TRABALHOS TÉCNICOS SELECIONADOS PARA APRESENTAÇÃO TRABALHOS TÉCNICOS SELECIONADOS PARA APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÕES ORAIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TRABALHOS TÉCNICOS SELECIONADOS PARA APRESENTAÇÃO TRABALHOS TÉCNICOS SELECIONADOS PARA APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÕES ORAIS"

Transcrição

1 APRESENTAÇÕES ORAIS TT Apresentação Oral SISTEMA DE GESTÃO DE RISCO APLICADO A GESTÃO DE ATIVOS Jacques Vigato dos Santos - Elektro / Rafael Augusto Mar ns - Invista Dentro do contexto de excelência operacional requerido para que organizações possam ser compe vas no mercado globalizado, gerenciar os riscos que podem impactar os obje vos organizacionais tornou se primordial. Dessa forma, este trabalho apresenta uma proposta de um Sistema de Gestão de Risco (Risk Management), seguindo os moldes da ABNT NBR ISO direcionado para Gestão de A vos (Asset Management), delimitado pelas normas ABNT NBR ISO e BSI PAS-55:2008. TT Apresentação Oral A SEGURANÇA DO TRABALHO NAS DISTRIBUIDORAS BRASILEIRAS DE ENERGIA ELÉTRICA Renato Eduardo Farias de Sousa - Agência Nacional de Energia Elétrica - Aneel Juliano Silva de Assis Carneiro - Agência Nacional de Energia Elétrica - Aneel / Wesley Fernando Usida - Agência Nacional de Energia Elétrica - Aneel A prestação do serviço de distribuição de energia elétrica é considerada uma a vidade de elevada periculosidade, o que requer das empresas que a exploram maior atenção com a segurança dos seus trabalhadores. No Brasil, tal prestação é considerada serviço público prestado mediante assinatura de contrato de concessão/permissão. Dessa forma, o contrato impõe ao agente detentor da tularidade do contrato a obrigação de prestar serviço adequado de distribuição de energia elétrica, considerando aspectos de segurança. Portanto, para fins de acompanhamento dos níveis de segurança prestado pela distribuidora, a Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) estabeleceu indicadores de desempenho em 2009, os quais são apurados mensalmente pela empresa e, periodicamente, enviados à ANEEL. Com a finalidade de acompanhar e avaliar a segurança nas distribuidoras no Brasil, este trabalho apresenta: (i) um breve histórico da regulação sobre os aspectos da segurança; (ii) a comparação do cenário internacional de segurança do trabalho com o brasileiro; e (iii) a análise dos indicadores de segurança do trabalho das distribuidoras brasileiras. Os resultados revelaram que as distribuidoras nacionais têm apresentado desempenhos dis ntos, fato que indica que os problemas, no quesito da segurança do trabalho, não são generalizados no Brasil. TT Apresentação Oral TPM PROFILE A3 FERRAMENTA DE GESTÃO BASEADA NO MODELO A3 DA TOYOTA PARA AUXILIAR NO DESENVOLVIMENTO DO TIME DE MANUTENÇÃO AUTÔNOMA DO PROGRAMA TPM José de Lima Castro Neto - Nufarm Indústria Química e Farmacêu ca / Amanda de Lima Vieira - Nufarm Indústria Química e Farmacêu ca José Germano Pereira de Sousa - Nufarm Indústria Química e Farmacêu ca Este trabalho apresenta a ferramenta TPM profile A3, u lizada pelo setor de Manutenção para acompanhar o desenvolvimento técnico dos membros da equipe da TPM. Esta ferramenta tem o intuito de desenvolver os membros e tornar a equipe TPM cada vez mais independente tecnicamente do setor de Manutenção. Ao final, o resultado ob do é a criação do perfil de cada membro da equipe, contribuindo para a melhor alocação da mão-de-obra em casos de parada de máquina. Dessa forma, além de uma equipe bem treinada, serão evitados erros de operação, diminuindo as paradas de máquina. TT Apresentação Oral AVALIAÇÃO DA UTILIZAÇÃO DA TÉCNICA PREDITIVA DE INSPEÇÃO TERMOGRÁFICA EM DETRIMENTO À REALIZAÇÃO DO ENSAIO DE RESISTÊNCIA DE CONTATO NAS MANUTEN ÇÕES PREVENTIVAS EM CHAVES SECCIONADORAS DAS SUBESTAÇÕES DA ELETROBRAS ELETRONORTE Cleiner da Silva Assis - Eletrobras Eletronorte / Gil Alessandro Dias Queiroz - Eletrobras Eletronorte Nathanael Fernandes da Silva Oliveira - Eletrobras Eletronorte / Guilherme Vilalva - Eletrobras Eletronorte Paulo Cezar de Pereira de Oliveira - Eletrobras Eletronorte TT Apresentação Oral PROJETO INOVADOR DE ACESSOS ÀS PLATAFORMAS DE ANDAIMES COM GRANDES GANHOS DE PRODUTIVIDADE NA MANUTENÇÃO Weber Domingos - Manserv Montagem e Manutenção / Mauro Galúcio Cardoso - Manserv Montagem e Manutenção Euder Lima Pereira - Manserv Montagem e Manutenção O presente trabalho visa demonstrar estrutura de acesso desenvolvida para o mizar tempo, material de aplicação e reduzir esforço humano na montagem de plataformas de andaimes, podendo ser aplicado nos mais variados segmentos da indústria, obras e eventos. Sabendo das altas demandas de plataformas de andaime para acesso as a vidades de manutenção industrial em uma planta beneficiadora de minério, montamos uma equipe técnica focada na o mização desse processo buscando sempre oportunidades que viessem a nos proporcionar ganhos efe vos nesse segmento. Os estudos foram direcionados para dois campos de atuação, avaliação dos projetos constru vos das plataformas e acompanhamento das a vidades de montagem em campo. Foi no segundo que encontramos as informações mais interessantes nos levando a iden ficar os itens que poderíamos desenvolver para chegarmos aos resultados que esperávamos. Os resultados foram muito favoráveis já que conseguimos reduzir os tempos de montagem, quan dade de material para aplicação e melhorar as condições de trabalho dos profissionais envolvidos (montadores de andaime), nos remetendo a ganhos reais em produ vidade e consequentemente a redução de custos. 2 Isso só foi possível devido à busca con nua pela melhoria do processo nos levando a propor mudança na metodologia de montagem de plataformas de andaimes. TT Apresentação Oral PROJETO KAIZEN APLICADOS EM MELHORIAS NA MANUTENÇÃO Paulo Sérgio - Manserv Montagem e Manutenção Atualmente, a busca pela melhoria con nua dentro da indústria é extremamente u lizada, visto que a compe vidade está cada vez mais acirrada, e a redução de custos e o mização de processos se tornam necessários na ro na. Essas melhorias necessitam possuir padrão de qualidade e estar normalizada com métodos e normas da empresa. O problema é que muitas vezes a burocracia para normalização reduz a velocidade de melhorias. Buscando o mizar a implantação de melhorias em uma indústria de autopeças na qual prestamos serviços, foi criado um projeto de Kaizen para pequenas melhorias. Para a realização das melhorias é necessário somente um rápido preenchimento de um formulário de análise de falhas e implantação de melhoria. Após o preenchimento desse formulário é necessário apenas a aprovação da realização da melhoria pelo supervisor da área. Com isso, o número de melhorias aumentou dras camente e as pequenas melhorias que eram realizadas sem registro, passaram a ser documentadas, sem afetar burocra camente a realização da mesma. As melhorias elaboradas atuam na eliminação de acidentes ambientais, redução de riscos a saúde e segurança, e o mização e eliminação de falhas em processos produ vos. TT Apresentação Oral USO DA TÉCNICA CFD ALIADA À TERMOGRAFIA Rodrigo Felipe Assmann - Oxiteno As indústrias de processo possuem várias aplicações de equipamentos fluído-térmicos, sendo que muitas vezes a avaliação do desempenho destes fica a cargo das engenharias de processo ou mesmo da manutenção industrial, quando esta é bem estruturada. Assim a aplicação da análise numérica computacional de fluído dinâmica (CFD) pode auxiliar nos estudos que visam determinar a causa raiz de inúmeros problemas. Neste ar go cruzam-se técnicas e dados de uma análise CFD com dados ob dos por imagens térmicas para maximizar o resultado da análise de um equipamento. Usando este princípio neste ar go analisa-se a temperatura de super cie de uma chaminé auto-estável através da técnica da termografia e por fim os resultados são u lizados como referência e comparados aos resultados do método numérico, com a finalidade de verificar a convergência dos resultados e a eficiência do método numérico. TT Apresentação Oral DESENVOLVIMENTO E IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DE ATIVOS CASE ANGLOGOLD ASHANTI Alessandro Pacheco de Souza - Anglogold Ashan / Welfany Kemper Rezende Barbosa - Anglogold Ashan Gilberto da Silva Lopes - Anglogold Ashan / Alexandre Félix do Nascimento Ítalo - Anglogold Ashan Um dos fatores de grande relevância para os execu vos no que tange a gestão de a vos é a capabilidade do a vo. Nesse contexto, a gestão da manutenção de equipamentos móveis de mina de subsolo, da mina de Cuiabá na cidade de Sabará, Minas Gerais, da empresa AngloGold Ashan, no período de 2008 a 2010 impactou de forma nega va os resultados da empresa no Brasil devido à instabilidade da disponibilidade sica e da confiabilidade dos referidos a vos. No início de 2011, foi realizada uma reestruturação na referida gerência e os trabalhos de gestão passaram a ser orientados pelos fundamentos e conceitos de gestão de a vos. Após os primeiros resultados ob dos, no ano de 2013 foi iniciada a implantação de um sistema integrado de gestão para a gestão de a vos, composto por 40 processos que estão estruturados para serem implantados até o ano de Para cada processo, foram desenvolvidos obje vos e requisitos que, integrados, abrangem todas as etapas do ciclo de vida dos a vos. Para aumentar a sinergia, diminuir o tempo de implantação previsto e ganhar mais consistência, foram u lizados vários processos e boas prá cas já existentes na empresa, de forma a integra-las no conceito de sistema de gestão para a gestão de a vos. Por consequência dos primeiros resultados já alcançados até o início de 2015, a AngloGold Ashan Brasil decidiu expandir a implantação do sistema de gestão para suas demais operações no Brasil. TT Apresentação Oral MELHORIA DA CONFIABILIDADE DO SISTEMA DE AR CONDICIONADO DOS TRENS ELÉTRICOS DO METRÔ DO RECIFE, A PARTIR DE ALTERAÇÕES NOS CONVERSORES AUXILIARES, FUNDAMENTADAS NA MANUTENÇÃO PROATIVA. Adalberto Nunes de Siqueira - CBTU-STU REC Metrorec / Ricardo Beltrao Esberard - CBTU-STU REC c Metrorec Fabiano Sales de Oliveira - CBTU-STU REC Metrorec / Leonardo t. do Nascimento - CBTU-STU REC Metrorec Vicente Alexandre Carneiro Vieira - CBTU-STU REC Metrorec Com o início da operação de novas composições do Metrô do Recife (15 de um total de 40), o valor de tensão na rede aérea sofreu alteração. Os novos trens possuem frenagem regenera va, ou seja, a energia elétrica gerada pelos motores de tração durante a frenagem é enviada pela rede aérea, podendo ser aproveitada pelas outras composições. Devido ao aumento na tensão da rede aérea, ocasionado pela frenagem regenera va, a proteção dos conversores auxiliares da frota an ga passou a atuar com mais frequência. Consequentemente ocorrem interrupções no sistema de distribuição de tensão alternada do trem, provocando desligamentos sistemá cos no sistema de clima zação dos salões de passageiros e desconforto aos usuários. A alterna va para aumentar a disponibilidade dos conversores, e consequentemente do sistema de clima zação, seria ajustar o limite superior da tensão de referência desses equipamentos para os novos níveis da rede aérea. Após a implementação deste ajuste, ocorreu uma redução de quase 70% no número de falhas, com consequente melhoria na confiabilidade dos equipamentos. Palavras Chaves: Engenharia Metroviária, Disponibilidade, Manutenção -1 Gerencia Regional de Manutenção da CBTU-STU REC/METROREC TT Apresentação Oral REDUÇÃO DO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA EM EQUIPAMENTOS ROTATIVOS Flávio Henrique de Medeiros - Braskem / Edson França Rodrigues - Consultor Independente No atual cenário de baixa disponibilidade e alto custo de energia, este trabalho define estratégias e metodologias voltadas à iden ficação de oportunidades para redução do consumo energé co de equipamentos industriais, ao tempo em que descreve, em detalhes, as ações para implementação das referidas oportunidades. Como conclusão, ficou demonstrado que existe um grande potencial de ganhos associados a melhorias no projeto, operação e manutenção dos equipamentos industriais. TT Apresentação Oral IMPLEMENTAÇÃO DE ROTAS DE MANUTENÇÃO PREVENTIVA NO SISTEMA DE PROPULSÃO DO NAVIO-SONDA NORBE IX DA ODEBRECHT ÓLEO E GÁS Thales Moran - Odebrecht Oleo gas Um dos desafios das plataformas de perfuração offshore é a capacidade de se manterem automa camente em uma determinada posição através do uso exclusivo dos seus propulsores. A perda de posicionamento devido à falha no sistema de propulsão está relacionada, na maioria das vezes, a riscos de segurança operacional. Em geral as sondas possuem de seis a oito propulsores, os quais possuem disposi vos dedicados de distribuição e acionamento elétrico, de lubrificação, resfriamento e governo hidráulico. Como estratégia para o mizar a manutenção e aumentar a confiabilidade desse sistema crí co, foi implementado no navio-sonda NORBE IX da empresa Odebrecht Óleo e Gás um programa de rotas de manutenção preven va em subs tuição ao modelo tradicional de ordens de serviço aplicadas a um único a vo e departamento responsável. A unidade de manutenção do propulsor consis u em agrupar os seus subsistemas e combinar tarefas a serem executadas ao mesmo tempo por equipe mul disciplinar. A parada programada anual de cada propulsor foi implementada no sistema computadorizado de gestão da manutenção (CMMS) considerando o nivelamento de recursos, a o mização do tempo de execução e do tempo de preparação para o serviço. A nova estratégia permi u preencher as lacunas entre inspeções elétricas e mecânicas, reduzir ações duplicadas e desnecessárias, reduzir a quan dade de isolações ao longo do ano, colaborar para o cumprimento de boas prá cas em segurança no trabalho e atender os requisitos do cliente e da Classe. Palavras-chave: Manutenção; Gestão da Manutenção; Manutenção Planejada; Plataformas de Perfuração Offshore; Drillships; Sistema de Posicionamento Dinâmico; Propulsores; Rota de Manutenção Preven va. TT Apresentação Oral EXTENSÃO DA CAMPANHA OPERACIONAL DAS SERPENTINAS EM SA213 TP321H DO SUPERAQUECEDOR TERCIÁRIO DE CALDEIRAS AQUATUBULARES Rafael Carneiro Borges - Braskem / Joelson Guimarães Mendes Junior - Braskem / Felipe Corrêa Lima Sales - Braskem As caldeiras são equipamentos que geram vapor para fornecer energia térmica ao processo ou expandir em turbinas para acionamento de máquinas, inclusive de geração de energia elétrica. Em caldeiras de grande porte, u lizam-se ligas nobres em boa parte dos seus componentes, como é o caso dos tubos do superaquecedor terciário SH3 das caldeiras de uma unidade petroquímica, os quais são projetados em aço inoxidável austení co 321H. Após a inspeção geral de uma caldeira em 2011, foi iden ficado, através da Prá ca E do ASME A262 aplicada em amostras removidas, que as serpen nas estavam sensi zadas, apesar de terem sido subme das ao tratamento térmico de estabilização em sua fabricação. Com o obje vo de viabilizar mais uma campanha operacional deste superaquecedor, após a parada para manutenção da mesma no início de 2015, aprofundou-se a análise de falha ocorrida no SH3 de outro equipamento, gerador de vapor similar desta Unidade (mesmo fabricante e modelo, além de sujeita às mesmas condições operacionais). Foi verificado que tubos deste SH3 falharam em 2010 e 2012 na região do

2 concreto refratário onde se tem a passagem dos tubos da zona de convecção para a caixa dos coletores, região esta que ocorre o acúmulo de enxofre dos gases de combustão. Com a análise das microestruturas e maior conhecimento do tema, foi possível concluir que estas falhas ocorreram devido às trincas por corrosão sob tensão induzidas pela formação de ácidos poli ônicos - PASCC. Com a iden ficação do mecanismo de dano atuante e pesquisa em publicações especializadas, foram então elaboradas recomendações para minimizar a probabilidade de falha do SH3 devido à sua suscep bilidade à corrosão intergranular. TT Apresentação Oral TFM TOTAL FLUID MANAGEMENT CONFIABILIDADE ATRAVÉS DA GESTÃO TOTAL DE FLUÍDOS Antonio Sérgio Souza dos Santos - Anglogold Ashan / Alexandre Felix do Nascimento Italo - Anglogold Ashan Welfany Kemper Rezende Barbosa - Anfglogold Ashan / Maikon Marlon Marcelino - Anglogold Ashan Alessandro de Souza Pacheco - Anglogold Ashan O trabalho apresentado visa sinalizar a oportunidade de implantação de um sistema nesse nível, para gestão total de fluidos alinhados a conceitos e regras de classe mundial, mesmo que em equipamentos e operações não tão convencionais como underground. Um projeto como esse estabelece premissas de qualidade total, na aplicação dos fluidos nos equipamentos, elevando os limites de filtragem e purificação dos fluidos em patamares pouco vistos e presenciados em operações com equipamentos moveis em mina subterrânea. Tal projeto por sua vez, norteia desde o recebimento, armazenagem, manuseio e aplicação final do fluido; proporcionando ao ciclo de gestão dos a vos, resultados favoráveis que possibilite gerir gastos e custos com subconjuntos de forma mais planejada e com um horizonte para u lização dos a vos na operação de forma mais em longo prazo, proporcionando em curto prazo, melhor Eficiência global do a vo (OEE). TT Apresentação Oral SMART CABLE GUARD A TOOL FOR ON-LINE MONITORING AND PIN-POINTING OF PARTIAL DISCHARGES AND BREAKDOWNS IN MV CABLES Fred Steennis -Dnv Gl / Paul Wagenaars - Dnv Gl / Luiz Carlos Almada - Dnv Gl Smart Cable Guard is an on-line monitoring tool for medium voltage power cables (6 kv - 50 kv), that can be used to find weak spots (that generate PD s) as well as faults (breakdowns). The unique tool is based on two sensors that are put at the cable ends of the cable circuit that needs to be monitored. The PD and fault detec on happens by reading the travelling waves from PD s or faults. The PD or fault loca on is found with 1 % inaccuracy of the cable length. In order to have such an accurate pinpoin ng, the sensors are me synchronized upto 100 ns accuracy via injected pulses, a patented solu on. TT Apresentação Oral O HOMEM DE MANUTENÇÃO E A ABSORÇÃO DE CONHECIMENTO João Carlos Mosquim - Moschim Consulta s A área de manutenção, devido às suas caracterís cas, é por demais dinâmica e tem exigido adaptações mais rápidas pelas pessoas, nas áreas de absorção e retenção de novos conhecimentos. A globalização é uma realidade e a quan dade de informações disponíveis são enormes e novas técnicas, metodologias, etc., que deram resultados ou foram desenvolvidas em centros acadêmicos, chegam às pessoas com enorme facilidade O obje vo deste trabalho é a apresentação de um estudo do comportamento humano relacionado ao sistema de aprendizado, a transformação de informações em conhecimento e à retenção deste. Ou seja, serão discu das algumas teorias base e como foi desenvolvido um sistema de aprendizado que resultou em enorme sucesso. TT Apresentação Oral VENTILAÇÃO SOB DEMANDA GANHOS NA QUALIDADE DO AR COM ECONOMIA DE ENERGIA Luiz Paulo Reis Oliveira - Anglogold Ashan / Wagner Luis Silva de Carvalho - Anglogold Ashan A mineração subterrânea é um importante setor da economia mundial e possui grandes desafios para manter a lucra vidade. Na mineração subterrânea um dos grandes desafios é prover ambientes seguros e adequados ao trabalho humano. O custo para manter um sistema de ven lação em mina subterrânea é alto, logo a busca por soluções sustentáveis com ven lação sob demanda (VOD, abreviação da sigla em inglês Ven la on on demand ) é constante. A engenharia provê recursos para a aplicação do conceito de VOD de diversas formas, seja com sistemas complexos, seja u lizando métodos simples. TT Apresentação Oral REDUÇÃO DE CUSTO COM MATERIAIS E SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO NAS FROTAS DE CARREGAMENTO E TRANSPORTE DE MINÉRIO EM MINA SUBTERRÂNEA Alysson Ricardo Bosso - Anglogold Ashan Brasil / Uelliton Vasconcelos Cunha - Anglogold Ashan Brasil Francisco Teixeira Neto - Anglogold Ashan Brasil / Afrânio dos Santos - Anglogold Ashan Brasil Diante do cenário desfavorável do mercado de ouro, iniciou-se a implantação de 16 projetos com foco em redução de custo dos principais elementos de gastos da empresa, sendo de responsabilidade da equipe de manutenção, o controle de custo de materiais e serviços para os equipamentos de movimentação de minério. As frotas de carregamento e transporte de minério de mina subterrânea são frotas padronizadas que apresentam os menores índices de disponibilidade e os maiores gastos com materiais e serviços de manutenção. A par r da estra ficação de custos por componente e com auxílio de ferramentas de gestão de projetos e melhoria con nua, uma equipe mul disciplinar com integrantes das áreas de engenharia, planejamento, execução e operação, desenvolveram soluções prá cas que reduziram a tendência de estouro dos elementos de gastos trabalhados. O estudo mostrou soluções para problemas crí cos de lubrificação, reforma de componente e baixa confiabilidade após as manutenções preven vas sistemá cas. Após a estra ficação e definição das metas, foram localizadas e mapeadas as oportunidades de melhoria com ajuda de gráficos de Paretos, análise de Ishikawa e análise de causa raiz. Juntamente com isso, foi realizado estudo de RCM para a frota de carregamento de minério tendo como principais obje vos a melhora dos planos de manutenção e sistema zação da informação. Este ar go tem como obje vo, mostrar os resultados alcançados no trabalho realizado nas frotas de transporte (Caminhões Caterpillar AD30) e carregamento (Carregadeiras Caterpillar LHD R1600) de mina subterrânea que trouxeram uma economia de R$ ,00 nos primeiros seis meses de projeto. TT Apresentação Oral PRODUTIVIDADE DAS EQUIPES DE MANUTENÇÃO DAS GRANDES PARADAS COM PLANEJAMENTO ESTRUTURADO Péricles da Silva Alves - Manserv Montagem e Manutenção Para se manter um nível excelente de produção, um determinado equipamento deve possuir um nível elevado de manutenção, desde a manutenção preven va até a manutenção de restauração das condições básicas, que para qualquer uma delas deve-se possuir uma lógica de implantação. Este método de trabalho visa estruturar um planejamento para as grandes paradas de manutenção. Através de uma estrutura focada em sete passos de implantação, sendo estes passos: Designar o gerente e definir a equipe a trabalhar na parada de manutenção; Registrar o evento de parada de manutenção no calendário corpora vo. Desenvolver o plano e os recursos necessários para a intervenção (Mão de Obra e Material); Metas e obje vos da parada (Segurança, Eficiência, Cumprimento do plano de manutenção, priorização das a vidades); Planejamento das a vidades prévias à parada de manutenção; Execução do plano de manutenção na parada; Start-up da produção e resumo pós-parada; Um plano de manutenção estruturado de uma grande parada deve focar nos piores pontos do equipamento, atuando diretamente em cada componente deteriorado, observando os itens necessários para uma grande restauração das condições operacionais do equipamento (materiais, ferramentas e mão de obra). Através da u lização deste método espera-se obter planos confiáveis antes do início dos trabalhos. Estes planos vão definir um padrão de gestão de paradas, facilitar a es ma va das tarefas a serem executadas durante a parada de manutenção, avaliar disponibilidade de mão de obra e planejamento dos materiais necessários, definir e controlar obje vos e metas relacionados aos indicadores de manutenção, definir custos e orçamentos de acordo com o budget disponível, garan ndo a melhor produ vidade da manutenção. TT Apresentação Oral CLASSIFICAÇÃO ESTRATÉGICA DAS UNIDADES DE TRABALHO COM VISTAS A APLICAÇÃO DE MELHORIAS PRODUTIVIDADE E LONGEVIDADE Giovanna Almeida - Manserv Montagem e Manutenção A Classificação Estratégica consiste em uma planilha gráfica, a qual garante uma interação entre todos os contratos, listando caracterís cas como faturamento, margem, modelo contratual, tempo de contrato, visão do cliente, forma de renovação e oportunidades de crescimento. Todos estes fatores foram subdivididos e receberam pesos, os quais em conjunto, auxiliam na gestão de melhorias em cada modelo contratual. Quatro grupos de contratos compõem a Classificação Estratégica, permi ndo estudar ações para cada um em par cular, além de conseguir focar profissionais especializados de acordo com a necessidade contratual e garan ndo uma agilidade na atuação. A ferramenta possibilita ações específicas de melhorias nas caracterís cas contratuais. Com essa visão ampla do grupo, através do gráfico de esferas, é possível verificar em qual quadrante se encontra uma unidade de trabalho e onde se espera chegar, possibilitando ações pontuais e ao mesmo tempo abrangendo um maior número de contratos. Uma boa definição para a Classificação Estratégica ė uma ferramenta versá l, realizando além de todos os itens já descritos, uma visão sistemá ca da realidade de sua empresa de forma ilustra va e didá ca. Garan ndo um estudo específico e imediato. TT Apresentação Oral TECNOLOGIA PREDITIVA NO TRANSFORMADOR DE POTÊNCIA DA JOHNSON JOHNSON Lucas Pavan Fritoli - Treetech Sistemas Digitais / Luiz B. S. Chacon - Johnson Johnson / Murilo Armelin Pereira de Toledo - Treetech Sistemas Digitais A energia elétrica é um insumo fundamental para a produção industrial da planta Johnson&Johnson em São José dos Campos-SP. Manter o parque elétrico funcionando corretamente sempre foi prioridade para as equipes de manutenção. A subestação principal e, em especial, o transformador de entrada sempre veram um completo programa de manutenção preven va e a constante atualização tecnológica para detecção antecipada de defeitos. Com o intuito de promover maior confiabilidade e disponibilidade de planta, entre 2014 e 2015 foi implementado um sistema de monitoramento on-line deste transformador, composto por sensores e so ware, para o acompanhamento do estado de funcionamento do transformador dia a dia. Neste trabalho serão descritas a arquitetura e as soluções empregadas no sistema, assim como as alterações na ro na de manutenção, a asser vidade na resolução de eventuais problemas o ganho em segurança operacional dentro do complexo. TT Apresentação Oral MINIMIZAÇÃO DE PERDAS POR QUEBRAS DE EQUIPAMENTOS LUBRIFICADOS A GRAXA UTILIZANDO LUBRIFICAÇÃO ASSISTIDA POR ULTRASSOM Alexsandro de Bem da Rocha - Braskem / Adriano da Silva Henrique - Braskem O trabalho, Minimização de Perdas por Quebras de Equipamentos Lubrificados a Graxa com u lização de Lubrificação Assis da por Ultrassom, foi realizado em uma unidade Petroquímica de 2º geração, produtora de polipropileno com tecnologia spheripol e processamento con nuo. A unidade é composta por três plantas, que tem a capacidade de produção toneladas/ano de diferentes produtos caracterizados por: homopolímero, Copolímero heterofásico e Copolímero Randomico; produtos que visam atender o mercado em sua grande gama de aplicação. Para que o mercado seja atendido e a unidade tenha os seus lucros maximizados, foi realizado o trabalho na área de gestão em manutenção, obje vando o aumento de disponibilidade dos a vos industriais e minimização de paradas de equipamentos em emergência, causadoras de perdas de produ vidade. O obje vo é manter a compe vidade da empresa no setor petroquimico, visando a perpeituidade da organização; para tanto, foram u lizados ferramentas aplicadas para a obtenção dos resultados, que permitam determinar paradas programadas da unidade, de acordo com as necessidades do mercado e definir os pontos de inves mentos e melhorias a serem realizadas na área de manutenção, tanto em equipe quanto a equipamentos. TT Apresentação Oral MOBILIDADE COMO FERRAMENTA PARA APRIMORAR A GESTÃO DOS ATIVOS - PROJETO FURNAS MAIS Alexandre Claro Ramis - Furnas Centrais Elétricas / Mauricio Faiad Correa Araújo - Furnas Centrais Elétricas Jamil Oliveira de Lima - Furnas Centrais Elétricas A jornada entre a manutenção clássica e a gestão de a vos não é fácil, especialmente para grandes empresas, com muitas subestações e usinas, diferentes pessoas e culturas. FURNAS, uma das maiores empresas de energia do Brasil, precisa inovar para superar os grandes desafios que enfrentará pelo caminho, entre eles automa zar processos, melhorar a qualidade dos dados de campo e juntar a força de trabalho à causa da gestão de a vos. Saiba como um sistema de computação móvel, baseado no SAP-PM, está ajudando FURNAS nesta desafiadora jornada. O projeto é conhecido como FURNAS MAIS (Mobilidade, Automação, Inovação e Sinergia. TT Apresentação Oral EXPERIÊNCIA COM O MONITORAMENTO ON-LINE DE TRANSFORMADORES ELEVADORES DA UTE EUZÉBIO ROCHA Lucas Pavan Fritoli - Treetech Sistemas Digitais / Fábio Marcelino de Paula Santos - Petróleo Brasileiro - Petrobras Ivan da Costa Vieira - Petróleo Brasileiro - Petrobras Os transformadores elevadores da UTE Euzébio Rocha, em Cubatão-SP são fundamentais para o abastecimento do sistema elétrico brasileiro. Por sua importância e pelas severas condições de trabalho, a Petrobras sempre manteve inves mentos e um rigoroso programa de manutenção preven va para essas máquinas. Líder em tecnologia e comprome da com a qualidade da energia fornecida, a Petrobras implantou o sistema de monitoramento on-line em seus transformadores elevadores, buscando detectar possíveis defeitos em fase incipiente e mi gar ainda mais os riscos de falhas catastróficas. A instalação do sistema, com sensores e so ware aconteceu em 2014, com o início do monitoramento de quatro transformadores já em operação. A implantação aproveitou-se de IEDs já instalados e da caracterís ca de modularidade e expansibilidade da arquitetura descentralizada empregada. Serão descritas a arquitetura e as soluções u lizadas na implantação do sistema, assim como os resultados ob dos, a ngindo com sucesso obje vos como a manutenção centrada em confiabilidade e o aumento da segurança do pessoal, dos equipamentos e da própria instalação. TT Apresentação Oral REVISÃO DE PLANO DE MANUTENÇÃO UTILIZANDO OS CONCEITOS DE MCC (MANUTENÇÃO CENTRADA EM CONFIABILIDADE) Bruno Porto Simões dos Santos - Petróleo Brasileiro - Petrobras Este ar go visa explicar os conceitos de MCC e sua aplicação na revisão de planos de manutenção com o intuito do aumento da confiabilidade do sistema em questão e por consequência a diminuição do tempo de indisponibilidade forçada. Os equipamentos a serem usados como exemplo neste ar go, são as torres de resfriamento da unidade.serão abordados os conceitos de MCC, análise prévia do cenário das torres de resfriamento antes da revisão do plano de manutenção, etapas de revisão dos planos de manutenção e o cenário um ano após a revisão dos planos de manutenção. TT Apresentação Oral APLICAÇÃO DE REDES NEURAIS E CURVA DE PERFORMANCE DE TURBINAS LM 6000 NO GERENCIAMENTO DA EFICIÊNCIA DAS TURBINAS LM 6000 Bruno Porto Simões dos Santos - Petróleo Brasileiro - Petrobras / Marcelo Tahiro Nascimento Kagami - Petróleo Brasileiro - Petrobras Este ar go visa explicar os conceitos e a aplicação de duas ferramentas capazes de auxiliar uma unidade termelétrica a iden ficar se a unidade está operando com sua máxima eficiência mesmo operando com diferentes parâmetros operacionais quando comparado a seu histórico operacional. Além disso, estas ferramentas são capazes ainda de iden ficar quais as turbinas estão contribuindo para a queda de eficiência da unidade e a iden ficar as possíveis causas para esta queda.serão abordados os conceitos por de trás das ferramentas, um exemplo de análise realizada e os resultados na eficiência da unidade.

