Redução da desigualdade de renda no Brasil: determinantes e consequências

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Redução da desigualdade de renda no Brasil: determinantes e consequências"

Transcrição

1 TEMA 1 Qualidade do Gasto Público MENÇÃO HONROSA Artur Henrique da Silva Santos Redução da desigualdade de renda no Brasil: determinantes e consequências

2

3 Resumo O propósito deste estudo é realizar uma investigação sobre o papel do Programa Bolsa Família (PBF) na redução da desigualdade de renda e da pobreza, no Brasil, entre 2001 e 2009, e as consequências dessa política no mercado de trabalho. Como metodologia utilizam-se modelos de regressão Logit, Probit e Log-Linear, método de decomposição de Oaxaca e Blinder e modelo de microssimulações da renda per capita familiar, adaptado de Barros et al. (2006b). Após a operacionalização dos modelos, analisam-se os resultados e conclui-se que o PBF teve papel atuante na redução da desigualdade e da pobreza no Brasil entre 2001 e 2009, mas também tem incentivado seus beneficiários adultos a ofertar trabalho informal. Tal fato, provavelmente, decorre do interesse do beneficiário em ocultar a real renda da família para continuar recebendo o auxílio pecuniário do programa. Palavras-chave: Programa Bolsa Família. Redução da pobreza. Incentivo à informalidade.

4

5 Sumário 1 INTRODUÇÃO O PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA CONSEQUÊNCIAS DIRETAS DAS TRANSFERÊNCIAS PÚBLICAS DE RENDA: CONTRIBUIÇÕES PARA A REDUÇÃO DA DESIGUALDADE DE RENDA E DA POBREZA, DE 2001 A Metodologia Observações gerais Decomposição da renda per capita familiar (identificação dos fatores determinantes da redução da desigualdade de renda) Fatores demográficos Renda não derivada do trabalho e renda derivada do trabalho Renda não derivada do trabalho Renda per capita familiar Montando um banco de dados em painel Metodologia de mensuração dos determinantes da redução da desigualdade Resultados da decomposição do Coeficiente de Gini Redução da desigualdade de renda e da pobreza Análise das transferências de renda do governo sobre a redução da desigualdade da renda e da pobreza IMPACTO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA SOBRE O MERCADO DE TRABALHO Metodologia Informalidade Base de dados Grupos de controle contrafactuais Logit e Probit...243

6 4.1.5 Decomposição de Blinder e Oaxaca Modelos Log-Linear Análise teórica Efeito renda puro Impacto da redução de trabalho infantil no trabalho dos adultos da família Efeito sobre o custo de oportunidade do lazer Efeito sobre o custo de oportunidade do lazer, considerando-se o cenário de mercado de trabalho informal Resultados Logit e Probit Resultados de Blinder e Oaxaca Resultados de Modelos Log-Linear CONCLUSÃO REFERÊNCIAS Lista de gráficos GRÁFICO 1. Coeficiente de Gini e Índice de Theil-T do Brasil da renda per capita familiar GRÁFICO 2. Medidas da [1] pobreza e da [2] extrema pobreza GRÁFICO 3. Renda per capita nacional (mil R$ de 2011) GRÁFICO 4. Determinantes da redução da desigualdade da renda e da pobreza, GRÁFICO 5. Impacto das transferências governamentais sobre a [1] pobreza e a [2] extrema pobreza de 2001 a GRÁFICO 6. Estimativa do número de pessoas retiradas da pobreza ou da extrema pobreza GRÁFICO 7. [1] Número de benefícios do Programa Bolsa Família (milhões); [2] taxa de desemprego Brasil; [3] taxa de informalidade Brasil...239

7 Lista de tabelas TABELA 1. Evolução do Programa Bolsa Família TABELA 2. Verificação de acertos entre o critério adotado e o respondido pela PNAD: domicílios com pessoas que receberam algum auxílio governamental, exceto o BPC TABELA 3. Resumo metodológico TABELA 4. Representação das fontes de renda na renda total TABELA 5. Decomposição do Coeficiente de Gini Brasil, contribuição das fontes de renda na redução do Coeficiente de Gini TABELA 6. Estimativas de médias das variáveis envolvidas TABELA 7. Despesas governamentais (R$ milhões e %) TABELA 8. Definição tradicional de trabalho formal TABELA 9. Grupo de controle 2 verificação do efeito preguiça TABELA 10. Grupo de controle 1 pessoas que não recebem o benefício do PBF TABELA 11. Grupo de controle 2 pessoas que não recebem o benefício do PBF e com renda domiciliar per capita de metade do salário mínimo TABELA 12. Grupo de controle 3 pessoas que não recebem o benefício do PBF, com renda domiciliar per capita de metade do salário mínimo e escolaridade máxima domiciliar de cinco anos de estudo TABELA 13. Comparação da informalidade nos grupos de controle com medidas descritivas TABELA 14. Derivadas do Modelo Probit grupos de controle 1, 2 e TABELA 15. Blinder e Oaxaca renda familiar e renda do trabalho com o grupo de controle 2 (tradicional e em termos monetários) TABELA 16. Log-linear renda do trabalho e renda familiar com o grupo de controle 2 (em termos monetários)...264

8

9 VI Prêmio SOF de Monografias Coletânea 1 INTRODUÇÃO O Programa Bolsa Família (PBF) é um programa de transferência de renda condicionada, realizado no Brasil desde outubro de 2003, que tem o combate à pobreza como principal característica. Para que a família que é beneficiária do PBF continue recebendo os benefícios todo mês, é necessário que ela continue elegível (em outros termos, esteja na extrema pobreza ou na pobreza, e, neste último, mantenha a composição familiar que possibilite os benefícios variáveis), além de precisar cumprir todas as condicionalidades impostas pelo governo. Desde sua criação o Programa vem passando por uma forte expansão, tanto em termos de cobertura (maior número de famílias atendidas), quanto em valor de benefícios. Com tal crescimento, é natural que haja curiosidade sobre avaliação das possíveis consequências do programa sobre a sociedade brasileira. Observando as possíveis consequências do PBF, pode-se verificar, além do provável efeito político nas eleições, 1 a melhora dos níveis educacionais, alimentares e de saúde (TAPAJÓS et al., 2010); seu impacto direto na redução da desigualdade de renda e da pobreza (SOARES et al., 2010; BARROS et al., 2007; BARROS; CARVALHO, 2006; SOARES; RIBAS; OSÓRIO, 2007; SOARES; SÁTYRO, 2009); e seus reflexos sobre o mercado de trabalho (SOARES; RIBAS; OSÓRIO, 2007; FERRO; NICOLLELA, 2007; TAVARES, 2008; FOGUEL; BARROS, 2010; TEIXEIRA, 2011; CORSEUIL; BARBOSA, 2011). De modo geral, quase toda a literatura sobre o assunto avalia o PBF positivamente. Mas será que o Programa só acarreta benefícios para a população brasileira? Considerando-se o exposto, este estudo tem como objetivo investigar algumas consequências do Programa Bolsa Família sem desmerecer uma medida social tão bem conceituada pela literatura acadêmica e pela população, mas investigando, mensurando e avaliando alguns de seus possíveis efeitos positivos e negativos sobre a sociedade brasileira. Assim, na seção 2, com o intuito de possibilitar um melhor entendimento dos capítulos seguintes, apresenta-se o Programa Bolsa Família, detalham-se suas características e condicionalidades e suscitam-se algumas de suas possíveis prioridades. Na seção 3, investigar-se-ão as consequências das transferências de renda condicionadas sobre a redução, de 2001 a 2009, da desigualdade de renda e, também, da pobreza. É aplicada 1 O PBF teve boa avaliação pela maioria da população do Brasil e pode ter contribuído para as eleições presidenciais realizadas desde Uma forte evidência de seu efeito político foi o fato de que nenhum dos candidatos razoavelmente relevantes às eleições para presidente, em 2010, teve como programa de governo uma atitude contrária à continuidade do PBF. Outros fatos foram que os candidatos a presidente do partido no poder desde 2003, nas eleições de 2006 e de 2010, obtiveram maioria de votos em todos os estados da Região Nordeste e em quase todos os estados da Região Norte, que são as duas regiões com maiores percentuais de participação do PBF em relação às suas populações totais (COSTANZI; FAGUNDES, 2010). Entretanto, esse assunto carece de estudos mais profundos. REDUÇÃO DA DESIGUALDADE DE RENDA NO BRASIL: DETERMINANTES E CONSEQUÊNCIAS ARTUR HENRIQUE DA SILVA SANTOS 211

10 Secretaria de Orçamento Federal SOF especial atenção à efetividade das transferências de renda do governo (dividindo-se em três tipos: aposentadorias e pensões; Benefício de Prestação Continuada; e demais programas de transferências de renda, nos quais é expressiva a importância do PBF a partir de 2004) para a superação da pobreza e da desigualdade de renda. É relevante salientar que estudos sobre o impacto do PBF sobre a desigualdade de renda são frequentes, mas sobre a pobreza são raros. E quando se analisa o impacto do PBF sobre a pobreza, utilizando metodologia semelhante à de Barros et al. (2006b), com microssimulações contrafactuais não paramétricas, de 2001 a 2009, contribui-se para a literatura acadêmica sobre o assunto. O estudo em tela traz, por meio da flexibilidade da metodologia de microssimulações, avaliações das consequências das políticas públicas, em especial do PBF, sobre a pobreza, utilizando-se diferentes métodos de mensuração da pobreza. Essa abordagem é outra contribuição que merece ser ressaltada. Ela compara o impacto dos programas do tipo do PBF com o de outras transferências de renda do governo, como Benefício de Prestação Continuada e Aposentadorias e Pensões, em relação à pobreza e à desigualdade de renda, destacando, desse modo, a relevância do PBF entre as opções de gasto do governo e contribuindo com análise quanto à qualidade do gasto público quando o objetivo é a redução da desigualdade de renda ou da pobreza. Na seção 4, avaliar-se-ão os efeitos do PBF sobre o mercado de trabalho, e, de modo original e diferente da literatura existente, dar-se-á ênfase, principalmente, à possível consequência de PBF no mercado de trabalho informal. Ressalta-se que isso tende a ocorrer, possivelmente, em decorrência dos critérios de elegibilidades de renda per capita estipulados para a participação de uma família no PBF, uma vez que, se o beneficiário ofertar trabalho informal, sua renda será de difícil comprovação e não aumentará a renda familiar per capita perante os gestores do programa. Destaca-se que esse tipo de análise sobre os efeitos do PBF na opção de ofertar trabalho informal não é observado na literatura, exceto pelo trabalho de Corseuil e Barbosa (2011). Quando se verifica se a possível preferência pela informalidade tem efeitos na renda do trabalho e na renda domiciliar, apresenta-se mais uma contribuição original à literatura acadêmica a respeito das consequências do PBF sobre o mercado de trabalho. 2 O PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA O Programa Bolsa Família (PBF) é um programa de transferência de renda condicionada realizado no Brasil desde outubro de Ele nasceu da união de quatro outros programas sociais que existiam em 2003: Bolsa Escola, Bolsa Alimentação, Cartão Alimentação e Auxílio-Gás. Em 2003, a administração dos programas sociais do governo federal era pulverizada; cada um era administrado por um órgão do governo, não sendo as bases de dados interligadas. Existiam pessoas que eram beneficiadas por mais de um programa ao mesmo tempo com 212 QUALIDADE DO GASTO PÚBLICO

