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, e, nomeadamente, o n. o 1 do seu artigo 175. o,

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, e, nomeadamente, o n. o 1 do seu artigo 175. o, L 197/30 PT Jornal Oficial das Comunidades Europeias 21.7.2001 DIRECTIVA 2001/42/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 27 de Junho de 2001 relativa à avaliação dos efeitos de determinados planos e

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 8.12.2008 COM(2008) 819 final COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO Plano de acção no domínio da dádiva e transplantação de órgãos (2009-2015): Reforçar a cooperação entre

Leia mais

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas À semelhança do que acontece nas sociedades contemporâneas mais avançadas, a sociedade portuguesa defronta-se hoje com novos e mais intensos

Leia mais

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin A Presidência Portuguesa na área dos Assuntos Económicos e Financeiros irá centrar-se na prossecução de três grandes objectivos, definidos

Leia mais

DECLARAÇÃO DE BILBAU CONSTRUIR EM SEGURANÇA

DECLARAÇÃO DE BILBAU CONSTRUIR EM SEGURANÇA DECLARAÇÃO DE BILBAU (Tradução a partir de original inglês) CONSTRUIR EM SEGURANÇA Cimeira Europeia da Segurança na Construção Introdução A construção é um dos maiores sectores industriais da Europa. Infelizmente,

Leia mais

Projecto de Voluntariado do Concelho de Lagoa. Banco de Voluntariado LagoaSocial

Projecto de Voluntariado do Concelho de Lagoa. Banco de Voluntariado LagoaSocial Projecto de Voluntariado do Concelho de Lagoa Banco de Voluntariado LagoaSocial Projecto de Voluntariado Social de Lagoa O Banco de Voluntariado LagoaSocial será enquadrado num conjunto de medidas e acções

Leia mais

Europass-Curriculum Vitae

Europass-Curriculum Vitae Europass-Curriculum Vitae Informação pessoal Apelido(s) / Nome(s) próprio(s) Correio(s) electrónico(s) Miguel Pedro Mendes d Araújo Morada(s) Rua António Gustavo Moreira, n.º 35 Hab. 2.5 4400-660 Vila

Leia mais

DE DOCUMENTO ELABORADO PELO GRUPO DE TRABALHO REUNIDO EM SANTA CRUZ DE LA SIERRA, BOLÍVIA, ENTRE OS DIAS 3 E 5 DE MAIO DE

DE DOCUMENTO ELABORADO PELO GRUPO DE TRABALHO REUNIDO EM SANTA CRUZ DE LA SIERRA, BOLÍVIA, ENTRE OS DIAS 3 E 5 DE MAIO DE A REDE on-line (PROJECTO DE DOCUMENTO ELABORADO PELO GRUPO DE TRABALHO REUNIDO EM SANTA CRUZ DE LA SIERRA, BOLÍVIA, ENTRE OS DIAS 3 E 5 DE MAIO DE 2006) SUMÁRIO: I. INTRODUÇÃO; II. OBJECTIVOS DA REDE on-line

Leia mais

Empresas que se mexem, são empresas que crescem!

Empresas que se mexem, são empresas que crescem! Empresas que se mexem, são empresas que crescem! Apresentação do Projecto/ Abertura de inscrições Introdução A Adere-Minho - Associação para o Desenvolvimento Regional do Minho, entidade de natureza associativa

Leia mais

Kit de Auto-Diagnóstico de Necessidades, Auto-Formação e Auto-Avaliação da Formação em Gestão

Kit de Auto-Diagnóstico de Necessidades, Auto-Formação e Auto-Avaliação da Formação em Gestão CARACTERIZAÇÃO DO PRODUTO Kit de Auto-Diagnóstico de Necessidades, Auto-Formação e Auto-Avaliação da Formação em Gestão Produção apoiada pelo Programa Operacional de Emprego, Formação e Desenvolvimento

Leia mais

GUIA DO VOLUNTÁRIO. Sociedade Central de Cervejas

GUIA DO VOLUNTÁRIO. Sociedade Central de Cervejas GUIA DO VOLUNTÁRIO Sociedade Central de Cervejas ÍNDICE 1. A RESPONSABILIDADE SOCIAL NA SCC: O NOSSO COMPROMISSO... 3 2. O NOSSO COMPROMISSO COM O VOLUNTARIADO... 4 2.1 A ESTRUTURAÇÃO DO VOLUNTARIADO EMPRESARIAL...