3 TT Apresentação Oral SISTEMA DE PRIORIZAÇÃO E GESTÃO DE PODA DE ÁRVORES Vernei Gialluca - Genera Conceito Inovação / Carlos Camargo - Aes Eletropaulo Grande parte das interrupções de energia elétrica nas distribuidoras advém de causa árvores, isoladamente ou associadas à ventos e chuvas e ainda com ou sem queda de galho e/ou árvores. Isto contribui de forma inexorável e significa va para a queda dos indicadores de qualidade DIC e FIC (respec vamente: duração em horas sem energia e quan dade de interrupções de energia por consumidor), resultando em elevados custos seja de multas regulatórias por ultrapassagem dos indicadores, como aqueles de caráter operacionais e de manutenção. Por outro lado, existe uma carência de estrutura de informações e soluções para melhor organizar o plano de poda das árvores de forma efe va, mínima e ambientalmente correta. A captura e associação das árvores via imagens de satélite com a rede elétrica de distribuição da concessionária (rede e chaves), a valoração da taxa de crescimento de cada espécie como variável dinâmica do problema e, por fim uma sistema que reduz os custos associados, através da o mização do plano de poda, definem a estratégia da solução desenvolvida neste projeto. Como resultado, o projeto contribui para uma redução significa va das multas recebidas pelas concessionárias advindas de tempo e frequência de interrupções de energia elétrica, bem como a redução dos custos de deslocamento de equipes e viaturas em campo no âmbitos operacional e de manutenção corre va e preven va. Projeto aplicado na cidade de São Paulo para a AES Eletropaulo. TT Apresentação Oral BUSCA PELA LUBRIFICAÇÃO CLASSE MUNDIAL: O PROGRAMA DE LUBRIFICAÇÃO CONFIÁVEL DA SAMARCO UBÚ Rodrigo Werneck Athouguia - Samarco Mineração O cerne desse trabalho consiste em demonstrar os resultados ob dos pela implementação de um programa de Lubrificação Confiável na Samarco Ubú com obje vo de reduzir custos através da busca con nua pela lubrificação classe mundial. A Samarco Ubú entende que uma lubrificação de qualidade contribui diretamente para os equipamentos, aumentando a vida ú l. A gerência de manutenção lançou no final de 2013 um programa de Lubrificação Confiável com obje vo de buscar con nuamente as melhores prá cas de lubrificação no mundo. Esse programa abrange desde o recebimento do lubrificante até a manutenção do mesmo no equipamento em condições ó mas de trabalho, capacitação da equipe e as melhores prá cas de lubrificação. O trabalho contemplou também um inves mento em uma sala de tratamento de óleo lubrificante inovadora, eleita pela Noria como a melhor sala de tratamento de óleo do Brasil, possibilitando quebras de paradigmas nos conceitos de lubrificação. TT Apresentação Oral DECISÃO ENTRE COMPRA E ALUGUEL DE GUINDASTE, USANDO ELICITAÇÃO, CUSTEIO DE CICLO DE VIDA E SIMULAÇÃO DE MONTE CARLO Fabrício Dardengo Hupp - Samarco Mineração Estudo de caso onde se decide entre adquirir um guindaste ou alugar os serviços equivalentes. Para isso, os custos de vida do guindaste (compra, manutenção, combus vel, operação, etc.) são es mados através da elicitação de especialistas, obtendo intervalos de valores possíveis com confiança de 90%. Estes custos são colocados em base anual, admi ndo os de aquisição como sunken costs (sem valor de revenda). Em seguida, admite-se a distribuição normal para os componentes de custo e realiza-se simulação de Monte Carlo para gerar um histograma do custo anual de um guindaste. Os custos da hora média de aluguel são determinís cos, logo o histograma informa diretamente a probabilidade do custo anual de um guindaste próprio ultrapassar um valor de um guindaste alugado, orientando o tomador de decisão a par r do risco aceito. TT Apresentação Oral MELHORIA DA CONFIABILIDADE DO PDS Mozart Tinoco - Braskem Com o obje vo de aumentar a capacidade de produção de polie leno foi implementada a u lização de um novo po de catalisador (K200). Com esse novo catalisador, a reação ocorre de maneira mais rápida aumentando a produ vidade do reator, mas tornou o sistema de descarga de produto (PDS) intolerante a falhas nas válvulas do PDS. Quando ocorre o ciclo de descarga, se alguma válvula falhar e o produto ficar parado por mais do que cinco minutos nos vasos de descarga, a reação con nuará a ocorrer, obstruindo o PDS. A melhoria da confiabilidade do PDS se tornou mandatória para a operação com o novo catalisador. Cada evento de obstrução no PDS interrompe a operação da linha por cerca de três dias. Foi realizado um estudo do histórico de falhas das válvulas do PDS e os modos de falha que já haviam ocorrido no passado, e observamos que a maioria das falhas ocorreram nos acessórios de instrumentação das válvulas. Foi verificado que as pequenas falhas, apesar de não terem causado problemas maiores para a operação, com a u lização do novo catalisador certamente levariam a uma parada por obstrução. Foi observado que a estratégia de manutenção atual não era eficaz para prevenir esses modos de falha. Com base nesse estudo foi realizada a revisão da estratégia de manutenção, implementação de inspeções preven vas, manutenção predi va on-line e off-line, e revisão da polí ca de sobressalentes. TT Apresentação Oral GESTÃO DE PURGADORES DE VAPOR PARA AUMENTO DA EFICIÊNCIA OPERACIONAL José Dheon de Souza - Petróleo Brasileiro - Petrobras Revap São José dos Campos / Andrei Klassen - Petróleo Brasileiro - Petrobras O transporte de petróleo e seus derivados mais pesados por tubulações requerem sistemas de aquecimento para reduzir a densidade e melhorar as condições de escoamento destes fluídos. Estes sistemas normalmente u lizam vapor, como agente de aquecimento, que é conduzido por tubulações enroladas externamente ou em paralelo à tubulação que se quer aquecer. A tubulação de vapor, ao ceder o calor latente para as tubulações de transporte do fluído, condensa voltando ao estado de água quente. Para possibilitar a re rada deste condensado das linhas de aquecimento sem a passagem de vapor vivo, são instalados purgadores de vapor ao longo do sistema, cuja função é re rar o condensado de vapor e descarregá-lo em sistemas de coleta para reaproveitamento ou descarregá-lo diretamente na atmosfera quando não houver viabilidade financeira, sendo esta uma entre as várias aplicações de purgadores em sistemas de vapor. As falhas em purgadores pode provocar uma redução na eficiência de troca térmica do sistema que se quer aquecer e aumentar a degradação das tubulações do sistema de aquecimento por erosão, ao permi r o fluxo de condensado juntamente com vapor, provocando vazamentos e desperdício de energia térmica. Este trabalho visa constrir um modelo de gestão composto por inspeções, análise dos dados inspecionados, planejamento, reparos, indicadores, tratamento dos indicadores e normalização dos sistemas para uma população es mada de 6800 purgadores instalados dentro de uma refinaria de petróleo. TT Apresentação Oral IMPLEMENTAÇÃO DA REDUNDÂNCIA DE CONTROLADORES MD PLUS DO SISTEMA DE AUTOMAÇÃO DELTA V Cláudio Leonardo Soares Mendes - Petrobras Biocombus vel O Sistema de Automação da Usina de Biodiesel de Montes Claros é composto por um Sistema de Controle Distribuído (DCS) do fabricante Emerson Process. Este sistema contempla, em suma, os módulos Fonte CC, CPU e entradas/saídas (I/O). No caso do módulo CPU, denominado comumente de Controlador, não exis a a redundância do mesmo, ou seja, como o módulo Controlador é o coração do sistema, uma falha neste módulo implica na parada da execução das lógicas que controlam todos os equipamentos, ocasionando o desligamento da Usina, interrompendo a produção de Biodiesel (B100). Devido a crescente venda de Biodiesel no mercado, através dos leilões da Agência Nacional do Petróleo (ANP), foi necessário aumentar a confiabilidade de diversos equipamentos e sistemas da Usina, com o obje vo de diminuir as paradas de produção, garan ndo a entrega de Biodiesel. Um desses equipamentos e sistemas era o Sistema de Automação. Ao analisar este sistema com foco no aumento da confiabilidade, foi observado a falta de redundância nos Controladores, assim como a falta de redundância da fonte CC dos Controladores, ou seja, uma falha no módulo Controlador ou módulo Fonte CC levaria a uma parada de produção considerável, comprometendo a entrega de Biodiesel. Nesse sen do foi elaborado um planejamento com todos os recursos para a implementação da redundância nos Controladores. TT Apresentação Oral AUTOMATIZAÇÃO DA CALIBRAÇÃO DE INSTRUMENTOS ELETRÔNICOS DO METRÔ DE SÃO PAULO Ederson Ramalho - Companhia do Metropolitano de São Paulo / Paulo Henrique Silvestre - Companhia do Metropolitano de São Paulo Agnaldo Rodolfo - Companhia do Metropolitano de São Paulo A expansão metroviária que vem ocorrendo na capital paulista nos úl mos anos tem demandado também um grande inves mento em sistemas e equipamentos de manutenção, dentre eles instrumentos de medição. Es ma-se que o parque de instrumentos da Companhia aumentou em 30% desde Além disso, a necessidade de instrumentos de maior precisão e com maior confiabilidade diante das novas tecnologias empregadas requerem uma nova abordagem nas a vidades de calibração destes equipamentos. Outra variável importante é o processo de acreditação das ro nas de calibração do laboratório de metrologia que vem acontecendo desde 2012 para que ele torne-se um laboratório homologado pelo INMETRO. Toda essa problemá ca evidencia a necessidade da adoção de formas diferentes de atuação nas a vidades de calibração de instrumentos. O obje vo desse trabalho é apresentar a automa zação nos processos de calibração de alguns instrumentos eletrônicos do Metrô de São Paulo, mostrando de forma detalhada os desafios enfrentados para a implementação, as tecnologias envolvidas desde o levantamento de requisitos, modelagem, e construção do sistema e por fim, os resultados ob dos após a implantação, os quais representaram ganhos significa vos de produ vidade e confiabilidade. TT Apresentação Oral A APLICAÇÃO DO RCM2 E A LOGÍSTICA QUE GARANTEM A MANUTENÇÃO INDIVIDUALIZADA NOS 805 BLOQUEIOS (CATRACAS) DO METRÔ DE SÃO PAULO Alexandre de Maio Parpinelli - Cia do Metropolitano de São Paulo - Metrô SP A aplicação da metodologia do RCM2 nos bloqueios (catracas) do Sistema de Bilhetagem Eletrônica gerou 2 grupos de procedimentos de manutenção preven va. O primeiro são procedimentos cuja periodicidade de aplicação é diretamente proporcional aos ciclos do equipamento (bilhetes processados e giro de tripé) e o segundo são procedimentos aplicados aos componentes que se degradam com o tempo e têm periodicidade fixa. Em função da estação, posição, fluxo de usuários, etc., cada bloqueio tem um perfil próprio de u lização, consequentemente, um perfil próprio de manutenção. O processo de confecção do plano de manutenção anual inicia-se numa amostragem de u lização que gera as periodicidades (em semanas) para cada equipamento e calcula a carga horária para a execução. Estes dados, aliados a outros fatores, determinam o agrupamento das estações em 16 zonas de manutenção, estando cada uma sob a responsabilidade de um colaborador. A distribuição das preven vas, nas 52 semanas do ano, deve respeitar a carga horária semanal disponível. Para tal, faz-se uso de planilha num processo de iteração que desloca a sequência de preven va de cada equipamento e sua respec va carga horária nas semanas do ano, somando-a a carga dos demais bloqueios da zona. O processo con nua para cada bloqueio da zona e se repete até que os deslocamentos alcancem um ponto ó mo de carga horária dentro dos limites estabelecidos, determinando assim, as a vidades ao longo do ano. TT Apresentação Oral VIABILIDADE NA IMPLANTAÇÃO DO SERVIÇO PRÓPRIO DE INSPEÇÃO DE EQUIPAMENTOS EM UNIDADES MARÍTIMAS DE EXPLORAÇÃO DE PETRÓLEO Eric Nilo Quintanilha de Oliveira - Modec Serviços de Petróleo do Brasil / Adalberto Nunes de Siqueira - Universidade Estácio A segurança pessoal e das instalações, a disponibilidade dos equipamentos de produção e a garan a da prevenção do meio ambiente são essenciais para a operação de qualquer companhia que deseje atuar na exploração de petróleo. Perdas financeiras, ambientais e pessoais são registradas constantemente ao redor do mundo, e o Serviço Próprio de Inspeção de Equipamentos busca aumentar a confiabilidade na integridade sica dos equipamentos está cos de uma planta marí ma de exploração, denominada do termo em Inglês FPSO (Floa ng Produc on Storage Oil). Com este foco, u lizando-se dos requisitos da Norma Regulamentadora 13 do Ministério do Trabalho e Emprego, será apresentada a viabilidade na implantação do Serviço Próprio de Inspeção de Equipamentos, demonstrando as vantagens e limitações do sistema e realizando um compara vo com as inspeções realizadas por pessoal terceirizado Encontramos em um FPSO uma diversidade de pos de vasos de pressão, caldeiras e tubulações que trabalham com elevadas pressões e temperaturas, possuindo um alto potencial de risco para a saúde do pessoal a bordo, impactos ambientais com grandes dimensões e possibilidade de acidentes com dimensões catastróficas. Observamos que quando estas inspeções são feitas por profissionais que não vivenciam diariamente a operação dos sistemas pressurizados, estas são prejudicadas pela falta do conhecimento da operacionalidade específica da unidade, ausência de histórico de paradas extraordinárias de manutenção, tempo reduzido de análise dos dados, alta rota vidade dos profissionais de inspeção, não u lização de novas técnicas de inspeção que propiciam aquisição de dados mais confiáveis aliados a diversos outros fatores que prejudicam na decisão do profissional quanto à integridade sica dos equipamentos está cos. Ciente das falhas suscep veis de ocorrerem com a ausência de uma equipe dedicada à inspeção e análise de dados referentes aos vasos de pressão, caldeiras e tubulações, as empresas perceberam que a implantação do Serviço Próprio de Inspeção de Equipamentos (SPIE), agregaria maior confiabilidade ao sistema operacional de suas unidades trazendo bene cios de segurança pessoal, menor probabilidade de vazamentos e impactos ambientais. TT Apresentação Oral MELHORIAS DE CONFIABILIDADE DE SECADOR ROTATIVO BASEADAS EM ESTUDO DE CONFIABILIDADE ANALÍTICA André Luís de Campos Covello - Vale Fer lizantes Os estudos da confiabilidade iniciaram-se após a 2ª guerra mundial, quando muitas vidas foram perdidas devido a falhas em equipamentos, porém apenas após o surgimento de computadores robustos as ferramentas de confiabilidade se tornaram mais poderosas e precisas. Confiabilidade analí ca pode ser interpretada como o conjunto de técnicas e ferramentas quan ta vas da engenharia de confiabilidade, u lizadas com o devido tratamento esta s co para determinar os modelos de previsão de vida, taxa de falhas, distribuição cumula va de falhas, densidade da probabilidade de falhas e outros. Os dados de vida dos equipamentos são a principal entrada de dados para a determinação dos modelos de confiabilidade analí ca. Este estudo possui como obje vo analisar e recomendar melhorias quanto a confiabilidade analí ca do secador rota vo de nitrato de amônio RK-6601 para todos os modos de falha que possuam dados suficientes para ajustar os modelos matemá cos, através da análise dos modelos de probabilidade de falha (previsão de vida) e taxa de falhas. Dos dezenove modos de falha que foram estudados, foi possível desenvolver os modelos de confiabilidade e recomendar melhorias para onze deles. Os demais ou não possuíam dados suficientes ou estes dado não se apresentaram adequados para a geração dos modelos. Através da análise, nota-se que que a confiabilidade mais baixa do equipamento corresponde ao desgaste excessivo no rolamento do rolo de apoio, com valor de 26,37%. Em contrapar da, a confiabilidade mais elevada tem valor de 83,86%, em relação à má vedação do secador. Com o intuito de aumentar a confiabilidade do equipamento, deve-se seguir as recomendações expostas nesta tabela. As curvas de confiabilidade, demonstradas nas seções de 4.1 a 4.11 podem ser u lizadas para se fazer previsões da confiabilidade do equipamento com qualquer tempo de operação. TT Apresentação Oral AUMENTO DA PRODUTIVIDADE DA MÃO DE OBRA DE MANUTENÇÃO ATRAVÉS DO USO DE RESERVAS ANTECIPADAS DE MATERIAIS KITS Sérgio Pires Dias - Samarco / Crys an Augusto de Oliveira - Samarco Alexandre Rodrigues Marques Samarco / Natan Soares dos Santos - Samarco O trabalho proposto expõe um dos desafios para aumento da produ vidade das Equipes de manutenções com o fornecimento preciso, rápido e organizado de spare parts e consumíveis para realização dos trabalhos de ro na, função esta que deve fazer parte de um bom planejamento de manutenção (PPCM). A metodologia tradicional para obtenção destes recursos em empresas de médio e grande porte consiste, muitas vezes, na coleta destes materiais nos balcões de atendimento dos

4 almoxarifados de manutenção das empresas. Este método de obtenção de recursos é frequentemente improdu vo, pois ocupa mão de obra especializada de execução com uma tarefa que não agrega valor ao processo de manutenção. TT Apresentação Oral MEDIÇÃO ON-LINE DE PRODUTIVIDADE DE MÃO DE OBRA AUXILIANDO TOMADAS DE DECISÕES DURANTE GRANDES PARADAS DE MANUTENÇÃO Bruno Rove a dos Santos Borges Samarco / Sérgio Pires Dias - Samarco O trabalho proposto nos mostra a u lização de um método de monitoramento de produ vidade e con nuidade on-line da mão de obra da manutenção durante o evento da parada de usina. Esta que é uma sistemá ca que permite medir a produ vidade wrench me de mão de obra e a con nuidade do caminho crí co de uma parada, possibilitando que o resultado e as possíveis causas da baixa produ vidade sejam analisadas de 12h em 12h ou diariamente durante a execução da parada, permi ndo tomadas de decisões rápidas antes do final do evento. TT Apresentação Oral PROPOSIÇÃO DE ESTRATÉGIAS DE MANUTENÇÃO BASEADAS NA MODELAGEM DA CONFIABILIDADE Jeferson Diefenthaler Baskem / Leonardo Righes Brevia - Baskem O presente trabalho apresenta um estudo de caso da modelagem de confiabilidade, u lizando tempos até a falha de um sistema de cilindros de um compressor alterna vo. Tal compressor, em certo processo de uma indústria petroquímica, eleva a pressão do gás eteno a 3165 kgf/cm². O principal propósito deste estudo é a u lização das modelagens como forma de fundamentar as estratégias de manutenção deste equipamento. Ainda dentre os obje vos, caracterizou-se o melhor modelo probabilís co para cada modo de falha e para os conjuntos dos cilindros, o que permi u que a confiabilidade do sistema em série fosse calculada. Estas modelagens permi ram que algumas análises pudessem ser feitas, uma vez que foram realizadas conforme os gráficos taxa de falhas X tempo, verificando-se a natureza das falhas, o que permi u propor a estratégia mais adequada. Outra análise realizada atentou para a probabilidade de falhas como fator de risco para a definição do tempo de manutenção preven va. Com as análises, detectaram-se os modos de falha mais impactantes para o compressor. Enfim, o resultado do trabalho é a fundamentação das estratégias de manutenção com base em conhecimentos cien ficos, ao invés do convencional conhecimento empírico, normalmente u lizado por departamentos de manutenção. Desta forma, a excelência operacional do equipamento é garan da e conseqüentemente, garan do estará o fornecimento de matéria-prima aos clientes da empresa. TT Apresentação Oral APLICAÇÃO DE TÉCNICAS DE ANÁLISE DE REDE NA ADEQUAÇÃO DE UMA REDE DE ATUADORES PROFIBUS André Giovani Leal Furlan - Petrobras Transporte - Transpetro / Alfrides Bi encourt de Campos - Petrobras Transporte - Transpetro Cleber Luis Oliveira Pinto - SGS / Bruno da Silva Goulart - SGS / Jean Paulo Guarnieri O presente trabalho apresenta um estudo de caso real na recuperação de uma rede de atuadores Profibus DP com falhas de comunicação e acionamento no Terminal de Rio Grande, da Transpetro. Um fluxograma é proposto indicando cada etapa. Primeiramente, levantou-se o problema de cada atuador envolvendo as áreas de Automação, Instrumentação, Elétrica e Mecânica. Por ser o elo entre o campo e o supervisório, a análise inicial dos problemas de cada equipamento foi efetuada pela Instrumentação com apoio da Automação. Posteriormente, planejaram-se ações para cada área em par cular. Com os atuadores operacionais localmente, ferramentas de análise de rede foram u lizadas na iden ficação dos problemas sicos, de configuração e de deterioração dos sinais. Na análise sica da rede, inicialmente, foram testados os cabeamentos e os terminadores u lizando o equipamento BT-200. Técnicas de análise com o mul metro também foram u lizadas, possibilitando uma es ma va da distância entre os escravos e o mestre. Na análise da configuração e dos sinais de tensão da rede, foi u lizado o so ware Profitrace, uma ferramenta completa para o diagnós co de redes Profibus. Com a interpretação das análises efetuadas e correção dos problemas evidenciados, foi possível reestabelecer não apenas a comunicação, mas também o acionamento local e remoto de todos os atuadores da rede em questão. Foi constatado neste trabalho que a recuperação de redes de atuadores pode ser feita de forma ágil e eficaz com uma equipe mul disciplinar provida de conhecimento técnico. TT Apresentação Oral DETECÇÃO DE ROÇAMENTO DE EIXO ATRAVÉS DE ANÁLISE PREDITIVA EM UM COMPRESSOR DE GÁS DE CARGA DE UMA UNIDADE PETROQUÍMICA DE INSUMOS BÁSICOS Flávio Alves da Silva - Braskem / Anderson Luis c. de Oliveira - Braskem / Delano Mendes de Santana - Braskem Élcio Carlos Garica - Braskem / Gilmar Chaves dos Reis - Braskem / Leandro Piga - Braskem Depois de 5 anos de operação após a úl ma manutenção geral, o compressor de gás de carga (hidrocarbonetos provenientes do processo de craqueamento da Na a) começou a apresentar desarmes (shut down) esporádicos sem uma causa clara de influência de oscilações de processo (temperatura, composição do gás e pressão), problemas no sistema de controle lógico, instrumentação ou sensores de vibração. O compressor descrito nestes eventos possui 5 estágios de compressão divididos em 3 carcaças (Baixa Pressão, Média Pressão e Alta Pressão) tendo sua par da iniciada em É diretamente acoplado a uma turbina acionada com vapor de 53 kgf/cm² com rotação normal entre 4500 e 5200 rpm. Ambos monitorados por sensores de vibração online e transmissores de temperatura e pressão para o gás de processo. O compressor foi man do em operação por 1 ano e três meses após o primeiro trip com ajuda de atuações de lógicas e manobras operacionais até que pudesse ser iniciada a manutenção que já estava programada; o compressor estava no escopo de planejamento de parada geral do site. Durante a abertura da carcaça de baixa pressão, pôde-se encontrar o mo vo e os danos causados pela formação de um polímero entre a região do eixo e um labirinto de gás (parte está ca) do compressor. TT Apresentação Oral TÉCNICAS PREDITIVAS E ANÁLISE ECONÔMICA APLICADAS NA GESTÃO DE ATIVOS PARA MOTORES ALTERNATIVOS Luiz Moreira - Windrock Inc. / Glyn Learmonth - Windrock Inc. O obje vo deste trabalho é mostrar a u lização de técnicas predi vas de sinais sincronizados com o eixo do virabrequim e eventos mecânicos do motor, com a finalidade de realizar uma análise econômica do custo, reduzir gastos de manutenção e aumentar a confiabilidade operacional. A metodologia consiste em u lizar sinais de pressão, aceleração, ultrassom e temperatura sincronizados em fase absoluta para obtenção de dados que inferem diretamente sobre a performance e a condição mecânica de cada cilindro e do motor como um todo. Esta técnica apresentou resultado sa sfatório em vários estudos de caso para motores alterna vos. Foram selecionados casos de motores analisados com sistemas online e off-line em clientes do Brasil e dos Estados Unidos. TT Apresentação Oral COMPRESSOR VALVE DESIGN CRITERIA AND GENERAL OVERVIEW OF VALVE TYPES Luiz Moreira - Windrock Inc. / Skip Foreman - Cook Compression This ar cle will provide a brief overview of compressor valve opera on, a descrip on of the process used for the selec on, informa on that is important to a valve designer to apply the correct valve to an applica on and a general overview of valve types and the pluses and minuses of each. TT Apresentação Oral CONTROLE E SUPERVISÃO DE CARREGAMENTOS APLICADOS A TRANSFORMADORES DE POTÊNCIA ATRAVÉS DO MONITORAMENTO TÉRMICO DIGITAL Geraldo Rocha - Schweitzer Engineering Laboratories Comercial / Naidion Silvério - Schweitzer Engineering Laboratories Comercial Mauro Magalhães - Schweitzer Engineering Laboratories Comercial / Rodolfo p. Ba sta - Schweitzer Engineering Laboratories Comercial Este ar go visa contextualizar o cenário nacional de aplicação de cargas em transformadores de potência. Aborda os principais aspectos da norma NBR 5416/1997, da Resolução ANEEL 191 dez/2005, do Procedimento de Rede do ONS Submódulo 2.3. Também será apresentado o campo de aplicação e descrito os pré-requisitos necessários para a u lização de monitor térmico digital com confiabilidade e segurança. É ressaltada a necessidade da criação de uma base de dados para a parametrização dos monitores térmicos digitais, assim como os recursos necessários na especificação do mesmo, para atender plenamente o controle da carga aplicada e a importância do sistema de resfriamento com par da automá ca. TT Apresentação Oral INSPEÇÕES SUBAQUÁTICA EM PLANTAS HIDRELÉTRICAS UTILIZANDO ROV - VEICULO OPERADO REMOTAMENTE Valdir Fernandes - Aes Tietê / Marcio Bitencourt - Aes Tietê / Mauricio Nunes - Aes Tietê A indisponibilidade de equipamentos por falha em sistemas geradores de usinas hidrelétricas é altamente onerosa e prejudicial ao sistema elétrico e deve ser evitada. Assim, a manutenção ou inspeção das turbinas requer que a manutenção preven va seja realizada periodicamente. Usualmente isto é feito com a mobilização de mergulhadores especializados, tornando o processo crí co e sujeito a acidentes, além de caro. Neste ar go é apresentada uma proposta de desenvolvimento de um sistema para inves gação, análise e acompanhamento de anomalias em estruturas metálicas de turbinas hidráulicas e/ou estruturas picas de usinas hidrelétricas, u lizando diagnós co por imagens. o protó po do sistema contempla a u lização de um veículo subaquá co não tripulado do po ROV (Remotely Operated Vehicle), desenvolvimento de sistema de processamento e análise de imagens e metodologia adequada para aquisição de imagens nas estruturas metálicas da turbina. Os resultados preliminares ob dos demonstram um grande potencial de u lização dessas tecnologias como forma de baratear os custos de manutenção e de minimizar os riscos e complexidade das operações de manutenção preven va. TT Apresentação Oral OTIMIZAÇÃO DA GESTÃO DO DIA-A-DIA ATRAVÉS DA APLICAÇÃO DO DMS PARA CUMPRIMENTO DA ESTRATÉGIA DE MANUTENÇÃO DA MINERAÇÃO PARAGOMINAS S/A João Cláudio dos Santos Loureiro Júnior - Mineração Paragominas / Sandro Rogério França - Mineração Paragominas A Mineração Paragominas (MPSA) iniciou suas operações em março de 2007, e desde então, já superou diversos desafios através da estabilização e superação das metas de produção, maior domínio do processo produ vo e cumprimentos das disponibilidades sicas. A manutenção, ainda em fase de estruturação, dificulta a empresa a cumprir algumas metas corpora vas, tais como, custos, confiabilidade dos equipamentos e indicadores de segurança. Em novembro de 2014, iniciou-se uma nova estratégia de manutenção na área de beneficiamento da MPSA pela aplicação do relatório A3 suportado pelo sistema de gestão da Hydro (BABS Bauxite and Alumina Business System). Elaborado o A3 estratégico da manutenção da área de beneficiamento, era fundamental avaliar se os desempenhos das ações de ro na do dia-a-dia da manutenção afetariam nega vamente o obje vo da área. O DMS Daily Management System foi a ferramenta de gestão à vista selecionada para realizar avaliação diária das ro nas, ajudar nos controles das mesmas, iden ficar e implantar melhorias, e alinhar a equipe à estratégia com foco real aos obje vos da organização (registrados já no A3). Este trabalho técnico apresenta os critérios usados para elaboração do DMS na gerência geral de manutenção do beneficiamento, metodologia de apresentação diária e os resultados nos primeiros meses de implantação. TT Apresentação Oral PADRONIZAÇÃO DO PROCESSO DE INSPEÇÃO TERMOGRÁFICA NOS FORNOS DE ENDURECIMENTO DA SAMARCO MINERAÇÃO. Izandro de Sena Vicente - Samarco Mineração / Edivaldo Liqui - Samarco Mineração / Sandro Cardoso Figueiredo - Samarco Mineração O trabalho proposto expõe os resultados alcançados com o monitoramento termográfico de um forno de endurecimento de pelotas da empresa Samarco Mineração, unidade industrial de UBU, através da u lização de câmeras termográficas que captam a diferença de temperatura entre os ambientes pela troca de calor, gerando imagens térmicas que retratam o estado das paredes dos fornos de endurecimento e que ao serem analisadas, revelam os pontos nos quais estão ocorrendo uma evolução precoce de falha, sendo possível a intervenção programada antes que ocorra um colapso. Neste trabalho será apresentada a metodologia u lizada para a iden ficação de falhas térmicas nas paredes isolantes dos fornos de endurecimento e alguns casos de sucesso onde foi possível a iden ficação da falha no estagio inicial, sendo possível a intervenção rápida e menos custosa. TT Apresentação Oral MELHORIA DO SISTEMA DE AERAÇÃO EM UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUAS RESIDUÁRIAS VISANDO A PRODUÇÃO DE ÁGUA DE REÚSO Romena Galvani Sobreira Montebeller - Comau do Brasil / Vadilson José de Souza - Comau do Brasil O trabalho foi realizado em um edi cio corpora vo que apresenta um sistema de tratamento de águas residuárias visando o reúso como estratégia para a conservação de água e redução do volume de esgoto lançado na rede coletora da concessionária de água e esgoto da cidade. Em dados de projeto o consumo total de água previsto para o complexo são de aproximadamente 500 m3/dia, sendo destes 150 m3/dia de água de reúso. A Estação de Tratamento de Esgotos da sede é composta por pré-tratamento com gradeamento e desarenador; tratamento secundário com fases anaeróbia e aeróbia; tratamento terciário composto por sistemas de desinfecção, gerenciamento do lodo e queimador de biogás. O sistema recebe os esgotos das instalações sanitárias, ves ários, drenos de fan coil e cozinhas do refeitório e restaurante. Todo esgoto produzido é tratado, gerando água recuperada para reúso nas bacias sanitárias, irrigação da área verde e arrefecimento do sistema de ar condicionado. A Estação de Tratamento de Efluentes com Reúso (ETE+R) foi projetada com uma capacidade nominal de 280 m3/d (6,48 L/s) e teve sua par da em Agosto de Desde a par da a ETE não apresenta o desempenho esperado em economia de água, devido a baixa produção de água de reúso ocasionadas por oscilações na turbidez da água gerada pelo tratamento do esgoto sanitário que não atende ao requisito especificado para reúso que é de até 10 UNT (Unidades Nefelométricas de Turbidez), conforme recomenda a NBR ABNT 13969/97. Usando a metodologia de brainstorm e diagrama de Ishikawa, foram iden ficadas as razões para tal desvio, tendo como causa primária a deficiência no fornecimento de oxigênio no tanque de aeração (Filtro biológico aerado), comprovando que o sistema de aeração atual não atende às necessidades do sistema de tratamento, tal fato foi comprovado expondo o sistema em condições mínimas necessárias para o fornecimento de oxigênio, para o qual foi alterado o regime de funcionamento dos aeradores do filtro biológico TT Apresentação Oral DESDOBRAMENTO ESTRATÉGICO PARA O PLANEJAMENTO DE MANUTENÇÃO Marcus Francisco Gonçalves Mesquita - Samarco Mineração As mudanças no plano estratégico de uma organização reverberam por todos os seus setores, gerando demandas de alinhamento estratégico. Entre estes setores estão os de planejamento e programação da manutenção. O presente estudo de caso descreve uma inicia va de alinhamento estratégico realizada pela equipe de planejamento de manutenção da unidade Germano da Samarco Mineração S/A, uma empresa de mineração, localizada no estado de Minas Gerais. A par r de uma revisão na estratégia corpora va foram derivados a missão, visão e valores da equipe. Esses por sua vez, serviram de base para uma revisão dos processos de trabalho e para a definição de ações de melhoria. Por fim foram estabelecidos indicadores para mensurar a realização da visão. Os resultados apresentados por esses indicadores comprovam que as equipes de planejamento podem obter e demonstrar resultados significa vos através de técnicas elementares de planejamento estratégico.