11 VI Prêmio SOF de Monografias Coletânea finalidades diversas. O PBF veio solucionar esse quadro, reunindo os beneficiados dos quatro programas em um mesmo banco de dados, sob um mesmo rol de objetivos, critérios de elegibilidades e condicionalidades. O PBF utiliza-se do Cadastro Único do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS). Para que uma família pertença ao Cadastro Único ela deve ter uma renda mensal de até meio salário mínimo per capita ou de até três salários mínimos no total. Entretanto, para que a família seja beneficiária do PBF ela deve ser selecionada e classificada na condição de pobreza ou de extrema pobreza, o que corresponderia a uma renda mensal per capita de até R$ 140,00 e de até R$ 70,00, respectivamente. As famílias em situação de extrema pobreza recebem um benefício básico mensal no valor de R$ 70,00, independentemente da existência de filhos ou mulheres grávidas. Ademais, existe um benefício variável, mensal, que pode chegar ao valor de R$ 236,00, que se destina a famílias em situação de pobreza ou extrema pobreza e se divide em dois tipos: R$ 32,00 por criança menor de 16 anos, nutrizes e gestantes até o limite de cinco benefícios, ou seja, R$ 160,00 por família; R$ 38,00 por adolescente (jovens entre 16 e 17 anos), até o limite de R$ 76,00 (dois adolescentes) por família. Este último é chamado de Benefício Variável Vinculado ao Adolescente (BVJ). Existem, ainda, outros dois possíveis tipos de benefícios do PBF. O primeiro é o Benefício Variável de Caráter Extraordinário (BVCE), decorrente dos outros programas que as famílias recebiam até entrar para o PBF, e, como a intenção do governo não era diminuir os valores que as famílias recebiam de outros programas, caso o valor fosse superior ao benefício do PBF, ela passaria a receber o BVCE, que seria a complementação entre o Bolsa Família e os valores recebidos anteriormente. O segundo, e o mais novo deles, é o Benefício para Superação da Extrema Pobreza na Primeira Infância (BSP), que é o valor necessário para que a família saia da extrema pobreza (aumente sua renda per capita para mais de R$ 70,00), desde que haja uma criança de zero a seis anos na família. Dessa forma, o PBF tem, atualmente, o valor de R$ 32,00 como benefício mínimo e máximo indeterminado (pois o BSP é calculado para cada família e não possui teto, mas seu valor não pode ser exacerbado, pois ele garante apenas que a família saia da extrema pobreza). Para que a família beneficiária do PBF continue recebendo os benefícios, é necessário que ela continue elegível (em outros termos, esteja na extrema pobreza ou na pobreza, e, neste último, mantenha a composição familiar que possibilite os benefícios variáveis), além de precisar cumprir todas as condicionalidades impostas pelo governo. As condicionalidades são impostas em termos de educação e saúde. Quanto à educação, as crianças e os adolescentes devem frequentar a escola (até 15 anos, frequência mínima de 85%; de 16 e 17 anos, frequência mínima de 75%). Quanto à saúde, as gestantes devem realizar o pré-natal e as crianças menores de sete anos devem cumprir o calendário de vacinação. REDUÇÃO DA DESIGUALDADE DE RENDA NO BRASIL: DETERMINANTES E CONSEQUÊNCIAS ARTUR HENRIQUE DA SILVA SANTOS 213

12 Secretaria de Orçamento Federal SOF É interessante notar a expansão pela qual esse programa vem passando desde sua criação, tanto em termos de cobertura (maior número de famílias atendidas) quanto em valor de benefícios, mantendo sempre a focalização nos mais pobres. A Tabela 1 apresenta de forma resumida essa expansão. Data Legislação Linha de extrema pobreza Linha de pobreza Benefício variável TABELA 1 Evolução do Programa Bolsa Família Janeiro de 2004 Lei n o Abril de 2006 Decreto n o Julho de 2007 Decreto n o Junho de 2008 Lei n o 11,692 e Decreto n o Julho de 2009 Decreto n o Março de 2011 Decreto n o Junho de 2011 Decreto n o Junho de 2012 Decreto n o R$ 50 R$ 60 R$ 60 R$ 60 R$ 70 R$ 70 R$ 70 R$ 70 R$ 100 R$ 120 R$ 120 R$ 120 R$ 140 R$ 140 R$ 140 R$ 140 até 3x R$ 15 (0 a 14) até 3x R$ 15 (0 a 14) até 3x R$ 18 (0 a 14) até 3x R$ 20 (0 a 15) e 2x R$ 30 (16 e 17) até 3x R$ 22 (0 a 15) e 2x R$ 33 (16 e 17) até 3x R$ 32 (0 a 15) e 2x R$ 38 (16 e 17) até 5x R$ 32 (0 a 15, nutriz e gestante) e 2x R$ 38 (16 e 17) até 5x R$ 32 (0 a 15, nutriz e gestante) e 2x R$ 38 (16 e 17) Benefício fixo R$ 50 R$ 50 R$ 58 R$ 62 R$ 68 R$ 70 R$ 70 R$ 70 BSP n o d. n o d. n o d. n o d. n o d. n o d. n o d. sem limite (0 a 6 anos) Ano Famílias beneficiadas (dez.) Gastos anuais (R$ milhões) Fonte: MDS, Portal da Transparência e Ipeadata A rede de competências desse programa é, ao mesmo tempo, intersetorial e descentralizada. Cada órgão e esfera do governo tem sua atribuição, sendo o MDS o órgão que orienta e regulamenta o assunto sobre Bolsa Família, além de realizar a gestão das informações. O Ministério da Saúde e Educação obtém as informações de acompanhamento dos municípios. Os estados e os municípios coletam as informações nas escolas e nos serviços de saúde quanto ao cumprimento das condicionalidades, alimentam as informações do Cadastro Único relacionadas à renda da família e aos demais assuntos, e são responsáveis por fornecer o serviço público aos beneficiários do programa, assim como para toda a população interessada. A Caixa Econômica Federal processa as informações das famílias, calcula a renda per capita familiar (segundo algumas regras do MDS), verifica quanto cada família deve receber, emite os cartões magnéticos do programa e realiza o pagamento aos beneficiários. 214 QUALIDADE DO GASTO PÚBLICO

13 VI Prêmio SOF de Monografias Coletânea Quanto à verificação da base de dados, para saber se as famílias beneficiárias do programa continuam sendo elegíveis, ou seja, quanto a verificar se a renda per capita continua menor que R$ 140,00 ou R$ 70,00, conforme o caso, segundo Soares e Sátyro (2009), estão sendo utilizadas bases do BPC e do restante da Seguridade para a conferência da renda familiar, da previdência e da assistência social. Para a renda do trabalho, utiliza-se a Relação Anual de Informações Sociais (Rais), que disponibiliza informações sobre o mercado de trabalho formal. Entretanto, este último banco de dados somente é atualizado anualmente (o que possibilita o recebimento do benefício pela família durante alguns anos até a suspensão do pagamento). Além disso, caso as pessoas da família estejam trabalhando em uma ocupação informal, seus salários não poderiam ser validados e auditados, o que permitiria que famílias fora da linha da pobreza continuassem recebendo o benefício. Outro ponto interessante a ser observado são os possíveis objetivos do Programa Bolsa Família. Seu objetivo inicial foi a unificação de quatro programas sociais existentes até então: Auxílio-Gás, Programa Bolsa Escola, Programa Bolsa Alimentação e o Cartão Alimentação. Mas ainda existem dúvidas sobre qual seria o objetivo principal do PBF, segundo Soares e Sátyro (2009). Isso se deve, possivelmente, ao fato de o PBF englobar vários outros programas com diversas finalidades. Dessa forma, o Bolsa Família busca objetivos variados e que podem até ser contraditórios. Segundo os mesmos autores, o PBF tenta ser, ao mesmo tempo, um programa de geração de oportunidades, de proteção social e de incentivo à acumulação do capital humano, tornando-se um programa híbrido, mas não contendo todas as características de pelo menos um desses tipos de programa. Soares e Sátyro (2009, p. 31) classificaram o PBF como uma espécie de estranho no ninho, de difícil classificação no universo da política social. O PBF, ao mesmo tempo em que tem algumas características de programas de geração de oportunidades, de proteção social e de incentivo ao incremento do capital humano, não pode ser classificado como um desses três tipos, porque não possui todas as características de pelo menos uma dessas classificações. Isso ocorre porque, apesar de esses tipos de programas sociais combaterem a pobreza, eles podem ser contraditórios, e se o PBF se classificasse como um deles, não teria mais algumas das características dos demais tipos de programas sociais. Tomando-se como base os trabalhos de Soares e Sátyro (2009) e de Soares e Britto (2007), tentar-se-á, brevemente, explicar esses três tipos de programas sociais a fim de elucidar a confusão de objetivos do qual o PBF parece padecer. Um programa de geração de oportunidades é classificado como de médio prazo, cuja filosofia se baseia na premissa de que a pobreza é decorrência da falta de empenho, da falta de esperança no futuro, de expectativas pouco ambiciosas e da falta de novas oportunidades e horizontes possíveis para o futuro. Com base nisso, possui como principais características a assistência temporária à pobreza e a oferta de outras saídas aos seus beneficiários. O programa, normalmente, fixa um prazo máximo de permanência para seus beneficiados, oferece cursos, treinamentos, aconselhamento familiar, microcrédito, entre outros. Um programa de proteção social classificado como de curto prazo combate a pobreza da forma mais direta e intervencionista que os outros tipos assistencialistas. Ele tem como REDUÇÃO DA DESIGUALDADE DE RENDA NO BRASIL: DETERMINANTES E CONSEQUÊNCIAS ARTUR HENRIQUE DA SILVA SANTOS 215

14 Secretaria de Orçamento Federal SOF característica principal a transferência direta de dinheiro com a meta de se aumentar a renda dos mais pobres e, consequentemente, reduzir a pobreza. Utiliza-se também das portas de saída da pobreza, mas não como sua ferramenta principal. Um programa de incentivo à acumulação do capital humano visa a acabar com o ciclo intergeracional da pobreza. Esse ciclo explica a pobreza como um fato contínuo e perpétuo entre as gerações. De acordo com ele, as famílias pobres necessitam do trabalho das crianças para ajudar como fonte de renda. Em decorrência disso, elas não estudam e crescem sem educação suficiente para mudar a condição da sua futura família, que também vai exigir que as crianças trabalhem. Dessa forma, a condição de pobreza mantém-se entre as gerações, como uma maldição. Como solução, os programas sociais desse tipo exigem que as crianças frequentem a escola com a finalidade de fomentar sua acumulação de capital humano e, por conseguinte, romper o ciclo intergeracional da pobreza. Logo, esse programa é classificado como de longo prazo, pois só terá resultados quando as crianças virarem adultos e passarem a obter maiores rendimentos do trabalho. Outra característica desse tipo de programa é a exigência de condicionalidades relativas à saúde infantil para que a criança não tenha seu desenvolvimento prejudicado no processo de acumulação de capital. Cabe ressaltar que, para que esse objetivo seja efetivamente alcançado, o programa deveria ser casado com uma oferta de educação de boa qualidade pelo Estado. Assim, se a educação for de má qualidade, 2 o programa estará destinado ao fracasso. Analisando-se os três tipos de programas, verifica-se que um não pode atender completamente dois deles ao mesmo tempo, porque se ele for de geração de oportunidades, ao estipular prazo máximo de permanência vai de encontro aos dois demais tipos. Se o programa for de incentivo à acumulação do capital humano, pode ser contrário aos do tipo de proteção social, pois a exigência de condicionalidades possivelmente restringirá o acesso aos mais pobres e necessitados (uma vez que são esses que têm mais dificuldades em cumprir exigências de educação e saúde, seja por motivo de falta de escolaridade, que impede a compreensão das condicionalidades impostas, 3 seja porque essas famílias são tão pobres que não podem dispor do trabalho das crianças). Além disso, as filosofias de motivação da pobreza são muito diferentes. Como exemplo tem-se que, se o programa é do tipo de proteção social, ele busca reduzir a pobreza via assistência pecuniária; mas se a crença da razão da pobreza for a de que ela é originada pela falta de oportunidades, esse procedimento de transferência de renda sem gerar incentivos à saída da pobreza seria contraditório e aumentaria ainda mais a pobreza, pois criaria dependência dessas pessoas das transferências do governo e geraria o desincentivo à superação dos obstáculos, fazendo com que as famílias ficassem cada vez mais acomodadas. Em suma, esses tipos de programas assistenciais são diferentes entre si e não permitem a mescla de suas características. Assim, o PBF não é nenhum desses, mas tem características de 2 Ressalte-se que nível de aprovação dos alunos não é sinônimo de qualidade da educação e que isso não deveria nem ao menos ser comemorado, pois a educação poderia ser ruim, mas o aluno poderia obter aprovação, de acordo com os critérios de avaliação dos professores. Saliente-se, também, que a aprovação dos alunos não deve ser incentivada pelos avaliadores do programa, pois o governo centralizará seu foco no maior número de aprovações, em vez de ofertar educação de qualidade. 3 Essa hipótese é utilizada ao se definir o grupo de controle 3, na seção QUALIDADE DO GASTO PÚBLICO