Leia mais

A DGAE e a Política de Inovação

A DGAE e a Política de Inovação A DGAE e a Política de Inovação Seminário A Criatividade e a Inovação como Factores de Competitividade e Desenvolvimento Sustentável APOCEEP, 9 de Julho de 2009 José António Feu Director do Serviço para

Leia mais

Uma Questão de Atitude...

Uma Questão de Atitude... Uma Questão de Atitude... Catálogo de Formação 2014 1 Introdução 3 Soluções de Formação 3 Áreas de Formação 4 Desenvolvimento Pessoal 5 Comercial 12 Secretariado e Trabalho Administrativo 15 Indústrias

Leia mais

Comissão Interministerial para a Sociedade da Informação

Comissão Interministerial para a Sociedade da Informação Comissão Interministerial para a Sociedade da Informação ANEXO AO CADERNO DE ENCARGOS MÉTODO DE AVALIAÇÃO DOS WEB SITES DA ADMINISTRAÇÃO DIRECTA E INDIRECTA DO ESTADO Documento disponível em www.si.mct.pt

Leia mais

O contributo do Cluster Habitat Sustentável

O contributo do Cluster Habitat Sustentável O contributo do Cluster Habitat Sustentável Victor Ferreira Plataforma para a Construção Sustentável Seminário Construção Sustentável CONCRETA 2011 20/10/2011 Visão e Missão O Cluster Habitat? agregador

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL

PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL TIPOLOGIA DE INTERVENÇÃO 3.1.1 PROGRAMA DE FORMAÇÃO-ACÇÃO PARA PME REGULAMENTO DE CANDIDATURA PARA ENTIDADES

Leia mais

Síntese do estudo sobre A ADESÃO DAS PME NACIONAIS À PRÁTICA DO COMÉRCIO ELECTRÓNICO

Síntese do estudo sobre A ADESÃO DAS PME NACIONAIS À PRÁTICA DO COMÉRCIO ELECTRÓNICO Síntese do estudo sobre A ADESÃO DAS PME NACIONAIS À PRÁTICA DO COMÉRCIO ELECTRÓNICO 1. PRINCIPAIS CONCLUSÕES Há um entendimento razoável das vantagens da prática do comércio electrónico no seio das PME

Leia mais

Rede de Informação do INE em Bibliotecas do Ensino Superior

Rede de Informação do INE em Bibliotecas do Ensino Superior Rede de Informação do INE em Bibliotecas do Ensino Superior Francisco Correia Departamento de Difusão e Promoção Instituto Nacional de Estatística Avenida António José de Almeida 1000-043 Lisboa Tel: 218426143

Leia mais

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59.

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59. Relatório da Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59 Resumo Novembro de 2009 Avaliação intercalar da execução do Plano de

Leia mais

Realizador por: Prof. José Santos

Realizador por: Prof. José Santos Realizador por: Prof. José Santos Objectivo Este guia tem como objectivo fornecer aos Encarregados de Educação uma breve explicação sobre o funcionamento da Plataforma de Aprendizagem Moodle do Colégio

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA 1º CICLO DE ESTUDOS LICENCIATURA

FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA 1º CICLO DE ESTUDOS LICENCIATURA FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA 1º CICLO DE ESTUDOS LICENCIATURA I. OBJECTIVOS O objectivo deste ciclo de estudos é garantir aos estudantes uma sólida formação jurídica de base. Tendo

Leia mais

DESAFIOS URBANOS 15. concurso. de arquitectura

DESAFIOS URBANOS 15. concurso. de arquitectura Espaço de Arquitectura O Espaço de Arquitectura é um portal dedicado à Arquitectura em Portugal, que assumiu o seu posicionamento em 2010, com o propósito de privilegiar a proximidade entre arquitectos