5 TT Apresentação Oral METODOLOGIA DMAIC E AUMENTO NA CONFIABILIDADE DA PP 328 Roberto Evison do Rosário Silva - Unigel / Romulo Araújo - Unigel / Denilton Bueno - Unigel A PP 328 é uma bomba centrífuga horizontal de 4 estágios, responsável pelo fluxo de condensado na Unidade petroquímica de processo con nuo de produção de es reno, Acrinor Filial Grupo Unigel em Camaçari BA. No ano de 2014 apresentou histórico de falhas de 6 subs tuições de rolamentos devido ao desgaste excessivo, indicando uma confiabilidade muito baixa pois a duração prevista para o po de rolamento em questão é de 1 ano. Através da aplicação da metodologia estruturada: DMAIC 6 Sigma, e u lizando os indicadores do so ware Weibull ++ tais como: Taxa de Falha, Probabilidade Weibull, Vida caracterís ca, entre outros, foi possível fazer a análise de vida do equipamento, onde ficou evidenciado que o modo de falha era prematuro. Após ser iden ficada a causa raiz, avaliada as propostas de melhorias e a par r das análises dos dados foram realizadas algumas intervenções no equipamento tais como: ajustes no dimensional dos componentes internos, no sistema de vedação e lubrificação. Todas essas ações implantadas resultaram no aumento da vida ú l do rolamento, redução de custos e consequentemente aumento da confiabilidade do equipamento. TT Apresentação Oral DESENVOLVIMENTO DE SISTEMA INTEGRADO DE MANUTENÇÃO E OPERAÇÃO DE ATIVOS DE GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Adilson Fábio Magno Silva - Queiroz Galvão Energia / Fernando Mirancos da Cunha - Inovafocus Herbes Teixeira de Faria - Queiroz Galvão Energé ca / Diego Santos Maia - Companhia Energé ca Santa Clara Charles Ramos Fabienski - Companhia Energé ca Chapecó A Queiroz Galvão Energia - QGE possui empreendimentos de geração, hidrelétricos, eólicos e biomassa. Para operar suas unidades, conta com um Centro de Operação Integrado, em Fortaleza. As usinas hidrelétricas u lizavam um so ware de manutenção, Engeman, como ferramenta de planejamento e controle de manutenção. Esse quadro levou à necessidade de integração, via sistema, das ferramentas de manutenção. Como a QGE definiu que as usinas hidrelétricas passariam a ser comandadas remotamente, a par r do Centro de Operação Integrado, iden ficou-se a necessidade de se implementar um sistema que gerenciasse as intervenções programadas e não programadas, além de outras funcionalidades relacionadas à operação. Dessa forma, definiu-se por desenvolver um módulo de Operação no sistema de manutenção existente, disponibilizando uma interface adequada à equipe de operação. Os resultados esperados são: maior integração entre os processos de O&M; maior rapidez e menor custo na confecção de relatórios integrados de O&M; maior facilidade de gestão do desenvolvimento de funcionalidades e evoluções do sistema, visto tratar-se de apenas um fornecedor; facilidade na elaboração dos planos de manutenção por estar num mesmo sistema; u lizar o Engeman como um Sistema Integrado de Gestão SIG. TT Apresentação Oral OTIMIZAÇÃO DE FROTA ATRAVÉS DA GESTÃO DE ATIVOS Welfany Kemper Rezende Barbosa - Anglogold Ashan / Alessandro Pacheco Souza - Anglogold Ashan Este ar go tem como obje vo apresentar o projeto denominado O mização de Frota implantado na Mina de Cuiabá da empresa AngloGold Ashan. O projeto foi desenvolvido através da aplicação de diversos conceitos da Gestão de A vos, u lizando como seus principais pilares a gestão do desempenho, a gestão dos custos operacionais e a gestão do risco ao negócio. A gestão de desempenho foi monitorada através da análise do indicador de eficiência global do a vo (OEE), onde foram iden ficadas oportunidades de melhoraria nos resultados dos três KPI s que compõe seu cálculo, sendo eles a disponibilidade sica, a u lização efe va e a produ vidade. Os custos dos a vos foram analisados através do desenvolvimento de um estudo de LCC com o obje vo de definir qual seria o melhor ponto da vida do a vo para realizar a sua subs tuição e qual seria o impacto nos custos caso este inves mento fosse postergado para o seu segundo ou terceiro melhor ponto de subs tuição. Através desta análise, foi possível a re rada de 7 equipamentos da frota que apresentavam baixo desempenho, a postergação em 2 anos da subs tuição de 4 equipamentos e o cancelamento da compra de outros 4 equipamentos que seriam acrescentados a frota, sem alteração do plano de produção. Estas ações foram realizadas em um intervalo de 18 meses e possibilitaram uma economia entre CAPEX e OPEX de mais de R$ 30 milhões ao longo deste período. TT Apresentação Oral OTIMIZAÇÃO DO TEMPO DE RECOMPOSIÇÃO DO SISTEMA DE SUBTRANSMISSÃO Claiton Alexandre Ritzel Homrich - AES Sul Distribuidora Gaúcha de Energia / Marcos Roberto Renck - AES Sul Distribuidora Gaúcha de Energia O fator que mais influenciava a decisão pelo projeto da linha de transmissão era o custo-bene cio. Atualmente, torna-se cada vez mais importante prever o desenvolvimento de alterna vas para redução de tempo de recomposição do sistema de transmissão de energia elétrica em caso de queda de torres, baseados em facilidade de transporte e facilidade de montagem, reduzindo os indicadores de con nuidade de fornecimento de energia e reduzindo a energia deixada de transmi r, pois os órgãos públicos e as agências reguladoras estão tornando-se bastante exigentes para manter o fornecimento de energia elétrica em índices aceitáveis. Dentro deste novo contexto, a AES Sul estudou a viabilização de inserção de novas tecnologias relacionadas à linha de transmissão no seu padrão de materiais e serviços, buscando reduzir custos e prazo, mas mantendo sua confiabilidade. O resultado foi o uso de torres de emergência em alumínio para linhas de transmissão com modelo de transporte reduzido e içamento rápido, com possibilidade de redução de até 75% do tempo total de restabelecimento. TT Apresentação Oral ESTIMATIVA DA EMISSIVIDADE DE SUPERFÍCIES INSPECIONADAS POR TERMOGRAFIA INFRAVERMELHA EM CAMPO E SEM CONTATO Le cia Colombi Gomes - Ins tuto Federal do Espírito Santo / Pablo Rodrigues Muniz - Ins tuto Federal do Espírito Santo Alterações de temperaturas superficiais em diversos equipamentos normalmente são indícios de falhas em seu funcionamento. A manutenção predi va u liza-se dessa caraterís ca a fim de monitorar e detectar o desenvolvimento das falhas as quais modificam a temperatura operacional. A termografia por infravermelho é uma técnica de aquisição de perfis térmicos bastante u lizada na inspeção de disposi vos no meio produ vo. Contudo, esta técnica apresenta uma expressiva incerteza de medição proveniente de uma caracterís ca intrínseca de super cies, a emissividade. Métodos existentes de obtenção do valor da emissividade necessitam de contato com o corpo inspecionado. Todavia, estes se tornam inexequíveis em instalações elétricas energizadas. Dessa forma, esse ar go tem por base apresentar uma possível solução na es ma va da emissividade de materiais em campo e sem necessidade de contato com a super cie analisada. TT Apresentação Oral ESTUDO DE CASO EM UM TERMINAL QUÍMICO PORTUÁRIO - APLICAÇÃO DA FERRAMENTA OEE, INDICADOR DE EFICIÊNCIA GLOBAL DE EQUIPAMENTOS, NA GESTÃO DE ATIVOS Juan Fernando Ienny dos Santos - Faculdade Senai Ce qt / Felipe da Silva Mendes - Faculdade Senai Ce qt - Alun Marcone Freitas dos Reis - Faculdade Senai Ce qt - Professor Orientador Alexandre Camacho da Paixão - Faculdade Senai Ce qt - Coordenador do Curso de Engenharia de Produção Os terminais portuários têm evoluído crescentemente de acordo com a necessidade da demanda de transporte marí mo e as necessidades do mercado, tanto em aspectos de infraestrutura, como de tecnologia e a vos. Nesse contexto, é essencial o conhecimento da real condição dos a vos no terminal portuário para garan r a confiabilidade de acordo com sua capacidade instalada. O presente trabalho aborda a u lização do indicador de eficiência global dos equipamentos OEE (Overall Equipment Effec veness), comumente voltado para a o processo fabril, aplicado à gestão de a vos em um terminal químico portuário. Pretende-se monitorar os processos operacionais rodoviários e marí mos, avaliando índices de disponibilidade, eficiência e qualidade, a fim de, propor ações para a melhor u lização dos a vos e menores impactos nos processos operacionais e logís co. TT Apresentação Oral FERRAMENTAS GERENCIAIS PARA MANUTENÇÃO CONSIDERANDO-SE OS FATORES HUMANOS - UM ESTUDO DE CASO APLICADO A BOMBAS CENTRIFUGAS Carla Graciella do Santos Soares - UFBA / Robson Silva Magalhães - UFBA / Celso Luis San ago Figuerôa Filho - Ucsal Paulo Esteves de Almeida Silva - UFBA Diante da atual compe vidade no setor industrial e da importância da manutenção como uma das a vidades fundamentais do setor produ vo, surge a necessidade de uma abordagem estratégica e proa va no planejamento, na programação e na execução da manutenção. A confiabilidade dos equipamentos e serviços são conceitos cada vez mais presentes e caracterizam os indicadores de desempenho da equipe, métodos e estratégia da manutenção. No entanto, essa manutenção está ligada a fatores humanos, já que não existem serviços realizados sem intervenção humana. Este ar go tem por obje vo apresentar uma abordagem para solucionar um problema de número excessivo de ocorrências de retrabalhos. Foram estudados os casos de retrabalho para os serviços realizados em bombas centrífugas em uma oficina de uma indústria petroquímica. Para tal obje vo foram realizadas análises esta s cas, quan ficação e caracterização das causas raízes das falhas ocorridas após serviços de manutenção. Na analise dos casos foram aplicadas ferramentas adequadas a caracterização dos fatores humanos, levando-se em conta três pontos: a caracterís ca da tarefa, as caracterís cas pessoais e os aspectos organizacionais. Uma Matriz de Habilidades (MH) caracteriza a competência do corpo técnico responsável pela execução dos serviços. A MH possibilita a elaboração de um plano de treinamento direcionado à melhoria da qualificação desses profissionais, levando em conta os aspectos específicos de cada a vidade. Foi aplicada uma ferramenta gerencial que chama atenção para as caracterís cas das tarefas, listando as ações necessárias para cada etapa da a vidade de intervenção no equipamento, quan ficando-as e gerando, ao final do processo, um valor de confiabilidade para cada serviço realizado. Após a aplicação das ferramentas, realiza-se uma avaliação do seu efeito sobre indicador: Índice de Retrabalho (IR). A estratégia gerencial proposta nesse trabalho propiciou uma redução de 83,9% do número de retrabalho. TT Apresentação Oral REVISÃO DOS PLANOS DE MANUTENÇÃO DA ARCELORMITTAL AÇOS PLANOS AMÉRICA DO SUL Severino Albani Junior - Arcelormi al Tubarão / Laudelino Cota Fonseca - Arcelormi al Tubarão / Ricardo Sodré - Arcelormi al Tubarão A crise econômica mundial de 2008 obrigou as empresas a se recriarem para atender um mercado mais cauteloso e conservador. Isso demandou uma reformulação na maneira de executar as a vidades e estruturar os preços dos produtos. Nesse contexto a ArcelorMi al Tubarão iniciou os trabalhos na área de gestão de a vos focada em manutenção, desenvolvendo um programa para melhoria da confiabilidade dos equipamentos. Dentro desse programa, foi iden ficada a oportunidade de revisar os planos de manutenção da planta. Essa revisão contempla ajustes no cadastro, cri cidade dos equipamentos e revisão dos planos de manutenção no Sistema da Manutenção da Planta. Esse trabalho abordará a metodologia adotada para realização dessas revisões, considerando a formação das equipes de trabalho centralizadas, sua interação com as áreas de manutenção das unidades produ vas, critérios u lizados para revisão dos cadastros/cri cidades, a u lização da Manutenção Centrada em Confiabilidade (MCC) para revisão dos planos de manutenção e resultados ob dos. TT Apresentação Oral GOVERNANÇA CORPORATIVA PRINCIPAIS IMPACTOS NA GESTÃO DE ATIVOS Adriana de Andrade Solé - Fundação Gorceix / João Esmeraldo da Silva - Fundação Gorceix Um dos fundamentos da norma NBR ISO determina que é necessário promover a aderência e a integração do Sistema de Gestão de a vos (SGA) com os processos de Governança Corpora va (GC). Este ar go apresenta uma correlação direta dos princípios da Gestão de a vos (GA) com os da Governança Corpora va (GC). O propósito é tecer o pano de fundo estratégico que deve ser considerado, em qualquer po de empreendimento, para conciliar os interesses dos proprietários ou acionistas areholders) com os das partes interessadas (stakeholders). A ideia é contribuir com um guia para aqueles gestores que pretendem construir e implementar um robusto sistema de Gestão de A vos, alinhado com os 8Ps da Governança Corpora va. O principal ponto de intersecção da GA com a GC é o principio da geração de valor para a organização de maneira que atenda, harmoniosamente, as expecta vas das diferentes partes interessadas no negócio; porém, em conformidade com as reais potencialidades de cada po de a vo, em suas diferentes fases do ciclo do a vo. A correlação dos 8Ps da Governança Corpora va (propriedade, princípios, propósitos, papéis, poder, prá cas, pessoas e perenidade) com a Gestão de A vos foi feita por meio de uma detalhada análise com o propósito de demonstrar que existe uma forte aderência entre os processos de Governança Corpora va e a Gestão de A vos. Essa correlação propicia a criação de diretrizes que garan rão o atendimento das expecta vas dos acionistas e a harmonização dos interesses dos demais stakeholders através da efe va integração destes processos. Sem dúvida, o arcabouço aqui apresentado será ú l para embasar a criação e implementação de um robusto sistema de gestão de a vo. TT Apresentação Oral OS DESAFIOS PARA A IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE CONTROLE MOBILE NA MANUTENÇÃO INDUSTRIAL Adriano José Correia - Faculdade de Tecnologia Senai Roberto Simonsen / Gilvan Alves Ribeiro - Faculdade de Tecnologia Senai Roberto Simonsen Ricardo Luiz Ciuccio - Faculdade de Tecnologia Senai Roberto Simonsen Com os avanços tecnológicos e as disputas cada vez mais acirradas por espaço no mercado, as indústrias se veem expostas a incessantes ro nas de melhoria, visando minimizar custos de produção. Logo a manutenção que possui impacto direto junto a esses custos tende a inves r em metodologias para se adequar as expecta vas das organizações, sendo assim o inves mento em ferramentas de gerenciamento, controle e execução tornam-se prá cas fundamentais visando essas melhorias, sem abrir mão de qualidade, produ vidade, preocupações com o meio ambiente e segurança. Todavia algumas dessas ferramentas apresentam grande resistência em seu processo de implantação, devido alguns paradigmas presentes na manutenção, o intuito dessa pesquisa é demonstrar os desafios na inserção desses disposi vos móveis em âmbito industrial, será apresentada uma análise cri ca a cerca da gestão dessas ferramentas e algumas técnicas que podem ser adotadas para auxiliar no processo de adequação em um departamento de manutenção, mantendo o foco nas vantagens apresentadas através dessas mudanças. A metodologia empregada está baseada em relatos de gestores responsáveis por ambientes aos quais passaram por esse processo de implementação, O resultado esperado se da por demonstrar as diversas melhorias alcançadas com a u lização desses módulos de controle, para auxiliar empresas dos mais diversos segmentos em tomadas de decisão cada vez mais asser vas relacionadas ao tema proposto. Palavras chaves: Gerenciamento de manutenção, indicadores, mobilidade, custo, tecnologia e inovação. TT Apresentação Oral BENEFÍCIOS DA APLICAÇÃO DO MÉTODO DE MANUTENÇÕES PREVENTIVAS SISTÊMICAS PARA OS PROCESSOS DE FILTRAGENS: O CASO DE UMA EMPRESA DO SETOR DE MINERAÇÃO Washington Luis Vieira da Silva - Universidade Federal de Ouro Preto / Rayana Assis Nascimento - Universidade Federal de Ouro Preto Fabíola Paula Costa - Universidade Federal de Ouro Preto / Andre Luis Silva - Universidade Federal de Ouro Preto Este trabalho obje va analisar as contribuições da u lização do método de manutenções preven vas sistêmicas para o sistema de filtragem de uma mineradora. Para isso, foi realizada uma pesquisa detalhada acerca dos conceitos de manutenção, pos de manutenção, planejamento e controle da manutenção e sobre o plano de manutenção. A metodologia u lizada é de natureza qualita va e classificada como exploratória, documental, bibliográfica e um estudo de caso. A par r de um diagnós co de manutenção realizado, observou-se que a empresa estudada realizava no setor de filtragem um número significa vo de manutenções preven vas sob condição, o que ocasionava num alto número de intervenções necessárias para a manutenção. Assim, verificou-se que se a manutenção a ser u lizada for realizada através de manutenções preven vas sistêmicas passa-se a ter: uma diminuição do número de intervenções, aumento da disponibilidade do equipamento, controle dos custos de manutenção, planejamento dos materiais de manutenção e dos níveis de estoque, acompanhamento e controle das a vidades do PCM, e melhor aproveitamento de recursos humanos.

6 TT Apresentação Oral GANHOS DE PRODUTIVIDADE, FAZENDO MAIS COM MENOS EM OFICINA DE MANUTENÇÃO Ricardo Tibério - Comau do Brasil / Helio Coragem - Comau do Brasil / Rogerio Rosa - Comau do Brasil Flavio Moreira - Comau do Brasil / Gustavo Baumgratz - Comau do Brasil A alta compe vidade que vem ocorrendo nos diversos ramos produ vos industriais obriga as empresas a desenvolverem métodos capazes de reduzir suas despesas e aumentar suas receitas. E esse fato se consolidou de forma intensa após a abertura para a globalização em nosso país. As empresas então se viram em uma situação que para sobreviverem no mercado, deveriam atuar na redução de seus custos internos, para que seus produtos fossem compe vos, sem esquecer da qualidade e prazo de entrega. Para isso começaram aprender a trabalhar de forma diferente, u lizando metodologias em seu processo produ vo como 5S, TPM (Total Produc ve Maintenance), WCM (Word Class Manufacturing), QTC (Quality to Control), Six Sigma, etc. Em nosso projeto aplicamos a Metodologia do Six Sigma, u lizando a análise estruturada (DMAIC Define, Measure, Analyze, Improve e Control), onde foi possível iden ficar oportunidades de melhorias em nosso processo de Manutenção (NVAS). Portanto o principal obje vo do projeto se resume em: 1 - O mizar o processo de manutenção nos setores de Usinagem, Soldagem e Calderaria dentro do centro de negócios VALE Fer lizantes de Tapira; 2 -Aumentar nossa produ vidade operacional, disponibilizando recursos dedicados a execução de a vidades Spots. Foram aplicadas algumas das ferramentas do Six Sigma, apresentando os resultados ob dos e dificuldades encontradas no decorrer do projeto. Esse projeto esta na fase de Improve, ou seja, esta na fase de implementação das melhorias das áreas citadas acima. TT Apresentação Oral PRODUTIVIDADE NA MANUTENÇÃO UMA ABORDAGEM PROJETIZADA PARA MUDANÇA EFETIVA Ká a Michelle Jus no de Oliveira - Braskem / Alex Rodrigues - Braskem / Andre Luis Jahnke Mamana - Braskem Tarek Ferreira Hijazi - Braskem / Claudio Marcelo Passos Leandro - Braskem A Produ vidade é expressão de eficiência de qualquer negócio. Embora seja mandatória para o aumento da compe vidade e sobrevivência das empresas, são diversas as restrições para inicia vas em prol da produ vidade como aspectos legais, contratuais e principalmente culturais associados a hábitos e paradigmas. O conceito tradicional de produ vidade na execução de serviços de manutenção tem como base três pilares fundamentais: a u lização, o desempenho e a qualidade. No pilar de u lização as ações básicas para o seu aumento é a eliminação dos tempos perdidos. Esse trabalho tem como obje vo apresentar a implantação de uma inicia va de aumento de produ vidade da manutenção nas plantas de Polie lenos da BRASKEM na Bahia, u lizando uma abordagem de gerenciamento de projetos para o acompanhamento e direcionamento das ações. O intuito é garan r um consistente gerenciamento da ro na de manutenção. O projeto está em andamento e já implementou importantes quick wins como alterna vas de acesso, direcionadores de planejamento como base para gestão da ro na e a sistema zação da comunicação entre a operação e manutenção com foco na previsibilidade e asser vidade na execução de serviços. TT Apresentação Oral VERIFICAÇÃO DA QUALIDADE EM PARADAS Túlio Fernandes dos Santos - Petrobras / Juven no Ribeiro Barros - Petrobras / Lucas Luve Lima - Petrobras / Rafael Milanezi Fabriz - Petrobras Os projetos de parada programada na indústria de petróleo e gás apresentam elevada complexidade, sendo fundamental para o sucesso do empreendimento a qualidade do planejamento. Devido à similaridade dos projetos de paradas neste setor, pode ser estabelecido um modelo único de ciclo de vida, com fases e entregáveis claramente definidos. Para assegurar que o desenvolvimento esteja adequado ao longo do projeto e que o planejamento tenha a qualidade necessária, são estabelecidos Portões Decisórios, onde é verificada a maturidade do projeto para suportar a autorização de progressão de fase. Para uniformizar a verificação da qualidade e promover ações de melhoria, foram estabelecidos os requisitos de qualidade de cada entregável e elaborada uma lista de verificação, pontuada conforme relevância de cada item. Com base na lista de verificação uma equipe de revisores analisa o conteúdo dos entregáveis, classifica as não conformidades e recomenda ações de melhoria. A uniformização e sistema zação do processo de verificação da qualidade permite monitorar e comparar vários projetos, indicando oportunidades de melhoria. TT Apresentação Oral OBTENDO O DIAGNÓSTICO E A QUALIDADE PREDITIVA DE MOTORES ELÉTRICOS Luiz Gustavo Alves Lamounier - Vitek Consultoria - Pedro Alcântara de Souza Álvares - Vitek Consultoria Tendo uma visão ampla em relação à manutenção predi va em motores elétricos, apesar de apresentar aspectos sicos sa sfatórios os motores escondem problemas internos que se não reparados podem ocasionar perdas irreparáveis como danos a saúde de quem os opera. Este trabalho apresentará uma nova experiência sobre falhas em a vos que pode custar caro. Existem várias falhas em motores desde perda de isolação a perda de potência principalmente nos de grande porte, demonstrando que vale a pena ter o acompanhamento predi vo realizando testes para verificar a qualidade do a vo, o diagnós co preciso para reformadores. TT Apresentação Oral O SETOR EÓLICO E A IMPLANTAÇÃO DE GESTÃO DE ATIVOS NA FABRICAÇÃO DE PÁS Alexandre Teixeira Lopes - Tecsis - Tecnologia e Sistemas Avançados - Mar nho Cesar de Mello - Tecsis - Tecnologia e Sistemas Avançados Marcelo Marques Brazão - Tecsis - Tecnologia e Sistemas Avançados A crise hídrica que vivemos atualmente no país e consequentemente a redução na capacidade da geração de energia por meio das usinas hidrelétricas, reacendeu a necessidade de alterna vas energé cas para atender a demanda atual e sustentar o aumento esperado para alavancar a economia nacional. Atualmente no mundo, existem grandes preocupações sobre a capacidade de oferta e o impacto ambiental das fontes tradicionais de energia. Neste cenário, a energia eólica vem se destacando como uma alterna va viável de fonte de energia renovável e amplamente disponível. Vários países estão estabelecendo incen vos, regulamentando e dirigindo inves mentos financeiros para es mular a geração de energia eólica. A projeção de crescimento do setor eólico no mundo até 2019 é de 80% da capacidade instalada atual, e no Brasil de 265% neste mesmo período. Sendo assim, as empresas do setor eólico, principalmente as empresas fabricantes de pás necessitam aumentar sua capacidade produ va e principalmente sua eficiência atual de forma a atender esta nova realidade de demanda e se manterem compe vas no mercado. Neste cenário, a área de Manutenção e Gestão de A vos da empresa se torna responsável em desenvolver um papel estratégico para auxiliar a maximizar a lucra vidade do negócio. Neste contexto, este trabalho apresenta a implementação de metodologias de Gestão de A vos em uma fábrica de pás eólicas com o obje vo de aumentar a confiabilidade, o mizando o gerenciamento dos a vos. TT Apresentação Oral CLASSIFICAÇÃO DE ATIVOS CRÍTICOS RISCOS E MITIGA Marcos Renck - AES Sul / Lorenzo Comasseto - AES Sul / Marcelo Monteiro - AES Sul / Gabriel Mello - AES Sul Na atualidade as empresas buscam cada vez mais a realização racional de suas a vidades, neste mesmo sen do a manutenção dos a vos da organização segue esta premissa. O processo de manutenção da organização é consolidado, rodando desde meados dos anos 2000, sempre observando as oportunidades de melhoria, seguindo a metodologia PCDA, realizando as adequações nos processos, o que vem permi ndo e suportando a obtenção de resultados posi vos e assegurados durante o transcorrer do tempo. A melhoria con nua é uma constante, e a demanda de novas inicia vas que possam ser associadas no processo a fim de alcançar melhores resultados, buscando realizar as intervenções cada vez mais planejadas e asser vas, promovendo a dedicação correta do pessoal de manutenção a cada a vo e/ou instalação de a vos. Dentro deste contexto, a busca pela o mização é baseada nas condições dos a vos, porém as instalações impõem estresses diferenciados a a vos semelhantes, o que provocam a degradação diferenciada segundo a linha de tempo. O desafio que aqui descrevemos é estabelecer quais variáveis corroboram para a classificação dos a vos que são mais exigidos e como mi gar os riscos decorrentes desta exigência, por outro lado, é conveniente também iden ficar os a vos ou instalações que estão subme dos a menores estresses, e assim promover à diferenciação do processo de manutenção, atribuindo a atenção necessária a cada a vo segundo a exigência de operação. TT Apresentação Oral AVALIAÇÃO DO CONDICIONADOR DE METAIS ADICIONADO À GRAXA NA LUBRIFICAÇÃO DE ROLAMENTOS A PARTIR DA ANÁLISE DE VIBRAÇÃO Marcos Vieira de Albuquerque - Universidade Federal de São João del-rei / Jorge Nei Brito - Universidade Federal de São João del-rei Com o crescente aumento da compe vidade as empresas buscam minimizar os custos de manutenção corre va e aumentar a vida ú l de seus equipamentos, inves ndo em técnicas de manutenção predi va e preven va. Os mancais de rolamento são um dos componentes de máquinas mais avaliados pelas técnicas predi vas atualmente e foram objeto de estudo deste trabalho. O obje vo é comparar os níveis de vibração (Global e Envelope) de rolamentos, ao adicionar Condicionador de Metais à graxa u lizada em sua lubrificação. Os testes experimentais foram realizados em três etapas: na primeira os rolamentos foram lubrificados com graxa Semissinté ca (com e sem adição de Condicionador de Metais); na segunda os rolamentos foram limpos para rodarem sem lubrificação; e na terceira os rolamentos foram subs tuídos por rolamentos idên cos novos (sem defeito) blindados de fábrica. Os resultados dos testes experimentais mostraram que a adição de Condicionador de Metais à graxa diminui os níveis vibracionais dos rolamentos. O teste com os rolamentos sem lubrificação comprovou que o Condicionador de Metais adere às super cies metálicas e o teste com os rolamentos novos (sem defeito) foi essencial mostrar que a bancada experimental não influenciou nos resultados dos outros testes. O Condicionador de Metais se mostrou eficiente, sendo uma opção muito interessante para o planejamento/programação da manutenção do equipamento. TT Apresentação Oral APLICAÇÃO DA ENGENHARIA DA MANUTENÇÃO NA ÁREA PORTUÁRIA Marcos Paulo Pereira Brito - Portonave - Terminais Portuarios de Navegantes / Rodrigo Nacthigall Fiori - Portonave - Terminais Portuarios de Navegantes Carlos Eduardo Leal Machado - Portonave - Terminais Portuarios de Navegantes No cenário contemporâneo, percebe-se que as organizações têm a pretensão de realizar processos de melhoria con nua diariamente. Melhoria que apresenta uma maior produ vidade para superar os desafios da globalização mundial ante à presença dos atuais e novos concorrentes. Os custos dos processos muitas vezes são oriundos do planejamento, controle e eficiência da execução dos serviços de manutenção na empresa. A realização de manutenção de qualidade implica em maior na confiabilidade do processo produ vo propiciando melhor condição para o cumprimento do plano mestre de produção. Neste trabalho foi realizada uma análise u lizando técnicas da engenharia de manutenção, buscando melhorar os indicadores de manutenção e reduzir os custos operacionais de manutenção. TT Apresentação Oral MÉTODO PARA IDENTIFICAÇÃO DE DEFEITO ACOPLAMENTOS HIDRÁULICOS DE TRANSPORTADORES DE CORREIAS COM MAIS DE UM ACIONAMENTO Vanessa Malaco dos Santos - Vale / Leonardo Elias Moschen Chisté - Vale Iden ficar defeitos em acoplamentos hidráulicos em transportadores de correia com 02 ou mais acionamentos evitando perdas operacionais através do monitoramento da defasagem das correntes dos motores e procedimento predi vo. Este estudo foi desenvolvido na Vale no Porto de Tubarão em Vitória/ES, e pode ser replicado para os demais portos da empresa, para minas ou outras empresas com equipamentos similares. O método desenvolvido conta com um procedimento de iden ficação do defeito e acompanhamento das correntes dos motores. Um grande ponto posi vo é a efe vidade, facilidade e rapidez de realização do procedimento de iden ficação do defeito. TT Apresentação Oral ESTADO DA ARTE DA MANUTENÇÃO PREVENTIVA, PREDITIVA, E CORRETIVA EM CABOS ELÉTRICOS ISOLADOS DE MÉDIA TENSÃO Daniel Bento dos Santos - Rds Brasil / Ricardo Gedra - Centro Universitário da Fei Gregório Souza - Ins tuto de Pesquisas Energé cas e Nucleares O presente ar go descreve as melhores prá cas empregadas pelo mundo na gestão adequada dos cabos elétricos isolados de média tensão, considerando as ações de comissionamento e manutenções preven vas, predi vas e corre vas. O ar go aborda a forma de realizar ensaios de tensão aplicada u lizando corrente alternada com frequência reduzida, da ordem de 0,1 Hz, a técnica conhecida como Very Low Frequency VLF. Esta técnica subs tui o ensaio comumente realizado com corrente con nua, que apresenta efeitos danosos aos cabos. Também são apresentados os ensaios de tangente delta e descargas parciais, que possuem o obje vo de avaliar o grau de envelhecimento do material isolante dos cabos elétricos e falhas na sua isolação, de tal forma a permi r a iden ficação antecipada da provável ocorrência de uma falha, permi ndo o mizar as manutenções e a própria subs tuição dos cabos. Este ar go apresenta também as técnicas mais avançadas em termos de iden ficação da falha, reduzindo o tempo e aumentando a precisão da localização. Com a aplicação das técnicas descritas, busca-se a maior disponibilidade e confiabilidade da rede elétrica de média tensão, com menores custos para realizar a sua gestão, de acordo com padrões internacionais de excelência. TT Apresentação Oral APLICAÇÕES DA ENGENHARIA DE CONFIABILIDADE EM PROJETOS DE CAPITAL: O CASO DE UMA SIDERÚRGICA BRASILEIRA DE GRANDE PORTE João Esmeraldo da Silva - Fundação Gorceix / Jefferson Januário Mendes - Ins tuto Federal Minas Gerais Ruben Antonio Llobell Sole - Fundação Gorceix / Claudio Caiani Spagnó - Reliaso Brasil / Fernando Gabriel Araujo - Fundação Gorceix Os projetos de capital para implantação de novas plantas ou ampliação da capacidade instalada ou reponteciamento de a vos demandam elevados inves mentos e vários estudos de engenharia. Tais estudos visam: alavancar as oportunidades de negócios e atrair inves dores para financiar o empreendimento. Porém, independentemente do po do projeto de capital, o calcanhar de Aquiles da tomada de decisões estratégicas e gerenciais é assegurar o equilíbrio entre custos, riscos, oportunidades e desempenho nas diversas fases de desenvolvimento do projeto. Primeiramente, são apresentadas as ferramentas de engenharia de confiabilidade que podem ser aplicadas para embasar tecnicamente a elaboração dos estudos de engenharia e, também, subsidiar as análises das alterna vas e a viabilidade econômica-financeira, em cada fase do empreendimento; bem como, apoiar a tomada de decisão. Em seguida é apresentado um estudo de caso de uma empresa siderúrgica que já possuía quatro unidades em operação e estava pretendendo construir a quinta planta, similar as existentes em termos de tecnologia e capacidade produ va. Para realizar os estudos foram u lizados os dados operacionais dessas plantas para levantar as curvas de confiabilidade e mantenabilidade do novo projeto de capital. Dentre os ganhos destacam-se os seguintes: o mização das a vidades de manutenção, redução dos custos de manutenção, redução do custo anual de sobressalentes, redução significa va do valor do prêmio do seguro da planta. O ROI desse projeto foi de 3.633,33%. TT Apresentação Oral RETROFIT EM SISTEMAS DE CONTROLE DE PRESSÃO, VAZÃO UTILIZANDO INVERSORES DE FREQUÊNCIA Helvécio Machado Borges - Comau do Brasil / André Tiago vaz de Melo - Comau do Brasil / Robson Teixeira Dias - Comau do Brasil Este trabalho foi realizado com o obje vo de reduzirmos o consumo de energia elétrica nos sistemas de controle de pressão de: água potável, água industrial, água de alimentação e no controle de vazão de ar de combustão das caldeiras. Com a crescente demanda de novos consumidores em toda planta produ va, a necessidade de o mizar o consumo energé co nos processos industrias é uma necessidade impera va para a manter a compe vidade das empresas, principalmente em um cenário