15 VI Prêmio SOF de Monografias Coletânea todos, tornando-se um estranho no ninho, sem objetivos claros, além de unificar programas sociais preexistentes e de combater a pobreza (não definindo se isso deve ocorrer em curto, médio ou longo prazo). 3 CONSEQUÊNCIAS DIRETAS DAS TRANSFERÊNCIAS PÚBLICAS DE RENDA: CONTRIBUIÇÕES PARA A REDUÇÃO DA DESIGUALDADE DE RENDA E DA POBREZA, DE 2001 A 2009 Desde 1993 até 2009, 4 o Brasil vem passando por um período de redução na desigualdade de renda. A partir de 2001, essa queda tornou-se contínua e acelerada, alcançando, em 2009, o menor nível já obtido em mais de trinta anos e proporcionando melhores condições de vida para uma maior parcela da população. É interessante observar que esse ótimo resultado não é decorrente de uma ilusão estatística, pois ele é obtido por várias medidas que têm por objetivo captar a desigualdade de renda. A fim de ilustrar tal fato, o Gráfico 1 apresenta o Coeficiente de Gini 5 e o Índice Theil-T, 6 que retrata a redução da desigualdade de renda vivenciada no Brasil. GRÁFICO 1 Coeficiente de Gini e Índice de Theil-T do Brasil da renda per capita familiar Fonte: (BARROS; CARVALHO, 2006); (elaboração do autor com dados da PNAD) Paralelamente a essa queda, de 2001 a 2009, a parcela da renda da população correspondente às transferências governamentais, dentro do somatório de todas as fontes 4 Quando da elaboração deste estudo, eram os últimos dados disponíveis da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) de , onde i é a posição da i-ésima pessoa, após todas estarem em ordem crescente de renda, é sua renda e é a quantidade total de pessoas. 6 REDUÇÃO DA DESIGUALDADE DE RENDA NO BRASIL: DETERMINANTES E CONSEQUÊNCIAS ARTUR HENRIQUE DA SILVA SANTOS 217

16 Secretaria de Orçamento Federal SOF de renda obtidas por todas as pessoas da PNAD, vem crescendo, assim como as despesas do governo para essa finalidade e o número de pessoas beneficiadas. Nesse contexto, possivelmente uma parte relevante da redução da desigualdade de renda decorre do aumento das transferências governamentais. Em termos gerais, para que o Coeficiente de Gini diminua, a renda das famílias de menor poder aquisitivo deve aumentar proporcionalmente mais do que a renda das famílias que possuem maior poder aquisitivo. Em outras palavras, isso ocorre porque a renda dos mais pobres deve crescer mais do que a renda dos mais ricos. Como, em geral, as transferências de renda oriundas do governo são direcionadas para as famílias mais pobres, elas podem explicar grande parte da redução da desigualdade de renda. No entanto, as transferências governamentais não são as únicas possíveis causas da redução da desigualdade de renda ocorrida no Brasil. Como alguns autores (BARROS et al., 2006a, 2006b, 2007; BARROS; CARVALHO, 2006; HOFFMANN, 2006; SOARES, 2006; TAVARES et al., 2009) já destacaram, no período de 2001 a 2004 a renda decorrente do trabalho desempenhou um papel importante na redução da desigualdade de renda, tendo sua parcela explicativa entre 45% e 85% dessa diminuição, de acordo com o autor e a metodologia empregada. Com o intuito de se investigar a relação entre a redução da desigualdade de renda e a expansão das transferências governamentais no período entre 2001 e 2009 é primordial identificar e quantificar os fatores determinantes dessa queda e analisar a efetividade das despesas governamentais para a redução do Coeficiente de Gini e das medidas de pobreza. 3.1 Metodologia Para que possam ser investigadas as causas da redução de uma medida de desigualdade de renda, existem várias metodologias para decompor a referida medida em determinantes. Entre elas pode-se destacar a decomposição por grupos de pessoas ou por regiões, a exemplo da abordagem de Dagum (1997) e a decomposição da medida de desigualdade em possíveis fontes de renda (SHORROCKS, 1982; LERMAN; YITZHAKI, 1985; STARK, TAYLOR; YITZHAKI, 1986; HOFFMANN, 2006; SOARES, 2006; SOARES et al., 2010), pela qual o Coeficiente de Gini provém do somatório do produto entre a participação da respectiva fonte na renda total e do coeficiente de concentração dessa fonte com a renda total. Além das abordagens citadas, destaca-se a metodologia de Barros et al. (2006b), que, inicialmente, identifica quais são os determinantes da renda per capita familiar para, posteriormente, mensurar a importância desses determinantes na redução da desigualdade de renda. Neste trabalho utilizar-se-á como metodologia básica a desenvolvida por Barros et al. (2006b), com algumas alterações pontuais. Nesse processo, são necessárias algumas observações gerais sobre banco de dados e procedimentos adotados. Após, explicar-se-á como foi realizada a identificação dos fatores 218 QUALIDADE DO GASTO PÚBLICO

17 VI Prêmio SOF de Monografias Coletânea determinantes da redução da desigualdade de renda, mostrar-se-ão o procedimento necessário para montar um banco de dados em painel por estratos de renda familiar 7 per capita e a metodologia empregada. Na ausência de interesse em detalhes metodológicos, recomenda-se a leitura da próxima subseção (3.2), que aborda os resultados da magnitude de cada fator determinante sobre a redução do Coeficiente de Gini Observações gerais Em trabalhos cujo objetivo é analisar desigualdade de renda, deve-se esclarecer, inicialmente, qual medida de renda é utilizada e qual unidade de cálculo é considerada. Assim, faz-se mister definir que a renda analisada é a renda familiar per capita, considerandose como unidade de contagem as pessoas. Observa-se, ainda, que foram considerados como adultos as pessoas maiores de 15 anos. Ressalta-se, também, que a inflação foi corrigida em todos os anos, levando todos os valores monetários a preços de 2009, conforme indicação de Corseuil e Foguel (2002), que utiliza o INPC médio entre setembro e outubro de cada ano para corrigir os valores da PNAD. Ademais, é necessário destacar que foram realizadas algumas adaptações no banco de dados da PNAD para que estivesse coerente com a metodologia empregada. Desse modo, foi realizada a desagregação da variável V1273, da PNAD, em renda proveniente do Benefício de Prestação Continuada (BPC), em renda proveniente das transferências diretas governamentais (de auxílios governamentais) e em renda de juros e dividendos (que posteriormente foi somada com os aluguéis para se consolidar na renda de ativos). Assim, assume-se, por simplificação, que todas as fontes de renda possíveis de recebimento ou foram obtidas diretamente pelo questionário da PNAD, ou são decorrentes do BPC, ou são de juros e dividendos, ou são de transferências diretas governamentais. Inicialmente, da variável V1273 da PNAD foi retirada a estimativa da renda proveniente do BPC. Para isso, foi adotado como critério de estimativa de identificação das pessoas que receberam renda do BPC a renda da variável V1273 com valor igual ou maior que o salário mínimo de acordo com o ano. Com isso, a variável V1273 da PNAD passou a ser subtraída da renda de BPC; o resultado dessa subtração, no decorrer deste trabalho, será denominado Renda_Outros, em vez de V1273. Adiante, assume-se que as pessoas que recebem rendimentos de juros e dividendos não são as mesmas que recebem rendas de transferências governamentais e que não existem pessoas que recebem as duas fontes de renda. Essa premissa é aceitável, uma vez que as pessoas que recebem rendimentos de juros e dividendo normalmente estão em famílias com poder aquisitivo elevado, enquanto as pessoas que recebem transferências de renda do governo são, normalmente, de famílias pobres ou extremamente pobres. 7 Nesta seção não é realizada distinção entre renda familiar e domiciliar. Logo, sempre que se abordar assunto referente à família, refere-se ao domicílio. Isso se justifica pelas semelhanças entre o conceito de domicílio e o de família do Programa Bolsa Família, além de ser coerente com o tratamento dado pelos autores que já analisaram esse tema (BARROS et. al., 2006a; SOARES, 2006). REDUÇÃO DA DESIGUALDADE DE RENDA NO BRASIL: DETERMINANTES E CONSEQUÊNCIAS ARTUR HENRIQUE DA SILVA SANTOS 219

18 Secretaria de Orçamento Federal SOF Pelo exposto, a partir de agora, é preciso encontrar um critério de identificação das pessoas que recebem transferências diretas de renda do governo e diferenciá-las das pessoas que recebem rendimentos de juros e dividendos. O critério de identificação das pessoas que receberam auxílio do governo ocorreu em etapas, descritas a seguir: 1. da renda individual de cada pessoa foi subtraído o valor em Renda_Outros ; 2. identificação de todas as pessoas com renda per capita familiar menor que o salário mínimo do ano e com algum valor em Renda_Outros [talvez o critério mais correto fosse pessoas com renda per capita familiar menor que metade do salário mínimo, mas considerando que existe uma subestimação das rendas da PNAD (BARROS; CURY; ULYSSEA, 2007) e que parte da renda informal poderia ser declarada para a PNAD, mas omitida para os agentes do PBF, o critério adotado de se considerar o salário mínimo cheio foi superior que o da metade do salário mínimo]; 3. das pessoas identificadas no passo 2, considerar somente as que tiveram em Renda_Outros um valor menor ou igual ao salário mínimo do ano (uma vez que, após o filtro realizado no passo 2, se existirem pessoas com o valor de Renda_ Outros substancialmente elevado, ele não poderia provir de auxílios do governo e provavelmente seria decorrente de rendimentos de ativos). Após a realização de todos os passos citados, podem-se comparar os resultados estimados com os efetivamente obtidos nos anos de 2004 e de 2006 (anos da PNAD com o suplemento de Acesso a Transferências de Renda de Programas Sociais ), por meio da Tabela 2. TABELA 2 Verificação de acertos entre o critério adotado e o respondido pela PNAD: domicílios com pessoas que receberam algum auxílio governamental, exceto o BPC Resultado % de domicílios que receberam algum auxílio governamental, exceto o BPC 2004 (%) 2006 (%) Estimado, mas não declarou o auxílio na PNAD 2,52 2,72 Estimado e declarou o auxílio na PNAD 95,98 96,53 Não estimado, mas declarou o auxílio na PNAD 1,49 0,75 Fonte: elaboração do autor com base na PNAD IBGE É possível verificar que o critério adotado apresentou alta representatividade e pode ser escolhido para realizar a identificação das pessoas que receberam algum auxílio governamental (exceto o BPC). 220 QUALIDADE DO GASTO PÚBLICO