Leia mais

BPstat. manual do utilizador. Banco de Portugal BPstat Estatísticas online Manual do Utilizador 1/24

BPstat. manual do utilizador. Banco de Portugal BPstat Estatísticas online Manual do Utilizador 1/24 BPstat manual do utilizador Banco de Portugal BPstat Estatísticas online Manual do Utilizador 1/24 BANCO DE PORTUGAL Av. Almirante Reis, 71 1150-012 Lisboa www.bportugal.pt Edição Departamento de Estatística

Leia mais

SESSÃO DE ENCERRAMENTO DO VENTURE CAPITAL IT 2006

SESSÃO DE ENCERRAMENTO DO VENTURE CAPITAL IT 2006 SESSÃO DE ENCERRAMENTO DO VENTURE CAPITAL IT 2006 Jaime Andrez Presidente do CD do IAPMEI 10 de Maio de 2006 Minhas Senhoras e meus Senhores, 1. Em nome do Senhor Secretário de Estado Adjunto, da Indústria

Leia mais

Comissão Social Inter Freguesias da Zona Central

Comissão Social Inter Freguesias da Zona Central Comissão Social Inter Freguesias da Zona Central Regulamento Interno Preâmbulo O Regulamento Interno estabelece a constituição, organização e funcionamento da Comissão Social Inter Freguesia da Zona Central,

Leia mais

(Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO

(Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO 7.6.2008 C 141/27 V (Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO Convite à apresentação de propostas de 2008 Programa Cultura (2007-2013) Execução das seguintes acções do programa: projectos plurianuais

Leia mais

Plano de Actividades Ano de 1999

Plano de Actividades Ano de 1999 Plano de Actividades Ano de 1999 O ano de 1999 ficará assinalado pela reorganização da Central de Reservas com o lançamento da CENTER - Central Nacional de Turismo no Espaço Rural. CENTER - Central Nacional

Leia mais

A ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS SISTEMAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS. 10 de Maio de 2014 Dr. Domingos Saraiva Presidente da Direção da EGSRA

A ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS SISTEMAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS. 10 de Maio de 2014 Dr. Domingos Saraiva Presidente da Direção da EGSRA A ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS SISTEMAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS 10 de Maio de 2014 Dr. Domingos Saraiva Presidente da Direção da EGSRA Surge da vontade dos Sistemas Intermunicipais, que até então se representavam

Leia mais

Vale Projecto - Simplificado

Vale Projecto - Simplificado IDIT Instituto de Desenvolvimento e Inovação Tecnológica Vale Projecto - Simplificado VALES Empreendedorismo e Inovação Associados Parceiros / Protocolos IDIT Enquadramento Vale Projecto - Simplificado

Leia mais

VII Jornadas Técnicas de Segurança no Trabalho

VII Jornadas Técnicas de Segurança no Trabalho VII Jornadas Técnicas de Segurança no Trabalho Sensibilizar as Pequenas e Médias Empresas para a Segurança no Trabalho A colaboração entre a rede Enterprise Europe Network e a Agência Europeia para a Segurança

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA INOV-ART NOS TERMOS DA PORTARIA N.º 1103/2008 DE 2 DE OUTUBRO

REGULAMENTO DO PROGRAMA INOV-ART NOS TERMOS DA PORTARIA N.º 1103/2008 DE 2 DE OUTUBRO REGULAMENTO DO PROGRAMA INOV-ART NOS TERMOS DA PORTARIA N.º 1103/2008 DE 2 DE OUTUBRO CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1.º- Âmbito de aplicação O presente Regulamento aplica -se à medida INOV-Art -

Leia mais

A ÁREA DE PRÁTICA DE PROPRIEDADE INTELECTUAL, MARKETING E TMT DA ABBC

A ÁREA DE PRÁTICA DE PROPRIEDADE INTELECTUAL, MARKETING E TMT DA ABBC A ÁREA DE PRÁTICA DE PROPRIEDADE INTELECTUAL, MARKETING E TMT DA ABBC ABBC A actuação da ABBC assenta na independência, no profissionalismo e na competência técnica dos seus advogados e colaboradores,

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DIRECTIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DIRECTIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 3.8.2005 COM(2005) 361 final 2005/0147 (COD) Proposta de DIRECTIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO que revoga a Directiva 90/544/CEE do Conselho relativa

Leia mais

TRANSPORT LEARNING Cursos de formação para municípios e agências de energia

TRANSPORT LEARNING Cursos de formação para municípios e agências de energia TRANSPORT LEARNING Cursos de formação para municípios e agências de energia istockphoto Conteúdo Caro leitor, Sobre o projecto... 2 Criando uma base de conhecimento para as regiões de convergência da Europa...