7 de escassez de energia elétrica e recursos hídricos. Com este problema em mãos, a equipe iniciou o trabalho de estudo em todos os sistemas bombeamento e insuflamento da área de u lidades da planta, onde realizamos o levantamento dos dados de placa dos motores elétricos, bombas e ven ladores. TT Apresentação Oral PLANO DE GESTÃO DE TURBOMÁQUINAS Everton Meles de Assumpção - Vale Fer lizantes / Mauricio Xavier - Vale Fer lizantes Em algumas unidades produ vas da Vale Fer lizantes da Baixada San sta (SP), existem alguns equipamentos que são extremamente crí cos aos processos nos quais estão instalados. Por comprometer a con nuidade operacional de algumas plantas, tais máquinas requerem cuidados especiais quanto à operação e manutenção, além de necessitarem de um sistema de gestão capaz de acompanhar a performance de cada uma delas, visando garan r disponibilidade e confiabilidade operacionais. Por conta disto, surgiu em 2011 a idéia de implantar um sistema de gestão que permi sse acompanhar mais atentamente as turbomáquinas da Baixada San sta. O obje vo era garan r o bom desempenho das máquinas e diminuir perdas de produção, geradas por parada indesejáveis nestes equipamentos. TT Apresentação Oral IMPLANTAÇÃO DE UM PROGRAMA DE MONITORAÇÃO DE CON FIABILIDADE DE SISTEMAS ELETRÔNICOS DE SEGURANÇA EM UMA USINA NUCLEAR Sérgio Dias Costa - Eletrobras Eletronuclear As Usinas Nucleares de Angra dos Reis têm licença de operação para 40 anos extensíveis para mais 20 anos. Para que esta extensão seja possível é necessário que se comprove a confiabilidade de seus sistemas, equipamentos e estruturas. Para cumprir este requisito são feitos acompanhamentos de envelhecimento de componentes e a progressiva obsolescência de outros componentes. Também foi implantado um Programa de Monitoração da Confiabilidade da Planta que se divide em três pilares: 1 - Programa de Monitoração de Confiabilidade de Equipamentos e Sistemas de Segurança 2 - Programa de Monitoração de Confiabilidade de Prédios e Estruturas de Segurança 3 - Programa de Monitoração de Confiabilidade de Sistemas Eletrônicos de Segurança Este trabalho tem o obje vo de apresentar uma metodologia para garan r que esta comprovação de confiabilidade, relacionada aos sistemas eletrônicos, seja consistente e proporcione a máxima confiabilidade dos sistemas conduzindo a uma vida ú l de extensão máxima e uma redução nas necessidades de trocas e modernizações. Devemos lembrar sempre que, apesar de uma vida ú l extensa, sistemas eletrônicos dependem muito de vários fatores para sua operação correta e segura. Os sistemas eletrônicos de usinas nucleares são projetados com elevado nível de exigências as quais devem ser garan das ao longo de todo o tempo de vida das usinas. Apesar disto, sabe-se que os sistemas eletrônicos sofrem processos sico químicos de envelhecimento que podem conduzir a falhas aparentes ou ocultas. O Programa de Monitoração de Confiabilidade de Sistemas Eletrônicos de Segurança visa monitorar o desempenho dos sistemas eletrônicos no decorrer da sua u lização pela usina através da execução de testes predi vos de forma a subsidiar a polí ca de inves mentos da empresa na troca ou modernização destes sistemas. TT Apresentação Oral GANHOS OBTIDOS QUANDO A MANUTENÇÃO PREDITIVA E A PROATIVA SÃO EXECUTADAS EM CONJUNTO SISTEMÁTICA PRO-PRED José Dival Pastor Ramos - Taetech Manutenção Predi va Quando analisamos a evolução tecnológica e organizacional da Manutenção, vemos fases ní das onde predominou a corre va, posteriormente a preven va e por final a predi va. No entanto, as ações chamadas de proa vas (balanceamento, alinhamento e lubrificação) sempre ocorreram em paralelo e de maneira muitas vezes descoordenada. È neste sen do que a sistemá ca Pro-Pred (Predi va + Proa va) propicia condições para execução das tarefas de inspeção (M. Predi va) e Lubrificação (M. Proa va) em conjunto, o mizando recursos e coordenando ações. Para que essa sistemá ca funcione é necessária uma força tarefa inicial (V0) e três pilares de sustentação: RH, Planejamento e Tecnologia. A força tarefa, que chamamos de V0, consiste numa revisão básica em todos os equipamentos para que tenhamos certeza que estão aptos para par cipar do plano de inspeção/lubrificação. A formação do Recurso Humano (RH) passa pelas etapas de treinamento, acompanhamento e auditorias, visando a formação de um novo profissional (Inspetor Proa vo) que reúne um leque de habilidades necessárias para manter os equipamentos operando em condições adequadas. Esta agregação de valor gera mais mo vação e propicia melhores salários. O planejamento tem a missão de gerar um único plano de inspeção/lubrificação que coordene as a vidades eliminando conflitos. Por fim, o pilar tecnológico, tem por obje vo oferecer instrumentos que reúnam recursos de inspeção (vibração, temperatura, etc.), planejamento (rotas, baixas de OS, etc.) e lubrificação (dosagem de graxa). Esta sistemá ca vem sendo aplicada em quatro empresas, há quatro anos, com excelentes resultados no que tange à redução de índice de defeitos e consumo de lubrificantes. TT Apresentação Oral ANÁLISE ECONÔMICA DE PROJETOS ATRAVÉS DE MODELOS ESTOCÁSTICOS SUPORTADOS PELA ENGENHARIA DA CONFIABILIDADE Luiz Cesar da Costa Filho - Reliaso Brasil A engenharia da confiabilidade tem sido muito importante para suportar a tomada de decisões em cenários de incerteza. Integrar as metodologias da engenharia da confiabilidade com as recomendações e requisitos das atuais normas se faz necessário. Esta pesquisa apresenta uma metodologia de como integrar à análise financeira de projetos, estudos sobre o desempenho operacional da planta projetada. A metodologia proposta evidencia a dependência dos indicadores econômicos pelo desempenho operacional dos a vos sicos. TT Apresentação Oral CONFIABILIDADE DOS ATIVOS ATRAVÉS DA IMPLEMENTAÇÃO DE MELHORES PRÁTICAS EM GESTÃO DE PARADAS DE MANUTENÇÃO Daisuke Yamaki - Anglo American Fosfatos Brasil / Jimy Prado Muci de Lima - Anglo American Fosfatos Brasil Thiago da Silva Lopes - Anglo American Fosfatos Brasil Este trabalho tem como obje vo demonstrar as etapas de implementação de melhores prá cas em Gestão de Paradas de Manutenção da Anglo American Fosfatos, um dos líderes de mercado na produção de fer lizantes fosfatados com unidades em Cubatão/SP, Catalão/GO e Ouvidor/GO. A parada programada de manutenção é a a vidade preven va mais importante dentro da gestão de manutenção com o intuito de garan r a confiabilidade e disponibilidade dos a vos crí cos da unidade industrial. A Gestão de Paradas de Manutenção da Anglo American trata a parada de manutenção como projeto com o obje vo de o mizar as a vidades integradas relacionadas a produção, manutenção e cadeia de suprimentos de forma lógica e sustentável. Este trabalho visa descrever as etapas de gestão de paradas de manutenção como formação do comitê da parada, gerenciamento de escopo, gerenciamento de tempo, gerenciamento de custos, gerenciamento de segurança, gerenciamento de riscos, gerenciamento de suprimentos e contratos e gerenciamento de recursos humanos e comunicação. O resultado da aplicação deste processo é a iden ficação do caminho crí co da parada, dimensionamento de mão de obra, planejamento e controle de requisições, iden ficação dos riscos de segurança e riscos ao atendimento do escopo da parada. A Gestão de Paradas de Manutenção é um dos padrões técnicos do programa de gestão de a vos da Anglo American, na qual está alinhado com as diretrizes da empresa na implementação de melhores prá cas. Este trabalho está baseado no sucesso em parada de manutenção ob da na úl ma parada bianual das plantas de ácido sulfúrico e fosfórico no ano de 2014 e resultados significa vos foram alcançados em termos de conformidade com o tempo de parada e atendimento ao escopo e zero lesão, garan ndo a produção de ácidos na campanha atual. TT Apresentação Oral IMPLEMENTAÇÃO E AUTOMAÇÃO DO ENSAIO DE ENVELHECIMENTO ACELERADO EM BARRAS OU BONINAS ESTATÓRICAS NO CENTRO DE TECNOLOGIA DA ELETROBRAS ELETRONORTE Fernando de Souza Brasil - Eletrobras Eletronorte / Jose Adolfo da Silva Sena - Eletrobras Eletronorte Andre Luis Costa França - Eletrobras Eletronorte / Oswaldo Goncalves dos Santos Filho - Eletrobras Eletronorte Ikaro Chaves Barreto de Sousa - Eletrobras Eletronorte O sistema de isolação elétrica de um hidrogerador é estressado durante toda sua vida ú l de operação por efeitos elétricos, térmicos e mecânicos, que são as causas principais de sua degradação. No processo de fabricação destes componentes, uma forma de avaliar a qualidade desta isolação, no que se refere à suportabilidade a condições de altas temperaturas é através do ensaio de Envelhecimento Acelerado, em inglês, Voltage Endurance Tes ng (VET), que segue os requisitos das normas internacionais IEEE Std (R2009) e IEEE Std Este trabalho tem como obje vo geral apresentar o desenvolvimento e a implantação do ensaio de envelhecimento acelerado u lizando tecnologias e instrumentações, disponíveis no Centro de Tecnologia da Eletrobras Eletronorte (LACEN), integrados por um so ware comercial de aquisição de dados. O so ware de integração foi desenvolvido no próprio LACEN u lizando-se a metodologia de Orientação a Objetos. Como bene cios trazidos pelo sistema desenvolvido de automa zação do ensaio destacam-se: a possibilidade de emissão automá ca de relatórios, a possibilidade de supervisão e acompanhamento remoto do ensaio; recebimento de alarmes e no ficações sobre eventos do ensaio através de ; base de tempo única com os eventos ocorridos; melhores condições de segurança do ensaio com a consequente não necessidade de extensão de jornada de trabalho para supervisão, durante a longa duração (400 horas) do ensaio. TT Apresentação Oral MONITORAMENTO MULTI-TÉCNICAS PARA VIRADOR DE VAGÕES Elielton Almeida - Vale / Otair Barbosa - Vale / Ramon More - Acoem Viradores de vagões são equipamentos complexos e crí cos para a operação de transporte e transferência dos minérios. Devido a sua posição estratégica no processo de movimentação do minério, pois toda a produção passa obrigatoriamente por essas máquinas, a determinação de falhas em seu estágio inicial é fundamental para garan r sua disponibilidade e assim evitar perdas que facilmente podem a ngir cifras milionárias. No monitoramento predi vo dos viradores de vagões a u lização de diversas técnicas de inspeção mostrou-se eficaz no acompanhamento da condição dos subconjuntos e da máquina como um todo. Devido às suas caracterís cas operacionais movimento intermitente e descon nuo, com ciclos de curta duração, e rotações rela vamente baixas, o monitoramento da condição torna-se uma tarefa de grande complexidade e um desafio que por muitos anos foi considerado como uma tarefa inviável. Este trabalho apresenta os resultados e as vantagens na u lização de um sistema de monitoramento predi vo on-line através de sensores de vibração e temperatura nos cinco viradores de vagões do pá o de minério da Vale - Porto de Tubarão, em Vitoria-ES, que através da aplicação do conceito de monitoramento mul técnicas demonstrou a eficácia desta sistemá ca. A maior confiabilidade das medições on-line, hoje realizadas de forma con nua, e medições com múl plas técnicas, integrando vibração, temperatura e análise de óleo gerou ganhos da ordem de 1 milhão de dólares em 6 meses. Os ganhos com segurança, re rando o técnico da área de risco, confiabilidade com o controle efe vo da condição do equipamento e a maior capacidade de planejamento das intervenções nos viradores completam os bene cios do monitoramento mul técnicas. TT Apresentação Oral REDUÇÃO DO FATOR DE RISCO RELACIONADO A TRABALHO EM ALTURA NA ÁREA DA FILTRAGEM Ainer Kjaer Pre Zamprogno - Samarco Mineração / Fausto Andrade Melo - Samarco Mineração O trabalho proposto expõe os resultados alcançados com o estudo de redução do fator de risco relacionado a trabalho em altura em uma planta de pelo zação, na área da Filtragem, da empresa Samarco Mineração, unidade industrial de UBU, u lizando análises quan ta vas. Através da implantação de ações geradas neste projeto, obteve-se uma redução na exposição do empregado a a vidades de trabalho em altura, que por sua vez diminuíram o fator de risco cri co relacionado. Neste trabalho será apresentado o modelo de gestão que o comitê do risco crí co relacionado a trabalho em altura u lizou de modo aumentar a interação com o chão de fabrica, as principais ações implementadas ao longo de 2014 que reduziram o fator de risco e trouxe retorno financeiro à organização. TT Apresentação Oral EXCELÊNCIA GLOBAL DA MANUTENÇÃO NA 3M CO. Rafael Guidi Gargan ni - 3m do Brasil / Marcos Cesar de Carvalho - 3m do Brasil Dirceu Americo jr - 3m do Brasil / Leandro Fruhvald Lisatchok - 3m do Brasil A 3M Company é uma mul nacional norte americana com mais de 200 fábricas no mundo, sendo 7 delas no Brasil. Sua variada linha de produtos ao redor do mundo compõe um parque fabril de tecnologias dis ntas para atuar nos mais diversos mercados. Foi neste cenário que surgiu o Grupo de Excelência Global da Manutenção, um me de especialistas para definir boas prá cas de manutenção dentro do próprio universo de negócios. Trabalhar na Manutenção da 3M representa o privilégio de se basear em 12 KPI s globais, padronizados na maneira de medir, com faixas de pontuação que permitem criar um ranking mundial compara vo e reportado a cada trimestre. Cada fábrica tem o obje vo primário de melhorar con nuamente perante si própria, sendo o desafio adicional a capacidade de melhorar acima da média promovendo sua fábrica a uma posição mais elevada do ranking mundial. O grande bene cio desta compe ção saudável é a liberdade de fazer benchmarking com aqueles que estão no topo ou acima no ranking. Este trabalho técnico tem o obje vo de mostrar quais são os 12 KPI s referência e o método padronizado de medi-los. TT Apresentação Oral SISTEMA DE MONITORAMENTO PARA DETECÇÃO DE ANOMALIAS EM MOTORES E GERADORES ELÉTRICOS João Roberto Custodio de Siqueira - Ge Bently Este trabalho apresenta uma tecnologia exclusiva para o aviso prévio de falhas em equipamentos industriais. Esta tecnologia pode ser usada para aumentar a produ vidade e eficiência energé ca, evitando paradas inesperadas e falhas durante a operação de equipamentos. A tecnologia u liza detecção de falhas baseado em modelamento de dados e de diagnós co usando técnicas de iden ficação do sistema e de análise espectral de corrente. Esta tecnologia é u lizada em um sistema de monitoramento de condição de máquinas. Implementação e estudos de caso para algumas indústrias são apresentados. TT Apresentação Oral PERFORMACE OPERACINAL TÉCNICA, DETERMINAÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE MANUTENÇÃO PAUTADA NOS PRINCÍPIOS DE WCM. Reginaldo Andrade de Sousa - Comau do Brasil Este trabalho trata-se de um estudo que define a adoção de uma estratégia de atuação da manutenção profissional em uma planta industrial de um cliente da Comau do Brasil Indústria e Comercio, orientada pelos princípios básicos de WCM, (World class manufacturing). Atuar de maneira sustentável é cada vez mais exigida em qualquer segmento. Na manutenção não seria diferente. Conseguir uma manutenção eficiente, eficaz e ao menor custo, é a estratégia que este trabalho defende. Para tal apresenta uma proposta de atuação da manutenção em duas frentes. Uma, que busca planos de manutenção cada vez mais enxutos e robustos. Outra, a qual se dará mais ênfase neste trabalho, que busca uma ro na diária ideal, a par r da u lização de ferramentas básicas e intermediárias de WCM. O trabalho se inicia com a priorização. Esta etapa estabelece os limites de atuação da equipe de manutenção. Em uma próxima fase, aqui nomeada como sistema zação da manutenção, elabora-se a ro na de atuação diária da equipe de manutenção. Dentro desta, está a u lização da EWO (Work order emergency), ferramenta que reúne conceitos básicos para análise de falhas e requer a aplicação do ciclo PDCA,(Plan, Do, Check, Ac on) para que se tenha êxito em sua aplicação. Por úl mo apresenta a etapa de

8 padronização, a qual é contemplada com a elaboração de um relatório. Este apresenta de forma clara e resumida, a u lização de conceitos como os de: priorização, sistema zação, os resultados e as ações estabelecidas pela equipe de manutenção. Este estudo foi desenvolvido através da aplicação e orientação das etapas intermediárias do pilar de Manutenção Profissional da metodologia WCM e em princípios de Confiabilidade e Gestão de A vos, o que resultou em uma redução significa va das perdas e um correto equilíbrio das vertentes de risco, custo e desempenho. TT Apresentação Oral MELHORIA DO SETUP EM UM PROCESSO PRODUTIVO UTILIZANDO OS PRINCÍPIOS DO SMED Rafael Miguel Sandoz / Carlos de Nardi - Universidade Tecnológica Federal do Paraná - U pr Este trabalho apresenta um estudo realizado em um processo produ vo para redução do tempo médio de setup u lizando os dois primeiros estágios da ferramenta SMED/TRF, criada por Shigeo Shingo nas décadas de 50 e 60. Por solicitação da empresa em que foi desenvolvida esta aplicação do SMED/TRF, não será caracterizado o processo bem como o nome da empresa, porém os resultados apresentados são reais e comprovam a aplicação da metodologia. O processo em que será aplicado o SMED/TRF se dá em uma fábrica de empacotamento e possui caracterís cas especiais, entre elas a mais importante e que foi considerada nas análises, são as BPF - Boas Prá cas de Fabricação, que são fundamentais a fim de garan r a qualidade do produto final. A aplicação do SMED/TRF se dá através dos conceitos da TPM e OEE, que auxiliaram no entendimento e coleta de dados para o desenvolvimento do trabalho. Com o auxílio fundamental de todos par cipantes do processo (supervisores e operadores), aplicando a ferramenta, foi possível a ngir um resultado significa vo de 36% de redução do tempo médio do setup de maior tempo do processo analisado, trazendo resultados e impactos posi vos para toda a fábrica. TT Apresentação Oral MELHORIA DOS RESULTADOS ECONÔMICOS E TÉCNICOS ATRAVÉS DA UTILIZAÇÃO DA ANÁLISE DA CAUSA RAIZ DA FALHA Mauro Lúcio Mar ns - Comau do Brasil / Ailton Carvalho - Comau do Brasil / Wagner Vieira Resende - Comau do Brasil Fabricio Fernandes Silveira - Comau do Brasil / Renato de Paula Moreira - Comau do Brasil / Valney Ferreira de Almeida - Comau do Brasil Janderson Laporais da Silva - Comau do Brasil / Marcelo Leite - Comau do Brasil A manutenção industrial desempenha um papel cada vez mais importante na conquista das metas de produção e melhoria nos indicadores econômicos. O ambiente compe vo atual exige, na maioria das vezes, regimes con nuos de produção, diretamente afetados quando ocorre uma quebra ou parada de equipamentos do processo para se realizar a intervenção. Assim sendo, torna-se fundamental a busca de alterna vas que eliminem as falhas dos equipamentos e, por consequência, as perdas de produção, caso ocorra alguma falha e de extrema importância que a empresa possua uma metodologia consistente de iden ficação da causa raiz da falha bem como a sua eliminação e tratamento do equipamento para que não ocorra a reincidência bem como a expansão da resolução do u lizada para eliminar a causa raiz nas maquinas similares promovendo assim o efeito cascata nos ganhos de produção e melhoria nos resultados econômicos. A busca pelo máximo retorno sobre os a vos do processo produ vo exige instalações industriais com a máxima confiabilidade e disponibilidade para a produção. Um cenário de economia globalizada e altamente compe va exige processos de gestão baseados na plena sa sfação de seus clientes e na qualidade intrínseca dos seus bens ou serviços. Após análise detalhada das falhas iden ficadas com maiores efeitos econômicos iden ficaram-se as principais causas das paradas, com consequente perda de produção, priorizando o tratamento das mais falhas mais significantes vemos como resultado deste trabalho uma melhoria significa va nos indicadores técnicos e econômicos nos comprovando a importância da iden ficação e padronização das falhas dentro de um ambiente de manutenção industrial que, quando bem analisadas e tratadas, podem refle r em ganhos de disponibilidade sica dos equipamentos e máquinas da planta onde implantamos a Análise de falha, consequentemente, aparecendo os reflexos em ganhos de produ vidade e aumento de faturamento da empresa. TT Apresentação Oral UTILIZAÇÃO DE ROBÔ PARA LIMPEZA INTERNA DE REATOR. Leonardo Palomar Carmo Menezes - Vale Fer lizantes / Jorge Carlos Cardoso - Vale Fer lizantes A Vale Fer lizantes atua no setor petroquímico como fabricante de fer lizantes fosfatados e nitrogenados. Neste seguimento são realizados eventos chamados de Paradas Programadas das plantas produ vas para a realização de serviços de limpeza, manutenção e inspeção dos a vos da empresa, tendo como principal obje vo adequar as unidades de produção a mais uma campanha operacional. Como boa prá ca procuramos eliminar os trabalhos sujos, penosos e perigosos, onde, para isso, u lizamos para limpeza interna do reator de ácido fosfórico, robô com comando a distância, eliminando a necessidade de expor os trabalhadores a trabalho em altura, espaço confinado, queda de pedras de gesso incrustadas nas paredes e teto do reator, u lização de ferramentas manuais pesadas, ruído alto, contato com resíduos ácidos, contato com gases, pessoas em excesso no interior do equipamento não projetado para permanência de pessoas, montagem de andaime. Somado ao ganho de segurança com a diminuição do Hh de exposição a riscos que foi de 5610 para 1540 horas, a ngimos outros ganhos como a diminuição do prazo de limpeza do equipamento, realizada anteriormente de forma manual, de 14 dias para 10 dias, impactando no prazo total da parada e aumento da disponibilidade dos equipamentos, assim como, a diminuição dos custos operacionais com a u lização de forma mais barata de realização do serviço de limpeza. O robô é elétrico e operado com controle remoto sem fio do lado exterior do equipamento, possui dimensões pequenas 0,72 metro de Larg. x 1,20 metro de Alt. x 1,5 metro de Compr, permi ndo acesso pela BV do equipamento sem a necessidade de adequações. Opera com braço ar culado com alcance de 6 metros com martelete hidráulico e concha para remoção do resíduo de demolição. Ao final do trabalho realizamos a padronização do memorial descri vo para futuras contratações, replicamos o uso desta nova tecnologia em outros equipamentos e divulgamos para outros sites da Vale Fer lizantes. TT Apresentação Oral AVALIAÇÃO DA REDUÇÃO DE DISPONIBILIDADE DEVIDO ERROS HUMANOS EM ATIVIDADES DE MANUTENÇÃO PREVENTIVA Gabriel Alves da Costa Lima - Aremas / Alberto Magno Teodoro Filho - Aremas As falhas humanas estão presentes em todas as a vidades industriais (mineração, manufatura, etc) bem como em setores sensíveis em termos de segurança como aviação e militar. Tais falhas humanas podem ocorrerem tanto em a vidades de manutenção como de operação. Portanto, avaliar o impacto das falhas humanas sobre os resultados dos planos de manutenção (disponibilidade e custo) torna-se muito importante para a gestão de a vos. A par r da década de 80 com a popularização do RCM passou-se a se ques onar velhos dogmas da manutenção tradicional que visava preservar o equipamento por si só sem considerar suas funções dentro de um sistema. Por exemplo, no passado os usuários seguiam o plano de manutenção recomendado pelo fabricante sem se preocupar que este seja o melhor em termos de obje vos da empresa como disponibilidade e custos. Depois disso, houve-se um grande movimento no sen do de buscar qual a razão específica de cada manutenção e seu obje vo final. Neste contexto, o conceito da curva da banheira passou a ser difundido e usado como ferramenta para se entender e jus ficar as polí cas de manutenção. Esta curva pode considerar o comportamento da taxa instantânea de falha de um componente (como um simples rolamento) ou sistema (como um carro) em 3 fases dis ntas. No início da curva da banheira a taxa instantânea de falha em função do tempo é decrescente. Isso se deve por que à medida que o tempo passa, os defeitos como, por exemplo, erros de montagem e impureza no material param de se manifestar. Esta fase inicial é conhecida como mortalidade infan l. A segunda parte da curva da banheira se refere a taxa instantânea de falha constante. Neste caso o componente ou sistema já está fora da fase de mortalidade infan l, mas ainda está novo. Nessa fase a falha é provocada por eventos que não estão relacionados com o tempo de operação. TT Apresentação Oral COMO ESTRUTURAR A EMPRESA ANTES DE PENSAR NA IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO DE ATIVOS CONFORME ABNT ISO Ricardo Tadeu Meneses Sodré - Arcelormi al Tubarão Principalmente após a crise mundial de 2008, as grandes empresas brasileiras focaram na redução de custo como fator de sobrevivência, buscando manter, em contrapar da a produ vidade e qualidade dos produtos. As normas brasileiras ABNT NBR ISO 55000/1/2, combinam a vidades sistemá cas, coordenadas e prá cas pelas quais uma organização gerencia de forma organizada e sustentável seus a vos tangíveis e intangíveis e sistemas, seu desempenho, bem como seus riscos e custos associados. A norma trata do ciclo completo do a vo, desde a concepção até o seu descarte. A implantação de uma norma deste porte requer compromisso de toda organização, principalmente da alta direção, no intuito de correlacionar os obje vos do negócio com as a vidades de manutenção. O ponto principal é entender que a Manutenção é parte de um ciclo mais amplo que trata de todo o ciclo de vida do a vo, logo a Manutenção está con da dentro da Gestão de A vos. O trabalho visa mostrar de maneira prá ca como a ArcelorMi al Tubarão está se estruturando para uma implantação futura da ABNT NBR ISO 5500X. Tal estruturação engloba a vidades estratégicas, tá cas e operacionais de alto nível visando à elevação da maturidade em Gestão de A vos. TT Apresentação Oral INCREMENTO NA CONFIABILIDADE DE NOVAS UNIDADES INDUSTRIAIS ATRAVÉS DA SINERGIA DAS ÁREAS PROJETO SUPRIMENTO, ENGENHARIA DE CAMPO E OPERAÇÃO Paulo Cesar Ribeiro Porto - Petróleo Brasileiro - Petrobras / Edgar Yoshio Kuwabara - Petróleo Brasileiro - Petrobras Rodneu Saburo de Oliveira - Petróleo Brasileiro - Petrobras / Camila Cardozo Verzenhassi - Petróleo Brasileiro - Petrobras O acompanhamento diferenciado de um projeto industrial de grande porte pelas áreas de Projeto, Suprimento, Engenharia e Operação conferem um elevado grau de confiabilidade aos equipamentos e instalações desde o início de operação. A mentalidade de basear-se apenas nas ferramentas de engenharia, projeto e sistemas de qualidade para garan a de um projeto adequado e conforme após a sua conclusão/início de operação mostrou-se equivocada. Todas estas ferramentas, tais como maquete eletrônica, so wares de modelagem de equipamentos e tubulações, ISO 9001 nos fornecedores e empreiteiras, são susce veis a falha. As modificações de projetos, modificações realizadas durante a etapa de fabricação nos fornecedores, modificações de campo, assim como a possibilidade de não conformidades nestas etapas inserem potenciais riscos nas ferramentas acima listadas que podem comprometer a confiabilidade da planta. A u lização das ferramentas acima citadas, associada à uma equipe sem rota vidade, com alto conhecimento técnico e também do projeto detalhado resultaram em uma elevada confiabilidade durante a par da e operação das unidades onde foi adotada esta prá ca. A atuação de equipe mul disciplinar, associada à correta u lização das ferramentas de engenharia e gestão de projetos resultaram em: - Antecipação de problemas de projeto e montagem; - Redução de retrabalhos durante as etapas de pré-par da e par da da unidade; - Incremento da confiabilidade da unidade/sistemas, com a mi gação das falhas prematuras. TT Apresentação Oral PREVISAO DE DURACAO DE PENUS EM CAMINHOES MINEIROS UTILIZANDO REDES NEURAIS ARTIFICIAIS. Orlando Duran - Pon ficia Universidad Católica de Valparaiso El obje vo de este trabajo es presentar un breve concepto de modelización mediante una Red Neuronal Ar ficial (RNA) para predecir la duración de neumá cos a par r de información histórica. Con esto se logran beneficios para el negocio tales como, evitar fallas, tener un stock mínimo, obtener ganancias económicas al transportar mayor can dad de material, entre otros. TT Apresentação Oral ANÁLISE DA CONFIABILIDADE, DISPONIBILIDADE E MITIGAÇÃO DE FALHAS ELÉTRICAS CAUSADORAS DE EMISSÃO DE PARTICULADOS PROVENIENTES DO PRECIPITADOR ELETROSTÁTICO 4R20PE NA USINA DE PELOTIZAÇÃO N 4 DO COMPLEXO DE TUBARÃO EM VITÓRIA ES. Douglas Gonçalves Rodrigues do Nascimento Os Precipitadores Eletrostá cos são capazes de recolher cerca de 92% das par culas dos gases de escape antes que sejam lançadas ao ar. Também conhecidos como filtros de ar eletrostá cos, os Precipitadores são equipamentos de controle de poluição em fábricas que emitem gases e par culas poluidoras à atmosfera. O processo de extrair as par culas ou poluentes geradas pelo escape de gás das fábricas começa com o processo de ionização, no qual as par culas são eletrosta camente carregadas. As placas de captação ou outros mecanismos de coleta do Precipitador atraem as par culas carregadas, que são neutralizadas antes de serem liberadas para uma tremonha de descarga. Finalmente, um transportador leva as par culas para a área de descarte a fim de que recebam o tratamento adequado. Este trabalho reúne elementos e dados para o estudo e análise da funcionalidade e confiabilidade dos a vos elétricos instalados no Precipitador 4R20PE da Usina N 4 de Pelo zação do Complexo de Tubarão, permi ndo conhecer todos os componentes e equipamentos que, se falharem, poderão provocar emissões visíveis e não visíveis de poluentes na atmosfera. Foram u lizadas ferramentas para Análise de Dados de Vida auxiliadas LDA, cálculo da confiabilidade, WEIBULL Analysis (WEIBULL ++), modelagem de sistemas, equipamentos e plantas por meio do RBD - diagrama de blocos de confiabilidade, além de ferramentas de árvore de falha, FTA - Fault Tree Analysis (BLOCKSIM++). Os resultados dessas análises permi ram avaliar a eficácia da manutenção preven va, e definir a par r das funções dos diversos sistemas ou equipamentos, a melhor estratégia de manutenção para cada componente. APRESENTAÇÕES EM PÔSTER TT Apresentação em Pôster AUMENTO DE CONFIABILIDADE NA INDÚSTRIA QUIMICA Rômulo Alexandre de Vasconcelos Araújo - Acrinor - Grupo Unigel / Denilton Bueno - Acrinor / Edilson Silva - Acrinor A Bomba Centrífuga GA 114 A é uma das bombas responsáveis pelo fluxo de benzeno na planta industrial da Acrinor Filial Grupo Unigel em Camaçari BA, sendo que esta bomba apresentou histórico de falhas de 18 subs tuições do selo mecânico, por mo vo de vazamentos no selo mecânico ocorridos nos período de 3 anos, o que indica uma baixa confiabilidade, pois esta é a duração prevista para que ocorra uma única falha no selo devido ao final da vida ú l deste. Evidenciando se tratar de um modo de falha prematuro, através da aplicação da metodologia estruturada: DEMAIC - 6 Sigma, foram realizadas várias intervenções no sistema de selagem tendo sido iden ficada causas raízes, avaliadas melhorias propostas, testadas e implementadas ações que resultaram no aumento da vida ú l do selo e consequentemente aumento da confiabilidade do equipamento na indústria química. TT Apresentação em Pôster IMPLANTAÇÃO DE PROGRAMA DE MANUTENÇÃO EM VASOS DE PRESSÃO NA UHE TUCURUÍ Gilton Carlos de Andrade Furtado - Eletrobras Eletronorte / Antonio Jorge Nascimento Souza - Eletrobras Eletronorte Este trabalho tem como obje vo mostrar a inicia va de implantação do programa de manutenção em vasos de pressão da Usina Hidrelétrica Tucuruí, destacando os recursos necessários, a documentação correspondente e as técnicas de inspeção adotadas para realização da avaliação estrutural dos vasos, da segurança operacional e controle norma vo. Considerando seu caráter preven vo, o trabalho baseia-se na busca de perdas zero rela vas a multas e no ficações dos órgãos fiscalizadores da usina, eliminação da possibilidade de falhas nos equipamentos e acidentes, fundamentados no conhecimento da condição operacional dos 119 vasos de pressão instalados na Usina. A par r da análise da situação inicial dos vasos de pressão quanto ao estabelecido pela NR13 e normas técnicas da ABNT foram implantadas contramedidas visando sua adequação, como a elaboração do plano de manutenção preven va dos vasos, manual de operação, prontuários, livros de registro e segurança, desenhos mecânicos, e seleção das técnicas de inspeção. A avaliação estrutural do equipamento foi realizada por ultrassom, e a condição da linha de pressão por inspeção visual e detecção de vazamentos. A sistema zação e execução do programa foram realizadas com um custo total de 25% do es mado para realização do serviço por empresa terceirizada, equivalente a 1% dos custos possíveis com multas. Todas as informações rela vas a documentação e evidências do controle da manutenção dos vasos de pressão foram reunidas em página elaborada na intranet da empresa, visando a facilidade de acesso aos técnicos, fiscais e auditores dos órgãos reguladores interessados.

9 TT Apresentação em Pôster MANUTENÇÃO PRODUTIVA TOTAL COMO FERRAMENTA AUXILIAR DAS ATIVIDADES DO TIME DE MANUTENÇÃO MECÂNICA José de Lima Castro Neto - Nufarm Indústria Química e Farmacêu ca / José Alves de Pinho Filho - Nufarm Indústria Química e Farmacêu ca José Germano Pereira de Sousa - Nufarm Indústria Química e Farmacêu ca Este trabalho apresenta os resultados do programa TPM, Total Produc ve Maintenance, customizado e implementado após 02 anos e que foi adaptado exclusivamente para a vidades de manutenção mecânica. Os operadores autônomos atuam com a vidades Predi vas, Preven vas e Corre vas Mecânicas. Os resultados após 24 meses foram fantás cos e, atualmente, cerca de 1/3 das a vidades mecânicas do site são realizadas pelo me de manutenção autônoma. TT Apresentação em Pôster SIMULAÇÃO E RESULTADO DA PROPORÇÃO DO DESALINHAMENTO DE MÁQUINAS Lázaro Junio Ramos de Oliveira - Manserv Montagem e Manutenção / Lucas Tavares de Oliveira - Manserv Montagem e Manutenção Este trabalho foi desenvolvido a par r da necessidade de quan ficar o acréscimo da corrente elétrica em ampéres do motor, comparando-a com o valor em milímetros do desalinhamento do conjunto, Assim foram observados os valores do desalinhamento e o consequente acréscimo de consumo de energia em ampéres do motor.. A técnica de análise de vibração é o método mais eficaz de detectar falhas em equipamentos rota vos sem interromper o processo. U lizando uma bancada de teste composta de motor elétrico de 440 V acoplado a um redutor de velocidade por um acoplamento rígido (WRAPFLEX 5OR); Foram realizados ensaios onde foi provocado o desalinhamento do conjunto acoplado em níveis pré-determinados, em conjunto a realização da medição do consumo do motor em amperes, assim possibilitando a criação de um gráfico comparando desalinhamento x consumo elétrico. TT Apresentação em Pôster METODOLOGIA DE REGENERAÇÃO DE ÓLEO LUBRIFICANTE E SUA VIABILIDADE ECONÔMICA E AMBIENTAL Warlley Souto dos Santos Carneiro - Manserv Montagem e Manutenção / Lucas Tavares de Oliveira - Manserv Montagem e Manutenção O presente trabalho apresenta o processo de regeneração de óleo lubrificante industrial usado nos equipamentos de uma fábrica de fer lizantes da Vale em Uberaba, onde o trabalho de lubrificação e regeneração é coordenado pela equipe da Manserv Manutenção. Além do processo de regeneração, ou seja, do reaproveitamento do óleo usado, o trabalho cita a importância dessa prá ca para a empresa em assuntos econômicos e ambientais. No segundo semestre de 2014, a equipe de lubrificação da Manserv Manutenção processou litros de óleo nesse trabalho de reciclagem, tendo como ganho para o cliente a economia de reposição de óleo lubrificante novo no estoque e redução do passivo ambiental que é gerado pelo descarte do óleo lubrificante usado. TT Apresentação em Pôster PRODUTIVIDADE NA MANUTENÇÃO COMO MEDIR UM CASO DE SUCESSO Luciano Alves Cavalcan - Manserv Montagem e Manutenção Este trabalho mostra um modelo de gestão de acompanhamento da produ vidade equipes de manutenção através da quan ficação dos serviços executados no período. Par ndo-se do pressuposto que produ vidade é sempre uma relação entre o que é produzido e os recursos u lizados para produzir (Produção/Recursos). Foi criado um indicador de medição da produ vidade para equipes de manutenção que consiste quan ficação dos serviços executados (Produção) versus os recursos de mão-de-obra direta empregados para a realização dos mesmos (Recursos). Este indicador foi implantado num contrato de manutenção numa petroquímica onde são avaliadas 14 equipes na especialidade de caldeiraria, compostas por 95 pessoas entre supervisores, encarregados, caldeireiros, encanadores, soldadores, mecânicos de válvulas e ajustadores de válvulas, sendo 75 executantes de linha de frente. As equipes são avaliadas através da taxa de variação deste indicador ao longo do tempo. Tomando-se como referencial a média do indicador no úl mo trimestre de 2014, conseguiu-se um aumento de 22% na produ vidade média das equipes em relação ao primeiro trimestre do mesmo ano. Os resultados foram ob dos com algumas alterações de logís ca, mas principalmente com a mudança de postura da liderança, que dentro de um processo de disputa saudável entre as equipes, tornaram-se pequenos empreendedores, buscando sempre superar as adversidades no sen do de o mizar os tempos disponíveis de suas equipes. TT Apresentação em Pôster REPARO EM FURO DE CALDEIRA AQUATUBULAR COM TUBOS DE MATERIAL X20 Jaques Vitor Mar ns - Manserv Montagem e Manutenção / Kirmair Roldão de Souza - Manserv Montagem e Manutenção Obra, realizamos reparos em caldeiras com planejamento mais apurado e sistêmico reduzindo o tempo de manutenção e excluindo o retrabalho de nosso escopo de trabalho, u lizando de uma mão de obra qualificada e aplicando os procedimentos corretos para corte, preparo e solda das tubulações da caldeira. O reparo em si consolidou-se em uma caldeira de 363 MW, com um material nobre denominado X20 (CrMoV121), ao qual nunca foi sido antes trabalhado, tendo como agravante o seu preparo e a sua soldagem. O aço DIN X20CrMoV 121 (DIN 17175/79 Nº do Material / Mannesmann Data Sheet 432 R) é um aço ligado u lizado para aplicações de temperaturas elevadas e pressões extremas em tubos de troca térmica e tubulações de condução de Vapor Superaquecido e Reaquecido de unidades industriais (Caldeiras, trocadores de calor, etc..). TT Apresentação em Pôster IMPLEMENTAÇÃO CHECK LIST DE FUROS DE CALDEIRA Jaques Vitor Mar ns - Manserv Montagem e Manutenção / Kirmair Roldão de Souza - Manserv Montagem e Manutenção Este trabalho foi desenvolvido em uma usina termelétrica na qual atuamos na manutenção de furos de caldeira. Esta caldeira fornece vapor superaquecido acionando uma turbina que acoplado ao seu eixo aciona, por sua vez, um gerador de eletricidade. Com dificuldade em iden ficar o local, localizar a região do furo e até relatar os materiais dos tubos nas caldeiras, foi criado um check list de furos de caldeira para o Complexo Termelétrico Jorge Lacerda, onde contempla as sete unidades geradoras subdivididas em 4 grupos dis ntos sendo um check list para as unidades consideradas gêmeas univitelinas, que são as unidades 01 e 02, 03 e 04, 05 e 06 e para a irmã única a unidade 07. Esse check list contempla as informação mais detalhadas possíveis e necessárias, para a iden ficação, reparo e confecção de relatórios complementares, atrelados aos furos de caldeira. Neste check list são coletadas informações, tais como: unidade, local da ocorrência, componente da caldeira, modo de contagem dos tubos, po de reparo, material do tubo, po de solda e modo de falha, todos dispostos de modo a não deixar dúvidas de qual componente é cons tuída a caldeira a ser reparada. De certa forma essa ferramenta nos levou a ter uma asser vidade considerável no que diz respeito ao cumprimento dos indicadores de gestão de manutenção (KPI) proposto pela contratada, destes ressalta o indicador qualidade nos relatórios de ordens de serviços e relatórios complementares ambos de furos de caldeira. TT Apresentação em Pôster VISY PAPER BACK TO BASICS, FORWARD TO WORLD CLASS Suzy Hitchcock Icml / lee Taylor - Visy Paper In today s world we are indoctrinated with the belief that more is be er, more expensive must mean higher results, more complicated must means higher quality and other such no ons. This refreshing case study about ICML s winner of the John R. Ba le Award shows how back to basics and keeping it simple can yield tremendous results in the reliability journey. This paper will walk you through how Visy Paper s Gibson Island Plant in Australia turned simple, good ol fashioned TLC into an award-winning program, yielding unbelievably high bo om dollars results and ensuring the needed buy-in for their reliability effort as a whole. TT Apresentação em Pôster MANUTENÇÃO DE ESTABELECIMENTO ASSISTENCIAL DE SAÚDE(EAS): CHAVE PARA A SOBREVIVÊNCIA E A ECONO MICIDADE José Mauro Carrilho Guimarães - Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro A gerência e manutenção da infraestrutura sica dos estabelecimentos assistenciais de saúde da rede pública tem sido deficitária, pois, entre outras razões, nem sempre as etapas básicas do processo de desenvolvimento gerencial são ar culadas entre o planejamento, o projeto, a execução e a manutenção. É inques onável a dificuldade que as gerências dos serviços de saúde do país enfrentam para iden ficar e conduzir processos sistemá cos de planejamento, administração e avaliação do desenvolvimento da infraestrutura dos serviços de saúde, processos estes entendidos enquanto a conjugação de recursos humanos, sicos e tecnológicos u lizando critérios de racionalidade e confiabilidade na análise da situação e na tomada de decisões. Analiso as polí cas públicas de saúde na área da Manutenção Hospitalar na Administração Pública a par r de minha trajetória e atribuições profissionais. A despeito de algumas intervenções a carência de recursos humanos habilitados para a gerência e manutenção desse arsenal tecnológico, envolvendo edificações e equipamentos hospitalares, aliados à prá ca da terceirização dos serviços, muitas das vezes com custos exorbitantes e sem acompanhamento de controle de qualidade dos mesmos, torna a rede prestadora de serviço de saúde desigual, com desperdícios de recursos financeiros e em muitos casos negligenciando o gerenciamento e gestão do ambiente hospitalar. TT Apresentação em Pôster SEIS PASSOS QUE VIABILIZAM MUDANÇAS NO MODELO DE GESTÃO DO DESEMPENHO DE ATIVOS, NA ABORDAGEM DA NEUROGESTÃO Otavino Alves da Silva - Geyce Consultoria Econômica O modelo de gestão de a vos que privilegia o gerenciamento de custos e que ignora a neurogestão está esgotado. Sua metodologia mecanicista é resolu va apenas quanto à contenção de gastos. O objeto deste estudo é a fisiologia do desempenho de a vos sob a ó ca da neurogestão, tendo por obje vo a convergência de métodos, sistemas e ferramentas dispersos na literatura para criação de um perfil de modelo de gestão que maximize e o mize o desempenho de a vos. Vêm surgindo novas tecnologias e novos equipamentos estão sendo lançados no mercado para atender mudanças que vêm ocorrendo no perfil demográfico, social e cultural dos consumidores; no entanto, a gestão dessas tecnologias e desses equipamentos ainda se prende a conceitos e modelos mecanicistas. O modelo aqui proposto é inspirado no Círculo Virtuoso dos Valores Focados de Schwartz em sincronia com as ferramentas Canvas e Design Thinking. TT Apresentação em Pôster SISTEMA DE GESTÃO DE PROCESSO DE TRABALHO DE EXCELÊNCIA COM SEGURANÇA E EFICIÊNCIA INTEGRADOS E MONITORAMENTO DE RISCOS Washington Pinheiro Chagas - Dnv Gl O trabalho proposto neste documento visa a construção de um modelo estruturado para um Sistema de Gestão de Processo de Trabalho de Excelência com Segurança e Eficiência Integrados, englobando o Monitoramento de Riscos, que compreende tanto a criação de uma nova e efe va cultura de segurança e valorização da vida, quanto a construção ou aprimoramento dos procedimentos e recursos técnicos necessários para a realização de todas as a vidades de campo desempenhadas por uma concessionária de energia elétrica. Para tal, são propostas formas inovadoras para o uso de ferramentas existentes de gestão de risco e de a vos aplicadas aos recursos humanos. Como resultado, é esperada significa va melhoria dos processos, além de uma mudança do comportamento e implantação de ferramentas que agregam um valor significa vo em termos de diminuição de acidentes e mudança cultural, gerando um impacto posi vo nos indicadores da empresa onde é implantado, não apenas de segurança, mas também em seus índices de confiabilidade e eficiência. TT Apresentação em Pôster DISPOSITIVO PARA SUBSTITUIÇÃO E ENROLAMENTO DE CORREIAS Geovaldo Ferreira da Silva - Manserv Montagem e Manutenção / Aloísio Fernando de Freitas - Manserv Montagem e Manutenção Gerson Carlos Leal de Lima - Manserv Montagem e Manutenção Quando se trabalha em um po de processo industrial onde os equipamentos são projetados para atender especificamente a realidade desse processo, é necessário a confecção de disposi vos especiais para implantação de melhorias. É o caso da subs tuição das correias transportadoras na unidade de britagem e peneiramento de pedras de xisto. Como essas correias são de grandes dimensões, não existe no mercado um equipamento para facilitar a subs tuição e o enrolamento das mesmas. O procedimento adotado era manual com a u lização de um for. Exigia uma grande quan dade de mão de obra devido ao peso dessa correia e o tempo necessário da a vidade variava entre doze e quinze horas. Havia o risco de acidente devido à tensão al ssima existente no for e o grande esforço sico necessário, e o custo era extremamente alto, dada a grande quan dade de homem-hora u lizada. Visando o mizar essa tarefa, foi projetado e confeccionado um disposi vo facilitador. Esse disposi vo trabalha simultaneamente com a correia que será re rada e a nova que será colocada. As correias são grampeadas uma a outra e colocadas no disposi vo. Esse é acionado de maneira que traciona a correia a ser re rada para ser enrolada nele ao mesmo tempo em que vai colocando a correia nova no local. Com a u lização desse disposi vo, o tempo da tarefa reduziu para duas a três horas, diminuiu o número de pessoas envolvidas e também o risco de acidente (não há mais uma grande tensão no for e nem um alto esforço sico das pessoas envolvidas. Além de que o custo da tarefa se tornou cerca 10% do que era (referente à mão de obra u lizada). TT Apresentação em Pôster MODIFICAÇÃO DO SISTEMA ELÉTRICO PARA PARA MOVIMENTAÇÃO DE PONTES ROLANTES Geovaldo Ferreira da Silva - Manserv Montagem e Manutenção / Aloísio Fernando de Freitas - Manserv Montagem e Manutenção No processo de extração do óleo do xisto, as pedras são extraídas da mina e transportadas até a etapa de britagem e peneiramento, onde o obje vo é produzir minério granulado, com dimensões de 11mm a 85mm. A britagem ocorre em três estágios, o primário em um britador giratório e o secundário e terciário em um britador de cone. Esses britadores possuem peças de até cinquenta toneladas, e para movimentação das mesmas são u lizadas pontes rolantes, instaladas no teto dos barracões onde se localizam os britadores. Devido a movimentar peças extremamente pesadas, todo o sistema de pontes rolantes deve ser o mais confiável possível, pois acidentes causados podem gerar danos enormes tanto na parte de segurança quanto em danos nos materiais envolvidos. Visando isso é que foi feito um estudo para modificar o sistema elétrico das pontes rolantes. Esse an gamente era por barramento, o que causava alguns problemas. Como no processo da britagem é produzido muito pó, e esse caia em cima do contato, acabava isolando eletricamente o mesmo, impedindo a movimentação da ponte. O risco de choque elétrico que esse já oferecia devido ao contato era alto, pois no mesmo era comum ocorrer faiscamento. Como solução técnica viável, foi instalado um sistema de transporte por esteira porta cabos. Essa melhoria aumentou a confiabilidade do processo de movimentação da ponte, devido à minimização da deposição de pó sobre o mesmo, evitando causar isolamento elétrico, eliminou também os riscos de choque elétrico e facilitou a posterior automa zação das pontes rolantes. TT Apresentação em Pôster SISTEMA DE REDUÇÃO DE POEIRA NA BRITAGEM Geovaldo Ferreira da Silva - Manserv Montagem e Manutenção / Aloísio Fernando de Freitas - Manserv Montagem e Manutenção Gerson Carlos Leal de Lima - Manserv Montagem e Manutenção No processo de extração do óleo do xisto, existe a etapa de britagem das pedras de xisto. Essa etapa tem o obje vo de produzir minério granulado, bitolado entre 11mm e 85mm. O processo da britagem ocorre em três estágios, o primário em um britador giratório e o secundário e terciário em um britador de cone. Durante o processo nos britadores é gerado uma grande quan dade de poeira de pedra de xisto. Essa poeira ao ser inalada gera, com o tempo, problemas respiratórios. Visando reduzir essa exposição aos trabalhadores do local e também as regiões vizinhas ao processo, visto que essa poeira se espalha facilmente devido a ser um par culado bem fino, foi desenvolvido um estudo para criação de um sistema que reduzisse o espalhamento da poeira. A equipe técnica responsável pela melhoria verificou uma grande dificuldade em reduzir a geração da poeira no processo, então decidiu em desenvolver um disposi vo que impedisse que a mesma se espalhasse. Como solução técnica foi instalado um motor turbofan no local com um ven lador que sopra ar por uma tubulação. Esse ar passa por um sistema onde é injetado água, e assim é borrifado uma grande quan dade de go culas de água sob o local da saída da poeira, que se juntam ao par culado de pó, ocasionando a precipitação deste no local. Depois de instalado esse disposi vo não foi mais necessário o uso de máscaras respiratórias no local e houve uma melhora na limpeza do ambiente.