19 VI Prêmio SOF de Monografias Coletânea Decomposição da renda per capita familiar (identificação dos fatores determinantes da redução da desigualdade de renda) Para tanto, denotar-se-á y i como a renda do i-ésimo membro da família; então, a renda per capita da família é: Fatores demográficos Assumindo que apenas os adultos têm capacidade de obter renda, a renda per capita de uma família é diretamente relacionada com a proporção do número de adultos na família, o que significa que quanto maior a proporção de adultos na família maior tende a ser sua renda per capita. Assim, a renda per capita da família 8 pode ser decomposta em: Para simplificar a notação, pode-se assumir que: Na qual é a proporção de adultos da família e é a renda média por adultos da família, ou seja: Renda não derivada do trabalho e renda derivada do trabalho A renda do i-ésimo indivíduo da família pode ser derivada ou não do trabalho. Desse modo, decompor-se-á a renda do i-ésimo indivíduo ( ) em renda não proveniente do trabalho ( ) e renda proveniente do trabalho ( ): 8 Toda a renda obtida pelos menores de 15 anos foi repassada para o chefe da família para que a renda per capita da família não seja modificada. REDUÇÃO DA DESIGUALDADE DE RENDA NO BRASIL: DETERMINANTES E CONSEQUÊNCIAS ARTUR HENRIQUE DA SILVA SANTOS 221

20 Secretaria de Orçamento Federal SOF Na qual e são respectivamente a renda não derivada e derivada do trabalho por adulto da família, ou seja: Renda não derivada do trabalho A renda não proveniente do trabalho pode ter origem de três maneiras diferentes: rendimentos de ativos financeiros (caso a família possua a propriedade de ativos); transferências privadas (renda transferida de uma família para outra); e transferências públicas (renda transferida do governo). As transferências públicas, por sua vez, podem ocorrer de três modos diferentes: pensão e aposentadoria da previdência pública; Benefício de Prestação Continuada (BPC); e programas sociais de transferência de Renda (sendo o de maior representatividade o Programa Bolsa Família PBF). Assim, pode-se decompor a renda não derivada do trabalho por adulto ( ): Onde,,, e são, respectivamente: a renda decorrente de programas sociais de transferência de renda; as pensões, aposentadorias ou abono-permanência; BPC; renda proveniente dos rendimentos de ativos; e renda de doações recebidas pelo i-ésimo indivíduo da família Renda per capita familiar Logo, a renda per capita familiar pode ser reescrita como: Montando um banco de dados em painel Ao se observar a metodologia proposta, verifica-se a necessidade de identificação das famílias de acordo com o ano e que sejam as mesmas famílias em pesquisas realizadas em anos diferentes para que seja possível aplicar a distribuição marginal de uma variável aleatória ocorrida em um ano (ano 0) em outro ano (ano 1). Entretanto, pela PNAD, não existe identificação para verificar se as pessoas envolvidas na pesquisa em um ano são as mesmas da pesquisa do outro ano. 222 QUALIDADE DO GASTO PÚBLICO

21 VI Prêmio SOF de Monografias Coletânea Para resolver esse problema, as famílias foram reunidas em estratos de renda e identificadas por estratos no decorrer do tempo. Desse modo, podem-se identificar os estratos no decorrer do tempo e utilizar as médias, por estratos, das variáveis aleatórias envolvidas, classificadas como determinantes da renda per capita familiar. Surge, então, a pergunta: será que a média dos determinantes envolvidos, por estratos, seria suficiente para se reconstituir a renda per capita familiar média do estrato? A resposta é não. Mas existe um procedimento que soluciona esse problema. A fim de expor essa questão, definir-se-á como a renda per capita da família ; então, ao juntar famílias no estrato, a renda média desse estrato será: Como Assim, Esse procedimento utiliza a soma das médias com as covariâncias. Ele foi realizado em cada abertura da renda per capita, resultando em um banco de dados composto de médias por estratos e covariâncias das variáveis envolvidas para garantir a identidade matemática do banco de dados Metodologia de mensuração dos determinantes da redução da desigualdade Essa metodologia toma como base a de Barros et al. (2006b), mas se diferencia no modo de cálculo. Esses autores realizam a decomposição de cada fator determinante em ordem sequencial, e, dessa forma, o determinante seguinte fica dependendo do determinante anterior, de modo que a ordem da decomposição pode influenciar o resultado. Para resolver a questão, a metodologia de cálculo foi levemente alterada a fim de que a ordem da decomposição não altere o resultado dos fatores envolvidos. Com base nessa lógica, definiu-se que o fator de interesse no momento, dentro do procedimento, estaria variando do período 0 para o período 1, enquanto todos os demais fatores determinantes estariam com valor médio obtido entre os dois períodos. Essa alteração encontra respaldo nos próprios autores quando afirmam que: Dada a não linearidade da relação entre o grau de desigualdade e os sete ingredientes, não existe uma única decomposição possível. No entanto, é possível obter decomposições nas quais há estreita associação entre parcelas e mudanças nos ingredientes, no sentido de que a parcela associada a um ingrediente é necessariamente nula se não houver mudança nesse ingrediente (BARROS et al., 2007) REDUÇÃO DA DESIGUALDADE DE RENDA NO BRASIL: DETERMINANTES E CONSEQUÊNCIAS ARTUR HENRIQUE DA SILVA SANTOS 223

22 Secretaria de Orçamento Federal SOF Como já informado, toda medida de desigualdade é uma função da renda, então seja a medida de desigualdade de renda (ou de pobreza): Entretanto, como explicado anteriormente, a renda per capita familiar pode ser decomposta em vários determinantes, de tal forma que a função é uma função conjunta dos seus determinantes. Conforme explicado por Barros et al. (2006b), uma função conjunta de duas variáveis aleatórias ( ) é uma função das distribuições marginais de cada variável e da associação 9 entre elas. Desse modo: Assim, pode-se decompor a função da renda per capita familiar em funções marginais dos seus determinantes e nas suas associações. Como a renda per capita familiar pode ser decomposta em desigualdade de renda apresenta a seguinte relação:, a medida de Assumindo-se 0 como o período inicial e 1 como o período final, pode-se mensurar a importância da taxa de adultos na família, da renda por trabalhador e da associação entre essa taxa e a renda. Seja: Então, a alteração na medida de desigualdade proporcionada pela alteração da taxa de adultos na família é: A alteração na medida de desigualdade proporcionada pela alteração renda por adultos na família é: 9 é a associação entre as variáveis aleatórias e e representa a posição na distribuição de, que tem a pessoa que ocupa a -ésima posição na distribuição de. 224 QUALIDADE DO GASTO PÚBLICO

23 VI Prêmio SOF de Monografias Coletânea A alteração na medida de desigualdade proporcionada pela alteração da associação entre a taxa de adultos na família e a renda por adultos na família é: Assim, a variação 10 total ocorrida na medida de desigualdade é: Esse procedimento foi realizado em cada abertura da renda per capita, dividindo-se cada fator determinante em outros dois e sua associação. Para simplificar a metodologia apresentada, na Tabela 3 tem-se toda a abertura metodológica. TABELA 3 Resumo metodológico Fonte: elaboração do autor 10 Observa-se que a variação da medida de desigualdade é formulada como, em vez de, pois, como no período analisado a desigualdade de renda vem apresentando resultados decrescentes, se ela fosse medida, os resultados seriam permanentemente negativos. Isso foi feito porque o propósito é mensurar a importância de um fator na redução da desigualdade de renda. Logo, assume-se, desde já, que o resultado é decrescente e multiplica-se -1 por para que os resultados tenham melhor interpretação. Assim, vale lembrar que, ao considerar a variação da medida de desigualdade de renda como sendo, se houver resultados negativos eles serão decorrentes de um aumento na medida de desigualdade de renda. REDUÇÃO DA DESIGUALDADE DE RENDA NO BRASIL: DETERMINANTES E CONSEQUÊNCIAS ARTUR HENRIQUE DA SILVA SANTOS 225

24 Secretaria de Orçamento Federal SOF 3.2 Resultados da decomposição do Coeficiente de Gini Nesta subseção, de acordo com a metodologia apresentada, apresentar-se-á a estimativa de magnitude da contribuição de cada fator determinante para a redução da desigualdade de renda per capita utilizando-se como indicador de desigualdade de renda o Coeficiente de Gini, que é a medida mais usada para essa finalidade. Para facilitar a interpretação, foram formuladas: a Tabela 4, com a parcela de cada determinante sobre a renda total; a Tabela 5, com a decomposição do Coeficiente de Gini com a contribuição das fontes de renda na redução do Coeficiente de Gini; e a Tabela 6, com estimativas de médias das variáveis envolvidas. TABELA 4 Representação das fontes de renda na renda total Renda trabalho 80% 80% 79% 79% 78% 78% 79% 79% 78% Renda não trabalho 20% 20% 21% 21% 22% 22% 21% 21% 22% Renda previdenciária (c) 16,3% 16,6% 17,3% 16,9% 17,2% 16,9% 17,0% 17,0% 17,6% Renda de ativos (e) 2,3% 2,3% 2,0% 2,0% 2,2% 2,1% 1,7% 1,8% 1,7% Renda de doações (f) 0,8% 0,8% 0,8% 0,8% 0,8% 0,8% 0,6% 0,6% 0,5% Renda de auxílios governamentais (b) 0,3% 0,4% 0,5% 0,9% 0,8% 1,1% 0,9% 1,1% 1,1% Renda BPC (d) 0,2% 0,3% 0,3% 0,6% 0,7% 1,0% 0,7% 0,8% 0,8% Fonte: elaboração do autor com dados da PNAD Como se depreende da Tabela 4, a parcela da renda do trabalho é cerca de 80% de toda a renda per capita familiar, enquanto a parcela da renda de auxílios governamentais (como exemplo, o PBF a partir de 2003) é muito reduzida, variando de 0,3% em 2001 a 1,1 % em Isso pode prejudicar o desempenho da renda desses programas e pode valorizar o papel da renda do trabalho quando da análise da contribuição de cada fator sobre a desigualdade de renda. Observa-se que a parcela da renda proveniente de transferências do governo (aposentadorias e pensões, Benefício de Prestação Continuada e auxílios governamentais) tem crescido continuamente de 2001 a 2009, sendo a renda de origem previdenciária a mais expressiva; contudo, essa renda tem menor poder de focalização nos mais pobres quando há comparação com as demais rendas. 226 QUALIDADE DO GASTO PÚBLICO