Leia mais

Plano de Acção para a Segurança Infantil em Portugal

Plano de Acção para a Segurança Infantil em Portugal Plano de Acção para a Segurança Infantil em Portugal Coordenação oficial: Coordenação técnica: Apoio: I Enquadramento O Plano de Acção para a Segurança Infantil (PASI) enquadra-se no projecto Europeu Child

Leia mais

Estratégia de Dinamização e de Divulgação

Estratégia de Dinamização e de Divulgação Estratégia de Dinamização e de Divulgação Plano de Ação de 2015 FEVEREIRO 2015 1 Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. VISÃO DA BOLSA DE TERRAS... 4 3. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS - LINHAS GERAIS DA ESTRATÉGIA... 5

Leia mais

PLANO TIC 2009-2010. O Coordenador TIC Virgílio Freitas [1]

PLANO TIC 2009-2010. O Coordenador TIC Virgílio Freitas [1] PLANO TIC 2009-2010 O Coordenador TIC Virgílio Freitas [1] ESCOLA EB1/PE Visconde Cacongo URL: http://escolas.madeira-edu.pt/eb1pevcacongo Email: eb1pevcacongo@madeira-edu.pt IDENTIFICAÇÃO DO COORDENADOR

Leia mais

Para uma gestão integrada da biblioteca escolar do agrupamento

Para uma gestão integrada da biblioteca escolar do agrupamento Para uma gestão integrada da biblioteca escolar do agrupamento orientações Rede Bibliotecas Escolares Sumário Nota introdutória... 2 Orientações Director... 3 Professor bibliotecário... 5 Docentes... 10

Leia mais

PARECER DA UMAR relativo ao O III PLANO NACIONAL DE PREVENÇÃO E COMBATE AO TRÁFICO DE SERES HUMANOS 2014-2017

PARECER DA UMAR relativo ao O III PLANO NACIONAL DE PREVENÇÃO E COMBATE AO TRÁFICO DE SERES HUMANOS 2014-2017 PARECER DA UMAR relativo ao O III PLANO NACIONAL DE PREVENÇÃO E COMBATE AO TRÁFICO DE SERES HUMANOS 2014-2017 Antes de concretizar a análise do referido Plano cumpre-nos dizer que é necessário que todos

Leia mais

(Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO

(Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO 19.12.2007 C 308/1 I (Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO RESOLUÇÃO DO CONSELHO de 5 de Dezembro de 2007 sobre o seguimento do Ano Europeu da Igualdade de Oportunidades para Todos

Leia mais

Os Empresários, as Empresas e a Inclusão Social. João Oliveira Rendeiro Presidente da Associação EIS Empresários pela Inclusão Social

Os Empresários, as Empresas e a Inclusão Social. João Oliveira Rendeiro Presidente da Associação EIS Empresários pela Inclusão Social Os Empresários, as Empresas e a Inclusão Social João Oliveira Rendeiro Presidente da Associação EIS Empresários pela Inclusão Social Conferência "Compromisso Cívico para a Inclusão" Santarém, 14 de Abril

Leia mais

Escolas de Pentatlo Moderno

Escolas de Pentatlo Moderno Escolas de Pentatlo Moderno ÍNDICE O que é o franchising PENTAKID? 3 Serviços PENTAKID 5 Marketing 6 Recursos Humanos 7 Financiamento 8 Processo de aquisição 9 Ficha técnica 10 Carta de resposta 11 2 O

Leia mais

O PLANO DE COMUNICAÇÃO INTERNA

O PLANO DE COMUNICAÇÃO INTERNA O PLANO DE COMUNICAÇÃO INTERNA O plano de Comunicação Interna è a tradução operacional da estratégia. É um instrumento de gestão cujo objectivo é traduzir a política de comunicação interna da empresa num