10 TT Apresentação em Pôster GANHOS NA SUBSTITUIÇÃO DOS VARIADORES DE DE VELOCIDADE POR INVERSORES DE FREQUÊNCIA Geovaldo Ferreira da Silva - Manserv Montagem e Manutenção / Aloísio Fernando de Freitas - Manserv Montagem e Manutenção Gerson Carlos Leal de Lima - Manserv Montagem e Manutenção / Gerson Luiz Cardoso Ormianin - Manserv Montagem e Manutenção Visando a o mização dos processos de produção na indústria é necessário sempre a busca de melhoria con nua nos mesmos. A escolha de equipamentos gargalos no processo para a implantação dessas melhorias é uma metodologia muito u lizada. É o caso da empilhadeira retomadora no processo de produção de óleo de xisto. Esse equipamento é que realiza a mistura de pedras de xisto com dois pos de concentração de óleo (7,5% da massa e 11,5%), visando obter ao final a concentração ideal (9,0%) para a con nuidade do processo. Para um aumento da produ vidade desse equipamento foi subs tuído o conversor de frequência de corrente alternada para corrente con nua por inversores de freqüência. Essa modificação gerou ganhos em quatro subfunções do equipamento no processo. Na translação do carro de par da: esse necessita ser mais rápido nas pontas e mais devagar no meio, visto que as pedras são empilhadas em formato de pirâmide e assim a concentração de pedras aumenta das pontas para o meio. Na movimentação da roda de caçamba: antes na par da dessas havia um pico de esforço necessário, o que aumentava a temperatura do relé e ocasionava queima do mesmo e parado da roda de caçamba. Agora com o aumento gradual do esforço esse problema não ocorre. No enrolador de cabo de força de comando: com o controle da velocidade não ocorre mais o enrolamento dos cabos no chão e a eliminou a chance da retomadora passar por cima dos mesmos, parando o processo, gerando trabalho e custo de re rada e subs tuição dos cabos. No truck de avanço: é possível aumentar a velocidade na troca de pilhas e no avanço da retomagem, não necessitando mais do uso de pás carregadeiras no processo. Essas modificações aumentaram a disponibilidade do equipamento no processo e reduziram os custos de operação, manutenção e materiais para o mesmo. TT Apresentação em Pôster SISTEMA DE GESTÃO DE MANUTENÇÃO E PROCESSO VIA WEB Jailton Aparecido Ribeiro da Silva - Manserv Montagem e Manutenção O Sistema de Gestão Via Web é acessível de qualquer lugar com segurança e com excelente desempenho. Fornece suporte às a vidades Administra vas, Manutenção e Operacional. Dentre as inúmeras soluções de Sistema Web, destacam-se as implantações do Sistema de Gestão WEB Online para Empresas. O detalhamento dos dados e informações do Sistema propõe agilidade aos seus usuários e aos seus gestores para tomadas de decisões rápidas, o que se traduz em uma vantagem compe va da empresa. Foi u lizado o que existe de mais atualizado em termos tecnológicos, com processos seguros e aprovados por inúmeros profissionais dos mais diversos setores. O obje vo é de fornecer um Sistema de qualidade baseado nas boas prá cas de Gestão, onde nossos Colaboradores e Clientes possuam uma ferramenta que controle e o auxiliem na Gestão da Empresa. Desenvolvido sobre um banco de dados centralizado, o Sistema de Gestão consolida todas as operações da organização em um único sistema, que pode residir em um servidor centralizado, ser distribuído em unidades de hardware autônomas em rede local ou ser hospedado remotamente via web. TT Apresentação em Pôster SISTEMATIZAÇÃO NO PROCESSO DE GESTÃO DE ANDAIMES Luiz Fernando de Almeida - Manserv Montagem e Manutenção / Jean Borges Siqueira - Manserv Montagem e Manutenção Par ndo do pressuposto de que são necessários inúmeros tubos, tábuas, abraçadeiras e outros itens para garan r a montagem de andaimes por todo o complexo industrial da planta química de Uberaba, é necessária uma contabilização de tais peças para se assegurar da con nua demanda por armações. O trabalho baseado apenas em noções do que há em estoque eleva os custos e limita substancialmente a longevidade de materiais. A quan dade elevada de peças atrelada às várias a vidades executadas diariamente, sugere uma necessidade por excesso de organização que não pode ser facilmente alcançada. Com tantos processos envolvidos, os números são perdidos enquanto os montadores se preparam para os trabalhos sequentes. Este estudo caracteriza-se no por que e como a planilha de controle de andaimes fixa novos parâmetros na importância da aquisição, montagem, desmontagem e descarte de materiais, a qual é efe vada a par r de retornos de informações de campo para demonstrar o que há de fato para ser u lizado. Ao considerar todas as situações reais, esse controle atua como um guia para futuras a vidades e mantém um histórico de dados. Entretanto, requer uma atenção constante além da concepção do que a planilha representa perante todos os trabalhos que são dependentes de andaimes. TT Apresentação em Pôster ANÁLISE DE FALHA EM UM SOPRADOR TRILOBULAR DE DESLOCAMENTO POSITIVO Bernardo Kolemper Neto - Manserv Montagem e Manutenção / Lucas Vargas - Manserv Montagem e Manutenção Na ETE (Estação de Tratamento de Efluentes) o tratamento ideal para cada po de efluente é indicado de acordo com sua carga poluidora e presença dos seus contaminantes. Especialistas avaliam e realizam a coleta de amostras para análise de diversos parâmetros que representam a carga orgânica e a carga tóxica dos efluentes. Os processos de tratamento são classificados em sicos, químicos e biológicos, conforme a natureza dos poluentes a serem removidos e das operações unitárias u lizadas para o tratamento. Em uma indústria fabricante de ferramentas na qual prestamos serviços de manutenção existem três tratamentos de ETE: o de efluentes com óleo, o tratamento sico-químico e o biológico. A oxigenação dos tanques biológicos da ETE é realizada por um soprador trilobular de deslocamento posi vo, sendo que se esse equipamento falhar o processo de tratamento biológico é interrompido. Após uma falha nesse equipamento, foi realizado uma análise de falhas, u lizando ferramentas de qualidade como 5 porquês, diagrama de causa e efeito, G.U.T (Gravidade Urgência Tendência) e brainstorming. Depois de realizada a análise, em que a causa raiz encontrada foi à quebra de retenção da coluna d água, foi tomada uma ação imediata e elaborado uma plano de ação baseado no modelo 5W2H. Todas as ações foram transformadas em ordens de serviço para garan r a execução das mesmas e não deixar a ação temporária como defini va. Executado o plano de ação, o soprador trilocular está há mais de seis meses sem apresentar falhas. TT Apresentação em Pôster APLICAÇÃO DE FMEA DETERMINANDO A A CAUSA RAIZ DAS QUEDAS DE ENERGIA ELÉTRICA NAS SUBESTAÇÕES Bernardo Kolemper Neto - Manserv Montagem e Manutenção / Lucas Vargas - Manserv Montagem e Manutenção Em função do cenário econômico das grandes empresas, a forma mais consistente da busca de maior compe vidade voltado ao mercado com melhores serviços e valor agregado, é através da melhoria con nua com as ferramentas da qualidade para um maior nível de excelência. Sendo que uma das técnicas mais u lizadas atualmente é o FMEA. O FMEA (Failure Modes and Effect Analysis) significa análise do modo e efeito de falha sendo uma ferramenta u lizada para aumentar a confiabilidade do processo em um sistema. Ou seja, é um estudo sistemá co e estruturado de possíveis falhas que ocorrem em qualquer parte de um sistema para podermos iden ficar o efeito provável que causou no equipamento e determinar ações a serem tomadas, eliminando ou reduzindo a probabilidade de que as mesmas ocorram, evitando então, consequências severas. Para u lização do FMEA é preciso ter profissionais capacitados, que saibam seguir a metodologia empregando técnicas para proporcionar melhorias de processos ou de produtos. Fizemos a aplicação da ferramenta FMEA na subestação em uma fábrica de ferramentas para jardinagem. Para isto, foi levantado um estudo dos componentes crí cos, sendo avaliados por uma pontuação de cri cidade, avaliada pela equipe de manutenção da parte elétrica, para análise dos riscos com uma classificação da gravidade das possíveis falhas. Sendo que houve problemas no abastecimento de energia na fábrica, por culpa da transmissão e/ou distribuição de energia com paradas nos geradores. A causa dessas falhas foi iden ficada, por culpa de faltas de procedimentos para segurança e equipamentos inapropriados para reabastecimento de energia, falta de alimentação elétrica para o funcionamento total dos equipamentos. As ações implantadas para solucionar estes problemas foram à elaboração de procedimento de como agir em situações de emergência, rotas de inspeção e testes elétricos. TT Apresentação em Pôster PROJETO CAPITÃO EM AÇÃO Mauro Toledo - Manserv Montagem e Manutenção A importância da segurança no mercado de manutenção não é novidade, no entanto, o diferencial deste trabalho é a par cipação ob da de toda equipe, um comprome mento não encontrado em outras ações. A técnica Capitão em Ação tem por obje vo fazer com que o Líder de cada equipe indique representante para ser o Capitão durante duas semanas, fazendo que os conceitos sejam melhores assimilados. É importante que haja uma alternância de colaborador, possibilitando que todos tenham a oportunidade de crescimento, pessoal e profissional, ao exercer a função de Capitão. O projeto é de grande notoriedade, pois através da implantação do mesmo foram geradas reduções de 50% no indicador de Taxa de Frequência com ou sem afastamento em Proporcionou também uma confiabilidade entre empresa e cliente, e o que é de grande importância para se ter um ambiente mais seguro e livre de acidentes. TT Apresentação em Pôster MÉTODO CUMBUCA VOLTADO AO NÍVEL DE CONHECIMENTO DA EQUIPE DE MANUTENÇÃO Davi Prado da Rosa - Manserv Montagem e Manutenção Este trabalho visa demonstrar de uma forma rápida, simples e com um custo reduzido a possibilidade de desenvolvimento das equipes de manutenção u lizando o método da cumbuca, tornando possível por um curto período de tempo elevar o nível de conhecimento das pessoas com assuntos que sejam extremamente complexos nas áreas de serviço. O método de cumbuca oferece condições de proporcionar a troca de experiência em um grupo de pessoas através de uma discussão rápida de um determinado assunto onde todos da equipe podem par cipar e trazer para o grupo a sua experiência com relação ao tema abordado. TT Apresentação em Pôster MODIFICAÇÃO DE LUBRIFICANTE COM REDUÇÃO DOS CUSTOS DE MANUTENÇÃO EM ENGRENAGENS DE GRANDE PORTE Lucas Tavares de Oliveira - Manserv Montagem e Manutenção / Warlley Souto dos Santos Carneiro - Manserv Montagem e Manutenção No mercado compe vo as empresas buscam técnicas e recursos para redução de custo, isso faz com que reduzem o custo de produção. A Manserv Manutenção como empresa prestadora de serviços busca esse resultado junto ao cliente como relata o presente estudo. A Manserv Manutenção junto com parceiros buscou uma alterna va para reduzir o custo de manutenção na conservação das engrenagens de grande porte u lizadas para transmissão dos tambores rota vos de uma planta química em Uberaba-MG. Para soluções em redução de custos, não basta apenas procurar por materiais com baixo valor e que atendem o processo, muitas das vezes o foco e qualidade e resultado. O trabalho foi desenvolvido através da subs tuição do lubrificante u lizado na conservação das engrenagens. TT Apresentação em Pôster SISTEMATIZAÇÃO INCORPORADA DO CONTROLE DE EQUIPAMENTOS EM OFICINA MECÂNICA DE DE SUBCONJUNTOS MECÂNICOS Luiz Fernando de Almeida - Manserv Montagem e Manutenção / Jean Borges Siqueira - Manserv Montagem e Manutenção A implantação de uma planilha de controle de equipamentos surgiu da filosofia kanban absorvida pela gestão de melhoria con nua e incorporada pela oficina de subconjuntos de uma planta química de Uberaba-MG para a condução do fluxo de equipamentos. O novo processo de controle demonstra os ganhos e desafios gerados por essa sistema zação, estabelecendo as etapas de entrada, planejamento, análise, recuperação e saída do equipamento. O reflexo da planilha para a busca de melhorias con nuas e confiabilidade acentua o foco de tal filosofia para caracterização de uma cultura permanente. TT Apresentação em Pôster GESTÃO DAS 48 HORAS DA MANUTENÇÃO COM FOCO EM ANÁLISE DE FALHAS E ELABORAÇÃO DE PLANOS DE MANUTENÇÃO PREVENTIVA José Ricardo Wenchenck de Carvalho - Manserv Montagem e Manutenção Tendo em vista o constante conflito entre as equipes de manutenção e produ-ção, devido ao fato de termos dificuldade de disponibilização dos equipamentos para executar a vidades de manutenção preven va, foi implantado um sistema de gestão da manutenção com foco em análise de falhas e elaboração de pla-nos de manutenção preven va, que acontece em um encontro diário com a par cipação da equipe de manutenção e produção. A este encontro demos o nome de Reunião de 48 horas onde analisamos os problemas ocorridos no dia anterior (úl mas 24 horas) e planejamos as próxi-mas a vidades para o dia atual (próximas 24 horas). Como resultados desse encontro são gerados planos de manutenção preven -va compar lhados com mantenedores e operadores. Estes planos contemplam a interface entre segurança, qualidade e produ vidade (manutenção de classe mundial). Para garan r o funcionamento deste método de trabalho atribuímos para cada integrante da reunião uma responsabilidade específica, de acordo com a sua função dentro do processo. Engenharia de manutenção: Gestão dos indicadores de manutenção (MTBF, MTTR, disponibilidade téc-nica) e compar lhamento dos resultados com os demais integrantes da equipe; Coordenação técnica do me de trabalho, propondo ações para os proble-mas iden ficados (análises de falhas). Análise das falhas dos equipamentos e componentes crí cos( sinais fracos); Suporte Técnico na análise das falhas; Acompanhamento e suporte técnico para garan r a aplicação da contrame-dida; Suporte na elaboração de planos de manutenção preven va; Iden ficação dos pontos crí cos (baixa produ vidade) nas frentes de traba-lho. Planejamento: Responsável pela programação e planejamento da contramedida; Interface com as equipes de produção e engenharia de manutenção. Representante do cliente: Levantamento dos sinais fracos do processo (necessidades de intervenção da manutenção); Monitoramento da implantação da contramedida. TT Apresentação em Pôster ANÁLISE DO MAGNETISMO EM UMA PLANTA INDUSTRIAL Hercules de Souza - Base Naval de Aratu, Marinha do Brasil Com a crescente sofis cação técnica e de equipamentos, tem aumentado a preocupação com os efeitos de campos magné cos sobre instalações industriais. Esses campos magné cos fazem surgir em equipamentos rota vos, tais como, turbo máquinas, as chamadas correntes eletromagné cas. Esses campos podem ser originados através de vários fatores dos quais se podem destacar os processos de soldagem, ferramentas, guinchos e bases magné cas u lizados na fabricação e manutenção dos equipamentos, as caracterís cas de funcionamento do equipamento com alguma fonte de campo magné co agindo nas proximidades da máquina e até mesmo a orientação do equipamento com relação ao campo geomagné co local. Portanto esse ar go aborda a importância da verificação e controle magné co dos equipamentos e máquinas que comporão uma planta industrial, bem como a análise prévia do posicionamento dessa planta em relação ao geomagne smo local. Em muitos casos, a inobservância dessas caracterís cas podem afetar o desempenho dessa planta no sen do que o magne smo dos equipamentos ferromagné cos e a incidência constante do campo geomagné co sobre essa planta farão com que ocorram desgastes em seus componentes alterando suas caracterís cas operacionais e consequentemente reduzindo sua vida ú l, exigindo assim, um maior número de paradas para manutenção. TT Apresentação em Pôster AVALIAÇÃO DE TREINAMENTOS ATRAVÉS DA ELABORAÇÃO DE PROJETOS KAIZENS Ericson Luiz Canato - Manserv Montagem e Manutenção O obje vo deste trabalho é avaliar os treinamentos realizados, demonstrando a u lização de ferramentas de melhorias focadas na solução de temas específicos e iden ficáveis, que se propõe a obter um resultado em curto prazo, com um elevado bene cio, em termos de redução de custos devido às perdas e aos desperdícios. Demonstrando aplicação de técnicas, instrumentos específicos para a solução de problemas de dificuldade crescente, em relação à complexidade das causas dos desperdícios e das perdas a ser removidas. U liza a lógica da melhoria focada, de acordo com a qual, diante de um problema, entendido como um desvio em relação

11 a um padrão, não se limita a especificar uma solução de bloqueio, mas se instaura um ciclo determinado a especificar as causas e a removê-las defini vamente para reestruturar o padrão ou para inovar por meio da adoção de um novo padrão. De acordo com o po de problema escolhido para ser confrontado, são selecionadas as técnicas de Melhoria Focada mais apropriada (Quik / Standard Kaizen, Major / Advanced Kaizen). Recorrendo caso por caso aos instrumentos de base (Análise 4M, 5 Whys, 5W+1H etc). Onde conceitos são sempre baseados através do ciclo PDCA. A aplicação deste método vai proporcionar ferramentas ideais para um alto desempenho com um melhor custo, pois este trabalho que se baseia no combate sistemá co de cada po de desperdício e perda. TT Apresentação em Pôster OTIMIZAÇÃO DA UTILIZAÇÃO DA VERBA DE CUSTEIO DA MANUTENÇÃO DOS MOTORES DE TRAÇÃO DAS COMPOSIÇÕES DO METRÔ DO RECIFE, FUNDAMENTADA NOS CONCEITOS DA ENGENHARIA DA CONFIABILIDADE Adalberto Nunes de Siqueira - CBTU-STU REC Metrorec / Ricardo Beltrao Esberard - CBTU-STU REC Metrorec Roberval Guedes Peixoto - CBTU-STU REC Metrorec / Roberto Eugenio do Nascimento - CBTU-STU REC Metrorec José Flávio Spíndola - CBTU-STU REC Metrorec / Sílvio Barbosa Demelo - CBTU-STU REC Metrorec Neste trabalho apresentamos a solução adotada pelo Metrô do Recife para enfrentar um dos principais desafios enfrentados pela manutenção do Metrô do Recife, que é garan r a confiabilidade dos motores de tração das 25 composições da sua frota an ga. O comprome mento da confiabilidade destes motores tem se agravado por serem alimentados em corrente con nua e estarem subme dos a um regime de trabalho inadequado (operando com distâncias pequenas entre estações, quanto foram projetados para estações mais distantes). A repercussão nega va decorrente da baixa confiabilidade destes motores pode ser constatada pelo fato de que se considerarmos o conjunto formado pelas falhas que exigem a troca da composição na operação comercial, 43% estão relacionadas ao subsistema responsável pela cadeia de tração e frenagem, sendo que destas, 67% são originadas especificamente no motor de tração. Neste estudo, apresentamos a solução adotada pelo Metrô do Recife que, a par r de algumas mudanças na concepção do rejuvenescimento (obedecendo a conceitos da engenharia da confiabilidade), permi u reduzir o preço para R$ ,00 por motor (contrato de 2014 para rejuvenescimento de 36 motores), mantendo a mesma garan a de um ano, propiciando ainda a aquisição de bobinas novas para mais 12 motores e a contratação da recuperação de mais 10 armaduras com o montante de R$ ,00. Palavras Chaves: o mização, custeio, motores de tração, confiabilidade. TT Apresentação em Pôster AUMENTO DA VIDA ÚTIL DOS MOTORES DIESEL CATERPILLAR C15 Francisco Teixeira Neto - Anglogold Ashan Brasil / Alysson Ricardo Bosso - Anglogold Ashan Brasil Celso Arruda Gundim - Anglogold Ashan Brasil / Afrânio dos Santos - Anglogold Ashan Brasil Em 2011, iniciamos um estudo para aumento de vida dos motores Diesel C15 que equipam a frota de caminhões AD30. O alto custo de aquisição dos motores, o tempo de entrega dos componentes e a importância da frota de equipamentos AD30 no nosso processo produ vo, além de uma menor complexidade na implantação das ações, foram os fatores preponderantes na escolha da frota a ser trabalhada. As bases para este estudo foram: O programa de análise de óleo, o monitoramento do desempenho e as Inspeções durante a desmontagem dos motores falhados / subs tuídos por fim de vida ú l, com a finalidade de detectar falhas prematuras. O Projeto contou com a par cipação do Dealer Caterpillar, promovendo a capacitação dos envolvidos com o programa de análises de óleo e na execução das avaliações técnicas de desempenho. À Mineração Serra Grande coube às inspeções dimensionais para iden ficar o nível de desgastes das partes móveis e as avalições das causas das falhas dos componentes do motor. TT Apresentação em Pôster APLICAÇÃO DO MÉTODO DE ANÁLISE DE MODOS DE FALHA E EFEITOS FMEA NOS MOTORES DE TRAÇÃO DO TREM UNIDADE ELÉTRICO DA EMPRESA METROREC Adalberto Nunes de Siqueira - CBTU-STU REC Metrorec / Ricardo Beltrao Esberard - CBTU-STU REC Metrorec Silas Gonzaga Tenório - CBTU-STU REC Metrorec / Roberval Guedes Peixoto - CBTU-STU REC Metrorec Roberto Eugenio do Nascimento - CBTU-STU REC Metrorec / José Flávio Spíndola - CBTU-STU REC Metrorec Este estudo tem por obje vo mostrar quais são os modos de falhas que apresentam maiores riscos para o motor de tração, que se configura como um componente fundamental para a operação do Trem Unidade Elétrico (TUE), da empresa Metroviária do Recife (METROREC). Os procedimentos foram realizados através da aplicação de uma ferramenta de grande importância e eficiência u lizada na engenharia da manutenção. Essa ferramenta é conhecida como Análise de Modos de Falhas e Efeito ou FMEA, da sua sigla em inglês Failure Mode and Effects Analysis e propicia subsídios aos gestores durante a tomada de decisões rela vas à implementação de melhorias de processos e controles de modo a propiciar uma melhora na confiabilidade dos equipamentos. Este estudo, fundamentado nos trabalho de Tenório (2014), foi realizado porque nos úl mos anos a qualidade, a confiabilidade e a disponibilidade dos TUE s tornaram-se cada vez mais exigidos, já que o número de usuários aumentou significa vamente. Porém, o fato dos motores de tração da frota an ga do Metrô do Recife estarem subme dos a um regime de trabalho inadequado (operam em distâncias pequenas entre estações, quanto foram projetados para estações mais distantes), tem originado inúmeras falhas que comprometem a disponibilidade dos TUE s. De acordo com os cálculos realizados durante o estudo, verifica-se que o campo aberto é o modo de falha que possui maior risco para o motor de tração, seguido do curto de armadura/interpolo e do baixo isolamento de campo. Durante o trabalho, foram propostas melhorias nos procedimentos de preven vas e nos processos de manutenção no sen do de aumentar a confiabilidade do equipamento. Esse estudo mostrou que o FMEA é uma excelente ferramenta na área da gestão da manutenção, comprovada pela sua eficácia no estudo com os motores de tração, podendo ser aplicada em estudos futuros, inclusive em outros subsistemas do TUE. TT Apresentação em Pôster ANÁLISE DE EFICIÊNCIA GLOBAL EM SISTEMAS DE COGERAÇÃO UTILIZANDO OEE E CONCEITOS TERMODINÂMICOS José Ronaldo Silveira Júnior - CEFET MG - Centro Federal de Educação Tecnológica / Daniel Castro - CEFET MG - Centro Federal de Educação Tecnológica A acirrada concorrência global e a necessidade por sistemas de produção cada vez mais eficientes e sustentáveis exigem das empresas a o mização con nua dos seus processos produ vos. As melhorias dos equipamentos industriais, processos e métodos de análise estão ligados diretamente à busca da redução do desperdício energé co. Nesse sen do, a cogeração é uma alterna va para a recuperação de energia disponível em processos industriais. Considerando a importância de um sistema de cogeração no contexto econômico, energé co e ambiental de uma planta industrial, é proposto nesse trabalho uma metodologia de análise da eficiência energé ca que avalia o desempenho de uma unidade cogeradora. A análise considera o índice de eficiência global OEE ou Overall Equipment Effec veness (OEE) que avalia o desempenho de uma máquina sob a ó ca da manutenção produ va total, o fator de u lização de energia (FUE) que é baseado na primeira lei da termodinâmica e o fator de u lização de disponibilidade (FUD) que é baseado na segunda lei da termodinâmica. Foram u lizadas informações de uma unidade cogeradora de energia que opera em ciclo Rankine dentro de uma siderúrgica de grande porte localizada no estado de Minas Gerais. A unidade cogeradora do estudo produz vapor e eletricidade u lizando como combus veis primários os gases residuais do processo de produção do aço, complementados com óleo combus vel. Como principais resultados, o fator de u lização de energia (FUE) a ngiu 32,7%; o fator de u lização de disponibilidade (FUD) a ngiu 24,3% e o índice de Eficiência Global OEE a ngiu 73,0% no período analisado. Observou-se também que as caracterís cas do indicador OEE se mostraram mais promissoras em relação aos demais para uso numa unidade cogeradora de energia. Os resultados mostram a importância do processo de manutenção nos ganhos de eficiência do sistema de cogeração e sua contribuição para a sustentabilidade do processo de produção. TT Apresentação em Pôster MANUTENÇÃO DE PREDITIVA ELÉTRICA EM MOTORES DE INDUÇÃO TRIFASICO Wellington Belchior Gonçalves - Comau do Brasil As empresas buscam novas soluções tecnológicas eficazes para o diagnos co precoce de falhas que possam surgir no sistema de produção em massa de produtos essenciais para sobrevivência da humanidade. A manutenção predi va atua como uma máquina provedora de diagnós cos precoces, monitoramento de sistemas de controle de falhas, ação prevencinista de equipamentos elétricos e mecânicos, aumentando a vida ú l de produção das empresas transformadoras de matérias primas em produtos manufaturados. Isso quer dizer que a manutenção predi va é a melhor ferramenta de análise e diagnos co de falhas que possam surgir nos sistemas elétricos, mecânicos e está cos de uma empresa. No estudo de caso de manutenção predi va será adotado índices de polarização, absorção, resistência ôhmica de isolação de motores e fotos termográficas, na solução de possíveis falhas detectadas no sistema elétrico de motores de indução trifásica. O obje vo é iden ficar as causas raízes das falhas no sistema elétrico de produção industrial. Através destes índices observados serão apresentadas propostas de manutenção preven va programada sem afetar bruscamente a produ vidade das empresas. TT Apresentação em Pôster MONITORAMENTO ONLINE DE ATIVOS UTILIZANDO PIMS Alexson Mozer Ferreira - Samarco Mineração / Ainer Kjaer Pre Zamprogno - Samarco Mineração O trabalho proposto expõe os resultados alcançados no monitoramento online de a vos, com geração de alarme em tela sinó cos em uma planta de pelo zação da empresa Samarco Mineração, unidade industrial de UBU, u lizando o so ware PIMS (Process Informa on Management System). Através do sistema de monitoramento obteve-se um prognos co de potenciais falhas em tempo menores aos ob dos em inspeções com obrigatoriedade de visita no campo, bem como a redução no tempo necessário para efetuar a busca e análise na tendência de falha em equipamento com informações no sistema PIMS e o direcionamento acurado do inspetor na rota de inspeção off-line. Neste trabalho apresenta-se a estrutura teórica para o funcionamento e a configuração necessária para o sucesso do monitoramento, acrescentando um breve histórico de u lização da ferramenta sem o método e casos de êxito ob dos por intermédio do método orientado e com obje vos claros. TT Apresentação em Pôster GESTÃO DE ATIVOS NO VAREJO, DO PROJETO A OPERAÇÃO Sidney Castanho Furlan - Emacon Engenharia O Varejo con nua sendo o segmento de maior crescimento no país. Com a contração no inves mento em Shopping Centers nestes úl mos anos, as empresas ajustaram suas estratégias para estarem presentes em lojas de ruas, centros comerciais e outros modelos de operações varejistas. A concorrência é grande e acirrada! A busca por maximizar a eficiência operacional é constante. Gerir os a vos destas gigantescas corporações pode ser das estratégias empresariais, a que mais trará retorno do capital inves do. Estas operações requerem um grande inves mento inicial que certamente projetos mais asser vos e padronizados, com os equipamentos com maior confiabilidade operacional, prédios mais inteligentes e melhor projetados, melhor aplicação das tecnologias verdes e modelagem da matriz energé ca e de todas as u lidades necessárias a operação de forma mais engenheirista. Este é o desafio destas grandes empresas localizadas por todo país e em alguns casos em vários con nentes. O Wal Mart, a maior empresa do mundo e também a maior varejista, consegue excelentes resultados em suas operações aplicando algumas das ferramentas encontradas na ISO Este trabalho se propõe a demostrar a aplicação de alguns destes modelos vencedores u lizados no varejo e uma proposta de implementação da ISO neste cenário altamente compe vo e de grande expansão. TT Apresentação em Pôster DESENVOVIMENTO NOVO PROJETO DAS RESISTÊNCIAS DO SISTEMA DE AQUECIMENTO DOS FORNOS DE COLAGEM Washington Luis Montanha Silva - Comau do Brasil / Ricardo Tiberio - Comau do Brasil O conceito de manutenção sempre foi manter algo em funcionamento e como tudo evolui a manutenção também teve evoluções. Na primeira evolução póssegunda guerra mundial, todo o sistema era mecanizado e o sistema quebra concerta era a principal função do mantenedor. Após a segunda guerra mundial aumentou a demanda por produto, ocorrendo um aumento considerado na produção, aparecendo à necessidade da manutenção preven va. Conforme foi passando o tempo e a invenção do computador a manutenção a foi evoluindo e a criação de so ware possibilitou a gestão e controle da manutenção, chegando atualmente a gestão de a vos. Este estudo de caso tem como obje vo demonstrar através da tecnologia DMAIC (Ferramenta da qualidade para, definição, medição, análise, implanta-ção e controle de falhas e problemas), um projeto em fornos de colagem com a finalidade de reduzir a quase zero a subs tuição e serviços de manutenção relacionados às resistências que fazem o aquecimento nos fornos de colagem. TT Apresentação em Pôster QUALIDADE E PRODUTIVIDADE NA MANUTENÇÃO. MELHORIA DE DESEMPENHO BASEADO NA REDUÇÃO DOS DESPER DÍCIOS NA OFICINA DE USINAGEM, SOLDA E AJUSTAGEM DO METRÔ - SP. Carlos Alberto Rodrigues - Companhia do Metropolitano de São Paulo - Metrô A globalização vem derrubando fronteiras. Da mesma forma, o aumento da compe vidade vem desafiando as organizações a tornarem seus processos mais eficientes, introduzindo novas técnicas que aumentem a produ vidade do trabalho. Neste trabalho apresentamos as melhorias ob das com o aperfeiçoamento dos processos produ vos na oficina de usinagem, solda e ajustagem da Linha três (vermelha) do Metrô de São Paulo u lizando a técnica de redução de desperdícios, um dos preceitos básicos do sistema de produção enxuta. Esse trabalho busca apresentar como foi o planejamento, iden ficação e tratamento das oportunidades de melhoria na oficina de usinagem do Metrô de São Paulo, com enfoque na redução dos desperdícios. Para cada um dos sete pos de desperdícios, esclareceremos as ações tomadas na oficina de usinagem, como por exemplo, organização do estoque de matéria prima, estoque de ferramentas, consumíveis para usinagem e solda, rearranjo do leiaute, modernização e reforma do maquinário, movimentação e armazenagem de materiais e sequenciamento de tarefas. TT Apresentação em Pôster INTERFACE SUPRIMENTOS X MANUTENÇÃO UMA FORMA OBJETIVA DE MEDIÇÃO E CONTROLE DO IMPACTO DA AQUISIÇÃO DE SPARE PARTS NO PROCESSO DE MANUTENÇÃO Bruno Rove a dos Santos Borges Samarco / Sérgio Pires Dias - Samarco Crys an Augusto de Oliveira Samarco / Natan Soares dos Santos Samarco / Alexandre Rodrigues Marques - Samarco Empresas de médio e grande porte frequentemente possuem um setor centralizado de suprimentos, onde atende também ao setor de manutenção. O setor de suprimentos é responsável por fornecer à manutenção todos os spare parts e serviços adquiridos do mercado necessários à execução da manutenção. Tratando-se de dois fatores independentes e com finalidades dis ntas, é natural que as regras de interface entre eles estejam muito bem definidas, de modo que o correto fornecimento dos serviços do setor de suprimentos não cause impacto no cliente interno, o setor de manutenção. Problemas como atrasos na chegada de materiais ou atrasos na contratação de serviços podem ser um impacto na relação entre suprimentos e a manutenção. Mas como mensurar tal impacto? O trabalho proposto consis u da criação de um método para mensurar em termos obje vos o real impacto de itens de suprimentos nas operações da manutenção, ajudando a realimentar o sistema e melhorá-lo.