25 VI Prêmio SOF de Monografias Coletânea TABELA 5 Decomposição do Coeficiente de Gini Brasil, contribuição das fontes de renda na redução do Coeficiente de Gini % Total ,25 54,51 Taxa de adultos (a) 12 56,93 56,38 Renda de ativos (e) 4 56,75 56,55 Renda de trf. privada (f ) -1 56,62 56,68 Renda de auxílios governamentais (b) 20 57,12 56,19 Renda previdenciária (c) 12 56,93 56,38 Renda BPC (d) 8 56,84 56,46 Demais associações¹ Renda do trabalho (l ) 68 58,34 55,12 Ass. rd. do trab. e do não trab. (A o l) Ass. tx. de adt. e renda por adt. (A a r) Fonte: elaboração do autor com dados da PNAD Pode-se observar que, da queda do Coeficiente de Gini ocorrida no Brasil de 2001 a 2009, a taxa de adultos na família, que é uma característica demográfica da população, explica marginalmente 12% dessa redução. A renda por adulto explica mais que 100% dessa redução, alcançando um nível de 111% (ver Tabela 5). Tal fato só foi possível porque a associação entre essas duas variáveis impôs uma redução do Coeficiente de Gini de 22%. Com uma análise conjunta dos três fatores, a contribuição da taxa de adultos é praticamente anulada pela associação das variáveis, enquanto a contribuição da renda por adultos, mesmo com a redução da associação, contribui praticamente com 100% da redução do Coeficiente de Gini. A explicação para o ocorrido pode ser observada na Tabela 6. A taxa de adultos, apesar de ser menor nas famílias mais pobres em relação às mais ricas (que evidencia que as famílias mais ricas são compostas de menos crianças em relação às mais pobres), aumentou de modo semelhante em toda a sociedade, não contribuindo muito para a redução da desigualdade de renda. Por sua vez, a renda por adultos das famílias apresentou um crescimento real maior nas famílias mais pobres quando comparada com a evolução desse rendimento nas famílias mais ricas. Enquanto nas mais pobres essa renda aumentou 46%, nas mais ricas aumentou 8%. REDUÇÃO DA DESIGUALDADE DE RENDA NO BRASIL: DETERMINANTES E CONSEQUÊNCIAS ARTUR HENRIQUE DA SILVA SANTOS 227

26 Secretaria de Orçamento Federal SOF TABELA 6 Estimativas de médias das variáveis envolvidas Ano Renda domiciliar per capita Renda domiciliar per capita -20% Renda domiciliar per capita +20% Taxa de adultos Taxa de adultos -20% Taxa de adultos +20% Renda por adulto Renda por adulto -20% Renda por adulto +20% Renda de programas sociais Renda de programas sociais -20% (1,87) (1,96) (1,76) (1,82) (1,8) (1,77) (1,74) (1,75) (1,75) (0,39) (0,38) (0,39) (0,38) (0,38) (0,39) (0,39) (0,38) (0,39) (1,05) (1,14) (0,99) (1,06) (1,05) (1,04) (1,03) (1,06) (1,08) 0,71 0,72 0,72 0,72 0,73 0,73 0,74 0,75 0,75 (0,32) (0,32) (0,32) (0,32) (0,31) (0,31) (0,31) (0,3) (0,3) 0,54 0,55 0,55 0,55 0,55 0,56 0,56 0,57 0,57 (0,37) (0,37) (0,36) (0,37) (0,37) (0,36) (0,37) (0,36) (0,37) 0,83 0,84 0,85 0,85 0,86 0,86 0,87 0,87 0,88 (0,24) (0,24) (0,23) (0,23) (0,22) (0,22) (0,21) (0,21) (0,21) (1,74) (1,75) (1,61) (1,67) (1,61) (1,61) (1,59) (1,57) (1,59) (0,51) (0,51) (0,52) (0,51) (0,51) (0,51) (0,51) (0,51) (0,52) (1,05) (1,07) (0,97) (1,05) (1,01) (1,02) (1,02) (1,02) (1,05) (5,56) (5,43) (3,8) (2,94) (3,07) (2,4) (2,77) (2,43) (2,34) (2,98) (2,29) (1,92) (1,55) (1,62) (1,2) (1,35) (1,18) (1,12) 228 QUALIDADE DO GASTO PÚBLICO

27 VI Prêmio SOF de Monografias Coletânea Ano Renda de programas sociais +20% Renda previdenciária Renda previdenciária -20% Renda previdenciária +20% Renda do BPC Renda do BPC -20% Renda do BPC +20% Renda de ativos Renda de ativos -20% Renda de ativos +20% Renda de doações Renda de doações -20% (96,21) (82,98) (98,13) (86) (74,36) (49,35) (97,91) (57,71) (55,45) (3,65) (3,55) (3,44) (3,49) (3,35) (3,32) (3,53) (3,31) (3,27) (2,63) (2,64) (2,82) (2,91) (2,87) (3,02) (2,82) (2,88) (2,8) (2,47) (2,42) (2,37) (2,39) (2,29) (2,33) (2,56) (2,36) (2,33) (9,89) (8,52) (9,08) (6,52) (5,95) (5,24) (5,88) (5,81) (5,73) (12,8) (9,94) (11,66) (7,56) (7,04) (6,21) (6,81) (7,05) (6,7) (7,1) (6,5) (7,13) (7,17) (6,36) (5,76) (6,79) (6,85) (7,09) (15,5) (27,2) (11,66) (12,02) (14,2) (11,18) (12,26) (13,38) (15,77) (16,5) (16,06) (15,47) (16,94) (14,88) (19,17) (18,38) (17,37) (17,27) (8,2) (14,44) (6,21) (6,46) (7,53) (5,99) (6,6) (7,24) (8,76) (13,09) (12,36) (12,06) (13,18) (11,5) (21,59) (17,19) (21,28) (14,06) (5,58) (5,42) (5,51) (6,31) (5,86) (5,66) (6,92) (7,31) (7,62) REDUÇÃO DA DESIGUALDADE DE RENDA NO BRASIL: DETERMINANTES E CONSEQUÊNCIAS ARTUR HENRIQUE DA SILVA SANTOS 229

VI PRÊMIO SOF 2013. Tema 1 - Qualidade do Gasto Público Inscrição: 31. Artur Henrique da Silva Santos (27 anos) Brasília - DF. Mestre em Economia UnB

VI PRÊMIO SOF 2013. Tema 1 - Qualidade do Gasto Público Inscrição: 31. Artur Henrique da Silva Santos (27 anos) Brasília - DF. Mestre em Economia UnB VI PRÊMIO SOF 2013 Tema 1 - Qualidade do Gasto Público Inscrição: 31 CLASSIFICAÇÃO: Menção Honrosa Título da Monografia: Redução da Desigualdade Renda no Brasil: determinantes e consequências. Artur Henrique

Leia mais

O BRASIL SEM MISÉRIA E AS MUDANÇAS NO DESENHO DO BOLSA FAMÍLIA

O BRASIL SEM MISÉRIA E AS MUDANÇAS NO DESENHO DO BOLSA FAMÍLIA O BRASIL SEM MISÉRIA E AS MUDANÇAS NO DESENHO DO BOLSA FAMÍLIA Rafael Guerreiro Osorio e Sergei S. D. Soares O Programa Bolsa Família é uma transferência de renda mensal do governo federal para famílias

Leia mais

3 O Panorama Social Brasileiro

3 O Panorama Social Brasileiro 3 O Panorama Social Brasileiro 3.1 A Estrutura Social Brasileira O Brasil é um país caracterizado por uma distribuição desigual de renda. Segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostragem de Domicílios

Leia mais

VERSÃO PRELIMINAR. Notas sobre Redes de Proteção Social e Desigualdade

VERSÃO PRELIMINAR. Notas sobre Redes de Proteção Social e Desigualdade Notas sobre Redes de Proteção Social e Desigualdade 1) Nos últimos dez anos a renda media dos brasileiros que caiu a taxa de 0.6% ao ano, enquanto o dos pobres cresceu 0.7%, já descontados o crescimento

Leia mais

Universidade de Brasília

Universidade de Brasília Universidade de Brasília IE - Departamento de Estatística Avaliando o Impacto do Programa Bolsa Família no Trabalho Infantil e Frequência Escolar Infantil: Uma Abordagem de Regressão Descontínua Ana Paula

Leia mais

Avaliação da integração do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) ao Programa Bolsa-Família (PBF)

Avaliação da integração do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) ao Programa Bolsa-Família (PBF) Avaliação da integração do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) ao Programa Bolsa-Família (PBF) Por: Maria das Graças Rua 1 Este relatório descreve o novo modelo do Programa de Erradicação

Leia mais

Determinantes da queda recente no grau de desigualdade de renda no Brasil

Determinantes da queda recente no grau de desigualdade de renda no Brasil Determinantes da queda recente no grau de desigualdade de renda no Brasil Ricardo Barros (IPEA) Mirela de Carvalho (IPEA) Samuel Franco (IPEA) Brasília, Abril de 2006 1. A evolução da distribuição de renda

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DA RENDA NO BRASIL EM 1999 1. Palavras-chaves: desigualdade, pobreza, equações de rendimento, distribuição de renda.

DISTRIBUIÇÃO DA RENDA NO BRASIL EM 1999 1. Palavras-chaves: desigualdade, pobreza, equações de rendimento, distribuição de renda. DISTRIBUIÇÃO DA RENDA NO BRASIL EM 1999 1 Rodolfo Hoffmann 2 RESUMO Este trabalho analisa a distribuição da renda no Brasil e em seis regiões do país, utilizando os dados da PNAD de 1999. É examinada a

Leia mais

ipea A EFETIVIDADE DO SALÁRIO MÍNIMO COMO UM INSTRUMENTO PARA REDUZIR A POBREZA NO BRASIL 1 INTRODUÇÃO 2 METODOLOGIA 2.1 Natureza das simulações

ipea A EFETIVIDADE DO SALÁRIO MÍNIMO COMO UM INSTRUMENTO PARA REDUZIR A POBREZA NO BRASIL 1 INTRODUÇÃO 2 METODOLOGIA 2.1 Natureza das simulações A EFETIVIDADE DO SALÁRIO MÍNIMO COMO UM INSTRUMENTO PARA REDUZIR A POBREZA NO BRASIL Ricardo Paes de Barros Mirela de Carvalho Samuel Franco 1 INTRODUÇÃO O objetivo desta nota é apresentar uma avaliação

Leia mais

O Programa Bolsa Família: 12 anos de inclusão e cidadania no Brasil Desenho, Instrumentos, Evolução Institucional e Impactos

O Programa Bolsa Família: 12 anos de inclusão e cidadania no Brasil Desenho, Instrumentos, Evolução Institucional e Impactos O Programa Bolsa Família: 12 anos de inclusão e cidadania no Brasil Desenho, Instrumentos, Evolução Institucional e Impactos Brasília, 10 de maio de 2016 O que é? A quem se destina? Qual sua dimensão?

Leia mais

Cadastro Único e Programa Bolsa Família

Cadastro Único e Programa Bolsa Família Cadastro Único e Programa Bolsa Família Letícia Bartholo Secretária Adjunta Abril de 2014 A Secretaria A Secretaria Nacional de Renda de Cidadania (Senarc) é responsável pela gestão, em nível nacional,

Leia mais

PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA

PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA SETEMBRO /2012 ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 1. Dimensão e características da ocupação no setor da construção civil no Brasil e na Bahia (2000 e 2010)...

Leia mais

é de queda do juro real. Paulatinamente, vamos passar a algo parecido com o que outros países gastam.