Leia mais

Introdução à Responsabilidade Social das Pequenas e Médias Empresas

Introdução à Responsabilidade Social das Pequenas e Médias Empresas Introdução à Responsabilidade Social das Pequenas e Médias Empresas Este guia foi produzido como parte da Campanha de Consciencialização Pan-Europeia sobre RSE, uma iniciativa da Comissão Europeia, Directoria

Leia mais

Sistema de Informação e Comunicação da Rede Social de Alcochete. Sistema de Informação e Comunicação - REDE SOCIAL DE ALCOCHETE

Sistema de Informação e Comunicação da Rede Social de Alcochete. Sistema de Informação e Comunicação - REDE SOCIAL DE ALCOCHETE . Sistema de Informação e Comunicação da Rede Social de Alcochete . Objectivos e Princípios Orientadores O Sistema de Informação e Comunicação (SIC) da Rede Social de Alcochete tem como objectivo geral

Leia mais

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE Projecto IMCHE/2/CP2 1 ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

Leia mais

Cursos de Formação Financiados

Cursos de Formação Financiados Cursos de Financiados Modular - Nível III Pós-Laboral Porto Área 213 - Audiovisuais e Produção dos Média Bem-Vindo/a à FLAG! A FLAG é uma empresa prestadora de serviços de formação profissional, especializada

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 8.10.2007 SEC(2007)907 DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO documento de acompanhamento da Comunicação da Comissão sobre um programa para ajudar as

Leia mais

CENTRO DE INFORMAÇÃO EUROPE DIRECT DE SANTARÉM

CENTRO DE INFORMAÇÃO EUROPE DIRECT DE SANTARÉM CENTRO DE INFORMAÇÃO EUROPE DIRECT DE SANTARÉM Assembleia de Parceiros 17 de Janeiro 2014 Prioridades de Comunicação 2014 Eleições para o Parlamento Europeu 2014 Recuperação económica e financeira - Estratégia

Leia mais

MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS INSTITUTO DIPLOMÁTICO VAGAS PARA ESTÁGIOS SERVIÇOS EXTERNOS 2º SEMESTRE DE 2012/2013

MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS INSTITUTO DIPLOMÁTICO VAGAS PARA ESTÁGIOS SERVIÇOS EXTERNOS 2º SEMESTRE DE 2012/2013 VAGAS PARA ESTÁGIOS SERVIÇOS EXTERNOS 2º SEMESTRE DE 2012/2013 SERVIÇO VAGAS PERFIL DO ESTAGIÁRIO DESCRIÇÃO DAS FUNÇÕES A DESEMPENHAR OBSERVAÇÕES Consulado Geral de Portugal em Londres VagaE-1/2S/1213

Leia mais

O Recurso a Meios Digitais no Contexto do Ensino Superior. Um Estudo de Uso da Plataforma.

O Recurso a Meios Digitais no Contexto do Ensino Superior. Um Estudo de Uso da Plataforma. O Recurso a Meios Digitais no Contexto do Ensino Superior. Um Estudo de Uso da Plataforma. Universidade de Aveiro Mestrado em Gestão da Informação Christelle Soigné Palavras-chave Ensino superior. e-learning.

Leia mais

Evaluación del Plan de Comunicación del Programa Operativo de Cooperación Territorial del Sudoeste Europeo (SUDOE) 2007 2013

Evaluación del Plan de Comunicación del Programa Operativo de Cooperación Territorial del Sudoeste Europeo (SUDOE) 2007 2013 Evaluación del Plan de Comunicación del Programa Operativo de Cooperación Territorial del Sudoeste Europeo (SUDOE) 2007 2013 UNIÓN EUROPEA 1 de junio de 2011 3. SUMÁRIO EXECUTIVO A avaliação do Plano de

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL DE COOPERAÇÃO TRANSFRONTEIRIÇA 2007-2013 ÁREA: GALIZA NORTE DE PORTUGAL UNIVERSIDADE DE VIGO (UVIGO) CHEFE DE FILA