12 TT Apresentação em Pôster INSERÇÃO DE PEQUENOS SERVIÇOS COMPLEMENTARES EM ORDENS DE MANUTENÇÃO DE ROTINA UMA ALTERNATIVA DE AUMENTO DE PRODUTIVIDADE DE MÃO DE OBRA DE RÁPIDA APLICAÇÃO Sérgio Pires Dias - Samarco O trabalho proposto expõe os resultados alcançados através da u lização de técnicas de inserção de pequenos serviços no escopo de ordens de manutenção de ro na com o intuito de aumentar a produ vidade da mão de obra de execução. A inserção de várias a vidades que agregam valor a manutenção (ex.: lubrificar, ajustar, medir, torquear, soldar) compar lhando as mesmas etapas necessárias, porém não produ vas da a vidade (ex.: bloqueio, sinalização, deslocamento, procedimentos de segurança) comprovadamente aumentam a produ vidade da execução da manutenção. Este trabalho demonstra a aplicação prá ca deste conceito na programação da manutenção de ro na das usinas de pelo zação de Ubu ES e como uma ação simples e sem custos adicionais envolvidos pode aumentar rapidamente a produ vidade de equipes de manutenção. TT Apresentação em Pôster APLICAÇÃO DA TECNOLOGIA PEAKVUE NA DETECÇÃO DE FREQUÊNCIAS DETERMINÍSTICAS DE DEFEITOS EM ROLAMENTOS GIRANDO A ULTRA BAIXA ROTAÇÃO. Frankidilmo Oliveira de Jesus - Samarco Mineração / Vinícius Santa Clara Ucelli - Samarco Mineração / Paulo Junior Capucho Leitão - Samarco Meneração Partes dos modos de falhas em rolamentos girando a ultra baixa rotação em mancais de equipamentos rota vas não eram detectadas pela equipe de inspeção predi va da Samarco Mineração S/A, u lizando a tecnologia Peak Vue Patente CSI EMERSON PROCESS MANAGEMENT. Estas falhas estavam relacionadas á problemas de gaiola dos rolamentos, e as quebras impactavam principalmente na perda de produção e no custo de manutenção. O trabalho desenvolvido pela equipe de inspeção da Samarco Mineração S/A demonstra os avanços na capacidade de detecção de frequências determinís cas de defeitos de gaiola em rolamentos girando em extra baixa rotação, após revisar os setups de vibração em Peak Vue dos bancos de dados, com exemplos prá cos de detecção de defeitos, onde foram atuados de forma preven va. TT Apresentação em Pôster A STUDY OF THE ECONOMIC BENEFITS OF COMPRESSOR ANALYSIS Luiz Moreira - Windrock Inc. / Paul Spicher - Windrock Inc. / Ed Flanangan - Windrock Inc / Mary Chapman - Windrock Inc This paper will inves gate excessive fuel consump on of compressor drivers caused by common compressor faults. Pressure X Volume (PV) analysis techniques will quan fy the severity of the faults and calculate excessive fuel consump on. Several case studies of various compressor faults will be studied to examine the excessive fuel costs es mated by comparing actual performance to theore cal compressor models. The theore cal models of fuel savings will be verified by comparing actual fuel consump on before and a er the correc on of a fault. TT Apresentação em Pôster TROCA DO SISTEMA DE SELAGEM BOMBAS DA PINTURA Alenon Schultz Fragoso - Comau do Brasil / Luiz Rodrigo Carvalho de Souza - Comau do Brasil / Miguel Thome el Ward - Comau do Brasil Atualmente, um grande problema encontrado nas empresas é a falta de conhecimento aliada ao tema sustentabilidade, definido como a capacidade do ser humano em interagir com o mundo, preservando o meio ambiente para não comprometer os recursos naturais das gerações futuras. Com foco nesse pensamento, foi realizado um estudo tendo como principal obje vo prezar pela sustentabilidade interligada com a manutenção dos equipamentos (bombas industriais) de um dos clientes da Comau do Brasil da grande Curi ba, comprovando a eficiência na subs tuição do an go sistema de selagem aplicado nas bombas industriais, chamado de gaxetas, pelo novo sistema de selagem através de selos mecânicos. Este possui inúmeras vantagens em relação ao sistema an go, como: economia de água industrial no processo; economia do banho das peças; não contamina o meio ambiente devido a vazamentos; por ser um sistema bem robusto, não desgasta facilmente e não precisa de ajustes preven vos, tendo por consequência um baixo índice de manutenção; aumento do MTBF e diminuição do MTTR. Colocando na ponta do lápis este novo sistema de selagem por selo mecânico acaba gerando uma enorme economia no decorrer de tempo. TT Apresentação em Pôster AUMENTO DA CONFIABILIDADE OPERACIONAL ATRAVÉS DO MONITORAMENTO DE ANOMALIAS Marcio Carvalho dos Santos Barreto - Petróleo Brasileiro / Marinilda Lima Souza - Faculdade de Tecnologia Senai- Cimatec A necessidade de se transportar fluidos, para armazená-los ou processá-los, e a grande aplicação que as bombas centrífugas possuem, tem ins gado as empresas a optarem por esse po de equipamento. Mas apesar da grande u lização dessas máquinas por indústrias, a sua manutenção ainda é precária em alguns aspectos, o que ocasiona paradas de emergência devido a grande quan dade de falhas nestes equipamentos. Um dos mo vos do grande número de falhas é a manutenção deficiente, pois a maioria das empresas tem a cultura de somente realizar a intervenção após o acontecimento de uma pane ou da queda brusca do desempenho da máquina, ou seja, realizar a manutenção corre va não planejada. Neste sen do, o obje vo deste trabalho é demonstrar que com o tratamento de anomalias, a aplicação das técnicas de confiabilidade e a u lização da gestão de a vos, onde todos devem ser envolvidos para busca da excelência da organização, podem-se alcançar excelentes resultados na manutenção, que sendo uma função estratégica, reflete em toda cadeia produ va. O resultado demonstra que a eficácia do método de tratamento de anomalias é um grande aliado para o aumento de confiabilidade, redução dos custos, melhoria da segurança, redução de impactos ao meio ambiente contribuindo sobremaneira para o sucesso operacional da empresa. TT Apresentação em Pôster ANALISE DA MANUTENÇÃO EM VEÍCULOS DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO NA CIDADE DE MANAUS Edry Antonio Garcia Cisnerros - Universidade do Estado de Amazonas / João Evangelista Ne o - Departamento Engenharia Mecanica, Est, Uea Alain Ricote Paumier - Universidade de Camaguey, Cuba / Daniel Guzman del río - Departamento Engenharia Eletrica, Est, uea Cris ano Silva da Vieira - Eng. Mec. Univ.do Norte.laureate Internacional Universites Max William Aguiar da Silva - Eng. Mec. Univ.do Norte.laureate Internacional Universites Waldy Freitas Pinheiro7 - Eng. Mec. Univ.do Norte.laureate Internacional Universites A manutenção ocupa neste momento um lugar muito privilegiado no desenvolvimento de qualquer empresa de transporte no mundo sendo considerado como um setor clave. Nas condições atuais onde fica cada vez mais claro a necessidade de diminuir os custos de operação e maximizar o rendimento destes meios a manutenção versa a facilitar tais condições. No entanto, para se manter como uma área efe va que possa sim assegurar as exigências da indústria é importante então que esta contenha indicadores que possibilitem quan ficar o nível de desempenho dos meios de transporte. Este trabalho expõe uma experiência desenvolvida numa empresa de transporte cole vo na cidade de Manaus onde foi feita uma analise da manutenção em veículos de transporte cole vo urbano na cidade de Manaus e os resultados indicam a importância estratégica que deve ser dado a estes indicadores mostram neste caso os principais itens que provocam o incremento dos custos de manutenção e as causas destas falhas. TT Apresentação em Pôster OTIMIZAÇÃO DE CUSTOS COM TÉCNICAS DE MANUTENÇÃO Ronaldo José Cou nho - Volvo do Brasil Veículos Este trabalho tem por finalidade demonstrar a aplicação de técnicas de manutenção predi vas, em central de água gelada, visando à racionalização de gastos com manutenções desnecessárias, bem como direcionando a área de manutenção nas ações subsequentes e garan ndo a confiabilidade de painéis elétricos, bombas de circulação de água, torres de resfriamento e chiller. A empresa que serve como base para este ar go é do ramo automobilís co localizada na cidade de Curi ba- PR. O ambiente a ser aplicado as técnicas de manutenção predi vas é uma central de água gelada, que tem por obje vo fazer o resfriamento por meio de condução, das pinças u lizadas no processo de solda ponto, tanto o resfriamento das pinças manuais, bem como das pinças automá cas, que juntas somam um total de 134 pinças. A escolha deste sistema foi devido a necessidade de manter a disponibilidade e a confiabilidade deste processo que no ano de 2014, foi de 82%, tendo uma meta para o ano de 2015 de no minimo de 90%, respeitando parâmetros do processo, que hoje estão previamente setados em setpoint de temperatura da água em 8 c, com uma pressão de 8 bar, uma vez que os equipamentos são de média capacidade. TT Apresentação em Pôster ESTUDO DE CASO: MANUTENÇÃO INTELIGENTE NO SERPRO - IMPLANTAÇÃO PILOTO DE RME-WEB PARA GESTÃO DO CONHECIMENTO DAS TÉCNICAS DE MANUTENÇÃO Dilmar Gonçalves da Cunha - D V Consultoria / Bruno Gomes da Cunha - Serpro - Serviço Federal de Processamento de Dados Leonardo Ba sta Porto - Serpro - Serviço Federal de Processamento de Dados Em busca de um so ware que resolvesse os problemas existentes no gerenciamento e fiscalização dos serviços de manutenção executados em suas instalações por empresas contratadas, o SERPRO Regional Brasília decidiu avaliar uma implantação piloto do Sistema RME-Web, um so ware de código aberto disponível no mercado. O RME-Web u liza os atuais recursos da tecnologia da informação, e é uma evolução de an gos sistemas precursores implantados na CEMIG nos úl mos vinte anos. É um sistema especialista em manutenção, aplicável a qualquer equipamento das instalações de empresas do setor elétrico e industrial, que fornece os seguintes bene cios: Gestão do conhecimento através da padronização dos métodos e técnicas de manutenção, preservando o capital intelectual nas empresas e com foco na sustentabilidade tecnológica; Implantação do Prontuário das Instalações Elétricas da NR10 em atendimento às exigências do MTE Ministério do Trabalho e Emprego (Portaria /12/2004), para minimizar os riscos de acidentes do trabalho; Informa zação do Protocolo de Avaliação dos Sistemas de Proteção das Instalações do Sistema Interligado Nacional estabelecido pelo MME - Ministério de Minas e Energia (Portaria /10/2012), para minimizar os riscos de blecautes; Relatórios e gráficos, incluindo curvas de tendências das medições registradas, para controle da qualidade da execução dos serviços de manutenção; Atualização, compar lhamento e intercâmbio das informações de manutenção através de qualquer navegador de internet instalado em qualquer plataforma (computadores, tablet s e smartphones). Esse trabalho apresenta os resultados ob dos nessa avaliação, as customizações realizadas, sugestões e melhorias propostas, e o parecer conclusivo sobre a aplicabilidade e a adaptabilidade da solução. Apresenta também o diferencial em relação aos so wares de manutenção existentes no mercado e a sua conformidade com os atuais conceitos de gestão de a vos. TT Apresentação em Pôster ESTRUTURAÇÃO DA MANUTENÇÃO DO CONCENTRADOR 3 DA NOVA PLANTA DE BENEFICIAMENTO DE MINÉRIO DE FERRO DA SAMARCO MINERAÇÃO SA, PROJETO 4ª PELOTIZAÇÃO - P4P Eduardo Gomes Vieira - Samarco Mineração / Samir Alexandre de Almeida Zaidan - Samarco Mineração O Projeto 4ª Pelo zação surgiu com o propósito de aumentar a capacidade de produção de pelotas da Samarco em 37%, por meio da implantação do 3º Mineroduto, com capacidade de 20 Mt/ano, a 4ª Usina de Pelo zação com capacidade de 8,25 Mt/ano e o 3º Concentrador com capacidade de 9,5 Mt/ano. O projeto proposto visa estruturar o processo de Manutenção do Concentrador 3 através do sistema de gestão de dados u lizado pela Samarco Mineração, o so ware SAP, com foco na criação de um modelo taxonômico de níveis hierárquicos contendo informações técnicas dos novos equipamentos e respec vos sobressalentes, dando base para definição de uma polí ca de estoque, a implementação de planos de manutenção e estudos de confiabilidade. Obje va a redução do Risco Operacional, consolidando no sistema os processos que compõem a função manutenção, referente à terceira Usina de Beneficiamento de Minério de Ferro da Samarco Mineração. Para isto, foi u lizada a metodologia Kaizen para estruturação e desenvolvimento do trabalho e estabelecimento de metas para controle das informações. Verificou-se uma grande demanda de avaliação de cri cidade e cadastro dos equipamentos e sobressalentes, além disto, a falta de organização das informações de forma estruturada poderia acarretar dificuldades de se analisar itens faltantes. Foi necessário também o estabelecimento de critérios para implementação de planos de manutenção visando à preservação da integridade e funcionalidade dos equipamentos. TT Apresentação em Pôster A OTIMIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO ATRAVÉS DA AUTOMAÇÃO FAVORECENDO A EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Edson Gomes de Carvalho - Senai Eep Ney Damasceno Ferreira / Jocelito José da Silva - Senai Eep Ney Damasceno Ferreira O aumento no valor das tarifas de energia elétrica, devido a equipamentos elétricos que apresentam baixa eficiência, sinaliza que maquinários acionados por motores elétricos demandam por uma melhor supervisão de seu consumo. Atualmente existem sistemas predi vos de manutenção que mensuram, monitoram, registram e geram relatórios para análise e planejamento de preven vas baseadas na condição, contribuindo com aumento da disponibilidade. O presente ar go apresenta uma proposta de um sistema de supervisão local e remota do consumo energé co e do estado de funcionamento dos componentes e elementos de máquinas, principalmente através do monitoramento de vibração e temperatura, em mancais de rolamento e corrente elétrica em motores de indução, através de recursos de instrumentação e processamento de sinais (DSP) que possibilitam a geração de indicadores de manutenção, tais como: MTBF, MTTR. Pretende-se desenvolver um sistema viável que apresente aceitável confiabilidade, cons tuído de elementos de medição e processamento de baixo custo, ideal para máquinas de pequeno porte e máquinas operatrizes. Uma vez sendo transferidos para uma plataforma digital DSP com PIC, os dados digitalizados podem ser facilmente armazenados em memória, favorecendo sua posterior análise e envio remoto via interface serial. Reduzindo custos com preven va, melhorando disponibilidade, confiabilidade e reduzindo a quan dade de equipamentos crí cos. Entre outras vantagens pode-se citar apoio para decisão de um possível retrofi ng; u lização de um sistema predi vo confiável e de baixo custo. Assim, os resultados apresentados no ar go possibilitam a u lização das técnicas de monitoramento predi vo para indicar a degradação do desempenho de componentes mecânicos em máquinas e equipamentos de empresas de pequeno porte. Palavras-chave: Automação, Manutenção, Monitoramento. TT Apresentação em Pôster RECUPERAÇÃO DE CONJUNTOS MECÂNICOS Noelmar Pereira Abbade - Petrobras Transporte - Transpetro / Gustavo Avelino da Silva - Petrobras Transporte - Transpetro O obje vo deste trabalho é apresentar uma sistemá ca de recuperação ou reforma de conjuntos mecânicos integrando a unidade operacional, a oficina de manutenção, o setor de compras e o setor de almoxarifado. Os bene cios da sistemá ca são a diminuição do MTTR e menor concentração da equipe de manutenção na tarefa rea va de realizar o reparo do conjunto. Maior atenção poderá ser dirigida para Manutenção Proa va e, por conseguinte maximizar o MTBF.

13 TT Apresentação em Pôster AVALIAÇÃO DA SUBSTITUIÇÃO DE SISTEMAS DE PARTIDA DIRETA POR INVERSORES DE FREQUÊNCIA NO PROCESSO DE RETROFITTING EM ELEVADORES Fernando Torresani - Thyssenkrupp Elevadores Neste trabalho e analisado e comparado a performance de elevadores com caracterís cas originais de projeto e elevadores que passaram pelo processo de retrofi ng. O estudo foi realizado u lizando um equipamento an go que já não atendia mais os requisitos de segurança exigidos pela norma técnica e não trazia mais confiabilidade e conforto ao cliente. Para comparação um foi analisado um equipamento que passou pelo processo de retrofi ng. A instalação de nova tecnologia como novo quadro de comando dotado de acionamento com frequência variável, eliminando chaves de força e contatos elétricos trouxeram mudanças visíveis no comportamento do equipamento, tanto em conforto como em confiabilidade. TT Apresentação em Pôster LIDERANÇA E COACHING PARA ENGENHEIROS E TÉCNICOS Luis Henrique Sala el - Kuarup - Consultoria Os estudos da vocação profissional demonstram que traços da personalidade são expressados em determinadas profissões. E que os profissionais de Engenharia são categorizados como Realista, com caracterís cas avessas a Liderança, porém o mercado de trabalho atual e a própria profissão de Engenheiro coloca este profissional na posição de Chefia e Poder. Engenheiros na posição de chefia e poder que necessitam desenvolver as caracterís cas de Liderança devem adquirir os conhecimentos a respeito das principais Teorias de Liderança e realizar um trabalho de Coaching de mudança e desenvolvimento comportamental. O desenvolvimento da Liderança e Gestão de Pessoas aplicados aos Profissionais de Engenharia vão tornar as equipes muito mais produ vas, devido ao Líder Engenheiro possuir as caracterís cas de ser prá co, obje vo e buscar resultados concretos, serão capazes de conduzir pessoas e equipes com foco no obje vo, porém com uma visão mais humanistas e adequadas aos novos tempos. TT Apresentação em Pôster LEI DA TERCEIRIZAÇÃO OPORTUNIDADE E DESAFIOS Luis Henrique Sala el - Kuarup - Consultoria A Lei da Terceirização que esta em aprovação, regulamenta uma a vidade que esta em prá ca no País a 25 anos neste período os resultados não foram os esperados como aumento da produ vidade e redução de custo, pelo contrário as caracterís cas deste período foram a) Precarização da Mão de Obra b) Baixa qualidade dos serviços c) Aumento dos Acidentes d) Passivos Jurídicos e) Desgaste da Imagem das Empresas f) Insegurança Jurídica Com a Nova Lei temos uma nova oportunidade de aproveitar esta ferramenta reconhecida internacionalmente por incremento de produ vidade e redução de custo. Em 1776 Adam Smith apresentou em seu Livro Riqueza das Nações que a divisão do processo produ vo em etapas favorece a produ vidade e qualidade devido a especialização nas a vidades. Este conceito con nua válido até os nossos dias. Devido alguns aspectos culturais de nosso País a Terceirização teve como caracterís ca a redução de custo somente pela redução de salários e bene cios aos trabalhadores o que inevitavelmente não produziu os resultados de aumento de produ vidade. Com a nova Legislação que estabelece regras para terceirização esta deixará de ser baseada apenas na redução do custo dos salários e bene cios, mas tem como foco a especialização e o aumento da produ vidade Cabe agora aos Contratantes e Fornecedores de Serviço a adequação a nova Legislação e construir contratos com foco na produ vidade. TT Apresentação em Pôster PADRONIZAÇÃO E INTEGRAÇÃO DAS FERRAMENTAS DE QUALIDADE PARA MELHORAR O PROCESSO DE ANÁLISE DE FALHAS Ricardo Pereira - Comau do Brasil / Luiz Rodrigo Carvalho de Souza - Comau do Brasil Com o obje vo de melhorar o desempenho dos processos produ vos industriais iden ficou-se a necessidade da concentração do foco no negócio principal das empresas. Um dos maiores responsáveis pela melhoria con nua dos planos de manutenção e confiabilidade dos equipamentos, o processo de análise de falhas, tem um papel fundamental na gestão da manutenção. Neste processo, muitas metodologias são u lizadas na intenção de iden ficar o fenômeno causador do modo de falha, mas dificilmente percorrem uma lógica e sequência de metodologias que possa ser repe da de forma aproximada por diferentes equipes, dependendo significa vamente do grau de maturidade e composição de cada equipe que par cipa das análises. Este trabalho teve como obje vo a padronização e integração das metodologias de análise, de forma lógica e sequencial, buscando maior aproximação nos resultados, mesmo considerando equipes diferentes no processo. O material e conhecimento u lizados neste trabalho foram a soma de várias experiências, de diversas equipes e segmentos, convergindo para uma linguagem simples e obje va. Como resultado foram integradas, entre outras, as metodologias 5G, 5W1H, ISHIKAWA e 5 Porquês em um processo único, lógico e sequencial que permi u melhoria significa va na qualidade do processo. TT Apresentação em Pôster PROJETO E FABRICAÇÃO DE PENEIRA VIBRATÓRIA PARA AUXILIAR NO PENEIRAMENTO DO JATEAMENTO DE GRANALHA Alan Ferreira Boaventura - Comau do Brasil / Rogério de Franco Rosa - Comau do Brasil / Elton Olimpio Barbosa - Comau do Brasil Walderson Valdivino Pacheco - Comau do Brasil / Jean Carlos Alves Mar ns - Comau do Brasil Este trabalho tem como obje vo apresentar de forma clara e obje va o desenvolvimento do projeto e fabricação de peneira vibratória u lizada na a vidade de peneiramento de granalha assim como expor as oportunidades de ganhos econômicos aumentando a produ vidade e ganhos ergonômicos e de segurança u lizando as melhores prá cas de processo e manutenção reduzindo esforços sicos repe vos e desnecessários. TT Apresentação em Pôster ESTUDO DA APLICAÇÃO DA MANUTENÇÃO CENTRADA NA CONFIABILIDADE COM APORTE DA TI: O CASO DE UMA EMPRESA DO SETOR SIDERÚRGICO Washington Luis Vieira da Silva - Universidade Federal de Ouro Preto / Hugo Leonardo Ramos Rocha - Universidade Federal de Ouro Preto Osmar Leal da Silva Vale / Barbara Silva Trindade - Universidade Federal de Ouro Preto Zirlene Alves da Silva Santos - Universidade Federal de Ouro Preto Este trabalho tem como obje vo realizar um estudo da aplicação da Manutenção Centrada na Confiabilidade com aporte em TI em uma empresa do ramo siderúrgico. Para a aplicação desta metodologia, foram realizadas pesquisas detalhadas, acerca dos conceitos e pos de manutenção, métodos de manutenção, gestão da manutenção, confiabilidade e manutenção centrada na confiabilidade. A metodologia u lizada é de natureza qualita va, com classificação exploratória, documental, bibliográfico e estudo de caso. Com isto, elaborou-se um instrumento de coleta de dados para verificação da aplicação da Manutenção Centrada na Confiabilidade, com o uso do so ware S3i. Logo, a MCC foca em obter respostas corretas e precisas em um conjunto de sete questões, sendo elas:1. Quais funções a preservar? 2. Quais as falhas funcionais? 3. Quais os modos de falhas? 4. Quais os efeitos das falhas? 5. Quais as consequências das falhas? 6. Quais as tarefas aplicáveis e efe vas? 7. Quais as alterna vas restantes? Com isto, mostradas as sete questões, com o auxílio do so ware S3i, as perguntas foram respondidas de forma a contribuir para a preservação do equipamento, análise, efeito e consequência das falhas, de forma a aplicar uma tarefa que seja efe va de modo a eliminar a falha. Assim, constatou-se a necessidade de se implantar um planejamento de manutenção baseado na MCC, pois no local estudado o plano de manutenção necessitava de melhorias. Logo, verificou-se que com a inserção da Manutenção Centrada na Confiabilidade, obteve-se resultados significa vos no processo de inspeção, onde se averiguou que ao u lizar a Manutenção Centrada na Confiabilidade planejada é possível aumentar a disponibilidade dos maquinários, reduzir o custo de manutenção e propiciar um menor tempo para o planejamento das manutenções necessárias aos equipamentos. TT Apresentação em Pôster ANÁLISE E VERIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO VIA FERRAMENTA DE SIMULAÇÃO PARA SUPORTE À AUTOMATIZAÇÃO DO PROCESSO Diego da Silva Pinto - S hl Ferramentas Motorizadas / Renato Ely Castro - Faculdade de Tecnologia Senai Porto Alegre Em um cenário de elevada compe vidade industrial e que demanda máxima eficiência no processo, o uso da simulação computacional permite prever, verificar e analisar sistemas produção. Para validar o uso do simulador como uma importante ferramenta no desenvolvimento de um processo e nas tomadas de decisão associadas, fez-se o uso desta tecnologia em um estudo de caso de automa zação de um processo buscando a melhor alterna va entre duas propostas no que se refere ao seu leiaute. A par r das especificações do processo foram implementados os modelos no simulador. Na sequência, executaram-se os modelos e os dados esta s cos foram avaliados quanto à u lização dos recursos e variáveis de produção. Foram levantados os custos, retorno financeiro e as vantagens e desvantagens de cada proposta. Com essas informações consolidadas, as mesmas foram confrontadas e analisadas para auxílio na definição da alterna va mais eficiente e de melhor relação custo/bene cio. A análise contemplou ainda os parâmetros de falha e tempos de parada em todas as estações e foram realizados testes com várias combinações de tamanhos de Buffer. A avaliação do tamanho projetado para os Buffers aliado às esta s cas de falhas inseridas nas máquinas permi u uma análise consistente da eficiência produ va. Baseado neste resultado, os Buffers foram alterados no projeto assegurando uma inicialização mais estável para este processo. TT Apresentação em Pôster OS DESAFIOS DA GESTÃO DE MANUTENÇÃO EM UM SISTEMA DE ESCOAMENTO DE OLEO Caio André Gomes - Petróleo Brasileiro / Luiz Felipe Affonso Rolo - Petróleo Brasileiro Yuri Muniz Nobre Formiga - Petróleo Brasileiro / Richard Ribeiro dos Santos - Belov- Engenharia / Aloysio Boechat Leal - Belov- Engenharia A manutenção dos terminais oceânicos da Petrobras envolve todo o processo de planejamento e controle, operação, manutenção e logís ca de suprimentos, sendo responsável pelo escoamento de mais de 85% de toda a produção da companhia a qual tem como des no as unidades terrestres de refinamento no Brasil ou cargas de exportação. Para que todas essas operações sejam realizadas com êxito, e que todas as 38 unidades produtoras, entre unidades Petrobras e Afretadas, sejam atendidas, é necessária a alocação de diversos recursos em cada uma dessas etapas, tais como, 5 embarcações especificas, dedicadas e adaptadas para a manutenção, 16 embarcações dedicadas à operação de transferência de óleo, um corpo técnico de 110 pessoas, frota com 24 navios aliviadores TRANSPETRO, mais os Navios Afretados de outras Companhias, apoio portuário envolvendo 2 portos diretamente, Porto de Triunfo RJ e o Porto da Companhia Portuária Vila Velha (CPVV) ES. São realizadas aproximadamente operações de manutenção por ano, garan ndo assim, as mais de operações de transferência de óleo anuais, com um volume escoado de de barris de petróleo diariamente, sem vazamentos ou acidentes. TT Apresentação em Pôster O PAPEL DA LIDERANÇA NA MANUTENÇÃO CONTEMPORÂNEA Matheus Rodrigues Barros Torres - Comau do Brasil Este trabalho realizou um estudo relacionado ao conceitos de poder e autoridade e liderança. Demonstrou as principais teorias sobre liderança. O obje vo do trabalho é explanar os conceitos e entender a importância do líder da manutenção em seu processo e como ele deve estar diante dos novos desafios que surgem em seu dia a dia. Ter poder e autoridade podem não significar mais sucesso e resultados. Os lideres da manutenção devem sempre buscar seu desenvolvimento de sua equipe, gerar resultados através da sua liderança. TT Apresentação em Pôster A IMPORTÂNCIA DE VIABILIZAÇÃO DA GESTÃO DE RISCOS NA MANUTENÇÃO Jairo do Nascimento Barbosa - Comau do Brasil A cultura da gestão de risco que é difundida nos dias atuais é um conceito em crescente evolução, onde podemos melhorar o gerenciamento dos acontecimentos a nossa volta, o que é válido para ocorrências em quaisquer níveis de escopo e ou programação, com isso as consequências e responsabilidades podem ser minimizadas, mas a gestão do risco pode ser definida como princípios de boas prá cas de gerenciamento e segurança de uma determinada ação podendo estar vinculada a um processo, produto ou projeto e pode ser crucial na tomada de decisão estratégica de qualquer empresa. Este ar go tem o obje vo de apresentar alguns conceitos da gestão de risco e sua aplicação dentro da ó ca da manutenção de uma forma geral, pois atualmente é uma crescente a preocupação de governos e sociedade, com riscos da ocorrência de eventos que possam acarretar ou impelir impactos ambientais, a sociedade e seus cidadãos. Pela ó ca da gestão de risco o grau de probabilidade de um risco aliado à importância estratégica da localidade onde ele possa ocorrer define a sua cri cidade nessa perspec va. Todo esse envolvimento para sustentabilidade, melhorias, segurança, lucro e desenvolvimento social, são alguns conceitos que uma empresa, empreendimento ou seguimento deve se atentar para que possa prosseguir em a vidade, o gerenciamento de risco vem a trazer uma nova visão de controle sobre o que pode ser previsto e o que não pode ser previsto, o que é calculável e o que deve ser es mado, através deste controle podemos, avaliar a possibilidade de algo sair errado em seu projeto, sistema ou processo, por isso não possui uma formula específica, ou regra geral para determinada situação, é notório que cada empresa tem sua própria filosofia e forma de tratar seus riscos, essa capacidade de prever ou prevenir um evento vem do estudo intrínseco do risco, iden ficando os perigos, avaliando os riscos e suas possibilidades, qualificando os riscos e suas consequências. TT Apresentação em Pôster DESINFECÇÃO QUÍMICA PARA LIMPEZA DAS RESINAS DE TROCA IÔNICA Arlon Junio Pinheiro - Comau do Brasil Este trabalho foi realizado com o obje vo de melhorar o desempenho das Cadeias Desmineralizadoras de Água - EDA e com isso garan r maior qualidade no processo industrial. Para isso era fundamental melhorar a qualidade das resinas de troca iônica. As resinas de troca iônica são substâncias fundamentais num processo produ vo, principalmente quando se requer o uso de água desmineralizada. Este trabalho descreve o processo de limpeza e desinfecção química de um sistema de troca iônica ca ônico e aniônico, para dar uma sobrevida às Cadeias e ainda aumentar sua capacidade de trocas iônicas. Um procedimento desse po é aplicável quando existe um estudo analí co visando subs tuir ou não as resinas de troca iônica, segundo parâmetros sico-químicos. Através desse procedimento, podemos permi r ao cliente ter uma disponibilidade de tempo para viabilizar uma eventual subs tuição, sem comprome mento do processo produ vo. Uma boa resina de troca iônica significa a qualidade do produto final. TT Apresentação em Pôster APLICAÇÃO DA TECNOLOGIA SEM FIO PARA MONITORAMENTO PREDITIVO EM CORREIAS TRANSPORTADORAS DE MINÉRIO DE FERRO DA VALE - MINA MUTUCA Diego Silva - Acoem - 01db Brasil Comércio de Equipamentos Ltda. / Weverton Heleno Moreira - Vale Correias transportadoras são os meios mais usados para o transporte de materiais. Na área de manutenção são u lizadas várias técnicas para garan r a disponibilidade destes a vos. Atualmente com a complexidade e com comprimentos cada vez maiores, o monitoramento de um parque com aproximadamente 45 km de correias torna-se um desafio. Este trabalho apresenta as vantagens na u lização de um sistema de monitoramento predi vo através de sensores tri-axiais de vibração e temperatura sem fio em correias transportadoras de minério de ferro. Esta tecnologia possibilita a redução de até 250H/H de inspeção por mês, além do baixo custo de instalação (infraestrutura, recursos), rápida operacionalização, baixa manutenção do sistema e fácil expansão. A maior confiabilidade das medições, hoje realizadas a cada 8 horas, ao contrário do monitoramento mensal off-line, medições múl plas e simultâneas nos três eixos e integradas com o monitoramento da temperatura em um mesmo sensor. Os ganhos maiores em segurança, confiabilidade e capacidade de planejamento da manutenção completam os bene cios do sistema de monitoramento wireless.