é de queda do juro real. Paulatinamente, vamos passar a algo parecido com o que outros países gastam. Conjuntura Econômica Brasileira Palestrante: José Márcio Camargo Professor e Doutor em Economia Presidente de Mesa: José Antonio Teixeira presidente da FENEP Tentarei dividir minha palestra em duas partes:

Leia mais

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - Síntese

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - Síntese 2014 Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - Síntese Dieese Subseção Força Sindical 19/09/2014 PESQUISA NACIONAL POR AMOSTRA DE DOMICILIOS - PNAD 2013 Síntese dos Indicadores POPULAÇÃO A Pesquisa

Leia mais

Universalizar a educação primária

Universalizar a educação primária Universalizar a educação primária META 2 terminem um ciclo completo de ensino. Garantir que, até 2015, todas as crianças, de ambos os sexos, Escolaridade no Estado de São Paulo O aumento sistemático das

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome O Brasil assume o desafio de acabar com a miséria O Brasil assume o desafio de acabar com a

Leia mais

Tabela 1.1 - Expectativa de vida dos indivíduos menores de 1 ano de idade segundo Brasil, Pará e Regiões de Integração 2006-2010

Tabela 1.1 - Expectativa de vida dos indivíduos menores de 1 ano de idade segundo Brasil, Pará e Regiões de Integração 2006-2010 Apresentação O Mapa de Exclusão Social do Pará elaborado pelo Instituto do Desenvolvimento Econômico, Social e Ambiental do Pará IDESP e pela Secretaria de Estado de Planejamento, Orçamento e Finanças

Leia mais

Tendências Recentes na Escolaridade e no Rendimento de Negros e de Brancos

Tendências Recentes na Escolaridade e no Rendimento de Negros e de Brancos capítulo 29 Tendências Recentes na Escolaridade e no Rendimento de Negros e de Brancos Sergei Suarez Dillon Soares* Natália de Oliveira Fontoura* Luana Pinheiro* 1 INTRODUÇÃO * Os autores Sergei Suarez

Leia mais

BOLSA FAMÍLIA Relatório-SÍNTESE. 53

BOLSA FAMÍLIA Relatório-SÍNTESE. 53 CAPÍTULO6 BOLSA FAMÍLIA Relatório-SÍNTESE. 53 Aspectos de gênero O Programa Bolsa Família privilegia como titulares as mulheres-mães (ou provedoras de cuidados), público que aflui às políticas de assistência

Leia mais

1 INTRODUÇÃO. Ana Luiza Neves de Holanda Barbosa** Carlos Henrique L. Corseuil***

1 INTRODUÇÃO. Ana Luiza Neves de Holanda Barbosa** Carlos Henrique L. Corseuil*** BOLSA FAMÍLIA, ESCOLHA OCUPACIONAL E INFORMALIDADE NO BRASIL* Ana Luiza Neves de Holanda Barbosa** Carlos Henrique L. Corseuil*** 1 INTRODUÇÃO O Bolsa Família (BF) é um programa assistencialista que visa

Leia mais

IDENTIDADE DE POLÍTICOS E DESENVOLVIMENTO DE LONGO- PRAZO

IDENTIDADE DE POLÍTICOS E DESENVOLVIMENTO DE LONGO- PRAZO IDENTIDADE DE POLÍTICOS E DESENVOLVIMENTO DE LONGO- PRAZO Aluno: Isabela Salgado Silva Pereira Orientador: Claudio Ferraz Introdução É de consentimento geral que o nível de desenvolvimento econômico de

Leia mais

Uma Análise dos Determinantes da Focalização do Programa Bolsa Família

Uma Análise dos Determinantes da Focalização do Programa Bolsa Família Uma Análise dos Determinantes da Focalização do Programa Bolsa Família BRASÍLIA-DF Março, 2013 Introdução Motivação Revisão de Literatura Metodologia Resultados Considerações Finais 2 Introdução Transferência

Leia mais

Capítulo 3. Fichas de Qualificação de Indicadores

Capítulo 3. Fichas de Qualificação de Indicadores Capítulo 3 Fichas de Qualificação de Indicadores A Demográficos População total A.1................................... 58 Razão de sexos A.2................................... 60 Taxa de crescimento da

Leia mais

ÍNDICE IPARDES DE DESEMPENHO MUNICIPAL - IPDM

ÍNDICE IPARDES DE DESEMPENHO MUNICIPAL - IPDM ÍNDICE IPARDES DE DESEMPENHO MUNICIPAL - IPDM CURITIBA 2010 2 1 ÍNDICE IPARDES DE DESEMPENHO MUNICIPAL - IPDM O Índice Ipardes de Desempenho Municipal (IPDM) procura avaliar a situação dos municípios paranaenses,

Leia mais

Ano 3 Nº 37 Novembro de 2007. Escolaridade e Trabalho: desafios para a população negra nos mercados de trabalho metropolitanos

Ano 3 Nº 37 Novembro de 2007. Escolaridade e Trabalho: desafios para a população negra nos mercados de trabalho metropolitanos Ano 3 Nº 37 Novembro de 2007 Escolaridade e Trabalho: desafios para a população negra nos mercados de trabalho metropolitanos Escolaridade e Trabalho: desafios para a população negra nos mercados de trabalho

Leia mais

Salário Mínimo e Mercado de Trabalho no Brasil no Passado Recente

Salário Mínimo e Mercado de Trabalho no Brasil no Passado Recente Salário Mínimo e Mercado de Trabalho no Brasil no Passado Recente João Saboia 1 1. Introdução A questão do salário mínimo está na ordem do dia. Há um reconhecimento generalizado de que seu valor é muito

Leia mais

Modelo de Projeto de Lei (Origem Poder Executivo) Dispõe sobre as diretrizes para a elaboração da lei orçamentária de 2011.

Modelo de Projeto de Lei (Origem Poder Executivo) Dispõe sobre as diretrizes para a elaboração da lei orçamentária de 2011. Modelo de Projeto de Lei (Origem Poder Executivo) Dispõe sobre as diretrizes para a elaboração da lei orçamentária de 2011. CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1 o São estabelecidas, em cumprimento

Leia mais

Análise dos resultados

Análise dos resultados Análise dos resultados Pesquisa Anual da Indústria da Construção - PAIC levanta informações sobre o segmento empresarial da indústria da construção A em todo o Território Nacional. A presente análise apresenta

Leia mais

GT Grupo de Estudos e Pesquisas em Espaço. Trabalho, Inovação e Sustentabilidade. Modalidade da apresentação: Comunicação oral

GT Grupo de Estudos e Pesquisas em Espaço. Trabalho, Inovação e Sustentabilidade. Modalidade da apresentação: Comunicação oral GT Grupo de Estudos e Pesquisas em Espaço. Trabalho, Inovação e Sustentabilidade. Modalidade da apresentação: Comunicação oral Emprego Doméstico: Evolução ou Precarização? (2004-2014) Resumo: O presente

Leia mais

Comunicado da. Presidência

Comunicado da. Presidência Número 7, agosto de 2008 Comunicado da Presidência Pobreza e riqueza no Brasil metropolitano Realização: Assessoria Técnica da Presidência 2 1. Apresentação 1 A economia brasileira, ao longo dos últimos

Leia mais

Política monetária e senhoriagem: depósitos compulsórios na economia brasileira recente

Política monetária e senhoriagem: depósitos compulsórios na economia brasileira recente Política monetária e senhoriagem: depósitos compulsórios na economia brasileira recente Roberto Meurer * RESUMO - Neste artigo se analisa a utilização dos depósitos compulsórios sobre depósitos à vista

Leia mais

Gestão do Programa Bolsa Família Cadastro Único

Gestão do Programa Bolsa Família Cadastro Único Encontro Estadual da Assistência Social: Gestão dos Recursos Financeiros - IGDSUAS e IGDPBF Gestão do Programa Bolsa Família Cadastro Único COORDENAÇÃO-GERAL DE EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA DEOP

Leia mais

ISSN 1519-9568. INFORMATIVO MENSAL Ano 1 Número 20 Março de 2002 APRESENTAÇÃO

ISSN 1519-9568. INFORMATIVO MENSAL Ano 1 Número 20 Março de 2002 APRESENTAÇÃO ISSN 119-968 INFORMATIVO MENSAL Ano 1 Número Março de APRESENTAÇÃO O Boletim apresenta uma síntese do documento Panorama Social de América Latina -1, uma publicação da Comissão Especial para a América

Leia mais

LISTA 5A. Conceitos importantes: 1) Determinantes da produção e da produtividade de um país 2) Financiamento do investimento: poupança

LISTA 5A. Conceitos importantes: 1) Determinantes da produção e da produtividade de um país 2) Financiamento do investimento: poupança LISTA 5A Conceitos importantes: 1) Determinantes da produção e da produtividade de um país 2) Financiamento do investimento: poupança 3) Poupança, crescimento econômico e sistema financeiro 4) Mercado

Leia mais

Sumário Executivo. Redistribuição à Brasileira: Ingredientes Trabalhistas

Sumário Executivo. Redistribuição à Brasileira: Ingredientes Trabalhistas Sumário Executivo Redistribuição à Brasileira: Ingredientes Trabalhistas Seguindo a analogia culinária tradicional, o bolo dos brasileiros pobres cresceu nos últimos dez anos, apesar do crescimento ter

Leia mais

USO DO PROGRAMA DO IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA (IRPF) COMO FERRAMENTA DA INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO

USO DO PROGRAMA DO IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA (IRPF) COMO FERRAMENTA DA INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO USO DO PROGRAMA DO IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA (IRPF) COMO FERRAMENTA DA INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO Oscar de Almeida Machado - (oscarmachado@ig.com.br) Alex Duarte Manoel - (duarte.mat@ig.com.br) Wagner

Leia mais

Entre 1998 e 2001, a freqüência escolar aumentou bastante no Brasil. Em 1998, 97% das

Entre 1998 e 2001, a freqüência escolar aumentou bastante no Brasil. Em 1998, 97% das INFORME-SE BNDES ÁREA PARA ASSUNTOS FISCAIS E DE EMPREGO AFE Nº 48 NOVEMBRO DE 2002 EDUCAÇÃO Desempenho educacional no Brasil: O que nos diz a PNAD-2001 Entre 1998 e 2001, a freqüência escolar aumentou

Leia mais

Indicadores e Dados Básicos: situando Santa Catarina

Indicadores e Dados Básicos: situando Santa Catarina Secretaria da Saúde do Estado de Santa Catarina Diretoria de Planejamento e Coordenação Gerência de Estatística e Informática Setor de Mortalidadade Indicadores e Dados Básicos: situando Santa Catarina

Leia mais

Artigo. nos últimos 15 anos Acesso ao ensino superior no Brasil: equidade e desigualdade social

Artigo. nos últimos 15 anos Acesso ao ensino superior no Brasil: equidade e desigualdade social Artigo nos últimos 15 anos Acesso ao ensino superior no Brasil: equidade e desigualdade social Por Cibele Yahn de Andrade Pesquisadora do Núcleo de Estudos de Políticas Públicas (NEPP) da Unicamp. Doutoranda

Leia mais

3 - PLANEJAMENTO, PROGRAMAÇÃO, ORÇAMENTAÇÃO E EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA

3 - PLANEJAMENTO, PROGRAMAÇÃO, ORÇAMENTAÇÃO E EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA 3 - PLANEJAMENTO, PROGRAMAÇÃO, ORÇAMENTAÇÃO E EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA Os principais instrumentos utilizados pelo governo para promover o planejamento, a programação, a orçamentação e a execução orçamentária

Leia mais

capítulo A Efetividade do Salário Mínimo em Comparação à do Programa Bolsa Família como Instrumento de Redução da Pobreza e da Desigualdade

capítulo A Efetividade do Salário Mínimo em Comparação à do Programa Bolsa Família como Instrumento de Redução da Pobreza e da Desigualdade capítulo 34 A Efetividade do Salário Mínimo em Comparação à do Programa Bolsa Família como Instrumento de Redução da Pobreza e da Desigualdade Ricardo Paes de Barros* 1 INTRODUÇÃO * O autor é coordenador

Leia mais

Goiás e seu reflexo na sociedade

Goiás e seu reflexo na sociedade Os dados do Censo Escolar da Educação Básica de 2013, divulgado recentemente, apontaram a diminuição do número de matrículas em Goiás tendo como referência o ano de 2010. Notadamente, os decréscimos ocorreram

Leia mais

Avaliação Econômica. Relação entre Desempenho Escolar e os Salários no Brasil

Avaliação Econômica. Relação entre Desempenho Escolar e os Salários no Brasil Avaliação Econômica Relação entre Desempenho Escolar e os Salários no Brasil Objetivo da avaliação: identificar o impacto do desempenho dos brasileiros na Educação Básica em sua renda futura. Dimensões