PROGRAMA OPERACIONAL DE COOPERAÇÃO TRANSFRONTEIRIÇA 2007-2013 ÁREA: GALIZA NORTE DE PORTUGAL UNIVERSIDADE DE VIGO (UVIGO) CHEFE DE FILA APRESENTAÇÃO PROGRAMA OPERACIONAL DE COOPERAÇÃO TRANSFRONTEIRIÇA 2007-2013 ÁREA: GALIZA NORTE DE PORTUGAL PARCEIROS: UNIVERSIDADE DE VIGO (UVIGO) CHEFE DE FILA CONFEDERAÇÃO DE EMPRESÁRIOS DE PONTEVEDRA

Leia mais

Regulamento. Foremor

Regulamento. Foremor Regulamento Foremor Preâmbulo O presente projeto decorre de uma candidatura realizada pela MARCA ADL ao programa ERASMUS+, no âmbito da KA1 Learning Mobility for Individuals e está integrada numa iniciativa

Leia mais

EDIÇÃO 2011/2012. Introdução:

EDIÇÃO 2011/2012. Introdução: EDIÇÃO 2011/2012 Introdução: O Programa Formação PME é um programa financiado pelo POPH (Programa Operacional Potencial Humano) tendo a AEP - Associação Empresarial de Portugal, como Organismo Intermédio,

Leia mais

Missão Empresarial Banco Asiático de Desenvolvimento (BAsD) Sector: Energia

Missão Empresarial Banco Asiático de Desenvolvimento (BAsD) Sector: Energia Missão Empresarial Banco Asiático de Desenvolvimento (BAsD) Sector: Energia Manila, 18 a 22 de Março de 2013 1 Enquadramento: No âmbito do Acordo de Parceiros celebrado entre a AICEP e o GPEARI (Ministério

Leia mais

República de Moçambique

República de Moçambique República de Moçambique Nota Conceitual da FIEI 2013 Ponto de negócio e oportunidade de investimento Maputo Contexto Quadro orientador O Programa Quinquenal do Governo (PQG) prevê no âmbito do Vector Económico

Leia mais

PLANO TIC ano lectivo 2006/2007

PLANO TIC ano lectivo 2006/2007 PLANO TIC ano lectivo 2006/2007 O Coordenador TIC João Teiga Peixe Índice Índice...2 1. Introdução... 3 2. Objectivos... 3 3. Sectores Afectos... 4 1. Salas de Aulas... 4 2. Administrativo... 4 3. Outras

Leia mais

Seminário Redes do Conhecimento e Conhecimento em Rede

Seminário Redes do Conhecimento e Conhecimento em Rede MINISTÉRIO DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL Gabinete do Secretário de Estado do Desenvolvimento Regional Intervenção do Secretário de Estado do Desenvolvimento Regional

Leia mais

Carta de Compromisso da Rede ROTA VICENTINA

Carta de Compromisso da Rede ROTA VICENTINA Carta de Compromisso da Rede ROTA VICENTINA A Rota Vicentina (RV) é uma rota pedestre ao longo do Sw de Portugal que pretende afirmar esta região enquanto destino internacional de turismo de natureza,

Leia mais

Relatório de Actividades 2008

Relatório de Actividades 2008 Relatório de Actividades 2008 Elaborado por: Grupo Dinamizador da Comissão Social de Freguesia de Stº Antº dos Cavaleiros, 2009 Nota Introdutória O presente documento tem como principal objectivo a avaliação

Leia mais

Plano de Actividades 2010

Plano de Actividades 2010 Plano de Actividades 2010 Gabinete de Apoio ao Estudante com Deficiência Janeiro de 2010 O presente relatório explicita as actividades que, de forma permanente, são asseguradas pelo, bem como um conjunto

Leia mais

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 Factores Determinantes para o Empreendedorismo Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 IAPMEI Instituto de Apoio às PME e à Inovação Principal instrumento das políticas económicas para Micro e Pequenas

Leia mais

Acção integrada para a correcção das disfunções ambientais do sector industrial da Região Autónoma da Madeira