14 TT Apresentação em Pôster NOVA GERAÇÃO DE FERRAMENTAS INTELIGENTES E INSTRUMENTAÇÃO CONECTADA A SERVIÇO DA EFICIÊNCIA DA INSPEÇÃO PREDITIVA Kevin Cormier - Acoem - 01db Brasil Comércio de Equipamentos / Edilson s. Ribeiro - Acoem - 01db Brasil Comércio de Equipamentos A busca pela maior eficiência da manutenção, conjugada à paisagem econômica atual, oferece um contexto propício pela transição da manutenção predi va para a manutenção proa va. As chaves de sucesso da evolução para a manutenção proa va são o aumento da produ vidade na realização das a vidades ro neiras, o suporte para a tomada de decisão e a priorização das tarefas e o compar lhamento das experiências. Os recentes desenvolvimentos e inovações na área de instrumentação e ferramentas inteligentes proporcionam as alavancas necessárias a essa transição. TT Apresentação em Pôster REDUÇÃO DE CONSUMO DE ENERGIA NOS COMPRESSORES DE AR E LINHA DE AR COMPRIMIDO UTILIZANDO A METODOLOGIA KAIZEN 12 PASSOS Roger da paz Rosa - Comau do Brasil Em busca de excelência e visando sustentabilidade as empresas estão buscando cada vez mais alterna vas para redução de gastos com melhorias de eficiência energé ca. Dessa maneira, os gestores estão se conscien zando da necessidade de inves r em estudos energé cos a fim de buscar estes resultados e eficiência para longo prazo, reduzindo custos e tornando seus processos cada vez mais sustentáveis. Pensando desta forma, o alinhamento de áreas do Meio Ambiente e Manutenção de U lidades proporciona a soma de conhecimentos específicos e formando um grupo de melhoria a fim de obter estudo de melhoria de eficiência energé ca para redução do consumo de energia nos compressores de ar. Para este trabalho de estudo o melhor conceito encontrado é da melhoria ou mudança para melhor u lizando-se e aplicando o conceito da metodologia Kaizen para este trabalho. TT Apresentação em Pôster AUTOMATIZAÇÃO EM EXTRAÇÃO DE QUEIMADORES EM FORNOS DE PELOTIZAÇÃO Wellington Lopes Banhos - Samarco Mineração / Fernando Alves de Oliveira - Samarco Mineração Luiz Carlos Barreto - Samarco Mineração / Rafael Macieira Avelar - Samarco Mineração Durante o processo de queima em um forno de pelo zação são necessárias algumas manobras operacionais que exigem a re rada do queimador para manutenções preven vas e corre vas, no segundo caso o mesmo perdeu sua capacidade operacional e caso não seja re rado em tempo hábil, o mesmo poderá sofrer danos irreversíveis devido sua exposição a altas temperaturas. Este projeto viabiliza a possibilidade de extração de maneira rápida, prá ca e segura através de um sistema eletropneumá co, que irá monitorar o funcionamento do queimador, e executar a extração tão logo o sistema perceba uma falha, em relação ao fator humano o sistema reduzirá a exposição aos riscos existentes na extração de um queimador, reduzindo o fator de risco e a taxa de acidentes classificados, buscando sempre uma operação segura e ergonomicamente correta e sem a probabilidade de interagir com o perigo, levando em consideração que o ambiente é insalubre e periculoso. TT Apresentação em Pôster APLICAÇÃO DO SISTEMA DE REPARO COM MATERIAIS COMPÓSITOS EM TUBULAÇÕES QUE SOFRERAM DEGRADAÇÕES DEVIDO AO PROCESSO CORROSIVO George di Cesar da Mota e Silva - Tecnofink / Thomas Georg Fink - Tecnofink / Maicon Jhoni de Oliveira - Tecnofink Mauro Missao Watanabe Junior - Tecnofink / Valber Azevedo Perrut - Petrobras / Alex Herdy Piler - Tecnofink / Maurélio Nascimento - Tecnofink Sistema de Reparo com Materiais Compósitos Inspecionáveis Resumo: Um dos grandes desafios encontrados no ambiente industrial é contrabalancear problemas relacionados com o fenômeno da corrosão. Dados esta s cos apontam que a cada duas toneladas de aço produzidas, uma é des nada as perdas relacionadas a metais corroídos. No ambiente Offshore, devido a diversos fatores o processo de corrosão se desencadeia de forma ainda mais acelerada.como em qualquer processo industrial, dutos e seus componentes estão presentes em tais processos e muitas vezes são danificados pelo processo corrosivo apresentando vazamento.na maioria dos casos não é possível parar uma linha de produção para que seja realizada a troca dos equipamentos, tendo em vista que o gasto envolvido ao interromper um processo seria elevadíssimo. Assim sendo, surgiu a solução de reparo em tubulações e equipamentos u lizando os materiais compósitos e que tem se demostrado ser muito eficiente. Entretanto uma dúvida que pode ocorrer é o que exatamente acontece entre as camadas do laminado de reparo e na interface do compósito e substrato, isto é, é possível avaliar diversas variáveis que eventualmente podem ocorrer debaixo de um reparo após decorrido um período de tempo da realização do reforço estrutural com o material compósito?o Thermo-Wrap inspecionável é um sistema de reparo com material compósito personalizado que u liza fibra de vidro bidirecional de alta rigidez e com a arquitetura não trançada, essa fibra trabalha juntamente com o sistema epóxi inspecionável. TT Apresentação em Pôster DETERMINANDO O TEMPO ÓTIMO DE TROCA DE ATIVOS FÍSICOS SUPORTADA PELA COMBINAÇÃO DE ANÁLISE DE DE CUSTO DE VIDA E ENGENHARIA DA CONFIABILIDADE José Flávio Ramos Junior - Reliaso Brasil Calcular o Ciclo de custo de Vida (Life Cycle Cost - LCC) de A vos Físicos é uma tarefa de suma importância no Planejamento estratégico das Empresas, pois além de ser um dos pré Requisitos da PAS-55, item 4.5.1, a aplicação do LCC permite iden ficar a viabilidade das opções e alterna vas de inves mento ou descarte de um a vo, mediante á variáveis da Engenharia Econômica, tais como taxa de depreciação, inflação entre outros. Entretanto não é uma tarefa simples, pois exige uma grande quan dade de informações para o calculo das variáveis econômicas, possíveis oscilações de mercado, custos operacionais e também custos da manutenção do a vo, sendo que estes dois úl mos são os mais importantes quando analisamos a vos sicos. Algumas técnicas para os cálculos dos custos operacionais e de manutenção u lizam formulações simplificadas, para que estes custos sejam quan ficados e projetados para o período futuro referente à vida ú l do a vo. Alguns cálculos assumem aumento linear dos custos equivalentes de operação e manutenção, o que na maioria dos casos não representa a realidade de u lização do a vo. Neste trabalho serão aplicadas técnicas e ferramentas da Engenharia da Confiabilidade as quais possuem suas métricas e cálculos baseados em esta s ca e Simulação, as quais permitem a realização dos cálculos dos custos de manutenção e operação com mais precisão, pois os modelos esta s cos se adéquam a cada po de a vo/componente (itens), mediante aos seus modos de falha e também contexto operacional, ou seja, mais preciso do que adotar médias aritmé cas para previsão das falhas e indisponibilidade, pois as médias aritmé cas não conseguem iden ficar as assimetrias no comportamento de vida, dado que média sempre assume a condição de simetria. TT Apresentação em Pôster CARACTERIZAÇÃO DE EQUIPES DE MANUTENÇÃO COM BASE NOS PARÂMETROS DA DISTRIBUIÇÃO WEIBULL OBTIDOS PELA MAXIMIZAÇÃO DA MLE UTILIZANDO O ALGORITMO ELIPSOIDAL João Luis Reis e Silva - Simula7 Soluções Atualmente o elemento humano vem se tornando um ponto de atenção cada vez mais importante no contexto produ vo industrial, uma vez que os desempenhos de equipes, especialmente de Manutenção e Operação, frente às crescentes demandas produ vas, influenciam fortemente o desempenho financeiro dos setores produ vos e também em questões relacionadas à segurança do trabalho e demais aspectos legais e trabalhistas. Desta forma o intuito deste trabalho visa propor elementos quan ta vos de análise da confiabilidade humana direcionados às equipes de manutenção de um setor energé co de forma a caracterizá-las frente aos seus níveis de desempenho em cumprir tarefas para elas direcionadas. O trabalho u liza métodos esta s cos para determinação dos parâmetros de distribuição que modelam o comportamento das a vidades de reparo em uma concessionária de energia. Tais parâmetros são ob dos através de métodos de o mização, no caso o algoritmo elipsoidal, para a maximização de funções de verossimilhança (MLE). TT Apresentação em Pôster CONSULTORIA EM GESTÃO DA LUBRIFICAÇÃO, UTILIZADA COMO FERRAMENTA PARA O AUMENTO DA DISPONIBILIDADE, DA CONFIABILIDADE E REDUÇÃO DE CUSTOS DE MANUTENÇÃO Mauro Lúcio Mar ns - Comau do Brasil / Marcelo Leite - Comau do Brasil / Charles Peixoto - Comau do Brasil / Valney Almeida - Comau do Brasil Denilson Borges - Comau do Brasil / Ana Paula Simões - Comau do Brasil / Marcelo San liano - Comau do Brasil A busca da eficácia na gestão da lubrificação e a maximização da eficiência do lubrificante nos leva a obter bene cios econômicos como a redução do desgaste, o controle da corrosão, o aumento na confiabilidade na lubrificação dos equipamentos, o desempenho, garan a do lubrificante e no desenvolvimento de tecnologias inovadoras em lubrificação. Isto incen vou a equipe de engenharia, a desenvolver um sistema de inspeção do processo de lubrificação, que tem inclusive o obje vo de iden ficar as boas prá cas e os pontos de melhoria, para fornecer as recomendações necessárias a um máximo da eficiência dos lubrificantes e conduzir os usuários a usufruir das vantagens intrínsecas de uma lubrificação eficaz. Temos com resultado deste trabalho o aumento da Disponibilidade dos equipamentos com aumento da confiabilidade e consequentemente redução nos custos de manutenção, bem como eliminação das perdas de produção oriundas de quebras por uma lubrificação deficiente. Bene cios alcançados com a consultoria após a implantação das recomendações: Capacitação de mão de obra 100%; Eficien zação do processo de lubrificação 90%; Padronização do processo de lubrificação 93%; Eliminação de perdas com prá ca inadequada de lubrificação 95%; Redução de desgaste dos equipamentos 60%; Eliminação de perdas produ vas em função de uma lubrificação frágil ou deficiente85%; Maximização da performance do lubrificante(s) 90%; Aumento na confiabilidade da lubrificação e aumento na vida ú l dos componentes rota vos 98%. TT Apresentação em Pôster ELABORAÇÃO DE PLANO ANUAL DE MANUTENÇÃO DA REGIONAL DE TRANSMISSÃO DO MARANHÃO ELETRONORTE José Eduardo Cavalcante Filho - Centrais Elétricas do Norte do Brasil - Eletronorte Bruno Gomes Gerude - Centrais Elétricas do Norte do Brasil - Eletronorte / Evandro Pinto de Oliveira - Centrais Elétricas do Norte do Brasil - Eletronorte A gestão da manutenção nas empresas dos diversos setores, cresceu bastante com o aumento da complexidade dos sistemas e equipamentos, trazendo a necessidade de estratégias eficazes que pudessem conduzir ao aumento da disponibilidade dos equipamentos e à melhoria con nua, garan ndo sempre custos mínimos. E no Setor Elétrico Brasileiro, estas necessidades estratégicas foram intensificadas devido as grandes mudanças na legislação e na estrutura do setor promovidas pelo Governo Federal para melhorar a qualidade dos serviços prestados e aumentar a compe vidade das concessionárias de energia elétrica. Esse ar go demonstra um estudo de caso do processo de elaboração do planejamento anual de manutenção de uma Regional de Transmissão da Eletronorte no Maranhão e como é realizado a acompanhamento e análise crí ca da manutenção. Nesse âmbito, o Plano Anual de Manutenção (PAM) aumentará a lucra vidade e eficiência da empresa, pois teremos uma diminuição no tempo de atendimento às manutenções, redução de perdas provenientes de defeitos e falhas e maior produ vidade e disponibilidade de mão de obra e equipamentos. TT Apresentação em Pôster GESTÃO DE ATIVOS HUMANOS COMO FATOR DE REDUÇÃO DE ACIDENTES: ESTUDO DE CASO DE UMA EMPRESA DE CELULOSE E PAPEL Reinaldo Jerônimo de Souza Barbosa - Klabin / Marinilda Lima Souza - Faculdade de Tecnologia Senai Cimatec A consideração e o entendimento da confiabilidade humana na realização de a vidades no trabalho permitem um maior controle dos possíveis erros humanos, minimizando as chances de ocorrência de acidentes. A confiabilidade ob da por um projeto de um produto ou sistema passa, fundamentalmente, pela compreensão dos fatores humanos na interface com o objeto. Assim, o obje vo deste trabalho é analisar o acidente em uma empresa de Celulose e Papel, especificamente na a vidade de manutenção em painéis e componentes elétricos tomando como referência a norma API (American Ins tute Petroleum) 770. Para além, o estudo também analisa e classificar os erros e fatores humanos que contribuíram para o acidente de acordo e sugere propostas de melhoria e formas de inclusão das mesmas dentro da dimensão dos procedimentos existentes na empresa. Dentro deste contexto o método de análise do estudo de caso baseou-se na Norma API Guia de Gerenciamento para redução de Erros Humanos nos Processos Industriais, abordando os seguintes aspectos: os Fatores de Influencia; fatores de desempenhos internos, fatores de desempenhos externos, caracterís cas situacionais, caracterís ca das tarefas equipamentos e procedimentos, as situações propensas a erros, proposta de melhorias e as providencias imediatas tomadas. Enfim, o estudo mostra que as análises de confiabilidade humana contribuem para a gestão de a vos humanos vez que, mais que oferecer mecanismos para iden ficar as situações de prováveis erros permitem que os gestores possam implementar ações que controle os riscos relacionados com a gestão de a vos associados as a vidades de trabalho e possam obter bene cios da gestão de a vo de desempenho de pessoal TT Apresentação em Pôster PROPOSTA DE UM MÉTODO EFICIENTE PARA A IMPLANTAÇÃO DA MANUTENÇÃO AUTÔNOMA NA FASE REATIVA POR MEIO DA METODOLOGIA WCM ( WORLD CLASS MANUFACTURING) Ariany Ribera Bejarano / Danielle Bond - Udesc / Newton Nauro Tasso Faraco - Sociesc O cenário compe vo atual leva as empresas a buscarem novas metodologias de gestão a fim de melhorar os seus sistemas gerencias e produ vos. A demanda dos clientes se concentra na variedade, qualidade, tempo de entrega e custo dos produtos resultando na necessidade de processos cada vez mais eficientes. Na manufatura estes fatores exigem boas prá cas de manutenção e o envolvimento dos operadores a fim de maximizar a disponibilidade das máquinas para poder produzir produtos com qualidade no tempo certo. Tendo em vista tais exigências nasce a metodologia do WCM (World Class Manufacturing), um sistema baseado nos conceitos de zero desperdício, zero quebra, zero defeito e zero estoque e que vem apresentando excelentes resultados para as empresas. Neste contexto este trabalho tem como obje vo propor um método de implantação da manutenção autônoma na fase rea va seguindo a metodologia do WCM numa empresa líder mundial no mercado de compressores hermé cos e reconhecida por oferecer soluções inovadoras em refrigeração. Para isto foi consolidada uma sistemá ca lógica e prá ca a fim de aplicar a manutenção autônoma dentro do contexto do WCM por meio do uso de ferramentas, treinamentos, acompanhamento de indicadores de manutenção e gestão à vista. O trabalho apresenta também um estudo de caso em uma máquina modelo o qual é base deste trabalho, analisando os resultados até o momento e propondo os próximos passos para o projeto de expansão em toda a fábrica. TT Apresentação em Pôster A MANUTENÇÃO DE ATIVOS E O COMPROMETIMENTO COM A GESTÃO DE RESÍDUOS PERIGOSOS Gustavo Baumgratz de Oliveira - Comau do Brasil / Luiz Flávio Gaspar - Comau do Brasil A cada ano a preocupação com o meio ambiente e os cuidados a serem tomados para sua preservação é maior e mais evidente, quer nos órgãos regulamentadores e fiscalizadores, quer nas indústrias. Nesta úl ma, o setor de manutenção de a vos é um dos grandes responsáveis pela geração de resíduos perigosos e tem, dentre outras, a preocupação tanto com o acondicionamento quanto com a des nação destes resíduos, que devem ser cuidadosamente monitorados. Desta forma, o acompanhamento ao atendimento das legislações existentes é uma das ferramentas para a preservação do meio ambiente, porém não se pode deixar de lado o Budget do setor, o que faz com que a manutenção esteja sempre buscando alterna vas para o mizar os custos com a trata va destes resíduos. Na gestão dos resíduos perigosos, além dos constantes esforços empregados na conscien zação para com a redução na geração, há também os voltados ao saneamento de custos com as embalagens devidamente homologadas para o acondicionamento e transporte seguro dos resíduos. Nesta linha, este trabalho vem apresentar os resultados alcançados pelo setor de manutenção de a vos da mineração de uma unidade de beneficiamento, localizada em Minas Gerais, onde os estudos realizados e as melhorias implantadas no acondicionamento dos resíduos apresentaram uma redução de 72% dos custos por tonelada de resíduo perigoso des nado.

15 TT Apresentação em Pôster INDICADORES DE MANUTENÇÃO NO AGRONEGÓCIO Pedro Ribeiro Cebulski - Coopera va Agrária Agroindustrial Atualmente na ro na das grandes e pequenas empresas é necessário e imprescindível o acompanhamento de indicadores para monitorar a performance, não somente no acompanhamento de receitas gerais, mas também na área de manutenção. Já faz um tempo que a manutenção vem se tornando um importante setor dentro da indústria, pois ela quem dá o maior apoio à produção, desde o fato de manter o equipamento em pleno funcionamento até a melhoria dos processos, aumentando a produção e evitando ao máximo paradas não planejadas. Desta forma, para acompanhar toda a gestão da manutenção, existem diversos indicadores que podem dar o apoio necessário para isso. Com a diversidade de indústrias e processos alguns indicadores são primordiais e outros não indicam o verdadeiro status das empresas. Para tudo isso, se faz necessário um estudo para introduzir os melhores indicadores para cada processo, buscando o acompanhamento, mais eficaz. Hoje na agroindústria existem muitos indicadores que podem ser acompanhados, e muitas vezes existem diferenças na forma de medição, que dificulta e muito os benchmarking. Assim sendo, este trabalho tem como obje vo repassar diversos indicadores que podem e devem ser acompanhados no agronegócio brasileiro. Este trabalho mostra a maneira u lizada pela engenharia de manutenção para acompanhamento e gestão da conta de manutenção da Coopera va Agrária Agroindustrial. TT Apresentação em Pôster SIMULAÇÃO DE UM TRANSPORDADOR AEREO Aline Schimidt Brum - Comau do Brasil Manter um equipamento qualquer funcionando em perfeitas condições no decorrer de um tempo não é trivial. Quando falamos de componentes mecânicos estamos levando em conta variáveis como desgaste, aquecimento, resfriamento, erros operacionais, folgas, interferências dentre outras que podem levar um conjunto qualquer do equipamento a falhar. É muito importante conhecer a vida ú l de cada componente responsável pelo funcionamento correto de uma máquina. A engenharia evoluiu bastante no campo de projeto de componentes, com materiais de durabilidade elevada e sistemas que permitem verificar suas falhas. Um outro ramo que evoluiu e traz inúmeros bene cios na manutenção é a simulação das falhas, com modelos matemá cos e esta s cos. Desta forma é possível prever o momento da falha antes de acontecer. Na indústria o planejamento é o pilar que sustenta a con nuidade produ va, logo prever e planejar a parada de um disposi vo ou maquina para uma intervenção, proporciona um ganho considerável, comparado com uma subs tuição depois do defeito ocorrido. No cenário atual uma fabrica não se mantem no mercado se não for compe va. O obje vo do trabalho é mostrar quais os ganhos ob dos principalmente em custo e prazo quando u lizamos a simulação na manutenção de um parque de maquinas industriais. TT Apresentação em Pôster PROJETO PILOTO DE IMPLANTAÇÃO DE MANUTENÇÃO AUTÔNOMA EM UMA COOPERATIVA AGROINDUSTRIAL Paula Ta ana Bonan - Coopera va Agrária Agroindustrial / Carlos de Nardi - Universidade Tecnológica Federal do Paraná - U pr Este ar go como obje vo mostrar a viabilidade de implantação de um sistema de manutenção autônoma em uma Coopera va Agroindustrial. No decorrer deste ar go serão apresentadas as caracterís cas sobre a Manutenção Autônoma, dados e informações sobre o sistema de Manutenção Produ va Total (MPT), bem como uma pesquisa exploratória onde foram desenvolvidos ques onamentos com os trabalhadores da áera a fim de buscar maiores informações sobre o setor e sua ro na de trabalho. Também uma pesquisa-ação, pois se trata de uma pesquisa com base empírica que é concebida e realizada em estreita associação com uma ação ou com a resolução de um problema e no qual os pesquisadores e par cipantes representa vos estão envolvidos de modo coopera vo ou par cipa vo, como de fato acabou se concre zando ao longo da implantação da MPT. TT Apresentação Oral GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO EM PARADAS DE MANUTENÇÃO Arthur Lima Mo a - Arthur Mo a Consultores Associados em Saúde e Segurança As Paradas de Manutenção fazem parte do processo de inspeção e manutenção em instalações petroquímicas, de petróleo e gás, papel e celulose, siderurgia, termoelétricas e cimenteiras, por exemplo. Ocorrendo em períodos que variam de 1 ano até 6 anos, envolvem para sua execução um exército de trabalhadores, podendo chegar até exclusivamente contratados para este fim. O tempo de parada pode variar de aproximadamente 7 até 40 dias. A Parada implica na paralização da instalação completamente ou só de unidade(s). Isto impacta na produção. A pressão para realizar a Parada no prazo planejado e a retomada imediata da produção é fator de preocupação constante, especialmente para a segurança e saúde dos trabalhadores. Na execução das a vidades de inspeção e manutenção na Parada estão envolvidos múl plos riscos, como de trabalhos em altura, espaços confinados, condições ergonômicas inapropriadas, calor, ruído, agentes químicos, exposição às energias perigosas, riscos psicossociais, dentre outros. Algumas vezes, quase todos ao mesmo tempo. Outro aspecto importante a destacar é a questão da realização de várias a vidades concomitantemente, com riscos ampliados para todos e, algumas vezes, com uma unidade com produtos químicos perigosos operando normalmente ao lado de outra em processo de manutenção. Para a realização de uma Parada com sucesso é estratégico um excelente planejamento para a prevenção de acidentes e doenças ocupacionais. Neste contexto está inserida a Gestão e a Auditoria em Segurança e Saúde no Trabalho (SST). Na Gestãodevem estar presentes elementos como a poli ca de SST para a Parada, planejamento, organização, avaliação, dentre outros aspectos. Completa-se a isto, a execução de Auditorias de SST. Essa é uma poderosa ferramenta, com excelentes resultados, confirmados após mais de década de efe va aplicação em Paradas de Refinaria de Petróleo no RS. Recentemente foram implementadas com a mesma eficácia em Parada de empresa de Papel e Celulose. Uma série de requisitos são necessários para que as Auditorias se transformem em diferencial na Parada: elaboração focada no cumprimento de disposi vos legais, nos múl plos riscos existentes, na discussão e integração com a equipe gestora da Parada, no planejamento detalhado de todas as etapas de sua aplicação, com implementação por equipe com qualificada experiência em Auditorias de SST e na análise dos resultados ao final da Parada, para que sirvam de parâmetros para próximas Paradas. A experiência na implementação de Auditorias de SST em Paradas de Manutenção demonstraram sua eficácia, seu valor agregado quando da analise dos resultados ob dos e a compreensãopela equipe gestora da Parada como sendo uma ferramenta importante para o controle de riscos, prevenção de acidentes e doenças ocupacionais. Todo o ciclo de vida da gestão de projetos de paradas de manutenção envolve a busca da excelência. Para alcançar a maturidade, os impera vos estratégicos e o sucesso dessa Gestão de Projetos, é necessária a inclusão da Gestão e da Auditoria em Segurança e Saúde no Trabalho, incorporando-a à cultura corpora va. As capacitações em SST de Gerentes, Supervisores e Administradores de Projetos de Paradas de Manutenção, os relacionamentos e o envolvimento com as empresas contratadas, o alinhamento de performance em segurança e saúde no trabalho, o uso de indicadores operacionais e a concepção, o planejamento e a execução de auditorias com foco em SST são forças motrizes essenciais que melhoram a competência da Gestão de Projetos em Paradas de Manutenção. TT Apresentação em Pôster DESENVOLVIMENTO E IMPLANTAÇÃO DE SISTEMÁTICA DE GERENCIAMENTO DE PURGADORES DE VAPOR Roberto Carlos de Brito - Petróleo Brasileiro Uma genuína empresa de energia atua fortemente no desenvolvimento de ações focadas em preservação ambiental, u lização consciente e planejada de recursos naturais, sustentabilidade e conservação energé ca. Entre seus valores estão às premissas do Plano Nacional de Recursos Hídricos e para atendê-las criou metas e indicadores de resultados para reduzir o desperdício de vapor em suas unidades. Este trabalho, inscrito na categoria Manutenção e Meio Ambiente, descreve o desenvolvimento e implantação de uma sistemá ca de gerenciamento de purgadores de vapor que é, basicamente, a operacionalização de ciclos sucessivos e permanentes de PDCA (Plan - Do - Check - Act / Plan-Do-Check-Adjust), em uma das unidades desta empresa. Como resultados concretos apresenta a redução do desperdício de vapor através da eliminação de seus vazamentos; redução da queima de combus veis; redução das emissões de gases geradores do efeito estufa e outros e diminuição do tempo de execução de a vidades ro neiras de manutenção relacionadas à adequação e subs tuição de purgadores. De acordo com os custos da geração de vapor, após dois anos de aplicação das ações, a economia observada pela eliminação de mais de 70% dos vazamentos iden ficados no início do projeto é es mada em R$ ,00. TT Apresentação em Pôster ACOMPANHAMENTO DAS ATIVIDADES DE ENGENHARIA DE MANUTENÇÃO E GESTÃO DE ATIVOS POR DISPOSITIVOS MÓVEIS SMARTPHONE E TABLET ATRAVÉS DO APLICATIVO VEMAN PARA CELULAR Rodrigo Roveri - Veman Engenharia de Manutenção e Gestão de A vos / Renato Rinaldi - Veman Engenharia de Manutenção e Gestão de A vos Mario Américo - Veman Engenharia de Manutenção e Gestão de A vos / Josinaldo Santos - Veman Engenharia de Manutenção e Gestão de A vos Diego Isaías - Veman Engenharia de Manutenção e Gestão de A vos Atentos ao dia a dia da manutenção e novas tendências tecnológicas, o departamento de Engenharia da VEMAN inovou com o desenvolvimento desta ferramenta que facilita o acompanhamento de todas as a vidades de manutenção e gestão de a vos de nossos clientes, proporcionando mais agilidade, confiabilidade e transparência em todos os processos de manutenção, do início ao fim, on line. Nossos clientes têm em tempo real acesso a todas as informações dos seus contratos, na palma de suas mãos, para isso basta apenas ter um smartphone ou tablet com conexão à internet. TT Apresentação Oral APLICAÇÃO INÉDITA DE PRÁTICAS DE MANUTENÇÃO EM GUINCHOS DE PULL IN, BASEADA EM ANÁLISE DE CONFIABILIDADE, INCLUINDO PRESERVAÇÃO E HIBERNAÇÃO DO EQUIPAMENTO OFF-SHORE Leonardo Lunelli Arnecke - Petrobras / Anna Tiemi Pinto Goto - Petrobras Thiago Maia Pereira Campos - Petrobras / Rafael Silva de Miranda - Petrobras O presente trabalho inédito explana as caracterís cas técnicas e econômicas do processo de interligação de risers, além de apresentar a estratégia de manutenção, preservação e hibernação adotada para os sistemas de pull-in das plataformas da Unidade de Operação do Rio de Janeiro (UO-RIO). Demostra, ainda, os resultados alcançados e os desafios enfrentados ao longo da implantação da estratégia. Devido as caracterís cas operacionais dos sistemas de movimentação de Risers (Sistema de Pull In) das unidades estacionárias de produção (UEP), baixa taxa de u lização e alta cri cidade nas operações, acrescido da baixa priorização nas a vidades de manutenção e preservação destes equipamentos por parte da equipe normalmente off-shore, notou-se a necessidade de criar uma equipe volante com tal obje vo.

Tecnologia Preditiva no Transformador de Potência da Johnson&Johnson

Tecnologia Preditiva no Transformador de Potência da Johnson&Johnson Tecnologia Preditiva no Transformador de Potência da Johnson&Johnson Luiz B. S. Chacon (1) 1 Murilo Armelin Toledo (2) 2 Lucas Pavan Fritoli (3) 3 Hirokazu T. B. Ito (4) 4 RESUMO A energia elétrica é um

Leia mais

T.T. 035 MAXIMIZANDO A DISPONIBILIDADE DOS ATIVOS, ATRAVÉS DA INTEGRAÇÃO DE TÉCNICAS PREDITIVAS E VARIÁVEIS DE PROCESSO

T.T. 035 MAXIMIZANDO A DISPONIBILIDADE DOS ATIVOS, ATRAVÉS DA INTEGRAÇÃO DE TÉCNICAS PREDITIVAS E VARIÁVEIS DE PROCESSO T.T. 035 MAXIMIZANDO A DISPONIBILIDADE DOS ATIVOS, ATRAVÉS DA INTEGRAÇÃO DE TÉCNICAS PREDITIVAS E VARIÁVEIS DE PROCESSO Luiz Fernando P. Gonçalves (1) Otávio Luiz Dibe Vescovi (2) Karlheinz Kattermann

Leia mais

Otimização de máquinas de papel da SKF

Otimização de máquinas de papel da SKF Otimização de máquinas de papel da SKF Aumentando a eficiência e a produtividade global das máquinas O Poder do Conhecimento em Engenharia Operação mais rápida e eficiente Nunca foi tão difícil operar

Leia mais

DIAGNÓSTICO E DEFINIÇÃO DE SOLUÇÕES

DIAGNÓSTICO E DEFINIÇÃO DE SOLUÇÕES Somos uma empresa brasileira, especializada em soluções de automação de máquinas e processos industriais, instalação, comissionamento e segurança de infraestrutura elétrica e de máquinas, microgeração

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção Curso de Engenharia de Produção Manutenção dos Sistemas de Produção Introdução: A manutenção preditiva é a primeira grande quebra de paradigma nos tipos de manutenção. No Brasil a aplicação é pequena apenas

Leia mais

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007 8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007 ESTUDO E DETERMINAÇÃO DE UM SISTEMA DE AQUECIMENTO DE MISTURA ÁGUA/ÓLEO PARA AVALIAÇÃO AUTOMÁTICA DE MEDIDORES DE VAZÃO

Leia mais

HYDAC KineSys Sistemas de acionamento

HYDAC KineSys Sistemas de acionamento HYDAC KineSys Sistemas de acionamento Veículos de manuseio de materiais Usinas termelétricas Máquinas injetoras de plástico Seu parceiro profissional para soluções de acionamento Todas as condições para

Leia mais

4. O Ciclo das Substancias na Termoelétrica Convencional De uma maneira geral todas as substâncias envolvidas na execução do trabalho são o

4. O Ciclo das Substancias na Termoelétrica Convencional De uma maneira geral todas as substâncias envolvidas na execução do trabalho são o 1.Introdução O fenômeno da corrente elétrica é algo conhecido pelo homem desde que viu um raio no céu e não se deu conta do que era aquilo. Os efeitos de uma descarga elétrica podem ser devastadores. Há

Leia mais

Monitoramento Online de Máquinas e Equipamentos www.preditivaonline.com.br marceloterra@preditivaonline.com.br Tel. 15-997741518

Monitoramento Online de Máquinas e Equipamentos www.preditivaonline.com.br marceloterra@preditivaonline.com.br Tel. 15-997741518 Principais Conceitos Definição de manutenção : ato ou efeito de manter; cuidar de algum objeto ou bem. Conservação. Podemos entender manutenção como o conjunto de tratativas e cuidados técnicos, indispensáveis

Leia mais

Autores: Mauro Lucio Martins Eduardo Sarto

Autores: Mauro Lucio Martins Eduardo Sarto Aplicação da Preditiva on-line Como Ferramenta para o Aumento da Disponibilidade e Confiabilidade dos Equipamentos Rotativos em uma Empresado Ramo Petrolífero Autores: Mauro Lucio Martins Eduardo Sarto

Leia mais

Análise das Necessidades do Cliente da SKF. Energia e Sustentabilidade

Análise das Necessidades do Cliente da SKF. Energia e Sustentabilidade Análise das Necessidades do Cliente da SKF Energia e Sustentabilidade Análise das Necessidades do Cliente da SKF Energia e Sustentabilidade A indústria responde por um terço de todo o consumo de energia.

Leia mais

Até agora vimos os conceitos de manutenção

Até agora vimos os conceitos de manutenção A U A UL LA Aplicações da manutenção Até agora vimos os conceitos de manutenção e as aplicações das suas diversas modalidades. Estudamos também os procedimentos de manutenção para vários tipos de elementos

Leia mais

Sistema Remoto de Monitoramento On- Line das Pressões de Óleo de Cabos OF (Oil Fluid) da AES ELETROPAULO

Sistema Remoto de Monitoramento On- Line das Pressões de Óleo de Cabos OF (Oil Fluid) da AES ELETROPAULO Sistema Remoto de Monitoramento On- Line das Pressões de Óleo de Cabos OF (Oil Fluid) da AES ELETROPAULO Gerência de Redes Subterrâneas Diretoria Regional II Paulo Deus de Souza Técnico do Sistema Elétrico

Leia mais

ADEQUAÇÃO CONFORME NORMA REGULAMENTADORA Nº 10

ADEQUAÇÃO CONFORME NORMA REGULAMENTADORA Nº 10 ADEQUAÇÃO CONFORME NORMA REGULAMENTADORA Nº 10 (1) Rogério Pereira da Silva Resumo Este trabalho tem como objetivo geral apresentar uma forma de Adequação a NR-10 e a elaboração do Prontuário. Descrevendo

Leia mais

Capítulo VII. Sistema de manutenção planejada e em motores elétricos. Manutenção elétrica industrial. Características. Conceitos. Organização do SMP

Capítulo VII. Sistema de manutenção planejada e em motores elétricos. Manutenção elétrica industrial. Características. Conceitos. Organização do SMP 50 Capítulo VII Sistema de manutenção planejada e em motores elétricos Por Igor Mateus de Araújo e João Maria Câmara* O Sistema de Manutenção Planejada (SMP) é formado por instruções, listas e detalhamento

Leia mais

Apresentação. Empresarial SOLUÇÕES EM TI

Apresentação. Empresarial SOLUÇÕES EM TI Apresentação Empresarial 2013 2014 SOLUÇÕES EM TI Ins tucional A Empresa Empresa focada na gestão de tecnologia da informação, que visa proporcionar a seus clientes redução dos gastos com TI, monitoramento

Leia mais

Por que a HEAVYLOAD? GERENCIAMENTO LOCAÇÃO DE EQUIPAMENTOS CERTIFICAÇÃO IÇAMENTO E LANÇAMENTO TESTE DE CARGA MOVIMENTAÇÃO CARGAS CARGA MANUTENÇÃO

Por que a HEAVYLOAD? GERENCIAMENTO LOCAÇÃO DE EQUIPAMENTOS CERTIFICAÇÃO IÇAMENTO E LANÇAMENTO TESTE DE CARGA MOVIMENTAÇÃO CARGAS CARGA MANUTENÇÃO Por que a HEAVYLOAD? Possibilidade garantida de contratar um único fornecedor com foco em: Gerenciamento dos Ativos; Desenvolvimento e implementação de novas tecnologias; Centro de Treinamento Próprio

Leia mais

EXPERIÊNCIA COM SISTEMA DE MONITORAMENTO PREDITIVO DE TRANSFORMADORES DE ALTA TENSÃO EM PLANTAS DA BRASKEM

EXPERIÊNCIA COM SISTEMA DE MONITORAMENTO PREDITIVO DE TRANSFORMADORES DE ALTA TENSÃO EM PLANTAS DA BRASKEM EXPERIÊNCIA COM SISTEMA DE MONITORAMENTO PREDITIVO DE TRANSFORMADORES DE ALTA TENSÃO EM PLANTAS DA BRASKEM José Rafael dos Santos (2) 2 Silas Sampietri Costa (3) 3 Gilberto Amorim Moura (4) 4 Daniel Pedrosa

Leia mais

TPM no Coração do Lean Autor: Art Smalley. Tradução: Odier Araújo.