Leia mais

POLÍTICAS DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL NO BRASIL

POLÍTICAS DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL NO BRASIL POLÍTICAS DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL NO BRASIL Rosilene Cristina Rocha 1 O Brasil é uma república federativa formada pela união de 26 estados federados e do Distrito Federal. O país conta com 5.564 municípios,

Leia mais

PED-RMPA INFORME ESPECIAL IDOSOS

PED-RMPA INFORME ESPECIAL IDOSOS A POPULAÇÃO IDOSA NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE SETEMBRO - 2008 PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE PED-RMPA INFORME ESPECIAL IDOSOS

Leia mais

PESQUISA INDUSTRIAL ANUAL DE EMPRESA (PIA-Empresa) FONTE DE DADOS O cadastro básico de seleção da PIA-Empresa é obtido a partir do Cadastro Central

PESQUISA INDUSTRIAL ANUAL DE EMPRESA (PIA-Empresa) FONTE DE DADOS O cadastro básico de seleção da PIA-Empresa é obtido a partir do Cadastro Central PESQUISA INDUSTRIAL ANUAL DE EMPRESA (PIA-Empresa) FONTE DE DADOS O cadastro básico de seleção da PIA-Empresa é obtido a partir do Cadastro Central de Empresas - CEMPRE, cuja gestão está sob a responsabilidade

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Programa Bolsa Família AGENDA DA FAMÍLIA DISTRIBUIÇÃO GRATUITA Copyright 2009 Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Todos os direitos

Leia mais

Foco: Mulheres beneficiárias do Programa Bolsa Família

Foco: Mulheres beneficiárias do Programa Bolsa Família Projeto de Educação Financeira de Adultos Foco: Mulheres beneficiárias do Programa Bolsa Família Relatório Parcial A AEF-Brasil é uma entidade da sociedade civil que promove e executa ações transversais

Leia mais

A IMPORTÃNCIA DO CAPITAL DE GIRO E ALGUMAS SOLUÇÕES PARA O PROBLEMA DE CAPITAL DE GIRO

A IMPORTÃNCIA DO CAPITAL DE GIRO E ALGUMAS SOLUÇÕES PARA O PROBLEMA DE CAPITAL DE GIRO A IMPORTÃNCIA DO CAPITAL DE GIRO E ALGUMAS SOLUÇÕES PARA O PROBLEMA DE CAPITAL DE GIRO Este artigo cientifico, apresenta de maneira geral e simplificada, a importância do capital de giro para as empresas,

Leia mais

1 INTRODUÇÃO 1.1 O problema

1 INTRODUÇÃO 1.1 O problema 1 INTRODUÇÃO 1.1 O problema Para se estudar os determinantes do investimento é preciso, em primeiro lugar, definir o investimento. Segundo Galesne (2001) fazer um investimento consiste, para uma empresa,

Leia mais

EM PONTOS: vale a pena planejar

EM PONTOS: vale a pena planejar NO NEGÓCIO TEXTO DE MARCELO CASAGRANDE 5 EM PONTOS: vale a pena planejar A Gestão&Negócios reuniu cinco importantes motivos pelos quais o planejamento financeiro é fundamental para uma empresa. Saber o

Leia mais

A medida da lei de cotas para o ensino superior

A medida da lei de cotas para o ensino superior Versão 2, 1/12/2008 A medida da lei de cotas para o ensino superior Simon Schwartzman Qual o verdadeiro alcance da lei de cotas para o ensino superior aprovada pelo Congresso Nacional no Dia da Consciência

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2006 (Do Sr. Ricardo Santos e outros) O Congresso Nacional decreta:

PROJETO DE LEI Nº, DE 2006 (Do Sr. Ricardo Santos e outros) O Congresso Nacional decreta: 1 PROJETO DE LEI Nº, DE 2006 (Do Sr. Ricardo Santos e outros) Autoriza o Poder Executivo a criar o Programa Nacional Pró-Infância Brasileira e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: Artigo

Leia mais

RENDA, POBREZA E DESIGUALDADE NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28

RENDA, POBREZA E DESIGUALDADE NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28 RENDA, POBREZA E DESIGUALDADE NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28 no Estado do Rio de Janeiro NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28 PANORAMA GERAL Na última década, o Brasil passou por profundas mudanças

Leia mais

VOLUME 3. Projeção Demográfica; Projeção de Matrículas, Taxas de Atendimento e Taxas de Transição; Indicadores do Censo Escolar.

VOLUME 3. Projeção Demográfica; Projeção de Matrículas, Taxas de Atendimento e Taxas de Transição; Indicadores do Censo Escolar. VOLUME 3 Projeção Demográfica; Projeção de Matrículas, Taxas de Atendimento e Taxas de Transição; Indicadores do Censo Escolar. 69 PARTE I PROJEÇÃO DEMOGRÁFICA 70 1 Introdução A atualização de projeções

Leia mais

POLÍTICA SOCIAL NO NORDESTE BRASILEIRO: O USO DOS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA COM ÊNFASE AO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA (PBF)

POLÍTICA SOCIAL NO NORDESTE BRASILEIRO: O USO DOS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA COM ÊNFASE AO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA (PBF) POLÍTICA SOCIAL NO NORDESTE BRASILEIRO: O USO DOS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA COM ÊNFASE AO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA (PBF) Márcia Ribeiro de Albuquerque 1 Ana Carolina Alves Gomes 2 A questão das

Leia mais

Desigualdade e Pobreza nos Domicílios Rurais e Urbanos no Brasil, 1981-2005

Desigualdade e Pobreza nos Domicílios Rurais e Urbanos no Brasil, 1981-2005 DOCUMENTOS TÉCNICO-CIENTÍFICOS Desigualdade e Pobreza nos Domicílios Rurais e Urbanos no Brasil, 1981-2005 RESUMO Tem como objetivo analisar a evolução da desigualdade e da pobreza no Brasil, ressaltando

Leia mais

PROGRAMA TÉMATICO: 6214 TRABALHO, EMPREGO E RENDA

PROGRAMA TÉMATICO: 6214 TRABALHO, EMPREGO E RENDA PROGRAMA TÉMATICO: 6214 TRABALHO, EMPREGO E RENDA OBJETIVO GERAL: Estimular o crescimento e o desenvolvimento econômico e social do DF, por meio do fortalecimento do Sistema Público de Emprego, garantindo

Leia mais

GESTÃO DE CONDICIONALIDADES

GESTÃO DE CONDICIONALIDADES PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA GESTÃO DE CONDICIONALIDADES PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA Programa de transferência de renda diretamente às famílias pobres, que vincula o recebimento do auxílio financeiro ao cumprimento

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate á Fome Secretaria Nacional de Renda de Cidadania Programa Bolsa Família

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate á Fome Secretaria Nacional de Renda de Cidadania Programa Bolsa Família Ministério do Desenvolvimento Social e Combate á Fome Secretaria Nacional de Renda de Cidadania Programa Bolsa Família ENAP, 1 de abril de 2005 Criação do Bolsa Família Medida Provisória nº 132 de 20 de

Leia mais

erradicar a pobreza extrema e a fome

erradicar a pobreza extrema e a fome objetivo 1. erradicar a pobreza extrema e a fome Para a Declaração dos Direitos Humanos toda pessoa tem direito a um padrão de vida capaz de assegurar a si e a sua família saúde e bem-estar, inclusive

Leia mais

Brasil avança em duas áreas da Matemática

Brasil avança em duas áreas da Matemática PISA 2003 - BRASIL O Brasil mostrou alguns avanços na segunda edição do Programa Internacional de Avaliação de Alunos (Pisa). Foi o que mais cresceu em duas das áreas avaliadas da Matemática, melhorou

Leia mais

TEXTO 1 1. CONJUNTURA BRASILEIRA. 1.1. As Transformações Recentes

TEXTO 1 1. CONJUNTURA BRASILEIRA. 1.1. As Transformações Recentes TEXTO 1 1. CONJUNTURA BRASILEIRA 1.1. As Transformações Recentes O Brasil, do ponto de vista econômico e social, vem sofrendo uma constante mutação em seus principais indicadores básicos como: população;

Leia mais

4 Desigualdade, Pobreza e o Acesso à Educação

4 Desigualdade, Pobreza e o Acesso à Educação 4 Desigualdade, Pobreza e o Acesso à Educação A desigualdade, em suas várias formas, é um fenômeno bastante antigo nas sociedades e reflete sempre uma relação de poder, na medida em que representa um padrão

Leia mais

FINANÇAS PÚBLICAS DO MUNICÍPIO DE CAMPO MOURÃO: ANÁLISE COMPARATIVA DE DOIS DIFERENTES MANDATOS POLÍTICOS. Área: ECONOMIA

FINANÇAS PÚBLICAS DO MUNICÍPIO DE CAMPO MOURÃO: ANÁLISE COMPARATIVA DE DOIS DIFERENTES MANDATOS POLÍTICOS. Área: ECONOMIA FINANÇAS PÚBLICAS DO MUNICÍPIO DE CAMPO MOURÃO: ANÁLISE COMPARATIVA DE DOIS DIFERENTES MANDATOS POLÍTICOS Área: ECONOMIA BUENO, Elizabete Cristina PONTILI,RosangelaMaria Resumo: Desde a década de 1930

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Santos, SP 30/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 281,35 km² IDHM 2010 0,840 Faixa do IDHM Muito Alto (IDHM entre 0,8 e 1) (Censo 2010) 419400 hab. Densidade

Leia mais

SAÍDA DO MERCADO DE TRABALHO: QUAL É A IDADE?

SAÍDA DO MERCADO DE TRABALHO: QUAL É A IDADE? SAÍDA DO MERCADO DE TRABALHO: QUAL É A IDADE? Ana Amélia Camarano* Solange Kanso** Daniele Fernandes** 1 INTRODUÇÃO Assume-se que idade avançada e invalidez resultam em perda da capacidade laboral, o que

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Alto Boa Vista, MT 01/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 2248,35 km² IDHM 2010 0,651 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 5247 hab. Densidade

Leia mais

O PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA NO BRASIL E SUAS CARACTERÍSTICAS NO MUNICÍPIO DE EWBANK DA CÂMARA RESUMO

O PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA NO BRASIL E SUAS CARACTERÍSTICAS NO MUNICÍPIO DE EWBANK DA CÂMARA RESUMO O PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA NO BRASIL E SUAS CARACTERÍSTICAS NO MUNICÍPIO DE EWBANK DA CÂMARA Leonardo José de Souza Resende RESUMO O Programa Bolsa Família, é um programa social de transferência direta de

Leia mais

e seus resultados na área de saúde

e seus resultados na área de saúde O Programa Bolsa Família e seus resultados na área de saúde Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Contexto histórico América Latina: proteção social baseada no seguro. Brasil, anos 1970,

Leia mais

Sustentabilidade da Dívida Brasileira (Parte 2)

Sustentabilidade da Dívida Brasileira (Parte 2) 36 temas de economia aplicada Sustentabilidade da Dívida Brasileira (Parte 2) Raí Chicoli (*) Este é o segundo de uma série de três artigos que tratarão do tema da sustentabilidade da dívida brasileira.