Acção integrada para a correcção das disfunções ambientais do sector industrial da Região Autónoma da Madeira Apoio do Programa PEDIP II - Medida 4.5 - Missões de Sensibilização Ambiental Projecto nº 02/1538-RAM Acção integrada para a correcção das disfunções ambientais do sector industrial da Região Autónoma

Leia mais

Mobilidade - Estágios e Intercâmbios Guia Específico 2003-2004

Mobilidade - Estágios e Intercâmbios Guia Específico 2003-2004 Programa Leonardo da Vinci - Portugal 1 PARTE I CONTEXTO A medida Mobilidade do programa Leonardo da Vinci 1 prevê a concessão de apoio à mobilidade transnacional das pessoas em formação profissional,

Leia mais

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes:

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes: EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME (SI QUALIFICAÇÃO PME) O presente documento suporta a apreciação do ponto 3

Leia mais

Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas

Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas Da União Europeia vão chegar até 2020 mais de 20 mil milhões de euros a Portugal. Uma pipa de massa, nas palavras do ex-presidente da Comissão

Leia mais

Regulamento da Raízes para o voluntariado

Regulamento da Raízes para o voluntariado Regulamento da Raízes para o voluntariado Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º Âmbito de Aplicação O presente Regulamento visa definir as regras de actuação do voluntariado, nas actividades desenvolvidas

Leia mais

Regulamento de Funcionamento das Acções de Formação

Regulamento de Funcionamento das Acções de Formação Regulamento de Funcionamento das Acções de Formação A Ciência Viva tem como missão a difusão da Cultura Científica e Tecnológica apoiando acções dirigidas à promoção da Educação Científica e Tecnológica

Leia mais

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Da Beira Interior A.1.a. Identificação

Leia mais

1. Contextualização da segurança, higiene e saúde do trabalho no regime jurídico

1. Contextualização da segurança, higiene e saúde do trabalho no regime jurídico 1. Contextualização da segurança, higiene e saúde do trabalho no regime jurídico O documento legislativo que estabelece o regime jurídico de enquadramento da segurança, higiene e saúde no trabalho é determinado

Leia mais

Guia de Apoio à Realização de Inspecções Ambientais

Guia de Apoio à Realização de Inspecções Ambientais Guia de Apoio à Realização de Inspecções Ambientais 1-Introdução As inspecções ambientais são o garante da implementação e cumprimento da legislação ambiental por parte das empresas que exercem actividades

Leia mais

Locais de Trabalho Seguros e Saudáveis. Enquadramento Legal

Locais de Trabalho Seguros e Saudáveis. Enquadramento Legal AICCOPN Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas Locais de Trabalho Seguros e Saudáveis - Obrigações Gerais do Empregador SERVIÇOS DE ENGENHARIA/SEGURANÇA AICCOPN - 07 de Junho de

Leia mais

CTCV. seminários. Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020. Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015

CTCV. seminários. Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020. Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 23 10 2014 Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020 Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 Victor Francisco Gestão e Promoção da Inovação 21 de outubro

Leia mais

OCPLP Organização Cooperativista dos Povos de Língua Portuguesa. Proposta de Plano de Atividades e Orçamento 2014-2015

OCPLP Organização Cooperativista dos Povos de Língua Portuguesa. Proposta de Plano de Atividades e Orçamento 2014-2015 Proposta de Plano de Atividades e Orçamento 2014-2015 1 Índice: I Enquadramento II Eixos de Intervenção Estratégica III Proposta de Orçamento IV Candidaturas a Programas de Apoio 2 I Enquadramento Estratégico

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

Centro de Arqueologia de Almada Normas de Colaboração

Centro de Arqueologia de Almada Normas de Colaboração 1. Propriedade, Edição e Âmbito é uma publicação periódica do Centro de Arqueologia de Almada, proprietário e editor do título desde 1982. Tem por âmbito a promoção da cultura científica nas áreas da Arqueologia,

Leia mais

Portaria n.º 605/99, de 5 de Agosto Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro)

Portaria n.º 605/99, de 5 de Agosto Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro) Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro) O sistema de avaliação e autorização de introdução no mercado de medicamentos, que tem vindo

Leia mais