TPM no Coração do Lean Autor: Art Smalley. Tradução: Odier Araújo. TPM no Coração do Lean Autor: Art Smalley. Tradução: Odier Araújo. A Manutenção Produtiva Total (TPM) tem sido uma ferramenta muito importante para os setores de manufatura intensivos em equipamentos.

Leia mais

Soluções da Elipse garantem um melhor desempenho ao Centro de Pesquisas da Petrobras

Soluções da Elipse garantem um melhor desempenho ao Centro de Pesquisas da Petrobras Soluções da Elipse garantem um melhor desempenho ao Centro de Pesquisas da Petrobras Tecnologias da Elipse Software permitem controlar os sistemas de refrigeração e distribuição de energia elétrica aos

Leia mais

TPM Total Productive Maintenance. ENG 90017 Manutenção e Confiabilidade Flávio Fogliatto

TPM Total Productive Maintenance. ENG 90017 Manutenção e Confiabilidade Flávio Fogliatto TPM Total Productive Maintenance ENG 90017 Manutenção e Confiabilidade Flávio Fogliatto Histórico e panorâmica da sistemática Surgida no Japão, é considerada evolução natural da manutenção corretiva (reativa)

Leia mais

Tecnologia de sistemas.

Tecnologia de sistemas. Tecnologia de sistemas. HYDAC Dinamarca HYDAC Polônia HYDAC Brasil HYDAC Índia HYDAC China HYDAC França HYDAC Alemanha Seu parceiro profissional para a tecnologia de sistemas. Com mais de 7.500 colaboradores

Leia mais

Manutenção Centrada em Confiabilidade MCC

Manutenção Centrada em Confiabilidade MCC ANEXO IV A Manutenção Centrada em Confiabilidade MCC Diante desta nova regulamentação no setor de Transmissão de Energia Elétrica, os agentes de transmissão devem buscar estratégias para evitar as penalizações

Leia mais

Teoria das Descargas Parciais

Teoria das Descargas Parciais Teoria das Descargas Parciais Quando uma tensão é aplicada aos terminais de um equipamento elétrico que possui isolamento elétrico (dielétricos - ar, SF 6, óleo isolante, fenolite, resinas, vidros, etc.)

Leia mais

Motores de tração em corrente alternada: Estudo do desempenho na CPTM. Introdução

Motores de tração em corrente alternada: Estudo do desempenho na CPTM. Introdução Motores de tração em corrente alternada: Estudo do desempenho na CPTM Introdução Os motores de tração são os equipamentos responsáveis pela propulsão dos trens. Sua falha implica na diminuição do desempenho

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção Curso de Engenharia de Produção Manutenção dos Sistemas de Produção Introdução: Existe uma grande variedade de denominações das formas de atuação da manutenção, isto provoca certa confusão em relação aos

Leia mais

AVALIAÇÃO E MELHORIA DO SISTEMA DE CONTROLE DE UMA CENTRAL DE GERAÇÃO DE VAPOR EM UMA REFINARIA

AVALIAÇÃO E MELHORIA DO SISTEMA DE CONTROLE DE UMA CENTRAL DE GERAÇÃO DE VAPOR EM UMA REFINARIA AVALIAÇÃO E MELHORIA DO SISTEMA DE CONTROLE DE UMA CENTRAL DE GERAÇÃO DE VAPOR EM UMA REFINARIA Cristine Kayser cristine@trisolutions.com.br Simone Maria Marcon simone@trisolutions.com.br Augusto dos Santos

Leia mais

Parte III Classes de temperatura, documentação, exemplos em CAD 2D e CAD 3D

Parte III Classes de temperatura, documentação, exemplos em CAD 2D e CAD 3D 32 Capítulo VIII Requisitos para automação de projetos e para estudos de classificação de áreas (com atmosferas explosivas de gases inflamáveis e de poeiras combustíveis em maquetes eletrônicas utilizando

Leia mais

Terceiro nível Quarto nível Quinto nível

Terceiro nível Quarto nível Quinto nível SEMINÁRIO JURÍDICO-FISCAL E WORKSHOP TÉCNICO DA 4 a RODADA DE LICITAÇÕES DA ANP CAPACIDADE Clique para editar NACIONAL os estilos do texto DA mestre CADEIA Segundo DE nível SUPRIMENTO PARA PETRÓLEO E GÁS

Leia mais

Aumentando a Confiabilidade em Sistemas de Descoqueamento

Aumentando a Confiabilidade em Sistemas de Descoqueamento Aumentando a Confiabilidade em Sistemas de Descoqueamento Guilherme Rodrigues Coking.com Rio August 6, 2009 Desafios impostos aos usuários Orçamento Orçamentos operacionais enxugados Operacional Custos

Leia mais

SOLUÇÕES INTEGRADAS PARA PROCESSOS ININTERRUPTOS DE PRODUÇÃO

SOLUÇÕES INTEGRADAS PARA PROCESSOS ININTERRUPTOS DE PRODUÇÃO SOLUÇÕES INTEGRADAS PARA PROCESSOS ININTERRUPTOS DE PRODUÇÃO Quem Somos Missão: Ser reconhecida como referência em sistema de adequação de energia com responsabilidade social e ambiental e alto grau de

Leia mais

APRESENTAÇÃO 2014 VISÃO CORPORATIVA PETROENGE PETRÓLEO ENGENHARIA LTDA. - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

APRESENTAÇÃO 2014 VISÃO CORPORATIVA PETROENGE PETRÓLEO ENGENHARIA LTDA. - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS VISÃO CORPORATIVA APRESENTAÇÃO 2014 PETROENGE PETRÓLEO ENGENHARIA LTDA. - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS EMPRESA Presente no mercado desde 1999, a PETROENGE é uma empresa de engenharia focada na maximização

Leia mais

UNESA Sistemas de Transportes Currículo 108 / 2008 MÓDULO 1 MANUTENÇÃO DE ATIIVOS

UNESA Sistemas de Transportes Currículo 108 / 2008 MÓDULO 1 MANUTENÇÃO DE ATIIVOS 1 INTRODUÇÃO MÓDULO 1 MANUTENÇÃO DE ATIIVOS O homem constrói máquinas, equipamentos, veículos, edificações, com o intuito de melhorar conforto e a segurança da sociedade. Entretanto, sabe-se que nada é

Leia mais

ETEC TAKASHI MORITA HABILITAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO DE TÉCNICO EM INSTRUMENTAÇÃO

ETEC TAKASHI MORITA HABILITAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO DE TÉCNICO EM INSTRUMENTAÇÃO ETEC TAKASHI MORITA HABILITAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO DE TÉCNICO EM INSTRUMENTAÇÃO PLANO TRABALHO DOCENTE 2º SEMESTRE 2013 1 Sumário 2º Módulo Componente Curricular: Instrumentação Aplicada

Leia mais

Turbocompressor modelo ABS HST 20

Turbocompressor modelo ABS HST 20 Turbocompressor modelo ABS HST 20 Principais Aplicações O turbocompressor modelo ABS HST 20 é altamente adequado para as seguintes áreas de aplicação: Aeração de água, efluentes ou outros líquidos Flotação

Leia mais

COMPRESSORES, SOPRADORES E VENTILADORES COMPRESSORES CENTRÍFUGOS (NORMA API 617)

COMPRESSORES, SOPRADORES E VENTILADORES COMPRESSORES CENTRÍFUGOS (NORMA API 617) COMPRESSORES, SOPRADORES E VENTILADORES FAIXAS MAIS USADAS ÁRA SELEÇÃO DOS COMPRESSORES. CENTRÍFUGOS: ENTRE 2.000 E 200.000 FT 3 /MIN (CFM) PRESSÃO ATÉ 5.000 PSIG ALTERNATIVOS: ATÉ 16.000 CFM PRESSÃO ATÉ

Leia mais

Automação, Controle e Otimização em Sistemas de Produção de Petróleo

Automação, Controle e Otimização em Sistemas de Produção de Petróleo Automação, Controle e Otimização em Sistemas de Produção de Petróleo Departamento de Automação e Sistemas Universidade Federal de Santa Catarina Apresentação da Rede Temática GeDIg, Março de 2008 Sumário

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ TM 285 MANUTENÇÃO INDUSTRIAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ TM 285 MANUTENÇÃO INDUSTRIAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ TM 285 MANUTENÇÃO INDUSTRIAL CURITIBA DEZEMBRO / 2011 1 INTRODUÇÃO 1.1 - Conceitos Do dicionário: Manutenção = Ato de manter Manter = Sustentar, defender Exemplos: manutenção

Leia mais

Rexroth 4EE Rexroth para Eficiência Energética

Rexroth 4EE Rexroth para Eficiência Energética Rexroth 4EE Rexroth para Eficiência Energética Procurando reduzir gastos com energia? Por que não aumentar a produtividade ao mesmo tempo? Reduzir os custos operacionais usando a energia com eficiência

Leia mais

A MANUTENÇÃO CENTRADA NA CONFIABILIDADE UMA PRÁTICA CONTEMPORÂNEA

A MANUTENÇÃO CENTRADA NA CONFIABILIDADE UMA PRÁTICA CONTEMPORÂNEA A MANUTENÇÃO CENTRADA NA CONFIABILIDADE UMA PRÁTICA CONTEMPORÂNEA MARCELO JOSÉ SIMONETTI 1 ; ANDERSON LUIZ DE SOUZA 2 ; CLAUDIO ROBERTO LEANDRO 3, ALDIE TRABACHINI 4 ; SANDRA MAUREN ELL 5 ; 1 Professor,

Leia mais

Energia sob medida com tecnologia Fockink

Energia sob medida com tecnologia Fockink Energia sob medida com tecnologia Fockink Grupo Fockink ISO 9001 Sistema de Gestão da Qualidade Certificado AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL E AGROINDUSTRIAL. CONCEPÇÃO, PROJETO, DESENVOLVIMENTO E MONTAGEM DE PAINÉIS

Leia mais

Cálculo Diferencial e Integral 80hrs Funções de uma variável e seus gráficos; Limites e continuidade; Derivada; Diferencial; Integral.

Cálculo Diferencial e Integral 80hrs Funções de uma variável e seus gráficos; Limites e continuidade; Derivada; Diferencial; Integral. Ementas: Cálculo Diferencial e Integral 80hrs Funções de uma variável e seus gráficos; Limites e continuidade; Derivada; Diferencial; Integral. Desenho Mecânico 80hrs Normalização; Projeções; Perspectivas;

Leia mais

COMO E QUANDO TERCEIRIZAR SERVIÇOS DE TERMOGRAFIA

COMO E QUANDO TERCEIRIZAR SERVIÇOS DE TERMOGRAFIA COMO E QUANDO TERCEIRIZAR SERVIÇOS DE TERMOGRAFIA Autor: Ozório Rezende C. Filho Consultor Técnico da Pred-Service Resumo Este trabalho, apresenta itens que devem ser considerados quando da elaboração

Leia mais

Desenho Técnico Fundamentos do desenho técnico; Construções geométricas; Desenho eletroeletrônico;

Desenho Técnico Fundamentos do desenho técnico; Construções geométricas; Desenho eletroeletrônico; EMENTA DE CONTEÚDOS Eletricidade Conceitos fundamentais da eletricidade; Circuitos elétricos de corrente contínua; Tensão alternada; Gerador de funções; Operação do osciloscópio; Tensão e corrente alternadas

Leia mais

FIEE Elétrica 2007 Ferramentas para o Monitoramento da Vida Útil de Transformadores

FIEE Elétrica 2007 Ferramentas para o Monitoramento da Vida Útil de Transformadores Ferramentas para o Monitoramento da Vida Útil de Transformadores. Power Transmission and Distribution O transformador é o componente mais crítico de uma subestação Page 2 Abril -2007 Alaor Scardazzi Número

Leia mais

Engenharia Gerencial. A cogeração como alternativa aos desafios energéticos

Engenharia Gerencial. A cogeração como alternativa aos desafios energéticos A cogeração como alternativa aos desafios energéticos A visão corrente de que o Brasil possui um dos maiores parques de energia hidrelétrica do mundo, nos afasta de uma realidade um pouco distante disto.

Leia mais

MONITORAMENTO DE SUBESTAÇÕES - A EXPERIÊNCIA CESP

MONITORAMENTO DE SUBESTAÇÕES - A EXPERIÊNCIA CESP GSE/ 2 17 à 22 de outubro de 1999 Foz do Iguaçu Paraná - Brasil GRUPO VIII SUBESTAÇÕES E EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS (GSE) MONITORAMENTO DE SUBESTAÇÕES - A EXPERIÊNCIA CESP Antônio Carlos T. Diogo (*) Manabu

Leia mais

PROJETO PIMS DO PÁTIO DE MINÉRIOS UMA PODEROSA FERRAMENTA DE APOIO À MANUTENÇÃO RESUMO

PROJETO PIMS DO PÁTIO DE MINÉRIOS UMA PODEROSA FERRAMENTA DE APOIO À MANUTENÇÃO RESUMO PROJETO PIMS DO PÁTIO DE MINÉRIOS UMA PODEROSA FERRAMENTA DE APOIO À MANUTENÇÃO Riberte Dias de Souza riberte.souza@arcelormittal.com ArcelorMittal Tubarão Edílson Jose Machado Correia edilson.correia@arcelormittal.com

Leia mais

RESOLUÇÃO ANP Nº 39, DE 13.11.2007

RESOLUÇÃO ANP Nº 39, DE 13.11.2007 AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS RESOLUÇÃO ANP Nº 39, DE 13.11.2007 O DIRETOR-GERAL da AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GAS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS ANP, no uso de suas atribuições

Leia mais

Solução para Problema de Aquecimento em Acionamento de Exaustor do Processo de Sinterização em Planta de Siderurgia

Solução para Problema de Aquecimento em Acionamento de Exaustor do Processo de Sinterização em Planta de Siderurgia Solução para Problema de Aquecimento em Acionamento de Exaustor do Processo de Sinterização em Planta de Siderurgia Gil Augusto de Carvalho gilaugusto@uol.com.br UBM Orlando Moreira Guedes Júnior engorlandojunior@yahoo.com.br

Leia mais

Petrobras aprova Plano de Negócios 2010-2014

Petrobras aprova Plano de Negócios 2010-2014 1 Petrobras aprova Plano de Negócios 2010-2014 O Conselho de Administração aprovou o Plano de Negócios 2010-2014, com investimentos totais de US$ 224 bilhões, representando a média de US$ 44,8 bilhões

Leia mais

Alianza del Pas zal Missão Obje vos

Alianza del Pas zal Missão Obje vos Alianza del Pas zal Com o obje vo de integrar a produção rural com a conservação da biodiversidade no bioma Pampa, foi criada no ano de 2006 a Alianza del Pas zal, uma inicia va sul-americana para a conservação

Leia mais

Atividades da Empresa

Atividades da Empresa Atividades da Empresa A ELsolutions atua no mercado oferecendo soluções de engenharia e montagem em equipamentos de acesso para execução de grandes obras na construção civil e manutenção de fábrica. Temos

Leia mais

Capítulo V. Planejamento e organização da manutenção Por Igor Mateus de Araújo e João Maria Câmara* Manutenção elétrica industrial

Capítulo V. Planejamento e organização da manutenção Por Igor Mateus de Araújo e João Maria Câmara* Manutenção elétrica industrial 46 Capítulo V Planejamento e organização da manutenção Por Igor Mateus de Araújo e João Maria Câmara* A busca incessante do lucro pelas empresas, focada relegando-a a uma posição secundária ou a ser vista

Leia mais

Declaração de Escopo

Declaração de Escopo 1/9 Elaborado por: Adriano Marra, Bruno Mota, Bruno Leite, Janaina Versão: 1.4 Lima, Joao Augusto, Paulo Takagi, Ricardo Reis. Aprovado por: Porfírio Carlos Roberto Junior 24/08/2010 Time da Equipe de

Leia mais

CALDEIRA A BIOMASSA SERIE CIC-B

CALDEIRA A BIOMASSA SERIE CIC-B CALDEIRA A BIOMASSA SERIE CIC-B CIC-BL CIC-BL PLUS CIC-BX ADVANCED Caldeira para queima de biomassa de alta performance. Caldeira flamotubular com fornalha aquatubular. Sistemas combustão de cavacos etc.

Leia mais

Aplicação de FMEA para Revisão da Estratégia de Manutenção dos Tornos de Rodeiros 165CNC

Aplicação de FMEA para Revisão da Estratégia de Manutenção dos Tornos de Rodeiros 165CNC Aplicação de FMEA para Revisão da Estratégia de Manutenção dos Tornos de Rodeiros 165CNC Renato David 1, Allan James Ferreira Maciel 2 *, Jediel Grangeiro 3, Josenilson Rocha 4 1,2,3,4 Planejamento e recursos

Leia mais

Comunicado Técnico nº 5

Comunicado Técnico nº 5 Comunicado Técnico nº 5 O Uso do Vapor e das Caldeiras na Gestão da Umidade nas Algodoeiras Giancarlo Goldoni Jr. 1. O que é vapor? O vapor pode ser definido como um gás resultante da mudança de estado

Leia mais

Gestão de riscos - Utilização de monitoramento preditivo online na gestão de riscos na frota de vagões da EFC

Gestão de riscos - Utilização de monitoramento preditivo online na gestão de riscos na frota de vagões da EFC Gestão de riscos - Utilização de monitoramento preditivo online na gestão de riscos na frota de vagões da EFC Paulo Sergio Costa 1 *, Giovanni Augusto Ferreira Dias 1, Diego Freitas 1, Fábio Assunção 1,

Leia mais

Elaboração do cadastro de bens e controle do ativo permanente e unitização dos valores;

Elaboração do cadastro de bens e controle do ativo permanente e unitização dos valores; A Empresa A Ativo Energia é uma empresa registrada no CRC-SP e especializada em consultoria e assessoria contábil, focada no setor de energia elétrica, com especialização nas áreas de controle do ativo

Leia mais

Sistema de Proteção contra Sobrepressão

Sistema de Proteção contra Sobrepressão Sistema de Proteção contra Sobrepressão Sistema de Proteção contra Sobrepressão HIPPS O QUE É UM SISTEMA HIPPS? HIPPS é uma sigla para High Integrity Pressure Protection System (Sistema de Proteção contra

Leia mais

Enterprise Asset Management [EAM] Maximize o retorno sobre os ativos empresariais.

Enterprise Asset Management [EAM] Maximize o retorno sobre os ativos empresariais. Enterprise Asset Management [EAM] Maximize o retorno sobre os ativos empresariais. No atual cenário econômico, organizações do mundo inteiro enfrentam uma pressão enorme para gerir seus ativos proativamente

Leia mais

People. Passion. Performance.

People. Passion. Performance. People. Passion. Performance. Apresentando Chicago Pneumatic É simples assim. Você tem trabalho a fazer e clientes a atender. A CP está aqui para ajudá-lo a realizar seu trabalho, sem compromisso. Nosso

Leia mais

Sua empresa ainda desmonta equipamentos industriais para avaliação de suas condições internas?

Sua empresa ainda desmonta equipamentos industriais para avaliação de suas condições internas? Sua empresa ainda desmonta equipamentos industriais para avaliação de suas condições internas? Reduza custos: Para garantir a durabilidade dos equipamentos, ações de manutenção preditiva e preventiva se

Leia mais

CENTRAIS ELÉTRICAS DO NORTE DO BRASIL S.A. COMPETÊNCIAS ATRIBUIÇÕES ORGANIZACIONAIS DIRETORIA DE OPERAÇÃO

CENTRAIS ELÉTRICAS DO NORTE DO BRASIL S.A. COMPETÊNCIAS ATRIBUIÇÕES ORGANIZACIONAIS DIRETORIA DE OPERAÇÃO CENTRAIS ELÉTRICAS DO NORTE DO BRASIL S.A. COMPETÊNCIAS ATRIBUIÇÕES ORGANIZACIONAIS DIRETORIA DE OPERAÇÃO DIRETORIA DE OPERAÇÃO Cabe à Diretoria de Operação a gestão dos negócios geração, transmissão e

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL GE Distributed Power Jose Renato Bruzadin Sales Manager Brazil T +55 11 2504-8829 M+55 11 99196-4809 Jose.bruzadini@ge.com São Paulo, 11 de Julho de 2014 NOME DA INSTITUIÇÃO: GE Distributed Power AGÊNCIA

Leia mais

Self-Healing Semi-Centralizado e seus benefícios para clientes com base instalada

Self-Healing Semi-Centralizado e seus benefícios para clientes com base instalada XI SIMPÓSIO DE AUTOMAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS 16 a 19 de Agosto de 2015 CAMPINAS - SP Self-Healing Semi-Centralizado e seus benefícios para clientes com base instalada Paulo Antunes Souza Wagner Hokama

Leia mais

ANÁLISE DE FALHAS EM COMPRESSORES DE PARAFUSOS. Fabiano Ribeiro do Vale Almeida Universidade Federal de Itajubá

ANÁLISE DE FALHAS EM COMPRESSORES DE PARAFUSOS. Fabiano Ribeiro do Vale Almeida Universidade Federal de Itajubá ANÁLISE DE FALHAS EM COMPRESSORES DE PARAFUSOS Fabiano Ribeiro do Vale Almeida Universidade Federal de Itajubá Márcio Tadeu de Almeida Universidade Federal de Itajubá Trabalho apresentado na 6 a Conferência

Leia mais

COMPANHIA DE GÁS DE SÃO PAULO. Ar Condicionado e Cogeração a Gás Natural. Alexandre Breda Gerente de Climatização e Cogeração abreda@comgas.com.

COMPANHIA DE GÁS DE SÃO PAULO. Ar Condicionado e Cogeração a Gás Natural. Alexandre Breda Gerente de Climatização e Cogeração abreda@comgas.com. COMPANHIA DE GÁS DE SÃO PAULO Ar Condicionado e Cogeração a Gás Natural Alexandre Breda Gerente de Climatização e Cogeração abreda@comgas.com.br - Outubro 2009-1 1 AGENDA 1. Up to Date Ar Condicionado

Leia mais

Coordenadoria de. Manutenção. Manual de Procedimentos Administrativos da Coordenadoria de Manutenção

Coordenadoria de. Manutenção. Manual de Procedimentos Administrativos da Coordenadoria de Manutenção Coordenadoria de Manutenção Manual de Procedimentos Administrativos da Coordenadoria de Manutenção Sumário 1. INTRODUÇÃO 3 2. ESTRUTURA ORGANIZACIONAL E FUNCIONAL 3 3. ORGANOGRAMA: 3 4. ATRIBUIÇÕES E COMPETÊNCIAS

Leia mais

12 de maio de 2015 - Belo Horizonte (MG) PROJETO PREMIADO. Realização. 11 3895-8590 eventos@revistaminerios.com.br www.revistaminerios.com.

12 de maio de 2015 - Belo Horizonte (MG) PROJETO PREMIADO. Realização. 11 3895-8590 eventos@revistaminerios.com.br www.revistaminerios.com. 12 de maio de 2015 - Belo Horizonte (MG) PROJETO PREMIADO Realização 11 3895-8590 eventos@revistaminerios.com.br www.revistaminerios.com.br Redução de horas paradas por problemas na infraestrutura de mina

Leia mais

Portaria n.º 255, de 29 de maio de 2014.

Portaria n.º 255, de 29 de maio de 2014. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 255, de 29 de maio de 2014. O PRESIDENTE

Leia mais

ANÁLISE DE ESTABILIDADE DO STACKER RECLAIMER

ANÁLISE DE ESTABILIDADE DO STACKER RECLAIMER ANÁLISE DE ESTABILIDADE DO STACKER RECLAIMER Autor: ROCHA, Aline Fernandes; QUINTAO, Luciano de Oliveira; FONSECA, Petruska de Mello; MENDES, Tatiana Maria. Orientador: HABIBE, Alexandre Fernandes. Máquinas

Leia mais

Pesquisa & Desenvolvimento

Pesquisa & Desenvolvimento Pesquisa & Desenvolvimento O Programa de Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) na AES Uruguaiana é uma importante ferramenta para a companhia promover melhorias contínuas na prestação do serviço, com a qualidade

Leia mais

Sistema Básico de Inspeção Termográfica

Sistema Básico de Inspeção Termográfica Sistema Básico de Inspeção Termográfica Um novo patamar na relação custo / benefício em Termografia *Eng. Attílio Bruno Veratti Conceito geral A Inspeção Termográfica é a técnica de inspeção não destrutiva

Leia mais

Centrais Geradoras do Sul do Brasil GERASUL

Centrais Geradoras do Sul do Brasil GERASUL Centrais Geradoras do Sul do Brasil GERASUL Título do Projeto: Pesquisa Aplicada em Superaquecedores Visando a Redução de Gradientes Térmicos Resultantes da Troca Irregular de Calor com os Gases de Combustão.

Leia mais

www.soumaisenem.com.br

www.soumaisenem.com.br 1. (Enem 2011) Uma das modalidades presentes nas olimpíadas é o salto com vara. As etapas de um dos saltos de um atleta estão representadas na figura: Desprezando-se as forças dissipativas (resistência

Leia mais

TÉRMICO DELTASTORE SISTEMAS DE ARMAZENAMENTO DE ENERGIA TÉRMICA. ECO biopowe r ECO ARMAZENAMENTO PARA APLICAÇÃO PÚBLICA, INDUSTRIAL E AGRÍCOLA

TÉRMICO DELTASTORE SISTEMAS DE ARMAZENAMENTO DE ENERGIA TÉRMICA. ECO biopowe r ECO ARMAZENAMENTO PARA APLICAÇÃO PÚBLICA, INDUSTRIAL E AGRÍCOLA ARMAZENAMENTO TÉRMICO DELTASTORE SISTEMAS DE ARMAZENAMENTO DE ENERGIA TÉRMICA PARA APLICAÇÃO PÚBLICA, INDUSTRIAL E AGRÍCOLA INVENTIVE BY NATURE ECO biopowe r Precis ão alem ã, energia brasileira! www.ecobiopower.com.br

Leia mais

Eficiência Energética

Eficiência Energética www.siemens.com.br/eficiencia-energetica Siemens Ltda. Av. Mutinga, 3800 05110-902 Pirituba São Paulo - SP Eficiência Energética www.siemens.com.br/eficiencia-energetica Sustentabilidade e Eficiência Energética

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO DO SISTEMA DE GERENCIAMENTO DA INTEGRIDADE ESTRUTURAL DAS INSTALAÇÕES TERRESTRES DE PRODUÇÃO DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL (RTSGI)

REGULAMENTO TÉCNICO DO SISTEMA DE GERENCIAMENTO DA INTEGRIDADE ESTRUTURAL DAS INSTALAÇÕES TERRESTRES DE PRODUÇÃO DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL (RTSGI) REGULAMENTO TÉCNICO DO SISTEMA DE GERENCIAMENTO DA INTEGRIDADE ESTRUTURAL DAS INSTALAÇÕES TERRESTRES DE PRODUÇÃO DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL (RTSGI) ÍNDICE CAPÍTULO 1 DISPOSIÇÕES GERAIS 1. Introdução...

Leia mais

Emprego da Termografia na inspeção preditiva

Emprego da Termografia na inspeção preditiva Emprego da Termografia na inspeção preditiva Rafaela de Carvalho Menezes Medeiros* Resumo A prática de manutenção preditiva corresponde hoje a um meio eficaz de antever uma parada do equipamento por motivo

Leia mais

Parecer de Autorização de Funcionamento: CEED nº 650/2014.

Parecer de Autorização de Funcionamento: CEED nº 650/2014. CURSO TÉCNICO EM ELETROTÉCNICA O Curso Técnico de Nível Médio em Eletrotécnica, Eixo Tecnológico Controle e Processos Industriais são organizados em 3 módulos de 400 horas. Ao final do curso, 400 horas

Leia mais

Proteção contra motorização e correntes desbalanceadas, falha de disjuntor e energização inadvertida Por Geraldo Rocha e Paulo Lima*

Proteção contra motorização e correntes desbalanceadas, falha de disjuntor e energização inadvertida Por Geraldo Rocha e Paulo Lima* 30 Capítulo VI Proteção contra motorização e correntes desbalanceadas, falha de disjuntor e energização inadvertida Por Geraldo Rocha e Paulo Lima* Proteção contra motorização e correntes desbalanceadas

Leia mais

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Soluções em Energia Solar

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Soluções em Energia Solar Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas www.weg.net Tecnologia para minimizar o consumo das indústrias. Sustentabilidade para maximizar a qualidade de vida das pessoas. O sol é uma

Leia mais

VENDA LOCAÇÃO INSTALAÇÃO MANUTENÇÃO ASSISTÊNCIA 24H

VENDA LOCAÇÃO INSTALAÇÃO MANUTENÇÃO ASSISTÊNCIA 24H Apresentação Institucional Apresentação Manitec Grupos Geradores Soluções em Sistemas de Energia VENDA LOCAÇÃO INSTALAÇÃO MANUTENÇÃO ASSISTÊNCIA 24H f www.facebook.com/manitecgeradores facebook.com/manitecgeradores

Leia mais

on-line para transformadores de potência baseados em uma arquitetura descentralizada Por Marcos E. G. Alves e Vagner Vasconcellos*

on-line para transformadores de potência baseados em uma arquitetura descentralizada Por Marcos E. G. Alves e Vagner Vasconcellos* Aula Prática 114 O Setor Elétrico / Setembro de 2009 Especificação de sistemas de monitoração on-line para transformadores de potência baseados em uma arquitetura descentralizada Por Marcos E. G. Alves

Leia mais

Presented by Daniel Cruz / Gabriel da Mata. Copyr i ght 2015 O SIs oft, LLC.

Presented by Daniel Cruz / Gabriel da Mata. Copyr i ght 2015 O SIs oft, LLC. PI System na Mineração Usiminas Implantação, oportunidades e casos de sucesso. Provendo a mudança da gestão e cultura operacional com a disseminação de dados. Presented by Daniel Cruz / Gabriel da Mata

Leia mais

USO DE ENERGIA LIMPA NA INDÚSTRIA. Sugestão de tema a ser estudado, transformado em curso ou disciplina e disseminado no meio acadêmico técnico.

USO DE ENERGIA LIMPA NA INDÚSTRIA. Sugestão de tema a ser estudado, transformado em curso ou disciplina e disseminado no meio acadêmico técnico. USO DE ENERGIA LIMPA NA INDÚSTRIA Sugestão de tema a ser estudado, transformado em curso ou disciplina e disseminado no meio acadêmico técnico. Justificativa: A desmobilização de Carbono que demorou centenas

Leia mais

PLANO DE CURSO SIMPLIFICADO

PLANO DE CURSO SIMPLIFICADO PLANO DE CURSO SIMPLIFICADO CURSO: MECÂNICO DE AR CONDICIONADO AUTOMOTIVO - PRONATEC 200 horas ÁREA: AUTOMOTIVA MODALIDADE: QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL UNIDADE(S) HABILITADA(S): CT PALMAS Plano de Curso

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Automação Industrial. Curso Superior de Tecnologia em Construção Naval

Curso Superior de Tecnologia em Automação Industrial. Curso Superior de Tecnologia em Construção Naval Automação Industrial Indústria O Tecnólogo em Automação Industrial é um profissional a serviço da modernização das técnicas de produção utilizadas no setor industrial, atuando na execução de projetos,

Leia mais

Portaria n.º 248, de 28 de maio de 2014.

Portaria n.º 248, de 28 de maio de 2014. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO Portaria n.º 248, de 28 de maio de 2014. O PRESIDENTE

Leia mais

Prêmio AEA 2015 - Projetos de Meio Ambiente

Prêmio AEA 2015 - Projetos de Meio Ambiente Prêmio AEA 2015 - Projetos de Meio Ambiente Desenvolvimento de uma Bomba Elétrica de Combustível Flex com foco na Eficiência Responsáveis pelo Projeto (Erwin Franieck, Celso Favero, Lazaro Melo, Rafael

Leia mais

Capítulo II. Considerações sobre manutenção Aspectos relacionados à manutenção de equipamentos e de instalações. Manutenção de transformadores

Capítulo II. Considerações sobre manutenção Aspectos relacionados à manutenção de equipamentos e de instalações. Manutenção de transformadores 46 Capítulo II Considerações sobre manutenção Aspectos relacionados à manutenção de equipamentos e de instalações Por Marcelo Paulino* No estabelecimento de um sistema de manutenção para um determinado

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 10 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÃO 31 A principal diferença entre um ferro fundido e um aço (aço carbono) é o teor de carbono. Portanto os percentuais de carbono nestes elementos são: Ferro

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA DO PARANÁ CAMPUS DE CURITIBA CURSO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL ELÉTRICA AUTOMAÇÃO VALDIR JUNIOR GEMELLI

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA DO PARANÁ CAMPUS DE CURITIBA CURSO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL ELÉTRICA AUTOMAÇÃO VALDIR JUNIOR GEMELLI 1 UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA DO PARANÁ CAMPUS DE CURITIBA CURSO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL ELÉTRICA AUTOMAÇÃO VALDIR JUNIOR GEMELLI MICRO AUTOMAÇÃO EM UM SISTEMA DE COMPRESSÃO DE GÁS NATURAL PROPÓSTA DE CONCLUSÃO

Leia mais

PROPOSTA DE METODOLOGIA DE TRABALHO COM TÉCNICAS DE MANUTENÇÃO PREDITIVA E PREVENTIVA

PROPOSTA DE METODOLOGIA DE TRABALHO COM TÉCNICAS DE MANUTENÇÃO PREDITIVA E PREVENTIVA PROPOSTA DE METODOLOGIA DE TRABALHO COM TÉCNICAS DE MANUTENÇÃO PREDITIVA E PREVENTIVA Fernando Luís de Moura (01) George Ramon de M. Santos (02) Marcelo Jonathas de M. santos (03) Resumo O presente trabalho

Leia mais

materiais ou produtos,sem prejudicar a posterior utilização destes, contribuindo para o incremento da

materiais ou produtos,sem prejudicar a posterior utilização destes, contribuindo para o incremento da Definição De acordo com a Associação Brasileira de Ensaios Não Destrutivos, ABENDE, os Ensaios Não Destrutivos (END) são definidos como: Técnicas utilizadas no controle da qualidade, d de materiais ou

Leia mais

Grande parte dos planejadores

Grande parte dos planejadores ARTIGO Fotos: Divulgação Decidindo com o apoio integrado de simulação e otimização Oscar Porto e Marcelo Moretti Fioroni O processo de tomada de decisão Grande parte dos planejadores das empresas ainda

Leia mais

AÇÕES DA PETROBRAS PARA FORTALECIMENTO DO SISTEMA BRASILEIRO DE ACREDITAÇÃO

AÇÕES DA PETROBRAS PARA FORTALECIMENTO DO SISTEMA BRASILEIRO DE ACREDITAÇÃO SEMINÁRIO IAAC AÇÕES DA PETROBRAS PARA FORTALECIMENTO DO SISTEMA BRASILEIRO DE ACREDITAÇÃO ERNANI TURAZZI Gerente do Cadastro de Fornecedores e FABIANO GONÇALVES MARTINS Gerente de Avaliação Técnica de

Leia mais