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Sorriso, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 9382,37 km² IDHM 2010 0,744 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 66521 hab. Densidade

Leia mais

Aula5 POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA NO BRASIL. Debora Barbosa da Silva

Aula5 POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA NO BRASIL. Debora Barbosa da Silva Aula5 POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA NO BRASIL META Refletir sobre as características da população brasileira como fundamento para a compreensão da organização do território e das políticas de planejamento e desenvolvimento

Leia mais

A QUESTÃO DA EDUCAÇÃO ENTRE OS BENEFICIÁRIOS DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA NO NORDESTE DO BRASIL

A QUESTÃO DA EDUCAÇÃO ENTRE OS BENEFICIÁRIOS DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA NO NORDESTE DO BRASIL A QUESTÃO DA EDUCAÇÃO ENTRE OS BENEFICIÁRIOS DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA NO NORDESTE DO BRASIL Anderson Paulino da Silva 1 André Augusto P. Brandão 2 Salete da Dalt 3 Resumo: Este trabalho examina a relação

Leia mais

REGIÃO METROPOLITANA DE SALVADOR SETEMBRO DE 2008 TAXA DE DESEMPREGO MANTÉM DECLÍNIO NA RMS

REGIÃO METROPOLITANA DE SALVADOR SETEMBRO DE 2008 TAXA DE DESEMPREGO MANTÉM DECLÍNIO NA RMS REGIÃO METROPOLITANA DE SALVADOR SETEMBRO DE 2008 E TAXA DE DESEMPREGO MANTÉM DECLÍNIO NA RMS m setembro, a Pesquisa de Emprego e Desemprego, realizada na Região Metropolitana de Salvador (RMS), apresentou

Leia mais

Notas técnicas. 1. Introdução

Notas técnicas. 1. Introdução Notas técnicas 1. Introdução Para a montagem deste trabalho de acompanhamento da evolução mensal do comportamento da Cesta Básica Nacional e do emprego em Aracaju, conforme determina o contrato de prestação

Leia mais

ipea A ESCOLARIDADE DOS PAIS E OS RETORNOS À EDUCAÇÃO NO MERCADO DE TRABALHO 1 INTRODUÇÃO 2 DADOS

ipea A ESCOLARIDADE DOS PAIS E OS RETORNOS À EDUCAÇÃO NO MERCADO DE TRABALHO 1 INTRODUÇÃO 2 DADOS A ESCOLARIDADE DOS PAIS E OS RETORNOS À EDUCAÇÃO NO MERCADO DE TRABALHO Lauro Ramos* Maurício Cortez Reis** 1 INTRODUÇÃO O conjunto de evidências empíricas apresentadas por Ferreira e Veloso (23) mostra

Leia mais

ABORDAGEM DA RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL NO ÂMBITO DAS ADMINSTRAÇÕES PÚBLICA E PRIVADA

ABORDAGEM DA RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL NO ÂMBITO DAS ADMINSTRAÇÕES PÚBLICA E PRIVADA ABORDAGEM DA RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL NO ÂMBITO DAS ADMINSTRAÇÕES PÚBLICA E PRIVADA Alvaro YANAGUI 1 RESUMO: O presente artigo integra assuntos da responsabilidade social e ambiental no que tange

Leia mais

Estratégia de Desenvolvimento no Brasil e o Programa Bolsa Família. Junho 2014

Estratégia de Desenvolvimento no Brasil e o Programa Bolsa Família. Junho 2014 Estratégia de Desenvolvimento no Brasil e o Programa Bolsa Família Junho 2014 Estratégia de Desenvolvimento no Brasil Estratégia de desenvolvimento no Brasil Crescimento econômico com inclusão social e

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DOS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA MONETÁRIA NA QUEDA DA DESIGUALDADE DE RENDA NO BRASIL

A CONTRIBUIÇÃO DOS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA MONETÁRIA NA QUEDA DA DESIGUALDADE DE RENDA NO BRASIL A CONTRIBUIÇÃO DOS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA MONETÁRIA NA QUEDA DA DESIGUALDADE DE RENDA NO BRASIL: uma análise a partir do rendimento domiciliar per capita no período 2001-2006 Juliana Carolina Frigo

Leia mais

O SUAS e o Plano Brasil Sem Miséria 1

O SUAS e o Plano Brasil Sem Miséria 1 PLANO ESTADUAL DE CAPACITAÇÃO CONTINUADA DE RECURSOS HUMANOS PARA A ÁREA DA ASSISTÊNCIA SOCIAL O SUAS e o Plano Brasil Sem Miséria 1 Estrutura do SUAS no Plano Brasil Sem Miséria Secretarias Estaduais

Leia mais

POPULAÇÃO BRASILEIRA

POPULAÇÃO BRASILEIRA POPULAÇÃO BRASILEIRA É importante conhecer as características da população brasileira para o seu vestibular. Inicialmente vamos conhecer dois conceitos básicos para esse estudo: *População absoluta refere-se

Leia mais

Transferência de Renda no Brasil: Prestação Continuada. Tatiana Britto Senado Federal

Transferência de Renda no Brasil: Prestação Continuada. Tatiana Britto Senado Federal Transferência de Renda no Brasil: o Bolsa Família e o Benefício de Prestação Continuada Tatiana Britto Senado Federal Do que estamos tratando? Benefício de Prestação Continuada (BPC) Início: 1995 Público-alvo:

Leia mais

NFSP (% PIB) ' 8. indexador: dezembro (%) 9. produto potencial (% a.a.) 15. idade (%) 24. anual (%) 24

NFSP (% PIB) ' 8. indexador: dezembro (%) 9. produto potencial (% a.a.) 15. idade (%) 24. anual (%) 24 Sumário de tabelas TABELA 1.1 Taxas de crescimento - médias por período (% a.a.) 5 TABELA 1.2 Indicadores sociais 6 TABELA 1.3 Brasil - Dívida externa - fim de período (US$ bilhões) 7 TABELA 1.4 Necessidades

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Areado, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 282,6 km² IDHM 2010 0,727 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 13731 hab. Densidade demográfica

Leia mais

Mercado de Trabalho. O idoso brasileiro no. NOTA TÉCNICA Ana Amélia Camarano* 1- Introdução

Mercado de Trabalho. O idoso brasileiro no. NOTA TÉCNICA Ana Amélia Camarano* 1- Introdução NOTA TÉCNICA Ana Amélia Camarano* O idoso brasileiro no Mercado de Trabalho 30 1- Introdução A análise da participação do idoso nas atividades econômicas tem um caráter diferente das análises tradicionais

Leia mais

As avaliações sobre a evolução e o comportamento dos valores das

As avaliações sobre a evolução e o comportamento dos valores das Comentários dos resultados As avaliações sobre a evolução e o comportamento dos valores das despesas das famílias e da distribuição dessas despesas, segundo os diversos itens adquiridos ou pagos, possibilitam

Leia mais

Conjuntura - Saúde Suplementar

Conjuntura - Saúde Suplementar Conjuntura - Saúde Suplementar 25º Edição - Abril de 2014 SUMÁRIO Conjuntura - Saúde Suplementar Apresentação 3 Seção Especial 5 Nível de Atividade 8 Emprego 9 Emprego direto em planos de saúde 10 Renda

Leia mais

Lacunas tema ticas, diferenças conceituais e demandas

Lacunas tema ticas, diferenças conceituais e demandas Lacunas tema ticas, diferenças conceituais e demandas Após cada instituição produtora ter apontado as lacunas de informação em suas bases de dados, foi feito um segundo esforço para identificação de lacunas,

Leia mais

O Papel das Transferências Públicas na Queda Recente da Desigualdade de Renda Brasileira

O Papel das Transferências Públicas na Queda Recente da Desigualdade de Renda Brasileira capítulo 16 O Papel das Transferências Públicas na Queda Recente da Desigualdade de Renda Brasileira Ricardo Paes de Barros* Mirela de Carvalho* Samuel Franco* 1 INTRODUÇÃO * Os autores, pesquisadores

Leia mais

CONSEQÜÊNCIAS E CAUSAS IMEDIATAS DA QUEDA RECENTE DA DESIGUALDADE DE RENDA BRASILEIRA

CONSEQÜÊNCIAS E CAUSAS IMEDIATAS DA QUEDA RECENTE DA DESIGUALDADE DE RENDA BRASILEIRA CONSEQÜÊNCIAS E CAUSAS IMEDIATAS DA QUEDA RECENTE DA DESIGUALDADE DE RENDA BRASILEIRA 1. INTRODUÇÃO Ricardo Barros (IPEA) Mirela de Carvalho (IPEA) Samuel Franco (IPEA) Rosane Mendonça (UFF) A boa notícia

Leia mais

RESULTADOS DO ENEM 2014

RESULTADOS DO ENEM 2014 RESULTADOS DO ENEM 2014 Boletim IDados da Educação nº 2015-02 Dezembro 2015 RESULTADOS DO ENEM 2014 Boletim IDados da Educação Dezembro 2015 APRESENTAÇÃO O Boletim IDados da Educação é uma publicação do

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 07. Subvenção e Assistência Governamentais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 07. Subvenção e Assistência Governamentais COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 07 Subvenção e Assistência Governamentais Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 20 (IASB) Índice Item OBJETIVO E ALCANCE

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Botelhos, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 335,24 km² IDHM 2010 0,702 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 14920 hab. Densidade

Leia mais

CRESCIMENTO POPULACIONAL. Estágio-Docência: Camila Macêdo Medeiros

CRESCIMENTO POPULACIONAL. Estágio-Docência: Camila Macêdo Medeiros CRESCIMENTO POPULACIONAL Estágio-Docência: Camila Macêdo Medeiros O que é Crescimento Populacional? O crescimento populacional é a mudança positiva do número de indivíduos de uma população dividida por

Leia mais

JUSTIFICATIVA DA INICIATIVA

JUSTIFICATIVA DA INICIATIVA JUSTIFICATIVA DA INICIATIVA A relevância do projeto: O negro em destaque: As representações do negro na literatura brasileira se dá a partir das análises e percepções realizadas pelo coletivo cultural,

Leia mais

ipea políticas sociais acompanhamento e análise 7 ago. 2003 117 GASTOS SOCIAIS: FOCALIZAR VERSUS UNIVERSALIZAR José Márcio Camargo*

ipea políticas sociais acompanhamento e análise 7 ago. 2003 117 GASTOS SOCIAIS: FOCALIZAR VERSUS UNIVERSALIZAR José Márcio Camargo* GASTOS SOCIAIS: FOCALIZAR VERSUS UNIVERSALIZAR José Márcio Camargo* Como deve ser estruturada a política social de um país? A resposta a essa pergunta independe do grau de desenvolvimento do país, da porcentagem

Leia mais

PERFIL DAS PESSOAS E FAMÍLIAS NO CADASTRO ÚNICO EM CAMPINAS

PERFIL DAS PESSOAS E FAMÍLIAS NO CADASTRO ÚNICO EM CAMPINAS PERFIL DAS PESSOAS E FAMÍLIAS NO CADASTRO ÚNICO EM CAMPINAS VIGILÂNCIA SOCIOASSISTENCIAL Secretaria Municipal de Cidadania, Assistência e Inclusão Social Julho de 2015 Introdução O presente estudo visa

Leia mais

Principais tendências do mercado de trabalho da região metropolitana de Curitiba RMC 2003 a 2007 1

Principais tendências do mercado de trabalho da região metropolitana de Curitiba RMC 2003 a 2007 1 Principais tendências do mercado de trabalho da região metropolitana de Curitiba RMC 2003 a 2007 1 Eron José Maranho 2 À luz de alguns indicadores gerados pela Pesquisa Mensal de Emprego PME para o período

Leia mais

INFORMA DIEESE agosto/2008

INFORMA DIEESE agosto/2008 INFORMA DIEESE Nº. 74 AGOSTO/2008 1 INFORMA DIEESE agosto/2008 A INFLAÇÃO RECENTE E AS CAMPANHAS SALARIAIS A inflação voltou? Como ficam as campanhas salariais dos trabalhadores? Com o objetivo de discutir

Leia mais